Você está na página 1de 155

eDucAÇÃO A DiSTÂNciA

LiceN ciATuRA em

Matemática

MATEMÁTICA BÁSICA

Jocemar de Quadros Chagas Luciane Grossi Bombacini

pONTA gROSSA - pARANÁ

2009

cRÉDiTOS

cRÉDiTOS João Carlos Gomes Reitor Carlos Luciano Sant’ana Vargas Vice-Reitor Pró-Reitoria de Assuntos

João Carlos Gomes Reitor

Carlos Luciano Sant’ana Vargas Vice-Reitor

Pró-Reitoria de Assuntos Administrativos Ariangelo Hauer Dias - Pró-Reitor

Pró-Reitoria de Graduação Graciete Tozetto Góes - Pró-Reitor

Divisão de Educação a Distância e de Programas Especiais Maria Etelvina Madalozzo Ramos - Chefe

Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância Leide Mara Schmidt - Coordenadora Geral Cleide Aparecida Faria Rodrigues - Coordenadora Pedagógica

Sistema Universidade Aberta do Brasil Hermínia Regina Bugeste Marinho - Coordenadora Geral Cleide Aparecida Faria Rodrigues - Coordenadora Adjunta José Trobia - Coordenador de Curso Mary Ângela Teixeira Brandalise - Coordenadora de Tutoria

Colaborador Financeiro Luiz Antonio Martins Wosiak

Colaboradora de Planejamento Silviane Buss Tupich

Projeto Gráfico Anselmo Rodrigues de Andrade Júnior

Colaboradores em EAD Dênia Falcão de Bittencourt Jucimara Roesler

Colaboradores de Informática Carlos Alberto Volpi Carmen Silvia Simão Carneiro Adilson de Oliveira Pimenta Júnior Juscelino Izidoro de Oliveira Júnior Osvaldo Reis Júnior Kin Henrique Kurek Thiago Luiz Dimbarre Thiago Nobuaki Sugahara

Colaboradores de Publicação Elisabete Ferreira Silva - Revisão Edson Gil Santos Júnior - Diagramação Paulo Sérgio Schelesky - Ilustração

Colaboradores Operacionais Edson Luis Marchinski Joanice Kuster de Azevedo João Márcio Duran Inglêz Kelly Regina Camargo Mariná Holzmann Ribas

Todos os direitos reservados ao Ministério da Educação Sistema Universidade Aberta do Brasil

Ficha catalográfica elaborada pelo Setor de Processos Técnicos BICEN/UEPG.

C433m

Chagas, Jocemar de Quadros Matemática básica./ Jocemar de Quadros Chagas e Luciane Grossi Bombacini. Ponta Grossa : UEPG/NUTEAD, 2009. 155p. il.

Licenciatura em Matemática - Educação a Distância.

1. Conjuntos numéricos. 2. Operações numéricas. 3. Produ tos notáveis e expressões algébricas. 4. Equações de 1 e 2 graus. 5. Inequações. I. Bombacini, Luciane Grossi. II. T.

CDD : 510.7

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância - NUTEAD

Av. Gal. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Ponta Grossa - PR Tel.: (42) 3220-3163 www.nutead.uepg.br

2009

ApReSeNTAÇÃO iNSTiTuciONAL

ApReSeNTAÇÃO iNSTiTuciONAL

Prezado estudante

Inicialmente queremos dar-lhe as boas-vindas à nossa instituição e ao curso que escolheu. Agora, você é um acadêmico da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), uma renomada instituição de ensino superior que tem mais de cinqüenta anos de história no Estado do Paraná, e participa de um amplo sistema de formação superior criado pelo Ministério da Educação (MEC) em 2005, denominado Universidade Aberta do Brasil (UAB).

em 2005, denominado Universidade Aberta do Brasil (UAB). O Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) não

O Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) não propõe a criação de uma nova instituição de ensino superior, mas sim, a articulação das instituições públicas já existentes, possibilitando levar ensino superior público de qualidade aos municípios brasileiros que não possuem cursos de formação superior ou cujos cursos ofertados não são suficientes para atender a todos os cidadãos.

não são suficientes para atender a todos os cidadãos. Sensível à necessidade de democratizar, com qualidade,

Sensível à necessidade de democratizar, com qualidade, os cursos superiores em nosso país, a Universidade Estadual de Ponta Grossa participou do Edital de Seleção UAB nº 01/2006-SEED/MEC/2006/2007 e foi contemplada para desenvolver seis cursos de graduação e quatro cursos de pós-graduação na modalidade a distância. Isso se tornou possível graças à parceria estabelecida entre o MEC, a CAPES e as universidades brasileiras, bem como porque a UEPG, ao longo de sua trajetória, vem acumulando uma rica tradição de ensino, pesquisa e extensão e se destacando também na educação a distância. A UEPG é credenciada pelo MEC, conforme Portaria nº 652, de 16 de março de 2004, para ministrar cursos superiores (de graduação, seqüenciais, extensão e pós- graduação lato sensu) na modalidade a distância. Os nossos programas e cursos de EaD, apresentam elevado padrão de qualidade e têm contribuído, efetivamente, para a democratização do saber universitário, destacando- se o trabalho que desenvolvemos na formação inicial e continuada de professores. Este curso não será diferente dos demais, pois a qualidade é um compromisso da Instituição em todas as suas iniciativas. Os cursos que ofertamos, no Sistema UAB, utilizam metodologias, materiais e mídias próprios da educação a distância que, além de facilitarem o aprendizado, permitirão constante interação entre alunos, tutores, professores e coordenação. Este curso foi elaborado pensando na formação de um professor competente, no seu saber, no seu saber fazer e no seu fazer saber. Também foram contemplados aspectos éticos e políticos essenciais à formação dos profissionais da educação. Esperamos que você aproveite todos os recursos que oferecemos para facilitar o seu processo de aprendizagem e que tenha muito sucesso na trajetória que ora inicia. Mas, lembre-se: você não está sozinho nessa jornada, pois fará parte de uma ampla rede colaborativa e poderá interagir conosco sempre que desejar, acessando nossa Plataforma Virtual de Aprendizagem (MOODLE) ou utilizando as demais mídias disponíveis para nossos alunos e professores. Nossa equipe terá o maior prazer em atendê-lo, pois a sua aprendizagem é o nosso principal objetivo.

EQUIPE DA UAB/UEPG

Nossa equipe terá o maior prazer em atendê-lo, pois a sua aprendizagem é o nosso principal

SumÁRiO

S umÁRiO

PALAVRAS DOS PROFESSORES

7

OBJETIVOS E EMENTA

9

cONjuNTOS NumÉRicOS

11

SEÇÃO 1- CONjUNTOS

13

SEÇÃO

2-

CONjUNTOS NUMérICOS

19

SEÇÃO 3- CONjUNTO DOS NúMErOS rEAIS – AxIOMAS E PrOPrIEDADES

21

SEÇÃO 4- DESIGUALDADES

23

SEÇÃO 5- INTErVALOS

25

SEÇÃO 6- MóDULOS

26

OpeRAÇõeS NumÉRicAS

33

SEÇÃO 1-

ADIçãO E SUBTrAçãO

35

MULTIPLICAçãO E DIVISãO

SEÇÃO

2-

37

OPErAçõES NUMérICAS COM frAçõES

SEÇÃO

3-

41

POTENCIAçãO, rADICIAçãO E LOGArITMAçãO

SEÇÃO

4-

48

ExPrESSõES NUMérICAS

SEÇÃO

5-

50

pRODuTOS NOTÁveiS e expReSSõeS ALgÉbRicAS 55

SEÇÃO 1- ExPrESSõES ALGéBrICAS

SEÇÃO

SEÇÃO

2-

3-

MONôMIOS E POLINôMIOS OPErAçõES COM MONôMIOS E POLINôMIOS

SEÇÃO 4- PrODUTOS NOTáVEIS

56

59

62

67

fATOrAçãO DE ExPrESSõES ALGéBrICAS

SEÇÃO

5-

72

frAçõES ALGéBrICAS

SEÇÃO

6-

77

equAÇõeS De 1º e 2º gRAuS e SiSTemA De equAÇõeS 83

SEÇÃO 1-

EQUAçõES DE 1º GrAU

85

SISTEMAS DE EQUAçõES DE 1º GrAU

SEÇÃO

2-

87

EQUAçõES DO 2º GrAU

SEÇÃO

3-

91

SITUAçõES-PrOBLEMA ENVOLVENDO EQUAçõES

SEÇÃO

4-

96

iNequAÇõeS

105

SEÇÃO 1-

INEQUAçõES DE 1º GrAU

107

SEÇÃO 2- TIPOS DE INEQUAçõES: SIMULTâNEA, PrODUTO E QUOCIENTE

110

INEQUAçõES DE 2º GrAU

SEÇÃO

3-

116

SITUAçõES-PrOBLEMA ENVOLVENDO INEQUAçõES

SEÇÃO

4-

118

pOTeNciAÇÃO e SuAS OpeRAÇõeS iNveRSAS

SEÇÃO 1- POTENCIAçãO

SEÇÃO 2- EQUAçõES ExPONENCIAIS SEÇÃO 3- rADICIAçãO E LOGArITMAçãO

SEÇÃO 4- EQUAçõES LOGAríTMICAS

123

124

127

129

135

PALAVRAS FINAIS

141

REFERÊNCIAS

143

NOTAS SOBRE OS AUTORES

145

RESPOSTAS DAS ATIVIDADES PROPOSTAS

146

pALAvRAS DOS pROFeSSOReS

pALAvRAS DOS pROFeSSOReS

Caro(a) aluno(a):

Você está iniciando uma nova fase em sua vida. Afinal, não é todo

dia que se começa um curso de Licenciatura em Matemática. Esta será

uma fase de aprendizados, estudos, desafios

virão, alguns domingos serão sacrificados em benefício do estudo. Em compensação, em outras noites você vai poder dormir com a sensação do dever cumprido e, em outros dias, poderá comemorar as etapas concluídas.

é, a vida de estudante também proporciona alegrias e satisfações!

Algumas noites sem dormir

Para que você consiga fazer um excelente curso, será preciso

muita dedicação, muita coragem. Serão horas de estudo

delas você estará sozinho. Você e seu material. Por isso este livro é tão importante. Ele será seu apoio nas horas de estudo. Será seu amigo, seu colega e seu guia.

Em boa parte

Dedique-se ao máximo a esta disciplina. Através dela, você irá relembrar (ou mesmo aprender) e fixar vários aspectos da matemática básica que lhe serão muito úteis e necessários ao longo de todo o curso e também de sua vida profissional, como professor.

Estude! Divirta-se! Trabalhe! Sonhe! Você está na Universidade.

Boa sorte nesta sua nova jornada!

jocemar de Quadros Chagas Luciane Grossi Bombacini

ObjeTivOS e emeNTA

ObjeTivOS e emeNTA

Prezado(a) acadêmico(a)

O processo de ensino e aprendizagem no ensino a distância da UAB/ UEPG conta com instrumentos que se interligam e se complementam. Um desses instrumentos é este livro. Durante o curso, você terá acesso ao Espaço Virtual de Aprendizagem – EVA, no qual outras atividades e exercícios estarão à sua espera, e irá também realizar processos de avaliação. Sempre que tiver dúvidas, recorra a seu professor tutor, que irá assessorá-lo no que for preciso. Este livro está dividido em unidades, e estas em seções. Você deve estudar unidade por unidade, só seguindo adiante quando se sentir seguro com o que aprendeu.

ObjetivOs

Pretende-se, com este livro, contribuir para que você atinja os seguintes objetivos:

Relembrar os principais conjuntos numéricos e os símbolos mais utilizados no estudo da matemática.

Identificar, fatorar e desenvolver operações matemáticas com expressões numéricas e algébricas.

Identificar, modelar e resolver problemas de equações e inequações de primeiro e de segundo graus.

Identificar e resolver equações exponenciais e logarítmicas.

ementa

Conjuntos numéricos. Operações numéricas. Equações do 1º grau. Equações

do 2º grau. Sistemas de equações. Inequações do 1º e do 2º grau. Produtos notáveis e fatoração. Expressões algébricas. Propriedades das potências. Equação exponencial. Propriedades dos logaritmos. Equação logarítmica.

conjuntos numéricos

ObjetivOs De aPRenDiZaGem

Relembrar os principais conjuntos numéricos e conhecer os símbolos mais

utilizados no estudo da matemática.

os símbolos mais utilizados no estudo da matemática. ■ Compreender o princípio da boa ordenação dos
os símbolos mais utilizados no estudo da matemática. ■ Compreender o princípio da boa ordenação dos
os símbolos mais utilizados no estudo da matemática. ■ Compreender o princípio da boa ordenação dos
os símbolos mais utilizados no estudo da matemática. ■ Compreender o princípio da boa ordenação dos
os símbolos mais utilizados no estudo da matemática. ■ Compreender o princípio da boa ordenação dos
os símbolos mais utilizados no estudo da matemática. ■ Compreender o princípio da boa ordenação dos
os símbolos mais utilizados no estudo da matemática. ■ Compreender o princípio da boa ordenação dos
os símbolos mais utilizados no estudo da matemática. ■ Compreender o princípio da boa ordenação dos

Compreender o princípio da boa ordenação dos números reais.

ROteiRO De estUDOs

SEÇÃO 1 - Conjuntos

SEÇÃO 2 - Conjuntos numéricos

SEÇÃO 3 - Conjunto dos números reais – axiomas e propriedades

SEÇÃO 4 - Desigualdades

SEÇÃO 5 - Intervalos

SEÇÃO 6 - Módulos

Universidade Aberta do Brasil

pARA iNÍciO De cONveRSA

Universidade Aberta do Brasil pARA iNÍciO De cONveRSA O objetivo deste curso de Matemática Básica é

O objetivo deste curso de Matemática Básica é possibilitar que você relembre os conceitos básicos de matemática, necessários para que você possa avançar em seus estudos. Nesse sentido, nesta primeira unidade, você encontrará noções de conjuntos, irá rever os principais conjuntos numéricos e algumas propriedades do principal deles: o conjunto dos números reais. Como um conselho inicial, sugerimos que você apenas avance para outras unidades quando já tiver lido toda esta primeira unidade, e tirado quaisquer dúvidas que porventura tiver com seu tutor. Bom estudo!

dúvidas que porventura tiver com seu tutor. Bom estudo! A idéia de número está ligada ao
dúvidas que porventura tiver com seu tutor. Bom estudo! A idéia de número está ligada ao

A idéia de número está ligada ao desenvolvimento da humanidade. De fato, os primeiros números, os números de contagem (por nós conhecidos como Números Naturais), surgiram com o desenvolvimento de atividades humanas. Quando o homem passou a fixar-se em determinados locais para se dedicar à agricultura e à criação de animais, houve a necessidade de criar mecanismos para identificar, por exemplo, a passagem das luas ou a quantidade de animais de um rebanho. E o mecanismo criado para isso foi o da correspondência biunívoca. Por exemplo, a cada troca de lua era feita uma marca num osso ou numa parede de caverna; a cada animal do rebanho era colocada uma pedrinha num saco. Assim, por meio da correspondência, podiam-se fazer contagens corretas de grandes quantidades, já que o ser humano possui apenas habilidade para distinguir pequenas quantidades numa rápida olhada. Esse é o motivo que explica por que, quando contamos, fazemos isso agrupando em pequenos grupos de 2, 3 ou no máximo 4 unidades. Com o passar do tempo surgiram palavras e símbolos para representar as quantidades antes identificadas apenas pela comparação direta. Esse foi o primeiro passo para o desenvolvimento do que hoje conhecemos por matemática. A criação de um símbolo para representar o “nada”, ou seja, o zero, surgiu como uma resposta a uma necessidade da numeração escrita. Por exemplo, como diferenciar os números 403 (quatro centenas e três unidades) e 43 (quatro dezenas e três unidades)? Além de responder a essa questão, o conceito do zero também serviu para facilitar as operações numéricas (imagine como seria efetuar uma multiplicação ou divisão usando algarismos romanos).

Alguns animais possuem também a capacidade de reconhecer pequenas quantidades que vão de um até três ou quatro unidades. Como curiosidade, leia a história “O Corvo que Sabia Contar”.

12

UNIDADE 1

Matemática Básica

Surgiram também, sempre para solucionar problemas da humanidade, os números negativos, os racionais e também os irracionais.

Nesta unidade você vai estudar cada um desses conjuntos numéricos.

O Corvo Que Sabia Contar (Autor desconhecido) Um fazendeiro estava querendo capturar um corvo que fez um ninho numa torre de sua propriedade. Por diversas vezes tentou surpreender o pássaro, mas em vão: quando o homem se aproximava, o corvo saia voando, pousava em uma árvore distante, e só voltava ao ninho quando o homem saia da torre. Um dia, o fazendeiro bolou uma tática: dois homens entraram na torre, um ficou lá dentro e o outro saiu. Mas o corvo não voltou ao ninho enquanto o segundo homem estava escondido lá dentro. Assim que o segundo homem saiu, o corvo voltou. A tática foi repetida nos dias seguintes, com três e quatro homens, sempre com o mesmo resultado: o corvo só voltava ao ninho quando todos os homens saíam da torre. Até que foram utilizados cinco homens. Quando o quarto homem saiu da torre, o corvo perdeu as contas. Voltou ao ninho e foi apanhado pelo quinto homem.

SeÇÃO 1

cONjuNTOS

A idéia de conjunto é simples: um conjunto é uma coleção de objetos, que são seus elementos. As noções de conjunto e de elemento são idéias primitivas em matemática (ou seja, não são definidas).

Formas de representar um conjunto

), e os elementos

(quando forem genéricos) com letras minúsculas (a, b, c Pode-se descrever um conjunto citando um a um seus elementos ou apresentando uma característica comum a eles. Por exemplo: com a letra maiúscula A pode-se nomear o conjunto cujos elementos são as letras minúsculas a, b e c. A representação desse conjunto por

Os conjuntos são nomeados com letras maiúsculas (A, B, C

13

UNIDADE 1

Universidade Aberta do Brasil

John Venn, 1843-1923, matemático e lógico inglês.

enumeração é a seguinte:

A = { a, b, c } Outra representação possível é colocar os elementos no interior de uma linha fechada simples. Nesse caso, temos a representação do conjunto A através de um diagrama de Venn.

do conjunto A através de um diagrama de Venn . Diagrama de Venn. Outro exemplo: considere

Diagrama de Venn.

Outro exemplo: considere o conjunto B formado por todos os números múltiplos de 3. Esse conjunto pode ser representado por descrição, da seguinte forma:

B = { x | x é múltiplo de 3 }.

A barra ( | ) tem o significado “tal que” e a leitura da “frase”completa é “B é o conjunto formado por todos os números x tais que x é múltiplo de 3”.

Você também pode representar o conjunto B por enumeração:

B = { 3, 6, 9, 12, 15

}.

As reticências servem para indicar que o conjunto “não tem fim”. De fato, esse é um conjunto infinito (tem infinitos elementos).

Às vezes, usam-se reticências também em conjuntos finitos (que têm um

número finito de elementos), quando se quer representar o conjunto por enumeração e tal conjunto tem um número muito grande de elementos. Por exemplo:

14

UNIDADE 1

C = { 1, 2, 3, 4, 5,

, 99, 100 }

Matemática Básica

Matemática Básica Fique atento: existem também conjuntos unitários (que têm um só elemento), como, por exemplo:

Fique atento: existem também conjuntos unitários (que têm um só elemento), como, por exemplo:

D = {5},

e conjuntos vazios (que não têm nenhum elemento), por exemplo:

E = {

}

ou

F = Ø.

Essas são as duas formas de representar conjuntos vazios, sendo que a segunda

é a mais usada.

Elementos e conjuntos

Para indicar que um elemento a pertence a um conjunto A, você deve usar o símbolo (pertence), da seguinte forma:

a A

(lê-se: o elemento a pertence ao conjunto A);

Se um elemento b não pertence a um conjunto A, usa-se o símbolo ∉ (não
Se um elemento b não pertence a um conjunto A, usa-se o símbolo ∉ (não
pertence), da seguinte forma: b ∉ A.
Seja A = {1, 2, 3, 4, 5}. Então
3 ∈ A
e
6 ∉ A
Considere o conjunto
D = {7}. Escreve-
se, então, 7 ∈ D.
Atenção: não é
Dois conjuntos A e B são iguais somente quando os dois conjuntos, A e B, têm
exatamente os mesmos elementos.
correto escrever
7 = {7} ou 7 = D, já
que D é um conjunto
unitário, e 7 é um
elemento (o único) do
conjunto D.
A = {2, 3},
B = {3,2}
e
C = {2, 2, 3, 3, 3, 3, 2}

Neste caso, todos os conjuntos têm somente os elementos 2 e 3 (embora os conjuntos A e B tenham seus elementos invertidos e no conjunto C apareçam várias vezes os mesmos elementos). Logo, o conjunto A é igual ao conjunto B e ao conjunto C, ou seja, A = B = C.

Universidade Aberta do Brasil

Quando dois conjuntos A e B são diferentes, escreve-se A B.

conjuntos A e B são diferentes, escreve-se A ≠ B . Você saberia dizer se está

Você saberia dizer se está correto escrever Ø {Ø}?

Você saberia dizer se está correto escrever Ø ≠ {Ø}? Subconjuntos Um conjunto A está contido

Subconjuntos

Um conjunto A está contido num conjunto B se todo elemento de A estiver também em B. Se isso ocorrer, então A é subconjunto de B, e escreve-se:

A B (A está contido em B)

de B , e escreve-se: A ⊂ B ( A está contido em B ) e

e

B = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}

A = {2, 4, 6, 8}

Neste caso, todos os elementos de A também estão em B. Então, é correto dizer que A está contido em B (ou que B contém A) e escrever A B (ou B A).

B contém A ) e escrever A ⊂ B (ou B ⊃ A ). e D
B contém A ) e escrever A ⊂ B (ou B ⊃ A ). e D

e

D = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}

C = {2, 4, 6, 8, 10}

Neste caso, C não está contido em D, pois o elemento 10 está em C e não está em D (ou seja, 10 C, mas 10 D). Quando isso ocorre, escreve-se C D.

10 ∉ D ). Quando isso ocorre, escreve-se C ⊄ D . União e intersecção de

União e intersecção de conjuntos

Dados dois conjuntos A e B, pode-se construir com eles outros conjuntos. Duas dessas construções muito usadas são a união e a intersecção de conjuntos.

16

UNIDADE 1

Matemática Básica

A união de dois conjuntos A e B é o conjunto formado por todos os elementos que pertencem a A ou que pertencem a B. Denota-se por AB. Ou seja:

A B = {x | x A ou x B}

A = {1, 2, 3 } e B = {3, 4, 5, 6, 7}
A = {1, 2, 3 }
e
B = {3, 4, 5, 6, 7}

Neste caso, A B = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7}

4, 5, 6, 7} Neste caso, A ∪ B = {1, 2, 3, 4, 5, 6,

A intersecção de dois conjuntos A e B é o conjunto formado por todos os elementos que pertencem, ao mesmo tempo, a A e a B. Denota-se por A B. Ou seja:

A B = {x | x A e x B}

A = {1, 2, 3 } e B = {3, 4, 5, 6, 7}
A = {1, 2, 3 }
e
B = {3, 4, 5, 6, 7}

Neste caso, A B = {3}

2, 3 } e B = {3, 4, 5, 6, 7} Neste caso, A ∩ B

Observação: dois conjuntos A e B são ditos disjuntos se não têm nenhum elemento em comum. Neste caso, escreve-se A B = Ø.

Complementar e diferença

Dado um conjunto A contido num conjunto universo U, chama-se complementar de A ao conjunto dos elementos de U que não estão em A, e escreve-se CA ou C A .

17

UNIDADE 1

Universidade Aberta do Brasil

Universidade Aberta do Brasil U = { x | x é letra do nosso alfabeto} e

U = {x | x é letra do nosso alfabeto}

e

A = {x | x é vogal}

Neste caso, o conjunto universo é o conjunto das letras de nosso alfabeto, e o complementar de A é o conjunto CA = {x | x é consoante}.

Dados dois conjuntos A e B, contidos em um conjunto universo U, chama-se diferença entre B e A, e escreve-se B A, ao conjunto dos elementos que pertencem a B e não pertencem a A. Simbolicamente, temos:

B A = {x U | x B e x A}

A = {1, 2, 3} e B = {1, 2, 3, 4, 5, 6}
A = {1, 2, 3}
e
B = {1, 2, 3, 4, 5, 6}

Neste caso, B A = {4, 5, 6}

B = {1, 2, 3, 4, 5, 6} Neste caso, B – A = {4, 5,
B = {1, 2, 3, 4, 5, 6} Neste caso, B – A = {4, 5,

A = {1, 2, 3} e B = {3, 4, 5, 6}

Neste caso, B A = {4, 5, 6}

Esse último exemplo mostra que, mesmo se A contiver elementos que não estão em B, fazem parte do conjunto diferença B A apenas os elementos que estão em B e não estão em A.

Outros símbolos

Além dos símbolos vistos acima, existem outros de ampla utilização em um texto matemático. Abaixo, você vai ver alguns deles, e algumas das “frases matemáticas” que podem ser obtidas com sua utilização:

18

UNIDADE 1

Matemática Básica

– para qualquer (ou para todo)

– existe

! – existe um único

x A – para qualquer x pertencente a A

x A – existe x pertencente a A

x

| x A – x tal que x pertence a A

entre outras formulações.

SeÇÃO 2

cONjuNTOS NumÉRicOS

Nesta seção você vai conhecer os principais conjuntos numéricos com os quais irá trabalhar durante o curso, e suas respectivas notações.

Conjuntodos números naturais

São os primeiros números conhecidos, também chamados de números de

contagem. Representa-se o conjunto dos números naturais pelo símbolo N, isto é:

N = {0,1,2,3,4,5,6,

}

Você nunca deve continuar a leitura de um texto matemático sem saber o que os símbolos representam. Em caso de dúvida, pergunte ao seu tutor o que significa cada símbolo, e também o significado da “frase” completa.

Se o zero não for considerado nesse conjunto, tem-se então o conjunto dos números naturais não nulos, que é indicado pelo símbolo N*, isto é:

N* = {1,2,3,4,5,6,

}

Conjunto dos números inteiros

Os números -1, -2, -3,

, -3, -2, -1) são

chamados de inteiros negativos. A união dos números naturais com os inteiros

negativos resulta no conjunto dos números inteiros, que é denotado por Z, isto é:

(ou, em uma notação melhor:

Z = {

,-3,-2,-1,0,1,2,3,

}

Observações:

O símbolo * é usado para retirar o zero de qualquer conjunto numérico. Assim,

Z* significa o conjunto dos inteiros sem o zero, ou seja:

Z* = {

,-3,-2,-1,1,2,3,

}

19

UNIDADE 1

Universidade Aberta do Brasil

O símbolo + é utilizado para indicar apenas os números não negativos. Assim, Z + significa o conjunto dos inteiros não negativos, ou seja:

Z + = {0,1,2,3,

}

A

combinação dos símbolos * e + resulta no seguinte conjunto:

Z * + = {1,2,3,

}

O

símbolo – é usado para indicar apenas os números não positivos. Assim:

Z

= {

,-3,-2,-1,0}

e

Z *

= {

,-3,-2,-1}

Conjuntodos números racionais

e Z * − = { ,-3,-2,-1} Conjuntodos números racionais Os números que podem ser escritos

Os números que podem ser escritos da forma m n , com m, n Z são chamados de frações, e formam o conjunto dos números racionais, que é denotado por Q, isto é:

dos números racionais , que é denotado por Q, isto é: Q = { x |

Q = {x | x = m n ; m, n Z, n 0} (lê-se: o conjunto dos racionais é formado por todos os números x tais que x pode ser escrito como o quociente entre m e n, onde m e n são números inteiros, com n diferente de zero)

Conjuntodos números irracionais

com n diferente de zero ) Conjuntodos números irracionais Existem números que não podem ser representados

Existem números que não podem ser representados na forma m n , com m, n Z e

n 0, como, por exemplo, os números

Esses números formam o conjunto dos números irracionais, que é denotado por I.

dos números irracionais , que é denotado por I . 2 = 1,414 , π =

2 = 1,414

, π = 3,1415

, e = 2,71, entre outros.

I . 2 = 1,414 , π = 3,1415 , e = 2,71, entre outros. Foi

Foi o matemático alemão Richard Dedekind (1831-1916) quem esclareceu completamente o conceito de número irracional, desfazendo uma dificuldade que os matemáticos enfrentavam desde a época de Pitágoras.

os matemáticos enfrentavam desde a época de Pitágoras. Adiferença básica entre os números racionais e

Adiferença básica entre os números racionais e irracionais, no que diz respeito à sua representação decimal, é a seguinte: todo número irracional tem notação decimal infinita e não periódica, ou seja: em um número irracional, depois da vírgula, não há algarismo ou grupo de algarismos que se repitam periodicamente.

20

UNIDADE 1

Matemática Básica

Matemática Básica Nessa representação, as reticências são usadas para indicar que a notação decimal do número

Nessa representação, as

reticências são usadas para indicar que a notação decimal do número pi é infinita e não periódica. Só por curiosidade, você faz idéia de quantas casas depois da vírgula são conhecidas com certeza do valor de pi? E o que significa esse número?

Observe o número irracional pi: π = 3,14159

Conjuntodos números reais

Finalmente, a união do conjunto dos números racionais com o conjunto dos números irracionais forma o conjunto dos números reais, que é denotado por R, isto é:

R = Q I

Observação: uma relação de inclusão importante entre os conjuntos de números estudados é a seguinte:

N

Z

Q R

(N está contido em Z, que está contido em Q, que está contido em R.)

SeÇÃO 3

cONjuNTO DOS NúmeROS ReAiS – AxiOmAS e pROpRieDADeS

Nesta seção você verá os axiomas e propriedades que tornam os números reais um conjunto “bom” de se trabalhar. Nesse conjunto, as operações básicas da álgebra são fechadas, o que significa que, sempre que você operar com dois números reais, o resultado será também um número real.

Axiomática dos números reais

No conjunto dos números reais existem duas operações, chamadas adição e multiplicação, que satisfazem os axiomas abaixo:

1. Fechamento Se a, b R, existe um e apenas um número real denotado por a + b, chamado soma, e existe um e apenas um número real denotado por ab (ou a.b ou a x b), chamado produto.

21

UNIDADE 1

Universidade Aberta do Brasil

2. Comutatividade

Se a, b, c R, então

3. Associatividade

Se a, b, c R, então

4. Distributividade

Se a, b, c R, então

a + b = b + a

e

ab = ba

a + (b + c) = (a + b) + c

e

a (b + c) = ab + ac

a(bc) = (ab)c

5. Existência de elementos neutros

Para qualquer a R, existe 0 R tal que a + 0 = a (elemento neutro da adição); e existe 1 R tal que a.1 = a (elemento neutro da multiplicação).

Axioma é um fato matemático aceito sem demonstração. Os axiomas são o ponto de partida de qualquer teoria matemática; é com a sua utilização que outros fatos matemáticos (lemas, proposições e teoremas) são demonstrados.

22

UNIDADE 1

6. Existência de simétricos

Todo elemento a R tem um simétrico, denotado por –a, tal que a + (–a) = 0.

7. Existência de inversos

Todo elemento a R tem um inverso, denotado por

1

a

, tal que a.

1

a

   = 1.

Usando os axiomas 6 e 7 acima, podemos definir a subtração e a divisão de números reais:

* Subtração: se a, b R, a diferença entre a e b, denotada por a b, é definida

por

a b = a + (–b)

* Divisão: se a, b R e a 0, o quociente entre b e a é definido por

b

a

= b .

 

1

a

 

Matemática Básica

SeÇÃO 4

DeSiguALDADeS

Nesta seção irá aparecer o conceito de ordem, que permitirá a você dizer quando um número real é maior ou menor que outro. Em outras palavras, esta seção irá lhe apresentar a boa ordenação dos números reais.

Axioma de ordem

Em R, existe um subconjunto denominado de números positivos, tal que:

(i)

Se a R, ocorre uma e apenas uma das três afirmações abaixo:

a = 0;

a é positivo;

- a é positivo.

(ii)

A soma de dois números positivos é um número positivo.

(iii) O produto de dois números positivos é um número positivo.

Definição: o número real a é negativo se, e somente se, – a é positivo

Desigualdades

Os símbolos < (menor que) e > (maior que) são definidos da seguinte forma:

(i)

a < b

b a é positivo;

(ii)

a > b

a b é positivo.

Os símbolos (menor ou igual que) e (maior ou igual que) são definidos da seguinte forma:

(i)

a b

b a é positivo ou a = b;

(ii)

a b

a b é positivo ou a = b.

a ≥ b ⇔ a – b é positivo ou a = b . Expressões envolvendo

Expressões envolvendo os símbolos definidos acima são chamadas de desigualdades: a < b e a > b são desigualdades estritas, enquanto a b e a b são desigualdades não estritas.

b são desigualdades estritas , enquanto a ≤ b e a ≥ b são desigualdades não

23

UNIDADE 1

Universidade Aberta do Brasil

Propriedades das desigualdades

Sejam a, b, c, d R. Então:

(i) se a > b e b > c, então a > c;

(ii)

se a > b e c > 0, então ac > bc;

(iii)

se a > b e c < 0, então ac < bc;

(iv)

se a > b, então a + c > b + c, para todo real c;

(v)

se a > b e c > d, então a + c > b + d;

(vi)

se a > b > 0 e c > d > 0, então ac > bd.

b > 0 e c > d > 0, então ac > bd . Se você

Se você tiver dificuldades para entender essas propriedades, faça uma comprovação numérica. Escolha números que satisfaçam a hipótese e verifique a conclusão.

que satisfaçam a hipótese e verifique a conclusão. Na propriedade (iii) podemos escolher a = 5,
que satisfaçam a hipótese e verifique a conclusão. Na propriedade (iii) podemos escolher a = 5,

Na propriedade (iii) podemos escolher a = 5, b = 3 e c = –2. Assim, teremos:

5 . (–2) = –10

O fato –10 < –6, significa que

5 . (–2)

e

3 . (–2) = –6.

<

3 . (–2)

(ou seja, ac < bc)

. (–2) = –6. < 3 . (–2) (ou seja, ac < bc ) Essas comprovações
. (–2) = –6. < 3 . (–2) (ou seja, ac < bc ) Essas comprovações

Essas comprovações numéricas servem apenas para que você entenda as propriedades com mais facilidade. Elas não servem como provas das propriedades.

facilidade. Elas não servem como provas das propriedades. As provas das propriedades podem ser feitas usando-se

As provas das propriedades podem ser feitas usando-se as definições anteriores.

24

UNIDADE 1

Matemática Básica

Matemática Básica Prova da propriedade (i): (se a > b e b > c , então
Matemática Básica Prova da propriedade (i): (se a > b e b > c , então

Prova da propriedade (i): (se a > b e b > c, então a > c) Se a > b (a b) > 0 (pela definição) Se b > c (b c) > 0 (pela definição) Usando a parte (ii) do axioma de ordem, temos (a b) + (b c) > 0

a c > 0

a > c (pela definição)

a – c > 0 ⇒ a > c (pela definição) □ SeÇÃO 5 iNTeRvALOS Intervalos

SeÇÃO 5

iNTeRvALOS

a > c (pela definição) □ SeÇÃO 5 iNTeRvALOS Intervalos são conjuntos infinitos de números reais.

Intervalos são conjuntos infinitos de números reais. Nesse estudo, você usará as seguintes notações para representar e identificar os intervalos:

* Intervalo aberto: {x | a < x < b}. Denota-se por (a,b) ou por ]a,b[.

x < b }. Denota-se por ( a , b ) ou por ] a ,

* Intervalo fechado: {x | a x b}. Denota-se por [a,b].

{ x | a ≤ x ≤ b }. Denota-se por [ a , b ].

* Intervalo aberto à esquerda e fechado à direita: {x | a < x b}. Denota-se por (a,b] ou por ]a,b].

x ≤ b }. Denota-se por ( a , b ] ou por ] a ,

* Intervalo fechado à esquerda e aberto à direita: {x | a x < b}. Denota-se por [a,b) ou por [a,b[.

à esquerda e aberto à direita: { x | a ≤ x < b }. Denota-se

25

UNIDADE 1

Universidade Aberta do Brasil

* Intervalos infinitos (ou intervalos não limitados): são os intervalos dos tipos

mostrados abaixo:

{x R | x > a}; denota-se por (a, + ) ou ]a, + [

{x R | x a}; denota-se por [a, + ) ou [a, + [

{x R | x b}; denota-se por (- ,b] ou ]- ,b]

{x R | x < b}; denota-se por (- , b) ou ]- ,b[

< b }; denota-se por (- ∞ , b ) ou ]- ∞ , b [

SeÇÃO 6

móDuLOS

por (- ∞ , b ) ou ]- ∞ , b [ SeÇÃO 6 móDuLOS O

O módulo (ou valor absoluto) de um número real x é definido e representado por:

|

x

|

=

x

,

0,

se

se x

x >

=

x

,

se x

0

0

<

0

O módulo (ou valor absoluto) de um número real x é sempre não negativo.

Geometricamente, o valor absoluto de um número real x é sua distância do ponto de

origem, independente de sua direção.

o valor absoluto de um número real x é sua distância do ponto de origem, independente
o valor absoluto de um número real x é sua distância do ponto de origem, independente

26

UNIDADE 1

Matemática Básica

|6 – 1| = |5| = 5, e |1 – 6| = |–5| = |5|
|6 – 1| = |5| = 5,
e
|1 – 6| = |–5| = |5| = 5.

Neste exemplo, |6 1| e |1 6| é a distância entre 1 e 6, sem a preocupação

com qual dos números é maior.

Propriedades do módulo

Sejam x e y dois números reais. Então:

(i) |x| 0,

sendo que

|x| = 0 x = 0;

(ii)

|x| x;

(iii)

|-x| = |x|;

(iv)

|x| 2 = x 2 e |x| =

2
2

(x ) (aqui, interessa apenas a raiz positiva);

(v)

|xy| = |x|.|y|;

(vi)

|x + y| |x| + |y|

(desigualdade triangular);

(vii) |x – y| |x| - |y|;

(viii) |x + y| |x| - |y|;

(ix)

|x – y| |x| + |y|;

 

(x)

x | x | = y | y |
x
|
x
|
=
y
|
y
|

, se y

0;

(xi)

Seja a um número real positivo. Então

||

|| x

|| x

|| x

x

 


<

a

se

e somente se

−<<

a

x

a

;

a

,

,

se

,

,

e somente se

,

,

−≤≤

a

x

a

;

>

a

,

se

,

e somente se

,

x

>

a ou

x

<−

a

;

a

,

se

,

e somente se

,

x

a ou

x

≤−

a

.

27

UNIDADE 1

Universidade Aberta do Brasil

Universidade Aberta do Brasil Na propriedade (vi) podemos escolher x = 5 e y = 2.

Na propriedade (vi) podemos escolher x = 5 e y = 2. Assim, teremos:

|5 + 2|

Ou seja, temos a igualdade |5 + 2| = |5| + |2|

Se, na mesma propriedade (vi) escolhermos x = –5 e y = 2, teremos:

|–5

Ou seja, temos a desigualdade estrita |–5 + 2| < |5| + |2|. Por isso, falamos que |x + y| |x| + |y|

= | 7 | = 7

e

|5| + |2| = 5 + 2 = 7.

+ 2|

= | – 3 | = 3

e

|–5| + |2| = 5 + 2 = 7.

5 + 2 = 7. + 2| = | – 3 | = 3 e |–5|

Ressaltamos que essa comprovação numérica serve apenas para que você entenda as propriedades com mais facilidade. Elas não servem como provas das propriedades. Você pode também escolher números para as variáveis x e y e verificar as demais propriedades.

as variáveis x e y e verificar as demais propriedades. Nesta unidade, você teve contato com
as variáveis x e y e verificar as demais propriedades. Nesta unidade, você teve contato com

Nesta unidade, você teve contato com noções e símbolos da Teoria dos Conjuntos, visualizou conjuntos numéricos que irá utilizar durante o curso, e viu definições e axiomas dos números reais, bem como teve as noções de intervalo de números reais e de módulo de um número real. Agora é hora de rever alguns desses conceitos.

28

UNIDADE 1

Matemática Básica

Símbolos da Teoria dos Conjuntos

(pertence),

(não pertence),

(está contido),

(não está contido),

(união),

(interseção).

Conjunto dos números naturais:

N = {0,1,2,3,4,5,6,

}

Conjunto dos números inteiros: Z = { ,-3,-2,-1,0,1,2,3, } Conjunto dos números racionais: Q =
Conjunto dos números inteiros: Z = {
,-3,-2,-1,0,1,2,3,
}
Conjunto dos números racionais: Q = {x | x = m n ; m, n ∈ Z, n ≠ 0}
números racionais: Q = {x | x = m n ; m, n ∈ Z, n

Conjunto dos números irracionais: I = { x | x não pode ser escrito como m n ,

com m, n Z e n 0}

Conjunto dos números reais: R = Q I

Axiomática dos números reais: no conjunto dos números reais existem duas

operações, chamadas adição e multiplicação, que satisfazem a um grupo de sete

axiomas.

As expressões a < b; a > b; a b e a b são chamados de desigualdades: a < b e

a > b são desigualdades estritas, enquanto a b e a b são desigualdades não estritas.

Intervalos são conjuntos infinitos de números reais. Tipos de intervalos:

* Intervalo aberto: {x | a < x < b}. Denota-se por (a,b) ou por ]a,b[.

* Intervalo fechado: {x | a x b}. Denota-se por [a,b].

* Intervalo aberto à esquerda e fechado à direita: {x | a < x b}. Denota-se por (a,b].

* Intervalo fechado à esquerda e aberto à direita: {x | a x < b}. Denota-se por [a,b). * Intervalos infinitos (ou intervalos não limitados).

O módulo (ou valor absoluto) de um número real x é definido e representado por:

|

x |

=

x >

 =

x

,

se

0,

se

x

x

,

se

 −

x

0

0

<

0

29

UNIDADE 1

Universidade Aberta do Brasil

30

UNIDADE 1

Universidade Aberta do Brasil 30 UNIDADE 1 1) Considere os conjuntos U = N; A =

1) Considere os conjuntos U = N; A = {1, 2, 3, 4}; B = {1, 3, 5, 7} e

C = {2, 4, 6, 8} e escreva os conjuntos que se pede.

a)

A B =

b)

A C =

c)

B A =

d)

C B =

e)

CA =

2)

Represente sobre a reta real cada um dos intervalos abaixo.

a)

[-3,5]

b)

[0,1)

c)

(- , -2]

d)

[4,5[

3)

Represente, na reta real, dois pontos situados a

a)

3 unidades da origem

b)

5 unidades do ponto equivalente a -6

Matemática Básica

Matemática Básica 31 UNIDADE 1
31 UNIDADE 1
31
UNIDADE 1

Universidade Aberta do Brasil

Universidade Aberta do Brasil 32 UNIDADE 1
Universidade Aberta do Brasil 32 UNIDADE 1
32 UNIDADE 1
32
UNIDADE 1

Operações numéricas

ObjetivOs De aPRenDiZaGem

Conhecer as operações numéricas;

Realizar operações numéricas com elementos dos vários conjuntos numéricos;

Compreender a ordem de resolução de uma expressão numérica.

ROteiRO De estUDOs

SEÇÃO 1 - Adição e subtração

SEÇÃO 2 - Multiplicação e divisão

SEÇÃO 3 - Operações numéricas com frações

SEÇÃO 4 - Potenciação, radiciação e logaritmação

SEÇÃO 5 - Expressões numéricas

■ SEÇÃO 4 - Potenciação, radiciação e logaritmação ■ SEÇÃO 5 - Expressões numéricas 33 UNIDADE
■ SEÇÃO 4 - Potenciação, radiciação e logaritmação ■ SEÇÃO 5 - Expressões numéricas 33 UNIDADE
■ SEÇÃO 4 - Potenciação, radiciação e logaritmação ■ SEÇÃO 5 - Expressões numéricas 33 UNIDADE
33 UNIDADE 1
33
UNIDADE 1

Universidade Aberta do Brasil

pARA iNÍciO De cONveRSA

Nesta unidade você poderá rever as operações numéricas básicas, efetuar cálculos

numéricos envolvendo essas operações e até tirar aquelas pequenas dúvidas que talvez

você já traga consigo há muito tempo. Use para isso, além deste material escrito, o

Ambiente Virtual de Aprendizagem disponibilizado durante a duração do curso e seus

professores tutores, para tirar quaisquer dúvidas que aparecerem.

tutores, para tirar quaisquer dúvidas que aparecerem. Os antigos matemáticos gregos indicavam a adição de duas

Os antigos matemáticos gregos indicavam a adição de duas parcelas

simplesmente escrevendo as parcelas lado a lado (da mesma forma que ainda

fazemos até hoje quando indicamos a soma de um número inteiro com uma

2 . Em outra época, era usada como sinal de adição a
3

letra P, inicial da palavra latina plus. O sinal + (mais) apareceu pela primeira

fração. Por exemplo:

7

vez no tratado Aritmética Comercial, de João Widman D´Eger, publicado em

Leipzig em 1489. Entretanto, apesar de não representar a idéia de adição, estava

relacionado com os números positivos em problemas envolvendo negócios.

O sinal de menos parece ter vindo da utilização da palavra latina minus

que, devido à constante utilização em expressões matemáticas, acabou perdendo

aos poucos os traços das letras e virando apenas um tracinho ( – ).

O sinal “x”, usado para a multiplicação, foi empregado pela primeira

vez no livro Clavis Matematicae, do matemático inglês Guilherme Oughtred,

publicado em 1631. Nesse mesmo ano, outro matemático, Harriot, usava um

ponto entre os dois fatores para indicar o produto a efetuar. Em 1637, René

Descartes já escrevia apenas os fatores lado a lado para indicar a multiplicação

a efetuar.

, usadas para indicar divisão, são atribuídas aos

matemáticos árabes. O sinal dois pontos ( : ) aparece para indicar a razão entre

duas quantidades numa obra de Oughtred, de 1657, e foi usado para indicar

divisão por Leibniz, em 1698. Já o sinal ÷ parece ter resultado da combinação

entre os sinais já existentes : e –.

÷ parece ter resultado da combinação entre os sinais já existentes : e –. As formas

As formas a b

a

b

e

÷ parece ter resultado da combinação entre os sinais já existentes : e –. As formas

34

UNIDADE 2

Matemática Básica

SeÇÃO 1

ADiÇÃO e SubTRAÇÃO

Matemática Básica SeÇÃO 1 ADiÇÃO e SubTRAÇÃO Nesta seção você irá rever o conceito de adição

Nesta seção você irá rever o conceito de adição e de subtração de dois números, bem como visualizar exemplos dessas operações realizadas com números de todos os conjuntos numéricos estudados.

A adição é uma operação matemática que corresponde à idéia de juntar quantidades, ou de acrescentar uma quantidade à outra. O símbolo + é utilizado para representar a adição. Na sentença 3 + 4 = 7, estão sendo somadas as parcelas 3 e 4, para obter-se a soma 7. A subtração entre a e b R é definida como a b = a + (–b) Dessa forma, verificamos que a subtração é também uma adição.

Na sentença 7 – 4 = 3 está sendo subtraído o subtraendo 4 do minuendo 7, para obter-se a diferença 3.

4 do minuendo 7, para obter-se a diferença 3. A adição é comutativa (isto é: a
4 do minuendo 7, para obter-se a diferença 3. A adição é comutativa (isto é: a

A adição é comutativa (isto é: a + b = b + a), mas a subtração não é comutativa (ou seja, geralmente b a a b).

(ou seja, geralmente b – a ≠ a – b ). Somar os números inteiros 8
Somar os números inteiros 8 e –12. Solução: 8 + (–12) ← indicação da soma
Somar os números inteiros 8 e –12.
Solução:
8 + (–12)
← indicação da soma a realizar.

8 – 12 – 4

← utilização da regra dos sinais. ← resultado da soma.

Universidade Aberta do Brasil

Nesse exemplo, foi necessário utilizar parêntesis em torno do número inteiro negativo –12, para evitar a sobreposição dos símbolos + e –. Onde aparece “+ (–12)”, na verdade, está acontecendo a multiplicação (+ 1) . (–1) . 12.

Para resolver situações como essa, você pode usar as seguintes regras dos sinais:

(+1) . (+1) = +1 (+1) . (-1) = -1 (-1) . (+1) = -1 (-1) . (-1) = +1

(+1) ÷ (+1) = +1 (+1) ÷ (-1) = -1 (-1) ÷ (+1) = -1 (-1) ÷ (-1) = +1

= +1 (+1) ÷ (-1) = -1 (-1) ÷ (+1) = -1 (-1) ÷ (-1) =

Somar os números inteiros 7 e –2.

Solução:

7 + (-2)

7 – 2

← indicação da soma a realizar.

← regra dos sinais: +(–2) = (+1) . (–1) . (2) = (–1) . (2) = –2.

5 ← resultado da soma.

A subtração é a operação inversa da adição. Na adição conhecemos duas parcelas e buscamos uma soma:

já na subtração conhecemos um minuendo (soma) e um subtraendo (parcela) e buscamos uma diferença (parcela). Por exemplo:

3 + 5 = 8 (na

adição, parcela mais

parcela é igual à soma)

8 – 5 = 3 (na

subtração, minuendo menos subtraendo é igual à diferença).

36

UNIDADE 2

Exemplo:

Somar 14, 850 e 21, 721.

Solução via algoritmo da soma:

1 4 , 8 5 0

+ 2 1 , 7 2 1

1 ← (1 = 0 + 1 é a soma dos dois algarismos mais à direita) Dando seqüência ao cálculo, temos:

1 ← algarismo que representa a dezena na soma anterior

1 4 , 8 5 0

+ 2 1 , 7 2 1

3

6 , 5 7 1

6

= 1 + 4 + 1, e não 5 = 1 + 4.

O resultado da soma é o número real decimal 36,571.

Matemática Básica

SeÇÃO 2

muLTipLicAÇÃO e DiviSÃO

Nesta seção você vai rever os conceitos de multiplicação e de divisão de dois

números, bem como visualizar exemplos.

Multiplicação

A multiplicação é uma operação matemática associada a vários significados.

Um significado é que a multiplicação equivale a uma soma de parcelas iguais. Por

exemplo:

5 x 2 = 22222

++++



= 10.

Soma de cinco parcelas iguais a 2.

Outro significado da multiplicação é a determinação do número de combinações

resultantes do cruzamento dos elementos de um conjunto com cada um dos elementos

de outro conjunto.

de um conjunto com cada um dos elementos de outro conjunto. Se desejamos saber a quantidade

Se desejamos saber a quantidade de combinações possíveis de resultados

quando são jogados um dado e uma moeda, basta fazer 6 x 2 = 12 (seis lados do

dado, combinados com cada uma das duas faces da moeda).

Outro significado da multiplicação é a idéia de ampliação ou redução de um

determinado comprimento. Por exemplo: 2,5 x 1,7 pode significar a ampliação de

um comprimento de 1,7 unidades duas vezes e meia.

Na multiplicação 5 x 2,5 = 12,5, estão sendo multiplicados os fatores 5 e 2,5

para se obter o produto 12,5.

Universidade Aberta do Brasil

Universidade Aberta do Brasil Multiplicar 654 por 32. Solução via algoritmo da multiplicação: 6 5 4
Universidade Aberta do Brasil Multiplicar 654 por 32. Solução via algoritmo da multiplicação: 6 5 4

Multiplicar 654 por 32.

Solução via algoritmo da multiplicação:

6 5 4

x

3 2

8 ← 8 = 2 x 4 (produto dos primeiros algarismos à direita)

Dando seqüência ao cálculo, temos:

1 ← 1 é o algarismo que representa a dezena de 10 = 2 x 5

6 5 4

x

3 2

0

8 ← 8 = 2 x 4 (produto dos primeiros algarismos à direita)

0

é o algarismo que representa a unidade de 10 = 2 x 5

Continuando, temos:

x

1

6 5 4 3 2

1 3 0 8

13 = (2 x 6) + 1 (soma-se o algarismo marcado acima)

No próximo passo, temos:

1 1

 

6

5 4

fator

x 3 2

fator

1 3 0 8

 

+

1 9 6 2

2 0 9 2 8

produto

Assim, o produto entre 654 e 32 é 20.928

← produto Assim, o produto entre 654 e 32 é 20.928 Para efetuar a multiplicação entre

Para efetuar a multiplicação entre números decimais (números com vírgula), aplica-

se o mesmo algoritmo, mas considera-se uma regrinha prática: conta-se o número de casas

depois da vírgula (somando os números de casas depois da vírgula nos dois fatores) e, no

resultado final, coloca-se a vírgula a partir da direita tantas casas quanto for a soma.

dois fatores) e, no resultado final, coloca-se a vírgula a partir da direita tantas casas quanto

38

UNIDADE 2

Matemática Básica

Matemática Básica Multiplicar 6,54 por 3,2. Solução: (o cálculo já foi feito, então basta aprender a

Multiplicar 6,54 por 3,2.

Solução: (o cálculo já foi feito, então basta aprender a lidar com a vírgula)

 

6 , 5 4

duas casas depois da vírgula

 

x

3 , 2

uma casa depois da vírgula

 

1 3 0 8

+

1 9 6 2

 

2 0 , 9 2 8

três casas depois da vírgula (2 + 1)

Assim, o resultado da multiplicação é 20,928.

Divisão

Imagine a seguinte situação: no dia de São Cosme e Damião, você tem 6 doces e quer distribuí-los entre três crianças. Se a partilha for feita por igual, quantos doces você dará para cada criança? A resposta neste caso é simples: você dará 2 doces para cada criança, por um motivo também simples: na expressão 6 : 3 = 2, que simboliza uma divisão, o resultado é 2 porque o número 2 cabe três vezes no número 6. A partir de agora você verá o conceito de divisão de números.

A divisão entre a e b R, com b 0, é definida como

b

a

= b .

 

1

a

 

Dessa forma, observe que a divisão é também uma multiplicação.

Divisão de números inteiros A divisão é uma idéia matemática que corresponde a saber quantas vezes uma quantidade cabe em outra. Por exemplo, se você quiser dividir 14 por 4, encontrará a seguinte situação:

dividendo

14

| 4

divisor

 

- 12

3

quociente

2

resto

ou seja, quando trabalhamos com números naturais, vale a relação:

dividendo = (quociente x divisor) + resto No caso do exemplo, 14 = (3 x 4) + 2.

39

UNIDADE 2

Universidade Aberta do Brasil

Divisão de números reais Se você estiver interessado em encontrar o quociente entre dois números reais, a divisão não para quando o resto é menor que o divisor. Em vez disso, acrescentamos um zero (quantas vezes forem necessárias) ao resto, uma vírgula (uma vez somente) ao quociente e continuamos com o cálculo.

vez somente) ao quociente e continuamos com o cálculo. A divisão é a operação inversa da

A divisão é a operação inversa da multiplicação. Na multiplicação conhecemos dois fatores e buscamos um produto; na divisão conhecemos um dividendo (produto), um divisor (fator) e buscamos um quociente (fator).

Dividir 14 por 4.

dividendo

14

| 4

divisor

 

- 12

3 ,

quociente

2 0

 

acrescentamos uma vírgula ao quociente e um zero ao resto menor que o divisor

Continuando com o cálculo, obtemos:

dividendo

14

| 4

divisor

 

12

3 , 5

quociente

2

0

2 0

← Assim, o resultado da divisão de 14 por 4 é 3,5. 0 0 resto
Assim, o resultado da divisão de 14 por 4 é 3,5.
0
0
resto zero

40

UNIDADE 2

Matemática Básica

SeÇÃO 3

OpeRAÇõeS NumÉRicAS cOm FRAÇõeS

Em diversas situações práticas é necessário operar com números que não são inteiros. Por exemplo, uma costureira pretende fazer um vestido, no qual serão utilizados dois metros e meio de um tipo de tecido e 25 centímetros de uma fita de cetim. Como será feito o cálculo do valor total a pagar pelo tecido e pela fita? Para resolver situações como essa, você terá que operar com frações. Nesta seção você verá detalhes sobre frações e terá oportunidade de ampliar e fixar os conhecimentos sobre as operações numéricas, visualizando o caso particular das operações realizadas com frações (lembre-se: todo número racional pode ser escrito como uma fração).

Fração

Em matemática, fração é uma palavra com mais de um significado. Um deles é a idéia de parte de um todo. Neste caso, a fração indica as partes tomadas de um todo. Outro significado de fração é a idéia de razão entre duas grandezas. Um terceiro significado é o de divisão. Por exemplo, a fração 1 4 pode significar a divisão do número 1 pelo número 4. Entendidas dessa forma, as frações representam números racionais. Antes de seguir adiante, é bom que você relembre os nomes das partes de uma fração:

bom que você relembre os nomes das partes de uma fração: Quando você considerar uma fração
bom que você relembre os nomes das partes de uma fração: Quando você considerar uma fração

Quando você considerar uma fração como uma divisão entre dois números, essa divisão pode ser efetuada, gerando assim um número decimal. Por exemplo, efetuando a divisão indicada por 1 4 , você deve obter o número decimal 0,25.

por 1 4 , você deve obter o número decimal 0,25. As frações podem ser classificadas

As frações podem ser classificadas em frações próprias e frações impróprias. Frações próprias são aquelas em que o numerador é menor que o denominador. Por exemplo, 2 3 e 5 8 são frações próprias.

exemplo, 2 3 e 5 8 são frações próprias. Não confunda número decimal com fração decimal.
exemplo, 2 3 e 5 8 são frações próprias. Não confunda número decimal com fração decimal.
Não confunda número decimal com fração decimal. Uma fração decimal é uma fração onde o
Não confunda
número decimal
com fração decimal.
Uma fração decimal
é uma fração onde o
denominador é uma
potência de 10 (10,
100, 1000,
).

41

UNIDADE 2

Universidade Aberta do Brasil

Frações impróprias são aquelas em que o numerador é maior que o

impróprias são aquelas em que o numerador é maior que o denominador. Por exemplo, 3 2
impróprias são aquelas em que o numerador é maior que o denominador. Por exemplo, 3 2

denominador. Por exemplo, 3 2 e 8 5 são frações impróprias.

Quando uma fração é imprópria, pode-se efetuar a divisão utilizando o

algoritmo da divisão dos números inteiros. Dessa forma, a fração original será igual

a uma parte inteira (número inteiro) mais uma parte fracionária (fração própria):

a parte inteira é o quociente da divisão, o numerador da parte fracionária é o resto

da divisão e o denominador da parte fracionária é o mesmo denominador da fração

original. Uma fração imprópria escrita desta forma é chamada fração mista.

imprópria escrita desta forma é chamada fração mista . Escrever a fração imprópria 8 5 na

Escrever a fração imprópria 8 5 na sua forma mista.

Solução:

imprópria 8 5 na sua forma mista. Solução: dividendo → 8 | 5 ← divisor –

dividendo

8

| 5

divisor

5

1

quociente

resto →

3

Assim,

8 5 = 1 5 (oito quintos é igual a um inteiro e três quintos)

3

Existem também as chamadas frações aparentes , que são aquelas que, embora frações aparentes, que são aquelas que, embora

chamadas frações aparentes , que são aquelas que, embora escritas na forma m n quando a

escritas na forma m n quando a divisão é efetuada, obtém-se resto zero, ou seja, a

divisão é exata. Tais frações são, na verdade, números inteiros.

a divisão é exata. Tais frações são, na verdade, números inteiros. − 15 2 e =
− 15 2 e = – 3 8 4 = 5
15
2
e
=
– 3
8 4 =
5

42

UNIDADE 2

Matemática Básica

Simplificação de frações

A simplificação de frações é uma ferramenta que você deve utilizar para

expressar frações de forma mais simples, mas equivalente. Simplificar uma fração

consiste em dividir numerador e denominador pelo mesmo número.

6 63 ÷ 2 25 25 ÷ 5 5 = = e = = 9
6
63
÷
2
25
25
÷ 5
5
=
=
e
=
=
9
93
÷
3
45
45
÷ 5
9
25 ÷ 5 5 = = e = = 9 93 ÷ 3 45 45 ÷

Adição e subtração de frações

Como a subtração foi definida como uma adição, basta que você estude como

somar frações e irá aprender como somar e como subtrair frações de uma só vez.

Primeiramente você deve relembrar como se efetua a adição de frações que têm

o mesmo denominador: basta manter o denominador e somar os numeradores.

3 2 + 2 5 + = 3 = 7 7 7 7 6 3
3 2
+
2
5
+
= 3
=
7
7 7
7
6
3
3
3
= 6
=
5
5 5
5

Para somar frações que têm denominadores diferentes, você poderá utilizar

frações equivalentes às originais, de denominadores iguais.

43

UNIDADE 2

Universidade Aberta do Brasil

  Somar 1 3 com 3 4 é o mesmo que somar 4 1 2
  Somar 1 3 com 3 4 é o mesmo que somar 4 1 2
 

Somar

1 3
1 3
1 3 com 3 4 é o mesmo que somar 4 1 2 com 9 1
1 3 com 3 4 é o mesmo que somar 4 1 2 com 9 1
1 3 com 3 4 é o mesmo que somar 4 1 2 com 9 1

com 3 4 é o mesmo que somar 4 12 com 9 12 .

Assim:

1 3

+

3

=

4

+

9

=

(4

+

9)

= 13

 

4

12

12

12

12

+ 9) = 13   4 12 12 12 12 Neste caso, a fração 1 3

Neste caso, a fração 1 3

4 12 12 12 12 Neste caso, a fração 1 3 é equivalente à fração 4
4 12 12 12 12 Neste caso, a fração 1 3 é equivalente à fração 4

é equivalente à fração 4 12 , e a fração 3 4