Você está na página 1de 2

AUTOCONHECIMENTO

Todo ensinamento a que temos acesso só terá verdadeiro valor se o aplicarmos na


vida prática, caso contrário ficará armazenado como mais uma teoria em nossa mente,
até cair no total esquecimento, e tudo terá sido em vão.

O homem genial é aquele que sabe ouvir e após ouvir entra em reflexão para pensar
aquilo que foi ouvido. Se o resultado de sua reflexão for favorável, começa
imediatamente a por em prática aquilo que aprendeu. Mas, infelizmente, a
humanidade conhece poucos homens geniais.

Porém, a chave para despertar essa genialidade está ao alcance de todos está ao
alcance de todos. Basta desenvolver a humildade e a vontade: humildade para
reconhecer em si mesmo suas próprias limitações e defeitos (aí está a grande
inteligência do gênio), e vontade para superar essas limitações e corrigir (aí o principal
atributo do gênio: de nada vale inteligência sem vontade).

Para reconhecer suas limitações e defeitos é preciso primeiro conhecê-los, é preciso,


é preciso conhecer a si mesmo com profundidade, ou seja, é preciso
autoconhecimento. A chave para o autoconhecimento é a auto-observação. Auto-
observação quer dizer ser um vigilante de si mesmo, de seus pensamentos,
sentimentos, emoções, palavras, atos, reações, etc..

Para que a auto-observação seja eficaz deve-se viver o presente, isto é, concentrar
toda inteligência e vontade no momento ou no instante presente, aqui e agora, não
deixando a mente divagar para o passado e o futuro. O passado já foi, e o futuro ainda
não aconteceu, portanto a vida é apenas o momento presente.

Praticando constantemente a auto-observação, vivendo o momento presente, aos


poucos, vamos nos conhecendo melhor, nossas reações, nossas emoções, quando
nos relacionamos com as pessoas, quando elas nos dirigem palavras duras, etc..

À noite faça uma retrospectiva de seu dia, seja um crítico de si mesmo, reflexione,
medite e, principalmente ore. Não mal gaste suas energias, esteja alerta. Procure,
dentro do seu nível ajudar seus semelhantes.

Tudo isso contribui para o homem adquirir maior autoconhecimento de si mesmo e


como conseqüência maior autocontrole.

Consideramos o autocontrole como a base para a qualidade total (qualidade de forma


ampliada) que entendemos ser algo muito mais abrangente, do que simplesmente o
termo “moral” ou “motivação” utilizados nos livros de Controle da Qualidade Total.

Vemos o Autocontrole como maior e mais profundo, que apesar de envolver


coletivamente todos os níveis hierárquicos da organização, depende exclusivamente
do grau de conscientização individual.

A primeira vista este conceito pode parecer semelhante ao comumente difundido, mas
o autocontrole extrapola as barreiras das organizações e enlaça os ambientes familiar
e social na busca continua do autodesenvolvimento conscientivo, o qual determina a
qualidade de vida dos seres humanos.

Quanto maior o grau de consciência do indivíduo maior é seu nível de qualidade de


vida, e é lógico que isto inclui o campo profissional. Quando falamos em qualidade de
vida não estamos nos referindo somente aos aspectos materiais e corporais tais como
bastante dinheiro, uma bela casa, um bom carro, saúde física, segurança, etc..
Estamos nos referindo também, e principalmente, aos aspectos psicológicos,
emocionais, sentimentais, mentais e de anelos mais profundos da Alma Humana que
levariam o homem a uma verdadeira auto-realização. Isto pode parecer um tanto
utópico a primeira vista, mas o grau de felicidade e paz do ser humano é tanto maior
quanto maior for o seu grau de busca e compreensão sobre estes aspectos.

Texto elaborado por: Eng. Valdomiro Nery Gonçalves (Consultor Técnico em


Negócios do SENAI de Londrina).