Você está na página 1de 13

Rio de Pranto Letras

Por: Alexandre Fais, alehpaes@yahoo.com.br

1976

Álbum de Carreira Tião Carreiro & Pardinho

1976 Álbum de Carreira Tião Carreiro & Pardinho Obs: Clique na aba Bookmarks para facilitar a

Obs: Clique na aba Bookmarks para facilitar a navegação entre as letras

Mulher Amada

Balanço - (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)

Oh! Minha mulher amada minha fonte de poesia Se eu tivesse mil vidas, mil vidas eu te daria

Vou buscar ouro do sol, vou trazer prata da lua Para enfeitar o seu mundo sua casa e sua rua Eu vou dar o que não tenho, é a verdade nua e crua Enquanto Deus me der vida minha luta continua Se ficar vermelho o chão, sangue do meu coração derramei por causa sua

Oh! minha mulher amada, minha fonte de poesia Se eu tivesse mil vidas, mil vidas eu te daria

O meu rival é o mocinho ricaço e conquistador Sou um simples caboclinho, não passo de um cantador Sou uma ave sem ninho, eu sou um jardim sem flor Sou o céu sem as estrelas, eu sou um mundão de dor Vou quebrar lança de aço, se eu cair aos pedaços foi por você meu amor

Oh! minha mulher amada, minha fonte de poesia Se eu tivesse mil vidas, mil vidas eu te daria

Rio de Pranto

Rasqueado - (Carminha, Lourival dos Santos e Tião Carreiro,)

A saudade é uma ponte entre o passado e o presente Por baixo corre um rio de lágrimas, tem pranto de muita gente Com saudade eu também choro por alguém que vive ausente Na correnteza do amor eu carrego a minha dor sofrendo eternamente

Pra onde foi quem eu amo, um amor que já foi meu Será que pensa em mim ou será que me esqueceu Um amor que era lindo, me lembro quando nasceu Bem podia estar com vida essa imagem tão querida de um amor que já morreu

Pra ter fim meu sofrimento, pra mim alguém tem que voltar Porém duvido que escape dos braços de onde está Paixão está me queimando, gemendo estou sem chorar Meu peito está fumaceando, coração sofre sonhando sem nada pra consolar

A Saudade Continua

Valseado - (Tião Carreiro e Zé Matão)

Saudade palavra linda que todos querem falar Pra gente sentir saudades, saudade tem que deixar Saudade neste meu peito chegou a criar raiz Saudade de longe vem, a saudade de alguém que já me fez feliz

Já fazem quase três anos, não tenho notícias suas Apesar de tanto tempo a saudade continua Velhos guardados de amor, tempos que não voltam mais Queria eu ser feliz e a saudade não quis e nem me deixa em paz

Oh! Que maldita saudade, porque me maltrata assim? Será que aonde ela está sente saudade de mim? Foi uma linda mulher, perdição da minha vida Saudade eu peço a você para sempre esquecer esta ingrata fingida

Até Quinta-feira

Valsa de Roda - (Vicente Pereira, Tião Carreiro e Lourival dos Santos)

Trezentos e sessenta e cinco dias tem um ano Para mim só vale quarenta e oito Trezentos e dezessete é só desengano

Segunda, terça e quarta não posso encontrar-me com ela Sexta, sábado e domingo também estou longe dela Nós vivemos separados a semana inteirinha Somente na quinta feira eu sou dela, ai, ela é minha

Até quinta feira menina Quinta feira é tão pequena Nem começa ai já termina

Segunda, terça e quarta não posso encontrar-me com ela Sexta, sábado e domingo também estou longe dela Nós vivemos separados a semana inteirinha Somente na quinta feira eu sou dela, ai, ela é minha

Até quinta feira menina Quinta feira é tão pequena Nem começa ai já termina

O Cigano

Balanço (Cezar e Tony Damito)

Sou um cigano, um cigano sou

À procura de alguém que um dia me deixou Sou um cigano, um cigano sou

À procura de alguém que um dia me deixou

Saí de casa menino com um pensamento só E fui pra cidade grande procurar vida melhor Os meus pais pediram tanto pra que eu tomasse cuidado E ainda me aconselharam: ame e sempre seja amado

Sou um cigano, um cigano sou

À procura de alguém que um dia me deixou Sou um cigano, um cigano sou

À procura de alguém que um dia me deixou

O destino de um homem ninguém pode adivinhar Eu tive a felicidade, mas não soube aproveitar Eu já tinha quase tudo, só faltava um grande amor Quando este chegou pra mim eu não soube dar valor

Sou um cigano, um cigano sou

À procura de alguém que um dia me deixou Sou um cigano, um cigano sou

À procura de alguém que um dia me deixou

Meu telhado é o céu, a relva é meu colchão Durmo sob a luz da lua no silêncio do sertão Carrego como bagagem a mochila e o violão Saudade, amor, esperança, tristeza, dor, solidão

Sou um cigano, um cigano sou

À procura de alguém que um dia me deixou Sou um cigano, um cigano sou

À procura de alguém que um dia me deixou

Golpe de Mestre

Valseado (Lourival dos Santos e Mairiporã)

Zezinho não tinha nem pai e nem mãe rolando pro mundo vivia judiado Mariazinha menina rica e o pobre Zezinho era seu empregado Mas o destino preparou pro dois porque um do outro ficou enamorado Maria dizia Zezinho eu te amo, serei sempre tua meu anjo adorado Aos pés de Maria dizia o Zezinho sou muito pouquinho pra ser teu amado

O pai de Maria um sujeito malvado cismou de dar fim no amor das crianças

Pegou um chicote de tala bem larga, falou pro Zezinho no couro de danças A minha filha é menina rica, está nas alturas você não alcança Moleque atrevido, cachorro sem dono, pegue teus trapos e faça mudança

Zezinho recebe um golpe profundo e some no mundo cheio de esperança

Antes da partida Zezinho escondido procurou Maria falou deste jeito:

Existe um bom Deus que está nas alturas ele é bom demais faz tudo perfeito Sou um caboclinho de sangue nas veias, enfrento lança e quebro no peito Querida Maria você vai ser minha, de agora em diante meu plano está feito Se um dia obrigarem você se casar no altar estarei pra ser tudo desfeito

Passaram dez anos, correram depressa, Maria solteira, Zezinho solteiro

O pai de Maria, um sujeito ambicioso, arrumou pra filha por ser interesseiro

Um velho careca, feio e barrigudo, mas dono do mundo, com muito dinheiro

Pobre Maria, detestava o velho, queria o Zezinho, seu amor primeiro Mas o casamento já estava marcado pra ser realizado no mês de janeiro

Chegou o grande dia do casamento, Maria de branco estava divina Bastante capangas e guardas armados cercavam a igreja, aguardavam a menina Zezinho amoitado esperava no altar, fugiu com Maria e sumiu na surdina O Zezinho deu um golpe de mestre, só mesmo eu contando ninguém imagina Lá na igreja ninguém desconfiava que o Zezinho estava dentro da batina

A Ferro e Fogo

Pagode Nordestino - (Lourival dos Santos, Moacyr dos Santos e Tião Carreiro)

Venho de terra distante, por estrada perigosa Vendo a morte toda hora na tocaia criminosa Encontrando a cada passo só serpente venenosa Caminho cheio de espinho, mas a viagem é vitoriosa

No meio de ferro e fogo a luta é deliciosa Bala bate no meu peito e vira medalha honrosa Se alguém me atirar pedra faço vira uma rosa Quanto mais tombo eu caio acho a vida mais gostosa

Viola, minha viola, nós estamos em perigo Querem destruir você querendo acabar comigo A guerra está declarada, mas a vitória eu consigo Quanto mais perto da morte mais bonito ainda eu brigo

A viola e o violeiro vão ganhar este duelo Eu não nasci pra ser prego eu nasci pra ser martelo Nesta cantoria encerro tudo o que há de mais belo Eu brigo pra defender o nosso verde e amarelo

Viúva Rica

Pagode (Edward de Marchi e Tião Carreiro)

Fui caboclo do pesado, levei sempre vida dura Já fiz serviço dobrado pelo óleo da fritura De roer osso na vida gastei minha dentadura De tanto apertar o cinto calejei minha cintura Não tem negócio da China pra se sair da pendura Ou é a luta do mundo ou a paz da sepultura

Pra se viver do trabalho é demais a concorrência

É carteira pra Carvalho e carta de referência

Quanto mais ganha mais gasta na rabeira da carência

Trabalhar pra quem é pobre é gostar de penitência

O trabalho dá cansaço e suor de experiência

Trabalhar por trabalhar é relaxar a competência

De trabalhar ninguém morre, nem de fome quem não queira Faça sol ou faça chuva mundo velho é sem porteira O meu rosário de queixa eu joguei na corredeira Qualquer barranco é um porto, qualquer pedra é uma cadeira Deus me deu o lar do mundo e a saúde como esteira Minha mãe me deu a luz e a vida sem canseira

No meu sistema de vida muita gente me critica O futuro é a morte, pra semente ninguém fica Três punhadinhos de terra numa cova nada explicam Da minha filosofia eu só vou dar uma dica Eu não vou salvar o mundo pra esta gente que complica Nem morrer de trabalhar pra deixar a viúva rica

Vaqueiro do Norte

Toada - (Tião Carreiro, Moacyr dos Santos e Lourival dos Santos)

Eu vi um vaqueiro do norte montado firme no seu alazão Pela estrada levando o seu gado e cantando uma linda canção Assim vai de quebrada em quebrada tocando a boiada, rompendo estradão

O vaqueiro descansa o gado bem na beira do ribeirão

Na bruaca traz rapadura, a farinha e um bom requeijão Enquanto o feijão com toucinho cozinha sozinho lá no caldeirão

Seu chapéu é de couro cru, aguenta chuva e o sol de verão

O gibão e a calça de couro também serve de proteção

Pra livrar dos arranha-gato que tem lá no mato do nosso sertão

É um herói dentro das caatingas e também da poeira do chão O valente vaqueiro do norte não perdeu sua tradição Peço à Deus que acompanhe os vaqueiros que são os pioneiros da nossa nação

Ato de Bravura

Cururu - (Lourival dos Santos, Vicente Pereira e Tião Carreiro)

Estou numa guerra quente subindo a temperatura Uma mulher e dois homens a parada vai ser dura Os dois doentes por ela, é um só que vai ter cura Eu jogo a casca no fogo, ponho ovo na gordura Pela mulher que eu amo todo o meu sangue derramo Não entrego a rapadura

Eu jurei que ela é minha e não quebro a minha jura Se eu perder essa parada troco até de assinatura Por este amor tão forte eu faço qualquer loucura Eu tenho um Smith & Wesson 1 , tanto corta como fura Com ele eu abro ala na hora que eu mando bala Eu clareio a noite escura

A menina vive presa, está muito bem segura Debaixo de sete chaves, segredo na fechadura Tem um guarda severa para lhe dar cobertura Só tem guardas escolhidos, dois metros e dez de alturas Vou vencer essa batalha, a menina é a medalha Pro meu ato de bravura

Eu roubei essa menina, meu anjinho de candura Da cabeça até os pés ela só tem formosura Hoje eu digo para ela apertando na cintura Meu bem escapei com vida, sem cair na sepultura Confesso de coração, minha vida era um limão Agora virou doçura

Eu comprei uma casinha, só falta passar a escritura Está no tijolo a vista sem reboque e sem pintura Mas dentro tem uma joia que muita gente procura Pra mim caiu do céu, esta linda criatura Minha casinha modesta não é um castelo em festa Mas tem amor com fartura

1 Smith & Wesson é a maior produtora de pistolas dos Estados Unidos, com sede em Springfield. Fundada em 1852 por Horace Smith e Daniel B. Wesson, a empresa também produz revólvers e munição.

Confiança

Pagode - (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Cláudio Balestro)

Quem tem confiança no peito canta em qualquer altura Quem tem confiança no braço não põe arma na cintura Quem tem confiança na esposa nunca traz ela segura Quem não tem confiança em Deus é doente que não tem cura

Quem tem porco no chiqueiro tem confiança na gordura Quem tem gado na invernada tem confiança na fartura A mulher que tem beleza não confia na pintura Quem confia no MOBRAL 2 não caminha nas escuras

Quem nunca comprou bacia tem confiança na gamela Quem confia no cachorro não põe grade na janela Quem tem confiança no santo não precisa queimar vela Quem não põe tranca na porta tem confiança na tramela

Quem tem confiança na terra não põe adubo na planta Quem tem confiança no galo não perde a hora e levanta O despertador da roça é o galo quando canta Riqueza do cantador tá no peito e na garganta

2 O Movimento Brasileiro de Alfabetização (MOBRAL) foi um projeto do governo brasileiro, criado pela Lei n° 5.379, de 15 de dezembro de 1967, e propunha a alfabetização funcional de jovens e adultos, visando "conduzir a pessoa humana a adquirir técnicas de leitura, escrita e cálculo como meio de integrá-la a sua comunidade, permitindo melhores condições de vida". Criado e mantido pelo regime militar, durante anos, jovens e adultos frequentaram as aulas do MOBRAL, cujo objetivo era propocionar alfabetização e letramento a pessoas acima da idade escolar convencional. A recessão econômica iniciada nos anos 80 inviabilizou a continuidade do MOBRAL, que demandava altos recursos para se manter. Seus Programas foram assim incorporados pela Fundação Educar.

Mentira Tem Perna Curta

Cururu - (Lourival dos Santos e Tião Carreiro )

Mentira tem perna curta, pra longe ela não vai

A verdade quando chega mentira voando sai

Vai voando igual ao vento mesmo assim um dia cai Deus nos livre da mentira, Deus é bom é nosso Pai

Jesus enfrentou mentira no tempo dos fariseus Mentira causou a morte em milhares de judeus Eu sei que a verdade dói, mas ponho nos versos meus A mentira é mãe do diabo, verdade é filha de Deus

Fabricando só mentira tem muitos profissionais Oh! Meu Deus quanta mentira nestes grandes festivais Quem vence com a mentira dura pouco seu cartaz Os que perdem com a verdade poderão ser imortais

Tiradentes foi verdade nos tempos coloniais Morreu pela independência, ficaram seus ideais Ele nunca foi mentira, desminta quem for capaz Tiradentes foi verdade, filho de Minas Gerais

A mentira está na guerra, a verdade está na paz Lá na frente do juiz a mentira se desfaz

A mentira é uma serpente, só morre nos tribunais

A espada da justiça é a verdade e nada mais