Você está na página 1de 135

1

A Bíblia Desmascarada Volume II

A Bíblia Desmascarada Volume II

“A Bíblia Desmascarada” mostra como as lendas pagãs de Hórus,


do “Deus Sol Invictus”, do “Yeshu de Nazaré”, e do Deus "E SUS",
viraram as Perícopes, e os causos sobre o Arquétipo Jesus.

Para acabar com a “histeria” de que Jesus existiu...


E para provar que o Arquétipo Jesus não passa de uma versão mais nova
dos antigos deuses, lembramos que nas paredes do “Templo de Luxor”
em Karnak pode ser visto tanto a “ANUNCIAÇÃO”, como a “CONCEPÇÃO”,
o “NASCIMENTO”, e a “ADORAÇÃO” ao bebê Hórus, filho de Ísis, que teria
sido o intermediário entre Deus é os humanos.

Made in Brazil
2013

Lisandro Hubris
2
A Bíblia Desmascarada Volume II

Advertência aos religiosos!

Já que pouquíssimos têm estrutura psicológica, ou “Força mental” suficiente para


aceitar a REALIDADE da vida, sem precisar se agarrar em algum amigo imaginário,
ou na mitológica lenda da “vida” eterna...

Caso você prefira CONTINUAR acreditar nas crendices da sua religião...

Ache que a realidade não é IMPORTANTE...

Não aceite que o grande organizador do mundo é a RAZÃO...

Esteja passando por algum “TRANSTORNO DE PRIVAÇÃO”...

Não esteja PREPARADO para o que vai ler...

Ou perca a PAZ que tinha antes de começar a ler esses rascunhos ateístas.

Será melhor que desista de ler os textos que formam os 10 volumes do PDF
“A BÍBLIA DESMASCARADA”, escritos pelo ateu Lisandro Hubris, e que pode ser
lidos grátis no Recanto das letras em:

http://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=31436&categoria=M
3
A Bíblia Desmascarada Volume II

Índice

ANUNCIAÇÃO, CONCEPÇÃO, NASCIMENTO e ADORAÇÃO a HÓRUS

A Tanatologia prova que a "Ressurreição" de Jesus é uma fraude

O batismo de Jesus por João Baptista é só uma pseudoepigrafia

A “Ressurreição” de Jesus tem origem nas lendas pagãs

Antes do homem surgir os insetos eram CARNÍVOROS

Quanto dia Noé permaneceu na Arca?

NO PASSADO OS “DEUSES” TINHAM CABEÇAS DE ANIMAIS.

A TRINDADE CRISTÃ É CÓPIA DE TRINDADES ANTERIORES

O Processo Criminal mais rápido da história jurídica romana.

O SOL NÃO GIRA EM TORNO DA TERRA

SOBREVIVÊNCIA “FORA DO CORPO” OU SIMPLES “EFEITO G”?

AS RELIGIÕES E A LAVAGEM CEREBRAL

AS PESQUISAS DO PADRE ALFRED LOISY E GEORGE COYNE

A “TRANSUBSTANCIAÇÃO” SERIA UM RITUAL DE MAGIA?

A VERSÃO “DO FLÁVIO JOSEFO” SOBRE JESUS É FALSA

“SÃO PAULO” FOI UM HOMOSSEXUAL EGODISTÔNICO

NÃO ULTRAPASSAMOS OS NOSSOS LIMITES BIOLÓGICOS

Sodoma foi destruída na época do Deus Enki, e não Javé


4
A Bíblia Desmascarada Volume II

O “NASCIMENTO” DE JESUS FOI PLAGIADO DE HÓRUS

Nas paredes do “TEMPLO DE LUXOR” em Karnak, no Egito podemos observar


cenas referentes ao nascimento do Deus Hórus, que teria nascido há MAIS de 3.500
anos, de forma milagrosa, e através de uma mulher chamada Ísis...

Na primeira cena ou “ANUNCIAÇÃO”, Nef, o Mercúrio lunar, ou Anjo da


Anunciação (que no cristianismo virou o “Anjo Gabriel”), saúda a Isis Meri e
anuncia que Ela conceberá e dará a luz a um filho Deus, que deverá se chamar
“Hórus”, e que será o intermediário entre Deus é os humanos...

Nas cenas seguintes, “CONCEPÇÃO” e “NASCIMENTO”; o Espírito Nef engravida Isis;


e desta “união” CELESTIAL nasceu o bebê Deus Hórus, que veio ao mundo com a
missão de ajudar os homens passar pelo julgamento no Tribunal de Osíris...

E na cena da “ADORAÇÃO” o recém nascido Deus Hórus recebe as homenagens e


oferendas trazidas por Reis amigos, e que o cristianismo adaptou como sendo os
supostos “03 Reis Magos”.

Os relevos em tela foram reproduzidos por G. Massey, no livro “Natural Genesis”, e


por Lisandro H. no e-livro “Desmascarando a Bíblia Volume II, na tentativa de
mostrar a farsa bíblica, e de ajudar os iludidos fugir da “prisão religiosa”.
Pois a Bíblia é só outro livro fabricado com o propósito de controlar e subjugar a
sociedade através do Auto-conforto, e de Leis que “teriam” sido entregues pelo
próprio Arquiteto do Universo...
5
A Bíblia Desmascarada Volume II

Jesus seria uma “reciclagem” de Deuses como Hórus

A realidade não depende dos fanáticos, cujo cérebro acha que a verdade é algo de foro íntimo.
E Jesus cristo é só uma mitologia que foi sendo adaptada ao longo dos anos; inspirada em
deuses mais antigos como Krishna, e o Deus do Céu Hórus, cujos olhos eram o Sol e a Lua.

E que simboliza a implacável acuidade do olhar justiceiro de Deus, onde nada da vida íntima ou
pública de cada cidadã escaparia do Deus Hórus.

Tanto Hórus como Jesus são personificações de uma “NOVA ERA” astrológica, e de lendas
solares copiadas de lendas ainda mais antigas, que foram aprimoradas.

*Hórus veio para cumprir as “Profecias” de “Textos fundadores” mais antigos do que as lendas
de Jesus.
*Nef, o Mercúrio lunar, saúda a Isis Meri e anuncia que Ela conceberá e dará a luz a um filho
Deus que será o intermediário entre Deus é os humanos...
*Hórus nasceu em 25 de Dezembro, no Pântano...
*O nascimento de Hórus foi anunciado pela ESTRELA Órion.
*Osíris foi o pai do Deus humano Hórus; já José foi o pai adotivo de Jesus.
*Para salvar o bebê Hórus de Seth, Ísis fugiu com Hórus para o Egito.
*Na “Trindade” egípcia Atum é o pai, Hórus o filho e Ré o Espírito.
* Hórus era “O Caminho”, “A Verdade”, “A Luz", “O Messias", “O Cordeiro de Deus", "A Palavra
encarnada", etc.
*Um dos títulos de Hórus foi "Kraat", "KRST" (Cristo) ou “Ungido”.
*Hórus também iria reinar por 2000 anos.
*De Recém nascido até 12 anos, nada se sabe sobre Hórus.
Nesse ponto a Bíblia é omissa, pois ela narra o “Nascimento de Jesus”, a “Fuga para o Egito”, e
depois só volta a narrar quando Jesus retorna a Nazaré, mas já com 12 anos de idade.
Sendo que Jesus volta a sair de cena por cerca de 18 anos, e só reaparece com 30 anos, quando
Ele supostamente teria começado a fazer “milagres”.
*Com 12 anos, Hórus já ensinava no Templo.
*Dos 12 aos 30 anos, a história de Hórus é omitida.
*Com 30 anos, Hórus foi reconhecido como sendo o filho primogênito do Deus Pai; e foi
batizado no Rio Eridanus ou Larutana, por "Anup o Batizador".
*Anup, o batizador de Hórus, foi decapitado por ordem do Rei.
*Hórus expulsou Demônios, curou enfermos, cegos, aleijados e fez milagres.
*Hórus fez um Sermão no pé da “Montanha Hetep”.
*Hórus teve 12 Discípulos, que foram suas testemunhas.
6
A Bíblia Desmascarada Volume II

*Hórus foi traído por Tifão, um dos seus 12 discípulos.


*Hórus Ressuscitou uma múmia chamada El-Azarus
*Hórus foi tentado no Deserto de Amenta, por 40 dias, por seu arquiinimigo SET, mas resistiu à
tentação.
A luta de Hórus com Set no Deserto, por 40 dias, representa o triunfo da luz sobre a escuridão e
o retorno do Sol para aliviar o terror da noite.
*Avatare seria um aspecto "escuro" de Hórus, como "Seth" ou "Satã”, que terminou gerando o
nome “Satanás".
*Hórus foi traído por Tifão, um de seus apóstolos.
*Hórus foi crucificado, foi enterrado, mas Ressuscitou no terceiro dia.
*A ressurreição de Hórus foi anunciada por 03 mulheres.
*O escriba Aan (João), que em hebraico é chamado de Yohanam, recebeu a ordem de ir pelo
mundo divulgando os “Ensinamentos” de Hórus.
* Hórus também descendia de antigos Reis, e era “O filho Ungido de Deus”,
*Assim como os cristãos têm a Bíblia, os egípcios tinham o “Livro dos Mortos”.
* Tanto “Anu”, a Cidade onde Hórus foi sepultado, como “Beth-le-hem”, eram referências à
constelação de “Virgem”, e um símbolo astrológico dos meses de colheita e fartura, ou seja, de
muito pão, e não alguma Cidade existente na Palestina.
*A palavra “Horóscopo” vem de do Deus Hórus, e se trata de uma disciplina que utiliza o 12
signos astrológicos, e as posições relativas dos corpos celestes, para fornecer informar sobre a
personalidade dos nascidos em cada signo, as relações humanas, e outros assuntos mundanos.
*Hórus era o Deus do Céu, da Luz e da Bondade, o Messias e “O filho Ungido” do Deus Sol
Osíris, com Ísis a deusa da Natureza. Que era venerado em todo Egito é representado por um
falcão ou por um homem com cabeça de falcão.
*Nas catacumbas de Roma ainda existe o retrato do bebê Hórus, com a Mãe Isis.
A mitologia da mãe de Jesus ter continuado VIRGEM depois de ter sido engravidada por um
Espírito Talarico é uma farsa.
À HORA em que Jesus Cristo nasceu é falsa.
O DIA em que Jesus nasceu é falso.
O MÊS em que Jesus nasceu é falso.
O ANO em que Jesus nasceu é falso.
O LUGAR onde Jesus nasceu é falso.
O LOCAL onde Jesus viveu é falso.
A APARÊNCIA linda e européia de Jesus é falsa.
A DATA em que Jesus morreu é falsa.
A CRUCIFICAÇÃO de Jesus é falsa.
A RESSUSCITAÇÂO de Jesus é falsa.
A Bíblia não explica o que ACONTECEU com Jesus Cristo dos 12 aos 30 anos.
E não explica o que Jesus fez no período em passou no exílio, antes de voltar a Nazaré (mais já
com 12 anos de idade).
7
A Bíblia Desmascarada Volume II

Sinopse
Se você for do tipo:
SENSÍVEL, que se incomodam com palavras desrespeitosas.

Que se ESCONDE atrás de algum “Amigo imaginário”.

Que é RESIGNADO, instintivo ou acredita em dogmas.

Que tem MEDO da realidade, ou não deseja conhecer o que possa detonar as versões bíblicas.

Que pretende CONTINUAR enganando a si mesmo.

Que tem DIFICULDADE de se descartar dos ensinamentos que estão muito enraizados na sua
mente.

Que não é GUIADO pela Lógica.

Que tem alguma PREDISPOSIÇÃO de se agarrar às religiões.

Que se dá por SATISFEITO com algumas rezas e idas à Igreja.

Que NÃO PRETENDE se emancipar da personagem Jesus Cristo.

Que acha que NÃO VALE À PENA ficar sozinho num Universo hostil, cada vez maior, mais vazio,
mais escuro e mais frio.

Que não deseja perder a ILUSÃO de poder recorrer às supostas divindades.

Que não se ATREVE a pensar por si mesmo.

Que se LIMITA acreditar nas versões que lhe são “ensinadas”.

Ou alguém do tipo que não costuma ter OPINIÃO...

Por favor, desista de ler TODOS os e-livros do autor!


E continue cuidando da sua vida, pois o mais importante é ser feliz!
E não descobrir uma realidade que você não está preparado para suportar.
8
A Bíblia Desmascarada Volume II

O “Massacre dos Inocentes” foi plagiado da Mahābhārata


O “Massacre dos Inocentes”, que só é relatado por
Mateus; que não é confirmado por algum registro
histórico, e que não é confirmado por algum outro
escritor, ou por alguma evidência arqueológica.
É uma fraude, e tem a finalidade de fazer "cumprir" a
profecia existente em Miqueias e em Jeremias.

A lenda onde “Herodes mandou matar TODOS os Recém-Nascidos do sexo masculino, com
menos de 02 anos de idade”, não passar de mais outro dramalhão bíblico.
E foi plagiada da versão Hindu onde Krishna após nascer da virgem Devaki foi visitada por
homens sábios que haviam sido guiados até a sua presença, por intermédio de uma estrela.

Nas lendas da Mahābhārata um Anjo anunciou o nascimento de Krishna aos pastores dos
campos próximos. E quando o Rei Kansa soube do nascimento da “criança miraculosa”, ele
enviou homens para matar TODOS os meninos com até 2 anos de idade que viviam nas
vizinhanças, mas uma "voz celestial" avisou a Nanda, o pai adotivo de Krishna, para que ele
fugisse através do Rio Jumna, levando o recém nascido Krishna.

Já que a matança impiedosa de todos os recém-nascidos do sexo masculino seria um crime


hediondo de mais para não ser mencionado pelos outros escritores antigos, e não ser
mencionado pelos inimigos dos romanos.

É evidente que a “Matança dos inocentes” relatada apenas por Mateus em 2:16, nunca
aconteceu, e não passa de um marketing onde a lenda de Krishna foi misturada com a profecia
feita por Jeremias, no capítulo 31:15.

Assim diz o Senhor:


Ouviu-se um clamor em Ramá, lamentação e choro amargo. Raquel chora por seus filhos, e não
se deixa consolar a respeito deles, porque eles já não existem.

Tanto a lenda existente no Evangelho de Mateus, (2;16), onde se afirma que Herodes mandou
matar todos os primogênitos de Belém e dos arredores, que fossem do sexo masculino e
tivessem menos de 02 anos, como a versão onde em 2:13, Mateus relata que um anjo mandou
José levar o menino YESUS e a Virgem Maria para o Egito e lá ficar até que Herodes morresse.

Não passam de ficções plagiadas de lendas anteriores que foram infiltradas nos Evangelhos,
com a finalidade de convencer os iludidos de que Jesus Cristo teria existido.

Depois que as lendas de outras culturas foram plagiadas, colocadas nos Evangelho, e absolvidas
pelos cristãos, elas terminaram se transformou num pedaço importante da suposta história de
Jesus Cristo.
9
A Bíblia Desmascarada Volume II

Herodes não ordenou a “Matança dos recém-nascidos”


A versão bíblica onde para impedir que o recém- nascido YESUS sobrevivesse, o já idoso,
doente, depressivo, e sem vontade de viver, Herodes “O Grande”, teria mandado matar
milhares de recém-nascido, com menos de 02 anos, do sexo masculino, é uma fraude.

Belém sendo a MENOR entre todas as Cidades de Judá, na minúscula Belém não haveria
MILHARES de recém-nascido do sexo MASCULINO, com menos de 02 anos de idade, filhos de
judeus, para serem assassinados.

Como mesmo sendo apaixonado pela sua belíssima e deslumbrante esposa Mariamna, Herodes
mandou matar a Mariamna, no resplendor dos seus 23 anos de idade; e em 07 a.C. mandou
matar o filho do primeiro casamento Aristóbulo...

A Bíblia aproveitou o fato de Herodes ter sido o tirano mais cruel que já reinou, para criar à
fantasiosa versão do suposto “Massacre dos inocentes”.

Nem mesmo algum Faraó egípcio teria ordenado o monstruoso assassinato de todos os recém-
nascidos do sexo masculino, filhos de hebreus, pois se ele assim procedesse estaria abrindo
mão da “Vida eterna”, quando o seu coração fosse pesado no Tribunal de Osíris.

Como Herodes mandou assassinar seus próprios filhos Alexandre e Aristóbulo; e a sua
belíssima segunda esposa Marianna; Mateus aproveitou esses crimes hediondos para fabricar a
mitologia do “MASSACRE DOS INOCENTES”...

Mateus não é uma fonte digna de confiança; Mateus produziu diversos relatos absurdos sobre
YESUS; Mateus não foi uma testemunha ocular do que relatou, e Mateus escreveu
desordenadamente sobre YESUS quando ainda se encontrava na Síria.

Tanto a estória da crucificação como a da ressurreição de YESUS não têm lastro histórico, e
trata-se de uma lenda solar onde o retorno do Sol, em 25 de dezembro foi associado à
mitologia de diversos deuses que supostamente teriam revivido.

Até porque em 25 de dezembro a Constelação de Virgem se sobressai quando o Sol, depois de


“ter morrido” por 3 dias revive de forma triunfal, espalhando pelo mundo luz, calor, vida e
acabando com o frio e as trevas.

No hemisfério Norte o evento astronômico “Solstício de Inverno” acontece no dia 22 de


Dezembro, onde temos as noites mais frias, mais escuras e mais longas do rigoroso inverno
palestino. Com a “morte” do Deus Sol (de 22 a 25 de Dezembro), o “Reino das trevas” ficava
mais forte, porem depois de ter “morrido” e ter permanecido sob a terra por 3 dias, em 25 de
dezembro, quando a Constelação de Virgem se sobressai no horizonte, o Sol “Salvador da
Humanidade” renasce de forma triunfal.
10
A Bíblia Desmascarada Volume II

A lenda de Krishna virou o “Massacre dos inocentes”


O “Massacre dos Inocentes” não é confirmado por
algum registro histórico ou alguma evidência
arqueológica. Só é relatado no Evangelho atribuído a
Mateus. E tem a finalidade de fazer de conta que as
profecias existentes em Miqueias e em Jeremias foram
devidamente cumpridas.

Já que a matança de TODOS os recém-nascidos com menos de 2 anos, e do sexo masculino,


seria um crime brutal, e hediondo, por que os escritores antigos não mencionam esse causo?

A lenda do Deus Krishna foi plagiada por Mateus e colocada no Novo Testamento, onde se
transformou um pedaço importante da mitológica história de Jesus Cristo.

A lenda onde “Herodes teria mandado matar todos os recém-nascidos do sexo masculino, com
menos de 02 anos de idade”, não passar de um dramalhão; e é idêntica a versão Hindu onde
Krishna nasceu da virgem Devaki, que foi visitada por homens sábios que haviam sido guiados
até Krishna por intermédio de uma estrela.

1.800 anos antes de Jesus, nas lendas da Mahābhārata um Anjo anunciou o nascimento de
Krishna aos pastores dos campos próximos.
E quando o Rei Kansa soube do nascimento da “criança miraculosa”, ele enviou homens para
matar TODOS os meninos com até 02 anos de idade que viviam nas vizinhanças, mas uma "voz
celestial" avisou a Nanda, o pai adotivo de Krishna, para que ele fugisse através do Rio Jumna,
levando o recém nascido Krishna.

Nas lendas anteriores ao Novo Testamento era relatado que para que não se realizasse a
profecia feita por astrólogos, sobre o Abraão de Ur vir a divulgar que só existe um único Deus;
e para que um dia o Abraão não viesse a destruir as estatuas das outras divindades...
Quando Abraão nasceu, o Rei de Ur Nimrod mandou assassinar milhares de recém-nascidos, na
esperança de matar o Abraão...

A “Matança dos inocentes” é relatada apenas por Mateus em 2:16.


E não passa de um marketing, onde a lenda de Krishna foi misturada com a profecia feita por
Jeremias, no capítulo 31:15.

Assim diz o Senhor: Ouviu-se um clamor em Ramá, lamentação e choro amargo. Raquel chora
por seus filhos, e não se deixa consolar a respeito deles, porque eles já não existem.
11
A Bíblia Desmascarada Volume II

Herodes “O Grande” morreu 06 anos ANTES do massacre dos inocentes


No livro “Antiguidades Judaicas” Josefo
relata que Herodes morreu aos 69 anos de
idade, DEPOIS de um ECLIPSE lunar que
aconteceu ANTES da Páscoa judaica, do dia
11 de março de 4 a.C.

Para provar que a “Matança dos Inocentes” não passa de uma fraude, cujo objetivo
é fazer os cristãos acreditarem que Jesus teria existido, lembramos que:

01-O Censo de Quirinius só começou 12 anos DEPOIS da data atribuída ao nascimento de Jesus.
02- Herodes morreu 06 anos ANTES da data atribuída ao Massacre; ou seja, em 12 de Abril do
ano 04 a.C.
03- Na época do suposto “Massacre dos Inocentes”, ou seja, no ano 02 DEPOIS de Cristo, quem
reinava era o filho de Herodes Arquelau, que foi considerado incompetente pelo Imperador
romano Augusto, e substituído por Herodes Antipas, que decapitou o João Batista.
04- O lendário “Massacre dos Inocentes”, que só é relatado por Mateus; que não é confirmado
por algum registro histórico, e é só uma tentativa de fazer crer que Jesus teria existido.
05- Tanto a lenda existente apenas no Evangelho de Mateus, (2;16), onde se afirma que
Herodes mandou matar todos os recém- nascidos de Belém e dos arredores, que fossem do
sexo masculino e tivessem menos de 02 anos, como a versão onde em 2:13, Mateus relata que
um anjo mandou José levar o menino Jesus e a Virgem Maria para o Egito e lá ficar até que
Herodes morresse. São ficções que foram infiltradas nos Evangelhos com a finalidade de
convencer os cristãos de que Jesus teria existido.
06-O absurdo onde “Herodes teria mandado assassinar todos os recém-nascidos do sexo
masculino, com menos de 02 anos de idade”, não passar de um dramalhão; e foi plagiada de
lendas anteriores como a versão Hindu onde o Rei Kansa, quando soube do nascimento de
Krishna (a oitava encarnação do Deus Vishnu) mandou matar todos os recém- nascidos...
07- A “Matança das criancinhas” não consta na biografia do Rei Herodes, não consta nos
Documentos hebreus, não consta nos Documentos romanos, não consta nos relatos feitos por
Filóstrato, (o biógrafo de Herodes), não consta nos relatos de Flávius Josephus 33 d.C. a 100
d.C. (que relatou todas as façanhas de Herodes, o grande); não consta nos Documentos de
Filão, “O Judeu” 20 d.C. a 50 d.C.; não consta nos documentos de Plínio, “O Jovem”, (que viveu
entre os anos 62 e 113, e foi sub-pretor da Bitínia), e os Documentos do geógrafo e naturalista
romano Plínio, “O Velho” 23 d.C. a 79 d.C., NUNCA mencionaram a “Matança dos Inocentes”.
08- Como no Inverno de 07 a.C. Herodes mandou assassinar seus próprios filhos Alexandre e
Aristóbulo; Mateus aproveitou esse crime hediondo para fabricar a mitologia do “Massacre dos
inocentes”.
09-Mateus não é uma fonte digna de confiança; produziu diversos relatos absurdos sobre
Jesus; não foi uma testemunha ocular do que relatou, e Mateus escreveu desordenadamente
sobre Jesus Cristo quando ainda se encontrava na Síria.
12
A Bíblia Desmascarada Volume II

Por que Jesus teria nascido em Belém, se a sua mãe vivia em Nazaré?

O que faria longe de casa, uma grávida preste há completar 09 meses, na época das chuvas, e
do frio, quando as viagens longas eram perigosas, e extremamente penosas?
Ainda mas se tratando de uma gravidez de “Auto-risco”, tanto pela pouca idade da gestante,
como pelo duplo anabolismo...

O evangelista Lucas afirmou que o José e a Maria teriam viajado a Belém para participar de um
Censo romano. Mas assim como, colocar um pouco de água pura no copo com água
poluída, não impede que ele continue sendo água poluída, de nada adiantaria a
Bíblia adicionar fatos reais as suas fantasias.

Para desmascarar a farsa do Arquétipo Jesus ter nascido em Belém, e provar que a Bíblia
distorce fatos reais no sentido de fingir que Jesus teria existido basta lembra que o Governador
Quirino realizou o Censo no ano 12; que ao contrário do que Lucas afirma, Quirino não foi
contemporâneo de Herodes, o Grande; e que os Censos duravam dezenas de anos.

Além disso, não é verdade que os chefes de família tinham que se apresentar ao censo em seu
local de nascimento; pois os homens eram recenseados onde viviam, onde tinham
propriedades, ou onde obtinham algo valioso, e não onde nasceram.

Por fim, os romanos não realizavam censos em regiões de Governo autônomo, como a Galiléia.

Como o objetivo dos Censos romanos era tributário, o Império Romano não recolhia os tributos
fora da sua Cidade diretamente, mas sim, os habitantes das outras regiões pagavam impostos
ao Governo regional, que por sua vez, pagava Tributos a Roma.

Se a razão apontada pela Bíblia para Jesus ter nascido em Belém é falsa, pode-se concluir com
boa margem de segurança, que o suposto nascimento de Jesus em Belém também é falso.

Assim como também são falsos:

À HORA em que Jesus teria nascido, o DIA em que Jesus teria nascido, o MÊS em que Jesus teria
nascido, o ANO em que Jesus teria nascido, o LUGAR em que Jesus teria nascido, a
PATERNIDADE de Jesus, a mitologia de que Jesus Cristo teria sido um Deus que viveu na
Terra como homem, para derramar o seu sangue, e resgatar a humanidade do
“Pecado Original”; e a DATA em que Jesus teria ressuscitado.

Tanta mentira e falsidade bíblica não surpreende os ateus; pois o Deus que os cristãos tanto
falam não passa de um “Deus das lacunas”, que serve apenas para preencher o vazio criado
pela recusa de aceitar que a morte é o único jeito de renovar a vida...
13
A Bíblia Desmascarada Volume II

O filho de um estuprador virou o Arquétipo Jesus?


Embora os “Espíritos com amnésia” não gerem
CROMOSSOMOS, não fertilize os óvulos das mulheres, não
forneçam o elemento responsável pelo embrião se tornar
masculino, não pertença ao reino biológico, e sequer exista, a
Bíblia insiste que a Maria foi engravidada pelo Talarico
“Espírito Santo”.

Mesmo tendo NASCIDO de forma biológica, como qualquer outro ser humano; e sendo o filho
bastardo do estuprador soldado Pantera com a ninfeta Miriam; depois de ser executado Jesus
virou um Arquétipo, e se transformou no suposto “Deus dos pobres”.

Tanto o “TRATADO SANHEDRIN 43a,” Séc. II do Talmude, que designa de qual clã familiar o
judeu descende, como o ESOTERISMO, o escritor CELSUS, e os “Manuscritos do Mar morto”
relatam que, um soldado romano de nome Tiberius Iulius Abdes Pantera estuprou e
engravidou a adolescente judia Miriam bat Bilgah, que não tinha irmãos, era órfã, era jovem,
era inexperiente, e que estaria num “dia fértil”, da sua puberdade; (ou seja, quando as
raparigas saudáveis e fogosas têm mais dificuldade de dominar o seu instinto sexual).

Por não conseguir resistir à força atrativa do sexo, a jovem traiu o noivo, (que era carpinteiro,
se chamava José, era idoso, era seu tio materno); engravidou, e teve um filho bastardo...

Desonrada, e para se livrar dos mexericos, a jovem Maria fugiu com o filho recém nascido para
o Egito, onde aprendeu a arte de cura enfermidades usando ervas medicinais.
Cerca de 12 anos depois a Miriam voltou para Nazaré onde foi muito útil ao povo pobre, e pode
viver em paz até o dia em que o seu filho bastardo foi assassinado.

Além do Holandês Paul Verhoeven, que foi Diretor do "Instituto Selvagem", após mais de 20
anos de pesquisas afirmar que, A fuga do Arquétipo Jesus para o Egito é só uma cópia de
lendas anteriores...
A religião oficial do Egito ser o Islamismo muçulmano, e não o cristianismo.
O calendário egípcio continuar sendo o Alexandrino, e não o Calendário Gregoriano de 1582,
onde se presumiu que Jesus Cristo nasceu no ano 01 da era atual.

Enbora a lenda de Jesus “O Cristo” seja uma falsificação onde se tenta criar uma personagem
mais importante do que as Leis judaicas; e as versões referentes à suposta existência de Jesus
não passe de mitologias negadas pelos ateus, e combatidas pela grande Nação Judaica.
Em 2;13 Mateus mentiu que o menino Jesus fugido de Herodes para o Egito...
Mas não existe Documento ou alguma prova de que isso tenha acontecido.
E para fabricar o causo sobre a fuga de Jesus Mateus remodelou lendas, como a lenda de
Krishna, onde Ísis fugiu com o bebê Hórus para o Egito, a fim de salva-lo das garras de Seth.
14
A Bíblia Desmascarada Volume II

A ADOLESCENTE MIRIAM FOI ENGRAVIDADA PELO SOLDADO PANTERA

O “TRATADO SANHEDRIN 43a,” Séc. II, que designa


de qual clã familiar o indivíduo descende, o
ESOTERISMO, e o escritor CELSUS, afirmaram que
uma menina moça judia, chamada Miriam, mesmo
sendo noiva do idoso José, que era seu tio materno,
teve um filho bastardo do soldado Abdes Tiberius
Julius Pantera...

Em aproximadamente 03 d.C., o soldado Abdes Tiberius Julius Pantera, natural de Sidon,


nascido em 22 a.C. e morrido em 60 d.C, ao se embebedar teria se vangloriado de que era pai,
e que já havia seduzido e engravidado, uma belíssima e virgem menina moça, judia...

Mesmo estando sendo capacitado para servir nas tropas do Imperador Octávio Augusto, o
soldado Pantera foi expulso da Corporação em que prestava Serviço e banido para a Germânia,
onde viveu com dificuldades até falecer e ser sepultado no Cemitério da Cidade de Bingen
Bruck. O Túmulo do soldado Pantera está bem conservado na “lápide Bingerbrück”, e já foi
visitado por milhares de turistas.

Segundo o Esoterismo, o escritor Celsus, o Talmud, e o “Atos de Pilatos 11.3”, que recriminou o
soldado Pantera, “Jesus Cristo” seria a “reciclagem” do estupro onde um soldado romano
engravidou uma adolescente judia, órfã, virgem e comprometida, de nome “Miriam”, que teve
um filho bastardo (MaMzer), de nome “Yeshua Ben Pandira”, e que foi desprezado pelo pai.

Como a palavra “RUÁH”, que a Bíblia atual preferiu verter para o “MENSAGEIRO DE DEUS”, também significaria
“O SACERDOTE de Deus”; outra hipótese para a gravidez da ninfeta Maria seria a de que J Esus foi gerado por
algum Sacerdote pedófilo, pois com a morte do pai, a bela Maria foi entregue ainda criança aos “guardiões” do
Templo de Jerusalém, para ser tutelada...

Embora os pais da Maria fossem pecadores, a Maria também tenha nascido através do “Pecado
carnal”, e só nas mitologias religiosas Deus teria alguma suposta mãe humana...
Como a Igreja precisava de uma divindade feminina, assim que o Novo Testamento foi
inventado se fabricou o dogma da “Virgem imaculada” que gerou J Esus; e se determinou que a
mãe de J Esus foi uma mãe virgem, e não apenas uma mãe JOVEM.

A lenda de “Jesus Cristo” aproveitou o sofrimento do feiticeiro “Yeshua Ben Pandira”, que foi
ESTACADO e teve o seu cadáver mantido sem tocar no chão por 3 dias para que os Judeus
vissem o que acontece com os que se atrevem desafiar a Lei romana!
O “Tratado Sanhedrin 43a,” Séc. II, faz referência à condenação de Yeshua Ben Pandira, que
depois de 03 dias teve o seu cadáver roubado.

Apesar das Escrituras hebraicas afirmarem que o “Ha- Mashiach” seria gerado pelos laços de pai e mãe, e não
por algum “Espírito Santo”, o “Novo Testamento” afirma que, uma menina moça pura, órfã, virgem, belíssima
e noiva, foi estuprada e engravidada pelo “Espírito Santo”, que cometeu um ADULTÉRIO contra o futuro
marido da jovem, e teria gerado um AVATAR que foi chamado de Cristo.
15
A Bíblia Desmascarada Volume II

YESUS Cristo não nasceu em 25 de dezembro


Para abafar as comemorações onde se festejava o nascimento do
Deus Sol, a Igreja Oriental ordenou que se celebrassem
festividades em honra ao nascimento de Cristo, e que as
comemorações fossem na mesma data em que se festejava o
nascimento do Deus Sol.

Em 46 a.C. Júlio César mudou o inicio do ano de março para januarius. Como no antigo Calendário o Ano Novo estava
começando em pleno Inverno, ou seja, em março; aproveitando que o Deus Jano era o porteiro celestial, que abre e
fecha as portas do ciclo anual; Júlio César mudou o inicio do ano de março para 1º de januarius.
Em 8 d.C. o “Calendário Juliano” foi aprimorado pelo Imperador Augusto, que mudou o mês Sextilis para agosto.
Em 245 d.C., segundo O livro The Lore of Birthdays (A Tradição dos Aniversários Natalícios), Orígenes, um dos
chamados pai da Igreja, repudiou a idéia de se festejar o nascimento de Cristo, como se Cristo fosse algum
tipo de Faraó, pois o costume não era celebrar o nascimento de YESUS Cristo, mas sim, a sua morte.
Em 273 d.C., o Imperador Aureliano estabeleceu que o Deus Mitra-Menino nasceu em 25 de dezembro; e foi
visitado por magos, que lhe ofertaram mirra, incenso e ouro... E desde então se passou comemorar em 25 de
dezembro o dia do “Natalis Solis Invcti”, que significava o nascimento do Sol invencível.

Até o século IV não se comemorava o aniversário do NASCIMENTO de Cristo, pois as celebrações de


aniversários natalícios estavam ligadas ao paganismo, e as crenças onde se acreditava que algum Espírito
acompanharia cada ser humano e o protegeria pelo resto da vida, e as crenças pagãs não eram aceitas pelos
que acreditavam na existência de um Deus único.

No ano 350 d.C., o Papa Júlio I, determinou que a veneração de 25 de Dezembro, ao Deus Sol, fosse substituída
pela comemoração do “nascimento” de Cristo.

Em 525, (ano 3.761 do calendário judaico), a fim de apagar da memória do povo, as lembranças de Deuses
como, Tamuz, Janus, Hórus e Mitra, a Igreja inventou a convenção “ANTES e DEPOIS” de Cristo...

O Natal católico foi criado com o objetivo de se apropriar das festas pagãs que ocorriam entre 17 e 25 de
dezembro, onde se comemorava o Festival do Solis Invictus (Sol Invencível).
E não teve a intenção de precisar cronologicamente a data do suposto nascimento de Cristo, mas sim, de
abafar a importância das outras milenares festas pagãs, que aconteciam em 25 de dezembro.
Pois o Natal cristão é uma forma ardilosa e eficiente de fazer com que o povo esqueça a milenar e mais antiga
festa da humanidade, ou seja, a conhecida “Festa do Solstício do Inverno”, onde desde primórdios os pagãos
celebravam a festa do Mitra menino, na última semana do calendário ocidental.

Em 525, (ano 3.761 do calendário judaico), e ano 754 da fundação de Roma, com o objetivo de se apropriar das
festas pagãs que ocorriam entre 17 e 25 de dezembro, onde se comemorava o Festival do Solis Invictus; o
Imperador Justiniano I, ao encomendou ao Abade Dionísio Exiguus, que adaptasse o “Calendário Juliano”, ao
nascimento de J Esus, fez surgir o chamado "MARCO ZERO".
E Anno Domini, "Ano do nascimento do Nosso Senhor Jesus Cristo", abreviado A.D.

Em 731, o “Anno Domini” virou a expressão a.C. “Antes de Cristo”.


Em 1582 o Papa Gregório XII objetivando a melhor aproximação possível do ano civil com o ano solar, substituiu o
Calendário Juliano pelo Calendário Gregoriano, que levou mais de três séculos, para se tornar o Calendário
oficial dos cristãos.
16
A Bíblia Desmascarada Volume II

A origem da “Árvore de Natal”


Embora o primeiro a ser chamado "Rei dos Reis"
tenha sido Ninurta, que há cerca de 3450 anos
governou a Assíria, e depois o Nabucodonosor
II, que reinou em 604 a.C. com o passar do
tempo Jesus terminou recebendo o titulo de
“Rei dos Reis”...

Em 274 d. C. o Imperador Aureliano proclamou o dia 25 de dezembro como o "Dies Natalis


Invicti Solis" (O Dia do Nascimento do Sol Inconquistável),

Em 350 d.C., a veneração ao Deus Sol foi substituída pela comemoração do dia do nascimento
de Cristo em 25 de Dezembro.

Em 354, o Papa “São Libério” transformou a festa do nascimento do Deus Mitra no “Natal
cristão”.

Em 440, foi sugerido que o Natal passasse ser comemorado em dezembro.

Em 525, a orientação de se comemorar o Natal em 25 de dezembro tornou-se


tornou obrigatória.

A origem do Presépio começou em 24 de Dezembro de 1223, quando Francisco de


Assis providenciou para
ara que a “Missa do Galo” fosse realizada dentro de uma
gruta, e o nascimento de Cristo fosse representado ao vivo e de forma teatral.

Em 800 d.C. o “Carvalho Sagrado de Odin” foi substituindo pela "Árvore de Natal”.

Sendo que a origem da “Árvore de Natal”


Nat vem de Tamuz, o Deus babilônico da primavera; e
estaria relacionada com o antigo costume pagão de em dezembro se cortar árvores que como o
pinheiro continua verde mesmo durante o Inverno, e decorar as “Árvores do Natal” com tudo o
que refletisse ou chamasse
masse a luz para dentro das casas.

Em
m 1306, Giotto di Bondone rompeu com o tabu de só se poder desenhar e esculpir
Santos e Anjos. E com
om o passar do tempo, a iconografia cristã da Natividade de
YESUS passou a ser representada através de Presépios.

O Relato 2:8, onde Lucas afirma que “Os pastores estavam no campo cuidando de seus
rebanhos à noite”, o recém-nascido
nascido YESUS está sem roupa, e os que visitaram YESUS estarem
com roupas típicas de um lugar quente, e não com roupas apropriadas para o rigoroso Inverno
I
palestino, prova que YESUS não poderia ter nascido em dezembro.
17
Desmascarando a Bíblia Volume II

TANTO O BOI COMO O JUMENTO DO “PRESÉPIO” SÃO ANTI-SEMITISMOS

Em 1384, o Papa Urbano VI provocou dizendo:

Parece que os animais têm mais entendimento que o povo de Israel, coloquemos animais no
Presépio para servirem de exemplo, eles conhecem o Senhor de sua manjedoura, enquanto os
judeus não o conhecem.

Colocar o boi e o jumento no Presépio, o empenho em diabolizar Judas; a versão de que


“Judas” se enforcou num Shabat, o dia mais sagrado da semana; “Malhar o Judas” (uma
remodelagem da tradição pagã de, na hora da colheita, espantar as “forças do mal”; e queimar
bonecos feitos de palha), seriam formas disfarçadas de denegrir a religião Judaica, e de
vilipendiar os judeus.

A passagem para justificar o anti-semitismo cristão foi retirada de Isaías 1.2-4:

"Ouvi, ó céus, e dá ouvidos, ó terra, porque o Senhor é quem fala:


Criei filhos e os engrandeci, mas eles estão revoltados contra mim.
O boi conhece o seu possuidor, e o jumento, o dono da sua manjedoura; mas Israel não tem conhecimento, o
meu povo não entende.
Ai desta nação pecaminosa, povo carregado de iniqüidade, raça de malignos, filhos corruptores; abandonaram
o Senhor, blasfemaram do Santo de Israel, voltaram para trás.

Sendo que o Boi e o Jumento foram introduzidos no cenário do Presépio com o intuito de
vilipendiar os judeus, e no Século XVIII, o costume de montar o presépio se disseminou pela
Europa e depois pelo mundo.

Quando fragilizado, para exorcizar os terrores da Natureza, se reconciliar com as crueldades do


destino, ou superar o medo da morte, os religiosos só enxergam o que lhes convêm, permite
que as emoções se sobreponham ao pensamento racional, ou se refugiam nas mitologias de
um mundo governado por Deuses...

Prosseguir sem dificuldade seria triunfar sem glória, e caso a Terra repetisse o processo que
originou as espécies, os sobreviventes da fornada em questão jamais seriam como os atuais;
pois tudo o que existe só teria as características atuais, devido a algum detalhe, seqüência
evolutiva ou tipo específico de “solução paroquial”.
18
Desmascarando a Bíblia Volume II

As religiões seriam Epifanias, ou formas de compensar


as limitações emocionais dos religiosos

O nosso egocentrismo, as similaridades existentes nos documentos históricos, as tradições


orais, a necessidade que os religiosos têm de forjar um sentido para a vida humana, o desejo
de servir a algo maior, e desde os primórdios, tanto o Sol como a Lua terem sido mundialmente
festejados (como sendo alguma suposta divindade), demonstraria que todas as religiões teriam
bebido na mesma fonte, e que no caso em tela seria a Astrologia, as interpretações divinas, e
as supostas “revelações”...

Como prova de quase todas as historias contadas pela Bíblia já existiam em outras civilizações,
lembramos que:

Há mais de 5000 anos, as lendas védicas contam que o ferido Krishna foi suspenso, e amarrado
nos galhos de uma árvore por 3 dias, para que morresse e fosse devorado pelos abutres...
Em 3000 a.C. no Egito, o Crucificado foi Horus...
Em 1.700 a.C. no Egito o Crucificado foi THULIS...
Em 1.200 a.C. na Caldeia o Crucificado foi CRITES da Caldeia...
Em 1200 a.C na Pérsia o Crucificado foi MITRA, “O Mediador”...
Em 1.170 a.C. na Frigia o Crucificado foi ATIS da Frigia...
Em 1.160 a.C. na Síria o Crucificado foi Tamuz...
Em 834 a.C. na Celta, o Crucificado foi o Druida ESUS...
Em 600 a.C. o Crucificado foi ALCESTE (de Eurípedes)...
Em 600 a.C. o Crucificado foi SAKYAMUNI...
Em 587 a.C. no México, o crucificado foi QUETZALCÓATL...
Em 552 a.C. na Índia o Crucificado foi VITHOBA...
Em 506 a.C. o Crucificado foi QUIRINUS, o Salvador romano...
Em 98 d.C. o Crucificado foi APOLÔNIO de Tiana...
Em 71 a.C. SPARTACUS e 6.000 homens foram crucificados pelo General Crasso...
Em 60 a.C. o estacado foi BENJAMIM (O Egípcio)...
Em torno de 44 a.C. o estacado foi THEUDAS...
Em 06 a.C. o estacado foi YESHUA da Galiléia...
Em 04 a.C. o estacado foi SIMÃO de Peréia...
No ano 33 d.C. o crucificado teria sido o Arquétipo JESUS CRISTO.
19
Desmascarando a Bíblia Volume II

O SOLSTÍCIO de inverno virou o “DEUS SOL INVICTUS”, depois o “CRISTO”, e finalmente “Jesus Cristo”...

Por volta de 50 a.C. (quando derrotou as TRIBOS CELTAS que viviam espalhadas pelas regiões,
que hoje são a Suíça, a França, a Bélgica, e a Inglaterra); Julio Cesar PERMITIU que os Pagãos
continuassem cultuado o Deus "ESUS"...

Em torno de 44 d.C. os primeiros judaizantes fabricaram um novo Arquétipo religioso, que era
receptivo a todos os que desejassem adorar o novo Profeta da Era do peixe...

Em 70 d.C. como mais de milhão de judeus foram assassinados, e o Templo de Jerusalém foi
destruído pelo General Tito, alguns sobrevivente resolveram adorar um novo Deus.

Em torno de 273 d.C. o Imperador Aureliano fomentou o culto ao DEUS SOL INVICTUS.

Em torno de 326 d.C Constantino fundou a sua própria religião, ao misturar o “DEUS SOL
INVICTUS”, com HORÚS; e acrescentar o relato Sanhedrim 43ª, existente no Talmude
Babilônico, sobre o judeu “YESHU DE NAZARÉ”, que por praticar magia, e corromper a tradição
judaica, na véspera da Páscoa foi pendurado, foi apedrejado, e teve o seu cadáver roubado.

E foi assim que o “DEUS SOL INVICTUS” virou o CREDO NICENO, que foi usado para fabricar
CRISTO; virou a nova religião “Para todos”; virou uma Religião universal, e transformou o DEUS
SOL INVICTUS no Deus humano CRISTO.

Em torno de 370 d.C com a autorização do Papa Dâmaso I, e para atrair os pagãos, que eram
maioria, ao produzir a versão latina da Bíblia, Jerônimo fabricou “J Esus”; que seria um nome
blasfemo para o Redentor, e um novo nome para o Deus Cristo, que fora inventado pelo
Imperador Constantino.
Ao juntar o nome do Antigo Deus pagão “ESUS”, das florestas da Gália, que fazia parte da
Trindade divina ESUS-TEUTATES-TARANIS, e ao qual se ofereciam sacrifícios humanos com o “J”
de Júpiter, se fabricou o nome “J Esus”.

A inspiração para o nome “J ESUS” teria vindo da palavra "IO ZEUS", que era uma antiga
reverencia ao casal divino IO e ZEUS, mudou para "IO SOUS", e terminou virando "J Esus".

Na mitologia religiosa a Sacerdotisa “IO”, também conhecida como “ELA à feiticeira” (que representava a LUA),
e que virou a Deusa ÍSIS; foi uma paixão do Deus ZEUS (Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar)...
20
Desmascarando a Bíblia Volume II

O nome “J Esus” seria um tributo a união de “ZEUS” com “IO”

O nome correto do Messias deveria ser “Emanuul”, que


significa O SUPREMO ESTÁ CONOSCO, e não “Emanuel”,
que seria uma homenagem a “El”, o Supremo Deus cananeu.

Os antigos atribuíam significados mágicos às palavras.


Achavam que ao pronunciar o nome de alguém eles
levariam alguma vantagem...

Correggio (1489-1534), Zeus and Io.

“J Esus” é um nome TEOFÓRICO, isto é, um nome DERIVADO DE OUTRO NOME, que


foi forjado REUNINDO e UNIFICANDO o Deus pagão “ZEUS”, a sacerdotisa “IO”, o Deus
celta “ESUS”, o Deus Sol Invictus, etc.
Por milhares de anos o nome “IO ZEUS” funcionou tanto como um incentivo para que se busque um
ideal, sem nunca desistir; como um TRIBUTO à união de “ZEUS” com “IO”; que foi uma paixão do
Deus ZEUS (Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar)...

Como a Sacerdotisa “IO” (que representava a LUA), virou “ELA à feiticeira”; e depois virou a
Deusa ÍSIS, a palavra "IO ZEUS", que era uma antiga reverencia ao casal divino IO e ZEUS,
mudou para "IO SOUS"; e na Era de Peixe virou "J Esus", e a “Virgem Maria”...

Os Cristãos que me desculpe, mas YAOHÚSHUA e JESUS não significam a Mesma Coisa; e
são duas Personagens DIFERENTES, de épocas diferentes, mas que foram juntadas e
terminou virando o arquétipo JESUS CRISTO...

Em Mateus 1:20,21 se fingiu que EM SONHO, UM ANJO DO SENHOR disse para José, filho de
Davi: Não temas, e recebe a Maria, como tua mulher, porque o que nela está sendo gerado é o
Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, E LHE PORÁS O NOME DE JESUS, PORQUE ELE SALVARÁ
O SEU POVO DOS SEUS PECADOS.

E em Lucas 2:21 se voltou a fingir que: “Ao Completando-se os oito dias para a circuncisão do
menino, foi-lhe posto o nome de JESUS, o qual lhe tinha sido dado pelo anjo antes de ele
nascer”.

O nome do Salvador foi trocado de “EMANUUL” que etimologicamente significa “O SUPREMO


ESTÁ CONOSCO”, para “YEH-O-SHUA”, virou YESHUA, que em torno de 382 d.C após o
surgimento da letra J, virou J Esu, e terminou virando JESUS de Nazaré...

Por não gostar do Bispo Lúcifer de Cagliari, ao produzir a versão latina da Bíblia, Jerônimo
traduziu "Estrela da Manhã" por Lúcifer.
E observando que faltava algo para que as massas acreditassem em “J Esus”; Jerônimo incluiu a
mitologia da Ressurreição de Jesus no suposto Evangelho de Marcos.
21
Desmascarando a Bíblia Volume II

NO PASSADO OS “DEUSES” DOS RELIGIOSOS TINHAM CABEÇAS DE ANIMAIS

Os primeiros “deuses” dos humanos foram o SOL, a LUA, o MAR, os RIOS, o FOGO, as
FLORESTAS, as MONTANHAS, os VULCÕES, etc.

Por não entender os mecanismos da natureza, e sem ter a quem recorrer nos momentos de
angustia, muitos acreditaram em Montanhas sagradas, Rios sagrados, Terras sagradas, Livros
sagrados, Objetos sagrados, ou zoomorfizaram as suas divindades...
E foi assim que surgiram os DEUSES com cabeças de animais, como GANESHA e HÓRUS.

Pinturas com mais de 30 mil anos, de povos que viviam em cavernas, mostram figuras de
deuses com CABEÇAS DE ANIMAIS.

Quando o PASTOREIO fez com que os bichos se tornaram meros animais domésticos, os Deuses
antropozoomórficos foram substituídos por heróis ou defuntos com status, e evoluiu- se do
Zoomórfico para o Antropofórmico.

O surgimento da escrita fez com que os “Deuses” ganhassem personalidades, biografias, e as


mitologias religiosas ficassem mais sofisticadas, ainda que o “Livro Sagrado” dos devotos
tenham precisado de milhares de anos para ser concluído.

Os “Kohanim” e os que a cerca de 3.500 anos atrás vieram do Egito, adoravam tanto o Deus El,
que era o pai de todos os deuses, como YHWH (o Deus que pune com crueldade os erros dos
seus adoradores), e ao se dividir em duas tribos os sobreviventes que adoravam o Deus YHWH
alastraram a sua crença pelo mundo.

Embora no século XVIII o “Iluminismo” tenha possibilitado que os conhecimentos fossem


ampliados, e alguns humanos tenham passado a usar a RAZÃO para entender tanto a Natureza
como a si mesmo.

A necessidade que os iludidos têm de ACREDITAR em Deus, se somaria com as fantasias que os
camelôs da fé oferecem.

Eu disse “oferece”, porque esses canalhas jamais entregam o que prometem...


A Bíblia Desmascarada Volume II
22

Os deuses têm um “Prazo de Validade”

Como as COLHEITAS, as ESTAÇÕES do ano, e o CICLO LUNAR sempre são no mesmo período, mas a cada
2.150 anos o Sol “nascer” numa constelação diferente; isso fez com que os deuses solares mudassem as
suas características em função das novas ERAS ASTROLÓGICAS, pois as religiões são um Arquétipo da
ASTROLOGIA Zodiacal, que ao sair do “PRAZO DE VALIDADE”, faz nascer algum “RENOVADO” Messias.

Da Pré-história até o inicio da domesticação de animais, em torno de 4000 a.C. foi à fase
religiosa do “ESTÁGIO MITOLÓGICO”, onde se cultuou tanto os Deuses Animais, como os
Deuses Natureza, tais como os jurássicos:
Deus SOL, a Deusa da Lua, a Deusa da Fertilidade, a Deusa do Mar, etc.
Analisando pelo ângulo físico, as religiões estariam regredindo, pois na época em que se adorava a Lua,
o Mar, ou o Sol, pelo menos esses “Deuses” eram MUITOS, e eram visíveis...

Quando os animais se tornaram simples serviçais dos homens, se deixou de cultuar deuses metade homem
metade animal, e passou-se a cultuar super heróis como:
Tamuz, Hórus, Ea e Baal, que mitologicamente “nasceram” com a missão de orientar os humanos...

De 4.476 a.C. a 2.330 a.C. foi à era de Touro, quando os nômades começam a sedentarizar-se, e aproveitar
às riquezas existentes; foram difundidos tanto o respeito ao feminino, como o culto aos mistérios da procriação.

De 2.330 a.C. a 1 d.C. foi a era de Áries (carneiro), e do Deus único “YAHWEH”; sendo que em 539 a.C.
durante o cativeiro babilonico os hebreus absolveram a crença de “Akenaton” num Deus único, mas
chamaram o seu Deus único de “Javé”, e inventaram que Abraão foi o primeiro a propor a crença num
Deus único.

De 1 d.C. a 2.000 d.C. foi à era de Aquario ou Peixe, e do Deus Jesus Cristo.

O Deus "Javé dos Shasus" teria sido importado das áreas ao Sul, trazido pelos "beduínos" que se
incorporaram às tribos israelitas. Pois há cerca de 3.350 anos, o faraó “Akenaton” foi o primeiro Rei a
propor que HAVERIA UM ÚNICO DEUS. “Akenaton” chamou o seu Deus único de “ATON”, mas com o
assassinato de “Akenaton” o Egito voltou ao politeísmo.
Mas depois de adaptadas, as lendas anteriores de outros povos foram inseridas nos livros hebraicos, e
se transformaram na mitológica história religiosa dos hebreus...

O cativeiro babilonico e a Era do Carneiro, levou os hebreu a trocarem o inutil e pacifico


Deus EL pelo terrível e vingativo Deus dos exercitos, YAHWEV... 22

Comer carne de CARNEIRO durante a Páscoa Judaica ou “PÁSCOA LUNAR”, Hércules,


Teseu e Mitha matando o TOURO, e Moisés assassinar os que adoraram um BEZERRO de
ouro; simbolizam a passagem Astrológica da Era do TOURO para a Era do CARNEIRO.
A Bíblia Desmascarada Volume II
23

A destruição do Templo em 70 d.C. o assassinato de um milhão de judeus, o inicio da Era


astrológica do Peixe, as crucificações, e o surgimento da Religião Para Todos, fizeram
surgir o mitológico “Deus humano Cristo...

Mas os “CAUSOS” sobre Jesus Cristo estão prestes a ficar “Fora do Prazo de Validade“, pois já
estamos na Era de AQUÁRIO (2.000 até 4.100 d.C.), Que será a era do CONHECIMENTO ACIMA DA
EMOÇÃO, e que transformará a CIÊNCIA no mais importante “PODER SUPREMO” da humanidade.
E onde deixaremos de acreditar nas ultrapassadas mitologias religiosas.

Pois finalmente os humanos entenderão que não existe alguém tomando nota de tudo ou
interferindo nas ações que praticamos; e após 4.108 d.C. os humanos serão como deuses...

A Igreja afirmar que Paixão, a Morte e a Ressurreição de Jesus aconteceram no dia 30 de março, (ou
seja, no Mês de Nissan), porque Jesus Cristo é só uma recauchutagem da “Festa da Primavera boreal".

Registros como as “Tabuletas de Ebla” confirmam que antes da Era de Peixe, e do Deus “JESUS CRISTO”,
os antigos hebreus reverenciavam deuses como “Dagom”, “Aserá”, “Baal” e “EL”.

O cristianismo primitivo usar o símbolo do “PEIXE” para se comunicar uns com os outros...
Os discípulos de Jesus serem “PESCADORES” de Almas...
Na “Sexta-Feira Santa” a principal comida dos cristãos ser o PEIXE...
Jesus andar sobre as ÁGUAS do Mar...
Na Era de Peixe nascer um novo Deus que traria uma “Boa Nova”...
E Jesus ser a “PONTE” que ligaria o mundo físico com o “Dilmun” (o Paraíso babilônico)...
Tem tudo haver com o inicio da ERA astrológica de PEIXE, e o Sol se encontra na constelação de Pisces.

As letras do acróstico I-CH-TH-Ý-S (Peixe em grego), são a abreviatura de "Iesoûs Christós Theoú
Hyiós Sôtêr", Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador.

Quando Cristo diz, "Estarei com vocês até o final dos tempos", Ele estaria se referindo a, Estarei com
vocês até o final da Era de PEIXES; ou seja, até o começo da Era de AQUÁRIO.

Sendo que os deuses Tamuz e Tiamat sobreviveram por milhares de anos; e tanto o Deus Sol
como a Deusa do Mar foram venerados por mais de 200.000 anos.

Embora na época de Jesus tenha havido inúmeros esquizofrênicos, charlatães, ou ilusionistas que
enganaram o povinho com promessas mirabolante.
O comportamento “Maria vai com as outras” dos religiosos levou o analfabeto funcional, o fanático, o
esquizofrênico, o maluco, o “cientista” criacionista, e as massas (que tem fé desprovida de
racionalidade), acreditar nas mais estúpidas crendices religiosas.

Durante o Politeísmo Antropomorfismo era ensinado que os deuses teriam um corpo


com a aparência humana, porem a sua cabeça seria semelhante à de algum animal,
como por exemplo, o Touro, o Falcão, o Elefante, etc.
Quando o Monoteísmo substituiu o Politeísmo, ficou proibido idolatrar imagens
religiosas; e se acreditou que o Deus único dos judeus estaria em todos os lugares.
23

O Cristo atual é bem diferente do Cristo feio, moreno, de altura mediana, olhos negros, e cabelos
curtos, pois segundo o apostolo Paulo é desonroso o homem ter cabelo longo...
Desmascarando a Bíblia Volume II
24

Será que Jesus “voltará” numa CARROÇA VOADORA de FOGO?

Embora carne e sangue não herdem o reino de Deus (1 cor 15:50); e Jesus já não tenha mais o
corpo físico, que ele teria dado a favor da humanidade...

Nos últimos 2000 anos a frase “JESUS VAI VOLTAR” foi repetida mais de 500 bilhões de vezes.
Mas como o Arquétipo Jesus foi pregado numa ESTACA e não num BOOMERANG...
A “volta triunfal de Jesus”, onde as ESTRELAS despencarão do Céu, e cairão na Terra; o
"Universo será purificado", e Jesus RETORNARÁ numa carruagem voadora de fogo rodeada por
Anjos, que tocam trombetas; é tão ridículo quanto o “Papai Noel” chegar do Pólo Norte num
trenó puxado por renas voadoras.

Além da fé religiosa ser uma crendice irracional, auto-sustentável, e que gera feitos
colaterais como a presunção e a arrogância...

No MAHABHARATA os CARROS CELESTES eram chamados de “Vimanas”...


No Vedas as divindades “viajavam” em CARRUAGENS VOADORAS...
Nas lendas egípcias o Deus Ré se “deslocava” pelo Céu numa BARCA...
No Antigo Testamento Elias foi “arrebatado” numa CARRUAGEM de FOGO...
No Alcorão Maomé “visitou” os céus num CAVALO ALADO...
Nas lendas persas Aladim se “deslocava” num TAPETE VOADOR...
Nas tradições natalinas o Papai Noel se “desloca” num TRENÓ puxado por RENAS VOADORAS...
No Novo Testamento Jesus voltará numa CARROÇA VOADORA DE FOGO...
No folclore italiano, na noite de 5 Janeiro, a bruxa Befana voando em uma vassoura traz presentes para as
crianças "comportadas".
E hoje os "Bispos" andam em AVIÕES comprados com o dinheiro dos devotos...

Se Jesus também é Deus, por que Jesus não sabe o dia em que ele vai voltar?

A escravidão já terminou a mais de 500 anos, mas até hoje o livro do Apocalipse garante que
OS ESCRAVOS VERÃO JESUS VIR DOS CÉUS...
24

Pois o maior erro do cristianismo seria o de continuar contando como sendo reais os “Causos”,
as bravatas, as peripécias, e as ficções, que nasceram das falsificações que ao longo de dois mil
anos foram pouco a pouco sendo amalgamadas nas pericopes.
Desmascarando a Bíblia Volume II
25

JESUS SERIA “O HERÓI DAS MIL FACES”

Se você pesquisar a vida de Tamuz, Moisés, J Esus, ou do seu herói preferido, e comparar com o
ROTEIRO DE CAMPBELL concordará com a revelação fornecida por Jung no seu “INCONSCIENTE
COLETIVO”, onde é mostrado que OS “DEUSES” DOS HUMANOS SÃO O MESMO HERÓI
PSICOLÓGICO COM MASCARAS DIFERENTE...

Ou seja, um arquétipo do inconsciente coletivo, a parte visível do inconsciente humano, e uma


psiquê-social, pois a fé religio$a sendo a parte visível do nosso “Inconsciente coletivo”, ela
seria adquirida tanto de forma cultural, como herdada.

Até porque, os causos milagrosos sobre algum personagem religioso se tratariam de uma
“memória ancestral” onde um conjunto de sentimentos, pensamentos e lembranças foram
reunidos, e depois de adaptados, virou alguma lenda ou algum “exemplo”, que passou ser
compartilhado com outros indivíduos.

Já que sem perigos, sem dificuldades, sem sofrimentos e sem luta não há glória...

Os inventores da Bíblia percebendo que para incrementar os causos todo “super-herói”


necessita de algum grande inimigo, inventaram o Demônio, o Inferno, o Purgatório e o suposto
“Pecado Hereditário”; pois, sem o “Pecado Original” e a Ressurreição da personagem Jesus
Cristo, não haveria motivo para a vinda de algum suposto “Salvador da Humanidade”.

No livro “O HERÓI DAS MIL FACES” Joseph Campbell, que estudou diversas mitologias,
sintetizou que independente da época e da localização, todos os mitos ou heróis seguiriam
uma determinada jornada, que poderíamos chamar de:
“A JORNADA DO HERÓI”.

Campbell explica que para se tornar “herói” a personagem primeiro recebe um “chamado”,
tenta rejeitá-lo, mas é convencido aceitar a sua “missão”, passa por provações, encontra algo
que o ajuda ficar forte, vence os obstáculos, liberta os companheiros, e os lidera no25caminho da
redenção...
Desmascarando a Bíblia Volume II
26

O causo onde Jesus alimentou uma multidão com apenas 02 Pães é um plágio

O RITUAL DE FRATERNIDADE não passa de mais outra bazófia plagiada de lendas anteriores.
Onde se tenta fazer o devoto acreditar que Jesus Cristo teria existido...
O causo onde Jesus “alimentou” uma multidão tendo apenas 2 pães e 2 peixes, foi plagiado de
um conto onde foram usados 20 pães.
Mas como a Bíblia faz questão de fazer Jesus parecer melhor do que o Profeta Eliseu; LUCAS
em 9.10-17, afirma que Jesus deu de comer a uma multidão, usando apenas 2 pães...

Uma lenda anterior existente no Livro dos Reis II, capitulo 4, relata que O Profeta Eliseu teria
Alimentado milagrosamente mais de 100 homens, e com apenas um punhado de comida...

Durante uma confraternização um homem chegou de Baal-Salisa (um lugar em Efraim,


próximo a Gilgal), trazendo 20 pães de cevada, e algumas espigas verdes no seu alforje.

E Eliseu disse a um servo: Dá ao povo, para que coma.

O servo porem indagou: Como hei de pôr isto diante de cem homens?

Ao que Eliseu voltou a dizer: Dá-o ao povo, para que coma; porque assim diz o Senhor:
Comerão e sobrará.

O servo deu de comer ao povo. Que comeram e ainda sobrou, como Eliseu havia previsto.

Os Livros dos Reis são Capítulos do Antigo Testamento (escritos por volta de 550 a.C. quando os livros eram
raros e preciosos), que contam as histórias dos Reis de Israel, desde a morte do Rei Davi, até a libertação do
cativeiro babilônico.

Sendo que com o passar do tempo as lendas, as mitologias e os causos de outras culturas, depois de adaptados
terminaram sendo recontados como tendo acontecido com a personagem Jesus.

Como as alegorias bíblicas têm a finalidade didática de fazer crer que Jesus teria existido, os evangelhos
atribuíram a Jesus “milagres” que seriam a repetição de feitos anteriores realizada por personagens
26 de outras
mitologias.
Pois aqueles que adoram a Jesus pela esperança de um dia vir a ganhar a vida eterna, são comerciantes.
Os que adoram a Jesus pelo temor dos castigos divinos são escravos psicológicos.

E os que adoram a Jesus pelo seu suposto “sacrifício” em beneficio dos humanos, são ingênuos, do tipo que
seguem regras sem questionar.
Desmascarando a Bíblia Volume II
27

As crenças “evoluem” para a alienação de não questionar

Os séculos posteriores à criação do “Novo Testamento” foram épocas de extrema credulidade,


onde os iludidos atribuíam características divinas as ocorrências que fugisse dos padrões
usuais. Pois no passado copiar as “Escrituras Sagradas” foi uma excelente profissão, e se usava
métodos de coações bem mais eficientes do que o tradicional método pavloviano de castigos e
recompensas.

Para engrandecer os supostos poderes de YHWH a Bíblia incorporou lendas, como a indiana
onde a jovem Devaki colocou o seu filho Krishna, ainda recém-nascido num cesto de vime e o
enviado Rio abaixo, a fim de que Krishna escapasse de ser assassinado por Kansa, que já havia
matado outras 06 crianças que Devaki havia gerado.

Tanto a versão de que Moisés, filho de Anrão e Joquebede, teria recebido os “10
Mandamentos” diretamente do Deus dos hebreus; como a versão de que Moisés copiou os “10
Mandamentos” da Cabala, são dramalhões de enredo confuso e mal elaborado que foram
criados pela Bíblia; numa época atrasada, assombrada por Demônios, e onde era comum se
misturar à realidade com lendas, fantasias e ficções religio$as; pois se desconheciam os
mecanismos da Natureza, se temia a morte e se acreditava nas superstições religiosas.

Os devotos caírem na lábia de que Moisés “dialogava” com o Deus YHWH, fez com que tanto a
lenda dos “10 Mandamentos”, como a fantasia da “Terra prometida”, com “Rios de leite e mel”
se espalhassem pelos que acreditaram na lenda do Deus YHWH.

Os defensores da Bíblia tendo falhado em provar que Moisés viveu durante o reinado dos
faraós Ramsés, tentam fazer crer que, o Êxodo ocorreu entre 1446 a 1448 a.C., durante o
reinado do faraó Tuthmosis III, da XVIII Dinastia egípcia.

Na mitologia religiosa Ninrode, que deriva de "Marad" e significa "rebelde", teria sido o
bisneto de Noé, teria construído BABEL, fundado Acade, se afastado de YHWH, e construído a
“Torre de Babel”, para o caso de YHWH inundar novamente a Terra; pois como a Torre ficaria
mais alta do que o nível das águas, ela não seria atingida por algum outro Dilúvio.
27
Ninrode foi quem teria criado a competição baseada no lucro.
Desmascarando a Bíblia Volume II
28

A pericope de “Jesus e a figueira” seria só mais outra crendice religiosa?

Por que Jesus amaldiçoaria uma figueira que não deu


“frutos”, se as árvores também dão oxigênio,
madeira, lenha, servem de moradia para os animais,
embelezam a paisagem.
E seria melhor a figueira proporcionar uma deliciosa
sombra do que produzir frutos verdes e amargos.

A pericope bíblica da figueira que não deu “frutos” fora da época é uma das mais irracionais mitologias bíblica
inventada por Marcos, que não conviveu com Jesus, não conheceu Jesus, e nem era nascido na época de
Jesus... Em 11:12-14, 20-24, Marcos disse claramente que, “Não era época para figos”...

Os "figos" das figueiras (também conhecidas como “fícus”), não são FRUTAS, mas sim, FLORES comestíveis,
caso estejam maduras... O Figo é um uma inflorescência, que sem a polinização cai da figueira antes de poder
amadurecer. Mas se a vespa Blastophaga entra no figo ainda em formação e poliniza a parte da flor em seu
interior, o figo pode vir a se torna comestível.

Como o “causo” de Jesus e a figueira aconteceu em 10 de Nisã (28 de março) do ano 33 E. C., ou seja, fora da
época para figos, Jesus não poderia ter amaldiçoaria a figueira.

Como nem tudo depende da genética transmitida pelo pai; cada individuo já nasce com a sua
própria personalidade; existe o “Outro lado da moeda”; pode acontecer alguma mutação
rápida; é comum que algum individuo maravilhoso venha a ter algum filho RUIM; costuma
acontecer que algum pai comum venha a ter um filho com alguma HABILIDADE EXCEPCIONAL;
tanto um individuo mal não pode fazer alguma obra boa, como uma pessoa boa pode fazer
algo que termine gerando algo ruim, pois de boas intenções o Inferno está cheio...

A versão 7.18 onde Mateus afirma que “Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore
má dar frutos bons”; seria apenas mais outro absurdo que a Bíblia teima em continuar
divulgando.
“Jesus Cristo” é só um “Herói trágico” que foi mitificado num Deus Humano.

Se o único modo de provar as versões religiosas é pela fé, e não pelos méritos do que se afirma; então o Deus
dos iludidos não passa de um conceito abstrato do cérebro religioso, que é ativado quando o devoto “entra em
contato” com algum amigo imaginário.
As religiões são uma “ponte” entre a razão e as angústias mais profundas dos indivíduos, que passam a vida em algum
equilíbrio precário, mas procuram manter uma fachada de aparente normalidade.

Se existia o “PACTO SAGRADO” de Deus proteger o POVO ESCOLHIDO, por que em 721 a.C., Israel foi saqueada
pelos assírios; em 587 a.C. por Nabucodonosor II, que destruiu o Santuário onde se encontrariam as “Tábuas
Sagradas”; em 66 d.C., Floro destruiu Jerusalém; em 70 d.C., o Templo de Jerusalém foi mais uma28vez arrasado;
desta vez pelo GENERAL TITO, que matou mais de 100 mil judeus, e que transformou cerca de 300 mil judeus
em escravos, em 135 d.C., mais uma vez Jerusalém foi devastada, e durante a segunda guerra mundial cerca de
50 milhões de judeus fossem mortos?
A Bíblia Desmascarada volume II 29

“JESUS CRISTO” SERIA O “FILHO DA LUZ COM A NATUREZA”


Após entender que o Sol, a Lua, e o Mar NÃO são divindades, os antigos “órfãos” do Universo
fabricaram diversos Deuses a sua semelhança; inclusive os Deuses que com o tempo foram
substituídos pelo atual Jesus Cristo.

Jesus seria o “Filho da Luz com a Natureza”, que foi fecundada pelo Astro-Rei Helius, na
primavera do hemisfério Norte (em março), e que teria nascido 09 meses depois, em 25 de
dezembro, após a era de Áries; quando a nova era Astrológica de Peixe teve inicio.

Como no passado o “Deus humano” Jesus Cristo era chamado de “A LUZ DO


MUNDO”; e para calcular a Páscoa cristã, (que era a antiga festa da chegada da
Primavera, virou a Pessach, e que virou a Ultima Ceia); primeiro é preciso descobrir
quando será o primeiro domingo após a “LUA CHEIA” da Primavera.

Fica evidente que Jesus Cristo seria apenas um arquétipo posterior as manifestações religiosas,
de quando o homem venerava a “MÃE TERRA”, o “Deus SOL”, a “Deusa” da LUA, a
FERTILIDADE, e os CICLOS NATURAIS.

Todas as culturas têm idéias especulativas, consoladoras e ilusórias sobre a morte, e


“explicam” a origem do Universo, do Homem e da Vida, por intermédio de lendas.

Como o cristianismo brotou das lendas e crenças judaicas, é natural que ele tenha adotado as
mesmas versões a respeito de uma suposta criação divina.

Todavia, como a Ciência é o triunfo do Conhecimento sobre a superstição, hoje em dia já não
se deveria mais acreditar nas mitologias que o Gênesis reconta.

Acreditar que o Criador dos Universos se encarnou como filho humano de uma virgem, e se
suicidou, apenas para livrar os humanos do suposto “Pecado Original”...
Seria voltar às mitologias antropomórficas, e subestimar o poder de Deus.
Afinal que Deus é este que não consegue ensinar seus filhos do céu?

É inquietante a quantidade de religiosos que mesmo vivendo numa era cheia de avanços
científicos, não use a inteligência para questionar; se agarre nas ilusões onde se refugiam das
agruras e injustiças da vida; acredite nos “causos” sem provas; ou fique satisfeito com
fantasiosas e ultrapassadas teologias que são incapaz de provar as suas versões religiosas.

Como a maioria nasceu para seguir regras; eles não racionalizam; apenas decorram29e repete o
que lhes foi doutrinado; e tem dificuldade de perceber que estaria sendo usado; pois só uma
minoria tem capacidade de se autogovernar; e em todas as sociedades uma "minoria
organizada" domina e governa sobre a "maioria desorganizada"; pois cabe a maioria apenas
acreditar, servir e trabalhar.
“Manda quem pode, e obedece quem tem juízo!”
A Bíblia Desmascarada volume II 30

Em que mês Jesus Cristo teria nascido?

A Bíblia não informa o dia e nem o mês em que Jesus teria nascido; mas afirma que Jesus teria
morrido aos 33 anos e 6 meses, durante a Páscoa do mês de Abril.
Como o João Batista nasceu em 25 de março de 2 a.C. e o João teria sido cerca de 6 meses mais velho do que
Jesus; antigamente se afirmava que Jesus teria nascido em OUTUBRO, e não no final de dezembro, sendo que
os cristãos mudaram a data do nascimento do João Batista para 24 de junho...

Para provar que o João Batista foi concebido em junho, e nasceu 09 meses depois em marco;
lembramos que o Zacarias, pai de João Batista pertencia à ordem sacerdotal de Abias, e que
desde o inicio do Ano novo judaico (mês de Nisan, que equivale ao nosso 26 de Abril), até a 10º
semana do novo ano; quando os serviços da Ordem eram concluídos; os Sacerdotes não
podiam ter relações com mulheres, ou mesmo retornar a sua casa...

Como o SUCOT, FESTA DAS COLHEITAS, Festa dos Tabernáculos, ou Festa das Cabanas, se realiza aos 15 dias do
mês sétimo, judaico (Tishrei), significa Deus habitando com o Seu povo, e corresponde ao dia 9 do nosso mês de
novembro...
Primeiro se fingiu que Jesus teria nascido em outubro ou novembro; depois se afirmou que Jesus teria nascido
em MARÇO ou ABRIL, e finalmente ficou determinado que Jesus nasceu em 25 de dezembro.

Jesus morreu após 69 semanas (7+62), que corresponde a 11592 dias (69x24x7) ou 31,8 anos.
Se esses dias foram cumpridos na Terra, então Jesus nasceu em 7 de JULHO do ano 7 A.E.C. e finalmente ficou
determinado que Jesus nasceu em DEZEMBRO.

Para abafar as comemorações onde se festejava o nascimento do Deus Sol, a Igreja Oriental
ordenou que se celebrassem festividades em honra ao nascimento de Jesus Cristo, e que as
comemorações fossem em 25 de dezembro, a mesma data em que se festejava o nascimento
do Deus Sol.

O Natal cristão também incorporou a festa onde se antecipavam as comemorações destinadas


ao Deus Jano (em latim Janus), que foi o Deus romano que deu origem ao nome do mês de
janeiro. 30

Janus era um Deus pagão com duas cabeças e o “Porteiro celestial”, Ele representava o passado
e o futuro. E seria o responsável por abrir as portas para o ano que se iniciava.
A Bíblia Desmascarada volume II 31

Em 273 d.C., o Imperador Aureliano estabeleceu que o Deus Mitra-Menino nasceu em 25 de


dezembro; e foi visitado por magos, que lhe ofertaram mirra, incenso e ouro...
E se passou comemorar em 25 de dezembro o dia do “Natalis Solis Invcti”, que significava o
nascimento do Sol invencível.

No ano 350 d.C., o Papa Júlio I, determinou que a veneração de 25 de Dezembro, ao Deus Sol,
fosse substituída pela comemoração do “nascimento” de Jesus Cristo.

A celebração do Natal foi instituída no ano 354 d.C. pelo Papa Libério

Até o século IV não se comemorava o NASCIMENTO de Jesus, pois as celebrações dos


aniversários natalícios estavam ligadas ao paganismo; e a crença onde se acreditava que ao
nascer um Espírito acompanharia cada ser humano e o protegeria pelo resto da vida...

Além das crenças pagãs não serem aceitas pelos que acreditavam na existência de um Deus
único, o livro The Lore of Birthdays (A Tradição dos Aniversários Natalícios) explica que em 245
d.C., Orígenes, um dos pais da Igreja, repudiou a idéia de se festejar o nascimento de Jesus
Cristo, pois o costume não era celebrar o NASCIMENTO das pessoas, (a chegada de alguém ao
“Vale de lagrimas”), mas sim, a sua MORTE, ou seja, a passagem para a vida eterna...

O Natal católico foi criado com o objetivo de se apropriar das festas pagãs que ocorriam entre
17 e 25 de dezembro, onde se comemorava o Festival do Solis Invictus (Sol Invencível).
E não teve a intenção de precisar cronologicamente a data do nascimento de Jesus, mas sim, de
abafar a importância das outras milenares festas pagãs, que aconteciam em 25 de dezembro.

Pois o Natal cristão é uma forma ardilosa e eficiente de fazer com que o povo esqueça a
milenar e mais antiga festa da humanidade, ou seja, a conhecida “Festa do Solstício do
Inverno”, onde desde primórdios os pagãos celebravam a festa do Mitra menino, na última
semana do calendário ocidental.

Até o século XIV, tanto para os escravos como para os sofridos religiosos, a MORTE era bem
mais importante do que o NASCIMENTO, já que a morte significava o fim transitório das
provações, e a passagem para a vida eterna...

Mas como isso vai contra o propósito do cristianismo, que seria o de usar a morte para
ameaçar as pessoas, lhes causar temor, e as manter submissas ao clero...

Com o passar dos anos as milenares festividades da “Boa morte”, que chegavam a durar dias,
terminaram sendo substituídas pelas festividades do nascimento de Jesus.
31

Em 525 d.C. (ano 3.761 do calendário judaico), a fim de apagar da memória do povo, as
lembranças de Deuses como, Tamuz, Janus, Hórus e Mitra, a Igreja inventou a convenção
“ANTES e DEPOIS” de Cristo...
A Bíblia Desmascarada volume II 32

BETHLEHEM É UMA REFERÊNCIA À CONSTELAÇÃO DE VIRGEM

Além da Constelação de Virgem ser um


"M" alterado, a explicação para o nome
das “Mães Virgens” começarem com a
letra "M" (Mirra, Maria, Maya ou Meri),
se deve ao fato de que a Constelação de
Virgem em Latim se chama “Virgo”.

Virgo segurando um ramo de trigo simbolizava a fertilidade da “Mãe Terra”, que todo ano, através das
colheitas gera a vida e possibilita encher a casa de pão.

Alpha Orionis (α Orionis), que é 700 vezes maior do que o Sol, conhecida como Betelgeuse, e que fica na
constelação de Orion (Guerreiro), seria "O Sinal de Bel (O Sinal do Senhor)...
Sendo que com o passar do tempo a palavra “Belém” ou Beth-le-hem acabou virando "A Casa do Pão".

No início, e por milhares de anos, a palavra Bethlehem (Belém) se referia a um lugar no Céu, e não alguma
suposta Cidade, pois a palavra “Belém” seria uma referência à Constelação de Virgo ou Virgem.

Belém não seria uma bucólica Cidade que supostamente existiu no Estado da Palestina, situada a nove
quilômetros ao Sul de Jerusalém, ou mesmo a menor entre todas as Cidades de Judá, mas, sim, um símbolo
astrológico dos meses de colheita e fartura, ou seja, de muito pão.
Um alimento substancial extraído da “Espiga dourada”, a carne fina Sacrossanta da “Mãe-Terra”.

Em dezembro, no Oriente, Sírius da constelação do cão maior, sendo 30 vezes mais luminoso
do que o nosso Sol, se comporta como uma estrela farol, e se alinha com as outras 3 estrelas
mais brilhantes do cinturão de Órion que, no passado, eram chamadas de “Os 3 Reis”.

Sendo que em Português, até hoje, as estrelas “Os 3 Reis” continuam sendo chamadas de "As 3
Marias".

No dia 25 de dezembro, as estrelas os “3 Reis” e Sírus, (a estrela mais brilhante do Céu), "apontam" para o
nascer do Sol.
E essa é a razão pela qual na lenda dos nascimentos de Krishna, de Hórus, de Mitra, de Attis, de Dionysio, e de
YESUS, os “Reis Magos” teriam seguido a "estrela que mostraria a direção onde o suposto “enviado de Deus”
teria nascido na forma de um recém- Nascido...

Foi São Beda, o Venerável (673-735), quem deu nome e características aos tais “Reis” magos, e determinou de
que raça e local cada um deles teriam vindo; e mesmo os “3 Reis magos” sendo uma mitologia, e carecendo de
fontes comprobatórias, no século VII a Igreja adotou a versão de São Beda como sendo verdadeira.

Apesar de estrelas como a Eta Carinae serem as responsáveis pelo preenchimento


32 de vários
elementos da nossa “Tabela Periódica”, como atualmente os planetas e as estrelas da Via
Láctea não influem nem bem e nem mau na vida dos humanos, seria vão e inútil consultar
aqueles que observam e estudam os astros.
A Bíblia Desmascarada volume II 33

O fim do pacto de não se retratar humanos

Na “Idade Média havia o pacto de não se estimular que pessoas comuns fossem adoradas...
E os cristãos evitavam retratar o que há em cima, nos céus; o que haveria nas águas; o que haveria abaixo da
terra; ou produzir figuras de humanos comuns, pois os antigos acreditavam que as imagens roubavam a Alma
do retratado, permitia que o retratado fosse vítima de feitiços, e de “Olho Gordo”;
Mas como em 1301 d.C., o Cometa Halley fez uma aparição espetacular no céu italiano, o místico Giotto di
Bondone (1266- 1337) criou a pintura “Estrela de Belém”, e o afresco “Adoração dos Magos” para reforçar que
o nascimento da criança retratada seria um esperado acontecimento divino.

Embora a lenda onde os três REIS MAGOS teriam seguido uma Estrela que indicou o local onde nasceu o
Messias, e a “Estrela de Belém” não passe de uma lenda criada por Mateus, que foi disseminada e humanizada
por artistas como Giotto di Bondone, na tentativa de simbolizar a suposta chegada de um mitológico “Messias”
cristão.

Sendo que para disfarçar, a Igreja mudou o nome das estrelas “Os TRÊS REIS” para "As Três Marias".

Através da pintura “Adoração dos Magos”, o iludido, porém ousado, pintor florentino Giotto di
Bondone, detonou o monopólio de só os religiosos poderem retratar inúmeras crendices,
incrementou o Renascimento italiano e incentivou que outros artistas, como Leonardo da Vinci
e Michelangelo, introduzissem o homem comum nos seus trabalhos artísticos.

A lista de deuses que ao nascer receberam a visita de Sábios ou Adivinhos, que lhes trouxeram
presentes, é bem longa; e a versão atual sobre os 3 “Reis Magos” teria se embelezado e ganho
destaque quando a Igreja reciclou uma antiga lenda indiana, a colocou na Bíblia, e deu nomes
aos “Reis Magos”.

Se em 25 de Dezembro traçarmos uma linha imaginária ligando as estrelas dos TRÊS REIS com a super luminosa
estrela SIRIUS, da constelação do Cão Maior, a reta em questão apontará para o Leste e para o local do
nascimento do SOL, o Astro Rei do nosso sistema solar!

Os fundamentalistas judeus acreditam que o mundo foi criado no dia 7 de outubro do ano 3760
anterior ao inicio do Calendário gregoriano.
E para se calcular o ano judaico, basta acrescentar 3760 ao ano do Calendário gregoriano, 33
mas
consideração que nos meses de setembro/outubro, começo do ano judaico, se acrescenta um a
mais ao ano corrente.
Até porque, o primeiro dia do Calendário judaico lunissolar (Nisan), equivale ao nosso 8 de Abril.
A Bíblia Desmascarada volume II 34

A “Estrela de Belém” é só uma lenda inventada por Mateus

Para desmistificar a lenda da “Estrela de Belém”, inventada por Mateus, lembramos que em
1304, o pintor Giotto di Bondone (1266-1337), sendo místico, após ver o cometa Halley teria
ficado deslumbrado; e por não saber que se trata de um acontecimento cíclico (que se repete a
cada 75 anos); achou que se tratava de alguma mensagem divina que deveria ser divulgada.

Por ter acreditado em Mateus, e estando obcecado pelo desejo de espalhar o cristianismo,
Giotto pintou dezenas de quadros religiosos e abriu o caminho para que se fabricassem
“santinhos”, medalhas, crucifixos e as inúmeras imagens que até hoje são usadas pelos que
acreditam em ídolos feitos pelo próprio homem.

Os relatos bíblicos sobre a famosa “Estrela de Belém” são absurdos, inverídicos ou fantasiosos,
pois a Bíblia é apenas uma seleção canônica, que sob o pretexto de estar agindo pela
inspiração divina fabricou e modificou vários fatos da história humana. Assim como, deixou de
fora muitos relatos que comprometem a crença nesse fantasioso Deus humano.

Se a Estrela de Belém não é uma lenda inventada por Mateus, por que os Evangelhos "Após-
crifos", o Evangelho de Marcos, o Evangelho de João e o Evangelho de Lucas, quando
descreveram minuciosamente o nascimento de YESUS, jamais mencionaram à “Estrela de
Belém”?

E por que os outros povos, escritores e astrônomos, jamais reportaram a fantasiosa estrela
cristã?

Além da versão do Mateus não se encaixar na Cometologia, os meteoros (ou “estrelas


cadentes”), que podemos ver riscando o Céu, são fragmentos de matéria vinda do espaço
interplanetário, que tendo penetrado nas camadas mais densas da atmosfera terrestre, antes
de se desintegrar, escapar ou chegar ao chão, se aquece, pega fogo e se torna luminoso por
apenas alguns segundos.
34
Já os cometas e asteróides, além de se encontrarem longe da atmosfera terrestre, são astros de
luminosidade fraca, com envoltórios gasosos, que giram em torno do Sol em órbitas alongadas.
A Bíblia Desmascarada volume II 35

A “ESTRELA DE BELÉM” É UMA FARSA

Como a órbita de Vênus está dentro da órbita terrestre, temos a ilusão de que Vênus
estaria vindo em nossa direção.
E próximo a 8 de dezembro, ou no chamado nodo ascendente, temos uma conjunção.

Além da astrologia ser condenada pela Lei Mosaica; a chamada "Estrela de Belém" não
seria um símbolo do cristianismo, mas uma cópia da lenda de Zarathrusta ou de Hórus.

Jamais houve alguma “ESTRELA CADENTE” que ficasse dias e dias apontando para
Jerusalém, que seria a capital do antigo reino de Israel (convertido em província romana
sob o nome de Judéia), onde reinava Herodes o grande.

E não passa de lenda o relato sobre uma estrela que nasceu no Leste, apareceu sobre
Jerusalém, e se virou para o Sul, na direção de Belém, fazendo com que o Rei Herodes
ficasse tão alucinado que teria decretado que fossem mortos TODOS os recém-nascidos
do sexo masculinos, com menos de 02 anos...

É impossível que uma “Estrela guia” tenha parado sobre Jerusalém, e depois se
deslocado para Belém...
Ainda mais, que por causa da “Estrela guia”, os soldados de Herodes supostamente
praticaram uma carnificina onde foram massacradas todas as crianças da localidade que
eram do sexo masculino, e tinham até 02 anos de idade...

Não há provas de que o mesmo Deus que enviou Jesus Cristo tenha enviado algum sinal
astrológico indicando o local do seu nascimento; e seria absurdo que Deus colocasse
uma estrela para guiar quem desejaria assassinar o recém-nascido Jesus.

A mitologia sobre os “03 Reis Magos” terem seguido a “Estrela de Belém”, deve-se a
característica de que no Oriente Sírius se comporta como uma “Estrela farol”; alinha-se
com as outras 03 estrelas mais brilhantes do cinturão de Órion; (as Três Marias, que
podem ser vistas o ano todo); e em 25 de dezembro os “03 Reis” e Sírus (a estrela mais
brilhante), apontam para o nascer do Sol. 35

Podemos descartar que os magos chegados do Oriente tenham confundido Vênus com
algum sinal divino, pois os conhecimentos astronômicos dos magos seriam suficientes
para que eles não confundissem Vênus com algum suposto sinal divino.
A Bíblia Desmascarada volume II 36

A “Estrela de Belém” também não teria sido uma CONJUNÇÃO do tipo Júpiter e Saturno,
pelo fato de que a aproximação máxima entre os planetas é cerca de um grau (o dobro
do diâmetro aparente da Lua cheia), e seria impossível que os magos tenham confundido
uma conjunção astronômica, com uma “Estrela Cadente”.

Além disso, as conjunções duram poucas horas e não os dias e dias que a Bíblia descreve
para a fantasiosa “Estrela de Belém”.

Embora na época fosse comum chamar de “Estrela cadente” os Meteoritos, os Cometas


e os Asteróides que incandescem ao atritarem-se com a atmosfera terrestre, como as
rochas vindas do espaço sideral (que atritam com a atmosfera terrestre), gastam menos
de 40 segundos para despencar, desaparece ou virar resíduo, a “Estrela de Belém” não
poderia ter sido um Meteorito.

A “Estrela de Belém” não poderia ter sido a explosão do caroço de alguma Supernova, e
não poderia ser o Cometa Halley, que tem cerca de 12 quilômetros de diâmetro, pois a
passagem do Halley mais próxima do nascimento de Jesus ocorreu em 25 de agosto do
ano 12 d.C., mas na constelação de Gêmeos, e exigiria que tivesse havido um enorme
erro na data atribuída ao nascimento de Jesus.

Tanto o caroço de alguma Supernova como os Cometas não ficam dias e dias parados,
apontando para determinada Cidade.

Além disso, o Cometa Halley jamais se voltaria para Belém, onde supostamente teria
nascido o menino Jesus. E os Cometas (que são corpos celestes formado por uma cabeça
arredondada e uma cauda, cujo brilho é o reflexo da luz do Sol), costumam ter uma
cauda tão comprida que pode chegar a milhões de km.

Caso a cauda ou o núcleo de algum cometa se dilua no espaço ou se desintegre, e as


partículas que resultam dessa desintegração entrem na atmosfera da Terra, elas serão
vistas como uma “chuva de estrelas cadentes”.

Para piorar a credibilidade da lenda sobre a “Estrela guia”, ela é semelhante a várias
outras histórias de nascimentos de deuses e semideuses, inclusive a lenda sobre o
nascimento de Moisés.

Embora a Bíblia não explique de onde os 3 Reis magos VIERAM, para onde eles FORAM,
e não afirme que os Reis Magos eram três; pois a lenda dos 3 Reis Magos é só uma
mitologia fabricada por Mateus, a Imperatriz Helena de Constantinopla forjou
36 as
relíquias dos esqueletos dos 3 Reis Magos, tendo o cuidado de escolher um crânio
jovem, outro idoso e o terceiro de meia idade.
A Bíblia Desmascarada volume II 37

Jesus seria só uma reciclagem da lenda de Krishna


Os hindus afirmam que KRISHNA reviveu 03 dias
depois de ser Crucificado.
Os persas afirmam o Crucificado foi MITRA.
Os mexicanos esperam o retorno do seu
Crucificado QUETZALCÓATL
Os caucasianos cantam para o “DIVINO
INTERCESSOR”, que ofereceu a si mesmo em
uma cruz para resgatar os pecados do Povo.

Já que a “Virgem Maria” teria sido FILHA do Deus PAI; MÃE do Deus FILHO; e AMANTE do
Talarico Espírito Santo; o mitológico Jesus Cristo não passaria de uma aculturação de “deuses”
bem mais antigos como Krishna, Tamuz, Hórus, Mitra e Quetzocoalt, que “nasceram” em 25 de
dezembro, “morreram” na Cruz, mais “Reviveram” 03 dias depois.

Além das religiões não terem nada a ver com moral e a ética, e sim, com lucros, e com a
incapacidade humana de aceitar as dificuldades da vida.
Isaias ao “profetizar” a vinda do “Salvador” teria plagiado alguma lenda como a de Krishna;
pois há cerca de 3200 anos, nos livros Aterva e Vedangas, o Deus Vishnu teria aparecido à
Lacmy (que era a mãe da virgem Devanaguy), ordenado que ela lhe entrega-se a filha; e
quando Devanaguy engravidou, o Deus Vishnu determinou que o “filho Deus” de Devanaguy
deveria receber o nome de Krishna.

Krishna teria nascido quando Nanda foi com Devanaguy a cidade para pagar os impostos...
Quando Krishna nasceu Ele foi visitado por sábios, que foram guiados até Ele por intermédio de
uma estrela; e um anjo anunciou o nascimento de Krishna aos pastores, que se encontravam
nos campos próximos.

Para se livrar da “criança perigosa” o macabro Rei Kansas enviou soldados com a ordem de
matar os redem- nascidos do sexo masculino, nascidos nas redondezas, que tivessem menos de
02 anos; mas uma “Voz celestial” alertou Nanda, o pai adotivo de Krishna, do perigo iminente,
e ordenou que ele fugisse com o Deus criança através do Rio Jumna.

Krishna é uma das principais grandes personagens das lendas religiosas, e os ensinamentos do
Bhagavatha Purana não têm iguais sobre a Terra.

Pela mitologia, tanto Krishna como Yeshua foram crucificados, reviveram depois de 3 dias, e
subiram aos Céus; sendo que Krishna é 1.200 anos mais antigo do que “Jesus Cristo”.

Como os Sacerdotes antigos misturavam religião com astrologia, magia e comércio,


37 e eram
camelôs da fé, que mentiam haver ligações entre os fatos do dia-a-dia e os acontecimentos
“extraordinários” que ocorrem no Céu.

E interpretavam os fenômenos astronômicos ou meteorológicos como sendo manifestações


divinas, onde eles sempre tinham alguma ordem para dar ao povão...
A Bíblia Desmascarada volume II 38

O Arquétipo Jesus teria nascido pobre, e num Estábulo?

Além da palavra grega “δεσμευμένο τμήμα” significar uma divisão reservada da casa, e não um
ESTÁBULO; a versão de que o menino Jesus teria nascido num Estábulo, quando o certo seria ele
ter nascido em algum porão, visa dar maior ênfase à suposta "humildade" de Jesus.

Como o TEMPLO de diversas Divindades tinha a forma de ESTÁBULO; o Céu era representado
sob a forma de uma VACA SAGRADA; a Deusa da Lua HATHOR era uma Deusa Mãe Celestial adorada
em Canaã; HATHOR teria sido quem criou a Via Láctea; e HATHOR era representada por uma VACA, que
usava um disco solar e duas plumas entre os chifres...
Lucas em 2, 3-7 inventou que Jesus teria sido um “sem-teto” que nasceu num ESTÁBULO, e que
a Maria fez de uma MANJEDOURA o berço para o recém nascido Jesus...

Como Jesus nasceu PAUPÉRIE se a Maria era a única herdeira do seu pai Joaquim, um RICO criador de ovelhas.
O José teve recursos suficientes para viajar, e para comprar um burrico; que na época seria como hoje ter um
carro popular... E o José sendo um excelente carpinteiro (na época uma emprego mediano), o casal teria
recursos suficientes para sustentar uma família pequena e simples.

Os israelitas sendo escravos de Roma, só os “nobres” podiam comprar cavalos; e não passa de fraude a versão
bizarra onde o José e a Maria, que descendiam da linhagem do Rei David, foram transformados em indivíduos
tão pobres como os fiéis que a Bíblia pretendia conquistar.

A versão de que Jesus seria o “Messias esperado” foi fabricada por “Mateus” e remendada por
“Lucas”, como uma forma ardilosa de justificar o nascimento do Messias no local onde a
profecia hebraica descrita em Miquéias 5:2 determinou que o “Messias” deveria nascer.
A fraude do Recenseamento aproveitou a lenda de que entre a descendência do Rei Davi
surgiria um Messias; misturou lendas com fatos do mundo real, e modificar tanto a data, como
o nome do lugar onde a personagem Jesus supostamente teria nascido...

Além da Maria ter nascido em Séforis, e não em Belém. Serem recenseados só os maiores de 18 anos do sexo
MASCULINO, e não meninas com 13 anos de idade; o “Censo de Quirino” ter acontecido em 12 d.C.; e as
primeiras versões sobre o “nascimento” de Jesus só terem sido escritas por volta de 70.
O historiador inglês Robin Lane Fox provou que os judeus não pagavam Impostos a Roma, mas sim, ao Governo
local, que, repassava os Tributos a Roma.
Pois os contribuintes são cadastrados onde faturam, e não onde nasceram. 38

Mesmo no “Templo de Jerusalém” existindo o “Cadastro” dos judeus que nasceram, casaram, etc.
E a Cidade de Belém sendo tão pequena que não constava no Censo romano; para que se cumprisse a lenda
sobre a “Casa do pão”, (E tu, Belém, de maneira alguma és a menor das Cidades da Judéia, pois de ti há de vir o
Messias), Mateus inventou que Jesus nasceu em Betlehem de Judá, no tempo do Rei Herodes.
A Bíblia Desmascarada volume II 39

As versões sobre os 3 "Reis Magos" são dramalhões

A lista de deuses que ao nascer receberam a visita


de Sábios ou Adivinhos, que lhes trouxeram
presentes é bem longa, e a versão atual sobre os 3
“Reis Magos” teria se embelezado e ganho
destaque quando a Igreja reciclou a antiga lenda
indiana de Krishna, a colocou na Bíblia, e deu
nomes aos “Reis Magos”.

A Catedral de Colônia é o prédio sacro mais famoso da Alemanha.

Sua história se inicia em 1164 d.C., quando o Imperador alemão Frederico Barba Roxa
saqueou Milão, transferindo os supostos restos mortais dos Três Magos para a Cidade de
Colônia, que logo se transformou em um local de peregrinação, pois a afluência de fiéis
para venerar os “Reis Magos” era tão grande que a Catedral da época não os
comportava.

Além da Bíblia não explicar de que cidade os “magos guiados por uma estrela” teriam
vindos; não afirmar que os “magos” eram Reis; não relatar que seriam 3 os que teriam
vindo do Oriente à procura de um Deus humano recém-nascido; na época ser proibido
praticar feitiçarias; e a prática babilônica de procurar obter informações através de
estrelas ser condenada (Deuteronômio 18:10-12 e Isaías 47:13); não seria verdade que
os 3 “Reis Magos” tenham existido.

Até o século IV, as Igrejas do Oriente celebravam em 6 de janeiro tanto o nascimento de Cristo como a
Adoração dos Reis Magos. Posteriormente, as Igrejas do Ocidente, assim como, as Igrejas do Oriente
passaram a celebrar o nascimento de Jesus em 25 de dezembro, e o Dia dos Reis Magos ou Dia dos
Santos Reis, em 6 de janeiro.

Aproveitando a lenda de que o menino Jesus teria ganhado 3 presentes (ouro, incenso e
mirra), cerca de 300 anos depois que os Evangelhos foram escritos, os 3 nômades “Reis
Árabes” foram rotulados de “Reis Magos”, e receberam os fantasiosos nomes de
“Melchior” (que em hebraico quer dizer Rei da Luz), “Baltazar” (que em aramaico quer
dizer, Deus proteja a vida do Rei), e “Gaspar” (que significa o vencedor de tudo, e é
apresentado como sendo negro, pois representa a África e a Índia).

Mesmo não existindo testemunhas ou algum documento irrefutável referente à


existência dos “Reis Magos”, o cristianismo (indo de encontro a tudo que a Ciência
ensina) continua afirmando que a “Estrela de Belém” teria de fato existido, e39permite
que os comerciantes da fé continuem com a farsa dos caixões revestidos de ouro, que se
encontram no Altar mor da Catedral de Colônia, na Alemanha onde, segundo os velhacos
que montaram essa fraude, estariam os restos mortais dos 3 “Reis Magos”.
A Bíblia Desmascarada volume II 40

Giotto di Bondone era místico

Para desmistificar a lenda da “Estrela de Belém” lembramos que em 1304, o pintor


Giotto di Bondone (1266-1337), sendo místico, após ver o cometa Halley teria ficado
deslumbrado; e por não saber que se trata de um acontecimento cíclico (que se repete a
cada 75 anos); achou que se tratava de alguma mensagem divina que deveria ser
divulgada.

Por ter acreditado em Mateus, e estando obcecado pelo desejo de espalhar o


cristianismo, Giotto pintou dezenas de quadros religiosos e abriu o caminho para que se
fabricassem “santinhos”, medalhas, crucifixos e as inúmeras imagens que até hoje são
usadas pelos que acreditam em ídolos feitos pelo próprio homem.

Os relatos bíblicos sobre a famosa “Estrela de Belém” são absurdos, inverídicos ou


fantasiosos, pois a Bíblia é apenas uma seleção canônica, que sob o pretexto de estar
agindo pela inspiração divina fabricou e modificou vários fatos da história humana.
Assim como, deixou de fora muitos relatos que comprometem a crença nesse fantasioso
Deus humano.

Se a Estrela de Belém não é uma lenda inventada por Mateus, por que os Evangelhos
"Após-crifos", o Evangelho de Marcos, o Evangelho de João e o Evangelho de Lucas,
quando descreveram minuciosamente o nascimento de Jesus, jamais mencionaram à
“Estrela de Belém”?
E por que os outros povos, escritores e astrônomos, jamais reportaram a fantasiosa
estrela cristã?

Além da versão do Mateus não se encaixar na Cometologia, os meteoros (ou “estrelas


cadentes”), que podemos ver riscando o Céu, são fragmentos de matéria vinda do
espaço interplanetário, que tendo penetrado nas camadas mais densas da atmosfera
terrestre, antes de se desintegrar, escapar ou chegar ao chão, se aquece, pega fogo e se
torna luminoso por apenas alguns segundos.
40

Já os cometas e asteróides, além de se encontrarem longe da atmosfera terrestre, são


astros de luminosidade fraca, com envoltórios gasosos, que giram em torno do Sol em
órbitas alongadas.
A Bíblia Desmascarada volume II 41

O Recenseamento cristão seria uma fraude; qual o significado de “katályma”?

Além dos Recenseamentos antigos levarem anos para serem concluídos, só serem
recenseados os maiores do sexo masculino, e o Recenseamento de Quirino ter
começado no ano 12 d.C; o justo e religioso José (sabendo que o “Filho de Deus” viria ao
mundo através da sua esposa Maria); jamais seria imprudente ao ponto de levar uma
gestante de duplo alto risco, prestes a dar à luz, numa viagem precaria, dificil, sem
urgencia, na época do frio, e por cerca de 180 km. (de Nazaré até Belém),...

A palavra grega “KATÁLYMA” significa uma divisão reservada da casa, e não um Estábulo;
e a versão de que o menino Jesus teria nascido num Estábulo, quando o certo seria ele
ter nascido em algum porão, visa denegrir os judeus, e se trataria de um anti-semitismo.

Pela sagrada “Lei de Hospitalidade” os judeus eram obrigados a prestar


auxilio aos estrangeiros que precisassem de cuidados urgentes.
E como o José voltava à sua Cidade natal, fica dificil acreditar que nenhum
parente, amigo ou conterrâneo tivesse alojado a jovem e belissíma Maria, que
estava preste a dar à luz pela primeira vez...

Em Lucas 22,11, na “Última Ceia”, Pedro e o João dizem ao dono da casa:

O Mestre mandou perguntar onde é a sala (katályma), em que hei de comer a Ceia
pascal com os meus discípulos?

Observe que Jesus não celebrou a Última Ceia numa Pousada, mas sim, numa CASA, cujo
dono preparou uma divisão reservada (katályma), para Cristo e os seus apóstolos.
No “Evangelho segundo Jesus Cristo”, José Saramago afirma que o José seria um
vagabundo ou péssimo carpinteiro, pois ele nem mesmo conseguiu construir um berço
para o menino Jesus.

O Levítico, no Capitulo “Penas para diversos crimes”, onde se afirmava que:


Se alguma mulher conceber e der à luz a um menino ela será imunda por 7 dias, L. 12:2...
Mas se a mulher der à luz a uma menina ela será imunda por duas semanas, Levítico
12:5, e tudo o que a parturiente tocasse incorria automaticamente na impureza... 41

Não foi formulada pelo SENHOR Deus de Moisés, mas sim, fabricado pelos que
manipularam as massas; com a intenção de impedir que homens sem nenhuma noção de
higiene, ou de cuidados pós-parto prejudicassem de forma irreversível, o organismo da
mulher que terminou de pari, e que estaria em convalescença.
A Bíblia Desmascarada volume II 42

Recenseamento no mês das chuvas, do frio, e dos dias menores?

O recenseamento não consta em nenhum


documento ou relato histórico/arqueológico...
Na época de Jesus a Cidade de Nazaré não
existia.
A lenda do recenseamento, fabricada por
Mateus e remendada por Lucas, é só uma
forma ardilosa de justificar o nascimento do
Messias no local onde a profecia hebraica
descrita em Miquéias 5:2m determinou que o
“Messias” deveria nascer.

Além dos contribuintes serem cadastrados onde FATURAM, e não onde nasceram...
A Maria ter nascido em Séforis, e não em Belém...
Serem recenseados só os maiores de 18 anos do sexo MASCULINO, e não meninas com
13 anos de idade; e o “Censo de Quirino” ter acontecido em 12 d.C.

O historiador Robin Lane Fox, provou que os romanos não realizavam censos em regiões de
governos autônomos, como a Galiléia, e que os habitantes de tais regiões não pagavam impostos
diretamente a Roma, mas sim, ao governo regional, que, por sua vez, repassava os Tributos a Roma.

Mesmo a Cidade de Belém sendo tão pequena que não constava no Censo romano; para
que se cumprisse a lenda sobre a “Casa do pão”, (E tu, Belém, de maneira alguma és a
menor das Cidades da Judéia, pois de ti há de vir o Messias), Mateus inventou que Jesus
nasceu em Betlehem de Judá, no tempo do Rei Herodes.
Misturou lendas com fatos do mundo real, e modificou tanto a data, como o nome do
lugar onde a personagem Jesus supostamente teria nascido.

No “Templo de Jerusalém” existia o “Cadastro” dos judeus que nasceram, casaram, etc.
A Maria estando no final de uma gravidez de “Alto risco”, e “Duplo anabolismo” (por sua
pouca idade), e carregando no ventre um “Deus”, ela não deveria percorrer os cerca de
160 quilômetros, pela rota mais segura, através do vale do Jordão, para ir de Nazaré até
Belém, em pleno Inverno palestino.

Em Belém tem Sol por no mínimo 8 meses, os Recenseamentos duravam anos para
serem concluídos, e como só faltavam alguns dias para que Jesus nascesse, 42a Maria
poderia ter esperado Jesus nascer para só depois acompanhar o José, ou ter ficado na
casa de algum parente. Mateus usou a fraude do Recenseamento para fingir que Jesus
existiu, e que seria o “Messias esperado”, para tanto aproveitou a lenda de que, entre a
descendência do Rei Davi, surgiria um Messias.
A Bíblia Desmascarada volume II 43

Impostos são cobrados onde obtemos lucros, e não onde nascemos

Jesus Cristo teria nascido durante reinado


de Herodes, “O Grande”, que morreu no
ano 4 a.C.
Ou no inicio do Censo de Quirino, que
ocorreu próximo ao ano 12 a.C.

Além do Censo de Quirino ter ocorrido 12 anos depois da data atribuída ao nascimento de Jesus; e ser
mais fácil contar os judeus por tribos, ou por clãs, do que os judeus saírem da sua terra natal, e irem
para as Cidades onde nasceram. Pois ao completar a maioridade os judeus passavam a pagar Impostos.

O Templo de Jerusalém era uma espécie de “Banco Central da Judéia”.


E no Templo de Jerusalém existia o “Cadastro dos Contribuintes” com os dados dos
judeus que nasceram, passaram pela Brit-Milá, foram batizados, completaram o Bar-
Mitzvá, se casaram, etc.

Não há registros referentes à convocação no sentido dos judeus terem que retornar à
sua longínqua Cidade natal, apenas para serem recenseados.
E não tem lógica cobrar Imposto onde os judeus nasceram, mas sim, onde acumulavam
bens; pois o fantasioso deslocamento de judeus relatado pela Bíblia não foi realizado.
Até porque o objetivo do Censo não seria o de facilitar que os judeus se dispersassem,
mas sim, o de cobrar Imposto.

Em Belém tem Sol por mais de 8 meses, dezembro é o mês mais frio do rigoroso Inverno
palestino (quando os dias ficam menores, as noites ficam maiores, mais frias, mais
escuras e repletas de tempestade de neve), e os romanos sendo um povo desconfiado e
prático, o Imperador César Augusto não iria ordenar que milhares de judeus
insatisfeitos, e encrenqueiros viajassem livremente (em pleno Inverno), uma distância
imensa de ida e volta até as Cidades onde nasceram, apenas para responder um
Formulário que poderia ser preenchido em qualquer local.

A versão de que no ano do nascimento de Jesus foi realizado um Censo, que incluía os
judeus, não tem sustentação histórica, não tem lógica, e seria apenas uma forma de
fingir que o Arquétipo Jesus teria nascido em Belém...
De legitimar Jesus na condição de Messias...
E de reaproveitar a tradição judaica que considerava a Cidade de Belém como sendo o
berço do Rei David; pois desde o tempo de Abraão, havia a previsão profética de que na
“Cidade do Pão” nasceria aquele que haveria de dizer "EU SOU O PÃO DA VIDA".43

A justificativa dada por Lucas para a viagem da Maria até Belém é FALSA, e os registros
romanos provam que Quirino só assumiu no ano 12, ou seja, depois da data inventada
para o suposto nascimento da personagem “Jesus Cristo”.
A Bíblia Desmascarada volume II 44

Os Recenseamentos duravam anos para serem concluídos, e como faltavam só alguns


dias para que Jesus nascesse, a Maria poderia ter esperado Jesus nascer para depois
acompanhar o José, ou ter ficado na casa de algum parente.

O Natal cristão é um marketing, onde o antiguíssimo festival pagão, que comemorava o


Solstício de Inverno virou a data do nascimento de Jesus.
A Igreja Católica substituiu a comemoração pagã que homenageava o retorno do Sol
físico, pela celebração da vinda de Jesus; o sol espiritual.
Inicialmente a Igreja alegou que Jesus teria nascido em abril; depois resolveu que Jesus
teria nascido em janeiro; e por volta de 330 d.C., para impedir que a milenar “Festa do
Sol”, que inicia a sua recuperação continuasse sendo celebrada como um ritual pagão.
A Igreja determinou que Jesus Cristo “nasceu” no dia 25 de dezembro...

JESUS BASEIA SEU ministério na presunção de que o fim do mundo é iminente, em


Mateus 4:17, Jesus diz, “Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus”; mas
essas palavras foram roubadas das palavras ditas por João Batista...

As contestações em tela provam que os iludidos são escravizados através da fé, dos
supostos castigos divinos, e das promessas impossíveis que entulham a Mente humana.

O Gênesis foi forjado com o propósito de se opor ao paganismo e de acabar com os


cultos que endeusavam elementos naturais como o fogo, as águas, o Mar, alguns Rios, o
Sol, a Lua, as Estrelas, alguma montanha ou determinados animais.

Como Jesus teria nascido PAUPÉRIE, se a Maria era a única herdeira do seu pai Joaquim,
um rico criador de rebanhos...
E o José sendo um excelente carpinteiro (na época uma ótima profissão), o casal teria
recursos suficientes para sustentar uma família pequena e simples, assim como, tiveram
para viajar, e para comprar um burrico...

Sendo que na época de Jesus ter um burrico, seria como hoje se ter um carro popular...

Qualquer individuo mais racional perceberá que a versão sobre Jesus ter nascido
paupérrimo, é só uma forma de cativar os religiosos pobres ou humildes...

Como a jovem e desprotegida Maria foi entregue ao Templo de Jerusalém assim que o
seu pai morreu, ela poderia ter sido engravidada por algum Sacerdote pedófilo.

Desde os 13 anos, quando ficou grávida a Maria gostava de “bater perna”, tanto que ela
nasceu em SÉFORIS, mas foi a AIM KARIM saber da gravidez da prima Isabel; após o
44
nascimento do João Batista voltou à aldeia de AIM KARIM, para ajudar Isabel; foi a
NAZARÉ onde engravidou; foi a BELÉM para o “Recenseamento”, foi para o EGITO,
fugindo de Herodes; retornou para a GALILÉIA; foi para JERUSALÉM; com a morte de
Jesus foi para a SÍRIA, e depois foi para a FRANÇA...
A Bíblia Desmascarada volume II 45

A CIDADE DE NAZARÉ FOI CONSTRUÍDA DEPOIS DE 136 D.C.

No livro “O NASCIMENTO DO CRISTIANISMO” o Padre Alfred Loisy (1857-1940), afirmou


que os “Documentos” nos quais a Igreja se apóia são plágios de antigas lendas pagãs.
Como Tammuz, o Deus pagão do Norte de Israel, que teria nascido da virgem Myrrha.
E que caso Jesus tivesse existido Ele teria nascido em Belém, e não em NAZARÉ...

Embora o “Novo Testamento” use a palavra “NAZARENO” para fazer crer que na época
de Jesus teria existido algum Lugarejo como nome de “Nazaré”, localizada ao Norte de
Israel, na baixa Galiléia, perto de Haifa (antiga Porfiria).
E a atual Cidade de Nazaré seja um centro de peregrinação repleto de Santuários, e a
maior Cidade do Distrito Norte de Israel.

Nos antigos documentos históricos, no Talmud, no Tanach Hebraico, nas Crônicas, nos
“Manuscritos do Mar morto”, nas versões antigas do Velho Testamento, na literatura
rabínica, na Arqueologia, e na Geografia da Antiguidade, sequer existia alguma Aldeia de
nome “Nazaré”.
A bucólica Cidade de Nazaré surgiu após 136 d.C., e após Adriano ter expulsado os
judeus de Jerusalém.
Antes do século I, não havia sequer alguma aldeia com o nome de “Nazaré”.

A Cidade de Nazaré NÃO foi incluída na lista de lugares colonizados pelas tribos de
Zebulom (Josué 19:10-16), que menciona 12 Cidades e 06 Aldeias.
Não faz parte das 45 Cidades da Galiléia mencionadas por Josefo (37-96 d.C.)., e não se
encontra entre as 63 Cidades da Galiléia mencionadas no Talmud.

A explicação para que um lugar tão importante para o cristianismo, como a Cidade de
Nazaré, não ter sido mencionada pelos antigos historiadores, deve-se ao fato de que, só
depois que a Seita “O Caminho” se transformou na “Cristandade”, foi necessário
falsificar que a Cidade de Nazaré existiu.
45

A questão em tela é plausível, pois caso a Cidade de Nazaré fosse anterior a época em
que o Novo Testamento foi fabricado, algum escritor antigo ou estudioso da história, da
geografia ou da teologia, teria citado a Cidade de Nazaré entre os relatos das guerras
judaicas ocorridas entre os anos 70 a. C. e 132 d.C.
A Bíblia Desmascarada volume II 46

O arqueólogo americano James Strange afirmou que, Antes do século III tanto nas fontes
antigas judaicas, como no Novo Testamento a Cidade de Nazaré não é mencionada.

E Frank Zindler, editor da American Atheist Press, lembrou que, até o século II, nenhum
historiador, geógrafo ou cartógrafo da Antiguidade, menciona a Cidade de Nazaré.

Nada na Bíblia é como parece!


Por exemplo, Jesus Cristo era chamado de “NAZARENO” em virtude da sua avó materna
(Ana), descender das “nazarenas” que praticavam a POLIANDRIA (o casamento de uma
mulher com mais do que um homem); por sua mãe ter sido uma noiva adúltera tipo
“MARIA NAZARÉ”; e pelo casamento “avuncular” da sua mãe, já que a Maria se casou
com o próprio tio materno José.

A expressão "Nazareno" e “filho da Maria”, no lugar de “Filho de José”, são


depreciações, uma “kenosis”, e equivale a dizer “Filho de mãe solteira”, pois na época o
costume era citar o Pai e não a Mãe.
Embora na época de Jesus a POLIANDRIA das nazarenas ajudasse os filhos serem
protegidos por todos os homens que haviam tido relações sexuais com alguma mulher,
para os romanos ser chamado de “NAZARENO” era uma ofensa gravíssima, e o mesmo
que chamar de “filho da fornicação”.

Como os nazarenos preferiam rezar a fabricar armas de guerras, reverenciavam Lilith, o


símbolo máximo da liberação feminina, e as mulheres em vez de serem submissas,
podiam ter diversos maridos; os fariseus, os romanos, os que mantinham as mulheres
submissas, e os que acumulavam riquezas tentaram exterminar os nazarenos, mas
alguns fugiram, inclusive indo para a Fortaleza de Massada.

Além do nome “Nazareno” ser anterior a Cidade de Nazaré, a palavra “NAZARENO” não
se originou de alguma antiga Cidade judaica, mas sim, de uma seita messiânica que não
professava o judaísmo tradicional e esperava “O FIM DOS TEMPOS” para breve.

Já “Nazir”, “Nazareu” ou “Nazireu”, do hebraico nazar, significa alguém preparado para o


serviço divino, consagrado ao Templo, ou que fazia o juramento de não cortar os cabelos
e de se abster de bebidas embriagantes, como foi o caso do Sansão (Shim Shom).

Em “A vida mística de Jesus”, 2ª Edição, Biblioteca Rosa Cruz Volume I, contrapondo-se


aos textos que tentam fazer crer que Jesus teria vivido a sua infância em Nazaré, Drews
Charles Guignebert (professor de História do cristianismo pela Sorbonne, e o mais
penetrante investigador dos últimos tempos), confirma a tese onde Renan explicou que:
46

“Mateus” foi quem mais fez para convencer os cristãos de que Jesus teria vivido em
Nazaré, pois a “A lenda do Recenseamento é um primor de imaginação, ao serviço de se
fantasiar que Jesus Cristo teria nascido em Belém.
A Bíblia Desmascarada volume II 47

Não há provas de que Jesus Cristo existiu, e muito menos de que teria nascido na
Palestina; a versão de que Jesus nasceu em Belém de Judá, é só uma lenda, que foi
divulgada tanto por Mateus em 2:1, como por Lucas em 2:4-11.

Focalizar o nascimento de Jesus Cristo em Belém, e dizer que Jesus Cristo passou sua
infância em Nazaré, foi uma forma ardilosa de convencer os devotos; até por que,
segundo Arthur (1865-1935), filósofo alemão seguidor de Nicolaus Hartmann, Jesus seria
uma personagem mítica e não histórica.

No passado, quando se desejava engrandecer algo, havia interesse religioso ou havia


interesse político, era comum que se remodelasse o que de fato aconteceu; se misturar
acontecimentos do mundo real com lendas, fantasias ou mitologias.
Ou que se modificasse a data, o nome dos personagens, ou o nome de algum lugar.

E os que escreveram os Evangelhos Gnósticos não hesitaram em fabricar quesitos ou


detalhes que justificam, “abrilhantam” ou engrandecem a fantasiosa história de Jesus.

Mateus (seguido por Lucas) usou a história do Recenseamento, para legitimar que Jesus
seria o “Messias esperado” e aproveitar a lenda de que, entre a descendência do Rei
Davi, surgiria um Messias.

Pois a lenda do Recenseamento, fabricada por Mateus e remendada por Lucas, seria
mais uma forma ardilosa de justificar o nascimento de Jesus no local onde a profecia
hebraica descrita em Miquéias 5:2, determinou que o “Messias” deveria nascer.

Mateus diz que Jesus retorno do Egito para cumprir a Profecia que se encontra no livro
de Oséias, onde o Senhor afirmou que “DO EGITO CHAMEI O MEU FILHO”, só que no
versículo 3, Deus diz que, "Mas quanto mais os chamavam, mais se
afastavam deles, sacrificavam aos Baalins e queimavam incenso
dedicado a ídolos. (Os. 11:3)

Entre inúmeras falcatruas, a Bíblia retocou a natividade de Jesus a fim de fazer parecer
que Jesus nasceu em Belém. Tudo fez para identificar Jesus com a profecia sobre a vinda
de um Messias, descendente da casa de Davi.

Aproveitou os símbolos míticos existentes no Velho Testamento, e se livrou do estorvo


de que a Galiléia era uma província desprezível e infestada pelos Goyn, que seriam os
estrangeiros impuros.

Apesar das Escrituras hebraicas afirmarem que o “Ha- Mashiach” seria gerado 47 pelos
laços de pai e mãe, e não por algum “Espírito Santo”, o “Novo Testamento” afirma que,
Uma menina moça pura, órfã, virgem, belíssima e noiva, foi cobiçada, estuprada e
engravidada pelo “Espírito Santo”, cometeu um ADULTÉRIO contra o futuro marido e
gerou um AVATAR que foi chamado de Jesus Cristo.
A Bíblia Desmascarada volume II 48

Quem seriam os pais dos outros 4 filhos que a Maria teria tido?
O milagre não foi a Maria ter gerado Jesus, mas sim, o velho José acreditar que as crianças eram seus
filhos; pois o Dogma da "VIRGINDADE PLENA” afirma que o José era um velho incapaz de ter filhos...
Se esse Dogma for verdadeiro, quem seriam os pais dos outros 4 filhos que a Maria teria tido?

Como a Maria foi filha única, Jesus não poderia ter primos; e caso os “irmãos de Jesus fossem os filhos
anteriores do José, eles seriam infinitamente mais velhos do que Jesus...
Além do meio irmão uterino de Cristo, Tiago, ter vivido e morrido afirmando que Yehoshua seria
bastardo, louco, e vagabundo...

Tanto o Talmud (séc. II.), como o “Atos de Pilatos 11.3”, e os judeus da época, alegaram que; mesmo
descendendo da tribo de Levi, e tendo apenas 13 anos, a Miryam bat Bilgah se prostituiu com o soldado
PANTERA, e teve um filho bastardo, chamado Yehoshua.

A versão de que Jesus não teve irmãos uterinos, e de que os “irmãos” de Jesus seriam
seus primos, não tem lógica; já que a palavra grega para irmão é "adelphos"...

Quando a palavra "adelphos" aparece junto aos termos “pai” ou “mãe”, está se
referindo a alguma filiação de sangue, até porque em grego primo se escreve
“αδερφός”, ou seja, "anepsios". E quando se quer designar parente, empregar-se a
palavra grega syggenón ou "sugginis", como aconteceu em Lucas 21:16.

Se Lucas quisesse dizer que Jesus foi o único filho da Virgem Maria, ele teria usado de modo inequívoco
a expressão “Unigênito”. Uni = Único, Genito = Gerado, Unigênito = O Único Filho Gerado por Alguém.
Mas não, Lucas usou de modo consciente o termo “Primogênito”, indicando que Jesus foi apenas o
“primeiro” filho da Maria e não o único.

Em Marcos 6; 3- “O filho da Maria, irmão do Tiago, do Jose, do Judas, e de Simão; e não


vivem aqui entre-nos suas irmãs”? O texto em questão é claro e muito preciso, pois o
Marcos nos diz até os nomes de alguns dos irmãos de Jesus.

Em 2;12 é relatado por João que, “Depois disto, desceu Ele a Cafarnaum com sua mãe,
seus irmãos e seus discípulos; e ali ficaram alguns dias.”

Em João 7;10- é relatado que, “Mas, depois que seus irmãos subiram para a festa, ele
também subiu, não publicamente, mas em secreto”.

Em 3; 31, Marcos relatou que, “Chegaram então sua mãe e seus irmãos, e lá de fora,
mandaram chamá-lo”.
48
Em 12; 47- Mateus relata que, quando Jesus falava às multidões, “Alguém lhe disse:
Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem te falar”.

João, ao afirmar em 7;5 que, “Pois nem mesmo os seus irmãos criam nele”, estaria
tratando dos irmãos carnais de Jesus e não dos discípulos ou primos de Jesus Cristo...
A Bíblia Desmascarada volume II 49

A ADOLESCENTE MIRYIAM FOI ENGRAVIDADA PELO SOLDADO PANTERA


O “TRATADO SANHEDRIN 43a,” Séc. II, que designa de qual clã
familiar o indivíduo descende, o ESOTERISMO, o escritor CELSUS,
o TALMUD, e HITLER, afirmaram que:
Uma menina moça judia, chamada Miryam bat Bilgah mesmo sendo
noiva do idoso José, que era seu tio materno, teve um filho bastardo do
soldado Abdes Tiberius Julius Pantera...

Em aproximadamente 08 d.C., o soldado Abdes Tiberius Julius Pantera, natural de Sidon,


ao se embebedar se vangloriou de que já seria pai de um menino judeu, pois antes de
completar 21 anos (usando a estratégia de se passar por um anjo), ele deflorou e
engravidou uma bela, e virgem menina moça judia.

Mesmo estando sendo capacitado para servir nas tropas do Imperador Octávio Augusto,
o Soldado Pantera foi expulso da Corporação em que prestava Serviço, e banido para a
Germânia, onde viveu com dificuldades até quase 40 anos, e ao falecer foi sepultado no
Cemitério da Cidade de Bingen Bruck.

O Túmulo do soldado Pantera, nascido em 22 a.C. e morrido depois de 60 d.C, está bem
conservado na “lápide Bingerbrück”, e já foi visitado por milhares de turistas.

Segundo Hitler, o Esoterismo, o escritor Celsus, o Talmud, e o “Atos de Pilatos 11.3”, que
recriminou o soldado Pantera, “Jesus Cristo” seria a “reciclagem” do estupro onde um
soldado romano engravidou uma adolescente judia, órfã, virgem e comprometida, de
nome “Miriam” bat Bilgah, que teve um filho bastardo (MaMzer), de nome “Yeshua Ben
Pandira”, e que foi desprezado pelo pai.

Como a palavra “RUÁH” (que a Bíblia verteu para o Anjo “MENSAGEIRO” de Deus,
também significa o “SACERDOTE” de Deus), outra hipótese para uma “Virgem
imaculada” ter gerado um filho sem conhecer homem, seria a de Jesus teria sido filho de
algum Sacerdote pedófilo; pois com a morte do viúvo pai, a bela e órfã Miriam foi
entregue aos “guardiões” do Templo de Jerusalém, para ser tutelada...

Como a Igreja precisava de uma divindade feminina, se determinou que a mãe de Jesus
fosse uma mãe virgem, e não apenas uma mãe JOVEM.

A lenda de “Jesus Cristo” aproveitou o sofrimento do feiticeiro “Yeshua Ben Pandira”,


que foi ESTACADO e teve o seu cadáver mantido sem tocar no chão por 3 dias para que
os Judeus vissem o que acontece com os que se atrevem desafiar a Lei romana! 49

O “Tratado Sanhedrin 43a,” Séc. II, que designa de que clã familiar o indivíduo descende,
faz referência à condenação de Yeshua Ben Pandira, que depois de 3 dias teve o seu
cadáver roubado.
A Bíblia Desmascarada volume II 50

Cristo carregou uma Cruz, um Patíbulo ou uma Estaca?

O Evangelho de João não relata o episódio onde Simão de Cirene supostamente teria ajudado Jesus
carregar o Patíbulo até a Gólgota.

Embora “STAURÓS” signifique “Poste ou Estaca”, mas jamais CRUZ, que são duas peças de madeira transversal
em qualquer ângulo; e na mitologia cristã Iesus tenha morrido lancetado por um soldado, os Cristãos atuais
reverenciam a Cruz, mesmo ela sendo o instrumento usado para executar Cristo.

Na época de Cristo o sentenciado transportava apenas a trave da Cruz, (ou seja, o Patíbulo ou Furca), pois a parte
vertical, ou seja, o “Stipes” permanecia fincado na terra, no local onde seria feito o suplício.

E as Cruzes usadas nas crucificações não eram a atual “Cruz Capitata”, que são mostradas pelos artistas, os
cineastas e os que criaram o crucifixo cristão.
Mas sim, a “Cruz Comissa”, que era baixa, rústica, fabricada com árvores de pequeno porte, como a Oliveira
palestinense, e semelhante ao T “Tal” do Deus Tamuz.

Para acomodar a vítima alta era preciso colocar na Cruz algum suporte que permitisse ao condenado sentar, ou
então o condenado deveria dobra os joelhos; e também era comum se quebrava as pernas do supliciado.

Na época de Cristo existiam três categorias de Cruz, sendo que a mais simples era uma árvore pequena com os
galhos aparados.

As intermediárias utilizavam o tronco ainda enraizado de alguma oliveira, ao qual se fixava a barra horizontal,
que era levada ao local de execução, pelo próprio condenado.

E as mais sofisticadas, consistiam num poste rústico, feito a partir do tronco de alguma árvore que permanecia
fixada no chão, e em cujo tronco era encaixado uma barra horizontal, por meio de alguma fenda.

Como a humanidade adora Logotipos, o “T” de “Tamuz” foi abaixado para formar a Cruz de Cristo, pois milhares
de anos ante dos cristãos a Cruz já era um objeto de adoração de civilizações como a Caldéia e a Egípcia.

Nas mitologias antigas o “Salvador” é crucificado na “Árvore da Vida”...


E antes de Cristo, a “Cruz Ansada” (o “Sinal da Vida”), era carregada pelos Sacerdotes ou Reis egípcios, como
símbolo da capacidade de se comunicar com o Deus-Sol.

Já que a cruz é maldita, foi a "arma" usada para matar Cristo, e simboliza a DERROTA de Cristo, e não a sua
GLÓRIA, o Crucifixo cristão não deveria conter o Divino Corpo de Cristo crucificado.

Se Cristo RESSUSCITOU, por que só os católicos o mantêm pregado na cruz? 50

O próprio Cristo teria dito que em sua memória o que deveríamos fazer era nos REUNIR e realizar a
COMUNHÃO da Santa Ceia...
A Bíblia Desmascarada volume II 51

Jesus Cristo não foi crucificado com 03 cravos

Se as mãos de Jesus tivessem sido


pregadas com 2 cravos, a “FORÇA DE
GRAVIDADE” e a ALAVANCA criada pelos
braços abertos, dilacerariam de tal forma
as mãos do crucificado, que no lugar de 2
pequenos furos haveriam rasgos.

Jesus Cristo nunca existiu; é Jesus Cristo só um Arquétipo; e mesmo que essa Personagem tivesse existido ela
Não teria morrido de BRAÇOS ABERTOS como se fosse algum OUTDOOR HUMANO.
Foi Leonardo Da Vinci que em torno de 1499 inventou a versão de que Cristo foi crucificado com o PÉ
ESQUERDO SOBRE O PÉ DIREITO; e ambos os pés transpassados por um único cravo...

Sendo que o cristianismo investiu na mitologia de que Cristo foi crucificado com 03 cravos, e de braços abertos,
como se Ele deseja-se nos abraçar ou nos salvar das garras de Satanás...

A versão de que Cristo teve as mãos transpassadas com cravos de ferro, com cerca de 17 cm de comprimento e
quase 01 cm de largura, colocados no chamado "Espaço de Desdot", não passa de um Neuromarketing.

Se os braços de Cristo fossem pregados abertos em forma de cruz...


A alavanca formada pelos braços abertos e o peso do corpo rasgariam as mãos de Cristo, de tal forma que não
haveria apenas um diminuto orifício em cada mão do crucificado; e as mãos do condenado teriam sido
dilaceradas pelo peso do seu corpo.

Em 1206 d.C., quando Francisco de Assis (com 24 anos), se converteu em cristão, após ter visto uma estátua de
Cristo (na capelinha de são Damião), e conhecer a pintura “Crucifixo Medieval”; Cristo ainda era apresentado
pregado na Cruz com quatro cravos (cada cravo atravessando um dos seus membros), e não como é mostrado no
show da mídia cristã atual.

Tanto o “Jesus crucificado” de Zurbarán de 1632 d.C., como o “Jesus na Cruz”, pintado por Diego Rodrigues de
Silva Velázquez, (1599-1660), apresentam Jesus Cristo pregado com 04 cravos.

Embora a Bíblia não incentive o uso de amuletos; “O sinal da Cruz” fosse um símbolo de tortura, morte e
sofrimento; o sinal da Cruz tenha sido empregado em atividades rapinantes como “As Cruzadas” e as atrocidades
cometidas pelos “Soldados da Cruz”; o cristianismo afirme que, não devemos viver pela vista, mas sim pela fé; e
não exista alguma ordem para que os cristãos usem uma Cruz ao nível pessoal ou mesmo em seus lugares de
adoração; a Igreja se apropriou do “Sinal da Cruz” e ensina os cristãos a fazer o “Sinal da Cruz”, como uma forma
de lembrar Jesus Cristo.

Se só o Espírito de Jesus ressuscitou, o que teria acontecido com o corpo de Jesus?

A Bíblia relatar que mesmo tendo se passado só alguns dias, nenhum dos discípulos, e a Madalena
reconheceram Jesus...
Seria uma estratégia no sentido de fingir que Jesus teria existido.
Fingir que o Espírito do Arquétipo Jesus teria ressuscitado. 51

Fingir que o corpo físico de Jesus teria se desintegrado, sem passar pelo processo da decomposição.
E fingir que o Espírito de Jesus teria se materializado num novo corpo carnal...
A Bíblia Desmascarada volume II 52

Por que o Óbito de alguém dito tão importante como Cristo não tem uma DATA FIXA?

Como tirando às personagens mitológicas ninguém se “suicida” numa DATA tão MÓVEL, que para ser
determinada TODO ano se depende da LUA, se depende da ASTROLOGIA, se depende de CÁLCULOS
MATEMÁTICOS, se depende de aproximações, e tem que cair num DOMINGO, entre 22 de março e 25 de abril.
Pela Matemática, pela Astronomia, e pela complexidade envolvida no cálculo da data do Aniversário da suposta
morte de Cristo, DÁ PARA VER O QUÃO FRAUDULENTO É O CAUSO SOBRE O SUICÍDIO DE CRISTO.

Para provar que o “suicídio” de Cristo é só um evento Astrológico e místico, e não um acontecimento real; basta
lembrar que para calcular o DIA do aniversário em que Cristo teria se “suicidado”, primeiro é preciso descobrir
quando ocorre a “LUA NOVA” mais próxima do Equinócio da Primavera; depois Calcular a data da Páscoa
recorrendo a uma tabela; e usar o domingo mais próximo como sendo um “Domingo de Páscoa...

1. Divida o ano de interesse por 19


2. Multiplique a parte inteira do resultado por 19
3. Subtraia o resultado obtido, do ano que você deseja conhecer a data da Páscoa.
4. Some 1 ao resultado dessa subtração
Ao número final chamaremos de "X".
Esse número é o "número dourado" que corresponde a uma data específica dada na tabela abaixo.
Sendo que a Páscoa será no domingo seguinte à data encontrada na tabela; por exemplo:

Ano 2020 (dividido) por 19 = 106,31


106 X 19 = 2014
Ano 2020 - 2014 = 6
6+1 = 7 (Número dourado)
Consultando na tabela, chega-se a 8 de abril ou o domingo seguinte.
A páscoa em 2020 será dia 12 de abril, já que dia 08 é quarta-feira.

Em 326 d.C. para celebrar a RESSURREIÇÃO DE CRISTO, comemorar a “Última Ceia” de Cristo, ou Páscoa
cristã, que é comemorada entre os dias 21 de março e 25 de abril, no primeiro domingo depois da LUA
CHEIA, do Equinócio da Primavera boreal.
Por ordem do Papa São Silvestre, do Concílio de Nicéia, e da Assembléia dos prelados; o sábado
(Saturno), “Dia do Senhor”, dia para oração e descanso, e o dia de apaziguar os Deuses, foi mudado
para domingo (Dia do Sol), “Dia Prima Feria”, que passou a se chamar “Dies Domenica”, e
posteriormente Domingo; e se determinou que a carne do cordeiro não seria mais comida com ervas
amargas e o pão ázimo (matsá), para festejar a “fuga” do Egito. 52

Em 525, o Papa João I, decretou que a PÁSCOA cristã seria celebrada 46 dias depois da “Quarta-feira de cinzas”.
Ou seja, entre 22 de março e 25 de abril, do Calendário Solar.
Sempre no domingo seguinte ao Plenilúnio (primeira Lua cheia da Primavera); e após o Equinócio da primavera.
A Bíblia Desmascarada volume II 53

Ou seja, no PRIMEIRO domingo após a primeira LUA CHEIA que segue o EQUINÓCIO DA PRIMAVERA; sendo que a
Páscoa Cristã não pode ocorrer antes de 22 de Março, e nem depois de 25 de Abril; e que se o cálculo ultrapassar
este limite, a Páscoa passa para o domingo anterior...

Equinócio é o instante em que o Sol cruza a linha do equador terrestre.


Simplificando, seria quando tanto o dia como a noite têm igualmente 12 horas de duração.

Devido à órbita da Terra ser um eclipse, a data em que ocorre o equinócio não divide o ano em um número igual
de dias. Isto ocorre porque quando a Terra está mais próxima do Sol (periélio), ela viaja mais velozmente do que
quanto está mais longe (afélio).

Além do calendário judaico ser LUNAR, e ter de 10 a 12 dias a MENOS do que o ano solar, pois o ano judaico tem
cerca de 354 dias, e não os 365 dias do ano solar.

Durante os primórdios da história humana, e no quesito mitologia, os Eclipses lunares, a “Lua Cheia”, o “perigeu
lunar” (a chamada “Superlua”), que acontece uma vez por anos, quando a Lua fica 14% maior e 30% mais
brilhante do que as outras luas; e o “Sangue na Lua”, tiveram mais importância simbólica do que o Sol.

É lapidar a afirmação feita pelo X9 Saulo, salientando que, Abandonai toda esperança, o vós que ainda acreditais
na divindade de Cristo, pois se Cristo não ressuscitou, vã é vossa fé, já que sem a “ressurreição” de Cristo não
haveria motivos para a existência da Igreja, para a celebração da Eucaristia, para a esperança de encontrar Cristo,
ou para possibilidade de poder ir para o céu.

Como a “Ressurreição” de Cristo é o alicerce do cristianismo é a coluna vertebral da fé cristã, a “Ressurreição de


Cristo” sempre foi objeto de controvérsias.

Principalmente por parte de autores como: Straus, David Friedrich, o historiador francês John Ernest Renan,
1823- 1892, um estudioso da religião e pai da moderna investigação sobre Cristo e o cristianismo.

E do autor dos livros, “Vida de J Esus” (1863), e “História das Origens do cristianismo”.

Como faltava 01 hora para terminar a Sexta feira do dia 14 do mês de Nisã; e as velas já começavam serem
acesas nos lares; pois iria começar tanto o Shabat como a Páscoa judaica; Cristo foi sepultado no Tumba da
família do José de Arimatéia, e depois levado para Talpiot, onde a família de Cristo tinha a sua própria Tumba.

Nenhuma família judia sepultaria um defunto RECÉM FALECIDO que não passou por alguma toalete e por alguma
cerimônia de despedida.

E para cumprir a Profecia de que o Messias permaneceria “03 DIAS E 03 NOITES NO SEIO DA TERRA”, seria
preciso que Cristo fosse ENTERRADO e não apenas SEPULTADO.

Além da mente dos estacados ser tomada pela ansiedade e o pavor, havia os agravantes de se ficar com o corpo
numa posição retorcida, de se sentir uma sede insuportável, dos ferimentos produzirem uma agonia alucinante,
de se permanecer expostos ao sol e aos insetos, e dos sofridos estacados demorarem dias para morrer.

Seria uma fraude a versão 23;24 onde Lucas diz que Cristo falou para o ladrão Dimas que:

“EM VERDADE TE DIGO QUE HOJE MESMO ESTARÁS COMIGO NO PARAÍSO”!

Já que na mitologia cristã, após ter ressuscitado Cristo disse a Maria "Não me detenhas, pois ainda não subi para
meu Pai" (Jo. 20:17). Cristo só teria “subido ao céu” 40 dias depois que “ressuscitou”. 53

E o “Relatório dos guardas” que tomavam conta da tumba, afirmaram que, “OS DISCÍPULOS DE CRISTO VIERAM
DURANTE A NOITE, ENQUANTO AS SENTINELAS ESTAVAM DORMINDO E FURTARAM O CADÁVER DE CRISTO”,
(para transferi-lo o cadáver para outro local).
A Bíblia Desmascarada volume II 54

O “suicídio” de Cristo teria sido só um “Cochilo”?


Considerando que des da Torá escrita já não havia mais fundamentos para que os sacrifícios de
humanos fossem realizados. E o SUICÍDIO sendo um PECADO gravíssimo, e não alguma suposta
oferenda que traria a redenção para a humanidade...
Fica evidente que Deus não mandaria o seu primogênito para uma missão suicida no planeta Terra; até
porque, o imortal Jesus que poderia reviver quantas vezes desejasse; não foi sacrificado pelos romanos,
mas sim, teria se suicidado, ou apenas tirado um “cochilo”...
Como alguém que não conseguiu escapar da sua própria crucificação, e que teria morrido com um
espantalho poderia salvar a humanidade inteira?
Já que a natureza divina de algum suposto Deus humano não morreria, então Cristo não
poderia pagar com o seu “suicídio” pelos pecados dos homens...

Jesus é só um Arquétipo, e um “Conto do Vigário”; pois o suicídio do imortal humano que poderia
“reviver” quantas vezes desejasse, não passaria de um COCHILO, ou de alguma farsa; e não de algum
sacrifício pelos humanos.

Além do Messias não poder ser assassinado por simples humanos; e o Espírito de Jesus não ter como
morrer; quem não poderia morrer também não poderia ressuscitar...
Cristo sendo o Espírito Santo, o Deus Pai, e o Deus Filho, quando Ele “morreu” todos teriam
morrido juntos... E se Cristo tivesse de fato morrido, quem o teria levantado dentre os mortos?

Além de ser CONTRADITÓRIO que algum MORTO possa ressuscitar a si próprio...


Haveria algo mais Infantil, absurdo, patético ou fantasioso do que o imortal Criado de todo o Universo
ser humilhado, massacrado e assassinado por simples humanos?
Caso Jesus tivesse existido, e não fosse apenas um Arquétipo que é usado para consolar os que
acreditam sem racionalizar, ele saberia o Dia, e a Hora em que “morreria”; saberia quem o
“MATARIA”, e saberia COMO e ONDE seria “assassinado”.

A ressurreição de Jesus seria uma fraude, e se trataria de mais outra lenda solar onde a “morte” e o
retorno do Sol depois de 03 dias, gerou a mitologia sobre os deuses solares que teriam “revivido”...

Cristo “morrer” por nós, mas depois de 03 dias “ressuscitar”, seria como um fiador pagar a divida
do devedor, e depois querer o seu rico dinheirinho de volta...
E assim como acontece numa Financeira controlada por mafiosos, ou o extorquido salda toda á sua
“dívida” com Cristo, aquele que mitologicamente pagou por você com o seu precioso sangue, ou
passará por grandes aflições.

Quando lidam com questões que envolvem suas crenças religiosas, é comum 98% dos humanos desprezarem a
realidade, até porque os religiosos se apóiam na perspectiva egocêntrica de que só eles estariam certos...
Finge que A SABEDORIA DOS MAIS INTELIGENTES É LOUCURA DIANTE DE DEUS...
Não racionalizam a partir de uma perspectiva distanciada...
E não conseguem se colocar como um observador imparcial e distante dos acontecimentos...

Por que alguém levaria um cicatrizante e um anti-séptico para preparar um morto?


Como matar a cobra não elimina o veneno já injetado, inúmeros iludidos acreditam nos causos
inventados sobre o judeu que desejava reformar o judaísmo, e que foi crucificado; ainda que o mesmo
não tenha tido capacidade de convencer o seu próprio povo, de que seria o esperado Messias.54

Não houve testemunhas oculares da mitológica Ascensão de Jesus, e as versões referentes a “Jesus
Cristo” são os frutos das versões inventadas pelos religiosos que não viveram na época de J Esus.
A Bíblia Desmascarada volume II 55

A versão sobre Jesus ser um descendente direto do Rei Davi, seria


mais outra fraude religiosa?

Além de Deus não habitar em Templos


emplos feitos por mãos humanas:
humanas
A) O Messias NÃO sofreria CONTESTAÇÃO, NÃO seria TRAÍDO, NÃO seria
JULGADO por humanos, NÂO seria ESPANCADO, NÂO seria CRUCIFICADO
como um criminoso,
criminoso, NÃO MORRERIA, e NÃO RESSUSCITARIA!
B) Jesus não uniu o povo Judeu; ass profecias falam que a primeira coisa que
o Messias faria seria unir o Povo Judeu;
Judeu; algo que NUNCA aconteceu.
C) O Messias seria filho da União entre um Homem e uma jovem; e não
entre uma divindade (o o Espírito Santo e a adolescente Maria).
Maria
Sendo que Jesus não passa de um Arquétipo plagiado das divindades que
mitologicamente teriam descido ido a Terra para ter filhos com humanos.
humanos
Oss filhos das divindades mais conhecidos foram Hércules (filho de Zeus e a
bela Alcmena), Buda (filho da deusa Māyā com um elefante), Hórus (o filho
do Deus Osíris com Isis), Ganesha (o filho do Deus Shiva com Parvati), Etc.
D) O Messias NÃO É DEUS, não pede devoção, e tanto tanto uma placa de pedra
com cerca de um metro de altura, com 87 linhas escritas em hebreu, que
data de algumas décadas antes do nascimento de Jesus, como o historiador
Josefo, e o escritor Públio Cornélio Tácito, falam de um Messias diferente e
ANTERIOR a Jesus; chamado Simon de Peréia, que teria revivido DEPOIS de 3
dias morto;
morto; e que com o passar do tempo foi transformado em Jesus cristo...
cristo

Além das Genealogias de Jesus relatadas por Mateus e Lucas serem falsificações...
falsificações
Os que se passaram por Lucas,
Lucas e por Mateus desprezaram que só os descendentes da
tribo de David poderiam ser REI, ser JUIZ, ser um MILITAR, gerar o “PROMETIDO
MESSIAS”, ser o Rei dos Reinos dos Céus, etc.

Os cristãos acreditam que Jesus seria o Messias Prometido, e que Jesus seria um
descendente do Rei Davi através da sua mãe, ou através do seu padrasto...
padrasto
te a epifania de achar que breve o
Se gabarem de que Jesus irá voltar em breve, e tem
seu Deus estenderá o seu governo por todo o planeta Terra, quando
substituirá todos os governos humanos...

Todavia, como só os descendentes da tribo de Levi poderiam ser ESCRIBAS, poderiam ser
poderiam ser PROFETAS, ou poderiam ser SACERDOTES;
SACERDOTES como foi o Sacerdote Zacarias,
pai do grande Profeta
feta João Batista, filho da Isabel, (que seria prima da Maria, mãe de
Jesus); e o José teria sido apenas o padrasto de Jesus, e o Tio materno que casou com a
sobrinha Maria...

Fica provado que a versão forjada por Lucas sobre Jesus ser o Rei dos Céus, ser o Messias
Prometido, ou ser um descendente do Rei Davi; Davi que seria bisneto da prostituta 55
de Jericó
Raabe, que habitou entre os Israelitas, se casou com Salmom, e que deu à luz a Boaz, e
que teria sido o bisavô de Davi...
Não
ão passa de mais outra fraude religiosa,
religiosa, pois Jesus até poderia ser um descendente da
tribo de Levi (talvez um descendente da tribo de Judá, ou da tribo de Benjamim),
Benjamim mas
não da tribo de Davi.
A Bíblia Desmascarada volume II 56

Ao “morrer” Cristo estaria anêmico ou tuberculoso?

Embora seja um contra-senso que o homem que fazia milagres de curas se encontrasse doente.
Como a personagem Cristo não sangrou ao ponto de morrer por Hipovolemia, em 1990, um Legista
espanhol especializado em Tanatologia Forense garantiu que se Cristo existiu, ao morrer ele estaria
ANÊMICO, com LEUCEMIA, ou TUBERCULOSO, e apresentou como provas:

A magreza de Cristo; o seu cansaço; à dificuldade de carregar apena a parte horizontal da cruz; o líquido
sanguinolento que saiu das costas de Cristo, depois das chibatadas; a agonia de Cristo ter durado só 3
horas, quando os crucificados após 04 dias ainda estavam moribundos; e ter saído PUS e ÁGUA da
PLEURA de Cristo, quando o centurião romano lancetou o PULMÃO ESQUERDO de Cristo.

Caso Cristo tivesse existido ele teria que ser retirado da Cruz ainda vivo, pois as Leis romanas não
permitiam que os estacados fossem sepultados, já que os restos mortais dos crucificados profanariam
os mortos, e desrespeitaria Plutão (Hades), o “Senhor da morte”.

Outra prova de que “Cristo” seria apenas um Arquétipo e não um fato histórico seria o fato de que o José
de Arimatéia sendo um COHEN SADUCEUS, e tendo feito o “Voto TAMEI”, o José de Arimatéia são
poderia tocar em cadáver ou entra em Cemitérios.
Sendo um “Nazireu”, e sendo membro do Sanhedrin judaico, Arimatéia negava a “Ressurreição” e o
“Juízo Final”; negava a existência de Anjos e Espíritos, e negava que Deus intervém nos atos dos
humanos, sejam eles bons ou maus.

Como os seguidores de Cristo fugiram; e simples camponeses judeus não poderiam exigir que o
Governador lhes entregasse o cadáver de Cristo; mesmo o José de Arimatéia tendo sido um COHEN
SADUCEUS, e tendo feito o “Voto TAMEI”, de não tocar em cadáver, ou entra em Cemitérios.
A Bíblia falsificou que o rico e influente José de Arimatéia, (que surgiu do nada, e caiu de pára queda na
lenda de Cristo), teria solicitado a Pilatos o “Soma” de Cristo.

Em Marcos 15: 42-46, o José de Arimatéia ter solicitado a Pilatos o SOMA de Cristo, prova que Cristo
não estaria morto. Pois a palavra “SOMA” em grego quer dizer CORPO VIVO...
Se o Arimatéia tivesse solicitado o cadáver de Cristo, ele teria pedido o PTOMA ou “Nekrós".

O CORAÇÃO fica no meio do tórax, e o que o centurião Longinus perfurou foi a PLEURA de Cristo, que
reveste a caixa torácica por dentro.
56

Os ateus, os agnósticos e inúmeros sábios, jamais acreditaram na fantasia de que Cristo teria
ressuscitado ou que Cristo teria “Triunfado sobre a morte”.
A Bíblia Desmascarada volume II 57

Para provar que ao ser retirado da Cruz, Cristo não estaria morto e sim, em estado letárgico,
lembramos que o costume judeu era usar óleos e ungüentos para curar as feridas dos vivos e não
“embelezar” algum defunto.

Jesus sendo descendente da casa de David, Ele não poderia ser sepultado sem que os seus familiares
tenham seguido os procedimentos funerais concernentes ao Judaísmo.

Há muitas indicações para a possibilidade de Cristo não ter morrido na cruz, e em todas o José de
Arimatéia aparece como alguém que ajudou Cristo...

Em 54 d.C. o historiador muçulmano Mulla Nadiri falsificou que Cristo após ter sido tratado foi para
Caxemira (Índia); que a ROZABAL (a tumba do profeta), ainda conserva os restos mortais do Yuz Asaf,
ou Hazrat Issa, que seria Jesus Cristo. A tumba do profeta, foi muitas vezes restaurada, é orientada
conforme o costume judeu, enquanto que todas as outras sepulturas obedecem à orientação islâmica.

As versões sobre o julgamento de Cristo são conflitantes.

Os locais mencionados e o que supostamente aconteceu com Cristo, após a sua Ressurreição, também
não são dignos de crédito, pois os evangelistas fabricaram relatos de segunda ou terceira mão.
Não foram testemunhas oculares. Não conheceram J Esus. E nem mesmo viveram na sua época.

A “ordem” de Cristo para “Pregar o Evangelho a todos os povos da Terra” é cópia de lendas como a do
Deus sumério Tamuz, conhecido pelos egípcios como Osíris, que milhares de anos antes disse para os
seus discípulos SAÍREM DE DOIS EM DOIS PREGANDO A “NOVIDADE” PELO MUNDO.

As versões sobre Jesus Cristo não visam relatar a realidade, mas sim, legislar sobre os crentes, e sentir o
conforto de ser aprovado por milhões de almas unidas pela mesma crença.
Pois ainda que o suposto Deus humano tivesse “morrido”, as suas idéias estariam vivas e influenciam
os que crêem nas versões cristãs.

Já que a verdade é uma necessidade vital, e derrubar as fantasias que nos impedem de progredir seria
construir um mundo melhor. Por que continuar sendo refém da histeria dos que têm alguma
predisposição para acreditar em milagres?
Por que os iludidos não entendem que Jesus é apenas um Deus virtual, que a Bíblia é uma FICÇÃO, e
que a Igreja seria uma FACÇÃO?

As superstições exercem tanta influência sobre os mecanismos cerebrais do crente, suas reações, suas
emoções, sua capacidade de ver, ser, sentir, pensar ou mesmo do indivíduo ser racional, que seria
impossível que um crente emocional mude suas convicções, determinismos ou dependências religio$as.

Enquanto os cientistas estão abertos, ansiosos e dispostos a estudar como as coisas funcionam, os
religiosos (se achando o repositório imutável do conhecimento), e partindo da pretensão de que seus
dogmas são uma verdade absoluta que nunca mudaria, tudo faz para que as novas descobertas se
encaixassem nos seus pontos de vistas religiosos.

Apesar do religioso conseguir se destacar profissionalmente, como no quesito religião o alienado, ou


57
fanático fundamentalista usaria apenas a parte primitiva do cérebro humano; e não o lado critico...

Ele não teria discernimento próprio; defende perspectivas incompatíveis com a realidade; não
racionaliza, não é um bom juiz dos seus próprios processos de raciocínio; despreza tudo que seja
contrario as suas fantasias religiosas; e estaria sendo superados pelos que usam o seu tempo e os seus
recursos buscando conhecimentos.
A Bíblia Desmascarada volume II 58

O Evangelho de Tiago desmente a Ressurreição de Cristo

O esqueleto achado em junho de 1968, em


uma caverna funerária de Giv’at ha-Mivtar,
que fica no Nordeste de Jerusalém, a Oeste da
estrada Nablus, é o único esqueleto achado
entre os milhares que foram estacados, des
que o Dario I inventou essa maneira cruel de
castigar os condenados, e que foi abolido por
Constantino.

O “Evangelho apócrifo de Tiago” contesta tanto a DIVINDADE como a “RESSURREIÇÃO” do cidadão que se
autonomeou “filho de Deus”.

Tiago, o meio irmão uterino de J Esus, relatou que O supersticioso Pôncio Pilatos tendo sido advertido por sua
mulher de que poderia está fazendo a coisa errada, permitiu que Naqdimon Ben Gurion, (o José de Arimatéia),
retirassem Cristo da Cruz, enquanto o estacado ainda estaria vivo.

Além do silêncio dos historiadores John Dominic Crossan e Flávio Josefo desmentirem a versão de que Cristo
ressuscitou. E derruba os esforços que ao longo dos séculos foram feitos no sentido de convencer que Cristo
teria ressuscitado.
O terrorismo da Lei romana não permitia que houvesse “sobras” dos estacados, pois elas poderiam se tornar
algum objeto de culto, ou servir de resistência.

Vale lembrar que o José de Arimatéia não se convenceu da pretensa divindade de Cristo; nunca se tornou
cristão; não se entusiasmou com as pregações feitas por mais um que também se achava o Messias prometido;
agiu em defesa do sofrido Cristo, sem esperar algum tipo de recompensa material ou religio$a; era um fariseu
rico e inteligente, que foi um membro do Sinédrio; era um homem de costumes morigerados (ou seja, de vida
exemplar), e que não poderia tocar em cadáveres...

Embora o único meio de descobrir a verdade seja expondo as versões religiosas ao fogo cruzado de outros
relatos. Pois as contestações dos lúcidos são o alimento intelectual que precisamos para crescer
intelectualmente e afiar as habilidades de Pensamento crítico.

E as “Testemunhas de Jeová” tenham declarado que, o homem Cristo está morto, que só o seu Espírito
ressuscitou, que não devemos esperar alguma volta física de CRISTO...

Por se recusar acreditar na divindade de Cristo, alegar que Cristo era um filho bastardo.
Pregar que os judeus não deveriam acreditar em Cristo, mas sim, voltar as suas crenças anteriores.
Afirmar que Cristo era louco. Negar que Cristo fosse um descendente de Davi, de acordo com a carne.
E negar que Cristo fosse o esperado “Messias prometido”, Tiago foi assassinado...

Em torno de 63 d.C., após a morte de Pórcio FESTO, que foi Governador da Judéia nomeado por Nero.
E apesar do Tiago, o meio irmão uterino de Cristo, já ser um idoso frágil e doente, os seguidores de Cristo
apedrejaram Tiago até que ele morresse, e lançaram o cadáver de Tiago de uma janela do Templo para58o chão...

Clemente confirma o espancado do Tiago até a morte, mas alegou que, Tiago foi morto com o uso de um malho e
não por apedrejamento.
A Bíblia Desmascarada volume II 59

Ao ser retirado da Cruz Jesus estaria VIVO?

1-É estranho que o saudável, jovem, robusto, e suposto Deus humano Jesus, mesmo
tendo agüentado ficar 40 dias, e 40 noites (sem água e sem comida), num Deserto
escaldante, não tivesse resistido ficar mais do que 03 horas na cruz...
Ainda mas que outros como Spartacus, sobreviveram na cruz por até 6 dias...
E os 2 malfeitores (um à direita, outro à esquerda), que em Marcos 15:27
estavam ao lado da cruz, só morreram depois de ter AS PERNAS QUEBRADAS...

2-Jesus foi reidratado com "POSCA" (água com vinagre) oferecida por um soldado
romano...

3-Jesus teve a sua respiração facilitada com a lança de São Longuinho (que retirou a água
acumulada na sua pleura)...

4-Para evitar a morte rápida de Jesus (por asfixia), na cruz foi colocado um apoio...

5-Para provar que Jesus não foi EXECUTADO por Pôncio Pilatos, mas apenas CASTIGADO, e que ao ser
retirado da Cruz Jesus estaria VIVO...
Lembramos que o José de Arimatéia sendo um COHEN SADUCEUS, e tendo feito o “Voto TAMEI”, o
José de Arimatéia NÃO PODERIA TOCAR NUM CADÁVER, ou mesmo entra em Cemitérios...

Em Marcos 15: 42-46, o José de Arimatéia ter solicitado a Pilatos o SOMA de Jesus, prova
que Jesus não estaria morto; pois a palavra “SOMA” em grego quer dizer CORPO VIVO...
Se Arimatéia tivesse solicitado o cadáver de Jesus, ele teria pedido o PTOMA ou Nekrós.

Pilatos não encontrou algum crime em J Esus; já havia castigado Jesus lhe mandando dar
uma surra. E o irmão de Jesus Tiago, relatou que O supersticioso Pôncio Pilatos tendo
sido advertido por sua mulher de que poderia está fazendo a coisa errada, permitiu que
Naqdimon Ben Gurion, (José de Arimatéia), retirassem Jesus da Cruz, enquanto ELE
ainda estaria vivo.

Até porque, JESUS NÃO MORREU NA CRUZ, e Jesus apenas perdeu os sentidos; o resto é
historinha para enganar, dominar, e ganhar muito dinheiro dos incautos.

Além de Deus ser o “Bicho papão” dos adultos, o cristianismo, e os causos referentes a
JESUS são apenas recauchutagens da lenda de outros deuses como Mitra, Dionísio, Attis,
Adônis, Zaratustra, Krishna, e HORUS, que “morreu” e “ressuscitou” ao terceiro dia.

59
A Bíblia Desmascarada volume II 60

A Tanatologia prova que a "Ressurreição" de Jesus é uma fraude

Em Mateus 27, 49/51, quando Longinus lancetou o lado esquerdo do tórax de Jesus, o
sangue de Jesus esguichou no olho de Longinus; que sendo defeituoso ficou curado...

Se o sangue de Jesus espirou no soldado Longinus, então Jesus não estaria MORTO, mas
sim, em estado LETÁRGICO, pois só os organismos vivos ESPIRAM sangue.
Longinus na verdade chamava-se Cássio, era um dos centuriões romanos escalados para
vigiar Cristo na cruz, teria espetado Jesus com sua lança; se arrependeu dos seus
pecados, deixou a vida de soldado, e virou o São Longuinho.

No próprio evangelho de Mateus estaria a prova de que a Ressurreição de Jesus seria


uma fraude; pois tanto a Hermenêutica, como a Tanatologia (parte da medicina que se
ocupa com o estudo da morte), explica que, Com a morte clínica cessam todas as
ATIVIDADES BIOLÓGICAS, inclusive a CIRCULAÇÃO SANGÜÍNEA e a PRESSÃO ARTERIAL.

Sendo que o “Novo Testamento” fabricou a estranha crucificação, que mitologicamente


teria ocorrido ao meio dia de uma sexta feira, que seria véspera da Páscoa Judaica...

E para que o cadáver exposto de quem terminou virando Jesus não PROFANASSE o
SÁBADO, não PROFANASSE o Deus Saturno, e não PROFANASSE a Páscoa Judaica; às 03
horas da tarde, quem terminou virando Jesus foi retirado da cruz, ainda vivo...

Na lenda em tela foi preciso providenciar uma mortalha, e se arrumou um túmulo


emprestado, pois não teria dado tempo para sepultar Jesus no túmulo que a família da
mãe de Jesus tinha em Talpiot. E Jesus teria sido primeiro sido sepultado na Tumba da
família do José de Arimatéia, e só depois levado para Talpiot.

Para mostrar que a versão 23;24 onde Lucas afirma que Jesus teria falado para o ladrão
DIMAS que, “EM VERDADE TE DIGO QUE HOJE MESMO ESTARÁS COMIGO NO PARAÍSO”,
não passa de uma reciclagem de lendas mais antigas; como a lenda de Hórus.

Lembramos que após a sua “ressuscitação” Jesus teria dito a Maria "Não me detenhas,
pois ainda não subi para meu Pai"...
E que Jesus só teria “subido ao Céu” 40 dias depois que “ressuscitou”.

Há a mais de 3.000 anos, no Templo de Luxor, em Karnak, à beira do Nilo, foi escrito em
hieróglifos, uma versão onde JESUS seria HORUS; a virgem MARIA, seria ISIS MERI; o
ESPÍRITO SANTO, seria NEF, o mensageiro lunar, que saúda a Isis Meri, e anuncia60que Ela
conceberá e dará a luz a um filho Deus, que será o intermediário entre Deus é os
humanos; e Horus teria ressuscitado ao terceiro dia, tal e qual outros deuses solares.
A Bíblia Desmascarada volume II 61

A “ressurreição” de Jesus não tem lastro histórico ou CREDÍVEL


A ressurreição de Jesus é só uma história sensacionalista,
e longe de ser credível.
Marcos narrou dia -a- dia, a última semana de Jesus sem
ter conhecido Jesus; sem ter sido uma testemunha
ocular, “tendo escrito” 40 anos depois do que narrou, e
cometeu erros, inclusive de Geografia e de costumes.
Pois o Evangelho de Marco é uma fraude.

Como até Abércio existiam diversas Epístolas, e centenas de causos sobre os mais
absurdos “milagres” divinos; em torno de 180 d.C. o Bispo de Hierápolis Abércio Marcelo
remodelou ao gosto da Ortodoxia cristã um dos Evangelhos mais antigos, e propôs que o
Evangelho por ele modificado fosse considerado como tendo sido escrito por Marcos...

Em 1864, o crítico de Tübingen, F. C. Baur provou que as Epístolas são anteriores aos
Evangelhos, e que o Evangelho atribuído a Mateus foi escrito cerca de três gerações
depois da suposta crucificação, por alguém que teria escrito no grego Kôine, e não no
grego clássico, e que teria escrito em aproximadamente 90 a.C.

Embora o Evangelho atribuído ao Marcos terminasse no Versículo 08 do Capitulo 16,


onde as mulheres saíram do sepulcro apavoradas; e por medo, não contaram que o
corpo de Jesus havia desaparecido...

Jerônimo de Strídon (331 a 420 d.C.) insatisfeito com o final da narrativa de Marcos;
observando que faltava algo grandioso para convencer o povo acreditar na lenda de
Jesus; inspirado nas lendas míticas de outras culturas anteriores; e para alavancar a
popularidade do Arquétipo Cristo; fabricou a Ressurreição de Jesus, e incluiu no suposto
Evangelho de Marcos, a lenda de que “QUANDO JESUS RESSUSCITOU MUITOS OUTROS
DEFUNTOS REVIVERAM, E SAÍRAM DE SUAS SEPULTURAS”...
Sendo que o causo sobre a mitológica Ressurreição de Cristo se tornou a parte mais
importante do suposto Evangelho de Marcos.

Como a chegada do Mashiach resultaria no fim da maldade e das injustiças, e não


existiam profecias sobre o Mashiach ser Assassinato, ser traído, ser preso, ser julgado,
ser executado, ou que o Messias reviveria...
A ressuscitação de Jesus relatada por quem se passa por “Mateus” seria uma farsa.
Até porque, o Novo Testamento atual é a versão que Jerônimo e seus ajudantes
inventaram, selecionaram, divulgaram, e ao terminar “selaram”, com a "ameaça" de que
“Ninguém ouse acrescentar ou diminuir o que foi revelado a respeito de Jesus o Cristo.
61
O Evangelho de Marco estaria repleto de fantasias quanto às datas, aos lugares, e as
explicações. Teria erros de geografia; pretendia dar cunho de realidade aos velhos e
pueris arranjos feitos pelos supostos Profetas; seria só uma ficção religio$a plagiada de
outras culturas.
A Bíblia Desmascarada volume II 62

Sendo que as contradições e a reengenharia bíblica se avolumariam, à medida que


verificamos os esforços de compactuar com os sonhos infantis de uma população que se
dizia inspirada pelo “Espírito Santo”.

No início a Bíblia era escrita na TERCEIRA PESSOA do SINGULAR, como se o suposto Deus
YHWH falasse diretamente ao povo, e sem preocupações com a Geografia, a
Paleontologia ou a Geologia; pois a Bíblia é a versão da atividade do mitológico Deus dos
hebreus, no decurso da vida de um povo; que descreveu a criação e as questões
fundamentais da vida ao seu modo, e sem preocupações com a realidade, ou as Leis que
governam o Universo.

Se a Bíblia é a palavra de Deus, por que quando a ciência avança a Bíblia precisa ser
revisada?

A TRADIÇÃO e a REVELAÇÃO são as 02 formas mais comum de transmitir as crenças


religiosas, sendo que a RELEVAÇÂO é posterior a TRADIÇÂO e necessita de alguma
versão anterior para ser interpretada.

À medida que a cultura foi se desenvolvendo os escribas da Bíblia usaram o truque de


passar o Tratamento Gramatical da Terceira para a Primeira ou Segunda pessoa; os
erros existentes nas doutrinas foram transferidos para os “tradutores”; e se fabricou
uma versão nova da mitologia onde os humanos seriam disputados por 2 Espíritos
opositores entre si, que seriam o Espírito do Bem e o Espírito do MAL...

Mesmo tendo levado centenas de anos para que houvesse um consenso sobre quais
seriam os “livros sagrados" do judaísmo; a Bíblia finge deter em si mesma os segredos e
mistérios que supostamente teriam sido “revelados” aos humanos, por algum Deus...

Se não bastasse que a Bíblia fosse “COISA DO PASSADO”, um livro criado para controlar os que não têm
acesso ao conhecimento; um livro sem CREDIBILIDADE; versões de versões, e traduções infestadas de
erros, onde os escritores escreveram segundo suas próprias interpretações, e plagiando fatos, eventos,
leis, profecias, revelações, artes literárias e doutrinas de outras culturas, mas sempre afirmando que foi
inspirado por Deus...

A Bíblica não obedece a nenhuma ordem histórica, geográfica ou cronológica; não é possível
compreender a Bíblia gramaticalmente, teleologicamente, exegeticamente ou hermeneuticamente; a
Bíblia não valer como guia moral; e não valer como material histórico.

Pois os “causos” relatados pela Bíblia são PERICOPES (trechos retirados de outras lendas), METONÍMIAS
(empregar um termo no lugar de outro), ou UTOPIAS... Até porque o Novo testamento foi escrito após
Constantino ter fingido adotar a nova crença dos soldados romanos. 62

Foram realizados 02 Cânones do Antigo Testamento:

O “Concílio de Jâmnia”, que foi realizado no Sul da Palestina, em I d.C. E o Alexandrino,


também chamado de Septuaginta, que foi feito no séc. III a.C, em Alexandria.
A Bíblia Desmascarada volume II 63

Sendo que vários livros escritos antes do “Concílio de Jâmnia”, são posteriores ao Sínodo
de Jâmnia (ou Jabnes), que foi liderado pelo rabino Yochanan Bem Zakai.

Em 178 o escritor Celso, no seu “DISCURSO VERDADEIRO” afirmou que a vida de Jesus seria uma
fraude.
Em 321 Constantino determinou que as profecias sobre o Deus Sol fossem ensinadas ao povo, e que
todos descansem no domingo, o venerável dia do Sol.
Em 326 d.C. por ordem de Constantino, o “Novo Testamento” (que virou o Codex Vaticanus),
começou ser fabricado por Eusébio de Cesaréia, e o Concílio de Nicéia, mas só ficou apresentável no
Concílio Geral de Cartago, de 397 d.C.
Em 1524 a.C. Lutero criou a Bíblia dos protestantes.
Em 1250 d.C. o Cardeal Hugo de Sancto Caro dividiu a Bíblia em Capítulos.
Em 1189, d.C. Robert Stephen Langton dividiu a Bíblia em 31.173 Versículos.
Sendo que hoje em dia, cada grupo cristão tem a sua própria Bíblia!

Embora a polêmica seja benéfica para o crescimento humano, a Bíblia estimula a crença
sem o uso do bom senso, da racionalidade, e do senso crítico; e para DESPRESTIGIAR
tanto a Investigação como o EXPERIMENTO, e os CONHECIMENTOS acumulados pela
ciência, o cristianismo usa crendices como a bobeira existente em I Coríntios 1.27 onde
“Deus escolheu as coisas loucas do mundo para confundir os sábios”...

Não é a falta de informação que faz o místico, e o que nasceu para obedecer se agarrar
nas crendices religiosas, mas sim, a dificuldade que o cérebro religioso tem de aceitar
que a morte é o fim da existência, ter medo de ser castigado por algum Deus vingativo.
O religioso desejar ter algum amigo imaginário que o ajudaria nos momentos de
angustias.
E o religioso poder usar o seu Deus como uma justificativa para os seus anseios e
propósitos.

Sendo que para fugir da realidade dolorosa o místico prefere as versões prazerosas, pois
os iludidos são comandados pelo chamado “cérebro mágico”.
Quando se trata de um religioso é sempre a sua essência que prevalece, influenciada
pela sua cultura, os seus traumas, os seus desejos, as dificuldades, a necessidade, e a
influencia que os indivíduos semelhantes exercem sobre a mente emocional dos
nascidos para obedecer.

Como Siddharta Gautama, conhecido como Buda, que viveu no século VI a.C., na Ásia
Meridional, hoje Nepal, nos Mandamentos do budismo adverte para: Não cobiçar coisa
alguma do teu próximo.
Não cometer adultério. E “QUE ATIRE A PRIMEIRA PEDRA AQUELE QUE NUNCA
MENTIU!” 63

Para denegrir e revogar as antigas Leis judaicas, inspirado no budismo, foi Introduzido no
Evangelho de João, o causo onde se tenta mostrar que agora viveríamos sob a
autoridade de Cristo, e não mais sobre a tutela dos antigos costumes hebreus.
A Bíblia Desmascarada volume II 64

Se algum Deus não foi criado, ele também não poderia criar; não poderia estar acima da
natureza; não poderia ter controle sobre a sua própria existência; estaria sujeito a
natureza; não teria controle sobre seu próprio principio; e estaria sujeito ao que Ele
próprio determinou.

Para forja que Jesus seria o “Messias prometido” se mentiu que Jesus descenderia do Rei
Davi, a tribo dos guerreiros, dos Reis, dos juízes, e que geraria o Messias Prometido...
Mas como só os descendentes da tribo de Levi poderiam ser Sacerdote, como foi
Zacarias o pai do João Batista, filho da Isabel, prima da Maria, mãe de Jesus...
E o José teria sido o Tio da Maria, e o padrasto de Jesus...
Fica provado que a versão forjada por Lucas sobre Jesus ser o Rei dos judeus, ser o
Messias Prometido, ou ser um descendente do Rei Davi, não passa de mais outra fraude
religiosa...

Deus teria abandonado o seu único filho?

Sendo verdade a versão onde em 27:46 Mateus narra que, Perto da hora
nona (03 horas da tarde) Jesus exclamou em voz alta, dizendo: “Eli, Eli, lamá
sabactâni; isto é, Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste"...

Eu fico pensando, se Deus abandonou o seu primogênito mesmo se tratando


do melhor filho que já existiu, o que esse pai desnaturado não faria comigo...

Se Jesus é Deus ele não teria medo, antes de ser crucificado não teria afirmado que não
veio fazer a minha vontade, mas sim, a vontade daquele que o enviou...
E seria um absurdo que o Deus Jesus tivesse clamado “Eli, Eli, lama sabachthani”.
Que quer dizer; “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste”...
El= Deus, I= Meu, Eli= DEUS MEU

Até porque a versão de que Jesus clamou “DEUS MEU, POR QUE ME DESAMPARASTE”,
não passa de mais outro “CAUSO” plagiado; que foi fabricado após o ano de 1002, e
onde os fundamentalistas tentam fazer crer que a personagem Jesus teria existido; pois
cerca de 1000 anos antes do Arquétipo Jesus ser fabricado; no Salmo 22 o Rei Davi já
havia dito as mesmas palavras.

Milhares de anos antes de Jesus, Oxalá afirmou que:


Eu sou o Caminho, a Verdade, e a Vida, e ninguém vai a Olódùmarè senão por MIM...
Na cultura africana Oxalá simboliza a Paz, e é considerado como o maior e mais
respeitado de todos os orixás... 64
Já Olódùmarè que vive numa dimensão "paralela" a nossa é o Ser Supremo.
A Bíblia Desmascarada volume II 65

Os mortos “SAÍRAM DE SUAS SEPULTURAS, e ENTRARAM NA CIDADE SANTA”?


Não seria verdade que na hora da crucificação
ocorreu um eclipse do Sol, que escureceu por horas
todo o planeta Terra. Até porque, os eclipses
solares duram apenas alguns minutos; só acontece
numa parte do planeta; e só ocorre durante a lua
nova; ou seja, no período em que a Lua está
posicionada entre a Terra e o Sol, e não na páscoa
judaica, quando a lua é CHEIA.

Embora seja impossível que cadáveres já com o cérebro, os músculos e os nervos decompostos
“SAÍSSEM DE SUAS SEPULTURAS, CAMINHASSEM, ENTRASSEM NA CIDADE SANTA, e aparecessem a
muitos”... Até hoje, em Mt. 27,51-53 a Bíblia insiste na bravata de que (antes de Jesus
ressuscitar, ou se materializar), um bando de "zumbis" teria revivido...

Em Hebreus 11.35-38 o Apóstolo Paulo confirmou a “Zombieland” descrita pelo Mateus,


e acrescentou que Alguns dos que reviveram foram torturados, ou preferiram voltar a
morrer... Mas o macabro “causo” inventado por Mateus não é um fato histórico, ou
mesmo plausível, e sim, um texto absurdo escrito por esquizofrênicos, ou pilantras; pois
é evidente que um acontecimento dessa importância e envergadura teria sido
comentado por toda a humanidade.

Se o causo (Mt 27,51-53), onde só Mateus afirma que NO MOMENTO DA MORTE DE


JESUS MUITOS MORTOS SAÍRAM DE SUAS SEPULTURAS E ENTRARAM NA CIDADE”, fosse
um fato histórico e não um texto escrito por esquizofrênicos, ou pilantras; um
acontecimento dessa envergadura teria sido comentado por toda a humanidade.
Todos os Evangelhos estariam repletos de fantasias quanto às datas, aos lugares, e as
explicações. Teriam erros de geografia, e pretendiam dar um cunho de realidade aos
velhos e pueris arranjos feitos pelos supostos Profetas.
Mateus narrou dia -a- dia, a última semana de Jesus sem ter conhecido Jesus; sem ter
sido uma testemunha ocular, “tendo escrito” 40 anos depois do que narrou, e cometeu
erros, inclusive de Geografia e de costumes.

Além do Evangelho de Mateus ser uma fraude; e a “RESSURREIÇÃO” de Jesus não ser
RELATADA por nenhuma Epístolas, ou cronista da época.
A escritora Elaina Pagels afirmou que, o Evangelho de São João era um Evangelho
gnóstico, mas que terminou sendo transformado num “Evangelho Canônico”...
Foi o Bispo de Hierápolis Abércio Marcelo (120- 192 d.C.), quem propôs que um dos
Evangelhos sinópticos fosse considerado como tendo sido escrito por Mateus; e quem
65
primeiro remodelou o “Evangelho de Mateus” ao gosto da Ortodoxia cristã.
Após os primeiros séculos, (e observando que faltava algo para que os iludidos
acreditassem em Jesus), alguém como Jerônimo de Strídon (331 a 420 d.C.), incluiu a
Ressurreição de Jesus nos supostos Evangelhos; e afirmou que quando Jesus ressuscitou
muitos outros defuntos reviveram e saíram de suas sepulturas...
A Bíblia Desmascarada volume II 66

Onde a mitológica “ASCENSÃO” de Cristo teria acontecido?

01- Para Mateus (assim como para Paulo e João), Não houve a ASCENSÃO.
O livro de Mateus termina na montanha da Galiléia...
02- Marcos em 16:19; alegou que a ASCENSÃO de Cristo aconteceu perto de Jerusalém, depois do jantar.
03- Lucas em 24:50-51; afirma que, Houve a ASCENSÃO em Betânia, depois do jantar.
04- E em Atos 1:9-12; a ASCENSÃO aconteceu perto do Monte das Oliveiras.

O que aconteceu com o corpo físico da personagem Cristo?


Além das conclusões científicas proibirem os milagres; não haver realidade fora da Natureza; tudo ter alguma
regularidade cósmica, biológica ou matemática; os “milagres” serem conceitos impossíveis; e tanto o fato dos
ossos de Yehohanan terem sido encontrados numa tumba em Talpiot; como as versões de João e de Paulo
desmentem que houve a ascensão de Cristo.

E o livro de Mateus terminar na montanha na Galiléia.

A “Ressurreição” de Cristo é só uma mitologia, até por que, os primeiros séculos da era atual, foi uma época de
extrema credulidade, e também de muitas guerras, muitas misérias, muita doenças, e muitas superstições.

Os ateus e os religiosos têm cérebros diferentes, e não há nada a fazer.


Embora Jesus seja só uma necessidade psicológica, que infecta o cérebro da maioria dos humanos...

Quando o individuo ingênuo, fracassado, sofrido ou medroso, se encontra numa situação difícil, a crença em
algum mitológico Deus, ou na vida eterna pode ser útil.
E isso funciona como um Prêmio de consolação.

Apesar dos religiosos vivam num infindável Estado Emocional Ampliado, e atribuam características mágicas ou
divinas, a toda e qualquer ocorrência que foge dos seus limitados padrões intelectuais.

Até hoje nenhuma religião foi capaz de apresentar uma teoria plausível sobre o surgimento do seu Deus, e
TODAS as versões sobre um mitológico Deus atemporal não passam de crendices, infestadas de fanatismo.

Para bilhões de pessoas, no ultimo milênio a ciência não avançou nada; as pessoas continuam acreditando nas
mesmas crendices de séculos atrás. E a curto prazo a situação não deve melhorar.

Embora os iludidos vivam num infindável Estado Emocional Ampliado, e atribuam características mágicas ou
divinas, a toda e qualquer ocorrência que foge dos seus limitados padrões intelectuais. 66
E na pré-história diversas tribos tivessem a tradição de realizar rituais onde se sacrificavam humanos
para trazer boa sorte, ou para apaziguar os Deuses...
Desde a Torá escrita já não havia fundamentos para que se realizasse o sacrifício de humanos; ou de
que o suicídio de alguém traria a redenção para a humanidade; até porque, o suicídio sendo um grave
Pecado, Deus não mandaria o seu primogênito para uma missão suicida.
A Bíblia Desmascarada volume II 67

A suposta aparição de Cristo pós-Ressurreição


Como os discípulos de Cristo temiam também
serem castigados.
E quando o dia estava para terminar, os
discípulos de Cristo, ainda estariam se
escondendo.
As “testemunhas” podem estar enganadas ou
terem inventado os textos que relatam.

Outro problema existente nas versões sobre a Ressurreição de Cristo seria o relato de que, em Mateus a primeira
aparição de Cristo pós-Ressurreição para os discípulos, aconteceu em uma montanha na Galiléia (não em
Jerusalém, como a maioria dos Cristãos acredita), e como teria sido predito pelo anjo sentado na pedra recém-
movida: "E ide depressa, e dizei aos seus discípulos que ressurgiu dos mortos; e eis que vai adiante de vós para a
Galiléia; ali o vereis”.

Isto deveria ter sido de suprema importância, já que era a mensagem de Deus através do(s) anjo(s) na sepultura.

Em Mateus 26:32, Cristo teria predito esse fato durante a última ceia.

Depois de receber essa mensagem angelical, "partiram, pois, os onze discípulos para a Galiléia, para o monte
onde Cristo lhes designara. Quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram”.
Em Mateus 28:16, fica claro que esta seria a primeira aparição de Cristo.

Se Cristo tivesse sido visto ANTES disso, por que alguns duvidariam?
Marcos concorda com o relato de Mateus sobre a mensagem dos anjos sobre Galiléia, mas conta uma história
diferente sobre a primeira aparição.
Lucas e João relatam mensagens diferentes dos anjos e então contradizem radicalmente Mateus.

Lucas mostra a primeira aparição na estrada para Emaús e numa sala em Jerusalém. João diz que isto aconteceu
mais tarde, naquela noite em uma sala, menos para Tomé.
Mesmo que hipoteticamente Cristo tivesse existido, somente os que viveram nas regiões da Palestina em que ele
andou e no curto período de três anos em que pregou, o teria conhecido.

Os primeiros cristãos recrutados fora deste restrito limite temporal e geográfico não teriam como ter conhecido
Cristo pessoalmente e foram convertidos apenas por ouvir falar. Sendo assim, não há nada de improvável que
Cristo seja apenas algum esquizofrênico que terminou virando herói.

Onde Cristo apareceu para os discípulos?


Mateus afirma que foi numa montanha na Galiléia, há milhas de distância, (28:16-17).
Marcos alega que foi para duas pessoas no campo e para os onze, reclinado à mesa, (16:12, 14),
Lucas explica que foi em Emaús à noite, (a cerca de sete milhas), para o resto, em uma sala em Jerusalém, e mais
tarde nessa mesma noite, (24:31,36).
E João escreveu que foi em uma sala, à noite, (20:19).

Lucas diz que a aparição de Cristo pós-Ressurreição aconteceu em Jerusalém...


67
Mas Mateus afirma que a aparição realizou-se na Galiléia, entre sessenta e cem milhas de distância.

Alguma coisa está errada, pois há várias contradições. Na época, o testemunho de mulheres não tinha nem
mesmo algum valor legal. Alguns discípulos de Cristo afirmaram que, As notícias das mulheres sobre o sepulcro
lhes pareceram um delírio. E eles não teriam dado crédito às palavras das mulheres, (Lucas 24:11).
A Bíblia Desmascarada volume II 68

Quem foram às mulheres que visitaram o sepulcro?


Mateus alega que, seria Maria Madalena e a outra Maria (28:1).
Marcos narra que, seria Maria Madalena, Maria a mãe de Tiago e Salomé (16:1).
Lucas diz que, foi Maria Madalena, Joana e Maria mãe de Tiago; (24:10).
Já João alega que, teria sido Maria Madalena (20:1).

Qual teria sido o propósito dos que visitaram o sepulcro?


Mateus alega que, seria o de Ver o sepulcro (28:1).
Marcos afirma que, como eles já tinham visto o sepulcro, seria o de trazer as especiarias (16:1).
Lucas confirma que, eles já tinham visto o sepulcro (23:55), e que trouxeram especiarias (24:1).
Já João alega que o corpo de Cristo já tinha sido tratado antes delas chegar. (19:39, 40)

A sepultura estaria aberta quando os visitantes chegaram?


Mateus afirma que, Não (28:2).
Marcos alega que, Sim (16:4).
Lucas confirma que, Sim (24:2).
E João confirma que, Sim (20:1).

Quem estaria no sepulcro quando os visitantes chegaram?


Mateus afirma que, seria Um anjo (28:2-7).
Marcos afirma que, seria Um homem jovem (16:5).
Lucas diz que, seriam Dois homens (24:4).
E João alega que, seriam Dois anjos (20:12).

Onde os supostos mensageiros estariam?

Mateus alegou que um anjo estava sentado numa pedra, na entrada da tumba (28:2).
Marcos afirmou que, um Homem jovem estava sentado dentro da tumba, à direita (16:5).
Lucas descreveu que, Dois homens estavam de pé, dentro da tumba (24:4).
E João afirmou que, dois anjos estavam sentados dentro da tumba, um em cada canto, (20:12).

O que os supostos “mensageiros” teriam dito?

Segundo Mateus seria “Não temais vós; pois eu sei que buscais a J Esus, que foi estacado; Ele Não está aqui, por
que ressurgiu como ele disse. Vinde, vede o lugar onde jazia; e ide depressa, e dizei aos seus discípulos que
ressurgiu dos mortos; e eis que vai adiante de vós para a Galiléia; ali o vereis. Eis que vo-lo tenho dito. (28:5-7)

Segundo Marcos teria sido “Não vos atemorizeis; buscais a J Esus, o nazareno, que foi estacado; ele ressurgiu;
não está aqui; eis o lugar onde o puseram”. “Mas ide, dizei a seus discípulos, e a Pedro, que ele vai adiante de
vós para a Galiléia; ali o vereis como ele vos disse”. (16:6-7)

Segundo Lucas teria sido “Por que buscais entre os mortos àquele que vive?
Ele não está aqui, mas ressurgiu. Lembrai-vos de como vos falou, estando ainda na Galiléia, dizendo:
Importa que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, e seja estacado, e ao terceiro
68
dia
ressurja. (24:5-7)

Já para João teria sido, "Mulher, por que choras?" (20:13).


A Bíblia Desmascarada volume II 69

As mulheres contaram o que teria acontecido?


É estranho que as testemunhas da “Ressurreição” de Cristo tenham sido mulheres, algo inconcebível na época.
Até porque, só os homens poderia ser testemunha, e na época o testemunho de mulheres não era levado em
conta.

Mateus afirma que, Sim (28:8).


Marcos conta que, Não. "E não disseram nada a ninguém, por que temiam”. (16:8)
Lucas diz que, Sim. "Anunciaram todas estas coisas aos onze e a todos os demais”. (24:9, 22-24). E João confirma,
que Sim (20:18).

Ao retornar do sepulcro, Maria saberia que Cristo Ressuscitou?


Mateus afirma, que Sim (28:7-8).
Marcos confirma, que Sim (16:10,11).
Lucas também confirma, que Sim (24:6-9,23).
Já João afirma, que Não (20:2).

Quando Maria teria visto Cristo pela primeira vez?


Mateus alega que, foi Antes que ela retornasse aos discípulos (28:9).
Marcos confirma que, foi Antes dela retornar aos discípulos (16:9,10).
Já João alega que, foi Depois dela retornar aos discípulos (20:2,14).

Depois que Ressuscitou, Cristo podia ser tocado?


Mateus afirma que, Sim (28:9).
Já João alega que, Não (20:17), e Sim (20:27).

Depois das mulheres, para quem Cristo apareceu primeiro?


Mateus afirma que, teria sido para os ONZE discípulos (28:16).
Marcos alega que, foi para DOIS discípulos no campo e depois para os onze (16:12,14)·
Lucas relata que, foi para DOIS discípulos em Emaús, e depois para os Onze (24:13,36)
João explica que, foi para DEZ discípulos, pois (Judas e Tomé estavam ausentes) (20:19,24).
E Paulo, apesar de Judas já está morto, (veja Coríntios 15:5), alega que, Primeiro foi para Cefas (Pedro), e depois
para os ONZE.

O que aconteceu durante a suposta aparição de Cristo?

Mateus alega que, os Discípulos rezaram, alguns duvidam, e que Cristo teria dito "Vão pregar." (28:17-20).
Marcos confirma que, Cristo repreendeu os Discípulos, e disse "Vão pregar." (16:14-19).
Lucas alega que Cristo se materializou do nada, e que repreendeu os Discípulos durante o jantar (24:13-51).
Já João alega que, Cristo não repreendeu ninguém (21:19-23).

Cristo teria ficado muito tempo na Terra?

Para Marcos, Não (16:19), pois Tudo foi feito no Domingo. 69


Lucas confirma que, Não (24:50-52), pois Tudo aconteceu no Domingo.
João alega que, Sim, ao menos oito dias (20:26, 21:1-22).
E em Atos é afirmado que, Sim, ao menos quarenta dias (1:3).
A Bíblia Desmascarada volume II 70

Nos relatos da Ressurreição há discordâncias

Mais tarde o cadáver do Hebreu usado pela


Igreja para criar a lenda de Cristo, foi
transferido para a tumba que a sua família
tinha em Talpiot, sendo que o cristianismo
fabricou a farsa da ressurreição...

Que horas as mulheres teriam visitado o sepulcro?


Para Mateus foi quando já despontava o primeiro dia da semana (28:1).
Para Marcos teria sido ao levantar do Sol (16:2).
Lucas alega que, teria sido bem de madrugada (24:1).
E João afirma que, “sendo ainda escuro e de madrugada" (20:1).

Afirmando que Deixou a Ressurreição de Cristo em uma posição em que a mesma não pode ser
provada. Thomas Paine lembra que, um dos problemas existe em Mateus 28, seria a incompatibilidade
existente na versão de que, já para amanhecer, veio Maria Madalena com a outra Maria para ver o
sepulcro. Assim como, a alegação de que, Depois que as duas mulheres chegam à sepultura, sobreveio
um grande terremoto, e um anjo do Senhor desceu do Céu, e aproximando-se, removeu a pedra e
sentou-se sobre ela.

Embora as outras versões ignorarem o "grande terremoto" inventado por Mateus, e aleguem que a
pedra foi removida depois que as mulheres chegaram...
O Evangelho de Marcos diz que isto aconteceu antes da chegada das mulheres, e que elas diziam umas
as outras, Quem revolverá a pedra da entrada do sepulcro?
Mas, olhando, viram que a pedra já estava revolvida, e era muito grande.

Lucas escreve em 24.2 "Encontraram a pedra revolvida do sepulcro”.


João concorda, mas sem o terremoto, e sem a pedra rolando.

Como são três votos contra um...


Ou Mateus perde ou então os outros três estão errados, pois o mesmo evento não pode ter acontecido
antes e também depois que as mulheres chegaram ao tumulo de Cristo.

Mateus 28:2 foi planejado para mostra o que aconteceu antes que as mulheres chegassem, a passagem
em questão está no tempo passado, e seria um simples relato cronológico, pois Mateus 28:2 começa,
com "E eis que houvera" e não com "E houve".

Se este simples verso pode ser embaralhado tão facilmente, o que impede os crentes de “modernizar”
ou de falsificar as suas versões?

Além dos causos sobre Jesus serem contados por pescadores...


Se Jesus tivesse mesmo existido, pra que se precisaria ter falsificado tantas “provas” forjadas da sua
mitológica existência? 70
A Bíblia Desmascarada volume II 71

As “provar” sobre a existência de “Jesus Cristo” são fraudes, plágios ou acréscimos!

01-Jesus Cristo é a reciclagem da condenação de Yeshua Ben (filho), de Pandira; que foi ESTACADO, e
depois de 3 dias teve o seu cadáver roubado.O “Tratado Sanhedrin 43a,” Séc. II, que designa de que clã
familiar o indivíduo descende, fala sob a condenação de Yeshua Ben (filho) de Pandira.
02- Como no passado Deus aceitava o ESTUPRO, a PEDOFILIA, e até mesmo o INCESTO do filho
engravidar a PRÓPRIA MÃE...
Já que Tamuz nasceu da gravidez onde Semíramis foi engravidada pelo filho Ninrode.
E já que NEF (o mensageiro lunar), saúda a Isis Meri, e anuncia que Ela conceberá e dará a luz ao filho
Horus, que seria o intermediário entre Deus é os humanos.
Os cristãos inventaram a lenda onde o “Talarico” e pedófilo Espírito Santo engravidou a própria
mãe, que na época só tinha 13 anos, e era uma noiva virgem; e que 09 meses depois dessa gravidez
“celestial” nasceu Jesus, com a missão de livrar a humanidade do “Pecado original” (que o seu Pai
celestial havia permitido que acontecesse).
03- A DIVINDADE de Cristo é falsa!
04- É falsa a APARÊNCIA bela, européia, e com olhos azuis, de J Esus!
05- Até 136 d.C. não existia uma aldeia com o nome de “Nazaré”, no Livro de Josué, no Antigo
Testamento, na literatura rabínica, no Talmud, e na lista das 63 Cidades mais antigas da Galiléia.
06-A HORA em que Jesus Cristo nasceu é falsa!
07-O DIA em que Jesus Cristo nasceu é falso!
08-O MÊS em que Jesus Cristo nasceu é falso. Em 525 o Papa João l, ao decretar que “Cristo nasceu no
dia 25 de dezembro” fez à milenar e pagã “Festa do Solstício de Inverno virar o “Natal católico”.
Se a anunciação da concepção da Maria se deu "no sexto mês" da gravidez do João Batista (Lc 1:27).
E o nascimento de Cristo ocorreu 9 meses depois, Cristo deveria ter nascido em MARÇO ou Abril.
09-O ANO em que Jesus Cristo nasceu é falso!
10-O LOCAL onde Jesus Cristo viveu é falso!
11-O BATISMO de Jesus Cristo é falso!
12-Os “MILAGRES” feitos por Jesus Cristo são falsos!
13-As PALAVRAS “ditas” por Jesus Cristo são falsas!
14-Os PODERES de Jesus Cristo são falsos!
15-Toda LITERATURA sobre Jesus Cristo é falsa!
16-O SUICÍDIO de J Esus, para redimir os Pecados dos homens, é só um dramalhão!
17-A versão de que Jesus Cristo passou 3 NOITES no seio da terra é falsa!
18-A RESSURREIÇÃO de Jesus Cristo é falsa, e um Zodíaco!
19-A “VOLTA TRIUNFAL” de Jesus Cristo, onde “ESTRELAS cairão do Céu”, o "Universo será
purificado", e Jesus RETORNARÁ numa carruagem voadora de fogo, rodeado por Anjos
que tocam trombetas... E só outra PROPAGANDA ENGANOSA! É tão ridícula quanto o “Papai
Noel” chegar do Pólo Norte num trenó puxado por renas que voam.
20-Todas as “RELIQUIAS” referentes a Jesus Cristo são falsas!
21-As “PROVAS” da existência de Jesus Cristo são falsificações!
22-Que tipo de Deus é ASSASSINADO pela sua própria criação?
Os judeus esperavam um líder que lhes trouxesse a vitória sobre seus inimigos aqui mesmo na Terra; e
não um “Deus humano” tão submisso, “mosca-morta”, e sem vontade própria, que se deixou pregar na
Cruz; dava a outra face para ser esbofeteada, e mandava amar os inimigos!
23-Paulo de Tarso afirmou que, “EXISTE A POSSIBILIDADE DE CRISTO TER SIDO LOUCO, OU DE CRISTO
71
TER
FEITO ESCOLHAS NÃO PERFEITAS”, Coríntios 1-25, mas os cristãos fingem que Paulo teria dito, “Porque a
loucura de Deus é mais sábia que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte que os homens”!
24- O “NOVO TESTAMENTO” é uma fraude; as primeiros versões sobre Cristo foram escritos 40 anos
após sua morte, e estão infestados de ACRÉSCIMOS POSTERIORES, feitos pelos que não foram
uma testemunha ocular.
A Bíblia Desmascarada volume II 72

25-A “MATANÇA DOS INOCENTES” foi plagiada da lenda de Krishna.


26-Os “TRÊS REIS MAGOS” que visitaram J Esus, são fraudes!
27- A TRAIÇÃO de Judas foi inspirada na traição que fizeram com o Deus Bel.
28-As Revelações de Jesus Cristo, sobre o APOCALIPSE são fraudes.
29-As fontes apresentadas sobre a mitológica existência de J Esus, tais como, os relatos de Tácito de
Suetônio, do Flávio Josefo, do Mara bar Sarapiton, etc.
30- Até o século 06 o Gênesis não mostrava Deus com a aparência humanóide, mas sim, sem forma, e
como uma luz e uma voz; pois está seria a melhor maneira de descrever uma Entidade onipresente.

Mas no século 06 d.C. no Mosteiro de Santa Catarina, no Sinai, foi fabricado o Cristo Pantocrator do
Sinai; um retrato ícone, onde o mitológico Deus Jesus Cristo é representado como sendo, Magro,
bonito, alto, louro, com olhos azuis, com cabelos longos, lisos e castanhos, jovem, e da raça branca...

Não se reportam a Jesus Cristo, mas sim, a outro individuo, ou são interpolações feitas por copistas que
desejavam alastrar o cristianismo.

Sendo que os erros existentes nos causos sobre Jesus não são erros honestos, mas sim, fraudes, plágios,
ou acréscimos, que visam convencer os que desejam crer na existência da “Vida eterna”.

Não passam de lendas tanto a “HORA MORTA” onde às 3 horas da manhã os Diabos
supostamente atazanariam os seres humanos com gritos e barulhos; como à “HORA
SANTA”, ou seja, às 03 horas da tarde; que seria o horário em que Jesus teria sido
retirado da Cruz, assim como, a “HORA DO ANGELUS” (ou Toque da Ave-Maria), que
corresponde às 6h00 da tarde, e que relembra o momento da Anunciação feita pelo Anjo
Gabriel a Virgem Maria...

Com a vinda de Jesus não seria, mas imputado aos filhos os pecados dos seus pais; pois passamos a
viver pela graça, e não mais pela Lei...

Embora “A BÍBLIA DESMASCARADA” seja um minucioso “trabalho” de pesquisa focado no cristianismo,


e leitura obrigatória para os preocupados em descobrir se as lendas religiosas são apenas mais outra
crendice, fraude ou versão anedótica.
“A Bíblia Desmascarada” tem algumas perguntas sem resposta, à maioria dos comentários são narrados
de forma fria ou irônica...
72
O próprio título do livro já é uma provocação, onde o autor usa a sua singular capacidade de
questionar para detonar os dogmas religiosos.

E várias palavras do livro em tela causarão indignação nos religiosos.


A Bíblia Desmascarada volume II 73

O Soldado Longinus teria realizado uma “Eutanásia” em Jesus?

Yeshua foi crucificado por apenas 03 Horas,


ou seja, do meio dia até as 03 horas da
tarde; a sua crucificação não se completou; e
Yeshua foi retirado da cruz ainda vivo;
embora estivesse em estado LETÁRGICO.

Já que apenas 03 horas depois que Cristo foi crucificado o Soldado Longinus realizou uma “Eutanásia”
no mesmo; fica evidente que Cristo não morreu por crucificação.
Mas sim, foi retirado da cruz ainda vivo; embora estivesse em estado LETÁRGICO.

Como Cristo não teve suas pernas quebradas, manteve-se apoiado sobre o calço colocado no Stipes (ou
seja, na parte vertical da Cruz); ficou pregado na Cruz por apenas 03 horas.

Outros condenados sobreviviam por até 72 horas, mesmo quando não tinha nenhum tipo de apoio.

E quando algum condenado era colocado na cruz, mas retirado a tempo, ele sobrevivia...
Pois a cruz não causava ferimentos fatais imediatos, e sim, uma morte lenta e sofrida, por sede, asfixia,
insolação e desidratação, que podia durar mais de três dias...

Usando como prova a própria versão bíblica de que, o Prefeito romano e feroz repressor das rebeliões
Pôncio Pilatos, ao receber a notícia de que Cristo havia morrido, tendo se admirado e não acreditado
que um homem jovem e com a estatura do nazareno morresse em tão pouco tempo, ordenou ao
centurião Longinus que confirmasse a veracidade do boato sobre a morte de Cristo.

E o rude soldado vendo o estacado inerte na Cruz e sem apresentar qualquer tipo de reação, aproveitou
a ordem de Pilatos para golpear o franco esquerdo de Cristo.

E estando correta a versão de que:


“Do ferimento feito pelo centurião Longinus teria esguichado sangue no soldado que perfurou Cristo”...

Fica comprovado que o soldado Longinus realizou uma “Eutanásia” no Cristo.


Pois Cristo não morreu na CRUZ por asfixia, e sim, foi assassinado pelo soldado Longinus, que lhe
furou o lado esquerdo do tórax, com uma LANÇA romana...

Caso Cristo tenha sido assassinado ou retirado da cruz ainda vivo; embora estivesse em
estado LETÁRGICO, a versão de que, “JESUS TENDO CUMPRIDO SUA MISSÃO TERRESTRE FOI
POUPADO POR UMA INTERVENÇÃO DIVINA DE TER QUE FICAR MUITO TEMPO NA CRUZ”, seria uma
fraude. Que foi embelezada, ganhou vida própria e até hoje é usada pelos que precisam acreditar na
existência de algum mitológico “Deus vivo”.
73
Outra prova de que Cristo sobreviveu ao processo de crucifixão, e foi retirado vivo da cruz, é o fato de que o
José de Arimatéia sendo um COHEN SADUCEUS, e tendo feito o “Voto TAMEI”, o José de Arimatéia são
poderia tocar em cadáver ou entra em Cemitérios.
Yeshua Bah Yoseph foi mais um esquizofrênico que se achava o Messias, e não um “Deus” sem vontade
própria, que teria se deixado sacrificar.
A Bíblia Desmascarada volume II 74

Yeshua da Galiléia, Ben (filho) de Pandira, Simão Peréia ou Yehohanan?


Durante a ocupação Romana da Galiléia diversos “Messias” foram
estacados; inclusive Benjamim, (O Egípcio), que foi estacado no ano 60
a.C. Theudas, que foi estacado em torno de 44 a.C.
Yeshua da Galiléia, que foi estacado em 06 a.C.
E Simão de Peréia, que foi estacado em 04 a.C.

Sendo que a atual “Via Crúcis” é só uma fraude que foi


inventada pelos cruzados depois do ano 1270.

A versão onde a personagem “Cristo” foi crucificada seria uma reciclagem da vida do Simão de Peréia, com
alguns “causos” acontecidos com Yeshua da Galiléia, Ben (filho) de Pandira, Simão Peréia ou Yehohanan...

Em “Antiguidades Judaicas” Josefo fala do “Messias” Simão de Peréia que em 04 a.C. liderou uma revolta, se
intitulou o “Rei dos judeus”, e queimou o Palácio de Herodes; mas foi assassinado pelos romanos.
Em “Historias” 5:9:2, Públio Caio Cornélio Tácito, conta um “causo” parecido, pois lendas como Yeshua da
Galiléia, Yehohanan Bem Hagkol, Simão Peréia eu Yehohanan foram reunidas, remodeladas e terminou virando
uma NOVA religião.
Já Yeshua da Galiléia foi um líder essênio anterior a Cristo, que por pregar contra Roma cativou a admiração
popular e arranjou seguidores; sendo que por praticar rituais de Magia em Israel, ele precisou fugiu para o Egito
com o mestre Yehoshua Ben (filho) de Peráchia.

O “Tratado Sanhedrin 43a,” do Talmud (que fala sobre as execuções por crime de Idolatria), relata que antes da
Páscoa de 3680 (que corresponde ao ano 80 a.C.), ocorreu à prisão de Yeshua Bem (filho) de Pandira, que havia
retornado do Egito, onde aprendeu feitiçarias.

Yeshua Ben Pandira era influente e o Sanhedrin queria poupar a sua vida, mas como não houve testemunhas a
seu favor, pois todos os discípulos de Yeshua fugiram; após 40 dias sem que alguém tivesse coragem de defendê-
lo, Yeshua foi executado. O cadáver de Yeshua foi erguido e mantido sem tocar no chão para que os Judeus
vissem o que acontece com os que tentam corromper a cultura judaica!

Sendo que depois de 03 dias, o cadáver de Yeshua sumiu "misteriosamente".

Nos PERGAMINHOS DO MAR MORTO consta o SERMÃO DA MONTANHA, mas sem que os historiadores
mencionem Jesus Cristo, o que comprova que os Evangelhos são uma montagem.
Tanto a versão sobre Jesus Cristo ter sido crucificado, como os causos sobre Jesus ter vivido em Nazaré, são
mitologias e acontecimentos vividos por outros “Messias”, que foram reunidos e remodelados, para criar a lenda
religiosa da personagem Jesus O Cristo...

Embora Jesus Cristo tenha sido crucificação fora da Cidade, e sendo apenas um Arquétipo religioso,
ninguém soubesse com precisão geográfica o caminho que mitologicamente Ele teria percorrido; em
que ponto ficou a sua cruz; onde foi o seu sepulcro, e tudo mais.
Por volta de 320 d.C. Helena, a mãe de Constantino fabricou o caminho por onde Cristo supostamente
teria “carregado” a sua cruz...

Em torno de 1270, os cruzados fabricaram a atual “Via Crúcis”; que se inicia em frente à Igreja São
Marcos, e termina após cerca de 02 quilômetros, na Igreja do Santo Sepulcro...
74
E no século XVI o número de estações foi definido como sendo 14 estações.

Na chamada “Cruzada das Crianças” de 1212, os cristãos já haviam fabricado a lenda de que o Santo Sepulcro só
poderia ser conquistado por crianças, pois como as crianças estariam isentas de pecados elas seriam protegidas
por Jesus Cristo; sendo que milhares de crianças que partiram da França em direção a Jerusalém, na chamada
“Cruzada das Crianças”, com o objetivo de tomar de volta a Terra Santa; jamais voltaram.
A Bíblia Desmascarada volume II 75

O Yehohanan Ben Hagakol (João, filho de Hagakol), ou o que sobrou dele

Em junho de 1968, em uma caverna funerária de Giv’at ha-Mivtar, que fica no Nordeste de Jerusalém, a Oeste da
estrada Nablus, num túmulo que data do Século I; foi achado o osso do calcanhar com um prego, com a ponta da
haste dobrada; de alguém que foi estacado pelo método popularizado pelo Rei Dario I.
E que foi chamado de Yehohanan Bem Hagkol, (João filho de Hagkol).

Os restos mortais achados em 1968 foram analisados por Nicu Haas, antropólogo da Escola Médica da
Universidade Hebraica de Jerusalém.
E a descoberta comprovou as teses do antropólogo Joseph Ziasa, diretor do departamento de Antigüidade de
Israel, e a do professor de anatomia Eliezer, da Escola de medicina do Hospital Hadassa, que afirmaram que,
Nunca alguém foi crucificado com um único prego atravessando seus dois pés, (como atualmente é visto), mas
sim, com os braços amarrados à trave horizontal, os pés pregados separadamente, e com um cravo em cada
calcanhar.

Sabemos tanto o nome “Yehohanan” (João), como o sobrenome “Ben Hagakol” (filho de Hagakol), do
único crucificado que até hoje deixou provas do seu sofrimento, teve o osso do seu calcanhar
atravessado por um grosso cravo de ferro, e que foi achado em 1968, dentro de um ossuário, que
estava numa sepultura), em Giv'at Ha-Mivtar, nas cercanias de Jerusalém; porque junto dos “restos
mortais” havia uma inscrição que o identificava.

Na tentativa de não perder a mãe de todas as batalhas, o Vaticano apresou-se em negar que o
esqueleto achado em Jerusalém fosse o de Jesus Cristo, e tentou impedir que a descoberta fosse
divulgada. Pois caso ficasse provado que o esqueleto em questão é do judeu que deu origem a lenda de
Cristo, isso seria o fim do cristianismo. Ficaria comprovado que o Cristo dos judaizantes não ressuscitou.
E o “FrankCristo” montado pela Igreja, com o amontoamento de diversos acontecimentos e arquétipos,
seria finalmente destruído.

A lenda de um Deus humano que reviveu é só uma ficção, inventada com o propósito de inibir o
Judaísmo; confortar o povo pobre, e ajudar o Imperador Constantino; mas que hoje é defendida com
unhas e dentes pelos cristãos, como sendo uma história real...

Até hoje só foi encontrado o calcanhar de um único estacado que foi autenticado por
Nicu Haas, um antropólogo da Escola Médica da Universidade Hebraica de Jerusalém.
75

E excluindo o calcanhar de Yehohanan Ben Hagakol, todas as “provas” arqueológicas da


existência de Jesus Cristo, até hoje apresentadas, foram apenas falsificações produzidas
pela “Indústria de artefatos forjados”.
A Bíblia Desmascarada volume II 76

Tanto o Boi como o Jumento do “Presépio” são anti-semitismos

Em 1384, o Papa Urbano VI provocou dizendo:

Parece que os animais têm mais entendimento que o povo de Israel.


Coloquemos animais no Presépio para servirem de exemplo, eles conhecem o Senhor de
sua manjedoura, enquanto os judeus não o conhecem.

Colocar o boi e o jumento no Presépio;


O empenho em diabolizar Judas;
A versão de que “Judas” se enforcou num Shabat, o dia mais sagrado da semana...
Assim como “Malhar o Judas”, seriam remodelagens da tradição pagã de na hora da
colheita espantar as “forças do mal”; e de se queimar bonecos feitos de palha...
Formas disfarçadas de denegrir a religião Judaica; e um jeito de vilipendiar os judeus.

A passagem para justificar o anti-semitismo cristão foi retirada de Isaías 1.2-4:

Ouvi, ó céus, e dá ouvidos, ó terra, porque o Senhor é quem fala: Criei filhos e os
engrandeci, mas eles estão revoltados contra mim.
O boi conhece o seu possuidor, e o jumento, o dono da sua manjedoura; mas Israel não
tem conhecimento, o meu povo não entende.
Ai desta nação pecaminosa, povo carregado de iniqüidade, raça de malignos, filhos
corruptores; abandonaram o Senhor, blasfemaram do Santo de Israel, voltaram para
trás.

Sendo que o Boi e o Jumento foram introduzidos no cenário do Presépio com o intuito
de vilipendiar os judeus, e no Século XVIII, o costume de montar o presépio se
disseminou pela Europa e depois pelo mundo.

76
A Bíblia Desmascarada volume II 77

Esqueceram de mim

Em Lucas 2:41-50, Quando Jesus tinha 12 anos e


José levou sua família para uma festa em
Jerusalém, eles já tinham viajado quase um dia
inteiro, antes que a Maria notasse que Jesus não
estava com eles...

Caso Jesus fosse o filho ÚNICO da Virgem Maria, seria impossível que os instintos
maternais da Maria fossem tão inoperantes a ponto de ela iniciar a jornada e continuar
por quase um dia inteiro, sem sentir a falta do seu único filho.

Como um fato dessa relevância só poderia acontecer caso a Virgem Maria tivesse outros
filhos menores e estivesse tão ocupada com eles, que não teria sentido falta do filho
mais velho por quase um dia inteiro...
Ficaria provado que a Virgem Maria teria sim, tido outros filhos além de Jesus.

Os “causos” sobre Jesus o Cristo são falsos, e enquanto bilhões de iludidos acreditam em
profetas que tudo promete, mas nada cumpre, veneram imagens de gesso, encontram-
se numa prisão religio$a, ou estariam estagnados no passado, colhendo os frutos podres
de Entidades mitológicas.
Uma minoria de ateus inteligentes e perseverantes, com seus avanços tecnológicos e
científicos, estaria fazendo a diferença e criando o futuro.

Os verdadeiros heróis da humanidade não são os profetas insanos que “provam” a


existência do seu Deus, com alguma resposta exótica, mitológica ou do tipo:
"A existência de X é prova"... "Olhe ao redor e diga quem criou tudo"?
Mas sim, os “cientistas” confinados em “laboratórios” e que faz a humanidade avançar...

Para provar que os “milagres” de Jesus só aconteciam pela auto-sugestão, e não por
algum suposto poder divino, bastar lembrar as palavras de Buda, QUEM TE CURROU FOI
A TUA FÉ, E NÃO EU. Mateus, em 13:58, afirmou que, Jesus não fez milagres em sua terra
natal por causa da incredulidade dos seus conterrâneos...

Marcos em 6:4, afirma que Jesus teria dito que: Um PROFETA não fica sem honra senão
na sua terra, entre os seus parentes, e na sua própria casa.
77
E Santo Agostinho afirmou que, “É evidente que o milagre não é produzido
materialmente pelas relíquias, mas pela vontade de Deus sobre elas”.
A Bíblia Desmascarada volume II 78

A Oração “Pai Nosso” é milhares de anos anteriores a “Jesus Cristo”

Desde a Mesopotâmia a Oração “Pai Nosso” já era rezada, e se dividia em 03 partes; INVOCAÇÃO, ENTREGA, e
AGRADECIMENTO.

Oração o “Pai Nosso” em Aramaiyt G'lilaya (Aramaico Galileu).

Avunan d'bishmaya Yeticadash sh'mach


Nosso Pai Celestial Santificado seu Teu Nome
Tradução do “PAI NOSSO” Aramaico para o
Tite malcutach Yehie sevionach português
Venha o Teu Reino Seja [feita] a Tua vontade
Nosso Pai Celestial Santificado seu Teu Nome
Heicama d'bishmaya af bar'a Venha o Teu Reino Seja feita a Tua vontade
Na terra assim como o é nos céus Na terra assim como o é nos céus
Hab lan lachma d'sunchanan yaomana Nosso pão diário, dá-nos hoje
Nosso pão diário, dá-nos hoje Perdoa as nossas dívidas
Assim como nós, perdoamos os nossos devedores
E não nos conduza à tentação
U'ashvuk lan hoveinan
Mas livra-nos do mal
Perdoa as nossas dívidas Pois Teu é o Reino,
Heicama d'af enan shbaknan lichayoveinan e o Poder
Assim como nós, perdoamos os nossos devedores e a Glória Pelo século dos séculos, Amém.

Ula T'ilan linissiuna


E não nos conduza à tentação

Ela patsian min bishta


Mas livra-nos do mal

Mitul dilach'hi malcuta


Pois Teu é o Reino,
U'cheila e o Poder u'teshbuchta L'Alam 'Almin
e a Glória Pelo século dos séculos, Amém.

78
A Bíblia Desmascarada volume II 79

Como seria a aparência física da personagem “Jesus Cristo”?

O Jesus de feições delicadas que aparece na


“Última Ceia”, do Leonardo da Vinci, é o “Conde
João”, que era assistente de um Cardeal.

As imagens apresentado Jesus como sendo branco, alto, forte, jovem, belo, de olhos
claros, com barba, de cabelos longos e aloirados; e com 30 anos, são apenas alegorias.
Se Jesus fosse do tipo europeu mostrado pelos artistas, Judas não precisaria identificá-lo
com um beijo, e bastaria descrever a sua aparência européia.

Isaías, filho de Amós, (700 anos antes da era cristã), profetizou que, O Messias não teria
beleza e o seu aspecto não seria o de alguém especial.

As primeiras imagens de Cristo (por terem sido produzidas sob a influência da arte
romana), o mostrava como alguém jovem, sem barba e de cabelos frisados...

As figuras apresentadas por centenas de artistas, como sendo da personagem “Jesus


Cristo”, sempre tiveram a preocupação de mostrar tanto a natureza humana, como
alguma das supostas características “divinas” do mitológico Deus humano dos cristãos.

Até o Século V não existiam descrições físicas detalhadas de Cristo, pelo fato de que
Jesus Cristo é só uma lenda; e devido a Igreja ter monopolizado a pintura, as artes e o
conhecimento.

No Século 06 d.C. a antiga forma de representar Cristo teria sofrido uma mudança
radical, quando os religiosos do Mosteiro de Santa Catarina no Egito, produziram um
magnífico ícone, que apresentava Cristo alto, de olhos azuis, cabelos longos, com barba e
com feições muito próximas do tipo semítico.

O ícone em questão, ou seja, o Cristo Pantocrator do Sinai, que ainda impressiona pelo
realismo, beleza e majestade, logo se tornou um modelo para a posteridade.

No Século XIII, Jesus foi apresentado com características nórdicas, cabelos louros e corpo
longilíneo. No Século XVIII, Jesus refletiria uma figura greco-romana.
A “Arte bizantina” já o teria pintado moreno e com grandes olhos castanhos.
A “Arte renascentista” de Leonardo da Vinci, Rafael, Michelangelo, Tiliano e Velásquez,
já o teriam retratado com a aparência calma, serena, angelical, patriarcal, sofrida ou
mesmo ameaçador. 79

Como Ramsés II, foi o maior faraó de todos os tempos, e era considerado um “Deus na
forma de ser humano”; para que Cristo não ficasse abaixo de Ramsés II, e de profetas
como Moisés, que "dialogavam” pessoalmente com o próprio Arquiteto do Universo, a
solução foi transformar Cristo num suposto “Deus Humano”.
A Bíblia Desmascarada volume II 80

Cristo não poderia ter sido bonito, louro e tipo europeu


Mesmo que Jesus Cristo tivesse sido gerado por algum anjo,
ele não seria 100% branco, mas sim, de estatura média,
corpo atarracado, nariz grosso, cabelos crespos, e com as
características típicas dos semitas (um grupo ético que inclui
os hebreus e os árabes).

Não existem retratos de Cristo, da época em que ele supostamente teria vivido.

Mesmo a arte sendo uma forma de divulgar informações para os analfabetos, e Jesus
sendo a “personagem” mais idolatrada, debatida e retratada da História e da Arte, sua
fisionomia nunca foi descrita pelos evangelhos, e muda de acordo com a interpretação
de cada artista, época, estilo, região, costume, versão ou raça.

A ciência desmente o Marketing de que Jesus seria bonito, louro e tipo europeu, já que
essa versão glamorosa é apenas um produto vendável dos últimos séculos.

E deixa claro que, que caso Jesus tenha existido, ele teria sido um sujeito sem beleza; de
traços fisionômicos grosseiros; cabelos pretos, levemente encaracolados, e de pele
queimada pelo Sol...

Com o auxílio da Antropologia, das informações bíblicas e da Informática, os cientistas


apresentaram o “Cristo Digitalizado”, e que seria um retrato científico do Cristo que teria
vivido no século I na Palestina, e que teria um rosto típico ao da população judaica
daquele tempo.

A literatura nos impor um Jesus Cristo alto, com os cabelos longos, lisos e loiros; olhos
azuis, a pele clara, o nariz afinado e as características típicas do moderno homem
europeu.

Após minuciosa pesquisa histórica realizada por arqueólogos ingleses, que somaram as
técnicas da “Realidade Virtual” com a análise das primeiras gravuras e das antigas
imagens religio$as, ficou provado que Jesus teria que ser diferente do belo Jesus
europeu, que nos é imposto pela tradição literária e artística.

Além dos supostos “representantes de Deus”, afirmarem e acreditarem que o talento


80
era um prodígio das mãos e não do intelecto humano; o fato de Jesus não se interesse
pelos conhecimentos científicos; achar normal que o povo viva na miséria, e fosse
escravo, provaria que Jesus não passou de um desequilibrado que se julgava um Deus
humano.
A Bíblia Desmascarada volume II 81

A família de Cristo teria sido problemática?


A MÃE de Jesus Cristo foi uma PIRIGUETE que vivia “batendo perna”, e que traiu o noivo...
O PAI de Cristo (o Espírito Santo), foi um “TALARICO” do tipo que engravida meninas comprometidas...
O PADRASTO de Cristo foi um idoso “CHIFRUDO”, e PEDÓFILO, que casou com a sobrinha de 13 anos...
A AVÓ de Cristo foi do tipo “MARIA NAZARÉ”...
A MULHER de Cristo (MARIA MADALENA), foi uma EX-PROSTITUTA...
O PRIMO de Cristo (João Batista), foi ESQUIZOFRÊNICO, mendigo, e presidiário...

E CRISTO foi um AGITADOR fanático, que estava sempre rodeado de mendigos, quebrou o Mercado mais
importante de Jerusalém; vivia infestado de pulgas, lombrigas e nematóides; dava pouco valor à higiene; se
vestia com trapos, ficava uma infinidade de dias com a mesma “roupa”, ainda que a “roupa” estivesse suada,
suja ou esfarrapada; não escovava os dentes depois das refeições, e quase não tomava banho...

Ou melhor, ele só tomava banho uma vez ou outra, assim mesmo só no Verão, e só se houvesse algum Rio ou
algum lago próximo; pois Cristo achava que os banhos em excesso seriam nocivos para a saúde da pele; um
“desperdício de água”, uma tradição desprezível ou “coisa de fariseu”.

Além da origem bastarda, pobre, mística e rebelde de Cristo ter sido um obstáculo para que o mesmo recebesse
uma educação formal, pois os livros eram raros, caríssimos e feitos a mão.

Na época de Cristo era um pesadelo ser ferido de forma grave, ou ter complicações referentes ao parto, já que os
doentes erram tratados através das veredas da medicina mágica, que consistia em rezar, purgar ou tratar os
sintomas, até que o organismo do infeliz tivesse tempo de curar a si mesmo.

Cristo “nasceu” numa época selvagem, sem recursos, sem confortos, sem cidadania, assombrada pelo Demônio,
onde se desconheciam os antibióticos, os anestésicos e a assepsia.
Não se promovia a saúde, mas sim, se esperava a doença surgir, para medicar o doente.
E onde os doentes não iam ao “Hospital” para ser curado, e sim, para morrer.

Como Cristo desconhecia os micróbios, os agentes infecciosos, a genética, os traumas, e as seqüelas decorrentes
do mau uso do corpo; Ele achou que as doenças seriam maldades do Demônio ou castigos divino.
Que as doenças seriam curadas com rezas, passes, penitências ou esconjuros.
Afirmou que “nenhuma doença resiste às orações feitas com fé”...
“Ensinou” que as doenças eram impurezas espirituais...
E “explicou” que “os homens ficam doentes por que pecam”.

Antigamente achava-se ou que a febre seria uma doença e não um sintoma, se acreditava que as doenças eram
causadas por alterações atmosféricas, pela própria ferida ou por feitiçarias.
E até a insônia, as dores de cabeça e a TPM eram consideradas interferências infligidas pelo Demônio.

Pois foi só no Século XVII, que os traumas e as doenças mentais deixaram de serem atribuídas às causas
sobrenaturais.

Por jamais ter compreendido as funções do corpo humano, Cristo defendeu que a cura das doenças
poderia ser realizada por meio de rezas, penitencias ou amuletos, e morreu sem jamais ter entendido
que as doenças têm causas naturais.
81
As doenças são reações as agressões; originam-se de algum estilo de vida errado, de alguma condição
ambiental desfavorável, de alguma alimentação inadequada, de algum desequilíbrio emocional, de
algum hábito nocivo, são causadas por agentes infecciosos, se devem à falta de higiene, tem origem em
algum trauma ou se devem a alguma herança genética.
A Bíblia Desmascarada volume II 82

O Arquétipo Jesus Cristo teria sido um fracassado?


A personagem Jesus trabalhava, tinha filhos, se preocupava com os problemas da sua época, ou vivia vagando
sem lar, de lugarejo em lugarejo, esmolando, e só comendo o que os outros lhe desse?

Você gostaria que a sua filha se casasse com alguém que vivesse das esmolas recebidas, não valorizasse as coisas
deste mundo, não se preocupasse com o futuro, andasse sujo, faminto, esfarrapado, e infestado de parasitas.
Não desse valor a família, não pretendesse ter filhos, não trabalhasse, vivesse na rua, e fosse tão esquizofrênico
ao ponto de fantasiar que é possível curar com a imposição das mãos?
Por que seguir os achismos de um fracassado cheio de superstições; que achava não pertencer a esse mundo;
que não apreciava o sexo; que defendia uma vida sem confortos; que trocou as oportunidades que a vida lhe
ofereceu por uma fantasiosa vida além túmulo. E que acreditou que a fé seria o único bem que vale a pena.

Embora as balelas sobre os supostos “milagres” que Cristo teria feito, tenham aumentado sua fama.
Pois Cristo viveu numa época primitiva, mística, cheia de lendas, de esperanças, e onde as histerias, o fanatismo
e os casos de dupla personalidade eram interpretados como revelações divinas ou alguma possessão demoníaca,
e não algum problema cerebral. Hoje a versão deteriorada, de quem se dizia o cordeiro sacrifical que chegara
para expiar os pecados dos homens; poria em cheque o caráter deste que desconheceria as Leis do Universo e
pregou inúmeras idéias fantasiosas.

Se for verdade que a personagem Cristo disse ou fez os absurdos que contestamos, ele não seria um enviado de
Deus como afirmava, mas sim, um lunático, um teomaníaco e um opositor a liberdade de pensar.
Bem como, estaria enganado ao ponto de falar bobagens, jogar suas chances fora, não aproveitar a vida e
acreditar em coisas absurdas.

No passado a vida da plebe seria tão curta, sacrificada, sem higiene, sem confortos, sem expectativas e sem
direitos, que só restaria aos infelizes, supersticiosos, massacrados pelas guerras, acuados pelo medo e que
trabalhavam de Sol a Sol, inventarem algo que desse alguma esperança a sua comunidade.
Quando se tem sorte, se tem muita força mental, se tem algo pelo qual se deva lutar, se tem com o que se possa
contar, ou se tem fé, fica mais fácil suportar as dificuldades da vida.

Sabe por que é tão comum o eterno iludido acreditar em Entidades, e no "fator Deus"?
Como eu já disse várias vezes, os iludidos precisam acreditar em algo que justifique a existência humana,
justifique a morte, justifique tudo o que ele ainda não consegue entender, e que justifique as injustiças...

E cá entre nós, apesar de quanto MAIOR o IDH de um país, MENOR a tendência de se creditar na existência de
Divindades; pois a necessidade religiosa é só um sentimento primitivo e irresponsável, até que a crença em
Entidades é bem confortante.

Embora tanto o “Alarme universal” (que nos faz questionar "Quem vem lá?").
Como o “Instinto de seguir o líder”, o “Impulso de cogitação de um sentido para a existência”, e os “Sistemas de
recompensas do cérebro” nos ajude superar as dificuldades da vida, pois se soubermos aprender com os
“erros”, eles serão os nossos melhores “professores”.
Quando esses mecanismos transbordam, é muito comum que o eterno iludido termine se agarrando na
existência milagrosa de alguma suposta Entidade virtual, que interagiria com os humanos...

Na “A Essência do Cristianismo” Ludwig Feuerbach explica que, O sentimento religioso é o mais alto sentimento
de conveniência dos humanos; e que os Deuses serve como alívio frente à dor, os sofrimentos, e às angústias.
Sendo que quanto mais dependente o individuo for mais ele acreditaria em algum tipo de Entidade.
82
Vivemos o melhor momento da história humana para desmascarar os mitos e embustes da literatura religiosa.
Até porque Deus seria um Mito, a Religião seria uma Superstição, o Pastor seria um Camelô da fé; e a Fé religiosa
seria a Esperança dos iludidos...

Deus=MITO; Religião=SUPERSTIÇÃO; Pastor=CAMELÔ DA FÉ; Fé=ESPERANÇA dos iludidos.


A Bíblia Desmascarada volume II 83

20 questões onde Cristo NÃO CUMPRIU as profecias messiânicas para ser o MESSIAS

Os que modificaram os livros que forma a Bíblia apenas interpretaram os fatos que já tinham acontecido como
sendo profecias anteriores, que já teriam sido cumpridas...
Isso se chama "VATICINIUM EX EVENTU" e traduzido para o português significa "profecia feita depois do fato.

1-Cristo é só um arquétipo que foi transformado num amigo imaginário, após Constantino incentivar a criação da
IGREJA PARA TODOS; e um mitológico “Enviado de Deus”, que apareceu apenas para os esquizofrênicos.
2-O cristianismo é só uma dissidência do judaísmo, onde se começou fantasiando que o profeta da Era do peixe
seria o Messias; e é por isso que os judeus nunca aceitaram Jesus como sendo um Deus humano.
3-No idioma hebreu original não há palavras escritas com a letra "J".
E foi só no século XIV que o Nome YAHUSHUAH foi substituído pelo falso "J Esus".
4-A principal prova de que Cristo não é o Messias é o fato de tanto a arqueologia, como a etnologia terem
provado a farsa da Bíblia como história.
5-Deus claramente prometera ao povo, através do profeta Malaquias, que enviaria o profeta Elias antes do
advento do Messias, para que ele pudesse preparar o caminho para o Senhor (Ml 4.5).
Mas não houve nenhum “Precursor” de Cristo.
6- O Messias judaico não seria um novo Deus encarnado, não seria um objeto de idolatria; mas sim, um chefe
político-religioso que conduziria Israel a sua independência política.

A Torá afirma que o Messias viria ao mundo com a missão de conscientizar os humanos de que há um único
Deus. Seria um judeu humano sem conotação alguma de divindade, mas que provocará mudanças no mundo.
Sua missão é a de trazer a paz ao mundo.
Nos versículos 6-9 Isaías descreve que até mesmo entre os animais haverá paz.
Mas no mundo em que vivemos isso é impossível de acontecer.
7-Jesus ser Deus, ser parte de uma Trindade, ou ser um mediador de Deus, é heresia.
8-Jesus não cumpriu as profecias messiânicas da Tanakh.
9-Jesus não encarna as qualificações pessoais do Messias.
10-Jesus não foi um profeta, e mesmo que tivesse sido, ele não poderia contradizer as leis da Torá.
11-Para os judeus alguém que afirma ser “O salvador” é um apóstata”.
12-Cristo é só um mito, onde um filho de Deus, nascido através de uma virgem toma o lugar do pai (Dios
Otiosus). Não há provas de que Cristo existiu, e que teria nascido na Palestina.

A versão de que Cristo nasceu em Belém de Judá, é só uma lenda, que foi divulgada tanto por Mateus em 2:1,
como por Lucas em 2:4-11.
13- Na época de Cristo já tinha virado rotina aparecer Messias que enganavam o povão fazendo ilusionismo.
Mas com o passar do tempo os "cristãos" apagaram as provas que contrariassem a doutrina do Jesus Deus.
14-No Antigo Testamento não existe a “profecia” de que o Messias seria traído e assassinado; e nem que o
Messias reviveria depois de 03 dias sepultado...
Pois essas mitologias cristãs são lendas pagãs que só foram acrescentadas depois que o “Novo Testamento”
83
foi
fabricado...
15-De nada adiantou justificar a ausência dos critérios necessários para Cristo ser o Messias, com absurdos, tipo
afirmar que algumas antigas Leis judaicas foram extintas pela chamada “Nova aliança”...
A Bíblia Desmascarada volume II 84

O terceiro, quarto e quinto critérios sobre o Messias obviamente ainda não foram cumpridos, nem no tempo de
Cristo, nem depois. Qualquer afirmação cristã que estes critérios serão preenchidos em uma “segunda vinda” é
irrelevante porque o conceito do Mashiach chegar duas vezes não tem bases escriturais.

16-Cristo tem duas Genealogias; e uma desmente a outra.


Mateus Afirma que Cristo era descendente de Salomão, Lucas Afirma que ele era descendente de Natan, então
logo chegamos à primeira encruzilhada, Natan ou Salomão?

17-Cristo não teve um pai humano; e nas Escrituras Judaicas tanto a genealogia como a linhagem tribal são
transmitidas única e exclusivamente por um pai humano (Números 1:18, Jeremias 33:17).
Por isso, Cristo jamais poderia ser um descendente nem da tribo de Judá e nem dos Reis David e Salomão.

18-A bisavó de David era RUTE, UMA MOABITA, que não tinha nenhuma raiz israelita.
Assim sendo, isso descredenciaria Davi como descendente de Abraão (Abaramu), e o Messias não poderia jamais
vir de sua LINHAGEM.

19-Como Cristo poderia ser “DA CASA DE DAVID”, se a mãe de Cristo e o padrasto José (que era tio da Maria),
descendiam do Rei Jeconias, que foi amaldiçoado com a "Maldição de Sangue” para que NINGUÉM DA SUA
SEMENTE VENHA SE SENTAR NO TRONO DE DAVID, E A GOVERNAR JUDÁ.
Jaconias, Conias ou Joaquim “O amaldiçoado”, versículo 22-30 cap. 22 do livro do profeta Yermiahu (Jeremias).
Em 580 a.C. quando Nabucodonosor II libertou os hebreus dos 40 anos de cativeiro babilônico, Jeconias de Judá
não retornou a Israel; e nenhum dos seus descendentes o substituiu como Rei.

20-O fato da Maria ser prima de Isabel, e o pai de Isabel ser um Sacerdote da tribo de LEVI, pois só os levitas
podiam ser sacerdotes, prova que Cristo não seria um descendente da tribo de Judá ou dos Reis David e
Salomão.

Pelos Escritos originais, pelas Profecias do Tanach, pela Torá, e pelo Mashiach o Messias seria da tribo de JUDÁ,
por parte de pai, e não da tribo de LEVI...
E temos o problema das contagens contraditórias da genealogia de Cristo escritas por Mateus, no capítulo 01 e
Lucas, no capítulo 03.

Pois mesmo que se pudesse traçar a genealogia através do lado materno da Virgem Maria, ainda teríamos
problemas de Lucas 3:31, atestar que a Maria descendia de David através de Natan, irmão do Rei Salomão, e não
do próprio Salomão, como é profetizado na Bíblia Judaica, em Crônicas I, 22:10.
As genealogias de Mateus e Lucas se contradizem mutuamente e contradizem as escrituras hebraicas.
O avô paterno de Cristo foi Jacó (Mateus 1:16) ou Eli (Lucas 3:23)?

Em Deuteronômio 17:15 e Números 24:17, o Messias seria um membro da Tribo de Judá (Gênesis 49:10).
E um descendente patrilinear direto do Rei David (Crônicas 17:11, Salmo 89:29-38, Jeremias 33:17, Samuel II
7:12-16), Salomão (Crônicas I, 22:10, Crônicas II 7:18).
Trará a Paz para o Mundo (Isaías 2:4, Isaías 11:6, Miquéias 4:3).
Influenciaria o Mundo todo, para que todos os homens reconheçam e sirva apenas a um D-us (Isaías 11:9, Isaías
40:5, Zefanias 3:9);

O lugar aonde os critérios sobre a vinda do Messias estão mais bem descritos, é o capítulo 37:24-28 do Livro de
Ezequiel. “... e Meu servo David será um Rei sobre eles, e eles terão todos um pastor, e eles caminharão nos
Meus mandamentos e manterão Meus estatutos, e os observarão, e eles viverão na terra que eu dei a Jacob meu
servo”. E Eu farei um pacto de paz como eles; será um pacto eterno e eu porei Meu Santuário em seu meio para
sempre e Minha morada será entre eles, e Eu serei o seu D-us e eles Meu povo. “E as nações saberão 84 que Eu sou
o Senhor que santifica Israel, quando o Meu santuário estiver entre eles para sempre”. (Ezequiel 37:24 –28)
A Bíblia Desmascarada volume II 85

Como já foi explicada, a descendência judaica remonta somente ao lado paterno, e insistir na genealogia de
Lucas, que é MATRILINEAR, é trabalhar sem base.
Mesmo que a genealogia fosse através do lado materno, em 3:31 Lucas atesta que a Maria descendia de David
através de Natan, irmão do Rei Salomão, e não do próprio Salomão, como é profetizado em Crônicas I, 22:10.

A maneira cristã de explicar o Messias difere do ponto de vista judaico, por que o cristianismo é uma dissidência
do judaísmo. E o resultado da influência que o Imperador Constantino e o Concílio de Nicéia de 325 a.C.
impingiram a “BOA NOVA” cristã.

Tanto o Talmud (séc. II,), como o “Atos de Pilatos 11.3”, e os judeus da época de Cristo, alegaram que a Maria
engravidou do soldado Pantera... A versão em tela é confirmada pelo meio irmão de Cristo Tiago, que viveu e
morreu afirmando que Cristo seria bastardo, louco e vagabundo...

CRISTO ter sido chamado de “louco” ou de “blasfemo”, era algo constante, pois muitas e muitas vezes, os judeus
perguntavam uma coisa e CRISTO dava resposta absurda ou fora do assunto perguntado...
Vale lembrar que, tanto o Tiago como Tomé (o incrédulo), que era pescador e segundo a tradição, seu nome
verdadeiro era Judas, jamais acreditaram em Cristo.

Pois embora o cristianismo tenha aproveitando o raciocínio mítico dos que estão cegos para a realidade mais
profunda da vida. E tudo faça para parecer que Cristo seria o esperado e previsto “Salvador”.
Que viria ao mundo com a missão de libertar o povo pobre.

Os Judeus jamais reconheceram Cristo como sendo o “filho de D´us”, o Messias prometido ou alguém capaz de
perdoar nossos pecados.
Até hoje os judeus não aceitam que Cristo tenha se elevado acima dos outros humanos.
Ou que Cristo seja algum Deus que teria se tornado homem, para expiar os pecados da humanidade.
E se na época da crucificação a divindade de Cristo tivesse sido reconhecida, Cristo não teria sido estacado.

O TANACH é a Bíblia judaica, ele tem 03 livros que são: a Torá (a Torá é um ENSINAMENTO e não alguma LEI), o
Ketuvim (escritos), e o Nebiin, que são os livros dos profetas.
No TANACH estava previsto que o Messias Construirá o terceiro “Templo Sagrado” (Ezequiel 37:26-28), levará os
judeus de volta à Terra de Israel (Ezequiel 43:5-6); Introduzirá uma era de paz mundial; terminará com o ódio, a
opressão, o sofrimento e as doenças; que "Nação alguma erguerá a espada contra outra Nação; Toda raça
humana terá uma só D'us, que reinará sobre todo o mundo; e naquele dia seu nome será Um só...

Como no “Adapte-se ou morra” da vida o MAIS FORTE SEMPRE SE NUTRE DO MAIS FRACO, a versão de que, Com
o retorno de Jesus o 2º ciclo se iniciaria, haveria paz entre as Nações, haveria um só Governo, a humanidade
passaria a ter uma só crença, e o leão conviverá com o carneiro; não passam de mais outra utopia religiosa.

85
A Bíblia Desmascarada volume II 86

Por que o Ministério de Jesus só teria começado aos 30 anos?

Se JESUS CRISTO é DEUS, por que Ele PRECISOU se preparar por cerca de 30
anos, para só depois sair para pregar; e onde Jesus teria se preparado?

Lucas afirma que Jesus só começou o seu ministério quando tinha cerca de 30 anos,
porque o judeu só pode começar ensinar SOZINHO após os 30 anos de idade...
Mas a historia registrou que tanto o João Batista como o Francisco de Assis
desenvolveram a sua esquizofrenia assim que completou 21 anos de idade...

A versão de Lucas em Lc 3:21 onde está escrito que Jesus só foi batizado quando TODO o
povo já estava batizado, ou seja, no ano 30, não passa de uma fraude.

Até hoje os cristãos não esclareceram em que CIDADE Jesus teria nascido, quem teria
sido o PAI de Jesus, em que HORA Jesus teria nascido, em que DIA Jesus teria nascido,
em que MÊS Jesus teria nascido, em que ANO Jesus teria nascido, e em que DIA e MÊS
Jesus teria morrido...

Pois Jesus é só um Arquétipo inventado para confortar os sofridos ou místicos, que


pegou carona na historia do João que lavava com água os Pecados dos arrependidos...

Embora a Bíblia use o João Batista como “testemunha” da suposta existência de Jesus, e
finja que Jesus começou o seu ministério com 30 anos de idade, após a morte do João...
Como o “BATISMO DO ARREPENDIMENTO” feito por João Batista, (por Ablução),
servia para “lavar” a mancha do “Pecado Original”; Jesus sendo um Deus/homem e o
“Espírito Santo”, Ele teria nascido sem “PECADO”, e não precisaria ser batizado.

No quadro “A Virgem das rochas”, Da Vinci mostrar João Batista abençoando Jesus, e
não Jesus abençoando o menino João Batista, como uma denúncia de fraude, pois a
personagem Jesus sendo 06 meses mais NOVO do que o João Batista, que morreu as 27
anos, Jesus não poderia ter sido batizado aos 30 anos pelo João.

Por que os protestantes são batizados nos Rios, se a Deusa dos Rios é Oxum, hoje o
mar representa Yemanjá, e antigamente o Mar representava Deusa Tiamat, que seria o
Oceano das origens, que gerou a vida, gerou o Deus-sol, e gerou a Deusa-lua...

Registrou que o João batista MORREU no ano 27, ou seja, depois de 05 anos batizando;
registrou que o aprisionamento do João ocorreu na Pereia, a mando do Rei Herodes
Antipas I, no 6º mês do ano 26 d.C. 86

E registrou que o João foi levado para a fortaleza de Maqueronte, onde foi mantido
preso por 10 meses, até ao dia de sua morte...
A Bíblia Desmascarada volume II 87

O batismo de Jesus por João Baptista é só uma pseudoepigrafia.


Como IOANNES (João Baptista), filho de Zacarias, foi preso
na Pereia no 6º mês do ano 26 d.C, a mando de Herodes
Antipas, e ficou preso na fortaleza de Maqueronte, até ser
decapitado, em 29 de agosto de 27 d.C.
O “Batismo” de Jesus Cristo aos 30 anos, por João
Baptista, é só uma estratégia, no sentido de fingir que
Jesus Cristo existiu.

João Batista não BATIZOU Jesus, o “Batismo” de Jesus aos 30 anos, no Rio Jordão,
(por João Baptista), é só uma pseudoepigrafia onde se tenta fingir que a
personagem “Jesus Cristo” existiu.
Pseudoepigrafia é usar acontecimentos famosos para fazer parecer que o causo
contado seria verdadeiro, e isso é bastante comum na Bíblia.
Mesmo que o João Batista tivesse batizado Jesus ele teria batizado Jesus pelos rituais do
Mandeísmo, e não segundo a Bíblia.
Os mandeus são os remanescentes do antigo gnosticismo que floresceu ao Sul do
Iraque, no Sudoeste do Irã, e nas planícies da antiga Mesopotâmia.

Por motivos políticos Herodias casou com Filipe, que era 11 anos mais novo; depois virou
amante do seu cunhado e meio tio Herodes Antipas.
Como o João Batista implicou com o Incesto do Herodes ter transformado a sobrinha/cunhada
em amante, o João degolado no ano 27 da era atual.

Mateus fabricou tanto o batismo de Jesus por João batista, como o dramalhão onde a ninfeta
Salomé pede a Herodes a cabeça do João Batista; e em 94 d.C. (quase 70 anos depois), em
“ANTIGUIDADES JUDAICAS” Flavio Josefo reporta a morte do João por Herodes, mas sem
mencionar “Salomé” e Jesus.

Se o João Batista foi 06 meses mais velho do que Jesus, como o João Batista poderia ter nascido
aos 25 de março de 02 a.C. e Jesus ter nascido em 25 de dezembro do ano zero?
Mesmo o João Batista tendo nascido em Aim Karim, uma Aldeia a 06 quilômetros de Jerusalém,
e sendo primo de Jesus, o João afirmou não conhecer Jesus...

Qual das duas versões seria a certa, a de Marcos ou a do João?


Marcos diz que após Jesus ter sido batizado no Rio Jordão, pelo João Batista, Jesus foi
IMEDIATAMENTE para o Deserto, e lá ficou 40 dias...
Sendo que caso Jesus seja Deus Satanás não iria perder o seu tempo tentando Jesus.
Já o João afirma que após Jesus ter sido batizado as irmãs de Lázaro pediram para que Jesus
87
fosse para a Cidade de Betânia, mais Jesus demorou 02 dias para partir, e mais 02 dias para
chegar onde o Lázaro já estava sepultado...

As 70 semanas da profecia de Daniel 9:24-27 não passam de um ano e meio, mas os cristãos
usam o artifício de transformar as “semanas” da profecia em ANOS, e anos...
E fizeram parecer que Jesus seria o Messias...
A Bíblia Desmascarada volume II 88

É o MAIOR que abençoa o menor, ou vice-versa?


O Messias seria UNGINDO por meio do
AZEITE SANTO, e não “Batizado por imersão”
nas águas. O Batismo de Jesus aos 30 anos foi
copiado do Ritual de Purificação de Hórus,
que foi Batizado no Rio Eridanus (Jordão), por
Anup; sendo que Mitra, Zaratustra, Attis,
Krisna, Dionísio e Hórus, também foram
“Batizados” aos 30 anos.

Se fosse verdade que o batismo cristão seria a nova circuncisão, e que substitui a circuncisão
antiga; não haveria motivos para batizar as meninas, pois, só os meninos eram circuncidados.

A Bíblia afirma que “SÓ QUEM FOR BATIZADO SERÁ SALVO”, mas no lugar dos Católicos
realizarem o "BATISMO SOB CONDIÇÃO", para os que já têm idade para discernir...
Os Padres realizam o PEDOBATISMO onde se batiza recém nascidos.
E até os mortos são Batizados, pois o atual batismo cristão é só mais outra forma lucrativa de
se faturar as custas dos que ainda acreditam na mitológica vida eterna...

Além dos Apóstolos jamais terem batizado recém-nascidos, e o Batismo exige um mínimo de
consciência, e de decisão própria; qual a serventia de batizar recém-nascidos, se eles não
precisam ser purificados, e não entende nada do que se passa em sua volta?

No passado os antigos achavam que os Lagos eram portais onde se poderia passar para outros
mundos; e as águas dos Rios eram representadas pelo Deus OANNES, mas hoje representam
Oxum; já as águas do Mar, que no passado representavam a Deusa Tiamat, passou representar
o Deus Oceano, depois o Deus Posídon, e hoje representa Yemanjá...

Como o crente não pode lavar a alma, ele lava o corpo, e associa a limpeza do corpo com a
limpeza da consciência. Sendo que os antigos passavam TODA a época do frio sem tomar
banho, e achavam a “Água Sagrada” do Rio (de algum Lago, ou de alguma Nascente) lavaria os
Pecados do individuo, e que o renascido homem emergiria limpo tanto da sua sujeira corporal,
como dos seus antigos “Pecados”...

Primeiro se inventou a UNÇÃO, Mikvê, ou “Ritual de purificação do corpo”; que é a cerimônia


onde os judeus convertem alguém ao judaísmo, ou purificam as mulheres depois da
menstruação, e depois do nascimento de algum filho.
E depois surgiu o “Batismo” para a lavagem dos Pecados, que era realizado mergulhando o
religioso nas águas sagradas do Rio Jordão...

Embora o Batismo por imersão nas águas de algum suposto “Rio Sagrado”88tenha sido
violentamente combatido pelos fornecedores de animais destinados a serem sacrificados...
Com o passar do tempo o Batismo nas águas terminou se tornando uma alternativa barata,
viável, e popular, no sentido de poder se purificar.
Até porque, não se precisaria mais arcar com os custos de ter que oferecer algum Batismo de
Sangue, ou algum Sacrifício Animal...
A Bíblia Desmascarada volume II 89

Nos primórdios se acreditava que o FOGO era o Deus “AGNI”, e um elemento purificador, que
servia para redimir os “Pecados” dos humanos; nos atos de propiciação se queimavam animais
primogênitos ou sem defeitos em holocausto aos deuses...

Sendo que durante o “Sacrifício” o ofertante dizia as palavras “sagradas”, "FOGO DIVINO QUE
TIRA OS PECADOS DO MUNDO, TENDE PIEDADE DE NÓS”...

Mas o cristianismo mudou a palavra FOGO “AGNI” que também era o nome de um Deus hindu
para "CORDEIRO”, fabricou a Mantra, “CORDEIRO DE DEUS, QUE TIRAIS O PECADO DO MUNDO
TENDE PIEDADE DE NÓS”... E falsificou que o João Batista teria dito de Jesus,
"Eis o Cordeiro de Deus, Aquele que tira os pecados do mundo".

Embora tanto o “Espírito BA” em forma de pássaro dos egípcios, como o “Espírito Santo” dos
cristãos em forma de pomba (mas sem nome), sejam ICONOGRFIAS, pois é impossível algo
INCORPÓREO descer de maneira CORPÓREA.

O Batismo seria um reconhecimento público dos pecados, feito na idade do discernimento; e


uma lavagem cerebral onde inocentes são levados a crer na cultura pagã, para que no futuro
quando adultos ainda esteja escravizados.

Outro conflito com o “Batismo por imersão” seria a versão existente na Torá de que só existe
um meio de UNGIR alguém, que seria por meio do AZEITE SANTO, e pelo intermédio de algum
Sacerdote, Rei, Sábio ou Profeta, reconhecido pela comunidade.

Embora fosse um costume judaico ungir com óleo os que eram consagrados ao serviço de Deus.
E a teologia cristã afirme que Jesus é um Ungido, pois o título hebraico de ‘Messias’ e o seu
equivalente grego ‘Cristo’ derive dessa prática.

Quando, Como, e Quem teria ungido Jesus com o “azeite da santa unção”?
Por que foi o humano pecador (e não batizado João Batista), quem teria batizado o imortal
Deus Jesus, e não o Jesus Deus que teria batizado o humano João?

Ainda que tivesse acontecido o “Batismo de Jesus por Imersão nas águas do Rio Jordão”, isso
teria sido apenas uma UNÇÃO, “um ritual de purificação do corpo”, ou um Mikvê.
Pois o “banho” de alguém no Rio Jordão não seria um ritual de Ungir, mas sim, um Mikvê, que
é a cerimônia onde os judeus convertem alguém ao judaísmo ou purificam as mulheres depois
da menstruação, ou depois do nascimento de algum filho.
89

Sendo hebreu Jesus teria sido batizado no oitavo dia de nascido, numa “BritMilá”, como
símbolo da “Aliança entre Deus e o povo de Israel”, e Batizado aos 13 anos, na B'naiMitzvá.
E na hora do “banho” por imersão nas águas do Rio Jordão, o Espírito Santo não precisaria ter
descido sobre Jesus, ou seja, decido sobre si mesmo.
A Bíblia Desmascarada volume II 90

O “Batismo por imersão” nas “águas Sagradas” de algum Rio foi copiado das antigas religiões
pagãs, pois cerca de 3.000 anos antes de Cristo, o Deus egípcio Horus foi batizado por Anup,
quando completou 30 anos de idade.
E Milênios antes de Jesus Cristo, os HINDUS, os EGÍPCIOS e os GREGOS já BATIZAVAM.

O “Batismo por imersão” foi copiado das antigas religiões pagãs, pois o Batismo nas “águas
Sagradas” foi uma alternativa barata e popular para os que não conseguiam arcar com os
custos de ter que oferecer algum sacrifício animal, para poder se “purificar”.
Seria uma forma de redimir os “Pecados” sem derramar sangue inocente.
Em 416, os cristãos tendo se tornada maioria eles passaram de perseguidos a perseguidores.
E o batismo infantil tornou-se obrigatório.

Porem se “o Reino dos céus pertence às criancinhas” (Cl. 19,16); por que a Igreja vem
cometendo a discriminação de não batizar toda e qualquer criança, mas somente batizar os
filhos dos católicos?

Batizar recém nascidos (para que supostamente o bebezinho receba a salvação, e seja lavado
dos seus “pecados”), seria usar de um artifício não bíblico para fazer a Igreja crescer
numericamente, ou para conseguir aumentar o faturamento.

Já que o Elias não morreu, e “Subiu ao Céu Num Carro de Fogo”, o João Batista não poderia
ser a “reencarnação” do profeta Elias. João Batista não foi Batizado, não fez Profecias, não
teve Clarividências, e o João seria apenas um esquizofrênico que julgava ter vindo ao mundo
para confirmar as profecias de Isaias a respeito da vinda do Messias.

E em 7:28, Lucas ao afirma que Jesus disse "E eu vos digo que, entre os nascidos de mulheres,
não há maior profeta do que João Batista", estaria contrariando a versão onde Moisés
afirmou que "E nunca mais se levantou em Israel profeta algum como Moisés, a quem o
SENHOR conhecera face a face." 34:10.

90
A Bíblia Desmascarada volume II 91

O quadro “A Virgem das Rochas” 01 é uma denúncia sobre o maniqueísmo


católico
Como o super inteligente Da Vinci era
RosaCruz, e gnóstico, para denunciar
o maniqueísmo católico, no seu primeiro
quadro sobre “A Virgem das Rochas” ele
apresenta os 02 bebês de forma
grotescos, e como Demônios medievais...

No quadro “A Virgem das rochas” 01, Da Vinci mostrar o João Batista abençoando
Jesus, e não Jesus abençoando o menino João Batista, como uma forma de
denunciar a fraude do suposto Batismo divino, pois a personagem Jesus sendo 06
meses mais NOVO do que o João Batista, que morreu as 27 anos, Jesus não poderia
ter sido batizado aos 33 anos pelo João.

Tanto o detalhe da mão de Maria se assemelhar com uma garra, e fingir estar
segurando uma cabeça invisível, como a Madona abraçar o mal e manipula o bem,
como se ela fosse à manipuladora de alguma marionete; e tivesse tanto o mal como o
bem em suas mãos, seriam denúncias sobre a Bíblia estar infestada de FRAUDES.

Observe que o fauno João tem uma expressão mais delicada, enquanto o fauno Jesus,
sentado, é mais diabólico.

No quadro quase se consegue visualizar uma cauda no bebê Jesus, e cada um dos
bebês faz um gesto de louvação ao outro fauno, que lhe responde com o mesmo gesto
de bênção que o papa costumava fazer...

Na Idade Média, este gesto representava uma exortação ao Demônio, pois quando ele
era projetado sob uma luz, em alguma parede, gerava a imagem de uma figura
Demoníaca; ou pelo menos era o que naquela época se pensava.

91
A Bíblia Desmascarada volume II 92

"Este homem é inocente, MAS VOCÊS PODEM MATÁ-LO SE O QUISEREM."

Já que pelas Leis judaicas e romanas, o ÔNUS DA PROVA É SEMPRE DOS QUE ACUSAM;
ATÉ PROVA EM CONTRÁRIO, TODOS SÃO INOCENTES; os Depoimentos do tipo "EU OUVI
DIZER QUE...", não eram aceitos.
E as Sentenças só eram executadas depois do prazo de manifestação dos Despachos
judiciais, onde a responsabilidade do Réu tenha sido estabelecida por evidências, e pela
eliminação das Dúvidas Razoáveis...

Qualquer “JULGAMENTO” PRECIPITADO seria ilegal e uma violação da Lei em vigor,


ainda mais, que tanto o Governador Herodes como o Prefeito Pilatos não encontraram
motivos para acusar Jesus. E Jesus não seria um perigoso facínora, mas sim, um pacifista
manso que mandava: "Dai a César o que é de César”...

As versões existentes nos Evangelhos são duvidosas, pois quando Jesus foi capturado os
seus seguidores fugiram. A maioria dos “causos” recontados foram fabricados por quem
não assistiu ao “Julgamento” de Jesus; ou inventados por quem na época nem era
nascido; o diálogo entre Pilatos e Jesus não foi registrada por judeus, porque os judeus
haviam se purificado para a páscoa, e pisar num ambiente gentil, como a casa do
governador seria se contaminar.
Já que os Documentos que descrevem a atuação de Pôncio Pilatos nada falam sobre
Jesus ter sido crucificado, ficaria provado que Jesus não existiu...

A crucificação de Jesus está mal explicada, pois o povo Judeu era contrário a
crucificação, e para o Sinédrio condenar alguém tinha que haver duas Testemunhas
reconhecidas pela comunidade, e praticantes do judaísmo.

Sendo que caso alguma das testemunhas tivesse qualquer mancha no seu
comportamento religioso ou Cível, o indivíduo não poderia ser uma “Testemunha de
Acusação”.

Existe um vazio de décadas entre a crucificação de Jesus e o período em que as supostas


“cartas de Paulo”, assim como, os Evangelhos foram escritos, mais estranhamente,
mesmo assim, as gerações adiante contam a história de Jesus com detalhes que as
gerações anteriores não tinham, não registraram, e nem se preocuparam em guardar.

Os “causos” sobre Jesus não passando de um pseudo-epígrafe, onde se usa


acontecimentos famosos (como as milhares de crucificações), para fingir que a lenda de
Jesus o Cristo seria um acontecimento real, e não apenas uma lenda religiosa. 92

Sendo que milhares de anos antes de “Cristo”, a Morte, a Crucificação e a Ressurreição


de personagens como Hórus e Orfeu, já eram celebradas com algum ágape, (um ritual
onde o pão simbolizava a sua carne, e o vinho o seu sangue)...
A Bíblia Desmascarada volume II 93

A lenda de Jesus foi manipulada para culpa os judeus

A mística cerimônia da “lavagem das mãos”, relatada pela Bíblia, não combina com os Documentos e
Relatos deixados por escritores como, Flávio Josefo (o mais ativo cronista do século I)...

E não combina com os escritos deixados por Filon de Alexandria, que viveu de 20 a. C. a 79 a. C. e que
descreveram o Pilatos como alguém cruel, inflexível, violento, macabro, sanguinário, oportunista e que
sentia prazer em mandar torturar ou matar os subversivos.

Pilatos tinha “carta branca” para agir, e teria sido tão duro e desumano quanto Tibério.

Outra coisa mal explicada seria a versão de que o astuto e supersticioso Pilatos (já tendo sido advertido
por sua mulher Cláudia Procles, de que “estaria fazendo a coisa errada”), mesmo assim, tenha decidido
crucificar Jesus por algo que o mesmo ainda não havia feito.

Em 27;19, Mateus relatou que, Estando Pilatos no tribunal, sua mulher mando lhe dizer:
“Não te envolvas com este justo; por que hoje, em sonhos, muito sofri por causa dele”.

Por que a Igreja escondeu que "Barrabás" equivale a “FILHO DO PAI", e que no
“julgamento” realizado por Pilatos os 02 acusados se chamavam Yeishu?
Ou seja, Yeishu bar-Abba, que foi condenado à morte e “Yeishu Barabbas”, que é o
equivalente da expressão "Filho de Deus"?

Alguns velhos manuscritos do “Evangelho segundo São Mateus” datados do quarto século, que foram
escritos em Grego antigo, confirmam que o nome de Barrabás era “Iesous Barabbas”.

E os autores do “Evangelho segundo São Mateus” apenas teriam transcrito em caracteres Gregos a
expressão hebraica "Yeishu bar-Abba", cujo significado seria "Iesus, o filho de Deus".

De acordo com os dicionários bíblicos, em hebraico “Barrabás” significa “filho do pai”, pois a palavra
"bar" significa "filho", e "Abba", que dizer "pai".
A expressão "bar Abba" pode ser pronunciada sem pausa e se parece com a palavra "Barabba”.

Há casos semelhantes, como “Barnabé”, que quer dizer "o filho do Mestre", e a
expressão que nós conhecemos como "J Esus, o filho de Deus" em aramaico seria
93 tipo
"Yeishu bar-Abba" (Iesus filho do Pai).
A Bíblia Desmascarada volume II 94

Como a responsabilidade seria dos Judeus, se quem criou as Leis, Prendeu,


“Julgou” e Executou Yehohanan Bem Hagkol foram os romanos?

Para o historiador John Dominic Crossan, a


versão de que o povo Judeu não aceitou que
Jesus fosse perdoado, e teria pedido pra soltar
Barrabás, mostraria que os Judeus acreditavam
que o “Messias” libertador fosse Barrabás, e
não Jesus.

Para propagar o cristianismo o Novo Testamento transferiu a responsabilidade pelo


assassinato de Yehohanan Bem Hagkol dos romanos para os judeus.

Mas nada anula o fato de quem mandava eram os romanos; Jesus foi preso por uma
guarnição romana, Jesus foi julgado pelas Leis romanas, e Jesus foi torturado e
executado pelos romanos...

E será preciso muitas gerações para que o povão reconheça o engodo secular, e pare de
acusar os Judeus por uma condenação da qual eles não tiveram culpa.

Embora em 18:39, o Evangelho de João coloque na boca do Governador Pilatos a frase:


“TENDES O COSTUME DE QUE EU VOS LIVRE UM HOMEM POR OCASIÃO DA PÁSCOA."

Tanto no judaísmo como nas Leis Romanas não exista nenhum “INDULTO DE PÁSCOA”,
que libertasse os criminosos mais perigosos, justamente na época onde era mais difícil
controlar o povo.

A falácia de que Roma permitiu que um assassino e terrorista do porte de Barrabás fosse
solto no lugar de um prisioneiro humilde, bondoso e tão pacífico que o próprio Pilatos
teria dito "Tomai-o vós, e crucificai-o; porque eu nenhum crime acho nele"; não passa
de uma tentativa de responsabilizar os judeus pela morte de J Esus.

O nome de Barrabás era Yeshua Bar Abbas, e na “Idade Média” Yeshua virou J Esus.

O Jesus mitológico foi só um “transgressor” que pulou dos Relatórios Policiais para as
versões religiosas.

Embora a própria Bíblia afirme que “os hebreus são o povo escolhido de Deus”, com a
finalidade de vilipendiar os Judeus, o “Novo Testamento” falsificou que os judeus
94 teriam

exclamado “QUE A CULPA DA SUA MORTE CAIA SOBRE NÓS E SOBRE OS NOSSOS
DESCENDENTES”.
A Bíblia Desmascarada volume II 95

JUDAH foi o filho de Jesus com Maria Madalena

A família de Yehohanan tinha uma tumba


em Talpiot, mas a Páscoa e o Sábado já
estavam para começar; e como não daria
tempo para ir até Talpiot, Yehohanan foi
sepultado na tumba da família do José de
Arimatéia.

Não há mais dúvidas de que a ossada encontrada em Talpiot, no “Sepulcro esquecido de


Yehohanan, e que se encontra no Museu Arqueológico Rockefeller é do judeu que
terminou virando o “Deus cristão”...
As Equações de probabilidade provam que seria de 01 em mais de 01 bilhão a
possibilidades de que numa pequena Cidade se encontre as ossadas de outra família
judia do século I, que repetisse os nomes Yeshua (Jesus), o da Marianne, o do José, o dos
04 irmãos de J Esus, o do menor Judah (filho de Jesus com a Mara Magdala), e do Jesus
que teve os calcanhares atravessados por cravos de ferro.

Como Cristo NÃO RESSUSCITOU; em Talpiot foi descoberta a tumba da família de Cristo,
e os usuários tinha inscrições tipo:

Jesus filho de José; José (irmão de J Esus); Tiago filho de José, irmão de J Esus; Mateus
(da linhagem genealógica de Maria); Maria Madalena; e Judah, filho de J Esus com
Madalena.

Hoje sabemos o nome e o "sobrenome" de Yehohanan porque o osso do calcanhar


atravessado por um grosso cravo de ferro, e que foi achado dentro de uma sepultura, foi
analisado por Nicu Haas, antropólogo da Escola Médica da Universidade Hebraica de
Jerusalém.

O esqueleto achado em junho de 1968, em uma caverna funerária de Giv’at ha-Mivtar,


que fica no Nordeste de Jerusalém, a Oeste da estrada Nablus, é o único esqueleto
achado entre os milhares que foram estacados, des que o Dario I inventou essa maneira
cruel de castigar os condenados, e que foi abolido por Constantino.

Em 2003, um estudo realizado na Pátina (nos resíduos) das urnas estudada, comprovou
se tratar da família de Jesus de Nazaré, da Maria Madalena, bem como, do ossuário
perdido, e depois encontrado como sendo o de Tiago... 95

Os testes de DNA Mitocondrial realizado nas ossadas confirmaram que a Marianne da


tumba de Jesus não tem parentesco com Jesus, e com os outros familiares, o que
confirma que se trataria da esposa de Jesus.
A Bíblia Desmascarada volume II 96

O “causo” Lázaro foi inspirado na lenda de Osíris


Lázaro teve o privilegiado de reviver; ainda que em
Hebreus 9:27, e dito que: Aos homens está ordenado
morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo...

O Evangelho atribuído ao João é o único que narra à


lenda onde Jesus supostamente teria revivido Lázaro.

Tanto na Babilônia como no Egito, a Lua foi cultuada antes do Sol; e milhares de
anos antes do “causo” onde Cristo “reviveu” Lázaro; a Deusa Isis já teria revivido
Osíris, para que ele a engravidasse, e ambos viessem gerar o filho solar Hórus...

OSÍRIS era chamado de “AZAR” que significa Senhor; os hebreus ao plagiarem a lenda de Osíris
acrescentaram El ao nome de AZAR; e EL-AZAR ao ser traduzido para o latim virou L-Azar-Us.

Para vilipendiar os judeus, a Bíblia afirmou que, dias depois do Lázaro ter sido revivido
por Cristo, Lázaro foi assassinado por ordem de um Sacerdote que estaria inconformado
com o fato de muitos judeus deixarem o judaísmo e passar a crer em Cristo.

O assassinato de Lázaro consta em várias traduções da Bíblia, mas não em todas,


procure em João, Capitulo 12, Versículo 10 e 11.

SÍNDROME DE LÁZARO ou “CATALEPSIA PATOLÓGICA” é um distúrbio onde os músculos


do indivíduo se tornam pouco rijos, o cérebro continua trabalhando, mas não há sinais
de que o indivíduo esteja vivo, e o indivíduo pode ficar horas num estado de
“plasticidade motora” no qual ele conserva as posições que lhe são dadas, assim como,
dar a impressão de que teria morrido.

Como até o século XVIII eram os Párocos quem atestavam a morte de algum cidadão;
não havia exames ou equipamentos que confirmassem o óbito, sem margem de dúvida;
e a Igreja proibia que os cadáveres fossem estudados; teriam havidos inúmeros
“Enterros prematuros”, onde alguns infelizes foram enterrados vivos.
Pois na realidade eles apenas teriam tido alguma Catalepsia Patológica.

A “CATALEPSIA PATOLÓGICA” ocorre em determinados tipos de envenenamentos,


agressões, ou distúrbios, mas sem que o indivíduo em estado tanatológico tenha o
sangue coagulado, os pulmões ressequidos, os neurônios danificados, etc.

A Ciência provou que existem 02 estados patológicos ou anômalos, de “Morte aparente”, onde
havendo as condições e a ajuda adequada, o indivíduo pode voltar à vida normal. 96

A “LETARGIA” (do latim, letargia), que é a suspensão total das forças vitais, e dá ao corpo todas as
aparências do morto, e a “CATALEPSIA” (do grego, katálepsis), que é a perda da força e da
insensibilidade em partes localizadas, mas permitindo que a inteligência se manifeste livremente.
A Bíblia Desmascarada volume II 97

Cristo permaneceu MENOS de 36 horas no seio da terra, e não 03 NOITES

Já que caso alguém fosse sepultado quando a 14 nisã (sexta feira), já estivesse
TERMINANDO; e na AURORA da 16 nisã “(Domingo), Ele já tivesse sido retirado do
tumulo; o defunto em questão não teria permanecido 03 NOITES no seio da terra, mas
sim, apenas 02 NOITES (sexta e sábado); ou seja, MENOS de 36 horas...

E que seriam às 06 horas antes da sexta feira terminar, mais às 24 horas de


sábado, e às 06 horas da manhã de domingo...
Fica provado que o tal Jesus Cristo não poderia ter permanecido 03 NOITES no seio da
terra; mas apenas as noites de Sexta feira, e a noite de sábado.

Embora na Tora não exista à Profecia de que o Mashiach seria assassinado; não exista à
Profecia de que o Messias ressuscitaria no “Terceiro Dia”; e não existe à Profecia de que
a Ressuscitação do Messias seria num Yom Rishon (num Domingo).

1- Os cristãos inventaram as “Profecias” que foram colocadas no Novo Testamento.


2-Mudaram a Lei passada pelo próprio Deus YHWH, em Êxodo 31:13 a 15.
3-Transferiram o “Descanso semanal de Sábado” para Domingo.
4-Ignoraram que em Mateus 5:17 a 19: Jesus afirmou que, Não vim para revogar a Lei,
vim para cumprir a Lei.
5-Fizeram um cálculo tendencioso onde há 01 hora que faltava para que a 14 nisã
terminasse é contada como sendo o “PRIMEIRO DIA” de Cristo no “seio da terra”...
6-E contam às 6 horas da manhã do “Domingo de Páscoa”, como sendo o “TERCEIRO
DIA” que Cristo supostamente teria permanecido sepultado.

Mas como Cristo teria dito "Eli Eli Lamah Âzavetani" por volta das 03 horas da tarde, de
uma Yom Hashishi.
Teria sido sepultado quando a 14nisã (sexta feira), já estava terminando.
Na Aurora da 16nisã “(Domingo), quando as mulheres chegaram ao sepulto, Ele já tinha
sido retirado...
E em 18:13 Mateus declarou que os discípulos retiraram o corpo de Cristo da tumba, e
levou o corpo de Cristo, (para a tumba que a família de Cristo tinha em Talpiot). 97
A lendária ressureição de Jesus não passa de mais outra mitologia religiosa...
A Bíblia Desmascarada volume II 98

Origem do conceito de “reviver” depois de 03 dias

Como no Oriente, em 22 de dezembro o Sol fica "imóvel" no horizonte por 03 dias, e só


volta a “caminha no Céu” em 25 de dezembro; a volta triunfal do Sol que “renasce” com
o seu esplendor, a sua luz, e o seu calor, no momento mais difícil de um Inverno escuro e
gelado, trazendo a esperança de dias com calor, e de uma futura boa colheita, gerou nos
povos antigos as mitologias de que “Surgirá o “Salvador da humanidade”.
Produziu a lenda de que o “Salvador” morreria, mas no terceiro dia reviveria...
Explica a “morte na cruz” da personagem Jesus Cristo.
E deu origem às divindades como:

Mithra, Krishna, Hórus e cristo, que compartilham o nascimento em 25 de dezembro, e


que supostamente teriam revivido 03 dias após a sua “morte”...

No Hemisfério Norte, dezembro é a época mais fria do ano, e a sensação que se tem é a
de que o Sol vai ficando menor ou mais fraco...

Sendo que no dia 22 de dezembro se tem a impressão de que o Sol teria falecido, pois
além de 22 de dezembro ser o dia mais frio do ano, o dia em que o sol está mais “fraco”,
está no ponto mais baixo do céu, e para de se mover para o Sul; de 22 a 25 o Sol fica
TRÊS dias parado nas redondezas da Constelação do CRUZEIRO do Sul (ou Alpha Crucis).

Como no hemisfério Norte a volta triunfal do sol ocorre durante um Inverno rigoroso, e
gera a certeza de que as sementes que se encontravam aparentemente “mortas” no
“seio da terra”, breve virão germinar, ou seja, “reviver”.

Nas épocas anteriores ao cristianismo, era comum se celebrar o ritual do “Triunfo do Sol
que volta a ascender no firmamento”.
E milhares de anos antes de Cristo, em culturas como a egípcia, já existiam lendas onde
algum Deus como Hórus, teria nascido no dia 25 de dezembro.

Pois no Oriente antigo, o Calendário começava na constelação de Virgo, e através da


perspectiva geocêntrica, se sabia que de 22 a 25 de dezembro, o Sol para de se
98
mover
para o Sul, “morre” por 03 dias, e no dia 25 passa a se move para o Norte.

E para incentivar o Sol “reviver” em 25 de dezembro, os antigos realizavam rituais onde


pediam que o Deus Sol voltasse a esquentar a Terra.
A Bíblia Desmascarada volume II 99

Explicação científica para o fenômeno do Sol invicto.

Como a TRANSLAÇÃO que a Terra executa ao redor do Sol não é um CIRCULO perfeito,
mas sim, uma ELIPSE alongada; no Oriente, em 22 de dezembro, o Sol parece “morrer”
por 03 dias; mas em 25 de dezembro o Sol “renasce” e passa a se “movimentar”
novamente.

E já que no Hemisfério Norte, 25 de dezembro é a noite mais longa, mais escura, mais fria do incômodo
Inverno Norte; o Sol atinge a posição mais baixa no Céu; e é a época em que o Sol está mais afastado do
Equador celeste.
Os antigos realizavam a milenar “Festa do Sol Invictus” ou Festa do Solstício de Inverno, que servia para
“convencer” o Deus Sol voltar a esquentar a Terra.

Na perspectiva de quem está no Hemisfério Norte, o final do ano é muito frio; o Sol
parece está ficando fraco, cada vez menor, no ponto mais baixo do céu, e se tem a
impressão que ocorreu a “morte” do Sol...

Sendo que no dia 22 de dezembro, o Sol para de se “mover” e permanece imóvel por 03
dias, nas redondezas da Constelação do CRUZEIRO do Sul (Crux ou Alpha Crucis).
E esse fato era considerado como “A morte do Deus Sol na Cruz”...

Mas a partir de 25 de dezembro, o Sol vai “caminhando” para a posição de menor


sombra, mais calor, dias maiores, mais claridade, e isso traz a esperança de uma futura
boa colheita.

Esses acontecimentos astronômicos contribuíram para que os antigos forjassem a lenda


religiosa onde Jesus Cristo teria morrido na Cruz, e três dias depois reviveu.

A versão de que Cristo “ressuscitou” depois de ter ficado 03 dias no seio da terra, tem
origem no “Dia do Solstício de Inverno”, que no hemisfério Norte acontecia no dia 25 de
dezembro, e que marca o período em que os dias começam a esquentar, vão ficando
mais longos, e as horas de frio e escuridão vão diminuindo.

A frase no Evangelho de São João 3, 30: “Eu devo diminuir, Ele deve crescer”...
Foi plagiada do Solstício de Inverno no Hemisfério Norte. 99
Já que após o Solstício de inverno os dias começam a durar mais do que as noites, e isso
representa a vitória da luz sobre a escuridão.

E deu origem a profecia 3:14 onde João afirma que: E, como Moisés levantou a serpente
no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado.
A Bíblia Desmascarada volume II 100

Antes de Cristo foram fabricados vários OUTROS arquétipos


Depois que a Era de PEIXE começou; o Templo de Jerusalém foi destruído em 70 d.C. por Titus Flávio;
milhares de judeus foram assassinados; e desapareceram diversas facções do judaísmo; alguns
judaizantes começaram adorar arquétipos como o João “O Batizador”, a Deusa Cibele, a Deusa Sophia
da Sabedoria, e o “Deus Sol Invictus” dos soldados romanos...

Constantino aproveitou a necessidade que o religioso tem de acreditar na “Vida depois


da morte”, e desejar ter um “Deus” a quem pudessem recorrer; para fabricar um novo
“Livro Sagrado”; um novo “Messias”; a “BOA NOVA” de que o filho de Deus estaria entre
nós; e a versão de que Cristo teria trazido a “SALVAÇÃO ETERNA”...

Constantino misturou o “Deus Sol Invictus”, com Horús; acrescentou o relato sobre o judeu “Yeshu de
Nazaré” (que por praticar magia, e corromper a tradição judaica), na véspera da Páscoa foi pendurado,
foi apedrejado, e teve o se cadáver roubado. (Talmude Babilônico, Sanhedrim 43ª).

E foi assim que o “Deus Sol Invictus” virou o Credo Niceno, que foi usado para fabricar Cristo; virou a
nova religião “Para todos”; e terminou virando uma Religião universal, ou “RELIGIÃO CATÓLICA”.

Como os "homens do campo", que se recusaram crer em Cristo, ou foram focos de


resistência à nova religião, (e que receberam a denominação de "pagãos"); foram todos
exterminados ou intimidados.
Mesmo tendo levado séculos para que tanto as falsificações como as narrativas e os rituais existentes
no “Novo Testamento” fossem juntados, remodelados, traduzidos e modernizados...

O “Deus Sol Invictus” dos soldados romanos, que era uma dissidência do judaísmo; terminou
virando a SEITA “PARA TODOS”; foram adaptadas lendas antigas e fatos importantes as
narrativas sobre Cristo, os valores cristãos cresceram, e aceitou-se todas as etnias...

A nova religião usou a estratégia de confortar e agregar todos os tipos de indivíduos,


Castas Sociais, Etnias e tipos de devotos; inclusive os pobres, os doentes, os escravos, as
mulheres, as crianças, os prisioneiros, os homossexuais, etc.

Embora em torno de 326 Constantino e o Concílio de Nicéia tenham impingido a “BOA NOVA” ao povo.
Trocado o culto a Deusa Cibele dos mortos e da fertilidade pelo culto a “Maria Virgem”.
Transformado Cristo numa Divindade.
Mandado fabricar o “Novo Testamento”, e investido na mitológica “Vida eterna”.

O cristianismo é mais um Paulinismo ou um Constantinismo, pois tanto a influência do Paulo como a do


Imperador Constantino foram indiscutíveis.
Além disso, caso Cristo tivesse existido Ele seria muito manso e humilde para a estratégia de
dominação e manipulação da igreja. 10
Já Paulo e Constantino foram tudo que o momento histórico precisava. 0

Se Maomé não tivesse conquistado Constantinopla, hoje a Igreja Católica seria Turca, e
não Romana, pois foi em Constantinopla, na Turquia, e graças a Constantino, que o
Catolicismo foi fabricado...
A Bíblia Desmascarada volume II 101

Tiago foi o irmão uterino que detestava J Esus

Jacó é uma corruptela que virou Tiago, sendo que na época de Jesus haviam 03 Tiagos:

Tiago “O JUSTO”, que teria sido o meio irmão uterino de J Esus.


Tiago “O MENOR”, que foi o filho de Alfeu, um dos doze apóstolos.
E o Tiago “O MAIOR”, filho de Zebedeu e um dos irmãos de São João, que evangelizou na
Espanha, foi transformando em “Santiago”, e é venerado no “Santuário de Santiago de
Compostela”.

Como o meio irmão de Jesus Tiago, cresceu, viveu e morreu afirmando que Jesus seria
louco, que Jesus seria um bastardo, e que Jesus iria arruinar a vida dos que o seguisse,
fica fácil entender por que o Proto-Evangelho apócrifo de Tiago foi proibido, queimado e
repudiado.

Tanto o Evangelho apócrifo de Tiago, como o Evangelho dos Judeus, conteria fatos e
revelações que desmentiriam a suposta divindade da personagem Cristo.

E desmistificaria a prece “O Pai Nosso”, (a Oração suprema do cristianismo).

Onde a Igreja tenta nos convencer a todo custo, de que após ter retornado à vida, Cristo
teria voltado para o Céu. Pois segundo Tiago, Jesus teria morrido e foi transferido para a
tumba que a sua família tinha em Talpiot...

Como prova de que Jesus não se dava bem com o seu meio irmão Tiago, lembramos que
Jesus tentou subornar os seus ouvintes com a bazofia de que, Todo aquele que
abandonasse sua casa, irmãos, pai, esposa, crianças, terras ou riquezas por Ele, receberia
cem por um, herdaria a Vida Eterna e encontraria muitos outros irmãos...
10
Tiago nunca acreditou na alucinação de que Jesus fosse o esperado Messias, (João
1 7, 5),
ou que Jesus fosse “Filho do Espírito Santo”.

Sendo que o meio irmão de Jesus Tiago, foi o adversário que mais conviveu, mais
conheceu, mais implicou, mais desprezou, mais odiou e mais se opôs a Jesus.
A Bíblia Desmascarada volume II 102

LUTERO E A SALVAÇÃO “SÓ PELA FÉ EM CRISTO”

Quem criou a doutrina "SOLA FIDE", conhecida como a


“Doutrina da justificação pela Fé”, e da “SALVAÇÃO SÓ PELA FÉ
EM CRISTO” foi Lutero.
No livro "Martinho Lutero” Dietrich Emme afirma que
o Lutero só se tornou um Padre agostiniano, porque ele
ao fugir de ter matado num duelo Jerônimo Buntz,
entrou para o Convento dos Eremitas de Santo.
Agostinho.
Lutero foi escravo dos vícios, da depravação e do sexo; foi alcoólatra, homicida, suicida, blasfemador, anti-semita, um
dos pais do holocausto nazista, e um “Rosa cruz” traidor, que se colocado do lado dos príncipes, e contra Thomas Munzer
e os camponeses.

Em 1517, Lutero rebelou-se contra a venda de Indulgências e a remissão dos pecados.


Em 1522, Lutero traduziu o “Novo Testamento”, publicou a primeira Bíblia em alemão, e iniciou a divisão da Igreja
Católica...
Em 1524 a.C. Lutero criou a Bíblia dos protestantes.
Em 1543, Lutero recomendou várias medidas contra os judeus, tais como expulsão, confiscação de bens, trabalhos
forçados, queima das Escolas judaicas e das Sinagogas, e a proibição de transitar pelas Ruas.
Em 1924, o ódio raivoso de Lutero influenciou tanto o cristão Adolf Hitler que, no seu livro “Mein Kampf”, o anti-
semitista Hitler defendeu que os judeus fossem perseguidos e exterminados.

Para provar que os iludidos abdicam do raciocínio lógico, apenas decoram o que lhes é apresentado, e não estão
interessados em descobrir o que de fato aconteceu, mas, sim, em alastrar as suas crenças, lembramos que Martinho
Lutero afirmou que:

a. Quem quiser ser cristão deve arrancar os olhos da razão.


b. A razão deve ser destruída em todos os cristãos.
c. A razão é o maior inimigo que a fé possui, pois com freqüência, ela entra em confronto com a Palavra divina, e trata
com desdém tudo o que emana de Deus...
d. Para combater os pensamentos contrários ao cristianismo existe o "escudo da fé, com a qual podemos deter os dardos
do maligno".
e. Senhor ajuda-me a nunca usar minha razão contra as revelações dos profetas, pois sei que as dúvidas vêm do diabo.

Na sua “Sola fide” Lutero alegou que “TODA OBRA SEM FÉ EM JESUS É MORTA”, e que a fé em Jesus vale mais do que as
Leis do “Velho Testamento” judaico.

Embora fosse PADRE e não PASTOR, Lutero discordou que o líder supremo da sua antiga religião possuísse tanto o
poder econômico, como o poder político, o poder jurídico, e o poder social.

Lutero produziu as 95 Teses, traduziu a Bíblia para o alemão, removeu os livros Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico,
Baruc, Macabeus I e II; e os seus seguidores assaram a ser chamados de “Protestantes”.

A rebeldia do Lutero arrastou os que seguiram as suas idéias; e quando foi atacado por acrescentar a palavra
(SOMENTE) à sua tradução de Romanos 3.28, Lutero respondeu que, Para destacar a força da citação original no idioma
alemão, a palavra “SÓ ATRAVÉS DE J ESUS” foi necessária...
10
2
Embora Tiago tenha alertado que “TODA OBRA SEM FÉ EM JESUS É MORTA”.

Com a “BOA NOVA” de Jesus tanto a Ética como a Moral foram substituídas pela doutrina onde só se poderia ir para o
Céu, através do lobby inventado por Jesus Cristo. Romanos 3.28 afirma que: “Concluímos, pois, que o homem é
justificado pela fé, independentemente das obras da lei”.
A Bíblia Desmascarada volume II 103

O ladrão na cruz ter sido salvo EXCLUSIVAMENTE pela sua FÉ em Jesus Cristo confirma as palavras onde Jesus afirmou
que, “Eu sou o caminho a verdade e a vida, e ninguém chega ao Pai senão por mim”.
Pois a “Boa nova” de Jesus se refere aos humanos receberem a “Salvação divina” pela fé em Jesus, e não mais pelas obras
que viessem a fazer...

No “Novo Testamento” tanto a BONDADE como o AMOR AO PRÓXIMO foram TROCADOS pela fé em “Jesus O Cristo”,
pois pelos ensinamentos agregados ao “Novo Testamento”, mesmo que algum ateu fosse bondoso, honesto,
trabalhador, generoso, respeitador, pacífico, cumpridor dos seus deveres, um ótimo filho, um bom irmão, um excelente
amigo, um dedicado cônjuge, um pai exemplar, alguém que amou e tomou conta da sua família, ajudou seu país e foi
bom para com todos, ainda assim, esse nobre, bondoso, sábio e honesto, ao morrer ele iria direto para o Inferno, pois
ninguém pode se salvar por si mesmo, e sem Jesus nada do que se faça tem valor para nos salvar.

Quando Adão e Eva pecaram no “Jardim do Éden”, quem teria dado ao Diabo a autoridade
suprema de nos levar cativos para o INFERNO, foi Deus, e não o ingênuo Adão.

Se o amor de Jesus é infinito, desinteressado e não um amor condicional, do tipo Tomá-la-Dá cá, por que Jesus
faria exigências de fidelidade que não sendo cumpridas pelos humanos de “carne fraca” e de existência
efêmera, resultariam em castigos de Pena máxima?

Por que o “compreensível”, “piedoso”, sábio e justo Jesus, mesmo com toda a sua "infinita misericórdia" não
recompensaria os humanos por bravura, honestidade, generosidade ou por uma vida digna, boa e pacífica, mas apenas
pelos atos de fé?

O apego do iludido às crenças religiosas (repetindo como papagaio o que ouviu de outrem, mas não tendo a mínima
noção daquilo que diz), e o seu otimismo sem causa, são fugas da realidade, onde as dificuldades são substituídas por
crendices, se age de forma despreocupada, se demora em reagir aos perigos, ou não se é feliz sem a “SEGURANÇA” da
crença em alguma mitológica vida depois da destruição do cérebro...

O fato da HABITUAÇÃO ser induzida pela imaginação, e o costume de acreditar sem primeiro racionalizar, explica porque
Jesus Cristo é um dos engodos que mais escraviza e manipula o “Homem Médio, pois o devoto não é um ser que
investiga e racionaliza, mas sim, um iludido que repete como papagaio as mitologias obsoletas e carcomidas, que lhe são
ensinadas; tem fé sem racionalizar; aceita as imposições escritas em livros ditos "sagrados"; e cujas convicções são o
produto da "autoridade" que outros exercem sobre a sua mente.

A fé religiosa é um alerta de que o individuo precisa se agarrar em amigos imaginários, e não tem estrutura
psicológica para aceitar que a morte é o fim da vida...

Tanto a desinformação, como a credulidade, o conformismo, a ignorância, e a simplicidade pode ajudar no


processo de “ser feliz”, do devoto iludido.

E a “Dissonância Cognitiva” explica que, quando o cérebro mágico do religioso não consegue conviver com os
pensamentos incômodos, o cérebro do religioso reinterpreta o infortúnio como sendo a vontade de algum suposto
Deus, e se recusa conhecer o que possa aumentar o seu conflito existencial.

Como acreditar e bem mais fácil do que questionar, mesmo o individuo sendo inteligente em outras áreas, no quesito
religião ele pode ser do tipo incapaz de mudar, pois só 2% dos humanos funcionam no modo lúcido, e não no modo
automático, primitivo ou místico.
10
Embora os hebreus fossem uma simples tribo, no meio do deserto, ao se especializar na arte do 3comércio, por
um dever de ofício, os judeus se ALFABETIZARAM. E sabendo ler e escrever, eles puderam copiar as lendas e o
folclore dos povos com os quais conviviam. E foi assim que os textos compilados mais interessantes, ou mais
proveitosos em relação aos seus propósitos, passaram a ser difundidos, pelo mundo religioso.
A Bíblia Desmascarada volume II 104

Como surgiu a crença em J Esus

A Bíblia alega que o Apóstolo Paulo foi o grande divulgador do cristianismo, mas o X9 Paulo nunca conheceu J
Esus, e o que o Paulo tentou fazer foi divulgar a crença em Crestus “O Essênio”.

Como a Era astrológica de Carneiro havia mudado para a Era de Peixe.


Muitos judaizantes estavam desiludidos pelo fato de em 70 d.C. o Deus Javé não os ter socorrido durante o
cativeiro babilônico; e mais de um milhão de judeus haviam sidos assassinados pelos romanos.
Os sofrimentos do judeu Yeshua Ben Pandira, cujo cadáver foi roubado pelos discípulos, fez surgir o arquétipo
que terminou virando Jesus Cristo.

Pois mesmo se tratando de um louco AGITADOR que foi executado por infligir a Lei; com o passar do tempo, a tragédia
do herói trágico deu origem ao mito “Jesus Cristo”.
E foi assim que o movimento religioso “O novo Caminho” terminou virando a CRISTANDADE.
Surgiu uma nova crença, uma “Boa Nova”, e um novo Deus.
Até porque os Deuses romanos já estavam fora do seu “Prazo de validade”, e as gerações seguintes teriam se
comovido e se empolgado com o novo Deus em moda.

Jesus Cristo foi uma entidade criada para fazer cumprir as escrituras, dar seqüência ao judaísmo
(em face da destruição do Templo de Jerusalém), confortar as massas, e facilitar usar as religiões
como fonte de lucros ou de poder.

Além do MONOTEÍSMO incrementar a intolerância religiosa, dividir os devotos, e plantar a “semente” do ateísmo...

O cristianismo sendo um “parasita psicológico; ele infecta os fieis, e os controla através de ameaças; pois segundo o
cristianismo, mesmo depois de MORTO os cristãos ainda teriam que prestar contas a J Esus, de tudo o que fizeram.

Como provar de que o cristianismo é um “PARASITA” que se propaga à custa dos “hospedeiros”; lembramos que
para forjar a existência do “Novo Messias” o cristianismo tentou se sobrepor ao judaísmo, roubou e perseguiu os judeus
de todas as formas possíveis, por exemplo:

Durante os 70 anos de cativeiro Babilônico, o “hebraico raiz” se perdeu; só os textos da Torah mosaica foram
preservados; e das 12 tribos, só às de Judá e de Benjamim restaram.

Foi à dispersão das outras 10 tribos que fez os ISRAELITAS serem chamados de HEBREUS, deixarem de falavam a língua
antiga, que se servia de um alfabeto siríaco chamado Aramaico, que era formado pela reunião de vários idiomas da
Assarei e da Fenícia; e traduzisse as “versões matrizes” da Torah, para o hebraico. 10
4
A Bíblia Desmascarada volume II 105

Os cristãos perseguiram os judeus por mais de 1.700 anos


O cristianismo foi fabricado com o propósito de substituir o judaísmo; e de ser uma RELIGIÃO UNIVERSAL; mas
como os judeus não aderiram ao cristianismo; veja o que os Cristãos fizeram:

Em 306, o Sínodo de Elvira proibiu os Casamentos e as relações sexuais entre cristãos e judeus, e proibição que os judeus
comessem junto com os cristãos.
Em 364 d.C., o Concílio de Laodicéia e a Assembléia Eclesiástica confirmaram a vigência do Edito de Constantino que
no Cânon 29 determinou que Os cristãos não devessem judaizar e descansar no sábado, mas, sim, trabalhar neste dia;
e honrar o Dia do Senhor no domingo.
Em 535, o Sínodo de Clermont proibiu os judeus de exercerem funções públicas, e de terem escravos ou empregados
cristãos.
Em 538, o Sínodo de Orleans proibiu os judeus de aparecerem nas Ruas durante a “Semana Santa”.
Em 681, o Concilio de Toledo mandou destruir o Talmud e outros livros judeus.
Em 692, o Sínodo de Trulanic proibiu os cristãos de se tratar com médicos judeus.
Em 1050, o Sínodo de Narbonne proibiu os cristãos de morarem com judeus.
Em 1078, para a “manutenção da Igreja”, o Sínodo de Gerone obrigou os judeus pagarem Impostos iguais os cristãos.
Em 1092, o Sínodo de Szabolcs proibiu os judeus de trabalhar aos domingos.
Em 1179, o 3º. Concilio de Latran proibiu os judeus de depor contra cristãos em Tribunais, e proibiu os judeus de reterem
os bens dos herdeiros que se convertessem ao cristianismo.
Em 1222, o Concilio de Oxford proibiu a construção de novas Sinagogas.
Em 1267, o Sínodo de Viena proibiu os cristãos de assistirem as cerimônias judias, e proibiu os judeus de discutir
doutrinas da religião cristã com cristãos.
Em 1279, o Sínodo do Ofen proibição os cristãos de vender ou alugar bens imobiliários aos judeus.
Em 1310, o Sínodo de Mayencia proibiu a Conversão de um cristão ao judaísmo ou o retorno ao judaísmo de um judeu
batizado.
Em 1368 o Sínodo de Lavour considerou heresia vender ou transferir aos judeus os objetos pertencentes à Igreja.
Em 1434, o Concílio de Basiléia proibiu que judeus agissem como intermediários em transações comerciais, imobiliárias
ou contratos de casamentos; e que se dessem títulos universitários a judeus.
Em 1455, como Lucas teve a torpeza de afirmar que, «O escravo que não obedecer ao seu amo, deverá ser acoitado»; a
Bula Romanus Pontifex alegou que, «A escravidão é algo tolerável, desde que facilite a catequese dos cativos».
O cristianismo foi a favor da escravidão, e em 25:44, o próprio Levítico afirma que, «É permitido que se compre escravos,
desde que sejam de outro país»...
Diversos Padres tiveram escravos, pois o comércio de pessoas foi uma coisa tão “normal” e “legal”, que era comum o
Padre comprar escravos, que na época custavam cerca de 20 moedas de prata.
Em 1543, Lutero recomendou várias medidas contra os judeus, tais como expulsão, confiscação de bens, trabalhos
forçados, queima das Escolas judaicas e das Sinagogas, e a proibição dos judeus transitarem pelas Ruas.
Em 1567, o Papa Pio V, através da bula “Romanus Pontifex”, sentenciou que:

Pela autoridade da presente carta, Nós ordenamos que todo e cada judeu de ambos os sexos em Nosso domínio
temporal e em todas as Cidades, terras, lugares e baronatos sujeitos ao poder da Igreja, deve deixar sua terra no espaço
de três meses a partir da publicação da presente carta.
Deve ser despojado de suas propriedades e processados de acordo com a lei. Eles devem tornar-se servos da Igreja
Romana e sujeitar-se à servidão perpétua. E a dita Igreja deve ter sobre eles os mesmos direitos que outros domínios têm
sobre seus servos.

Em 1924, o ódio raivoso de Lutero influenciou tanto o cristão Adolf Hitler que, no seu livro “Mein Kampf”, o anti-
semitista Hitler defendeu que os judeus fossem perseguidos e exterminados.

Em 2006, os religiosos do Yahoo resposta começaram uma nova forma de Inquisição, que consiste10
5
em excluir as
perguntas que desmascaram o cristianismo.

Resumindo; nada empobrece tanto a frágil e primitiva personalidade do religioso iludido, fundamentalista;
fanático, ou que não consegue aceita que a morte é o fim da existência humana, como o convívio diário e
perpétuo com pessoas semelhantes.
A Bíblia Desmascarada volume II 106

JESUS É SÓ O REAPROVEITAMENTO DE LENDAS ANTERIORES

A Bíblia se apropriou do costumes de ORAR, CANTAR e BATIZAR (que veio do Hinduísmo).


O hábito de acender INCENSOS e as Meditações, que vieram do Taoísmo.
A vinda de um “SALVADOR” e a festa de 25 de dezembro, já era festejada pelos antigos mesopotâmicos.

E tanto a PÁSCOA, como o Céu, o Inferno, a Eucaristia, o Julgamento final, algumas festas, cerimônias, símbolos,
vestimentas e a lenda de Jesus Cristo ter sido incumbido de conduzir os homens em direção a Deus, são cópias de textos
como o Mitraísmo, que por sua vez, plagiou o antiqüíssimo “Culto da fertilidade”.

Em 876, a Papisa Joana de Giliberta que pariu durante uma Procissão, instituiu a Quaresma.
Embora no Calendário litúrgico cristão a QUARESMA tenha 47 dias, e não 40, pois não se contam os domingos.
A “QUARESMA” cristã é só uma recauchutagem dos 40 dias de jejuns e lagrimas que a RAINHA DOS CÉUS
SEMÍRAMIS aguardou para que Tamuz REVIVESSE...
Como TALMUZ morreu aos 40 anos, e o seu Espírito levou 40 dias para reviver (um dia para cada ano de vida); para
comemorar o aniversario da RESSURREIÇÃO de Tamuz, nos 40 dias anteriores, a data da sua RESSURREIÇÃO os devotos
expressavam o seu pesar pela morte de Tamuz pranteando, jejuando, ou se autoflagelando.
Os sumérios conheciam o Deus Tamuz como Dumuzi, e os egípcios conheciam o Deus Tamuz como Osíris.

O número 40 simboliza PROVAÇÃO, tipo:

Os 40 dias do dilúvio, 40 anos de peregrinação pelo deserto, 40 dias de Moisés e de Elias na montanha, 40 dias que Jesus
passou no deserto, os 400 anos que durou o exílio, etc.

Além dos humanos se colocarem na posição mais elevada da natureza, podendo até chegar a matar Deus, quando
necessário; Deus não é a resposta que os mais inteligentes procuram, porque Deus não pode ser PROVADO!

E seria Melhor aceitar que Não sabemos a resposta, mas que estamos procurando, do que fantasiar que a resposta seria
algum Deus mitológico, que não PROVAR coisa alguma!

Sempre que algum mistério, fenômeno, ou detalhe atrai a atenção popular, o povo fabrica estórias ou “contos
etiológicos” que supostamente “explicaria” o porquê de tal fato; pois as fantasias religiosas são CONVENIENTES
para as Mentes crédulas; e a maioria continuará acreditando num Deus com a “saúde” tão frágil que para
sobreviver precisaria se alimentar com muitos dízimos...

Segundo o “Livro dos Mortos” do antigo Egito, o Corpo é a Alma viveriam juntos, e quando o corpo morre ele se separaria
da Alma; mas na ressurreição o corpo “voltaria” a se unir com a Alma.

Todavia como a Alma é só um fantasma, fica evidente que a Alma é só uma mitologia absurda dos que acreditam sem
questionar, e nem mesmo sabe direito o que estão repetindo.
Até porque, o legado do suposto triunfo transmitido aos nossos descendentes pelas mitologias religiosas, não passa de
10
uma forma surreal de fingir sobreviver à morte do corpo. 6

Uma ofensa limitada não justifica uma punição ilimitada, eterna e super cruel, no Inferno...
E caso alguma ofensa ao Espírito Santo seja imperdoável, ou Deus se vingue por meio de algum castigo ETERNO, usando a
desculpa de QUE A CULPA CRESCE COM A DIGNINIDADE DA PESSOA OFENDIDA, Deus não seria um exemplo de PERDÃO,
já que Ele próprio não PERDOARIA!
A Bíblia Desmascarada volume II 107

Se o Deus bíblico ama a todos igualmente, por que alguns vêm ao mundo para
sofre enquanto outros têm uma vida maravilhosa?

Deus sendo VINGATIVO, ele não poderia ser infinitamente


MISERICORDIOSO, visto que o atributo VINGANÇA exclui o
atributo BONDADE.

Se Deus NÃO for infinitamente BOM, Ele não seria


infinitamente PERFEITO, e NÃO sendo PERFEITO deixaria
de ser DEUS!

Por que Deus permite o sofrimento? Será que a “Justiça” Divina escolhe os felizardos por sorteio ou por simpatia?

A mente frágil, simplória e infantilizada dos religiosos não consegue entender que a vida sem “problemas”, em algum
tipo de “Paraíso” funcionaria como um “Adapte-se ou Morra Reverso”.

Sem dificuldades, sem desafios, e sem inimigos, não haveria a eliminação dos fracos, não haveria a eliminação dos
obsoletos, dos indivíduos que desperdiçam o seu tempo, a sua energia e os seus recursos, com “músicas”, festas, jogos,
descansos, ficam preguiçosos, ou troca a sua única vida pela ilusão de que depois de morto haveria uma vida eterna.
E tantos os fanáticos religiosos como os “boa vida” acabariam se tornando presa fácil dos que por terem tido
que sobreviver em ambientes hostis aprenderam construir armas e maquinas de guerra...

A Eva nunca existiu, Adão e Eva são apenas simbologias.

Nem o Papa acredita mais na fábula do Adão e Eva...

E o famosso “Pecado hereditário” é só uma forma mágica do religioso tentar justificar a


mitológica VINDA de algum suposto “Salvador” da humanidade.

Caso se possa reencarnar, o SACRIFIO da personagem Cristo (para pagar pelo “Pecado Original”
seria desnecessário), pois através de inúmeras reencarnações cada individuo pagaria pelos seus
próprios erros, e seriamos o redentor de nós mesmo!

Embora desde 450 a.C., as Leis que determinam o destino da humanidade tenham se baseado
nas Leis das 12 TÁBUAS ROMANAS; os seguidores da bíblia não mediram esforços no sentido
de fingir que a Bíblia seria a base das Leis usadas nas Cortes jurídicas do Ocidente...

10
7
A Bíblia Desmascarada volume II 108

O CRISTIANISMO É UMA “SEITA” DO JUDAÍSMO com acréscimos de outras culturas

Assim como o Judaísmo é uma remodelagem do zoroastrismo


Persa, o cristianismo é só uma SEITA que emergiu do Judaísmo,
adaptou lendas antigas e fatos importantes aos seus valores,
cresceu, e tenta a todo custo fazer parecer que os “causos” sobre
Jesus teriam realmente acontecido.

Sendo que a farsa de Jesus Cristo foi mantida com o sangue dos que descobriram a verdade; e para perpetuar o
cristianismo os cristãos queimavam tudo que os pudesse denunciar.

Embora as religiões imponham que acreditemos nos seus dogmas, sejam eles verdadeiros ou não.
E não aceite os experimentos científicos que contrariam as “verdades” impostas sob ameaças de castigos e promessas de
recompensas.
Ao contrário do que muitos “pensam”, fora das Cidades o cristianismo primitivo não teve aceitação.
E durante centenas de anos, os devotos de outras crenças permaneceram fieis aos seus antigos deuses.

Os "homens do campo" ou "paganus" se recusaram crer em Jesus Cristo; foram focos de resistência à nova religião, e
receberam a denominação de "pagãos".

Mas isso é uma contradição ao extremo, pois a realidade não precisa de imposições, não necessita de alguma fé
desprovida de racionalidade, ou de ameaças de castigos para ser o Poder supremo dos humanos racionais.

Em torno de 44 d.C. os seguidores da Seita “O novo caminho” construíram uma “Casa de oração” em Jerusalém onde
começaram divulgavam “PARA TODOS” a crença no transgressor judeu que depois de crucificado virou “O Cristo”.

A Casa de oração “PARA TODOS” sendo receptiva a todos os que desejassem conhecer a “BOA NOVA”, com o passar do
tempo se transformou na “IGREJA PARA TODOS”.

Em 165 d.C., quando a Varíola matou 1/3 dos romanos, muitos dos que se salvaram, admirados com a fé e a boa vontade
da cristandade, se convenceram de que Deus os poupara para levar a “Boa Nova” aos sem os “benefícios” da fé.

Até 200 d.C. o mitraísmo ainda era a principal religião romana, mas pelo fato do mitraísmo não admitir crianças, não
admitir pobres, não admitir escravos, e não admitir mulheres, o mitraísmo foi trocado pela nova religião PARA TODOS.

Em torno de 286, embora os Deuses romanos já estivessem fora do seu “Prazo de Validade”, o Imperador Caio Aurélio
Valério Diocleciano tentou reacender a crença no Deus Sol Invictus, cuja titulo era aplicado a diversas divindades.

Em torno de 310, com o propósito de unifica o Império Romano que estava dividido em 04 partes, e por ser um
Imperador de legitimidade duvidosa, Constantino incentivou criar uma única religião.

Mesmo já tendo se apresentado como o protegido de Hércules, Constantino usou o Ebionismo, a Seita “O Caminho”, e o
Paganismo para ajudar inventar um novo Messias.

Produziu o primeiro cânone bíblico, ajudou fabricar o “Novo Testamento”, rejeitou alguns textos da Torá, mudou o
nascimento do novo Messias de Belém para Nazaré, e incentivou que a doutrina paulina fosse divulgada.
10
Já que a politeísta Roma estava dividida em 04 partes; a crença na “Ressurreição dos mortos” havia se8 alastrado; e o
“Deus Sol Invictus” dos soldados havia ficado muito popular; Constantino usou a cristandade e a seita “O CAMINHO”
como uma força revitalizante e unificadora.
Deu aos novos clérigos o status, o salário e a influência dos Sacerdotes pagãos.

Fingiu que se tornara cristão, e fez com que a Seita do “Deus Sol Invictus” dos soldados deixasse de ser uma ameaça ao
poder de Roma, e se tornasse um aliado poderoso.
A Bíblia Desmascarada volume II 109

AVALIAÇÃO INSTANTÂNEA DA IMAGEM PROJETADA

Já que através da INTUIÇÃO, das MICROS EXPRESSÕES, da PERCEPÇÃO ULTRA RÁPIDA, da “LEITURA FRIA”, da
“AVALIAÇÃO INSTANTÂNEA DA IMAGEM PROJETADA”, da INTUIÇÃO SUBCONSCIENTE, das DICAS SUTIS, da
LINGUAGEM CORPORAL, das PISTAS VERBAIS e outras, é possível descobrir inúmeras coisas...

Na década de 70, uma série de pesquisas e avaliações, realizadas com o auxílio de desconhecidos, mas
competentes artistas teatrais provaram que os profissionais das “artes adivinhatórias”, tais como:

Os Ciganos, os Pais de Santos, as Cartomantes, os Astrólogos, os Numerólogos, os Tarólogos, os Adivinhos em


geral, e os que se propõem adivinhar; além de serem incapaz de prognosticar o que acontecerá com si mesmo
e os seus próprios familiares, também falham com os clientes que usam “camuflagens”, estão representando,
ou são bem mais inteligentes do que os supostos “adivinhos”.

Nas “avaliações” mesmo podendo contar com a ajuda de todos os apetrechos e cerimônias que os profissionais
das artes adivinhatórias usam, tais como os amuletos, mapas, livros, baralhos, e bolas de cristais; os adivinhos
só realizam alguma “Ginástica Verbal”, e a “Fisiognomancia”, que seria a adivinhação através das expressões e
das informações fornecidas pelo corpo, o vestuário e a imagem projetada pelo indivíduo sob avaliação.

Como na sofisticada pesquisa feita com famosos “adivinhos”, e dezenas de excelentes artistas, foram usados
vários recursos de que dispõem as artes teatrais.
Mesmo cada ser humano sendo um “Gráfico” onde é mostrado tanto as suas forças, como as suas fraquezas.
Um estudo com base nas fotografias, tendo mostrado que se as poses e as expressões foram espontâneas, se
consegue julgar corretamente cerca de 10 traços referentes à personalidade do individuo retratado.
E os falsos consulentes tendo se consultado diversas vezes, com os mesmos adivinhos, mas sempre
caracterizados, e tendo o cuidado de representar um comportamento oposto aos que já haviam representado.

O fato dos “adivinhos” terem cometido erros grosseiros; feito avaliações opostas ao que já tinham avaliado;
não ter percebido que os seus consulentes estavam representando; não ter desconfiado de que já haviam
avaliado os mesmos clientes (sendo que na época fizeram diagnósticos diferentes e contrários aos atuais).

E o resultado das esdrúxulas avaliações ter variado de acordo com o vestuário, a aparência, o “temperamento”,
a disposição e os personagens que foram representados pelos “consulentes”, comprovou que:

Os “adivinhos” não passam de indivíduos que simulam está “captando” alguma informação, quando na
verdade apenas avaliam a personalidade e os gráficos corporais projetados pelos clientes.
Isso quando o adivinho não usa o subterfúgio de dar uma resposta padronizada que serve para convencer o
iludido cliente.

No caso em tela ficou óbvio que, os adivinhos não possuem algum canal especial de comunicação com as
supostas Entidades, não têm algum “sexto sentido”, não têm algum poder especial, não têm alguma
sintonicidade com as Entidades que afirmam representar, não conseguem adivinhar a verdadeira
personalidade do consulente, não entendem o que se passa a sua volta.
E permitiram que os apetrechos, os vestuários, as encenações e a linguagem corporal do cliente modificassem
o resultado da “CONSULTA”.
10
Pois além das “adivinhações” não passarem de uma “Avaliação instantânea da imagem 9
projetada” pelo
consulente, e um engodo, que ilude os propensos a acreditar em consultores esotéricos.

Os “adivinhos” só tiram conclusões, só decifram, só presumem, só adivinham, só desvendam, só pressentem,


só prognosticam, só conjeturaram ou só interpretam as coisas que eles já conhecem, e as que podem ser
deduzidas por indivíduos perspicazes.
A Bíblia Desmascarada volume II 110

O MITO DO HERÓI
Sempre que os fundamentalistas são
interrogados sobre o porquê da existência
humana; eles não têm uma resposta que
possa ser testada, e fabricam alguma ilusão
que ocupa as suas horas vagas.

Além dos deuses antigos terem sido metade Deus metade humano, algum herói previsto pelos
Oráculos, ou alguém que foi perseguido e incompreendido por ser diferente, mas que no fim
triunfou sobre os obstáculos e serviu de exemplo para os iludidos.

Os deuses dos humanos são os mesmos heróis psicológicos, com “máscaras” diferentes.
Ou seja, um arquétipo do inconsciente coletivo, e uma espécie de psiquê-social.

O progresso não é um fruto das revelações divinas, mas sim da dúvida; o conhecimento só pode ser adquirido
através das comparações e das observações.
E a “Teoria do inconsciente coletivo de Jung”, explica que a FÉ RELIGIO$A é uma necessidade ancestral, onde
após milhares de anos os fetiches moldaram o cérebro humano e o tornou receptivo aos sentimentos,
pensamentos e lembranças, que hoje são compartilhados por quase todos.

Jung chamou a fé do iludido de "ARQUÉTIPO", ou seja, um "modo" de funcionamento da "psique" que se


exprime através de CRENÇAS e alegorias explicativas.

Mesmo os iludidos estando separados pela Geografia e pelas Eras, eles usariam um "padrão de
transcendência" que tem o nome sugestivo de "Religião", e onde se "mitificam" os caminhos que poderiam nos
levar para patamares cada vez mais altos de "consciência". Sendo que os iludidos trocam as explicações
racionais pela crença em supostas Entidades com poderes infinitos.

As religiões dos iludidos são arquétipos que tende a se repetir "ad aeternum".
Pois quando o assunto é religião o cérebro do iludido não raciocina!

Por que em pleno século XXI, e com toda a memória acumulada ao longo do tempo por incontáveis gerações
de pensadores que estão ao nosso dispor, bem como, um gigantesco volume de informações e descobertas,
bilhões ainda continue acreditando em anjos, na Vida após a morte, no Inferno, no Diabo, no
CriaBURROcionismo ou em diversas outras crendices?

Já que para a Natureza centenas de anos são apenas alguns instantes, um dos “efeitos colaterais” das
tradições que, gerações após gerações, são regurgitadas pelas irracionais mitologias religio$as,
seria o ato de crer sem questionar.
O absurdo de fazer com que cesse toda e qualquer busca pela verdade, e conseqüentemente o
fato de se impedir qualquer evolução filosófica! 11
0

Mas os que têm consciência do que se passa; lembra-se do passado; projeta-se no futuro; junta
os acontecimentos; entende as coisas ou se desfaz de algum dogma; com o passar do tempo
terminaria por evoluir. Pois é evidente que no futuro, as crenças de hoje serão consideradas
meras ficções de humanos confusos, ou que andaram por um vale de sombras.
A Bíblia Desmascarada volume II 111

Nero não incendiou Roma, e em 64 d.C. o Coliseu nem existia!

Já que o Coliseu (também chamado de “Anfiteatro Flaviano”) só começou ser construído em 72 d.C, por
Vespasiano; foi inaugurado em 80 por Tito, e só foi terminado por Domiciano.
E considerando que na época do Nero (ano 64), se cultuava o Mandeísmo, o Essenismo, o judaísmo, a Deusa
Ìsis, a Deusa Cibele, o Deus Apolo, o Deus Sol Invictus, e a crença em Crestus.
Mas ainda não existia o CRISTIANISMO, e nem a IGREJA PARA TODOS; que só surgiu após Constantino
transformar o Deus Sol invictus no “Novo Messias”...
Fica provado que o Nero não mandou martirizar os “cristãos” no Coliseu Romano...
E que os cristãos usam o “INCÊNDIO DE ROMA”, o IMPERADOR NERO, e o COLISEU para aumentar a fé dos
cristãos; e VEM MENTINDO que “Enquanto o fogo queimava as casas dos romanos, o Nero tocava harpa”...

1-Plínio “O Velho” é o único historiador da época que menciona o “Incêndio de Roma”, mas diz apenas que o incêndio
durou 05 dias, e que foram destruídos 04 dos 14 Distritos da Cidade...

2-Flávio Josefo, Dião Crissóstomo, Plutarco e Epíteto, não mencionam o Incêndio...

3-Além da “ESTILOMETRIA COMPARADA” provar que o relato “deixado” por Tácito de Suetônio no livro, A vida dos 12
Césares, onde o Nero responsabilizou os cristãos e os martirizou no Coliseu de Roma, não passar de uma FARSA...
E os relatos de Tácito de Suetônio terem sidos desmascarados como interpolações forjadas pelos que tenta provar
a todo custo a “existência” de cristãos, antes do ano 70...
Como o Caio Suetónio Tranqüilo nasceu em 69 d.C, e o Incêndio aconteceu em 64, jamais o Caio Suetónio Tranqüilo
poderia ter “escrito” como “testemunha ocular” de algo que aconteceu 05 anos ANTES dele ter NASCIDO...

4-Mesmo que o incêndio de Roma (que destruiu apenas 04 dos 14 Distritos) tivesse sido causado por algum agitador, e
não sido apenas algum acidente, onde alguém deixou o fogo fugir do seu controle, o incêndio poderia ter sido provocado
pelos zilotas, pelos essênios, pelos terapeutas, ou pelos instigados por Crestus.

Foi o Nero que criou a Brigada de combate aos incêndios residenciais, e a primeira legislação para prevenir
que as Cidades viessem a sofre futuros incêndios.
Na Roma antiga os incêndios eram “comuns”, pois houve incêndios durante o reinado de Nero, em 64, em 69,
durante o reinado de Vitélio e em 80, durante o reinado de Tito Flávio Sabino...
Mas mesmo no dia 19 de julho de 64, o Imperador Nero se encontrando na Cidade de Antium, e não em Roma;
Como a pagã Roma só foi cristianizada no século IV, e o Nero é considerado a encarnação do “Anticristo”, e a Besta do
666, o cristianismo forjou que o Nero responsabilizou os cristãos pelo incêndio de Roma; e que mandou martirizar os
“cristãos” no Coliseu Romano...
Sendo que em 130 d.C. Irineu classificou Roma como sendo “A Cidade da Primeira e da Segunda Besta”, pois a Roma
antiga era “A Cidade das 07 colinas”; e o “Apocalipse” de São João predizia que, “O fogo derrotará a fera de 07
cabeças”...
11
1
O Incêndio não começou onde alguma sabotagem seria mais eficiente; e sim, a Sudeste do “Circo Máximo”,
onde havia um "camelódromo"; se vendiam produtos inflamáveis; e existiam centenas de cubículos, feitos de
madeiras; que eram ocupados por astrólogos e por prostitutas; que usavam o fogo para cozinhar, e para
iluminar o ambiente.
A Bíblia Desmascarada volume II 112

“A NEGAÇÃO DE PEDRO” seria uma fraude?


Como o Evangelho de Marcos, que foi o
primeiro Evangelho, não narra o nascimento
sobrenatural de Jesus; e não afirma que Jesus
é Deus; embora a vida de Jesus seja uma
“historia de pescadores”, e não uma
biografia, para suprir o Evangelho de Tome
afirmar que o discípulo ao assimilaras os
ensinamentos se torna igual ao mestre; o
João inventou a divindade de Jesus.
O Pedro ter negado Jesus por 03 vezes, e Jesus ter chamado o Pedro de "pedra de tropeço"; são apenas versões
do gênero literário “midráxico”, e seriam narrativas de caráter Sapiencial, que misturam fatos com lendas, para
fingir que Jesus existiu.
Pois a Bíblia está infestada de PERSONAGENS importantes ou de acontecimentos extraordinários, que são
usados como “provas” dos causos relatados.

A “morte” de um Deus que poderia reviver quantas vezes desejasse é muito estranha.
Se Jesus já saberia que o Pedro ia negá-lo três vezes; já saberia que o Judas iria trair-lo; e já
saberia quando, e quem iria matá-lo.

Além da pericope sobre o Pedro negar Jesus 03 vezes, ter sido inventada séculos depois do que
é narrado, e com o objetivo de impedir que os sofridos cristãos fraquejassem...
“A NEGAÇÃO DE PEDRO” é o nome que se dá ao episódio onde supostamente o Pedro teria
negado por 03 três vezes conhecer Jesus.

Durante a “Última Ceia” com os apóstolos Jesus teria afirmado ao Pedro que ele iria negar
conhecê-Lo; teria afirmado que ele o renegaria antes que o galo cantasse pela manhã; e teria
afirmado que o Pedro o negaria por 03 vezes...

A primeira negação do Pedro aconteceu logo após Jesus ter sido preso, e uma mulher ter
reconhecido o Pedro como sendo um dos seguidores de Jesus. Quando a mulher afirmou que:
“Este também estava com ele”, o Pedro negou, dizendo: Não o conheço, mulher.
A segunda negação do Pedro aconteceu quando uma criada tornou a dizer aos que ali estavam:
Este é um deles. Mas de novo o Pedro negou conhecer Jesus.
A terceira negação do Pedro aconteceu para diversas pessoas, é foi ainda mais enfática, pois o
Pedro acaba praguejando e jurando em falso.
Mas após o Pedro ouvir o galo cantar, ele se lembrou da profecia feita por Jesus sobre negá-lo
por 03 vezes. Esse incidente que é conhecido pelos cristãos como “O ARREPENDIMENTO DE
11
PEDRO”, não passa de uma tentativa de força o cristão continuar se agarrando a sua2 fé...

Como o Pedro morreu em 66 d.C. os ossos existentes no Vaticano do Petrós de


aproximadamente 130 d.C. seria uma fraude; até porque, a Igreja católica foi fundada depois do
ano 320 d.C. por Constantino.
A Bíblia Desmascarada volume II 113

São Pedro ter sido crucificado de CABEÇA PARA BAIXO é só um marketing


A versão do Nero ter crucificado São Pedro de
cabeça para baixo, é só uma pseudo-epigrafia.
Para forjar que Jesus existiu e imprimir um
caráter histórico ao que foi inventado, o Novo
Testamento usou a tática de anexar pessoas
famosas ou fatos marcantes do mundo real,
como tendo acontecido junto com as
mitologias religiosas.

Não existem provas de que os primeiros cristãos foram perseguidos, e os relatos de que os
“mártires” teriam sidos torturados, estão infestados de anacronismos e de contradições sobre
o que sabemos referentes à vida romana. Todavia como um causo repetido milhares de vezes
vira “verdade”, os relatos inventados pelos católicos capturou a imaginação do público de tal
forma, que muitos acreditaram nas crendices religiosas.
São Pedro não foi um Papa romano por 25 anos; a CRUZ INVERTIDA seria o símbolo do satanismo; e ao fazer
experimentos com cadáveres, o Da Vinci verificou que a versão do Bartolomeu sobre no ano 68 São Pedro ter
sido crucificado de cabeça para baixo, na colina Vaticana, não passa de fraude.

Embora o Coliseu (ou “Anfiteatro Flaviano”), só tenha começado ser construído em 72 d.C, (por Vespasiano, que usou o
butim retirado do Segundo Templo de Jerusalém); só tenha ficado pronto em 82 d.C. durante o governo de Domiciano...
O Nero tenha se suicidado em 09 de junho de 68.
E o Nero não tenha sido um perseguidor dos pouquíssimos Cristãos que existiam; para fingir que Jesus existiu,
a Igreja forjou que o Imperador Nero mandou torturar os cristãos no Coliseu...

Todavia se a existência do Nero provasse que Jesus Cristo de fato existiu, então a existência da Cidade de Nova Iorque e
do edifício Empire State Building provaria que a história do King Kong é real...

Os romanos não realizavam perseguições por diferenças religiosas; e o problema dos Imperadores romanos com os
cristãos foi apenas POLÍTICO, pois existia o culto à imagem do Imperador, que era visto como um semideus, a exemplo do
que ocorriam nas Monarquias helenísticas e com os faraós egípcios...
Sendo que os cristãos além de não respeitar as crenças de outras culturas, ameaçavam os romanos com o Inferno (como
faz até hoje os protestantes).

Mesmo assim, a Bíblia usa o marketing de fazer os primeiros cristãos de coitadinhos, e de venerá-los como vítima dos
“poderosos” romanos. Pois os iludidos NECESSITAM acreditar nas confortantes versões religiosas, e se elas são
verdadeiras ou lendas, isso é secundário.

A queima de incenso ante a imagem do Imperador era apenas uma prova de lealdade, como hoje seria cantar o Hino
Nacional, todavia os cristãos em nome de seu monoteísmo intransigente se recusavam participar das cerimônias onde o
Imperador romano era venerado, e em conseqüência dessa recusa, eles eram vistos pelas autoridades como súditos
infiéis ou insubmissos.
11
3
Quem se refugiava nas Catacumbas romanas eram os criminosos e fugitivos; e não os corajosos e fanáticos cristãos; mas
para convencer os iludidos de que Jesus era tão divino quanto os deuses que eles estavam deixando de acreditar, os
Evangelhos acrescentaram diversos detalhes fraudulentos as suas narrativas.

Segundo os historiadores Suetônio e Dione, a primeira tomada de posição do Estado Romano contra os Cristãos, foi uma
simples expulsão, e remonta a cerca de 50 d.C, quando o imperador Cláudio mandou expulsar os religiosos que estavam
continuamente em litígio entre si, por causa de certo “Chrestos” que estava sendo endeusado pelo povão.
A Bíblia Desmascarada volume II 114

O analfabeto PEDRO NÃO FOI NEM MESMO O PRIMEIRO “BISPO DE ROMA”.


Antigamente só os anciãos cultos e serenos exerciam a
liderança religiosa, e não algum indivíduo “cabeça-dura”,
impulsivo, rude, imprevisível, e analfabeto como o
mitológico pescador Simão. São PEDRO nunca esteve em
Roma. E tirando a Igreja Romana, as outras cristandades
nunca deram credito as mitologias inventadas sobre o
rude, casado, e analfabeto “Pedro coração de pedra”.

Embora o substantivo masculino Pedro (petros) não seja o mesmo que o feminino singular pedra (petra); como
Jeová teria deposto o Prefeito Sobna e dado a Heliacim as Chaves do Céu, sendo que se Heliacim abrisse as
portas do Céu ninguém as fecharia, e se as fechar, ninguém as abriria...
A Igreja Católica usou a lenda de Heliacim, a “ROCHA SAGRADA” do mitraísmo; o Deus PETRA do “LIVRO DOS
MORTOS”, que seria o guardião das chaves dos Céus; e a historia de Simeon para inventar o Arquétipo Pedro, e
fazer os católicos acreditarem que o Papa seria o representante máximo de Jesus aqui na Terra...

Ainda que o Apóstolo Simão tivesse sido chamado por Jesus, nos anos 30...
A versão do Anuário Pontifício afirmando que o Pedro começou o seu papado no ano 30, ou seja, 03 anos antes
do Dia de Pentecostes, e 03 anos ANTES de Jesus ter sido crucificado; não passaria de mais outra fraude.
A versão do Pedro ter sido o primeiro Papa, e o “Tu és Pedro, e sobre está pedra edificarei a
minha Igreja”; são artimanhas fabricadas no século II para ofuscar a imagem de Jesus Cristo.

Do ano 30 a 67 d.C. os cristãos romanos eram poucos, e o Paulo ter repreendido o Pedro na frente de todos,
depois que eles saíram da reunião, em Jerusalém (Gálatas 2:11), prova que o Pedro não foi Papa.

Em 14:34-42, Marcos questionou, EM QUEM DEVEMOS EXERCER A FÉ, A FIM DE OBTER


SALVAÇÃO, EM PEDRO OU EM OUTREM MAIOR DO QUE ELE?
São Lino 67 d.C a 76 d.C. não foi nomeado por Pedro como seu "sucessor", pois como o João continuou VIVO por
mais de 30 anos DEPOIS da morte de Pedro; e o João sendo um dos "12 Apóstolos de Jesus", ele seria
SUPERIOR a todos os outros que não fossem apóstolos.
Em 49 da era cristã, quem presidiu o “Concílio de Jerusalém” (o marco da ruptura do judaísmo com o
cristianismo), foi o ardiloso Paulo, e não o Pedro rústico e com coração de pedra; sendo que o Paulo foi
infinitamente mais importante para o cristianismo do que o descontrolado e analfabeto Apóstolo Pedro.
Os primeiros CONCÍLIOS ou Sínodos, como o Concílio de Jerusalém de 51, não reuniu todos os Bispos da Igreja,
pois foram reuniões de natureza apenas Regional.

Entre 56 e 58 Paulo escreveu a “EPÍSTOLA AOS ROMANOS” onde enviando saudações para 26 pessoas, mas o
Pedro sequer é mencionado.
Se Pedro tivesse sido o Papa de Roma, no ano 64, o Paulo não teria sido oficialmente executado.

Pedro é citado estando em Jerusalém (At.8:1), em Samaria (At.8:25), em Lida (At.9:32), na


Cesaréia (At.10:1), em Jope (At.10:5), e em Antioquia (Gl.2:11).
Porém até a morte de Pedro em 66, quando Lucas, supostamente mencionaria que o Pedro estaria
no episcopado de Roma; nada é dito sobre a estadia do Pedro em Roma. 11
4

Até 268 (Papa Dionísio), a hoje chamada “Igreja Católica” era apenas uma das diversas ramificações da antiga
Seita “O CAMINHO”, mas a Igreja Católica e o Anuário Pontifício falsificaram que teriam havidos 22Papas; e
que seriam, São Pedro, São Lino, Santo Anacleto, São Clemente I, Santo Evaristo, Santo Alexandre I, São Sisto I,
São Telésforo, São Higino, São Pio I, Santo Aniceto, São Sotero, Santo Eleutério, São Vítor I, São Zeferino, São
Calisto I, Santo Urbano I, São Ponciano, Santo Antero, São Fabiano, São Cornélio, e São Lúcio I.
A Bíblia Desmascarada volume II 115

Embora até o “Édito de Tolerância” de Galério de 311, os que cultuassem o essênio que deu origem a lenda
de “Jesus o Cristo” fossem PERSEGUIDOS, e se reunissem nas Catacumbas, ou nos Altares de adoração.
Ainda não existissem “Igrejas” Católicas; pois “Igreja Católica” foi fundada em Nicéia, em torno de 326, sendo
que na época o “Papa” Silvestre I recusou-se ir a Nicéia, discordou que o Concílio de Nicéia fosse convocado
pelo Imperador Constantino; e não sabia que a Igreja Católica estava sendo fundada.
Basílica de São Pedro só tenha sido construída na primeira metade do século IV; pois antes ela era a antiga
Basílica de Constantino.
A versão sobre a existência dos 22 primeiros Papas não passe de uma mentira intencional; pois o primeiro
Papa a ser eleito por seus “PARES” foi Leão Magno I, em 440 d.C.
Os “Papas” anteriores a Leão Magno tenham sido tudo, menos abnegados, estariam comprometidos com
algum poderoso IMPERADOR, e mais voltados para a FAMA, o PODER, as VITÓRIAS, e as RIQUEZAS, do que à
pregação de alguma fé genuína.
O título de PAPA (Bispo Universal de todas as Igrejas cristãs), só tenha sido criado entre 602 e 610, pelo
Imperador Flávio Focas Augusto; e dado ao Bispo de Roma Bonifácio III, com o objetivo de se vingar do Bispo
Ciriacus de Constantinopla, que o havia excomungado.
E no inicio os peregrinos fossem a Roma para conhecer o falso “Véu de Verônica”, e não para cultuar o
analfabeto “São Pedro”.

Hoje se afirma que o “Colégio Apostólico”, que se chamava "Filhos do trono", foi fundado por volta de 42 d.C.
por “Tiago O Justo”; ou que a antiguíssima Seita Ortodoxa Armênia, teria sido fundar por Judas Tadeu, filho de
Alfeu, nascido em Caná de Galiléia, e que a Seita Ortodoxa Armênia, teria sido o primeiro Templo cristão.

Em 397 d.C. durante o Sínodo de Cartago, São Cipriano Bispo de Cartago inventou o titulo de “Bispo
dos Bispos”, “Episcopus Episcoporum”; e quando o Império Romano desabou, os Papas passaram a se
auto-intitular “Máximo Pontífice”.

No “Livro de Hebreus” e no “Atos dos Apóstolos”, é relatado que Jesus desejava distribuir o poder entre os 12
Apóstolos, e não fundamentar o poder num líder supremo, absoluto e infalível.

A personagem Jesus nunca deu poderes para que alguém se achasse INFALÍVEL, como no conveniente dogma
católico da “Inefabilidade papal”; e a própria Bíblia afirmou que:
"Não chameis outro alguém de PAI, e sim aquele que esta no céu".

Como o Pedro era tio do Marcos (que escreveu um dos Evangelhos), mesmo o Pedro tendo negando Cristo por
03 vezes, e tendo abandonado Jesus, o Pedro escapou de entrar para a história como traidor.

Para consertar o absurdo dos apóstolos terem ido evangelizar sem saber falara a língua local, como aconteceu
com o Bartolomeu (Natanael) que foi evangelizar na Índia sem saber falar o indiano; o Papa Dâmaso permitiu
que São Jerônimo colocasse na Vulgata a lenda do Espírito Santo ter pousado sobre os apóstolos, e todos
começaram a falar em diversas línguas.

Até 382 d.C. não existia o causo onde no “Dia de Pentecoste” línguas de fogo pousaram sobre cada um dos
apóstolos, que começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito os capacitava...
E nem poderia ter acontecido o absurdo onde devotos vindos de todas as Nações do mundo, chegaram para
ouvir os DISCÍPULOS de Jesus... 11
5

Seria impossível que ANTES dos discípulos de Jesus terem saído pelo mundo pregando o Evangelho, os devotos
dos Países distantes já tivessem chegado em Jerusalém para ouvir os discípulos de Jesus.
Embora a Bíblia afirme que o Espírito Santo não curte gritarias, ou desordem, quando estão juntas as mulheres
que “falam em línguas”, é um ridículo “repleplé” onde o religioso fala todo embolado um blá bla bla que ninguém
entende, e que não passa de uma gritaria!
A Bíblia Desmascarada volume II 116

Só 18 horas é pouco para todos os causos “acontecidos” com Jesus


No livro "THE MISTERY OF THE LAST SUPPER", Colin Humphreys da Universidade de Cambridge,
depois de CRONOMETRAR o que se encontra nos Evangelhos alegou que:

É impossível que Jesus tenha sido PRESO a meia noite.


LEVADO para a casa do sumo Sacerdote Caifás.
LEVADO para a audiência no Pretório, e sido “INQUIRIDO”.
LEVADO ao Prefeito Pilatos.
LEVADO ao Governador Herodes.
DEVOLVIDO ao Pilatos.
Sido ESPANCADO e o povo tenha preferido soltar Barrabás.
Jesus tenha passado pelas 15 Estações da Via Sacra, onde CARREGOU a cruz, foi CRUCIFICADO,
PERMANECEU na CRUZ por 3 horas, mas foi RETIRADO da CRUZ, por José de Arimatéia.
Se tenha esperado o José voltar da Cidade onde foi comprar mortalhas.
E Jesus tenha sido SEPULTADO antes da noite começar.

Tudo em MENOS de 18 horas corridas, segundo a Lei romana, com a cumplicidade do mais
civilizado TRIBUNAL da época; sem que o Acusado tenha tido o direito de contar com a
Assistência Jurídica de algum DEFENSOR; e sem que houvesse um PRAZO para que o réu
pudesse se manifestar.

A pressa, as falhas processuais, as irregularidades, o “Julgamento” viciado, o acusado


não ter contado com Testemunhas a seu favor, a EXECUÇÃO PRECIPITADA, e ter havido
unicamente Testemunhas de acusação, fariam com que o Julgamento iníquo (injusto), de
Jesus fosse anulado.

Além do causo Jesus ter sido o PROCESSO CRIMINAL, a SENTENÇA, a EXECUÇÃO, e a MORTE
mais rápida da história jurídica romana.

E os relatos Evangelhos serem versões de segunda ou terceira mão, que foram escritos quando
os que conheceram Jesus já haviam morrido.

Na versão bíblica o decidido, sanguinário, cruel e disciplinado Pôncio Pilatos é apresentado


como alguém tão influenciável, relutante e fraco, que teria cedido às pressões dos clérigos para
crucificar Jesus...
E tanto na Igreja Copta, como em igrejas da Etiópia, Pilatos é considerado um homem SANTO.

Como os absurdos bíblicos foram inventados por uma Igreja, que por ser romana, não poderia
explicar aos fiéis a morte de Jesus Cristo pelas mãos do Império que ela representava.
11
6
Embora a versão de que os romanos libertariam criminosos durante a Páscoa judaica seja um
absurdo; e não tenha lógica que o povo hebreu tenha preferido soltar Barrabás; até hoje a
Bíblia alega que o Pilatos teria procurado todas as formas de pôr Jesus em liberdade...
A Bíblia Desmascarada volume II 117

Por que Jesus teria “morrido” com 33 anos?

O número 33 é um NÚMERO MESTRE, um número ESOTÉRICO, um número VIBRACIONAL, o


número da MAÇONARIA, do OCULTISMO, da “MALDIÇÃO DA MORTE AOS 33 ANOS” de idade, o número da
IDADE PERFEITA, o número cabalístico da PLENITUDE, da SANTIDADE, etc.

Pois o número 33 possui dois algarismos iguais; e reforça as vibrações do número mágico 3; o que
potencializaria as características do mesmo, como se a influência do número 3 “dobrasse” de potência.

Vários heróis ou Arquétipos enfrentaram grandes desafios ou mesmo morreram aos 33 anos de
idade; pois Pelo fato de tanto Alexandre “O Grande”, como Mitra, Bel, Horús, Krishna, e
Tammuz, terem morrido aos 33 anos, se inventou que o Arquétipo Jesus teria sido crucificado
aos 33 anos...

Como as antigas “TRINDADES” eram formadas pelos Deuses do CÉU, da TERRA e das ÁGUAS...
Os deuses Sol “ressuscitavam” 3 dias depois de morto...
No CICLO SAZONAL os vegetais “morrem” no INVERNO, mas RENASCEM 03 meses depois, na PRIMAVERA.
Devido os antigos acreditarem que o mundo teria apenas 3 Dimensões, (Altura, Largura, e Profundidade), na
mitologia babilônica do ADÃO e LILITH, o ADÃO teria sido criado com a aparência de 33 anos...

Jesus não passaria de uma remodelagem do Sol que “morre” em 22 de dezembro, mas que renascer 03 dias
depois (em 25 de dezembro).

Se a ressuscitação de Jesus foi ESPIRITUAL Jesus não poderia ter “COMIDO PÃO”, como fez em João 21;15, e
Tomé não poderia ter EXAMINADO J Esus...

Se o corpo FÍSICO de Jesus REVIVEU, Jesus não teria SUBIDO ao Céu, porque “CARNE E SANGUE NÃO
HERDARÃO O REINO DOS CÉUS”.

Para fabricar “Jesus Cristo” foram usadas lendas como a do BEL, o Deus supremo dos babilônicos que foi traído,
aprisionado, julgado, crucificado junto com 02 criminosos, e sepultado...
Mas que 3 dias depois de morto teria “RESSUSCITADO”...

Num “ATO FALHO” ou lapso freudiano, típico de quem faz afirmações falsas; Mateus em vez de ter dito “Jesus
ESTEVE três dias e três noites no seio da terra”; disse que, “Jesus ESTARÁ”, apesar da palavra “ESTARÁ” se
referir a algo que ainda SERÁ realizado, e não algum acontecimento do PASSADO.
11
7
Embora os saduceus, os ebionitas, e os essênios fizessem os seus cultos diante de estátuas de Ísis
amamentando o filho Hórus, e venerassem a crucificação do “CORDEIRO DO MITRAÍSMO”, e não de
“JESUS CRISTO”, quem alastrou a lenda de Jesus Cristo absorveu e incorporou diversos rituais pagãos ao culto
de J Esus.
Desmascarando a Bíblia Volume II
118

O PENTÁCULO É ASSOCIADO À MAGIA E AO OCULTISMO

O Pentáculo, Estrela Flamejante, ou Estrela de 05 pontas, é um antiguíssimo símbolo associado


à Magia, ao Ocultismo, e à Bruxaria; ele representa os 05 sentidos (o Tato, a audição, a visão, o
olfato, e o paladar), e AJUDARIA estabelecer a comunicação da alma com o mundo material...
O Pentáculo é o símbolo da unidade cósmica, ele representa a união dos 4 Elementos
(Terra, Água, Fogo, e Ar) ao Quinto Elemento, Quintessência, ou Princípio Vital...

Quando invertido o Pentáculo da Cabeça do Bode é o símbolo pagão da demonologia; ele


esconde o número 666, é o símbolo da Maçonaria, e virou o “selo de Salomão”...

O Pentáculo é um canal de receptividade da Energia Cósmica; um instrumento de trabalho


ritualístico usado em rituais de magia; é um símbolo gráfico dos planetas e dos seres
espirituais que regem e dirigem os corpos planetários...

O Pentáculo é infinitamente mais antigo do que o cristianismo; e à cerca de 5000 anos o


Pentáculo já era usado na Suméria, pois a humanidade sempre teve necessidade de “captar” as
forças da natureza, e de se proteger das dificuldades.

A ponta de cima do Pentáculo representa o ESPÍRITO, a ponta esquerda superior o


AR, a direita superior a ÁGUA, a esquerda inferior a TERRA, a direita inferior
o FOGO, e o círculo representa a UNIÃO de todos estes elementos...

O selo de Salomão é o Pentáculo de 5 pontas; já a Estrela de 6 pontas representa o Pai de


Salomão, o Rei Davi; pois apesar da Arqueologia ter provado que a estrela de 6 pontas
(Hexagrama) tem origem nas lendas pagãs anteriores ao cativeiro babilônico, os judeus
transformaram esse antigo símbolo pagão no Escudo supremo do Rei Davi, e mais tarde no
símbolo do Estado judeu.

Ao sobrepor os dois triângulos (o triangula superior com o triângulo inferior), os antigos


fizeram surgir o HEXAGRAMA ou Estrela de 06 pontas dos tempos imemoriais, que significa
“Assim no Céu como na terra”, e que é um símbolo da Cabala.
11
8
O Triângulo com o vértice para CIMA era um antiguíssimo símbolo pagão, que representava o
elemento MASCULINO e o CÉU; já o Triangulo com o vértice para BAIXO era o símbolo
FEMININO, representa a TERRA, e invocaria as forças do mal, pois o Pentáculo invertido
representa o plano físico acima do plano espiritual.
Desmascarando a Bíblia Volume II
119

Nas dissertações bíblicas, o cabalístico número “3” repete-se mais de 50 vezes, pois:
Para que haver criação é necessário 3 (três) forças, uma masculina, uma feminina e outra que as concilie…
Jesus “nasceu” no 12 mês...
Jesus teve 3 “PAIS”, o biológico (Soldado Pantera), o padrasto José, e o pai celestial...
Quando Jesus tinha 3 dias de nascido, 3 MAGOS (Melchior, Baltazar e Gaspar), o visitaram...
O recém nascido Jesus recebeu 3 PRESENTES...
Aos 12 ANOS Jesus se perdeu, mas foi encontrando 3 DIAS depois, discutindo com 12 anciãos...
Jesus começou a pregar com 30 ANOS, e foi “BATIZADO” aos 30 ANOS...
Jesus foi tentado no deserto 3 VEZES pelo Diabo...
Jesus teve 12 APÓSTOLOS...
Jesus pregou por 3 ANOS...
Jesus reviveu 3 pessoas (o filho da viúva de Naim, a filha do Jairo, e Lázaro)...
Aos 33 ANOS Jesus foi traído por Judas, em troca de 30 MOEDAS...
Antes do galo cantar 3 VEZES Pedro NEGOU Jesus por 3 VEZES...
Jesus foi Julgado por 3 AUTORIDADES (SINÉDRIO, HERODES, e PÔNCIO PILATOS...
Jesus foi crucificado ao lado de outros 2 condenados; com 3 CRAVOS, aos 33 ANOS...
A placa INRI foi escrita em 3 línguas, latim, grego e hebraico...
A crucificação de Jesus durou 3 HORAS...
Jesus foi retirado da cruz às 3 HORAS da tarde...
Jesus “Morreu” com 33 anos, no dia 3 de Abril, do ano 33, às 3 horas da tarde...
Quando Jesus morreu houve 3 três HORAS de trevas... Depois de 3 DIAS Jesus ressuscitou...
Jesus seria 3 ENTIDADES numa só...
Os SÍMBOLOS do CRISTIANISMO foram TRÊS: os três círculos concêntricos, os CRISTOGRAMAS criados por Constantino, e
a CRUZ que virou a logomarca do cristianismo...
Os “causos” referentes a Jesus se passaram em 3 Cidades (JERUSALÉM, BELÉM e o Vilarejo de DAYR YASIN)...
Seriam 3 as etapas da vida (no ventre, na Terra e no mundo espiritual);
A Trindade é formada pelo Pai, o Filho e o Espírito Santo...
Jesus passou 3 DIAS no Inferno...
O Mundo teria sido “construído” em 6 dias de “TRABALHO DIVINO”...
O Ano tinha 12 MESES lunares, de 30 dias... O dia tinha 12 HORAS diurnas...
As tribos hebraicas seriam 12...
As constelações do Zodíaco são 12, e as estações do ano eram divididas em 3 fases, Primavera, Verão e Inverno.
3 seria o número do “ERRO IMPERDOÁVEL”...
O número da Besta seria 3 números 6 (6 6 6)...
1/3 dos Anjos teriam se rebelados...
Os 3 dias de escuridão do Êxodo 10:21-23, e do Apocalipse. Moisés foi o 3 filho de Amram e Jocabed
Por 3 anos, Amram, que já tinha os filhos Aarão e Miriã, afastou-se da mulher Jocabed...
3 meses após Amram voltou, Jocabed engravidou do terceiro filho, a quem chamou Moisés...
Moisés mandou executar 3 mil que adoraram o bezerro de ouro...
Moisés morreu com 120 anos...
No SEXTO mês da gestação da Isabel o anjo Gabriel apareceu para a Mãe de Jesus...
Quando ENGRAVIDOU a Maria tinha 12 ANOS...
A quantidade mínima de pessoas para uma decisão em grupo são 3...
O destino dos mortais seria moldado por três Moiras chamadas Cloto, Láquesis e Átropos...
A Oração “Pai Nosso” é dividia em 3 partes: INVOCAÇÃO, ENTREGA, e AGRADECIMENTO...
Saulo de Tarso ao cair do cavalo ficou 3 DIAS desacordado...
A Septuaginta foi escrita em 72 dias, por 72 sábios (06 de cada uma das 12 tribos)...
Noé teve 3 filhos: JAFÉ, SEM e CÃ... Noé teria soltado 3 pássaros, com intervalos de 7 dias...
A evolução intelectual passa por três estados: o TEOLÓGICO, o METAFÍSICO, e o CIENTÍFICO... 11
9
A Maria “ACORDOU” da sua dormidação ao terceiro dia, e os anjos a transportaram para o Céu...
Quando grávida a Maria teve a Trindade no seu útero...
O “TERÇO” é uma oração completa, e abrange 3 partes, a oração vocal, a meditação e a contemplação dos mistérios de Deus.
Após passar 3 dias e 3 noites no ventre de um peixe, Jonas foi vomitado na Praia...
Elias orou para que não chovesse; e durante 3 anos não choveu sobre a Terra...
Se você se chocou com o que leu, é melhor bater 03 vezes na madeira para isolar o azar...
Desmascarando a Bíblia Volume II
120

A Trindade cristã seria um “$ERIAL K I LL E R”, com tripla personalidade?

Já que o JURÁSSICO Deus Javé era um PAI cruel, sádico, machista, homofóbico, pedófilo, genocida, e
megalomaníaco...
O TALARICO Espírito Santo é tão vingativo que “Qualquer um que blasfemar contra o Espírito Santo, nunca
obterá perdão”...
E a mórbida ameaça de punição no fogo eterno do Inferno (para os que não fizerem de Jesus o seu salvador),
provaria que o Deus FILHO Jesus também é outro Arquétipo vingativo, de infinito ódio, e com infinita
crueldade...
Fica comprovado que TUDO o que se refere aos DEUSES, inclusive a tenebrosa Trindade cristã
não passam de mitologias ou de crendices puramente ficcionais, onde se utiliza uma quadrilha
de psicopatas, ou de um $erial K I LL E R com tripla personalidade, para escravizar os Operários
descartáveis, colocar medo nos povos primitivos, e “confortar” os com baixa inteligência
intrapessoal.
Pois TUDO o que se refere aos DEUSES inventados pelos humanos não passa de mitologias, ou
de crendices puramente ficcionais, que são compartilhadas pelos que ainda NECESSITAM seguir
alguma ultrapassada crença religiosa.

Tenha fé no “Deus único” e leve uma Trindade com 3 deuses


Já viu aquelas promoções tipo, Pague 1, e leve 2; pois na Bíblia é acredite em 1 único Deus e fique com 3.

Pois além do Deus bíblico ser do tipo 3 em 1; ou seja, o PAI, o FILHO, e o ESPÍRITO SANTO; o Deus bíblico sofre
de um mega “TRANSTORNO DE PERSONALIDADE” do tipo Tripolar.

O sanguinário Deus PAI determina:


“Se alguém de convidar para servir a outros deuses, nem tu, nem teus pais, concordarás com ele, nem o
ouvirás; não olharás com piedade, não pouparás, nem o esconderás, mas, certamente, o matarás. A tua mão
será a primeira contra ele, para o matar, e depois a mão de todo o povo. Apedrejá-lo-ás até que morra, pois te
procurou afastar do Senhor, teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão...”

Já o pacifico Deus FILHO, plagiou tanto do Faraó Akenaton, como do Buda, o ensinamento de que “DEVEMOS
PERDOAR OS NOSSOS INIMIGOS”...

E o Talarico ESPÍRITO SANTO não estar nem ai para as ordens de “NÃO COBICE A MULHER DO PRÓXIMO”...

Já que 1X1X1 continua sendo 01; matemática e biologicamente falando, a suposta TRINDADE
divina, onde o Deus cristão seria o Espírito Santo; seria o Deus “PAI”, e seria o primogênito de
si mesmo; não passa de outro paganismo disfarçado de cristianismo, e não algum inefável
mistério divino; onde o Arquétipo Jesus teria 2 pais (que seriam o Espírito Santo, e o Deus pai).

O conceito da Trindade foi plagiado da antiga Tríade Babilônica, onde Tiamat (o mar que gerou
12
a vida), o Deus-sol, e a Deusa-lua eram adorados como uma Tríade divina. 0

A Trindade cristã é uma doutrina onde o Deus do Novo Testamento seria três pessoas co-iguais:

O “Pai”, o “Filho” e o “Espírito Santo”, sendo que todos sempre existiram, e nenhum deles terá fim...
Desmascarando a Bíblia Volume II
121

Pela doutrina da Trindade, embora o Pai seja Deus, o Filho seja Deus, e o Espírito Santo seja Deus, mesmo
assim, só haveria um único Deus; e os 3 Deuses não poderiam se desmembrar um do outro...

.
Para resolver o problema de que Jesus esteve preso as necessidades da carne, Quintus Septimius Florens
Tertullianus, conhecido como Tertuliano (160 a. 220 dC), usou a TRINDADE de outras religiões para criar a
TRINDADE cristã. O Bispo Atanásio de Alexandria (295 a 373) defendeu a versão da Trindade cristã.
Constantino ordenou que a doutrina da "Santíssima Trindade" fosse incorporada ao cristianismo

Em 381, o Papa São Damaso decretou o dogma da “Santíssima TRINDADE”.


E em vez de se continuar invocando os títulos, ou o antigo nome do Deus judeu, passou-se a
homenagear o novo Deus Cristão, recitando: “Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo".

Além da Trindade Cristã ser uma doutrina POLITEÍSTA, uma tríade com três deuses, e não um
MONOTEÍSMO, que seria a crença na existência de apenas um só Deus.
A Trindade Cristã seria cópia de TRIADES mais antigas, onde os Deuses primordiais assumiriam
3 FORMAS DIFERENTES, composta pelos: Deus-Pai, o Deus-Filho e o Deus-Espírito Santo, que
são autônomos, mas agem em cooperação, são Co-iguais, Co-eternas, e Co-substanciais; mas
não sendo três deuses, e sim, um Deus-Tríplice, ou Triúno.

Se a TRINDADE existisse para quem Jesus teria rezado uma noite inteira?
E como Jesus pediria a ajuda do Pai, ou do Espírito Santo, se ambos seria ele mesmo?
Durante o Batismo o “Espírito Santo” teria descido sobre si mesmo?

A versão de que Jesus Cristo é um “Deus triúno” não tem lógica, pois Jesus Cristo é apenas um Arquétipo que
NASCEU, CRESCEU e MORREU.

Além disso, enquanto o “Espírito Santo” e o Deus “Pai” são eternos, e comanda o Universo, Jesus seria alguém
que só nasceu após 42 gerações, esteve preso as necessidades da carne, teve filhos, viveu e MORREU...

Já que o FILHO não nasce ANTES da MÃE, ou na MESMA época que o PAI, a Trindade cristã não passa de
crendice, pois caso Deus, o Espírito Santo e Jesus fosse uma Trindade, Jesus Cristo teria mediado em causa
própria, oferecido a si mesmo em sacrifício, fecundado a própria mãe e fingido morrer.

Jesus Cristo nunca disse que era Deus, e em João 14:28, o próprio Jesus afirmado que, "O Pai é maior do que eu”.

Por que Jesus seria o ÚNICO MEDIADOR, se a Trindade também é composta pelo Pai, e o Espírito Santo?
Se Jesus fosse parte do Deus criador, Lúcifer não proporia que Jesus o adorasse e lhe jurasse obediência!

A mitologia sobre as tentações do Demônio são muito estranhas, afinal o que o Diabo poderia ofereceria ao
Deus J Esus, que Ele já não tivesse?

12
1
Desmascarando a Bíblia Volume II
122

A TRINDADE CRISTÃ É CÓPIA DE TRINDADES ANTERIORES


Mesmo em Deuteronômio 6:4 Deus sendo
um só, não três! “Escuta, ó Israel: Jeová,
nosso Deus, é um só Jeová.”
E em 318 Ário provando que Jesus era
INFERIOR ao Deus Pai; o Papa Constantino
e os Bispos reunidos em Constantinopla,
criaram a 3ª Pessoa da Trindade cristã.

A Trindade cristã seria uma idolatria que minimizaria a bondade de Jesus; se Jesus e YHWH são uma mesma ENTIDADE;
então Jesus seria tão assassino quanto o sanguinário "Deus dos exércitos", e faria parte da mesma tramóia...

Deus seria um mentiroso, pois Ele disse que mandou o seu filho, mas foi ele que veio disfarçado de filho
unigênito; a “Reforma Protestante tentou corrigiu o que não se encaixa, já os católicos mesmo não conseguindo explicar
a Trindade cristã, alegam que não devemos tentar entender o mistério da Trindade, e sim, apenas crer na Trindade...

Se Jesus é Deus, como Satanás poderia oferecer o mundo para o seu próprio dono?

O Código Canônico afirma que os 3 são iguais em poder e importância no céu, porem no capítulo 14 versículo
28, segundo a Epístola de João o senhor Jesus disse que "O PAI É MAIOR DO QUE EU..."

Se a SANTÍSSIMA TRINDADE é verdadeira, por que no céu existe apenas 2 tronos; o de Deus, e o do seu Filho
Jesus a direita de Deus?

Como na Torá YHWH é um Deus cruel e tirano, mas no cristianismo Ele mandou seu único filho salvar a humanidade...
Em 1976, na ”História do cristianismo, “Paul Johnson argumenta que a ascensão cristã não foi acidental, mas sim, o
resultado de tanto o paganismo como o Politeísmo terem sido substituídos por um Deus monoteísta...

Já que os deuses têm um “Prazo de Validade”, quando a Era de CARNEIRO foi substituída pela Era de PEIXE, surgiu à
oferta do “Tenha fé num Deus único, e leve uma Trindade com três deuses”...

Além do cristianismo ser apenas uma mitologia, uma doutrinação e não fatos ou a realidade, pelo que é mostrado no
livro “A Bíblia Desmascarada”, fica evidente que Jesus Cristo nunca existiu.

As versões sobre a suposta vida de Jesus Cristo, sua “morte” e sua “ressurreição” que chegaram até nós, seriam meras
colagens de antigos mitos egípcios e babilônicos, com pitadas do Antigo Testamento, para dar aquele saborzinho judaico.

Apesar do cristianismo derivar do judaísmo, que é estritamente unitário; e embora em nenhum lugar do “Velho
Testamento” seja revelado o nome do suposto “Espírito Santo”, através de Decretos a Igreja foi aos poucos impondo a
doutrina da “Santíssima Trindade”, e forçou o povo acreditar na Trindade Cristã.

Na prática Jesus seria tão falso como Osíris ou Baal, que também morreram e “ressuscitaram”; pois do culto dos Essênios,
das velhas lendas pagãs, do “Deus Sol Invictos”, e da crença dos Imperadores Diocleciano e Constantino surgiu um novo
Deus, um novo mito, uma nova religião, um “Novo Testamento”, e o CORDEIRO virou o PEIXE Jesus Cristo.
12
2
Até porque o “Deus Sol Invictus” dos soldados estava ficando muito popular na região dominada pelos romanos, o Deus
Apolo estava fora do Prazo de Validade, e se passou da Era Astrológica do CARNEIRO para a Era de PEIXE.
Desmascarando a Bíblia Volume II
123

Jesus seria o “lado bom” do Serial killer YHWH?

O símbolo da Triquetra antecede o cristianismo, a "Triquetra" é três partes interligadas com o símbolo do
peixe, formando uma Trindade.
Sendo que cada parte é uma Entidade INDIVIDUAL, independente e com PERSONALIDADE própria.

A Triquetra é um talismã de origem celta, que representa a Vida, a Morte, e o Renascimento; usado no Cristianismo, na
Magia, e na Wicca; ele representa as 3 faces da Grande Mãe, criadora do universo, cujas três faces são a Virgem, a Mãe e
a Anciã; representava as estações do ano, que antigamente era dividido em 3 fases, Primavera, Verão e Inverno.

Além da palavra “TRINDADE” não fazer parte da Bíblia hebraica, que é Monoteísta; os Profetas bíblicos jamais terem
reverenciado algum Deus três em um; e a Trindade católica ser só um mito pagão, que foi incorporado ao falso
cristianismo; ALGUNS católicos, DIVERSOS protestantes, MUITAS Testemunhas de Jeová, e TODOS os ateus, não
acreditam na Trindade do Pai, do Filho, e do Espírito Santo.

Os três deuses primordiais da Suméria foram: O Deus das ÁGUAS NETUNO ou “EA”, o Deus da TERRA ENLIL, e o
Deus do CÉU ANU.
Na Babilônia a trindade mais conhecida é: EA, LISTAR e TAMUZ; na Índia- BRAHMA, VISHNU e SHIVA; no Egito- OSÍRIS,
ÍSIS e HÓRUS; na China- BRAHMA, SHIVA e BUDA; na Pérsia- OZMUD, ARIHMAN e MITRA; na Germânia- VOTAM, FRIA e
DINAR; na Grécia- ZEUS, DEMÉTER e Dionísio; em Cantam BAAL, ASTARTÉ e ADÔNIS; na Umbanda ZAMBY, YEMANJÁ e
OXALÁ; nos Celtas VOLTAN, FRIGA e DINAS; e no cristianismo o "PAI, o FILHO e o ESPÍRITO SANTO.

Na Torah não existe Trindade, a Trindade não é uma “revelação” fornecida por YHWH, BAAL ou mesmo Javé.
Outra coisa, caso Jesus tenha sido gerado num ventre contaminado pelo Pecado Hereditário, tenha nascido depois da
Virgem Maria, ou tenha “vivido” e “morrido” num espaço minúsculo do infindável tempo, é evidente que “Jesus Cristo”
não poderia ser um Deus triúno.

Na Bíblia hebraica existem mais de 40 referências a Asherah, e Inscrição em hebraico do ano 800 a.C. pede a benção de
Javé e sua Asherah.

Antes dos hebreus se tornarem monoteísmo, o Deus Yahweh fazia parte de um panteão de Deuses e Deusas, e o Deus El
também foi adorado ao lado de sua consorte Asherah, mas após o cativeiro babilônico, o culto a Asherah foi reprimido...

Embora quando o Genesis fala no plural, "Façamos o homem a nossa imagem", ele esteja apenas remodelando a lenda
anterior da deusa Asherah. Os cristãos alegam que o “FAÇAMOS” no plural de Gn 1,26, quem estaria com o Deus YHWH
seria a Trindade do "PAI, FILHO e ESPÍRITO SANTO”...

Mesmo que o “FAÇAMOS” bíblico não fosse o chamado "Plural majestático", e a trindade bíblica não fosse apenas uma
cópia de trindades mais antigas, o fato dos três Deuses serem diferentes, e o “Espírito Santo” ser apenas uma força do
12
Criador, e não é um ser autônomo, impossibilita que a trindade bíblica seja real! 3
Desmascarando a Bíblia Volume II
124

O QUE o Tetragrammaton “INRI” TEM A VER COM TERRA, AR, FOGO E ÁGUA?

Como os antigos desconheciam o


ÁTOMO, e desconheciam os
elementos da TABELA PERIÓDICA,
eles imaginaram que o mundo fosse
formado por 4 elementos, A ÁGUA a
TERRA, o FOGO e o AR.

A milenar palavra INRI significa “IGNIS NATURA RENOVATUR INTEGRAM”...


“A Natureza é renovada pelo fogo”.
Pois quando o Uno se desdobra em 2 surge o fogo que cria, destrói e volta a criar.

Ao contrário do que os evangelhos alegam, o acrônimo “INRI” é muitíssimo anterior a


personagem “Jesus Cristo”, e tem diversos e profundos significados.

Milhares de anos antes da personagem Jesus Cristo ter sido inventada, o Tetragrammaton
“INRI” já era utilizado em rituais de invocação, como talismã, como AMULETO, e como
MANTRA, para “DESPERTAR” os devotos de diversas crenças.

Os babilônicos, os egípcios, os Essênios, os Ebionitas, os Pársis, os Maias, os Astecas e os Incas,


tinham acrônimos ou abreviações pronunciáveis, referentes aos 4 Elementos Astrológicos, que
seriam:

A ÁGUA, o FOGO, a TERRA e o AR, sendo que na língua dos alquimistas (Iam) seria a Água;
(Nour) o Fogo; (Ruach) o Ar; e (Labe Shah) a parte sólida da terra.

Uma das origens da Trindade cristã seria a mitologia de se Criar com o poder da palavra, de se
criar com a palavra solar, ou criar usando “palavras mágicas”, como o “Abracadabra”.

Na Cabala e na tradição ocidental esotérica, as letras YOD, NUM, RESCH, YOD, que, pelo
alfabeto latino se traduz por INRI, eram usadas pelos adeptos da Alquimia Critica, da
manipulação do Fogo sagrado que regenera os elementos naturais: Ar, Fogo, Água e Terra.

Como os antigos seguidores da Cabalá precisaram representar o sagrado e impronunciável


nome de Deus, mas sem que o “Segredo IAO” fosse velado, uma das formas foi usar o
Tetragrammaton “INRI”, onde o fogo consome e purifica.
12
4
“Tetragrammaton” é um símbolo formado por letras, representações gráficas, ou combinações
que se utiliza como amuleto.
Desmascarando a Bíblia Volume II
125

Ao que tudo indica o "movimento de livre acesso ao conhecimento


científico" vem ganhando força pelo mundo.

O boicote a uma das maiores editoras de divulgação de periódicos, a Elsevier, já consta com
mais de 5000 assinaturas num abaixo assinado proposto pelo matemático Tyler Nylon

Além do conhecimento cientifico só ser absorvido pelos cérebros que estão preparados para
trocar as crendices religiosas pelo experimento e a realidade, não importa o grau de
conhecimento que uma fração da humanidade possua; a grande maioria dos religiosos
continuará vivendo no mundo do faz de conta; da fé sem lógica, e alheia ao conhecimento
descoberto pela ciência, simplesmente porque eles não conseguem aceitar que morreu acabou.

Até porque, a maioria dos humanos ainda não possua o equilíbrio emocional, e o
discernimento necessário para entender que a Bíblia é só uma invenção fabricada com o
propósito de controlar os humildes, e os sofridos...
E um jeito primitivo de manter o povo conformado, ainda que vegetando numa Matrix onde a
incomoda realidade é substituída pelos mitos religiosos...

Grandes pensadores como Giordano Bruno, Galileu, e Freud já explicaram que embora a mente
inferior dos poucos exigentes, mal informados, ou fundamentalistas ainda se agarre nas
jurássicas crendices religiosas, um dia os humanos aprenderão que a maior virtude do homem
é raciocinar, e não obedecer.

Quando um ateu critica as supostas ações que os devotos atribuem ao seu imaginário Deus, o
ateu não estaria criticando algo que ele nem acredita, mas sim, mostrando os absurdos
cometidos pelos que inventam fábulas religiosas, e passam a acreditar nelas como se elas
fossem verdadeiras.
12
5
Desmascarando a Bíblia Volume II
126

AS 13 FALÁCIAS MAIS USADAS PELOS ILUDIDOS

01- Inversão do ônus da prova

A inversão de ônus da prova consiste em ignorar que o fardo e a responsabilidade de prova são de quem afirma algo, e
não de quem duvida, ou pede provas.
A fonte da falácia é a pressuposição de que algo é verdadeiro, até que se prove que o mesmo é falso.
Observe que essa falácia nada mais é do que um Argumentum ad Ignorantiam (vê-se a definição mais abaixo).
Pois quem tem que provar a existência da divindade é o crente que defende a existência da sua mitologia.
E dada à impossibilidade de se provar a existência de algum suposto Deus, ficaria provado que Deus não existe.

02- A EVIDÊNCIA ANEDOTA

A EVIDÊNCIA ANEDOTA é uma das falácias mais simples e também uma das mais usadas pelos iludidos, veja um exemplo:

“Claro que Deus existe e que continua realizando milagres”, eu sou um testemunho disso; o meu filho estava quase
morrendo, eu rezei pedindo a Deus que ele ficasse curado, e ele se curou em pouco tempo...
É válido ilustrar um argumento com alguma experiência vivida por alguém, mas as descrições de tais experiências pode
não provar nada.

Por exemplo, você pode alegar que se encontrou com o Elvis Presley, porém a descrição da sua experiência não é
suficiente para provar a alegação de que o Elvis Presley esteja vivo. As Evidências anedotas são muito eficientes para
apoiar argumentos para platéias que querem acreditar no que está sendo dito.

Mas embora a tática das Evidências anedotas seja muito utilizada pelos crentes, o argumento é ineficiente com os
céticos.

03- REPETIÇÕES EXAUSTIVA DE AFIRMAÇÃO (ARGUMENTUM AD NAUSEAM).

Essa falácia baseia-se na idéia incorreta e fantasiosa de que, algo será mais verdadeiro se repetido exaustivamente, até
que a “vítima” fique cansada de ouvir.

04-A FALÁCIA DO ESPANTALHO

A Falácia do Espantalho consiste em deturpar um argumento usando alguma lenda urbana, ou argumento que parece se
opor ao que foi exposto.
Essa tática é muito usada nos debates entre crentes e ateus, veja um exemplo:

“A Teoria da Evolução é falsa porque ela contraria a Segunda Lei da Termodinâmica, onde é dito que, O nível de
desordem de um sistema nunca pode diminuir”... Logo um ser complexo como o ser humano, não poderia ter vindo de
um simples ser unicelular primitivo e menos organizado...
12
Essa falácia é a mais difícil de ser detectada, principalmente quando não temos conhecimento sobre o argumento
6 usado
como réplica. A titulo de informação, lembramos que como o planeta Terra é um sistema termodinamicamente aberto, e
não fechado, contém infinitas biosferas que estão dentro de outras biosferas, e tudo reage ao que o cerca, a citação de
que o nível de desordem (entropia) de um sistema só pode aumentar, não se aplica ao caso terrestre, já que a desordem
terrestre tanto pode aumentar como pode ou diminuir, sem que a “Teoria da Evolução” viole a “Segunda lei da
termodinâmica”, pois a Lei em tela não entra em conflito com as características típicas do nosso planeta.
Desmascarando a Bíblia Volume II
127

05-APELO À AUTORIDADE (ARGUMENTUM AD VERECUNDIAM).

Embora a ciência não respeite o “você sabe com quem está falando”, e sim, a explicação que esclarecer algo, o
"Argumento de autoridade" determine que a falácia estaria correta por ter sido proposta por pessoas com prestígio.
Podemos derrubar o Argumento de autoridade demonstrando que as pessoas são passíveis de erros, quando opinam
sobre fatos que estão fora da sua especialização; e que o fato de alguém ser famoso não muda a realidade da vida.
Por exemplo: Mesmo Dawkins sendo o biólogo mais famoso dos EUA, caso Richard Dawkins afirmasse ser impossível
fabricar foguetes mais rápidos do que os que já existem, ele estaria errado, já que o seu conhecimento sobre assuntos
fora da sua especialidade pode não passar de achismos...

06- FALSA CORRELAÇÃO ENTRE CAUSA E EFEITO (POST HOC ERGO PROPTER HOC).

A falsa correlação entre causa e efeito consiste em afirmar que um evento é causado por uma suposta causa, só porque
essa suposta causa ocorreu ANTES do evento.
A falsa correlação entre causa e efeito é só um tipo específico de Non Causa Pro Causa, também conhecido como “Post
hoc ergo propter hoc”, que significa efeito “depois disso”, exemplos: “Tomei remédios homeopáticos para curar minha
gripe, e após uma semana minha gripe desapareceu.”
“O número de crimes cometidos aumentou com a diminuição do catolicismo, logo, a diminuição do catolicismo causou
um aumento na criminalidade“.

07- ATAQUES PESSOAIS (ARGUMENTUM AD HOMINEM)

Essa falácia consiste em atacar desde o caráter de quem afirma algo, até sua nacionalidade ou raça; e não o argumento
em si. Os ataques pessoais se manifestam de formas diversas, vamos ver quais são eles:

a/ Abusiva

Quando se ataca o argumentador e não a argumentação, caracteriza-se um Ad Hominem abusivo; por exemplo, Você
afirma que não existe relação entre moral e religiosidade, mas eu descobri que você é ateu e que bate na sua mulher.

Uma forma menos aparente de Ad Hominem abusivo é alegar que o argumento exposto também foi proferido por
alguém facilmente criticável, por exemplo:
Você acha que o Estado deve ter plenos poderes; Hitler teria concordado com você.

b/ Circunstancial

O ataque Circunstancial usa características particulares do argumentador para derrubar seu argumento, e caracteriza-se
num Argumentum ad Hominem circunstancial; por exemplo:
“Claro que você não quer contribuir com o Greenpeace, pois trabalha para uma madeireira!”

c/ Tu quoque Tradução; "Você, também"; ou "Você é outro".

Quando se diz que um argumento é falso só porque o argumentador atacado não pratica o que afirma, tem-se aí outro
tipo de ARGUMENTUM AD HOMINEM, veja o exemplo:

“Você sempre disse que beber faz mal à minha saúde, mas ontem naquela festa, eu vi você bêbado!”
O Argumentum ad Hominem é um dos mais comuns tipos de ataques pessoais, e funciona quando se está diante de
espectadores de posição contrária ao argumentador atacado.

Caso você esteja debatendo com um crente que está sendo ouvido por vários outros crentes, é provável 12
que ele cometa
alguns ataques pessoais. Não necessariamente com o objetivo de derrubar seu argumento, mas sim com 7 o objetivo de

atrapalhar a sua argumentação para que você tenha dificuldades em transmitir suas idéias de forma adequada.

Embora se tenha mais chance de estar diante de algum argumento falso, quando quem defende algo seja um
argumentador de credibilidade duvidosa, a veracidade de um argumento não depende de quem o defende, e sim, da
realidade que o mesmo contem.
Desmascarando a Bíblia Volume II
128

08- ARGUMENTUM AD ANTIQUITATEM

Essa é a falácia onde se afirmar que um conceito é certo, simplesmente por ele ser antigo.
Algo como, “sempre foi, e sempre será assim”; veja o exemplo em tela para entender melhor:

“O cristianismo é a religião mais correta porque é a mais antiga de todas, você acha que se ele fosse falso, teria tantos
seguidores quanto têm?”

Não entrarei no mérito do cristianismo ser ou não ser a religião mais antiga.
E essa frase foi colocada aqui apenas para demonstrar como funciona esse tipo de falácia.

O IMPORTANTE é perceber que nem sempre esse tipo de falácia é facilmente identificável como foi demonstrada na
citação acima, e que a frase pode aparecer de forma um pouco mais convincente, ou passar despercebida.

09- APELO À IGNORÂNCIA (ARGUMENTUM AD IGNORANTIAM).

Consiste em afirmar que alguma coisa é verdadeira só porque ainda não foi provado que é falso.
Ou afirmar que algo é falso só porque ainda não foi provado que é verdadeiro, por exemplo:

Juridicamente você é considerado inocente até que a sua culpa seja provada.
Outro caso que inserido no contexto da discussão pode passar despercebido, e por isso, precisa de cuidado para não se
chegar a alguma conclusão, seria a alegação de que, é Claro que a Bíblia é verdadeira, pois até hoje ninguém pode provar
de outra maneira, pode?

10- APELO AO MEDO (ARGUMENTUM AD METUM).

Essa falácia recorre ao medo de castigos, para forçar as pessoas aceitarem algum argumento. Ela é muito utilizada por
religiosos que querem persuadir as pessoas que questionam os Dogmas de sua Seita, veja um exemplo:
“Claro que a Bíblia é verdadeira, e aqueles que não aceitam isso sofrerão para sempre no fogo do Inferno.”
A ameaça não vem necessariamente do argumentador, mas sim, da possibilidade de “sofrer eternamente no Inferno”.

11- ARGUMENTUM AD NUMERUM

O ARGUMENTUM AD NUMERUM, APELO À GALERA” ou ARGUMENTUM AD POPULUM consiste em afirmar que, “Quanto
mais pessoas concordam com uma afirmação, mais verdadeira seria essa afirmação”.

Embora se diga que “A voz do povo é a voz de Deus”, é ridículo achar que alguma coisa estaria errada só porque ela ainda
não foi assimilada pelo grande público.
Demora para que algo seja aceito pela população, e quase tudo que foi criado ou modificado, teve que enfrentar os
contrários às mudanças, ou os que não se beneficiaram com as mudanças.

Apelar para a força numérica a fim de ganhar a aceitação de alguma proposição, caracteriza o “Apelo à galera”, ou
Argumentum ad Populum, veja um exemplo: “Por vários anos, milhões de pessoas acreditaram em Jesus Cris o e na
Bíblia, e isso provocou grandes mudanças nas suas vidas.
Você está por acaso afirmando que essas pessoas são tolas ou iludidas?

Além do ARGUMENTUM AD POPULUM só “funcionar” caso a “platéia” tenha a mesma opinião do argumentador, mesmo
quando algo é defendido por muitos, a maioria pode está completamente errada, pois a chamada 12 “Voz do Povo”
costuma ser a voz dos poucos evoluídos, e dos que nasceram para obedecer, e não dos que nasceram para 8 mandar ou
para entender.
Por exemplo, durante milhares de anos, bilhões de pessoas acreditaram que o Sol gira em torno do planeta Terra, e que a
Terra era o centro do Universo...
Mas essas crendices não fizeram com que as versões religio$as em tela se tornassem verdadeiras, fizeram?
Desmascarando a Bíblia Volume II
129

12- ARGUMENTUM AD LAZARUM

Essa é a falácia típica dos que afirmam que, alguém que desprezou as riquezas, os confortos ou os prazeres da vida, seria
bem mais virtuoso do que os que fazem questão de aproveitar a vida.
Por exemplo, é comum se achar que os que escolheram viver em Conventos ou abriram mão dos prazeres
proporcionados pela vida, são mais Santos do que os que querem aproveitar a sua única existência...

Todavia a realidade poderia ser bem diferente, pois o perturbado, iludido ou ingênuo que só trabalhou para a sua
religião, ou que cedeu todas as suas energias, o seu tempo e as suas “riquezas” para alguma mitologia, poderá vir a se
transformar num escravo voluntário, ou num “desqualificado” que desperdiçou as suas oportunidades, e não passou a
sua genética adiante.

13- NON CAUSA PRO CAUSA

Ocorre quando alguma coisa é identificada como a causa de um evento, mas não existe prova de que essa coisa é o real
causador do evento ou a sua única causadora, por exemplo:

Tomei uma Aspirina e rezei o Terço, aí minha dor de cabeça desapareceu...


Logicamente, a minha oração foi ouvida por Deus, logo Deus existe.

Note que não ficou comprovado o que fez a dor de cabeça desaparecer, e a dor de cabeça pode ter terminado devido à
oração, à Aspirina ou ambos; portanto, a afirmação anterior não comprova a existência de divindade alguma.
Até porque, tanto a razão como a religião são fóruns diferentes.

Já que nos Rios da floresta amazônica os filhos sem pai são chamados de “Filho do Boto”, caso
o nascimento de Jesus tivesse acontecido em Belém do Pará, a Maria teria afirmado que Jesus
seria filho do "Boto"...

De a cada homem o poder de questionar as religiões, e a humanidade acabará entendendo que Jesus é só uma
Arma psicológica, usada para subjugar os devotos. LH.

12
9
Desmascarando a Bíblia Volume II
130

Jesus não impediu que uma “adúltera” fosse apedrejada


Além do Rei Davi e a Betsabá não terem sidos apedrejados por cometerem adultério; e não haver base
histórica ou mesmo evangélica para confirmar que a Maria Madalena seria a chamada “mulher adúltera”.
Também NÃO ACONTECEU a “didática” cena onde Jesus salva uma mulher adúltera de ser apedrejada...
Nos manuscritos mais antigos do João, no Codex Sinaiticus, e no Codex Vaticanu, que é um dos manuscritos
mais importantes para o cristianismo, (e que foi usado para fabricar o Novo Testamento); e que é mais
confiável, pois foi escrito geograficamente mais próximo dos fatos, e não a milhares de quilômetros.
Não existe o causo da MULHER ADULTERA; pois a Pericope do “ATIRE A PRIMEIRA PEDRA QUEM NUNCA
PECOU” só foi inventada depois que foram anexados desenhos a Bíblia do Rei Jaime I.

Na pagina nº 348 do Codex Sangallensis, escrito em torno do ano 900, tem um espaço em branco onde deveria
haver a história da Mulher adultera. Nesse Codex o texto termina em João 7:53, estando ausentes os versos 8-
11, assim como, ocorre em outros antigos relatos, como o Codex W/032.

A máxima existente em Mateus 7, Não julgueis, para que não sejais julgados, pois, com o critério
com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão...
É só uma forma subliminar de fazer crer que agora viveríamos sob a autoridade de Cristo, e não mais sobre a
tutela dos antigos costumes judeus.

Como no caso de adultério a Lei de Moisés obrigava que os 2 adúlteros (a mulher e o amante), fossem levados
a um Tribunal, e questionados pelos juízes...
O que segundo o relato, não foi feito; ao invés do que seria o certo, trouxeram somente a mulher, e
questionaram o que fazer a um individuo sem a autoridade legal para decidir (Yesus).
Uma análise mais atenta desqualifica a veracidade do relato, em tela, pois pela Lei judaica esse causo nunca
poderia ter acontecido da forma como é mostrado.

No apedrejamento do casal flagrado em adultério, o marido seria o primeiro a apedrejar os adúlteros.


Pois "Se um homem for encontrado deitado com MULHER que tenha marido morrerão ambos, o homem que
tiver se deitado com a MULHER, e a MULHER.” (Deut 22:22).

O “Novo Testamento” fez de conta que os fariseus estariam tentando descobrir qual seria a resposta de Yesus,
e maliciosamente trouxeram até Yesus uma mulher chamada Maria Madalena que fora apanhada em
adultério, e que teriam perguntaram a Yesus se ele concordava que a Lei de Moisés fosse cumprida?
13
0
Mas mesmo a personagem Jesus devendo dar o exemplo de que a Lei é dura, mas precisa ser cumprida.
Jesus teria preferido cometer uma apostasia e mostrar que qualquer um tem autoridade para censurar alguma
Lei, ainda que supostamente feita por Moisés, desde que se tenha razão.

E já que Yesus não teria pecado, por que ele próprio não atirou a primeira pedra?
Desmascarando a Bíblia Volume II
131

“QUALQUER UM QUE TE BATER NA FACE DIREITA, OFERECE-LHE TAMBÉM A OUTRA”.

Em 5:39 MATEUS fez parecer que a frase "Se alguém te bater na face direita, vira-te e oferece-lhe a esquerda";
seria da autoria de Jesus... MAIS Cerca de 500 anos antes de cristo Pitágoras de Samos já
havia aconselhado que se "Perdoasse os inimigos".
563 anos antes de Jesus Siddartha Gautama já havia ensinado a mensagem que atravessa os tempos e as
culturas, sobre “QUALQUER UM QUE TE BATER NA FACE DIREITA, OFERECE-LHE TAMBÉM A OUTRA”.
E cerca de 1364 anos ANTES de Jesus, o bondoso e pacifico faraó Akenaton ao perdoar o
médico real Sinuhé, por ele não ter socorrido uma das suas filhas que teve com Nefertiti, e que
faleceu por falta de cuidados médicos, já tinha dito que:
“DEVEMOS PERDOAR E DAR A OUTRA FACE PARA SER ESBOFETEADA”.
Sinuhé nasceu por volta de 3360 anos atrás, foi o irmão gêmeo de Amenófis IV, que quando bebê foi colocado
pela mãe numa cesta, deixado no Rio Nilo, e adotado por um casal sem filhos...

O motivo para que até mesmo a filosofia budista do Desapego, onde 5 séculos a.C. Buda
apontou que o principal motivo para o sofrimento humano era “Estamos apegados demais não
só a posses e pessoas, mas também a nós mesmos”, SEJA APENAS MAIS OUTRA ILUSÃO
produzida pela incapacidade de aceitar a realidade... Seria porque não se apegar em nada é tão
absurdo como se apegar demasiadamente em algo.

Embora a mente frágil, simplória, ou infantilizada do religioso cascudo ou fundamentalista


não entenda que a vida sem morte, sem “desafios”, ou em algum tipo de “Paraíso”
funcionaria como uma armadilha e um “Adapte-se ou Morra Reverso”.

Como as dificuldades são o “Motor” da vida, e a vida só e dura para os fracos...


Sem os mecanismos da dificuldade, sem desafios, e sem inimigos, não haveria a eliminação dos fracos, não
haveria a eliminação dos indivíduos obsoletos, dos preguiçosos, dos distraídos, ou dos que desperdiçam o seu
tempo, a sua energia e os seus recursos, com “músicas”, festas, jogos, vícios, descansos ou fanatismos...
E os “boa vida” acabariam se tornaria presa fácil dos que por ter tido que sobreviver num ambiente hostil
aprendeu construir armas ou maquinas de guerra...

Para que jamais possamos nos acomodar, ou apenas contemplar o mundo; a evolução ditou algumas regras
importantes e fundamentais, como as de que a vida termina em morte; a regra de que nada dura para sempre;
e a regra de que a felicidade é feita de momentos... Conclusão: É melhor deixar de lado a fantasia de buscar a
felicidade na VIDA POST MORTEM ou nas mitológicas reencarnações, e se preocupar com coisas mais
importantes, como os pensamentos provocadores e algumas experiências arriscadas. 13
1

Bem-aventurado é aquele que encontrou a paz do Nirvana. “Ele está em repouso das lutas e tribulações da
vida, ele está acima de todas as mudanças, ele está acima de nascimento e morte, ele permanece inalterado
pelos males da vida.” (Evangelho de Buda cap. III, § 11-13)
Desmascarando a Bíblia Volume II
132

Jesus não mandou amar os inimigos

Jesus não mandou a humanidade fazer algo que os humanos jamais conseguirão realizar, e a
mitológica “ordem de Jesus” para amar os inimigos seria uma fraude.
Até porque, se não cumpríssemos a determinação onde supostamente Jesus teria mandado
que AMASSEMOS OS NOSSOS INIMIGOS, estaríamos desobedecendo a Jesus...
E caso a determinação de AMAR OS INIMIGOS fossem real, então Deus teria que perdoar, e amar o Diabo, ou
ele seria do tipo: Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço.

Além do PERDÃO sempre ter existido, e não ter sido criado por Jesus; um dos maiores segredos da humanidade
é ser generoso, sem egoísmos, e do tipo capaz de ajudar sem esperar obter vantagens...
Pois é a GENEROSIDADE quem determina se alguém será um parasita egoísta e individualista; ou se será feliz,
se será um bom filho, se será um bom irmão, um bom amigo, um bom marido, um bom pai, etc.

Mesmo o Cristianismo não passando de uma maquiagem dos cultos pagãos; e o “perdão” de
Jesus sendo condicional, e uma ameaça do tipo, ou você me ama acima de todas as coisas, ou
eu vou fazer você ranger os dentes, e queimar eternamente no fogo do Inferno...
Os cristãos fingem que o tal Jesus foi o PIONEIRO da chamada Regra de Ouro, ou Ética da
Reciprocidade “SE TEU IRMÃO PECAR CONTRA TI, REPREENDE-O; SE ELE SE ARREPENDER,
PERDOA-LHE", mas a mensagem “PERDOAI AOS VOSSOS INIMIGOS”, é ANTERIOR a Jesus.

Mas 3.000 anos antes de Cristo, VISHNU (o principal Deus da Trindade hindu) já havia ensinado
que “DEVEMOS PERDOAR OS QUE NOS PREJUDICAM”...
1.300 anos antes de Cristo, o Faraó Aquenáton perdoou o médico Sinuhe...
500 anos antes de Cristo, o Buda, Siddharta Gautama (a 9ª encarnação de Vishnu), ensinou que
devemos dar a outra face para ser esbofeteada...
107 anos antes de Cristo, no códice “OS TESTAMENTOS DOS DOZE PATRIARCAS”, já existiam os
ensinamentos que foram plagiados pela Bíblia, como o famoso: “AMAI-VOS UNS AOS OUTROS
DE TODO CORAÇÃO”...
Se um homem peca contra ti, fala-lhe pacificamente, e não abrigues falsidade em tua alma. Se
ele se arrepender e confessar, perdoa-lhe.
Se ele for desavergonhado e persistir em suas más ações, ainda assim deve perdoá-lo de
13
coração e deixar ao Senhor a vingança. 2
E em torno de 60 d.C Paulo de Tarso ordenou que os escravos tivessem a capacidade de servir
aos seus donos sem ódio, sem rancor, e sem qualquer sentimento de vingança.
Desmascarando a Bíblia Volume II
133

A versão existente no Novo Testamento onde é ordenado amar os nossos inimigos é uma
falsificação que foi plagiada dos textos pagãos. Sendo que “Perdoar” seria não "ir à forra",
desistir de querer se vingar; e nos afastar do mal; até porque, trazer o mal para dentro de casa,
seria como alimentar uma cobra que depois irá nos picar.

Embora “A vingança seja mais saborosa quando servida fria"; e na música “VINGANÇA” o
compositor brasileiro Lupicínio Rodrigues (1914 a 1974), alastre o mal exemplo de que:
“... enquanto houver força em meu peito eu não quero mais nada, só vingança, vingança,
vingança aos santos clamar”...

Foi o surgimento do PERDÃO e da “COMPAIXÃO” que possibilitou aos bondosos perceberem


quando o outro estaria SOFRENDO; não desejar que o próximo continue sofrendo; e que
procuremos fazer coisas que alivie o sofrimento do próximo.

Pois no Admirável Mundo do século XXI a melhor forma de impedir que os crimes, e que as
transgressões continuem sendo cometidos seria através das Leis Ordinárias, da JUSTIÇA, da
GRATIDÃO, e da SOLIDARIEDADE; que são os mecanismos que permite solucionar os problemas
do mundo em que vivemos.
E não Atolar em alguma fé religiosa, ou se agarrar em algum amigo imaginário.

Mesmo as religiões sendo a “muleta” dos que passam a vida num equilíbrio precário, ou
estariam submerso em profundas angústias; a maioria ainda substitua a realidade por
fantasias, ou por versões mais agradáveis, e mantém a fachada de uma aparente normalidade.

Apesar dos indivíduos com transtornos mentais, ou psicóticos, sofrerem de alucinações, ou de


esquizofrenias; terem “visões” sobrenaturais; e usar as crenças religio$as como um terapeuta.
Pois o pensamento mágico do religioso restringe o que ele já “decidiu”, mente, manipula o
“raciocínio” do religioso, e troca a realidade por fantasias, como a ilusão da vida eterna, etc.

A INTELIGÊNCIA humana ainda é a ferramenta mais PODEROSA que a VIDA já produziu; e


estudos provam que quando se trata de algum tema polêmico como religião, os jovens mais
independentes são os quem tem mais facilidade de perceber as mentiras usadas pelos camelôs
da fé; tem mais possibilidade de mudar de opinião; ou tem mais chances de vim a ser um
futuro ateu.

Já que pelos inimigos sentimos medo ou rancor, mais nunca amor; seria psicologicamente
impossível amar, sentir afeto, ou sentir carinho pelos inimigos...
A não ser no caso da “Síndrome de Estocolmo”, que só acontece quando a vitima que passou
por um seqüestro, seguido de uma lavagem cerebral, e um prolongado tempo de intimidação;
13
é jovem, descomprometida, do tipo submissa, e que estaria procurando um parceiro,3 termina
gostando do simpático, jovem, e atraente seqüestrador, que a teria tratado com mimos.
Desmascarando a Bíblia Volume II
134

O bíblico “DO PÓ VIESTE E AO PÓ RETORNARÁS” seria um plágio?

Embora NASCER e MORRER sejam os dois extremos de qualquer ser vivo...


E mesmo tendo compreendido que o homem veio do pó da terra, que iremos retornar ao pó; e
que NO FIM TUDO VIRA TERRA...
O Faraó Akenaton achou melhor que o povo continuasse se agarrando na ilusão de que a morte
não seria o fim de uma vida única, cruel, competidora, e fria.
Até porque, a maioria não consegue aceitar que NO FIM TUDO VIRA TERRA...
E incentivar que o povo se agarre na ilusão de que a morte não seria o fim de uma vida única,
cruel, competidora, e fria, faria com que as pessoas sejam mais felizes.

O "Revertere ad locum tuum" descoberto há mais de 3600 anos atrás pelo Faraó Akenaton foi
um marco tão importante para o equilíbrio psicológico dos que não conseguem aceitar que a
morte é o fim da existência, que mesmo Esdras só tendo começado fabricar o ANTIGO
TESTAMENTO escrito em torno do ano 500 antes de Cristo; a descoberta de que NO FIM TUDO
VIRA TERRA terminou indo parar no Gênesis 3,19; serviu de base para forjar a lenda de que o
próprio Deus dos hebreus teria dito ao Adão que, “DO PÓ VIESTE E AO PÓ RETORNARÁS”. E
hoje a ciência atual explica que somos POEIRAS DAS ESTRELAS.

Embora na época tanto o zoroastrismo como o Faraó Akenaton tenham sidos combatidos, e
ridicularizados, por tentar fazer o povo acreditar num Deus Monoteísta, o livro do Gênesis
acabou assimilando a crença num Deus único, porem fingiu que o Abraão teria trocado o culto
a deusa Aserá, pelo culto ao Deus Jeová.

Tanto nos antigos relatos egípcios, como no livro, e no filme “O egípcio” é contada a história
excitante e verídica do Sinuhe, uma criança colocada dentro de um cesto posto à deriva nas
águas do Rio Nilo, e que foi encontrada, criada, e instruída por um médico pobre, porem
honesto e caridoso, na arte da medicina...
E ao mesmo tempo também é mostrado que no ano 05 do seu reinado o Faraó Akenaton (que
foi casado com a famosa Nefertiti), compreendeu que “SÓ O PÓ DA TERRA E ETERNO”...
13
A questão já não seria SE OS HUMANOS IRÃO SE TORNAR ATEUS, mas sim, QUANDO4 os
humanos mais antenados perderão o medo que os mantém acorrentados as crendices
religio$as; pois apesar das religiões ainda nos implantarem (de forma autoritária, e desde que
nascemos), as suas crendices; os que conseguirem fugir do “casulo religioso” breve se tornarão
ateus...
Desmascarando a Bíblia Volume II
135

OUTROS PDFS DO LISANDRO HUBRIS

Provas de que o “Santo Sudário” é uma fraude

A imagem que aparece no sudário é de um IDOSO, e para que a “mortalha da vez” fosse verdadeira, a imagem de Jesus Cristo deveria
apresentar o biótipo de um Judeu jovem e não mostrar um idoso de olhos azuis, pele clara, cabelos lisos e longos.

DESMASCARANDO A BÍBLIA VOLUME I

Já que “Só 144 mil serão escolhidos”, o “Sacrifício” de Jesus NÃO PRESTOU, e a maioria irá para o Inferno; principalmente os
pecadores anteriores que não foram atingidos pela salvação da crucificação.

http://pt.calameo.com/read/00034268051d0e4d0af03

MOISÉS NUNCA EXISTIU

Lisandro Hubris
Editora t.calameo.com/upload 2010 Brasil

13
5