Você está na página 1de 18

Assimilação segmentada Revisitada: Tipos de Aculturação e

Mobilidade Socioeconômica na Jovens Adolescentes

Mary C. Waters , Van C. Tran , Ph.D, Philip Kasinitz e John H. Mollenkopf

Informações do autor ► Informações sobre direitos autorais e licenças ►

Veja outros artigos no PMC que citam o artigo publicado.

Vamos para:

Abstrato
Este artigo examina o debate entre teorias-chave sobre a assimilação de imigrantes,
explorando o efeito de tipos de aculturação - dissonantes, consoantes e seletivos - sobre os
desfechos socioeconômicos na adultez jovem. Com base em dados de inquéritos da Segunda
Geração de Imigrantes em Nova York Metropolitana, mostramos que, enquanto ocorrem os
três tipos, a aculturação dissonante é a exceção , e não a norma , entre adultos jovens de
segunda geração. Nossos resultados também sugerem que nem o tipo de aculturação nem o
nível de inserção étnica podem explicar a variação nos padrões de mobilidade tanto nos
grupos de segunda geração como dentro deles. Essas descobertas levam-nos a questionar
pressupostos sobre o efeito protetor da aculturação seletiva e o efeito negativo da aculturação
dissonante.

Palavras-chave: assimilação em linha reta, assimilação segmentada, segunda geração,


aculturação, mobilidade socioeconômica, idade adulta jovem
Vamos para:

Introdução
O estudo da "nova segunda geração" - crianças nascidas para os imigrantes pós-1965 nos
EUA - expandiu-se rapidamente à medida que entraram na idade adulta. Compreender como
eles estão se integrando na sociedade americana é teoricamente importante e uma questão
política fundamental. Uma vez que os filhos de imigrantes são agora um décimo da
população americana e um quinto dos menores de 18 anos, seu destino é extremamente
importante para o futuro do país. É importante não só entender as tendências para a segunda
geração como um todo, mas porque alguns de seus membros estão tendo sucesso e outros
estão mal. Quais fatores levam os filhos dos imigrantes a fazer melhor do que os pais e quais
os fatores que levam a uma mobilidade social descendente? Com base em dados do estudo da
Segunda Geração de Imigrantes em Metropolitan New York 1, este artigo examina como os
tipos de aculturação moldam os resultados socioeconômicos entre os jovens adultos
respondentes.

Vamos para:

Teorias revisadas da assimilação linear e segmentada


Duas principais teorias - assimilação direta e assimilação segmentada - apontam para
diferentes processos subjacentes aos resultados da segunda geração. A teoria da assimilação
padrão é associado com os fundadores da Escola de Chicago de Sociologia, que estudaram a
integração das primeira e segunda geração de imigrantes europeus no início dos anos 20 º
século ( Park e Burgess 1925 ). Este modelo argumenta que os processos de assimilação
permitirão que cada geração sucessiva mostre mobilidade social ascendente na educação e
ocupação, seja mais integrada no mainstream americano e mostre menos distinção étnica no
uso da linguagem, concentração residencial e padrões de intercâmbio ( Warner e Srole, 1945
).
A teoria da assimilação segmentada emergiu como uma alternativa a este modelo na década
de 1990 e tem sido extremamente influente. Formulado por Alejandro Portes e seus
colaboradores e elaborado e testado empiricamente por Portes e Ruben Rumbaut ( Portes e
Zhou 1993 ; Portes e Rumbaut, 2001 ), essa abordagem argumenta que resultados
extraordinariamente diferentes são possíveis para a segunda geração. Seus membros podem
acabar "subindo nas fileiras de uma classe média próspera ou juntando em grande número as
fileiras de uma população racializada e permanentemente empobrecida no fundo da
sociedade" ( Portes, Kelly e Haller 2005 : 1004).

A teoria da assimilação segmentada postula três possíveis resultados para a segunda geração:
assimilação ascendente, assimilação descendente e mobilidade ascendente combinada com o
biculturalismo persistente. Esses caminhos correspondem a três processos que resumem as
relações entre crianças imigrantes, seus pais e a comunidade étnica em grande escala -
consagração, dissonância e aculturação seletiva. A aculturação consonante ocorre quando as
crianças e os pais aprendem a cultura americana e abandonam gradualmente a língua em casa
e os caminhos do "antigo país" em aproximadamente o mesmo ritmo. À medida que essas
crianças entram no mainstream americano, eles conseguem uma mobilidade ascendente com
o apoio de seus pais. A aculturação difusa ocorre quando as crianças aprendem o inglês e
adotam caminhos americanos muito mais rápidos do que seus pais imigrantes. Portes e
Rumbaut (2001)argumentam que esse processo pode levar a uma assimilação descendente
quando os jovens enfrentam a discriminação racial, os mercados de trabalho bifurcados e,
muitas vezes, jovens urbanos nihilistas por conta própria, sem autoridade parental ou apoio
comunitário forte. O terceiro processo, a aculturação seletiva, leva à assimilação ascendente e
ao biculturalismo. Isso ocorre quando os pais e os filhos aprendem gradualmente as maneiras
americanas enquanto permanecem incorporados, pelo menos em parte, na comunidade étnica.
É caracterizada pela "preservação da autoridade parental, pouco ou nenhum conflito
intergeracional e bilinguismo fluente entre as crianças" ( Portes e Rumbaut 2001 : 52). Portes
e seus colaboradores argumentam que a aculturação seletiva é especialmente importante para
grupos que enfrentam discriminação

... porque indivíduos e famílias não enfrentam as tensões de aculturação sozinhas, mas
sim no âmbito de suas próprias comunidades. Esta situação retarda o processo ao
colocar a aquisição de novos conhecimentos culturais e linguagem dentro de um
contexto de apoio. ( Portes e Rumbaut 2001 : 54)

A teoria da assimilação segmentada também enfatiza a importância do capital humano


parental (incluindo a educação e a renda dos pais), os modos de incorporação (definições
estaduais de grupos de imigrantes, elegibilidade para o bem-estar, grau de discriminação e
antipatia em relação aos grupos de imigrantes) e estrutura familiar (único vs famílias casadas,
bem como acordos de vida familiar multigeracional vs. nuclear). Embora menos
explicitamente declarado, o modelo também aponta para os diferentes graus de conexão
transnacional entre os grupos de imigrantes como um elemento importante do contexto de
recepção.

Esta teoria inspirou um grande volume de trabalho na incorporação de imigrantes. O conceito


de "modos de incorporação", por exemplo, tem sido extremamente útil na sistematização de
como diversas reações políticas e culturais aos grupos de imigrantes moldam suas
experiências individuais. No entanto, o mecanismo causal mais inovador da teoria - a
aculturação seletiva - não foi tão cuidadosamente examinado como seria de esperar. Isso é
infeliz porque este aspecto da abordagem de assimilação segmentada separa-o mais
claramente de outras contas de incorporação de imigrantes. Afinal, os modelos sociológicos
padrão de desempenho do status prevêem que crianças de famílias de dois pais terão
melhores resultados, já que os brancos serão comparados aos negros e hispânicos, dada a
realidade da discriminação racial em curso nos EUA.

Onde a assimilação segmentada se afasta dessas interpretações padrão é a predição de dois


resultados específicos, como em parte o resultado da dinâmica intrafamiliar - que a
assimilação descendente ocorre não por causa da falta de americanização, mas de fazê-lo
rapidamente (aculturação dissonante) e A mobilidade ascendente é possível para aqueles com
pais de baixa renda ou pouco educados que permanecem pelo menos parcialmente ligados à
comunidade "étnica". Nessas duas previsões, a assimilação segmentada representa a base
sociológica padrão da assimilação. Para pelo menos alguns imigrantes, argumenta que
rapidamente chegar a compartilhar formas norte-americanas (ou pelo menos de classe baixa
americana) é ruim para a segunda geração, enquanto se mantém na distintiva imigrante pode
resultar ser uma vantagem.

Em resposta a essa abordagem, Alba e Nee (2003)formulou uma nova versão de (mais ou
menos) assimilação em linha reta para os imigrantes pós-1965. Mantendo muitas idéias
fundamentais formadas por teóricos anteriores, Alba e Nee prevêem que a maioria dos
membros da segunda geração contemporânea experimentará um aumento progressivo da
integração social e da mobilidade ascendente. Em contraste com o modelo de assimilação
segmentada, eles acham pouco apoio para as noções de que muitos experimentarão
"assimilação descendente" ou que a incorporação em redes étnicas densas será benéfica. Em
contraste com as versões anteriores da assimilação de linha reta, no entanto, Alba e Nee
rejeitam a afirmação excessivamente prescritiva de que a segunda geração deve adotar
"normas americanas" e enfatizar que o "mainstream" americano é altamente dinâmico e
heterogêneo. Com base na assimilação segmentada e em outras contas contemporâneas,

Vamos para:

Tipos de aculturação e mobilidade socioeconômica


Muitos estudos nos EUA e cada vez mais na Europa mostram apoio à teoria da assimilação
segmentada, incluindo o trabalho decorrente do Estudo Longitudinal dos Filhos da Imigrantes
(CILS) e estudos de caso importantes de grupos particulares de segunda geração, incluindo
vietnamitas ( Zhou e Bankston 1998 ), ocidentais Índios ( Waters 1999 ; Vickerman 1999 ),
chineses ( Zhou e Kim 2006 ), salvadorenhos ( Menjívar 2000 ) e haitianos ( Stepick 1998 ;
Zéphir, 2001 ). Existe um acordo próximo ao universal de que a sociedade americana não é
um todo indiferenciado - e nesse sentido, os imigrantes claramente assimilam em um de seus
segmentos. Praticamente todos os estudos mostram que as crianças de imigrantes não seguem
uma única trajetória e que os resultados da segunda geração são altamente contingentes ao
segmento da sociedade americana em que estão sendo incorporados ( Greenman e Xie 2008 ).

Dito isto, um ponto-chave de desacordo entre teoria da assimilação reformulado de Alba e


Nee e teoria da assimilação segmentada é saber se os processos e mecanismos que levaram as
ondas anteriores de imigrantes europeus no início da 20 ª século de integrar com sucesso irá
trabalhar para a corrente onda de imigrantes e seus filhos. De fato, enquanto a assimilação
segmentada afirma que o status racial não-branco dos imigrantes mais atuais e a economia
muito diferente que enfrentam na América do século XXI coloca-os e seus filhos em maior
risco, Waldinger e Perlmann (1998) , Perlmann e Waldinger (1997 ) e Gratton (2002)Todos
criticaram a caracterização do passado por parte da assimilação segmentada. Além disso,
muitos estudos da segunda geração contemporânea encontram pouca evidência de declínio de
baixa geração ou de assimilação descendente ( Boyd, 2002 , Farley e Alba (2002) ,
Hirschman (2001) , Smith (2003) , Waldinger e Feliciano (2004) e Kasinitz et al. (2008 ,
2004 , 2002) .

Claro, a assimilação segmentada não prevê uma mobilidade descendente universal, mais do
que a assimilação clássica prevê uma mobilidade ascendente universal. Alba e Nee (2001) e
Portes e Zhou (1993) argumentam que alguns membros da segunda geração vão bem em
comparação com seus pais, enquanto outros não. Ambas as teorias postulam que a
discriminação racial tornará muito mais difícil para aqueles definidos como não-brancos
alcançar uma mobilidade ascendente na economia racialmente estratificada dos Estados
Unidos. A diferença entre as duas abordagens reside em quais mecanismossugerem as teorias
que conduzem a resultados bem-sucedidos para a segunda geração. Alba e Nee
(2003)postulam que processos históricos similares irão desfocar as diferenças entre os grupos
de imigrantes e o mainstream. A assimilação segmentada argumenta que, especialmente para
os imigrantes pobres não brancos, mantendo diferenças étnicas com o mainstream americano
- aculturação seletiva - levará a resultados bem-sucedidos para a segunda geração.

Os estudiosos ainda não colocaram essa diferença fundamental em um teste rigoroso. Em


uma recente edição especial sobre a segunda geração europeia, Crul e Thomson (2007 : 1036)
concluem que "a mobilidade ascendente através da coesão étnica continua a ser um fenômeno
limitado no contexto europeu". Nos Estados Unidos, a falta de dados intergeracionais e a falta
de uma questão do Censo sobre o local de nascimento dos pais dificultou a pesquisa
quantitativa sobre esta questão, embora a evidência de aculturação seletiva se tenha
acumulado através de estudos de caso qualitativos. Além dos dados longitudinais fornecidos
pelo CILS, nenhum estudo da segunda geração abordou esta questão.

Este artigo aproveita o Inquérito de Segunda Geração no Metropolitan New York Study, que
inclui informações sobre a inserção étnica nos bairros e o mercado de trabalho, bem como
informações detalhadas sobre as habilidades linguísticas da primeira e segunda geração, para
examinar as relações entre estes fatores e vias de mobilidade de segunda geração. Uma vez
que as previsões sobre as trajetórias de adaptação da nova segunda geração têm sido
principalmente especulativas, esta análise fornece um dos primeiros testes do efeito dos tipos
de aculturação em resultados de segunda geração.

Vamos para:

Dados e métodos
O estudo da Segunda Geração de Imigrantes no Metropolitan New York é uma pesquisa
telefônica aleatória de 3.415 entrevistados que vivem em Nova York e os subúrbios internos
em Nova Jersey, Westchester e Long Island. O estudo inclui jovens adultos de 18 a 32 anos
no momento da entrevista em 1999-2000 que nasceram nos EUA para pais que imigram
depois de 1965 (a segunda geração) ou que nasceram no exterior, mas chegaram nos EUA
aos 12 anos e cresceu nos EUA (a "geração 1.5"). O estudo inclui cinco grupos de segunda
geração (West Indian, Dominican, Chinese, South American 2e judeus russos) e três grupos
de comparação nativos (brancos, negros e porto-riquenhos). Esta análise é limitada aos
entrevistados dos cinco grupos cuja língua parental não é o inglês e, portanto, não incluímos
brancos nativos, negros e índios Ocidentais, embora apresentemos dados descritivos sobre
eles na Tabela 1 .

tabela 1
Resultados socioeconômicos por grupo étnico

As variáveis dependentes incluem sete medidas de resultados socioeconômicos na idade


adulta jovem. Todas as medidas são dicotômicas, baseadas em níveis de educação, ocupação,
situação de emprego, status de filho adolescente, auto-relatados, bem como histórico de
prisão e encarceramento. Porque estamos interessados em entender como diferentes tipos de
aculturação levam a trajetórias de adaptação negativas e positivas, investigamos sete
resultados: ser um desistente no ensino médio, estar desempregado, ter sido preso, ter sido
preso, ser um pai adolescente aos 18 anos, sendo um graduação da faculdade aos 22 anos e
ocupação profissional / empreendedora aos 25 anos. Tabela 1fornece a distribuição de
frequência para cada resultado socioeconômico por grupo. Ele destaca variações sistemáticas
em todos os oito grupos. Chinês, judeus russos e brancos relatam as taxas mais baixas de
abandono do ensino médio, desemprego, gravidez na adolescência ou registro de prisão ou
encarceramento, enquanto os dominicanos, os porto-riquenhos e os afro-americanos relatam
as maiores taxas. Os judeus chineses e russos também são os mais propensos a ser educados
na faculdade e em uma ocupação profissional.

Utilizamos quatro conjuntos de variáveis independentes para explicar variações nos


resultados socioeconômicos. Nós operacionalizar essas variáveis para melhor captura os três
fatores que segmentados teoria da assimilação postula como determinantes importantes de
resultados de adaptação em todo e dentro de grupos: capital humano, estrutura familiar e o
modo de incorporação entre os pais imigrantes.

As características demográficas incluem origem nacional, idade, gênero e status de geração


de imigrantes (1.5 geração vs. segunda geração).

O tipo de aculturação é uma variável categórica recodificada com três valores (1 =


aculturação dissonante; 2 = aculturação consonante e 3 = aculturação seletiva).

A inclusão étnica inclui se o pai ou entrevistado do entrevistado trabalha em uma indústria


étnica concentrada, independentemente de o entrevistado pertencer a uma organização étnica
ou assistir programas de mídia étnica.
As características do plano de fundo incluem o GPA do ensino médio do entrevistado e o
mais alto nível de educação, a educação dos paises, o número de assalariados na família
enquanto crescia (uma proxy para o nível de recursos financeiros disponíveis), a estrutura
familiar, o número de irmãos e a estabilidade residencial que foi medida por A vez que o
entrevistado mudou-se entre as idades de 6 a 18 anos.

Através dos sete resultados, aplicamos cinco modelos de regressão logística aninhados e
relatamos os odds ratios juntamente com erros padrão robustos para facilidade de
interpretação. Para cada resultado, o primeiro modelo inclui apenas etnia para estabelecer as
diferenças de resultados iniciais nos cinco grupos. Usamos porto-riquenho como grupo de
referência porque é um grupo minoritário nativo. Os quatro modelos subseqüentes
introduzem características demográficas, tipos de aculturação, contexto étnico e
características de fundo para explicar ainda mais as variações individuais. Reconhecendo a
heterogeneidade potencial de efeitos entre grupos, corremos os mesmos modelos aninhados
em cada resultado por grupo étnico, bem como em uma amostra que exclui os porto-
riquenhos, mas essas análises adicionais não levaram a resultados substantivamente
diferentes (resultados completos disponíveis mediante solicitação) .

Vamos para:

Operacionalização de tipos de aculturação


Portes e Rumbaut (2001) resumem suas pesquisas sobre a segunda geração em Miami e San
Diego ao argumentar que a dinâmica entre pais e filhos nas famílias de imigrantes forma
decisivamente resultados da segunda geração. Eles determinam o tipo de aculturação
comparando a fluidez relativa do inglês e do idioma imigrante entre os pais da primeira
geração e as crianças de segunda geração ( Portes e Rumbaut 2001 : 145). Como o nosso
estudo contém informações detalhadas sobre o que nossos entrevistados relatam sobre a
fluência de sua própria língua e sobre seus pais, temos a oportunidade única de
operacionalizar essa variável e explorar seus efeitos potenciais.

A Figura 1 fornece nossa estratégia detalhada de codificação para uma medida ordinal de três
categorias de fluência dos pais dos ingleses: aqueles que não são proficientes, aqueles que
possuem proficiência limitada e aqueles que são fluentes. Para codificar o conhecimento dos
entrevistados sobre a linguagem dos pais, contamos com duas perguntas sobre a capacidade
do entrevistado de falar e entender a linguagem dos pais. Os idiomas parentais incluem
chinês, russo e espanhol. A Figura 2 descreve a estratégia de codificação para a variável
categórica sobre a fluência da linguagem parental do entrevistado. Finalmente, combinamos
essas duas medidas para construir uma variável categórica para tipos de aculturação:
aculturação disonante, consonante e seletiva (verFigura 3). Nossos modelos de regressão
usam "aculturação dissonante" como a categoria de referência porque estamos interessados
em testar a previsão de que as aculturações consoantes e seletivas produzam melhores
resultados socioeconômicos.

figura 1

Estratégias de codificação para o conhecimento dos pais sobre o inglês

Figura 2

Estratégias de Codificação para o Conhecimento da Língua Parental por parte do


Respondente
Figura 3

Conhecimento Gerencial de Linguagem e Tipos de Aculturação 1

A Tabela 2 apresenta estatística descritiva sobre tipos de aculturação por grupo. Estes
resultados deixam claro que a aculturação seletiva é a norma, enquanto a aculturação
dissonante é bastante excepcional. Os entrevistados relataram altas taxas de aculturação
seletiva, com 69,5 por cento falando e compreendendo bem a linguagem dos pais. Uma
esmagadora maioria dos judeus russos (78,9 por cento), sul-americanos (82,1 por cento) e
dominicanos (83,7 por cento) e, em menor medida, os porto-riquenhos (51 por cento) e os
chineses (59,5 por cento) podem ser classificado como tendo aculturado seletivamente. Os
porto-riquenhos e os chineses relataram taxas relativamente altas de aculturação dissonante
(20,8 por cento e 10,7 por cento), enquanto dominicanos, judeus russos e sul-americanos
relataram taxas baixas (6,5 por cento, 5,2 por cento e 4,9 por cento). Finalmente, a
aculturação consoante é mais comum entre os chineses (29,8%) e os porto-riquenhos (28,2%)
e os menos comuns entre os dominicanos (9,8%) e os sul-americanos (12%).

mesa 2

Tipos de Aculturação por Grupo Étnico

Nas análises a seguir, testamos o efeito do tipo de aculturação - o principal mecanismo causal
sugerido por Portes e Rumbaut (2001 : 145) - em uma série de resultados. Nós também
examinamos se as medidas de integração étnica - ter pais que trabalham no enclave étnico,
pertencentes a organizações étnicas ou consumindo mídia étnica - fazem a diferença em
resultados de segunda geração. Embora existam muitas maneiras de medir esse conceito,
nossa escolha das práticas linguísticas dos pais e crianças segue diretamente o caminho
delineado por Portes e Rumbaut (2001) .

Vamos para:

Análises multivariadas
Tabela 3apresenta resultados de regressão logística sobre a probabilidade de ser um abandono
escolar. No modelo descontrolado, todos os grupos de segunda geração são
significativamente menos propensos a abandonar do que os porto-riquenhos. Essas diferenças
iniciais permanecem significativas mesmo após o controle de fatores demográficos, tipos de
aculturação, a extensão da inserção étnica e outras características de fundo. No modelo final,
um entrevistado de segunda geração é quase a metade da probabilidade de abandonar a escola
secundária como respondente de 1.5 geração (Modelo 5: OR = 1,79, p <0,05). O tipo de
aculturação não tem efeito sobre a probabilidade de ser um abandono do ensino médio -
enquanto os entrevistados com consagração e aculturação seletiva são ligeiramente menos
propensos a abandonar do que aqueles com aculturação dissonante, as diferenças não são
significativas (Modelo 5: OR = 0,9, ns ; OR = .69, ns). Tampouco nenhuma das medidas de
implantação étnica tem poder preditivo, sugerindo que a comunidade étnica não é nem
protetora nem prejudicial. Como esperado, a educação dos pais e os recursos familiares
protegem significativamente contra o abandono (Modelo 5: OR = 0,66, p <0,01; OR = 0,76, p
<0,05; OR = 0,84, p <0,05), enquanto a O número de irmãos na família enquanto cresce está
associado a uma taxa de abandono mais alta (Modelo 5: OR = 1,12, p <0,05). Este achado
confirma pesquisas anteriores sobre a importância da educação dos paises sobre os resultados
socioeconômicos entre a segunda geração ( 05; OR = .84, p <.05), enquanto que o número de
irmãos na família enquanto cresce está associado a uma taxa de abandono mais alta (Modelo
5: OR = 1,12, p <0,05). Este achado confirma pesquisas anteriores sobre a importância da
educação dos paises sobre os resultados socioeconômicos entre a segunda geração ( 05; OR =
.84, p <.05), enquanto que o número de irmãos na família enquanto cresce está associado a
uma taxa de abandono mais alta (Modelo 5: OR = 1,12, p <0,05). Este achado confirma
pesquisas anteriores sobre a importância da educação dos paises sobre os resultados
socioeconômicos entre a segunda geração (Zhou e Xiong 2005 ; Abada et al. 2009 ).

Tabela 3

Regressões logísticas que prevêem a probabilidade de abandono escolar

A Tabela 4 mostra que os judeus russos, chineses e sul-americanos são significativamente


menos propensos a estarem desempregados do que os porto-riquenhos. Essas diferenças
permanecem fortes após o controle de outros fatores demográficos, enquanto os tipos de
aculturação e a inserção étnica não têm efeito significativo. No modelo final, as mulheres são
duas vezes mais propensas a desempregar do que os homens (Modelo 5: OR = 2,08, p
<0,001), enquanto as que têm mais educação têm menos probabilidades de estarem sem
trabalho (Modelo 5: OR = 0,52 , p <0,001). A educação explica a vantagem inicial entre os
judeus russos e os chineses sobre os porto-riquenhos (Modelo 5: OR = .55, ns; OR = .53, ns),
mas não o dos sul-americanos (Modelo 5: OR = 0,43, p <. 05).

Tabela 4

Regressões Logísticas Previsindo a Probabilidade de Desempregar

A Tabela 5 apresenta resultados sobre a probabilidade de ter sido preso. Sem outros
controles, os machos judeus chineses e russos são menos propensos a serem presos do que
seus homólogos porto-riquenhos (Modelo 1: OR = 0,30, p <0,01; OR = 0,25, p <0,01). Mais
uma vez, os tipos de aculturação, o nível de inserção étnica e os fatores de fundo familiar não
têm efeito significativo. Em consonância com os resultados estabelecidos em pesquisa
criminológica, idade e nível educacional são preditores fortes de terem sido presos e
representam as diferenças iniciais na taxa de parada em todos os grupos étnicos.

Tabela 5

Regressões logísticas que prevêem a probabilidade de serem presos

Tabela 6relata os resultados sobre a probabilidade de ter sido preso e mostrar que os machos
judeus chineses e russos têm taxas de encarceramento significativamente menores do que os
porto-riquenhos. No entanto, essas diferenças desaparecem depois de considerar a vantagem
relativa dos judeus chineses e russos na educação (Modelo 5: OR = 0,74, p <0,001; OR =
0,58, p <0,01), enquanto os tipos de aculturação e o nível de inserção étnica não tem efeito
protetor nem prejudicial. Em termos de características de fundo, a estabilidade residencial
claramente importa, uma vez que cada movimento adicional entre as idades de 6-18 está
associado a uma maior probabilidade de ter sido preso (Modelo 5: OR = 1,16; p <0,001). (É
claro que esse padrão pode ser derivado de fatores de fundo familiar não medidos que causam
instabilidade residencial, em vez do simples fato de se mudar,

Tabela 6

Regressões logísticas que prevêem a probabilidade de serem presas

Tabela 7apresenta resultados de regressão logística sobre a probabilidade de ser um pai


adulta. Sem controle, os judeus chineses, russos e as mulheres sul-americanas são
significativamente menos propensos a ter uma criança antes dos dezoito anos do que os
porto-riquenhos. Os tipos de aculturação e o contexto co-étnico dificilmente são importantes,
embora a observação de mídias étnicas esteja associada a uma menor probabilidade de ser um
pai adolescente (Modelo 5: OR = 0,67, p <0,05). Em termos de fundo familiar, o número de
irmãos e instabilidade residencial está associado a uma probabilidade ligeiramente maior de
parentalidade adolescente (Modelo 5: OR = 1,18, p <0,05; OR = 1,11, p <0,05). O nível de
educação do entrevistado também importa e explica a diferença inicial entre os sul-
americanos e os porto-riquenhos, embora persistam grandes diferenças entre judeus chineses /
russos e puertorriqueños,

Tabela 7

Regressões Logísticas Previsindo a Probabilidade de Pais Adolescentes

A assimilação segmentada também postula que a aculturação seletiva deve produzir


resultados positivos. A Tabela 8 relata os resultados sobre a probabilidade de ser graduado da
faculdade entre inquiridos de 22 anos ou mais. (Se os entrevistados foram para a faculdade
imediatamente após o ensino médio, eles poderiam conseguir seu diploma até a idade de
vinte e dois anos. 3) Sem controles (Modelo 1), os grupos de segunda geração exibem
grandes lacunas étnicas na conquista da faculdade em comparação com os porto-riquenhos,
sendo os chineses 8 vezes mais prováveis e os judeus russos 6 vezes mais propensos a ter
uma educação universitária. Os respondentes "Consonantes" são significativamente mais
propensos do que os "dissonantes" a atingir um grau, enquanto a aculturação seletiva não tem
efeito significativo (Modelo 3: OR = 2,32, p <0,05; OR = 1,86, ns). O GPA da escola
secundária dos entrevistados e a educação da mãe consideram esta vantagem inicial entre os
respondentes "consoantes", no entanto (Modelo 5: OR = 1,31, p <0,001; OR = 1,49, p
<0,001). O número de irmãos ao crescer está negativamente associado à probabilidade de
obter uma educação universitária (Modelo 5: OR = 0,86, p <0,05), sugerindo que a presença
de outros irmãos pode resultar em menos recursos dedicados ao próprio investimento
educacional do entrevistado. No modelo final, os chineses são os mais propensos a obter uma
educação universitária, enquanto os porto-riquenhos são menos propensos a fazê-lo. Esta
divergência no resultado é impressionante à luz do fato de que ambos os grupos relataram
altas taxas de aculturação dissonante - 10,7 por cento para chineses e 20,8 para os porto-
riquenhos (verTabela 2 ), sugerindo que "aculturação dissonante" por si só não pode explicar
as trajetórias educacionais diferenciais entre os grupos.

Tabela 8

Regressões logísticas que prevêem a probabilidade de ser um graduado da faculdade

A Tabela 9 apresenta resultados de regressão logística sobre a probabilidade de estar em uma


ocupação profissional até a idade de vinte e cinco. Em geral, os judeus russos e os chineses
são significativamente mais propensos do que os porto-riquenhos a estarem em uma
ocupação profissional, mas sua vantagem educacional explica completamente essas
diferenças iniciais (Modelo 5: OR = 1,58, ns; OR = 1,37, ns). Os tipos de aculturação e o
contexto co-étnico não têm efeito, embora a participação dos entrevistados em uma
organização étnica esteja positivamente associada à consecução profissional (Modelo 5: OR
= 2,06, p <0,05). De acordo com as descobertas passadas, a educação do entrevistado é o
preditor mais importante da consecução ocupacional 5 (Modelo 5: OR = 2,38, p <0,001).
Tabela 9

Regressões logísticas que prevêem a probabilidade de estarem em uma profissão


profissional

Vamos para:

Discussão e conclusão
Três principais achados de nossas análises dos efeitos dos tipos de aculturação sobre
resultados socioeconômicos de segunda geração em Nova York devem ser destacados. Em
primeiro lugar, à luz das preocupações generalizadas de que a aculturação dissonante terá um
impacto negativo na segunda geração, observamos que a aculturação dissonante é a exceção,
e não a norma, entre a nova geração de segunda geração . Embora os grupos variem, apenas
10 por cento dos nossos entrevistados experimentam aculturação dissonante, enquanto 20 por
cento podem ser classificados como consoantes e outros 70 por cento como aculturação
seletiva. Isso por si só deve diminuir a preocupação com a dinâmica intergeracional dentro
desses grupos, porque os onerosos 90% dos entrevistados têm poucos problemas para se
comunicar com seus pais, em inglês ou na língua materna.

Em segundo lugar, os tipos de aculturação não parecem importar muito com os resultados
socioeconômicos entre a segunda geração. As previsões mais interessantes da assimilação
segmentada são que a aculturação dissonante leva a resultados de adaptação negativos,
enquanto que a aculturação seletiva leva a maiores resultados educacionais e profissionais.
Nossas análises multivariadas não fornecem suporte para nenhuma das previsões. Na
verdade, o tipo de aculturação dificilmente importa para qualquer dos resultados que
examinamos .

A assimilação segmentada também argumenta que o contexto e o nível de inserção étnica são
importantes, acima e além do que acontece dentro da família imigrante entre pais de primeira
geração e filhos da segunda geração. Nossas análises tentaram capturar esses efeitos
contextuais com várias medidas claras de incorporação - pais trabalhando em uma indústria
etnicamente concentrada ou entrevistados que participam de organizações étnicas ou que
consomem mídia étnica. Poucas dessas medidas importam e nenhuma explica as diferenças
iniciais nos resultados entre grupos ou dentro deles . 6 Essas descobertas desafiam a
suposição entre pesquisadores de imigração de que o tipo de aculturação é um mecanismo
fundamental que explica resultados divergentes entre grupos ( Portes e Rumbaut 2001: 145).

Além disso, pensa-se que a assimilação segmentada decorre de um mercado de trabalho


bifurcado entre empregos profissionais altamente remunerados que exigem uma grande
educação e trabalhos baixos, pouco qualificados e sem saída no final. Como Portes, Kelly e
Haller (2005 : 1005) colocaram:

A promessa da sociedade americana, que faz chegar tantos estrangeiros, reside no


acesso que oferece a carreiras profissionais e empresariais bem remuneradas e aos
estilos de vida afluentes associados a elas. Ao mesmo tempo, é óbvio que nem todo
mundo adquire acesso a essas posições e que, no extremo oposto da sociedade, existe
um cenário muito pouco convincente de gangues juvenis, estilos de vida ditados por
drogas, partos prematuros, prisão e morte precoce. As famílias imigrantes navegam
entre esses extremos opostos que procuram dirigir seus jovens na direção do verdadeiro
mainstream.

No entanto, entre a nova geração de nova-iorquinos que estudamos, a grande maioria não são
desistentes do ensino médio nem médicos. Mais típicos são os jovens com alguma educação
universitária que trabalham em indústrias clericais ou de serviços de colarinho branco. De
fato, os membros da segunda geração se assemelham mais a outros nova-iorquinos da idade
do que seus pais imigrantes.

Os dois grupos cujos resultados são mais surpreendentes são os porto-riquenhos e os


chineses. Os porto-riquenhos estão piorando em termos de educação e ocupações do que se
poderia esperar do status socioeconômico de seus pais e os chineses estão fazendo muito
melhor. Os tipos de aculturação não explicam nenhum desses valores abertos. Ambos os
grupos têm altas taxas de aculturação dissonante, mas sua obtenção socioeconômica não pode
ser mais diferente.

De fato, outros aspectos da teoria segmentada da assimilação explicam melhor as dispares


trajetórias de mobilidade dos porto-riquenhos e dos chineses. Claramente, os porto-riquenhos
sofrem de um contexto negativo de recepção - incluindo a discriminação racial na habitação e
a força de trabalho, escolas de baixa qualidade da cidade e migração circular para a ilha,
facilitada pela cidadania americana. A segunda geração chinesa se beneficia de uma maior
heterogeneidade de classe dentro da comunidade de imigrantes, juntamente com um forte
senso de limites de grupo e instituições e meios de comunicação étnicos estabelecidos.
Enquanto muitos membros da segunda geração chinesa têm pais mal educados, alguns têm
diplomas universitários e empregos profissionais. A informação é trocada dentro da
comunidade chinesa entre pais de diferentes origens de classe social e membros da segunda
geração podem se beneficiar de laços sociais vantajosos. Isso sugere que não é o nível geral
de laços com o grupo étnico ou a aculturação seletiva ao nível individual que leva a melhores
resultados. Em vez disso, é manter os laços étnicos dentro dos grupos que têm um número
significativo de membros da classe média e educados que ajudam crianças de imigrantes
pobres. A incorporação étnica e o capital social são úteis quando se conectam às pessoas com
recursos significativos. Eles são de muito menos uso para grupos que são mais
uniformemente pobres. Isso sugere que não é o nível geral de laços com o grupo étnico ou a
aculturação seletiva ao nível individual que leva a melhores resultados. Em vez disso, é
manter os laços étnicos dentro dos grupos que têm um número significativo de membros da
classe média e educados que ajudam crianças de imigrantes pobres. A incorporação étnica e o
capital social são úteis quando se conectam às pessoas com recursos significativos. Eles são
de muito menos uso para grupos que são mais uniformemente pobres. Isso sugere que não é o
nível geral de laços com o grupo étnico ou a aculturação seletiva ao nível individual que leva
a melhores resultados. Em vez disso, é manter os laços étnicos dentro dos grupos que têm um
número significativo de membros da classe média e educados que ajudam crianças de
imigrantes pobres. A incorporação étnica e o capital social são úteis quando se conectam às
pessoas com recursos significativos. Eles são de muito menos uso para grupos que são mais
uniformemente pobres.

A aculturação seletiva é um conceito atraente. Reconhece o medo de muitos pais imigrantes


de que seus filhos estão americanizando muito rapidamente. Também sugere uma solução
política facilmente implementada. Em vez de se concentrar em melhorar as escolas da cidade
ou acabar com a discriminação racial, a teoria sugere que a vida dos jovens da segunda
geração da cidade do interior pode ser melhorada através do fortalecimento dos laços do
capital social em suas comunidades étnicas, incentivando a educação bilíngüe e fortalecendo
os laços familiares . Embora esses objetivos possam valer a pena por conta própria, nossas
análises sugerem que farão pouco para promover resultados positivos na segunda geração.

Vamos para:

Reconhecimentos
Agradecemos a Richard Alba, Maurice Crul, Nicole Deterding, Eva Rosen, Jens Schneider,
três revisores anônimos e participantes da Harvard Migration Workshop por seus comentários
úteis sobre rascunhos anteriores.

Vamos para:

Notas

1 Para uma descrição detalhada do estudo, consulte o Apêndice metodológico em Kasinitz et al


(2008) .

2 sul-americanos incluem colombianos, equatorianos e peruanos.

3 Muitos entrevistados em nossa amostra podem levar mais tempo para terminar, podem ser
empregados em tempo integral ou a tempo parcial enquanto trabalham para o diploma de bacharel e,
eventualmente, obter o diploma de bacharel após a idade de 22 anos. No entanto, usando diferentes
idades de corte não afeta nossas descobertas (resultados disponíveis mediante solicitação).
4 Da mesma forma, muitos indivíduos ainda podem ser matriculados no programa de graduação
avançada até os 25 anos, mas usar diferentes idades de corte não levou a resultados
substantivamente diferentes.

5 Pode-se argumentar que os tipos de aculturação podem ter contribuído para maiores níveis de
escolaridade entre a segunda geração e, como resultado, indiretamente contribuíram para a
obtenção profissional entre a segunda geração. Isso implicaria que o efeito da aculturação na
realização profissional é mediado pela realização educacional. No entanto, mesmo se removemos o
nível de educação do entrevistado de nosso modelo (resultados não apresentados, mas disponíveis
mediante solicitação), o tipo de aculturação ainda não possui um poder preditivo significativo na
obtenção profissional.

6 Nossas medidas de integração étnica podem ser cruéis e melhores medidas seriam desejáveis,
mas experimentar com medidas contextuais, como a porcentagem de população imigrante e o
próprio grupo étnico no nível do código postal, não produziu resultados significativos.

Vamos para:

Informações do Colaborador
Mary C. Waters, ME Zukerman Professor do Departamento de Sociologia da Universidade
de Harvard. 33 Kirkland St., Cambridge MA 02138.

Van C. Tran, Departamento de Sociologia e Política Social da Universidade de Harvard. 33


Kirkland St., Cambridge MA 02138.

Philip Kasinitz, Departamento de Sociologia do Centro de Pós-Graduação da Universidade da


Cidade de Nova York. 365 Fifth Avenue New York, NY 10016.

John H. Mollenkopf, Departamento de Ciência Política e Sociologia do Centro de Pós-


Graduação da Universidade da Cidade de Nova York. 365 Fifth Avenue, Nova Iorque, NY
10016.

Vamos para:

Referências
1. Abada Teresa, Hou Feng, Ram Bali. Diferenças étnicas na escolaridade entre os filhos
de imigrantes canadenses. Canadian Journal of Sociology. 2009; 34 (1): 1-28.
2. Alba Richard, Nee Victor. Remaking the American Mainstream: Assimilação e
Imigração Contemporânea. Cambridge, MA: Harvard University Press; 2003.
3. Boyd Monica. Obtenção educacional de descendentes de imigrantes: sucesso ou
assimilação segmentada? Revisão da migração internacional. 2002; 36 (4): 1037-60.
4. Crul Maurice, Thomson Mark. A segunda geração na Europa e nos Estados Unidos:
como o debate transatlântico é relevante para novas pesquisas sobre a segunda
geração europeia? Revista de Estudos Étnicos e de Migração. 2007; 33 (7): 1025-
1041.
5. Farley Reynolds, Alba Richard. A nova segunda geração nos Estados Unidos. Revisão
da migração internacional. 2002; 36 (3): 669-701.
6. Gans Herbert J. Aculturação, assimilação e mobilidade. Estudos Étnicos e Raciais.
2007; 30 (1): 152-64.
7. Gratton Brian. Raça, filhos de imigrantes e teoria das ciências sociais. Jornal da
história étnica americana. 2002; 21 (4): 74-84.
8. Greenman Emily, Xie Yu. Pesquisa de Ciências Sociais. 1. Vol. 37. 2008. A teoria da
assimilação está morta? o efeito da assimilação no bem-estar adolescente; pp. 109-37.
[ Artigo livre PMC ] [ PubMed ]
9. Hirschman Charles. A matrícula educacional da juventude imigrante: um teste da
hipótese de assimilação segmentada. Demografia. 2001; 38 (3): 317-36. [ PubMed ]
10. Kasinitz Philip, Mollenkopf John H, Waters Mary C, Holdaway Jennifer. Herdando a
cidade: os filhos dos imigrantes são de idade. Nova York: Russell Sage Foundation;
2008.
11. Kasinitz Philip, Mollenkopf John, Waters Mary C. Tornando-se New Yorkers:
Etnografias da Nova Segunda Geração. Nova York: Russell Sage Foundation; 2004.
12. Kasinitz Philip, Mollenkopf John, Waters Mary C. Tornando-se americano / se tornou
nova-iorquino: incorporação de imigrantes em uma cidade minoritária maioritária.
Revisão da migração internacional. 2002; 36 (4): 1020-36.
13. Menjívar Cecilia. Laços fragmentados: redes de imigrantes salvadorenhos na
América. Berkeley, CA: University of California Press; 2000.
14. Park Robert E, Burgess Ernest. A cidade. Chicago, IL: The University of Chicago
Press; 1925.
15. Perlman Joel, Waldinger Roger. Declínio de segunda geração? filhos de imigrantes,
passado e presente - uma reconsideração. Revisão da migração internacional. 1997;
31 (4): 893-922. [ PubMed ]
16. Portes Alejandro, Fernandez-Kelly Patricia, Haller William. Asimilação segmentada
no terreno: a nova segunda geração no início da idade adulta. Estudos Étnicos e
Raciais. 2005; 28 (6): 1000-40.
17. Portes Alejandro, Rumbaut Ruben G. Legacies: A história da segunda geração
imigrante. Berkeley, CA: University of California Press; 2001.
18. Portes Alejandro, Min Zhou. A Nova Segunda Geração: Assimilação Segmentada e
suas Variantes. Os Anais. 1993; 530 (1): 74-96.
19. Smith James. Assimilação em todas as gerações latinas. American Economic Review.
2003; 93 (2): 315-19.
20. Stepick Alex. Orgulho contra o preconceito: haitianos no U S. Boston, MA: Allyn e
Bacon Publishers; 1998.
21. Vickerman Milton. Transmissões cruzadas: imigrantes das indústrias das indústrias
das indústrias indianas e raça. Nova York: Oxford University Press; 1999.
22. Waldinger Roger. A fabricação importava? A experiência da segunda geração de
ontem: uma reavaliação. Revisão da migração internacional. 2007; 41 (1): 3-39.
23. Waldinger Roger, Feliciano Cynthia. A nova geração de segunda geração terá
"assimilação descendente"? A nova assimilação segmentada foi reavaliada. Estudos
Étnicos e Raciais. 2004; 27(3): 376-402.
24. Waldinger Roger, Perlman Joel. Duas gerações: passado, presente, futuro. Revista de
Estudos Étnicos e de Migração. 1998; 24 (1): 5-24.
25. Warner W Lloyd, Srole Leo. Os sistemas sociais dos grupos étnicos americanos. New
Haven: Yale University Press; 1945.
26. Waters Mary C. Black Identidades: sonhos indígenas imigrantes e realidades
americanas. Nova York: Russell Sage Foundation; 1999.
27. Zéphir Flore. Tendências na identificação étnica entre os imigrantes haitianos de
segunda geração na cidade de Nova York. Westport, CT: Bergin e Garvey; 2001.
28. Zhou Min. Asimilação segmentada: questões, controvérsias e pesquisas recentes sobre
a nova geração. Revisão da migração internacional. 1997; 31 (4): 975-1008. [
PubMed ]
29. Zhou Min, Bankston Carl L. Crescendo americano: como as crianças vietnamitas se
adaptam à vida nos Estados Unidos. Nova York: Russell Sage Foundation; 1998.
30. Zhou Min, Xiong Yang Sao. As experiências multifacetadas americanas dos filhos de
imigrantes asiáticos: lições da assimilação segmentada. Estudos Étnicos e Raciais.
2005; 28 (6): 1119-52.
31. Zhou Min, Kim Susan S. Forças da comunidade, capital social e realização
educacional: o caso do ensino complementar nas comunidades imigrantes chinesas e
coreanas. Harvard Educational Review. 2006; 76 (1): 1-29.