Você está na página 1de 16

Clima

Células de Hadley, Ferrel e Polar


Células de Hadley (tropical)
 Nas baixas latitudes (próximo ao Equador), o sol
aquece uma massa de ar e com o aquecimento,
essa massa de ar ascende verticalmente e se
desloca para o Norte e para o Sul nos níveis
superiores da Atmosfera.

 O local onde a massa de ar se encontrava é


preenchido com ar vindo das latitudes subtropicais
(seco e frio)

 A massa de ar quente que foi para cima irradia


calor para o espaço e se refresca → fica mais
denso e retorna para a superfície → reinicia o ciclo
Células de Hadley (tropical)
Células de Ferrel (latitude média)

O ar quente move-se para os pólos


e para o Leste junto à superfície e
o ar frio no sentido do equador e
para Oeste nos níveis mais altos.
O sentido dos fluxos nas células de
Hadley e de Ferrel são opostos
porque a velocidade de rotação da
Terra perto do Equador é maior do
que nas latitudes superiores.
Célula polar
Se encontra entre as latitudes 60º e 90º,
em ambos os hemisférios;
É produzida pelo frio dos pólos e gera o
centro de altas pressões permanentes
polares que desloca massas de ar frio
superficial até o centro de baixas pressões
subpolares;
Ali o ar se eleva e se dirige aos pólos
onde forma as zonas polares de alta
pressão.
Cinturões climáticos latitudinais

Zona de convergência intertropical →


Florestas pluviais tropicais e
subtropicais
30oN: Zona seca subtropical →
desertos quentes → Mojave, Sonoran,
Chihuahua (América do Norte),
Australiano (Austrália)
30oS → Zona seca subtropical →
desertos quentes Atacama (América
do Sul), Arábico, Saara, Kalahari,
Namíbia (África)
Acima de 60oN e 60oS→ desertos frios
→ desertos polares
Distribuição dos grandes desertos
Ventos
Temperaturas e precipitações
 A quantidade e a distribuição das chuvas definem o clima de
uma região (seco ou úmido) e, juntamente com a
temperatura do ar, define o tipo de vegetação natural que
ocorre nas diferentes regiões do globo.

 Hemisfério sul → mais oceanos e lagos, menores variações


de temperaturas;

 Hemisfério norte → mais massas de terra, precipitação


menor, maiores variações de temperatura;

 Litoral → chove mais porque fica mais próximo ao oceano →


variações de temperaturas são menores porque a
capacidade de armazenamento de calor pelas águas reduz
as flutuações de temperatura
Sombras de chuva
 Montanhas → forçam o ar para cima
fazendo que ele esfrie e perca a sua
umidade como precipitação (chuva
orográfica ou chuva de relevo) na porção
barlavento (contra o vento)
 Quando desce as encostas a sotavento (a
favor do vento), viaja através das terras
baixas retirando a umidade e criando
ambientes áridos → sombras de chuva
Chuva orográfica e sombras de chuva
qnint.sbq.org.br
Obs: O Pico da Neblina possui 2993,78 m
(medição revista por satélite/GPS
pelo IBGE em 2004) e o Monte Everest tem
8.844,43 m.
Chuva orográfica e sombras de chuva

Fonte: http://1.bp.blogspot.com/-oZOu9mTql3g/TZP4N
wAayI/AAAAAAAACzg/aWloltSDws/s1600/ChuvaOrografica.JPG
Tipos de clima
Referências
 RICKLEFS, R.E. A economia da natureza. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2003.

 SILVA, R. G. Predição da configuração de sombras de árvores


em pastagens para bovinos. Eng. Agríc. v. 26, n. 1, p. 268 -
281, Jaboticabal Jan./Apr. 2006