Você está na página 1de 2

Documentário: A Vida Medieval Discente: Lucas Brito Santana Da Silva Disciplina: História Medieval

Apresentado pelo historiador britânico Mike Loades, especialista em história militar, o documentário A Vida Medieval, produzido pelo History Channel, traz uma reconstituição de aspectos da vida dos homens do medievo. Entre eles: a forma como eram construídos os castelos; a maneira como eram travadas as batalhas, assim como a evolução dos equipamentos bélicos, desde o arco de guerra às armaduras e catapultas. São explorados, também, as relações mantidas entre os cavaleiros; a exemplo de alguns códigos de honra, principalmente em relação a outros cavaleiros, por exemplo: evitar matar imediatamente outros cavaleiros durante as batalhas, sendo preferível capturá-los para vendê-los de volta aos seus. São inúmeros os aspectos da vida medieval trazidos pelo documentário: como as pessoas da Idade Medieval tratavam as doenças? Como produziam suas roupas e qual a estética delas? Como eram as caçadas, quais animais se caçavam e quem podia caçá-los? O que bebiam e comiam? Como conduziam a sua higiene? O documentário e Mike Loades obtiveram sucesso nessa reconstituição da vida medieval? Diríamos que sim. São convocados vários especialistas em aspectos que se pretende reconstituir, como os que fazem parte da higiene e culinária medievais. São trazidos equipamentos e especialistas em ciências contemporâneas, a exemplo do boneco de impactos, onde foi medido os danos que o arco de guerra poderia causar. O que chama atenção aí é a interdisciplinaridade, prescrita por Marc Bloch e Lucien Febvre desde a década de 20, e praticada pelos historiadores que vieram a compor a chamada Escola dos Annales, a partir de 1929. Porém, e Bloch (2001) traz esta crítica em sua Apologia da história, os historiadores deveriam se dedicar a essas minúcias? O fundador dos Annales dirá que não. Ainda que tenha se desenvolvido ou se baseado numa pesquisa ampla, o que um documentário desse tipo tem a oferecer ao seu público, uma vez que não desenvolve nenhuma problematização que se relacione com a vida dos homens contemporâneos? Deleite? Bloch (2001) fala que a primeira validação da História encontra-se em seu potencial para a diversão Como a questão sobre a finalidade da História recebeu e recebe variadas respostas, nós apresentaremos apenas as de nosso interesse. Pierre Nora (apud

PROST, 2008) nos diz que a história serve para deslegitimar o passado vivido; uma

postura que se coloca em anteposição a coesão fictícia da memória. Durval Muniz

(2012) fala que a História serve para tornar o homem, um ser sensível, em um ser

sensibilizado. Uma das maiores preocupações desse autor é com a alteridade, a

história seria capaz, ao sensibilizar o homem, de diminuir os problemas com o Outro.

Indo mais longe, partindo da subjetividade deste que escreve este texto: para quê

serve a História? A História serve para lançar o homem no abismo, criticando e

destruindo todos os portos-seguros nos quais os homens ancoram as suas certezas.

Esse documentário não cumpri nenhuma das funções que elencamos, que

legitimariam a existência da História. Enquanto professores, poderíamos intervir e

problematizá-lo de forma a encaixá-lo numa proposta pedagógica que atenda às

nossas escolhas, e somente assim aproveitá-lo mais.

Referências

ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz de. Fazer defeitos nas memórias: para que servem o ensino e a escrita da história? In: Gonçalves, Marcia de Almeida et all (org.). Qual o valor da história hoje? Rio de Janeiro: FGV, 2012, p. 21 39.

BLOCH, Marc Leopold Benjamin, Apologia da história, ou, O ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

HISTORY CHANEL.

<https://www.youtube.com/watch?v=ADAWkyDLKBc. Acesso em: 08. Fev. 2018.

A

vida

medieval.

Disponível

em:

PROST, ANTOINE. Doze lições sobre história.Belo Horizonte: Autêntica Editora,

2008.