Você está na página 1de 176

FILOSOFIA RELIGIOSA DO MESSIAS:

DEUS AO REINO DO CÉU NA TERRA

JOHREI

VOLUME 7
2010
2
INTRODUÇÃO

“Johrei” compreende três tópicos: Uma grande revolução


científica; Sua teoria; Sua prática.
O Messias emprega as colunas de salvação: “Eu, porém,
estou utilizando a Arte para realizar mundialmente aquilo que o
Príncipe Shotoku fez em âmbito nacional. Além dos
Ensinamentos, ainda divulgo um método de curar doenças
através do Johrei, bem como um tratado sobre agricultura isenta
de impurezas.”
E menciona a respeito do conteúdo deste volume:
“Deus Supremo deseja eliminar por completo a doença, o
maior dos sofrimentos da humanidade. Para concretizar esse
objetivo, Ele passou a manifestar um grande poder de perfeita
união Deus-homem através do corpo material de Meishu-Sama.
Esse método de tratamento criado por desígnio do Criador do
Universo é o que passou a ser designado por Johrei.”
No livro Toohoo no Hikari (Luz do Oriente - volume I -
obra que resulta de pesquisas realizadas por uma equipe de
estudiosos japoneses) – se tem um texto sobre a Evolução na
Arte de Canalizar Johrei que é composto de duas partes.
“Primeira parte.
• Trabalho de pesquisa.
Depois que Meishu-Sama recebeu a revelação divina, sua
fé foi se firmando, cada vez mais, e o desejo de cumprir a missão
que Deus lhe confiara inflamou-se. Assim, esforçava-se bastante
para que o sofrimento das pessoas fosse eliminado. E
procurando realizar, com a máxima eficiência, o seu trabalho,
dedicou-se, principalmente, ao Johrei - essência pela qual
adquiria forças suficientes para promover a salvação de todos.
Mas até que chegasse à sua forma atual, Meishu-Sama
alterou diversas vezes o modo de manifestar essa força que
recebera de Deus para promover a salvação das pessoas

3
abaladas por inúmeros sofrimentos. Então, estendeu-se por um
longo tempo em pesquisas, embora a base fundamental do
Johrei já lhe tivesse sido outorgada em 1926 – período em que
recebeu de Deus a revelação da missão que deveria vir a
desempenhar, com vistas à salvação da humanidade toda.
E assim, através de experiências e do próprio surgimento
de muitas idéias esclarecedoras, Meishu-Sama foi,
paulatinamente, percebendo a vontade divina e, com muito
empenho, levou-a adiante, pois esse era, de fato, o caminho que
Deus lhe propusera e que deveria, então, ser seguido pelo
Mestre.
• As várias formas já usadas para ministrar Johrei.
Conforme relatório de Shinjiro Okaniwa - um dos
auxiliares diretos de Meishu-Sama -, mais ou menos a partir de
junho de 1930, o método de canalização da Luz era feito da
seguinte forma: rezava-se Amatsu Norito, em seguida juntavam-
se as mãos e, pela ponta dos dedos, pressionava-se a parte
afetada, que depois era friccionada repetida vezes, com a palma
da mão. Para terminar, soprava-se um pouco o mesmo local.
Pouco tempo depois, em 1932, a aplicação da energia
visando à cura passou a consistir no seguinte: levantava-se a
palma da mão, ao mesmo tempo em que se rezava em voz baixa,
sem emitir nenhum som, somente mexendo-se os lábios, a
oração Ama no Kazu uta. Repetia-se três vezes consecutivas as
palavras hito, futa, mii, yo, itsu, muyu, nana, ya, kokono, tari, ya
e, na última repetição, a oração tinha por término as palavras
momo, chi, yorozu.
Outra maneira consistia em distanciar-se um pouco de
quem estivesse recebendo a Luz e escrever no espaço, com a
ponta do dedo, a palavra “purifique”, ao mesmo tempo em que
se pedia a Deus a eliminação das máculas da pessoa.
Também um outro método empregado consistia em se
usar o poder do kototama como forma para se curar doenças.
Assim, se alguém estivesse com dor de cabeça, pronunciava-se
uma frase como “dor de cabeça, afaste-se desta pessoa”, ao
4
mesmo tempo em que se soprava o local da manifestação da
dor.
Outra prática consistia em: após rezar, juntar as mãos e,
depois, soprar o local afetado, ao mesmo tempo em que se
levantava a mão para transmitir a Luz. Ao se utilizar do sopro,
Meishu-Sama procurava mostrar uma das formas de trabalho do
Haraido no Kami - o deus que limpa e purifica impurezas e
máculas.
Ao se referir sobre esses vários métodos de canalização
do Johrei, Meishu-Sama dizia o seguinte: “Antigamente, quando
eu curava as doenças, muitas pessoas me perguntavam com
quem eu havia aprendido. Então, eu respondia que tinha sido
com a Grande Natureza. Meu mestre, em primeiro lugar, é a
Grande Natureza e, em segundo, o doente. Portanto, aprendi na
prática - enquanto ia curando os enfermos - as várias formas de
canalizar a Luz.”
E então, ao ministrar Johrei diariamente a pessoas com
as mais variadas doenças, sempre procurando levá-las à cura,
Meishu-Sama buscava concentrar seu pensamento tanto na
forma quanto nos movimentos da Grande Natureza. Assim,
empreendeu grandes esforços para introduzir na própria
canalização do Johrei as Leis do Céu e da Terra.
No que se refere ao uso das mãos, Meishu-Sama
ensinava que é exatamente nesse local que a vontade do ser
humano está concentrada, tanto é que costumamos levar as
mãos a partes do nosso corpo onde sentimos alguma espécie de
dor.
Com relação a balançar-se a mão, esse é um ato que
representa manifestação de poder espiritual, o que esclarece
por que foi um costume introduzido, inicialmente, na Arte do
Johrei. Inclusive, no Japão, há alguns textos muito antigos que
fazem referência ao tama (alma) furi (balançar), cujo significado
é “chacoalhar a alma para fazê-la reviver, no caso de estar
enfraquecida.” Dessa forma, a técnica de balançar a mão ao se
ministrar Johrei - muito utilizada inicialmente - deve ter sido
5
originária da própria prática do tamafuri.
E foi assim então, através de pesquisas que buscavam o
aprimoramento das mais diversas formas de canalizar Johrei,
que Meishu-Sama acabou encontrando o verdadeiro método
onde estivesse implícita a vontade divina. Dessa forma, após o
método de canalização do Johrei passar por várias alterações,
em maio de 1934, Meishu-Sama chegou a estabelecer o método
da Arte do Johrei, que lhe fora concedido por Deus, e
denominou-o Shijutsu (técnica de aplicação). Antes dessa data,
chamava-se Tinkon (ato de acalmar a alma, levando-a a um
estado de serenidade).
Mas em 1936, Meishu-Sama foi preso, condenado sob a
alegação de prática ilegal de medicina, e foi mantido em cárcere
durante onze dias. E só no ano seguinte, em outubro de 1937, é
que retomou suas atividades de Tiryo (tratamento).
Em agosto de 1947, logo após o término da Segunda
Guerra Mundial, Meishu-Sama fundou a instituição religiosa
Nippon Kannon Kyodan (Organização Religiosa de Kannon no
Japão), procedendo à alteração da denominação de Tiryo
(tratamento) para Okiyome (purificação). E alguns meses mais
tarde, passou a denominar a canalização da Luz divina como
Johrei - nomenclatura que permanece inalterada até os dias de
hoje.
• Episódio marcante.
Após o estabelecimento da Organização Religiosa de
Kannon no Japão, sucedeu algo digno de nota: o Sr. Yoshihide
Takei - responsável por uma Casa de Difusão na cidade de
Oomiya, no Estado de Saitama - foi fazer uma visita a Meishu-
Sama, ocasião em que o Mestre disse ao visitante: “Takei san,
vou lhe permitir, mas apenas uma só vez, proceder a uma cura
por meio do kototama. Experimente”.
Nesse meio tempo da conversa entre Meishu-Sama e
Takei, o dono de uma loja de bebidas em Tóquio - Sr. Tomozo
Hida - chegou à casa do Mestre para receber Johrei, pois estava
com violentas dores no abdômen. E essa foi exatamente a
6
oportunidade de Takei para seguir a orientação que o Mestre lhe
fizera há pouco. Então, dirigiu-se a Tomozo e falou: “Hida san,
deite-se aqui. Hoje, quem vai tratar de você sou eu.” Em
seguida, explicou a Tomozo que Meishu-Sama acabara de lhe
permitir curar, por meio do kototama. Daí então, Takei
pronunciou as palavras “vai embora, dor de barriga” e, logo em
seguida, soprou o local onde as dores de Tomozo se
manifestavam. Depois disso, ainda meio receoso, perguntou ao
doente como ele se sentia. Tomozo Hida estava era muito
assustado com tudo aquilo, quando respondeu a Takei que as
dores que sentia haviam desaparecido por completo.
E a partir desse episódio, Takei buscou aprofundar seus
conhecimentos relativos ao Johrei, numa atitude de respeito e
também de reverência a Meishu-Sama, por lhe ter permitido
exercer um poder assim tão grande. Quanto a Tomozo Hida, o
que aconteceu foi o seguinte: fechou sua loja de bebidas e
tornou-se discípulo do Mestre, passando então a sempre se
dedicar, primeiro, ao bem do próximo, deixando para segundo
plano seus interesses particulares.
Segunda parte.
• A Arte do Johrei.
Na década de trinta, Meishu-Sama se dedicava com todo
o empenho à cura através do Johrei, e não eram raras às vezes
em que sua residência – Shofu-so Casa do Vento no Pinheiro,
localizada no bairro de Oomori, em Tóquio - ficava lotada de
muitos doentes, nos quais o Mestre ministrava Johrei.
Em relação a seus próprios filhos, Meishu-Sama não só
canalizava a Luz, mas também fazia experiências de cura com
eles. Em 1932, o Mestre já tinha seis filhos - três homens e três
mulheres, contando com Kunihiro, o caçula, nascido em 24 de
março de 1932. Inclusive, há um relato de seu segundo filho -
Mihomaro -, cujo nascimento se deu em 02 de dezembro de
1923, em que ele conta o seguinte:
“Quando nossa família morava em Oomori, havia muitos
pacientes hospedados em minha casa. Todos eram portadores
7
de doenças graves, como tuberculose, distúrbios mentais, bem
como outras enfermidades. Meu pai ministrava Johrei
diariamente nessas pessoas, ao mesmo tempo em que ia
realizando suas pesquisas. Inclusive eu mesmo, que era um
jovem muito debilitado e frágil, também recebia Johrei sempre.
Houve períodos em que meus irmãos e eu, por ordem de
meu pai, só podíamos comer verduras, e assim ele ia realizando
suas pesquisas com os próprios filhos, já que não lhe era possível
fazer o mesmo com os outros doentes. E foi dessa forma que nós
- os filhos - conseguimos fortalecer nossa saúde.
Também me lembro de que, nessa época, eu sofria
bastante, devido a constantes inflamações nas parótidas. Então,
algumas vezes, meu pai permitia que a doença seguisse seu
curso natural, enquanto que em outras, ministrava Johrei em
mim. Essa foi a forma que ele encontrou para conseguir
perceber a diferença resultante do poder da Luz de Deus.
E todas essas experiências ficaram registradas em minha
memória. Também não me esqueci de suas atitudes em relação
ao cardápio dos doentes: era composto por alimentos
selecionados por ele mesmo. Para os filhos, ele jamais permitiu
qualquer espécie de extravagância e só mesmo, de vez em
quando, nos deixava comer peixe.
E era assim todos os dias: sempre chegavam muitos
doentes e, em certas ocasiões, eram tantos, que até o quarto
das crianças era ocupado. Mas meu pai procurava ministrar
Johrei a todos, sempre com muito amor.”
• Resultado de pesquisas.
Pelo fato de manter contato permanente com muitos
doentes, ao procurar curá-los através do Johrei, Meishu-Sama
foi descobrindo, pouco a pouco, o modo mais eficiente de
canalização da Luz, de acordo com a vontade de Deus, até
finalmente chegar à constatação de que a Lei da Purificação está
relacionada ao profundo poder divino do Johrei.
Então, embora as doenças sejam amplamente conhecidas
como algo tenebroso, na verdade, não passam de ocorrências
8
espontâneas da própria ação de limpeza do corpo humano, bem
o inverso, portanto, do pensamento corrente de que são
prejudiciais à vida. Além do mais, constituem um extraordinário
recurso de revitalização do próprio organismo, o que resulta na
verdadeira saúde.
Todos esses conhecimentos foram transmitidos por Deus
a Meishu-Sama, que os chamou de “ação purificadora”.
• Acúmulo de toxinas.
Sem exceções, todo ser, humano, pelo simples fato de
viver, já acumula impurezas em seu organismo pela própria
ingestão de alimentos e água contaminados e, inclusive, através
da respiração. As sujeiras exteriores podem ser removidas ao
nos lavarmos, mas as interiores contam com um processo
criado, originariamente, para que o corpo as elimine por meio
dos recursos biológicos de excreção. No entanto, nesse último
caso, nem sempre tal processo se realiza por completo, fazendo
então com que resíduos permaneçam no organismo, o que gera,
com o passar do tempo, certo acúmulo de impurezas que,
necessariamente, virão a ser eliminadas.
Dessa forma, pela própria capacidade natural de
recuperação que o corpo possui, inicia-se um processo
espontâneo de eliminação dessas impurezas acumuladas, e a
essa realidade dá-se o nome de “doença”, que geralmente gera
alguma espécie de sofrimento físico; como dores em geral, febre
e mal-estares. Na verdade, porém, tal processo se constitui em
uma mera ação purificadora, o que significa dizer que
corresponde a uma atuação da Grande Natureza no sentido de
revitalizar a saúde humana. Em outras palavras, corresponde a
uma dádiva de Deus.
• Toxinas e Lei da Purificação.
Pela patologia, as impurezas contidas no corpo
denominam-se “toxinas”, o que, em sentido religioso,
corresponde às “nuvens espirituais”. Mas de qualquer modo,
para a eliminação de toxinas, torna-se necessária uma ação
purificadora que, por vezes, manifesta-se via doença ou, em
9
outros casos, pela ocorrência de diversos infortúnios, desgraças
ou acidentes. No entanto, após o término de qualquer processo
que seja de limpeza, sempre ocorrem mudanças benéficas no
estado geral dos que passaram por uma purificação.
E com base nessa realidade, Meishu-Sama diz o seguinte:
“obviamente que acontecimentos bons são maravilhosos. No
entanto, não se diferem dos transtornos causados por uma
purificação, os quais sempre resultam em melhorias para a
nossa vida. Portanto, tanto as ocorrências boas quanto as ruins
correspondem a dádivas de Deus”.
• Ação do Johrei.
O Johrei elimina as nuvens do corpo espiritual e elas, por
sua vez, constituem-se na causa fundamental dos sofrimentos da
humanidade. Por outro lado tendo por base a Lei de que “O
Espírito Precede a Matéria”, ele também passa a acelerar
qualquer ação purificadora, o que quer dizer que, ao queimar as
máculas do espírito, o Johrei atinge as impurezas contidas na
parte física correspondente do corpo. São essas impurezas que
logo começam a ser eliminadas e é dessa forma que os
sofrimentos causados por doenças, infortúnios ou desgraças vão
tendo fim. E uma vez que todos esses problemas tenham sido
solucionados, daí então o ser humano passa a se sentir feliz.
Concluindo: Meishu-Sama ensina que o Johrei não tem
por objetivo apenas curar doenças, mas, principalmente, gerar
felicidade. E conforme ele mesmo diz: “falando de modo
simples, doença é uma ação purificadora originada pelo
processo de extinção das nuvens espirituais. Num sentido mais
amplo, contudo, corresponde à ação de eliminar todos os
sofrimentos da humanidade.”
• A doença na vida de Meishu-Sama.
Desde criança, Meishu-Sama foi acometido por várias
doenças e, inclusive, quase chegou a morrer em decorrência de
tuberculose e tifo, o que justifica que tivesse muito medo de
qualquer enfermidade. Em conseqüência disso, gradativamente,
foi então mudando seu modo de pensar a respeito das doenças
10
e, após ter ingressado na fé e recebido grande poder de Deus e
profunda sabedoria, seus conceitos sobre doença deram uma
guinada de cento e oitenta graus. E foi daí que compôs os
seguintes salmos:
É a doença
Uma forma de purificar a alma.
Por conseguinte, preciosa dádiva de Deus.
O verdadeiro
Cordão de salvação consiste na arte
De purificar homens que têm muitas máculas.
Em seguida, o Mestre passou então a se dedicar
exclusivamente à salvação do mundo. E como qualquer outro ser
vivente, chegou a enfrentar várias dificuldades, mas acabou por
resolvê-las, uma a uma. E a cada passo que dava, procurava,
firmemente, encontrar o sentido verdadeiro da vida, o que
acabou por levá-lo a entender que todas as experiências que
chegou a acumular durante muitos anos, mais tarde, lhe seriam
essenciais para o trabalho de salvação da humanidade.”
Findo este texto “Evolução na Arte de Canalizar Johrei”,
se apresenta comentários do tradutor do livro A Arte do Johrei.
“• A canalização do Johrei.
Está chegando o tempo em que a canalização do Johrei
deve ser feita com mais concentração do que antigamente. É
preciso maior espiritualidade para que a Luz desça com mais
intensidade.
No início, o ato de ministrar Johrei era bem material. A
pessoa ficava deitada primeiro de barriga para cima e recebia a
Luz da cabeça aos pés; depois se virava de costas e a canalização
era feita através de toques em determinados pontos. Mais
tarde, passou-se a aplicar Johrei com o braço bem esticado, com
força e movimentando a palma da mão como se estivesse
empurrando a Luz. Procedia-se dessa maneira porque ela era
ainda muito fraca. Entretanto, a partir de 15 de junho de 1950,
Meishu-Sama deu uma nova orientação de como canalizar
Johrei. Como a Luz já estava ficando mais intensa deveria ser
11
transmitida sem forçar, com o braço bem relaxado, numa
atitude de, cada vez, mais intensa concentração espiritual. E, à
medida que for se aproximando a Era do Dia, maior atenção
deve ser dada a esse princípio.
Meishu-Sama, já um ano antes do seu falecimento não
ministrava mais Johrei. Ele apenas mandava que a pessoa
sentasse perto dele e ficasse quieta. Assim já estava recebendo a
Luz.
[Já no ensinamento “A Minha Luz”, Meishu-Sama
escreveu: “Recebo, freqüentemente, telegramas de pessoas que
estão sofrendo, em locais distantes, solicitando-me auxílio e,
muitas, obtêm a graça apenas com esse pedido. Isso ocorre
porque, no momento em que tomo conhecimento do problema,
minha Luz se subdivide e liga-se a essa pessoa. Assim, através do
elo, espiritual, ela recebe a graça.”]
Então, esse fato hoje significa que, quarenta e quatro
anos após o Seu falecimento [em relação a este volume são
cinqüenta e três anos], se a gente sentar em frente ao altar, com
a intenção de receber Luz com certeza Ele a estará transmitindo.
Precisa apenas um pouco de esforço da nossa parte para
esquecer as coisas materiais e ficar mais voltado à realidade
espiritual. Como, porém, a gente não enxerga, torna-se difícil
acreditar que é possível receber Luz diretamente de Meishu-
Sama, dependendo apenas de uma postura interior de cada um
de nós. Antigamente, inclusive, havia membros que não se
contentavam somente com o ato de ministrar Johrei. Então
faziam massagens no ombro, no pescoço, nas costas. Não há
necessidade de nada disso. Basta que nos liguemos com Deus
para receber diretamente a Luz, que hoje já está preenchendo
todos os espaços do globo terrestre. Tanto assim que Meishu-
Sama falava na chegada de um tempo no qual mesmo aqueles
que não recebessem Johrei iriam ter purificações porque a Luz
Divina estaria emanando em todas as direções. Se ficarmos
atentos, perceberemos que esse tempo já está chegando.

12
• A experiência do Johrei.
Observando as pessoas que estão recebendo Johrei, dá
para perceber uma mudança na aparência, após uns cinco
minutos. Geralmente fica mais clara. É sinal de que a Luz está
penetrando. Normalmente esse fenômeno ocorre de maneira
instantânea e natural. De repente a pessoa sente a presença da
Luz de Deus. A partir dessa primeira sensação, é preciso criar até
meio artificialmente outras situações semelhantes, lembrando
aquele bem-estar anteriormente vivido para voltar a senti-lo em
outras ocasiões. Então, em qualquer momento ou lugar, vai
acontecer o mesmo estado, como da primeira vez em que a
pessoa sentiu a presença da Luz. Aí significa que já aprendeu a
perceber a diferença e o bem-estar proporcionado pelo infinito
amor de Deus. Não se pode, pois, esperar que o Pai Eterno faça
tudo. A gente tem que buscar, criar as situações. E, quando
acontecer, é importante verificar qual era o estado da nossa
mente, do corpo físico e espiritual, do coração. Com certeza,
iremos descobrir que a Luz se manifesta nos momentos em que
estamos despreocupados, com pensamentos positivos. Daí,
então, a importância de estarmos sempre buscando esse estado
de tranqüilidade para que a Luz de Deus subitamente nos
envolva.
Eis o que o Messias determina:
“O objetivo principal da Doutrina Messiânica é despertar
os homens para o poder de Deus, ou seja, tornar evidente a Sua
supremacia sobre todas as coisas. Dessa forma, torna-se
urgente, em primeiro lugar, curar as doenças, para que através
desse fato, a humanidade reconheça a presença Divina.
Nesse sentido é muito importante que os Mamehito
ampliem o conhecimento sobre as doenças, não segundo os
preceitos da medicina atual, mas do ponto de vista do Pai
Criador.
Para tanto, não há necessidade de grandes
conhecimentos sobre anatomia. O primeiro passo é desenvolver
a capacidade de descobrir o ponto focal, pois uma vez
13
encontrado, basta ministrar Johrei somente nesse local, que a
cura se processa mais rapidamente.
Por desconhecer o ponto focal das doenças, a maioria das
pessoas ministra Johrei mais no sentido espiritual, onde a cura é
obtida, porém, muito mais lenta.
Acompanhando os ministros e responsáveis pelas
difusões, vejo que ainda é muito restrito o conceito sobre as
enfermidades. Os Mamehito geralmente fazem perguntas
básicas ou então me questionam a respeito de assuntos sobre os
quais eu já escrevi anteriormente.
Portanto, é de suma importância a realização de cursos
para ampliar o conhecimento espiritual e físico das doenças.
Peço, especialmente aos ministros, que se esforcem o máximo
para aprimorar-se nesse sentido, pois sem o conhecimento
necessário não será possível obter bons resultados.”
Para encerrar, o Messias convida:
“Hoje estou escrevendo sobre um assunto que não é para
este momento, mas para um futuro próximo. É o da minha
relação com Deus. Trata-se de algo que não advém da lógica,
mas da alma. Falo sobre aceitação e, não, sobre interpretação.
Aqueles que me entenderem terão força, e daí poderão ser
considerados meus representantes.
Sobre a confecção de Ohikari, por exemplo, todos os dias
preparo três tipos: num coloco o ideograma Hikari (=Luz);
noutro, Koomyoo (=Luz Divina) e no terceiro, Daikoomyoo
(=Grande Luz Divina). E basta alguém receber um deles para que,
imediatamente, o poder de curar doentes se manifeste, e essa
força provém da Luz irradiada através dos ideogramas gravados
por mim, no momento em que elaboro os Ohikari.
Em outras religiões, ao serem preparados seus objetos
sagrados, são estabelecidos rituais que antecedem ao
acontecimento, como tomar banho, trocar de roupas, fazer
reverências diante do altar, súplicas, pedidos a Deus e, só depois,
é dado início à feitura desses objetos especiais.

14
Comigo é diferente, já que não sinto essa necessidade. Ao
executar os Ohikari, não faço oração e, muito menos, assumo
atitude de prece; apenas desenho rapidamente, levando em
média três segundos para preparar cada um deles. Assim,
produzo quinhentos por hora, com muita facilidade. Outro dia,
como o missionário que iria levar os Ohikari estivesse com muita
pressa, confeccionei quinhentos, em cinqüenta minutos.
Faço tudo com muita naturalidade. Assim, quando faz
muito calor, visto uma roupa confortável e leve. Pelo fato de ser
tão monótono escrever uma única palavra seguidamente; ouço
rádio. E quando trabalho muito rápido, permito que três pessoas
me auxiliem. Alguém que olhasse de fora nem acreditaria na
seriedade e na grandeza com que preparo o objeto.
Ao terminar de escrevê-los, meus auxiliares dedicantes
começam a dobrá-los, pois são feitos em folhas pouco maiores
do que as do tamanho sulfite. Em seguida, organizam os
pacotes, cada um deles contendo trinta unidades.
O passo seguinte é de suma importância, pois cabe a mim
colocar o espírito dentro de cada Ohikari. É um procedimento
difícil, trabalhoso e desgastante e, mesmo que eu não precise
fazer esforço físico, fico muito cansado.
Mas a fixação da Luz, isto é, o estabelecimento do elo
divino não pode ser efetivado de uma só vez para todos os
Ohikari. Para cada grupo de trinta unidades, demoro mais ou
menos cinco minutos, e realizo esse trabalho de amor em três
seqüências, ou seja, em quinze minutos transformo noventa
unidades escritas em Ohikari. É meu limite, e mais do que isso eu
não suporto. Nesse momento sublime, mesmo no inverno, sinto
muito calor, fico vermelho e quem está por perto é capaz de
sentir a presença da Luz do Sol, e esse é um grande mistério que
não pode ser explicado pela razão.
A grande diferença existente entre mim e outros mestres
na elaboração de objetos sagrados é que, para consagrá-los, eles
precisam suplicar a Deus. Há uma separação entre eles e Deus,
portanto, necessitam dessa mediação. No meu caso, entretanto,
15
Ele está dentro do meu ventre, e eu não preciso fazer nada,
porque Deus já está assentado em mim, fazendo uso do meu
corpo.
Quando escrevo os Ohikari, não preciso rogar, apenas
deixo meu braço servir de pincel para Deus, e assim a Luz chega
ao papel. O fato de eu não rezar nem pedir a intervenção divina
é porque sei que se realizou em mim o mais antigo desejo da
humanidade: o da união perfeita com Deus.
Mantive-me calado até agora a respeito desse mistério,
para não ser mal interpretado ou até duvidarem da minha
lucidez mental, mesmo diante dos fatos já observados pelos
médicos de que, quando nossos membros iam ao hospital fazer
um Raio X, era necessário tirarem o Ohikari do pescoço, até
mesmo deixando-o em outra sala próxima, porque aquele
"simples papel dobrado" sobrepunha sua Luz à imagem da chapa
radiológica a ser feita.
Tenho me mantido calado, contudo há um momento em
que se torna necessário falar. Estamos vivendo aspectos de
Sabedoria que são apreendidos unicamente pela alma, e isso não
é uma questão de lógica.”
E diz em dois poemas:
“O ato que eu realizo sob o nome de Johrei
Constitui aquilo o que se dá o nome
De “Batismo pelo Fogo”.
A ação que purifica as criaturas,
Possuidoras de muitas máculas,
É a tábua da verdadeira salvação.
Agora, hei de salvar o mundo
Levando ao seu conhecimento
A verdadeira Arte da cura.”
“Por mais que se fale em Obra da Salvação
A sua função está em formar
Homens sem doenças.
Eu pretendo estender
O método de cura da doença humana
16
Para a cura da doença do mundo.
Estou a espera do momento
De, no final, salvar a humanidade
Através do Johrei.”

17
18
ÍNDICE

1. Uma grande revolução científica 23


1.1 A ciência atual é muito mais materialista que a filosofia, a
moral e a religião............................................................. 23
1.2 Ela dominou a cultura e foi impedindo a crença teísta....... 23
1.3 Fazendo crescer a superstição entre os intelectuais e as
nações avançadas............................................................ 24
1.4 Interpretando a doença não como uma ação purificadora
do corpo humano............................................................ 25
1.5 Provocando falta interior de racionalidade na sociedade . 26
1.6 Variando resultados segundo pensamento de quem a
emprega.......................................................................... 26
1.7 Podendo levar inclusive ao, não aspirado, percurso do
inferno............................................................................ 26
1.8 Porém torna-se impotente diante da medicina, nutrição e
arte................................................................................. 27
1.9 Daí surge algo superior ao conjunto organizado de
conhecimentos................................................................ 29
1.10 Uma tese inédita sobre a ciência....................................... 30
1.11 A conciliação entre ciência material e ciência espiritual
estabelecerá a civilização.................................................. 33
1.12 Uma dificuldade para que isso ocorra é que a ciência tem
ignorado a energia espiritual............................................. 34
1.13 Por exemplo, o poder de atuação de uma energia é
inverso à captação de sua presença.................................. 35
1.14 Uma facilidade é que a pesquisa na ciência espiritual tem
se expandindo................................................................. 35
1.15 Advertindo que tudo se relaciona com os elos espirituais.. 35
1.16 Considerando a adivinhação e a astrologia, bem como as
palavras e as significações................................................ 36
1.17 Levando em conta as crianças-prodígio às reencarnações e
encostos.......................................................................... 36
1.18 Relacionando pecados e doenças, bem como crimes e
demônios......................................................................... 36
19
2. Sua teoria................................................................ 39
2.1 Apregoa ser ele a missão mais vital da messiânica que 39
exige estudo profundo e soonen correto..........................
2.2 Surge na Transição da Era do Dia para Era da Noite.......... 40
2.3 Significa comunicação da Luz Divina, purificação do 43
espírito e batismo pelo fogo.............................................
2.4 Baseado na Lei da Natureza, no elemento fogo................. 43
2.5 Tratamento científico que enfatiza o resultado................. 47
2.6 Método criado por Meishu-Sama que progride com 65
ensinamentos..................................................................
2.7 Bola de fogo em Meishu-Sama e a letra ‘Luz’.................... 65
2.8 Ato simples pelas palmas das mãos dos messiânicos........... 69
2.9 A seqüência da Luz........................................................... 71
2.10 Um produtor de milagre disponível aos discípulos............. 71
2.11 Maravilha do século, inédito na história.............................. 72
2.12 Fórmula científica de alto nível......................................... 74
2.13 Transformação no mundo, principalmente da medicina.... 74
2.14 Único meio para passar incólume pelo Juízo Final............. 76
2.15 Melhor recurso para difundir o Programa da Luz Divina... 77
2.16 Libertar do sofrimento, criando felicidade......................... 78
2.17 Aprimorar e acumular virtude........................................... 82
2.18 Reformar corpo, mente e espírito..................................... 82
2.19 Elevar espiritualmente o mundo, nação, família e indivíduo 84
2.20 Ativar Primordial, firmar atuação do Guardião e conter
provisoriamente Secundário............................................. 84
2.21 Tornar pessoas mais belas e com funcionar de cabeça....... 86
2.22 Estancar e aumentar a quantidade de sangue................... 89
2.23 Erradicar alcoolismo e evitar incêndio................................ 87
2.24 Embasar a fé e fazer surgir uma sociedade agradável........ 87
2.25 Fazer efeitos em animais, vegetais e objetos inanimados... 89
2.26 Porém, não corta o mal pela raiz...................................... 89

3. Sua prática............................................................... 91
3.1 Estar unido com Deus e Meishu-Sama requer cuidar do
Ohikari............................................................................ 91
3.2 Colocá-lo no peito manifesta força capaz de curar as
doenças........................................................................... 93

20
3.3 Permanecer com ele sempre no pescoço, também é
proteção.......................................................................... 94
3.4 Retirar a força do corpo e saber se posicionar.................. 97
3.5 Ter soonen de que a luz deve ultrapassar o corpo do
paciente.......................................................................... 102
3.6 Ministrar com duração máxima de trinta minutos............. 104
3.7 Agir de forma paradisíaca sem apego e forçar a situação... 105
3.8 Querer eliminar máculas sem grande empenho e nem
sentir pena....................................................................... 106
3.9 Perceber que depende e não depende da crença.............. 107
3.10 Produzir efeito varia com elevação espiritual daquele que
o ministra........................................................................ 109
3.11 Reconhecer que no momento da purificação a maior
hierarquia é a de quem ministra........................................ 119
3.12 Respeitar à ordem, com sinceridade e flexibilidade............ 119
3.13 Purificar primeiro, explicar depois.................................... 124
3.14 Dissolver pequenas toxinas............................................... 125
3.15 Acolher os que procuram e se esforçam........................... 126
3.16 Atender pacientes em estado grave.................................. 132
3.17 Socorrer quem vai falecer, para purificá-lo e encaminhar
sua família........................................................................ 134
3.18 Disponibilizar em quem acabou de falecer........................ 136
3.19 Acatar de não ministrar quando houver oposição familiar
ou policial........................................................................ 137
3.20 Precaver em relação à doentes com a vida comprometida. 138
3.21 Refletir sobre os que estão em hospital.............................. 140
3.22 Negar a pessoa da alta sociedade que pode falecer........... 141
3.23 Dar a quem menos entende e desistir daquele que não
desperta após receber setenta vezes................................. 142
3.24 Pedir a qualquer hora, desde que equilibradamente......... 143
3.25 Receber se não estiver purificando é desnecessário.......... 145
3.26 Aplicar não só quando se está em unidade religiosa.......... 145
3.27 Canalizar com apenas uma das mãos, porém se poder
receber simultaneamente de muitos................................. 146
3.28 Fazer oração e Johrei ao mesmo tempo às vezes é preciso.... 146
3.29 Pedir para queimar quando tiver sensação de absorver as
máculas do outro............................................................. 148
3.30 Possibilitar sensações e reações........................................ 149
21
3.31 Enfraquecer encosto........................................................ 155
3.32 Proporcionar conflito com tratamento médico................. 155
3.33 Esclarecer Dúvidas - Perguntas de Mamehito e respostas
de Meishu-Sama............................................................... 157

Síntese...................................................................................... 173

22
1. UMA GRANDE REVOLUÇÃO CIENTÍFICA

1.1. A ciência atual é muito mais materialista que a filosofia, a


moral e a religião.

Para muitos a Religião está acima de qualquer outro valor,


assim a Filosofia, a Moral e a Ciência ocupariam uma posição
inferior. Comparada com a Filosofia e a Moral, a Ciência é muito
mais materialista, ficando patente a distância que há entre ela e
a Religião.

1.2. Ela dominou a cultura e foi impedindo a crença teísta.

É do conhecimento geral que o desenvolvimento da


Ciência, a partir do século XVII, vem constituindo uma
verdadeira ameaça para as religiões, e não se pode negar que
ele tenha contribuído para a sua decadência. A Ciência dominou
a tal ponto a mente humana, que o homem só aceita aquilo que
tem explicação científica. O fato ainda seria desculpável, se não
tivesse dado origem a corrupção moral sem fim, criando
confusão social e transformando este mundo num verdadeiro
caos.
Atualmente, falar em cultura é o mesmo que falar em
Ciência; interpreta-se progresso cultural como progresso
científico. É duvidoso, porém, que o homem tenha se tornado
mais feliz com o progresso da Ciência. Ao contrário, a
infelicidade cresceu proporcionalmente a ele. Ante a terrível
ameaça de guerra nuclear que paira sobre a humanidade, não é
preciso dizer mais nada.
Evidentemente, o desejo dos homens, excetuando-se
uma parte, é alcançar a felicidade. A expansão e o progresso da
Ciência também têm esse objetivo. Mas é muito triste constatar

23
que na realidade acontece justamente o oposto. Urge, portanto,
averiguar a causa disso.
Averiguando se nota que a razão da Ciência consiste na
negação do teísmo, que é a Verdade, quanto mais ela progride,
mais aumenta o Mal; sendo assim, o progresso da cultura não
passa de superficial. Dessa forma, se reconhece os métodos da
Ciência, mas não se pode deixar de levar em conta o Mal que ela
produz. Sem perceber isso, os homens enaltecem apenas os seus
pontos positivos e, elaborando habilidosas teorias para ocultar-
lhe os pontos negativos, subjugam as classes dirigentes e levam-
nas a concluir que, sem a Ciência, nada terá solução. Assim,
acabaram por afastar-se da felicidade espiritual.

1.3. Fazendo crescer a superstição entre os intelectuais e as


nações avançadas.

A causa dessa ocorrência é a existência de um grande erro


na civilização contemporânea, o qual representa um forte
empecilho para o progresso da cultura. A prova é que, apesar da
cultura ter progredido tanto, o maior desejo do homem, que é a
felicidade, não acompanhou esse progresso; pelo contrário, a
infelicidade tende a se tornar cada vez mais profunda, esta é a
verdade. Mas de que erro se está falando? É, certamente, o erro
do princípio de supremacia da Ciência. O homem moderno
acredita que qualquer problema pode ser solucionado através
da Ciência. E muito mais do que superestimação da Ciência,
pode-se dizer que ele caiu no abismo da superstição da Ciência.
A causa da superstição é o pensamento, absolutamente
materialista, de acreditar naquilo que se vê e não acreditar
naquilo que não se vê. Portanto, para corrigir esse modo de
pensar, é preciso todo empenho no sentido de que o homem
tome consciência da realidade do espírito, até hoje considerado
inexistente, e compreenda que, em tudo, o espírito é principal e
a matéria é secundária.

24
Se a Ciência materialista fosse a Verdade, com o seu
progresso, o sofrimento da humanidade deveria diminuir aos
poucos, e, na mesma proporção, a felicidade deveria aumentar.
Entretanto, qual é a realidade? O progresso material é de fato
magnífico: metrópoles culturais deslumbrantes, facilidade de
transporte, modo de vida adiantado, tudo mecanizado, etc.
Materialmente, não há dúvida de que a felicidade aumentou,
mas a felicidade espiritual, que é importante, não passa de zero.
Olhando sob esse prisma, fica bem evidente o erro da civilização
contemporânea.
É considerável o número de pessoas supersticiosas entre
os intelectuais. Há tempos, saiu uma estatística dos diferentes
tipos de superstições que existem em cada país; a Alemanha,
considerada uma das nações mais avançadas no ensino das
ciências, acusava o maior número. Desse modo, nota-se que as
superstições crescem proporcionalmente ao progresso
científico.

1.4. Interpretando a doença não como uma ação purificadora


do corpo humano.

Quando as toxinas que se acumulam no corpo humano


atingem certa quantidade, causam distúrbios à saúde, surgindo,
então, a ação para eliminá-las, isto é, a ação de limpeza. Sem ela,
não é possível o homem manter a saúde; é uma Lei Universal e,
realmente, uma grande dádiva de Deus. Como a Ciência ainda
não conseguiu descobrir esse princípio, interpreta a doença de
forma completamente errada. Apesar de todo o progresso, o
fato é que a humanidade continua sofrendo, pois a Ciência
mostra-se impotente ante o elevado número de pessoas
enfermas.

25
1.5. Provocando falta interior de racionalidade na sociedade.

Olhando exteriormente, todos os países têm leis,


organização política e econômica, sistema social, etc.; estão
constituídos de forma extremamente satisfatória pela Ciência e
pela inteligência humana, mas as características selvagens dos
homens que os administram manifestam-se em todos os lugares.
Uma vez retirada a máscara, a irracionalidade aparece numa
quantidade exorbitante e assustadora.

1.6. Variando resultados segundo o pensamento de quem a


emprega.

Hoje em dia, graças ao progresso da Ciência, são feitas


grandiosas invenções e descobertas, as quais, dependendo da
vontade das pessoas que as manipulam, podem ter resultados
funestos ou, ao contrário, contribuir para o aumento do bem-
estar da humanidade. O atrito entre esses dois pensamentos
opostos - o selvagem e o civilizado - podem tornar-se causa da
guerra, na qual essas invenções e descobertas também
poderiam ser empregadas para fins maléficos.

1.7. Podendo inclusive levar ao, não aspirado, percurso do


inferno.

É desnecessário dizer que, por trás dos objetos do


progresso, há um plano no sentido de proporcionar a todos os
homens um mundo mais feliz, de eterna paz. Para a
concretização desse ideal, no entanto, os homens promoveram
apenas o progresso da cultura material e consideraram a Ciência
como única verdade, não dando atenção a nada mais. Toda vez
que havia uma descoberta ou invenção, a humanidade as
aplaudia, achando-as maravilhosas, crente de que, através delas,
a felicidade aumentaria e, passo a passo, aquele ideal estaria

26
mais próximo. Foi assim que os homens viveram correndo atrás
do sonho de alcançar a felicidade.
Entretanto, o progresso da Ciência atingiu o ponto de se
descobrir a desintegração do átomo. Essa grande descoberta
deveria ser digna de comemoração, mas, ao contrário do que se
esperava, foi uma descoberta aterradora. O caminho, que se
percorria pensando ser o caminho para o Céu, na verdade era o
caminho indesejável para o Inferno. Inventou-se um material
que, num segundo, pode acabar com milhares de vidas. Talvez a
História ainda não tenha registrado nenhum acontecimento tão
contrário à previsão dos homens.

1.8. Porém torna-se impotente diante da medicina, nutrição e


arte.

Desde os tempos antigos está determinado que a doença


deva ser curada pelos médicos e pelos remédios. Como o
homem da atualidade, que confia somente na Ciência e tornou-
se fiel ao princípio da Ciência Superior, sofre para entender, e é
lógico que ele tenha vontade de fazer perguntas. A respeito
disso, é de suma importância, antes de tudo, conhecer a relação
entre a Medicina e a Ciência.
Realmente, muitas coisas podem ser solucionadas através
da Ciência, mas uma das exceções com certeza é a Medicina,
que está por demais fora do alvo. Isto porque o homem e todas
as coisas além do homem são fundamentalmente diferentes.
Antes de tudo, o homem é um ser de nível superior entre todas
as criaturas; realmente é um grande mistério, absolutamente
incompreensível por meio da inteligência humana. Entretanto,
como a Ciência desconhece totalmente a profundidade desse
ponto, considera o homem um animal. Ela veio objetivando
apenas o corpo físico, que é matéria; portanto, ela entende que
a doença é prejudicial ao corpo físico. Sua maneira de pensar é
extremamente simples, pois ela tenta curá-lo por meio de
medicamentos e de máquinas. Mas a realidade não é tão
27
simples assim. No homem existe, espiritualmente, um corpo
muito mais importante que o corpo físico, denominado força de
vida. Esta se encontra numa relação muito íntima com o corpo
físico, por isso o homem consegue viver e trabalhar. Todavia,
como o espírito equivale quase ao nada, a ciência material não
conseguiu detectá-lo. Dessa forma, ao observar, por exemplo, a
dissecação de um defunto, pode-se compreender muito bem
que a Ciência veio se dedicando somente à pesquisa do corpo
físico. Embora se diga que ela progrediu, como se trata de
progresso unilateral, ele é coxo, de modo que todos os esforços
serão em vão.
É preciso tomar cuidado, pois os planos e ações do
demônio não se limitam apenas à guerra e à violência,
estendendo-se por todas as áreas. Meticulosamente, ele velo
desenvolvendo sua atuação subordinado á grandiosos planos,
dentre os quais o que teve mais êxito foi a ciência materialista,
sua maior arma. Através dessa arma ele atribuiu maravilhosos
benefícios a toda a humanidade; ao mesmo tempo, utilizando-se
dela fez com que confiassem nele e, no final, quis assegurar
direitos absolutos. Esse é o seu plano, e o seu objetivo, sem
dúvida, é controlar a vida do homem. Nesse sentido,
promovendo o progresso da medicina moderna, ele tenta curar
a doença através de um método totalmente materialista.
Superficialmente parece que o doente sara, mas internamente
isso não acontece. Mesmo assim, com muita destreza, a
inteligência do demônio empenha-se por todos os meios. Sem
dúvida que, como método, são utilizados aparelhos, raios de luz,
drogas novas, cirurgias e outros. Além disso, defendem-se teses
minuciosas sobre o princípio da doença, mas até hoje não houve
uma só pessoa que tenha conseguido detectá-lo no seu aspecto
verdadeiro. Assim, se uma pessoa fica doente e pergunta a
origem dessa doença, os médicos não conseguem dar-lhe uma
explicação exata mas apenas respondendo ambiguamente. Se a
pessoa também pergunta sobre as suas chances em relação à
doença, eles fazem apenas suposições, não confirmam nada. Se
28
por acaso dez confirmam, nove ou oito entram em contradição.
E essa é uma experiência que os próprios médicos não podem
negar.
Outro problema é o que se refere aos alimentos. Este
também, como o da Medicina, foi criado principalmente com
base em argumentos científicos. É o chamado adubo químico.
No início ele mostrou um efeito temporário, por isso o homem
se deixou enganar. Como hoje se vê, o problema estende-se a
todos os povos.
Enfim, o mundo contemporâneo pensa que tudo pode ser
resolvido pela Ciência. Entretanto, embora quase ninguém
chegue a perceber, existem diversas coisas importantes que a
Ciência não consegue resolver, como também, por exemplo, a
Arte.

1.9. Daí surge algo superior ao conjunto organizado de


conhecimentos.

Quando se examina atentamente a civilização atual, vê-se


que ela apresenta muitas falhas, sendo que a falha fundamental
é o seu conceito sobre a Ciência. Como, já foi mencionado
exaustivamente, é do conhecimento de todos, exceto os
religiosos, as pessoas estão presas ao principio da supremacia da
Ciência, acreditando que todos os problemas podem ser
solucionados através dela. Existem muitas coisas que a Ciência
não pode explicar; entretanto, com o cérebro tomado por uma
devoção unilateral, essas pessoas não conseguem enxergar nada
além da Ciência. Isso acontece porque elas não percebem o
baixo nível em que se encontra a cultura atual. Ofuscadas pela
Ciência, as pessoas não conseguem atentar para isso.
Via de regra, a maioria das pessoas tenta encontrar na
Religião aquilo que a Ciência não consegue solucionar.
Entretanto, como existem muitos problemas que não podem ser
solucionados através da Religião, elas acabam se voltando de
novo para a Ciência, tornando-se, então, presas dessa ilusão.
29
A realidade é que tanto a Ciência como a Religião têm
força limitada, e por isso não conseguem resolver todos os
problemas. Dentre eles, os três maiores são a guerra, a doença e
o crime. É do conhecimento geral o quanto a humanidade veio
se esforçando durante milênios, empregando toda a sua
inteligência para solucionar esses problemas. Infelizmente, ainda
não se pode sequer vislumbrar a solução. Assim, parece não
haver nenhuma perspectiva, a não ser que surja algo superior à
Ciência e à Religião atuais.
Mas será que este mundo continuará iludido, por mais que
se esforce? Obviamente que não, visto que esse “algo superior”
já apareceu e está irradiando sua Luz. Não se assustem, pois se
trata de algo conhecido como a Luz do Oriente, tão almejada
pela humanidade.
Assim como o progresso da civilização científica está
construindo uma nova época, no campo da religião, também
está surgindo algo equivalente. Uma religião de nível mais
elevado que o alcançado pela Ciência, onde ela tenha um poder
de solucionar os problemas que a Ciência não consegue resolver.

1.10. Uma tese inédita sobre a ciência.

“Explicar o Johrei como um tratamento científico é


bastante difícil, pois não se trata nem de ciência, nem de
religião. Acredito que todos devam ter compreendido a leitura
desse Ensinamento, mas de qualquer forma, a partir de agora,
não vai ser nada fácil a exposição mais detalhada de seus
conceitos. Faltam-me termos mais apropriados, justamente por
ainda não ter sido estabelecido um tratado específico sobre o
assunto, o que me leva a poder explicá-lo só até certo ponto,
porque não disponho de outras palavras para levá-lo adiante.
Inclusive, foi por essa razão que procurei escrevê-lo de modo
bem simples, exatamente para que vocês pudessem entendê-lo
através da própria prática.”

30
Quanto mais a Ciência progride, mais se multiplicam as
enfermidades e o número de doentes, diminuindo cada vez mais
a resistência física. Por isso, os homens sofrem de cansaço e
insônia, não têm persistência, não podem fazer qualquer
excesso; caso pratiquem um exercício um pouco pesado,
acabam sentindo-se “quebrados”. Por que? Isso não é
incompreensível? A realidade mostra, porém, que seguindo-se o
princípio da doença ensinado por Meishu-Sama e recebendo-se
Johrei, as doenças desaparecem e as pessoas tornam-se
verdadeiramente saudáveis.
Meishu-Sama diz:
“Pude intuir esta maravilha que é o Johrei graças ao
conhecimento que tive sobre a existência do espírito e ao
princípio fundamental de que, com a purificação do espírito, o
corpo volta à normalidade.
Esse deve ser considerado como um prenúncio da cultura
do futuro. Realmente ele representa uma grande revolução para
a Ciência, e, se o aplicarmos em todos os setores da vida, o bem-
estar da humanidade aumentará incalculavelmente. E não é só
isso. Aprofundando-se a pesquisa desse princípio fundamental,
pode-se prever que ele influenciará até a essência da própria
Religião.
A controvérsia sobre a existência de Deus é uma questão
que tem desafiado os tempos e continua sempre presente. E isso
se justifica porque, apenas do ângulo de visão materialista,
obviamente as pessoas nada podem compreender a respeito de
Deus, que é Espírito, o qual, para elas, equivale ao Nada. Mas,
pela Ciência espiritual que estou propondo, é possível
reconhecer a existência de Deus, e, ao mesmo tempo, responder
a indagações sobre problemas como a vida após a morte, a
reencarnação, a verdade sobre o Mundo Espiritual, os
fenômenos de encosto e incorporação e outras questões
relativas ao Mundo Desconhecido, que chamo também de
Mundo Intemporal”.

31
Particularmente, sua tese sobre a Medicina, os médicos
sequer realizam qualquer estudo. Por ser tese de um religioso,
consideram-na anticientífica. Achando que será uma traição às
teorias da Ciência, que conseguiu obter um rápido progresso,
sequer tentam analisá-la. Por usarem os óculos escuros da
Ciência supersticiosa, eles não conseguem enxergar bem.
Mas, o que vêm a ser esses óculos escuros? Desde o início,
o pensamento fundamental dos médicos tem colocado a vida do
homem no mesmo nível de todas as coisas, na crença de que as
doenças também podem ser solucionadas por meio da Ciência.
Entretanto, Meishu-Sama ficou sabendo que o homem é
fundamentalmente diferente de todos os outros seres e não se
enquadra no campo da Ciência. A sua inclinação pelo "hobby",
os seus sentimentos e emoções, como a alegria, a tristeza, o
amor, e também a inteligência, o pendor artístico, a sua
natureza misteriosa, o amor pela humanidade, etc., são
atributos que não existem em outros seres. Observando-se
apenas este aspecto, já é possível evidenciar a diferença entre
ele e os outros seres. Dessa forma, a Ciência ignora a natureza
do homem e trata-o no mesmo nível dos animais. Aí está o
grande erro. Sendo esse o pensamento fundamental da
Medicina, aprisionada dentro dos limites da Ciência, ela não
consegue visualizar o outro mundo. Observando de outro ângulo
e considerando que o nível do homem seja uma linha horizontal,
o que está abaixo dessa linha é fenômeno material, e o homem
posiciona-se acima; esta é a lei do Universo. De acordo com esse
princípio, todas as coisas que ficam abaixo da linha horizontal
estão à mercê do homem, mas as que estão acima não.
Dessa maneira, é impossível manusear livremente a vida
do homem através da Ciência criada por ele mesmo. Isso se
torna evidente pelo fato dele não conseguir eliminar a doença e
obter vida longa. O fato do homem querer curar a doença de
outro homem significa o domínio do inferior sobre o superior; é,
portanto, violação da posição de Deus. Com base nesse
princípio, nada poderá ser feito em relação à vida humana, por
32
mais que os cientistas do mundo inteiro se esforcem. Sem
perceber isso, a Medicina atual está percorrendo um caminho
equivocado e paralelo, e Meishu-Sama realmente sente muita
pena da sua falta de inteligência. Ele acha que os médicos da
atualidade são escravos da Ciência e têm uma mentalidade
semelhante às superstições das religiões heréticas,
assemelhando-se, também, à moral máxima da época
conservadora dos samurais, segundo a qual, se fosse em prol do
senhor, não havia qualquer impedimento em relação ao
homicídio. Além disso, a admiração era maior e concediam-se
honrarias àquele que conseguia exterminar, coletivamente, um
grande número de pessoas. Do ponto de vista da época atual,
isso não passa de selvageria, pois o crime era incentivado
publicamente. Pode-se compreender bem, aplicando isso à
Medicina.
Considera-se que o melhor método de tratamento da
doença é através da Ciência, e isso se deve à cegueira da
Medicina, que não conseguiu libertar-se da estreita casca
conservadora. No entanto, o Messias soube que existe um
mundo desconhecido e maravilhoso e que nele está a verdadeira
Medicina, que cura radicalmente a doença. Para comunicar a
todos os povos esta grande boa-nova, ele publica como
premissa, dirigida aos médicos do mundo inteiro, esta tese.

1.11. A conciliação entre ciência material e ciência espiritual


estabelecerá a civilização.

O conhecimento científico caminha velozmente, ao passo


que o espiritual, baseado na Religião, caminha
desesperadamente lento. A religião conservou seu estado inato,
sem alcançar muito progresso, desde o início da civilização, há
milhares de anos. Isso explica a grande distância entre ela e a
Ciência. Esta última veio a destacar-se, e a parte espiritual
distanciou-se a ponto de desaparecer da vida do ser humano.
Por fim, o homem tornou-se indiferente ao espírito, chegando a
33
confundir Ciência com Civilização. Ele se ajoelha diante do trono
da Ciência e se satisfaz na sua condição de escravo. Este é o
aspecto do mundo moderno. Por acaso o homem não prova isso
entregando nas mãos da Ciência o que ele tem de mais precioso,
que é a vida? Embora ela não consiga garantir a vida humana, os
homens modernos não o percebem e continuam depositando-
lhe cega confiança.
Mas a vida não pertence à matéria, a melhor prova
consiste no fato de que pessoas desenganadas pela medicina são
salvas freqüentemente pelo Poder Divino.
Surge, então, a seguinte pergunta: “Por que uma questão
de vital importância, como a vida, permaneceu na obscuridade?”
Efetivamente, isso ocorreu pela necessidade de impulsionar a
cultura científica até certo ponto. Tal acontecimento é um
fenômeno passageiro, proveniente da época e, na sua fase
transitória, levado ao exagero. Mas se corrigirá tal exagero. O
limite entre a ciência material e a ciência espiritual, esta acertará
os passos com a primeira, progredindo até constituir-se um
mundo realmente civilizado. Em resumo, o mundo presente
termina aqui para dar origem a um novo mundo.
No entanto tanto os mais obstinados, como os devotos da
Ciência, em geral, mais cedo ou mais tarde, acabam se dando
por vencidos diante das provas da existência de Deus.

1.12. Uma dificuldade para que isso ocorra é que a ciência tem
ignorado a energia espiritual.

A Grande Natureza, isto é, o mundo em que se respira e


vive, está constituída de três elementos - o Fogo, a Água e o
Solo. Atualmente, a Ciência e o homem, pelos seus cincos
sentidos, têm conhecimento do eletromagnetismo, do ar, da
matéria, etc., mas o propósito deve ser o falar sobre a energia
espiritual, que a Ciência e os cinco sentidos do homem ignoram.

34
1.13. Por exemplo, o poder de atuação de uma energia é
inverso à captação de sua presença.

Na ciência contemporânea, está se tornando conhecida a


existência de uma espécie de radioatividade em todos os seres,
inclusive nos minerais e nos vegetais. A radioatividade do corpo
humano é de qualidade superior. É como se falava nos velhos
tempos: “Espiritualmente, o homem á superior a todos os outros
seres.”
Quanto mais elevado o espírito, maior é o seu grau de
rarefação (pureza), e, quanto mais aumenta o grau de rarefação,
mais difícil se torna detectá-lo através de instrumentos.
Portanto, opondo-se aos conceitos materialistas, é muito mais
fácil captar a presença de espíritos de níveis inferiores, assim
como acontece com o rádio, entre os minerais, e a
fosforescência, em alguns vegetais. Todavia, é importante se
compreender este princípio: quanto mais rarefeito (puro) é o
espírito, maior é o seu poder de atuação.

1.14. Uma facilidade é que a pesquisa na ciência espiritual tem


se expandindo.

Algumas religiões falam sobre o Mundo Espiritual, sobre


espíritos dos vivos, sobre espírito dos mortos, sobre encostos,
etc. Ascetas e médiuns também falam a respeito dos espíritos.
Com a evolução da Ciência Espiritual nos Estados Unidos e na
Europa, as pesquisas sobre o assunto estão em franco
desenvolvimento.

1.15. Advertindo que tudo se relaciona com os elos espirituais.

O princípio da relatividade, os raios cósmicos e os


problemas referente à sociedade ou ao indivíduo, tudo se
relaciona com os elos espirituais.

35
1.16. Considerando a adivinhação e a astrologia, bem como as
palavras e as significações.

A Astrologia teve uma importância mundial. Na China, a


ciência da adivinhação também tomava por base os nove
planetas. Assim, não é sem cabimento o interesse que os antigos
tinham pelo estudo dos astros.
Entre as palavras, não existe uma tão significativa quanto
“miti”. Pela ciência do espírito das palavras “mi” é água, matéria,
negativo e “ti” é sangue, espírito, positivo.
“Riho” (lei) é uma palavra bastante usada. Explicando o
sentido espiritual de “ho”. “Ho” é fogo, e “o” é água. De acordo,
porém, com a ciência do espírito das palavras, “o” está incluído
em “ho”; isto quer dizer que o fogo arde continuamente por
ação da água. Graficamente, “ho” compõe-se de duas palavras
cujo sentido é: anular a ação da água. Como esta corre
horizontalmente, há o perigo de gerar desordem; portanto,
anulada sua ação, fica apenas o vertical, o que significa a
imobilidade absoluta. Daí se conclui que não se pode infringir o
“ho”, que é a Lei.

1.17. Levando em conta crianças-prodígio às reencarnações e


encostos.

Mas há uma causa especial para o nascimento desses


gênios [crianças-prodígio]. Naturalmente, através da ciência
materialista é impossível imaginá-la. Mas é possível conhecê-la
pela ciência espiritual. No caso de um músico, por exemplo, as
causas podem ser duas: uma é a reencarnação do espírito de um
grande músico; e a outra, um fenômeno de encosto.

36
1.18. Relacionando pecados e doenças, bem como crimes e
demônios.

No setor da Religião, muito se tem falado sobre a relação


entre o pecado e a doença. Do ponto de vista da Ciência
Espiritual, essa relação é um fato.
Na questão dos crimes, um deles que geralmente passa
despercebido é o de uma pessoa se devotar à prática de uma
teoria, julgando-a maravilhosa, e, na realidade, estar causando
desgraça aos seus semelhantes. Tais criaturas são dignas de
pena, porque, com o cérebro bitolado pela Ciência, não têm
possibilidade de compreender que são manipuladas pelo
demônio.
A partir disto vem as interrogações: Como obedecer aos
deuses? Ter o cérebro avançado pela Ciência Espiritualista?
Devotar-se a algo que realmente cause graça aos seus
semelhantes? Algo que tenha como teoria e prática ...

37
38
2. SUA TEORIA

“Nem mesmo na eficácia do Johrei, como um método de


cura integral das doenças, as pessoas acreditam. Embora diante
de resultados evidentes, a maioria quer entendê-los apenas
através da lógica, usando, portanto, um método inferior de
interpretação da verdade. Não conseguem admitir que os fatos
são superiores. De outra parte, os intelectuais, em vez de
pesquisarem, simplesmente negam, porque não encontram
explicações coerentes com a sua maneira de pensar. Daí
surgirem grandes obstáculos impedindo a aceitação plena do
Johrei. Quando, porém, for entendido de verdade, ninguém vai
conseguir abandoná-lo e o principal objetivo messiânico [criar o
homem verdadeiro] será então compreendido por todos.”

2.1. Apregoa ser ele a missão mais vital da messiânica que


exige estudo profundo e soonen correto.

Por ocasião da conclusão do “Palácio de Cristal”, em 11


de dezembro de 1954, dois meses antes de sua ascensão,
Meishu-Sama deixou as seguintes palavras: “Só quero dizer que,
enfim, a Obra Divina entrou na etapa em que cumprirá a sua
missão principal. Daqui em diante, ocorrerão muitos
acontecimentos de difícil compreensão, portanto, não
vacilem...”
Em seguida, como um de seus propósitos, Meishu-Sama
proferiu as seguintes palavras, aos Dirigentes: “O título de
ministro será outorgado, escolhendo-se as pessoas com base nos
seguintes itens: que possua maior força de Johrei; que tenha
salvado e encaminhado muitas pessoas; que tenha dedicado
consideravelmente no servir a Deus.”
“Não haverá, contudo, necessidade de ninguém fazer
nada especial para que a consciência médica desperte. A própria

39
situação vai mostrar, com clareza, todos os erros e os
profissionais, pouco a pouco, irão abandonar os métodos
antiquados. O que eu digo hoje é apenas um alerta para o que
vai ocorrer. Quando chegar esse momento, o Johrei será
procurado por muita gente.
Então, vocês devem agora estudar o máximo possível
para se aperfeiçoarem, pois quando o Johrei for intensamente
procurado por muitas pessoas necessitadas, não haverá tempo
para um aprimoramento mais profundo. Vocês vão precisar
dedicar-se inteiramente à canalização da Luz.”
“Após Meishu-Sama ter entrado na fase final de
purificação, antes de sua partida para o Mundo Divino, um
dedicante ouviu d’Ele, repetidas vezes, que, a partir daquele
momento, a Luz de Deus só atuaria através do soonen perfeito
do ministrante. Deveriam, pois, todos os membros dar destaque
muito especial a esse princípio.”

2.2. Surge na Transição da Era do Dia para Era da Noite.

Meishu-Sama narra sobre este acontecimento:


“Vou explicar detalhadamente como nasceu o Johrei
criado por mim e a razão pela qual ainda não se descobriu a
causa das doenças e os erros de quase todos os tratamentos.
No Grande Universo, a começar do espaço, que se
estende infinitamente, até as mais minúsculas existências,
impossíveis de serem detectadas mesmo com uso de
microscópios, todas as matérias, sejam elas grandes, médias ou
pequenas, cada qual obedecendo à Lei da Concordância,
nascem, crescem, unem-se e separam-se, aglomeram-se e
espalham-se, destroem-se e constroem-se, numa seqüência
infinita na cadeia da evolução. Além disso, existe o positivo e o
negativo em tudo, a diferença entre o frio e o calor durante o
ano, entre o dia e a noite no espaço de um dia e num período de
dez, cem, mil, dez mil anos, e assim por diante. Por essa razão,
em vários milhares ou milhões de anos também há,
40
naturalmente, períodos de transição da noite para o dia.
Atualmente está se aproximando esse tempo. Encontramo-nos
no momento correspondente ao alvorecer. E provável que,
fixados na idéia da existência do dia e da noite no espaço de um
só dia, muitos leitores estranhem o que estou dizendo. Dessa
forma, a explicação torna-se muito difícil, mas creio que ela
poderá ser compreendida por qualquer pessoa.
O mundo em que vivemos, como já expliquei
minuciosamente, é constituído de três planos: o Mundo
Espiritual, o Mundo Atmosférico e o Mundo Material.
Poderíamos também separá-lo em dois planos, pois o elemento
água, do ar, e o elemento terra, do globo terrestre, são
materiais, ao passo que o espírito, ou seja, o elemento fogo, é
totalmente imaterial. Se distinguirmos o espírito da matéria,
teremos o Mundo Espiritual e o Mundo Material.
Para mostrar a relação entre o Mundo Espiritual e o
Mundo Material, é importante entenderem que todo
acontecimento ocorre primeiramente no Mundo Espiritual e
depois se reflete no Mundo Material. Fazendo uma comparação,
é como se aquele fosse o filme, e este, a tela de projeção. Essa é
a absoluta Lei do Céu e da Terra. Quando o homem movimenta
os braços ou as pernas, por exemplo, a vontade, invisível aos
olhos, é que age primeiro e, pelo seu comando, os membros se
movimentam. Analogamente, o Mundo Espiritual representa a
vontade, e o Mundo Material, os membros.
A transição da noite para o dia que, segundo dissemos,
advém em vários milhares ou milhões de anos, é um fenômeno
ocorrido no Mundo Espiritual. Assim, o mundo até hoje se
encontrava num longo período noturno, mas agora está
iminente a transição para o Mundo do Dia. Isso está simbolizado
na abertura da Porta da Rocha do Céu, que consta no "Kojiki"
(coletânea de histórias antigas do Japão). O aparecimento do
deus Amaterassu Oomikami também constitui uma grande
profecia do advento desse mundo. Acredito que a expressão

41
"Luz do Oriente", usada no Ocidente desde a Antigüidade,
refere-se à mesma profecia.”

2.3. Significa comunicação da Luz Divina, purificação do espírito


e batismo pelo fogo.

Johrei é o nome dado a comunicação de energia


espiritual - a Luz Divina - para a purificação do corpo espiritual
do homem e o despertar de sua natureza Divina. O Johrei
prepara o homem para que ele possa atravessar o próximo
período crucial, chamado Juízo Final.
A purificação do espírito ocorre devido à aplicação da Lei
do Espírito Precede a Matéria:
“Se o sangue sujo existente no corpo se reflete no
espírito em forma de máculas e estas se tornam a causa das
doenças, o próprio processo de cura das doenças acaba se
tornando o meio de provocá-las. Não se obterá a erradicação
completa se primeiramente não forem removidas as máculas do
espírito, de acordo com a Lei Universal do Espírito Precede a
Matéria. Como o Johrei é a aplicação dessa lei, purificando-se o
espírito as doenças saram pela raiz. É por isso que ele tem esse
nome - Johrei - que significa "purificação do espírito".
Desconhecendo tal princípio, a Medicina despreza o espírito e
tenta curar apenas o corpo. Assim, por mais que ela progrida, as
curas serão sempre efêmeras.”
Trata-se do único tratamento para curar a doença:
“Mas qual é a verdadeira essência da mácula? Denomina-
se mácula uma opacidade surgida no espírito, a qual é incolor e
transparente. Ela é a verdadeira causa da doença; por isso,
eliminando-se a mácula, evidentemente a doença será curada.
Esse método é o Johrei. De acordo com os ideogramas que
compõem a palavra, é um método de purificar as máculas do
espírito. E esta é a verdadeira Medicina. Portanto, devem
compreender que, além do Johrei, todos os outros tratamentos
são uma antimedicina.”
42
Melhor caminho para salvar as pessoas más e doentes:
“Portanto, se a pessoa for iluminada pela Luz e se suas
máculas forem eliminadas, a natureza divina retomará o seu
brilho originário e o indivíduo se tornará um ser humano
verdadeiro e saudável. O objetivo do Johrei é retirar as máculas
e salvar as pessoas más e doentes.”
Johrei é a alcunha pela chama, dada por Meishu-Sama:
“O ato que eu realizo sob o nome de Johrei constitui
aquilo a que se dá o nome de Batismo pelo Fogo."
O chamado “batismo de água” foi o dilúvio de Noé. Isto
é, existem as formas. O “batismo de fogo” será o batismo
realizado pelo elemento fogo, ou melhor, pelo Fogo, que é
invisível a olho nu. Assim sendo, purificar através do Johrei,
significa purificar o espírito com fogo. Portanto, trata-se,
realmente, do “batismo de fogo”. A atuação do Johrei vem a ser
o ato do “batismo de fogo”.
“"O último redemoinho" é, na verdade, o processo de
purificação. E quando se fala em processo de purificação, se
refere à essência do Sol, ou seja, o elemento fogo. É o
redemoinho do elemento fogo. No Velho Testamento, existe a
seguinte frase: "João Batista vai fazer o batismo pela água e
Cristo o batismo pelo fogo". O batismo pela água aconteceu
no episódio conhecido pela Arca de Noé, ou seja, havia uma
"forma". E o batismo pelo fogo quer dizer o batismo pelo
"elemento fogo". Quer dizer, essa forma de batismo não se
consegue ver com os olhos. Assim, o recebimento do Johrei
tem, sem dúvida, o mesmo significado do batismo pelo fogo.
A missão do Johrei é fazer o batismo pelo fogo. Esse batismo é
a "salvação de Cristo". Assim, a Igreja Messiânica está fazendo
o serviço de Cristo.”

2.4. Baseado na Lei da Natureza, no elemento fogo.

“Outro relevante ponto a ser considerado é que, caso nos


aprofundemos nesses conceitos, chegaremos à conclusão de
43
serem explicações que não têm fim. Inclusive, não há a menor
necessidade de conhecermos tudo a respeito desse assunto,
principalmente porque o ponto mais importante a ser sabido é
que, a partir de agora, o Mundo da Noite vai se transformar em
Era do Dia, pois, no plano espiritual, onde até então havia o
predomínio do Espírito da Água, o poder do Fogo está se
tornando cada vez maior. Em outras palavras, isso significa que a
escuridão vai se converter em luminosidade, ou seja: a Noite vai
se tornar Dia, mudança que trará como conseqüência o aumento
das purificações, assunto ao qual sempre me refiro. É só isso que
vocês precisam saber.”
O Johrei e outros princípios preconizados por Meishu-
Sama, praticamente não fracassam, eles alcançam os objetivos
almejados porque se baseiam na Lei da Natureza.
Ele é uma espécie da luz peculiar ao corpo humano,
tendo como componente principal o espírito do fogo, que
aumenta gradativamente com aproximação do Mundo do Dia:
“Para explicar o princípio do Johrei, eu tive de avançar
até o destino do mundo. Todavia, era sumamente importante
que o fizesse, pois tanto a descoberta dos erros da Medicina
como o princípio do Johrei se apóiam fundamentalmente neste
ponto: a Transição da Noite para o Dia.
Se a causa das doenças, como já expliquei, são as
máculas do espírito, e se a única maneira de acabá-las é a
eliminação dessas máculas, resta uma grande dúvida: por que
não se descobriu isso antes da descoberta do Johrei?
O princípio do Johrei está baseado na misteriosa luz
invisível emanada do corpo humano. E qual é a natureza dessa
luz? Ela é uma espécie de energia espiritual, peculiar ao corpo
humano, e seu componente principal é o elemento fogo.
Portanto, na ministração do Johrei, necessita-se de grande
quantidade desse elemento; à medida, porém, que se aproxima
o Mundo do Dia, ele aumenta gradativamente, pois sua fonte de
irradiação é o Sol. Assim, além de ser eficiente na eliminação das
doenças, o elemento fogo possui mais um fator de importância
44
decisiva: seu incremento no Mundo Espiritual acelera o processo
de purificação do corpo material, porque a transformação
ocorrida naquele mundo causa influência direta no corpo
espiritual. O aumento do elemento fogo tem a função de auxiliar
a intensificação da energia purificadora das máculas espirituais.
Por isso, ao mesmo tempo em que se torna mais fácil surgirem
doenças, o tratamento solidificador empregado pela Medicina
atual terá efeitos cada vez menores, acabando por se tornar
impraticável. No Mundo da Noite, era preciso que
transcorressem vários anos para haver uma nova liquefação das
toxinas anteriormente solidificadas, mas esse período irá
diminuindo para um ano, meio ano, três meses, um mês, até ser
impossível a solidificação.”
“Dia a dia, mês a mês, o Mundo Espiritual pouco a
pouco vem se transformando. Na verdade, isso é uma coisa
muito interessante. Bem, só posso falar sobre a parte básica:
o fundamento dessa transformação está na origem da
verdadeira energia, ou seja, as manchas solares. Essas
manchas são o centro das forças que regem todo o Universo.
A partir dali é que toda a energia é emanada. O ponto da
forma “su” representa também as manchas solares. A base da
força do Johrei também está nas manchas solares. Realmente
isto é uma coisa sensacional!”
“A chegada da Era do Dia quer dizer: transformação,
mutação das manchas solares. O calor do Sol é um tipo de
energia que é irradiada das manchas solares, mas a força do
elemento fogo que também é irradiada do Sol e suas manchas
é muito mais forte, o que se pode dizer que é um Mistério
Divino. A origem das doenças é uma coisa que não possui
forma, ou seja, por mais que se queira encontrar ou mesmo
entendê-la, mesmo que se utilize os mais poderosos
microscópios ou semelhantes máquinas, não se obtém
sucesso. E como o representante das manchas solares é o
Deus Supremo Criador do Universo, e a partir daí que a Luz é

45
emanada através do meu corpo, não existe doença que não se
consiga curar através do Johrei.”
“Com o avançar da Nova Era, aumenta a atuação do
espírito do fogo. Trata-se de uma energia espiritual purificadora,
que influência o aspecto físico da vida, em proporção à sua
intensidade.
Os messiânicos relatam que muitas pessoas, ao
receberem Johrei, sentem uma emanação de calor e algumas
vezes transpiram. Isso demonstra que a Luz, embora sendo
espiritual, nos afeta fisicamente. O crescimento do fogo
espiritual afeta todos os aspectos da vida, de um ou de outro
modo.”
“Pergunta: Ao ministrar Johrei, sinto que, de vez em
quando, a palma da minha mão esquenta. Por quê? É uma
maneira pela qual o ministrante percebe onde está o mal no
corpo de quem está recebendo Luz?
Meishu-Sama: É muito natural que vocês sintam esse
calor porque, na palma da mão, fica concentrado o espírito do
fogo (Kasso). Por isso, quanto mais esquentar, melhor.
Eu também sinto muito esse calor. É comum também
ouvir, de quem está recebendo Johrei comentários de quem está
tendo a sensação de algo muito quente.”
Algo surpreendente é a comparação do calor emitido
pelo Johrei com o da bomba atômica. Esta equivale a vinte ou
trinta mil graus, no caso, porém, de uma de hidrogênio será
quase impossível medi-lo. Em se tratando do Johrei, a ação de
Kasso manifestada através da palma da mão é muitíssimo mais
forte que a de uma bomba atômica. Trata-se, pois, de um poder
espiritual infinito.
Então, se as causas das doenças são as nuvens espirituais,
só uma lógica fundamentada no espírito pode restituir, de
verdade, a saúde ao ser humano, A medicina está, portanto, fora
do caminho porque tenta curar através da matéria. Eis a razão
pela qual não consegue eliminar as doenças.

46
A partir dessas constatações, pode-se afirmar que a
bomba atômica é uma irradiação assassina; Kasso, entretanto,
traz vida ao ser humano.
De outra parte, o aparecimento concomitante do Johrei e
da bomba atômica tem grande significado para o
estabelecimento do Reino do Céu na Terra, que vem
acompanhado de um processo de destruição, no caso,
simbolizado pela bomba atômica, e, ao mesmo tempo, de
construção, de criação, representado por Kasso (espírito do
fogo).
Dessa forma, o Johrei constitui não só uma nova fonte de
vida a quem estava sendo aniquilado, como também a
possibilidade de se reconstruir aquilo que foi demolido. Além
disso, dá ainda para perceber claramente, de um lado, a
medicina criando doenças, exterminando o ser humano; de
outro, o Johrei restabelecendo a vida. Há, portanto, uma
incessante atividade de destruição e construção.

2.5. Tratamento científico que enfatiza o resultado.

Inicialmente se trata a questão do Johrei ser um método


que enfatiza o resultado.
De fato, pois, na realidade, apenas com a palma da mão,
se consegue notáveis resultados na cura das doenças, os quais
não foram possíveis com a utilização de diversos tipos de
remédios e instrumentos. Em poucas palavras, o tratamento
médico, embora de acordo com a teoria, não consegue curar, e o
Johrei, em desacordo com ela, consegue ótimos resultados. Um
dá importância ao método; o outro, aos resultados. Por
conseguinte, deve-se prestar muita atenção a essa diferença.
Agora se aborda o Johrei como um tratamento científico,
onde se repetirá idéias que já foram expostas com a finalidade
de fixá-las melhor.
Neste item: Ação de cuidar a doença com rigor e
objetividade da ciência; Essência das nuvens espirituais deve ser
47
eliminada; Atuação no espírito e no corpo; Calor; Partículas
tóxicas presentes em suisso devem ser destruídas; Palestra de
Meishu-Sama.

• Ação de cuidar a doença com rigor e objetividade da ciência.

Meishu-Sama ensina que:


“Com freqüência, ocorre de as pessoas me fazerem
perguntas quanto aos princípios fundamentais do Johrei e,
então, vou tecer algumas considerações a respeito,
principalmente para atender aos ministrantes, que estão sempre
buscando dar as explicações mais claras possíveis no tocante a
esse assunto.
De modo geral, os doentes que não conseguiram se
recuperar por meio de diversos tratamentos médicos, ao
receberem Johrei, obtêm uma cura rápida dos males que
apresentavam. Ficam então muito surpresos com isso, e daí
procurarem saber o porquê de tal fato. É até óbvio que quem
ministra Johrei, pelo menos uma única vez, já deve ter tido
alguma experiência nesse sentido. De qualquer modo, nunca
cheguei a falar em detalhes sobre o processo de cura pelo
Johrei, principalmente para não me antecipar em relação ao
momento para isso.
Como todos já sabem, há muito tempo o “normal” é
procurar debelar as doenças através de orientações médicas e
pela prescrição de remédios, e daí o motivo de todos
acreditarem não haver outros meios para a cura, a não ser os
que se baseiam na supremacia absoluta da ciência materialista.
Inclusive, esse aspecto torna extremamente difícil prestar-se
quaisquer outros esclarecimentos sobre o assunto, que se
fundamentem em princípios diferentes desse. Eis também o
motivo de os ministrantes sempre recorrerem a mim, toda vez
que surgem perguntas sobre o funcionamento e a eficácia da Luz
de Deus.
Nesse sentido, o mais importante é termos pleno
48
conhecimento de que, em primeiro lugar, a medicina, apesar de
manter estreita relação com a ciência, não é capaz de dar
solução a todos os problemas referentes à vida humana de
forma idêntica à que ocorre com outras áreas, onde todos eles
podem ser solucionados pela aplicação de conhecimentos
científicos especializados.
Para o ser humano poder ser tratado, é necessário, antes
de tudo, conhecermos a diferença fundamental que o coloca no
mais alto nível da escala da criação dentre todos os seres vivos.
Outro grande mistério reside na própria incapacidade de a
inteligência científica poder desvendar, na essência, a vida
humana, o que a leva a ter uma visão do ser humano como
outro animal qualquer. Pesquisas científicas estão voltadas,
unicamente, ao campo concernente à matéria, o que, inclusive,
justifica o fato de as doenças serem conceituadas como “danos
que ocorrem no corpo físico”. Então, seguindo tal visão
simplista, tenta-se corrigir com o uso de remédios,
equipamentos médicos e outros procedimentos os estragos que
surgem na matéria palpável, já que a medicina não leva em
consideração que, além do corpo físico, há o espiritual -
verdadeira fonte da vida.
E é justamente esse organismo imaterial que contém em
si o poder vital, sendo, por isso mesmo, muito mais importante
que a parte física, embora esteja, inseparavelmente, unido a ela.
Na verdade, o lado espiritual é que constitui a força que
impulsiona o ser humano ao trabalho e à sua atuação no meio
ambiente. De fato, é o espírito a mola que movimenta a vida.
Mas para a ciência materialista, a parte espiritual inexiste, é
como se nada fosse, o que justifica que as pesquisas médicas
estejam voltadas, unicamente, para o corpo físico. Prova disso é
que são realizadas apenas por meio de dessecações em
cadáveres. Dessa forma, mesmo que cheguem a significativos
avanços, não deixam de ser apenas um progresso coxo, cujos
esforços não passam de mero desgaste. Por isso, torna-se tão
necessário conhecer a essência humana em seus dois lados - o
49
material e o espiritual - e principalmente saber que, dentre
ambos, o espiritual é o principal, sendo o corpo apenas o
secundário. Eis a verdadeira Lei do Universo.
E a partir daí então, podemos entender que as doenças,
na realidade, são toxinas que existem no corpo físico e que se
refletem no espírito, em forma de nuvens, as quais, por sua vez,
só podem vir a ser eliminadas por meio de uma ação
purificadora a que denominamos “doença”. Esse é o processo
que atinge o corpo físico, dissolve e elimina as toxinas nele
existentes. Na verdade, é um tipo de sofrimento que, primeiro,
atinge o espírito para, só depois, atingir o físico, segundo a Lei da
Identidade do Espírito e Corpo, o que corresponde a uma ação
horizontal. Porém, quando acontece uma purificação do espírito,
ocorre o mesmo na parte física correspondente do corpo, em
forma de reflexo, numa ação vertical, tudo em consonância com
a Lei de que O Espírito Precede a Matéria.”

• Essência das nuvens espirituais deve ser eliminada.

Outro ponto cuja compreensão é bastante necessária diz


respeito à essência das nuvens espirituais. Na verdade,
correspondem a locais sem transparências que existem em
determinadas partes do espírito humano, justamente onde
surgem as doenças que depois vão se manifestar no corpo físico,
exatamente nas regiões correspondentes ao lado espiritual
encoberto por tais nuvens.
Para que se processe a cura, basta que tais nuvens sejam
eliminadas, e o melhor meio para que sejam desfeitas é o Johrei,
que, conforme o próprio significado do termo consiste no modo
de se purificar as nuvens do espírito. Essa é, na essência, a
medicina capaz de curar! Fora isso, não há tratamento algum
que seja, essencialmente, verdadeiro.
Em síntese, a lógica fundamental tanto da causa quanto
do tratamento de doenças consiste no conhecimento da
existência de nuvens ou máculas espirituais. Em outras palavras:
50
a manifestação exterior é apenas sintoma da doença, já que a
sua causa se encontra no interior, nas nuvens que envolvem o
espírito.
Com base nessa constatação, pode-se afirmar que a
verdadeira arte, da cura consiste na eliminação das nuvens
espirituais. Mas como a medicina atual desconhece tal fato,
acaba por achar correto fazer com que os sintomas que surgem
no corpo físico desapareçam. Mesmo assim, todos os médicos
têm pleno conhecimento de que o efeito dos remédios é apenas
temporário, e que, infalivelmente, uma doença já tratada
reaparecerá mais tarde.

• Atuação no espírito e no corpo.

O Messias diz ainda:


“Quero explicar, cientificamente, a ação fundamental do
Johrei de maneira um pouco mais profunda e, para tanto, vou
usar a mesma fórmula da ciência tradicional, já que, no
momento, esse é o meio mais adequado. Analisarei, porém, os
dois lados da questão: o da ciência lógica e o da ciência
experimental.
Primeiro, vejamos como surgem as nuvens espirituais.
Elas são, na verdade, remédios que se transformaram em
partículas tóxicas que se misturaram ao hidrogênio - um
componente de Suisso (Espírito da Água). Dessa forma, caso
esses minúsculos elementos tóxicos sejam destruídos, a causa da
doença será, radicalmente, eliminada. No entanto, para que isso
aconteça, é necessário haver uma temperatura bem elevada;
justamente para queimar essas partículas tóxicas.
Até agora, porém, não houve no globo terrestre algo que
pudesse facilitar a compreensão do que seja, de fato, esse
fenômeno. Coincidentemente, neste século XX, surgiu a bomba
atômica - dispositivo que gera temperaturas altíssimas capazes
de destruir tudo nos arredores onde for lançado. Por isso, ela
será citada como exemplo, o que vai tornar minha explanação
51
mais fácil. Nesse aspecto, vejo-a como uma manifestação da
vontade divina para explicar a atuação do poder do Johrei como
algo ainda muito mais poderoso que a própria bomba atômica.
Porém, há uma diferença fundamental entre eles: o
Johrei atua no plano espiritual e a bomba atômica, na parte
física. Além disso, a força do calor do Johrei é
incomparavelmente maior, já que, por ser espiritual, não tem
limites. Então, mesmo que a ciência materialista descubra a
intensidade desse calor imaterial, jamais conseguirá produzi-lo
por meios artificiais. Nesse aspecto, a capacidade de atuação do
Johrei vai muito além da que a bomba atômica é capaz de
manifestar, já que sua força serve apenas como mero ponto de
partida para vocês imaginarem o quanto é ilimitado o poder do
calor do Johrei.
Pode até ser que, um dia, depois de progredir dezenas de
vezes mais do que atualmente, a ciência venha a descobrir a
poderosa força contida na ação do Johrei. Neste momento,
porém, tudo ainda permanece no plano do desconhecido.”
“O Johrei, o espírito e o corpo mantêm uma estreita
relação entre si e, por isso, as toxinas presentes na parte física,
através de um processo horizontal, refletem-se no corpo
espiritual, local em que se transformam em máculas que, por
sua vez, de modo vertical, ao serem queimadas pelo Johrei,
retornam ao corpo físico, de onde são eliminadas como resíduos
tóxicos.
Desse modo, ao entendermos corretamente esse
processo de eliminação de toxinas, daí então é possível
compreendermos como o Johrei atua. Se vier a ser apenas uma
ação física que se reflete através da horizontalidade, não vai ser
capaz de debelar as doenças. Porém, ao agir verticalmente, aí
sim, ele entra em sintonia com a Lei do Espírito Precede a
Matéria, o que, em conseqüência, faz com que aja diretamente
na parte espiritual. E ao torná-la melhor, mais pura, o Johrei
trará como efeito de sua atuação a limpeza do corpo físico,
resolvendo, assim, o problema das doenças.
52
Portanto, a verticalidade é uma ação espiritual
correspondente ao Bem. Por sua vez, a horizontalidade vem a
ser um processo ligado à matéria, voltado para o Mal. Daí a
razão de podermos afirmar que o mundo de hoje é infernal,
fruto de uma civilização horizontal, ateísta e, por isso, sem alma
nem “chon”. Portanto, falta-lhe a verticalidade - grandioso poder
espiritual capaz de, partindo do Céu, atravessar todo o eixo do
globo terrestre. Por conseguinte, ser somente horizontal é como
não se ter coluna vertebral, embora a cultura materialista tenha
se desenvolvido dessa forma até hoje. Entretanto, a
verticalidade é indispensável para se criar a verdadeira
civilização.
Em resumo e como conclusão: torna-se necessário haver
verticalidade e horizontalidade. Inclusive, se a humanidade
tivesse sido apenas vertical, jamais teria se expandido. Melhor
dizendo, é por isso que, antes do surgimento da civilização
materialista, não houve uma cultura como a de hoje, mas apenas
um trabalho que se fundamentou na verticalidade.
Dessa forma, visando ao próprio desenvolvimento
material, Deus acabou incentivando as atividades horizontais.
Mesmo assim, só esses dois lados não correspondem à verdade,
pois ainda é necessário haver um encontro entre eles, que se dê
na forma de cruz, momento então em que se dará o nascimento
da verdadeira civilização.
E tendo em vista esse objetivo, a finalidade do meu
trabalho messiânico é, justamente, unir esses dois pontos - o
vertical e o horizontal. Daí a razão de eu também exercer outras
atividades que, aparentemente, nada têm a ver com práticas
religiosas.
Embora seja aparentemente difícil a união dessas duas
partes - a religiosa e a laica -, eu desempenho minhas atividades
com facilidade, procurando não manter nenhuma idéia
preconcebida que possa atrapalhar a concretização do meu ideal
de estabelecer o cruzamento entre verticalidade e
horizontalidade. Para isso, lanço mão de todos os preceitos
53
existentes, sem me prender especificamente a nenhum. E para
que vocês entendam tudo o que estou dizendo, devem procurar
manter uma postura semelhante à minha.

• Calor.

“Vem a ser a essência do Sol, correspondente ao Espírito


do Fogo, a que denominei Kasso. Então, quando essa altíssima
temperatura é irradiada para Suisso, queima imediatamente
aquelas partículas impuras que se encontram misturadas ao
hidrogênio - um dos componentes do Espírito da Água. Aliás, eu
já falei sobre isso, anteriormente.
Tal processo ocorre da seguinte forma: eu escrevo a
palavra “Luz” em pedaços de papel que são, posteriormente,
acondicionados em pequenos invólucros denominados
“Ohikari”. Depois, eu os distribuo a todos os que almejam ser um
canal transmissor dessa Luz e, logo após serem pendurados ao
pescoço, Kasso - que está sendo irradiado ininterruptamente
através de mim - é transmitido para os Ohikari. E então, quando
alguém vai canalizar Johrei, a energia de Kasso é transmitida
pela palma da mão do ministrante para aquele que desejar
recebê-la.
Uma simples comparação poderá esclarecer melhor o
que acabei de explicar. Seria assim, como se o Sol Espiritual
fosse a estação transmissora e eu, a estação retransmissora. Os
ministrantes corresponderiam aos aparelhos receptores. E
então, por meio desse sistema, é que todas as partículas tóxicas
são destruídas e Suisso (Espírito da Água) torna-se puro, sendo
absorvido posteriormente pelo corpo, como uma espécie de
soro. E o resultado disso é a cura definitiva da doença, o que
também esclarece por que uma dor desaparece rapidamente,
quando o ministrante direciona sua mão para o local onde ela se
manifesta. Isso se dá, porque assim que as nuvens da parte
dolorida são eliminadas, a ação curativa se reflete, de imediato,
no corpo físico.”
54
• Partículas tóxicas presentes em suisso devem ser destruídas.

“O surgimento de todas as espécies de bactérias e


doenças contagiosas tem sua origem em partículas tóxicas
presentes em Suisso (Espírito da Água), o que esclarece por que
o tratamento ideal para a cura de qualquer doença consiste na
eliminação da sua causa, ou seja, na própria eliminação dos
elementos impuros contidos em Suisso. É muito importante que
todos entendam bem essa minha explicação a respeito da teoria
do surgimento e da cura das doenças.
Como conclusão, posso afirmar, resumidamente, que os
tratamentos da medicina convencional não passam de métodos
de solidificação de toxinas, que até já estavam começando a ser
dissolvidas. Por outro lado, o Johrei consiste, justamente, no
processo de dissolução e eliminação das partículas tóxicas
presentes em Suisso. Portanto, enquanto os procedimentos
médicos procuram preservar a doença, o Johrei chega a destruí-
la, quer dizer: ele restitui a saúde. Assim, se fizermos uma
análise imparcial, vamos chegar à conclusão de que só pode ser
considerada verdadeira a ciência capaz de curar, e daí a razão de
eu afirmar que a medicina não é ciência exata.
Embora sob todos os aspectos as explicações médicas
sejam bem detalhadas, nunca tocam na essência do problema,
pois permanecem sempre em plano secundário. Inclusive,
muitas vezes, até os próprios médicos chegam a admitir que
algumas de suas explanações não correspondem à realidade.
São como uma árvore à beira da morte, em que apenas galhos e
folhas estão sendo tratados, sem que se tenha noção de que o
mal se encontra na raiz. Acho que, com esse exemplo, vocês
entenderam os procedimentos da medicina e da patologia em
geral.
Em resumo, posso dizer que a medicina como ciência
ainda se encontra num nível inferior, pois desconhece a essência
das doenças. E também lhe faltam lógica e razão para chegar a
atingir um nível mais profundo. Ao contrário, o Johrei atinge o
55
âmago da vida humana, de acordo com uma lógica
inquestionável e, por isso, é a ciência do futuro, inclusive de
nível superior. Como comprovação disso, basta observar que os
efeitos surpreendentes do Johrei são tomados pela ciência
materialista como algo milagroso, porém isso não corresponde
ao que ele é. O Johrei cura, porque tem lógica.
Suponho que todos gostariam de entender bem essa
maravilhosa fórmula pela qual a energia de Kasso é capaz de
levar, através de mim, milhares de pessoas à cura. Esse é o
grande mistério do século XX, mas que só deverá ser analisado
em outra oportunidade.

• Palestra de Meishu-Sama.

Neste ponto: Dificuldades na compreensão do assunto;


Espírito e matéria; Ação horizontal e vertical; A verdadeira
civilização; O poder do Sol Espiritual; Importância da leitura dos
ensinamentos; Mudança da Noite para o Dia; Poder do Fogo
Espiritual; Corpo humano - reações naturais.

Dificuldades na compreensão do assunto.

Explicar o Johrei como um tratamento científico é


bastante difícil, pois não se trata nem de ciência, nem de
religião. Acredito que todos devam ter compreendido a leitura
desse Ensinamento, mas de qualquer forma, a partir de agora,
não vai ser nada fácil a exposição mais detalhada de seus
conceitos. Faltam-me termos mais apropriados, justamente por
ainda não ter sido estabelecido um tratado específico sobre o
assunto, o que me leva a poder explicá-lo só até certo ponto,
porque não disponho de outras palavras para levá-lo adiante.
Inclusive, foi por essa razão que procurei escrevê-lo de modo
bem simples, exatamente para que vocês pudessem entendê-lo
através da própria prática.

56
Espírito e matéria.

Em primeiro lugar, devemos estar plenamente cientes de


que o ser humano é constituído por espírito e matéria. E a partir
disso, precisamos entender que as toxinas existentes no corpo
físico se refletem espiritualmente, na forma de nuvens, o que
quer dizer que as impurezas, partindo da matéria, encaminham-
se para o espírito, envolvendo-o total ou parcialmente.
E então, ao serem eliminadas as nuvens espirituais, tal
processo de limpeza ocorrerá, inclusive, no corpo físico, o que
fará com que as toxinas nele presentes acabem desaparecendo
também. Temos, portanto, uma ação vertical, isto é: que parte
do espírito para, só depois, atingir a matéria.
E quando vocês entenderem perfeitamente como se
processa a verticalidade, daí terão plena compreensão do
Ensinamento Johrei - um tratamento científico.

Ação horizontal e vertical.

A ação horizontal parte da matéria para atingir o espírito,


portanto, é material, e daí o motivo de não resolver os
problemas, muito menos as doenças. Por outro lado, a ação
vertical segue a Lei do Espírito Precede a Matéria, o que acarreta
a melhora do lado espiritual e, conseqüentemente, leva à cura
das doenças que, por sua vez, manifestam-se na parte física
correspondente do corpo.
A partir da adoção desse ponto de vista, podemos
afirmar que a verticalidade é espiritual e corresponde ao Bem; e
de forma inversa, a horizontalidade, então, não passa de uma
ação material, que se fundamenta no Mal. Daí também a razão
de o mundo de hoje corresponder a um estado infernal,
dominado por uma civilização horizontal, ateísta, fundamentada
unicamente na matéria, sem a contrapartida da verticalidade -
teísta e que, portanto, admite Deus e a espiritualidade.
Por ser uma ação material, a horizontalidade não tem
57
alma, nem sequer a firmeza da estrutura óssea de uma coluna
vertebral, e daí a razão de não ter sido capaz de estabelecer a
verdadeira civilização. Por sua vez, a verticalidade corresponde a
uma ação espiritual, possui alma e uma força tão poderosa, que,
partindo do Céu, é capaz de atingir e atravessar todo o eixo do
globo terrestre.
No entanto, é necessário considerarmos o seguinte: caso
a horizontalidade não existisse, teria sido impossível o próprio
desenvolvimento da civilização materialista. Em resumo:
somente com a verticalidade, não teríamos tido a expansão da
cultura humana no mundo. Portanto, foi necessária a presença
de ambas. Basta lembrarmos que, em tempos remotos, o
domínio absoluto cabia à atividade vertical. Mas, então, para
possibilitar o desenvolvimento da cultura materialista, Deus
acabou buscando incentivar o trabalho horizontal, embora não
fosse Sua intenção levar os homens a se inclinar unicamente
para um desses lados.

A verdadeira civilização.

Será aquela em que verticalidade e horizontalidade se


cruzarão, sendo que a tarefa de estabelecer tal cruzamento é
minha, através do trabalho messiânico. E daí a razão de eu
realizar tarefas diferenciadas, como a Agricultura da Grande
Natureza e a fundação de museus, por exemplo, atividades
opostas, bem diferentes uma da outra.
Entretanto, ambas são grandiosas e amplas,
aparentemente difíceis, mas por outro lado, fáceis de serem
realizadas, e todos os que não partirem de idéias preconcebidas
serão capazes de entendê-las, com a maior facilidade. Inclusive,
aqueles que se mantêm arraigados a pensamentos já
ultrapassados também compreenderão o meu trabalho, desde
que abandonem suas antiquadas idéias.

58
O poder do Sol Espiritual.

Conforme escrevi no Ensinamento Johrei um tratamento


científico, o poder do Sol Espiritual se manifesta através de mim,
para só daí então se expandir para toda a humanidade. E como
sempre digo, tal processo se dá porque a Era do Dia está
chegando, ao mesmo tempo, em que a Era da Noite está bem
próxima de seu fim.
Contudo, esse é um fenômeno de difícil compreensão, já
que corresponde a uma mudança que, além de ocorrer no Reino
Espiritual, jamais foi experimentada antes pela humanidade, em
qualquer era. Então, por ser uma teoria assim tão nova, seu
esclarecimento se torna muito mais complexo, o que acaba
fazendo com que todos fiquem surpresos, sem entender muito
bem do que se trata, ao entrarem em contato com ela, pela
primeira vez.
No entanto, desde antigamente, homens grandiosos
fizeram referências a essas mudanças tão marcantes, e eu não
tenho a menor dúvida a esse respeito. Porém, faltou-lhes o
poder do Sol Espiritual, que não chegou a se manifestar no
decorrer da Era da Noite - período em que a luminosidade
provinha da Lua, o que impediu, inclusive, os mais fortes de
demonstrarem força, já que só eram capazes de enxergar e
pregar a verdade até certo limite.

Importância da leitura dos ensinamentos.

“Há outro ponto fundamental a ser ressaltado: o poder


do Johrei depende também da elevação espiritual daquele
que o ministra. Para consegui-la, os membros devem dedicar-
se, com perseverança, à leitura dos Ensinamentos. Dessa
forma, irão, pouco a pouco, aprofundando a sua sabedoria e
adquirindo mais confiança e fé no Johrei que,
conseqüentemente, se tornará mais poderoso.”
Espero que todos tenham compreendido bem este
59
Ensinamento, mas se ainda restarem dúvidas, é porque sua
leitura ainda não foi suficiente. Nesse caso, aconselho a fazerem-
na repetidas vezes, o que, com certeza, vai levá-los a uma
compreensão muito mais clara.

Mudança da Noite para o Dia.

Explicar tal mudança é bastante difícil, porque não há


nada em que eu possa me basear, já que ninguém até agora
falou sobre esse assunto. Então, trata-se de uma teoria cujos
conceitos são absolutamente novos, razão pela qual procurei
escrever este Ensinamento - que agora está terminado -
tentando facilitar, ao máximo, o seu entendimento.
Dentre todas as idéias propostas, a que apresenta maior
dificuldade de compreensão é a que diz respeito à relação entre
Noite e Dia. Tomemos como base uma escala que nos apresente
várias etapas do Mundo Espiritual, subdivididas em grandes,
médias e pequenas, cada qual correspondendo ao número de
anos que as compõem, os quais podem ser representados por
dezenas de milhares, por cem, por dez ou até mesmo por um
ano, ou ainda por alguns meses somente. Em cada uma dessas
etapas, ou seja, nas maiores, nas médias ou nas menores, temos
a alternância entre Dias e Noites, que também se subdividem em
três estágios distintos, a saber: 5 (Fogo); 6 (Água) e 7 (Terra). Em
outras palavras, isso quer dizer que existem períodos de
alternância entre Noite e Dia, onde ora temos a predominância
da energia do Fogo, ora a da Água, ora a da Terra.
E olhando-se o mundo sob esse prisma, podemos
observar, pelos próprios períodos históricos, que temos a
alternância de momentos de paz com outros de destruição e
guerra, para novamente haver um novo período de construção,
com cada um deles sempre equivalendo ao predomínio do Fogo,
da Água ou da Terra.
Outro relevante ponto a ser considerado é que, caso nos
aprofundemos nesses conceitos, chegaremos à conclusão de
60
serem explicações que não têm fim. Inclusive, não há a menor
necessidade de conhecermos tudo a respeito desse assunto,
principalmente porque o ponto mais importante a ser sabido é
que, a partir de agora, o Mundo da Noite vai se transformar em
Era do Dia, pois, no plano espiritual, onde até então havia o
predomínio do Espírito da Água, o poder do Fogo está se
tomando cada vez maior. Em outras palavras, isso significa que a
escuridão vai se converter em luminosidade, ou seja: a Noite vai
se tornar Dia, mudança que trará como conseqüência o aumento
das purificações, assunto ao qual sempre me refiro. É só isso que
vocês precisam saber.
Por outro lado, como resultado dessas transformações, o
conceito sobre a cura das doenças torna-se muito mais claro, e
acredito até que os membros mais antigos já estejam
suficientemente esclarecidos quanto às noções sobre o
restabelecimento da saúde e o surgimento de purificações. Mas
no momento, meus escritos estão voltados muito mais aos
principiantes, com o intuito de que não lhes reste qualquer
dúvida a respeito do assunto em questão.
Como já disse anteriormente, se vocês lerem repetidas
vezes este Ensinamento, irão descobrir a verdade, pouco a
pouco, e também perceberão rapidamente que tudo tem seu
próprio ponto focal, o que quer dizer que, ao encontrarem a
chave do esclarecimento de alguma questão, os demais pontos
relativos a ela também se tornarão claros. Portanto, basta lerem
e estudarem este Ensinamento, sempre levando em
consideração esse espírito de compreensão.

Poder do Fogo Espiritual.

O poder do Fogo provém do Sol Espiritual [vide em 1.1.


do volume 1 – Deus – que: m(D) = F = e(f) ≈ e(S) = SE = K = lc] e
chega até mim, e esse também é um processo difícil de ser
explicado, mas não há outro jeito de esclarecê-lo, senão
afirmando que me encontro ligado ao Sol Espiritual. Em outra
61
oportunidade, voltarei a abordar esse assunto, de forma mais
detalhada.
Embora não seja fácil afirmar, trata-se de um processo
“científico-espiritual”! Hoje, ao se abordar assuntos que digam
respeito à ciência, vemos que seus conceitos vinculam-se apenas
ao visível, o que, inclusive, esclarece a dificuldade da aceitação
de novas idéias científicas que se fundamentem também no
imaterial. Mas essa verdade sobre o poder do Fogo Espiritual é
ciência invisível, que pode ser comprovada, entendida e aceita
por qualquer pessoa de mente mais aberta.
Na realidade, quando irradiado para o local onde se
manifesta uma doença, o Fogo Espiritual cura, porque dissolve
as nuvens do espírito. Refiro-me àquelas moléculas formadas na
água espiritual impura, e que, de fato, são partículas nocivas que
se assemelham às toxinas existentes no corpo físico, cuja origem
se dá pelo uso de medicamentos injetáveis, ou mesmo por
aqueles que ingerimos via oral, os quais se espalham pelo nosso
corpo e, por fim, solidificam-se, pouco a pouco, em
determinados pontos onde acaba havendo a manifestação de
dores ou inchaços.
Na verdade, as toxinas decorrentes do uso de remédios
transformam-se em nuvens e acumulam-se, na forma de
partículas nocivas, em Suisso (Espírito da Água), o que o torna
impuro, exatamente no local correspondente à parte física na
qual surgem os sintomas da doença. E temos a mesma
ocorrência quando alguém sente rigidez nos ombros, o que nada
mais é do que o excesso de concentração de partículas nocivas
solidificadas no Suisso, que acabam se refletindo no corpo.
Então, ao se ministrar Johrei, a poderosíssima força do
Fogo Espiritual que sai da palma da mão, aliás, força muito maior
que a da bomba atômica, atinge o local e ali queima aquelas
partículas nocivas que se solidificaram no Suisso impuro. Mas
pelo fato de essas partículas serem tão minúsculas, torna-se
impossível detectá-las por meio de microscópios. Porém, na
verdade, elas são queimadas, transformam-se em cinzas, até
62
serem, finalmente, eliminadas por catarro, pus, diarréias ou
outros meios.
E uma vez destruídas pelo poder do Fogo Espiritual, essas
partículas impuras perdem seu poder ativo, deixando de
provocar sofrimentos e também não mais irritando os nervos do
corpo. Mas ainda assim, permanecem na forma de cinzas
semelhantes a um cadáver. E caso contrário, se continuarem
vivas, vão ficar se mexendo pelo corpo, provocando os mais
diversos tipos de dor ou mesmo outros sintomas patológicos.
“O microscópio possui muitas utilidades, mas no que se
refere à vida do ser humano, como no caso das doenças, não
tem utilidade nenhuma. Isso porque o microscópio não
consegue analisar aquilo que é infinito.
O vírus, por exemplo, é uma partícula muito minúscula,
que mesmo aumentando milhões ou bilhões de vezes, não se
consegue entendê-lo claramente, comprovando assim que ele
é um tipo de forma infinita. Ou seja, parece algo gasoso,
porém é muito mais rarefeito que o ar, é espírito. E espírito é
infinito. Resumindo, esses micróbios que são infinitos (vírus),
na verdade, são as máculas, material maligno, toxinas, toxinas
infinitas. Portanto, se nós curamos as doenças, é devido ao
fato de que daqui (palma da mão) é emanada uma força
também infinita que queima estas máculas.”

Corpo humano - reações naturais.

Gostaria ainda de lhes dizer o seguinte: o corpo humano


possui uma força ativa própria, através da qual ele impede que
qualquer elemento estranho atrapalhe o seu funcionamento.
Por exemplo: se um feto em desenvolvimento morre, em geral,
os médicos procedem à sua retirada, através de cirurgias.
Porém, se for ministrado Johrei, sua expulsão se dará
normalmente, em decorrência da própria ação repulsiva do
corpo humano, que chega a eliminar todos os elementos
estranhos ao seu funcionamento natural. Inclusive, há muitos
63
testemunhos que comprovam essa força de rejeição do
organismo. Sabe-se do caso de uma pessoa que,
inesperadamente, enfiou uma agulha no corpo, mas que, após
receber Johrei, livrou-se dela, sem a menor dificuldade.
Dias atrás, chegou a nosso conhecimento um outro
testemunho semelhante a esse. Inadvertidamente, uma pessoa
foi vítima da penetração de uma agulha em sua perna. Então,
recebeu Johrei durante alguns meses e, pouco a pouco, a ponta
da agulha foi se deslocando, até que acabou saindo no lado
oposto ao que havia entrado. E esse é um princípio do corpo
humano: tudo o que não deve estar nele é eliminado, de uma
maneira ou de outra.
Inclusive, ocorre o mesmo com as partículas nocivas que
se acumulam no Espírito da Água: quando são mortas pela ação
do Johrei, ou seja, quando são queimadas pelo poder do Fogo
Espiritual, saem, infalivelmente, de algum modo. Mas vocês
devem estar perguntando: por que Kasso - que sai da palma da
mão - não era conhecido até hoje, se é ele que queima as
partículas impuras de Suisso? É porque tudo se relaciona a um
tempo propício e somente agora é que a Era do Dia está
chegando, o que, conseqüentemente, aumenta o poder do
Espírito do Fogo tanto no Mundo Espiritual quanto no Material.
Ministro - Uma criança de quatro anos tem a perna
inchada e sente muitas dores. Através de um Raio X, foi
constatada a presença de uma agulha no osso. Nesse caso,
pode-se ministrar Johrei?
Meishu-Sama - Pode, e inclusive essa agulha vai sair,
porque o próprio corpo tem força suficiente para expulsar os
elementos estranhos que nele penetram. Contudo, ministrando-
se Johrei, esse processo de expulsão torna-se mais acelerado.

64
2.6. Método criado por Meishu-Sama que progride com os
ensinamentos.

Meishu-Sama realizou varias experiências, através dos


filhos, fazendo pesquisas que não poderiam ser feitas com
pessoas que não fossem de sua família. Ele fazia experiências
para saber o grau de diferença da cura: não fazendo nada,
deixando a doença a cargo da natureza, ou ministrando Johrei.

2.7. Bola de fogo em Meishu-Sama e a letra ‘Luz’.

No que se refere a letra “Luz” contida no Ohikari


(medalha peculiar dos seguidores de Meishu-Sama), eis o que
um discípulo conta sobre o Mestre:
“A seguir falou-nos sobre a história da pintura “Bambu a
Pavão” da autoria de Sashi Goro desenhada na porta corrediça
dum hotel. Ele disse: “Diz uma lenda que, nessa pintura, a
princípio, estava retratando mais um pavão, que um dia saiu
voando e desapareceu. Como o notável artista expressou tão
bem o pavão prestes a levantar vôo, a qualquer momento, é que
nasceu essa lenda. No momento de sua retratação, o espírito do
autor ficou impregnado nessa pintura e esse espírito vibra e toca
o coração daqueles que a contemplam. A força espiritual de
pessoas consideradas notáveis é muito mais intensa do que a de
pessoas comuns.”
Ouvíamos com grande interesse, quando a seguir, de
modo natural, ele acrescentou: “A letra ‘Luz’, que escrevo,
também é assim. Ao escrevê-la, o desejo de Deus de ‘salvar o
mundo do sofrimento por meio da Luz’ passando através de meu
corpo, impregna essa letra.
Foi só o que ele disse, mas nunca fiquei tão emocionado
como naquela ocasião!”
Quando escrita no Ohikari é o um por cento da Força
Divina:

65
“Esta força é o Espírito Supremo - é o Espírito de Deus -
que desce do Mundo Divino tornando-se a Salvação da
humanidade. Na religião Oomoto, diz-se 1% da Força Divina.
Até hoje, no mundo era força de 99%. Agora se tornou a
força de 100%, com o 1% da Força Divina que vem do Mundo
Divino. Assim sendo, este mundo tornar-se-á o Mundo de Deus.
Isto é interessante e verdadeiro.
Por isso, este 1% da Força Divina esta escrita no Ohikari.
Se for excluída essa força de 1% não será tão simples assim
realizar milagres.”
No que diz respeito a bola de fogo:
“Há Uma Bola de Luz em meu ventre. Esta Bola de Luz é
algo misterioso, profundo e sutil, difícil de explicar; em outras
palavras, ela é o Receptáculo Divino, manejado livremente pelo
Criador ao qual, desde a Antigüidade, deu-se o nome de Nyoi-
hojyu ou Mani-no-tama [Nyoi-no-tama? Yukon].
Incontestavelmente, Deus outorgou e permitiu a sua
utilização a um único ser humano, que sou eu, pela primeira vez
desde o início da humanidade. A Luz desta Bola é transmitida e
fornecida infinitamente ao Ohikari, através do Elo Espiritual. Por
esta razão, não há diferença na sua atuação; por mais que o
número de Ohikari aumente.”
“O método do Johrei que tenho empregado atualmente,
consiste em outorgar às pessoas um papel onde está escrita a
palavra Hikari, ou seja, Luz. Os efeitos se manifestam quando
esse papel é usado no peito, pendurado ao pescoço. Isso
acontece porque da palavra Hikari se irradiam poderosas ondas
de Luz, as quais são transmitidas através do corpo, do braço e da
palma da mão do fiel que ministra o Johrei.
E por que motivo se irradiam ondas de Luz da palavra
Hikari? Essas ondas são emitidas do meu corpo e, pelo elo
espiritual, transmitem-se instantaneamente à palavra em
questão. É muito semelhante às ondas de rádio. Todavia, se as
ondas de Luz são emitidas do meu corpo e transmitidas através
do elo espiritual, surge a seguinte pergunta: que segredo existe
66
no meu espírito? Quando compreenderem isto, a dúvida
desaparecerá. No meu ventre há uma bola de Luz que
normalmente mede uns seis cm de diâmetro; ela já foi vista por
algumas pessoas. Dela, as ondas de Luz irradiam-se
infinitamente. A fonte dessa bola está no "Nyoi-no-Tama" de
Kanzeon-Bossatsu, no Mundo Espiritual; daí me é fornecida uma
Luz infinita."
Advém do Nyoi-no-Tama de Kanzeon-Bossatsu, ou seja,
Yukon de Meishu-Sama:
“Essa força é constituída pela união do fogo, da água e da
terra; a força da terra é o elemento da matéria e corresponde ao
corpo humano. Ao passar pelo corpo, a luz é acrescida do
elemento terra e daí nasce a força da trilogia, ou seja, o Poder
Kannon. Explicando de maneira mais acessível, a luz emitida pelo
“Nyoi-no-Tama” de Kanzeon-Bossatsu, passando pelo meu
corpo, manifesta-se como Poder Kannon, o qual, através do
corpo do messiânico, torna-se a força purificadora.”
Produzindo o poder Kannon:
“Portanto, como o corpo humano é formado pela trilogia
fogo-água-terra, o método lógico para a erradicação das doenças
deve basear-se nessa trilogia. Isso constitui o princípio do Johrei
qual está baseado no Poder Kannon. Esse poder é a Luz
transmitida por Kanzeon-Bossatsu, uma luz espiritual, invisível
aos olhos humanos. A luz visível, como a do Sol, a das lâmpadas,
a do fogo, etc., é o "corpo" da luz. A natureza da luz é resultante
da união do fogo e da água, ou seja, é formada pelos elementos
fogo e água. E será mais forte quanto maior for a quantidade do
elemento fogo. Acontece que a força proveniente da luz
constituída apenas por esses elementos ainda é insuficiente,
tornando-se necessária a essência da terra. A manifestação da
força perfeita da trilogia fogo-água-terra torna-se uma
extraordinária força de purificação. As ondas dessa Luz
atravessam o corpo, extinguindo as máculas do espírito, o que se
reflete no físico, como erradicação da doença.

67
O meio concreto para se obter o que foi exposto é uma
folha de papel dobrada, com a palavra Hikari, ou seja, Luz,
escrita em letra grande, a qual se usa no peito, pendurada ao
pescoço. Nessa palavra está impregnada, de forma concentrada,
a energia das ondas de Luz transmitidas através do meu braço
para o pincel, e deste para as letras. Assim, a palavra Hikari está
unida, por elos espirituais, à fonte da Luz, situada dentro do meu
corpo, a qual lhe transmite ondas incessantemente. É claro que
a atividade do elo espiritual que me liga a Kanzeon-Bossatsu
ocorre de maneira idêntica, e d'Ele me são transmitidas,
ilimitadamente, as ondas de Luz para a salvação da humanidade.
Sendo o corpo formado pela trilogia fogo-água-terra,
conforme expusemos, poder-se-á dizer que o método
purificador das máculas baseado na força dessa trilogia constitui
a própria Verdade. É evidente, portanto, que se consegue obter
uma força de purificação jamais vista. Apesar da explicação
deste princípio ser extremamente difícil, acredito que os leitores
tenham conseguido entender até certo ponto como isso se
processa.”
Visitante - Quando o Johrei é ministrado, a Luz vai na
direção do receptor. E depois? Volta para quem a está
ministrando?
Meishu-Sama - Não, não é assim que acontece. A Luz
penetra e ultrapassa o corpo de quem a recebe, saindo, de
maneira ilimitada, da bola que tenho no meu ventre.
Visitante - Essa “bola” da qual está falando só o Senhor a
possui?
Meishu-Sama - Sim, somente eu.
Visitante - Suponhamos então: daqui a cem anos, o
Senhor vai para o Mundo Espiritual. O que acontecerá?
Meishu-Sama - Nada de diferente. Tudo será igual.
Continuarei, de lá, irradiando, intensamente, a mesma Luz,
porém com muito mais facilidade, porque já não terei os
obstáculos do corpo físico.

68
2.8. Ato simples pelas palmas das mãos dos messiânicos.

Inicialmente as pessoas desconfiam ou pensam em


desistir:
“Considerando que nenhuma experiência é perdida, eles
começaram a receber Johrei cheios de desconfiança.
Assombrados com o fato de ele consistir apenas no levantar das
mãos, pensaram em desistir, julgando impossível a cura por
meio de um ato tão simples. Entretanto, sentindo-se mais
dispostos no dia seguinte, continuaram a recebê-lo e
melhoraram rapidamente. Esse é o testemunho unânime dos
que relatam sua experiência.”
Por exemplo:
“Em fevereiro de 1949, quando o casal Nichools, do
Estado-Maior de MacArthur, visitou a sede de Shimizu-cho,
Meishu-Sama deu-lhes várias explicações sobre a nossa Igreja. O
Sr. Nichools, entretanto, não conseguia aceitar que uma luz
espiritual, invisível, saísse das palmas das mãos. Diante de sua
incredulidade, Meishu-Sama explicou: "Qualquer pessoa que
ministra Johrei consegue isso". E pediu ao Sr. Nakajima que
ministrasse Johrei em algumas pessoas, orientando-as para que
ficassem do outro lado de um pequeno lago que havia no local.
Então, tanto as pessoas que estavam recebendo Johrei quanto
as que simplesmente observavam a cena começaram a tossir e
arrotar.
O Sr. Nichools achou o fato incompreensível e, duvidando
do que via, perguntou: "Eles estão fazendo tudo isso
intencionalmente, não?" Então Meishu-Sama fez com que as
pessoas virassem de costas e pediu ao Sr. Nichools que desse um
sinal para o Sr. Nakajima voltar a ministrar Johrei. Quando este
levantou a mão, ocorreu o mesmo de antes.
A experiência foi repetida várias vezes. Observando o
fato, o Sr. Nichools ficou deveras admirado. Meishu-Sama sorria,
assistindo à cena.”

69
O homem é o mais elevado, a irradiação de ondas
espirituais do seu corpo é a mais poderosa:
“A irradiação do corpo humano é a mais poderosa, mas a
grande diferença que há de umas para outras, está além da
imaginação. Quanto mais poderosa for essa irradiação, maior
será a atuação do Johrei. Assim, para irradiá-la com maior
potência, concentrei-a numa parte do corpo, alcançando, com
isso, pleno sucesso na eliminação das máculas. Consegui,
também, aumentar ainda mais a força da irradiação que cada
um possui, através de um método todo peculiar. Aplicando esses
dois métodos, conhecendo o seu princípio e somando
experiências, consegue-se manifestar um poder extraordinário.”
O método de Meishu-Sama foi concentrar as ondas
espirituais no Ohikari irradiando-as pela palma da mão. Na Era
da Noite alguns ascetas e religiosos, mesmo diante da pouca
disponibilidade de luz, conseguiam êxito.
“O nosso Johrei, todavia, fundamenta-se na eliminação
das máculas do corpo espiritual. O método consiste em irradiar,
pela palma da mão, uma espécie de ondas espirituais, que têm
como agente principal o elemento fogo. Por ora, vou chamar
essas ondas de raios misteriosos. Todas as pessoas os possuem
em determinada quantidade, ou melhor, esses raios existem em
número ilimitado no espaço aéreo acima do Planeta, isto é, no
Mundo Espiritual.
Mas por que será que ninguém descobriu antes esse
método que consiste na eliminação das máculas através das
ondas espirituais? Foi porque, conforme já dissemos, era noite
no mundo, ou seja, o mundo estava às escuras. Como luz, existia
apenas uma claridade semelhante à da Lua, e por isso era
impossível obter-se a força para curar as doenças, ou seja, raios
misteriosos em quantidade suficiente para apagar as máculas.
Não é que eles fossem totalmente nulos, tanto assim que alguns
religiosos e ascetas procediam ao tratamento das doenças e até
certo ponto tinham êxito. Como é do conhecimento de todos, os
fundadores de algumas religiões ganharam considerável fama.
70
Acontece, porém, que o principal componente da luz da Lua é o
elemento água, e por essa razão a força para curar as doenças
limitava-se a algumas espécies ou a efeitos temporários. Com
base no elemento água, essa luz é de natureza fria, e por isso sua
aplicação torna-se um tratamento solidificador. No Johrei,
entretanto, o principal agente é o elemento fogo, capaz de
queimar qualquer mácula; por conseguinte, ele apresenta
efeitos extraordinários. O principal motivo que me levou a
descobri-lo foi o conhecimento sobre a Transição da Era da Noite
para a Era do Dia e o conseqüente aumento de partículas do
elemento fogo, que, concentrando-os no corpo produz-se uma
poderosa luz purificadora. Irradiando-a, então, no local afetado,
há um efeito extraordinário.”

2.9. A seqüência da Luz.

Meishu-Sama respondendo às perguntas, enfoca a ordem:


Ele (o Mestre, o Fundador)  Ohikari  Corpo do Ministrante
 Palma da Mão.
E diz mais:
“A Luz Divina é transmitida pela palma da mão, passando
antes pelo Ohikari. Ele será, porém imediatamente interrompida
no momento em que o ministrante forçar o braço.”

2.10. Um produtor de milagre disponível aos discípulos.

Meishu-Sama explicou que a força proveniente do


Ohikari não se altera a medida que vão sendo outorgados outros
Ohikari’s:
“Meus discípulos sabem muito bem que basta colocar no
peito o Ohikari (Luz Divina), que contém um papel escrito por
mim, para ser-lhes concedida uma força capaz de gerar milagres,
até mesmo no caso de doentes desenganados pelos médicos. Já
outorguei milhares de Ohikari, mas mesmo que seu número

71
aumente infinitamente, não haverá nenhuma alteração nessa
força.”

2.11. Maravilha do século, inédito na história.

Maravilha porque um indivíduo comum obtém resultados


notáveis ministrando Johrei em doentes que não conseguiram se
restabelecer com o trabalho das autoridades médicas, formadas
à custa de elevadas despesas com estudos e pesquisas durante
dezenas de anos. Inédito porque irá construir um mundo livre de
doença, pobreza e conflito:
“Vou explicar agora o princípio do Johrei, um dos
métodos pelos quais os discípulos vêm obtendo magníficos
resultados, expressos sob a forma de surpreendentes milagres.
Quando se estende a mão em direção à pessoa enferma, as
doenças mais difíceis e os enfermos mais graves começam a
melhorar. Mesmo as dores mais fortes são aliviadas ou extintas
em curto espaço de tempo. Portanto, só podemos dizer que se
trata de "milagre".
A Medicina atual é o resultado de milhares de anos de
estudo e prática constante realizada por renomados estudiosos
de vários países, e suas terapias minuciosas e refinadas são
dignas de elogio. Entretanto, um indivíduo comum obtém
resultados notáveis ministrando Johrei em doentes que não
conseguiram se restabelecer com o trabalho das autoridades
médicas, formadas à custa de elevadas despesas com estudos e
pesquisas durante dezenas de anos. É realmente um fato que
está além da razão. Não seria, pois, exagero definir o Johrei
como a maravilha do século. Todavia, pelo simples
conhecimento dos seus resultados reais através de notícias, as
pessoas não o aceitam facilmente. Mais do que isso: vêem-no
pela ótica da superstição ou da anormalidade psíquica, o que
talvez seja uma reação natural.
O aparecimento do Johrei é um grande acontecimento,
inédito na História. A afirmação de que irá construir um "mundo
72
livre de doença, pobreza e conflito" não seria possível se não se
estivesse absolutamente convicta do que está dizendo. Se não
tivesse competência para isso, se estaria enganando o mundo e
cometendo um delito imperdoável. Para nós, no entanto, como
eu disse anteriormente, milagres como os que citamos, não são
milagres. Eles possuem uma base totalmente fundamentada na
explicação cientifica e ocorrem porque devem ocorrer.”
“Para que o homem, então, se torne verdadeiramente
feliz, é preciso, em primeiro lugar, colocar o yukon num nível
bem elevado. E o único meio de conseguir esse ideal é através
da eliminação das máculas que, uma vez extintas, deixam a alma
leve para atingir as alturas.
O processo da purificação pelo qual são eliminadas as
impurezas, tornando-se assim possível a elevação do yukon é,
entretanto, longo e exige muito sacrifício e também prática de
virtudes. Há, porém, um meio pelo qual se pode ultrapassar, de
uma só vez e com muita tranqüilidade, dezenas de degraus nas
camadas do mundo espiritual: a canalização constante do
Johrei.”
Um caso de um discípulo de Meishu-Sama que não
estava fazendo o que este Mestre lhe determinara:
“Pessoas poderiam imaginar que a nossa religião era
interesseira. Assim, continuei cobrando apenas um iene.
Após uns três meses, num dia em que os participantes da
entrevista eram poucos, Meishu-Sama, repentinamente, virou se
para mim e disse: "Há um erro nos seus cálculos!" Na época,
apresentávamos, mensalmente, um relatório de Johrei a
Meishu-Sama, mas, como não podia relatar mentiras, calculei
tudo na base de um iene. Fui, então, advertido por ele. Pensei
comigo. "Fui descoberto", e fiquei cabisbaixo. Então, ele me
disse: "Só 30 pessoas receberam Johrei e constam aqui 30 ienes,
dá um iene por pessoa. Não lhe disse para passar a cobrar dois
ienes? Deve fazer como lhe disse. Assim, você está
menosprezando Deus.” E acrescentou: "Pode elevar o preço.
Quanto mais caro, mais sara. Como você ainda não entendeu
73
isso, está agindo de acordo com a sua convicção, mas,
doravante, tome cuidado."
Assim, logo em seguida me corrigi, mas continuei
pensando se não iria diminuir a freqüência. Entretanto,
pensando bem, como eram palavras de Meishu-Sama,
manifestante de inigualável força, decidi agir obedientemente e
já, a partir do dia seguinte, passei a cobrar dois ienes.
O que eu pensava estava totalmente fora de propósito, pois,
agindo conforme sua orientação dobrou a freqüência, e os milagres
também se tornaram constantes, deixando-me surpreso quanto a
diferença entre a inteligência divina e a humana.”

2.12. Fórmula científica de alto nível.

“Meu método consiste na irradiação de um espírito


específico que pode ser considerado como a bomba atômica
espiritual para queimar as impurezas. Esse método, denominado
Johrei, constitui uma fórmula científica de alto nível. Não se
limitando apenas ao campo da Medicina, ele consegue resolver
problemas que nenhuma religião ou ciência conseguiu. Se isso
não é uma superciência, o que será?
A ciência que trata da matéria ainda se encontra em
baixo nível, evidenciando-se que, através dela, é impossível
resolver problemas vitais de um ser de tão elevado nível como o
homem. Isso se torna claro ao observarmos que doenças graves,
consideradas incuráveis pela Medicina, estão sendo vencidas
facilmente, por meio do Johrei. Dessa forma, a ciência do
espírito pode ser considerada como o suporte da ciência da
matéria.”

2.13. Transformação no mundo, principalmente da medicina.

Isso se dá porque substitui os tratamentos médicos:


“Como a ciência moderna é um dos principais objetivos
do Plano de Deus, sem dúvida ocorrerá a revolução da Medicina.
74
O Johrei será seu substituto. Isso porque inúmeros doutores
ficarão sem saber o que fazer, e os doentes à beira da morte
serão curados por pessoas comuns, que desconhecem a palavra
medicina, e que com alguns dias de aprimoramento receberão o
poder de curar. Diante disso, não haverá muito que dizer.
Portanto, utilizando a força do Johrei, creio que não será difícil
eliminar os pontos errados da Cultura moderna, acumulados
durante vários séculos."
“Mas por que será que a humanidade durante tanto
tempo não percebeu os erros da Medicina? É realmente um
grande mistério do mundo. O Johrei, criado por mim, abre agora
as portas desse mistério, que estiveram cerradas durante
milênios.”
Dessa forma a vida será prolongada:
“Quanto ao “prolongamento da vida”, todos, sem
exceção acreditavam não passar de um sonho de gente tola.
Nesse sentido, estou certo de não existir, na história da
humanidade, absolutamente nada que possa ser comparado a
tão grandiosa descoberta. Por isso acredito que, quando o Johrei
chegar ao conhecimento de todos os homens, motivará uma
grande revolução no mundo.”
Sendo algo tão sério, inédito em toda a história da
humanidade, a vinda do Salvador é um assunto que não pode
ser discutido de maneira leviana. Contudo, não se pode também
afirmar que se trate apenas de um sonho, nem deixar de
acreditar na sua viabilidade, pois a Segunda Vinda do Cristo, a
Vinda do Messias e o Nascimento de Miroku foram previstos por
grandes profetas e santos.
Há muito tempo venho pensando na condição número
um que deve ser preenchida pelo Salvador. Antes de tudo, ele
deve ter força para livrar as pessoas das doenças. Por
conseguinte, além de conceder-lhes o método absoluto para
obterem plena saúde e completarem o tempo de vida que lhes
foi predestinado, ele deve possuir força para a concretização
desse objetivo. Eis a qualificação fundamental do Salvador. É
75
óbvio que a saúde do corpo deve acompanhar a saúde do
espírito.

2.14. Único meio para passar incólume pelo Juízo Final.

“Na medida em que o Mundo Espiritual se torna Dia, as


purificações tornam-se cada vez mais fortes, o efeito do Johrei
mais notável e a cura das doenças cada dia mais rápida, com o
número de milagres aumentando.”
“O objetivo é formar o maior número possível de pessoas
que passem incólumes pelo Juízo Final. Esse é o Grande Amor de
Deus, e também, uma grande missão da qual fui incumbido. E o
Johrei é o único meio para isso. O Johrei serve não apenas para
curar as doenças: ele cria pessoas qualificadas, capazes de
ultrapassarem ilesas ao Juízo que está por vir.”
“Com o avançar da Nova Era e à medida que aumenta a
intensidade da Luz, a purificação tornar-se-à proporcionalmente
mais severa. A elevação da energia vibratória do Johrei e dos
sagrados cultos atenuará essa severidade mediante a
progressiva dissipação das nuvens espirituais, preparando assim
a criatura para o recebimento de Luz mais intensa, sem que
tenha que sofrer uma purificação repentina ou excessivamente
severa.”
“Assim, aproxima-se o momento decisivo para toda a
humanidade, e ninguém poderá escapar. Resta ao homem
apenas esforçar-se para tornar os efeitos dessa ocorrência o
mais brandos possível. Para isso, ele só tem um meio: conhecer
o princípio do Johrei e se unir ao trabalho de construção da
Cultura do Dia.”
“Atualmente, um dos problemas que está tomando
grande vulto é a bomba de hidrogênio. Mas eu acho que isto
também tem uma grande utilidade. Imaginem, se não houver
uma coisa parecida com aquela, talvez não conseguíssemos
limpar todo o nosso planeta, não acham? E, para ser salvo
dessa grande limpeza, só existe um caminho: receber
76
bastante Luz (Johrei) e eliminar as máculas, ou seja, para as
pessoas que se tornaram membros da Igreja Messiânica
Mundial, não existe maior motivo de felicidade do que isto.”
“Como último alerta, gostaria de deixar bem claro que o
direito à salvação não cabe somente aos messiânicos, mas
também a todos os que têm fé e boa-vontade,
independentemente do credo que professem. A única diferença
existente é que os messiânicos contam com o poder do Johrei
para queimar máculas e dissolver toxinas, rapidamente. Então,
problemas que em outros segmentos religiosos só poderiam ser
resolvidos no prazo de um ano ou até mais podem ser
solucionados, na Messiânica, em um mês, no máximo.”

2.15. Melhor recurso para difundir o Programa da Luz Divina.

Devido ao seu maravilhoso poder de erradicar a doença:


“A razão fundamental da expansão da organização de
Meishu-Sama, reside na prática do Johrei. Por seu intermédio
muitos doentes encontraram paz e saúde. Alguns deles já
haviam tentado antes, diferentes tipos de curas e outros
estavam tão seriamente doentes que haviam sidos
desenganados por seus médicos. Através do Johrei as pessoas
vieram a entender a verdadeira causa de suas doenças e o que
realmente o estado de saúde significa. Eles alcançaram a
serenidade de espírito em sua verdadeira acepção. Esse é o
motivo pelo qual se uniram de boa vontade à nossa Igreja,
Naturalmente existem outras razões, mas a primeira, na
expansão, vem do maravilhoso poder de erradicar a doença. Eis
porque Johrei é o melhor método para difundir o “Programa da
Luz Divina”.”
Em outra tradução, com o ensinamento intitulado
“Comprovação através da ciência real do espírito divino”, escrito
em 13 de dezembro de 1950.
“Antes de tudo, a razão do progresso da nossa Igreja está
no método de Johrei (...) realizado pelos fiéis. Através dele,
77
acontece a cura das doenças. Não só ocorre a rápida cura de
doentes que não conseguiam se curar mesmo recebendo
diversos tratamentos, e de doenças graves de pessoas que
foram desenganadas pelo médico, mas também se consegue
compreender integralmente a verdade do que é a doença e a
saúde.
Adquirindo, portanto, paz e tranqüilidade de espírito,
passa-se a viver uma vida de alegria e, assim, tornam-se
membros.
Naturalmente, existem outras razões para o ingresso na
fé, mas a razão principal do progresso da nossa Igreja está no
fato de haver muita cura de doenças.”

2.16. Libertar do sofrimento, criando a felicidade.

Desde os tempos antigos, as religiões sempre se


basearam em dogmas, transmitindo-as através de sermões.
Meishu-Sama quase não utiliza esse recurso e explica o por quê,
levando em conta que alguns fiéis ficam embaraçados quando
estranhos lhes fazem perguntas sobre o assunto:
A finalidade da Religião é eliminar erros e incentivar a
prática das virtudes. Contudo, essa prática só é realmente
possível quando as máculas espirituais são eliminadas. Uma vez
que o espírito esteja purificado, cessarão os atos condenáveis e
a pessoa se tornará honrada, útil ao seu meio social e a toda a
humanidade.
Os sermões são processos purificadores que agem
através do sentido da audição. Os livros sagrados, como a Bíblia,
o sutra budista, e os ensinamentos de várias religiões, agem
mediante o sentido da visão e o espírito das palavras. Meishu-
Sama também se utiliza desses meios, mas possui ainda o
processo purificador denominado Johrei.
O Johrei não visa curar doenças; é, antes, um método de
criar felicidade. Ele não pode ter como objetivo a cura das
doenças, porque estas são formas de purificação; sua finalidade
78
é eliminar as máculas do espírito. O resultado da erradicação
dessas máculas é a extinção dos sofrimentos humanos.
Meishu-Sama costuma ensinar que a doença, a pobreza e
o conflito são processos purificadores. A doença é o principal,
porque afeta a própria base da vida. Quando se consegue vencê-
la, também se soluciona o problema da pobreza e do conflito.
Portanto, a base da felicidade é a eliminação das máculas
espirituais. O Johrei é o método mais simples e infalível para
erradicá-las. É, pois, evidente que ele não visa a própria doença,
e sim as suas causas.
Eliminar as máculas a ponto delas ficarem no estado de
morte:
“Para explicar o princípio do Johrei, torna-se
indispensável o conhecimento de um fato: todas as coisas
existentes no Universo são constituídas não apenas da parte
material, mas também de uma parte espiritual, invisível aos
nossos olhos. O homem, logicamente, também está constituído
de matéria e espírito. Numa classificação sumária, o espírito é a
essência do Sol; o corpo físico, a essência da Lua e da Terra. Em
termos mais compreensíveis, o espírito é fogo, positivo,
masculino, frente, vertical e dia; o corpo, por sua vez, é água,
negativo, feminino, verso, horizontal e noite. Entretanto, a
Ciência não admite a existência do espírito, objetivando
somente a matéria. Ora, se o homem fosse desprovido de
espírito [primário], não passaria de um simples objeto. Seria uma
matéria como o pau e a pedra, sem vida e sem atividade mental.
Não compreender essa teoria tão simples constitui o erro
fundamental da Ciência até hoje. Para os cientistas, no espaço só
existe o ar, nada mais. Mas a verdade é que, além do ar, existe
um número incalculável de elementos invisíveis;
lamentavelmente a Ciência ainda não progrediu a ponto de
detectá-los. Por felicidade eu descobri a natureza desses
elementos, tendo dado aos conhecimentos obtidos o nome de
Ciência Espiritual. Com essa descoberta, evidentemente,

79
chegou-se à época em que terá início a eliminação das doenças,
o maior sofrimento da humanidade.
A seguir, vou mostrar a causa do aparecimento das
doenças. Conforme eu já disse, o homem é constituído de duas
partes - a material e a espiritual. O fato dele estar vivo e se
movimentar acha-se relacionado à estreita união entre o espírito
e a matéria, ou seja, esta é movida pelo espírito. O espírito
possui a mesma forma do corpo físico, e dentro dele se localiza a
consciência, no centro do qual, por sua vez, está a alma. A
atividade dessa trilogia manifesta-se como vontade-
pensamento, a qual é invisível. Essa vontade-pensamento é que
governa o corpo; portanto, o espírito é o principal, e a matéria, o
secundário, isto é, o espírito precede a matéria. Quando uma
pessoa movimenta os braços e as pernas, eles não se movem
livremente, por si próprios, mas sim obedecendo à vontade da
pessoa. Todas as partes do corpo, sem exceção, inclusive a boca,
o nariz, os olhos, etc., movimentam-se dessa forma. Até a
doença obedece ao mesmo princípio. Para que possam entender
bem, vou exemplificar com o furúnculo, do qual todo mundo
tem experiência.
O furúnculo surge como uma pequena protuberância e
vai inchando gradualmente e tomando uma cor avermelhada.
Normalmente vem acompanhado de febre, e a pessoa começa a
sentir dores e coceiras no local. Esse fenômeno constitui uma
atividade de eliminação das toxinas do corpo físico, por ação
fisiológica natural. As toxinas acumuladas em determinada parte
do corpo são dissolvidas pela febre e liquefeitas, para que sua
eliminação seja mais fácil. É a atuação da força de recuperação
natural. Para formar um orifício de saída, a pele fica muito fina e
flácida. Portanto, a coloração avermelhada é o sangue impuro,
visível através da pele, que se tornou fina e transparente.
Depois, abrindo-se um pequeno orifício, o sangue purulento
começa a sair imediatamente; com essa eliminação de pus,
termina a purificação.

80
A explicação acima diz respeito ao corpo. Mas em que
condições se encontra o espírito nessa ocasião? Ele apresenta
uma espécie de nebulosidade igual ao furúnculo; em outras
palavras, máculas. Quanto mais grave a doença, mais densas são
as máculas. E por que motivo elas ficam concentradas numa
parte do espírito? É pela ação purificadora constante. Depois
que as máculas espalhadas por todo o espírito se reúnem em
determinado local, surge a ação eliminatória. Isso constitui a
doença. Existe, pois, uma relação inseparável entre o espírito e o
corpo.
Falei há pouco sobre o princípio do Espírito Precede a
Matéria, mas ele não se aplica apenas ao ser humano; todas as
coisas do Universo, sem exceção, obedecem a esse princípio.
Por conseguinte, o objetivo do Johrei é eliminar as
máculas espirituais. Através dele, as máculas ficam no estado de
morte. Em outras palavras, o Johrei tira-lhes a vida. Mortas,
obviamente elas perdem toda a sua força e deixam de
pressionar os nervos. Esta é a razão do desaparecimento das
dores.”
O Johrei tira a vida das máculas em grande ou pequena
proporção, de acordo com a fé e a virtude da pessoa:
“O sofrimento também foi criado por alguma
necessidade, mas como poderemos nos libertar dele? Não há
outra forma senão pedir a Deus para eliminar as nossas máculas
espirituais, que são a origem dos sofrimentos. Elas serão
eliminadas através da Luz de Deus. O Johrei surgiu para isso.
Através dele, é emitida a Luz que elimina as máculas e extingue
o sofrimento, fazendo com que a pessoa se sinta aliviada. As
máculas podem ser eliminadas em grande ou pequena
proporção, de acordo com a fé e a virtude da pessoa.”
“Não é apenas a cura das enfermidades. O essencial
consiste em fortalecer a alma para que a selvageria não mais a
domine e, como resultado, o ser humano possa comprazer-se na
prática das boas ações. Dessa forma, deixará de lado a
desonestidade, passando a usar a sua inteligência não apenas
81
para vencer na vida, mas, principalmente, como uma forma de
vivenciar virtudes e assim contribuir para a felicidade do outro.”

2.17. Aprimorar e acumular virtude.

Mas, melhor maneira de acumular virtude é ministrar


Johrei:
“Interlocutor: Fala-se sobre o acúmulo de virtudes e sobre
pessoas virtuosas, mas o que vem a ser virtude? E o que significa
acumular virtude oculta?
Meishu-Sama: Praticar ações úteis ao próximo e ao mundo
torna-se virtude. Somar virtude significa praticar inúmeras vezes
essas ações. A melhor maneira de acumular virtude é ministrar
Johrei.”

2.18. Reformar corpo, mente e espírito.

Johrei atua de fora para dentro em relação aos métodos


de natureza moral:
“Quando o homem desperta, significa que a sua alma
recomeça a brilhar. Até hoje, os únicos meios disponíveis para se
conseguir isso têm sido os métodos de natureza moral como
histórias ou leituras. Com o despertar da alma, seu brilho dissipa
as máculas da consciência; em seguida, o espírito é purificado.
Assim, os três elementos - alma, consciência e espírito - estão
em constante equilíbrio de luz ou escuridão. O nosso método,
porém, é o inverso desses métodos. Através de uma ação
externa, purificamos o espírito; com isso, eliminam-se as
máculas da consciência e, assim, queira ou não, a alma
despertará. Despertar a alma e a consciência através dos
métodos de natureza moral, gera sofrimento para a pessoa,
decorrente do autocontrole, o que por sua vez se reflete no
espírito, dando origem à doença e outros sofrimentos. O Johrei,
no entanto, além de proporcionar a erradicação da doença,

82
desperta a alma sem que a pessoa o perceba; por conseguinte, é
o método ideal de reforma do corpo e do espírito.”
“O Johrei purifica de fora e, lendo os Ensinamentos, estes
atingem a alma: com ela mesma, não acontece nada, mas recebe
influências da mácula, quando esta surge. Quando a alma está
adormecida ou recebe influência externa, através da mácula, ela,
que era deste tamanho, fica reduzida a este. Lendo os
Ensinamentos, ela desperta repentinamente. Então, as máculas
vão sendo eliminadas do centro para fora.”
Já o Johrei atua ao contrário, de dentro para fora, quando
em relação a sermão:
“Como a maioria das religiões hoje existentes se limita a
pregar doutrinas, suas forças agem do exterior para a alma. Mas
o ato purificador - o Johrei - projeta a Luz Espiritual diretamente
na alma, despertando-a instantaneamente. Isto é converte a
pessoa sem a intervenção humana, deixando os sermões para
segundo plano. Os que ingressam na ministração do Johrei,
alcançam rapidamente uma percepção superficial, e, em
seguida, uma percepção mais profunda. Além de superarem as
suas próprias tragédias, tornam-se aptos, também, a eliminar as
tragédias alheias.”
Significa renovação do corpo físico e do espírito:
“O objetivo é a construção do Paraíso Terrestre. Mas, o
que significa isso?
Obviamente, o Paraíso Terrestre é o mundo de perfeita
Verdade, Bem e Belo. O método para obtenção da saúde - o
Johrei - e a Agricultura Natural, são meios de que nos utilizamos
para materializá-lo, mas o Johrei, além de promover a renovação
do corpo físico, visa também à renovação do espírito.”
Um erradicar a doença do corpo físico e do espírito:
“Por isso torna-se necessário erradicar não só a doença
do corpo como também a do espírito. Quanto à do corpo, as
pessoas acreditam que é possível curá-la através da Medicina e
se esforçam nesse sentido, mas não há nada que resolva a
doença espiritual. Para isso, só existe um meio: a Religião.
83
Na teoria pode ser assim, mas surge a dúvida: conseguir-
se-á, na prática, erradicar ambos os tipos de doenças? Aí é que
entra o Johrei: ele irá erradicar a doença da mente e a do corpo.
Dessa forma, surgirá o mundo civilizado.”

2.19. Elevar espiritualmente o mundo, nação, família e


indivíduo.

Com o Johrei, eliminam-se as máculas do espírito através


da Luz de Kannon; ao mesmo tempo, ocorre a eliminação das
toxinas, e a doença melhora ou desaparece.
No entanto, a humanidade não pode ser salva somente
por meio da recuperação da saúde. Portanto, não é esta apenas
o objetivo da ministração do Johrei na Obra Divina.
O supremo objetivo é trazer, através da comunicação do
Johrei e da dedicação, a necessária elevação espiritual e a
compreensão que possibilitam ao homem a participação
construtiva no Plano de Deus.

2.20. Ativar Primordial, firmar atuação do Guardião e conter


provisoriamente o Secundário.

“Certo dia, após ministrar-me Johrei, Meishu-Sama me


transmitiu este ensinamento: “Quando a pessoa recebe Johrei, o
trabalho do seu espírito torna-se mais ativo. Você deve saber
que no ser humano há a atuação de dois espíritos: o Primário e o
Secundário. Recebendo Johrei, o Espírito Primário começa a
funcionar naturalmente, sem que a pessoa tenha necessidade de
ouvir sermões cansativos. Purificada a alma, a pessoa desperta
para o sentimento de amor altruísta e o desejo de salvar os
outros, e torna-se feliz.”
Pergunta: Qual a transformação que sofre o Espírito
Secundário com o Johrei?
Meishu-Sama: Quando há a eliminação das máculas
espirituais através do Johrei, a atuação do Espírito Guardião se
84
fortalece. Com Johrei é possível subjugar o Espírito Secundário,
mas tal efeito é temporário.

2.21. Tornar pessoas mais belas e funcionar de cabeça.

Examinando-se os ombros das pessoas magras. Vemos


que eles são rijos como pedras e têm sempre uma ligeira febre
isso provoca perda de apetite e desgaste das células. À medida
que através do Johrei os ombros vão amolecendo o apetite
aumenta e assim a pessoa começa a engordar. Dessa forma a
salvação de Deus não só torna as pessoas mais saudáveis como
também mais bonitas. Se isso chegar ao conhecimento de todos
acontecerá um fato muito audacioso: aumentará cada vez mais
o número de criaturas belas. É claro que as crianças saudáveis
também serão mais numerosas e desse modo, os pais se
sentirão imensamente felizes.
Em geral se tem cabeça entorpecida:
“Como o meu organismo era bem mais fraco que o dos
outros dedicantes, eu sempre solicitava Johrei a Meishu-Sama.
Um dia, ele me disse, rindo: "Quando vocês acumulam
impurezas no organismo, trazem-nas para mim. Eu as limpo, as
removo; por isso, sou um removedor de impurezas do espírito."
Mesmo que estivesse atarefadíssimo, ele sempre nos ministrava
Johrei com boa vontade.
Certa vez, pasmado com a minha falta de inteligência, eu
disse a Meishu-Sama enquanto recebia Johrei: "Por causa desta
minha burrice, sempre estou dando trabalho a todos". Ele,
então, ponderou, trazendo-me um grande conforto: "Burrice
não é nada. Reconhecer que se é burro é algo magnífico. Os
homens de hoje em dia parecem ter a cabeça entorpecida, uma
cabeça que absolutamente não funciona; é como se não
tivessem cabeça".”
Quando um servidor cometia algum engano ou falha,
Meishu-Sama nunca o repreendia diretamente, recomendando-lhe
que prestasse mais atenção; simplesmente lhe dizia: "Sua cabeça
85
está em purificação. Vou ministrar-lhe Johrei". E realmente
ministrava. Até esse momento a pessoa não havia percebido o que
lhe estava acontecendo, mas após receber Johrei conscientizava-se
de que sua cabeça efetivamente não estava funcionando bem.
Depois disso, não cometia mais enganos. Assim, Meishu-Sama
ministrava Johrei em quaisquer circunstâncias.

2.22. Estancar e aumentar a quantidade de sangue.

“Foi na época em que eu estava construindo o telhado do


Solar da Contemplação da Montanha.
Um jovem chamado Murata dedicava no serviço de
jardinagem quando a sua mão direita ficou prensada entre as
pedras e começou a jorrar muito sangue. Nesse momento,
Meishu-Sama apareceu e, do local em que estava, a uns quatro
metros de distância, ministrou-lhe Johrei por uns três minutos.
Então aquela hemorragia violenta estancou repentinamente.
Fiquei surpreso!”
“Certa vez, um servidor desmaiou na escadaria do
Hekiun-sô, por causa de anemia.
Ouvi dizer que, tomando conhecimento do fato, Meishu-
Sama veio correndo, e, quase carregando-o no colo, ministrou-
lhe Johrei. Quando voltou a si, o servidor viu Meishu-Sama
debruçado sobre ele, ministrando-lhe Johrei e dizendo-lhe: "Ah!
Recuperou os sentidos? Que bom! Fiz-lhe transfusão de sangue".
Essa pessoa, cujo desmaio fora motivado por anemia,
recuperou-se totalmente com o Johrei de Meishu-Sama.
Lembro-me que uma vez ouvi de Meishu-Sama: "Com o Johrei, a
quantidade de sangue aumenta", de modo que entendo
perfeitamente o que aconteceu naquela ocasião.”

2.23. Erradicar alcoolismo e evitar incêndio.

Desalojando o espírito do animal instalado no ventre, isso


sem recomendar abstinência ou redução de bebida:
86
“Talvez achem que se trata de auto-elogio, mas eu não
recomendo absolutamente abstinência nem redução da bebida.
Se a pessoa quiser beber, pode fazê-lo à vontade A princípio, os
que têm esse vício ficam contentes, mas, com o tempo,
costumam dizer que pouco a pouco passaram a achar um gosto
ruim nas bebidas, embriagando-se mesmo com doses pequenas;
por fim não conseguem beber mais do que a quantidade normal.
Há inúmeros exemplos semelhantes. A explicação é que o
espírito do animal alojado no ventre da pessoa se enfraquece ao
receber a Luz de Deus e, consequentemente, ela começa a beber
menos. Assim, seja qual for a religião, se ela possui o esplendor
da Luz Divina, conseguirá eliminar os beberrões do seu quadro
de fiéis.”
Desmaculando ao redor:
“São freqüentes as experiências de fé relatadas por
pessoas que, por ocasião de um incêndio, conseguiram fazer
mudar a direção do vento ministrando Johrei, quando as chamas
já haviam atingido a casa do vizinho. Isso acontece porque o
incêndio é a ação purificadora através do fogo. Quando se
acumulam impurezas na matéria, o espírito também está
impuro; consequentemente, o fogo alastra-se com facilidade. Ao
se ministrar Johrei, essas máculas desaparecem; deixando de
existir aquilo que deveria ser queimado o fogo muda de direção.
Realmente a Natureza é perfeita.”

2.24. Embasar a fé e fazer surgir uma sociedade agradável.

Sem se prender, simplesmente, à relação real de melhora


ou não das doenças, de conseguir ou não sentir o Johrei, mas,
sim, que através do Johrei, tanto a própria pessoa como aquela
que recebe Johrei, podem ser encaminhadas ao caminho da
verdade e, através do milagre do Johrei, despertam para a
existência de Deus. Por meio de tão valiosos acontecimentos,
pode-se sentir, nitidamente, a afinidade e a missão recebida por
Meishu-Sama.
87
Por outro lado, se, através do Johrei, a pessoa passar a
sentir gratidão pela saúde, pelo Johrei, conseguirá ter, também,
os mesmos sentimentos em relação a outros assuntos.
Ocorre, ainda, uma transformação quanto ao
pensamento relativo às coisas materiais, passando-se a pensar
que se trata de uma benção concedida por Deus. Este é o
pensamento de um crente em relação à matéria. Os atos
praticados, visíveis aos olhos, são considerados de modo
idêntico por todos; mas, passa-se, de modo natural, a aceitar
que o fato de conseguir as coisas necessárias, são bênçãos de
Deus.
Além disso, comprova-se, através do Johrei, que
realmente passa-se a considerar que também os encontros
entre as pessoas, são atos de Deus, que, por trás de tudo, há a
Sua atuação. Portanto, por existir a grande proteção de Deus, é
necessário empenhar-se, a todo custo, nas dedicações por Ele
concedidas. Assim, tem-se a permissão de uma fé inabalável,
sem preocupação com nada que venha a acontecer.
Significa que, para assimilar o princípio do Mundo
Espiritual, invisível aos nossos olhos, isto é, a base da nossa fé, o
caminho mais certeiro é por intermédio do Johrei.
Acabando com o estado ligeiramente febril:
“Se a origem de um quadro tão sombrio, conforme
dissemos, é o estado ligeiramente febril que as pessoas
normalmente apresentam, não há nada mais temível que esse
estado. Mas qual é a causa da febre? São as toxinas medicinais,
as quais se encontram solidificadas em vários pontos do corpo,
determinando um processo brando de purificação. Para eliminá-
la de verdade, não há absolutamente nada a não ser o Johrei. À
medida que aumentam os seguidores de Meishu-Sama, tende a
desaparecer o quadro sombrio que descrevemos, não havendo,
portanto, a menor dúvida de que surgirá uma sociedade
extremamente agradável. Esta é justamente a imagem do
Paraíso Terrestre.”

88
2.25. Fazer efeito em animais, vegetais e objetos inanimados.

“Pergunta: Há pessoas que ministram Johrei em animais.


Existe permissão de Deus para tal atitude?
Meishu-Sama: Kannon concede graças até aos insetos.
Portanto, visando à salvação, vocês podem tratá-los como se
fossem seres humanos. Nos animais inferiores, o efeito do Johrei
é, inclusive, muito mais rápido.”

2.26. Porém, não corta o mal pela raiz.

Cortar é aprender a correta fé e praticá-la, o que faz


elevar a alma:
“Com o Johrei, eliminam-se as máculas do espírito
através da Luz de Kannon; ao mesmo tempo, ocorre a
eliminação das toxinas, e a doença melhora ou desaparece. Por
conseguinte, a purificação do espírito reflete-se no corpo,
ocasionando a cura da doença. Ainda assim, não podemos
afirmar que o mal foi cortado pela raiz. Isso porque, se a alma
não foi elevada é impossível estar-se verdadeiramente tranqüilo
e seguro. A elevação da alma só poderá ser obtida se a pessoa
apreender a correta fé e praticá-la. Chegando a esse ponto, a
pessoa não cometerá mais pecados; pelo contrário, começará a
acumular virtudes. Assim, além de ficar isenta de doenças e
desgraças, poderá viver repleta de alegria e obter a graça de
uma vida longa e virtuosa. Dessa forma, haverá progresso de
toda a sua linha familiar.”

89
90
3. SUA PRÁTICA.

3.1. Estar unido com Deus e Meishu-Sama que requer cuidar do


Ohikari.

Deus Todo-Poderoso veio à Terra como Kanzeon-


Bossatsu e, após transformar-se em Ooshin-Miroku, está
manifestando, pelas Divinas Mãos do Messias, os mais variados
e incontáveis milagres, utilizando livremente a sagrada energia
vital. Dessa forma, Deus está realizando a grandiosa obra da
salvação do mundo.
O Messias diz:
“Ouço freqüentemente dizer que, como os meus
discípulos estão salvando inúmeras pessoas, realizando milagres,
são muito respeitados como se fossem “deuses vivos”. Aí, rio
muito e digo: - “Então, significa que sou o fabricante de deuses
vivos”.
As letras do Omamori (Luz Divina), pendurado ao pescoço
dos fiéis está ligado a mim pelo Elo Espiritual. Através deste, a
luz, por mim emanada, passa ininterruptamente para o
Omamori e é irradiada pela palma da mão, atravessando o corpo
do seu portador, ao ministrar Johrei. Em outras palavras, por
intermédio do portador do Omamori, eu curo indiretamente os
doentes.”
Não há necessidade de prece adicional, mas sim não ver
Johrei simplesmente como um método, uma técnica ou um
tratamento:
“Há ocasiões em que quando a ministração do Johrei é
feita para uma pessoa seriamente doente, sem que sejam
notados os resultados, os membros da Igreja procuram fazer
uma prece adicional, esperando que assim o auxílio de Deus
traga o resultado desejado. O Johrei é prece em ação e, quando
o ministramos, devemos confiar no Supremo Deus.

91
O Johrei não é meramente um método, uma técnica ou
um tratamento. Portanto, se sentirmos que a ministração não é
suficiente, devemos, isto sim, procurar descobrir no que nós não
estamos de acordo com a Lei e o que impede a nossa união com
a Fonte Infinita.
Quando estamos ligados e unidos com Deus, a nossa
prece é respondida.”
Meishu-Sama enfatiza: “Como no caso de Johrei não é o
homem quem cura, basta estar ciente de que quem cura é Deus,
e nós somos Seu instrumento.”
Atitude espiritual ao ministrar Johrei.
“Pergunta: Ao ministrar Johrei, como devo proceder para
pedir ajuda a Meishu-Sama?
Meishu-Sama: O mais importante na cura de uma doença
é acertar o ponto focal. Não está errado pedir ajuda a Meishu-
Sama, mas se houver demasiada insistência no pedido,
transforma-se em emprego de força pessoal e atrapalha.
Em síntese, vocês devem sempre ministrar Johrei com o
pensamento de estar servindo como instrumento de Deus, sem
nunca inclinar nem para o lado espiritual, nem para o material. É
preciso, sim, saber que a condição essencial para a cura das
doenças em geral é fazer a Luz penetrar profundamente no
corpo de quem a está recebendo. Por exemplo, se vocês
estiverem ministrando Johrei no peito, pensem nas costas e
procure fazer a Luz atingir também esse ponto.
É preciso, inclusive, aproveitar a força curadora do
próprio doente.”
Não tratar de qualquer assunto antes de ministrar Johrei:
“Não adianta fazer romaria às divindades depois de tratar
de qualquer assunto, pois, nesse caso, a divindade foi posta em
segundo plano. O mesmo se deve dizer em relação à ministração
ou recebimento de Johrei. Quando se obedece à Lei da Ordem, o
resultado é notável.”
O recebedor não deve professar uma fé errada ou
venerar falsas divindades:
92
"Outro caso é referente a um ancião que veio me
procurar por causa de uma dor que sentia no pulso. Ministrei-lhe
Johrei por mais de dez dias, mas ele não apresentava melhora.
Intrigado, indaguei-o a respeito de sua fé, e ele me disse que
venerava certa divindade há mais de vinte anos. Vendo que
estava aí a causa do problema, convenci-o a parar com as
orações. A partir desse dia, o ancião começou a melhorar
gradativamente; após uma semana, já estava totalmente curado.
Portanto, professar uma fé errada ou venerar falsas divindades
provoca paralisia ou dores nas mãos, impossibilidade de dobrar
os joelhos, etc. Casos desse tipo ocorrem com certa freqüência.”
“É necessário que a pessoa que ministra o Johrei esteja à
vontade, com os cotovelos e mãos completamente
descontraídos, a mente em estado de serenidade, de maneira a
não fazer impedimento ao fluir da Luz. A maneira pela qual é
tratado o Ohikari determina, também, certas diferenças na
transmissão da Luz. Devemos ter muito cuidado para evitar a
diminuição do poder vibratório do Ohikari.”

3.2. Colocá-lo no peito manifesta força capaz de curar as


doenças.

“Minha Luz, no entanto, tem uma força extraordinária: é


milhões de vezes superior à de uma pessoa comum,
ultrapassando os limites da imaginação; talvez, seja infinita.
Tomemos, como exemplo, as letras Ohikari, as quais tenho
escrito, quase que diariamente, nos Omamoris de três tipos:
Hikari (Luz), Koomyo (Luz Divina) e Daikoomyo (Grande Luz
Divina). Ao colocá-las junto ao peito, manifesta-se,
imediatamente, a força capaz de curar as doenças. Isso se deve à
força da Luz irradiada da palavra escrita por mim no Omamori.”
Tornar-se membro significa aprender o método e receber
a Força para salvar as pessoas. É como freqüentar a escola e
estudar; portanto, se não utilizá-los de nada vale.
Deus protegerá os que fizerem uso dessa força. Como Ele
93
quer salvar o maior número de pessoas possível, de nada
adianta se o homem não agir nesse sentido. Não agindo assim,
não há nenhum valor na existência do homem, portanto, nem
poderá receber bênçãos de Deus.

3.3. Permanecer com ele sempre no pescoço, também é


proteção.

Pergunta: Um membro que sai para pescar em alto mar,


como receberá ou ministrará Johrei? Ele não poderá levar o
Ohikari, pois há risco de molhá-lo ...
Meishu-Sama: Isto é errado. Basta que o proteja num
saquinho próprio, de matéria plástica. Em tempo de pesca é
muito importante levar o Ohikari. O Ohikari deve ser usado com
dois objetivos: 1º - Proteção; 2º - Instrumento para Ministrar a
Luz Divina. Quanto mais perigosa é a atividade, mais
indispensável se torna o Ohikari.
As pessoas que são mecânicos de automóvel, para
proteger o Ohikari da água, de graxas ou de qualquer elemento
que possa atingi-lo devem envolvê-lo com material impermeável
mais resistente. O importante é tê-lo pendurado no pescoço.
Ainda existem membros que só o colocam para ministrar Johrei.
É necessário lembrar do outro objetivo.”
[Pergunta: Até em caso de falecimento deve ser enterrado
junto?]
Resposta: Quando um membro falece, deve ser enterrado
com seu Ohikari no pescoço. O cordão de metal pode ser
substituído por cordão de seda, apenas isto. Muitos familiares
ainda o devolvem à Igreja, porque não sabem o que fazer com
ele.
Há dois ou três anos uma senhora preparou-se
apressadamente para sair com o marido, esquecendo de colocar
sua Luz Divina. Houve um acidente e ela morreu. O marido, não
sabendo o que fazer trouxe-o para a Igreja. Uma semana depois
ele veio procurar-nos contando que todas as noites escutava a
94
esposa dizendo: “Onde está minha Luz Divina?” Isso chegou a
perturbá-lo bastante.
Levei-o ao Altar junto com ele, pedimos perdão pela
esposa, pelo seu esquecimento e mandei que colocassem no
caixão, junto com o corpo. Isso é uma forma de demonstrar o
apego ao Ohikari. Todos os senhores também sentem isso.
Em caso de morte o Ohikari não precisa ser trazido à igreja
para a troca do cordão. Se não houver nenhum membro na
família, pode ser feito por parentes próximos (marido ou
mulher, mãe, pai, filhos).
Pergunta: A esposa, com 53 anos, está recebendo Johrei
desde 1943. Teve, porém um derrame e foi piorando aos
poucos. Atualmente, tem dificuldade de andar, emagreceu, e
está eliminando fezes e urina sem poder controlar-se. Cuidamos
do caso, julgando que ela estava purificando a família; mas
sentimos que para não sujar o Ohikari, ela deveria retirá-lo do
pescoço e deixá-lo no Altar. Assim, ela não o está usando. Será
que isto é permitido? E será que tudo isso que acontece se deve
a falhas de minha Fé, que não é, talvez, muito profunda? Poderá
ser considerado como purificação?
Meishu-Sama: Houve erro em tirar o Ohikari. Não é preciso
deixá-lo ao nível da parte baixa do corpo. O Ohikari pendura-se
no pescoço: ele é outorgado para ser assim usado. O cordão
indica que deve ser pendurado. Se não pendurar, não há benção.
Existe quem, por excesso de respeito, evite pendurar o
Ohikari no pescoço. Mas ele só deve ser tirado durante o banho;
noutras ocasiões, não se justifica retirá-lo nem um minuto
sequer. Geralmente, quando alguém se machuca, é porque não
está com o Ohikari.
Essa pessoa de quem fala está nesse caso: a base de sua
doença é haver retirado o Ohikari. A dissolução das toxinas
solidificadas causou o derrame. Mas as conseqüências deste não
seriam tão graves se ela conservasse o Ohikari no pescoço. Ao se
purificar de um Carma pesado, é Deus quem está buscando
eliminá-lo. Eis porque a melhora deveria ter sido mais rápida do
95
que está sendo. Ainda que haja o risco de sujar o Ohikari, Deus
ajudará para que ele se mantenha limpo.
Muitas vezes nos preocupamos com casos semelhantes.
Tudo que possa causar dano ao Ohikari faz com que pensemos
em retirá-lo, no entanto devemos evitar o seu afastamento do
nosso corpo.”
[Pergunta: o cordão pode ser de metal?]
Meishu-Sama: O cordão pode ser de metal. O importante é
que o Ohikari esteja pendurado no pescoço. Durante a guerra, os
soldados costumavam colocar o Ohikari num pano que lhes
rodeava a cintura, porque temiam que alguém lhes tomasse o
Ohikari, caso o trouxessem pendurado no pescoço.
Este ponto deve ficar bem claro, porque já soube de
orientações erradas para o uso do Ohikari. Ele deve ficar
pendurado no pescoço.
Esse pano que rodeava a cintura dos soldados chama-se
Haramaki. Houve, durante a guerra, uma permissão especial de
Meishu-Sama, para que o Ohikari fosse ali colocado a fim de
resguardá-lo da curiosidade de estranhos.
[Pergunta: Em casos de alergia ao cordão, que fazer?]
Meishu-Sama: Nesse caso utiliza-se cordão de outro
material. O importante é o Ohikari estar pendurado no pescoço.
O certo, na vida normal, é que o Ohikari não pode ser colocado
de acordo com a preferência de cada um.
[Pergunta: Pode-se ficar com Ohikari quando se recebe
Johrei?]
Meishu-Sama: Não é preciso se preocupar com a presença
do Ohikari ao receber Johrei. Ele deve ser mantido no pescoço
em todos os momentos, exceto quando se toma banho.
[Pergunta: Outra exceção é operação ou corte no peito?]
Meishu-Sama: Em caso de corte no peito, claro ele não
pode permanecer conosco. Em hospitais, para operações, em
geral os médicos pedem que seja retirado. Esta determinação
deve ser respeitada, mas logo que haja permissão, que ele seja
recolocado no lugar devido.
96
[Pergunta: O cordão pode ser guardado para ser usado por
outra pessoa da família?]
Meishu-Sama: Pode, apenas há pessoas que não gostam
de usar lembranças de falecidos.
[Pergunta: O cordão usado com Luz Divina não precisa ser
obrigatoriamente virgem?]
R. Sim. No caso foi usado em outro Ohikari, portanto não
faz mal.

3.4. Retirar a força do corpo e saber se posicionar.

“A cada dia, o espírito do fogo está aumentado no


Mundo Espiritual.
Na prática, o ministrante deve ficar atento a essa
evolução e procurar acompanhá-la. Para isso, é preciso não
forçar a canalização do Johrei. Precisa, então, manter-se
vigilante para não atrapalhar, a expansão da Luz.
Também é necessário não esquecer que com o aumento
do espírito do fogo, as purificações se aceleram. Em
conseqüência, haverá necessidade de intensificar a irradiação da
Luz, o que só se torna possível sem o emprego de força física.
Uma atitude que ajuda na prática do Johrei é ministrá-lo
mantendo um sentimento bastante agradável e descontraído,
como se estivesse cantarolando. Também não se deve esquecer
de que ministrante está apenas sendo um instrumento. Na
verdade, quem emite a Luz e promove a cura, é Deus.
É, por isso, que continuo insistindo: não adianta esforço
físico. Por mínima que seja a força empregada, já diminui a
intensidade da Luz. Até eu, quando ministro Johrei forçando o
braço, sinto que o resultado não é bom.
Então, vejam: é uma maneira de agir diferente da que
assumimos ao pedir a Deus Graças especiais. Mesmo quando o
fazemos com toda a insistência e dedicação, nada impede de
sermos atendidos. Mas, no caso do Johrei, é exatamente o
contrário: quanto menor o esforço, maior será o resultado.”
97
No Mundo Espiritual, é chegada a hora da transição que
se processa em intervalos de milhares ou milhões de anos. Trata-
se de um fato extremamente importante, cujo conhecimento
permite entender o princípio do Johrei.
Meishu-Sama ensina que: “Um dos pontos mais
importantes a serem observados para se conseguir o
aperfeiçoamento na prática do Johrei é não usar a força física.
Recentemente tenho recebido muitos telegramas com
pedidos de graças. Dentre estes, há muitos casos bastante
graves; outros, porém, nem tanto, embora quem esteja
ministrando Johrei julgue tratar-se de uma situação de
emergência.
Tais estados de gravidade, ou não, podem ser facilmente
percebidos pelos sintomas e sofrimentos apresentados pelo
doente.
Assim é que, entre os telegramas com pedido de ajuda,
muitos são casos fáceis de serem resolvidos. Acontece, porém,
de o Johrei estar sendo ministrado de maneira errada. Por não
saber direito, quem canaliza a Luz está usando a força do corpo.
Basta, pois, corrigir essa atitude, não empregando esforço físico
na prática do Johrei, que a cura se processa com facilidade.
Portanto, a razão de, às vezes, não serem obtidos
resultados imediatos não é a gravidade de uma doença, mas a
maneira incorreta de se ministrar Johrei.
Então, de fato, o primeiro aperfeiçoamento na arte de
ministrar Johrei está relacionado ao não-emprego de força
física.”
A Luz Divina é transmitida pela palma da mão, passando
antes pelo Ohikari. Ela será porém imediatamente interrompida
no momento em que o ministrante forçar o braço.
Sobre o saber posicionar corpo, braço, mão, dedos.
Neste item: Postura; Distância; Irradiação da Luz e calor;
Sobre braço, mão e dedos.

98
• Postura.

Ministro - É permitido receber Johrei deitado?


Meishu-Sama - Propositadamente, não. Caso a pessoa
consiga ficar sentada, deverá se manter nessa posição, porque
isso demonstra respeito a um ato tão sagrado.
Pergunta: Pode-se ministrar Johrei quando o receptor
estiver deitado?
Resposta: Dependendo da doença, pode. Manter, porém,
a mão afastada (15 a 30 cm).

• Distância.

1a Pergunta: Qual a melhor, distância, para se obter


maior força espiritual, ao ministrar Johrei?
Meishu-Sama: Mesmo existindo certa distância, a força
espiritual do Johrei é forte. Pode haver um distanciamento de
até quatro ou seis metros. Se for, porém muito longo, fica mais
fácil de se perder o ponto focal. Por isso, o melhor mesmo seria
uma distância de 40 a 60 centímetros. Assim os locais seriam
atingidos com facilidade e os resultados, mais eficazes. Se não
houver nenhuma força física, esse espaço pode ser reduzido
para 3 cm. De uma maneira geral, na verdade, não há muita
restrição.
2a Pergunta: Então, não é necessário se preocupar com a
distância, ao ministrar Johrei?
Meishu-Sama: Não há necessidade de tanta
preocupação. Se você, por exemplo, vai ministrar Johrei para
alguém que está imobilizado numa cama, pode até colocar a
mão nas costas dessa pessoa e ministrar Johrei no local.
Entretanto, é bom saber que encostar a mão no corpo do
enfermo não é uma atitude muito religiosa. O efeito do Johrei
será bem maior quando for ministrado com a mão afastada,
mantendo certa distância de quem o está recebendo.

99
• Irradiação da Luz e calor.

Diretamente para o local da enfermidade.


Pergunta: O Senhor ensinou que se deve evitar, o mais
possível, forçar o braço ao ministrar Johrei e, ao mesmo tempo,
direcionar a Luz fazendo-a penetrar na parte doente do corpo.
Como termos certeza de que não estamos agindo de acordo com
o nosso desejo? Podemos, por exemplo, olhar ao redor ou
pensar em outras coisas? Se a Luz flui reto, precisa acertar a mira
com a palma da mão?
Resposta de Meishu-Sama: O mais importante é tirar, ao
máximo, a força da mão e fazer a Luz penetrar fundo na parte
enferma.
É óbvio que não se deve desviar a atenção durante a
canalização do Johrei. Pelo contrário, ficar bem concentrado no
que se estiver fazendo.
Essas duas atitudes parecem contraditórias. Exigem, por
isso, muita habilidade do ministrante.
A Luz espiritual vai sempre em linha reta, mas precisa ser
direcionada pela mão para o ponto focal.
Potência independe se o membro superior é esquerdo ou
direito.
Pergunta: Quando ministro Johrei com a mão direita,
sinto que a Luz se move e é irradiada mais intensamente. Não
tenho a mesma sensação, com a mão esquerda. Há maior
potência na Luz canalizada pela mão direita que pela esquerda?
Resposta: Não está certo você sentir essa diferença. A Luz
se expande na mesma intensidade de ambos os lados. Procure
ministrar Johrei sem forçar, como sempre ensino, que não vai
ter essas sensações.
Calor na palma da mão ao ministrar Johrei.
Pergunta: Ao ministrar Johrei, sinto que, de vez em
quando, a palma da minha mão esquenta. Por quê? É uma
maneira pela qual o ministrante percebe onde está o mal no
corpo de quem está recebendo Luz?
100
Meishu-Sama: É muito natural que vocês sintam esse
calor porque, na palma da mão, fica concentrado o espírito do
fogo (Kasso). Por isso, quanto mais esquentar, melhor.
Eu também sinto muito esse calor. É comum também
ouvir, de quem está recebendo Johrei comentários de que está
tendo a sensação de algo muito quente.
Quanto a perceber o mal do outro, não existe muita
ligação. Geralmente esse é um atributo de pessoas com
agudíssima sensibilidade e um sexto sentido altamente
desenvolvido.
Todos, porém, podem desenvolver essa habilidade,
através do aprimoramento. Para tanto precisariam dedicar-se ao
Johrei durante mais tempo. Não se preocupem, contudo, muito
com esse aspecto. Eu também não me ligo tanto a essa questão.
Não perceber nada diferente é muito normal.

• Sobre braço, mão e dedos.

Posição do braço.
Pergunta: Ao ministrar Johrei, é melhor esticar o braço?
Resposta: Se o estender muito, emprega-se força. É
melhor deixá-lo um pouco dobrado. Do mesmo modo, a mão
não deve ficar muito esticada, mas levemente encurvada.
Palma da mão parada e relaxada.
Antigamente, quando se ministrava Johrei, sacudia-se a
palma da mão. Hoje, não se usa mais esse processo porque
supõe o emprego de força. Agora a palma da mão deve ficar
parada e relaxada, um pouco encurvada, nunca forçadamente
esticada.
Meishu-Sama: “Por Ordem Divina, mudamos o método
de ministrar Johrei e por esse motivo eu gostaria que, a partir de
hoje, todos procedessem conforme determinamos. A mudança
foi feita com base na grande mudança ocorrida no Mundo
Espiritual. O método utilizado até aqui englobava a parte
espiritual e a parte material. Irradiando-se a Luz espiritual pela
101
palma da mão, acrescentava-se um pouco de força. Força é
matéria, e por isso, na medida em que entra a força material, o
poder da Luz diminui. (...) Entretanto, de agora em diante,
aquela mudança vai se tornar mais evidente, de modo que é
indispensável tirar toda a força material, irradiando apenas a Luz
espiritual. Explicando mais detalhadamente, a Luz Espiritual de
Deus chega até o Ohikari de todos os fiéis através do elo que os
liga a mim, sendo irradiada, pela palma da mão, para a parte
afetada do doente. Portanto, daqui para frente devem transmitir
a Luz sem colocar força, e num estado de espírito leve e
descontraído.”
Uma atitude que ajuda na prática do Johrei é ministrá-lo
mantendo um sentimento bastante agradável e descontraído,
como se estivesse cantarolando.
Posição dos dedos da mão.
Pergunta: Ao ministrar Johrei, como devem ficar os
dedos. Posso deixá-los abertos?
Meishu-Sama: É melhor mantê-los unidos. Com essa
postura, o Johrei surte mais efeito, porque a Luz fica mais
concentrada. Quando abertos, cria-se um espaço de dispersão.
Mas, o mais importante é ficar atento para não empregar força
ao juntar os dedos.

3.5. Ter soonen de que a luz deve ultrapassar o corpo do


paciente.

“Este ponto, aparentemente difícil, é fácil na prática.


Resulta da eliminação da força física. Basta, pois, retirar o
esforço corporal que a Luz flui naturalmente e atravessa o corpo
do paciente com relativa facilidade.
Quem consegue, na prática, ministrar Johrei, de acordo
com este preceito, obtém resultados altamente satisfatórios,
alcançando curas rápidas.
Nos casos em que não estiver ocorrendo um efeito
positivo, como resultado da prática do Johrei, é preciso verificar
102
cuidadosamente se não está sendo empregada a força física na
canalização da Luz. Eu mesmo sempre presto muita atenção a
esse ponto. Quando o problema não se resolve com relativa
facilidade, acho estranho. Verificando a causa, descubro que
estava colocando esforço físico.
Portanto, cura-se muito bem e com rapidez, quando o
Johrei for canalizado sem apego, sem o uso da força, com o
ministrante num estado de plena concentração, permanecendo
apenas como instrumento da Vontade de Deus.”
“Em síntese, vocês devem sempre ministrar Johrei com o
pensamento de estar servindo como instrumento de Deus, sem
nunca inclinar nem para o lado espiritual, nem para o material. É
preciso, sim, saber que a condição essencial para a cura das
doenças em geral é fazer a Luz penetrar profundamente no
corpo de quem a está recebendo. Por exemplo, se vocês
estiverem ministrando Johrei no peito, pensem nas costas e
procure fazer a Luz atingir também esse ponto.”
“Ao lado desse fato, posso afirmar que o poder da Luz
irradiada pela palma da mão, durante o Johrei, é infinito. A
proposta teórica do Johrei é queimar um mal infinito por meio
de um poder também infinito. Esse é o pressuposto do Johrei: -
essência do Fogo - é uma partícula que, na verdade, revela um
poder infinitamente grandioso.
Há alguns dias, eu falei com uma pessoa que precisou fazer
uma radiografia dos pulmões e que, nessa ocasião, portava o
Ohikari - confeccionado em papel e tecido. Curiosamente, o Raio
X não captou a imagem radiológica, o que obrigou a pessoa a
fazer novo Raio X, após ter retirado seu Ohikari. Mas daí então, a
radiografia foi bem sucedida, o que, para mim, foi a confirmação
de que a Luz Divina irradiada pelo Ohikari é muito poderosa.
Anteriormente, já havia tido a oportunidade de constatar
duas ocorrências idênticas a essa que acabo de mencionar, as
quais fiz publicar em nosso jornal. Quer dizer que, por três vezes
consecutivas, o mesmo fenômeno ocorreu, permitindo-me dizer

103
que foi comprovado que a Luz do Johrei é mais poderosa que a
emitida pelo Raio X.
Aqui cabe uma reflexão: o Raio X penetra o corpo, porque
suas ondas são fortes, mas por ser um poder científico, é finito:
esbarra nos limites determinados pelos avanços da ciência e,
portanto, há elementos que ele não consegue ultrapassar. Só a
parte física do Ohikari (papel e pano) não constituiria obstáculo,
mas a Luz que ele emite, esta, sim, impede a ação de um Raio X.
O Ohikari possui uma força tão poderosa, que nenhuma
impureza, ou quaisquer elementos negativos conseguem
neutralizá-la.
Estabelecendo parâmetros de comparação, o Raio X não
ultrapassa os ossos, mas o Johrei consegue atravessá-los, o que
me deixa à vontade para afirmar que esse efeito, essa força de
Luz pode ser explicada cientificamente. Então, se a Luz que sai
da palma da mão é mais potente que a emitida por um Raio X, é
óbvio que ela vem de Deus.
Dizer que a Luz Divina ultrapassa o corpo humano, que as
toxinas dissolvidas por ela perpassam ossos, músculos,
intestinos, e são expelidas em forma de coriza, lágrimas, tosses,
secreções pulmonares, pruridos de pele e tantas outras formas,
ainda é insuficiente, porque não traduz sua grandeza. Pretendo
fazer um aprofundamento dessas idéias, com o objetivo de
atingir não só a classe intelectual que, pouco a pouco, já vem
demonstrando interesse por essa área de conhecimento, mas
também as lideranças religiosas. É importante que o assunto
"Luz do Johrei" comece a circular entre os cientistas da área
médica e de outros meios intelectuais, para que assim se
concretize um trabalho conjunto, cujo objetivo seja a salvação
de toda a humanidade.”

3.6. Ministrar com duração máxima de trinta minutos.

Alguns relatórios mais antigos dão conta de que, para se


obter uma cura, eram ministrados de duas a três horas de Johrei
104
cada vez. Essa atitude não é correta. A duração de cada Johrei
não deve ultrapassar a trinta minutos.
Se o ministrante achar que não está conseguindo um
resultado eficaz, com certeza, estará colocando muita força física
na canalização do Johrei. Precisa, pois, dedicar mais atenção a
esse ponto.

3.7. Agir de forma paradisíaca sem apego e forçar a situação.

A primeira base para construir o Paraíso é a própria


pessoa. É preciso que ela viva no Paraíso. Porém, é impossível
fazer com que, repentinamente, o seu lar e o ambiente ao seu
redor se tornem um Paraíso. Por isso, ela deve transformar o seu
próprio sentimento em Paraíso, que é sua origem. Agindo assim,
o lar, o país e o mundo se, tomarão paradisíacos. Por isso, é
preciso, em primeiro lugar, transformar o sentimento. Portanto,
quando há sofrimento, devido a vários motivos significa que a
pessoa ainda não atingiu o Paraíso.
O meio mais fácil de entender é quando se vai ministrar
Johrei na casa de um doente. Há casas que são alegres e
divertidas; outras, para onde não se sente vontade de ir, e se faz
com certo desgosto. Não sentir vontade significa inferno;
portanto, na verdade, se puder, é melhor evitar. Ser alegre é
bom, e esse tipo de doente restabelece-se rapidamente e terá
progresso. Entretanto, não é possível que tudo transcorra com
facilidade; se fosse assim, os tratamentos até se assemelhariam
a cuidados com meninos mimados.
As coisas não acontecem sempre dessa maneira, mas se
deve dar prioridade à norma de agir de forma paradisíaca, pois
este é também o desejo de Deus. Aqui se pode verificar a
diferença entre a fé paradisíaca e a fé infernal. É bom deixar
essas coisas nas mãos de Deus. O que não se pode é querer agir,
até o fim, com a força humana.
Entretanto, como existem os costumes e também esse
tipo de idéia que veio sendo semeada até agora, é fácil que
105
surjam sentimentos dessa natureza.
A própria pessoa traça um objetivo e se empenha para
alcançá-lo - o ser humano não consegue fazer as coisas sem
traçar um objetivo - mas, como avança indefinidamente, acaba
forçando a situação. Assim, o resultado tem efeito contrário.
Por outro lado, conscientizando-se profundamente sobre
este ponto, as coisas correrão bem, com facilidade. Antes,
Meishu-Sama também era assim, mas depois que entendeu isso,
ele passou a proceder da seguinte forma: experimentava fazer
um pouco; se as coisas não corriam conforme desejava,
entregava nas mãos de Deus e procurava esquecer. Assim,
quando já havia esquecido, de repente, as coisas começavam a
correr bem. Isso acontecia freqüentemente.
“Quando o Johrei não surtir o efeito desejado, teremos
de relembrar o seguinte princípio: o apego atrapalha não só
quem ministra, mas também aquele que recebe Johrei. Em
conseqüência dessa atitude obsessiva, fica difícil dizer, sem
receio, a um doente em perigo de vida, que não tem mais cura.
Normalmente quem está canalizando Johrei, não querendo tirar
as esperanças do enfermo, pede-lhe que tenha força, fique
firme, não desanime, procedimento, na verdade, incorreto
embora, é óbvio, qualquer um sempre queira viver, nunca
morrer. Ao ficar, porém, consciente de que não tem mais
condições de recuperar o doente perde o apego à vida e começa
a se preparar para a morte. Então, a partir desse momento, a
cura se torna mais fácil, porque o Johrei passa a ser canalizado
sem obstinação.”

3.8. Querer eliminar máculas sem grande empenho e nem


sentir pena.

Se o método fundamental para a erradicação das


doenças é a eliminação das máculas do corpo espiritual, qual é o
poder que dissipará essas máculas? É a Luz emanada de Deus e
irradiada através do corpo humano, ou seja, o Johrei.
106
Meishu-Sama: “Volto a insistir: para ministrar um Johrei
eficaz, é de suma importância manter a palma da mão e o braço
bem relaxados e também não forçar na parte do pensamento.
Mantendo essa atitude, a Luz atravessa o corpo do receptor e
atinge uma longa distância.
Por essa razão, quando ministro Johrei para alguém,
penso apenas que, ao levantar a mão, estou querendo eliminar
máculas daquela pessoa infeliz. Vejo-a apenas como um coitado
que precisa de ajuda. Não sinto pena. Parece até falta de
seriedade, mas, de fato, é a melhor maneira de os problemas
serem resolvidos mais facilmente e a forma pela qual posso
demonstrar amor e respeito verdadeiros pelo meu semelhante.”
“Isso porque, no caso de nos empenharmos em demasia,
quando a Luz estiver passando do Omamori para a palma da
mão, acabamos por obstruí-la aqui (na palma). A Luz passa mais
livremente quando a pessoa não põe nenhum pensamento
pessoal.
No caso em que ministro Johrei, tenho o sentimento de
que: “Vou curar a pessoa. Vou tirar-lhe as máculas”; mas, quanto
à mão, penso: “Bem, vou fazer esse favor porque tenho pena”,
com um sentimento que, pode se dizer, de extremo pouco caso.
Assim, o Johrei é mais eficaz. Portanto, não devemos nos
esquecer desta postura, na hora em que for ministrá-lo. Enfim,
devemos fazê-lo com um sentimento de que não há nada de tão
importante.”
Portanto, ao canalizar a Luz, deve-se agir como se nem
conhecesse a pessoa, não lhe dando, por isso, muita atenção.”

3.9. Perceber que depende e não depende da crença.

Por exemplo, se já recebeu graça ou não:


“Muitos são os que perguntam: O Johrei é eficiente,
independentemente do fato de nele acreditarmos ou não?” A
resposta é sim e é não, pois é verdade que o seu poder atua
independente da nossa crença. Uma pessoa que não
107
compreende a comunicação da Divina Luz através do Johrei
pode ser auxiliada, ainda que seja muito cética a esse respeito.
Contudo, será diferente para aqueles que obtiveram resultados
com o Johrei e que deveriam ter adquirido uma maior
compreensão do seu verdadeiro significado.
A Lei é imutável e tudo acontece por existir uma razão
para tal. A pessoa que não experimentou o Johrei e ao recebê-lo
o faz ceticamente, talvez procurando mesmo argumentar contra,
pode ser desculpada por sua atitude, como é natural. Mas, se
depois de ler os seus princípios, assistir às aulas para se tornar
membro e experimentar os seus benefícios, ainda sentir
desconfiança, então, o Johrei não atuará com eficácia. Por isso é
que os principiantes, embora com certas dúvidas, podem
conseguir benéficos resultados, enquanto que o mesmo não
acontece com os que já conhecem os seus benefícios, e ainda
duvidam.
Algumas pessoas, por vezes, perguntam a respeito de
purificações repetidas e se mostram surpresas. É necessário e
natural que as muitas camadas acumuladas de nuvens,
manifestadas como toxinas, sejam dissolvidas e eliminadas uma
após outra. Mas, se repetidas purificações, renitentes e leves,
aparecerem, deve existir uma razão espiritual bem mais
profunda.
Pode acontecer que a falta de gratidão venha a impedir a
penetração da Luz de Deus.
Quando chegamos a discernir a lógica pela qual a Lei
Divina opera, tanto a causa como o efeito são claramente
compreendidos.
O Johrei não e uma técnica para a cura das dores físicas.
O Johrei destina-se ao despertar da alma do homem para o
Poder do Supremo Deus, que pode transformar, através da Sua
Luz, as vidas egocêntricas em vidas n'Ele centralizadas.”
Uma série de perguntas foi feita ao Mestre:
“Interlocutor: A pessoa melhora porque acredita, e não
melhora porque não acredita. Não será isso?
108
Meishu-Sama: Não. Mesmo não acreditando, a pessoa
pode se restabelecer. Quando a pessoa ainda não se converteu à
Fé, mesmo que ela não acredite, Deus a faz restabelecer-se.
Mas, se ela duvidar mesmo depois de ter alcançado certo
entendimento, haverá uma pequena diferença.
Interlocutor: Eu digo o seguinte: No recebimento do
Johrei, há certa diferença para a obtenção de graças; quando a
pessoa sente real gratidão e quando ela faz pouco caso.
Meishu-Sama: Entretanto, não se pode generalizar.
Quem não conhece o Johrei, acha que é um absurdo melhorar
com "uma coisa dessas". Esse procedimento está de acordo com
a lógica. Agora, se a pessoa mesmo presenciando o milagre,
ainda continua duvidando, significa que, neste caso, o homem é
que está errado. Por isso, há diferença no resultado, e a
repurificação acontece por esse motivo, já que sarou, a pessoa
deveria pensar que, recebendo Johrei, a cura é absoluta, e achar
que o Johrei é algo fabuloso; no entanto, apesar de curada, ela
ainda continua vacilando. Então, o Espírito Guardião fica
zangado e a faz sofrer uma vez mais.
Interlocutor: A pessoa recebe o Ohikari e se restabelece
da doença. Mesmo assim, quando não há sentimento de
gratidão, aumenta a possibilidade de uma repurificação. Seria
isso?
Meishu-Sama: Sim. Em Deus não há um mínimo de erro.
Tudo está de acordo com a lógica.”

3.10. Produzir efeito varia com elevação espiritual daquele que


o ministra.

O poder do Johrei varia de certo modo, de pessoa para


pessoa, na sua comunicação. Ainda que todos os seguidores de
Meishu-Sama usem o Ohikari, através do qual é emanada a Luz
Divina, quando a Luz é transmitida por alguém de compreensão
espiritual mais elevada, a manifestação do seu poder é bem mais
forte e eficaz.
109
Neste item: Eficácia muda de pessoa para pessoa e de
tempo em tempo; Capacidade de atingir o resultado depende do
altruísmo; Competência está sujeito à leitura dos ensinamentos;
Resolução de humildade; Surge em conseqüência da
despreocupação; Deriva da gratidão; Resulta do sentimento,
quantidade e constância; Requer decisão de conduta exemplar;
Prestar real serviço à Causa Divina.

• Eficácia muda de pessoa para pessoa e de tempo em tempo.

A Luz do Johrei tem sempre o mesmo e imenso poder,


mas será manifestada em maior ou menor intensidade de
acordo com a dedicação, a integral sinceridade, a humildade, o
amor e a fé daquele que o ministra. A importância da postura e
do pensamento corretos durante a ministração também não
pode ser esquecida.
Meishu-Sama: “O fato aconteceu no dia 5 de maio de
1945, quando Meishu-Sama ia viajar de Atami para Hakone.
Nessa época, eu estava com uma purificação nos quadris e, não
podendo locomover-me, ficara na casa de Meishu-Sama em
Atami (Solar da Montanha do Leste), recebendo Johrei dele
todos os dias.
No momento de sua partida para Hakone, eu ainda não
tinha condições de me movimentar. Anteriormente, Meishu-
Sama já me havia dito: "Como você não pode me acompanhar,
volte para a sua casa e depois se transfira para a casa de uma
pessoa que ministre Johrei muito bem."
Eu estava decidido a fazer isso e, na noite anterior à
partida de Meishu-Sama, disse ao Sr. Inoue, seu secretário:
"Amanhã, assim que ele partir, voltarei para Yokossuka." Na
manhã seguinte, entretanto, antes de sair, Meishu-Sama
ministrou-me Johrei e disse: "Fique mais um pouco aqui. Receba
Johrei do Sr. Nakajima, pois já pedi a ele que lhe ministre."
Assim, mesmo atarefadíssimo, Meishu-Sama preocupou-
se a esse ponto com o meu estado.”
110
Porém, Meishu-Sama é quem ministra melhor: “Certo
dedicante, que se tornara fiel após ser curado de tuberculose,
teve uma recaída e começou a expelir catarro misturado com
sangue. Pensando que servir em tais condições de saúde só
causaria transtornos, resolveu voltar para casa, e, certo dia, após
ter recebido Johrei de Meishu-Sama, comunicou-lhe sua
resolução. Meishu-Sama disse-lhe então: "O seu estado é
realmente muito grave. Não é nada fácil. Mas saiba que ninguém
ministra Johrei melhor do que eu. Naturalmente, se quiser pode
voltar para sua casa, mas não tem vontade de permanecer
aqui?”.
Ouvindo tais palavras, essa pessoa tomou a seguinte
resolução: "Seja como for, a minha vida foi salva por ele. Se eu
não tiver mais cura, que posso fazer? Já que ele está se
oferecendo, continuarei aqui o servindo no que puder". Assim,
pediu permissão para continuar a servir Meishu-Sama e, daí por
diante, foi obtendo grandes melhoras. Até hoje, continua
servindo-o em perfeita saúde.
Meishu-Sama absolutamente não forçava ninguém a
obedecer à sua vontade. Em suas palavras: "Se quiser, pode
voltar para sua casa; contudo, também posso continuar a
ministrar-lhe Johrei", transparece o seu sentimento de
benevolência. Ouvindo esse caso, fiquei profundamente
comovido.”
Ministro - De acordo com a Lei de que O Espírito Precede
a Matéria, quando as máculas do corpo espiritual são
purificadas, a parte física correspondente a elas começa também
a eliminar toxinas. Em algumas pessoas, esse processo é rápido,
mas em outras, mais demorado. Por que isso ocorre assim?
Depende da força espiritual da pessoa que ministra o Johrei?
Meishu-Sama - Na realidade, existem algumas
influências, sim, tais como, a quantidade de toxinas da pessoa
que vai receber o Johrei, o poder - forte ou fraco - daquele que
vai ministrá-lo, além da relação da pessoa que vai receber com
os seus próprios antepassados. Nesse último caso, se um deles
111
se encontrar em um nível já bem elevado no Mundo Espiritual,
terá condições de encaminhar aquele ao qual está relacionado
para que receba Johrei de um bom ministrante. Caso contrário,
ou seja, se por acaso o antepassado de alguém se encontrar num
nível infernal, chegará a atrasar, e até mesmo a dificultar a
salvação de seu descendente, pois nada poderá fazer para ajudá-
lo.

• Capacidade de atingir o resultado depende do altruísmo.

“O principal fator, no entanto, é a sinceridade do fiel.


Quem sente necessidade de ajudar uma pessoa que está
sofrendo, porque não pode vê-la sofrer sozinha, ministrará um
Johrei mais eficaz. Se alguém ministra Johrei por motivos
egoístas, como: "Se eu puder ajudá-lo, quem sabe ele me
recompensará", "Poderei melhorar de posição" ou "Terei mais
influência", certamente seu Johrei não será tão atuante, embora
apresente resultados. Além do mais, o Johrei atua na exata
proporção do sentimento do messiânico que está servindo como
canal. A pessoa cujo sentimento está em harmonia com a
Vontade de Deus recebe d'Ele maiores bênçãos, e a Luz que
transmite é mais intensa A Luz Divina que alcança cada fiel
através do elo espiritual é sempre a mesma; todavia, canalizada
através do corpo humano, ela manifesta uma diferença de força,
de acordo com o sentimento de cada indivíduo. Poderemos
entender melhor se atentarmos para o fato de que a água limpa,
ao correr por um local poluído, fica suja, mas se passar por um
lugar limpo, não tem por que se sujar.”
É como água pura conduzida por conduto sujo ou
límpido:
“A Luz Divina que é transmitida através do cordão
espiritual e depois através do “Ohikari", difere na sua força de
acordo com as atitudes mentais de cada pessoa, da mesma
maneira como passa através do corpo e da mente. É como a

112
água pura que se torna maculada quando atravessa uma
passagem suja, e límpida quando segue uma passagem limpa.”
“Fui pela primeira vez à casa de Meishu-Sama, por causa
da doença de meu irmão mais novo.
Naquela ocasião, Meishu-Sama falou-me sobre o
caminho da fé correta, e concluiu dizendo: “A fé não deve ser
apenas para a própria salvação; ela deve ser cultivada através da
salvação altruísta. A nossa Igreja ensina justamente esse
caminho da salvação altruísta e qualquer pessoa pode realizá-la.
Você tem essa missão, por isso deve entrar neste caminho e
praticá-la.”
Eu nunca havia pensado em fé ou na salvação das
pessoas e como não tinha autoconfiança, disse-lhe: “O senhor
pratica-a a dezenas de anos e, por isso, diz claramente que eu
consigo, mas até agora nunca pratiquei nenhuma ação religiosa;
portanto, isso é impossível para mim.” Então, ele me respondeu
severamente: “É natural pensar assim. Mas, qualquer pessoa
consegue seguir esse caminho, sem maiores problemas. Você vai
entender mais tarde!”
Despedi-me e voltei para a sala de espera, onde fiquei
observando os doentes que ali estavam. As pessoas em
sofrimento recebiam Johrei e iam embora, andando com
facilidade. Assim, achei que Meishu-Sama tinha razão e comecei
a me interessar.
Na vez seguinte, Meishu-Sama perguntou-me: “Como é?
Você gosta ou não gosta destas coisas?” - Gosto! - respondi-lhe,
e, naquele momento, tomei a decisão de seguir unicamente a
Obra Divina, ingressando na Igreja Messiânica Mundial.”

• Competência está sujeito à leitura dos ensinamentos.

Há outro ponto fundamental a ser ressaltado: o poder do


Johrei depende também da elevação espiritual daquele que o
ministra. Para consegui-la, os Mamehitos devem dedicar-se, com
perseverança, à leitura dos Ensinamentos. Dessa forma, irão,
113
pouco a pouco, aprofundando a sua sabedoria e adquirindo mais
confiança e fé no Johrei que, conseqüentemente, se tornará
mais poderoso.

• Resolução de humildade.

É preciso, porém, ficarem atentos para não se deixarem


dominar pela vaidade porque essa atitude diminui
sensivelmente a força do Johrei. Eis a razão por que um
Mamehito novo, que ainda canaliza a Luz de Deus com um
pouco de receio, sem confiar muito na própria capacidade,
consegue curar relativamente melhor.
Por outro lado, quando alguém fica convencido de que já
sabe ministrar bem Johrei, dificilmente alcança bons resultados.
Não quero, contudo, dizer que seja melhor canalizar Johrei com
insegurança ou medo. É preciso somente que o membro tenha
humildade para reconhecer que está servindo, apenas, como
instrumento de Deus.
Meishu-Sama: “Aqueles que concluíram recentemente o
curso para se tornarem membros da nossa Igreja, receberam o
Ohikari e ainda não estão certos de possuírem o poder de
comunicar a Luz Divina, muitas vezes experimentam notáveis
resultados. Mas se isto não os tornar agradecidos e, ao
contrário, sentirem vaidade que os leve a dizer mesmo em
pensamento: "Eu tenho grandes poderes", poderão ficar muito
surpreendidos ao constatarem que sua capacidade para a
ministração da força do Johrei diminuiu. Quando existe vaidade,
a força na transmissão do Johrei será enfraquecida.
A fé em Deus e a confiança em si mesmo são boas, mas é
importante que os ministrantes de Johrei se compenetrem de
que nós somos apenas instrumentos do Plano Divino.”

• Surge em conseqüência da despreocupação.

Além disso, todos os doentes ou quaisquer pessoas que


114
busquem ajuda devem ser tratados sem ansiedade. Neste
aspecto, a melhor maneira é agir sem nenhum tipo de
envolvimento emocional, ou seja, de pensamentos advindos,
quer de sentimentos de estima, amor, admiração, quer de
considerações relativas à posição social, econômica ou cultural
da pessoa a quem se está prestando ajuda. Se os Mamehitos não
mantiverem uma atitude de completa imparcialidade, terão,
com certeza, o poder do seu Johrei diminuído.
Quando se ministra Johrei, é importante evitar a
ansiedade, a impaciência, a tensão ou a pressa.
Não deve haver apego, nem de ministrante, nem de
recebedor e de seus familiares:
“Na prática do Johrei acontece o mesmo. Se houver
intensa vontade de curar alguém "de qualquer maneira", a
recuperação torna-se mais difícil. Entretanto, quando o
ministramos com desprendimento, ou quando a pessoa o recebe
com certa desconfiança, inesperadamente sobrevêm bons
resultados. Freqüentemente, apesar do esforço de toda a
família, o doente em estado grave acaba morrendo. Observa-se
que é relativamente mais fácil a cura de um enfermo, quando
este e sua família se preocupam menos, ficando um tanto
indiferentes ante a idéia da morte.”

• Deriva da gratidão.

Embora a energia espiritual outorgada aos messiânicos


seja incomparavelmente maior do que a de outras religiões, tal
fato não deve, nunca, ser motivo de vaidade para os Mamehitos.
Muito pelo contrário. É preciso que todos reconheçam, a cada
instante, o privilégio de terem sido agraciados com tamanha
deferência, conservando o coração humilde e agradecido.

115
• Resulta do sentimento, quantidade e constância.

Caso da pessoa que não gostava de ministrar Johrei e


terminou se tornando ministra diante da purificação de sua filha:
“Eu me tornei messiânica em julho de 1940, mas, a
princípio, não ministrava muito Johrei. Isto porque eu não
gostava de ter contato com doentes. Entretanto, o número de
pessoas que vinha receber Johrei aumentava a cada dia. Como
vinha muita gente, certa vez, acabei parando com a ministração
de Johrei, usando a desculpa de não estar em casa e também
deixei de usar o Ohikari. Mesmo assim, ia quase que diariamente
ao encontro de Meishu-Sama e ouvia assuntos interessantes.
Num desses dias, ele nos explicou: "Ficar sem fazer nada
propicia acúmulo de máculas por ociosidade." Então, consultei-o
se deveria fazer algum tipo de comércio e ouvi a resposta: "Esse
tipo de coisa não adianta." E eu continuei a levar a vida da
mesma forma.
Pouco tempo depois, minha filha mais velha,
repentinamente, disse-me: "Mamãe, se não me fizer o
tratamento, (Johrei) vou morrer!" - e logo em seguida teve uma
convulsão. Eu, afobada, e mais que depressa, coloquei o Ohikari
e lhe ministrei Johrei. Assim, ela se restabeleceu logo.
Imediatamente, fui até Meishu-Sama para agradecer-lhe quanto
a minha filha e ele me disse: "Eu já vou deixar de ministrar
Johrei. Daqui por diante, vocês é que o farão, por isso, venha
aqui todos os dias. Vou ensinar-lhe muitas coisas. Se você tem
amor aos seus filhos, deve tornar-se minha discípula." Foi nessa
ocasião que, pela primeira vez, tomei a decisão de dedicar-me
inteiramente à ministração do Johrei.”
Sempre que acontecia algo, Meishu-Sama logo
perguntava: Está ministrando Johrei?
Pergunta: Embora se receba o Ohikari em igualdade de
condições com outras pessoas, parece que o poder do Johrei
varia de uma para outra. Por quê?

116
Meishu-Sama: É assim mesmo. Conforme a pessoa que
ministra, há diferença. Isto se deve à força espiritual. Quem
pratica há muito tempo e bastante, ministra Johrei mais forte.
Há doentes que, recebendo Johrei durante dois ou três
anos, não apresentam melhoras; quando, porém vêm a mim,
com dois ou três Johrei ficam curados. Vemos, pois, que há
tantas diferenças, quantas são as pessoas. É natural.
Outro ponto importante é o sentimento de quem ministra.
Quem sente de coração que o Johrei é realmente uma
coisa extraordinária, que a Humanidade, hoje, está sofrendo
como se estivesse no inferno, que é preciso salvar o maior
número possível de pessoas, há de possuir maior força de Johrei.
Aquele, porém, que pensa em viver comodamente, com
alguma fé, recebendo graças, etc. não tem tanta eficiência de
Johrei.
A pessoa de caráter firme obtém maior resultado – já foi
dito.

• Requer decisão de conduta exemplar.

Suponha que uma criança contraia gripe. Uma gripe


comum seria facilmente solucionada através do Johrei; nesse
caso, entretanto, não se verificam bons resultados. A criança
tem vômitos freqüentes, perda de apetite, acentuado
enfraquecimento em poucos dias e acaba morrendo. É uma
situação estranha, que se enquadra justamente no que foi falado
acima: advertência dos antepassados. As causas podem ser
várias, entre elas o relacionamento amoroso do pai com outra
mulher. Se ele não perceber na primeira advertência, poderão
ocorrer-lhe sucessivas perdas de filhos. Estes são sacrificados
por um prazer passageiro; trata-se, portanto, de uma conduta
bastante reprovável. Os antepassados evitam sacrificar o chefe
da família por ser ele o seu sustentáculo, de modo que os filhos
tomam o seu lugar.

117
• Prestar real serviço à Causa Divina.

“Pergunta: Gostaria de indagar-lhe a respeito de uma


pessoa que está servindo à Causa Divina. Parece-me que a força
do seu Johrei é perfeitamente poderosa. No entanto, tem-se
notado, freqüentemente, que sua personalidade e moralidade
não têm sido muito dignas de louvor. Eu sinto que, se o poder do
Johrei é uma prova de que a vibração espiritual da pessoa
também é forte, semelhante pessoa deveria ter também um
caráter nobre. Poderia tomar a capacidade de cura como um
barômetro da personalidade?
Meishu-Sama: Eis uma pergunta difícil, que não pode ser
respondida em uma única frase. Existe uma diferença no poder
do Johrei entre os fiéis mais antigos e os mais novos. Assim
como alguns indivíduos que aparentam bondade podem ter
negatividade em seus corações, outros que não aparentam esta
bondade, muitas vezes, possuem forte sentimento de amor e
espírito dedicado. Igualmente existem aqueles que ministravam
Johrei muito eficaz, mas hoje são canais fracos, por causa do seu
ego e falta de humildade. Existem pessoas que recebem muita
ajuda de Deus, devido aos bons serviços prestados no passado.
Mesmo as pessoas boas e generosas não receberão ajuda
de Deus em alto nível se não estiverem prestando um real
serviço à Causa Divina. Em suma, aqueles que prestaram e
continuam prestando bons serviços à difusão da Obra Divina,
recebem de Deus maior poder espiritual, ao passo que aqueles
que aparentam ser ótimas, se não produziram frutos na
dedicação à Obra Divina, não receberão nenhuma força. Os
olhos humanos não podem desvendar a Verdade e ninguém,
exceto Deus, pode enxergar as profundezas dos corações e das
mentes de outras pessoas. Todos que alcançaram esta
compreensão chegaram ao entendimento da verdade acerca de
Deus.”

118
3.11. Reconhecer que no momento da purificação a maior
hierarquia é a de quem ministra.

Ministro - O que acontece quando um membro simples,


sem graduação especial na igreja, canaliza Johrei para um
Ministro ou um Reverendo?
Meishu-Sama - Quem recebe Johrei precisa ter
consideração pelo ministrante que, naquele momento, está
servindo de canal para a transmissão da Luz de Deus e, por isso,
deve se portar educadamente, em sinal de respeito a ele. Em
outras palavras, deve procurar manter dignidade idêntica com
qualquer pessoa que seja, mesmo com a própria esposa ou filho.
Contudo, não há necessidade de se chegar a extremos, ao se
pensar exageradamente nesse assunto. O que sempre deve
prevalecer é o bom senso.
Ministro - E quanto à posição espiritual de um membro
comum, no caso de ele ministrar Johrei a um Reverendo ou a um
Ministro?
Meishu-Sama - Por permissão divina, o ministrante
permanece, nesse momento, num nível espiritual superior ao do
Reverendo ou ao do Ministro que está recebendo o Johrei.
Então, quem recebe precisa ter essa consciência e, inclusive,
deve procurar se portar com reverência.

3.12. Respeitar à ordem, com sinceridade e flexibilidade.

Em tudo, a ordem é importante. Assim, deve-se tomar


como exemplo a Grande Natureza. Por mais que se queira, a
cerejeira nunca floresce antes das ameixeiras, existindo aqui,
naturalmente, a ordem da Grande Natureza. Portanto, a base da
fé está em seguir a ordem da Grande Natureza. E isso é igual
tanto para a Agricultura Natural como para o Johrei. Assim, não
há nenhum erro em segui-la.
Fora da família a ordem é de chegada; na família pela
ordem decrescente de idade. Se houver alguém sofrendo tem
119
prioridade. Um exemplo de caso fora da ordem: Meishu-Sama
ter ministrado primeiro na empregada depois na sua esposa:
“Devemos, em especial, ministrar Johrei, primeiro aos
doentes mais graves e depois nas outras pessoas de acordo com
a ordem de chegada: isso tem o sentido de imparcialidade. Mas,
se houver alguém que esteja sofrendo mais, devemos ministrar-
lhe primeiro, pedindo desculpas e dizendo aos que chegaram na
frente que aquela pessoa precisa ser atendida primeiro. E as
demais, na ordem de chegada. No caso de achar que não há
necessidade de se preocupar tanto com a ordem de chegada,
como por exemplo, com as pessoas da família ou com as mais
chegadas, devemos ministrar primeiro no mais velho. Sendo um
casal, e não tendo maiores sofrimentos, devemos ministrar
primeiro no marido e depois, na esposa. Assim, se ministramos
de modo a não perturbar a ordem, a melhora será muito boa, ou
melhor, será rápida. A ordem se relaciona ao Mundo Espiritual,
portanto, perturbando-a, o mesmo fica desordenado. Por isso,
se não houver ordem, as coisas no Mundo Espiritual não
andarão satisfatoriamente. Isso parece ser algo sem muita
importância, mas a sua influência é muito grande. Digo isso
porque ontem aconteceu:
Antigamente, a minha esposa tomava fortes
medicamentos à base de plantas medicinais cujas toxinas são
terríveis. Às vezes, ministro-lhe Johrei, por isso, têm diminuído a
cada ano. Mas ultimamente, elas haviam se acumulado
bastante; e ao ministrar-lhe Johrei, ela dizia coisas estranhas que
me ofendiam tanto, a ponto de eu lhe chamar duramente a
atenção. Como dizia coisas um tanto fora da lógica, achando
aquilo esquisito, procurei analisá-la. Então, percebi que havia
ministrado Johrei primeiro na empregada. No início, pensei em
desistir mas, como não dispunha de tempo, achei que não
haveria problema. Entretanto, percebi que ela falava
estranhamente, porque a ordem de ministrar estava errada. Isso
aconteceu porque, desse modo, a minha esposa ficava no nível
abaixo da empregada no Mundo Espiritual. Devem tomar
120
cuidado sobre esse ponto, pois se trata de algo definido. Se a
ordem for transgredida, por pouco que seja, acontece algum
contratempo.”
Em síntese, a ordem correta para ser seguida ao ministrar
Johrei, é a seguinte: 1º) pessoas com as doenças mais graves; 2º)
ordem de chegada; 3º) idade; 4º) demais casos, com bom senso.
As crianças estão fora dessa ordem. Como em geral
choram e atrapalham outros, é melhor atendê-las em primeiro
lugar, para que sejam evitadas perturbações maiores.
Também está de acordo com a lógica atender as pessoas
com muitos afazeres, que estão sempre bastante ocupadas, ou
aquelas que desempenham funções importantes e não têm
muito tempo disponível.
Doença entre os familiares os próprios messiânicos
integrantes da família é que devem ministrar Johrei e não
ministro:
"Como os pais tinham se tornado membros há um ou
dois anos, deveriam ter ministrado Johrei no filho, acometido de
uma simples pneumonia; assim, ele poderia ter-se restabelecido
satisfatoriamente. No entanto, os pais cometeram um erro. Nem
sequer ministraram-lhe Johrei direito, incomodando o Dirigente
do Templo-filial, o que está fora da lógica. E o Dirigente também,
por sua vez, foi ministrar Johrei no menino de vez em quando,
portanto, as duas partes estavam completamente erradas.
A função do Dirigente do Templo-filial é manter contato
com as pessoas não-membros, pois as pessoas que já são
membros têm permissão de Deus para realizar a cura de
doenças: assim, quando se trata de doenças entre os familiares
os próprios membros da família é que devem ministrar Johrei.
Recorrer ao Dirigente do Templo-filial significa atrapalhar a sua
atividade.”
Por se tratar de uma pessoa que não estava sendo
sincera, embora eu a tivesse atendido com muita dedicação, não
valeu a pena. Deixei também de ministrar-lhe Johrei.”
Meishu-Sama: “Algo que nunca deve ser encarado
121
levianamente é a ordem. Tenho insistido muito no assunto. Mas,
como já falei anteriormente, existe uma ordem até mesmo para
se sentar numa sala. Contudo, isso também deve ser bem
considerado, pois não se deve fazê-lo de qualquer forma.
Uma vez, eu disse a uma pessoa que, quem ministra
Johrei, deve sempre se sentar em frente ao toko-no-ma e, quem
recebe, fica em segundo plano, ou seja, mais afastado. Ela
interpretou literalmente as minhas palavras e, mesmo na casa
de pessoas que nada conhecem a respeito da fé, sem se
preocupar se há ou não pessoas presentes na sala, ia se
posicionar em frente ao toko-no-ma. Então, os parentes
julgaram-no erroneamente: ‘esse ministro é uma pessoa muito
mal educada, pois não sabe distinguir a sua casa da dos outros’.
Assim também é difícil.
Em tais casos, não se deve agir como na realidade deve
ser. Para não ser mal interpretada pelas pessoas, há casos em
que se deve ficar numa posição inferior ao do enfermo, mas
nessas ocasiões há permissão de Deus. Quando não houver
inconveniência em estar no toko-no-ma, é melhor assim
proceder.
Numa sala, o ponto mais distante da entrada e à
esquerda [á direita do observador] é o local mais nobre. Mas,
deve-se agir de acordo com as circunstâncias do momento.”
Humildade de não querer passar a frente dos outros:
“O fato aconteceu na época em que eu estava hospedado
no Solar da Montanha Divina, a fim de receber Johrei de Meishu-
Sama, por estar acometido de tuberculose.
As pessoas que iam receber Johrei, fossem parentes ou
dedicantes, precisavam fazer a solicitação antes da refeição
matinal.
Na hora do Johrei, quando me atrasava, eu ficava
sentado atrás de todos, à espera de minha vez. Alguns dos
dedicantes, porém, faziam-me passar à sua frente, dizendo:
"Venha logo". Contudo, Meishu-Sama intervinha: "Não pode!
Respeite a ordem!". Dessa forma, ele não permitia, de maneira
122
alguma, que pelo fato de ser seu parente eu desrespeitasse a
ordem. Em nenhuma circunstância Meishu-Sama fazia distinção
entre os seus parentes e os estranhos.”
Haver sinceridade no coração, o restante pode ser de
acordo com as circunstâncias.
“No caso de doenças, também, quando alguém da família
é contra, é melhor concordar, dizendo: “Isso é bom. Realmente é
como o senhor está falando.” Então, a pessoa, que era contra,
acaba por pensar: “Parece que aquele ministro entende das
coisas.”
Devemos dizer, por exemplo: “De minha parte nunca
digo para não ir ao médico ou não tomar remédios. Isso fica a
seu critério. Mas o fundamento é este: Deus ensinou-me que o
remédio é veneno. Agora, utilizá-lo ou não, está a seu critério.”
Assim, se a pessoa ficar admirada com tais palavras e não
se submeter a cuidados médicos e não tomar remédios, está
muito bom. Porém, se não se impressionar e for ao médico e
tomar medicamentos, sofrerá as conseqüências naturais através
de sua própria ação. Portanto, esforçar-se seriamente, tentando
persuadi-la de qualquer forma, é um procedimento muito
imaturo. Em suma, basta que o ser humano tenha sinceridade
no fundo do coração. Quanto ao resto, pode ser menos
meticuloso.
Havendo, no coração, a sinceridade e o sentimento de
querer salvar o próximo, o restante pode ser de acordo com as
circunstâncias. Isso é ser flexível. Freqüentemente, as pessoas
fazem planos, pensando em certas diretrizes e métodos, mas, ao
fazer isso, ocorre o fracasso. Resumindo, devemos ter
versatilidade.
É uma coisa difícil, mas é preciso que o homem seja
polido. Como sempre digo, na maioria dos casos, é melhor
perder. Nas discussões e coisas dessa natureza, devemos perder.
Esta é uma forma de aprimoramento. É algo penoso ouvir
atentamente a mentira do outro, mas, também é um
aprimoramento para conservar a calma e ser tolerante. Este é
123
um aprimoramento verdadeiramente eficaz.
E mesmo que haja mal-entendido temporário ou que
sejamos vencidos momentaneamente, jamais o seremos por
muito tempo. Algum dia, sem dúvida, após compreender e
arrepender-se, o antagonista se desculpará; ou, ainda, se chegar
mesmo a entender, passará a tratar-nos com muito respeito:
“Aquela é uma grande pessoa; uma vez eu lhe disse uma
bobagem, mas ela me ouviu seriamente. Não há dúvidas de que
se trata de uma pessoa de espírito elevado”. A partir de então, a
pessoa passará a confiar em nós.”
“Mais um caso ocorreu com um adepto da religião
Tenrikyo. Toda vez que eu lhe aplicava Johrei, ele melhorava
consideravelmente. Quando, porém, era atendido pelo ministro
da sua igreja piorava. Certa vez, chegou a me dizer que ninguém
poderia saber que ele estava recebendo Johrei. Assim, se fosse
curado, o mérito da sua recuperação seria atribuí do à Tenrikyo.
Flexibilidade de não relevar quem vem receber Johrei e
de não interferir quando alguém vem recebendo Johrei e não
quiser continuar:
"Quando uma pessoa vem à Igreja para receber Johrei,
ainda que nos possa parecer alguém insignificante, devemos
pensar que ela é um ser mandado por Deus. Se vier alguém
conhecido e influente, não pensemos: “Devemos ajudá-lo de
qualquer maneira, porque pode nos ajudar". Devemos transmitir
a Luz, sem nenhuma preferência pessoal. As pessoas modestas
provam, muitas vezes, ser almas muito evoluídas
espiritualmente. Por outro lado, quando uma pessoa, que vem
recebendo Johrei, não quiser continuar, não devemos interferir.
Devemos respeitar a sua liberdade de escolha, uma vez que não
conhecemos os desígnios Divinos."

3.13. Purificar primeiro, explicar depois.

Explicar Johrei é muito difícil, já que este está um século


mais avançado:
124
“Muitas pessoas sabem que o Johrei da nossa Igreja cura,
mas não se dispõem a recebê-lo se não tiverem explicações
teóricas. E só existe uma explicação para isso: essas pessoas
estão dominadas pela magia dos princípios científicos. Por outro
lado, com o nível atual dos princípios científicos é muito difícil
explicar o Johrei. Isso porque o verdadeiro princípio cientifico do
Johrei está um século mais avançado, sendo incompreensível
para as pessoas da atualidade. É exatamente como se fizéssemos
uma palestra de Faculdade para alunos do primário. Portanto, o
homem moderno deve despertar para esse ponto, colocando em
primeiro plano a realidade viva e os seus resultados, e em
segundo plano, os princípios científicos. Procedendo-se dessa
maneira, aumentará o número de pessoas que serão salvas.”
Explicar quando se tem certeza e nunca fingindo que
sabe:
“Aproveito a oportunidade para acrescentar algo com
relação ao Johrei. Alguns ministrantes, embora desconheçam a
causa da doença, fazem de conta que o sabem. Isso não deve
ocorrer de maneira alguma. Tais pessoas, quando o doente não
consegue melhorar como elas desejam, dizem que o problema é
de origem espiritual, para fugirem da responsabilidade. Em
verdade, é difícil determinar se a causa de uma doença é
espiritual ou material. Por princípio, o homem é uma unidade
espírito-matéria portanto, no caso do Johrei, não existe essa
distinção. Se o espírito melhora a matéria também melhora e
vice-versa. Por outro lado, quando o doente melhora
rapidamente, alguns acham que se trata de uma purificação
comum; se acontece o contrário, pensam que a causa é
espiritual. Isso constitui um grande erro. É o mesmo que um
médico diagnosticar tuberculose quando não está conseguindo
curar a doença?”

3.14. Dissolver pequenas toxinas.

Pergunta: Como e quando ministrar Johrei nas pequenas


125
toxinas?
Resposta: Ao encontrar pequenas solidificações, deve-se
ministrar Johrei com a ponta do dedo médio, mas sem encostá-
lo no local. Deve-se, contudo, apoiar a mão com os demais
dedos e concentrar toda a Luz na palma da mão. Desse modo, o
Johrei fica mais forte e as toxinas são dissolvidas com maior
facilidade.

3.15. Acolher os que procuram e se esforçam.

Criar o Mundo de Miroku é transformar o mundo infernal


em paradisíaco. Por isso, ocorrerá uma grande revolução jamais
vista desde o início da humanidade. Não há nenhuma revolução
tão grande como esta e, ao mesmo tempo, tão fácil de ser
realizada.
Fala-se em revolução sem derramamento de sangue, e o
significado disso é não gerar conflitos. Mas, não é bem este o
significado; não se trata de não haver derramamento de sangue,
ela poderá ser feita com maior facilidade ainda. Ou seja, uma
revolução paradisíaca. E ela vem ocorrendo, tendo como ponto
de partida o dia 15 de junho.
Deste modo, conforme a Lei do Espírito Precede a
Matéria, o Mundo Espiritual vem se modificando. Portanto,
reflete-se de modo igual no Mundo Material, ou seja, no mundo
em que se vive. Logo, pode-se até se despreocupar quanto à tal
revolução. Deve-se apenas realizar as tarefas recebidas de Deus,
desenvolver o trabalho determinado por Ele. Neste ponto, é
melhor que a inteligência e o pensamento do homem não sejam
manifestados.
Por exemplo, se um enfermo vem procurar, é melhor não
ficar imaginando o que ele será futuramente, se for salvo; como
o dever do messiânico é salvar, basta que se faça isso. E quanto
aos que rejeitam a crença messiânica, deve-se pensar que são
pessoas que Deus não salvará. Então, é melhor não se ficar
correndo atrás. Assim procedendo, as coisas correrão de forma
126
mais cômoda.
Entretanto, com base no pensamento humano,
freqüentemente a gente pensa: “Salvando esta pessoa, haverá
um grande progresso. O número de membros aumentará”. Tal
pensamento não deve ocorrer. O ser humano não está
capacitado a compreender coisas como estas. Por isso, uma
pessoa que a gente possa achar inútil, muitas vezes poderá
tornar-se útil e, pessoas sobre as quais pensamos: “Ela sim, será
útil”, poderão não dar certo. Aqui se verifica a diferença entre o
pensamento de Deus e o do homem.
Pergunta: Ao se estabelecer uma Igreja, o que o senhor
acha de colocar anúncios para que as pessoas tomem
conhecimento?
Meishu-Sama: Não é preciso fazer anúncios. Não há
necessidade de fazer esse tipo de coisa. O motivo é que quem
traz os membros - as pessoas que vão se tornar membros - vêm
nos procurar, não é? Elas são trazidas por Deus ou pelos
antepassados da família. Portanto, as pessoas que devem vir,
virão, mesmo não vendo anúncios.
Em geral, fazer essas coisas constitui uma blasfêmia
contra Deus, pois é o mesmo procedimento usado quando se
abre uma casa de massagem ou um consultório dentário. Este é
um caso extremo, mas dizem que um membro da religião Konko
não fazia anúncios nem propagandas da sua Igreja, ele não fazia
absolutamente nada. Quando o questionavam se não deveria
tomar alguma providência, ele respondia que não precisava, pois
Deus traria as pessoas. Durante dois anos não apareceu
ninguém. Finalmente, veio uma pessoa e, aos poucos, foram
vindo mais e a Igreja prosperou bastante. Isso é radical, mas do
ponto de vista da crença em Deus, acho interessante.
Por isso, não tenho nenhuma vontade de colocar
anúncios em jornal ou fazer publicidade religiosa. Mas, por
necessidades diversas, tais como o surgimento de algo como um
“novo tipo de violência”, indução à prática de coisas erradas e
conseqüente surgimento de muitas pessoas que sofrerão
127
torturas, como já tem ocorrido, e outras ações maldosas, estou
escrevendo certos artigos. Inicialmente, publiquei, através de
anúncio em jornal, “Colóquios sobre a Fé” para testar qual seria
a repercussão. Mais tarde, farei também um anúncio do livro
sobre tuberculose; isto porque, desejo salvar os tuberculosos,
uma vez que essa doença está se tornando muito problemática.
Publicarei o livro sob o título “Cura revolucionária da
tuberculose” ou “Cura da tuberculose através da fé”.
Um membro, ao sarar de uma doença, faz propaganda e,
aos poucos, traz outras pessoas. Estas, por sua vez, trazem
outras. Esta maneira é segura e sólida. Os olhos humanos não
são capazes de ver, mas os de Deus vê. Salvando esta pessoa,
será a vez desta outra; agora, é aquela. Deste modo, a ordem já
está determinada no Mundo Espiritual. Mesmo que seja
informada, a pessoa não consegue entrar sem que chegue a sua
vez.
Pergunta: Às vezes, pensamos que, com o ingresso de
uma pessoa importante, a difusão irá se expandir, mas não
acontece assim, não é mesmo?
Meishu-Sama: Realmente, isso não acontece. Na Igreja
Tenrikyo, dizem que os sábios e os ricos devem ser deixados
para depois; e isso pode acontecer. Em breve, teremos muitos
membros intelectuais, mas existe um tempo certo para isso. A
purificação se intensificará no Mundo Espiritual, e os intelectuais
que persistem em continuar presos apenas à teoria, com a
intensificação da purificação, não conseguirão se manter
somente com ela, quando realmente a coisa piorar.
Se, por um lado, é pecado fazer cerimônia para pedir
Johrei, por outro lado, o pior é impingir como “Venha cá que vou
lhe ministrar”; dizendo assim, ministram Johrei, mas isso é que
não devem fazer.
Sem dúvida, os bebês são uns casos à parte, mas desde
que as pessoas possuam razão, devem ministrar-lhes Johrei
somente quando elas solicitarem; senão, não surtirá efeito.
Assim, é preciso que tenham clara ciência disso.
128
Meishu-Sama mesmo bastante penoso com sofrimento
de uma pessoa, não lhe oferecia Johrei enquanto ela não
solicitasse:
“Naquela época (1942 ou 1943), eu me encontrava em
condições físicas tão lastimáveis que, se não recebesse Johrei de
Meishu-Sama todas as vezes que havia entrevista, eu sofria
insuportavelmente. Entretanto, como ele estava sempre
atarefadíssimo, eu fazia cerimônia, para não incomodá-lo. Com
isso, piorava a tal ponto que, não conseguindo mais agüentar,
era obrigado a recorrer a ele.
Então Meishu-Sama me dizia: "Foi bastante penoso olhar
para você. Eu pensava comigo mesmo: agora ele vai pedir, vai
solicitar Johrei. Mas você não pedia. Dizem que fazer cerimônia
é pecado. Não posso oferecer-me para ministrar-lhe Johrei. Para
a pessoa receber Johrei, ela deve solicitar. Por isso se você não
pedir não há condições para receber". E continuou: "Se fosse
somente o seu corpo, não teria importância; porém, agora, Deus
está trabalhando através dele. Caso lhe aconteça alguma coisa e
você vá para o Mundo Espiritual, não calcula quantos
transtornos causará a Deus. Um dos motivos é que o seu corpo é
como um cartaz; por isso não há necessidade nenhuma de fazer
cerimônia Você precisa receber Johrei, caso contrário, você me
causará problemas". Essas foram as santas palavras que Meishu-
Sama me disse.
Houve uma época em que Meishu-Sama tinha entrevistas
com seus discípulos nos jardins do Solar da Montanha do Leste.
Aí, também, ele dizia aos outros servidores: "Arranjem uma
cadeira para ele; ele tem dificuldade de permanecer em pé.”
Com essas palavras, fazia com que sempre se arrumasse uma
cadeira para mim. Dessa forma, podemos dizer que Meishu-
Sama realmente compreendia o sofrimento dos outros. Ele
sempre me tratou bem. Sendo assim, em mim despertou,
naturalmente, o sentimento de que, se fosse por Meishu-Sama,
eu faria qualquer coisa.”

129
Algumas vezes ele ensinava que se deve se devia solicitar
Johrei quando se necessitava:
“O fato que vou narrar aconteceu na ocasião em que
levamos Meishu-Sama à estação ferroviária de Quioto, após a
viagem missionária que ele realizou no outono de 1953.
Sendo chamado por ele, apresentei-me, perguntando-
lhe: "O senhor deseja alguma coisa?" Ele respondeu: "Não. É
que, olhando-o casualmente, notei que você está abatido. Como
fiquei preocupado, chamei-o para ver o que está acontecendo."
Tomado de surpresa, contei-lhe, em poucas palavras, que
estava purificando. Ele, então, me disse amavelmente: "Se está
em purificação, não acha que não tem sentido você não solicitar
que eu lhe ministre Johrei? Logo que eu chegar em casa,
procure-me imediatamente."
Assim, pela primeira vez fui até o Hekiun-sô para receber,
de Meishu-Sama, um Johrei individual; com uma única
ministração, passou o mal-estar que eu sentia na região do
estômago.”
Exigia esforço, mas demonstrava enorme delicadeza se a
pessoa pedisse:
“Em maio de 1946 fui a Hakone, onde passei muito mal,
não conseguindo mais me locomover. Nessa ocasião, Meishu-
Sama disse: "Deixem-no ficar hospedado na Casa dos Pássaros"
(lugar de descanso para as pessoas que iam ao Solo Sagrado de
Hakone).
Os sintomas da doença eram idênticos àqueles que eu já
havia sentido anteriormente, quando fora desenganado pelos
médicos. Como meu caso era muito grave, uma dedicante foi
perguntar a Meishu-Sama o que achava do meu estado. Ele lhe
respondeu: "Na verdade, ele não tem mais cura; porém, como
está servindo a Deus, não posso deixar que morra. Se ele morrer,
vai me causar transtorno."
Nessa época, eu dedicava ofertando um pouco de arroz,
e Meishu-Sama levou isso em consideração. No dia seguinte,
mandou-me dizer: "Venha, pois vou lhe ministrar Johrei". Como
130
eu estava muito mal, não tinha condições de ir até ele, de modo
que pedi à pessoa que me trouxera o recado para dizer-lhe que
eu não podia ir, Meishu-Sama, porém, mandou-me dizer:
"Venha, mesmo que seja engatinhando; se não vier até aqui, eu
não ministrarei Johrei em você".
Pensei: "Já que ele disse que só vai me ministrar Johrei se
eu for à sua presença, então irei". E fui, com bastante esforço,
descansando a todo o momento, dando dois ou três passos,
parando de novo, até chegar junto de Meishu-Sama para
receber Johrei. "Se estiver se sentindo mal, venha a qualquer
hora", disse-me ele antes que eu retornasse aos meus
aposentos.
Naquela mesma noite, às duas horas da madrugada,
senti-me tão mal que pedi à pessoa que estava cuidando de mim
para que fosse solicitar a Meishu-Sama que me ministrasse
Johrei. Como ele me mandou dizer que fosse imediatamente,
mesmo sendo madrugada fui até os seus aposentos.
Meishu-Sama estava escrevendo as letras da Imagem da
Luz Divina. Assim que cheguei, parou de fazê-lo e começou a
ministrar-me Johrei. Quando terminou, disse-me: "Você deve
estar com vontade de comer algo doce. Aqui tem de tudo. Peça
o que quiser". Assim dizendo, pegou um enorme "manju" (doce
japonês) e deu-mo. Nunca esquecerei como estava delicioso
aquele doce.
Durante o tempo em que estive de cama, Meishu-Sama
tirava um pouco de cada prato de sua própria refeição e
mandava para mim. Jamais poderei esquecer as inúmeras vezes
em que recebi tanta delicadeza naquela oportunidade.”
Outro tipo de esforço: vir caminhando em vez de carro:
“Eu ia sempre de carro receber Johrei. Um dia, Meishu-
Sama perguntou-me: "Você ainda está vindo de carro? Dentro
de casa, você também anda de carro?" Aí, respondi: "Não,
senhor". Então ele me disse: "Deus nos deu as pernas para
andar, portanto, venha aqui andando. Se assim não fizer, não lhe
ministrarei mais Johrei."
131
3.16. Atender pacientes em estado grave.

Ministro - Atualmente, venho ministrando Johrei em uma


senhora de 40 anos que sofre de bronquite, tem o abdômen
endurecido e também sente muitas dores. O caso dela parece
ser bem grave. Posso continuar ministrando Johrei?
Meishu-Sama - Sua pergunta dá a impressão de que o
Johrei faz mal, mas ele precisa e deve ser ministrado várias vezes
ao dia, no abdômen. O controle da freqüência do Johrei só deve
existir em casos de tuberculose, já que o doente apresenta um
estado febril constante, o que o leva a perder o apetite e a ter
sua vitalidade diminuída. Então, se o Johrei for ministrado com
freqüência, a purificação se intensificará ainda mais, o que levará
o corpo ao enfraquecimento, devido à falta de apetite causada
pela febre. E daí a necessidade de se estabelecer uma
alimentação adequada, para que o doente mantenha o apetite e
não fique debilitado.
Ministro - Acho que devemos procurar falar de forma
suave e positiva com doentes que correm risco de vida,
procurando lhes dar um pouco de ânimo e esperança. Gostaria
de ouvir sua opinião a esse respeito.
Meishu-Sama - De fato, nem sempre é bom falar
claramente a verdade, pois honestidade em demasia, às vezes,
traz resultados negativos. Então, dependendo do caso, mesmo a
mentira tem seu lado bom, já que ânimo e incentivo também
podem proporcionar condições para uma cura.
Ministro - Um doente hospitalizado, em estado grave,
quer receber Johrei, mas seus familiares relutam, achando que
deve continuar com o tratamento médico que vinha tendo até
então e, se preciso, até submeter-se a cirurgias. Como proceder
nesses casos?
Meishu-Sama - Quem se interna em um hospital já se
entregou a cuidados médicos e ao materialismo. Então, torna-se
difícil salvar alguém nessas condições. Além disso, há também os
familiares do doente que se mostram contrários ao Johrei, que
132
não o aceitam, que atrapalham, chegando, inclusive, a torcer
para que o doente não melhore. Esses opositores impedem a
canalização da Luz. E caso haja insistência por parte do doente
no sentido de querer receber Johrei, abre-se uma brecha para a
atuação dos jashin, que interferem e se aproveitam dessa
situação para culpar o Johrei pela morte do doente, se ela
chegar a ocorrer.
Ministro - Algumas vezes, o ministrante pressente que a
pessoa já não tem mais cura. Como se deve proceder em casos
como esse?
Meishu-Sama - Evitar a canalização do Johrei, inclusive
buscando-se criar situações para que o doente não o receba.
Alguns dos problemas relativos à perda de fé e confiança no
Johrei são criados, justamente, por pessoas que já não têm mais
condições de serem salvas.
Ministro - Vinha canalizando Johrei a um doente, mas
devido a imprevistos, precisei indicar outra pessoa para
continuar a ministrá-lo. Porém, ela se recusou terminantemente
a aceitar tal dedicação. Por que isso?
Meishu-Sama - Na verdade, essa atitude foi um alerta de
Deus para mostrar que já era hora de suspender a canalização
do Johrei para a pessoa que o vinha recebendo. Quando um
ministrante, conforme as circunstâncias, não tem a mínima
vontade ou até mesmo não quer ministrar, significa que seu
Protetor o está alertando para deixar de canalizar a Luz. Há casos
de doentes que não revelam a menor atitude de fé no Johrei,
não demonstram gratidão em aceitá-lo, e ministrante algum tem
a mínima necessidade de suportar tamanha irreverência.
Ministro - Quando vou a alguma cidade divulgar a
doutrina, é normal me fazerem muitas perguntas sobre doenças
graves, tais como, tuberculose pulmonar, degeneração óssea da
coluna vertebral, câncer de estômago, catarata, isso dentre
outras. As pessoas querem saber se esses males podem ser
curados pelo Johrei. Como devo responder a essas indagações?
Meishu-Sama - Em princípio, tudo depende do poder do
133
Johrei canalizado e também do tipo de doença - maligna ou
benigna - que a pessoa apresente. Há casos fáceis de resolver,
contudo outros já são mais complexos. Portanto, nunca se deve
afirmar categoricamente que todas as doenças podem ser
debeladas pelo Johrei. O que dá para se dizer é apenas que a
maioria delas tem cura ou apresenta melhora considerável.
Mesmo quadros bem sérios de tuberculose, caso o doente não
esteja muito debilitado, podem ser resolvidos por Johrei, até
com relativa facilidade. No entanto, nos casos em que o doente
já tomou muitos remédios, a situação torna-se bem mais
drástica, devido ao surgimento de outras purificações.
Degeneração óssea de vértebras também pode vir a ser
solucionada por Johrei, em oitenta a noventa por cento dos
casos, desde que o doente não se encontre muito enfraquecido.
Porém, esse é um processo lento, que requer paciência.
Quanto aos casos de câncer de estômago, primeiro, é
preciso constatar se, realmente, trata-se dessa doença ou se
estamos diante de um caso apenas aparente. E a veracidade de
um câncer de estômago pode ser comprovada pelo tipo de
vômito do paciente que, nesses casos, expele, normalmente,
uma gosma esbranquiçada e grudenta, semelhante a cola.
Nessas circunstâncias, a possibilidade de cura oscila entre duas a
três pessoas, considerando-se um grupo de dez. Também aqui a
recuperação do doente vai depender do grau de
enfraquecimento do corpo.
Com relação à cura de catarata, ela também ocorre, até
que com relativa rapidez, desde que não sejam usados colírios
de espécie alguma.

3.17. Socorrer quem vai falecer, para purificá-lo e encaminhar


sua família.

Ministro - Poderíamos dizer a doentes desenganados


pelos médicos que eles estão prestes a morrer? Ou seria melhor
não falar nada, até o final? Naturalmente que essa maneira de
134
agir vai depender do nível espiritual não só do enfermo, mas
também de toda a sua família. Ou ainda: o melhor mesmo seria
dizer ao doente que se agarre, até o fim, ao poder de Kannon?
Meishu-Sama - Situação complicada e difícil de definir.
Em certos casos, a atitude mais correta é dizer aos doentes que
suas chances de sobrevivência são poucas e que, por isso, devem
se entregar ao poder de Kannon. Inclusive, ao se agir desse
modo, muitas vezes até acontece de a pessoa não morrer, de o
doente acabar sobrevivendo, salvando-se. E há casos inversos,
em que muitos dos que querem viver, a todo custo, acabam
morrendo, assim de repente.
Meishu-Sama assim fez:
“Minha primeira esposa faleceu em fevereiro de 1952.
Antes de falecer, teve uma forte purificação. Um dia fui pedir a
Meishu-Sama que lhe ministrasse Johrei, e ele disse que a
levasse imediatamente. Assim fiz. Ele ministrou-lhe Johrei por
um longo período.
Durante duas semanas, reservando algum tempo no seu
dia-a-dia atarefadíssimo, Meishu-Sama ministrou Johrei em
minha esposa diariamente. No dia 9 de fevereiro, entretanto, ela
veio a falecer.
Dois dias antes, como não houvesse nenhuma melhora,
Meishu-Sama disse: "Hoje vou ministrar Johrei bastante tempo".
Ministrou durante uma hora e, em seguida, descansou um
pouco. Depois, continuou a ministrar. Assim, desde a manhã até
a tarde, minha esposa recebeu Johrei quatro vezes.
Estando às vésperas da morte, ela não tinha nenhum
apetite e respirava com grande dificuldade. Meishu-Sama,
porém, retirou de sua própria refeição uns "coquilles" de
camarão, deixando de comê-los, ofereceu-os à minha esposa
que estava prestes a morrer. Apesar da falta de apetite,
conseguiu comer tudo, dizendo com grande emoção: "Que
delícia”". Com lágrimas nos olhos, estava profundamente
emocionada e agradecida.

135
Quando terminou de ministrar-lhe o quarto Johrei,
Meishu-Sama me disse: "Tudo que era necessário purificar foi
purificado; não existe mais nada a purificar. Assim sendo, não
tenho mais nada a fazer. Agora, volte para casa, leia-lhe os
Ensinamentos e deixe o resto nas mãos de Deus."
No dia 9 minha esposa faleceu, profundamente
agradecida, repetindo inúmeras vezes: "Não há, no mundo,
ninguém tão feliz quanto eu."

3.18. Disponibilizar em quem acabou de falecer.

Pergunta: Uma pessoa sensitiva, ao tocar numa pessoa


que faleceu, momentaneamente, não conseguiu sentir nenhuma
manifestação. Pouco a pouco, começou a sentir novamente. O
que significa isso?
Meishu-Sama: Mas, o que acontece? Não há nenhuma
necessidade de tocar numa pessoa que faleceu, não é mesmo?
Não se deve tocar diretamente no morto. Deus deve tê-lo
admoestado a respeito.
Fala-se em “impureza da morte” e, naturalmente, trata-
se de uma impureza espiritual. Quando o espírito sai do corpo,
torna-se uma matéria diferente de um ser humano. Por isso,
antigamente, falava-se severamente em “impureza da morte”.
Johrei é um ato sagrado e, ao ministrar Johrei, estamos
representando Deus. Não se deve tocar no morto antes que se
dissolva a impureza da morte.
Em outra tradução se tem:
Pergunta: Algumas pessoas costumam acariciar os
mortos. No momento, não sentem nada, mas depois começam a
perceber algumas vibrações estranhas. Por que isso acontece?
Meishu-Sama: Tais sensações se manifestam devido
exatamente a esse hábito. Não tem razão, nem é bom tocar
diretamente um cadáver, pois, no momento em que o espírito
saí do corpo, surge uma mácula, uma matéria diferente daquela

136
que existe quando a pessoa estava viva. Antigamente essa
substância era chamada de impureza da morte.
É bom, então, ministrar Johrei, que por ser um ato
sagrado, queima essa mácula. O ministrante precisa, contudo,
agir apenas como um instrumento divino. Não deve, portanto,
tocar o morto sem necessidade, especialmente logo após a
morte. É claro que algumas pessoas precisam preparar o cadáver
para o velório, mas estas em geral não manifestam apego, por
isso não correm risco.

3.19. Acatar de não ministrar quando houver oposição familiar


ou policial.

Quando os seus resultados não são encorajadores, o


motivo deve repousar na postura com a qual ele foi ministrado
ou recebido. Talvez o espírito de prece esteja faltando naquele
que o ministrou. Talvez esteja sendo ministrado a uma pessoa
cuja família se opõe ao recebimento do Johrei. Então, a atuação
da Luz será mais fraca, pois a atitude de recusa, mesmo de
apenas uma pessoa, pode modificar os seus resultados. Os elos
espirituais que ligam os membros de uma família sempre são
fortes e exercem poderosa influência.”
Fala-se muito em Satanás, mas o seu alvo primordial são
os membros. Assim sendo, de vez em quando acontecem não
grandes, mas pequenos problemas dentro da Igreja. Entretanto,
o ataque de Satanás aos membros é diferente daquele feito às
pessoas da sociedade em geral. Estas realmente praticam
maldades, mas no caso dos membros é diferente. Ao serem
tomados por Satanás, os membros praticaram ações pensando
ser o bem e obtêm mal resultado. É preciso tomar cuidado com
isso. Muitas vezes, os membros se esforçam de corpo e alma,
pensando que é para o bem da Igreja. Mas, na verdade,
freqüentemente, obtêm resultado contrário.
Outro dia, aconteceu um problema, na região de Kyushu,
com uma família em que a moça morreu de uma doença, sem
137
ser submetida a tratamento médico.
A pessoa que provocou o problema foi o filho mais velho
dessa casa. A doente era uma jovem com mais de 20 anos.
Parece que o irmão mais velho denunciou o ocorrido a um jornal
da região. Analisando tais problemas acontecidos até hoje,
verifica-se que, quem geralmente os tem ocasionado são,
infalivelmente, os jovens. Não que eles os provoquem, mas os
levam em consideração. Por exemplo: quando o chefe da família
ou um dos irmãos falece, essa pessoa já era contra desde
quando se ministrava Johrei no dia-a-dia, dizendo que era
vergonhoso curar doenças com uma religião fraudulenta.
Tratando-se de uma pessoa que recebeu educação na
escola atual, não é possível impedir que pense dessa forma. Ela
formou tal pensamento através da educação materialista; por
isso, vez ou outra, se alguém da família tenta curar a doença
através da fé, não é que ela seja contra, mas fica indignada. Por
ser assim, a cura da doença também se torna difícil, pois esse
pensamento está atrapalhando.
Portanto, se na família houver uma pessoa que seja
extremamente contra, é melhor não se envolver: deve-se parar.
Como esse espírito atrapalha, o resultado é ruim.
A pessoa pensa: “Viu? Não lhes disse? Aconteceu,
justamente, o que eu havia dito.”. Não se trata de problema
comprometedor em termos jurídicos, mas parece-me que são
noticiados, freqüentemente, nos jornais regionais. Portanto, se
existir uma pessoa na família que seja excessivamente contra, é
melhor desistir.
Meishu-Sama disse explicitamente: “No momento,
minhas atividades estão suspensas, e por isso não posso fazer
tratamentos. Se quer mesmo que eu faça, obtenha a permissão
da Polícia Metropolitana e eu o atenderei a qualquer hora."

3.20. Precaver em relação à doentes com a vida comprometida.

Pergunta: Um bebê de seis meses, com o recebimento do


138
Johrei, tem tido constante febre alta e transpiração excessiva.
Surgiram erupções cutâneas por todo o corpo, parecidas com
sarna. Tem bastante ânimo e apetite; a evacuação e a sudorese
se normalizaram; mas, à noite, tem surgido febre acima de 40
graus, e ele tem transpirado muito. A mãe quer tornar-se
membro de qualquer maneira, para ela mesma ministrar-lhe
Johrei; mas, por motivos familiares, ainda não ingressou na Fé.
Como vim para a Sede Geral e não posso dar assistência religiosa
àquela criança, a mãe está muito preocupada. Principalmente
num caso como este, em que se trata de uma família não
membro, será que é melhor recusar a ministração de Johrei?
Meishu-Sama: Não é preciso recusar. Deve-se ministrá-lo.
A sudorese, por exemplo, é muito boa. Verifica-se, pelos
sintomas, que a purificação está se processando normalmente.
Na verdade, a pessoa deve tornar-se membro depois da cura da
doença. Tornar-se membro com sentimento pleno de gratidão
após sarar da doença, é o procedimento correto. Por exemplo,
há casos em que a. pessoa se torna membro antes de sarar e
vem a falecer. Quando, morre depois de tornar-se membro, as
outras irão dizer que esse tipo de religião não presta e, assim,
seremos odiados por elas. Isso acontece, principalmente, com as
doenças pulmonares, pois se tornando membro, a purificação se
intensifica ainda mais. Os doentes com problemas pulmonares
se submetem a todo tipo de tratamento médico e, só depois de
sentirem que não há mais jeito, vêm à nossa Igreja. Assim sendo,
estão com muitas toxinas de remédios acumuladas no corpo.
Então, existem casos em que, pela ministração do Johrei, surge a
purificação e, muitas vezes, acabam morrendo. Portanto,
quando se trata, principalmente, de doentes pulmonares,
devemos cuidar para que se tornem membros somente após a
cura. Apenas as pessoas, que sofrem de doenças que não
comprometem a vida, podem tornar-se membros antes mesmo
de sarar; caso contrário, só depois de eliminada a doença.
O caso, em questão, está correndo favoravelmente, por
isso, sem dúvida, haverá cura. Agindo assim, os familiares
139
também entenderão.

3.21. Refletir sobre os que estão em hospital.

Na Messiânica, o princípio da dedicação deve ser


entendido de maneira muito peculiar, pois se trata de uma
verdade fundamentada num poder impossível de ser comparado
ao das outras religiões: baseia-se na prática do Johrei, método
sem precedentes, que exerce uma espantosa ação sobre as
doenças. A maioria das pessoas, entretanto, ainda não consegue
dar-lhe crédito irrestrito. Quem já recebeu Johrei uma vez pode
entender bem o que se está dizendo a respeito dos
surpreendentes resultados da Luz de Deus no restabelecimento
de enfermos.
Na verdade, existem outros meios de impedir, pela fé, o
avanço de algumas enfermidades. São, contudo, graças advindas
indiretamente de Deus. Podem também resultar do emprego de
força mental. Ambos esses processos eram possíveis e aceitáveis
no mundo da Noite onde a Luz Divina só se manifestava até
certo grau. Agora, porém, com a chegada da Era do Dia, o poder
virá diretamente de Deus Supremo e se tornará visível, de modo
absoluto, através do Johrei. Essa verdade pode ser comprovada
pelo fato de todos os demais segmentos religiosos defenderem a
existência de hospitais, enquanto a Messiânica não precisa se
preocupar com tais instituições.
Ministro: Recentemente, recebi um pedido para ministrar
Johrei em um paciente hospitalizado e, conforme sua
orientação, penso que essa ação não seja muito eficiente.
Meishu-Sama: Realmente, o resultado é fraco e o melhor
mesmo é evitar tal procedimento. Mas em certas circunstâncias,
não há outro jeito. Portanto, em relação a pessoas
hospitalizadas, tudo vai depender de bom senso, para que se
possa perceber quando se deve ou não ministrar Johrei em casos
assim.

140
3.22. Negar a pessoa da alta sociedade que pode falecer.

Por poder causar transtornos, como proibição de


tratamento, que arriscaria dezenas de pessoas:
“Este fato ocorreu em 1940, quando fui pela primeira vez
solicitar Johrei a Meishu-Sama. Ele me olhou por algum tempo e
disse: "Você parece ser muito forte, pois continua viva, embora
seu corpo esteja carregado de toxinas. Recuso-me a ministrar-
lhe Johrei, pois você tem bastante saúde."
Não conseguindo entender direito o significado destas
palavras, perguntei: "Como o senhor diz que estou cheia de
saúde se os médicos disseram que só tenho este ano de vida por
causa de tuberculose intestinal? Eu até já cheguei a fazer
testamento!". Então ele apontou para uma xícara cheia de café e
disse: "Da mesma forma que esta xícara está cheia de café, seu
corpo está cheio de toxinas. Se eu lhe ministrar Johrei, elas
sairão do seu organismo mesmo contra a sua vontade. E, se elas
saírem, seu corpo não vai resistir. Assim, eu acho melhor deixar
do jeito que está e por esse motivo me recuso a ministrar-lhe
Johrei".
Ai eu fiz outra pergunta: "Mas por que o senhor ministra
Johrei em outras pessoas e se recusa a ministrá-lo somente em
mim?" Ele me respondeu: "Essas pessoas, além de serem do
povo, já foram desenganadas pelos médicos. Sendo assim,
mesmo que permaneçam aqui, não nos trarão nenhum
problema, enquanto que o grupo social a que a senhora
pertence poderá causar-nos muitos transtornos. Se, por acaso, a
senhora vier a falecer, será motivo para noticiário nos jornais.
Para salvar apenas uma vida, mesmo que se trate de pessoa de
alta sociedade, que goze de grande prestígio, vou ter de arriscar
a vida de dezenas de pessoas. Por isso eu me recuso a ministrar-
lhe Johrei". Mas eu insisti: "Não há perigo de que eu lhes cause
esse tipo de transtorno, pois, já fui desenganada pelos médicos e
até já chegue a fazer testamento".

141
Diante disso, Meishu-Sama cedeu e eu comecei a
freqüentar todos os dias a sua casa para receber Johrei.”

3.23. Dar a quem menos entende e desistir daquele que não


desperta após receber setenta vezes.

Em 13 de abril de 1950, Meishu-Sama numa entrevista


com um interlocutor.
Pergunta: Com o aumento da intensidade do elemento
fogo, tornou-se notório o processo de cura; por outro lado,
estou ciente de que, quando tem início a dissolução de toxinas
nas pessoas que as possuem em grande quantidade, a maioria
poderá vir a falecer. Nesse caso, quando a pessoa tem
compreensão do Caminho, não há problema; mas, quando ainda
não a tem, acho que é melhor deixá-la de lado. O que o senhor
acha?
Meishu-Sama: Não se deve ter pensamento desse tipo.
Em primeiro lugar, não é preciso salvar as pessoas que já
possuem compreensão. Quanto menos a pessoa entender,
maior é a necessidade de salvá-la. A salvação é isso, não acha?
Por esta razão, é preciso ministrar mais Johrei nas pessoas que
menos entendem.
Porém, quando orientava os que davam assistência
religiosa:
“Um ser humano que não desperta para o sentimento
religioso, mesmo depois de receber Johrei por setenta vezes, é
melhor desistir. Por mais que lhe ministre nada adiantará.
Ninguém precisa ter sentimento religioso, desde o início, mas
nesse período em que lá esteve tantas vezes acredito que tenha
lhe falado sobre Deus. Mesmo assim, fazendo tudo isso, esses
esforços eram inúteis; é algo irreverente para com Deus. Por isso
é melhor parar.”
“Quando o recebedor de Johrei não estiver em condição
de ser salvo, é difícil a penetração da Luz.”

142
3.24. Pedir a qualquer hora, desde que equilibradamente.

Ministro - Pode-se ministrar Johrei, uma vez ao dia, em


recém-nascidos?
Meishu-Sama - Pode, quantas vezes quisermos. Não
existe Johrei em demasia.
Duração e número de vezes dependem do estado da
pessoa:
“Na casa de Meishu-Sama, entre homens e mulheres,
havia sempre quatorze ou quinze dedicantes que junto a ele,
serviam na Obra Divina de diversas formas.
Meishu-Sama começava a trabalhar muito cedo, só
terminando às duas horas da madrugada; nesse espaço de
tempo, as pessoas que o serviam tinham que trabalhar
arduamente, num ritmo intenso. Assim sendo, algumas
recebiam purificações.
Todos os dias, numa hora pré-estabelecida, Meishu-Sama
ministrava Johrei nos dedicantes que estivessem purificando e
que, por meio do encarregado, tivessem feito a solicitação
antecipadamente. Esses pedidos geralmente eram feitos pelo
encarregado durante a primeira refeição da manhã. Se ele dizia a
Meishu-Sama: "Fulano encontra-se em tais condições. Por isso
solicito ao senhor que lhe ministre Johrei hoje", ás dezessete
horas essa pessoa podia ir receber Johrei. (isso ocorria, mais ou
menos em 1953).
Observando o estado da pessoa, se a purificação era
pequena Meishu-Sama lhe ministrava Johrei rapidamente, em
dois ou três minutos. Entretanto, ouvi dizer que nas pessoas que
se encontravam em estado grave, ou naquelas cujo sofrimento
era intenso, Meishu-Sama ministrava Johrei durante longo
tempo. Parecia, portanto, que a duração do Johrei dependia do
estado das pessoas.
Havia dedicantes que, embora estivessem em
purificação, não se apercebiam disso. Muitas vezes, notando o
estado de algumas delas, de manhã, na hora do cumprimento
143
diário, Meishu-Sama lhes dizia: "Você está com fisionomia
abatida. Como se sente?" Parece que nessa tarde, ministrava-
lhes Johrei.
Segundo também ouvi dizer, estava determinado que,
quando alguém se sentisse mal, deveria solicitar Johrei a
qualquer hora; tratando-se de um mal súbito, podia-se fazer a
solicitação mesmo que Meishu-Sama estivesse em pleno serviço
Assim, nos casos em que não se podia deixar a pessoa sem
receber Johrei, Meishu-Sama tirava alguns minutos do seu
tempo, especialmente, para ministrá-lo. Parece que algumas
pessoas chegaram a recebê-lo três vezes por dia -- de manhã, à
tarde e à noite - não obstante a sobrecarga de tarefas de
Meishu-Sama.”
O não pedir por não acostumar-se ou por não querer
importunar:
“Foi ainda no início, nos primórdios da nossa Igreja. Nós,
que estávamos a serviço de Meishu-Sama, recebíamos Johrei
dele diariamente. Por mais atarefado que se encontrasse, ele
nunca se esquecia de nos ministrar Johrei; assim que tinha uma
folga, mandava nos chamar. Com o tempo, entretanto,
começamos a nos acostumar com isso e, como estávamos
sempre perto dele, por qualquer pequena purificação íamos
solicitar-lhe Johrei.
Certo dia, fomos chamados à presença de Meishu-Sama,
que nos repreendeu: "A todos vocês foi entregue a famosa
espada do Sr. Massamune. Fazer com que ela reluza ou fique
embaçada depende exclusivamente do pensamento de cada um
de vocês."
Com isso, todos nós, sentindo um repentino acanhamento,
durante quatro ou cinco dias não ousamos solicitar-lhe Johrei.
Então fomos novamente chamados à sua presença. Quando nos
apresentamos, ele nos disse: "Vocês parecem um balanço; não
têm consciência daquilo que se chama meio-termo". Assim
dizendo, ministrou-nos Johrei.”

144
3.25. Receber se não estiver purificando é desnecessário.

Purificar pela virtude em vez de sofrimento, em vez da


via pela verdade:
“Quando a pessoa não tem febre ou dor alguma, não é
preciso receber Johrei. Receber Johrei quando está tendo algum
problema é bom, mas quando não tiver, não há necessidade
alguma de provocar a purificação, pois apenas causa mais
trabalho, e isso não é correto.”
Interlocutor: Fomos orientados que devemos ministrar
Johrei somente quando a pessoa estiver purificando. Mas, o que
o senhor acha de recebermos Johrei para obter a purificação?
Meishu-Sama: Não há necessidade disso, pois, se
ministrarmos Johrei quando a pessoa não está purificando,
teremos muito trabalho. Ao invés disso, se quiserem fazer com
que sejam purificados, somem méritos através da fé, pois assim
o espírito irá purificar-se e a purificação natural surgirá. Essa é a
fé correta.

3.26. Aplicar não só quando se está em unidade religiosa.

“Quando Meishu-Sama residia em Tamagawa


freqüentemente ia ao Cine Hibiya-Eiga-Guekijo e, às vezes, eu o
acompanhava. Encontrávamo-nos na estação de Shibuya eki e
tomávamos o trem da ferrovia federal. Como ele andava muito
depressa eu lhe disse "O senhor anda tão rápido!" Então, ele me
respondeu: "Quando eu passo, as pessoas desviam."
Certa vez, assim que entramos no teatro, perdi Meishu-
Sama de vista. Observando, notei que ele estava acomodado na
sétima fila. Ele disse animado; "O meu lugar está sempre livre!"
Ao tomar o trem, Meishu-Sama entrava e se acomodava
rapidamente. Quando havia ao seu lado um espaço de mais ou
menos 10 cm, me dizia:” Sente-se aqui". Se eu respondia: “É
impossível", Ele pedia licença ao vizinho e me fazia sentar.

145
Certo dia, mesmo numa posição incômoda Meishu-Sama
ministrou Johrei nos meus quadris e me disse calorosamente:
“Seus quadris estão purificando bastante.".
Sou uma pessoa realmente muito atrevida, pois apenas
agradeci, dizendo: “Muito obrigado", e desci rapidamente do
trem.”

3.27. Canalizar com apenas uma das mãos, porém poder


receber simultaneamente de muitos.

Ministro - A Luz pode ser canalizada, ao mesmo tempo,


com as duas mãos?
Meishu-Sama - O ato de se ministrar Johrei com uma das
mãos ajuda na concentração da Luz, que assim se torna mais
forte, e daí a importância de se usar só uma das mãos a cada
vez.
Interlocutor: Desejo receber orientação a respeito do
Johrei. Outro dia, fomos orientados que a regra era ministrar de
pessoa para pessoa, individualmente.
Meishu-Sama: Naquela ocasião, sim.
Interlocutor: Quando alguém se encontra em purificação
muito severa, por que várias pessoas têm ministrado Johrei
juntas?
Meishu-Sama: Como o tempo avança não se deve
permanecer sempre igual. Muda-se de acordo com o tempo. É
bom que se proceda com o método adequado à ocasião. Não é
preciso estabelecer assim tão rigorosamente. Pode ser de
acordo com as circunstâncias.

3.28. Fazer oração e Johrei ao mesmo tempo às vezes é preciso.

Pergunta: Há pessoas que rezam, enquanto estão


ministrando Johrei. É correto?
Meishu-Sama: Não é uma atitude certa. Quem age assim,
está se colocando na posição de Deus. O ministrante nunca deve
146
esquecer de que é apenas instrumento para a canalização da
Luz.
Pergunta: No momento do Johrei, temos o sentimento de
orar a Deus: - “gostaria que esta pessoa se restabelecesse o
quanto antes”, mas será que devemos conter esse sentimento?
Meishu-Sama: Não é necessário se conter. Alguém disse
que se deve conter? Então, trata-se de um equívoco. É normal
que se tenha o sentimento de orar e pedir a Deus.
Principalmente, em caso de emergência será bom dizer:
“Meishu-Sama, solicitamos a sua proteção”. Nesse momento,
estarei representando Deus. Mas, se assim fizer, quando não
houver necessidade, será inoportuno.
Pergunta: Devemos rezar “Amatsu Norito” antes do
Johrei?
Meishu-Sama: Depende do momento. Quando houver
muitas pessoas esperando, não precisa rezar, devido ao tempo
que deve ser aproveitado para ministrar Johrei. Se tiver sentindo
muita necessidade, rezar somente a última parte: “Kan nagara
tamati hae masse”, ou pedir silenciosamente a proteção de
Deus.
Pergunta: Em casos de manifestação de espírito animal,
tem que ser feito um pedido a Kakuriyo-no-Ookami?
Orientação: Não é necessário. Não tem sentido. Se for
um espírito humano, aí, sim, é significativo fazer um pedido a
Ele.
Pergunta: Havendo manifestação de um espírito, como
proceder em relação ao Johrei?
Orientação: Quando for um espírito animal, rezar
“Amatsu Norito”. Se o Johrei estiver sendo ministrado no
Templo, a prece deve ser feita diante do altar. Assim terá o
efeito de uma “bomba” de Luz lançada contra esse espírito
negativo.
Em se tratando, porém, de antepassado, é melhor rezar
“Zenguen Sanji”, por ser uma oração mais suave.

147
3.29 Pedir para queimar quando tiver sensação de absorver as
máculas do outro.

Pergunta: Por que há pessoas que, ao receberem Johrei,


não bocejam; mas, quando ministram em alguém, começam a
bocejar?
Meishu-Sama: É estranho. Normalmente quem recebe é
que boceja. Acho que a pergunta não está bem formulada.
Pergunta: Não senhor, é assim mesmo que acontece.
Meishu-Sama: Ah! Então esse ministrante pertence à
linha lunar, dominada pela água; por isso recebe do paciente o
mal. É como se a água tivesse ficado turva.
Pergunta: Nestes casos, a pessoa que recebe esse mal,
não está se prejudicando?
Meishu-Sama: Se for só o bocejo, não tem tanta
influência; mas alguma coisa mais pesada, pode prejudicá-la.
Pergunta: Há alguma explicação científica para esse
fenômeno?
Meishu-Sama: A linha lunar limpa pela água. Assim a
doença do outro passa para quem a trata e, por isso, fica
também impregnado de máculas. É mais ou menos semelhante
ao que acontece quando você lava roupa.
Pergunta: Há ministrantes que dizem sentir, no próprio
corpo, dores nos mesmos locais onde elas se manifestam nos
pacientes, na hora em que estão canalizando Johrei. É possível?
Meishu-Sama: Primeiramente é preciso saber que entre
os seres humanos existem duas linhas espirituais. Assim há um
grupo que pertence à linha lunar, dominada pela água. Esta
normalmente fica turva quando usada para limpar alguma
impureza. Então, as pessoas pertencentes a esse grupo podem
refletir o mal do paciente. Já o outro faz parte da linha solar,
dominada pelo fogo, que trabalha queimando. E quanto maiores
forem as queimas, mais potencialidade terá o fogo. Neste caso,
o mal do paciente nunca será refletido no ministrante.
Um exemplo interessante é o do fundador de uma
148
religião chamada P.L. (Perfect Liberty). Ele tratava as doenças
pela água, aceitando as enfermidades dos membros, para depois
pedir a Deus a eliminação das máculas. Era um trabalho
desgastante. Por isso, à medida que foram aumentando os
adeptos da P.L., ele precisou preparar dezenas de outros
auxiliares para que não sucumbisse ao peso de tantos
problemas.
Esse fato é também muito comum em outras doutrinas
quando, muitas vezes, os dirigentes não agüentam a carga e
começam a sofrer muitos infortúnios.
Então é importante que quem ministre Johrei e tem essas
sensações, faça oração a Deus, pedindo que essas máculas sejam
queimadas para não permanecerem no seu corpo.

3.30. Possibilitar sensações e reações.

Ministro - Dependendo da pessoa para quem canalizo


Johrei, sinto calor na palma da mão, em outras percebo onde se
encontra o problema, mas, às vezes, não sinto nada.
Meishu-Sama - O bom mesmo é sentir calor na palma da
mão, mas se ela permanecer fria, isso é sinal de que o
ministrante pertence à linha da Lua. Porém, com o tempo, à
medida que for se aprimorando na Arte do Johrei, começará a
sentir calor, porque a atuação do Espírito do Fogo vai se
intensificar.
Os que possuem um sexto sentido aguçado têm
sensibilidade nas mãos e, por isso, detectam, com facilidade, os
locais do corpo afetados por algum problema, habilidade que
pode ser desenvolvida através de aprimoramento. Eu, por
exemplo, quando ministro Johrei a várias pessoas diferentes,
não sinto a menor necessidade de saber onde o doente
apresenta algum distúrbio e, por isso, nem me preocupo com
esse assunto.
Ministro - Ao ministrarem Johrei, algumas pessoas
sentem frio na palma da mão. Por quê?
149
Meishu-Sama - Na verdade, deveriam sentir calor
sempre, mas são pessoas que pertencem à linha lunar. Até
agora, as curas se deram através do Espírito da Lua, e daí a
sensação de frio causada ainda pela conservação de alguns
resquícios dessa forma de tratamento, os quais, inclusive,
podem ser decorrentes de outras encarnações da pessoa,
motivo que esclarece por que elas ainda conservam a tendência
em absorver doenças ou sofrimentos alheios.
Ministro - Atualmente, ao ministrar Johrei, sinto muito
frio, mas antes, a sensação que eu tinha era de um intenso calor.
Por que isso está acontecendo comigo agora?
Meishu-Sama - Realmente, sua situação é exatamente o
inverso da que deveria ocorrer, já que o certo mesmo seria seu
corpo esquentar, cada vez mais. Esse fenômeno origina-se do
fato de você possuir grandes concentrações de toxinas e,
quando ministramos Johrei, dependendo da espécie de veneno
que acumulamos, sentimos frio ou calor. Portanto, tudo está
relacionado ao tipo de toxina que você possui, mas à medida
que for canalizando a Luz, seu corpo passará a esquentar
bastante.
Ministro - Quando estou ministrando Johrei, às vezes
bocejo, outras vezes arroto ou minha barriga fica fazendo ruídos.
Meishu-Sama - Isso ocorre, porque a Luz, antes de atingir
quem a está recebendo, ultrapassa o corpo do ministrante, que
assim vai sendo purificado também.
Ministro - Depois de ter ministrado Johrei, após uns dois
ou três dias, sinto vontade de vomitar. Por quê?
Meishu-Sama - Esse é um fato excelente, que mostra que
você está eliminando impurezas.
Ministro - Ao receberem Johrei, algumas pessoas sentem
calor ou tremores no corpo. Por quê?
Meishu-Sama - São várias as causas, mas quem sofre a
influência da Água sente a ação desse fenômeno, porque o
Espírito do Fogo, ao cruzar com o da Água, gera aumento de
calor.
150
Outra ocorrência comum é o surgimento de algum
obstáculo ou de uma perturbação espiritual visando a impedir a
canalização da Luz. Nessas circunstâncias, um espírito negativo
encosta no ministrante ou em quem está recebendo o Johrei,
procurando desviar um ou outro de seu objetivo, e é nessa hora
que, muitas vezes, surge a vontade de conversar ou de
interromper o Johrei, ou ainda, no caso do receptor, de não
querer mais continuar a recebê-lo. É também nesse momento
que a intensidade do Espírito do Fogo diminui, fazendo com que
o calor desapareça. Então, para se evitar qualquer transtorno, o
ideal mesmo é ministrar Johrei em estado de absoluta
concentração.
Ministro - Ao ministrarem Johrei, há pessoas que sentem
calor - especialmente nas mãos - e logo descobrem qual é o
lugar afetado por algum problema. Outras já não têm esse
mesmo dom. Também há aquelas mais sensíveis que, após
terem tocado em mortos, deixam de sentir calor nas mãos por
um período de uns dez dias, mas que depois, pouco a pouco,
acabam readquirindo a sensibilidade. Por que isso ocorre?
Meishu-Sama - O certo mesmo é sentir calor, caso
contrário, ou seja, se a sensação sentida for de frio, isso é sinal
de que a pessoa pertence à linha espiritual da Lua. Há ainda
aqueles que possuem um sexto sentido bastante aguçado e,
nesses casos, tais pessoas também mostram ter bastante
sensibilidade nas mãos.
Mas esforçando-se no sentido da busca por um
aprimoramento contínuo e cada vez mais profundo, todos serão
capazes de atingir certo nível de sensibilidade nas mãos.
Contudo, os que ministram Johrei em muitas pessoas, uma
depois da outra, nem precisam se preocupar com essa sensação,
porque isso é um processo cansativo que, inclusive, requer certo
esforço. Eu mesmo jamais procuro ativar esse fenômeno, pois já
sei, de antemão, que minhas mãos irradiam muita Luz.
Com referência ao toque em mortos, desde a
Antigüidade, sabe-se que as máculas de quem falece
151
permanecem em seu cadáver. Então, quando alguém toca em
um cadáver, absorve tais impurezas, que acabam bloqueando a
sensibilidade de suas mãos, sensibilidade essa que só virá a ser
recuperada, após essa pessoa eliminar do próprio corpo todas as
impurezas que absorveu. E esse período de eliminação demora
alguns dias para se completar, e foi justamente por isso que
Deus avisou para não se tocar em mortos.
Ministro - Ao ministrarem Johrei, algumas pessoas
sentem cansaço, o coração acelerado ou ainda chegam a
perceber, como algo estranho e angustiante, o sofrimento
daquele que está recebendo.
Meishu-Sama - Isso, realmente, pode chegar a acontecer
e trata-se do encosto de um espírito trazido pelo receptor do
Johrei, que acaba passando para o ministrante, naquele
momento.
Ministro - Às vezes, estou ministrando Johrei e sinto
sono. Por quê?
Meishu-Sama - Não precisa se preocupar, porque o
importante mesmo é manter-se calmo, sem se irritar. Os casos
de sono, normalmente, ocorrem quando aquele que recebe o
Johrei está com um espírito encostado que não está gostando da
ação da Luz Divina, o que o leva a tentar fazer com que tanto o
ministrante quanto o receptor durmam.
Ministro - Dependendo de quem ministra o Johrei, quem
o está recebendo sente uma diferença de vibração. Por quê?
Meishu-Sama - De fato, é grande a diferença de vibração,
dependendo de quem ministra o Johrei, fato que se relaciona à
ligação espiritual entre receptor e ministrante e também ao
soonen de ambos que, por sua vez, devem procurar manter o
coração, o pensamento e a vontade centrados no poder da Luz
que está sendo canalizada para a salvação de alguém.
Também se pode notar a diferença vibratória existente
entre um ministrante novo e um mais antigo, inclusive, ainda há
mais um ponto a ser levado em consideração: a fé do
ministrante. Portanto, são vários os fatores que podem
152
determinar diferenças na vibração do Johrei. Então, a atitude
mais correta consiste em nunca se procurar definições, já que,
de repente, tudo pode mudar, ou seja, um soonen bom pode vir
a se transformar em negativo, uma fé bem firme pode sofrer um
abalo, ou ainda a possibilidade de haver queda no nível
espiritual de um membro antigo.
Ministro - Dentre os que recebem Johrei, alguns são
muito sensíveis, mas outros, não. Por quê?
Meishu-Sama - O ser humano já nasce com essa
característica de maior ou menor sensibilidade. Esse é um
atributo que varia de pessoa para pessoa, sendo que umas são
mais sensíveis que outras não só no que diz respeito ao Johrei,
mas também no tocante a quaisquer outros fatos singulares.
Mas em qualquer circunstância, o que deve, mesmo, ser
levado em conta é a sensibilidade aliada à fortaleza de espírito.
Contudo, um corpo enfraquecido, geralmente, fica mais sensível.
Também não se pode deixar de considerar a força da fé de uma
pessoa, nem o baixo ou o alto nível de sua alma.
Ministro - Uma moça de dezenove anos sente muito frio
e, quando recebe Johrei, essa sensação intensifica-se ainda mais,
a ponto de ela chegar a tremer. Suas mãos e pés estão sempre
gelados e, além disso, suas mãos são meladas e gordurosas.
Meishu-Sama - Esse frio é conseqüência da febre da
purificação e, com certeza, falta ao ministrante força suficiente
para canalizar um Johrei mais forte, capaz de, rapidamente,
dissolver as toxinas e resolver, de uma vez, o problema da moça.
Por isso é bom que ela receba a Luz através de ministrantes
relativamente antigos, com mais experiência na Arte do Johrei.
Ministro - Quando recebo Johrei, se alguém tocar meu
cabelo, sinto que ele estala de forma semelhante a uma
descarga elétrica.
Meishu-Sama - Você tem muita sensibilidade no cabelo e,
por isso, percebe o espírito de quem toca nele, mas isso também
pode ser uma conseqüência de suas próprias toxinas.
Normalmente, quando alguma espécie de remédio fica
153
acumulada no couro cabeludo, a pessoa sente dores nesse local,
o que quer dizer que as toxinas já se encontram na superfície e
que estão prestes a sair.
Ministro - Quando ministro Johrei em minha nora, não
acontece nada, mas quando se trata do meu filho, bocejo muito.
Meishu-Sama - O bocejo é muito bom e indica que as
impurezas espirituais estão saindo. No caso específico que você
citou, as máculas pertencem ao ministrante, que está sendo
purificado através do elo espiritual que o liga ao filho.
Ministro - Às vezes, quem está recebendo Johrei tem
acessos de tosse ou, de repente, começa a apresentar febre e a
sentir calafrios. Em outras ocasiões, contudo, sente alívio
imediato. Por quê?
Meishu-Sama - Há muitos pontos que devem ficar bem
claros a respeito desse assunto. Quando uma pessoa está
recebendo Johrei, é natural que toxinas comecem a ser
dissolvidas de imediato, principalmente as que se acumularam
na cabeça. Mas uma vez liquefeitas, entram no pulmão, e daí são
eliminadas. Porém, no caso de ainda estarem um pouco duras,
surge uma tosse bem forte como um recurso para ajudar no
processo de eliminação. Mas caso as toxinas já estejam bem
dissolvidas, a tosse será branda ou nem sequer chegará a
ocorrer.
Outra situação a ser considerada é a Purificação
Espontânea Equilibrada - processo que ocorre no corpo, por
correspondência, exatamente no local oposto àquele que,
anteriormente, sofreu a dissolução de alguma toxina: Também
pode chegar a provocar tosse bem forte, em conseqüência da
força vital de quem está purificando. E dissolvidas essas toxinas,
a outra parte do corpo correspondente à última que foi
purificada vai também sofrer o mesmo processo de limpeza, e
assim sucessivamente, até que o corpo inteiro se recupere.
Mas é bom que fique bem claro que a causa mais
freqüente de tosses encontra-se na cabeça, fato difícil de ser
entendido. Mas elas também podem se originar de toxinas que
154
se acumularam nas gengivas ou até mesmo em outras partes do
corpo. Para a medicina, entretanto, a causa das tosses advém de
problemas na garganta. Mas, na realidade, o que ocorre é
exatamente o inverso: surge a tosse, justamente porque a
garganta está em boas condições.

3.31 Enfraquecer encosto.

Ministro - Gostaria de saber o que um espírito sofrido ou


negativo está buscando e por que ele encosta?
Meishu-Sama - O encosto do Espírito do Mal é
semelhante a uma bactéria: só se aproxima das nuvens do corpo
espiritual. Então, num corpo purificado, livre de máculas,
nenhum deles consegue entrar.
Ministro - Como se resolver esse problema de encosto?
Meishu-Sama - Irradiando Luz através da palma da mão.
Além disso, pelo soonen, o ministrante deve fazer a Luz que está
sendo canalizada atingir o espírito encostado. Dessa forma, ele
enfraquece.

3.32. Proporcionar conflito com tratamento médico.

Ministro - Atualmente, vem crescendo o número de


pacientes que apresentam febre alta contínua com duração de,
mais ou menos, umas duas a três semanas. Quando o médico é
consultado, diz ser desconhecida a causa da febre, mas tanto o
paciente quanto sua família continuam buscando ajuda médica,
pois não conseguem mais suportar essa purificação. Gostaria de
uma orientação sua no sentido de como devo agir em casos
assim.
Outra pergunta: deve-se continuar canalizando Johrei a
pessoas que estão em pleno tratamento médico? Às vezes,
ocorre de alguns ministrantes se recusarem a transmitir a Luz
para quem está tomando remédios, justamente por terem
conhecimento de que, nessas circunstâncias, as toxinas estão
155
sendo solidificadas. Pode-se ou não fazer tratamento médico e
receber Johrei, ao mesmo tempo?
Meishu-Sama - Resposta à sua primeira pergunta: os
médicos, muitas vezes, dizem que a causa da febre é
desconhecida, mas é inegável que ela existe. Então, se o Johrei
for ministrado em alguns pontos específicos onde se possa
detectar a existência de febre, os quais correspondem,
justamente, ao ponto focal, ocorrerá a cura, infalivelmente. E
caso ela não aconteça, isso é sinal de que o ponto focal ainda
não foi detectado.
Também se deve considerar o seguinte: quando não se
obtém a cura por meio do Johrei, a responsabilidade cabe ao
Ministro, pois é seu dever orientar devidamente os ministrantes
ou ele mesmo passar a canalizar o Johrei.
Resposta à sua segunda pergunta: durante a Era da Noite,
o método utilizado para se curar doenças era o da solidificação
das toxinas, sendo que isso ocorria, porque o Espírito da Água
era mais forte que o do Fogo, nesse período.
O próprio Kannon, que nessa época se manifestava como
Yakushi Nyorai [Yakushi (Yaku = remédio; shi = mestre) e Nyorai (
= iluminado)], valia-se de remédios para ajudar na cura de
doenças. Sakyamuni - fundador do budismo - deixou também
como um de seus legados um sutra sobre ervas medicinais.
Então, diante desses fatos, fica complicado compreender,
assim de imediato, o que Kannon está nos ensinando agora,
quando, de repente, afirma que os remédios fazem mal e que é
preciso haver a dissolução de toxinas. Mas para
compreendermos claramente essa aparente contradição, torna-
se necessário ter em mente que, neste momento, os tempos são
outros, porque já nos encontramos em pleno limiar da Era do
Dia - período em que os métodos de cura vêm passando por
uma mudança de cento e oitenta graus.
Ministro - De acordo com sua orientação, seria melhor
parar de ministrar Johrei em doentes que estão tomando
remédios. Por outro lado, quando os aconselhamos a abandonar
156
a medicação, eles ficam muito confusos. Como devemos
proceder, então?
Meishu-Sama - De fato, esse é um problema de difícil
solução, já que, normalmente, não surte o menor efeito
ministrar Johrei em quem toma remédios, porque são métodos
que se opõem um ao outro: o Johrei dissolve as toxinas,
enquanto que os remédios as solidificam, e é daí que surge o
conflito.
No entanto, obtêm-se resultados extraordinariamente
satisfatórios quando a Luz é canalizada para aqueles que já
fizeram de tudo para obter cura através de remédios, mas que
não melhoraram nada com isso. Inclusive, devem-se considerar
os casos em que alguns pacientes chegaram a ser desenganados
por médicos. Nessas situações, torna-se bem fácil, pelo Johrei,
debelar-se todo o sofrimento causado pelas doenças. Mas em
circunstâncias opostas a essa, é bom levar em consideração o
estado em que o paciente se encontra e agir com discernimento.
Nunca se deve esquecer também que os jashin estão
sempre na mira dos messiânicos, especialmente no que se refere
à medicina, e daí a razão de se precisar ter bom senso nesse
ponto.

3.33. Esclarecer Dúvidas - Perguntas de Mamehito e respostas


de Meishu-Sama.

Ministro - Para quem se encontra longe, é possível


ministrar-se Johrei em uma foto ou em um nome escrito em
papel?
Meishu-Sama - Sim, embora o efeito, nesses casos, não
seja assim tão grande. A pessoa está ligada à foto pelo elo
espiritual. Então, por meio dele, pode-se transmitir Luz a alguém
que se encontre distante.
Um outro ponto importante com relação a fotografias é
que, após a morte de quem foi fotografado, suas fotos ficam
meio apagadas, devido ao fato do elo espiritual ter sido cortado.
157
Porém, em fotos de santos ou de iluminados, desde que sejam
reverenciados com muita devoção, nota-se a continuidade da
atuação do espírito. Assim, quanto maior o número daqueles
que as cultuarem com bastante fé, mais a imagem tornar-se-á
nítida. A recíproca também é verdadeira: cessados os atos de
reverência, as fotos tomam-se embaçadas.
Antigamente, eu costumava tratar de doentes à
distância, desenhando um corpo humano e escrevendo sobre ele
o nome da pessoa.
Ministro - Há possibilidades de salvar alguém que morreu
na guerra, ministrando-se Johrei em sua foto?
Meishu-Sama - Surte algum efeito, mas o melhor mesmo
para salvar o espírito, nesses casos, é rezar a Oração Amatsu
Norito.
Ministro - O que é ser kakusha?
Meishu-Sama - Quanto mais elevado se encontrar o
yukon do ministrante no Mundo Espiritual, maiores serão os
resultados de cura que obterá, ao ministrar Johrei. Na verdade,
quem ministra Johrei precisa, constantemente, procurar
aprimorar a sabedoria (tie), para chegar a se tornar kakusha
(despertado). E à medida que progredir mais e mais em
sabedoria, poderá elevar a alma a um nível espiritual bem alto,
encontrando, então, as mais favoráveis condições para que
possa resolver problemas de doenças, com relativa facilidade.
Ministro - Gostaria de receber sua orientação sobre força
do Johrei e satori.
Meishu-Sama - A força do Johrei aumenta quanto mais
elevado for o yukon do ministrante, o que o leva, inclusive, a
conseguir curar muito mais. Por isso, ele precisa se tornar uma
pessoa despertada - aquela que o budismo denomina kakusha.
Mas para atingir esse nível, é necessário que cada membro
desenvolva e aprimore a sabedoria, especialmente no que diz
respeito à causa das doenças. Com isso, todos terão muito mais
facilidade em descobrir o ponto focal de um problema e saber o
porquê do sofrimento de alguém. Conclusão: constantemente,
158
quem ascende a um nível superior no Mundo Espiritual tem
muito mais condições de compreender o motivo dos sofrimentos
humanos. Portanto, é fundamental que se busque primeiro, o
aprimoramento da parte espiritual para, só depois, se dedicar à
Arte do Johrei.
Ministro - Gostaria que o senhor nos explicasse, mais
uma vez, a relação entre doença e cabelos.
Meishu-Sama - De modo geral, todos os doentes têm
cabelos finos, e a verdade é que possuem muitas toxinas na
cabeça. Isso também se dá com aqueles que passaram por uma
tuberculose demorada. Inclusive, os cabelos de algumas pessoas
que estão prestes a morrer chegam a cair completamente, mas
tratando-se de mulheres, é mais comum pararem de menstruar.
E é evidente que a falta de menstruação sempre é um indicativo
de enfraquecimento da saúde.
Outro ponto importante a ser considerado são os
ombros. Toda vez em que se for avaliar o estado de saúde de
alguém, eles deverão ser examinados, antes de qualquer coisa.
Se estiverem duros, mesmo que a pessoa aparente boa saúde,
isso é sinal de que poderá morrer cedo, porque qualquer toxina
solidificada nos ombros debilita o corpo todo, e por isso é que
sempre alerto que pessoas com ombros duros correm perigo de
vida.
Por outro lado, os que obtiveram sucesso profissional
têm ombros moles - característica da presença de grande
vitalidade. É também muito mais fácil obter-se a cura de doentes
com ombros moles. Concluindo: para se conhecer o estado de
saúde de alguém, basta examinarmos seus ombros.
Ministro - Há pessoas que possuem cabelos macios, mas
outras, não. Esse fato tem alguma relação com personalidade?
Meishu-Sama - Não só com a personalidade, mas
também com a saúde da pessoa. Cabelos resistentes, duros
indicam boa disposição geral e, no caso de serem finos, isso é
sinal de alguma debilidade orgânica.
No tocante a modo de agir, cabelos macios são
159
indicativos de pessoas com caráter brando, ao passo que cabelos
mais duros revelam personalidades marcantes, firmes e
irredutíveis.
Também é importante saber que os cabelos podem
sofrer alterações, ora ficando macios, ora mais resistentes.
Inclusive, ouve-se dizer que cabelos duros embranquecem com
mais rapidez.
Ministro - Em certas pessoas, os fios de cabelo
apresentam-se com pontas duplas ou até mesmo com pontas
múltiplas?
Meishu-Sama - É uma característica natural dos cabelos
de quem possui muita energia vital. Há pessoas que até chegam
a ter fios que terminam em cinco ou seis ramificações.
Ministro - Qual é o ponto focal das doenças espirituais?
Meishu-Sama - Em qualquer caso de doenças espirituais,
o Johrei deverá ser ministrado na testa. No entanto, há situações
em que o ponto focal vai mudando de posição, deslocando-se de
acordo com o estado em que se encontra o espírito encostado
que, muitas vezes, ao perceber a presença da Luz, começa a
fugir, mudando de lugar no próprio corpo da pessoa. Então,
nessas circunstâncias, o Johrei deverá ser ministrado sempre no
local onde houver manifestação de dor. Há casos em que, no
lugar de dor, a sensação que se tem é de mordidas ou até de
agulhadas. Mas o que importa saber mesmo é que em doenças
psíquicas, na epilepsia e nas paralisias infantis de ordem
espiritual é de suma importância purificar-se a cabeça.
Outro conhecimento necessário nesse aspecto relaciona-
se ao encosto: algumas vezes, o espírito negativo domina
integralmente o corpo da pessoa, mas em outras, o faz apenas
de modo parcial. A sensação de frio nas costas também é um
sintoma marcante nesses casos. E quando se trata do encosto de
um espírito recentemente separado do corpo físico pela morte,
a impressão que se tem assemelha-se a água gelada jogada nas
costas. Daí ser mais importante e necessário ministrar-se Johrei
nas costas, sem que se dispense, é claro, a cabeça e também o
160
peito - por ser a parte do tronco onde se encontram os pulmões
e o coração. Ao se agir assim, o encosto será afastado, com
facilidade.
Ministro - Como acalmar um espírito que se manifesta?
Meishu-Sama - Através do Johrei. E, ao canalizarmos a
Luz, também é possível distinguirmos se a purificação é física ou
espiritual. Inclusive, há casos em que a pessoa apresenta tanto a
parte física quanto a espiritual afetadas. De qualquer modo, para
se perceber situações como essa, é necessário estudo. Não
havendo evolução em nosso conhecimento espiritual, não temos
condições de reconhecer, assim de imediato, o problema.
Portanto, tudo depende de experiência e aprimoramento.
Ministro - Em que situações se tornam necessário rezar
Amatsu Norito, antes de se ministrar Johrei?
Meishu-Sama - Normalmente, não há necessidade, mas
tratando-se de problemas espirituais, primeiro, deve-se rezar, e
só depois ministrar Johrei. Nesses casos, a oração Amatsu Norito
tem um forte poder de atuação, principalmente se a
manifestação for de espírito animal. Contudo, caso seja de um
espírito humano, é mais recomendável que se reze Zenguen
Sanji.
Ministro - Por ocasião do Johrei, ao se desejar que um
doente se restabeleça rapidamente, é bom ou não pedirmos a
cura da pessoa a Deus e, ao mesmo tempo, rezarmos Amatsu
Norito?
Meishu-Sama - A prece pode ser feita e você não precisa
bloquear a sua vontade de rezar. É correto manifestar esse
sentimento ao se ministrar Johrei, desde que ele seja feito antes
do início da canalização da Luz. Em casos comuns, entretanto, é
desnecessário, mas em situações de perigo iminente ou até nos
casos em que você não esteja conseguindo aliviar o sofrimento
de alguém como gostaria, poderá, então, fazer seu pedido
diretamente a Deus.
Ministro - A quem devo dirigir meu pedido, quando for
ministrar Johrei?
161
Meishu-Sama - Tratando-se de casos de problemas físicos
ou materiais, a invocação deverá ser feita a Miroku Oomikami.
Mas para os de ordem espiritual, deve-se pedir a Kakuryo-no-
Ookami.
Ministro - E quando uma pessoa está possuída, total ou
parcialmente, por um espírito animal, a quem devemos invocar?
Meishu-Sama - A Kakuryo-no-Ookami.
Ministro - Em casos de encosto, pode-se invocar Kakuryo-
no-Ookami?
Meishu-Sama - Na verdade, Kakuryo-no-Ookami reina no
Mundo Espiritual, e daí o motivo de todos os espíritos
desencarnados estarem submetidos a ele. É por isso que se
deve, então, após se rezar Amatsu Norito, pedir ajuda a Kakuryo-
no-Ookami, não só para que ele afaste encostos, mas também
para que salve espíritos.
Ministro - A epilepsia pode ser curada pelo Johrei?
Meishu-Sama - Sim, com certeza, mas o ministrante vai
precisar ter força espiritual, que acabará adquirindo com o
tempo, à medida que se dedicar à Arte do Johrei. No entanto, no
caso de os ataques epiléticos não cessarem, deve-se rezar
Amatsu Norito, mas inclusive nesse caso, o efeito do poder da
oração também vai depender do kototama, cuja força se
encontra na pureza da alma daquele que faz a oração. Porém os
que ainda tiverem nuvens no coração e no corpo espiritual,
dificilmente, serão capazes de emitir um kototama poderoso e
forte.
Ministro - O senhor já nos disse que, ao serem curadas as
doenças através do Espírito da Água, faz-se uma lavagem das
máculas do paciente. Por outro lado, há um Ensinamento onde
consta que o Espírito da Água solidifica as toxinas. Gostaria de
uma explicação sua a esse respeito, para eu poder entender bem
esse ponto.
Meishu-Sama - Realmente, dependendo do modo como é
usado o Espírito da Água, ele apresenta essa capacidade de
lavar, solidificar e também de absorver as máculas dos outros.
162
Assim sendo, vejamos: o lavar corresponde ao Batismo pela
Água realizado por algumas religiões; o solidificar relaciona-se ao
processo de cura desenvolvido durante a Era da Noite e o
absorver significa puxar para si os pecados dos outros, assim
como fazem, por exemplo, os adeptos da religião PL (Perfeita
Liberdade), na qual muitos dos seus seguidores mostram essa
capacidade. Seu próprio fundador - Tokuichi Miki - absorvia para
si as máculas dos membros e, posteriormente, pedia a Deus que
as levasse embora. E agia assim, por ser um mestre pertencente
à linha da Lua.
Mas pelo fato de o ser humano ser limitado, nem sempre
é possível que fique livre de todas as máculas que absorveu de
outros, mesmo que faça esse pedido a Deus e, justamente por
isso, é que Tokuichi Miki preparou outros dez mestres para
colaborarem nessa tarefa junto com ele.
Quem realizou esse processo de absorção de máculas em
grau máximo foi Jesus, ao carregar a cruz dos pecados da
humanidade. No entanto, na maioria das vezes em que curava
os enfermos, somente afastava os espíritos negativos que
causavam as doenças e que traziam tanto sofrimento. E
justamente daí é que decorre de as curas realizadas por ele
terem ocorrido com tanta rapidez, terem tido efeitos assim tão
instantâneos.
Contudo, é necessário ficar bem claro que essa atitude de
Jesus não corresponde à Lei da Purificação que eu ensino. Ele
apenas tirou os pecados dos outros, assumindo-os para si
mesmo. No caso do Johrei, entretanto, ele queima as máculas da
pessoa e, por essa mesma razão, melhora cada vez mais a saúde
tanto de quem o recebe quanto daquele que o ministra.
Por outro lado, devido ao fato de o Espírito da Água
também solidificar toxinas, quem se submete a esse tipo de
tratamento nunca sente calor, já que tal espírito é sempre frio.
Ainda importa saber que a maneira de se dissolver toxinas e de
se queimar máculas espirituais através do Espírito do Fogo só
surgiu recentemente, em decorrência da aproximação da Era do
163
Dia.
Ministro - Alguns ministrantes sentem no próprio corpo
todo o sofrimento do paciente. Por que isso acontece?
Meishu-Sama - De fato, algumas pessoas, ao ministrarem
Johrei, podem captar os problemas que afligem aquele que está
recebendo a Luz. Até hoje, todos os métodos de cura
empregados têm sido totalmente lunares, mas a partir de agora,
mesmo que os dedicantes se encontrem sob a forte influência da
linha lunar, conforme forem ministrando Johrei, perceberão que
o Espírito do Fogo atua cada vez mais intensamente, queimando
máculas e determinando mudanças individuais marcantes.
Ministro - Como se comporta o Espírito Secundário
daquele que está recebendo Johrei?
Meishu-Sama - Pelo fato de as máculas do corpo
espiritual estarem sendo eliminadas pelo Johrei, a força
controladora do Protetor fica fortalecida e, por essa razão, ele
consegue dominar o Espírito Secundário, mesmo que só
temporariamente. Mas sempre o mais importante é o
fortalecimento do Espírito Protetor.
Ministro - Conforme o senhor já nos orientou antes,
quando uma pessoa dorme e sonha, o seu espírito permanece
fora do corpo. Nesse caso então, o efeito do Johrei diminuiria,
caso ele fosse ministrado em alguém que estivesse dormindo?
Meishu-Sama - Não, não há diferença. O ser humano tem
Espírito Primordial, Espírito Secundário e corpo espiritual e, na
realidade, quem fica fora do corpo é o Secundário. E o Johrei
focaliza diretamente o corpo espiritual - onde se acumulam as
máculas.
Ministro - A respeito da Luz canalizada pela palma da
mão, gostaria de saber:
a) Ultrapassa diretamente o corpo de quem a recebe ou
faz alguma curva?
b) Considerando-se nervos, músculos e ossos, a Luz se
espalha ou pende para um ou outro lado?
c) Dependendo da espécie de nuvens espirituais ou da
164
densidade das impurezas, a Luz pode fazer uma curva, voltar e
perder sua intensidade?
d) A palma da mão precisa estar direcionada para o local
onde se localiza o problema?
Meishu-Sama - É óbvio que a Luz segue em linha reta,
sem fazer curvas, e daí a necessidade de o ministrante detectar,
primeiro, o ponto focal do problema, justamente para que a
irradiação atinja diretamente o local afetado, purificando-o. E
uma vez que essa região já esteja limpa, na outra parte do corpo
físico ligada anteriormente a essa que apresentava o problema
também terá início o processo de dissolução de toxinas.
E devido a esse fenômeno é que, equivocadamente,
imagina-se que a Luz faça uma curva. Na verdade, ela apenas
atinge a outra parte correspondente à região que antes
manifestava alguma enfermidade, e é a esse processo que se dá
o nome de Purificação Espontânea Equilibrada. Vejamos então
alguns exemplos, para melhor compreensão: ao serem
eliminadas as toxinas das costas, em seguida e na mesma
proporção, irão ser dissolvidas também aquelas existentes no
abdômen, estabelecendo-se, dessa forma, o equilíbrio entre as
partes de trás e da frente. Situação idêntica ocorre no que diz
respeito a ombros e pernas. Se o lado direito apresentar
problemas e receber Johrei, os sintomas passarão a ser sentidos
no lado esquerdo, quer dizer: as toxinas da outra parte
interligada à que apresentava algum distúrbio começarão a ser
eliminadas, para que o equilíbrio perfeito seja mantido. Isso
acontece com qualquer parte do corpo, e então, aos poucos,
todas as toxinas nele existentes acabam sendo dissolvidas, até
atingir-se a cura completa.
Contudo, a medicina costuma tratar cada órgão
separadamente. Ridículo! Por exemplo, muitas vezes, uma dor
de cabeça é sinal de que alguma parte do corpo apresenta
qualquer problema, o que quer dizer que uma causa mais
profunda é que dá origem a um transtorno na região da cabeça.
Certa vez, um de meus serviçais veio até mim com dor de dente
165
e, ao examiná-lo, constatei que estava eliminando toxinas
decorrentes de uma cirurgia de apêndice. Uma outra pessoa
apresentava como causa de sua tuberculose um problema
originário das virilhas.
A Luz Divina descreve uma projeção em linha reta, não
faz curvas, tampouco retorna para o ministrante. Nesse ponto,
ela difere da teoria de Einstein, segundo a qual, ao se projetar, a
luz pode realizar uma curvatura, dependendo das circunstâncias.
No caso do Johrei, quando ministrado corretamente, a Luz
penetra o corpo da pessoa, inclusive chegando a ultrapassá-lo, e
se expande pelo Universo, num processo semelhante ao que
ocorre com a luz de um farol.
Ministro - Quando estamos passando por uma leve
purificação, por que ficamos curados ao ministrarmos Johrei em
outra pessoa?
Meishu-Sama - A Luz do Johrei passa pelo corpo do
ministrante, antes de atingir quem vai recebê-la, e daí a razão da
cura. Portanto, é bom ministrar Johrei, mesmo encontrando-se
em plena. purificação, desde que, obviamente, sejamos capazes
de suportá-la. Sempre há melhora.
Ministro - Por que as repurificações ocorrem?
Meishu-Sama - Geralmente, elas costumam ocorrer em
casos de tuberculose, mas de forma geral, acontecem pela
seguinte razão: ao se começar a receber Johrei, as primeiras
impurezas a serem eliminadas são aquelas que se encontram nas
camadas mais superficiais, e com isso a pessoa já começa a se
sentir mais aliviada, melhor. E depois, conforme a vitalidade for
sendo restabelecida, as toxinas internas bem mais solidificadas
durante anos também começarão a ser dissolvidas. E justamente
aí é que a ação purificadora se torna bem mais severa e intensa.
A esses casos dá-se o nome de “repurificação”, e esse é um
processo mais demorado. Mas, às vezes, obtém-se um resultado
satisfatório rapidamente, dependendo, é claro, da força do
Johrei da ministrante e, inclusive, da própria quantidade de
toxinas solidificadas no corpo de quem recebe o Johrei.
166
Ministro - Já cheguei a ouvir do senhor explicações a
respeito de espiritualização da matéria e materialização do
espírito. Gostaria de saber, então, se os três tipos de toxinas -
hereditária, congênita e medicamentosa - podem ser
espiritualizadas e, caso ocorra esse fenômeno, se vem também
acompanhado de uma purificação física.
Meishu-Sama - É isso mesmo, exatamente como você
falou! Esses três tipos de toxinas manifestam-se também no
corpo espiritual, o que quer dizer que o lado espiritual
correspondente à parte física onde existem toxinas acumuladas
também possui máculas. Assim, por exemplo, a degeneração
óssea de vértebras resulta da materialização das nuvens
espirituais acumuladas na coluna,
Ministro - Um menino de três anos é gago. Esse problema
pode melhorar com Johrei?
Meishu-Sama - Em casos de pessoas gagas, há situações
específicas, pois para algumas o processo de cura é bem rápido,
enquanto que para outras já é mais demorado. Algumas delas
chegam a se recuperar totalmente, mas outras só obtêm cura
parcial. Mesmo assim, em casos graves, o Johrei resolve, pelo
menos, metade do problema. Por experiência própria, posso
dizer que o ponto focal em casos de gagueira encontra-se nos
ombros e nas parótidas.
De modo geral, ombros e parótidas moles são sinais de
boa saúde e, por isso, é recomendável que todos mantenham
essas duas regiões livres de qualquer espécie de solidificação.
Ombros moles são indicativos da existência de muita energia
vital, o que permite às pessoas trabalharem com persistência e,
conseqüentemente, alcançarem sucesso e destaque na
sociedade, o que explica por que os bem-sucedidos,
infalivelmente, têm ombros descontraídos, e isso corresponde à
Lei Divina da Identidade entre Corpo e Espírito.
Ministro - Passei por uma purificação de gripe, na
primeira semana de março deste ano (1950). Suava bastante à
noite e, durante o dia, acabava me deitando e me levantando,
167
várias vezes. Até o começo de abril, ainda tinha febre e
continuava suando muito. No dia 18, fui à Sede assistir ao Culto
oficiado pelo senhor e, a partir daí, fiquei tão debilitado, que
quase já nem conseguia mais me levantar. Continuei recebendo
Johrei e, em 25 de abril, essa purificação tornou-se ainda mais
acelerada, quando então fiz um pedido especial. Mas a febre e
os suores continuaram, além de eu também ter eliminado uma
quantidade enorme de catarro, semelhante a uma espuma. Em
17 de maio, fiquei impossibilitado de me levantar e só conseguia
ingerir líquidos. Imaginei ser uma purificação decorrente de um
tratamento para debelar uma inflamação do diafragma, que eu
fiz algum tempo atrás. Peço sua ajuda e orientação de como
devo agir para me livrar, rapidamente, desse sofrimento.
Meishu-Sama - A purificação pela qual você está
passando vai lhe ser muito benéfica. Mais um pouco de
paciência, e você ficará bem. Tome cuidado apenas para não
aumentar o enfraquecimento do corpo. Quando a gente pensa
estar quase morrendo, é sinal de que a doença atingiu o seu
ponto máximo, mas a partir daí, já se inicia a recuperação.
Ministro - Este ano (1949) faz 36 anos que um soldado
teve o pulmão direito perfurado por uma bala, devido a um
ferimento de guerra e, em conseqüência disso, sua mão direita
ficou paralisada. Faz três anos que ele vem fazendo tratamento
médico devido a problemas pulmonares, mas mesmo nessas
condições, ainda continua trabalhando em uma firma.
Recentemente, seu médico aconselhou-lhe repouso, o que o fez
tirar uma licença saúde e, desde setembro do ano passado, ele
vem descansando.
Porém, desde março deste ano (1949), tem tido febre
diariamente, além de ter perdido o apetite. Então, tomou uma
injeção importada dos Estados Unidos e, depois disso, sua tosse
cessou, seu apetite voltou ao normal e, inclusive, ele até
engordou. Desde o inicio de julho vem recebendo Johrei em sua
casa e a dor que tinha há 13 anos no braço direito desapareceu
em duas semanas, fato que fortaleceu ainda mais a sua fé.
168
Continua recebendo Johrei, no entanto, freqüentemente, tem
tido febre, o que fez com que enfraquecesse bastante,
novamente. Eu mesmo tenho ido ministrar-lhe Johrei, algumas
vezes.
Na última semana de agosto, ele e a esposa receberam o
Ohikari e, apesar de ainda muito magro, seu apetite melhorou
um pouco. Há muito tempo - no período em que fez tratamento
médico – foi diagnosticado que ele sofria de apendicite, mas
agora já não sente mais dores no abdômen.
O Senhor acha que ele poderá apresentar melhoras em
seu estado?
Meishu-Sama - Em todo local onde haja toxinas
solidificadas vão surgir purificações, processo que deixa o corpo
debilitado. Porém, tendo-se apetite, fica bem mais fácil superá-
las. Mas se o Johrei não for canalizado com eficiência ou mesmo
no caso de o ministrante ter pouca experiência em detectar o
ponto focal, serão mínimas as condições de se fazer a
purificação chegar, rapidamente, a seu ponto máximo, momento
em que tem início a recuperação do doente.
Ministro - Muitas vezes, pacientes bastante debilitados
param de urinar, devido a uma obstrução total do canal da
bexiga. Gostaria de saber a causa desse problema e também
como se deve ministrar Johrei, em casos assim.
Meishu-Sama - De fato, tanto o canal de entrada como o
de saída ficam entupidos; problema que decorre da formação de
pedras ou mesmo da solidificação de pus na própria bexiga. São
tais toxinas que irão impedir, posteriormente, a eliminação da
urina. Contudo, ministrando-se um Johrei eficiente, essas
impurezas acabam se transformando em areia, sendo expelidas,
naturalmente, pela urina. Há casos em que essa eliminação é
indolor, mas pode acontecer de ser um pouco incômoda.
Ministro - Uma senhora de 46 anos tem câncer de útero,
e o Senhor me deu a seguinte orientação: que ela recebesse
Johrei não só de membros, mas também de ministros. No
entanto, mesmo seguindo-se as suas recomendações, a pessoa
169
não apresentou melhoras e, principalmente quando recebe
Johrei de um ministro, a dor que sente nos quadris intensifica-se
ainda mais, e há vezes em que eles até parecem uma tábua. Há
momentos também em que doem tanto, que chegam a dar a
impressão de o osso estar rachando. Além disso, a senhora à
qual me refiro sente dores na parte inferior do abdômen e na
virilha esquerda.
Gostaria de saber por que essa pessoa sente tantas
dores, quando recebe Johrei de um Ministro?
Meishu-Sama - Normalmente, quando o efeito do Johrei
vem acompanhado de dor, trata-se de um processo natural que
indica que a cura ocorrerá logo mais. Na verdade, ainda falta
poder para isso, pois, em geral, o ministrante não consegue
canalizar suficientemente a Luz Divina. Mesmo assim, as toxinas
continuam a ser dissolvidas, só que mais lentamente. Isso se
assemelha a subirmos uma colina bem devagar, até atingirmos
seu topo. Portanto, é necessário um pouco de paciência, mas
quando o cume for atingido, a dor cederá e o doente vai se
sentir aliviado.
Quanto às dores na parte inferior do abdômen e na
virilha, basta ministrar Johrei nos rins, várias vezes ao dia.
Agindo-se dessa forma, o sofrimento desaparece mais rápido.
Contudo, uma grande quantidade de Johrei produz o mesmo
efeito de um bem forte.
Ministro - Por que ocorrem cáries nos dentes?
Meishu-Sama - Elas são sempre decorrentes de outros
problemas apresentados em alguma parte do corpo.
Ministro - No mundo da Era do Dia, ainda será necessária
a presença de dentistas?
Meishu-Sama - Essa necessidade vai diminuir bastante,
em comparação com os dias de hoje. E como já disse antes,
agora os dentes estão fracos, porque há pouca vitalidade
orgânica.
Ministro - Há mulheres que têm fluxo menstrual intenso;
outras, pelo contrário, têm pouquíssimo sangramento. Existe
170
uma causa espiritual para esse fato?
Meishu-Sama - Não, isso não tem nada a ver com
problemas espirituais. É apenas uma questão de característica
física de cada um. Quando o sangramento é abundante, mostra
que o órgão produtor de sangue é forte, portanto é melhor que
haja fluxo menstrual intenso, já que quanto melhor o estado de
saúde de uma mulher, maior será seu fluxo menstrual.
É bom também estar atento às tuberculosas. Se sua
menstruação se interromper, é sinal de que estão com o corpo
muito debilitado. Também se deve dar atenção especial, nesses
casos, aos pêlos pubianos, porque àmedida que a tuberculose
avança, eles tendem a rarear, cada vez mais.
Ministro - As unhas apresentam alguma ligação com a
saúde?
Meishu-Sama - Sim, e muita! Examinando-se as
condições das unhas, dá para perceber bem o estado geral de
saúde de alguém. Quando eu sofri a purificação de kaisen
(psoríase), a meia-lua da unha do meu polegar desapareceu,
sinal bem evidente de problemas, em qualquer um. A ausência
de brilho nas unhas ou uma cor atípica também indicam que o
estado geral de saúde de alguém não está bom, podendo,
inclusive, nesses casos, tratar-se de uma anemia. Outras vezes,
as unhas costumam ficar escuras ou arroxeadas, situação que,
geralmente, ocorre com quem toma muitos remédios.
Ministro - Então, o estado de saúde tem relação com a
meia-lua da unha?
Meishu-Sama - Sim! É normal as pessoas com boa saúde
terem a meia-lua bem grande e nítida, principalmente a do dedo
polegar. Contudo, em doentes, ela pode chegar a desaparecer
completamente, diminuir de tamanho ou perder a nitidez. Há
casos ainda em que a meia-lua da unha some totalmente,
embora a pessoa não aparente nenhum problema de saúde. Em
tais circunstâncias, essa ocorrência é sintoma de um acentuado
enfraquecimento da vitalidade.
Ministro - Uma senhora de 45 anos, com câncer de útero,
171
foi desenganada pelos médicos. Não conseguia mais urinar, no
entanto, com o Johrei, essa função foi recuperada. Ela então
readquiriu saúde e, imediatamente, recebeu o Ohikari. Mas após
três dias da outorga, parou novamente de urinar, seus
sofrimentos anteriores voltaram a aparecer e, mesmo que
recebesse Johrei, até hoje, ainda não conseguiu se livrar deles. O
que está acontecendo? Onde o Johrei deverá ser ministrado?
Meishu-Sama - De modo geral, uma mesma doença
costuma se manifestar ainda uma segunda vez, inclusive isso faz
parte do próprio processo de purificação. No caso específico em
questão, o Johrei deverá ser ministrado em torno da bexiga.
Com certeza, aí existe uma pequena pedra ou alguma obstrução
no canal de entrada ou mesmo no de saída da bexiga, e
justamente isso é que está causando a paralisação da urina. É
natural que essa pessoa deva também receber Johrei nos rins.
Ministro - A pele de pessoas tuberculosas, em estado
grave, torna-se transparente. Por quê?
Meishu-Sama - A causa dessa transparência decorre de
uma anemia. Contudo, existe diferença entre a anemia
decorrente de uma tuberculose e aquela que advém de um
câncer. Nesse último caso, a oleosidade da pele desaparece, mas
em casos de tuberculose, ela se mantém, dando essa impressão
de transparência.

172
JOHREI

1. UMA GRANDE REVOLUÇÃO CIENTÍFICA.

1.1. A ciência atual é muito mais materialista que a filosofia, a


moral e a religião.
1.2. Ela dominou a cultura e foi impedindo a crença teísta.
1.3. Fazendo crescer a superstição entre os intelectuais e as
nações avançadas.
1.4. Interpretando a doença não como uma ação purificadora
do corpo humano.
1.5. Provocando falta interior de racionalidade na sociedade.
1.6. Variando resultados segundo pensamento de quem a
emprega.
1.7. Podendo levar inclusive ao, não aspirado, percurso do
inferno.
1.8. Porém torna-se impotente diante da medicina, nutrição e
arte.
1.9. Daí surge algo superior ao conjunto organizado de
conhecimentos.
1.10. Uma tese inédita sobre a ciência.
1.11. A conciliação entre ciência material e ciência espiritual
estabelecerá a civilização.
1.12. Uma dificuldade para que isso ocorra é que a ciência tem
ignorado a energia espiritual.
1.13. Por exemplo, o poder de atuação de uma energia é
inverso à captação de sua presença.
1.14. Uma facilidade é que a pesquisa na ciência espiritual tem
se expandindo.
1.15.Advertindo que tudo se relaciona com os elos espirituais.
1.16. Considerando a adivinhação e a astrologia, bem como as
palavras e as significações.

173
1.17. Levando em conta as crianças-prodígio às reencarnações
e encostos.
1.18. Relacionando pecados e doenças, bem como crimes e
demônios.

2. Sua teoria

2.1. Apregoa ser ele a missão mais vital da messiânica que


exige estudo profundo e soonen correto.
2.2. Surge na Transição da Era do Dia para Era da Noite.
2.3. Significa comunicação da Luz Divina, purificação do espírito
e batismo pelo fogo.
2.4. Baseado na Lei da Natureza, no elemento fogo.
2.5. Tratamento científico que enfatiza o resultado.
2.6. Método criado por Meishu-Sama que progride com
ensinamentos.
2.7. Bola de fogo em Meishu-Sama e a letra ‘Luz’.
2.8. Ato simples pelas palmas das mãos dos messiânicos.
2.9. A seqüência da Luz.
2.10. Um produtor de milagre disponível aos discípulos.
2.11. Maravilha do século, inédito na história.
2.12. Fórmula científica de alto nível.
2.13. Transformação no mundo, principalmente da medicina.
2.14. Único meio para passar incólume pelo Juízo Final.
2.15. Melhor recurso para difundir o Programa da Luz Divina.
2.16. Libertar do sofrimento, criando felicidade.
2.17. Aprimorar e acumular virtude.
2.18. Reformar corpo, mente e espírito.
2.19. Elevar espiritualmente o mundo, nação, família e
indivíduo.
2.20. Ativar Primordial, firmar atuação do Guardião e conter
provisoriamente Secundário.
2.21. Tornar pessoas mais belas e com funcionar de cabeça.
2.22. Estancar e aumentar a quantidade de sangue.
2.23. Erradicar alcoolismo e evitar incêndio.
174
2.24. Embasar a fé e fazer surgir uma sociedade agradável.
2.25. Fazer efeitos em animais, vegetais e objetos inanimados.
2.26. Porém, não corta o mal pela raiz.

3. Sua prática.

3.1. Estar unido com Deus e Meishu-Sama requer cuidar do


Ohikari.
3.2. Colocá-lo no peito manifesta força capaz de curar as
doenças.
3.3. Permanecer com ele sempre no pescoço, também é
proteção.
3.4. Retirar a força do corpo e saber se posicionar.
• Postura.
• Distância.
• Como tirar a força do braço e irradiar a Luz diretamente para o
local da enfermidade.
• Posição do braço.
• Palma da mão parada e relaxada.
• Mão de maior potência para irradiação da Luz.
• Calor na palma da mão ao ministrar Johrei.
• Posição dos dedos da mão.
3.5. Ter soonen de que a luz deve ultrapassar o corpo do
paciente.
3.6. Ministrar com duração máxima de trinta minutos.
3.7. Agir de forma paradisíaca sem apego e forçar a situação.
3.8. Querer eliminar máculas sem grande empenho e nem
sentir pena.
3.9. Perceber que depende e não depende da crença.
3.10. Produzir efeito varia com elevação espiritual daquele que
o ministra.
• Eficácia muda de pessoa para pessoa e de tempo em tempo.
• Altruísmo.
• Leitura dos ensinamentos.
• Humildade.
175
• Despreocupação.
• Gratidão.
• Sentimento, quantidade e constância.
• Conduta exemplar.
• Prestar real serviço à Causa Divina.
3.11. Reconhecer que no momento da purificação a maior
hierarquia é a de quem ministra.
3.12. Respeitar à ordem, com sinceridade e flexibilidade.
3.13. Purificar primeiro, explicar depois.
3.14. Dissolver pequenas toxinas.
3.15. Acolher os que procuram e se esforçam.
3.16. Atender pacientes em estado grave.
3.17. Socorrer quem vai falecer, para purificá-lo e encaminhar
sua família.
3.18. Disponibilizar em que acabou de falecer.
3.19. Acatar de não ministrar quando houver oposição familiar
ou policial.
3.20. Precaver em relação à doentes com a vida comprometida.
3.21. Refletir sobre os que estão em hospital.
3.22. Negar a pessoa da alta sociedade que pode falecer.
3.23. Dar a quem menos entende e desistir daquele que não
desperta após receber setenta vezes.
3.24. Pedir a qualquer hora, desde que equilibradamente.
3.25. Receber se não estiver purificando é desnecessário.
3.26. Aplicar não só quando se está em unidade religiosa.
3.27. Canalizar com apenas uma das mãos, porém poder
receber simultaneamente de muitos.
3.28. Fazer oração e Johrei ao mesmo tempo às vezes é preciso.
3.29 Pedir para queimar quando tiver sensação de absorver as
máculas do outro.
3. 30. Possibilitar sensações e reações.
3.31 Enfraquecer encosto.
3.32. Proporcionar conflito com tratamento médico.
3.33. Esclarecer Dúvidas - Perguntas de Mamehito e respostas
de Meishu-Sama.
176