Você está na página 1de 8

Avaliação de Características Geotécnicas do Subsolo de

Tucuruí: Estudo de Caso do Bairro Planejado“Nova Matinha”

Abner Vieira Martins


Graduado em Engenharia Civil - Campus Universitário de Tucuruí – UFPA, Tucuruí, Brasil

Luiz Alberto Araújo Lima Júnior


Graduado em Engenharia Civil - Campus Universitário de Tucuruí – UFPA,Tucuruí, Brasil

Rodrigo da Cruz de Araujo


Professor da Faculdade de Engenharia Civil e Ambiental – Campus Universitário de Tucuruí –
UFPA, Tucuruí, Brasil, rodrigocruz@ufpa.br

RESUMO: O crescimento urbano do município de Tucuruí ocorreu paralelamente à construção da


Usina Hidrelétrica de Tucuruí, ainda na década de70. Entretanto, o estudo geotécnico das
propriedades do solo urbano do município ainda é um assunto negligenciado por parte dos
construtores da região, não sendo contemplado na maior parte das obras civis, fato que pode
comprometer as mesmas do ponto de vista da segurança e economia. Este trabalho tem como
finalidade principal estudar as características geotécnicas de uma camada do solo do bairro Nova
Matinha, situado no Município de Tucuruí, constituindo-se assim em um primeiro passo para o
conhecimento das propriedades e características geotécnicas do subsolo da região. Em razão das
práticas construtivas adotadas na região, as fundações de praticamente todas as construções daquele
bairro estão assentes na camada em questão, motivo pelo qual ela foi escolhida. Destaca-se ainda
que tal bairro foi escolhido por ser um bairro planejado, constituindo-se no local onde vivem hoje as
famílias remanejadas em decorrência da construção das eclusas de Tucuruí, estando em crescimento
constante devido a fatores como localização, topografia e espaço físico. Desta forma, após a coleta
do material a ser estudado, o mesmo foi levado para o Laboratório de Materiais de Construção da
Eletronorte – Solos (ETCPCM), onde foi submetido a ensaios de granulometria, limite de liquidez,
limite de plasticidade, permeabilidade, compactação e adensamento unidimensional. Os ensaios
indicaram que o solo é uma argila silto-arenosa com vestígios de pedregulho. De acordo com o
SUCS, trata-se de um silte muito plástico. Em relação à permeabilidade do material, o coeficiente
de permeabilidade encontrado indica que se trata de um solo com permeabilidade muito baixa. Por
fim, com base nos resultados de ensaios oedométricos e na tensão efetiva estimada para o solo
foram encontrados valores de OCR superiores a 1, o que leva à conclusão que trata-se de um solo
pré-adensado. Tal resultado é especialmente importante por indicar que, caso a tensão exercida
sobre ele seja menor que a tensão de pré-adensamento, as deformações tenderão a ser pequenas,
evidenciando, portanto, a adequabilidade do local ao propósito de bairro planejado a que foi
destinado.

PALAVRAS-CHAVE: Ensaios, Compressibilidade, Adensamento, Compactação, Permeabilidade,


Tucuruí.

1 INTRODUÇÃO Em decorrência da construção das eclusas na


barragem de Tucuruí, as quais se localizam no
bairro Matinha, se fez necessária a retirada de
parte da população que vivia no local. A partir 2 MATERIAL E MÉTODOS
desse cenário a Prefeitura de Tucuruí em
parceria com o Governo Federal ofereceu para Este estudo tem o objetivo de investigar
essas famílias uma nova moradia no bairro características geotécnicas do subsolo do bairro
Nova Matinha, que tem a sua formação em Nova Matinha, a fim de contribuir para
2005 e está localizado a 1500 metros da conhecimento, ora incipiente, das condições do
Matinha (TUCURUÍ, 2008). O bairro Nova subsolo desse município.
Matinha, construído com o intuito de abrigar as
O inicio dos trabalhos se deu com a coleta
famílias que teriam de se mudar da Matinha por das amostras de solo natural no bairro. A
motivo das obras, tem como grande atrativo do escolha do referido local foi definida por ser o
novo bairro a infra-estrutura prevista, que inclui
terreno do futuro colégio do bairro. O solo
unidades habitacionais, sistema de coletado foi levado para o Laboratório de
abastecimento de água, sistema de esgoto e Materiais de Construção – Solos (ETCPCM) da
drenagem, transporte público, escolas, posto de Eletronorte.
saúde e área de lazer.
O solo utilizado para o presente trabalho foi
Existe um projeto de ampliação do bairro coletado no bairro Nova Matinha e levado para
Nova Matinha com a construção de novas o laboratório de solos para serem realizados os
moradias, motivos esses que fazem com que o
ensaios referentes à caracterização do solo e os
bairro seja um local com alto crescimento. De ensaios de permeabilidade com carga variável,
acordo com a Prefeitura de Tucuruí (2008) “O compactação e de adensamento unidimensional,
projeto, previsto para o bairro Nova Matinha, todos realizados de acordo com as respectivas
tem como objetivo recepcionar 300 famílias, normas técnicas.
atualmente residentes em terreno alagável,
Os ensaios de caracterização do solo natural
situado o entorno da cidade, selecionado para
foram realizados com o objetivo de classificá-lo
abrigar a expansão da Hidrelétrica de Tucuruí,
segundo o SUCS (Sistema Unificado de
mais precisamente a construção do canal de
Classificação de Solos).
jusante e a Eclusa II, do referido complexo.”.
As amostras foram coletadas após a abertura
Trabalhos como este têm, então,
de um poço de inspeção (PI) com 130 cm de
fundamental importância como contribuição ao
profundidade e em seguida foi realizada uma
conhecimento das características geotécnicas
sondagem a trado (SD) com 200 cm de
locais, já que apesar do constante crescimento
profundidade (Figura 1). Pelo PI foi coletada a
do município tais estudos continuam sendo
amostra indeformada, bloco de 30 x 30 cm, e
negligenciados e não têm sido realizados a fim
cerca de 80 kg de amostra deformada. O solo
de atender as necessidades urbanas, mas apenas
coletado foi levado para o Laboratório de
quando voltados à hidrelétrica de Tucuruí.
Materiais de Construção – Solos (ETCPCM) da
Eletronorte, onde foi para câmara úmida,
1.1 Localização Do Município De Tucuruí permanecendo por 24 horas.
Para os ensaios de caracterização e
O Município situa-se na margem esquerda do compactação do solo, utilizaram-se tanto
Rio Tocantins no sudoeste do Estado do Pará. amostras retiradas do poço de inspeção e as
Tem como limites ao Norte, os municípios de coletadas pela sondagem a trado. Para os
Baião e Mojú; a Leste, o município de Breu ensaios de permeabilidade e de adensamento
Branco; ao Sul, a Região do Grande Lago e a foram utilizadas apenas amostras retiradas do
cidade de Novo Repartimento e a Oeste o poço de inspeção.
município de Pacajá. A sede do Município A amostra indeformada foi utilizada nos
apresenta as seguintes coordenadas geográficas: ensaios de permeabilidade e de adensamento,
03º 45’30” S e 49º 40’40” W Gr (SEPOF-PA, enquanto a caracterização do solo se deu através
1997). da amostra deformada do material coletado pelo
mesmo poço de inspeção, a qual também foi
utilizada para o ensaio de compactação. A A análise granulométrica é o processo que
amostra coletada por sondagem a trado foi determina, para cada faixa especificada de
utilizada para os ensaios de caracterização e tamanho de grãos, a porcentagem em peso que
compactação. o mesmo possui da massa total de solo
ensaiado. A determinação da análise
granulométrica pode ser realizada por
peneiramento (solos granulares ou fração grossa
de um solo), por análise sedimentométrica
(solos argilosos ou fração fina de um solo),
baseada na Lei de Stokes, ou pela combinação
de ambos os processos. O ensaio é padronizado
seguindo a NBR 7181 (ABNT, 1984).

2.1.2 Determinação da Massa Especifica Real


dos Grãos

A massa especifica real dos grãos é a relação


entre a massa dos grãos de um solo e o volume
Figura 1 – Esquema da retirada das amostras. Fonte: desses grãos. O ensaio foi realizado conforme a
Autor. NBR 6508 (ABNT, 1984), utilizando um balão
volumétrico e um sistema de bomba de vácuo.
No local de coleta foi realizado o ensaio de O ensaio compara o peso de um balão
determinação da massa específica aparente seca volumétrico contendo água destilada até a
“in situ” com o uso do frasco de areia de acordo marca de calibração, com o peso do mesmo
com a NBR 7185 (ABNT, 1986). Esse ensaio contendo solo e água até a mesma marca, e
consiste em escavar o solo, que foi totalmente determina-se a temperatura da suspensão e
recolhido e pesado. O volume da amostra foi mediante a curva de calibração do balão
obtido medindo o volume da escavação. O teor volumétrico, determinam-se o seu peso e a água
de umidade da amostra foi determinado logo para a temperatura do ensaio.
após sua pesagem. A NBR orienta a repetir o
ensaio duas vezes para obtenção de um valor
2.2 Ensaio de Compactação
médio, que resultou para o solo em questão
1,627 g/cm³.
Estando as amostras deformadas secas, foi O ensaio de Proctor é usado, em geral, para
dado início ao destorroamento de todo o traçar a curva de umidade versus massa
material. Esta etapa consistiu na trituração do específica aparente seca. O ensaio consiste em
solo e foi realizada com o auxílio de um compactar o solo com porcentagens crescentes
almofariz de porcelana e mão de gral. Tal fase de umidade num molde cilíndrico de dimensões
foi necessária porque o solo apresentava grande específicas. A compactação é feita em camadas,
quantidade de torrões de tamanho considerável aplicando-se um determinado número de golpes
e dessa forma pôde-se homogeneizar o material. em cada camada, com soquete de dimensões,
peso e altura de queda pré-definidos, conforme
a NBR 7182 (ABNT, 1986).
O ensaio de compactação foi realizado para
as amostras coletadas pelo poço de inspeção e
pela sondagem a trado. A energia de
2.1 Caracterização do Solo compactação foi a Proctor Normal aplicada em
um cilindro pequeno e sem reuso do material.
2.1.1 Ensaio de Granulometria e
Sedimentação 2.3 Ensaio de Permeabilidade com Carga
Variável
O ensaio de adensamento unidimensional segue
O ensaio permeabilidade com carga variável a NBR 12007 (ABNT, 1990) que prescreve o
fundamenta-se na lei de Darcy e segue a NBR método de determinação das propriedades de
14545 (ABNT, 2000). adensamento do solo, caracterizadas pela
O ensaio foi realizado em um corpo de prova velocidade e magnitude das deformações,
de amostra indeformada e moldado no torno de quando o mesmo é lateralmente confinado e
moldagem de corpo de prova cilíndrico. axialmente carregado e drenado.
No ensaio foi utilizado permeâmetro de O método requer que um elemento de solo,
parede metálicas de aproximadamente 10 cm de mantido lateralmente confinado, seja
diâmetro e 12 cm de altura, acoplado a duas axialmente carregado em incrementos, com
tampas, além de um tanque com água onde o pressão mantida constante em cada incremento,
permeâmetro fica parcialmente imerso durante até que todo o excesso de pressão na água dos
o ensaio. poros tenha sido dissipado. Durante o processo
O corpo de prova foi compactado com de compressão, medidas de variação da altura
dimensões de 10,02 de diâmetro e 12,64 de da amostra são feitas e estes dados são usados
altura, parte do material foi recolhido para no cálculo dos parâmetros que descrevem a
determinar teor de umidade. relação entre a pressão efetiva e o índice de
vazios, e a evolução das deformações em
A montagem de ambos os corpo de prova no
função do tempo. Os dados do ensaio de
cilindro permeâmetro são iguais: foi preenchida
o rebaixamento da base com material granular, adensamento podem ser utilizados na estimativa
posicionado o disco de talagarça e o anel de tanto da magnitude dos recalques totais e
folha de plástico no centro, o molde cilíndrico diferenciais de uma estrutura ou de um aterro,
foi encaixado na base, em seguida ocorreu o com da velocidade desses recalques.
posicionamento do corpo de prova no interior
do cilindro envolvendo com argila cerâmica até
o topo do cilindro complementar, onde ocorreu 3 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS
o preenchimento com material granular, sobre o RESULTADOS
material foi colocado o disco de talagarça e o
anel de folha de plástico . No estudo foram realizados dois tipos de coletas
Na saturação do corpo de prova o conjunto de amostras uma por poço de inspeção (PI), na
de permeâmetro foi ligado por uma mangueira a qual foi recolhido o bloco de amostra
bureta com água destilada, de modo a obter um inderformada e amostra deformada, a outra
gradiente hidráulico, o fluxo foi interrompido coleta foi por sondagem a trado (ST), onde
quando a água começou a sair pela tampa do foram coletadas amostras deformadas, material
permeâmetro, em seguida o conjunto foi esse que serviu para posterior estudo no
colocado no tanque de saturação que estava Laboratório de Materiais de Construção da
preenchido com água, cobrindo constantemente Eletronorte. A seguir serão apresentados os
o terminal de descarga. As leituras do nível da resultados obtidos com os ensaios e suas
água na bureta de ensaio eram realizadas em análises que foram realizados em um ponto do
intervalos de tempo compatíveis com a bairro.
velocidade do fluxo. Os ensaios foram
encerrados quando as três últimas leituras 3.1 Análise do Solo para Amostra Coletada
estavam com valore constante. Na pela Sondagem a Trado:
desmontagem do corpo de prova foram
recolhidas amostras para determinar teor de
3.1.1 Análise Granulométrica e Determinação
umidade final da amostra.
da Massa Específica Real dos Grãos

2.4 Ensaio de adensamento unidimensional


O gráfico 1 mostra a curva granulométrica
desse material. Para a realização do ensaio de
sedimentação foi necessário determinar a massa
especifica real dos grãos, que teve o valor de De acordo com o Sistema Unificado de
2,875 g/cm³. Classificação de Solos, a amostra ensaiada
pertence ao grupo MH, ou seja, seria
classificada como um silte muito compressível.

3.1.3 Compactação

O Gráfico 2 apresenta os resultados do ensaio


de compactação obtidos para a amostra em
questão, a partir do qual se definiu umidade
ótima 26,3% e densidade máxima 1,551g/cm3.

Gráfico 1 – Curva Granulométrica da amostra de solo


coletada por sondagem a trado

Com base na curva granulométrica obtida,


foi possível verificar que este solo ou é uma
argila- silto-arenosa com vestígios de
pedregulhos, composta por 7,7% de material
grosso e 92,3% de material fino. O ensaio de
sedimentação mostrou que 30,9% é silte e
42,8% é argila. Para definição do tipo de Gráfico 2 - Curva de compactação da amostra de solo
material foi usada a NBR 6502 (ABNT, 1995) coletada por sondagem a trado. Fonte: Autor
(tabela 1).
3.2 Análise do Solo para Amostra Coletada
Tabela 1 - Resumo da análise granulométrica da amostra pelo Poço de Inspeção
1.
Material Quantidade
presente na amostra 3.2.2 Análise Granulométrica e Determinação
(%) da Massa Específica Real dos Grãos
Pedregulho (acima de 0,6
2,00 mm)
Areia Grossa (0,60 – 7,1 O gráfico 3 mostra a curva granulométrica
2,00 mm)
Areia Media (0,20 – 10,1
desse material. Para a realização do ensaio de
0,60 mm) sedimentação foi necessário determinar a massa
Areia Fina (0,06 – 0,20 8,4 especifica real dos grãos, que teve o valor de
mm)
Silte (0,002 – 0,06 30,9
2,851 g/cm³.
mm)
Argila (menor que 42,8
0,002 mm)
Fonte: Autor.

3.1.2 Limites de Consistência do Solo e


Classificação SUCS:

O valor obtido para o limite de liquidez foi


70,7%, o valor encontrado para o limite de
plasticidade foi de 40,3%, sendo assim, o índice
de plasticidade é de 30,4%.
Gráfico 3- Curva granulométrica da amostra de solo
coleta por poço de inspeção. Fonte: Autor

Com base nos resultados obtidos, resumidos


na tabela 2, podemos constatar que 12,81% é
composto por material grosso e 87,19% é
composto por material fino. A sedimentação do
material mostrou que 34,90% é silte e 40,40% é
argila. Conforme critérios da NBR 6502
(ABNT, 1995), a terminologia mais adequada
para o solo é: argila silto-arenosa com vestígios
de pedregulhos. Gráfico 4 - Curva de compactação da amostra 2

Tabela2- Resumo da análise granulométrica da amostra


de solo coleta por poço de inspeção 3.2.5 Ensaio de Permeabilidade com Carga
Material Quantidade Variável
presente na amostra
(%)
Pedregulho (acima de 2,0 O corpo de prova utilizado para o ensaio de
2,00 mm) permeabilidade foi da amostra indeformada. O
Areia Grossa (0,60 – 10,8
2,00 mm) valor calculado para o coeficiente de
Areia Media (0,20 – 3,9 permeabilidade, à temperatura de 20ºC (k20) é
0,60 mm) de 5,75 x 10-5 cm/s, conforme valores
Areia Fina (0,06 – 0,20 8,0
mm) apresentado.
Silte(0,002 – 0,06 mm) 34,9 O valor encontrado é característico por se
Argila (menor que
0,002 mm)
40,4 tratar de uma argila, os canalículos que compõe
Fonte: Autor. a argila são de pequenos diâmetros e diferentes
formas, dificultado a percolação da água.
3.2.3 Limites de Consistência do Solo e De acordo com o coeficiente de
Classificação SUCS: permeabilidade o material trabalhado é um solo
de baixa permeabilidade, podemos verificar na
tabela 3.
O valor encontrado para o limite de liquidez foi
59,8% e o limite de plasticidade foi de 34,0%,
Tabela 3–Classificação do solo segundo seu coeficiente
sendo assim, o índice de plasticidade é de de permeabilidade.
25,8%. Grau de Permeabilidade Valor de k (cm/s)
Com base nesses parâmetros o Sistema Elevada Superior a 10-1
Unificado de Classificação de Solos classifica Média 10-1 a 10-3
tal amostra como pertencente ao grupo MH, ou Baixa 10-3 a 10-5
seja, um silte de alta compressibilidade. Muito Baixa 10-5 a 10-7
Praticamente Impermeável Menor de 10-7
Fonte: Lambe e Whitman (1974)
3.2.4 Compactação
3.2.5 Ensaio de Adensamento Unidimensional
Os resultados obtidos no ensaio de compactação
são apresentados através da curva de Foram utilizadas três amostras para o ensaio de
compactação, apresentado no gráfico 4, onde adensamento oedométrico o qual permitiu então
foi utilizado o teor de umidade e a massa a determinação da curva de adensamento do
especifica aparente. A partir deste, determinou- solo (gráficos 5, 6 e 7). A partir de tal curva,
se umidade ótima de 26,2% e densidade utilizando-se o método de Pacheco Silva, foram
máxima de 1,543g/cm3. obtidas para cada amostra a tensão de pré-
adensamento de cada amostra, seu índice de
compressão e índice de expansão, conforme No gráfico 5, correspondente à amostra 1,
mostram os gráficos: encontrou-se uma pressão de pré-adensamento
de 12,0 Kgf/cm², índice de compressão de 0,44
e índice de expansão de 0,068.
No gráfico 6, referente à amostra 2, foi
encontrada uma pressão de pré-adensamento de
7,0 Kgf/cm², índice de compressão de 0,19 e
índice de expansão de 0,035.
Para a amostra 3 (Gráfico 7) obteve-se uma
pressão de adensamento de 5,9 Kgf/cm², índice
de compressão de 0,20 e índice de expansão de
0,044.
A amostra coletada com maior profundidade
foi de 3,30 m. O peso específico encontrado no
ensaio de densidade real dos grãos é de 2,581
g/cm³ que corresponde a 0,0028 Kgf/cm³, sendo
assim pode-se estimar que a tensão efetiva do
Gráfico5 - Ensaio de adensamento unidimensional da solo é de σ´vo=0,92 Kgf/cm². Na profundidade
amostra 1
de 1,30m a tensão efetiva (σ´vo) pode ser
estimada em 0,36 Kgf/cm².
Para a amostra 1, obtém-se então um OCR
de 13,04, para a amostra 2 o OCR encontrado
foi de 7,61 e por fim na amostra 3 o OCR foi de
6,41. Com base nos resultados de OCR para as
três amostras constatamos que o mesmo é bem
maior que 1, portanto trata-se de um solo pré-
adensado.

4 CONCLUSÃO
Gráfico 3 - Ensaio de adensamento unidimensional da
amostra 2 O presente estudo apresentou uma contribuição
para o conhecimento das propriedades
geotécnicas do bairro Nova Matinha, localizado
na cidade de Tucuruí no estado do Pará.
A partir da análise dos resultados dos ensaios
de campo e de laboratório executados neste
projeto, foi possível chegar às seguintes
conclusões:
• Os ensaios de caracterização física e química
para as duas amostras, poço de inspeção e
sondagem a trado, que foram extraídas de um
ponto do bairro, apresentam poucas diferenças
na curva granulométrica e nos limites de
consistência do solo, indicando que o solo é
uma argila silto arenosa com vestígios de
Gráfico 7 – Ensaio de adensamento unidimensional da pedregulho, através desse item podemos
amostra 3 justificar a profundidade da coleta da amostra
indeformada. As propriedades geotécnicas do
solo na cota -1,30m são praticamente iguais ao abordado de forma superficial, fato este que
do solo na cota -3,30 m; compromete diretamente as obras civis no que
• De acordo com o SUCS, ambos os materiais diz respeito à segurança e economia. Com isso
ensaiados são classificado como MH, ou seja, podemos dizer que este trabalho é o ponto de
silte-elástico, levando em consideração o LL e o partida para estudiosos e pesquisadores obterem
IP. Porém, de acordo como gráfico de informações mais aprofundadas em relação às
plasticidade, o ponto que definiu o solo está características do solo local, dando subsídio a
próximo da linha A, sendo assim, pode-se futuras pesquisas geotécnicas sobre a região.
considerar que o solo tende a ser CH, argila
muito plástica, conforme indica a curva
granulométrica do solo; 4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• A partir do ensaio de permeabilidade,
realizado em um corpo de prova da amostra Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 6502:
Rochas e solos. Rio de Janeiro, 1995.
indeformada, pôde-se obter o coeficiente de
Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 6508:
permeabilidade, à temperatura de 20ºC (k20) Grãos de solos que passam na peneira de 4,8 mm –
para o qual foi encontrado o valor de 5,75 x 10-5 Determinação da massa específica. Rio de Janeiro,
cm/s. Quando comparamos esse resultado com 1984.
os resultados encontrados por Lambe e Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 7181:
Solo – Análise granulométrica. Rio de Janeiro, 1984.
Whitman (1974) chega-se à conclusão que o
Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 7182:
solo é de baixa permeabilidade; Solo – Ensaio de compactação. Rio de Janeiro, 1986.
• Nos ensaios de compactação realizados para Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 7185:
as duas amostras deformadas os valores Solo – Determinação da massa específica aparente,
“IN SITU”, com emprego do frasco de areia. Rio de
encontrados para a densidade máxima e
Janeiro, 1986.
umidade ótima ficaram praticamente iguais. A Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 12007:
umidade ótima variou entre 26,2 e 26,3% e a Solo – Ensaio de adensamento unidimensional. Rio
densidade máxima entre 1,543 e 1,551 g/cm³; de Janeiro, 1990.
Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 14545:
• Nos ensaios de adensamento oedométrico,
Solo – Determinação do coeficiente de
foram encontradas pressões de pré-adensamento permeabilidade de solos argilosos a carga variável.
que variaram de 5,9 a 12 Kgf/cm² em relação às Rio de Janeiro, 2000.
3 amostras estudadas. Esta tensão é superior a Lambe, T. W.; Whitman, R. V. Mecanica de suelos.
tensão efetiva do solo, para a profundidade 3,30 México: Editorial Limusa S.A., 1974.
Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e
m, que foi estimada em 0,92 Kgf/cm², o que faz
Finanças. Estatística municipal – Tucuruí. Belém/PA:
com que o OCR do solo seja maior que 1 em [s.n.], 2009.
todas as amostras estudadas, portanto trata-se de
um solo pré-adensado, isto é um solo que já
sofreu uma tensão em toda sua história de
pressões que superior à atual tensão efetiva em
loco;
• Com base no ensaio de adensamento
oedométrico, e na tensão de pré-adensamento,
conclui-se que se trata de um solo pré-
adensado, portanto para que ocorram
deformações significantes neste material é
necessário que a tensão aplicada no mesmo seja
superior à tensão de pré-adensamento, caso
contrário as deformações tenderão a ser
elásticas e pouco expressivas;
• Este tipo de pesquisa tem fundamental
importância para a região, pois até então o
estudo geotécnico local sempre foi um assunto