Você está na página 1de 10

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

SERVIÇO SOCIAL

ÉDILLA KATTIARA DIAS DA HORA FREITAS

PROJETO DE INTERVENÇÃO
ATIVIDADES SOCIOEDUCATIVAS PARA CRIANÇAS E
ADOLESCENTES INSTITUCIONALIZADOS ATRAVÉS DE
OFICINAS

JOÃO PESSOA
2017
PROJETO DE INTERVENÇÃO
ATIVIDADES SOCIOEDUCATIVAS PARA CRIANÇAS E
ADOLESCENTES INSTITUCIONALIZADOS ATRAVÉS DE
OFICINAS

Projeto de Intervenção: Atividades


socioeducativas para crianças e
adolescentes institucionalizados através
de oficinas: apresentado ao Curso de
Serviço Social da UNOPAR -
Universidade Norte do Paraná, para o
Estagio Curricular Obrigatório II.
Campo de Estágio II: SEDES/PB
Coordenadora do curso: Profª Me
Valquíria Aparecida Dias Caprioli.
Orientadora Acadêmica: Wanessa Pereira
Leandro.
Supervisora de Campo: Ana Cristina de
Lima Silva Sousa.

JOÃO PESSOA
2017
SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO.................................................................................4/5
JUSTIFICATIVA................................................................................... 5/6
OBJETIVO GERAL................................................................................6
OBJETIVOS ESPECÍFICOS...................................................................7
PÚBLICO ALVO.....................................................................................8
METAS A ATINGIR................................................................................8
METODOLOGIA....................................................................................8
RECURSOS HUMANOS........................................................................9
PARCEIROS OU INSTITUIÇÕES APOIADORAS..................................9
AVALIAÇÃO.........................................................................................9
CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO.........................................................9/10
BIBLIOGRAFIA....................................................................................11
4

APRESENTAÇÃO

A Casa de Acolhida Morada do Betinho é uma Instituição da


Prefeitura Municipal de João Pessoa, através da Secretária de
Desenvolvimento Social (SEDES) que trabalha de maneira Inter setorial com a
Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e Secretaria Municipal de Educação
(SEDEC), está vinculada a Rede de Proteção Especial de Alta Complexidade,
Diretoria de Assistência Social (DAS) e Secretaria de Desenvolvimento Social
(SEDES).
A mesma atende a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais
(Resolução Nº 109 de 11 de novembro de 2009) e as Orientações Técnicas
para os Serviços de Acolhimento para Crianças e Adolescentes, além de todo o
aparato legal pertinente a Política de Acolhimento e integra o Serviço de
Proteção Social Especial de Alta Complexidade do Sistema Único de
Assistência Social (SUAS).

Acolhimento de Crianças e Adolescentes de ambos os sexos, na faixa


etária de 07 a 18 anos incompletos, que se encontram em situação de
vulnerabilidade pessoal e social que apresentam restrições das condições de
manutenção do convívio familiar e comunitário, em caráter excepcional e
provisório, atendendo o que estabelece os dispositivos legais no Estatuto da
Criança e Adolescente (ECA) – Lei nº 8.069/1990 e respondendo as exigências
da Rede de Proteção e Acolhimento Institucional.

Restabelecer vínculos familiares e/ou social;Contribuir para a


prevenção do agravamento de situações de negligência, violência e ruptura de
vínculos;Favorecer o surgimento e o desenvolvimento de aptidões,
capacidades e oportunidades para que os indivíduos fazem escolhas com
autonomia;Acolher e garantir proteção integral.

Serviço especializado em Atendimento de Crianças e Adolescentes


afastados do convívio familiar por meio de medida protetiva, sem vínculos
familiares ou com estes fragilizados. Casa de Acolhida Morada do Betinho, com
capacidade de atendimento atual para 18 crianças e adolescentes, por um
5

período de no máximo dois anos. Possui espaço específico para acolhê-los


imediatamente e emergencialmente, para a proteção de sua integridade física e
psicológica em condições favoráveis para um desenvolvimento saudável.
Acolher, proteger e orientar crianças e adolescentes na faixa etária de 07 a 18
anos incompletos, que apresentam seus direitos de convivência familiar
violados e/ou ameaçados, sendo este acolhimento uma medida protetiva como
consta no Estatuto da Criança e do Adolescente, artigo 98, em caráter
provisório e excepcional, realizando atividades que visem fortalecimento de
vínculos sociais e comunitários,tendo em vista a nescecidade da instituição o
Serviço buscará através do atendimento diário nas oficinas acompanhar,
estimular e proteger estes acolhidos. Neste sentido faz-se necessário sempre
estar avaliando a manutenção ou não de determinadas oficinas. Verificar se as
mesmas estão contribuindo no processo de emancipação, propiciando novos
conhecimentos e habilidades, atuando no sentido preventivo nas situações de
vulnerabilidade social.

JUSTIFICATIVA

Através de observações e informações colhidas no campo de estágio,


evidenciou-se a necessidade de desenvolver um projeto que vislumbre
atividades sócio- educativas para as crianças e adolescentes da instituição de
Acolhimento Morada do Betinho.
O Estatuto da Criança e do Adolescente vem ao encontro com o desejo
social daqueles que consideram essa fase da vida como uma condição peculiar
de pessoa em desenvolvimento, e compreendem que a criança e o
adolescente devem ser reconhecidos conforme sua idade, tendo garantia do
direito à sobrevivência, ao desenvolvimento e à integridade, sem distinção. Ou
seja, as crianças e adolescentes passaram a ser vistos como cidadãos em
desenvolvimento com direitos.
Considerando que as oficinas erá composta por adolescentes e que a
6

adolescência é uma época de imaturidade em busca de maturidade, nada é


estável e nem definitivo, muitas dúvidas e conflitos internos. Esta crise de
identidade leva o adolescente ora a sentir-se adulto e pronto para assumir
responsabilidades e ora a sentir-se criança. O assistente social deve prezar
sempre pela qualidade dos serviços prestados, ainda que estas se configurem
como uma afirmação da desresponsabilização do Estado frente às demandas
diversas da população, as respostas devem ser igualmente eficazes,
contribuindo para transformações na realidade, articulando-se com as demais
políticas sociais, pois se tratam de direitos, porém muitos profissionais
deparam-se com entidades que atendem à criança e ao adolescente, mas que
se negam a aceitar e colocar em prática o seus direitos.
O Assistente Social tem a missão de contribuir para a melhoria das
condições de vida de pessoas que necessitam de amparo, como as crianças e
os adolescentes institucionalizados para que os mesmos tenham seus direitos
efetivados.
Pressupõem-se como acompanhamento, o planejamento das oficinas
pelos educadores, os temas propostos no desenvolvimento das oficinas,
avaliação das aulas e análise dos materiais produzidos pelos adolescentes tais
como textos, questionários, cartazes, campanhas e outros métodos que
poderão surgir no decorrer da pesquisa a.

OBJETIVO GERAL:

 Focar a constituição de espaço de convivência, formação para a


participação e cidadania, desenvolvimento do protagonismo e da
autonomia das crianças e adolescentes.
7

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

 Complementar ações na proteção e desenvolvimento de crianças e


adolescentes e no fortalecimento dos vínculos familiares e sociais;
 Assegurar espaços de referência para o convívio grupal, comunitário
e social e o desenvolvimento de relações de afetividade, solidariedade e
respeito mútuo;
 Possibilitar a ampliação do universo informacional, artístico e cultural
, bem como estimular o desenvolvimento de potencialidades,
habilidades, talentos e propiciar sua formação cidadã;
 Estimular a participação na vida pública e desenvolver competências
para a compreensão da realidade social e do mundo contemporâneo.
Apresentar a criança e o adolescente como prioridade absoluta,
sujeitos de direitos e pessoas em condição peculiar de desenvolvimento,
merecedoras de proteção integral.
8

PÚBLICO ALVO:

Acolhidos da Casa de Acolhimento Morada do Betinho, equipe técnica


(coordenadora, psicóloga e assistente social), educadores e familiares.

METAS A ATINGIR
Este projeto visa alcançar todos os membros da Casa de Acolhida
Morada do Betinho, proporcionando uma conscientização sobre as principais
problemáticas, a exemplos de: evasões , drogadição,comportamentos
indisciplinares e recorrer a todos os que estão envolvidos no atendimento desta
criança ou adolescente, sendo na maioria das vezes a escola, a Unidade
Básica de Saúde, o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, e o
Conselho Tutelar. Iremos realizar oficinas culturais, esportivas, artesanais, de
inclusão digital, entre outras, com o objetivo de garantir diversidade e
criatividade , com conteúdos que tenham significado para os acolhidos.

METODOLOGIA

Este projeto tem por finalidade conscientizar a todos os membros da


Casa de Acolhida da Morada do Betinho (acolhidos e funcionários) sobre como
desenvolver as habilidades de cada acolhido, utilizando são atividades que
tenham como objetivo primeiro formar um ambiente socializador que
propicie o desenvolvimento da identidade da criança e do adolescente, por
meio de aprendizagens diversificadas, realizadas em situações de interação e
descontração.

RECURSOS HUMANOS:
O projeto será realizado com a contribuição da equipe técnica da Casa
de Acolhida Morada do Betinho, os educadores Sociais, a estagiária, sob a
9

supervisão de campo.

PARCEIROS OU INSTITUIÇÕES APOIADORAS:


O projeto contará com apoio da Casa de Acolhida Morada do Betinho e
UNOPAR.

AVALIAÇÃO:
A avaliação do projeto acontecerá durante o processo de
desenvolvimento, envolvendo a observação da atuação da estagiária, pelo
supervisor de campo, de forma qualitativa. Onde serão observados três
aspectos: a geração de conhecimento; a relevância e a exequibilidade.

CRONOGRAMA:

Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março

ELABORAÇÃO X X X
DO PROJETO

LEVANTAMENTO
DE DADOS X X

ENVIO
DO PROJETO X

ORGANIZAÇÃO
PROJETO
x
10

EXECUÇÃO DO
PROJETO X

BIBLIOGRAFIA:
KLEBA, Maria Elisabeth.; WENDAUSEN, Agueda. Empoderamento : processo
de fortalecimento dos sujeitos no espaço de participação social e
democratização: saúde Soc. v.18, n.4, p.733-743, São Paulo 2009.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do


Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente: Lei nº. 8.069, de 13 de junho


de 1990.

IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na Contemporaneidade:


Trabalho e formação profissional. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2005.