Você está na página 1de 6

Nome____________________________________________ Nº/turma______

Teste de Português –11.ºA


Março de 2016
VERSÃO 1e 2

TÓPICOS DE CORREÇÃO

Grupo 0 (15 pontos)


1. Indica, de entre as afirmações seguintes, as verdadeiras (V) e falsas (F). Corrige as falsas.

1.1 O Realismo observa com pormenor, analisa e critica a sociedade.


1.2 Uma das principais figuras da Geração de 70 foi Feliciano de Castilho. Antero de Quental
1.3 Em 1866, no Largo da Arca d’Água no Porto dá-se um duelo entre Eça Ramalho Ortigão e
Antero.
1.4 A polémica do Bom Senso e do Bom Gosto ocorreu em Lisboa Coimbra
1.5 Causas da Decadência dos Povos Peninsulares é o título de uma conferência de Antero.
1.6 Grupo jantante foi uma expressão usada por Eça para designar os Vencidos da Vida.
1.7 O Realismo defende os ideais monárquicos. republicanas e socialistas
1.8 O impressionismo tenta captar os movimentos de luz e cor.
1.9 A Ideia Nova é o Romantismo.Realismo
1.10 As Conferências Democráticas do Casino ocorreram em Lisboa.

VERSÃO 1 VERSÃO 2
1 V F
2 F F
3 F V
4 F V
5 V V
6 V F
7 F V
8 V F
9 F F
10 V V
Grupo I (85 pontos)
A
Lê o extrato do poema “Cristalizações” de Cesário Verde, no qual o poeta “pinta” a sua cidade numa
manhã fria de dezembro, e responde às questões apresentadas.

CRISTALIZAÇÕES Luzem, aquecem na manhã bonita,


A Bettencourt Rodrigues Uns barracões de gente pobrezita
E uns quintalórios velhos com parreiras.
Faz frio. Mas, depois duns dias de aguaceiros,
Vibra uma imensa claridade crua. Não se ouvem aves; nem o choro duma nora1!
De cócoras, em linha, os calceteiros, Tomam por outra parte os viandantes;
Com lentidão, terrosos e grosseiros, E o ferro e a pedra — que união sonora! —
Calçam de lado a lado a longa rua. Retinem alto pelo espaço fora,
Com choques rijos, ásperos, cantantes.
Como as elevações secaram do relento,
E o descoberto sol abafa e cria!
A frialdade exige o movimento;
E as poças de água, como em chão vidrento, Bom tempo. E os rapagões, morosos2, duros, baços,
Reflectem a molhada casaria. Cuja coluna nunca se endireita,

Em pé e perna, dando aos rins que a marcha agita,


1
Disseminadas, gritam as peixeiras; Nora: máquina hidráulica para tirar água de poços ou cisternas..
2
Morosos: lentos, vagarosos
Partem penedos; cruzam-se estilhaços.
Pesam enormemente os grossos maços3,
Com que outros batem a calçada feita.

A sua barba agreste! A lã dos seus barretes!


Que espessos forros! Numa das regueiras
Acamam-se as japonas4, os coletes;
E eles descalçam com os picaretes,
Que ferem lume sobre pederneiras.

E nesse rude mês, que não consente as flores,


Fundeiam5, como esquadra6 em fria paz,
As árvores despidas. Sóbrias cores!
Mastros, enxárcias7, vergas8! Valadores9
Atiram terra com as largas pás.

Eu julgo-me ao Norte, ao frio – o grande agente!


Carros de mão que chiam carregados,
Conduzem saibro, vagarosamente;
Vê-se a cidade, mercantil, contente:
Madeiras, águas, multidões, telhados! (…)
Cesário Verde, in ‘O Livro de Cesário Verde’

3
Maços: martelo de pau
4 Jaquetão curto.
5
Fundear: deitar ferro ou âncora; ancorar
6 Conjunto de navios.
7 Conjunto de todos os cabos de um navio.
8 Peça de madeira que prende as velas de um navio.
9
Trabalhador que faz valas ou valados.
1. Comenta a descrição impressionista presente nas duas primeiras estrofes, identificando dois recursos
de estilo. (20 pontos)
O poeta apresenta claramente as suas impressões de luz depois da chuva… a sinestesia no segundo
verso da primeira estrofe “a claridade crua”… a comparação no final da segunda estrofe, marcada
pelo verbo “refletir…

2. Verifica o realismo da descrição dos calceteiros e redige a sua caraterização. (20 pontos)
Muito pormenor e cor (sensações visuais e auditivas) … referências ao vestuário e à dureza do
trabalho… a classe trabalhadora como protagonista…

3. Transcreve o verso em que o poeta lembra os sons do campo. (5 pontos)


Não se ouvem aves; nem o choro duma nora

3. O poeta, com a sua visão de artista, transfigura a realidade.


3.1. Localiza no poema e interpreta essa sua transfiguração do real. (20 pontos)
Estrofes sete e oito…as árvores transfiguram-se em navios . O poeta julga-se ao Norte…

Justifica, de acordo com a tua experiência de leitura, qual te parece ser a personagem principal de “Frei Luís
de Sousa”. (20 pontos)
Resposta livre.

Grupo II (70 pontos)

Lê o seguinte texto e responde às questões apresentadas.

360º — CIÊNCIA DESCOBERTA, UMA EXPOSIÇÃO SOBRE A HISTÓRIA DA CIÊNCIA


Manuscritos e artefactos revelam a Ciência por detrás dos Descobrimentos

A 2 de março é inaugurada a exposição 360º — Ciência Descoberta, uma iniciativa coordenada


pelo investigador Henrique Leitão, do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da
Tecnologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Até junho, na Fundação Calouste
Gulbenkian, em Lisboa, será possível ver mapas, animais embalsamados, manuscritos e artefactos
5 que contam a história da Ciência na Península Ibérica.
A exposição «mostra a importância da ciência portuguesa e espanhola no período dos
descobrimentos, a sua importância para a formação da ciência moderna no século XVII», explica
Henrique Leitão, curador da exposição. Nesta viagem aos desenvolvimentos científicos e técnicos
associados às grandes viagens oceânicas de portugueses e espanhóis nos séculos XV e XVI,
10 procuram mostrar-se os diversos fatores que modelaram as ideias e as práticas dos ibéricos nesse
período.
Foi com as descobertas ibéricas, por exemplo, que a matemática se disseminou por camadas da
sociedade mais baixas. Até então estava restrita a classes sociais privilegiadas. «Para navegar no
oceano é preciso utilizar técnicas astronómicas, isto é uma novidade completa, porque ninguém
15 navegava com técnicas astronómicas. Navegava-se em mares pequenos e junto das costas e isso não
era preciso. Os primeiros a utilizar técnicas de astronomia para navegar foram os portugueses, e isto é
uma revolução porque não só permitiu navegações de longa distância nos oceanos como também
obrigou a introduzir instrumentos astronómicos nos barcos. Assim, obrigou a que gente muito
simples começasse a fazer observações de astros e a fazer cálculos. De repente deu-se um fenómeno
20 espantoso de disseminação da matemática por níveis baixos da sociedade», explica o curador da
exposição 360º — Ciência Descoberta.
A exposição é acompanhada por um ciclo de conferências que trazem a Portugal especialistas
nestes assuntos: «Há muita gente no mundo que defende esta importância dos portugueses e
espanhóis.» As conferências decorrem igualmente na Fundação Gulbenkian, uma por mês, até 15 de
25 Maio. «Natural History as a Meeting Point: Portuguese-Dutch Global Encounters ande the Study of
Nature 1500-1650» (dia 13 de fevereiro), «Secretos y Longitudes» (15 de março) e «La Materia
Medicinal: Invenciones Ibéricas en torno a la flora e la fauna exóticas» (17 de abril) são algumas das
conferências a realizar.
Henrique Leitão comenta que «fomos inovadores naquele tempo. Todos os países aprenderam
30 com os nossos conhecimentos. Livros portugueses e espanhóis foram traduzidos». O especialista em
História da Ciência sublinha por isso que «há uma ideia por detrás da cabeça das pessoas que diz
mais ou menos isto: a ciência não é para nós, outros que a façam. Nós fazemos outras coisas,
cantamos bem, somos bons no futebol. Esta visão é errada mas explicada com uma componente
histórica porque se diz que nunca se fez nada em ciência.»
35 O curador da exposição sublinha que por isso é importante contar a história científica
portuguesa por que «se aceitarmos que nunca fizemos nada em ciência durante sete ou oito séculos
é difícil acreditar que agora se esteja a fazer. Enquanto o problema histórico não for solucionado,
enquanto não soubermos olhar para o nosso passado científico com serenidade, é muito difícil
implantar uma cultura científica hoje».
SARA PELICANO 07.02.2013 http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=56930&op=all, (com adaptações).

1. Para responder a cada um dos itens de 1.1 a 1.10, seleciona a opção correta. Escreve, na folha de
respostas, o número de cada item e a letra que identifica a opção escolhida.

1.1 O texto apresenta a exposição 360º — Ciência Descoberta, que confirma a importância
(A) da carreira da Índia para o desenvolvimento científico no século XVI.
(B) das ciências ibéricas no período das Descobertas.
(C) da influência de Portugal na formação de uma nova geração de cientistas.
(D) das ciências ibéricas durante o século XVII.

1.2 A referência aos 360º no título desta exposição remete para


(A) a ideia de circum-navegação.
(B) a noção de mapa-mundo.
(C) o conceito de circunferência.
(D) a descoberta da curvatura do planeta Terra.

1.3 O primeiro parágrafo do artigo fornece-nos informações básicas sobre a exposição, tais como
(A) data, instituições patrocinadoras, duração, local, artigos expostos.
(B) data, instituições patrocinadoras, duração, instituição financiadora, cidade.
(C) data, instituições promotoras, duração, local, artigos expostos.
(D) data, instituições financiadoras, duração, artigos expostos, cidade.

1.4 O investigador Henrique Leitão é


(A) o responsável pela conservação dos artigos expostos.
(B) o curador da exposição.
(C) um especialista em História dos Descobrimentos.
(D) um especialista em História da Astronomia.

1.5 A integração do discurso de Henrique Leitão no corpo do artigo tem o objetivo de


(A) evitar ambiguidades no que diz respeito aos artefactos presentes na exposição.
(B) lançar novas hipóteses sobre a importância das Descobertas ibéricas.
(C) confirmar a veracidade das informações transmitidas.
(D) facilitar a identificação do responsável pela exposição.

1.6 O pronome relativo «que» (linha 10) tem como antecedente


(A) «os diversos fatores» (linha 10).
(B) «fatores» (linha 10).
(C) «grandes viagens oceânicas» (linha 9).
(D) «portugueses e espanhóis» (linha 9).
1.7 Segundo o texto, a expressão «isto é uma revolução» (linhas 16/17) indica que os Portugueses
(A) foram os primeiros a utilizar técnicas de astronomia na navegação.
(B) foram os primeiros a navegar a longa distância.
(C) foram os primeiros a fazer observações de astros.
(D) foram os primeiros a disseminar o ensino da matemática.
1.8 Tendo em conta o texto, o pronome pessoal «nós» (linha 32) refere-se
(A) aos marinheiros portugueses.
(B) aos cientistas portugueses.
(C) aos portugueses e aos espanhóis.
(D) aos cientistas espanhóis.

1.9 No 4.º parágrafo enumeram-se


(A) os títulos das conferências sobre História da Ciência.
(B) os títulos de algumas das conferências incluídas nas atividades da exposição.
(C) o programa das conferências programadas para acompanhar a exposição.
(D) os títulos dos artigos publicados no folheto informativo da entidade promotora.

1.10 Pode afirmar-se que o objetivo principal do artigo é


(A) apelar à visita à exposição.
(B) descrever a exposição.
(C) recomendar uma visita à exposição.
(D) explicar a importância da temática da exposição.

1.11 Classifica a seguinte oração: “que contam a história da Ciência na Península Ibérica.” (linha 5)

1.12 Indica a função sintática da expressão sublinhada: “explica Henrique Leitão, curador da
exposição.” (linha 8)

1.13 Substitui o conetor sublinhado por outro de valor idêntico: “Assim, obrigou a que gente simples…”
(linha 18)

1.14 Indica o tempo e modo da forma verbal sublinhada: “…outros que a façam.” (linha 32)

VERSÃO 1 VERSÃO 2
1-B 1-C
2-A 2-A
3-C 3-D
4-B 4-A
5-C 5-D
6-A 6-B
7-A 7-C
8-C 8-C
9-B 9-C
10 - D 10 - B
11 – Oração subordinada adjetiva relativa restritiva 11 – Oração subordinada substantiva completiva
12 – Modificador apositivo do nome 12 – Predicativo do sujeito
13 – Desta forma/modo; outros 13 – Uma vez que/visto que: outros
14 – Presente do conjuntivo 14 – Pretérito imperfeito do conjuntivo

Grupo III (30 pontos)


Considera o seguinte tema: a ciência e a sua capacidade de mudar o mundo.

Elabora um plano para a redação de um texto expositivo-argumentativo sobre o tema.


Redige apenas a Introdução e o primeiro parágrafo do desenvolvimento.

A professora
Arminda Gonçalves