Você está na página 1de 28

Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 1

COMO SE FAZ UM PROJETO DE PESQUISA QUALITATIVA EM PSICOLOGIA

Vera Maria Moreira Kude1

Resumo
O objetivo deste artigo é apresentar detalhadamente todas as etapas de elaboração e
redação de um projeto de pesquisa qualitativa em psicologia: Introdução, fundamentação teórica e
metodologia. Com base em autores que se aprofundaram no estudo da metodologia, em geral, e
da metodologia qualitativa, em particular, apresentam-se sugestões para levantar e organizar os
conteúdos teóricos e para planejar os procedimentos metodológicos para coleta e análise de
dados. Como complemento, expõem-se sucintamente três métodos de análise de dados
qualitativos: análise de conteúdo (Bardin, 1991), psicológico fenomenológico (Giorgi, 1988a,
1988b) e interpretativo (Erickson, 1986, 1989).
Palavras-chave: pesquisa em psicologia, metodologia de pesquisa, análise qualitativa de dados.

Abstract
The purpose of the present paper is to present in detail all the phases of designing, and
writing a psychological qualitative research project: Introduction, theoretical framework and
methodology. Based on the presumptions of authors who have studied in depth, methodology, in
general, and qualitative methodology, in particular, suggestions are presented both in order to
select and organize the theoretical contents and to plan the methodological procedures for data
collection and analysis. As a complement, three qualitative data analysis methods are briefly
introduced: content analysis (Bardin, 1991), psychological phenomenological method ( Giorgi,
1988a, 1988b) interpretative method (Erickson, 1986;1989).
Key words: psychological research; qualitative methodology; qualitative data analysis.

APRESENTAÇÃO
A execução de um projeto de pesquisa em psicologia freqüentemente constitui por si só
um problema que se torna ainda maior quando se trata de empregar metodologia qualitativa
porque há muito menos literatura disponível em português2 acerca dessa metodologia de pesquisa
do que acerca da metodologia quantitativa. O objetivo do presente artigo é contribuir para diminuir
essa carência, apresentando uma sugestão prática, ilustrada com inúmeros exemplos, de como
proceder para executar o planejamento de uma pesquisa qualitativa em psicologia.
Um projeto de pesquisa é “um plano de envolvimento em investigação sistemática para
obter melhor compreensão do fenômeno” e deve ser capaz de demonstrar que: l) a pesquisa vale
1
Professora do Instituto de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Doutora em Educação
pela Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
2
Constituem alguns exemplos de exceção a essa regra, os livros de Haguette (1990); Lüdke e André ( 1986); Martins e
Bicudo (1989) e um artigo de Alves (1991).
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 2

a pena de ser feita; 2) a pesquisadora ou pesquisador é competente para realizar o estudo; 3) o


estudo foi cuidadosamente planejado e pode ser executado com sucesso (Marshall e Rossman,
1989, p.21). Em outras palavras, o objetivo de um projeto de pesquisa é demonstrar que a
pesquisa tem originalidade, viabilidade, pertinência, coerência, consistência e relevância.
Segundo Strauss (1991, p.5), o projeto de pesquisa qualitativa só deveria ser escrito após
uma coleta preliminar de dados. O autor defende a idéia de que, nessa metodologia de pesquisa,
deveria haver uma “teoria emergente” (“grounded theory”) do próprio estudo, ou seja, deveria
haver o "desenvolvimento da teoria sem qualquer comprometimento determinado com tipos
específicos de dados, linhas de pesquisa ou interesses teóricos". Trata-se de “uma metodologia
geral para desenvolver teoria que está inserida em dados sistematicamente coletados e
analisados. A teoria surge durante a pesquisa real e o faz através da interação contínua entre a
coleta e a análise de dados” (Strauss e Corbin, 1994, p. 273). Esse é um ponto de vista radical,
pois sem um quadro teórico inicial como referência tudo fica muito caótico. Além disso, muitas
vezes é impossível conseguir acesso ao trabalho de campo sem um projeto de pesquisa. Na
verdade, mesmo Strauss (1991) e outros(as) defensores(as) da teoria emergente apresentam um
quadro conceitual e formulam algum tipo de questão quando se aproximam do trabalho de campo;
de fato não conseguem realizar pesquisa qualitativa de maneira inteiramente indutiva como
propõem.
Feitas essas considerações preliminares, passo a expor os passos de elaboração de um
projeto e, com a finalidade de prover um esquema para o acompanhamento da leitura deste
artigo, apresento inicialmente um roteiro de projeto de pesquisa qualitativa. Lembro, porém, que o
mesmo é flexível e que pode sofrer alterações, especialmente na forma, ainda que não tanto no
conteúdo.

ROTEIRO DE PROJETO DE PESQUISA QUALITATIVA


- Folha de rosto: Identificação da instituição, unidade, curso, tipo de trabalho, título, autor(a)
supervisor(a), local e data.
- Sumário: lista de todas as seções (partes) do projeto na ordem em que se apresentam.
- Introdução: Definição e delimitação do tema, justificativa (relevância social e científica do
estudo), objetivos gerais e específicos. Questões que norteiam a pesquisa.
1. Fundamentação teórica (revisão de literatura e quadro conceitual).
2. Metodologia
2.1 Método: explicação da opção pela metodologia qualitativa e do delineamento do estudo.
2.2 Participantes ou informantes (quem? quantos? idade? sexo? etc)
2.3 Procedimentos para a coleta de dados
2.4 Plano para a análise de dados
- Referências bibliográficas, incluindo todas as obras citadas, de acordo com ABNT em rigorosa
ordem alfabética.
- Cronograma: previsão real do tempo de execução da pesquisa, apresentando as etapas da
mesma e os períodos verdadeiros em que se planeja realizá-las.
- Orçamento: previsão de despesas pessoais e materiais (de consumo e permanente) para a
execução da pesquisa.
- Anexos: documentos de elaboração própria ou não (opcional).
- Apêndice: textos que complementam o corpo do trabalho (opcional).
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 3

INTRODUÇÃO DE UM PROJETO

Inicialmente é importante delimitar e localizar o tema no tempo e no espaço, definindo-o


com clareza e situando-o em seu momento histórico e cultural e, se possível, fazê-lo de modo
criativo. Sternberg (1992) cita uma pesquisa realizada em 1986 por Smith e Jones a qual
constatou que 83% dos leitores nunca passam do primeiro parágrafo da maioria dos artigos de
psicologia cuja leitura iniciam porque a grande maioria desses trabalhos é extremamente maçante.
Sugere que se “comece forte” um trabalho científico e exemplifica com uma questão que poderia
constituir a abertura de seu próprio artigo (que apresenta 21 dicas para escrever melhor): “Por que
tantos artigos de psicologia são substitutos seguros de pílulas soporíferas?” (p.12) Seguindo sua
sugestão, a introdução de um projeto de pesquisa deveria ser aberta com um parágrafo que
captasse a atenção do leitor ou leitora, provocando-lhe motivação e curiosidade para continuar a
leitura. Um exemplo de um modo criativo de iniciar a introdução é este apresentado por Ward
(1989, p. 1) no livro em que relata o estudo antropológico que realizou com uma tribo da Oceania:
Este é uma narrativa sobre as aventuras de uma antropóloga vivendo em uma ilha
da Micronésia. A história é sobre batata-doces descomunais, sexo, feitiçaria,
cabanas de zinco, festas, doenças do coração, bebês e uma bebida chamada kava.
Embora eu tenha incluído minhas experiências de estar perdida numa lagoa, comer
cachorro, engravidar, percorrer trilhas de montanha, a verdadeira aventura é
sobreviver em uma cultura diferente, aprender uma nova linguagem, adaptar-se a
costumes estranhos, fazer amigos, perder amigos e fazer pesquisa.”

Objetivos:
Os objetivos do estudo devem ser formulados de forma clara e precisa com verbos no
infinitivo. É importante que o significado do verbo não seja ambíguo ou passível de diferentes
interpretações O objetivo da pesquisa antropológica de Ward (1989, p. 3), citada acima, foi:
“estudar as relações complexas entre mudança social, modernização e a pressão arterial alta que
leva a ataques cardíacos”.
Obviamente os objetivos de um estudo estão relacionados com seu problema ou questões,
mas não se confundem necessariamente com os mesmos. Por exemplo, se o problema for:
Quais as características de um tratamento psicoterápico bem sucedido? Um objetivo pode ser:
Colher subsídios para a aplicação prática em psicoterapias. Outro pode ser: Verificar quais os
fatores relacionados com o sucesso de um tratamento psicoterápico. Freqüentemente os
objetivos são divididos em geral (gerais) e específicos. Os objetivos gerais são mais abstratos,
“definem de modo geral o que se pretende alcançar com a realização da pesquisa” (Richardson et
al., 1989, p. 23). Os objetivos específicos são mais concretos, dizem respeito ao que se deve
observar nos fenômenos reais para atingir os objetivos gerais. Lakatos e Marconi (1991, p.116)
apresentam em um projeto, cujo tema é “Aspirações dos trabalhadores”, o seguinte exemplo de
objetivo geral: “verificar os motivos específicos extrínsecos e intrínsecos que influem e/ou
determinam as aspirações dos trabalhadores em relação à natureza organizacional e social da
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 4

empresa industrial”. Dentre os objetivos específicos de seu estudo estão: “- examinar se os


problemas particulares do trabalhador influem mais em suas aspirações em relação à empresa do
que os gerados pela própria organização. [...] - observar a influência do aumento salarial nas
aspirações do trabalhador.”

Justificativa
Ainda na introdução cabe explicar a relevância científica, psicológica, social, etc. do
estudo. Ward (1989, p. 3), por exemplo, em sua já mencionada pesquisa antropológica, explora,
entre outras coisas, o fato de que as pesquisas têm mostrado que “estilos de vida,
hereditariedade e muitos fatores nos modos como as populações ocidentais vivem ou pensam ou
sentem influenciam sua saúde.” Lakatos e Marconi (1991, p.116), na pesquisa sobre “aspirações
dos trabalhadores”, destacam, entre outros fatores, a importância dos incentivos adequados para
o aumento da produtividade e para o “desenvolvimento harmonioso das relações interpessoais no
âmbito da organização” (p.117).

Questões de pesquisa
O que determina a metodologia a ser empregada na pesquisa é o problema que se
deseja investigar, não é a cosmovisão de quem pesquisa (ainda que, obviamente, a mesma possa
influenciar a escolha do tipo de problema). Portanto, o delineamento 3 do estudo deve ser
determinado pela questão que ele se propõe responder. Costumava-se falar de uma “guerra de
paradigmas” (Gage, 1989), em que a uma metodologia quantitativa, de cunho positivista, se
opunha uma metodologia qualitativa, de cunho humanista. Um dos motivos dessa crença
provavelmente advinha do fato de que as modalidades de pesquisa qualitativa chamadas de
participante e ação (veja, por exemplo, Brandão, 1988; Haguette, 1990) são trabalhos de campo
voltados tradicionalmente para o estudo dos problemas das minorias (de gênero, de classe e
raciais), ao passo que a pesquisa quantitativa tem uma longa tradição de estudos experimentais
realizados em laboratório. Atualmente essa “guerra” parece acabada e mesmo a crença que havia
em certos círculos de que a metodologia qualitativa é inferior ou “menos científica” (o que quer
que isso queira dizer), tende a desaparecer. Prova disso é o fato de que, na convenção anual da
American Psychological Association em 1993, um debate sobre o tema levou à conclusão de que
“todas as pessoas que escrevem hoje sobre metolodogia reconhecem que há um papel para
ambos os métodos, quantitativo e qualitativo,” na ciência (Adler,1993, p.16).
De modo geral e esquemático, pode-se dizer que problemas que são formulados com
como, qual, o quê, por quê prestam-se sobremaneira à investigação através do método
qualitativo. Por outro lado, problemas que são formulados estabelecendo relações entre variáveis,
especialmente os que requerem resposta sim ou não (ainda que não apenas esses), aqueles

3
Delineamento do estudo diz respeito ao planejamento de todos os procedimentos para executá-lo (Bogdan e Biklen,
1992).
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 5

problemas de caráter explicativo ou que, popularmente falando, buscam verificar relações de


causa e efeito4 entre as variáveis são muito mais apropriados ao método quantitativo.
Se eu perguntasse: Os(as) jovens de Porto Alegre tomaram consciência do perigo da Aids
e passaram a usar preservativos em suas relações sexuais? O modo mais adequado de
pesquisar isso certamente seria o quantitativo. Eu faria um questionário de perguntas fechadas e
sairia a entrevistar um número grande de jovens sobre seu comportamento sexual e depois
tabularia os questionários e faria análises estatísticas desses resultados e poderia concluir: sim ou
não. Se eu perguntasse, porém: Como se comportam os jovens em seus relacionamentos sexuais
após o advento da Aids? - seria mais indicado que eu recorresse à metodologia qualitativa, tendo
como instrumento a entrevista de longa duração com um pequeno número de jovens sobre seu
comportamento sexual.
Outros exemplos: O fracasso escolar está relacionado com a privação econômica?
(quantitativo) Quais os fatores relacionados com o fracasso escolar entre crianças de baixa
renda? Qual é a trajetória escolar da criança de baixa renda? (qualitativo). A frustração está
relacionada com a agressividade? (quantitativo) Quais os fatores relacionados com a
agressividade? (qualitativo). Logo, o modo como são formuladas as questões de pesquisa
qualitativa é mais aberto, mais flexível, como os próprios instrumentos.
Resumindo: O que torna uma questão de pesquisa nitidamente qualitativa? Qual é a forma
da questão de pesquisa na pesquisa qualitativa? Em primeiro lugar, sua forma ampla, de fim
aberto, talvez mais descritiva, orientada para os processos sociais e para a descoberta, sua forma
por via de regra bem geral. Em segundo lugar, o fato de que revela preocupação com o contexto:
O que está ocorrendo nesse determinado contexto? Outra característica é que os problemas e
questões de pesquisa são flexíveis, podem mudar no decorrer da mesma. O ponto de vista das
pessoas que participam do estudo é muito importante na pesquisa qualitativa; pretende-se ver as
coisas sob seu ponto de vista (Smith, 1993). É o que se chama de perspectiva “emic” (ponto de
vista das pessoas pesquisadas) em oposição à perspectiva “etic” (ponto de vista da pessoa que
pesquisa). As pessoas estudadas na pesquisa são chamadas de participantes, de informantes,
geralmente não são chamadas de sujeitos. As idéias que permeiam todo o estudo são as das
complexidades humanas e a de respeito pelas pessoas que são pesquisadas e que estão
pesquisando.
O problema da pesquisa, contudo, freqüentemente é... um problema para quem se
encontra na contingência de planejar uma pesquisa. Muitas vezes o tema até já está definido,
mas não se tem claro o quê ou como problematizar. Sempre digo que no que tange ao problema
da pesquisa vale o que Picasso disse acerca da arte: 99% é transpiração e 1% é inspiração. Se é
verdade que um bom problema de pesquisa equivale a metade da pesquisa, também é verdade
que muito raramente ele é fruto da inspiração e com muita freqüência advém de árdua
transpiração. Nesse caso, o melhor que se pode fazer é levantar a literatura pertinente e ler e
4
“Estritamente falando, nenhum tipo de pesquisa pode afirmar que uma coisa causa outra. O máximo que se pode dizer
é que tal ou qual relação existe e que é de tal ou qual natureza.” (Kerlinger, 1980, p.131).
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 6

reler incessantemente. Com isso, não só se alinhava o capítulo da fundamentação teórica como
acaba-se por vislumbrar o modo de questionar o tema, até por que muitas vezes essas questões
já são sugeridas em pesquisas alheias.
Mas onde procurar questões que norteiem a pesquisa quando nem sequer o tema está
definido? Fontes de temas de pesquisa, conforme Smith (1993), são: a) Outras pesquisas,
interesses pessoais e problemas em geral; b) Anomalias, paradoxos, contradições e conflitos; c)
Campos novos ainda inexplorados sobre o qual há pouca ou nenhuma literatura; d) Áreas em
conflito, como aquelas em que há teorias em choque; e) Questões definidas com pouca precisão,
tais como "dificuldade de aprendizagem", "em risco", etc. Qual é‚ por exemplo, o exato sentido de
afirmar que uma criança tem "dificuldade de aprendizagem"? O que significa realmente estar "em
risco"? Problemas práticos também constituem quase sempre ótimas fontes de sugestões para
questões de pesquisa. Por ex.: o exame vestibular como forma de admissão à universidade. O
que é problemático para as pessoas aqui? O que as pessoas pensam disso?
Marshall e Rossman (1989, p.28) dizem que "na pesquisa qualitativa questões e problemas
para a pesquisa advêm de observações no mundo real, dilemas e questões. Elas não são
formuladas como hipóteses são derivadas da teoria. Antes, tomam a forma de indagações de
amplo alcance." Não se deve, segundo elas, subestimar o papel da intuição no processo de
pesquisa qualitativa. O insight criativo tem um papel preponderante na mesma. O(a)
pesquisador(a) percebe que lhe surgem questões mais profundas de pesquisa, quando se permite
"ruminar" as idéias e quando respeita a capacidade da mente para reorganizar e reconstruir. As
autoras apresentam diversos exemplos (que podem ser usados como “modelos” básicos ou
“moldes”) de como formular problemas na metodologia qualitativa de pesquisa:
. Por que este programa está funcionando bem nesta escola e não nas outras? O
que há de especial em relação às pessoas? Ao plano? Ao apoio? Ao contexto?
. Quais são as várias técnicas usadas pelos grupos lobistas no sentido de influenciar
as políticas educacionais? Quais dessas técnicas são percebidas como mais
eficientes? Como elas variam de acordo com a questão em debate? Como os
lobistas aprendem essas técnicas?
. Como os neurocirurgiões aprendem a lidar com o fato de que têm a vida das
pessoas em suas mãos e de que muitos de seus pacientes acabam morrendo?
. O que acontece com mulheres que ingressam em cursos de pós-graduação? Qual
é a trajetória de suas carreiras?
. Como é a vida do motorista de caminhão que percorre longas distâncias?
É importante enfatizar mais uma vez que é o problema de pesquisa que determina o
delineamento e não o contrário. Não se deve jamais tomar a decisão de fazer um estudo
qualitativo e, em função dessa decisão, procurar um problema de pesquisa. Algumas pessoas,
conforme Marshall e Rossman (1989, p.42), aparentemente o fazem baseadas na convicção,
errônea cabe frisar, de que é mais fácil fazer pesquisa qualitativa do que pesquisa quantitativa.

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Revisão de literatura
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 7

O termo “revisão de literatura” é discutível, apesar de consagrado. Costumo chamar este


capítulo de “fundamentação teórica”, até por que compreendo que não abrange apenas a “revisão
da literatura” (levantamento do estado da arte do tema focalizado, ou seja, de como se encontra na
ciência hoje o conhecimento sobre o tema do estudo), mas também o “quadro conceitual” (a teoria
de base do estudo ou que serve de parâmetro para a análise de dados e discussão de resultados)
que, na prática, muitas vezes se confundem. A boa fundamentação teórica dá consistência a todo
o estudo e propicia uma discussão mais profunda e com mais insights dos resultados.
“A má qualidade da revisão da literatura compromete todo o estudo, uma vez
que esta não se constitui em uma seção isolada mas, ao contrário, tem por
objetivo iluminar o caminho a ser trilhado pelo pesquisador, desde a definição do
problema até a interpretação dos resultados” (Alves, 1992, p. 54).

Conforme Marshall e Rossman (1989, p.34-35), a revisão de literatura serve a amplos


propósitos: 1) Apresenta os pressupostos teóricos subjacentes às questões de pesquisa; 2)
Demonstra que o pesquisador ou pesquisadora tem conhecimento suficiente em relação a
pesquisas relacionadas e a tradições teóricas que apóiam e cercam o estudo; 3) Mostra que a
pesquisadora ou pesquisador identificou alguns hiatos na pesquisa existente e que o estudo
proposto preenche uma lacuna apresentada; 4) Refina e redefine as questões de pesquisa e
hipóteses provisórias embasando essas questões em tradições empíricas mais amplas.
Outrossim, a revisão de literatura confere importância ao enfoque do estudo e validade aos seus
achados, além de ajudar a encontrar explicações durante a coleta e análise de dados. Ainda que a
revisão de literatura não servisse a esses propósitos, contudo, é importante lembrar que o público
espera que haja o capítulo da revisão de literatura nos projetos de pesquisa. Não há, portanto,
razão para a pessoa não satisfazê-lo, exceto a disposição de criar problemas para si própria.
Em relação ao modo de trabalhar este capítulo, sempre sugiro que se organize a pesquisa
bibliográfica em fichas ao invés de colecionar incontáveis textos xerografados que muitas vezes
são lidos superficialmente e, após o trabalho, jogados no lixo. Como dizem Becker, Farina e
Scheid (1993, p.43), memória é a “prodigiosa faculdade que temos para esquecer” e a técnica de
fichar nossas leituras nos protege de suas armadilhas. Eco (1989, p. 48) observa que fichar as
leituras faz parte do conjunto de normas que podem ser chamadas de “funcionais” porque
permitem a qualquer pessoa localizar a obra em pauta, mas são também “normas, por assim dizer,
de etiqueta erudita”. Quando observadas, mostram que a pessoa está familiarizada com a
disciplina; “quando violadas traem o parvenu científico e, por vezes, [essa violação] lança uma
sombra de descrédito sobre o trabalho em tudo o mais bem feito.”
Atualmente, em decorrência do uso cada vez mais disseminado do computador, a ficha de
cartolina está, provavelmente, em vias de se tornar obsoleta. Contudo nada impede que seu
princípio seja transferido para a informática e, quando se considera que a grande maioria dos(as)
autores(as) de livros de metodologia (veja, por exemplo, Eco,1989; Lakatos e Marconi, 1991;
Medeiros, 1991; Salomon, 1993; Severino, 1993) defende ardorosamente o emprego da técnica
de fichamento, não se pode deixar de acreditar que deve ser uma técnica racional e, sobretudo,
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 8

extremamente prática, permitindo o resgate rápido - hoje como daqui a 20, 30 anos ou mais - do
conhecimento que foi apropriado.
São vários os modelos de fichas existentes: de conteúdo, de resumo, de citações, etc.
Considero que não é necessário buscar classificar as fichas, mas simplesmente fazê-las do modo
como parecer mais útil, mais informativo possível e de acordo com a finalidade a que se
propõem, nunca esquecendo de organizar o cabeçalho de acordo com as normas técnicas 5. Duas
das inúmeras vantagens do emprego da ficha deveriam bastar para convencer as pessoas
renitentes a empregá-las:
Referências bibliográficas+-/++: Só quem nunca fez um trabalho sem método ignora
quão difícil se torna organizar esta seção quando decorreram semanas ou meses (para não dizer
anos) entre o momento em que se trabalhou um texto, no início do planejamento da pesquisa, e o
momento em que se vai organizar a relação das referências bibliográficas. Ao contrário, se as
leituras tiverem sido arquivadas em fichas, quando se chega ao fim do trabalho, tem-se a
satisfação de constatar que a seção está totalmente pronta, bastando tão-somente copiar os
cabeçalhos das fichas em rigorosa ordem alfabética.
Produção do texto: Freqüentemente o(a) estudante vai à hemeroteca e faz um
levantamento de artigos sobre o tema de sua pesquisa e, uma vez tendo localizado-os, apressa-se
em fazer xerox dos mesmos. O inconveniente dessa prática, como bem observa Eco (1989), é
que lhe parece que o trabalho está concluído, quando de fato está mal iniciado. O estudo e a
leitura desse material todo é postergado até o momento de produzir o texto e quando vem a fazê-
lo dificilmente deixará de apresentar uma visão superficial desses artigos, baseada em frases
sublinhadas ao acaso aqui e ali. Bem mais racional é aproveitar o tempo despendido em
providenciar as cópias de xerox, estudando os artigos na própria hemeroteca e transcrevendo
para fichas o conhecimento recém adquirido. No momento em que for produzir um texto com
essas fichas, além de que já estarão elaboradas com suas próprias palavras (mesmo que
intercaladas com citações literais mais ou menos longas) ser-lhe-á bem mais fácil resgatar todo o
conhecimento de que se apropriou se necessitar expandir seu conteúdo. O mesmo vale para os
livros. Como dificilmente poderá adquirir todos os de que necessita para um determinado
trabalho, terá de se submeter às limitações do sistema de empréstimo das bibliotecas (e quantas
vezes exatamente o livro de que precisa não está disponível no momento certo), e às limitações de
não poder sublinhar trechos de livros que não lhe pertencem e tampouco fazer anotações nos
mesmos.
Um exemplo de ficha (“funcional”, neste caso, para justificar a opção pela metodologia
qualitativa):

AYERS, William. The Good Preschool Teacher: Six Teachers Reflect


on Their Lives. New York: Teachers College, Columbia University,
5
No Brasil, as mais empregadas são as da Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR 6023 (NB 66) (ABNT,
1989) e as da American Psychological Association (1994).
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 9

1989.
O autor apresenta um estudo realizado com seis professoras de pré-
escola e justifica a opção pelo emprego do método qualitativo de pesquisa
no capítulo inicial do livro. Alguns de seus pontos de vista: "O objetivo da
etnografia não é, portanto, predição mas compreensão." (p.14) A força da
etnografia é a descrição e sua fraqueza é a profecia. A leitura de um
estudo de caso, do mesmo modo que a leitura de um romance, pode
oferecer ao leitor valiosos insights sobre padrões assim como sobre
idiossincrasias e particularidades, mas o que se lê não é necessariamente
generalizável. Pode haver insight e exemplo sem previsão. Como o
lingüista que pode escrever uma gramática, se falar somente com uma ou
duas pessoas mas não pode prever quantas pessoas de fato - se é que
outras pessoas além das duas - falam aquela linguagem, o etnógrafo pode
perceber padrões, mas não pode generalizar a partir dos mesmos. “Nesse
sentido, as conclusões são generalizáveis existencialmente, mas não
estatisticamente. Para o positivista isso representa uma séria falha, para o
etnógrafo afirma uma determinada visão de mundo”. (p.14)

Quadro conceitual

É difícil falar sobre "quadro conceitual" em abstrato. Trata-se de um conjunto de idéias e


conceitos relacionados que o pesquisador ou pesquisadora prevê que pode ser significativo para
seu problema de pesquisa. O quadro conceitual pode mudar durante a vida do projeto. É quase
sempre flexível e múltiplo. Um quadro conceitual é um tipo de estrutura de significados que coloca
os termos dos argumentos do estudo e antecipa o que será significativo e sobre o que tratará o
estudo (Smith, 1993).
Os dados que são buscados estão relacionados com algo, não aparecem magicamente. O
quadro conceitual diz, por exemplo, que o estudo será baseado na psicanálise e não no
behaviorismo. Também estabelece a base para a sua coerência e validade. O quadro conceitual,
conforme Smith (1993), fornece alguns "ganchos" nos quais "pendurar" os dados. Sem ele, o
pesquisador ou a pesquisadora pode chegar ao fim do estudo e não saber o que fazer com seus
dados. Mesmo os(as) mais radicais pesquisadores(as) de metodologia qualitativa, como já foi
dito, admitem que não começam um estudo com uma "tabula rasa"; também partem, portanto, de
um quadro conceitual. O quadro conceitual é uma "lente" para olhar a realidade e sempre pode
não ser a mais adequada. Sempre há o perigo de que essa lente seja tão poderosa que impeça a
visão de outras coisas.

METODOLOGIA

Método
É importante distinguir metodologia de método. Método é a justificativa para o tipo de
procedimento (quantitativo ou qualitativo) empregado na pesquisa, a teoria do método; ao passo
que metodologia é o conjunto de procedimentos empregado na realização do estudo. Ao
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 10

apresentar o método, é necessário rever os pressupostos filosóficos subjacentes à metodologia


qualitativa, seus pressupostos sobre a realidade da natureza humana, isto é, apresentar a
justificativa da opção pela metodologia qualitativa de pesquisa nesse estudo específico (veja, por
exemplo, Ayers, 1989; Bogdan e Biklen, 1992; Denzin e Lincoln, 1994; Lüdke e André, 1986).
Torna-se também necessário optar por uma ou outra abordagem de pesquisa qualitativa, pois seu
campo é muito variado e é impossível abrangê-lo todo.
Em relação aos pressupostos, é importante dizer os parâmetros que se empregará para
julgá-los. Qual o significado de validade neste estudo? Às vezes é necessário justificar as
questões de pesquisa como essencialmente qualitativas. Por que só podem ser pesquisadas
através da metodologia qualitativa? Enfim, é importante apresentar uma justificativa fundamentada
para empregar a metodologia qualitativa de pesquisa.

Procedimentos metodológicos
A seção da metodologia é redigida com linguagem essencialmente no futuro, pois inclui a
explicação de todos os procedimentos que se supõe serão necessários para a execução da
pesquisa, entre os quais se destacam:
- Delineamento da pesquisa: Deve ser claramente exposto o planejamento do estudo.
- Unidades de estudo. A unidade de estudo é uma característica tanto do delineamento
da pesquisa qualitativa quanto do delineamento da quantitativa; quando se pensa no tamanho ou
complexidade do fenômeno em estudo, percebe-se que se pode optar por um grande ou pequeno
enfoque do fenômeno; pode-se usar uma lente de pequena ou grande angular; no caso da grande
angular, perdem-se os detalhes, mas tem-se uma visão do todo e vice-versa. Por exemplo: em um
estudo de enfermeiras trabalhando na enfermaria de bebês ou no hospital e interagindo com todas
as outras pessoas, diferentes unidades de estudo poderiam ser: a interação com os bebês, alguma
outra forma de interação, a enfermaria, o hospital como um todo, as interações em frente do
elevador, etc. Outro exemplo: Identificar dificuldades de aprendizagem ou o processo de
identificação.
- Local: o próximo passo é falar sobre o local onde será feita a coleta de dados. Como foi
ou será selecionado? Como será obtido acesso a ele? No caso de já ter sido selecionado, deve-
se fazer uma descrição do mesmo. Também é necessário justificar a escolha: Como se espera
responder a questão da pesquisa ali? Quanto tempo se pretende permanecer no local coletando
dados? Essas coisas ajudam quem avalia o projeto a decidir se o estudo é plausível.
- Hipóteses de trabalho: O que se pode esperar se o estudo for realizado? Essas
hipóteses são diferentes das hipóteses da pesquisa quantitativa no sentido de que são hipóteses
orientadoras e não hipóteses estatisticamente testáveis. Segundo Marshall e Rossman (1989,
p.44), as hipóteses norteadoras na pesquisa qualitativa são "apenas ferramentas" que podem ser
descartadas quando o pesquisador ou pesquisadora entra em trabalho de campo e encontra
padrões de fenômenos mais interessantes. Essas hipóteses representam algumas direções
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 11

possíveis que a pesquisa pode tomar, mas quem realiza a pesquisa mantém a liberdade de fazer
outras descobertas e de seguir outras direções.
- Seleção de participantes: Como será feita a seleção de participantes do estudo? Quais
os documentos de acesso? Há possibilidade de ter acesso a informantes? Como se pretende
lidar com as pessoas que possuem a "chave" de acesso ao trabalho de campo?
- Procedimentos para coleta e registro de dados: Roteiros e/ou protocolos de
entrevistas e observações. Como serão manipulados, armazenados e recuperados os dados? A
observação participante e a entrevista de profundidade são os instrumentos mais comuns da
pesquisa qualitativa e que melhor apresentam suas características (Bogdan e Biklen,1992, p.2).
O grau de participação na observação varia bastante no decorrer da pesquisa, mas é
sempre importante evitar a participação excessiva que pode levar ao que, na antropologia é
conhecido por "going native" (Gold, apud Bogdan e Biklen, 1992, p.88), ou seja, acabar por se
tornar um membro "nato" do grupo pesquisado, o que resulta em tal grau de envolvimento com os
sujeitos que as intenções originais do estudo acabam por se perder.
Quanto à entrevista, parte da observação participante e é “uma das mais poderosas
técnicas da metodologia qualitativa” (McCracken,1991, p.7). Através dela é possível compreender
“a importância da linguagem e das histórias na vida de uma pessoa como meios para seu
conhecimento e sua compreensão” (Seidman, 1991, p. xiv). A entrevista “provê acesso ao
contexto do comportamento da pessoa e, desse modo, fornece [...] um modo de compreender o
significado desse comportamento” (Seidman, 1991, p.4).
- Procedimentos complementares: Como assegurar a verdade das inferências? Como
proceder nas questões éticas relativas a participantes? Quando se dará por encerrada a tarefa de
coletar dados? Uma tentação muito grande para quem faz pesquisa qualitativa é permanecer no
campo coletando dados indefinidamente, não só para adiar a penosa tarefa de análise como
também porque há uma tendência grande de “apego” aos participantes do estudo nesse tipo de
metodologia. Bogdan e Biklen (1992) sugerem que a coleta seja dada por concluída quando se
atingir o “ponto de saturação de dados”(p.68), ou seja, o ponto em que as informações obtidas no
trabalho de campo começarem a repetir-se persistentemente tornando-se redundantes.
- Plano para análise de dados: Qual o método de análise de dados que se pretende
empregar? Como se aplica esse método? Não é bastante mencionar o método de análise de
dados que será empregado no estudo; é necessário que se saiba realmente empregá-lo e que se
o demonstre com uma explicação clara. Portanto, seja qual for o método que se planeja empregar,
cabe estudá-lo a fundo e experimentar empregá-lo de antemão.
Ao contrário da metodologia quantitativa que possui uma coleção de sofisticadas
técnicas estatísticas para realizar análise de dados, “os métodos para analisar qualitativamente os
dados são rudimentares” (Strauss, 1991, p.1). Miles e Huberman (1984; 1994) e Huberman e
Miles (1994) que se dizem pertencentes a um “soft-nosed logical positivism” 6 por se

6
Em tradução livre, algo como “positivismo lógico atenuado”.
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 12

considerarem “positivistas lógicos que tentam atenuar as limitações dessa abordagem” (1984, p.
19), procuram desenvolver um método de análise de dados qualitativos tão sistemático e
metódico quanto o quantitativo. Segundo Strauss (1991, p. 55), suas sugestões e regras para
realizar a codificação de dados qualitativos é muito útil. O método como um todo parece
extremamente complexo e difícil de aplicar, mas fica aqui a sugestão para quem desejar inovar. Na
conclusão deste artigo apresento, como complemento, um adendo sobre os três métodos mais
comumente empregados na análise de dados basicamente descritivos: análise de conteúdo
(Bardin, 1991); análise psicológica fenomenológica (Giorgi, 1988a; 1988b); análise interpretativa
(Erickson, 1986; 1989).

CRONOGRAMA
O Cronograma do projeto de pesquisa é o plano de distribuição das diferentes etapas de
sua execução em períodos de tempos verdadeiros. Serve a diferentes propósitos: permite
verificar se o pesquisador ou pesquisadora tem conhecimento consistente acerca das diferentes
etapas que deverá percorrer para executar a pesquisa que planejou e do período de tempo que
deverá despender ao fazê-lo. Serve também para organizar e distribuir racionalmente em suas
etapas o tempo disponível para a execução da pesquisa. Mesmo quando não há exigência
de cronograma, todo o pesquisador ou pesquisadora deveria fazê-lo para seu uso próprio e - o
que é mais importante - segui-lo com o maior rigor possível. É por falta de cronograma que
muitas pesquisas estendem-se indefinidamente ao longo de meses e meses de indefinição. Ora é
a revisão de literatura que se prolonga ad infinitum, ora é a resistência para dar por encerrada a
atividade de coleta de dados, ora é a procrastinação do início da análise por se ter bem
consciência de que exigirá grande esforço físico e mental. O cronograma evita que se caia
nessas armadilhas. Um exemplo de cronograma:

Meses dezembro de janeiro de 1997 março de 1997 abril de 1997


Etapas 1996
X X X
Revisão teórica
X X
Coleta de dados
X X X
Análise de dados
X X
Discussão
X X X
Conclusão
X
Redação final

ORÇAMENTO
As agências financiadoras de projetos de pesquisa exigem que os mesmos sejam
acompanhados de orçamento que constitui um planejamento de valores necessários para
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 13

executar o estudo. Mesmo quando não se pretende financiamento para a execução de um


projeto, o orçamento bem estudado é útil para que se tenha uma previsão de quanto se terá de
despender para realizar a pesquisa. Um exemplo:
ELEMENTO DE DESPESA Valor específico Valor geral
Material de consumo R$ 100,00
Remuneração de serviços pessoais R$ 100,00
Outros serviços e encargos R$ 100,00
SUBTOTAL DE CUSTEIO R$300,00
Equipamentos e material permanente R$ 2000,00
Material bibliográfico R$ 200,00
SUBTOTAL DE CAPITAL R$ 2200,00
TOTAL R$ 2500,00

ADENDO:

TRÊS MÉTODOS DE ANÁLISE DE DADOS NA PESQUISA QUALITATIVA

Análise de conteúdo
Segundo Bardin (1991), análise de conteúdo é um tipo de análise que se situa entre a
quantitativa e a qualitativa e que pode ser definida como:
"um conjunto de técnicas de análise das comunicações visando obter, por
procedimentos sistemáticos e objetivos do conteúdo das mensagens, indicadores
(quantitativos ou não) que permitam a inferência de conhecimentos relativos às
condições de produção/recepção (variáveis inferidas) destas mensagens.” (p.42).

Os objetivos desse modelo de análise são: a) ultrapassar a incerteza: O que eu julgo ver
na mensagem está mesmo lá e essa minha visão pode ser compartilhada por outras pessoas? b)
enriquecer a leitura: Se um olhar imediato é fecundo, uma leitura mais atenta não será mais
esclarecedora? Isso é feito através da descoberta de conteúdos e de estruturas que confirmam
ou não o que se procura demonstrar ou pelo esclarecimento de elementos de significações
suscetíveis de conduzir a uma descrição de mecanismos dos quais não tínhamos compreensão a
priori.
A análise de categorias é o método de análise de conteúdo mais difundido e empregado;
foi cronologicamente o primeiro. Consiste em "tomar em consideração a totalidade de um texto,
passando-o pelo crivo da classificação e do recenseamento, segundo a freqüência de presença
(ou de ausência) de itens de sentido." (Bardin, 1991, p.36).
"É o método das categorias, espécie de gavetas ou rubricas significativas que
permitem a classificação dos elementos de significação constitutivas da
mensagem. É, portanto, um método taxionômico bem concebido para [...] introduzir
uma ordem segundo certos critérios na desordem aparente." (p.37)

A técnica, em resumo, consiste simplesmente em classificar os diferentes elementos do


texto nas diversas gavetas segundo critérios que permitam fazer surgir uma "certa ordem na
confusão geral" (p.37). Seguindo esse raciocínio, se o critério adotado for cor, por exemplo, é
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 14

óbvio que não posso colocar na mesma gaveta meias brancas e vermelhas. “Um sistema de
categorias é válido se puder ser aplicado com precisão ao conjunto da informação e se for
produtivo no plano das inferências” (Bardin, 1991, p. 55).
Para que a análise de categorias seja válida, há regras para a fragmentação do texto que
determinam que as categorias devem ser: Homogêneas, não se misturam coisas diferentes;
exaustivas, devem esgotar todo o texto; exclusivas, um mesmo elemento de conteúdo não pode
ser classificado em duas ou mais categorias diferentes; objetivas, pessoas diferentes devem
chegar às mesmas categorias; adequadas ou pertinentes, devem estar adaptadas ao conteúdo e
ao objetivo da análise.
Em seu livro, Bardin (1991) expõe exaustivamente o método e as diversas técnicas de
análise de conteúdo. A apresentação que acabo de fazer apenas fornece uma idéia esquemática
do método. O leitor ou leitora que se interesse em empregá-lo pode encontrar na obra inúmeros
exemplos e detalhadas explicações de como aplicar as diferentes técnicas.

Análise psicológica fenomenológica


Proposta por Giorgi (1988a, 1988b), esta análise presta-se especialmente para o
tratamento de dados qualitativos obtidos através de entrevistas, as quais, de antemão, devem ser
gravadas e transcritas literalmente. O núcleo da análise compreende quatro passos principais:
1º Sentido do todo. A descrição ingênua da experiência do sujeito é lida e relida tantas
vezes quantas forem necessárias para que se consiga apreender o sentido do todo.
2º Discriminação das unidades de significado. Uma vez que é impossível analisar um
texto inteiro de uma só vez, é necessário dividi-lo em unidades manipuláveis, sempre dentro de
uma perspectiva psicológica e com enfoque no fenômeno pesquisado. Isso porque, uma vez que
se trata de uma análise psicológica, é lógico que os critérios de divisão das unidades sejam
psicológicos. A unidade de significado é numerada e discriminada no próprio texto com um
travessão (/) toda a vez que se percebe uma mudança no sentido da situação descrita pelo
sujeito. Nesta etapa, a linguagem ingênua do sujeito é mantida sem qualquer alteração.
3º Transformação em linguagem psicológica das expressões do sujeito. São feitas as
transformações da linguagem diária do sujeito em linguagem científica, mantendo sempre a
ênfase no fenômeno que está sendo pesquisado. Isso é feito através de um processo de reflexão
imaginativa. É inevitável que haja uma certa distância entre a especificidade da situação concreta
e as categorias psicológicas mais gerais evocadas pela análise. O objetivo do método, porém‚ é
atingir a categoria mais geral através das expressões concretas e não pela abstração. Essas
transformações são necessárias porque o sujeito ingênuo expressa realidades múltiplas de
maneira obscura e, conseqüentemente, para compreender os significados de seu discurso é
preciso elucidar os aspectos psicológicos com profundidade.
4º Síntese coerente das unidades de significado transformadas. O último passo da
análise é sintetizar e integrar os "insights" contidos nas unidades de significado transformadas em
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 15

uma descrição consistente com a estrutura psicológica do acontecimento. Nessa síntese todas as
unidades de significado devem ser levadas em consideração.
Situações específicas, quando são desejáveis, podem ser obtidas com a descrição de um
único sujeito. Na etapa final da análise, a descrição específica da estrutura situada permanece
mais fiel ao sujeito concreto de uma situação específica, ao passo que a descrição geral da
estrutura situada procura afastar-se do específico para comunicar o significado mais geral do
fenômeno. Esse último passo, conforme Giorgi (1988a), é bastante difícil porque, ao contrário do
que ocorre na pesquisa tradicional em que há convenções para os procedimentos, nesta forma de
análise há a possibilidade de expressar os achados de diferentes modos.
Apresento a seguir um exemplo traduzido de Giorgi (1988b, p. 57-60) em que o autor
inicia, ao contrário do que propõe acima, a transformação do discurso ingênuo do sujeito já na
fase de discriminação das unidades de significado:
Descrição ingênua focalizando uma experiência de aprendizagem:
Entrevistador: Descreva para mim uma situação na qual você aprendeu
alguma coisa.
Sujeito: Sabe, eu deixei meu restaurante no centro e vim pra cá. Tudo que
eu queria era uma pequena lanchonete. Só o que eu precisava para o meu
restaurante e pensei que estava livre de todos os meus problemas. Agora,
porém, depois de ontem à noite, não sei se conseguirei continuar.
Entrevistador: O que aconteceu? Pensei que as coisas estavam indo bem
para você.
Sujeito. E estavam. Isto é, pensei que estavam até ontem à noite. Aprendi
tanto ontem à noite e agora não sei o que farei.
Entrevistador: O que você descobriu?
Sujeito: Aprendi sobre essas moças (garçonetes). Ontem à noite, com neve
e tudo essa multidão de jovens veio ao bar. O lugar estava lotado e os negócios
estavam ótimos. Aí percebi que as meninas estavam roubando. Devemos ter
preparado centenas de hambúrgueres e quando fui ver as notas, poucos
fregueses haviam pago por eles. As meninas deram aos amigos todos esses
sanduíches e só anotaram um refrigerante ou um cafezinho. Isso devia estar
acontecendo há meses. Na noite passada eu as peguei em flagrante. Eu nem
soube o que fazer. Senti vontade de bater nelas. Depois tive vontade de chorar
por causa de todo o meu trabalho duro tentando fazer a coisa deslanchar.
Aprendi que após todos esses meses essas meninas não têm respeito por mim.
Também descobri que não dão a mínima pra seu emprego. Então eu as despedi.
Elas não estão nem aí. Só se preocupam em conseguir encontros para as
sextas-feiras e passar meus sanduíches de graça. No meu restaurante do centro
era diferente. As meninas queriam trabalhar. Elas precisavam do emprego para
manter suas famílias. Esses jovens de hoje não ligam a mínima pra nada. Não
sei quanto dinheiro eu perdi. Que tolo tenho sido. Tenho sido realmente burro.
Aprendi na noite passada que erro estúpido estava cometendo. Agora sei que
simplesmente não consigo lidar com jovens. Mal pude suportar vir aqui hoje de
manhã. Falei com elas essa manhã e elas só riram e falaram às minhas costas.
Agora que sei tudo isso, não sei o que fazer. Creio que comecei tudo errado.
Acho que preciso contratar gente nova e começar tudo de novo. Desta vez eu
vou ser duro no começo. Todos vão saber, desde o começo, quem é o chefe.
Não teremos os mesmos problemas. Desta vez vão me respeitar. Aprendi
ontem à noite que não se pode dirigir um restaurante a menos que se seja
respeitado.
Pesquisador: Como foi que você aprendeu tudo isso ontem à noite?
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 16

Sujeito: Não sei. Acho que estava observando mais do que usualmente e eu
sabia que tínhamos vendido muitos hambúrgueres. Eu observei e escutei essas
meninas. Se eu tivesse permanecido cego a tudo isso muito mais tempo, elas
teriam fugido com o restaurante todo. Eu fui confiante demais e queria ser
amigo delas. Isso não funciona - não se pode ser amigo e chefe. Não se pode
dirigir um restaurante sem respeito. Não, senhor, o velho Harry não será
enganado novamente.

Análise qualitativa

Unidades de significado expressas o quanto Unidades de significado expressas mais


possível na linguagem do sujeito e diretamente na linguagem psicológica e com
baseadas na perspectiva de que a relação à relevância para o fenômeno de
descrição foi um exemplo de aprendizagem. aprendizagem.

1 S deixou o restaurante do centro e veio 1. S. revela que seu projeto pessoal evoluiu
para cá (um novo lugar). S queria somente com a experiência, o que o faz perguntar-se
uma pequena lanchonete. Somente o que se conseguirá manter seu projeto.
precisava para sua aposentadoria e
imaginava que estaria livre de todos os
problemas. Agora, após o que aconteceu
na noite anterior, S se pergunta se
conseguirá continuar.

2. As coisas estavam indo bem para S até a 2. S presumiu que seu projeto pessoal
noite anterior. S aprendeu muito na noite estava sendo realizado tranqüilamente, mas
passada e agora não sabe o que fazer. S devido a um conhecimento novo relativo a
aprendeu algo sobre as garçonetes. pessoas que são necessárias para a
continuação do projeto ele agora não sabe o
que fazer7.

Descrição específica da estrutura situada de aprendizagem:


Uma situação de aprendizagem começa para S quando descobre que um
projeto pessoal no qual está empenhado não está sendo adequadamente
realizado devido ao comportamento de outras pessoas necessárias para a
continuação do projeto. As ações de terceiros aparentemente não iam ao
encontro dos interesses do projeto de S já por algum tempo, mas S tomou
conhecimento das intenções discrepantes de terceiros apenas na presente
ocorrência devido a certas circunstâncias em que estava mais a par da situação
como um todo do que normalmente, e quando certas expectativas de S não
foram alcançadas, a consciência da falta de realização dessas expectativas
forçou-o a rever seus pressupostos relativos a terceiros e a relação dos mesmos
com ele próprio e seu projeto. Quando S compreende que outras suposições
acerca de sua relação com terceiros - que presumivelmente deveriam ajudá-lo
em seu projeto - são igualmente falsas, ele fica emocionalmente abalado e
relembra uma situação anterior na qual terceiros comportaram-se de acordo com
suas expectativas. Isso o leva à suposição de que pode ter errado ao iniciar o
projeto pessoal recente e a outra auto-descoberta, isto é, de que não pode
relacionar-se bem com o tipo de pessoas empregadas no novo projeto se
mantiver a mesma atitude anterior. S então imagina começar novamente o

7
Por questões de limitações de espaço, não é possível apresentar aqui todas as dez unidades de significado extraídas
pelo autor da descrição ingênua do sujeito e sua transformação em linguagem psicológica.
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 17

projeto e imagina-se comportando-se de acordo com a consciência recém


adquirida de sua dificuldade, precisamente de modo a realizar com sucesso seu
novo projeto. Esse novo papel reflete uma mudança na atitude pela qual S
percebe que deve manter um único papel em relação a terceiros ao invés de
deliberadamente viver dois papéis. Assim, a aprendizagem para S implica a
apreensão de um novo significado em uma situação da qual resultou a
descoberta de pressupostos falsos relativamente a terceiros significativos, o
reconhecimento de um modo incompetente de relacionar-se com terceiros
devido a viver conscientemente dois diferentes papéis de modo ambíguo, e a
conjectura, através da imaginação, da possibilidade de viver o papel escolhido
dentre os dois de maneira não-ambígua.

Descrição geral da estrutura situada de aprendizagem


Aprendizagem é a consciência da necessidade de reorganizar um projeto
pessoal com base na discrepância entre pressupostos implícitos de uma
situação vital para a continuação do projeto e a percepção e compreensão das
ações de terceiros em relação ao projeto na mesma situação. Também ficam
manifestos na descoberta de S, o fato de que está deliberada e ambiguamente
vivendo dois papéis conflitantes com respeito a terceiros envolvidos em seu
projeto e a habilidade de S de superar a dificuldade imaginando que pode optar
por viver o projeto de acordo com o papel escolhido de maneira não-ambígua.

Como se vê, o método é extremamente trabalhoso, exigindo que sejam redigidas inúmeras
vezes as diferentes transformações a que é submetido o “discurso ingênuo” e quando se pensa
que uma entrevista gravada de 90 minutos resulta, após sua transcrição, em um mínimo de 30
páginas datilografadas, pode-se calcular o tempo que será necessário para analisar as entrevistas
de oito ou dez participantes. A única possibilidade de abreviar um pouco a tarefa, é fazer a
discriminação de unidades de significado (2º passo do método) diretamente no texto com um
travessão acompanhado do respectivo número da unidade. Na apresentação final da análise
aparecerão apenas as duas últimas etapas (descrições específica e geral) as quais eventualmente
serão ilustradas pelas verbalizações do sujeito.

Análise intepretativa
Este método de análise de dados descritivos proposto por Frederick Erickson (1986, 1989)
é muito adequado não só para analisar entrevistas como observações. Resumidamente é
constituído pela execução das seguintes etapas: 1ª Formulação de asserções, principalmente
através de indução; 2ª Revisão do corpus de dados para testar e tornar a testar as asserções em
face da evidência, isto é, para estabelecer o que Erickson (1986, p. 146), chama "evidentiary
warrant" (garantia de evidência das asserções) através de um profundo e minucioso exame do
corpus de dados a fim de confirmar ou negar as asserções e, conseqüentemente, checar sua
validade; 3ª Reformulação das asserções sempre que isso se tornar necessário.
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 18

As asserções variam em amplitude e em nível de inferência, podem ter grande amplitude e


baixo nível de inferência, pequena amplitude e alto nível de inferência, grande amplitude e alto
nível de inferência, pequena amplitude e baixo nível de inferência.
Geradas durante o trabalho de campo, as asserções são submetidas a inúmeros testes à
luz do corpus de dados. Para testar as asserções e obter garantia de sua evidência, deve-se
realizar um exame sistemático do corpus de dados e procurar insistentemente evidência que
confirme ou negue as asserções e reformulá-las sempre que isso for necessário. Bardin (1991,
p.75-77) apresenta um método parecido de análise, exemplificado com oito hipóteses (muito
semelhantes às asserções) que a autora formula ao analisar o horóscopo de uma famosa revista
feminina francesa.
Erickson (1986, p.146;1989, p.263) faz uma demonstração prática de seu método com oito
asserções relativas a um estudo em sala de aula de escola de primeiro grau. Apresento-as a
seguir para esclarecer melhor o modo como as mesma são elaboradas8:
1. Há dois grupos principais de crianças na sala de aula segundo o ponto de
vista da professora e dos alunos: bons alunos e maus alunos.
2. A instrução de leitura aos bons alunos comumente enfatiza habilidades de
ordem superior (ênfase em compreensão), ao passo que aos maus alunos, a
instrução enfatiza habilidades de ordem inferior (ênfase em decodificação).
3. Há dois subgrupos de maus leitores: o dos que tentam e o dos que não
tentam.
4. Não tentar, sob o ponto de vista dessa professora em particular, consiste
em falta de persistência nas lições dos pequenos grupos de leitura e em falta de
exatidão para executar exercícios de leitura. Não tentar não significa não
completar os exercícios nem conversar com os colegas durante os períodos de
exercício. Tal comportamento não é visto pela professora como não tentar.
Também não significa não tentar cometer erros ocasionais nos exercícios. O
que é considerado não tentar no exercício são pequenos erros freqüentes -
freqüentes em cada dia de trabalho e em dia após dia.
5. Os dois subgrupos de maus leitores recebem o mesmo tipo de instrução
de leitura, mas os que tentam obtêm alguns dos privilégios que são concedidos
aos bons leitores (por ex., chance de uma maior escolha de livros, oportunidade
de levar recados à secretaria, tarefas mais interessantes).
6. Os maus leitores que não tentam são usualmente tratados de maneira
diferente pelos colegas do que os maus leitores que tentam. Maus leitores que
não tentam geralmente não são escolhidos pelos colegas para participar de
8
Para que a leitura não se tornasse cansativa com excesso de os(as) e por se tratar de uma tradução literal, empreguei o
gênero masculino como neutro, mas lembro que, ao formular asserções desse tipo em português, é possível evitar a
linguagem sexista sem poluir o texto recorrendo o mais possível a palavras neutras como estudantes, crianças, pessoas
etc.
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 19

jogos ou para trocar merendas na hora do recreio; ao passo que os maus


leitores que tentam são escolhidos para tais atividades por seus colegas bons
leitores com a mesma freqüência com que escolhem outros colegas bons
leitores.
7. Duas exceções ao padrão descrito na sexta asserção são relativas a dois
meninos que são física e praticamente aptos para os esportes. Esses meninos,
ambos maus leitores que não tentam, são escolhidos seguidamente por outros
meninos para equipes esportivas e jogos no pátio.
8. Com os maus leitores que não tentam, a professora tem uma relação
social regressiva, isto é, em quase todas as interações face a face,
independentemente do assunto e também em atividades não-escolares, a
professora reage de algum modo negativamente em relação a essas crianças e
as mesmas se comportam de algum modo inadequadamente. Há uma exceção
a isso que é relativa a uma menina que é oriunda de uma família muito
desorganizada. A professora suspeita que haja abuso da criança nessa família,
mas ainda não o denunciou ao diretor da escola.
A busca de evidência que negue as asserções é tão essencial ao processo da pesquisa
como a própria formulação de asserções para serem testadas ante o corpus de dados. É essa a
análise clássica, "chamada indução analítica" (Erickson, 1986, p.147) na literatura sobre métodos
qualitativos. Parte dessa indução acontece durante o trabalho de campo, mas grande parte dela
fica a ser descoberta após o mesmo. Segundo Erickson (1986), por via de regra deve-se planejar
despender no mínimo igual quantidade de tempo na análise e sua redação quanto o que se
despendeu no próprio trabalho de campo.
Ao gerar e testar as asserções, buscam-se também ligações-chave entre os vários itens de
dados. Uma ligação-chave é crucial pelo fato de que é de grande importância para as asserções
principais que se deseja fazer. A ligação-chave interliga vários itens de dados como sendo
circunstâncias análogas do mesmo fenômeno. Ao procurar por ligações-chave, a pessoa que
pesquisa está procurando, de fato, padrões de generalizações, não de um para outro caso, como
ocorre na pesquisa quantitativa, mas padrões de generalizações dentro do caso em estudo.
Uma boa metáfora para pensar essas ligações-chave é imaginar que todo o corpus de
dados (notas de campo, entrevistas, documentos, gravações em fita magnética, etc.) é uma
grande caixa de papelão cheia de pedaços de papéis nos quais aparecem itens de dados. A
ligação-chave é um construto analítico que ata cordões entre esses itens. Para cima e para baixo
os cordões atam uma hierarquia de ligações gerais e subsidiárias.
Quando se puxa o cordão superior, é desejável que o maior número possível de cordões
subsidiários esteja atado a ele. As asserções mais poderosas são as que possuem o maior
número de "cordões" amarrados a ela, através da mais ampla gama de fontes e tipos de dados. É
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 20

importante notar que esse tipo de análise indutiva exige que se tenha um número substancial de
circunstâncias análogas para fazer as comparações.
Na redação da análise, Erickson (1986; 1989) diz que os elementos essenciais são os
mesmos da análise de dados propriamente dita: As ações sociais são relatadas como vinhetas ou
citações diretas das notas de campo; os tópicos de entrevistas são relatados em comentário
interpretativo que acompanha as porções de narrativa analítica apresentada. São três os
elementos essenciais do relatório dos resultados: descrição particular, descrição geral e
comentário interpretativo.
1º A descrição particular é o âmago de um relatório de pesquisa. Ela assegura e garante as
asserções. Ela é sempre ilustrada pela vinheta narrativa, um recurso que provê retrato vívido de
como se deu um acontecimento da vida real, o qual persuade a pessoa que lê o relatório "de que
as coisas estavam no campo conforme o autor ou autora afirma que estavam" (Erickson, 1986,
p.150).
2º A descrição geral tem por função estabelecer a possibilidade de generalização dos
achados. Tendo apresentado uma circunstância particular, é necessário mostrar quão típica ou
atípica ela é, onde ela se encaixa na distribuição geral de acontecimentos do corpus de dados.
Segundo Erickson (1986), o insucesso em demonstrar esses padrões de distribuição - de mostrar
generalização dentro do corpus - é talvez o maior defeito da maioria dos relatórios de pesquisa.
A vinheta mostra que um determinado padrão de relação social pode ocorrer no campo;
mas simplesmente relatar uma vinheta vívida e rica não demonstra a validade das asserções
relativas à significância do evento. Isso, conforme Erickson (1986), só pode ser feito: a)
apresentando situações análogas, isto é, ligando os eventos chave a outros como ele ou
diferentes dele; b) relatando essas situações interligadas sob a forma de vinheta; c) mostrando
em forma resumida a distribuição geral de situações no corpus de dados.
Os dados da descrição geral podem ser relatados sinopticamente, ou seja, de modo que
possam ser visualizados de uma só vez. As tabelas que mostram as freqüências simples e as
distribuições são um bom recurso para isso e de modo geral constituem aqui uma tabulação de
avaliações qualitativas com o emprego de escalas nominais. Pode-se também usar estatística
descritiva na apresentação desses dados. A análise, na realidade, já está feita; a tabela apenas
relata o resultado da análise em forma sinóptica. A manipulação dos dados sob a forma de
sofisticadas técnicas de estatística inferencial não é em geral necessária e tampouco apropriada.
3º O comentário interpretativo emoldura a descrição geral e particular. Apresenta-se sob
três formas: interpretação precedendo e seguindo uma instância de descrição particular no texto,
discussão teórica que indica a significância mais geral dos padrões identificados nos eventos
relatados e uma narração das mudanças que ocorreram no ponto de vista do autor ou autora no
decorrer da pesquisa.
Não basta identificar e redigir uma vinheta crucial (o que é relativamente fácil), é
necessário também (o que é mais difícil), "provar analiticamente a significância dos detalhes
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 21

concretos relatados e das várias camadas de significado contidas na narrativa" (Erickson, 1986,
p.152), ou seja, comentar os detalhes das narrativas apresentadas usando prosa expositiva
elaborada para emoldurar os conteúdos delas.
Alternar a especificidade extrema da vinheta com a generalidade do comentário

interpretativo é uma tarefa bastante complexa na redação de um relatório de pesquisa uma vez

que é necessário, muitas vezes no espaço de parágrafos subseqüentes, discorrer de forma muito

específica descritivamente e muito geral interpretativamente.

Um exemplo de como aplicar o método de Erickson (1986; 1989) é o trecho que apresento

a seguir da pesquisa que realizei em uma creche brasileira e em uma creche norte-americana

sobre a qualidade do atendimento à criança nessas instituições (Kude, 1995, p. 127-130):

Primeira asserção: Atendentes de creches empregam várias estratégias


educacionais e/ou disciplinares de criação de crianças, as quais visam
promover atitudes que tornem a criança submissa às normas vigentes, hábitos
que, automatizados, facilitem o trabalho com a criança na escola e no lar e
traços de personalidade que privilegiem a docilidade e a passividade.
As(os) atendentes empregam diferentes técnicas educacionais e/ou
disciplinares, em um continuum de punição a recompensa, quando lidam com as
crianças em uma creche: retirada de aprovação, censura, crítica, ameaça,
elogio, premiação, etc. Uma das ameaças mais comuns na creche norte-
americana, por exemplo, é começar a contar quando a criança não reage
imediatamente a uma ordem. Uma vinheta:
Miss Kay está dando decalques às crianças que estão sentadas na
rodinha. Algumas pegam os seus decalques e correm para a sala ao lado.
Ela as chama de volta: "Pessoal, vocês têm que voltar para cá." Elas não
lhe dão atenção e ela repete, enérgica: "Pessoal, vocês têm que voltar já
para cá. Vou contar até dez. Um, dois, três..." As crianças voltam
imediatamente.
Mais tarde, Miss Kay me explica que realmente não sabe o que acontece
quando começa a contar. Tudo que sabe é que realmente funciona. Segundo
ela, a técnica funciona também com sua filha (8 anos) e seu marido lhe
perguntou: "O que acontecerá quando você contar até dez?" E ela lhe
respondeu: "Eu não sei, mas acho que ela também não quer saber”.
De modo geral há muita ênfase em submissão, automatismo, passividade e
conformidade nos ensinamentos que as crianças recebem tanto na creche norte-
americana quanto na brasileira:
Priscila (2 anos) consegue afinal pegar o caminhão que é disputado por
quase todas as crianças, provavelmente por ser o brinquedo maior que há.
Gustavo (2 anos), porém, arranca-o dela. Ela grita e pula. Mariana
intervém: “ Priscila, vai procurá outro brinquedo pra ti”. A menina atende e
pára de chorar.
Essa é uma questão de senso de justiça e de direito. A menina vinha
tentando a manhã inteira apossar-se do cobiçado caminhão e até então não
havia conseguido. Quando afinal logrou pôr suas mãos nele, ele lhe foi
arrebatado por um menino e seu protesto junto à atendente só fez confirmar a
injustiça. A pessoa adulta, em seu papel de mediadora, precisa evitar cometer
injustiças e arbitrariedades. É importante que ela procure saber quem tem o
direito de ficar com o objeto da disputa a fim de não distorcer a noção de
eqüidade que a criança possui.
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 22

Como bem observa Elkind (1989, p. 134), “o grande problema com a maioria
dos programas elaborados para ensinar habilidades à criança pequena” é que
também lhe ensinam normas segundo as quais para ela conseguir a aceitação e
o sentimento de pertença indispensáveis para seu desenvolvimento emocional
saudável, precisa comprá-los “ao preço de cega conformidade”.

Finalmente, Erickson (1986) enfatiza o fato de que a interpretação final é extremamente


valorizada quando o autor ou autora é capaz de demonstrar que seu modo de pensar realmente
mudou no decorrer da pesquisa. Para o autor, a pesquisa é uma busca de falsificação e cabe a
quem a redige, documentar esse processo para quem a lê, mostrando com razoável detalhe que:
a) teve abertura para perceber e registrar evidência que negasse suas idéias preconcebidas e
para refletir sobre as mesmas; b) foi capaz de apresentar os modos específicos pelos quais as
mudanças em sua perspectiva ocorreram.
Tratando-se apenas de uma apresentação desses três métodos de análise de dados, a
explicação do modo de aplicá-los foi bastante sucinta. No momento de empregar qualquer um
deles, portanto, torna-se necessário recorrer às fontes citadas.
Para concluir, uma palavra sobre redação, originalidade e relevância. Em relação ao
aspecto formal, o bom estilo de redação aliado à clareza, à lógica e à correção gramatical e
metodológica mostram que o pesquisador ou a pesquisadora está confiante em seu trabalho e em
que vale a pena realizar sua pesquisa. Quanto ao aspecto de conteúdo, a escolha do tema de uma
pesquisa deve sempre ser norteada por sua relevância até mais do que por sua originalidade.
Alves (1991, p.82), citando Brecht, afirma que “a única finalidade da ciência está em avaliar a
miséria da existência humana” e que se assim é, tudo me conduz “imediatamente a uma análise
desta miséria, com vistas ao seu alívio (já que ela não pode ser erradicada).” Naturalmente é uma
posição ética e valorativa, mas sem sombra de dúvida uma posição válida, especialmente no que
diz respeito à pesquisa em ciências humanas.
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 23

Nota sobre validade e fidedignidade na pesquisa qualitativa.


O valor da pesquisa científica, como colocam LeCompte e Goetz (1982)‚ depende
parcialmente da habilidade que pesquisadores e pesquisadoras têm de demonstrar a credibilidade
de seus achados. Uma acusação freqüentemente dirigida à pesquisa qualitativa é a de que ela não
consegue comprovar "cientificamente" a validade e fidedignidade de seus achados.
Esquematicamente pode-se definir validade e fidedignidade da seguinte maneira:

Interna externa

Validade O estudo mede o que se propõe Seus resultados são comparáveis


medir? e transferíveis?

Fidedignidade Diferentes pesquisadores, Diferentes pesquisadores, usando


usando os mesmos métodos os mesmos métodos chegarão
chegarão aos mesmos resultados aos mesmos resultados em
no mesmo estudo? outros estudos?

Enquanto a fidedignidade preocupa-se com a replicação dos achados científicos, a validade


preocupa-se com sua exatidão (LeCompte e Goetz, 1982), sendo a validade externa pertinente à
generalização do resultados.
Em outras palavras, segundo Lincoln e Guba (1985, p.290), à pesquisa convencional
coloca-se as seguintes questões: 1) Quão verdadeiros são os achados do estudo? Por quais
critérios podemos julgá-los? (validade interna) 2) Quão aplicáveis são esses resultados a outros
ambientes ou grupos de pessoas? (validade externa) 3) Como podemos ter razoável certeza de
que esses resultados seriam aplicáveis em outro ambiente ou grupo de pessoas? (fidedignidade)
4) Como podemos ter certeza de que os resultados refletem os fenômenos observados
realmente e não os vieses e tendenciosidades de quem faz a pesquisa? (objetividade).
Lincoln e Guba (1985) discutem exaustivamente os critérios especialmente desenvolvidos
por eles para a modalidade de pesquisa qualitativa que chamam "naturalista":
1) Credibilidade cujo objetivo é mostrar que a pesquisa foi realizada de modo tal que
garante que os(as) participantes foram acuradamente identificados(as) e descritos(as);
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 24

2) Marshall e Rossman (1989) concordam que é de fato problemático para a pesquisa


qualitativa atingir esses parâmetros nos mesmos moldes como a pesquisa quantitativa o faz.
Contudo, apresentam sugestões
LeCOMPTE, Margaret D., GOETZ, Judith Preissle. Problems of Reliability and
Validity in Ethnographic Research. Review of Educational Research, Washington,
v.52, n.1, p. 31-60, 1982.

"Atingir validade e fidedignidade absolutas é uma meta impossível para


qualquer modelo de pesquisa. Não obstante, os pesquisadores e as
pesquisadoras podem aproximar-se desses objetivos estabelecendo um
equilíbrio consciencioso dos vários fatores que promovem credibilidade no
contexto de seus específicos problemas e objetivos de pesquisa." (LeCompte e
Goetz, 1982, p.55)

Quando se têm relatos de mais de um sujeito - o que é desejável porque é difícil


captar a essência de um fenômeno com a descrição de uma única pessoa - é
necessário realizar ainda uma quinta etapa na análise, qual seja, a síntese das
sínteses das unidades de significado. Trata-se de fazer uma síntese
horizontal (depoimentos dos diferentes sujeitos), que perpasse todas as
sínteses verticais (depoimentos individuais).

Desse modo, as principais etapas da elaboração de um projeto de pesquisa qualitativa são:


1) Formulação de questões de pesquisa; 3) Elaboração de um quadro conceitual; 4) Revisão da
literatura; 5) Descrição da abordagem e delineamento da pesquisa; 6) justificativa do plano.
Dois exemplos de teses de doutorado em educação mostram a flexibilidade do quadro
conceitual: No primeiro, a pesquisadora queria saber: Quais os critérios que as autoridades
escolares adotam para decidir a nota mínima de aprovação nas séries do 1º grau? Ela iniciou o
estudo com dois quadros conceituais diferentes e acabou adotando um terceiro.
No outro exemplo, a pesquisadora queria saber: O que a leitura de ficção significa para
meninas que cursam a 3ª série do 2º grau. Iniciou o estudo dentro do quadro do interacionismo
simbólico e, no fim do estudo, seu quadro conceitual era mais compatível com as teorias crítico-
reprodutivistas.
Geralmente é necessário optar por um macro ou por um micro quadro conceitual. Ambos
apresentam problemas: ou se focaliza a floresta e corre-se o risco de não perceber cada árvore ou
se focaliza uma árvore e corre-se o risco de perder de vista a floresta. Pode-se pensar no
pesquisador ou pesquisadora que apresenta seu projeto como um ator ou atriz que faz a
colocação de seus significados, de sua história, de sua experiência, de sua bagagem ideológica

. AYERS, William. The Good Preschool Teacher: Six Teachers Reflect


on Their Lives. New York: Teachers College, Columbia University,
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 25

1989.
“Quando o paradigma positivista, que transita mais ou menos
confortavelmente no mundo inanimado de coisas e objetos, é transportado
intacto para o mundo dos seres humanos, criamos brechas intransponíveis
e problemas insolúveis. Falar de pessoas é exatamente falar de sujeitos e
falar de sujeitos é falar de mentes e intenções, emoções e valores.
Subjetividade não é um palavrão quando os objetos de estudo são sujeitos
humanos”. (p.16) Ainda que as pessoas sejam cortadas, dissecadas,
despidas, selecionadas, numeradas, medidas, quantificadas serão sempre
sujeitos e jamais coisas.

“A melhoria da qualidade de vida na maior parte dos países do mundo e os


avanços da medicina estão levando a um crescente aumento da população idosa
e da média de idade que a mesma atinge. No entanto, será que a sociedade,
como um todo, está preparada para dar um sentido para o prolongamento da
existência dessas pessoas?”

Por exemplo: Compreender a experiência de vida na terceira idade - é menos claro do que:
Verificar a trajetória de vida de pessoas que se encontram na terceira idade.
A justificativa do estudo acima, por exemplo, é conhecer outras culturas, explora o aspecto da
necessidade de a psicologia buscar conhecimentos que a habilitem mais e melhor a ensinar à
sociedade como lidar com seus velhos.
Qual é a função do projeto de pesquisa? Uma função do projeto de pesquisa é convencer o
"público de poder" de que a pesquisadora ou pesquisador tem a mente aberta e de que será capaz
de estudar o problema de modo a não causar constrangimentos (Smith, 1993). No caso de
dissertações de mestrado e teses de doutorado são os membros dos departamentos das
universidades que julgam os méritos de um projeto. Como têm responsabilidade pela qualidade
desses trabalhos e pela reputação de suas unidades acadêmicas, precisam estar convencidos da
lógica do projeto. No caso de monografias e trabalhos de conclusão de curso de graduação, é o
supervisor ou supervisora quem avalia se o projeto apresenta viabilidade, pertinência, coerência,
consistência e relevância.
Marshall e Rossman (1989, p.43) sugerem que a proposta seja elaborada na seguinte
“ordem lógica”: 1) introdução; 2) justificativa; 3) revisão da literatura pertinente; 4) formulação do
problema, questões de pesquisa ou foco do estudo; 5) delineamento da pesquisa.
1) Política. Uma proposta de pesquisa bem sucedida é um ato político no qual as
circunstâncias foram adequadamente manejadas; 2) Persuasão. O projeto precisa ter a
capacidade de persuadir. É necessário que o público de poder fique completamente convencido da
sinceridade do pesquisador ou pesquisadora. Também as pessoas que possuem as "chaves" aos
locais e às pessoas decisivas precisam acreditar nessa sinceridade. Não obstante é óbvio que
eventualmente a cosmovisão influencia a escolha do tipo de problema que a pessoa deseja
investigar.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 26

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023 (NB 66) - Referências
bibliográficas. Rio de Janeiro, 1989.

ADLER, Tina. Debate over: qualitative, quantitative both valuable. The APA Monitor,
Washington, v, 24, n.11, p. 16, Nov. 1993.

ALVES, Alda Judith. A "revisão da bibliografia" em teses e dissertações: meus tipos


inesquecíveis. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 81, p. 53-60, maio 1992.

_____. O planejamento de pesquisas qualitativas em educação. Cadernos de Pesquisa,


São Paulo, n. 77, p. 53-61, maio 1991.

ALVES, Rubem. Conversas com quem gosta de ensinar. 24.ed. São Paulo: Cortez, 1991.

AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION. Publication Manual of the American


Psychological Association. 4th ed. Washington: APA, 1994..

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1991.

BECKER, Fernando, FARINA, Sergio, SCHEID, Urbano. Apresentação de trabalhos escolares.


13. ed rev. atual. Porto Alegre: Multilivros, 1993.

BOGDAN, Robert, BIKLEN, Sari. Qualitative Research for Education: an Introduction to Theory
and Methods. 2nd. ed. Boston: Allyn and Bacon, 1992.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues (org.). Pesquisa participante. 7.ed. São Paulo: Brasiliense,
1988.

DENZIN, Norman, LINCOLN, Yvonna S. (ed.) Handbook of Qualitative Research.


Thousand Oaks/London: Sage, 1994.

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 1989.

ELKIND, David. Miseducation: Preschoolers at Risk. New York: Alfred A. Knopf, 1989.

ERICKSON, Frederick. Métodos cualitativos de investigación sobre la enseñanza. In:


WITTROCK, Merlin C. (Ed.) La investigación de la enseñanza. Barcelona/Buenos
Aires, Mexico: Paidós, 1989. 2v., V.2: Métodos cualitativos y de observación. cap. 4,
p. 195-301.

_____. Qualitative Methods in Research on Teaching. In: WITTROCK, Merlin. (Ed.)


Handbook of Research on Teaching. 3rd. ed. New York: MacMillan, 1986. cap.5, p.
119-161.

GAGE, N.L. The Paradigm Wars and their aftermath. A “Historical” Sketch of Research
on Teaching since 1989. Educational Researcher, Washington, v. 18, n.7, p.4-10,
Oct. 1989.

GIORGI, Amedeo. Sketch of a Psychological Phenomenological Method. In: _____.


(Ed.). Phenomenology and Psychological Research. Pittsburgh: Duquesne University
Press, 1988a. cap. 1, p. 8-22.

_____. The Phenomenological Psychology of Learning and the Verbal Learning Tradition.
In: _____.(Ed.). Phenomenology and Psychological Research. Pittsburgh: Duquesne
University Press, 1988b. cap. 12 p. 23-85.

HAGUETTE, Thereza Maria F. Metodologias qualitativas na sociologia. 2. ed Petrópolis:


Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 27

Vozes, 1990.

HUBERMAN, A. Michael., MILES, Matthew B. Data Management and Analysis Method.


In: DENZIN, Norman, LINCOLN, Yvonna S. (ed.) Handbook of Qualitative Research.
Thousand Oaks/London: Sage, 1994. Part 4, cap. 27, p. 428-444.

KERLINGER, Fred N. Metodologia da pesquisa em ciências sociais: Um tratamento


conceitual. São Paulo: EPU, 1980.

KUDE, Vera Maria Moreira. A qualidade do atendimento na creche: Um estudo em


duas culturas. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1995.

LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de A. Metodologia do trabalho cientifico.


3.ed. rev. amp. São Paulo: Atlas, 1991.

LÜDKE, Menga, ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: Abordagens qualitativas. São


Paulo: E.P.U., 1986. (Temas Básicos de Educação e Ensino).

MARSHALL, Catherine, ROSSMAN, Gretchen B. Designing Qualitative Research.


Newbury Park/London: Sage, 1989.

MARTINS, Joel, BICUDO, Maria Aparecida. A pesquisa qualitativa em psicologia:


Fundamentos e recursos básicos. São Paulo: Moraes/Editora da PUC-SP, 1989.

McCRACKEN, Grant. The Long Interview. 5th print. Newbury Park: Sage, 1991.

MEDEIROS, João B. Redação científica: A prática de fichamentos, resumos, resenhas. São


Paulo: Atlas, 1991.

MILES, Matthew B., HUBERMAN, A. Michael. Qualitative Data Analysis: An Expanded


Sourcebook. 2nd.ed. Thousand Oaks/London: Sage, 1994.

_____. Qualitative Data Analysis: A Sourcebook of New Methods.Newbury Park/


London: Sage, 1984.

RICHARDSON, Roberto et al. Pesquisa social : Métodos e técnicas. 2.ed. São Paulo:
Atlas, 1989. 288p.

SALOMON, Délcio Vieira. Como fazer uma monografia. 2.ed. rev. atual. São Paulo:
Martins Fontes, 1993.

SEIDMAN, I. E. Interviewing as Qualitative Research. A Guide for Researchers in


Education and the Social Sciences. New York: Teachers College/Columbia University
Press, 1991.

SEVERINO, Antonio J. Metodologia do trabalho científico. 19. ed. São Paulo: Cortez,
1993.

SMITH, Mary Lee. Methods and Practice of Qualitative Research. Seminário. Arizona
State University, College of Education, Fall semester, 1993 (comunicação verbal).

STERNBERG, Robert. How to Win Acceptances by Psychology Journals. 21 Tips for


Better Writing. APS Observer, Washington, p. 12-13,18, Sep. 1992.

STRAUSS. Anselm. Qualitative Analysis for Social Scientists. Cambridge: Cambridge


University Press, 1991.
Como se faz um projeto de pesquisa qualitativa 28

STRAUSS, Anselm, CORBIN, Juliet. Grounded Theory Methodology: An Overview. In:


DENZIN, Norman, LINCOLN, Yvonna S. (ed.) Handbook of Qualitative Research.
Thousand Oaks/London: Sage, 1994. Part 3, cap. 17, p.273-285.

WARD, Martha C. Nest in the Wind: Adventures in Anthropology on a Tropical Island.


Prospect Heights, Ill.: Waveland, 1989.