Você está na página 1de 2

A psicologia cognitiva analisa a cognição, os processos mentais que estão por

detrás do comportamento. Este estudo dos processos mentais, já tinha sido


abordado de uma forma geral pela psicologia, especialmente pelo
pioneiro Wilhelm Wundt, em razão do seu estudo sobre o aspecto construtivo
ou criativo da mente. Em setembro de 1948, um grupo de cientistas
representando várias áreas reuniu-se na California Institute of Technology num
congresso sobre "Mecanismos Cerebrais do Comportamento". Este congresso
tinha como objetivo a discussão de uma questão clássica: como o sistema
nervoso controla o comportamento.

Esse congresso, foi apenas um dos inúmeros encontros realizados por


cientistas de orientação cognitiva, mas foi especialmente importante por causa
de dois fatores: a ligação que fez entre cérebro e o computador e o desafio
implacável que lançou ao behaviorismo. Ocorreu outras discussões, que
progrediram podemos citar o matemático John von Neuman, que desenvolveu
inúmeros trabalhos dentre eles, a comparação sistemática entre o cérebro e o
computador. Gardner defende essa posição citando o fato de que o psicólogo
Karl Lashley, durante o Congresso sobre Mecanismos Cerebrais do
Comportamento, realizado em setembro de 1948 no California Institute of
Technology, identificou os componentes necessários de uma Ciência Cognitiva,
ao mesmo tempo que rejeitava as limitações impostas pelo Behaviorismo ao
estudo da mente. Outros apontam o surgimento da psicologia cognitiva como
sendo um encontro realizado em 1956, Massachusetts Institute of Technology,
realizado em setembro, no qual estiveram presentes outros importantes nomes
para a área, como o linguista Noam Chomsky e o psicólogo George Miller
Gardner apresentaram, seus trabalhos que contribuíram para a definição da
Ciência Cognitiva. No ano de 1967, Neisser publicou uma obra que se tornou
importante no estabelecimento dos parâmetros iniciais da Psicologia cognitiva,
obra denominada Psicologia Cognitiva, o autor desta obra definia a cognição
como referência a processos mediante os quais a entrada de dados sensórias
é transformada, reduzida, processada, armazenada, integrada, recuperada e
usada sendo que está envolvida com tudo o que o ser humano pode fazer.

Esse livro se tornou um primeiro esboço mais estruturado da área.

Neisser, definiu a Psicologia Cognitiva como “o estudo de como as


pessoas aprendem, organizam, armazenam e utilizam o

conhecimento. Neisser publicou em 1976, a obra Congnition and

Reality: Principles and implications of cognitive psychology sendo uma

revisão de sua obra anterior, explicando sua insatisfação com que

considerava o estreitamento da posição cognitiva e a tendência de

acentuar situações artificiais em laboratório no lugar de pesquisas no

mundo real.