Você está na página 1de 4

Universidade Federal de Minas Gerais

Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas


Departamento de Ciência Política
Curso de Ciências Sociais
Avenida Antonio Carlos, 6627 – Campus da UFMG
CEP: 31270-901 – Belo Horizonte-MG – Fone: (31) 3409-5028 – FAX: (31) 3409-5191

DISCIPLINA: DCP 030 G – Comportamento Eleitoral e Formação


da Opinião Pública: teorias e casos.
60 Horas – 04 créditos 1.º semestre de 2010
Horário: Segundas-feiras de 14:00 às 17:40horas
Profa. Helcimara de Souza Telles

EMENTA:

O conceito de opinião pública. As fragilidades da opinião pública e o desafio da


democracia. Como o eleitor forma a sua opinião sobre a política. A opinião do
eleitor brasileiro sobre as instituições democráticas e a repercussão de tal atitude
na decisão do voto. Interpretações sobre o comportamento eleitoral: o político, o
econômico, o ideológico e o racional. Eleições em suas dimensões ideológicas e
pragmáticas.

1. OBJETIVOS

• Apresentar e discutir noções teóricas sobre o comportamento do eleitor e a


formação da opinião pública;
• Analisar as eleições majoritárias e proporcionais do período de
redemocratização;
• Analisar as campanhas eleitorais em sua dimensão estratégica.

2. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Os conceitos de opinião pública e esfera pública.


Opinião, fato e representações sociais da política.
Como são feitas as “pesquisas de opinião” – Noções gerais.
Como o eleitor brasileiro forma a sua opinião sobre a política.
A opinião do eleitor brasileiro sobre as instituições democráticas e a repercussão
de tal atitude na decisão do voto.
Modelos explicativos do voto e do comportamento do eleitor
A campanha política e as eleições: a dimensão estratégica
3. METODOLOGIA

Aulas expositivas
Discussão de casos.
Exercícios teórico-práticos

4. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Trabalhos
Provas

5. BIBLIOGRAFIA

ALBURQUERQUE, Afonso. "Aqui você vê a verdade na tevê". A propaganda


política na televisão, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 1999, 204 p.
(versão da tese de doutorado).

ALDÉ, Alessandra. A Construção da Política: democracia, cidadania e meios de


comunicação de massa. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ALMEIDA, Gilberto. Do conceito de esfera pública para a interpretação da cultura


democrática. In: Textos de Cultura e Comunicação, Salvador, (35): 28-48, julho de
1996.

ALMEIDA, Jorge. Como Vota o Brasileiro. São Paulo, Xamã Editora, 1998.

______. Mídia, Opinião Pública Ativa e Esfera Pública Democrática. Comunicação


& Política, Rio de Janeiro, n.s., v.6, n° 1, janeiro-abril 1999.

AUGRAS, Monique. Opinião Pública: teoria e pesquisa. Petrópolis, Editora Vozes,


1978.

BAQUERO, Marcello. Opinião pública e pesquisas eleitorais. In: BAQUERO,


Marcello (org.) Transição, eleições e opinião pública. Porto Alegre, Editora da
Universidade (UFRGS), 1995, p.79-92.

_____. As eleições municipais de 1996: formas emergentes de um novo


comportamento eleitoral? Papers. São Paulo: Fundação Konrad-Adenauer-Stifung,
1997.

BORBA, Julian. Cultura política, ideologia e comportamento eleitoral: alguns


apontamentos teóricos sobre o caso brasileiro. Opinião Pública. Campinas, Vol.
XI, nº 1, Março, 2005, p. 147-168
BOURDIEU, Pierre. A Opinião Pública não existe. In: THIOLLENT, Michel (org.).
Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. São Paulo, Editora
Polis, 1980.

CAMINO, Leôncio, LHULLIER, Louise, SANDOVAL, Salvador (org.). Estudos


sobre comportamento eleitoral – Teoria e pesquisa. Florianópolis, Letras
Contemporâneas, 1997.

CAVALARI, M; OLSEN, O. e STRAUBAHR, Joseph. O uso de pesquisas eleitorais


em decisões de voto. In: Opinião Pública, Campinas, II(2): dezembro de 1994.

DIAS, Heloisa; FIGUEREDO, Marcus; ALDÉ, Alessandra e JORGE, Vladimir L.


Estratégias de persuasão eleitoral: uma proposta metodológica para o estudo da
propaganda eleitoral. In: Revista Opinião Pública, IV (3), novembro de 1997.

DOWNS, Antony. Uma Teoria Econômica da Democracia. São Paulo, Edusp,


1999

FLEISCHER, David As eleições municipais no Brasil: uma análise comparativa


(1982-2000) Opinião Pública. Campinas, Vol.VIII, nº1, 2002, pp.80-105

FIGUEIREDO, Marcus. A decisão do voto: democracia e racionalidade. São Paulo:


Sumaré/Anpocs, 1991.
FIGUEIREDO, Rubens. O marketing político: entre a ciência e a razão. In:
FIGUEIREDO, Rubens (org.) Marketing Político e persuasão eleitoral. São Paulo:
Fundação Konrad Adenauer, 2000.

GOMES, Neusa D. Formas Persuasivas de comunicação política. Porto Alegre,


EDIPUCRS, 2000.

MATOS, Heloíza (org.) Mídia, eleições e democracia. São Paulo, Scritta, 1994.

MIGUEL, Luís Felipe. Capital político e carreira eleitoral: algumas variáveis na


eleição para o congresso brasileiro. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, 20, p. 115-134,
jun. 2003.

NICOLAU, Jairo. História do voto no Brasil. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor,
2002.

______. Como Controlar o Representante? Considerações sobre as Eleições para


a Câmara dos Deputados no Brasil. Dados, Revista de Ciências Sociais, Rio de
Janeiro, Vol. 45, nº 2, 2002, pp. 219 a 236.
PEREIRA, Carlos e RENNÓ, Lúcio. O que É que o Reeleito Tem? Dinâmicas
Político-Institucionais Locais e Nacionais nas Eleições de 1998 para a Câmara dos
Deputados. Dados, v.44, n.2, Rio de Janeiro 2001

REIS, Fábio Wanderley. Mercado e Utopia. Teoria Política e Sociedade Brasileira.


São Paulo: EDUSP, 2001.

SAMUELS, David As Bases do Petismo. Opinião Pública. Campinas, Vol. X, nº 2,


Outubro, 2004, p. 221-241.

SINGER, André. Esquerda e Direita no eleitorado brasileiro. São Paulo: EDUSP,


2000.

SILVEIRINHA, Maria João. Opinião Pública. In: RUBIM, Antônio Albino


Canelas(org.). Comunicação e Política: Conceitos e Abordagens. Salvador:
Edufba, 2004.

SPECK, Bruno Wilhelm A compra de votos – uma aproximação empírica. Opinião


Pública. Campinas, Vol.IX, nº 1, 2003, pp.148-169.

TELLES, Helcimara; IGNÁCIO, L.Das ruas às urnas: partidos e eleições no Brasil


contemporâneo. Caxias do Sul: EDUCS, 2003.

POPKIN, Samuel. The reasoning voter: communication and persuasion in


presidential campaigns. Chicago: Chicago University, 1994.

VEIGA, Luciana. Em busca de razões para o voto: o uso que o eleitor faz do
Horário Eleitoral. Tese (doutorado), Rio de Janeiro: Iuperj, 2001.

Conjunto de pesquisas qualitativa e quantitativa que servirão para ilustrar as


exposições.