Você está na página 1de 5

A

 História  do  Teatro  Musical  

Década  de  40  –  Parte  IV  


Reinventando  a  Fórmula  
Por  John  Kenrick  
Traduzido  e  adaptado  por  Rafael  Oliveira  

Novos  Talentos  
No  final  da  década  de  1940,  um  número  de  novos  talentos  
criativos   entendeu   o   que   Rodgers   e   Hammerstein   haviam   descoberto.  
Isso  resultou  na  criação  de  vários  musicais  extraordinários  que  ficariam  
no  gosto  do  público  durante  décadas.  

Finian’s  Rainbow  (1947  –  725  perfs)  foi  o  primeiro  musical  a  


abordar  o  racismo  de  forma  cômica,  mostrando  que  o  musical  integrado  
poderia   funcionar   como   uma   sátira   social.   Conta   a   história   de   um  
irlandês   que   rouba   dos   leprechauns   o   legendário   pote   de   ouro   do   fim   do   arco   íris,   enterrando-­‐
o  perto  do  Fort  Knox,  pensando  que  irá  crescer  se  enterrado  num  solo  tão  “rico”.  Enquanto  a  
filha  do  irlandês  se  apaixona  por  um  americano,  um  leprechaun  em  busca  de  vingança  acaba  
distraído   pelo   amor   humano   –   e   um   pedido   inocente   transforma   um   branco   congressista  
sulista  preconceituoso  em  negro.  

David   Wayne   interpretou   Og,   o   leprechaum,   se   tornando   o   primeiro   performer  


num  musical  a  receber  o  novo  Prêmio  Antoinette  Perry,  oferecido  pela  Theatre  Wing,  prêmio  
que  ficou  conhecido  mais  tarde  como  o  Tony.  A  partitura,  composta  pelo  compositor  Burton  
Lane  e  o  letrista  E.  Y.  “Yip”  Harburg,  incluíam  as  canções  Look  to  the  Rainbow,  That  Old  Devil  
Moon  e  How  Are  Things  in  Glocca  Morra.  

Priscilla  Gilette  e  David  Brooks  cantam  Almost  Like  Being  in  Love  na  capa  do  
programa  da  primeira  turnê  nacional  de  Brigadoon.  

Numa  veia  mais  romântica,  o  libretista  e  letrista  Alan  Jay  Lerner  e  


o   compositor   Frederick   Loewe   encontraram   sucesso   na   história   de   dois  
homens   que   acabam   numa   cidade   que   magicalmente   aparece   nas   montanhas  
escocesas  por  apenas  um  dia  a  cada  século.  Brigadoon  (1947  –  581  perfs)  foi  
agraciado  com  uma  extasiante  partitura  que  incluía  Almost  Like  Being  in  Love  
e   There   But   for   You   go   I.   Agnes   DeMille   contribuiu   com   vários   ballets   arrebatadores,   ajudando  
a  fazer  de  Brigadoon  um  dos  musicais  mais  remontados  no  repertório  internacional.  

O  escritor  de  canções  da   Tin  Pan  Alley,  Frank  Loesser  ficou  conhecido  pelo  seu  hit  
dos   tempos   de   guerra   chamado   Praise   the   Lord   and   Pass   the   Ammunition.   Seu   primeiro  
musical   na   Broadway   foi   Where’s   Charley   (1948   –   792   perfs),   baseado   na   comédia   britânica  
antiga   Charley’s   Aunt.   A   doce   balada   My   Darling   entrou   para   as   paradas   de   sucesso,   mas   foi  
com   a   interpretação   de   Ray   Bolger   da   canção   Once   in   Love   With   Amy   que   causou   uma  
sensação  –  graças  a  um  feliz  acidente.  
Uma  noite  no  início  da  temporada,  Bolger  escutou  a  plateia  rindo  discretamente  
enquanto  ele  cantava  esta  canção.    Parece  que  na  plateia  havia  uma  criança  cantando  com  ele.  
O  veterano,  ao  invés  de  reclamar,  incentivou  a  jovem  criança  a  cantar  com  ele,  e  logo  toda  a  
plateia  se  juntou  ao  coro.  Encantados,  todos  exigiram  encores,  literalmente  parando  o  show.  
Este  sing-­‐along  se  tornou  uma  parte  permanente  do  show,  catapultando  Where’s  Charley  para  
um  estado  bem  sucedido,  e  dando  a  Bolger  seu  momento  mais  memorável  nos  palcos.  

Ao   final   da   década   de   40,   musicais   integrados,   tanto   sérios   quanto   cômicos,  


dominavam   a   Broadway.   Os   maiores   compositores   de   música   popular   americana   estavam  
trabalhando  neste  novo  formato.  

• O  musical  Lost  in  the  Stars  (1949  –  273  Perfs),  do  compositor  Kurt  Weill  e  o  escritor  
Maxwell  Anderson,  examinava  o  pesadelo  do  apartheid  sul  africano  muito  antes  do  
assunto  ser  difundido.  
• Miss   Liberty   (1949   –   308   Perfs)   de   Irving   Berling   com   livro   do   vencedor   do   Pulitzer  
Robert  E.  Sherwood,  contava  a  história  de  um  repórter  de  jornal  tentando  identificar  
a   mulher   que   posou   como   modelo   para   a   estátua   da   liberdade.   A   partitura   incluía  
Give  Me  Your  Tired  e  Let’s  Take  an  Old  Fashioned  Walk.  
• O   compositor   Jule   Styne   e   o   letrista   Leo   Robin   transformaram   o   romance   popular   de  
Anita   Loos   de   1925   numa   comédia   musical   de   grande   sucesso.   Gentlemen   Prefer  
Blondes  (1949  –  740  perfs)  ou,  Os  Homens  Preferem  as  Loiras,  como  ficou  conhecido  
no  Brasil  depois  do  filme  de  1953  estrelado  por  Marilyn  Monroe  e  Jane  Russell,  era  
um   musical   integrado,   mas   com   comédia   despretensiosa   suficiente   para   ser  
classificado  como  comédia  musical.  No  papel  de  Lorelei  Lee,  a  melindrosa  faminta  por  
diamantes   com   coração   de   ouro   puro,   Carol   Channing   fez   sua   fama,   parando   o   show  
com  sua  arrebatadora  interpretação  de  Little  Girl  from  Little  Rock  e  Diamonds  are  a  
Girl’s  Best  Friend.  

A  década  de  40  em  Londres  


Poucas   produções   em   Londres   chamaram   atenção   fora   da  
Inglaterra   nos   anos   40,   mas   o   West   End   colheu   sua   safra   de   musicais  
londrinos.   Os   produtores   da   Broadway   achavam   que   a   maioria   desses  
musicais  eram  “britânicos  demais”  para  agradar  as  plateias  americanas.  Nem  
o   perene   favorito   nos   dois   lados   do   Atlântico   Noel   Coward   foi   capaz   de  
emplacar  um  sucesso  nesta  década.  Depois  da  Segunda  Guerra  Mundial,  seu  
Pacific   1860   (1946   –   129   perfs)   não   foi   muito   bem   mesmo   com   a   ajuda   de  
uma  luxuosa  produção  e  a  presença  de  Mary  Martin.  

A  estrela  mais  popular  de  londres  durante  a  segunda  metade  do  


século   XX   foi   Ivor   Novello   (foto),   que   compôs   e   estrelou   uma   série   de  
operetas   de   sucesso.   Ele   não   era   capaz   de   cantar   uma   só   nota,   mas   sua  
beleza,   presença   de   palco   e   seu   dom   para   escrever   luxuriantes   melodias   o  
colocaram   no   papel   principal   no   centro   do   palco   onde   todos   cantavam   à   sua  
volta.  Mas,  em  sua  defesa,  ele  geralmente  interpretava  personagens  que  tocava  
piano  enquanto  outros  cantavam.  

Ivor   Novello   em   The   Dancing   Years   com   Roma   Beaumont   e   Mary   Ellis   (nas  
escadas).  
Desta  forma,  Novello  emplacou  show  atrás  de  show,  celebrado  por  uma  legião  de  
fãs  (mulheres)  que  sequer  imaginavam  que  seu  ídolo  era  homossexual.  Com  uma  mistura  de  
afeição   e   inveja,   o   amigo   de   longa   data   (e   concorrente   na   profissão)   Noel   Coward   certa   vez  
disse   que   “as   duas   coisas   mais   adoráveis   no   teatro   britânico   são   o   perfil   de   Ivor   e   a   minha  
mente”.  A  quase  ininterrupta  lista  de  musicais  de  sucesso  de  Novello  incluía:  

• Glamorous  Nights  (1935  –  243  perfs)  


• Careless  Rapture  (1936  –  297  perfs)  –  apelidado  de  Careless  Rupture  
• Crest  of  the  Wave  (1937  –  203  perfs)  
• The  Dancing  Years  (1939  –  967  perfs)  –  apelidado  The  Dancing  Queers  
• Perchance  to  Dream  (1945  –  1.022  perfs)  
• King’s  Rhapsody  (1949  –  839  perfs)  
• Gay’s  the  Word  (1951  –  504  perfs)  

Nenhum   dos   shows   de   Novello   (que   normalmente   eram   excessivamente  


sentimentais   e   doces   ao   ponto   de   matar   qualquer   um   de   diabetes)   foram   produzidos   na  
Broadway,  então  nem  suas  canções  mais  populares  como  Shine  Through  My  Dreams  e  Waltz  of  
My   Heart   foram   muito   ouvidas   fora   da   Inglaterra.   O   que   é   uma   pena,   pois   seu   talento   para  
melodias  românticas  e  refinadas  o  colocava  em  algum  lugar  entre  Coward  e  Lehar.  O  domínio  
de   Novello   nos   palcos   londrinos   continuou   até   sua   súbita   morte   aos   58   anos,   durante   a  
temporada   de   King’s   Rhapsody.   Milhares   foram   às   ruas   nod   ia   de   seu   funeral,   que   foi  
transmitido  ao  vivo  pelo  rádio  britânico  para  uma  nação  em  luto.  

O  musical  que  mais  tempo  ficou  em  cartaz  no  West  End  durante  esse  período  foi  
Me   and   My   Girl   (1937   –   1.646   perfs   em   Londres),   a   história   de   um   pobre   cockney   que   herda   o  
título  e  a  fortuna  de  um  nobre.  A  partitura  de  Noel  Gay  incluía  a  chiclete  Lambeth  Walk,  e  os  
ingleses   lotaram   os   teatros   durante   a   maior   parte   da   Segunda   Guerra.   O   comediante   britânico  
Lupino  Lane  triunfou  no  papel  principal  e  estrelou  em  vários  revivals.  Pra  variar,  os  produtores  
acharam  que  Me  and  My  Girl  era  britânico  demais  para  a  Broadway.  Em  1985,  Londres  deu  as  
boas  vindas  a  uma  versão  profundamente  revisada  estrelando  Robert  Lindsay.  Depois  de  um  
novo  triunfo  em  Londres  (onde  ficou  em  cartaz  por  anos),  Me  and  My  Girl  finalmente  viajou  
para   Nova   Iorque   em   1986,   e   acumulou   1.420   performances.   Parece   que   mesmo   os   ianques  
mais  cabeça-­‐dura  são  capazes  de  apreciar  coisas  boas!  

South  Pacific  
Ezio  Pinza  e  Mary  Martin  na  Playbill  da  primeira  montagem  de  South  Pacific  
no  Majestic  Theatre  

Perto   do   fim   da   década   de   40,   Nova   Iorque   era  


indiscutivelmente   o   centro   do   mundo   teatral,   e   o   último   hit   da   década   foi  
um   dos   maiores.   Trabalhando   com   o   co-­‐libretista   e   diretor   Josh   Logan,  
Rodgers   e   Hammerstein   escreveram   um   musical   baseado   em   duas   histórias  
de   Tales   of   the   South   Pacific   de   James   Michener.   Numa   ilha   ao   sul   do  
pacífico,   ocupada   pelas   forças   americanas   durante   a   Segunda   Guerra,   a  
enfermeira  militar   Nellie  Forbush  se  apaixona  pelo  plantador  francês  Emile  
de   Becque,   enquanto   o   tenente   Joseph   Cable   dá   seu   coração   para   uma  
garota  polinésia.  Estes  dois  americanos  “decentes”  são  forçados  a  enfrentar  o  preconceito  com  
o   qual   foram   criados.   Estabelecido   entre   as   tensões   de   vida   e   morte   dos   tempos   de   guerra,  
estava   anos   luz   distante   da   comédia   musical   que   reinava   na   Broadway   menos   de   dez   anos  
atrás.  

Com   um   elenco   de   peso:   Ezio   Pinza   e   Mary   Martin,   um   roteiro   minuncioso   e   uma  
partitura   que   incluía   clássicos   como   Some   Enchanted   Evening,   Younger   than   Springtime,   Bali  
Hai  e  I’m  in  Love  With  a  Wonderful  Guy,  South  Pacific  (1949  –  1.925)  provou  ser  uma  sensação,  
criando   uma   demanda   por   ingressos   sem   precedentes.   Alguns   críticos   (sendo   específico,   os  
mais   idiotas)   sugeriram   que   alguns   aspectos   do   livro   soavam   datados   para   as   plateias   da  
época,  mas  nada  funciona  melhor  do  que  uma  partitura  repleta  de  genuíno  sentimento.  

South   Pacific   era   incomum   por   várias   coisas.   Quase   não   havia   dança,   duas  
histórias   de   amor   de   igual   importância   puxavam   o   roteiro,   e   a   tensão   dramática   não   acontecia  
por   conta   de   um   antagonista   único   (o   famoso   “vilão”)   nem   por   conta   de   um   simples  
desentendimento.   Ambas   as   histórias   de   amor   eram   contrariadas   por   conta   de   preconceitos  
raciais  “cuidadosamente  ensinados”.  Esse  ódio  por  reflexo  levava  os  personagens  principais  a  
se   distanciarem   das   pessoas   que   amavam.   No   caso   do   jovem   tenente   e   da   garota   nativa,   os  
resultados  foram  trágicos,  mas  Nellie  e  Emile  ficam  unidos  no  final.  

South   Pacific   confirmou   que   Rodgers   e   Hammerstein   comandam   o   gênero.   Com  


críticas   veneráveis,   recebeu   o   Tony   de   melhor   musical   (além   de   9   outros)   e   se   tornou   o  
segundo   musical   a   receber   o   prêmio   Pulitzer   para   drama.   O   Revival   de   2008   levou   mais   7  
Tonys,  incluindo  o  de  melhor  ator  para  Paulo  Szot,  o  primeiro  brasileiro  a  ganhar  um  Tony.  A  
habilidade   de   Rodgers   e   Hammerstein   para   criarem   hits   inovadores   e   entretecedores   ficou  
conhecido  como  o  “Fator  RH”,  e  isto  os  manteria  no  topo  pela  próxima  década.  

Os  Shuberts:  Um  caso  de  confiança  


South   Pacific   iniciou   uma   mudança   radical   e   surpreendente   neste   “negócio   que  
chamamos   de   show”.   A   procura   por   ingressos   era   tanta   que   os   donos   do   teatro   ficaram  
gananciosos.   Revendedores   cobravam   do   público   dez   vezes   o   valor   de   oito   dólares   cobrado  
pela   bilheteria,   e   os   Shuberts   embolsavam   a   maior   parte   deste   valor   adicional.   Mas   o   erro  
deles  foi  obrigar  políticos  influentes  a  pagarem  esses  valores  inflados.  O  congresso  iniciou  uma  
investigação   (por   muito   tempo   postergada)   sobre   as   práticas   dos   negócios   na   Broadway,  
cusando  os  Shuberts  de  serem  um  monopólio  ilegal.  

Os   Shuberts   utilizaram   bons   advogados   para   arrastar   a   briga   por   vários   anos,   mas  
depois   de   uma   longa   sucessão   de   batalhas   judiciais,   o   governo   federal   venceu.   Os   Shuberts  
foram   forçados   a   abrir   mão   do   seu   lucrativo   controle   de   reserva   e   vendas   de   ingressos,   e  
também  tiveram  que  vender  vários  de  seus  teatros  em  todo  os  EUA.  Os  irmãos  continuaram  
poderosos,  mas  o  seu  controle  sobre  o  teatro  comercial  fora  perdido.  

Os   anos   40   viram   uma   vasta   mudança   no   teatro   musical,   tanto   como   forma  
artística  como  quanto  negócio.  A  Segunda  Guerra  Mundial  reenergizou  a  economia  americana,  
e   muitos   bons   musicais   apareceram   nesta   década,   particularmente   depois   que   Oklahoma!  
(1943)  redefiniu  o  gênero.  Mas  os  custos  com  aluguel  de  teatro,  salários  mínimos  controlados  
pelo   sindicato   e   publicidade   não   paravam   de   aumentar,   fazendo   com   que   shows   lucrativos  
ficassem   cada   vez   mais   raros.   Então,   mesmo   durante   a   era   que   ficou   conhecida   por   muitos  
como  “A  Era  de  ouro”,  a  quantidade  de  produções  na  Broadway  (com  raras  exceções)  iniciou  
um  declínio  gradual  e  inevitável.  

Este  declínio  passou  despercebido  na  década  que  se  seguiu.  Afinal  de  contas,  nos  
anos  cinquenta,  o  Musical  da  Broadway  era  uma  das  maiores  e  mais  populares  entidades  de  
todo  o  show  business.  

Você  leu  o  texto  até  o  fim.  Que  orgulho!  E  melhor  ainda,  leu  os  dois.  Quando  eu  
perguntar  em  sala  de  aula  se  você  leu  o  texto  você  deverá,  elegantemente  cruzar  as  pernas  (se  
já  estiverem  cruzadas,  descruza  e  cruza  de  novo)  para  que  eu  saiba  quem  leu  o  texto  e  ficar  
muito  feliz,  combinado?