Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS


DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA

ARTE E POLÍTICA NO BRASIL

Ano: 2018 – Segundo Semestre


Carga Horária: 60 h.
Horário Regular: quartas-feiras – 14h -17h30min.
Professor: Paulo Marcondes Ferreira Soares
Email: paulomfsoares@gmail.com

EMENTA
Discutir a tensão existente na formulação de um projeto de arte nacional a partir
dos conflitos e contradições presentes no âmbito das manifestações da arte moderna e
contemporânea no Brasil relativamente à questão da arte como participação social. O
debate privilegiará alguns exemplos de manifestações artísticas em contextos
específicos, procurando apreender o nível de sua abrangência em termos de políticas de
arte. Para isso, será necessário passar em revista questões teóricas que dimensionem a
relação arte e política em nosso tempo, em âmbito mais global, até chegarmos a
reflexões mais pontuais sobre tais manifestações em experiências recentes em nosso
país e em contextos periféricos como o nosso.

PROGRAMA
 Questões de arte e política;
 Sentidos da participação social da arte;
 Condições de autonomia do campo estético e experimentalismo:
o moderno e o contemporâneo;
 O nacional-popular em questão;
 Redimensionamentos do sistema e o meio de arte no Brasil.
METODOLOGIA
O curso terá um enfoque cultural amplo, reunindo estudos informados tanto pela
abordagem sociológica, quanto pela crítica estética, histórica e literária. O curso será
oferecido com base na dinâmica de seminários.

AVALIAÇÃO
O curso será avaliado com base no critério de apresentação de um trabalho de
conclusão, tendo como referência a problematização de temas tratados no programa da
disciplina, num esforço de relacioná-los à própria temática do projeto ou de interesses
específicos do aluno – seja como indicação de pertinência ou refutação. A escolha do
tema ficará a cargo do aluno, sendo que sua entrega será de, no máximo, um mês a
contar da última aula do curso.

CALENDÁRIO DOS SEMINÁRIOS

Aula Inaugural – 05.09.18


 Introdução geral do tema, apresentação da disciplina e distribuição dos
seminários.
Aula 1 – 12.09.18
 AMARAL, Aracy A. (1987). “O dilema da desfunção da arte”. In: A. Amaral.
Arte para quê? A preocupação social na arte brasileira 1930-1970. 2ª. ed. rev.
São Paulo, Nobel.
 CHAGAS, Pedro Dolabela (2005). “Arte e Política: o quadro normativo e a sua
reversão”. Kriterion. Belo Horizonte, 112: 367-381 (PDF).
 SEGURADO, Rosemary (2007). “Por uma estética da reexistência na relação
entre arte e política”. CHAIA, Miguel. Arte e Política. Rio de Janeiro, Azougue
Editorial (Cap. 2 – p. 41-58).

Aula 2 – 19.09.18
 BENJAMIN, Walter (1985). “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade
técnica”; “O Autor como Produtor. Conferência pronunciada no Instituto para o
Estudo do Facismo, em 27 de abril de 1934”. Magia e técnica, arte e política.
Ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras Escolhidas I. São Paulo:
Brasiliense.
 CLARK, T. J. (2007). “Será que Benjamin devia ter lido Marx?” Modernismos:
ensaios sobre política, história e teoria da arte. São Paulo, Cosac Naify (org.
por Sônia Salzstein).
 DIDI-HUBERMAN, Georges (2015). “A Imagem-Aura. Do agora, do outrora e
da lModernidade”. Diante do tempo: história da arte e anacronismo das
imagens. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Aula 4 – 03.10.18
 DI FILIPPO, Marilé (sd). “Walter Benjamin y Jacques Rancière: arte y política.
Una lectura en clave epistemológica”. Revista de Epistemología y Ciencias
Humanas. Argentina: Centro de Estudios Interdisciplinarios de la Universidad
Nacional de Rosario.
http://www.revistaepistemologi.com.ar/biblioteca/17.%20Walter%20Benjamin
%20y%20Jacques%20Ranciere%20arte%20y%20politica.%20Una%20lectura
%20en%20clave%20epistemologica.pdf
 JAY, Martin (2003). “‘La ideologia estética’ como ideologia o qué significa
estetizar la política?” Campos de Fuerza: entre la historia intelectual y la crítica
cultural. Buenos Aires, Paidós
 RANCIÈRE, Jacques (2012/2017). “O espectador emancipado”; “Paradoxos da
arte política”. In: O Espectador Emancipado. São Paulo, Editora WMF Martins
Fontes).

Aula 5 – 10.10.18
 DANTO, Arthur C. (2006). “Pintura, política e arte pós-histórica”. Após o Fim
da Arte: a Arte Contemporânea e os Limites da História. São Paulo,
Edusp/Odysseus Editora.
 FOSTER, Hal (1996). “Signos Subversivos” e “Por um Conceito do Político na
Arte Contemporânea”. Recodificação: Arte, Espetáculo, Política Cultural. São
Paulo, Casa Editorial Paulista.
 JUANES, Jorge (2009) “Vivir a la intemperie: el estalido de la subversión”. In:
SIGÜENZA, Javier (compilador). Contracorriente: Filosofía, Arte Y Política.
México: Afínita Editorial México.
http://libros.metabiblioteca.org/bitstream/001/303/8/978-607-95080-1-2.pdf

2
Aula 6 – 17.10.18
 DIDI-HUBERMAN, Georges (2011). “Coisa pública, Coisa dos povos, Coisa
plural”. SILVA, Rodrigo (org.). A República por vir: arte, política e pensamento
para o século XXI. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
 DIDI-HUBERMAN, Georges (2014). “Poemas de Pueblos”. Pueblos expuestos,
pueblos figurantes. Buenos Aires: Manantial.
 SELIGMANN-SILVA, Márcio (2005). “As catástrofes e os imperativos da arte:
o trabalho da memória, o sublime e o abjeto”. O local da diferença: ensaios
sobre memória, arte, literatura e tradução. São Paulo: Editora 34 (p. 19-60).

Aula 7 – 24.10.18
 GROYS, Boris (2015). “A lógica dos direitos estéticos iguais”; “A arte na era da
biopolítica”; “Topologia da aura”; “Iconoclastia como instrumento artístico”;
“Da imagem ao arquivo de imagem – e de volta”; “Autoria múltipla”; “A cidade
na era da reprodutibilidade turística”. Arte, Poder. Belo Horizonte: Editora
UFMG.
 HUYSSEN, Andreas (2001). “Pretéritos presentes: médios, política, amnesia”.
Em busca del futuro perdido: cultura y memoria em tempos de globalización.
Buenos Aires/Mexico: Fundo de Cultura Económica.
 TASCA, Fabíola Silva (2011). “SEM TÍTULO (arte e política: fracasso
exemplar) “. Por um conceito do político na arte contemporânea - O Fator
Santiago Sierra. Belo Horizonte: Escola de Belas Artes/UFMG.

Aula 8 – 31.10.18
 ANDRADE, Oswald de (1970). “Manifesto da poesia pau-brasil”; “Manifesto
antropófago”; “A crise da filosofia messiânica”. Do Pau-Brasil à Antropofagia e
às Utopias. 2ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
 GUMBRECHT, Hans Ulrich (2011). “Mordendo Você Suavemente: um
comentário sobre o Manifesto Antropófago”. In: ROCHA, João Cezar de Castro
e RUFFINELLI, Jorge. Antropofagia hoje? Oswald de Andrade em cena. São
Paulo: É Realizações.
 MADUREIRA, Luís (2011). “‘Intenção Carnavalesca de Ser Canibal’, ou:
Como (não) ler o Manifesto Antropófago”. In: ROCHA, João Cezar de Castro e
RUFFINELLI, Jorge. Antropofagia hoje? Oswald de Andrade em cena. São
Paulo: É Realizações.
 ZILIO, Carlos (1994). “A questão política no modernismo”. In: Fabris,
Annateresa. Modernidade e modernismo no Brasil. Campinas, Mercado de
Letras.

Aula 9 – 07.11.18
 AMARAL, Aracy A. (1987). “Realismo versus abstracionismo e o confronto
com a Bienal”; “Anos 60: da arte em função do coletivo à arte de galeria”. In: A.
Amaral. Arte para quê? A preocupação social na arte brasileira 1930-1970. 2ª.
ed. rev. São Paulo, Nobel.
 CAVALCANTI, Jardel Dias (2005). Artes Plásticas: Vanguarda e Participação
Política (Brasil anos 60 e 70). Campinas, SP (Cap. 1 – “Vanguarda e
Participação Política: para além da vassalagem ideológica”; Cap. 2 –
“Vanguarda e Participação Política no Brasil – anos 60 e 70).

3
 ZILIO, Carlos (1982) “Da Antropofagia à Tropicália”. In: ZILIO, Carlos et al. O
Nacional e o Popular na Cultura Brasileira: Artes Plásticas e Literatura. São
Paulo: Brasiliense.

Aula 10 – 14.11.18
 FREITAS, Artur (2004). “Poéticas Políticas: As Artes Plásticas entre o Golpe de
64 e o AI-5”. História: Questões & Debates. Curitiba, Ed. UFPR, 40: 59-90
(PDF).
 FREITAS, Artur (2004). “Arte à mão armada: vanguarda e militância em Carlos
Zílio”. Anais do XVII Encontro Regional de História – O lugar da história.
ANPUH/SP-UNICAMP. Campinas, 6 a 10 de setembro. CD-Rom (PDF).
 FREITAS, Artur (2005). “A autonomia social da arte no caso brasileiro: os
limites históricos de um conceito”. ArtCultura. Uberlândia, v. 7, n. 11, p.197-
211, jul.-dez.
 NAPOLITANO, Marcos (2001). “A arte engajada e seus públicos (1955/1968)”.
Estudos Históricos. Rio de Janeiro, 28: 1-21 (PDF).
 RIDENTI, Marcelo (2005). “Artistas e intelectuais no Brasil pós-1960”. Tempo
Brasileiro: revista de sociologia da USP. São Paulo, 17 (1): 81-110 (PDF).

Aula 11 – 21.11.18
 FABBRINI, Ricardo (2014). “Poética do Gesto: Arte e Política em Lygia Clark”.
In: Egg, André; Freitas, Artur; Kaminski, Rosane (orgs). Arte e Política no
Brasil: modernidades. São Paulo: Perspectiva.
 FABRIS, Annateresa (2014). “De Tropicália a Happyland”. In: Egg, André;
Freitas, Artur; Kaminski, Rosane (orgs). Arte e Política no Brasil:
modernidades. São Paulo: Perspectiva.
 OLIVEIRA, Allan de Paula (2014). “Pump up the Jam: Música Popular e
política”. In: Egg, André; Freitas, Artur; Kaminski, Rosane (orgs). Arte e
Política no Brasil: modernidades. São Paulo: Perspectiva.
 XAVIER, Ismail (2014). “A Invenção do Estilo em Glauber Rocha e seu Legado
para o Cinema Político”. In: Egg, André; Freitas, Artur; Kaminski, Rosane
(orgs). Arte e Política no Brasil: modernidades. São Paulo: Perspectiva.

Aula 12 – 28.11.18
 COELHO, Frederico (2010). “Produção cultural no Brasil das décadas de 1950 e
1960”. Eu, brasileiro, confesso minha culpa e meu pecado: cultura marginal no
Brasil das décadas de 1960 e 1970. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira (Cap.
1, p. 33-108).
 VELOSO, Caetano (2003). “Conferência no MAM”. Teresa - Revista de
Literatura Brasileira. No 4/5. São Paulo, Ed. 34.

Aula 13 - 05.12.18
 ALIAGA, Juan Vicente (2010). “Relatos desconformes: teoria queer, política e
arte em um mundo pós-colonial”. Revista Poiésis, no 15, Jul, p. 15-24.
http://www.poiesis.uff.br/PDF/poiesis15/Poiesis_15_RelatosDesconformes.pdf
 BOTTI, Mariana Meloni Vieira (2005). “Arte e Gênero Feminino”; “Auto-
Retratos de Mulheres Artistas” e “O Corpo Feminino ‘em cena’ na própria
Obra”. Espelho, espelho meu? Auto-retratos fotográficos de artistas brasileiras

4
na contemporaneidade. Campinas, SP, Universidade Estadual de Campinas
[PDF].
http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000385496&fd=y
 MAGALHÃES, Maria José (2010). “A arte e violência no olhar: activism
ferminsta e desconstrução da violência contra as mulheres”. Revista Crítica de
Ciências Sociais, no 89, jun., p. 89-109. https://rccs.revues.org/3735
 GARCIA, Wilton (2012). “Arte homoerótica no Brasil: estudos
contemporâneos”. Revista Gênero, Niterói, v.12, n.2, p. 131-163.
http://www.revistagenero.uff.br/index.php/revistagenero/article/view/419/312
 MOUFFE, Chantal (2007). Practicas artísticas y democracia agonística.
Barcelona: Museu d'Art Contemporani de Barcelona/Universitat Autónoma de
Barcelona; Bellaterra (Cerdanyola del Valles).
https://pt.scribd.com/document/261879559/Mouffe-Practicas-Artisticas-y-
Democracia-Agonistica

Aula 14 – 12.12.18
 TAVARES, Andréa (2010). “Ficções urbanas: estratégias para a ocupação das
cidades”. ARS/publicação do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais.
Vol. 8, n. 16, São Paulo: Departamento de Artes Plásticas ECA/USP.
 GIANNOTTI, Marco (2010). “À margem da rua: o novo espaço público”.
ARS/publicação do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais. Vol. 8, n. 16,
São Paulo: Departamento de Artes Plásticas ECA/USP.
 HUCHET, Stéphane (2012). “A ‘elasticidade’ da arte para com a política: breves
bases críticas”. In: GERALDO, Sheila Cabo. Trânsito entre arte e política. Rio
de Janeiro: Quartet/FAPERJ.
 SZANIECKI, Barbara (2012). “Experiências estéticas do comum”. In:
GERALDO, Sheila Cabo. Trânsito entre arte e política. Rio de Janeiro:
Quartet/FAPERJ.
 BRAGA, Paula (2012). “A rede como suporte da obra de arte”. In: GERALDO,
Sheila Cabo. Trânsito entre arte e política. Rio de Janeiro: Quartet/FAPERJ.
 CONDURU, Roberto (2012). “Conjugando (subvertendo?) o glocal a partir do
Benim: Hazoumé, Quenum, Zinkpé”. In: GERALDO, Sheila Cabo. Trânsito
entre arte e política. Rio de Janeiro: Quartet/FAPERJ.

Aula 15 – 19.12.18
 GARRAMUÑO, Florencia (2014). Frutos estranhos: sobre a inespecificidade
na estética contemporânea. Rio de Janeiro: Rocco. [Livro todo.]
 BRIZUELA, Natalia (2014). “Mutações. Analogias. Fotografias”. Depois da
fotografia. Rio de Janeiro: Rocco.

5
LEITURAS SUGERIDAS

 CALIRMAN, Claudia (2013). Arte brasileira na ditadura militar: Antonio


Manuel, Artur Barrio e Cildo Meireles. Rio de Janeiro: Reptil.
 CHAIA, Miguel (2007). “Arte e política: situações”. Arte e Política. Rio de
Janeiro, Azougue Editorial.
 DIAS, Ângela Maria (Org./1999). A Missão e o Grande Show: políticas
culturais no Brasil – Anos 60 e depois. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.
 DUARTE, Paulo Sérgio (2008). Arte brasileira contemporânea: um prelúdio.
Rio de Janeiro: Silvia Roesler Edições de Arte.
 ECHEVERRÍA, Bolívar (2009). “Arte y utopia”. In: SIGÜENZA, Javier
(compilador). Contracorriente: Filosofía, Arte Y Política. México: Afínita
Editorial México.
http://libros.metabiblioteca.org/bitstream/001/303/8/978-607-95080-1-2.pdf
 FEITAS, Artur (2013). Arte de Guerrilha: Vanguarda e Conceitualismo no
Brasil. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo.
 JACQUES, Paola Berenstein (2001). Estética da ginga: a arquitetura das
favelas através da obra de Hélio Oiticica. Rio de Janeiro, Casa da Palavra
 JUANES, Jorge (2009) “Vivir a la intemperie: el estalido de la subversión”. In:
SIGÜENZA, Javier (compilador). Contracorriente: Filosofía, Arte Y Política.
México: Afínita Editorial México.
http://libros.metabiblioteca.org/bitstream/001/303/8/978-607-95080-1-2.pdf
 MOUFFE, Chantal (2013). “Quais espaços públicos para práticas de arte
crítica?” Arte & Ensaios. Revista do PPGAV/EBA/UFRJ, n. 27, dezembro.
http://www.ppgav.eba.ufrj.br/wp-content/uploads/2015/03/tematicas-chantal.pdf
 RANCIÈRE, Jacques (2005). A Partilha do Sensível: Estética e Política. São
Paulo, EXO experimental org.; Ed. 34
 RANCIÈRE, Jacques (2011). “O tempo da emancipação já passou?” In: SILVA,
Rodrigo (org.). A República por vir: arte, política e pensamento para o século
XXI. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
 SANTOS, Laymert Garcia dos (2003). “Tecnologia e arte”. Politizar as novas
tecnologias: o impacto sociotécnico da informação digital e genética. São
Paulo: Ed. 34.
 SIGÜENZA, Javier (2009). “Walter Benjamin ante las vanguardias”. In:
SIGÜENZA, Javier (compilador). Contracorriente: Filosofía, Arte Y Política.
México: Afínita Editorial México.
http://libros.metabiblioteca.org/bitstream/001/303/8/978-607-95080-1-2.pdf
 VIRNO, Paolo (2009). “Virtuosismo y revolución: notas sobre el concepto de
acción política”. In: SIGÜENZA, Javier (compilador). Contracorriente:
Filosofía, Arte Y Política. México: Afínita Editorial México.
http://libros.metabiblioteca.org/bitstream/001/303/8/978-607-95080-1-2.pdf
 WISNIK, José Miguel (1982). “Getúlio da Paixão Cearense (Villa-Lobos e o
Estado Novo)”. In: Enio Squeff e José Miguel Wisnik. Musica. São Paulo,
Brasiliense. [O Nacional e o Popular na Cultura Brasileira].