Você está na página 1de 18

Interpretação do Evangelho

Cap. I – NÃO VIM DESTRUIR A LEI


 Respeito
 Base para nossa conduta. Cada pessoa tem seu nível de consciência.
 Rever os padrões que cada um traz em si mesmo (respeitar)
 Cristo Lei do Amor

Cap. II – MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO


 Desapego
 Jesus deixa claro que estamos num processo de evolução
 Ele é mais velho que todos nós (teve mais vivências)
 Estamos de passagem num processo de aprendizado contínuo.
 Viemos com uma programação para determinado aprendizado.
 A vida futura é ter consciência deste processo e entendermos porque estamos aqui.
 A lei se encarrega de nos colocar no equilíbrio e no aprendizado.
 Quebrar as ilusões da terra e tomar consciência do verdadeiro valor da vida terrena.

Cap. III – HÁ MUITAS MORADAS NA CASA DE MEU PAI


 Capítulo da Esperança;
 Somos seres diferentes na nossa evolução;
 Cada ser humano pertence ao seu mundo (dos mais primitivos aos mais evoluídos)
 A lei da afinidade;
 Valores e escolhas – livre arbítrio;
 Despertar novas moradas por meio da reflexão e da meditação.

Cap. IV – NINGUÉM PODE VER O REINO DE DEUS SE NÃO NASCER DE NOVO


 Capítulo - Recomeço - oportunidade
 Maior prova de amor de Deus é a reencarnação;
 A reencarnação nos dá uma noção de continuidade do aprendizado;
 Vivenciar até se ajustar com a Lei Divina;
 Laços de família para desenvolver o amor;
 Sem limites para reencarnar;
 Ampliação da família espiritual;
 Quebra da rigidez pela desencarnação;
 Retrospectiva para reparar os equívocos da própria reencarnação;

Cap. V – BEM AVENTURADOS OS AFLITOS


 Capitulo da transformação (mudança)
 Agredimos a lei - a dor faz nós repensarmos as nossos pensamentos e atitudes.
 Estamos em um mundo inferior pelas nossas imperfeições;
 Esquecimento do passado (novo ponto de partida);
 Aquele que passa pelo sofrimento está preparado para a sua transformação;
 Quebramos padrões de comportamentos com a dor (modelo psicológico);
 Quando me percebo começo a me entender;
 Encontrar o significado da dor (a causa é justa) motivos de resignação;
 A fuga do aprendizado (suicídio e loucura);
 O bem e o mal sofrer; Sofre e tem a fé em Deus;
 O que é a felicidade?;
 A morte; melancolia (tristeza)
 A infelicidade é calar a consciência com a vaidade e o orgulho;
Cap. VI - O CRISTO CONSOLADOR

 Capitulo da Compreensão
 Jesus trouxe a Lei do Amor; Centelha Divina
 O que consolar?
 Os desvios do caminho da Lei divina;
 O que é a humildade?
 O devotamento (fraternidade, altruísmo) e abnegação (piedade, amor);

Cap. VII BEM AVENTURADOS OS POBRES DE ESPÍRITO

 Capitulo da Humildade
 Orgulho (fontes de todos os males) e a humildade;
 O reino dos céus é para os simples;
 Trazer a vivência para se reconhecer;
 Orgulho - esconde as deformidades morais;
 O egoísmo corrompeu todos os caminhos;
 A inteligência aplicada nas leis divinas;

CAP. VIII - BEM AVENTURADOS AQUELES QUE TÊM PURO O CORAÇÃO


 Capitulo da Benevolência
 Expressão da bondade, humildade, simplicidade (amor em movimento)
 O Espírito se reveste com a túnica da inocência. (criança)
 Pensamento (verdadeira pureza) – mau pensamento significa imperfeição da alma.
 Avança na vida espiritual, se esclarece e se despoja de suas imperfeições.
 Não é o que entra pela boca – sai da boca parte do coração....
 O interior do vosso coração esta cheio de rapinas e de iniquidades (contrário a moral).
 Toda planta que meu Pai celestial não plantou, será arrancada.
 Pureza no coração não é na aparência.
 Escândalo (vícios e imperfeições do homem) – explosão de comentários
desequilibrados (vasos limpos por fora e cheio de podridão por dentro)
 Escândalo – contato com os vícios – são as primeiras vítimas
 Mãos cortadas – instrumento de ação má
 Meu pai, curai-me, mas dizei que minha alma doente seja curada antes das
enfermidades do meu corpo.
 Sempre se é punido naquilo que pecou (correção da imperfeição).

CAP. IX - BEM AVENTURADOS AQUELES QUE SÃO BRANDOS E PACÍFICOS

 Capítulo dos Pacíficos


 Brandos e pacíficos – controle de seus pensamentos e do comportamento (bom senso
e razão).
 Não se altera – não deixa que a sombra domine
 Respira, pensa, sente e fala – movimento do Self (lucidez).
 Perceber se esta reagindo ou agindo (sombra e Self)
 Paciência – parar e refletir sobre os episódios.
 A obediência é o consentimento da razão, resignação é o consentimento do coração.
 O homem não se conserva vicioso, senão porque quer permanecer vícios.
CAP. X – BEM AVENTURADOS AQUELES QUE SÃO MESERICORDIOSOS

 Capítulo da Responsabilidade (perdão)


 O ódio e o rancor denota uma alma sem elevação sem grandeza
 Duas maneiras de perdoar: uma grande, nobre, verdadeiramente generosa, a segunda
impõem condições humilhantes.
 Misericórdia – não sete vezes, mas setenta vezes sete vezes (não pegar a sombra do
outro)
 Reconciliar – mágoas e ressentimento.
 Sintonia – obsessores.
 Reconciliar - antes de apresentar a vossa oferenda ao altar. (quem perdoa é a
Centelha Divina)
 O argueiro e a trave no olho – projeção – o orgulho faz dissimular os próprios defeitos.
 O orgulho é o pai de muitos vícios, é também a negação de muitas virtudes.
 Não julgueis afim de que não sejais julgados – nós conhecemos no outro aquilo que
temos em nós (escondido na nossa sombra).
 Atire a primeira pedra. Mulher em adultério.
 Serás brando e humilde de coração, não medido jamais tua mansuetude.
 O mérito do perdão é proporcional à gravidade do mal.
 Feliz, pois aquele que pode cada noite adormecer dizendo: nada tenho contra o meu
próximo.
 O esquecimento completo e absoluto das ofensas é próprio das grandes almas.
 A indulgência não vê o defeito do outro – somente para servir – tem cuidado para
atenuar quanto possível.
 Sustentai os fortes: encorajai-os à perseverança; fortificai os fracos em lhe mostrando
a bondade de Deus que considera o menor arrependimento.
 Oração do Pai Nosso.
 Todos tendes más tendências a vencer, defeitos a corrigir, hábitos a modificar.....
 ...é impossível amar a Deus sem praticar a caridade.
 Repreender o próximo? Com moderação e um fim útil – com todas as reservas
possíveis
 Revelar o mal de outrem?

CAP. XI – AMAR AO PROXIMO COMO A SI MESMO

 Capitulo do Amor
 Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.
 Destruir o egoísmo – prática da indulgência, benevolência e devotamento.
 Dai a Cesar... – condena prejuízo material ou moral acarretado a outrem.
 Dever para com a família, sociedade e aos indivíduos.
 No inicio os instintos (corrompidos) – sensação – sentimento – amor.
 Lei do amor – amar a todos indistintamente (o amor se estabelecer na alma)
 Amar – Leal, probo (honrado) consciencioso, não condenar antes de elevar o
pensamento a Deus.
 Egoísmo – negação da caridade maior obstáculo para a felicidade do homem – couraça
que cobre o coração.
 Caridade e a fé – enxergar os criminosos como doentes.
 O devotamento socorre um inimigo tanto como um amigo.
Cap. XII – AMAR OS VOSSOS INIMIGOS

 Capítulo da libertação
 Limpeza da sombra
 ...que recompensa tereis, uma vez que as pessoas de má vida amam também aquele
que as amam?
 Amar os inimigos – aplicação da caridade.
 Amar os inimigos é não ter ódio, nem rancor, nem desejo de vingança – perdoar-lhe
sem segunda intenção.
 ...é desejar-lhes o bem em lugar deseja-lhes o mal.
 Retribuir o mal com o bem sem a intenção de humilhar.
 ...agradece a mão que lhe fornece a ocasião de provar sua paciência e resignação.
 Elevação moral acima do mundo material.
 Indulgência – um homem mau reconhecerá um dia seus erros e se tornará bom.
 Não há coração tão perverso que não seja tocado de bons procedimentos, mesmo
inconscientemente.
 Terra – espíritos maus ao redor dela – manifestam sua malevolência pelas obsessões e
subjugações – pessoas são alvos – varias provas da vida.
 Se alguém bate na face direita apresenta-lhe também a outra – retribuir o mal com o
bem (bate no nosso orgulho ou egoísmo – de a outra face humildade e altruísmo).
 Jesus não interditou a defesa, mas condenou a vingança.
 Vingança – espera o momento propício para atingi-lo – maus sentimentos os animam,
cólera e ódio – hipócritas - calúnia.
 O covarde que se vinga assim é cem vezes mais culpável...
 ...amar aqueles que vos ultrajam e vos perseguem é penoso; mas, precisamente isso
que vos torna superiores a eles.
 Duelo – falsa aparência de honra – o amor nos aproxima de Deus e o ódio nos afasta.
 Só é verdadeiro grande aquele que, considerando a vida como uma viagem que deve
conduzi-lo a um objetivo...
 Duelo – covardia moral como é o suicídio – costumes insensatos – amor próprio
estúpido, tola vaidade e louco orgulho.
 Não façais aos outros o que não quiserdes que vos façam.
 ...Entre o insulto, há sempre o tempo de refletir...
 O Espiritismo vencerá nos homens esses últimos vestígios da barbárie, em inculcando
nos homens o espírito de caridade e de fraternidade.
Cap. XIII – QUE A VOSSA MÃO ESQUERDA NÃO SAIBA O QUE DA A VOSSA MÃO DIREITA

 Capitulo do Despertar
 Não saber a mão esquerda o que dá a mão direita é uma imagem que caracteriza a
beneficência modesta.
 Cérebro – esquerdo – racional (lógico, ciência, verbal, matemática, estratégia, ideias,
escrita) direito – intuitivo – emoção (imagens, histórias, observação, formas, padrão,
música, imaginação, beleza)
 Caridade – (indulgência, benevolência e perdão) a fim de que a esmola fique em
segredo, e vosso Pai que vê o que se passa em segredo, vos recompensará.
 Superioridade moral – vida futura – colocar-se acima da humanidade (amor)
 Os que fazem o bem ostentosamente já receberam sua recompensa.
 Orgulho – quer o testemunho do reconhecimento – vaidade.
 Caridade material e Caridade moral – palavras brandas e afáveis que coloca o
beneficiado a vontade.
 Os infortúnios ocultos – desastres particulares – a verdadeira generosidade sabe o que
faz.
 Mãe e filha para que aprenda como deve praticar a beneficência.
 Óbolo da viúva – deu tudo o que tinha.
 Recursos – minorar o sofrimento físico e moral
 Convidar os pobres e estropiados- dar sem esperar retribuição – dar com a alma
 Feliz do que come o pão no reino de Deus
 ... e sereis ditosos por não terem eles meios de retribuir.
 ...e que o preço do vosso trabalho seja o alivio de vossos irmãos em Deus.
 Piedade virtude que mais se aproxima dos anjos – irmã da caridade.
 Piedade bem sentida é amor – amor é devotamento – e o devotamento é o
esquecimento de si mesmo.
 ...temei permanecer indiferente quando puderes ser útil.
 Deus permite que sejais pagos, com a ingratidão, por vezes, com a ingratidão, para
experimentar vossa perseverança em fazer o bem.
 Um beneficio jamais se perde – bem com desinteresse
 O verdadeiro cristão não vê senão irmãos nos semelhantes.
Cap. XIV HONRAI VOSSO PAI E VOSSA MÃE

 Capítulo da Gratidão
 Não se pode amar próximo sem amar pai e mãe
 ...a palavra honrai, encerra um dever: - respeitá-los – assisti-los na necessidade,
proporcionar-lhe o repouso na velhice, cerca-lo de solicitude como fizeram por nós em
nossa infância.
 Retribuir o mal com o bem – exercício da caridade
 Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos? ...porque todo aquele que faz a
vontade de Deus, este é meu irmão, minha irmã e minha mãe.
 Diferença entre parentesco corporal e o parentesco espiritual
 ...Os verdadeiros laços de família não são, pois, os da consanguinidade, mas os da
simpatia e da comunhão de pensamentos que unem os Espíritos antes, durante e após
a encarnação.
 Ingratidão é um dos frutos mais imediatos do egoísmo.
 Quando o Espírito deixa a terra carrega consigo as paixões ou as virtudes
 Que fizeste com o filho confiado a vossa guarda – negligência
 Desde o berço a criança manifesta os instintos bons ou maus que traz de sua
existência anterior (egoísmo e orgulho)
 As fortes provas, entendei-me bem, são quase sempre o indicio de um fim de
sofrimento e de um aperfeiçoamento do Espírito quando são aceitas por amor a Deus.
Em lugar de lamentardes, agradecei a Deus.

Cap. XV – FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO

 Capitulo da Caridade
 Eu vos digo em verdade, quantas vezes o fizestes com relação a um desses mais
pequenos de meus irmãos, foi a mim mesmo que fizestes.
 Toda a moral de Jesus se resume na caridade e na humildade, quer dizer, nas duas
virtudes contrárias ao egoísmo e ao orgulho.
 ...Jesus não fez, pois da caridade somente uma das condições de salvação, mas a única
condição.
 Amareis a Deus de toda a vossa alma e ao vosso próximo como a vós mesmos; toda a
lei e os profetas estão contidos nesses dois mandamentos.
 ...não se pode verdadeiramente amar o próximo sem amar a Deus; portanto tudo que
se faz contra o próximo se faz contra Deus.
 A caridade é paciente; é doce e benfazeja; a caridade não é invejosa; não é temerária e
precipitada; não se enche de orgulho; não desdenha; não procura seus próprios
interesses; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo
suporta; tudo crê; tudo espera, tudo sofre.
 A fé, a esperança, e a caridade (está ao alcance de todo mundo, do ignorante e do
sábio, e do pobre, e porque independe de toda a crença particular).
 ...A verdade absoluta não pertence senão aos Espíritos de ordem mais elevada, e a
humanidade terrestre não poderia pretende-la, porque não lhe é dado saber;
(proporcional ao seu adiantamento)
 Fora da caridade não há salvação - ...submetei todas as vossas ações ao controle da
caridade, e vossa consciência vos responderá... é preciso uma virtude ativa – vontade.
 ... Todos que praticam a caridade são discípulos de Jesus, qualquer seja o culto a que
pertençam.
Cap. XVI – NÃO SE PODE SERVIR A DEUS E A MAMON

 Capitulo do Discernimento.
 ...Jesus, lhe disse: Se quereis ser perfeito, ide, vendei o que tendes e dai-o aos pobres,
e tereis um tesouro no céu; depois vinde e me segue.
 ... Tende cuidado em vos guardar de toda avareza, porque em qualquer abundância
que o homem esteja, sua vida não depende dos bens que ele possui.
 Zaqueu – eu dou a metade dos meus bens aos pobres; e se causei dano a alguém, no
que quer que seja, eu lhe retribuirei em quádruplo.
 Parábola do mau rico – Lázaro e o Rico - ...há para sempre um grande abismo entre
nós e vós; de sorte que aqueles que querem passar daqui para vós não podem, como
ninguém também pode passar aqui do lugar em que estais. (lei da sintonia)
 ...Se eles não escutam Moisés nem os profetas, não crerão mais do que neles, quando
mesmo algum dos mortos ressuscitasse.
 Parábola dos talentos – Porque a todo o que tem, dar-se-lhe-á, e terá em abundância;
e ao que não tem, tirar-se-lhe-á até o que parece que tem. E ao servo inútil, lançai-o
nas trevas exteriores: ali haverá choro e ranger de dentes. (Mateus, XXV: 14-30).
 Riqueza prova difícil – laço poderoso que liga o homem a terra – apego aos bens
terrestres é um obstáculo à salvação.
 Riqueza – abuso – estado de inferioridade da terra.
 Trabalho – aumenta a inteligência – primeiro nas necessidades materiais – ajudará
mais tarde a compreender as grandes verdades morais.
 Desigualdade das riquezas – provas ou expiação - livre arbítrio – quem não tem hoje, já
teve ou terá numa outra existência – fonte do mal está no egoísmo e no orgulho –
abusos cessarão – com a lei da caridade.
 O homem não possui de seu senão o que pode levar deste mundo – soma de suas
virtudes.
 Não podeis servir a Deus e a Mamon – cobiça – emprego da fortuna – alivia primeiro –
espalhar os tesouros da instrução e os tesouros do amor e eles frutificarão.
 Consagrar tempo ao aprimoramento moral – prevenir a miséria – converter a esmola
em salário.
 Vosso amor aos bens terrestres é um dos fortes entraves ao vosso adiantamento
moral e espiritual.
 ...quanto mais se conhece por si mesmo as dores ocultas da miséria, mais se deve
procurar aliviá-las nos outros.
 Esbanjar a fortuna não é desapego aos bens terrenos, mas negligência e indiferença.
Cap. XVII – SEDE PERFEITOS

 Capitulo das Virtudes


 Modelo da perfeição – Lei do amor – movimento das virtudes.
 Jesus o disse: “amar os inimigos, fazer o bem àqueles que nos odeiam, orar por
aqueles que nos perseguem” - caridade.
 Vícios altera o movimento da caridade – todos tem sua origem no egoísmo e o orgulho
– porque tudo o que superexcita o sentimento da personalidade, destrói, ou pelo
menos enfraquece, os elementos da verdadeira caridade – a benevolência, a
indulgencia, a abnegação e o devotamento.
 Amar os inimigos – pureza na alma
 Homem de bem:
 Fé em Deus, fé no futuro, aceita as provas ou expiação sem murmurar.
 Faz o bem pelo bem, retribui o mal com o bem, toma a defesa dos fracos.
 Pensa nos outros, antes de pensar em si
 Em todos os homens vê seus irmãos
 Respeita os outros
 Não alimenta ódio, nem rancor, nem desejo de vingança – (Jesus) perdoa para ser
perdoado.
 Indulgente – atire a primeira pedra.
 Estuda suas imperfeições.
 Não se valoriza mais que os outros.
 Não se envaidece do ter – tudo pode ser tirado.
 Usa, mas não abuso dos bens – terá que prestar contas.
 No mando – trata os outros com bondade e benevolência.
 Compreende a posição que ocupa e cumpre conscienciosamente.
 Respeita todos os direitos que aos seus semelhantes dão as leis da natureza.
 O Espiritismo bem compreendido, mas sobretudo bem sentido, conduz forçosamente
aos resultados acima....
 Maturidade do senso moral – sensibilidade – independe da idade ou grau de instrução.
 Espíritas imperfeitos – recuam diante da obrigação de se reformarem.
 Reconhece-se o verdadeiro Espírita...
 Parábola do Semeador (maneiras de aproveitas o ensino) – semeou – e os pássaros
comeram – lugares pedregosos, veio o sol e queimou – espinheiros – os espinhos
sufocaram – boa terra – deu frutos rendendo cento por um, outros sessenta e outros
trinta.
 Dever – obrigação moral – começa precisamente no ponto em que ameaçais a
felicidade ou a tranquilidade do vosso próximo; termina no limite que não gostaríeis
de ver ultrapassado em relação a vós mesmos.
 Virtude – conjunto de todas as qualidades morais – mais vale menos virtude com
modéstia do que muitas com orgulho.
 ...o homem que exalta a si mesmo, que eleva uma estátua à sua própria virtude,
aniquila, só por esse fato, todo mérito efetivo que possa ter.
 Deus dá a autoridade a título de missão ou de prova quando isso lhe convém, e a retira
da mesma forma – responderá pela boa ou má direção que tem encargo de almas.
 ...as distinções sociais nada instituem diante de Deus – quem obedece hoje poderão
lhe comandar mais tarde...
 ...Todo desvio do caminho reto é uma dívida que será preciso pagar, cedo ou tarde.
 O homem no mundo – ...sede alegres, sede felizes, mas alegria que dá uma boa
consciência, da felicidade do herdeiro do céu...
 Cuidar do corpo e do espírito – amai, pois, vossa alma, mas cuidai também do corpo,
instrumento da alma – reformas fareis ao vosso Espírito.
CAP. XVIII – MUITOS OS CHAMADOS E POUCOS OS ESCOLHIDOS

 Capitulo de Ser verdadeiro


 Parábola do festim de núpcias – vários profetas vieram para esclarecer a humanidade
– mas se desviou do propósito maior que é seguir a lei de Deus.
 A chamada se estendeu para toda a terra através de vários missionários – e somente
aqueles que se transformam podem entrar no reino de Deus.
 Judeus, repelindo a idolatria, haviam negligenciado a lei moral para se apegarem à
prática mais fácil das formas exteriores.
 Jesus – enviado para lembra-lo quanto a observância da lei, e abrir-lhe os horizontes
novos da vida futura; convidados primeiros para o grande banquete da fé universal,
repeliram a palavra do celeste Messias e o fizeram perecer.
 Fariseus e Saduceus que perderam a nação, pelo orgulho e pelo fanatismo de uns e
pela a incredulidade de outros.
 Porta estreita – vencer as más tendências, e poucos a isso se resignam.
 Aqueles que dizem: Senhor! Senhor! Não entrarão todos no Reino dos Céus - somente
aquele que faz a vontade de meu Pai.
 Mas todo aquele que ouve estas palavras que eu digo e não as pratica, será
semelhante a um homem insensato que construí sua casa sobre a areia.
 Aquele, pois que violar um desses menores mandamentos e que ensinar aos homens
violá-los, será considerado no reino dos céus como último...
 Preces sobre os lábios e não no coração – Senhor ensinamos em vosso nome – eu não
sei quem sois, retirai-vos de mim, vós desmentis as vossas palavras com as vossas
ações, que caluniais o vosso próximo, que espoliais as viúvas, e cometeis adultério...
 Muito se pedirá àquele que muito recebeu – todo aquele que conhece os preceitos do
Cristo é culpável, seguramente de não praticar (menos orgulhoso, menos egoísta,
menos apegado aos bens materiais...).
 “Vedes um argueiro no olho do vosso vizinho, e não vedes a trave que está no vosso”
 O Espiritismo vem multiplicar o número dos chamados pela fé que proporciona,
multiplicará também o número dos escolhidos.
 ...Por isso eu lhes falo por parábolas; porque vendo eles não veem, e escutando não
ouvem, nem compreendem...
 Dá-se àquele que já tem e se tira àquele que não tem – retira o Espírito que não sabe
conservar o que tem, e aumentar, na fecundidade, o óbolo que lhe caiu no coração.
 Reconhece-se o Cristão pelas suas obras - toda árvore que não produz bons frutos é
cortada e lançada ao fogo.
Cap. XIX – A FÉ TRANSPORTA MONTANHA

 Capitulo da Confiança
 ...se tivésseis fé como grão de mostarda, direis a esta montanha: transporta-te daqui
para ali, e ela se transportaria, e nada vos seria impossível.
 As montanhas que a fé transporta são dificuldades, as resistências, a má vontade,
numa palavra, que se encontra entre os homens, mesmo quando se trata das
melhores coisas; os preconceitos da rotina, o interesse material, o egoísmo, a cegueira
do fanatismo, as paixões orgulhosas, - são as montanhas.
 A fé se diz da confiança que se tem no cumprimento de uma coisa, da certeza de
atingir um fim; ela dá uma espécie de lucidez que faz ver, no pensamento...
 A fé sincera e verdadeira é sempre calma; dá a paciência que sabe esperar – ponto de
apoio na inteligência e na compreensão.
 A verdadeira fé se alia a humildade – confiança em Deus (não confundir com a
presunção)
 O poder da fé recebe uma aplicação direta e especial na ação magnética – o homem
age sobre o fluido.
 A fé cega não examina nada, aceita sem controle o falso como o verdadeiro – a fé não
se prescreve, não se impõem, se adquire.
 As provas se multiplicam ao redor – se recusam pelo orgulho. (Medo, negligência,
mudança)
 Em certas pessoas a fé é inata – trazem ao renascer, outras, sua educação esta por
fazer.
 A fé é preciso uma base, e essa base é a inteligência perfeita daquilo em que se deve
crer; para crer, não basta ver é preciso compreender.
 A fé raciocinada, a que se apoia sobre os fatos e a lógica, não deixa atrás de si
nenhuma obscuridade – encara a razão face a face, em todas as épocas da
humanidade.
 Figueira seca – é o símbolo das pessoas que não tem senão as aparências do bem, mas
em realidade não produzem nada de bom; oradores que tem mais brilho do que
solidez...
 Todas as doutrinas que não tiveram produzido nenhum bem à humanidade, cairão no
nada; que todos os homens voluntariamente inúteis, por falta de terem colocado em
prática os recursos que tinham, serão tratados como a figueira seca.
 Os médiuns são interpretes dos Espíritos - ...devem dar alimento espiritual aos seus
irmãos.
 A fé, esperança e da caridade – a fé mãe de todas as virtudes que conduzem a Deus. A
esperança e a caridade são consequência da fé.
 Amai a Deus, mas sabei porque o amais; crede em suas promessas, mas sabei porque
nelas credes.
 O magnetismo é uma das maiores provas do poder da fé em ação; é pela fé que ele
cura e produz esses fenômenos estranhos que, outrora, eram qualificados de milagres.
Cap. XX – OS TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA

 Capitulo da Oportunidade ou motivação


 Os últimos serão os primeiros – tem direito ao salário – é preciso vontade a disposição
do senhor – que o atraso não seja fruto da preguiça ou da má vontade.
 Bons espíritas, sois todos vós obreiros da última hora - Empregai bem essa hora que
vos resta.
 Primeira hora – Moisés, e todos os iniciadores que marcaram as etapas do progresso,
seguidos através dos séculos pelos apóstolos, os mártires, os Pais da Igreja, os sábios,
os filósofos e, enfim os espíritas.
 Não vos amedronteis! As línguas de fogo estão sobre vossas cabeças. Oh! Verdadeiros
adeptos do Espiritismo, sois os eleitos de Deus! Ide e pregai a palavra de Deus.
 A hora é chegada em que deveis sacrificar à sua propagação os vossos hábitos, os
vossos trabalhos, as vossas ocupações fúteis. Ide e pregai.: os Espíritos, do alto, estão
convosco.
 Sim, as comoções morais e filosóficas vão manifestar-se em todos os pontos do globo;
a hora se aproxima em que a luz divina apresentar-se-á sobre os dois mundos.
 Ide, pois, e levai a palavra divina: aos grandes que a desdenharão, aos sábios que dela
pedirão prova, aos pequenos e aos simples que a aceitarão...
 ...mas meditai que entre os chamados ao Espiritismo, muitos se extraviaram; olhai a
vossa rota e segui o caminho da verdade.
 Vós o reconhecereis pelos princípios de verdadeira caridade que eles professarão e
praticarão; vós os reconhecereis pelo número das aflições às quais eles terão levado
consolações; vós os reconhecereis pelo seu amor ao próximo, pela abnegação, pelo
seu desinteresse pessoal...
 Deus faz neste momento recenseamento dos seus servidores fiéis, e marcou com o
seu dedo aquele que não tem senão a aparência do devotamento, a fim de que não
usurpem o salário dos servidores corajosos...
Cap. XXI HAVERÁ FALSOS CRISTOS E FALSOS PROFETAS

 Capitulo da Sinceridade
 Reconhece-se a árvore pelo fruto – a boca fala o que está cheio o coração.
 Uma boa árvore não pode produzir maus frutos, e uma árvore que é má produz maus
frutos.
 Guardai-vos de que alguém vos seduza; porque vários virão sob o meu nome dizendo:
“Eu sou o Cristo”, e eles seduzirão a muitos.
 Levantar-se-ão falsos Cristos e falsos profetas que farão prodígios e coisas de espantar
para seduzir os próprios escolhidos. O verdadeiro profeta se reconhece por caracteres
mais sérios e exclusivamente morais.
 Espiritismo – revelar as leis que regem que regem as relações do mundo corporal e do
mundo espiritual – ergue o véu sobre muitos mistérios.
 “Meus bem-amados, não acrediteis em todos os Espíritos, mas experimentai se os
Espíritos são de Deus” – julgam-se pela qualidade de suas obras...
 Mas desconfiai das palavras hipócritas, desconfiai dos escribas e dos fariseus que oram
nas praças públicas, vestidos de longas roupas. Desconfiai daqueles que pretendem ter
o único monopólio da verdade.
 Caracteres do verdadeiro profeta – desconfiai dos falsos profetas - sobretudo nos
momentos de transição que se elabora uma transformação da humanidade.
 ...o verdadeiro missionário de Deus deve justificar a sua missão pela superioridade, por
suas virtudes, por sua grandeza, pelo resultado e pela influência moralizadora de suas
obras.
 Espíritos orgulhosos – aparentam amor e caridade – semeiam a desunião e retardam a
obra de emancipação da Humanidade – sistemas absurdos que impõem aos médiuns.
 Nem sempre os indivíduos apreciam a verdade....
 Não acrediteis em todo Espírito: experimentai se os Espíritos são de Deus.
 Aprendei, pois, antes de tudo, a distinguir os bons e os maus Espíritos, para por vossa
vez, não vos tornardes falsos profetas.

Cap. XXII NÃO SEPAREIS O QUE DEUS JUNTOU

 Capitulo da Afinidade
 Quis Deus que os seres se unissem não só pelos laços da carne, mas também pelos da
alma, afim de que a afeição mútua dos esposos se lhe transmitisse aos filhos e que
fossem dois, e não um somente, a amá-lo, a cuidar deles e a fazê-los progredir.
 “Não separeis o que Deus uniu” – essas palavras se devem entender com referência à
união segundo a lei imutável de Deus e não segundo a lei mutável dos homens.
 A lei civil tem por fim regular as relações sociais e os interesses das famílias, de acordo
com as exigências da civilização; por isso, é útil, necessária, mas variável.
 ...um dia perguntar-se-à o que é mais humano, mais caridoso, mais moral: se encadear
um ao outro dois seres que não podem viver juntos, ou se restituir-lhe a liberdade; se
a perspectiva de uma cadeia indissolúvel não aumenta o número de uniões irregulares.
 O divórcio é lei humana que tem por objeto separar legalmente o que já, de fato, está
separado.
 “Foi por causa da dureza dos vossos corações que Moisés permitiu despedísseis vossas
mulheres”?
 ...“no principio não era assim”, isto é, na origem da Humanidade, quando os homens
ainda não estavam pervertidos pelo egoísmo e pelo orgulho e viviam segundo a lei de
Deus, derivando da simpatia, e não da vaidade ou da ambição, ...
Cap. XXIII – ESTRANHA MORAL

 Capítulo da Decisão
 Se alguém vem a mim e não odeia a seu pai e sua mãe, a sua mulher e a seus filhos, a
seus irmãos, mesmo a sua própria vida, não pode ser meu discípulo.
 Quem que que, tendo posto a mão na charrua, olhar para trás, não está apto para o
reino de Deus.
 Os interesses da vida futura prevalecem sobre todos os interesses e todas as
considerações humanas”
 Censura-se, porventura, aquele que deixa seu pai, sua mãe, seus irmãos, sua mulher,
seus filhos, para marchar em defesa do seu país?
 Deixar aos mortos o cuidado de enterrar seus mortos
 ...Não te preocupas com o corpo, pensa antes pensa antes no Espírito.
 Não vim trazer a paz, mas, a divisão. Pois doravante, se se acharem numa casa cinco
pessoas, estarão elas divididas umas contra as outras; três contra duas e duas contra
as outras.
 Se o Cristianismo fosse mais bem compreendido e mais bem praticado, isso não se
daria. (Guerras santas)
 ...Todos então se porão sob a mesma bandeira: a da caridade, e as coisas serão
restabelecidas na Terra, de acordo com a verdade e os princípios que vos tenho
ensinado.
 ...mas, o tempo das lutas e das perseguições sanguinolentas passou; são todas de
ordem moral as que terá que sofrer e próximo lhes está a termo.

Cap. XXXIV – NÃO PONHAIS A CANDEIA DEBAIXO DO ALQUEIRE

 Capitulo da Coragem
 Ninguém acende uma candeia para pô-la debaixo do alqueire; põe ao contrário sobre
o candeeiro, afim de que ilumine a todos os que estão na casa.
 Falo-lhes por parábolas, porque, vendo, não vêem e, ouvindo não escutam e não
compreendam.
 As gerações têm sua infância, sua juventude e sua maturidade. Cada coisa tem que vir
na época própria; a semente lançada à terra, fora da estação, não germina.
 ...sem a luz da razão, desfalece a fé.
 Não pode aí haver mistérios absolutos, e Jesus esta com a verdade quando diz que não
há nada e secreto que não deva ser conhecido.
 ...cada coisa deve vir a seu tempo oportuno...
 Por que vosso Mestre come com os publicanos e pessoas de má vida? Mas Jesus, os
tendo ouvido, disse-lhes: Os sãos não tem necessidade de médico, mas os doentes.
 ...a mediunidade se prende a uma disposição orgânica da qual todo homem pode estar
dotado, como a de ver, ouvir e falar. O bom médium não é, pois, aquele que comunica
facilmente, mas aquele que é simpático aos bons Espíritos, e não é assistido senão por
eles.
 Coragem da Fé - Se alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras, o filho do
homem se envergonhará também dele, quando vier em sua glória e na de seu Pai e
dos santos anjos.
 Semeiam na Terra o que colherão na vida espiritual; lá, colherão os frutos de sua
coragem ou de sua fraqueza.
 “Aquele que quer me seguir carregue sua cruz”, quer dizer, suporte corajosamente as
tribulações que sua fé lhe suscitará.
Cap. XXV – BUSCAI E ACHAREIS

 Capitulo do Trabalho
 Ajuda-te, e o céu te ajudará – pedi e se vos dará; buscai e achareis; batei à porta e se
vos abrirá; porque todo aquele que pede recebe, o que procura acha, e se abrirá
àquele que bater à porta.
 ...o progresso é filho do trabalho, e o trabalho coloca em ação as forças da inteligência.
 Através das pesquisas da ciência a inteligência aumenta e a moral depura; as
necessidades do corpo sucedem as necessidades do Espírito.
 Procura e acharás, trabalha e produzirás; dessa maneira serás o filho das tuas obras,
delas terás o mérito e serás recompensado segundo o que tiveres feito.
 ...os espíritos não vem ausentar o homem da lei do trabalho, mas mostrar o fim que
deve atingir e o caminho que a ele conduz, dizendo-lhe: caminha e chegarás.
 ...pedi sinceramente, com fé, fervor e confiança; apresentai-vos com humildade e não
com arrogância...
 Procurai, pois, primeiramente o reino de Deus e sua justiça, e todas essas coisas vos
serão dadas por acréscimo. Por isso, não estejais inquietos pelo dia de amanhã,
porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. A cada dia basta o seu mal.
 A Terra produzirá bastante para alimentar todos os seus habitantes, quando os
homens souberem administrar todos bens que ela dá, segundo as leis de justiça, de
caridade de amor ao próximo.
 ...não ligueis aos bens materiais mais importância do que aos bens espirituais, e sabei
sacrificar os primeiros em proveito do segundo.
 Não vos inquieteis pela posse do ouro
 “Informai-vos de quem é digno de vos alojar” – são dignos de ouvirem vossa palavra –
pela sua caridade os reconhecereis.
 ...não forceis ninguém a deixar sua crença para adotar a vossa...
Cap. XXVI – DAI GRATUITAMENTE O QUE HAVEIS RECEBIDO GRATUITAMENTE

 Capitulo da Doação do amor


 ...Curar os doentes e de expulsar os demônios (maus espíritos); esse dom lhes havia
sido dado gratuitamente por Deus para alívio daqueles que sofriam, e para ajudar a
propagação da fé, e lhes disse para dele não fazerem um tráfico, nem um objeto de
especulação, nem meio de vida.
 Preces pagas: ...não façais como os escribas que sob o pretexto de longas preces,
devoram as casas das viúvas; quer dizer abarcam as fortunas. A prece é um ato de
caridade, um impulso do coração...
 As preces pagas tem mais um inconveniente: aquele que as compra se crê, o mais
frequentemente, dispensado de orar, porque se considerou quite quando deu o seu
dinheiro.
 Vendilhões expulsos do Templo – Não está escrito: minha casa será chamada casa de
orações por todas as nações? E, todavia, haveis feito dela um covil de ladrões...
 Mediunidade Gratuita – os médiuns receberam de Deus um dom gratuito, o de serem
intérpretes dos Espíritos para a instrução dos homens, para mostrar-lhes o caminho
do bem e conduzi-los à fé, e não para vender-lhes palavras que não lhes pertencem,
porque não são produtos de sua concepção, nem de suas pesquisas, nem de seu
trabalho pessoal.
 ...ora, a primeira condição para se conciliar a benevolência dos bons Espíritos é a
humildade, o devotamento, a abnegação, o mais absoluto desinteresse moral e
material.
 A mediunidade é uma coisa santa que deve ser praticada santamente,
religiosamente... o médium curador transmite o fluido salutar dos bons Espíritos; ele
não tem direito de vende-lo.
Cap. XXVII – PEDI E OBTEREIS

 Capitulo da Oração
 Mas quando quiserdes orar, entrai no vosso quarto e, estando fechada a porta, orai ao
vosso Pai em segredo; e vosso Pai, que vê o que se passa em segredo, vos
recompensará.
 Quando vos apresentais para orar, se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai-lhe,
à fim de que vosso Pai, que está nos céus, perdoe também vossos pecados.
 Fariseus – Meu Deus, eu vos rendo graças por que não sou como os outros homens,
que são ladrões, injustos e adultérios, nem mesmo como esse publicano. Jejuo duas
vezes por semana e dou o dízimo de tudo o que possuo.
 Publicano – Meu Deus, tende piedade de mim que sou pecador. Eu vos declaro que
este retornou entre os seus justificados, e não o outro; porque todo aquele que se
eleva será humilhado, e todo que se humilha, será exaltado.
 ... antes de orar, se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai-lhe, porque a prece
não será agradável a Deus se não parte de um coração purificado de todo sentimento
contrário à caridade; orai enfim, com humildade, como publicano, e não com orgulho
como o fariseu....
 Eficácia da prece – o que quer que seja que pedirdes na prece, crede o obtereis, e vos
será concedido.
 Deus pode, pois, aceder a certos pedidos sem derrogar a imutabilidade das leis que
regem o conjunto, ficando seu acesso subordinado à sua vontade.
 O que Deus concederá, se se dirige a ele com confiança, é a coragem, a paciência, e a
resignação. O que concederá, ainda, são os meios de sair por si mesmo da dificuldade.
 Ação da prece. Transmissão do Pensamento – A prece é uma invocação; por ela um
ser se coloca em comunicação mental com outro ser ao qual se dirige. Ela pode ter
por objeto um pedido, um agradecimento ou uma glorificação.
 ...As preces dirigidas a Deus são ouvidas pelos Espíritos encarregados da execução das
suas vontades...
 O Espiritismo faz compreender a ação da prece explicando o modo de transmissão do
pensamento, seja quando o ser chamado vem ao nosso apelo, seja quando o nosso
pensamento o alcança (fluido universal).
 A energia da corrente está em razão do vigor do pensamento e da vontade...
 É, pois, evidente, que o homem é o autor da maioria das suas aflições, e que delas se
pouparia se agisse com sabedoria e prudência. (Infrações às leis de Deus).
 A prece é recomendada por todos os Espíritos; renunciar à prece é desconhecer a
bondade de Deus, é renunciar, para si mesmo, à assistência, e para os outros ao bem
que se lhes pode fazer.
 O poder da prece está no pensamento; ela não se prende nem às palavras, nem ao
momento em que é feita (compreensão – revelar uma ideia).
 Prece pelos mortos e pelos Espíritos sofredores – a prece é útil porque vendo que
pensam neles, sentem-se menos abandonados, menos infelizes – reergue-lhes a
coragem, excita-lhes o desejo de se elevarem pelo arrependimento e pela reparação.
 O homem é, assim, constantemente, o árbitro de sua própria sorte, podendo abreviar
seu suplicio ou prolonga-lo indefinidamente. Sua felicidade, ou infelicidade depende
da vontade de fazer o bem.
 A prece diária é o cumprimento dos vossos deveres, sem exceção de qualquer
natureza que eles sejam. A prece é um orvalho divino que destrói maior calor das
paixões...
Cap. XXVIII – COLETÂNEA DE PRECES ESPÍRITAS

 Capitulo da Comunicação com Deus


 A forma não é nada, o pensamento é tudo.
 Uma condição essencial da prece, segundo São Paulo é ser inteligível, a fim de que
possa falar ao nosso espírito...
 Em qualquer lugar em que se encontrem duas ou três pessoas reunidas em meu nome,
aí estarei no meio delas.

CAPÍTULO XXVIII – COLETÂNEA DE PRECES

 Capítulo da INSTRUÇÃO / DA COMUNICAÇÃO COM DEUS


 Prece deve ser sincera, verdadeira, “brotar do coração”.
 Espíritos sugerem algumas preces com a intenção de auxiliar aqueles que têm alguma
dificuldade em se expressar ou para chamar nossa atenção para alguns princípios.
 A finalidade da prece é elevar-nos à Deus, nos conectarmos, nos harmonizarmos com
Espíritos Superiores, com o belo, com o amor. Por isso a forma não é tão importante,
mas sim o conteúdo, o desejo sincero, as boas intenções.
 Todas as preces são válidas, independente do culto, desde que sinceras e ditas com o
coração.
 A prece deve ser simples e inteligível para tocar o coração - as vezes as ideias são
sufocadas pela grande quantidade de palavras - a gente até se perde.
 Prece clara, simples, concisa leva à reflexão!
 A coletânea divide as preces em 5 categorias:
1) PRECES GERAIS (Dominical (Pai Nosso), Reuniões /espíritas, para os Médiuns).
2) PRECES PESSOAIS (Aos anjos guardiães e Protetores, para corrigir um defeito, para
afastar os maus espíritos, para resistir a uma tentação, para dar graças a alguma
vitória conquistada ou favor obtido, no momento de dormir, etc.)
3) PRECES PELOS OUTROS (Pelos que estão em aflição, Graças por benefício
concedido a outro, pelos inimigos, Prece para nascimento, Prece por um
agonizante, etc.)
4) PRECES PELOS ESPÍRITOS (Para logo depois da morte, por aqueles que amamos,
por um inimigo que morreu, por um criminoso, para Espíritos em arrependimento,
pelos sofredores, etc.)
 PRECES PELOS DOENTES E PELOS OBSEDIADOS.
 As preces podem ser de adoração, agradecimento, súplica (pedidos)
 Para cada prece há um PREFÁCIO, que tem como objetivo chamar a atenção para a
finalidade de cada prece, tornando-a mais compreensível.
 O Pai Nosso é a oração dominical e é considerada pelos Espíritos como a principal. Isto
porque vem de Jesus (oração que o Pai nos ensinou) e também porque pode substituir
todas as outras. Nela temos:

1) ADORAÇÃO OU LOUVOR ao Pai: “Pai Nosso que estais no céu, santificado seja Teu
nome”.
2) SUBMISSÃO E SÚPLICA: “ Venha a nós o Vosso reino, seja feita a vossa vontade,
assim na terra como nos céus”.
3) PROTEÇÃO, CUIDADO, ASSISTÊNCIA: “ o pão nosso de cada dia, nos dai hoje...”
4) CARIDADE, MISERICÓRDIA: “ Perdoai as nossas dívidas “
5) JUSTIÇA: “ Como nós perdoamos nossos devedores”. - TRATAR O OUTRO COMO
GOSTARÍAMOS DE SER TRATADOS.
6) CONFIANÇA, FÉ, AMPARO: “Não nos deixe cair em tentação, mas livra-nos de mal”
- pedimos força para não sucumbir, para domarmos nossas más tendências;
- coração aberto para as mudanças e para seguir as Leis Divinas.
7) ENTREGA, CONFIANÇA: “ Assim seja”! - atende nossos desejos, conforme nosso
merecimento, de acordo com Tua vontade, Pai.