Você está na página 1de 11

Ciências Naturais – Solo – Material terrestre de suporte de vida – 5.

º ano

Nome: ____________________________________________________________ Data: ___________

Solo – camada delgada de material solto que reveste a superfície do planeta e que é formada por
partículas minerais, matéria orgânica, água e ar.

Detritívoros e decompositores – são organismos envolvidos no processo de decomposição dos restos


orgânicos dos seres vivos; auxiliam a transformação da matéria
orgânica em matéria mineral.

Professora Sónia Cristina Silva 1/11


Funções do solo:
• meio de suporte para o crescimento da maioria das plantas (é o substrato onde se fixam as
raízes das plantas e de onde estas retiram água e sais minerais para o seu crescimento);
• produção de matéria orgânica;
• é o habitat de muitos seres vivos;
• reserva de vida (acumula sementes de vários grupos de plantas, funcionando como um
armazém de vida);
• purifica a água que nele se movimenta, controlando a sua qualidade;
• possui organismos que transformam os resíduos de seres vivos em sais minerais
(decomposição), que são aproveitados pelas plantas;
• fonte de matéria-prima (dele extrai-se muitos materiais como por exemplo a areia);
• participa na regularização do ciclo hidrológico, controla o nível das águas dos oceanos, rios e
lagos ao evitar a escorrência de um grande volume de água das chuvas através da infiltração
no subsolo.
• suporte de infraestruturas (suportar as construções humanas).

Professora Sónia Cristina Silva 2/11


Componentes do solo

Poros – espaços entre as partículas sólidas do solo, que podem ser preenchidos por ar e/ou água.

Matéria orgânica – tipo de material, rio em carbono, que faz parte da composição de todos os seres
vivos.

Matéria mineral ou matéria inorgânica – partículas que constituem as rochas e que estão presentes
no solo.

Formação dos solos ou Génese dos solos

Erosão – desgaste contínuo das rochas provocado pela ação conjunta dos agentes erosivos.

Tipos de agentes erosivo:


• agentes atmosféricos – vento, chuva e variações de temperatura.
• Agentes biológicos – seres vivos (plantas e animais).

Professora Sónia Cristina Silva 3/11


Etapas da formação do solo:
1.º Os agentes atmosféricos alteram gradualmente a superfície das rochas.
2.º As partículas resultantes, o ar e a água acumulam-se nas fendas e na superfície da rocha.
Forma-se o solo primitivo e começam a ser criadas condições para a vida.
3.º Surgem os primeiros seres vivos (microrganismos, musgos e líquenes). Algumas sementes de
plantas são transportadas para o local, germinando e desenvolvendo-se com a ajuda dos
minerais e da água. Forma-se o solo jovem.
Professora Sónia Cristina Silva 4/11
4.º Forma-se o húmus. Lentamente, o solo fica mais fértil e a espessura aumenta, permitindo o
crescimento de plantas maiores e servindo de habitat a diversos animais. Forma-se o solo
maduro.

Perfil de um solo – conjunto de horizontes de um determinado solo.

Horizontes do solo – camadas de constituição e de aspeto diferente.

Rocha-mãe – rocha inalterada que, por ação de diversos fatores, é degradada e dá origem ao solo.

Húmus – material resultante da decomposição da matéria orgânica dos seres vivos (advém da
degradação dos restos vegetais e animais).

Manta morta – camada de material vegetal que recobre o solo. Surge apenas em locais onde existe
muita vegetação.

Professora Sónia Cristina Silva 5/11


Solo maduro – solo onde se encontram vários horizontes bem individualizados.

Propriedades do solo
• cor
• textura
• porosidade
• permeabilidade.

Professora Sónia Cristina Silva 6/11


Tipos de solo
Solo semipermeável (deixa-se atravessar moderadamente pela água, tem uma
capacidade intermédia de reter água entre as suas partículas, deixando escoar a água em
Franco excesso) que possui, para além de outros constituintes, areia e argila em proporções tais
que o torna arejado e fácil de trabalhar. Possui também uma quantidade de matéria
orgânica (rico em húmus) e é adequado à agricultura.

Solo pouco permeável (são os mais impermeáveis) (não se deixa atravessar pela água,
impede a sua passagem), pois contêm muita argila, partículas de menores dimensões do
Argiloso
que a areia. Como tal, a água não circula, não permitindo o arejamento do solo, sendo
por isso difícil de trabalhar na agricultura.

Solo muito permeável (deixa-se atravessar facilmente pela água) uma vez que a matéria
mineral predomina apresenta um grão de dimensões da areia. Por possuir muitos poros,
Arenoso
não retém a água, o que torna este solo, pobre, seco, pouco fértil e pouco adequado
para a agricultura.

Solo semipermeável (deixa-se atravessar moderadamente pela água, tem uma


capacidade intermédia de reter água entre as suas partículas, deixando escoar a água em
Calcário excesso), muito pegajoso quando está molhado. Seca rapidamente. É constituído
essencialmente por carbonato de cálcio, proveniente do desgaste de calcárias. É pobre
em matéria orgânica.

Degradação dos solos


Principais ações que degradam os solos:
• contaminação do solo com poluentes e biocidas (substâncias usadas pelo ser humano para
exterminar organismos que prejudicam as culturas agrícolas);
• desflorestação (destruição da vegetação) expondo o solo aos agentes atmosféricos,
provocando a erosão do solo;
• agricultura de monocultura intensiva (técnica na qual o solo é muito explorado para o cultivo
de um único tipo de produto, em grande quantidade);
• utilização intensiva do solo na agricultura empobrece o solo e provoca a sua desertificação
(empobrecimento de um solo, que vai assumindo característica desérticas);
• acumulação de lixo no solo;
Professora Sónia Cristina Silva 7/11
• inclinação acentuada do terreno o que facilita o arrastamento do solo, causado pela
escorrência das águas.

Conservação dos solos


• plantação em socalcos (combate à erosão do solo nas encostas);
• reflorestação (combate ao empobrecimento do solo plantando árvores, arbustos e outras
plantas);
• diminuição do uso de biocidas recorrendo a práticas alternativas (combate às pragas com
seres vivos como as joaninhas, que comem insetos parasitas de plantas);
• tratamento de resíduos (combate à contaminação do solo);
• praticas uma agricultura biológica (com adubos orgânicos (estrume));
• adoção de boas práticas agrícolas (adaptadas ao tipo de solo);
• poisio (consiste em deixar um solo em descanso, não cultivando um terreno até que este volte
a ter condições);
• separar os resíduos (colocar os diferentes resíduos em ecopontos e ecocentros).

Conservação do solo – conjunto de todos os métodos de gestão ou uso do solo que o protegem da
degradação por causas naturais ou por ação humana.

Sustentabilidade agrícola – métodos agrícolas protetores do solo, permitindo manter ou melhorar a


sua produtividade e o seu uso pelas gerações futuras.

Professora Sónia Cristina Silva 8/11


Professora Sónia Cristina Silva 9/11
Importância da ciência e da tecnologia para a agricultura
A ciência e a tecnologia são usadas para corrigir desequilíbrios no solo e para aumentar a
produção e a qualidade dos produtos.

Equipamentos e métodos desenvolvidos para aumentar a produção e a qualidade dos produtos:


• hidroponia – técnica de cultivo na qual não é utilizado solo. Os vegetais desenvolvem-se em
água enriquecida com nutrientes.
• os investigadores têm modificado algumas plantas, tornando-as mais resistentes ao clima e às
pragas. Mas ainda não são conhecidos todos os riscos associados a estas modificações.
• a lavra (consiste em revolver a terra) prévia do campo de cultivo facilita a infiltração da água
no solo e a sua ventilação.
• a irrigação fornece água ao solo.
• a drenagem (serve para extrair o excesso de água do solo).
• a adubação (adição de adubos químicos ou naturais, como o estrume, o que permite
aumentar a quantidade de substâncias orgânicas e minerais no solo).
• máquinas agrícolas (exemplo: ceifeiras-debulhadoras, as quais permitem maior rapidez e
eficácia na realização de trabalhos agrícolas).

Na agricultura de precisão são usados: sistemas de rega controlados, sondas para determinar
a condição do solo, sistemas de posicionamento global (GPS) para determinar a localização das

Professora Sónia Cristina Silva 10/11


parcelas de terreno e, até, a Internet para programar o funcionamento dos equipamentos à
distância. Por serem muito dispendiosas, apenas os grandes agricultores usam estas tecnologias tão
recentes.

Bom estudo!

Professora Sónia Cristina Silva 11/11