Você está na página 1de 1

TEORIA GERAL DO PROCESSO

Atividade Discursiva
U4 - SEÇÃO 4
|
AVALIAÇÃO PRESENCIAL

Naiara celebrou um contrato de trabalho com Luíza, estabelecendo as principais regras da


relação trabalhista que seria realizada entre as partes, tais como horário que Luíza deveria
cumprir, remuneração pelo trabalho, etc. Dentre as cláusulas ajustadas, constava a
previsão de que eventual conflito existente entre as partes em virtude do referido contrato
seria dirimido na Comarca de Araras (integrante da Justiça Estadual de São Paulo), que
era o local da prestação do serviço. Após alguns meses de correto pagamento dos valores
devidos, Naiara passou a efetuar o pagamento em valores parciais, deixando de honrar
algumas verbas. Após algumas discussões, Luíza decidiu propor uma Reclamação
Trabalhista pleiteando o pagamento dos valores que entendia corretos. Propôs, então, a
referida ação no foro da Comarca de Araras, conforme expressa previsão do contrato
firmado entre as partes.

Com base no caso concreto acima narrado, responda justificadamente às seguintes


questões: a) é válida a cláusula contratual entabulada por Naiara e Luíza? b) se o juiz da
causa ordenar a citação de Naiara para responder ao referido processo, ela poderá
impugnar uma cláusula contratual por ela própria ajustada?

a) Não. No processo do trabalho não se admite que as partes da relação de emprego instituam
cláusula de foro de eleição na relação de emprego, já que as regras de competência da justiça
do trabalho são de ordem pública.

Como estão presentes as características da alteridade, subordinação, pessoalidade,


onerosidade e não eventualidade, fica caracterizada a relação de emprego e, por isso, não é
possível cláusula de foro de eleição.

b) Não, pois a cláusula é inválida, conforme explicação anterior.

Você também pode gostar