Você está na página 1de 51

Cliente:

Curso de Actualização de
Engenheiros de Via

Parte I: Material de Via

Linda-a-Velha, 11 e 12 de Fevereiro de 2010 Luís Esteves


Cliente:
ESPECIFICAÇÃO DE CARRIS

Norma EN 13674-1:2003
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Especificação de carris para caminhos


de ferro, simétricos, com massa linear
igual ou superior a 46 kg/m, para uso
em linhas convencionais ou alta
velocidade.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 2


Cliente:
ESPECIFICAÇÃO DE CARRIS

Outras partes da norma EN 13674-1:


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Part 2: Switch and crossing rails used in conjunction with Vignole railway
rails 46 kg/m and above (Aparelhos de mudança de via)

Part 3: Check rails (Carris de guiamento)

Part 4: Vignole railway rails from 27 kg/m to, but excluding 46 kg/m

Fevereiro 2010 Luís Esteves 3


Cliente:
ESPECIFICAÇÃO DE CARRIS

Carril classificado de acordo com:


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Grau (7 graus diferentes baseado na dureza);


Perfil (21 tipos de perfil diferentes, baseados na massa linear e
no „perfil‟ propriamente dito).

Com duas classes de qualidade para:


Classe de linearidade

Rectilinidade, planeza e „torção‟ (twist) (A ou B);


Tolerância dimensional do perfil (X ou Y).

Fevereiro 2010 Luís Esteves 4


Cliente:
GRAU DO CARRIL

Tipo de aço / Dureza Rm A


Grau
tratamento (HBW) (MPa) (%)
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

200-240 680 14 R200


220-260 770 12 R220
C-Mn Sem
R260
T.T. 880 10
260-300 R260Mn
C-Mn-Cr 1080 R320Cr

Com 9 R350HT
C-Mn 350-390 1175
T.T. R350LHT

Fevereiro 2010 Luís Esteves 5


Cliente:
GRAU DO CARRIL

Carril vignole
Grau Marca de laminagem
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

R200 (sem marca)


R220
R260
R260Mn

R320Cr

R350HT

R350LHT

Fevereiro 2010 Luís Esteves 6


Cliente:
TIPO DE PERFIL

Classificação baseada na:


B

Massa linear (kg/m)


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Dimensões indicativas:
A
(A) Alma (mm)
(B) Face activa (mm)

(Outras dimensões, ver norma)

Fevereiro 2010 Luís Esteves 7


Cliente:
TIPO DE PERFIL

Perfil Desig. Anterior Perfil Desig. Anterior


46 E 1 SBB I 50 E 1 U50E
46 E 2 U33 50 E 2 50EB-T
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

50 E 3 BV 50
46 E 3 NP 46
50 E 4 UIC 50
46 E 4 46 UNI
50 E 5 50 UNI
49 E 1 DIN S49 50 E 6 U 50
49 E 2 S49 T
54 E 1 UIC 54
49 E 3 DIN 549 b
54 E 2 UIC 54 E
49 E 4 HUSH 113lb/54kg
54 E 3 DIN S54

52 E 1 52 RATP 56 E 1 BS 113lb BR Variant

55 E 1 U55 60 E 1 UIC 60
Fevereiro 2010 Luís Esteves 8
Cliente:
TOLERÂNCIAS DIMENSIONAIS

Existem duas classes/níveis de tolerâncias possíveis (ponto 9.2.1 da norma):

X – mais restritiva
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Y – menos restritiva

Valores:
Figura E.1 + tabela 8

Fevereiro 2010 Luís Esteves 9


Cliente:
TOLERÂNCIAS DIMENSIONAIS
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 10


Cliente:
TOLERÂNCIAS DIMENSIONAIS

Existem duas classes/níveis de tolerâncias possíveis (ponto 9.2.2 da norma):


“A” e “B” para os valores admissíveis de:
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

 Planeza horizontal / vertical;

 Lineariedade horizontal / vertical;

 Flambagem;

 Torção.

Nota: Carril da classe A vem identificado com uma marca verde (em local
acordado aquando da compra)

Fevereiro 2010 Luís Esteves 11


Cliente:
MARCAS DE LAMINAGEM

De um dos lados, a meio da alma, a cada 4m:

1 - Identificação do fabricante (Thyssen Duisburg);


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

2 - Identificação do grau do aço (R260);


3 - Dois últimos dígitos do ano de fabrico (2002);
4 - Identificação do tipo de perfil (60 E1 – ex UIC60).

1 2 3 4

Fevereiro 2010 Luís Esteves 12


Cliente:
MARCAS DE LAMINAGEM

Fabricante Europeu Marca Laminagem


Voest Alpine (ex-Thyssen Duisburg) TSTG
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Voest Alpine Austria DO ou VA


Corus Rail France HY
Corus Rail England WK
Huta Katowice Poland K
Sacilor, Hayange - France HAYANGE
Solac, Villerupt - France VILRU
Krupp - Germany KRUPP
Thyssen - Germany THYSSEN
Lucchini - Italy LUCCHINI
Inexa - Sweden L*

Fevereiro 2010 Luís Esteves 13


Cliente:
MARCAS DE LAMINAGEM
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 14


Cliente:
MARCAS DE LAMINAGEM

Do outro lado, a meio da alma, a cada 5m:

Código alfanumérico com:


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

1 - Identificação do numero de vazamento;


2 - Identificação do lote;
3 - Identificação da posição do carril na barra.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 15


Cliente:
CARRIS

FABRICAÇÃO DE CARRIS

O aço dos carris é fabricado a partir da junção, em forno, a temperatura


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

superior a 1.500º C, de ferro fundido, ou gusa, com sucata de aço, ou “ferro


velho”.

Nesta operação, de finalização do aço, em que as suas características são


apuradas, as siderurgias seguem um dos seguintes processos:

 SIEMENS – MARTIN basique símbolo

 ELÉCTRICO símbolo

 AFINAÇÃO POR INSUFLAGEM DE OXIGÉNIO símbolo

Fevereiro 2010 Luís Esteves 16


Cliente:
CARRIS

FABRICAÇÃO DE CARRIS

Cada um destes processos refere-se a uma maneira diferente de atingir o


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

mesmo objectivo, que é produzir lingotes de aço de boa qualidade.

Depois de pronto, o aço é constituído em cerca de 98% por ferro, sendo os


restantes 2% formados em proporções diferentes, por Carbono, Manganês,
Silício, Crómio etc...

Consoante a quantidade incorporada, e a proporção entre cada um daqueles


elementos (Carbono, Manganês,...) assim serão as características de dureza,
maleabilidade, etc., dos carris a fabricar na operação seguinte chamada de
Laminagem.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 17


Cliente:
CARRIS

LAMINAGEM

É a transformação dos Lingotes (blocos) de aço saídos do forno de conversão


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

(eléctrico ou outro) em perfil definitivo por encalcamento progressivo a quente.

Transformação do Lingote em perfil definitivo (Laminagem)

Fevereiro 2010 Luís Esteves 18


Cliente:
ESPECIFICAÇÃO DE CARRIS

Norma EN 14811:2006
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Especificação de carris especiais –


Carris de gola e perfis de construção
associados

Fevereiro 2010 Luís Esteves 19


Cliente:
ESPECIFICAÇÃO DE CARRIS
Carril de gola
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Carril de construção

Fevereiro 2010 Luís Esteves 20


Cliente:
GRAU DO CARRIL

Carril de gola

Grau Marca de laminagem


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

R200 (sem marca)


R220G1
R260
R260GHT

R290GHT

R340GHT

Fevereiro 2010 Luís Esteves 21


Cliente:
CARRIS

QUALIDADE DO AÇO DOS CARRIS / DESGASTE LATERAL

Em linhas de alta velocidade, curvas de pequeno raio; lanças; cróssimas etc..,


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

estão os carris sujeitos a grandes esforços de desgaste lateral. Em certas


situações, um carril de aço normal não duraria mais que 2 ou 3 anos.

Nestes casos são aplicados carris de aço duro que tem um desgaste três ou
mais vezes menor.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 22


Cliente:
CARRIS

DESGASTE DO PERFIL TRANSVERSAL DO CARRIL

Eixo de Simetria
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

do Carril Carril c/ Desgaste


Carril Padrão

H (mm)

15mm x (mm)
d (mm)

D (mm)

Face de
Guiamento

Desgaste vertical

Valor H obtido pela diferença entre a altura do perfil do carril padrão e a


altura do carril analisado, medida no eixo de simetria.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 23


Cliente:
CARRIS

DESGASTE DO PERFIL TRANSVERSAL DO CARRIL

Eixo de Simetria
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

do Carril Carril c/ Desgaste


Carril Padrão

H (mm)

15mm x (mm)
d (mm)

D (mm)

Face de
Guiamento

Desgaste lateral

Valor obtido pela diferença entre D e d.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 24


Cliente:
CARRIS

DESGASTE DO PERFIL TRANSVERSAL DO CARRIL


Eixo de Simetria Carril c/ Desgaste
do Carril Carril Padrão
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Área da Cabeça do
Carril Padrão

Área da Cabeça do
Carril c/ Desgaste

Vértice

Secção da cabeça do carril

A figura ilustra as secções da cabeça do carril padrão e do carril com


desgaste.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 25


Cliente:
CARRIS

DESGASTE DO PERFIL TRANSVERSAL DO CARRIL

Carril c/ Desgaste
Carril Padrão
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Eixo de
Simetria do Ângulo de
Carril Desgaste

Face de
Guiamento

Ângulo de desgaste

Ângulo definido entre a tangente à face de guiamento e o eixo de simetria


do carril.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 26


Cliente:
CARRIS

DESGASTE DO PERFIL TRANSVERSAL DO CARRIL


Eixo de
Simetria do Carril c/ Desgaste
Carril Carril Padrão
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Rebarba do carril (mm)

Rebarba

Sobrelargura da cabeça do carril por consequência de esmagamento.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 27


Cliente:
CARRIS

DESGASTE DO PERFIL TRANSVERSAL DO CARRIL

Tolerâncias de Alerta
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Corresponde ao valor de desgaste que, quando atingido, originará que a


intervenção necessária no carril seja incluída na programação de trabalhos de
manutenção.

Classificação da Tipo de Carril Velocidade Tipo de Carril


Linha 60 54 [km/h] 60 54
A; B1; B2 16 14 V ≤ 80 16 13
C2; C3; C4; D2; D3; D4 15 13
80 < V ≤ 160 14 11
Desgaste Vertical [mm] V > 160 10 9

Ângulo de Desgaste: 30º Desgaste Lateral [mm]


Percentagem de área perdida: 30%
Fevereiro 2010 Luís Esteves 28
Cliente:
CARRIS

DESGASTE DO PERFIL TRANSVERSAL DO CARRIL

Tolerâncias de Acção Imediata


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Corresponde ao valor de desgaste que nunca deverá ser atingido.

Classificação da Tipo de Carril Velocidade Tipo de Carril


Linha 60 54 [km/h] 60 54
A; B1; B2 18 16 V ≤ 80 18 15
C2; C3; C4; D2; D3; D4 17 15
80 < V ≤ 160 16 13
Desgaste Vertical [mm] V > 160 12 11

Ângulo de Desgaste: 40º Desgaste Lateral [mm]


Percentagem de área perdida: 35%

Fevereiro 2010 Luís Esteves 29


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010
CARRIS

Luís Esteves
Cliente:

30
Cliente:
CARRIS

DESGASTE ONDULATÓRIO

Designa-se de desgaste ondulatório o aparecimento duma ondulação


longitudinal na mesa de rolamento dos carris.
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Ocorre especialmente em curvas de pequeno raio, sujeitas a cargas muito


elevadas, percorridas a velocidade relativamente baixa. Principalmente na fila
baixa, mas também na alta.

Tipos de desgaste ondulatório

Este defeito, apresenta duas modalidades distintas:

 DESGASTE DE ONDA CURTA;

 DESGASTE DE ONDA LONGA.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 31


Cliente:
CARRIS

DESGASTE ONDULATÓRIO
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 32


Cliente:
CARRIS

DESGASTE ONDULATÓRIO

1.DESGASTE DE ONDA CURTA


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Em que a distância entre pontos altos (comprimento de onda) varia entre 30 e


200 mm, com alguns décimos de milímetro de profundidade.

Registo de desgaste ondulatório

2.DESGASTE DE ONDA LONGA


Em que o comprimento de onda varia entre 200 e 3000 mm.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 33


Cliente:
CARRIS

DESGASTE ONDULATÓRIO

Consequências
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Este defeito é causa de trepidação dos rodados, do restante material circulante


e do material de via. É muito incómodo para os passageiros, muito ruidoso e
contribui para a ruína dos materiais.

Quando atinge valores fora das tolerâncias a mesa de rolamento é rectificada


(esmerilada) por intermédio duma máquina especializada.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 34


Cliente:
TRAVESSAS

TRAVESSAS POLIVALENTES 1668


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fixação Fixação para


para bitola bitola
Ibérica Europeia

1435

Fevereiro 2010 Luís Esteves 35


Cliente:
TRAVESSAS

TRAVESSAS POLIVALENTES
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Volume: 0.128 m3
Peso aprox: 320 kg

Fevereiro 2010 Luís Esteves 36


Cliente:
TRAVESSAS
TRAVESSAS POLIVALENTES
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 37


Cliente:
TRAVESSAS
TRAVESSAS POLIVALENTES

Tabela de combinação de placas angulares Wfp 14Pv e Wfp 14PvT aplicável a TBMP com carril 60 E1
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Lado exterior Lado interior Bitola [mm] Lado interior Lado exterior

Wfp14 PvT -9 Wfp14 Pv -9 1668 / 1435 Wfp14 Pv -9 Wfp14 PvT -9

Wfp14 PvT -9 Wfp14 Pv -9 1670,5 / 1437,5 Wfp14 Pv -11,5 Wfp14 PvT -6,5

Wfp14 PvT -6,5 Wfp14 Pv -11,5 1673 / 1440 Wfp14 Pv -11,5 Wfp14 PvT -6,5

Tabela de combinação de placas angulares Wfp 14Pv e Wfp 14PvT aplicável a TBMP com carril 54 E1

Lado exterior Lado interior Bitola [mm] Lado interior Lado exterior

Wfp14 PvT -15,6 Wfp14 Pv -12,4 1668 / 1435 Wfp14 Pv -12,4 Wfp14 PvT -15,6

Wfp14 PvT -15,6 Wfp14 Pv -12,4 1670,5 / 1437,5 Wfp14 Pv -14,9 Wfp14 PvT -13,1

Wfp14 PvT -13,1 Wfp14 Pv -14,9 1673 / 1440 Wfp14 Pv -14,9 Wfp14 PvT -13,1

Wfp14 PvT -13,1 Wfp14 Pv -14,9 1675,5 / 1442,5 Wfp14 Pv -17,4 Wfp14 PvT -10,6

Wfp14 PvT -10,6 Wfp14 Pv -17,4 1678 / 1445 Wfp14 Pv -17,4 Wfp14 PvT -10,6

Fevereiro 2010 Luís Esteves 38


Cliente:
BALASTRO

É a Instrução Técnica IT.GEO.001, Versão 03, de 24.07.2008 que define as


características técnicas dos produtos:

 BALASTRO tipo I;
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

 BALASTRO tipo II;


 GRAVILHA.

Estes produtos são obtidos em pedreiras, por processos mecânicos de


britagem e crivagem, estabelecendo os elementos que é necessário apresentar
para submeter uma pedreira a homologação, os respectivos processos de
controlo e suas consequências, e indicar os procedimentos de recepção.

Estes três produtos destinam-se, exclusivamente, às vias da Rede Ferroviária


Nacional, quer para trabalhos de construção de novas linhas, quer para
renovação e conservação das já existentes.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 39


Cliente:
BALASTRO

Esta IT abrange todos os fornecimentos de balastro e gravilha, qualquer que


seja a sua aplicação, nas diferentes vias da REFER, para todos os patamares
de velocidade.
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

De acordo com a NP EN 13450:2005 – Agregados para balastro de vias


férreas, definem-se duas categorias ou tipos de balastro:

 Balastro Tipo I: para os sistemas ferroviários de alta velocidade e


velocidade alta, com coeficiente de desgaste de Los Angeles, LARB,
inferior ou igual a dezasseis (16), (categoria LARB16).

 Balastro Tipo II: para a rede convencional, com coeficiente de


desgaste de Los Angeles inferior ou igual a vinte (20) (categoria LARB20).

Fevereiro 2010 Luís Esteves 40


Cliente:
BALASTRO

É através de ensaios que é feita a avaliação das características técnicas:

 resistência mecânica; Resistência à fragmentação:


CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

 dimensão; Ensaio de Los Angeles;

 granulometria; Resistência ao desgaste:

 partículas finas; Ensaio de Micro-Deval.

 finos; Em termos granulométricos, os produtos


designam-se pelos valores das dimensões
 forma; mínima e máxima:

 elementos prejudiciais. Balastro Tipos I e II: 31,5 – 50 mm;

Gravilha: 10 – 14 mm.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 41


Cliente:
BALASTRO

No que respeita ao valor numérico que estas características podem tomar,


consideram-se os seguintes limites:
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

 Limites de Aceitação Sem Restrições;

 Limites de Rejeição.

Deste modo, três casos se podem verificar:

1. Nenhum valor numérico das características técnicas excede os limites


de aceitação sem restrições e neste caso, os produtos serão aceites
pela REFER sem quaisquer restrições nem redução no preço de venda.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 42


Cliente:
BALASTRO

2. Um ou mais valores numéricos das características técnicas excedem os


limites de aceitação sem restrições embora nenhum ultrapasse os
limites de rejeição; nesta hipótese, os produtos só excepcionalmente
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

serão aceites pela REFER, e mesmo assim sujeitos a penalizações do


preço de venda;

3. Um ou mais valores numéricos das características técnicas excedem os


limites de rejeição, nesta situação os produtos serão totalmente
rejeitados pela REFER.

Fevereiro 2010 Luís Esteves 43


Cliente:
BALASTRO
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 44


Cliente:
BALASTRO
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 45


Cliente:
BALASTRO
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 46


Cliente:
BALASTRO
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 47


Cliente:
BALASTRO
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 48


Cliente:
BALASTRO
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 49


Cliente:
BALASTRO
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 50


Cliente:
BALASTRO
CURSO DE ACTUALIZAÇÃO DE ENGENHEIROS DE VIA

Fevereiro 2010 Luís Esteves 51