Você está na página 1de 19

Os mistérios do Lingan Yoni encerram a chave

de todo poder do Alquimista.

- Curso de Antropologia Holística 22ª Lição –

Alquimia: A Arte Secreta de


Hermes Trismegisto
Jorge L. Rodrigues

Paz inverencial!!!

Nesta oportunidade, vamos estudar a mais secreta e oculta de todas as Ciências Ocultas, a
ALQUIMIA; A Arte Secreta de Hermes Trismegisto, que pode nos transformar em Homens
Solares, com os Sete Corpos totalmente constituídos.

Certamente você já deve ter ouvido falar de Alquimia, no entanto infelizmente alguns autores de
sucesso escrevem livros com títulos de Alquimia, sendo que nada sabem do real significado desta
Arte Mágica; palavras bonitas, mas enganosas. E é por isto que nesta importantíssima Lição, lhe
daremos as Chaves que lhe abrirão a Porta do Templo dos Grandes Mistérios da Tradição, e
também lhe daremos nomes de autênticos e legítimos Alquimistas para você saber realmente
quem foram e quem são estes grandes mestres, e desta forma atingir o maior objetivo Iniciático
que é A GRANDE OBRA.

Mercúrio entre os opostos. Ele


segura nas duas mãos o Caduceu de
Mercúrio, símbolo atlante que
representa a coluna vertebral
Sushuma, com as duas cobras
formando o santo oito sendo os
canais energéticos Ida e Pingala por
onde sobe e desce a Kundalini. O
Sol e a Lua é o Homem e a Mulher
no Arcano AZF.

Geralmente, as pessoas leigas confundem ALQUIMIA com Química ou Metalúrgica, mas


sabemos que o verdadeiro fundamento desta ARTE vai muito além tanto da Química, quanto da
Metalúrgica.

É certo e sem sombra de dúvidas que os Alquimistas possuem verdadeiro fascínio pelo Fogo e
isto da ideia de Metalúrgica, inclusive até as fórmulas secretas de transformar o chumbo em
Ouro. E as misturas Alquímicas como o próprio nome diz, antecedeu a Química dos dias de hoje.
Mas tanto a Metalúrgica quanto a Química, estão muito longe da ALQUIMIA. Pois, enquanto as
duas primeiras artes trabalham apenas o lado material das coisas, a Alquimia abrange todos os
planos e todas as dimensões do universo.
Nesta lição vamos estudar a ALQUIMIA Espiritual, mostrando-lhe claramente que o maior
segredo dos antigos Alquimistas resume-se na UNIÃO PHALUS-ÚTERO SEM PERDA DA
ENTIDADE DO SÊMEN.

OS MISTÉRIOS DA ALQUIMIA

Alquimia é a mais oculta, misteriosa e secreta de todas as Ciências Ocultas. Desde Hermes
Trismegisto que foi o primeiro Alquimista do Egito, até os alquimistas medievais, seus textos e
manuais sempre foram escritos de forma simbólica, oculta, apócrifos, etc.

Nunca se vê um livro de Alquimia, onde o autor fala abertamente dos seus conhecimentos.
Hermes escreveu em The Book of the Seven Chapters. “Homens maus não são dignos de
sabedoria. Então compete a nós guardar esses segredos e escondê-los do mundo perverso”.

Quando estudamos as obras dos Alquimistas, notamos claramente que eles não escreviam para
um público leigo, mas sim para uns poucos sábios. Prova disto é que seus textos instrui os sábios
e confunde os ignorantes.

Somente para dar uma ideia de como os alquimistas guardam segredos, observe a forma que o
Dr. Dee usou para transmitir o segredo da Grande Obra:

“Estamos estudando no momento o filho do Sol e da Lua, colocado entre dois fogos, e na noite
mais escura recebe a luz e a retém. Os anjos e as inteligências são atraídos por um horrível
vazio, e atendem aos astrolasmos para sempre. Ele o tinha em um espesso fogo, com o qual
seduzia os gênios transparentes. Agora de mostrarei em quê, de quê e por quê causa os
remédios e a multiplicação de metais são feitos. Está na natureza mesma dos metais. Na cama
do grande Leão nascem o Sol e a Lua. Eles são casados e geraram um rei. O rei se alimenta do
sangue do Leão, que é o pai e a mãe do rei, que são ao mesmo tempo seu irmão e sua irmã.
Temo ter traído o segredo!”.

Aos olhos dos leigos e ignorantes, este texto não tem nenhum sentido, mas para nós ocultistas
gnósticos, sabemos perfeitamente que se trata de um grande mistério que guarda revelações que
não poderiam cair em mãos erradas, desta forma instruindo o sábio e confundindo o ignorante.
Também foi desta forma que muitos Alquimistas se livraram das fogueiras da ‘Inquisição’. Vamos
analisar este texto de acordo com a sabedoria gnóstica e descobrir o seu real significado
Alquímico, desvelando seus mistérios:

Estamos estudando no momento o filho do Sol e da Lua: a Alquimia Sexual que cristaliza o
primeiro corpo solar que é o filho, ou o Corpo Astral Solar, 100% consciente, um embrião imortal
que se forma na quinta dimensão. Um bebê hermafrodita que possui os dois sexos sendo uma
criatura perfeita, um autêntico Homem Solar.

O Sol e a Lua; representam o homem (mago) e a mulher (sacerdotisa) colocado entre dois fogos
que são a energia sexual masculina juntamente com a feminina, na noite mais escura: na nona
esfera (sexo), pois para subir pelos sete chacras tem que descer ao primeiro onde está escondida
à serpente (Kundalini) pronta para dar o bote; recebe a luz: a energia criadora do sexo; e a retém:
retém o sêmen sagrado antes do espasmo transmudando em energias solares e divinas, eis aqui
o Arcano AZF.

Os anjos e as inteligências são atraídos por um horrível vazio, e atendem aos astrolasmos para
sempre. Os anjos sentem o nascimento da presença de um novo líder, pois o Arcano AZF, nos
transforma em deuses. Ele o tinha em um espesso fogo (energia sexual), com o qual seduzia os
gênios transparentes (as ilusões, as armadilhas dos Eus psicológicos). Agora demonstrarei em
quê, de quê e por quê causa os remédios e a multiplicação de metais são feitos. Está na natureza
mesma dos metais (a matéria primordial está no sêmen). Na cama do grande Leão (Kundalini,
Real Ser, o Íntimo, o Ouro potável; nascem o Sol e a Lua (a Iniciação na Alquimia Sexual). Eles
são casados (unidos no Grande Arcano) e geraram um rei (Corpo Astral Solar). O rei se alimenta
do sangue do Leão (hidrogênio SI-12 contido no sêmen sagrado juntamente com fluídos
femininos, quando é transmutado com a retenção), que é o pai e a mãe do rei (o mago e a
sacerdotisa), que são ao mesmo tempo seu irmão e sua irmã (o homem e a mulher unidos na
Alquimia Sexual tornam-se um único Ser, um Homem Cósmico Solar). Temo ter traído o
segredo!"

Como você pode notar, uma pessoa leiga ou ignorante nunca irá decifrar a linguagem secreta dos
Alquimistas. Anastratus diz-nos em Turba Philosophorum que “a areia vermelha do oceano é a
coisa de menor valor do mundo” e que “a saliva da Lua que, adicionada à luz do Sol, a coagula”,
ele não está, falando a um público leigo, mas sim a uma pequena elite de sábios. De fato os
Alquimistas obscurecem deliberadamente seus livros.

Eles fizeram um juramento, ou iniciação nos segredos da arte de “cobrir seus escritos com uma
linguagem nebulosa”, que iria, instruir o sábio e confundir ainda mais o ignorante. Nicholas Flamel
escreveu: “os filósofos fazem geralmente uso desses termos da arte para esconder o segredo dos
homens maus”.

Os alquimistas, começando com Hermes, que foi o primeiro deles, afirmava que a matéria
possuía três dimensões: Nossa pedra se assemelhava ao Corpo, Alma e Espírito.
Depois de Geber, por volta do século VIII d.C., um outro conjunto de termos tomou-se popular:
Sal, Enxofre e Mercúrio. Ele tem o mesmo significado que Corpo, Alma e Espírito.

Até hoje alguns escritores inocentemente pensam que o Sal, o Enxofre e o Mercúrio são o
mesmo Sal, Enxofre e Mercúrio que podem ser comprados em farmácias. Estão totalmente
equivocados, pois o Sal, o Enxofre e o Mercúrio a qual se referem são as três substâncias dos
sábios; sendo o Sal: os princípios sexuais femininos, o Enxofre: o fogo, a energia criadora
masculina e o Mercúrio: os órgãos sexuais, fonte da água vivificante. Esta é a santa cruz de
quatro lados iguais.

Observem que a união do Falo com a vagina forma uma cruz, sendo o ponto central a união das
duas forças negativa e positiva formando a terceira força neutra que é o Grande Arcano.

O Alquimista Eireneus Philalethes escreveu em The Marrow of Alchemy:

“Mercúrio, a matéria-prima dos metais; Uma umidade que não molha a mão,
Ainda que escorra, e por isso chamado Água Seca;
O vulgar é comandado por todos.”

Com certeza as substâncias alquímicas possuem inúmeras denominações. Além de Mercúrio, os


alquimistas chamam o Sêmen Sagrado de: Azoto, Vitriol, Alma Metálica, Mercurius Vivus, Leão,
Prata Líquida, Água Viva, Vinho, Serpente Voadora e até Leite de Virgem, etc. Todos estes
nomes no intuito de confundir o ignorante e instruir o sábio.

O Alquimista Bloomfseld disse:

“Nosso grande Elixir, de preço muito alto, Nosso Azoto, nosso Basilisco, nossa Cocatriz.
Alguns chamam-no uma exuberante substância,
Outros um Mercúrio de metálica essência,
Outros de Águia que voa com violência,
Outros um Sapo por sua grande veemência,
Mas poucos ou nenhum o nomeiam adequadamente,
Ele é a quintessência secreta; tenha isso em mente.”
Com certeza as substâncias
alquímicas possuem
inúmeras denominações.
Além de Mercúrio, os
alquimistas chamam o
sêmen Sagrado de: Azoth,
Vitriol, Alma Metálica,
Mercurius Vivus, Leão, Prata
Líquida, Água Viva, Vinho,
Serpente Voadora e até Leite
de Virgem, etc. Todos estes
nomes no intuito de
confundir o ignorante e
instruir o sábio.

Ao lado antiga ilustração dos


Alquimistas onde mostra de
forma simbólica a Grande
Obra.

Paracelso diz que: “A matéria é fumaça coagulada, e que o corpo humano é vapor materializado
pelo brilho do Sol misturado com a vida das estrelas”.

Morien Rome diz que o azougue dos filósofos é um “vapor branco, o qual é também chamado
Leite de Virgem”. E para finalizar esta parte, em uma obra antiga de Alquimia encontramos um
interessante texto de Lucerna Salis que ilustra muito bem esta visão dos Alquimistas:

“Uma certa coisa é encontrada no mundo Que está também em todas as coisas e em todos os
lugares.
Não é Terra, nem Ar, nem Fogo, nem Água,
Não obstante não querer nenhum desses.
Pois ela contém toda a natureza em si mesma.
Torna-se branca e vermelha, é quente e fria,
Ë úmida e seca e diversificável de todos os modos.
Somente a Associação dos Sábios a conhece ...” Podemos pensar que este texto de Lucerna
Salis está dizendo tolices. Mas não se trata de tolices de maneira alguma. Para o Sábio, trata-se
de um relato cheio de significado e sabedoria oculta.

ALQUIMIA: A GRANDE OBRA

Se voltarmos no tempo para pesquisar a origem do nome Alquimia, daremos conta de que suas
origens são da antiga civilização Atlante. Pois a raiz da palavra ALQUIMIA vem do termo árabe
‘Kimia’, que por sua vez se originou dos gregos como ‘Chimia’ (mistura) e anteriormente pelos
gloriosos egípcios como ‘KEME’, que quer dizer algo como escuro, oculto ou negro, que
juntamente com o artigo ‘AL’ formou o nome AL-KIMIA significando Arte da Terra Negra (Egito) ou
Arte Negra.

Inquestionavelmente a Alquimia existe desde a origem homem. Os lemurianos, os atlantes, e


mais tarde os egípcios, maias, etc., conheciam os segredos alquímicos. Na Idade Média
europeia, a Alquimia abrangia todo o domínio da química e da metalúrgica nos aspectos terrestre
e espiritual.

A Alquimia Terrestre visa à transmutação de metais grosseiros em ouro, por uma arte de
enobrecimento do material, em harmonia com as energias astrais, o que implica o ciclo: FERRO-
COBRE- CHUMBO- ESTANHO- MERCURIO- PRATA- OURO.
Na Alquimia Espiritual à qual estamos tratando nesta Lição, o objetivo é a transmutação do
próprio alquimista, ou seja, o chumbo de sua personalidade sofrerá mudanças radicais, até
transformar-se no ouro puro do espírito. Esta é a abertura das Sete Igrejas do Apocalipse que são
os nossos Sete Chacras, juntamente com o despertar da Kundalini, transformando-nos em
deuses que é A Grande Obra dos Alquimistas. A fabricação da Pedra Filosofal, que tem o poder
de curar todas as enfermidades trazendo a longevidade e a imortalidade. É na verdade a
fabricação (cristalização) dos Corpos Solares através da Magia Sexual ou Alquimia Sexual.

Apesar da Alquimia Terrestre e a Alquimia Espiritual terem objetivos contrários, elas podem ser
praticadas ao mesmo tempo, pois uma serve de base para outra, sendo que com o conhecimento
da Alquimia Espiritual, o Alquimista empregará o ouro terrenal para fins mais nobres e justos
longe dos ambiciosos, que só desejam o próprio enriquecimento e poder.

A Alquimia é a GRANDE OBRA, a Arte Secreta de Hermes Trismegisto de realizar transmutações


metálicas; é a OPERAÇÃO DO SOL que nos transforma em HOMENS SOLARES. Para decifrá-la
é preciso o FIO DE ARIADNE, a chave perdida da GAlA CIÊNCIA ou GAIO SABER, como era
chamada a ciência sagrada na Idade Média. A palavra perdida é o Verbum Dimissum (que era
falada pelos homens antes da edificação da Torre de Babel), a chave da língua atlante primitiva, o
Watan.

Eugene Canseliet, aluno de Fulcanelli, escreve: “Toda a arte (alquímica) está baseada no AMOR
DIVINO, pelo qual o Céu se une a Terra...” A matéria-prima da Alquimia Sexual é a energia
seminal masculina e feminina. O Sêmen ou Mercúrio é a água-viva contida nas glândulas
sexuais, que é a mesma água celestial mencionada no Gênesis.

O verdadeiro Alquimista jamais derrama o Vaso de Hermes (sêmen), mas ao contrário, o retém
em seu próprio organismo, pois ele sabe que o sêmen é um líquido precioso e sagrado. Pois nele
contém o Hidrogênio SI-12, que é responsável pela fabricação do Corpo Astral Solar e dos outros
Corpos Mercuriais. E também o Sêmen transmutado na Magia Sexual e retido no organismo é a
fonte da juventude e da longevidade. A perda do sêmen pela humanidade através dos instintos
inferiores é responsável pelos hospitais lotados, pelos distúrbios mentais psicossomáticos, pela
fraqueza humana e pelo adormecimento de consciência responsável pelo nosso atraso cientifico,
artístico, filosófico e místico. Pois a humanidade está com a consciência 97% adormecida devido
à perda das energias criadoras.

SOLVE ET COAGULA

O misterioso lema alquímico: SOLVE ET COAGULA, é uma frase iniciática muito usada nas
Ciências Ocultas que quer dizer o seguinte: ACUMULE O FOGO SAGRADO E APRENDA A
PROJETÁ-LO.
A Grande Obra é a fabricação da Pedra Filosofal através da Alquimia Sexual. Em medicina
oculta, a Pedra Filosofal, provoca uma total reabilitação no corpo físico, abrindo todos os canais
energéticos do Corpo Vital, um alto nível de consciência permitindo o acesso a fontes
privilegiadas de conhecimento e sabedoria.
O misterioso lema alquímico: SOLVE ET COAGULA, é uma frase
iniciática muito usada nas Ciências Ocultas que quer dizer o
seguinte: ACUMULE O FOGO SAGRADO E APRENDA A
PROJETÁ-LO.
A Grande Obra é a fabricação da Pedra Filosofal através da
Alquimia Sexual. Em medicina oculta, a Pedra Filosofal, provoca
uma total reabilitação no corpo físico, abrindo todos os canais
energéticos do Corpo Vital, um alto nível de consciência permitindo
o acesso a fontes privilegiadas de conhecimento e sabedoria.

O Bode desenhado por Eliphas Levi é o Arcano XV do Tarot que


representa a Energia Sexual transmutada com a frase SOLVE ET
COAGULA tatuada no braço, o Caduceu de Mercúrio no abdômen,
o Pentagrama Esotérico na posição correta na testa e outros
símbolos mostrando a Alquimia Sexual.

ALQUIMIA SEXUAL

O Sol e a Lua, o Homem e a Mulher; é o maior de todos os mistérios. Nada existe de real, a não
ser um homem uma mulher e um coito. Nascemos do sexo, vivemos pelo sexo, e o nosso maior
poder só existe em função do sexo. Um boi capado é mais dócil que uma vaca, e um homem
capado perde a razão de viver.

Muitos falam maravilhas sobre os poderes da mente, mas; inquestionavelmente, a mente nunca
criou um novo ser. De todas as tecnologias e de todos os poderes, nenhum deles, se iguala aos
poderes das energias sexuais. A bomba de nitrogênio, as armas químicas ou a bomba atômica,
não são nada perto da energia sexual. Pois, se com as bombas atômicas destruíram as cidades
de Hiroshima e Nagasaki; a energia sexual destruiu não só cidades, mas civilizações inteiras.
Como exemplo a civilização Grega, Mesopotâmia, Romana, etc. Inclusive, exército nenhum
conseguiu vencer ou derrubar o gigantesco Império Romano de Otávio Augusto, mas sim o abuso
e o desperdício das energias criadoras em suas orgias sexuais, os destruíram.

Lembre-se, a raça Lemuriana foi destruída por terríveis vendavais e furacões, depois que passou
a profanar as coisas sagradas. E a raça Atlante afundou com todas suas riquezas depois que se
degeneraram sexualmente. O mesmo destino está marcado para a atual raça Ariana. O próprio
V.M. Samael Aun Weor disse: “O mal do mundo é tão grande que chegou aos céus. É óbvio que
está perversa civilização de víboras será destruída e não restará pedra sobre pedra.”

Com a mente conseguimos riquezas, estatus, sucessos, alegrias, prazeres e uma infinidade de
ilusões que nunca nos levam a nada, retornando a um labirinto sem saídas. Tudo se consegue
com os poderes da mente, menos a AUTO REALIZAÇÃO ÍNTIMA DO SER (Pedra Filosofal).

Todos as escolas que dão muito valor aos poderes mentais, estão com os dias contados nesta
nova Era de Aquário. Pois se a mente não tem condições de criar um novo Ser, como poderá
criar os nossos Corpos Solares?

A antiga Era de Peixes já passou, onde milhares de pessoas eram assassinadas inocentemente
pelos papas, padres, bispos e inquisitores.

Na própria Bíblia está escrito muito clara e abertamente: “Procurai e achareis, batei e ser-vos á
aberto. Nada há de oculto que não seja revelado.”
Chegou à hora, da humanidade conhecer os profundos mistérios do sexo. É necessário impedir a
autodestruição da humanidade, desconhecedora da poderosa força concentrada no ens seminis.
A sensível relação entre homem e mulher é digna de consideração. Há humanidade está
brincando com fogo, e inquestionavelmente vai se queimar. As pessoas comuns não alcançarão
estes mistérios, pois necessitamos de profundas mudanças interiores, mudar conceitos e o
antiguíssimo e ultrapassado sistema de ensino educacional.

Nós como estudantes gnósticos, buscadores da Grande Obra, não devemos aceitar nem
rechaçar dogmaticamente os ensinamentos que recebemos; mas sim, experimentar, comprovar e
demonstrar as verdades ocultas. Os autênticos alquimistas também faziam desta forma.

A Alquimia é uma arte nobre dos seres superiores, daqueles que se atrevem a duvidarem dos
pensamentos e conceitos comuns, sem fanatismo e sem mitomania em busca da verdade.
Madame Helena Petrovina Blavatsky, extraordinária buscadora, vidente, ocultista e mística,
fundadora da Sociedade Teosófica disse: “Nenhuma religião é mais importante que a verdade.”

Somos seres privilegiados por termos recebido estes avançados conhecimentos esotéricos
através do Avatara, V. M. Samael Aun Weor. Pois através destes ensinamentos gnósticos,
podemos entender as misteriosas, enigmática e obscura linguagem dos Alquimistas Medievais.
Estes homens iluminados que vem causando, fascínio, respeito, admiração ou desprezo por
todos aqueles que os tenham estudado.

A antiga Era de Peixes já passou, onde milhares de


pessoas eram assassinadas inocentemente pelos
papas, padres, bispos e inquisitores. (Hoje
perseguem disfarçados de ovelhas) Na própria
Bíblia está escrito muito clara e abertamente:
“Procurai e achareis, batei e ser-vos á aberto. Nada
há de oculto que não seja revelado.” Chegou à
hora, da humanidade conhecer os profundos
mistérios do sexo. É necessário impedir a
autodestruição da humanidade, desconhecedora
da poderosa força concentrada no ens seminis.

Os Alquimistas Medievais ocultavam o máximo possível seus segredos, primeiro para não serem
perseguidos pelos ‘inquisitores’ e também devido às vibrações da Era Negra de Peixes, onde os
pais obrigavam as meninas a ir pro convento virar freia, para ‘manter’ a virgindade, e época em
que os maridos colocavam cinto de castidade em suas esposas.

Nos tempos da anterior Era Negra de Peixes, era quase que impossível adquirir o
autoconhecimento. Muitos dos buscadores tinham que implorar a vida toda para que algum
mestre os transmitisse, ou então viajar centenas ou milhares de quilômetros a procura de Escolas
Iniciática ou Templos de Mistérios Sagrados... Nesta nova Era de Luz, que é a Era de Aquário,
todos os segredos e mistérios são encontrados e desvelados muito facilmente. Todos que
almejam a verdade de coração, a encontram.

O Venerável Mestre Samael Aun Weor, que é um Ser de Luz nos planos superiores, reencarnou
(lembrando que somente os deuses reencarnam, e o restante retornam) justamente aqui na
América do Sul, para Abrir e dar início a esta nova Era das vibrações da Constelação de Aquário.
Em síntese, estes mistérios dos Alquimistas Medievais, vêm a resumir-se no Arcano AZF (Magia
Sexual, Alquimia Sexual, Sahaja Maithuna ou o Grande Arcano de Eliphas Levi).

Os mistérios do Lingan Yoni encerram a chave de todo poder do Alquimista. Quando o homem e
a mulher se unem num transe de amor consciente, formando a Unidade da Vida, se convertem
em Deuses. Em todas as obras dos verdadeiros Alquimistas, encontramos uma grande
importância na busca do forno ideal para trabalhar com o Fogo.
As ilustrações são maravilhosas e muito criativas, mostrando à fundamental importância de um
bom laboratório. E isto está comprovado em todas as Obras dos Alquimistas. Geralmente os
Alquimistas chamam seus fornos de ATHANOR, que é um forno de combustão lenta, onde se
coloca o ovo filosófico durante o cozimento da Matéria Prima. E é incrível que muitos Alquimistas
ficavam quase que a vida toda em busca desta raridade. Ou seja, do forno ideal para fabricar a
Pedra Filosofal. Este forno é o ATHANOR, onde a Água e o Fogo se misturam para a realização
da Grande Obra.

Os mistérios do Lingan Yoni encerram a


chave de todo poder do Alquimista. Quando o
homem e a mulher se unem num transe de
amor consciente, formando a Unidade da
Vida, se convertem em Deuses.

Vejamos agora o que o V.M. Samael Aun Weor, nos revela sobre o ATHANOR, de sua magnífica
Obra ‘TEURGIA E MAGIA PRÁTICA’ pág. 120 e 121.

O ATANOR

"O alquimista precisa de um Athanor para trabalhar na Grande Obra.


"Esse Athanor é a mulher.
"Toda a beleza da natureza está sintetizada na mulher.
"Na mulher sintetizam-se todas as belezas do mundo.
"A mulher foi chamada para cumprir uma gigantesca missão no futuro.
"A mulher foi chamada para ser rainha da natureza.
"Quem quiser se converter em um Deus infalível terá de adorar a mulher.
"Quem quiser se converter em uma majestade dos céus estrelados de Urânia terá de estar
disposto a dar até a última gota de seu sangue pela mulher.
"Considero impossível a realização sem a mulher.
"Adão e Eva saíram sós do paraíso terrestre.
"O homem e a mulher unidos compartilham do pão amargo do desterro.
"O homem e a mulher unidos não podem deixar de se amar.
"A mulher é adorável.
"Ela balançou-nos no berço e abençoou-nos com as bênçãos de cima e de baixo, com a bênçãos
do seio e matriz.
"A mulher ninou-nos no berço e alimentou-nos com o peito da bendita Deusa Mãe do Mundo.
"A mulher é a Deusa bendita que tem o poder de nos converter em Deuses inefáveis.
"Deus resplandece sobre o casal perfeito.
"O azoe da alquimia é o fogo sagrado do Kundalini.
"Só se consegue esse azoe trabalhando-se intensamente com o mercúrio da filosofia secreta.
"Impossível ser alquimista se não se trabalha com a Pedra Filosofal.
"Essa pedra bendita tem quatro nomes:
"AZOE, INRI, ADÃO, EVA.
"Essa pedra venerável, semissólida e semilíquida, é o nosso sêmen cristônico.
"O Athanor da alquimia é o magnífico instrumento que possuímos para trabalhar com o azoe.
"Há que se transmutar o chumbo em ouro.
"Há que se gerar o Rei Sol coroado com o diadema vermelho.
"Esse Rei Sol gera-se dentro de nós mesmos, quando praticamos a magia sexual intensamente
com a esposa.
"A mulher converte-nos em Deuses inefáveis.
"A mulher é o Athanor da alquimia.”
Queridos irmãos; como vimos e comprovamos, o forno Alquímico, ou o Athanor da Grande Obra é
a Mulher. Sem a mulher, somos apenas a metade sem forças e sem realizações esotéricas. O
mesmo ocorre com as mulheres que querem se realizar sem o homem. A própria Madame
Blavatsky, ao receber o segredo dos Mistérios Maiores na Sagrada Ordem do Tibet, teve que
arrumar um marido (sacerdote) para trabalhar na Grande Obra. O Homem e a Mulher unidos no
Amor Consciente são a chave de todo Poder. A nova Luz revolucionária de Aquário se baseia no
sexo. A matéria se transmuta em energia e isto se chama Alquimia. Este ato só deve ser
praticado com apenas uma Mulher que será a sacerdotisa do mago, na forma do Amor
Consciente. O Alquimista deve ter apenas um Athanor.

HERMES TRIMEGISTO (4.000 a.C.)

Hermes Trismegisto (Hermes três vezes grande porque era considerado Rei, Legislador e
Sacerdote) é o primeiro grande Iniciado do antigo Egito. Viveu mais ou menos 4.000 a.C. Seu
nome tornou-se indeterminado, como um estado espiritual da forma de Cristo, Buda, etc.

Hermes é um dos extraordinários mestres do Egito, considerado o patriarca da Alquimia, devido a


um conjunto de textos de sua autoria intitulados de CORPOS HERMÉTICOS, entre outros...
Partindo de seu nome e de sua sabedoria surgiu o Hermetismo por volta d 150 a.C.

Conta-se que Poemandres “A Inteligência Suprema”, revelou-se a Hermes, abrindo-lhe as portas


dos segredos da natureza e do universo. Cabe aos Alquimistas dedicar-se plenamente a o
trabalho da Grande Obra. Este trabalho ficou conhecido como Hermética, que embora fazendo
referência a Hermes Trismegisto, também passou a significar algo fechado. Os Alquimistas
medievais descobriram a fórmula para produzir Ouro em um de seus textos intitulado de TÁBUA
DE ESMERALDA:

A Alquimia é a GRANDE OBRA,


a Arte Secreta de Hermes
Trismegisto de realizar
transmutações metálicas; é a
OPERAÇÃO DO SOL que nos
transforma em HOMENS
SOLARES. Para decifrá-la é
preciso o FIO DE ARIADNE, a
chave perdida da GAlA CIÊNCIA
ou GAIO SABER, como era
chamada a ciência sagrada na
Idade Média. A palavra perdida é
o Verbum Dimissum (que era
falada pelos homens antes da
edificação da Torre de Babel), a
chave da língua atlante primitiva,
o Watan.

Ao lado Hermes e Odin

TÁBUA DE ESMERALDA - Hermes Trismegisto

“Ë verdade, sem mentira, é certo e muito verdadeiro, que aquilo que está abaixo é como o que
está acima, e aquilo que está acima é como o que está abaixo, para o cumprimento das
maravilhas da coisa única.

“E o próprio de todas as coisas foi feito de uma só e por mediação de uma só, assim todas as
coisas foram feitas desta mesma coisa única, por adaptação.
“O Sol é seu PAI, a Lua é sua MÃE; o vento a levou em seu ventre e a terra a criou. Ali está o PAI
UNIVERSAL do mundo inteiro.

“Sua potência está inteira, quando ela metamorfoseou na terra.

“Tu separarás a terra do fogo; o sutil do espesso, com suavidade e extrema delicadeza.

“Ascende da terra ao céu e realmente desce do céu a terra e recebe a força das coisas
superiores e Inferiores.

“Assim alcançarão a glória do universo inteiro; por ele toda a obscuridade fugirá de ti. Ali reside a
força, fonte de toda força, que vencerá a toda coisa sutil e penetrará em toda coisa sólida. Por
isto eu tenho sido chamado Hermes Trismegisto, possuindo as três partes da filosofia do universo
Inteiro.

“O que foi dito sobre o magistério do sol está completo”.

O Iniciado deve praticar a Alquimia Sexual intensamente com a sacerdotisa, para despertar a
Kundalini. A Kundalini vai subindo vértebra por vértebra até atingir o trigésimo terceiro degrau (33,
idade de Cristo) que é onde está localizado o sétimo chacra, ou a sétima igreja do apocalipse.

ARISTÓTELES (384- 332 a.C.)

Discípulo de Platão, Aristóteles produziu um conhecimento tão sistemático que influenciou a


cultura ocidental até os dias de hoje. A principal base do pensamento de Aristóteles é a sua teoria
das quatro causas: a causa material, formal, eficiente e final. Como exemplo, uma estátua feita
para enfeitar uma praça possui as seguintes características: causa material, a matéria de que é
feita; causa eficiente, quem fez a estátua; causa formal, a forma da estátua; e a causa final, a
finalidade pela qual foi feita.

Os Alquimistas consideravam a dupla natureza do Ouro, a terrena e a celeste. Segundo


Aristóteles, a única coisa que mudava era a forma; a matéria continuava a mesma. As tradições
gregas e egípcias baseavam seus princípios na Doutrina segundo a qual todos os corpos não
eram senão formas fenomênicas de uma mesma matéria-prima, e por isso, em teoria, era
absolutamente possível transformar uma matéria em outra.

Deste modo encontraram dois caminhos da Grande Obra, que são: O Exilir Branco e o Exilir
Vermelho, que são na verdade a ciência do bem e do mal e a Árvore da Vida da Cabala Hebraica.
O Elixir Vermelho (o ouro puro do espírito) transforma o chumbo em ouro e converte em amarelo
toda coisa. O elixir branco (a força sexual) branqueia os metais dando-lhes uma brancura
imaculada. Os metais são nossos corpos internos, que deve converter-se em solares.

O Corpo físico é o primeiro metal a ser transmutado em ouro, mostrado na Gênese, como a
serpente que Moisés levantou no deserto. Saiba que o Antigo Testamento é pura Alquimia e
Cabala, o patriarca Moisés era um grandioso Alquimista. O Corpo Etérico é segundo metal a ser
transmutado despertando a segunda Serpente, transformando o Corpo Etérico em SOMA
PUCHICON, o corpo de ouro.

O terceiro metal a ser trabalhado é Corpo Astral Lunar, a terceira Serpente que transforma o
Corpo Astral Lunar no legítimo Corpo Astral Solar. A seguir, se transmuta o Corpo Mental,
despertando a quarta Serpente, para extrair deste o Corpo Mental Solar. Quando se alcança uma
transmutação metálica perfeita, os quatro corpos do pecado são substituídos por quatro corpos
solares (corpos de ouro) e o quaternário inferior fortalece e apoia eficientemente a Divina Tríade.
Tem-se que levantar sete serpentes sobre a vara (a energia Kundalini através da coluna
espinhal), para converter-se no Rei Coroado com o Diadema VERMELHO (coroa com que os
soberanos cingiam a cabeça). A quinta Serpente corresponde À da Vontade Consciente. A sexta
Serpente relaciona-se com a Consciência e a sétima Serpente nos une com o UNO, com a LEI,
com o PAI. Eis aqui a revelação dos Mistérios da Serpente. É indispensável distinguir a serpente
que Moisés levantou no deserto da serpente tentadora do Éden. A primeira é positiva e a
segunda negativa.

BASILIDES

Bacilizes nasceu em Alexandria. A divulgação de seu ensinamento se deu entre os anos 120-140
d.C.

No Vaticano, guarda-se um livro de chumbo de sete folhas, construído por ele. Desde então os
trabalhos em metais que deixou tem preocupado tanto aos arqueólogos que até agora não
puderam descobrir, naturalmente, seu oculto significado.

Orgulhava-se de ter sido discípulo de Glausias, que por sua vez foi discípulo de São Pedro.
Segundo ele, o Unigênito do Pai, que leva o simbólico nome de ABRAXAS, gerou a inteligência
(NOUS); esta, a razão (LOGOS); esta, a prudência (PHRONESIS); está a sabedoria (SOPHIAH)
e ao poder (DYNAMYS); está gerou as Virtudes, Principados e Arcanjos, com inumeráveis
categorias de ANJOS; estes Anjos fizeram o primeiro céu, etc., até chegar a trezentos e sessenta
e cinco céus, conforme os dias do ano e o valor numérico das letras ABRAXAS.

ROGER BACON

Religioso franciscano do século XIII (1214-1294), conhecido também como Doctor Mirabili (Doutor
Maravilho), grande alquimista, filósofo e matemático responsável por várias invenções tal como
automobilismo e navegação marítima modernas.

Foi acusado de mago, feiticeiro e de ter pacto com o demônio. Muito perseguido, passou, doze
anos prisioneiro por ordem dos Papas. O principal motivo foi à formulação de exigências morais e
teológicas que estava (e está) faltando na doutrina da Igreja. Em sua opinião, não se pode traçar
uma linha exata de separação entre a Magia e a Ciência; a oração pertence ao mundo da Magia.

Afirmava que os elixires atuam como medicamentos que alongam a vida (o segredo do elixir da
longa vida se encontra nos órgãos sexuais, a fonte da eterna juventude). O corpo físico pode se
conservar durante longos períodos de tempo com esse elixir. Cagliostro conservou seu corpo
físico durante vários milhares de anos. O Conde Saint Germain ainda vive com o mesmo corpo
físico.

RAIMUNDO LULIO

Raimundo Lulio (Dr. Iluminação), nasceu em Palma de Mallorca, em 1234 e desencarnou em


1315. Durante os primeiros trinta anos levou uma vida triste e vazia. Sofreu muito com a morte de
sua esposa, e passou a estudar os mistérios dos antigos Alquimistas. Ensinou sua doutrina em
Palma de Mallorca, Paris e Montpellier. Foi discípulo de Arnaldo de Villeneuve e escreveu uma
obra chamada “CLAVÍCULA” parte de seus conhecimentos sobre a Pedra Filosofal. Este
Alquimista também é muito respeitados pelos gnósticos.

NICOLAS FLAMEL

Flamel nasceu em Paris entre os anos de 1330 e 1418. Estudando o manuscrito alegórico da
Abraham, o judeu, chegou a converter-se em um autêntico Mestre Alquimista. Em sua obra “O
LIVRO DAS FIGURAS HIEROGLÍFICAS”, conta como conseguiu o manuscrito: “Após a morte de
meus pais tive de ganhar o meu pão escrevendo e, naquele tempo, adquiri um livro dourado,
muito velho e volumoso. Era composto de três fascículos de sete folhas cada um, sendo que a
sétima folha sempre aparecia em branco. Na primeira se via um báculo em torno do qual
apareciam duas serpentes enroscadas. Na segunda, uma cruz da qual pendia outra serpente. Na
sétima se podia ver um deserto, de cujo centro brotavam formosas fontes; porém, delas não saia
água e sim serpentes que se arrastavam por todas as direções.

No frontispício do livro se lia “O Judeu Abraham, Príncipe, Sacerdote, Levita, Astrólogo e


Filósofo”. Na terceira folha explicava como se transformavam os metais. No texto estavam
reproduzidos os recipientes com as cores e todos os outros detalhes, exceto a Pedra Filosofal,
que vinha reproduzida com grande arte e de tal forma que cobria, por completo, as páginas
quarta e quinta”.

Posteriormente, Flamel mandou colocar estas figuras no cemitério parisiense dos inocentes. Dos
relatos, um que impressionou muito foi o seguinte:

“Uma roseira no meio do jardim; no solo, junto à roseira uma fonte da qual brotava uma água
branquíssima, que a uma respeitável distancia se precipitava no abismo. Muitos cavavam ao
longo de seu curso, com as mãos na terra, procurando encontrar a fonte, mas não tinham êxito
porque eram cegos. Somente uma pessoa foi capaz. Ela levantou a água para avaliar seu peso”.

Esta é, realmente, uma das maiores simbologias alquimistas, pois expressa, claramente, o
significado do Grande Arcano. A Rosa ensina a cristalização dos corpos solares. A fonte
simboliza a transmutação, é a fonte de água viva da qual falava Jesus. A humanidade
inconsciente busca essa fonte e apesar de tê-la tão próximo, não a encontra. A água é
DESPERDIÇADA, caindo nos abismos. Só o Adepto, o Iniciado é capaz de valorizar as águas
seminais.

Flamel, finalmente, conseguiu captar o sentido do processo, porém continuava sem compreender
a da matéria-prima. Conferenciou com sua esposa Perenelle, a qual, com idêntico fervor, se
dedicou prontamente ao estudo do misterioso livro.
Com isso, Nicolas Flamel nos indica a necessidade da mulher para a realização da GRANDE
OBRA. Logo em seguida, peregrinou para o sepulcro do apóstolo Santiago, na Espanha,
encontrando-se com o Mestre Canché, o qual lhe indicou os fundamentos do magistério. Flamel
narra sua Iniciação da seguinte maneira:

“Todavia, trabalhei uns três anos, até que finalmente encontrei o Elixir (havia trabalhado vinte e
uns anos), que imediatamente se reconhece por seu forte cheiro. Inicialmente o projetei sobre
uma libra e meia de mercúrio e obtive, deste modo, igual quantidade de prata. Isto ocorreu em
minha casa, estando presente só minha esposa Perenelle.

Mais tarde, atendo-me escrupulosamente a cada palavra de meu livro, projetei a pedra vermelha
sobre uma quantidade quase igual de mercúrio, o que ocorreu na mesma casa e de novo estava
presente Perenelle. Realizei a obra por três vezes com ajuda de Perenelle que, como me havia
ajudado no trabalho, o conhecia exatamente como eu”. Flamel fez sucesso com seu livro ao
ponto dele ser reimpresso durante os séculos XV, XVI e XVII e incluído nas Obras de Alquimia.

Para o Mestre Fulcanelli, a peregrinação de Flamel é uma alegoria muito engenhosa e hábil do
trabalho alquímico e representa a viagem simbólica que deve realizar o Iniciado ou Alquimista. O
manuscrito de Abraham, o judeu, tão desconhecido, parece uma invenção do Grande Adepto,
destinada a Instruir os discípulos de Hermes.

BASILIO VALENTIN
Basílio Valentin foi um dos maiores alquimistas que existiu. Alemão, foi Beneditino. Viveu em
Afrust no início do século XV. Dois séculos mais tarde deu-se a máxima difusão de sua obra, ao
ser impresso o livro “AS DOZE CHAVES DA FILOSOFIA”.

Nesta obra o mestre Basílio Valentin, mostra em linguagem Alquímica todo o Magistério do Sol.

É interessante disser que pessoalmente, este foi o primeiro livro de


Alquimia que adquiri, quando ainda era criança em uma troca de
livros, mas logicamente nada podia compreender desta obra, que
embora possua poucas páginas e um título interessante, é escrito
com palavras desconhecidas e textos obscuros aparentemente
sem fundamentos. Mas, muitos anos depois, quando passei a
receber os iluminados ensinamentos gnósticos de Samael Aun
Weor, retornei a esta misteriosa obra de Basílio Valentin “As doze
Chaves da Filosofia” e reparei que tinha passado a compreender
suas palavras como que por encanto. Desta magnífica Obra pág.
69 extraímos o seguinte: SOBRE A MATÉRIA PRIMA DA PEDRA
FILOSÓFICA

A MATÉRIA PRIMA DA PEDRA FILOSÓFICA

“Uma pedra é encontrada que não é de grande preço,

“Da qual é retirado um fogo volátil.

“A pedra ela mesma é feita,

“De branco e vermelha composta.

“Ela é pedra e todavia não pedra.

“Nela somente natura é ativa

“Dela fazendo uma fonte jorrar.

“Submerge seu pai fixo,

“Engolindo-o com o corpo da vida,

“Até que enfim uma alma lhe seja dada.

“E que a mão volátil, a si mesmo símile “esteja em seu reinado.

“Recebeu, na verdade, em virtude e poder “U’a maior fortaleza.

“A mãe do sol, em idade, a ultrapassa,

“Volátil, preparada por Vulcano,

“Mesmo sendo previamente

“O pai surgido do espírito.


“O corpo a alma e o espírito, em dois, se mostram,

“Dos quais a coisa inteiramente se produz.

“Ela se produz de um e é coisa única.

“Liga, reunidos, o volátil e o fixo,

“Que são dois, e três, e um todavia.

“Se não entendes e a nada chegas.

“Adão detinha-se no banho,

“Aonde Vênus encontrava seu semelhante,

“E que um velho dragão havia preparado,

“Quando perdia suas forças.

“Nada mais é, diz o filósofo,

“Senão o duplo mercúrio.

“Nada mais direi, já está nomeado.

“Feliz o que realmente o compreendeu.

“Aí procura, não fatigues:

“O fim confirma as ações.”

Em seu livro ‘AZOTH’ Basílio Valentin descreve, em forma cifrada, os meios para a produção da
PEDRA FILOSOFAL. Pela forma de se expressar, se deduz que se trata da fórmula VITRIOL
(Visita lnteriora Terrae Rectificando Invenies Occultum Lapidem), que dizer: Investiga o Interior da
Terra que Retificando encontrarás a Pedra Secreta.Basílio Valentin assinala em seu livro
‘Testamentum’ as excelentes propriedades e as raras virtudes do Vitriol:

“É um Importante e notável mineral do qual nenhum outro, na natureza, poderia ser comparado.
Porque o Vitriol se familiariza com todos os demais materiais da natureza, mais que as todas as
outras coisas. Liga-se intimamente com eles, pois de todos os metais se pode obter um Vitriol ou
cristal, já que são conhecidos como uma só e mesma coisa. O Vitriol é preferível aos outros
minerais e se deve conceder-lhe o primeiro lugar depois dos metais. Ainda que todos os metais e
minerais sejam dotados de grandes virtudes, o Vitriol é o único apto para se obter e fazer a
Bendita Pedra, o que de nenhum outro, no mundo, se poderia conseguir, tão somente a sua
imitação. A este propósito digo que é necessário que imprimas, vivamente, este argumento em
teu espírito, que dirijas, por inteiro, teus pensamentos ao Vitriol metálico e que lembres que te
confiei o CONHECIMENTO de que se pode de Marte (homem) e Vênus (mulher) fazer um
magnífico Vitriol no qual os três princípios se encontrem e, que amiúde, sirvam para o nascimento
e produção de nossa Pedra.”

PARACELSO (1493-1541)
Phillipus Aureolus Theophrastus Bombastus Von Holenheim, conhecido como Paracelso, nasceu
em Zurique na Suíça. Muito Jovem foi enviado à escola dos beneditinos do Monastério de Santo
André, para receber formação religiosa. Em seguida foi para Basiléia estudar Astrologia e
Ciências Ocultas, onde se tornou grande Iniciado. Mas seus estudos principais foram
direcionados para a cura das doenças, ou seja; a medicina. Ele baseava sua Alquimia numa
relação entre o macrocosmo (universo) e o microcosmo (corpo humano). Fazendo desta forma
correspondências entre as constelações e os diferentes órgãos do corpo humano, sendo o
primeiro a falar de uma ‘astrologia terrestre’.

Phillipus Aureolus Theophrastus


Bombastus Von Holenheim, conhecido
como Paracelso, nasceu em Zurique na
Suíça. Muito Jovem foi enviado à escola
dos beneditinos do Monastério de Santo
André, para receber formação religiosa. Em
seguida foi para Basiléia estudar Astrologia
e Ciências Ocultas, onde se tornou grande
Iniciado. Mas seus estudos principais foram
direcionados para a cura das doenças, ou
seja; a medicina. Ele baseava sua Alquimia
numa relação entre o macrocosmo
(universo) e o microcosmo (corpo humano).
Fazendo desta forma correspondências
entre as constelações e os diferentes
órgãos do corpo humano, sendo o primeiro
a falar de uma ‘astrologia terrestre’.

Ele afirmava que a vida humana era inseparável do universo e a doença era resultado da
separação entre os três elementos místicos que compõem o homem: Sal, Enxofre e Mercúrio.
Paracelso foi um dos mais famosos médicos e ocultistas de seu tempo, sendo atualmente um dos
grandes Mestres da Loja Branca na quinta dimensão, pertencendo ao Raio da Medicina,
juntamente Harpócrates, Hermes, etc...

CONDE DE SAINT GERMAIN

Ocultista Francês do século XVIII. Ligado a corte de Luís XV, afirmava ter 3.000 anos, escrevia e
entendia várias línguas, inclusive algumas orientais. Possuía vários poderes extra-sensoriais, tal
como a invisibilidade, etc. Afirmava ter conhecido Jesus e os apóstolos. Escreveu um livro de
ocultismo chamado ‘A Mais Sagrada Tripla Filosofia’. Viajou pela França, Inglaterra e Rússia,
antes de viver em Scheswig, na Alemanha, onde praticou magia ao lado do príncipe Karl de
Heine. Conhecia os mistérios da Alquimia, pelo qual transmutava os metais em diamantes de
carbono puro, pois não gostava de fabricar o ouro dizendo que qualquer um pode dar-se ao luxo
de fabricá-lo.

Segundo o V.M. Samael Aun Weor, este alquimista, na realidade, foi o Mestre Racozi, Roger
Bacon e Francisco Bacon. Esse Mestre pertence ao Raio de Júpiter e com outros Mestres está
vivendo, atualmente em SHAMBALLA, Santuário do Tibet Oriental, em estado de Jinas. Possui o
mesmo corpo físico com o qual foi conhecido durante os séculos XVII, XVIII e XIX em todas as
Cortes da Europa.
CAGLIOSTRO (1743-1795)

Cagliostro apareceu na França em 1781, chamando muita a atenção das pessoas devido a sua
aparência diferente e de acordo com algumas testemunhas até engraçada, pela sua forma de ser,
por seus trajes e pelas suas conversas sobre coisas estranhas, até então desconhecidas, tal
como: dos astros, do Grande Arcano de Ménfis, do hierofante, de uma cidade no interior da África
dez vezes maior que Paris, de gigantes, etc.

Cagliostro usa cabelos penteados com cachinhos, o que o torna engraçado com meias douradas,
sapatos de veludo com fivela de pedra. Muitos e muitos diamantes por todos o corpo, nos dedos,
no relógio, nas abotoaduras, etc. Usa um chapéu enfeitado com penas brancas e pedras
preciosas... Para dizer que não existe Alquimista divertido e engraçado, Cagliostro é um deles!
Mas este é apenas o seu modo de ser. E repare que as afirmações que estou fazendo é no
presente, pois Cagliostro também é um autêntico mestre da Loja Branca, e atingiu a imortalidade
através do Arcano AZF, Grande Arcano ou Alquimia Sexual... Por muitos séculos ele vive com o
mesmo corpo físico pelo qual apareceu na França chamando a atenção do povo por onde
passava pela cidade.

Cagliostro é um autêntico mestre da Loja Branca, e atingiu a


imortalidade através do Arcano AZF, Grande Arcano ou
Alquimia Sexual... Por muitos séculos ele vive com o mesmo
corpo físico pelo qual apareceu na França chamando a
atenção do povo por onde passava pela cidade.

Foi conhecido em várias partes do mundo usando nomes diferente em cada país que aparecia.
Alguns desses nomes foram: Marquês Pellegrine, Mesmer, Milissa, Conde Fênix, Marquês
Danna, Conde Cagliostro, etc. Foi amigo de Cleópatra do Egito a.C. e trabalhou para Catarina de
Medicis rainha da França no século XVI, pelo qual ensinou-lhe muita arte mágica. Foi Alquimista,
transmutava o chumbo em ouro e fabricava diamantes legítimos.

Cagliostro foi condenado à morte pela Inquisição, e a pena foi trocada por prisão perpétua na
Fortaleza de São Leão, no entanto o Conde Cagliostro desapareceu misteriosamente da prisão.

UM ALQUIMISTA MODERNO

Vejamos agora alguns parágrafos da obra: “ALQUIMIA SEXUAL”, de autoria do V.M. de


Transmutações Metálicas, SAMAEL AUN WEOR:

“Todos os Iniciados que divulgaram o Grande Arcano antes de mim, morreram. Na Idade Média,
os Iniciados que tentavam divulgar o Grande Arcano eram eliminados, seja por camisas de nesso,
seja por ramalhetes perfumados, seja pelo punhal ou pelo cadafalso. No Velho Egito dos Faraós,
os que tentavam divulgar o Grande Arcano eram condenados à morte. Cortavam-lhe a cabeça,
arrancavam-lhes o coração e suas cinzas eram lançadas aos quatro ventos. Só houve um homem
na vida que pôde divulgar o Grande Arcano e não morreu. Este homem sou eu: SAMAEL AUN
WEOR.”

“Há que se cozer, cozer e recozer e não se cansar disso. O recipiente precisa ficar tapado
hermeticamente para impedir que a matéria-prima da Grande Obra derrame. Neste trabalho
alquímico as substâncias espirituais se tornam corpóreas e as substâncias corpóreas se tornam
espirituais. Este é o sagrado mistério do fogo.”

“Em nosso trabalho de transmutação metálica temos de elaborar tinturas astrais para trabalhar na
Grande Obra. Quatro partes de água metálica e duas partes de terra de sol vermelho constituem
a tintura mãe da Alquimia. Põe-se tudo em um recipiente, solidifica-se e desagrega-se por três
vezes. Essa é a tintura mãe da Alquimia, porque com essa tintura elaboramos todas as sete
tinturas da Alquimia Sexual. A água metálica é o sêmen, a terra de sol vermelho são os nossos
órgãos sexuais e o sol de enxofre é o Kundalini, que temos de despertar praticando a Magia
Sexual com a esposa. Logicamente, temos de solidificar três vezes, uma vez que somos um trio
de Corpo, Alma e Espírito.”

“Q mercúrio é a água do Caos, é o sêmen cristônico que se transmuta no ouro vivo do Espírito.
Segundo Avicena, os metais não podem ser transmutados em ouro, senão depois de reduzidos à
sua matéria-prima. A matéria-prima da Grande Obra é o mercúrio da filosofia secreta. Esse
mercúrio é o nosso próprio sêmen cristônico. O Sol é o pai de todos os metais e a Lua, a mãe.
Desses dois astros depende todo o magistério do fogo. O Sol é o homem e a Lua a mulher. Da
união sexual de ambos depende todo o magistério do fogo”. Até aqui as sábias palavras do V.M.
Samael Aun Weor.

“Todos os Iniciados que divulgaram o Grande Arcano antes de mim,


morreram. Na Idade Média, os Iniciados que tentavam divulgar o
Grande Arcano eram eliminados, seja por camisas de nesso, seja
por ramalhetes perfumados, seja pelo punhal ou pelo cadafalso. No
Velho Egito dos Faraós, os que tentavam divulgar o Grande Arcano
eram condenados à morte. Cortavam-lhe a cabeça, arrancavam-lhes
o coração e suas cinzas eram lançadas aos quatro ventos. Só houve
um homem na vida que pôde divulgar o Grande Arcano e não
morreu. Este homem sou eu: SAMAEL AUN WEOR.”

LISTA DE ALGUNS DOS GRANDES ALQUIMISTAS DA HUMANIDADE CITANDO APENAS


UMA OBRA DE CADA:

MOISÉS (1705-1594 a.C.) “A Gênese”

SALOMÃO (1033 a.C.) “A Clavícula de Salomão”

DEMÓCRITO (470-361 a.C.) “Tratado da Arte Sacra”

GEBER “Tratado de Alquimia”

ALTAIN DE L’ISLE (1213-1294) “Doctor Mirabilis” (Doutor Admirável) “Alquimia Maior”

SÃO TOMAS DE AQUINO (1225-1274) “Tratado da Pedra Filosofal”

ARNALDO DE VILLENEUVE (1240-1313) “O Tesouro dos Tesouros”

BERNARD, o Trevisano (1406-1490 “Tratado de Filosofia Natural dos Metais”.

JOHN DEE (1527-1608) “Mônada Hieroglífica”


MIGUEL MAIER (1568-1622) “Arcana Arcanissima”

JOHANN BAPTISTE VON HELMONT (1578-1644) “Hermes Redivivus”

IRINEU PHILATÉTHE (1612-1680) “Entrada Aberta ao Palácio Fechado do Rei”.

RAÍNHA CATHARINE DE MÉDICIS (estamos sem os títulos de seus textos)

HELVETIUS (Johann Friedrich Schweltzer) “Vitulus Aureus”.

LE BRETON “Chaves da Filosofia Espagirita”

SABINA STUART DE CHAVALIER “Chave do Santuário Filosófico”

ALBERT POISSON (1868-1893) “Teoria e Símbolo dos Alquimistas”

FRANÇOIS CAMBRIEL “Curso de Filosofia Hermética ou de Alquimia em Dez Lições”.

ELIPHAS LEVI ou Abade Luigi Constant (1810-1875) “O Grande Arcano”

HELENA PETROVNA BLAVATSKI “O Simbolismo Arcaico das Religiões”

EUGËNE CANSELIET “Duas Moradas Alquímicas”

ARMAND BARBAULT “O Ouro da Milésima Manhã”

ROGER CARO “Concordâncias Alquímicas”

RENË ALLEAU “Aspectos da Alquimia Tradicional”

GRILLOT DE GIVRY “O Museu dos Mágicos Alquimistas”

SAMAEL AUN WEOR “Alquimia Sexual”

C. G. JUNG “Psicologia e Alquimia”

JACQUES BERGIER E LOUIS PAUWELS “O Despertar dos Mágicos”

SERGE HUTIN “História da Alquimia

GLOSSÁRIO ALQUÍMICO

ÁGUA ARDENTE: a energia sexual.


ÁGUA SECA: O péssimo uso do mercúrio, às baixas paixões e instintos grosseiros. É também o
mercúrio filosófico.
ALMA METALICA: mercúrio dos filósofos.
ATHANOR: a mulher, o forno de combustão lenta onde se coloca o ovo filosófico durante o
cozimento da matéria-prima. É o corpo humano.
AZOTH: o mercúrio dos filósofos, o azoto, o sêmen sagrado. Representa também a Ciência
Universal e a Força Vital.
BANHO: redução à essência após a purificação do ouro e da prata mediante a putrefação ou
combate ao desejo animal.
CAL DA LUA: simboliza os princípios sexuais femininos. A cal da lua deve ser depositada numa
vasilha de terra (filosofal) bem cozida (glândulas sexuais).
CALCINAR: praticar o Grande Arcano da Alquimia, a Magia Sexual.
CAOS METÁLICO: a matéria-prima indiferenciada, as águas primitivas ou supra celestes, o
dissolvente universal.
COCÇÃO: cozimento da matéria filosófica no Athanor. Processo da Magia Sexual.
COZER: praticar a Magia Sexual.
CORPOS MERCURIAIS: corpos solares.
CRISOPÉIA: transmutação de um metal imperfeito em ouro. CRISTO: Pedra Filosofal.
DESTILAÇAO: são sete as destilações, ou seja, são sete serpentes a serem levantadas sobre a
vara até que o Rei seja coroado com o diadema vermelho e se converta em Mestre de
Transmutações Metálicas, em Mestre do Mahanvantara. Levantar a serpente é transmutar a
matéria-prima em vapores seminais que se elevam pelos canais espermáticos em direção ao
cérebro, onde concedem a iluminação interna.
ELIXIR BRANCO: força sexual do Éden branqueia os metais e simboliza também a Arvore da
Ciência do Bem e do Mal (o sexo). Mercúrio fêmea.
ELIXIR VERMELHO: transforma o chumbo em ouro, É a Arvore da Vida (Real Ser). Mercúrio
macho.
EMBEBIÇÃO: termo usado para indicar a assimilação (retenção) dos sucos sexuais pelo
organismo humano.
ENXOFRE: significa o fogo, a energia criadora masculina,
FOHAT: Fogo Universal de Vida, força geradora e filosofal, o Cristo Cósmico.
FOGO NATURAL: energia sexual.
FONTE MERCURIAL: os órgãos sexuais. Fonte de água vivificante.
GRANDE OBRA: significa o trabalho alquímico sobre a Rocha, o Sexo.
LEÃO VERDE: indica a incorruptibilidade e perfeição. É o Intimo, o Real Ser, podendo também
significar a matéria-prima.
LEÃO VERMELHO: o Kundalini, o ouro potável.
MENINO FILOSÓFICO: o Real Ser, o Cristo Interno que nasce nos adeptos da Alquimia Sexual.
MERCÚRIO SECO: dissolução do ego, negação de si mesmo e do desejo.
PEDRA FILOSOFAL: O Cristo Cósmico, ou os Corpos Solares. PUTREFAÇÃO: processo inicial
dos trabalhos alquímicos, em que o adepto passa por uma fase amarga de purificação constante
e combate a instintos sexuais inferiores.
RETORTA; órgãos sexuais.
SAL: em alguns textos alquímicos representa a matéria e em outro, aparece como a maestria da
Alquimia, a prática do Grande Arcano é também as energias sexuais femininas.
TERRA FILOSÓFICA: corpo humano.
TINGIR: praticar magia sexual.
TRANSFUSÃO: sublimação.
TRANSMUTAÇAO: é o processo de se transmutar as águas do nosso Caos Sexual no vinho de
Luz do Alquimista. O primeiro ensinamento de Cristo, ao transformar água em vinho, foi pura
Alquimia Sexual.
TRITURAÇAO: estágio que consiste em se trabalhar intensamente com a Magia Sexual e a força
de vontade (para não perder o licor seminal).
VAPOR: sêmen transmutado e volatilizado.
VIA ÚMIDA: Magia Sexual praticada no “cornífero”. VIA SECA: é a alquimia terrestre, visando
transformar o chumbo comercial em ouro comum.

Saúde e sucesso.

Jorge L Rodrigues