Você está na página 1de 68

NO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302


CLIENTE: FOLHA
GÁS & ENERGIA 1 de 40
PROGRAMA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3
ÁREA:
COMPERJ- U-1231 – UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE GÁS NATURAL 1
TÍTULO:
NP-1
PRGE CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

ÍNDICE DE REVISÕES
REV DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

0 ORIGINAL
A LIBERADO PARA DETALHAMENTO

REV. 0 REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G REV. H


DATA 22-09-16 30-12-16
PROJETO UPGN UPGN
EXECUÇÃO DANIEL DANIEL
VERIFICAÇÃO ALEX ALEX
APROVAÇÃO ZUCCO ZUCCO
AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO SÃO PROPRIEDADE DA PETROBRAS, SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE.
FORMULÁRIO PADRONIZADO PELA NORMA PETROBRAS N-381-REV.L.
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 2 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

SUMÁRIO
1. OBJETIVO..................................................................................................................... 4
2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA .............................................................................. 4
3. CRITÉRIOS GERAIS .................................................................................................... 4
3.1. Softwares de Automação de Projetos ........................................................................ 4
4. REUNIÃO DE KICK-OFF MEETING (KOM) DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS........ 4
5. CRITÉRIOS GERAIS DE PROJETO NOS SOFTWARES CAE E PDMS .................... 5
5.1. Lista de documentos emitidos por Automação de Projetos ....................................... 6
5.2. Marcos de Automação de Projetos ............................................................................ 6
5.3. Priorização da execução do projeto ........................................................................... 7
5.4. Ferramentas desenvolvidas pela CONTRATADA ..................................................... 7
5.5. Importação de Atributos no PDMS ............................................................................. 8
6. CRITÉRIOS GERAIS DA FERRAMENTA CAE ........................................................... 8
6.1. Utilização de customizações locais na ferramenta CAE escolhida ............................ 9
7. INTEGRAÇÃO DO MODELO 3D UTILIZANDO O AVEVA GLOBAL .......................... 9
8. CRITÉRIOS GERAIS DO PDMS ................................................................................. 10
8.1. Critérios gerais ......................................................................................................... 10
8.1.1 Geração de reviews ............................................................................................ 11
8.1.2 Eventos de Walk Through ................................................................................... 12
8.1.3 Geração de isométricos e Plantas ...................................................................... 12
8.1.4 Detalhamento de Spools..................................................................................... 12
8.1.5 Tags de Civil e Estrutura ..................................................................................... 13
8.1.6 Modelo 3D de Fornecedores .............................................................................. 13
8.1.7 Medição .............................................................................................................. 13
8.1.8 Integração com Construção e Montagem e Planejamento ................................. 13
8.1.9 Criação de novas UDAs ...................................................................................... 14
8.2. Estrutura Administrativa ........................................................................................... 14
8.2.1 Site de Estudo..................................................................................................... 16
8.2.2 Atributos do Site de Preenchimento Obrigatório ................................................. 16
8.2.3 Times .................................................................................................................. 16
8.2.4 Bancos de Dados ................................................................................................ 17
8.2.5 “Range” de Bancos de Dados ............................................................................. 18
8.3. Organização dos Elementos .................................................................................... 18
8.4. Atributos da Zone de preenchimento obrigatório ..................................................... 19
8.5. Itens Significantes na Hierarquia ............................................................................. 19
8.6. Tabela de Associação de Fluidos com PURPOSES das Tubulações ..................... 21
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 3 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

8.6.1 Níveis de Representação do Modelo .................................................................. 24


8.7. Civil .......................................................................................................................... 25
8.7.1 Instruções Gerais ................................................................................................ 25
8.7.2 Hierarquia Básica e Nomenclaturas ................................................................... 25
8.7.3 Limites de Bateria ............................................................................................... 27
8.7.4 Estrutura e Nomenclatura das Zones de Civil .................................................... 28
8.7.5 Nomenclatura de “STRU” de Concreto ............................................................... 28
8.8. Estruturas Metálicas ................................................................................................. 31
8.8.1 Instruções Gerais ................................................................................................ 31
8.8.2 Hierarquia Básica e Nomenclaturas ................................................................... 31
8.8.3 Estrutura e Nomenclatura das Zones de Estruturas Metálicas ........................... 31
8.8.4 Hierarquia e Nomenclatura de STRU ................................................................. 32
8.8.5 Nomenclatura de STRU para Plataformas e Escadas ........................................ 34
8.9. Equipamentos .......................................................................................................... 36
8.9.1 Hierarquia básica e nomenclaturas .................................................................... 36
8.9.2 Zone .................................................................................................................... 36
8.9.3 Equi ..................................................................................................................... 37
8.9.4 Bocais ................................................................................................................. 38
8.9.5 SUBE .................................................................................................................. 39
8.9.6 Espaços reservados para manutenção e operação ........................................... 39
8.9.7 Pacotes de Equipamentos (Fornecimento Externo) ........................................... 40
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 4 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

1. OBJETIVO
Estabelecer padrões para a elaboração do Projeto Executivo da UNIDADE DE
PROCESSAMENTO DE GÁS NATURAL I - U-1231, utilizando as ferramentas de
automação de projetos.

2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA
 I-ET-600.67-0000-200-PDY-001 – Identification of industrial piping

3. CRITÉRIOS GERAIS
O Projeto Executivo deve ser elaborado com o mais alto grau de automação na
concepção dos layouts e na geração da documentação desde o início, não sendo
permitido o desenvolvimento do projeto em ferramentas auxiliares (ex: autocad,
excel, etc.) e posterior inclusão nas ferramentas de automação de projeto.

A CONTRATADA deverá utilizar os softwares de CAE e MODELO 3D,


obrigatoriamente, desde o início do projeto, em todas as disciplinas aplicáveis,
tendo sua mobilização realizada com licenças, hardware (servidor) e seus
respectivos administradores, disponíveis em até 10 (dez) dias após a assinatura
da AS.

A codificação dos materiais de tubulação na ferramenta de controle de materiais e


no PDMS deverá utilizar, além do código próprio da CONTRATADA, os códigos
Codtub e NMCode.

Os tags em comum nos sistemas CAE, MODELO 3D, Planejamento, Suprimento,


Construção e Montagem e Comissionamento deverão ser idênticos e todos os
dados de engenharia em comum entre estes deverão estar permanentemente
sincronizados.

3.1. Softwares de Automação de Projetos

A CONTRATADA deverá utilizar os softwares presentes no item 11 do Anexo V do


contrato e todos os demais necessários para a evolução do contrato e estar
plenamente habilitada na sua utilização:

OBS.: Independentemente da não adoção do software de CAE COMOS para a


execução de documentos de acordo com a lista de documentos, a CONTRATADA
entregará estes bancos de dados no formato de banco de dados padrão do
ABASTECIMENTO (COMOS) e a fiscalização da PETROBRAS validará esta
entrega.

4. REUNIÃO DE KICK-OFF MEETING (KOM) DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS


Com o objetivo de alinhar as informações para o início do projeto executivo, a
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 5 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

CONTRATADA deverá disponibilizar um local para a Reunião de KOM de


Automação de Projetos em até 20 dias corridos após a realização da reunião de
KOM do Projeto Executivo.
Nesta reunião as seguintes atividades deverão ser realizadas pela CONTRATADA:

• Formalização do job leader de Automação de Projetos, com apresentação do


seu “curriculum vitae”, organograma funcional e histograma da equipe de
Automação de projetos. O job leader, em seu curriculum, deve apresentar
comprovação de experiência nesta área, em projetos de porte e complexidade
semelhante;
• Formalização e apresentação básica da ferramenta CAE, em acordo ao
indicado no item “Critérios gerais da ferramenta CAE” deste documento;
• Apresentação do cronograma de automação de projetos, em acordo ao
indicado no item “Marcos de Automação de Projetos”;
• Tópicos técnicos inerentes à disciplina;
• Perguntas, esclarecimentos e sugestões por parte da CONTRATADA

5. CRITÉRIOS GERAIS DE PROJETO NOS SOFTWARES CAE E PDMS

A CONTRATADA deverá disponibilizar para a PETROBRAS todos os bancos de


dados originais do projeto do COMOS e do PDMS, de acordo com os itens 6 e 7
deste documento
.
A CONTRATADA deverá disponibilizar relatórios para a fiscalização no padrão
exigido pela PETROBRAS e no caso de relatórios de listas, disponibilizar também
no formato de planilha Excel, com periodicidade semanal em local definido pela
PETROBRAS:

 Relatórios de consistência entre CAE e PDMS, que compare a existência


de todos os tags linhas de tubulação, equipamentos e instrumentos em
ambos os sistemas e seus dados de engenharia;

 Relatórios de listas de itens componentes do projeto (linhas, suportes de


tubulação, equipamentos, instrumentos, materiais de tubulação com
CODTUB, civil e estruturas) e seus dados de engenharia;

A CONTRATADA deverá possuir ferramentas para a extração dos relatórios, por


exemplo consultas ou queries aos bancos de dados, com geração de planilhas
Excel.

Todos os desenvolvimentos necessários para tais extrações são de


responsabilidade da CONTRATADA e deverão ser entregues à PETROBRAS.
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 6 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

Estas ferramentas deverão ser disponibilizadas à PETROBRAS para que, a


qualquer momento, a fiscalização possa extrair tais relatórios a partir do projeto
enviado semanalmente pela CONTRATADA.

A qualquer momento, a PETROBRAS poderá emitir relatórios de verificação de


consistência entre as ferramentas de automação ou documentos. Os erros de
consistência verificados deverão ser sanados antes da entrega do projeto.

5.1. Lista de documentos emitidos por Automação de Projetos

Deverá ser emitida e mantida pela CONTRATADA e confirmada pela fiscalização


da PETROBRAS, a Lista de Documentos geral do projeto contendo o software de
autoria de cada documento. A lista mínima deverá conter os itens constantes no
ANEXO 3 – LISTA DE DOCUMENTOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS.

A PETROBRAS se reserva o direito de recusar os documentos emitidos em caso


de inconsistências entre estes e os bancos de dados das ferramentas de
automação de projetos disponibilizados pela CONTRATADA.

5.2. Marcos de Automação de Projetos

Os itens a seguir deverão ser executados nos respectivos prazos:

Item Prazo

Mobilização de administradores e aquisição 10 dias após a assinatura da AS


de hardware (servidores) e licenças de CAE,
PDMS e AVEVA Global

Conexão VPN com a empresa integradora Reunião de Kick Off do projeto


de AVEVA Global

Mobilização do time de Comissionamento Reunião de Kick Off do projeto


para a definição de SOPs

Mobilização do time de Planejamento para Reunião de Kick Off do projeto


a definição das áreas de Construtibilidade

Preparação da estrutura do CAE Antes do início da modelagem no


CAE

Preparação das specs e catálogos do Antes do início da modelagem no


PDMS incluindo os pesos e o CODTUB de todos PDMS
os componentes de tubulação

Preparação do ambiente do AVEVA Global Antes do início da modelagem no


NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 7 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

Item Prazo
PDMS

Elaboração de Lista de Documentos geral Antes do início da modelagem no


do projeto contendo o software de autoria (CAE ou CAE e no PDMS
PDMS)

Carga das Listas de Linhas e de Antes do início da modelagem no


Equipamentos no CAE e no PDMS CAE e no PDMS

Carregamento da informação de SOPs Antes do início da modelagem no


proveniente do CAE nas linhas da tubulação no CAE e no PDMS
PDMS

Carregamento das áreas de Antes do início da modelagem no


Construtibilidade no PDMS CAE e no PDMS

Início da execução do projeto no CAE -

Modelagem das áreas reservadas para Antes da modelagem das


manutenção e operação dos equipamentos, rotas tubulações
de fuga e espaços para movimentação de carga

Início da modelagem no PDMS -

Início do detalhamento dos spools -

A CONTRATADA deverá apresentar um cronograma de execução do projeto nas


ferramentas CAE e PDMS com linha de base fixa no KOM de Automação de
Projetos, que contenha os marcos apresentados no item anterior, que serão
acompanhados pela fiscalização durante toda a execução do projeto.

5.3. Priorização da execução do projeto

A priorização da execução do projeto no CAE, no PDMS e do detalhamento dos


spools deverá ser orientada pela definição dos SOPs e análise de
construtibilidade.

5.4. Ferramentas desenvolvidas pela CONTRATADA

Todos os desenvolvimentos realizados na ferramenta CAE e no PDMS para o


andamento do projeto são de responsabilidade da CONTRATADA e deverão ser
entregues à PETROBRAS, de modo que a fiscalização seja capaz de extrair todos
os dados e documentos a partir do CAE e do PDMS.
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 8 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

5.5. Importação de Atributos no PDMS

Os atributos no PDMS selecionados na coluna “Importado da Ferramenta


CAE/CAD” no Erro! Fonte de referência não encontrada. devem ser importados
da ferramenta CAE em que o projeto foi desenvolvido. Caso o projeto de
construção civil e estruturas metálicas seja desenvolvido em um software CAD 3D
auxiliar, os atributos no PDMS também devem ser importados desta ferramenta.

6. CRITÉRIOS GERAIS DA FERRAMENTA CAE

A CONTRATADA poderá utilizar a ferramenta CAE de sua escolha. Os seguintes


requisitos deverão ser cumpridos pela CONTRATADA na ferramenta CAE:

 Possuir consistência e integração automáticas entre as disciplinas de projeto aplicáveis;


 Respeitar requisitos de Comissionamento e Construtibilidade desde o início do projeto;
 Permitir a identificação dos SOPs e SSOPs diretamente nos P&IDs, de modo a propagar
as informações para o PDMS;
 Possibilitar a transferência inicial de informações para o início da modelagem no PDMS
(Preenchimento automático de tags e seus dados de engenharia no PDMS);
 Possibilitar a manutenção da consistência entre o CAE, PDMS, Planejamento e
Suprimento durante todo o projeto. Para que haja consistência, os tags deverão ser
idênticos em todos os sistemas e todos os dados de engenharia em comum entre o CAE
e o PDMS deverão estar permanentemente sincronizados do CAE para o PDMS;

A CONTRATADA deverá enviar sua base de dados semanalmente à PETROBRAS.


Esta base de dados compreende uma cópia completa do banco de dados do projeto
e seu respectivo sistema de arquivos. Para cada uma destas cópias, deverá ser
entregue um Relatório de Acompanhamento de Automação de Projetos, contendo,
no mínimo, os resultados das verificações abaixo:
Todas as informações de projeto de pacotes de equipamentos e sistemas
fornecidos pela PETROBRAS e pela CONTRATADA devem ser cadastradas na
ferramenta CAE.

Todos os equipamentos e linhas devem ser representados na ferramenta CAE,


sem exceção. Todos os módulos, pacotes e skids devem ser representados nos
fluxogramas. A mudança de responsabilidade do projeto e/ou fornecedor deve
ser representada.

A CONTRATADA deverá emitir um relatório semanal com informações


atualizadas de bocais de equipamentos (elevação, orientação e esforços),
cadastrando no PDMS, de modo a liberar e evitar trechos em HOLDs de linhas
conectadas aos bocais.
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 9 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

6.1. Utilização de customizações locais na ferramenta CAE escolhida


Caso a CONTRATADA adote como ferramenta CAE o software COMOS, a
PETROBRAS fornecerá a Biblioteca Padrão da Petrobras, denominada BPP. Esta
Biblioteca reúne os principais templates de documentos emissíveis, coletânea de
símbolos, atributos, tabelas e demais objetos típicos de uma ferramenta CAE
necessários à realização do Projeto.

A BPP possui um amplo conjunto de objetos visando atender aos padrões em uso
na PETROBRAS. Porém, devido às especificidades de cada projeto, poderá ser
necessária a criação de novos objetos. Neste caso, o Administrador de Comos da
CONTRATADA não deverá realizar tais modificações no SO1 da BPP e sim, na sua
biblioteca local o que denominamos uma customização na biblioteca local do
projeto.

Além disso, a criação dos objetos locais na biblioteca do projeto também pode ser
utilizada para a correção de falhas de customização da Biblioteca Padrão Petrobras
e que ainda não tenham sido corrigidos de forma definitiva.

7. INTEGRAÇÃO DO MODELO 3D UTILIZANDO O AVEVA GLOBAL

A CONTRATADA deve adotar a solução AVEVA Global, e implantar e administrar o


sistema AVEVA Global como unidade satélite, de forma ONLINE com o HUB do
projeto PHN (Projeto Executivo em PDMS do Comperj) via conexão VPN com
sincronismos diários.

A PETROBRAS ou empresa por ela designada será a responsável pela integração e


centralização dos dados dos modelos 3D de todas as Unidades Industriais do
Comperj através do AVEVA Global como HUB do projeto PHN. A PETROBRAS, ou
empresa por ela designada, também será o administrador do AVEVA Global.

A CONTRATADA deverá fornecer toda informação solicitada para a PETROBRAS,


ou empresa por ela designada, para manter o bom funcionamento do AVEVA
Global, gerenciar reuniões de trabalho e desenvolver soluções junto a esta empresa
designada pela PETROBRAS, cabendo a aprovação final da PETROBRAS.

Todos os serviços de modelagem subcontratados devem ser realizados através do


AVEVA Global, sendo que a subcontratada estará online com a CONTRATADA
como um subsatélite, utilizando bancos de dados Extract.

A CONTRATADA deverá manter conexão VPN com a integradora de AVEVA Global


da Petrobras.
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 10 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

A CONTRATADA deverá disponibilizar diariamente um relatório com a data de


sincronização de cada banco de dados do PDMS do seu projeto com a subsatélites.

Em casos extraordinários, de caráter temporário, em que o sincronismo não seja


possível, a CONTRATADA deverá disponibilizar semanalmente à PETROBRAS, ou
empresa por ela designada, os arquivos necessários para atualização dos bancos
de dados do projeto em PDMS.

8. CRITÉRIOS GERAIS DO PDMS


O Modelo 3D será o instrumento principal para realização de futuras modificações e
obtenção de informações durante toda a vida da Planta.

8.1. Critérios gerais


A CONTRATADA deverá executar o projeto de detalhamento a partir do MODELO
3D, não sendo aceitos execução primeiramente em 2D e sua posterior modelagem,
incluindo todas as disciplinas de engenharia e segurança industrial.

O Modelo 3D deverá conter a modelagem de todos os elementos do escopo do


projeto, incluindo os pacotes de equipamentos e sistemas de empresas
subcontratadas pela PETROBRAS e pela CONTRATADA. Componentes,
tubulações ou eletrodutos de pequeno diâmetro deverão ser modelados para efeito
de arranjo e colisão (clash) com outros componentes, e as exceções determinadas
pela fiscalização PETROBRAS.

Sempre que o projeto for revisado, o Modelo 3D deverá ser atualizada para permitir
novas emissões de documentos. Nenhuma revisão deve ser realizada diretamente
nos documentos 2D.

Documentos gerados a partir do Modelo 3D devem ser entregues no formato do


software AUTOCAD, exclusivamente para plotagem e consulta, assinado
digitalmente. Esses documentos deverão conter a seguinte nota na margem da
legenda:

"DOCUMENTO GERADO EM CAD 3D. REVISAR A PARTIR DO MODELO 3D”


(DOCUMENT PREPARED IN 3D CAD. TO BE REVISED FROM 3D MODEL)

A CONTRATADA deverá criar um controle de revisão de todos os documentos que


fornecem informações para o modelo 3D, com o objetivo de assegurar que o Modelo
3D esteja sempre atualizado.
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 11 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

A CONTRATADA deverá apresentar semanalmente um relatório de comparação de


pesos de tubulação por spools entre o modelo 3D e o GITEC.

A CONTRATADA deverá centralizar no profissional responsável pela administração


do PDMS, um controle de comentários realizados no Modelo 3D.

São de escopo da CONTRATADA a inclusão e complementação no banco de dados


de todos os componentes de catálogo e especificações que estejam indisponíveis
ou incompletos nos arquivos fornecidos pela PETROBRAS. Estes arquivos serão
fornecidos como referência, devendo ser validados e complementados pela
CONTRATADA.

A PETROBRAS poderá fornecer os bancos de dados do Modelo 3D existente da


unidade na qual o projeto será desenvolvido. Entretanto, este modelo deverá ser
utilizado pela CONTRATADA apenas como referência, e não deverão ser
considerados como modelados conforme construído. Todas as coordenadas
deverão ser, obrigatoriamente, verificadas e confirmadas pela CONTRATADA.

O código para cadastramento de novas especificações de material no banco de


dados do projeto deverá seguir a mesma regra de formação do banco de dados de
specs e catálogos do banco fornecido pela PETROBRAS, garantindo assim total
uniformidade entre os specs já cadastrados e os novos.

8.1.1 Geração de reviews


A CONTRATADA deverá disponibilizar diariamente reviews completos do projeto e
particionados, no mínimo, por disciplinas de projeto (bancos de dados de Design),
áreas físicas, SOPs e avanço de fabricação de tubulação. A PETROBRAS poderá
solicitar particionamentos menores, como, por exemplo, Zones, SSOPs, etc. Estes
arquivos deverão conter também os dados de engenharia e material exportados a
partir do MODELO 3D (dump de atributos), associados a cada componente.

As regras de cores que geram os reviews deverão obedecer aos critérios solicitados
pela fiscalização como, por exemplo, avanço de modelagem (Fstatus), PURPOSES,
etc. Os arquivos deverão ser disponibilizados nos formatos RVM e NWD.

A CONTRATADA deverá disponibilizar, caso seja solicitado pela PETROBRAS,


reviews ou animações para estudos de rigging em operações de movimentação de
equipamentos e outros fins.

A CONTRATADA deverá também disponibilizar semanalmente todos os bancos de


dados originais do projeto completo em PDMS.
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 12 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

8.1.2 Eventos de Walk Through


A CONTRATADA deverá preparar evento de Walk Through utilizando o
Naviswoks com a sua equipe do Projeto Executivo, PETROBRAS e equipe de
operação PETROBRAS nas fases de 30%, 60% e 90% de execução do Projeto
Executivo, inserido no PDMS, de forma a: Solucionar problemas de cunho
operacional da Unidade, como por exemplo, posicionamento de volantes de
manobra, ergonomia, acessos e outros detalhes, tais como solucionar problemas de
cunho operacional da Unidade, como por exemplo, posicionamento de volantes de
manobra, ergonomia, acessos e outros detalhes, tais como:

 Solucionar problemas de cunho construtivo da Unidade, como por exemplo,


sequenciamento da montagem das tubulações, sequenciamento dos serviços de
construção civil, pré-montagem e outras atividades;
 Os pré-requisitos para a execução dos eventos encontram-se no critério de
medição do modelo 3D;
 O não atendimento de comentários gerados nestes eventos poderá bloquear
medições subsequentes do modelo 3D.

8.1.3 Geração de isométricos e Plantas


Todos os isométricos (módulo ISODRAFT) e plantas (módulo DRAFT) deverão ser
gerados (extraídos) a partir do PDMS. Todos os recursos necessários para a
extração de tais documentos são de responsabilidade da CONTRATADA e deverão
ser entregues à PETROBRAS para que a fiscalização seja capaz de gerar
documentos idênticos aos depositados no sistema de gerenciamento de
documentos para análises.

8.1.4 Detalhamento de Spools


O detalhamento dos spools deverá ser executado no PDMS, em seu módulo
Spooler, de modo a permitir exportação automática para o CONTROLTUB e o
retorno das informações para o modelo 3D, a fim de acompanhar o avanço da
fabricação. Para que os spools e juntas no Modelo 3D estejam 100% compatíveis
com o padrão exigido nesse documento, a CONTRATADA deverá, além de executar
o detalhamento dentro dos padrões do Memorial Descritivo, apresentar solução que
possibilite:

 Que a informação do detalhamento dos spools seja clara durante todo o


processo, para a equipe de projeto e para a fiscalização, com atualização diária com
o AVEVA Global;
 Que a informação de SOPs seja critério para a priorização do detalhamento
dos spools e envio para o CONTROLTUB;
 Que as informações de SOP e área física sejam preenchidas no PDMS e
exportadas automaticamente em cada spool para o CONTROLTUB;
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 13 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

 Que profissionais de tubulação sejam capazes de utilizar o PDMS para


executar o detalhamento dos spools com workflow de projeto, análises, verificação,
aprovação, emissão e exportação para o CONTROLTUB;
 O controle total do detalhamento em spools de trechos de linhas ainda não
liberadas 100% para a construção (Controle automatizado de HOLDs);
 O controle total da revisão das linhas, sem que haja interferência com os
spools que já foram enviados ao CONTROLTUB (Estes não podem ser mais
alterados).

8.1.5 Tags de Civil e Estrutura


Os itens de civil e estrutura metálica deverão possuir a mesma identificação (tag) do
sistema de Planejamento e Suprimento, de modo a permitir o acompanhamento do
avanço da fabricação no modelo 3D.

8.1.6 Modelo 3D de Fornecedores


A CONTRATADA deve elaborar modelo eletrônico digital 3D do Projeto Executivo,
incluindo todos os bens, conforme a documentação aqui referenciada e a partir do
Projeto Executivo dos fabricantes e/ou fornecedores. Incluindo os pacotes de
equipamentos e sistemas fornecidos pela PETROBRAS e pela CONTRATADA.

8.1.7 Medição
Os critérios de medição do modelo 3D PDMS estão definidos no Erro! Fonte de
referência não encontrada., sendo que os percentuais de avanço da modelagem
podem ser negociados com a fiscalização do contrato.

A CONTRATADA deverá realizar a carga inicial dos spools no software GITEC de


forma automatizada, através da geração automática de arquivo com seus dados
básicos a partir do PDMS. Os dados de avanços dos spools para medição deverão
ser carregados a partir do CONTROLTUB.
8.1.8 Integração com Construção e Montagem e Planejamento
A CONTRATADA deverá preencher no PDMS atributos atualizados de
acompanhamento de linhas, spools, equipamentos, estruturas metálicas, civil e
instrumentos nas fases de:

 Status da fabricação;
 Localização (Estoque, localidade, área armazenada e etc.);
 Status de estoque (Por exemplo, Item em Fabricação, Solicitado pela produção
para montagem, “Pago para produção”, etc...);
 Status de montagem respeitando o sequenciamento do cronograma;
 Cadastramento dos IDs do cronograma geral da obra em cada item do
MODELO 3D.
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 14 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

8.1.9 Criação de novas UDAs


A criação de novas UDAs (User Defined Attributes) para o armazenamento de
informações no modelo 3D (Caso não exista uma equivalente, onde a informação
possa ser armazenada) deverá seguir a seguinte regra:

a) A criação de uma UDA adicional deverá ser aprovada pela PETROBRAS;


b) Não devem ser criadas uma UDAs que possuam a mesma função de uma UDA
existente;
c) UDAs podem ser criadas pela CONTRATADA nos casos em que seja essencial
para a customização do projeto;
d) A criação de novas UDAs que possuam correspondência com os atributos
padrão do software deverão ser aprovadas pela PETROBRAS;
e) As novas UDAs deverão ser criadas em bancos de dados separados, para que
possam ser facilmente removidas da base de dados do projeto no momento da
entrega;
f) As UDAs criadas pela CONTRATADA deverão ser documentadas e descritas
em bancos de dados onde elas estão. Devem ser apresentados à PETROBRAS os
sistemas ou customizações que foram utilizados e a empresa que criou;
g) As UDAs deverão ter seus nomes como o formato padrão <contratada>
<name> _.

8.2. Estrutura Administrativa

A estrutura administrativa do Modelo 3D deverá ser organizada na estrutura


hierárquica conforme demonstrado na figura abaixo.

Cada site deverá conter uma especialidade de uma área de Processos ou de


transferência do Projeto (onsite e off site).

Cada site deverá estar em um Arquivo de Banco de Dados, armazenado em uma


área especifica.

Qualquer informação inserida fora da estrutura descrita neste capítulo, será


desconsiderada para fins de Medição do modelo.
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 15 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 16 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

8.2.1 Site de Estudo


Elementos em estudo ou modelos alternativos deverão ser modelados no site de
estudos, que deverá ficar em um DB exclusivo para estudos, o qual deverá ser
completamente eliminado por ocasião da entrega final do MODELO 3D.

8.2.2 Atributos do Site de Preenchimento Obrigatório


PURPOSE – Especialidade

Valores:

PIPE - Tubulação
CIVI - Civil
STRU - Estruturas
EQUI - Equipamentos
ELET - Elétrica
INST - Instrumentação
STDY - Site de estudo
SEGU - Site de segurança
HVAC - Site de HVAC

8.2.3 Times
Para a criação do time deverá ser seguida a estrutura abaixo:

CIV - Time de Projeto de Civil


CIVDRWG - Time de Desenho de Civil
ELE - Time de Projeto de Elétrica
ELEDRWG - Time de Desenho de Elétrica
EQU - Time de Projeto de Equipamentos
EQUDRWG - Time de Desenho de Equipamentos
EST - Time de Projeto de Estruturas
ESTDRWG - Time de Desenho de Estruturas
INS - Time de Projeto de Instrumentação
INSDRWG - Time de Desenho de Instrumentação
TUB - Time de Projeto de Tubulação
TUBDRWG - Time de Desenho de Tubulação
TEL - Time de Projeto de Telecom
TELDRWG - Time de Desenho de Telecom
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 17 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

SPOOLER - Time de Spooler


ISOADMIN - Time reservado para configuração de isométricos/spools
TRANSACTION - Time necessário para utilização do AVEVA GLOBAL
MASTER - Time de Administração do PDMS
VAC - Time de HVACR
VACDRWG - Time de Plantas de HVACR
SEG - Time de Segurança
SEGDRWG - Time de Plantas de Segurança
ESTUDO - Time para Estudo
ESTUDODRWG - Time de Plantas para Estudo
FEED - Time reservado para associação dos DBs do Feed
PLOTPLAN - Time reservado para associação dos DBs da PlotPlan

8.2.4 Bancos de Dados


Os nomes dos Databases deverão seguir:

<nome do time> / <unidade> - <disciplina>

Bancos de Dados do Design e Draft

CIV/U-XXXX-CIV
ELE/U-XXXX-ELE
EQU/U-XXXX-EQU
EST/U-XXXX-EST
INS/U-XXXX-INS
TUB/U-XXXX-TUB

CIVDRWG/U-XXXX-CIV
ELEDRWG/U-XXXX-ELE
EQUDRWG/U-XXXX-EQU
ESTDRWG/U-XXXX-EST
INSDRWG/U-XXXX-INS
TUBDRWG/U-XXXX-TUB

VAC/U-XXXX-VAC -> DB de HVACR para o Design


VACDRWG/U-XXXX-VAC -> DB de HVACR para o Draft
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 18 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

SEG/U-XXXX-SEG -> DB de Segurança para o Design


SEGDRWG/U-XXXX-SEG -> DB de Segurança para o Draft
ESTUDO/U-XXXX-ESTUDO -> DB de Estudo para o Design
ESTUDODRWG/U-XXXX-ESTUDO -> DB de Estudo para o Draft
SPOOLER/U-XXXX-TUB-SPOOL -> DB de Spooler
MASTER/YYY-CATA -> DB de catálogos
MASTER/YYY- DICT-> DB de propriedades
MASTER/YYY- PADD-> DB de administração de plantas
MASTER/YYY- PROP-> DB de peso
MASTER/YYY- SPECS-> DB de specs
TRANSACTION/YYY -> DB reservado para Global

Onde XXXX representa o número da unidade e YYY o trigrama da empresa ou


consórcio.

8.2.5 “Range” de Bancos de Dados


Bancos de Dados Locais e Bancos de Dados do Global 1 - 99
Bancos de Dados do “Design” 100 – 2999
Bancos de Dados do “Draft” 3000 - 4999
Catálogos e Especificações da Petrobras 5000 - 5999
Bancos de Dados reservados da AVEVA 7000 – 7999

8.3. Organização dos Elementos


As Tubulações deverão ser separadas, no nível “Zone”, por FLUIDO.

Todos os elementos, independentemente da posição na hierarquia, deverão ser


organizados de acordo com o Número Sequencial do tag, por exemplo:

SITE /U-2100-TUB

ZONE /U-2100-TUB/FLUIDO

PIPE’s /3”-HC-2100-0001-Aa-NI
/2”-HC-2100-0002-Ba-NI

SITE /U-2200-EQU
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 19 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

ZONE /U-2200-EQU/BOMBAS

EQUI’s /B-2200001A
/B-2200001B

ZONE /U-2200-EQU/VASOS

EQUI’s /V-2200003A
/V-2200003B

8.4. Atributos da Zone de preenchimento obrigatório

PURPOSE – Especialidade

Valores:

PIPE – Tubulação
CIVI – Civil
STRU – Estruturas
EQUI – Equipamentos
ELET – Elétrica
INST – Instrumentação
PLAT – Plataformas, escadas e acessos
ELET – Elétrica
CLAS – Áreas Classificadas
MPRO – Propriedades do Modelo
FUTU – Elementos Futuros
STDY – Estudo
TEMP – Temporário
PACK – Pacote de Equipamento
AXEQ – Equipamentos Auxiliares
DREN – ZONE de drenagem do SITE de Civil
FUGA – ZONE de Rotas de Fuga do SITE de Segurança

8.5. Itens Significantes na Hierarquia


NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 20 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

Os elementos mais significantes e níveis inferiores da hierarquia (EQUI, STRU e


PIPE) deverão ter o atributo PURPOSE preenchido com um dos valores mostrados a
seguir:

Valor Elemento Descrição Cor


*
INCE PIPE Linhas de Incêndio (ver item 8.5 para 02
maiores informações)
AGUA PIPE Linhas de Água (ver item 8.5 para 05
maiores informações)
ARCO PIPE Linhas de Ar Comprimido (ver item 8.5 07
para maiores informações)
VAPR PIPE Linhas de Vapor (ver item 8.5 para 08
maiores informações)
QUIM PIPE Produtos Químicos (ver item 8.5 para 10
maiores informações)
ARIN PIPE Linhas de Ar para Instrumentos (ver item 11
8.5 para maiores informações)
HCGA PIPE Linhas de Hidrocarbonetos Gasosos (ver 18
item 8.5 para maiores informações)
HCLI PIPE Linhas de Hidrocarbonetos Líquidos (ver 27
item 8.5 para maiores informações)
PLAT STRU Plataformas, escadas e acessos. 04
STWK STRU Estruturas Metálicas 20
HS STRU Suportes de Tubulação 20
ESTA EQUI Equipamentos Estáticos 12
DINA EQUI Equipamentos Dinâmicos 14
CIVI STRU Estruturas de Concreto 13
INST ALL Itens de Instrumentação em Geral 19
ELET ALL Itens de Elétrica em Geral 21
RUA STRU Ruas, guias e itens de pavimentação. 46
PISO STRU Pisos e Calçadas 57
SAFE EQUI Equipamentos de Segurança 12
PACK ZONE Pacote de Equipamentos 13
MPRO ALL 31
TERR STRU Terreno 28
APIS ALL Área reservadas para estudos API. 51
FUTU ALL Implementações futuras 35
VPLT STRU Estruturas de fornecimento de terceiros 30
* Cores de exportação para o Review
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 21 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
31 32 33 34 35 36 37 38 39 40
41 42 43 44 45 46 47 48 49 50

Nota: Os Itens com atributo PURPOSE VPLT deverão ser utilizados para
equipamentos de fornecimento de Terceiros e ser modelados nos Bancos de Dados de
Equipamentos, porém não deverão constar no Relatório de Materiais.

8.6. Tabela de Associação de Fluidos com PURPOSES das Tubulações

Classe do Fluido Sigla Purpose da Cor do


Tubulação Review

Acetona AE QUIM 10
Condensado Ácido CA QUIM 10
Gás Ácido, Gás HS QUIM 10
Sulfídrico
Esgoto Ácido EA AGUA 05
Ácido AC QUIM 10
Acrilonitrila NA QUIM 10
Amônia AN QUIM 10
Álcool Anidro AA QUIM 10
Asfalto AT HCLI 27
Gasolina de GV HCLI 27
Aviação
Querosene de QA HCLI 27
Aviação
Benzeno BZ HCLI 27
Butadieno BD HCLI 27
Butano BU HCLI 27
Buteno BT HCLI 27
Catalisador CL QUIM 10
Catalisador de GRR HCGA 18
Regeneração de
Gás
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 22 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

Esgoto Cáustico EC AGUA 05


Soda Cáustica SC QUIM 10
Químicos e QL QUIM 10
Solventes
Condensado com C&& AGUA 05
&&
Água para AR AGUA 05
Resfriamento
(Doce)
Água para AM AGUA 05
Resfriamento
em Máquinas
Cumeno CM QUIM 10
Dicloro Etano DE QUIM 10
Diesel DS HCLI 27
Dietanol Amina DA QUIM 10
(DEA)
Querosene QD HCLI 27
Diluente
Nafta Diluente ND HCLI 27
Etanol EO HCGA 18
Etil Benzeno EB HCLI 27
Eteno ET HCGA 18
Etileno Glicol EL QUIM 10
Água para AF INCE 02
Combate a
Incêndio
Espuma ES INCE 02
Líquido Gerador de LGE INCE 02
Espuma (Extrato)
Gás Combustível GC HCGA 18
Óleo Combustível OC HCLI 27
Gasóleo GS HCLI 27
Gasolina B GB HCLI 27
Gasolina, Gasolina GA HCLI 27
A
Álcoois em Geral AL QUIM 10
Hidrocarbonetos HC HCLI 27
Nafta Pesada NH HCLI 27
Hexano HX HCLI 27
Álcool Hidratado AH QUIM 10
Fluido Hidráulico FH HCLI 27
Hidrogênio HD QUIM 10
Gás Inerte GI QUIM 10
Ar Comprimido de AI ARIN 11
Instrumento
Querosene QE HCLI 27
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 23 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

Chumbo Tetraetila CT QUIM 10


Nafta Leve NL HCLI 27
Querosene de QI HCLI 27
Iluminação
Gás Natural GNL HCLI 27
Liquefeito
GLP GL HCLI 27
Óleo Lubrificante OL HCLI 27
Meta-Xileno MX QUIM 10
Metanol ME QUIM 10
Gás Natural com G&& HCGA 18
&&
Nitrogênio N2 QUIM 10
NFM Drains Amine NMD QUIM 10
Produtos Químicos PQ QUIM 10
Não Especificados
Lastro de Petroleiro LP AGUA 05
Água Oleosa AO AGUA 05
Orto-Xileno RX QUIM 10
Oxigênio O2 ARCO 07
Para-Dietel- PDEB HCLI 27
Benzene Sewer
Para-Xileno PX HCLI 27
Pentano PT HCLI 27
Nafta Petroquímica NP HCLI 27
Petróleo PE HCLI 27
Agua Potável AP AGUA 05
Água Polida AQ AGUA 05
Propano PR HCLI 27
Propeno PP HCLI 27
Propileno Glicol PG QUIM 10
Água Bruta (Doce) AB AGUA 05
Óleos Orgânicos OO HCLI 27
Renováveis, exceto
Óleo Vegetal
Gás de Retortagem GR HCGA 18
Dietanol Amina DR QUIM 10
Rica
Água Salgada AG AGUA 05
(Inclusive para
Resfriamento)
Esgoto Sanitário EG AGUA 05
Ar Comprimido de AS 07
Serviço
Óleo de Xisto OX HCLI 27
Borra (de Petróleo, BX HCLI 27
de Xisto, de
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 24 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

Hidrocarboneto em
Geral)
Solvente contendo QB QUIM 10
mais do que 1% de
Butadieno 1.3
Água para Geração AV AGUA 05
de Vapor
Estireno ER HCLI 27
Enxofre EN QUIM 10
Tolueno TL HCLI 27
Óleo Vegetal OV HCLI 27
Poli-Acetato de PVC QUIM 10
Vinila
Água para Uso AD AGUA 05
Industrial
Gás D’Água GD VAPR 08
Vapor com && V&& VAPR 08
Dietanol Amina DP QUIM 10
Pobre

8.6.1 Níveis de Representação do Modelo


Tipo de
Disciplina Tipo de Volume Obstrução Faixas dos Níveis
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Detail Hard (2) 2 10
Insulation Soft (1) 7 10
Mecânica Obstruction Hard (2) 8 10
Negative Hard (2) 2 10
Reserved Space Soft (1) 8 10
No-Obstruction None (0) 2 10

SCTN/GENSEC Hard (2) 2 10


Fittings Hard (2) 6 10
Estruturas Joints Hard (2) 6 10
Insul/Fireproofing Soft (1) 7 10
Obstruction Hard (2) 8 10

Detail Hard (2) 2 10


Obstruction Hard (2) 8 10
Plataformas, Escadas e Negative Hard (2) 8 10
Acessos Reserved Space Soft (1) 8 10
No-Obstruction None (0) 2 10

Detail Hard (2) 2 10


Obstruction Hard (2) 8 10
Paredes e Pisos Negative Hard (2) 2 10
Reserved Space Soft (1) 8 10
No-Obstruction None (0) 2 10
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 25 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

Detail Hard (2) 2 10


Fittings Hard (2) 6 10
Civil Obstruction Hard (2) 8 10
Negative Hard (2) 2 10
Reserved Space Soft (1) 8 10
No-Obstruction None (0)

Detail Hard (2) 2 10


Tubulação, Bandejas e HVAC Insulation Soft (1) 2 10
Obstruction Hard (2) 8 10
Reserved Space Soft (1) 8 10
Instrumentação Detail Hard (2) 7 10

Por exemplo:

A Disciplina de Estruturas Metálicas no Nível 5 terá uma representação simples. Os


Níveis 2-4 podem ser usados para representar a inclusão de elementos com menos
detalhes, como por exemplo, primitivas básicas para representação de objetos.

Estruturas no Nível 6 mostrarão maiores detalhes como elementos de ligação. Já


no Nível 7 serão representados isolamentos e “Fire proofing”.

8.7. Civil
8.7.1 Instruções Gerais
Todas as estruturas de concreto devem ser representadas, sejam elas pisos,
estacas, blocos de fundação, superestruturas, ruas e acessos, casas de bombas, salas de
controle, subestações, casa de compressores, drenagens, envelopes elétricos, etc.

8.7.2 Hierarquia Básica e Nomenclaturas


NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 26 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

Zone: /unit-CIV/type - Tipo de Elemento


Strut: /tag - Tag ou nome do elemento
Frmw: /tag/strut-group - Subgrupo dos elementos estruturais
Subs: /tag/primit-group - Subgrupo das primitivas geométricas (opcional)

IMPORTANTE: Todos os Elementos de Concreto deverão ser modelados


como “STRU” e não como “EQUI”.

Os Elementos do tipo “STRU” tem seu armazenamento mais organizado na


hierarquia, além de utilizarem catálogos e especificações de concreto.
A origem da “STRU” devem ser definidas no topo do elemento de concreto relativa
a Base, assim ele fornecerá as cotas para sua locação nos desenhos. A criação de
primitivas geométricas também é possível se criadas abaixo de uma Subestrutura.

Exemplo:

ZONE /U-2200-CIV/BASES
STRU /P-2200001A/BASE
FRMW
PANE
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 27 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

Para criação de edificações específicas ou áreas, deverão ser seguidas as


estruturas hierárquicas demonstradas abaixo, onde “TAG_EDIFICACAO” representam o
código de cada edificação:

ZONE /U-2200-CIV/EDIFICACOES
STRU /TAG_EDIFICACAO
FRMW /TAG_EDIFICACAO /PAREDES
STWALL

Exemplo:

ZONE /U-6821-CIV/EDIFICACOES
STRU /U-6821-003
FRMW /U-6821-003/COLUNAS/NW

8.7.3 Limites de Bateria


Os Limites de Bateria de cada Unidade deverão ser modelados como “Boundaries”
(BOUN). O elemento BOUN deverá estar em uma ZONE com o atributo PURPOSE
preenchido como BLIN. O elemento BOUN deverá ser posicionado 10 mm acima do ponto
mais alto do piso, assim o piso não irá sobrepor a visualização do Limite de Bateria. A zona
proprietária deste elemento deve pertencer a um SITE de Civil ou Equipamentos.

SITE /U-2200-CIV

ZONE /U-2200-CIV/LIMITE_BATERIA

BOUN / U-2200-LIMITE_BATERIA

POIN

POIN

POIN
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 28 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

8.7.4 Estrutura e Nomenclatura das Zones de Civil


/unidade-CIV/TIPO

Unidade – Unidade Atual


Tipo – Tipo de Equipamento

Para estruturas que não fazem partes de equipamentos, exemplos:

/U-2200-CIV/ESCADAS
/U-2200-CIV/PLATAFORMAS
/U-2200-CIV/SUP-ESPECIAL
/U-2200-CIV/PIPE-RACK

/unidade-CIV/tag-CONCRETO
Unidade – Unidade Atual
Tag – Tag do Equipamento

Para qualquer tipo de estrutura de concreto interligada ao equipamento, exemplos:

/U-2100-CIV/V-2101001-CONCRETO
/U-2100-CIV/D-9101001-CONCRETO

8.7.5 Nomenclatura de “STRU” de Concreto


A STRU deverá ser posicionada dentro da unidade, na base da coluna ou no ponto
de origem do equipamento relacionado à estrutura.

/unidade-CIV/tag - Tag do Elemento Civil


Exemplos:

/U-2200-CIV/V-2201001-CONCRETO
/U-2200-CIV/PIPE-RACK_NS
/U-6821-CIV/SE-6821

/tag/subtipo/EL.nnnn

Tag - Tag do equipamento


NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 29 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

Subtipo - Tipo do elemento estrutural. PLAT (Plataformas) ou STA (Escadas)


nnnn - Elevação do Subtipo

A Elevação deverá estar relacionada ao piso da unidade.

Exemplos:

/T-9101001/PLAT/EL.4000
/T-9101001/STA/EL.6400

Nomes dos Frameworks (FRMW) de Concreto

A estrutura de concreto deverá ser organizada dentro de estruturas (STRU),


baseada no topo da Elevação da Estrutura de Concreto. A STRU deverá conter apenas os
elementos da mesma Elevação. Uma STRU diferente deverá ser criada para as colunas.

ZONE /U-6821-CIV/PIPE_RACK-NS
STRU /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS / EL.19000
FRMW /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS / EL.19000/VIGAS
FRMW /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS / EL.19000/NOS
STRU /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS / COLS
FRMW /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS / COLS/CL-A
SBFR /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS / COLS/CL-A/SBFR
SCTN /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS /A/1/A
SCTN /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS /A/1/B

Valores do atributo PURPOSE para STRU:


Purpose Elementos STRU
LEVL Nível do Pipe Rack
BLDG Edificações
COLS Colunas
BENT Contraventamentos
CIVI Estruturas de Concreto
EFDN Fundações (Estruturas)
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 30 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

PISO Pisos e Calçadas


RUA Ruas e Pavimentação
SFDN Fundações (Estruturas)
TERR Piso Bruto e Terreno

Valores do atributo PURPOSE para FRMW:


Purpose Elementos FRMW
BEAM Vigas
COLS Colunas
NODE Nós Primários
BENT Contraventamentos
WALL Paredes
ROOF Telhados
FLRS Pisos

Não é necessário taguear elementos do tipo SCTN, exceto colunas, que neste caso
devem ser tagueadas.

Coluna (SCTN)

/unidade-CIV/descrição/coluna/linha

Nota: Em caso de edificações significativas, use o próprio tag da edificação


para nomear o elemento.

Unidade – Unidade Atual


Descrição – Estrutura/Identificação
Coluna – Eixo da coluna no sentido norte e sul
Linha – Eixo da coluna no sentido leste e oeste

Exemplos:

SCTN /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS /A/1


SCTN /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS /A/2

Se alguma coluna tiver membros de tamanhos diferentes, ele deverá ser modelado
em um SBRF (subframework). Adicione uma letra sequencial ao elemento SCTN.

Exemplos:
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 31 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

SBFR /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS/SBFR


SCTN /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS /A/1
SCTN /U-6821-CIV/ PIPE_RACK-NS /A/2

8.8. Estruturas Metálicas

8.8.1 Instruções Gerais


Todas as estruturas deverão ser representadas com identificação, tipo e
especificação (CSN, AISC, etc.).

Para plataformas e escadas deverão ter identificação, tag do equipamento e


elevação correspondente (no caso de escadas será a elevação da base).

8.8.2 Hierarquia Básica e Nomenclaturas

8.8.3 Estrutura e Nomenclatura das Zones de Estruturas Metálicas


/unidade-EST/tipo

Unidade – Unidade Atual


Tipo – Tipo de Estrutura

Para estruturas que não fazem parte de equipamentos, seguem os exemplos:

/U-2200-EST/ESCADAS
/U-2200-EST/PLATAFORMAS
/U-2200-EST/SUP-ESPECIAIS
/U-2200-EST/PIPE-RACK
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 32 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

/unidade-EST/tag-METALICA

Unidade – Unidade Atual


Tag – Tag do equipamento

Para qualquer tipo de estrutura conectada a um equipamento, seguem os


exemplos:

/U-2200-EST/V-2201001-METALICA
/U-2200-EST/D-2201001-METALICA

8.8.4 Hierarquia e Nomenclatura de STRU


O STRU deverá estar posicionado dentro da unidade, na base da coluna ou no
ponto de origem do equipamento ao qual ele está relacionado.

/unidade-EST/tag

Unidade – Unidade Atual


Tag – Tag do elemento estrutural
Exemplos:

/U-2200-EST/PIPE-RACK_NS

/tag/subtipo/EL.nnnn

Tag – Tag do equipamento


Subtipo – Tipo do elemento estrutural: PLAT (plataformas) ou STA (escadas)
nnnn – Elevação do Subtipo

A elevação deverá ser absoluta (em relação ao 0 do Projeto), exemplos:

/TQ-2201001/PLAT/EL.20.245
/V-2205001/PLAT/EL.19.960

Nomenclatura dos Frameworks (FRMW)


NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 33 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

As Estruturas metálicas deverão ser organizadas dentro de uma STRU baseada na


elevação do topo da estrutura (TOS). A STRU deverá conter apenas membros da mesma
elevação ou contraventamentos relacionados a esse nível. Deverá ser criada uma STRU
separada para cada coluna.

ZONE U-2315-EST/PROC-BLDG
STRU U-2315-EST/ PROC-BLDG / EL.19000
FRMW U-2315-EST/ PROC-BLDG / EL.19000/PSTL
FRMW U-2315-EST/ PROC-BLDG / EL.19000/SSTL
FRMW U-2315-EST/ PROC-BLDG / EL.19000/TSTL
FRMW U-2315-EST/ PROC-BLDG / EL.19000/VBRC
FRMW U-2315-EST/ PROC-BLDG / EL.19000/HBRC
FRMW U-2315-EST/ PROC-BLDG / EL.19000/NODES
STRU U-2315-EST/ PROC-BLDG / COLS
FRMW U-2315-EST/ PROC-BLDG / COLS/CL-A
SBFR U-2315-EST/ PROC-BLDG / COLS/CL-A/SBFR
SCTN U-2315-EST/PROC-BLDG/A/1/A
SCTN U-2315-EST/PROC-BLDG/A/1/B
STRU U-2315-EST/ PROC-BLDG / GIRT-EL.25000
FRMW U-2315-EST/ PROC-BLDG / GIRT- EL.25000/HG
FRMW U-2315-EST/ PROC-BLDG / GIRT- EL.25000/VP
FRMW U-2315-EST/ PROC-BLDG / GIRT- EL.25000/OR

Nota: Em caso de edificações significativas, utilizar o próprio tag para nomeá-


la.

Valores do atributo PURPOSE para STRU:


Purpose Elementos STRU
LEVL Nível do Pipe Rack
BLDG Edificações
COLS Colunas
BENT Contraventamentos
VBRC Contraventamentos Verticais
HBRC Contraventamentos Horizontais

Valores do atributo PURPOSE para FRMW:

Purpose Elementos FRMW


PSTL Estruturas Primarias
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 34 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

SSTL Estruturas Secundarias


TSTL Estruturas Terciárias
VBRC Contraventamentos Verticais
HBRC Contraventamentos Horizontais
COLS Colunas
NODE Nós Primários
BENT Contraventamentos
HG Estabilizadores Horizontais
VP Postes Verticais
OR Estabilizadores
Não é necessário nomear os SCTN, exceto colunas que requerem tag.

Coluna (SCTN)

/unidade-EST/descrição/coluna/linha

Unidade – Unidade Atual


Descrição – Identificação da Edificação/Pipe-Rack
Coluna – Eixo da coluna no sentido norte e sul
Linha – Eixo da coluna no sentido leste e oeste

Exemplos:

U-2200-EST/PROC-BLDG/A/1
U-2200-EST/PROC-BLDG/A/2

Se alguma coluna tiver membros de tamanhos diferentes, ele deverá ser modelado
em um SBRF (subframework). Adicione uma letra sequencial ao elemento SCTN.

Exemplos:

SBFR /U-2200-EST/PROC-BLDG/SBFR
SCTN /U-2200-EST/PROC-BLDG/A/1/A
SCTN /U-2200-EST/PROC-BLDG/A/1/B

8.8.5 Nomenclatura de STRU para Plataformas e Escadas


/tag/subtipo/EL.nnnn

Tag – Tag do Equipamento


NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 35 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

Subtipo – Tipo do elemento estrutural. PLAT (Plataforma), STA (Escadas


Inclinadas) e LAD (Escadas Marinheiro).
nnnn – Elevação do Subtipo.

A elevação deverá ser absoluta (em relação ao 0 do Projeto). Exemplos:

/TQ-2201001/PLAT/EL.20.245
/V-2205001/PLAT/EL.19.960

IMPORTANTE: Para tags de equipamentos, use os procedimentos descritos


no item 8.9.3.

As plataformas deverão ser modeladas conforme as especificações da


PETROBRAS contidas na Norma N-279 Rev. E. A PETROBRAS fornece customização do
PDMS para modelagem conforme este padrão, na customização APR.

As estruturas que serão modeladas automaticamente por este aplicativo são as


seguintes:

- Escadas marinheiro (saída frontal e lateral)


- Escadas Inclinadas
- Plataformas Lineares
- Plataformas Circulares
- Plataformas em L
- Perfis ou fixação de Plataformas circulares de Vasos

Plataformas que não estão incluídas no grupo citado acima, deverão ser modeladas
utilizando as especificações e hierarquia idênticas das modeladas com o aplicativo
fornecido. Cada plataforma deverá ser uma STRU.

Em caso de plataformas na mesma elevação, adicionar um sequencial no final do


tag. Exemplos:

/T-2201001/PLAT/EL.26200A
/T-2201001/PLAT/EL.26200B

Escadas inclinadas e marinheiro associadas a edificações deverão ser criadas


abaixo de uma ZONE com nomenclatura similar ao tag da edificação.

Exemplos:
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 36 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

/U-2200-EST/TAG-EDIFICACAO/ESCADAS

8.9. Equipamentos
8.9.1 Hierarquia básica e nomenclaturas

8.9.2 Zone
/unidade-EQU/tipo

Unidade – Unidade Atual


Tipo – Tipo de Equipamento

Exemplos:

/U-2200-EQU/VASOS
/U-2200-EQU/BOMBAS
/U-2200-EQU/TORRES
/U-2200-EQU/PERMUTADORES
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 37 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

8.9.3 Equi
O tag do Equipamento deve estar de acordo com a norma N-1521 – Identificação de
Equipamentos Industriais.

Tag - Tag do Equipamento

Deve estar de acordo com a Folha de Dados do Equipamento ou Fluxograma de


Engenharia.

C1-C2n

Onde:
C1 - Prefixo Indicativo do Equipamento
C2 - (Unidade + Sequencial) Número do Equipamento
N - Letra adicional para equipamentos de mesmo tag.

Exemplos:

/V-2215001A

Onde:
V - Prefixo indicativo para vasos
2215001 - Número do Equipamento (Unidade + Sequencial)
A - Letra Sequencial

Equipamentos que estão associados a um equipamento maior (exemplos: motor,


agitador, ventiladores, etc.) que tem um tag único, deverão ser modelados como um SUBE
do equipamento ao qual está associado.

Exemplo 1:

Um motor elétrico (M) de uma bomba de tag B-6210002B deverá se encontrar na


hierarquia da imagem abaixo:

/M-B-6210002
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 38 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

EQUI /B-6210002B

SUBE /M-B-6210002B

Primitivas

SUBE /B-6210002B/BOCAIS

NOZZ

SUBE /B-6210002B/EQUI

Primitivas

Exemplo 2:

A Turbina de um Gerador Elétrico de tag GE-514001 deve ser encontrada dentro de


um subequipamento como mostrado a seguir:

/TS-GE-5140001

8.9.4 Bocais
/tag/tag_do_bocal

Tag – Tag do equipamento


Tag_do_bocal – Tag do equipamento

Deve estar de acordo com a Folha de Dados do Equipamento ou Fluxograma de


Engenharia.

C1-C2n/bocal

Onde:
C1 - Prefixo indicativo do equipamento.
C2 - Número do Equipamento.
n - Letra adicional para equipamentos de mesmo tag.
NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 39 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

bocal - número e letra indicativa do bocal.

Exemplo:

/V-2210001A/4B

Onde:
4B – Tag do Bocal

8.9.5 SUBE
/tag/subdivisão - Subdivisão do equipamento em grupos de elementos:

/T-2101001/BOCAIS
/T-2101001/CORPO
/T-2101001/SUPORTES
/T-2101001/OBST

8.9.6 Espaços reservados para manutenção e operação


Todas as áreas reservadas para manutenção e operação dos equipamentos, rotas
de fuga e espaços para movimentação de carga, deverão ser representadas antes da
modelagem das tubulações por “boxes” ou “primitivas”, as quais deverão ter seus atributos
identificados para tal. Exemplos

 Área de acesso para máquinas para retirada e manutenção de equipamentos;


 Espaço para manutenção e manuseio de carga;
 Espaço para rotas de fuga;
 Volumes para identificação de áreas classificadas;
 Espaço para operação de painéis, válvulas de controle, caixas de junção e operação
de instrumentos;
 Equipamentos futuros deverão ter seu volume representado.

Estas áreas deverão ser modeladas com o nível de representação “Volume


Obstruction” e deverão estar posicionadas em uma hierarquia SUBE ou SUBS, contidas
dentro de um EQUI ou uma STRU, nomeadas da seguinte forma:

/nome do EQUI ou STRU/OBST


NO REV.
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-5400.00-1230-940-PEI-302 A
PROGRAMA FOLHA:
PLANO DIRETOR ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE SANTOS – ROTA 3 40 de 40
TÍTULO:
NP-1
CRITÉRIOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS
PRGE / ENG

8.9.7 Pacotes de Equipamentos (Fornecimento Externo)


Pacotes de Equipamentos ou Skids de fornecimento de terceiros, deverão ser
representados e estar posicionados em uma ZONE específica. Esta ZONE deverá ser
nomeada com o tag do Pacote. Cada equipamento tagueado deverá ser modelado como
um SUBE seguindo os critérios da Norma N-1521. O PURPOSE do EQUI deve ter o valor
PACK. Esta mesma ZONE deverá conter as estruturas associadas ao equipamento
(Plataformas, acessos, escadas e skids) caso aplicável.

Exemplo:

UT-5331103

ZONE /U-5331-EQU/UT-5331103
EQUI /UT-5331103
SUBE /FT- UT-5331103A
SUBE /FT- UT-5331103B
SUBE /V- UT-5331103A
SUBE /V- UT-5331103B
SUBE /B- UT-5331103A
CYLI /M-B- UT-5331103A
SUBE /B- UT-5331103B
CYLI /M-B- UT-5331103B
STRU /UT-5331103/PLAT/EL.10500
STRU /UT-5331103/LADD/EL.10500
ANEXO 1 - ATRIBUTOS DE PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO

NOME DO ATRIBUTO IMPORTADO DA


DISCIPLINA ELEMENTO DESCRIÇÃO
NO PDMS FERRAMENTA CAE/CAD
Tubulação PIPE NAME Tag (identificação do equipamento) X
Tubulação PIPE PURPose Propósito associado ao fluido X
Tubulação PIPE :SIAP_BR_001 Planta
Tubulação PIPE :SIAP_BR_002 Revisão da Planta
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_013 Fluxograma PID X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_028 Revisão do fluxograma (PID) X
Tubulação PIPE :SIAP_PIPEISO Isométrico de Engenharia
Tubulação PIPE :SIAP_BR_004 Revisão do isométrico de Engenharia
Tubulação PIPE :SIAP_BR_003 Necessidade de Análise de Flexibilidade X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_002 Temperatura de Operação X
Tubulação PIPE TEMPERATURE Temperatura de Operação X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_003 Pressão de Operação X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_004 Temperatura de Projeto X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_005 Pressão de projeto X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_006 Pressão hidrostática X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_007 Pressão pneumática X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_008 Espessura isolamento X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_012 Condição de pintura X
Tubulação PIPE :SIAP_PID_032 Serviço especial X
Tubulação PIPE :SIAP_PID_036 Tipo de Isolamento Térmico X
Tubulação PIPE :SIAP_PID_039 Tipo do traço de vapor X
Tubulação PIPE :SIAP_SOP Sistema Operacional (Preencher com o SSOP) X
Tubulação PIPE :SIAP_STH Sistema de teste hidrostático X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_011 Classe de inspeção X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_009 Tratamento térmico X
Tubulação PIPE :SIAP_ISO_010 Aquecimento a vapor X
Tubulação PIPE :SIAP_PID_015 Tubulação encamisada X
Tubulação PIPE :SIAP_PID_017 Limpeza com Vapor X
Tubulação SPLDRG / SPOOL :SIAP_SOP Sistema Operacional X
Tubulação SPLDRG / SPOOL :SIAP_STH Sistema de teste hidrostático X
Tubulação SPLDRG / SPOOL :SIAP_SPISO Isométrico de fabricação
Tubulação SPLDRG / SPOOL :SIAP_BR_004 Revisão do Isométrico de fabricação
Tubulação SPLDRG / SPOOL :SIAP_FIELD Tipo de Spool (dreno, vent, tomada, campo ou spool)
Tubulação SPLDRG / SPOOL :SIAP_HOLD Status Hold de fabricação
Tubulação SPLDRG / SPOOL :SIAP_SINET Código sinetado no spool
Tubulação SPLDRG / SPOOL :SIAP_SPLNUMB Número do Spool
Tubulação SPLDRG / SPOOL :SIAP_PID_048 Comprimento do Isolamento Térmico
Tubulação IWELD / RWELD / IJOINT / AWELD :SIAP_SCH Schedule
Tubulação FIELD / IWELD / AWELD / RWELD / IJOINT :SIAP_SPLNUMB Número do Spool
Tubulação IWELD / RWELD / IJOINT / AWELD :SIAP_WLDBORE Diâmetro da solda
Tubulação IWELD / RWELD / IJOINT / AWELD :SIAP_WLDCP Solda em campo ou pipe shop (Controltub)
Tubulação IWELD / RWELD / IJOINT / AWELD :SIAP_WLDCT Solda em conexão ou tubo (Controltub)
Tubulação WELD :SIAP_WLDMAN Solda manual
Tubulação RWELD :SIAP_WLDPT+C13 Se solda é ponteada
Tubulação WELD :SIAP_WLDRULE Regra da solda automática
Tubulação IWELD / RWELD / IJOINT / AWELD :SIAP_WLDTYPE Tipo da solda
Tubulação AWELD / IWELD / RWELD / WELD :SIAP_WLDREF Solda de Reforço
Tubulação ATTA :SIAP_SUP_012 Referência do suporte
Equipamentos Dinâmicos EQUI NAME Tag (identificação do equipamento) X
Equipamentos Dinâmicos EQUI DESCription Tipo do Equipamento X
Equipamentos Dinâmicos EQUI PURPose Propósito X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_AREA Área física (Subdivisão da Unidade)
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_BR_001 Planta
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_ISO_013 Fluxograma PID X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_006 Desenho de Referência X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_008 Documento de Referência X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_ISO_028 Revisão do fluxograma (PID) X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_007 Revisão do Desenho de Referência X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_009 Revisão do Documento de Referência X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_ISO_002 Temperatura de Operação X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_ISO_003 Pressão de Operação X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_ISO_004 Temperatura de Projeto X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_ISO_005 Pressão de projeto X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_ISO_006 Pressão hidrostática X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_ISO_012 Condição de pintura X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_012 Equipamento certificado X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_013 Fabricante X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_018 Material X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_023 Peso Vazio X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_024 Pressão de Descarga X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_025 Pressão de Sucção X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_027 Pressão Interna X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_040 Vazão X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_SOP Sistema Operacional (Preencher com o SSOP) X
Equipamentos Dinâmicos EQUI :SIAP_PID_014 Fluido X
Equipamentos Dinâmicos Bocal NAME Tag de identificação do bocal X
Equipamentos Dinâmicos Bocal PPBORE Diâmetro (Pol) do Bocal X
Equipamentos Dinâmicos Bocal CATREF Classe de Pressão / Tipo de Face do Bocal X
Equipamentos Dinâmicos Bocal ::SIAP_PID_014 Fluido do Bocal X
Equipamentos Dinâmicos Bocal ::SIAP_PID_047 Estado físico do fluido X
Equipamentos Dinâmicos Bocal :SIAP_PID_001 Bocal Certificado X
Equipamentos Dinâmicos Bocal :SIAP_PID_002 Bocal Conectável X
Equipamentos Dinâmicos Bocal :SIAP_PID_011 Elevação do Bocal X
Equipamentos Dinâmicos Bocal :SIAP_PID_020 Orientação do Bocal X
Equipamentos Dinâmicos Bocal :SIAP_PID_049 Projeção do Bocal X
Equipamentos Dinâmicos Dreno / Vent / Fechamento / Instrumento :SIAP_ACS_001 Tag do equipamento associado X
Equipamentos Estáticos EQUI NAME Tag (identificação do equipamento) X
Equipamentos Estáticos EQUI DESCription Tipo do Equipamento X
Equipamentos Estáticos EQUI PURPose Propósito X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_AREA Área física (Subdivisão da Unidade)
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_BR_001 Planta
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_ISO_013 Fluxograma PID X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_006 Desenho de Referência X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_008 Documento de Referência X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_003 Classe do Equipamento de acordo NR-13 X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_ISO_028 Revisão do fluxograma (PID) X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_007 Revisão do Desenho de Referência X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_009 Revisão do Documento de Referência X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_ISO_002 Temperatura de Operação X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_ISO_003 Pressão de Operação X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_ISO_004 Temperatura de Projeto X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_ISO_005 Pressão de projeto X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_ISO_006 Pressão hidrostática X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_ISO_008 Espessura isolamento X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_036 Tipo de Isolamento X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_ISO_012 Condição de pintura X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_012 Equipamento certificado X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_013 Fabricante X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_018 Material X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_021 Peso Cheio X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_022 Peso Teste Hidrostático X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_023 Peso Vazio X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_026 Pressão Externa X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_027 Pressão Interna X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_028 Pressão Máxima de Trabalho Admissível X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_032 Serviço especial X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_042 Volume do Equipamento X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_SOP Sistema Operacional (Preencher com o SSOP) X
Equipamentos Estáticos EQUI :SIAP_PID_014 Fluido X
Equipamentos Estáticos Bocal NAME Tag de identificação do bocal X
Equipamentos Estáticos Bocal PPBORE Diâmetro (Pol) do Bocal X
Equipamentos Estáticos Bocal CATREF Classe de Pressão / Tipo de Face do Bocal X
Equipamentos Estáticos Bocal :SIAP_PID_014 Fluido do Bocal X
Equipamentos Estáticos Bocal :SIAP_PID_047 Estado físico do fluido X
Equipamentos Estáticos Bocal :SIAP_PID_001 Bocal Certificado X
Equipamentos Estáticos Bocal :SIAP_PID_002 Bocal Conectável X
Equipamentos Estáticos Bocal :SIAP_PID_011 Elevação do Bocal X
Equipamentos Estáticos Bocal :SIAP_PID_020 Orientação do Bocal X
Equipamentos Estáticos Bocal :SIAP_PID_049 Projeção do Bocal X
Equipamentos Estáticos Dreno / Vent / Fechamento / Instrumento :SIAP_ACS_001 Tag do equipamento associado X
Elétrica/Telecom EQUI / STRU / PIPE NAME Tag (identificação do elemento) X
Elétrica/Telecom EQUI / STRU / PIPE DESCription Tipo do elemento X
Elétrica/Telecom EQUI / STRU / PIPE PURPose Propósito X
Elétrica/Telecom EQUI / STRU / PIPE :SIAP_AREA Área física (Subdivisão da Unidade)
Elétrica/Telecom EQUI / STRU / PIPE :SIAP_BR_001 Planta
Elétrica/Telecom EQUI / STRU / PIPE :SIAP_BR_002 Revisão da Planta
Elétrica/Telecom EQUI / STRU :SIAP_PID_006 Desenho de Referência (fabricante) X
Elétrica/Telecom EQUI / STRU :SIAP_PID_007 Revisão do Desenho de Referência X
Elétrica/Telecom EQUI :SIAP_PID_008 Documento de Referência (diagrama) X
Elétrica/Telecom EQUI :SIAP_PID_009 Revisão do Documento de Referência X
Elétrica/Telecom EQUI :SIAP_PID_004 Classificação de área (Ex: Z2-GIIC-T3-Gc) X
Elétrica/Telecom EQUI :SIAP_PID_041 Tensão Nominal X
Elétrica/Telecom EQUI :SIAP_PID_044 Potência Nominal X
Elétrica/Telecom EQUI :SIAP_SOP Sistema Operacional (Preencher com o SSOP) X
Instrumentação EQUI / STRU / INST / VALV NAME Tag (identificação do elemento) X
Instrumentação EQUI / STRU / INST / VALV DESCription Tipo do elemento X
Instrumentação EQUI / STRU / INST / VALV PURPose Propósito X
Instrumentação EQUI / STRU / INST / VALV :SIAP_AREA Área física (Subdivisão da Unidade)
Instrumentação EQUI / STRU / INST / VALV :SIAP_BR_001 Planta
Instrumentação EQUI / STRU / INST / VALV :SIAP_BR_002 Revisão da Planta
Instrumentação EQUI / STRU / INST / VALV :SIAP_PID_006 Desenho de Referência (fabricante) X
Instrumentação EQUI / STRU / INST / VALV :SIAP_PID_007 Revisão do Desenho de Referência X
Instrumentação EQUI / INST / VALV :SIAP_PID_008 Documento de Referência (diagrama) X
Instrumentação EQUI / INST / VALV :SIAP_PID_009 Revisão do Documento de Referência X
Instrumentação EQUI / INST / VALV :SIAP_PID_004 Classificação de área (Ex: Z2-GIIC-T3-Gc) X
Instrumentação EQUI / INST / VALV :SIAP_PID_041 Tensão Nominal X
Instrumentação EQUI / INST / VALV :SIAP_PID_044 Potência Nominal X
Instrumentação EQUI / INST / VALV :SIAP_SOP Sistema Operacional (Preencher com o SSOP) X
Instrumentação EQUI / INST / VALV :SIAP_PID_032 Serviço Especial X
Instrumentação EQUI / INST / VALV :SIAP_PID_033 Tag da malha X
Instrumentação EQUI / INST / VALV :SIAP_PID_035 Tipo (do instrumento ou da válvula) X
Instrumentação EQUI / INST / VALV :SIAP_PID_037 Tipo de Serviço Especial X
Instrumentação EQUI / INST / VALV :SIAP_PID_038 Tipo de Sinal X
Civil STRU NAME Tag (identificação do elemento) X
Civil STRU PURPose Propósito X
Civil STRU :SIAP_AREA Área física (Subdivisão da Unidade)
Civil STRU :SIAP_BR_001 Planta
Civil STRU :SIAP_BR_002 Revisão da Planta
Civil STRU :SIAP_PID_008 Documento de Referência X
Civil STRU :SIAP_PID_009 Revisão do Documento de Referência X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_001 Volume X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_002 Peso X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_003 FCK Estrutural X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_004 FCK Magro X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_005 Diâmetro X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_006 Comprimento estimado em solo X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_007 Cota de Arrasamento X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_008 Cota de Escavação X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN EQUI :SIAP_CIV_009 Peso da Armação X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_010 Largura X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_011 Comprimento X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_012 Altura X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_013 Escavação Mecânica do Solo X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_014 Peso Insert X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_015 Quantidade Chumbadores X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_016 Quantidade Inserts X
Civil FLOOR FRMW GENSEC PANE PIPE SCTN :SIAP_CIV_017 Tipo Chumbadores X
Estruturas Metálicas STRU NAME Tag (identificação do elemento) X
Estruturas Metálicas STRU PURPose Propósito X
Estruturas Metálicas STRU :SIAP_AREA Área física (Subdivisão da Unidade)
Estruturas Metálicas STRU :SIAP_BR_001 Planta
Estruturas Metálicas STRU :SIAP_BR_002 Revisão da Planta
Estruturas Metálicas STRU :SIAP_PID_008 Documento de Referência X
Estruturas Metálicas STRU :SIAP_PID_009 Revisão do Documento de Referência X
Segurança Industrial EQUI / STRU NAME Tag (identificação do elemento)
Segurança Industrial EQUI / STRU DESCription Tipo do elemento
Segurança Industrial EQUI / STRU PURPose Propósito
Segurança Industrial EQUI / STRU :SIAP_PID_008 Documento de Referência
Segurança Industrial EQUI / STRU :SIAP_PID_009 Revisão do Documento de Referência
Segurança Industrial EQUI / STRU :SIAP_AREA Área física (Subdivisão da Unidade)
Segurança Industrial EQUI / STRU :SIAP_BR_001 Planta de Segurança Industrial
Segurança Industrial EQUI / STRU :SIAP_BR_002 Revisão da Planta
Segurança Industrial EQUI :SIAP_SOP Sistema Operacional (Preencher com o SSOP)
HVAC EQUI / STRU / PIPE NAME Tag (identificação do elemento) X
HVAC EQUI / STRU / PIPE DESCription Tipo do elemento X
HVAC EQUI / STRU / PIPE PURPose Propósito X
HVAC EQUI / STRU / PIPE :SIAP_AREA Área física (Subdivisão da Unidade)
HVAC EQUI / STRU / PIPE :SIAP_BR_001 Planta
HVAC EQUI / STRU / PIPE :SIAP_BR_002 Revisão da Planta
HVAC EQUI / STRU :SIAP_PID_006 Desenho de Referência (fabricante) X
HVAC EQUI / STRU :SIAP_PID_007 Revisão do Desenho de Referência X
HVAC EQUI :SIAP_PID_008 Documento de Referência (diagrama) X
HVAC EQUI :SIAP_PID_009 Revisão do Documento de Referência X
HVAC EQUI :SIAP_PID_041 Tensão Nominal X
HVAC EQUI :SIAP_PID_044 Potência Nominal X
HVAC EQUI :SIAP_SOP Sistema Operacional (Preencher com o SSOP) X
ANEXO 2 - ÁREA RESERVADA PARA ELEMENTOS DE INSTRUMENTAÇÃO
ANEXO 3 - LISTA DE DOCUMENTOS DE AUTOMAÇÃO DE PROJETOS

DISCIPLINA TIPO DE DOCUMENTO CLASSE RESUMO SOFTWARE DE AUTORIA


Elétrica DE 700 Plantas, Cortes PDMS
Elétrica DE 781 Plantas, Cortes PDMS
Elétrica DE 782 Plantas de aterramento PDMS
Elétrica DE 797 Diagrama de interligação CAE
Elétrica DE 797 Arranjo PDMS
Elétrica DE 946 Diagramas unifilares, diagramas trifilares CAE
Elétrica FD 713 Transformadores CAE
Elétrica FD 714 Bancos de bateria CAE
Elétrica FD 726 Dutos de barramento CAE
Elétrica FD 728 Caixas de borne CAE
Elétrica FD 736 Bancos de capacitores CAE
Elétrica FD 741 Painéis CAE
Elétrica FD 742 Painéis de iluminação CAE
Elétrica FD 744 Painéis de CC CAE
Elétrica FD 746 Painéis de CA CAE
Elétrica FD 772 Painéis de conversores de frequência CAE
Elétrica FD 773 Carregadores de bateria CAE
Elétrica I-FD 712 Motores CAE
Elétrica LI 700 Lista de Cabos CAE
Listas de Bandejas CAE
Cabos Quantitativos de
I/O bandejamento: PDMS
Elétrica LI 700 Bobinas
Iluminação
Aterramento Comunicação
Distribuição de Força
Distribuição de Força
Elétrica LI 700 Software de materiais
Lista de Material de Leitos de Cabos
Elétrica LI 797 Lista de cabos PASE CAE
Lista de Material de Fibras
Elétrica LI 797 Software de materiais
e Conectores Típicos
Instrumentação DE 846 Diagrama de malhas, logico e interligação CAE
Instrumentação DE 887 Detalhes típicos de instalação - suportes CAE
Instrumentação DE 800 Típicos de instalação CAE
Típicos: CAE
Instrumentação DE 800 Arranjos, típicos e plantas
Plantas: PDMS
Instrumentação DE 855 Diagrama de interligação F&G CAE
Planta de locação de detectores
Instrumentação DE 855 PDMS
e encaminhamento de cabos
Instrumentação DE 855 Planta de locação de instrumentos PDMS
Instrumentação DE 860 Diagrama lógico, malha, interligação CAE
Instrumentação DE 861 Diagrama malha e interligação CAE
Instrumentação DE 862 Diagrama malha e interligação PES CAE
Instrumentação FD 841 Válvulas de alivio CAE
Instrumentação FD 855 Detectores de chama CAE
Instrumentação FD 811 Termômetros e poços CAE
Instrumentação FD 812 Transmissores de pressão CAE
Instrumentação FD 813 Placas de orifício CAE
Instrumentação FD 814 Visores de nível CAE
Instrumentação FD 831 Válvulas de controle CAE
Instrumentação FD 832 Válvulas de controle auto-operadas CAE
Instrumentação FD 833 Válvulas on-off motorizadas CAE
Instrumentação FD 835 Válvulas on-off auto-operadas CAE
Instrumentação I-FD 852 Folha de dados de analisador CAE
Instrumentação LI 800 Lista de cabos CAE
PDMS: Materiais
Instrumentação LI 800 Lista de material da Planta
modeláveis em 3D
Instrumentação LI 846 Lista de instrumentos, entrada e saída CAE
Lista de alarmes,
Instrumentação LI 855 Pontos de ajuste CAE
Encaminhamento
Instrumentação LI 860 Lista de cabos CAE
Lista de entrada e saída
Instrumentação LI 861 CAE
alarmes, pontos de ajuste
Lista de entrada e saída
Instrumentação LI 862 CAE
alarmes, pontos de ajuste
PDMS: Materiais
Instrumentação LI 880 Lista de materiais
modeláveis em 3D
Instrumentação LI 884 Lista de materiais Software de materiais
Instrumentação LI 885 Lista de materiais Software de materiais
Instrumentação LI 886 Lista de materiais Software de materiais
Instrumentação LI 887 Lista de materiais Software de materiais
Processo DE 942 Planta geral PDMS
Processo DE 944 Fluxogramas CAE
Processo FD 200 Listas de linhas CAE
Processo FD 941 Folha de dados de processo CAE
Processo LI 940 Lista de Equipamentos CAE
Processo LI 941 Lista de Equipamentos CAE
Segurança DE 947 Fluxogramas CAE
Telecom LI Todos Listas de Materiais Software de materiais
Todas I-RM Todas Requisição de material Software de materiais
Todas IS Todas Isométrico PDMS
Todas RM Todas Requisição de material Software de materiais
Todos Todos Todos Modelagem 3D PDMS
Tubulação DE 200 Plantas de tubulação PDMS
Tubulação DE 942 Planta de arranjo de equipamentos PDMS
Tubulação DE 24A Desenho de tie-in PDMS
Tubulação LI 220 Lista de Válvulas PDMS
Tubulação LI 293 Lista de suportes PDMS
Tubulação LI 294 Lista de suportes de mola PDMS
Software de análise de
Tubulação MC 200 Memória de cálculo de flexibilidade
Flexibilidade
Data:
LISTA DE VERIFICAÇÃO
BOAS PRÁTICAS - TUBULAÇÃO (Fase Projeto)
UNIDADE/LOCAL: CONTRATO: CONTRATADA:

PARTICIPANTES:

RESPONSÁVEL/APLICANTE:

Aplicável no Está sendo


Nº Perguntas Referência Exemplo de Evidência Evidência / Observação
momento? (S/N) utilizada? (S/N)

Os projetistas de tubulação do contrato atendem a pelo menos um dos


requisitos de formação e experiência profissional abaixo listados?
Opção 1: ter diploma ou certificado de conclusão de curso técnico de nível
médio reconhecido pelo Ministério de Educação e Cultura, secretarias ou Apresentar a documentação
dos profissionais:
conselhos estaduais de educação, conforme catálogo nacional de cursos
técnicos e registro no CREA, nas modalidades: eixo controle de processos Opção 1: diploma e CREA
1 industriais - mecânica; eixo produção industrial - fabricação mecânica, petróleo ABEMI - Comunicado 46
Opção 2: diploma e
e gás; e ter experiência mínima de 2 anos em projeto de tubulação;
comprovação da experiência
Opção 2: ter diploma de conclusão do ensino médio reconhecido pelo
Ministério de Educação e Cultura, secretarias ou conselhos estaduais de Opção 3: Certificado
educação, e ter experiência mínima de 6 anos em projeto de tubulação;
Opção 3: ter certificado de projetista de tubulação emitido por entidade que
atenda aos requisitos da norma ISO/IEC 17024.

O projeto de tubulação é desenvolvido priorizando a criação de SPECS,


Encontro de fabricação e Apresentar planejamento do
modelagem de tubulação, emissão de isométricos e geração de spools no
montagem de tubulação projeto de tubulação
2 modelo 3D baseado no planejamento do empreendimento, considerando os promovido pela ETM/ apresentando as atividades
seguintes fatores: sequência construtiva, fechamento de SOPs e data de ABEMI - Comunicado 46 descritas na pergunta.
chegada de equipamentos?

Apresentar um planejamento
Existe um mapa de acompanhamento atualizado das atividades de projeto de ou planilha de controle com o
3 ABEMI - Comunicado 46
tubulação por linha? desenvolvimento no projeto
das linhas de tubulação.

Antes da liberação dos isométricos para a fabricação da tubulação, estão sendo


4 estabelecidos e seguidos procedimentos onde se façam cumprir as etapas ABEMI - Comunicado 46 Responder os subitens 4.1, 4.2, 4.3, 4.4, 4.5, 4.6 e 4.7.
abaixo:

Página 1 de 5
Aplicável no Está sendo
Nº Perguntas Referência Exemplo de Evidência Evidência / Observação
momento? (S/N) utilizada? (S/N)

Apresentar planilha de
Modelagem básica completa representando todos os elementos indicados no
4.1 ABEMI - Comunicado 46 acompanhamento de Fstatus
Fluxograma de Engenharia (P&ID) APD - Aprovado para Detalhamento. atendendo este item.

Inserção dos acessórios (válvulas, instrumentos, etc.) com suas dimensões e Apresentar planilha de
4.2 pesos, conforme os Fluxogramas de Processo e de Engenharia APD - Aprovados ABEMI - Comunicado 46 acompanhamento de Fstatus
para Detalhamento. atendendo este item.

Apresentar planilha de
Inserção de todos os suportes físicos das linhas; emissão para análise de
4.3 ABEMI - Comunicado 46 acompanhamento de Fstatus
flexibilidade e travamento da modelagem 3D das linhas críticas. atendendo este item.

Liberação formal, sem pendências, da análise de flexibilidade da linha pelo Apresentar planilha de
4.4 responsável, incluindo as interfaces no limite de bateria, com emissão da ABEMI - Comunicado 46 acompanhamento de Fstatus
memória de cálculo (MC) quando aplicável e verificação de interferência. atendendo este item.

Apresentar planilha de
Emissão do Isométrico para a fabricação e montagem parcial, com indicação de
4.5 ABEMI - Comunicado 46 acompanhamento de Fstatus
hold points e travamento da modelagem 3D das linhas não críticas. atendendo este item.

Apresentar planilha de
Emissão do Isométrico, com numeração exclusiva, para a fabricação e
4.6 acompanhamento de Fstatus
montagem total. atendendo este item.

Apresentar planilha de
Destravamento da modelagem 3D para alterações de campo, validadas pela
4.7 acompanhamento de Fstatus
projetista e emissão do isométrico conforme as built. atendendo este item.

Apresentar imagens exibindo


Encontro de fabricação e
Existe integração automatizada da ferramenta de geração de Spools com o customização de exportação e
5 montagem de tubulação
sistema de gestão de materiais da Contratada e com o Controltub? importação de arquivos entre
promovido pela ETM. as ferramentas.

Apresentar comprovação das


Está sendo usada alguma ferramenta informatizada (Navisworks, Petrosiap, etc)
6 SINAPSE verificações das revisões dos
para analisar revisões de isométricos? isométricos.

Apresentar imagem do
modelo 3D e/ou da
Existe integração entre a ferramenta CAE e o Modelo 3D que permita a
7 Apresentação PETROSIAP ferramenta CAE com
visualização da tubulação do Projeto por SOP/SSOP? SOP/SSOP marcados por
cores.

Existe customização do Modelo 3D que permita a divisão de área na maquete Apresentar imagem do PDMS
8 Apresentação PETROSIAP
eletrônica, permitindo levantar informações da tubulação por setores? Página 2 de 5 com a divisão por áreas.
Aplicável no Está sendo
Nº Perguntas Referência Exemplo de Evidência Evidência / Observação
momento? (S/N) utilizada? (S/N)

Apresentar imagem com a


Existe customização do Modelo 3D que permita a visualização de avanços de visualização dos avanços de
9 Apresentação PETROSIAP
fabricação e montagem (Controltub e GITEC) de tubulação através de cores? fabricação e montagem por
cores.

Existe customização no Modelo 3D que permita a análise dos Limites de Bateria


(ILB), verificando dados como: Se as linhas estão modeladas; se estão na mesma Apresentar tabela de
comparação entre onsite e
10 coordenada; e dados técnicos como SPEC, Isolamento, Pressão, Temperatura? Apresentação PETROSIAP
offsite com coordenadas,
Estão sendo apresentadas as evidências da análise dos ILBs com a comparação Spec, isolamento, etc.
dos dados entre onsite e off site?

O preenchimento das planilhas do sistema informatizado de tubulação Apresentar planilhas extraídas


automaticamente do modelo
11 (Controltub) está automatizado a partir do modelo 3D ou do software de ABEMI - Comunicado 46
3D ou do software de geração
geração de Spools? de spools.

Apresentar tabela de
Existe sistemática de verificação que compare, automaticamente, os pesos da comparação entre os pesos
12 Apresentação PETROSIAP
tubulação entre o Modelo 3D e o GITEC? das linhas de tubulação no
modelo 3D e no GITEC.

Apresentar tabela de
comparação entre os tags
13 Existe rotina de avaliação de completeza de tubulação na Maquete Eletrônica? Apresentação PETROSIAP
encontrados no modelo 3D e
na ferramenta CAE.

O projeto está sendo retroalimentado a partir de informações coletadas do Apresentar comprovação do


tratamento no modelo 3D das
14 sistema informatizado de controle de tubulação (Controltub), com periodicidade ABEMI - Comunicado 46 modificações realizadas no
máxima semanal? Controltub.

Apresentar comprovação da
Encontro de fabricação e modelagem dos suportes no
O Modelo 3D é utilizado para fabricação e planejamento otimizado de
15 montagem de tubulação PDMS e/ou planejamento da
suportação? promovido pela ETM. fabricação dos suportes com
informações do modelo 3D.

Apresentar comprovação da
Encontro de fabricação e
A ferramenta de geração de Spools mantém a numeração das soldas quando a ferramenta de geração de
16 montagem de tubulação
linha passa por uma revisão? spools que mantém a
promovido pela ETM. numeração das soldas.

Existe previsão de tagueamento em TODAS as válvulas no Projeto, considerando Apresentar imagem com os
17 que as válvulas poderão receber o TAG somente no momento da instalação nas SINAPSE tags das válvulas cadastrados
linhas? no PDMS.

Apresentar imagem com os


Existe definição e modelagem do posicionamento de cupons de corrosão no
18 SINAPSE cupons de corrosão
Modelo 3D? modelados.

Página 3 de 5
Aplicável no Está sendo
Nº Perguntas Referência Exemplo de Evidência Evidência / Observação
momento? (S/N) utilizada? (S/N)

Estão sendo realizadas reuniões periódicas de análise criteriosa no modelo 3D Encontro de fabricação e Apresentar atas de reunião de
19 entre as equipes de projeto de tubulação, planejamento operacional e montagem de tubulação análise do modelo 3D e
fabricação e montagem de tubulação? promovido pela ETM. informar a periodicidade.

Encontro de fabricação e Apresentar as informações dos


Existe pessoal experiente em construção e montagem de tubulação atuando no
profissionais de construção e
20 planejamento da elaboração do projeto de tubulação, definindo sequências e montagem de tubulação
montagem que apoiam o
interfaces críticas com as demais disciplinas? promovido pela ETM. projeto executivo.

Existe controle de pendências de documentos comentados do projeto de Apresentar tabela do controle


de pendências de documentos
21 tubulação, assim como reunião periódica (no máximo quinzenal) para SINAPSE
comentados do projeto de
esclarecimentos? tubulação.

Apresentar atas de reunião do


grupo e trabalho ou
Existe grupo de trabalho para corrigir inconsistências verificadas nos
22 SINAPSE apresentar as informações dos
documentos comentados do projeto de tubulação? profissionais envolvidos neste
trabalho.

Estão sendo realizadas reuniões periódicas de análise criteriosa no Modelo 3D


Apresentar atas de reunião de
com participação de todas as disciplinas de projeto, representantes da equipe
23 ABEMI - Comunicado 46 análise do modelo 3D e
de montagem, de manutenção e, se necessário, de operação, antes do início da informar a periodicidade.
fabricação de tubulação?

Apresentar tabela do controle


Foi estabelecida uma sistemática para o controle de pendências resultantes dos
24 ABEMI - Comunicado 46 de pendências de do modelo
comentários feitos durante estas análises? 3D.

Durante a fase de Construção & Montagem, o coordenador de engenharia e Apresentar as informações dos
profissionais de engenharia,
parte da equipe técnica de engenharia da projetista, responsável pelo projeto
25 ABEMI - Comunicado 46 responsáveis pelo projeto
executivo, permanecem à disposição da equipe de C&M para prestar assistência executivo que estão à
técnica? disposição da equipe de C&M.

Apresentar o procedimento de
26 Foi emitido um procedimento para numeração de Spools e Juntas? numeração de spools e juntas.

Existe antecipação de informações de bocais de equipamentos (elevação, Apresentar tabela de


orientação e esforços) atualizados no PDMS, de modo a liberar e evitar trechos informações de bocais de
27
equipamentos fornecidos pelo
em HOLDs de linhas conectadas aos bocais e, desta forma, permitir a realização
fabricante.
da análise de flexibilidade de todo trecho da linha?

Página 4 de 5
Nº Aplicável no Está sendo Exemplo de Evidência Evidência / Observação
Perguntas Referência
momento? (S/N) utilizada? (S/N)

Apresentar imagem de
28 Os suportes de tubulação são tagueados no PDMS? suportes de tubulação
tagueados no PDMS.

Os spools são tagueados no PDMS e projetados de modo a permitir a Apresentar comprovação dos
29 spools tagueados no PDMS
identificação em estoque e no campo de qual área de construtibilidade irá com identificações das áreas
atender? de construtibilidade.

Apresentar tabela com itens


Os itens programados para a produção estão com projeto executivo consolidado
30 programados e liberados para
e sem interferências identificadas no PDMS (com Fstatus+5)? a produção.

Apresentar tabela de spools


Existe um controle de spools em HOLD de modo a não enviar para o Controltub
31 em HOLD, impedindo o envio
a lista de materias (CAMAT) para não fabricar estes itens? para a fabricação.

Apresentar comprovação de
32 Existe um controle no PDMS de revisões de spools e suportes? bloqueio de linhas de
tubulação com spools já
emitidos no PDMS.

Apresentar relatório que


Em casos de modularização, o controle dimensional de tubulação tem medidas
33 comprove o controle
adicionais de controle para ser efetivo (ex: Nuvem de pontos, etc)? dimensional.

ASSINATURAS: IAP:
RESULTADO:

COMENTÁRIOS:

Página 5 de 5
NO
PROCEDIMENTO ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-PEI-302
CLIENTE: FOLHA
GÁS & ENERGIA 1 de 17
PROGRAMA:
PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE
SANTOS – ROTA 3
ÁREA:
COMPERJ – U – 1231 – UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE
GÁS NATURAL I
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
PRGE
MODELO 3D PRGE / ENG

ÍNDICE DE REVISÕES
REV DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

0 EMISSÃO ORIGINAL

REV. 0 REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G REV. H


DATA 30/12/2016
PROJETO UPGN
EXECUÇÃO LETICIA C.
VERIFICAÇÃO ALEX
APROVAÇÃO ZUCCO
AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO SÃO PROPRIEDADE DA PETROBRAS, SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE.
FORMULÁRIO PADRONIZADO PELA NORMA PETROBRAS N-381-REV.L.
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
2 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

SUMÁRIO
1. OBJETIVO ..................................................................................................................... 3
2. CONSIDERAÇÕES GERAIS ......................................................................................... 3
3. CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO ........................................................................................... 3
3.1. Parcelas de Acordo com o Avanço – 80% ................................................................. 3
3.2. Aceitação Final do Modelo 3D – 20% ........................................................................ 3
3.3. Peso das Disciplinas e Eventos Walk Through .......................................................... 3
3.4. Eventos Walk Through ............................................................................................... 4
3.5. Etapas do Detalhamento ............................................................................................ 5
3.5.1. Tubulação ............................................................................................................ 5
3.5.2. Equipamentos ...................................................................................................... 7
3.5.3. Civil – Estruturas de Concreto ............................................................................. 8
3.5.4. Civil – Estruturas Metálicas .................................................................................. 8
3.5.5. Instrumentação .................................................................................................... 9
3.5.6. Elétrica ............................................................................................................... 11
3.5.7. Telecomunicações ............................................................................................. 12
3.5.8. Segurança.......................................................................................................... 14
3.5.9. HVAC ................................................................................................................. 15
4. ORIENTAÇÕES PARA MEDIÇÃO DE AVANÇO DE MODELO 3D ............................ 17
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
3 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

1. OBJETIVO

Este Manual tem por objetivo estabelecer os critérios de medição da modelagem da


Maquete Eletrônica 3D a fim de auxiliar na elaboração e medição do Modelo 3D em
desenvolvimento pelas contratadas.

2. CONSIDERAÇÕES GERAIS

Deverá ser enviada pela CONTRATADA mensalmente, uma planilha de medição,


conforme exemplo ANEXO 6 – PLANILHA DE MEDIÇÃO DO MODELO 3D, que tem a finalidade
de acompanhar percentualmente o avanço físico do modelo 3D para cada disciplina, contendo
tag do elemento, o atributo Fstatus e sua parcela percentual. A periodicidade da medição poderá
ser alterada a critério da fiscalização do contrato. Esta deverá ser apresentada para aprovação
da PETROBRAS na Reunião de Abertura do projeto.
A medição do progresso do modelo 3D será acompanhada através dos tags de elementos
criados (equipamento, tubulação, elétrica, instrumentação, civil, etc.) conforme orientação do
apêndice contratual de automação de projetos.
Auxiliando no controle de evolução do avanço físico e financeiro dos elementos no modelo
3D, deve ser utilizado o atributo Fstatus que traduz a evolução por fases atingidas, o qual é
descrito nesse procedimento. Um elemento significativo no modelo (por exemplo, um
equipamento que já tenha sido modelado conforme desenho certificado), só terá avanço válido
na planilha de medição quando o atributo Fstatus estiver preenchido na respectiva fase.

3. CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

A parcela da EAP de projeto destinada ao Modelo 3D será dividida conforme as etapas a


seguir.

3.1. Parcelas de Acordo com o Avanço – 80%


Cada item será medido durante a execução do modelo conforme definido em EAP de
controle externo aprovada pela Fiscalização, através de parcelas proporcionais aos itens
verificados. Do valor previsto nesta etapa, 20% será destinado à realização dos eventos Walk
Through.

3.2. Aceitação Final do Modelo 3D – 20%


Após a modelagem completa do modelo, na etapa de As-built, cada item será medido
individualmente conforme definido em EAP de controle externo aprovada pela Fiscalização,
através de parcelas proporcionais aos itens verificados.

3.3. Peso das Disciplinas e Eventos Walk Through


NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
4 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

O peso das disciplinas e eventos Walk Through na medição de maquete eletrônica para
as unidades e subestações deverá ser dividido em proporções definidas com a fiscalização do
contrato.
Para efeito apenas ilustrativo, segue um exemplo de divisão por disciplinas e eventos
Walk Through:

3.4. Eventos Walk Through


Os eventos Walk Through consistem de reuniões específicas entre a CONTRATADA e a
Fiscalização para a validação do modelo 3D em diferentes etapas de avanço do projeto. Estas
reuniões têm por finalidade:
• Discutir previamente problemas de Projeto, SMS, Operação e Construtibilidade antes da
liberação para construção e/ou entrega ao cliente;
• Apresentar aos participantes o desenvolvimento da modelagem 3D de suas respectivas
unidades e subestações;
• Integrar as disciplinas de projeto para mensurar a qualidade do modelo 3D.
Para a realização dos eventos de Walk Through nas fases de 30%, 60%, 90%, a
CONTRATADA deve aplicar uma lista de verificação preliminar ao evento, afim de aferir o nível
de maturidade do Modelo 3D, apresentando este documento como evidência à PETROBRAS.
Ainda para a realização dos eventos de Walk Through, a CONTRATADA deverá
apresentar para aprovação da PETROBRAS, com antecedência mínima de 15 dias corridos, um
documento contendo o ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTO DE WALK THROUGH. A
CONTRATADA deve tambem realizar uma avaliação preliminar antes da realização dos eventos
de Walk Through, conforme o nível de maturidade do projeto, para a constatação de que todos os
itens do roteiro estão sendo atendidos.
A CONTRATADA acordará os eventos de Walk Through com a Fiscalização da
PETROBRAS nas fases de 30%, 60%, 90% e 100% do total do Modelo 3D durante o
detalhamento do projeto executivo. É de responsabilidade da CONTRATADA a geração prévia
dos arquivos de reviews, vídeos e demais documentos necessários à realização dos eventos de
Walk Through.
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
5 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

A CONTRATADA apenas poderá agendar os eventos de Walk Through nas fases de


60%, 90% e 100% caso todas as pendências registradas na ata do evento de Walk Through
realizado anteriormente tenham sido plenamente atendidas.
EVENTOS WALK THROUGH
FASE Avanço Avanço
EAP Parcelas Peso Evento Descrição
(Fstatus) Modelo Medição
- 30% 5% Walk Through - 30% Modelo 3D com 30% de avanço
- 60% 5% Walk Through - 60% Modelo 3D com 60% de avanço
5% 80% 20% *
- 90% 5% Walk Through - 90% Modelo 3D com 90% de avanço
- 100% 5% Walk Through - 100% Modelo 3D com 100% de avanço

*Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

3.5. Etapas do Detalhamento


As etapas a seguir serão medidas da seguinte forma, de acordo com o item 3.1 Parcelas
de Acordo com o Avanço - 80%.

3.5.1. Tubulação

Modelagem básica da linha (30%)


Refere-se à modelagem do encaminhamento de uma linha desde a sua origem até seu
destino (roteamento completo conforme fluxograma de engenharia do Executivo), sem
interrupções, sem acessórios, sem erros de modelagem e de catálogo/spec. O tag da linha deve
ser importado automaticamente da ferramenta CAE. Todos os dados de processo da linha devem
estar cadastrados, importados da ferramenta CAE com as UDAs do SIAP.

Linha modelada com todos os componentes de tubulação (60%)


Refere-se à inclusão de todos os componentes de tubulação (incluindo drenos, vents,
instrumentos e demais acessórios) na linha aprovada na etapa anterior. Nesta etapa, todos os
dados de engenharia aplicáveis (atributos definidos no ANEXO 1 - ATRIBUTOS DE
PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO), devem estar devidamente preenchidos no PDMS.

Linha parcialmente liberada para construção / montagem (90%)


Linha liberada parcialmente para construção e montagem com todos os suportes e sem
interferências físicas, independentemente de sua criticidade. Entende-se por linha parcialmente
liberada aquela que contém um ou mais trechos liberados pela fiscalização para construção,
desde que os referidos trechos liberados não sejam passíveis de modificações até a conclusão
dos demais trechos pendentes da linha. Se houver análise de flexibilidade da linha, a mesma
deve estar aprovada com a devida memória de cálculo no SIGEM e o número da mesma deverá
estar cadastrado no PDMS.

Linha integralmente liberada para construção / montagem (100%)


Finalização da modelagem da linha aprovada na etapa anterior. A suportação da linha
deve estar consolidada, independentemente de sua criticidade. Todas as interferências físicas
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
6 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

devem ser eliminadas para aprovação da linha nesta etapa. Relacionando o preenchimento do
atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:

TUBULAÇÃO
FASE Peso da Avanço Avanço
EAP Parcelas Fstatus equivalente Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição
Carregamento do tag
0 ou 0% 0% -1-2-3-S-5-6-7 automaticamente, proveniente da
"unset"
ferramenta CAE.
Completada a modelagem básica
sem erros na auditoria de specs e
+1 30% 30% +1-2-3-S-5-6-7 modelagem do SIAP. Todos os
dados de processo devem estar
cadastrados, importados da
ferramenta CAE.

Completada a inclusão de todos


os acessórios, instrumentos,
+2 0% +1+2-3-S-5-6-7 drenos e vents. Todos os dados
60% de engenharia aplicáveis,
80% definidos no PDMS.
5% 35% * Completada a inclusão de
+3 30% +1+2+3-S-5-6-7
suportes.

Cálculo de Flexibilidade
+1+2+3+A-5-6-7 ou APROVADO, quando aplicável
S/N/A 0% (Caso a linha não tenha análise
+1+2+3+N-5-6-7
de flexibilidade, este item deve
ser ignorado).
90%
Linha parcialmente liberada para
montagem. Entende-se como a
+1+2+3+A+5-6-7 ou linha com HOLDs cadastrados,
+5 30% sem interferências físicas e os
+1+2+3+N+5-6-7
dados da memória de Cálculo
aprovada com referência no
SIGEM e cadastrados no PDMS.

+1+2+3+A+5+6-7 ou Linha integralmente liberada para


+6 100% 10%
+1+2+3+N+5+6-7 montagem.

+1+2+3+A+5+6+7 ou
+7 20% 100% 100% Atualizado conforme as-built.
+1+2+3+N+5+6+7
* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

OBS.: A tabela a seguir orienta a forma como o item Cálculo de Flexibilidade deve ser
preenchido no atributo Fstatus.

Indicação do Cálculo de Flexibilidade no atributo Fstatus


FSTATUS INTERPRETAÇÃO EXEMPLO
+N Linha dispensada de Cálculo de Flexibilidade +1+2+3+N-5-6-7
-S Linha com Cálculo de Flexibilidade pendente de aprovação +1+2+3-S-5-6-7
+A Linha com Cálculo de Flexibilidade aprovado +1+2+3+A-5-6-7
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
7 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

3.5.2. Equipamentos

Modelagem preliminar (30%)


Modelagem dos equipamentos com base nas informações preliminares do projeto básico,
de catálogos e desenhos de fornecedores em fase de aprovação, permitindo a conexão com
as linhas de tubulação de forma básica e preliminar, ou seja, com bocais. Todos os dados
de processo do equipamento devem estar cadastrados, importados da ferramenta CAE.

Modelagem conforme desenho comentado do fornecedor (60%)


Modelagem completa do equipamento, baseada no desenho comentado de arranjo
geral do fornecedor, contemplando dimensionais, acessórios e posições dos bocais (para
este item poderá haver um documento específico). Nesta etapa, todos os dados de
engenharia (atributos definidos no ANEXO 1 - ATRIBUTOS DE PREENCHIMENTO
OBRIGATÓRIO), devem estar devidamente preenchidos no PDMS, importados da ferramenta
CAE com as UDAs do SIAP (prioritárias: tensão máxima admissível e especificação técnica dos
bocais).

Modelagem conforme desenho certificado do fornecedor (100%)


Finalização da modelagem dos equipamentos após a certificação dos desenhos de
fornecedores, permitindo a conexão com as linhas de tubulação de forma definitiva,
contemplando dimensional, acessórios e posições definitivas de todos os bocais. Equipamento
liberado para montagem.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:

EQUIPAMENTOS
FASE Peso da Avanço Avanço Fstatus
EAP Parcelas Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição equivalente
Carregamento do tag
0 ou 0% 0% -1-2-3-4 automaticamente, proveniente da
"unset"
ferramenta CAE.
Completada a modelagem básica,
conforme projeto Básico / FD /
+1 30% 30% +1-2-3-4 Estudo. Todos os dados de
engenharia devem estar
80% cadastrados, importados da
5% 12% * ferramenta CAE.
Modelado conforme desenho de
+2 60% 30% +1+2-3-4
fornecedor comentado.
Verificado / Atualizado conforme
+3 100% 40% +1+2+3-4 desenho certificado / aprovado
(equipamento liberado para
montagem).
Verificado / Atualizado conforme
+4 20% 100% 100% +1+2+3+4
As-built.
* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
8 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

3.5.3. Civil – Estruturas de Concreto


OBS.: Para estruturas de concreto pré-moldadas, o desenho de referência citado neste
documento refere-se ao desenho emitido pelo fornecedor.

Modelagem preliminar (30%)


Modelagem das bases de equipamentos, estruturas de concreto, edificações,
canaletas de drenagem, pisos, arruamentos, escadas e plataformas de concreto,
fundamentando-se em documentos do projeto básico ou em estudos do projeto executivo.

Modelagem conforme desenho emitido para comentário (60%)


Modelagem contemplando as dimensões e cargas dos equipamentos conforme o
desenho emitido para comentários. Nesta etapa, todos os dados de engenharia aplicáveis
(atributos definidos no ANEXO 1 - ATRIBUTOS DE PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO),
devem estar devidamente preenchidos no PDMS.

Modelagem conforme desenho aprovado (100%)


Finalização da modelagem conforme desenhos de referência aprovados. Estrutura
liberada para construção.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:
CIVIL - ESTRUTURAS DE CONCRETO
FASE Peso da Avanço Avanço
EAP Parcelas Fstatus equivalente Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição
0 ou Modelagem não iniciada ou
0% 0% -1-2-3-4
"unset" modelagem em execução.
Modelado conforme projeto Básico
+1 30% 30% +1-2-3-4
ou Estudos do Executivo.
80%
5% 8%
Modelado conforme desenho
+2 60% 30% +1+2-3-4
emitido para comentários.

Verificado / Atualizado conforme


+3 100% 40% +1+2+3-4 desenho aprovado (liberado para
construção).

Verificado / Atualizado conforme


+4 20% 100% 100% +1+2+3+4
As-built.

* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

3.5.4. Civil – Estruturas Metálicas

Modelagem preliminar (30%)


Modelagem das plataformas, escadas e estruturas metálicas em geral,
fundamentando-se em documentos do projeto básico ou em estudos do projeto executivo.

Modelagem conforme desenho emitido para comentário (60%)


NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
9 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

Modelagem contemplando as dimensões e cargas dos elementos suportados,


conforme o desenho emitido para comentários. Nesta etapa, todos os dados de engenharia
aplicáveis (atributos definidos no ANEXO 1 - ATRIBUTOS DE PREENCHIMENTO
OBRIGATÓRIO), devem estar devidamente preenchidos no PDMS.

Modelagem conforme desenho aprovado (100%)


Finalização da modelagem conforme desenhos de referência aprovados. Estrutura
liberada para construção e montagem.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:

CIVIL - ESTRUTURAS METÁLICAS


FASE Peso da Avanço Avanço
EAP Parcelas Fstatus equivalente Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição
0 ou Modelagem não iniciada ou
0% 0% -1-2-3-4
"unset" modelagem em execução.
Modelado conforme projeto Básico
+1 30% 30% +1-2-3-4
ou Estudos do Executivo.
80% Modelado conforme desenho
+2 5% 10% 60% 30% +1+2-3-4
emitido para comentários.
Verificado / Atualizado conforme
+3 100% 40% +1+2+3-4 desenho aprovado (liberado para
construção).
Verificado / Atualizado conforme
+4 20% 100% 100% +1+2+3+4
As-built.
* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

3.5.5. Instrumentação

3.5.5.1. Bandejas, eletrocalhas e eletrodutos (elementos modelados como “TRAY” ou


“PIPE”)

Modelagem preliminar (30%)


Modelagem dos leitos preliminares de instrumentação, fundamentando-se em
documentos que devem ser referenciados no PDMS provenientes do projeto executivo.

Modelagem consolidada e aprovada (100%)


Modelagem consolidada e aprovada, sem interferências físicas. Nesta etapa, todos os
dados de engenharia aplicáveis (atributos definidos no ANEXO 1 - ATRIBUTOS DE
PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO), devem estar devidamente preenchidos no PDMS.
Elemento liberado para montagem
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
10 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

INSTRUMENTAÇÃO - Elementos modelados como "TRAY" ou "PIPE"


FASE Peso da Avanço Avanço Fstatus
EAP Parcelas Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição equivalente
0 ou Modelagem não iniciada ou
0% 0% -1-2-3
"unset" modelagem em execução.
Modelagem conforme projeto
+1 30% 30% +1-2-3
executivo (roteamento preliminar).
80%
Modelagem consolidada e
5% 4% * aprovada, sem interferências.
+2 100% 70% +1+2-3 Todos os dados de engenharia
devem estar cadastrados.
Liberado para montagem.
Verificado / Atualizado conforme
+3 20% 100% 100% +1+2+3
As-built.
* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

3.5.5.2. Instrumentação (elementos modelados como “EQUI”)

Modelagem preliminar (30%)


Modelagem dos instrumentos, caixas de junção, botoeiras e demais elementos típicos da
disciplina, com base nas informações preliminares do projeto básico, de catálogos ou desenhos
de fornecedores em fase de aprovação. Nesta etapa, todos os dados de engenharia aplicáveis
(atributos definidos no ANEXO 1 – ATRIBUTOS DE PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO), devem
estar devidamente preenchidos no PDMS, importados da ferramenta CAE.

Modelagem conforme desenho comentado do fornecedor (60%)


Modelagem completa do elemento baseada nos documentos comentados do fornecedor.

Modelagem conforme desenho certificado do fornecedor (100%)


Finalização da modelagem do elemento após a certificação do desenho de fornecedor,
contemplando dimensional definitivo do elemento com seus respectivos acessórios. Elemento
liberado para montagem.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:
INSTRUMENTAÇÃO - Elementos modelados como "EQUI"
FASE Peso da Avanço Avanço Fstatus
EAP Parcelas Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição equivalente
Carregamento do tag
0 ou 0% 0% -1-2-3-4 automaticamente, proveniente da
"unset"
ferramenta CAE.

Modelado conforme projeto Básico


/ FD / Estudo. Todos os dados de
+1 30% 30% +1-2-3-4 engenharia devem estar
80% cadastrados, importados da
5% 4% * ferramenta CAE.

Modelado conforme desenho de


+2 60% 30% +1+2-3-4
fornecedor comentado.
Verificado / Atualizado conforme
+3 100% 40% +1+2+3-4 desenho certificado / aprovado.
Liberado para montagem.
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
11 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

Verificado / Atualizado conforme


+4 20% 100% 100% +1+2+3+4
As-built.

* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

3.5.6. Elétrica
3.5.6.1. Bandejas, leitos, eletrocalhas e eletrodutos (elementos modelados como “TRAY”
ou “PIPE”)
Modelagem preliminar (30%)
Modelagem preliminar das bandejas, leitos, eletrocalhas e eletrodutos de elétrica,
fundamentando-se em documentos que devem ser referenciados no PDMS provenientes do
projeto executivo.

Modelagem consolidada e aprovada (100%)


Modelagem consolidada e aprovada, sem interferências físicas. Nesta etapa, todos os
dados de engenharia aplicáveis (atributos definidos no ANEXO 1 - ATRIBUTOS DE
PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO), devem estar devidamente preenchidos no PDMS.
Elemento liberado para montagem.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:

ELÉTRICA - Elementos modelados como "TRAY" ou "PIPE"


FASE Peso da Avanço Avanço Fstatus
EAP Parcelas Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição equivalente
0 ou Modelagem não iniciada ou
0% 0% -1-2-3
"unset" modelagem em execução.
Modelagem conforme projeto
+1 30% 30% +1-2-3
executivo (roteamento preliminar).
80%
Modelagem consolidada e
5% 5% * aprovada, sem interferências.
+2 100% 70% +1+2-3 Todos os dados de engenharia
devem estar cadastrados.
Liberado para montagem.
Verificado / Atualizado conforme
+3 20% 100% 100% +1+2+3
As-built.
* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

3.5.6.2. Elétrica (elementos modelados como “EQUI”)


Modelagem preliminar (30%)
Modelagem de painéis, transformadores, caixas de passagem, luminárias, etc. com base
nas informações preliminares do projeto básico, de catálogos e desenhos de fornecedores em
fase de aprovação. Nesta etapa, todos os dados de engenharia aplicáveis (atributos definidos
no ANEXO 1 - ATRIBUTOS DE PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO), devem estar
devidamente preenchidos no PDMS, importados da ferramenta CAE.

Modelagem conforme desenho comentado do fornecedor (60%)


Modelagem completa do elemento baseada nos documentos comentados do fornecedor.
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
12 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

Modelagem conforme desenho certificado do fornecedor (100%)


Finalização da modelagem dos elementos após a certificação dos desenhos de
fornecedores, contemplando dimensional definitivo do elemento com seus respectivos acessórios
e suportes. Elemento liberado para montagem.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:

ELÉTRICA - Elementos modelados como "EQUI"


FASE Peso da Avanço Avanço Fstatus
EAP Parcelas Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição equivalente
Carregamento dos tag
0 ou 0% 0% -1-2-3-4 automaticamente, proveniente da
"unset"
ferramenta CAE.
Modelado conforme projeto Básico
/ FD / Estudo. Todos os dados de
+1 30% 30% +1-2-3-4 engenharia devem estar
cadastrados, importados da
80%
ferramenta CAE.
5% 5% *
Modelado conforme desenho de
+2 60% 30% +1+2-3-4
fornecedor comentado.
Verificado / Atualizado conforme
+3 100% 40% +1+2+3-4 desenho certificado / aprovado.
Liberado para montagem.
Verificado / Atualizado conforme
+4 20% 100% 100% +1+2+3+4
As-built.
* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

3.5.7. Telecomunicações
3.5.7.1. Bandejas, Eletrocalhas e eletrodutos (elementos modelados como “TRAY” ou
“PIPE”)
Modelagem preliminar (30%)
Modelagem preliminar das bandejas, eletrocalhas e eletrodutos de elétrica,
fundamentando-se em documentos que devem ser referenciados no PDMS provenientes do
projeto executivo.

Modelagem consolidada e aprovada (100%)


Modelagem do roteamento consolidado e aprovado, sem interferências físicas. Nesta
etapa, todos os dados de engenharia aplicáveis (atributos definidos no ANEXO 1 - ATRIBUTOS
DE PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO), devem estar devidamente preenchidos no PDMS.
Elemento liberado para montagem.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
13 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

TELECOMUNICAÇÕES - Elementos modelados como "TRAY" ou "PIPE"


FASE Peso da Avanço Avanço Fstatus
EAP Parcelas Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição equivalente
0 ou Modelagem não iniciada ou
0% 0% -1-2-3
"unset" modelagem em execução.
Modelado conforme projeto
+1 30% 30% +1-2-3
executivo (roteamento preliminar).
80%
Modelagem consolidada e
5% 1% *
aprovada, sem interferências.
+2 100% 70% +1+2-3 Todos os dados de engenharia
devem estar cadastrados.
Liberado para montagem.
Verificado / Atualizado conforme
+3 20% 100% 100% +1+2+3
As-built.
*Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

3.5.7.2. Equipamentos de Telecomunicações (elementos modelados como “EQUI”)


Modelagem preliminar (30%)
Modelagem de equipamentos típicos da disciplina, com base nas informações
preliminares do projeto básico, de catálogos e desenhos de fornecedores em fase de aprovação.

Modelagem conforme desenho comentado do fornecedor (60%)


Modelagem completa do elemento baseada no desenho comentado do fornecedor,
contemplando dimensional definitivo do equipamento. Nesta etapa, todos os dados de
engenharia aplicáveis (atributos definidos no ANEXO 1 - ATRIBUTOS DE PREENCHIMENTO
OBRIGATÓRIO), devem estar devidamente preenchidos no PDMS.

Modelagem conforme desenho certificado do fornecedor (100%)


Finalização da modelagem do elemento após a certificação dos desenhos de
fornecedores, contemplando dimensional definitivo do equipamento. Elemento liberado para
montagem.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:
TELECOMUNICAÇÕES - Elementos modelados como "EQUI"
FASE Peso da Avanço Avanço
EAP Parcelas Fstatus equivalente Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição
0 ou Modelagem não iniciada ou
0% 0% -1-2-3-4
"unset" modelagem em execução.
Modelado conforme projeto Básico
+1 30% 30% +1-2-3-4
/ FD / Estudo.
Modelado conforme desenho de
+2 80% 60% 30% +1+2-3-4 fornecedor comentado. Todos os
5% 1% * dados de engenharia devem estar
cadastrados.
Verificado / Atualizado conforme
+3 100% 40% +1+2+3-4 desenho certificado / aprovado.
Liberado para montagem.
Verificado / Atualizado conforme
+4 20% 100% 100% +1+2+3+4
As-built.
* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
14 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

3.5.8. Segurança

3.5.8.1. Rotas de Fuga de Áreas Classificadas

Modelagem preliminar (30%)


Modelagem do roteamento preliminar de rotas de fuga e áreas classificadas
fundamentando-se em documentos do projeto básico ou estudos do projeto executivo.
Modelagem consolidada e aprovada (100%)
Finalização do roteamento aprovado com ausência de interferências. Consistência das
áreas classificadas com a planta de classificação de áreas. Nesta etapa, todos os dados de
engenharia aplicáveis (atributos definidos no ANEXO1 – ATRIBUTOS DE PREENCHIMENTO
OBRIGATÓRIO), devem estar devidamente preenchidos no PDMS.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:

SEGURANÇA - Rotas de Fuga e Áreas Classificadas


FASE Peso da Avanço Avanço Fstatus
EAP Parcelas Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição equivalente
0 ou Modelagem não iniciada ou
0% 0% -1-2-3
"unset" modelagem em execução.
Modelado conforme projeto Básico
+1 30% 30% +1-2-3 / FD / Estudo (roteamento
80% preliminar).
5% 4% * Modelagem consolidada e
aprovada, sem interferências
+2 100% 70% +1+2-3 (roteamento aprovado). Todos os
dados de engenharia devem estar
cadastrados.
Verificado / Atualizado conforme
+3 20% 100% 100% +1+2+3
As-built.
* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

3.5.8.2. Equipamentos de Segurança Industrial

Modelagem preliminar (30%)


Modelagem preliminar dos equipamentos típicos da disciplina (extintores, canhões
monitores, hidrantes, chuveiros lava olhos, sensores, cornetas, etc.) fundamentando-se em
documentos do projeto básico ou estudos do projeto executivo.

Modelagem conforme desenho comentado do fornecedor (60%)


Modelagem completa do elemento baseada no desenho comentado do fornecedor,
contemplando dimensional definitivo do equipamento. Nesta etapa, todos os dados de
engenharia aplicáveis (atributos definidos no ANEXO 1 - ATRIBUTOS DE PREENCHIMENTO
OBRIGATÓRIO), devem estar devidamente preenchidos no PDMS.
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
15 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

Modelagem conforme desenho certificado do fornecedor (100%)


Finalização da modelagem do elemento após a certificação dos desenhos de
fornecedores, contemplando dimensional definitivo do equipamento. Elemento liberado para
montagem.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:

SEGURANÇA - Elementos modelados como "EQUI"


FASE Peso da Avanço Avanço
EAP Parcelas Fstatus equivalente Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição
0 ou Modelagem não iniciada ou
0% 0% -1-2-3-4
"unset" modelagem em execução.
Modelado conforme projeto Básico
+1 30% 30% +1-2-3-4
/ FD / Estudo.
Modelado conforme desenho de
80% fornecedor comentado. Todos os
+2 5% 4% * 60% 30% +1+2-3-4
dados de engenharia devem estar
cadastrados.

Verificado / Atualizado conforme


+3 100% 40% +1+2+3-4 desenho certificado / aprovado.
Liberado para montagem.
Verificado / Atualizado conforme
+4 20% 100% 100% +1+2+3+4
As-built.

* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

3.5.9. HVAC

3.5.9.1. HVAC – Dutos de ventilação e refrigeração

Modelagem preliminar (30%)


Modelagem do roteamento preliminar de dutos de ventilação e refrigeração,
fundamentando-se em documentos do projeto básico ou estudos do projeto executivo.

Modelagem consolidada e aprovada (100%)


Finalização do roteamento consolidado e aprovado, sem interferências físicas. Nesta
etapa, todos os dados de engenharia aplicáveis (atributos definidos no ANEXO1 – ATRIBUTOS
DE PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO), devem estar devidamente preenchidos no PDMS.
Elemento liberado para montagem.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
16 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

HVAC - Dutos de ventilação e refrigeração


FASE Peso da Avanço Avanço Fstatus
EAP Parcelas Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição equivalente
0 ou Modelagem não iniciada ou
0% 0% -1-2-3
"unset" modelagem em execução.
Modelado conforme projeto Básico
+1 30% 30% +1-2-3 / FD / Estudo (roteamento
80% preliminar).
5% 1% * Modelagem consolidada e
aprovada, sem interferências
+2 100% 70% +1+2-3 (roteamento aprovado). Todos os
dados de engenharia devem estar
cadastrados.
Verificado / Atualizado conforme
+3 20% 100% 100% +1+2+3
As-built.
* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato

3.5.9.2. HVAC – Equipamentos

Modelagem preliminar (30%)


Modelagem dos equipamentos e demais elementos típicos da com disciplina, com base
nas informações preliminares do projeto básico, de catálogos ou desenhos de fornecedores em
fase de aprovação.

Modelagem conforme desenho comentado do fornecedor (60%)


Modelagem completa do elemento baseada nos documentos comentados do
fornecedor. Nesta etapa, todos os dados de engenharia aplicáveis (atributos definidos no
ANEXO 1 - ATRIBUTOS DE PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO), devem estar devidamente
preenchidos no PDMS.

Modelagem conforme desenho certificado do fornecedor (100%)


Finalização da modelagem do elemento após a certificação do desenho de fornecedor,
contemplando dimensional definitivo do elemento com seus respectivos acessórios. Elemento
liberado para montagem.
Relacionando o preenchimento do atributo Fstatus com o Avanço de Medição, temos:
HVAC - Equipamentos
FASE Peso da Avanço Avanço
EAP Parcelas Fstatus equivalente Descrição
(Fstatus) Disciplina Modelo Medição
0 ou Modelagem não iniciada ou
0% 0% -1-2-3-4
"unset" modelagem em execução.
Modelado conforme projeto Básico
+1 30% 30% +1-2-3-4
/ FD / Estudo.
Modelado conforme desenho de
+2 80% 60% 30% +1+2-3-4 fornecedor comentado. Todos os
5% 1% * dados de engenharia devem estar
cadastrados.
Verificado / Atualizado conforme
+3 100% 40% +1+2+3-4 desenho certificado / aprovado.
Liberado para montagem.
Verificado / Atualizado conforme
+4 20% 100% 100% +1+2+3+4
As-built.
* Percentual variável conforme ajustes com a Fiscalização do Contrato
NO REV.
ANEXO 5 – ET-5400.00-1230-940-
PROCEDIMENTO 0
PEI-302
PROGRAMA PLANO DIRETOR DE ESCOAMENTO DE GÁS DA BACIA DE FOLHA:

SANTOS – ROTA 3
17 de 17
TÍTULO:
ANEXO 5 – PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO NP-1
MODELO 3D PRGE / ENG

4. ORIENTAÇÕES PARA MEDIÇÃO DE AVANÇO DE MODELO 3D

Salvo orientações contrárias por parte da fiscalização do contrato, o relatório de progresso


será medido no período do 20º dia do mês anterior até o 20º dia do mês atual, data em que será
gerado um arquivo de review, cujas cores refletirão o avanço da maquete, evidenciado através do
atributo Fstatus de cada elemento conforme este procedimento de medição. Considerando que a
data de aprovação da medição junto à PETROBRAS é dia 25 (vinte e cinco) de cada mês, a EAP
do modelo 3D deverá ser enviada pela CONTRATADA até o dia 20 (vinte) de cada mês.
A Fiscalização utilizará o modelo 3D integrado no PDMS GLOBAL para as atividades de
medição do avanço do modelo propriamente. Caso seja evidenciado problemas de sincronização
e/ou atualização do modelo no PDMS GLOBAL, a CONTRATADA deverá fornecer cópias do
modelo PDMS e arquivos de review que deverão ser disponibilizadas à Fiscalização até o dia 20
(vinte) de cada mês.
A planilha apresentada no ANEXO 6 - PLANILHA DE MEDIÇÃO DO MODELO 3D, pode
ser utilizada para o acompanhamento da modelagem da maquete eletrônica e também para o
controle do avanço da medição.
NIVEL Acum. Acum. Acum.
Item Atividade
I II III IV V VI VII nov/13 dez/13 jan/14 #DIV/0!
Nome do Projeto Total
- MODELO 3D 100% 0,00
1 U-XXXX 100% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
2 PARCELAS DE ACORDO COM AVANÇO 80% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
3 GERAL 100% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
4 TUBULAÇÃO 35% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 TUBULAÇÃO ON-SITE 100% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
4 EQUIPAMENTOS 12% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 BOMBAS 15% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 AIR COOLERS 15% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 DESSUPERAQUECEDORES 3% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 FILTROS 2% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 PERMUTADORES 20% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 REATORES 15% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 SILENCIADORES 6% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 SISTEMAS DE LUBRIFICAÇÃO 2% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 TORRES 5% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 UNIDADES DE DOSAGEM 2% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 VASOS 15% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
4 CIVIL (CONCRETO) 8% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 BASES (ABOVE GROUND) 20% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 ACESSOS E ESCADAS 30% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 ESTRUTURAS DE CONCRETO (ABOVE GROUND) 30% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 UNDERGROUND 20% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
4 ESTRUTURAS METÁLICAS 10% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 PLATAFORMAS METÁLICAS 30% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 ACESSOS E ESCADAS 20% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 SUPORTES TUBULAÇÃO 20% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 ESTRUTURAS METÁLICAS 30% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
4 ELÉTRICA 5% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 BANDEJAS 60% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 EQUIPAMENTOS / PAINÉIS 30% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 ILUMINAÇÃO 10% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
4 INSTRUMENTAÇÃO 4% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 BANDEJAS 60% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 EQUIPAMENTOS / PAINÉIS 40% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
4 TELECOM 1% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 BANDEJAS 60% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 EQUIPAMENTOS / PAINÉIS 40% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
4 SEGURANÇA 4% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 ROTAS DE FUGA 45% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 ÁREAS CLASSIFICADAS 30% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA 25% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
4 HVAC 1% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 EQUIPAMENTOS 50% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 DUTOS 50% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
4 EVENTOS DE WALK THROUGH 20% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 WALK THROUGH 30% 25% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 WALK THROUGH 60% 25% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 WALK THROUGH 90% 25% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
5 WALK THROUGH 100% 25% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
2 ACEITAÇÃO FINAL DO MODELO 3D 20% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
3 ENTREGA DO CD - AS BUILT 100% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00
4 ITENS AS BUILTADOS 100% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00