Você está na página 1de 63

Contribuição Técnica

Estruturas Vagonadas em Aço:


Concepção, Dimensionamento e
Aplicações

MPhil. Sandro V. S. Cabral;


Eng. Bernar H. G. Braga;
Eng. Paulo H. A. Lima;
Arq. Tamires O. Cabral
1. Introdução:

fonte :www.midcontinent.org
Estruturas em vagões de trem Viga vagonada
1. Introdução:

Fragmento do Gauntless viaduct Ponte Paraíba do Sul


fonte: Delony, 1996 fonte: BELLEI e PINHO, 2007
1. Introdução:

Ponte Royal Albert


fonte: www.structurae.de
1. Introdução:

La Villete City for Science and Industry


fonte: Brown, 2001
1. Introdução:

Ponte Metro West


fonte: www.dezeen.com
2. Concepção:
2.1 Classificação Tipológica/Estrutural:

2.1.1 Quanto ao número de montantes


a) Triangular ou um montante;

Colonial Veículos
fonte: Arquivo Projectaço
2. Concepção:
2.1 Classificação Tipológica/Estrutural:

2.1.1 Quanto ao número de montantes


b) Trapezoidal ou dois montantes;

Escola Waidhausenstraße
fonte: Charleson, 2005
2. Concepção:
2.1 Classificação Tipológica/Estrutural:

2.1.1 Quanto ao número de montantes


c) Parabólica ou três ou mais montantes;
2. Concepção:
2.1 Classificação Tipológica/Estrutural:

2.1.1 Quanto ao número de montantes


c) Parabólica ou três ou mais montantes;

Fase I Paddington Station Renovation


fonte: http://grimshaw-architects.com
2. Concepção:
2.1.2 Quanto à direção do elemento principal
a) Unidirecional;

Fachada Estação Waterloo, Londres


fonte: grimshaw-architects.com
Escola Waidhausenstraße
fonte: Charleson, 2005
2. Concepção:
2.1.2 Quanto à direção do elemento principal
a) Bidirecional;
2. Concepção:
2.1.2 Quanto à direção do elemento principal
b) Bidirecional;

Academia de Ciências da Califórnia


fonte: www.rpbw.com
2. Concepção:
2.1.2 Quanto à direção do elemento principal
c) Multidirecional;

Shopping Leblon
fonte: arquivo Projectaço
2. Concepção:
2.1.3 Quanto à direção e sentido dos montantes
a) Uma direção;

BCP Alphaville
fonte: Revista Finestra, 2012
2. Concepção:
2.1.3 Quanto à direção e sentido dos montantes
b) Duas direções;

Pista de gelo Oxford


fonte: grimshaw-architects.com
2. Concepção:
2.1.4 Quanto ao tipo de elemento principal
a) Viga de alma cheia;

Centro de distribuição da Renault


fonte: Macdonald, 2001
2. Concepção:
2.1.4 Quanto ao tipo de elemento principal
b) Treliça;

Ponte Paraíba do Sul


fonte: BELLEI e PINHO, 2007
2. Concepção:
2.1.4 Quanto ao tipo de elemento principal
c) Pilar;

Pista de gelo Oxford


fonte: grimshaw-architects.com

d) Outros elementos: lonas tensionadas e vigas vierendeel


2. Concepção:
2.2 Pré-dimensionamento:
2. Concepção:
2.3 Metodologia de escolha dos parâmetros:
Funcionamento de uma estrutura vagonada

Compressão

Tração Compressão

2.3.1 Tipo de vagonamento:


a) Número de montantes: carga e vão
b) Direção do elementos principal: vãos e geometria geral
c) Direção e sentido dos montantes: direção e sentido
das cargas ou excentricidade;
d) Tipo de elemento principal: vão, esforço e cargas.

2.3.2 Geometria dos elementos:


a)Tipo de seção transversal: esforços envolvidos
b) Pré-dimensionamento.
3. Análise e Dimensionamento:
Análise estrutural e Hipóteses de Cálculo:
NBR8800/2008 e Análise de elementos finitos;

Dimensionamento dos perfis:


NBR8800/2008 (laminados) e NBR14762/2010 (formados à frio);

Análise Elástica levando em consideração a não-linearidade


da estrutura;

KL/r ≤ 200;
3. Análise e Dimensionamento:
3.1 Análise Estrutural

Força Nocional: força horizontal equivalente a 0,3% das


cargas gravitacionais aplicada nos elementos submetidos a
cargas verticais de estruturas com pequena ou média
deslocabilidades.

Deslocabilidade é a relação entre o deslocamento lateral


obtido na análise de 2ª ordem
a) pequena deslocabilidade se a relação for menor ou igual a 1,1;
b) média deslocabilidade se a relação for maior que 1,1
e menor ou igual a 1,4;
c) grande deslocabilidade se a relação for superior a 1,4.
3. Análise e Dimensionamento:
3.2 Dimensionamento à tração

Elementos submetidos à tração em estruturas vagonadas


são barras de seção cheia, devendo então ser dimensionados
através da NBR8800/2008
3. Análise e Dimensionamento:
3.3 Dimensionamento à compressão

3.3.1 Para os perfis retângulares formados á frio


(duplo U e duplo U enrijecido), o dimensionamento é feito através
da NBR14762/2010.

A força axial de compressão resistente deve ser o menor


dos valores para flambagem global, local e distorcional.
Flambagem global: Flambagem local: Flambagem distorcional:
3. Análise e Dimensionamento:
3.3 Dimensionamento à compressão

3.3.2 Para perfis retangulares ou circulares tubulares


laminados (perfis circulares, barras de seção sólida e perfis
fechados o dimensionamento é através da NBR8800/2008.
3. Análise e Dimensionamento:
3.4 Dimensionamento à flexão
Para assegurar a validade da análise elástica o momento fletor
resistente de dimensionamento não pode ser tomado maior que
(NBR8800/2008)

3.4.1 Para perfis retangulares formados à frio (duplo U e


duplo U enrijecido):

Flambagem global: Flambagem local: Flambagem distorcional:


3. Análise e Dimensionamento:
3.4 Dimensionamento à flexão

3.4.2 Para perfis retangulares ou circulares tubulares


laminados (perfis circulares, barras de seção sólida e perfis
Fechados) o dimensionamento é através do Anexo G da
NBR8800/2008.

Tubos circulares: D/t deve ser menor ou igual a 0,45E/fy


(depende dos parâmetros: E, D, t, fy)

Tubos retangulares: através dos parâmetros Mpl, Mcr, fy.


3. Análise e Dimensionamento:

3.5 Dimensionamento à flexo-compressão


4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim
Análise e dimensionamento de uma coberta em aço para
uma área aproximada de 18.7x13.05m.
Terrasse Jardim antes da montagem
da coberta (Fonte: arquivo Projectaço)
4.1.1 Concepção
4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.1 Concepção
4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.1 Concepção

Corte na coberta Terrasse Jardim (Fonte: arquivo Projectaço)


4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.2 Descrição da estrutura e das cargas

Montantes: 2U75x37.5 ch3mm


Tirantes: Barra ø3/4’’
Vigas principais: 2U150x50x30 ch3mm

Cargas:
Sobrecarga: 0,25kN/m²
Peso do policarbonato: 0,008kN/m²
Densidade do aço ASTM A36 utilizado: 78,5kN/m³
(fy=250MPa e fu=400MPa)

A viga principal é travada a cada 67cm por terças


U50x25 ch2.65mm
4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

Planta baixa da coberta Terrasse Jardim com indicação do local de aplicação da


carga nocional (Fonte: arquivo Projectaço)
4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

Perspectiva esquemática da coberta terrasse jardim (Fonte: arquivo Projectaço)


4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

Detalhe da ligação entre o


montante e o tirante
(fonte: arquivo rojectaço))

Terrasse Jardim durante a montagem da coberta


(Fonte: arquivo Projectaço)
4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

Coberta Terrasse Jardim


(Fonte: arquivo Projectaço)
4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.3 Combinações de carregamento

De acordo com a NBR8800 para combinações últimas normais


Gu = 1,25 x peso próprio da estrutura + 1,5 x sobrecarga
+ 1,4 x peso da telha

O valor de Gu é utilizado para o dimensionamento último da


estrutura e para a avaliação da carga nocional e da
deslocabilidade da estrutura

E para combinações quase permanentes :


Gq = peso próprio da estrutura + 0,6 x sobrecarga
+ peso da telha
E o valor de Gq é usado para análise dos deslocamentos
da estrutura
4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.4 Cálculo da carga nocional e classificação da estrutura


quanto à deslocabilidade

Gu = 250,38kN, resultando em uma carga nocional de 0,75kN.

Caso A: deslocamento na extremidade superior do montante


da viga vagonada 3;
Caso B: deslocamento na extremidade esquerda da viga
vagonada 3.
4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.4 Cálculo da carga nocional e classificação da estrutura


quanto à deslocabilidade

De acordo com os parâmetros mostrados nas tabelas abaixo:


4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.4 Cálculo da carga nocional e classificação da estrutura


quanto à deslocabilidade:

Relação entre os deslocamentos:


Caso A: 1.08
Caso B: 1.08

Estrutura de pequena deslocabilidade.


4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.6 Análise e dimensionamento de elementos comprimidos

Diagrama de esforço axial de Diagrama de esforço axial


compressão no montante de compressão na viga principal
4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.7 Análise e dimensionamento de elementos tracionados

Diagrama de esforço axial


de tração nos tirantes
4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.8 Análise e dimensionamento de elementos flexionados

Diagrama de momento fletor


Diagrama de momento fletor do montante
da viga principal
4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.9 Dimensionamento dos elementos à flexo-compressão


4. Aplicações
4.1 Coberta Terrasse Jardim

4.1.10 Avaliação dos deslocamentos

Deslocamento máximo:
L/250=0,05m

Deslocamentos obtidos:
Caso A: 0.040m
Caso B: 0.044m
4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia
Análise e dimensionamento de uma coberta em aço para uma
área aproximada de 21.5x15.4m.

4.1.1 Concepção

La Tertulia antes da montagem


da coberta (Fonte: arquivo Projectaço)
4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

4.1.1 Concepção
4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

4.1.1 Concepção

Corte na coberta La Tertulia (Fonte: arquivo Projectaço)


4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

4.2.2 Descrição da estrutura e das cargas

Montantes: Tubos ø76 ch2.65mm (rotulados às viga principal)


Tirantes: Barra ø5/8’’ (maior vão) e ø3/4’’ (menor vão)
Vigas principais: 2U100x50x25 ch4.8mm (menor vão)
e 2U100x50x25 ch2.65mm (maior)

Cargas:
Sobrecarga: 0,25kN/m²
Peso da telha: 0,095kN/m²
Densidade do aço ASTM A36 utilizado: 78,5kN/m³
(fy=250MPa e fu=400MPa)
As vigas principais são mutualmente travadas a cada 154cm.
Vários tirantes foram introduzidos para conter o efeito de
sucção do vento.
4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

Planta baixa da coberta La Tertulia com indicação do local de aplicação das


Cargas nocionais (Fonte: arquivo Projectaço)
4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

Perspectiva esquemática da coberta La Tertulia (Fonte: arquivo Projectaço)


4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

Detalhe da ligação entre o


montante e o tirante
(fonte: arquivo rojectaço))

Coberta La Tertulia (Fonte: arquivo Projectaço)


4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

Coberta La Tertulia
(Fonte: arquivo Projectaço)
4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

4.2.4 Cálculo da carga nocional e classificação da estrutura


quanto à deslocabilidade

Gu = 280,86kN, resultando em uma carga nocional de 0,85kN.

Aplicação da carga nocional nas duas direções (Nx e Ny)


4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

4.2.4 Cálculo da carga nocional e classificação da estrutura


quanto à deslocabilidade
De acordo com os parâmetros mostrados nas tabelas abaixo:
4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

4.2.4 Cálculo da carga nocional e classificação da estrutura


quanto à deslocabilidade

Relação entre os deslocamentos:


Direção Nx: 1.38
Direção Ny: 1.06

Estrutura de média deslocabilidade


4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

4.2.6 Análise e dimensionamento de elementos comprimidos

Diagrama de esforço de compressão no montante

Diagrama de esforço de compressão na viga principal (x)

Diagrama de esforço de compressão na viga principal (y)


4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

4.2.7 Análise e dimensionamento de elementos tracionados

Diagrama de esforço de tração na direção x (ø5/8’’)

Diagrama de esforço de tração na direção y (ø3/4’’)


4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

4.2.8 Análise e dimensionamento de elementos fletidos

Diagrama de momento fletor da viga principal (x)

Diagrama de momento fletor da viga principal (y)


4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

4.2.9 Dimensionamento de elementos à flexo-compressão


4. Aplicações
4.2 Coberta La Tertúlia

4.2.10 Avaliação dos deslocamentos

Deslocamento máximo:
L/250=0,05m

Deslocamento máximo obtido:


d=0,004m
5. Conclusões

A partir do histórico, análise, descrição,


concepção, dimensionamento e aplicaçõesde estruturas
vagonadas sumarizado neste trabalho conclui-se que
estes são sistemas estruturais bastante versáteis e com
várias vantagens quando aplicadosem obras de
arquitetura e engenharia, como viabilidade econômica,
apelo estéticoe possibilidade de vencer maiores vãos
comparando com estruturas convencionais.De modo
específico conclui-se que o método de dimensionamento
das NBR 8800/2008 e NBR14762/2010 conduzem a
resultados satisfatórios e dentro das expectativas de
concepção através do pré-dimensionamento empírico
apresentado.