Você está na página 1de 41

FACULDADE ITAPURANGA

ADMINISTRAÇÃO

Rízia Camilo de Almeida

EMPREENDEDORISMO: UM DESAFIO AOS ACADÊMICOS DO CURSO DE


ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ITAPURANGA-GOIÁS

ITAPURANGA

JANEIRO, 2017
Rízia Camilo de Almeida

EMPREENDEDORISMO: UM DESAFIO AOS ACADÊMICOS DO CURSO DE


ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ITAPURANGA-GOIÁS

Trabalho de Conclusão de curso


apresentado para a obtenção do título de
bacharel em Administração, da Faculdade
Itapuranga (FAI), sob a orientação do
Professor Esp. Gildeone Gonçalves de
Carvalho Barbosa.

ITAPURANGA

JANEIRO, 2017
Biblioteca FAI- Itapuranga

#### ALMEIDA, Rízia Camilo de

Empreendedorismo: Um desafio aos acadêmicos do curso de


Administração da Faculdade Itapuranga [ manuscrito] / Almeida, Rízia
Camilo de – 2017.
f. 42

Orientador: Prof. Esp. Gildeone Gonçalves de Carvalho Barbosa


Monografia (Graduação) – Faculdade Itapuranga, Curso de
Administração, 2017.
Bibliografia.
1. Empreendedorismo. 2. Acadêmicos 3. Administração. 4.Faculdade
Itapuranga.
I. Título.
CDU 00.00
Rízia Camilo de Almeida

EMPREENDEDORISMO: UM DESAFIO AOS ACADÊMICOS DO CURSO DE


ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ITAPURANGA-GOIÁS

Monografia apresentada á coordenação de


trabalho de conclusão de curso da
Faculdade Itapuranga, como pré-requisito
para obtenção do título de Bacharel em
Administração.

Aprovada em: ___/___/_____.

MEMBROS DA BANCA EXAMINADORA

________________________________________________________
Prof. Esp. Gildeone Gonçalves de Carvalho Barbosa- FAI
Orientador

______________________________________________________
Prof. Esp. Fernanda Pereira da Silva - FAI
Prof. Leitora

________________________________________________________
Prof. Esp. Fernanda Domingues Moreno- FAI
Prof. Leitora

ITAPURANGA
JANEIRO, 2017
A todos aqueles que de alguma forma
estiveram e estão próximos a mim, fazendo
esta vida valer cada vez mais a pena.
AGRADECIMENTOS

Agradeço a Deus por ter me concedido saúde e forças para superar as dificuldades.
A esta Faculdade, seu corpo docente, direção e administração.
A minha família, meu pai, minha mãe, minha filha e meu irmão, pelo amor, incentivo e
apoio incondicional.
Ao meu orientador Gildeone Gonçalves de Carvalho Barbosa, pelo suporte e seus
incentivos.
Aos meus primos Leandro, Michele e Evandro, por terem me concedido o estágio na
empresa deles.
Aos meus colegas de classe, no qual tivemos convivência durante quatro anos.
A todos que direta ou indiretamente fizeram parte da minha formação, muito obrigada.
Determinação, coragem e autoconfiança são fatores decisivos para o sucesso. Se estamos
possuídos por uma inabalável determinação conseguiremos superá-los.
Independentemente das circunstancias, devemos ser sempre humildes, recatados e
despidos de orgulho.
Dalai Lama
RESUMO

Esta pesquisa busca apresentar a importância do empreendedorismo como uma prática


frequente no Brasil, sendo por opção profissional ou por necessidade, mostra também a
capacidade de criar algo novo, explica o papel do empreendedor na sociedade e na
economia, oferecendo oportunidade crescimento e gerando emprego a grande parte da
população brasileira, mostra de que forma surge o empreendedor, identifica as
oportunidades através da dedicação, ousadia e persistência e transformá-las em produto ou
serviço de sucesso, usando esses fatores para realizar seus objetivos. A metodologia
utilizada é da revisão da literatura com aplicação de questionários aos concluintes do curso
de Administração do ano de 2016/2 da Faculdade Itapuranga – Goiás.

PALAVRAS-CHAVE: Empreendedorismo. Empreendedor. Curso de Administração.

ABSTRACT
This research aims to present the importance of the entrepreneurship as a frequent practice
in Brazil, being by professional choice or by necessity, it also shows the ability to create
something new, explains the entrepreneur’s role in society and in the economy, offering
opportunity of growth and generating employment for a large part of the Brazilian
population, shows how the entrepreneur appears, identifies the opportunities through
dedication, courage and persistence and to transform them into product or service of
success, using these factors to accomplish their goals. The methodology used is the review
of the literature with application of questionnaires to the graduating students of the
administration course of 2016/2 from Itapuranga University – Goiás.
KEY-WORDS: Entrepreneurship and Entrepreneur. Students of the administration.

SUMÁRIO
INTRODUÇÃO..................................................................................................................11

CAPÍTULO I - REFERENCIAL TEÓRICO..................................................................12

1.1 Empreendedorismo.....................................................................................................12

1.2 Perfil do empreendedor..............................................................................................13

1.3 Empreendedorismo no Brasil.....................................................................................16

1.4 Ensino- aprendizagem do empreendedorismo............................................................18

1.5 Ensino do empreendedorismo no curso de Administração.........................................20

CAPÍTULO II - A FACULDADE ITAPURANGA.........................................................23

2.0 História........................................................................................................................23

2.1 Missão.........................................................................................................................24

2.2 Plano de Desenvolvimento Institucional.....................................................................24

2.3 Curso de Administração..............................................................................................25

2.3.1 Diferencial..............................................................................................................25

2.3.2 Missão do curso......................................................................................................25

2.3.3 Mercado de trabalho segundo a Faculdade Itapuranga..........................................26

2.3.4 Espaço físico do curso de Administração...............................................................26

2.3.5 Laboratório de Informática e Laboratório de Estágio (Empresa Júnior)................26

CAPÍTULO III- ANÁLISE DOS DADOS.......................................................................28

4.0 CONSIDERAÇÕES FINAIS......................................................................................36

REFERÊNCIAS.................................................................................................................39

APÊNDICE- QUESTIONÁRIO APLICADO AOS ALUNOS......................................40

INTRODUÇÃO
A pesquisa busca evidenciar o surgimento do empreendedorismo e sua
importância na economia e na sociedade. Ser empreendedor é o sonho de muitas pessoas
que buscam serem donos do seu próprio negócio, mas independentemente da forma de
como cada um entrou no mundo empresarial, todos almejam alcançar o mesmo objetivo:
ser reconhecido e ter sucesso no mercado competitivo. Para que isso aconteça, é preciso
bastante planejamento, pensar que muita coisa acontece em longo prazo e que pode haver
falhas e riscos, é importante observar que, ao se iniciar um novo negócio, cogitáveis riscos
e esforços estão envolvidos, para que seja superada a tranquilidade contra a criação de algo
novo. Por tanto, para se criar e desenvolver uma nova empresa, o empresário assume a
responsabilidade e os riscos pelo o desenvolvimento e sobrevivência da criação, além de
lidar com os grandes desafios.
O empreendedorismo busca a clareza de oportunidades de negócio, onde existe
uma busca contínua por inovações, com a intenção de gerar rendas, ter crescimento e
contribuir com a geração de emprego. Ele executa um papel importante na empresa, tem
energia, fixa metas e esforça para alcançá-las, possui perseverança, tem planejamento na
tomada de decisão, é criativo, tem visão de futuro para aproveitar as oportunidades, é
inovador e principalmente gosta do que faz.
Existem várias características que são fundamentais em um empreendedor, poder
de persuasão, conhecer muitas pessoas, saber calcular e minimizar os riscos,
autoconfiança, focar em oportunidades, necessidade de realização e dedicação.
Atualmente a sociedade vive em um período em que ser empreendedor está se
tornando uma necessidade, particularmente devido à competitividade acirrada entre as
empresas, o empreendedor é um responsável de mudança fundamental para o progresso,
pois ele estabelece em seus negócios tecnologias avançadas que substituem as antigas,
aumentando a eficiência e a produtividade.
O objetivo da pesquisa é analisar se os acadêmicos concluintes do curso de
Administração do ano de 2016/2 da Faculdade Itapuranga – Goiás estão preparados para
11

empreender na busca de novas oportunidades que o mercado de trabalho coloca através dos
desafios no empreendedorismo.
De forma estrutural, este trabalho mostra além dessa introdução, a fundamentação
teórica dividida da seguinte forma: um breve estudo sobre o empreendedorismo, o perfil do
empreendedor, empreendedorismo no Brasil, o ensino do empreendedorismo e o
empreendedorismo no curso de Administração. O segundo capitulo aborda sobre o curso
de Administração da Faculdade Itapuranga – Goiás, em seguida análise dos gráficos dos
questionários aplicados aos acadêmicos concluintes do ano de 2016/2. Finalizando com o
resultado da pesquisa.
12

CAPÍTULO I - REFERENCIAL TEÓRICO

O referencial teórico busca fundamentar através da revisão da literatura a


importância do empreendedorismo como desafio aos concluintes do curso de
administração do ano de 2016/2, da Faculdade Itapuranga – Goiás. Através de um
questionário buscaremos entender se o acadêmico está preparado para empreender no
mercado de trabalho, resultado que será mostrado no terceiro capítulo.

1.1 Empreendedorismo

A ideia de um empreendedorismo surge da observação, da concepção e analise de


atividades, tendências e desenvolvimentos, na cultura na sociedade, nos hábitos sociais e
de consumo. As oportunidades localizadas ou visualizadas, coerente ou intuitivamente, das
necessidades e das demandas prováveis, atuais e futuras, e necessidades não atendidas
definem a ideia do empreendedorismo. O empreendedorismo é uma das formas mais
respeitáveis de se chegar à satisfação profissional e pessoal devido a sua participação na
economia e a geração de emprego.
O empreendedorismo é o despertar do indivíduo para o aproveitamento integral de
suas potencialidades racionais e intuitivas. É a busca do autoconhecimento em processo de
aprendizado permanente, em atitude de abertura para novas experiências e novos
paradigmas, é um processo onde as pessoas transformam seus sonhos em realidades.
Baggio, A, Baggio, D, (2014, p. 29 apud LEITE e OLIVIERA, 2007) classifica em dois ti-
pos de Empreendedorismo:

 Empreendedorismo por Necessidade (criam-se negócios por não haver alternativa);


 Empreendedorismo por Oportunidade (descoberta de uma oportunidade de negócio
lucrativa).
Podemos entender que o empreendedorismo tanto por necessidade ou por
oportunidade, os dois buscam empreender, ou seja, fazer a diferença no mercado de
trabalho, onde deixamos de ser funcionário e passamos a empreender nosso próprio
negócio. A diferença que o empreendedorismo por necessidade a pessoa cria seu próprio
negocio por não haver alternativa, por exemplo, na empresa onde trabalha ou trabalhou. Já
13

o empreendedorismo por oportunidade visa ter lucros, ou seja, tem visão de algo novo que
o mercado consumidor terá uma boa aceitabilidade do produto ou serviço que queira
empreender.
Sendo assim o empreendedorismo pode ser definido como uma ferramenta que
estuda os empreendedores, onde verifica suas funções, caraterísticas, os impactos sociais e
econômicos e os métodos de suporte usados para facilitar a expressão da atividade
empreendedora (Martenes e Freitas, 2008, p. 73 apud FILION 1999).
“O papel do empreendedorismo no desenvolvimento econômico envolve mais do
que apenas o aumento de produção e renda per capita; envolve iniciar e constituir
mudanças na estrutura do negócio e da sociedade” Baggio, A, Baggio, D, (2014 apud
HISRICH e PETER, 2004, p. 33).
Mas do que gerar riquezas o empreendedorismo veio para oferecer melhores
condições de vida para muitas pessoas, contribui para o desenvolvimento e crescimento
econômico local da sociedade, é responsável pela a criação de novos produtos e serviços e
também pelas taxas crescentes de emprego, por isso ele precisa ser criativo, inovador,
mostrar a sua criatividade, ser ousado, fazer acontecer para transformar a oportunidade em
um grande troféu, e também havendo um bom planejamento e conhecimento de mercado,
organização nas escolhas para definir suas metas, com certeza aumentará as chances de o
seu negócio dar certo. O empreendedorismo também veio para desenvolver as habilidades
e competências a qualquer criação de um projeto diferente e inovador.

1.2 Perfil do empreendedor

Um empreendedor de sucesso atualmente tem um perfil de coragem, aquele que


assume riscos, porém são riscos calculáveis, sabem até onde pode ir sem perder o controle,
procura identificar e avaliar melhor as oportunidades e transformá-las em grandes negócios
lucrativos, para que assim consiga gerar riquezas através de seus conhecimentos, produtos
ou serviços. Porém ele procura ser sempre um empreendedor com capacidade de
aprendizagem de alto nível, um líder inovador e criativo e que jamais se acomode, e que
tenha uma visão mais além do que se deseja, procurando recurso para melhor aproveitar,
ou seja, transformar ideias em oportunidades, causando mudanças no fator econômico.
14

Iniciativa é um ponto importante na vida de grandes empreendedores, terem


atitude para dar grandes passos em buscas da informação e conhecimentos para melhorar
os negócios, seja eficiente, cumpra seus compromissos com você mesmo, faça um bom
planejamento para que suas metas sejam cumpridas e realizadas de maneira correta e
confiável. O empreendedor leva mais vantagem, pois ele contribui para gerar rendas para
as famílias, oferece mais inovação e criatividade, são pessoas que transformam algo difícil
em boas ideias. Devido às grandes mudanças ocorridas que vêm acontecendo nos últimos
períodos, os gestores e as organizações que não se adaptarem com essas transformações
com certeza irão ficar prejudicados, ou seja, atrasados em meio a tantas tecnologias, a
globalização chegou e exige muita informação e conhecimento, é através destas fontes que
as chances de sucesso são alcançadas e são formados bons líderes que gostam de trabalhar
com as pessoas, e acompanham as mudanças tecnológicas que aparecem em alta
velocidade.
Com o desenvolvimento econômico, o mercado consumidor está ficando mais
exigente na qualidade, preço e na inovação, quanto ao produto e serviço, com isso cabe as
empresas seguirem o novo padrão e buscarem novos valores a estes produtos e serviços,
sendo assim já estarão se preparando ao novo ambiente, no qual estarão também
satisfazendo as necessidades dos clientes, pois criar novos produtos requer muita
criatividade e inovação.
Um empreendedor é bom ouvinte, pois, capta as informações, estimula a sua
equipe a conquistar o seu público-alvo, e tem eficiência para aproveitar os recursos da
empresa, planejamento para saber aonde quer chegar. O empreendedor é essencial no
processo de desenvolvimento econômico, ou seja, as organizações precisam de bons líderes
para comandar suas equipes, por isso necessitam ter autoconfiança e deixar de estar
acumulando conhecimento para colocá-los em prática, sempre tendo visão de futuro, e na
hora das escolhas saber tomarem as decisões corretas, serem dinâmicos e determinados,
usando suas habilidades diariamente mostrando que tem coragem para enfrentar os
desafios e facilidade para trabalhar em equipe.
Existem muitos empreendedores que não apresentam nenhuma capacidade de estar
acrescentando em seus negócios, isto é, falta de aprendizagem e conhecimento, se
contrapõem a participar dos ensinamentos que são oferecidos as suas empresas, cursos que
lhe ajudarão a serem grandes empreendedores. Ter conhecimento, criatividade, espírito de
liderança, ter visão dos objetivos, dedicação, ter habilidades em resolver problemas e
15

integrar soluções, procurar ter conhecimentos das necessidades dos clientes, disposição
para atingir as metas, são algumas das características fundamentais na vida de um
empreendedor, mas não basta ter apenas isto, é preciso antes estudar muito aprender tomar
suas decisões e correr riscos.
De acordo com Baggio, A, Baggio, D, (2014, p. 27 apud DORNELAS, 2008):

O empreendedor é aquele que detecta uma oportunidade e cria um


negócio para capitalizar sobre ela, assumindo riscos calculados. Em
qualquer definição de empreendedorismo, encontram-se, pelo menos, os
seguintes aspectos referentes ao empreendedor: 1. Tem iniciativa para
criar um novo negócio e paixão pelo que faz. 2. Utiliza os recursos
disponíveis de forma criativa, transformando o ambiente social e
econômico no qual vive. 3. Aceita assumir os riscos calculados e a
possibilidade de fracassar. (BAGGIO, A, BAGGIO, D, 2014, p. 27 apud
DORNELAS, 2008).

Bispo et al., apud (Chiavenato 2007), cita ainda:

Para ser bem sucedido o empreendedor não deve apenas saber criar seu
próprio empreendimento. Deve também saber gerir seu negócio, para
mantê-lo e sustentá-lo em um ciclo de vida prolongado e obter retornos
significativos de seus investimentos. Isso significa administrar, planejar,
organizar, dirigir e controlar as atividades relacionadas direta ou
indiretamente com o negócio. (BISPO et al., apud, CHIAVENATO,
2007).

Aquele empreendedor que sabe aproveitar as oportunidades que lhe são oferecidas
estará sempre apto a receberem novas ideias e transformá-las em grandes negócios, pois
saberá administrar cada desafio no seu tempo certo, isso ajudará a permanecer sempre em
crescimento, inovando e aprendendo com conhecimentos que vão adquirindo.

Segundo Junior, (2013 p.14 apud MARIANO e MAYER, 2007, p. 67).

O empreendedor tem o papel de destruidor criativo ou construtivo,


dependendo do ponto de vista, pois com a sua imaginação e capacidade
de realização que destrói processos, padrões de produção, fontes de
mercadoria e até mesmo indústrias antigas e os substitui por outros de
16

maior eficácia e produtividade. A ação dos empreendedores provoca


impacto na economia e ao mesmo tempo em que gera progresso e
desenvolvimento com suas atitudes. O empreendedor do futuro está se
tornando cada vez mais informatizado, trocando o trabalho manual por
máquinas, isso significa que a evolução chegou até ele, e que a
transformação predomina a realidade atual, isso faz com que as empresas
possam produzir mais rapidamente bens ou serviços, fazendo com que o
produto chegue mais rapidamente até o cliente, o empreendedor cria
através das novas tecnologias outros meios de melhor satisfazer os
consumidores (JUNIOR, 2013 p.14 apud MARIANO e MAYER, 2007,
p. 67).

Na verdade, é a pessoa que consegue fazer as coisas acontecerem, pois são


dotados de sensibilidade para os negócios, tino financeiro e capacidade de identificar
oportunidades. Com esse arsenal, transforma ideias em realidade, para benefício próprio e
para o benefício da comunidade. Por ter criatividade e um alto nível de energia, o
empreendedor demonstra imaginação e perseverança, aspectos que, combinados
adequadamente, o habilitam a transformar uma ideia simples e mal estruturada em algo
concreto e bem sucedida no mercado. Não é que ele tem o dom de ser empreendedor, mas
sim que possui uma facilidade para gerir os negócios, criar algo novo, identificar as
oportunidades, consegue transformar sonhos em realidade, geram riquezas, e que sempre
terá iniciativa de começar um negócio novo, ele se antecipa para que tudo aconteça com
sucesso, sabe planejar, é um ouvinte ligado e procura informações desde o mais humilde
até o profissional experiente, mas também pensa grande e acredita que tudo o que é de
novo podemos empreender e inovar.
O empreendedor já está reagindo a estas mudanças, as empresas já abriram as
portas para receber e se habituar as novas tecnologias do futuro, as empresas precisam
adaptar as mudanças globais que estão chegando com muita rapidez, e as empresas que não
seguirem essas mudanças ficarão para trás. Elas precisam treinar os funcionários tanto na
comunicação como em outras atuações, precisam estar preparadas para competirem nos
mercados globais sem perderem de vista mudanças que ocorrem em outros setores.

1.3 Empreendedorismo no Brasil

No Brasil o empreendedorismo surgiu nos anos 90 com muita força, durante a


abertura que a população teve com a economia, a entrada de fornecedores estrangeiros
17

começou a controlar os preços, sendo uma condição muito importante para o país voltar a
crescer, mas trouxe problemas para alguns setores que não conseguiram competir com os
produtos importados por falta de planejamento. Quatro em cada dez brasileiros estão
envolvidos na criação de uma empresa, segundo a nova pesquisa do Global
Entrepreneurship Monitor (GEM) 2015. Isso significa que a taxa de empreendedorismo no
Brasil é a maior dos últimos 14 anos.
Isso mostra que o Brasil cresce economicamente a cada ano que passa, porque
cada empresa que se abre no mercado aumenta a possibilidade de geração de emprego, o
brasileiro vem perdendo o medo de se tornar dono do seu próprio negócio, e assim tendo
mais oportunidades de explorar seus negócios. Em tempos de crise, esta é uma notícia que
pode entusiasmar os brasileiros a realizar seus sonho e colocar suas ideias em prática, e o
brasileiro empreendedor só precisa investir mais em inovação.
Uma pesquisa realizada sobre a evolução do empreendedorismo no Brasil, um
estudo do (Global Entrepreneurship Monitor no período de 2001 a 2013, p. 3 apud
SEBRAE, 2013) cita que “no Brasil, o Empretec é realizado exclusivamente pelo SEBRAE
e já capacitaram cerca de 190 mil pessoas, em 8.400 turmas”.
Com esses dados percebe-se que os brasileiros estão preocupando cada vez mais
em melhorar seu desempenho no mundo do empreendedorismo, procurando expandir suas
características empreendedoras, pois pessoas que correm atrás de cursos de capacitação e
qualificação com certeza receberão melhores oportunidades, chegando a ter mais
possibilidades de crescimento em curto prazo dentro da empresa. Atualmente no Brasil
muitos jovens bem preparados estão tendo mais chances devido aos programas de apoio as
Micro e Pequenas Empresas, antes o ambiente econômico e político não era favorável.
Os órgãos de apoio ao empreendedorismo são aqueles que auxiliam o
empreendedor em sua missão. Estudo do Global Entrepreneurship Monitor no período de
2001 a 2013, p. 5 apud (HISRCH, 2004) instituem uma orientação para o empreendedor na
condução de seu empreendimento, dessa maneira, podendo minimizar ameaças que
porventura existam. No Brasil existem vários órgãos de base ao empreendedorismo, e são
através destes órgãos que a população brasileira executa seus conhecimentos, muitos que
sonham em ter um futuro empreendedor acabam em transformando seus sonhos em
realidade, graças a estes órgãos que oferecem meios para que possam desenvolver algo que
um dia estava somente no papel possam estar realizando um sonho em um grande negocio
18

de sucesso. Estes órgãos são estímulos a grande parte das pessoas que querem abrir o seu
próprio negócio.
Nos anos 80, o campo do empreendedorismo expandiu-se e espalhou-se para
várias outras disciplinas. Organizações e sociedades foram forçadas a buscar novas
abordagens para incorporarem as rápidas mudanças tecnológicas a sua dinâmica. As
organizações precisam sim estar sempre buscando inovação para se adaptarem as
mudanças inseridas no seu ambiente, e se usar todos os recursos que possa estar
contribuindo para o desenvolvimento do seu negócio, principalmente as influências
tecnológicas que surgiu para facilitar de como o processo de comunicação e informação
são produzidas, com certeza nenhuma organização vai ficar parada no tempo. Para que as
organizações se destaquem no mundo dos negócios adquirindo assim um bom resultado de
suas competências empresariais, é necessário que elas estejam adaptando as novas
mudanças tecnológicas.
O SEBRAE veio para abrir portas para o empreendedorismo, e contribuir com o
desenvolvimento capitalista, social e econômico, gerando impostos, dando mais condições
de vida para as pessoas, e oferecendo oportunidades de crescimento profissional para os
iniciantes que almejam entrar no mercado competitivo, aplicando cursos, palestras e mini
cursos online que ajudam muitas pessoas que não tem tempo de participar das aulas
presenciais.

1.4 Ensino- aprendizagem do empreendedorismo

‘Até poucos anos, acreditava-se que as habilidades empreendedoras de forma


alguma poderiam ser ensinadas, e as pessoas que não nasciam com o “dom” empreendedor
eram desaconselhadas a buscar a abertura de um empreendimento’ (Vieira, Melatti e
Ribeiro, 2011, p. 292 apud DORNELAS, 2001).
Então, pode se afirmar que o aumento no interesse pelos processos e metodologias
de ensino do empreendedorismo teve início em estudos que questionavam esse difundido
entendimento de que a capacidade empreendedora é inata ao ser humano, só podendo ser
herdada geneticamente.
Atualmente o ensino do empreendedorismo já vem se desenvolvendo por várias
instituições de ensino, principalmente dentro do curso de administração, nos últimos anos a
19

maioria das Universidades vem investindo mais nesta área cuja intenção é que haja mais
crescimento ao passar dos anos, aplicando aulas práticas e ensinando como usar a
habilidades, desse modo o acadêmico que já possui alguns dons empreendedores com
certeza irá adquirir mais conhecimentos, podendo então sair da Universidade um
profissional qualificado e preparado para o mercado competitivo.

[...] cada vez mais, acredita-se que o processo empreendedor pode ser
ensinado e entendido por qualquer pessoa e que o sucesso é decorrente de
uma gama de fatores internos e externos ao negócio, do perfil do
empreendedor e de como ele administra as adversidades que encontra no
dia a dia. (VIEIRA, MELATTI E RIBEIRO, 2011, p. 292 apud
DORNELAS, 2001, p. 38).

Um dos melhores meios de aprender é através do estudo, que pode encorajar e acrescentar
nos alunos suas competências e talentos necessários para a regência de um
empreendimento, e cada Universidade adota um método e uma prática diferente de aplicar
a disciplina de empreendedorismo, muitas usam o método da criação de empresas, como
por exemplo: apresentação de empresas criadas pelos acadêmicos da Faculdade na semana
empreendedora, a elaboração dessas empresas são feitas de acordo com as necessidades do
mercado.
Vieira, Melatti e Ribeiro apud (2011, p. 292 FILION, 1999, p. 11), descrevem
que: “o descompasso entre o ensino tradicional e o ensino do empreendedorismo já foi
observado e relatado” e complementa com a fala de (Filion, 1999, p. 11), que:

É interessante notar que o desenvolvimento do empreendedorismo como


disciplina não seguiu padrão semelhante ao de outras disciplinas. Na
verdade, grande número de pesquisadores, cada um usando sua cultura,
lógica e metodologia estabelecida em graus variados em seus próprios
campos de estudo, começou a interessar-se e a trabalhar no campo do
empreendedorismo e de pequenos negócios. (FILION, 1999, p. 11).

O objetivo de muitas Faculdades para com os alunos é de desenvolver ações e


projetos a fim de identificar e avaliar as oportunidades, mas se vê que ainda é muito
20

precária a valorização aos acadêmicos, pois as organizações exigem profissionais


experientes e nem se quer dão chances para eles mostrarem o que realmente aprenderam
durante anos estudando. As novas tendências mercadológicas cobram muito desses
acadêmicos.
Empreendedorismo não é considerado uma área de conhecimento científico.
Embora o tema seja explorado em vários congressos acadêmicos no mundo e várias
revistas científicas de renome se dedicam a publicações nesta área, ainda há muito
preconceito por parte de certas linhas das ciências sociais aplicadas contra os
pesquisadores de empreendedorismo. Por outro lado, empreendedores querem distância do
meio acadêmico. Seu preconceito advém da ideia de que empreendedorismo não se ensina,
se faz. Histórias de empreendedores que abandonaram a escola para empreender ganharam
notoriedade com muita rapidez, enaltecendo a enorme distância entre estes dois mundos. A
consequência direta é que os que querem empreender não vão buscar na escola a sua
formação e sim nas histórias de outros empreendedores. Muitas pessoas não veem no
empreendedorismo como parte da vida acadêmica, mas sim como um espelho refletido de
outros grandes empreendedores de sucesso, alguns já possuem opiniões formadas de que
para fazer parte do mercado não é necessário ter uma formação profissional, mas estão
extremamente enganados, pois é através do ensino que os alunos despertam suas
habilidades para a criação e desenvolvimento a gestão de um empreendimento. O
empreendedorismo já é um processo de ampliação para outras disciplinas humanas, e isso é
um meio de mostrar as pessoas que para terem espírito empreendedor não é
necessariamente ter herdado geneticamente esse dom, podemos sim aprender em uma
instituição de ensino.

1.5 Ensino do empreendedorismo no curso de Administração

Desde os primórdios de sua criação, a Universidades vem se desenvolvendo e se


estabelecendo como geradora e disseminadora do conhecimento para a sociedade’ (Branst
et al., 2014, P. 62 apud MELO 2002).
Diante deste cenário competitivo, o ambiente organizacional exige muito do
colaborador, ele vem sendo encurralado, ou segue o novo padrão de mudança, ou fica
atrasado, neste caso é melhor procurar um ensino que irá te capacitar melhor para enfrentar
21

os desafios, é aí que entra o método que o empreendedorismo pode sim ser ensinado em
uma Universidade.
O curso de administração oferece aos acadêmicos grandes oportunidades de
conhecimento para a geração de um empreendimento de sucesso, oferece cursos de
planejamento de negócios, análise de mercado e conhecimento de público-alvo. Para
Santos e Galleli 2013, p.75 CLAMP e ALHAMIS 2010.

O acesso à educação, construção e disseminação do conhecimento sobre


o tema, por meio das universidades principalmente, é essencial para que o
empreendedorismo social avance em seu desenvolvimento. Acredita-se
que o investimento na formação do ensino superior é basilar para que os
candidatos a empreendedores sociais adquiram a capacidade de
reconhecer e buscar novas oportunidades para a criação de valor social,
de engajar-se proativamente em processos de inovação contínua,
adaptação e aprendizagem, além da habilidade de explorar todas as
opções de recursos, da filantropia pura aos métodos do mundo dos
negócios (SANTOS E GALLELI 2013, p.75 CLAMP e ALHAMIS
2010).

Usar de uma instituição de ensino é de suma importância para aqueles que


desejam ingressar na carreira empreendedora, na verdade quanto mais se adquire
conhecimentos maiores às chances e oportunidades aparecerão em seu caminho, então
levando em consideração esse fator, muitos indivíduos passaram a investir mais na
educação de curso superior, valorizando especificamente as áreas em que atuam a prática
do empreendedorismo, ensinando como agir para que o desenvolvimento das suas
habilidades seja usado de forma correta, correndo riscos calculáveis.
Branst et al. (2014, P. 62 apud DOLABELA 1999), citam que:

Foi apenas no final dos anos sessenta que as pequenas empresas


começaram a surgir em grande número e com sucesso, o que forçou as
Universidades a se adaptarem e a iniciar seus estudos nessa nova
realidade. Foi então que, em 1981 surgiu o primeiro curso de
empreendedorismo na escola de Administração da Fundação Getúlio
Vargas. No entanto, o curso não apresentava possuir muito futuro da
maneira como estava sendo executado. E por esse motivo o curso passou
a ser direcionado para o estudo da direção em grandes empresas.
(BRANST et al. 2014, P. 62 apud DOLABELA 1999).
22

Poucas pessoas acreditavam que poderiam dar certo aprender sobre


empreendedorismo na Universidade, por isso quase nada era investido nesta área, o que
chamou muito atenção para as pessoas começarem a procurar as instituições de ensino foi à
vontade crescer futuramente, mas crescer principalmente em nível de conhecimentos
agregando suas características empreendedoras com as práticas como, por exemplo: levar
os acadêmicos para fazer visitas nas grandes empresas, podendo ver de perto como
funciona o empreendedorismo na prática, assim podendo colher informações que possa
servir autoajuda futuramente.
Empreendedorismo não é nem ciência, e nem arte. É uma prática. Para tanto, o
conhecimento necessário para a criação de algo novo para conciliar a teoria com prática e
adquirir experiência na vida profissional (BRANST et al. 2014, p. 65 apud DRUCKER
1987).
Há um tempo as Universidades não conseguiam chamar a atenção dos alunos no
curso de Administração, pois só se era aplicada a teoria, muitos números, então muitos
desistam, mas a partir da década de 1980 devido ao grande crescimento da competitividade
no mercado de trabalho e as grandes mudanças principalmente no fator da tecnologia que
vem avançando rapidamente, facilitando na comunicação entre uma empresa e outra, e no
transporte dos produtos. Pensando por este lado, as empresas não teriam muitas opções de
crescimento, então o melhor jeito seria optar pelo investimento de irem a busca para obter
o melhor potencial empreendedor seria procurar uma Universidade mais diretamente o
curso de Administração.
23

CAPÍTULO II - A FACULDADE ITAPURANGA

Os dados apresentados nesse capítulo foram extraídos do site da Faculdade Itapuranga –


Goiás.

2.0 História

A Faculdade Itapuranga Ltda., credenciada pela Portaria nº 993 de 19/07/2011,


constitui-se numa Instituição de Ensino Superior, de caráter privado, surgiu dos anseios dos
empresários, líderes religiosos, políticos, intelectuais e famílias das comunidades de
Itapuranga e região, pois muitas famílias mudavam de Itapuranga para a Goiânia e
Anápolis, buscando uma melhor qualidade de vida e formação superior para seus jovens.
Assim a Faculdade Itapuranga, oferece à comunidade da região, condições para uma
formação superior, sem necessidade de deslocamento para grandes cidades, invertendo o
fluxo de famílias e jovens da região. Seu projeto educacional conta com o apoio de várias
lideranças: políticas, religiosas, intelectuais pós-graduados, empresários e comunidades de
Itapuranga entorno.
Em 22 de julho de 2011 a Faculdade Itapuranga por meio da portaria 287 de
22/06/2011 recebeu autorização de funcionamento do curso de Licenciatura em Pedagogia
e em 22 de julho de 2011 meio da portaria 285 de 22/06/2011 recebeu autorização de
funcionamento do curso de Bacharelado em Administração pela Portaria Nº 001/11, a FAI
ingressa no ensino de Pós-Graduação lato sensu.
Atualmente conta com Oito (08) cursos de Pós-Graduação, destes um está em
andamento, regulamentado de acordo com a resolução CES Nº 01 de 08 de junho de 2007.
Em 26 de junho de 2012, a Faculdade Itapuranga Ltda., após negociações, passa a ter como
proprietário os Srs. Raimundo Fonseca Pinheiro e Robson Isac Fonseca Pinheiro atestado
pelo 2º Cartório do 2º Oficio – Registro Pessoas Jurídicas, Títulos, Documentos e
Tabelionato de São Luís de Montes Belos – GO.
E em 22 de novembro de 2013 por meio da portaria 620 recebeu autorização de
funcionamento do curso de Bacharelado em Ciências Contábeis.
Para assegurar qualidade aos cursos, a Faculdade Itapuranga conta com uma
equipe de professores (as) experientes e com a devida titulação acadêmica composta por
especialistas, mestres e doutores. Para cumprir suas atividades de ensino, iniciação
24

científica e extensão, a Instituição possui também parcerias com Empresas, Prefeituras,


Sindicatos, oferecendo bolsas de estudos e uma infraestrutura de ônibus para atender a
professores e estudantes de outras cidades. Além disso, conta também com uma biblioteca
informatizada com acervo total de, aproximadamente 7204 exemplares; Auditório com
capacidade de até 200 expectadores; laboratórios de Informática com Internet, Banda
Larga, TV/Vídeo, DVD, Data show e laboratórios ligados propiciando um ensino voltado
para a interação entre a teoria e a prática.
Mesmo sendo uma jovem Instituição de Ensino Superior, a FAI em muito vem
contribuindo para o desenvolvimento da Região Noroeste e Central do Estado de Goiás.
Sua instalação na cidade de Itapuranga mudou a visão da população que agora luta para
ingressar no ensino superior, para adquirir conhecimentos epistemológicos, aprendizagens
gerais e específicas e formação profissional.

2.1 Missão
A Faculdade Itapuranga, por meio de metodologias ativas e usando os melhores
recursos tecnológicos de ensino, tem como missão formar profissionais empreendedores,
éticos, compromissados com a sustentabilidade do desenvolvimento socioeconômico,
cultural e ambiental da cidade de Itapuranga, da região, do Estado de Goiás e do Brasil,
com competências para criar soluções inovadoras para os desafios do mundo do trabalho e
de uma sociedade em constante transformação.

2.2 Plano de Desenvolvimento Institucional

O Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI/2012-2017 foi elaborado com a


participação da comunidade acadêmica. Este documento foi desenvolvimento visando à
projeção daquilo que nossa Instituição quer e pode ser no futuro e estabelece os objetivos e
metas estratégicas para o período proposto. Isto implica, então, em conhecer
adequadamente, no âmbito interno e externo, os aspectos fortes ou vantagens, facilitadores
do desenvolvimento institucional, e os pontos fracos ou desvantagens a enfrentar. À luz
dessa contextualização analítica, dentro no contexto externo em que nossa Instituição atua,
é possível definir nossa Missão, Visão e Futuro. O documento apresenta-se como
instrumento estratégico institucional que norteará os caminhos a serem percorridos a curto,
25

médio e longo prazo sendo que a atual gestão propõe-se a desenvolvê-lo por meio de
planejamento estratégico e participativo, atendendo à qualificação técnica, formal e social,
reafirmando sua missão como Instituição de Ensino Superior.

2.3 Curso de Administração

O curso de Administração da FAI (FACULDADE ITAPURANGA) forma


profissionais proativos, flexíveis, com capacidade criativa, comunicação e visão crítica
abrangente. O administrador necessita estar em constante atualização e exercer a liderança
eficaz. A profissão é reconhecida e oferece inúmeras oportunidades de trabalho. O desafio
do curso de Administração da FAI é construir uma abordagem do conhecimento
administrativo que não esteja norteado apenas pela racionalidade instrumental, mas por
outras capacidades que envolvem a razão, emoção, sensibilidade, senso de justiça, ética,
solidariedade, responsabilidade social. O curso de Administração, foi autorizado pela 287
de 22 de JULHO de 2011. DOU 25/7/2011 - SEÇÃO 1 - PÁG. 23. Com duração de 4 anos,
para funcionamento no turno noturno.

2.3.1 Diferencial

O Curso de Administração da Faculdade Itapuranga – FAI é constituído por uma


ampla base de conhecimentos da área da Administração e com a verticalização, nos últimos
períodos do Curso em Linhas de Formação Específica em: Finanças, Marketing, Produção
e Logística.

2.3.2 Missão do curso

Oferecer um ensino de qualidade, formando pessoas éticas e competentes


inseridas na comunidade regional dentro de uma visão global, capazes de construir o
conhecimento atualizado que atenda as demandas da formação profissional de nível
superior em administração, buscando sempre a valorização e a solidariedade humana.

2.3.3 Mercado de trabalho segundo a Faculdade Itapuranga


26

O bacharelado em Administração é um dos cursos com o maior número de


formandos a cada ano. Isso dá uma ideia de quão concorrida é a área.
O mercado para o administrador segue as tendências de crescimento do país. O
administrador é procurado em todos os setores. Nas corporações, suas principais áreas de
atuação são gestão financeira, recursos humanos e operações, planejamento estratégico e
marketing, além de logística e vendas. Abrir negócio próprio, como empreendedor, ou
trabalhar em empresas de consultoria e auditoria são outras possibilidades. A maioria das
empresas contrata o profissional ainda durante a graduação como trainee; muitos são
efetivados depois de formados. Tanto no setor público quanto no setor privado as
oportunidades são reais e o Administrador é cada vez mais requisitado.

2.3.4 Espaço físico do curso de Administração

Instituição contempla uma infraestrutura sala da coordenação da Pós Graduação,


Pesquisa e Extensão, CPA, Coordenação Pedagógica, Biblioteca, Secretaria Acadêmica,
Tesouraria, sala da Gerência Acadêmica, sala da Diretoria Geral, sala da Empresa Júnior,
Departamento Pessoal, Salas de aulas, sala de informática, dois banheiros (masculino e
feminino). Além disso, ressaltamos que as condições de acústica, iluminação e ventilação
são adequadas ao tipo de atividades desenvolvidas e ao público que atende, bem como os
mobiliários, equipamentos e a manutenção e conservação dos ambientes.

2.3.5 Laboratório de Informática e Laboratório de Estágio (Empresa Júnior)

Na velocidade e na quantidade de informações do dia a dia, a utilização da


informática, como apoio ao ensino, permite a eficiência do processo e a garantia do
desempenho do acadêmico, e de toda comunidade acadêmica, proporcionando sensível
melhoria na qualidade do ensino oferecido. Os cursos de graduação utilizam os
laboratórios de informática na oferta da disciplina e como apoio ao ensino das demais
disciplinas do núcleo básico e profissionalizante e, ainda para treinamento dos alunos em
horários diferentes do funcionamento dos cursos.

Para isso a Instituição disponibiliza pessoal qualificado para atendimento do


discente. A utilização dos laboratórios obedece a uma programação acadêmica das
27

disciplinas, permitindo a revisão e o aprofundamento de conteúdos ministrados em sala de


aula. O curso de Administração dispõe de um Laboratório de Estágio Supervisionado onde
se encontra a Empresa Junior. Uma sala com microcomputadores com acesso a Internet
para pesquisas e para formatação de relatórios, sala de reuniões e todo equipamento de
mídia necessário.

CAPÍTULO III- ANÁLISE DOS DADOS


28

Os gráficos apresentados nesse capitulo refere-se ao questionário em apêndice,


que foi aplicado aos acadêmicos concluintes do curso de Administração do ano de 2016/2,
da Faculdade Itapuranga – FAI.
Dos 36 concluintes, 10 responderam o questionário. O questionário estava
dividido em 10 perguntas onde indicava a opção para marcar: 1. Discordo totalmente; 2.
Discordo; 3. Nem discordo e Nem concordo; 4. Concordo; 5. Concordo totalmente. E
quatro perguntas onde tinham que responder por escrito, respostas que serão apresentados
na conclusão deste trabalho.

Ao procurar os acadêmicos se a ideia empreendedora nasceu durante os seus


estudos da Faculdade, dos 10 entrevistados 50% respondeu que sim, a ideia de empreender
nasceu no decorrer dos seus estudos da graduação, 40% responderam que não, ou seja,
ingressou na graduação sabendo que já queria empreender, e 10% não respondeu.
Os gráficos abaixo buscam descrever o perfil dos acadêmicos na busca de
oportunidade e iniciativa, que são quesitos entender descrever e entender o se os
acadêmicos estão preparados para empreender ou querem ou tenha coragem de empreender
no mercado de trabalho após a conclusão da sua graduação de Administração.
29

Ao analisar se os acadêmicos buscam oportunidades que aparecem, 40% concorda


totalmente, ou seja, busca, as oportunidades que aprece. Os outros 40% concorda em
buscar as oportunidades e 20% nem concorda e nem discorda. Entendo que a maioria
buscam as oportunidades.

Através da pesquisa feita com os acadêmicos do curso de administração, 50% dos


alunos concordam que procuram enfrentar os medos, neste caso, alguns podem chegar a
desistir de enfrentar o medo, e 30% desses alunos concordam totalmente em enfrentar os
30

medos, podendo dizer que eles estão aptos em ter coragem para enfrentar os medos, já 20%
dos alunos não discordo e nem concordo, deste modo pode se afirmar que esses podem
desistir de enfrentar, ou enfrentar os medos a qualquer momento e tem mais probabilidade
de desistência.

De acordo com a pesquisa realizada 70% dos alunos concordam em tem paciência
em refazer as coisas, pode lhe dizer que estes alunos estão preparados, mas podem desistir
em algum momento e 20% dos alunos concordam totalmente que tem paciência em refazer
as coisas, ou seja, uma pequena porcentagem está totalmente preparada em ter paciência
em refazer as coisas, e 10% dos alunos entrevistados nem discorda e nem concorda,
portanto para a minoria é muito importante ter paciência em refazer as coisas.
31

Percebendo os dados colhidos 50% dos alunos entrevistados discordam totalmente


em desistir logo no primeiro obstáculo, observando então que a metade dos alunos já mais
desistirá no primeiro obstáculo, e 40% dos alunos discorda em desistir logo no primeiro
obstáculo, ou, seja podendo haver possibilidade de desistir, e 10% nem concorda e nem
discorda em desistir logo no primeiro obstáculo, dando a entender qualquer momento pode
desistir.

Com base nos dados da pesquisa 80% dos alunos concorda em mudar de
estratégia para superar o primeiro obstáculo, isso quer dizer que estes alunos podem mudar
de opinião para não mudar de estratégia, e 10% dos alunos concordam totalmente em
mudar de estratégia para superar o primeiro obstáculo, ou seja, você precisa ter o plano A e
o plano B, e outros 10% nem concorda e nem discorda em mudar de estratégia para superar
o primeiro obstáculo, para eles não importa superar o obstáculo.
32

Observando estes dados 90% dos acadêmicos concordam que tem paciência para
refazer as coisas, e 10% concordam totalmente que tem paciência para refazer as coisas, ou
seja, realmente estão dispostas a refazer, não pensam em desistir.

Considerando os dados colhidos durante a pesquisa 70% dos alunos concordam


que são confiantes na capacidade de realizar uma tarefa difícil, podendo haver
possibilidade de mudar de opinião de que nem todas às vezes têm a confiança de
capacidade de realizar uma tarefa difícil, e 20% dos alunos nem discordam e nem
concordam, significando que raramente ele tem confiança em sua capacidade de realizar
uma tarefa difícil, e 10% concordam totalmente que são confiantes em sua capacidade de
realizar uma tarefa difícil, ou seja, acreditam plenamente e com certeza são confiantes na
sua capacidade.
33

Diante dos dados colhidos 60% dos entrevistados nem discorda e nem concorda
em arriscar quando tem certeza, isso significa que ele pode ter duvidas, e 10% concordam
que só arrisca quando se tem certeza, neste caso, também pode mudar de ideia, e 10%
concordam totalmente que arrisca quando tem certeza, ou melhor, eles têm plena certeza
do que estão fazendo e com confiança total, e 10% discordam que só arrisca quando tem
certeza, portanto eles arriscam na dúvida mesmo sem pensar, e 10% discordam totalmente
que só arriscam quando tem certeza, isto é, se arriscam na incerteza mesmo podendo
causar problemas.

Analisando os dados da pesquisa nota-se que 50% dos alunos nem discorda e nem
concorda que costuma ouvir as pessoas antes de resolver um problema, quer dizer que às
vezes costumam ouvir sim e outras vezes não, e 30% dos alunos concordam, mas também
podem mudar de opinião, e 10% discorda de ouvir as pessoas antes de resolver os
problemas, ou seja, não acha necessário ouvir, e 10% concordam totalmente em ouvir as
pessoas antes de resolver um problema, acredita que seja de suma importância ouvi-las.
34

Frente aos dados colhidos compreendemos que 30% dos alunos concordam que
visam lucros em todos os seus investimentos, ou seja, trabalham para que haja lucro, e 60%
concordam totalmente que visam lucro em todos os seus investimentos, isso quer dizer que
não existe prejuízos, e 10% nem discorda e nem concorda que visa lucros em todos os seus
investimentos, quer dizer que nem sempre, mas corre atrás para se obtiver os lucros.
35

4.0 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O empreendedorismo vem quebrando barreira no atual cenário que estamos


vivenciando, hoje o indivíduo desenvolveu, ou seja, ele prosperou conforme as
necessidades econômicas e as tendências mais procuradas, ele buscou conhecimento para
melhor aproveitamento das oportunidades, porque além do aumento de gerar emprego e
gerar riquezas para o país, o empreendedorismo também atua em transformar mudanças na
estrutura da sociedade, ofereceu melhores condições de vida à sociedade. Tanto o
empreendedor por necessidade ou por oportunidade, os dois tem o mesmo ideal, procuram
empreender, inovar, criar algo novo, e devido ao crescimento do desemprego, muitas
pessoas ficam sem ter opção, então elas acabam investindo mais em abrir sua própria
empresa que com muito trabalho, dedicação, ousadia, persistência, coragem e outras
habilidades, conseguem se estabilizarem no mundo dos negócios. Ficou obvio que o
empreendedorismo esteve a todo o momento agregado ao risco que o empreendedor
responsabiliza-se cada vez que ele escolhe criar algo novo ou serviço ao cliente e tendo
sempre visão no futuro, escolhendo o momento certo de aproveitar suas oportunidades.
Para obter sucesso em uma empresa, vai depender se o empreendedor tomou as
decisões corretas previamente antes de começar o seu empreendimento, transformando
ideias simples em um grande negócio para fazer parte do mercado competitivo
satisfazendo as necessidades de consumo de seu cliente, entende-se então que
empreendedor precisa ter uma relação de uma boa ideia com uma boa vontade. O
empreendedor é aquele que faz as coisas acontecerem e mesmo com as dificuldades ele
ainda consegue tirar proveito depois de buscar soluções para os problemas. Por isso ele
procurou ser um empreendedor de coragem, que assume riscos, mas riscos calculáveis
sabem até onde podem ir, identificam e analisam as melhores oportunidades, podendo
então transformá-las em um grande negócio de sucesso, e contribuindo para o crescimento
econômico e social.
A adaptação das mudanças tecnológicas também faz parte do perfil empreendedor,
pois aquele não se adaptar e atualizar vai ficar prejudicado no desenvolvimento da
empresa. Um bom líder faz a diferença na hora de comandar sua equipe, por isso ele é
exemplo para os colaboradores, sabem trabalhar em equipe, é um bom ouvinte, tem
eficiência no aproveitamento de recursos da empresa, são determinados a enfrentar o
desafio.
36

Atualmente o Brasil vem crescendo economicamente devido à abertura de grandes


empresas, no momento em que se vivência uma enorme crise, isso significa que as pessoas
terão mais chances de realizar seus sonhos. O empreendedorismo no Brasil foi evoluindo
aos poucos, o desenvolvimento da pesquisa exibe cenários favoráveis que ao longo dos
anos os cenários foram favoráveis ao empreendedorismo no Brasil alguns dados mostram
que o SEBRAE vem capacitando muitas pessoas, melhor dizendo oferece a essas pessoas
oportunidades de adquirir e desenvolver os conhecimentos de como fazer para abrir um
negócio e se tornar um empresário de sucesso. Existem vários órgãos de apoio no Brasil,
este é um meio em que muitas pessoas procuram como uma forma de autoajuda, como um
empurrão na hora da dúvida, veio para colaborar com o desenvolvimento capitalista.
A pesquisa detecta que, a partir do momento em que retornamos mais
especializados em uma área de educação, distendemos a transformar e desenvolver o
material de ensino mais bem preparado, a partir do momento em que fez uso do ensino no
empreendedorismo você empreendedor se tornou uma pessoa melhor qualificada,
produtiva e com certeza sabendo usar melhor suas habilidades, nos últimos anos muitas
pessoas tem procurado o curso de administração, isso é devido às grandes mudanças no
ambiente empresarial e segue as exigências do mercado competitivo. O curso de
administração permite ao acadêmico adquirir mais conhecimento para planejar o seu
negócio, e analisar o mercado e conhecer o seu publico. Muitos empreendedores sugiram
dos estudos da Faculdade.
A faculdade Itapuranga está sempre em busca de melhores qualidades de vida e
formação superior para nós acadêmicos, oferecendo cursos de administração,
contabilidade, pedagogia, técnico de enfermagem, gestão de segurança pública e privada,
conta com uma biblioteca, laboratório de informática, um quadro de professores
excelentes, pós-graduação, e sua missão é formar profissionais éticos, tendo como
diferencial o curso de administração.
Através da pesquisa feita com os acadêmicos concluintes do curso de administração da
Faculdade Itapuranga, percebeu-se que a maioria dos acadêmicos que estão em busca das
oportunidades que aparecem, avaliam bem se compensa investir, e então começam a
enfrentar seus medos e aprendendo a não desistir no primeiro obstáculo que aparece, e se
aparecer, muda de estratégia para superá-lo, confia na sua capacidade de realizar uma
tarefa difícil. 50% dos entrevistados estão preparados para empreender, são pessoas que
visão captar oportunidades, acredita que seus sonhos podem se tornar realidades, e que é
37

necessário correr atrás dos seus objetivos, sabendo usar suas forças na hora certa, ter
respeito dentro da organização, pois ajudam na produtividade, companheirismo e
lucratividade da empresa. Qualquer pessoa pode ser empreendedor, não precisa abrir uma
empresa, ele pode empreender em qualquer área que atue, basta ser inovador, contribuir
com ideias arrojadas, com objetivo de criar algo que revolucione sua área de trabalho.
Conclui-se que o empreendedorismo e o empreendedor têm um papel fundamental
na sociedade, contribuindo com o crescimento econômico, geração de emprego, geração de
impostos, dando melhor condições de vida para as pessoas, gerando riquezas para a
sociedade, agregando conhecimentos através do ensino adquiridos nas Universidades,
aproveitando as oportunidades para ter melhorias nos serviços e produtos através das
grandes tecnologias e os órgãos de apoio ao empreendedorismo.
38

REFERÊNCIAS

BAGGIO, Adelar Francisco; BAGGIO, Daniel Knebel. Empreendedorismo: conceitos e


definições. Revista de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia, 1(1): 25-38, 2014.
Disponível em: < https://seer.imed.edu.br/index.php/revistasi/article/viewFile/612/522>.
Acessado 19/01/2017.

BISPO, Cláudio dos Santos et al. Empreendedorismo e Inovação. Artigo Científico.


Disponível em:
<http://www.ibes.edu.br/aluno/arquivos/artigo_empreendorismo_inovacao.pdf>. Acessado
25/01/2017.

BRANTS, Jéssica Bulhosa et al. Empreendedorismo Acadêmico no Curso de


Administração da UNIR. Belo Horizonte, v. 16, n. 2, p. 59-74. Abr./jun. 2015. Disponível
em: <http://www.fumec.br/revistas/pretexto/article/view/2368>. Acessado 03/01/2017.

FACULDADE ITAPURANGA. Curso de Administração. Disponível em:


<http://www.faiita.com.br>. Acessado 23/01/2017.

GEM - GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR – Empreendedorismo no Brasil –


2001. Relatório Nacional: Curitiba, IBQP, 2001- 2013. Disponível em:
<http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/mostraucsppga/mostrappga2014/paper/vie
wFile/3735/1208>. Acessado 12/12/2016.

JUNIOR, Walteno Martins Parreira. Apostila de Empreendedorismo. Faculdade


Pitágoras. Uberlândia, 2013. Disponível em:
<http://www.waltenomartins.com.br/emp_aps.pdf>. Acessado 15/01/2017.

MARTENS, Cristina Dai Prá. FREITAS, Henrique. Influencia do ensino de


empreendedorismo nas intenções de direcionamento profissional dos estudantes.
Estudo e Debate, Lajeado, v. 15, n 2, p. 71-95, 2008. Disponível em:
<https://www.researchgate.net/profile/Cristina_Martens/publication/237603965_Influencia
_do_ensino_de_empreendedorismo_nas_intencoes_de_direcionamento_profissional_dos_e
studantes_The_influence_of_entrepreneurship_education_in_students'_intentions_as_to_pr
ofessional_orientatio/links/540cf13c0cf2f2b29a382450.pdf>. Acessado 19/01/2017.

SANTOS, Luis Miguel Luzio dos. GALLELI, Bárbara. O Ensino de Empreendedorismo


Social nos Cursos de Administração das Universidades Públicas Brasileiras. Revista
Científica, UFV. Administração Pública e Gestão Social, 5(2), abr./jun. 2013, 71-79 ISSN
2175-5787. Disponível em:
<http://www.apgs.ufv.br/index.php/apgs/article/view/482#.WI90AFMrLIU. Acessado
20/01/2017.

VIEIRA, Saulo Fabiano Amâncio. MELATTI, Gerson Antônio. RIBEIRO, Paula Regina.
O Ensino de Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração: um
estudo comparativo entre as universidades estaduais de Londrina e Maringá. Rev. Adm.
UFSM, Santa Maria, v. 4, n. 1, p. 288-301, mai./ago. 2011. Disponível em:
<http://www.redalyc.org/pdf/2734/273419420007.pdf >. Acessado 15/11/206.
39

APÊNDICE- QUESTIONÁRIO APLICADO AOS ALUNOS

Presado respondente
Esta pesquisa, de cunho acadêmico, é parte integrante do Trabalho de Conclusão de Curso
– TCC do curso de Administração da Faculdade Itapuranga – Goiás, onde tem por objetivo
analisar o perfil dos acadêmicos concluintes do curso de Administração no ano de 2016/2,
se estão preparados para o empreendedorismo no mercado de trabalho.

Vale ressaltar que a pesquisa é anônima, sem identificação de qualquer natureza.

Gênero

[ ] Masculino [ ] Feminino

Neste questionário você vai encontrar uma série questionários que descrevem
características empreendedoras no mercado de trabalho.

Para responder, leia os questionários a seguir e marque a cada pergunta o número que
melhor representa sua opinião, de acordo com a seguinte escala:

1- O que é ser empreendedor?


_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

2- A ideia empreendedora nasceu durante os seus estudos na faculdade?

( ) sim ( ) Não

1 2 3 4 5
Discordo Discordo Nem discordo Concordo Concordo
Totalmente Nem concordo totalmente

BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVA 1 2 3 4 5


1 Eu busco as oportunidades que aparecem
2 Eu procuro enfrentar os medos
3 Eu tenho paciência em refazer as coisas
4 Eu desisto logo no primeiro obstáculo
5 Eu mudo de estratégia para superar o primeiro obstáculo
40

6 Eu tenho paciência para refazer as coisas


7 Eu sou confiante em minha capacidade de realizar uma tarefa difícil
8 Eu só me arrisco quando tenho certeza
9 Eu costumo ouvir as pessoas antes de resolver um problema
10 Eu viso lucro em todos os meus investimentos

11- Como você avalia as oportunidades em sua vida?


_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
12- Quais são suas forças e suas fraquezas?
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
13- De que forma na teoria e na prática a ética e as relações humanas no trabalho irão
contribuir para o sucesso do empreendedor.

_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
________________________________________________________________________