Você está na página 1de 18

Em relação às ligas de ferro-carbono e considerando um processo de resfriamento lento, afirma-se

que, para teores de carbono:


I - inferiores a 0,77%, as ligas de ferro-carbono são constituídas, à temperatura ambiente, de ferrita
e perlita;
II - entre 0,77% e 2,11%, as ligas de ferro-carbono são constituídas, à temperatura ambiente, de
perlita e cementita;
III - acima de 0,77%, as ligas de ferro-carbono são constituídas, à temperatura ambiente, de perlita
e cementita.
Está(ão) correta(s) a(s) afirmação(ões):
(A) II, apenas. (B) I e II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III.

Em relação ao tamanho do grão austenítico, observe as afirmações a seguir.


I - Os aços com tamanho grande de grão austenítico tendem a apresentar mais facilmente, no
esfriamento, uma estrutura martensítica.
II - Deve-se preferir um aço com granulação grosseira, devido à menor suscetibilidade à presença
de fissuras de têmpera.
III - Quanto maior o tamanho do grão, mais para a esquerda são deslocadas as curvas de início e
fim de transformação da austenita.
Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s):
(A) I, apenas. (B) I e II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III.

Em relação à estrutura dos metais, afirma-se que:


I - os metais com elevada pureza são, de um modo geral, menos duro e resistente do que as ligas
compostas pelo mesmo metal de base;
II - a expressão conhecida por Equação de Hall-Petch permite determinar a tensão de ruptura em
função do diâmetro médio do grão para um metal policristalino;
III - um metal com granulação fina tem maior área total de contornos de grãos, o que facilita o
movimento das discordâncias e aumenta sua dureza e resistência.
Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s):
(A) I, apenas. (B) I e II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III.

Em relação à austêmpera, está correta uma das afirmações abaixo. Indique-a.


(A) Para assegurar uma completa transformação da austenita em bainita, o material deve ser
resfriado lentamente a partir da temperatura de austenização até a temperatura do banho de
austêmpera.
(B) O material deve ser mantido no banho de austêmpera, geralmente acima de 550°C, o tempo
necessário para promover a completa transformação da austenita em bainita.
(C) A grande vantagem da austêmpera sobre a têmpera e revenido comuns reside no fato de as
tensões internas resultantes serem muito menores devido à estrutura bainítica formar-se
diretamente da austenita à temperatura mais alta que a martensita. (D) As estruturas bainíticas
obtidas na austêmpera caracterizam-se pela baixa ductilidade e pequena resistência ao choque,
com durezas elevadas.
(E) A tenacidade das estruturas bainíticas obtidas na austêmpera são inferiores às da martensita
revenida normal com, aproximadamente, a mesma dureza.
Considere as afirmativas abaixo, acerca das propriedades dos materiais.
I – O ferro fundido cinzento é fácil de ser trabalhado por ferramentas de corte e absorve bem as
vibrações, condição que o torna ideal para corpos de máquinas.
II – O aço-carbono é um material que possui uma alta percentagem de carbono em sua
composição, tendo o carbono como elemento básico de liga.
III – O ferro fundido branco é muito duro, difícil de ser usinado e utilizado em peças que exijam
grande resistência ao desgaste.
IV – Em geral, o cobre, um material não ferroso, possui baixa capacidade de usinagem.
Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s):
(A) II, apenas. (B) I e III, apenas. (C) I e IV, apenas. (D) II e III, apenas. (E) II e IV,

Analise as afirmações abaixo, em relação à estrutura cristalina do ferro, suas transformações de


fase e às ligas ferrocarbono.
I - A ferrita é a configuração estrutural do ferro puro a temperatura ambiente, ou seja, uma
estrutura cúbica de corpo centrado (CCC). Esta configuração torna a solubilidade de carbono na
ferrita muito baixa.
II - A austenita é a configuração de face centrada (CFC) do ferro, constituindo a forma estável de
ferro puro a temperaturas entre 912°C e 1394°C, e é um material ferromagnético a temperaturas
inferiores a 1100°C.
III - A grafita é a fase mais comumente formada pelo carbono que excede o limite de solubilidade
nas ligas ferro-carbono com baixo teor de silício e a sua presença na ferrita dos aços aumenta a
resistência mecânica destes.
IV - A perlita é uma mistura lamelar de ferrita e cementita, com cerca de 88% de ferrita e 12% de
cementita, formada pela transformação da austenita de composição eutética.
Estão corretas, apenas, as afirmações:
(A) I e II (B) I e IV (C) II e III (D) II e IV (E) I, III e IV

Ligas metálicas, ferrosas e não-ferrosas, são os principais materiais utilizados na construção


mecânica. Acerca dessa categoria de materiais, julgue os itens seguintes.
129 Os aços rápidos são aços-ferramenta desenvolvidos para usinagem em elevadas velocidades.
130 Os aços-carbono com menos de 0,3% de carbono, chamados de aços doces ou aços baixo-
carbono, apresentam boa ductilidade e suas propriedades podem ser melhoradas por meio da
têmpera.
131 Entre os aços inoxidáveis, somente os martensíticos podem ser endurecidos por tratamento
térmico.
132 Uma liga de alumínio 7178-T6 possui ductilidade maior que a 7178-O.
133 A Incoloy 800 é uma liga de titânio cuja aplicação principal é em tubulações e trocadores de
calor de processos em razão da sua alta resistência à corrosão a temperaturas elevadas.
A figura apresentada corresponde a uma região do diagrama ferro-carbono. Com base nessa
figura, julgue os itens seguintes.
138 A microestrutura da região 1 é formada exclusivamente por ferrita.
139 A perlita está presente nas microestruturas das regiões 2 e 4

Os três principais mecanismos de aumento da resistência dos metais monofásicos são a redução
do tamanho do grão, a formação de ligas por solução sólida e o encruamento. A esse respeito,
considere as afirmativas a seguir.
I − A habilidade de um metal ser deformado de maneira plástica depende da habilidade das
discordâncias em se moverem.
II − A restrição ou impedimento do movimento de discordâncias confere maior dureza e mais
resistência a um material.
III − Os metais com pureza elevada são, em geral, mais duros e mais resistentes do que as ligas
que são compostas pelo mesmo metal de base.
IV − O encruamento é o fenômeno segundo o qual um metal dúctil se torna mais duro e mais
resistente quando submetido a uma deformação plástica.
São verdadeiras APENAS as afirmativas:
(A) I e II (B) I e III (C) I, II e IV (D) I, III e IV (E) III e IV

O aquecimento do ferro fundido branco a temperaturas entre 800 e 900 °C, por um período de
tempo prolongado e em uma atmosfera neutra, para prevenir a oxidação, provoca a decomposição
da.
(A) austenita, formando perlita, e dá origem a um outro tipo de ferro fundido, denominado ferro
fundido cinzento.
(B) cementita, formando grafita, e dá origem a um outro tipo de ferro fundido, denominado ferro
fundido maleável.
(C) cementita, formando perlita, e dá origem a um outro tipo de ferro fundido, denominado ferro
fundido mesclado.
(D) ledeburita, formando grafita, e dá origem a um outro tipo de ferro fundido, denominado ferro
fundido nodular.
(E) ledeburita, formando perlita, e dá origem a um outro tipo de ferro fundido, denominado ferro
fundido pudlado.
Analisando-se o diagrama de fases Fe-Fe3 C e comparando-se as microestruturas dos aços com
composição eutetoide, hipoeutetoide e hipereutetoide, resfriados lentamente até a temperatura
ambiente, observa-se que o aço hipoeutetoide é constituído por.

(A) cementita e perlita, resultantes da transformação da austenita; o aço hipereutetoide, por ferrita e
perlita e o aço eutetoide, exclusivamente por perlita.
(B) ferrita proeutetoide, resultante da transformação da cementita; o aço hipereutetoide, por
cementita e perlita, e o aço eutetoide, exclusivamente por perlita. (C) ferrita e cementita, resultantes
da transformação da austenita, o aço hipereutetoide, por perlita e cementita, e o aço eutetoide,
exclusivamente por cementita.
(D) ferrita e perlita, resultantes da transformação da austenita; o aço hipereutetoide, por cementita
e perlita, e o aço eutetoide, exclusivamente por perlita.
(E) ferrita e perlita, resultantes da transformação da cementita; o aço hipereutetoide, por cementita
lamelar e o aço eutetoide, exclusivamente por perlita.

O diagrama de fases do sistema ferro-carbeto de ferro se encontra representado na figura abaixo.

Para um aço com 0,4%p C resfriado dentro das condições de equilíbrio, qual é a quantidade dos
seus constituintes imediatamente após a reação eutetoide?
(A) 100% de ferrita.
(B) 50% de ferrita e 50% de perlita.
(C) 100% de perlita.
(D) 50% de cementita e 50% de perlita.
(E) 100% de cementita.
Ao estudar a transformação martensítica, um engenheiro concluiu que essa transformação.

(A) ocorre exclusivamente nas ligas de ferro-carbono e é caracterizada, em parte, pela


transformação com ausência de difusão.
(B) ocorre quando a velocidade de resfriamento é alta o suficiente, de modo que os átomos de
carbono permanecem como impurezas substitucionais na martensita.
(C) ocorre de maneira que a austenita CFC experimenta uma transformação polimórfica em uma
martensita tetragonal de face centrada (TFC).
(D) produz uma solução sólida substitucional com átomos de carbono, capaz de se transformar
rapidamente em outras estruturas, quando aquecida.
(E) produz uma estrutura cristalina cuja célula unitária consiste em um cubo de corpo centrado que
foi alongado na extensão de uma de suas dimensões.

A figura abaixo apresenta o diagrama Fe-C para teores de até 6,7% em peso de carbono

Uma liga binária Fe-C com 4,7% em peso de carbono sofrerá um esfriamento lento e, ao atingir a
temperatura de 1.147 o C, se solidificará totalmente. Nessas condições, tal liga será composta por
(A) austenita e o eutético ledeburita.
(B) austenita e o eutético cementita.
(C) cementita e o eutético ledeburita.
(D) cementita e o eutético austenita.
(E) ledeburita e o eutético austenita.

Os aços de alta resistência e baixa liga são aqueles que têm maior resistência mecânica que os
seus aços-carbono equivalentes. Tais aços
(A) possuem baixo teor de carbono, em geral inferior a 0,28%.
(B) são frágeis, não podem ser conformados e só podem ser usinados em condições especiais.
(C) são menos resistentes à corrosão em atmosferas normais do que os aços comuns ao carbono.
(D) contêm outros elementos de liga que, em concentrações combinadas, não ultrapassam 0,5%.
(E) devem ser endurecidos por deformação, pois não podem ter a sua resistência aumentada por
meio de tratamento térmico, devido à fragilização.

A figura abaixo apresenta esquematicamente o diagrama de transformação isotérmica para um aço-


carbono comum com 0,76% C, onde o trajeto tempo-temperatura para um tratamento térmico está
indicado.

A microestrutura final de uma pequena amostra submetida a esse tratamento será composta
por
(A) 100% de bainita.
(B) 100% de perlita fina.
(C) 100% de perlita grosseira.
(D) 100% de martensita.
(E) 50% de perlita fina e 50% de bainita.

A reação eutética em um diagrama de fases de uma liga metálica é definida como uma reação
trifásica, na qual, durante o resfriamento,
(A) uma fase sólida se transforma em duas outras fases sólidas, no mesmo instante.
(B) uma fase líquida se transforma em duas fases sólidas, no mesmo instante.
(C) duas fases (sendo uma líquida) reagem formando uma única (nova) fase sólida.
(D) duas fases sólidas reagem formando uma nova fase sólida.
(E) duas fases líquidas reagem formando uma nova fase sólida.
Qual mecanismo de aumento da resistência mecânica dos metais é o único que garante
aumento de resistência mecânica e de tenacidade, simultaneamente?
(A) Encruamento
(B) Refino de grão
(C) Transformação martensítica
(D) Endurecimento por precipitação
(E) Endurecimento por solução sólida

Nos aços carbono (aços comuns) hipoeutetoides, qual é o tratamento térmico que leva ao
surgimento de ferrita proeutetoide?
(A) Alívio de tensões
(B) Austêmpera
(C) Recozimento
(D) Revenido
(E) Têmpera

Dentre os vários tipos de transformação de fase, qual é o único que envolve somente
processos adifusioniais?
(A) Decomposição espinoidal
(B) Precipitação
(C) Recristalização
(D) Solidificação
(E) Transformação martensítica

Com base em diagrama de fases de equilíbrio Fe-Fe3 C, popularmente conhecido como


diagrama ferro-carbono, o teor de perlita num aço hipoeutetoide que contém 0,35 % de
carbono em massa (peso) é
(A) 0,15 %
(B) 0,25 %
(C) 0,35 %
(D) 0,45 %
(E) 0,55 %

Nos metais com estrutura cristalina cúbica de faces centradas (CFC), o fator de
empacotamento atômico é.
(A)  0,68
(B)  0,70
(C)  0,72
(D)  0,74
(E)  0,76
A figura abaixo apresenta o diagrama de fases em condições de equilíbrio para o cobre e o
níquel.

Considere uma liga cuja composição é de 35% (em peso) de níquel a 1.240 o C. A fração da
fase líquida pode ser calculada, com o auxílio da figura, de acordo com a seguinte expressão:
Reposta letra D

A estrutura cristalina dos metais pode ser modificada por um processo denominado
recristalização. Nesse contexto, afirma-se que a(s)

(A) recristalização ocorre mais lentamente em metais puros do que em ligas.


(B) recristalização é o processo de formação de um novo conjunto de grãos, livres de
deformação e com alta densidade de discordâncias.
(C) temperatura de recristalização é definida como a temperatura na qual a recristalização
atinge a metade de sua transformação em exatamente 1 hora.
(D) temperatura de recristalização depende da quantidade de trabalho a frio à qual o material
foi submetido anteriormente.
(E) operações de deformação plástica a quente são realizadas a temperaturas ligeiramente
abaixo da temperatura de recristalização.
Considere a figura a seguir, que apresenta o diagrama Fe-C para teores de até 6,7% em peso
de carbono, para responder às questões de nos 25 e 26.

Suponha o esfriamento lento de um aço com 0,3% em peso de carbono, desde a temperatura
de 1000ºC até atingir a temperatura de 727ºC. Nessas condições, esse aço será composto por

(A) cementita e austenita residual com teor de carbono de 0,76%p, sendo a austenita
remanescente transformada bruscamente em ferrita.
(B) cementita e austenita residual com teor de carbono de 0,022%p, sendo a austenita
remanescente transformada bruscamente em ferrita.
(C) ferrita e austenita residual com teor de carbono de 0,76%p, sendo a austenita
remanescente transformada bruscamente em perlita.
(D) ferrita e austenita residual com teor de carbono de 0,022%p, sendo a austenita
remanescente transformada bruscamente em perlita.
(E) perlita e austenita residual com teor de carbono de 0,3%p, sendo a austenita remanescente
transformada bruscamente em cementita.

Presuma o esfriamento lento de uma liga binária Fe-C com 3% em peso de carbono que, ao
atingir a temperatura de 1147ºC, se solidificará totalmente. Nessas circunstâncias, essa liga
será composta pela

(A) austenita e pelo eutético denominado ledeburita.


(B) austenita e pelo eutético denominado cementita.
(C) cementita e pelo eutético denominado ledeburita.
(D) cementita e pelo eutético denominado austenita.
(E) ledeburita e pelo eutético denominado austenita
Quando resfriados lentamente, os aços-carbono comuns possuem diferenças em suas
microestruturas, devido aos teores de carbono presentes em suas composições. A diferença
entre a microestrutura de um aço com teor elevado de carbono, superior a 0,8%, e a de um aço
com baixo teor de carbono, ambos na temperatura ambiente, é a formação da fase.

(A) eutetoide que, no aço com teor elevado de carbono, é a ferrita eutetoide e, no aço com
baixo teor de carbono, é a ferrita proeutetoide.
(B) eutetoide que, no aço com teor elevado de carbono, é a cementita eutetoide, e, no aço com
baixo teor de carbono, é a cementita proeutetoide.
(C) proeutetoide que, no aço com teor elevado de carbono, é a perlita proeutetoide, e, no aço
com baixo teor de carbono, é a ferrita proeutetoide.
(D) proeutetoide que, no aço com teor elevado de carbono, é a ferrita proeutetoide, e, no aço
com baixo teor de carbono, é a cementita proeutetoide.
(E) proeutetoide que, no aço com teor elevado de carbono, é a cementita proeutetoide, e, no
aço com baixo teor de carbono, é a ferrita proeutetoide.

A figura abaixo apresenta esquematicamente o diagrama de transformação isotérmica para um


aço-carbono comum com 0,76% C, no qual o trajeto tempo-temperatura para um tratamento
térmico está indicado.

A microestrutura final de uma pequena amostra submetida a esse tratamento será composta
por
(A) 100% de bainita.
(B) 100% de perlita fina.
(C) 100% de perlita grosseira.
(D) 100% de martensita.
(E) 50% de perlita fina e 50% de bainita.
A figura abaixo apresenta simplificadamente o diagrama de transformação por resfriamento
contínuo para um aço- -carbono comum com 0,76% C. Nesse diagrama, estão indicadas, em
tracejado, duas curvas de resfriamento contínuo, as curvas I e II. A curva I corresponde a uma
taxa de resfriamento de 140 o C/s, e a curva II corresponde a uma taxa de resfriamento de 35
o C/s.

Considere duas pequenas amostras de material, cada uma dessas submetida a um tratamento
térmico distinto. A microestrutura final de cada pequena amostra de material será composta
exclusivamente por martensita para taxas de resfriamento maiores que a da curva

(A) I e composta exclusivamente por perlita para taxas de resfriamento menores que a da
curva I.
(B) I e composta exclusivamente por perlita para taxas de resfriamento menores que a da
curva II.
(C) I e composta exclusivamente por bainita para taxas de resfriamento menores que a da
curva II.
(D) II e composta exclusivamente por perlita para taxas de resfriamento menores que a da
curva II.
(E) II e composta exclusivamente por bainita para taxas de resfriamento menores que a da
curva II.
Ao estudar o processo de transformação martensítica, um engenheiro concluiu que essa
transformação.

(A) ocorre exclusivamente nas ligas de ferro-carbono e é caracterizada, em parte, pela


transformação com ausência de difusão.
(B) ocorre quando a velocidade de resfriamento é alta o suficiente, de modo que os átomos de
carbono permanecem como impurezas substitucionais na martensita.
(C) ocorre de maneira que a austenita CFC experimenta uma transformação polimórfica em
uma martensita tetragonal de corpo centrado (TCC).
(D) produz uma estrutura cristalina cuja célula unitária consiste em um cubo de face centrada,
que foi alongado em uma de suas dimensões.
(E) produz uma solução sólida substitucional com átomos de carbono, capaz de se transformar
rapidamente em outras estruturas, quando esses átomos são aquecidos.

Um sistema binário, constituído somente de duas fases sólidas com solubilidade limitada e um
líquido que forma uma reação eutética, apresenta uma característica físico-química de grande
importância tecnológica, que consiste em:

(A) o líquido eutético apresenta uma temperatura de solidificação maior que as temperaturas
de solidificação das fases sólidas.
(B) o líquido eutético apresenta uma temperatura de solidificação menor que as temperaturas
de solidificação das fases sólidas.
(C) o líquido eutético apresenta uma temperatura de solidificação intermediária entre as
temperaturas de fusão das fases sólidas.
(D) o líquido eutético nunca se solidifica, portanto, não apresenta temperatura de solidificação.
(E) as fases sólidas nunca se fundem e, portanto, não apresentam uma temperatura de
solidificação.

Um aço ao carbono com 0,30% em massa de carbono sofreu um tratamento térmico de


normalização que consiste em aquecer na região da fase austenita e resfriar ao ar. Considere-
se que a condição de resfriamento permite passar pela temperatura do eutetoide mantendo o
equilíbrio termodinâmico.
Sabendo-se que a composição da austenita na temperatura do eutetoide é de 0,9% em massa
de carbono, qual a quantidade, em % massa, de perlita estimada?

(A) 16,7% (B) 33,3% (C) 45,5% (D) 66,7% (E) 90,0%
O diagrama Fe-C metaestável é constituído das seguintes fases na região de importância
tecnológica: líquido, austenita, ferrita alfa, ferrita delta e cementita. Essas fases sofrem
diversas transformações em função da temperatura, sabendo-se que, durante o.
(A) resfriamento, o líquido eutético se transforma em ferrita e perlita.
(B) resfriamento, o líquido eutético se transforma em ferrita e austenita.
(C) resfriamento, a austenita eutetoide se transforma em ferrita e cementita.
(D) aquecimento, a ferrita e a austenita se transformam em líquido eutético.
(E) aquecimento, a ferrita peritetoide se transforma em austenita e líquido.

Um aço hipereutetoide é aquecido na região da fase austenita e resfriado ao ar. Que


microestrutura será observada no microscópio óptico após preparação metalográfica?
(A) Cementita pró-eutetoide e perlita
(B) Cementita e perlita pró-eutetoide
(C) Austenita e cementita
(D) Ferrita e perlita pró-eutetoide
(E) Ferrita pró-eutetoide e perlita

As curvas TTT de um aço descrevem a decomposição da austenita em diversas


microestruturas quando um aço é resfriado rapidamente da região austenita para a
temperatura em que será mantido por um tempo prefixado (tratamento isotérmico). Elas
indicam a quantidade de uma determinada fase formada pela decomposição da austenita.
Essas curvas normalmente apresentam a forma da letra C como resultado das interações
termodinâmicas e cinéticas.
A forma da curva C de uma curva TTT ocorre porque, em temperaturas muito baixas, a força
motriz para a transformação é muito
(A) elevada, e a difusão do carbono é muito elevada.
(B) elevada, mas a difusão do carbono é muito baixa.
(C) baixa, e a difusão do carbono é muito elevada.
(D) baixa, mas a difusão do carbono é muito elevada.
(E) baixa, e a difusão do carbono é muito baixa.

Considere as afirmativas abaixo sobre a transformação martensítica em aços.


I - A transformação martensítica é uma transformação anisotérmica que ocorre abaixo de uma
temperatura crítica.
II - Durante a transformação martensítica, a concentração de carbono da ferrita não muda.
III - Durante a transformação martensítica, a concentração de carbono da austenita não muda.
IV - A transformação martensítica ocorre sem difusão de longo alcance.

Está correto APENAS o que se afirma em

(A) I e II (B) II e III (C) III e IV (D) I, II e IV (E) I, III e IV


A curva CCT é empregada para escolher a taxa de resfriamento apropriada para causar a
formação de uma microestrutura específica de um aço. Um aço SAE 1541 precisa ser
resfriado numa velocidade apropriada para formar uma microestrutura que consiste em 45%
de ferrita pró-eutetoide, 15% ferrita bainítica e o restante perlita. O diagrama CCT desse aço
está apresentado acima, juntamente com várias curvas de resfriamento que podem ser
obtidas facilmente numa oficina de tratamento térmico.
Que curva deverá gerar a microestrutura mais próxima do aço proposto?

(A) 1000 °C/min (B) 500 °C/min (C) 300 °C/min (D) 140 °C/min (E) 28 °C/min

Dois metais A e B apresentam um diagrama de equilíbrio de fases à pressão de uma


atmosfera, como apresentado abaixo.
Em relação ao que é apresentado no diagrama, considere as afirmativas a seguir.
I - O resfriamento de uma liga contendo 25% de B começará com a formação da fase sólida .
II - O resfriamento de uma liga contendo 25% de B começará com a formação da fase sólida
.
III - As fases líquido,  e  estão em equilíbrio simultâneo em uma única temperatura.

Está correto o que se afirma em

(A) I, apenas
(B) II, apenas
(C) I e III, apenas
(D) II e III, apenas
(E) I, II, e III

Considere o diagrama de equilíbrio de fases do sistema ferro-carbono apresentado a seguir,


com valores aproximados das concentrações de carbono dos principais pontos e sem as
indicações das fases presentes, para responder às questões de nos 27 e 28.

O uso desse diagrama permite deteminar como condição de tratamento que um aço
(A) eutetoide pode ser austenitizado a 1.515ºC.
(B) eutetoide pode ser austenitizado a 600ºC.
(C) com 0,75% C, aquecido a 750ºC e resfriado lentamente até a temperatura ambiente, irá formar
austenita com 6,7% C e ferrita com 0,02% C.
(D) com 0,75% C, aquecido a 750ºC e resfriado lentamente até a temperatura ambiente, irá formar
ferrita com 0,02% C e cementita com 6,7% C.
(E) com 0,75% C, aquecido a 750 oC e resfriado lentamente até a temperatura ambiente, irá formar
austenita, com 0,75% C.

A quantidade de perlita formada pela austenitização de um aço ao carbono contendo 0,25% C


seguida de resfriamento lento, em massa, é de

(A) 49,9% (B) 89,1% (C) 10,9% (D) 68,5% (E) 31,5%
Um aço com 0,4% em massa de carbono é aquecido na região bifásica e resfriado muito
rapidamente em água com sal. A microestrutura observada no microscópio ótico é constituída
de duas fases, a saber:
(A) ferrita e perlita
(B) ferrita e martensita
(C) ferrita e cementita
(D) austenita e perlita
(E) austenita e cementita

A curva TTT representa uma transformação de fase, ou mais de uma, em função da


temperatura e do tempo. Essa curva é obtida através de tratamentos isotérmicos. No caso
dos aços, o tratamento corresponde a uma austenitização em temperaturas elevadas, seguida
de um resfriamento muito rápido para uma temperatura intermediária e manutenção nessa
temperatura por um tempo suficientemente longo para que a transformação ocorra. A
transformação da austenita em perlita costuma apresentar uma forma em C, demorando para
ocorrer em temperaturas muito elevadas e muito baixas. Essa forma em C é resultado de um
processo de nucleação e crescimento em que a.

(A) nucleação demora muito para ocorrer em temperaturas muito elevadas e muito baixas.
(B) velocidade de crescimento ocorre muito lentamente em temperaturas muito elevadas e
muito baixas.
(C) taxa de nucleação é constante para toda a faixa de temperatura, mas a velocidade de
crescimento é mais lenta em temperaturas elevadas e mais rápida em temperaturas baixas
(D) taxa de nucleação é menor em temperaturas elevadas e maior em temperaturas baixas,
mas a velocidade de crescimento é constante para toda a faixa de temperatura.
(E) taxa de nucleação é menor em temperaturas elevadas e maior em temperaturas baixas,
mas a velocidade de crescimento é maior em temperaturas elevadas e menor em
temperaturas baixas.
A Figura abaixo apresenta um diagrama TTT (Transformação - Temperatura - Tempo) de um
aço com quatro propostas distintas de resfriamentos iniciados de uma mesma temperatura de
austenitização e numerados de 1 a 4.

Um engenheiro precisa tratar termicamente duas peças desse aço para obter duas
microestruturas distintas: a primeira microestrutura é composta de bainita e martensita,
enquanto a segunda microestrutura apresenta somente perlita.
Que programa de resfriamento esse engenheiro deverá propor para essas duas
microestruturas?
(A) 1 e 3
(B) 2 e 3
(C) 2 e 4
(D) 3 e 4
(E) 1 e 4

A transformação martensítica gera uma fase metaestável nos aços, a qual apresenta
propriedades mecânicas muito especiais. Em relação às características presentes nas
transformações martensíticas, considere as afirmativas a seguir.
I - A transformação martensítica em aços faz com que eles fiquem mais maleáveis porque o
carbono se precipita na forma de carbonetos durante a transformação.
II - A transformação martensítica em aços faz com que eles fi quem mais duros porque o
carbono permanece em solução.
III - Aços que sofrem a transformação martensítica fi - cam mais dúcteis porque o carbono
permanece em solução.
IV - A transformação martensítica em aços faz a estrutura cúbica de face centrada da
austenita se transformar em tetragonal de corpo centrado.

Estão corretas as afirmativas


(A) I e III, apenas
(B) II e IV, apenas
(C) I, III e IV, apenas
(D) II, III e IV, apenas
(E) I, II, III e IV
A temperatura de austenitização de aços hipo-eutetoides está diretamente associada à linha
A3 (ou Ae3) do diagrama de equilíbrio de fases do aço. O aço que apresentará a menor
temperatura de austenitização será o
(A) 1020
(B) 1030
(C) 1040
(D) 1045
(E) 1050