Você está na página 1de 17

A EFICACIA DA APLICAÇÃO DE TOXINA BOTULINICA TIPO A

EM RUGAS DINAMICAS.

Fernanda Motta Ienon

Orientadora: Profa. Dra. Cristiane


Soncino Silva

Pós-Graduação Lato Sensu em Biomedicina


Estética

Ribeirão Preto
2017
A EFICACIA DA APLICAÇÃO DE TOXINA BOTULINICA TIPO A EM RUGAS
DINAMICAS.

Fernanda Motta Ienon


fernanda_biomedicina@hotmail.com

ORIENTADORA: Profa Dra. Cristiane Soncino Silva

Trabalho realizado e defendido para obtenção


do título de Pós-Graduação em Biomedicina
Estética.

Ribeirão Preto
2017
RESUMO

A toxina botulínica tipo A é uma opção bem-sucedida na terapêutica e precaução das rugas
dinâmicas. O objetivo deste estudo é o de proporcionar a eficácia e os benefícios estéticos que
o modo da toxina botulínica harmoniza, como uma opção para a terapia de rejuvenescimento
facial por diminuir os sinais de expressão. As rugas dinâmicas são originadas por contraturas
dos músculos frequentes no decorrer dos anos. A metodologia empregado foi revisão
bibliográfica e artigos divulgados em revistas e periódicos de estudos proeminentes. Com
fundamento nos sinais da face, o aproveitamento da TXB-A (Toxina Botulínica tipo A) surgiu
resultados muito parecidos aos multicêntricos de Botox. É oportuna terminar esta síntese
ressaltando que o bom emprego da toxina botulínica, quando adotados os protocolos de forma
criteriosa traz benefícios estéticos desejados.

Palavras-chave: Toxina botulínica A, eficácia e benefícios, rugas dinâmicas.


ABSTRACT

Botulinum toxin type A is a happy option successful in treatment and precaution of dynamic
wrinkles. The aim of this study is to provide an effective and aesthetic benefits that the use of
botulinum toxin in harmony, as an option for facial rejuvenation therapy to decrease the signs
of speech. Dynamic wrinkles are caused by contractures of muscles frequently over the years.
The methodology employed was literature review and articles published in magazines and
periodicals of prominent studies. On the basis of the signs of the face, the use of BTX-A
(botulinum toxin type A) appeared very similar results to studies of Botox. Is timely finish this
synthesis noting that the good use of botulinum toxin, when it adopted the protocols of
guarantee careful aesthetic benefits.

Key words: Botulinum toxin A, aesthetic medicine, dynamic wrinkles.


6

1 INTRODUÇÃO

A toxina botulínica é uma neurotoxina, determinada pelo microrganismo Clostridium


botulinum, uma bactéria gram-positiva e anaeróbica. Bastante usada atualmente, devido a seu
efeito em estéticas clínicas, que previne e corrige as rugas dinâmicas sem cirurgias, com
importante réplica imunológica, relacionada às rugas dinâmicas. Conhecida como Botox®,
Toxina Botulínica do tipo A (TXB-A).
As rugas dinâmicas ou rugas de expressão são aquelas provocadas pela contração
muscular da gesticulação facial, que induz, no passar do tempo, à concepção de pregas
inalteráveis na pele.
O objetivo deste estudo é o de oferecer os benefícios estéticos que a utilização da toxina
botulínica adéqua, como uma opção para a terapia de rejuvenescimento facial por abrandar os
sinais de expressão.
Deste modo, pode-se afirmar que a toxina botulínica como agente protéico paralisante
atua impedindo a condução neuromuscular dificultando a libertação de acetilcolina de forma
reversível.
Portanto, justifica-se este estudo por apresentar à comunidade acadêmica, dentre a qual
se depara esta acadêmica, uma probabilidade de expandir a informação e o conhecimento das
fins desse tipo de toxina para múltiplos tipos de terapias, em especial para rugas dinâmicas.
Nessa expectativa, este artigo se direciona no tentame de, com embasamento no
referencial teórico, responder as questões como: A toxina botulínica viabiliza a tratamentos
estéticos terapêuticos, preventivos e corretivos? Em que medida a TBA contribui para a
terapêutica das rugas dinâmicas? Que espaço de intervenção os especialistas têm encontrado no
campo da estética por meio do emprego da Toxina Botulínica Tipo A nas rugas dinâmicas?

Versou-se sobre um estudo do tipo bibliográfico, descritivo-exploratório e


retrospectivo, com crítica integrativa, sistematizada e qualitativa.

Deste modo, o estudo bibliográfico se baseou em literaturas estruturadas, adquiridas de


livros e artigos, derivados de bibliotecas convencionais e virtuais. O estudo descritivo-
exploratório tende à justaposição e intimidade com o fenômeno-objeto da pesquisa (a eficiência
do bom emprego de toxina botulínica tipo A em rugas dinâmicas), definição de seus predicados,
concepção de proposições e apontamentos, e declaração de afinidades entre as variáveis
analisadas neste estudo.
7

2 REVISÃO DA LITERATURA

2.1 A descoberta da Toxina Botulínica

Devido aos métodos de conservação de alimentos, teriam ocorrido surtos de botulismo,


sendo alguns processos ideais para a produção da toxina botulínica. Era um período de extrema
pobreza, onde a guerra napoleônica (1795-1813) estava em culminância e não existia nenhuma
prevenção em analogia às medidas sanitárias, especialmente na elaboração de comida, o que
favorecia a presença da bactéria (SILVA, 2011). Entretanto, a ausência de informação sobre o
assunto ignorava-se a procedência destas enfermidades. No século XVII o Botulismo,
ocasionou múltiplas mortes na Europa. Os indivíduos apresentavam sintomas como paralisia
muscular progressiva e midríase.
Com o decorrer dos tempos e o número de doentes aumentando, o governo alemão
resolveu divulgar a doença, que foi chamada de botulismo (botulus, que vem do latim e significa
linguiça) e proporcionava sintomas gastrointestinais, autonômicos e musculares (BACHUR et
al., 2010).

Em 1817, o físico Justino Kerner delineia a doença botulismo. Ele atribuiu a


denominação de “intoxicação por salsicha”. Esta qualificação ocorreu pelo fato da “salsicha”
ter sido a determinante deste envenenamento. J. Kerner completou que consistia em um
“veneno” o motivo da doença, explorando depois, uma utilização de tratamento para esta toxina
(PANICKER; MUTHANE; BOTULINUM, 2003).
No ano de 1973, Alan Scott fez experiências em macacos e divulga artigo sobre potência
da toxina botulínica para terapêutica do estrabismo. No ano de 1989 Food and Drug
Administration (FDA)1 aprovou a utilização para estrabismo, blefaro espasmo e espasmos
faciais; Em 1991 - Jean e Alastair Carruthers comprovam a importância do tratamento das rugas
glabelares dinâmicas com a toxina botulínica; E, deste modo, o casal de médicos, explica que
“o Botox enfraquece os músculos que criam os sinais de expressão no rosto, elevando as
sobrancelhas e dando uma aparência mais relaxada” (FISZBAUM, 2008).
Em 2000, o Botox®; ano de 2003, o Dysport®, em 2005, o Prosigne® foram
consagrados no Brasil como um tratamento estético para rugas dinâmicas (FISZBAUM, 2008;
SILVA 2009; SPOSITO 2009).

1
Food and Drug Administration (FDA)- é uma agência federal do Departamento de Saúde e Serviços
Humanos dos Estados Unidos,
8

Figura 1. Principais rugas dinâmicas

Fonte: Lu Chen Wu, Ssana. Disponível em: www.alemdabeleza.com.br/qual-a-diferenca-entre-


as-rugas-estaticas-e-dinamicas/

O aproveitamento de toxina botulínica para diminuição de rugas faciais é a metodologia


mais realizada no mundo. Uma vez analisada veneno em 1822, hoje tratamento terapêutico.
Sabe-se comprovadamente que na estrutura humana, quando aplicada por via intramuscular,
essa toxina vai atrelar aos receptores terminais deparados nos nervos motores, suscitando um
bloqueio na atração neuromuscular ao penetrar nos terminais nervosos, impedindo a recepção
da acetilcolina, causando paralisia do músculo restrito, por denervação química passageira e
inibição competidora de maneira dose-dependente (SPOSITO, 2009; BACHUR et al., 2010).

A neurotoxina é apontada pela bactéria em sete tipos distintos, dos quais a toxina A é
respeitada a mais possante e mais dinâmica em afinidade a mínima quantidade empregada por
aplicação e maior resultado almejado por maior período de atuação no relaxamento dos
músculos e melhoramento conseguinte da aparência no esboço facial em relação as rugas
dinâmicas (PORTELLA 2004; NUNES, 2010).
9

2.2 Estrutura da Toxina Botulínica Tipo A

A Toxina Botulínica do tipo A (TXB-A) é um atuante biológico, determinado em


laboratório como importância líquida, estéril que incide por método de liofilização ao mesmo
tempo ser comercializada, resultada da bactéria designada inicialmente por Van Ermengem de
Bacillus botulinus, depois passou a ser chamada Clostridium botulinum. Substância
neurotóxica evidenciada por sua potência em aplicações estéticas terapêuticas, preventivas,
corretivas e não cirúrgicas (AURICCHIO, 2007; SPOSITO, 2009).

A BoNT/A é repartida em uma cadeia pesada e uma leve, atreladas por uma união de
dissulfeto (Figura 1). Tem um peso irrestrito de 150 kilodantons (KDa) onde a cadeia leve pesa
50 KDa e a cadeia pesada 100 KDa (OLIVEIRA, 2007).
A cadeia leve é o elemento catalítico e proteolítico da toxina. Tem um espaço
funcional que contêm íon zinco e tem a capacidade de adequar no ínfimo 16 aminoácidos. Essa
cadeia impede que neurotransmissores sejam liberados, impedindo as vesículas de síntese pré-
sinápticas (OLIVEIRA, 2007).

Já a cadeia pesada, divide-se em dois elementos (Hn e Hc) que unidos são
responsáveis pela união dos receptores extracelulares e entrada na célula nervosa, conseguindo
auxiliar a cadeia leve a ir para o citoplasma do neurônio. (SPOSITO, 2009).

Figura 2- Estrutura da toxina botulínica A

Fonte: SPOSITO (2009)


10

Para Hicks (2005) e Aoki (2004), a cadeia pesada apresenta dois domínios: o de ligação
(metade C-terminal da cadeia pesada) e o de translocação representado por Hn (metade N-
terminal da cadeia pesada.
Turton (2002), ressalta que a cadeia leve detém o domínio enzimático e a cadeia pesada
reprime os domínios de translocação (Hn) e os domínios de ligação acessório (Hc-N) e ligação
agangliosídeos e a proteínas sinápticas (Hc-C).7 Estas duas partes da cadeia estão unidas entre
si por uma ponte disulfídica entre os aminoácidos Cys430 e Cys454.

2.3 Ação da BoNT/A

A ação da toxina ocorre pelo bloqueio de liberação da acetilcolina na conexão


neuromuscular, desencadeando todo um procedimento de inatividade muscular, isto é, relaxa
provisoriamente o músculo que dá origem a ruga de expressão. Três dias depois da injeção da
toxina botulínica nota-se sua ação, que vai acrescentando, gradualmente, até o tempo de quatro
meses, mais ou menos. A pele permanece mais lisa, sem rugas, e a pessoa depara com um
aspecto mais suave (FIGUEIREDO, 2006).
A Toxina Botulínica tem amplo controle sobre as células nervosas, tendo um resultado
difícil sobre estas. Ao adentrar na corrente sanguínea, a Toxina Botulínica abrange os terminais
nervosos, constituindo uma união com a membrana neuronal do terminal nervoso, ao plano do
ligamento neuromuscular (FIGUEIREDO, 2006).
Ao incidir esta união vai ser ligado ao deslocamento da toxina para o citoplasma do
terminal do axónio, pelo meio de endocitos e intercedida por clatrinas. Este procedimento vai
ser responsável pelo bloqueio da transmissão sináptica excitatória, induzindo à paralisia flácida.
Nessa mesma perspectiva Gracies (2000), Klein (2003) e Dolly (2003) ressaltam que a toxina
adentra nas terminações nervosas por endocitose em seguida a adesão aos receptores da
membrana pré-sináptica, e então atua como uma endoprotease condicionada de zinco que
irrompe determinados peptídeos imprescindíveis para a libertação das vesículas de acetilcolina.
O Botox®, desenvolvida por um difícil cristalino da proteína de alto peso molecular da
toxina e por uma hemaglutinina, é naturalmente corrompido, por meio de oscilação da
dissolução, de tal forma que necessita ser manipulado com atenção, sustentando a sua eficácia.
Após ser reconstituído por meio da adição de sorofisiológico, o material precisa ser usados
dentro de 4 horas, sendo que estudos advertem que a sua potência se sustenta em estado
refrigerado até 4 semanas, depois da reconstituição (AOKI, 2005
11

A toxina botulínica fundamentalmente bloqueia a exocitose da acetilcolina nos


terminais nervosos motores induzindo a uma redução da contração muscular (AOKI, 2005).
Esta característica a torna benéfica, clínica e terapeuticamente, em uma série de qualidades
onde tem redundância de contração muscular (AOKI, 2005).

Figura 3. Liberação normal do neurotransmissor.

Fonte: Sposito (2009).

Figura 4. Bloqueio da liberação do neurotransmissor sob a ação da toxina botulínica.

Fonte: Sposito (2009).


Depois de seis horas de sua aplicação o músculo principia a padecer de uma paralisia,
entretanto suas implicações clínicas são analisadas dentro de 24-72 horas. Cada preparativo tem
12

um peso molecular distinto, intervindo de tal modo na amplitude da toxicidade e ao mesmo


tempo na transmissão dela pelo órgão aplicado (ALSHADWI, NADERSHAH e OSBORN,
2014; SILVA, 2011).
Todavia, a toxina botulínica determina a atrofia das fibras musculares pelo período de
quatro semanas. Depois de quatro meses, ou mais, o artifício regula e a eletrodo da junção
neuromuscular volta à atividade. Existe acentuada redução ou até abolição de rugas e sinais de
expressão na região tratada; Acautela a concepção de novas marcas de expressão e rugas, uma
vez que a musculatura da região versada contrai com menor veemência; O rosto permanece
com feição mais jovem (FERREIRA et al, 2014).

TXB-A é um tratamento cosmético, de grande valor para restaurar, corrigir e diminuir


as deficiências faciais (FERREIRA et al, 2014). O Botox® é um amplo auxiliar, nas
terapêuticas estéticas, por ser uma droga que usada por profissionais especializados aborda
graus de garantia elevados, derivando em satisfação aos indivíduos (NUNES, 2010).

No episódio dos sinais de expressão, o benefício acontece de dois modos: De maneira


preventiva: como a contração muscular é paralisada não existirá o desenvolvimento de rugas
pela movimentação muscular no espaço em que foi aplicado o botox e de maneira reparativa:
como o botox tira a elasticidade da musculatura, as rugas, determinadas por esses músculos,
são suavizadas (NUNES, 2010).
É comum na primeira aplicação de rugas da testa, no músculo frontal, derivar em assimétrica
imprescindível prevenir o indivíduo da obrigação de uma reavaliação e de retocar as rugas
frontais, antes do início da terapêutica. A aplicação deve ser refeita 2 cm para cima da pálpebra
para impedir o temeridade de acontecer a ptose palpebral2. (NUNES 2010).
Com a resposta orgânica de cada pessoa pode acontecer ao passar dos anos um espaço
maior nas terapêuticas depois de dezoito meses a três anos contínuos de aplicações, com
condições arrebatadores de jovialidade das pessoas, já que é possível observar um realinhar dos
sinais da face e a aceitável abolição das rugas superficiais (NUNES 2010).
Esse tratamento é aconselhado para modelar a sobrancelha e nariz, linhas de expressão
na testa, elevar os cantos da boca, abrandar rugas dinâmicas tanto na face como pescoço e colo,
ajustar assimetrias faciais, contraindo então marcante desenvolvimento na ciência
dermatológica. A toxina botulínica A está sendo abundantemente empregada para amenizar

2
Ptose palpebral é o termo médico para a queda da pálpebra superior. Pode ser de um lado só ou
bilateral.
13

rugas dinâmicas com a finalidade de aprimorar a aparência da face deixando-as mais delicadas
e mais jovial (COBO, 2008).

3. Aplicações da Toxina Botulínica

Aplicação da TXB-A pode retardar os procedimentos cirúrgicos na estética dos sinais


de envelhecimento, e de uma cadeia de cuidados pertinentes a recuperação extensa e
precipitações peculiares a ação cirúrgica. Hoje em dia a TXB-A tem pleno emprego na
Biomedicina Estética e Saúde Estética como escolha para pessoas que tencionam aperfeiçoar a
feição sem ter que passar por métodos cirúrgicos, com diminuição de valor e temeridade
(BACHUR et al.,2010).
Entretanto, qualquer terapêutica estética ostenta uma ousadia, onde então o profissional
necessita ter integral noção anatômica, muscular e subcutâneo da face. Uma questão
extraordinária são as mãos competentes, mesmo constituindo uma metodologia avaliada
simplificada e sem risco, seu uso solicita cuidados (SANTOS, 2013).
Hexsel et al (2011) lembra para que não se apresente complicações em seu uso, os
profissionais licenciados a concretizar este processo minimamente agressivo são os biomédicos
estetas e médicos. A característica do produto, sua origem, e o uso de doses pequenas em
lugares protegidos e com métodos determinados avalizam a garantia da TBA.
A Toxina botulínica pode ser sobreposta em vários músculos proeminentes, sendo de
fundamental empenho o conhecimento Anatômico Humano. Esse produto é responsável por
restaurar sinais do envelhecimento. Ele age especialmente nas rugas dinâmicas. A toxina
botulínica é habitualmente aplicada na face, os pontos com os melhores efeitos são a região dos
olhos nos “pés de galinha” e na testa e entre as sobrancelhas. Rugas e sinais exagerados entre
as sobrancelhas, àquelas que aferem um jeito de aborrecido. Outras partes são o pescoço e
próximo à boca (HEXSEL et al, 2011).
Os fundamentais pontos do rosto para aplicação de toxina botulínica são: testa, glabela,
lateral dos olhos e raiz do septo nasal, para elevar a ponta do nariz. A pele fica mais lisa,
mostrando mais jovialidade e extinguindo a aparência brava que a pessoa possui (HEXSEL et
al, 2011).
14

Figura 5. Pontos de aplicação da toxina botulínica

Fonte: Dreamplastic. https://www.plasticadosonho.com.br › Início › Rosto

Deste modo, como estas áreas são alvo de uma implicação muscular extrema, mostra-
se imprescindível uma informação arraigada dos mesmos, especificamente da zona facial. Esta
zona é a fundamental área de aplicação desta toxina, tendo maioritariamente uma definição
estético (HEXSEL et al, 2011).

4 RESULTADO E DISCUSSÃO

Rassi e Santos (2012), argumentam que a toxina botulínica tipo A (TBA) melhora os
sinais faciais e expressão hipercinética é um meio muito buscado nos derradeiros anos, já que
existe evidências do progresso nas expressões faciais.
A mencionada toxina conseguiu expressivo espaço. Sua admissão na área tem adquirido
grandezas expressivas. A aspiração pela jovialidade acarreta repetidamente indivíduos à busca
pela toxina botulínica, objetivando acautelar-se das rugas dinâmicas resultantes, com o passar
do tempo, da contração repetitiva do músculo na face (RASSI e SANTOS, 2012).
Analisando que a TBA é um instrumento de ampla importância na área cosmética, em
que é mais buscada, compete salientar a sua aplicação na área médica\terapêutica para os mais
distintos tratamentos, a qual pode e necessita ser empregada, já que é uma aliada de muitas
doenças do ser humano (RASSI e SANTOS, 2012).
15

A toxina botulínica, precisa ser empregada de modo controlado e efetivada por


especialistas habilitados e aprovados. A posologia indica o modo de até mesmo duas aplicações
por ano, avaliação laboratorial e idade da pessoa (RASSI e SANTOS, 2012).
A toxina botulínica viabiliza a tratamentos estéticos terapêuticos, preventivos e correti-
vos? Para responder esse questionamento cita-se Ribeiro et al., (2014), nessa mesma
expectativa, ressaltam que as rugas dinâmicas, causadas normalmente por contraturas
recorrentes dos nervos faciais e pela aparência de velhice da pele humana, deparam na TBA
uma intensa aliada com competência agressiva. Ela corresponde a uma neurotóxica em
proeminência por pretexto de sua potência em aplicar a toxina para efeitos estéticos
terapêuticos, garantir a prevenção para que não ocorra as rugas dinâmicas e correção não
cirúrgicas, com afinidade à essas rugas dinâmicas, atuando por intervenção de um organismo
de ação bastante competente, com menor competência invasiva e refletindo em benfeitorias
fidedignas.
A TBA contribui para a terapêutica das rugas dinâmicas muito usada para amenizar
rugas dinâmicas com o objetivo de melhorar o aspecto da face deixando-as mais suaves e
tornando o usuário mais jovial (RIBEIRO et al., 2014).
O espaço de intervenção que os especialistas têm encontrado no campo da estética por
meio da utilização da Toxina Botulínica Tipo A nas rugas dinâmicas é, indiscutivelmente, o
fundamental aliado nesse método que, sendo empregada na terapêutica de assimetrias faciais,
pode “atenuar rugas frontais, estabilizar a ponta nasal, rugas peribucais, lábios caídos, rugas
glabelares, elevação de sobrancelhas, rugas periorbitrais, rugas nasais, bandas plastimais e
rugas encontradas no colo”. (BRATZ; MALLET, 2015, p. 5). A utilização da TBA nas
experiências de arguir os resultados do envelhecimento tem se tornado, o processo cosmético
não cirúrgico que tem direção mundial, com uma alta taxa de potência e contentamento das
pacientes.

5 CONCLUSÃO

Este estudo atingiu seu propósito que foi o de analisar que as metodologias estéticas
empregando a TBX-A nos nervos da face são satisfatórios para precaução e harmonia das rugas
de expressão do terço superior da face.
A neurotoxina TXB-A, tem sido repetidamente utilizada na terapêutica de rugas
dinâmicas, tendendo o melhoramento da aparência da face, e tendo como finalidade uma
expressão facial mais meiga, serenada, mais jovial. Implica atentar que o indivíduo esteja
16

impecavelmente conhecedor e norteado com afinidade aos métodos e consequências, já que


muitas ocasiões as probabilidades são muito altivas, acima das expectativas autênticas.
A Toxina Botulínica do tipo A em elaboração terapêutica para uso médico, necessita ter
as seguintes qualidades: não oferecer sequelas conhecidas a não ser a paralisia da musculatura
estriada, a difusão, quando houver, precisa ser perpetrada de maneira lenta para os músculos
contíguos aos injetados, os resultados precisam se delongar durante múltiplas semanas, a
magnitude da paralisia precisa ser dose subordinado e não proporcionar resultados sistêmicos.
A procura por novidade em procedimento terapêutico-estético com a toxina botulínica,
hoje em dia a comercialização no Brasil é feito como Botox, a TXB-A, chamada como a mais
competente e segura, se produz pelo bom emprego de estudos científicos prudentes.
O efeito de corrigir as rugas de expressão não simula exclusivamente uma demanda
estética ou de ostentação, entretanto de desenvolvimento da autoestima. Vários indivíduos, por
apresentarem expressões sombrias padecem com discriminação, intransigência e afastamento
social. Para estes indivíduos o tratamento não importa beleza, entretanto um caminho para a
relação social. Determinados sujeitos, que buscam tratamento estético, lidam com a vergonha
do seu aspecto e com o seu coerente afastamento. Diferentes ainda vêem nas terapêuticas
estéticas a probabilidade de dissimularem jovialidade, compatibilizada com a sua situação de
saúde e com suas necessidades profissionais.
Perante a revisão bibliográfica concretizada neste estudo, pode-se aprontar que a TBA
empregada sozinha ou como método auxiliar proporciona um progresso abundante na medicina
estética e terapêutica, cooperando para o progresso da característica de existência de muitas
pessoas. Apesar disso, precisa adotar protocolos, acatando preceitos e indicativos, impendendo
com rigidez as dosagens das aplicações, as quais precisam ser efetivadas por um profissional
qualificado.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALSHADWI, A.; NADERSHAH, M.; OSBORN, T. Aplicações terapêuticas de


neurotoxinas botulínica nos transtornos de cabeça e pescoço. Jornal Saudi Dental, V. 27, n.
1, p. 3-11, 2014.

AOKI KR. Farmacologia de neurotoxinas botulínica. Técnicas Operativas em


Otorrinolaringologia - Cabeça e Pescoço. Cirurgia Farmacologia de neurotoxinas botulínica.
Cirurgia Farmacologia de neurotoxinas botulínica, 2004.
________. Revisão de um mecanismo proposto para a ação antinociceptiva da toxina
botulínica. NeuroToxicologia, 2005.
17

AURICCHIO, Ana Maria; MASSAROLLO, Maria Cristina Komatsu Braga. Procedimentos


estéticos: percepção do cliente quanto ao esclarecimento para a tomada de decisão. Rev. Esc.
Enferm. USP, São Paulo, v. 41, n. 1, Mar. 2007. Disponível em: http:// dx.doi.org/ 10. 1590/
S008062342007000100002. Acesso em 07 out. 2017.

BACHUR, T.P.R.; VERÍSSIMO, D.M.; SOUZA, M.M.C.; VASCONCELOS, S.M.M.;


SOUSA, F.C.F. Toxina Botulínica: de veneno a tratamento. Revista Eletrônica Pesquisa
Médica. V. 3, n.1, 2010.

BRATZ P.D. E. MALLET V.K.E. Toxina botulínica tipo a: abordagens em saúde. Artigo
de revisão. Revista saúde integrada, 2015.

COBO, Pleguezuelos et al. Toxina Botulínica na prática clínica. Atlas de pontos musculares.
Porto alegre: ARTMED, 2008.

DOLLY O. Transmissão sináptica: inibição da liberação de neurotransmissores por toxinas


botulínica. Dor de cabeça, Headache, 2003.

DREAMPLASTIC. Quando procurar um tratamento estético? Disponível em:


/www.plasticadosonho.com.br › Início › Rosto. Acesso em: 09/10/2017.

FERREIRA LM, Talarico Filho S, Orofino Costa R, Godoy A, Steiner D, Fleissig L, Mamoro
Keira S, Percora C, Bagatin E, Hassun K, Succi IC, Godoy A, Horta Lima Júnior C, Aline
Steiner T, Blanes L, Hidemi Sakamoto F, Oliveira Monteiro Éd. Eficácia e tolerabilidade de
uma nova toxina botulínica tipo A para tratamento estético de rugas faciais dinâmicas: estudo
multicêntrico prospectivo de fase III. Surgical & Cosmetic Dermatology 2009158-63.
Disponível em:http://www. redalyc. org/articulo. oa?id=265520997003. Acesso em: 07 de
outubro de 2017.

FIGUEIREDO, M. A. A. et al. Considerações acerca de dois casos de botulismo ocorridos na


Bahia. Revista de Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Brasília, v. 39, n. 3, p. 289-291,
maio. /jun.2006.

FISZBAUM, Gabriel Aribi. A toxina botulínica tipo A no tratamento das rugas dinâmicas
da face. 2008. Disponível em: http://www. pgcsiamspe.org/ Gabriel %20A.Fiszbaum.pdf.
Acesso em 06/10/2017.

GRACIES JM, SIMPSON DM. Terapia de toxina botulínica. Neurologista 2000.

HEXSEL, D.M.; COSTA, R.O.; MAZZUCO, R.; HEXSEL, C.L. Tratado de Medicina
Estética: Farmacologia e Imunologia. Editora Roca, 2° Ed., v. 2, c. 83, p. 1113-1121, 2011.

HICKS R. P.; HARTELL M. G.; NICHOLS D. A.; BHATTACHARJEE A. K.; VAN


HAMONT J. E.; SKILLMAN D. R. A química medicinal de toxinas botulínica, ricina e
antraz. Curr Med Chem, v.12, n.6, p.667-690, 2005.

KLEIN AW. Complicações, reações adversas e trocar ideias com o uso da toxina
botulínica. Dermatol Surg, 2003.

LU CHEN WU Susana. Além da beleza. Disponível em: www.alemdabeleza. com.br/ qual-a-


diferenca-entre-as-rugas-estaticas-e-dinamicas/. Acesso em: 09/10/2017.
18

NUNES, Miguel Serra do Amaral. Medicina Estética Facial: Onde a arte e a ciência se
conjugam. Dissertação de mestrado em Medicina. Universidade da Beira Interior. Faculdade de
ciências da saúde. Covilha 2010. Disponível em: https:// ubithesis. ubi.pt/ bitstream/
10400.6/840/1/MiGUEL%20AMARAL%20NUNES%20%20a16215.pdf. Acesso em 07 /
outubro de 2017.

OLIVEIRA, C. N. A utilização da toxina botulinica: como agente facilitador da conduta


fisioterapêutica na marcha diplégica. 2007.Monografia (Conclusão de Curso de Fisioterapia) -
Universidade Veiga de Almeida, Rio de Janeiro, 2007.

PANICKER J. N.; MUTHANEU. B.; BOTULINUM toxina: Farmacologia e suas atuais


evidências terapêuticas para uso, departamento de Neurologia, Índia, vol 51 (4), 2003
PORTELLA L.V. Os efeitos da toxina botulínica no tratamento da espasticidade: uma
revisão de literatura. Rev Fisioter USP, 2004.

RASSI, Márcia Melo de Oliveira and SANTOS, Lucas Henrique Barbosa. Diplopia após
injeção de toxina botulínica tipo A para rejuvenescimento facial. Rev. bras.oftalmol., Jun,
vol.71, nº 3, 2012.

RIBEIRO, I.N.S.; SANTOS, A.C.O.; GONÇALVES, V.M.; CRUZ, E.F. O Uso da Toxina
Botulínica tipo A nas Rugas Dinâmicas do Terço Superior da Face. Revista da Universidade
Ibirapuera. São Paulo, v. 7, p. 31-37, 2014.

SANTOS, Thiago José. Aplicação da toxina Botulínica em Dermatologia e estética e suas


complicações: Revisão da Literatura. Trabalho de obtenção de título de pós-graduação em
Dermatologia – Núcleo Alfenas, 2013.

SILVA, Joana Filipa Nogueira da. A aplicação da Toxina Botulínica e suas complicações.
Revisão Bibliográfica. Dissertação de mestrado submetida ao Instituto de Ciências Biomédicas
de Abel Salazar da Universidade do Porto, 2011. Disponível em https://repositorio-
aberto.up.pt/bitstream/ 10216/57190/2/ Joana%20 Filipa%20Nogueira%
20da%20Silva%20%20pdf.pdf. Acesso em 21/07/2017.

SPOSITO M.M.M. Toxina Botulínica do Tipo A: propriedades farmacológicas e uso clínico.


Acta Fisiátrica, 16(1): 25-37.Portella LV, Santiago FLD, Maia PA, Mancini MC, 2009.

TURTON K, CHADDOCK JA, ACHARYA KR. Botulínica e tétano neurotoxinas: estrutura,


função e utilidade terapêutica. Trends Biochem Sci, 2002