Você está na página 1de 14

Norma Técnica Interna SABESP

NTS 063

VÁLVULAS DE GAVETA ÚNICA DE FERRO


FUNDIDO NODULAR

Especificação e Método de Ensaio

São Paulo
Revisão 1 - Novembro 2000
NTS 063 : 2000 / Revisão 1 Norma Técnica Interna SABESP

SUMÁRIO
1 OBJETIVO.......................................................................................................................... 1
2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS ......................................................................................... 1
3 DEFINIÇÕES...................................................................................................................... 1
4 CLASSIFICAÇÃO .............................................................................................................. 2
4.1 Tipo de extremidade...................................................................................................... 2
4.2 Distância entre faces..................................................................................................... 2
4.3 Tipo de acionamento..................................................................................................... 2
5 REQUISITOS GERAIS....................................................................................................... 2
5.1 Marcações ...................................................................................................................... 2
5.2 Operação ........................................................................................................................ 2
5.3 Pressão e temperatura de trabalho............................................................................. 2
5.4 Passagem da válvula..................................................................................................... 2
5.5 Entrega............................................................................................................................ 2
5.6 Intercambiabilidade....................................................................................................... 2
5.7 Reposição....................................................................................................................... 3
6 REQUISITOS ESPECÍFICOS ............................................................................................ 3
6.1 Materiais ......................................................................................................................... 3
6.2 Características construtivas ........................................................................................ 3
7 ENSAIOS PARA VÁLVULA DE GAVETA........................................................................ 5
7.1 Ensaio Hidrostático....................................................................................................... 5
7.2 Ensaio de protótipo....................................................................................................... 6
7.3 Ensaios de recebimento ............................................................................................... 7
7.4 Torque de manobra....................................................................................................... 7
8 INSPEÇÃO......................................................................................................................... 7
8.1 Inspeção por amostragem ........................................................................................... 8
8.2 Aceitação ........................................................................................................................ 8
ANEXO A............................................................................................................................... 9
ANEXO B............................................................................................................................. 10

29/11/2000
Norma Técnica Interna SABESP NTS 063 : 2000 / Revisão 1

VÁLVULAS DE GAVETA ÚNICA DE FERRO FUNDIDO NODULAR

1 OBJETIVO NBR 7675 – Conexões de ferro fundido


dúctil
Estabelecer os tipos, dimensões,
ASTM B161 - Standard Specification for
tolerâncias e exigências mínimas para o
Nickel Seamless Pipe and Tube
fornecimento à Sabesp de válvulas com
obturador do tipo gaveta, com carcaça NBR 10285 – Válvulas - Terminologia
de ferro fundido nodular, com haste não NBR 12430 - Válvula-gaveta de ferro
ascendente, para uso geral no bloqueio fundido nodular
de fluxo de água. NBR 13747 – Junta elástica para tubos e
Esta norma se aplica a válvulas de conexões de ferro fundido dúctil – Tipo
pressão nominal PN 16, com corpo JE2GS
chato para os diâmetros DN 50, 60, 75, ISO 2531 – Ductile iron pipes, fitings and
80, 100, 125, 150 e 200; e corpo oval accessories for pressure pipe-lines
para os diâmetros nominais DN 250 e ISO 5752 – Metal valves for use in
300.
flanged pipe system, face to face and
2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS centre to face dimensions
Esta norma é uma revisão do documento 3 DEFINIÇÕES
normativo 0100-052-S5/R.1 de 30 de
Para os efeitos desta norma, aplicam-se
dezembro de 1981, substituindo-o para
as definições da norma NBR 10285, e as
uso interno da companhia.
abaixo relacionadas:
São utilizados elementos dos DEFOFO
documentos normativos listados a
Tubo plástico compatível com sistema
seguir, que devem ser considerados em
ponta e bolsa de ferro fundido.
suas versões mais recentes sempre que
necessário e conforme citados no texto. Diâmetro nominal (DN)
É um número que serve para classificar
NTS 036 – Qualificação de produtos e
em dimensões os elementos de
materiais para revestimento tubulações, válvulas e acessórios, que
ABNT – EB-362 – Sistema de corresponde, aproximadamente, ao
classificação de materiais elastoméricos diâmetro interno da válvula em
vulcanizados para aplicações gerais milímetros. O diâmetro nominal não deve
ser objeto de medição, nem ser utilizado
NBR 5425 (antiga ABNT NB-309/01) –
para cálculos.
Guia para inspeção por amostragem no
controle e certificação da qualidade Pressão nominal (PN)
NBR 5426 – Planos de amostragem e É a máxima pressão, especificada em
procedimentos na inspeção por atributos bar, a que as válvulas e demais
elementos de tubulações podem ser
NBR 5647 – Tubos de PVC rígido para submetidos em serviço contínuo, nas
adutoras e redes de água condições de temperatura de operação.
NBR 5668 – Rosca métrica trapezoidal – Pressão de trabalho (P)
ISO É a máxima pressão na qual a válvula
NBR 6916 (antiga ABNT-P-EB-585) – pode ser utilizada.
Ferro fundido nodular ou ferro fundido Pressão de ensaio (Pt)
com grafita esferoidal É a pressão na qual as válvulas devem
ser ensaiadas.
NBR 7674 – Junta elástica para tubos e
conexões de ferro fundido dúctil
29/11/2000 1
NTS 063 : 2000 / Revisão 1 Norma Técnica Interna SABESP

Válvulas com Qualificação - Nome ou marca de identificação do


São as válvulas que possuem o fabricante da válvula e da fundição;
certificado de qualificação técnica da - Série métrica à qual pertence, chata
Sabesp. (MC) ou oval (MO).
4 CLASSIFICAÇÃO Simbolização do ano de fabricação, e
código que permita no mínimo a
Para os efeitos desta norma, as válvulas
rastreabilidade do fundido.
de gaveta podem ser classificadas
quanto ao tipo de extremidades,
5.2 Operação
distância entre faces e tipo de
acionamento. O fechamento das válvulas deve se dar
quando a haste é girada no sentido
4.1 Tipo de extremidade horário.
Quanto ao tipo de extremidade, as O fabricante deve indicar em sua
válvulas de gaveta classificam-se em: documentação o número de voltas a
efetuar para seu fechamento ou
a) Válvulas com bolsas para tubulações
abertura.
de ferro fundido ou PVC DEFOFO;
A concepção da válvula deve permitir a
b) Válvulas com bolsas para tubulações
adaptação de um acionamento
de PVC;
comandado.
c) Válvulas com flanges.
No volante devem constar setas
4.2 Distância entre faces indicativas dos sentidos de abertura e
fechamento da válvula.
Quanto a distância entre faces, as
válvulas de gaveta classificam-se em: 5.3 Pressão e temperatura de trabalho
a) Corpo curto (série 14 da norma ISO A máxima temperatura de trabalho das
5752); válvulas é de 60 ºC.
b) Corpo longo (série 15 da norma ISO A máxima pressão de trabalho é de 1,6
5752). MPa, para as válvulas operando com
fluidos a temperatura de até 60 ºC.
4.3 Tipo de acionamento
Quanto ao tipo de acionamento, as 5.4 Passagem da válvula
válvulas de gaveta classificam-se em: As válvulas devem apresentar passagem
Válvulas com acionamento através de plena quando totalmente abertas.
volante ou de cabeçote, com ou sem
mecanismo de redução. 5.5 Entrega
Válvulas de acionamento comandado As válvulas devem ser entregues na
através de sistemas eletromecânicos posição fechada, dispostas e embaladas
hidráulicos ou pneumáticos. de modo a prevenir danos.
5 REQUISITOS GERAIS
5.6 Intercambiabilidade
5.1 Marcações As peças componentes das válvulas
deverão ser intercambiáveis para um
As válvulas devem trazer marcado no
mesmo fabricante e um mesmo
corpo, em alto relevo, o que segue:
diâmetro. A intercambiabilidade deverá
- Diâmetro nominal (DN); persistir ao longo do tempo.
- Pressão nominal (PN);
- Designação internacional padroni-
zada do ferro fundido nodular SG;

2 29/11/2000
Norma Técnica Interna SABESP NTS 063 : 2000/ Revisão 1

5.7 Reposição prensagem, martelagem ou


rosqueamento.
Os fabricantes deverão garantir estoque
para reposição de qualquer componente 6.2.2 Haste
da válvula. A haste deve ser do tipo não
ascendente, fabricada em uma única
6 REQUISITOS ESPECÍFICOS peça, com a superfície de contato com a
gaxeta usinada, com acabamento
6.1 Materiais superficial adequado ao tipo de
Os materiais empregados na fabricação engaxetamento empregado.
dos componentes das válvulas, devem O diâmetro mínimo da haste deve ser
atender ao especificado na tabela 1. conforme a tabela 2, medido na parte
Tabela 1 - Materiais cilíndrica lisa.
Nº DENOMINAÇÃO MATERIAL Tabela 2 - Diâmetro de haste (da)
01 Corpo Série
Ferro fundido com DN (mm) da (mm)
02 Tampa métrica
grafita esferoidal
03 Câmara da gaxeta 50 Chata 18
(nodular) FE-42012
04 Obturador (cunha) 60 Chata 18
da NBR 6916
05 Preme gaxeta 75 Chata 21
04 Cunha maciça
Bronze fundido liga 80 Chata 21
06 Anel da cunha
10 da ABNT EB-161 100 Chata 21
07 Anel do corpo
(ASTM B-62) 125 Chata 24
08 Porca de manobra
Haste (incluindo o
Aço inoxidável – AISI 150 Chata 24
09
anel) – 410 (ABNT-410) 200 Chata 27
Parafuso e porcaAço carbono ABNT 250 Oval 36,5
10
do corpo 1020: galvanizado 300 Oval 42,5
por imersão conf.
Parafuso do preme
11
gaxeta ASTM A 153 grau C
Anel de borracha A rosca da haste deve ser trapezoidal,
sintética grafitada tipo ACME, conforme a NBR 5868, com
12 Gaxeta Cordão de amianto diâmetro nominal equivalente ao
grafitado trançado
Teflon diâmetro mínimo indicado na tabela 2,
Junta de câmara Elastômero ABNT – com folga suficiente para permitir fácil
13
de gaxeta EB 362 ou ASTM D abertura quando submetida à pressão de
14 Junta do corpo
2000 4AA 610 A 13 trabalho.
B 13 e A 14
No ato de entrega das válvulas, devem
6.2 Características construtivas ser fornecidas as características das
roscas das hastes e dos parafusos
6.2.1 Obturador e anéis de vedação utilizados.
O obturador da válvula (cunha ou 6.2.3 Porca de manobra
gaveta) e os seus anéis de vedação A porca de manobra deve acoplar-se ao
podem ser de materiais fundidos, obturador com um certo grau de
forjados ou laminados. Os obturadores liberdade, de modo a permitir que este
das válvulas de diâmetros DN 50, 60 e se ajuste perfeitamente à sede. Este
75 devem ser maciços. acoplamento não deve permitir, no
O obturador deve ser guiado entanto, que o obturador se solte da
lateralmente, e as superfícies metálicas porca.
de vedação devem ser retificadas de A porca de manobra deve ter altura
modo a permitir um perfeito contato. O mínima de 1,5 vezes o diâmetro da
ajuste do obturador com os anéis deve haste.
ser tal que permita vedação com
desgaste homogêneo das superfícies.
Os anéis de vedação devem ser fixados
ao corpo através de processos de
29/11/2000 3
NTS 063 : 2000 / Revisão 1 Norma Técnica Interna SABESP

6.2.4 Câmara de gaxeta 6.2.7 Válvula com flanges


A câmara de gaxeta deve apresentar A distância entre as faces dos flanges
profundidade suficiente para permitir deve ser conforme a tabela 4.
estanqueidade e possibilitar reaperto, As dimensões e tolerâncias dos flanges
quando for necessário. Essa devem ser conforme a norma NBR 7675.
profundidade deve ser, no mínimo, igual Para os DN 60, 80 e 125 devem ser
a 1,5 vezes o diâmetro da haste. conforme a norma ISO 2531.
6.2.5 Preme gaxeta As faces dos flanges devem estar
A altura útil do preme gaxeta deve ser no contidas em planos perpendiculares ao
mínimo igual a 1,5 vezes o diâmetro da eixo longitudinal da válvula.
haste. Devem ser fornecidos junto com as
6.2.6 Volante e cabeçote válvulas todos os acessórios
Os volantes e cabeçotes ilustrados na necessários para sua montagem, tais
figura 1 devem ter as dimensões E, F e como: vedações, parafusos, porcas e
G dadas na tabela 3. arruelas.
Tabela 4 – Distância entre as faces dos
E flanges (L)
DN L (mm)
(mm) CHATA OVAL
G

F 50 150 ±2 -
60 150 ±2 -
B
A
75 180 ±2 -
80 180 ±2 -
100 190 ±2 -
C

125 200 ±2 -
150 210 ±2 -
230 ±2
G

200 -
E 250 - 450 ±2
F

300 - 500 ±3
A = 27mm
B = 32 mm 6.2.8 Válvula com Bolsas
C = 50 mm As dimensões das bolsas devem
Figura 1 – Volante e cabeçote obedecer às normas ABNT NBR 7674 e
Tabela 3 - Dimensões de encaixe do NBR 13747, para tubulações de ferro
volante e do cabeçote fundido, e NBR 5647 para tubulações de
DN DIMENSÕES (mm) PVC rígido.
(mm) 6.2.9 Torque de manobra
E F G
O torque a ser aplicado na haste da
50 12 14 23 válvula para a sua abertura, estando a
60 12 14 23 válvula totalmente fechada e a gaveta
75 15 18 28 sob pressão diferencial igual à pressão
80 15 18 28 máxima de trabalho, não pode atingir
100 15 18 28 valores superiores aos indicados na
tabela 5.
125 15 18 28
150 15 18 28
200 17 20 30
250 26 31 45
300 30 36 55

4 29/11/2000
Norma Técnica Interna SABESP NTS 063 : 2000/ Revisão 1

Tabela 5 - Torque máximo de manobra (T) ♦ Pintura externa:


DN (mm) T (N x m) A pintura externa deve-se constituir das
50 60
mesmas tintas e camadas descritas para
60 75 a pintura interna.
75 75 A qualificação do sistema de pintura
80 75 deve ser conforme a norma NTS 036.
100 100
125 125 7 ENSAIOS PARA VÁLVULA DE
150 150
GAVETA
200 200
250 250
300 300 7.1 Ensaio Hidrostático
A força máxima para abertura da válvula, Todas as válvulas devem ser ensaiadas
a ser aplicada no volante, deve ser de pelo fabricante com água, nas pressões
400 N. A gaveta deve estar na posição indicadas na tabela 7.
fechada e sob pressão diferencial igual à Tabela 7 - Pressões de ensaio hidrostático
pressão de trabalho. Diâmetro Pressão Pressão de ensaio
6.2.10 Espessuras mínimas de parede Nominal DN de (MPa)
As espessuras mínimas de parede do trabalho Corpo Sede
corpo e da tampa da válvula devem ser (MPa)
conforme especificado na tabela 6. 50 a 200
Tabela 6 - Espessura mínima de parede (chata) 1,6 2,4 1,6
do corpo e da tampa (e) 250 a 300
ESPESSURA MÍNIMA (e) ( mm) (oval)
DN (mm)
Série métrica Série métrica
chata oval As pressões do ensaio hidrostático
50 6,0 - devem ser atingidas gradativamente,
60 6,0 - não sendo admitida a presença de ar no
75 7,0 - interior da válvula durante o ensaio.
80 7,0 - A duração mínima do ensaio do corpo e
100 7,0 - da sede deve ser conforme a tabela 8.
125 10,0 - Tabela 8 - Duração mínima dos ensaios
150 10,0 -
200 11,0 - DN (mm) Corpo (seg.) Sede (seg.)
250 - 10,0 50 – 75 30 30
300 - 11,0 100 – 150 60 60
200 – 300 120 120
6.2.11 Pintura
A pintura das válvulas deve ser 7.1.1 Ensaio hidrostático do corpo
executada com os materiais descritos a O ensaio hidrostático do corpo deve ser
seguir: realizado antes da aplicação da pintura,
♦ Pintura interna: com as extremidades da válvula
Tinta epoxi amida de alta espessura. fechadas e o obturador na posição
Exige-se certificado de atoxicidade para aberta.
contato com a água potável. Durante o ensaio não são admitidos
Espessura: 150µm medida na película vazamentos ou exsudações.
seca, aplicada em duas demãos de
75µm.

29/11/2000 5
NTS 063 : 2000 / Revisão 1 Norma Técnica Interna SABESP

7.1.2 Ensaio de estanqueidade da modificações posteriores, bem como nos


sede certificados e fornecedores das matérias
O ensaio de estanqueidade da sede primas e das tintas.
deve ser realizado após a aplicação da O ensaio de protótipo consiste de:
pintura final da válvula. a) ensaio de resistência ao uso;
Com a válvula presa por uma b) ensaio hidrodinâmico.
extremidade e a outra aberta para 7.2.1 Ensaio de resistência ao uso
inspeção, aplicar a pressão estabelecida
na tabela 7 alternadamente em cada A válvula deve ser projetada para
lado da sede, não se admitindo a sua suportar o torque especificado na tabela
prensagem. 9, aplicado em sua haste, sem redutor.
A pressão deste ensaio deve ser Tabela 9 – Torque de resistência (TR)
atingida gradativamente, sem nenhum DN (mm) TR (N x m)
choque hidráulico, não sendo admitida a 50 250
presença de ar no interior da válvula 60 250
durante o ensaio. 75 250
Neste ensaio admite-se um vazamento 80 250
máximo de 0,4 mL/h x DN, considerando 100 250
125 300
DN como um número adimensional.
150 300
O torque de fechamento capaz de 200 400
garantir estanqueidade deve atingir, no 250 500
máximo, os valores fixados na tabela 5. 300 600
O torque de abertura deve atingir, no
máximo, os valores fixados na tabela 5, A válvula deve ser montada de maneira
estando a válvula sob pressão a se aplicar na gaveta a pressão de
diferencial igual à pressão máxima de trabalho definida na tabela 7.
trabalho.
Aplicar progressivamente na haste da
7.2 Ensaio de protótipo válvula em posição de fechamento total,
o torque de ensaio de resistência dado
O ensaio de protótipo deve ser realizado na tabela 9, de modo a verificar a
para a qualificação da válvula e do seu resistência das peças que compõem a
fabricante junto à Sabesp. Deve ser válvula.
realizado, no mínimo uma vez por ano, Aplicar o mesmo torque em posição de
ou sempre que for feita uma modificação abertura total, neste caso, sem pressão.
substancial na sua concepção, no seu
projeto ou no processo de fabricação, Não será admitida nenhuma deformação
por exemplo: forma dimensões e permanente na válvula ou em qualquer
tolerâncias do conjunto ou de qualquer componente desta.
componente, supressão ou adição de Em seguida, realizar os ensaios
elementos constituintes da válvula, hidrostáticos (corpo e sede) conforme
modificações de materiais, de usinagem especificado no item 7.1.
e acabamento, do processo e máquinas Para o ensaio de protótipo, não é
utilizadas na fabricação. necessária a pintura da válvula.
Os ensaios deverão ser feitos na Os vazamentos pela sede devem ser
presença da Sabesp ou em laboratórios inferiores ou no máximo iguais ao valor
por ela reconhecidos. definido no item 7.1.2.
Assim sendo, o certificado de 7.2.2 Ensaio hidrodinâmico
qualificação será dado com base em um Devem ser ensaiadas 3 válvulas para
desenho certificado entregue à Sabesp cada diâmetro fabricado.
para que se possam comprovar

6 29/11/2000
Norma Técnica Interna SABESP NTS 063 : 2000/ Revisão 1

A válvula deve ser instalada em uma 7.3 Ensaios de recebimento


tubulação que simule seu futuro
Para o recebimento das válvulas, devem
funcionamento, de forma que o eixo
ser realizados os seguintes ensaios:
longitudinal da haste permaneça na
vertical. 7.3.1 Válvulas com qualificação
A vazão mínima de água através da - exame visual (sem aplicação de
válvula deve ser conforme estabelecido pintura)
na tabela 10, estando a válvula aberta - exame dimensional
sob pressão mínima de 80% da pressão - ensaio hidrostático (corpo e sede)
de trabalho. conforme 7.1
Tabela 10 - Vazões mínimas para o ensaio - ensaio de pintura (aderência e
hidrodinâmico (Qh ) espessura da película seca de tinta)
DN (mm) Qh (l/s) 7.3.2 Válvulas sem qualificação
50 1,5 - ensaio do protótipo conforme o item
60 1,5
7.2
75 2,2
80 2,5 - ensaios constantes no item 7.3.1
100 3,9
125 6,1 7.4 Torque de manobra
150 8,8 A critério da Sabesp, sempre que se
200 15,7 julgar necessário, será verificado o
250 24,5
torque de manobra.
300 35,3
O torque de manobra na haste da
válvula sem redutor pode atingir, no
Exige-se neste ensaio a realização de máximo, os valores estabelecidos na
300 ciclos completos de abertura e tabela 5, estando a válvula na posição
fechamento da válvula. fechada e sob pressão diferencial igual à
Na posição fechada, a válvula deve pressão máxima de trabalho.
suportar uma pressão diferencial na O volante deve ser dimensionado de
gaveta igual à de trabalho. Na posição forma a possibilitar a manobra com uma
aberta admite-se pressão mínima de força máxima de 400 N, estando a
80% da pressão de trabalho. válvula na posição fechada e sob
Os torques de abertura e fechamento no pressão diferencial igual à pressão
ensaio hidrodinâmico devem ser os máxima de trabalho.
indicados pelo fabricante, e limitados aos
valores estabelecidos na tabela 5. 8 INSPEÇÃO
Durante todo o ensaio, não são Todos os lotes de válvulas compradas
admitidos vazamentos ou exsudações, de acordo com esta norma devem ser
rupturas de peças ou qualquer outro inspecionadas pela Sabesp.
defeito que comprometa o bom
A inspeção deve ser realizada no local
desempenho da válvula. de fabricação da válvula, a menos que
O ensaio hidrodinâmico deve ser seja estabelecido de outra maneira.
interrompido após os 300 ciclos na
O inspetor da Sabesp deve ter livre
posição de válvula fechada para
acesso a todos os locais, documentos e
verificação de vazamentos na sede.
instrumentos relacionados com a
Nesta condição admite-se um
inspeção.
vazamento máximo de 10 mL/h x DN.

29/11/2000 7
NTS 063 : 2000 / Revisão 1 Norma Técnica Interna SABESP

8.1 Inspeção por amostragem apresente não conformidades em


número igual ou inferior ao número de
Para lotes de até 25 unidades, a
aceitação estabelecido na tabela 11.
inspeção será realizada em todas as
peças. O lote deve ser rejeitado caso o número
de válvulas submetidas aos ensaios
Para lotes maiores que 25 unidades a
apresente não conformidades em
inspeção será feita por amostragem
número igual ou superior ao número de
conforme estabelecido na tabela 11.
rejeição estabelecido na tabela 11.
Cada lote deve ser constituído de
Tabela 11 - Amostragem
válvulas de um único diâmetro e tipo de
acionamento, fabricadas essencialmente Lote Amostra Aceitar Rejeitar
sob as mesmas condições e no mesmo 26 a 50 8 0 1
período. 51 a 90 13 0 1
Deve ser retirado do lote de válvulas 91 a 150 20 0 1
apresentado para a realização dos
151 a 280 32 0 1
ensaios previstos em 7.3.1 uma
quantidade definida pela tabela 11 281 a 500 50 1 2
(conforme NBR 5426 NQA 0,65 - Plano 501 a 1200 80 1 2
simples normal - Nível II). 1201 a 3200 125 2 3
As válvulas a serem ensaiadas serão 3201 a 10000 200 3 4
escolhidas pela Sabesp.

8.2 Aceitação
O lote deve ser aceito caso o número de
válvulas submetidos aos ensaios

8 29/11/2000
Norma Técnica Interna SABESP NTS 063 : 2000/ Revisão 1

ANEXO A

FOLHA DE DADOS

A Lista abaixo destina-se a orientar o devido preenchimento da descrição da válvula de


gaveta requerida no edital ou pedido de compra. Devem ser citados:

01. O número e título desta norma;

02. Diâmetro nominal;

03. Pressão nominal;

04. Tipo de extremidade: flange ou bolsa;

05. Tipo de acionamento: volante ou cabeçote;

06. Cor externa;

29/11/2000
NTS 063 : 2000 / Revisão 1 Norma Técnica Interna SABESP

ANEXO B
Pos. Denominação
1 Corpo
2 Tampa
3 Câmara da gaxeta
4 Obturador (cunha ou gaveta)
5 Preme gaxeta
6 Anel de vedação do obturador
7 Anel de vedação do corpo
8 Porca de manobra
9 Haste
10 Parafuso e porca
11 Parafuso e porca do preme gaxeta
15 12 Gaxeta
13 Junta da câmara da gaxeta
14 Junta do corpo
15 Cabeçote
11
5
3
12

13

14
10

1
9

8
4

7
Desenho Ilustrativo

10 29/11/2000
Norma Técnica Interna SABESP NTS 063 : 2000/ Revisão 1

VÁLVULAS DE GAVETA ÚNICA DE FERRO FUNDIDO NODULAR

Considerações finais:

1) Esta norma técnica, como qualquer outra, é um documento dinâmico, podendo


ser alterada ou ampliada sempre que for necessário. Sugestões e comentários
devem ser enviados à Divisão de Normalização Técnica - TDSN;

2) Esta norma é uma revisão do documento normativo 0100-052-S5/R.1 de 30 de


dezembro de 1981,elaborada pela comissão de estudos CE-09 com base na
norma ABNT NBR 12430.

3) Tomaram parte na elaboração desta norma:

ÁREA UNIDADE DE NOME


TRABALHO
A AGMM Luiz Jorge R. Almeida
A AASM Sílvio Bicudo Ortiz
I IPO Walter Jorge Michaluate
I IPOT Oscar Tomio Sato
M MPOD Gilberto Alves Martins
T TDP Alex Cury
T TDSN Airton Checoni David
T TSTE Marcos Wanderley Nóbrega

29/11/2000
NTS 063 : 2000 / Revisão 1 Norma Técnica Interna SABESP

Sabesp - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo


Diretoria Técnica e Meio Ambiente - T
Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico - TD
Departamento de Serviços Tecnológicos e Acervo - TDS
Divisão de Normalização Técnica - TDSN

Rua Dr. Carlos Alberto do Espírito Santo, 105 - CEP 05429-100


São Paulo - SP - Brasil
Telefone: (011) 3030-4839 / FAX: (011) 3030-4091
E-MAIL : sabestds@unisys.com.br

- Palavras Chave:
- registro; válvula de gaveta; ferro fundido; ferro fundido dúctil

- 11 páginas

29/11/2000