Você está na página 1de 22

1

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO

Curso de Graduação de Ciências Contábeis

ADRIANA SANTOS DA FONSECA- ( RA 3958752 )

BRENDA ALMEIDA DOS REIS-( RA 3967417 )

GESSICA LAURINDO DIAS- ( RA 3584747 )

LEDAIANE SILVA DE BARROS- ( RA 3886034 )

ORISMA OLIVEIRA ROZA JUNIOR- ( RA 3890813 )

JOSELY FRANCO DE CARVALHO – ( RA 4016203 )

PROJETO INTEGRADOR MODULO II: PLANO DE OBRIGAÇÕES


FISCAIS E TRIBUTÁRIAS

ANAGRÁFICA : Serviços Gráficos e Editora Ltda.

PARAUAPEBAS – PA

2019
2

ADRIANA SANTOS DA FONSECA- ( RA 3958752 )

BRENDA ALMEIDA DOS REIS- ( RA 3967417 )

GESSICA LAURINDO DIAS- ( RA 3584747 )

LEDAIANE SILVA DE BARROS- ( RA 3886034 )

ORISMA OLIVEIRA ROZA JUNIOR- ( RA 3890813 )

JOSELY FRANCO DE CARVALHO- ( RA 4016203 )

PROJETO INTEGRADOR MODULO II: PLANO DE OBRIGAÇÕES


FISCAIS E TRIBUTÁRIAS

ANAGRÁFICA : Serviços Gráficos e Editora Ltda.

Projeto integrador apresentado ao Curso Superior de


Ciências Contábeis da Universidade de Santo
Amaro - UNISA.
Professor Luis Carlos Gruenfeld
Orientadora Paula Valeria Chaves Pereira Correia

PARAUAPEBAS – PA
2019
3

RESUMO

Este trabalho visa a apresentação da importância da contabilidade na Gestão


Empresarial, pois o uso de um sistema eficiente de informações garante
vantagem competitiva para as organizações. Um dos objetivos da Contabilidade
Empresarial é a elaboração e execução do Planejamento Tributário, que é
responsável pelo controle da empresa, tais como ICMS, IPI, PIS, COFINS e etc...
Quanto melhor for a elaboração desse, melhor será para as empresas. Todas as
informações buscam gerar vantagens perante os seus concorrentes, para isso,
é preciso estar amparado nas áreas financeira, tecnologia e pessoal. À vista
desses objetivos não é diferente para pequenas, médias e grandes empresas.
Com um controle de vendas de mercadorias ou serviços mais fiscalizados pode-
se conseguir redução de valores de impostos e evitar ser prejudicado
posteriormente com o não pagamento de tributos pendentes. Não é suficiente
como exemplo, a utilização das informações completas da contabilidade. Todas
as informações devem estar em harmonia para que resultem em benefícios
concretos e duradouros. A nova realidade do mercado exige que as
organizações invistam mais outros atributos além do preço e qualidade dos
seus produtos ou serviços, é preciso inovação tecnológica e gestão
competente.

PALAVRAS-CHAVE: Contabilidade Empresarial, Legislação trabalhista, Gestão


Empreendedora.
4

METODOLOGIA

A metodologia utilizada foi pesquisa de dados sobre empresas


de capital aberto na Internet, intuitivamente, livros e artigos referenciando
o tema Contabilidade Empresarial, Legislação Trabalhista, Gestão
Empreendedora e Finanças. Foi observado neste objeto de estudo a
utilização de balanço da Empresa.

A execução deste trabalho envolve o caráter bibliográfico, onde


será colocada em análise fonte teórica inserida em livros de compreensão
sobre o tema a aqui proposto. Conforme Parente (2000, p. 140), O
principal propósito de um trabalho de pesquisa é obter informações
detalhadas e determinadas por um limitado período, para reduzir riscos
sobre as conclusões que possam retiradas desta técnica”
5

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO....................................................................................................6

1. HISTORICO DA EMPRESA .........................................................................8


1) Objetivo
2. DESENVOLVIMENTO.................................................................................13
2.1 Contabilidade Empresarial.........................................................................13
2.2 Gestão Empreendedora e Inovação..........................................................15
2.3 Legislação Trabalhista e Previdenciária....................................................16
2.4 CLT – (CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO).............................17
3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA....................................................................18
4. CRONOGRAMA...........................................................................................19
5. CONCLUSÃO.................................................................................................20
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS......................................................................21
6

INTRODUÇÃO

A contabilidade é um ramo da ciência de suma importância para a


sociedade. Há tempos, a contabilidade vem sendo usada como ferramenta de controle
e prestação de contas. Surgiu em meio à necessidade dos comerciantes, que, em
meio a transações comerciais, detectaram a insuficiência de controles em seus
negócios. Portanto, com a evolução da contabilidade, foi sendo adaptada de acordo
com as necessidades do comércio e todas as atividades empresariais.

A Contabilidade é importante para todos os tipos de negócios e é uma das


áreas que merecem especial atenção dentro de uma organização, pois é através de
um eficiente controle financeiro que a empresa poderá atingir seu objetivo de
crescimento e sucesso. Integrar as pratica contábil é algo trabalhoso, mais não
impossível de se realizar.

A contabilidade é um sistema de contas composto por normas,


regras e princípios para acumulação, geração e análise de
dados para atender a necessidades internas e externas de uma
empresa. [...], É ramo do conhecimento necessário como
eficiente instrumento de controle, planejamento e gestão de um
negócio com ou sem finalidade lucrativas. (SANTOS, 2011, p.1).

Por ser uma ciência tão ampla, foi necessária a sua subdivisão, assim, tem-
se a Contabilidade Gerencial, Contabilidade Financeira, Contabilidade Empresarial,
Contabilidade de Custos, Contabilidade Pública, contabilidade das Cooperativas e
muitas outras. Como são tantas as ramificações e assuntos referentes à contabilidade,
decidiu-se a reportar assuntos sobre a contabilidade empresarial e a contribuição a
contabilidade gerencial.

A contabilidade empresarial, por si só, é uma grande contribuição para as


empresas. Com as ferramentas, ela proporciona a qualquer entidade a descobrir,
buscar soluções e se precaver diante dos problemas que poderão surgir no decorrer
do exercício atual ou até mesmo nos demais exercícios das empresas. As informações
tornam-se possível através do controle e gerenciamento da Contabilidade.
7

Um dos instrumentos necessários para que a organização tenha agilidade


e segurança em suas atividades financeiras é o fluxo de caixa, que se constitui num
instrumento gerencial que fornece a entrada e a saída de recursos financeiros,
facilitando a administração de compromissos, sendo uma ferramenta indispensável
para qualquer tipo de negócio. A ideia é evidenciar que na pratica não ocorre de fato,
as proposições elencadas pelos autores ligados a contabilidade. Segundo
Chiavenato:
A empresa é um conjunto de pessoas que trabalham juntas, no
sentido de alcançar objetivos por meio da gestão de recursos
humanos, materiais e financeiros. Geralmente, as empresas são
compostas por várias pessoas, embora existam empresas
formadas por um só indivíduo. Nelas as pessoas se juntam para
atingir objetivos que isoladamente jamais conseguiriam
alcançar, graças à colaboração e à cooperação. Colaboração e
cooperação entre pessoas são aspectos fundamentais para o
sucesso do negócio. Dirigir uma empresa é basicamente
construir redes de colaboração e cooperação entre pessoas que
a constituem. (Chiavenato, 2012, p. 54).

A Contabilidade é importante para todos os tipos de negócios e empresas


e é uma das áreas que merecem especial atenção dentro de uma organização, pois
é através de um eficiente controle financeiro que a empresa poderá atingir seu objetivo
de crescimento e sucesso. Vai ser tratado neste trabalho, assuntos referentes a
Contabilidade Empresarial, Legislação Trabalhista e Gestão Empreendedora.

O instrumento utilizado para identificar foi a entrevista, com questões que


abordassem o surgimento da ideia, evolução e estabilização de um pequeno
empreendimento. A pesquisa buscou mapear e avaliar as etapas da empresa. Com o
fluxo de Caixa implantado, a organização poderá dispor do numerário necessário para
saldar em tempo real os compromissos assumidos e maximizar os lucros.

A habilidade de uma organização em honrar seus compromissos,


desenvolver novos produtos e expandir sua posição no mercado está nas mãos dos
empregados que administram os seus ativos. O controle financeiro de qualquer
negócio pode ser considerado como uma das atividades mais essenciais. Assim vem-
se confirmar que utilização da contabilidade na gestão empresarial é importante
ferramenta para tomada de decisão.
8

A contabilidade empresarial quando focada nas partes das receitas e


despesas tem muita importância para a vida das empresas, pois, sem o conhecimento
de cada uma dessas contas, as empresas não poderão sobreviver por muito tempo
no mercado, pois cada vez mais está mais competitivo e arriscado em vista que
sobrevive o empresário que sobressair adquirindo conhecimento sobre esse assunto
e as demais ramificações da contabilidade empresarial sempre com auxílio de um
contador.
O mercado é a arena de operações da empresa. É nela onde se
travam as batalhas não só para conquistar o cliente disputado
entre vários concorrentes, mas também para descobrir suas
necessidades, a fim de projetar mercadorias e serviços
adequados a essa necessidade, fazendo com que ele escolha
seu produto/serviço e não o dos concorrentes. Isso significa
fazer a empresa estar voltada para o mercado e para o cliente,
bem para competição. (Chiavenato, 2012, p. 88).

HISTORICO DA EMPRESA

1 Objetivo

Apresentar como o uso de maneira correta e inteligente de dados, obtidos com


uma elaboração eficiente consubstancializada da contabilidade da empresa,
pode auxiliar na geração de mais lucros criando a possibilidade da empresa
dirimir de forma mais consciente e proporcionando o equilíbrio entre despesas
e receitas, acondicionando de forma responsável os prazos. A presentar a
importância da Contabilidade Empresarial.

Estaremos aqui tratando de um estudo de caso de uma empresa de Designer e


Artes Gráficas.

1.1 A empresa Anagráfica surgiu no ano de 1986, mediante a uma ideia familiar, onde
o pretenciosismo do seu idealizador visando a necessidade da região, resolve
arriscar nessa nova empreitada tornando-se pioneira no ramo gráfico e
comunicação visual, situada na rua F nº310 União – Parauapebas/PA. Hoje ela é
composta por 2 sócios, 1 gerente e conta com a equipe de 32 colaboradores.
9

1.2 A empresa desenvolve projetos diferenciados, utilizando avançada tecnologia,


criatividade, profissionalismo e atendimento personalizado. Trabalha com
impressão digital, crachás em PVC, adesivos para veículos, adesivos em vinil,
plotagem, etc.

1.3 A Anagráfica investe em constantes atualizações tecnológicas, tanto pelo


desenvolvimento de seus profissionais, quanto através da aquisição de novos
equipamentos. São essas práticas e a constante melhoria da qualidade e
personalização e seu atendimento que transformam a empresa uma referência do
segmento.

1.4 Do quadro de funcionários - A empresa conta atualmente com 26 funcionários


distribuídos da seguinte forma

- 01 Gerente Geral
- 01 Gerente de Produção
- 01 Gerente Financeiro
- 03 Atendentes
- 03 Designer Gráficos
- 03 Auxiliar Administrativos
- 04 Impressores Off-set
- 04 Auxiliar de Produção
- 01 Guilhotineiro
- 04 Montador Gráfico
- 01 Motorista

Todos os funcionários são devidamente registrados conforme rege a CLT


no que diz a prestação de trabalho por pessoa física a um tomador; “é aquela pactuada
por uma pessoa física, ou seja, a figura do trabalhador há de ser, sempre, uma pessoa
natural”, conforme os Art. 2º e 3º da CLT.

- Dos benefícios trabalhistas - A empresa fornece aos seus funcionários benefícios


trabalhistas como Plano de Saúde aos funcionários extensivos à sua família, hora
10

extra quando devidamente solicitada e Auxílio Farmácia, benefícios esses fornecidos


por livre e espontânea vontade do empregador.
1.5 BALANCO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2016

ATIVO
ATIVO CIRCULANTE R$ 279.473,68

DISPONIBILIDADES R$ 7.259,36
Caixa R$ 7.231,47
Bancos c/ Movimento R$ 27,89
REALIZÁVEL A CURTO PRAZO R$ 272.214,32
Duplicatas a Receber R$ 70.661,97
Salário Família R$ 156,38
Cheques em Cobrança R$ 28.379,68
Notas Faturadas R$ 37.450,10
Títulos à Receber R$ 29.410,25
Estoques de Mercadorias R$ 97.410,74
Impostos Faturados R$ 8.745,20

ATIVO PERMANENTE R$ 230.064,73


IMOBILIZADO
Móveis e Utensílios R$ 33.480,00
Instalações R$ 57.721,30
Construções e Reforma R$ 13.552,22
Computadores e Periféricos R$ 22.417,30
Prédio Comercial R$ 65.000,00
Máquinas e Equipamentos R$ 55.378,25
Ferramentas R$ 18.703,55
( - ) Depreciações Acumuladas R$ 36.187,89

TOTAL DO ATIVO R$ 509.538,41

PASSIVO
11

PASSIVO CIRCULANTE R$ 50.154,09


FORNECEDORES
Fornecedores Nacional R$ 28.472,30
OBRIGAÇÕES SOCIAIS
I.N.S.S. a Recolher R$ 287,82

OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS
ISS a Recolher R$ 2.620,66
GPS a Recolher R$ 4.604,96
GRCS a Recolher R$ 276,62
DAS R$ 5.833,33
DARF Simples R$ 3.265,44
DAE R$ 4.717,71
Contribuições Confederativas R$ 75,25

EXIGÍVEL A LONGO PRAZO R$ 29.410,65


CRÉDITOS DE DIRETORES
Instituições Financeiras R$ 29.410,25

PATRIMÔNIO LÍQUIDO R$ 429.410,67


Capital Social R$ 10.000,00

RESERVAS DE LUCROS R$ 419.973,67


Lucro Líquido Final R$ 118.449,37
Lucro Acumulado R$ 301.524,30

TOTAL DO PASSIVO R$ 509.538,41

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DE 2016

RECEITA OPERACIONAL BRUTA


RECEITAS
Prestação de Serviços R$ 604.074,61
12

DEDUÇÕES
IMPOSTOS
Impostos Faturados R$ 30.705,55
DARF Simples R$ 35.800,16
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA
CUSTOS DOS PRODUTOS VENDIDOS
CUSTOS GERAIS
Custos Gerais R$ 247.056,55

LUCRO OPERACIONAL BRUTO R$ 272.917,96

DESPESAS OPERACIONAIS
ADMINISTRATIVAS
Despesas Administrativas R$ 74.432,08
PESSOAL
Despesas de Pessoal R$ 61.443,01
DEPRECIAÇÃO
Depreciação do Exercício R$ 36.187,89

LUCRO OPERACIONAL R$ 118.449,37

LUCRO LÍQUIDO FINAL R$ 118.449,37

1.6 Problemas encontrados – Sua forma de tributação atual é normal, pois a


empresa era participante do regime tributário do Simples Nacional ao auferir a
receita bruta com mais de 20% do limite da Receita Federal, conforme institui
o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, EPP
como define a Lei Complementar Nº 123.

1.7 Solução sugerida - A empresa visando pagar menos tributos e encargos, tem
a intenção de voltar a se enquadrar no Simples Nacional, e uma das
providências sugeridas a ser tomada para esta ocorrência é a criação de uma
nova matriz com intuito de separas as atividades, uma ficando com a parte
13

gráfica e a outra com a comunicação visual dessa forma reduzindo o


faturamento da empresa remanescente.

Havendo a diminuição do faturamento da empresa remanescente, a


mesma deverá solicitar ao final do exercício o reingresso ao Simples Nacional, uma
vez que o sistema possa detectar e disponibilidade de balanços que comprove por
alguns meses a redução do faturamento.

1.8 Sua missão, oferecer aos clientes melhores recursos gráficos, satisfazendo
suas necessidades, superando suas expectativas, valorizando suas ideias e
sua marca.

1.9 Visão, ser referência estadual em serviços gráficos, com equipamentos


inovadores e tecnológicos, preservando o meio ambiente.

2.0 Valores, compromisso com o cliente, ética e transparência, inovação e


qualidade, foco nos resultados e a valorização ao colaborador.

2 DESENVOLVIMENTO

2.1. Contabilidade Empresarial

Alguns princípios da Contabilidade, fazem com que melhor gerencie uma


empresa. Acreditamos que o maior conflito hoje de um empresário vai de encontro
com o Princípio da Entidade, uma vez que se faz necessário a diferenciação de um
patrimônio particular do patrimônio da Empresa, independentemente de pertencer a
uma pessoa, um conjunto de pessoas, uma sociedade ou instituição.

Devido ser um dos principais motivos para fechamento das empresas, na


atualidade, a maioria das micro e pequenas empresas, que são administradores do
próprio negócio, não o colocam em prática, misturando as contas pessoais e
empresariais. Muitas vezes, eles desconhecem a importância da aplicação do
mesmo.
14

Esse princípio pode parecer banal e óbvio, visto que em alguns países a
separação do patrimônio da empresa e dos sócios é tratada como algo básico,
simples e fundamental. O controle financeiro de qualquer negócio pode ser tratado
como uma das atividades mais importantes. E o fluxo de caixa é uma ferramenta que
auxilia o administrador e a contabilidade na tomada de decisões.

Esse procedimento reflete e prevê o que ocorrerá com as finanças da


empresa de um determinado período. O fluxo de caixa é um instrumento muito
utilizado nas empresas, devido ao seu fácil entendimento e também por conter
informações da situação financeira da empresa. Segundo Sanvicente (1997, p. 140),
ressalta que o andamento normal das operações da empresa decorre, principalmente,
da manutenção de um nível adequado de recursos de máxima liquidez.

A manutenção de um nível adequado de recursos funciona como um


amortecedor entre as entradas e saídas previstas em condições operacionais
normais, visto que essas entradas e saídas raramente coincidirão em montante e
momento de ocorrência.

Nesse sentido, o autor escreve ainda que, o fluxo de caixa constitui-se


numa indispensável sinalização dos rumos financeiros dos negócios e das
informações contábeis para o gerenciamento das finanças empresariais. “[...] a
Contabilidade Empresarial procura estudar as relações existentes entre a organização
focalizada e outras pessoas ou organizações” . (HASTINGS, 2007, P. 05)

A cada momento o conjunto de direitos e obrigações de uma


organização apresenta-se em determinado estado; na
passagem de um momento para outro, o estado desses direitos
e obrigações pode alterar-se em consequência da própria
dinâmica das organizações. Assim, em seu estudo das relações
entre a organização focalizada e seus fornecedores e clientes, a
Contabilidade preocupa-se com o estado de organização em
determinado momento e com a evolução da organização de um
momento para outro.(HASTINGS, 2007, P. 05)

A Contabilidade é uma atividade fundamental na vida econômica. Mesmo


nas economias mais simples, é necessário manter a documentação dos ativos, das
dívidas e das negociações com terceiros. O papel da contabilidade torna-se ainda
mais importante nas complexas economias modernas. Uma vez que os recursos são
15

escassos, temos de escolher entre as melhores alternativas, e para identifica-las são


necessários os dados contábeis.

2.2 Gestão Empreendedora e inovação

Conforme o histórico da empresa podemos identificar que ela surgiu de


uma visão empreendedora e uma necessidade de mercado, como também é
perceptivo a necessidade de algumas inovações tecnológicas e da gestão
corporativas. Pois tem sido o diferencial no desenvolvimento econômico mundial.
As ideias criativas nesse ramo gráfico devem ser adotadas por toda a equipe de
trabalho desde o setor administrativo até o setor de produção.

De acordo com o SEBRAE, o Empreendedor tem muitas características e


uma delas é a capacidade de tomar iniciativa. Pois, a iniciativa é o primeiro passo
para que uma pessoa deve ter para transformar seu sonho em realidade, a sua ideia
só vai se tornar palpável quando der o primeiro passo. Tornar possível desenvolver
atitudes e habilidades empreendedoras.

No formato de gerenciamento corporativo, podemos utilizar o modelo do


Funil de Inovação, que proporciona a utilização de filtros para selecionar as melhores
ideias que receberão investimentos de recursos. Os empreendedores devem estar
preparados para um feedback positivo em relação às alterações rápidas de mercado.
Segundo Chiavenato.
O espírito empreendedor aprende a perceber e localizar as
oportunidades no mundo dos negócios e aproveitá-las rápida e
adequadamente. Para tanto, deve ter visão panorâmica e
fortalecer a flexibilidade, adaptabilidade e a manobrabilidade
em um mundo dinâmico e complexo. No entanto, deve também
fugir dos perigos e percalços que rondam toda atividade criativa
e inovadora. Os perigos mais comuns nos novos negócios
podem ser perfeitamente neutralizados e evitados.
(CHIAVENATO,2012, p. 21).

Todos os setores produtivos têm no momento atual seu desafio crucial


para a manutenção de sua existência no mercado, que exige otimização de custos
de produção ou operações que resultam necessariamente em ganho de
16

produtividade. Tais setores impelem para o desenvolvimento de novas tecnologias


e para a elevação do nível de qualidade de produtos e serviços, a preços finais cada
vez menores.

Esses indispensáveis procedimentos estão consubstanciados em uma


palavra: competitividade. Até agora funcionando com estruturas administrativas
independentes, embora com a mesma filosofia de trabalho, esse projeto está
incorporando as teorias e técnicas consideradas meio para as mudanças profundas
nas estruturas das empresas.

Unidades nas decisões e agilidades nas ações serão ganhos imediatos


que os empreendedores poderão obter com a utilização dos sistemas de
informações que proporcionam inovações. A maior eficiência virá acompanhada da
redução dos custos. Quando um empreendedor promove mudanças estruturais,
reduzindo custos e aumentando qualidade de seus produtos ou serviços, os grandes
beneficiados são os consumidores.

A melhor aplicação dos recursos em desenvolvimento de tecnologias,


beneficia os usuários de seus serviços, que terão melhores formas para aumentar a
geração de renda e oferta de empregos. É a inovação do sistema de gerenciamento
a serviço do desenvolvimento econômico e social promovendo aos empreendedores
e suas famílias, que serão mais bem atendidos em saúde, educação e formação
profissional.

2.3 Legislação Trabalhista e Previdenciária.

Conceito de Lei – É uma regra geral de conduta, justa e permanente, estabelecida


por vontade imperativa do Estado, não podendo ser afastada por deliberação dos
particulares. Trata-se de norma jurídica obrigatória, de efeito social, emanada do
poder público competente. A Lei, em suma determina limites às ações, pune os
excessos, coloca padrões de conduta aos cidadãos.

Conceito de Direito – Vem do latim, directum, que significa, a arte da investigação


do bom e da equidade, a ordenação de condutas e ciência das regras obrigatórias e
17

incontestáveis que dispõem o relacionamento das pessoas numa conjuntura social.


Sua indiscutível raiz vem do termo direção, relação, coerência ou obrigatoriedade de
um comportamento.

É um sistema de normas que regulam uma sociedade, determinando a


cada indivíduo que o direito termina onde começa o do outro. O Estado, como nação,
tem a prerrogativa e o poder de ditar e regulamentar o Direito, sendo considerado,
assim como um conjunto de regras de conduta coativamente impostam pelo Estado,
ou princípios de conduta social, tendentes à realização da justiça.

Assim nenhuma norma coletiva ou individual de trabalho pode contrariar


os direitos e deveres mínimos previstos na CLT ou na Constituição Federal. Nos dias
de hoje, a norma coletiva de Trabalho (dissídio, acordo ou contrato coletivo) vem
despontando como o veículo mais adequado para modificar as relações de trabalho,
gerando novos direitos e deveres ou ampliando os existentes.

Não se pode, portanto, avaliar qualquer direito trabalhista sem conhecer


a norma coletiva que rege a relação de trabalho na qual estão inseridos empregado
e empregador.

2.4 A CLT (CONSOLIDADÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO

A CLT resultou da sistematização de todas as normas anteriores


esparsamente instituídas com relação ao Direito do Trabalho. Criada pelo Decreto-
Lei nº 5452, de 1º de maio de 1943. Entrou em vigor em 10 de novembro daquele
ano. Com relação a empresa pesquisada, foi visto que a mesma cumpre
rigorosamente os ditames da Lei de relação de trabalho conforme a CLT.

- Partes da Relação de Emprego – A CLT, em seus artigos 2º e 3º, definem assim o


que considera-se empregador e empregado, respectivamente:

Inicialmente cabe transcrever os citados artigos 2º e 3º da CLT.


18

Art. 2º - Considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva,


que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e
dirige a prestação pessoal de serviços.
§1º - Equiparam-se ao empregador, para os efeitos exclusivos da
relação de emprego, os profissionais liberais, as instituições sem fins
lucrativos, que admitirem trabalhadores como empregados.
§2º - Sempre que uma ou mais empresas, tendo, embora, cada uma
delas, personalidade jurídica própria, estiverem sob a direção,
controle ou administração de outra, constituindo grupo industrial,
comercial ou de qualquer outra atividade econômica, serão, para os
efeitos da relação de emprego, solidariamente responsáveis a
empresa principal e cada uma das subordinadas.

Art. 3º - Considera-se empregado toda pessoa física que prestar


serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência
deste e mediante salário.
Parágrafo único – Não haverá distinções relativas à espécie de
emprego e à condição de trabalhador, nem entre o trabalho intelectual,
técnico e manual.

3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Para a elaboração deste trabalho usaremos os livros de Anthony, que fala


sobre a contabilidade gerencial e empresarial, Eliseu Martins e Joel José dos Santos,
por ambos sobre a contabilidade de custos. L.C. Fabretti, define que qualquer
disciplina deve ser feita através do seu objeto, o planejamento tributário é a atividade
preventiva, prepara e orienta a atividade empresarial.

Para Ludícibus e Marion é de suma importância os registros que


caracterizam os fatos contábeis, pois os mesmos traz modificações nos elementos do
patrimônio e seus registros devem ser feitos através das Contas Patrimoniais ou de
Resultados.
19

Para as empresas se manterem no mercado, devem possuir um pouco de


conhecimento a respeito de diversas áreas da contabilidade, como a Contabilidade
Empresarial e Contabilidade Gerencial, pois a contabilidade fornece informações aos
gestores e gerentes das empresas, por sua extrema necessidade e importância para
tomadas de decisão.

A Contabilidade Empresarial é um processo de identificar, mensurar,


analisar e emitir relatórios trazendo as informações sobre todos os eventos contábeis
e econômicos da entidade. (ATKINSON, et al. 2001, p. 36).

Assim a Contabilidade Empresarial tem por objetivo compreender a


estruturação básica dos grupos de contas que compõem o Balanço Patrimonial e
entender a destinação do Resultado do Exercício e compreender como ocorre a
compensação de prejuízos.

A informação contábil a nível gerencial também é um dos principais meios


pelos quais operadores/trabalhadores, gerentes intermediários e executivos recebem
feedback de seu desempenho. (ATKINSON, et al.,20011, p. 37). Mas para que
possamos trabalhar as informações levantadas pela Contabilidade Empresarial,
devemos conhecer e classificar as contas de receitas e despesas.

Para Martins (2008), o conceito de despesas e receitas mostra suas


diferenças, que são de extrema relevância para fazer a separação do que é receita e
o que despesa e qual influencia a alteração dos custos e despesas fixas conforme o
levantamento de Contabilidade Empresarial.

4 - CRONOGRAMA
ATIVIDADES 1º 2º 3º 4º Total
Semana Semana Semana Semana
Escolha do tema 3h

Pesquisa da empresa 4h 2h

Abordagem da empresa 2h
20

Coleta de dados e Informações 3h 5h 2h

Analise de dados e 2h 3h 2h
Informações
Conclusões 4h 3h

Formatação do trabalho 4h 2h

Preparação para Entrega 2h

Entrega do Projeto Integrador 30min

Total de horas destinada ao 7h 9h 16h 11:30 43:30h


Projeto

5 – CONCLUSÃO

Concluímos que, apesar das adversidades encontradas na Economia


atual, e a dificuldade de aplicação de boas práticas contábeis ainda está longe de
se alcançar a perfeição, embora tenhamos bons instrutores, pessoas renomadas na
área contábil.

A prática tem sido um obstáculo, visto que não aprendemos desde cedo
como administrar um negócio, motivo pelo qual muitos empresários fecham as portas
de suas empresas no primeiro ano de atividade. Percebe-se, no entanto, que as
empresas familiares e as pequenas empresas encontram dificuldade, nota-se a falta
de empenho por parte do proprietário e de seus sucessores em analisar os
demonstrativos contábeis e tomar decisões a partir deles.

Com base na fundamentação teoria e no estudo de caso analisado ao


longo dos trabalhos, obtivemos uma compreensão teórica, prática e analítica para
entender o problema da empresa. Quando as empresas têm condições de usar seus
21

relatórios e conhecimento do que custos, receitas e despesas e sabe qualifica-las,


elas obterão melhores resultados.

Com análises de informações produzidas pela Contabilidade Empresarial,


a administração e diretores que tenham um mínimo de conhecimento básico de
contabilidade, tem condições suficiente de fazer uma projeção em até que ponto a
empresa estará operando com segurança, sem que tenha prejuízo.

As informações contábeis trazem uma grande contribuição para as


empresas e é indispensável para a prática do planejamento estratégico e que
tenham um bom sistema de informações a nível gerencial, que pode ser fornecido
pelo escritório de contabilidade ou do Contador da empresa, ou podem ser também
retiradas informações diárias ou mensais nos relatórios gerenciais da própria
empresa.

6 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Site de pesquisas:
Disciplina: 2018/3 - Ética, Diversidade e Direitos Humanos - EAD

Cenários Econômicosdigital.unisa.br
https://conta.mobi/blog/responsabilidade-social-o-que-e-e-qual-o-beneficio-para-
empresas/

Livro: SCATENA, Maria Inês Caserta. Ferramentas para a Moderna Gestão


Empresarial: teoria, implementação e prática – Curitiba: Intersaberes, 2012. (Serie
administração estratégica).

Livro: ALENCASTRO, Mario Sérgio Cunha. Ética empresarial na pratica: Liderança,


gestão e responsabilidade corporativa – Curitiba: Intersaberes, 2012.

CREPALDI, Silvio Aparecido, Contabilidade Gerencial : Teoria e Prática - 3ª ed. –


São Paulo: Atlas, 2004.
22

SANTOS, José Joel. Contabilidade e análise de custos. 6ª edição. São Paulo:


Atlas, 2001

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 9ª edição. São Paulo: Atlas, 2008.

Gil, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª edição. São Paulo:
Atlas, 2010.

AKTINSON, Anthony A., et al. Contabilidade gerencial. 3[ edição. São Paulo: Atlas,
2011.

MAXIMIANO, Antônio César Amaru. Administração para empreendedores. 2ª


edição. São Paulo: Person Prentice hall, 2011.

CHIAVENATO, Idalberto. Empreendedorismo: dando asas ao espírito


empreendedor. 4ª edição. São Paulo: Manole, 2012.

GIMENES, Levi. et al. Contabilidade para gestores: uma abordagem para


pequenas e médias empresas. 2ª edição. São Paulo: Atlas, 2011.

LUDÍCIBUS, Sérgio. et al. Contabilidade introdutória. 9ª edição. São Paulo: Atlas,


2010.

MARION, José Carlos. Contabilidade básica. 6ª edição. São Paulo: Atlas, 1998.

HASTINGS, David F. Bases da contabilidade: Uma discussão introdutória. São


Paulo: Saraiva, 2007.

PARENTE, Juracy. Varejo no Brasil, Gestão e Estratégica. São Paulo: atlas, 2000.

SANVICENTE, Antônio Zoratto. Administração Financeira. 3ª edição. São Paulo:


Atlas, 1997.

CARRION, Valentin. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. São


Paulo: Saraiva, 2007.