Você está na página 1de 9

como escrever um U m projeto de pesquisa consiste numa apresentação

detalhada e sistemática das nossas intenções de


investigação histórica. Nele, apresentamos nossos
planos de estudo para uma banca examinadora que

PROJETO DE além de aprovar, sanciona e (se for o caso) também financia


o empreendimento da pesquisa. O projeto de pesquisa,
portanto, é uma espécie de diálogo entre um jovem

PESQUISA EM pesquisador e a comunidade profissional na qual ele quer


ingressar. Ambos conversam sobre as novas formas e
possibilidades de investigação da história e, principalmente,

HISTÓRIA sobre a plausibilidade dessas investidas inéditas. O problema


é que todo esse diálogo possui um formato. Quer dizer, ele
não é livre. E embora admita fartas doses de coloquialidade,
obedece a certas regras de apresentação. Então, é
Norma Côrtes* exatamente isso que você vai encontrar aqui: um guia que o
ajudará a confeccionar seu primeiro projeto de pesquisa1.

O objeto de pesquisa

A primeira coisa a definir é seu objeto de interesse. O que


você quer investigar? Essa é a mais importante interrogação
do projeto. Afinal, se você não sabe o que procura, também

1
Existe uma vasta literatura em torno desse tema, Entre outros, cf Ciro F.
Cardoso Uma introdução à História. São Paulo: Brasiliense, 1981. Ver
www.artesdotempo.hpg.com.br particularmente Umberto Eco Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva,
2003 Norma Cortes
1988.
não saberá interpretar o que encontrar. antemão souber aonde quer chegar.
Portanto, ao estabelecer seu objeto de estudo, seja Muito bem. Para apresentar ao leitor seu objeto de pesquisa,
extremamente preciso. Esclareça o tema da pesquisa e faça uma exposição do tema escolhido. Mesmo que se trate
determine o ângulo que a investigação vai assumir. Quero de um assunto para lá de batido, é necessário que você exiba
dizer que não basta mencionar uma época, um assunto ou um seus conhecimentos sobre a questão. Por isso, inicie com uma
episódio. É necessário fixar com bastante precisão os limites breve contextualização histórica que narre o fato a ser
da perspectiva que você vai adotar ao compor seu objeto de investigado. Descreva-o e tente caracterizá-lo de modo que
pesquisa. Não esqueça que um único fato histórico guarda o leitor compreenda como você construiu o conjunto de
múltiplas possibilidades de abordagem. Isso porque a preocupações que cercam seu objeto de estudo e que vão
realidade é infinita possuindo uma pletora de dimensões, configurar sua pesquisa, tornando-a singular. Em outras
sentimentos, modos de ser, interesses, aspectos, relações, palavras, exponha os passos do seu raciocínio (como você
tipos humanos, valores, formas de existência, graus de chegou até aqui) e antecipe as suas intenções de análise (em
percepção etc, etc. Portanto, ao estabelecer qualquer fato que direção você pretende avançar).
histórico como alvo da sua curiosidade, você também deve Quando acabar essa parte, também se pode fazer uma lista
determinar sob que aspecto essa realidade será tratada. com os objetivos da pesquisa. Dê destaque gráfico a esse
Se você só tem uma vaga idéia do seu interesse de pesquisa, item. Tal como o resumo, ele permite que o leitor reconheça
ainda não está na hora de escrever o projeto. Estude mais. rapidamente a natureza da pesquisa. Estabeleça suas metas
Não existe outro meio de refinar o foco da investigação. de investigação usando os verbos no infinitivo: analisar,
Identifique e leia os textos clássicos que também trataram compreender, narrar, reconstituir, identificar, examinar,
do assunto; comece a fuçar os arquivos; procure os resgatar, comparar, investigar, interpretar etc...
dicionários históricos, os manuais e as boas enciclopédias;
vasculhe as revistas acadêmicas e os bancos de teses; faça
buscas na internet; converse com vários professores;
pesquise nos catálogos das bibliotecas; levante os guias de Re-conhecendo os clássicos
fontes e liste a bibliografia pertinente. Enfim, pesquise o (revisão da bibliografia & quadro teórico)
tema que você quer investigar. O projeto é anterior à
pesquisa — ele apresenta, antecipa e planeja o desenrolar do
trabalho envolvido na investigação histórica propriamente Essa parte do projeto é comumente chamada de revisão
dita —, contudo, você só conseguirá escrevê-lo se de
bibliográfica ou de exposição do referencial teórico. Como também e principalmente oferecem exemplos de abordagem
sou historiadora, prefiro entendê-la tal qual uma visita de e de configuração dos fatos.
reconhecimento aos textos clássicos2 relativos ao seu Esmiúce essas variedades cognoscentes, pois todos os livros
assunto da investigação. Isso porque acredito que todo o de História exibem uma certa maneira de modelar os fatos
projeto de pesquisa encerra o diálogo intelectual entre cuja validade e força explicativa que já tiveram (ou ainda
uma tradição de pesquisa já consolidada e as novas têm) seu tempo e lugar. O que quero dizer é que tais obras
investidas cognitivas. Você deve ter plena consciência disso: não precisam ser lidas por guardarem a verdade, mas sim
seu projeto é um encontro entre os inúmeros estudos que ao porque exprimem a mais genuína historicidade do
longo do tempo se fixaram como paradigmas e a novidade que conhecimento histórico.
você pretende trazer para esse campo de conhecimento3. Então, quando for escrever o projeto, alimente o diálogo
Mas além de expressar um elo cognoscente entre a intelectual entre as suas intenções de pesquisa e os
inteligência antiga e a atual, o projeto de pesquisa em argumentos dos autores já consagrados que também
História também é um plano de investigação sobre os trataram do assunto que hoje você quer estudar. Para isso
fenômenos do passado. Como é sabido, a História investiga o faça um levantamento bibliográfico dos principais títulos da
passado. Os historiadores, porém, não se lançam ao ontem sua área temática. Veja bem: não basta transcrever uma lista
saltando sobre um vácuo temporal4. Nosso regresso no tempo de obras. Seja generoso e apresente as idéias desses
se realiza através do reconhecimento de toda a inteligência autores lançando mão de paráfrases, citações, transcrições
que ao longo da própria história foi sendo formalizada e que ipsis litteris etc para demonstrar como eles formularam e
hoje nos aparece como uma tradição historiográfica, i.é, compuseram seus respectivos argumentos. É claro que não é
como um saber acumulado em torno do nosso objeto de preciso dar conta de todo o debate historiográfico que
interesse. Esta é a razão para você visitar tais textos envolve seu objeto de pesquisa. Todavia, é fundamental
consagrados. Afinal, eles não só transmitem informações e identificar e analisar as idéias dos principais autores que
ensinamentos sobre os acontecimentos históricos, como de um modo ou de outro contribuíram para formar a
nossa inteligência sobre a questão. Explore mais
2
Encontre várias definições de textos clássicos em Ítalo Calvino. Por que ler
detidamente aqueles que tenham relação direta com seu
os clássicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. tema e demonstre por que eles servem (ou não) como seus
3
Sobre mudança dos padrões cognitivos, Thomas Kuhn. A estrutura das modelos de inspiração. Caso os julgue ultrapassados — isso é
revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.
4 bom e muitíssimo provável —, apresente os historiadores que
A propósito dessa noção de temporalidade, Norma Côrtes. Amnésia, o tempo
como construção. Disponível em www.artesdotempo.hpg.com.br você mais aprecia e justifique essa preferência. Quer dizer,
explique por que razões as novas abordagens (mesmo que é a principal razão para os reler) Por isso não adianta sacar a
tenham pouco a ver com o tema) tendem a ser mais primeira teoriazinha que estiver por aí dando sopa. O
adequadas à constituição do seu alvo de interesse. importante é demonstrar como as novas abordagens teóricas
Enfim, tente fazer um primeiro esboço da moldura e os seus respectivos instrumentos conceituais servem e se
conceitual e teórica que vai auxiliar a analisar suas fontes aplicam ao estudo, modelando o entendimento do seu objeto
primárias e a compreender e compor seu objeto de da pesquisa.
pesquisa. Resumindo, siga estas instruções: a) apresente os
Mas não se afobe diante da exigência de justificar suas argumentos daqueles autores que são referência obrigatória
preferências teóricas e conceituais. Ninguém está pedindo para quem quer estudar seu tema de investigação; b) mostre
um tratado epistemológico sobre as várias correntes a ligação (positiva ou negativa) entre essa bibliografia e seus
historiográficas. Trata-se de algo simples, que se pode interesses de pesquisa; c) descreva o instrumental conceitual
resumir na seguinte indagação: por que tal moldura teórica que você pretende mobilizar para interpretar seu objeto de
serve à paisagem histórica que eu quero investigar? estudo; d) explique por que razões você preferiu adotar tal
Tenha essa pergunta em mente quando for escrever essa modelo teórico e não um outro concorrente que
parte do projeto. Ela será útil para mostrar que os modelos eventualmente esteja disponível; e) finalmente, esclareça
teóricos não são escolhidos gratuitamente (logo não se pode qual rendimento interpretativo você espera obter.
preferir um a outro só porque aquele parece mais Quanto a esse último ponto, não se preocupe em estabelecer
moderninho5) Escolhas cognitivas não são gestos livres, mas hipóteses teórico-científicas. É absolutamente improvável
consistem em reflexões sobre o conhecimento histórico, que que você consiga testar conjecturas dedutivas ou validar
além de nos oferecer um conjunto qualquer de instrumentos contra-factuais manuseando historicamente com fontes
conceituais, são feitas em função do diálogo intelectual históricas; daí que nem se aborreça com isso6. Cuide apenas
através do qual hoje nos aproximamos dos fatos passados. de antecipar as suas suspeitas de interpretação. Só lembre
Daí que longe de ser algo postiço à sua pesquisa, a chamada de mais uma coisa: a Historia não é uma ilustração
moldura teórica decorre do modo como você avalia e comprobatória das suas convicções (sejam teóricas, políticas,
interpreta as visões de história dos demais autores que religiosas ou outras).
antes de você já estudaram o mesmo assunto. (de resto, esta
6
Em Maria Pilar Vieira et alii. A pesquisa em História. São Paulo: Ática, 2000,
5
Uma bem humorada crítica a tais modismos se encontra em José Murilo de p 37-53. há uma rápida diferenciação entre método e hipótese segundo a
Carvalho.“Como escrever a tese certa e vencer”. O Globo, 16/12/ 1990. ortodoxia científica e o atual entendimento da prática de pesquisa histórica.
Metodologia e íntimos? Ou, ao contrário, vai mexer com documentos
Cronograma de Atividades diplomáticos e governamentais? Seja lá o que for, não
esqueça que cada uma dessas opções admite um
procedimento de pesquisa distinto e você deve explicar como
A escolha do método depende das suas intenções de vai aplicá-los. Além disso, responda também: suas fontes
pesquisa. Literalmente, método significa travessia, caminho7. primárias estão disponíveis em um arquivo público ou é
E você só saberá definir seu caminho se previamente souber preciso coletar dados dispersos? Como você imagina reunir e
aonde vai. Insisto e repito: o mais importante é estabelecer analisar esse material? Será preciso mobilizar alguma
o que você quer investigar. Todavia, não pense que é linguagem particular ou um instrumental simbólico e
desnecessário esclarecer sua abordagem metodológica. A conceitual específico? Você está habilitado para fazer isso?
rigor, esta é uma das partes mais decisivas para a aprovação E caso você queira se aproximar das personagens históricas à
do projeto, pois a partir dela a banca examinadora também moda da História Oral, como planeja suas entrevistas?
avalia a plausibilidade da pesquisa. Enfim, descreva e justifique os procedimentos técnicos a
Por isso, apresente uma descrição minuciosa dos serem adotados durante a investigação. Planeje as atividades
procedimentos, meios, instrumentos e atividades que você da pesquisa em relação ao tempo disponível. É bom
julga necessários para realizar sua investigação. E depois apresentar um cronograma (como o exemplo abaixo) para
justifique a escolha dos métodos descrevendo o tipo de ajudar a fixar visualmente o desenvolvimento das etapas do
evidência e de registro histórico que você vai manusear. trabalho.
Você vai trabalhar com quais documentos8 primários?
Imagens, ou artigos de jornais? Com textos literários, ou
escritos filosóficos? Vai lidar com objetos decorativos? Com Atividades Meses
pautas musicais? Ou sua pesquisa prevê a análise de 1 2 3 4 5 6
processos jurídicos? Você resolveu se inspirar na micro- levantamento das //////////////////
história e quer explorar relatos autobiográficos e diários fontes e bibliográfico
análise & leitura //////////////////
7
Etimologia: Méthodos. de metá 'atrás, em seguida, através' + hodós Entrevistas /////// ///////
'caminho'. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa 1.0, São Paulo:
Objetiva, 2001. Redação ///////
8
H-I. Marrou. “A História faz-se com documentos”, Do Conhecimento
Histórico. Lisboa: Martins Fontes, s/d.
Orçamento Cópias, reproduções, microfilmagem.
Pagamento de
Digitação, copy-desk, programação visual.
serviços a
Restaurações.
terceiros
Em geral, o primeiro projeto de pesquisa de nossas vidas se Viagens, estadias, diárias etc.
destina à Monografia de Bacharelado que, salvo raras Instalação, Infra-estrutura de instalação (mesas,
exceções, não obtém financiamento dos órgãos de fomento à equipamentos e aparelhos de fax etc).
pesquisa. Contudo, é importante saber planejar os custos de material Computadores, scanner, máquinas
uma pesquisa. Todo empreendimento intelectual envolve permanente. fotográficas digitais, filmadoras etc.
gastos e recursos materiais. E em breve você vai começar a Papelaria, refil do material de informática,
participar de concursos, concorrer a premiações e Material de telefonia e ótica.
apresentar projetos para a pós-graduação. Por isso, a seguir consumo Material de laboratório, reagentes químicos
dou uma rápida explicação sobre previsão orçamentária. etc.
O orçamento consiste numa projeção expressa em moeda
corrente dos valores necessários à instalação e execução da
pesquisa. Nele se cruzam duas variáveis relevantes: quanto & Fontes e Bibliografia
quando. Quer dizer, você planeja o volume e o fluxo dos
gastos da pesquisa. Além disso, é necessário descrever
detalhadamente a natureza dos empenhos. A última parte do projeto é uma listagem inicial das fontes
Para simplificar, faça uma ou mais tabelas, discriminando os primárias e de todas as referências aos títulos da
vários tipos de recursos necessários e os seus respectivos bibliografia secundária que você pretende usar durante a
valores. Depois, relacione a soma parcial desses valores com pesquisa e já dispõe. Não se trata de indicar apenas os
o prazo de uso ou o período de liberação das verbas. E por poucos textos que você leu para confeccionar o projeto, mas
fim, reúna numa única tabela a consolidação orçamentária de exibir a mais completa relação de títulos pertinentes à
(veja exemplo anexo) cruzando todas essas informações. realização do seu estudo.
Só para você ter uma idéia, abaixo estão alguns itens que Ao confeccionar essa listagem, caso não haja outra indicação
comumente aparecem nos projetos de pesquisa. específica e contrária, adote as regras da Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) como padrão de
referência bibliográfica e documental9. Últimas dicas
Padronizada, uma bibliografia bem organizada também deve
discriminar os vários tipos de documentação e de títulos que
possui. Quer dizer, tente agrupar seus elementos por ƒ Simplifique. A elegância agradece.
qualquer proximidade eletiva que você consiga estabelecer. ƒ Escreva na primeira pessoa. Plural majestático é cafona.
Separe as fontes primárias da bibliografia secundária e ƒ As regras de edição do projeto seguem o padrão de
apresente aquela obedecendo à ordem cronológica. Lembre- apresentação dos textos acadêmicos. Cause boa
se: mesmo que você trabalhe com edições posteriores, nas impressão apresentando um trabalho organizado e limpo.
fontes primárias é absolutamente necessário indicar a ƒ Projeto tem capa com autor, título, nome do orientador,
datação original. Além de não confundir os tempos, também é instituição, cidade e ano.
de bom tom não misturar os diferentes tipos de ƒ Nomeie o projeto considerando as intenções da pesquisa.
documentação histórica. Por isso agrupe em subitens Definitivamente, esqueça as licenças poéticas. Nem todos
correspondentes os manuscritos, as imagens, os periódicos, são sagazes para entender metáforas, ironias ou figuras
os livros, as coleções jurídicas, os registros áudio e visuais de linguagem semelhantes. Seja direto e preciso.
etc. Depois organize a bibliografia secundária e (se for ƒ No centro da segunda folha, apresente logo um resumo do
possível) adote qualquer um destes princípios como subitem: projeto com aproximadamente dez linhas; também é útil
época, assunto, área disciplinar, debates teóricos, correntes listar umas cinco palavras chaves e/ou os principais
e abordagens historiográficas etc. Finalmente, liste em assuntos.
separado o material de apoio que você também pode vir a ƒ Antes de entregar, faça uma revisão do texto. Então,
usar (refiro-me às obras de consulta como os dicionários elimine os excessos e declare guerra à afetação retórica
históricos ou etimológicos, os léxicos temáticos, atlas e ao exibicionismo teórico bobo. Acredite: quem é bom é
históricos e geográficos, as enciclopédias, tábuas simples.
cronológicas, guias etc). ƒ Use a criatividade, abuse da autocrítica.
ƒ Não espere que seu orientador resolva seus problemas.
Mas confie nele; ele só levará seu projeto à banca
examinadora se o puder defender.
9
Visite o site da ABNT: www.abnt.org.br Ver também a apostila didática das
professoras Maria Bernadete Alves e Susana M. Arruda Como fazer referências
bibliográficas, eletrônicas e demais formas de documentos. Disponível em
www.usp.br/eef/lob/md/efb128abntref2.pdf
Glossário toda e qualquer manifestação da realidade e da inteligência
humana. Registros textuais, objetos utilitários ou pinturas
rupestres, os documentos históricos testemunham o modo de
Clássicos: Diz-se das obras formadoras do nosso modo de ser, viver e pensar dos homens.
pensar e escrever sobre um determinado assunto. Pois assim
como os artistas plásticos contemporâneos não se voltam Evidência histórica: veja documento e fonte primária
mais à natureza para pintar seus quadros — antes de
mirarem as belezas naturais, retornam à tradição das formas Fato histórico: Todo e qualquer elemento da realidade
e técnicas da pintura, elaborando suas obras como reações humana cuja existência — abstrata (idéias, símbolos,
inteligentes às antigas práticas da representação pictórica sentimentos, crenças etc) ou concreta (guerras, regimes
—, os historiadores quando investigam o passado também climáticos, movimentos migratórias, utensílios domésticos
regressam aos clássicos para formularem seus modos de etc) — é historicamente explicável e compreensível.
perceber e enquadrar a realidade histórica.
Fonte ou bibliografia secundária: Conjunto de obras e
Correntes historiográficas: Escolas de historiadores que registros textuais, pictóricos ou sonoros produzidos numa
comungam das mesmas visões acerca do estatuto do época posterior aos fatos históricos que investigamos, mas
conhecimento histórico. Mesmo sem vínculos institucionais que versam sobre esses episódios. As fontes secundárias não
ou forte sistematicidade, tais comunidades intelectuais só narram os acontecimentos, como também exibem
partilham idéias bastante similares sobre os métodos, a variações nas formas de analisar e compreender o passado.
natureza dos objetos, as formas da escrita, a fundamentação (cf. clássicos)
teórica e as práticas disciplinares da História. Como
exemplos mais ou menos recentes, pode-se citar a Escola dos Fontes primárias: Documentação gerada no contexto
Annales, os historiadores ingleses próximos ao marxismo, as histórico e produzida pelos protagonistas à época que
correntes da nova História Cultural, a Micro-História ou as visamos investigar. Embora os limites de duração dos
inclinações hermenêuticas e pós-modernas dos atuais contextos históricos não possam ser determinados a priori,
estudos históricos. as fontes são consideradas primárias quando são documentos
originais, genuínos do período a ser pesquisado, que
Documento histórico: Expressão tangível e demonstrável de compartilham de um universo temático comum e da mesma
ambiência social e cultural.
Anexo I
Glossário: rol de palavras que todos usam, mas como não Exemplo de tabela para ORÇAMENTO CONSOLIDADO
sabem bem os seus significados, precisam redefini-las cada
vez que as empregam. DESPESA 1º 2º 3º 4º TOTAL
semestre semestre semestre semestre
AF1 AF2 AF1 AF2 AF1 AF2 AF1 AF2
Professor orientador: criatura persecutória que faz você
Material de
trabalhar.
consumo
Viagens,
Quadro ou moldura teórico-conceitual: Espécie de caixa de passagens,
ferramentas intelectuais que você utiliza para moldar e diárias e afins.
analisar os fenômenos históricos. A teoria consiste na Serviços de
terceiros
disposição que divide e organiza a caixa em vários
Equipamentos
compartimentos, e os conceitos são as ferramentas e material
propriamente ditas. A questão é saber como e quando usar permanente
tais utensílios. Afinal, chaves de fenda não servem para
pregar pregos. TOTAL

Órgãos de fomento VOLUME TOTAL DE RECURSOS


Ano 1 Ano 2 TOTAL
(AF1) AGÊNCIA
FINANCIADORA 1
(AF2) AGÊNCIA
FINANCIADORA 2

*
Historiadora, Mestre em História Social pela PUC-Rio e Doutora em Ciências Humanas
(ciência política) pelo IUPERJ. É bolsista recém-doutor pelo CNPq junto ao Departamento
Não entendeu? Escreva para mim:
de História e ao PPGH da UERJ, onde leciona disciplina na área de Teoria e Metodologia da
tudopassa@uol.com.br
História e desenvolve pesquisa sobre Nelson Werneck Sodré e João Cruz Costa.
Norma Côrtes