Você está na página 1de 399

© 2013 Gordon B. Hinckley.

All rights reserved. No part of this book may be reproduced in any form or by any means without
permission in writing from the publisher, Deseret Book Company (permissions@deseretbook.com),
P.O. Box 30178, Salt Lake City Utah 84130. This work is not an official publication of The Church of
Jesus Christ of Latter-day Saints. The views expressed herein are the responsibility of the author and do
not necessarily represent the position of the Church or of Deseret Book. Deseret Book is a registered
trademark of Deseret Book Company.
Ensinamentos de
Gordon B. Hinckley
Título do original em inglês, Teachings of Gordon B. Hinckley, © 1997 Gordon B. Hinckley

© 1999 Gordon B. Hinckley

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida de qualquer forma ou por
qualquer meio sem a permissão por escrito do editor, Deseret Book Company, P. O. Box 30178, Salt
Lake City, Utah 84310. Esta obra não é uma publição oficial da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos
Últimos Dias. As opiniões aqui expressas são responsabilidade do autor e não representam,
necessariamente, a posição da Igreja ou da Deseret Book Company.

Deseret Book é uma marca registrada da Deseret Book Company.

Tradução: Rossana e Reynaldo Pagura


Revisão e Coordenação do Projeto: Reynaldo Pagura

Library of Congress Catalog Card No. 98-74984


ISBN 1-57345-513-X
Publicado simultaneamente no Brasil e 3170-20039
nos Estados Unidos Portuguese
Impresso nos Estados Unidos

Alexander’s Printing, Salt Lake City, UT


10 9 8 7 6 5 4 3 2 1
Table of Contents
Prefácio
ABORTO
ADULTÉRIO
ADVERSIDADE
AIDS/DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
ÁLCOOL
AMABILIDADE
AMOR
APRECIAÇÃO
ARREPENDIMENTO
ATITUDE
AUTO-APERFEIÇOAMENTO
AUTO-DISCIPLINA
AUTO-SUFICIÊNCIA
AVAREZA
BATISMO
BEM-ESTAR
BÊNÇÃOS PATRIARCAIS
CARÁTER
CARIDADE
CASAMENTO
CASAMENTO ETERNO
CASTIDADE
CHAMADOS NA IGREJA
CIVILIDADE E CORTESIA
COBIÇA
COLIGAÇÃO DE ISRAEL
COMPROMISSO E CONVICÇÃO
CONFERÊNCIA GERAL
CONHECIMENTO
CONSAGRAÇÃO
CONTROLE DE NATALIDADE
CONVÊNIOS
CONVERSÃO
CORAGEM
CORPO FÍSICO
CRESCIMENTO E PROGRESSO DA IGREJA
CRIANÇAS
CRÍTICAS
DESÂNIMO
DEUS O PAI
DIA DO SENHOR
DISPENSAÇÃO DA PLENITUDE DOS TEMPOS, A
DÍVIDAS
DIVÓRCIO
DÍZIMO
DOUTRINA E CONVÊNIOS
DROGAS
ECONOMIA
EDUCAÇÃO
EGOÍSMO
ENSINO
ENSINO FAMILIAR
EQUILÍBRIO
ESCOLHA E RESPONSABILIDADE
ESCOTISMO
ESCRITURAS
ESPÍRITO SANTO
ESPIRITUALIDADE
EVANGELHO DE JESUS CRISTO, O
EXCELÊNCIA
EXEMPLO
FAMÍLIA

FELICIDADE
FILHOS
FINANÇAS
GENEALOGIA
GOVERNO DA IGREJA
GRATIDÃO
GRAVIDEZ FORA DO CASAMENTO
GUERRA
HISTÓRIA DA FAMÍLIA, TRABALHO DE
HISTÓRIA E LEGADO DA IGREJA
HOMOSSEXUALIDADE
HUMILDADE
IGREJA DE JESUS CRISTO DOS SANTOS DOS ÚLTIMOS DIAS, A
IGREJA E ESTADO
INSTRUÇÃO
INTEGRAÇÃO
INTEGRIDADE E HONESTIDADE
JEJUM
JESUS CRISTO
JOGOS DE AZAR
JOSEPH SMITH
JOVENS
JUSTIÇA E MISERICÓRDIA
LAR
LEALDADE
LIBERDADE
LIDERANÇA
LINGUAJAR VULGAR
LIVRE-ARBÍTRIO
LIVRO DE MÓRMON
MATERNIDADE
MAUS-TRATOS E ABUSO
MEDITAÇÃO
MEDO
MÍDIA
MILAGRES
MINISTRAR
MISERICÓRDIA
MISTÉRIOS
MORALIDADE
MORDOMIA
MORTALIDADE
MORTE
MULHERES
MUNDANISMO
MÚSICA
NATAL
NATUREZA DIVINA
NOITE FAMILIAR
OBEDIÊNCIA
OBRA MISSIONÁRIA
OPOSIÇÃO
ORAÇÃO
ORAÇÃO FAMILIAR
ORDEM
ORDENANÇAS
OTIMISMO
PADRÕES
PAIS, COMO SER
PAIS CELESTIAIS
PAIS SOZINHOS
PALAVRA DE SABEDORIA
PATERNIDADE
PAZ
PENSAMENTOS
PERDÃO
PERFEIÇÃO
PERSPECTIVA
PIONEIROS
PLANO DE SALVAÇÃO
POBRES
PODER SELADOR
POLIGAMIA
POLÍTICA
PORNOGRAFIA
POVO DO CONVÊNIO
PREPARAÇÃO PESSOAL
PRESSÃO DE GRUPO
PRIMEIRA VISÃO
PRIORIDADES
PROFETAS DOS ÚLTIMOS DIAS
PROGRESSO ETERNO
RAIVA
REATIVAÇÃO E RETENÇÃO
REDENÇÃO DOS MORTOS
REGRA DE OURO
REINO DE DEUS, DIAS ATUAIS
RESPONSABILIDADE
RESPONSABILIDADE CÍVICA
RESSURREIÇÃO
RESTAURAÇÃO DO EVANGELHO
RETIDÃO
REUNIÃO SACRAMENTAL
REVELAÇÃO
REVERÊNCIA
SACERDÓCIO
SACERDÓCIO AARÔNICO
SACERDÓCIO DE MELQUISEDEQUE
SACERDÓCIO, REVELAÇÃO A RESPEITO DO
SACRAMENTO
SACRIFÍCIO
SACRIFÍCIO EXPIATÓRIO DE JESUS CRISTO
SEGUNDA VINDA DE CRISTO
SERVIÇO
SIÃO
SOCIEDADE DE SOCORRO
SOLTEIROS
SUCESSÃO NA PRESIDÊNCIA
SUCESSO
SUSTENTO DOS FILHOS
TELEVISÃO
TEMPLO
TENTAÇÃO
TESTEMUNHO
TOLERÂNCIA
TRABALHO
TRABALHO MISSIONÁRIO DE TEMPO INTEGRAL
TRINDADE
UNIDADE
VALORES
VERDADE
VELHICE
VIDA ETERNA
VÍCIO
VIRTUDE
VIÚVAS/VIÚVOS
Prefácio
Gordon Bitner Hinckley, décimo quinto presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos
Últimos Dias, tornou-se Autoridade Geral em abril de 1958, quando foi chamado como Assistente dos
Doze. Hoje, aproximadamente quarenta anos depois, suas palavras são ouvidas pelos santos em todo o
mundo, que atribuem grande valor a elas.
As citações deste volume refletem, tanto quanto possível, a vasta extensão dos ensinamentos do
Presidente Hinckley desde seu chamado para a Primeira Presidência em 1981. Sua constante ênfase no
trabalho missionário, na construção de templos e manutenção de padrões numa era de declínio moral e
“valores contraditórios”, como ele descreve, tem abençoado inúmeras vidas. Ele tem-nos aconselhado a
fortalecer nossa família, sermos mais tolerantes em nossa comunidade, buscar os menos afortunados e
aumentar a nossa fé. Ele nos presta um testemunho forte e preciso do Salvador Jesus Cristo, do Profeta
Joseph Smith e do crescimento do reino de Deus. Neste volume, foram coletadas e organizadas por
tópicos muitas palavras de encorajamento, inspiração, exortação e orientação.
O material deste livro foi coletado de diversas fontes, incluindo discursos de conferências, outros
discursos e escritos publicados. Além disso, devido às diversas viagens feitas pelo Presidente Hinckley
desde que foi chamado como profeta, as transcrições de seus discursos feitos por todo o mundo foram
uma fonte valiosa, assim como sua participação em diversas entrevistas dadas aos meios de
comunicação. Com sua permissão e aprovação, muitas citações que não haviam sido publicadas
anteriormente aparecem neste volume.
Estes materiais foram organizados alfabeticamente de acordo com os títulos para facilitar a busca
de referências. Dentro das categorias, as entradas aparecem em ordem cronológica, começando das
mais antigas para as mais recentes. As referências completas ajudam o leitor a colocar as citações
dentro do contexto adequado.
Acreditamos que os conselhos e palavras de um profeta do Senhor dos últimos dias irão iluminar o
entendimento e enriquecer o espírito de cada leitor honesto.
ABORTO
O aborto não é a solução. Ele só aumenta o problema. É uma saída repulsiva e maligna, que um
dia trará arrependimento e remorso. (“Save the Children,” Ensign, November 1994, p. 53)
ADULTÉRIO
A Igreja dá grande ênfase à santidade do lar e ensina que os filhos são uma bênção do Senhor. Não
há princípio mais enfatizado pelos membros da Igreja do que a santidade do convênio do casamento.
Na teologia mórmon o adultério está próximo ao assassinato em termos de gravidade. A moralidade
ensinada na Igreja é rigorosa. A Igreja utiliza liberalmente de seus meios e instalações para ensinar a
juventude a importância de serem puros moralmente e as bênçãos advindas de um casamento feliz.
(What of the Mormons? pamphlet, 1982, p. 11)
A recomendação do templo que você possui, se honestamente obtida, é um certificado de sua
dignidade moral. É inconcebível pensar que um homem namorador e infiel à esposa se considere digno
de ir ao templo. (“Keeping the Temple Holy,” Ensign, May 1990, p. 52)
ADVERSIDADE
Pode ser que conheçamos bem a solidão. Pode ser que conheçamos o desânimo e a frustração.
Pode ser que conheçamos a adversidade, os problemas e a dor. Gostaria que não os conhecêssemos.
Porém, vocês sabem e eu sei que muitos sofrem. Algumas vezes é algo mental. Algumas vezes é físico.
Em outras situações, pode ser espiritual.
Temos a responsabilidade de caminhar pela fé. É nossa responsabilidade caminhar com fé,
mantendo-nos acima dos males do mundo. Somos filhos e filhas de Deus. Nossa primogenitura é
divina. Nosso destino é divino. Não devemos e não podemos nos deixar submergir nos males do mundo
— egoísmo, pecado, ódio, inveja e maledicências, que são elementos “medíocres e desprezíveis” da
vida.
Eu e vocês devemos trilhar um caminho mais elevado. Pode não ser fácil, mas podemos fazê-lo.
Nosso grande exemplo é o Filho de Deus a quem desejamos seguir. (Ellen Pucell Unthank Monument
Dedicaton, Cedar City, Utah, August 3, 1991)
AIDS/DOENÇAS SEXUALMENTE
TRANSMISSÍVEIS
O mundo está sendo varrido por uma praga de temíveis dimensões. As autoridades da saúde
pública estão profundamente preocupadas, assim como todos deveriam estar (...)
A AIDS é usualmente uma doença fatal, transmissível basicamente por contato sexual e, em
segundo lugar, pelo uso de drogas. Infelizmente, como em qualquer epidemia, são vitimadas também
pessoas inocentes.
Como outros, esperamos que se façam descobertas que permitam a prevenção e a cura desse
terrível mal. Mas, independente de tais descobertas, a observância de uma lei perfeitamente
compreensível e de origem divina, faria mais para controlar essa epidemia do que todo o resto. Esta lei
é a castidade antes do casamento e absoluta fidelidade depois.
Os profetas de Deus vêm ensinando repetidamente no decorrer das eras que as relações
homossexuais, fornicação e adultério são pecados hediondos. O relacionamento sexual fora do
casamento é proibido pelo Senhor, e nós reiteramos esses ensinamentos (...)
O Senhor proclamou que o casamento entre o homem e a mulher é ordenado por Deus e destina-se
a ser uma relação eterna ligada pela confiança e fidelidade. Os santos dos últimos dias, mais que todos
os outros, devem casar-se tendo em mente esse sagrado objetivo. Não se deve encarar o casamento
como medida terapêutica para solucionar problemas como inclinação ou prática homossexual, que deve
primeiramente ser superada com a firme e rígida determinação de nunca recair nesse erro.
Tendo dito isso, quero dizer agora enfaticamente que nossa preocupação com o amargo fruto do
pecado é aliada à solidariedade cristã por suas vítimas, inocentes ou culpadas. Advogamos o exemplo
do Senhor que condenava o pecado, mas amava o pecador. Devemos estender a mão com bondade e em
consolo ao aflito, cuidando de suas necessidades e ajudando-o em seus problemas. No entanto, repito: o
caminho da segurança e a senda da felicidade estão na abstinência antes do casamento e na fidelidade
depois. (“Reverence and Morality,” Ensign, May 1987, pp. 46–47)
ÁLCOOL
Ver Palavra de Sabedoria
AMABILIDADE
Ver também Caridade
Joseph Anderson tornou-se a Autoridade Geral que mais tempo viveu: 102 anos. Ele serviu por
muitos anos como secretário particular do Presidente Heber J. Grant. Quando o Presidente Grant estava
morrendo, Joseph foi até a casa dele para vê-lo. O Presidente havia tido um enfarte e estava em
condições ruins, mas ele olhou Joseph nos olhos e disse: “Joseph, você trabalhou comigo por muito
tempo”.
Joseph respondeu: “Sim, Presidente Grant, muitos anos”.
O Presidente Grant disse: “Joseph, alguma vez fui indelicado com você durante todos esses anos?”
Joseph disse: “Não, Presidente Grant, o senhor nunca foi indelicado para comigo”.
E o Presidente disse: “Sinto-me feliz por nunca ter sido indelicado para com você”. No dia
seguinte o Presidente Grant faleceu.
Será que aqueles com quem você se associa podem dizer que você nunca foi grosseiro para com
eles? Eles podem? Espero que sim. Abençoe o seu povo com amor. (Berlin Germany Regional
Conference, priesthood leadership session, June 15, 1996)
Há tantos que foram magoados e que precisam de um Bom Samaritano para atar suas feridas e
ajudá-los no caminho. Uma pequena gentileza pode trazer uma grande bênção a alguém que sofre e um
doce sentimento àquele que o ampara. (Salt Lake Valley Single Adult Fireside, September 22, 1996)
AMOR
Ver também Caridade
Precisamos ser mais diligentes e eficientes em nossa busca constante de ensinar e aperfeiçoar a
vida de nosso próprio povo. Precisamos apegar-nos aos primeiros princípios. Nossa prioridade ao
ensinar deve enfatizar o que é de maior valor.
“E um deles, doutor da lei, interrogou-o para o experimentar, dizendo:
Mestre, qual é o grande mandamento na lei?
E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo
o teu pensamento.
Este é o primeiro e grande mandamento.
E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas”. (Mateus 22:35–40)
Essa deve ser a base de nosso ensino: amar a Deus e amar e servir aos outros: vizinhos, família e
todos com quem nos relacionamos. O que ensinamos necessita ser constantemente avaliado em relação
aos padrões estabelecidos pelo Senhor. (“He Slumbers Not, nor Sleeps,” Ensign, May 1983, p. 8)
Quando eu era menino, costumávamos trocar corações de papel na escola no dia de São Valentim.
À noite, nós os colocávamos à porta de nossos amigos, batíamos com os pés para fazer barulho e
corríamos a nos esconder no escuro.
Quase sem exceção, esses coraçõezinhos tinham a inscrição “Eu te amo”. Aprendi com o passar
dos anos que o amor é mais do que um coração de papel. O amor é a própria essência da vida. É o pote
de ouro no fim do arco-íris. No entanto, ele é mais do que o fim do arco-íris. O amor está também no
início, e é dele que surgem as belas cores no céu após uma tempestade. O amor é a segurança pela qual
as crianças choram, o desejo dos jovens, o adesivo que une no casamento, o lubrificante que impede a
fricção devastadora no dia-a-dia da vida em família. É ele que dá paz à velhice, e é o brilho do sol da
esperança quando chega a morte. Como são afortunados aqueles que desfrutam dele em seus
relacionamentos com familiares, amigos, igreja e vizinhos.
Estou entre os que crêem que o amor, assim como a fé, é um dom de Deus. (“And the Greatest of
These Is Love,” Ensign, March 1984, p. 3)
O princípio do amor é a essência básica do evangelho de Jesus Cristo. Sem o amor a Deus e o
amor ao próximo há poucas razões mais para se recomendar o evangelho como um modo de vida.
(“And the Greatest of These Is Love,” Ensign, March 1984, p. 5)
O amor é a única força capaz de eliminar as diferenças entre as pessoas e de suavizar o abismo da
amargura. Lembro-me dos versos a seguir:

Ele traçou o círculo que me deixou de fora—


Ímpio, rebelde, desprezível.
Mas o Amor e eu sabiamente vencemos:
Traçamos o círculo que o incluiu.

(EDWIN MARKHAM, “OUTWITTED.”)

Quem melhor ensinou essa verdade eterna foi o Filho de Deus, o exemplo perfeito e o mestre do
amor. Sua vinda à Terra foi uma demonstração do amor de Seu Pai.
“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele
que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o
mundo fosse salvo por ele.” (João 3:16–17) (...)
Ao buscarmos Deus com amor e gratidão, ao servirmos a Ele com os olhos fitos em Sua glória,
desaparece em nós a escuridão do pecado, a escuridão do egoísmo, a escuridão do orgulho. Haverá
mais amor por nosso Pai Eterno e por Seu Amado Filho, nosso Salvador e Redentor. Haverá maior
preocupação em servir nossos semelhantes, pensaremos menos em nós mesmos e estenderemos mais a
mão para ajudar os outros. (“And the Greatest of These Is Love,” Ensign, March 1984, p. 5)
Tenho visto repetidas vezes que o amor a Deus é capaz de transpor o abismo do medo. O amor
pela Igreja pode também nos elevar acima da descrença. Tenho falado aos estudantes universitários
sobre minhas experiências estudantis há mais que cinqüenta anos. (...)
Os jovens na idade da faculdade são inclinados, de algum modo, a serem críticos e cínicos, mas
esse tipo de atitude, na década de 1930, fazia parte do cinismo da época. Era fácil questionar qualquer
assunto, questionar as coisas da vida, do mundo, da Igreja e referentes ao evangelho. Mas era também
uma época de alegria e amor. Por trás de tais pensamentos, havia, para mim, um alicerce fundamentado
no amor de meus pais e de uma boa família, um bispo excelente, professores dedicados e fiéis, e as
escrituras para ler e ponderar.
Embora em nossa juventude tivéssemos problemas para compreender muitas coisas, havia em
nosso coração o amor a Deus e à Sua grande obra que nos conduzia acima de quaisquer dúvidas ou
medos. Amávamos o Senhor e amávamos os amigos bons e honrados. Desse amor tirávamos uma
grande força.
Quão grande e magnífico é o poder do amor que sobrepuja qualquer medo, dúvida, preocupação e
desalento. (“‘God Hath Not Given Us the Spirit of Fear,’” Ensign, October 1984, pp. 4–5)
O amor a Deus é básico. É o alicerce da verdadeira adoração. Ele coloca o coração, a alma e o
espírito em nossa vida. Ele subjuga a arrogância, a vaidade e a cobiça. Ele nos leva a amar todas as
criações de Deus e a obedecer o segundo grande mandamento, amar ao próximo. (...)
(...) [O amor] é a essência de nossa fé e deve ser a base de todo nosso pensamento. (“A Unique
and Wonderful University,” BYU 1988–89 Devotional and Fireside Speeches, October 11, 1988, p. 51)
O amor é como a Estrela Polar. Num mundo mutável, é uma constante. É a própria essência do
evangelho. É a segurança do lar; a salvaguarda da vida comunitária. É o fanal da esperança num mundo
de sofrimento.(“Let Love Be the Lodestar of Your Life,” Ensign, May 1989, p. 66)
Amar ao Senhor não é apenas um conselho; não é só querer bem. É um mandamento. É o primeiro
e grande mandamento, é uma obrigação que cada um de nós tem, pois o amor a Deus é a raiz que faz
brotar todos os outros tipos de amor; o amor a Deus é a fonte de toda a virtude, de toda a bondade, de
toda a força de caráter, de toda a fidelidade para fazer o que é certo. Ame ao Senhor seu Deus, ame a
Seu filho e seja sempre grato pelo Seu amor por nós. Sempre que outros amores enfraquecerem, haverá
o resplandecente, sublime e duradouro amor de Deus por cada um de nós e o amor de Seu Filho, que
deu Sua vida por nós. (Ricks College Regional Conference, Rexburg, Idaho, October 29, 1995)
Quando era missionário na Inglaterra sessenta anos atrás, reuníamo-nos na rua em uma esquina em
volta da Trafalgar Square, e exatamente do outro lado da rua havia uma bonita estátua de uma menina
inglesa. Naquela estátua estavam gravadas as palavras: “Amanhecer em Bruxelas, 1918” e as palavras:
“Patriotismo não é suficiente, necessito amar todas as pessoas”. Edith Cavell foi assassinada com tiros
pelos conquistadores alemães em Bruxelas como se fosse uma espiã inglesa, embora estivesse lá
trabalhando como enfermeira, realizando obras cristãs. Desde aquela época, há sessenta anos, quando
me reunia na rua, naquela esquina e olhava para a estátua e lia aquelas palavras, a palavra “Bruxelas”
ganhou um significado extra em minha vida. “Patriotismo não é suficiente, necessito amar todas as
pessoas”. (Belgium Brussels Missionary Meeting, June 12, 1996)
APRECIAÇÃO
Ver Gratidão
ARREPENDIMENTO
Se houver aqui alguém que (...) pecou, existe o arrependimento e existe o perdão, desde que haja
“tristeza segundo Deus”. (Ver 2 Cor. 7:10) Nem tudo está perdido. Todos vocês têm um bispo,
ordenado e designado pela autoridade do santo sacerdócio que, no exercício de seu ofício, tem direito à
inspiração do Senhor. Ele é um homem experiente, um homem compreensivo, um homem que tem no
coração um profundo amor à juventude de sua ala. É um servo de Deus que conhece sua obrigação de
manter sigilo e que os ajudará em seus problemas. Não tenham receio de conversar com ele. (“Be Not
Deceived,” Ensign, November 1983, p. 45)
João Batista continuou dizendo a Joseph Smith e Oliver Cowdery que o sacerdócio que lhes havia
conferido incluía as chaves do evangelho do arrependimento. Que coisa portentosa e maravilhosa! É
nosso privilégio, seu e meu, como portadores desse sacerdócio, arrepender-nos do mal com a
expectativa de sermos perdoados se vivermos merecedores do perdão do Senhor. Ademais, temos o
privilégio de pregar o arrependimento, conforme o Senhor esclarece na seção 20 de Doutrina e
Convênios, na qual determina os deveres dos diáconos, mestres e sacerdotes. Eles têm por
responsabilidade zelar pela Igreja, cuidar para que não haja iniqüidade e convidar todos a virem a
Cristo. Isso envolve arrependimento do pecado e obediência aos princípios e leis do evangelho. (“The
Aaronic Priesthood—-a Gift from God,” Ensign, May 1988, p. 46)
O preço do desenvolvimento eterno é a vigilância eterna. Podemos tropeçar ocasionalmente.
Agradeço ao Senhor pelo grandioso princípio do arrependimento e perdão. Quando deixamos a bola
cair, quando cometemos um erro, temos a palavra do Senhor de que perdoará nossos pecados e não
mais se lembrará deles. De algum modo, porém, temos a tendência de lembrar de nossos pecados.
(“Don’t Drop the Ball,” Ensign, November 1994, p. 48)
Quando eu era menino e morava aqui em Salt Lake City, a maioria das casas era aquecida com
aquecedores a carvão. Havia fumaça negra saindo de quase todas as chaminés. No final do inverno,
viam-se fuligem e sujeira em toda parte, tanto dentro quanto fora das casas. Realizávamos todos os
anos um ritual que não nos era muito agradável, envolvendo todos os membros da família. Chamava-se
a faxina da primavera. Quando o tempo ficava mais quente, depois do longo inverno, um período de
pouco mais de uma semana era destinado à faxina. Geralmente era marcada para quando havia um
feriado e incluía dois sábados. Minha mãe encabeçava o projeto. Todas as cortinas eram retiradas e
lavadas. Em seguida, eram cuidadosamente passadas a ferro. As janelas eram lavadas por dentro e por
fora. Que trabalho penoso tínhamos no sobrado em que morávamos! Todas as paredes eram forradas de
papel, e meu pai levava para casa latas de produtos de limpeza de papel de parede. Parecia massa de
pão, mas tinha uma bela cor rosa quando a lata era aberta. O cheiro era bom, agradavelmente
refrescante. Todos ajudávamos na tarefa. Pegávamos um pouco de massa de limpeza na mão, subíamos
em uma escada e começávamos pelo telhado, descendo pela parede. A massa logo ficava preta de
sujeira que saía do papel de parede. A tarefa era árdua e bastante cansativa, mas com resultados quase
milagrosos. Era impressionante ver como as paredes limpas tinham um aspecto bem melhor.
Todos os tapetes eram tirados e arrastados para o quintal dos fundos, onde eram pendurados, um
por um, no varal. Cada um dos meninos tinha o que chamávamos de batedor de tapete, uma ferramenta
constituída de uma barra de aço leve com um cabo de madeira. Ao bater os tapetes, levantávamos
nuvens de poeira, e não podíamos parar até não haver mais nenhum pó sobrando. Detestávamos esse
trabalho. Quando tudo terminava, porém, e tudo era colocado de volta no lugar, tínhamos um resultado
maravilhoso. A casa ficava limpa. Nosso espírito ganhava novo ânimo. O mundo inteiro parecia
melhor.
É isso que alguns de nós precisamos fazer com nossa vida. Isaías disse:
“Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer
mal.
Aprendei a fazer bem. (...)
Vinde então, e argüí-me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles
se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a
branca lã”. (Isaías 1:16–18)
“Sede puros, vós que portais os vasos do Senhor”. (D&C 133:5) Assim disse Ele para nós em
revelação moderna. Sejam puros de coração. Sejam puros de mente. Sejam puros no linguajar. Sejam
puros no modo de vestir e no comportamento. (“Be Ye Clean,” Ensign, May 1996, pp. 47–48)
Se algumas de vocês ultrapassaram a linha, por favor não pensem que tudo está perdido. O Senhor
deseja ajudá-las e há muitas pessoas da Igreja dispostas a fazer o mesmo. Deixem o mal para trás. Orem
sobre a situação, conversem com seus pais, se puderem, e conversem com o bispo. Vocês descobrirão
que ele estará disposto a escutá-las e a tratar o assunto com discrição e sigilo. Ele as ajudará. Todos nós
estamos prontos para ajudá-las.
O arrependimento é um dos primeiros princípios do evangelho. O perdão é uma característica da
divindade. Há esperança para vocês. Vocês têm uma vida pela frente, que pode ser cheia de felicidade,
mesmo que o passado tenha sido manchado pelo pecado. Nosso trabalho é salvar as pessoas, ajudando-
as a resolverem seus problemas. Esse é o propósito do evangelho.
Este é o tempo, esta é a hora certa de se arrepender de qualquer mal do passado, de pedir perdão,
de subir um degrau e seguir avante com confiança e fé. (“Stand True and Faithful,” Ensign, May 1996,
p. 94)
ATITUDE
Ver também Otimismo
Por cerca de onze anos fui responsável pelo trabalho da Igreja na Ásia. Estive nesta parte do
mundo diversas vezes. Vi, em primeira mão, o milagre econômico do Japão(...) Pude ver aquela nação
erguer-se das cinzas da guerra ao atual apogeu econômico. O segredo não está nas suas riquezas
naturais. Eles têm que importar cada litro de petróleo, cada quilo de minério de ferro. O segredo está na
atitude de seu povo. Houve um tempo, em minhas lembranças, que o rótulo “Fabricado no Japão”
representava uma imitação barata. Atualmente, representa artigos de alta qualidade. A diferença não
está nos seus minerais, na paisagem, nos campos férteis e abundantes chuvas ou qualquer fator da
natureza. Repito, a diferença está na atitude do povo. O mesmo deve ocorrer conosco se quisermos
moldar o futuro.
Concluí meus estudos [na universidade] na turma de 1932. Fiz um discurso na reunião de nossa
turma em 1982, após 50 anos terem-se passado. As pessoas vieram para esta reunião de todas as partes
do país. Eram meus amigos do tempo de estudante. Eles têm cargos de liderança espalhados por todo o
país. Nunca houve uma época mais difícil para uma pessoa formar-se na universidade. (...) Foram os
piores dias da depressão. Estávamos preocupados. É claro que nos preocupávamos. Éramos pobres e
sabíamos, mas não ficávamos amargurados. Éramos jovens e saíamos para trabalhar em qualquer coisa
que achássemos. Seja como for, conseguimos. A jornada foi como uma viagem num velho trem a
vapor. Teve sacudidas, freadas e fagulhas nos olhos. Mas também teve uma emocionante e magnífica
vista ao longo do caminho. Na minha imaginação, consigo ouvir o apito do velho trem a vapor, soando
ao longo dos trilhos até chegarmos à nossa estação atual. Agora o motor é mais forte e o leito da estrada
é melhor. À medida que avançamos, espero podermos cantar juntos: “Estamos indo em frente. Estamos
no trilho certo. Estamos chegando. O futuro nunca pareceu tão promissor”. (Governor’s Conference on
Utah’s Future, University of Utah, September 7, 1988)
Vemos alguns entre nós que são indiferentes a respeito do futuro desta obra, que são apáticos, que
falam de limitações, que demonstram temores, que passam seu tempo procurando e escrevendo sobre o
que consideram fraquezas, mas que são, na verdade, coisas sem quaisquer conseqüências. Com suas
dúvidas a respeito do passado, não têm uma visão do futuro.
Já se disse que “não havendo profecia, o povo perece”. (Provérbios 29:18) Não há lugar neste
trabalho para os que acreditam somente num evangelho de pessimismo e melancolia. O evangelho
representa boas novas. É uma mensagem de triunfo. É uma causa em que se embarca com entusiasmo.
O Senhor nunca disse que não haveria problemas. Nosso povo conheceu aflições de toda espécie,
perseguido pelos que se opõem a esta obra. Porém, a fé mostrou-se através de todos os seus
sofrimentos. (“Stay the Course — Keep the Faith,” Ensign, November 1995, p. 71)
AUTO-APERFEIÇOAMENTO
Treinem a si mesmos para darem uma contribuição à sociedade em que vivem. Há uma
característica divina no progresso da mente. (“Rise to the Stature of the Divine within You,” Ensign,
November 1989, p. 96)
Muitos de nós começamos decididos e depois relaxamos. Muitos de nós subimos até um platô, e
então nos desviamos da rota. John W. Gardner escreveu: “Caso se defina o termo “desistente” como
uma pessoa que desistiu de seus esforços ao cumprir suas responsabilidades, então todos os escritórios,
órgãos governamentais, clubes e corpos docentes de universidades contribuiriam com a sua quota”.
(“The Recovery of Confidence,” Readers Digest, October 1971, p. 127)
Tecendo um comentário sobre o que Shelley descreveu como “o contágio da desonra do mundo”,
Channing Pollock disse certa vez: Começamos com um emblema inscrito: ‘Mais alto’ e gradualmente a
poeira da batalha elimina todas as promessas.
Tantos jogadores no jogo da vida atingem a primeira etapa, alguns a segunda, uns bastante
talentosos a terceira, mas poucos são os que voltam para casa e marcam pontos.
Minha esposa recortou essas palavras de um editorial de uma revista alguns anos atrás. Disse o
escritor:
“Antes de mais nada, eliminemos a fraca desculpa de que somos ‘apenas humanos’, que temos o
direito a uma quota diária de erro ou indiferença. Apenas humanos? Isso é o máximo do insulto.
Lembre-se que a grandeza de um homem não reside na perfeição, mas na luta por ela. Se não nos
importarmos, perderemos tudo”. (Better Homes and Gardens, July 1971) (...)
Meus queridos companheiros, tenham o máximo de fé que puderem. Seu constante auto-
aperfeiçoamento se tornará como uma estrela polar para outros. Eles se lembrarão muito mais do que
viram vocês fazer do que daquilo que ouviram de vocês. Sua atitude e modo de enfrentar as situações
podem fazer uma enorme diferença. (“Keep Faith,” Bonneville International Corporation Senior
Management Seminar, March 7, 1993)
Temos um trabalho a realizar e há muito a ser feito. Ele se refere ao progresso e aperfeiçoamento
das pessoas para que se tornem melhores. Como o Presidente McKay costumava dizer: “Fazer de
homens maus, bons, e de homens bons, melhores ainda”. Esta é a nossa tarefa: aperfeiçoar as pessoas.
(Vacaville/Santa Rosa California Regional Conference, priesthood leadership session, May 20, 1995)
Estamos todos juntos nesta obra, todos nós, e temos uma grande tarefa a cumprir. Cada professor
pode ser melhor do que é hoje. Cada funcionário pode ser melhor do que é hoje. Cada pai pode ser um
pai melhor, cada mãe pode ser uma mãe melhor, cada marido pode ser um marido melhor, cada esposa
pode ser uma esposa melhor, cada filho um filho melhor. Estamos no caminho que nos conduz à
imortalidade e vida eterna, e o hoje faz parte dele. Nunca nos esqueçamos disso. (Salt Lake East
Milcreek State Fiftieth Anniversary Celebration, June 10, 1995)
Há necessidade de aperfeiçoamento constante em toda a nossa vida. É necessário, ocasionalmente,
abandonarmos o barulho e o tumulto do mundo e caminharmos no interior de uma sagrada casa de
Deus para sentir Seu espírito num ambiente de santidade e paz. (“Of Missions, Temples, and
Stewardship,” Ensign, November 1995, p. 53)
Sou grato pelo bem que há em sua vida. Vocês tentam viver o evangelho. Não alcançaram a
perfeição, nenhum de nós a alcançamos ainda; levará muito tempo para alcançá-la, mas estamos
trabalhando para isso, assim espero. E, também espero, estamos fazendo algum progresso em nossa
vida individual. Desejo que cada homem aqui presente possa sentir que algo aconteceu para fazê-lo ser
melhor hoje do que ontem, um pouco mais gentil, um pouco mais amável, um pouco mais generoso,
um pouco mais honesto em propósito, palavras e ações, um pouco mais forte para fazer o que é certo e
para resistir ao que é errado. (Corpus Christi Texas Regional Conference, priesthood leadership session,
January 6, 1996)
Melhore. Constantemente digo isso a mim mesmo. Melhore. Mantenha-se firme. Seja um pouco
melhor, um pouco mais forte, um pouco mais ponderado, um pouco mais humilde, um pouco mais
devoto, para que seja digno da orientação do Senhor e de Suas maravilhosas bênçãos.
(Smithfield/Logan Utah Regional Conference, priesthood leadership session, April 20, 1996)
AUTO-DISCIPLINA
O domínio mental precisa ser mais forte que os apetites físicos ou desejos da carne. À medida que
os pensamentos se harmonizam com a verdade revelada, as ações se tornarão adequadas.
O velho provérbio é tão válido hoje como quando foi pronunciado: “Porque, como imaginou no
seu coração, assim é ele”. (Provérbios 23:7)
Cada um de nós, com disciplina e esforço, tem capacidade de controlar pensamentos e ações. Isso
faz parte do processo de desenvolvimento da maturidade espiritual, física e emocional. (“Reverence and
Morality,” Ensign, May 1987, p. 47)
A única conquista que traz satisfação é a conquista de si próprio. Desde há muito tempo foi dito
que aquele que governa a si mesmo é maior do que o que toma uma cidade. (“In Search of Peace and
Freedom,” Ensign, August 1989, p. 5)
Gostaria de contar-lhes uma história sobre beisebol. (...) O evento de que falo ocorreu no
campeonato de 1912. Consistia em uma série de oito jogos, porque um deles teve que ser interrompido
na metade por haver escurecido. Os estádios não tinham iluminação elétrica naquele tempo. Aquele era
o último jogo e estava empatado em 1 X 1. O Boston Red Sox estava com a bola e o New York Giants
jogava na defensiva. Um batedor de Boston acertou a bola e ela voou longe. Dois jogadores do New
York correram em sua direção. Fred Snodgrass, no meio-campo, fez um sinal a seu colega dizendo que
ia pegar a bola. Ele postou-se de modo que a bola caísse diretamente em sua luva. A bola passou pela
mão dele e caiu no chão. As pessoas nas arquibancadas vaiaram. Os fãs mal podiam acreditar que
Snodgrass havia deixado a bola cair. Ele agarrara centenas de bolas anteriormente. Mas naquele
momento crucial, deixara a bola cair.
(...) O Boston Red Sox ganhou o campeonato.
Snodgrass retornou na temporada seguinte e jogou maravilhosamente por mais nove anos. Ele
viveu até os oitenta e seis anos de idade, tendo morrido em 1974. Mas depois daquela falha, nos
sessenta e dois anos seguintes, sempre que era apresentado a alguém já esperava que lhe dissessem:
“Ah, você foi aquele que deixou a bola cair”. (...)
Esse fenômeno não se restringe aos esportes. Acontece todos os dias na vida.
Há o caso do aluno que pensa estar indo bem, mas é reprovado no final do curso devido à pressão
dos exames finais.
Há também o motorista que nunca teve um acidente, mas que num momento de descuido,
envolve-se num trágico desastre.
Há ainda o empregado digno de toda confiança, mas que sucumbe à tentação de roubar uma
pequena quantia de seu empregador. Coloca-se nele uma marca que nunca desaparecerá totalmente.
Há o exemplo de uma vida digna que se vê manchada por um momento de deslize moral que
perseguirá o indivíduo pelo resto da vida.
Existe ainda o momento de raiva que repentinamente destrói um relacionamento há muito
acalentado.
Há um pecado aparentemente pequeno que, de algum modo, cresce e causa o afastamento da
Igreja.
Em todos esses exemplos alguém deixou a bola cair. A pessoa tinha auto-confiança, possivelmente
até a arrogância de pensar que nem precisava se esforçar, pois poderia conseguir o que pretendia sem
grandes dificuldades. Porém, a bola passou por suas mãos e caiu no chão, levando-a a perder o jogo.
(...)
Tudo indica a necessidade de estarmos constantemente alerta e termos uma auto-disciplina
inexorável. Tudo mostra que devemos sempre nos fortalecer contra as tentações. Devemos também
estar atentos ao uso de nosso tempo, principalmente nosso tempo livre. (“Don’t Drop the Ball,” Ensign,
November 1994, pp. 46–47)
AUTO-SUFICIÊNCIA
Ver também Auto-Disciplina; Bem-Estar; Trabalho
Sentimos a necessidade de realçar com maior clareza o dever dos membros da Igreja de se
tornarem mais independentes e auto-suficientes, de aumentarem a responsabilidade pessoal e familiar,
de cultivarem o crescimento espiritual e de se envolverem mais intensamente no serviço cristão.
(Regional Representatives Seminar, April 1, 1983)
O espírito de auto-suficiência foi edificado naqueles que trabalharam o solo. Não havia programas
de governo para as fazendas, logo, nenhum tipo de subsídio. As excentricidades das estações tinham
que ser aceitas. Terríveis geadas, tempestades inoportunas, ventos, e secas eram aceitos como riscos da
vida contra os quais não havia nenhum seguro disponível. O armazenamento era necessário; de outro
modo, haveria fome. A única fonte constante contra os riscos da vida era oração, oração para o nosso
eterno e amado Pai, o Todo-Poderoso do universo. (“Farewell to a Prophet,” Ensign, July 1994, p. 38)
Ensinamos enfaticamente a importância da auto-suficiência, a importância da educação, de
qualificar nosso povo para que esteja apto a ganhar seu sustento; a importância de economizar e ser
prudente na administração de seus negócios; a importância de ter uma reserva para suprir suas
necessidades caso advenham privações. E é surpreendente ver quantos seguem esse ensinamento. É
algo básico para nós. (Interview with Suzanne Evans of BBC Radio 4, August 26, 1995)
Pergunta: Por que se espera que os membros da Igreja tenham suprimentos de comida, roupas e
combustível para um ano?
Presidente Hinckley: Ensinamos a auto-suficiência como um princípio de vida; ensinamos que
temos de cuidar de nós mesmos e de nossas próprias necessidades. Encorajamos nosso povo a ter
alguma coisa, a planejar, a ter alguma comida à mão, a abrir uma caderneta de poupança, se possível,
para um momento de dificuldade. As catástrofes abatem-se sobre as pessoas quando menos se espera:
desemprego, doença, coisas desse tipo. O indivíduo, conforme ensinamos, deve fazer tudo que puder
por si mesmo. (Interview with Mike Wallace of 60 Minutes, December 18, 1995)
A auto-suficiência na família era muito importante para eles [os primeiros colonizadores de Utah].
Não havia programas de ajuda do governo naqueles dias. Ou se realizava o que se necessitava por conta
própria ou nada se recebia. A Igreja, naturalmente, intervinha em momentos de extrema necessidade
para ajudar as pessoas. E ainda está disposta a fazê-lo. Mas as pessoas eram auto-suficientes. Não havia
doações de qualquer espécie. Elas produziam. Elas tinham que fazê-lo ou pereceriam. Bem, repito, a
Igreja intervinha para ajudá-los, mas cada membro da família sabia que era sua responsabilidade prover
para si mesmo se houvesse alguma maneira no mundo de assim fazê-lo. E era somente quando tinham
esgotado seus recursos que podiam buscar ajuda de outros e da Igreja. (Interview with KJZZ-TV, Dean
Mary and Larry Miller, March 20, 1996)
O avô de minha esposa, George Paxman, era um jovem carpinteiro especializado em acabamentos
que, enquanto erguia as pesadas portas do leste do Templo de Manti, sofreu de uma hérnia
estrangulada. Ele sentiu uma dor terrível. Eles o levaram a Nephi em um carroção, e então colocaram-
no em um velho trem e o levaram até Provo. Após sofrer diversos dias com dores terríveis, faleceu. E
sua viúva era jovem — tinha vinte e dois anos, creio, naquela época. Ela viveu até ficar velha, criou
seus filhos, educou-os e se sustentou costurando — era uma boa costureira. Ela cuidou de suas
despesas. Fazia parte da tradição praticar o espírito de auto-suficiência. Nós perdemos muito disso nos
dias de hoje, muito mesmo, infelizmente. (Interview with KJZZ-TV, Dean May and Larry Miller,
March 20, 1996)
AVAREZA
Ver Cobiça
BATISMO
Se um homem ou mulher se arrependeu sinceramente de seus pecados, então está qualificado para
o batismo por imersão, entendendo-se que aqueles pecados serão perdoados e uma nova vida poderá ser
iniciada.
Não é coisa pequena ou sem importância batizar uma pessoa. Vocês, jovens sacerdotes, atuando
em nome do Senhor e sob divina autoridade, como que apagam, pelo maravilhoso processo do batismo,
os pecados do passado e fazem com que essa pessoa nasça para uma vida nova e melhor. Que grande
responsabilidade têm de viverem de modo que mereçam o exercício desse sagrado poder! (“The
Priesthood of Aaron,” Ensign, November 1982, p. 46)
Presumo que não exista cristão que não reconheça a necessidade e importância do batismo “da
água e do espírito”. Ninguém poderia legitimamente negar sua necessidade, em vista das palavras do
Mestre a Nicodemos: “Quem não nascer da água e do espírito, não poderá entrar no reino de Deus.”
(João 3:5) (“Rejoice in This Great Era of Temple Building,” Ensign, November 1985, p. 59)
Esse Sacerdócio Aarônico conferido por João Batista inclui, também, as chaves do batismo por
imersão para remissão de pecados. Arrepender-se é uma coisa, e outra é obter a remissão de nossos
pecados ou ser perdoado. O poder para consegui-lo é inerente ao Sacerdócio Aarônico.
O batismo é a primeira ordenança do evangelho, a porta pela qual todos entram na Igreja. É tão
importante que se realiza não só para os vivos mas também pelos mortos. (“The Aaronic Priesthood —
A Gift from God,” Ensign, May 1988, p. 46)
O batismo nesta Igreja é muito sério. Ele representa um convênio feito com nosso Pai Eterno. É
muito mais que um rito de passagem. É a porta de entrada para um novo modo de vida, um caminho
novo que devemos trilhar e que nos leva à imortalidade e vida eterna. Nunca foi tido como o ponto
final. A intenção é que um novo e glorioso caminho se abra para aqueles que caminharem obedientes
aos mandamentos de Deus. (General Authority Training Meeting, October 2, 1990)
O batismo é a única porta pela qual um homem ou mulher devem entrar. Nosso verdadeiro
objetivo é fazer daquele desconhecido, que é rapidamente ensinado em poucas lições, um forte e fiel
membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, que ama ao Senhor, que compartilha da
beleza e milagre desta obra maravilhosa que chamamos o evangelho de Jesus Cristo. (General
Authority Training Meeting, April 2, 1991)
Algumas pessoas se perguntam por que não aceitamos os batismos de outras igrejas. Nós não o
aceitamos por duas razões: não é realizado da maneira correta e não é feito com a devida autoridade.
Então, quando um converso entra para a Igreja ele deve ser batizado em nome de Jesus Cristo, por
imersão, por quem possua a devida autoridade (...) Que maravilha é saber que em semelhança à morte,
sepultamento e ressurreição do Filho de Deus somos levados para dentro da água, somos imersos na
água e trazidos para fora água. O batismo é uma maravilhosa e sagrada ordenança que traz consigo a
remissão dos pecados, mas em uma avaliação maior, simboliza a morte, sepultamento e ressurreição de
nosso Redentor Divino. (Copenhagen Denmark Fireside, June 14, 1996)
BEM-ESTAR
Espero que durante [o ano passado] ninguém em toda a Igreja tenha passado fome, ficado sem
roupa ou abrigo. Se qualquer dos membros assim sofreu, então, em determinado ponto falhamos em
nossa mordomia. (Phoenix Arizona North/West Regional Conference, January 13, 1991)
Os princípios sob os quais [o programa de bem-estar da Igreja] opera são tão antigos quanto o
evangelho. É uma expressão da Regra de Ouro: “Portanto tudo o que vós quereis que os homens vos
façam, fazei-lho também vós”. (Mateus 7:12) (“The State of the Church,” Ensign, May 1991, p. 52)
Pergunta: O que somente o bispo pode fazer com relação às necessidades do programa de bem-
estar da ala, e o que o quórum deveria fazer por todas as outras necessidades relacionadas ao bem-
estar?
Essencialmente o bispo tem a responsabilidade básica, se há uma necessidade urgente, de verificar
que a necessidade esteja sendo atendida com relação ao suprimento de alimentos, medicamentos, ou
qualquer que seja o caso. A presidência do quórum de élderes tem a responsabilidade de levar ao
conhecimento do bispo o que for necessário, e apoiar a designação daquele indivíduo de ajudá-lo a
obter seu próprio sustento, por assim dizer, de fazer algum esforço por aquilo que ele recebe, e cuidar
do bem-estar de todos os membros do quórum, incluindo aqueles que não são ativos. (Heber
City/Springville Utah Regional Conference, priesthood leadership session, May 13, 1995)
Estamos levando avante um grande serviço humanitário / de bem-estar. Nosso programa de bem-
estar, como o conhecemos hoje, teve início durante a Grande Depressão, e ressalta enormemente a
auto-suficiência. Tentamos ensinar aos membros a serem auto-suficientes e, quando não puderem
cuidar de suas próprias necessidades, solicitarem a ajuda de seus familiares. E quando essas
necessidades não puderem ser supridas pelas famílias, então a Igreja se coloca à disposição de ajudá-
los. Temos um grande programa que envolve propriedades, tais como fazendas, sítios, campos onde as
pessoas podem trabalhar e plantar o que comem. Temos moinhos de farinha, temos armazenamento de
grãos, temos fábricas para a industrialização de carne, temos todas essas coisas. Operamos 99
armazéns, mais que 100 núcleos de emprego, 46 lojas de artigos usados. Em 1994, os membros doaram
o equivalente a mais que 150.000 dias de trabalho nessas instalações para ajudar os que estão sofrendo
e passando necessidades. Durante os dez anos passados, a Igreja contribuiu com o desenvolvimento do
auxílio a calamidades e auto-suficiência em 109 países. O valor ultrapassou a 30 milhões de dólares por
ano em ajuda humanitária àqueles que não são da nossa fé em muitas partes do mundo. Há, em média,
400 projetos humanitários a cada ano. (Edelman Public Relations Luncheon, Harvard Club, New York,
November 13, 1995)
Pergunta: Vocês têm o seu próprio programa de bem-estar?
Presidente Hinckley: Temos o nosso próprio programa de bem-estar que é mantido como uma
tentativa de ajudar as pessoas a ajudarem a si mesmas. Por intermédio desse programa de bem-estar
alcançamos as pessoas que sofrem em muitas partes do mundo. Doamos milhões, milhões e milhões de
dólares como auxílio para pessoas em situação angustiante na Ásia, África, América do Sul e Central.
Pergunta: Com nenhuma objeção dos membros?
Presidente Hinckley: Com nenhuma objeção. Com encorajamento. (Interview with Mike Wallace
of 60 Minutes. December 18, 1995)
Nós realmente temos um grande programa de bem-estar. Tentamos cuidar das necessidades de
nosso próprio povo. Então, onde estamos fortemente estabelecidos, como por exemplo nos Estados
Unidos, temos fazendas de bem-estar que produzem produtos agrícolas, temos instalações para enlatar e
armazenar esses produtos, temos instalações para empacotamento, processamento e distribuição. Tudo
faz parte de uma obrigação que sentimos de cuidar dos nossos, enquanto ao mesmo tempo buscar em
espírito de humanitarismo as pessoas em dificuldades, onde quer que elas estejam. (Interview with
Dulcie Byby of Manila Chronicle, May 30, 1996)
Cremos em sermos benevolentes, em estendermos a mão para ajudar outrem. Pagamos as ofertas
de jejum. Esse procedimento simples, advindo de revelação, se fosse observado por todas as pessoas do
mundo dispensaria os programas de ajuda dos governos. (...) O governo alemão, o governo inglês, o
governo americano gastam bilhões para cuidar dos necessitados. É um empreendimento que vale a
pena. Como seria mais fácil, como seria mais simples, como seria melhor se as pessoas seguissem o
plano do Senhor. (Berlin Germany Regional Conference, June 16, 1996)
O Congresso e o Presidente recentemente decretaram e assinaram uma nova legislação a respeito
de bem-estar. Esperamos que dela provenham bons benefícios. Porém, simplesmente um novo conjunto
de regras para lidar com um velho problema provavelmente não produzirá a cura. Devem-se mudar as
atitudes, cada um deve responsabilizar-se por seus atos. (Provo City Community Centennial Service,
August 4, 1996)
As catástrofes abatem-se sobre as pessoas quando menos se espera, na forma de desemprego,
doença e coisas desse tipo. O indivíduo, conforme ensinamos, deve fazer tudo o que puder por si
mesmo. Quando tiver exaurido seus recursos, deve voltar-se para sua família a fim de que ela o ajude.
Quando a família não puder fazê-lo a Igreja assumirá a responsabilidade. E quando a Igreja assume,
nosso grande desejo é cuidar primeiramente de suas necessidades imediatas e, a seguir, ajudá-lo pelo
tempo necessário, mas, ao mesmo tempo, ajudá-lo a ser treinado, conseguir emprego, encontrar uma
forma de caminhar sozinho novamente. Esse é o objetivo deste grande programa de bem-estar. (“‘This
Thing Was Not Done in a Corner,’” Ensign, November 1996, p. 50)
BÊNÇÃOS PATRIARCAIS
Recebi minha bênção patriarcal quando era um menininho de onze anos de idade. Um converso à
Igreja que havia chegado da Inglaterra, e era nosso patriarca, colocou as mãos sobre minha cabeça e
deu-me uma bênção. Acho que nunca li aquela bênção até estar no navio em direção à Inglaterra em
1933. Tirei-a do baú e a li com cuidado, e a lia ocasionalmente enquanto em minha missão na
Inglaterra.
Não contarei tudo o que se encontra na bênção, mas aquele homem falou com voz profética. Ele
disse, entre outras coisas, que eu ergueria minha voz em testemunho da verdade nas nações da Terra.
Quando fui desobrigado de minha missão, falei em Londres numa reunião de testemunhos na prefeitura
de Battersea. No próximo domingo discursei em Paris. No outro domingo falei em Washington, D.C.
Voltei para casa cansado e fraco, magro e extenuado, (...) e disse: “Chega. Já viajei tudo o que gostaria.
Nunca mais quero viajar.” Pensava que havia cumprido a bênção. Falei em quatro das grandes capitais
do mundo: Londres, Berlin, Paris e Washington, D.C. Pensei que havia cumprido aquela parte da
bênção.
Falo com gratidão e em espírito de testemunho (...) que desde aquela época tem sido meu
privilégio, devido à providência e bondade do Senhor, prestar testemunho desta obra e do chamado
divino do Profeta Joseph Smith em todas as regiões da Ásia, em quase todas, pelo menos; no Japão,
Coréia, Tailândia, Taiwan, Filipinas, Hong Kong, Vietnã, Burma, Malásia, Índia, Indonésia e
Cingapura. Falei na Austrália, na Nova Zelândia, nas ilhas do Pacífico, nas nações da Europa, em todas
as nações da América do Sul, e em todas as nações do Oriente em testemunho da divindade desta obra.
(Hyde Park Chapel Rededication, August 27, 1995)
Que bênção é poder receber uma bênção patriarcal! Incentive as pessoas a viverem dignas, não
para procurarem o patriarca como um adivinho ou qualquer coisa desse gênero, mas como aquele que
possui, como foi dito pelo Presidente Kimball, o espírito de profecia com relação àquele indivíduo.
(Corpus Christi Texas Regional Conference, priesthood leadership session, January 6, 1996)
Espero estarmos incentivando aqueles que possuem maturidade suficiente para entenderem a
importância de uma bênção patriarcal a receberem a sua. Minha bênção patriarcal é uma das coisas
mais sagradas em minha vida. Uma bênção patriarcal é uma coisa única, sagrada, pessoal e maravilhosa
que pode ser conferida a cada membro desta Igreja que viva de modo a ser digno dela. Espero, irmãos,
que vocês homens pertencentes ao bispado, em especial, estejam aconselhando seu povo com relação a
isso. (Smithfield/Logan Utah Regional Conference, priesthood leadership session, April 20, 1996)
Espero que possamos motivar nosso povo a viver digno de receber uma bênção patriarcal e se
esforçarem para obtê-la. É um privilégio extraordinário obter uma bênção patriarcal; é algo único, se
comparado a todas as outras coisas deste mundo. Não há nada que se iguale a ela: um homem que fala
de forma individual e pronuncia bênçãos com a autoridade do Santo Sacerdócio. (Pittsburgh
Pennsylvania Regional Conference, priesthood leadership session, April 27, 1996)
Gostaria de repetir que essas bênçãos são sagradas. Elas não devem ser divulgadas. Não se deve
comentar sobre elas. (Pittsburgh Pennsylvania Regional Conference, priesthood leadership session,
April 27, 1996)
CARÁTER
Suplico que continuem a cultivar a companhia e orientação do Santo Espírito, que busquem a
Deus como fonte de sabedoria superior à sua, que reconheçam Seu Divino Filho como o manancial das
grandes virtudes que são a essência da integridade e caráter. (BYU Commencement Address, April 23,
1992)
Além dos seus deveres profissionais estão as responsabilidades para com outros — a comunidade,
o estado, a nação, a sociedade em geral, e a Igreja da qual muitos de vocês são membros. A atenção e a
energia despendidas nessas tarefas são a essência de seu caráter e virtude. (BYU Management Society,
San Diego, California, January 9, 1993)
CARIDADE
Ver também Amor
O amor a Deus é básico. É o alicerce da verdadeira adoração. Ele é o coração, a alma e o espírito
de nossa vida. Ele subjuga a arrogância, o preconceito e a cobiça. Ele leva à obediência do segundo
grande mandamento, amor ao próximo. No mundo em que vivemos hoje, o amor ao próximo se
expressa não somente em atos cristãos de caridade e bondade para com os necessitados, mas em um
sentido mais amplo inclui uma sagrada consideração pelo meio-ambiente, no qual todos os homens
devem viver nessa Terra em que somos vizinhos. (“A Unique and Wonderful University,” BYU 1988–
89 Devotional and Fireside Speeches, October 11, 1988, p. 51)
A palavra amor é muitas vezes usada em lugar do termo caridade na grande declaração de Paulo.
Nesse caso, fica assim:
“[O amor] nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão;
havendo ciência, desaparecerá. (...)
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e [o amor], est(es) três, mas (o) maior deste(es) é [o
amor]”. (I Coríntios 13:8, 13) (...)
Poucos ainda conseguem ver a Estrela Polar. Vivemos em centros urbanos e as luzes da cidade
prejudicam nossa visão do maravilhoso firmamento acima de nós. Não obstante, como vem
acontecendo há séculos, a estrela continua em seu lugar, como um guia e âncora em sua constância. O
amor é igual — inflexível, imutável, “o puro amor de Cristo”, segundo Morôni, que “permanece para
sempre; e todos os que forem achados em sua posse no último dia bem lhes irá”. (Morôni 7:47) (“Let
Love Be the Lodestar of Your Life,” Ensign, May 1989, p. 67)
Domingo passado fui a uma reunião sacramental em uma de nossas alas em uma universidade, ala
essa composta inteiramente de jovens recém-casados, que se esforçam para atingir suas metas
educacionais, ao mesmo tempo que enfrentam a carga de uma vida familiar. Dois bebês recém-nascidos
foram abençoados pelo respectivo pai e receberam nomes pelos quais serão conhecidos nos registros da
Igreja.
Fiquei emocionado com as orações que ambos os pais fizeram. Um deles, falando a seu filho
recém-nascido, abençoou-o para que em toda a sua vida ele tivesse o espírito de amor por todas as
pessoas, a despeito das circunstâncias e da condição delas. Ele o abençoou para que tivesse respeito
pelos outros sem levar em conta raça, religião ou outras diferenças. Sei que esse jovem pai, estudante
de medicina, tem em sua vida, como membro fiel da Igreja, demonstrado amor, gratidão e respeito por
todas as pessoas.
Como é grandiosa a caridade, seja ela expressa por meio de doação de nossa substância, do uso de
nossas forças para aliviar os fardos alheios, ou como expressão de bondade e gratidão. (“Mormon
Should Mean ‘More Good,’” Ensign, November 1990, p. 54)
Essa é a essência da caridade: estender a mão que ajuda e que ergue, àqueles necessitados, sem
nada pedir em troca. (“Codes and Covenants,” BYU 1994–95 Devotional and Fireside Speeches,
October 18, 1994, p. 38)
CASAMENTO
Ver também Casamento Eterno
Sob o plano do evangelho casamento é companheirismo, com igualdade entre os parceiros.
Caminhamos lado a lado com respeito, admiração e amor um pelo outro. Não pode haver sentimentos
de inferioridade e superioridade entre o marido e a mulher no plano do Senhor. Estou certo de que
nosso Pai Celestial ama Suas filhas tanto quanto ama Seus filhos, e qualquer homem que humilhe ou
menospreze sua esposa ofende Seu Pai Celestial.
Se maridos e mulheres dessem somente mais ênfase às virtudes um do outro e menos às faltas,
haveria menos corações dilacerados, menos lágrimas, menos divórcios e muito mais felicidade nos lares
de nosso povo. (“If I Were You, What Would I Do?” BYU 1983–84 Fireside and Devotional Speeches,
September 20, 1983, p. 10)
É difícil para mim entender os trágicos relatos de casamentos conturbados que me chegam. Eles
falam de maus-tratos. Falam de atitudes ditatoriais e de alguns maridos que são tiranos em sua própria
casa. Falam de perda da confiança e de convênios desfeitos. Falam de divórcio, lágrimas e angústia.
Outro dia chegou à minha mesa uma carta de uma mulher que fez um relato prolongado de seus
problemas. Sentindo-se desesperada perguntou: “A mulher tem alguma promessa de um dia ser um
membro de primeira classe da raça humana? Será ela sempre um objeto, enrolada num cháder agindo
somente com a permissão do marido, que é o cabeça da casa?” (Um cháder, a propósito, é um simples
xale usado pelas mulheres na Índia para cobrir a cabeça.) E ela, então, continuou: “As respostas para
essas perguntas já não me são mais importantes, mas tenho filhas. Se for possível para uma mulher
esperar algo mais da eternidade do que andar descalça e grávida, gostaria de ensiná-las isso.”
Há uma trágica amargura nas linhas dessa carta. Temo que haja muitas outras que se sintam do
mesmo modo. A situação é trágica porque é extremamente diferente da que o nosso Pai Celestial
preparou para Suas filhas. Por detrás das palavras dessa mulher vejo a figura de uma esposa
desencorajada, ansiosa por reconhecimento, pronta a desistir, e sem saber para qual lado se dirigir. Vejo
um marido que negligenciou suas sagradas obrigações, que está insensível em seus sentimentos,
desvirtuado em suas percepções, negando, pelo seu modo de vida, a verdadeira essência do evangelho
de Jesus Cristo. Não duvido que tenha havido falhas da parte dela assim como da dele, mas estou
inclinado a pensar que as falhas dele são mais sérias.
Aos homens que se encontram ao alcance de minha voz, onde quer que vocês estejam, digo, se são
culpados de comportamento degradante para com sua esposa, se são inclinados a impor e exercer
autoridade sobre ela, se são egoístas e brutais em suas ações em casa, então, parem já! Arrependam-se!
Arrependam-se agora enquanto têm a oportunidade de assim o fazerem.
Às esposas que estão constantemente reclamando, e vêem somente o lado escuro da vida, e não se
sentem nem amadas nem queridas, olhem para dentro de seu coração e mente. Se houver algo de
errado, façam mudanças. Coloque um sorriso em seu rosto. Tornem-se atraentes. Melhorem sua
aparência. Vocês se privam da felicidade e atraem a miséria se reclamam constantemente e não fazem
nada para retificar suas faltas. Coloquem-se acima do insistente clamor sobre direitos e prerrogativas e
caminhem na serena dignidade de uma filha de Deus. (...)
Agora é o momento de homens e mulheres que possam ter-se ofendido mutuamente pedir perdão e
cultivar respeito e afeição mútuos, colocando-se diante do Criador como filhos e filhas dignos de Seu
sorriso sobre nós. (“Cornerstones of a Happy Home,” Husbands and Wives Fireside Satellite Broadcast,
January 29, 1984)
Deus, nosso Pai Eterno, ordenou que deveríamos ser companheiros. Isso pressupõe igualdade. O
casamento é uma aventura em conjunto. Naturalmente, existem riscos e problemas, mas são
secundários em relação às grandes oportunidades e satisfações que advêm quando relevamos interesses
próprios em favor de um bom companheirismo.
Há alguns anos, tirei um recorte do Deseret News, da coluna de Jenkins Lloyd Jones, que dizia:
“Parece haver uma superstição entre os muitos milhares de nossos jovens que andam de mãos dadas
(...) de que o casamento é uma casinha coberta de flores perpétuas, na qual um marido perpetuamente
jovem e belo vai ao encontro de uma esposa perpetuamente encantadora e jovem. Quando as flores
murcham e a monotonia e as contas começam a chegar, os tribunais de divórcio ficam lotados. (...)
(“Big Rock Candy Mountains,” Deseret News, 12 June 1973, A4)
O truque, meus irmãos e irmãs, é tirar proveito da jornada, viajando de mãos dadas, na luz do sol e
na tempestade, como companheiros que se amam. (“Cornerstones of a Happy Home,” Husbands and
Wives Fireside Satellite Broadcast, January 29, 1984)
Ouço tantas reclamações de homens e mulheres que não se comunicam um com o outro. Talvez eu
seja ingênuo, mas não entendo isso. A comunicação é essencialmente uma questão de conversar. Eles
devem ter-se comunicado quando estavam namorando. Não podem continuar a conversar depois do
casamento? Não podem falar de seus interesses, seus problemas, suas dificuldades, seus desejos, um
com o outro de maneira aberta, franca, sincera e feliz? Para mim, comunicação é simplesmente uma
questão de se conversar um com o outro.
Mas deixe que a conversa seja tranqüila, pois a conversa serena é a linguagem do amor. É a
linguagem da paz. É a linguagem de Deus. (...) A voz do céu é mansa e suave. A voz da paz no lar é
uma voz suave. (“Cornerstones of a Happy Home,” Husbands and Wives Fireside Satellite Broadcast,
January 29, 1984)
Nunca me esqueci da atenção de meu pai para com minha mãe. Ela morreu quando tinha
cinqüenta anos, ainda relativamente jovem. Durante os meses de sua doença, ele era constantemente
solícito pelo bem-estar dela. Mas essa atitude não se manifestou somente depois que ela adoeceu. Ela se
tornou evidente para nós, seus filhos, no decorrer de nossa vida. No feliz lar de minha infância,
sabíamos, proveniente de um sentimento e não de uma declaração, que eles amavam, respeitavam e
honravam um ao outro. Que bênção essa lembrança tem sido! Quando éramos crianças, sentíamos uma
certa segurança por sabermos disso. Ao crescermos, nossos pensamentos e ações foram adornados pela
lembrança desse grande exemplo. (“Cornerstones of a Happy Home,” Husbands and Wives Fireside
Satellite Broadcast, January 29, 1984)
Faz tempo que sinto que a felicidade no casamento não é tanto uma questão de romance, mas sim
uma verdadeira preocupação pelo conforto e bem-estar do companheiro. Isso envolve o desejo de
tolerar as fraquezas e erros.
Um homem disse: “O amor não é cego, ele vê mais e não menos. Mas por que ele vê mais, ele está
disposto a ver menos”. (Julius Gordon, Treasure Chest, ed. Charles L. Wallis [New York: Harper and
Row, 1965], p. 168) (...)
Infelizmente, algumas mulheres desejam refazer seu marido segundo seu próprio modelo. Alguns
maridos pensam ser seu privilégio compelir sua mulher a se encaixar nos padrões que eles acham ser o
ideal. Nunca funciona. Somente leva à contenda, desentendimento e pesar. (“Cornestones of a Happy
Home,” Husbands and Wives Fireside Satellite Broadcast, January 29, 1984)
Nenhum homem pode agradar a Seu Pai Celestial se desrespeitar as filhas de Deus. Nenhum
homem pode agradar Seu Pai Celestial se não magnificar sua esposa e companheira, nutri-la, edificá-la,
fortalecê-la e compartilhar a vida com ela.
Tem sido maravilhoso observar o relacionamento do Presidente Kimball e da irmã Kimball. Ela é
uma mulher que gosta de aprender, uma mulher que lê muito, uma mulher que está constantemente
refinando seus talentos, uma mulher que ama ao Senhor e serve em Seu reino; uma mulher que apóia,
ama e incentiva o marido e os filhos. E ele, durante toda a vida de casado, tem motivado e apoiado sua
esposa, tem depositado sua confiança nela, tem compartilhado com ela momentos de alegria e tristeza,
momentos de pressão e tranqüilidade, na doença e na saúde. Eles trabalham juntos, oram juntos,
choram juntos, andam lado a lado num relacionamento que se tornou um exemplo para toda a Igreja.
Ele nunca perdeu de vista a resolução que tomou em sua infância de agradar ao seu Pai Celestial.
Os maus-tratos à esposa são totalmente incompatíveis com o evangelho de Jesus Cristo. Maltratar
uma criança é uma afronta ao Pai Celestial. Conforme o Presidente Harold B. Lee costumava nos
lembrar, a maior obra que cada um de nós pode realizar está entre as paredes do próprio lar. O pai que
deseja agradar ao Pai Celeste governará a família pelo amor e pelo exemplo. (“To Please Our Heavenly
Father,” Ensign, May 1985, p. 49)
Tenho certeza de que Deus não ama Suas filhas menos que Seus filhos. Sob o plano do evangelho,
a mulher não anda nem à frente nem atrás do marido, mas a seu lado, num verdadeiro companheirismo
diante do Senhor.
Vejo minha própria companheira de cinqüenta e dois anos. Seria sua contribuição menos aceitável
ao Senhor do que a minha? Ela tem caminhado quietamente, apoiando-me em minhas
responsabilidades, criando e abençoando nossos filhos, servindo em muitos chamados na Igreja e
disseminando uma inimaginável medida de alegria e bondade por onde passa. Quanto mais velho fico,
mais a aprecio (...) sim, mais a amo, essa frágil mulher com quem me ajoelhei diante do altar na casa do
Senhor há mais de meio século.
Desejo de todo o coração que cada casamento seja feliz. Desejo que todos os casamentos sejam
um associação eterna. Creio que esse desejo possa ser realizado se houver a vontade de se fazer o
esforço para que ele se realize. (“Rise to the Stature of the Divine within You,” Ensign, November
1989, p. 97)
Como é belo o casamento no plano de nosso Pai Eterno, um plano criado em sua divina sabedoria
para a felicidade e a segurança de seus filhos, e para a continuação da raça humana!
Ele é nosso Criador e planejou o casamento desde o começo. Quando Eva foi criada, disse Adão:
“Essa é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne: (...)
Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma
carne.” (Gênesis 2: 23–24) Paulo escreveu aos Santos de Corinto dizendo: “Todavia, nem o varão é
sem a mulher, nem a mulher sem o varão, no Senhor”.
(I Coríntios 11:11) (...)
Certamente os que lêem as escrituras antigas e modernas não podem duvidar da divindade do
conceito do casamento. Os sentimentos mais doces da vida, os impulsos mais generosos e gratificantes
do coração humano encontram expressão num casamento que permanece puro e sem manchas, acima
dos males do mundo.
Esse é o casamento desejado, esperado, almejado; é a resposta às orações de todos os homens e
mulheres de todos os lugares. (“What God Hath Joined Together,” Ensign, May 1991, p. 71)
Lamentavelmente, existe muita desgraça em muitos casamentos. Acredito que não seja necessário
ser desse modo. Creio que onde o evangelho de Jesus Cristo é vivido, ou seja, onde há altruísmo,
respeito mútuo, bondade e perdão, pode haver felicidade, amor e vida eterna no mais sagrado de todos
os relacionamentos humanos. (Ellen Pucell Unthank Monument Dedication, Cedar City, Utah, August
3, 1991)
Irmãos, vocês que receberam o sacerdócio de Deus, saibam, como eu sei, que não existe felicidade
duradoura, não existe paz constante no coração nem tranqüilidade no lar sem o companheirismo de uma
boa mulher. Nossa esposa não nos é inferior.
Alguns homens que evidentemente são incapazes de se fazerem respeitar levando uma vida digna,
usam como justificativa para suas ações a declaração de que foi dito a Eva que Adão deveria governá-
la. Quanta tristeza, quanta tragédia, quanta amargura homens fracos já causaram durante séculos,
usando isso como autorização escriturística para um comportamento desumano! Eles não reconhecem
que o mesmo relato indica que Eva foi dada como adjutora à Adão. Eles permaneceram lado a lado no
jardim. De lá foram expulsos juntos, e trabalharam juntos, lado a lado, ganhando o pão com o suor do
rosto. (“Our Solemn Responsibilities,” Ensign, November 1991, p. 51)
Vou contar-lhes algo de minha vida pessoal. Sentei-me à mesa com minha esposa numa noite. Faz
cinqüenta e cinco anos que nos casamos no Templo de Salt Lake. A maravilhosa áurea da feminilidade
estava sobre ela. Ela estava linda, e eu encantado. Hoje, por mais de meio século, temos caminhado
juntos através de muitas tempestades como também bom tempo. Hoje nenhum de nós dois fica em pé
tão erguidos quanto o fazíamos antes. Ao olhar para ela do outro lado da mesa, notei algumas rugas em
sua face e mãos. Mas são elas menos bonitas do que antes? Não, na verdade, são mais bonitas. Aquelas
rugas têm uma beleza própria; elas falam de força e integridade, e de um amor que se move com mais
profundidade e tranqüilidade do que em outros tempos. (“This I Believe,” BYU 1991–92 Devotional
and Fireside Speeches, March 1, 1992, p. 78)
Sabíamos que nosso pai amava a nossa mãe. (...) Não tenho nenhuma lembrança de ouvi-lo falar
com ela ou dela sem bondade. Ele a incentivava em suas atividades individuais da Igreja e
responsabilidades cívicas. Ela possuía talento inato, e ele a encorajava a usá-lo. O conforto dela era a
preocupação constante de meu pai. Nós os víamos como iguais, como companheiros que trabalhavam
juntos e amavam um ao outro do mesmo jeito que nos amavam.
Minha mãe, da mesma forma, incentivava meu pai e fazia qualquer coisa para vê-lo feliz. (“Some
Lessons I Learned as a Boy,” Ensign, May 1993, p. 54)
A decisão mais importante da vida é a decisão que envolve a escolha de um companheiro. Tome-a
em espírito de oração. E quando se casarem, sejam ardentemente fiéis um ao outro. O egoísmo é o
grande destruidor da felicidade da vida familiar. Tenho esta sugestão para dar-lhes: Se vocês se
preocuparem em primeiro lugar com o conforto, bem-estar, e felicidade de seu companheiro,
sublimando qualquer preocupação pessoal em benefício dessa grandiosa meta, vocês serão felizes, e seu
casamento será nutrido por toda a eternidade. (“A Three-Point Challenge,” BYU Commencement
Address, April 27, 1995)
De todas as responsabilidades desanimadoras e difíceis que tenho, a mais difícil e desencorajadora
é lidar com o cancelamento de selamentos. A maior parte desses pedidos vêm das mulheres, mulheres
que no dia de seu casamento estavam na Casa do Senhor, e em cada caso, com o homem que amavam.
E então, com o passar dos anos houve discussões, raiva, perda de controle, a cadeira sendo atirada
através da sala e outras coisas bobas e desnecessárias, até que todo o amor fosse embora e o ódio
tomasse o seu lugar. Agora, após ter seguido o seu curso, chega o pedido para cancelamento do
selamento no templo. Pode-se ligar tudo isso ao egoísmo: pensar em si mesmo em vez de em seu
companheiro. (...) Qualquer homem que faça do conforto de sua esposa sua primeira preocupação,
permanecerá amando-a por toda a sua vida e por toda a eternidade. (Anchorage Alaska Regional
Conference, June 18, 1995)
Rapazes que possuem o sacerdócio, sejam bons maridos. Existem muitos maridos ruins, as
mulheres podem testificar. Vou ler-lhes uma carta que recebi outro dia.
“Querido Presidente Hinckley, meu marido é um fiel portador do sacerdócio. Esse é o maior
elogio que posso fazê-lo. Quando ele está por perto é como se o próprio Salvador estivesse nos
dirigindo. Ele é gentil e amável, sempre encontrado meios de ajudar a mim e as crianças. É ele sempre
que se levanta durante a noite para ajudar as crianças. Ele nunca levantou sua mão ou voz para mim e
sempre me ajudou durante meus diversos problemas de saúde. Embora tenhamos opiniões diferentes,
nunca tivemos uma discussão e sei que é devido a ele ser cuidadoso no modo em que se comunica
comigo. Ele dirige a família na leitura do Livro de Mórmon e orações, e à noite, enquanto as crianças
estão dormindo, dedicamos uns poucos minutos ao estudo do evangelho. Ele é simplesmente o melhor
homem que poderia existir. Sinto que é uma honra ser casada com tal homem no templo. Somos felizes,
nos amamos e a vida é boa”.
Não é uma linda carta? É tão simples que um peregrino, mesmo que seja tolo, não poderia deixar
de entendê-la. Irmãos, não percam o controle. A raiva é uma coisa corrosiva que destrói, decepciona,
aniquila a paz e felicidade, e traz tristeza e remorso. Reprimam a raiva. Esposas, apoiem seu marido.
Não se ressintam se ele estiver ocupado na Igreja. Apenas sintam-se felizes por saberem onde ele está, e
dê-lhes seu apoio e ajuda. Eles não são os grandes heróis que algumas de vocês pensam que são. Eles
precisam de um pouco de incentivo de vez em quando, um pouco de gentileza, um pouco de amor, um
pouco de bondade no modo em que vocês o apóiam. (Birmingham England Fireside, August 29, 1995)
Creio que cada criança deveria ter o direito à bênção de nascer em um lar no qual seja bem
recebida e alimentada, amada e abençoada com pais que sejam fiéis um ao outro e aos filhos. (...)
Enfrentem com firmeza as artimanhas do mundo. Os criadores de nossos entretenimentos, que
publicam a maior parte do que lemos hoje, querem fazer com que acreditemos no contrário. A
sabedoria acumulada por séculos declara com clareza e certeza que a maior felicidade, a maior
segurança, a maior paz de consciência e o mais profundo amor só são vivenciados por aqueles que
seguem os padrões comprovadamente testados da virtude antes do casamento e da fidelidade total após
o mesmo. (“Stand Strong against the Wiles of the World,” Ensign, November 1995, p. 99)
Sua esposa é indispensável para o seu progresso eterno. Espero que vocês nunca se esqueçam
disso. Existem poucos homens nessa Igreja, e sinto-me feliz por não serem muitos, mas existem alguns,
que se acham superiores à esposa. Seria bom que eles soubessem que eles não alcançarão o maior grau
de glória no reino celestial sem ter sua esposa ao seu lado em igualdade. Irmãos, elas são filhas de
Deus. Tratem-nas como tal. (Veracruz Mexico Regional Conference, priesthood leadership session,
January 27, 1996)
Nosso casamento foi há cinqüenta e nove anos. Fomos ao Templo de Salt Lake e lá fomos selados
para o tempo e eternidade, e nossa vida tem sido muito boa. Tivemos nossos altos e baixos. Já fomos
mais altos do que somos agora. Já caminhamos um pouco mais rápido. Conseguíamos até mesmo
dançar. Não o fazemos mais. Ela diria a vocês que não dançamos desde o dia em que nos casamos. Mas
tivemos uma boa vida. O clima dos últimos dois dias tem-me feito lembrar disso. Tempestades e logo
depois o brilho do sol, coisas ruins e coisas boas, dias felizes e dias tristes, e a vida tem sido boa,
realmente maravilhosa. (...) Ela é agora avó de vinte e cinco netos e doze bisnetos, e eles a chamam de
“vovó” e a amam. É interessante que quando nossos filhos ligam para casa, nossos filhos adultos, um é
presidente de estaca e o outro um membro do sumo conselho, eles nunca querem falar comigo. Se eu
atendo o telefone, eles dizem: “A mamãe está?” Eles têm dito isso durante toda sua vida e isso é
maravilhoso, realmente maravilhoso. Sou tão grato por essa querida mulher que tem sido minha
companheira, minha namorada, meu amor, a mãe de meus filhos, e a única no mundo que pode me
dizer o que fazer e eu faço. Tem sido assim por muito, muito tempo. Na verdade, ela não hesita em
dizer-me. Se dou somente um passo na trilha errada, ela me traz de volta, e ela tem feito isso durante
muitos, muitos anos. (Smithfield/Logan Utah Regional Conference, April 21, 1996)
Gostaria que vocês pudessem ler algumas das cartas que chegam de mulheres decepcionadas que
choram e lamentam-se por causa de maridos desatenciosos e malvados, e em muitos casos, maridos
perversos. Gostaria de falar a vocês, homens, que o maior patrimônio que jamais possuíram no tempo e
na eternidade é a mulher com quem deram as mãos sobre o altar na casa do Senhor, e na presença de
Deus, anjos e testemunhas, prometendo amor, lealdade e afeição de ambas as partes para o tempo e
toda a eternidade. Todos os outros bens podem desaparecer, e irão desaparecer. Vocês não levarão
cinco centavos para o céu com vocês, nem mesmo cinco centavos. Mas, se forem o homem que devem
ser, vocês a levarão consigo. Talvez seja ao contrário, ela levarará você. Trate sua esposa com respeito
e gentileza. (Pittsburgh Pennsylvania Regional Conference, priesthood leadership session, April 27,
1996)
CASAMENTO ETERNO
Ver também Casamento
A vida é eterna. O Deus dos céus tornou possível o amor eterno e os relacionamentos familiares
eternos.
Deus abençoe nossos jovens para que, ao procurarem se casar, não busquem somente a
recompensa de um companheirismo e relacionamentos familiares frutíferos através de seus dias na
mortalidade, mas um estado ainda mais promissor onde o amor e os caros relacionamentos possam ser
sentidos e conhecidos de acordo com a promessa de Deus. (Be Thou an Example [Salt Lake City:
Deseret Book, 1981], p. 139)
O casamento solenizado nos templos da Igreja é celebrado pela autoridade desse mesmo santo
sacerdócio, não só para esta vida como também para a vindoura.
A separação de entes queridos pela morte sempre traz tristeza. Que esperança teríamos, se não
houvesse uma alternativa para a inexorabilidade de “até que a morte vos separe”, proferido em quase
todas as cerimônias de casamento.
Não precisa ser assim. A razão negaria que o Pai que nos ama a todos destruiria o mais sagrado
dos relacionamentos humanos e proibiria a convivência conjugal daqueles que se amam, honram e
respeitam um ao outro. Mas é preciso haver regras, concordância e obediência. O caminho está
claramente traçado, e isso pelo exercício do santo sacerdócio nos templos sagrados. (“Rejoice in This
Great Era of Temple Building,” Ensign, November 1985, p. 60)
Cumprimento minha amada companheira. Em breve fará 60 anos que saímos do Templo de Salt
Lake como marido e mulher, amando-nos um ao outro. Esse amor fortaleceu-se com o passar dos anos.
Enfrentamos muitos problemas durante os anos em que estamos casados. Seja como for, com as
bênçãos de Deus, sobrevivemos a todos eles.
Tem-se tornado cada vez mais difícil permanecermos firmes e eretos como fazíamos na juventude.
Não importa. Ainda temos um ao outro e ainda estamos de pé, embora um pouco curvados. Quando
chegar a hora de nos separarmos, haverá muita tristeza, mas também o consolo da convicção de que ela
é minha e de que eu sou dela por toda a eternidade. (“Women of the Church,” Ensign, November 1996,
p. 70)
CASTIDADE
Ver também Moralidade; Virtude
As carícias são simplesmente um passo na estrada da transgressão sexual ou imoralidade. Na
verdade, é uma trangressão. É a busca de satisfação física através do envolvimento forçado ou
solicitado pela outra pessoa. De acordo com os padrões da Igreja é profano, iníquo e malígno. (...) As
carícias freqüentemente levam aos tipos mais sérios de imoralidade. (...) Assim tem sido com milhares.
(Youth Fireside Satellite Broadcast, December 5, 1982)
Existe uma filosofia entre um grande número de pessoas que a educação sexual em nossas escolas
é a resposta para terríveis problemas como gravidez na adolescência, abortos e outros assuntos graves.
Não estou disposto a discutir nessa reunião os méritos ou deméritos da educação sexual nas
escolas públicas. Mas, de passagem, estou inclinado a concordar com algo que foi recentemente citado
no jornal USA Today: “Mais educação sexual nas escolas públicas não irá reverter o dano do legado da
revolução sexual, a menos que a mensagem seja claramente castidade antes do casamento e monogamia
no casamento.”
O escritor continua: “Há muitos defeitos nos cursos de educação sexual. A filosofia que se
encontra por trás ridiculariza a castidade, zomba da fidelidade e empresta “glamour” às aventuras
sexuais. Ensinam que não existe tal coisa como certo e errado. (...)
Trinta anos de defesa da liberação sexual fizeram com que as doenças venéreas grassassem de
modo desenfreado, e que surgisse uma incontrolável quantidade de casos de gravidez na adolescência.
(...)
A educação sexual nas escolas públicas tende a desarmar moralmente os alunos em vez de provê-
los com sensibilidade moral para que estejam aptos a fazer escolhas sexuais adequadas. (...)
A educação sexual combate o recato e a moralidade inerentes à vida humana”. (Tottie Ellis,
“Teaching about Sex Endangers Children,” 16 Mar. 1987, p. 12A)
Em todos nós existe esse senso de recato e moralidade a que se refere a autora. Quero dizer aos
rapazes aqui presentes hoje, que o Senhor deixou claro e a experiência de séculos o confirma, que não
se encontra felicidade na imoralidade, mas sim na abstinência. A voz da Igreja a qual pertencem é uma
voz que intercede pela virtude; uma voz que implora pela força de se abster daquilo que é maléfico;
uma voz que declara que a transgressão sexual é pecado. Essa transgressão é contrária à felicidade e
bem-estar dos que a cometem.
Devem reconhecer, precisam reconhecer que tanto a experiência como a divina sabedoria
prescrevem a virtude e pureza moral como o caminho que conduz à força de caráter, paz no coração e
felicidade na vida. (“Reverence and Morality,” Ensign, May 1987, pp. 47–48)
Que os pais ensinem os filhos a santidade do sexo, que o dom da criação da vida é sagrado, que os
impulsos que ardem dentro de nós podem e devem ser disciplinados e controlados para que haja
alegria, paz e bondade. Que seja incutido na mente de cada rapaz o fato proeminente de que cada moça
é uma filha de Nosso Pai Eterno e que ao ofendê-la ele não somente demonstra sua fraqueza mas
também ofende a Deus. Faça-o entender que ser pai de uma criança lhe trará uma responsabilidade que
irá durar enquanto ele viver. (“Saving the Nation by Changing Our Homes,” BYU Management
Society, Washington, D.C., March 5, 1994, p. 9)
Sejam puros. “Sede puros, vós que portais os vasos do Senhor.” (D&C 133:5) Essa é nossa
exortação a vocês, jovens e velhos. Sejam puros. “Que a virtude adorne teus pensamentos
incessantemente.” Essas grandes palavras escritas no frio e no sofrimento da cadeia de Liberty são
como uma grande trombeta que nos chama neste dia onde existe tanta imundície, podridão e lixo sendo
apregoado. (...) Sejam puros em pensamentos, palavras e ações. Então temos a promessa: “Então tua
confiança se fortalecerá na presença de Deus; e a doutrina do sacerdócio destilar-se-á sobre tua alma
como o orvalho do céu. O Espírito Santo será teu companheiro constante, e teu cetro, um cetro imutável
de retidão e verdade; e teu domínio será um domínio eterno e, sem ser compelido, fluirá para ti
eternamente.” (D&C 121:45–46) Eu não conheço outra promessa de tamanha magnitude, beleza e
assombro quanto essa promessa divina.
Muitos anos atrás o Presidente McKay solicitou-me que fizesse uma determinada coisa e eu a fiz
do melhor modo que pude. E quando terminei relatei-lhe o que havia feito. Ele foi muito gentil,
generoso e bondoso nos seus cumprimentos e expressões de gratidão. Quando caminhava do
apartamento dele para o Edifício de Administração da Igreja, disse a mim mesmo: “Que coisa
maravilhosa é ter a confiança do Presidente da Igreja.” Então essas palavras vieram-me à mente: “Então
tua confiança se fortalecerá na presença de Deus.” Que coisa maravilhosa! Estamos, você e eu, vivendo
nossa vida de maneira tal que possamos nos erguer, a qualquer momento, com segurança na presença
de Deus e prestar-Lhe conta de nossa vida, nossas ações e até mesmo nossos pensamentos?
(Smithfield/Logan Utah Regional Conference, April 21, 1996)
Cremos na castidade antes do casamento e fidelidade total após o casamento. Isso resume tudo.
Esse é o caminho da felicidade na vida. Esse é o modo de se ter satisfação. Traz paz ao coração e paz
ao lar. (“‘This Thing Was Not Done in a Corner,’” Ensign, November 1996, p. 49)
CHAMADOS NA IGREJA
Estou confiante de que quando formos prestar contas de nossos labores a Ele que é o nosso
Mestre, não seremos julgados pelo cargo que tivemos, mas sim, pelo bem que fizemos em qualquer
nível de responsabilidade. (General Authority Training Meeting, March 28, 1995)
Essa Igreja não pertence a seu presidente. Seu líder é o Senhor Jesus Cristo, cujo nome cada um de
nós tomou sobre si. Estamos todos juntos neste grande empreendimento. Estamos aqui para ajudar
nosso Pai em Sua obra e Sua glória: “levar a efeito a imortalidade e a vida eterna do homem”. (Moisés
1:39) A obrigação de cada um é tão séria em sua esfera de responsabilidade quanto o é a minha em
minha esfera. Não há chamado nesta Igreja que seja pequeno ou de pouca conseqüência. Todos nós, ao
cumprirmos nossas responsabilidades, tocamos as vidas de outrem. A cada um de nós, em nossas
respectivas responsabilidades, o Senhor disse: “Portanto, sê fiel; ocupa o cargo para o qual te designei;
socorre os fracos, ergue as mãos que pendem e fortalece os joelhos enfraquecidos”. (D&C 81:5)
“Assim agindo, farás o maior dos bens a teus semelhantes e promoverás a glória daquele que é teu
Senhor”. (D&C 81:4) (...)
A oportunidade de sentir satisfação no desempenho de suas tarefas é tão grande quanto a minha. O
progresso dessa obra será determinado por nossos esforços conjuntos. Qualquer que seja o seu
chamado, ele está tão cheio de oportunidades de fazer o bem quanto o meu. O que realmente importa é
que essa é a obra do Mestre. Nossa tarefa é fazer o bem como Ele o fez. (“This is the Work of the
Master,” Ensign, May 1995, p. 71)
Não existe nenhuma tarefa, chamado ou responsabilidade nessa Igreja que seja pequeno ou
inconseqüente. (Heber City/Springville Utah Regional Conference, priesthood leadership session, May
13, 1995)
Cada um presente aqui esta noite tem uma séria responsabilidade com os seus chamados assim
como eu tenho com relação ao meu, pelo crescimento, desenvolvimento e fortalecimento dessa obra
através do mundo. E nenhum de nós pode fazer qualquer coisa desonrosa, quer seja pequena ou média,
sem que afete este trabalho, porque somos parte dele. Nenhum de nós pode fazer alguma coisa altruísta
ou extraordinária sem que fortaleça o trabalho. (Salt Lake East Milcreek Stake Fiftieth Anniversary
Celebration, June 10, 1995)
Quer seja dando uma aula, servindo como mestre familiar, servindo como líder da Igreja,
trabalhando como missionário, servindo no templo ou em qualquer outra coisa, nosso chamado merece
que façamos o melhor. Não existe nenhum chamado que não seja importante nesta Igreja. Todo
chamado é importante. Quando todos cumprem com o seu dever trabalhando juntos, toda a Igreja
progride em ordem e de maneira esplêndida. (Interview with Mike Cannon of Church News, Dublin,
Ireland, September 1, 1995)
CIVILIDADE E CORTESIA
Ver também Tolerância
A caridade também inclui o elemento da civilidade em relação aos outros. Civilidade é a raiz da
palavra civilização. Ela traz consigo a essência da cortesia, polidez e consideração aos outros. Quantos
desses atributos estão perdidos em nossa sociedade contemporânea. Sua falta pode ser notada nos
meios de comunicação com as intermináveis críticas e maledicências de colunistas e comentaristas.
Falta de civilidade é quase sempre a causa de morte e ferimentos nas estradas. É o sorriso de arrogância
tido por muitos que se consideram superiores em intelecto, riquezas e posição na vida. Ó, como
precisamos cultivar mais civilidade em nossa sociedade. (“Codes and Covenants,” BYU 1994–95
Devotional and Fireside Speeches, Ocotober 18, 1994, p. 38)
A civilidade abrange muitos assuntos no relacionamento entre seres humanos. Sua presença é
descrita em termos como “boas maneiras” e “boa criação”. Porém, em todos os lugares vemos o oposto.
(...)
O crime é essecialmente a ausência da civilidade. Num estudo patrocinado pelo Instituto Nacional
de Justiça, a pesquisa do Departamento de Justiça conclui que o crime custa aos americanos pelo menos
450 bilhões de dólares ao ano. Alguns questionam a metodologia do estudo, mas certamente ninguém
pode questionar a gravidade do problema. Um artigo sobre esse assunto indica que outros 40 bilhões de
dólares poderiam ser adicionados, somando o custo total do crime quase 500 bilhões de dólares.
Ninguém consegue compreender uma configuração deste porte. Mas é interessante notar que o
orçamento do Departamento de Defesa para o ano passado foi 252 bilhões de dólares, e isso significa
que o custo do crime é essencialmente duas vezes o que se gasta para defender esta nação e dar
assistência militar a outras nações.
É aterrorizante. É alarmante. E no final, o custo poderá ser atribuído quase que inteiramente à
cobiça humana, à paixão incontrolável, com total menosprezo pelo direito dos outros; em outras
palavras, à falta de civilidade. Como disse um escritor: “As pessoas devem pensar numa comunidade
civilizada como aquela em que predomina uma cultura refinada. Não necessariamente; acima de tudo, é
aquela em que as pessoas subjugam seus instintos egoístas em favor do bem-estar comum”. (Royal
Bank Letter, May-June 1995). Ele continua: Nós últimos anos a imprensa tem elevado a incivilidade a
uma arte. Os impiedosos heróis de hoje emitem humilhações gratuitas a fim de ridicularizar e depreciar
qualquer pessoa que cruze seu caminho. Os maus-modos, aparentemente, é artigo que vende. As
comédias de televisão estão cheias de vulgaridade, os comediantes baseiam seus programas em insultos
à audiência e os apresentadores de programas de entrevistas tornam-se ricos e famosos ao tratarem mal
aqueles que lhes telefonam e fazerem perguntas inoportunas aos convidados”. (Ibid.)
Tudo isso nos indica qualquer coisa menos refinamento, cortesia e civilidade. Em vez disso,
mostra-nos descortesia e grosseria, e uma total insensibilidade aos sentimentos e direitos dos outros.
(...)
Disse o Salvador à multidão: “Vós sois o sal da Terra; e se o sal for insípido, com que se há de
salgar? Para nada mais presta se não para se lançar fora, e ser pisado pelos homens”. (Mateus 5:13)
Civilidade, eu creio, é o que dá sabor a nossa vida. É o sal que fala do bom gosto, das boas
maneiras e da boa educação. (“Our Fading Civility,” BYU Commencement Address, April 25, 1996)
É impressionante ver o que faz um pouco de cortesia. É trágico ver o que a falta de cortesia pode
provocar. Vemos isso todos os dias, ao enfrentar o trânsito da cidade em que moramos. O instante em
que permitimos que alguém passe a nossa frente faz bem tanto para a pessoa que recebe a cortesia
quanto para a que faz a gentileza. Algo acontece dentro de nós quando somos gentis e prestativos. Tudo
isso faz parte de um processo de refinamento que, se for constante, irá transformar nossa própria
natureza.
Por outro lado, ficar com raiva, xingar e fazer gestos obscenos por causa de um pequeno problema
de trânsito degrada tanto o ofensor como o ofendido. Praticar o tipo de autodisciplina que controla o
temperamento de uma pessoa nas pequenas coisas que acontecem quase todos os dias é uma
demonstração de pureza emocional. (“‘Be Ye Clean,’” Ensign, May 1996, p. 49)
COBIÇA
Gostaria de alertá-los a serem cuidadosos ao medirem o sucesso. Basta ler os jornais diários para
se saber de casos após casos da “Geração Yuppie” em que os desejos de cobiça os levaram a se
envolver com problemas e a decair enormemente. Alguns daqueles que tinham os carros mais caros e
possuíam as casas mais requintadas estão agora definhando na prisão. Eles eram, sem dúvida, homens
de tremenda capacidade e habilidade. Eles tinham boas idéias, mas seu próprio brilho os levou à ruína.
(...)
Durante os últimos anos, nossos jornais locais têm publicado história após história de homens
capacitados que iniciaram seu trabalho com honestidade e integridade. Eles viviam em razoável
conforto, mas não estavam satisfeitos. Em sua ganância de expandir seu próprio reino, induziram outros
a investirem com eles. E os investidores, em muitos casos, não deixavam de ser também gananciosos.
Eles ouviram histórias de grandes lucros com pequenos esforços. Como um cachorro perseguindo o seu
próprio rabo, o impulso do empreendimento aumentou até o dia em que houve um colapso. (...)
Em uma de suas grandiosas cartas a Timóteo, Paulo escreveu: “Porque o amor ao dinheiro é a raiz
de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se transpassaram a si mesmos
com muitas dores”. (I Timóteo 6:10) Você não precisa ir muito longe para comprovar a verdade dessa
grande advertência. (...)
Estou pensando em um amigo. Ele era, e ainda penso que seja, um bom homem. Ele tinha uma boa
casa e uma boa família, e recursos em abundância para suas necessidades e de sua família. Mas ele
tornou-se cobiçoso, ansiando por riquezas ainda maiores. Acho também que ele era sincero em seu
desejo de ajudar os amigos a ganharem mais. Uma coisa levou à outra, até que ocorreu uma queda na
economia, e ele se encontrava numa armadilha da qual ele não podia se livrar. Aqueles que queriam
que ele os fizesse ricos, e que inicialmente professaram amor e admiração por sua perspicácia,
tornaram-se violentos e odiosos acusadores. Não acho que foi o dinheiro por si só que os destruiu. Eles
poderiam viver sem ele. Foi o amor pelo dinheiro que os dominou e os impulsionou até que se
encontrassem em dificuldades e fracassassem. (University of Utah Institute of Religion Fireside, May
21, 1989)
Desejo que cada um de vocês possa ter algumas das boas coisas da vida, mas espero que seu
desejo não advenha da cobiça, que é uma doença maligna que consome as pessoas. (University of Utah
Institute of Religion Fireside, May 21, 1989)
Não deixe o egoísmo corroer seu relacionamento. Não deixe a ganância estragar sua felicidade.
Não deixe que a cobiça, por aquilo que você não precisa e não pode conseguir com honestidade e
integridade, o leve à ruína e ao desespero. (University of Utah Institute of Religion Fireside, May 21,
1989)
É óbvio que precisamos ganhar dinheiro para nos manter. O Senhor disse a Adão que do suor de
seu rosto ele comeria o pão todos os dias de sua vida. É importante que nos qualifiquemos para sermos
auto-suficientes, particularmente que cada homem na época do casamento esteja pronto e capaz de
assumir as responsabilidades de prover para sua companheira e para os filhos que virão àquele lar. (...)
Isso é importante. Isso é benéfico, é certo e adequado.
Naturalmente, nenhum de nós jamais tem o suficiente. Pelo menos é o que pensamos. Não
importam nossa situação, nós queremos melhorá-la. Isto também é bom, se não for levado aos
extremos. Tenho certeza que nosso Pai não deseja que Seus filhos caminhem na pobreza. Ele quer o
melhor para eles. Ele quer que eles tenham conforto e algumas das coisas boas da Terra. (...)
É quando a cobiça toma conta, quando cobiçamos aquilo que os outros têm, é que começam as
nossas aflições, e essa aflição pode ser muito dolorosa e sofrida. (University of Utah Institute of
Religion Fireside, May 21, 1989)
Cada um de vocês quer ser bem sucedido.
Ser bem sucedido em quê? Ter sucesso em ganhar dinheiro, sucesso no casamento, sucesso à sua
própria vista e aos olhos dos amigos. Desejo a cada um de vocês grande sucesso. Mas gostaria de
admoestá-los contra uma armadilha que pode destruí-los em sua ânsia na busca do sucesso.
A armadilha é a cobiça, a cobiça humana. É essa remota, sinistra influência maligna que diz: “O
que tenho não é suficiente. Preciso ter mais”.
Quando o dedo do Senhor escreveu os Dez Mandamentos nas tábuas de pedra, Ele nos deu o
décimo e último mandamento: “Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu
próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do
teu próximo”. (Êxodo 20:17)
Houve muitas mudanças neste mundo desde aquela época, mas a natureza humana não mudou.
Quando li pela primeira vez a palavra “Yuppie”, não sabia o que ela significava. Aprendi então, que se
refere a uma geração de jovens, a maioria rapazes, e muito instruídos, que cuidadosamente planejaram
e deram início a um curso para ficarem ricos enquanto jovens, para ter carros luxuosos, vestir as
melhores roupas, ter um apartamento em Nova York e uma casa no campo; tudo isso, e mais. Essa era a
meta final para se viver, e para alguns os meios para se chegar lá não eram importantes em termos de
ética e moralidade. Eles cobiçaram aquilo que outros tinham, e o egoísmo e até mesmo a ganância
faziam parte do processo de adquirir o que desejavam.
Sei que cada um (...) quer ser bem sucedido, e desejo que cada um de vocês tenha êxito. Mas
quero preveni-los para que sejam cuidadosos com o que consideram como sucesso. (University of Utah
Institute of Religion Fireside, May 21, 1989)
Que figura melancólica é tão freqüentemente pintada de homens gananciosos, que violaram todos
os princípios de honestidade para obterem um pouco mais quando já possuíam mais do que sabiam
usar. Essa é a figura de inúmeras organizações de instituições de poupanças falidas, que teve como
causa de sua queda homens egoístas, que causaram perdas a milhares e aumentaram a carga de cada
contribuinte da nação. Isso é um exemplo do que acontece quando as pessoas não tomam partido e
falam contra práticas totalmente desonestas que levam somente ao sofrimento e arrependimento.
(“Stand Up for Truth,” BYU Devotional Address, September 17, 1996)
COLIGAÇÃO DE ISRAEL
Ver Obra Missionária
COMPROMISSO E CONVICÇÃO
Aqui se encontra a grande força deste reino. É a convicção sólida, real e pessoal que é encontrada
no coração de milhões de santos dos últimos dias que vivem em muitas terras e que falam uma
variedade de línguas. Cada um é parte de uma grande sociedade de fiéis. (“Special Witnesses for
Christ,” Ensign, May 1984, p. 51)
Recebi uma carta de um amigo que vive no leste do país, na qual me relatou a conversa que tivera
com outro membro da Igreja. Ele perguntara a essa pessoa se ela se sentia próxima do Pai Celestial.
Respondeu que não. Por que não? Ela disse: “Sinceramente, por que não quero.” Depois continuou: “Se
eu estivesse perto do Pai Celestial, provavelmente ele exigiria algum compromisso de minha parte, e
não estou preparado para isso.”
Pensem nisso; um homem que tomou sobre si o nome do Senhor no batismo; um homem que
renovou seus convênios com o Senhor nas reuniões sacramentais; um homem que aceitou o sacerdócio
de Deus, e ainda assim, diz que se estivesse próximo do Pai Celestial um compromisso poderia ser
esperado dele e não estava pronto para tal.
Neste trabalho é preciso haver compromisso. É preciso haver devoção. Estamos empenhados
numa grande luta eterna, que concerne a todas as almas dos filhos e filhas de Deus. Não estamos
perdendo. Estamos vencendo. Continuaremos a vencer, se formos fiéis e leais. Podemos fazê-lo.
Precisamos fazê-lo. Nós o faremos. Não há nada que o Senhor nos tenha pedido, que, com fé, não
possamos realizar. (“The War We Are Winning,” Ensign, November 1986, p. 44)
Em agosto de 1852, (...) realizou-se uma conferência especial no antigo tabernáculo erguido nesta
praça. O Presidente Heber C. Kimball deu início dizendo:
“Reunimo-nos aqui hoje, como combinado previamente, para uma conferência especial a fim de
tratar de negócios, um mês antes da época usual, visto que há élderes a serem chamados para saírem em
missão pela Terra, e eles querem partir mais cedo do que de costume. (...)
As missões que designaremos durante esta conferência não serão, em geral, muito longas;
provavelmente de três a sete anos será o máximo que qualquer homem ficará longe de sua família”.
O secretário leu então noventa e oito nomes de pessoas propostas para missão no exterior. (Joseph
I. Earl Family History, p. 1)
A mim me parece admirável que numa época em que nosso povo lutava para estabelecer-se nessas
montanhas, dessem à divulgação do evangelho precedência sobre o conforto, segurança, bem-estar da
família e outras considerações. Pelas pradarias entre as montanhas do oeste e o rios Mississippi e
Missouri, moviam-se duas correntes de santos dos últimos dias em direções opostas. Missionários em
trânsito para os estados do leste e Europa cruzavam com conversos que se dirigiam dessas terras para a
Sião do oeste. (“An Ensign to the Nations,” Ensign, November 1989, p. 53)
Seja forte — ao defender o que é correto. Vivemos numa época de concessões e aquiescências
mútuas. Nas situações com que nos deparamos diariamente, sabemos o que é certo, mas sob a pressão
de colegas e vozes enganadoras dos que tentam nos persuadir, capitulamos. Comprometemo-nos.
Consentimos. Cedemos e nos envergonhamos de nós mesmos. (...) Precisamos cultivar a força para
seguir nossas convicções. (“Building Your Tabernacle,” Ensign, November 1992, p. 52)
É chegado o tempo de tomarmos mais consciência, vermos mais além e ampliarmos nossa visão
para melhor compreender e entender a grandiosa missão da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos
Últimos Dias em relação ao milênio. É hora de sermos fortes. É hora de prosseguirmos sem hesitar,
conhecendo bem o significado, amplitude e a importância de nossa missão. É hora de fazermos o que é
certo, a despeito das conseqüências. É hora de guardarmos os mandamentos. É hora de demonstrarmos
delicadeza e amor por aqueles que sofrem e que vagam na dor e escuridão. É o momento de termos
consideração, bondade, honestidade e cortesia uns para com os outros em todos os tipos de
relacionamento. Em outras palavras, de nos tornarmos mais semelhantes a Cristo.
Nada temos a temer. Deus está no comando. Para o bem de seu trabalho, Ele reinará supremo. (...)
A pequena pedra que foi cortada do monte sem auxílio de mãos, na visão de Daniel, está rolando
para encher toda a Terra. (Ver Daniel 2:44–45) Não há força abaixo dos céus capaz de detê-la se
andarmos em retidão e formos fiéis e verdadeiros. O próprio Todo-Poderoso está na dianteira. (“This Is
the Work of the Master,” Ensign, May 1995, p. 71)
Os ensinamentos de Alma incluem essas palavras: “(...) se despertardes e exercitardes vossas
faculdades, pondo à prova minhas palavras, e exercerdes uma partícula de fé (...)”. [Alma 32:27]
(...) Muitos mais entre nós precisamos despertar e exercitar nossas faculdades e conscientizar-nos
das grandes e eternas verdades do evangelho de Jesus Cristo. Cada um de nós pode sair-se um pouco
melhor do que no momento. Podemos ser um pouco mais bondosos e gentis. Podemos ser um pouco
mais misericordiosos. Podemos perdoar mais. Podemos deixar de lado as fraquezas do passado e seguir
adiante com energia renovada e mais disposição de melhorar o mundo a nossa volta, em nossos lares,
em nossos locais de trabalho, em nossas atividades sociais.
Temos uma obra a realizar e temos muito trabalho. Arregacemos as mangas e coloquemos mãos à
obra, com compromisso renovado, depositando nossa confiança no Senhor.(...)
A Igreja necessita de sua força. Ela necessita de seu amor, lealdade e devoção. Ela necessita de um
pouco mais de seu tempo e energia. (...)
Não peço a ninguém que o faça às custas da família. O Senhor irá responsabilizá-los por seus
filhos. Sugiro, isso sim, que passemos menos tempo ociosos. (“We Have a Work To Do,” Ensign, May
1995, p. 88)
Alguns têm a tendência de se tornarem indiferentes. Outros se desviam, buscando os atrativos do
mundo, abandonando a causa do Senhor. Vejo outros que consideram certo baixar seus padrões, talvez
em pequenas doses. Ao fazê-lo, perdem o entusiasmo por essa obra. Pensam, por exemplo, que o fato
de não guardarem o dia do Senhor é algo sem importância. Não comparecem às reuniões. Tornam-se
críticos. Falam mal dos outros. Em pouco tempo, afastam-se da Igreja.
O Profeta Joseph declarou uma vez: “Onde há dúvidas, a fé não tem poder.” (Lectures on Faith,
Salt Lake City: Deseret Book Co., 1985, p. 46)
Convido os que se afastaram a retornarem ao firme ancoradouro que é a Igreja. Essa é a obra do
Todo-Poderoso. Depende de nós, como indivíduos, prosseguirmos. A Igreja, porém, jamais deixará de
ir em frente. (“Stay the Course — Keep the Faith, “Ensign, November 1995, p. 72)
Emociono-me pela confiança e pelos gestos de amor expressos pelo povo desta Igreja. Agradeço a
vocês que estão tentando fazer o que é certo, que pagam seus dízimos, que vivem a Palavra de
Sabedoria, que cumprem o seu dever ao ensinar, presidir e fazer as pequenas e grandes coisas que
fazem o reino de Deus avançar. Vocês homens e mulheres, vocês meninos e meninas, dobrem seus
joelhos e orem. Isso não acontece hoje com a freqüência que costumava acontecer neste país. Não há
um homem ou mulher neste grande recinto hoje que não ore. Que coisa notável e magnífica! Que
grande poder sustentador tem no mundo aquele que reconhece que Deus está nos céus e tudo está bem
com um mundo que busca ao Senhor em humildade pedindo-lhe, em nome de Seu Filho Amado, que
derrame Suas bênçãos não somente sobre ela ou ele, mas também sobre os outros. Uma vez ouvi o
Presidente Lee falar na Europa que “nós dessa Igreja relativamente pequena poderíamos tornar-nos os
poucos que salvariam o mundo da destruição, como ocorreu quando Abraão negociou com o Senhor
com relação às cidades das planícies.” Nossa responsabilidade é imensa, e grande e maravilhosa é a
nossa oportunidade como filhos e filhas de Deus. Cada um de nós é um filho de Deus. Nunca nos
esqueçamos que somos filhos de Deus em todos os momentos, em todas as circunstâncias, em todas as
condições e ambientes que possamos encontrar-nos, e que nunca haverá tempo, época ou circunstância
em que possamos rebaixar nossos padrões. (Smithfield/Logan Utah Regional Conference, April 21,
1996)
Deus abençoe vocês, meus companheiros neste grande trabalho. Estamos todos juntos nessa obra.
Nenhum de nós pode errar sem que, de algum modo, humilhe toda a Igreja. Nenhum de nós pode fazer
o bem sem que, de algum modo, elevemos toda a Igreja. Vocês são importantes. Cada um é importante.
Somos todos parte disso. Podemos melhorar. Oro para que trabalhemos mais, com um pouco mais de
devoção, um pouco mais de amor, um pouco mais de oração e mais entusiasmo. Esta é a obra do
Senhor. Esta não é minha Igreja, é a Igreja do Senhor. Ele a dirige. Estamos aqui meramente para fazer
o que Ele solicitar, para dar ouvidos à Sua voz, e tentar fazer o melhor que pudermos. (Pittsburgh
Pennsylvania Regional Conference, priesthood leadership session, April 27, 1996)
O teste de nossas convicções com relação a este trabalho está no nosso modo de viver. Reunimo-
nos como Igreja para fortalecermos uns aos outros, para edificarmos uns aos outros, e para que cresça a
nossa resolução de vivermos como devem viver os filhos e filhas de Deus. Quando olho em seu rosto,
vejo força. Vejo amor pelo Senhor. Vejo desejo de viver o evangelho. Mas não atingimos a perfeição.
Individualmente estamos muitos distantes dela. Ainda temos muito a ser feito. Trabalhemos nisso em
todos os momentos e em todas as circunstâncias. Sejamos fiéis. Nunca nos esqueçamos de quem
somos. (Copenhagen Denmark Fireside, June 14, 1996)
Deixe que cada homem, mulher e criança faça o trabalho do Senhor melhor, com mais vigor e com
mais empenho do que jamais foi feito. É a qualidade de nossa vida que faz a diferença. É a nossa
resolução de viver o evangelho de Jesus Cristo que faz a diferença. Este é um tema individual. Se todos
oramos, a Igreja se fortalece muito mais. E assim acontece com cada princípio do evangelho. Sejamos
parte dessa grande causa que avança e cresce sobre toda a Terra. É imperativo que assim o façamos. A
convicção pessoal que habita no coração de cada um de nós é a verdadeira força da Igreja. Sem ela,
temos muito pouco; com ela, temos tudo. (Jacksonville Florida West Conference, January 19, 1997)
Sinto que devo dizer: Melhorem! Podemos nos sair melhor do que nos estamos saindo. Temos que
nos sair melhor do que nos estamos saindo. O mundo aproxima-se cada vez mais de nós. Utah foi
descoberto. As pessoas estão-se mudando de todo o país e vindo morar [em Utah], e devemos nos
posicionar e sermos verdadeiros santos dos últimos dias. Não há lugar para aqueles que ficam em cima
do muro. “Quem segue ao Senhor? Hoje podemos ver; Clamemos sem temor: Quem segue ao Senhor?”
(Hinos, nº 150) (Brigham City Utah Regional Conference, February 23, 1997)
CONFERÊNCIA GERAL
É bem provável que não nos lembremos de muitas palavras que foram ditas no decorrer das
reuniões desta conferência. Mas espero que sejamos capazes de manter o espírito, levando conosco uma
sensação edificante de havermos juntos participado dela. Foram dias gloriosos. O Espírito do Senhor
esteve conosco. Temos todos os motivos para nos sentirmos gratos. Tanto o nosso testemunho como a
nossa fé foram fortalecidos.
Ouvimos conselhos sábios daqueles que nos dirigiram a palavra. Assim, espero que as leiamos
quando esses discursos forem publicados, e saboreemos novamente, para o nosso benefício, aquilo que
foi dito. (“Let Us Go Forward!” Ensign, November 1983, p. 74)
Essas conferências gerais a cada seis meses são ocasiões para crescer na fé e no amor pelo Senhor
e Sua obra eterna. (“A Prophet’s Testimony,’” Ensign, May 1993, p. 93)
Meus irmãos e irmãs, é maravilhoso termos a oportunidade de nos reunirmos a cada seis meses
nessas grandiosas conferências mundiais. Reunimo-nos, pessoas de todo o mundo, para prestar
testemunho uns aos outros, para receber instruções, para nos associarmos como irmãos e irmãs.
Partilhamos dessa integração, tão agradável, parte tão importante da cultura desta grande organização.
(“As We Gather Together,” Ensign, November 1995, p. 4)
CONHECIMENTO
Ver também Educação
Há (...) uma incumbência posta sobre vocês que são membros de A Igreja de Jesus Cristo dos
Santos dos Últimos Dias: a responsabilidade de observar o mandamento de continuar a estudar e
aprender. Disse o Senhor: “Sim nos melhores livros buscai palavras de sabedoria; procurai
conhecimento, sim, pelo estudo e também pela fé”. (D&C 88:118)
Ele deixa claro mais adiante que a nossa busca pela verdade deve ser abrangente, que
necessitamos aprender: “tanto as coisas do céu como da Terra e de debaixo da Terra; coisas que foram,
coisas que são, coisas que logo hão de suceder; coisas que estão em casa, coisas que estão no
estrangeiro; as guerras e complexidades das nações e os julgamentos que estão sobre a terra; e também
um conhecimento de países e reinos”. (D&C 88:79)
Que responsabilidade nos foi dada de crescer constantemente no caminho da eternidade (...)
Devemos ser incansáveis na busca da verdade. Essa verdade deve incluir a verdade espiritual e religiosa
como também a secular.. Joseph F. Smith (...) declarou: “Acreditamos em toda a verdade, não importa a
que assunto ela se refira. Nenhuma seita ou denominação religiosa no mundo possui um único princípio
da verdade que nós não aceitemos ou que rejeitaremos. Estamos dispostos a receber toda a verdade. De
qualquer fonte que seja: pois a verdade perdurará, a verdade permanecerá. Não há fé, não há religião,
nenhuma religião em todo o mundo que possa jamais se erguer acima da verdade”. (Quoted from
Gospel Doctrine Priesthood Course of Study, 1971, vol. 1, pp. 11–12) (“The Continuing Pursuit of
Truth, “ BYU-Hawaii Commencement Address, June 18, 1983)
Um estudioso recentemente afirmou ser a Igreja inimiga do intelectualismo. Se intelectualismo
para ele é o ramo da filosofia que ensina “a doutrina de que o conhecimento é puramente ou
principalmente derivado da pura razão” e que “a razão é o principio final da realidade”, então, sim,
somos contra a uma interpretação tão restrita no que tange à religião.” (Definições do Random House
Dictionary of the English Language, p. 738) Tal interpretação exclui o poder do Espírito Santo em falar
para e por intermédio do homem. Naturalmente acreditamos no desenvolvimento da mente. A ênfase
dessa universidade em ensinar os cursos seculares que aqui são oferecidos é evidência total de nosso
empenho em refinar a mente, mas o intelecto não é a única fonte de conhecimento. (“The Continuing
Pursuit of Truth,” BYU-Hawaii Commencement Address, June 18, 1983)
Nenhum de nós pode pensar que já aprendeu o suficiente. Quando uma porta se fecha numa fase
da vida, ela se abre na outra, onde devemos continuar a buscar conhecimento. Nossa busca pela
verdade deve ser incessante. (...) Ao prosseguirmos na vida em busca da verdade, procuremos o que é
bom, bonito e positivo. (“The Continuing Pursuit of Truth,” BYU-Hawaii Commencement Address,
June 18, 1983)
Somos constantemente lembrados que há razão para alarme em nossa nação. É horrível ler, por
exemplo, que o analfabetismo está aumentando. As firmas que empregam grande número de
trabalhadores estão alarmadas com as qualificações de alguns dos que eles empregam. O Comitê de
Conferências recentemente fez um levantamento de 163 grandes companhias numa variedade de
indústrias. E agora cito o que foi descoberto: “Aproximadamente 20 por cento das firmas alegam
estarem tendo problemas para encontrar trabalhadores que saibam ler o suficiente para preencherem
níveis mais baixos. Quase 50 por cento dizem que entre 15 por cento e 35 por cento dos empregados
atualmente não são capazes de lidar com tarefas mais complexas, e 10 por cento dizem que cerca da
metade de seus trabalhadores atuais não têm as habilidades necessárias para promoção. (...)
Aproximadamente um quarto dos atuais estudantes que ingressam no segundo grau não irão se formar,
e aqueles que o fazem serão menos instruídos do que os que o concluíram na década passada”.
Essa avaliação vem de um artigo recente do Wall Street Journal. (9 October 1990, p. A2) (...) Uma
das razões para essas condições está na maneira em que muitos despendem a maior parte de seu tempo.
Lamento a terrível perda de recursos intelectuais de tantas pessoas desta nação que devotam horas
sem fim assistindo bobagens na televisão. Que coisa maravilhosa é, de outro modo, ser encontrado
submerso (...) no mundo dos livros onde se pode caminhar com os grandes pensadores de todos os
tempos. Novamente, no Wall Street Journal havia uma coluna escrita pelo antigo redator do Chicago
Tribune. Ele escreveu sobre certos aspectos da televisão e então perguntou:
“Qual é o mistério (...) acerca de uma sociedade que tem os modos de uma banda de rock, os
princípios morais de uma novela, a capacidade de decisão dos Simpsons e deseja financiar o governo
com Visa e American Express? Por que deveríamos estar surpresos que nossa cultura básica seja
dominada pela televisão comercial, com sua constante preocupação com os níveis de audiência, com
oferecer ao público o que ele deseja, com sua abordagem superficial do mundo? (Jim Squires,
“Television’s Civil War,” Wall Street Journal, 8 October 1990, p. A10)
Este velho mundo precisa ser posto em ordem. Necessita de liderança. (...) Georg Wilhelm
Friedrich Hegel uma vez fez uma declaração em que dizia que os que não lêem a respeito da história
acabarão por repeti-la. (“Out of Your Experience Here,” BYU 1990–91 Devotional Fireside Speeches,
October 16, 1990, p. 28)
Afinal, somos todos estudantes. Se vier o dia em que pararmos de aprender, estejam atentos.
Iremos apenas nos atrofiar e morrer. Todos podemos aprender e aprender bem. (Oahu Hawaii Regional
Conference, February 18, 1996)
Há um grande potencial dentro de cada um de nós para que prossigamos aprendendo. Não importa
a nossa idade, a menos que haja doenças sérias, podemos ler, estudar e nos saciar com os escritos de
homens e mulheres de valor. O Dr. Joshua Liebman uma vez comentou:
“Uma grande coisa é que enquanto vivermos teremos o privilégio de crescer. Podemos aprender
novas habilidades, envolver-nos em novos tipos de trabalho, devotar-nos a novas causas, fazer amigos.
Aceitando então a verdade de que somos capazes para algumas coisas e limitados para outras, que os
gênios são raros, que a mediocridade é a porção da maioria de nós, lembremo-nos que podemos e
devemos mudar a nós mesmos. Podemos crescer até o dia de nossa morte. Podemos fazer sempre novas
descobertas em nosso processo de desenvolvimento”. (Getting the Most Out of Life, p. 120)
Nós, membros dessa Igreja, recebemos uma maravilhosa promessa feita pelo próprio Senhor. Ele
disse: “Aquilo que é de Deus é luz; e aquele que recebe luz e persevera em Deus recebe mais luz; e essa
luz se torna mais e mais brilhante, até o dia perfeito”. (D&C 50:24)
É magnífica essa afirmação. É um dos meus versículos favoritos das escrituras. Ele fala de
crescimento, desenvolvimento, de um caminho que nos leva em direção à Divindade. Ele segue de mão
em mão com essas grandes declarações: “A glória de Deus é inteligência ou, em outras palavras, luz e
verdade” (D&C 93:36); “E se nesta vida uma pessoa, por sua diligência e obediência, adquirir mais
conhecimento e inteligência do que outra, ela terá tanto mais vantagem no mundo futuro” (D&C
130:19); e, “qualquer princípio de inteligência que alcançarmos nesta vida, surgirá conosco na
ressurreição”. (D&C 130:18)
Que grande desafio é encontrado nessas maravilhosas afirmações. Devemos estar sempre
progredindo. Precisamos aprender continuamente. É um mandamento divino que devemos aumentar
nosso conhecimento.
Temos acesso às aulas do instituto, a cursos de extensão, a semanas educacionais, e muitas outras
oportunidades. Ao estudarmos e igualarmos nossa mente à de outras pessoas, descobriremos que dentro
de nós há um imenso reservatório de capacidade. (Salt Lake Valley Single Adult Fireside, September
22, 1996)
CONSAGRAÇÃO
Ver também Sacrifício
Estou segurando em minhas mãos uma “moeda da viúva”. Foi-me dada em Jerusalém muitos anos
atrás e disseram-me que é genuína. (...) Guardo-a em meu escritório como uma constante lembrança da
terrível responsabilidade de se gastar o que é consagrado pelos membros da Igreja. A maior parte dos
fiéis santos dos últimos dias que pagam seu dízimo são homens e mulheres de modestos recursos. Eles
não somente pagam o dízimo, mas também contribuem de outras maneiras para o fortalecimento dessa
obra.
Há algum tempo atrás, uma senhora idosa e encurvada veio ao meu escritório. Vou chamá-la de
Mary Olsen, apesar deste não ser seu nome, pois ela não gostaria de ter sua identidade divulgada. Ela
disse ter acabado de chegar do templo. Tirou da bolsa o talão de cheques. Contou-me que está viúva há
muitos anos e que sua vida não tem sido fácil. Ela amava muito ao Senhor e a Igreja e fielmente pagou
o dízimo durante toda a vida. Sentia que não viveria muito mais tempo e que deveria ajudar mais do
que já havia feito. Com as mãos tremendo devido à idade assinou um cheque de 5.000 dólares. Ela o
entregou a mim. Notei o endereço onde morava, numa vizinhança pobre. Confesso que quando olhei
para aquele cheque lágrimas vieram-me aos olhos. Já tive cheques muito maiores em minhas mãos, mas
quando o dessa senhora viúva me foi entregue, fui dominado pela sua fé e seriedade ao me confiar sua
sagrada contribuição. (“The Widow’s Mite,” BYU 1985–86 Devotional and Fireside Speeches,
September 17, 1985, p. 10)
CONTROLE DE NATALIDADE
Muito tem-se falado (...) sobre o controle de natalidade. Gosto de pensar no lado positivo da
equação, do significado e santidade da vida, do propósito deste estado em nossa jornada eterna, da
necessidade de experiências na vida mortal sob o grande plano de Deus nosso Pai, da alegria que
encontramos em lares onde existem crianças e das bênçãos advindas de uma boa posteridade. Quando
penso nesses valores e os vejo ensinados e considerados, então sinto-me inclinado a deixar a questão de
números para o homem e a mulher e o Senhor. (“If I Were You, What Would I do?” BYU 1983–84
Fireside and Devotional Speeches, September 20, 1983, p. 11)
CONVÊNIOS
Ver Batismo; Povo do Convênio; Sacramento; Templo
CONVERSÃO
Ver também Trabalho Missionário de Tempo Integral
A disciplina sem nenhum outro propósito que a própria disciplina é repressiva.
Não está de acordo com o espírito do evangelho de Jesus Cristo. Ela é freqüentemente obedecida
por temor e seus resultados são negativos.
No entanto, quando é positiva e advém da convicção pessoal ela edifica e fortalece de maneira
maravilhosa. Em termos de religião, quando um homem é motivado por uma grande e vigorosa
convicção da verdade, ele disciplina-se a si mesmo. Ele não o faz devido a exigências que lhe sejam
feitas pela Igreja, mas devido ao conhecimento, em seu coração, de que Deus vive; de que ele é um
filho de Deus com um potencial eterno e ilimitado; de que há alegria em servir e satisfação em trabalhar
por uma grande causa. (Be Thou an Example [Salt Lake City: Deseret Book, 1981], p. 5)
Um converso é um homem, uma mulher, ou uma criança. Um converso é um espírito vivo cuja
vida recebeu novo conhecimento, luz e entendimento.
Os conversos são aqueles que foram ensinados e aceitaram o evangelho restaurado de Jesus Cristo.
São aqueles que têm uma nova fé no coração e um novo entendimento em sua mente. São aqueles que
desejam viver padrões mais elevados de comportamento. São os que compartilham de uma nova
felicidade e um enorme círculo de amigos. São os que tiveram sua visão ampliada e um entendimento
maior dos propósitos de Deus. (“‘The Field Is White Already to Harvest,’” Ensign, December 1986, pp.
3–4)
Conheci um oficial da marinha de uma nação distante, um jovem brilhante que fora trazido aos
Estados Unidos para treinamento adiantado. A maneira de ser de alguns de seus colegas da Marinha
dos Estados Unidos o havia impressionado, e a pedido seu falaram-lhe de suas crenças religiosas. Ele
não era cristão, mas estava interessado. Falaram-lhe a respeito do Salvador do mundo, Jesus Cristo,
nascido em Belém, que deu a vida pela humanidade. Contaram-lhe da visita de Deus, o Pai Eterno, e do
Senhor ressurreto ao menino Joseph Smith. Falaram-lhe dos profetas modernos. Ensinaram-lhe o
evangelho do Mestre. O Espírito tocou-lhe o coração, e ele foi batizado.
Ele foi-me apresentado pouco antes de retornar à sua terra natal. Conversamos sobre essas coisas,
e então eu disse: “Seu povo não é cristão. O que acontecerá quando voltar para casa cristão,
especialmente um cristão mórmon?”.
Seu semblante entristeceu-se e ele respondeu: “Minha família ficará decepcionada. Eles poderão
rejeitar-me e considerar-me morto. Quanto ao meu futuro e a minha carreira, todas as portas poderão
estar fechadas”.
Perguntei-lhe: “Está disposto a pagar um preço tão alto pelo evangelho?”
Os olhos escuros, marejados de lágrimas, brilharam no belo rosto moreno ao responder: “É
verdadeiro, não é?”
Envergonhado por ter feito a pergunta, respondi: “Sim, é verdadeiro”.
A isso ele replicou: “Então, o que mais importa?”
Gostaria de deixar com vocês as mesmas perguntas: “É verdadeiro, não é? Então, o que mais
importa?” (“‘It’s True, Isn’t It?’” Ensign, July 1993, p. 2)
Alguns indivíduos somente foram batizados, não foram integrados e em dois ou três meses eles se
despedem. É tão importante, meus irmãos e irmãs, providenciar para que eles sejam convertidos e
tenham em seu coração uma convicção dessa grande obra. Não é uma questão que envolve somente a
cabeça e sim o coração, que deve ser tocado pelo Espírito Santo até que saiba que essa obra é
verdadeira, que Joseph Smith foi verdadeiramente um profeta de Deus, que Deus vive e que Jesus
Cristo vive e que eles apareceram ao menino Joseph Smith, que o Livro de Mórmon é verdadeiro, que o
sacerdócio está aqui com todas as suas dádivas e bênçãos. Por mais que eu enfatize isso, ainda não é o
suficiente. (Colombia Bogota North, South, and Missionary Training Center Missionary Meeting,
November 8, 1996)
Anos atrás, quando eu dirigia o Departamento Missionário, permitimos que alguns missionários
tivessem carro nos Estados Unidos se a família deles mantivesse os carros. Nunca se viu tal coleção de
carros. Um dia um pai veio me ver e disse que gostaria de levar um carro para o filho em Los Angeles.
Ele estava andando de bicicleta e seu pai temia que ele morresse. Então, concordamos que ele poderia
ter um carro. Ele veio até a mim, depois de haver entregado o carro ao filho, para me contar o que
aconteceu. Ele dirigiu o carro de Salt Lake até Los Angeles. Achou o lugar onde o filho residia, bateu
na porta, e o filho veio até a porta e disse: “Pai, é bom ver você. São essas as chaves do carro? Dê para
mim. Temos um batismo em trinta minutos. Precisamos ir para a capela. Tem um restaurante ali na
esquina, vá até lá, coma alguma coisa e então pegue um táxi para a capela.” Os missionários saíram no
carro e o pai disse a si mesmo: “Ele ainda é o mesmo ingrato que sempre foi”. O pai decidiu que iria
para casa.
Depois que ele comeu um pouco, sentiu-se melhor e decidiu que iria à reunião. Eles haviam
terminado o batismo e estavam tendo uma reunião de testemunhos quando o pai chegou a capela. Um
homem levantou-se e disse: “Sou um homem velho, mas hoje nasci de novo. Sou formado por três
universidades, mas aprendi coisas que nunca aprendi na escola. Sou tão grato por aquele missionário
que está ali por ter me ensinado o evangelho que mal posso expressar meus agradecimentos”. Então,
uma mulher se levantou, falou coisas semelhantes e apontou para o mesmo missionário. Esse homem
disse: “Eles estavam falando sobre o meu filho e eu estava no fundo da capela chorando como um
bebê”. Ele disse pensativamente: “Saí da capela e joguei fora os cigarros que tinha no bolso. Cheguei
em casa e joguei o pote de café no lixo. Estou tentando viver de modo a ser digno do meu filho”. Vi
esse homem no Templo de Salt Lake um pouco mais que um ano atrás. (Honduras Tegucigalpa
Missionary Meeting, January 22, 1997)
CORAGEM
Não há coragem maior do que a coragem da consciência. Não é nunca agitada nem barulhenta. É
uma moldagem tranqüila do espírito que do ferro macio constrói o aço duro, e dá o desejo de realizar
qualquer coisa que necessite ser feita para preservar a integridade da crença e das ações. (Utah
Mayflower Society Dinner, November 16, 1994)
CORPO FÍSICO
Ver também Mortalidade
Você já contemplou a maravilha de seu ser, os olhos para ver, os ouvidos para escutar e a voz para
falar? Nenhuma câmera jamais construída chegou aos pés da maravilha que é o olho humano. Nenhum
método de comunicação já inventado pode ser comparado à voz e ao ouvido. Nunca se construiu uma
bomba capaz de funcionar por tanto tempo e suportar uma carga de trabalho tão pesada quanto o
coração humano. Que maravilha é cada um de nós! Podemos pensar durante o dia e sonhar durante a
noite. Podemos falar, ouvir, cheirar e tocar. Olhe para os seus dedos. A mais habilidosa tentativa de
reproduzi-lo mecanicamente resultou somente numa grosseira aproximação. A próxima vez que usar os
dedos, observe-os e sinta como são incríveis.
Há não muito tempo atrás estive no Symphony Hall em Salt Lake para assistir a um concerto. De
onde estava sentado podia ver os dedos dos músicos da orquestra. Cada um, ao tocar os instrumentos de
cordas, os instrumentos de percussão, os metais, todos faziam uso dos dedos. Não é preciso usar os
dedos para cantar, mas, fora isso, haveria pouca harmonia musical sem a ação de dedos treinados.
Acredito que o corpo humano seja a criação da divindade. George Gallup uma vez comentou: “Eu
poderia provar Deus estatisticamente. Considere o corpo humano por si só: a chance de que todas as
funções de uma pessoa aconteçam por acaso é altamente improvável do ponto de vista estatístico”.
(“Articles of Belief,” Boneville International Corporation Management Seminar, February 10, 1991)
Nosso corpo é sagrado. Ele foi criado à imagem de Deus. Ele é maravilhoso, é a criação suprema
da Divindade. (...) O ouvido e o cérebro são um milagre. A capacidade de perceber ondas sonoras e
convertê-las em linguagem está quase além de nossa imaginação. (...) Todos esses órgãos além de
outras partes do corpo, demonstram a genialidade divina e onipotente de Deus, que é o nosso Pai
Eterno. Não posso compreender por que alguém teria o desejo de prejudicar conscientemente o próprio
corpo. Isso, porém, acontece à nossa volta todos os dias, quando homens e rapazes tomam bebidas
alcoólicas e usam drogas ilegais. Que grande desgraça são essas coisas. Por causa de uma breve
sensação de prazer, as pessoas introduzem no próprio organismo substâncias que lhes tiram o auto
controle, viciam, são extremamente dispendiosas, escravizam e nada proporcionam de bom. (“‘Be Ye
Clean,’” Ensign, May 1996, p. 48)
CRESCIMENTO E PROGRESSO DA IGREJA
O extraordinário progresso desta Igreja não é tanto o resultado das exigências da Igreja sobre seus
membros, mas sim o resultado da convicção no coração dos membros de que esta é de fato a obra de
Deus e que felicidade, paz e satisfação são frutos de um trabalho virtuoso. (Be Thou an Example [Salt
Lake City: Deseret Book, 1981], p. 5)
Em 1960 (...) recebi da Primeira Presidência a designação de cuidar dos presidentes de missão,
missionários e santos na Ásia. A Igreja era fraca e pequena nessa parte da Terra. A semente fora
lançada no Japão, Taiwan e Coréia por fiéis santos dos últimos dias que prestavam serviço militar, mas
era pequena e instável. Não possuíamos prédios próprios; os pequenos grupos reuniam-se em casas
alugadas que, no inverno, eram frias e desconfortáveis. A Igreja conseguia converter pessoas, mas a fé
de algumas era fraca e elas logo desapareciam. Não obstante, restava um grupo de maravilhosos
homens e mulheres fortes que olhavam para além da adversidade do momento. Encontravam sua força
na mensagem, não nas instalações. Continuam fiéis até hoje e seu número tem-se multiplicado por
dezenas de milhares.
Poucos domingos atrás, realizamos uma conferência regional em Tóquio. O espaçoso salão foi
totalmente ocupado. (...) O Espírito do Senhor se fazia sentir. Uma atitude de fé predominava naquela
vasta congregação. Para mim, que conheci os dias em que éramos fracos e poucos em número, era
como contemplar um milagre, pelo qual rendo graças ao Senhor.
Tivemos uma experiência semelhante em Hong Kong. (...)
A seguir em Seul, Coréia, meu coração comoveu-se quando, chegando ao maior salão existente
nessa grande cidade, encontramos todos os lugares ocupados pelos membros da Igreja de Jesus Cristo
dos Santos dos Últimos Dias e seus convidados. Um magnífico coro de trezentas e vinte vozes cantou
como primeiro hino: “Que Manhã Maravilhosa!” (Hinos, nº 12) Foi uma comovente evocação da
primeira visão do Profeta Joseph Smith.
Havia conhecido a Coréia do Sul em seus dias de pobreza e reconstrução após a terrível guerra.
Quando lá cheguei pela primeira vez, tínhamos seis missionários em Seul e dois em Pusan, alguns deles
acometidos de hepatite. Hoje, temos quatro missões bem sucedidas nesse país, com cerca de seiscentos
missionários. Muitos deles são filhos e filhas da Coréia, inclusive moças belas e inteligentes em cujo
coração arde a luz da fé. Há também entre eles, jovens que abandonaram os estudos por algum tempo a
fim de servirem em uma missão. Esses rapazes enfrentam enormes pressões por causa das exigências
militares e educacionais, mas têm fé no coração.
Quando estive na Coréia pela primeira vez, tínhamos lá dois ou três pequenos ramos. Hoje,
existem cento e cinqüenta unidades locais da Igreja, tanto alas como ramos. Na época era um pequeno e
isolado distrito da Missão Extremo Oriente Norte, sem nenhuma capela. Hoje, são 14 estacas com 47
capelas próprias, 52 alugadas e mais outras em construção.
Senti naquela congregação, três semanas atrás, um espírito que me tocou até o fundo da alma. Vi
os doces frutos da fé. Sabia de quanto lutaram no princípio para estabelecer uma Igreja desconhecida;
conheci a pobreza do povo. Agora há força, vigor; existe prosperidade jamais imaginada. Reina ali um
cálido espírito de solidariedade. Contam com famílias de devotados pais e mães, e boas e belas
crianças.
São um povo que eu amo, e amo-o por causa de sua fé. São inteligentes e instruídos; trabalhadores
e progressistas; são humildes e oram constantemente. São um exemplo para outros pelo mundo afora.
(“Lord, Increase Our Faith,” Ensign, February 1988, p. 6)
O progresso da Igreja em nossos dias é verdadeiramente assombroso. O Deus do céu fez este
milagre nos últimos dias, e o que temos visto é nada mais que uma antecipação de coisas maiores que
ainda virão. (“We Have a Work to Do,” Ensign, February 1988, p. 6)
Essa obra diz respeito a pessoas, a cada filho e filha de Deus. Ao descrever o que foi alcançado,
falamos em termos de números, mas todos os nosso esforços devem ser dedicados ao desenvolvimento
do indivíduo. (“This Work Is Concerned with People,” Ensign, May 1995, p. 53)
Você faz parte dessa grande mudança dos últimos dias que está ocorrendo sobre a Terra. A irmã
Hinckley comentou que estivemos no Brasil. Estivemos em outros lugares também além do Brasil.
Primeiro fomos à Colômbia, e então ao Peru, depois à Bolívia onde dedicamos a Terra para um templo
em Cochabamba. Estava chovendo terrivelmente, mas fizemos o nosso serviço de dedicação lá. Dali
fomos a Santiago, Chile, e foi muito agradável estar lá; e então fomos para Buenos Aires, Argentina,
onde nos reunimos com aproximadamente 50.000 pessoas num grande estádio de futebol. Fomos de
Buenos Aires para Porto Alegre, Brasil, e então para São Paulo, onde tivemos uma outra grande
multidão de pessoas num estádio de futebol; e então para Recife (...) [onde] dedicamos a Terra para um
novo templo. Então, fomos para Manaus, cerca de 1.600 quilômetros acima no rio Amazonas, onde a
Igreja está crescendo. Existem lá três estacas de Sião agora. Temos 137 estacas no Brasil. Estamos
progredindo. Oh, como as coisas estão crescendo na América do Sul. A Igreja está crescendo de modo
magnífico e singular. (...)
O irmão [Richard G.] Scott fala espanhol. Ele está aprendendo português. Ele fala inglês. Isso quer
dizer que ele pode falar para mais de 80 por cento dos membros da Igreja em sua língua natal. Pensem
nisso. Estão acontecendo coisas maravilhosas. Este trabalho está-se expandindo sobre a Terra. “Este
evangelho (...) será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim”.
(Mateus 24:14) Isto é exatamente o que está acontecendo. Somos agora 150 nações, falando muitas
línguas. Temos mais membros fora dos Estados Unidos do que nos Estados Unidos. (...) Certamente,
esta obra está progredindo de modo grandioso e admirável. (Miami Florida Fireside, November 17,
1996)
Em 1930, no centésimo aniversário da organização da Igreja, metade dos Santos do Últimos Dias
do mundo residiam no Estado de Utah. Em 1996 somente 17 por cento dos membros da Igreja residiam
em Utah, mas hoje nós temos quatro vezes mais membros em Utah que tínhamos em 1930. Alguns
deles, aliás, mudaram-se da Califórnia. Ano passado tivemos mais conversos no Estado de Utah do que
em todo o Reino Unido. Disseram-me que somos a segunda maior denominação cristã nos Estados
Unidos. Um ano atrás passamos do ponto onde havia mais membros da Igreja fora dos Estados Unidos
do que nos Estados Unidos.
Enfatizamos a importância da educação. A Igreja mantém e subsidia a maior universidade
particular da América, se não for do mundo, que é a BYU com cerca de 27.000 estudantes
matriculados. Proporcionamos instrução religiosa para cerca de 363.000 jovens com um programa
mundial de seminário e instituto.
Mantemos a maior instalação de história da família do mundo. Aproximadamente 70 por cento dos
que usam essas instalações não são membros da Igreja. Com sua grande biblioteca central e estações de
satélites através do mundo é, de fato, um lugar cada vez mais conhecido para pesquisar-se suas raízes.
Temos um programa muito importante de bem-estar com fazendas, leiterias, fábricas de conserva e
outras instalações que cuidam de nossos pobres. Também, doamos nos cinco últimos anos cerca de
US$138.000.000 de auxílio humanitário para os que sofrem no mundo. A grande maioria dos
recipientes desse auxílio não são da nossa fé.
Mantemos a maior organização missionária de que tenho conhecimento, com 55.000 missionários
no campo com seus próprios recursos. A maioria deles são rapazes que ficam na missão por dois anos.
A Igreja está crescendo a razão de cerca de 4 por cento ao ano. Este número é bastante
significativo numa base aproximada de dez milhões.
Estamos construindo cerca de 350 a 400 novas capelas a cada ano para acomodar nosso povo.
Iremos fazer neste verão a abertura da Terra para um novo e espaçoso local de reuniões em Salt Lake
City. O famoso tabernáculo de Salt Lake, construído sob a direção de Brigham Young, fica cada vez
menor à medida que a Igreja vai-se expandindo cada vez mais. (...)
Em um mundo de valores transitórios, ou sem valores nenhum, trabalhamos para fortalecer a
família e manter a estabilidade nos lares de nosso povo. Achamos que estamos sendo bem sucedidos.
Mantemos a maior organização de mulheres, que seja do meu conhecimento, com cerca de 3,9
milhões de membros. Uma presidência composta de mulheres fortes e capazes preside a organização e
também serve nos comitês e juntas da Igreja.
Uma vasta organização de mais de 23.000 congregações é liderada por ministros não remunerados
que doam seu tempo para dirigir essas congregações.
Nossos antepassados não tiveram nenhuma ajuda do governo, nenhum empréstimo bancário ou de
outras instituições de crédito. Atualmente A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias está
livre de dívidas graças a fé dos membros no pagamento de seus dízimos. E desse modo ela deve
prosseguir. (...) (Los Angeles World Affairs Council Meeting, March 6, 1997)
CRIANÇAS
Ver também Família
Levamos alguns dos nossos netos ao circo uma noite. Estava mais interessado em observá-los, e os
muitos outros de sua idade, do que a assistir ao homem no trapézio voador. Eu olhava para eles
maravilhado enquanto eles riam e observavam com olhos abertos e atentos todas as coisas
emocionantes que se apresentavam diante deles. E então pensei no milagre que são as crianças; elas são
a renovação constante da vida e o propósito do mundo. (...)
(...) O mundo daqui a alguns anos depende da maneira em que treinamos a nova geração. Se você
está preocupado com o futuro, atente para a criação de seus filhos. O escritor de Provérbios sabiamente
declarou: “Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará
dele”. (Proverbs 22:6) (Be Thou an Example [Salt Lake City: Deseret Book, 1981], p. 35)
Nem nunca nos esqueçamos da necessidade de respeitar esses nossos pequeninos. Através de
revelação dada pelo Senhor, sabemos que eles são filhos de Deus assim como somos filhos de Deus,
merecendo o respeito que advém deste princípio eterno. Na verdade, o Senhor deixou claro que a
menos que desenvolvamos em nossa própria vida tal pureza, tal inocência do dolo e do mal, não
poderemos entrar em Sua presença. Ele declarou: “Se não vos converterdes e não vos fizerdes como
meninos, de modo algum entrareis no reino dos céus.” (Mateus 18:3) (Be Thou an Example [Salt Lake
City: Deseret Book, 1981], p. 39)
Diz uma velha quadrinha popular que meninas são feitas de doçura, aromas e coisas bonitas.
Muito mais importante, porém, é que são a promessa do futuro. Através delas, acabam-se filtrando as
qualidades de todas as gerações anteriores que devem tornar-se os ossos e tecidos, o intelecto e espírito
das gerações vindouras.
A vocês, garotas, digo com toda a força e convicção: Sejam gentis, sejam fortes, sejam bondosas,
virtuosas e maravilhosas. Sinto que de alguma forma o Senhor se referia também a vocês, quando disse:
“Se (...) não vos fizerdes como meninos, de modo algum entrareis no reino dos céus.” (Mateus 18:3)
Channing Pollock, o talentoso escritor e teatrólogo, desejou certa vez, através de um seu personagem,
que todos pudéssemos nascer velhos para depois irmos ficando mais moços e cada vez mais inocentes
até que, ao morrer, fôssemos como criancinhas. (“Live Up to Your Inheritance,” Ensign, November
1983, p. 81)
As crianças são a síntese da inocência, são a síntese da pureza, são a síntese do amor, são a síntese
da esperança e alegria neste mundo difícil e confuso. (“Behold Your Little Ones,” Children’s Fireside
Satellite Broadcast, January 23, 1994)
Houve terríveis incêndios na mata do Parque Nacional de Yellowstone em 1988. A cada dia, os
noticiários traziam-nos vívidas imagens da intensidade dos incêndios que se espalhavam por milhares
de hectares e destruíam milhões de árvores. As chamas finalmente se extinguiram, e as pessoas
literalmente prantearam o quadro desolador dos inúmeros pinheiros com os topos queimados, os
troncos retos e crestados parecendo marcar os túmulos de um cemitério superlotado.
Ao visitarmos o parque há mais ou menos um mês, porém, vimos algo bastante interessante. Os
pinheiros mortos continuavam lá, mas entre as árvores queimadas plantinhas novas brotavam do chão,
milhões delas.
É óbvio que, ao serem atingidas pelo fogo, as pinhas explodiram, espalhando as sementes pelo
solo. Há agora uma nova geração de árvores, belas, jovens e promissoras. As velhas árvores acabarão
por cair e as novas crescerão, criando uma floresta de grande beleza e utilidade.
Como observou o poeta indiano Tagore: “Cada criança nasce trazendo a mensagem de que Deus
ainda não perdeu a esperança na humanidade”. [Charles L. Wallis, ed., The Treasure Chest, New York:
Harper and Row, 1965, p. 49]
As crianças são a promessa do futuro. Elas são o próprio futuro. (“Save the Children,” Ensign,
November 1994, p. 52)
Como é grande nossa responsabilidade; como é séria a responsabilidade dos cristãos de boa
vontade de todo o mundo de tentar aliviar as condições das crianças que sofrem, de removê-las dessa
rotina de desespero em que vivem. (...)
Com certeza, depois de todas as histórias que lemos, depois de todo o sofrimento do qual tomamos
conhecimento, depois de toda a exploração da qual ficamos cientes, podemos fazer mais do que
estamos fazendo atualmente para alterar as condições miseráveis que condenam milhões de crianças a
uma vida em que existe muito pouca felicidade; que é tragicamente curta e plena de dor.
Não precisamos viajar a metade do planeta para encontrar crianças que sofrem. Inúmeras delas
choram de medo e solidão, que são conseqüência de transgressões morais, negligência e maus-tratos.
Falo francamente, talvez sendo indelicado. Mas não conheço outro modo de esclarecer um assunto
sobre o qual tenho sentimentos tão intensos. (“Save the Children,” Ensign, November 1994, p. 53)
Meu apelo — e desejaria ser mais eloqüente ao externá-lo —é para que salvemos as crianças. Há
crianças demais padecendo de dor e medo, de solidão e desespero. As crianças precisam da luz do sol.
Precisam de alegria. Precisam de amor e cuidados. Precisam de bondade, de conforto e de afeição.
Todos os lares, independente do valor monetário da construção em si, podem prover um ambiente de
amor que se transformará num ambiente de salvação. (“Save the Children,” Ensign, November 1994, p.
54)
Os filhos devem respeitar seus pais. As crianças estão sujeitas ao mandamento do Senhor (...)
“Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na Terra que o Senhor teu Deus te
dá”. As crianças necessitam sobrepujar seus desejos egoístas e buscar em seus pais amor, entendimento,
aprendizado e sabedoria. (Church News Interview, June 7, 1995)
Tenho aqui uma interessante afirmação do Élder Orson F. Whitney: “O Profeta Joseph Smith
declarou — e ele nunca ensinou uma doutrina mais confortadora — que o selamento eterno de pais
fiéis e as divinas promessas feitas a eles devido ao valoroso serviço na Causa da Verdade, salvaria não
somente os pais, mas também sua posteridade. Embora algumas ovelhas possam vaguear, os olhos do
Pastor estão sobre elas, e mais cedo ou mais tarde elas irão sentir os tentáculos da Divina Providência
alcançando-as e trazendo-as de volta ao aprisco. Quer seja nesta vida ou na vida por vir, elas retornarão.
Elas terão que pagar a dívida à justiça; elas sofrerão por seus pecados; e podem trilhar um caminho
espinhoso; mas se as levar finalmente, como o penitente Pródigo, à casa de um pai amoroso e
misericordioso, a dolorosa experiência não terá sido em vão. Ore por seus filhos descuidados e
desobedientes; agarre-se a eles com fé. Tenham esperança e acreditem até que vejam a salvação de
Deus.” (Conference Report, April 1929) Se algum de vocês tem um filho ou um ente querido nessa
condição, não desista. Ore por eles, ame-os, busque-os e ajude-os. (Jordan Utah South Regional
Conference, March 2, 1997)
CRÍTICAS
Ver também Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, A: Críticas à Igreja.
Suplico que haja entendimento entre nosso povo, que haja espírito de tolerância e perdão entre uns
e outros. Todos nós temos muito mais a fazer do que desperdiçar nosso tempo e energia em críticas,
censuras ou ofensas aos outros. O Senhor ordenou a seu povo: “Fortalece teus irmãos em todas as tuas
conversas, em todas as tuas orações, em todas as tuas exortações e em todos os teus feitos”. Este é o
mandamento, dito inequivocamente; e então segue esta maravilhosa promessa: “E eis que eu estou
contigo para abençoar-te e livrar-te para sempre”. (D&C 108:7–8) (“Faith: The Essence of True
Religion,” Ensign, November 1981, p. 6)
Nenhum de nós é perfeito; todos nós ocasionalmente cometemos erros. Existiu somente um
indivíduo perfeito que andou sobre a Terra. Mulheres e homens que exercem pesadas responsabilidades
não necessitam de críticas, e sim de encorajamento. Pode-se discordar da regra sem ser desagradável
com quem a fez. (“‘Charity Never Faileth,’” Ensign, November 1981, p. 98)
Vivemos numa sociedade que tende às críticas. Descobrir defeitos é o deleite de colunistas e
comentaristas, existindo também entre nosso povo muito dessa tendência. É muito fácil encontrar
defeitos, e resistir a isso exige muita disciplina. (...) O inimigo da verdade quer dividir-nos e cultivar
entre nós atitudes críticas que, se permitirmos que prevaleçam, somente nos deterão na busca de nossa
grande meta divina. Não podemos permitir que isso aconteça. Precisamos cerrar fileiras e marchar
ombro a ombro, os fortes ajudando os fracos, os que muito possuem auxiliando os que têm pouco.
Nenhum poder na Terra pode obstar essa obra, se assim procedermos. (“Five Million Members — A
Millestone and Not a Summit,” Ensign, May 1982, p. 46)
Eu tento ler dois ou três jornais por dia. Algumas vezes leio os colunistas. Vez ou outra ouço os
comentaristas na televisão e rádio. Os escritores são brilhantes. São homens de linguagem penetrante e
cintilantes na expressão. São mestres na palavra escrita. Mas, na maioria das vezes acho suas atitudes
negativas. Não importa sobre quem eles escrevam, parecem buscar as falhas e fraquezas. Estão
constantemente criticando, raramente elogiando.
Esse espírito não está limitado aos colunistas e comentaristas. Leia as cartas ao editor. Algumas
delas estão cheias de veneno, escrita por pessoas que parecem não encontrar nada bom no mundo ou
em seus relacionamentos. Criticar, censurar e falar mal dos outros é o que mais ocorre em nossos dias.
Somos informados por todos os lados que em lugar algum há um homem íntegro assumindo um cargo
político. Os homens de negócio são desonestos. Os serviços de utilidade pública estão prontos para
roubá-lo. Em todo o lugar se ouve uma observação falsa, uma zombaria sarcástica e os relacionamentos
vão sendo abreviados. (...) A crítica é a precursora do divórcio, a cultivadora da rebelião, e algumas
vezes é a força catalisadora que conduz ao fracasso. Na Igreja ela planta a semente da inatividade e
finalmente da apostasia.
Peço que cessemos de buscar as tempestades e tiremos mais proveito da luz do sol. Sugiro que ao
caminharmos pela vida possamos “acentuar o positivo”. Peço que busquemos com mais profundidade
aquilo que há de bom, que calemos a voz do insulto e do sarcasmo. O crescimento advém da correção.
A força vem do arrependimento. Sábio é o homem que reconhece suas faltas apontadas pelos outros e
muda seu curso.
Sugiro que cada um de nós se desvie do negativismo que envolve nossa sociedade e procure o bem
entre aqueles com quem se associa, que falemos mais das virtudes do que dos erros daqueles com quem
nos relacionamos, que o otimismo tome o lugar do pessimismo, que nossa fé exceda nossos temores.
Quando eu era rapaz e estava pronto a criticar, meu pai dizia: “Os cínicos não contribuem, os céticos
não criam, os que duvidam nada realizam”. (“The Continuing Pursuit of Truth,” Ensign, April 1986,
pp. 2, 4)
Existe mesmo em nosso meio alguns cuja vida é dilacerada pelo ódio. Eles lançam-se contra isto e
aquilo, incluindo a Igreja. Inventam e divulgam falsidades vis que não têm o mínimo indício de
verdade. Isso não é novidade, exceto que existem em cada geração, inclusive em nossa, pessoas
aparentemente possuídas do mal que assim se manifesta. Nessas circunstâncias, somos consolados
pelas palavras do Mestre: “Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e,
mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa”. (Mateus 5:11) (“Let Love Be the Lodestar
of Your Life,” Ensign, May 1989, p. 67)
DESÂNIMO
Vi o Presidente David O. Mckay desanimado. Vi o Presidente Joseph Fielding Smith, o Presidente
Harold B. Lee, e o Presidente Spencer W. Kimball desanimados. Todos nós podemos ficar
desanimados. (...)
Quando estiverem deprimidos, é importante lembrar que muitos outros também sentem-se assim, e
que geralmente a situação deles é muito pior do que a sua. É importante saber que quando um de nós
está deprimido, torna-se obrigação dos amigos dar-lhe novo ânimo. (“Strengthening Each Other,”
Ensign, February 1985, p. 4)
Os vales do desânimo fazem com que os picos da conquista se tornem mais bonitos. (Mexico
Veracruz Missionary Meeting, January 27, 1996)
DEUS O PAI
Deus tem a forma de um homem. Ele é uma pessoa. Ele fala e já falou ao homem. Ele é exaltado,
e para os padrões humanos, Ele tem todo o conhecimento e todo o poder. Mas Ele é misericordioso e
bondoso. Ele é o pai dos espíritos de todos os homens e tem interesse e consideração fraternal pelos
seus filhos. Seu trabalho e Sua glória residem no bem-estar eterno de seus filhos. (What of the
Mormons? pamphlet, 1982, p. 6)
Para mim o evangelho não é complexo. Ele é belo e simples, fonte contínua de força, um
manancial de fé. A pedra angular da doutrina é que Deus é nosso Pai Eterno e Jesus é o Cristo, nosso
Redentor vivo. Nós somos filhos de Deus. Ele nos ama e espera que o amemos, demonstrando nosso
amor servindo a seus outros filhos. Seu Filho Amado é nosso Salvador, que deu a vida na cruz do
Calvário como sacrifício vicário pelos pecados da humanidade. Por seu próprio poder divino,
ressuscitou da morte, tornando-se “as primícias dos que dormem” (I Coríntios 15:20), assegurando
assim a todos os homens a ressurreição da morte e convidando-nos a participar com ele da vida eterna
de acordo com nossa obediência a suas leis e mandamentos.
Eles, isto é, o Pai e o Filho, apareceram ao adolescente Joseph Smith na mais gloriosa
manifestação que deu início à dispensação da plenitude dos tempos. (ver D&C 112:30) Todos os
elementos dos ensinamentos e autoridade divina outorgados anteriormente foram então reunidos pela
restauração numa eterna e final dispensação. (“Five Million Members — A Milestone and Not a
Summit,”Ensign, May 1982, pp. 44–45)
Acredito em Deus, o Pai Eterno, sem equívoco ou reservas. Ele é meu Pai, o Pai de meu espírito, e
o Pai dos espíritos de todos os homens. Ele é o grande Criador, o governador do Universo. Ele dirigiu a
criação da Terra em que vivemos. À Sua imagem o homem foi criado. Ele é uma pessoa. Ele é real. Ele
é individual. Ele tem um corpo de “carne e ossos tão tangível como o do homem”. (D&C 130:22) (The
Father, Son, and Holy Ghost, booklet [Salt Lake City: Bookcraft, 1988], p. 4)
Cada um de nós é um ser dual, com existência física e espiritual. Todos sabemos da realidade da
morte física, quando o corpo morre; e cada um de nós sabe que o espírito continua a viver como um ser
individual, e que em algum tempo, sob o plano divino que se tornou possível através do sacrifício do
Filho de Deus, o espírito e o corpo se reunirão. A declaração de Jesus de que Deus é um espírito não
nega que Ele tenha um corpo, mais do que a afirmação de que eu sou um espírito ao mesmo tempo em
que também tenho um corpo.
Não suponho ser meu corpo igual ao Dele em refinamento, em capacidade, em beleza e
resplendor. O corpo Dele é eterno, o meu é mortal. Mas isso somente aumenta minha reverência por
Ele. Eu O adoro “em espírito e em verdade.” Eu olho para Ele como minha força. Oro a Ele para
conceder-me sabedoria além da que possuo. Busco amá-Lo com todo o meu coração, poder, mente e
força. Sua sabedoria é maior do que a sabedoria de todos os homens. Seu poder é maior do que o poder
da natureza, porque Ele é o Criador Onipotente. Seu amor é maior do que o amor de qualquer outro ser,
pois Seu amor abrange todos os Seus filhos, e é Sua obra e Sua glória levar a efeito a imortalidade e
vida eterna dos filhos e filhas de todas as gerações. (Ver Moisés 1:39). (...)
Esse é o Todo-Poderoso a quem temo e reverencio. É para Ele que olho trêmulo e com temor. É a
Ele que adoro, honro e dou louvores e glória. Ele é meu Pai Celestial que me convida a vir até a Ele em
oração, a falar com Ele, com a promessa de que Ele irá ouvir e responder. (The Father, Son, and Holy
Ghost, booklet [Salt Lake City: Bookcraft, 1988], pp. 5–6)
Deus nosso Pai Eterno vive. Tenho convicção disso. Não entendo a maravilha de Sua majestade.
Não posso compreender a glória da Deidade, mas sei que Ele é meu Pai, apesar de tudo isso, e posso
falar com Ele em oração e Ele irá me ouvir. Tenho certeza disso. (Ketchikan Alaska Fireside, June 22,
1995)
Gostaria de prestar meu testemunho sobre essa obra e desejo fazê-lo de tal modo que possam se
lembrar do que eu disse. Sei que essa obra é verdadeira. Sei que Deus nosso Pai Eterno vive. Sou grato
pelo conhecimento que tenho de que Ele nos ama como Seus filhos. Sou grato por sentir em meu
coração um grande amor por Ele. Eu sei que Ele vive, meu Pai nos céus. Quase não compreendo a
magnitude de tudo isso. Ele que é o Criador e Governador do Universo me conhece, conhece vocês,
cada um de vocês. Ele os ama; Ele se preocupa com vocês. (Promontory Utah Branch Sacrament
Meeting, October 15, 1995)
DIA DO SENHOR
Ver também Moralidade; Padrões; Valores
Em 24 de julho de 1847, chegava a este vale a companhia pioneira do nosso povo. Um grupo
avançado havia chegado um dia ou dois antes. Brigham Young chegou no sábado. No dia seguinte
houve serviços dominicais pela manhã e à tarde. Eles não dispunham de um recinto para as reuniões.
Suponho que ficaram sob o sol escaldante daquele domingo de julho, sentados na lança de seus
carroções ou apoiados nas rodas, enquanto as Autoridades Gerais falavam. A estação ia adiantada e eles
iriam enfrentar uma gigantesca e imediata tarefa, se quisessem plantar as sementes para a estação
seguinte. O Presidente Brigham Young exortou-os a não violarem o dia santificado naquele momento
ou no futuro. (“An Ensign to the Nations,” Ensign, November 1989, p. 51)
Lembrem-se do Dia do Sábado para o santificar. Entristeço-me ao ver lojas abertas aos domingos.
Não precisamos fazer compras no domingo. Ninguém precisa fazer compras no domingo. Pode-se
comprar carne suficiente no sábado para se passar o domingo. Pode-se comprar leite no sábado para
passar o domingo. O pão não ficará tão dormido assim quando é comprado no sábado para ser usado no
domingo. Você não precisa comprar roupas no domingo, nem móveis ou qualquer coisa desse tipo.
Lembrem-se do Dia do Sábado para o santificar. Que bênção é o Dia do Senhor! (Nottingham England
Fireside, August 30, 1995)
Se você tem alguma dúvida sobre a sabedoria e divindade de se observar o Dia do Senhor, (...)
fique em casa e reúna sua família ao seu redor, ensine-lhes o evangelho, desfrute da oportunidade de
estarem juntos no Dia do Senhor, vá às reuniões e participe. Você saberá que observar o Dia do Senhor
é um princípio verdadeiro que traz grandes bênçãos. (Promontory Utah Branch Sacrament Meeting,
October 15, 1995)
O Dia do Senhor é algo precioso. Ele representa o grande clímax do trabalho de Jeová na criação
da Terra e de tudo o que nela se encontra. Quando sua obra foi concluída, Ele a contemplou, viu que
era boa e descansou no sétimo dia. Peço aos membros que se abstenham de fazer compras no domingo.
Vocês podem dizer: “O pouco que faço não faz nenhuma diferença”. Faz toda a diferença do mundo
para você e seus filhos que verão o seu exemplo. (Charlotte North Carolina Regional Conference,
priesthood leadership session, February 24, 1996)
O Senhor escreveu a respeito da santidade do Seu dia quando Seu dedo tocou as tábuas de pedra
no Sinai: Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Esse mesmo mandamento foi reiterado nos
tempos modernos na seção 59 de Doutrina e Convênios. Sejamos um povo que guarda o Dia do Senhor.
Não quero ser exagerado. Não quero que tranquem seus filhos em casa e leiam a Bíblia para eles a tarde
toda. Sejam sábios. Sejam cuidadosos. Mas façam desse dia um dia em que possam sentar-se com a
família e falarem a respeito das coisas boas e sagradas. “Lembra-te do dia do sábado, para o santificar”,
disse o Senhor para todas as pessoas e particularmente para os membros da Igreja. (Smithfield/Logan
Utah Regional Conference, priesthood leadership session, April 20, 1996)
Fico estarrecido ao ver santos dos últimos dia fazerem compras no domingo. Não posso entender
como podem desafiar a palavra direta do Senhor: “Lembra-te do dia do Sábado, para o santificar”. (...)
No primeiro domingo no Vale do Lago Salgado, Brigham Young disse: “Não trabalharemos no
domingo, pois aqueles que o fizerem perderão cinco vezes mais do que poderão ganhar”. Creio que
Deus honrará, abençoará, magnificará, e será rápido em ajudar aqueles que tentam guardar seus
mandamentos. O mandamento do Dia do Senhor é o mais longo dos Dez Mandamentos. O Senhor foi
muito específico, muito detalhado. Não posso deixar de acreditar que os comerciantes não abririam aos
domingos se não fôssemos a suas lojas. Desse modo, a responsabilidade está sobre os nossos ombros.
Espero que vocês não façam compras no domingo. (Jordan Utah South Regional Conference, March 2,
1997)
DISPENSAÇÃO DA PLENITUDE DOS TEMPOS, A
Que grande experiência é poder estar vivo neste dia e época da história do mundo. Nenhuma
metade de século em toda a vida do homem sobre a Terra pode ser comparada a esses últimos
cinqüenta anos. As coisas que temos visto são formidáveis; e penso que tudo faz parte da abertura dessa
grande obra do Senhor, a dispensação da plenitude dos tempos, quando todas as coisas das
dispensações anteriores começam a se unir em uma única para abençoar os filhos e filhas de Deus, não
somente dessa geração mas de todas as outras através da restauração do sacerdócio e dos poderes por
ele exercidos, sob os quais trabalha-se em favor daqueles que passaram para além do véu da morte. Esta
é uma grande época para se viver. (Salt Lake East Millcreek Stake Fiftieth Anniversary Celebration,
June 10, 1995)
Nos primórdios da Igreja, como registrado na primeira seção de Doutrina e Convênios, (...) o
Senhor estabelece quatro grandes objetivos na criação dessa obra nesta dispensação da plenitude dos
tempos. Por quê? “Que todo homem, porém, fale em nome de Deus, o Senhor, sim, o Salvador do
mundo; Para que a fé também aumente na Terra; Para que o meu eterno convênio seja estabelecido;
Para que a plenitude do meu evangelho seja proclamada pelos fracos e pelos simples aos confins da
Terra e perante reis e governantes (...) para que alcançassem entendimento”. (D&C 1:20–24) (Creation
of Canterbury England Stake, August 27, 1995)
Seja grato ao Todo-Poderoso pelas Suas maravilhosas bênçãos que lhe são conferidas. Você
usufrui de tudo o que essa grandiosa época tem para oferecer ao mundo e acima de tudo as bênçãos
maravilhosas do evangelho restaurado de Jesus Cristo, evangelho esse que veio ao mundo nessa
dispensação da plenitude dos tempos, esta grande e final dispensação, quando o Deus do céu restaurou
todas as grandes verdades, bênçãos e autoridade de todas as dispensações passadas. (Pittsburgh
Pennsylvania Regional Conference, April 28, 1996)
Acredito que é a maior época na história do mundo. Que época maravilhosa para se viver. Não sei
por que nasci neste período de tempo quando o mundo está repleto de grandes oportunidades, quando
temos tanto conforto, saúde e felicidade devido ao grande progresso que foi feito em favor da
humanidade. Nasci há oitenta e cinco anos, em 1910. A expectativa de vida nos Estados Unidos
naquela época era de cinqüenta anos. Hoje vivemos mais que setenta e cinco anos, e eu já vivi dez anos
além disso. Que bênçãos magníficas são os prodígios da ciência da qual somos beneficiários.
Então, acima de tudo isso, o evangelho de Jesus Cristo foi restaurado na Terra com todas as
bênçãos a ele associadas nessa dispensação da plenitude dos tempos. Paulo escrevendo aos Efésios
disse que haveria uma restauração na plenitude dos tempos quando toda a obra de Deus das gerações
prévias seria restaurada na Terra. E isto é exatamente o que aconteceu. Está em Efésios, no primeiro
capítulo e décimo versículo: “De tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da
plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na Terra; [até mesmo] Nele.”
Esta é a dispensação da plenitude dos tempos quando Deus moveu Sua mão para levar a efeito a
restauração de todas as chaves, autoridades e bênçãos do Seu evangelho. Quão gratos precisamos ser.
Esta é uma geração escolhida. Nunca percamos de vista essa perspectiva. Sejamos sempre gratos por
isso. Que estejamos à altura disso tudo, oro humildemente. (Taipei Taiwan Fireside, May 23, 1996)
Que maravilha é estarmos vivos nessa época em que nos aproximamos do século XXI. E com tudo
isso, o Deus do céu restaurou Sua obra. (...) Essa é uma época grandiosa, que sintetiza todo o trabalho
do Senhor. É este o dia do cumprimento da profecia. (Copenhagen Denmark Fireside, June 14, 1996)
DÍVIDAS
Ver também Auto-Suficiência; Economia
As dívidas podem transformar-se em algo terrível. É tão fácil contraí-las e tão difícil pagá-las.
Dinheiro emprestado tem um preço, e esse preço pode ser opressivo. (...)
Apresso-me em acrescentar que é necessário pegar dinheiro emprestado em algumas situações.
Talvez seja necessário para completar-se a educação. Se assim o fizer, pague de volta. Faça-o
prontamente mesmo que tenha que sacrificar algumas comodidades que você apreciaria ter. É provável
que tenha que fazê-lo ao adquirir uma casa. Mas, seja sábio e não vá além da possibilidades de
pagamento.
O Presidente Heber J. Grant disse: “Se existe uma coisa que traga contentamento e paz ao coração
humano e à família, é viver dentro de nossos meios, e se existe alguma coisa que seja desgastante e
desalentadora é ter dívidas e obrigações que não se possam cumprir”.
Nossa geração desperdiça muito. Um dos grandes problemas de nossa época é o lixo. Parte dele
vem de uma esbanjadora extravagância. Nossos antepassados pioneiros viviam de acordo com o
seguinte lema: “Conserte, Use, Faça servir, ou Viva sem”. (University of Utah Institute of Religion
Fireside, May 21, 1989)
Voltando ao ano de 1938, ouvi o Presidente J. Reuben Clark, Jr., (...) falar sobre juros. Ele disse:
“Os juros nunca dormem, nem adoecem e nem morrem; nunca vão ao hospital; trabalham aos
domingos e feriados; nunca tiram férias; nunca visitam nem viajam; não se divertem; nunca deixam de
trabalhar e nem ficam desempregados; nunca trabalham em jornada reduzida; nunca têm uma safra
pequena e nem seca; nunca pagam impostos; não compram alimentos; não usam roupas; não têm casa,
nem lar e nem consertos a serem feitos, não têm telhados, encanamentos, pintura ou caiação; não têm
mulher, crianças, pai, mãe, nem parentes para cuidar; não têm despesa com a vida; não têm casamentos
nem nascimentos e nem mortes; não têm amor, nem compaixão; são tão rígidos e sem alma como um
grande penhasco. Uma vez endividado, os juros são seu companheiro a todo momento do dia e da
noite; você não pode evitá-los nem escapar deles; você não pode dispensá-los; não cedem para súplicas,
exigências, ou ordens; e sempre que você cruza seu caminho ou não atende a suas exigências, eles o
esmagam”. (Conference Report, April 1938)
Desejo que cada família na Igreja copie essas palavras e as leia ocasionalmente como lembrança
do preço que pagamos quando pegamos emprestado. (University of Utah Institute of Religion Fireside,
May 21, 1989)
É admissível contrair uma dívida razoável para a compra de uma casa ou outras poucas coisas que
são necessárias. Mas daqui onde estou sentado, vejo de um modo bem nítido a terrível tragédia de
muitos que pediram emprestado para coisas que eles realmente não precisam. (“This I Believe,” BYU
1991–92 Devotional and Fireside Speeches, March 1, 1992, p. 81)
O mundo naquela época [1920] procurava enriquecer desenfreadamente. Então, veio a quinta-feira
negra de novembro de 1929. Eu tinha dezenove anos e estudava na universidade. Vi a economia
desmoronar-se e homens que eu conhecia perderam tudo quando seus credores os pressionaram.
Presenciei muito do trauma e do estresse da época. Pensei depois, como tenho pensado até hoje, que
muitas pessoas poderiam ter escapado à dor, miséria, sofrimento, dificuldades e problemas, se tivessem
ouvido o conselho do profeta a respeito de dívidas pessoais. (“‘Believe His Prophets,’” Ensign, May
1991, p. 51)
DIVÓRCIO
Vocês que são divorciados, por favor saibam que não olhamos para vocês como fracassados
porque o casamento fracassou. Em muitos, talvez na maioria dos casos, vocês não foram os
responsáveis pelo fracasso. Além do mais é nossa obrigação não condenar, mas perdoar e esquecer,
edificar e ajudar. Em suas horas de desolação, procurem o Senhor, que disse: “Vinde a mim, todos os
que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. (...) Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é
leve”. (Mateus 11:28, 30)
O Senhor não os rejeitará nem os afastará Dele. As respostas a suas orações podem não ser
impressionantes; podem não ser prontamente entendidas ou mesmo reconhecidas. Mas tempo virá em
que saberão que foram abençoados. Aqueles que têm filhos e lutam para criá-los em retidão, estejam
seguros que eles se tornarão uma bênção, consolo e força para vocês no decorrer dos anos que virão.
(Single Adult Fireside Satellite Broadcast, February 26, 1989)
Alguns de vocês que se encontram ao alcance de minha voz poderiam contar, por experiência
própria, tribulações familiares. Mas a maior das tragédias, e penso ser a mais comum, é o divórcio.
Tem-se tornado um grande flagelo. O mais recente artigo do World Almanac diz que nos Estados
Unidos durante os doze meses terminando em março de 1990, estima-se que 2.423.000 casais se
casaram. Durante esse mesmo período estima-se que 1.177.000 casais se divorciaram. (See The World
Almanac and Book of Facts, 1991 [New York: World Almanac, 1990], p. 834)
Isso significa que nos Estados Unidos ocorre quase um divórcio para cada dois casamentos. (...)
Porque todos esses lares desfeitos? O que acontece com casamentos que se iniciam com amor
sincero e desejo de serem leais, fiéis e verdadeiros um para com o outro?
Não há uma resposta simples. Reconheço isso. Porém, parece-me que existem algumas razões
óbvias que justificam uma grande percentagem desses problemas. Digo isso pela experiência em lidar
com essas tragédias. Percebo ser o egoísmo a causa principal na maioria dos casos. (...)
(...) O remédio para a maior parte dos casamentos desgastados não está no divórcio. Está no
arrependimento. Não está na separação. Está na simples integridade que leva um homem a assumir e
encarar suas obrigações. É encontrada na Regra de Ouro.(...)
Pode existir de tempos em tempos uma causa legítima para o divórcio. Não digo que nunca seja
justificado. Mas digo, sem hesitação, que essa praga entre nós, que parece estar crescendo em todos os
lugares, não é de Deus, mas sim o trabalho do adversário da retidão, paz e verdade. (“What God Hath
Joined Together,” Ensign, May 1991, pp. 72–74)
Temos pessoas maravilhosas, mas temos muitas cuja família está se despedaçando. É um assunto
de grande seriedade. É a minha maior preocupação. Desejaria ver nosso povo caminhando na luz do
Senhor. É assim que irão encontrar a felicidade, é assim que irão progredir e prosperar, andando nos
caminhos que o Senhor nos preparou. (Church News Interview, June 7, 1995)
DÍZIMO
O dízimo é algo muito simples e preciso. O princípio, conforme se aplica a nós, está contido em
um versículo da seção cento e dezenove de Doutrina e Convênios. Esse versículo quatro é composto de
trinta e cinco palavras. Comparem-no com as extensas e complexas leis fiscais criadas e instituídas
pelos governos. De um lado é uma breve declaração do Senhor deixando ao indivíduo a
responsabilidade do cumprimento voluntário, movido pela fé. Do outro, uma teia emaranhada criada
por homens e imposta por lei. (...)
À guisa de testemunho pessoal, enquanto falamos das finanças da Igreja, reiteramos a promessa do
Senhor feita há muito tempo por intermédio do Profeta Malaquias, de que abrirá as janelas dos céus
para os que pagam honestamente o dízimo e as ofertas, e que as bênçãos prometidas serão tantas que
não haverá como recebê-las. Todo dizimista honesto pode testificar que o Senhor cumpre Sua
promessa. (“The Miracle Made Possible by Faith,” Ensign, May 1984, p. 47)
A Igreja é uma instituição rica, como muitos dizem?
A Igreja possui um substancial patrimônio, pelo que somos gratos. Esse patrimônio é representado
principalmente por imóveis em mais de oitenta países: prédios para funcionamento de alas e estacas;
escolas e seminários, cursos de nível superior e institutos; projetos de bem-estar; casas de missão e
centros de treinamento para missionários; e templos, dos quais temos um número substancialmente
superior ao que jamais tivemos no passado; e instalações para a obra genealógica. Mas é preciso
reconhecer que são todos bens onerosos e não produzem lucro. São instalações dispendiosas para
construir e manter. Não produzem riqueza material, mas ajudam a produzir e fortalecer os santos dos
últimos dias. São unicamente meios para um fim. São acomodações físicas para o funcionamento de
programas ligados à nossa responsabilidade de pregar o evangelho ao mundo, edificar a fé e atividade
dos membros vivos e levar avante a imperativa injunção do Senhor concernente à redenção dos mortos.
Possuímos algumas propriedades lucrativas, mas cujo provento serviria para manter a Igreja
funcionando por muito pouco tempo. O dízimo é a lei financeira do Senhor. Não existe outra lei
financeira que se compare a ela. É um princípio com promessa dado pelo próprio Senhor para o
benefício de seus filhos.
Em última análise, a única riqueza real da Igreja é a fé que tem o seu povo. (“Questions and
Answers,” Ensign, November 1985, pp. 49–50)
Nós podemos pagar nosso dízimo. Não se trata tanto de uma questão de dinheiro como de fé.
Ainda não encontrei um fiel dizimista que não possa testificar que, de maneira literal e maravilhosa, as
janelas dos céus se abriram, derramando ricas bênçãos sobre ele.
Exorto-vos (...) cada um de vocês, a provar o Senhor nesta importante questão. Foi ele quem deu o
mandamento e fez a promessa. Volto a Néfi, que naqueles dias de dificuldades e preocupação, disse aos
irmãos: “Sejamos fiéis aos mandamentos do Senhor; pois eis que Ele é mais poderoso que toda a terra.”
(1 Néfi 4:1) (“‘Let Us Move This Work Forward,’” Ensign, November 1985, p. 85)
O fato é que o dízimo é uma lei financeira do Senhor. Ele veio por intermédio de revelação Dele.
É uma lei divina com uma grande e bonita promessa. Aplica-se a todos os membros da Igreja que têm
renda. Aplica-se à viúva em sua pobreza assim como ao homem de posses em suas riquezas. (...) É
necessário somente compará-la com o imposto de renda para reconhecer a simplicidade que advém da
sabedoria de Deus em contraste com a complexidade advinda da sabedoria dos homens. (“The
Widow’s Mite,” BYU 1985–86 Devotional and Fireside Speeches, September 17, 1985, p. 9)
Serei sempre grato pelo pai e mãe que, tanto quanto me lembro, ensinaram-nos a pagar o dízimo.
Naqueles dias, na ala em que vivíamos, o bispo não tinha um escritório na capela. Íamos à sua casa a
cada mês de dezembro para fazermos o acerto anual do dízimo. Ainda me lembro de meus sentimentos
de apreensão ao caminhar dentro daquela casa para acertar meu dízimo com o Bispo John C. Duncan.
A quantia pode ter sido somente vinte e cinco centavos, uma vez que não tínhamos muito naqueles
tempos difíceis, mas era um honesto 10 por cento como calculávamos em nossa maneira infantil,
baseado nos pequenos versos que recitávamos na Escola Dominical:

O que é o dízimo? Vou logo lhes dizer.


Dez centavos de cada dólar, que eu pago com prazer.

Nunca sentimos ser um sacrifício pagar o dízimo. Sentíamos que era uma obrigação, que mesmo
sendo criancinhas estávamos fazendo nossa obrigação de acordo com a responsabilidade delineada pelo
Senhor, e que estávamos apoiando Sua igreja na grande obra que ela tinha para realizar.
Não o fazíamos com a expectativa de receber bênçãos materiais, embora pudéssemos testificar que
éramos muito abençoados. O Senhor abre as janelas dos céus e derrama Suas bênçãos em grande
medida. Sei que Ele abençoará todos os que obedecem a esse mandamento. (“The Sacred Law of
Tithing,” Ensign, December 1989, p. 4)
Não quero dizer que se você pagar um dízimo honesto realizará seu sonho de uma linda casa, um
Rolls Royce e um apartamento no Havaí. O Senhor abrirá as janelas dos céus de acordo com a nossa
necessidade, e não de acordo com a nossa ganância. Se pagarmos o dízimo para ficarmos ricos,
estaremos fazendo-o pela razão errada. O propósito básico para o pagamento do dízimo é prover a
Igreja com os meios necessários para levar avante a obra do Senhor. A bênção do doador é algo
secundário, e a bênção pode não ser sempre na forma de um benefício financeiro ou material. (“The
Sacred Law of Tithing,” Ensign, December 1989, p. 4)
Ouvimos alguns dizerem atualmente que não podem pagar o dízimo devido às pressões
financeiras. Recordo-me de uma experiência que tive como presidente da estaca alguns anos atrás. Um
homem veio até a mim para que eu assinasse sua recomendação do templo. Eu fiz-lhe as perguntas
rotineiras e perguntei, entre outras coisas, se ele estava pagando honestamente o seu dízimo. Ele
francamente respondeu que não, que ele não tinha condições devido a suas muitas dívidas. Senti que
deveria dizer-lhe que ele não conseguiria pagar suas dívidas até que pagasse o dízimo.
Ele continuou por um ano ou dois em seu curso habitual, e então tomou uma decisão. Ele falou
sobre ela algum tempo depois, quando me disse: “Suas palavras mostraram-se verdadeiras. Senti que
não poderia pagar meu dízimo por causa de minhas dívidas. Descobri que não importava o quanto me
esforçasse, não conseguia reduzi-las. Finalmente, minha esposa e eu nos sentamos juntos, conversamos
a respeito e concluímos que tentaríamos a promessa do Senhor. E assim o fizemos. De algum modo,
que não podemos entender completamente, o Senhor nos abençoou. Não nos fez falta o que pagamos a
Ele, e pela primeira vez em muitos anos estamos reduzindo nossas dívidas”. (“The Sacred Law of
Tithing,” Ensign, December 1989, p. 4)
Numa revelação dada em 8 de julho de 1838, Ele indicou que Seus santos “pagarão a décima parte
de toda a sua renda anual; e isto será uma lei permanente para eles, para meu santo sacerdócio, diz o
Senhor”. (D&C 119:4) (Belle S. Spafford Conference on Women, February 23, 1990)
Lembro-me de quando era pequeno e fiz uma pergunta ao meu pai, que era meu presidente de
estaca, concernente aos gastos dos fundos da Igreja. Ele lembrou-me que é minha obrigação, dada por
Deus, pagar os meus dízimos e as ofertas. Quando o faço, aquilo que dou não mais me pertence.
Pertence ao Senhor a quem eu o consagrei. O que as autoridades da Igreja fazem com ele eu não
preciso me preocupar. Eles responderão ao Senhor, que exigirá uma prestação de contas de suas mãos.
(“Rise to a Larger Vision of the Work,” Ensign, May 1990, p. 96)
Aqueles que pagam o dízimo não o fazem sob coação de exigência legal. Ninguém é desassociado
ou excomungado porque deixa de pagá-lo. Mas centenas de milhares, milhões de nosso povo, fazem-no
fielmente, honestamente e de bom grado. Eles fazem-no devido à convicção que possuem em seu
coração de que a obra é verdadeira e a lei é divina. (“My Testimony,” Ensign, November 1993, p. 53)
Sou muito grato pela lei do dízimo. Acredito nela de todo o meu coração. Outro dia minha esposa
estava em busca de alguns velhos papéis. O que ela encontrou? Um recibo de dízimo de um dos nossos
filhos. Ele pagou vinte e três centavos naquele ano quando ainda era menino. Acho que custou mais do
que isso ao bispo para escrever o recibo. Sei que ela gastou mais que isso para remetê-lo ao nosso filho.
Ela gastou vinte e dois centavos para enviar um recibo de dízimo de vinte e três centavos para o nosso
filho. Mas valia isso, vinte e três centavos? Valeu o bispo ter despendido seu tempo para se sentar e
fazer o recibo? Eu não sei o que [meu filho] pagou desde aquela época. Ele foi bispo, trabalhou na
presidência da estaca e outros chamados. Ele é banqueiro. Acredito que ele já pagou no total muitos,
muitos milhares de dólares. Por quê? Porque o princípio foi implantado em seu coração quando ele era
menino. (Nottingham England Fireside, August 30, 1995)
Um dia desses fomos à Catedral de Canterbury e apreciamos muito o tempo que lá passamos. Eles
estão tendo muita dificuldade para conseguir os fundos necessários para conservá-la. Quando
estávamos indo em direção a Nottingham, paramos em uma cidade chamada Hinckley só porque ela e
eu temos o mesmo nome. Fomos à velha igreja paroquial, construída no século treze. Fiquei estarrecido
com o que vi naquela velha e bonita igreja. Havia uma lanchonete de um lado e uma outra loja do outro
lado que vendia produtos alimentícios e utensílios domésticos, coisas de todo tipo dentro da Igreja. Por
quê? Para conseguir algum dinheiro para manter a igreja. O que aconteceu com a antiga lei do dízimo?
(...)
Espero que vocês estejam pagando o dízimo, meus irmãos santos dos últimos dias. A Igreja
atualmente pode se manter sem o seu dinheiro, mas vocês não podem ser bem-sucedidos sem as
bênçãos do Senhor. Isso eu lhes afirmo. O dízimo tornou possível levar adiante esse trabalho. Estamos
agora construindo instalações em todo o mundo. Esse trabalho está atualmente estabelecido em mais do
que 150 países. Estamos construindo atualmente mais que 350 novas instalações por ano para
acomodar as necessidades das pessoas. Que maravilhoso poder dizer, em qualquer lugar que vá e
encontre uma capela: “Tive parte nisso por intermédio do pagamento dos meus dízimos e ofertas”. Que
o Senhor os abençoe para que sejam honestos para com Ele nesse assunto de extrema importância.
(Liverpool England Fireside, August 31, 1995)
Tenho visto o suficiente em minha vida para conseguir um forte e firme testemunho concernente à
veracidade da promessa de que o Deus dos Céus abrirá as janelas dos céus e derramará Suas bênçãos
sobre nós, se cumprirmos a nossa parte no convênio [do dízimo]. Não acredito que teremos um
converso firme na Igreja até que pague o dízimo. (...) O cumprimento dessa lei será o teste de seu amor
pela obra e de sua lealdade a ela. Acredito que de algum modo precisamos colocar isso no coração, que
o dízimo é uma oportunidade e uma bênção e não algo facultativo que desconsideramos com
impunidade. (Meeting with General Authorities and Wives, April 10, 1996)
Chorei ao ver a pobreza e o sofrimento das pessoas nesta parte da Terra. Compadeço-me delas.
Não sei qual será a solução, exceto o evangelho de Jesus Cristo. Acho que será a única coisa que irá
ajudá-las e abençoá-las na vida. Se elas, mesmo vivendo na pobreza e miséria, puderem olhar para
Deus com esperança e fé, o Senhor irá apoiá-las nos momentos de tristeza. Além disso, acredito de todo
o meu coração que se aceitarem o evangelho e o viverem, pagarem os dízimos e ofertas, mesmo que
sejam de pouco valor, o Senhor manterá a Sua antiga promessa em favor delas, e terão arroz em suas
tigelas, roupas em seu corpo e um teto sobre sua cabeça. Não vejo nenhuma outra solução. Eles
necessitam de um poder maior do que qualquer poder terreno para erguê-los e ajudá-los. (Philippines
Cebu Missionary Meeting, June 1, 1996)
DOUTRINA E CONVÊNIOS
Doutrina e Convênios é inigualável entre nossos livros de escritura. É a constituição da Igreja.
Embora Doutrina e Convênios inclua escritos e declarações de diversas origens, é basicamente um livro
de revelações dadas por intermédio do Profeta desta dispensação.
Essas revelações se iniciam com uma vibrante declaração dos abrangentes propósitos de Deus na
restauração do Sua grande obra nos últimos dias:
“Escutai, ó povo da minha igreja, diz a voz daquele que habita no alto e cujos olhos estão sobre
todos os homens; sim, em verdade vos digo: Escutai, ó povos distantes e vós, que estais nas ilhas do
mar, escutai juntamente.
Pois em verdade a voz do Senhor dirige-se a todos os homens e ninguém há de escapar; e não
haverá olho que não veja nem ouvido que não ouça nem coração que não seja penetrado”. (D&C 1:1–2)
Com esse início majestoso, descortina-se um maravilhoso panorama doutrinário que advém da
fonte de verdade eterna. Uma parte é revelação direta, que o Senhor ditou para Seu profeta, outra é a
linguagem de Joseph Smith, escrita ou falada de acordo com a inspiração do Espírito Santo. Também
está incluída a narrativa feita por ele de fatos ocorridos em circunstâncias diversas. Tudo isso reunido
constitui, de forma substancial, a doutrina e as regras de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos
Últimos Dias. (“The Order and Will of God,” Ensign, January 1989, p. 2)
Vejo com assombro a vida de Joseph Smith, um rapaz do campo, de Palmyra, Estado de Nova
York. Sua educação escolar era pouca. Pouco sabia a respeito de uma sala de aula. Suas oportunidades
de ler foram poucas. Mas, como instrumento nas mãos do Todo-Poderoso, ele proferiu palavras que se
tornaram a lei e o testemunho desta obra grandiosa e vital. Doutrina e Convênios é um canal para as
revelações do Senhor a Seu povo.
É surpreendente a variedade de assuntos de que trata o livro. Entre eles, estão princípios e
procedimentos concernentes ao governo da Igreja. Estão estabelecidas regras únicas e extraordinárias
de saúde, com promessas tanto físicas como espirituais. O convênio do sacerdócio eterno é descrito de
uma forma que não se encontra em nenhum outro lugar nas escrituras. Os privilégios e bênçãos, e as
limitações e oportunidades dos três graus de glória são anunciados com base na breve menção de Paulo
sobre a glória do sol, da lua e das estrelas. O arrependimento é proclamado em uma linguagem clara e
vigorosa. É estabelecido o modo correto do batismo. A natureza da Trindade, que tem perturbado os
teólogos por séculos, é descrita em uma linguagem que todos conseguem entender. A lei do Senhor a
respeito de finanças é estabelecida, ordenando como os fundos para administração da Igreja devem ser
adquiridos e usados. A obra de salvação dos mortos é revelada para abençoar os filhos e filhas de Deus
de todas as gerações.
Fica evidente, com a leitura de Doutrina e Convênios, que Joseph Smith tinha uma compreensão
completa dos eternos propósitos de Deus. (“The Order and Will of God,” Ensign, January 1989, p. 4)
O grande objetivo desta causa e reino advém do entendimento das notáveis revelações encontradas
em Doutrina e Convênios.
Como a Igreja deve ser organizada? Encontra-se lá. Como é a vida além do túmulo e os reinos do
outro mundo? Está tudo lá. Quais são as maravilhosas bênçãos que podem ser concedidas às mulheres
na Igreja? Encontram-se na Seção 25. E sobre as noções fundamentais de uma vida saudável? Verifique
a Seção 89. Como deve a Igreja ser financiada? Está claramente estabelecido. Este formidável livro é
certamente uma das grandes evidências da divindade do chamado de Joseph Smith como profeta nesta
dispensação da plenitude dos tempos.
Ao apresentar Doutrina e Convênios àqueles a quem ensinam, espero que não desperdicem tempo
com discussões especulativas. As revelações são de origem relativamente recentes. Elas não estão
distantes no tempo. As circunstâncias em que foram recebidas são bem conhecidas. As doutrinas são
claras e facilmente entendidas. Ensine-os como a palavra de Deus revelada nesta dispensação. (Church
Educational System Conference, June 23, 1989)
DROGAS
Toda pessoa que participa do consumo de drogas ilícitas tem em suas mãos um pouco do sangue
daqueles que foram mortos ou feridos na luta para impedir o cultivo e exportação desses produtos
destrutivos. (“The Scourge of Illicit Drugs,” Ensign, November 1989, p. 50)
Gostaria de dizer umas poucas palavras sobre uma questão que se encontra em demasia na
imprensa hoje em dia. É o uso generalizado de drogas ilegais com todas as implicações a ele
associadas. (...)
(...) Acredito que somente quando um maior número de pessoas concluir em seu coração e mente
que os frutos do uso de drogas são somente tristeza e problemas, remorso, e até mesmo a morte
ocorrerá então uma mudança significativa.
Recebi a poucos dias uma carta de um agente do governo que há anos vem participando da luta
contra drogas ilegais. Ele diz: “Eu sei por experiência própria o flagelo que os narcóticos ilícitos são
para este país e outros. O desperdício de recursos humanos e monetários mundiais causados por esse
dilema é inestimável e ameaça até mesmo os alicerces da liberdade. Tenho visto famílias dissolvidas,
moral destruída e vidas perdidas, direta e indiretamente pelos efeitos das drogas”.(...)
Alguns têm (...) alegado como justificativa que a Palavra de Sabedoria não menciona drogas. Que
desculpa infeliz. Não menciona igualmente os perigos de mergulhar numa piscina vazia ou saltar de um
viaduto sobre uma rodovia. Mas quem duvida das conseqüências mortais desses atos? O bom senso por
si só desaconselha tal comportamento.
Independente da Palavra de Sabedoria, existe uma razão de origem divina para se evitar as
substâncias danosas.
Estou certo de que seu uso é uma afronta a Deus. Ele é o nosso Criador. Nós somos feitos à Sua
imagem. Este corpo maravilhoso é obra de Suas mãos. Será que alguém acredita poder deliberadamente
ferir ou prejudicar seu corpo sem afrontar o Criador? É-nos dito inúmeras vezes que o corpo é o
tabernáculo do espírito, que se trata de um templo sagrado para o Senhor. Relata-se que, numa época de
terrível conflito entre os nefitas e lamanitas, os primeiros que haviam sido pessoas fortes, tornaram-se
“fracos como seus irmãos, os lamanitas, e que o Espírito do Senhor não mais os preservava; sim, havia-
se afastado deles, porque o Espírito do Senhor não habita em templos impuros”. (Helamã 4:24) (...)
(...) Poderá alguém duvidar que ingerir tais drogas prejudiciais à mente e ao corpo é um ato ímpio?
Alguém pensa que o Espírito de Deus pode habitar no templo de um corpo profanado por tais
elementos destrutivos? Se algum jovem envolvido com tais coisas estiver-me ouvindo que resolva de
imediato e com toda determinação de que é capaz, nunca mais voltar a tocar nelas. (“A Plague on the
World,” New Era, July 1990, pp. 4–6)
Não podem se dar ao luxo de brincar com as drogas. Certamente devem ser extremamente gratos
por seu corpo e mente, a própria substância de sua vida mortal. Certamente devem saber que a saúde é
um bem muito precioso. Certamente reconhecem que, pelos anos que têm à frente, necessitarão de
saúde física e acuidade mental para viver produtivamente e merecer o respeito das pessoas com quem
conviverem. Sem dúvida não irão fraturar um braço ou perna deliberadamente só por brincadeira. Os
ossos quebrados se soldam e voltam a funcionar novamente. Mas a mente deformada por drogas, ou o
corpo debilitado ou deturpado por essas substâncias maléficas não se recupera facilmente. A destruição
da auto-estima e auto-confiança induzida pelas drogas é praticamente irreversível.
Àqueles que as estejam usando, eu repito, parem imediatamente. E aos que futuramente possam
ser tentados, aconselho que resistam. Ponderem que são filhos de Deus, nosso Pai Eterno, dotados de
faculdades mentais e físicas que os ajudarão a ocupar um lugar significativo no mundo em que vivem.
Não desperdicem seu futuro. Não arrisquem o bem-estar de sua posteridade. (“A Plague on the World,”
New Era, July 1990, pp. 6–7)
Em outros séculos houve pragas que assolaram a Inglaterra e as nações da Europa. Elas surgiam
como um raio, causando a morte de dezenas de milhares de pessoas. O moderno flagelo das drogas
tornou-se uma praga mundial. Na maioria dos casos, porém, a morte que traz não é rápida mas, pelo
contrário, prolonga-se por muito tempo vivido em miséria, sofrimento e remorso. Ao contrário das
pragas antigas, contra as quais não havia defesa conhecida, no caso das drogas ilícitas ela é clara e
relativamente fácil. Reside em simplesmente abster-se de tocá-las. (National Conference of Christians
and Jews Banquet, February 21, 1995)
Não se envolvam com drogas ilegais. Não toquem nelas. Nunca as provem. Peço a vocês, a cada
uma de vocês, que se esquivem delas assim como se esquivariam de veneno.(...) Um grande futuro os
espera. Sua vida está cheia de promessas radiantes. A maioria de vocês um dia desejará casar-se e ter
filhos. O uso de drogas ilegais pode causar uma deficiência terrível, não só em vocês, mas em seus
filhos. Não hesito em dizer que, se vocês se envolverem com essas coisas, irão arrepender-se. Se
tiverem disciplina para evitá-las, terão motivo para se alegrarem. (“Stand True and Faithful,” Ensign,
May 1996, p. 92)
Fique longe das drogas! Elas o destruirão de diversas maneiras. Destruirão sua saúde. Destruirão o
auto-respeito. Destruirão seu caráter, sua honestidade, sua integridade. Elas o destruirão
completamente. Fique longe delas, é meu veemente pedido, que faço com humildade a cada um de
vocês. Você pode passar sem as drogas. (Southern Utah University Institute of Religion Devotional,
February 11, 1997)
ECONOMIA
Ver também Dívidas; Auto-Disciplina; Trabalho
Vivemos numa época de propagandas persuasivas e de vendedores habilidosos, tudo destinado a
nos atrair para comprar. Uma mulher ou homem esbanjador pode pôr em risco qualquer casamento.
Considero ser um bom princípio cada um ter alguma liberdade e independência com os gastos
necessários do dia-a-dia, e ao mesmo tempo sempre discutir, consultar e concordar com relação a
despesas maiores. Haveria menos decisões precipitadas, menos investimentos insensatos, menos
perdas, menos falências se maridos e mulheres consultassem um ao outro em tais assuntos e buscassem
e procurassem o conselho de outras pessoas. (“Cornerstones of a Happy Home,” Husbands and Wives
Fireside Satellite Broadcast, January 29, 1984)
Eu os elogio por sua virtudes de economia e industriosidade. Ao elogiá-los, não desejo que sejam
avarentos, perdoem-me a expressão, ou mesquinhos, ou qualquer coisa desse tipo. Porém, é o trabalho e
a economia que fazem com que a família seja independente. As dívidas podem ser algo terrível. É tão
fácil contraí-las e tão difícil saldá-las. Só se consegue dinheiro emprestado a um preço, e esse preço
pode ser difícil de suportar. A falência geralmente é o fruto mais amargo da dívida. É um fim trágico de
um processo simples. (“‘Thou Shalt Not Covet,’” Ensign, March 1990, p. 4)
Lamento o desperdício. Lamento a extravagância. Valorizo a economia. Acredito na prudência e
no conservadorismo. (“Rise to a Larger Vision of the Work,” Ensign, May 1990, p. 96)
Acredito no princípio da economia. Estamos testemunhando nos Estados Unidos uma enorme
queda nos negócios a um grau e extensão não vistos por um bom tempo. Muito do que está ocorrendo é
fruto de empréstimo imprudente, de dívidas tão grandes que não podem ser pagas. Temos visto bilhões
e bilhões perdidos na quebra de instituições de poupança e empréstimos que se viram imprensadas
contra a parede porque os que tomaram dinheiro emprestado não cumpriram suas obrigações. Temos
visto grandes bancos balançarem e desmoronarem porque aqueles a quem emprestaram dinheiro não
puderam pagar suas dívidas.
Os bens da Eastern Airlines, antes uma grande e orgulhosa instituição de negócios nos Estados
Unidos, foram recentemente leiloados a quem pagasse mais. Ela não pode cumprir suas obrigações.
Outras companhias de aviação faliram. A Pan American já foi tida como a maior companhia de aviação
comercial do mundo. Em mais de uma ocasião, viajei pela Pan Am para Tokyo e outras grandes
cidades do Oriente, para a Austrália, India, Suiça, Alemanha, Inglaterra, para os países da América do
Sul e outros lugares onde esta poderosa rainha era simplesmente a melhor. (...) Ela tomou emprestado
além da sua capacidade de pagar, e passo a passo, vendeu suas rotas e encontra-se atualmente em
concordata. (“Articles of Belief,” Bonneville International Corporation Management Seminar, February
10, 1991)
EDUCAÇÃO
Ver também Conhecimento
No decorrer dos anos a Igreja tem posto vastas somas de dinheiro na educação, secular e também
religiosa. Desde o começo deste trabalho, nossos líderes têm-nos ensinado a importância de
treinamento.
Sejam sábios. Não se privem da escolaridade que engrandecerá seu futuro para satisfazer o desejo
de um prazer imediato e passageiro. Cultive um horizonte em sua vida. A maioria de vocês viverá por
um bom tempo. (“Four B’s for Boys,” Ensign, November 1981, p. 40)

Seja esperto.
Não quero dizer com isso que você deva ser um espertalhão ou qualquer coisa que a isso se
assemelhe. Quero dizer, seja sábio. Seja esperto ao treinar sua mente e mãos para o futuro. Cada um de
vocês é membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. (...) Você tem a obrigação de
fazer de sua vida o melhor que puder. Planeje agora toda a educação que deseje obter e então esforce-se
para atingir este objetivo. (...)
Não estou sugerindo que todos devam tornar-se profissionais. O que sugiro é: qualquer coisa que
escolha fazer, adquira o treinamento necessário. Qualifique-se. Tire proveito da experiência e
conhecimento daqueles que lhe antecederam na área que escolher. A educação é o caminho mais curto
para se adquirir competência. Ela possibilita dar um salto sob os erros do passado. (“Four B’s for
Boys,” Ensign, November 1981, p. 40)
Na Igreja temos uma forte tradição com referência à qualidade da educação. No decorrer dos anos
temos dedicado uma parcela substancial do orçamento da Igreja à educação, tanto secular como
religiosa. Como povo, temos apoiado o ensino público. Devemos dar nosso apoio onde exista uma
necessidade comprovada. Tal procedimento pode representar um investimento na vida de nossos filhos,
nossa comunidade e nação. Contudo, não devemos presumir que todos os problemas possam ser
solucionados com um aumento de recursos. É necessário que se faça uma análise das prioridades e um
cuidadoso balanço dos custos. Que possamos dar nosso apoio, mas que também sejamos prudentes com
respeito aos recursos das pessoas. (“Be Not Deceived,” Ensign, November 1983, p. 45)
Desde cedo exponham as crianças aos livros. A mãe que deixa de ler para seus filhos pequenos
causa dano a eles e a si mesma. Leva tempo, sim, muito tempo. É necessário ter auto-disciplina. É
preciso organizar e controlar bem os minutos e horas do dia. Mas nunca será enfadonho ver mentes tão
jovens conhecer personagens, expressões e idéias. A boa leitura pode-se tornar uma grande paixão,
muita mais produtiva nos seus efeitos a longo prazo do que qualquer outra atividade em que as crianças
despendam seu tempo. Estima-se que “em média as crianças neste continente assistam a cerca de 8.000
horas de TV antes de começarem a freqüentar a escola”. Isso é em grande parte de valor questionável.
Pais, esforcem-se para criar uma atmosfera em seu lar. Faça com que seus filhos estejam expostos
aos grandes pensadores, às grandes idéias, às verdades eternas e a todas as coisas que irão edificá-los e
motivá-los para o bem.
O Senhor disse a este povo: “Nos melhores livros buscai palavras de sabedoria; procurai
conhecimento, sim, pelo estudo e também pela fé”. (D&C 88:118) Gostaria de exortar a cada pai dentro
dos limites de minha voz a criar em seu lar uma atmosfera de aprendizado e crescimento. (“The
Environment of Our Homes,” Ensign, June 1985, pp. 4–5)
Quando era menino morávamos numa casa grande e antiga. Uma das salas era chamada de
biblioteca. Tinha uma mesa sólida e um bom abajur, três ou quatro cadeiras confortáveis com boa
iluminação e livros nas prateleiras que contornavam as paredes. Havia muitos volumes. Eram as
aquisições de meu pai e minha mãe durante um período de muitos anos.
Nunca fomos forçados a lê-los, mas eles estavam colocados de um modo bem acessível onde
podíamos pegá-los quando desejássemos.
Havia silêncio naquela sala. Entendíamos que ali era um ambiente de estudos.
Havia também revistas: as revistas da Igreja e duas ou três outras boas revistas. Havia livros de
história e literatura, livros de assuntos técnicos, dicionários, uma coleção de enciclopédias e um atlas
mundial. Não havia televisão naquela época, naturalmente. O rádio surgiu enquanto eu ainda estava em
crescimento. Mas havia um ambiente (...) de aprendizado. Eu não farei vocês pensarem que éramos
grandes eruditos. Mas éramos expostos à boa literatura, às grandes idéias de grandes pensadores, e à
linguagem de homens e mulheres que pensavam com profundidade e escreviam magnificamente. (“The
Environment of Our Homes,” Ensign, June 1985, p. 4)
Acredito na busca da educação. O que é educação? Reduzindo-a a mais simplística definição, é o
treino da mente e do corpo. Que coisa maravilhosa é o processo em que o conhecimento cumulativo de
séculos é resumido e filtrado para que num curto período de tempo se possa aprender o que foi
adquirido através de longos períodos de pesquisas, tentativas e erros. A educação é um grande processo
de conversão sob o qual o conhecimento abstrato transforma-se em uma atividade útil e produtiva. É
algo que nunca necessita parar. Não importa qual seja a nossa idade podemos adquirir conhecimentos e
fazer uso deles. Podemos adquirir sabedoria e nos beneficiarmos dela. Podemos entreter-nos através do
milagre da leitura e exposição às artes; elas acrescentam bênçãos no decorrer de nossa existência.
(“Articles of Belief,” Bonneville International Corporation Management Seminar, February 10, 1991)
À medida que seguem em frente com sua vida, eu os desafio a nunca esquecerem que a educação
do Espírito é tão importante, se não for mais, que a educação da mente. (...)
Existe uma tendência da parte de alguns formandos em dizer: “Finalmente tudo ficou para trás.”
Não, existe muito mais para frente do que o que foi deixado para trás. Vivemos num mundo onde o
conhecimento se desenvolve cada vez mais rápido. Beba sempre deste contínuo poço de sabedoria e
experiência humana. Se você quiser parar agora, irá somente tolher seu desenvolvimento intelectual e
espiritual. Seja eternamente assim: leia, leia e leia. Leia a palavra de Deus nos sagrados livros de
escritura. Leia a literatura de todos os tempos. Leia o que está sendo dito em nossos dias e o que será
dito no futuro. (“A Three-Point Challenge,” BYU Commencement Address, April 27, 1995)
Jovens, as pequenas decisões que vocês tomam podem afetar muito sua vida. Devo ir para a escola
ou não? Devo continuar a estudar? Essa é uma grande decisão para alguns de vocês. Nossa doutrina
sugere (...) que quanto mais educação recebermos maior será nossa oportunidade de servir, e nunca se
deve esquecer que o Senhor ordenou aos membros desta Igreja que aprendam pelo estudo e também
pela fé. É por isso que a Igreja mantém a maior universidade particular da nação, se não do mundo
inteiro. A Igreja encoraja seus jovens a obterem mais educação para que se qualifiquem a conseguir um
lugar na sociedade de que farão parte. Tomem decisões corretas. Tenham uma visão maior. (Pocatello
Idaho Biregional Conference, June 4, 1995)
Este é um dia de grandes oportunidades para vocês jovens, é uma época maravilhosa para se estar
na Terra. Todo o conhecimento das eras anteriores está a seu dispor. Vocês estão expostos a todo o
conhecimento daqueles que caminharam na Terra, aprendizado esse que está sendo resumido em cursos
onde se pode adquiri-lo em um tempo relativamente curto; é o conhecimento que os homens levaram
séculos para adquirir. Não se restrinjam. Não percam essa grande oportunidade. Busquem-no,
trabalhem e estudem com empenho. (Smithfield/Logan Utah Regional Conference, April 21, 1996)
Adquira toda a educação que puder, é o que eu gostaria de dizer para os jovens. Cultive
habilidades manuais e intelectuais. A educação é a chave para a oportunidade. O Senhor colocou sobre
nós, como membros da Igreja, a obrigação de estudar e aprender as coisas espirituais, mas as coisas
materiais também. Adquira toda a educação que puder, mesmo que isso signifique um grande sacrifício
enquanto jovem. Você abençoará a vida de seus filhos. Você abençoará a Igreja por que refletirá honra
à este trabalho. (Copenhagen Denmark Fireside, June 14, 1996)
Não é suficiente somente viver e sobreviver. Todo membro da Igreja tem o dever, ordenado pelo
Senhor, de preparar-se para contribuir com algo que possa trazer proveito para a sociedade. O Senhor
deixou bem claro em Doutrina e Convênios que devemos educar-nos pelo estudo e pela fé das coisas
debaixo da Terra, na Terra, e acima da Terra, das guerras e complexidades das nações, dos tempos e
estações de todas as coisas da Terra. (Ver D&C 88:79) Exorto nossos jovens a serem famintos de
educação. Vocês estarão fazendo a vontade do Senhor ao educarem sua mente e mãos para um trabalho
no futuro, com o qual poderão contribuir com o mundo de que fazem parte. Sacrifiquem-se para isso,
trabalhem, economizem, planejem e executem. (Hailey 1st and 2nd Wards Sacrament Meeting, Sun
Valley, Idaho, June 30, 1996)
Adquiram toda a educação que puderem. Repito: não importa o que vocês queiram ser desde que
seja algo respeitável. Um mecânico de carros, um pedreiro, um eletricista, um médico, um comerciante,
mas não um ladrão. Mas qualquer coisa que sejam, aproveitem a oportunidade e adquiram treinamento
e façam o melhor que puderem. A sociedade irá recompensá-lo de acordo com o seu valor, da maneira
que ela o percebe. Hoje é o grande dia de preparação para cada um de vocês. Se isso significa
sacrifício, então sacrifique-se. Esse sacrifício se tornará o melhor investimento que você já fez, você
colherá seus frutos por todos os dias de sua vida. Seja sábio. Seja sábio nos seus estudos. Faça o melhor
que puder. Talvez você não seja um aluno nota 10, ou 9, talvez você não seja um gênio; a maioria de
nós não somos. Li um artigo muito tempo atrás: “Chega de Prodígios”, que relata a história de um
grande número daqueles que eram sabidos demais. Concluo que o trabalho do mundo é feito por
pessoas comuns que aprenderam a trabalhar de um modo extraordinário. Você não precisa ser um gênio
para se destacar. Seja esperto na maneira em que realiza suas tarefas. (Eugene Oregon Regional
Conference, September 15, 1996)
EGOÍSMO
O antídoto para o egoísmo é o serviço, é buscar os que nos cercam, os que se encontram em nosso
lar e além das paredes de nosso lar. Uma criança que cresce num lar onde haja um pai egoísta e
ganancioso está propensa a desenvolver as mesmas tendências em sua vida. Por outro lado, uma criança
que veja seu pai e mãe renunciar a confortos para irem em busca dos que se encontram aflitos, irá,
provavelmente seguir o mesmo padrão quando atingir a maturidade. (“The Environment of Our
Homes,” Ensign, June 1985, p. 4)
Falo de conflitos, brigas, discussões que representam um mal debilitante que aflige
particularmente as famílias. Se houver tais problemas no lar de qualquer um ao alcance de minha voz,
admoesto-os a recorrerem ao poder sanador de Cristo. Disse Jesus no Sermão da Montanha: “Ouvistes
que foi dito: Olho por olho, e dente por dente.
Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe
também a outra. (...)
E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas”. (Mateus 5: 38–41)
A aplicação desse princípio, difícil de viver mas maravilhoso em seu poder sanador, teria um
efeito milagroso em nossos lares conturbados. A causa de grande parte de nosso infortúnio é o egoísmo,
que é um mal corrosivo. O poder sanador de Cristo, encontrado na doutrina da segunda milha, faria
maravilhas para aplacar discussões e acusações, críticas e maledicências. (“The Healing Power of
Christ,” Ensign, November 1988, p. 54)
ENSINO
As moças da Igreja merecem e necessitam de líderes e professoras de grande capacidade e fé,
mulheres para quem elas possam olhar com admiração e respeito, mulheres que sejam exemplos para
garotas que estão crescendo e se preparando para missões na vida, com a felicidade em mente, com a
força do futuro da Igreja, para dar ênfase a esta grande obra. (Regional Representatives Seminar, April
1, 1988)
Precisamos fazer um trabalho mais completo no processo de ensino para que o Espírito penetre no
coração das pessoas. É mais do que intelectual, mais do que um processo mental. Deve ser algo do
coração, do espírito. (Ireland Dublin Missionary Meeting, September 1, 1995)
Devemos fortalecer-nos e também os membros para que nossos professores falem usando mais o
coração do que os livros, para que comuniquem o amor pelo Senhor e Seu precioso trabalho, para que
de algum modo acendam uma chama no coração daqueles que estão sendo ensinados. (General
Authority Training Meeting, April 2, 1996)
Estamos sendo reconhecidos através do mundo pelo que somos, professores da retidão,
professores da verdade, professores da paz, professores da bondade, professores da salvação para a
humanidade. Como isso é maravilhoso! (Japan Tokyo North, Japan Tokyo South, and Japan Sendai
Missionary Meeting, May 18, 1996)
Já falei antes sobre a importância de manter a doutrina da Igreja pura e verificar que ela seja
ensinada em todas as nossas reuniões. Isso me preocupa. Pequenas aberrações nos ensinamentos
doutrinários podem levar a grandes e maldosas falsidades. (General Authority Training Meeting,
October 1, 1996)
ENSINO FAMILIAR
Muitos de vocês são mestres e sacerdotes e também mestres familiares. Vocês têm autoridade
neste trabalho de serem mestres do arrependimento; ou seja, incentivar os santos dos últimos dias por
quem vocês têm alguma responsabilidade a viverem os princípios do evangelho mais fielmente. Um
rapaz que é um sacerdote vem a minha casa com seu pai como mestre familiar. Ele tem a oportunidade
e a responsabilidade de incentivar-me a viver mais completamente os princípios do evangelho
restaurado de Jesus Cristo.
O grande encargo de nosso trabalho no ministério do Senhor é ensinar o arrependimento,
incentivar as pessoas a resistirem ao pecado e caminharem de modo íntegro diante do Senhor. Esse é o
evangelho do arrependimento, e é sua a responsabilidade e a autoridade através do sacerdócio que
possuem de ensinar o evangelho do arrependimento. Vocês reconhecem, naturalmente, que para serem
bem sucedidos, sua própria vida deva ser um exemplo. (“The Priesthood of Aaron,” Ensign, November
1982, p. 46)
Éramos também designados mestre familiares, mestres do quarteirão, como éramos designados
naquela época.
Recordo-me vividamente da minha primeira designação. Eu faria visitas com um dos sumos
sacerdotes da ala. Ele me ligou e marcou a visita. Eu estava muito pouco entusiasmado em sair com
aquele senhor. Mas na noite designada para fazermos a visita, vesti minhas melhores roupas e caminhei
em direção à sua casa. Eu era um menino de quinze anos e ele era um homem que eu calculava ter
cerca de sessenta. Tímidamente bati em sua porta. Ele convidou-me calorosamente para entrar. Ele
disse que iríamos fazer uma oração antes que saíssemos. Fomos ao seu quarto. Ajoelhamo-nos ao lado
da cama, e ele ofereceu a oração. Ele agradeceu ao Senhor por eu poder ir com ele como seu
companheiro, e orou para que o Senhor me abençoasse. Para vocês pode soar como algo muito simples,
mas teve um grande efeito sobre mim.
Nós visitamos cerca de quatro ou cinco famílias naquela noite, e em cada casa ele pedia que eu
dissesse alguma coisa. Não tenho nenhuma lembrança do que disse naquela ocasião. Mas quando
terminávamos nossa visita em cada casa, os membros da família apertavam nossa mão e diziam
palavras de gratidão. O crescimento advindo daquela experiência pode ter sido pequeno e quase
imperceptível, mas se tornou parte da essência de minha vida. (Priesthood Restoration Commem-
oration Fireside, May 6, 1990)
Vocês têm uma responsabilidade inevitável de irem aos lares das pessoas e ensinarem-lhes o
evangelho. Cuidem para que não haja iniqüidade, calúnia, ou falar mal do próximo e edifiquem a fé.
Verifiquem se estão passando bem em termos materiais. É uma grande responsabilidade. (...) Não
desempenhamos tão bem como deveríamos o nosso chamado de mestre familiar. Poderíamos fazê-lo
muito melhor. (Anchorage Alaska Regional Conference, priesthood leadership session, June 17, 1995)
Fazer as visitas de mestre familiar não é muito trabalho; exige apenas um pouco de fé. (Tacoma
Washington Regional Conference, priesthood leadership session, August 19, 1995)
Espero que os mestre familiares e as professoras visitantes aprendam duas coisas: primeiro, o
desafio da responsabilidade que reside em seu grande chamado, e segundo, o encanto que resulta de seu
trabalho, particularmente com aqueles entre nós que são menos ativos. Espero que esses mestres se
ajoelhem e orem pedindo orientação, e então saiam para trabalhar e tragam os pródigos que se
encontram afastados de volta ao aprisco da Igreja. Se os mestres familiares e as professoras visitantes
cumprirem esse desafio, eu honestamente acredito que experimentarão o doce e maravilhoso
sentimento que é ser um instrumento nas mãos do Senhor ao levar alguém de volta às atividades de Sua
Igreja e reino. (Reception for LDS Congressional Leaders, November 12, 1995)
Nosso povo precisa de ajuda. Eles têm tantos problemas: sociais, domésticos, conjugais, tantos
problemas. Precisamos ajudar. Precisamos ter mais mestres familiares entre eles para fortalecê-los, para
ouvi-los, para elevá-los e incentivá-los, ajudando-os nas dificuldades da vida. (Charlotte North Carolina
Regional Conference, priesthood leadership session, February 24, 1996)
EQUILÍBRIO
Ver também Prioridades
Eu acho que todos os líderes da Igreja, todos nós nesta Igreja, servimos em capacidade semi-
integral e temos uma responsabilidade quádrupla. Em primeiro lugar, temos responsabilidade para com
nossa família e necessitamos compartilhar nosso tempo com ela. Que proveito teria o homem de ganhar
o mundo e perder a si mesmo, parafraseando o Salvador. Todo homem tem responsabilidade perante
sua família. Nenhum de nós pode escapar disso. (...) Temos de encontrar tempo para estar com a
família. Isso é básico e é fundamental.
Se temos um emprego, temos responsabilidade para com o nosso empregador. Nós não estamos
livres para enganá-lo, por assim dizer, para cuidar dos assuntos do quórum de élderes. Temos a
responsabilidade, como homens íntegros e honestos, de agir honestamente para com o nosso
empregador.
Temos responsabilidade perante o Senhor, naturalmente, de realizar aquilo que é esperado de nós
como servos na Sua casa.
E convém acrescentar, temos responsabilidade conosco mesmo de dispor de algum tempo para
meditar um pouco, fazer um pouco de exercício ou outra atividade.
Bem, é uma responsabilidade quádrupla. Como encontrar o equilíbrio? Eu não acho que seja
difícil. Servi em muitos chamados nesta Igreja. Sou pai de cinco filhos, que eram jovens e estavam em
fase de crescimento enquanto eu servia nesses diversos chamados. Passávamos as férias juntos e nos
divertíamos muito. Aproveitamos a vida. Fazíamos nossas noites familiares juntos e fazíamos o que a
Igreja esperava que fizéssemos. É um programa que traz segurança; ele é inspirado.
Como presidente de estaca acho que posso dizer que não negligenciei minha família. Penso que se
meus filhos estivessem aqui eles confirmariam o que lhes digo. Acho que nunca deixarei de sentir-me
grato por eles terem crescido e se tornado santos dos últimos dias fiéis, que assumem perfeitamente
suas responsabilidades. O crédito vai para a mãe maravilhosa que eles têm. Ela fazia o trabalho
enquanto eu estava fora. (...)
Atentem para os seus recursos. O maior recurso nesta questão é o tempo. Acho que vocês podem
fazê-lo. Façam com que haja equilíbrio. Organizem-se, como o Senhor ordenou, de modo que possa
haver equilíbrio. (Heber City / Springville Utah Regional Conference, priesthood leadership session,
May 13, 1995)
ESCOLHA E RESPONSABILIDADE
O homem é a maior criação de Deus. O mundo foi criado para ele. Seu bem-estar é a maior
preocupação do Pai. Porém, Deus não faz do homem uma peça de jogo. Ele o persuade e direciona, mas
nunca o força. O homem é livre para escolher seu próprio caminho. Não existe predestinação na
teologia mórmon. O livre-arbítrio é uma dádiva sagrada, divinamente concedida. Aqui está a resposta
para uma antiga pergunta: “Se Deus ama seus filhos por que Ele permite que haja guerras, contendas e
coisas malignas?” Porque Ele considera inviolável o direito de escolha dado ao homem para decidir seu
próprio caminho, entre o bem e o mal, entre a vida e a destruição. (What of the Mormons? pamphlet,
1982, pp. 6–7)
Ao homem foi concedido o arbítrio para escolher o bem ou o mal. Disse o profeta Leí a Jacó:
“Portanto, os homens são livres de acordo com a carne; e todas as coisas que lhes são necessárias
lhes são dadas. E estão livres para escolher a liberdade e a vida eterna, por meio da grande mediação de
todos os homens, ou para escolher o cativeiro e a morte, de acordo com o cativeiro e o poder do
demônio; pois que ele procura tornar todos os homens tão miseráveis como ele próprio”. (2 Néfi 2:27)
Repito: cada um de nós pode escolher o certo ou o errado. Mas essa escolha traz conseqüências
inevitáveis. Aqueles que escolhem violar os mandamentos de Deus correm grave risco espiritual e
físico. Diz o Apóstolo Paulo: “O salário do pecado é a morte”. (Romanos 6:23)
Jacó ensinava: “Lembrai-vos de que ter a mente carnal é morte e ter a mente espiritual é vida
eterna”. (2 Néfi 9:39) (“Reverence and Morality,” Ensign, May 1987, p. 47)
Certamente, Nosso Pai nos céus ama seus filhos e filhas. Ele confia em nós. Essa própria
confiança torna-se uma barra de ferro à qual devemos-nos apegar enquanto caminhamos na estrada da
mortalidade. Alguns tropeçam e erram violando essa confiança. Eles são responsáveis pelo que eles
fazem (...)
Confiança e responsabilidade são duas grandes palavras que devem guiar nossa vida se quisermos
viver além de nós mesmos e atingir níveis mais altos de serviço. (“Trust and Accountability,” BYU
1992–93 Devotional and Fireside Speeches, October 13, 1992, pp. 25–26)
As decisões que tomamos, individual e pessoalmente, formam a textura de nossa vida. Ela será
bela ou feia, de acordo com os fios usados para tecê-la. Desejo dizer, em especial aos rapazes aqui
presentes, que não podem assumir comportamentos inadequados sem ferir a beleza da textura de sua
vida. Os atos imorais de qualquer tipo enfeiarão os fios. A desonestidade, de qualquer tipo, cria
manchas. O linguajar sujo rouba a textura de sua beleza.
“Faze o bem escolhendo o que é certo” é o chamado feito a cada um. (Hinos, nº 148)
Anos atrás trabalhei para uma das nossas estradas de ferro. Estava trabalhando em Denver no
escritório de uma das nossas grandes estradas de ferro. Eu era responsável pelo tráfego dos vagões que
acompanhavam o trem de passageiros levando correspondência, bagagem dos passageiros e
encomendas. Um dia recebi um telefonema de um homem que fazia esse mesmo tipo trabalho em uma
outra estrada de ferro em Newark, New Jersey. Ele disse: “Um trem chegou sem o carro das bagagens.
Nós temos 300 pessoas indignadas aqui. Suas roupas não chegaram. Suas lâminas de barbear não
chegaram. A maquiagem não chegou. Todos eles estão muito bravos com o chefe da estação e estão
muito aborrecidos. O que aconteceu com o carro das bagagens?” Telefonei para Oakland, Califórnia, e
descobri que o carro das bagagens tinha sido posto no trem em Oakland e entregue em nossa estrada de
ferro em Salt Lake. Ele foi levado de Salt Lake para Denver, para Pueblo e entregue à estrada de ferro
Missouri Pacific para ser levado para St.Louis. E de St. Louis era para ser levado para Newark, New
Jersey, pela estrada de ferro Baltimore & Ohio. Mas um descuidado guarda-chaves nos pátios de St.
Louis moveu um pedacinho de aço para o lado errado. Descobrimos assim que o vagão que era para
estar em Newark, New Jersey, tinha ido parar em New Orleans, Louisiana, a 2.000 quilômetros de
distância. Tudo começou com uma coisa pequena, virando-se uma alavanca para o lado errado. Existe
uma prisão em Salt Lake City cheia de pessoas que fizeram a escolha errada, que fizeram uma pequena
troca num determinado ponto de sua vida e logo estavam no trilho errado, indo para o lugar errado.
O que você escolherá fazer? Por exemplo, alguém quer que você fume. Nunca esqueça que eu lhe
disse: não fume. Diga não. Aquela latinha de cerveja que alguém quer que você experimente, não o
faça. Jamais experimente. Aquela droga que alguém quer que você use, não toque nela. Fique longe
dela. Ela pode destruir você. Conversei outro dia com um orientador educacional de uma grande escola
do distrito, e perguntei: “Quantos jovens no seu distrito já experimentaram drogas?” E ele disse:
“Cinqüenta por cento”. E eu disse: “Quantos estão fazendo uso delas?” Ele disse: “Vinte e cinco por
cento”. Eles são os perdedores. Eles não são os vencedores. (...) Eles fazem parte do Clube Americano
dos Futuros Perdedores. (...) Estão jogando o futuro fora em coisas burras como essa.
Façam a escolha certa. Eu não tenho que lhes dizer o que isso significa. Vocês sabem o que quer
dizer. Escolham o certo. Suas oportunidades são enormes, são excelentes. Vocês entraram em cena no
mundo na melhor época da história da humanidade. Ninquém que já tenha vivido nesta Terra teve as
vantagens que vocês têm. (...) Não se tornem membros do Clube dos Futuros Perdedores dos Estados
Unidos. Lembrem-se de escolher o certo em tudo o que fizerem. (St. George Utah Youth Fireside,
January 14, 1996)
Sem reconhecimento da Deidade, sem aceitação do Todo-Poderoso como o poder que governa o
universo, todos os importantes elementos da responsabilidade pessoal e nacional retraem-se e morrem.
Estou convencido de que essa é uma das razões do grande número de problemas sociais com os quais
lidamos nestes dias. Gravidez na adolescência, famílias abandonadas, falta de reconhecimento da
propriedade e direitos alheios, e muitos outros problemas, são resultado, em parte considerável, de
deixarmos de reconhecer que existe um Deus e que chegará o dia em que cada um de nós terá que
prestar contas a Ele. (“Preserving Our Trust in God,” American Legion Patriotic Religious Service,
September 1, 1996)
Minhas desculpas por estarmos atrasados. Nós acordamos na hora. Saímos do hotel na hora.
Fomos para o aeroporto na hora certa. Nós levantamos vôo na hora certa. Mas após estarmos no ar —
estávamos programados para voar a 43.000 pés e a 600 milhas por hora — perceberam que um dos
limpadores de pára-brisas não voltava ao lugar. Isso significava que se voássemos muito alto e muito
rápido ele poderia rebentar e atingir um dos motores, o motor que faz o jato voar, e destruí-lo. Então,
nós ficamos voando em volta dos rios e florestas de Manaus, Brasil, por duas horas, queimando o
combustível que necessitava ser gasto antes de aterrizarmos para que então o problema com a palheta
do limpador de pára-brisas pudesse ser solucionado. O resultado é que chegamos aqui duas horas e
meia atrasados. (...)
Estava pensando nisso: aquela pequena palheta do limpador de pára-brisas atrasou-nos duas horas
e meia. O mesmo acontece com nossa vida. Vamos prosseguindo e pensando que tudo está bem, isso,
aquilo e aquilo outro, e então fazemos uma pequena coisa que nos destrói, que nos fere. Podemos ficar
com preguiça de ir à reunião sacramental e então decidimos não ir. Não passa muito tempo e não
estamos indo mais. Ou então, envolvemo-nos em algum problema moral, um pequeno problema que
nos leva a um grande desastre. Não são as grandes escolhas na nossa vida que nos destroem, mas as
pequenas escolhas que fazemos dia após dia; elas nos causam problemas reais e nos levam à destruição.
(...) Vocês ouviram a história da mulher que foi ser entrevistada pelo bispo para renovar sua
recomendação e ele perguntou se ela bebia café e ela disse: “Sim, ocasionalmente”. Ela disse: “Você
não vai permitir que uma pequena xícara de café me impeça de entrar no templo, vai?” E o bispo
respondeu: “Você não vai deixar que uma xícara de café a impeça de entrar no templo, vai?”
Essa é a história. Um pequeno deslize aqui, outro pequeno deslize ali são as pequenas coisas que
acabam nos envolvendo em problemas. (Miami Florida Fireside, November 7, 1996)
ESCOTISMO
Tornei-me escoteiro. Naquele tempo não tínhamos o programa para Lobinhos, e o menino tinha de
esperar até os doze anos para ser escoteiro. Isso foi em 1922, apenas nove anos depois de a Igreja
adotar o programa de escotismo. Eu pertencia, então, a uma ala muito grande pelos padrões atuais;
éramos mais de mil e cem pessoas na ala. Tínhamos uma tropa numerosa e costumávamos reunir-nos
no salão cultural da antiga Ala Um. Fazíamos uma barulheira e tanto. O piso era de madeira, as paredes
sólidas e lisas, fazendo o som refletir. Nosso chefe de escoteiros tinha um apito que usava com
freqüência para impor ordem.
Preenchi a proposta e paguei cinqüenta centavos de taxa de registro, o que na época me pareceu
uma porção de dinheiro. Aprendi o lema escoteiro: “Sempre Alerta”, e também a máxima do escoteiro:
“Fazer uma boa ação todos os dias”. Aprendi o juramento do escoteiro (...)
Aprendi a lei do escoteiro (...) E quando recitávamos a lei, um dos meninos sempre acrescentava:
“O Escoteiro tem fome”. Acho que era verdade, pois vinha de uma família numerosa e arranjar comida
que bastasse era sempre um desafio. (“The Aaronic Priesthood—-a Gift from God,” Ensign, May 1988,
p. 44)
Sinto-me feliz em poder congratulá-los, vocês que fazem com que o grande programa dos
Escoteiros siga em frente. Não teríamos o tipo de problemas que temos com as gangues, se houvesse
mais rapazes tomando parte no Escotismo, pois o espírito dos Escoteiros e o espírito da vida das
gangues contradizem um ao outro. Esse programa eleva os meninos, constrói seu futuro, guia-os no
caminho reto para que possam fazer alguma coisa de sua vida, enquanto que o outro tipo de
comportamento leva à tragédia, dificuldades e inúmeros problemas. Cada homem ou mulher ao ajudar
um menino na sua trajetória pela vida não somente lhe faz uma grande contribuição como também o faz
para a sociedade como um todo. (Scout-O-Rama Breakfast, Salt Lake City, Utah, May 4, 1996)
Sinto-me muito orgulhoso da tradição da Igreja que represento em termos de patrocínio dos
Escoteiros. Meu pai foi membro do comitê dos três que foram para Nova York e fizeram um estudo do
programa dos Escoteiros. Os registros mostram que ele apresentou a conclusão e fez a sugestão oficial
para que a Igreja adotasse o programa dos Escoteiros dos Estados Unidos como um programa de
atividade para meninos da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. (Scout-O-Rama
Breakfast, Salt Lake City, Utah, May 4, 1996)
Gostaria de fazer um comentário ou dois sobre o juramento dos Escoteiros, que considero ser algo
incrível que aprendi quando menino: “Pela minha honra farei o melhor possível para cumprir meus
deveres para com Deus e a minha pátria e a obedecer à Lei Escoteira; ajudar o próximo em toda e
qualquer ocasião; manter-me fisicamente forte, mentalmente alerta e moralmente limpo”.
Há muita conversa obscena entre meninos e meninas do 1º e 2º grau. Há tanta imoralidade ao
nosso redor. Nós, Escoteiros, precisamos nos manter firmes e nos erguer acima de tudo isso. Não
podemos nos dar ao luxo de nos envolvermos com as drogas. Ao fazê-lo, repudiaríamos as grandes
palavras do juramento dos Escoteiros: “(...) manter-me fisicamente forte, mentalmente alerta e
moralmente limpo.” (...) Gostaria de dizer que se cada menino nos Estados Unidos conhecesse e
observasse o juramento dos escoteiros no decorrer de sua vida, não necessitaríamos de tantas cadeias
neste país. Cada jovem deveria fazer um voto e assumir esse voto durante toda sua vida de se manter
“fisicamente forte, mentalmente alerta e moralmente puro”.
“Ajudar o próximo em toda e qualquer ocasião”. Nunca se esqueça de que você tem a
responsabilidade de fazer uma boa ação todos os dias. Inicie esse hábito agora e ele permanecerá com
você durante sua vida, se incuti-lo em seu coração.
Cumprir meus deveres para com Deus e esta grande pátria da qual somos cidadãos; quão
maravilhoso é esse juramento.
Finalmente: “Pela minha honra farei o melhor possível”. Karl G. Maeser, que foi o fundador da
Universidade Brigham Young, disse o seguinte sobre sua palavra de honra: “Coloque-me numa prisão
com paredes bem altas e espessas e talvez, de alguma forma, possa sair. Mas coloque meus pés no
chão, trace uma linha de giz em torno deles e faça-me prometer por minha honra não dar um passo
além dela. Prefiro morrer a tentar fazê-lo”. Esse é o significado de honra. “Pela minha honra eu farei o
melhor possível”. Se cada um de nós, meus queridos colegas Escoteiros, vivermos à altura dessas
poucas palavras no decorrer de nossa vida — “Pela minha honra farei o melhor possível” — seja na
escola, em nossa vida social, em nossa vida de negócios, em nossa vida profissional, onde quer que
seja, se fizermos o melhor que pudermos, teremos sucesso e felicidade. (Boy Scout Jamboral, Fillmore,
Utah, September 27, 1996)
ESCRITURAS
Ver também Livro de Mórmon; Doutrina e Convênios
Deus não nos deixou caminhar no escuro em ignorância. Sua palavra, proferida tanto antigamente
como em nossa geração, está à disposição de todos para que possam ler, ponderar e aceitar. Temos
entre nós muitos livros e pregadores, e encontro virtude nas palavras de todos; porém, a mais segura
fonte de sabedoria divina é a palavra do Senhor nas sagradas obras-padrão da Igreja. Nelas
encontramos a doutrina a que necessitamos nos apegar a fim de que esta obra prossiga para seu destino
divinamente designado. (“Five Million Members — A Milestone and Not a Summit,” Ensign, May
1982, p. 45)
Podemos ler as escrituras, ponderar seu significado, e com elas nos familiarizarmos para que
sejamos eternamente abençoados. Podemos fazê-lo em nossa reunião familiar, e ao assim procedermos
crescerá em nossos filhos o amor pelo Senhor e Sua sagrada palavra. (“‘Let Us Move This Work
Forward,’” Ensign, November 1985, p. 85)
Ainda que algumas de vocês estejam muito ocupadas com a criação dos filhos e tenham pouco
tempo para outras coisas nessa etapa da vida, podem alargar sua mente e ampliar seu conhecimento por
intermédio da leitura de bons livros. (...) Que coisa maravilhosa é um bom livro! Quão estimulante é ler
e compartilhar com um grande autor pensamentos que edificam, fortalecem e ampliam nosso horizonte!
Vocês podem achar que estão ocupadas demais. Dez ou quinze minutos ao dia com as escrituras, e
particularmente com o Livro de Mórmon, lhes concederá um maravilhoso discernimento das grandes
verdades eternas que foram preservadas pelo poder do Todo-Poderoso para a bênção de Seus filhos. A
leitura da vida e dos ensinamentos do Senhor Jesus Cristo lhes aproximarão mais daquele que é o autor
de nossa salvação. (“Rise to the Stature of the Divine within You,” Ensign, November 1989, p. 97)
Acredito nos sagrados escritos do passado. Nossos livros de escritura, que sobreviveram através
dos séculos, estabeleceram a base de nossa lei civil, de nossos relacionamentos na sociedade, de nossas
responsabilidades familiares, e, o mais importante, contêm os ensinamentos, princípios e mandamentos
que nos foram dados divinamente para estabelecer o curso de nossa vida. Declararam a implacável lei
da colheita: “o que semeardes, isso colhereis”. (D&C 6:33) Decifraram uma lei de responsabilidade sob
a qual devemos algum dia prestar conta de nossos labores, nossas atividades e nossas palavras para o
Deus dos céus, que nos concedeu o privilégio da vida com todas as suas alegrias, com todas as suas
oportunidades e com todos os seus desafios. (“This I Believe,” BYU 1991–92 Devotional and Fireside
Speeches, March 1, 1992, p. 82)
Agradeço pelo destaque dado à leitura das escrituras. Espero que isso se torne algo bem mais
agradável que um simples dever; que se transforme em uma paixão pelas palavras de Deus. Prometo-
lhes que, quando as lerem, sua mente será iluminada e seu espírito elevado. A princípio poderá parecer
monótono, mas transformar-se-á em uma maravilhosa experiência com pensamentos e palavras de
natureza divina. (“The Light within You,” Ensign, May 1995, p. 99)
Quanto mais lemos sobre história, e particularmente história sagrada, (...) mais estabelecemos um
padrão para guiar nossa vida de maneira produtiva. Ele determinou o caminhou. Esse é o caminho para
o progresso, e quer se tratem de questões de teologia ou de vivência do dia-a-dia na sociedade da qual
fazemos parte, os princípios estabelecidos nas escrituras tornam-se princípios que nos levam à
felicidade e entendimento, nobres ideais para direcionar nossa vida e fé para superar os problemas que
inevitavelmente confrontaremos ao prosseguirmos em nossa jornada. (Church News Interview, June 7,
1995)
Reserve um tempo, metodicamente, para ler o Livro de Mórmon. Leia o “quinto evangelho”, 3
Néfi, começando no 11º capítulo. E então, leia o Livro de Mórmon inteiro para fortalecer tudo o que foi
lido. Leia, então, os outros evangelhos. Eles lhes proporcionarão tesouros para sua vida e um maior
entendimento do Salvador do mundo. (Ricks College Regional Conference, Rexburg, Idaho, October
29, 1995)
No final de tudo, o teste da doutrina está nas obras-padrão da Igreja. Elas foram aceitas em
conferências e reunidas como nosso padrão doutrinário. (General Authority Training Meeting, October
1, 1996)
ESPÍRITO SANTO
Ver também Revelação
Os humanistas que criticam o trabalho do Senhor, os assim chamados intelectuais que diminuem,
falam somente por ignorância de manifestações espirituais. Eles não ouviram a voz do Espírito. Eles
não a ouvem porque não buscam e não se preparam para serem dignos disso. Então, supondo que o
conhecimento seja adquirido somente pela razão e pelas racionalizações da mente, negam o que é dado
pelo poder do Espírito Santo.
As coisas de Deus são compreendidas pelo Espírito de Deus. Esse Espírito é real. Para aqueles que
já experimentaram suas manifestações, o conhecimento adquirido é tão real quanto o que se obtém por
intermédio da operação dos cinco sentidos. Eu testifico a respeito disso. E tenho certeza de que a
maioria dos membros da Igreja também podem testificar. Eu exorto a cada um de vocês que continuem
a cultivar um coração em sintonia com o Espírito. (...)
Não nos deixemos enganar pelos sofismas do mundo, que na sua maior parte são negativos e com
muita freqüência produzem frutos amargos. Caminhemos com fé no futuro, falando afirmativamente e
cultivando uma atitude de confiança. (“The Continuing Pursuit of Truth,” Ensign, April 1986, p. 6)
O Espírito Santo (...) é uma dádiva, sagrada e maravilhosa, vinda por revelação de um terceiro
membro da Trindade. Acredito no Espírito Santo como um personagem de espírito que ocupa um lugar
com o Pai e o Filho, esses três compondo a divina Trindade.
A importância dessa posição é esclarecida pelas palavras do Senhor, que disse:
“Todo o pecado e blasfêmia se perdoará aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será
perdoada aos homens.
E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado; mas, se
alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste século nem no futuro”. (Mateus
12:31–32) (The Father, Son, and Holy Ghost, booklet [Salt Lake City: Bookcraft, 1988], pp. 10–11)
O Espírito Santo é o terceiro membro da Trindade, o Consolador prometido pelo Salvador que iria
ensinar Seus seguidores e os faria lembrar de tudo o que Ele dissera. (Ver João 14:26)
O Espírito Santo é o Testificador da Verdade, que pode ensinar aos homens coisas que eles não
podem ensinar um ao outro. Nas grandes e desafiadoras palavras de Morôni, o conhecimento da
veracidade do Livro de Mórmon é prometido “pelo poder do Espírito Santo”. Morôni então declara: “E
pelo poder do Espírito Santo podeis saber a verdade de todas as coisas”. (Morôni 10:4–5) (The Father,
Son, and Holy Ghost, booklet [Salt Lake City: Bookcraft, 1988], p. 11)
Que grande bênção é termos a influência ministradora de um membro da Trindade, tendo recebido
esse dom sob as mãos daqueles que agem com autoridade divina. Após recebermos este dom, se então
continuarmos a caminhar em virtude, poderemos regozijar-nos com o cumprimento da promessa feita
pelo Senhor quando disse: “O Espírito Santo será teu companheiro constante, e teu cetro, um cetro
imutável de retidão e verdade; e teu domínio será um domínio eterno e, sem ser compelido, fluirá para
ti eternamente”. (D&C 121:46) (Priesthood Restoration Commemoration Fireside, May 15, 1988)
Não há bênção maior que possamos receber em nossa vida do que o dom do Espírito Santo; a
companhia do Espírito Santo para nos guiar, nos proteger, nos abençoar, para ir como se fosse um pilar
diante de nós e uma chama para nos guiar em caminhos de retidão e verdade. Esse poder inspirador do
terceiro membro da Trindade pode ser nosso se vivermos dignos dele. (Boston Massachusetts Regional
Conference, priesthood leadership session, April 22, 1995)
Quando fui apoiado como presidente da estaca, o Élder Harold B. Lee me designou. Esqueci-me
de quase todas as coisas ditas por ele, mas me lembro de que ele disse: “Ouça os sussurros do Espírito,
até mesmo à noite; ouça os sussurros do Espírito e siga-os”. Essas foram suas palavras. Eu creio nelas.
Ele contou-me em uma ocasião a respeito de um incidente no qual um presidente de estaca veio a
Salt Lake da Flórida para fazer um apelo por algumas famílias de sua estaca. Um grupo deles havia
comprado casas, e o construtor, ou quem quer que fosse, enganou-os e eles iriam perder as casas depois
de ter gasto milhares de dólares. Esse presidente de estaca encontrou-se com a Primeira Presidência e
disse: “Precisamos de ajuda. Não poderíamos obter alguma ajuda legal da Igreja?” E o Irmão Lee disse:
“Se fizéssemos isso por você, teríamos que fazer por qualquer outra pessoa, e nós não podemos fazê-
lo”. Então, o presidente da estaca partiu, decepcionado, e voltou para casa. O Irmão Lee relatou-me o
ocorrido. Na manhã seguinte, ele veio para sua reunião e disse para seus conselheiros: “Irmãos, ontem
Harold B. Lee falou. Hoje, o Senhor fala. Estive acordado quase toda a noite pensando sobre isso. Nós
enviaremos nosso principal acessor jurídico para lá a fim de ver se alguma coisa pode ser feita para
ajudar essas pessoas a salvarem sua casa”. Isso foi feito e esse foi o resultado. Com tanta freqüência
deixamos nossas idéias conduzir-nos em vez de pararmos por um minuto para ouvir a inspiração do
Senhor. (Pittsburgh Pennsylvania Regional Conference, priesthood leadership session, April 27, 1996)
Como reconhecemos os sussurros do Espírito? Realmente não acho que seja tão difícil. Em sua
essência, é uma questão do sentimento que temos em nosso coração. Lerei para vocês algumas palavras
de Morôni que, acredito, respondam a essa pergunta. Elas foram tiradas do sétimo capítulo começando
com o décimo terceiro versículo.
“Eis, porém, que aquilo que é de Deus convida e impele a fazer o bem continuamente; portanto,
tudo o que convida e impele a fazer o bem e a amar a Deus e a servi-lo, é inspirado por Deus.
Pois eis que o Espírito de Deus é concedido a todos os homens, para que eles possam distinguir o
bem do mal; portanto vos mostro o modo de julgar; pois tudo o que impele à prática do bem e persuade
a crer em Cristo é enviado pelo poder e dom de Cristo; por conseguinte podeis saber, com um
conhecimento perfeito, que é de Deus.
Mas tudo o que persuade o homem a praticar o mal e a não servir a Deus, podeis saber, com
conhecimento perfeito, que é do diabo; porque é dessa forma que o diabo age, pois não persuade quem
quer que seja a fazer o bem; não, ninguém; tampouco o fazem seus anjos; nem o fazem os que a ele se
sujeitam”. (Morôni 7:13, 16–17)
Em essência, esse é o teste. Persuade o homem a fazer o bem, a se erguer, a fazer o que é certo, a
ser gentil, a ser generoso? Então é o Espírito de Deus. Se é obscuro, sinistro, feio, em nada bom, então
pode-se saber que é do adversário.
Então, vamos a sua pergunta: Como podemos reconhecer os sussurros do Espírito? Faça o teste.
Se convida a fazer o bem, é de Deus. Se convida a fazer o mal, é do demônio. O Senhor não irá soletrar
para você, A, B, C, D, E, F. Sua influência será sentida. E se você estiver fazendo a coisa certa e
vivendo de modo correto, você saberá em seu coração o que o Espírito está- lhe dizendo.
É possível reconhecer os sussurros do Espírito pelos frutos do Espírito: o que ilumina, o que
edifica, que é positivo e afirmativo, que enaltece e nos leva a ter pensamentos, palavras e atos melhores
é proveniente do Espírito de Deus. Aquilo que nos aflige e nos leva a caminhos proibidos é do
adversário. Acho que está claro e é bastante simples. (Southern Utah University Institute of Religion
Devotional, February 11, 1997)
ESPIRITUALIDADE
Quanto mais envelheço menos preocupado fico com quotas, estatísticas e porcentagens, e
preocupa-me mais o tipo de experiência que a alma do homem tenha na igreja do Senhor, e
particularmente, na sagrada casa do Senhor. (Temple Presidents Seminar, August 15, 1989)
Acho que os membros sabem muito sobre a Palavra de Sabedoria, o pagamento de seus dízimos,
sobre a ORM, sobre o seminário, e conhecem muito sobre a mecânica de nossas reuniões. Porém,
preocupo-me e fico profundamente interessado se eles estão sendo alimentados espiritualmente. Essa é
a minha preocupação principal. (Corpus Christi Texas Regional Conference, priesthood leadership
session, January 6, 1996)
[O escritor inglês] Kipling uma vez descreveu nossa época como “dias quentes e irreligiosos”. (...)
O espírito é parte do homem assim como o é seu corpo. Ambos necessitam de alimento. É isso que
aprimora o homem, que o eleva acima do plano de um animal selvagem, que motiva suas mais
sublimes realizações, as quais são divinas em sua essência. O mundo está envolvido numa arrojada
corrida materialista e está sendo sufocado e esmagado por ela. Com isso perde-se a liberdade, a
dignidade do indivíduo, o altruísmo que faz com que a vida seja suportável e a paz de que tanto se
necessita. Não sobrevivemos sem ela.
Recentemente a revista de um jornal que chega a muitas casas trouxe na capa essas palavras: “Se
os Estados Unidos desejam crescer, precisamos parar de fazer piadas sobre a palavra “espiritual”.
Nossa tarefa é redescobrir e reafirmar nossa fé em valores não utilitários, nos quais a vida da sociedade
americana tem-se pautado desde o começo”. (Laurence M. Gould, This Week magazine, August 7,
1966)
Creio nisso. Acredito que se aplique não somente aos Estados Unidos, mas a todos os países.
Recomendo-lhes que ponderem sobre isso. Estou certo de que nenhuma nação pode basear seu
progresso unicamente no materialismo. Necessitamos, e como necessitamos, de entronar Deus
novamente e “adorá-Lo em espírito e em verdade”. (“Conquer or Be Conquered,” BYU
Commencement Address, August 19, 1966)
O que eu faria se hoje fosse bispo ou presidente de estaca? Acho que tentaria colocar meus
maiores esforços na edificação da espiritualidade das pessoas. Trabalharia tão diligentemente quanto
possível para fortalecer a fé das pessoas em Jesus Cristo, em Deus nosso Pai Eterno, no Profeta Joseph
Smith e na restauração desta obra e de tudo o que ela significa e diz respeito. Motivaria os membros a
lerem as escrituras, a lerem o Livro de Mórmon e a lerem o Novo Testamento. Eu os exortaria com toda
a capacidade que possuo a lerem com tranqüilidade, pensativamente e introspectivamente. Eu os
incentivaria a lerem os ensinamentos do Profeta Joseph Smith. (Eugene Oregon Regional Conference,
priesthood leadership session, September 14, 1996)
Necessitamos edificar-nos espiritualmente. Vivemos em um mundo de correria em todas as
direções. Somos um povo muito ocupado. Temos muito a fazer. Necessitamos isolar-nos algumas
vezes, pensar nas coisas espirituais e edificar-nos espiritualmente. Se você tem um lugar de estudos em
casa, tranque-se nele. Se tem um lugar na casa onde possa ficar a sós, vá para lá. Fique a sós e pense
nas coisas do Senhor, nas coisas do Espírito. Permita que a gratidão cresça em seu coração. Pense em
tudo o que o Senhor tem feito por você. Quão abençoado você é! Pense em seu dever e
responsabilidade. Pense em seu testemunho. Pense nas coisas de Deus. Apenas medite e reflita durante
uma hora sobre si mesmo e seu relacionamento com o seu Pai Celestial e seu Redentor. Isso o ajudará
muito. (Brigham City Utah Regional Conference, priesthood leadership session, February 22, 1997)
EVANGELHO DE JESUS CRISTO, O
Para mim o evangelho não consiste em um grande amontoado de jargão teológico. É uma coisa
bonita, simples e lógica, com uma simples verdade seguida de outra, em seqüência organizada. Eu não
me incomodo com os mistérios. Não me preocupo se os portões do céu balançam ou deslizam. Minha
preocupação é somente que eles se abram. Não estou preocupado se o profeta Joseph Smith deu
numerosas versões da primeira visão, como também não me preocupo com os quatro diferentes
escritores do Novo Testamento, cada um com suas próprias percepções, cada um contando os
acontecimentos ao seu modo e de acordo com o propósito que tinha em mente ao escrever.
Estou mais preocupado com o fato de que Deus revelou nesta dispensação um grande,
maravilhoso e belo plano que motiva homens e mulheres a amarem Seu Criador e Redentor, a
apreciarem e servirem um ao outro, a caminharem com fé no caminho que leva à imortalidade e vida
eterna. (“‘God Hath Not Given Us the Spirit of Fear,’” Ensign, October 1984, p. 5)
Tenho presenciado milagres em meus dias. O maior milagre de todos, acredito, é a transformação
que ocorre na vida de um homem ou uma mulher que aceita o evangelho restaurado de Jesus Cristo e
procura vivê-lo em sua vida. Quão grato sou pelas maravilhas do evangelho restaurado de Jesus Cristo.
É de fato, uma obra maravilhosa e um assombro, realizada pelo poder do Todo-Poderoso em favor de
Seus Filhos e filhas. Nós, desta época, podemos servir em Sua obra de salvação em favor de toda a
família humana, incluindo todas as gerações dos filhos e filhas de Deus que viveram na Terra nos
séculos passados. Esta obra é verdadeira. (Vacaville/Santa Rosa California Reginal Conference, May
21, 1995)
Esse trabalho, mais que nenhum outro, irá responder aos complexos problemas da vida e levar as
pessoas a caminharem felizes e com segurança. (General Authority Training Meeting, April 2, 1996)
Se existe alguma coisa que este mundo turbulento necessita é a mensagem do Senhor Jesus Cristo.
Nós precisamos dela. Não damos muita atenção a ela. Nós a lemos e lemos sem prestar muita atenção a
ela. Precisamos fazê-lo mais profundamente, meditando e orando. (...)
Não há nada que possamos fazer que seja mais importante do que ouvir o que Ele nos fala. Se
formos seus discípulos, não pode haver conflito em nosso coração. Não pode haver inveja. Não pode
haver maldade. Não pode haver nenhuma dessas coisas. Temos que nos erguer um pouco mais alto e
caminhar na direção que Ele nos indicou: “Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está
nos céus”. (Mateus 5:48) Nenhum de nós é perfeito. Ele foi o único homem perfeito a caminhar na
Terra. Mas estamos indo em direção à perfeição. (Israel District Fireside, June 21, 1996)
Tenho aqui uma carta vinda de algum lugar de Michigan. Ela diz: “Há dois anos encontramo-nos
com dois rapazes únicos. Eles vieram devido a um telefonema que demos muitos meses atrás. Eu liguei
em resposta a um anúncio na televisão a respeito do Livro de Mórmon. O anúncio falava sobre famílias
e noite familiares. Fiquei preocupado com minha família. Meu filho tinha doze anos naquela ocasião e
havia feito com que um vizinho mais jovem fosse parar num pronto-socorro. A polícia se involveu e
acusações estavam sendo preparadas. Minha filha tinha como amigos “os Futuros Perdedores do País”.
Minha esposa estava muito frustrada, assustada e também eu. Bem, eu estava tão frustrado que não
sabia o que fazer exceto trabalhar ainda mais e ignorar tudo. Bem, este pequeno livro azul [falando do
Livro de Mórmon] chegou um pouco antes de eu sair em férias. Eu o li por curiosidade, pois fui criado
como Batista fervoroso. Ouvi muitas coisas das pessoas sobre “aqueles mórmons”, aqueles terríveis
mórmons e no que eles acreditavam.
Ao ler meu ‘pequeno livro azul,’ comecei a perceber que havia ouvido muitas injúrias e o mais
importante é que encontrei algo que havia procurado durante toda a minha vida. (...)
Quando retornei de minhas férias, encontrei dois rapazes na minha porta. Eles se identificaram
como ‘élderes’ da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Deixei-os entrar em minha casa,
com minha esposa e filhos. Isso, para mim, foi o começo de grandes coisas. Eles foram capazes de
provar tudo o que diziam através de minha Bíblia da versão do Rei Jaime e o fizeram admiravelmente.
Após cerca de três semanas fazendo perguntas aos élderes, decidi fazer algo que nunca havia feito
antes. Ajoelhei-me e orei. Basicamente disse: ‘Se isto é verdadeiro, e o Senhor deseja que eu seja como
eles, mostre-me’. Tudo o que tenho a dizer é que o Senhor responde às orações bem alto. Dentro de
uma semana, parei de beber, fumar, abandonei o café e chá, sem absolutamente nenhum efeito colateral
ou desejo.
Então veio o grande passo: falar para minha mãe o que eu queria fazer. Sua resposta foi um
choque para mim. Foi simplesmente que ela e meu padrasto conheciam alguns ‘mórmons’ e eles e sua
família possuíam algo único, e se essa Igreja era o que eu desejava, ela achava ótimo. Fui batizado três
semanas após o encontro com os élderes. Algumas semanas atrás tive o privilégio de batizar minha
esposa e filhos.
As mudanças ocorridas na vida de minha família desde aquele momento são quase inacreditáveis.
A influência dos missionários na vida de meu filho foi maravilhosa. Minha filha imediatamente
começou a trocar de amigos e atitudes. Isso gerou uma mudança total na vida de minha esposa também.
E então, outubro passado, minha esposa, meus filhos e eu fomos selados no templo em Chicago.
Em nosso breve período na Igreja, fui abençoado com o chamado para servir como consultor do
quórum dos Diáconos e chefe dos escoteiros assistente, e estou agora na presidência de um Quórum do
Sacerdócio de Melquisedeque como primeiro conselheiro. Minha esposa está na presidência da
Primária. Minha filha está ativa na Organização das Moças e enquanto escrevo essa carta ela se prepara
para ir acampar com as moças. Meu filho está-se esforçando para progredir no escotismo. Meus pais
amam essa Igreja e não se cansam de dizer às pessoas o quanto ela tem feito por cada um de nós, seus
filhos”.
Essas são as coisas maravilhosas que trazem felicidade e gratidão à vida de muitas pessoas. Isso
tornou-se o milagre do mormonismo. (Temple Presidents Seminar, August 22, 1996)
Gostaria de agradecer a vocês por viverem o evangelho, por fazerem o que é certo, por guardarem
os mandamentos e viverem com fé. Agradeço-lhes pela excelência de sua vida. Vocês são o tipo de
pessoas que mantêm esta Igreja progredindo. Vocês pagam seu dízimo e suas ofertas, observam a
Palavra de Sabedoria. Tentam fazer o que é certo. Fazem suas noites familiares. Tentam ajudar uns aos
outros. Vocês lêem as escrituras. Vocês fazem o meu tipo: boas pessoas, pessoas de fé. Obrigada por
serem as pessoas que são.
Incentivo vocês a irem em frente e viverem o evangelho, e a amarem o evangelho. Faça com que
ele seja parte de sua vida: essa grande e gloriosa bênção que veio até nós por intermédio da providência
do Todo-Poderoso. Vivam o evangelho. Amem o evangelho. Leiam as escrituras. Vocês não receberão
um testemunho do Livro de Mórmon a não ser que o leiam. Não receberão um testemunho de Doutrina
e Convênios a não ser que leiam Doutrina e Convênios. A fé advém de beber da fonte da verdade
eterna. (Salt Lake Sugar House Stake Conference, January 5, 1997)
O evangelho de Jesus Cristo é a única coisa que abençoará os países do mundo. Muitas pessoas
vivem na pobreza e ignorância. Elas têm um longo caminho a seguir e o evangelho provê uma ponte
sobre a qual elas caminham da situação presente a um futuro melhor. Lembro-me de alguns anos atrás
quando estive no México numa cerimônia de formatura do colégio que temos lá. Após a cerimônia,
todos os formandos foram levados para um excelente jantar em um hotel. Em nossa mesa sentaram-se
muitos estudantes. Perguntei a cada um o que iriam fazer dali para frente. Aproximei-me de uma garota
que estava sentada do outro lado da mesa. Disse: “O que você irá fazer agora?” Ela disse: “Fui aceita na
faculdade de medicina da Universidade Nacional do México e ganhei uma bolsa de estudos”. Naquela
noite houve um baile para os formandos, e fui até lá para olhar, não para dançar. A garota apresentou-
me à sua mãe e sua avó. Sua avó era uma pessoa muito simples, não sabia ler nem escrever. Não havia
aprendido essas coisas. Sua filha, a mãe da garota, conseguia ler só umas poucas palavras. E aqui
estava sua linda filha que foi aceita na faculdade de Medicina da Universidade Nacional do México.
Coisas maravilhosas acontecem ao nosso povo como resultado do evangelho. Quando trazemos alguém
a essa Igreja, não trazemos somente um indivíduo, mas gerações de pessoas, pais com filhos, e filhos
que irão se tornar pais de outros filhos. Essa é a história do evangelho de Jesus Cristo. (Nicaragua
Managua Missionary Meeting, January 21, 1997)
Espero estarmos gostando de nosso trabalho. Este não é um evangelho de tristezas, mas de
felicidade. Temos que estar felizes, sorrindo por tê-lo. Há preocupações de vez em quando, mas
podemos solucioná-las por intermédio da oração. Que magnífico é o evangelho. Você é responsável
pelo bem-estar das outras pessoas e isso faz de você um líder nesta Igreja. Essa é verdadeiramente uma
organização maravilhosa. Vez ou outra paro para meditar um pouco e fico maravilhado com todas as
coisas que estamos tentando fazer, como Igreja, para que o mundo seja um lugar melhor para se viver,
um lugar mais bem informado. Estamos tentando fazer um grande trabalho, o trabalho do Senhor.
(Jordan Utah South Regional Conference, priesthood leadership session, March 1, 1997)
EXCELÊNCIA
Ver também Auto-Aperfeiçoamento
Não existe nada no mundo tão gratificante como uma tarefa bem feita. Não existe recompensa tão
agradável quanto a que se obtém ao dominar um problema difícil. (“If I Were You, What Would I Do?”
BYU 1983–84 Fireside and Devotional Speeches, September 20, 1983, p. 9)
Peço-lhes que tomemos constantemente a posição de que cada um de nós pode se sair melhor do
que estamos nos saindo agora. Estamos numa busca constante de excelência. A busca deve ser contínua
e nunca terminar; deve ser implacável e exaustiva. (“Search for Excellence,” Bonneville International
Corporation Executives, February 6, 1989)
Neste mundo altamente competitivo ninguém pode parar. O progresso deve ser constante. O
pensamento deve ser perspicaz, as discussões devem ser francas e, por vezes, ferozes. O esforço na
busca da excelência deve ser excepcional. (“Search for Excellence,” Boneville International
Coorporation Executives, February 6, 1989)
Como nação não podemos esperar atingir uma posição de excelência diante do mundo a não ser
que haja um alicerce de força moral, espiritual e ética entre nosso povo. (BYU Management Society,
San Diego, California, January 9, 1993)
EXEMPLO
O mais persuasivo folheto missionário a respeito do evangelho é a vida exemplar de um fiel Santo
dos Últimos Dias. Vivemos numa época em que as pressões mundanas tornam muito fácil e tentador,
em cumprimento às palavras de Néfi, cometer “pequenos pecados; sim, menti um pouco, aproveitai-vos
de alguém por causa das suas palavras, abri uma cova para o vosso vizinho; (...) ai dos que afastam de
si os justos, sem motivo e injuriam o que é bom”. (2 Néfi 28:8, 16)
Disse o Salvador ao falar da montanha: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para
que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus”. (Mateus 5:16)
Se, como povo, formos íntegros, honestos e morais em nossas ações, vivendo de acordo com o
simples, básico e maravilhoso princípio da Regra de Ouro, os outros serão induzidos a perguntar e
aprender. (“Five Million Members — A Milestone and Not a Summit,” Ensign, May 1982, p. 45)
“Não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;
Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que
estão na casa.
“Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e
glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus”. (Mateus 5:14–16; grifo do autor)
Todo esse povo tornou-se como uma cidade sobre um monte, que não pode ser escondida. Às
vezes ficamos ofendidos quando alguém que é membro da Igreja se envolve num crime e a imprensa se
apressa em dizer que é mórmon. Comentamos entre nós que, caso se tratasse de membro de qualquer
outra igreja, o fato não seria mencionado.
No entanto, não será isto um elogio direto ao nosso povo? O mundo espera algo melhor de nós, e
quando um dos nossos falha, a imprensa imediatamente o nota. Nós nos tornamos, sem dúvida, como
uma cidade sobre um monte, para que o mundo a veja. (...)
A menos que o mundo altere o rumo de suas tendências atuais (e isso é pouco provável); e se, por
outro lado, continuarmos a seguir os ensinamentos dos profetas, seremos cada vez mais um povo
diferente e incomum, do qual o mundo tomará conhecimento. (...) Enquanto a integridade da família se
fragmenta sob as pressões mundanas, nossa posição quanto à santidade da família se tornará mais óbvia
e, em contraste, ainda mais incomum, se tivermos a fé para nos mantermos nessa posição. (“A City
upon a Hill,” Ensign, July 1990, p. 4)
Podemos manter a integridade de nossa família, caso sigamos o conselho de nossos líderes. (...)
Não é preciso transigir. Não devemos transigir. A candeia que o Senhor acendeu nesta dispensação
pode tornar-se como uma luz para o mundo inteiro, e outros, vendo nossas boas obras, podem ser
levados a glorificar nosso Pai Celestial e seguir em sua própria vida os exemplos que observam na
nossa.
Começando por vocês e por mim, pode haver um povo inteiro que em virtude de nossa vida em
nosso lar, em nossa profissão, e mesmo em nossos divertimentos, pode tornar-se como uma cidade
sobre um monte, para o qual os homens poderão olhar e aprender, e um estandarte para as nações, de
onde o povo da Terra poderá adquirir força. (A City upon a Hill,” Ensign, July 1990, p. 5)
Tudo isso coloca sobre nós que pertencemos a esta Igreja e a essa geração, a incumbência e
responsabilidade de reconhecer que ao sermos chamados de mórmons, devemos viver de modo tal que
nosso exemplo possa intensificar a percepção de que mórmon pode significar verdadeiramente “muito
bom”. (“Mormon Should Mean ‘More Good,’” Ensign, November 1990, p. 53)
Como Seus seguidores, não podemos fazer qualquer coisa ruim, vulgar ou indelicada sem ofuscar
Sua imagem. Nem podemos cometer um ato bom, cortês e nobre sem dar mais brilho ao símbolo Dele,
de quem o nome tomamos sobre nós.
Nossa vida deve tornar-se um símbolo expressivo, o símbolo da declaração do nosso testemunho
do Cristo vivo, o Filho Eterno do Deus vivo.
É tão simples, meus irmãos e irmãs. É profundo e nunca devemos esquecê-lo. (“Our One Bright
Hope,” Ensign, April 1994, p. 5)
Meu pai costumava dizer que religião se adquire mais do que se ensina. Absorve-se mais daqueles
que nos lideram, de seus exemplos, do que de seus ensinamentos. Você precisa ser um exemplo para as
pessoas. Esteja atento em todos os momentos. Há poucos anos atrás eu embarquei num avião em
Sydney, Austrália. A aeromoça se aproximou e disse: “O que o senhor gostaria de tomar?” Disse: “Um
suco de maçã”. Ela trouxe-me o suco de maçã, e enquanto ela servia-me ela disse: “Élder Hinckley, é
melhor mesmo que o senhor tome alguma coisa como suco de maçã”. Bem, eu estava em Sidney, na
Austrália. Eu não a reconheci. Ela me reconheceu. Mas há uma razão melhor do que essa: é a de que
devemos ser exemplos para o nosso povo em todos os momentos e em todos os lugares. (Berlin
Germany Regional Conference, priesthood leadership session, June 15, 1996)
Desejo dizer que nenhum de nós jamais precisa hesitar em defender esta Igreja, sua doutrina, seu
povo, sua organização divina e sua responsabilidade divina. Ela é verdadeira. É a obra de Deus. As
únicas coisas que podem atrapalhar essa obra são a desobediência dos membros a sua doutrina e a seus
padrões. Isso coloca uma enorme responsabilidade sobre nós. Esse trabalho será julgado pelo que o
mundo vê como nosso comportamento. Deus nos dá o desejo de andarmos com fé, a disciplina para
fazermos o que é certo em todos os momentos e em todas as circunstâncias, a resolução de fazermos de
nossa vida uma declaração dessa causa diante de todos os que nos vêem. (“‘This Thing Was Not Done
in a Corner,’” Ensign, November 1996, p. 51)
FAMÍLIA
Ver também Crianças; Noite Familiar; Oração Familiar; Paternidade; Maternidade; Pais, Como
Ser
Os lares de nosso povo são excelentes lares onde há amor, espírito de sacrifício e uma atitude de
respeito de um para com os outros. Haverá necessidade de maior ênfase dessas qualidades no futuro. O
egoísmo é o câncer que corrói a paz e o amor. O egoísmo é a raiz na qual crescem as brigas, a raiva, o
desrespeito, a infidelidade e o divórcio. (“Five Million Members — A Milestone and Not a Summit,”
Ensign, May 1982, p. 45)
Temos sido encorajados a fortalecer nosso lar, a fortalecer nele o Espírito do Senhor, a cultivar
gratidão, respeito e afeição um pelo outro. É terrível o que ouvimos ocasionalmente sobre maus-tratos
de crianças. Esse é um mal crescente em todo o mundo. (“Reach Out in Love and Kindness,” Ensign,
November 1982, p. 76)
“Honra a teu pai e a tua mãe para que se prolonguem os teus dias na Terra que o Senhor teu Deus
te dá”. É uma afirmação incomum. É diferente de todos os outros mandamentos. Cada um dos outros
nove é um mandamento sem promessa. O quinto é um mandamento e uma promessa; o mandamento:
“Honra a teu pai e a tua mãe” e a promessa implícita: “(...) para que se prolonguem os teus dias na
Terra que o Senhor teu Deus te dá”.
Para mim é muito interessante e significativo. Qual é a relação, pergunto-me, que existe entre
honrar os pais e viver por longo tempo na Terra? É provável que vivamos mais tempo se honrarmos
nosso pai e mãe?
Estou convencido que Jeová sabia o motivo quando Seu dedo traçou aquelas palavras com uma
extraordinária promessa.
Reconheço hoje que alguns pais, devido à sua maneira de viver, são raramente dignos da honra e
respeito de seus filhos. Isso é trágico. Felizmente, tais casos são raríssimos.
Mas mesmo entre pessoas deste tipo, penso que raramente exista um pai ou mãe que não deseje
para o filho ou filha o melhor que a vida tem a oferecer. (...)
Lembro-me que alguns anos atrás um rapaz deixou seu lar para sair pelo mundo. Seu pai
implorou-lhe que fosse cuidadoso, que não desse atenção ao ruído da sirene da imoralidade, e disse-lhe
que ele preferiria vê-lo retornar num caixão do que ter sua vida contaminada pela transgressão moral. O
rapaz não deu ouvidos ao conselho de seu pai. Uma tragédia aconteceu. Seguiu-se um casamento
condenado a fracassar. O divórcio aconteceu com amargura. Aquela vida tão cheia de esperança e
grande potencial, foi infeliz, lastimável e terminou numa desolada tragédia.
Digo novamente que é interessante notar que Jeová, no caso do quinto mandamento, adicionou
uma promessa logo após a lei.
Não estou dizendo que em cada caso a vida será prolongada e sua qualidade aperfeiçoada
simplesmente pelo processo de honrar os pais. Mas digo, sem hesitação, que há segurança, proteção,
recompensa, felicidade e satisfação ao respeitar os conselhos dos pais que desejam o melhor para cada
filho e filha. Disse-o bem o escritor de Provérbios: “O filho insensato é tristeza para seu pai, e amargura
para aquela que o deu à luz”. (Provérbios 17:25) (Address at Dixie College, St. George, Utah, October
9, 1988)
Aos que vivem num lar conturbado, gostaria de sugerir que permitissem que o amor se torne a
estrela-guia da vida em família. Há gritos demais, recriminações demais e muitas lágrimas no lar de
alguns de nosso povo. O único remédio é o amor. Ele é o próprio alicerce do casamento. Pode ser
alimentado e fortalecido, ou debilitar-se e fenecer. A solução está dentro de nós mesmos. Maridos,
dominem o mau humor. Esposas, refreiem a língua. Revivam o maravilhoso sentimento que os
conduziu ao altar matrimonial. (“Let Love Be the Lodestar of Your Life,” Ensign, May 1989, p. 67)
Todo filho, com raríssimas excessões, é produto de um lar, seja ele bom, mau ou indiferente. À
medida que os filhos crescem, sua vida torna-se em grande parte, uma extensão e reflexo do ensino da
família. Se houver severidade, maus-tratos, ira incontrolada, deslealdade, os frutos serão certos e
conhecidos e, com toda probabilidade, repetir-se-ão na geração seguinte. Se, por outro lado, houver
paciência, perdão, respeito, consideração, bondade, misericórdia e compaixão, os frutos também serão
conhecidos, e serão eternamente compensadores. Serão positivos, doces e maravilhosos. E, quando a
misericórdia é demonstrada e ensinada pelos pais, ela se repete na vida e ações da geração seguinte.
Apelo aos pais e mães de toda parte, para que deixemos de lado a severidade, controlemos a ira,
baixemos a voz e nos tratemos mutuamente no lar, com misericórdia, amor e respeito. (“Blessed Are
the Merciful,” Ensign, May 1990, p. 70)
Recentemente li um artigo bastante esclarecedor sobre a deteriorização da família na cidade de
Nova York, descrita como a causa principal dos sérios problemas que afligem aquela cidade e quase
todas as grandes cidades do mundo.
O vigor de qualquer comunidade está no fortalecimento da família. O vigor de toda e qualquer
nação está no fortalecimento das famílias. A vida familiar se fortalece com um entendimento claro e
convicto de quem somos, por que estamos aqui e o que podemos vir a ser na eternidade. A vida familiar
se fortalece com a percepção de que cada um de nós é um filho de Deus, nascido com atributos divinos
e com um grande e significativo potencial. A vida familiar é fortalecida com pais que amam e
respeitam um ao outro, e que amam, respeitam e educam seus filhos nos caminhos do Senhor. Esses são
princípios básicos de nossos ensinamentos como Igreja. Se observarmos tais ensinamentos,
fortaleceremos nossa família e a nação será fortalecida por nossos descendentes.
Falo de famílias onde se fazem orações diárias, com a certeza de que Deus é nosso Pai Eterno e de
que somos responsáveis perante Ele por aquilo que fazemos de nossa vida. (“Mormon Should Mean
‘More Good,’” Ensign, November 1990, pp. 53–54)
Acredito na família onde haja um marido que considere e trate sua esposa como o maior bem que
possui; onde haja uma esposa que veja em seu marido sua âncora e força, sua segurança e conforto;
onde existam filhos que olhem para os pais com respeito e gratidão; onde existam pais que vejam seus
filhos como bênçãos e considerem sério e maravilhoso o desafio de educá-los e nutri-los. O cultivo de
tal lar exige esforço e energia, perdão e paciência, amor, tolerância e sacrifício; mas vale tudo isso e
mais ainda. (“This I Believe,” BYU 1991–92 Devotional and Fireside Speeches, March 1, 1992, p. 80)
As maiores alegrias da vida são vividas em alegres relacionamentos familiares. A pior das dores,
os sentimentos de miséria mais desanimadores e lamentáveis são provenientes de uma vida familiar
infeliz. (“This I Believe,” BYU 1991–92 Devotional and Fireside Speeches, March 1, 1992, p. 80)
“Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na Terra que o Senhor teu Deus
te dá”. (Êxodo 20:12) Ainda menino, fui levado a crer nesse mandamento divino.
Considero esse como um grande mandamento do Senhor. Se ao menos fosse mais amplamente
observado, haveria muito menos sofrimento nos lares; em vez de difamação, acusações e brigas,
haveria gratidão, respeito e amor.
Meu pai faleceu há muito tempo. Eu tornei-me pai, avô e bisavô. O Senhor tem sido muito
generoso. Tenho tido minha porção de desapontamentos, insucessos e dificuldades. Em média, porém,
minha vida tem sido boa. Tento viver com entusiasmo e gratidão. Já passei por muitos momentos
felizes, ó sim, tantos! A semente de tudo isso, acredito, foi plantada em minha infância e nutrida em
casa, na escola e na ala, lugares onde cresci e aprendi lições simples mas importantes sobre a vida. Não
conseguiria ser grato o bastante.
Meu coração se compadece, sofro, quando vejo a tragédia de tantos lares desfeitos, onde os
maridos parecem não saber como tratar a esposa, crianças que sofrem maus-tratos e que, quando
crescem, se tornam ofensores de outra geração. Nenhuma dessas tragédias é necessária. Sei que não. A
resposta a nossos problemas está em seguirmos o simples evangelho de Jesus Cristo, o Filho de Deus,
que trouxe ao mundo o amor do Pai. (“Some Lessons I Learned as a Boy,” Ensign, May 1993, p. 59)
Em resumo, o lugar principal para se edificar um sistema de valores é no lar das pessoas. (“Bring
Up a Child in the Way He Should Go,” Ensign, November 1993, p. 59)
A família é divina. Foi instituída pelo Nosso Pai Celestial. Ela abrange o mais sagrado de todos os
relacionamentos. Somente por intermédio de sua organização os propósitos de Deus podem ser
cumpridos.(...)
A maior parte dos casamentos resultam em filhos, e muitos pais buscam diligentemente criar sua
progênie em retidão. Estou convencido de que nada irá garantir maior sucesso na perigosa tarefa da
paternidade do que um programa de vida familiar que provenha de maravilhosos ensinamentos do
evangelho; que o pai do lar possua o sacerdócio de Deus; que seja seu privilégio e obrigação como
mordomo dos filhos de Nosso Pai Celestial prover suas necessidades; que ele governe seu lar no
espírito do sacerdócio “com persuasão, com longanimidade, com brandura e mansidão e com amor não
fingido” (D&C 121:41–42); que a mãe no lar seja uma filha de Deus, uma alma de inteligência,
devoção, e amor que possa estar revestida com o Espírito do Senhor; que seja seu privilégio e obrigação
como mordomo dos filhos de Nosso Pai Celestial suprir as necessidades diárias dos filhos; que ela, em
companhia de seu marido, também ensine seus filhos a “doutrina do arrependimento, da fé em Cristo, o
Filho do Deus vivo, e do batismo e do dom do Espírito Santo pela imposição das mãos (...) [e] orar e a
andar em retidão perante o Senhor”. (D&C 68:25, 28)
Nestes lares, os pais são amados e admirados e não temidos. Os filhos são considerados dádivas do
Senhor, para serem cuidados, alimentados, incentivados e direcionados. (“Pillars of Truth,” Ensign,
January 1994, p. 5)
Somos uma igreja que presta testemunho da importância da família; pai, mãe e filhos, e o fato de
sermos todos filhos de Deus, nosso Pai Eterno. Os pais que trazem filhos ao mundo têm a
responsabilidade de amar, nutrir, cuidar e ensinar-lhes os valores que abençoarão sua vida para que, ao
crescer, possam tornar-se bons cidadãos. Se houver menos problemas nos lares, haverá menos
problemas nas nações. Gostaria de enfatizar o que já lhes é familiar: a importância de unir nossa família
com amor e gentileza, com respeito e amabilidade, ensinando-lhe os caminhos do Senhor para que os
filhos cresçam em retidão e evitem as tragédias que assolam tantas famílias no mundo. (Veracruz
Mexico Regional Conference, January 28, 1996)
Sejam leais a seus pais e a seu legado. Infelizmente há alguns pais que são muito injustos com
seus filhos, mas esses casos são relativamente raros. Ninguém tem maior interesse no bem-estar,
felicidade e futuro de vocês do que os pais e mães. Eles são uma geração anterior, isso é verdade, mas
já tiveram a idade que vocês tem agora. Seus problemas não são demasiadamente diferente dos que eles
já tiveram. Se eles, às vezes, impõem-lhes restrições, é porque vêem perigo à frente. Ouçam-nos. O que
eles lhes pedem que façam pode não ser de seu agrado, mas vocês serão mais felizes se lhes
obedecerem. (“Stand True and Faithful,” Ensign, May 1996, pp. 92–93)
Por que atualmente temos a proclamação da família? Porque a família está sendo agredida. Por
todo o mundo, as famílias estão-se degenerando. O lugar para começar a aperfeiçoar a sociedade é o
lar. As crianças, na maioria das vezes, fazem o que lhes é ensinado. Estamos tentando tornar o mundo
melhor fortalecendo a família. (Media Luncheon and Press Conference, Tokyo, Japan, May 18, 1996)
Caso se queira reformar uma nação, tem-se de começar pelas famílias, com pais que ensinem a
seus filhos princípios e valores positivos que os levem a empreendimentos que valham a pena. (“‘This
Thing Was Not Done in a Corner,’” Ensign, November 1996, p. 49)
Todo homem deve olhar para sua esposa como filha de Deus, uma filha que igual a ele, com quem
ele caminha lado a lado. É maravilhoso o conceito que não coloca a mulher em uma posição inferior.
Um grande homem disse que um pai não pode fazer nada melhor para seus filhos do que deixá-los ver
que ele ama a mãe deles. Irmãos, tratem sua esposa com amor, respeito e gentileza. Esposas, tratem seu
marido com amor, respeito e gentileza. Ame seus filhos e eduque-os nas admoestações do Senhor, com
amor, estima e respeito. Eles eram filhos de Deus antes que fossem seus. Você não precisa espancá-los.
Deixe o amor se expandir e vocês serão um povo abençoado. (São Paulo Brazil Fireside, November 14,
1996)
Uma grande parte do mundo está vivendo o sério problema da desintegração da família. A família
é a unidade básica da sociedade. Nenhuma nação é mais forte do que os lares desse povo. Se os atuais
níveis de divórcio persistirem nos Estados Unidos, cerca de 50 por cento de todos os casamentos
realizados nos últimos quinze anos terminarão em divórcio. De todos os celebrados em 1995, espera-se
que 60 por cento terminem em divórcio.
Lawrence Stone, destacado historiador da família da Universidade de Princeton, disse: “O número
de casamentos desfeitos no ocidente desde 1960 não tem nenhum antecedente histórico que seja do
meu conhecimento, parece inigualável. (...) Não há nada igual nos últimos 2.000 anos ou mais”.
(Quoted by David Popenoe, “A World without Father,” The Wilson Quaterly, Spring 1996, p. 13)
Vocês estão familiarizados com os frutos de lares desfeitos. Sei que a família é a resposta para os
maiores problemas sociais; se cuidarmos de seus problemas, as outras coisas cuidarão de si mesmas.
Estamos tentando preservar a família tradicional: pai, mãe e filhos, trabalhando juntos com amor
tendo um objetivo comum. De uma maneira geral, estamos vencendo grandes desigualdades. (Media
Luncheon, Washington, D.C., December 2, 1996)

Tão certo estava [Joseph Smith] da causa que defendia, tão seguro estava de seu chamado divino,
que os colocou acima da própria vida. Tendo presciência de sua morte iminente, entregou-se aos que o
abandonariam indefeso nas mãos da turba. Selou seu testemunho com o próprio sangue.
O mesmo ocorreu com os seus seguidores. Não se encontra nenhuma evidência, nem mesmo um
resquício, de que a convicção tenha sido inimiga da religião na vida e nos atos daqueles que o
seguiram. Por diversas vezes, abandonaram casas confortáveis, primeiro em Nova York, depois em
Ohio e Missouri, mais tarde em Illinois; e mesmo depois de chegarem a este vale muitos deles partiram
mais uma vez para estabelecer colônias numa vasta área do oeste americano. Por quê? Devido à fé que
possuíam na causa que professavam. (...)
Foi esse tipo de certeza que levou avante esta Igreja em face à perseguição, ao ridículo, ao
sacrifício material e ao afastamento de entes queridos para levar a mensagem do evangelho à terras
distantes. Essa convicção nos motiva hoje como o tem feito desde o início dessa obra. A fé contida em
milhões de corações de que essa causa é verdadeira, que Deus é nosso Pai Eterno e que Jesus é o Cristo
deve ser sempre a grande força motivadora em nossa vida. (“Faith: The Essence of True Religion,”
Ensign, November 1981, p. 7)
Não estou sugerindo que simplesmente usem óculos com lentes cor-de-rosa para que o mundo em
sua volta pareça rosado. Peço, no entanto, que olhem para cima e para além do negativo, da crítica, do
cepticismo, do duvidoso, mas sim para o positivo e afirmativo.
Trago comigo uma declaração que tirei de um artigo publicado alguns anos atrás do Comandante
William Robert Anderson, o homem que levou o submarino Nautilus por baixo da Calota Polar, das
águas do Pacífico para as águas do Atlântico. Em sua carteira ele levava um esfarrapado cartão com
essas palavras: “Creio estar sempre sendo divinamente guiado. Creio que sempre tomarei o caminho
certo. Creio que Deus sempre abrirá um caminho onde não há caminho”.
Em um momento difícil e turbulento o Senhor disse àqueles que amava: “Não se turbe o vosso
coração, nem se atemorize”. (João 14:27) (“The Continuing Pursuit of Truth,” BYU-Hawaii
Commencement Address, June 18, 1983)
A história desta Igreja é a história da expressão da (...) fé. Iniciou-se com um rapaz do campo no
ano de 1820 quando ele leu esta grande promessa na Epístola de Tiago:
“E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não
lança em rosto, e ser-lhe-á dada.
Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; porque o que duvida é semelhante a onda do mar, que
é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte.” (Tiago 1:5–6)
Foi fé, a fé singela de um rapaz de quatorze anos que o conduziu ao bosque naquela manhã de
primavera. Foi a fé que o fez ajoelhar-se, implorando entendimento. O maravilhoso fruto dessa fé foi
uma visão gloriosa e bela, da qual esta grande obra não passa de conseqüência.
Foi pela fé que se conservou digno das extraordinárias manifestações que se seguiram, trazendo de
volta à Terra as chaves, a autoridade, o poder de restabelecer a Igreja de Jesus Cristo nesses últimos
dias. Foi pela fé que esses maravilhosos anais dos povos antigos, esse testamento que chamamos de
Livro de Mórmon foi trazido à luz pelo dom e poder de Deus “para convencer aos judeus e aos gentios
que Jesus é o Cristo”. Foi pela fé que o pequeno grupo de primeiros conversos, apesar dos poderes do
inferno contra eles se levantarem, fortaleceram e apoiaram uns aos outros, abandonaram o lar e a
família para divulgar a palavra, mudaram-se de Nova York para Ohio, de Ohio para o Missouri, e do
Missouri para Illinois, em busca de paz e liberdade para adorar a Deus de acordo com os ditames de sua
consciência.
Foi com os olhos da fé que viram a bela cidade, quando atravessaram os alagados de Commerce,
Illinois. Convencidos de que a fé sem obras é morta, drenaram os brejos, traçaram a cidade,
construíram sólidas casas e prédios para adoração e escolas e, coroando tudo isso, um magnífico
templo, a mais bela construção de todo o Estado de Illinois.
Renasceu a perseguição, movida por turbas profanas e assassinas. Seu profeta foi morto, seus
sonhos desfeitos. Mais uma vez, pela fé, congregaram-se segundo os padrões previamente traçados por
ele e organizaram-se para outro êxodo.
Com lágrimas e o coração partido, abandonaram as casas confortáveis e as oficinas. Depois de um
último olhar ao templo sagrado, voltaram os olhos com fé para o oeste, para o desconhecido, ainda não
explorado; e com a neve do inverno caindo sobre eles, cruzaram o Mississipi naquele fevereiro de
1846, abrindo caminho pelos prados lamacentos de Iowa.
Com fé, estabeleceram Winter Quarters junto ao Missouri. As doenças, como disenteria e
gangrena, causaram centenas de mortes. Mas a fé susteve os sobreviventes. Enterraram os entes
queridos na ribanceira acima do rio, partindo na primavera de 1847 para o oeste, e com a força da fé,
conseguiram subir até o Elkhorn e margear o Rio Platte, rumo às Montanhas Rochosas.
Foi pela fé que Brigham Young, contemplando este vale, então estéril sob a inclemência do sol,
declarou: “Este é o lugar”. E novamente pela fé, quatro dias mais tarde fincou a bengala no chão a uns
poucos metros ao leste de onde estou e disse: “Aqui será o templo de nosso Deus”. A magnífica e
sagrada casa do Senhor, situada a leste deste tabernáculo, é um testemunho da fé, não só da fé dos que a
construíram, mas também daqueles que agora a utilizam numa grande e abnegada obra de amor.
Paulo escreveu aos hebreus: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova
das coisas que se não vêem”. (Hebreus 11:1) Todos os grandes feitos dos quais falei, foram a princípio
somente o “fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem”. Entretanto,
com visão, esforço e confiança no poder de Deus operando através deles, transformaram a fé em
realidade. (“God Grant Us Faith,” Ensign, November 1983, pp. 52–53)
Freqüentemente não e fácil viver à altura do que se espera de nós. Muitos acham que não
conseguem. Necessitamos de um pouco mais de fé. É preciso lembrar que o Senhor não nos dará
mandamentos superiores às nossas forças. Ele não nos pedirá que façamos algo que não temos
capacidade para fazer. Nosso problema reside em nossos temores e anseios. (“‘Let Us Move This Work
Forward,’” Ensign, November 1985, p. 83)
Isso foi uma lei dada por Deus, uma lei milenar. Ela foi dada a muitos santos dos últimos dias que
viviam nas comunidades rurais de Kirtland e nos seus arredores na década de 1830. Eles tinham muito
pouco dinheiro. Com enorme sacrifício eles construíram um templo como “uma casa de oração, uma
casa de jejum, uma casa de fé, uma casa de aprendizado, uma casa de glória, uma casa de ordem, uma
casa de Deus”. (D&C 109:8) Com a dedicação daquele sagrado edifício, o poder do adversário
começou a se espalhar em Kirtland, manifestando-se em um espírito de especulação imprudente, que
desviou a mente de muitos das coisas de Deus para as coisas de Mamom. Os Estados Unidos naquela
época estavam fascinados pelo espírito da especulação, que resultou em efeitos catastróficos na crise
financeira de 1837. Em Kirtland, as pessoas viraram-se contra o Profeta Joseph Smith. Havia
ressentimento e cobiça. A Igreja encontrava-se abalada e houve uma grande separação entre os fiéis e
aqueles cujos olhos estavam voltados para as coisas do mundo. O problema era uma combinação do
fato de que alguns membros estavam em Ohio e outros no Missouri, separados por uma distância de
aproximadamente 1.300 quilômetros e completamente sem comunicação.
Aqui estava um povo com visão milenar e uma responsabilidade que abrangia o mundo inteiro,
mas que se envolveu em dificuldades que debilitaram a própria vitalidade da Igreja.
Foi nestes tempos difíceis, no domingo 4 de junho de 1837, que o Profeta Joseph Smith se
aproximou do Élder Heber C. Kimball do Quórum dos Doze Apóstolos enquanto o irmão Kimball
“estava sentado na frente, junto ao púlpito, acima da mesa do sacramento, no lado de Melquisedeque do
Templo, em Kirtland, e sussurrou para [ele], dizendo: ‘Irmão Heber, o Espírito do Senhor me
sussurrou: ‘Que Meu servo Heber vá para a Inglaterra proclamar Meu Evangelho e abrir as portas da
salvação para aquela nação’”. (History of the Church, 2:490)
Imaginem, por favor, um homem que possua muito pouco das coisas do mundo falando com um
outro que praticamente não possua nada, tendo acabado de chegar de missão, que ele irá para o outro
lado do oceano iniciar a obra missionária lá. Não há o suficiente a ser feito em casa? Os de menos fé
devem ter-se questionado. Eles estavam na fronteira da nação, e o total de membros da Igreja
provavelmente não excedia a 15.000 pessoas.
Mas esses homens tinham uma visão em seu coração. Era uma visão milenária de que o evangelho
deveria ser ensinado a toda nação antes que venha o fim. Foi realizado algum trabalho no Canadá. Mas
agora eles estavam falando em cruzar o mar em direção às Ilhas Britânicas. Pode-se entender a resposta
de Heber C. Kimball. Reconhecendo sua imperfeição ele disse: “Ó, Senhor, sou um homem gago, e de
todo o modo inadequado para tal obra; como posso pregar naquela Terra, que é tão famosa entre a
cristandade pela erudição, conhecimento e fidelidade; o berço da religião; e a um povo cuja inteligência
é notória!” (In Orson F. Whitney, Life of Heber C. Kimball [Salt Lake City: Bookcraft, 1945], p. 104)
O chamado de Heber C. Kimball e seus companheiros para cruzarem o mar em direção a
Inglaterra foi uma declaração pelo Profeta Joseph Smith do grande destino dessa obra restaurada.
Quando li as condições dos santos naquela época em Ohio e Missouri e sobre a pequena quantidade que
existia deles, maravilhei-me com a amplitude de sua visão. Daquele tempo em diante aquela visão
nunca mais se desvaneceu. (...)
A resposta deles ao chamado foi uma expressão de fé magnífica. O irmão Kimball disse naquela
época: “A idéia de tal missão foi quase maior do que eu podia suportar. Estava quase pronto a afundar
com a carga que havia sido posta sobre mim.
No entanto, todas essas considerações não me detiveram do caminho do dever; do momento em
que entendi o desejo de meu Pai Celestial, senti-me determinado a enfrentar todos os riscos,
acreditando que Ele me apoiaria com o Seu poder infinito, e me dotaria de todos os atributos que
necessitasse; e embora minha família fosse querida para mim, e eu teria de deixá-los quase que sem
recursos, senti que a causa da verdade, o Evangelho de Cristo, sobrepujava qualquer razão”. (Ibid., p.
104)
Orson Hyde, Willard Richards, and Joseph Fielding demonstraram a mesma fé, e aos quatro se
uniram em New York John Goodson, Isaac Russell e John Snyder, que surgiram com fé semelhante
para tal empreendimento histórico e significativo.
Terça-feira, 13 de junho, foi o dia programado para que os quatro deixassem Kirtland. Alguém viu
a família Kimball naquela manhã e descreveu a oração que foi proferida pelo pai que estava de partida
e que então, “como os patriarcas, e pela virtude de seu ofício, impôs as mãos” sobre a cabeça de seus
filhos “individualmente, dando-lhes uma bênção patriarcal, e recomendando-os aos cuidados de Deus,
enquanto ele estivesse envolvido na pregação do evangelho em terra estrangeira. Enquanto assim o
fazia, sua voz quase se perdia nos soluços daqueles que estavam em volta, que em vão tentavam contê-
los. A idéia de estarem separados do pai e protetor por tanto tempo era na verdade muito dolorosa. Ele
prosseguiu, mas seu coração estava muito aflito para continuar sua oração como o faria normalmente.
Estava muito emocionado e foi obrigado a fazer algumas pausas, enquanto grandes lágrimas rolavam
por seu rosto.” (Ibid., pp. 108–9)
Fé? Fé era tudo que eles possuíam, fé e coragem. Não tinham dinheiro. Um dos irmãos deu ao
irmão Heber um casaco. Uma das mulheres deu-lhe cinco dólares, e com esse dinheiro ele comprou
uma passagem para ele e Orson Hyde até Buffalo.(...)
Que expressão de fé, e que demonstração de coragem! (“Taking the Gospel to Britain: A
Declaration of Vision, Faith, Courage, and Truth,” Ensign, July 1987, pp. 4–5)
Gostaria de relatar uma experiência que tive com um de nossos Presidentes de Área. Estávamos
num país em que, pelo que sabíamos, não havia um único membro da Igreja entre seus milhões de
habitantes.
Mas havia um homem que conhecia a Igreja e queria ser batizado. Ele vinha estudando a Bíblia
havia muito tempo. Pertencia a uma igreja cristã, mas não se sentia satisfeito. Então veio-lhe à mente o
pensamento de que ele deveria pertencer a uma igreja que levasse o nome do Salvador. Numa velha
enciclopédia em uma biblioteca pública, ele encontrou menção à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos
Últimos Dias, com sede em Salt Lake City. Escreveu uma carta solicitando maiores informações e
recebeu em resposta alguns materiais impressos. Depois, a pedido seu, mais materiais foram-lhe
enviados.
Quando nos encontramos com ele, havia lido o Livro de Mórmon repetidas vezes. Lera Doutrina
& Convênios e outros escritos da Igreja. Entusiasmado contou aos amigos a respeito do tesouro que
descobrira. Ele pediu para ser batizado.
Nós o entrevistamos. Ele conhecia o sacerdócio, suas ordens e ofícios. Tinha conhecimento das
várias ordenanças e procedimentos das reuniões.
Ele acreditava ser o Livro de Mórmon a palavra de Deus? Oh, sim, ele sabia que era verdadeiro.
Ele o havia lido; ponderara e orara a respeito. Não tinha dúvidas quanto à sua veracidade.
Cria que Joseph Smith é um profeta de Deus? Sem dúvida. Novamente, havia estudado e orado.
Estava convencido da realidade da gloriosa visão em que Deus, o Pai Eterno, e seu Filho Amado, o
Senhor ressurreto, apareceram ao menino Joseph Smith, a fim de anunciar uma nova e final
dispensação do evangelho.
O sacerdócio fora restaurado com todos os seus dons e poderes. Tinha certeza disso. Nosso amigo
queria ser batizado e almejava o sacerdócio para poder ensinar e agir com a devida autoridade.
“Mas”, objetamos, “se o batizarmos e partirmos em seguida você ficará sozinho. Embora existam
muitos cristãos em seu país, e suas leis garantam a liberdade religiosa, há restrições severas
concernentes a estrangeiros. Não haverá ninguém para ensiná-lo e ajudá-lo. Não haverá ninguém em
quem possa amparar-se.”
Ao que ele respondeu: “Deus há de me ensinar e ajudar; Ele será meu amigo e esteio.”
Fitando os olhos deste homem de bem, vi brilhar a luz da fé. Nós o batizamos pela autoridade do
santo sacerdócio, o confirmamos membro da Igreja e conferimos-lhe o Espírito Santo. Batizamos sua
esposa. Após conferir-lhe o Sacerdócio Aarônico, ordenamo-lo ao ofício de sacerdote para que
pudessem, sob a devida orientação, ter o sacramento.
Realizamos uma reunião sacramental e de testemunho com eles. Abraçamo-nos e despedimo-nos
com lágrimas nos olhos. Eles partiram de volta para casa e nós fomos cuidar de nossas
responsabilidades em outras nações.
Jamais irei esquecê-lo. Ele é pobre quanto às coisas do mundo, mas instruído, sendo professor
formado. Sei pouco sobre suas condições de vida. Porém sei que quando conversamos com ele ardia-
lhe no coração a chama da fé, e nossa própria fé também se avivou.(...)
(...) Seu exemplo propiciou-me um tema. Encontra-se no versículo cinco do capítulo dezessete de
Lucas. Jesus estivera ensinando seus discípulos por meio de preceito e parábola. “Disseram então os
apóstolos ao Senhor: Acrescenta-nos a fé”. (grifo do autor).
Essa é minha oração para todos nós: “Senhor, acrescenta-nos a fé”. (“‘Lord, Increase Our Faith,’”
Ensign, November 1987, pp. 51–52)
Como muitos de vocês sabem, nos últimos quatro ou cinco anos vivemos um episódio interessante
na história da Igreja. Chegaram às nossas mãos duas cartas das quais a imprensa se apoderou quando as
anunciamos. Foram apregoadas aos quatro cantos do mundo como documentos capazes de contestar a
autenticidade da Igreja. Ao anunciá-las, declaramos que, na verdade, não tinham nada a ver com a
essência da nossa história. Mas alguns de pouca fé, que parecem estar sempre prontos a acreditar no
negativo, aceitaram como verdadeiros os pronunciamentos e predições da imprensa. (...)
Pois bem, conforme vocês sabem, essas cartas, juntamente com outros documentos, foram
declaradas por seu forjador como totalmente fraudulentas e parte de um plano maligno e desonesto que
culminou no assassinato de duas pessoas.
Tenho procurado imaginar o que aqueles cuja fé se deixou abalar pensam desde que o falsificador
confessou sua obra maligna.
Entretanto, apresso-me em acrescentar que a grande maioria dos membros da Igreja, todos com
exceção de uns poucos, deram pouca atenção ao caso e continuaram servindo fielmente, com uma firme
convicção fundamentada no conhecimento proporcionado pelo poder do Espírito Santo. Eles sabiam
então, e sabem agora, que Deus zela por essa obra, que Jesus Cristo é o cabeça dessa Igreja, que ela é
verdadeira, e que a felicidade e o crescimento advêm da obediência aos seus preceitos e ensinamentos.
(“‘Lord, Increase Our Faith,’” Ensign, November 1987, pp. 51–52)
Concede-nos fé para olharmos além dos problemas do momento, para os milagres do futuro. Dá-
nos fé para pagar nosso dízimo e ofertas, e depositar nossa confiança em ti, o Todo-Poderoso, de que
abrirás as janelas do céu conforme prometeste. Dá-nos fé para fazer o que é certo e deixar que venham
as conseqüências.
Concede-nos fé quando as tormentas da adversidade nos abaterem e fizerem ir ao chão. Que nas
épocas de enfermidades nossa confiança seja forte nos poderes do sacerdócio (...)
Senhor, quando andarmos pelo vale da sombra da morte, dá-nos fé para sorrir apesar das lágrimas,
sabendo que tudo faz parte de um plano eterno de um Pai amoroso, que ao cruzarmos o limiar dessa
vida entremos em outra mais gloriosa, e que por intermédio do sacrifício do Filho de Deus todos hão de
levantar-se da sepultura e os fiéis seguirão avante para a exaltação. (“‘Lord, Increase Our Faith,’”
Ensign, November 1987, pp. 53–54)
A fé não é uma trivialidade teológica. É uma realidade da vida. A fé pode tornar-se a nascente de
uma vida significativa. Não há motivação que faça com que nos empenhemos mais em fazer o bem do
que o conhecimento de que somos filhos de Deus, o Criador do universo, nosso sábio Pai Celestial!
Deus espera que façamos algo de nossa vida, e Ele irá ajudar-nos quando buscarmos Sua ajuda. (...)
(...) Estávamos a bordo de um avião, alguns anos atrás, voando entre Honolulu e Los Angeles. Foi
numa época em que só havia aviões movidos à hélice. No decorrer da viagem, por volta de meio-dia,
um dos motores parou. Tivemos uma redução de velocidade, a altitude baixou, e houve certo
nervosismo entre os que estavam a bordo. Na verdade, o problema era que havíamos perdido muita
potência, e devido a isso os perigos aumentaram. Sem a tal potência, não podíamos voar alto, rápido e
com segurança.
O mesmo acontece com nossa vida quando não damos importância à necessidade de ter fé e
desprezamos o conhecimento de Deus.
A aceitação passiva do Senhor não é suficiente. Um testemunho vibrante só é adquirido quando
buscamos ansiosamente. (“‘With All Thy Getting Get Understanding,’” Ensign, August 1988, p. 5)
Quando falo sobre a fé, não me refiro a ela de maneira abstrata, mas sim como uma força viva e
vital que reconhece Deus como nosso Pai e Jesus Cristo como nosso Salvador. Quando aceitarmos essa
premissa básica, haverá aceitação dos Seus ensinamentos e obediência que trará paz e alegria nesta vida
e exaltação na vida futura. (“‘With All Thy Getting Get Understanding,’” Ensign, August 1988, p. 5)
Repito o que já disse antes: no final, a única verdadeira riqueza da Igreja estará na fé de seus
membros. (“The State of the Church,” Ensign, May 1991, p. 54)
A melhor coisa que podemos fazer para a segurança e fortalecimento de nossa nação é cultivar nos
membros dessa Igreja uma vigorosa, intensa fé no Senhor Jesus Cristo, para que nosso povo caminhe
em retidão, torne-se um exemplo para todos e seja como o fermento para fazer crescer a massa.
Andemos com fé. (Vacaville/Santa Rosa California Regional Conference, priesthood leadership
session, May 20, 1995)
Caminhe pela fé. Deus abrirá o caminho. Quando não há caminho, Ele abre o caminho. Tenho
plena certeza disso. Não me preocupo com o futuro desta Igreja. Ele será majestoso e forte. Esta é a
pedra que foi cortada da montanha e rolará para preencher toda a Terra como foi manifestado na visão
de Daniel. Esta é a obra do verdadeiro Deus vivo, cujo poder excede a qualquer outro poder do
universo. (Vacaville/Santa Rosa California Regional Conference, priesthood leadership session, May
20, 1995)
Há algum tempo, li um artigo de jornal que tratava das opiniões de certo jornalista famoso.
Citavam-no como tendo dito: “A certeza é inimiga da religião”. As palavras atribuídas a esse jornalista
fizeram-me refletir bastante. A certeza, que defino como a total e completa convicção de um fato, não é
inimiga da religião, mas a sua própria essência.
Certeza é segurança; é convicção. É o poder da fé que se aproxima do conhecimento, sim, e até
mesmo transforma-se em conhecimento. A certeza dá-nos entusiasmo e, para vencer a oposição, o
preconceito e a indiferença, nada existe que se compare ao entusiasmo.
Os grandes edifícios jamais foram construídos sobre alicerces instáveis. As grandes causas jamais
foram vencidas por líderes inseguros. O evangelho nunca foi pregado de modo a convencer as pessoas
sem que houvesse certeza. A fé, que é a própria essência da convicção pessoal, sempre foi e sempre
deverá ser o alicerce da vida religiosa e da dedicação à religião. (...)
(...) Pode-se argumentar contra a teologia, mas o testemunho pessoal, aliado à prática da religião,
não pode ser refutado. (“Faith: The Essence of True Religion,” Ensign, October 1995, pp. 2–3)
Depois da morte do Salvador, teriam Seus Apóstolos conseguido prosseguir na pregação de Sua
doutrina, sacrificando até mesmo a própria vida em dolorosas circunstâncias, se estivessem incertos
acerca Daquele a quem representavam e cuja doutrina ensinavam? Não havia incerteza em Paulo depois
de ter visto a luz e ouvido a voz quando rumava para Damasco em perseguição aos cristãos. Por mais
de três décadas, depois dessa ocasião, devotou seu tempo, força e a vida à divulgação do evangelho do
Senhor ressurreto. Sem pensar no próprio conforto ou segurança, viajou pelo mundo conhecido de seu
tempo, declarando que “nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem o presente,
nem o porvir,
Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de
Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor”. (Romanos 8:38–39)
Ao ser executado em Roma, Paulo selou com a morte seu testemunho final da convicção que tinha
da divindade de Jesus Cristo como Filho de Deus.(...)
Teria havido a Reforma sem a certeza que inspirou os intrépidos feitos de gigantes da fé, como
Lutero, Huss, Zwingli e outros como eles? (“Faith: The Essence of True Religion,” Ensign, October
1995, p. 2)
Escrevi essas belas palavras ditas pelo Presidente David O. Mckay a um pequeno grupo de pessoas
alguns anos atrás. Ele disse: “Tão absoluta quanto a certeza em seu coração de que essa noite será
seguida pelo alvorecer, tal é minha convicção de que Jesus Cristo é o Salvador da humanidade, a Luz
que dissipa a escuridão do mundo, por meio do evangelho restaurado através de revelação direta ao
Profeta Joseph Smith”. (...)
É esse tipo de certeza que possibilitou aos membros da Igreja enfrentarem a perseguição, o
ridículo, o sacrifício de bens materiais e o afastamento de entes queridos para que o evangelho fosse
levado a terras distantes. Essa mesma convicção é hoje fonte de motivação, como tem sido deste o
princípio dessa obra. A fé que milhões de pessoas têm na veracidade dessa causa, que as leva a crer que
Deus é nosso Pai Eterno e que Jesus é o Cristo, deve sempre ser a grande força motivadora em sua
vida”. (“Faith: The Essence of True Religion,” Ensign, October 1995, p. 4)
Gostaria de chamar atenção para as grandiosas palavras do Senhor a Tomé: “Não sejas incrédulo,
mas crente”. Essa é uma época magnífica em sua vida. É uma época não somente de pensamento
positivo mas, algumas vezes, de pensamento crítico também. Recomendo-lhes que não deixem seu
pensamento crítico desprezar sua fé. (Ricks College Regional Conference, Rexburg, Idaho, October 29,
1995)
A fé é um poder dinâmico que transforma nossa vida e nos impulsiona para frente na estrada da
imortalidade e vida eterna. (Pusan Korea Fireside, May 21, 1996)
Acredite em Deus o Pai Eterno. Ele rege e governa o universo e ainda assim podemos falar com
Ele. Ele ama Seus filhos como pai. Ele ouvirá suas orações. Presto testemunho disso. Sei que é verdade.
Acredite em Jesus Cristo, o Salvador e Redentor do mundo. É ele quem dirige a Igreja de que você
faz parte. A Igreja não é minha. Ela pertence ao Senhor Jesus Cristo. Ela é portadora do Seu santo
nome. Ele está à frente desta grande obra. Ele está pronto a auxiliar-nos em nossos problemas e
abençoar-nos nos momentos de necessidade.
Acredite no divino chamado do Profeta Joseph Smith. Que homem maravilhoso ele foi. Foi
assassinado quando ainda era jovem, mas nos curtos anos de sua vida tornou-se um instrumento nas
mãos do Senhor para restaurar essa grande e maravilhosa obra.
Acredite no Livro de Mórmon como a palavra de Deus. Estude o Livro de Mórmon. Ore a respeito
do Livro de Mórmon. Deixe que sua vida seja inspirada por ele.
Acredite na Igreja. Ela é uma grande âncora nessa época de incredulidade. Ela se coloca como um
grande repositório da fé nessa época em que as pessoas estão descrentes. É a Igreja de Jesus Cristo que
está aqui para ajudá-lo, para educá-lo, para prover oportunidades sociais, para dar-lhe a palavra do
Deus vivo.
Acredite em si mesmo como um filho de Deus. Cada um de vocês aqui, cada homem, mulher, e
criança tem uma herança divina. Deus é o seu Pai Eterno. Que maravilhoso é este direito de
primogenitura. Não viva de modo a ser indigno dele. Mantenha-se erguido e viva o evangelho.
(Managua Nicaragua Fireside, January 21, 1997)
FELICIDADE
Desfrutem da oportunidade de serem membros da Igreja. Onde mais em todo o mundo vocês
podem encontrar uma sociedade igual? Desfrutem de suas atividades. Quando era missionário em
Londres há cinqüenta anos, meu companheiro e eu apertávamos as mãos um do outro pela manhã e
dizíamos: “A vida é boa”. A vida a serviço do Senhor é boa. É bela. É recompensadora.
Sejam felizes naquilo que fazem. Cultivem o espírito de alegria em seu lar. Sobrepujem todos os
elementos de ira, impaciência e conversa inadequada. (“Live the Gospel,” Ensign, November 1984, p.
86)
Nosso povo será um povo feliz, um povo abençoado, um povo em que o pastor é o nosso Senhor,
conduzindo-nos através de verdes e tranqüilas pastagens, se caminharmos de acordo com Seu exemplo
e em Sua luz. (“God Is at the Helm,” Ensign, May 1994, p. 59)
Busque abençoar a vida de seu próximo em tudo o que fizer; que, por causa de seus esforços,
alguém possa viver um pouco mais próximo do Senhor e ter um pouco mais de felicidade na vida. Este
é o propósito da nossa existência, no final: trazer felicidade para a vida das pessoas, porque na verdade
o que ensinamos é o plano de felicidade do Senhor. (Boston Massachusetts Regional Conference,
priesthood leadership session, April 22, 1995)
Se vivermos o evangelho e colocarmos nossa confiança em Deus, nosso Pai Eterno, se fizermos o
que nos é pedido como membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últinos Dias, seremos as
pessoas mais felizes e mais abençoadas na face da Terra. (Pocatello Idaho Biregional Conference, June
4, 1995)
Viva o evangelho. Avante, avante, mantenha o trabalho progredindo.(...) Para muitos de nosso
povo, ser membro da Igreja torna-se um fardo em vez de uma fonte de felicidade. (...) Seja feliz ao
servir. (Church News Interview, June 7, 1995)
Espero que gostem deste trabalho. Realmente é o que desejo. Apesar de todos os problemas, este é
um trabalho que traz felicidade. Essas são as boas novas! Este é um trabalho que nos da alegria! Espero
que vocês possam dar risadas, sorrir, serem felizes e se alegrarem diante do Senhor por essa grande
oportunidade que lhes é dada de servir como líderes levando adiante o trabalho para o mundo, seja qual
for o lugar que sejam designados a irem. E gostaria de dizer, referente a isso, que não importa onde
vocês vão. Uma alma salva em Provo é tão valiosa quanto uma alma salva em Copenhagen, ou em
qualquer outro lugar do mundo. Devemos salvar os filhos e filhas de Deus, ensinando-lhes o evangelho.
Encontrem sua felicidade ao assim proceder. (Mission Presidents Seminar, June 24, 1995)
Mantenham a fé. Sua felicidade consiste em seguir o evangelho de Jesus Cristo. É o que acontece
com todos nós. “Iniqüidade nunca foi felicidade” (Alma 41:10), disse Alma a seu filho Coriânton. Isso
é tão verdadeiro como o sol que nasce nas manhãs. “Iniqüidade nunca foi felicidade”. Não há felicidade
em se fazer o que é errado. Não há felicidade no pecado. Há miséria e dor, arrependimento, pesar e
sofrimento. A felicidade consiste em caminhar em retidão. A felicidade consiste em lealdade e
integridade. (Juneau Alaska Fireside, June 18, 1995)
É muito importante ser feliz neste trabalho. Temos muitas pessoas melancólicas na Igreja porque
elas não entendem, suponho, que este é o evangelho da felicidade. É algo para se alegrar e se animar.
(Temple Recorders Seminar, October 23, 1995)
Tenho certeza de que nosso Pai nos Céus gosta de ver Seus filhos felizes; não miseráveis, mas
felizes. Acredito que Ele quer vê-los desfrutando das coisas boas da Terra, obtidas da maneira correta.
Não acho que Ele goste de ver Seus filhos na pobreza e miséria, envolvidos em problemas, em
iniqüidade, pecado e passando necessidades. Sei que Ele quer vê-los felizes. (Colorado Springs Young
Adult Meeting, April 14, 1996)
FILHOS
Ver Crianças
FINANÇAS
Ver Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, A: As Finanças da Igreja; Dívidas; Auto-
Suficiência; Economia
GENEALOGIA
Ver História da Família, Trabalho de
GOVERNO DA IGREJA
Ver também Sucessão na Presidência
A organização básica da Igreja remonta aos tempos do Velho Testamento. A eficiência de sua
operação tem constantemente sido descrita como estritamente moderna. Isso não é uma contradição.
Nós afirmamos que a organização básica da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é a
mesma que prevalecia na Igreja estabelecida pelo Salvador.
No início de Seu ministério Jesus chamou doze homens e ordenou-os apóstolos. A esses Ele deu
poder para curar os doentes, para levantar os mortos e para ministrar as ordenanças do evangelho. “De
graça recebeste, de graça dai”, Ele os ordenava. (Mateus 10:8) Eles eram então enviados às cidades de
Israel para prestar testemunho Dele e do Seu reino. Três dentre eles — Pedro, Tiago e João —
sobressaíram-se nas escrituras como os líderes, particularmente depois da morte e ressurreição do
Salvador.
O Senhor também designou setentas para auxiliá-Lo no trabalho. A esses Ele enviou em duplas
com autoridade para falar por Ele. O sucesso coroou o ministério deles como se torna evidente na
declaração “e voltaram os setenta com alegria”. (Lucas 10:17)
Logo após a morte de Jesus, o trabalho foi levado para além dos limites de Israel para as cidades
da Síria, a seguir para a Ásia Menor e, mais tarde, para a Grécia e Roma. A palavra foi difundida com
tamanho sucesso que Paulo, uns trinta anos depois, declarou que o evangelho havia sido ensinado a
toda criatura sob o céu.
À medida que os diversos ramos da Igreja eram organizados, eram ordenados bispos e élderes para
presidi-los, e outros ofícios do sacerdócio iam sendo preenchidos. Paulo fala especificamente de
Apóstolos e profetas, bispos e élderes, evangelistas, sacerdotes, mestres, diáconos e pastores. Ele
também deixa claro a necessidade desses ofícios no relacionamento de uns com os outros promovendo
o objetivo comum: “Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação
do corpo de Cristo; Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a
homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo”. (Efésios 4:12–13)
A escritura deixa-nos claro um outro ponto importante referente a esses líderes da Igreja. Aos seus
apóstolos Jesus disse: “Não me escolheste vós a mim, mas eu vos escolhi a vós.” (João 15:16) Paulo
amplia esse pensamento com a declaração: “E ninguém toma para si essa honra, senão o que é chamado
por Deus, como Arão”. (Hebreus 5:4) Durante esses primeiros anos eram dados ofícios aos homens da
Igreja, não de sua própria escolha, mas eram escolhidos e ordenados por aqueles que tinham o poder e
autoridade de Deus.
Os santos dos últimos dias acreditam que essa mesma organização com seus ofícios básicos foi
novamente restaurada na Terra, e que os homens devem cumprir seus chamados com o mesmo espírito
que havia nos tempos antigos. Eles acreditam que nessa organização encontram-se as chaves e os meios
para um funcionamento eficaz da Igreja. (What of the Mormons? pamphlet, 1982, pp. 21, 23)
A natureza divina da organização dessa obra e dos chamados à liderança é evidente. As
Autoridades Gerais são indivíduos, cada um com sua própria personalidade. Cada um traz para suas
obrigações uma ampla variedade de experiência e bagagem. Ao serem debatidos assuntos nos
conselhos superiores da Igreja, todos têm liberdade de expor seu ponto de vista. Ao se observar esse
interessante processo em funcionamento, é fascinante testemunhar o poder do Santo Espírito
influenciando esses homens. As divergências iniciais, nunca acentuadas porém perceptíveis, vão-se
atenuando e fundindo até chegarem à unidade. (“He Slumbers Not, nor Sleeps,” Ensign, May 1983, p.
6)
O santo sacerdócio tem autoridade para governar nos assuntos do reino de Deus na Terra. Por
intermédio das revelações do Senhor, a Igreja é presidida sob a direção de três sumos sacerdotes
presidentes. Eles são assessorados por um conselho de Doze Apóstolos, que por sua vez são
assessorados pelos Setenta. O Bispado Presidente, composto de três membros, é responsável pelos
assuntos temporais sob a direção da Presidência. Todos eles são líderes do sacerdócio. O poder que lhes
é divinamente dado é a autoridade pela qual eles governam. É assim nas estacas e alas com presidências
e bispados. É assim também nos quóruns. Os líderes das organizações auxiliares levam adiante o
trabalho sob a direção e delegação do sacerdócio. Sem o sacerdócio, a Igreja pode ter sua forma, mas
não a verdadeira substância. Esta é a Igreja de Jesus Cristo, e é governada pela autoridade que é
segundo a ordem do Filho de Deus. (Priesthood Restoration Commemoration Fireside, May 15, 1988)
Eu agradeço [a Joseph Smith] e o amo pela organização da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos
Últimos Dias. É uma maravilha e um milagre milhões terem cargos e responsabilidades na Igreja e
reino de Deus. É um sistema único de um governo eclesiástico sob o qual a autoridade para chamar é
dos líderes presidentes, mas o direito de servir está condicionado à aprovação dos membros.
Agradeço a ele e ao Senhor de quem provém essa grande organização que é capaz de funcionar em
qualquer Terra ou sociedade, onde a liderança se faz através das pessoas, e com poucas exceções, o
chamado para servir é temporário, garantindo assim uma constante renovação de talento, perspectiva,
energia e força espiritual. (“As One Who Loves the Prophet,” Symposium on the Life and Ministry of
the Prophet Joseph Smith, BYU, February 22, 1992)
Nessa tarde, como de costume, apoiamos os líderes da Igreja. Isso talvez pareça simples
formalidade. Mas quero lembrar-los de que se trata de um gesto solene e de séria importância, algo
exigido pela revelação do Senhor. (...)
(...) O direito de indicar pertence ao líder ou líderes superiores, em qualquer nível. Mas essa
indicação precisa ser apoiada, ou seja, aceita e confirmada pelos membros da Igreja. Este procedimento
somente é encontrado na Igreja do Senhor. Não existe pretensão a um cargo, concurso para um
chamado nem campanha para promover as virtudes da pessoa. Comparem a maneira do Senhor com a
do mundo. A maneira do Senhor é tranqüila e pacífica, sem fanfarras nem despesas financeiras. É
desprovida de egoísmo, vaidade e ambição. No plano do Senhor, os que têm a responsabilidade de
escolher líderes são guiados por uma pergunta que prevalece sobre tudo: “Quem o Senhor escolheria?”
A seleção é feita em silêncio e através de meditação. Muitas orações são feitas até se receber a
confirmação do Espírito Santo de que a escolha foi certa. (“God Is at the Helm,” Ensign, May 1994, p.
53)
Há um velho provérbio de fundo de quintal que diz: “Muitas mãos tornam o trabalho fácil”. Quão
verdadeira é essa afirmação com relação a essa Igreja. O maravilhoso sistema de presidências e
conselhos faz com que se torne possível dividir a carga de modo que ninguém fique sobrecarregado. A
muitos é dada oportunidade e experiência, e se um soldado em qualquer lugar na fileira vacilar ou
tropeçar, existe um outro para substituí-lo e marchar em frente. (General Authority Training Meeting,
March 28, 1995)

Presidente da Igreja
Jamais ficaremos sem um profeta se formos dignos de tê-lo. Ele não precisa ser jovem. Ele tem e
continuará dispondo de homens mais jovens para viajarem pelo mundo a serviço do ministério. Ele é o
sumo sacerdote presidente, repositório de todas as chaves do santo sacerdócio e a voz de revelação de
Deus ao Seu povo. (“He Slumbers Not, nor Sleeps,” Ensign, May 1983, p. 6)
Alguns se preocupam com o fato de que o presidente da Igreja será, provavelmente, sempre um
homem idoso, ao que respondo: “Que grande bênção!” A obra dessa dispensação foi iniciada tendo
como instrumento o profeta Joseph Smith. Este era, na época, jovem e vigoroso, um homem cuja mente
não estava apegada às tradições de seu tempo. Tinha a mente jovem, a qual o Senhor podia modelar
como argila molhada ao dar início à obra.
O sucessor de Joseph era relativamente moço quando assumiu a terrível responsabilidade de
conduzir um povo inteiro pelas vastas planícies desertas para colonizarem uma nova terra.
Mas agora, os fundamentos de nossa doutrina estão assentados e estamos firmemente
estabelecidos como povo, pelo menos até que o Senhor ordene nova mudança. Não necessitamos de
inovações. Necessitamos é de devoção e apego aos princípios divinamente enunciados. Necessitamos
de lealdade ao nosso líder, que foi escolhido por Deus. (...)
A meu ver, é profundamente confortador saber que num futuro previsível teremos um presidente
que foi disciplinado e treinado, provado e testado, cuja fidelidade à obra e integridade na causa foram
temperadas na forja do servir, cuja fé amadureceu e cuja intimidade com Deus foi cultivada durante
muitos anos. (...)
(...) Apoiarei sem reservas aquele que o Senhor escolher pelo processo por Ele estabelecido para a
sucessão em seu reino, pois sei que essa é a obra de Deus e que Ele vela por ela agora, como tem feito
no decorrer dos anos. Ele não comete enganos. (“He Slumbers Not, nor Sleeps,” Ensign, May 1983, pp.
6–7)
A Igreja é verdadeira. Aqueles que a dirigem têm um único desejo, e este é o de fazer a vontade do
Senhor. Eles buscam sua orientação em todas as coisas. Não existe uma decisão significativa que afete
a Igreja e seu povo, que seja tomada sem ser considerada em espírito de oração, buscando-se diretrizes
na fonte de toda a sabedoria. Sigam a liderança da Igreja. Deus não permitirá que sua obra seja
desencaminhada. (“Be Not Deceived,” Ensign, November 1983, p. 46)
Quero prestar-vos testemunho concernente a esta obra. Estou profundamente envolvido nela há
mais de meio século. Venho trabalhando com os presidentes da Igreja desde a gestão do Presidente
Heber J. Grant. Conheci bastante bem o Presidente Grant, o Presidente George Albert Smith, o
Presidente David O. McKay, o Presidente Joseph Fielding Smith, o Presidente Harold B. Lee e o
Presidente Spencer W. Kimball [e posteriormente os Presidentes Ezra Taft Benson e Howard W.
Hunter]. Conheci os conselheiros de todos eles e conheci o Conselho dos Doze durante esses anos
todos. Todos esses homens foram humanos. Tiveram características humanas e talvez algumas
fraquezas humanas. Entretanto, acima de tudo, houve na vida deles uma irrefutável prova da inspiração
de Deus. Todos os presidentes têm sido profetas de uma forma muito real. Testemunhei intimamente o
espírito de revelação sobre eles. Cada um deles chegou à presidência depois de muitos anos de
experiência como membro do Conselho dos Doze e em outros cargos. O Senhor refinou-os e poliu-os,
deixou que conhecessem o desânimo e o fracasso, que experimentassem a doença e, em alguns casos, o
profundo pesar. Tudo isso tornou-se parte do grande processo de refinamento, e o efeito desse processo
evidenciou-se de maneira bela em sua vida.
Meus queridos amigos no evangelho, esta é a obra de Deus. É a Sua Igreja e a Igreja de seu Filho
Bem Amado, cujo nome ela ostenta. Deus nunca permitirá que um impostor esteja à frente dela. Ele
chamará Seus profetas, inspirá-los-á e dirigi-los-á. (“Strengthening Each Other,” Ensign, February
1985, p. 5)
Alguns se perguntam quem estará dirigindo a Igreja. Presto-vos testemunho solene de que
recebemos inspiração do alto, e que o nosso Pai nos Céus e seu Filho Amado, o Redentor do mundo,
estão guiando e dirigindo essa Igreja, para que cumpra seus propósitos eternos em favor dos filhos e
filhas de Deus. (“Rejoice in This Great Era of Temple Building,” Ensign, November 1985, p. 54)
Posso garantir-lhes (...) que nunca, de acordo com meu conhecimento, me adiantei à frente de meu
líder; nunca tive o mínimo desejo de me antecipar a ele no estabelecimento de diretrizes e instruções
para a Igreja. Eu sabia que ele era o profeta apontado pelo Senhor. Embora eu também tivesse sido
apoiado como profeta, vidente e revelador, com os irmãos dos Doze, sabia que nenhum de nós era o
Presidente da Igreja. Sabia que o Senhor havia prolongado a vida do Presidente Kimball para
propósitos que lhe eram conhecidos, e tinha uma fé perfeita em que isso se dava por um motivo sábio
Daquele que possui sabedoria maior que a dos homens. (“ ‘In (...) Counsellors There Is Safety,’”
Ensign, November 1990, p. 50)
Repito que trabalhei com sete Presidentes desta Igreja. Reconheço que todos eram humanos, mas
nunca me preocupei com isso. Podem ter tido algumas fraquezas, mas isso nunca me incomodou. Sei
que o Deus do céu tem utilizado homens mortais no decorrer da história do mundo para realizar
propósitos divinos. Eles eram os melhores homens de que o Senhor poderia dispor e eram
maravilhosos.
Esses homens que conheci e com quem trabalhei foram totalmente abnegados, zelando pela
edificação do reino de Deus e levando felicidade à vida das pessoas. Foram também abnegados em
relação a essa grande obra pela qual cada um foi responsável em sua época.
Falo ao sacerdócio desta Igreja, (...) expressando gratidão pelo profeta que nos guia nestes últimos
dias. Peço-lhes lealdade a esse homem que o Senhor chamou e ungiu. Rogo-lhes que o apóiem
firmemente e dêem ouvidos aos seus ensinamentos. Disse em outra ocasião deste púlpito que, se temos
um profeta, temos tudo. Se não temos um profeta, não temos nada. Nós, porém, temos um profeta.
Temos tido profetas desde a fundação desta Igreja. Nunca ficaremos sem um profeta, se formos dignos
deles.
O Senhor zela por esta obra. Este é o Seu reino. Não somos ovelhas sem pastor nem um exército
sem líder. (“‘Believe His Prophets,’” Ensign, May 1992, p. 53)
Há poucas semanas, quando regressava de uma conferência regional, tivemos uma experiência que
permanece viva em minha mente. Quando nos aproximávamos do aeroporto, o comandante dirigiu-se
aos passageiros pelo rádio e, em tom ríspido e autoritário, declarou: “Temos uma emergência! Por
favor, prestem atenção. Temos uma emergência, e a tripulação lhes dará instruções. Para sua segurança,
por favor, façam o que lhes for solicitado”. A tripulação pôs-se em ação. Este era o momento para o
qual haviam sido treinados. Todos sabiam precisamente o que fazer. Todos os utensílios foram
rapidamente colocados em compartimentos trancados.
Os passageiros foram remanejados e os homens mais fortes colocados em cada saída de
emergência.
Pediram-nos que tirássemos os óculos, abaixássemos a cabeça e segurássemos firmemente os
tornozelos.
Uma mulher com um bebê no colo, sentada logo atrás de mim, chorava. Ouviam-se outros
soluçarem. Todos sabiam que não era apenas um treinamento, mas aquilo era real e grave.
Um homem apareceu na porta da frente. Reconheceu-me e inclinou-se para dizer-me: “Sou piloto
e estou de folga. O sistema de controle principal falhou; mas acho que tudo vai acabar bem. Já
abaixaram o trem de pouso e os flapes.”
Por estranho que pareça, não tive medo. Em muitos anos de vôo, houve ocasiões em que me senti
amedrontado. Entretanto, dessa vez sentia-me calmo. Sabia que o avião tinha um sistema alternativo
para lidar com uma emergência assim e que a tripulação fora bem treinada.
Sabia também que a eficácia desse sistema alternativo seria conhecida dentro de um ou dois
minutos, quando os pneus tocassem a pista.
Esse momento chegou bem depressa. Para alívio de todos, o avião tocou o chão de leve, com o
trem de aterrissagem em posição correta, os motores foram desligados, e, finalmente, a aeronave parou.
(...) A tripulação foi aplaudida, e alguns expressaram gratidão ao Senhor.
Tenho refletido sobre essa experiência em termos da Igreja à qual pertencemos. O cabeça da Igreja
é o Senhor Jesus Cristo. Essa é a sua Igreja, mas o cabeça terreno é o profeta. Os profetas são homens
investidos de um chamado divino. Não obstante a divindade do chamado, eles são humanos. Estão
sujeitos aos problemas da mortalidade.
Amamos, respeitamos, honramos o profeta destes dias, o Presidente Ezra Taft Benson e nele
confiamos. Ele tem sido um líder magnífico e talentoso, cuja voz tem ecoado em testemunho dessa obra
no mundo inteiro. Possui todas as chaves do sacerdócio na Terra, hoje. Atingiu, porém, uma idade em
que não pode realizar tudo o que outrora realizava. Isto não o diminui em seu chamado de profeta.
Limita-o, porém, nas atividades físicas.
Tivemos situações semelhantes no passado. O Presidente Wilford Woodruff envelheceu em
serviço. Foi assim com os Presidentes Heber J. Grant, David O. McKay, Joseph Fielding Smith e, mais
recentemente, com o Presidente Spencer W. Kimball.
Algumas pessoas, evidentemente por não conhecerem o sistema, preocupam-se que, com a idade
do Presidente, a Igreja enfrente uma crise. Parece não compreenderem que há um sistema básico de
apoio. Bem no âmago deste sistema há sempre uma tripulação bem treinada a bordo, se posso referir-
me assim a eles. Eles vêm sendo treinados nos procedimentos da Igreja. Mais importante ainda, é que
os membros da tripulação possuem as chaves do Sacerdócio Eterno de Deus. Foram, também,
colocados nesse lugar pelo Senhor.
Espero não parecer presunçoso ao lembrar-lhes do sistema alternativo único e magnífico que o
Senhor estruturou em Seu reino, a fim de que ele siga sempre avante sem interrupção, enfrentando
qualquer emergência que venha a surgir e superando qualquer contingência que tenha de enfrentar. Para
mim isso é um milagre maravilhoso e que se renova constantemente. (“The Church Is on Course,”
Ensign, November 1992, p. 53)
Ninguém é chamado para este ofício sagrado sem que tenha grandes sentimentos de que não está à
altura. A firme resolução de ir em frente vem do conhecimento de que essa é a obra de Deus, que Ele
olha por ela, que Ele irá nos dirigir em nossos esforços se formos verdadeiros e fiéis, e que nossa
responsabilidade é para com Ele. (Press Conference, Salt Lake City, Utah, March 13, 1995)
Essa manhã, todos participamos de uma assembléia solene. Ela é exatamente o que o nome indica:
uma reunião dos membros onde cada posição individual iguala-se a todas as outras ao exercer com
seriedade e solenidade seu direito de apoiar ou não aqueles que, de acordo com os procedimentos
determinados pelas revelações, foram escolhidos para liderar. (...)
No tocante à Primeira Presidência, o Senhor disse: “Do Sacerdócio de Melquisedeque, três sumos
sacerdotes presidentes, escolhidos pelo grupo, e designados e ordenados a esse ofício, e apoiados pela
confiança, fé e orações da Igreja”. (...) (D&C 107:22)
Destaco estas palavras: “apoiados pela confiança, fé e orações da Igreja”.
Seu braço erguido na assembléia solene dessa manhã demonstra sua disposição e desejo de nos
apoiar, seus irmãos e servos, com sua confiança, fé e orações. Sinto-me profundamente grato por essa
demonstração. (...) Não se aspira a este cargo. O direito de escolha pertence ao Senhor. Ele é o mestre
da vida e da morte. É Seu o poder de chamar. É Seu o poder de levar embora. É Seu o poder de reter.
Tudo está em Suas mãos.
Não sei por que, em Seu grandioso plano, alguém como eu encontraria um lugar. Tendo, porém,
esse manto recaído sobre mim, dedico mais uma vez o que tiver em termos de forças, tempo, talentos
ou vida à obra de meu Mestre, no serviço de meus irmãos e irmãs. (“This Work Is Concerned with
People,” Ensign, May 1995, p. 51)
Tive o privilégio de servir como conselheiro de três grandes presidentes. Tenho algum
conhecimento do que significam pesadas responsabilidades. Apesar disso, nestes últimos dias, sinto-me
assoberbado ao sentir minha inadequação e total dependência do Senhor, que é meu líder e a quem esta
Igreja pertence. Dependo também da força destes bons homens que são meus conselheiros, meus
queridos irmãos dos Doze, dos Setenta e do Bispado Presidente e dos membros da Igreja em todo o
mundo. (...)
Anos atrás fiz um discurso sobre a solidão da liderança. Agora, pela primeira vez, percebo o
significado pleno dessa solidão. Não sei por que o manto caiu sobre os meus ombros. Acho que alguns
de vocês também se fazem a mesma pergunta. Estamos, porém, aqui. (“This Is the Work of the
Master,” Ensign, May 1995, p. 69)

A Primeira Presidência
Não estou aqui como substituto do Presidente da Igreja; falo como seu segundo conselheiro,
responsabilidade que não busquei mas aceitei como um chamado sagrado, no cumprimento do qual
tenho procurado aliviar os ombros de nosso amado presidente de alguns dos pesados fardos do seu
cargo, e levar avante a obra do Senhor com todo o empenho. O Presidente Kimball é o profeta do
Senhor. Ninguém poderá ou haverá de ocupar seu lugar enquanto ele viver. (“The Cornerstones of Our
Faith,” Ensign, November 1984, p. 50)
Por revelação do Senhor, “do Sacerdócio de Melquisedeque, três sumos sacerdotes presidentes,
escolhidos pelo grupo, e designados e ordenados a esse ofício e apoiados pela confiança, fé e oração da
Igreja, formam o quórum da Presidência da Igreja”. (D&C 107:22)
Essa “presidência do sumo sacerdócio segundo a ordem de Melquisedeque tem o direito de oficiar
em todos os ofícios da Igreja”. (D&C 107:9)
Acrescenta-se a este princípio: “(...) está de acordo com a dignidade de seu chamado presidir o
conselho da Igreja, tendo ele o privilégio de ser assistido por outros dois presidentes, designados do
mesmo modo que ele foi designado
E em caso de ausência de um ou ambos os que tiverem sido designados para assisti-lo, ele terá
poder para presidir o conselho sem um assistente; e em caso de ele próprio estar ausente, os outros
presidentes, ambos ou um deles, terão poder para presidir em seu lugar”. (D&C 102:10–11)
Nós que servimos como conselheiros, sabemos e reconhecemos os parâmetros de nossa autoridade
e de nossa responsabilidade. Nosso único desejo é dar assistência e ajudar nosso líder nos tremendos
encargos de seu ofício. (...)
Quando não há uma norma firmemente estabelecida, conversamos com o Presidente e recebemos
aprovação antes de agirmos. Que nunca se diga que houve qualquer intenção de assumir autoridade, de
fazer, ou dizer, ou ensinar algo que estivesse em desacordo com os desejos daquele que foi posto nesse
ofício pelo Senhor. Desejamos ser seus servos leais. Não pedimos honra para nós. Desejamos
simplesmente fazer o que precisa ser feito, quando precisa ser feito e de acordo com as normas sobre as
quais o Presidente já se pronunciou. (“The Church Is on Course,” Ensign, November 1992, p. 54)
A Primeira Presidência e o Conselho dos Doze Apóstolos, chamados e ordenados para serem
portadores das chaves do sacerdócio, têm autoridade e responsabilidade de governar a Igreja,
administrar suas ordenanças, expor a doutrina e determinar suas práticas e ver que elas sejam
cumpridas. Cada homem ordenado como Apóstolo e apoiado como membro do Conselho dos Doze foi
apoiado como profeta, vidente e revelador. (...)
Quando o Presidente estiver doente ou incapacitado de exercer plenamente todas as funções de seu
ofício, seus dois conselheiros formam o Quórum da Primeira Presidência. Eles realizam o trabalho da
Presidência. Em circunstâncias excepcionais, quando somente um dos conselheiros estiver em
condições de exercer suas funções, ele poderá agir com a autoridade do ofício da Presidência, conforme
estabelecido em D&C seção 102, versículos 10–11.
Quando o Presidente Benson chamou seus dois conselheiros, no dia 10 de novembro de 1985, ele
designou-os pessoalmente. Os membros do Conselho dos Doze Apóstolos também impuseram as mãos
sobre a cabeça dos conselheiros, quando cada um foi designado. Naquela ocasião, o Presidente Benson
estava em boas condições de saúde e plenamente capaz de exercer todas as suas funções.
Além disso, depois da designação, ele assinou procurações de próprio punho, dando a cada um dos
conselheiros autoridade para dirigir os negócios da Igreja.
Agindo sob essas delegações de autoridade específicas e plenas, os conselheiros na Primeira
Presidência conduzem o trabalho diário desse ofício, mas todas as questões importantes a respeito de
normas, procedimentos, programas ou doutrina, são ponderadas cuidadosamente e em espírito de
oração pela Primeira Presidência e pelos Doze em conjunto. Estes dois quóruns, o Quórum da Primeira
Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos, reúnem-se, com total liberdade de expressão, para decidir
todos os assuntos de importância vital. (...)
Nenhuma decisão da Primeira Presidência e dos Doze é tomada sem que haja total unanimidade de
todos os envolvidos. (...)
Acrescento, como testemunho pessoal, que durante os vinte anos que servi como membro do
Conselho dos Doze e durante os quase treze anos em que sirvo na Primeira Presidência, nunca foi
tomada uma decisão importante sem que esse procedimento fosse seguido. (“God Is at the Helm,”
Ensign, May 1994, pp. 54, 59)
Com o falecimento do Presidente Hunter, dissolveu-se a Primeira Presidência. O irmão Monson e
eu, que servíamos como seus conselheiros, tomamos nossos lugares no Quórum dos Doze, que se
tornou a autoridade presidente da Igreja.
Três semanas atrás, todos os Apóstolos vivos ordenados reuniram-se em espírito de jejum e oração
na sala superior do templo. Ali cantamos um hino sagrado e oramos juntos. Tomamos o sacramento da
ceia do Senhor, renovando no sagrado e simbólico testamento, nossos convênios e nosso
relacionamento com Aquele que é nosso Redentor Divino.
A presidência foi então reorganizada, seguindo-se o precedente firmemente estabelecido há
gerações passadas.
Não houve campanha alguma, nenhum concurso, nenhuma ambição pelo cargo. Foi tudo sereno,
tranqüilo, simples e sagrado, feito de acordo com o modelo estabelecido pelo próprio Senhor. (“This Is
the Work of the Master,” Ensign, May 1995, p. 69)
Aprecio muito a sabedoria de meus conselheiros. Eles trazem para seu chamado uma carga de
experiência de longos anos além de uma variedade de pontos de vista concernentes a coisas diversas.
Conversamos a respeito delas. Chegamos a um consenso. Tem que haver unidade na Primeira
Presidência. O Senhor deixou isso claro. Do mesmo modo, deve haver unidade em cada presidência na
Igreja. (General Authority Training Meeting, October 1, 1996)

O Conselho dos Doze Apóstolos


Sempre me pareceu estranho que apesar de o Senhor ter escolhido doze apóstolos para auxiliá-Lo
na obra do ministério e levar o evangelho avante após Sua morte; e que apesar de Paulo, que era
Apóstolo, ter declarado que a Igreja deveria ser edificada “sobre o fundamento dos apóstolos e dos
profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra de esquina” (Efésios 2:20); parece-me estranho que,
apesar de tudo isso não exista, que eu saiba, o ofício de Apóstolo e menos ainda um conselho de doze
Apóstolos em outras igrejas cristãs. (...)
O termo apóstolo significa em sua origem, literalmente “enviado”. Se a definição dissesse “um
enviado com determinada autoridade e responsabilidade”, descreveria exatamente o chamado na época
em que nosso Senhor andou pela Terra, e conforme continua sendo hoje. (...)
Esse mesmo ofício de apóstolo foi restaurado na Terra quando a Igreja foi restabelecida nessa
dispensação. Na revelação sobre a organização da Igreja recebida em abril de 1830 por Joseph Smith,
ele é mencionado como aquele que “foi chamado por Deus e ordenado apóstolo de Jesus Cristo para ser
o primeiro élder dessa Igreja;
E a Oliver Cowdery, que foi também chamado por Deus como apóstolo de Jesus Cristo para ser o
segundo élder desta igreja e ordenado sob sua mão”. (D&C 20:2–3) (“Special Witnesses for Christ,”
Ensign, May 1984, p. 50)
Às três testemunhas do Livro de Mórmon — Oliver Cowdery, David Whitmer e Martin Harris —
foi dada a responsabilidade de indicar os primeiros membros dos Doze nesta dispensação. Após serem
escolhidos, foram convocados para uma reunião em Kirtland em 27 de fevereiro de 1835. Nessa
reunião Oliver Cowdery serviu como secretário e escreveu na ata:
“O Presidente Smith levantou a seguinte questão: O que há de tão importante no chamado dos
Doze Apóstolos que o torna diferente dos demais chamados ou líderes da Igreja?
Depois que a pergunta foi discutida, (...) o Presidente Joseph Smith Júnior apresentou a seguinte
decisão:
Os Doze Apóstolos, que são chamados ao ofício do Sumo Conselho Viajante, é que presidem os
ramos da igreja dos santos entre os gentios, onde não haja uma presidência estabelecida; e devem viajar
e pregar entre os gentios, até que o Senhor os mande ir aos judeus. Eles possuem as chaves desse
ministério, de abrir a porta do reino dos céus a todas as nações, e de pregar o evangelho a toda criatura.
Esse é o poder, autoridade e virtude do seu apostolado”. (Teachings of the Prophet Joseph Smith, sel.
Joseph Fielding Smith, [Salt Lake City: Deseret Book Co., 1938], p. 74)
Conforme especificado em revelações posteriores, os apóstolos servem sob a direção da Primeira
Presidência e atuam como “testemunhas especiais do nome de Cristo no mundo todo”. (D&C 107:23)
(“Special Witnesses for Christ,” May 1984, p. 51)
Sou profundamente grato aos meus irmãos do Conselho dos Doze Apóstolos que,
sistematicamente e sem exceção, cumprem tudo o que lhes é solicitado e atribuído. Eles demonstram
muito apoio. O mesmo se aplica aos membros do Primeiro Quórum dos Setenta e do Bispado
Presidente. Repito o que já falei deste púlpito, que existe perfeita unidade entre as Autoridades Gerais.
Não são homens que dizem “sim” a tudo. São homens que demonstram grande entendimento,
convicção e comprovada capacidade. Humildes, estão sempre dispostos a esquecer todas as
considerações pessoais e colocar a obra do Senhor em primeiro lugar. (...)
(...) Cada homem tem liberdade de expressar sua opinião. É impressionante e maravilhoso ver que,
pela influência do Espírito Santo, as opiniões vão-se harmonizando até chegarem a uma decisão
unânime.
Nenhuma norma importante, nenhuma ação de monta é tomada sem ser considerada nos mais altos
conselhos da Igreja, e isso somente após unanimidade de sentimento, quanto à decisão. Nenhuma
decisão é tomada sem oração sincera e diligente, sem rogar orientação e revelação ao Todo-Poderoso e
sem a aprovação do Presidente da Igreja.
Alguns se perguntam quem estará dirigindo a Igreja. Presto-vos testemunho solene de que
recebemos inspiração do alto, e que o Nosso Pai nos céus e Seu Filho Amado, o Redentor do mundo,
estão guiando e dirigindo esta Igreja. (“Rejoice in This Great Era of Temple Building,” Ensign,
November 1985, pp. 53–54)
Como já indiquei, há outros doze aos quais foram conferidas as chaves do apostolado. São, como
descreve a revelação: “os doze conselheiros viajantes (...) chamados para ser os Doze Apóstolos, ou
seja, testemunhas especiais do nome de Cristo no mundo todo — diferindo assim dos outros líderes da
Igreja nos deveres de seu chamado.
E eles formam um quórum igual em autoridade e poder aos três presidentes previamente
mencionados”. (D&C 107:23–24) (...)
Desejo agora dizer algumas palavras a respeito dos homens que são membros do Quórum da
Primeira Presidência e do Quórum dos Doze Apóstolos. Conheço todos os que servem atualmente.
Conheci todos os que se sentaram nestas cadeiras nos últimos sessenta anos. Tenho certeza de que
nenhum deles jamais aspirou ao cargo. Ninguém fez campanha para obtê-lo. Acho que nenhum deles
jamais se considerou digno dele. Isso é algo singular e notável. (...)
Conheço cada um dos Doze, pela ordem em que foram chamados, desde o Presidente Howard H.
Hunter até o Élder Richard G. Scott.
Estes são meus companheiros nesta obra do Todo-Poderoso. Como disse antes, nenhum deles
ambicionou esse sagrado ofício. Cada um foi chamado, e alguns deles fizeram grande sacrifício ao
aceitar o chamado. Oramos juntos. Reunimo-nos em solene assembléia na Casa do Senhor.
Periodicamente, compartilhamos do sacramento da Ceia do Senhor e renovamos nossos convênios com
Ele, que é nosso Deus, tomando novamente sobre nós o nome do Senhor, de quem somos chamados a
testificar. (“The Church Is on Course,” Ensign, November 1992, pp. 54, 59)
Quando um homem é ordenado ao apostolado e escolhido como membro do Conselho dos Doze,
as chaves do Sacerdócio de Deus lhe são conferidas. Cada um dos quinze homens vivos, assim
ordenados, é portador dessas chaves. Entretanto, apenas o Presidente da Igreja tem o direito de exercer
o poder dessas chaves em sua plenitude. Ele pode delegar o exercício do poder de várias chaves a um
ou mais irmãos. Cada um deles tem as chaves, mas está autorizado a utilizá-las apenas conforme lhe
tenha sido concedido pelo profeta do Senhor. (“The Church Is on Course,” Ensign, November 1992, p.
54)
As Autoridades Gerais sobre quem falei são apóstolos do Senhor Jesus Cristo. Presto-lhes
testemunho de sua integridade. Testifico sobre a fé que possuem. Presto-lhes testemunho da voz de
inspiração e revelação em seus chamados. Cada um deles é homem de poder comprovado. Mas sua
maior força reside no reconhecimento de que cada um deve receber orientação e bênçãos divinas para
poder realizar bem suas tarefas.
Concluindo, crêem que este grupo deixaria a Igreja desencaminhar-se? Lembrem-se de quem é
esta Igreja. Ela tem o nome do Senhor Jesus Cristo, que é o seu cabeça. É Dele o poder para remover
qualquer um que negligencie seus deveres ou ensine o que não esteja em harmonia com a vontade
divina.
Digo a cada um e a todos que não temos planos pessoais. Possuímos apenas os planos do Senhor.
Há os que criticam quando nos pronunciamos, quer aconselhando, quer advertindo. Reconheçam que
nossas súplicas não são motivadas por desejo egoísta. Reconheçam que nossas advertências não deixam
de ter fundamento e razão. Reconheçam que as decisões de nos pronunciarmos sobre diversos assuntos
não são tomadas sem prévia deliberação, debate e oração. Reconheçam que nossa única ambição é
ajudar cada um de vocês em seus problemas e dificuldades, bem como em sua família e em sua vida.
Tomo a liberdade de dizer, como testemunho pessoal, que sou Autoridade Geral desta Igreja há
mais de um terço de século. (...) Sei como o sistema funciona. Sei que é divino em seu plano e
autoridade. Sei que não existe o desejo de ensinar nada se não o que o Senhor ensinaria. (...)
Quando recomendamos a nosso povo que observe o Dia do Senhor, que se abstenha de torná-lo
um dia de comércio, estamos apenas repetindo o que o Senhor declarou no passado e confirmou em
revelação moderna. Quando clamamos contra os jogos de azar, estamos apenas reiterando o que já foi
dito pelos profetas que já se foram. Quando insistimos em que fortaleçamos os alicerces de nosso lar,
estamos apenas fazendo o que abençoará nossa família. Quando advertimos nosso povo a obedecer a lei
do dízimo, estamos repetindo o que o Senhor disse no passado e confirmou nessa dispensação para
abençoar seu povo. Quando advertimos contra a pornografia, imoralidade, drogas e semelhantes,
estamos apenas fazendo o que os profetas sempre fizeram.
É nossa a responsabilidade mencionada por Ezequiel: “Filho do homem: Eu te dei por atalaia
sobre a casa de Israel; e tu da minha boca ouvirás a palavra e avisá-los-ás da minha parte”. (Ezequiel
3:17)
Não temos qualquer desejo egoísta em relação a isto, a não ser o de que nossos irmãos sejam
felizes, que a paz e o amor reinem em seu lar, que sejam abençoados pelo poder do Todo-Poderoso em
suas várias atividades em retidão. (“The Church Is on Course,” Ensign, November 1992, pp. 59–60)
É importante (...) que não haja dúvidas ou preocupações a respeito do governo da Igreja e do
exercício dos dons de profecia, incluindo o direito à inspiração e revelação na administração dos
assuntos e programas da Igreja, quando o Presidente estiver doente ou incapaz de exercer plenamente
suas funções.
A Primeira Presidência e o Conselho dos Doze Apóstolos, chamados e ordenados para serem
portadores das chaves do sacerdócio, têm autoridade e responsabilidade de governar a Igreja,
administrar suas ordenanças, expor a doutrina e determinar suas práticas e ver que elas sejam
cumpridas. Cada homem ordenado como Apóstolo e apoiado como membro do Conselho dos Doze foi
apoiado como profeta, vidente e revelador. (...) Todos os membros do Quórum da Primeira Presidência
e do Conselho dos Doze receberam as chaves, direitos e autoridade pertencentes ao santo apostolado.
(...)
Novamente cito as palavras do Senhor: “E toda decisão tomada por um desses quóruns deve sê-lo
pelo voto unânime do mesmo; isto é, cada membro de cada quórum deve concordar com suas decisões,
a fim de que estas tenham o mesmo poder ou validade entre si”. (D&C 107:27)
Nenhuma decisão da Primeira Presidência e dos Doze é tomada sem que haja total unanimidade de
todos os envolvidos. No início dos debates, pode haver diferença de opinião. Isso é normal. Esses
homens vêm de diferentes tipos de vida. São homens que pensam por si mesmos. Antes, porém, que
uma decisão final seja tomada, há unanimidade de pensamentos e palavras.
Isso é o que se espera quando se segue a palavra revelada do Senhor. Novamente, cito as palavras
da revelação: “As decisões destes quóruns, ou de qualquer deles, devem ser tomadas com toda retidão,
com santidade e humildade de coração, mansidão e longanimidade; e com fé e virtude e conhecimento,
temperança, paciência, piedade, bondade fraternal e caridade;
Porque existe a promessa de que se essas coisas sobejarem neles, não serão estéreis no
conhecimento do Senhor.” (D&C 107:30–31)
Acrescento, como testemunho pessoal, que durante os vinte anos que servi como membro do
Conselho dos Doze e durante os quase treze anos em que sirvo na Primeira Presidência, nunca foi
tomada uma decisão importante sem que esse procedimento fosse seguido. (...) Nesse processo, em que
sentimentos são expressos livremente, idéias e conceitos são separados e selecionados. Contudo, nunca
observei discórdia ou inimizade pessoal entre os irmãos. O que observei, foi uma bela e extraordinária
convergência de pontos de vistas diversos, sob a influência orientadora do Santo Espírito e do poder de
revelação, até que houvesse total harmonia e completa concordância. (...)
Não conheço nenhum outro corpo administrativo de qualquer espécie onde ocorra o mesmo. (...)
(...) As Autoridades Gerais não se sentiriam inclinados a fazer qualquer coisa que pensassem estar
em desacordo com as atitudes, sentimentos e posição de seu amado líder, o Profeta do Senhor.
Devemos lembrar que o Presidente, quando se tornou o apóstolo sênior, subiu na hierarquia
através de muitos anos de serviço no Quórum dos Doze. Durante esse tempo, os outros irmãos
conheceram-no muito bem. Durante os anos de seu ministério, ele expressou sua opinião sobre diversos
assuntos que foram levados àquele quórum. Seus pontos de vista tornaram-se bem conhecidos. (“God Is
at the Helm,” Ensign, May 1994, pp. 54, 59)
Repito, para dar ênfase, que todos os que foram ordenados ao santo apostolado receberam as
chaves e autoridade desse mais alto e sagrado ofício. Nessa autoridade encontra-se o poder de governar
a Igreja e o reino de Deus na Terra. Existe ordem no exercício dessa autoridade. (...)
(...) Jesus Cristo está à testa dessa Igreja que leva Seu santo nome. Ele zela por ela. Ele a guia. À
direita do Pai, Ele dirige esta obra. Ele tem o direito, o poder e a opção de chamar homens para altos e
santos ofícios e desobrigá-los de acordo com Sua vontade, chamando-os de volta ao lar. Ele é o Mestre
da vida e da morte. Não me preocupo com as circunstâncias em que nos encontramos. Aceito-as como
uma expressão de Sua vontade. Igualmente, aceito a responsabilidade, juntamente com meus irmãos, de
fazer todo o possível para levar avante essa santa obra, em espírito de consagração, amor, humildade,
dever e lealdade.
Quero assegurar a cada um de vocês e ao mundo inteiro que há unidade e fraternidade com total
fidelidade a um objetivo básico, que é o de edificar o Reino de Deus na Terra. (“God Is at the Helm,”
Ensign, May 1994, p. 59)

Os Setenta
Passaremos agora aos irmãos dos Setenta. Como sabem, temos dois Quóruns de Setenta que
servem como Autoridades Gerais e cuja jurisdição abrange toda a Igreja. O Primeiro Quórum é
formado por homens que servem até os setenta anos de idade. (...) Além disso, chamamos um grupo de
homens sábios e maduros, com longa experiência na Igreja e em condições de viajar para qualquer
lugar que lhes for designado, como membros do Segundo Quórum dos Setenta. Esses irmãos servem
por períodos de três a cinco anos. Em todos os aspectos são considerados Autoridades Gerais.
Contamos também com um grupo de fiéis irmãos que servem como Autoridades de Área. Eles são
chamados em todos os lugares nos quais a Igreja está organizada. São fiéis e dedicados. São homens
que amam a Igreja e que já serviram em muitos cargos. Quando viajamos pelos Estados Unidos e
exterior, trabalhamos com muitos deles e ficamos profundamente impressionados com sua notável
capacidade.
O Senhor designou a Presidência da Igreja, o Quórum dos Doze, os Quóruns dos Setenta e o
Bispado Presidente para liderarem a Igreja em âmbito geral. A nível local, as revelações mencionam
presidências de estaca e bispos. Tivemos por algum tempo, entre as autoridades gerais e locais, os
Representantes Regionais, e temos hoje as Autoridades de Área. Determinamos que as Autoridades de
Área tenham seu nome apresentado nesta conferência para serem ordenados Setentas. Eles serão
organizados em quóruns, sob a presidência dos Presidentes dos Setentas. Eles serão conhecidos como
os Setentas-Autoridades de Área, que servirão pelo período de alguns anos, de modo voluntário, nas
áreas em que residem. Eles são chamados pela Primeira Presidência e trabalham sob a direção geral do
Quórum dos Doze, dos Presidentes dos Setenta e Presidência de Área do local em que moram.
Esses irmãos continuarão em seu emprego, morarão em sua própria casa e servirão na Igreja de
modo voluntário. Os que residem na Europa, África, Ásia, Austrália e Pacífico tornar-se-ão membros
do Terceiro Quórum dos Setenta. Os que moram no México, América Central e do Sul tornar-se-ão
membros do Quarto Quórum. Os que residem nos Estados Unidos e Canadá serão membros do Quinto
Quórum. (...)
Em decorrência de seu chamado como Setentas, esses irmãos irão tornar-se líderes da Igreja
ligados clara e especificamente a um quórum. (“May We Be Faithful and True,” Ensign, May 1997, pp.
5–6)

Patriarcas
Desejo que vocês, patriarcas, sejam abençoados com a inspiração e revelação do Senhor ao
colocarem suas mãos sobre a cabeça das pessoas no cumprimento deste sagrado chamado como
patriarca. Que coisa maravilhosa, individual, pessoal e única é a bênção patriarcal dada pela autoridade
do sacerdócio no ofício e chamado de patriarca e em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. (Smithfield /
Logan Utah Regional Conference, priesthood leadership session, April 20, 1996)
Os patriarcas são únicos nos seus chamados. Eles têm um chamado especial, diferente de todos os
outros chamados nesta Igreja, e cada homem e mulher que tenha idade suficiente para entender deve
viver digno de receber as bênçãos dadas por um patriarca. (Pittsburgh Pennsylvania Regional
Conference, priesthood leadership session, April 27, 1996)

Presidentes de Estaca
O presidente da estaca, logicamente, precisa ser a âncora espiritual. Precisa ser capaz de gerir os
negócios complexos da estaca, e para isso deve ter capacidade administrativa ou pelo menos condições
de aprendê-la. Ocasionalmente ele é obrigado a ser juiz de seu povo e, como tal, ser homem de
sabedoria e discernimento. Riqueza e sucesso financeiro não são critérios para servir na Igreja. Penso
falar em nome de todos os irmãos quando digo que a escolha de alguém para presidir uma estaca de
Sião exige muita oração buscando conhecer a vontade do Senhor, e somente quando essa vontade é
reconhecida se chega a uma decisão. (“Tithing: An Opportunity to Prove Our Faithfulness,” Ensign,
May 1982, p. 41)

Bispos
Exorto-os, irmãos da Igreja, onde quer que estejam a, quando enfrentarem problemas, que
primeiro procurem resolvê-los pessoalmente. Reflitam a respeito deles, analisem as alternativas
possíveis, orem sobre o assunto e busquem a orientação do Senhor. Se não forem capazes de achar a
solução por vocês mesmos, então falem com o bispo ou presidente de ramo. Ele é um homem de Deus.
(...)
É muito melhor para vocês que procurem as autoridades locais, em vez de simplesmente escrever
às Autoridades Gerais da Igreja, que muitas vezes, devolverão as cartas ao bispo ou presidente de
estaca. Não porque as Autoridades Gerais não desejem dispor de seu tempo para atender aos membros,
mas porque segundo norma estabelecida na Igreja, devemos procurar os líderes locais para nos
aconselhar, porque eles nos conhecem melhor. Eles têm direito à inspiração do Senhor para aconselhar
aqueles por quem têm responsabilidade.
Mesmo que o Presidente Kimball estivesse gozando de boa saúde e vigor, não poderia atender a
todos os problemas individuais das pessoas e ainda suportar a tremenda responsabilidade administrativa
inerente ao seu chamado. Se o bispo ou presidente de estaca não puderem resolver os problemas que
lhes são apresentados, então eles tem o direito de escrever à presidência da Igreja. Essa é a ordem das
coisas, irmãos e irmãs, e há grande sabedoria nisso. (“Live the Gospel,” Ensign, November 1984, p. 86)
Cada bispo é um homem que foi chamado pelo espírito de profecia e revelação, e ordenado e
designado pela imposição das mãos. Cada um deles possui as chaves da presidência de sua ala. Todos
são sumos sacerdotes, o sumo sacerdote presidente da ala. Todos arcam com as enormes
responsabilidades em sua mordomia. Cada um deles atua como pai de seu povo.
Nenhum deles recebe dinheiro pelo serviço que presta. Nenhum bispo da ala é remunerado pela
Igreja por seu trabalho como bispo. (“To the Bishops of the Church,” Ensign, November 1988, pp. 48–
49)
Um jovem perguntou-me certa vez: “O Senhor pertence a uma ala e tem um bispo?” Respondi:
“Claro que tenho”. Ele ainda perguntou: “O Senhor comparece ao acerto de dízimo com o bispo de sua
ala?” Disse-lhe que sim, que mesmo servindo como membro da Presidência da Igreja, devo prestar
contas ao bispo de minha ala exatamente como qualquer outro homem ou mulher na Igreja o faz a seu
bispo ou presidente de ramo.
Ele mostrou-se um tanto perplexo. E a mim surpreendeu-me o fato dele fazer tais perguntas.
Pensei na perfeição da obra do Senhor e na sabedoria da organização de Sua Igreja. Tenho ouvido o
Presidente Benson falar de seu bispo com apreço. Eu sinto afinidade pelo meu. Espero que todos sintam
o mesmo. (“To the Bishops of the Church,” Ensign, November 1988, p. 48)
Falo agora diretamente aos milhares de bispos que nos ouvem essa noite. Quero dizer primeiro que
os amo por sua integridade e bondade. Vocês têm de ser homens íntegros, servir de exemplo para as
congregações que presidem. Devem manter-se em lugar mais alto para poderem elevar outros. Precisam
ser absolutamente honestos, pois lidam com os recursos do Senhor, os dízimos do povo, as ofertas
provenientes do jejum e as contribuições que as pessoas fazem de seus próprios e escassos recursos.
Quão grande é sua responsabilidade como guardiães do dinheiro do Senhor!
Sua bondade deve ser como um estandarte para o povo. Sua moral tem de ser impecável. O
adversário poderá tentá-los com suas astúcias porque ele sabe que, se conseguir destruí-los, prejudicará
uma ala inteira. Precisam agir com inspirada sabedoria em todos os relacionamentos, para que ninguém
possa sequer vislumbrar em suas ações uma insinuação de pecado moral. Não podem sucumbir à
tentação de ler literatura pornográfica, assistir a filmes ou vídeos pornográficos, nem mesmo na
intimidade de seus aposentos. Sua força moral deve ser tamanha que, se alguma vez forem chamados a
julgar a conduta moral questionável de outras pessoas, possam fazê-lo sem embaraço ou transigência
pessoal.
Não podem usar o ofício de bispo em benefício de seus interesses profissionais, para que os que
porventura tenham sucumbido à sua persuasão não possam acusá-los por eventuais reveses financeiros.
Não podem comprometer sua idoneidade para atuar como juiz comum em Israel. É uma
responsabilidade assustadora e assombrosa ser juiz do povo. (...)
Devem ser conselheiro, consolador, âncora e força em tempos de sofrimento e infortúnio. Têm de
ser fortes, com aquela força que vem do Senhor. Têm de ser sábios com a sabedoria proveniente do
Senhor. Sua porta precisa estar sempre aberta para ouvir seus brados e, suas costas, rijas para carregar
seus fardos; seu coração sensível para julgar suas necessidades, sua caridade suficientemente ampla e
forte para abranger até mesmo o trangressor e crítico. (...)
Vocês são o atalaia na torre de vigia da ala que presidem. (“To the Bishops of the Church,”
Ensign, November 1988, pp. 49–50)
[O bispo da ala na qual fui criado] serviu por um quarto de século. A ala que presidia tinha mais
de mil membros, mas ele parecia conhecer e amar a todos nós. Era nosso amigo, nosso conselheiro,
nosso líder presidente, nosso confidente, nosso mestre. Ele conhecia os rapazes pelo primeiro nome e
assim nos chamava. Nós o tratávamos respeitosamente de “bispo”. Não era um “sargentão” que
governava com punho de ferro. Ele sabia rir conosco. Tinha empatia para conosco. Ele nos entendia, e
nós o sabíamos. Sabíamos, igualmente, que nos amava. (...)
(...) Ele esteve presente quando meu bom pai me abençoou e me deu um nome. Foi ele quem me
entrevistou e me considerou digno de ser batizado na Igreja do Senhor, quem me entrevistou e me
achou digno de ser ordenado diácono, quem me chamou para a primeira responsabilidade eclesiástica
como membro da presidência do quórum de diáconos. Era ele quem presidia o quórum de sacerdotes a
que pertenci. Foi ele quem me recomendou ao presidente da estaca como digno de receber o Sacerdócio
de Melquisedeque, e ao Presidente da Igreja como digno de servir como missionário. Foi quem me
saudou na volta e, subseqüentemente, assinou a recomendação para eu poder casar-me na casa do
Senhor.
Ele envelheceu servindo e faleceu. Tive a honra de falar em seu funeral. Uma numerosa
congregação lotou a capela que ele presidiu por tanto tempo. Falei com o coração do menino de quem
se fizera amigo e ajudara, com o coração do jovem que havia orientado e aconselhado, com a
experiência do adulto cuja vida abençoara de muitas maneiras. (“To the Bishops of the Church,”
Ensign, November 1988, pp. 49, 51)
Sei que às vezes o trabalho é árduo. Nunca há tempo suficiente para terminá-lo. Os chamados são
numerosos e freqüentes. Têm outras coisas para fazer, é verdade. Não podem privar seu empregador do
tempo e energia a que ele tem direito. Não devem privar sua família do tempo que lhe cabe. Mas, como
muitos de vocês já devem ter percebido, quando buscam orientação divina são abençoados com
sabedoria além da sua própria, e força e capacidade que não imaginavam ter. É possível organizarem
seu tempo de modo a não negligenciar o empregador, nem a família, nem o rebanho.
Deus abençoe os bispos da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Vez por outra
podem sentir-se inclinados a reclamar do fardo de seu ofício, mas conhecem igualmente as alegrias de
seu serviço. (“To the Bishops of the Church,” Ensign, November 1988, p. 51)
Sem que nos aprofundemos com detalhes técnicos sobre as muitas responsabilidades de um bispo,
gostaria de lembrar-lhes que ele deve trazer consigo um excepcional e notável conjunto de talentos, os
quais nunca imaginou possuir.
Muito rapidamente e em termos gerais, o bispo é um gerente. Ele é um executivo, diretamente
responsável por todos os programas da Igreja na ala que ele preside. Ele deve conhecer todos os
aspectos desses programas. Isso exige oração e estudo diligente.
Ele é um pai para as pessoas de sua ala. Ele precisa desenvolver a arte de ouvir.
É um conselheiro. É aquele para quem as pessoas trazem seus problemas. Ele deve dirigir e guiar,
deve sugerir e persuadir, deve dar conselhos e também coibir.
Ele é um juiz que deve julgar a dignidade, a necessidade, o cargo e a qualificação das pessoas para
muitas coisas.
Então, quer ele queira ou não, ele é um exemplo. As pessoas conhecerão sua vida e suas ações.
Sua vida se tornará um discurso maior do que qualquer um que ele venha a fazer do púlpito.
Finalmente, ele é a âncora espiritual de toda a ala. Ele deve demonstrar, tanto por exemplo como
por preceito, sua proximidade com o Senhor e o potencial que cada membro da ala tem de buscar viver
de acordo com a orientação do Espírito.
Não importa o quanto a Igreja cresça, não importa o quanto seu trabalho progrida, não importa
quantas Autoridades Gerais sejam chamadas como líderes a nível geral, no final, no dia a dia, os
homens que irão com mais importância e mais diretamente afetar a fé, a força espiritual e as atividades
dos membros dessa Igreja serão os bispos. Eles não podem fazer tudo por si mesmos. Eles têm
conselheiros a quem eles podem e devem delegar. Ao fazer isso, eles serão abençoados e também o seu
povo. (Regional Representatives Seminar, March 30, 1990)
Estamo-nos tornando uma grande sociedade global. Nosso interesse e preocupação, no entanto,
devem ser sempre com o indivíduo. Cada membro dessa Igreja é um homem, mulher, menino ou
menina individual. Nossa grande responsabilidade é providenciar para que sejam “lembrados e nutridos
pela boa palavra de Deus” (Morôni 6:4), para que cada um tenha a oportunidade de crescer, expressar-
se e ser treinado no trabalho e nas maneiras do Senhor, para que a nenhum deles faltem as necessidades
da vida, para que se atendam às necessidades dos pobres, para que cada membro seja encorajado,
treinado e tenha a oportunidade de progredir no caminho da imortalidade e vida eterna. Esse, sugiro eu,
é o espírito inspirado dessa obra, a obra do Senhor. A organização pode vir a crescer e multiplicar-se
numericamente, o que certamente acontecerá.(...) Apesar disso, deve continuar a haver um
relacionamento pastoral íntimo entre cada membro e um sábio e preocupado bispo ou presidente de
ramo. São eles os pastores do rebanho, cuja responsabilidade é cuidar das pessoas em números
relativamente pequenos, de modo que nenhuma seja esquecida, negligenciada ou descuidada. (“This
Work Is Concerned with People,” Ensign, May 1995, pp. 52–53)
Cada pessoa tem um bispo. Digo-lhes que é um sistema magnífico e não posso dizer o suficiente
em tributo aos grandes bispos dessa Igreja que servem sem nenhuma recompensa, exceto a recompensa
que advém do amor das pessoas e do louvor ao Senhor a quem eles servem. Sou muito grato por vocês
e desejo que possam ser abençoados com inspiração, fé, saúde, força, vitalidade, energia e sabedoria
além da que possuem para que realizem o que o Senhor deseja. (Eugene Oregon Regional Conference,
priesthood leadership session, September 14, 1996)

Presidências
O Senhor, em sua infinita sabedoria, criou nessa Igreja o que chamamos de presidências.
Essencialmente, todos os quóruns e organizações são presididos por uma presidência, exceto o
conselho dos Doze Apóstolos, que é presidido por um presidente, e os Quóruns dos Setenta, cuja
presidência é constituída de sete presidentes. Acho que posso compreender por que não há presidência
nos Doze. O conselho consiste de Doze homens maduros, com responsabilidades semelhantes de
liderança e em número relativamente pequeno. Além disso, formam um corpo muito unido no qual
todos se sentem livres para expressar seus sentimentos, seja qual for o assunto debatido no quórum. É
evidente que não há necessidade de uma presidência de três pessoas para presidir os outro nove irmãos.
São homens amadurecidos e com muita experiência, chamados para uma tarefa especial.
No caso dos Setenta, seu número é grande e flexível, em termos de quantidade de quóruns que
podem ser organizados. Cada presidente, que é chamado do Primeiro Quórum dos Setenta, é co-igual
com os outros, sendo que um dos sete é designado presidente sênior.
No caso do quórum dos sacerdotes, o bispo serve como presidente. Tratando-se, porém, de
bispado, presidência de estaca, presidência do quórum do Sacerdócio Aarônico ou de Melquisedeque,
presidência de missão, de templo, das organizações auxiliares, Presidência de Área, ou a Primeira
Presidência da Igreja, sempre temos um presidente e conselheiros. (“‘In (...) Counsellors There Is
Safety,’” Ensign, November 1990, p. 48)
Existem vários princípios fundamentais referentes a conselheiros. Em primeiro lugar, é o líder
presidente quem escolhe seus conselheiros. Eles não são escolhidos por outras pessoas e impostos ao
presidente. No entanto, é necessário, na maioria das circunstâncias, que essa seleção seja aprovada por
uma autoridade maior. Por exemplo, na organização de uma estaca, que ocorre sob a direção de uma
Autoridade Geral, é cuidadosa e fervorosamente escolhido um presidente. Em seguida, pede-se-lhe que
escolha os conselheiros, e espera-se que a Autoridade Geral aprove a escolha, antes que esses homens
sejam entrevistados.
É fundamental que o próprio presidente escolha seus conselheiros, pois o relacionamento entre
eles deve ser compatível. O presidente deve ter absoluta confiança nos conselheiros, e os conselheiros
no presidente. Devem trabalhar juntos, em espírito de confiança e respeito mútuo. Os conselheiros não
são o presidente. Em certas circunstâncias poderão agir em nome dele, mas isto é delegação de
autoridade.(“‘In (...) Counsellors There Is Safety,’” Ensign, November 1990, p. 49)
Gostaria de falar aos que servem como conselheiros: prezem essa oportunidade e tirem o máximo
proveito dela. Busquem a virtude naqueles que os lideram. Não busquem suas fraquezas. Nenhum de
nós é perfeito. Existiu somente um homem perfeito que andou sobre a Terra, que foi o Filho de Deus.
Todos nós temos fraquezas, todos cometemos erros e cometeremos erros também no futuro. Procurem
as virtudes, os pontos fortes e a bondade naqueles com quem vocês trabalham, internalizem essas
características em sua vida fazendo-as parte de vocês, e assim enriquecerão no decorrer de sua vida.
Essa é uma oportunidade única e muito preciosa. (BYU Married Student Stakes Regional Conference,
priesthood leadership session, February 10, 1996)
Toda organização desta Igreja é presidida por uma presidência de três, exceto os Setentas. Assim
sendo, existem presidentes e conselheiros. Os conselheiros são importantes. O Senhor os colocou lá
com um propósito. Eles fazem parte de um tripé. É necessário haver três membros na presidência.
Posso dizer isso por que houve um tempo em que fiquei quase sozinho. Estimo muito os conselheiros.
(...) Muitas coisas que passo para eles são mais bem realizadas do que se eu as fizesse. Isso me dá mais
energia e tempo para executar as tarefas que necessitam ser realizadas. É assim que toda presidência
deve funcionar. (...)
Utilize seus conselheiros. Delegue. Se eles ficarem sobrecarregados, exaustos, desobrigue-os e
chame conselheiros novos. Mas isso não acontecerá. Eles crescerão e ficarão mais fortes por causa da
carga que foi colocada em seus ombros. E você ficará mais forte para fazer o que somente você pode
fazer. (Smithfield / Logan Utah Regional Conference, priesthood leadership session, April 20, 1996)
Todas as manhãs, exceto nas segundas-feiras, a Primeira Presidência se reúne, quando estamos na
cidade. Peço ao Presidente Faust para apresentar seus assuntos e discutimos a respeito deles e tomamos
uma decisão. Então, peço ao Presidente Monson para apresentar sua parte, discutimos e tomamos uma
decisão. Trabalhamos juntos e assim tudo funciona. Você não pode operar sozinho na presidência.
Conselheiros: que coisa maravilhosa são os conselheiros. Eles o livram de fazer coisas erradas, eles o
ajudam a fazer o certo, eles fazem com que você pense no que diz durante as discussões, eles são
excelentes representantes e fazem as coisas melhores que você faria. (...) Bem, dividam o fardo, irmãos.
Dividam a responsabilidade. Utilizem os conselheiros. (Pittsburgh Pennsylvania Regional Conference,
priesthood leadership session, April 27, 1996)

Conselhos Disciplinares
Todo indivíduo na Igreja é livre para pensar como deseja, mas quando um indivíduo fala aberta e
ativamente tomando medidas para induzir outros a se oporem à Igreja, seus programas e doutrinas,
então sentimos que há razão para agirmos. (...) Existe um grande espírito de tolerância em nossa Igreja.
[Nós mantemos] um desejo sincero de trabalhar com mórmons excomungados e trazê-los de volta ao
aprisco. (New York Times Interview, July 1994)
Alguma vezes precisamos disciplinar as pessoas. Espero que não as esqueçamos. Espero que não
as negligenciemos. Espero não as isolarmos da Igreja fazendo-as pensar que não há um caminho de
volta. Este é um trabalho de redenção. É um trabalho de salvação, de alcançar pessoas e elevá-las,
ajudando-as a encontrarem o caminho através das dificuldades da vida. Gostaria de suplicar-lhes que,
se houver pessoas em sua estaca ou ala que estejam magoadas com alguma coisa, nutra-as enquanto for
possível. Não se demorem. Não as deixe sentir que estão abandonadas e esquecidas, banidas e
desligadas. Isso é tão importante. Suplico-lhes que busquem as que necessitam de ajuda.
(Smithfield/Logan Utah Regional Conference, priesthood leadership session, April 20, 1996)

Apoio aos Líderes


O Presidente da Igreja é chamado pelo espírito de revelação que atua nos membros do Quórum
dos Doze Apóstolos e é escolhido por aquele corpo de homens. Contudo, a escolha desse Quórum deve
essar sujeita ao voto de apoio dos membros da Igreja. Nenhum líder deve servir sem o consentimento
daqueles a quem ele preside. Em todas as conferências é de praxe o apoio dos líderes da organização.
(What of the Mormons? pamphlet, 1982, p. 24)
Nós apoiamos as nossas Autoridades Gerais e locais? Isso não quer dizer que haja preocupação em
homenagear aqueles a quem o Senhor chamou para presidir. É uma questão básica de reconhecimento
do fato de que Deus chamou um profeta para estar à cabeça da Sua Igreja e ele chamou outros para com
ele trabalhar a nível geral. Assim, o que é adotado e ensinado vem de oração conjunta, reflexão e
discernimento da vontade do Senhor, compreendendo-a e seguindo-a.
Da mesma maneira, a não ser que haja lealdade ao bispo e ao presidente de estaca a nível local,
haverá desarmonia, suspeita e hesitação para servir com fidelidade, haverá divisões que resultarão
sempre na destruição da fé. É bom que seja sempre lembrado que nenhum Presidente dessa Igreja,
nenhum conselheiro na Presidência, nenhuma Autoridade Geral, nenhum membro de uma presidência
de estaca ou de um bispado ou da presidência do quórum dos élderes está lá porque ele assim o desejou
e solicitou este privilégio. Cada um está lá porque foi “chamado por Deus, por profecia e pela
imposição de mãos, por quem possua autoridade, para pregar o evangelho e administrar suas
ordenanças”. (RF 5) (“Keeping the Temple Holy,” Ensign, May 1990, p. 51)
O processo de apoiar é muito mais do que um ritual onde se levanta o braço. É um compromisso
de se confirmar, apoiar e auxiliar os que foram escolhidos.(...)
Seus braços erguidos na assembléia solene desta manhã demonstram sua disposição e desejo de
nos apoiar, seus irmãos e servos, com sua confiança, fé e orações. (“This Work Is Concerned with
People,” Ensign, May 1995, p. 51)
GRATIDÃO
A gratidão é um princípio divino. O Senhor declarou através de revelação: “Agradecerás ao
Senhor teu Deus em todas as coisas. (...)
“E em nada ofende o homem a Deus ou contra ninguém está acesa a sua ira, a não ser contra os
que não confessam sua mão em todas as coisas (...)”. (D&C 59:7, 21)
Nossa sociedade é afligida por um espírito de impensada arrogância que não fica bem àqueles que
têm sido tão abençoados. Deveríamos ser muito gratos pelas comodidades que desfrutamos. A falta de
gratidão é sinal de mente limitada e inculta. Indica falta de conhecimento e ignorância ao achar-se auto-
suficiente. Demonstra um feio egoísmo e, freqüentemente, numerosos atos ruins. Temos visto nossas
praias, parques e florestas cheias de lixo jogado por aqueles que evidentemente não apreciam sua
beleza. Já passei por milhares de acres de terras enegrecidas por queimadas causadas por fumantes
descuidados, cuja preocupação principal é o prazer de um cigarro.
Onde há gratidão, há cortesia, respeito pelos direitos e propriedades alheias. Onde ela não existe,
há arrogância e maldade.
Quando existe gratidão, há humildade, que é o oposto do orgulho.
Como somos abençoados! Quão agradecidos devemos ser! (“‘With All Thy Getting Get
Understanding,’”Ensign, August 1988, pp. 2–3)
Fiquei surpreso, embora não devesse, com algo que o Presidente Kimball disse em uma ocasião:
“Anseio por apenas uma palavra de gratidão ou uma avaliação honesta de meus superiores e colegas.
Não quero elogios; não quero bajulação, busco somente saber se o que ofereci foi aceitável”.
(Teachings of Spencer W. Kimball, p. 489)
Se o Presidente Kimball precisava um pouco disso, quanto mais não necessitam esses de quem
falo essa manhã? Talvez possa dizê-los que em uma determinada ocasião assustei-me com meu
presidente de missão. Era seu assistente naquela época. Alguns dos santos do distrito, com grande
esforço, implementaram um programa. Sugeri ao meu presidente que escrevesse uma carta de
agradecimento a essas pessoas pelo que elas haviam feito. Sua resposta foi: “Nós não agradecemos as
pessoas na Igreja por cumprirem seu dever”.
Essa foi a única coisa com que discordei nele. Acredito que deveríamos agradecer as pessoas. Os
agradecimentos devem ser sinceros e genuínos, quando há um esforço honesto e um serviço dedicado.
(Regional Representatives Seminar, March 31, 1989)
Coloco-me diante de vocês com um grande senso de gratidão e agradecimento. Sou grato pelo
alicerce de fé no qual os santos dos últimos dias edificam sua vida. Estou certo de que o Senhor ama
Seu povo pela bondade e generosidade de seu coração ao consagrarem seus meios no pagamento dos
dízimos e ofertas. Sou grato pela fé dos mais afortunados que doam generosamente de seus bens. Sou
igualmente grato pela fé dos pobres que do mesmo modo contribuem com um grande espírito de
consagração.(...)
Sou grato pelas promessas que Ele tem feito aos que caminham com fé. (...) Sou grato pelos
testemunhos de legiões de santos dos últimos dias que testificam que o Senhor realmente cumpre Suas
promessas, e a esses acrescento meu próprio testemunho. (“Rise to a Larger Vision of the Work,”
Ensign, May 1990, p. 95)
Acredito na beleza. A Terra em sua beleza original é uma expressão da natureza de Seu Criador. A
linguagem do capítulo de abertura de Gênesis me intriga. Ela afirma que “a Terra era sem forma e
vazia; e havia trevas sobre a face do abismo”. (Gênesis 1:2) Suponho que ela não apresentasse nada
exceto uma bela imagem.
“E disse Deus: Haja luz; e houve luz”. (Gênesis 1:3) E então a Criação continuou: “E viu Deus
tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom”. (Gênesis 1:31) Interpreto como se Ele quisesse dizer
que estava tudo muito bonito: “E o Senhor Deus fez brotar da Terra toda árvore agradável à vista”.
(Gênesis 2:9)
Acredito na beleza da natureza: as flores, o fruto, o céu, os picos e as planícies de onde eles se
elevam. Vejo e acredito na beleza dos animais. Há alguma coisa mais bela do que um magnífico cavalo:
seu pêlo limpo e escovado, sua cabeça erguida, seu modo de caminhar uma perfeita sinfonia de
movimentos?
Vejo e admiro a beleza nas pessoas. Não me preocupo com a aparência adquirida pelo uso de
loções e cremes, de cosméticos e como vistos nas revistas elegantes e na televisão. Não me preocupo se
a pele é clara ou escura. Tenho visto pessoas bonitas nas centenas de nações que caminhamos. As
criancinhas são lindas em qualquer lugar. E também os idosos, que com suas mãos e rosto enrugados
falam da luta e sobrevivência. (...)
Acredito na beleza: a beleza das criações de Deus que não foram corrompidas, a beleza de seus
filhos e filhas que caminham sem se lamuriar, vivendo os desafios de cada dia que nasce. (...)
(...) Há tanta coisa feia no mundo em que vivemos. Ela está na terra ferida, nas águas poluídas, no
ar poluído. Está expressa em linguagem grosseira, em vestimentas e modos desleixados, no
comportamento imoral que ridiculariza a beleza da virtude e deixa sempre uma cicatriz. Mas vocês
podem se elevar acima de tudo isso e regozijar-se na beleza que é possível encontrar com um pequeno
esforço. (“This I Believe,” BYU 1991–92 Devotional and Fireside Speeches, March 1, 1992, pp. 77–78)
Peguei os jornais numa noite e li a história da descoberta da cura da varíola. Houve uma época em
que a varíola era um flagelo que levava milhares, dezenas de milhares a uma morte horrível. Ela foi
varrida da face da Terra. É um milagre absoluto. É um milagre. É parte da grande descoberta científica
e do trabalho de homens e mulheres dedicados que se utilizam de esclarecimentos divinos para fazer
com que a vida seja melhor para todos nós. (...)
Na noite passada peguei uma revista. (...) Na capa dizia:
“Quem é Jesus?” Li o artigo sobre “Quem é Jesus?” escrito por cinco grandes estudiosos que
questionavam a validade do relato do Novo Testamento, e um sexto que pensa poder haver algo de
verdadeiro nele. Todos esses estudiosos eram ministros religiosos. Vivemos numa época em que as
pessoas estão relutantes em aceitar a simples narrativa das escrituras, a palavra do Senhor. Que coisa
maravilhosa nós temos! Aquela breve visita de Deus o Pai e Seu Filho Amado ao menino Joseph com
quatorze anos de idade trouxe mais luz, entendimento e conhecimento da natureza e divindade de Deus
do que todos os estudos de todos os congressos religiosos de todos os tempos. (...) Sejam gratos.
Cultivem um coração agradecido, um coração que busca a apreciação, respeito e gratidão. (Colorado
Springs Young Adult Meeting, April 14, 1996)
Sejam gratos. Quão gratos precisamos ser! Temos muito conforto. A vida é muito fácil comparada
ao que era antigamente. (...) Tudo é tão fácil, tão agradável, tão maravilhoso. Andamos em carros que
são quentes no inverno e frescos no verão. Que grandiosa época é essa na história do mundo para se
estar vivo e jovem. Algumas vezes tenho o desejo de ser tão jovem quanto vocês o são, e então quando
penso no que já passei sinto-me feliz por não ser mais jovem. Mas que época linda para se viver. (...)
[Nós temos] os milagres da medicina, os milagres da ciência, os milagres da comunicação, transporte,
educação; que época maravilhosa para se viver. De todas essas maravilhas e desafios que vivemos,
espero que considerem uma bênção estarem vivos neste grandioso período do mundo. (...) Espero que
caminhem com verdadeira gratidão no coração. As pessoas gratas são pessoas de respeito. As pessoas
gratas são corteses. As pessoas gratas são gentis. Sejam gratos. (Smithfield/Logan Utah Regional
Conference, April 21, 1996)
A gratidão é a verdadeira essência da adoração; gratidão ao Deus dos céus, que nos concede tudo o
que temos de bom.
Como sabem, servi como conselheiro do Presidente Ezra Taft Benson e estive com ele diversas
vezes enquanto ele orava. Ele não pedia muito em suas orações. Suas orações eram expressões de
gratidão. Sejam agradecidos. Quando você caminha com gratidão, não caminha com arrogância, com
presunção e vaidade, caminha com um espírito de agradecimento que se encaixa bem em você e
abençoará sua vida. Seja grato. Seja agradecido ao Todo-Poderoso por Suas maravilhosas bênçãos.
Vocês têm tudo que essa época tem a oferecer, e além disso as maravilhosas bênçãos do evangelho de
Jesus Cristo. Quão felizes podem ser! Caminhem com gratidão e respeito pelas bênçãos e alegrias que
desfrutam em sua vida. (Pitttsburgh Pennsylvania Regional Conference, April 28, 1996)
GRAVIDEZ FORA DO CASAMENTO
Ver também Aborto; Castidade; Moralidade
Quando o casamento não é possível, a experiência tem demonstrado que a adoção, apesar de
difícil para a jovem mãe, pode dar à criança uma oportunidade maior de ter uma vida feliz. Os
assistentes sociais sábios e experientes e os bispos devotados podem auxiliar em tais circunstâncias.
(“Save the Children,” Ensign, November 1994, p. 53)
Um grave problema é o agora tão comum fenômeno de gravidez na adolescência e de filhos sem
pais. De algum modo, parece haver na mente de muitos rapazes e de alguns homens mais maduros, a
idéia de que não há relação entre gerar uma criança e assumir responsabilidade pela sua vida daí em
diante. Os rapazes devem estar cientes de que, toda vez que uma criança é gerada fora dos laços do
matrimônio, é pelo resultado da quebra de um mandamento dado por Deus desde os tempos de Moisés.
Além do mais, deve-se saber claramente e compreender-se sem dúvida alguma, que a responsabilidade
é uma conseqüência inevitável, e que essa responsabilidade continuará por toda a vida. Apesar de os
costumes de nossa sociedade contemporânea terem, talvez, decaído a ponto de as transgressões sexuais
não serem levadas a sério ou serem consideradas aceitáveis, um dia teremos que responder perante o
Deus dos céus por tudo o que tenhamos feito de contrário a Seus mandamentos. Acredito ainda que, em
algum momento, o homem que se torna pai de uma criança e a abandona, sentirá o peso da
responsabilidade sobre seus ombros. Ele deve, algumas vezes, deter-se e ficar imaginando o que foi
feito da criança, do menino ou menina que é sangue do seu sangue e fruto de sua alma. (“Save the
Children,” Ensign, November 1994, p. 53)
Cada rapaz deve ser ensinado a compreender que ao se tornar pai ele tomou sobre si uma
responsabilidade que durará tanto quanto ele viver. Que cada moça saiba que ao dar à luz um filho, ela
toma sobre si uma responsabilidade da qual nunca estará totalmente livre. Quão trágico é a figura
desolada e crescente de um nascimento ilegítimo! Com cada nascimento desse tipo, advém a
responsabilidade, para a mãe, para o pai se a assumir, e, inevitavelmente, para a sociedade como um
todo.
A falta de auto-disciplina e senso de responsabilidade, em minha opinião, é um dos frutos da
crescente secularização da nossa sociedade. Fiquei horrorizado ao ler outro dia que numa determinada
comunidade foi feita às moças a proposta de receberem um dólar por dia para não engravidarem. Quão
estúpido! Onde estão nossos valores? (Provo City Community Centennial Service, August 4, 1996)
GUERRA
Ver também Paz
E quanto à corrida armamentista, particularmente o aumento de armas nucleares?
É, novamente, uma triste ilustração de nossa sociedade que a paz do mundo dependa do equilíbrio
do terror. Ninguém que se dá conta dos fatos pode duvidar que uma decisão precipitada poderá levar ao
extermínio da raça humana. É de se esperar que os representantes das grandes potências continuem a
dialogar e buscar, com sinceridade e seriedade, meios de minorar a terrível ameaça que paira sobre o
mundo.
Sou de opinião que, para se evitar uma catástrofe, é preciso haver uma rendição generalizada, por
parte de homens e mulheres de todas as nações, a um forte e irresistível desejo de paz. Nós, que somos
seguidores do Príncipe da Paz, oremos com grande fé, em nome Dele, para que o mundo seja poupado
da indescritível catástrofe provocada por algum infeliz incidente. (“Questions and Answers,” Ensign,
November 1985, p. 52)
HISTÓRIA DA FAMÍLIA, TRABALHO DE
Ver também Templo
Existem atualmente muitas sociedades genealógicas e de história da família no mundo. Acredito
que todas elas vieram a existir após a visita do Profeta Elias. Uma das mais antigas e mais prestigiosas
é a New England Historic Genealogical Society, organizada em 1844. Desde aquela época, e
particularmente nos anos mais recentes, tem havido um crescente interesse em história da família. Com
essa procura, o Departamento de História da Família da Igreja tem aumentado para que seja capaz de
atender à demanda.
Quando a Sociedade Genealógica de Utah foi organizada em 1894, os membros fundadores
contribuíram com onze volumes. Esse acervo original foi crescendo e hoje a biblioteca tem cerca de
258.000 livros. A cada mês, mais mil volumes são acrescentados à coleção.
A coleção também inclui 1,8 milhões de rolos de microfilme, aos quais são adicionados 5.000
rolos mensalmente. É a maior coleção de dados de história da família do mundo.
Somente poucos membros, por volta da virada do século, usavam os recursos modestos de história
da família da Igreja. Como as coisas mudaram! Durante cada um dos cinco anos passados mais de
750.000 pesquisadores usaram a biblioteca principal em Salt Lake City e mais de 2.200 centros de
história da família espalhados pelo mundo. Aproximadamente 40 por cento daqueles que usam a
Biblioteca da História da Família e 60 por cento dos usuários que se utilizam dos centros locais não são
membros da Igreja. Oferecemos um enorme serviço àqueles que não são da nossa fé.
Não existe nada que se compare a este tesouro, que é a história da família. (...) Sinto que o Senhor
planejou para que assim o fosse. Esta é a Igreja que leva o Seu nome, e um dos seus propósitos é fazer
com que a plenitude das bênçãos da vida eterna estejam à disposição de milhões que se encontram além
do véu. (Utah Genealogical Society Fireside, November 13, 1994)
Estou confiante de que o Senhor permitirá e nos direcionará na construção dessas sagradas
estruturas [os templos] à medida que nos tornemos dignos deles. Um teste importante dessa dignidade
está em fazer a pesquisa, que é a base principal do trabalho que se realiza nos templos. (Utah
Genealogical Society Fireside, November 13, 1994)
HISTÓRIA E LEGADO DA IGREJA
Ver também Pioneiros
Se o Estado de Nova York representa o local de nascimento da Igreja, então Ohio e Missouri
representaram os locais de escolaridade para o jovem profeta e seus companheiros. Foi uma época em
que a Igreja estava operando em duas esferas, a centenas de quilômetros de distância. O transporte era
cansativo e difícil. Não havia, é claro, telégrafo ou outros meios fáceis de comunicação. Foi uma época
de muita amargura e perseguição. Havia muita apostasia e acusações perversas.
Mas foi também uma época maravilhosa e miraculosa, tempo de efusão pentecostal.
Sessenta e duas revelações encontradas em Doutrina e Convênios foram recebidas no Estado de
Ohio no decorrer desse período. Nessa época, foi construído o Templo de Kirtland, com todos os
incidentes miraculosos que ocorreram na sua dedicação. Moisés, Elias e o Profeta Elias vieram para
conferir as chaves do sacerdócio eterno. O Filho de Deus apareceu aos Seus servos, que prestaram
testemunho Dele. O trabalho foi fortalecido e integrado de modo extraordinário.
A respeito dessa época, Orson Pratt escreveu: “Deus estava lá, os anjos estavam lá, o Espírito
Santo estava entre as pessoas, as visões do Todo-Poderoso foram abertas à mente dos servos do Deus
vivo; o véu foi tirado da mente de muitos, eles viram os céus abertos, eles contemplaram os anjos de
Deus; eles ouviram a voz do Senhor; e ficaram cheios do poder e inspiração do Espírito Santo desde o
alto da cabeça até a sola dos pés.” (Journal of Discourses 18:132) (Address to Religious Educators,
September 14, 1984)
O mencionado episódio [a controvérsia sobre documentos fraudulentos da história da Igreja]
produziu agora outro fenômeno, descrito como a elaboração de uma “nova história” da Igreja em
contraposição à “velha história”. Representa, entre outras coisas, um empenho para trazer à luz todo e
qualquer elemento de magia popular e ocultismo no ambiente em que vivia Joseph Smith para explicar
o que ele fez e por quê.
Não tenho dúvidas de que se praticava magia popular naqueles dias. Indubitavelmente havia
superstições e supersticiosos. Suponho que havia igualmente um pouco disso nos dias em que o
Salvador andou na Terra. E continua havendo mesmo nesta época tida como esclarecida. Em alguns
hotéis e edifícios de escritórios não existe o décimo terceiro andar. Isso significa que há algo de errado
com o prédio? Logicamente que não. Ou com os construtores? Não.
Semelhantemente, o fato de haver superstições entre o povo da época de Joseph Smith, não prova
absolutamente que a Igreja haja nascido de superstições.
Joseph Smith, pessoalmente, escreveu ou ditou sua história. É o testemunho dele do que
aconteceu, e ele selou esse testemunho com a própria vida. Ela está escrita numa linguagem clara,
simples e inconfundível. O Livro de Mórmon foi traduzido de anais antigos pelo dom e poder de Deus.
Está à disposição de todos os que o queiram ver, manusear e ler. Aqueles que o leram com fé e
indagaram em oração, obtiveram conhecimento de sua veracidade. O atual empenho para encontrar
outra explicação qualquer quanto à organização da Igreja, origem do Livro de Mórmon e ao sacerdócio
com suas chaves e poderes, acabará como outros modismos anti-mórmons que apareceram, floresceram
e sumiram. A verdade prevalecerá. O conhecimento da verdade se obtém pelo esforço e estudo, sim;
mas, primordialmente, ele vem como um dom de Deus àqueles que buscam com fé. (“Lord, Increase
Our Faith,” Ensign, November 1987, pp. 52–53)
Acredito em celebrações. Acredito na comemoração de grandes eventos do passado. Quando o
fazemos, trazemos à vida homens e mulheres da história que fizeram coisas significativas que
necessitam ser lembradas. Todos necessitamos reconhecer que um enorme preço foi pago pela
liberdade, respeito e conforto que desfrutamos nessa era de relativa abundância e comodidade. (“A
Declaration to the World,” BYU Studies, Winter 1987, p. 5)
Todo membro da Igreja deve ter algum entendimento e familiaridade com a história deste
formidável movimento. Sem tal entendimento, torna-se difícil aprofundar as raízes da fé o suficiente
para que a árvore não tombe quando os ventos de falsas doutrinas soprarem. Nenhum homem pode ser
grato a Joseph Smith sem que leia a sua história. Ninguém pode entender o enorme legado que
possuímos e que se tornou possível por meio dos sacrifícios feitos por gerações que já se foram. Sem tal
entendimento, não é provável que haja muita gratidão ou apreciação. (Church Educational System
Conference, June 24, 1989)
Minha mente voltou-se para o tempo em que nosso povo estava em Commerce, Estado de Illinois,
sem lar e sem recursos, enfrentando o severo inverno que logo chegou. Haviam sido expulsos do
Missouri e atravessaram o rio Mississipi buscando asilo em Illinois. Eles compraram uma faixa de terra
onde o rio faz uma grande curva, uma bela localização, mas tão pantanosa que uma parelha não poderia
atravessá-la sem que os animais se atolassem na lama. Esse local, com tremendo esforço e grande
sacrifício, iria transformar-se em Nauvoo, a Bela. Mas em 1839, Commerce foi o ponto de encontro de
milhares que haviam sido expulsos de seu lar e agora estavam desabrigados. Haviam deixado para trás
o trabalho de anos: casas, celeiros, igrejas, edifícios públicos e centenas de fazendas produtivas. Além
de tudo, sepultados nos solo do Missouri, ficaram seus entes queridos que foram mortos pelas
malévolas turbas. Na miséria agora, despojados de tudo, sem conseguir serem indenizados pelo Estado
do Missouri, decidiram encaminhar uma solicitação ao presidente e ao Congresso dos Estados Unidos.
Joseph Smith and Elias Higbee viajaram para Washington.
Partiram de Commerce, em 20 de outubro de 1839, numa charrete. Chegaram a Washington cinco
semanas depois. A maior parte do primeiro dia foi gasta em busca de acomodações que pudessem
pagar. Numa carta escrita a Hyrum Smith, eles mencionaram: “Encontramos o alojamento mais barato
que possa existir nessa cidade”. (History of The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints, 4:40)
Em audiência com o presidente dos Estados Unidos, Martin Van Buren, apresentaram o seu caso.
A resposta foi: “Cavalheiros, sua causa é justa, mas nada posso fazer por vocês (...) Se lhes der apoio,
perderei os votos de Missouri” (History of the Church, 4:80).
Apelaram então para o Congresso. Nas frustrantes semanas seguintes, Joseph retornou a
Commerce, cavalgando a maior parte do tempo. O juiz Higbee permaneceu para pleitear a causa deles,
somente para, no final, ouvir que o Congresso nada faria.
A Igreja progrediu muito no respeito e confiança das autoridades públicas entre 1839, quando
Joseph Smith foi repudiado em Washington, e 1974, quando a Igreja e seu templo receberam boas-
vindas e homenagens! (...)
Entre esses dois, o primeiro e o último capítulo, corre o fio de uma dezena de outros que falam da
morte de Joseph e Hyrum naquele opressivo dia de 27 de junho de 1844; do saque de Nauvoo; de
longos comboios de carroções atravessando o rio para o Território de Iowa; dos acampamentos na neve
e na lama, naquela fatídica primavera de 1846; de Winter Quarters, no Missouri, e a terrível difteria, as
febres e a praga que dizimavam as fileiras; da convocação de homens para servir no exército, emitida
pelo mesmo governo que anteriormente fora surdo aos seus apelos; da trilha marcada com sepulturas ao
longo dos rios Elkhorn, Platte e Sweetwater, passando pelo South Pass e depois para o vale do Lago
Salgado; das dezenas de milhares que deixaram o leste e a Inglaterra para arrastar-se pela longa trilha,
alguns empurrando carrinhos-de-mão e morrendo no inverno do Wyoming; da infindável labuta de
arrancar artemísia nos vales das montanhas de Utah; da abertura de quilômetros de valas para levar
água ao solo ressecado; das décadas de clamor público contra nós, nascido da intolerância; da perda de
direitos civis por leis promulgadas na mesma cidade de Washington e aplicadas por funcionários
enviados da sede do governo federal. Esses estão entre os capítulos de nossa história épica.
Agradecemos a Deus por aqueles dias difíceis terem passados. Graças sejam dadas aos que se
mantiveram fiéis enquanto passaram pelas chamas da provação. Que preço, que terrível preço eles
pagaram, do qual os beneficiários somos nós. Não podemos nunca nos esquecer disso. (...) Graças
sejam dadas aos que, pela virtude de sua vida, desde aí conquistaram para este povo uma nova medida
de respeito. Agradeçamos por dias melhores, com maior compreensão e um largo e generoso apreço
oferecidos à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. (“A City upon a Hill,” Ensign, July
1990, pp. 2, 4)
Nauvoo
Estive em Nauvoo diversas vezes. Andei em suas ruas, explorei a beleza das casas restauradas e
contemplei o magnífico templo que uma vez coroou o cume dos montes que se elevam do rio. Isso me
fez pensar muito no meu avô, que quando jovem morou lá e partiu com os santos.
Desde que o Profeta denominou o lugar Nauvoo, temos falado nele como Nauvoo, a Bela. É
bonita. Mencionarei diversos aspectos dessa beleza.
Primeiro, Nauvoo é bonita na sua localização. Um dia, em junho, fomos de carro de St. Louis para
Carthage. Fomos para Nauvoo pela estrada que margeia o rio. Notamos outra vez a majestosa curvatura
do Mississippi com a cidade erguida sobre uma península tentando avidamente estender-se, apontando
para o oeste, para onde as pessoas que ali moravam iriam mais tarde. (...)
Segundo, para mim Nauvoo é bonita desde o seu início. Era um lugar de abrigo, refúgio, um
ancoradouro em meio a uma terrível tempestade. (...)
(...) Quão convidativo é um porto, qualquer porto que se alcance na tempestade! Quão adorável é
um lugar de refúgio quando existe opressão e perseguição! Que bom é para o desabrigado poder obter
um lar! Nauvoo foi bela desde o seu início como um lugar de refúgio.
Terceiro, Nauvoo foi bela na sua criação. (...)
Quarto, Nauvoo foi ainda mais bela no seu sofrimento. (...)
Finalmente, do nosso ponto de vista de quase um século e meio, Nauvoo é bela na sua morte.
Apesar da tragédia, há beleza no heroísmo, há beleza na fé, há beleza na devoção a um ideal ou
princípio. Tudo isto está exemplificado no êxodo de Nauvoo. O sofrimento foi indescritível, a decepção
difícil de suportar, o desespero esmagador. É difícil imaginar as emoções que tiveram quando pela
última vez homens, mulheres e crianças saíram das belas casas, fecharam as portas, olharam para os
campos que haviam cultivado, o desenvolvimento das árvores que haviam plantado, e subiram nos
carroções indo em direção ao rio para atravessá-lo, movendo-se bem devagar no solo de Iowa, olhando
vez ou outra para tudo o que estava sendo deixado para trás e que jamais seria visto novamente. (...)
(...) Sou grato pelo que Nauvoo faz por mim, dando-me senso de gratidão, de respeito, de adoração
e de amor por aqueles que amaram e serviram ao Senhor enquanto o sol brilhava e também durante a
tempestade. Sou grato pela cidade à beira do rio, a cidade que ficou conhecida como Nauvoo, a Bela.
(“Nauvoo—Sunrise and Sunset on the Mississippi,”BYU Studies 32 [Winter and Spring 1991]: 19–22)
Nauvoo foi bonita na sua criação. Não existe música como a música da industriosidade. Pode-se
dizer que a cidade fervia com o movimento dos que cortavam madeira, talhavam a pedra, moldavam o
ferro quente na bigorna, planejavam e construíam ruas, aravam as terras para o cultivo, plantavam e
cuidavam do solo e faziam a colheita. As casas de Nauvoo eram belas com seus tijolos cor de salmão e
suas características paredes. O Salão dos Setentas era um belo prédio e um lugar de aprendizado. A
tipografia era um lugar que indicava o desejo de se saber o que estava acontecendo e o Templo era um
local que expressava a fé e a convicção a respeito da eternidade da vida e do poder do sacerdócio de
Deus para chegar além do véu da morte.
Eu me admiro ao ver o que aquelas pessoas construíram em poucos anos. Não havia nada de
temporário nas obras. Eles construíram como se fossem viver ali por gerações. Navoou, afirmo, foi bela
na sua criação.
[Ela] foi ainda mais bela no seu sofrimento. Pode haver beleza no sofrimento quando há fé. Há
tragédia, sim; há dor, é claro. Mas existe algo sublime no sofrimento por uma grande causa. Não estou
dizendo que os santos gostaram da experiência. Foi horrível. Mas havia algo sublime no modo em que
ergueram a cabeça e prosseguiram, apesar da dor cruciante por que passaram. Em parte, esse
sofrimento foi semelhante ao de outras pessoas que participaram da exploração do oeste americano. Eu
li a relação de nomes dos que foram enterrados no velho cemitério de Nauvoo. Muitos deles eram
crianças que morreram de doenças que hoje são facilmente curáveis pela medicina moderna. Tais
doenças, como a coqueluche, levou um grande número delas. Não podemos sentir, na sua dimensão, a
dor que é perder um lindo filho após passar por tantas dolorosas perdas. Um monumento de bronze foi
eregido no velho cemitério. Ele representa um pai e uma mãe que enterram um filho. É um belo
monumento representando a dor. (“Nauvoo—Sunrise and Sunset on the Mississipi,” BYU Studies 32
[Winter and Spring 1991]: 19–22)

O Batalhão Mórmon
O Batalhão Mórmon marchou por cinco meses e meio sem diminuir o ritmo. Eles deixaram
Council Bluffs no Missouri e foram para o Forte Leavenworth, desceram para San Pedro e viraram para
o oeste, chegando a Tucson quando era uma pequena vila mexicana sonolenta de cerca de quatrocentas
ou quinhentas pessoas, com uma guarnição de soldados mexicanos. Ali ficaram por quase dois dias e
começaram novamente a marchar para o oeste em direção ao Rio Gila e a junção daquele rio com o
Colorado. Eles tinham muito pouca água. Bebiam água salobra e barrenta para matar a sede. Houve
ocasiões, muitas ocasiões, em que eles ficaram sem alimentos. Eles comiam bode selvagem, desde a
barba na frente até a pequena cauda atrás, incluindo as entranhas. (...)
Gostaria de usá-los como exemplo para vocês. Eles não desistiam. Eles não resmungavam. Eles
não reclamavam. Eles continuavam a marchar, sempre cada vez mais para o oeste, até que traçaram
uma trilha com os carroções daqui até a costa do Pacífico, através de um território bastante traiçoeiro .
(...) Os sapatos acabaram. Eles enrolavam seus pés em tecido e pele de animais. Eles não tinham
uniformes. Em vez de adquirirem uniformes eles mandavam o dinheiro dos uniformes à família. Eles
recebiam sete dólares por mês para essa viagem tão árdua. Eram exploradores num sentido muito,
muito real, e eu recomendo que façam um leitura da história deles. (Tucson Arizona Boy Scout
Encampment, December 14, 1996)
O Batalhão havia viajado desde Council Bluffs e estava em condições muito ruins. Eles ficaram
sem água e sem alimento na maior parte do tempo. Quando eles chegaram aqui [em Tucson]
reabasteceram-se com suprimentos, que não duraram muito tempo.
No dia de Natal eles marcharam dezoito quilômetros até o Rio Gila e então até a junção com o Rio
Colorado. Mas não conseguiram água naquele dia e nem no próximo. Vinte e três deles morreram
naqueles meses. É um milagre muitos mais não terem morrido. O médico deles era um homem malvado
que somente administrava purgante e arsênico, os dois únicos medicamentos que ele tinha, e os homens
do Batalhão preferiam ficar doentes do que fazer uso destes remédios. Quando eles adoeciam,
arrastavam-se pelo caminho, sempre marchando em direção ao oeste.
Ao alcançarem San Diego, o Coronel Cook emitiu uma ordem que resume toda a terrível
provação. Ele disse: “O Tenente-Coronel comandante manda parabenizar o batalhão pela sua chegada
em segurança na costa do Oceano Pacífico e pela conclusão da marcha de dois mil quilômetros.
Em vão pode procurar-se na história uma marcha de infantaria igual a essa. Metade dela foi
através do deserto, onde não se encontrava nada, exceto selvagens e animais ferozes ou desertos onde
devido à falta de água, não se via nenhuma criatura viva. Lá, num trabalho quase em vão, cavamos
poços fundos, dos quais futuros viajantes iriam desfrutar. Sem um guia que já tivesse passado por ali
anteriormente, atravessamos áreas sem trilhas onde não se conseguia encontrar água. Com alavanca,
picareta e machado na mão traçamos nosso caminho sobre as montanhas que pareciam desafiar alguma
coisa exceto o bode selvagem, e abrimos uma passagem através de uma fenda de rochas mais estreita
que nossos carroções. Para trazer esses primeiros carroções para o Pacífico, preservamos a força de
nossas mulas deixando-as pastar em espaçosas áreas, que vocês guardaram cuidadosamente e sem
perdas. A guarnição de nossos presídios de Sonora, concentrada dentro dos muros de Tucson, não nos
deu trégua. Expulsamo-os de lá com sua própria artilharia, mas nosso relacionamento com os cidadãos
não foi marcado por um simples ato de injustiça. Então, marchando quase nus e mal alimentados,
sobrevivendo de animais selvagens, descobrimos e traçamos um caminho de grande valor para o nosso
país”. (Robert O. Day, The Mormon Battalion, the Lord’s Faithful, p. 171)
Eles marcharam, na maior parte do tempo, através de um local desolado e sem trilhas para seguir.
Levaram seus carroções consigo e criaram uma estrada que veio a tornar-se a rota de uma grande
rodovia interestadual e de uma grande linha ferroviária. Ela une o leste com o oeste, do Kansas à
Califórnia. (Mormon Battalion Monument Dedication, Tucson, Arizona, December 14, 1996)
Em 1846, quando eles [os santos dos últimos dias] saíram de Nauvoo, Illinois, e estavam lutando
com dificuldades através de Iowa, amarrados como contas num cordão do Mississipi ao Missouri, o
Capitão James Allen do exército dos Estados Unidos foi ao seus acampamentos para recrutar um
batalhão de 500 homens para servir na guerra com o México. Lá estavam eles, sem lar, nas pradarias de
Iowa. A força desses 500 homens era necessária, mas Brigham Young disse-lhes que deveriam ir. Eles
não sabiam quando e se iriam ver seu povo outra vez. Eles marcharam primeiro para Fort Leavenworth.
Os líderes que os alistaram ficaram surpresos ao ver que eles sabiam assinar o nome, em contraste com
os outros recrutas das regiões fronteiriças. Em Fort Leavenworth iniciou-se a longa e terrível marcha
até San Diego. Eles finalmente avistaram o Pacífico em 29 de janeiro de 1847, mais que cinco meses
após deixar o acampamento em Council Bluffs.(...)
Alguns do Batalhão ficaram na guarnição em San Diego ou perto de lá. Os outros marcharam até
Los Angeles, até uma pequena e sonolenta cidade mexicana, onde construíram o Fort Moore. Eles
foram pioneiros na região de San Diego. Foram pioneiros nessa área de Los Angeles.
Quando o alistamento estava quase para expirar, os oficiais tentaran persuadi-los a se realistarem.
Uns poucos o fizeram, mas a maioria queria unir-se a seu povo. Em Sacramento alguns conseguiram
emprego com John Sutter. Eles foram enviados para Coloma, no American River, para construírem
uma serraria. James Marshall era o chefe deles. Foi aqui que ele achou num canal do moinho um sinal
de ouro que fez o mundo se agitar. O dia dessa descoberta, 24 de janeiro de 1848, está registrado no
diário de Henry Bigler, um homem do Batalhão, que escreveu: “Neste dia algum tipo de metal foi
encontrado no final da corrida que parece ouro”. (Erwin G. Gudde, Bigler’s Chronicle of The West
[Berkeley: University of California Press, 1962], p. 88) Essa anotação no diário indica a data dessa
descoberta histórica que mudou a vida da Califórnia para sempre.
Seja dito, para crédito desses homens, que apesar do fato de as notícias da descoberta se
espalharem até as ruas de São Francisco, eles cumpriram o contrato com Sutter.
A história conta que um deles, antes de subir em seu carroção para dirigir-se ao Vale do Lago
Salgado, tirou as calças, amarrou as pernas, encheu-a de terra, retirou o ouro dessa terra, vestiu as
calças de novo, subiu no carroção e rumou para leste. (see Life of a Pioneer, Being the Autobiography
of James S. Brown [Salt Lake City: Geo. Q. Cannon & Sons Co., 1900], pp. 107–9) Ele iria colher
artemísia e viver a difícil vida de um pioneiro pelo restante de seus dias. (Los Angeles World Affairs
Council Meeting, March 6, 1997)
HOMOSSEXUALIDADE
Há pessoas que desejam que acreditemos na validade do que chamam de casamentos entre pessoas
do mesmo sexo. Queremos expressar nossa preocupação por aqueles que enfrentam sentimentos de
afinidade por pessoas do mesmo sexo. Oramos por vocês e estendemos-lhes nossa solidariedade, como
nossos irmãos e irmãs que são. No entanto, não podemos tolerar práticas imorais de sua parte, como
não toleramos práticas imorais por parte de qualquer outra pessoa. (“Stand Strong against the Wiles of
the World,” Ensign, November 1995, p. 99)
Todos os seres humanos, homem e mulher, foram criados à imagem de Deus. Cada indivíduo é um
filho (ou filha) gerado em espírito por pais celestiais que o amam e, como tal, possui natureza e destino
divinos. O sexo (masculino ou feminino) é uma característica essencial da identidade e do propósito
pré-mortal, mortal e eterno de cada um.
(...) “Declaramos que o mandamento dado por Deus a Seus filhos, de multiplicarem-se e encherem
a Terra, continua em vigor. Declaramos também que Deus ordenou que os poderes sagrados da
procriação sejam empregados somente entre homem e mulher, legalmente casados.
Declaramos que o meio pelo qual a vida mortal é criada foi estabelecido por Deus. Afirmamos a
santidade da vida e sua importância no plano eterno de Deus”. (“Stand Strong against the Wiles of the
World,” Ensign, November 1995, p. 101)
HUMILDADE
“Oh! Quão astuto é o plano do maligno! Oh! A vaidade e a fraqueza e a insensatez dos homens!
Quando são instruídos pensam que são sábios e não dão ouvidos aos conselhos de Deus, pondo-os de
lado, supondo que sabem por si mesmos; portanto sua sabedoria é insensatez e não lhes traz proveito. E
eles perecerão.
Mas é bom ser instruído, quando se dá ouvidos aos conselhos de Deus”. (2 Néfi 9:28–29)
Assim declarou Jacó, o filho de Néfi, muito tempo atrás.
E Alma, emudecido por um anjo devido a sua arrogância, falando dessa difícil lição, disse a seu
próprio filho, Helamã:
“Oh! lembra-te, meu filho, e aprende sabedoria em tua mocidade; sim, aprende em tua mocidade a
guardar os mandamentos de Deus!(...)
Aconselha-te com o Senhor em tudo que fizeres e ele dirigir-te-á para o bem; sim, quando te
deitares à noite, repousa no Senhor, para que ele possa velar por ti em teu sono; e quando te levantares
pela manhã, tem o teu coração cheio de agradecimento a Deus”. (Alma 37:35, 37)
E concluiu aconselhando Helamã: “Não deixes de confiar em Deus para que vivas”. (Alma 37:47)
(“If I Were You, What Would I Do?” BYU 1983–84 Fireside and Devotional Speeches, September 20,
1983, pp. 9–10)
Seja humilde. Não seja arrogante. O mundo está repleto de pessoas arrogantes. Oh, quão
desagradáveis elas são! Como é antipático um homem arrogante. Não é verdade, garotas? E como é
desagradável, também, uma garota arrogante. (Colorado Springs Young Adult Meeting, April 14, 1996)
Seja humilde. Não há lugar para a arrogância em nenhum de nós. Não há lugar para a vaidade em
nenhum de nós. Não há lugar para o insuportável orgulho. (Smithfield/Logan Utah Regional
Conference, April 21, 1996)
As pessoas perguntam-me freqüentemente qual é o meu versículo favorito das escrituras. Tenho
muitos e este é um deles: “Sê humilde; e o Senhor teu Deus te conduzirá pela mão e dará resposta a tuas
orações”.(D&C 112:10) Que promessa para aqueles que caminham sem arrogância, sem presunção,
sem vaidade, para os que caminham humildemente. “Sê humilde; e o Senhor teu Deus te conduzirá pela
mão e dará resposta a tuas orações”. Como é sólida e maravilhosa essa promessa! (Japan Tokyo North,
Japan Tokyo South, and Japan Sendai Missionary Meeting, May 18, 1996)
IGREJA DE JESUS CRISTO DOS SANTOS DOS
ÚLTIMOS DIAS, A
Ver também Governo da Igreja; Crescimento e Progresso da Igreja; Reino de Deus, Dias Atuais
Temos pedras de esquina fundamentais sobre as quais está assentada essa grande e bem ajustada
Igreja dos últimos dias. Elas são absolutamente essenciais para essa obra, o próprio alicerce e âncora
em que ela se apóia. Gostaria de falar brevemente dessas quatro pedras de esquina essenciais que
sustentam A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Menciono primeiro a principal pedra
de esquina, que reconhecemos e honramos como o Senhor Jesus Cristo. A segunda é a visão concedida
ao Profeta Joseph Smith, na qual lhe apareceram o Pai e o Filho. A terceira é o Livro de Mórmon, a voz
que fala do pó, contendo as palavras de profetas antigos proclamando a divindade e realidade do
Salvador da humanidade. A quarta é o sacerdócio, com todos os poderes e autoridade, pelo qual o
homem age em nome de Deus na administração dos negócios de seu reino. (“The Cornerstones of Our
Faith,” Ensign, November 1984, p. 51)
Encontrei-me com cerca de dez mil [santos dos últimos dias] nos últimos meses ao dedicarmos
templos em muitas partes do mundo. Há muita fé. Há uma forte convicção. Há um testemunho vibrante.
Existe poder e uma grande capacidade espiritual. Eles são santos dos últimos dias no sentido completo
da palavra. Eles oram. Eles educam a família com os conselhos e proteção do Senhor. Trabalham na
obra do Senhor, doando generosamente seu tempo e recursos. Buscam ajudar ao próximo sem egoísmo,
colocando em risco até mesmo o seu próprio bem-estar. Trabalham nos templos sem esperar
agradecimentos dos que eles servem.
(...) Nós amamos vocês. Oramos por vocês e esperamos que orem por nós. Somos todos parte
desta grande causa, cada um tendo a responsabilidade de fazê-la prosperar. Não necessitamos de
críticos do nosso lado. Necessitamos de homens de fé e capacidade que amem ao Senhor e que
trabalhem para alcançar Seus propósitos. (“Questions and Answers,” Ensign, November 1985, p. 52)
Tenho estado em meu escritório lutando contra o estresse que sinto lá. A Igreja está muito grande
e tem uma enorme organização. Está estabelecida em mais do que cem nações. Há decisões a serem
tomadas todos os dias, e algumas são bem difíceis. Buscamos a orientação do Senhor em todas as
resoluções. O trabalho é grande, mas o desafio de executá-lo é maravilhosamente estimulante.
É extraordinário sentar onde se pode ver, pelo menos em certa dimensão, a vasta e abrangente
imagem deste grande, vibrante, viável e crescente fenômeno que o Senhor chama de A Igreja de Jesus
Cristo dos Santos Últimos Dias. (“A Wonderful Summer,” BYU 1989–1990 Devotional and Fireside
Speeches, September 3, 1989, p. 12)
Suponho que apesar de nossos esforços, talvez nunca convertamos o mundo ao uso geral do nome
completo e correto de Igreja. Como a palavra mórmon é curta e fácil de ser pronunciada e escrita,
continuarão a chamar-nos mórmons, Igreja mórmon, e assim por diante.
Podia ser pior. Há mais de cinqüenta anos, quando eu era missionário na Inglaterra, disse para um
dos meus conhecidos: “Como podemos fazer com que essa gente, incluindo nossos próprios membros,
chamem a Igreja pelo seu verdadeiro nome?”
Ele replicou:”Nunca. A palavra mórmon está profundamente arraigada e é muito fácil de ser
pronunciada”. E prosseguiu: “Já desisti de tentar. Embora eu seja agradecido pelo privilégio de ser um
seguidor de Jesus Cristo e membro da Igreja que leva o seu nome, não tenho vergonha do apelido
mórmon”.
“Sabe”, continuou ele, “se existe algum nome totalmente honroso em sua derivação, é o nome
mórmon. Portanto, quando alguém me pergunta a respeito e quer saber o seu significado, respondo
calmamente: “mórmon significa muito bom’”.(O Profeta Joseph Smith declarou isto pela primeira vez
em 1843; Times and Seasons, 4:194; Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, pp. 291–292)
Tal declaração me deixou intrigado — mórmon significa “muito bom”. Eu sabia, naturalmente,
que “muito bom” não era um derivado da palavra mórmon. Já havia estudado tanto o latim como o
grego, e sabia que o inglês é derivado em grande parte dessas duas línguas, e que as palavras muito bom
não são um cognato da palavra mórmon. Mas a atitude dele era positiva e baseada numa percepção
interessante. E, como sabemos, nossa vida é guiada em grande parte por nossas percepções. Desde
aquela época, quando vejo a palavra mórmon sendo usada nos meios de comunicação para nos
descrever — seja num jornal, revista, livro ou o que for, vem-me à mente essa declaração, que se
tornou para mim um lema: mórmon significa “muito bom”.
Talvez não consigamos mudar o apelido, mas podemos fazer com que brilhe mais intensamente.
(“Mormon Should Mean ‘More Good,’” Ensign, November 1990, p. 52)
Deus está ao leme. Nunca duvidem disso. Quando nos depararmos com a oposição, Ele abrirá
caminho onde parece não haver saída. Nossos esforços individuais podem parecer humildes e um tanto
quanto insignificantes. Mas a soma das boas obras de todos, trabalhando juntos para um propósito
comum, permitirá grandes e maravilhosas realizações. O mundo será um lugar melhor em decorrência
de nosso trabalho conjunto. (...)
Ele, que é nosso Salvador, não tosqueneja nem dorme enquanto vela por Seu reino. (“God Is at the
Helm,” Ensign, May 1994, pp. 59–60)
Que coisa maravilhosa é olhar no rosto das pessoas como vocês e saber que oram, que se ajoelham
de manhã e à noite e oram. (...) Vocês reconhecem a ajuda de Deus e dão graças, pedem para perdoar
suas faltas e buscam Suas bênçãos em retidão para vocês e para os outros. (...) Quão maravilhoso é
saber que vocês vivem a palavra de sabedoria, que amam sua família, que pagam seus dízimos e
ofertas, que podem se erguer diante do Senhor com a consciência e as mãos limpas. Um repórter da
BBC, numa entrevista na segunda-feira, fez-me uma pergunta interessante. Ele perguntou-me:
“Presidente Hinckley, se o Senhor Jesus Cristo viesse hoje o senhor acha que Ele ficaria satisfeito com
a sua igreja?” Respondi: “Eu acho que sim. Não com todos. Nós temos problemas, é claro que temos.
Mas penso que Ele ficaria satisfeito, falando de um modo geral, porque conheço um grande número de
pessoas que estão tentando viver o Seu evangelho e que falam constantemente em suas orações do amor
que sentem por Ele”. “Se o Senhor Jesus Cristo viesse hoje, Ele ficaria satisfeito?” Penso que sim.
Graças ao que de bom existe na sua vida”. (Nottingham England Fireside, August 30, 1995)
A maior segurança que vocês possuem em sua vida (...) é serem membros da Igreja de Jesus Cristo
dos Santos dos Últimos Dias. Apeguem-se à Igreja e vivam seus princípios e eu não hesito em prometer
que sua vida será feliz, que suas realizações serão significativas, que terão razão para se ajoelhar e
agradecer ao Senhor por tudo o que Ele tem feito por vocês e pelas grandes e extraordinárias
oportunidades que têm. (Vista California Youth Fireside, March 23, 1996)
Quão admirável é ser membro de uma Igreja com tamanho legado de sofrimento e também de fé.
Que coisa maravilhosa é pertencer a uma Igreja que após 150 anos ainda está estendendo-se com vigor
e vitalidade abençoando a vida das pessoas através do mundo. Desejo lembra-lhes que grande é a nossa
responsabilidade (...) e que nós não podemos enfraquecer ou diminuir o passo. Vivemos em um mundo
cheio de problemas. Vivemos em um mundo onde existe muito ódio e amargura. Vivemos em um
mundo onde há muita inimizade e discórdia. Como membros da Igreja temos a obrigação de buscar e
ajudar aqueles que sofrem onde quer que eles estejam e qualquer que seja a razão. (Grand Encampment
Devotional, Council Bluffs, Iowa, July 13, 1996)

O Propósito da Igreja
A Igreja é uma grande educadora e edificadora de valores. Seus preceitos são direcionados a
liderar homens e mulheres através do caminho da imortalidade e vida eterna, para que sua vida seja
mais completa, mais rica e feliz enquanto vivem neste vale de lágrimas, preparando-os assim para as
belezas e maravilhas que estão por vir. Tenham fé na Igreja. Ela é verdadeira. É divina. O seu cabeça é
o Senhor Jesus Cristo, o Redentor do mundo. É a Igreja do Todo-Poderoso que tem o nome do Seu
divino Filho. Seus líderes terrenos são aqueles chamados por Deus sob um plano formulado por Ele.
(“To a Man Who Has Done What This Church Expects of Each of Us,” BYU 1995–96 Speeches,
October 17, 1995, p. 52)
Existem tantas pessoas com problemas, e nosso trabalho é ajudá-las. É para isso que estamos aqui.
No final, não há outra razão para estarmos aqui. Temos que encorajar, apoiar e fortalecer as pessoas. O
Senhor irá responsabilizar-nos pelo que fizermos. (Corpus Christi Texas Regional Conference,
priesthood leadership session, January 6, 1996)
A Igreja é o grande reservatório de verdades eternas do qual podemos beber constante e
gratuitamente. É preservadora de valores. Apeguem-se a esses valores. Coloquem-nos em seu coração.
Deixem que eles se tornem a estrela-guia de sua vida para guiá-los enquanto seguem em frente num
mundo do qual serão uma parte importante”. (“True to the Faith,” Salt Lake Valley-Wide Institute
Fireside, January 21, 1996)
Espero que nunca percamos de vista o fato de que o propósito de todo nosso trabalho é ajudar os
filhos e filhas de Deus a encontrarem seu caminho através da estrada que leva à imortalidade e vida
eterna. É ter em nosso coração amor por Deus, nosso Pai Eterno, de quem somos filhos. É ter também
em nosso coração uma convicção sólida e invariável com relação ao lugar de cada um no plano do
Todo-Poderoso, de que somos filhos de Deus, participantes de um direito inato e divino, filhos
espirituais, que vieram com um toque de divindade dentro de si. Todas as coisas administrativas na
Igreja são importantes. Gostaria de confirmar, endossar e enfatizar isso. Mas no final, nossa maior
responsabilidade como líderes nessa Igreja é aumentar o conhecimento de nosso povo fazendo-os
entender sua posição como filhos e filhas de Deus, sua herança divina e seu destino eterno. (Berlin
Germany Regional Conference, priesthood leadership session, June 15, 1996)
Penso que estamos nessa dispensação como os justos nos dias das cidades das planícies, quando
talvez o Senhor poupe o iníquo, alguns deles, por causa dos justos. Isso coloca sobre nós uma grande
responsabilidade. É por isso que estamos aqui, para nos tornarmos instrumentos mais eficazes,
verdadeiros guerreiros sob a direção do Todo-Poderoso para salvar Seus Filhos e Filhas das coisas que
irão destruí-los no tempo e na eternidade, a não ser que mudem de vida. (Eugene Oregon Regional
Conference, priesthood leadership session, September 14, 1996)

Missão da Igreja
À medida que prosseguimos não podemos nunca desviar nossa atenção do grande e urgente tripé
de responsabilidade posto sobre a Igreja: primeiro, levar o evangelho de Jesus Cristo às pessoas da
Terra; segundo, implementar o evangelho na vida dos membros da Igreja; terceiro, conceder através do
trabalho vicário as bênçãos do evangelho àqueles que passaram para além do véu da morte. Nossa
missão é “tão ampla quanto a eternidade e tão profunda quanto o amor de Deus”. (“Five Million
Members — A Milestone and Not a Summit,” Ensign, May 1982, p. 44)
Nossa obra é um grande trabalho redentor. Todos precisamos nos empenhar mais, pois as
conseqüências são marcantes e eternas. Esta é a obra de nosso Pai e Ele nos deu a divina instrução de
buscar e fortalecer os necessitados e os fracos. Assim fazendo, os lares de nosso povo ficarão cheios de
amor; a nação, seja qual for, será fortalecida pela virtude de seu povo; e a Igreja e o reino de Deus
prosseguirão em majestade e poder em sua missão devidamente designada. (“What This Work Is All
About,” Ensign, November 1982, p. 10)
A Igreja vem-se fortalecendo continuamente porque os que nos antecederam seguiram um curso
firme. Existe quem gostaria de que debilitássemos nossa força buscando alcançar objetivos não
pertinentes à principal missão da Igreja. Somos constantemente convidados, sim, mesmo advertidos a
acompanhar outros nessa ou naquela causa. Existem certas causas que merecem nossa participação, que
estão diretamente relacionadas com a Igreja e sua missão, e o bem-estar de seu povo. Mas a escolha
delas precisa ficar a critério daqueles chamados a liderar. Tais causas são poucas, uma vez que
precisamos poupar nossas forças e recursos para a obrigação bem maior de seguir um curso constante
na edificação do reino de Deus na Terra.
Nossa grande e fundamental mensagem ao mundo é que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus vivo;
que ele deu a vida em sacrifício por toda a humanidade; que se levantou do túmulo na primeira manhã
de Páscoa, “as primícias dos que dormem” (I Cor. 15:20); que “assim como todos morrem em Adão,
assim também todos serão vivificados em Cristo” (Cor. 15:22); que Ele vive, nosso Senhor e Mestre
ressurreto.
Como tenho dito deste púlpito, Ele nos deu uma missão tríplice: Primeiro, pregar o evangelho
restaurado a toda nação, tribo, língua e povo; segundo, a edificação dos santos na fé, incentivando-os a
andarem em obediência aos mandamentos do Senhor em tudo o que fizerem; e terceiro, a grande obra
da salvação dos mortos. Essa imensa missão abrange todas as gerações da humanidade: os que já se
foram, todos os que vivem hoje e aqueles que ainda estão por nascer. Ela transcende qualquer raça,
nação ou geração. É uma causa sem paralelos. Os frutos dela têm conseqüências infinitas. (...) No
cumprimento dessa missão, precisamos seguir um curso constante e inflexível, não o abandonando
jamais. (“He Slumbers Not, nor Sleeps,” Ensign, May 1983, pp. 7–8)

As Finanças da Igreja
O programa financeiro da Igreja, tanto de arrecadação como de pagamentos, encontra-se nas
seções 119 e 120 de Doutrina e Convênios. Exceto no tocante aos fundos de ofertas de jejum e
missionário, as duas declarações contidas nessas breves revelações constituem a lei financeira do
Senhor e o programa de administração dos assuntos fiscais da Igreja.
A seção 119 simplesmente afirma que todos os membros “pagarão a décima parte de toda a sua
renda (ou rendimentos) anual; e isto será uma lei permanente para eles (...) diz o Senhor”. (vers. 4)
Portanto, no que diz respeito ao pagamento do dinheiro proveniente do dízimo, o Senhor disse:
“Em verdade assim diz o Senhor (...) que sua distribuição será feita por um conselho composto da
Primeira Presidência de minha Igreja e do bispo e seu conselho e de meu sumo conselho; e por minha
própria voz a eles, diz o Senhor”. (D&C 120)
Estes dezoito homens: a Presidência, os Doze e o Bispado Presidente constituem o conselho de
Disposição dos Dízimos. Poderiam ser considerados como comitês executivos deste conselho maior, o
Comitê de Orçamento e o Comitê de Apropriações. O uso de todos os fundos da Igreja é
supervisionado por estes organismos.
Nas transações financeiras da Igreja, temos observado dois princípios básicos e fixos: Primeiro, a
Igreja viverá de seus recursos. Não gastará mais do que recebe. E, segundo, será separado um
percentual fixo das rendas, a fim de termos uma reserva contra o que poderíamos chamar de dias
difíceis.
Durante anos a Igreja tem ensinado a seus filiados o princípio de guardar uma reserva, tanto de
alimentos como de dinheiro, para suprir necessidades de emergência. Estamos apenas procurando
seguir o mesmo princípio no tocante à Igreja em geral.
Alguns, creio eu, são suficientemente idosos para se lembrarem nitidamente dos tempos difíceis da
Grande Depressão da década de trinta. Espero que jamais venha a acontecer de novo. Sabemos, porém,
que não está fora de possibilidade. Todos conhecemos a história do sonho do faraó sobre as vacas
magras e gordas e as espigas de trigo grandes e miúdas. (Ver Gênesis 41)
Sou profundamente grato por poder dizer ao sacerdócio dessa Igreja que, em suas operações
eclesiásticas, a Igreja não se encontra endividada. Nenhum templo ou capela, prédio do seminário e
instituto, nenhuma propriedade de bem-estar, nenhum edifício ou propriedade usado nas operações
eclesiásticas está hipotecado. (“The State of the Church,” Ensign, May 1991, pp. 53–54)
“Por que a Igreja participa de transações comerciais”?
Essencialmente, os recursos que a Igreja hoje possui são o resultado de empreendimentos iniciados
na época da história dos pioneiros, quando estávamos isolados no oeste. Quando algumas dessas
propriedades deixaram de ser necessárias, foram vendidas. Hoje, restam relativamente poucas.
Repito que o rendimento combinado de todos esses interesses comerciais é relativamente pequeno,
e não manteria a Igreja em funcionamento, a não ser por pouco tempo. Acrescento que essas
propriedades comerciais são entidades que pagam impostos, que cumprem a lei fiscal, conforme a
legislação da região onde se localizam. (“The State of the Church,” Ensign, May 1991, p. 54)
Críticas à Igreja
Temos na Igreja hoje em dia, como em Nauvoo, os que se dizem membros mas despendem muito
de seu tempo criticando, encontrando erros e procurando defeitos na Igreja, nos seus líderes e
programas. Não contribuem em nada para a edificação do reino. Eles racionalizam seus esforços,
tentando justificá-los com a desculpa de estarem fazendo o bem pela causa, mas o resultado de seus
esforços é somente uma fragmentação da fé deles mesmos e de outros. (“Dedication of the John Taylor
Building,” BYU 1982–83 Fireside and Devotional Speeches, September 14, 1982, p. 18)
Parece-me que atualmente temos uma grande hoste de críticos. Alguns parecem querer destruir-
nos. Menosprezam o que consideramos divino.
Ao cultivarem a descoberta de defeitos, não vêem o majestoso avanço dessa grande causa.
Perderam a visão da centelha que, ateada em Palmyra, agora inflama chamas de fé por toda a Terra, em
muitos países e numerosos idiomas. Usando os óculos do humanismo, deixam de enxergar que influxos
espirituais, com reconhecimento da influência do Espírito Santo, tiveram tanto a ver com os atos de
nossos antepassados como os processos da mente. Não se dão conta de que a religião concerne tanto ao
coração como ao intelecto.
Temos críticos que parecem querer buscar, numa imensa quantidade de informações, aqueles
pontos que humilham e diminuem alguns homens e mulheres do passado que tanto trabalharam no
estabelecimento dessa grande causa. Eles encontram para suas obras leitores que se deleitam em
apanhar essas ninharias, remoê-las e saboreá-las. Assim fazendo, estão saboreando um picles, em lugar
de deleitar-se com uma refeição deliciosa e nutritiva de diversos pratos.
Reconhecemos que nossos antepassados eram humanos. Sem dúvida, cometeram erros (...) Mas
foram erros pequenos, comparados com a maravilhosa obra que realizaram. Destacar os enganos e
encobrir o bem maior é fazer uma caricatura. As caricaturas são divertidas, mas também muitas vezes
feias e desonestas. Apesar de ter um sinal no rosto, um homem pode ter traços bonitos e vigorosos;
mas, se o sinal for indevidamente ressaltado em relação às demais feições, o retrato deixa de ser
autêntico.
Somente um único homem perfeito andou por essa Terra. O Senhor vem usando pessoas
imperfeitas para edificar Sua sociedade perfeita. Se alguma delas tropeça ocasionalmente, ou se seu
caráter apresenta alguma leve falha, é mais maravilhoso ainda que hajam logrado tantos feitos. (...)
Eu não temo a verdade. Aceito-a de bom grado. Mas quero que todos os fatos se situem no devido
contexto, com destaque para os elementos que explicam o grande progresso e poder dessa organização.(
“Be Not Deceived,” Ensign, November 1983, p. 46)
Existe um empenho insidioso em tentar solapar a Igreja e destruir sua credibilidade, mesmo entre
seus próprios membros. (“The Miracle Made Possible by Faith,” Ensign, May 1984, p. 46)
A Igreja tem uma hoste de críticos e um exército de inimigos. Eles zombam do que é sagrado. Eles
degradam e menosprezam o que vem de Deus. Eles prestam-se aos desejos de outros que
evidentemente se comprazem em ver aquilo que é sagrado parecer cômico. Não posso pensar em nada
que esteja em maior desarmonia com o espírito de Cristo do que este tipo de atividade.
Somos afligidos pela profanação daquilo que é sagrado para nós. Mas não precisamos temer. Essa
causa é maior que qualquer homem. Irá sobreviver a todos os seus inimigos. Precisamos somente ir em
frente pelo poder da fé sem temor. (“God Hath Not Given Us the Spirit of Fear,’” Ensign, October
1984, p. 4)
E quanto aos críticos da Igreja, ultimamente tão veementes?
Nós os temos. Sempre os tivemos. Não estão sendo tão clamorosos como já foram. Por mais
ruidosos que sejam não são tão ameaçadores. As pessoas perguntam se temos medo de que nossa
história seja pesquisada. Respondo que não, logicamente não, desde que seja feita imparcial e
honestamente. (...)
Quando formos chamados perante o tribunal de Deus para prestar contas de nosso desempenho,
acho improvável que alguns de nós seja elogiado por haver consumido a vida desenterrando algum
fragmento histórico, incompleto em seu contexto, para lançar dúvidas sobre a integridade dessa obra.
Creio, antes, que seremos inquiridos sobre o que fizemos para edificar o reino, levar a luz e
compreensão das verdades eternas do evangelho aos olhos e à mente de todos aqueles dispostos a nos
ouvir, cuidar dos pobres e necessitados e tornar o mundo, pela nossa presença, um lugar melhor de se
viver. (“Questions and Answers,” Ensign, November 1985, p. 52)
Somos algumas vezes acusados de sermos limitados e misteriosos. Nada pode estar mais distante
da verdade. Não temos nada que nos envergonhe e nos cause constrangimento. Nossa história, nossas
ações, nossos programas não são causa de constrangimento, se forem discutidos no total e verdadeiro
contexto do ambiente e tempo em que ocorreram. (“A Unique and Wonderful University,” BYU 1988–
89 Devotional and Fireside Speeches, October 11, 1988, pp. 49–50)
Temos críticos, tanto dentro como fora da Igreja. Apesar de serem eloqüentes e de terem acesso
aos meios de comunicação, são relativamente em número pequeno. Caso não sofrêssemos críticas,
ficaríamos preocupados. Nossa responsabilidade não é de agradar ao mundo, mas, ao contrário, de fazer
o desejo do Senhor, e desde o princípio o desejo divino tem freqüentemente sido contrário aos hábitos
do mundo. (“Bring Up a Child in the Way He Should Go,” Ensign, November 1993, p. 54)
Enquanto falo das coisas que impedem nosso progresso como santos dos últimos dias, menciono
uma outra. É a atitude de ser crítico a respeito da Igreja. Vocês são inteligentes e capazes, são moças e
rapazes instruídos. Foram ensinados a ter pensamento crítico, a explorar, a considerar os diversos
aspectos de cada questão. Isso tudo é bom. Mas vocês podem fazê-lo sem buscar falhas na Igreja ou em
seus líderes. Busquem o equilíbrio nos seus estudos. Não digo isso defensivamente. Há tantas pessoas
bondosas, generosas e gentis com relação ao que falam e escrevem para mim. Por outro lado, há umas
poucas que evidentemente não gostam nem um pouco da Igreja e tampouco de mim. Essa é uma
prerrogativa deles. Não sinto rancor em relação a eles. Sinto somente pena deles porque sei qual será o
resultado final.
Tive diversos chamados nessa Igreja desde quando fui chamado para servir na presidência do
quórum dos diáconos aos doze anos de idade. Durante esses sessenta anos que se passaram eu tenho
estado no Edifício de Administração da Igreja. Muito antes de ser uma Autoridade Geral eu conheci os
Presidentes da Igreja assim como outras Autoridades Gerais. Sabia, desde cedo, que eles eram homens
e tinham suas pequenas imperfeições. Mas gostaria de dizer que sabia que eles eram os melhores
homens que se poderia encontrar nessa Terra. Eles também tinham críticos que falavam coisas más a
respeito deles. Eles também tiveram que lidar com cartas e conversas de descontentes e apóstatas. Mas
os nomes desses homens são lembrados com admiração, gratidão e respeito, enquanto que o nome de
seus críticos caíram no esquecimento.
Quando rapaz, trabalhava no Prédio de Administração e numa certa ocasião o Presidente do
Conselho dos Doze pediu-me que arranjasse um companheiro e fosse entregar um aviso do tribunal da
Igreja para um homem que havia escrito diversos livros criticando a Igreja e de natureza fortemente
apóstatas. Ele era membro de uma estaca na Califórnia e o presidente da estaca enviou seus papéis para
aqui onde o homem estava residindo no momento.
Meu companheiro e eu (...) fomos até a residência dele. Eu expliquei a razão de estarmos lá. Ele
nos convidou para entrar e fez sinal para nos sentarmos em lugares longe da porta, do outro lado da
sala. Ele ficou em pé em frente a porta de entrada de modo que não pudéssemos sair até que ele
pudesse dizer todas as coisas maldosas que queria dizer. Ele era feroz e malévolo no que dizia. Usava
linguagem ameaçadora. Felizmente ele não colocou as mãos em nós. Nenhum de nós dois éramos
muito grandes. Tendo cumprido nossa missão, dirigimo-nos à porta, abrimo-la e saímos.
Na época em que ele estava vivo seus escritos foram lidos por muitos que compartilhavam de suas
doutrinas apóstatas. Foram lidos por muitos que aceitavam suas acusações contra certas Autoridades
Gerais. Todas as acusações eram falsas, mas houve aqueles que aceitaram o que ele escreveu como
sendo verdadeiro.
Ele foi subseqüentemente excomungado da Igreja, e isso somente fez aumentar sua raiva. Em vez
de reconhecer seus erros, atacou com mais ferocidade. E então subitamente ele desapareceu. As pessoas
não tinham mais interesse nele. Faz muito tempo que ele faleceu. Não conheço ninguém que se lembre
dele. (...) Eu acho que sou o único que ainda se lembra do nome dele.
Atualmente temos alguns do mesmo tipo. Tivemos no passado e teremos no futuro. Eles estão
desgastando sua vida procurando falhas na Igreja. Eles tentam prejudicar a história da Igreja com cada
coisinha negativa que encontram. Eles examinam as palavras das Autoridades Gerais. Eles podem até
me dar a honra de examinar o que estou falando para vocês hoje à noite. Lamento o modo como
desperdiçam seu tempo. Preocupo-me com eles de todo o coração e gostaria de poder persuadi-los a
mudarem de caminho, de perspectiva e voltarem para a Igreja com o propósito de aplicarem seus
talentos para a edificação do reino. Mas vejo pouca disposição para assim o fazerem.
Suponho que estejam apreciando seu dia ao sol, mas seu sol irá se pôr e eles não mais serão
lembrados.
Lembro-lhes que essa obra não vem crescendo de modo tão brilhante até o nível em que se
encontra devido aos críticos. Ela tem progredido por causa de homens e mulheres de fé que fazem a sua
parte, pequena ou grande, para expandi-la. (“True to the Faith,” Salt Lake Valley-Wide Institute
Fireside, January 21, 1996)
Essa Igreja surgiu como resultado de curiosidade intelectual. Acreditamos na educação e gastamos
uma parte substancial de nosso orçamento na educação de nossos jovens. Esperamos que eles pensem.
Esperamos que eles investiguem e usem a mente para cavar profundamente em busca de conhecimento
em todas as áreas. Se temos um lema, é este: “A glória de Deus é a inteligência”. Temos sido
investigados desde que a Igreja foi organizada. Inúmeras pessoas têm investigado e escrito a nosso
respeito. Alguns desperdiçaram sua vida deste modo. Mas algumas coisas em nossa biblioteca são de
natureza confidencial. Foi-nos confiado o dever de preservar a privacidade de alguns assuntos, tais
como diários particulares, mas há muito pouco de nossa história que não tenha sido examinado e re-
examinado diversas vezes. Inúmeros livros têm sido escritos e a Igreja prossegue e cresce e cresce. Não
temos nada que nos envergonhe em sentido algum. Temos muito do que nos orgulhar.
Por exemplo, em dezembro de 1995 fui entrevistado por Mike Wallace do programa 60 Minutes
da rede de televisão CBS. Ele tem a reputação de ser o repórter mais firme da televisão americana.
Parece-me que ele me perguntou sobre tudo. Bem, quando tudo estava no ar, o programa foi favorável.
Ele entrevistou pessoas com perspectivas negativas, mas eu disse-lhe: “ Temos somente um pedido, que
você nos julgue pelos nossos frutos. Julgue-nos pelo que a Igreja está fazendo, pelo que ela está
realizando através do mundo. É maravilhoso o que está acontecendo e é muito positivo na sua
mensagem e também no seu crescimento. Naturalmente, temos críticos. Erramos vez ou outra. É claro
que falhamos em algumas coisas de vez em quando. É esperado que isso aconteça. Mas, de um modo
geral a imagem é de crescimento, de estabilidade, de força, de progresso e realização”. (Media
Luncheon and Press Conference, Tokyo, Japan, May 18, 1996)
Existem alguns pássaros negros que gostam de sentar-se num poste de telefone e cantar contra nós,
mas eles são poucos e não precisamos nos preocupar com eles. Nós os deixamos nas mãos do Senhor,
esperando e orando para que eles se arrependam e voltem. Mas não nos animemos muito, apenas
prossigamos em frente, tendo fé, vivendo o evangelho e edificando o reino. “O quer que sejas,
representa bem o teu papel” era o lema que o Presidente McKay leu em uma pedra na Escócia, e se
aplica a cada um de nós. (Ver Conference Report, April 1969, p. 95; ou Improvement Era, June 1969,
p. 30)
Irmãos, sigamos em frente com fé, entusiasmo e amor ao Senhor. (Potomac Virginia Regional
Conference, priesthood leadership session, April 26, 1997)
IGREJA E ESTADO
Ver também Política
Tentamos seguir um curso bem rigoroso nos assuntos políticos. Observamos o princípio da
separação entre igreja e estado. Preocupamo-nos com assuntos que consideramos de conseqüência
moral e coisas que possam afetar diretamente a Igreja e outras igrejas. Tentamos trabalhar unidos a
pessoas de outras fés de maneira construtiva. Esperamos poder usar nossa influência para a manutenção
e cultivo de um bom meio-ambiente no qual possamos viver como um povo nessas comunidades.
(Press Conference, Salt Lake City, Utah, March 13, 1995)
Acreditamos na separação entre Igreja e estado. A Igreja não apóia qualquer partido político ou
candidato político, nem permite que seus edifícios e instalações sejam usados para fins políticos.
Acreditamos que a Igreja deva manter-se fora de questões políticas, a não ser que esteja em pauta uma
questão moral. No caso de uma questão moral espera-se que falemos com franqueza. Mas nos assuntos
referentes à política diária, tentamos nos manter à distância como Igreja, enquanto que ao mesmo
tempo incentivamos nossos membros, como cidadãos, a exercerem seus direitos políticos como
indivíduos. Acreditamos, também, que é do interesse de um bom governo permitir a liberdade de
adoração e de religião. Nossa declaração oficial diz: “Pretendemos o privilégio de adorar a Deus Todo-
Poderoso de acordo com os ditames da nossa própria consciência; e concedemos a todos os homens o
mesmo privilégio, deixando-os adorar como, onde, ou o que desejarem”. (Media Luncheon and Press
Conference, Tokyo, Japan, May 18, 1996)
Acreditamos firmemente na separação entre igreja e estado. Envolvemo-nos em política somente
quando há um assunto moral em questão. Se é álcool, se é jogo, se são coisas desse tipo, falamos
claramente e exercemos nossa influência. Se é a respeito de aumento de impostos, rodovias aqui ou ali,
ou seja, assuntos da legislatura, não nos incomodamos com isso institucionalmente. Como indivíduos?
Sim. Incentivamos todo o nosso povo a exercer seus direitos constitucionais de serem bons cidadãos, de
se envolverem na política. Institucionalmente, porém, a Igreja age somente quando há uma questão
moral. (BBC Interview, February 21, 1997)
INSTRUÇÃO
Ver também Educação
Quanto mais vivo, mais grato me sinto por meus pais terem nos provido, na casa em que fomos
criados, com boas coisas para ler. Tínhamos uma biblioteca em nossa casa com mais de mil volumes.
Naquela época, é claro, não tínhamos televisão e nem rádio tínhamos quando eu era pequeno. Não
desejo transmitir a idéia de que líamos intensamente os livros de nosso pai. Mas eles proviam um bom
ambiente. Víamos nosso pai e mãe lerem, e eles liam para nós. Isso tinha um efeito indescritível sobre
nós, familiarizava-nos com bons livros. Sentíamo-nos à vontade com eles. Não eram estranhos para
nós. Eram como amigos, dispostos a contribuir se estivéssemos dispostos a fazer um pequeno esforço.
(...)
Ao recordar os meus anos no segundo grau e universidade, fico admirado ao perceber que
tínhamos pouquíssima exposição ao que chamamos hoje de obscenidade e pornografia. Talvez nossa
sociedade fosse um tanto protegida, mas era um ambiente maravilhoso para se crescer.
Infelizmente, vivemos hoje numa sociedade saturada de sexo. A pornografia atinge-nos de todos
os lados: no teatro, nos livros e revistas, nos anúncios de jornal, na televisão de formas diversas, e em
alguns momentos, no rádio.
Anos atrás li que certa vez perguntaram ao [ensaísta, filósofo e poeta americano] Emerson qual foi
o livro, de todos os que havia lido, que mais influenciara sua vida. A resposta foi que não conseguia
lembrar-se de todos os livros lidos, assim como não se lembrava das refeições ingeridas, mas que ele o
era produto deles. Todos nós somos produtos dos elementos a que somos expostos. (“Tithing: An
Opportunity to Prove Our Faithfulness,” Ensign, May 1982, p. 42)
Atualmente um novo e grande projeto está para ser lançado. É de natureza prática e essencial na
celebração deste aniversário dos 150 anos [da Sociedade de Socorro]. Mas suas conseqüências serão
sempre sentidas na vida de gerações ainda por vir. É um programa para ensinar àqueles que sofrem com
o analfabetismo. É elaborado para trazer luz à vida daqueles que não sabem ler nem escrever.
Essa falta de instrução é muito mais comum do que muitos acreditam. Em algumas áreas do
mundo, 75 por cento são incapazes de ler ou escrever. Os efeitos do analfabetismo são trágicos. Aos
que são suas vítimas é negada a oportunidade de se familiarizar com a história e com as grandes mentes
do passado. Eles não podem ler os jornais diários. Eles não entendem a palavra de Deus relatada nas
escrituras. Para eles há pouco entendimento das épocas passadas, e somente um conhecimento ínfimo
do vasto e complexo mundo do qual somos parte. A escuridão que os envolve, a desoladora sombra do
analfabetismo, os condena a pobreza, fome e ignorância. Para eles existe somente uma parte do mundo,
pois são literalmente cegos com relação às muitas coisas que acontecem à sua volta. Agora serão
providenciados meios para se abrirem as portas da comunicação e deixar que a luz penetre, a luz do
entendimento. As mulheres jovens e velhas, em várias nações, serão ensinadas pelas suas irmãs a ler e a
escrever. Imaginem, se puderem, o potencial desse programa inspirado. Quem ousa sonhar com as suas
conseqüências? (“‘Ambitious to Do Good,’”Ensign, March 1992, p. 6)
Fiz um pequeno estudo sobre o analfabetismo no mundo. Um bilhão entre os cinco bilhões de
pessoas no mundo não sabem ler nem escrever. Uma parte substancial, pelo menos 10 por cento e
provavelmente perto dos 15 por cento, das pessoas que vivem nos Estados Unidos não sabem ler nem
escrever, exatamente aqui nesta nação. Perdemos o primeiro para o quinto lugar entre as nações do
mundo em nossa competitividade. Como podemos esperar que seja diferente quando tantas pessoas não
conseguem ler simples instruções que estão diante de seus olhos? Li, algum tempo atrás, que 99 por
cento dos acidentes na Índia são causados por motoristas de caminhão e motoristas de táxi que não
sabem ler “pare” e “siga”. Que tragédia; que tragédia violenta, miserável, e tenebrosa. Não ser capaz de
ler, entender e escrever é uma tragédia. Podemos ajudar a mudar essa calamidade. Há coisas a serem
feitas que podem transformar essa condição intolerável. (“Our Philosophy,” Bonneville International
Corporation “Gathering of Eagles,” June 25, 1992)
Sinto muito pelos pais que não lêem para seus filhos. Sinto muito pelas crianças que não aprendem
a apreciar as maravilhas encontradas nos bons livros. É estimulante a experiência de poder penetrar na
mente dos grandes pensadores ao expressarem-se em linguagem culta e refinada com relação a grandes
e importantes assuntos. Li uma vez que Thomas Jefferson cresceu com a magnífica linguagem da
Bíblia do Rei Jaime. (...)
Dias atrás um homem enviou-me um livro. Ele é doutor em filosofia em uma de nossas grandes
universidades. Falou-me que a leitura daquele livro foi uma grande experiência em sua vida.
Já o li. É a história de um menino em Paris que aos oito anos de idade sofreu um acidente e ficou
cego. É um relato de como uma nova luz surgiu em sua vida quando a escuridão o envolveu. Quando
ele tinha 16 ou 17 anos, os alemães conquistaram a França e bandos de soldados alemães marcharam
sobre Paris. O governo de Vichy era formado por aqueles que eram traidores das grandes tradições de
uma nação forte e orgulhosa. Esse menino cego, um estudante brilhante, organizou um grupo de
resistência. Ele e seus amigos dirigiram uma operação clandestina para obter informações e circulá-las
em um pequeno jornal impresso num mimeógrafo. Seus esforços cresceram até o momento em que
chegaram a distribuir mais de 250.000 cópias de um exemplar. Então ele foi traído, aprisionado e
enviado a Buchenwald. Ali, na imundície e desespero, ele viveu com vítimas semelhantes. Ele não
enxergava, mas havia uma luz dentro dele que se erguia acima de toda aquela tragédia. Ele sobreviveu
como líder entre os que estavam naquele campo imundo. O pequeno jornal que ele deu início tornou-se
um grande jornal, o “France-Soir”. Eu li o livro e fui edificado e fortalecido e, posso dizer, um pouco
purificado pela história deste rapaz excepcional. (“Saving the Nation by Changing Our Homes,” BYU
Management Society, Washington, D.C., March 5, 1994)
Gosto muito de livros. Cresci numa casa onde tínhamos uma biblioteca. Meus pais tinham uma
sala separada como se fosse uma biblioteca com estantes em toda a volta com mais de 1.000
exemplares. Ainda possuo a coleção de meu pai dos Clássicos de Harvard. Estava-me preparando para
fazer um discurso, uns poucos dias atrás, e consultei os Clássicos de Havard para dar uma olhada no
discurso de posse de George Washington. Segurei o volume em minhas mãos e pensei comigo mesmo:
“Que maravilha é um livro! Que coisa maravilhosa e extraordinária é um livro, páginas de papel
reunidas em que se encontram registrados os pensamentos de mulheres e homens bons e sábios aos
quais podemos recorrer nos momentos que necessitamos.
Existe algo de encantador em um bom livro. Tenho um computador em minha sala de estudos,
mas ainda não me acostumei com ele, e receio nunca consegui-lo. Eu tento, sem muito sucesso, usá-lo
de vez em quando, mas eu e ele não nos damos muito bem. É por isso que sou tão grato pelos livros.
Sei como manuseá-los, como usá-los, assim creio.
Sou muito grato pelas bibliotecas. Estive em algumas das maiores do mundo. (...) Existe algo de
sagrado em uma grande biblioteca porque representa a preservação da sabedoria, do conhecimento, da
meditação de homens e mulheres de todas as idades reunidos debaixo de um só teto aos quais podemos
ter acesso nas ocasiões em que necessitamos. (Harold B. Lee Library Expansion Groundbreaking
Ceremony, September 20, 1996)
Há não muito tempo estive na grande Biblioteca do Vaticano, em Roma, e foi uma experiência
muito inspiradora ver aqueles antigos textos, de centenas e centenas de anos atrás, que foram
preservados para o bem da humanidade. Uma vez estudei no Museu Britânico, a grande biblioteca
nacional da Grã-Bretanha, com estantes altas cheias de livros, centenas e centenas e centenas de
milhares deles.
Amo as bibliotecas. Amo os livros. Há algo de extraordinário em um livro. Pode-se pegá-lo. Pode-
se erguê-lo. Pode-se lê-lo. Pode-se colocá-lo de lado. Pode-se pensar no que leu. Ele faz algo por você.
Pode-se tomar parte de grandes atos e grandes empreendimentos por intermédio das páginas de um
livro. (Howard W. Hunter Law Library Dedication, BYU, March 21, 1997)
INTEGRAÇÃO
Ver também Reativação e Retenção
Ouvimos reclamações que nas escolas onde a maioria dos alunos é formada por santos dos últimos
dias, aqueles que não são da nossa fé se sentem discriminados pelos membros. A maioria de vocês
sairão em missão, esperamos que todos. Vocês aprenderão a importância da amizade e
companheirismo. Agora é a época de praticar esses princípios, de procurar ter consideração e gentileza
para com os outros. Muitos rapazes se filiaram a esta Igreja por causa de um companheiro de escola. Eu
sinceramente espero que nenhum rapaz, que esteja ao alcance de minha voz, jamais faça qualquer coisa
que cause dano a um colega, à Igreja ou a seus membros. (...)
Estou falando contra qualquer atitude que humilhe, rebaixe e leve a falar mal do outro. (“Four B’s
for Boys,” Ensign, November 1981, p. 41)
Todos consideramo-nos irmãos e irmãs, independente do país que temos por pátria. Pertencemos
ao que poderíamos chamar da maior sociedade de amigos da face da Terra.
Quando o imperador do Japão esteve nos Estados Unidos anos atrás, participei de um almoço
oferecido a ele em San Francisco. Sentamo-nos à mesa com três outros casais que tinham grande
vivência no Japão, onde moraram temporariamente a serviço do governo, negócios ou educação. Um
desses senhores comentou: “Jamais vi alguma coisa parecida com seu povo. Enquanto vivemos no
Japão apareceram por lá um grande número de americanos, muitos dos quais enfrentavam sérios
problemas de adaptação cultural, além de solidão e saudades. Mas sempre que chegava uma família
mórmon, imediatamente tinham um monte de amigos. Os membros de sua Igreja no Japão pareciam
saber quando eles chegariam e estavam lá para dar-lhes as boas-vindas. A família inteira sentia-se
imediatamente integrada não só na comunidade religiosa como também socialmente. Parecia não haver
nenhum choque cultural nem solidão. Minha esposa e eu conversamos a respeito disso muitas vezes”.
É desse modo que sempre deve ser. Precisamos ser amigos. Precisamos amar, honrar, respeitar e
ajudar uns aos outros. Onde quer que seja, os santos dos últimos dias são bem recebidos, pois são todos
crentes na divindade do Senhor Jesus Cristo e envolvidos nessa grande causa.
Falamos da integração e amizade entre os santos. Isso é, e necessita ser, algo muito concreto.
Jamais devemos permitir que o espírito de fraternidade e irmandade enfraqueça. É preciso cultivá-lo
constantemente. É um aspecto muito importante do evangelho. (“‘Fear Not to Do Good,’” Ensign, May
1983, pp. 79–80)
Espero que desenvolvam um espírito de companheirismo, de sociabilidade, a capacidade de se
misturar e relacionar com as pessoas em qualquer lugar que as encontrem, de alta ou baixa classe
social, reconhecendo seus pontos fortes, poderes, capacidades e bondade. (...)
É algo muito precioso ter-se uma personalidade vibrante que seja proveniente da capacidade de
ouvir e aprender, da habilidade de contribuir sem entediar, e que tenha o talento de associar-se e
relacionar-se com as pessoas de modo construtivo. (“Out of Your Experience Here,” BYU 1990–1991
Devotional and Fireside Speeches, October 16, 1990, p. 29)
Recebi uma carta essa manhã. Gostaria de lê-la para vocês. Espero que não considerem pretensão
de minha parte assim fazê-lo.
“Que conferência maravilhosa! Seus comentários finais concernentes à equipe de resgate de
Brigham Young tocaram o coração de nossa família e resolvemos partir para a nossa missão de resgate
sem demora. Nós saímos da estaca [domingo à tarde] e nos dirigimos diretamente à humilde casa de
uma mãe sozinha com dois filhos que luta com dificuldades e está fora da Igreja há dois anos (e
cuidadosamente esquivou-se de suas professoras visitantes). Aconteceu de encontrarmos com ela na
entrada da sua garagem, e dissemos a ela que o senhor e o nosso bispo nos mandaram lá. Seu coração
se sensibilizou. Ela disse que trabalhava em um hospital até às 2 da manhã quase todos os domingos.
Quando perguntamos se poderíamos levar seus filhos para a Igreja conosco, ela explicou que sua filha
de dez anos de idade não tinha roupas adequadas para o domingo e seu filho de quatorze anos não se
sente bem em freqüentar a Igreja por que acha que não faz parte do grupo. Falamos com a mãe que
iríamos providenciar as roupas necessárias. Nós então os convidamos para jantar conosco, trinta
minutos mais tarde. Apresentamos o menino para o nosso sobrinho que está no quórum dele e
combinamos de pegar o menino para a Mutual essa semana. A mãe e a irmã prometeram ir à Igreja
conosco em duas semanas quando a mãe terá seu domingo de folga. (Não se preocupe, não os
deixaremos esquecer!)”
Isso resume tudo: entrar no carro e sair do estacionamento da Igreja em busca de alguém que está
negligenciado por muito tempo e necessita de um pouco de atenção para se erguer, se animar, ser
confortado, ser amado e abençoado. “Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus
pequeninos irmãos, a mim o fizestes”. (Mateus 25:40) (Meeting with General Authorities and Wives,
October 9, 1996)
INTEGRIDADE E HONESTIDADE
Seja honesto. À medida que você prossegue na vida, nos estudos da universidade e outros mais,
evitem práticas desprezíveis e suspeitas. A competição limpa é benéfica; mas práticas imorais,
desonestas e injustas são condenáveis particularmente da parte de um santo dos últimos dias. (“Four
B’s for Boys,” Ensign, November 1981, p. 41)
No monte Sinai o dedo do Senhor escreveu a lei nas tábuas de pedra: “Não furtarás”. (Êxodo
20:15) Não houve acréscimo de palavras e nem racionalização. E então a declaração foi acompanhada
de outros três mandamentos, e a violação de cada um deles involve desonestidade: “Não adulterarás”.
“Não dirás falso testemunho contra o teu próximo”. “Não cobiçarás”. (Êxodo 20:14, 16–17) (Be Thou
an Example [Salt Lake City: Deseret Book, 1981], p. 44)
Alguns consideram a qualidade de caráter conhecida como honestidade um tema muito comum.
Mas acredito que ela seja a verdadeira essência do evangelho. Sem honestidade, a vida e a sociedade se
reduziriam a tudo o que é feio e caótico. (“We Believe in Being Honest,” Ensign, October 1990, p. 2)
Creio que a melhor política ainda seja a honestidade. Que coisa destrutiva é um pouco de
desonestidade. Isso tem-se tornado uma doença cancerígena em nossa sociedade. Todo inspetor de
seguro pode falar-lhes dos elevados custos de reivindicações desonestas. A fraude no pagamento de
impostos rouba o tesouro de milhões e coloca uma carga indevida sobre aqueles que pagam. O roubo
por empregados, despesas infladas, e coisas semelhantes trazem uma enorme perda para as instituições
financeiras. A instituição pode sobreviver à perda do dinheiro, mas o indivíduo não pode dar-se ao luxo
de perder o auto-respeito. (“This I Believe,” BYU 1991–92 Devotional and Fireside Speeches, March 1,
1992, p. 79)
Uma carta e um velho cinzeiro foram trazidos a um tempo atrás ao escritório do Bispado
Presidente. A carta diz: “Prezado senhor: eu roubei o cinzeiro anexo de seu hotel em 1965. Após esses
muitos anos, gostaria de me desculpar e pedir que me perdoe pelo meu erro. Segue incluso um cheque
que tenta indenizá-lo pelo cinzeiro”.
O cheque era no valor $26.00 dólares, um dólar para cada ano que ele ficou com o cinzeiro. Posso
imaginar que durante esses vinte e seis anos, cada vez que ele bateu o cigarro na borda do cinzeiro ele
sentiu uma fisgada na consciência. Não sei se no hotel alguma vez sentiu a falta do cinzeiro, mas o
homem que o pegou perdeu a paz de consciência por mais de um quarto de século e terminou pagando
por ele muito mais do que valia. Sim, meus irmãos e irmãs, a honestidade é a melhor política. (“This I
Believe,” BYU 1991–92 Devotional and Fireside Speeches, March 1, 1992, p. 79)
Seja forte (...) com a força da simples honestidade. Como é fácil seguir o conselho perverso:
“menti um pouco, aproveitai-vos de alguém por causa de suas palavras, abri uma cova para o vosso
vizinho”. (2 Néfi 28:8) Assim descreve Néfi o povo de seus dias, como também descreve muitos de
nossos dias. Como é fácil afirmarmos: “Cremos em ser honestos, verdadeiros, castos, benevolentes”.
(RF 1:13) Como é difícil para muitos, entretanto, resistir à tentação de mentir um pouco, enganar um
pouco, roubar um pouco, levantar falso testemunho ao falar mal dos outros. Elevem-se acima disso,
irmãos. Sejam fortes na simples virtude da honestidade. (“Building Your Tabernacle,” Ensign,
November 1992, p. 52)
A simples honestidade é uma qualidade extraordinária. Ela é a própria essência da integridade. Ela
exige que sejamos íntegros, francos e caminhemos na linha reta e apertada do que é certo e verdadeiro.
É tão fácil enganar. Há ocasiões em que é tão atraente fazê-lo. É melhor uma nota baixa do que um ato
desonesto. (“To a Man Who Has Done What This Church Expects of Each of Us,” BYU 1995–96
Speeches, October 17, 1995, p. 53)
Aqueles entre vocês que lêem os jornais diariamente devem certamente reconhecer que não
parecemos mais nos importar com os princípios ou o comportamento de um candidato a um cargo
político. A desonestidade está nos mais altos cargos do país. Quão grave foi a nossa queda.
Em todo o mundo não há substituto para a integridade pessoal. Ela inclui honra. Inclui
desempenho. Inclui manter a palavra. Ela implica fazer o que é certo apesar das circunstâncias. (Church
Educational System Young Adult Fireside, February 2, 1997)
JEJUM
Não é um peso abster-se de duas refeições por mês e doar o equivalente para a assistência aos
necessitados. Pelo contrário, é uma bênção. Não só o físico se beneficia com a observância desse
princípio, como o espírito também. Nosso programa do dia de jejum e oferta de jejum é tão simples e
belo, que não entendo por que não é adotado por todos. Recentemente, foi apresentada no Congresso
dos Estados Unidos uma proposta recomendando ao presidente realizar um dia de jejum para levantar
fundos para as pessoas que estão morrendo de fome na África. A nossa experiência na primavera
passada foi tão fácil de executar e com tão tamanha produtividade, que nossas contribuições
abençoaram milhares de pessoas, sem causar o mínimo de sofrimento a nenhum de nós. (“‘Let Us
Move This Work Forward,’” Ensign, November 1985, p. 85)
Por amor aos menos afortunados dentre nosso povo, observemos a lei de jejum e ofertas,
abstendo-nos de comer, o que não nos fará falta, e contribuindo com o valor equivalente, e até mais,
para ajudar aqueles que se encontram em circunstâncias desesperadoras. (“Let Love Be the Lodestar of
Your Life,” Ensign, May 1989, p. 66)
JESUS CRISTO
Vivemos num mundo de pompa e poder, de vanglória sobre o avião a jato e mísseis de longo
alcance, o mesmo tipo de vaidade que produziu a calamidade dos dias de César, Genghis-Khan,
Napoleão e Hitler. Nessa espécie de mundo, não é fácil reconhecer que:
Um infante nascido num estábulo da aldeia de Belém,
Um rapaz criado como carpinteiro em Nazaré,
Um cidadão de um país subjugado,
Um homem cujas andanças no mundo mortal jamais ultrapassaram um raio de duzentos e quarenta
quilômetros, que nunca recebeu um diploma escolar, jamais falou de um grande púlpito, nunca possuiu
uma casa, que viajava a pé e sem alforje
É de fato o Criador dos céus, da Terra e de todas as coisas que neles há. Tampouco é fácil para
muitos reconhecerem:
Que Ele é o autor da nossa salvação e o único nome pelo qual devemos ser salvos.
Que trouxe luz e entendimento de coisas eternas e divinas como nenhum outro jamais havia feito.
Que seus ensinamentos influenciaram não somente a conduta pessoal de milhões de pessoas, mas
também inspiraram sistemas políticos que dignificam e protegem o indivíduo, e verdades sociais que
promovem a educação e a cultura.
Que seu exemplo inigualável se tornou o maior poder propulsor da bondade e da paz em todo o
mundo. (“What Shall I Do Then with Jesus Which Is Called Christ?” Ensign, December 1983, p. 3)
Toda primavera o mundo Cristão celebra a Páscoa em memória da ressurreição, quando o Cristo
ressurreto apareceu para Maria Madalena, e mais tarde naquele dia para os dez apóstolos, estando Tomé
ausente. Quando os outros discípulos disseram a Tomé: “Vimos o Senhor”, ele, como muitos no
passado e agora, disse: “Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos, e não puser o dedo no lugar dos
cravos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei”.
Oito dias depois os apóstolos estavam juntos novamente, e dessa vez Tomé estava com eles.
“Chegou Jesus, estando as portas fechadas, e apresentou-se no meio, e disse: Paz seja convosco”.
Escolhendo Tomé, Ele disse: “Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na
no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente”.
Tomé, maravilhado e trêmulo, respondeu: “Senhor meu, e Deus meu!” Então disse-lhe Jesus:
“Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram”. (João 20:25–29)
Vocês já não ouviram outros falarem como Tomé falou? “Dê-nos”, eles dizem, “uma evidência
empírica. Prove diante de nossos próprios olhos, nossos ouvidos, nossas mãos, ou não acreditaremos”.
Essa é a linguagem da época em que vivemos. Tomé, o incrédulo, tornou-se o exemplo de homens de
todas as idades que se recusam a aceitar qualquer coisa que não possam provar fisicamente ou explicar;
como se eles pudessem provar o amor, a fé, ou até mesmo fenômenos físicos como a eletricidade.
A todos os que possam ter dúvidas, repito as palavras ditas a Tomé quando ele tocou as mãos
feridas do Senhor: “Não sejas incrédulo, mas crente”. Acredite em Jesus Cristo, o Filho de Deus, a
maior figura do tempo e eternidade. Acredite que Sua vida incomparável existia muito antes do mundo
ser formado. Acredite que Ele foi o Criador da Terra onde vivemos. Acredite que Ele foi o Jeová do
Velho Testamento, que Ele foi o Messias do Novo Testamento, que Ele morreu e ressuscitou, que Ele
visitou estes continentes ocidentais e ensinou o povo que vivia aqui, que Ele foi o precursor desta
dispensação final do evangelho, e que Ele vive, o Filho vivo do Deus vivo, nosso Senhor e nosso
Redentor. (“Be Not Faithless,” in Faith [Salt Lake City: Deseret Book, 1983], pp. 14–15)
É absolutamente básico para nossa fé o testemunho de Jesus Cristo como o Filho de Deus, que por
desígnio divino nasceu em Belém da Judéia. Jesus criou-se em Nazaré como filho de um carpinteiro,
tendo dentro de si elementos da mortalidade e imortalidade recebidos respectivamente de Sua mãe
terrena e Seu Pai Celestial. Durante seu breve ministério terreno, ele percorreu os caminhos poeirentos
da Palestina curando doentes, dando visão aos cegos, revivendo os mortos, ensinando doutrinas belas e
transcendentais. Ele foi, conforme profetizou Isaías: “homem de dores e experimentado nos trabalhos”.
(Isaías 53:3) Estendeu a mão aos que levavam um jugo pesado, convidando-os a se valerem dele,
dizendo: “Meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. (Mateus 11:30) Ele “andou fazendo o bem”, e por
isso foi odiado. (Atos 10:38) Seus inimigos se voltaram contra ele. Foi preso, julgado por acusações
ilegítimas, condenado a morrer na cruz do Calvário para satisfazer os apelos da multidão.
Cravos perfuraram suas mãos e pés, e ficou pendurado em agonia e dor, dando a própria vida em
resgate pelos pecados de todos os homens. Morreu clamando: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o
que fazem”. (Lucas 23:34)
Foi sepultado num túmulo emprestado e no terceiro dia ressurgiu da tumba. Levantou-se
triunfante, vencendo a morte, as primícias de todos os que dormem. Com a ressurreição veio a
promessa a todos de que a vida é eterna, que assim como todos morrem em Adão, são todos vivificados
em Cristo. (Ver I Coríntios 15:20–22) Em toda a história da humanidade não há nada que se iguale em
maravilha, esplendor, magnitude ou aos frutos da vida inigualável do Filho de Deus, que morreu por
nós. Ele é o nosso Salvador, nosso Redentor.(...)
Ele é a principal pedra angular da Igreja que leva seu nome, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos
dos Últimos Dias. Não existe entre os homens nenhum outro nome pelo qual possamos ser salvos. (Ver
Atos 4:12) Ele é o autor da nossa salvação, o doador da vida eterna. (Ver Hebreus 5:9) Não existe
ninguém igual a Ele, e jamais existirá. Graças sejam dadas a Deus pelo dom de seu Filho Amado, que
deu sua vida para que pudéssemos viver, e que é a principal e irremovível pedra angular de nossa fé e
de Sua Igreja. (“The Cornerstones of Our Faith,” Ensign, November 1984, pp. 51–52)
Solenemente, e compreendendo a gravidade do que afirmamos, acrescentamos o nosso testemunho
para todo o mundo, da realidade da Ressurreição, que este mesmo Jesus que se levantou da tumba subiu
aos céus. Declaramos que nesta dispensação dos tempos, Ele voltou à Terra para restaurar o evangelho
primitivo que ensinou ao caminhar entre os homens; que essa restauração trouxe um testemunho
indiscutível de Sua realidade e também o santo sacerdócio, concedido aos homens, que é exercido em
Seu nome. Esse é o testemunho que prestamos em nome de Jesus Cristo, e convidamos todos os
homens a ouvi-lo e aceitá-lo. (“The Victory over Death,” Ensign, May 1985, p. 53)
Creio no Senhor Jesus Cristo, o Filho do Deus vivo e eterno. Creio nele como o Primogênito do
Pai e Unigênito do Pai na carne. Creio nele como indivíduo, separado e distinto de Seu Pai.(...)
Creio que Ele nasceu de Maria, na linhagem de Davi, como o Messias prometido, que Ele foi
realmente gerado pelo Pai, e que Seu nascimento foi o cumprimento da grande declaração profética de
Isaías:
“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e
se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”.
(Isaías 9:6)
Creio que em Sua vida mortal Ele foi o único homem perfeito a andar sobre a Terra. Acredito que
em Suas palavras se encontram a luz e a verdade que, se observadas, salvarão o mundo e trarão
exaltação à humanidade. Creio que em Seu sacerdócio repousa a autoridade divina: o poder para
abençoar, o poder para curar, o poder para governar nos assuntos terrenos de Deus, o poder para ligar
nos céus o que é ligado na Terra.(...)
Acredito que, por seu sacrifício expiatório, a oferta de Sua vida no Monte do Calvário, Ele expiou
os pecados da humanidade, aliviando-nos o peso do pecado, se abandonarmos o mal e O seguirmos.
Creio na realidade e no poder da Sua ressurreição. Creio na graça de Deus que se manifestou por meio
do Seu sacrifício e redenção, e que por intermédio de Seu sacrifício, sem que tenhamos que pagar
qualquer preço, a dádiva da ressurreição dos mortos é oferecida a cada um de nós. Creio ainda que por
esse sacrifício, é oferecida a todos os homens e mulheres, a todos os filhos e filhas de Deus, a
oportunidade da vida eterna e exaltação no reino de nosso Pai, se Lhe dermos ouvidos e obedecermos
aos Seus mandamentos.
Ninguém tão grande jamais andou sobre a Terra. Ninguém fez sacrifício comparável ou concedeu
bênçãos iguais. Ele é o Salvador e o Redentor do mundo. Acredito Nele. Declaro sua divindade sem
equívoco ou transigência. Eu O amo. Pronuncio Seu nome com reverência e assombro. Adoro-O como
adoro ao Pai, em espírito e verdade. Agradeço-lhe e ajoelho-me diante de Seus pés, mãos e lado feridos,
maravilhado com o amor que Ele me oferece. (“The Father, Son, and Holy Ghost,” Ensign, November
1986, pp. 50–51)
Há algo dentro de nós que evoca um interesse pela vida dos grandes e famosos que passaram pela
Terra. Nenhum, porém, afetou tanto a humanidade quanto Jesus Cristo. (...)
Não há nenhum que se compare a Ele — em Sua primogenitura como o Filho de Deus, em Sua
divindade como o operador de milagres, em Sua humildade ao submeter-se à tortura de Sua morte, em
Sua divindade ao levar a efeito Sua ressurreição e a salvação da família humana. Mais atos de bondade
foram realizados em Seu nome, mais palavras de perdão ditas com Seu amor, mais reconciliações
realizadas de acordo com o modelo por Ele estabelecido, mais amor demonstrado tanto ao amigo
quanto ao inimigo pelo poder de Seu exemplo do que de qualquer outro em toda a história de toda a
humanidade. Ele é o autor de nossa salvação. Ele é a fonte das boas novas do evangelho. Ele é nossa
esperança em momentos de desespero, nosso guia no deserto pelo qual caminhamos na vida, nossa
fonte de consolo em momentos de desespero, nossa segurança da eternidade da alma do homem.
(Message to KIRO Employees, December 16, 1989)
Jesus Cristo é a figura central da nossa fé. O nome oficial da Igreja é A Igreja de Jesus Cristo dos
Santos dos Últimos Dias. Nós O adoramos como Senhor e Salvador. A Bíblia é nossa escritura.
Acreditamos que os profetas do Velho Testamento que previram a vinda do Messias falaram sob
inspiração divina. Regozijamo-nos com os relatos de Mateus, Marcos, Lucas e João, com relação aos
eventos do nascimento, ministério, morte e ressurreição do Filho de Deus, o Primogênito do Pai na
carne. (“Our One Bright Hope,” Ensign, April 1994, p. 2)
Somos cristãos. Nenhuma Igreja no mundo declara um testemunho mais forte da divindade do
Senhor Jesus Cristo como o Filho de Deus e Redentor do mundo do que essa Igreja, que leva Seu
nome, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Seu evangelho é o evangelho que
ensinamos. O espírito de amor que exemplificamos é o espírito no qual nos esforçamos para trabalhar.
(Interview with Suzanne Evans of BBC Radio 4, August 26, 1995)
Alguém é capaz de duvidar da veracidade desse relato? Nenhum evento da história foi mais
seguramente confirmado. Há o testemunho de todos os que viram e tocaram o Senhor ressuscitado e
falaram com Ele. Ele apareceu em dois continentes, em dois hemisférios, e ensinou o povo antes de Sua
ascensão final. Dois volumes sagrados, dois testamentos falam do mais grandioso de todos os
acontecimentos da história humana. Mas são apenas histórias, dizem os céticos. A esses, respondemos
que, além dos relatos, existe o testemunho, dado pelo poder do Espírito Santo, da veracidade e validade
desse extraordinário evento. Através dos séculos, inúmeras pessoas sacrificaram seu conforto, sua
fortuna e a própria vida pela certeza que tinham no coração quanto à realidade do Senhor ressuscitado e
vivo.
E temos o testemunho vibrante do Profeta desta dispensação que, em uma extraordinária
manifestação divina, viu o Pai Todo-Poderoso e o Filho Ressuscitado e ouviu-lhes as vozes. Aquela
visão, mais gloriosa do que é possível descrever, tornou-se o fundamento desta Igreja de Jesus Cristo
dos Santos dos Últimos Dias, com todas as chaves, autoridade e poder nela encontrados, e o confortante
apoio do testemunho de seus membros. (...)
Altaneiro por sobre toda a humanidade está Jesus, o Cristo, o Rei da Glória, o Messias imaculado,
o Senhor Emanuel. Na hora da mais profunda tristeza, buscamos esperança, paz e convicção nas
palavras que o anjo proferiu naquela manhã de Páscoa: “Ele não está aqui, porque já ressuscitou, como
havia dito”. (Mateus 28:6) Buscamos força nas palavras de Paulo: “Assim como todos morrem em
Adão, assim também todos [são] vivificados em Cristo” (I Coríntios 15:22).

Assombro me causa o amor que me dá Jesus


Confuso estou pela graça de Sua luz.
E tremo ao pensar que por mim Sua vida deu;
Por mim, tão humilde, Seu sangue Jesus verteu.
Que assombroso é; Oh! Ele me amou
E assim me resgatou
Que assombroso é! Assombroso, sim!

(Hinos, nº 112)

Ele é nosso Rei, Senhor e Mestre, o Cristo vivo que está à mão direita de Seu Pai. Ele vive! Ele
vive, resplendente e maravilhoso, o Filho vivo do Deus vivo. (“This Glorious Easter Morn,” Ensign,
May 1996, p. 67)
Somos algumas vezes acusados de não sermos cristãos. É claro que somos cristãos. Somos cristãos
no melhor sentido da palavra. Acreditamos em Cristo. Ensinamos sobre Cristo. Buscamos Cristo. Ele é
nosso Redentor, nosso Senhor e nosso Salvador. (Berlin Germany Regional Conference, June 16, 1996)
Há sessenta e dois anos eu era missionário em Londres e assisti a uma reunião dos missionários
ingleses, uma reunião de zona, como poderia ser chamada. Joseph J. Cannon era o presidente e ele
disse aos missionários: “Qual é a coisa mais importante que podemos fazer pelas pessoas das Ilhas
Britâncias?” Éramos somente uma missão naquela época. Um deles levantou a mão e disse: “Dizer-lhes
que os céus estão abertos novamente”. “Sim”, ele disse. Um outro falou: “Temos um profeta na Terra”.
“Sim”. Um outro disse: “Temos o Livro de Mórmon”, etc., etc. Quando todos eles haviam dado suas
respostas, ele disse: “De acordo com o meu julgamento, a maior coisa que podemos fazer é levar ao
povo da Grã-Bretanha o conhecimento de Jesus, o Filho de Deus, o Salvador e Redentor do mundo”.
Quanto mais vivo, mais chego a esta conclusão: a maior coisa que podemos fazer é levar aos
homens e mulheres de todos os lugares, primeiro à nós mesmos e depois àqueles a quem ensinamos,
um testemunho vivo, um testemunho vibrante da realidade de Jesus como o Filho de Deus, o Redentor
da humanidade. (Mission Presidents Seminar, June 23, 1996)
Temos em nosso coração uma firme e inabalável convicção da divina missão do Senhor Jesus
Cristo. Ele foi o grande Jeová do Velho Testamento, o Criador que, sob a direção de Seu Pai, fez todas
as coisas e sem Ele nada do que foi feito se fez. (Ver João 1:3) Ele foi o Messias prometido, que trouxe
a cura em Suas asas. Ele foi o operador de milagres, o grande purificador, a ressurreição e a vida. Ele é
o único nome sob os céus por meio do qual podemos ser salvos. (...)
Celebramos Seu nascimento. Mas sem Sua morte aquele nascimento teria sido apenas um
nascimento a mais. Foi a redenção que Ele operou no Jardim de Getsêmani e na cruz do Calvário que
fez sua dádiva imortal, universal e duradoura. Foi dele o grande sacrifício expiatório pelos pecados de
toda a humanidade. Ele foi a ressurreição e a vida, as primícias dos que dormem. Por causa Dele todos
os homens irão ressuscitar.
Mas além disso Ele nos ensinou o caminho, a verdade e a vida. Ele restaurou as chaves por meio
das quais poderemos herdar a vida eterna e a imortalidade.
Nós o amamos. Nós o honramos. Nós lhe agradecemos. Nós o adoramos. Ele fez por cada um de
nós e por toda a humanidade aquilo que nenhum de nós poderia ter feito. Deus seja louvado pela dádiva
de Seu Amado Filho, nosso Salvador, o Redentor do mundo, o Cordeiro sem manchas que foi oferecido
como sacrifício por toda a humanidade. (“Christmas,” First Presidency Christmas Devotional, Salt Lake
Tabernacle, December 8, 1996)

A Condescendência de Cristo
Ocasionalmente em tempos de meditação reflito na pergunta feita pelo anjo na visão dada a Néfi:
“Conheces tu a condescendência de Deus?” (1 Néfi 11:16). Condescender é uma palavra interessante.
Ela significa descer a um nível abaixo do seu e deixar de lado os privilégios inerentes à sua posição. Ele
foi o próprio Filho de Deus, o filho do Todo-Poderoso, o criador da Terra sob a direção de Seu pai
divino. João diz que “sem Ele nada do que foi feito se fez”. (João 1:3)
Mas Ele por Sua própria vontade e de pleno conhecimento, como o principal participante no
eterno plano de Deus, deixou de lado cada privilégio inerente à Sua descendência divina e veio à Terra
nas mais humildes circunstâncias. Ele nasceu entre um povo subjugado, num estado vassalo, numa
sociedade onde havia muito conflito, amargura e ódio.
Ele foi batizado por João no Jordão, embora Sua vida fosse sem pecado. Ele foi um exemplo para
todos nós, dizendo: “porque assim nos convém cumprir toda a justiça”. (Mateus 3:15)
A Néfi foi mostrada em visão a trajetória da vida do Salvador. Ele escreveu: “E vi que ele saía
ministrando entre o povo, em poder e grande glória; e as multidões reuniam-se para ouvi-lo; e (...) o
expulsavam do meio delas”. (l Néfi 11:28)
E vi multidões de pessoas doentes e afligidas com toda espécie de moléstias e com demônios e
espíritos imundos; e o anjo falou e mostrou-me todas essas coisas. E foram curadas pelo poder do
Cordeiro de Deus e os demônios e espíritos imundos foram expulsos.
(...) E olhei e vi o cordeiro de Deus ser levado pelo povo; sim, o Filho do Deus Eterno foi julgado
pelo mundo; e vi e testifico. (...) que ele foi levantado na cruz e morto pelos pecados do mundo”. (1
Néfi 11:31–33)
Quão grato sou, quão grato todos devemos ser, por Ele ter-se mostrado condescendente ao vir à
Terra e dar Sua vida na cruz do Calvário por cada um de nós. Não há nada que possamos fazer para
recompensá-Lo completamente pelo que Ele fez por nós, mas podemos fazer um grande esforço nesse
sentido, seguindo Seus mandamentos divinos. (“He Who Redeemed Us,” First Presidency Christmas
Devotional, Salt Lake Tabernacle, December 3, 1995)
Acredite em Seu Filho Divino, Seu primogênito, Seu Unigênito na carne, Jesus o Cristo, que
condescendeu em deixar Seu Pai nas alturas para nascer numa manjedoura sob as mais humildes
circunstâncias entre um povo num estado vassalo. Caminhou as estradas empoeiradas da Palestina
praticando o bem, curando os enfermos, abençoando, ensinando, enaltecendo, dando forças, esperança
e fé àqueles que o ouviam. Então, no maior ato da história humana, Ele permitiu que Sua carne trêmula
fosse pregada na cruz e erguida num ato de expiação por cada um de nós. Não podemos compreender
todo o seu significado, mas é incrivelmente maravilhoso. (...) Graças damos a Deus pela dádiva de Seu
Filho e graças damos ao Senhor Jesus Cristo pela dádiva de Sua vida, que torna possível para cada um
de nós as bênçãos da vida eterna. Nada, nada tem um significado maior em toda a história do mundo do
que o sacrifício expiatório do Filho de Deus. Ele era o Filho de Deus. (Smithfield/Logan Utah Regional
Conference, April 21, 1996)
Penso na majestade do Filho de Deus, a imensa, calma, maravilhosa majestade do Redentor do
mundo, Jesus de Nazaré. Ele nasceu em uma manjedoura em Belém da Judéia, o qual, de acordo com a
visão de Néfi como registrada no décimo primeiro capítulo de Primeiro Néfi, foi o Primogênito do Pai.
Ele que foi escolhido, que estava ao lado do Pai, Ele que foi Jeová, o Criador do mundo, concordou em
nascer na vida mortal numa manjedoura sob as mais humildes circunstâncias nesse lugar de tanta
amargura e ódio. Não imagino em que lugar Ele poderia ter nascido que representasse uma
condescendência maior da parte de Deus. Ele concordou em deixar as cortes Celestiais nas alturas para
vir ao mundo, ser criado como um menino, caminhar pelas estradas empoeiradas dessa Terra, conhecer
as tentações de Satanás, ser batizado nas águas do Jordão para cumprir toda a justiça, para se tornar
Mestre dos mestres. (...)
Tenho ponderado muito sobre a extensão da visão de Néfi na qual ele fala da condescendência de
Deus. Ela tem estado em minha mente durante todo o tempo em que estou aqui [em Israel]. Da
majestade celestial para o pó, como aconteceu, e então a infâmia, o ódio, o sofrimento na cruz do
Monte do Calvário. Essa é a história do Filho de Deus, que deu Sua vida por cada um de nós. (Israel
District Fireside, June 21, 1996)

Um Testemunho de Jesus Cristo


Sei que Deus vive e que Ele, nosso Pai nos céus, é o governante do universo; que Jesus Cristo, Seu
Filho Unigênito na carne, nasceu em Belém da Judéia como o Messias prometido; que Ele foi o
Homem dos milagres, o único Homem perfeito que viveu sobre a Terra; que Ele foi crucificado e deu a
vida em sacrifício pelos pecados de todos os homens; que por intermédio desse grande ato expiatório,
Ele Se tornou o Redentor de toda a humanidade; que Ele levantou da tumba no terceiro dia, e foi feito
“as primícias dos que dormem” (1 Coríntios 15:20); que Ele foi visto por muitos em Jerusalém, em seus
arredores, e neste hemisfério também, muitos que testificaram ter visto, sentido e terem sido instruídos
pelo Senhor ressurreto. Pelo poder do Espírito Santo, que nos testificou, podemos testificar, e assim o
fazemos, dessas grandes verdades transcendentais. (“What This Work Is All About,” Ensign,
November 1982, p. 7)
Estabeleçamos o hábito de ler aquilo que fortalece nossa fé no Senhor Jesus Cristo, o Salvador do
mundo. Ele é a figura central da nossa teologia e de nossa fé. Todo santo dos últimos dias tem a
responsabilidade de saber por si mesmo, sem sombra de dúvidas, que Jesus é o Filho vivo do Deus
vivo. Os irmãos do Conselho dos Doze recomendam que leiamos um capítulo por dia dos evangelhos:
Mateus, Marcos, Lucas e João na Bíblia; e Terceiro Néfi no Livro de Mórmon, particularmente
começando com o capítulo onze de Terceiro Néfi, onde se encontra o relato da visita de Cristo aos
nefitas neste hemisfério. Gostaria de endossar este programa, recomendar-lhes e solicitar-lhes que o
sigam. (“Fear Not to Do Good,” Ensign, May 1983, p. 80)
Aqui reunidos nesta grande conferência geral de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos
Dias testificamos a todo o mundo que Jesus é o Cristo, o filho vivo do Deus vivo; que Ele veio a Terra
no meridiano dos tempos, como progênie da Deidade; que trilhou os caminhos da Palestina, declarando
as verdades do evangelho eterno, curando os enfermos, ressuscitando os mortos, dando visão aos cegos
e trazendo a transcendental mensagem messiânica de esperança a todos que quisessem ouvir; que foi
preso por homens malvados, condenado e crucificado no Calvário; que ressuscitou no terceiro dia, com
as primícias dos que dormem, o conquistador da morte, senhor da vida eterna; que “assim como todos
morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo” (1 Coríntios 15:22); que Ele e Seu
Pai, o grande Eloim, apareceram ao jovem Joseph Smith na primavera de 1820, dando início à
dispensação da plenitude dos tempos; que Ele está à testa desta igreja que leva seu nome; que em
cumprimento da profecia de Isaías, o governo do reino de Deus está sobre Seus ombros, e Seu nome é:
“Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”. (Isaías 9:6) (“Special
Witnesses for Christ,” Ensign, May 1984, p. 49)
Sei que não sou o cabeça desta Igreja. O Senhor Jesus Cristo é quem a lidera. Ele é o cabeça vivo.
Minha missão, minha responsabilidade principal, minha maior honra é prestar testemunho solene da
realidade da Sua existência. Jesus Cristo é o Filho de Deus, que concordou em vir a este mundo de
sofrimentos, de luta e dor, para converter o coração dos homens para o bem, ensiná-los o caminho da
vida eterna, e dar a Si mesmo como sacrifício pelos pecados de toda a humanidade. Ele é “Rei dos Reis
e Senhor dos Senhores, e Ele reinará para todo o sempre e sempre”. (O Messias de Handel) Quão
diferente, quão vazia nossa vida seria sem Ele! Por causa Dele, o nosso amor, estima e respeito pelo
próximo é muito mais verdadeiro e profundo. Nossa oportunidade de exaltação tornou-se possível por
intermédio do Seu amor redentor. Presto solene testemunho de que Ele vive e está à direita de Seu Pai.
(“He Who Redeemed Us,” First Presidency Christmas Devotional, Salt Lake Tabernacle, December 3,
1995)
JOGOS DE AZAR
Pelo que me consta, uns vinte e dois estados dos Estados Unidos têm atualmente uma loteria
estadual. O Congresso tem recebido propostas para instituir a loteria federal.
Não pode haver dúvidas quanto às implicações morais dessa prática. A loteria é um jogo de azar, a
despeito dos propósitos altissonantes que possam emprestar-lhe. Recentemente, a febre lotérica atingiu
o auge, quando o Estado de Nova York anunciou que os três bilhetes vencedores dividiriam 41 milhões
de dólares. Formaram-se filas imensas para a compra de bilhetes. Um dos bilhetes premiados pertencia
a 21 operários, 778 pessoas ganharam em segundo lugar, e 113 mil receberam prêmios simbólicos. Isso
pode parecer muito bom.
Todavia, houve também 35.998.956 de perdedores que gastaram dinheiro na esperança de ganhar.
O caso das loterias é uma questão moral. Que atualmente o governo promova o que antes
considerava contrário à lei é um triste reflexo da deteriorização da moral pública e política do país!
O Presidente Brigham Young condenava os jogos de azar. O Presidente Lorenzo Snow
pronunciou-se contra. O Presidente Joseph F. Smith era categoricamente contrário; e, em 1925, o
Presidente Heber J. Grant e seus conselheiros diziam: “A Igreja sempre se opôs e continua
inalteravelmente contrária a qualquer espécie de jogos de azar”. (Improvement Era, September 1926, p.
1100)
A loteria é defendida como meio de aliviar a carga tributária. Isso pode ser uma questão política.
Mas não importa que nome tenha, imposto continua sendo imposto, exceto que, nesse caso, o fardo
geralmente recai sobre os pobres que menos condições têm de pagá-lo. Como dizia recentemente o
editorial do USA Today: “As loterias não são inofensivas; a grande maioria dos jogadores sempre
perde. O jogo tira pão e dinheiro do pobre. E é mais uma tentação para o jogador compulsivo que com
o vício arruina sua carreira e a família”. (USA Today, 26 Aug. 1985) Nesse contexto, torna-se uma
questão moral. (“Questions and Answers,” Ensign, November 1985, p. 52)
JOSEPH SMITH
Ver Profetas dos Últimos Dias: Joseph Smith
JOVENS
Suas chances para um casamento feliz e duradouro serão muito maiores se você namorar membros
ativos e fiéis na Igreja. Tal namoro é mais provável de levar ao casamento na Casa do Senhor. (“Four
B’s for Boys,” Ensign, November 1981, p. 41)
Vocês têm uma descendência nobre. Talvez agora não compreendam bem o que isso significa.
Antes de vocês, existiram grandes homens e mulheres que fizeram coisas maravilhosas e corajosas.
Eles tomaram decisões nada fáceis, alguns deles até mesmo dando a vida para não traírem a verdade
que abraçaram. (“Four B’s for Boys,” Ensign, November 1981, p. 41)
Nunca esqueçam que vocês foram escolhidos e trazidos à Terra como filhos de Deus para realizar
algo de importante em Seu grande plano. Ele espera coisas maravilhosas de vocês. Ele espera que vocês
mantenham a vida limpa dos pecados do mundo. Vocês são o meio por intermédio do qual as
qualidades de seus antepassados passarão à sua posteridade futura. Já viram uma corrente com um elo
fraco? Não se transformem nesse elo fraco. (Youth Fireside Satellite Broadcast, December 5, 1982)
Esses jovens são inteligentes, talentosos e atraentes. Observando-os, não se pode duvidar do futuro
desta obra. Eles fazem parte de uma geração maravilhosa cujo número aumenta constantemente e cuja
fé é contagiante. (...)
São, certamente, a promessa do futuro da Igreja, da força de seu crescimento e do futuro de sua
missão. Além disso, serão uma bênção para o país e povo ao qual pertencem, pois são todos jovens que
ambicionam instruirem-se. Acreditam no cultivo do intelecto, no desenvolvimento de suas habilidades,
na necessidade de dominar novas tecnologias, de servir no mundo de trabalho do qual farão parte. (...)
São rapazes e moças de fé que têm conhecimento das escrituras. (...) Estão familiarizados com a
palavra de Deus recebida por revelação moderna. São estudantes que estão adquirindo tanto a educação
formal como a religiosa, aprendendo pelo estudo e também pela fé. São exemplos de poder do primeiro
grande princípio: fé no Senhor Jesus Cristo. (“God Grant Us Faith,” Ensign, November 1983, p. 52)
Não nos preocupemos com excursões extravagantes que podem não ser possíveis. Elas podem
proporcionar excelente divertimento, e os jovens, como todos concordamos, precisam divertir-se sob a
direção dos líderes e professores da Igreja. Mas esses líderes e professores, rapazes e moças, são
pessoas criativas que com fé e oração podem programar atividades que não sejam dispendiosas e que
proporcionem imensos dividendos em termos de recreação sadia e atividades que edificarão a fé.
Talvez devêssemos estar menos preocupados com divertimento e mais com a fé. (Belle S. Spafford
Conference on Women, February 23, 1990)
Tenho um grande senso de gratidão e otimismo para com a juventude da Igreja. Ao dizer isso, não
desejo sugerir que tudo esteja bem com todos eles. Existem muitos que têm problemas e muitos que
vivem muito abaixo das grandes expectativas que temos com relação a eles.
Mas mesmo considerando isso, tenho grande confiança em nossos jovens como um todo. Eu os
considero como a melhor geração da história da Igreja. Eu os cumprimento e tenho em meu coração um
grande amor, respeito e apreciação por vocês. (“This Favored Season,” New Era, September 1993, p. 4)
Estamos particularmente orgulhosos de nossa juventude. Acho que nunca tivemos uma geração
mais forte de rapazes e moças do que a que temos hoje. A maior parte deles são fiéis à fé de seus
antepassados. Cercados por forças que os fariam cair e enormes pressões que os conduziriam para
longe das virtudes comprovadas pelo tempo, eles seguem em frente com vidas construtivas, nutrindo-se
intelectual e espiritualmente. Não tememos nem duvidamos do futuro dessa obra. (Press Conference,
Salt Lake City, Utah, March 13, 1995)
Tragam mais espiritualidade para a vida de nossos jovens. (...) Existem coisas mais importantes
para o Sacerdócio Aarônico do que sociabilidade, ainda que ela seja essencial. Cultivem no coração de
cada rapaz o significado de seu relacionamento para com o Senhor, ao familiarizarem-se com o
Salvador do mundo pelo conhecimento de alguns elementos do Sacrifício Expiatório do Redentor, o
que fez com que a vida eterna fosse possível para cada um de nós. (Heber City/Springville Utah
Regional Conference, priesthood leadership session, May 13, 1995)
Recordo-me de minha própria juventude. Nem os rapazes nem as moças liam tanto as escrituras
naquele tempo. Que maravilhosa mudança se operou! Surge uma nova geração, familiarizada com a
palavra do Senhor. Ao crescer em um ambiente mundano, carregado de imoralidade e imundície de
todos os tipos, nossos jovens, em sua maioria, estão enfrentando o desafio de viverem no mundo sem
participar de seus males. (...) É maravilhoso sentir a vibração desta geração de jovens. Obviamente, há
alguns que não se encaixam. Isso acontece desde a guerra nos céus descrita por João, o Revelador. O
ponto em questão era o livre-arbítrio, como ainda o é hoje. Naquele momento, bem como agora,
tinham-se de fazer escolhas. (...)
A antiga luta continua, a implacável batalha que tem origem no livre-arbítrio. Alguns,
infelizmente, fazem a escolha errada. Muitos, no entanto, escolhem o certo, e entre eles encontram-se
muitos de nossos rapazes e moças. Eles merecem nossa gratidão e necessitam dela. Precisam de nosso
encorajamento. Precisam do tipo de exemplo que podemos tornar-nos diante deles. (“We Have a Work
to Do,” Ensign, May 1995, pp. 87–88)
Acreditem em vocês mesmos, em sua capacidade de fazer o que é bom, valioso e honesto. Vocês,
rapazes e moças, que estão estudando, acreditem em si mesmos. Busquem o Senhor se estiverem
hesitantes. Acreditem em sua capacidade para aprender e façam algo de sua vida. Mantenham-se firmes
e sigam em frente. Interessei-me por algumas palavras que li outro dia e as copiei. Moisés, ao conduzir
os filhos de Israel através do deserto, ouviu dele algumas reclamações. Tenho a impressão de que eles
estavam sempre reclamando. Quarenta anos de reclamação! Moisés clamou ao Senhor porque o povo
também clamava a ele. “Então disse o Senhor a Moisés: Por que clamas a mim? dize aos filhos de
Israel que marchem.” (Êxodo 14:15) Não fiquem por aí reclamando. “Dize aos filhos de Israel que
marchem”. Essa é uma mensagem para nós em nossos dias. Esse é um dia de grande oportunidade para
vocês, jovens, essa época maravilhosa para se estar no mundo. Vocês se erguem acima de todas as
gerações passadas. Vocês estão expostos a todo o aprendizado de todos os que caminharam na Terra.
Esse aprendizado resumido em cursos em que podemos adquirir conhecimento em tempo relativamente
curto, o conhecimento com o qual os homens se debateram até aprenderem através de todos os séculos
passados. Não se menosprezem. Não percam sua grande oportunidade. Agarrem-na, trabalhem com ela
e estudem arduamente. O Senhor deu a vocês, rapazes e moças da Igreja, um mandamento de adquirir
conhecimento secular como também conhecimento espiritual, e isso está definido clara e diretamente
na seção 88 de Doutrina e Convênios. Aproveitem as oportunidades que possuem; mesmo que
envolvam sacrifício, aproveitem-nas. Não sejam descrentes, mas acreditem em sua capacidade como
filho e filha de Deus de aprenderem para que possam prosseguir servindo e contribuindo para a
sociedade da qual farão parte. Olhem para cima e prossigam. (Smithfield/Logan Utah Regional
Conference, April 21, 1996)
Gostaria de dizer aos jovens que vivam sua vida de acordo com os princípios do evangelho. Vocês
vivem em uma época onde há muita imundície. Vocês não devem ceder a ela. Vocês precisam erguer-
se acima de tudo isso. Precisam ter forças para dizer não e permanecerem firmes. Prometo-lhes que ao
agirem assim, aqueles que lhes convidariam a seguirem o modo de vida deles, desejarão que eles
também tivessem vivido acima dessas coisas. Sejam limpos. Sejam puros em sua vida. Atentem para a
linguagem que usam. Não tomem o nome do Senhor em vão e não se envolvam em conversas levianas.
E ao darem prosseguimento a sua vida, busquem companheirismo entre os membros da Igreja. Vocês
serão muito mais felizes ao casarem-se na Igreja. Estarão muito mais seguros em seu casamento ao
casarem-se no templo. (Copenhagen Denmark Fireside, June 14, 1996)
Porque muito nos é dado, muito é esperado de nós. Perguntamos aos seus presidentes de estaca
ontem sobre vocês, jovens que estão no segundo grau. Eles disseram que o mundo em que vocês vivem
é muito difícil, um ambiente bastante difícil. Esse é o caso de todas as escolas de segundo grau dos
Estados Unidos. Há linguajar sujo em todos os lugares, vocabulário baixo, drogas, álcool, imoralidade,
e tudo mais. Agradeço-lhes por serem fortes. Agradeço-lhes por serem bons. Agradeço-lhes pela sua
coragem. Agradeço pelos seus esforços em se unirem ao irem para o instituto e seminário, participando
das bênçãos que lá são desfrutadas, não somente com referência aos ensinamentos do evangelho, como
também da sociedade na qual vocês podem conviver. (Eugene Oregon Regional Conference, September
15, 1996)
Algo que me preocupa enormemente é o suicídio entre os adolescentes. De 1950 a 1993 os índices
de homicídio entre os jovens triplicaram e os índices de suicídio quadruplicaram entre crianças abaixo
de quinze anos de idade. É um número alarmante, que nos é revelado pelo Wall Street Journal. Temo
que a estatística esteja correta. O índice de assassinatos nos Estados Unidos é cinco vezes maior que em
outras vinte e cinco nações juntas, enquanto que o índice de suicídios é duas vezes maior. Estamos
tendo muitos suicídios, particularmente dos jovens. Precisamos nos aproximar mais de nossos jovens.
Os 55 por cento de nossos rapazes que saem em missão não estão provavelmente nessa categoria, mas
os outros 45 por cento podem estar. Se pudéssemos aumentar o número dos que saem em missão de 55
por cento para 65 por cento nos próximos poucos anos, estaríamos fazendo algo maravilhoso pela
Igreja e pelo nosso povo. (Jordan Utah South Regional Conference, priesthood leadership session,
March 1, 1997)
Por mais que se repita este conselho, nunca será demais: Fiquem longe das paixões da mocidade.
Fujam das drogas. Elas realmente podem destruí-los. Afastem-se delas como o fariam de uma doença
terrível, pois é isso que elas são. Nunca utilizem um linguajar profano e sujo. Isso pode levá-los à
destruição. Sejam totalmente honestos. A desonestidade corrompe e destrói. Cumpram a Palavra de
Sabedoria. Vocês não devem fumar, não podem fumar. Não podem mascar tabaco. Não podem tomar
bebidas alcóolicas. Vocês possuem o sacerdócio de Deus. Devem elevar-se acima dessas coisas que os
atraem de modo sedutor. Orem sempre. Busquem o Senhor com fé e Ele ouvirá suas orações. Ele os
ama e quer abençoá-los se forem dignos de receberem Suas bênçãos.
Vocês têm grandes desafios à frente. Estão entrando num mundo extremamente competitivo.
Devem procurar educar-se o máximo possível. O Senhor instruiu-nos a respeito da importância dos
estudos. Eles irão qualificá-los para melhores empregos e prepará-los para o grande mundo de
oportunidades que têm pela frente. Se puderem e quiserem entrar em uma faculdade, façam-no.
(“Converts and Young Men,” Ensign, May 1997, pp. 49–50)

Uma Geração Escolhida


Eu poderia continuar com um quadro familiar a todos vocês, mas retorno à grande declaração de
Pedro, fazendo um apelo e lançando um desafio: “Vós sois a geração eleita”. Como isso é verdade! A
despeito de todos os problemas que temos, esta é a melhor época da história do mundo. E vocês, jovens
desta geração, fazem parte dela. Vocês são os beneficiários. Seus frutos estão aqui para abençoar sua
vida se os aproveitarem e viverem dignos deles. (...)
Sem dúvida, queridos jovens, vocês são uma geração eleita. Espero que nunca se esqueçam disso,
que nunca considerem isso uma coisa sem importância. Espero que cresça em seu coração um profundo
sentimento de gratidão a Deus, que lhes possibilitou virem a esta Terra nesta época maravilhosa da
história do mundo. (“‘A Chosen Generation,’” Ensign, May 1992, p. 70)
Amo a juventude da Igreja. Já disse repetidas vezes que penso nunca termos tido geração melhor
do que esta. Quão grato sou por sua integridade, por seu desejo de treinar a mente e as mãos para
fazerem um bom trabalho, por seu amor pela palavra do Senhor e por seu desejo de trilhar os caminhos
da virtude, da verdade e da bondade! (“This Is the Work of the Master,” Ensign, May 1995, p. 70)
Vocês representam uma grandiosa geração na história do mundo e na história da Igreja. Em termos
de Igreja, sinto que vocês fazem parte da mais grandiosa geração que já tivemos. Vocês são mais
instruídos. Vocês participaram do seminário e estão agora participando do programa do Instituto de
Religião. Em uma época em que a maioria dos jovens não ora, vocês oram. Vocês oram por luz e
entendimento. Vocês oram pelos seus estudos e pelo curso de sua vida. Vocês oram pelo casamento,
para que encontrem um bom companheiro e possam ser selados na casa do Senhor sob a autoridade do
santo sacerdócio. Vocês oram por sucesso em seus estudos e em outros interesses que possuam.
Intimamente cada um de vocês deseja fazer a coisa certa. E em muitas ocasiões estão fazendo.
Vocês estão tentando manterem-se livres das manchas corrosivas do mundo. Não é fácil. É um desafio
constante. (...)
[Mas] o futuro nunca pareceu mais promissor. As oportunidades nunca foram maiores. Essa é uma
maravilhosa época na história do trabalho do Senhor. Estamos no palco, você e eu, desse glorioso
período. Temos tanto a fazer, muito mesmo, para levar avante a obra do Senhor em direção ao
maravilhoso futuro que Ele delineou para nós. (...) Ninguém tem uma responsabilidade mais premente
que vocês. Vocês são jovens. Vocês têm energia. Vocês possuem convicções no coração. (...) Desafio-
lhes a permanecerem firmes naquilo que é certo, verdadeiro e bom. A Igreja necessita de cada um de
vocês. Ela precisa de sua força. Precisa de sua energia. Precisa de seu entusiasmo. Precisa de sua
lealdade, devoção e fé. Não importa como vocês agiam no passado, desafio-lhes a enquadrarem sua
vida aos ensinamentos do evangelho, a buscarem essa Igreja com amor, respeito e apreciação como a
fonte de sua fé, a viver sua vida como um exemplo do que o evangelho de Jesus Cristo fará ao trazer
felicidade à vida de uma pessoa. (“True to the Faith,” Salt Lake Valley-Wide Institute Fireside, January
21, 1996)
Foi-me perguntado por um entrevistador o que temos a oferecer ao povo das Filipinas. Temos
felicidade a oferecer ao povo das Filipinas. Iniqüidade nunca foi felicidade. Transgressão nunca foi
felicidade. O pecado nunca foi felicidade. Servir uns aos outros significa ter felicidade. O que Pedro
escreveu com relação a nós desta geração? Ele disse: “Vóis sois a geração eleita, o sacerdócio real, a
nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a
sua maravilhosa luz”. (I Pedro 2:9) “Uma geração eleita”. Essa é a mais grandiosa geração na história
do mundo. Quão maravilhoso é nascer nessa época na história do mundo! Espero que vocês, jovens,
estejam agradecidos por viverem nessa época. E, para cada um de vocês, essa é a época em que o Deus
dos céus cumpriu Sua antiga promessa que Ele introduziria a plenitude do evangelho na Dispensação
da Plenitude dos Tempos. “Uma geração eleita”. Vocês não estão aqui por acaso. Vocês estão aqui sob
os desígnios de Deus. “Uma nação santa”. Não acho que fale de uma nação em particular, as Filipinas,
os Estados Unidos ou qualquer outra, mas sim de uma vasta congregação daqueles que aceitam o
evangelho de Jesus Cristo e tentam viver Seus ensinamentos. (Cebu City Philippines Fireside, May 31,
1996)

Rapazes
Ver também Sacerdócio: Sacerdócio Aarônico; Escotismo
Atualmente, ouve-se falar muito em transgressão sexual entre os adolescentes. Ocorre com
bastante freqüência entre a nossa própria juventude.
Qualquer rapaz que se entregue a uma atividade sexual ilegítima, como a definimos nas doutrinas
e padrões da Igreja, e penso que todos entendem o que quero dizer, causa a si próprio um dano
irreparável e rouba à parceira aquilo que ela jamais poderá recuperar. Não há nada de esperto nesse tipo
de pretensa conquista. Não traz prêmios, vitórias, nem satisfação duradoura. Traz somente vergonha,
pesar e remorso. Quem o faz engana a si próprio e rouba à moça. E ao assim agir, afronta o Pai Celeste
porque ela é uma filha de Deus.
Bem sei que estou usando uma linguagem forte e muito clara. Mas acho que a tendência de nossos
tempos exige linguagem forte e palavras claras. Jeová não falou ambiguamente quando disse: “Não
adulterarás”. (Êxodo 20:14) (“Be Not Deceived,” Ensign, November 1983, pp. 44–45)
Vocês, rapazes, que possuem o sacerdócio, “não [sejam] incrédulo[s], mas crente[s]” no tremendo
poder que vocês possuem. Não é algo pequeno ou sem importância. Não é um dom que pode
simplesmente ser recebido e então colocado na prateleira. É necessário que se viva por ele, que possa
nutri-lo, cuidá-lo, e ampliar a sua influência e poder para o bem. Vocês não podem fazer uma coisa
errada ou degradante sem depreciar a força, o valor e o poder do sacerdócio. Mantenham-se, rapazes e
moças, no mais alto nível de moralidade. Vocês serão gratos se assim procederem. (Ricks College
Regional Conference, Rexburg, Idaho, October 29, 1995)
Moças
Gostaria de dizer algumas palavras a vocês, moças, que passaram da infância e adolescência para a
maturidade dos vinte anos. Para vocês essa é uma época de fortalecimento, que exige disciplina da
mente e do corpo, uma época de preparação. O Senhor disse: “se estiverdes preparados, não temereis”.
(D&C 38:30)
É uma época para se instruir. O mundo que lhes espera está impiedosamente competitivo. Agora é
o tempo para se prepararem para possíveis futuras responsabilidades.
A educação é uma tradição que nos acompanha desde os primórdios de nossa história.
Acreditamos no treinamento de nossos jovens, moças e rapazes. Brigham Young disse certa vez:
“Temos irmãs aqui que se tivessem tido o privilégio de estudar seriam tão boas matemáticas ou
contadoras como qualquer homem”. (Journal of Discourses, 13:61)
Vocês têm à sua disposição enormes oportunidades de treinarem a mente e as mãos. Certamente
desejarão casar-se e terem a companhia de um bom marido. Mas nenhum de nós pode prever o futuro.
Preparem-se para qualquer eventualidade. (“Live Up to Your Inheritance,” Ensign, November 1983,
pp. 81–82)
A Igreja está à frente no treinamento das filhas de Sião e em conceder-lhes responsabilidade.
Acreditamos, e fomos constantemente ensinados desde o início da Igreja, que a maior missão da mulher
na vida é um casamento honrável e feliz e a criação de uma família honrável e feliz. Isso significa ser
mãe e educadora de modo real e pessoal, um caminho que exige tanto tempo como energia. Mas não é
incompatível com outras atividades. Há enormes responsabilidades para as mulheres na Igreja, tanto
quanto na comunidade, em total harmonia com o casamento, maternidade e a criação de filhos bons e
capazes.
É importante, então, que as moças da Igreja tenham oportunidade e estejam motivadas a
participarem de programas planejados para aperfeiçoarem suas habilidades, aumentarem sua auto-
estima, ampliarem o conhecimento do evangelho e, como conseqüência, a fé. As gerações são, em
grande parte, forjadas pelas mães que as produzem. Conta-se a história de que certa vez perguntaram a
Brigham Young o que ele faria se tivesse que escolher entre prover educação para seus filhos ou para
suas filhas. Ele respondeu que educaria suas filhas, pois elas se tornariam as mães de seus netos.
(“Youth Is the Season,” New Era, September 1988, p. 47)
As moças dessa geração não somente têm enormes oportunidades, mas também enfrentam
terríveis tentações. Os que negociam a pornografia lançam seus atrativos imundos na direção das moças
e dos rapazes. A exploração sexual tornou-se uma mercadoria vendável, que emprega cada truque
desprezível do anunciante, cada elemento persuasivo e sedutor que possa ser trazido à imaginação. A
popularidade é o canto da sereia. Li, recentemente, que o uso das drogas nos Estados Unidos está
aumentado mais rapidamente entre as moças do que entre os rapazes.
É tão importante que ampliemos nossos esforços para ensinar nossas moças os caminhos da
verdade eterna, para fazer com que a virtude seja atraente e muito importante, (...) para receberem as
incomparáveis bênçãos advindas do casamento no templo e de uma vida familiar sadia. (“Our
Responsibility to Our Young Womem,” Ensign, September 1988, p. 10)
A juventude é a época de estabelecer as diretrizes para a vida. E, no caso de uma moça, sua vida
será imensuravelmente beneficiada se ela aceitar e viver dentro dessas diretrizes. Além do mais, a
posteridade que se seguirá estará mais propensa a ser criada “na doutrina e admoestação do Senhor”
(Efésios 6:4; Enos 1:1) para sua grande bênção e benefício. Quando salvamos uma moça, salvamos
gerações. Ninguém pode predizer as conseqüências da fé na vida de uma jovem.
É importante dar ênfase ao Sacerdócio Aarônico. É importante encorajar o Escotismo. Mas é
também importante que seja feito tudo o que for possível para que as moças da Igreja tenham
oportunidade de crescimento e desenvolvimento, treinamento e atividade que as levarão a ter fé,
testemunho, virtude e a uma vida feliz. (“Our Responsibility to Our Young Women,” Ensign,
September 1988, p. 10)
Gostaria de dizer a vocês, moças, que nunca tenham complexo de inferioridade sobre sua posição
neste mundo em que vivem. Vocês são filhas de Deus, e estou certo de que nosso Pai Celestial ama
Suas filhas tanto quanto Ele ama Seus filhos. Ergam sua cabeça, mantenham-se firmes e caminhem em
retidão, fé, virtude e verdade e nunca deixem que alguém as rebaixe ou despreze. Vocês são filhas de
Deus. Vivam dignas de sua herança divina, minhas amadas jovens. Vocês não são inferiores em sentido
algum. Sob o plano do evangelho, vocês são filhas de Deus. Cada um de nós tem o seu lugar no grande
plano divino e devemos magnificar o chamado, a designação e as boas qualidades que possuímos
dentro de nós. (Ricks College Regional Conference, Rexburg, Idaho, October 29, 1995)
Exorto cada uma de vocês, moças, a obterem toda a instrução que puderem. Vocês precisarão dela
no mundo do qual participarão. A vida está tornando-se extremamente competitiva. Os especialistas
dizem que uma pessoa comum, durante sua carreira profissional, terá no mínimo cinco empregos
diferentes. O mundo está mudando e é muito importante que nos equipemos para acompanhar essa
mudança. Mas há um lado positivo em tudo isso. Nenhuma outra geração em toda a história ofereceu às
mulheres tantas oportunidades. Sua meta mais importante deve ser um casamento feliz, o selamento no
templo do Senhor e a formação de uma boa família. O estudo é importante para a realização desses
ideais. (“Stand True and Faithful,” Ensign, May 1996, p. 92)
Tenho sido questionado a respeito de meus sentimentos com relação às mulheres servirem como
missionárias, seguirem uma carreira, e casarem-se. Façam os três se puderem. Acreditamos na
educação. Esta Igreja encoraja a educação. Há uma incumbência sobre cada membro dessa Igreja, como
mandamento do Senhor, de obterem toda a educação que puderem. Isso é importante. Eduquem as
mãos e a mente para fazerem uma contribuição à sociedade da qual vocês fazem parte. E ao assim
procederem, trarão respeito e honra à Igreja como também abençoarão sua própria vida. O Senhor nos
disse para buscarmos aprender pelo Espírito, pelo estudo e pela fé. Ele nos disse que aprendêssemos
sobre as coisas embaixo da terra, na terra e acima da terra; de reinos, de nações, das coisas pertencentes
ao mundo. Há uma incumbência dada aos santos dos últimos dias, uma opinião do próprio Senhor, de
que devem educar a mente e as mãos.
Naturalmente, também acreditamos no casamento. Desejaria que cada mulher nesta Igreja pudesse
se casar com um rapaz maravilhoso e fiel, que a tratasse com gentileza, que a amasse, apreciasse e
cuidasse dela. Isso não acontece com todas, mas é o ideal. Para as que não tiveram essa chance, repito,
eduquem-se, sejam úteis. Não se preocupem o tempo todo com o casamento. Quanto menos vocês se
preocuparem, mais provável será que ele aconteça. No plano eterno do Senhor, vocês estarão bem.
Com respeito à missão para as moças, deixo claro que vocês não têm a mesma obrigação dos
rapazes desta Igreja. Eles têm a obrigação de saírem para ensinar o evangelho de Jesus Cristo. Se
quiserem ir para a missão aos vinte e um anos, falem com o bispo. A Igreja continuará a amá-las,
respeitá-las e a trabalhar com vocês, não importa se serviram como missionárias ou não. (Jordan Utah
South Regional Conference, March 2, 1997)
JUSTIÇA E MISERICÓRDIA
Ver Misericórdia
LAR
Ver Família; Noite Familiar; Oração Familiar; Pais, Como Ser
LEALDADE
Defenda a lealdade, seus companheiros, seu legado, seu bom nome e a Igreja de que você faz
parte. Que qualidade maravilhosa é a lealdade. Não há substituto para ela. Ela advém de uma força
superior. (...)
Neste mundo, quase sem exceção, necessitamos trabalhar juntos, como equipe. É óbvio para todos
ver os que estão no campo de futebol ou na quadra de basquete trabalharem juntos, com lealdade um
para com o outro, se estiverem dispostos a ganhar. É assim também na vida com cada um de nós.
Trabalhamos em equipe, e deve haver lealdade entre nós.
William Manchester, um jovem fuzileiro naval, lutou na terrível batalha de Okinawa. Ele ficou
muito ferido, mas viveu para retornar e lutar contra o fogo infernal da Linha Shuri, onde milhares de
cada lado pereceram. Anos atrás, como um homem amadurecido, e escritor reconhecido, voltou a
Okinawa e caminhou sobre a cordilheira onde aconteceu a aterrorizante batalha. Ao refletir sobre
aqueles dias cruéis, escreveu:
“Os homens, agora eu sei, não lutam pela bandeira ou país, pelos fuzileiros navais, pela glória ou
por qualquer outra abstração. Eles lutam um pelo outro. Qualquer homem em combate que não tenha
um companheiro que morra por ele, ou por quem ele esteja disposto a dar sua vida, não é um homem.
Ele está verdadeiramente condenado”. (Goodbye Darkness: A Memoir of the Pacific War, p. 391)
Sejam leais para com aqueles com quem lutam nas batalhas da vida. “Uma casa dividida contra si
mesma, não pode subsistir”. (Ver Marcos 3:25) (“Stand Up for Truth,” BYU Devotional Address,
September 17, 1996)
Sejam leais à Igreja. Mantenham-se firmes. Defendam-na. Não falem nada de mal contra ela. É a
obra de Deus. Aquele que a ridiculariza ou difama ofende a Ele a quem a igreja pertence. Ela traz
consigo o sagrado nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. (“Stand Up for Truth,” BYU Devotional
Address, September 17, 1996)
Os pioneiros eram leais. Eram leais uns para com os outros. Eram leais à Igreja. Eram leais à
nação da qual faziam parte e que, de certo modo, os traiu. Cito um artigo recente que foi publicado no
Church News:
“Heber McBride, com 13 anos de idade, viajou para o Vale do Lago Salgado na Companhia
Martin de Carrinhos de Mão em 1856 com seus pais, Robert e Margaret, e quatro irmãos e irmãs.
O incidente seguinte, achado em suas memórias, aconteceu um dia após a companhia ter cruzado o
Rio North Platte, exatamente a oeste do local onde hoje é a cidade de Casper, no Estado do Wyoming.
Naquela noite, ao cruzarmos o Rio Platte pela última vez, estava muito frio. Na manhã seguinte
havia cerca de vinte centímetros de neve no chão. O que sofremos nunca poderá ser descrito. Meu pai
estava muito mal e quase não podia se sentar na barraca. (...) Tentei colocar meu pai em um dos
carroções. Aquela foi a última vez que o vimos com vida. (...)
[Naquela noite] a neve estava ficando muito funda e minha irmã e eu tivemos que armar nossa
barraca e conseguir alguma madeira, mas havia muitos salgueiros secos. Após termos feito com que
mamãe ficasse tão confortável quanto possível, fomos encontrar papai, mas o vento soprava a neve tão
forte que não podíamos ver nada. (...) Não encontramos o papai naquela noite.
Na manhã seguinte a neve estava com cerca de trinta centímetros de profundidade e fazia um frio
terrível. Enquanto minha irmã estava preparando nossa pequeno desjejum, fui procurar o papai, e o
encontrei debaixo do carroção, coberto de neve. Ele estava rijo e morto. Senti como se meu coração
fosse explodir quando me sentei com ele na neve, segurei sua mão na minha e chorei: ‘Ó, Pai, Pai.’
Lá estávamos, longe de tudo, nas planícies, com quase nada para vestir ou comer, papai morto e
mamãe doente; uma viúva com cinco filhos e quase incapaz de viver de um dia para o outro. Após ter
chorado muito, fui até a barraca e contei o ocorrido para minha mãe e as crianças. Está fora de questão
tentar escrever meus sentimentos.
Não fomos a única família a prantear a perda de nosso pai naquela manhã, pois havia treze homens
mortos no acampamento.
Os homens que eram capazes de fazer qualquer coisa, tiraram a neve, fizeram fogo, descongelaram
o chão e cavaram um buraco onde enterraram todos numa só sepultura. Posso afirmar-lhes que os
homens não tinham mais coragem para fazer nada além do que tinham realmente que fazer.” (Memoirs
of Heber McBride, October 1856; Church News, December 28, 1996)
Naquelas terríveis, terríveis circunstâncias eles foram leais uns para com os outros. Quando
estavam doentes eles cuidavam um dos outros. Quando morriam, a companhia toda trabalhava junta
para enterrá-los. (...) A lealdade de um para com o outro e lealdade para com a Igreja marcou suas
ações.
Deus seja louvado pelo grande e nobre exemplo que eles nos deixaram. Meus irmãos e irmãs,
precisamos ser leais. Não podemos ser encontrados pelos cantos censurando, criticando e achando erros
uns nos outros. Precisamos ajudar-nos mutuamente a carregar nossos fardos e partilhar nossas dores.
Devemos regozijar-nos uns com os outros em nossas vitórias. Devemos ser leais para com a Igreja e
contra todos os seus inimigos. (Church Educational System Young Adult Fireside, February 2, 1997)
LIBERDADE
A religião e o seu livre exercício, o direito de adorar a Deus de acordo com a própria consciência,
é uma dádiva preciosa e inestimável. Quão necessário é que seja assegurada! A religião estabelecida
torna-se guardiã da consciência do povo, professora de valores morais, defensora da crença no Todo-
Poderoso, a ponte entre o homem e Deus. Nenhum povo viverá por muito tempo sem ela. A história do
comunismo, em que seu criador declarou ser a religião o narcótico do povo, fala com aspereza e dor ao
se referir a esse assunto básico.
O Congresso não deve privar “a liberdade de expressão ou da imprensa; ou o direito das pessoas
de se congregarem pacificamente, e de solicitar ao governo indenizações por ofensas”.
A história de tiranos é uma história de opressão da livre expressão e negação do direito de reunião.
(“The Bill of Rights,” Bonneville International Corporation “Gathering of Eagles,” June 20, 1991)
Meus antepassados saíram da Inglaterra nos primórdios, dois deles no Mayflower, outro em 1635,
cujo filho tornou-se governador da Colônia de Plymouth. Outros lutaram na Guerra da Independência,
que fez dos Estados Unidos uma nação independente, mas ainda unida em irmandade com uma língua,
uma cultura e um sistema de justiça em comum, um respeito solene pela dignidade do homem e acima
de tudo pela liberdade humana que é mais preciosa que a própria vida. (Convocation for Honorary
Degrees, BYU, March 5, 1996)
Fomos essa manhã, após termos chegado aqui, ao cemitério internacional. É um bonito lugar.
Todos vocês estão familiarizados com ele. Já estive lá antes. Ele fala do preço que foi pago pela
liberdade de que usufruímos nessa boa terra. Quão gratos devemos ser àqueles que deram sua vida pela
liberdade que desfrutamos! (Pusan Korea Fireside, May 21, 1996)
Meu irmão mais velho foi enterrado num cemitério militar na França. Quando estava em frente à
cruz que marca o seu túmulo, agradeci ao Deus dos céus a causa pela qual ele morreu, pelos grandes e
eternos conceitos da dignidade humana, pela preciosa dádiva da liberdade, pela liberdade de adorar, de
falar, de se reunir, os quais, acredito, são dons de uma generosa providência divina, codificada na
linguagem de nossa constituição nacional. (“Preserving Our Trust in God,” American Legion Patriotic
Religious Service, September 1, 1996)
LIDERANÇA
Como sabem, sirvo na Presidência desde 1981, um período de quase 14 anos agora. Servi como
conselheiro de três grandes Presidentes. Tenho sido exposto aos deveres e responsabilidades da
Presidência e por um bom tempo estive quase sozinho. Mas aprendi nestes últimos dias que se pode
carregar a responsabilidade da Presidência sem experimentar toda a extensão da responsabilidade de se
ocupar o cargo de Presidente.
Tenho recebido muitas manifestações de amizade, irmandade e apoio, e descobri, até mesmo para
minha surpresa, que com tudo isso há uma interessante solidão que acompanha este cargo. Isso pode
parecer estranho. É estranho, mas é real. A pessoa sente-se compelida a ajoelhar e suplicar ao Senhor
por direcionamento e orientação, por força e capacidade. (General Authority Training Meeting, March
28, 1995)
Eu gosto muito dessas grandiosas palavras de Alma, quando ele fala sobre as coisas do Espírito e
diz: “Eis que vos digo que elas me foram mostradas pelo Santo Espírito de Deus. Eis que jejuei e orei
durante muitos dias, a fim de saber estas coisas por mim mesmo. E agora sei por mim mesmo que são
verdadeiras, porque o Senhor Deus mas revelou por seu Santo Espírito; e este é o espírito de revelação
que está em mim”. (Alma 5:46) Peça ao Senhor para guiá-los pela Sua mansa voz nas coisas que devem
fazer como líderes nessa Igreja. Vocês têm uma grande responsabilidade pelo bem-estar, até mesmo
pela salvação de outros. Vocês são muito importantes nesta Igreja. O tipo de ajuda que realmente
precisam não virá de um manual, embora precisem conhecer o manual; mas a melhor ajuda será obtida
por intermédio de uma comunhão particular e ponderada com o Senhor. Todos necessitamos silenciosa
e calmamente refletir sobre as coisas de Deus. (Smithfield/Logan Utah Regional Conference,
priesthood leadership session, April 20, 1996)
Não sei se vocês são açougueiros, padeiros, professores universitários, médicos, advogados,
pedreiros, ou qualquer outra coisa, mas vocês são membros da Igreja. Todos nós somos. Não nascemos
membros, ou seja, não herdamos o privilégio de sermos membros. Somos treinados, polidos, refinados
e abençoados ao servirmos nas grandes posições para as quais fomos chamados. Gostaria de lembrar-
lhes que não há responsabilidade que seja pequena ou insignificante na obra do Senhor.
Liderança. Há alguns anos atrás copiei as palavras seguintes, proferidas pelo General Mark W.
Clark: “Todas as nações buscam-na constantemente porque ela é a chave para a grandeza, algumas
vezes para a sobrevivência (...) a elétrica e indefinível qualidade conhecida como liderança. Onde se
inicia a delinqüência juvenil? Em famílias sem líderes. Onde as favelas se espalham? Em cidades sem
líderes. Quais exércitos recuam? Quais partidos políticos fracassam? Os que são mau liderados. Ao
contrário do que diz o velho ditado que os líderes já nascem feitos, a arte de liderar pode ser ensinada e
aprendida”. (General Mark W. Clark, quoted in Thomas Jefferson Research Center Bulletin, No.23,
December 1967)
Se alguém duvida dessas palavras, basta olhar pela Igreja para ver onde o açougueiro, o padeiro e
o vidraceiro são ensinados a se tornarem homens de grande liderança na Igreja. Tenho grande respeito e
reverencio o trabalho dos bispos dessa Igreja e o que eles fazem. E o fazem na ala (...) onde o bispo, por
intermédio da autoridade do seu chamado, entra em contato com a vida das pessoas. Ao observar a
devoção, sabedoria, inspiração e consagração dos bispos, agradeço ao Senhor por esses homens
maravilhosos, milhares e milhares atualmente, e eles são os mesmos em Pittsburgh como em Salt Lake
City; e são os mesmos em Salt Lake City como em Tokio; são os mesmos em Seul, na Coréia; em
Estocolmo, na Suécia; Manchester, na Inglaterra; Cidade do México, Veracruz, Caracas, Venezuela ou
Guayaquil, no Equador. Em qualquer lugar que se vá, quando os homens aceitam o chamado, o Senhor
magnifica o homem. E o mesmo ocorre com os outros chamados nessa Igreja. (Pittsburgh Pennsylvania
Regional Conference, April 27, 1996)
Copiei essas palavras de Peter Drucker, muito tempo atrás, mas nunca encontrei nada melhor.
“Habilidade executiva”, diz ele, “parece ter pouca correlação com inteligência, imaginação ou
intelectualidade”. Isso é um grande conforto para mim e espero que seja também para vocês. “O bom
executivo”, ele diz, “(1) tira bom proveito do tempo, (2) tem a visão voltada para as novas descobertas,
(3) confia na força de seus colegas, (4) aniquila os problemas e nutre as oportunidades”.
É tão fácil nutrir os problemas e aniquilar as oportunidades. Passo uma boa parte do dia lidando
com problemas; na verdade, parece-me que cada carta e cada pessoa que recebo têm um problema.
Temos muitos problemas nessa Igreja, muitos mesmo. Alguns deles são as próprias pessoas, e muitos
delas estão à nossa volta causando problemas, fazendo o que não deveriam. E então, alguém escreve
uma carta para a Primeira Presidência. Deveríamos ser capazes de estar acima dos problemas. Nós os
temos. É óbvio que os temos, mas é importante superarmos os problemas e termos uma visão geral da
Igreja e do reino de Deus restaurado na Terra na dispensação da plenitude dos tempos, e sairmos pelo
mundo mudando a vida de homens e mulheres. (Pittsburgh Pennsylvania Regional Conference, April
27, 1996)
Recentemente reli uma declaração feita no campus [da BYU], anos atrás, por Charles H. Malik, na
época Secretário Geral das Nações Unidas. Ele disse:
“Respeito todos os homens, e é por não desrespeitar nenhum que digo que não há grandes líderes
no mundo atual. Na verdade, excelência é motivo de zombaria. Atualmente, vocês não deveriam se
destacar, deveriam se misturar com o rebanho, não deveriam sobressair no meio da multidão, deveriam
simplesmente ser um dos muitos.
Está faltando voz de comando. A voz que fala pouco, mas que quando fala, fala com uma
autoridade moral irresistível, esse tipo de voz não é compatível com essa época. A nossa época achata e
rebaixa cada distinção em insípida homogeneidade. O respeito pelo nobre, pelo grande e raro, pelo
espécime que aparece a cada cem ou a cada mil anos não mais existe. O próprio respeito acabou! Se
você perguntar quem e o quê as pessoas respeitam, a resposta é literalmente nada e ninguém. Essa é
simplesmente uma época de desrespeito; é uma época de absoluta mediocridade. Tornar-se um líder
hoje, ainda que um líder medíocre, é um processo difícil. Você está sendo constantemente, de todos os
modos e por todos os lados, rebaixado. Pergunta-se quem entre aqueles que vivem hoje serão
lembrados daqui a mil anos, do mesmo modo que lembramos com profundo respeito Platão,
Aristóteles, Cristo, Paulo, Santo Agostinho e Tomás de Aquino”.
Ele conclui: “Se vocês acreditam em oração, meus amigos, e eu sei que sim, então orem a Deus
para enviar grandes líderes, especialmente grandes líderes espirituais”. (BYU Studies, Vol. 16, No. 4, p.
543)
É em harmonia com esse profundo e sóbrio relato que eu gostaria de lhes dirigir algumas palavras
hoje. Vocês são bons. Mas não é suficiente ser bom. Vocês devem ser bons para alguma coisa. Vocês
necessitam dar uma boa contribuição para o mundo. O mundo deve ser um lugar melhor devido a sua
presença nele, e o bem que há em você deve estender-se aos outros.
Suponho que nenhum de nós que estamos presentes aqui hoje seremos lembrado daqui a mil anos.
Imagino que não seremos lembrados nem mesmo daqui a um século.
Mas neste mundo tão repleto de problemas, constantemente ameaçado por obstáculos sombrios e
malígnos, vocês podem e devem erguer-se acima da mediocridade, acima da indiferença. Podem
envolver-se e, com voz firme, defender o que é certo. (“Stand Up for Truth,” BYU Devotional Address,
September 17, 1996)
Os jornalistas perguntam-me qual é o maior problema que a Igreja enfrenta hoje em dia. Digo que
é o crescimento. Esse é o nosso maior problema, e se você quer ter um problema, esse é maravilhoso.
O crescimento abrange duas grandes responsabilidades: (1) o treinamento da liderança; e (2) a
construção de casas de adoração em que as pessoas possam se reunir.
Não importa a formação daqueles que entram para a Igreja. Devemos ter líderes onde quer que
estejam. Precisamos buscar o que temos e treiná-los. Alguns deles não são bem instruídos. Eles podem
não parecer muito espertos, mas com humildade, oração e com a ajuda do Senhor, eles podem ser bem
sucedidos. Recomendo-lhes a receita de Peter Drucker:
O bom executivo tira bom proveito do tempo. O tempo é realmente tudo o que temos. E cada
indivíduo tem uma porção igual dele. O truque é obter mais daquilo que está à nossa disposição. Um
homem que sabe controlar seu tempo já ganhou metade da batalha. (...)
Dois, ele tem a visão voltada para as novas descobertas. Cada líder deve estar atualizado. Ele tem
de ler. Ele tem de estudar. Na Igreja ele deve conhecer as escrituras e o manual. Ele tem de ler os
boletins. Deve manter seus olhos voltados para os novos acontecimentos. Se assim ele não o fizer logo
verá que está ficando para trás e o trabalho sofrerá as conseqüências.
Três, ele se apóia na capacidade de seus colegas. Nenhum homem pode fazer tudo sozinho. Cada
executivo, cada gerente, cada líder deve ter à sua volta um corpo de colegas confiáveis. Se eles fazem o
que devem fazer, eles o farão bem sucedido e serão também bem sucedidos junto com ele. Ele irá
desenvolver uma excelente equipe cujas realizações serão notáveis. É assim que acontece na Igreja.
Cada bispo, cada presidente de ramo pelo mundo tem dois conselheiros. Eles são seus assistentes,
aqueles que o apóiam, os Josués que sustentam suas mãos erguidas durante a violenta batalha. Todos
vocês estão familiarizados , é claro, com a organização da Igreja. Estão envolvidos nela. Em cada ala
abaixo do nível do bispado há pelo menos um grupo de pessoas, homens e mulheres, muito capazes,
devotados e fiéis. As pessoas de outra religião perguntam como fazemos, pois não temos um ministro
pago. A resposta é simples. Dividimos o peso da responsabilidade.
Quando fui chamado pela primeira vez como presidente de estaca, tínhamos dois projetos grandes
e preocupantes. O primeiro era construir uma sede de estaca. Naquela época, nós mesmos
arrecadávamos 50 por cento do dinheiro e cuidávamos de arranjar o empreiteiro, os serviços de
arquitetura e outras coisas. O segundo projeto preocupante era uma grande fazenda do programa de
bem-estar.
Disse ao meu primeiro conselheiro, que era construtor: “Você tomará conta do novo prédio. Essa
será a sua responsabilidade. Eu virei, pregarei alguns pregos e farei o que puder, mas a construção da
sede da estaca será sua responsabilidade”. Ele fez exatamente o que pedi e fez muito melhor do que eu
seria capaz de fazê-lo. Aquela capela de estaca ainda é uma das melhores da Igreja.
Ao segundo eu disse: “A fazenda da estaca é sua responsabilidade. Se alguém me ligar no meio da
noite e disser que nossas vacas estão no milharal do vizinho, eu simplesmente pedirei à pessoa que
entre em contato com você e voltarei a dormir”.
Funcionava desse modo. Esses dois homens fizeram o trabalho e o crédito foi dado a mim. Acho
que isso é bom gerenciamento.
O bom executivo confia na capacidade de seus colegas.
Quarto, ele aniquila os problemas e nutre as oportunidades. Esse é um grande conceito.
Ontem estive em reuniões durante todo o dia. Iniciei às 7h30 da manhã e terminei bem no final da
tarde. Lidamos com um problema aflitivo após outro. Disse a mim mesmo: “Como você consegue?
Lidar com freqüência com problemas dessa natureza irá acabar com você”.
Então pensei nas palavras de Peter Drucker. Disse a mim mesmo: “Trate seus problemas o mais
sabiamente que puder. Tome suas decisões. Você pode estar certo ou errado. Espera-se que você esteja
certo, pois já orou honestamente sobre o assunto e já o discutiu com seus companheiros. Mas uma vez
tomada as decisões, deixe-as para trás e não se preocupe mais com elas. Dê uma volta por cima, erga-
se, e busque as maravilhosas oportunidades que lhe são dadas”. (BYU Management Society Awards
Dinner, April 17, 1997)
Em seu chamado como líderes nessa Igreja, irmãos, abençoem as pessoas. Elevem-nas.
Encorajem-nas. Ajudem-nas. Existem tantas angustiadas. Elas têm tantos problemas, tantos. (...)
Recebemos milhares de cartas no Escritório da Primeira Presidência de pessoas que vivem em todas as
partes deste mundo, apesar de todos os nossos esforços para que procurem seus bispos em vez de
escreverem para a Primeira Presidência. Mas elas têm muitos problemas, muitos mesmo, e precisam de
ajuda, precisam ser encorajadas e ouvidas, e é nossa essa grande oportunidade de abençoá-las.
Abençoe-as com liderança. “Porque, se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a
batalha?” (I Coríntios 14:8) Sua é a oportunidade de tocar a trombeta com um sonido certo. Vocês são
líderes. Todo homem aqui é um líder, pois é responsável pelo bem-estar alheio. Isso faz de vocês
líderes. Liderem as pessoas. Liderem-nas corajosamente. Liderem-nas com fé. Ajoelhem-se, orem ao
Senhor e liderem-nas com fé. Elas seguirão o líder onde quer ele vá. Deus os abençoe ao assim fazê-lo.
Liderem-nas com doutrina. “Examinai as escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e
são elas que de mim testificam”. (João 5:39) Ensinem-lhes a doutrina de Deus, a doutrina do reino que
as salvará e as abençoará, ajudando-as e incentivando-as. Ensinem-lhes as escrituras. Liderem-nas com
as escrituras.
Abençoem-nas com responsabilidade. Dê-lhes alguma coisa para fazer. (...) Conversei, outro dia,
com um homem que trabalhou na presidência da estaca, que trabalhou no bispado, que presidiu uma
missão, foi representante regional e não tinha nada mais a fazer exceto ficar em casa com sua esposa
doente, cuidando dela e dando-lhe atenção. Ele estava quase arruinado porque não tinha nenhuma meta
a atingir, nenhuma responsabilidade neste reino. Abençoem-nos, irmãos, com responsabilidade. Eles
desejam isso. Eles anseiam por isso e necessitam disso.
Abençoem-nos por intermédio do exemplo. Meu pai constumava dizer que: “a religião é mais
adquirida do que ensinada”. Acredito nisso. É algo contagioso. (...) Ensinem-nos por intermédio do
exemplo. Deixe que seu exemplo seja tal que eles possam segui-lo. Irmãos, não há lugar em sua vida
para nenhum elemento de infidelidade ou imoralidade, ou a leitura de pornografia, ou qualquer coisa
desse tipo. Vocês simplesmente não podem se dar ao luxo de se envolverem com essas coisas. (...)
Tratem sua esposa com gentileza. Você nunca terá maior bem neste mundo do que a mulher a
quem se uniu no altar do templo e a quem prometeu seu amor, lealdade e devoção para o tempo e
eternidade. (...) Seja um exemplo de fé para seu povo. Deus os abençoe como líderes para que sejam
um exemplo ao seu povo.
Abençoe àqueles que você lidera, para que a vida deles seja enriquecida pela experiência de tê-lo
como líder. Sou tão grato, ao olhar para trás, pelo privilégio que tenho de trabalhar com grandes
homens desde que eu era jovem, até mesmo em minha missão. Meu presidente de missão era membro
do Conselho dos Doze, um grande e bom homem, e desde aquele época, tem sido meu privilégio
trabalhar com grandes homens que verdadeiramente abençoaram muito minha vida. Estou aqui hoje
devido ao efeito magnânimo que outros tiveram sobre minha vida. Estou ciente disso. Tenho sido
abençoado, e durante o tempo em que viver, gostaria de abençoar a vida de outras pessoas. (Potomac
Virginia Regional Conference, priesthood leadership session, April 26, 1997)
LINGUAJAR VULGAR
Conversas que mantive com diretores de escola e alunos, levaram-me à mesma conclusão: que
mesmo entre nossos jovens, existe o crescente mau hábito de usar linguajar sujo e profano. Não hesito
em dizer que é errado, muitíssimo errado, que qualquer rapaz ordenado ao sacerdócio de Deus seja
culpado disso. Tomar o nome do Senhor em vão é um assunto muito sério. (...)
Em nossas conversas com outros devemos ser um exemplo daqueles que crêem. A conversa é a
base da convivência social amigável. Pode ser alegre. Pode ser leve. Pode ser séria. Pode ser engraçada,
mas não maliciosa ou grosseira ou obscena se formos realmente crentes em Cristo. (...)
É algo trágico e desnecessário que rapazes e moças usem linguagem baixa. Quanto à moça, é
indesculpável. E é igualmente grave no caso do rapaz portador do sacerdócio. É um hábito
absolutamente inaceitável da parte de alguém autorizado a falar em nome de Deus. Blasfemar Seu santo
nome ou usar de linguagem depravada é ofensivo a Deus e ao homem.
O homem ou rapaz que precisa recorrer a tal linguajar mostra imediatamente sua pobreza de
vocabulário. Não dispõe de suficiente riqueza de expressão para conseguir comunicar-se efetivamente
sem usar imprecações ou palavras sórdidas. (“Take Not the Name of God in Vain,” Ensign, November
1987, p. 46)
Quando era um garotinho no primeiro ano escolar, tive o que achei um dia muito duro na escola.
Chegando em casa, joguei os livros na mesa da cozinha e soltei uma imprecação contendo o nome do
Senhor.
Minha mãe ficou chocada. Com calma e firmeza, explicou-me quão errado eu estava. Disse-me
que era inaceitável saírem tais coisas da minha boca. Conduziu-me ao banheiro pela mão, apanhou um
esfregão limpo na prateleira, molhou-o debaixo da torneira e depois o ensaboou generosamente. Então
disse: “Temos que lavar sua boca”, mandando que a abrisse, o que fiz com relutância. Então ela
esfregou-me a língua e os dentes com o pano ensaboado. Engasguei e funguei de raiva, sentindo
vontade de soltar nova imprecação, mas não o fiz. Enxaguei a boca uma porção de vezes, mas levou
bastante tempo até livrar-me do gosto de sabão. De fato, sempre que me lembro do incidente, volto a
sentir o gosto de sabão. A lição valeu a pena. Acho que posso dizer que venho procurando não usar o
nome do Senhor em vão desde aquele dia. Sou grato pela lição. (“Take Not the Name of God in Vain,”
Ensign, November 1987, p. 46)
Disse certa ocasião o Presidente George Q. Cannon, que por longos anos serviu fielmente como
conselheiro na Primeira Presidência:
“Será que os anjos tomam o nome do Senhor em vão? A idéia é tão ridícula que nem gostamos de
fazer a pergunta (...) Como, então, ousamos fazer aquilo a que não se atrevem os anjos? Seria possível
argumentar que o proibido nos céus é louvável na Terra? (...)
Embora estejamos certos de que nenhum rapaz poderá mencionar qualquer proveito resultante do
mau uso do sagrado nome de Deus, poderemos enumerar muitos males decorrentes disso. Para começar
é desnecessário e portanto absurdo; diminui nosso respeito às coisas sagradas e nos conduz à sociedade
dos ímpios; acarreta-nos o desrespeito dos homens de bem que nos evitam; leva-nos a outros pecados,
pois aquele disposto a ofender seu Criador não se envergonhará de defraudar seu semelhante; e
também, assim fazendo, estamos violando direta e intencionalmente um dos mais diretos mandamentos
de Deus”. (Juvenile Instructor, September 27, 1873, p. 156) (...)
(...) Fiquem longe da sarjeta em suas conversas. O linguajar sórdido desonra aquele que o usa.
(“Take Not the Name of God in Vain,” Ensign, November 1987, pp. 46–47)
Paulo, possivelmente o maior missionário de todos os tempos, dizia na epístola a Timóteo, seu
jovem companheiro no ministério, (...) “Sê o exemplo dos fiéis na palavra”. Aqui ele se refere ao
linguajar. (...) Está dizendo que os termos vulgares e indecentes são incompatíveis com o chamado de
alguém que crê em Cristo. (“Take Not the Name of God in Vain,” Ensign, November 1987, p. 47)
Vocês não podem usar o linguajar sujo e imundo que é tão comum nas escolas. Não podem fazê-lo
se acreditam que são filhos de Deus, sem trair suas origens. (Parowan Utah Youth Fireside, January 13,
1996)
Cultivem a arte da conversação. É um enorme bem. Para mim não há nada mais agradável do que
ouvir um grupo de jovens, inteligentes e felizes como vocês, conversarem. Há humor em seu diálogo. É
um diálogo animado. É interrompido com risos mesmo quando se trata de assuntos sérios. Repito,
porém, que não é necessário em nossa conversação profanar o nome da Deidade ou fazer uso de
linguagem picante e lasciva. Gostaria de acrescentar que há muito humor no mundo sem que tenhamos
que recorrer ao que denominamos piadas sujas. Desafio cada um de vocês a evitarem coisas dessa
natureza. Durante a próxima semana ao falarem com amigos e colegas, não façam uso de palavras que
mais tarde se arrependerão. (“True to the Faith,” Salt Lake Valley-Wide Institute Fireside, January 21,
1996)
Sejam puros no falar. Existem, atualmente, muitas pessoas que usam um linguajar vulgar e baixo.
Mencionei esse fato no discurso para as moças. Faço o mesmo para vocês. Esse linguajar mostra às
outras pessoas que seu vocabulário é extremamente limitado e que vocês não conseguem expressar-se
sem descer à sarjeta para procurar as palavras que vão usar. O linguajar sujo não é digno de um homem
que possui o sacerdócio, seja jovem ou idoso.
Um portador do sacerdócio também não deve tomar o nome do Senhor em vão. Disse Jeová aos
filhos de Israel: “Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por
inocente o que tomar o seu nome em vão”. (Êxodo 20:7)
Esse mandamento, gravado pelo dedo do Senhor, é tão válido para nós como para aqueles a quem
foi dado originalmente. O Senhor disse em revelação moderna: “Lembrai-vos de que aquilo que vem de
cima é sagrado e deve ser mencionado com cuidado e por indução do Espírito”. (D&C 63:64)
A mente suja expressa-se com linguagem profana e baixa. A mente pura expressa-se de maneira
positiva e motivadora, dizendo coisas que levam alegria ao coração. (“‘Be Ye Clean,’” Ensign, May
1996, p. 48)
LIVRE-ARBÍTRIO
Ver Escolha e Responsabilidade
LIVRO DE MÓRMON
Os descrentes podem duvidar da Primeira Visão e dizer que não houve testemunhas para prová-la.
Os críticos podem desprezar cada episódio de manifestação divina referentes à aparição desta obra
como sendo de natureza tão intangível que se torna improvável para a mente pragmática, como se as
coisas de Deus pudessem ser compreendidas sem o Espírito de Deus. Eles podem desprezar nossa
teologia. Porém, não podem honestamente ignorar o Livro de Mórmon. Ele está aqui. Eles podem senti-
lo. Podem lê-lo. Podem pesar seu conteúdo e substância. Podem testemunhar sua influência. (...)
(...) O Livro de Mórmon tem avançado, mudando para melhor a vida de homens e mulheres em
muitas nações. Que multidão teríamos se todas as pessoas da Terra que leram este livro e foram
influenciadas por sua mensagem se reunissem em um só lugar. (Be Thou an Example [Salt Lake City:
Deseret Book, 1981], p. 103–4)
Cada vez que incentivamos um homem a ler o Livro de Mórmon fazemos-lhe um favor. Se ele o
ler em espírito de oração e com um desejo sincero de conhecer a verdade, ele saberá pelo poder do
Espírito Santo que o livro é verdadeiro. E através deste conhecimento fluirá a convicção da verdade de
muitas outras coisas.
Se o Livro de Mórmon é verdadeiro, então Deus vive. Testemunho após testemunho preenche suas
páginas confirmando o solene fato de que nosso Pai é real, é um ser que tem um corpo, que Ele ama
seus filhos e procura fazê-los felizes.
Se o Livro de Mórmon é verdadeiro, então Jesus é o Filho de Deus, o filho único de Deus na
carne, nascido de Maria, “uma virgem mais bela e formosa que todas as outras virgens,” pois o livro
assim o testifica, numa descrição insuperável em toda a literatura.
Se o Livro de Mórmon é verdadeiro, então Jesus é verdadeiramente nosso Redentor, o Salvador do
mundo.
Se o Livro de Mórmon é verdadeiro, então esta Terra é escolhida sobre todas as outras; mas para
continuar como tal, os habitantes da Terra devem adorar ao Deus da Terra, o Senhor Jesus Cristo. As
histórias das duas grandes nações, contadas como admoestação neste sagrado volume, indicam que
necessitamos da ciência, da educação, dos exércitos, mas também necessitamos ser dignos de merecer a
proteção de Deus.
Se o Livro de Mórmon é verdadeiro, Joseph Smith foi um profeta de Deus, pois ele foi um
instrumento nas mãos de Deus para trazer à luz esse testemunho da divindade de nosso Senhor. (...)
Repito, se o Livro de Mórmon é verdadeiro, a Igreja é verdadeira, pois a autoridade que trouxe à
luz esse registro sagrado é a mesma presente e manifesta entre nós atualmente. É uma restauração da
Igreja estabelecida pelo Salvador na Palestina. É a restauração da Igreja estabelecida pelo Salvador
quando Ele visitou este continente, como está relatado neste sagrado registro. (Be Thou an Example
[Salt Lake City: Deseret Book, 1981], pp. 104–5)
Tal tem sido o poder deste grande livro na vida daqueles que o lêem em espírito de oração. Eu
presto-lhes meu testemunho de que é verdadeiro. Eu sei pelo testemunho do Espírito Santo e para mim
este conhecimento é inquestionável.
Sidney Rigdon não o escreveu. Oliver Cowdery não o escreveu. Ele não é o resultado de uma
personalidade conturbada ou paranóica, como alguns disseram. Não é produto de um criador de mitos.
Não é resultado do meio-ambiente de um menino fazendeiro que cresceu no oeste do Estado de Nova
York. Joseph Smith não o escreveu. Ele, o profeta desta dispensação, traduziu os escritos de profetas da
antiguidade sob o poder de Deus, para servir de testemunho em nossos dias. (Be Thou an Example [Salt
Lake City: Deseret Book, 1981], p. 106)
Os antigos anais dos quais [o Livro de Mórmon] foi traduzido saíram da Terra como uma voz
falando do pó. Ele veio como testemunho de gerações de homens e mulheres que viveram na Terra, que
lutaram contra a adversidade, que contenderam e lutaram, que por várias vezes viveram a lei divina e
prosperaram, e outras vezes abandonaram seu Deus e foram destruídas. Ele contém o que tem sido
chamado de quinto evangelho, um comovente testamento do novo mundo concernente à visita do
Redentor ressurreto no solo deste hemisfério.
A evidência de sua autenticidade, de sua validade, num mundo que tende a exigir provas não se
encontra na arqueologia ou antropologia, embora possam ser úteis para alguns. Não se encontra na
pesquisa filológica ou análise histórica, embora possa fornecer confirmação. A evidência de sua
autenticidade e validade está entre as capas do próprio livro. A prova de sua veracidade encontra-se
lendo-o. É um livro de Deus. Os homens razoáveis podem questionar sinceramente sua origem; mas
aqueles que o leram em oração souberam por um poder superior a seus sentidos naturais que ele é
verdadeiro, que contém a palavra de Deus, que expõe verdades salvadoras do evangelho eterno, que
surgiu pelo dom e poder de Deus “para convencer os judeus e os gentios de que Jesus é o Cristo”.
(Página-título do Livro de Mórmon)
Está aqui. Tem de ser explicado. Só pode ser explicado como o próprio tradutor explicou sua
origem. De mãos dadas com a Bíblia cujo companheiro é, constitui mais outra testemunha para uma
geração incrédula de que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus vivo. É uma inabalável pedra angular de
nossa fé. (“The Cornerstones of Our Faith,” Ensign, November 1984, p. 52)
Sem reservas eu prometo que se lerem o Livro de Mórmon em espírito de oração, não importa
quantas vezes já o tenham lido, uma porção do Espírito do Senhor será acrescentada ao seu coração.
Irão adquirir uma resolução firme de caminhar obedientes aos Seus mandamentos e o testemunho da
realidade da vivência do Filho de Deus será fortalecido. (“The Power of the Book of Mormon,” Ensign,
June 1988, p. 6)
O Livro de Mórmon coloca-se como um outro testamento de Jesus Cristo. Através de suas páginas
temos o testemunho dos profetas do Novo Mundo. Majestoso em seu relato da história, seus capítulos
estão repletos de tragédias de guerra, com divinas admoestações e promessas feitas por Deus. Fala
como uma voz saída do pó para um mundo que necessita ouvi-la. (“The Order and Will of God,”
Ensign, January 1989, p. 2)
Gostaria de falar da grandeza e bondade deste homem, Mórmon. Ele viveu neste continente
americano, no quarto século depois de Cristo. Quando era jovem, com apenas dez anos, foi descrito
pelo historiador do povo, cujo nome era Amaron, como “um menino sensato e de pronto
entendimento”. (Mórmon 1:2) Amaron deu-lhe o encargo de, ao alcançar os vinte e quatro anos de
idade, tomar conta dos registros das gerações que o haviam precedido.
Os anos logo após a infância de Mórmon foram anos de terrível derramamento de sangue em sua
nação, resultado de longa e terrível guerra entre os então chamados nefitas e os denominados lamanitas.
Mais tarde, Mórmon tornou-se o líder dos exércitos dos nefitas e testemunhou a carnificina de seu
povo, deixando-lhes claro que deviam suas repetidas derrotas a terem esquecido o Senhor, que, por sua
vez, os tinha abandonado. Sua nação foi destruída com o derramamento do sangue de centenas de
milhares. Ele foi um dos vinte e quatro que sobreviveram. Ao olhar os restos do que antes foram
legiões, clamou:
“Ó formoso povo, como pudestes vos apartar dos caminhos do Senhor? Ó formoso povo, como
pudestes repelir aquele Jesus que tinha os braços abertos para vos receber?” (Mórmon 6:17)
Ao se dirigir à nossa geração, ele usou palavras de admoestação e súplica, proclamando com
eloqüência seu testemunho do Cristo ressuscitado. Preveniu-nos das calamidades que viriam, se nos
esquecêssemos dos caminhos do Senhor, como seu próprio povo o fizera.
Sabendo que sua própria vida logo chegaria ao fim, pois os inimigos estavam à caça dos
sobreviventes, ele implorou que nós, em nossa geração, tivéssemos fé, esperança e caridade,
declarando: “A caridade é o puro amor de Cristo e permanece para sempre; e todos os que forem
achados em sua posse no último dia bem lhes irá”. (Morôni 7:47)
Mórmon, o profeta líder, tinha essa bondade, força, poder, fé e capacidade de profetizar.
(“Mormon Should Mean ‘More Good,’” Ensign, November 1990, p. 52)
[Mórmon] foi o principal compilador do livro que recebeu seu nome e que surgiu nesta época da
história do mundo como uma voz falando desde o pó, em testemunho do Senhor Jesus Cristo.
Esse livro influenciou para o bem a vida de milhões de pessoas que o leram com um coração
sincero e meditaram em sua linguagem. Gostaria de falar-lhes de uma dessas pessoas, que conheci
recentemente na Europa.
Era um comerciante, bem sucedido nos negócios. Numa de suas viagens conheceu dois de nossos
missionários, que tentaram marcar uma visita para ensinar-lhe o evangelho. De início ele recusou-se a
recebê-los, mas por fim concordou. Aceitou apenas superficialmente o que os rapazes tinham a dizer.
Estava convencido de que eles falavam a verdade, mas seu coração não foi tocado.
Ele decidiu que leria o Livro de Mórmon. Disse-me ter sido um homem típico do mundo, não
acostumado a chorar. Ao ler o livro, lágrimas escorreram-lhe pelo rosto. O livro mexeu com os seus
sentimentos. Leu-o novamente e sentiu as mesmas emoções. A conversão da mente havia-se
transformado em conversão do coração.
Seu modo de vida foi alterado, sua perspectiva mudara. Ele se atirou no trabalho do Senhor. Hoje
serve em um alto e santo chamado na causa que passou a amar. (“Mormon Should Mean ‘More
Good,’” Ensign, November 1990, p. 52)
O assim chamado Livro de Mórmon, a escritura do novo mundo, está diante de nós como uma
outra testemunha da divindade e realidade do Senhor Jesus Cristo, dos amplos benefícios de Sua
expiação e de Sua ressurreição da escuridão da tumba. Nesse livro, encontramos muitas das verdadeiras
palavras de profecia a Seu respeito, dizendo que nasceria de uma virgem e seria o Filho do Deus
Altíssimo. Foi predito seu trabalho entre os homens, como mortal. Há uma declaração de sua morte,
como o cordeiro sem mancha que foi sacrificado pelos pecados do mundo. E há um relato comovente,
inspirador e verdadeiro da visita do Cristo ressuscitado aos homens e mulheres que viviam neste
continente ocidental. O testemunho está aqui para ser manuseado, para ser lido, para ser ponderado,
para que oremos a respeito dele com a promessa de que aquele que orar saberá de sua veracidade pelo
poder do Espírito Santo. (Ver Morôni 10:3–5) (“The Greatest Miracle in Human History,” Ensign, May
1994, p. 72)
Pense [neste] extraordinário livro de 620 páginas que está sendo lido através do mundo. Mais de
três milhões de exemplares deste maravilhoso registro foram distribuídos somente no ano passado.
Ninguém, tenho certeza, que sinceramente leia o Livro de Mórmon deixa de ter um entendimento do
seu propósito e de que ele é outra testemunha de Jesus Cristo que do pó testifica para esta geração sobre
o Redentor do mundo. (Ricks College Regional Conference, Rexburg, Idaho, October 29, 1995)
Gostaria de pedir a cada homem e mulher (...) a cada menino e menina que tenha idade suficiente
para ler que leiam o Livro de Mórmon neste próximo ano. Ele foi escrito para convencer os judeus e os
gentios que Jesus é o Cristo. Não há nada que possamos fazer em nossa vida pessoal que seja de maior
importância do que o fortalecimento do testemunho de que Jesus é o Cristo, o Filho vivo do Deus vivo.
Este é o propósito do aparecimento deste extraordinário e notável livro. Sugiro que o leiam novamente
e peguem um lápis, vermelho se tiverem, e façam uma marca cada vez que encontrarem neste livro uma
referência a Jesus Cristo. E então, à medida que o fizerem vocês terão uma convicção real de que o
livro é de fato outra testemunha do Senhor Jesus Cristo. (Corpus Christi Texas Regional Conference,
January 7, 1996)
MATERNIDADE
Ver também Família; Pais, Como Ser
Dirijo-me brevemente a vocês, mulheres, obrigadas a trabalhar quando prefeririam ficar em casa.
Sei que muitas de vocês se encontram nessa situação. Algumas foram abandonadas e estão divorciadas,
com filhos para criar. Outras são viúvas com filhos ainda dependentes. Eu lhes presto homenagem e
respeito por sua integridade e espírito de independência. Oro que Deus as abençoe com forças e grande
capacidade, pois necessitam de ambas. Vocês acumulam os encargos de provedoras da família e donas
de casa. Sei que é difícil e muitas vezes desanimador. Oro que o Senhor as abençoe com muita
sabedoria e um grande talento para que possam satisfazer as necessidades de seus filhos em termos de
tempo, companheirismo, amor e aquela orientação especial que só a mãe pode dar. Oro também para
que Ele as abençoe com ajuda suficiente de seus familiares, dos amigos e da Igreja aliviando-as de
parte do pesado fardo que está sobre seus ombros e ajudando-as nos momentos de angústia.
Sentimos, pelo menos um pouco, a solidão que ocasionalmente as abate e as frustrações que
certamente enfrentam ao terem de lidar com problemas que às vezes ultrapassam suas forças. (...)
Agora, vocês que trabalham quando não é necessário, deixando os filhos aos cuidados de pessoas
nem sempre bem qualificadas, dou-lhes uma palavra de advertência. Não sigam essa tendência que
mais tarde lhes trará remorsos. Se o objetivo de seu emprego é simplesmente conseguir dinheiro para
comprar um barco, um carro de luxo ou alguma outra coisa desejável porém desnecessária, e devido a
isso estão perdendo a convivência com os filhos e a oportunidade de criá-los, poderão acabar
descobrindo que perderam algo substancial em troca de uma sombra. (“Live Up to Your Inheritance,”
Ensign, November 1983, p. 83)
Aproximadamente sessenta anos se passaram desde que minha mãe morreu. Na época eu era
estudante universitário. Esqueci muito do que estudava naquela ocasião, mas as lembranças daqueles
últimos meses de vida da minha mãe continuam bem intensas, assim como as lembranças de anos
anteriores. Espero que ela soubesse que eu a amava. Não dizia isso com muita freqüência. Como a
maioria dos meninos, não era fácil para mim dizer essas palavras.
Ela morreu na aurora de sua vida. Seu filho mais novo tinha dez anos, idade suficiente para que
minha mãe desfrutasse de uma liberdade que ela não teve durante muitos anos. Ela estava viajando pela
Europa quando sentiu uma dor que a amedrontou. Seis meses mais tarde ela já havia morrido.
Lembro-me do dia de seu funeral, um cinzento dia de novembro. Fizemos cara de valente e
lutamos contra as lágrimas, mas, por dentro, as marcas eram profundas e dolorosas. A experiência, em
uma época sensível de minha vida, deu-me, espero, um entendimento mais profundo de todos aqueles
que perdem uma mãe.
Fui chamado para servir numa missão logo após isso. Foi na época da Grande Depressão. Poucos
missionários eram chamados na ocasião devido às penosas circunstâncias financeiras do mundo todo.
Havia economizado uns poucos dólares, meu irmão trabalhava e contribuía generosamente e meu pai
assumiu o peso maior. Porém algo mais fez com que minha missão se tornasse possível. Descobrimos
que minha mãe, em sua visão presciente, ajuntou umas economias com as pequenas moedas que
recebia de troco quando comprava alimentos. Esse dinheiro proveu o saldo necessário para minhas
despesas na missão, na época, a mais dispendiosa do mundo.
Para mim, o dinheiro que recebia era sagrado. Sentia que não tinha sido consagrado tanto a mim,
mas ao Senhor. Espero ter sido cuidadoso ao usá-lo.
Vivi, como todos os missionários, épocas de desânimo em minha missão. Em uma ocasião ou
duas, quando tudo estava muito sombrio, senti de modo bem real, porém indescritível a proteção,
orientação e influência motivadora de minha mãe. Ela parecia estar muito perto. Tentei então, assim
como tenho feito desde aquela época, conduzir minha vida e realizar minhas tarefas de modo a honrar
seu nome. Sou o primeiro a admitir que posso ter falhado algumas vezes, e até mesmo o pensamento de
viver abaixo das expectativas de minha mãe é doloroso. Com isso, desenvolvi uma auto-disciplina que
de outro modo não teria. (The Wondrous Power of a Mother, booklet [Salt Lake City: Deseret Book,
1989], pp. 1–2)
É minha opinião que o número crescente de mães fora de casa e no mercado de trabalho é a raiz da
causa de muitos problemas de delinqüência, drogas e gangues de homens e mulheres. Por que então as
mulheres deixam sua família para trabalhar? Recentemente um artigo publicado no jornal indicou
alguns dos problemas que os responsáveis pela renda familiar enfrentam que ocasiona essa mudança.
(...) Não apenas estamos sendo obrigados a gastar uma terrível fatia da renda familiar em impostos,
serviços e bens para a família, mas simultaneamente pagando um terrível preço no enfraquecimento da
família decorrente da mãe que se ausenta do lar a cada dia de trabalho enquanto os filhos trancados
aguardam a sua volta. Quando ela retorna, com muita freqüência está cansada, estressada e frustrada, e
na maioria dos casos ela não pode dar a atenção e afeição que eles tanto desejam e necessitam. (Belle S.
Spafford Conference on Womem, February 23, 1990)
Que cada mãe perceba que não há maior bênção do que os filhos que vêm como uma dádiva do
Altíssimo; que ela não tem maior missão do que aquela de criá-los em luz e verdade, em entendimento
e amor; que ela não terá maior felicidade do que a de vê-los crescer e se transformarem em rapazes e
moças que respeitam princípios de virtude, que caminham livres das manchas da imoralidade e da
vergonha da delinqüência. (...)
Relembro às mães em todos os lugares da santidade de seu chamado. Ninguém pode substituí-las
adequadamente. Não há maior responsabilidade nem obrigação do que a de criar em amor, paz e
integridade aqueles que vocês trazem ao mundo. (“Bring Up a Child in the Way He Should Go,”
Ensign, November 1993, p. 60)
Nessa época em que cada vez mais mulheres estão trabalhando diariamente, quão importante é de
vez em quando parar e reconhecer que o maior trabalho que qualquer mulher poderá fazer será nutrir,
ensinar, encorajar e educar seus filhos na verdade e retidão. Não há outra coisa que se compare a isso,
independente do que faça. Espero que as mulheres da Igreja não negligenciem sua maior
responsabilidade em favor de uma menor. Às mães dessa Igreja digo que com o passar dos anos vocês
se tornarão imensamente gratas por terem moldado a vida de seus filhos em direção à retidão, verdade,
bondade, integridade e fé.
Ao me sentar no Tabernáculo na última conferência e ser apoiado pelos membros dessa Igreja,
veio-me à mente a imagem de minha mãe quando eu era um menino. Sou grato por ter a oportunidade
em minha idade avançada de honrar o seu nome. Quão grato sou pelas mães! (Heber City/Springville
Utah Regional Conference, May 14, 1995)
Fortaleçam sua família. Edifiquem a fé daqueles por quem são responsáveis. Vocês mulheres,
algumas de vocês, precisam trabalhar. Espero que nunca se esqueçam que sua maior responsabilidade é
para com aqueles a quem vocês deram a vida. Não há responsabilidade mais abrangente ou mais
importante do que essa. “E todos os teus filhos serão ensinados do Senhor; e a paz de teus filhos será
abundante”. (Isaías 54:13) Vocês mães, leiam para seus filhos. Leiam as escrituras para seus filhos.
Vocês talvez pensem que eles não entendem. Eles não irão entender tudo o que vocês lerem, mas
desenvolverão dentro de si mesmos um sentimento, uma atitude, um espírito que será maravilhoso. E
não hesito em prometer a vocês que dia virá, se cuidarem de seus filhos amando-os e ensinando-os no
caminho da verdade, em que se ajoelharão com lágrimas nos olhos e agradecerão ao Senhor pelas
bênçãos por Ele concedidas. (Nottingham England Fireside, August 30, 1995)
Para as esposas e mães que procuram manter um lar estável, num ambiente de amor e respeito,
digo: Que o Senhor as abençoe. Sejam quais forem as circunstâncias, prossigam com fé. Criem seus
filhos em luz e verdade. Ensinem seus filhos a orar enquanto são pequenos. Leiam as escrituras para
eles, fazendo disso um hábito, mesmo que eles não compreendam tudo o que vocês lerem. Ensinem
seus filhos a respeitar as mulheres. Ensinem suas filhas a manter a virtude. Aceitem responsabilidades
na Igreja e confiem no Senhor, para estarem à altura de qualquer chamado que receberem. O exemplo
que derem será um padrão para seus filhos. Ajudem com amor as pessoas que enfrentam dificuldades
ou passam necessidades. (...)
É no lar que se criam as bases das novas gerações. Esperamos que vocês, mães, compreendam
que, no fim de tudo, sua maior e mais premente responsabilidade, a que lhes trará maiores
recompensas, é a de criar filhos num ambiente de segurança, paz, companheirismo, amor e motivação
para que cresçam e dêem o melhor de si. (“Stand Strong Against the Wiles of the World,” Ensign,
November 1995, p. 99)
Quanto mais se esforçarem para criar os filhos segundo o evangelho de Jesus Cristo, com amor e
grandes esperanças, mais provável será que eles tenham paz na vida.
Dêem exemplo a seus filhos. Isso será mais importante do que qualquer ensinamento que lhes
possam transmitir. Não os cubram de mimos. Deixem que cresçam respeitando e compreendendo o
significado do trabalho, da ajuda em casa, procurando obter parte do seu próprio sustento. Façam com
que seus filhos economizem para a missão e incentivem-nos a prepararem-se, não apenas do ponto de
vista financeiro, mas em espírito e atitude, a fim de servirem ao Senhor sem qualquer egoísmo. Não
hesito em prometer-lhes que, se assim o fizerem, terão muitas razões para contar suas bênçãos. (...)
Que o Senhor as abençoe, minhas queridas irmãs. Vocês são as guardiãs do lar. São aquelas que
criam os filhos, formando neles os hábitos com que conduzirão sua vida. Nada nos aproxima tanto da
divindade quanto o trabalho de criar os filhos e as filhas de Deus. (“Stand Strong against the Wiles of
the World,” Ensign, November 1995, pp. 99–101)
Há alguns anos, o Presidente Benson transmitiu uma mensagem às mulheres da Igreja. Ele
incentivou-as a saírem de seus empregos para dedicarem-se pessoalmente aos filhos. Apóio a posição
dele.
Todavia, reconheço, como ele também reconhecia, que existem algumas mulheres, na verdade
muitas delas, que trabalham para atender às necessidades da família. Para vocês, eu digo: façam o
melhor que puderem. Espero que, se tiverem um emprego de tempo integral, estejam trabalhando para
garantir as necessidades básicas da família, e não para satisfazer o desejo de uma casa bonita, um carro
moderno e outros luxos. O trabalho mais importante que qualquer mulher pode realizar é alimentar,
ensinar, incentivar, motivar e criar os filhos em retidão e verdade. Ninguém pode substituí-la
adequadamente nessa tarefa.
É quase impossível ser dona de casa de tempo integral, e ao mesmo tempo, ter um emprego de
tempo integral. Sei que algumas de vocês debatem-se intimamente com as decisões a respeito dessa
questão. Repito: façam o melhor que puderem. Conhecem sua própria situação, e sei que estão
profundamente preocupadas com o bem-estar de seus filhos. Cada uma de vocês tem um bispo que
pode dar-lhes conselhos e auxílio. Se acharem que precisam conversar com uma mulher compreensiva,
não hesitem em entrar em contato com a presidente da Sociedade de Socorro.
Para as mães dessa Igreja (...) gostaria de dizer que, com o passar dos anos, serão cada vez mais
gratas pelo que fizeram para moldar a vida de seus filhos de maneira que tenham retidão, integridade e
fé. É mais provável que isso aconteça se passarem o tempo suficiente com eles. (“Women of the
Church,” Ensign, November 1996, p. 69)
A irmã Hinckley e eu nos casamos há sessenta anos. Não sei como tivemos a coragem de fazê-lo.
Não possuíamos praticamente nada. Foi durante a Depressão, eu recebia 165 dólares por mês. (...)
Estamos, agora, casados há seis décadas. É bastante tempo. O nome do meio que ela tem é Tolerância.
(...) Os anos se passaram e nós envelhecemos. Nossa vida tem sido rica e recompensadora. Ela também
foi marcada por épocas de tristeza e doença, de dizer não para coisas que não podíamos comprar e de
nos abstermos de alguns luxos. (...)
O Senhor tem sido muito bondoso para conosco. Através dos anos, as portas nos têm sido abertas
de modo miraculoso. (...)
Temos sido abençoados pelo Senhor grandiosamente e com muita generosidade. Meu coração está
repleto de gratidão, além do que posso para expressar, e se compadece dos que têm sido menos
afortunados. Existem tantos que carregam uma carga tão pesada; tantas mulheres que clamam em
desespero por ajuda em momentos de solidão e necessidade. Esse mundo pode ser um lugar brutal, e
existem tantas jovens mães que batalham com vigor através dessa selva, que é o mundo, para prover
para seus filhos e para si mesmas.
Sei que as circunstâncias hoje são diferentes da situação de nossa época, e sabendo disso eu não as
critico. Sei que a maioria de vocês estão tentando fazer o melhor que podem dentro de suas
possibilidades.
São vocês que geram e educam seus filhos. São vocês que os consolam e os apóiam, que os ouvem
e os aconselham sabiamente. São vocês que os ensinam a orar e a ter fé no Senhor. São vocês que os
direcionam em sua educação escolar e os preparam para ocuparem seu lugar na sociedade. São vocês
que os mantêm na Igreja e que fortalecem sua fé.
A maioria de vocês e suas amigas que são casadas têm um trabalho fora de casa. Isso é um fato
estatístico. Vocês sentem que precisam assim fazê-lo para sustentar o lar, as aulas de música e outras
atividades dispendiosas. Digo outra vez que não as critico. Gostaria que fosse diferente. Gostaria que
cada mãe pudesse ficar em casa. Reconheço que isso não é possível. Porém eu as admoesto a respeito
de casas muito elegantes com prestações muito altas, com um barco e outras coisas caras na garagem.
Simplesmente digo-lhes que não há nada em todo esse mundo que lhes trará maior satisfação, com o
passar tão rápido dos anos, do que ver seus filhos crescerem em fé, confiança, liberdade contra os
elementos avassaladores que nos cercam. Vocês serão parte muito importante do que irá lhes acontecer.
Ninguém pode substituí-las adequadamente como mãe.
Avalie suas opções cuidadosamente. Sejam cuidadosas, não troquem seu direito de primogenitura
por um guisado de lentilhas. (BYU Women’s Conference Address, May 1, 1997)
MAUS-TRATOS E ABUSO

Maus-Tratos do Cônjuge
Acho igualmente que fica muito mal para qualquer portador do sacerdócio de Deus, maltratar a
esposa, diminuí-la, ofendê-la ou aproveitar-se indevidamente da mulher que é a mãe de seus filhos, sua
companheira terrena e sua companheira eterna, se tiver recebido a bênção maior. Tratemos com
bondade e carinho aqueles por quem o Senhor nos terá por responsáveis. (“Reach Out in Love and
Kindness,” Ensign, November 1982, p. 77)
Meu coração se solidariza com ...[aquelas] que devido às circunstâncias em que se encontram
sentem-se oprimidas e asfixiadas — quase destruídas. Lamento que haja alguns homens egoístas e
maus, insensíveis e mesmo brutais. Eles merecem ser condenados, e devemos sentir pena deles. Creio
que todo o homem que ofende uma filha de Deus será responsabilizado um dia, e chegará o tempo em
que estará diante do juiz com pesar e remorso. (“Rise to the Stature of the Divine Within You,” Ensign,
November 1989, p. 95)
Chamo atenção para a passagem das escrituras segundo a qual Adão deveria governar Eva. (Ver
Gênesis 3:16) (...) Infelizmente, reconheço que alguns homens têm usado isso como pretexto, durante
séculos, para maltratar a mulher e degradá-la, mas também estou convencido de que, agindo assim,
estão degradando a si mesmos e ofendendo o Pai de todos, este Pai que, não tenho dúvida, ama suas
filhas da mesma forma que ama seus filhos.
Estava com o Presidente David O. Mckay numa ocasião em que ele se referiu a essa declaração de
Gênesis. Seus olhos faiscaram irados quando ele falou sobre maridos despóticos, afirmando que teriam
de prestar contas de tais ações perversas, quando estivessem sendo julgados pelo Senhor. Ele mostrou
que a própria essência do espírito do evangelho exige que todo governo dentro de casa seja feito
somente com retidão.
Minha interpretação pessoal desse preceito é que o marido tem a responsabilidade predominante
de sustentar, proteger, fortalecer e defender a esposa. Qualquer homem que depreciar, maltratar,
aterrorizar ou governar com injustiça mercerá receber, acredito eu, a repreensão de um Deus justo que é
Pai Eterno tanto de seus filhos como de suas filhas. (“Daughters of God,” Ensign, November 1991, p.
99)
Infelizmente, algumas de vocês podem estar casadas com homens que as maltratam. Diante dos
outros, alguns aparentam ser muito corretos durante o dia, mas quando chegam em casa, à noite,
deixam de lado o autocontrole e, diante da mais leve provocação, ficam furiosos.
Nenhum homem com esse tipo de conduta perversa e inadequada é digno do sacerdócio de Deus.
Nenhum homem que aja dessa forma é digno dos privilégios da Casa do Senhor. Lamento muito que
existam alguns homens que não mereçam o amor da mulher e dos filhos. Há filhos que têm medo do
pai, e mulheres que têm medo do marido. Se algum desses homens estiver me ouvindo, como servo do
Senhor, eu o repreendo e o chamo ao arrependimento. Controlem-se. Dominem seu gênio. A maior
parte das coisas que os enfurecem são insignificantes, e que preço terrível estão pagando por sua ira.
Peçam ao Senhor que os perdoe. Peçam o perdão de sua esposa. Peçam desculpas a seus filhos.
(“Women of the Church,” Ensign, November 1996, p. 68)

Maus-Tratos e Abuso de Crianças


Parece estar se alastrando pelo mundo a praga de maltratar crianças. Talvez tenha sempre existido,
mas sem despertar a atenção que atualmente recebe. Estou contente de que o clamor público esteja
aumentando contra esse terrível mal, que infelizmente, se encontra em grande proporção entre o nosso
próprio povo. Pais, não podem maltratar ou abusar de seus pequeninos sem ofender a Deus. Qualquer
homem envolvido em relação incestuosa é indigno de portar o sacerdócio, indigno de ser membro da
Igreja, devendo ser tratado de acordo. Qualquer homem que espanca ou que maltrata os filhos de outro
modo, terá que prestar contas ao grande juiz de todos nós. Se entre os que me ouvem houver alguém
culpado disso, que se arrependa imediatamente, repare o que for possível, desenvolva em si a disciplina
capaz de evitar esses males, rogue perdão ao Senhor e decida no coração a daqui por diante andar de
mãos limpas. (“To Please Our Heavenly Father,” Ensign, May 1985, p. 50)
Lamentamos [os maus-tratos a crianças], que parecem estar aumentando no mundo. Obviamente
não é algo novo. Vem-se repetindo há gerações. É grave, e o vemos como tal. O abuso sexual de
crianças, por parte dos pais ou de outra pessoa, vem sendo motivo de excomunhão da Igreja há muito
tempo. Nenhum homem ordenado ao sacerdócio de Deus poderá, impunemente, maltratar a esposa ou o
filho. Tal conduta torna-se impedimento imediato de portar e exercer o sacerdócio, e continuar filiado a
Igreja.
(...) A exploração de crianças ou o abuso do cônjuge para satisfação de desejos sádicos é pecado
dos mais graves. (“Questions and Answers,” Ensign, November 1985, p. 51)
Há ainda os terríveis, imperdoáveis e malígnos fenômenos do abuso sexual e dos maus-tratos.
Isso é desnecessário. É injustificável. É indefensável.
Em termos de maus-tratos físicos, nunca aceitei o princípio de que “é de pequeno que se torce o
pepino”. Serei sempre grato por um pai que nunca encostou a mão em seus filhos. De algum modo, ele
possuía o maravilhoso talento de transmitir-nos o que esperava de nós e encorajar-nos para que o
fizéssemos.
Estou convencido de que pais violentos produzem filhos violentos. Tenho certeza de que este tipo
de punição, na maior parte dos casos, produz mais mal do que bem. As crianças não precisam ser
espancadas. Precisam de amor e encorajamento.
Precisam de pais para quem possam olhar com respeito e não com medo. Mas, acima de tudo,
precisam de exemplos.
Li recentemente a biografia de George H. Brimhall, que foi presidente da Universidade de
Brigham Young. O livro explica que ele sempre tratou seus filhos como companheiros e nunca bateu
neles. (Raymond Brimhall Holbrook and Esther Hamilton Holbrook, The Tall Pine Tree: The Life and
Work of George H. Brimhall, [n.p., 1988], p. 62). Isso resume tudo. (“Save the Children,” Ensign,
November 1994, pp. 53–54)
Há que se mencionar também a terrível e abominável prática do abuso sexual, que transcende a
compreensão humana. É uma afronta à decência que deve existir em todo homem e toda mulher. É uma
violação do que é mais sagrado e divino. Destrói a vida das crianças. É digno da mais severa
condenação.
É vergonhoso para um homem ou mulher abusar sexualmente de uma criança. Ao fazê-lo, não
apenas comete um tipo de ofensa seríssima, mas está condenado diante do Senhor.
Foi o próprio Senhor quem disse:”Mas qualquer que escandalizar um destes pequeninos, que
crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse
na profundeza do mar.” (Mateus 18:6) Como poderia Ele ter falado com mais energia?
Se houver alguém ao alcance de minha voz que seja culpado de tais práticas, peço-lhe que as
abandone, que se afaste delas, que busque ajuda, que implore perdão ao Senhor e que repare o que
tenha feito. Deus não será escarnecido no tocante a abusos a seus pequeninos. (“Save the Children,”
Ensign, November 1994, p. 54)
MEDITAÇÃO
Ver também Oração; Reverência
Precisamos mais do Espírito do Senhor em nossa vida; afinal vivemos num mundo muito louco.
As pressões são enormes. Voamos em alta velocidade. Dirigimos em alta velocidade. Nós nos
programamos. Creio ser o único na Igreja que não tenha uma agenda; mas, tenho um secretário e ele
tem uma agenda. Mas é difícil encontrar tempo para refletir, pensar e meditar. Eu ouso dizer que a
maioria dos que estão neste recinto hoje não tiraram uma hora neste último ano para somente se sentar
quietamente, cada homem consigo mesmo, como um filho de Deus, refletindo sob seu lugar nesse
mundo, sob sua capacidade de fazer o bem, sob sua missão para fazer mudanças para melhor.
Precisamos fazê-lo. Recordo-me vividamente do Presidente McKay, já com bastante idade, em uma
reunião com seus conselheiros e os Doze, quando disse: “Irmãos, precisamos reservar mais tempo para
meditar, pensar com tranqüilidade”. (Smithfield/Logan Utah Regional Conference, priesthood
leadership session, April 20, 1996)
O Presidente McKay costumava contar a história do General Gordon. (...) Ele estava liderando
uma campanha militar no Sudão, um general inglês. Ele tinha o hábito de todas as manhãs entrar na sua
barraca e deixar seu lenço do lado de fora, em frente à entrada da barraca. Todos sob o seu comando
sabiam que enquanto o lenço estivesse no chão, o General Gordon estava dentro da barraca em
comunhão com o Seu Deus, conversando em oração e tentando obter inspiração. Quando terminava,
saia, pegava seu lenço e cuidava de seus afazeres. O Presidente McKay certa vez disse ao Quórum dos
Doze: “Irmãos, precisamos meditar mais. Ocupamo-nos tanto com pequenas coisas; precisamos de
mais meditação”. Creio, meus irmãos, que nós precisamos também. E, sugiro que no dia de jejum, de
domingo a uma semana, reservem uma hora somente para vocês. Digam a sua esposa: “Quero ficar
sozinho por uma hora”. Apenas pense e medite sobre suas responsabilidades e seus relacionamentos.
(Pittsburgh Pennsylvania Regional Conference, priesthood leadership session, April 27, 1996)
Sugiro a cada um de vocês que, no próximo dia de jejum, aproveitem a ocasião e organizem suas
tarefas de tal modo que possam ficar a sós, talvez embaixo de uma árvore no jardim, ou trancado no
quarto em sua casa, onde possam pensar. Leiam as escrituras e pensem nas coisas sagradas e em você
mesmo. Sua atitude para com a sua esposa: você é o tipo de marido que deve ser, atencioso, gentil,
generoso; ou é arrogante e abusivo? Você não pode ser um bom servo do Senhor se não houver paz no
seu coração em relação à sua companheira. (...) Sua atitude para com seus filhos: Você os educa numa
atmosfera de amor, ou é o tipo de homem que pensa ter que puni-los todo o tempo? Acredito não ser
necessário criar os filhos batendo neles. Creio que eles responderão ao amor e à estima. Pensem, nessas
circunstâncias, em sua integridade pessoal: Você é um homem honesto, que age honestamente para
com os outros? Digam a si mesmos: devo manter-me firme e ser um pouco melhor. Façam essa
tentativa, vocês a farão? Encontrem um lugar onde no próximo dia de jejum possam passar uma hora
consigo mesmos, calmamente pensando no que podem fazer para serem mais dignos do chamado
sagrado que possuem. (Berlin Germany Regional Conference, priesthood leadership session, June 15,
1996)
MEDO
Quem entre nós pode dizer que não sente medo? Não sei de ninguém que tenha sido poupado
disso inteiramente. Alguns, naturalmente, sentem mais medo que outros. Alguns são capazes de
sobrepujá-lo facilmente, mas outros são capturados e abatidos por ele e até mesmo derrotados.
Sofremos do medo do ridículo, o medo do fracasso, o medo da solidão, o medo da ignorância. Alguns
temem o presente, outros o futuro. Alguns carregam o peso do pecado e dariam quase tudo para
livrarem-se desse fardo mas temem mudar sua vida. Reconheçamos que o medo não vem de Deus, mas
que esse elemento destrutivo e atormentador vem do adversário da verdade e retidão. O medo é o
oposto da fé. É corrosivo em seus efeitos, e até mesmo mortal.
“Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação”.
Esses princípios são grandes antídotos para os medos que roubam nossas forças e algumas vezes
nos derrubam para nos derrotar. Esses princípios nos dão poder.
Que poder? O poder do evangelho, o poder da verdade, o poder da fé, o poder do sacerdócio.
(“‘God Hath Not Given Us the Spirit of Fear,’” Ensign, October 1984, p. 2)
Há um missionário que nunca tenha sentido medo? Não conheço nenhum. É claro que sentimos
medo vez ou outra. Alguns têm medo de fazer proselitismo. Outros temem sua própria capacidade.
Alguns têm medo de cachorros. Alguns têm medo de falar com franqueza, declarando a verdade. Todos
nós experimentamos o medo vez ou outra. Mas Deus não nos deu o espírito de temor. Ele vem do
adversário. Quando reconhecermos isso, poderemos dizer ao adversário para ir embora e seguirmos em
frente com coragem.
Deus deu-nos poder, amor e moderação. O que isso quer dizer? Eu acho que isso significa o poder
de nosso chamado, o poder do sacerdócio, o poder de nossa mensagem; amor pela palavra de Deus,
amor por Ele a Quem servimos, e amor por aqueles a quem ensinamos; e moderação: a beleza doce e
simples do evangelho. (Missionary Training Satellite Broadcast, May 11, 1993)
Quando saí para a missão, meu pai deu-me um cartão com um versículo do Novo Testamento com
as palavras ditas ao Senhor pelo servo do centurião que trouxe notícias a respeito da filha do centurião.
As palavras eram “não temas, crê somente”. Recomendo essas palavras a cada um de nós, meus irmãos
e irmãs. Não precisam temer se estiverem do lado certo.” (Oahu Hawaii Regional Conference, February
18, 1996)
Acreditamos em sermos verdadeiros. Isso significa ser leal. Significa erguer-se sem medo em face
da tempestade de críticas que possam vir contra você. (Berlin Germany Regional Conference, June 16,
1996)
Você deve ser um líder, como um membro dessa Igreja, nas causas que a Igreja representa. Não
deixe o medo sobrepujar seus esforços. (...) O adversário de toda a verdade colocará em seu coração
relutância em se esforçar. Coloque esse medo de lado e seja valente na causa da verdade, retidão e fé.
Se você decidir agora que isso se tornará o padrão de sua vida, você não terá que tomar essa decisão
novamente”. (“Stand Up for Truth,” BYU Devotional Address, September 17, 1996)
Tantos de nós temos medo do que nossos amigos vão dizer, medo de sermos desprezados ou
criticados se defendermos o que é certo. Mas quero lembrar-lhes que “iniqüidade nunca foi felicidade”.
(Alma 41:10) O mal nunca foi felicidade. A felicidade está no poder, no amor e na doce simplicidade
do evangelho de Jesus Cristo.
Não precisamos [temer]. Não precisamos nos esconder das pessoas. Não precisamos ter vergonha.
Temos a coisa mais grandiosa do mundo, o evangelho do Senhor ressurreto. Paulo deu-nos um
mandamento: “Não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor”. (II Timóteo 1:8) (“Converts and
Young Men,” Ensign, May 1997, p. 49)
MÍDIA
Ver também Televisão
Lamento dizer que o jornalismo mudou nos últimos anos. Houve uma época em que a regra básica
do jornalismo era não misturar opiniões com notícias. O jornalista tinha que apresentar o “quem, por
quê, o quê, quando e onde” da história sem julgamentos ou opinião pessoal. Atualmente, tanto na
televisão como na imprensa escrita, as notícias estão saturadas de opiniões. Há certa arrogância nisso.
Presume-se que o jornalista seja mais conhecedor que o ouvinte. Com muita freqüência, esse não é o
caso. (“Keep Faith,” Bonneville International Corporation Senior Management Seminar, March 7,
1993)
Estamos constantemente sendo alimentados por uma dieta desagradável de pessimismo, críticas e
calúnias de uns para com os outros. Leia as colunas dos jornais. Ouça o rádio e os comentaristas na
televisão. Os redatores de nossas notícias são brilhantes, os comentaristas da mídia eletrônica são
mestres, mas parecem incapazes de lidar com a verdade de modo isento, a despeito de afirmarem o
contrário. As coisas negativas tornam-se manchetes e longas reportagens injuriosas, que em muitos
casos apresentam uma distorção de fatos e de verdades, pelo menos da verdade plena. O espírito do
negativismo parece pairar como uma nuvem sobre a Terra. (Utah Mayflower Society Dinner,
November 16, 1994)
Alguns meses atrás, recebi um convite para ser entrevistado por Mike Wallace, o principal repórter
do programa 60 Minutes da rede de televisão CBS, transmitido em todo o país para mais de 20 milhões
de espectadores todas as semanas.
Reconheci que, se aceitasse, os críticos e difamadores da Igreja também seriam convidados a
participar. Sabia que não poderia esperar que o programa fosse inteiramente positivo para nós.
Por outro lado, senti que seria uma oportunidade de apresentar alguns aspectos positivos de nossos
hábitos e mensagens a milhões de pessoas. Concluí que seria melhor aproveitar a oportunidade, como
se apresentava, do que simplesmente esconder-me e não fazer coisa alguma. Foi uma experiência
interessante. As equipes do programa filmaram horas de entrevista, conversas e palestras formais em
diferentes situações. Entrevistaram outros membros da Igreja, assim como nossos críticos. De tudo isso,
presumo que tenham chegado a uma apresentação de cerca de quinze minutos.
Não sabemos qual será o resultado, isto é, eu não sei. Descobriremos essa noite, quando o
programa for transmitido neste vale. Se for favorável, ficarei grato. Caso contrário, prometo nunca mais
pôr os pés nesse tipo de armadilha. (“‘Remember (...) Thy Church, O Lord,’” Ensign, May 1996, p. 83)
Tenho grande respeito pela mídia. Estive muito envolvido com os jornais, rádio e televisão no
período de muitos anos e admiro a mídia. (Press Conference, Seoul, Korea, May 22, 1996)
Duas de nossas Autoridades Gerais estiveram recentemente em Washington e visitaram três ou
quatro pessoas de proeminência nacional. Entre esses havia um homem responsável pela indústria
cinematográfica, e agora também pela televisão, no tocante a assuntos concernentes à moralidade na
mídia. Essencialmente, ele disse o seguinte: “Fazemos o que está ao nosso alcance, mas é uma tarefa
quase impossível alterar a perspectiva moral da mídia, dos escritores e programadores. Existe somente
uma força nos Estados Unidos com poder suficiente para mudar tudo isso, e é a Igreja Mórmon”. Que
grande elogio recebemos! (BYU 1970–72 Class Reunion, October 11, 1996)
Ao viajar pelo mundo, tenho a oportunidade de ser entrevistado por representantes da mídia. Isso é
sempre preocupante porque não se sabe que perguntas farão. Os repórteres são pessoas de muita
habilidade, que sabem fazer perguntas surpreendentes. Não é bem o que eu chamaria de uma situação
confortável, mas significa uma oportunidade de contar ao mundo um pouco de nossa história. Como
Paulo disse a Festo e Agripa: “porque isto não se fez em qualquer canto”. (Atos 26:26)
Temos algo que o mundo precisa conhecer, e tais entrevistas nos dão a oportunidade de falar sobre
isso. (“‘This Thing Was Not Done in A Corner,’” Ensign, November 1996, p. 48)
MILAGRES
Que criação maravilhosa é uma criança! Existe um milagre maior do que o nascimento de um ser
humano? (“Behold Your Little Ones,” Children’s Fireside Satellite Broadcast, January 23, 1994)
Irmãos e irmãs, tenho presenciado milagres em minha época. O maior milagre de todos, acredito, é
a transformação da vida de um homem ou mulher que aceita o evangelho restaurado de Jesus Cristo e
tenta aplicá-lo em sua vida. (Vacaville/Santa Rosa California Regional Conference, May 21, 1995)
Se você caminhar com fé, se mantiver-se em contato com Ele e cercar-se de fé, poderá realizar
qualquer coisa. Creio nisso de todo o meu coração. Tenho presenciado milagres após milagres através
do mundo. Pensava que as melhores pessoas do mundo estivessem em Millcreek Leste [onde presidi
como presidente de estaca] e ainda acredito nisso. Mas há milhões de outros exatamente como você em
qualquer lugar que vá, seja Hong Kong, Coréia, Taiwan, Bangoc, Cingapura, Bombai, Sydney,
Edimburgo, Wellington, Christchurch, Nuku’alofa, São Paulo, Buenos Aires, Santiago, Lima,
Estocolmo, Copenhagen, Londres, Birmingham. Há pessoas maravilhosas em todos os lugares nesta
Igreja. Esta é uma época de milagres. Somos parte do milagre, que é o progresso desse trabalho através
do mundo, em cumprimento do grande destino que o Senhor estabeleceu para nós. (Salt Lake East
Millcreek Stake Fifieth Anniversary Celebration, June 10, 1995)
Amo os missionários dessa Igreja. Já fui um, trabalhei com eles e os amo. Realmente sinto isso.
Para mim é sempre um novo milagre que um rapaz de uma pequena e poeirenta cidade como Parowan e
uma moça de uma pequena e poeirenta cidade como Vacaville pudessem sair ao mundo e tocar o
coração das pessoas e mudar seu modo de vida. É um milagre. (Washington D.C. North and South
Missionary Meeting, November 12, 1995)
Cada um de vocês sabe que esse evangelho é verdadeiro. Cada um de vocês sabe que Deus vive.
Cada um de vocês sabe que Jesus é o Cristo. Cada um de vocês sabe que Joseph Smith foi um profeta.
Cada um de vocês sabe que o Livro de Mórmon é verdadeiro. Isso, em si próprio, é um milagre.
(McAllen Texas Regional Conference, January 7, 1996)
Após este mês haverá mais santos dos últimos dias fora dos Estados Unidos do que nos Estados
Unidos. Estamos em mais de 150 nações.
A difusão do Livro de Mórmon é um milagre. Pense no que Joseph Smith e Martin Harris devem
ter pensado quando viram a primeira edição do Livro de Mórmon sendo impressa. É um milagre saber
que algum dia, em nossa época, a distribuição do Livro de Mórmon terá alcançado a média de setenta e
oito milhões de exemplares.
As coisas estão acontecendo. Você caminha em sua pequena trilha a cada dia e não tem uma
grande visão dessa obra, talvez porque você seja uma pequena parte nela, mas uma parte muito
importante. Quando se tem uma visão geral do que está acontecendo, com 100 novas estacas criadas no
ano passado por
intermédio dos esforços de pessoas como vocês, é um milagre. (Hawaii Honolulu Meeting,
February 17, 1996)
Esta é uma obra de milagres. São realizados milagres na vida dos missionários. Sua presença aqui
hoje é realmente um milagre. Essa é uma nação em que somente um por cento das pessoas são cristãs,
mas temos uma grande e crescente organização, com mais de mil missionários no Japão; cerca de cem
mil membros da Igreja no Japão; trezentas congregações de santos dos últimos dias no Japão. Tenho
visto o milagre de tudo isso desde que comecei a vir aqui há trinta e seis anos. Naquela época não
tínhamos nossa própria capela; não tínhamos um prédio nosso exceto por pequenas instalações em
péssimo estado na ilha do norte. Não possuíamos um único edifício em toda a Ásia.
Quando vejo hoje a força da Igreja aqui, vou a capelas de estaca e belos locais de adoração e penso
naquelas casas frias e malcheirosas onde costumávamos nos reunir, sei que um milagre aconteceu. É
maravilhoso. Que coisa encantadora é cada um de vocês poder fazer parte deste grande milagre que está
ocorrendo nesta boa terra, no Japão, que é uma das grandes nações da Terra, entre pessoas
maravilhosas e muito capazes. (Japan Tokyo North, Japan Tokyo South, and Japan Sendai Missionary
Meeting, May 18, 1996)
O Presidente Jay Quealy ficou seriamente ferido enquanto presidia neste local. Ele saiu para ver a
que horas os missionários estavam acordando na ilha e estava chovendo. Ele, insensatamente, foi de
lambreta, o que era permitido naquela época. Pegou uma estrada de cascalho miúdo e derrapou,
batendo no carro da polícia. De todos os veículos em que poderia bater, ele escolheu o pior deles; foi
jogado para cima do capô do carro colidindo com o pára-brisas. Quebrou as duas pernas, um braço e
algumas costelas.
Vim, então, para cá cuidar da missão por um tempo. Ele diz (e não eu) que quando lhe dei uma
bênção afirmei que ele andaria novamente com as próprias pernas e que não seria impedido de realizar
seu trabalho. Os médicos disseram que ele estava com gangrena em suas pernas e elas teriam que ser
amputadas. Ele disse: “Não, não deixarei amputá-las. Um servo do Senhor me prometeu que eu
caminharia novamente com minhas próprias pernas”.
Não me recordo de ter dito isso, mas ele sim e falou a respeito. As enfermeiras, excelentes
enfermeiras chinesas, massagearam suas pernas e a gangrena miraculosamente desapareceu e até a
época de sua morte ele caminhou com suas próprias pernas. Tenho visto milagres aqui pelo poder do
sacerdócio e pelo poder da fé”. (Hong Kong Missionary Meeting, May 25, 1996)
Um tio meu, Alonzo A. Hinckley, esteve aqui muito tempo atrás. Ele tornou-se mais tarde
membro do Conselho dos Doze. Ele falou do milagre, da grande dificuldade em aprender essa língua e
de suas orações ao Senhor para ajudá-lo a soltar a língua para que pudesse dizer palavras de testemunho
e verdade. De repente, de forma totalmente inesperada, estava numa reunião e começou a entender o
que estava sendo dito. Foi chamado para falar e falou com clareza para as pessoas. Um milagre. Esta é
uma terra de milagres e esta é uma obra de milagres. (Netherlands Amsterdam Missionary Meeting,
June 13, 1996)
É bom estar de volta a Berlim. Estive aqui a primeira vez em 1935, quando terminei minha
missão. (...) A última vez foi para a dedicação do belo templo em Freiberg. Esta cidade era muito
diferente então. Esta nação era muito diferente. Havia uma atmosfera de tensão, medo, opressão e
aquele terrível muro.
Um grande milagre aconteceu. Há agora liberdade de ir e vir, como desejarem, e de se reunirem
neste grande recinto, nessa manhã, como fiéis santos dos últimos dias, vindo de cidades que pertenciam
anteriormente à Alemanha Oriental e de outras que pertenciam à Alemanha Ocidental. (Berlin Germany
Regional Conference, June 16, 1996)
A história dessa Igreja está repleta de curas milagrosas. Tenho certeza disso. Recordo-me de uma
ocasião, quando cheguei em Hong Kong, em que me solicitaram que visitasse uma mulher no hospital.
Os médicos haviam dito que ela ficaria cega e perderia sua visão dentro de uma semana. Ela pediu-me
que lhe desse uma bênção e nós assim o fizemos, e ela afirmou que foi miraculosamente curada. Tenho
um quadro em minha casa que me foi dado por ela e no verso se encontra escrito o seguinte: “Para
Gordon B. Hinckley com grande estima pelo milagre de salvar minha visão”. Disse-lhe: “Não salvei
sua visão. É claro, o Senhor salvou sua visão. Seja agradecida a Ele”. (Mission Presidents Seminar,
June 23, 1996)
MINISTRAR
Ver também Integração; Ensino Familiar; Amor; Reativação e Retenção; Serviço
Deus quer que façamos Seu trabalho com energia e boa disposição. Esse trabalho, como Ele o
definiu é o seguinte: “(...) socorre os fracos, ergue as mãos que pendem e fortalece os joelhos
enfraquecidos”. (D&C 81:5)
É necessário ministrar aos necessitados, confortar os desolados, visitar a viúva e aos órfãos em
suas aflições, alimentar o faminto, vestir o nu, abrigar os que não têm onde morar. É importante que
façamos o que o Mestre fez: “praticar o bem”. (Single Adult Fireside Satellite Broadcast, February 26,
1989)
O Presidente Lee disse-nos, em mais de uma ocasião, que inspecionássemos grandes campos e
cultivássemos os campos pequenos. Ele dizia que precisamos ter uma visão ampla e trabalhar com
afinco no que nos foi designado e, ao fazermos isso, concentramo-nos nas necessidades do indivíduo.
Essa obra diz respeito a pessoas, a cada filho e filha de Deus. (“This Work Is Concerned with
People,” Ensign, May 1995, p. 53)
Abençoem-nos com o seu amor. Digam-lhes que vocês os amam. Isso é muito importante. Vocês
não são generais conduzindo um exército. Vocês são servos de Deus, ministrando a Seu povo.
Abençoem-nos com o seu amor. (Berlin Germany Regional Conference, priesthood leadership session,
June 15, 1996)
MISERICÓRDIA
Certo dia conversei com uma jovem mãe que fora abandonada pelo marido. Com suas poucas
aptidões, procurava ganhar o sustento para seus filhos. Abatida e acabrunhada, ela comentou com
lágrimas nos olhos: “O mundo é duro. Uma selva sem piedade”.
Como é divina a misericórdia! Não pode ser regida por leis; precisa emanar do coração, brotar do
íntimo. É parte do dom recebido por todos nós, como filhos de Deus e participantes de uma
primogenitura divina. Faço um apelo em favor de um esforço de todos nós para darmos maior
expressão e mais amplitude a esse instinto que existe dentro de nós. Estou convencido de que há um
momento, possivelmente muitos momentos, na vida em que clamamos por misericórdia da parte dos
outros. Como poderemos esperar recebê-la se não tivermos sido misericordiosos? (“Blessed Are the
Merciful,” Ensign, May 1990, p. 68)
Rogo um espírito mais forte de compaixão em todos os nossos relacionamentos, um maior
elemento de misericórdia, pois certa é a promessa de que, se formos misericordiosos, receberemos
misericórdia.
Junto com vocês tenho observado, nos últimos meses, uma maravilhosa, quase incrível, mudança
em algumas nações da Terra. Ditadores caíram, e a voz do povo faz-se ouvir novamente com um novo
cântico de liberdade.
Assisti na televisão ao julgamento sumário a que foi submetido um ditador implacável. No
momento extremo, ele desejou prova de misericórdia da parte de seus acusadores. Nada sei sobre o
sistema judiciário pelo qual ele e a sua esposa foram julgados. Sei apenas que a audiência foi breve, a
sentença de morte e a execução, rápidas e finais. Não houvera demonstração de misericórdia durante os
longos anos de opressão, duros e inclementes; e agora, nessa hora de amargo clímax, nenhuma foi
demonstrada.
A misericórdia é a própria essência do evangelho de Jesus Cristo. O grau em que somos capazes
de exercê-la torna-se uma expressão da realidade de nosso discipulado a Ele que é nosso Senhor e
Mestre. (“Blessed Are the Merciful,” Ensign, May 1990, pp. 68–69)
Lembro-vos que foi Ele quem disse: “Se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a
outra”. (Mateus 5:39)
Foi Ele quem disse: “E ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te o vestido, larga-lhe também a
capa”. (Mateus 5:40)
Foi Ele quem disse: “E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas”. (Mateus
5:41)
Foi Ele quem disse: “Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes”.
(Mateus 5:42)
Foi Ele quem disse à mulher apanhada em pecado:
“Onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? (...)
Nem eu também te condeno: vai-te e não peques mais”. (João 8:10–11)
Foi Ele quem, pendente da cruz em terrível agonia, bradou: “Pai perdoa-lhes, porque não sabem o
que fazem”. (Lucas 23:34)
Ele, o Filho do Pai Eterno, era a síntese da misericórdia. Seu ministério foi de compaixão para
com o pobre, o doente, o oprimido, as vítimas de injustiça e desumanidade do homem para com o
homem. Seu sacrifício na cruz foi um ato sem paralelo de misericórdias, em favor de toda a
humanidade.
Quão grande é a misericórdia! Quase sempre é silenciosa e modesta. Recebe poucas manchetes. É
a antítese da vingança e do ódio, da ganância e do egoísmo ofensivo. (“Blessed Are the Merciful,”
Ensign, May 1990, p. 69)
De todas as guerras que têm afligido os Estados Unidos, nenhuma foi tão custosa em termos de
sofrimento e morte, nenhuma tão repleta de veneno e ódio como a Guerra Civil Americana. Existem
poucas cenas mais comoventes na história, do que a de 9 de abril de 1865, em Appomattox, Virgínia,
quando o general Robert E. Lee capitulou diante do General Ulysses S. Grant. Este redigiu uma breve
declaração dos termos sob os quais os soldados do Sul estavam livres para retornarem ao lar com suas
armas pessoais, suas montarias particulares e bagagem.
Não houve recriminações, nenhuma exigência de reparações, nem exigência de desculpas ou
aplicação de punição. Isso está registrado nas crônicas de guerra como um grande e magnífico ato de
misericórdia.
Na história de nosso próprio povo destaca-se o exemplo da atitude de Brigham Young para com os
índios. Sua declaração de que era “preferível alimentá-los do que combatê-los” evidenciou não só a
misericórdia inata de seu caráter, mas uma sabedoria maior inerente a uma atitude compassiva para
com os menos afortunados. (“Blessed Are the Merciful,” Ensign, May 1990, p. 69)
Sejamos mais misericordiosos. Livremos nossa vida da arrogância, do convencimento, do
egoísmo. Sejamos mais compassivos, bondosos, cheios de tolerância e paciência, e de uma maior
medida de respeito recíproco. Assim fazendo, nosso exemplo levará outros a serem mais
misericordiosos, e teremos mais direito à misericórdia de Deus, que, em Seu amor, será generoso
conosco.
“Pois eis que não somos todos mendigos? Não dependemos todos do mesmo Ser, sim, de Deus,
para obter os bens que temos, tanto alimentos como vestimentas e ouro e prata e todas as riquezas de
toda espécie que possuímos?
Ora, se Deus, que vos criou, de quem depende sua vida e tudo o que tendes e sois, concede-vos
todas as coisas justas (...) oh! então, quanto mais não deveríeis repartir os vossos bens uns com os
outros!” (Mosias 4: 19, 21)
Tenho certeza de que tempo virá, para cada um de nós, em que, por causa de doença ou fraqueza,
pobreza ou desgraça, medidas opressivas impostas pelo homem ou pela natureza, desejaremos
misericórdia. E se, durante nossa vida concedermos misericórdia aos outros, obtê-la-emos para nós
mesmos. (“Blessed Are the Merciful,” Ensign, May 1990, p. 70)
É preciso haver compaixão para com muitas das vítimas das drogas. Sempre que ajudamos uma
delas a encontrar um caminho melhor, nosso esforço torna-se um ato de misericórdia recebido com
gratidão, em lugar de um ato de punição seguido de ressentimemto. (“Blessed Are the Merciful,”
Ensign, May 1990, p. 70)
Sejam fortes, meus irmãos, no tipo de misericórdia que têm. É fácil ser cruel em casa, no trabalho,
nos negócios, no modo de falar e nos atos. Este mundo doentio implora gentileza, amor e misericórdia.
Essas virtudes tornam-se uma expressão de força, em vez de fraqueza, por parte dos portadores do
sacerdócio de Deus. (“Building Your Tabernacle,” Ensign, November 1992, p. 52)
MISTÉRIOS
“Porque Deus não nos deu o Espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação”. [II
Timóteo 1:7] (...) De moderação. Creio que isso se refira à simplicidade do evangelho. Nem tudo é
enredado em mistérios. É simples, contínuo e belo. (England London South Missionary Meeting,
August 26, 1995)
Ninguém tem todas as respostas para tudo; ninguém nesta vida. Temos mistérios que não
compreendemos completamente. Não debata sobre eles. Não desperdice seu tempo falando sobre essas
coisas; elas podem levar à discussão. (Korea Seoul and Korea Seoul West Missionary Meeting, May
22, 1996)
Vocês não precisam preocupar-se com os mistérios. Não importa se as portas de pérola balançam
ou deslizam, o importante é que elas se abram. Não se importem com os mistérios. (Spain Madrid
Missionary Meeting, June 11, 1996)
MORALIDADE
Ver também Caridade; Valores; Virtude
Vivemos numa época em que a virtude é encarada levianamente pelo mundo. Vocês (...) não
podem considerá-la assim. A perda da virtude, para um santo dos últimos dias, significa
inevitavelmente perda do auto-respeito, perda do respeito pela pessoa com quem transgrediu, perda do
domínio sobre a mente e o corpo, e perda de integridade como portador do sacerdócio. Obviamente
existe o arrependimento e existe o perdão. Mas, haverá também dor, remorso e desapontamento. Poderá
ainda haver limitações em suas oportunidades de servir a Igreja no futuro.
Não estou pedindo que sejam puritanos. Estou pedindo-lhes que sejam virtuosos, e acho que há
uma grande diferença entre os dois.
Sejam limpos. Cuidado com o que lêem. Nenhum bem e muito de mal pode advir da leitura de
revistas pornográficas e literatura semelhante. Esse tipo de leitura servirá somente para estimular
pensamentos que irão enfraquecer seu auto-domínio. Nenhum bem resultará de assistir filmes
destinados unicamente a tirar seu dinheiro oferecendo-lhe em troca somente desejos desprezíveis.
(“Four B’s for Boys,” Ensign, November 1981, p. 41)
Lembro-me bem de uma conversa tensa que tive anos atrás com um rapaz num aeroporto da
América do Sul, onde ambos aguardávamos aviões que estavam atrasados.
Seu cabelo era comprido e usava barba e óculos grandes e redondos. Estava de sandálias e seu
modo de vestir demonstrava total indiferença para com qualquer padrão ou estilo.
Ele era convicto e, certamente, sincero. Ele tinha instrução e era cheio de idéias, tendo-se formado
em uma das melhores universidades dos Estados Unidos. Sem emprego e sustentado por seu pai, ele
viajava pela América do Sul.
O que ele buscava na vida? perguntei. “Paz e liberdade” foi sua resposta imediata. Ele usava
drogas? Sim, elas eram uma das maneiras de obter a paz e a liberdade que ele buscava. O assunto das
drogas levou à moralidade. Ele falava com desembaraço a respeito da nova moralidade que lhe dava
muito mais liberdade do que qualquer geração anterior tivera.
Ele já sabia desde que nos apresentáramos que eu era filiado a uma igreja, e disse-me, de uma
maneira um tanto condescendente, que a moralidade da minha geração era uma piada. Perguntou então
sinceramente como podia eu defender a virtude pessoal e castidade moral. Choquei-o um pouco quando
lhe disse que a liberdade dele era um engodo, que a paz dele era uma fraude, e que eu lhe explicaria a
razão.
Já pensei muito nessa conversa e em muitas outras semelhantes que tive ao longo dos anos. Hoje
há milhões de pessoas que, em busca de liberdade das restrições morais e da paz advinda de uma
consciência tranqüila, mergulharam totalmente em atitudes que escravizam e pervertem. Esse
comportamento, se nada o detiver, destruirá não somente esses indivíduos, mas também as nações das
quais eles são parte.
Lembro-me de pensar muito a respeito de paz e liberdade quando estava diante de um rapaz e uma
moça em meu escritório. Ele era bonito, alto e másculo. Ela era uma bela moça, uma aluna excelente,
sensível e perspicaz.
A moça soluçava, e as lágrimas corriam pelo rosto do rapaz. Eram calouros na universidade.
Estavam para casarem-se na semana seguinte, mas não seria o tipo de casamento com o qual haviam
sonhado. Esse eles haviam planejado para três anos depois, após sua formatura.
Estavam agora numa situação da qual ambos se arrependiam e para a qual nenhum dos dois estava
preparado. Seus sonhos de estudar estavam despedaçados, estudo esse que os prepararia para o mundo
competitivo que teriam de enfrentar no futuro. Em vez disso, teriam agora de montar um lar do qual ele
teria de ser o provedor com o magro salário que conseguiria com suas parcas habilidades.
O rapaz olhou-me, com os olhos cheios de lágrimas, e disse: “Fomos enganados”.
“Enganamos um ao outro”, disse ela. “Decepcionamos um ao outro e a nossos pais que tanto nos
amam, e decepcionamos a nós mesmos. Fomos traídos. Acreditamos na bobagem que diz que a virtude
é hipocrisia; e descobrimos que a nova moralidade, a idéia de que o pecado está só na cabeça é uma
armadilha que nos destruiu.”
Falaram dos milhares de pensamentos que haviam cruzado sua mente nos dias assustadores e nas
noites ansiosas das semanas anteriores. Será que ela deveria fazer um aborto? Era uma tentação, quando
se pensava nas dificuldades que viriam. Não, isso nunca, concluiu ela. A vida é sagrada sob quaisquer
circunstâncias. Como poderia ela continuar a viver, se tomasse providências para destruir o dom da
vida, ainda que naquelas circunstâncias?
Talvez ela pudesse ir para um lugar onde ninguém a conhecesse, pensaram eles, e ele poderia
continuar a estudar. A criança poderia ser dada em adoção. Havia organizações excelentes que
poderiam ajudar e havia boas famílias ansiosas por um filho. Mas abandonaram a idéia. Ele nunca a
deixaria enfrentar aquela dificuldade sozinha. Ele era responsável e assumiria aquela responsabilidade,
ainda que viesse a arruinar o futuro com o qual havia sonhado.
(...) Senti grande pesar enquanto os observava, despojados e em prantos. Ali estava uma tragédia.
Ali estava sofrimento. Haviam caído numa cilada. Eram prisioneiros.
Haviam-lhes falado de liberdade e lhes dito que o mal é uma coisa que está só na cabeça. Eles
descobriram, no entanto, que haviam perdido sua liberdade. Haviam trocado sua paz e liberdade — a
liberdade de casarem-se quando escolhessem, a liberdade de garantir a educação com a qual tinham
sonhado e, ainda mais importante, a paz do respeito próprio. (...)
Poderá haver paz no coração de uma pessoa, poderá haver liberdade na vida de alguém cujo fruto
amargo colhido da indulgência é somente o sofrimento? (“In Search of Peace and Freedom,” Ensign,
August 1989, pp. 2–5)
Precisamos ler mais história. Países e civilizações floresceram e depois morreram, envenenados
por sua própria doença moral. Como um comentarista observou, Roma pereceu antes que os godos
atravessassem suas muralhas. “Mas não foi por que as paredes fossem baixas. Foi porque a própria
Roma era baixa”. (U.S. News & World Report, May 28, 1962, p. 90)
É da semente que nascem os frutos. Os jovens são as sementes para o florescimento futuro da vida
familiar. Nenhuma nação, nenhuma civilização pode durar muito sem a força nos lares e na vida das
pessoas. (...)
Esperar que a paz, o amor e a alegria brotem da promiscuidade é esperar por algo que jamais
acontecerá. Desejar conseguir liberdade a partir da imoralidade é desejar algo que não pode acontecer.
(“In Search of Peace and Freedom,” Ensign, August 1989, pp. 5–6)
Não se necessita, obviamente, ler estatísticas para que se reconheça a decadência moral que parece
estar acontecendo por toda parte à nossa volta. Torna-se evidente na fácil dissolução de casamentos, na
infidelidade disseminada, no crescimento de gangues de jovens, no aumento do uso de drogas, na
crescente epidemia de AIDS e na crescente falta de consideração pela vida e propriedades alheias. É
vista na desfiguração de propriedades públicas e particulares por meio de pichações, que destroem a
beleza e são um insulto à arte. Estão expressas na linguagem da sarjeta, que é trazida para dentro de
nosso lar.
Sexo e violência infinitos na televisão, o lixo contido em tantos filmes, a sensualidade exagerada
em grande parte da literatura moderna, a ênfase na educação sexual, a desobediência disseminada à lei
e à ordem; todas são manifestações dessa decadência. (“Bring Up a Child in the Way He Should Go,”
Ensign, November 1993, p. 59)
Há tempestades à sua volta. A exploração sexual e a violência são vistas na televisão, por
intermédio de fitas de vídeo, revistas sensuais, serviços de telefone, e até mesmo na Internet.
Meu apelo a vocês, meus companheiros nessa obra, é que se distanciem dessas coisas. Vocês
podem mudar o canal de televisão. Podem evitar como uma praga o aluguel ou aquisição de fitas de
vídeo produzidas para estimulá-los e conduzi-los a caminhos que causarão remorsos. Somente o
produtor lucra com tais coisas. O comprador ou o locatário nunca lucram. (...)
Não estou pedindo que sejam pudicos. Somente lhes peço que escolham o certo. Os membros da
equipe de Mike Wallace falaram com uns poucos estudantes, como vocês, quando estiveram aqui.
Eram rapazes e moças. Os jornalistas relataram-me que os estudantes lhes disseram que era fácil
recusar um cigarro e não tinham problemas em rejeitar uma cerveja. Os limites estavam bem traçadas
com relação a essas coisas. Mas, com sexo era uma questão diferente. Era mais difícil dizer onde são os
limites.
Respondi: “Esses estudantes sabem onde são os limites. Eles não têm que tê-los definidos em
detalhes clínicos. Eles sabem quando estão em terreno escorregadio”. (...) É tudo uma questão de auto-
disciplina. É óbvio que você sabe o que é certo e o que é errado. Você foi treinado desde sua infância
sobre esses assuntos. Quando se encontrar escorregando na direção daquilo que sabe ser errado, poderá
ser difícil parar e voltar, mas isso pode ser feito. Tem sido feito por centenas de milhares, milhões como
vocês que experimentaram os mesmos apelos emocionais que vocês experimentam.
O Senhor disse: “Que a virtude adorne os teus pensamentos incessantemente”. (D&C 121:45)
Isso é um mandamento. Ele o tem repetido de diversas maneiras. Não podemos violar esse
mandamento sem pagar um preço, algumas vezes um preço terrível. Do mesmo modo se exercermos
auto-disciplina, acionando as poderosas forças do desejo individual, acompanhadas por um convite do
Espírito do Senhor, o resultado será a felicidade. (“True to the Faith,” Salt Lake Valley-Wide Institute
Fireside, January 21, 1996)
Virtude: não há nada mais precioso neste mundo do que a virtude. Se há alguém aqui que tenha
passado dos limites e transgredido e pensa que está tudo perdido, digo que nem tudo está perdido. O
princípio de arrependimento é o primeiro princípio do evangelho depois de fé no Senhor Jesus Cristo.
Você pode arrepender-se e deixar o passado para trás, limpar a lousa, apagar as marcas de giz e
prosseguir com sua vida. Se há algo dessa natureza no passado, fale confidencialmente com seu bispo,
deixe tudo esclarecido e continue em frente com pureza. Sejam limpos. Não há nada mais lindo nesse
mundo do que uma jovem que é pura de pensamento, palavras e ações; e nada mais bonito ou atraente
do que um rapaz de caráter semelhante. (San Diego California Youth Fireside, March 23, 1996)
Parece que o mundo inteiro ficou obcecado por sexo. De modo bastante enganador e atraente, ele é
constantemente apresentado na televisão, nos livros e revistas, em fitas de vídeo e até na música. Virem
as costas a tudo isso. Afastem-se. Sei que é fácil falar e difícil fazer. No entanto, cada vez que o
conseguirem, ficará mais fácil. Que coisa maravilhosa será estarmos um dia diante do Senhor e
podermos dizer: “Estou limpo”. (“‘Be Ye Clean,’” Ensign, May 1996, p. 48)
MORDOMIA
Convido-os a olharem para além dos limites de sua própria ala e elevarem seus olhos a fim de
obterem uma visão mais ampla da obra de Deus. Temos um desafio a atingir, um trabalho a executar
além da compreensão de qualquer um de nós, que é ajudar ao Pai Celestial a salvar Seus filhos e filhas
de todas as gerações, tanto os vivos como os mortos, para trabalhar pela salvação não somente dos
membros da Igreja, mas também dos que se encontram do lado de fora, onde quer que estejam.
Nenhum grupo de pessoas na face da Terra recebeu um mandamento mais forte do Deus dos céus do
que nós desta Igreja. (“Rise to a Larger Vision of the Work,” Ensign, May 1990, p. 97)
Servimos graças à tolerância do Pai Eterno, cientes de que ele pode facilmente remover-nos, a
qualquer hora que o desejar. Somos responsáveis perante Ele nesta vida, e lhe prestaremos contas
quando estivermos diante Dele para fazer nosso relatório. Espero que nesse dia eu tenha a oportunidade
de permanecer diante de meu Amado Salvador, para prestar contas de minha mordomia, sem ficar
envergonhado, sem tristezas ou desculpas. É pensando assim que tento conduzir minha vida. Sei que
não sou perfeito, que tenho muitas fraquezas, mas posso dizer que tenho tentado fazer o que o Senhor
espera que eu faça, como Seu servo e dos membros desta Igreja no mundo todo, e, em particular, como
servo de meu amado Presidente, nosso Profeta, Vidente e Revelador. (“‘In ... Counsellors There Is
Safety,’” Ensign, November 1990, p. 51)
Lutamos para manter a confiança que tem sido depositada sobre nós. Sabemos que um dia
estaremos em frente ao Mestre prestando contas de nossa mordomia. Espero e oro para que possamos
fazê-lo sem constrangimento ou desculpas. E espero não sermos acusados de termos apenas desejado
sinceramente, com devoção e esforço, ter cuidado bem e fielmente da responsabilidade que nos foi dada
pelo Senhor. (Phoenix Arizona North/West Regional Conference, January 13, 1991)
“E quem for um mordomo fiel, justo e sábio entrará no gozo do seu Senhor e herdará a vida
eterna”. (D&C 51:19) Essas palavras me intrigam. “Um mordomo fiel, justo e sábio”. Todo homem
aqui tem uma mordomia para com os outros: fiel, justo e sábio. Fiel em tudo o que lhe é exigido. Justo,
equilibrado, atencioso para com todos que estão sob sua responsabilidade. Sábio, com a sabedoria que
vem do Senhor. Gostaria de sugerir que escrevam esse versículo e ponham no espelho de modo que
toda manhã, vejam-no e ponderem sobre ele pensando em sua responsabilidade. (Anchorage Alaska
Regional Conference, priesthood leadership session, June 17, 1995)
MORTALIDADE
Ver também Plano de Salvação
Todos aqui somos parte de um plano feito por nosso amado Pai que se preocupa com nossa
imortalidade e vida eterna. A esfera mortal na qual vivemos é preparatória para aquela que se seguirá
quando voltarmos a habitar com Deus nosso Pai, se vivermos dignos desse glorioso privilégio.
(“Daughters of God,” Ensign, November 1991, p. 99)
Este estado mortal é uma época de provas e oportunidades. É um período em que nos preparamos
para a próxima vida. (...) A vida que temos hoje é parte de uma jornada grande e eterna. Os homens e as
mulheres são filhos de Deus. Existe algo de divino em cada um de nós. Fomos revestidos de qualidades
e instintos divinos, e fomos enviados aqui “para um propósito sábio e glorioso”. (“Why I Am a
Member of The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints,” Foreword to book by Dr. Matthew
Naytons, March 22, 1995)
Se a mortalidade fosse a única razão de nosso nascimento, não haveria um verdadeiro significado
em nossa vida. Significaria simplesmente trabalhar como escravos, educar-nos nisso e naquilo, para
que, na hora da morte, tudo simplesmente se apagasse e desaparecesse. (Boston Massachusetts
Regional Conference, priesthood leadership session, April 22, 1995)
Esse estágio da mortalidade é somente um período na grande marcha de nossa vida na estrada da
imortalidade e vida eterna. (Vernal Temple Groundbreaking Ceremony, May 13, 1995)
A vida é um período de provas, de desafios e de educação. É um tempo para ganhar-se experiência
e tentar qualificar-se para o futuro. (Church News Interview, June 7, 1995)
É nisso que tudo se resume: colocar nossa vida em ordem para que tiremos proveito do que o
Senhor nos concedeu, essa maravilhosa e preciosa dádiva que é viver e poder estar na Terra na mais
grandiosa de todas as épocas da história humana. (Vista California Youth Fireside, March 23, 1996)
MORTE
O mistério da morte tem sido a apreensão principal de homens e mulheres preocupados de todas as
idades. O trabalho do templo, baseado no sacrifício expiatório do Salvador da humanidade, é a resposta
precisa para esse mistério. Ele traz luz e entendimento, esperança e certeza, convicção e fé. (Temple
Presidents Seminar, August 15, 1989)
Aos cinqüenta anos [minha mãe] contraiu câncer. [Meu pai] estava atento a todas as necessidades
dela. Lembro-me quando em nossas orações familiares ele suplicava em lágrimas e nós também.
Logicamente não se tinha seguro de saúde naquela época. Ele gastou cada dólar que recebeu para
ajudá-la. Ele, de fato, gastou bastante. Levou-a a Los Angeles em busca de melhor atendimento
médico. Foi inútil.
Isso foi há sessenta e dois anos, mas lembro-me com clareza de meu pai, angustiado, descendo do
trem e indo ao encontro de filhos muito tristes. Andamos solenemente até o vagão de bagagens, de
onde o féretro foi desembarcado e levado à agência funerária. Conhecemos ainda mais a ternura de
nosso pai. Isso teve efeito sobre toda a minha vida.
Aprendi ainda, algo sobre a morte: a absoluta desolação de filhos que perdem a mãe. Mas também
aprendi o que é a paz sem dor e a certeza de que a morte não é o fim da alma. (“Some Lessons I
Learned as a Boy,” Ensign, May 1993, p. 54)
Como mortais, todos devemos morrer. Tanto quanto o nascimento, a morte faz parte de nossa vida
eterna. Vista através de nossos olhos mortais, sem a compreensão do plano eterno de Deus, a morte é
uma experiência triste, final e implacável, tendo sido descrita por Shakespeare como “o país não
descoberto de cujos confins jamais voltou viajante algum”. (Hamlet, ato III, cena I, versos 79–80)
Nosso Pai Eterno, de quem somos filhos, abriu-nos o acesso a algo muito melhor através do
sacrifício de Seu Filho Unigênito, o Senhor Jesus Cristo. Isso era necessário. Pode alguém acreditar que
o Grande Criador iria promover a vida, o crescimento e as realizações, somente para condenar tudo ao
esquecimento com a chegada da morte? A razão diz que não. A justiça exige uma resposta melhor. O
Deus dos céus nos deu essa resposta. O Senhor Jesus Cristo a proveu.
Seu sacrifício foi definitivo, Sua vitória, sublime. (“The Greatest Miracle in Human History,”
Ensign, May 1994, p. 72)
Que maravilha é, afinal de contas, a morte. É um grande alívio. É uma majestosa e serena
passagem dessa vida para uma outra melhor, tenho plena convicção disso. Iremos para um lugar onde
não iremos sofrer como sofremos aqui, mas continuaremos a crescer, acumulando conhecimento,
desenvolvendo-nos e sendo úteis graças ao plano do Todo-Poderoso que se tornou possível devido ao
sacrifício expiatório do Filho de Deus. (Funeral Service for Robert G. Wade, January 3, 1996)
A morte faz parte da vida. É parte fundamental e básica de nossa vida eterna. Não podemos levar
adiante o grande trabalho que nos espera sem que trilhemos o caminho da morte, ainda que doloroso
para aqueles que aqui permanecem. Estou certo de que é uma bonita experiência para aqueles que se
vão, que viveram uma vida de retidão e fé. (Funeral Service for Harry V. Brooks, February 23, 1996)
Todos nós temos que lidar com a morte em alguma época da vida, mas ter no coração a sólida
convicção concernente a realidade da vida eterna é ter uma paz na hora da tragédia que não advém de
nenhuma outra fonte debaixo dos céus. (Plano Texas Regional Conference, March 17, 1996)
Nada é mais universal do que a morte, e nada mais cheio de esperança e fé do que a certeza da
imortalidade. A profunda tristeza que acompanha a morte, o sentimento de perda que segue o
falecimento de um ente querido somente são mitigados pela certeza da Ressurreição do Filho de Deus
naquela primeira manhã de Páscoa.
Que significado teria a vida sem a convicção da imortalidade? Sem isso, a vida seria apenas uma
melancólica jornada material que terminaria em completo e inevitável esquecimento.
“Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória?” (I Coríntios 15:55)
A dor da morte é tragada pela paz da vida eterna. De todos os eventos das crônicas da
humanidade, nenhum trouxe tamanha conseqüência. (...)
Sempre que a mão fria da morte baixar, brilhará através da melancolia e escuridão daquele
momento a triunfante figura do Senhor Jesus Cristo, Ele, o Filho de Deus, que por meio de Seu
incomparável e eterno poder venceu a morte. Ele é o Redentor do mundo. Deu Sua vida por todos nós,
tomou-a de volta e tornou-Se as primícias dos que dormem. Ele, como Rei dos Reis, permanece
triunfante sobre todos os outros reis. Ele, como o Onipotente, está acima de todos os governantes. É
nosso consolo, nosso único consolo verdadeiro, quando as sombras da noite terrena se fecham sobre
nós e o espírito deixa a fôrma humana. (“This Glorious Easter Morn,” Ensign, May 1996, p. 67)
MULHERES
Ver também Maternidade
Estou certo de que [nosso Pai Celestial] ama Suas filhas tanto quanto Seus filhos. O Presidente
Harold B. Lee observou certa vez que o sacerdócio é o poder pelo qual Deus opera por intermédio de
nós, homens. Gostaria de acrescentar que a maternidade é o meio pelo qual Deus concretiza seu
grandioso desígno de perpetuar a espécie. Tanto o sacerdócio como a maternidade são essenciais para o
plano do Senhor.
Cada qual complementa o outro. Um necessita do outro. Deus criou-nos macho e fêmea, cada um
único em suas capacidades e potencial. A mulher é quem gera e nutre os filhos. O homem é o provedor
e protetor. Nenhuma legislação pode alterar os sexos. A legislação deveria prover igualdade de
oportunidade, de remuneração e de privilégio político. Mas qualquer legislação que procure criar um
sexo neutro daquilo que Deus criou homem e mulher, trará mais problemas que benefícios. Disso estou
convencido.
Desejaria de todo o meu coração que despendêssemos menos tempo falando de direitos e mais
falando sobre as responsabilidades. Deus confiou às mulheres desta Igreja um trabalho a realizar na
edificação de Seu reino. Isso se refere a todos os aspectos de nossa grande e tripla responsabilidade, que
é: ensinar o evangelho ao mundo; fortalecer a fé e promover a felicidade dos membros da Igreja; e levar
avante a grande obra de salvação para os mortos.
Essa é uma época que exige vigor. Concluo com essas estimulantes palavras de Morôni, escritas
quando selou seu registro para ressurgir na dispensação da plenitude dos tempos:
“E desperta e levanta-te do pó, ó Jerusalém; sim, e veste-te com teus vestidos formosos, ó filha de
Sião; e fortalece tuas estacas e alarga tuas fronteiras para sempre, a fim de que já não sejas confundida,
para que se cumpram os convênios que o Pai Eterno fez contigo, ó casa de Israel!
Sim, vinde a Cristo, sede aperfeiçoados nele e negai-vos a toda iniqüidade (...)”. (Morôni 10:31–
32)
Vistam seus belos vestidos, ó filhas de Sião. Vivam à altura de sua grandiosa e magnífica herança
que o Senhor Deus Seu Pai Celeste lhes reservou. Elevem-se acima do pó do mundo. Saibam que são
filhas de Deus, filhas com direito divino inato. Andem ao sol de cabeça erguida, sabendo que são
amadas e honradas, que fazem parte do Seu reino e que há um grande trabalho a ser feito por vocês e
que não pode ser deixado para outros. (“Live Up to Your Inheritance,” Ensign, November 1983, pp.
83–84)
De todas as criações do Todo-Poderoso, não há nada mais belo, nada mais inspirador que uma
adorável filha de Deus que caminha na virtude, compreendendo porque ela deve fazê-lo, que honra e
respeita seu corpo como uma coisa sagrada e divina, que cultiva sua mente e constantemente amplia o
horizonte de seu entendimento, que nutre seu espírito com uma verdade eterna. Deus nos
responsabilizará se negligenciarmos Suas filhas. (“Our Responsibility to Our Young Women,” Ensign,
September 1988, p. 11)
Foi somente depois que fiquei mais velho que vim a perceber o grande valor do lar em que fui
criado, uma riqueza que não se mede em dinheiro, mas em qualidades mais preciosas que dinheiro.
Minha mãe era professora, a primeira professora de taquigrafia Gregg em Utah, e professora de inglês.
Meu pai não era rico, mas foi capaz de prover o sustento da vida modesta que desfrutávamos. Quando
os filhos chegaram, minha mãe abandonou a profissão e ficou em casa. Havia um sentimento de
segurança, uma âncora de amor que era sentida e muito apreciada, embora raramente se falasse nisso.
Minha mãe morreu quando eu estudava nesta universidade. Foi um dia triste e sombrio para todos
de nossa família. Mas havia um resíduo que permaneceu conosco dando-nos força, orientação e
disciplina. Com ela aprendi muitas coisas, incluindo respeito pela feminilidade, admiração pela
tremenda força que ela possuía, incluindo um vivaz e feliz gosto pela vida, amor pelas pessoas, e
incidentalmente um amor enormemente benéfico pela literatura, música e arte. De minha vida familiar
vim a acreditar, como ainda acredito, que as mulheres têm atributos e qualidades especiais. Passei a
acreditar que sua herança é divina. (Belle S. Spafford Conference on Women, February 23, 1990)
Na seqüência de eventos descritos nas escrituras, Deus criou primeiro a Terra, “e a terra era sem
forma e vazia”. (Gênesis 1:2) Ele então separou a luz das trevas e as águas da porção seca. Em seguida,
veio a criação de todas as espécies vegetais, trazendo a beleza das árvores, da grama, das flores e
arbustos, seguindo-se a criação da vida animal no mar e na terra.
Tendo olhado toda a Sua obra, Ele declarou que era boa. Depois, criou o homem à Sua imagem e
semelhança. Como criação final e coroação de seu glorioso trabalho, Ele fez a mulher. Gosto de
considerar Eva como sua obra-prima, criada depois de tudo o que fora feito antes, como o trabalho final
que Ele realizou antes de descansar de Seus labores.
Não a considero como estando em segundo lugar, depois de Adão. Eva foi colocada a seu lado,
como sua adjutora. Estavam juntos no Jardim do Éden, foram expulsos e trabalharam juntos no mundo
para o qual foram expulsos. (“Daughters of God,” Ensign, November 1991, pp. 98–99)
Pergunta-se se os homens são mais importantes que as mulheres. Respondo com outra pergunta:
Algum de nós estaria aqui hoje, homem ou mulher, sem o outro? As escrituras mostram que Deus criou
o homem à Sua própria imagem, macho e fêmea os criou. Ordenou que juntos se multiplicassem e
enchessem a Terra. Ambos são criação do Todo-Poderoso, mutuamente dependentes e igualmente
necessários para a continuação da espécie. Toda nova geração na história é um testemunho da
necessidade de ambos, homem e mulher. (“Daughters of God,” Ensign, November 1991, p. 99)
Expresso minha gratidão às fiéis mulheres santos dos últimos dias. Hoje são milhões na Terra. Seu
poder para promover o bem é imenso. São maravilhosos os talentos e a devoção que possuem. A fé no
Senhor e o amor que vocês têm a Ele, por Sua obra e por Seus filhos são extraordinários. Continuem a
viver o evangelho. Magnifiquem-no acima de qualquer de suas relações. Suas obras terão um peso
maior do que qualquer palavra proferida. Caminhem na verdade e na virtude, com fé e constância.
Vocês são parte de um plano eterno, um plano traçado por Deus, nosso Pai Celestial. Cada dia é uma
parte dessa eternidade. (“Daughters of God,” Ensign, November 1991, p. 100)
Sinto-me inclinado a convidar as mulheres de todos os lugares a elevarem-se à medida do grande
potencial que existe em vocês. Não peço para irem além de sua capacidade. Espero que não aborreçam
a si mesmas com pensamentos de fracasso. Espero que não tentem estabelecer metas além de sua
capacidade de atingi-las. Espero que vocês façam simplesmente o que puderem da melhor maneira que
souberem. Se assim procederem, vocês verão milagres acontecerem. (Motherhood: A Heritage of Faith,
booklet [Salt Lake City: Deseret Book, 1995], p. 9)
Que vigorosa congregação de mulheres vocês são. (...) Vocês vivem em muitas terras e falam
diversas línguas, mas compreendem com um só coração. Cada uma de vocês é uma filha de Deus.
Pensem no significado assombroso desse fato tão importante.
Ele, que é o nosso Pai Eterno, abençoou-nos com maravilhosos poderes da mente e corpo. Ele
nunca pretendeu que vocês fossem menos do que a coroação da glória de Suas criações.
Recordo-lhes das palavras ditas pelo Profeta Joseph às mulheres da Sociedade de Socorro em abril
de 1842. Ele disse: “Se viverem à altura de seus privilégios, não se poderá impedir que os anjos as
acompanhem”. (Relief Society Minutebook, 28 April 1842, LDS Church Archives) Que potencial
maravilhoso existe em vocês! (“Stand Strong against the Wiles of the World,” Ensign, November 1995,
p. 98)
Creio ser esta a melhor época que as mulheres já viveram, em toda a história do mundo. Em
termos de oportunidades de estudos e de treinamento físico e mental, nunca houve um período em que
as portas estivessem tão plenamente abertas para vocês como hoje.
No entanto, nunca houve época, ao menos na história contemporânea, em que tiveram de enfrentar
problemas mais desafiadores. Não é preciso que eu lhes lembre o tumulto em que se encontra o mundo,
com os valores em constante mudança. Vozes estridentes proclamam diversas condutas contrárias aos
padrões de comportamento cuja validade foi comprovada pelo tempo. Os esteios morais de nossa
sociedade foram severamente abalados. (...) Não posso expressar o quanto sou grato por sua firme
determinação de viver os padrões da Igreja, de prosseguir no vigor da virtude e de manter a mente
acima da imundície que parece encobrir o mundo. Obrigado por saberem que existe um caminho
melhor. Obrigado pela decisão de dizerem não. Obrigado pela força que demonstram ao resistirem às
tentações e por olharem para frente e para o alto, contemplando a brilhante luz de seu potencial eterno.
(“Stand Strong against the Wiles of the World,” Ensign, November 1995, p. 99)
Vocês, irmãs, são as verdadeiras construtoras da nação onde vivem, pois formaram lares onde
existe força, paz e segurança. Isso constitui o verdadeiro sustentáculo de qualquer país. (“Women of the
Church,” Ensign, November 1996, p. 68)
Que riqueza são as mulheres da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias! Vocês amam
a Igreja, aceitam sua doutrina, honram seu lugar nessa organização, trazem luz, força e beleza a suas
congregações. Como somos gratos a vocês! Como as amamos, respeitamos e honramos! (...)
Vocês nos completam e têm grande força. Com dignidade e extrema capacidade, vocês levam
adiante os notáveis programas da Sociedade de Socorro, das Moças e da Primária. Vocês dão aulas na
Escola Dominical. Caminhamos a seu lado como seus companheiros e irmãos, com respeito e amor,
honra e grande admiração. Foi o Senhor quem designou que os homens de Sua Igreja portassem o
sacerdócio. Foi Ele quem deu a vocês a capacidade de completar essa grande e maravilhosa
organização, que é a Igreja e reino de Deus. Presto meu testemunho diante do mundo inteiro a respeito
do valor que vocês têm, de sua graça e bondade, de sua notável capacidade e extraordinária
contribuição. (“Women of the Church,” Ensign, November 1996, p. 70)
Ao ler a história de nosso povo fico impressionado ao ver que os nomes dos homens são citados,
lembrados e honrados; mas, pouca honra é dada à mulher.
Wallace Stagner não era membro dessa Igreja. Ele era aluno da Universidade de Utah quando eu
também o era. Ele deu continuidade aos seus estudos e tornou-se professor de criatividade literária na
Universidade de Stanford e ganhou um Prêmio Pulitzer. Ele escreveu bastante sobre o nosso povo. Ele
escreveu a história da Trilha Mórmon. Em seu capítulo de abertura, ele diz: “Tentarei apresentar [os
mórmons] em seus termos e julgá-los de acordo com os meus. O fato de não aceitar a fé que possuíam
não significa que eu duvide de sua freqüente devoção e heroísmo a essa obra, especialmente suas
mulheres. Suas mulheres foram incríveis”. (The Gathering of Zion, page 13)
Acredito que qualquer pessoa que estude honestamente a nossa história chegará à mesma
conclusão. Quão absolutamente magnífica foram as mulheres da era pioneira dessa Igreja! Inicio, se me
permitem, com Emma Smith, a quem o Senhor chamou “uma mulher eleita”. (D&C 25:3) Alguns
poucos anos atrás caminhei lentamente pela propriedade de Isaac Hale no Estado da Pensilvânia. Pensei
no casamento de Emma, desagradável a seu pai. Olhei para o lugar onde ela enterrou seu primeiro filho.
Pensei nela tentando colocar alimento na mesa enquanto Joseph e Oliver lutavam com a tradução do
Livro de Mórmon.
Onde quer que Joseph fosse, ela ia também. Ela não tinha o mesmo testemunho dessa obra que ele,
mas tinha que carregar muito do fardo do chamado de Joseph. Ela mudou-se de um lugar para o outro,
incapaz de fixar residência até que se estabeleceram em Nauvoo, e lá sua casa estava constantemente
cheia de convidados. Quando Joseph e Hyrum foram mortos em 1844, ela foi deixada só com seus
filhos em uma situação bastante incerta. (...)
A viúva de Hyrum, Mary Fielding Smith (...) enfrentou a longa marcha de Nauvoo para o Rio
Missouri. Ela fez parte do grande movimento migratório que deixou Winter Quarters e viajou para o
vale do Grande Lago Salgado. Seu filho pequeno, Joseph, estava com ela e conduziu os bois durante
muito tempo naquela longa jornada. Ela foi uma viúva que caminhou com fé.
Que fé possuiam aquelas mulheres pioneiras! Elas tinham filhos, cozinhavam, costuravam,
lavavam, esfregavam com as mãos, remendavam, faziam suas próprias roupas e também as de seus
filhos. Cuidavam dos doentes e vestiam os mortos. Trabalhavam do nascer do sol ao pôr-do-sol. Elas
até mesmo trabalhavam ao lado de seu marido construindo casas de tronco de madeira onde quer que
eles parassem, arando a terra firme, semeando e ceifando. Elas levavam cultura e beleza ao lar. (...)
Em Durban, África do Sul, existe uma grande estátua de uma mulher. Ela representa as esposas e
mães dos viajantes que fizeram a longa peregrinação nos primeiros dias daquela nação.
Não há memorial de homem naquele lugar, mas somente uma nobre e grande mulher. Ao
considerar isso, disse a mim mesmo: “Quão maravilhoso é fazer-se uma homenagem a essa mulher, que
representa todas as outras, erguendo-se resoluta e forte após ter suportado todos os tipos de
adversidade!”
Gostaria que tivéssemos uma estátua semelhante na Praça do Templo ou em algum lugar
semelhante para homenagear as grandes, nobres, serenas heroínas não homenageadas, que viveram e
morreram na grande odisséia de nosso povo de Nova York para Ohio, de Ohio para o Missouri, do
Missouri para Illinois, de Illinois para Winter Quarters, e de Winter Quarters para este vale.
As mulheres que pertenceram àquela geração já partiram. Pelo menos outras duas gerações
vieram, e a maioria delas também já se foram. Mas olhando-se as das páginas da nossa história, não se
pode deixar de exclamar com Wallace Stegner: “Suas mulheres foram incríveis!” (BYU Women’s
Conference Address, May 1, 1997)
MUNDANISMO
Vemos em todas as partes ao nosso redor, uma atenção indevida às coisas do mundo, que destrói a
fé. (...) Sei que as coisas temporais da vida são importantes. Sei que os assuntos temporais da Igreja são
importantes. Sei que nós, como povo, precisamos viver no mundo. Espero, porém, que não nos
submetamos ao mundo. Nossa voz deve ser de advertência. (General Authority Training Meeting,
September 27, 1994)
Todos vivemos no mundo. É claro que o fazemos, pois não podemos viver enclausurados, mas
podemos viver no mundo sem partilhar dos estilos de vida inadequados do mundo.
A atração é cada vez maior. O adversário é esperto e sutil. Com uma voz sedutora, ele fala de
coisas fascinantes e atraentes. Não podemos baixar a guarda. (...) Não precisamos correr na direção
errada. O caminho certo é simples. Significa seguir o programa da Igreja, trazer os princípios do
evangelho para nossa vida e nunca perder de vista o que se espera de nós, filhos de Deus, com uma
grandiosa herança e um potencial eterno e maravilhoso. (“Don’t Drop the Ball,” Ensign, November
1994, p. 48)
Não hesito em dizer que se buscarem somente seu sonho de reconhecimento e recompensa
monetária, e não derem nenhuma atenção a esses outros assuntos que mencionarei, não serão bem-
sucedidos na vida. (“A Three-Point Challenge,” BYU Commencement Address, April 27, 1995)
Temos um modo de vida diferente. Há uma diferença. É um modo de vida e não se encaixa no
molde que muitas pessoas possuem. Somos diferentes e eles usam a palavra estranhos. (...) Vivemos no
mundo, somos parte do mundo, mas não necessitamos adotar todos as maneiras de agir do mundo. Isso
faz-nos parecer diferentes e, suponho, estranhos. Mas não somos estranhos. (Interview with Bob
Anderson of 60 Minutes, December 6, 1995)
“Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males”. [1 Timóteo 6:10] Isso é verdade.
As pessoas colocam sua mente nas coisas do mundo e perdem o Espírito do Senhor em seu trabalho.
Não é sobre dinheiro que Ele está falando, é o amor ao dinheiro, é a cobiça, é o desejo de obter mais do
que se precisa que se transforma na raiz de todo o mal. Espero que se lembrem disso todos os dias de
sua vida. (Korea Seoul and Korea Seoul West Missionary Meeting, May 22, 1996)
Vivemos em um mundo de muita imundície. Está em toda parte. Está nas ruas. Está na televisão.
Está nos livros e revistas. Está em todos os lugares. É como uma grande enchente, feia, suja e má,
tragando o mundo. Temos que nos manter acima disso. (Berlin Germany Regional Conference, June
16, 1996)
Minha mensagem para o mundo exterior seria que o mundo está escorregando nos seus princípios
morais. Isso só pode trazer sofrimento. O caminho para a felicidade está em se voltar para uma forte
vida familiar e observar os padrões morais, o valor daquilo que já foi comprovado através dos séculos.
(Press Interview, Berliner Zeitury, June 16, 1996)
MÚSICA
Que haja música no lar! Se vocês têm filhos adolescentes que possuem seus próprios discos e fitas,
vocês se sentirão inclinados a descrever o som que eles ouvem como qualquer coisa, exceto música.
Faça com que de vez em quando eles ouçam alguma coisa melhor. Apresente-lhes a boa música. Ela
falará por si mesma. Será mais bem apreciada do que vocês possam imaginar. Pode ser que não digam
nada, mas eles sentirão, e sua influência se manifestará cada vez mais com o passar dos anos. (Be Thou
an Example [Salt Lake City: Deseret Book, 1981], p. 56)
Emma [Smith] foi instruída a fazer uma seleção de hinos para a Igreja; é interessante que essa
recomendação tenha sido feita apenas três meses após a Igreja ter sido organizada. Em relação a esse
chamado, o Senhor faz uma declaração notável, freqüentemente citada entre nós: “Porque minha alma
se deleita com o canto do coração; sim, o canto dos justos é uma prece a mim e será respondido com
uma bênção sobre sua cabeça”. (D&C 25:12)
Enquanto ouvíamos esse maravilhoso coro cantar esta noite, essas palavras passaram-me pela
mente. O canto dos justos é uma prece a Deus e será respondida com uma bênção sobre sua cabeça.
(“‘If Thou Art Faithful,’” Ensign, November 1984, p. 91)
A música, obviamente, é um fator importante. A maior parte de nossos prédios está equipada com
órgãos que, quando devidamente tocados, contribuem para o clima de reverência do serviço de
adoração. Os hinos cantados pela congregação e a apresentação de partes dos grandes oratórios
sagrados pelo coro da ala, realçam o espírito de adoração. (“Reverence and Morality,” Ensign, May
1987, p. 45)
Reconhecemos o poder universal da música de tocar o coração dos homens e mulheres de todo o
mundo e de todas as gerações; de inspirar e encorajar, de apoiar e edificar, de consolar e trazer paz.
(“60 Years of Radio Broadcasting,” Tabernacle Choir Broadcast and Program, July 16, 1989)
As apresentações do Coro do Tabernáculo no rádio, televisão, em filmes e em discos têm levado
sua música a milhares de pessoas. Nenhum meio de comunicação tocou a vida de tantos por tanto
tempo como a transmissão semanal pela rádio CBS do programa Música e a Palavra Proferida. Nesse
programa, cantores talentosos apresentaram o trabalho de grandes peças corais de compositores
famosos de todas as épocas. Eles apresentaram música inspiradora da Broadway, de filmes e as imortais
músicas folclóricas e cívicas de muitos povos. Ergueram a voz em cânticos de louvor e agradecimento a
Deus nosso Pai Eterno e a Seu Filho Amado. (“60 Years of Radio Broadcasting,” Tabernacle Choir
Broadcast and Program, July 16, 1989)
Apreciem a música. Não o “rock and roll”, mas a música dos mestres, a música que tem
sobrevivido através dos séculos, a música que eleva as pessoas. Se você não gosta desse tipo de música,
ouça-a meditando a respeito dela. Se você não gostar da primeira vez, ouça-a novamente e continue
ouvindo-a. Será algo como ir ao Templo. Quanto mais você vai, mais bela será a experiência. (Ellen
Pucell Unthank Monument Dedication, Cedar City, Utah, August 3, 1991)
As palavras do grande hino missionário “Aonde Mandares Irei” não são nossas originalmente.
Foram escritas por alguém que não é da nossa fé, uma mulher chamada Mary Brown. Mas nós a
adotamos, e creio que a cantamos com mais freqüência do que qualquer outro grupo de pessoas no
mundo inteiro. Gostaria de falar-lhes por um momento como viemos a cantá-la.
Em 1896, três missionários foram chamados para trabalhar em St. Louis. Eram eles: George D.
Pyper, que mais tarde se tornou Superintendente Geral das Escolas Dominicais da Igreja; B.H. Roberts,
que se tornou um dos primeiros membros do Quórum dos Setenta e historiador-assistente da Igreja; e
Melvin J. Ballard, que se tornou membro do Conselho dos Doze Apóstolos.
O trabalho estava vagaroso e difícil. As pessoas eram indiferentes. Os élderes Pyper e Roberts
foram desobrigados para que retornassem ao lar, e o élder Ballard ficou. Era uma situação
extremamente difícil e desanimadora, mais ainda porque ele havia deixado sua jovem esposa em casa.
Naquela época de grande desânimo, o élder Ballard deparou-se com as palavras desse hino. Ele as
lia vez após vez. Elas traziam-lhe conforto e fortalecimento ao coração. Elas mudaram seu
comportamento. Elas ergueram-no e incentivaram-no a trabalhar com maior fé e diligência.
A letra foi posta em música por Carrie E. Rounsefell, e o irmão Ballard mais tarde a cantava com
uma bela e melodiosa voz em qualquer lugar que fosse. Ele veio a tornar-se o presidente do Comitê de
Música da Igreja e incluiu a música no hinário da Igreja. Desse mesmo modo prosseguiu em todas as
edições seguintes, tornando-se um dos nossos grandes hinos missionários, uma música de dedicação
pessoal.
Contarei uma outra experiência a respeito desse hino. A irmã Hinckley e eu fomos a Hong Kong
trinta anos atrás. Naquela época eu era responsável pelo trabalho na Ásia. Enquanto visitávamos as
diversas missões, tivemos reuniões de testemunho e de instruções com os missionários. (...)
Em uma dessas reuniões em Hong Kong, uma missionária prestou o testemunho. Recordo-me que
ela era da Nova Zelândia. Contou-nos que um dia ela e sua companheira estavam fazendo proselitismo
na chuva. Estavam trabalhando numa área de Hong Kong onde o governo construiu diversos edifícios
com muitos andares, muito simples e monótonos, com pequenos apartamentos que alojavam os
refugiados da China Continental.
Elas tinham passado o dia inteiro sem uma oportunidade de ensinar. Era por volta das 16h30 e elas
estavam molhadas, cansadas e desanimadas. Elas enfrentavam a idéia de ter que entrar num outro
edifício e subir os muitos lances de escadas; não havia elevadores. Ao estarem na rua em frente a um
edifício bem alto, ela disse à sua companheira júnior: “Já fizemos o suficiente hoje. Vamos para casa
secar-nos e aquecer-nos”. Começaram a descer a rua onde pegariam o ônibus.
Disse ela: “Ao começarmos a caminhar em direção à parada de ônibus, o hino “Aonde Mandares
Irei” veio-me à mente. Não pude entender o porquê. A última vez que o tinha ouvido fora na minha
despedida muitos meses antes. Agora ele não me deixava. Tanto a letra quanto a melodia percorriam
minha mente sem cessar. Finalmente, segurei a manga do sobretudo de minha companheira e disse-lhe:
“Temos que voltar. Não sei por que, mas precisamos voltar”.
“Voltamos pelo mesmo caminho. Subimos as escadas até o sexto andar daquele monótono
edifício. Somente uma parte do andar estava iluminada. Batemos na porta. Fomos convidadas a entrar.
Demos uma palestra. Fomos convidadas a voltar. Daquele momento em diante ensinamos todas as
palestras. Semana passada essa maravilhosa família chinesa composta de cinco pessoas — o pai, a mãe
e os três filhos — que encontramos e ensinamos naquele apartamento, foi batizada e todos se tornaram
membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.
Aquela missionária e sua companheira estavam em sintonia com o Espírito do Senhor. Esse
espírito se expressou nas palavras não pronunciadas e na música não cantada daquele hino. Elas foram
obedientes aos sussurros do Espírito, voltaram e ceifaram uma colheita agradável, bela e eterna em seus
efeitos.
Gostaria de sugerir-lhes que aprendessem a cantar esse hino, se ainda não o fizeram. Vocês não
precisam cantá-lo alto. Mas quando estiverem desanimados, quando as coisas parecerem difícieis,
quando pensarem em casa e desejarem estar lá, cantem para si mesmo essas grandes e simples palavras:

Talvez não seja em alto mar


Que Cristo me vá mandar;
Talvez não haja conflitos lá,
Nem trevas eu vá encontrar.
Mas, quando o Cristo me chamar
A sendas que não trilhei,
Eu proclamarei com amor, ó Senhor:
Aonde mandares irei.
Aonde mandares irei, Senhor,
Através de montanhas ou mar;
O que ordenares direi, ó Senhor.
Tal como mandares, serei.

(Hinos, nº 167)

(“Carry the Message,” Missionary Satellite Broadcast, November 26, 1991)


Acredito na beleza da boa música e da boa arte, de uma agradável arquitetura e boa literatura,
imaculada, não profanada pela imundície verbal. (“This I Believe,” BYU 1991–92 Devotional and
Fireside Speeches, March 1, 1992, p. 78)
Tenho em minha casa um aparelho de som razoavelmente bom. Não o uso com freqüência, mas
vez ou outra, sento-me calmamente, com pouca luz, e ouço por uma hora ou mais à música que tem
permanecido através dos séculos devido a suas notáveis qualidades. Ouvi numa tarde o Concerto para
Violino de Beethoven e fiquei impressionado ao imaginar que tal música tenha saído da mente de um
homem. O compositor, suponho, era muito parecido conosco. Não sei sua altura, sua cultura ou quanto
ele pesava. Pressuponho que ele sentisse fome, dor e tivesse muitos dos problemas que temos, e talvez
alguns que não temos. Mas da genialidade de sua mente criou-se uma enorme e rara composição que
deu origem a uma magnífica obra-prima da música. (General Authority Training Meeting, September
29, 1992)
“Hoje ao profeta rendamos louvores, foi ordenado por Cristo Jesus. Para trazer a verdade aos
homens, para aos povos trazer nova luz!” Nunca ouço essa música ser cantada sem que pense em minha
experiência como diácono recém-ordenado aos doze anos de idade. Onde eu morava, a reunião do
sacerdócio da estaca era realizada nas segundas-feiras à noite. Isso foi antes que a segunda-feira à noite
fosse designada como o momento de se realizar a noite familiar. Meu pai, que fazia parte da presidência
da estaca, disse: “Bem, iremos à reunião do sacerdócio da estaca esta noite”. Eu não queria ir. Eu era
um típico menino de doze anos. Por que eu iria querer participar da reunião do sacerdócio na segunda-
feira à noite? Ele disse “vamos”, e eu fui. Ele se dirigiu à frente quando chegamos à velha Ala Dez de
Salt Lake, e eu era um recruta relutante sentado na última fila. O hino de abertura era “Hoje ao Profeta
Louvemos.” Os homens ficaram de pé naquela grande sala de reuniões. Muitos deles eram imigrantes
da Europa, conversos à Igreja: alemães, suiços, noruegueses e dinamarqueses. No coração de cada um
deles havia a convicção da verdade desse trabalho e do chamado divino do Profeta Joseph Smith. Eles
cantaram alto, e parecia-me que o prédio todo se movia com a música. Ao ouvir aquela música, tive
uma impressão que nunca me abandonou, de que Joseph Smith foi na verdade um profeta de Deus. (St.
George Utah Pineview Stake Conference, January 14, 1996)
Somos grandemente abençoados com músicos dedicados na Igreja, que muito engrandecem o
espírito da conferência. (...)
Desejo dizer algo a respeito do Coro do Tabernáculo. (...) Encontrei uma carta escrita por Wilford
Woodruff e seus conselheiros, George Q. Cannon e Joseph F. Smith, datada de 11 de fevereiro de 1895,
101 anos atrás. Foi endereçada ao coro naquela época. Diz ela:
“Desejamos ver esse coro não somente manter a alta reputação já alcançada em nosso país e no
exterior, mas que também se torne o mais alto expoente da ‘Arte Divina’ em todo o país; e o digno
padrão e exemplo de todos os coros e conjuntos musicais da Igreja, inspirando músicos e poetas nas
mais puras canções e harmonias, até que sua luz brilhe límpida em todo o mundo e as nações se
deleitem com sua música”.
A carta continua: “Esse coro é, e deverá ser, um grande auxílio para a causa de Sião. Por
intermédio de sua perfeição no glorioso mundo da música, pode abrir os ouvidos de milhares
atualmente surdos para a verdade, enternecer corações endurecidos, e inspirar almas preciosas a amar o
que é divino. Assim, vencendo o preconceito, dissipando a ignorância e difundindo a preciosa luz dos
céus para os milhares que têm sido, e ainda estão, enganados a nosso respeito. (in James R. Clark,
comp., Messages of the First Presidency of The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints, 6 vols.
[1965–75], 3:267–68).
Essa tem sido a responsabilidade desse coro há mais de um século. Seus integrantes foram
mudando ao longo do tempo, mas a qualidade de suas apresentações só veio a melhorar. O coro é um
dos grandes tesouros da Igreja. Penso que é um dos grandes tesouros dos Estados Unidos. Considero-o
como o mais notável coro do mundo. Que ele continue sua missão de proporcionar música elevada e
inspirada no país e no exterior. Agradeço, em nome da Igreja inteira, aos diretores, regentes, organistas
e componentes desse dedicado conjunto de músicos aptos e talentosos, que tão generosamente dedicam
seu tempo a esse trabalho. (“‘Remember (...) Thy Church, O Lord,’” Ensign, May 1996, pp. 82–83)
NATAL
Natal significa compartilhar. O Pai deu Seu Filho e o Filho deu Sua Vida. Sem dar, não existe um
verdadeiro natal, e sem sacrifício não há verdadeira adoração. O Natal é muito mais que gravatas,
brincos, brinquedos e todas as coisas de douradas que fabricamos tanto.
Lembro-me de uma experiência ouvida numa conferência de estaca, em Idaho. Uma família de
lavradores acabara de contratar a construção de mais um cômodo da casa, acréscimo deveras
necessário. Três ou quatro dias depois, o pai procurou o empreiteiro dizendo: “Não se importa se
cancelarmos o contrato? Ontem à noite o bispo conversou com meu filho sobre uma missão. Com isso
teremos de adiar nosso projeto de construção por algum tempo.” O empreiteiro respondeu: “Seu filho
vai para a missão e quando voltar encontrará o quarto pronto.” Eis o verdadeiro espírito cristão — uma
família enviando o filho para pregar o evangelho ao mundo e amigos ajudando a família a resolver seus
problemas. (...)
O Natal significa compartilhar — e “a dádiva sem o doador é vazia”. Dar de si; dar de suas posses;
dar de todo o coração, mente e força na assistência aos necessitados e na promoção da causa de sua
verdade eterna — isto é a própria essência do genuíno espírito de Natal. (“What Shall I Do Then with
Jesus Which is Called Christ?” Ensign, December 1983, p. 3)
O Natal significa compaixão, amor e, acima de tudo, perdão. “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o
pecado do mundo!” (João 1:29) Quão pobres seríamos, na verdade, sem a influência de Seus
ensinamentos e Seu inigualável exemplo! As lições de oferecer a outra face, andar a segunda milha, a
volta do filho pródigo e inúmeros outros ensinamentos incomparáveis que nos chegaram através dos
séculos, tornaram-se o catalisador que extrai bondade e misericórdia da insensibilidade do homem.
Onde não há Cristo reina a brutalidade. A bondade e a clemência reinam onde Cristo é aceito e são
seguidos os seus ensinamentos.
O que faremos, então, de Jesus, chamado o Cristo? “Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que
é o que o Senhor pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a benignidade, e andes humildemente
com o teu Deus?” (Miquéias 6:8)
“Portanto, digo-vos que vos deveis perdoar uns aos outros; pois aquele que não perdoa a seu irmão
suas ofensas está em condenação diante do Senhor; pois nele permanece o pecado maior.” (D&C 64:9)
(“What Shall I Do Then with Jesus Which Is Called Christ?” Ensign, December 1983, p. 4)
De algum modo, na magia da época [do Natal], há menos ódio e mais amor, menos cobiça e mais
doação, menos indiferença e mais gratidão. Ainda que por um breve período, estamos inclinados a
deixar de lado nosso egoísmo e tentar ajudar os outros. Vemos isso em toda a nossa volta nas generosas
manisfestações de bondade a favor dos necessitados e dos que sofrem. Estamos mais inclinados a ir
além de nossa rotina centrada em nós mesmos e mais dispostos a ajudar os menos afortunados. (“He
Who Redeemed Us,” First Presidency Christmas Devotional, Salt Lake Tabernacle, December 3, 1995)
Na época de Natal, sou mais grato do que consigo expressar pelo plano de salvação, pela dádiva
do Filho de Deus, que deu Sua vida para que possamos herdar a vida eterna.
Quando se pensa em termos do verdadeiro significado do Natal, percebe-se que ele se tornou uma
caricatura devido à comercialização que envolve essa data. E mesmo com tudo isso, sou grato pelo
Natal. Nós ficamos um pouco melhor, doamos mais livremente, agimos com mais benevolência e
estendemos um pouco mais a mão para aqueles que sofrem nessa alegre época do ano. Deus seja
louvado por este toque em nossa vida nessa gloriosa época. (Los Angeles Temple Workers Christmas
Devotional, December 10, 1995)
Que gloriosa e magnífica é essa época do ano. Nosso coração muda. Nossas atitudes mudam.
Nosso modo de pensar muda. Há um pouco mais de perdão em nós, um pouco mais de gentileza. Um
pouco mais de amor. Um pouco mais de paciência. Um pouco mais de entendimento na época de Natal.
Que coisa gloriosa é, pelo menos uma vez em doze, meses podermos tornar-nos um pouco melhores do
que fomos no decorrer do ano! (Washington Temple Workers Christmas Devotional, December 1,
1996)
Estivemos em Jerusalém no ano passado. Fomos ao Campo dos Pastores, à tarde após o sol ter-se
posto, e olhei através dos campos de Belém e revivi outra vez a sempiterna e linda história do
nascimento do Filho de Deus. Ele, que por Sua condescendência veio a Terra, Ele o Filho de Deus, Ele
o Príncipe da Paz deixou Seu lar celestial para nascer na mortalidade numa simples manjedoura em um
estado vassalo e entre pessoas cheias de ódio. Nenhum homem que já caminhou na Terra teve mais
influência positiva na vida das pessoas do que Jesus de Nazaré. Ele é nosso Senhor, nosso Redentor.
Ele é o Príncipe da Paz, o Santo. Nós O amamos. Nós O respeitamos. Nós O adoramos. E nessa época
de Natal, em Seu Santo nome, estendemos nossas bênçãos para as pessoas de todos os lugares para que
tenham paz na Terra e boa vontade para com os homens. Gosto de interpretar isso como paz na Terra e
bênçãos de paz para os homens de boa vontade. Essa, acredito, é a essência de tudo. Como sou grato
pelo Natal. Como sou grato pelo Filho de Deus, a respeito de quem cantamos e louvamos durante essa
época. (Washington Temple Christmas Lighting Ceremony, December 2, 1996)
O Natal é mais do que árvores e luzes piscando, mais que brinquedos, presentes e bugigangas de
centenas de tipos. É amor. É o amor do filho de Deus por toda a humanidade. Está além do nosso poder
de compreensão. É lindo e magnífico.
É paz. É a paz que conforta, que sustenta, que abençoa a todos os que a aceitam.
É fé. É fé em Deus e em Seu Filho Eterno. É fé em Seus admiráveis caminhos e mensagem. É a fé
Nele como nosso Senhor e Redentor.
Testificamos da realidade de Sua existência. Testificamos da divindade de Sua natureza. Em nossa
época de grata meditação, reconhecemos Sua inestimável dádiva e prometemos nosso amor e fé. É
nisso que se resume o Natal. (“Christmas,” First Presidency Christmas Devotional, Salt Lake
Tabernacle, December 8, 1996)
NATUREZA DIVINA
O homem é na verdade um filho de Deus. Nada no universo é mais importante do que o indivíduo.
Seu espírito foi criado por Deus; conseqüentemente todos os homens são irmãos, no sentido literal. No
conceito mórmon a expressão “a Paternidade de Deus e a irmandade do homem” tem um novo e
vigoroso significado. (What of the Mormons? pamphlet, 1982, p. 6)
Há uma vigorosa força que advém do conhecimento de que eu e você somos filhos e filhas de
Deus. Dentro de nós há algo de divino. Aquele que possui esse conhecimento e permite que influencie
sua vida não irá submeter-se a fazer alguma coisa maldosa, vulgar ou de mau gosto. (“‘God Hath Not
Given Us the Spirit of Fear,’” Ensign, October 1984, p. 2)
Eu acredito em mim mesmo. Não tenho a intenção de dizer isso com vaidade ou arrogância, mas
acredito na minha capacidade e na sua de fazer o bem, de fazer alguma contribuição para essa
sociedade da qual fazemos parte. Acredito que haja algo de divino dentro de mim e dentro de cada um
de vocês. Acredito ser um filho de Deus dotado com um direito divino de primogenitura. Acredito
termos uma herança divina e é nossa responsabilidade, nossa obrigação e oportunidade cultivar e nutrir
o melhor dessas qualidades dentro de nós. Eu não sou inferior, ainda que meu trabalho seja simples.
Embora minha contribuição possa ser pequena, posso desempenhá-la com dignidade e altruísmo. Meus
talentos podem não ser grandes, mas posso usá-los para abençoar a vida de outros. Posso ser aquele que
trabalha com orgulho do que suas mãos e mente produzem. Posso ser aquele que trabalha respeitando
os colegas, suas opiniões, suas crenças, reconhecendo seus problemas, e tendo o desejo de ajudar se
eles tropeçarem. Acredito no princípio de que posso fazer diferença neste mundo. (“Articles of Belief,”
Bonneville International Corporation Management Seminar, February 10, 1991)
Vocês são amados pelo Pai Celestial, de cuja natureza divina partilham. Ele deseja que Seu Santo
Espírito os acompanhe onde forem, se o convidarem e o cultivarem.
Há algo de divino dentro de cada um. Vocês têm um tremendo potencial, e essa qualidade faz
parte da natureza que herdaram. Cada um foi dotado por seu Pai Celestial de uma enorme capacidade
de fazer o bem no mundo. Treinem a mente e as mãos para estarem prontos a servir bem na sociedade
da qual fazem parte. Cultivem a arte da bondade, da solicitude e do serviço. Refinem dentro de si a
qualidade da compaixão, que faz parte dos atributos divinos que herdaram.
Alguns talvez não se sintam tão atraentes, belos ou encantadores como gostariam. Ergam-se acima
de tais sentimentos, cultivem a luz que têm dentro de si, e ela brilhará, com um esplendor que será
notado pelos outros.
Não precisam jamais se sentir inferiores. Não precisam jamais sentir que nasceram sem talentos ou
sem oportunidades de expressá-los. Cultivem os talentos que possuem, e eles irão crescer e refinar-se,
tornando-se uma expressão de seu verdadeiro eu, apreciado pelos outros.
Em resumo, esforcem-se um pouco mais a fim de demonstrar o divino que há dentro de vocês.
Como Alma disse: “(...) se despertardes e exercitardes vossas faculdades (...)” (Alma 32:27). (“The
Light within You,” Ensign, May 1995, p. 99)
Não sejam descrentes, mas acreditem. Acreditar em quê? Acreditar em Deus o Pai Eterno.
Desenvolvam conhecimento a respeito Dele. Vocês podem conhecê-Lo. Qualquer homem ou mulher
pode ganhar um testemunho da realidade do Deus vivo. Jesus disse que aquele que faz a vontade do Pai
saberá se a doutrina “é de Deus, ou se eu falo de mim mesmo”. (Ver João 7:16–17) Acreditem em Deus
como seu Pai Eterno. Vocês são filhos Dele. Vocês são seus filhos todo o tempo, não somente quando
são bons. São seus filhos quando são maus. Há dentro de vocês (...) uma porção da divindade que é
real, grande, incrível e maravilhosa.
Meu grande apelo é que todos façamos um esforço maior de viver à altura do divino que há dentro
de nós. Podemos nos sair melhor do que estamos nos saindo agora. Podemos ser melhores do que
somos. Se conservássemos sempre diante de nós a imagem da herança divina, da Paternidade de Deus e
da irmandade do homem como realidade, seríamos mais tolerantes, um pouco mais gentis, um pouco
mais dispostos a erguer, ajudar e apoiar aqueles com quem convivemos. Seríamos menos dispostos a
nos rebaixar àquilo que claramente não condiz conosco. Somos filhos de Deus e O amamos. Procurem
agir mais desse modo. Sei que nosso Pai nos ama. Acredito nisso de todo o meu coração.
(Smithfield/Logan Utah Regional Conference, April 21, 1996)
Agradeço ao Senhor pelas raízes do evangelho de Jesus Cristo. É dele que adquirimos nossa força.
É a fonte de nossa fé. É a fonte de nosso entendimento das coisas divinas. É o que dá propósito à nossa
vida. Somos filhos e filhas de Deus nosso Pai Eterno. Já pararam para pensar no significado disso, que
cada um tem algo divino dentro de si? Não importa a cor da nossa pele ou a cor de nosso cabelo. Cada
um de nós veio ao mundo com o direito divino de primogenitura como filhos e filhas de Deus. E
certamente como somos filhos e filhas de Deus, algum dia teremos que Lhe prestar contas de como
vivemos nossa vida. Seremos uma bela rosa que dura um dia ou dois, ou seremos cultivados na verdade
eterna do evangelho de Jesus Cristo? Meus irmãos e irmãs, quão grato sou pelo evangelho de Jesus
Cristo no qual podemos aprofundar nossas raízes e partilhar da força que dela advém. A vida é
significativa sob essas circunstâncias. (Fukuoka Japan Fireside, May 19, 1996)
NOITE FAMILIAR
Em 1915, o Presidente Joseph F. Smith pediu aos membros da Igreja que realizassem noites
familiares. Meu pai disse que obedeceria, e assim aquecemos a sala onde ficava o piano de cauda de
minha mãe e fizemos o que o Presidente da Igreja pedira.
Nós, crianças, éramos péssimos cantores. Juntos podíamos fazer qualquer coisa durante a música,
mas pedir a um de nós que tentasse cantar um solo na frente dos outros era o mesmo que pedir a um
sorvete que não derretesse em cima do fogão. No começo, dávamos risadas e fazíamos comentários
divertidos sobre o desempenho uns dos outros, mas nossos pais
persistiam. Cantávamos juntos. Orávamos juntos. Ouvíamos silenciosamente nossa mãe ler histórias da
Bíblia e do Livro de Mórmon. Nosso pai contava-nos histórias que recordava. (...)
Daquelas simples reuniões realizadas na sala de nossa velha casa, surgiu algo indescritível e
maravilhoso. O amor por nossos pais foi fortalecido. O amor entre irmãos e irmãs, intensificou-se.
Nosso amor ao Senhor cresceu. Um apreço pela bondade sincera brotou em nosso coração. Essas coisas
maravilhosas aconteceram porque nossos pais seguiram o conselho do Presidente da Igreja. Aprendi
muito com isso. (“Some Lessons I Learned as a Boy,” Ensign, May 1993, p. 54)
Se você tem alguma dúvida sobre a eficácia da noite familiar, ponha-a em prática. Reuna as
crianças, ensine-as, preste testemunho para elas, leiam as escrituras juntos e divirtam-se. (Promontory
Utah Branch Sacrament Meeting, October 15, 1995)
Espero, irmãos e irmãs, que vocês estejam fazendo as noites familiares com seus filhos. Vocês não
podem dar-se ao luxo de adiá-las. Os dias, os meses e os anos passam muito rapidamente, e em breve
será muito tarde. (Veracruz Mexico Fireside, January 28, 1996)
OBEDIÊNCIA
Deus ajuda os que O procuram? Sim, mas todas as bençãos são baseadas na obediência à lei. O
homem deve, por essa razão, viver os princípios divinos para clamar as bênçãos de Deus. Somente
aqueles que O buscam e que procuram fazer Sua vontade têm direitos diante Dele. (What of the
Mormons? pamphlet, 1982, pp. 6–7)
Estive há algum tempo na Trafalgar Square em Londres e vi a estátua de Lorde Nelson. Na base
da coluna estão as palavras ditas por ele na manhã da Batalha de Trafalgar: “A Inglaterra espera que
cada homem cumpra seu dever.” Lorde Nelson foi morto naquele dia histórico de 1805, junto com
muitos outros. A Inglaterra, no entanto, foi salva como nação, e a Grã-Bretanha tornou-se um império.
A imagem do dever e da obediência foi seriamente afetada desde aquela época. Essa situação não
é exatamente nova; é tão velha quanto a história da humanidade. Isaías declarou à antiga Israel:
“Se quiserdes, e obedecerdes, comereis o bem desta terra.
Mas se recusardes, e fordes rebeldes, sereis devorados à espada; porque a boca do Senhor o disse.”
(Isaías 1:19–20) (“If Ye Be Willing and Obedient,” Ensign, July 1995, p. 2)
As designações que nos são dadas ou o quinhão que recebemos na vida podem ser difíceis. Tenho
certeza que muitos pioneiros devem ter pensado desse modo, assim como muitos dos pioneiros do
Senhor hoje em dia que vivem situações desafiadoras. Naamã, o leproso, veio com seus cavalos e sua
carruagem, com seus presentes e seu ouro, até o profeta Eliseu para ser curado. Sem nem mesmo vê-lo,
Eliseu mandou que um mensageiro lhe dissesse: “Vai, e lava-te sete vezes no Jordão, e a tua carne será
curada e ficarás purificado”. (Ver II Reis 5:1–10)
Mas Naamã, o orgulhoso capitão do exército sírio, sentiu-se insultado com algo tão desagradável e
foi-se embora. Foi somente quando seus servos lhe imploraram que ele se humilhou o suficiente para
voltar. Diz o registro: “Então desceu, e mergulhou no Jordão sete vezes, conforme a palavra do homem
de Deus; e a sua carne tornou-se como a carne de um menino, e ficou purificado”. (Ver versículos 11–
14)
Muitas vezes, é a própria designação que gostaríamos de evitar que nos dá uma grande bênção.
(“If Ye Be Willing and Obedient,” Ensign, July 1995, p. 4)
Anos atrás eu estava servindo como missionário na Inglaterra. Fui chamado para trabalhar no
escritório da Missão Européia sob a direção de Joseph F. Merrill, do Conselho dos Doze, presidente da
Missão Européia na época. Certo dia, três ou quatro jornais de Londres publicaram resenhas da
reimpressão de um antigo livro, de teor falso e negativo, indicando que o livro era a história dos
mórmons. O Presidente Merrill disse-me: “Quero que você vá até o editor e proteste.” Olhei para ele e
estava pronto para dizer: “Eu não, com certeza”. No entanto, respondi mansamente: “Sim, senhor”.
Não hesito em dizer que estava com medo. Fui até meu quarto e senti algo que acho ser
semelhante ao que Moisés deve ter sentido quando o Senhor lhe disse para ir até o Faraó. Fiz uma
oração. Meu estômago dava voltas enquanto eu caminhava (...) em direção ao metrô que me levaria até
a Rua Fleet. Fui até o escritório do editor e entreguei meu cartão à recepcionista. Ela entrou na sala dele
e voltou dizendo que ele estava muito ocupado e que não poderia me atender. Respondi que tinha vindo
de cinco mil milhas de distância e que esperaria. Na hora que se seguiu, ela entrou na sala dele duas ou
três vezes. Ele finalmente mandou que eu entrasse. Nunca me esquecerei do quadro com o qual me
deparei ao entrar. Ele fumava um grande charuto e com seu olhar parecia dizer-me: “Não me chateie!”
Eu tinha em minhas mãos as resenhas publicadas nos jornais. Não me lembro o que disse após
esse momento. Outro poder parecia estar falando por meu intermédio. No princípio ele estava na
defensiva e até mesmo agressivo. Pouco a pouco, começou a amolecer. Concluiu nossa conversa,
prometendo-me que faria algo. Em uma hora, todos os livreiros da Inglaterra foram avisados que
deveriam devolver o livro à editora. Com grande gasto, ele imprimiu e colou na frente de cada
exemplar um aviso indicando que o livro não deveria ser considerado como histórico, mas sim como
ficção, e que não pretendia ofender os respeitados mórmons. Anos mais tarde, ele prestou outro favor
de valor substancial à Igreja. Anualmente, até a época de sua morte, eu recebia um cartão de Natal dele.
Aprendi que quando tentamos, com fé, ser obedientes às solicitações do sacerdócio, o Senhor abre
o caminho, ainda quando nos parece que não há caminho para ser aberto. (“If Ye Be Willing and
Obedient,” Ensign, July 1995, p. 4–5)
Aqueles que vivem a Palavra de Sabedoria sabem que ela é verdadeira. Aqueles que estão
engajados na obra missionária conhecem a sabedoria divina que se encontra por trás dessa obra.
Aqueles que estão fazendo um esforço para fortalecer sua família em obediência a um chamado do
Senhor sabem que receberão as bênçãos por assim fazê-lo. Aqueles que trabalham no templo conhecem
a verdade sobre esse trabalho, suas implicações divinas e eternas. Aqueles que pagam o dízimo
conhecem a promessa divina em que se baseia essa grande lei, a lei de finanças da Igreja. Aqueles que
guardam o dia do Senhor conhecem a sabedoria divina que planejou esse dia. (...)
Já fui entrevistado por muitos jornalistas. Uma das perguntas que fazem é: “Qual será o tema de
sua presidência?” Digo simplesmente: “O mesmo tema que já ouvi repetidas vezes nesta Igreja ser
mencionado pelos presidentes da Igreja e os apóstolos: Simplesmente vivam o evangelho, e todo aquele
que o fizer receberá em seu coração a convicção da verdade daquilo que vive”. (Tacoma Washington
Regional Conference, August 20, 1995)
A religião de que você faz parte inclui os sete dias da semana, não somente o domingo; não inclui
apenas as três horas passadas na Igreja; não é somente o tempo que você passa no seminário. Ela existe
o tempo todo, vinte e quatro horas por dia, sete dias na semana, 365 dias ao ano. (Parowan Utah Youth
Fireside, January 13, 1996)
Gostaria de dizer umas poucas palavras sobre o que a Igreja espera de vocês, santos dos últimos
dias, o que se espera que façam na vida:
1. Espera-se que vocês continuem a aprender, se desenvolvam e cresçam, que aprendam o
evangelho e o apliquem em sua vida, que façam com que sua vida seja justa e produtiva. Essa é sua
obrigação como membro da Igreja.
2. Espera-se que cada um de vocês ganhem um testemunho da realidade do Deus vivo, nosso Pai
Eterno, e Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo. Esse é o começo de toda a sabedoria. É o começo de toda a
fé. É sua responsabilidade e obrigação adquirir esse conhecimento. É o único conhecimento que lhe
trará salvação. Jesus disse: “Se alguém quiser fazer a vontade Dele, pela mesma doutrina conhecerá”
(João 7:17), e é assim que se adquire um testemunho: fazendo a vontade do Pai.
3. A Palavra de Sabedoria. Todos nós podemos viver a Palavra de Sabedoria. Não tomar bebidas
alcoólicas, não fumar, não tomar chá ou café; nenhuma dessas coisas. Não é difícil e traz uma enorme
recompensa. Desde 1833 nosso povo a tem vivido, e temos sido abençoados com saúde em nosso
umbigo e medula em nossos ossos, podemos correr e não nos cansar, caminhar e não desfalecer, e
somos abençoados pelo Senhor com conhecimento, até mesmo grandes tesouros de conhecimento das
coisas de Deus nosso Pai Eterno. (Ver D&C 89)
4. Dízimo. A lei do dízimo é uma lei designada para nos abençoar. Ela não tira de nós, mas
acrescenta algo a nós. Não é tanto uma questão de dinheiro, é uma questão de fé, e grandes são as
promessas do Senhor àqueles que são honestos para com Ele no pagamento de seus dízimos e ofertas.
5. Pureza moral. Pureza diante de Deus em questões de moralidade e virtude. Existe tanta
pornografia no mundo. Há tanto mal, um mal sedutor, no mundo. Fujam deles, meus irmãos e irmãs.
Desviem-se deles. (...)
6. Relações familiares. Pais, somos o marido que devemos ser? Tratamos nossa esposa com
gentileza e respeito? Ela é nossa companheira e parceira. Vocês nunca chegarão ao reino celestial
sozinhos. Se chegarem lá, caminharão lado a lado com sua esposa como companheira e parceira. Não
falem palavrões, não gritem, que haja gentileza e respeito. E vocês esposas, respeitem seu marido e
ajude-os em suas obrigações no sacerdócio. Pais e mães, respeitem seus filhos. Eles são filhos de Deus,
filhos e filhas de Deus. Eles pertencem a Ele. Vocês não precisam educá-los dando-lhes surras e
espancando-os. Que o amor prevaleça entre vocês e seus filhos. (...)
7. Freqüência à reunião sacramental. Simplesmente desejo repetir a importância de ir à reunião
sacramental e partilhar do sacramento da Ceia do Senhor e assim renovar os convênios que fizeram
com Ele.
8. Do mesmo modo, a noite familiar. Reúna seus filhos à sua volta. Ensine-lhes o evangelho para
que ele se torne importante na vida deles.
9. Para finalizar, oração. Orem pelo alimento que ingerem; agradeçam ao Senhor por ele e peçam-
Lhe que o abençoe. Façam suas orações individuais. Façam suas orações em família. O Senhor os
abençoará. (Manaus Brazil Fireside, November 16, 1996)
Brigham Young disse uma vez que “cada princípio do evangelho leva consigo a convicção de sua
verdade para aqueles que o vivem”. Acredito nisso de todo o meu coração. A Palavra de Sabedoria leva
consigo uma convicção de sua verdade para aqueles que a vivem. Como isso é maravilhoso! A cada
ano, 400 mil pessoas morrem como resultado do uso do fumo. Vocês não podem viver a Palavra de
Sabedoria, não podem observá-la, sem reconhecer a mão do Senhor nela, que é a única lei de saúde sob
os céus que tem uma promessa divina para aqueles que a vivem e a observam. O testemunho de sua
verdade e divindade vem ao nosso coração quando a observamos.
O mesmo acontece com o dízimo. Não é preciso pregar sobre o dízimo a um homem que paga seu
dízimo. Ele sabe que é uma lei divina. É a lei de finanças do Senhor. É a lei do Senhor para cuidar da
Sua Igreja. Todos aqueles que a vivem conhecem sua verdade e divindade. Não é preciso pregar sobre
o trabalho no templo para aqueles que freqüentam o templo. Eles sabem que é divino. “Cada princípio
traz consigo a convicção de sua verdade para aqueles que o vivem”. Agradeça ao Senhor por este
maravihoso evangelho restaurado e por podermos partilhar de suas bênçãos. Quão magnífico é o
evangelho! (Jacksonville Florida West Stake Conference, January 19, 1997)
Sou grato em ver que muitas pessoas aqui presentes são filhos e filhas do Pai Leí. Acredito que se
ele pudesse olhar para esta audiência haveria lágrimas em seus olhos, lágrimas de gratidão e
reconhecimento. Que grande lição aprendemos do povo do Livro de Mórmon! Por intermédio do Livro
de Mórmon podemos lembrar-nos da época em que as pessoas eram boas, maravilhosas e prosperavam
na terra. Mórmon registra: “Eles já foram um povo agradável e tinham Cristo como seu pastor; sim, e
eram guiados por Deus, o Pai. Agora, porém, eis que são guiados por Satanás, como a palha pelo vento
ou como um barco que, sem velas nem âncoras ou nada que possa dirigi-lo, se torna joguete das ondas;
e assim são eles, como o barco. E eis que o Senhor reservou suas bênçãos, que o povo poderia ter
recebido na terra, para os gentios que possuirão a terra”. (Mórmon 5:17–19)
A história completa do Livro de Mórmon é uma história que fala das pessoas que, quando justas,
quando adoravam a Jesus Cristo, prosperavam na terra, eram ricas e abundantemente abençoadas pelo
Senhor; e quando pecavam, desviavam-se e esqueciam o seu Deus, e caíam na miséria, guerra e
problemas. Sua segurança, paz e prosperidade está em obedecer aos mandamentos do Todo-Poderoso.
(...)
Somos todos parte de um grande conflito que vem ocorrendo. Esse conflito existe desde a guerra
nos céus. É o conflito entre o bem e o mal. Não tem fim. Nunca conheceremos o seu fim no decorrer de
nossa vida. Precisamos ser fortes. Precisamos ter fé. Precisamos ser verdadeiros. Como membros de A
Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias precisamos defender o que é certo. Deus nos ajudará
a fazer o que é certo. (Guatemala City Guatemala North and South Regional Conference, January 26,
1997)
OBRA MISSIONÁRIA
Ver também Conversão; Integração; Trabalho Missionário de Tempo Integral; Reativação e
Retenção
Recentemente tive a oportunidade de viajar pela República Popular da China e pelos países da
Europa Oriental, inclusive a Rússia. Meu coração tem-se sensibilizado pela bondade das pessoas onde
quer que eu vá. Todos são filhos do nosso Pai Celestial. É verdade que há grandes diferenças políticas e
ideológicas, mas em essência as pessoas são parecidas. Todos são filhos e filhas de Deus, tendo no
coração basicamente os mesmos anseios. Os maridos amam a esposa e as esposas amam o marido. Os
pais amam os filhos e os filhos os pais. Sua mente responde às mesmas verdades, se tiverem
oportunidades de ouvi-las. Falando sobre as pessoas em geral, elas desejam paz e não guerra; desejam
fraternidade e não conflito; desejam a verdade e não propaganda. É nossa a grande e imperiosa
responsabilidade de pregar o evangelho eterno aos povos da Terra. Muitas portas continuam fechadas
para nós, mas estou convencido de que o Senhor as abrirá no devido tempo, desde que busquemos e
oremos constantemente por essa abertura e estejamos preparados para dela tirar proveito. Não sei
especificamente como o Senhor administra o tempo do Seu trabalho, mas sei que devemos nos ocupar
zelosamente nele. (“Faith: The Essence of True Religion,” Ensign, November 1981, pp. 5–6)
Durante os mais de vinte anos que sirvo como Autoridade Geral, tenho observado de modo
pessoal e íntimo uma miraculosa abertura e fortalecimento da obra em algumas das grandes nações da
Ásia. Atualmente contamos com bem mais de cem mil membros, com alas e estacas fortes em terras
que há vinte e cinco anos mal sonhávamos em entrar. O Senhor, agindo ao Seu misterioso modo, abriu
essas portas e tocou o coração do povo. O mesmo processo ocorre hoje em outras terras. Estou certo
disso, embora o progresso possa parecer quase imperceptível. (“Faith: The Essence of True Religion,”
Ensign, November 1981, p. 6)
Temos muito a fazer neste mundo para difundir a influência do evangelho. Prossigamos com a
missão que nos foi dada. Sentimos a compulsão de pregar o evangelho a toda nação, tribo, língua e
povo. (Ver D&C 133:37) Esperamos que ao fazê-lo não ofendamos, mas que o façamos com bondade e
amor que é a essência Daquele de quem prestamos testemunho. (“Reach Out in Love and Kindness,”
Ensign, November 1982, p. 77)
Todos precisamos lembrar-nos de compartilhar o evangelho com nossos conhecidos. Saliento a
palavra compartilhar. Gosto dela. Desaprovo o uso do que possa ser compreendido como força e
pressão sobre aqueles que vivem entre nós. Penso ser desnecessário. Ser um bom vizinho, viver de
maneira exemplar o evangelho de Jesus Cristo estando atento às oportunidades de conduzi-los sutil e
gentilmente em direção à Igreja, dará muito mais resultado, provocará menos resistência e será mais
apreciado por aqueles que procuramos ajudar. (“The Miracle Made Possible by Faith,” Ensign, May
1984, p. 46)
Estou certo de que existem muitos, milhares (...) que, com calor e amizade podem ser conduzidos
às verdades eternas do evangelho restaurado de Jesus Cristo. Eles procuram algo melhor do que
possuem. Eles precisam de um amigo. Precisam ser integrados. Precisam sentir-se à vontade para que
possam observar na vida dos membros da Igreja as virtudes que eles desejam possuir. (...)
O mundo é nossa responsabilidade. Não podemos nos esquivar. Lembro-me das palavras de Jacó,
no Livro de Mórmon, que fora consagrado, com seu irmão José, sacerdote e mestre do povo:
“E nós magnificamos o nosso ofício para o Senhor, tomando sobre nós a responsabilidade de
responder pelos pecados do povo se não lhes ensinássemos com diligência a palavra de Deus”. (Jacó
1:19) (“The Question of a Mission,” Ensign, May 1986, p. 42)
Recordo vividamente a grande e comovente experiência em participar da [dedicação do Templo na
Cidade da Guatemala].
No decorrer das dez sessões dedicatórias, milhares de pessoas maravilhosas uniram-se para
apresentar essa sagrada casa ao Deus nosso Pai Eterno e Seu Filho Amado Jesus Cristo. Aqueles que
estão familiarizados com o povo da região estimaram que mais de 75 por cento dos que compareceram
eram descendentes do Pai Leí.
Que inspiração era olhar em seu rosto, homens e mulheres bonitos com seus filhos adoráveis! Por
trás de sua expressão firme, senti que poderia ver, quase em visão, gerações de seus antepassados — os
gloriosos dias de sua grandeza e bondade quando conheciam e adoravam ao Cristo, e então anos
trágicos e de sofrimento que atingiram muitas gerações, quando, ao terem-No rejeitado, seu sangue
jorrou nas feridas do conflito, e viviam em dor, imundície, pobreza e opressão.
Centenas dos que vieram aos serviços dedicatórios, moravam nas montanhas e matas da
Guatemala e outras áreas da América Central. Eles vieram porque sua vida foi tocada por fiéis
missionários que caminharam de uma casa humilde à outra, falaram-lhes de seus antepassados e leram-
lhes do seu próprio testamento esquecido de Cristo. Foram tocados pelo poder do Santo Espírito. As
escamas da escuridão foram lentamente retiradas de seus olhos. (...) É um milagre dos últimos dias,
maravilhoso de se contemplar. Como isso veio a acontecer?
É suficiente observarmos os muitos missionários que trabalharam naquela parte do mundo, que em
obediência ao Senhor, aceitaram um chamado de Seu profeta para servirem numa missão. (“Giving
Ourselves to the Service of the Lord,” Ensign, March 1987, p. 2)
Não se pode pensar nas centenas de milhões de pessoas que nunca ouviram falar desta obra, sem
questionar-se como nosso desafio de ensinar toda a humanidade pode ser alcançado algum dia. Existem
países hoje onde legalmente não podemos entrar. Nós honramos e obedecemos às leis dessas nações.
Mas se estivermos alertas e formos pacientes, o Senhor abrirá o caminho no Seu próprio tempo. Ele faz
a hora. (“We Have a Work to Do,” Ensign, February 1988, p. 6)
Desejo alertar todos os membros da Igreja para que considerem novamente a grandiosa ordem
dada pelo Senhor a todos os que desejam ser conhecidos como Seus discípulos. É uma injunção da qual
não podemos esquivar-nos e que não podemos ignorar. O mandamento é ensinar o evangelho às nações
e aos povos da Terra.
Foi esse o mandamento final dado pelo Senhor após Sua ressurreição e antes de Sua ascensão. Foi
repetido na abertura desta dispensação. Após a organização do primeiro Quórum dos Doze em 1835,
Oliver Cowdery, conselheiro na Primeira Presidência, fez uma exortação àqueles homens. Essa
declaração veio a tornar-se um regulamento para todos os membros dos Doze que sucederam a esse
primeiro grupo. O seguinte conselho faz parte da exortação:
“Tenham o máximo cuidado para que salvem almas. A alma de um homem é tão preciosa quanto a
alma de um outro. (...) O evangelho deve seguir em frente, e assim o fará, até que encha toda a Terra.
(...) Vocês têm um trabalho a executar que nenhum outro homem pode fazer; devem proclamar o
Evangelho em sua simplicidade e pureza; e os recomendamos a Deus e às palavras de Sua graça.”
(History of the Church, 2:196–98)
Após esse conselho, o Senhor deu a revelação conhecida como a seção 112 de Doutrina e
Convênios, que foi dirigida aos Doze. Lemos nela as seguintes palavras:
“Contende, portanto, toda manhã; e dia após dia emite tua voz de advertência; e quando vier a
noite, não permitas que os habitantes da Terra adormeçam por causa de tuas palavras. (...)
(...) e estarei contigo; e em todo o lugar que proclamares meu nome, uma porta eficaz ser-te-á
aberta, para que recebam minha palavra.” (D&C 112:5, 19) (“We Have a Work to Do,” Ensign,
February 1988, p. 2)
Há muitos anos foi-me perguntado se as palestras missionárias no Oriente eram muito diferentes
das que utilizamos em países cristãos. Respondi que usamos basicamente as mesmas lições porque
ensinamos o mesmo tipo de pessoas, cujo coração é tocado pelas mesmas verdades eternas. Disse ainda
que as pessoas da Ásia são filhas de Deus, assim como as pessoas dos Estados Unidos, e por termos
vindo dos mesmos pais, reagimos à mesma verdade. O fato de a pele de uma pessoa ter uma cor
ligeiramente diferente, de os olhos terem um formato um tanto diferente e de uma pessoa usar roupas
diferentes não a torna, de maneira alguma, um indivíduo de um tipo diferente. Os homens e as mulheres
de todo o mundo respondem aos mesmos estímulos essencialmente da mesma maneira. Buscam calor
quando sentem frio; conhecem os mesmos tipos de dor; passam por tristezas e têm alegrias. E em todos
os lugares, buscam um poder superior. Pode ser que o chamem de nomes diferentes e pode ser que o
descrevam de várias maneiras; mas estão cientes de sua existência e buscam nele força além da sua
própria força.
Quando as diferenças — com nossos vizinhos ou em outras culturas — parecerem obstáculos ao
buscarmos compartilhar o evangelho, a cortesia silenciosa e tranqüila remove essas barreiras. Ao
guardarmos os mandamentos do Senhor quando apresentamos o evangelho a outras pessoas, testifico
que o Espírito do Senhor ajuda-nos a vencer as diferenças entre o que está ensinando e o que está sendo
ensinado. (“We Have a Work to Do,” Ensign, February 1988, p. 5)
Tenho certeza de que a maneira mais eficiente que cada um de nós tem em nosso chamado para
partilhar o evangelho é o Espírito do Senhor. Todos já o vimos em outros. Ao fazermos o trabalho do
Senhor, todos já o sentimos em nós mesmos. Em tais ocasiões, as diferenças superficiais entre nós e
aqueles a quem ensinamos parecem cair como escamas de nossos olhos. (Ver 2 Néfi 30:6) É
maravilhoso observar o cálido sentimento de afinidade que surge. Nós literalmente compreendemos um
ao outro, e literalmente somos edificados e nos regozijamos juntos. (“We Have a Work to Do,” Ensign,
February 1988, p. 6)
Não podemos reter conosco as grandes bênçãos da luz e verdade que nos advêm do Todo-
Poderoso. É nossa obrigação e séria responsabilidade levar ao mundo não somente a verdade secular
que adquirimos (...) mas também as grandiosas novas do evangelho de Jesus Cristo. A nossa mensagem
é verdadeiramente de esperança e reconciliação. É uma palavra de esperança para toda a humanidade,
um farol da verdade eterna para qual todos os homens podem olhar ao erguerem os olhos e alma ao
Criador e reconhecerem que são irmãos. Esse senso de irmandade deve trazer reconciliação entre os
que se diferem e discutem devido às diferenças existentes entre eles. (“A Unique and Wonderful
University,” BYU 1988–89 Devotional and Fireside Speeches, October 11, 1988, p. 51)
Este mundo doentio implora por cura. Cristo, o Filho de Deus, foi o Curador Mestre, e ele nos
mostrou o caminho. É a Sua mensagem de paz e reconciliação que ensinamos. Ele é o evangelho da
caridade, paz e amor. A nossa missão é de compreensão, a nossa missão é de ensino, a nossa missão é
de reconciliação. Ela é efetuada de maneira substancial por intermédio do nosso grande programa
missionário. Esse programa é basicamente voltado para levar uma mensagem de esperança e
reconciliação a um mundo necessitado. (“A Unique and Wonderful University,” BYU 1988–89
Devotional and Fireside Speeches, October 11, 1988, p. 51)
O trabalho missionário está voltado para buscar e selecionar, reunir e ensinar com amor e bondade.
(Mission Presidents Seminar, June 22, 1994)
Nunca se podem prever as conseqüências de quando se fala da Igreja com alguém. Esse trabalho
não é nada de que necessitemos nos envergonhar. É algo de que temos de nos orgulhar. O problema é
que muitos têm medo. (...) Faça uma tentativa. Experimente a doce e grande alegria de compartilhar o
testemunho dessa obra com os outros. (Anchorage Alaska Regional Conference, June 18, 1995)
Gostaria de poder despertar no coração de cada homem, mulher, menino e menina aqui nesta
manhã o grande e caloroso desejo de compartilhar o evangelho com os outros. Se fizerem isso viverão
melhor, tentarão viver de modo mais exemplar porque sabem que aqueles a quem ensinam não
acreditarão, a não ser que seu testemunho seja confirmado por um viver digno. Ninguém pode prever as
conseqüências do que se faz quando se ensina o evangelho ao próximo. (Anchorage Alaska Regional
Conference, June 18, 1995)
O trabalho missionário é um trabalho de amor e confiança, e é dessa maneira que deve ser
realizado. (Mission Presidents Seminar, June 24, 1995)
Seja parte desse grande processo que constantemente acrescenta vitalidade à Igreja. A cada vez
que um novo membro visita a Igreja, alguma coisa acontece. Há uma infusão maravilhosa de força, fé e
testemunho. Pensem no que a Igreja seria sem o programa missionário. Pensem nisso! Creio ser essa a
maior época da história do mundo e da história da Igreja. Acredito nisso. Acredito que haverá épocas
ainda maiores no futuro. Estamos crescendo e fortalecendo-nos cada vez mais. (Washington D.C. North
and South Missionary Meeting, November 12, 1995)
Em lugar dos missionários que aqui estão, imploro aos santos para fazerem tudo o que puderem
para que consigam referências para os missionários ensinarem. Vocês se sentirão felizes ao fazê-lo.
Cada pessoa que entrar para a Igreja devido aos seus esforços trará felicidade à sua vida. Faço disso
uma promessa para cada um de vocês. (Pusan Korea Fireside, May 21, 1996)
Que responsabilidade nós temos. O destino do mundo depende de nós, de acordo com as
revelações do Todo-Poderoso. Não podemos perder tempo. Não podemos ser indignos em nosso modo
de viver. Não podemos deixar nossos pensamentos se envolverem com imoralidades. Precisamos ser
aquilo de melhor que pudermos, você e eu, porque o verdadeiro relacionamento de Deus nosso Pai
Eterno para com Seus filhos na Terra depende da aceitação do que temos a ensinar de acordo com Sua
magnífica palavra. (Taiwan Taipei Missionary Meeting, May 24, 1996)
Estamos à procura de homens e mulheres de fé, que darão origem a famílias de fé, que terão netos
de fé, que terão bisnetos de fé e edificarão então o reino de Deus. (Taiwan Taipei Missionary meeting,
May 24, 1996)
Não seja melancólico. Mesmo se você não estiver feliz, ponha um sorriso em seu rosto. Este é o
evangelho das boas novas, é uma mensagem de alegria, é dele que os anjos cantaram quando cantaram
do nascimento do Filho de Deus. Este é um trabalho de salvação eterna; é algo para se regozijar e se
animar. Você não chegará a lugar algum com uma expressão carrancuda. Coloque um sorriso em seu
rosto quando encontrar alguém, não importa onde esteja: na porta, na rua, no metrô, em qualquer lugar.
“Que teu coração tenha bom ânimo,” disse o Senhor. “Contende, portanto, toda manhã; e dia após dia
emite tua voz de advertência; e quando vier a noite, não permita que os habitantes da Terra adormeçam
por causa de tuas palavras.” (D&C 112:4–5) O Senhor está dizendo: “Continuem. Continuem. Vocês
têm que prosseguir. Não podem parar. Devem continuar mesmo diante de situações desanimadoras”.
(Belgium Brussels Missionary Meeting, June 12, 1996)
Sejam amigáveis. É preciso fazer um amigo antes de fazer um converso. A conversão segue a
amizade. A oportunidade de ensinar segue a amizade. (Belgium Brussels Missionary Meeting, June 12,
1996)
Vocês missionários de estaca (...) podem fazer algo tão maravilhoso. Vocês podem incentivar as
pessoas de sua ala a darem referências de amigos que ouvirão o evangelho aos missionários. Recordo-
me bem, estava em Denver, Colorado, muitos anos atrás numa reunião como esta. Um bispo discursou.
Ele havia sido presidente de ramo em alguma pequena cidade no Colorado e contou que o presidente da
missão deu-lhes o desafio de que cada membro do ramo, dentro de um mês, deveria fazer um contato
que pudesse ser ensinado pelos missionários de tempo integral. Ele não conseguia pensar em ninguém
que pudesse ser ensinado. Entre os membros do ramo, um homem disse: “Eu conheço alguém”, outro
homem disse: “Eu conheço alguém”, e outro homem disse: “Eu conheço alguém”. Mas o presidente do
ramo não conhecia ninguém. Já era o dia 28º do mês e ele não sabia de ninguém. E no 29º do mês e
nada ainda, ele não sabia de ninguém. Ele jejuou. Ele implorou ao Senhor que o abençoasse para que
ele pudesse encontrar alguém para ensinar. No 30º dia do mês ele saiu para almoçar. Ele estava
jejuando naquela manhã, mas decidiu sair para almoçar. Quando retornou um pouco mais cedo, alguém
estava no elevador, um homem que trabalhava a cerca de quatro ou cinco mesas de distância. E ele
disse: “Jones, enquanto estamos aqui sozinhos, antes que todos retornem do almoço, quero lhe fazer
uma pergunta. Notei que você é um pouco diferente. Você age de modo diferente. Você não fuma.
Você não bebe. Você nem mesmo bebe café. Por que isso?”
Ele disse que lhe respondeu: “Sou membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos
Dias,” e acrescentou que essas coisas haviam sido proibidas por sua religião.
Ele disse: “Como posso aprender sobre sua Igreja?”
Ele disse: “Lágrimas vieram-me aos olhos. No último dia do mês o Senhor respondeu a minhas
orações. Ele deixou que eu me preocupasse durante trinta dias. Ele deixou que me humilhasse até que
fiquei quase desesperado, pois queria fazer a minha parte como presidente do ramo. E então, no
trigésimo dia, quando havia orado, jejuado e implorado, Ele fez com que alguém viesse até a mim.
Aquele homem, disse ele “filiou-se à Igreja com sua família”.
Vocês que são missionários de estaca, esta é sua grande oportunidade: encontrar aqueles que
possam ser ensinados pelos missionários de tempo integral, e exortar aos membros de sua ala ou ramo a
encontrarem pessoas que possam ser ensinadas. (Denmark Copenhagen Missionary Meeting, June 14,
1996)
Recebi uma carta, alguns dias atrás, de um rapaz que está na presidência da estaca e serviu como
bispo. Alguns anos atrás seus pais estavam num vôo que atravessava o Atlântico, no mesmo avião que
eu. Quando serviram o desjejum, inclinei-me sobre o corredor e disse: “De onde você é?” O homem
respondeu que era de New Jersey. “De onde o senhor é” ele me perguntou também. “Salt Lake City”.
“Eu achava que sim”, ele disse. “O senhor é mórmon? Notei que tomou mais suco de laranja do que
qualquer outra pessoa neste avião”. Conversamos e ele me contou que tinha três filhos. Eles estava
morando na Ilha de Wight, na Inglaterra, onde teve que ir para se qualificar a receber uma herança de
seu avô. Mas ele tinha três filhos, todos cidadãos americanos, e ele queria que o mais velho fosse para a
faculdade de engenharia florestal nos Estados Unidos. Disse-lhe que a Universidade de Utah tinha uma
boa faculdade de engenharia florestal, e o desfecho de nossa conversa é que ele levou o filho para Utah
e o colocou na universidade. Ele não gostava de engenharia florestal, mas filiou-se à Igreja. Foi minha a
satisfação de realizar seu selamento no Templo de Salt Lake. Seu irmão veio ao seu encontro. Ele
estava no Grupo Aéreo do Exército. Um dia ele me ligou para dizer que estava sendo transferido para a
Coréia. Disse-lhe que alguém estaria lá esperando por ele, e então liguei para o presidente de missão em
Seul. Esse rapaz também se filiou a Igreja. O terceiro irmão veio ao meu encontro e disse: “O senhor
pegou os outros dois, mas não vai me pegar”. Bem, finalmente realizei seu casamento no Templo de
Salt Lake. O pai ficou tão irritado que teve um enfarte e morreu, com uma maldição em seus lábios
contra mim por ter feito o que fiz com seus três filhos. Muito tempo depois, estava em uma conferência
de estaca no Vale do Lago Salgado, e notei uma mulher nos fundos do saguão. Era a mãe desses três
rapazes. Ela veio até a mim para dizer-me que havia sido batizada na Igreja e tinha realizado o trabalho
vicário pelo seu marido. Eles silenciosamente esperavam e oravam para que ele aceitasse o evangelho.
É uma grande família. Surgiram missionários dessas famílias como resultado de uma pequena conversa
no avião. O que estou tentando dizer é que todos podemos fazer o trabalho missionário. Se estivermos
dispostos a fazê-lo, nós o faremos. (Jacksonville Florida West Stake Conference, January 19, 1997)
OPOSIÇÃO
Ver também Igreja de Jesus dos Santos dos Últimos Dias, A: Críticas à Igreja; Críticas
Em minha casa, sobre minha mesa, tenho uma caixa de metal. Em sua superfície há seis botões e
dois mostradores. Vez ou outra, quando tenho tempo, ela se torna meu brinquedo. É um rádio de ondas
curtas. Virando os botões ouço Londres, Washington, Tóquio, Pequim, Moscou, Havana e outras
grandes capitais do mundo.
As vozes que ouço são persuasivas, sedutoras, fascinantes e confusas. Falando através do mundo,
elas são parte de uma batalha poderosa que está sendo travada pela mente dos homens. São
direcionadas a persuadir na filosofia política. São vozes da democracia competindo com vozes do
comunismo e cada uma está ganhando conversos de acordo com o discernimento e julgamento dos
ouvintes. Há muito em jogo, as armas são sofisticadas e os métodos são inteligentes.
Há uma guerra comparável sendo travada pela fé dos homens, mas os limites não são sempre
claramente especificados, pois até mesmo entre as forças do cristianismo existem aqueles que
destruiriam a divindade do Cristo em cujo nome eles falam. Eles seriam desacreditados se sua voz não
fosse tão sedutora, se sua influência não fosse fácil de ser sentida, se seu raciocínio não fosse tão sutil.
(Be Thou an Example [Salt Lake City: Deseret Book, 1981], p. 79)
Há uma guerra que está sendo travada desde a criação do mundo, e que provavelmente continuará
ainda por muito tempo. João, o Revelador, fala sobre essa luta:
“E houve batalha no céu; Miguel e seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão
e os seus anjos;
Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus.
E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo
o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele”. (Apocalipse 12:7–9)
A guerra, tão amarga, tão intensa, continuou, e jamais deixou de existir. É a guerra entre a verdade
e o erro, entre o livre-arbítrio e a compulsão, entre os seguidores de Cristo e aqueles que O negaram.
Seus inimigos usaram todos os estratagemas possíveis nesse conflito. Dedicaram-se à mentira e ao
engodo. Empregaram dinheiro e riquezas. Iludiram a mente dos homens. Assassinaram e destruíram, e
entregaram-se a todos os outros tipos de práticas profanas e impuras, a fim de frustrar a obra de Cristo.
Tudo começou na Terra quando Caim matou Abel. O Velho Testamento encontra-se repleto de
relatos da mesma luta eterna.
Expressou-se nas vis acusações contra o Homem da Galiléia, o Cristo, que curava os doentes e
edificava os corações e a esperança dos homens, aquele que ensinava o evangelho da paz. Seus
inimigos, motivados por esse poder maligno, prenderam-No e O torturaram, pregaram-No na cruz e
zombaram Dele. Mas pelo poder divino que havia Nele, venceu a morte que Seus inimigos lhe haviam
infligido, e, por Seu sacrifício, trouxe a salvação da morte a todos os homens. (“The War We Are
Winning,” Ensign, November 1986, pp. 42–43)
O adversário jamais deixou de tentar. Noventa anos atrás, na conferência de outubro de 1896, o
Presidente Wilford Woodruff, já um homem idoso, de pé onde estou hoje neste Tabernáculo, disse:
“Há dois poderes na Terra e no meio dos habitantes da Terra: o poder de Deus e o poder do
demônio. Em nossa história temos tido experiências muito singulares. Quando Deus tem um povo na
Terra, não importa em que época, Lúcifer, o filho da manhã, e os milhões de espíritos decaídos que
foram expulsos do céu, guerreiam contra Deus, contra Cristo, contra o trabalho de Deus e contra o povo
de Deus. E não hesitam em fazê-lo com a nossa geração e nos dias atuais. Sempre que o Senhor estende
a mão para realizar qualquer obra, esses poderes lutam para destruí-la”. (Deseret Evening News, 17 de
outubro de 1896)
O Presidente Woodruff sabia do que estava falando. Ele acabara de passar por aquele período
difícil e perigoso, em que o governo da nação se voltara contra nosso povo, determinado a destruí-lo.
Os edifícios aqui da Praça do Templo, este tabernáculo no qual nos reunimos hoje, e o templo em
construção naquela época, foram confiscados pelo governo federal. Muitos cidadãos foram privados de
seus direitos civis. Mas com fé seguiram adiante. Continuaram. Colocaram sua confiança no Todo-
Poderoso e Ele lhes revelou o caminho a seguir. Com fé aceitaram essa revelação e caminharam em
obediência. (“The War We Are Winning,” Ensign, November 1986, p. 43)
Naturalmente, existem muitas pessoas em todo o mundo que se opõem a nós e o fazem
perversamente. Inventam todos os tipos de histórias falsas a nosso respeito, que correm de boca em
boca, com a esperança de arruinar esta obra. Isso é de se esperar. Se não tivéssemos oposição, eu me
preocuparia. Acho que devemos estar cientes do fato de que o adversário reconhece a verdade desse
trabalho e que ele fará qualquer coisa para detê-lo e impedir o seu progresso. Ele é muito esperto e
habilidoso com relação a isso. (Anchorage Alaska Regional Conference, priesthood leadership session,
June 17, 1995)
Ainda temos oposição? Sim, alguma. Sempre a teremos. O adversário irá sempre atacar esta obra e
fazer o que puder para impedi-la. Se você tem alguma dúvida da veracidade desta obra observe os
esforços do adversário para prejudicá-la e tentar destruí-la. (Creation of Canterbury England Stake,
August 27, 1995)
ORAÇÃO
Ver também Oração Familiar
Ao falar de orações, expresso minha gratidão aos membros da Igreja em todo o mundo pelas suas
orações em favor das Autoridades Gerais. Reconhecemos a grande e sagrada confiança que depositam
em nós. Estamos cônscios de nossas limitações e da necessidade de ajuda divina em levar avante esta
grande obra que deve ser realizada para que essa causa atinja o seu destino prometido. (“What This
Work Is All About,” Ensign, November 1982, p. 7)
Lembro-me de estar na Europa anos atrás, numa época em que os tanques rodavam pelas ruas de
uma grande cidade e estudantes estavam sendo chacinados com tiros de metralhadora. Naquele dia,
encontrava-me na estação ferroviária de Berna, Suiça. Às onze horas, os sinos de todas as igrejas suiças
começaram a badalar e, quando silenciaram, todos os veículos pararam; todos os carros nas estradas,
cada ônibus e mesmo os trens. A grande estação abobadada ficou totalmente silenciosa. Estendi o olhar
para a praça fronteira pela porta principal. Os homens que trabalhavam em cima de andaimes no hotel
do outro lado estavam parados de cabeça descoberta. Todas as bicicletas paradas. Todos os ciclistas,
homens, mulheres e crianças, fora das bicicletas, mantinham-se de cabeça descoberta, inclinada. Então,
após três minutos de oração em silêncio, caminhões, longos comboios deles, puseram-se a caminho a
partir de Genebra, Berna, Basiléia e Zurique para a nação sofredora do leste, carregados de
suprimentos: víveres, roupas, medicamentos. As portas da Suiça foram abertas para os refugiados.
Naquela manhã de dezembro, maravilhei-me com o milagroso contraste entre o poder opressor,
metralhando estudantes num país, e o espírito de um povo cristão em outro, que, depois de inclinarem a
cabeça em oração e reverência, foram trabalhar para dar socorro e salvação. (“‘What Shall I Do Then
with Jesus Which Is Called Christ?’”Ensign, December 1983, pp. 4–5)
É duplamente abençoada a criança que, enquanto é tão jovem que talvez seja incapaz de
compreender as palavras, pode, no entanto, sentir o espírito de oração quando uma amável mãe ou um
pai amoroso as ajuda a dizer umas poucas palavras de oração na hora de dormir. Felizes, na verdade,
são os meninos e as meninas, incluindo os que estão na adolescência, em cujo lar há a prática da oração
familiar pela manhã e à noite.
Desconheço modo melhor de desenvolver um espírito de gratidão nas crianças do que todos os
membros da família se ajoelharem e darem graças ao Senhor por Suas bênçãos. Tal expressão de
humildade fará maravilhas ao edificar no coração das crianças um reconhecimento do fato de que Deus
é a fonte das dádivas preciosas que temos.
Quão maravilhoso é lembrarmo-nos diante do Senhor daqueles que estão doentes e aflitos, os
famintos e carentes, os que estão solitários e com medo, os que estão em cativeiro e angustiados.
Quando essas orações são oferecidas com sinceridade, haverá um desejo maior de buscar os que estão
necessitados.
Haverá amor e respeito pelo bispo, pelo presidente da estaca, pelo Presidente da Igreja quando eles
forem lembrados nas orações da família.
É algo significativo ensinar as crianças a orar por suas necessidades e desejos justos. Quando os
membros da família se ajoelham juntos em súplica ao Todo-Poderoso e falam com Ele de suas
necessidades, destila-se no coração dos filhos uma inclinação natural de, em momentos críticos e de
sofrimento, buscarem a Deus como Seu Pai e Seu amigo.
Que a oração, pela manhã e à noite, em família e individualmente, torne-se uma prática que as
crianças possam desenvolver enquanto ainda jovens. Ela abençoará a vida deles para sempre. Nenhum
pai nesta Igreja pode dar-se ao luxo de negligenciá-la. (“The Environment of Our Homes,” Ensign,
June 1985, p. 6)
Há algo na própria postura de ajoelhar-se que contradiz as atitudes descritas por Paulo: “soberbos
(...) obstinados, orgulhosos”.
(...) Há algo no ato de dirigir-se à Deidade que contrabalança uma tendência à blasfêmia e a
tornarem-se mais amigos dos deleites do que amigos de Deus.
A predisposição a ser profano, como Paulo a descreveu, de ser ingrato, é suprimida quando juntos
os membros da família agradecem ao Senhor pela vida, pela paz e por tudo o que possuem. (“The
Blessings of Family Prayer,” Ensign, February, 1991, p. 4)
Acredito na oração, a oração que é a prática daqueles que são chamados à liderança nesta Igreja e
que traz a inspiração e revelação de Deus para abençoar Sua igreja e povo. Acredito na oração, o
precioso e maravilhoso privilégio concedido a cada um de nós para nossa orientação individual,
conforto e paz. (“This I Believe,” BYU 1991–92 Devotional and Fireside Speeches, March 1, 1992, p.
83)
De todas as grandes, maravilhosas e inspiradoras promessas que já li, a mais tranqüilizadora para
mim são as palavras do Salvador: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrarei; batei, e abrir-se-vos-á”.
(Mateus 7:7) (...) Nunca nos esqueçamos de orar. Deus vive. Ele está perto. Ele é real. Ele é nosso Pai.
Ele é acessível a nós. (“Pillars of Truth,” Ensign, January 1994, p. 2)
Recordo-me de uma história de um rapaz santo dos últimos dias no serviço militar. Ele era o único
membro da Igreja em seu quartel e logo se cansou das zombarias de seus colegas. Um dia, quando as
coisas estavam particularmente difíceis, ele finalmente concordou em ir à cidade com o grupo. Ao
entrarem na cidade, veio-lhe à mente uma imagem. Ele viu a cozinha de sua casa. Era hora do jantar. Lá
estava sua família, ajoelhada perto das cadeiras da cozinha: seu pai, mãe, duas irmãs e seu irmão
menor. O irmãozinho estava orando e estava pedindo ao Pai Celestial que tomasse conta do seu irmão
no exército.
Essa imagem mental fez efeito. O rapaz deixou o grupo. A oração daquele irmãozinho, daquela
família, trouxe lucidez à mente e coragem ao jovem santo dos últimos dias. (“Pillars of Truth,” Ensign,
January 1994, p. 2)
Deus, nosso Pai Eterno, vive. Ele é o Criador e Governador do universo e além disso é nosso Pai.
Ele é o Todo-Poderoso e está acima de tudo. Ele pode ser alcançado por intermédio da oração. (...) Ele
ouve a oração de uma criança? É claro que ouve. Ele a responde? É claro que sim. Nem sempre do
modo que desejamos, mas Ele responde. Ele ouve e responde. (Jackson Wyoming 1st, 2nd, and 3rd
Wards Combined Sacrament Meeting, July 16, 1995)
Irmãos e irmãs, sei que vocês são pessoas que oram. Isso é uma coisa maravilhosa nesta época em
que a prática da oração se afastou de muitas vidas. É significativo e magnífico buscar ao Senhor para
conseguir sabedoria além da que possuímos, força para fazermos o que necessitamos, conforto,
consolo, e também para expressar gratidão. (“The Fabric of Faith and Testimony,” Ensign, November
1995, p. 89)
Orem sempre. Vocês não podem viver sem orar. Vocês sabem disso. Não podem realizar as coisas
sozinhos e fazerem o melhor. Vocês precisam da ajuda do Senhor (...) e é maravilhoso ter a
oportunidade de orar, com a expectativa de que suas orações serão ouvidas e respondidas. (...) Uma
coisa maravilhosa sobre a oração é que ela é pessoal, é individual, é algo em que ninguém se intromete
quando você fala com seu Pai Celestial em nome do Senhor Jesus Cristo. Orem sempre. Peçam ao
Senhor para perdoar seus pecados. Peçam ao Senhor para ajudá-los. Peçam ao Senhor para abençoá-los.
Peçam ao Senhor para ajudá-los a alcançar seus justos desejos. (...) Peçam ao Senhor por todas as
coisas importantes que tanto significado têm em sua vida. Ele está pronto para ajudar. Nunca se
esqueçam disso. (Colorado Springs Young Adult Meeting, April 14, 1996)
Posso buscar ao Senhor para ajudar-me como líder nesta Igreja. Eu sei que nós o fazemos, mas
precisamos fazê-lo mais fervorosamente. Nada ajuda tanto como colocar um problema nas mãos do
Senhor. (...) Não hesito em dizer que minhas orações são respondidas. Tenho essa convicção e não
poderia negá-la. Precisamos orar para receber orientação nesta época difícil. (...) A oração é um recurso
esplêndido e miraculoso, o mais esplêndido e miraculoso recurso que se encontra ao nosso dispor. O
mais extraordinário é que você não precisa ser um gênio para orar. Ele ouvirá a voz do mais hunilde.
Lembro-me sempre de dois rapazes que serviam como missionários. Um era uma “super-estrela”.
Ele era instruído. Ele era inteligente. Era rápido. Ele era um pouco arrogante. Havia um outro que era
letrista. Ele trabalhava pintando letreiros. Tinha pouca instrução, mas conhecia suas limitações e se
apoiava no Senhor. Quando ele orava, sabia-se que estava falando com o Senhor. Não era uma coisa
mecânica, mas sim uma conversa, e aquele rapaz realizou maravilhas enquanto que o outro fazia o
mínimo necessário. O poder que havia em um e faltava no outro estava muito evidente. Busquem ao
Senhor. Ele fez o convite e irá responder. (Smithfield/Logan Utah Regional Conference, priesthood
leadership session, April 20, 1996)
Acredite na oração e no poder da oração. Ore ao Senhor com a expectativa de obter respostas.
Suponho que não haja um homem ou mulher nesta congregação hoje que não ore. Espero que assim
seja. O problema com a maioria de nossas orações é que as oferecemos como se estivéssemos pegando
no telefone para fazer uma encomenda: fazemos o nosso pedido e desligamos. Precisamos meditar,
contemplar, pensar no que estamos pedindo e então falar ao Senhor como um homem fala para o outro.
“Vinde então, e argüí-me, diz o Senhor” (Isaías 1:18). Esse é o convite. Acredite no poder da oração; é
real, é maravilhoso, é enorme. (Smithfield/Logan Utah Regional conference, April 21, 1996)
Orem sempre. Vocês não vencerão sozinhos. Precisam da ajuda de nosso Pai Celestial que os ama
e deseja vê-los realizados e felizes. (Smithfield/Logan Utah Regional Conference, April 21, 1996)
A oração revela os poderes do céu em nosso favor. A oração é a grande dádiva que nosso Pai
Eterno nos tem dado e pela qual nos aproximamos Dele e falamos com Ele em nome do Senhor Jesus
Cristo. Orem sempre. Vocês não vencerão sozinhos. Vocês não atingirão seu potencial sozinhos.
Precisam da ajuda do Senhor. (Pittsburgh Pennsylvania Regional Conference, April 28, 1996)
ORAÇÃO FAMILIAR
Não conheço coisa alguma que amenize as tensões familiares, que sutilmente faça com que os pais
sejam respeitados e obedecidos, que promova um espírito de arrependimento que irá consideravelmente
aniquilar a desgraça de lares desfeitos, do que a oração familiar, confessando juntos as fraquezas diante
do Senhor, e invocando as bênçãos do Senhor sobre o lar e em favor daqueles que nele habitam. (Be
Thou an Example [Salt Lake City: Deseret Book, 1981], p. 32)
Podemos fazer com que nosso lar seja mais belo? Sim, ao
nos dirigirmos como família à fonte de tudo o que é verdadeiramente belo. Podemos fortalecer nossa
sociedade e fazer dela um lugar melhor para viver? Sim, fortalecendo a virtude de nossa vida familiar
ao juntos nos ajoelharmos e suplicarmos ao Todo-Poderoso em nome de seu Filho Amado. (Be Thou an
Example [Salt Lake City: Deseret Book, 1981], p. 34)
Atentem para os seus pequeninos. Orem com eles. Orem por eles e os abençoem. O mundo em que
estão vivendo é complexo e difícil. Eles irão passar por mares turbulentos de adversidade. Eles
necessitarão de toda a força e fé que você puder lhes dar enquanto eles ainda estão por perto. Eles
também necessitarão de uma força maior que advenha de um poder superior. Eles devem fazer mais do
que simplesmente concordar com o que encontram. Devem edificar o mundo, e as únicas ferramentas
que terão são os exemplos de sua própria vida e os poderes de persuasão advindos de seus testemunhos
e do conhecimento das coisas de Deus. Eles necessitarão da ajuda do Senhor. Enquanto são jovens,
orem com eles para que conheçam a fonte de poder que estará sempre à disposição nas horas de
necessidade. (Be Thou an Example [Salt Lake City: Deseret Book, 1981], p. 40)
Desconheço outro procedimento que venha a ter um efeito tão salutar sobre sua vida como
ajoelharem-se juntos em oração. As próprias palavras “Nosso Pai Celestial” têm um grande efeito. Não
se pode dizê-las com sinceridade e em reconhecimento sem que se tenha um sentimento de
responsabilidade para com Deus. Os pequenos problemas que parecem afligir todos os casamentos têm
pouca conseqüência enquanto estamos ajoelhados diante do Senhor e nos dirigimos a Ele como filhos e
filhas suplicantes.
Sua conversa diária com Ele trará paz no coração e alegria na vida que não se obtém em nenhuma
outra fonte. Seu companheirismo será mais agradável no decorrer dos anos. Seu amor se fortalecerá. A
admiração de um para com o outro aumentará.
Seus filhos serão abençoados com uma sensação de segurança proveniente de um lar onde o
Espírito de Deus habita. Eles conhecerão e amarão os pais que se respeitam mutuamente, e um espírito
de respeito crescerá em seu coração. Eles obterão uma sensação de segurança advinda do uso de
palavras gentis. Estarão protegidos por um pai e mãe que, vivendo honestamente com Deus, vivem
honestamente um com o outro e com o próximo. Eles amadurecerão com um sentimento de gratidão,
tendo ouvido seus pais em oração expressarem reconhecimento pelas grandes e pequenas bênçãos.
Crescerão com fé no Deus vivo. (“Cornestones of a Happy Home,” Husbands and Wives Fireside
Satellite Broadcast, January 29, 1984)
Que cada família nessa Igreja possa orar em conjunto. É importante fazer a oração individual, mas
é uma coisa maravilhosa fazer uma oração familiar. Ore ao Pai Celestial com fé. Ore em nome de Jesus
Cristo. Você não pode fazer nada melhor pelos seus filhos do que deixar que cada um tenha a sua vez
na oração familiar, expressando gratidão pelas bênçãos recebidas. Se fizerem isso enquanto são jovens
crescerão com espírito de gratidão em seu coração. (Naha Okinawa Stake and Okinawa Military
District Fireside, May 20, 1996)
Se existir alguém entre vocês que não esteja fazendo a noite familiar, comece agora, ajoelhem-se
juntos, se for possível a cada manhã e noite, e orem ao Senhor expressando seus agradecimentos,
invoquem Suas bênçãos sobre os necessitados da Terra, e conversem com Ele a respeito do seu bem-
estar pessoal. Sei que Deus nosso Pai Eterno ouvirá nossas orações, e eu exorto-os a fazerem suas
orações familiares. Seus filhos serão grandemente abençoados se vocês orarem juntos, invocando o
Senhor, expressando seus agradecimentos e mostrando a Ele os desejos de seu coração. (Buenos Aires
Argentina Fireside, November 12, 1996)
ORDEM
Tenho a oportunidade de visitar uma boa parte da Igreja, e me orgulho de nossos edifícios e
jardins. Já faz muito tempo que vi um que necessitava de mais atenção. Os jardins são bem cuidados, a
grama é aparada e os arbustos podados. Eles passam uma mensagem para a comunidade inteira de que
nosso povo
aprecia a ordem e a beleza. (Regional Representatives Seminar, April 1, 1988)
[Quando menino] freqüentei a Escola Hamilton, que era um grande edifício de três andares. (...)
Íamos bem arrumados para a escola e a má aparência pessoal não era tolerada. Os meninos usavam
camisa, gravata e calças curtas. Usávamos meias pretas longas, que chegavam até acima do joelho.
Eram feitas de algodão, gastavam-se rapidamente e tinham de ser cerzidas freqüentemente.
Aprendíamos a cerzir, pois era inconcebível ir à escola com um furo na meia.
Aprendemos uma lição sobre a importância do asseio e da ordem pessoal, e isso tem abençoado
minha vida até hoje. (“Some Lessons I Learned as a Boy,” Ensign, May 1993, pp. 52–53)
Sou grato pelo sistema de governo desta grande causa. Que milagre é o sistema que o Senhor
implementou. (...) A organização com que se efetuam mudanças nesta Igreja é um milagre a ser
admirado. Não há concorrência para um cargo. Não há campanha para se obterem posições. Não há
busca de votos. Tudo é realizado de modo tranqüilo, solene e belo. (Vacaville/Santa Rosa California
Regional Conference, May 21, 1995)
Posso aprender as exigências de meu chamado. Espero que todos aqui saibam alguma coisa sobre
o manual. É um manual de procedimentos da Igreja. É importante ter ordem na Igreja em todo o
mundo, porque trabalhamos dentro de um determinado padrão. (Anchorage Alaska Regional
Conference, priesthood leadership session, June 17, 1995)
Pergunta: A organização da Igreja é grande, e vocês têm isso em comum com a Igreja Católica
Romana, a Igreja Anglicana e outras; de certa forma, esta pergunta poderia ser dirigida a elas.
Contudo, o senhor está aqui, irei dirigi-la ao senhor. Se Jesus Cristo voltasse hoje e visse esta enorme
organização, quase uma grande empresa, acha que Ele se sentiria à vontade nela, sendo ela dirigida
quase como uma empresa?
Presidente Hinckley: Ela está sendo dirigida com eficiência. Nós não a comparamos a uma
empresa. Estamos tentando fazer nosso trabalho do modo mais eficiente possível para obtermos os
melhores resultados de nossos esforços e dos recursos que investimos. Creio que se Ele voltasse, Ele se
sentiria feliz. A ordem é a primeira lei dos céus, e penso que Ele ficaria feliz em ver como tudo está-se
desenvolvendo. Sinceramente espero que Ele ficasse. O que temos feito, como seguidores de Cristo, é
tentar aplicar em nossa vida o amor a Deus e ao nosso semelhante. (Interview with Trevor Barnes, BBC
World Service, August 28, 1995)
Nauvoo era uma bela cidade, bela em sua localização na curva do rio estendendo-se como uma
península apontado para o oeste, para onde os Santos acabariam indo. Era bela em sua criação; com
industriosidade e planejamento cuidadoso, edificaram uma cidade bem organizada. Não foi estabelecida
ou construída de modo descuidado, como foram tantas cidades nas regiões fronteiriças dos Estados
Unidos naqueles dias. (Kanesville Tabernacle Dedication, July 13, 1996)
Gostaria de ler, por uns instantes, três ou quatro versículos da grande revelação que foi dada a
Brigham Young em janeiro de 1847 em Winter Quarters no Missouri. Disse ele: “Que todo o povo de
A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e aqueles que com eles viajam se organizem em
companhias, fazendo o convênio e a promessa de guardar todos os mandamentos e estatutos do Senhor
nosso Deus”. Gostaria de lembrá-los de que ainda somos pioneiros nessa Igreja. Estamos expandindo-
nos por todo o mundo. Atualmente estamos estabelecidos em mais de 150 nações com 9.700.000
membros. Ainda somos pioneiros. Sigamos em frente com um convênio e promessa de guardar todos
os mandamentos e estatutos do Senhor nosso Deus. “Que se organizem as companhias com capitães de
centenas, capitães de cinqüenta e capitães de dez, com um presidente e seus dois conselheiros à frente,
sob a direção dos Doze Apóstolos”. Esse foi um movimento organizado. Não foi um desleixado êxodo
de Illinois para Iowa. Não foi um movimento desorganizado daqui para o oeste. Tinha uma organização
que foi estritamente observada e que instituiu ordem nos acampamentos. “E isso será nosso convênio:
Caminharemos de acordo com todas as ordenanças do Senhor”. Observem isto: “Que cada companhia
assuma a responsabilidade, proporcional ao valor de seus bens, de levar os pobres, as viúvas, os órfãos,
e as famílias daqueles que entraram para o exército, a fim de que os clamores das viúvas e dos órfãos
não cheguem aos ouvidos do Senhor contra este povo”. Eles eram responsáveis uns pelos outros e
também em dar assistência aos menos afortunados para que todos fossem para sua Sião no oeste.
(Grand Encampment Devotional, Council Bluffs, Iowa, July 13, 1996)
ORDENANÇAS
Ver Batismo; Templo
OTIMISMO
Logicamente há momentos de dor, há horas de aflição e ansiedade. Todos nos preocupamos. O
Senhor, porém, ordena que alegremos o nosso coração e nos rejubilemos. Vejo tantas pessoas (...) que
parecem nunca ver a luz do sol, mas que caminham constantemente em tempestades sob um céu
nublado. Cultivem uma atitude alegre. Cultivem um espírito de otimismo. Caminhem com fé,
regozijando-se nas belezas da natureza, na bondade daqueles que você ama, no testemunho que leva em
seu coração com relação às coisas divinas. (“‘If Thou Art Faithful,’” Ensign, November 1984, p. 92)
Poupem a si mesmos da indulgência da auto-piedade. Ela é sempre frustrante. Subjuguem o
negativo e enfatizem o positivo. (“Ten Gifts from the Lord,” Ensign, November 1985, p. 86)
Olhar para o lado triste das coisas sempre conduz a um espírito de pessimismo que leva à
frustração. (...)
Receio que muitos dentre nós estejam sendo afligidos com temores em relação a nós mesmos.
Estamos vivendo uma época estressante em todo o mundo. Há, ocasionalmente, dias difíceis para cada
um de nós. Não se desesperem. Procurem a luz do sol em meio às nuvens. As oportunidades acabarão
por surgir para vocês. Não deixem os profetas da obscuridade ameaçar suas possibilidades. (“The
Continuing Pursuit of Truth,” Ensign, April 1986, p. 4)
Um importante ministro protestante procurou-nos outro dia. No curso de nossa conversa, ele
perguntou: “Como se sente com relação às coisas?”
Respondi: “Sinto-me muito otimista. Estão acontecendo coisas boas e edificantes no mundo. Há
guerras, sim. Existem conflitos, sim. Mas há também muita paz entre as nações da Terra. Algo
extremamente significativo está acontecendo na União Soviética e na República Popular da China. Está
havendo uma crescente liberdade de expressão e de atividade. Uma nova abertura está surgindo. Sinto o
espírito de Cristo pairando sobre as nações da Terra.
Obviamente há muitos problemas, e graves. Afligimo-nos com a praga das drogas e suas amargas
conseqüências. Lastimamos o terrível flagelo da pornografia. Condoemo-nos com a ímpia torrente de
imoralidade e aborto. Preocupamo-nos com a epidemia da infidelidade, do divórcio e de lares desfeitos.
Pertubamo-nos com a situação difícil daqueles que não têm um lar, e com a grave fome reinante em
muitas partes da Terra.
É extraordinário, porém, ver que muitas pessoas estão-se importando, mais do que em qualquer
época na história do mundo. Há homens e mulheres, dezenas de milhares, empenhados com energia
para ajudar os que estão em dificuldades. A ciência moderna e a medicina estão fazendo milagres para
aliviar a dor e prolongar a vida. Há mais satisfação na vida de milhões.
Com relação à nossa obra, isso é, à obra da Igreja, sinto-me ainda mais otimista. Estamos ficando
mais fortes. Espero que nosso povo esteja melhorando. Penso que sim. Há maior atividade, maior
devoção, maior fidelidade”.
Contei-lhe que duas ou três semanas antes estivera numa área em que o índice de freqüência dos
membros às reuniões de
domingo era de 70% a 75%. Acho isso maravilhoso. De fato, acredito que seja inigualável. (...)
Concluí dizendo: “Repito, estou otimista, cautelosamente, sim, devido à extensão do mal no
mundo. Porém, de acordo com o que tenho observado, o bem está vencendo e a obra do Senhor cresce
em força e poder”. (“Let Love Be the Lodestar of Your Life,” Ensign, May 1989, p. 65)
Vejo muitas pessoas boas em todos os lugares, e há muita de bom nelas. O mundo é bom. Coisas
maravilhosas estão acontecendo nesse mundo. Esta é a mais grandiosa época na história do mundo. (...)
Temos todas as razões para sermos otimistas. A tragédia está a nossa volta, sim. Os problemas
estão em todos os lugares. Mas olhem para Nauvoo. Vejam o que eles construíram em sete anos e
depois partiram. Mas o que eles fizeram? Eles se deitaram e morreram? Não! Eles trabalharam! Eles
mudaram-se para o outro lado do continente e transformaram o solo do deserto e o fizeram florescer
como uma rosa. Sobre esse alicerce a Igreja cresceu e se transformou numa grande organização
mundial, beneficiando a vida das pessoas em mais de 140 nações. Não se pode edificar nada com
pessimismo ou cinismo. Sejam otimistas, trabalhem com fé e as coisas acontecerão. (New York Times
Interview, 1995)
Estou muito otimista para com a Igreja, muito, muito otimista. (...) Quantas coisas extraordinárias
temos realizado devido à fé das pessoas: a construção de capelas através do mundo, a edificação de
templos, o enorme trabalho a que estamos dando prosseguimento e o efeito que ele tem dito sobre os
indivíduos. Essa obra é verdadeira. Alegrem-se com ela. Não busquem suas fraquezas. Magnifiquem
sua força e desenvolvam-na. Não critiquem as pessoas, mas busquem suas virtudes, pois elas têm
algumas. Vocês certamente serão muito felizes se assim procederem. (Vacaville/Santa Rosa California
Regional Conference, priesthood leadership session, May 20, 1995)
Prossigamos nesta gloriosa e motivadora obra. Não sei como um membro desta Igreja pode sentir-
se triste por muito tempo. Vocês se sentem tristes? Ergam seus olhos. Fiquem em pé. Digam algumas
palavras de gratidão e amor ao Senhor. Sejam positivos. Pensem nos grandes acontecimentos que estão
ocorrendo enquanto o Senhor realiza Seus propósitos eternos. Este é o dia do cumprimento das
profecias. (...) É um dia grandioso na história da Igreja. Este é o dia predito por aqueles que nos
antecederam. Vivamos dignos de nossa primogenitura. Tenhamos fé. Fortaleçamos nosso testemunho.
Caminhem em retidão e o Senhor os abençoará e fará prosperar e vocês serão um povo feliz e
maravilhoso. (Sandy Utah Cottonwood Creek Stake Conference, December 3, 1995)
Estava lendo um livro: Slouching Towards Gomorrah (Pendendo para Gomorra) de Robert Bork,
em que o autor fala do que está acontecendo nos Estados Unidos. Não gostei de lê-lo. Faz com que a
pessoa se sinta desesperançada, quase indefesa. Coloquei-o de lado e procurei ter uma visão positiva
dos acontecimentos. Não se pode esconder o fato de que existem problemas nesta terra e em todos os
outros países do mundo, e que realmente são muito sérios. (...) Temos uma grande mensagem a
compartilhar com o mundo, uma mensagem de esperança, de certeza de que nem tudo está perdido, de
que existem muitas coisas boas no mundo. Convidamos as pessoas a virem, unirem-se e tornarem-se
parte desta grande e boa mensagem. (Public Affairs Luncheon, November 5, 1996)
PADRÕES
Ver também Valores
[Nossos] padrões vieram do [Senhor]. Alguns deles podem parecer um pouco fora de moda em
nossa sociedade, mas isso não diminui sua validade e nem a virtude de sua aplicação. O sutil raciocínio
do homem, não importa quão inteligente, e nem importa quão plausível possa parecer, não pode
abreviar a declarada sabedoria de Deus. (Be Thou an Example [Salt Lake City: Deseret Book, 1981], p.
12)
O Senhor deu-nos conselhos e mandamentos em tantas coisas que nenhum membro desta igreja
precisa jamais se equivocar. Ele estabeleceu nossas diretrizes com relação à virtude pessoal, à
prestimosidade, à obediência à lei, à lealdade ao governo, à observância do dia santificado, à sobriedade
e abstinência de álcool e fumo, ao pagamento dos dízimos e ofertas, aos cuidados com o pobre, ao
cultivo do lar e da família, a compartilhar o evangelho, para mencionar somente uns poucos. (...)
Haverá aqueles que tentarão nos afastar, que tentarão nos desencaminhar. Eles podem depreciar-
nos. Podem diminuir-nos. Podem atacar-nos. Podem debochar de nós perante o mundo. Existem
aqueles, tanto na Igreja como fora, que gostariam de nos compelir a mudar nossa posição em certos
assuntos, como se fosse nossa prerrogativa usurpar a autoridade que pertence somente a Deus.
Não temos nenhum desejo de discutir com as pessoas. Ensinamos o evangelho da paz; mas não
podemos abandonar a palavra do Senhor que recebemos por intermédio de homens que apoiamos como
profetas. (Be Thou an Example [Salt Lake City: Deseret Book, 1981], p. 13)
Não é sempre fácil viver no mundo sem fazer parte dele. Não podemos viver inteiramente com os
nossos ou para conosco mesmos, nem desejaríamos fazê-lo. Devemos misturar-nos com as pessoas. Ao
fazê-lo, sejamos afáveis. Não ofendamos as pessoas. Evitemos qualquer espírito ou atitude de
prepotência. Podemos, no entanto, manter nossos padrões. A tendência natural é ao contrário, e muitos
têm-se rendido a ela.
Em 1856, quando estávamos completamente sozinhos nestes vales, alguns pensaram que
estávamos a salvo dos hábitos do mundo. Aos que assim afirmavam, o Presidente Heber C. Kimball
respondeu: “Gostaria de dizer-lhes, meus irmãos, a hora virá em que estaremos misturados nestes
pacíficos vales de agora, de modo que será difícil distinguir o rosto de um santo do rosto de um inimigo
do povo de Deus. Então, irmãos”, prosseguiu ele, “atentem para a grande peneira, pois haverá um
período de grande ciranda, e muitos cairão; por isso digo-lhes que haverá um teste, um Teste, um
TESTE pelo qual teremos de passar, e quem será capaz de suportá-lo?” (Orson F. Whitney, Life of
Heber C. Kimball [Bookcraft, 1945], p. 446)
Não conheço a natureza precisa desse teste. Mas sinto-me inclinado a pensar que o tempo já
chegou e que o teste está em nossa capacidade de viver o evangelho em vez de adotar os hábitos do
mundo.
Não defendo um afastamento da sociedade. Ao contrário, temos a responsabilidade e o desafio de
assumir nosso lugar no mundo dos negócios, da ciência, do governo, da medicina, da educação e de
toda outra profissão que seja digna e construtiva. Temos a obrigação de treinar nossas mãos e mente
para sobressair no trabalho do mundo e abençoar toda a humanidade. Ao assim fazer, necessitamos
trabalhar com os outros, mas isso não exige que renunciemos aos nossos padrões. (Be Thou an Example
[Salt Lake City: Deseret Book, 1981], p. 27)
PAIS, COMO SER
Ver também Família; Paternidade; Maternidade
Quão belo é o lar onde vive um homem de bem, que ama aqueles por quem ele é responsável, que
lhes serve como exemplo de integridade e bondade, que ensina operosidade e lealdade, não estragando
os filhos ao fazer-lhes todas as vontades, mas ensinando-lhes o gosto de trabalhar e servir, o que lhes
será um alicerce para toda a vida. Quão feliz é o homem cuja esposa irradia um espírito de amor,
compaixão, ordem, silente bondade, cujos filhos se apreciam mutuamente, honram e respeitam pai e
mãe, aconselham-se com eles e deles aceitam conselhos. Uma vida familiar assim está ao alcance de
todos os que acalentam o desejo de fazer o que agrada ao Pai Celestial. (“To Please Our Heavenly
Father,” Ensign, May 1985, p. 50)
Quando ocorrerem pequenos problemas, que inevitavelmente ocorrerão, contenha-se. Lembre-se
do sábio provérbio: “A resposta branda desvia o furor”. (Prov. 15:1)
Não há disciplina em todo o mundo como a disciplina do amor. Ela tem sua própria mágica. (“The
Environment of Our Homes,” Ensign, June 1985, p. 6)
Estávamos casados havia pouco tempo quando construímos nossa primeira casa. Tínhamos pouco
dinheiro. Eu mesmo fiz a maior parte do trabalho com o suor do meu rosto. Plantei o jardim e os
gramados. A primeira das muitas árvores que plantei era uma acácia-meleira sem espinhos. Pensando
no dia em que sua sombra filtraria os raios solares ajudando a manter a casa fresca durante o verão,
coloquei-a num canto onde o vento vindo do desfiladeiro localizado ao lado da casa soprava com mais
intensidade. Cavei um buraco, coloquei a raiz dentro dele rodeada de terra, despejei água e, de maneira
geral, esqueci-me dela. Era uma árvore franzina, com uns dois centímetros de diâmetro. Era tão flexível
que conseguia dobrá-la em qualquer direção. Não prestei muita atenção nela à medida que os anos
passaram.
Um dia, durante o inverno, quando a árvore estava sem folhas, olhei para ela por acaso através da
janela. Notei que ela estava inclinada na direção oeste, disforme e desequilibrada. Quase não consegui
acreditar. Fui até lá e abracei-me a ela com a intenção de endireitá-la. Mas o tronco agora tinha quase
trinta centímetros de diâmetro. Minha força não significava coisa alguma. Fui ao depósito de
ferramentas, peguei uma roldana e um guincho. Prendi uma das pontas na árvore e outra em uma estaca
bem firme e puxei a corda. As roldanas moveram-se um pouco, e o tronco da árvore tremeu levemente.
Mas isso foi tudo. Ela parecia me dizer: “Você não conseguirá me endireitar. É tarde demais. Fiquei
assim por causa do seu descuido e não vou ceder”.
Finalmente, em meu desespero, peguei o serrote e cortei o pesado galho do lado oeste. O serrote
deixou uma ferida feia com mais de vinte centímetros. Dei uns passos para trás e inspecionei o que
havia feito. Cortara a maior parte da árvore, deixando somente um galho que crescia em direção ao céu.
Mais de meio século se passou desde que plantei aquela árvore. Minha filha e sua família moram
naquela casa atualmente. Recentemente olhei aquela árvore de novo. Está grande. Seu formato está
melhor. Dá grande valor à casa. Mas quão sério foi o trauma de sua juventude e quão brutal foi o
tratamento que usei para endireitá-la!
Quando foi plantada, um pedaço de barbante teria sido suficiente para mantê-la no lugar contra a
força do vento. Eu poderia e deveria ter colocado esse barbante sem nenhum esforço, mas não o fiz, e a
árvore cedeu às forças que se abateram contra ela.
Vi coisa semelhante, muitas vezes, em crianças cuja vida observei. Os pais que as trouxeram ao
mundo parecem ter renunciado à sua responsabilidade. Os resultados foram trágicos. Algumas âncoras
teriam sido suficientes para dar-lhes o vigor necessário para suportar as forças que moldaram sua vida.
Agora, parece ser tarde demais. (“Bring Up a Child in the Way He Should Go,” Ensign, November
1993, p. 59)
Não há nada que nenhum de nós faça que traga maiores benefícios futuros do que reacender dentro
de nós, sempre que possível, o espírito do lar em que fomos criados. Durante o período escolar,
morávamos na cidade e no verão íamos para a fazenda. Na fazenda tínhamos uma plantação de maçãs e
uma de pêssegos, além de diversas outras árvores frutíferas. Quando estavámos no início de nossa
adolescência, meu irmão e eu aprendemos a arte de podar árvores. Todos os sábados e feriados em
fevereiro e março, enquanto a neve ainda estava no chão, íamos para a fazenda. Lá assistíamos
demonstrações feitas pela escola de agricultura. Acho que aprendemos alguma coisa sobre poda, como
era ensinada naquela época. Aprendemos, por exemplo, que poderíamos podar uma árvore em fevereiro
e determinar em grande parte os frutos que colheríamos em setembro. A idéia era podar de tal modo
que os frutos em desenvolvimento ficariam expostos ao ar e à luz do sol, sem nenhum obstáculo ao
redor no ramo da árvore.
O mesmo princípio se aplica às crianças. Existe um verdadeiro e velho provérbio que diz: “É de
pequeno que se torce o pepino”. (...)
As crianças são como as árvores. Quando são novas, sua vida pode ser moldada e direcionada,
geralmente com pouco esforço. O escritor de provérbios disse: “Educa a criança no caminho em que
deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele” (Provérbios 22:6). Esse treinamento tem suas
raízes no lar. (“Saving the Nation by Changing Our Homes,” BYU Management Society, Washington,
D.C., March 5, 1994)
De todas as alegrias da vida, nenhuma se iguala a da maternidade e paternidade feliz. De todas as
responsabilidades que pesam sobre nós, nenhuma outra é mais séria. O mais recompensador de todos os
desafios é criar os filhos numa atmosfera de amor, segurança e fé. O bom resultado de tais esforços
torna-se a recompensa mais gratificante da vida.
O Presidente Joseph F. Smith disse certa vez: “A verdadeira grandeza é fazer bem feito as coisas
que Deus ordenou que toda a humanidade fizesse. É muito mais importante ser um pai ou mãe bem
sucedido do que um general ou estadista famoso. O primeiro é de grandeza universal e eterna, o outro é
efêmero”. (Gospel Doctrine [Salt Lake City: Deseret Book Co., 1939], p. 285)
Estou certo de que nenhuma outra experiência na vida nos aproxima mais do céu do que as
existentes entre pais e filhos felizes. (“Save the Children,” Ensign, November 1994, p. 54)
Pais, amem seus filhos. Tratem-nos com carinho. Eles são tão preciosos. Eles são muito, muito
importantes. Eles são o futuro. Vocês precisam mais do que sua própria sabedoria ao educá-los;
precisam da ajuda do Senhor. Orem por essa ajuda e sigam a inspiração que receberem. (“The Fabric of
Faith and Testimony,” Ensign, November 1995, p. 89)
Nunca esqueçam que esses pequeninos são filhos e filhas de Deus e que sua relação com eles é de
guardiães, que Ele foi pai antes que vocês fossem pais e que Ele não renunciou Seus direitos paternais
ou interesse sobre esses Seus pequeninos. Amem-nos e cuidem bem deles. Pais, controlem seu gênio,
agora e em todos os anos que virão. Mães, controlem sua voz, mantenham-na baixa. Criem seus filhos
com amor, nos cuidados e admoestações do Senhor. Cuidem de seus pequenos, recebam-nos bem em
seu lar, eduquem-nos e amem-nos de todo o coração. Eles podem, nos anos que virão, fazer coisas que
vocês gostariam que não fizessem, mas sejam pacientes, sejam pacientes. Desde que tenham tentado
vocês não terão fracassado. Nunca se esqueçam disso. (Salt Lake University 3rd Stake Conference,
November 3, 1996)
Não espanquem seus filhos. Não acho que as criancas tenham que ser severamente punidas. Fui
abençoado com um bom pai e uma boa mãe. Não me lembro deles encostarem a mão em mim ou em
qualquer de seus outros filhos. Nós provavelmente o merecíamos, mas eles não o faziam. Eles nos
faziam sentar e conversavam conosco. Isso era o suficiente. Não acho que vocês precisem espancar
seus filhos. Quão preciosos eles são! Criem-nos nutrindo-os e admoestando-os das coisas do Senhor.
(El Salvador San Salvador Fireside, January 23, 1997)
PAIS CELESTIAIS
Foi Eliza R. Snow quem escreveu as palavras: “Temos mãe também; essa verdade tão sublime nós
recebemos do além”. (Hinos, nº 177)
Pelo que sabemos, o Profeta Joseph Smith não fez nenhuma alteração às palavras escritas pela
irmã Snow. Temos, portanto, uma Mãe nos Céus. Por conseguinte, [alguns presumem] que não é
inadequado orarmos a ela.
A lógica e a razão certamente sugerem que, se temos um Pai nos Céus, temos uma Mãe. Para mim,
essa doutrina está correta.
No entanto, à luz das instruções recebidas do próprio Senhor, considero inadequado qualquer
pessoa da Igreja orar à nossa Mãe nos Céus.
O Senhor Jesus Cristo estabeleceu o padrão para nossas orações. No Sermão da Montanha, ele
declarou: “Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome”
(Mateus 6:9; grifo do autor).
Quando o Senhor ressuscitado apareceu aos nefitas para ensiná-los, ele disse: “Portanto assim
orareis: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome” (3 Néfi 13:9; grifo do autor).
Enquanto estava com eles, ensinou-lhes também pelo exemplo e por preceito essa prática. O
registro afirma: “ele também se ajoelhou e eis que orou ao Pai; e as coisas que disse
em sua oração não podem ser escritas e a multidão que o ouviu deu testemunho” (3 Néfi 17:15;
grifo do autor).
Poderia continuar com outros exemplos específicos das escrituras. Em minha pesquisa, não
encontrei nas obras-padrão nenhum registro de que Jesus tenha orado a outra pessoa senão a Seu Pai
nos Céus, e que tenha instruído o povo a orar a mais alguém.
Tenho procurado em vão uma passagem onde algum Presidente da Igreja, de Joseph Smith a Ezra
Taft Benson, tenha oferecido uma oração à nossa Mãe nos Céus.
Suponho que aqueles (...) que praticam esse tipo de prece e tentam promover o seu uso têm boa
intenção, mas estão mal orientados. Se não oramos à nossa Mãe nos Céus, isso não a deprecia ou
denigre de forma alguma. (...)
(...) Nenhum de nós pode aumentar ou diminuir a glória daquela sobre quem não dispomos de
qualquer conhecimento revelado. (“Daughters of God,” Ensign, November 1991, p. 100)
PAIS SOZINHOS
Falarei sobre um grande grupo entre nós que é formado de pais que criam seus filhos sozinhos.
Muitos são divorciados e carregam fardos enormes ao tentar vencer a luta diária de educar os filhos e
providenciar que suas necessidades sejam satisfeitas. Essa é uma tarefa que eles necessitam cumprir
sozinhos. Precisamos estar atentos para que não fiquem completamente sós. Mas ao mesmo tempo eles
são sensíveis e não é certo que outros se intrometam e menosprezem sua sensibilidade. Ao lidar com
eles é essencial buscar a inspiração do Senhor. É muito melhor buscá-los em demasia do que
negligenciá-los.
A maior parte é composta de mulheres que estão enfrentando dificuldades. Elas trabalham por
salários insuficientes e enfrentam terríveis desafios para colocar alimentos na mesa e vestir seus filhos.
Elas são responsabilidade do bispo e da presidente da Sociedade de Socorro. Espero que vocês
estimulem seus líderes a serem gentis e atenciosos, sábios e cuidadosos, sensíveis, devotos e generosos.
Recebemos cartas no escritório da Primeira Presidência que indicam que esse não é sempre o caso. (...)
Os pais sozinhos carregam um fardo cujo peso nenhum de nós realmente conhece. Numa recente
conferência transmitida por satélite, uma jovem mãe divorciada com sete filhos, comunicou-se conosco.
Ela nos contou a respeito de uma experiência que teve quando numa noite atravessou a rua para levar
alguma coisa para a vizinha. Ao retornar, olhou para as luzes de sua própria casa e pensou naquelas sete
crianças ativas e em seus problemas, todas sob a sua responsabilidade, ela sentiu um grande cansaço,
um sentimento de total inadequabilidade. No escuro da noite, ergueu seus olhos para os céus e implorou
ao Pai Celestial que ela pudesse ficar com Ele, mesmo que só por uma noite, para encontrar forças para
as provações do dia seguinte. A resposta que veio à sua mente foi afetuosa, quase como uma revelação:
“Você não pode vir até a Mim, mas irei até você”. (...)
Deus nosso Pai Eterno (...) e Seu Filho Amado podem ir ao fraco e ao solitário pelo poder do
Espírito para confortar e apoiar, nutrir e abençoar. (Regional Representatives Seminar, March 31, 1989)
A vocês, mães, que criam seus filhos sozinhas, seja qual for o motivo de sua situação atual,
oferecemos nossa solidariedade. Sabemos que muitas de vocês padecem de solidão, insegurança,
preocupação e medo. A maioria de vocês se encontra em dificuldades financeiras. Seu constante e
maior cuidado é o bem-estar e o futuro de seus filhos. Muitas precisam trabalhar e deixam os filhos
sozinhos em casa. No entanto, se houver muito afeto, muito amor, e se vocês orarem juntos, será mais
provável haver paz no coração e força no caráter de seus filhos. Ensinem as crianças a andarem nos
caminhos do Senhor. Isaías declarou: “E todos os teus filhos serão ensinados do Senhor; e a paz de teus
filhos será abundante”. (Isaías 54:13)
Quanto mais se esforçarem para criar os filhos segundo o evangelho de Jesus Cristo, com amor e
esperança, mais provável será que eles tenham paz na vida.
Dêem exemplo a seus filhos. Isso será mais importante do que qualquer ensinamento que lhes
possam transmitir. Não os cubram de mimos. Deixem que cresçam respeitando e compreendendo o
significado do trabalho, da ajuda em casa, procurando ganhar parte de seu próprio sustento. Façam com
que seus filhos economizem para a missão e incentivem-nos a prepararem-se, não apenas do ponto de
vista financeiro, mas em espírito e atitude, a fim de servirem ao Senhor sem qualquer egoísmo. Não
hesito em prometer-lhes que, se assim fizerem, terão muitas razões para contar suas bênçãos. (“Stand
Strong against the Wiles of the World,” Ensign, November 1995, pp. 99–100)
Para aquelas que cuidam sozinhas dos filhos, digo que há muitas pessoas prontas a ajudá-las. O
Senhor não se esqueceu de vocês. Nem tampouco a Sua Igreja.
Que Ele as abençoe, queridas irmãs que estão criando seus filhos sozinhas! Que tenham saúde,
força e vitalidade para carregar esse imenso fardo! Que tenham amigos e conhecidos que as ajudem e
apóiem nos momentos de dificuldade! Vocês conhecem o poder da oração talvez melhor do que
ninguém. Muitas de vocês passam um bom tempo de joelhos, falando com seu Pai Celestial, com
lágrimas nos olhos. Saibam que também oramos por vocês.
Com tudo o que têm para fazer, vocês ainda são chamadas para servir na Igreja. Seu bispo nada
lhes pedirá que esteja além de sua capacidade. Quando servirem dessa maneira, terão outra dimensão na
vida. Conhecerão pessoas novas e interessantes. Encontrarão amizade e vida social. Crescerão em
conhecimento, compreensão e sabedoria, e em capacidade de realização. Tornar-se-ão melhores como
mães, por causa do serviço que prestam na obra do Senhor. (“Womem of the Church,” Ensign,
November 1996, p. 69)
PALAVRA DE SABEDORIA
Sejam sábios. Não tenham a visão limitada a ponto de entregarem-se ao uso do álcool, fumo e
drogas. Simplesmente não é sábio fazê-lo. É burrice, perdoem-me a palavra áspera, usar cocaína,
maconha, ou qualquer droga que lhes roube o controle da mente. Após cada período de excitação
induzido pela droga, segue-se um período de depressão. Por que gastar dinheiro com coisas que
somente prejudicam? Por que tornar-se escravo de um hábito que somente prejudicará e reduzirá seu
futuro?
A cerveja e outras bebidas alcóolicas não lhes farão bem algum. Custam dinheiro, embotam a
consciência e podem levar à doença chamada alcoolismo, que é humilhante, perigosa e mesmo mortal.
O fumo encurtará sua vida. As pesquisas mostram que ele o escravizará, enfraquecerá seus pulmões e,
estatisticamente, abreviará sua vida em sete minutos para cada cigarro fumado.
Sejam sábios. Acreditem na palavra do Senhor. Ele fez a maravilhosa promessa que os santos que
seguirem Seu conselho nesses assuntos “encontrarão sabedoria e grandes tesouros de conhecimento,
sim, tesouros ocultos;
E correrão e não se cansarão; e caminharão e não desfalecerão”. (D&C 89:19–20) (“Four B’s for
Boys,” Ensign, November 1981, pp. 40–41)
Recebemos inúmeras cartas indagando se isto ou aquilo é proibido pela palavra de sabedoria. Se
evitarmos as coisas que são claras e especificadamente prescritas, e além disso observarmos o espírito
dessa grande revelação, ela não representará um fardo. Será antes uma bênção. Não se esqueçam: foi o
Senhor quem fez a promessa. (“‘Let Us Move This Work Forward,’” Ensign, November 1985, p. 85)
A palavra de sabedoria (...) é um código divino de saúde, recebido por revelação em 1833.
Condena o alcóol e o fumo, o chá e o café, e dá destaque ao uso de frutas e cereais. Esta Palavra de
Sabedoria veio-nos do Pai de todos nós, o Deus dos céus, para nossa bênção e para a bênção de todos
os que a observarem.
É pena que nós, como povo, não a observemos mais fielmente. São, porém, admiráveis as bênçãos
que já recebemos, graças a um certo grau de observância. Os jornais do país recentemente apresentaram
relatórios sobre um significativo estudo feito na Califórnia, conduzido pelo Dr. James Enstrom, da
Escola de Saúde Pública da Universidade da Califórnia, Los Angeles. Incluía um número substancial de
membros ativos da Igreja: 5.231 sumos sacerdotes e 4.613 esposas deles. Cito parte do estudo,
publicada em um artigo de jornal:
“Em comparação com outros grupos, o estudo relativo aos mórmons tinha uma média de 53 por
cento a menos de casos fatais de câncer (...) 48 por cento a menos de mortes de doenças do coração e
53 por cento a menos de enfermidades fatais de todos os tipos.” (Salt Lake Tribune, September 12,
1990)
O Dr. Enstrom, falando desse seu estudo, que levou oito anos para ser feito, disse que pode
“predizer que o mórmon de 25 anos de idade, do sexo masculino, ativo e cônscio da necessidade de
cuidar de sua saúde, viverá 11 anos a mais do que o homem americano em geral, da mesma idade”.
(Ibid., grifo do autor) (“Mormon Should Mean ‘More Good,’” Ensign, November 1990, p. 53)
Recordo-me de uma reportagem da Associação Médica Americana indicando que os fumantes
inveterados morrem sete anos antes que normalmente morreriam se não fumassem. Sete anos de vida. É
o tempo que muitas pessoas gastam cursando o 2º grau e a universidade. Sete anos, tempo suficiente
para se tornar médico, arquiteto, engenheiro e advogado. Sete anos para desfrutar do nascer do sol e do
pôr-do-sol, das montanhas e vales, dos lagos e mares, do amor de nossos filhos, da amizade de pessoas
maravilhosas que conhecemos. Que confirmação estatística da palavra e promessa do Senhor de que o
anjo destruidor passará e não os matará! (Ver v. 21)
E então, há aquela outra promessa que eles encontrarão “grandes tesouros de conhecimento, sim,
tesouros ocultos”. (v.19) Penso na experiência uma vez relatada por um de nossos professores da
Escola Dominical. Em um domingo, enquanto todos comentavam sobre a Palavra de Sabedoria, alguém
perguntou o que significava tesouros ocultos de conhecimento. O professor gaguejou e foi salvo pela
campainha. Ele disse a classe que consideraria o assunto no próximo domingo.
Durante a semana ele ponderou sobre a questão, mas sentiu que não sabia a resposta. Perto do fim
da semana, ele almoçou com um colega. O homem contou-lhe que uma vez enquanto estava viajando,
ele passou por uma capela mórmon. Ele decidiu entrar e ver como era a adoração dos mórmons.
O homem relatou que era bastante incomum; que um após o outro levantava-se na congregação,
falava de suas experiências, expressava sua gratidão, e então quase sem exceção todos testificaram que
eles sabiam que Deus vive, que Jesus Cristo é Seu Filho, nosso Redentor vivo. O homem dirigia pela
estrada naquela tarde, dizendo a si mesmo: Essas pessoas com certeza possuem um conhecimento que
está oculto ao mundo.
Ponderem sobre esse pensamento por um minuto.
O Senhor concedeu-nos a chave para a saúde e felicidade, e o fez com uma promessa. É um pilar
de sabedoria eterna. É melhor obedecer do que racionalizar e sacrificar. (“Pillars of Truth,” Ensign,
January 1994, p. 6)
Algumas pessoas discutem se [a Palavra de Sabedoria] é um mandamento. Não necessito discutir.
No que me diz respeito, se é um mandamento ou um conselho, o que o Senhor aconselha torna-se um
mandamento para Gordon B. Hinckley. Espero que o seja para vocês. (Tacoma Washington Regional
Conference, August 20, 1995)
Não se envolvam com as drogas ilegais. Não podemos nos dar ao luxo de nos envolver com essas
coisas. Nosso corpo é um templo de nosso espírito. Ele é sagrado. Ele é uma criação do Todo-
Poderoso. O homem foi criado à imagem de Deus. Como Seu filho, como Sua filha, devemos cuidar de
nosso corpo. Ensinemos nossos filhos, ensinemos nosso povo a não se deixarem algemar e escravizar
pelas drogas que tomam posse do indivíduo, até que ele não mais tenha poder sobre si e perca o
controle do seu destino. Elas são um erro, elas não são boas. (Charlotte North Carolina Regional
Conference, priesthood leadership session, February 24, 1996)
Sou muito grato pela Palavra de Sabedoria. (...) Que coisa extraordinária! O Senhor usou as
palavras “homens maldosos e conspiradores”. São realmente palavras muito interessantes. Leiam os
jornais, ouçam o rádio, assistam ao noticiário pela televisão, e vocês verão, quase, não exatamente, mas
quase essas palavras nos acontecimentos atuais. Quão grato sou pela Palavra de Sabedoria que não é
somente uma lei desta Igreja, mas que traz consigo uma grande e maravilhosa promessa que o anjo
destruidor passará pelos filhos de Israel e não os matará, e que teremos grandes tesouros de
conhecimento, até mesmo tesouros ocultos. Isso não quer dizer que seremos as pessoas mais espertas,
mais sábias da Terra em termos de lei, arquitetura, educação, negócios, ou qualquer outra coisa.
Significa conhecimento das coisas de Deus que receberemos pelo poder do Espírito Santo. Essa é a
promessa do Todo-Poderoso. Quão grato sou! (Potomac Virginia Regional Conference, April 27, 1997)
PATERNIDADE
Ver também Família; Pais, Como Ser
Vocês que são maridos e pais devem ter sentido no coração esta noite (...) a decisão de
conduzirem-se no lar de maneira a merecer o amor, respeito, honra e amizade de sua esposa e filhos.
Ser portador do sacerdócio não dá a homem algum o direito de dominar aqueles a quem deve
demonstrar o maior afeto e consideração. Cada um de nós deve voltar para casa hoje, tendo no coração
uma vontade maior de viver merecedor da companhia daqueles que mais nos amam, honram e
respeitam sem reservas. (“The Good and Faithful Servants,” Ensign, November 1984, p. 48)
Repito um apelo para todos os pais. É de vocês a responsabilidade básica e inevitável de estar à
cabeça da família. Isso não implica ditadura ou domínio injusto, mas sim uma incubência aos pais para
que provejam as necessidades de sua família. Tais necessidades são mais que alimento, vestuário e
abrigo. Incluem um direcionamento justo e ensinamentos, pelo exemplo e por preceito, dos princípios
básicos da honestidade, integridade, serviço, respeito aos direitos alheios e um entendimento de que
somos responsáveis pelo que fazemos nessa vida, não somente perante os outros, mas também perante
o Deus dos céus, que é o nosso Pai Eterno.(...)
(...) Com a obrigação de gerar, vem a responsabilidade de nutrir, de proteger, de guiar em retidão e
verdade. Deles é a responsabilidade de presidir um lar onde haja paz e segurança,
amor e harmonia. (“Bring Up a Child in the Way He Should Go,” Ensign, November 1993, p. 60)
É uma responsabilidade enorme ser pai na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. É
uma responsabilidade maravilhosa ser um homem que está à frente de sua família possuindo o
sacerdócio de Deus e tendo autoridade para falar em nome de Deus. Pais, vocês são o tipo de pais que
deveriam ser? (Anchorage Alaska Regional Conference, June 28, 1995)
PAZ
Ver também Guerra
Gostaria que o poder sanador de Cristo se espalhasse sobre a Terra e se difundisse na sociedade e
dentro de nosso lar, a fim de livrar o coração dos homens dos elementos maléficos e adversos da
ganância, ódio e conflitos. Acredito que isto seria possível. Acredito que precisa acontecer. Para que o
cordeiro possa deitar-se ao lado do leão, é preciso que a paz sobrepuje o conflito, que a regeneração
cicatrize a ferida. (“The Healing Power of Christ,” Ensign, November 1988, p. 59)
O templo deve ser sempre um lugar de paz, um refúgio das agitações do mundo. Todos nós
vivemos em um lugar parecido com uma selva, se me permitem usar essa expressão. Nós desejamos a
paz e a tranqüilidade; estamos famintos por uma oportunidade de meditar e refletir sobre as coisas de
natureza espiritual e eterna. Não deve haver nenhuma atmosfera de inquietação ou pressa na casa do
Senhor. É uma casa de ordem. Deve haver, constantemente, uma atmosfera que proclama: “Santidade
ao Senhor”.
Estamos lidando com assuntos da eternidade. Não precisamos nos apressar. Naturalmente existem
ordenanças a serem realizadas, mas podem ser feitas de modo que demonstrem paz e garantam a
tranqüilidade que habita no coração quando há ausência de pressão. (Temple Presidents Seminar,
August 15, 1989)
Há doze anos o Voyager deixou o planeta Terra para empreender uma jornada de sete bilhões de
quilômetros, viajando a 97.600 quilômetros por hora, sendo levado com precisão à órbita do planeta
que chamamos de Netuno.
O Voyager segue em frente para o espaço sideral, para os confins do universo.
Vocês o viram? Experimentaram o mesmo sentimento avassalador que eu? Vocês se perguntaram
por que o homem consegue fazer coisas tão incríveis e não consegue viver em paz com seus irmãos
aqui na Terra? Vocês pararam para refletir nas maravilhas da mente humana quando a mente devota-se
a coisas construtivas em vez de destrutivas? Por que desperdiçamos nossos recursos pessoais em
conflito e cobiça, em disputas judiciais e achando defeitos nos outros, quando somos capazes de
realizar coisas muito maiores e mais maravilhosas? (“A Wonderful Summer,” BYU 1989–1990
Devotional and Fireside Speeches, September 3, 1989, p. 13)
Já pensei muitas vezes que a guerra entre as nações cessaria se as mulheres de todo o mundo se
unissem e defendessem a paz. (Belle S. Spafford Conference on Women, February 23, 1990)
Gostaria de dizer que nós, membros desta Igreja, lamentamos a violência de qualquer forma ou
natureza como protesto contra os sistemas legais sob os quais vivemos. Existem meios pacíficos de se
resolverem assuntos questionáveis, através do processo legislativo ou judicial. A violência de qualquer
tipo está fora de questão e deve ser condenada, pois é contrária à palavra e aos desejos do Senhor.
Acreditamos em honrar, obedecer e apoiar a lei. Temos pouca simpatia por aqueles que, em diversas
partes do mundo, se envolvem em atividades terroristas para destruir vidas e propriedades. (Boston
Massachusetts Regional Conference, April 23, 1995)
Você deseja paz em seu coração e uma oportunidade para comungar com o Senhor e meditar a
respeito de Seu modo de agir? Vá à Casa do Senhor e lá sinta Seu Espírito e comungue com Ele, e você
obterá uma paz que não encontrará em nenhum outro lugar. (Wandsworth England Stake Conference,
August 27, 1995)
O evangelho de Jesus Cristo é o único elemento que destruirá o ódio que existe entre as pessoas.
Se trouxerem esse evangelho para sua vida e reconhecerem a paternidade de Deus, a irmandade do
homem e os efeitos do sacrifício expiatório de Cristo, haverá muito mais paz no mundo. Não teremos
paz até que isso ocorra de modo universal. É por esse motivo que estamos aqui, irmãos e irmãs, vocês e
eu. Esse é o objetivo de nosso trabalho: ensinar o evangelho de Jesus Cristo e tocar o coração das
pessoas para que olhem umas às outras como irmãs e irmãos, como filhos de nosso Pai Celestial.
(Solihull England Church Employee Devotional, August 30, 1995)
Não poderia desejar a vocês nada mais que a felicidade advinda de se estar em paz no coração e
em paz com o Senhor. (Ricks College Regional Conference, Rexburg, Idaho, October 29, 1995)
Onde encontrar a paz neste mundo de pressa e ansiedade? Onde encontrar a paz? Há somente um
modo de se encontrar a paz: o evangelho do Senhor Jesus Cristo. Quando eu era jovem fui a uma
conferência em que o homem que falou, uma Autoridade Geral, disse que o evangelho continha as
respostas para todos os problemas da vida. Eu era estudante universitário, naquela idade crítica, cheia
de dúvidas, e disse: “Ele deve estar brincando. Como pode o evangelho ter a resposta para todos os
problemas da vida?” Quero dizer que eu tinha fé, eu fora criado em um bom lar, mas ainda tinha,
naquela fase de minha vida, uma atitude crítica a respeito de muitas coisas. Disse eu: “Como pode isso
ser verdade?” Mas eu descobri que é verdade; meus irmãos e irmãs, é verdade. (Plano Texas Regional
Conference, March 17, 1996)
Nosso objetivo primordial é ensinar o evangelho de Jesus Cristo, que é o evangelho de paz entre as
pessoas. Nossa voz fala de paz ao mundo inteiro. Falamos as palavras de Jesus Cristo, que disse: “Paz
vou dou”. (Media Luncheon and Press Conference, Tokyo, Japan, 18 May 1996)
PENSAMENTOS
Gostaria de falar esta manhã sobre uma passagem bíblica. Ela se encontra no Velho Testamento,
no livro de Provérbios:
“Porque, como [um homem] imaginou no seu coração, assim ele é”. (Provérbios 23:7)
Vocês já ouviram isso muitas vezes. Considero isso algo profundo em suas implicações. Um
homem ou uma mulher torna-se, em grande parte, o produto de suas crenças. Nosso comportamento é
governado por nossos pensamentos e nossas crenças; e esses tornam-se nosso padrão de conduta. (LDS
Business College Devotional, February 5, 1991)
Vocês têm a responsabilidade de manterem a mente limpa do mal e de pensamentos malignos (...)
de qualquer coisa que rebaixe os pensamentos e os conduza ao que é imundo, em vez do que é belo,
inteligente e sadio. Incentivo cada um de vocês a inspirar profundamente, até o fundo de seus pulmões,
o ar bom, fresco e puro que está em seu redor. Aqui em cima, onde vocês estão, não há poluição. Isso
não é maravilhoso? Não é bom? Façam com que a poluição fique fora de sua vida. (Varsity Scouts,
Arapahoe District, Denver Area Council, July 17, 1993)
Somos criaturas de nossos pensamentos. Podemos levar-nos à derrota ou podemos levar-nos à
vitória. (Utah Mayflower Society Dinner, November 16, 1994)
Mantenham a mente limpa, e então vocês terão maior controle sobre o corpo. (...) Os pensamentos
impuros conduzem a atos impuros. (“‘Be Ye Clean,’” Ensign, May 1996, p. 48)
Lembro-me de ter procurado o Presidente McKay há alguns anos para pleitear a causa de um
missionário que cometera um pecado grave. Eu disse ao Presidente McKay: “Ele agiu por impulso”. O
Presidente me disse: “Ele já pensava nessas coisas antes de ter transgredido. O pensamento gerou a
ação. Não haveria impulso se ele tivesse controlado seus pensamentos anteriormente”. (“‘Be Ye
Clean,’” Ensign, May 1996, p. 48)
Se pensarmos na glória de Deus, se tivermos Seu trabalho em mente, se não deixarmos que nossos
pensamentos residam nas coisas do mundo, então nosso corpo será cheio de luz e não haverá trevas em
nós. A escuridão do mal desaparecerá. A escuridão da preguiça desaparecerá. Desaparecerão todas as
coisas que nos destroem e nos detêm em nossos esforços. Haverá luz, amor, paz e bondade em nossa
vida. (Taiwan Taipei Missionary Meeting, May 24, 1996)
PERDÃO
Ver também Arrependimento
Se houver alguém ao alcance de minha voz que abrigue rancor em seu coração, que tenha deixado
a raiva para com o outro desenvolver-se em seu coração, peço-lhe para fazer um esforço e mudar a
situação. O ódio sempre fracassa e a amargura sempre destrói, mas “a caridade nunca falha”. (I
Coríntios 13:8) (“‘Charity Never Faileth,’” Ensign, November 1981, p. 98)
Se houver alguém que nutra em seu coração a bebida envenenada da inimizade para com o outro,
eu aconselho que peça ao Senhor força para perdoar. Essa expressão de desejo será a própria substância
do seu arrependimento. Pode não ser fácil, e pode não vir rapidamente. Mas se você buscar com
sinceridade e cultivá-lo, ele virá. E mesmo que aquele a quem você perdoou continue a persegui-lo e
ameaçá-lo, você saberá que fez o que pode para que se tornasse possível uma reconciliação. Terá então
uma paz em seu coração que de outro modo seria inatingível. Essa paz será aquela de que Ele falou:
“Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai Celestial vos perdoará a vós; Se,
porém não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas
ofensas”. (Mateus 6:14–15) (Be Thou an Example [Salt Lake City: Deseret Book, 1981], pp. 50–51)
São belas as palavras de Abraham Lincoln sobre a tragédia de uma terrível guerra civil: “Com
malícia para com ninguém, com caridade para com todos, (...) vamos (...) curar os ferimentos da
nação”. (Second Inaugural Address, March 4, 1865) (...)
(...) Vamos curar os ferimentos; oh, os muitos ferimentos causados por palavras duras, por
ressentimentos teimosamente cultivados, por ardilosos planos para “se vingar” daqueles que erraram
contra nós. Todos nós temos um pouco desse espírito de vingança em nós. Felizmente todos temos o
poder de nos erguer acima disso, se nos vestirmos “com um manto, [revestir-nos] do vínculo da
caridade, que é o vínculo da perfeição e paz”. (D&C 88:125)
“Errar é humano, perdoar é divino”. (Alexander Pope, An Essay on Criticism) Não há paz em
acalentar velhos rancores. Não há paz ao refletir na dor de velhas feridas. Há paz somente no
arrependimento e perdão. Essa é a doce paz de Cristo, que disse: “Bem-aventurados os pacificadores,
porque eles serão chamados filhos de Deus”. (Mateus 5:9) (Be Thou an Example [Salt Lake City:
Deseret Book, 1981], p. 52)
“Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.
Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que
vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem.” (Mateus 5:43–44)
Muitos de nós não alcançamos ainda esse estágio de compaixão, amor e perdão. Não é fácil. Exige
um autodomínio quase acima de nossas forças. Mas à medida que tentamos, aprendemos que há uma
fonte sanadora, que existe um vigoroso poder de cura em Cristo, e se formos Seus verdadeiros servos
devemos não somente exercer esse poder sanador em favor de outros, mas, talvez mais importante
ainda, interiormente, em nós mesmos. (“The Healing Power of Christ,” Ensign, November 1988, pp.
54, 59)
“Eis que aquele que se arrependeu de seus pecados é perdoado e eu, o Senhor, deles não mais me
lembro.” (D&C 58:42)
Muitos de nós estamos inclinados a dizer que perdoamos, quando na verdade, não queremos
esquecer. Se o Senhor tem o desejo de esquecer os pecados dos que se arrependem, então por que tantas
pessoas estão inclinadas a trazer o passado à tona tão freqüentemente? Eis uma grande lição que todos
precisamos aprender. Não há perdão verdadeiro sem o esquecimento. (“The Order and Will of God,”
Ensign, January 1989, p. 5)
Não viemos para julgar, censurar ou relembrar as paixões do passado, mas para curar e ungir com
o bálsamo da paz e amor, aquele bálsamo que vem do espírito de Jesus Cristo nosso Senhor, em quem
todos acreditamos e de quem adquirimos o perdão, o companheirismo e a cura. (Funeral Service for
Rex E. Lee, March 15, 1996)
Ensine nosso povo a sempre perdoar e esquecer. Deixe para trás os rancores. Carregamos conosco
o mal cancerígeno de memórias das pequenas coisas que nos destroem e destroem nossos sentimentos,
quando que com apenas uma pequena mudança, um pouco de gentileza, poderemos conceder bênçãos
às pessoas. (Pittsburgh Pennsylvania Regional Conference, priesthood leadership session, April 27,
1996)
Jamais sinta que você não pode ser perdoado. Nosso Pai Celestial o ama. Ele é seu Pai. Ele é seu
Pai Celestial. Ele se preocupa muito com você. Ele o busca através do amor e do perdão. (...) O Senhor
disse: “Eu, o Senhor, perdoarei a quem desejo perdoar, mas de vós é exigido que perdoeis a todos os
homens”. (D&C 64:10) Isso é uma lei para nós. Nosso Pai Celestial providenciará o perdão. Esqueça.
Fale com o seu bispo. Viva em retidão. Faça o que é certo e tudo irá bem para você. Não quero vê-lo
sempre melancólico por causa de algum problema, uma pequena coisa, talvez, que tenha acontecido, ou
alguma coisa séria. Existe esperança. Existe perdão. Há paz para aqueles que trilham o caminho certo.
(Southern Utah University Institute of Religion Devotional, February 11, 1997)
PERFEIÇÃO
Disse o Salvador a seus discípulos: “Sede vós pois perfeitos como é perfeito o vosso Pai que está
nos céus”. (Mateus 5:48)
Este é o nosso mandamento. Infelizmente não alcançamos a perfeição. Ainda estamos longe dela.
Precisamos cultivar a fé para mudar nossa vida, começando por onde somos fracos e dali partindo para
nosso trabalho de autocorreção, adquirindo, assim, gradualmente e de forma coerente mais força para
viver como deveríamos.
Com fé somos capazes de superar os aspectos negativos da vida que constantemente procuram
derrubar-nos. Com esforço, conseguiremos desenvolver a capacidade de dominar os impulsos que nos
induzem a atos degradantes e maus.
Com fé podemos disciplinar nossos apetites. (“God Grant Us Faith,” Ensign, November 1983, p.
53)
Eu, certamente, não tenho a pretensão de dizer que sou perfeito, e nem o têm nenhum dos meus
irmãos dentre as Autoridades Gerais. Houve somente um ser perfeito que já caminhou sobre a Terra. O
Senhor usa pessoas imperfeitas no processo de construir Sua sociedade perfeita. Se algum deles
ocasionalmente tropeça ou se de um modo ou outro possuem ligeiras falhas, devemos ficar ainda mais
impressionados em ver como eles conseguiram realizar tantas coisas. (“Optimism in the Face of
Opposition,” Los Angeles Institute Student Fireside, February 10, 1990)
É maravilhoso o relato histórico que começou com o canto dos anjos em Belém e terminou na cruz
cruel do Gólgota. Não há nada na vida que se compare à vida Dele. Ele foi o único homem perfeito a
caminhar na Terra, o modelo de perfeição, o exemplo incomparável de perfeição. (“Jesus Christ,” First
Presidency Christmas Devotional, Salt Lake Tabernacle, December 4, 1994)
Temos pessoas boas nesta Igreja. Maravilho-me na força desta obra. Não alcançamos a perfeição;
estamos distantes dela, mas existe muito de bom e uma tremenda força nesta obra proveniente do
coração de cada membro desta Igreja. (Heber City/Springville Utah Regional Conference, priesthood
leadership session, May 13, 1995)
PERSPECTIVA
Recomendo-lhes que tenham uma visão geral e não se preocupem com as pequenas falhas. Abraão
Lincoln era um homem desengonçado, de rosto comprido e traços irregulares. Muitos viam somente as
imperfeições em sua figura. Outros caçoavam do seu modo de andar, mantendo sempre os olhos tão
baixos a ponto de não verem a grandeza de seu ser. A visão maior foi possível somente aos que
contemplaram a plenitude do seu ser: corpo, intelecto e espírito ao se posicionar à testa de uma nação
dividida na mais negra das horas, unindo-a “sem maldade para com ninguém, com caridade para com
todos, com firmeza para com o que é certo” conforme Deus o inspirava a ver o que era correto.
(Segundo discurso de posse)
É lógico que existem aberrações em nossa história. Se procurarmos, encontraremos falhas na vida
de qualquer homem, incluindo nossos líderes passados e presentes. Trata-se, porém, apenas de coisas
eventuais, em relação à magnitude de seus serviços e a grandiosidade de suas contribuições.
Tenham sempre em mente a visão geral, pois essa causa é tão ampla quanto a humanidade e tão
extensa quanto toda a eternidade. Esta é a Igreja e o reino de Deus e ela exige força, fé e lealdade de
todos, para prosseguir abençoando a vida dos filhos de nosso Pai em toda a Terra. (“Five Million
Members — A Milestone and Not a Summit,” Ensign, May 1982, p. 46)
Quão diferente é a vida quando não se tem certeza da eternidade. Quando sabemos que esse estado
terrestre é somente uma estrada em direção ao caminho da imortalidade e vida eterna, as coisas ganham
uma perspectiva completamente diferente. (Temple Presidents Seminar, August 15, 1989)
Algumas vezes, no decorrer dos dias, ao seguirmos nosso caminho cumprindo pequenas
responsabilidades, perdemos a visão geral. Quando eu era menino eram comuns os animais de tração.
Uma parte importante do equipamento dos cavalos era a cabeçada, à qual estavam presos lateralmente
os antolhos. Nos freios havia viseiras, uma de cada lado e eram colocadas de tal forma que o cavalo
podia ver somente o que estava à sua frente e não dos lados. Elas foram projetadas para evitar que o
cavalo se assustasse ou se distraísse, e assim mantivesse sua atenção na estrada sob seus pés.
Alguns de nós trabalhamos como se usássemos antolhos, enxergando somente nosso próprio
caminho acanhado. Não captamos nada do panorama mais amplo. (...)
Citando um autor desconhecido, disse certa vez o Presidente Lee, deste púlpito: “Observem
grandes campos e cultivem os pequenos.”
Minha interpretação dessa citação é que devemos conhecer alguma coisa da amplidão, profundeza
e altura do grande e maravilhoso, vasto e abrangente programa do Senhor, e então empenhar-nos com
diligência no cumprimento de nossa responsabilidade na parte desse programa que nos cabe.
Cada qual tem um pequeno campo para cultivar. E assim fazendo, nunca devemos perder de vista
a perspectiva mais ampla, a grande composição do destino divino dessa obra. Ela nos foi dada por
Deus, nosso Pai Eterno, e cada um de nós tem uma parte a executar ao tecermos essa magnífica
tapeçaria. (“An Ensign to the Nations,” Ensign, November 1989, pp. 52–53)
Acredito que a perspectiva de nossos líderes que já se foram é de algum modo diferente daquela
que tinham aqui. Acredito que ao chegarmos lá em cima, veremos esta obra com um outra perspectiva.
Não nos preocuparemos com edifícios e orçamentos. Não nos preocuparemos com estatísticas e
relatórios. Não nos preocuparemos com manuais, com suas muitas regras e regulamentos. Nós nos
preocuparemos com homens, mulheres e crianças. Nós nos preocuparemos com sua felicidade,
crescimento, progresso e sua marcha em direção à resplandecente meta de alcançar a Divindade. Nós
nos preocuparemos, como sinto que devemos fazê-lo aqui, com a “fé no Senhor Jesus Cristo;
arrependimento; batismo por imersão para remissão dos pecados; e a imposição de mãos para o dom do
Espírito Santo” para que sejamos instruídos, iluminados e inspirados ao caminharmos na grande
jornada da vida eterna. (General Authority Training Meeting, September 27, 1994)
Precisamos ter um pouco de humor em nossa vida. É necessário termos seriedade para com as
coisas que necessitam ser levadas à sério, mas ao mesmo tempo, podemos introduzir um pouco de
humor aqui e ali. Se vier o tempo em que não pudermos rir de nós mesmos, será uma época muito
triste. (Interview with Mike Cannon of Church News, Dublin, Ireland, September 1, 1995)
PIONEIROS
Ver também História e Legado da Igreja
Em 24 de julho de 1847, chegava a este vale a companhia pioneira do nosso povo. (...) No dia
seguinte, houve serviços dominicais. (...) Na manhã seguinte dividiram-se em grupos para explorar as
cercanias.
Brigham Young, Wilford Woodruff e um punhado de companheiros dirigiram-se a pé, do
acampamento localizado um pouco ao sul de onde estamos, para a montanha mais ao norte. Ali
galgaram um cume arredondado, tarefa difícil para o Presidente Brigham Young devido a uma recente
enfermidade.
Postados lá em cima, estenderam os olhos pelo vale que ficava ao sul. Era um terreno quase todo
árido, com excessão dos salgueiros e juncos ao longo dos riachos que levavam água das montanhas
para o lago. Não havia construções de qualquer espécie, mas Brigham Young dissera no sábado
anterior: “Este é o lugar!”
Ao cume onde se encontravam deram o nome de “Ensign Peak” (Cume do Estandarte) com
referência e estas grandes palavras proféticas de Isaías: “E ele arvorará o estandarte para as nações de
longe, e lhes assobiará para que venham desde a extremidade da terra; e eis que virão apressurada e
ligeiramente”. (Isaías 5:26)
“E levantará um estandarte entre as nações, e ajuntará os desterrados de Israel, e os dispersos de
Judá congregará desde os quatro confins da terra”. (Isaías 11:12)
Existem evidências indicando que Wilford Woodruff tirou do bolso um grande lenço estampado e,
agitando-o qual estandarte ou pendão às nações, disse que deste lugar sairia a palavra do Senhor e para
este lugar acorreriam os povos da Terra. (...)
Que tolice, alguém poderia ter dito, ao ouvir aqueles homens naquela manhã de julho de 1847.
Não se pareciam com grandes estadistas sonhando alto. Não pareciam governantes debruçados sobre
mapas e planejando um império. Eram exilados, expulsos de sua linda cidade às margens do Mississipi
para esta região árida do oeste. Eles, porém, tinham a visão retirada das escrituras e das palavras de
revelação.
Maravilho-me com a visão desse pequeno grupo. Era uma visão audaciosa e destemida, quase
inacreditável. (...) Esses profetas, trajando roupas velhas e surradas, os pés calçados com botas que
vinham usando por mais de mil e quinhentos quilômetros desde Nauvoo, falando de uma visão
milenial. Eles falaram da visão profética do maravilhoso destino desta causa. Desceram do monte
naquele dia e puseram-se a trabalhar para tornarem seu sonho realidade. (“An Ensign to the Nations,”
Ensign, November 1989, pp. 51–52)
É fundamental que as pessoas desta comunidade, deste estado, e do oeste inteiro lembrem-se dos
labores e sacrifícios daqueles que, com um alto preço, lançaram os alicerces daquilo que hoje
desfrutamos. O conhecimento da história estabelece a verdadeira base dos melhores aspectos da nossa
cultura. (...)
Existem muitos movimentos épicos na história da humanidade que merecem ser lembrados e dos
quais não podemos esquecer. Mas a migração para este vale antes da chegada da estrada de ferro é de
uma perspectiva tão ampla, envolvendo tantas pessoas e acarretando tanto sofrimento e sacrifício
humano, que deve sempre ocupar um lugar único nos anais da história humana. Ela tem todos os
elementos de um grande épico: perseguição, fuga para o deserto, esperança, visão, doença, a implacável
crueldade do clima, milhares de mortes, e um triunfo final por intermédio de indescritível coragem e
labuta. Nunca devemos esquecer-nos daqueles que nos precederam. Nunca devemos deixar de valorizar
o preço que eles pagaram. É uma história não somente para os membros da Igreja da qual eles eram
membros; é uma história para o mundo todo e para todas as gerações. (Days of ‘47 Pioneer Luncheon,
Salt Lake City, Utah, July 24, 1995)
Brigham Young sabia que não poderiam ficar [em Nauvoo]. Eles decidiram mudar-se para o oeste,
para um lugar distante do qual Joseph Smith dissera: “o demônio não nos poderá arrancar”. No dia 4 de
fevereiro de 1846, os carroções desceram Parley’s Street, uma rua de Nauvoo, indo em direção ao rio.
Fizeram a travessia de balsa e começaram a viajar pelas terras de Iowa. Não levou muito tempo para
que o clima se tornasse extremamente frio. O rio congelou e eles tiveram de fazer a travessia sobre o
gelo. Depois de terem abandonado Nauvoo, eles estavam entregues às forças da natureza e à
misericórdia de Deus.
Com o degelo veio a lama; lama profunda e traiçoeira. Os carroções ficaram atolados até o eixos e
para movê-los foi necessário dobrar e triplicar as juntas de bois que os puxavam. Abriram uma estrada
num local onde jamais alguém estivera.
Chegaram, finalmente, ao Grande Acampamento do Missouri, construíram centenas de abrigos,
uns muito rústicos, outros mais confortáveis. Lançavam mão de qualquer coisa para abrigar-se do clima
traiçoeiro.
Durante todo o inverno de 1846, nesses povoados fronteiriços, as forjas rugiam e as bigornas
ressoavam enquanto se fabricavam carroções. Meu bisavô, que mal saíra da adolescência, tornou-se um
perito ferreiro e construtor de carroções. Não havia vocação mais útil nessa época do que a de moldar o
ferro. Mais tarde, ele faria seu próprio carroção no qual rumaria para o oeste com a mulher, o bebê e
seu irmão. Em algum ponto da longa viagem sua mulher adoeceu e morreu e seu irmão morreu naquele
mesmo dia. Ele enterrou os dois, despediu-se entre lágrimas, ternamente tomou o filho e rumou para o
Grande Lago Salgado.
Na primavera de 1847, os carroções da primeira companhia saíram de Winter Quarters e seguiam
para o oeste. Eles freqüentemente tomavam uma rota que acompanha a margem norte do rio Platte. Os
grupos que rumavam para a Califórnia e para o Oregon tomavam uma rota à margem sul do rio. A
estrada dos mórmons, depois, tornou-se a rota da ferrovia Union Pacific Railroad e da auto-estrada
transcontinental.
Como todos sabem, do dia 24 de julho de 1847, após 111 dias, eles emergiram do desfiladeiro
entre as montanhas no Vale do Lago Salgado. Brigham Young declarou: “Este é o lugar certo”.
Penso nesta afirmativa com reverente admiração. Eles poderiam ter ido para a Califórnia ou para o
Oregon, onde o solo havia sido experimentado, onde havia fartura de água e o clima era mais ameno.
Jim Bridger prevenira-os quanto a tentativa de cultivar lavouras no Vale do Lago Salgado. Sam
Brannan insistira para que Brigham Young fosse para a Califórnia. Agora estavam diante desse vale
estéril, com suas águas salobras cintilando ao sol poente do mês de julho. O solo nunca fora tocado por
um arado. Aqui estava Brigham Young, com 46 anos de idade, dizendo a seu povo que este era o lugar
certo. Eles nunca tinham plantado uma lavoura ou feito uma colheita. Não entendiam coisa alguma das
estações. Milhares de seus companheiros estavam para chegar e muitos outros milhares os seguiriam.
Eles aceitaram a afirmação profética feita por Brigham Young.
Em pouco tempo surgiram casas no solo do deserto. Plantaram-se árvores e, um milagre: elas
cresceram. Iniciou-se a construção de um novo templo, obra que ficou inacabada por 40 anos. Desde
que começaram a jornada em 1847 até ser construída a ferrovia em 1869, milhares vieram para a Sião
das montanhas. Nauvoo fora abandonada. Seu templo fora queimado por um incendiário e suas paredes
desmoronaram durante uma tempestade. (“‘True to the Faith,’” Ensign, May 1997, pp. 65–66)

A Fé dos Pioneiros
Necessitamos muito, muito mesmo ter fé no Deus vivo e no Seu filho ressuscitado, pois foi essa
extraordinária fé que impulsionou nossos antepassados.
Eles tinham uma visão transcendente que passava por cima de todas as outras considerações.
Quando vieram para o oeste estavam há mil e seiscentos quilômetros, mil e seiscentos tediosos
quilômetros, do mais próximo assentamento ao leste e mil e trezentos quilômetros dos do oeste. Um
reconhecimento pessoal e individual de Deus, o Pai Eterno, a quem eles podiam buscar com fé era a
verdadeira essência da força que possuíam. Acreditavam na grande injunção das escrituras: “Confia em
Deus e vive”. (Alma 37:47) Com fé eles buscaram fazer sua vontade. Com fé eles leram e aceitaram os
ensinamentos divinos. Com fé trabalharam até não suportarem mais, sempre com a convicção que
teriam que prestar contas a seu Pai e seu Deus.
As palavras de Brigham Young com relação à sua própria morte e sepultamento são importantes
de serem notadas. Após dar as instruções com relação ao local onde deveria ser enterrado, ele disse:
“Lá deixem minha morada terrena ou tabernáculo descansar em paz, e ter um bom sono, até a manhã da
primeira ressurreição; que ninguém chore ou lamente porque fiz meu trabalho honradamente e com
fé”. (citado em Preston Nibley, Brigham Young: The Man and His Work [Salt Lake City: Deseret Book
Co., 1936], p. 537; grifo do autor)
Ao refletirmos sobre aqueles que nos antecederam, ao considerarmos nossas tarefas, para o nosso
próprio bem e o de outrem, seria bom que todos pudéssemos dizer todos os dias: “Estou fazendo meu
trabalho honradamente e de boa fé”. (“The Faith of the Pioneers,” Ensign, July 1984, p. 6)
Após os santos terem ido para o oeste, embora obrigados a enfrentar a enorme tarefa de conquistar
o deserto e formar um estado, não diminuíram seus esforços em levar o evangelho às nações da terra.
Na conferência realizada em 1852, homens da congregação foram chamados para irem não só as terras
da Europa, mas também para China e Sião (agora Tailândia). É comovente notar que, naqueles dias de
pioneiros, foram enviados missionários à Índia, onde hoje, depois de muitos anos, estamos plantando
novamente as sementes do evangelho.
Maravilho-me com a audácia, mas prefiro caracterizá-la como fé, dos líderes e membros da Igreja
naquela era dos pioneiros, de conseguirem, com o número relativamente pequeno de seus membros e
recursos limitados, levar o evangelho a terras distantes. Não se pode ler o relato do Élder Parley P. Pratt
a respeito de suas viagens ao Chile, sem reconhecer com gratidão a coragem e a fé que possuíam
aqueles primeiros missionários ao encararem com tal seriedade o encargo do Senhor de levar o
evangelho às nações da terra.
Suas longas viagens além-mar foram feitas em condições extremamente difíceis. Quando
chegavam à nação que lhes fora designada, não havia um só amigo nem companheiro para recebê-los.
Não tinham nenhuma instrução prévia quanto às condições que encontrariam e nenhum conhecimento
da língua dos povos com os quais teriam que trabalhar. Muitos deles adoeciam enquanto o corpo
procurava adaptar-se à comida e outras condições de vida. Estavam, porém, imbuídos do espírito
missionário, inspirados pelo encargo de levar o evangelho da salvação aos povos da terra. As culturas
que encontraram trouxeram-lhes desafios, que eram, no entanto, de pouca importância diante de sua
responsabilidade maior. (“We Have a Work to Do,” Ensign, February 1988, p. 4)
Por que fizeram tudo isso? Por que tinham fé. Avaliaram as dificuldades. Sabiam que seriam
pesadas. Sabiam que teriam que enfrentar perigos extremos. Há algum tempo estive no cais de
Liverpool, de onde partiram para chegarem até aqui. Vinham da Escandinávia e da Grã-Bretanha,
reuniram-se ali e embarcaram nos navios que os levariam para o outro lado do oceano. Eles subiam o
rio Mississippi ou viajavam de Boston até Iowa City, local onde se equipavam para prosseguir até
Winter Quarters e daí até este vale numa longa marcha. Sabiam que muitos morreriam no trajeto. Mais
de 4.000 deles morreram, dando a vida como testemunho de sua crença na causa que haviam abraçado.
(Interview with Lee Groberg for PBS Documentary “Trail of Hope,” November 4, 1996)
Sou um idealista pouco prático com relação aos pioneiros? Não. Havia excessões aqui e ali, mas
em geral eram pessoas nobres e maravilhosas que caminhavam com fé, que viviam com lealdade, que
eram industriosas e trabalhavam com integridade.
Resplandecendo acima de todos os seus princípios e ideais, havia a solene e magnífica crença no
Senhor Jesus Cristo como seu Senhor e Redentor. Eles o conheciam. O Senhor caminhou com eles
naquela longa marcha ao Elkhorn, até o Platte, margeando a Sweetwater, atravessando as Montanhas
Rochosas, e descendo à terra seca e desértica deste Vale do Grande Lago Salgado. Ele era um amigo.
Eles oravam em Seu nome. Cantavam para Sua glória. Com humildade e gratidão falavam do Seu
grande sacrifício expiatório. Eles depositaram sua fé Nele.
“Chegando a morte, tudo irá bem, Vamos paz todos ter. Livres das lutas e dores também, Com os
justos viver!” (Hinos,
nº 20) Assim era sua crença. A morte foi trágica para os que ficaram para trás. Mas sabiam que haveria
um outro dia, um dia de reencontros felizes. “Mas se a vida Deus nos poupar bem alto poderemos
cantar, a uma só voz entoar: Tudo bem! Tudo bem!”
Que povo maravilhoso eram eles. Não há nada semelhante ao seu grande esforço em toda a
história. Houve outras grandes migrações. Houve muitas outras grandes causas pelas quais os homens
deram sua vida. Mas em nossa época, dentro do alcance de nossa memória, erguem-se esses nobres
pioneiros. Deus abençoe sua lembrança para o nosso bem. Quando a jornada parecer difícil, quando nos
sentirmos desencorajados, pensando que tudo está perdido, voltemo-nos para eles e vejamos o quão
pior eram as suas condições. Ao nos questionarmos acerca do futuro, poderemos atentar para eles e
para o seu grande exemplo de fé. (Church Educational System Young Adult Fireside, February 2, 1997)

O Legado dos Pioneiros


É bom olhar para o passado para termos gratidão pelo presente e perspectiva para o futuro. É bom
olhar para as virtudes daqueles que nos antecederam e adquirir força para o que está por vir. É bom
refletir sobre a obra daqueles que trabalharam tão arduamente, ganharam tão pouco neste mundo, mas
de seus sonhos e antigos planos tão bem nutridos, adveio uma grande colheita da qual somos os
beneficiários. O grande exemplo por eles deixado pode tornar-se uma motivação irresistível para todos
nós, pois cada um de nós é um pioneiro em sua própria vida, freqüentemente em sua família, e muitos
são pioneiros diariamente ao tentarem estabelecer as raízes do evangelho em partes distantes do mundo.
(...)
No meio-ambiente em que muitos de nós vivemos, há necessidade de nos lembrarmos das lições
aprendidas no passado. Em tempos de abundância, é bom, ocasionalmente, voltarmos ao passado e ter
nossa mente focalizada na luta dos primeiros santos dos últimos dias, para nos lembrar da necessidade
de trabalhar a terra se quisermos que ela produza, da importância da fé em Deus se desejarmos realizar
algo duradouro, e da necessidade de reconhecer que muitos dos assim chamados “velhos valores” são
dignos de serem aplicados atualmente.
Oh, como se precisa da fé na vida de cada um de nós! Fé em nós mesmos, fé em nossos
companheiros e fé no Deus vivo. (“The Faith of the Pioneers,” Ensign, July 1984, p. 3)
Há cento e trinta e sete anos os pioneiros entraram no Vale do Lago Salgado. Eles viajaram a partir
do Rio Missouri, levando três meses para percorrer a distância que percorremos em duas horas de
avião. Com fé na capacidade de fazerem o que necessitavam, eles iniciaram o trabalho. Sua filosofia era
depender de si mesmos. Não havia governo para apoiá-los. É verdade que eles possuíam recursos
naturais, mas tinham que cavá-los e moldá-los. A habilidade deles é um milagre para mim. Tinham
pouco mais do que mãos desnudas. As ferramentas que usavam eram simples e relativamente toscas em
relação às nossas. Tinham pouca maquinaria, e na maior parte elas eram improvisadas. Mas tinham
habilidades, pacientemente aprendidas, em alvenaria, no trabalho com a madeira, na produção e
aplicação do gesso, na colocação de vidros. A qualidade de seus artífices não foi superada em nossa
época. Em muitos aspectos não é igualada. Aqueles que hoje em dia avaliam o trabalho desses homens
são rápidos em concordar que foi inspirado. (...)
Há alguns dias caminhei por aquele templo. Renovou-se em minha mente uma enorme apreciação
por sua inigualável beleza e pela capacidade dos que o edificaram. (“The Faith of the Pioneers,”
Ensign, July 1984, pp. 3–4)
[Leais portadores do sacerdócio] levaram essa obra avante desde o princípio. Estavam presentes
no lar de Peter Whitmer quando a Igreja foi organizada. Estavam entre os poucos que se mantiveram ao
lado do Profeta nos dias turbulentos em que a Igreja se encontrava em Nova York. Eles prontamente
deixavam Kirtland para trás a fim de servirem como missionários em qualquer lugar que lhes fosse
designado, de acordo com o chamado do Profeta.
Fizeram a longa marcha com o acampamento de Sião, mil e trezentos quilômetros de Ohio até o
oeste do Missouri. Ficaram com o Profeta na Cadeia de Liberty. Perseguidos, seminus, venceram com
os santos carentes os pantanais do Mississipi para chegarem a Quincy, no Illinois.
Drenaram os pântanos de Commerce para criar Nauvoo, a Bela. Erigiram a magnífica casa do
Senhor na elevação sobranceira ao rio. Estavam com Joseph Smith em Carthage. Choraram sua morte e
apoiaram a liderança dos Doze. Perseguidos pelas turbas, abandonaram casas e templo, enfrentando o
rigoroso inverno de Iowa. Alguns deles acompanharam a longa marcha do batalhão Mórmon até San
Diego, e depois de volta até o vale do Grande Lago Salgado.
Outros seguiram o Rio Elkhorn e o Rio Platte para Scottsbluff, South Pass, Independence Rock,
chegando até este vale. Aqui arrancaram artemísia, combateram gafanhotos, labutaram e oraram,
construíram casas, igrejas e templos ao seu Deus.
Durante toda essa longa odisséia, houve aqueles que não foram leais, uns poucos outros que se
mostraram traidores, mas eram uma pequena minoria. Honra àqueles que ficaram firmes e às esposas
que trabalharam ao lado deles. (“The Good and Faithful Servants,” Ensign, November 1984, p. 49)
Que milagre aconteceu! Quão ricamente fomos abençoados! Quão gentil o Senhor tem sido para
conosco, meus irmãos e irmãs! Que coisa magnífica é termos o legado de uma grande história, o legado
de pessoas que valorizaram sua fé e, mais ainda, sua vida. Não sei quantos foram enterrados em
[Council Bluffs]. Do outro lado do rio, em Winter Quarters, houve uns 600 dos 6.000 que morreram na
trilha entre aquele local e o Vale do Lago Salgado antes da chegada da estrada de ferro. Acrescentando-
se a tudo isso os freqüentes enterros ao longo do Rio Mississipi e ao longo do Missouri, conversos à
Igreja vindos da Inglaterra e Europa que atravessaram o mar e alcançaram o Mississippi e Missouri,
muitos deles vitimados pela cólera, uma terrível doença que atacou subitamente. As pessoas podiam
estar muito bem de manhã e mortas antes do anoitecer. Graças às bênçãos da medicina moderna, esses
problemas fazem parte do passado. Somos tão ricamente abençoados, que deve haver em nosso coração
um grande senso de gratidão para com aqueles que estabeleceram os alicerces de tudo o que temos
hoje. (Grand Encampment Devotional, Council Bluffs, Iowa, July 13, 1996)
Este é o 150º aniversário da chegada dos pioneiros mórmons ao Vale do Lago Salgado. Teremos
grandes comemorações em Salt Lake City. Recordaremos com cerimônia e muitas outras coisas o
grande ato de fé de nosso povo ao virem para esse vale cercado de montanhas, um lugar que não era
visto com bons olhos por qualquer um que o conhecesse. Mas eles se estabeleceram nesse vale e de lá
se espalharam para fundar muitas outras comunidades. Hoje somos beneficiários de sua grande fé.
Como resultado de seu estabelecimento nas montanhas provieram as bênçãos deste evangelho
restaurado para os povos da Terra. (...)
Sejam gratos pelo evangelho. Sejam gratos pelo Profeta Joseph Smith. Sejam gratos pelos
pioneiros. Sejam gratos pela Igreja nos dias de hoje. (...) A vida, atualmente, não é tão difícil para nós.
Temos muito mais êxito. Temos o evangelho sem pagar um alto preço por ele. Tomemos a resolução de
vivê-lo. (Panama City Panama Fireside, January 20, 1997)
PLANO DE SALVAÇÃO
O homem é um ser eterno. Como um indivíduo de matéria espiritual, ele viveu antes de vir à
Terra. (...)
A vida na Terra em um corpo mortal não é senão um outro passo na grande marcha eterna. Aqui
temos a oportunidade de ganhar experiência, aprimorar-nos e crescer. E, baseado no que acreditamos,
continuaremos a viver e progredir na vida após a morte.
Na vida do porvir não estaremos arbitrariamente divididos em dois grupos: habitantes do céu e
inferno. Jesus disse: “Na casa de meu Pai há muitas moradas”. Haverá diversos graus e níveis. Haverá
atividade e aprendizado. Conheceremos um ao outro lá, como nos conhecemos aqui. Nossa
individualidade será mantida. “Qualquer princípio de inteligência que adquirirmos nessa vida, surgirá
conosco na ressurreição”. “A glória de Deus é a inteligência”. Esses são aforismos mórmons. A vida é
significativa. É progressiva. Leva-nos à Divindade.
Não há reincarnação, não há nirvana, os céus não são estáticos, nem há um inferno de labaredas na
filosofia dos santos dos últimos dias. Os céus estão no crescimento proveniente do aprimoramento e
conquista. É o lugar onde estarão aqueles que houverem alcançado essa meta através da obediência aos
mandamentos de Deus. (What of the Mormons? pamphlet, 1982, pp. 7–8)
Sou grato ao Profeta Joseph e o amo pela doutrina de salvação que foi revelada por seu
intermédio. Pela graça de Deus todos os homens serão privilegiados para ressurgirem da morte, uma
dádiva concedida gratuitamente e possibilitada pelo sacrifício do Senhor Jesus Cristo. Além disso,
todos os que caminham em obediência aos ensinamentos e mandamentos do evangelho poderão
prosseguir até mesmo para a exaltação. Existem diversos reinos e principados na vida futura,
denominados e descritos nas incomparáveis revelações divinas dadas a ele. Sou-lhe grato e o amo por
tudo isso. Amo-o pela convicção, certa e inequívoca, da vida após a morte num reino de atividade e
crescimento em contraste com as condições estáticas e êxtase infrutífero como outros têm ensinado.
Quão grato sou pela grandiosidade de sua visão da eternidade! Agradeço-lhe pela certeza de que
“mesclando-se aos Deuses, ele pode fazer planos para seus irmãos”. (...)
Sou grato a ele e o amo pela luz e entendimento que trouxe ao mundo com relação ao propósito da
vida: que a mortalidade é um passo na jornada eterna; que vivíamos antes de vir para cá; que havia um
propósito em nossa vinda; que somos filhos e filhas de Deus nosso Pai Eterno com um maravilhoso e
divino direito de primogenitura; que estamos aqui para ser testados e para crescer; que, como um
homem disse: “A vida é uma missão e não uma carreira”; que a morte é um passo através do limiar para
outra esfera tão real e tão significativa como esta. Infinita é a nossa oportunidade de crescimento em
direção à Divindade sob o plano de nosso Pai Celestial e Seu Amado Filho. (“As One Who Loves the
Prophet,” Symposium on the Life and Ministry of the Prophet Joseph Smith, BYU, February 22, 1992)
Creio que não devemos esquecer-nos da transcendente declaração de nosso Pai: “Pois eis que esta
é minha obra e minha glória: Levar a efeito a imortalidade e vida eterna do homem”. (Moisés 1:39)
Afinal, este é o propósito de nossa existência: auxiliar nosso Pai a realizar Seu trabalho e atingir
Sua glória. Por essa razão, Ele enviou Seu Filho ao mundo para tomar sobre si os pecados do mundo,
para oferecer sua vida em um assombroso sacrifício expiatório pelos pecados, para sofrer e morrer na
cruz em um sacrifício supremo para a bênção de toda a humanidade, para ressurgir triunfante da tumba
como o mestre da vida e da morte, da mortalidade e imortalidade.
Com esse propósito o evangelho foi restaurado nesta dispensação, para que o conhecimento,
oculto desde antes da fundação do mundo, venha dos céus para abrir os olhos da humanidade e elevar
sua mente para um maior entendimento de seu potencial como filhos e filhas de Deus.
Com esse propósito foi o Livro de Mórmon traduzido e divulgado, falando como uma voz do pó
em declaração dos propósitos eternos do Todo-Poderoso e em testemunho de Seu Filho Amado, o
Salvador e Redentor da humanidade.
Com esse propósito foi o sacerdócio restaurado, os homens podem receber as ordenanças que os
permitirão passar pelos anjos e os deuses ao prosseguirem em sua jornada eterna e celestial em direção
a salvação e exaltação.
Com esse propósito foi a Igreja organizada como a grande conservadora dessas verdades eternas,
como o meio de prover atividades que levem ao crescimento, entendimento e conhecimento dos eternos
propósitos de Deus, como a condutora de um programa para ensinar ao mundo as verdades que o
salvará de seus pecados; como uma instituição única que une e dá oportunidade para seus membros de
terem convívio social entre pessoas com a mesma compreensão e o mesmo amor; como a construtora
de casas sagradas nas quais podem ser dadas ensinamentos, nas quais podem ser realizadas ordenanças
de conseqüências eternas, nas quais se fazem convênios e nas quais se realiza a obra que livrará da
escravidão os que já passaram do véu e que não podem prosseguir sem essas ordenanças, que foram
planejadas para a mortalidade.
São essas as verdades, belas em seu desígnio, grandiosas em seu conceito, gloriosas e
maravilhosas quando compreendidas, que salvarão as pessoas. (General Authority Training Meeting,
September 27, 1994)
A obra do Senhor é uma obra de salvação. Para quem? Pela graça de nosso Pai Eterno e sem
nenhum esforço da parte dos beneficiários, o sacrifício expiatório do Filho de Deus possibilitou a todos
ressurgirem dos mortos. E além disso, pela virtude do sacrifício divino e por intermédio de Sua graça e
bondade, as oportunidades para a vida eterna estão à disposição de todos por intermédio do trabalho
próprio ou vicário. (Utah Genealogical Society Fireside, November 13, 1994)
Não seremos bem sucedidos, acredito, até que o Espírito do Senhor desça ao coração das pessoas e
os toque com a convicção de que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, o Primogênito do Pai, o Unigênito
na carne, que deu a vida por cada um de nós. Não posso compreender, em termos de eternidades e
bênçãos das eternidades, a magnitude do Sacrifício Expiatório, mas posso senti-lo e apreciá-lo de certo
modo, e quanto mais envelheço — estou-me tornando uma antiguidade — mais sinto que no final essa
será a chave para todas as outras coisas. Esse é ponto principal do eterno plano de salvação. Vivemos
antes de virmos para cá. Estamos aqui com um propósito. Viveremos após morrermos. Tudo isso é uma
parte da eternidade, e a chave para a vida eterna é o Sacrifício Expiatório feito pelo Salvador. (England
Birmingham Missionary Meeting, August 29, 1995)
Toda a vida é eterna. Essa é a grande e notável verdade. Viemos ao mundo com um propósito, sob
um plano divino, e quando findar esta vida prosseguiremos em frente para algo melhor, se vivermos
dignamente. Essa grande trajetória eterna que podemos seguir torna-se possível por intermédio do
sacrifício do Filho de Deus. (Charlotte North Carolina Regional Conference, priesthood leadership
session, February 24, 1996)
Vocês sabem para que serve a vida, de que ela é feita, que fazem parte de um plano eterno, que
viveram com um propósito antes que viessem a esta vida, que esta vida é uma missão e não somente
uma carreira, que um dia vocês irão passar pelo véu, mas precisam seguir em frente e progredir. Não
conheço ninguém neste mundo que entenda o significado da vida como nós que possuímos o evangelho
restaurado de Jesus Cristo. (San Diego California Young Adult Fireside, March 24, 1996)
POBRES
Ver também Bem-Estar
Se cada membro desta Igreja observasse o jejum e contribuísse generosamente, os pobres e os
necessitados, não somente os da Igreja mas muitos outros também, seriam abençoados e cuidados em
suas necessidades. Cada doador seria abençoado em corpo e espírito, o faminto seria alimentado, o nu
vestido de acordo com sua necessidade. (Belle S. Spafford Coference on Women, February 23, 1990)
A situação aflitiva dos sem-teto é um repúdio à grandeza de nossa nação. Louvo, de todo o
coração, aqueles que, dotados de forte espírito de bondade, estendem a mão a esses aflitos,
independente de quem possam ser, para ajudá-los e assisti-los, alimentá-los e abençoá-los. Ao
demonstrarem misericórdia, estou certo de que o Deus dos céus há de abençoá-los, e também a sua
posteridade futura, com Sua misericórdia. Estou certo de que aqueles que compartilham tão
generosamente não sentirão falta em sua própria reserva, mas haverá alimento em sua mesa e um teto
para abrigá-los. Não se pode ser misericordioso com outros sem receber abundante misericórdia em
troca. (“Blessed Are the Merciful,” Ensign, May 1990, p. 70)
Não sei há quanto tempo visitei pela primeira vez o México, mas foi há muitos anos, e a maioria
das pessoas eram pobres, com poucas oportunidade de educação — lutando, verdadeiramente, para
sobreviverem. E então, vim para dedicar o Templo do México e os santos haviam-se reunido de todas
as partes do país. Eu estava no escritório do presidente do templo e pela janela vi as pessoas que
estavam aguardando na fila para entrarem no templo, mas elas não podiam me ver. E lá estava cada um,
limpo, com uma bonita aparência, embelezados, um cartão em uma mão e um lenço na outra, para
virem à casa do Senhor e participarem na dedicação do sagrado templo. Isso, para mim, é o milagre do
mormonismo no México. (Mexico Veracruz Missionary Meeting, January 27, 1996)
Precisamos cuidar dos pobres. Disse o Senhor: “Porque sempre tendes os pobres convosco.” (Ver
Marcos 14:7; João 12:8) Sempre existiram pobres e acho que continuarão a existir até que venha o
milênio. Precisamos cuidar deles e necessitamos ter as instituições para assim fazê-lo. Mas precisamos
ser muito cuidadosos para não burocratizar muito o auxílio. Não devemos transferir a responsabilidade
que necessitamos ter em nosso coração de expandir amor, gentileza e ajuda aos outros, para uma
instituição, que na melhor das hipóteses, é impessoal.
Não quero que tenham a impressão de que estou falando que não deveríamos ter o programa de
bem-estar. Precisamos tê-lo. É parte do plano do Senhor e o bem que ele faz é grande e incalculável.
Mas acho que há uma tendência entre nós em dizer: “Ah, a Igreja cuidará disso. Pago minhas ofertas de
jejum. A Igreja tomará as providências necessárias”. Precisamos, como indivíduos, penso eu, estender a
mão sem ser notado, sem agradecimentos, sem expectativa de qualquer coisa em retorno, dar daquilo
com que o Senhor tão generosamente nos tem abençoado. (General Authority Training Meeting, April
2, 1996)
Pergunta: Muitas pessoas, infelizmente, vivem na pobreza neste país, com poucas oportunidades
de emprego, moradia ruim, doenças e enorme infelicidade. Que esperança o senhor pode dar àqueles
que estão sofrendo?
Presidente Hinckley: Espero que a situação dessas pessoas melhore. Estamos tentando ajudar.
Estamos enviando um grande auxílio humanitário a todas as partes do mundo. Distribuímos uma
grande quantidade de auxílios aqui. Existe sofrimento em todas as partes. Há muito sofrimento em
diversas áreas do mundo. É trágico. Acredito que nosso Pai Celestial sofra com a situação de muitos de
Seus filhos. Muito desse sofrimento é resultado do egoísmo das pessoas. Achamos que a resposta para
todos esses problemas é o evangelho de Jesus Cristo e a aplicação da Regra de Ouro: “Portanto, tudo o
que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós”. (Mateus 7:12) Se isso fosse
praticado mais freqüentemente, haveria menos miséria no mundo. (Interview with David Fuster, Public
Affairs, Philippines, May 30, 1996)
Gostaria que a economia aqui melhorasse para o bem do povo. Não acredito que Nosso Pai
Celestial se agrade ao ver Seu povo faminto, miserável e pobre. Sei que nosso Pai Celestial ama Seus
Filhos e deseja que desfrutem as boas coisas da vida desde que tenham fé. Ele deseja abençoá-los,
acredito, e oraremos para que Sua mão generosa esteja sobre esta terra para abençoar o povo.
(Philippines Manila/Quezon City Missionary Meeting, May 31, 1996)
PODER SELADOR
Ver Sacerdócio: Poder Selador
POLIGAMIA
Para muitas pessoas, o mormonismo tem somente um significado: poligamia. Esse tem sido o tema
de histórias medonhas em todas os lugares do mundo. Houve uma vez em que essas histórias eram
extremamente populares, mas, conforme os fatos foram tornando-se conhecidos, tais escritos foram
desaparecendo.
A verdade a respeito disso é: O mormonismo diz ser a restauração da obra do Senhor em todas as
gerações prévias. O Velho Testamento ensina que os patriarcas, aqueles homens favorecidos pelo
Senhor nos tempos antigos, possuíam mais que uma esposa com a aprovação divina. No decorrer do
desenvolvimento da Igreja no século dezenove, foi revelado a um líder da Igreja que tal prática de
casamento deveria novamente ser instituída.
A declaração desta doutrina foi um terrível choque. A maioria dos conversos ao mormonismo era
originários da região da Nova Inglaterra, onde predominavam as tradições dos colonizadores puritanos.
Logo após Brigham Young ter ouvido a doutrina ele viu um cortejo fúnebre passar rua abaixo, e falou
que ele alegremente preferiria trocar seu lugar com o homem no caixão do que encarar essa doutrina.
Contudo, os líderes da Igreja aceitaram-na como um mandamento de Deus. Não foi nada fácil.
Somente àqueles cujo caráter fosse dos melhores e que provassem ser capazes de sustentar mais que
uma família, foi permitido assim casarem-se. Nunca, em tempo algum, houve mais que uma pequena
parte das famílias da Igreja que eram polígamas. A prática foi considerada estritamente como um
princípio religioso.
No final dos anos oitenta do século XIX, o Congresso aprovou várias medidas proibindo a prática,
e quando a Suprema Corte declarou a lei constitucional, a Igreja se dispôs a obedecer. Em coerência a
seu princípio básico de obediência às leis da terra, a Igreja nada mais podia fazer. Isso aconteceu em
1890. (What of the Mormons? pamphlet, 1982, pp. 10–11)
POLÍTICA
Ver também Igreja e Estado; Responsabilidade Cívica
Agora, uma palavra acerca de política. Estamos num ano de eleições e ouvimos muitas vozes
fortes e penetrantes fazendo campanha política. É um sistema salutar e benéfico, sob o qual o povo tem
liberdade de expressar-se e eleger quem irá representa-lo nos conselhos governamentais. Espero que as
pessoas envolvidas se atenham a assuntos e questões, e não a pessoas. Os assuntos devem ser discutidos
livre, aberta, franca e vigorosamente. Mas, repito, gostaria de que se evitassem quaisquer ataques
pessoais. (“Reach Out in Love and Kindness,” Ensign, November 1982, p. 77)
Tenho certeza de que enquanto tivermos mais políticos do que estadistas, teremos problemas. (“Be
Positive,” Young Single Adult Fireside, BYU Marriott Center, March 6, 1994)
Pergunta: Como o senhor sabe, alguns céticos dizem que as maiores mudanças nas diretrizes da
Igreja são resultado de pressões políticas, não necessariamente de revelações de Deus. Por exemplo, o
fim da poligamia, dizem os céticos, não foi devido a uma revelação, mas sim porque Utah queria
tornar-se um estado [dos Estados Unidos]” e isso não seria possível a menos que proibissem a
poligamia.
Presidente Hinckley: Um dos propósitos de um profeta é buscar a sabedoria e o desejo do Senhor e
ensinar Seu povo de acordo com eles. Assim aconteceu com Moisés quando guiou os filhos de Israel
para fora do Egito. Assim aconteceu com os profetas do Velho Testamento quando as pessoas
enfrentavam opressão, problemas e dificuldades. Este é o propósito de um profeta: dar respostas ao
povo para os dilemas nos quais se encontrem. É isso que acontece. É isso que vemos acontecer. Será
que isso é um caso de conveniência política? Não. Liderança inspirada? Sim”.
Pergunta: Acho que o senhor já me deu a resposta. Eu ia perguntar até onde as diretrizes da
Igreja são ditadas ou estimuladas pela política?
Presidente Hinckley: Acreditamos na honra, obediência e manutenção da lei. Se nos encontrarmos
numa situação onde necessitamos fazer uma escolha, devemos buscar orientação nesse assunto. Pode
ser um assunto difícil de se lidar, ou seja, aquilo que consideramos um padrão divino de fazer alguma
coisa contraposto a alguma lei. Devemos buscar a orientação do Senhor e agir de acordo com ela.
(Interview with Mike Wallace of 60 Minutes, March 10, 1996)
Pergunta: Estou certo de que o senhor teve experiências em que políticos tentaram obter seu
endosso ou sua aprovação, provavelmente aqui no estado de Utah, considerando-se que 70 por cento
das pessoas do estado são mórmons. Os políticos daqui tentam obter sua aprovação sabendo que o
senhor é o chefe da poderosa Igreja Mórmon?
Presidente Hinckley: É para isso que os políticos existem, para ganhar, para obter aprovação. Sim,
é claro, eles querem obter nossa aprovação, mas nos mantemos fora da política, ou seja, a Igreja não
apóia nenhum partido ou candidato. (Interview with ABS-CBN Television, Philippines, April 30, 1996)
Estamos em meio a uma campanha política neste país. Como sempre, estamos sendo saturados de
reclamações e reivindicações. Qualquer pessoa que tenha vivido tanto quanto eu já ouviu diversas
vezes o discurso agradável que leva à vitória, mas que depois parece nunca ser realizado. É
fundamental que boas pessoas, homens e mulheres de princípio, se envolvam no processo político. De
outra forma, estaremos abrindo mão do poder para aqueles cujos desígnos são quase que inteiramente
egoístas. (“Stand Up for Truth,” BYU Devotional Address, September 17, 1996)
PORNOGRAFIA
Há entre nós os que tendem a sucumbir diante das coisas más e das artimanhas do adversário.
Gostaria de lhes falar a respeito da pornografia: é um mal crescente, vil e desprezível. Está nas telas
cinematográficas, penetra nos lares das pessoas pelos receptores de televisão, existe em abundância nas
bancas de jornal e encontra-se em outros lugares para atrair, enganar e destruir os que se deixam
seduzir por ela. Estou certo de que (...) nenhum santo dos últimos dias pode presenciar, ler ou participar
desse crescente mal impunemente. Deus nos ajude e abençoe com auto-disciplina para resistirmos,
abstermo-nos e fugirmos, se necessário, desse perigoso e crescente mal que tem como objetivo nos
destruir. (“Reach Out in Love and Kindness,” Ensign, November 1982, p. 76)
A pornografia é material impresso e ilustrado com o objetivo de nos estimular e atrair para áreas
que só nos trarão remorso. Seu apelo é sedutor. Ela utiliza-se de instintos que todos nós possuímos,
dados por Deus e colocados dentro de nós para a realização de Seus grandes propósitos. A pornografia
é uma ferramenta do demônio para distorcer esses instintos para fins proibidos. Com freqüência involve
moças e rapazes bonitos. O propósito de sua criação é colocar dinheiro no bolso dos criadores. O
resultado de seu uso é perverter a mente e excitar as paixões daqueles que caem nesta armadilha. Ela
produz milhões para os seus criadores e leva mágoa, pesar e remorso àqueles que com ela se envolvem.
Ela se encontra nas revistas que podem ser compradas na maioria das bancas de jornais, nos
cinemas que passam filmes impróprios para menores e nas telas de televisão em nosso lar.
Ela é produzida de modo maravilhosamente atraente. (...) Lembro-me de ter entrevistado um rapaz
que foi excomungado da Igreja devido a sérias transgressões morais. Ele era um jovem e bem-sucedido
advogado, com um futuro promissor. Perguntei-lhe como caíra nessa armadilha que finalmente o
apanhou e quase