Você está na página 1de 6

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALENQUER


SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMED
ESCOLA MUL. DE ENS. FUND. “NOVA ESPERANÇA I”
End: Trav. 02 de outubro, 670 – Esperança – CEP: 68200-000 Alenquer – Pará – Fone: 3526-2241
E-mail: novaesperanca2012@gmail.com
CNPJ: 03.179.303/0001-01
INEP: 15544567

6º ANO AO 9º ANO do ENSINO FUNDAMENTAL

Escola Mul. de Ens. Fund. Nova Esperança I

ALENQUER – PA
2017
APRESENTAÇÃO
A Escola Municipal de Ensino Fundamental Nova Esperança I instituição de Ensino vinculada à Secretaria
Municipal de Educação de Alenquer – SEMED, esteve reunida em Encontro Pedagógico no período de 14 a 16
de fevereiro de 2017, onde definiu este documento como proposta curricular para as turmas de 6º ao 9º ano,
correspondente aos anos finais do ensino fundamental para o ano letivo de 2017, com o objetivo de subsidiar os
trabalhos desenvolvidos no âmbito da instituição de ensino, de acordo com as necessidades dos educandos e se
propondo a trabalhar de acordo com a Proposta do Projeto Político Pedagógico (PPP) em que se propõe a trabalhar
de forma democrática e participativa.
A proposta curricular está organizada por disciplinas específicas: Língua Portuguesa, Matemática,
História, Geografia, Ciências Físicas e Biológicas, Educação Religiosa, Educação Artística, Estudos Amazônicos,
Língua Estrangeira (Inglês) e Educação Física, e possibilita a implementação no currículo das Leis (nº 11.645/08
e a de nº 11.769/08) que tornam obrigatório trabalhar a “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena e o uso da
Música no currículo escolar.
A proposta curricular da Escola Municipal Nova Esperança está dividida de 6º ao 9º ano, este documento
pode “[...] garantir a todos uma base comum de conhecimentos e competências, para que nossas escolas
funcionem de fato como uma rede [...]” (apud in, SEE/SP, 2008). Este currículo propõe que as instituições de
ensino e os professores indiquem de forma clara no seu planejamento de ensino o que o aluno vai aprender, e o
que é indispensável que este aprenda no decorrer dos anos finais do Ensino Fundamental.
Os conteúdos propostos, as metodologias, a atuação do professor e a aprendizagem dos alunos, devem ser
planejadas priorizando desenvolver aprendizagens, competências e habilidades, construindo um currículo
comprometido com a formação de crianças, adolescentes, jovens e adultos, para atender e acompanhar as
mudanças sociais, culturais, econômicas, políticas e tecnológicas do mundo moderno.
O objetivo deste trabalho é ter uma proposta curricular que considere a Constituição Brasileira, o Estatuto
da Criança e do Adolescente, o disposto nos Parâmetros Curriculares Nacionais – PCNs e a Lei de Diretrizes e
Bases da Educação Nacional- LDB 9.394/96.
A Lei 11.645/08 altera a 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei nº 10.639, de 9 de janeiro
de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de
ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”.
A atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9.394, de 20/12/1996 trata especificamente
no Capítulo V, da Educação Especial. Define-a por modalidade de Educação Escolar, oferecida preferencialmente
na rede regular de ensino para pessoas com necessidades educacionais especiais. Assim, ela perpassa todos os
níveis de ensino, desde a Educação Infantil ao Ensino Superior.
A Lei nº 11.769/08 de agosto de 2008 torna obrigatório o uso da Música no currículo escolar, por ser um
importante instrumento facilitador do desenvolvimento da aprendizagem tornando o processo de ensino prazeroso
para o corpo e a mente, podendo fazer a diferença nas instituições de ensino, quanto à formação integral do aluno.
O Ensino Religioso, com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), nº9.394/96, além de
ser “parte integrante da formação básica do cidadão”, assume o caráter de inter-religiosidade, sendo o responsável
para apresentar o Transcendente nas diferentes culturas e tradições religiosas, considerando a diversidade
existente no Brasil, sendo a ele, terminantemente proibido qualquer forma de proselitismo a favor desta ou
daquela crença. O Ensino Religioso está organizado de forma a contemplar, através de seus conteúdos, os
seguintes campos de estudo organizadores:
Culturas e Tradições Religiosas - de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, a História das
Culturas e Tradições Religiosas “é o estudo do fenômeno religioso à luz da razão humana, analisando questões
como: função e valores da tradição religiosa, relação entre tradição religiosa e ética, teodicéia, tradição religiosa
natural e revelada, existência e destino do ser humano nas diferentes culturas”. (FONAPER, 2006, p. 33).
As Escrituras Sagradas e/ou Tradições Orais - de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais,
“são os textos que transmitem, conforme a fé dos seguidores, uma mensagem do Transcendente, onde pela
revelação, cada forma de afirmar o Transcendente faz conhecer aos seres humanos seus mistérios e sua vontade,
dando origem às tradições. E estão ligados ao ensino, à pregação, à exortação e aos estudos eruditos”.
(FONAPER, 2006, 1998, p. 34).
As Teologias - afirmações e conhecimentos sobre o Transcendente organizados e sistematizados.
Os Ritos - englobam as práticas celebrativas das diferentes culturas e tradições.
O Ethos - é a forma da moral humana na busca de fins e significados nas questões de alteridade, valores
e limites. Estes campos de estudo estão pedagógica e metodologicamente organizados em conteúdo para cada
ano escolar com objetivos específicos e competências a serem desenvolvidas - ano a ano, de forma sistemática e
sequente, sugerindo habilidades e atitudes a serem desenvolvidas através do diálogo inter-religioso, do respeito
às diferenças e ao pluralismo religioso.
Portanto, essa proposta curricular assume um papel sugestivo, garantindo aos profissionais da educação
um direcionamento para que suas práticas em sala de aula tornem-se cada vez mais significativa, e que o
planejamento realizado nas escolas [...]se construa com o saber, com o querer e com o fazer de todos (Danilo
Gandin, 2012, p.6).

ESTUDOS AMAZÔNICOS
OBJETIVO GERAL: Oferecer aos estudantes subsídios para que possam examinar e produzir interpretações
sobre a realidade social amazônica, compreendendo a ocupação humana nos diferentes espaços e sua influência
na biodiversidade da fauna e flora, considerando os fatores históricos e geográficos que contribuíram para a
formação social, cultural e econômica da Amazônia.
ESTUDOS AMAZÔNICOS - 6º ANO
1º BIMESTRE.
*Contextualização histórica do Município:
-A pré-história de Alenquer (habitantes primitivos)
-História do município (origem e lenda)
-Fundação do município de Alenquer
-De aldeia à vila, de vila à cidade
-Localização geográfica do município de Alenquer

2º BIMESTRE.
*Aspectos físicos e demográficos:
-Clima, vegetação e hidrografia (Bacia da Amazônia)
-Riquezas Naturais: (fauna e flora)
-Principais órgãos públicos (saúde, educação e saneamento básico)
-A lei orgânica do município
-A Cabanagem em Alenquer

3º BIMESTRE.
*Alenquer atividades políticas e culturais:
*Alenquer como pólo turístico (folclore, praias, cachoeiras etc..)
-A infra-estrutura, transportes fluviais, transportes aéreos, transportes rodoviários
- Meios de comunicação (jornal local e estadual, tv, etc)
- Comércio e exportação:
- Os símbolos do município (brasão, hino e bandeira)

4º BIMESTRE.
*O desenvolvimento de Alenquer:
- A economia do município: mercado, feiras, lojas, etc.
- Empreendimentos ecoturísticos
- Abastecimento de água
- Hidrelétrica
- Aspectos culturais: músicas, cerâmicas, literatura, religião, mitos, etc.

ESTUDOS AMAZÔNICOS - 7º ANO

1º BIMESTRE.
- O Estado do Pará no contexto da Amazônia
- A colonização do Pará
- Fundação de Belém
- Núcleos do povoamento
-Localização geográfica do Estado e a divisão política administrativa (limites, pontos extremos)
- A origem do povo paraense (brancos, negros, índios, caboclos)

2º BIMESTRE.

*Aspectos Gerais do Estado do Pará:


Aspecto físico do Estado:
- Relevo
- Clima
-Vegetação
- Hidrografia
*Aspectos econômicos: agricultura, pecuária, extrativismo vegetal, animal e mineral

3º BIMESTRE.

- O Pará no período Imperial transformações políticas na sociedade:


* A Cabanagem no Pará:
- Aspectos políticos econômicos e sociais
-Adesão do Pará à Independência do Brasil
-A Bandeira de Pedro Teixeira (transformação do Pará em Província)
-A Província Paraense e a utilização de suas riquezas (Drogas do Sertão)

4º BIMESTRE.
*Questão política e educacional no Pará:
-A Educação
-A saúde
-O transporte
-A comunicação
-Símbolos estaduais (bandeira, hino, escudo das armas).

ESTUDOS AMAZÔNICOS - 8º ANO


1º BIMESTRE
- Período Colonial:
A integração da Amazônia:
Migrantes rumo à Amazônia
Os fortes na Amazônia
- Pará:
Revolução de 30
Período totalitário (o Estado novo e Baratismo)

2° BIMESTRE
- O desenvolvimento do século XVIII:
A produção industrial na Amazônia
A borracha da Amazônia
A cultura da Hávea na Ásia enfraquece o extrativismo da borracha
Outros setores econômicos, (além do extrativismo da borracha) (castanha-do-Pará, cacau, pimenta do reino,açaí
e outros).

3° BIMESTRE
- Áreas de ocupação populacional:
Êxodo rural
Questões Ambientais da Amazônia
Poluição
Ecologia (ecossistema)
Desmatamento
4° BIMESTRE

- Aspectos Culturais da Amazônia:


Turismo
Artesanato
Cultura Afro- descendente e Indígena
Folclore (lendas, mitos, etc)

ESTUDOS AMAZÔNICOS - 9º ANO

1º BIMESTRE
- Introdução aos Estudos Amazônicos:
O que é Amazônia (conceituação)
Amazônia – Natureza
Primeiros donos da terra e extinção das nações indígenas
As missões religiosas e o trabalho da igreja na colonização da Amazônia
Choque Cultural entre os índios e os europeus

2° BIMESTRE
Conceito de capitalismo:
-Amazônia (conceituação):
-Expansão do capitalismo na Amazônia
-Noções de capitalismo
-Amazônia da divisão nacional e internacional do trabalho
-Exploração, capitalismo e a ameaça ao meio Ambiente
-A biodiversidade
-A biopirataria

3° BIMESTRE
- O espaço Amazônico:
- Apropriação e Conflitos
-Espaço agrário da Amazônia de ontem e Amazônia de hoje
- Geografia dos conflitos agrários na Amazônia
-Impacto local (conflito)
-A repercussão nos hábitos e costumes da região

4° BIMESTRE
- Projeto de assistência de desenvolvimento e de preservação ambiental no Oeste do Pará
- Projetos G D A (Grupo de Defesa da Amazônia)
- Projeto I P A M (Instituto de Pesquisa da Amazônia)
- P S A (Projeto Saúde Alegria)
- Projeto Acosper
- Projeto IBAMA (Flora do Tapajós
- Preservar o extrativismo
-Projeto SAGRI (Projeto Curuá-Una)