Você está na página 1de 2

filosofia, estratégia corporativa, características do setor, o

estado da economia e outras condições atenuantes, mas as


quatro partes componentes fornecem à administração um
esboço básico da natureza e dos tipos de RSC. Em termos
francos e orientados para a ação , os negócios são
chamados a: ser lucrativos, obedecer às leis, ser éticos e
ser um bom cidadão corporativo.

A perspectiva do gerenciamento das partes


interessadas fornece não apenas uma linguagem e uma
maneira de personalizar relacionamentos com nomes e
rostos, mas também alguns conceitos conceituais e
analíticos úteis para diagnosticar, analisar e priorizar os
relacionamentos e estratégias de uma
organização. Organizações eficazes irão progredir além da
identificação das partes interessadas e questionar quais
oportunidades e ameaças são apresentadas pelas partes
interessadas; que responsabilidades econômicas, legais,
éticas e filantrópicas eles têm; e quais estratégias, ações ou
decisões devem ser seguidas para lidar de forma mais
eficaz com essas responsabilidades. A matriz de partes
interessadas / responsabilidades fornece um modelo que o
gerenciamento pode usar para organizar sua análise e
tomada de decisão.

Ao longo do artigo, construímos em direção à noção


de um clima organizacional ético aprimorado, manifestado
pela gestão moral. A gestão moral foi definida e descrita
por meio de um contraste com a gestão imoral e
amoral. Como o cenário dos negócios está repleto de
gerentes imorais e amorais, gerentes morais às vezes
podem ser difíceis de encontrar. Apesar disso, suas
características foram identificadas e, o mais importante,
sua perspectiva ou orientação para os principais grupos de
interessados foi traçada. Esses perfis de orientação das
partes interessadas fornecem aos gerentes uma pedra de
toque conceitual, mas prática, para classificar as diferentes
categorias ou tipos de comportamento ético
(ou não tão ético) que podem ser encontrados nos
negócios e em outras organizações.

Já foi dito que a liderança por exemplo é a forma mais


eficaz de melhorar a ética empresarial. Se isso for verdade,
o gerenciamento moral fornece uma perspectiva ou
orientação de liderança modelo que os gerentes podem
desejar emular. Um grande medo é que os gerentes possam
pensar que estão proporcionando liderança ética apenas por
rejeitarem o gerenciamento imoral. No entanto, o
gerenciamento amoral, particularmente a variedade não
intencional, pode prevalecer inconscientemente se os
gerentes não estiverem cientes do que ele é e de seus
perigos. Na melhor das hipóteses, amoralidade representa
neutralidade ética, e essa noção não é sustentável na
sociedade dos anos 1990. O padrão deve ser definido como
alto e a gestão moral fornece o melhor exemplo do que

48
padrão pode abranger. Além disso, a gestão moral, para ser
totalmente apreciada, precisa ser vista dentro do contexto
das relações organização - partes interessadas. É em
direção a esse objetivo singular que toda a nossa discussão
se concentrou. Se a "boa sociedade" deve se tornar uma
realização, essa alta expectativa torna-se naturalmente a
aspiração e a preocupação da administração.

Referências

RW Ackerman e RA Bauer, Corporate Social


Responsiveness (Reston, Va .: Reston Publishing Co,
1976).

A  B. Carroll, "A Three-Dimensional Conceptual Model


of Corporate Social Performance," Academy of
Management Revieu, 4, 4 (1979): 497-505.
AB Carroll. "In Search of the Moral
Manager", Business Horizons, março-abril de 1987,
pp. 7-15.

Committee for Economic Development, Social


Responsibility of Business Corporations (Nova York:
CED, 1971).
K. Davis, "Can Business Afford to Ignore its Social
Responsabilities?" California Management Review, 2,
3(1960): 70-76.
R. Eetls e C. Walton, Conceptual Foundations of
Business (Homewood, II1.:Richard D. Irwin, 1961).

"Good Timing, Charlie", Forbes, 27 de novembro de


1989, pp. 140-144.

WC Frederick, "De CSRxto CSR2: The Maturing of


Business and Society Thought," University of Pittsburgh
Working Paper No. 279, 1978.
M. Friedman, "A Responsabilidade Social das Empresas
É Aumentar seus Lucros",  New York Times,  13 de
setembro de 1970, pp. 122-126.
SP Sethi, "Dimensions of Corporate Social
Responsability,"  California Management Review,  17, 3
(1975): 58-64.

Archie B. Carroll é professor Robert W.


Scherer de Administração e Relações
Públicas Corporativas no College of
Business Administration da
Universidade da Geórgia, Atenas.