Você está na página 1de 4

ESTRUTURAS METÁLICAS _AULA C - DANIEL FERRAZ

http://www.linkedin.com/in/daniel-ferraz
engenheirodoaco@gmail.com

ESTRUTURAS METÁLICAS – FLEXÃO SIMPLES

C) ELEMENTOS SUBMETIDOS À FLEXÃO SIMPLES


 VIGAS I, H, U
a) CRITÉRIO DOS ESTADOS Lb: distâncias entre contenções laterais. e) Parâmetros de esbeltez
LIMITES NBR 8800 (item 5.4) Lb=0: travamento contínuo como lajes. Tenções em uma viga fletida

c) FLAMBAGEM LOCAL DA
 ELS-> DEFORMAÇÃO EXCESSIVA.
MESA (FLM)
Seção compacta  ≤ p: parâmetro de
 ELU -> FLT, FLM e FLA. esbeltez  menor igual ao parâmetro de
VERIFICAÇÕES: esbeltez limite de plastificação p.
 Flambagens locais e lateral. Seção semicompacta p <  ≤ r:
 Resistência esforço cortante. Seção esbelta com parâmetro de esbeltez  esbeltez  entre limite de plastificação
maior que p sofrem FLM. (TABELA G1 p e limite de flambagem r.
b) FLAMBAGEM LATERAL COM
ANEXO G NBR 8800:2013) Seção esbelta  > r: flambagem local
TORÇÃO (FLT) d) FLAMBAGEM LOCAL DA impede que seja atingido o momento
ALMA (FLA) de plastificação (Mres<My).

Plano de fibras superiores comprimidas


deslocam mais do que fibras inferiores
tracionadas retificadas na flexão. Para evitar Seção esbelta com parâmetro de esbeltez 
usar contenções laterais. maior que p sofrem FLA. (TABELA G1
ANEXO G NBR 8800:2013)
Parâmetros de esbeltez para perfis com Viga de alma não esbelta - Momento fletor de flambagem
2 eixos de simetria ou U sem torção. Tabela G1 elástica Mcr

Constante de empenamento Cw

f) Momentos resistentes MRd Coeficiente de modificação Cb do


Obter parâmetro de esbeltez da viga para 1) FLT: momento fletor não uniforme para
cada ELU (FLT, FLM e FLA), calcular o MRd de - Parâmetros de esbeltez travamento lateral não contínuo. (Item
cada ELU e adotar o menor deles. 𝐿𝑏 5.4.2.3)
=
𝑟𝑦
𝐸
p = 1,76√
𝑓𝑦

Rm=1 para dupla simetria


Cb= 1,0 para vigas em balanço
Cb=1,14 Viga bi-apoiada com
carregamento distribuído
- Momento resistente nominal Mr
𝑀𝑟 = (𝑓𝑦 − 𝜎𝑟)𝑊
𝜎𝑟 = 0,3 𝑓𝑦 - Momento de plastificação Mp
Mpl=Zx . fy

www.engenheirodoaco.com.br 1
ESTRUTURAS METÁLICAS _AULA C - DANIEL FERRAZ
http://www.linkedin.com/in/daniel-ferraz
engenheirodoaco@gmail.com

- Momento MRd (ANEXO G.2.1) - Momento fletor de flambagem 𝐸


elástica Mcr r = 5,70√
𝑓𝑦
- Momento resistente nominal Mr
𝑀𝑟 = 𝑓𝑦. 𝑊

- Momento fletor de flambagem


elástica Mcr
- Momento de plastificação Mp Para vigas de almas esbeltas
( > r) ver anexo H da NBR 8800.
Mpl=Zx . fy
2) FLM:
- Momento MRd (ANEXO G.2.2)
- Momento MRd (ANEXO G.2.2)
- Parâmetros de esbeltez
𝑏
=𝑡 b= bf/2
t=espessura da mesa comprimida
𝐸
p = 0,38√
𝑓𝑦
𝐸
r = 0,83√ PARA PERFIS LAMINADOS
(𝑓𝑦−𝜎𝑟)
g) Resistência de cálculo a
r = 0,95√
𝐸
PARA PERFIS SOLDADOS 3) FLA: força cortante (item
(𝑓𝑦−𝜎𝑟)/𝑘𝑐
- Parâmetros de esbeltez

5.4.3)
 = 𝑡𝑤

- Momento resistente nominal Mr 𝐸


p = 3,76√
𝑀𝑟 = (𝑓𝑦 − 𝜎𝑟)𝑊 𝑓𝑦
𝜎𝑟 = 0,3 𝑓𝑦

h) Estado limite de serviço –


Flechas – ANEXO C

δ0=contra flecha;
δ1=deslocamento vertical devido ações
permanentes sem efeitos de longa duração;
δ2=deslocamento vertical devido ações
permanentes com efeitos de longa duração;
δ3=deslocamento vertical devido ações
variáveis
δ max ≤ δ1 + δ2 + δ3 – δ0

Os limites de deslocamentos estão na tabela


C.1 e variam para cara tipo de viga.
Vpl: força cortante de plastificação da alma
por cisalhamento
a: distância entre as linhas de centro de dois
enrijecedores
h: altura da alma (distância entre as faces
internas das mesas)
tw: espessura da alma
d: altura total da seção transversal

www.engenheirodoaco.com.br 2
ESTRUTURAS METÁLICAS _AULA C - DANIEL FERRAZ
http://www.linkedin.com/in/daniel-ferraz
engenheirodoaco@gmail.com

PARTE PRÁTICA – LISTA DE EXERCÍCIOS


1) (Mackenzie) - Dimensionar a viga de piso abaixo para a hipótese de
ação simultânea da carga permanente uniformemente distribuída “g”
e sobrecarga “Q”, considerando a borda comprimida da seção
continuamente travada contra a perda lateral de estabilidade.
Dados:
a) Perfil I laminado;
b) Aço ASTM A-36 com:
E=200000 MPa, fy=250 MPa, fu=400 MPa, G=77000 Mpa;
c) Flecha admissível: Ulim= L/350
d) L=5400 mm, nervuras nos apoios e nos pontos de cargas
concentradas;
e)Carregamento:
Carga permanente uniformemente distribuída, devida ao
peso próprio de estruturas pré-moldadas: g=1 kN/m;
Sobrecarga de uso concentrada no terço do vão, devida a
equipamento fixo (quase permanente): Q = 7,2 kN/m;

2) (Mackenzie) – Verificar a suficiência do perfil adotado no


exercício anterior considerando sua borda comprimida
travada lateralmente nos apoios e a cada um terço do vão.

3) (Mackenzie) – Verificar a suficiência do perfil adotado no exercício anterior


considerando sua borda comprimida travada lateralmente apenas nos apoios.

RESPOSTA: IGUAIS A EXERCÍCIO 2 EXCETO FLT. λ>λr,

Mcr= 2043,53 KN.cm λ=Lb/ry= 232,8


λp= 49,78
MRd=Mcr/ γa1=1857,76 KN.cm
λr= 199,31
Msd>MRd NÃO PASSA!

www.engenheirodoaco.com.br 3
ESTRUTURAS METÁLICAS _AULA C - DANIEL FERRAZ
http://www.linkedin.com/in/daniel-ferraz
engenheirodoaco@gmail.com

RESPOSTAS:

www.engenheirodoaco.com.br 4