Você está na página 1de 6

Ontem (11 de novembro de 2009) recebi o telefonema de um amigo que estava

preocupado com o fim do mundo por causa do filme de Roland Emmerich, que coloca o
tempo do fim em 21 de dezembro de “2012” (nome do filme). A data é sugerida por um
Calendário da civilização Maia (cultura mesoamericana pré-colombiana).

A mídia tem aumentado a curiosidade pela ficção ao afirmar que um planeta de nome
fictício (Nibiru) “entrará em choque com a Terra”. Basta você acessar o Google, digitar
“2012” e encontrará uma enxurrada de “informações” sobre a “nova moda
apocalíptica”. Para não cairmos nessa onda de euforia, é importante termos em mente
que:

1) O Calendário Maia não é o Calendário de Deus;

2) Um filme que se propõe a ter sucesso de bilheteria por uns bons anos JAMAIS
passará DE VERDADE a ideia que o mundo acabará em menos de três anos;

3) O “tempo do fim” na Bíblia é o fim do pecado e das consequências trágicas


trazidas à humanidade (a principal, a morte. Ver Romanos 6:23). O “fim” ocorrerá
por ocasião da volta gloriosa de Jesus (Apocalipse 1:17; Mateus 24:30, 31; 2 Pedro
3:10-13);

4) O Apocalipse não é sinônimo de catástrofes. O nome grego do último livro da Bíblia


significa “Revelação” e, por isso, está relacionado com esperança e não com
calamidades, como é passado pelos veículos de comunicação sensacionalistas. É nesses
pontos que irei me deter, de maneira breve.

O CALENDÁRIO DE DEUS NÃO É O MESMO UTILIZADO PELOS MAIAS

Não devemos negar a dedicação dos Maias no estudo, especialmente da astronomia.


Todavia, o tempo de Deus não é o tempo do ser humano. O “Calendário Divino” que
aponta os sinais da volta de Cristo são: o capítulo 24 de Mateus, o capítulo 21 de Lucas
e o capítulo 6 do livro do Apocalipse, entre outros. O Calendário de Deus não é
numérico, mas, profético.

Portanto, o que os Maias dizem a respeito do fim do mundo deve ser desconsiderado
por todo aquele que acredita na Bíblia e que ao menos tem bom senso.

DEUS TEM A HISTÓRIA NAS MÃOS DELE

Daniel 2 e Gálatas 4:4 mostram que os acontecimentos históricos estão nas mãos do
Criador. De que maneira? Daniel 2 apresenta com milênios de antecedência o
surgimento dos quatro grandes impérios mundiais (Babilônia, Medo-pérsia, Grécia e
Roma) e dos países da Europa. Esses reinos e países são representados pelas diversas
partes da estátua com a qual o rei de Babilônia sonhou . A grande estátua foi a forma
didática de Deus comunicar a ele – e a nós – que só o Criador sabe o futuro e que Ele o
tem sob Seu domínio.

Já Gálatas 4:4 nos ensina que Jesus veio pela primeira vez a esse mundo na “plenitude
do tempo…” Portanto, se a primeira vinda de Cristo não foi “de qualquer jeito”, sem um
planejamento Divino, a segunda vinda (Tito 2:13) também não será! Deus é organizado
(1 Coríntios 14:34, 40) e sabe o tempo certo para cumprir Suas profecias que estão
intimamente relacionadas com a nossa felicidade.

O TEMPO DO FIM

Biblicamente, o tempo do fim já começou em 1798. Isso é facilmente compreendido


quando estudamos a profecia dos 1260 dias em Apocalipse 12:6, aprendemos que a
igreja de Deus seria perseguida pelo dragão (Satanás e o império romano, aliado à
Roma papal) por 1260 anos. (Em profecia, um dia equivale um ano. Ver Números
14:34 e Ezequiel 4:6, 7. Portanto, 1260 anos). Isso ocorreu de 538 a 1798, quando o
general de Napoleão, Bertier, levou preso, da Capela Sistina, o papa Pio XI, dando um
fim ao domínio perseguidor papal. O padre Jesuíta Joseph Rickaby disse que, quando o
Papa Pio VI faleceu (ficou exilado depois de sua prisão), “a metade da Europa pensou
que, junto com o papa morrera também o papado”. (Fonte: Uma Nova Era Segundo as
Profecias do Apocalipse, p. 337).

A partir do ano de 1798 entramos no tempo do fim por que o poder papal havia sido
“ferido” (Apocalipse 13:3) e também pelo fato de, em 1844 (de acordo com as profecias
de Daniel 8:14 e Daniel 9), Deus ter começado Sua obra de avaliar a vida de cada ser
humano (juízo antes da volta de Cristo – 1 Pedro 4:17) para mostrar ao universo quem
realmente permaneceu fiel a Deus (2 Coríntios 5:10). Leia também Apocalipse 14:6, 7 e
verá que Deus nos convida a nos prepararmos “pois é chegada a hora do seu juízo”.

Sendo que já estamos no tempo do fim; e que esse tempo culminará com a volta de
Jesus Cristo para acabar com o pecado e a maldade que nos atormenta, não fica difícil
entendermos que o mundo de pecado não chegará ao fim por que “um planeta se
chocará com a terra”. Depois que todos os seres humanos tiverem oportunidade de se
arrependerem dos seus erros e de aceitarem (ou não) o plano de Deus para salvá-los (2
Pedro 3:9), Jesus voltará em glória e majestade: “Quando vier o Filho do Homem na
sua majestade e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono da sua glória; e
todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o
pastor separa dos cabritos as ovelhas; e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos,
à esquerda; então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu
Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.”
Mateus 25:31-34.

Para alguns, a volta de Jesus será o fim (Apocalipse 6:14-17).

• Para outros, o começo de uma nova vida (Isaías 25:9; Apocalipse 21:4).

Tudo irá depender das escolhas que fazemos a cada dia.

APOCALIPSE: O LIVRO DA ESPERANÇA

Como afirmei anteriormente, o termo “Apocalipse” significa “Revelação”. Não é um


livro de tragédias ou mesmo “lacrado”, mas, a revelação de Deus de que há esperança
para nosso mundo. Percebemos a mensagem de esperança do livro em vários textos.
Eis alguns:
“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei que
se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus.” Apocalipse 2:7.

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei do
maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha
escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe.”
Apocalipse 2:17.

“Ao vencedor, que guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei autoridade sobre
as nações” Apocalipse 2:26.

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.” Apocalipse 3:13.

“Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci
e me sentei com meu Pai no seu trono.” Apocalipse 3:21.

Há motivo para temer um livro tão belo e importante para nossos dias? Claro que não!
Mesmo porque a “bendita esperança” (Tito 2:13) que possibilitará o cumprimento
dessas promessas (esse bendita esperança é também a mensagem principal do livro) é o
retorno de Cristo a esse mundo! Não é por acaso que o apóstolo João finaliza o
livro radiante de alegria e cheio de esperança:

“Aquele que dá testemunho destas coisas [Jesus Cristo] diz: Certamente, venho sem
demora. Amém! Vem, Senhor Jesus!” Apocalipse 22:20.

PARA O AUTOR DO FILME “2012”, O MUNDO NÃO ACABARÁ NESSE


PERÍODO…

De acordo com o site http://dn.sapo.pt/inicio/artes/interior.aspx?


content_id=1418115&seccao=Cinema:

“Emmerich anunciou que vai fazer uma continuação para TV de 2012, e mostrar o
que aconteceu após a grande catástrofe. O título: 2013” (Grifos acrescentados).

Veja que nem mesmo o autor quer que o mundo acabe em 2012, pois, ele deseja
escrever outro roteiro, para mais um filme. Portanto, julgar a criatividade de um
profissional como sendo “a Palavra de Deus”; e permitir que qualquer alarme vindo de
extremistas nos assuste, é imaturidade espiritual e desconhecimento das Escrituras, que
afirmam que “o dia e a hora [da volta de Jesus] ninguém sabe…” (Mateus 24:36).

A falta de estudo da Bíblia e a disposição do ser humano em acreditar em qualquer


coisa são fatores decisivos para criar esse tipo de medo desnecessário.

Em todos os momentos de nossa vida, quando “uma revelação nova” é exposta diante
de nós, precisamos ser cristãos maduros na fé “Para que não mais sejamos como
meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de
doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro.” Efésios
4:14.
Para maiores informações sobre a mensagem do Apocalipse, recomendo a leitura do
excelente livro “Uma Nova Era Segundo as Profecias do Apocalipse”, de C. Mervyn
Maxwell. Pode ser adquirido com a editora Casa Publicadora Brasileira pelo site
www.cpb.com.br ou pelo telefone 0800-979 0606.

Um abraço,

Leandro Quadros.

2012 – Fim do Mundo?


Postado No novembro 13th, 2009 por Fim do Mundo em 2012 - o Filme

Esta história de filmes de ficção científica que passam a


ser tratados como se fossem realidade, já passou dos limites. A gente nem bem se
recuperou da ressaca que foi ficar respondendo a milhares de pessoas que os próprios
criadores do filme “O Código da Vincci” o reconheciam como ficção, e já estamos
novamente às voltas com pessoas desesperadas, telefonando até mesmo para a NASA,
para saber se o mundo vai terminar em 21 de Dezembro de 2012.

Mais uma vez estamos aceitando ser tratados por Hollywood como “consumidores” e
estamos digerindo com nosso cérebro mais uma de suas obras nefastas.

O filme “2012”, que não tem nenhuma base científica, e nem foi exibido ainda, já está
alcançando seu “objetivo”. E, qual é mesmo o seu objetivo? Bem, ele já movimenta
milhões de dólares em cima de um dos temas mais assustadores para a raça humana: A
data do FIM DO MUNDO. Por causa dele, já são centenas de documentários de TV,
camisetas, acessórios, artigos em revistas e jornais, discussões religiosas e filosóficas.
Tudo girando em torno de uma filosofia tão conturbada e misturada, que até mesmo os
Maias, se estivessem vivos hoje, duvidariam de sua veracidade.

Trata-se de uma mistura perigosa de profecias Maias, previsões de falsos profetas,


filosofias Egípcias, e, para apimentar ainda mais a receita, uma pitada de distorções da
Bíblia, a gosto de quem escreveu o reteiro. Logicamente que o “objetivo” não é
esclarecer o assunto, mas fazer dinheiro.

Como se não bastasse tanta ignorância do assunto, por parte do povo em geral, no bojo
de tanta “abobrinha filosofal”, aparece também outro tipo de ignorantes: os que pensam
que estudaram o assunto e começam a emitir opiniões próprias. Um belo exemplo é o
articulista André Petry, que teve seu enorme (e tendencioso) artigo publicado como
capa de numa das revistas de maior circulação no pais, no início de Novembro.

Petry, que é um polido ridicularizador do tema do “ Fim do Mundo”, mostra-se avesso à


religiosidade e apoia-se em sua pesquisa para levar seus leitores a, como ele,
ridicularizarem, não o filme em si, mas quem leva o assunto do “Fim do Mundo” a
sério.

Só que Petry se contradiz. Ele escorrega nas palavras.

É lógico que, para se acreditar no Fim, é preciso que se acredite em Deus, ou em algum
tipo de Deus. OU seja, é preciso ser religioso. Ser, de certa forma, CRENTE, o que não
é, nem de longe, o caso de Petry.

Descrente assumido, ao tentar explicar o porquê de as pessoas ainda procurarem


informações sobre o fim do mundo em pleno século 21, Petry se perde, se contradiz ao
afirmar coisas como: “Uma das explicações está no fato de que o nosso cérebro é uma
máquina programada para extrair sentido do mundo. Assim, somos levados a atribuir
ordem e significado às coisas, mesmo onde tudo é casual e fortuito.”[1]

Em primeiro lugar, se o cérebro foi programado, deve haver um programador, não é


mesmo? E, quem seria este “programador”? Deus? O acaso? O caos?

Em segundo, se ele acredita mesmo no acaso, como, num mundo originado do caos, um
cérebro, que teria surgido por acaso, poderia ser programado pelo acaso para extrair
sentido do que, segundo ele mesmo, não faz sentido?

Desculpem-me! Mas acabei de parar pra pensar, e estou notando que meu artigo pode
estar estar parecendo ofensivo demais! Talvez eu esteja fazendo exatamente como o
articulista a quem critiquei e esteja caindo no mesmo erro de criticar os outros e não
contribuir com nada útil. Mais uma vez, me desculpe! Antes de terminar, deixe com que
eu me redima, escrevendo alguma coisa que realmente contribua para o seu
conhecimento do assunto.

Vamos por outra linha de raciocínio! Vamos pensar: E se Deus existir mesmo?

Se Deus existe:

1. Então tudo teve um PRINCÍPIO.


2. Nada veio do ACASO, mas do Planejamento de Deus.
3. Então Petry, a quem eu só critiquei até agora, está certo ao afirmar que “o nosso
cérebro é uma máquina programada para extrair sentido do mundo”. Sim,
porque num mundo planejado por Deus, o cérebro perfeito, criado por Ele,
sempre buscará a perfeição, e nunca se acostumará ao CAOS que hoje impera no
mundo!
4. Se Deus existe, o mundo foi criado PERFEITO e precisa voltar à perfeição.
5. Se Deus existe, então Jesus veio a este mundo, morreu por quem o aceita. Ele
ressuscitou, foi levado ao Céu e voltará para buscar aqueles que acreditam nele.
6. Se Jesus voltará para buscar os Seus, então não existe o FIM DO MUNDO, mas
O INÍCIO DE UM NOVO MUNDO, depende apenas “de que lado você está”.
7. Enfim, O FIM DO MUNDO só existe para quem não acredita que Deus existe.

Há uns meses li na Bíblia um texto que me chamou muito a atenção. Está em II Pedro 3:
2 em diante:

“tendo em conta, antes de tudo, que nos últimos dias, virão escarnecedores com seus
escárnios… e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Por que, desde que os pais
dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio… Há, todavia, uma
coisa, amados, que não deveis esquecer: que, para o Senhor, um dia é como mil anos, e
mil anos, como um dia. Não retarda o Senhor a Sua promessa, como alguns a julgam
demorada; pelo contrario, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum
pereça, Senão que todos cheguem ao arrepenimento.”

Como eu tenho certeza de que eu não preciso dizer mais nada, vou terminar deixando
apenas com que a Bíblia termine de dizer o que falta. Ela vai apenas confirmar que, para
quem está com Deus, não existe O FIM DO MUNDO, mas o NASCER DE UM NOVO
MUNDO: “Nós, porém, segundo a Sua promessa, esperamos novos céus e nova Terra,
nos quais habita justiça.” II Pedro 3: 13

Pr.Fernando Iglesias