Você está na página 1de 6

Introdução ao Autotune

Poucos programas revolucionaram tanto a forma de processar áudio como o Auto


Tune. Aparentemente simples, usada corretamente, é uma ferramenta de valor
incalculável na hora de afinar vozes e outros instrumentos solo.

Por sua expressividade e pela grande quantidade de matizes que apresenta, a voz é
um dos elementos mais complexos de gravar numa canção. Antes da existência do
Auto Tune, as gravações vocais eram sessões intermináveis em que se faziam
centenas de tomadas, que se arrastavam por vários dias chegando ao esgotamento
de todo o equipamento e sobretudo, do/a vocalista na busca da afinação perfeita de
cada palavra. A Antares revolucionou tudo isso com o Auto Tune, um corretor de
afinação inicialmente voltado para a voz. Aparentemente simples, seu correto
manuseio é toda uma arte que reduziu consideravelmente o tempo de gravação de
vozes. Neste tutorial veremos os controles disponíveis na versão 3 e suas técnicas
básicas.

Funcionamento

O Auto Tune é um corretor de áudio monofônico, portanto não trabalha em modo


polifônico. Está disponível em várias versões (DX, VST, TDM, RTAS, etc)
multiplataforma. Possui dois modos de funcionamento: automático e gráfico. No
modo automático, a correção da afinação é fetia através de uma referência à uma
determinada escala dada, selecionável a partir de um menu ou com um controlador
MIDI. No modo gráfico, a afinação pode ser "desenhada" através de um gráfico
onde se "desenha" a afinação.

A seguir, descreveremos os principais controles do programa no modo automático.


1. Tipo de material (Input Type): Podemos selecionar entre vários tipos de
material a afinar. Esta é uma das novidades desta versão, o que nos possibilita
afinar também instrumentos monofônicos, como uma flauta, por exemplo.

2. Modo de funcionamento (Correction Mode): Automático e manual. Por padrão


o modo automático é o selecionado.

3. Canal de referência (Select Pitch Reference): Nesta versão também podemos


processar trilhas em estéreo, utilizando para isso um dos canais como referência da
afinação.

4. Nota e escala (Key, Scale): Aqui selecionamos a harmonia da melodia vocal.

5. Aprendizagem da escala por MIDI e disparo de notas por MIDI (Learn


Scale from MIDI, Target notes via MIDI): Serve para controlar a afinação e a escala
a partir de um controlador MIDI.

6. Reafinação e varredura (Retune, Tracking): Seleciona a velocidade e eficácia


da afinação. Quanto mais rápido e preciso for, mais antinatural será o resultado.
Geralmente basta utilizar os valores padrão.

7. Desafinação da escala (Scale detune): Justamente o que o nome indica. Ideal


para quando a gravação não coincide com a afinação exata.

8. Janela de edição de escala: Permite criar escalas próprias, personalizadas, ou


ajustar as existentes.

9. Controle de vibrato: Permite acrescentar vibrato artificialmente.

10. Indicador de alteração de afinação: Quando em preview, apresenta a


quantidade de correção que é aplicada a cada momento. No modo gráfico, o
programa nos apresenta a curva correspondente à afinação atual (em vermelho) e
permite que desenhemos nosso gráfico (em amarelo). Os controles disponíveis,
diferentes dos anteriores, são:
1. Ferramentas: Permite modificar o gráfico da afinação. As opções são: línha,
mão, lupa e cursor.

2. Utilitários de edição: Permite modificar um trecho selecionado do gráfico


(cortar, copiar e colar) ou desfazer a última edição.

3. Gráficos automáticos: Cria gráficos de afinações de forma automática,


ajustando-a à existente ou a partir da harmonia selecionada no modo automático.

4. Modos de reprodução: Possui duas formas de reproduzir o áudio: detectando a


afinação ou efetuando correções. Também permite a seleção do número de buffers
de reprodução.

5. Uso de cursor: Desabilita o uso de cursores do mouse próprios (somente


disponível em algumas versões do programa).

6. Tabuleiro de edição: Apresenta os gráficos e permite a edição e ajuste de suas


posições e tamanhos.

A prática

Como um movimento se demonstra andando, faremos uma sessão de


demonstração. Para isso, usaremos o Nuendo, que nos permite processar em modo
off-line o áudio desejado.

Possuímos um projeto carregado com várias trilhas de áudio (tomadas vocais).


Com a ferramenta de seleção, escolho o que me interessa.

Com o botão direito do mouse abrimos um menu, e em plugin seleciono Auto Tune.
Aparecerá a janela do programa em modo Automático.
Uma vez aberto, a primeira coisa que temos a fazer é ajustar a harmonia em que
se encontra a canção através das duas listas dispostas para tal finalidade. Uma vez
feito isso, passamos a ouvir. O processo de afinação como o Auto Tune se baseia
muito em nosso ouvido, portanto, os resultados dependem de nossa capacidade
para determinar se o que o Auto Tune nos oferece é o que realmente estamos à
procura. Nesse caso, somente falta aplicar o efeito, caso contrário, teremos que
processar em modo gráfico.

A edição em modo gráfico é seguramente a característica mais importante do Auto


Tune. Seu correto manuseio abre uma gama de possibilidades impressionante.
Seguindo nosso exemplo, vamos processar de forma gráfica a afinação do
fragmento selecionado.

Para isso, abrimos o editor gráfico, clicamos em Track Pitch e depois em preview,
dessa forma é criado um gráfico correspondente à afinação real do trecho e alterará
automaticamente para o modo Correct Pitch, onde reproduzirá o trecho corrigido,
caso tenhamos feito alguma alteração. Neste momento temos três opções:

1. Clicar em Make Curve, o que criará uma curva ajustada à original.

2. Make Auto, criará uma curva ajustando-a à harmonia selecionada no modo


automático.

3. Desenhar com as ferramentas de linha a afinação que desejamos para cada


fragmento. Neste caso, temos que selecionar Make Auto e logo após corrigir à mão
as zonas que consideramos oportunas.
Truques

Ataques e decaimentos: A voz humana nunca ataca e solta as notas de forma


perfeita. Caso evite ajustar essas zonas você terá a tomada mais natural.

Vibratos indesejados: Selecione somente o trecho do vibrato e trace uma linha


reta na nota adequada. Ajuste o Retune em um valor menor (em torno de 10).
Ouça o resultado e vá variando o Retune até que soe o mais natural possível.

Notas mal atacadas: Selecione a parte do ataque e trace uma linha com a nota
do ataque e ajuste o Retune em um valor pequeno.

Efeito “Cher”: Apesar do efeito original ter sido feito com um Talkbox e um Nord
Lead, caso peguemos uma tomada de áudio e ajustemos o Retune e Tracking no
mínimo, obteremos este efeito que se tornou uma praga nas gravações da
atualidade.

Instrumentos desafinados: O Auto Tune pode ser utilizado em outros materiais


que não sejam constituídos de vozes. Não tenha medo de afinar instrumentos de
sopro, corda ou mesmo um baixo. A única condição para isso é que o instrumento
seja monofônico.

Nota: Para todos os truques funcionarem corretamente é necessário ter a


harmonia e o tipo de fonte bem escolhidos. Ou seja, algum conhecimento de teoria
musical aqui é imprescindível.