terça-feira, 27 de julho de 201 Behaviorismo e criminologia: controle do comportamento desviante - Parte 1 de 2. Rodrigo Iennaco.

Promotor de Justiça (MG) ´Este mundo transformar-se-á se educarem vossos filhos não na liberdade da libertinagem, mas na liberdade do behaviorismoµ (J. B. Watson. In Behaviorism. 1930, p. 303-304) BEHAVIORISMO E CRIMINOLOGIA: CONTROLE DO COMPORTAMENTO DESVIANTE Rodrigo Iennaco. Promotor de Justiça em Minas Gerais. Mestrando em Ciências Penais pela UFMG. ´Este mundo transformar-se-á se educarem vossos filhos não na liberdade da libertinagem, mas na liberdade do behaviorismoµ (J. B. Watson. In Behaviorism. 1930, p. 303-304) SUMÁRIO: 1. Nota introdutória: antecedentes do behaviorismo ² 2. J. B. Watson e a Escola behaviorista de pensamento ² 3. O método behaviorista ² 4. Objeto de estudo do Behaviorismo ² 5. Teses fundamentais ² 6. Novos Sistemas behavioristas ² 7. B. F. Skinner e o Controle comportamental de sociedades ² 7.1. O sistema de Skinner e o condicionamento operante ² 7.3. Esquemas de reforçamento ² 7.4. O determinismo de uma sociedade behaviorista ² 8. Behaviorismo e criminologia ² 8.1. Controle do comportamento no cárcere ² 9. Nota Conclusiva ² 10. Referências bibliográficas. Resumo: O behaviorismo, movimento da psicologia do comportamento

influenciada pelo avanço filosófico objetivista e mecanicista, pelo funcionalismo e, sobretudo, pela psicologia animal, surge no início do séc. XX nos Estados Unidos, com a obra de Watson e atinge o ápice na década de 70, sobretudo devido aos estudos de Skinner. A Psicologia, à luz do behaviorismo, é uma ciência do comportamento e se ocupa unicamente de atos observáveis de conduta, que podem ser objetivamente descritos em termos de estímulo e resposta. Aplicado à criminologia, pretende modificar o comportamento criminoso, a partir de esquemas de reforço positivo. Palavras-chave: Behaviorismo ² Criminologia 1. NOTA INTRODUTÓRIA: ANTECEDENTES DO BEHAVIORISMO Na segunda década do século XX, menos de 40 anos após Wundt ter iniciado formalmente a Psicologia, procedeu-se a notada evolução no modelo científico, sobretudo nos Estados Unidos, passando-se de uma visão Estruturalista para Funcionalista.

portanto. tanto humanos quanto animais. Pavlov . Termos como ´imagemµ. via de conseqüência. é possível predizer o estímulo. na interpretação do Behaviorismo. A Psicologia. ajustam-se ao meio ambiente a partir do equipamento hereditário e do hábito. representou avanço no sentido da objetividade. conteúdo e. Watson usou as descobertas e os métodos da Psicologia Animal como base para o desenvolvimento de uma ciência do comportamento (aplicável tanto ao homem quanto aos animais). Os conceitos mentalistas. B. então. Em segundo lugar. eram irrelevantes. representado sobretudo nos estudos de E. ´menteµ e ´consciênciaµ ² remanescentes da filosofia mental ² perdiam o significado e as técnicas de introspecção. por isso. Os funcionalistas reescreveram as regras da Psicologia. merece destaque. 2. afastando-se gradativamente dos conceitos estabelecidos por Wundt e Titchener. uma revolução apresentada como reação a ambas Escolas: o Behaviorismo. verificação introspectiva. eclode. J. enfatizando o comportamento e métodos objetivos em desfavor da introspecção. O MÉTODO BEHAVIORISTA O behaviorismo tem como ponto de partida o fato observável de que os organismos. o avanço da psicologia animal.Embora a psicologia funcional não fosse totalmente objetiva. papel preponderante na vida cultural e social da época. cujo líder foi o psicólogo americano John Broadus Watson. Thorndike e Ivan P. principalmente. em termos de formação de hábito. O Behaviorismo assume. é possível predizer a resposta. abandonando-se as concepções mais antigas. Seu objetivo é a predição e o controle do comportamento. O comportamento é compreendido em termos de estímulo e resposta. L. que pressupunham a existência de processos conscientes. . em 1913. mente. Conhecendo-se a resposta. Aos poucos. Desprezamse. Influenciaram o movimento behaviorista o avanço filosófico objetivista e mecanicista. estados mentais. é uma ciência puramente objetiva e empírica. o valor da introspecção e a existência de elementos mentais foram sendo questionados. Dos três. defendendo-se a necessidade de a Psicologia manter-se pura. alguns estímulos levam os organismos a apresentar as respostas. que possam ser objetivamente descritos em termos de estímulo e resposta. a psicologia animal e o funcionalismo. integrações de hábito etc. dado o estímulo. Neste contexto. seriam rejeitados. 3. em que conviviam ideários Estruturalista e Funcionalista. Essa mudança de concepção foi imperceptível na época em que ocorreu. WATSON E A ESCOLA BEHAVIORISTA DE PENSAMENTO Os princípios básicos do Behaviorismo exigem uma Psicologia totalmente objetiva ² uma ciência do comportamento ² que se ocupa unicamente de atos observáveis de conduta. os termos consciência.

OBJETO DE ESTUDO DO BEHAVIORISMO O objeto de estudo (ou dados primários da psicologia) deve ser. A análise do comportamento é objetiva. um ramo objetivo da ciência natural. então. ´uma máquina estímulo-respostaµ . Portanto. Um ramo experimental. itens de comportamento ² movimentos musculares ou secreções glandulares. com o behaviorismo. Sob o prisma do behaviorismo. 4. humano ou animal. todos poderiam utilizar estes dados de maneira prática em suas atividades. Uma vez reduzido ao nível de estímulo e resposta. Todo comportamento. somente são admitidos métodos objetivamente demonstráveis: observação. na verdade. Assim. integração de hábitos. o comportamento poderia. reflexo condicionado. numa visão mecanicista de estímulo-resposta. Os aspectos do comportamento que parecem instintivos são. Há a negação do instinto.. haja vista o combate à introspecção. o médico etc. cumprindo a finalidade de predizer a resposta dado o estímulo e predizer o estímulo antecedente dada a resposta. O pesquisador estabelece as condições do experimento e observa como o sujeito responde a essas condições: o homem passa a ser visto como objeto de observação. relato verbal (de forma restrita). antevisto e. Como ciência do comportamento. principalmente. a título ilustrativo. TESES FUNDAMENTAIS Todas as áreas do comportamento são tratadas em nível objetivo. alguns destes conceitos. o jurista. respostas socialmente condicionadas. demonstrável empiricamente. reduzindo-se a unidades elementares de ligação estímulo-resposta. Buscam-se métodos gerais e particulares pelos quais seja possível controlar o comportamento e não apenas a descrição ou explicação de estados de consciência. 5. deve tratar unicamente de atos que podem ser descritos objetivamente em termos de estímulo e resposta. em detrimento de variáveis mentais que não podem ser demonstradas. a psicologia deve ser uma ´ciência do comportamentoµ ² e não o estudo introspectivo da consciência. controlado objetivamente. Convém registrar. obter dados sobre o comportamento experimentalmente. sem recorrer a conceitos e terminologia mentalistas. em negação à existência de . segundo a concepção behaviorista. Os resultados são tratados como comportamento por amostragem e não como medidas de qualidades mentais. formação de hábitos.O objetivo fundamental do behaviorismo é obter conhecimentos precisos sobre os ajustamentos (adequação ao ambiente por hábito individual ou respostas hereditárias) e os estímulos que os provocam . ser compreendido. assim como o educador. testes. tão logo a psicologia consiga. pode ser descrito em termos objetivos.

assumindo a aprendizagem. NOVOS SISTEMAS BEHAVIORISTAS As críticas ao behaviorismo watsoniano são muitas e variadas.capacidades. que autoriza sua inclusão entre os grandes vultos da história da psicologia. inaugurando uma nova ordem de pesquisa: o behaviorismo metodológico. Assim. alguns psicólogos. com sua ´teoria periférica de pensamentoµ. portanto. A influência irresistível do ambiente é enfatizada. em resposta corporal manifesta e mudanças viscerais internas. defendia-se que os processos de pensamento ocorriam no cérebro. passaram a ser chamados neobehavioristas : como Edwin Holt (1837-1946). na ausência de movimentos musculares e. Cada emoção separada envolve seu padrão particular de mudanças no mecanismo geral do corpo. a vários estímulos ambientais que originalmente não eram capazes de suscitá-las. capacidades ou talentos herdados. Achava ele que as respostas emocionais básicas podem ligar-se. 6. mas mantendo-se fiéis ao método experimental de uma psicologia vista como a ciência do comportamento. cólera e amor: ´Watson acreditava que o medo. Certo é que a principal e duradoura contribuição de Watson. portanto. foi a perspectiva de uma ciência do comportamento completamente objetiva. sobretudo nos sistemas visceral e glandular. Schultz anota que Watson baseou o seu estudo em três emoções fundamentais. reduz o pensamento a um comportamento motor implícito. Rejeitam-se os processos conscientes de percepção da situação e o estado de sentimento. o movimento foi de fecunda produção científica. através do processo de condicionamento. posição fundamental. medo. cólera e amor são as únicas respostas emocionais não aprendidas. grafando o seu nome como uma Escola. temperamentos ou talentos hereditários. As emoções. através do condicionamento. . afirmando-se que a emoção pode ser compreendida como situação objetiva de estímulo. são respostas corporais a estímulos específicos. e antes que enfrentasse o declínio de sua aceitação. Se não há instinto.µ Até o advento do behaviorismo. desenvolvendo abordagens próprias e sendo menos radicais com relação a enfoques divergentes. o indivíduo adulto será o produto do condicionamento do comportamento durante a infância. na ciência behaviorista. Watson. Ao atingir o apogeu. Todas as respostas emocionais humanas restantes são construídas a partir dessas três. inacessíveis à observação e demonstração empírica. Albert Weiss (1879-1931) e Karl Lashley (1890-1958).

é uma função de variáveis independentes.. Tolman agrupou as variáveis intervenientes em três principais categorias: ´(1) sistemas de necessidades ² a privação fisiológica ou a situação de pulsão fisiológica (. Para ele.26). desenvolvendo uma teoria do comportamento baseada nas leis de condicionamento de Pavlov.µ Clark Leonard Hull (1884-1952) destacou-se pela investigação sistemática e grande dedicação metodológica. Porém. o movimento behaviorisra começa a se ramificar. explicando o fortalecimento de respostas aprendidas a partir do condicionamento simultâneo: ´(. a ser acompanhada por esse movimento· (1935.. . estabelece-se (. é uma situação de aprendizagem por um ensaio (..) uma associação E-R. a execução continuada de uma tarefa constrói relações entre os sinais no meio ambiente e as expectativas do organismo.) toda aprendizagem ou modificação do comportamento depende exclusivamente da contigüidade de estímulo e resposta. se um estímulo evoca uma vez determinada resposta. originando subsistemas.. sobretudo com a influência do operacionismo . Tolman manteve-se fiel à metodologia behaviorista. e (3) os espaços de comportamento ² o comportamento tem lugar no espaço comportamental do indivíduo. propôs uma teoria da aprendizagem baseada no princípio da contigüidade. a ciência devia ocupar-se apenas de eventos observáveis objetivamente. pulsão fisiológica. Defensor do condicionamento.. O comportamento.). adepto da abordagem behaviorista da psicologia. A sua (. idade. As causas iniciadoras de comportamento e o próprio comportamento resultante final devem ser suscetíveis de observação objetiva e de definição operacional..A partir de 1920. Assim.. rejeitando um retorno à consciência na psicologia e à introspecção do estruturalismo.. (2) motivos de crença e valor ² os quais representam a intensidade de preferência por certos objetos-metas e a força relativa desses objetos-metas na satisfação de necessidades.. treinamento prévio. Para Edwin Guthrie (1886-1959). em princípio.) lei formal de aprendizagem estabelece o seguinte: ¶uma combinação de estímulos que acompanhou um movimento tenderá. Tolman propôs uma teoria cognitiva.µ Com relação à aprendizagem.. Em essência. Repetição e reforço não constituem parte essencial. Edward C. p. de uma forma até então não experimentadas em psicologia. negando a influência do reforço ou recompensa. Tolman (1886-1959) elaborou um sistema de behaviorismo intencional.). As causas iniciadoras do comportamento consistem em cinco variáveis independentes: estímulos ambientais. conjugando termos. ao repetir-se. hereditariedade. para ele. contraditórios.

como anota Schultz. um reflexo é a correlação entre um estímulo e uma resposta e nada mais. 7. O SISTEMA DE SKINNER E O CONDICIONAMENTO OPERANTE Skinner defende um sistema estritamente empírico. partindo de um positivismo estrito através do método indutivo. sem um quadro teórico de referência. não se relacionando a qualquer estímulo observável conhecido.CEAF/MPMG). desenvolvido por Skinner. a partir do método hipotético-dedutivo. apenas nenhum estímulo é identificado quando ocorre a resposta. nas décadas de 40 e 50 do séc. especialização em Inteligência de Segurança Pública na Fundação Escola Superior do Ministério Público de Minas Gerais. SKINNER E O CONTROLE COMPORTAMENTAL DE SOCIEDADES Burrhus Frederik Skinner (1904-1990) nasceu e foi criado numa pequena cidade da Pensilvânia. A abordagem mais eficiente de uma ciência do comportamento. Em sua principal proposição. tornando-se o mais importante e influente behaviorista do mundo contemporâneo. aqui agrupado como sistema. Esse quadro ilustra a transição para o behaviorismo radical.1. Já o comportamento operante ocorre sem quaisquer estímulos externos observáveis. Foi . a resposta é aparentemente espontânea. Assim. é descrevê-lo.UFJF (1996). com atualização em criminologia transdisciplinar em Cuba (UFMG/BRA) e criminologia com ênfase em Direitos Humanos (UCCI/Costa Rica . Autor: Rodrigo Iennaco de Moraes Possui graduação em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora . é o estudo do condicionamento e extinção dos comportamentos operantes. Todo esse ideário behaviorista.UFMG (2004). demonstra a importância dos trabalhos de Watson ao propor o behaviorismo metodológico. que não exista definitivamente um estímulo evocador da resposta. em convênio com o Centro U niversitário Newton Paiva (2010) e mestrado em Ciências Penais pela Universidade Federal de Minas Gerais . segundo Skinner. Hull descreve um quadro teórico de referência abrangente do comportamento. Nos dias atuais. Na situação de condicionamento proposta por Pavlov. um estímulo conhecido é relacionado a uma resposta. Seu interesse. Isto não quer dizer. Skinner denominou comportamento respondente a resposta comportamental suscitada por um estímulo específico e observável.Com a publicação de Principles of Behavior (1943). a partir de um programa para o controle comportamental da sociedade e da introdução de técnicas de modificação de comportamento. tendo assumido posição de destaque e influência proeminente na área da aprendizagem. a obra de Skinner representa o referencial teórico do behaviorismo para os trabalhos em Psicologia. Trabalha com o comportamento observável: a tarefa da investigação científica consiste em estabelecer relações funcionais entre as condições antecedentes de estímulo controladas pelo experimentador e a resposta subseqüente do organismo. antes de explicar o comportamento. XX. sob condições de reforço. 7.

existe também o reforçamento de razão fixa.. em oposição à idéia de livre-arbítrio. entre outros temas.Parte 2 de 2. Além disso. Skinner concentrou seus e sforços na influência comportamental exercida pelo reforçamento intermitente. Skinner pretendeu formular um programa de controle do comportamento. reforçada por aprovação verbal ou pelo conhecimento de ter sido dada a resposta correta. transpondo os resultados obtidos em laboratório para a toda a sociedade.4. Promotor de Justiça (MG) Skinner. o behaviorismo de Skinner defende a possibilidade de controle do comportamento humano pelo uso apropriado do reforçamento positivo: .com. o reforçamento secundário e a generalização. o efeito de diferentes esquemas de reforçamento. a extinção da resposta operante. juruá. Trabalhou com animais e também com seres humanos. no que foi seguido por outros estudiosos. em que o reforçamento é aplicado depois de um número determinado de respostas. a freqüência de comportamentos também afeta a extinção da resposta. Curitiba. Além do esquema de reforçamento de intervalo fixado. Atualmente é Promotor de Justiça em Minas Gerais e professor convidado dos cursos de pós-graduação em Ciências Penais da UFJF e da Fundação Escola Superior do Ministério Público de Minas Gerais. Autor dos livros Causas Especiais de Exclusão do Crime (SAFE. realizou muitas pesquisas sobre problemas de aprendizagem. Suas pesquisas demonstraram que quanto mais curto for o intervalo entre reforçamentos. ESQUEMAS DE REFORÇAMENTO A pesquisa inicial de Skinner demonstrou o papel necessário do reforçamento no comportamento operante. 2010). Rodrigo Iennaco de Moraes. Na caixa de Skinner. O DETERMINISMO DE UMA SOCIEDADE BEHAVIORISTA Procurando desenvolver uma ´tecnologia do comportamentoµ.Delegado de Polícia e Defensor Público em Minas Gerais e Professor Substituto da Faculdade de Direito da UFJF. seguindo a mesma abordagem básica da caixa de Skinner. terça-feira. É coordenador do Conselho Editorial do site www. Porto Alegre. o papel da punição na aquisição de respostas. toda vez que o rato aciona a alavanca (resposta correta) tem seu comportamento reforçado com o recebimento de alimento. 27 de julho de 2010 Behaviorismo e criminologia: controle do comportamente desviante .direitopenalvirtual. 7. 2005) e Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica (2a ed. apoiada em experimentos de condicionamento. Seus estudos incluíram. Numa visão mecanicista e determinista. O comportamento operante no homem envolve a solução de problemas. Porém. mais rápida é a resposta. como no mundo dos comportamentos reais nem sempre o reforçamento é tão consistente e contínuo como no ´mundo da caixaµ.br.3. 7.

uma sociedade modelada pelo apoio positivo. BEHAVIORISMO E CRIMINOLOGIA Historicamente. Convém desde já ressaltar que. ´não se deve deixar a questão da liberdade pessoal interferir com a análise científica do comportamento humano (. controle ou alteração do homem. publicando Waden Two.. no sentido de que nos impede de solucionar problemas sociais como o crime. uma vez determinadas. . o mentalismo não somente interfere com a busca de explicações científicas do comportamento como também não é prático. XX.´Se quisermos desfrutar das vantagens da ciência no campo dos assuntos humanos. a modificação do comportamento mediante o reforço positivo é técnica usual nas escolas. cedendo à tentação da serpente. Para Skinner. por alguma estranha razão. é mostrar como o reforço positivo poderia ser usado para transformar comportamentos desviantes indesejáveis (crimes) em comportamentos socialmente aceitáveis. Devemos esperar descobrir que aquilo que o homem faz é o resultado de condições que podem ser especificadas e que.. Essa tendência permanece uníssona até meados do séc. é o castigo . influência..) Não podemos esperar vantagens aplicando os métodos da ciência ao comportamento humano se. no âmbito do presente trabalho. O objetivo. quando Skinner. as pessoas são reforçadas (ou recompensadas) quando seu comportamento sofre mudanças positivas. esboça. No decorrer dos tempos. publica uma proposta para a utilização da tecnologia do comportamento para modelar uma sociedade culturalmente livre de punições: O mito da liberdade (Beyond Freedon and Dignity). gestos ameaçadores e até a força física. a força. 8. mas o controle ou modificação do comportamento de pessoas e pequenos grupos é muito difundido. A propósito. nos recusamos a admitir que o nosso objeto de pesquisa possa ser controladoµ. Primordialmente. a partir da ficção. a exemplo do que sucedeu com Adão e Eva ao provarem o fruto da árvore proibida. o principal meio empregado pelo homem para controlar o comportamento dos outros homens. O programa de Skinner para uma sociedade cujo comportamento é controlado em termos de reforço positivo existe apenas na ficção. prisões etc. Já em 1971. A técnica de modificação do comportamento desviante atuaria nas pessoas da mesma forma como o aparato de condicionamento operante é manipulado para modificar o comportamento de ratos: reforçando o comportamento desejado e não reforçando o indesejado. Num segundo estágio. no modelo skinneriano. instrumentos os mais variados foram e continuam sendo empregados no intuito de modificação. devemos estar preparados para adotar o modelo de comportamento (. poderemos prever e até certo ponto determinar suas açõesµ.) devemos pressupor que o comportamento é ordenado e determinado. não se usa a punição: ninguém é pun ido por não exibir o comportamento desejado..

V. de sermos livres agentes para determinar nosso próprio comportamento impede a solução dos problemas sociais . Nesse sentido. podendo ser controlado por forças ambientais fora de sua percepção e sem o seu consentimento consciente. note-se bem. religião. 1971). a modificação do comportamento é institucionalizada: sistemas legislativos. diálogo. O homem não governa sua alma e não é senhor do seu destino. destacam-se a psicocirurgia. estimulação elétrica do cérebro. batem. o que faz com que ele se sinta mecanicamente controlado. apelos emocionais. matam. Geiser: ´Quando tudo o mais fracassa. e justificam-se alegando agir no interesse de pessoas obstinadas. nestes termos abordados (O mito da liberdade. impõem penalidades.µ A partir das concepções de Skinner. o behaviorismo liberta-se das demonstrações empíricas do laboratório e lança-se no sentido da modificação do comportamento social..talvez palavras. J. conservamos vários traços do nosso passado primitivo. o eletrochoque e as drogas: a) hormônios de antitestosterona. Na medida em que a complexidade das relações se expande. McConnell. os homens ameaçam. O mito da nossa autonomia. pouca ou nenhuma participação ativa do sujeito. castigam.µ Verifica-se. além de violentar a sua convicção de que controla o próprio comportamento. num criminoso. condenam. notadamente de criminosos presos. o controle do comportamento permanece vinculado ao emprego da força. O perigo é que poderemos também fazer o oposto. normalmente irreversíveis como a psicocirurgia. normalmente . Precisamos. Entre as técnicas já indicadas para tratamento e modificação do comportamento criminoso. hipnose e a hábil manipulação de recompensas e punições para obter o controle quase absoluto sobre o comportamento do indivíduo (. naturalmente: transformar qualquer cidadão decente. uma crescente aplicação da ´tecnologia científicaµ ao campo da modificação do comportamento. psicólogo experimental. Técnicas que exigem. governos. Não ob stante. respeitável em questão de meses ² ou talvez menos que isso. aplicada no ´tratamentoµ de criminosos violentos. quando as instâncias falham. que objetivam a castração química do sujeito. que não querem modificar o seu comportamento para adequá-lo ao que a sociedade delas exige..) Prevejo o dia em que conseguiremos converter o pior dos criminosos num cidadão decente. Embora a humanidade tenha sido recoberta por um verniz de civilização. anota o seguinte: ´(. por meio da punição. as drogas. Técnicas de modificação do comportamento que agem diretamente sobre o sistema nervoso.) podemos combinar privação sensorial com drogas. argumentos lógicos. torturam.. de uma tecnologia do comportamento. respeitável. sobretudo a partir das idéias do behaviorismo skinneriano sobre o controle comportamental da sociedade. ainda que indiretamente relacionadas às concepções ´tecnológicasµ do behaviorismo radical de Skinner .. em última análise. educação.

dirigido por Kubrick. sobretudo nos Estados Unidos. devido ao objetivo real de ´amansarµ prisioneiros violentos com técnicas psicológicas. Os resultados revelaram a capacidade inerente ao sistema carcerário de tomar qualquer medida parcialmente terapêutica e transformá-la em punitiva. já o dissemos. alguns programas de modificação de comportamento foram vistos. As técnicas empregadas eram parecidas com a lavagem cerebral. a aplicação de métodos científicos para controle do comportamento no sistema penitenciário merece destaque. 8. dores e . No filme. o filme foi retirado de cartaz na Inglaterra pela Warner Bros. em igual proporção. influenciou profundamente a psicologia norteamericana e. vômito. nos princípios da teoria skinneriana. e a pedido dele próprio. pela polêmica que o tema suscitou e ainda suscita. advém do romance A Clockwork Orange. pela tentativa de desenvolvimento de programas de tratamento a partir da modificação de comportamento e.1. com alguma reserva. como ´psicogenocídioµ. o tratamento consiste em uma lavagem cerebral empreendida por uma espécie de condicionamento aversivo (punitivo?). derivada do curare sul-americano. CONTROLE DO COMPORTAMENTO NO CÁRCERE O behaviorismo. de Anthony Burgess. b) prolixin.indicadas para criminosos sexuais. tranqüilizante que provoca náusea crescente utilizado na terapia aversiva. c) anectina. que (com fidedignidade ou não) transportou para a ficção a idéia-chave das técnicas de controle do comportamento desviante. inclusive os do diafragma. como se verá. Porém. Referência bastante ilustrativa é a veiculada pelo cinema. permanecendo proibida a exibição no Reino Unido de 1973 a 2000. ao fim do qual o delinqüente não consegue cometer os atos a que foi condicionado a não fazer: sente ânsias. Na prática do sistema penitenciário dos Estados Unidos. Diante do escândalo e até ameaças de morte ao diretor. As técnicas de modificação de comportamento usadas nas prisões americanas transformaram-se em formas de punição. pelos próprios prisioneio s. ainda hoje. baseadas. que bloqueia a transmissão neural para os músculos do corpo. veneno usado em pontas de flechas. vitais para a respiração ² o intervalo de trinta a sessenta segundos em que a pessoa fica sem respirar causa sensação de sufocação e afogamento e profundo sentimento de terror. Em defesa dos enunciados da modificação comportamental preconizada pelos behavioristas. anota-se que os conflitos verificados são atribuídos em maior parte às falhas do sistema carcerário ² e da justiça ² do que propriamente aos programas de modificação do comportamento no plano teórico. O filme quer tratar da violência juvenil e do tratamento ´impostoµ ao jovem Alex. representa importante referencial para a ciência do comportamento ² fato que se verifica também no Brasil. O filme A Laranja Mecânica.

para a modificação do comportamento individualizado de presos determinados. Aos pedófilos eram projetadas. positivamente recompensado com a transferência para o nível seguinte. Connecticut. então.vertigens. O choque. cigarros. foi desenvolvido um programa de tratamento destinado aos criminosos sexuais. onde recompensas em forma de privilégios e maiores confortos aumentavam na medida em que o preso atingia níveis mais elevados no sistema de ´tratamentoµ. Alabama. foi feito na penitenciária de Draper. com mais conforto. Prisioneiros extremamente agressivos eram introduzidos num ambiente estratificado em vários níveis. Alex não pode mais praticar atos anti-sociais. em Elmore. Para alcançar o terceiro e último nível. numa tela. Os pontos conquistados. A maior parte dos programas constituiu-se de variações em torno do tema familiar. A finalidade é associar crianças como objetos sexuais à emoção do medo: contracondicionamento aversivo. punições cruéis e violação a direitos constitucionais. baseado no reforço positivo ao preso que colaborava com a manutenção do estabelecimento. sinuca. Os precursores do método imaginaram a técnica aplicada em ampla escala. deveria demonstrar capacidade para controlar o comportamento agressivo. Em 1964. No plano real. Era. O programa foi abandonado em 1974. Cuidava-se de um programa de economia de fichas. fotos de crianças nuas tiradas de revistas pornográficas. Efetivamente. o START (tratamento especial e treinamento de reabilitação). Ao olharem as imagens. economia de fichas. Em outras instituições prisionais. o condicionamento aversivo. representados por fichas. em meio a acusações de seleção e transferência forçada dos participantes. liquidaria as fantasias sexuais. ainda que tenha o desejo de cometê-los. foi iniciado. apesar de baixa intensidade. eram gastos com TV. modificando o comportamento de acordo com o regulamento da penitenciária. a partir da associação com a sensação de mal-estar (não necessitaria ser doloroso). recebiam um choque através de eletrodos presos à parte interior das coxas. a técnica se espalhou para a maioria dos estados norte-americanos e tornou-se referência ao sistema federal. em 1972. o primeiro trabalho de modificação do comportamento com delinqüentes adultos. numa ´prisão de segurança máximaµ. Com base no modelo institucional da penitenciária Patuxent de Maryland . programa idealizado como protótipo para a modificação do comportamento nas prisões federais norte-americanas. na prisão de segurança máxima em Somers. Para o controle em ampla escala dos detentos. Missúri. com a organização pessoal e de acordo com o desempenho no trabalho ou nos estudos. processos e métodos baseados nos mesmos postulados foram empregados. cinema etc. ´longeµ da ficção. cada qual com responsabilidades e privilégios respectivos. Após a experiência da penitenciária de Draper. a partir do qual o detento devia conquistar certa liberdade. a partir do Centro Médico Federal para prisioneiros em Springfield. ou sistemas estratificados. . o programa era iniciado em confinamento solitário.

mas se apresenta hodiernamente de uma forma distinta daquela promovida nas décadas que sucederam o manifesto de Watson até a morte de Skinner. passaram a ser questionados sistematicamente. precisaram ser trancafiados por longos períodos. Reforços negativos são meio de fuga. Ainda hoje. sair de uma dessas celas poderia até ser visto como reforço negativo. inspirado no Walden Two skinneriano. em 1990. Vários . detecta-se a evolução do comportamentalismo tendo em vista a emergente abordagem dos aspectos cognitivos. na prática. forte oposição aos processos de modifi cação do comportamento nas prisões. Outros. em que se nota ´uma ênfase mais flexível nos processos cognitivosµ . embora com mecanismos diversos. O comportamentalismo permanece vivo. sujas. A despeito da existência de um núcleo leal à tradição comportamentalista radical skinneriana. como se vê nos trabalhos de Albert Bandura e Julian Rotter. que certos presos eram capazes de reagir muito bem ao sistema gradativo e ao reforço positivo. opinião pública. Percebe-se que. notadamente através do planejamento e administração de programas para controle do comportamento em determinados ambientes fechados. pela opinião pública através da imprensa e. judicialmente por associações defensoras dos direitos humanos (como a ACLU ² União das liberdades civis americanas). às vezes em celas totalmente escuras. ganham terreno as teorias da aprendizagem social (ou sóciocomportamentalistas). então. da forma como foram empreendidos nos Estados Unidos. pretenderam interferir nos problemas sociais. como a prisão. é punição. a partir de uma vida programada socialmente. a abordagem comportamentalista permanece como referencial para os programas de ´recuperaçãoµ de criminosos. mentalistas portanto. inclusive. sem dúvida.Os programas de controle de comportamento. Modernamente. Privar alguém de reforços positivos é uma das definições skinnerianas para o castigo. mas colocar alguém numa delas. A experiência norte-americana com os programas de modificação do comportamento demonstrou. os postulados de Skinner foram deturpados. 9. manipulando e programando as pessoas ´para o bemµ. Os problemas enfrentados pelos modificadores de comportamento foram vários: falta de cooperação dos prisioneiros. fez dos behavioristas verdadeiros modificadores de comportamento. Aplicando os princípios de aprendizagem baseados nas teorias de condicionamento operante. Técnicas como a psicocirurgia. terapia aversiva e o uso de modificadores químicos ou drogas sofreram. infestadas de baratas. guerras e miséria. NOTA CONCLUSIVA O sonho de uma sociedade sem violência. na prática. como sucedeu no programa de Patuxent de Maryland. berço da psicologia comportamentalista objetiva.o uso do castigo enraizado no sistema. funcionários correcionais . precisaram dedicar-se aos reforços negativos. que vislumbraram nos programas oficiais uma forma de ´controle mentalµ.

Porém. A modificação do comportamento é uma técnica de mudança eficiente. muitos questionamentos eclodiram e continuam atuais ² mormente em atenção ao confronto entre o nos so ordenamento constitucional inaugurado em 1988 e a verificação prática de nosso sistema penitenciário e juízo de execução penal: qual a extensão dos direitos à igualdade. sem . enfim. Jamais recomendei o uso de choques elétricos. à revista Time. estenderam-se à própria concepção teórica do behaviorismo skinneriano. com voluntários apenas e reforços positivos. além da desconsideração de fatores introspectivos. pelo próprio Skinner. ou da psicocirurgia. em contextos sociais fechados. naturais. privacidade. é ilustrativo o trecho de correspondência enviada. poderíamos admitir que a modificação do comportamento criminoso. quando operada devidamente. traga resultados satisfatórios ² mas raramente em contextos sociais abertos. a ignorância da reciprocidade entre o homem e o sistema social em que se insere. dignidade. pois.. tornar simplesmente mais ´dócilµ? Recuperar para qual sociedade? Sob certas condições. A modificação do comportamento encontraria sua limitação na própria estreiteza do método behaviorista. de um problema circunstancial. mas estrutural. A visão mecanicista do homem. como a prisão. XX.? Até que ponto pode o programa institucional ´forçarµ um detento a modificar seu comportamento sem o seu consentimento ou cooperação? Pode haver consentimento livremente manifestado num ambiente coercitivo como o da prisão? Qual o fundamento da prisão: punição ou recuperação? O que é recuperar. principalmente na década de 70 do sec. até certo ponto. em abril de 1974: ´Seu debate acerca da modificação do comportamento nas prisões me atribui um excesso de crédito ² se for essa a palavra justa ² pelas práticas vigentes. Preocupo-me com o ambiente da prisão e mesmo assim apenas com os seus aspectos compensadores. não se tratando.µ Diante dos programas empreendidos nos Estados Unidos.. como uma máquina que interage em termos de estímulo-resposta. drogas que produzem náuseas ou vômitos. sua limitação. A crítica às práticas adotadas pelos programas de modificação de comportamento originários do sistema penitenciário norte-americano. a partir das teorias de Skinner. mas pode ser igualmente poderosa quando corrompida e empregada de maneira repressiva.dos programas foram utilizados pela Administração como artifícios dos detentores do poder para manutenção da ordem e do statu quo. devido processo em relação aos presos? Os presos têm direitos civis básicos que impedem sejam utilizados como ´recompensasµ num programa de modificação de comportamento ² instalações físicas e alimentação adequadas etc. para controlar a multiplicidade de fatores externos que atuam sobre o indivíduo numa sociedade aberta.

comportamento e cultura. resistência. como anota Robert Geiser. Warley Rodrigues. GEISER. de recusa. Como bem adverte Warley Belo: ´A violência nos remete a um instinto. revelam a limitação do Behaviorismo como referência ao estudo da criminologia. BELO. Talvez. em especial. quem controla os controlad ores? pelos modificadores de 10. Compreender o behaviorismo ² ciência. 4. 2. no que se refere às limitações éticas para aplicação do conhecimento. No ambiente da prisão.br [09. a modificação do comportamento. Modificação do comportamento e sociedade controlada. ao afastarem a ênfase punitiva e a autorizarem. ´A laranja mecânicaµ ² comentários criminológicos sobre a violência juvenil. insubmissão. a punição desmedida gera comportamento anti-social e reação violenta por parte dos presos. por sua vez. quase que perceptível.06. Porto Alegre: Artmed. O preso rebela porque se recusa a ter determinado tratamento penitenciário. não podemos condenar Skinner pelos excessos cometidos comportamento: afinal. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. sob certa medida. 1977. BAUM. a qual. falamos de resistência ao padrão do comportamento social. São Paulo: Cultrix. História da psicologia moderna. É bem possível que a revolta e violência. Assim como não podemos responsabilizar Einstein pelo lançamento de bombas atômicas contra vítimas indefesas.2001]. Disponível na internet: www. na sociedade e nas prisões. leva a ataque aos punidores.com. 4a ed. seja menos o resultado da ação de criminosos violentos do que reações a um sistema violento. Falamos de desejo de viver fora dos parâmetros impostos. permanecem válidos. pensamos. Rio de Janeiro: Zahar Editores. . há violência porque é a forma de se externar algum tipo de inconformismo. Como quer que se vejam as intenções de Skinner. o povo rebela porque não lhe é prestada a devida assistência. Robert L. SCHULTZ. A grande questão continua sendo mais deontológica que científica. 3. não se pode negar o alcance de sua influência sobre a psicologia e suas implicações nas diversas áreas do conhecimento ² como é o caso da criminologia. quer o consideremos um salvador ou um escravizador de seres humanos. fôssemos mais capazes de resolver alguns dos nossos problemas sociais se considerássemos mais o ambiente do que as pessoas que nele vivem.questionar o aspecto ético da modificação do comportamento pelas técnicas empregadas.direitocriminal. 1990. William M. 1999. Punição gera frustração.µ Os postulados behavioristas. notadamente skinnerianos. Duane.

ed. com atualização em criminologia transdisciplinar em Cuba (UFMG/BRA) e criminologia com ênfase em Direitos Humanos (UCCI/Costa Rica . Sydney Ellen. 6a. WATSON. SCHULTZ. John B. juruá. 2005) e Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica (2a ed. História da psicologia moderna. São Paulo: Cultrix. Duane e SCHULTZ. em convênio com o Centro Un iversitário Newton Paiva (2010) e mestrado em Ciências Penais pela Universidade Federal de Minas Gerais . 1913. Psycology as the Behaviorist Views It. RT. Atualmente é Promotor de Justiça em Minas Gerais e professor convidado dos cursos de pós-graduação em Ciências Penais da UFJF e da Fundação Escola Superior do Ministério Público de Minas Gerais. especialização em Inteligência de Segurança Pública na Fundação Escola Superior do Ministério Público de Minas Gerais. Porto Alegre. Rodrigo Iennaco de Moraes Possui graduação em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora .UFJF (1996).5. Artigo com notas na Revista IBCCrim . Foi Delegado de Polícia e Defensor Público em Minas Gerais e Professor Substituto da Faculdade de Direito da UFJF. Autor dos livros Causas Especiais de Exclusão do Crime (SAFE.Edição: 43.CEAF/MPMG). 1994. .direitopenalvirtual. Psychological Review. 6.com.. Curitiba. 2010). É coordenador do Conselho Editorial do site www.br.UFMG (2004).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful