Você está na página 1de 155

POLÍCIA MILTAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

MANUAL

“REVÓLVER”
“CURSO PARA PROFESSORES E USUÁRIOS” ®
(REGISTRADO E PUBLICADO – DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS)

AUTOR:- CEL PMESP NILSON GIRALDI

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA
2

ESTE MANUAL, COM LIGEIRAS ADAPTAÇÕES, SERVE PARA QUALQUER


MARCA OU MODELO DE REVÓLVER, INDEPENDENTE DO SEU CALIBRE
3

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

Nos últimos anos, milhares de Policiais Brasileiros foram


assassinados, pelos agressores, quando defendiam a Sociedade; outros milhares foram
terminar seus dias numa cadeira de rodas ou amparados por um par de muletas, também
vítimas desses agressores; e outros tantos foram ou estão sendo processados, condenados, e
afastados do convívio de suas Famílias, e da Sociedade, em virtude do uso incorreto das
suas armas de fogo, provocando vítimas inocentes e a revolta da Sociedade que deveriam
servir e proteger.
O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, que especialistas
internacionais, e a PMESP, batizaram de “Método Giraldi”, e sua “Doutrina para a
atuação armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e Proteger a
Sociedade, e a si Próprio”, visam, entre outras coisas, evitar que você seja o próximo.
Leve-os a sério. Sua família o espera!

NILSON GIRALDI
CEL PMESP

Heráldica:- “Pomba em vôo”:- Sociedade ordeira.


“Triângulo do tiro”:- Atuação armada da Polícia em defesa da Sociedade”.
“Cor branca”:- Paz; a preservação da vida como prioridade.
“Cor azul”:- Harmonia, equilíbrio.
“Cor laranja”:- Sempre alerta.
4

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER” - MANUAL ®
ÍNDICE Pg.
“Dedicatória a todos os Policiais ”........................................................................................................................... 04
“A Complexidade do serviço Policial e a Necessidade do Disparo” ....................................................................... 05
“A Importância da Vida e a Instrução de Tiro” ...................................................................................................... 06
“Oração do Policial”................................................................................................................................................ 07
“Armas Infalíveis”................................................................................................................................................... 08
“Valor de um Sorriso” ............................................................................................................................................. 09
“Autorização de Uso”.............................................................................................................................................. 10
“Método Giraldi” – “Currículo Básico para o seu Desenvolvimento” .................................................................. 11
Cap. 01 - “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi” – “Apresentação”..............................12
“Doutrina da Atuação Armada da Polícia para Servir e Proteger a Sociedade”................................19
“Doutrina para a Atuação Armada do Policial para Servir e Proteger a Sociedade”........................ 25
Cap. 02 - “Exigências aos Professores do Método Gialdi................................................................................. 35
Cap. 03 - “Súmula da Análise Pessoal”.............................................................................................................. 39
Cap. 04 - “Curso Básico” - “Primeira Parte” – “Tiro Policial Nível I” - Desenvolvimento.......................... 40
Cap. 05 - “Curso Básico” - “Segunda Parte” – “Tiro Policial Nível II” – Desenvolvimento....................... 46
Cap. 06 - “Curso Básico” - “Terceira Parte” - “Tiro Policial Nível III” – Desenvolvimento.................... 52
Cap. 07 - “Curso Básico” - “Quarta Parte” - “Tiro Policial Nível IV” - Desenvolvimento ....................... 57
Cap. 08 - “Súmula de Avaliação do Curso Básico” .......................................................................................... 63
Cap. 09 - “Algumas Características e Ensinamentos das Pistas”..................................................................... 65
Cap. 10 - “Planta” da “PPI/PPA-Padrão” ........................................................................................................ 71
Cap. 11 - “Pista Policial de Instrução” - “Primeira Parte” - “PPI-Padrão” .............................................. 72
Cap. 12 - “Pista Policial de Instrução” - “Segunda Parte” - “Outras Pistas” ............................................ 83
Cap. 13 - “Pista Policial de Instrução” - “Terceira Parte” - “Teatro”........................................................ 86
Cap. 14 - “Pista Policial de Instrução” - “Quarta Parte” - “Análise de Casos Reais”............................... 90
Cap. 15 - “Pista Policial de Instrução” - “Quinta Parte” - “Aplicação em Pleno Serviço”....................... 91
Cap. 16 - “Pistas Policiais Especiais” (“PPE”)............................................................................................... 94
Cap. 17 - “Pistas Policiais de Aplicação” (“PPA”) - ..................................................................................... 95
Cap. 18 - “Orientações ao Aluno Antes de Passar na PPA” .......................................................................... 99
Cap. 19 - “Súmula de Avaliação da PPA” ..................................................................................................... 101
Cap. 20 - “Como Preencher a Súmula de Avaliação da PPA” ............. ........................................................ 103
Cap. 21 - “Limpeza e Manutenção de Primeiro Escalão do Armamento e Equipamentos” ..........................105
Cap. 22 - “Investimento e Valorização do Policial”.........................................................................................106

ANEXOS
Anexo 01 - “Sinais Policiais” ........................................................................................................................... 108
Anexo 02 - “Visada” - “Focalização” ........................................................................................................... 109
Anexo 03 - Revólver - Principais Perigos ...................................................................................................... 110
Anexo 04 - Revólver - Esclarecimento ao Público Interno e Externo............................................................111
Anexo 05 - Alguns Conceitos do “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”................. 114
Anexo 06 - Mensagem do idealizador do “Método Giraldi” a todos os Policiais ......................................... 117
Anexo 07 - Revólver - Características e dados técnicos ............................................................................... 122
Anexo 08 - “Pistas” - Exemplos de “alvos” e “quadros” - Atuação Básica do Policial .............................123
Anexo 09 - “Barricada de Treinamento” ........................................................................................................ 128
Anexo 10 - Como avaliar o “Candidato a Instrutor/Monitor de Usuários do Revólver” ............................ 129
Anexo 11 - “Súmula para Habilitação de Instrutor/Monitor de Usuários do Revólver” ............................ 130
Anexo 12 - Treinamento Virtual do Tiro Policial ..................................................................................... .... 131
Anexo 13 - Alvo “PM-L-74”, de papelão, para o “Curso Básico”............................................................ .... 135
Anexo 14 - Alvo “PM-L-4”, de papelão, para as “PPI”, “PPE” e “PPA” .................................................. 136
Anexo 15 - “Avaliação do Professor Feita pelo Aluno” ................................................................................ 137
Anexo 16 - “Brevê Oficial do Método Giraldi” – Registrado ........................................................................ 138
Anexo 17 - “Algumas Qualidades Exigidas do Professor do “Método Giraldi” ........................................... 139
Anexo 18 - “Súmula para equipe de dois alunos executando a “PPA-Padrão” ............................................142
Anexo 19 - “Como preencher a súmula de equipe formada por dois alunos” .............................................. 144
Anexo 20 - “Orientações à equipe antes de passar pela “PPA” .................................................................... 146
Anexo 21 - “Currículo do Autor do Método Giraldi” – por Antonio Baptista ............................................ 148
Endereços para aquisição de materiais e brevês ....................................................................... 150
5

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“DEDICATÓRIA”

“Dedicamos este trabalho a todos os Policiais do Brasil, incansáveis e


abnegados profissionais de segurança pública; heróis anônimos, protetores e
escudos da Sociedade que, muitas vezes, pagam com a própria vida essa
árdua, difícil e complexa missão, tida como a mais estressante e perigosa do
mundo”.

GIRALDI
6

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” ®
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“A COMPLEXIDADE DO SERVIÇO POLICIAL E


A NECESSIDADE DO DISPARO”

“O Serviço Policial é extremamente complexo e, dentro dessa complexidade,


a necessidade de um disparo atinge proporções inimagináveis para o pleno raciocínio do
policial nesse instante quando, diante da morte, e com as condições físicas e psíquicas
totalmente alteradas, terá décimos de segundo para decidir se efetua o disparo (se é que
terá); a Justiça, posteriormente, terá vários anos para concluir se o disparo foi
necessário e correto”.

O grande desafio:- Como preparar o policial para esse instante?


Este trabalho dá a resposta.

GIRALDI

“As maiores crises de uma instituição policial; a maior


desmoralização do Estado; o maior desrespeito que se comete contra os
Direitos Humanos; a maior causa da perda da liberdade do policial; ocorrem
quando as suas armas, destinadas a servir e proteger a Sociedade, voltam-se
contra a própria Sociedade” (Giraldi)

O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e sua


Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a
Finalidade de Servir e Proteger a Sociedade, e a si Próprio”, evita que isso
aconteça.
7

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” ®
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“A IMPORTÂNCIA DA VIDA E A INSTRUÇÃO DE TIRO”

“Na vida nada é mais importante que a própria vida e se a


instrução de tiro lida com a vida e com a morte ela acaba sendo a
mais importante, de maior responsabilidade e conseqüências
entre todas as instruções; vale a pena investir nela”
GIRALDI
8

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“ORAÇÃO DO POLICIAL” ®
(Para ser rezada antes de sair para o “serviço” e em outras ocasiões)

Autor:- Cel PM Nilson Giraldi

SENHOR:
Saio de casa para o serviço; fazei com que volte são e salvo.
Enquanto protejo outras famílias, por favor, proteja a minha.
Não deixe que uma bala traiçoeira me atinja, nem que eu seja instrumento
para injustiças.
Faça com que minha presença irradie segurança e bem estar, jamais medo
ou desconfiança.
Nos momentos difíceis, e diante da morte, não deixe que eu caia em
desespero.
Sou humano, mortal, às vezes fraco, mas, me faça parecer sobre humano,
imortal, forte, a fim de inspirar confiança, esperança e força aos desamparados.
Quando dos meus erros fique do meu lado, pois, todos os demais, por mais
pecadores que sejam, estarão contra.
Dá-me força e sabedoria para auxiliar os desesperados, e fé para não
desistir diante de uma vida que se acaba.
Auxiliai-me a ser criança para as crianças; pai para os desprotegidos; e
adulto para os necessitados.
Que o vigor de minhas ações seja sempre em proteção à paz, à vida, aos
mais fracos, aos oprimidos e aos humilhados.
Que eu saiba ver a beleza do coração, não da face, da cor, da raça, da
religião ou da condição social.
Que os menos esclarecidos compreendam minhas limitações e a
complexidade do meu trabalho.
SENHOR, ABENÇOAI E PROTEGEI OS POLICIAIS.
AMÉM!

(De volta para o lar)


“Obrigado, SENHOR, pelo retorno ao seio da minha família”

GIRALDI
9

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“ARMAS INFALÍVEIS” ®
Cel PMESP Giraldi

“As melhores armas


para o policial conquistar
o respeito,
a simpatia
e a colaboração
da Sociedade são
a educação,
o sorriso,
a humildade e
o profissionalismo”.

Para o agressor, a Lei!

GIRALDI
10

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“VALOR DE UM SORRISO” ®
GIRALDI

Não custa nada e rende muito;


Enriquece quem o recebe, sem empobrecer quem o dá;
Dura somente um instante, mas seus efeitos perduram
para sempre;
Ninguém é tão rico que dele não precise;
Ninguém é tão pobre que não o possa dar a todos;
Leva a felicidade a todos e a toda parte;
É manifestação de amor, de amizade, de carinho, de paz e
de boa vontade;
É alento para os desanimados; repouso para os cansados;
raio de sol para os tristes; ressurreição para os desesperados;
Não se compra nem se empresta;
Nenhuma moeda do mundo pode pagar o seu valor;
Não há ninguém que precise tanto de um sorriso como
aquele que não sabe mais sorrir.

GIRALDI
11

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

AUTORIZAÇÃO DE USO

ESTE MANUAL NÃO FOI ELABORADO COM FINS FINANCEIROS OU


QUALQUER OUTRO OBJETIVO QUE NÃO SEJA COLABORAR COM AS POLÍCIAS, COM
OS POLICIAIS, E COM A SOCIEDADE.
SUA DISTRIBUIÇÃO É GRATUITA. SOMENTE PARA POLICIAIS.
É UM LEGADO.
TODO O SEU CONTEÚDO ESTÁ REGISTRADO.
A REPETIÇÃO, CONSTANTE, DO MESMO CABEÇALHO, NO INÍCIO DE
CADA CAPÍTULO, OBEDECE PRINCÍPIOS JURÍDICOS.
PODERÃO ATUAR COMO PROFESSORES DO “TIRO DEFENSIVO NA
PRESERVAÇÃO DA VIDA”, “MÉTODO GIRALDI”, E SUA “DOUTRINA PARA A ATUAÇÃO
ARMADA DA POLÍCIA, E DO POLICIAL, COM A FINALIDADE DE SERVIR E PROTEGER
A SOCIEDADE, E A SI PRÓPRIO”, UTILIZANDO ESTE MANUAL, POLICIAIS APROVADOS
EM CURSOS OFICIAIS, MINISTRADOS PELO CEL GIRALDI OU POR PROFESSORES POR
ELE PREPARADOS, E, DESDE QUE SEM FINS FINANCEIROS, COM EXCEÇÃO DOS
RECEBIMENTOS DAS AULAS MINISTRADAS, PREVISTOS EM NORMAS PRÓPRIAS DE
CADA INSTITUIÇÃO POLICIAL.

O AUTOR
12

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA


VIDA” “MÉTODO ”GIRALDI 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“MÉTODO GIRALDI” ®
CURRÍCULO BÁSICO PARA O SEU DESENVOLVIMENTO ®
O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e sua “Doutrina para a Atuação
Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e Proteger a Sociedade, e a si Próprio”,
desenvolve-se através do seguinte currículo:-

01. “Apresentação”.
02. “Legislação Específica”.
03. “Os Direitos Humanos Aplicados à Função Policial Armada”.
04. “Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e
Proteger a Sociedade, e a si Próprio”.
05. “Qualidades Exigidas do Professor do Método”.
06. “Didática Especial para o Ensino do Método”.
07. “Súmulas”
08. “Montagem de Alvos, Pistas Policiais, e Locais de Instrução”.
09. “Curso Básico”:-
a. “Primeira Parte”:- “Tiro Policial Nível I”;
b. “Segunda Parte”:- “Tiro Policial Nível II”;
c. “Terceira Parte”:- “Tiro Policial Nível III”;
d. “Quarta Parte”:- “Tiro Policial Nível IV;.
e. “Quinta Parte”:- “Teste de Avaliação do Curso Básico”.
10. “Pistas Policiais de Instrução”:-
a. “Pista Policial de Instrução”:- “Primeira Parte” (“PPI-Padrão”);
b. “Pista Policial de Instrução”:- “Segunda Parte” ( “Outras Pistas”);
c. “Pista Policial de Instrução”:- “Terceira Parte” ( “Teatro”);
d. “Pista Policial de Instrução”:- “Quarta Parte” (“Análise de Casos Reais”);
e. “Pista Policial de Instrução”:- “Quinta Parte” (“Aplicação em Pleno Serviço”)
11. “Pistas Policiais Especiais” (“PPE”).
12. “Pistas Policiais de Aplicação” (“PPA”).
13. “Limpeza e Manutenção do Armamento, Munição e Equipamentos”.
14. “Investimento e Valorização do Policial”.

Bibliografia:-
Giraldi, Nilson:- “CD” e manuais sobre o “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”,
“Método Giraldi”, e sua “Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de
Servir e Proteger a Sociedade”, e a si Próprio. (Distribuições gratuitas).
13

CAPÍTULO 01
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”, “MÉTODO GIRALDI”, E SUA


“DOUTRINA PARA A ATUAÇÃO ARMADA DA POLÍCIA, E DO POLICIAL, COM
A FINALIDADE DE SERVIR E PROTEGER A SOCIEDADE”, E A SI PRÓPRIO” ®

“APRESENTAÇÃO” 

O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e sua “Doutrina para a


Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e Proteger a Sociedade e a si
Próprio”, têm como finalidade preparar o policial para utilizar seu armamento com técnica, com tática,
com psicologia, dentro dos limites das Leis, e dos Direitos Humanos, em defesa da Sociedade, tendo,
como prioridade, a preservação da vida e da integridade física, a começar da sua e das pessoas inocentes
(e também daquelas contra as quais não há necessidade de disparos (agressores), livrando-o, assim, de
pesados processos e condenações) e, como última alternativa, o disparo, dentro da legalidade, calcado na
necessidade, oportunidade, proporcionalidade e qualidade, com o propósito de tentar paralisar uma ação
violenta e covarde, já em curso, por parte do agressor, contra a vida de alguém, inclusive a sua.
Obedece, fielmente, os princípios da Carta da ONU para o assunto; do Comitê Internacional da Cruz
Vermelha e dos Direitos Humanos (integrantes seus estão divulgando, recomendando e ensinando o “Método
Giraldi”, internacionalmente); das Leis, da Realidade e da Política Policial Brasileira; do Policiamento
Comunitário; do respeito à dignidade das pessoas; das necessidades e dos Direitos Humanos do policial para o
bom desempenho do seu trabalho em defesa própria e da Sociedade; das dificuldades financeiras da quase
totalidade das polícias; etc.
O “Método” é extraordinariamente adaptável às circunstâncias especiais e particularidades de cada
polícia, e dos seus locais diferenciados de atuação. Tem um tronco básico para todos os policiais, seguido das
especializações necessárias para cada uma das suas atividades. Não fica preso às páginas de livros, manuais ou
regulamentos, mas ao dinamismo de uma execução prática, observável, e corrigível.
Os principais fundamentos do “Método Giraldi” são os reflexos condicionados positivos, a serem
adquiridos pelo policial em treinamentos imitativos da realidade, com eliminação dos negativos, antes
de se ver envolvido pelo fato verdadeiro. Quando o policial é surpreendido por um confronto armado, onde a
morte está sempre presente, suas emoções e reações são tão intensas que, geralmente, atuam mais rápido que o
raciocínio; por isso a necessidade do condicionamento positivo anterior.
Ensina o policial a raciocinar, atuar e administrar o estresse, sob pressão e diante da morte.
Sua principal finalidade é a atuação armada da polícia, e do policial, com a finalidade de servir e
proteger a Sociedade, e a si próprio; a preservação da vida e da integridade física do policial, das
pessoas inocentes, e também daquelas contra as quais não há necessidade de disparos (agressores); a
preservação da liberdade do policial.
Leva em consideração que “não basta o policial saber o que tem que fazer; tem que estar
condicionado a fazer”. “Não basta saber atirar; tem que saber quando atirar e saber executar
procedimentos, isto porque, na quase totalidade das vezes procedimentos, e não tiros, é que
preservam vidas e solucionam problemas”. Esses são os motivos pelos quais, quando da instrução,
mais de 95% dos exercícios são procedimentos; menos de 5% são disparos.
Baseia-se no fato de que, durante um confronto armado, tudo é movimento, medo, surpresa,
complexidade e possibilidades de tragédias, com o policial atuando no angustiante limite entre a vida e a
morte, e com as condições físicas e psíquicas totalmente alteradas. Os fatos, com a morte presente,
desenrolam-se com extrema rapidez, dramaticidade, e com as situações se alterando a cada segundo, quase
sempre com gritos, correrias, barulhos, pessoas desesperadas e em pânico, às vezes feridas e até morrendo.
14

É assustador! O agressor, com iniciativa, e o fator surpresa ao seu lado, atuando totalmente fora da Lei e,
normalmente, não dando a mínima importância à vida de terceiros, movimenta-se com rapidez, dispara
sem qualquer raciocínio, esconde-se, coloca-se de tocaia. O final é imprevisível. E, se houver mais de um
agressor; ou, se o fato ocorrer em local com pouca luminosidade; ou, no meio do povo; ou, se o policial
não foi preparado pelo “Método”; ou, se sua arma não tiver “poder de parada”; etc., as possibilidades de
tragédias serão maiores ainda. Em todas essas situações o policial, ao mesmo tempo em que defende a
Sociedade, terá também que se defender; a Lei é seu limite; a vida sua prioridade; o disparo sua
última alternativa. Seu equilíbrio emocional e físico; a administração do seu estresse; a razão
sobrepujando a emoção; o uso correto da sua arma de fogo; a execução de coisas simples, práticas,
lógicas, rápidas, precisas, de fácil lembrança, e de resultados eficientes, aprendidas, anteriormente, com o
“Método Giraldi”, serão suas grandes “ferramentas” nesses momentos.
Para entender melhor essa situação, basta imaginar um jogo de futebol entre agressores e policiais,
em que o adversário pode fazer de tudo; o time do policial tem que seguir regulamentos. E tem que
ganhar o jogo. Mesmo 10 a 1, para o time do policial, será derrota (morreram dez agressores, e morreu
uma pessoa inocente, ou um policial, ou alguém contra o qual não deveria ter sido feito disparos); “zero” a
“zero” será vitória para o time do policial.
Para lidar com todas essas situações, e tantas outras, o “Método Giraldi” tem como principal
fundamento o condicionamento anterior, a ser obtido pelo policial em treinamentos imitativos da
realidade, antes de se ver envolvido pelo fato verdadeiro. Sem esse condicionamento e essa experiência
anterior, ele se perderá diante de um fato novo grave, principalmente se a morte estiver presente (como
sempre está).
Esse condicionamento dar-se-á colocando-o e ensinando-o a atuar, simuladamente, diante de todos
os possíveis problemas, com necessidade do uso de arma de fogo, que possa encontrar na vida real, desde
sua atuação diante de pessoas inocentes; pessoas em atitude suspeita ou suspeitas, com necessidade de
“verbalização”; atuação com pouca luminosidade; em ambientes externos e internos; embarcado e
desembarcado; nas cidades, estradas, locais ermos ou ambientais; com apoio e sem apoio; individual e em
equipe; até ocorrências de vulto, inclusive, com reféns, feridos e mortos. Necessidade de “negociação”,
que, uma vez iniciada, não terá tempo para terminar, cujo objetivo será a preservação da integridade física,
da vítima, e a prisão do agressor. Treinará até ficar condicionado a atuar corretamente, e sem dificuldades.
Não avançará na instrução enquanto não ficar condicionado a executar o exercício anterior corretamente e
sem dificuldades. O método trabalha em cima do erro do aluno. O erro não pode ficar na sua cabeça; só o
acerto.
Normalmente, as pessoas não conseguem pensar mais de uma coisa ao mesmo tempo, mas, estando
condicionada, agirá por reflexos condicionados, como alguém que pisa no freio do carro sem ficar pensando
em fazê-lo; digita o teclado de um computador da mesma forma; etc. Esse é o motivo pelo qual, quando dos
ensinamentos do “Método”, o aluno tem que adquirir reflexos condicionados positivos, com eliminação dos
negativos, antes de se ver envolvido pelo fato verdadeiro; caso os negativos não sejam eliminados, eles
poderão fazer o policial cometer erros gravíssimos, durante um possível confronto armado. Esse é o motivo
pelo qual o “Método Giraldi” trabalha, incessantemente, em cima do erro do aluno; ele não avançará na
instrução enquanto não eliminar esse erro.
Quando o policial é surpreendido por um confronto armado, onde a morte está sempre presente,
suas emoções e reações são tão intensas que, geralmente atuam mais rápido que o raciocínio; por isso a
necessidade do condicionamento, positivo, anterior.
O “Método Giraldi” é altamente profissional, lógico e realista. Serve para policiais de todas
as idades. Não treina nem prepara o policial para matar, mas para fazer cessar a ação covarde do agressor
contra sua vítima, e isso poderá ser feito de várias formas, desde uma simples “verbalização”,
“negociação”, ou procedimento, até o disparo, legal, necessário, oportuno, proporcional, e correto.
Convém lembrar que, durante um confronto armado, além de outros fatores, tudo se movimenta com
rapidez; não há tempo nem condições do policial escolher pontos de acerto no agressor; ele dispara na
direção de sua silhueta; por isso, a morte do agressor poderá até ocorrer, mas esse não é o objetivo.
Para o “Método Giraldi” não é a quantidade de disparos que prepara o policial, mas, os
procedimentos, a qualidade e as condições com que são efetuados”, motivo pelo qual é executado com
grande economia de munição, alvos e outros materiais, sem perder seus objetivos. Excelente para polícias
com poucos recursos financeiros. Boa parte dos treinamentos é feita sem disparos, isto é, apenas
“procedimentos que, na quase totalidade das vezes, são mais importantes que os próprios disparos”.
Na parte final do “Método”, os alvos são substituídos por seres humanos, verdadeiros, e, sem uso
de munição real, a instrução é feita sob a forma de “teatro”, tendo os policiais como atores.
15

O “Método Giraldi” não exige locais de treinamento sofisticados; para a sua aplicação basta um
simples barranco para contenção dos projéteis. Pode ser feito, da mesma forma, em qualquer parte ou
cidade. Utiliza um mínimo de teoria e um máximo de prática, obedecendo o princípio de que:- “O que eu
ouço, eu esqueço; o que eu vejo, eu lembro; o que eu faço, eu aprendo”.
Tudo se desenvolve nos “Centros de Treinamento na Preservação da Vida” (ou, inexistindo,
junto a um barranco para contenção dos projéteis), até o mínimo de teoria existente. Não há instrução em
salas de aula. Para o método, tiro é como futebol, natação, ciclismo, etc.; só se aprende praticando. É
impossível aprendê-lo em salas de aula; através de livros e apostilas; treinamento virtual; ordens
(inclusive, por escrito); etc. Não há munição? Treina procedimentos; faz-se “teatro” de ocorrências com
necessidade do uso de arma de fogo; etc.
Para treinar procedimentos e fazer “teatro” da aplicação da arma de fogo em defesa da Sociedade,
qualquer local serve, podendo-se aproveitar ou completar o que já existe no terreno. Arma descarregada,
simulacro de arma, ou dedo indicador estendido como se arma fosse, dependendo das finalidades.
É impossível aprender e sentir a eficiência do método sem praticá-lo, e sem a orientação direta do
professor, o qual aliará, sempre, o ensino e o relacionamento humano no trato com seus alunos.
O professor tem que ser modelo e exemplo para seus alunos.
O aprendizado, o sucesso e o gosto do aluno pela matéria deverão ser os grandes objetivos e a
grande vitória do professor. Uma possível reprovação dele não deve fazer parte dos seus planos; assim,
todas às vezes em que o aluno não ficar condicionado a executar algum exercício corretamente, será
novamente orientado, repetindo-o quantas vezes forem necessárias, até executá-lo com perfeição e sem
dificuldades.
O aluno precisa querer aprender a manter sua vida, sua integridade física, e sua liberdade; o aluno
que assim não quiser, deverá ser mandado embora.
O tempo e o número de disparos necessários ao aprendizado do “Método Giraldi” estarão
diretamente relacionados à experiência e à capacidade do aluno em absorver e executar, corretamente, os
ensinamentos; alguns poderão necessitar de mais tempo e mais disparos, outros de menos tempo e menos
disparos.
Para cada arma há um “manual” específico, e um “currículo” específico.
O “Método Giraldi” abomina a necessidade de decorar nomes de peças e de outros princípios
supérfluos (isso é para armeiros); o importante é saber usar a arma.
A Segurança geral precede tudo.
“Quanto mais bem preparado o policial estiver para usar sua arma menos necessidade
sentirá em fazê-lo; mal preparado verá nela a solução para todos os problemas”.
O policial utiliza, no treinamento, o mesmo armamento, munição e equipamentos com os quais trabalha.
Os ensinamentos, para o policial, vão do disparo propriamente dito, procedimentos, socorro às
vítimas, manutenção e conservação do armamento, munição e materiais, qualidade de vida, até o seu
relacionamento com a sua família e os amigos, passando por exercícios físicos específicos, exercícios de
relaxamento, alimentação, exclusão de drogas, autoconfiança, auto-estima, ideais, valorização da vida,
amor pela vida, e tudo aquilo que possa se relacionar ou influenciar na sua atuação armada em defesa da
Sociedade. É preparado, também para esclarecer a imprensa, autoridades, políticos, e demais segmentos
da sociedade, em todos os assuntos relacionados ao tiro, assim como, sua aplicação na prática, e
esclarecimentos sobre confrontos armados havidos. Como depor em Juízo sobre fatos ocorridos e
provocados pelo uso do armamento. Etc..
O “Método Giraldi” é realista; não tem demagogia; não deixa margem para qualquer tipo de
acusação. Pode e deve ser mostrado para todos os segmentos da Sociedade. Preenche, totalmente, as
necessidades do policial para o desempenho do seu trabalho em defesa da Sociedade.
Pode ser feito com qualquer tipo de arma.
Utiliza linguagem simples, de fácil entendimento. Evita palavras e termos estrangeiros.
É de uma simplicidade irritante, mas funciona. “A simplicidade é a rainha da perfeição”.
Não foi desenvolvido com fins financeiros, ou com objetivos para obter qualquer proveito
mas, como um legado em benefício dos policiais, das polícias, e da Sociedade, isto porque, nos últimos
anos, milhares de policiais brasileiros morreram, em serviço, quando defendiam a Sociedade, vítimas dos
agressores dessa Sociedade; outros milhares foram feridos, gravemente, na mesma situação, indo terminar
seus dias numa cadeira de rodas ou amparados por um par de muletas; e, outros tantos foram ou estão
sendo processados, condenados e afastados do convívio de suas famílias e da Sociedade em virtude de
disparos efetuados fora de oportunidade, causando vítimas inocentes e a revolta dessa Sociedade. O
“Método Giraldi” visa, entre outras coisas, evitar que essas tragédias continuem ocorrendo.
16

Além disso, nenhuma instituição policial, por mais grandiosa que seja, resiste à reação da
Sociedade quando as suas armas destinadas a defender essa Sociedade se voltam contra ela, provocando
vítimas inocentes ou de pessoas contra as quais não há necessidade de disparos (agressores); e isso
também precisa ser evitado.
Estatísticas comprovam que, quando aplicado na vida real, o “Método Giraldi” reduz em mais de
95% a morte e ferimento de policiais em serviço (os outros quase 5% são as fatalidades quase impossíveis
de serem evitadas) e, em 100% a morte e ferimento de pessoas inocentes, provocadas por policiais em
serviço, e também daquelas contra as quais não há necessidade de disparos (agressores), livrando, assim, o
policial, de pesados processos e condenações, e acusações contra a sua Corporação. Evita em 100% a
perda da liberdade do policial, em virtude do uso incorreto de sua arma de fogo.
Como “na vida nada é mais importante que a própria vida, e como a instrução de tiro lida
com a vida e com a morte, o “Método Giraldi” considera essa instrução como a mais importante, de
maior responsabilidade e conseqüências entre todas as instruções”, motivo pelo qual a trata com
grande profissionalismo, seriedade, importância e respeito, considerando-a como a matéria que
merece maiores investimentos e atenção.
Não se pode esquecer que o policial fardado, nas ruas, é o Estado, materializado, prestando serviço
e atuando junto à da Sociedade; investir nele é investir no Estado, na Sociedade, e na própria Polícia. É
através dele que a Sociedade julga a instituição policial à qual pertence, e o próprio Estado.
Valoriza, ao máximo, o professor do “Método”, para o qual deve ser dado todo o apoio e condições
para desenvolver o seu trabalho, pois, “de uma instrução de tiro bem ministrada, vidas futuras serão
preservadas; mal ministrada, vidas futuras serão sacrificadas, com repercussões
extraordinariamente negativas para a sua instituição policial e para o Estado”.
A educação, a paciência, boa vontade, responsabilidade, conhecimento, capacidade para ensinar,
fazer o aluno aprender e gostar da matéria, ausência de imbecilidades, ausência de castigos, incluindo as
tradicionais “flexões de braços”, etc., são pontos fundamentais exigidos do professor do “Método
Giraldi”. Sua missão é difícil e complexa; atua no limite entre a vida e a morte; é necessário gostar, ter
muita experiência, paciência e conhecimentos para exercê-la, com segurança, em toda a sua plenitude.
Policiais canadenses, americanos, europeus, latinos, etc., que fizeram o curso do “Método Giraldi”,
assim como técnicos e especialistas internacionais, foram unânimes em declará-lo como o mais simples,
prático, barato, objetivo, moderno, evoluído, de fácil assimilação, próprio para polícias, à altura das
necessidades do policial para defender a Sociedade, ao gosto e respeito dos policiais; que pode ser
ensinado, da mesma forma, em qualquer parte ou cidade; revolucionário; que já haviam visto no mundo;
um marco.
Está sendo aprovado e adotado por polícias nacionais e estrangeiras (fardadas e civis) que têm
tomado contato com ele, inclusive, está sendo difundido, com grande sucesso, para outros países, através
de integrantes do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, dos Direitos Humanos, e de outras
organizações.
Aprovado e elogiado pela imprensa, por autoridades e outros segmentos da Sociedade;
organizações nacionais e internacionais; policiais fardados e civis do Brasil e de outros países, incluindo
de primeiro mundo; representantes especializados da ONU; do Comitê Internacional da Cruz Vermelha e
dos Direitos Humanos (integrantes seus estão divulgando, recomendando e ensinando o “Método”,
internacionalmente); do Policiamento Comunitário; de Universidades do Brasil e do exterior; do “Núcleo
de Estudo da Violência” (USP); alunos do “Curso Superior de Polícia”, “Curso de Aperfeiçoamento de
oficiais”; “Curso de Gestão Estratégica de Polícia Ostensiva Nível 2” (tenentes coronéis), etc.; policiais
brasileiros e estrangeiros de todos os níveis”; etc.
Para desenvolver o “Método Giraldi” o autor valeu-se de mais de 50 anos de experiência policial e
de tiro. Ouviu milhares de depoimentos de policiais que estiveram envolvidos em confrontos armados
com os “agressores da Sociedade”, principalmente dos que foram feridos, inclusive, dos que se tornaram
deficientes físicos em virtude desses ferimentos, indo terminar seus dias numa cadeira de rodas ou
amparados por um par de muletas; o porque disso e o que fazer para não mais ocorrer. Analisou milhares
de ocorrências policiais com mortes desnecessárias; o porque disso e o que fazer para não mais ocorrer.
Entrevistou centenas de policiais que foram processados, condenados, retirados do convívio de suas
famílias e da Sociedade, em virtude do uso incorreto de suas armas, quando defendiam a Sociedade; o
porque disso e o que fazer para que isso não mais ocorresse; etc.
Contou, ainda, para o seu desenvolvimento, com o assessoramento e acompanhamento de médicos,
psicólogos, psiquiatras e parapsicólogos, que auxiliaram a analisar o comportamento humano, e o que
ocorre no campo físico e psíquico, do policial quando, repentinamente, se vê envolvido num confronto
17

armado, com a morte presente. Como prepará-lo fisicamente, psicologicamente, tecnicamente e qual a
tática necessária para esse instante, enveredando-se, assim, para um setor extraordinariamente
especializado que acabou dando fundamentos científicos, sólidos e irrefutáveis, para o “Método”. Passou-
se a valorizar, intensamente, tudo aquilo que era necessário colocar em prática num confronto armado,
abandonando-se o que era supérfluo para esse instante.
O “Método Giraldi” foi desenvolvido especialmente para as atividades policiais em defesa da
Sociedade, estando completamente desvinculado da instrução para as Forças Armadas e Clubes de Tiro,
que tem outras finalidades, e da apresentação virtual do tiro, no cinema, cuja finalidade é o divertimento
descompromissado, assim como, de quaisquer outras metodologias. É genuíno.
O “Método Giraldi”, e todos os seus complementos, está registrado. Como se trata de um
legado, qualquer polícia poderá fazer uso dele, desde que, citando o “Método” e seu autor (“Tiro
Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e sua “Doutrina para a Atuação Armada da
Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e Proteger a Sociedade”; ou simplesmente “Método
Giraldi”), assim como, utilizando os currículos e manuais já existentes para cada arma, que serão
fornecidos, pelo autor do “Método”, gratuitamente; e outros materiais próprios para a sua execução.
Poderão atuar como “Professores do “Método Giraldi”, para preparar multiplicadores e usuários do
“Método”, policiais que fizeram, ou vierem a fazer, o curso diretamente com o Cel Giraldi, ou com
professores por ele preparados, desde que sejam cursos oficiais, onde tenham sido aplicados os currículos
e o manual específico da arma com a qual foi feito (para cada arma o currículo e o manual já previstos
pelo “Método”, que serão fornecidos, pelo autor do “Método”, gratuitamente). Os cursos não podem ter
fins financeiros, com exceção dos recebimentos das aulas ministradas, previstos em normas próprias de
cada instituição policial. Com fins financeiros, fora dessas circunstâncias, só com autorização, por escrito,
do autor do “Método” (Cel PMESP Nilson Giraldi – ngiraldi@uol.com.br

DESENVOLVIMENTO SUMÁRIO DO “MÉTODO GIRALDI:-

O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, é desenvolvido em seis etapas:

Primeira Etapa:- “Curso Básico”, onde o aluno, entre outras coisas, aprende a atirar em todas as
distâncias, situações, posições e dificuldades. É comum a toda a tropa. Dois disparos seguidos e rápidos,
semi-visados ou intuitivos, num mesmo alvo, de cada vez. Com relação ao futebol, corresponderia ao
aprender a chutar a gol. Para cada arma um “Curso Básico” e um “Currículo” específico.
O alvo utilizado é o “PM–L–74”, de papelão, retangular, com uma zona central cinza e quatro zonas
periféricas brancas. As zonas de acerto não têm pontuação pré-definidas; serão estabelecidas e valorizadas de
acordo com os objetivos da instrução. Ver “Anexo 13”, deste manual.
Também é utilizada a “barricada de treinamento” (ver “Anexo 09”, deste manual) que tem
múltiplas finalidades para o treinamento do policial como:- Fazer “varreduras”; “verbalizar”; atuar
embarricado (protegido) em todas as posições e situações; atuar através de portas, janelas, seteiras e
esquinas; abertura (e entrada) de portas e janelas; “progressão e regressão” protegidas; etc.
O “Curso Básico” é desenvolvido em 4 partes:- “Tiro Policial Nível I”; “Tiro Policial Nível II”;
“Tiro Policial Nível III”; e “Tiro Policial Nível IV”.
Segunda Etapa:- “Pistas Policiais de Instrução” (PPI), simulações da realidade, com alvos
“amigos”, “neutros” e “agressores”, devidamente caracterizados como seres humanos, de preferência
móveis, onde o aluno, orientado pelo professor, aprende usar seu armamento e atuar (individualmente e
em equipe) em confrontos armados em defesa própria e da Sociedade, em todos os locais, circunstâncias e
dificuldades, com técnica, com tática e com psicologia, dentro dos limites das Leis, do respeito aos
Direitos Humanos e da dignidade das pessoas; tendo a preservação da vida como prioridade e o disparo
como última alternativa; e obedecendo todos os princípios já mencionados. O aluno aprende a “negociar”,
“verbalizar”; atuar protegido e com segurança. Têm como prioridade a preservação da vida do policial e
das pessoas inocentes; também daquelas contra as quais não há necessidade de disparos (agressores,
livrando, assim, o policial, de pesados processos e condenações) e, como última alternativa o disparo,
dentro da legalidade, calcado na necessidade, oportunidade, proporcionalidade e qualidade. É comum a
todos os policiais. Em caso de necessidade, dois disparos seguidos e rápidos, semi-visados ou intuitivos,
por “alvo agressor” atirável, de cada vez. Com relação ao futebol, corresponderia ao aprender a jogar,
dentro dos limites dos regulamentos, orientado pelo técnico.
18

O alvo padrão é o “PM–L–4”, de papelão, silhueta humana, na cor cinza, a partir do qual são
caracterizados todos os outros alvos (“amigos”, “neutros” e “agressores”). As zonas de acerto não têm
pontuações pré-definidas; serão estabelecidas e valorizadas de acordo com os objetivos da instrução (ver
“Anexo 14”, deste manual). Gasta um mínimo de munição, e até nenhuma (quando se executa apenas
procedimentos e sistema de instrução sob a forma de “teatro”) . Os alvos não atiráveis (maioria) duram
vários anos. Um mesmo alvo atirável é usado por todos os alunos em dezenas de cursos. Posteriormente,
quando da instrução sob a forma de “teatro”, os alvos de papelão serão substituídos por seres humanos
verdadeiros, com os próprios policiais atuando como “atores”.
As “Pistas Policiais de Instrução” (PPI) são desenvolvidas em 5 partes:- “PPI-Padrão”; “Outras
Pistas”; “Teatro”; “Análise de Casos Reais”; e “Aplicação em Pleno serviço”.
Terceira Etapa:- “Pistas Policiais Especiais” (PPE), simulações especiais da realidade, também
com alvos “amigos”, “neutros” e “agressores”, devidamente caracterizados como seres humanos. Obedece
os mesmos princípios das “Pistas Policiais de Instrução”. Destinadas a preparar policiais para execução de
serviços especiais, ou em locais especiais, como:- ações táticas; ações táticas especiais (exemplo:- GATE);
choque; operações especiais (exemplo:- desocupações de áreas e locais invadidos, etc.); policiamento
rodoviário; policiamento ambiental; escoltas; guarda de presídios; atuação em favelas, morros, palafitas,
estações (metrô, rodoviária, ferroviária); divertimentos públicos, em geral; segurança de autoridades
“VIP”; serviço velado; serviço reservado; cavalaria; atuação com motos e helicópteros; etc. O policial
somente as executará após ter sido considerado “apto” nas “Pistas Policiais de Instrução”.
Desenvolvimento idêntico ao das “Pistas Policiais de Instrução”.
Quarta Etapa:- “Pistas Policiais de Aplicação” (PPA), também simulações da realidade, com os
mesmos tipos de alvos da “PPI” e “PPE”, onde o aluno (individualmente e em equipe), sem conhecimento
prévio do que irá encontrar na pista, com o fator surpresa sempre presente, como ocorre na vida real e,
sem qualquer orientação do professor, aplica todos os conhecimentos anteriormente adquiridos. Receberá
pontos positivos ou negativos relacionados aos seus “procedimentos” e “acertos nos alvos”; apenas
pontos negativos relacionados às “penalidades” cometidas; e será desclassificado se cometer “penalidade
grave”; tudo previsto e lançado em súmula própria (ver “Capítulo 19”, desde manual), de acordo com os
objetivos da avaliação. Com relação ao futebol, corresponderia ao jogo propriamente dito. “Somente
passando o policial por “Pistas Policiais de Aplicação” (PPA) é que se saberá se ele tem condições de
atuar armado em defesa da Sociedade; não há outra forma” (Giraldi). A economia de alvos e munição é
maior ainda que na “PPI” e “PPE”.
Quinta Etapa:- “Manutenção do armamento, munição e equipamentos”. Nesta etapa, que não precisa
ser feita nesta ordem (pode ser antes), o policial aprende a fazer a manutenção, de primeiro escalão, e a conservação
do armamento, munição, equipamentos, e demais materiais, com a finalidade de poder usá-los, com segurança, em
caso de necessidade.
Sexta Etapa:- “Investimento e Valorização do Policial” ®, e na sua “Qualidade de Vida” ®,
em tudo aquilo que, fora da sua instrução prática de tiro, possa se relacionar ou influir na sua
atuação armada (ou não armada) em defesa própria e da Sociedade, como:- Os Direitos Humanos.
Os Direitos Humanos Aplicados à Função Policial, e à Função Policial Armada. O “Tiro Defensivo na
Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e seu respeito aos Direitos Humanos, às Leis e à dignidade das
pessoas. Sua “Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e
Proteger a Sociedade e a si próprio”. Sua aplicação ao Policiamento Comunitário. Os Direitos Humanos
do Policial. Qualidade de vida voltada para o policial. A importância de estar de bem e ter amor pela vida;
que fazer para consegui-lo. A importância de amar e ser amado. Como se ama. Como conseguir e manter
um bom relacionamento com amigos, pais, filhos e esposa. A esposa como fator preponderante na vida de
um homem. A importância transcendental de possuir uma família, bem constituída, unida e bem
administrada; como consegui-lo. Como educar um filho. Como preparar um filho para ter dignidade, não
ser violento, nem cair nas garras da dependência química. A “construção” da personalidade e da
inteligência; como influir, positivamente, e participar dessa “construção”. Os bens essenciais da vida;
como consegui-los e mantê-los. Alimentação, exercícios físicos e de relaxamento direcionados ao policial;
como praticá-los. Como manter o peso dentro dos padrões normais. Como relaxar e se reequilibrar,
rapidamente, durante um confronto armado ou em situações difíceis. Como “administrar” e controlar o
estresse. Como não entrar em depressão. O “Treinamento Autógeno”; como aprendê-lo e exercitá-lo. O
inconsciente e sua influência positiva ou negativa quando da atuação armada do policial em defesa própria
19

e da Sociedade; que fazer para que a “negativa” não atue. A influência dos reflexos condicionados
positivos, adquiridos em treinamentos imitativos da realidade, com eliminação dos negativos, para uma
perfeita atuação armada do policial em defesa própria e da Sociedade. Instinto e intuição; diferenças.
Reflexos condicionados adquiridos e herdados; como eliminar os negativos. Como ficar condicionado
para executar ações simples e complexas de forma correta. A importância da consciência no ser humano e,
portanto, no policial; como melhorá-la e aperfeiçoá-la. O pensamento como fonte e início de todos os
bens e de todos os males; como “dominá-lo”, “policiá-lo” e direcioná-lo para o “bem”. A influência dos
hormônios produzidos pelo corpo no humor, agressividade, mudança de comportamento do ser humano
(policial); como administrar e evitar as conseqüências negativas. A dignidade do policial não tem preço;
como mantê-la. O respeito à dignidade das pessoas. Autodisciplina; imprescindível em todas as atividades.
Como se relacionar com os integrantes da Sociedade. O sorriso, a educação, a humildade, e o
profissionalismo, como armas infalíveis para o policial conquistar a simpatia, o respeito e a colaboração
da Sociedade; para o agressor, a Lei. A lógica. Ética e moral. A importância de sentir-se útil; que fazer
para consegui-lo. Ideais, imprescindíveis na vida de uma pessoa; como imaginá-los, selecioná-los,
programá-los e conquistá-los. A auto-estima; como obtê-la e conservá-la. A autoconfiança; como obtê-la e
conservá-la. A paciência como uma das grandes virtudes do policial (e do ser humano). O autocontrole;
como obtê-lo. Ações filantrópicas; tão importante para quem dá como para quem recebe. A saúde física e
mental; que fazer e como colaborar para obtê-las e mantê-las. Exames médicos preventivos; quando
realizá-los. Como respirar corretamente. Como deve ser o ambiente para um repouso reparador,
principalmente após extenuantes trabalhos físicos e/ou mentais. O ato sexual; como praticá-lo; como fazer
para que “atenda” ambas as partes. Como evitar a gravidez indesejada e as doenças sexualmente
transmissíveis. A “Tensão Pré Menstrual” (TPM); que é, causas, conseqüências, tratamento. A influência
dos hormônios produzidos pelo corpo, no humor, mudanças de comportamento, agressividade, do ser
humano; como administrar e evitar as conseqüências negativas. Drogas, suas conseqüências; como evitar
as drogas ou deixar de usá-las; como se relacionar com dependentes químicos, principalmente da própria
família. Mensagem especial aos jovens. Relacionamento e esclarecimento, referente ao uso da arma de
fogo em defesa própria e da Sociedade, com a imprensa, autoridades, políticos e demais segmentos da
Sociedade. Como dar entrevistas à imprensa em assuntos relacionados às ocorrências com uso de armas de
fogo. Como esclarecer o público interno e externo sobre assuntos relacionados às armas de fogo e
munições da Corporação; sua instrução de tiro e sua atuação armada em defesa própria e da Sociedade.
Reféns. “Atirador de elite”. Porque o cidadão comum não deve portar arma de fogo. Como depor em Juízo
por fatos oriundos da utilização da arma de fogo em defesa própria e da Sociedade. Os cuidados com a
arma de fogo no lar. Porte e uso da arma de fogo nas horas de folga. Porque parte da Sociedade não tem
apreço pela Corporação; que fazer para reverter essa situação. Comércio de armas de fogo. Posse e porte
de armas de fogo por civis. “Violência:- Causas, Estímulos, Soluções, Medidas Preventivas”. Que falta ao
Estado e às Polícias Brasileiras para melhor servir e proteger a Sociedade. Segurança Pública. Etc.
A Sexta Etapa do “Método Giraldi”, relativa ao “Investimento e Valorização do Policial” ®,
e na sua “Qualidade de Vida” ®, será ministrada, sob forma de palestra ou curso, pelo próprio
autor do “Método”, ou por professores por ele preparados e indicados, tendo em vista a
abrangência e complexidade dos assuntos, e a necessidade de especialização e padronização para
isso.
Poderá ser ministrada em qualquer etapa ou momento do curso; preferencialmente ao seu
final. Poderá também ser ministrada fora do curso, isoladamente.

GIRALDI
20

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”, “MÉTODO GIRALDI”,


E SUA “DOUTRINA PARA A ATUAÇÃO ARMADA DA POLÍCIA
COM A FINALIDADE DE SERVIR E PROTEGER A SOCIEDADE” ®
(REGISTRADO)

O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, que a Polícia Militar do Estado de São Paulo e
especialistas internacionais batizaram de “Método Giraldi”, e assim foi registrado, não é uma simples
instrução de tiro;
É uma doutrina da atuação armada, da polícia, para servir e proteger a Sociedade, com
utilização de todas as armas de fogo, e complementares, nela existentes;
Onde cada arma de fogo tem seu próprio manual, o qual prevê sua utilização de acordo
com essa doutrina.
Instrução própria para polícia; totalmente desvinculada da instrução das Forças Armadas
que tem outras finalidades.
O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e sua “Doutrina”, para a
atuação armada da polícia, com a finalidade de “servir” e “proteger” a Sociedade, estabelece que tudo
aquilo que for possível solucionar sem disparos, sem bombas, sem “invasão” (entrada), sem necessidade
do uso da força, assim o será. Mas, se a “força” e/ou a arma de fogo, como últimas alternativas, tiverem
que ser usadas, não haverá nenhuma dúvida sobre seu emprego. A Justiça garante esse emprego. A arma,
por exemplo, não é enfeite; é ferramenta de trabalho. O instituto da “legítima defesa” é universal.
A atuação do policial tem que ser pautada pela inteligência, pela sabedoria, pela paciência e pelo
profissionalismo. Não admite amadorismo;
Ausência de “precipitação”; ela provoca tragédias terríveis;
Ausência de “valentia perigosa”. É loteria; e, tudo que é loteria, quando está em jogo a vida
humana, não deve ser tentado; poderá transformar o policial num herói ou... num defunto ou... num
presidiário!
Pedido de apoio, sempre que o policial julgar necessário, mesmo que não venha a ser usado.
Atuação da polícia sempre em equipe;
Parte do princípio de que “Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos” (Giraldi).
Extremo profissionalismo.
Nada justifica a morte de pessoas inocentes, assim como a morte de pessoas contra as quais não há
necessidade de disparos (agressores), ou a morte do policial.
21

“Negociação” ao extremo; uma vez iniciada, não tem tempo para terminar;
Por mais difíceis que sejam, não devem ser descartadas;
Enquanto houver chances de sucesso, por mínimas que sejam, devem continuar;
A negociação, por parte do policial, tem que ser calma, clara, simples, positiva,
pacienciosa, não ameaçadora, educada, de garantia da vida e da integridade física do agressor, etc. Tom
de voz suave, que transmita confiança, segurança e honestidade. Conquistar a confiança do agressor é
imprescindível. A vida e a integridade física da vítima precede tudo. É como se ela fosse um parente
íntimo do próprio policial.
“Verbalização”, sempre que possível e necessária. A primeira frase da verbalização é “----- Aqui é
a polícia!”; em seguida o policial esclarece, de forma clara, audível, firme, educada, o que deseja.
Dependendo da resposta, dará prosseguimento à sua atuação.
A verbalização, com pessoas inocentes, deverá conter, sempre, a frase “por favor”; com os
agressores, sempre que possível. O respeito à dignidade das pessoas deve estar sempre presente.
Uso da força só em casos extremos, dentro da legalidade, obedecendo os princípios da
necessidade, oportunidade, proporcionalidade e qualidade; jamais com excesso..
Violência, tortura:- Jamais.
Onde a arma do policial é sinônimo de vida, e não de morte.
Tem a vida como prioridade;
O disparo como última alternativa;
Não tendo como finalidade matar, mas tentar fazer cessar a ação de morte, do
agressor, contra a sua vítima.
Absoluto respeito às Leis.
Absoluto respeito aos Direitos Humanos. Respeito aos Direitos Humanos do policial.
Absoluto respeito à dignidade das pessoas.
A atuação armada correta, da polícia, para servir e proteger a Sociedade tem que ser precedida de
um treinamento perfeito e profissional a ser ministrado aos seus integrantes; sem ele, isso será impossível.
Não se pode esquecer que uma instituição policial é conseqüência do treinamento que é ministrado
aos seus integrantes. Sem um treinamento perfeito, é impossível ter uma boa polícia.
O policial, nas ruas, é o Estado materializado, prestando serviço à Sociedade; investir nele é
investir na Sociedade e no próprio Estado;
É através do policial que está na “ponta da linha” que a Sociedade julga a instituição policial à qual
ele pertence; e não pelo que tem ou executa na retaguarda;
Para o bem de qualquer instituição policial ela tem que investir no policial que está na “ponta da
linha”; tem que valorizar o policial que está na “ponta da linha”.
O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e sua “Doutrina”, parte do
princípio de que, na vida nada é mais importante que a própria vida, e, se a instrução de tiro, com a
finalidade de preparar o policial para servir e proteger a Sociedade, lida com a vida e com a morte ela é a
mais importante, de maior responsabilidade e conseqüências entre todas as instruções. Vale a pena investir
nela;
Que o professor de tiro exerce a função mais importante, de maior responsabilidade e
conseqüências entre todas as funções; dos seus ensinamentos corretos vidas futuras serão preservadas; dos
seus ensinamentos incorretos vidas futuras serão sacrificadas. Vale a pena investir nele;
Que as maiores crises de uma polícia; o maior desrespeito que se comete contra os Direitos
Humanos; a maior causa da perda da liberdade do policial; ocorrem quando as suas armas, destinadas a
servir e proteger a Sociedade, voltam-se contra ela. O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”,
“Método Giraldi”, e sua “Doutrina”, prepara o policial para evitar que isso ocorra.
22

O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, humaniza a instrução de tiro;


deixa o policial sensível à preservação da vida, a começar pela sua;
É desenvolvido nos “Centros de Treinamento para a Preservação da Vida”.
Os “Centros de Treinamento para a Preservação da Vida” não são locai sofisticados
como alguns possam imaginar; qualquer local, por mais simples que seja, inclusive um barranco para
contenção de projéteis, ou local onde se possa desenvolver um “teatro” (ao ar livre), para treinamento, já
se constituirá num “Centro”. Naturalmente que, quanto mais recursos tiverem, melhor.
Os principais fundamentos do “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e
sua “Doutrina”, para a atuação armada do policial, com a finalidade de servir e proteger a Sociedade, e
a si próprio, são:-
“Reflexos condicionados positivos, a serem adquiridos pelo policial em treinamentos
imitativos da realidade, com eliminação dos negativos, antes de se ver envolvido pelo fato verdadeiro”;
Quando o policial é surpreendido por um confronto armado, onde a morte está sempre
presente, suas emoções e reações são muito intensas; geralmente atuam mais rápido que o raciocínio; por
isso, a necessidade do condicionamento positivo, anterior.
Parte do princípio de que o policial é conseqüência de suas experiências. Sem uma
experiência anterior, mesmo que obtida em treinamentos imitativos da realidade, o policial irá se perder
diante de um fato novo grave, principalmente se a morte estiver presente, como sempre está, durante os
confrontos armados;
Quando dos treinamentos, trabalho incessante do professor em cima do erro do policial;
O erro não pode ficar na cabeça do policial;
Só o acerto.
Nos treinamentos, enquanto o policial não ficar condicionado a executar o
procedimento, da vez, de forma correta, e sem dificuldades, não passará para o procedimento seguinte;
Assim, “Não basta o policial saber o que tem que fazer; tem que estar
condicionado a fazer” (Giraldi).
Leva em consideração que:-
“Quanto mais bem preparado o policial estiver para usar sua arma, menos necessidade
sentirá em fazê-lo; mal preparado verá nela a solução para todos os problemas” (Giraldi);
“Não basta saber atirar; é preciso saber quando atirar e saber executar procedimentos,
isto porque, na quase totalidade das vezes, procedimentos, e não tiros, é que preservam vidas e
solucionam problemas” (Giraldi).
Os procedimentos constituem mais de 95% do aprendizado; menos de 5% são tiros;
Há uma extraordinária economia de alvos e de munição;
Boa parte da instrução não gasta alvos nem munição; é executada sem disparos.
Tem como finalidade preparar o policial para usar a sua arma com técnica, com tática, com
psicologia, e dentro dos limites das Leis, para servir e proteger a Sociedade;
Devolver o policial íntegro ao seio de sua família, e com sua consciência tranqüila, após
sua jornada de trabalho em defesa da Sociedade, e não para o necrotério, para uma cadeira de rodas, ou
para a prisão (em virtude do uso incorreto de sua arma). Sua família o espera.
Treinamento prático, o mais próximo, possível, da realidade, com uso de alvos de papelão,
caracterizados como seres humanos (diferenciados), nas mais diferentes posições e situações, como na
vida real;
Posteriormente, esses alvos são substituídos por seres humanos verdadeiros e, com
simulacros de armas de fogo, a instrução é ministrada sob forma de “teatro”, tendo os próprios policiais
como “atores”;
. Todas as ocorrências policiais, com necessidade do uso de armas de fogo, com ou sem
disparos, possíveis de serem encontradas pelos policiais, quando em serviço, serão representadas.
Nos treinamentos o policial é colocado frente a frente com todas as possíveis situações,
dificuldades e problemas que possa vir a encontrar na vida real, e ensinado a solucioná-los em todas as
suas possíveis variações.
23

Nos treinamentos o policial usa o mesmo armamento, a mesma munição, os mesmos equipamentos
com os quais irá trabalhar;
É a melhor forma de saber se são eficientes.
Nos treinamentos é utilizado o mínimo de teoria, e o máximo de prática. Parte do princípio de
que:-
“O que eu ouço, eu esqueço;
O que eu vejo, eu lembro;
O que eu faço, eu aprendo”.
O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, é como futebol, natação,
ciclismo, etc., só se aprende praticando; não há livro, apostila, aulas teóricas, treinamento virtual, ordens
(inclusive, por escrito), etc., que o ensine.
É realista; não tem demagogia; não deixa margem para qualquer tipo de acusação;
Deve ser constantemente exibido para todos os segmentos da Sociedade.
Parte do princípio de que, durante um confronto armado, onde a morte está sempre presente, tudo é
medo, desespero, movimento, gritos;
O agressor, com a iniciativa, atuando totalmente fora da Lei. Sua arma é sinônimo de
morte. A vida de terceiros, para ele, não vale nada. O disparo é sua primeira alternativa;
O policial em reação, tendo que atuar totalmente dentro da Lei. Sua arma é sinônimo de
vida. A vida, para ele, é prioridade. O disparo a última alternativa.
O policial não dispara contra o agressor porque quer; é o agressor que, com sua atitude de morte,
contra a sua vítima, o obriga a isso; é dever do policial preservar a vida da vítima; a Lei assim o
determina. E seu disparo não tem como finalidade matar o agressor, mas tentar fazer cessar sua ação de
morte contra a sua vítima. A morte do agressor poderá até ocorrer, mas esse não é o objetivo do policial;
Durante um confronto armado não há como o policial escolher pontos de acerto no
agressor; não há tempo, nem condições, para isso;
Os disparos, quando necessários e oportunos, são efetuados com empunhadura dupla, de
dois em dois, rápidos, semi visados ou intuitivos, na direção da silhueta (massa) dos agressores.
Assim, o policial só dispara dentro da legalidade, obedecendo os princípios da
necessidade, oportunidade, proporcionalidade e qualidade. Um disparo desse jamais levará seu autor a
ser condenado por ele nos tribunais.
OBS.:- Convém lembrar que, as polícias necessitam de armas de fogo que estejam à
altura das suas necessidades para servir e proteger a Sociedade; isso tem sido um grande problema para
elas. No Brasil, por exemplo, até o momento, nenhuma das suas polícias as possui.
O revólver calibre 38, por exemplo, é uma arma superada para polícias. O agressor
pode levar vários impactos do projétil 38, no peito, inclusive no coração, que não os sentirá, nem cessará,
de imediato, sua ação de morte contra a sua vítima, pois esse calibre não tem “poder de parada”.
O calibre de arma de fogo, próprio para polícia, desenvolvido especialmente para
polícia, é o “.40 S&W”; e, o melhor projétil é o “EXPO” (expansivo ponta oca). Tem “poder de parada”, e
não, necessariamente, mata.
A melhor arma de porte, desenvolvida especialmente para polícias (civis e
fardadas), é a pistola marca “Glock”, modelo 22 ou 23; ambos de calibre “.40 S&W”. Moderna. De
origem austríaca. Tem preço, para polícias, igual ou menor que a média de outras pistolas.
Gastam, no máximo, metade da munição necessária às outras pistolas para preparar
e manter o policial em condições de servir e proteger a Sociedade. Extraordinariamente simples e eficaz.
(Base para essas afirmações:- Pesquisa internacional).
Abaixo, alguns fundamentos, além de outros, que devem ficar condicionadas no policial,
durante os treinamentos, para serem aplicadas quando do uso de sua arma para “servir” e
“proteger” a Sociedade:-
Atuar com “inteligência”, “sabedoria”, “paciência” e “profissionalismo”;
Que sua arma é sinônimo de vida, para ser usada como última alternativa; não tendo como
finalidade matar, mas para tentar fazer cessar a ação de morte, do agressor, contra a vida de sua vítima;
Absoluta segurança no manejo de sua arma de fogo, com a finalidade de evitar acidentes e
tragédias;
24

Dedo sempre fora do gatilho, estendido, junto à armação da arma; o dedo só vai para o
gatilho no momento do disparo, uma vez efetuado, volta para a sua posição normal estendido, junto à
armação da arma;
“Da mesma forma que carro não guia, mas é guiado; arma não dispara, mas é
disparada, e, para ser disparada, o dedo tem que estar no gatilho” (Giraldi). Assim, o policial evitará
tragédias terríveis só pelo fato de manter o dedo fora do gatilho;
A justificativa de que “a arma disparou” não é verdadeira; foi “disparada”;
Os treinamentos deverão deixar o policial condicionado a manter o dedo sempre fora do
gatilho, até que o disparo se torne imprescindível;
Cano da arma voltado, sempre, para direção segura;
Não manejar arma dentro de viatura;
Se estiver dentro de viatura e for surpreendido por um confronto armado, e tiver que
desembarcar, a forma mais segura para fazê-lo é com a arma no coldre; “mão forte” sobre ela; abrindo a
porta com a “mão fraca”, seguido do saque; tudo, com a maior rapidez possível;
Nunca apontar a arma para pessoas inocentes;
Respeitar à dignidade das pessoas;
Respeitar os Direitos Humanos;
Atuar sempre protegido mas não perder o contato visual com a área de perigo e os agressores.
Não se precipitar. A precipitação poderá ser fatal para o policial.
Não praticar a “valentia perigosa”; é “loteria”, e, tudo que é “loteria”, quando está em jogo
a vida humana, não deve ser tentado.
Não ultrapassar seus limites. O policial, como qualquer ser humano, tem limites; não deve
ultrapassá-lo; poderá ser fatal.
Não ter, como ponto de honra, a prisão do agressor a qualquer custo, inclusive, colocando
a vida de pessoas inocentes em risco. Sem dúvida, será preso, posteriormente.
Não perder o contato visual com a área de perigo;
Localizada a pessoa, sabidamente agressora, suspeita, ou em atitude suspeita, concentrar o
olhar nas suas mãos; é nas mãos que está o perigo, e não na cara;
“Não se analisa as pessoas pela cara, mas pelas suas intenções” (Giraldi);
Atuar, sempre, em equipe;
Pedir apoio, sempre que julgar necessário; mesmo que não venha a ser usado;
Não efetuar disparo de advertência;
Em caso de dúvida, não disparar;
Só disparar contra agressor que estiver atentando contra a vida de alguém, incluindo a do
policial, mesmo assim, observar os princípios da necessidade, oportunidade, proporcionalidade e
qualidade. Um disparo dentro desses princípios, jamais levará seu autor a ser por ele condenado nos
Tribunais.
Não disparar quando na linha de tiro houver pessoas inocentes;
Não disparar em agressor que está no meio do povo; solicitar apoio; efetuar o cerco;
Não disparar se houver possibilidades, por mínimas que sejam, do projétil, como “bala
perdida”, atingir pessoas inocentes;
Não disparar contra “pessoas suspeitas”, ou em “atitude suspeita”, inclusive que estejam
dentro de viaturas paradas. Protegido e com “cobertura”, verbalizar:- “----- Aqui é a polícia! Quem são
vocês? Mostrem as mãos!”. Se a viatura “arrancar”, não disparar contra ela; pessoas inocentes poderão
estar no seu interior, inclusive no porta-malas. Pedir apoio; fazer o acompanhamento; efetuar o cerco;
fazer a abordagem;
Não disparar em “pessoas suspeitas” ou em “atitude suspeita” que estejam em viatura,
incluindo motos, que tenha rompido um bloqueio. Podem ser pessoas inocentes, ou existir pessoas
inocentes no interior da viatura, ou sobre a moto. Pedir apoio; fazer o acompanhamento; efetuar o cerco;
fazer a abordagem;
Ao fazer “acompanhamento” de veículo em cujo interior possam existir “agressores”,
“pessoas suspeitas” ou em “atitude suspeita”, não disparar contra ele; pessoas inocentes poderão também
ali estar presentes, inclusive no porta-malas; além disso, projéteis, disparados pelo policial, poderão ser
transformados em “balas perdidas” e atingir pessoas que estejam nas imediações, ou fora dela. Pedir
apoio; continuar o acompanhamento; efetuar o cerco; fazer a abordagem;
Para ocorrências que atraiam curiosos, parentes das vítimas, imprensa, etc:-
25

O coordenador da operação deverá nomear um policial para prestar, constantes, e


possíveis, esclarecimentos aos parentes das vítimas, à imprensa, etc;
Mantê-los, educadamente, fora da área de perigo, em segurança.
No “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, o professor tem que ser
modelo e exemplo para os alunos...
“As pessoas tendem a agir da mesma forma como são tratadas”
“Imbecis geram imbecis”
“Pessoas respeitosas geram pessoas respeitosas” (Giraldi)
O relacionamento humano entre professor e aluno tem que estar sempre presente;
O professor tratando o aluno com respeito, com dignidade e apreço, sem dúvida, gerará um
policial que irá aplicar os mesmos princípios quando em contato com os integrantes da Sociedade;
Não admite qualquer tipo de castigo para com os alunos, inclusive, “flexões de braços”,
que, comprovadamente, provocam traumas profundos nas pessoas de bem;
Não admite professores vagabundos e irresponsáveis.
O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi” exige do aluno:-
Que queira aprender a preservar a sua vida; a vida de pessoas inocentes; também daquelas
contra as quais não há necessidade disparos;
Que queira aprender a preservar a sua liberdade;
O aluno que assim não quiser deve ser dispensado; não perder tempo com ele.
Está comprovado que, quem aprende o “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, Método
Giraldi”, e sua “Doutrina”, não erra na vida real. São centenas de comprovações;
Reduz em 100% a morte de pessoas inocentes, provocada por policiais em serviço;
também daquelas contra as quais não há necessidade de disparos (agressores), e, em mais de 95% a morte
de policiais em serviço; os outros quase 5% são as fatalidades, quase impossíveis de serem evitadas.
Reduz em 100% a perda da liberdade do policial, em virtude do uso incorreto de sua arma de fogo.
A única forma de aprender, e entender, o “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método
Giraldi”, e sua “Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de
Servir e Proteger a Sociedade, e a si Próprio ”, é fazendo o curso.

GIRALDI
26

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”, “MÉTODO GIRALDI”,


E SUA “DOUTRINA PARA A ATUAÇÃO ARMADA DO POLICIAL COM A
FINALIDADE DE SERVIR E PROTEGER A SOCIEDADE, E A SI PRÓPRIO” ®
(REGISTRADO)

AUTOR:- NILSON GIRALDI

(Divulgação livre, sem alterações, e citando a fonte)

Prezado (a) Companheiro (a) Policial ®:-


Nos últimos anos, milhares de Policiais Brasileiros foram assassinados, pelos agressores, quando
defendiam a Sociedade; outros milhares foram terminar seus dias numa cadeira de rodas ou amparados por
um par de muletas, também vítimas desses agressores; e, outros tantos foram, ou estão sendo processados,
condenados e afastados do convívio de suas Famílias e da Sociedade em virtude do uso incorreto de suas
armas de fogo, provocando vítimas inocentes e a revolta da Sociedade.
O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, que especialistas internacionais e a Polícia Militar do
Estado de São Paulo batizaram de “Método Giraldi”, e assim foi registrado, e sua “Doutrina para a
Atuação Armada do Policial com a Finalidade de Servir e Proteger a Sociedade, e a si Próprio”, visam,
entre outras coisas, evitar que você seja o próximo. São gratuitos!
Leve-os a sério. Sua família o espera!

Giraldi

Prezado (a) Companheiro (a) Policial ®:- (Registrado. Divulgação livre, sem alterações,
e citando a fonte).
O Policial Brasileiro trabalha dentro do quadro de maior violência urbana do mundo.
Policiais de países de primeiro mundo, após tomar contato com nossa realidade, afirmam que não
teriam condições de trabalhar aqui, e que não sabem como o Policial Brasileiro o consegue.
E tudo se torna mais difícil ainda quando faltam leis que dêem sustentação ao seu trabalho;
materiais e tecnologia de ponta; efetivo; motivação... (Maiores informações, a respeito do assunto, leia a
matéria “VIOLÊNCIA:- CAUSAS, ESTÍMULOS, SOLUÇÕES”, do Cel PMESP Nilson Giraldi,
publicada a partir da página 041, da revista “A FORÇA POLICIAL”, “Órgão de Informação e
Doutrina da Instituição Policial Militar”, nº 34, de abril/maio/junho de 2002).
Para lidar com essa violência sua Instituição Policial, incluindo você, é mais uma peça, entre
dezenas de outras, e não a única com essa responsabilidade. Além disso, ela, e você, não atuam nas causas
da violência, mas nas conseqüências. Cumpra a sua parte; estimule os outros a cumprirem a parte deles.
Esclareça a Sociedade sobre esse fato.
27

Você, como todos os seres humanos, e todos os policiais do mundo, tem limitações; para
evitar tragédias, não as ultrapasse.
Você não ingressou na polícia para morrer, para terminar seus dias numa cadeira de rodas ou
amparado por um par de muletas, ou para perder a sua liberdade. Você, como eu, entrou na polícia como
forma de vida! Um ideal!
Sua profissão é de altíssimo risco, mas, você não tem obrigação de morrer, ou colocar em
risco a vida de pessoas inocentes, para cumpri-la.
Lembre-se:- Na vida nada é mais importante que a própria vida, a começar pela sua e das pessoas
inocentes; também daquelas contra as quais não há necessidade de disparos (agressores).
Nada justifica a sua morte; a morte de pessoas inocentes; assim como a morte de pessoas
contra as quais não há necessidade de disparos (agressores).
A perda da sua liberdade, em virtude do uso incorreto da sua arma, será uma tragédia irreparável.
Sua vida e sua liberdade não têm preço. E sua família o espera!
Para aprender a preservar a sua vida, a vida de pessoas inocentes, também daquelas contra as quais
não há necessidade de disparos (agressores), e a sua liberdade, faça o curso do “Tiro Defensivo na
Preservação da Vida”, “Método Giraldi”. É gratuito! Procure seu superior, para isso.
Leve ainda em consideração que, as maiores crises de uma polícia; o maior desrespeito que se
comete contra os Direitos Humanos; as maiores causas da perda da liberdade do policial; ocorrem quando
as suas armas, destinadas a servir e proteger a Sociedade, voltam-se contra essa Sociedade. Evite que
isso ocorra fazendo o curso do “Tiro Defensivo na Preservação a Vida”, “Método Giraldi”. É
gratuito! Procure seu superior, para isso.
Não basta você saber o que tem que fazer; tem que estar condicionado a fazer; e, só o “Tiro
Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, ensina-o e condiciona-o a fazer. É gratuito!
Procure seu superior, para isso.
Sua atuação armada deve ser pautada pela sua inteligência, pela sua sabedoria, pela sua paciência
e pelo seu profissionalismo..
Sua atuação armada tem que ser executada com extremo profissionalismo; não admite
amadorismo.
Tudo aquilo que for possível solucionar sem disparos, sem bombas, sem “invasão” (entrada), sem
necessidade do uso da força, com “negociação”, assim o será. Mas, se a “força” e/ou a arma de fogo,
como últimas alternativas, tiverem que ser usadas, não haverá nenhuma dúvida sobre o seu emprego. A
Justiça garante esse emprego. A arma, por exemplo, não é enfeite, é ferramenta de trabalho. O instituto da
“legítima defesa” é universal”.
Negocie, negocie sempre que possível; negocie até os limites possíveis. Negocie ao extremo. Por
mínimas que sejam as chances de sucesso numa negociação, negocie.
Numa negociação, a vida e a integridade física da vítima precede tudo; veja-a como sendo um
parente íntimo, querido, seu, e não como sendo uma pessoa qualquer.
Sua forma de atuar, em qualquer negociação, tem que ser educada, calma, clara, simples, positiva,
pacienciosa, não ameaçadora, de respeito às Leis, de garantia da vida e da integridade física do agressor.
Procure conquistar a confiança do agressor. Procure passar calma. Não se exalte. Não grite. Não eleve o
tom de voz além do necessário.
Conquistar a confiança do agressor, numa negociação, é imprescindível para uma solução
favorável à polícia, à vítima, e até para o agressor, que terá a sua vida e a sua integridade física
preservadas. A partir do momento em que se estabelece um grau de confiança entre as partes, tudo se
torna mais fácil para todos. Etc.
“Verbalize” sempre que necessário. A primeira frase da verbalização é:- “---- Aqui é a polícia!”.
Em seguida, diga, com voz firme, clara, audível, educada, o que deseja. A frase “por favor” deverá ser
empregada constantemente.
Dentro de um confronto armado, onde a morte está sempre presente, ao verbalizar com
“agressores”, “pessoas suspeitas” ou em “atitude suspeita”, mantenha o olhar e o cano da arma voltados
para a direção do perigo, com a finalidade de inibir uma possível reação criminosa (não se descuide; não
facilite uma ação criminosa por parte deles); dedo fora do gatilho, pronto para uma possível reação. Não
olhar apenas a cara dessas pessoas, mas também, e, principalmente, as mãos; é nas mãos que está o perigo.
Não julgar as pessoas pela cara, pela cor, etc., mas pelas suas intenções.
Confirmada a inocência da pessoa, inicialmente “suspeita” ou em “atitude suspeita”, conduza a
arma para “posição sul” e peça-lhe desculpas:- “----- Desculpe a minha atitude; mas, foi a sua atitude
suspeita que me fez tomá-la; por favor, saia do local que está perigoso; proteja-se. Obrigado”. Etc.
28

Á posição correta das mãos do agressor que está se entregando é sobre a “cabeça”, e não na
“nuca”. A verbalização do policial, para isso, é:- “----- Aqui é a polícia; coloque as mãos na cabeça!”; etc.
Cuidado! O fato de uma pessoa, que você não conhece, estar com uma arma de fogo nas mãos, não
significa que seja “agressora”; pode ser um civil comum; um policial civil; um policial militar em trajes
civis; e até um agressor sem intenções de disparar contra alguém. Não se justifica o disparo contra ela.
O disparo, contra o agressor, só deve ocorrer se ele estiver atentando contra a vida de alguém,
inclusive a sua, dentro da oportunidade, necessidade e proporcionalidade.
Sua arma é sinônimo de vida, e não de morte. Não a confunda com as armas das Forças Armadas,
que têm outras finalidades.
O uso da arma de fogo não é solução; é a última alternativa, para evitar mal maior. Para preservar
vidas, a começar pela sua e das pessoas inocentes; também daquelas contra as quais não há necessidade de
disparos (agressores).
Na quase totalidade das vezes procedimentos, e não tiros, é que preservam vidas, a começar pela
sua, e solucionam, problemas. Tiros, quase sempre, provocam problemas. Treine procedimentos, em suas
horas de folga, em qualquer lugar; se necessário, usando o dedo indicador estendido, como se arma fosse.
Quanto mais bem preparado o policial estiver para suar sua arma, menos necessidade sentirá em
fazê-lo; mal preparado verá nela a solução para todos os problemas (Giraldi). O curso do “Tiro
Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, que é ministrado gratuitamente, deixa-o
preparado para usá-la corretamente. Se ainda não o fez, faça-o! Procure seu superior, para isso.
Quando em serviço use, sempre, colete balístico.
Num confronto armado, não se exponha; atue sempre protegido; não perca o contato visual com a
área de perigo; não perca o contato visual com os agressores.
Cuidado. Acredite, sempre, que o pior pode acontecer. Os milhares de companheiros nossos,
mortos em serviço; ou que foram terminar seus dias numa cadeira de rodas ou amparados por um par de
muletas; ou que foram processados, condenados, afastados do convívio de suas Famílias e da Sociedade,
em virtude do uso incorreto de suas armas de fogo, também pensavam que nunca fosse acontecer com
eles.
Cuidado! Grande parte dos integrantes da Sociedade estimula o policial a matar “bandidos”;
afirmam que “bandido bom é bandido morto”; etc. Posteriormente se negarão a falar isso em Juízo, em
sua defesa, e, jamais lhe farão uma visita, ou levarão um “cafezinho” para você, no presídio. Os presídios
contém enorme quantidade de policiais que deram ouvidos a esse estúpido estímulo; constituem aquilo
que chamamos de “legião dos arrependidos”, pois, afirmam que, se pudessem voltar atrás, jamais
repetiriam o ato que os levou a perder a liberdade. Não seja mais um deles; sua família o aguarda; sua
família precisa de você; não perca sua liberdade. Só dispare em agressor dentro da legalidade,
obedecendo os princípios da necessidade, oportunidade, proporcionalidade e qualidade. Um disparo
desse jamais o levará a ser por ele condenado nos Tribunais. Para ficar condicionado a aplicar esses
princípios, faça o curso de “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”; é gratuito; fale
com seu superior para isso.
Cuidado:- A posse de arma de fogo costuma deixar as pessoas muito valentes, com a “emoção”
sobrepujando a “razão”.
Não se precipite; a precipitação provoca tragédias, inclusive a sua morte.
Não pratique a “valentia perigosa”, ela é uma “loteria”; poderá transformá-lo num herói ou... num
defunto ou... num presidiário.
Trabalhe sempre em equipe. Lembre-se:- “Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos. Nem
Jesus Cristo trabalhou sozinho” (Giraldi).
Para você aprender a trabalhar em equipe, faça o curso do “Tiro Defensivo na Preservação da
Vida”, “Método Giraldi”; é gratuito; procure seu superior, para isso.
Durante um confronto armado não dá tempo de escolher pontos de acerto no agressor. Tudo é
movimento, rapidez, desespero, medo, pânico, a morte sempre presente. As condições físicas e psíquicas
do policial ficam totalmente alteradas. O estresse domina seu corpo. O agressor atuando totalmente fora
da Lei; a vida para ele não vale nada. Você tem que atuar dentro da Lei, e a vida, para você, é prioridade.
Só o curso do “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, que é ministrado
gratuitamente, o deixará condicionado para atuar, corretamente, nessas ocasiões; não há outra forma.
Procure seu superior, para isso.
Cuidado:- Os calibres “38”; “32”; “22”; “380”; “9mm”; “7,65”; “6,35”; etc. não têm “poder de
parada”. O agressor poderá levar vários impactos, no peito, inclusive no coração, com projéteis desses
calibres, e não os sentirá, nem fará cessar sua ação de morte, contra a sua vítima, imediatamente; isso
29

ainda demorará algum tempo, o suficiente para concluir essa ação, para depois tombar mortalmente ferido
(muitas vezes, ainda disparando contra a sua vítima), e você ainda poderá ser processado por “excesso
culposo”, isto porque, como o agressor, mesmo atingido, não cessa sua ação de morte contra a sua vítima,
você julga não tê-lo atingido, e efetua mais disparos para fazê-lo cessar essa ação. Não confie nesses
calibres para fazer cessar, imediatamente, a ação de morte do agressor contra a sua vítima. Você também
poderá receber impactos de projéteis desses calibres que não os sentirá.
O calibre ideal para polícias, e desenvolvido especialmente para polícias, é o “.40 S&W”; munição
“EXPO”. Tem “poder de parada”, e não, necessariamente, mata.
Muitas vezes, num momento de grande estresse, inclusive na iminência, ou durante confrontos
armados, bastam duas ou três inspirações profundas, segurando o ar, por um momento, nos pulmões, e
expirando, suavemente, em seguida, para você se reequilibrar.
Se você for surpreendido por um confronto armado proteja-se imediatamente; não sendo possível
jogue-se ao solo; diminua sua silhueta; não se exponha; responda a agressão se ainda estiver dentro da
oportunidade e da necessidade. Chame apoio. Jamais perca o contato visual com a área de perigo;
mantenha o cano da arma voltada para a direção do perigo; dedo fora do gatilho.
Solicite apoio sempre que julgar necessário, principalmente se for surpreendido por um confronto
armado, ou se estiver para entrar num confronto armado, mesmo que esse apoio não venha a ser usado.
Só dispare contra agressor para preservar a vida de alguém, inclusive a sua.
Só dispare contra agressor que esteja atentando contra a vida de alguém, inclusive a sua. Conforme
já foi dito, o fato de uma pessoa, que você não conhece, estar com uma arma de fogo nas mãos, não
significa que seja “agressora”; pode ser um civil comum; um policial civil; um policial militar em trajes
civis; e até um agressor sem intenções de disparar contra alguém. Não se justifica o disparo contra ela.
O disparo, contra o agressor, só deve ocorrer se ele estiver atentando contra a vida de alguém,
inclusive a sua, dentro da oportunidade, necessidade e proporcionalidade.
Se o agressor, pela sua atitude, obrigá-lo a disparar contra ele, faça-o rapidamente; dois disparos
rápidos, semi visados ou intuitivos, na direção de sua silhueta (massa). Se por vários motivos, dois
disparos não forem suficientes para neutralizar a ação de morte do agressor contra a sua vítima, efetue
mais dois, nas mesmas condições. Sempre com empunhadura dupla. Não tente disparar fazendo “visada”;
o tempo que você irá levar para consegui-la poderá custar a sua vida, ou a vida de pessoas inocentes que
você tem que defender.
Após os disparos, permaneça com a arma na “posição de tiro”; cano e olhar na direção do perigo;
efetue “varredura” na horizontal e na vertical; agressores poderão surgir, repentinamente.
Lembre-se, os agressores atuam sempre fora da Lei; têm a iniciativa; a vida de terceiros, para eles,
não vale nada. Você tem que atuar sempre dentro da Lei, e, sua prioridade é a preservação da vida, a
começar pela sua e das pessoas inocentes; também do agressor quando não estiver atentando contra a vida
de alguém.
Seu disparo será justo quando for executado dentro da “legalidade”, obedecendo os princípios da
“necessidade”, “oportunidade”, “proporcionalidade” e “qualidade”. Um disparo dentro dessas
circunstâncias jamais levará você a ser por ele condenado.
Seu disparo, dentro dessas circunstâncias, tem como finalidade tentar fazer cessar a ação de morte,
do agressor, contra a sua vítima; jamais com a intenção de matá-lo, embora isso, involuntariamente, possa
ocorrer. Conforme já foi dito, num confronto armado não há como escolher pontos de acerto no agressor;
dispara-se na direção de sua silhueta (massa).
Num confronto armado nunca perca o contato visual com a área de perigo. Cano da arma e olhar
sempre nessa direção; para onde vai o olhar vai o cano da arma, e vice versa. O cano da arma, nessas
condições, funciona como um “terceiro olho”. Dedo fora do gatilho.
Dependendo do local onde você se encontra de serviço, imagine, sempre, que, de repente, possa ali
ser surpreendido por um confronto armado, e como deveria ser sua reação e procedimentos.
Num confronto armado seus “maiores amigos” são:- Postes, troncos de árvores, cantos de muros e
de paredes, guias de sarjeta, saliências do terreno, e outros obstáculos naturais ou artificiais que lhe
possam servir de abrigo.
O uso de viatura, como abrigo, não é recomendável; somente a use para isso em último caso, ou se
for blindada; mesmo assim, você poderá ser atingido por projéteis que venham por baixo.
“Abrigo” é todo obstáculo que nos protege dos disparos do agressor. “Coberta” é todo obstáculo
que só nos esconde; não nos protege dos disparos do agressor.
30

Se sua viatura for atacada, “arranque”, ou desça, rapidamente, proteja-se e responda à ameaça, se
ainda for o caso. Permanecendo dentro de viatura parada você estará mais exposto que em “terreno
aberto”.
Na iminência, ou durante um confronto armado, se tiver que descer de viatura, a forma mais segura
de fazê-lo é com a arma ainda no coldre, “mão forte” sobre ela, pronto para sacá-la ao descer. Use a “mão
fraca” para abrir a porta. Jamais empunhe a arma dentro de viatura, com o dedo no gatilho, ou
direcionando o cano para os companheiros da guarnição, ou para si.
Nunca manuseie arma dentro de viatura.
Não entre desprotegido em edifícios e locais suspeitos; chame apoio.
Não transponha muros (ou obstáculos) no mesmo ponto em que o agressor o fez; escolha outros
pontos.
Não transponha muros (ou obstáculos) sem antes fazer “varredura” completa sobre os mesmos.
Não dobre esquinas (ou contorne obstáculos) sem fazer, a “olhada rápida”, e/ou “tomada de
ângulo” (“fatiamento”) primeiro.
No caso de algum suspeito, ou agressor, estar confinado, não adentre o local; identifique-se como
policial; negocie, mande o suspeito, ou agressor, sair, desarmado e com as mãos na cabeça. Chame apoio,
mesmo que não venha a ser usado.
Saiba que você tem limitações; precisa chamar apoio, sempre que necessário. Tendo dúvidas se
deve ou não chamar apoio, chame-o, mesmo que não venha a ser usado.
Não fique constrangido se, apesar dos seus esforços, o “agressor da sociedade” escapar de sua
ação. Não tenha como “ponto de honra” a sua prisão a qualquer custo; nem sempre isso é possível; não se
arrisque mais do que o necessário. Sem dúvida, ele será pego, posteriormente.
Lembre-se, os agressores nunca atuam sozinhos, sempre em quadrilhas.
Não dispare quando na mesma linha de tiro houver pessoas inocentes.
Não dispare se houver possibilidades, por mínimas que sejam, do projétil, como “bala perdida”,
atingir pessoas inocentes.
Não dispare em agressor que esteja no meio do povo; proteja-se; chame apoio; faça o cerco.
Não dispare contra “pessoas suspeitas” ou em “atitude suspeita”, inclusive que estejam dentro de
viaturas paradas. Protegido e com “cobertura”, Verbalize:- “------ Aqui é a polícia! Quem são vocês?
Mostrem as mãos!”. Se a viatura “arrancar”, não disparar contra ela; pessoas inocentes poderão estar no
seu interior, inclusive no porta-malas. Peça apoio; faça o acompanhamento; efetue o cerco; faça a
abordagem.
Não dispare em “pessoas suspeitas” ou em “atitude suspeita” que estejam em viatura, incluindo
motos, que tenha rompido um bloqueio. Podem ser pessoas inocentes, ou existir pessoas inocentes no
interior da viatura, ou sobre a moto. Peça apoio; faça o acompanhamento; efetue o cerco; faça a
abordagem.
Ao fazer “acompanhamento” de veículo em cujo interior possam existir “agressores”, “pessoas
suspeitas” ou em “atitude suspeita”, não disparar contra ele; pessoas inocentes poderão também ali estar
presentes, inclusive no porta-malas; além disso, projéteis, disparados por você, poderão ser transformados
em “balas perdidas” e atingir pessoas que estejam nas imediações, ou fora dela. Pedir apoio; continuar o
acompanhamento; efetuar o cerco; fazer a abordagem;
“Abordagem” de agressor; de pessoas suspeitas ou em atitude suspeita, dentro de um
confronto armado, onde a morte está sempre presente:-
Empunhadura dupla; cano da arma na direção do perigo; dedo fora do gatilho; concentrar o olhar
nas mãos do abordado; é ali que pode estar o perigo. Dar início à verbalização com a frase:- “----- Aqui é a
polícia!”. Depois completar com o que deseja. Não confundir este tipo de abordagem, que é feita dentro de
um confronto armado, onde a morte está presente, com outros tipos de abordagem. (veja outros tipos de
abordagem mais à frente)
Se, após a abordagem de pessoa suspeita ou em atitude suspeita, ficar provado que a mesma
é inocente, conduza a arma para “posição sul” e peça-lhe desculpas:- “----- Desculpe a minha atitude, mas,
foi a sua atitude suspeita que me obrigou a tomá-la. Por favor, saia do local que está perigoso; proteja-se.
Obrigado”. Etc.
Não efetue disparo de advertência.
Em caso de dúvida não dispare.
31

Repetimos:- Nada justifica a sua morte; a morte de pessoas inocentes, assim como a morte de
pessoas contra as quais não há necessidade de disparos (agressores).
Suas três posições de arma, após o saque, e sempre com o dedo fora do gatilho, e
empunhadura dupla, são:-
“Posição sul”:- Palma da “mão fraca” aberta, colada na parte inferior do tórax, logo acima
do umbigo (ou do cinto); polegar voltado para cima, na direção do “ombro forte”. Arma empunhada com
a “mão forte”, apoiada nas costas da “mão fraca”, polegar voltado para cima, na direção do “ombro fraco”.
Cano da arma voltado para baixo, perpendicular ao solo. Cotovelos ligeiramente projetados para frente.
Polegares, nas posições retro descritas, apoiados, firmemente, um no outro. É uma posição inibidora,
ostensiva, sem ofender, mas, mostrando que o policial está atento, pronto para uma reação rápida.
Também é ótima para se conversar com pessoas inocentes; para deslocamentos no meio do povo; para
deslocar-se à retaguarda de outros companheiros, sem oferecer-lhes perigo; para tratar com o agressor
quando já estiver dominado, etc. Se você for conversar com pessoas inocentes, sensíveis (crianças,
senhoras, etc.), empunhe a arma com a “mão forte” e cubra-a com a “mão fraca”. É a “posição sul
modificada”.
“Posição de alerta”:- Braços e antebraços dobrados, formando um ângulo de mais ou
menos 90 graus. Braços colados nas laterais do corpo (ou ligeiramente à frente do corpo); antebraços
paralelos ao solo. Antebraços e mãos, empunhando a arma, na direção do perigo (paralelos ao solo).
Ótima para “olhadas rápidas”; deslocamentos rápidos, mantendo a arma próxima ao corpo, protegida,
mas, sem tirar o cano da direção do perigo; etc. Se o policial, repentinamente, tiver que efetuar o disparo,
sem tempo de adotar a “posição de tiro”, efetuará o mesmo na posição em que se encontra (disparo
intuitivo). Pode ser feita com empunhadura dupla ou simples. Cuidado, não se aponta a arma para pessoas
inocentes.
“Posição de tiro”:- O aparelho de pontaria da arma fica à altura dos olhos, não importa a
posição dos braços, do corpo ou o direcionamento do cano da arma. Cano da arma, e olhar, na direção do
perigo; dedo fora do gatilho. O perigo já existe ou é iminente; a morte está presente ou à espreita; pode
surgir a qualquer momento. Você está pronto para disparar. Essa posição é usada, também, para efetuar
“varreduras” verticais e/ou horizontais, sob a forma de “tomada de ângulo” (“fatiamento”). Normalmente,
a “posição de tiro” é feita com “empunhadura dupla”; excepcionalmente com “empunhadura simples”.
Cuidado, não se aponta a arma para pessoas inocentes.
Se, após o saque, você mantiver o dedo fora do gatilho, e o cano da arma voltado para direção
segura, jamais provocará um acidente de tiro ou tragédias.
Após o saque, a posição normal do dedo acionante é fora do gatilho, estendido, junto à armação da
arma; o dedo só vai para o gatilho quando você tiver certeza do disparo; efetuado o disparo volta para sua
posição normal que é fora do gatilho.
“Da mesma forma que carro não guia, mas é guiado, arma não dispara mas é disparada; e,
para ser disparada o dedo tem que estar no gatilho; evite tragédias mantendo o dedo fora do gatilho”
(Giraldi). A frase, muito usada, de que “----- A arma disparou”, não é a expressão da verdade; na
realidade ela “foi disparada”.
Nunca aponte a arma para pessoas inocentes.
Uso da força só em casos extremos, e dentro da “legalidade”, obedecendo os princípios da
“necessidade”, “oportunidade”, “proporcionalidade” e “qualidade”; jamais com excessos.
Jamais use de violência.
Jamais pratique tortura.
Respeite as “massas de manobra”; os excluídos; os marginalizados. Agradeça a Deus por não ser
um deles. Para os infratores, a Lei!
Obediência irrestrita às Leis.
Respeito aos Direitos Humanos, incluindo os do policial.
Respeito à dignidade das pessoas.
Trate as pessoas da mesma forma com que gostaria de ser tratado.
O “poder de polícia” não lhe dá o direito de ser prepotente.
Sua missão é “servir” e “proteger” a Sociedade; você é pago para isso.
32

Suas armas infalíveis para conquistar a “simpatia”, o “respeito” e a “colaboração” da


Sociedade são a “educação”, o “sorriso”, a “humildade” e o “profissionalismo”. Para o agressor, a
Lei!
Seja extremamente educado e cortês para com os integrantes da Sociedade. Cumprimente-os.
Sorria para eles. Jamais use de prepotência e arrogância. Você recebe para “servir” e “proteger” a
Sociedade. Você também é parte integrante da Sociedade.
Se você (sua equipe; guarnição; etc.) for surpreendido por ocorrência com “refém tomado”, ou
“refém seqüestrado”, ou o chamado “seqüestro relâmpago”, ou qualquer situação em que o agressor está
usando a vítima como escudo; ou a vítima está sob ameaça direta do agressor, correndo risco de morte,
servindo como seu “salvo conduto”, inclusive, dentro de viatura (mesmo não estando servindo de escudo
para o agressor), etc. seus procedimentos básicos são:-
Atue, com seus companheiros, em equipe. O de maior posto ou graduação coordena a ação
e divide responsabilidades. Isso já deve ter sido previsto quando dos treinamentos da guarnição, para
casos semelhantes. Lembre-se:- “Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos” (Giraldi). Tem
que ser trabalho de equipe.
Com sua equipe, tente “conter” e “isolar” a ocorrência.
A vida e a integridade física da vítima precede tudo. Todos os esforços devem ser feitos
nesse sentido. A vítima não deve ser vista como uma pessoa qualquer, mas como se fosse um parente
querido seu (filha, filho, etc.). Depois a prisão do agressor.
Protegido, se possível à vista do agressor; sem perder o contato visual com a ocorrência,
arma em “posição sul”; identificar-se para as partes envolvidas, declarando, inclusive, seu “nome de
guerra”, e procurando saber o que está ocorrendo. Exemplo:- “----- Aqui é a polícia! Sou o policial fulano.
Que está acontecendo aí?”
Obs.:- Dependendo da resposta, por palavras ou atitudes, você dará prosseguimento aos
seus procedimentos.
Peça ou mande pedir apoio, imediatamente.
Solicite ao agressor que forneça o nome dele, ou por qual nome ou apelido quer ser
chamado; se fornecer, passe a chamá-lo por esse nome. Caso se recuse, insista. Todas as pessoas têm um
nome ou apelido pelo qual gostam de ser chamadas.
Mantenha a calma. Respire fundo, várias vezes.
Procure acalmar, e transmitir calma às partes envolvidas, com palavras tranqüilizadoras,
mesmo que o agressor continue com as ameaças.
A inteligência, a sabedoria, a paciência e o profissionalismo são quatro das suas grandes
virtudes, e, “armas infalíveis”, para obter sucesso nesse tipo de ocorrência.
Não perca o contato visual com a ocorrência e com o agressor.
Mantenha distância segura em relação ao agressor.
Evite aproximar-se ou pressionar o agressor; ele poderá se desesperar com essa sua atitude
e acionar o gatilho.
Não aponte a arma para o agressor (na realidade estaria apontando a arma para a vítima
que, normalmente, já tem a arma do agressor apontada para a sua cabeça).
Atue sempre protegido, se possível à vista do agressor (o mínimo possível; só a fração do
rosto usada para acompanhar a ocorrência). Arma na “posição sul”.
Se, por circunstâncias especiais, você tiver que ficar exposto deverá estar
extraordinariamente atento, e com “cobertura” de companheiros.
Não se precipite. Sua precipitação poderá provocar uma tragédia.
Não pratique a “valentia perigosa”; é “loteria”, e, tudo que é “loteria”, quando está em jogo
a vida humana, não deve ser tentado.
Disparo, na cabeça do agressor, conforme alguns leigos preconizam, também é “loteria”.
Não deve ser tentado. Teria que atingir o bulbo raquiano para ser eficaz, e, isso é quase impossível.
Mesmo assim poderia provocar “espasmo”, que é uma contração involuntária de nervo ou músculo, com o
agressor acionando ainda o gatilho da arma, mesmo mortalmente ferido, provocando a morte da vítima ou
de outras pessoas. As práticas do passado demonstraram que, normalmente, quando é tentada a
imobilização imediata, do agressor, através do disparo, quem sofre as conseqüências é a vítima. São
dezenas de casos de triste lembrança. (Maiores informações, a respeito do assunto, leia a matéria
“SEQÜESTRO COM REFÉM – ATIRADOR DE ELITE:- O MITO E A REALIDADE”, do Cel PMESP
33

Nilson Giraldi, publicada a partir da página 047, da revista “A FORÇA POLICIAL”, “Órgão de
Informação e Doutrina da Instituição Policial Militar”, nº 29, de fevereiro/março/abril de 2001).
O uso da força, nessas ocasiões, não é certeza de um final feliz; o uso da inteligência, da
sabedoria, da paciência e do profissionalismo, sim. Vítima ilesa; agressor preso; polícia aplaudida.
Por mais difícil que pareça, tente negociar.
Na negociação, use tom de voz calmo, firme, claro, audível, educado, esclarecendo bem o
que você deseja que o agressor faça.
Não use palavras ofensivas para com o agressor.
Procure ganhar a confiança do agressor. Uma vez obtida tudo se tornará mais fácil.
Enquanto o agressor fala, fique quieto, ouça-o, não o interrompa; quanto mais ele falar,
melhor; vai se acalmando. Estimule-o a falar. Seja um bom ouvinte.
Procure manter as partes calmas. Não se exalte. Não grite. Não faça ameaças.
Não tome nenhuma atitude que possa aumentar o perigo a que a vítima já está sendo
submetida.
O agressor, nesses instantes, transforma-se num grande “ator”, dando a impressão que tem
a situação nas mãos, quando, na realidade, quem a tem é você.
A ameaça do agressor contra a vida e a integridade física de sua vítima faz parte do seu
“teatro”; nem poderia ser diferente, só que, a vítima é seu “salvo conduto”, e ele sabe disso; eliminá-la não
lhe traria nenhuma vantagem, ao contrário..., e ele também sabe disso.
Procure passar calma às partes. Normalmente, nesses casos, o agressor está muito nervoso,
com o dedo no gatilho, apontando a arma para a cabeça de sua vítima; todo o cuidado será pouco. Às
vezes, o nervosismo dele é tanto que, mesmo involuntariamente, acaba por acionar o gatilho. E, se houver
pressão, por parte do policial, tudo será ainda pior.
O tempo é seu grande amigo para solucionar esse tipo de ocorrência. O agressor tem que
comer, beber, fazer necessidades fisiológicas, dormir... Devagar vai percebendo que não adianta dar
prosseguimento à sua atitude criminosa.
Não tenha pressa para solucionar ocorrência desse tipo. Às vezes leva horas; até dias, para
um final favorável à vítima e à polícia; também para o agressor que, apesar de preso, tem a vida e a
integridade física preservadas.
Procure levar o agressor à exaustão, sem que ele perceba isso.
Não pressione o agressor. Não o “encurrale” pois, num gesto de desespero, poderá acionar
o gatilho. Ele está nervoso; desequilibrado. Dê-lhe chance de voltar à calma; de reequilibrar-se.
Diga-lhe, constantemente, que você está ali para ajudar. Repita esta frase, com calma,
centenas de vezes, se necessário.
Garanta-lhe, constantemente, que, se ele se entregar, a vida e a integridade física dele serão
preservadas. Insista, constantemente, neste ponto. Repita-o à exaustão.
Garanta-lhe que, caso se entregue, não será maltratado.
Não se refira à vítima como “refém”, mas como “moça”, “moço”, “criança”, etc.
(Exemplo:- “----- Para seu próprio bem, solte a moça”).
Tente convencer o agressor, para o próprio bem dele, a liberar o “moço”, ou a “moça”, ou a
“criança”, ou quem estiver servindo de escudo, ou de “salvo conduto” (conforme já foi dito, não use o
termo refém).
Esclareça o agressor, sem ameaçá-lo, e com educação, da gravidade das conseqüências que
poderão advir caso insista nos seus intentos, e as atenuantes que terá, se desistir delas.
Esclareça o agressor, sem ameaçá-lo, e com educação, que está cercado; que não tem
chances de fugir; que, para seu próprio bem, é melhor entregar-se.
Todos os pedidos do agressor devem ter como resposta sua:- “----- Vou falar com meus
superiores”. Por mais absurdos que sejam, transmita aos seus superiores os pedidos do agressor.
Jamais troque de lugar com a vítima, ou permita que outro o faça.
Em princípio, as únicas coisas que você deve prometer ao agressor é a preservação da sua
vida e da sua integridade física.
Se o agressor, mantendo a vítima como escudo, ou próximo a si, como “salvo conduto”,
disparar contra você, não dispare contra ele, permaneça protegido, ou proteja-se. Na primeira
oportunidade, após os disparos, reinicie a negociação. Não desista.
Outros procedimentos que se mostrarem necessários, desde que não aumentem os riscos a
que a vítima já está sendo submetida.
34

Ao chegar o apoio, fornecer-lhe todos os detalhes da ocorrência e colocar-se à sua


disposição. Etc. Se sua negociação estiver obtendo êxito, sem dúvida, você a continuará, sendo
assessorado pelo “apoio”.
Parentes da vítima, imprensa, etc., poderão chegar. O coordenador da operação deverá
nomear um policial para prestar-lhes, constantes, e possíveis, esclarecimentos. Mantê-los, educadamente,
fora da área de perigo e em segurança.

A seguir, algumas situações especiais que poderão ocorrer nesse tipo de ocorrência:-
O agressor poderá entregar-se:- Procedimentos policiais normais, sem qualquer agressão ou
violência contra o mesmo;
O agressor solta a vítima e sai correndo pelo meio do povo:- O policial não dispara; é
tentado o cerco. O policial, ao passar pelo meio das pessoas, manterá sua arma na “posição sul”;
O agressor poderá arrastar a vítima para outro local:- O policial, sempre abrigado, sem
perder o contato visual com a ocorrência, acompanha e orienta o apoio para o cerco;
A vítima escapa e o agressor dispara contra o policial:- O policial tenta paralisar sua ação
efetuando dois disparos rápidos na direção de sua silhueta (massa), desde que não existam pessoas
inocentes na mesma “linha de tiro”; se houver, não dispara; entra ou se mantém em proteção. Não se
dispara em agressor que esteja no meio do povo; ou na mesma linha de tiro de pessoas inocentes; ou
que o projétil, como “bala perdida”, possa atingir outras pessoas; aguarda-se melhor oportunidade;
chama-se apoio; faz-se o cerco;
Caso o agressor dispare contra o policial, mas continue mantendo a vítima como escudo, ou
próximo a si, como “salvo conduto”, o policial não deverá disparar contra o agressor; procurará manter-se
abrigado, aguardando apoio e melhor oportunidade para negociações.
Para atuar nesses tipos de ocorrências, com perfeição, faça o curso do “Tiro Defensivo na
Preservação da Vida”, “Método Giraldi”; é gratuito. Procure seu superior, para isso.
“ABORDAGENS”
A abordagem do policial, para com qualquer pessoa da Sociedade, pode ocorrer em uma infinidade
de situações tão grande que é impossível estabelecer procedimentos “engessados” (iguais) para cada uma
delas.
Em princípio, ninguém gosta de ser abordado.
Por mais simples que seja uma abordagem, sempre representará algum perigo para o policial; até
quando o policial efetua abordagens para prestar auxílio, pois, neste caso, o abordado poderá ser um
procurado pela Justiça, um fugitivo, alguém que cometeu um crime, etc., e poderá reagir, de forma
violenta, contra o policial que só pensava em auxiliá-lo.
Abordagens, dentro de um confronto armado, com “agressores”, “pessoas suspeitas” ou “em
atitude suspeita”, onde a morte está sempre presente, já foram retro estabelecidas (policial, se possível,
protegido; com “cobertura” do companheiro; empunhadura dupla; cano da arma e olhar na direção do
perigo, com especial atenção nas mãos do abordado; dedo fora do gatilho; e a frase “------ Aqui é a
polícia!”, completada pelo que o policial deseja do abordado. Etc.).
Vamos ver, agora, alguns parâmetros, gerais, para abordagens fora de confrontos armados,
isto é, em situações normais, relacionadas com pessoas a pé ou embarcadas:-
Um policial (ou a quantidade necessária) faz a abordagem; o outro (ou a quantidade
necessária) faz a “cobertura”.
Não se faz abordagem sem “cobertura”, por mais “inocente” que possa parecer.
Quem faz a abordagem permanece com a arma no coldre.
Quem faz a “cobertura” permanece em pé, numa posição estratégica, bem visível e
ostensiva para com o abordado, olhando o abordado, sem ter o companheiro, ou pessoas inocentes, numa
possível e futura linha de tiro sua. O local e as circunstâncias é que irão determinar a melhor posição,
distância, etc.
Nunca se aponta a arma para pessoas inocentes.
Quem faz a “cobertura”, dependendo do potencial de perigo, do momento, permanecerá em
pé:-
Com a arma no coldre, braços soltos, ou mãos entrelaçadas, nas costas, como na
posição de “descansar”, da ordem unida, atento, olhando o abordado;
Com a arma no coldre, “mão forte” sobre ela, atento, olhando o abordado;
35

Arma na “posição sul”, atento, olhando o abordado;


Nunca apontando a arma para o abordado;
Tomando todo o cuidado para não ser atropelado, ou atacado, inclusive pelas costas.
O policial que faz a abordagem:-
Fará o primeiro contato com o abordado mantendo a fisionomia alegre, um pequeno
sorriso, cumprimentando-o, educadamente, declinando seu nome e esclarecendo o porque da abordagem;
mais ou menos nos seguintes termos:- “------ Bom dia (boa tarde, boa noite); sou o policial fulano;
estamos aqui para...” (dizer a finalidade da sua abordagem). Em seguida, dá cumprimento à sua missão,
sempre, com a maior educação possível para com o abordado.
Qualquer solicitação ao abordado deverá ser precedida da frase “----- Por favor”
Ao final da abordagem o policial, educadamente, deverá agradecer a colaboração do
abordado, solicitar desculpas pelo possível transtorno causado a ele; explicar-lhe que foi para o próprio
bem dele. Entregará, ao abordado, um cartão de sua instituição policial, com telefones e orientações úteis
(isso é imprescindível; por mais simples que seja o cartão, provocará, sempre, uma ótima impressão);
tudo, mais ou menos, nos seguintes termos:- “------ Muito obrigado pela sua colaboração; desculpe pelo
transtorno; foi para o seu próprio bem; estamos trabalhando para a sua segurança. Por favor, leve este
cartão; se precisar, chame-nos; a polícia existe para “servi-lo” e “protegê-lo”. Etc. Face ao bom
tratamento recebido, possivelmente, o abordado deixará o local como mais um amigo do policial e da sua
polícia. “As pessoas tendem a agir da mesma forma com que são tratadas” (Giraldi).
Se o policial que faz a abordagem perceber qualquer coisa errada ou grave, no abordado,
fará um sinal imperceptível, previamente estabelecido, para o companheiro que está na “cobertura”. A
reação do companheiro, que está na “cobertura”, em relação a sua posição de arma e atitude, será
proporcional ao grau de gravidade a ele comunicado pelo companheiro (ou por ele percebido), como, por
exemplo:-
Se estiver com os braços soltos, ou mãos entrelaçadas, nas costas (por não existir,
até então, qualquer perigo na abordagem), coloca a “mão forte” sobre a arma. Continua em posição
ostensiva, atento, olhando o abordado.
Se já estiver com a “mão forte” sobre a arma (porque já há um certo perigo na
abordagem), saca-a, tomando a “posição sul”, dedo fora do gatilho. Continua em posição ostensiva,
atento, olhando o abordado.
Passado o momento, sem outras conseqüências, recoloca a arma no coldre; volta à
posição normal.
Se, ao contrário, houver confronto armado provocado pelo “abordado” que, de
repente, se transforma num “agressor” (ou “agressores”), os policiais entram em proteção e reagem de
acordo com o previamente estabelecido por eles, para essas situações. Sempre com o cuidado para não
atingir pessoas inocentes, e aplicando o estabelecido pelo “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”,
“Método Giraldi”. Se você ainda não fez o curso, faça-o; é gratuito; fale com seu superior para isso.
Outros procedimentos específicos e particulares para cada situação.
Finalmente, está comprovado que, quem aprende o “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”,
“Método Giraldi”, e sua “Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de
Servir e Proteger a Sociedade, e a si próprio”, não erra na vida real. Reduz em mais de 95% a morte de
policiais em serviço; os outros quase 5% são as fatalidades, quase impossíveis de serem evitadas, e, reduz
em 100% a morte de pessoas inocentes, provocada por policiais em serviço; também daquelas contra as
quais não há necessidade de disparos (agressores). Reduz em 100% a perda da liberdade do policial, em
virtude do uso incorreto de sua arma de fogo.
A única forma de aprender o “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e sua
“Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e Proteger a
Sociedade, e a si Próprio”, é fazendo o curso. É gratuito. Procure seu superior, para isso.

NILSON GIRALDI
36

CAPÍTULO 02

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

EXIGÊNCIAS AOS PROFESSORES DO “MÉTODO GIRALDI” 


1 . Ser “professor” do “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e sua “Doutrina
para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e Proteger a Sociedade, e a si
Próprio”, através de curso oficial e regulamentado. Estar a par de todo o seu conteúdo, desenvolvimento e
aplicação; também do previsto no “M-19-PM” e neste manual, principalmente o contido no seu “Capítulo
01” (retro).
2. Conhecer, gostar, saber transmitir e fazer com que o aluno aprenda e goste do que ensina.
Mostrar-lhe que sua arma de fogo é sinônimo de vida e não de morte. Que a preservação da vida é sua
prioridade; o disparo a última alternativa, não tendo como finalidade matar mas para tentar fazer cessar a
ação de morte, do agressor, contra a sua vítima.
3. Saber medir as conseqüências presentes e futuras daquilo que ensina. “Na vida nada é mais
importante que a própria vida; e, se a instrução de tiro lida com a vida e com a morte ela acaba sendo a
instrução mais importante, de maior responsabilidade e conseqüências entre todas as instruções; é preciso
investir nela e levá-la a sério” (Giraldi).
04. Saber direcionar o ensino às necessidades do aluno, sem visar interesses particulares. Prepará-lo
para usar sua arma de fogo para servir e proteger a Sociedade. Explicar-lhe que o uso de sua arma de fogo
é sempre a última alternativa, e em reação à atitude de morte do agressor contra a sua vítima.
05. Acreditar, e saber convencer o aluno a acreditar também, naquilo que ensina. Ser responsável.
06. Fazer o aluno aprender e gostar da matéria é a parte mais importante da instrução de tiro. Entre outras
coisas, para conseguir isso, o professor deverá:
a. Convencer o aluno que entre todas as matérias a de tiro é a mais importante, de maior
responsabilidade e conseqüências. Do seu ensinamento correto vidas futuras serão preservadas; do seu
ensinamento incorreto, vidas inocentes serão sacrificadas. Portanto, ela mexe com a vida e com a morte., e,
“na vida nada é mais importante que a própria vida a começar pela do Policial” (Giraldi).
b. Ser paciencioso, humilde, educado, calmo, comedido, alegre, respeitar o aluno, etc., durante a
instrução, sem perder a dignidade da nobre missão que desempenha. Dar-lhe, sempre, um “toque” firme e
amigo nos ombros ao mesmo tempo em que o incentiva e elogia. Respeitar sua dignidade. Jamais
desmerecer o aluno. Jamais humilhar o aluno. Jamais castigar o aluno. Ser modelo e exemplo para o
aluno; lembrar-se que “pessoas respeitosas geram pessoas respeitosas; imbecis geram imbecis”
(Giraldi). Castigos, como “flexões de braços”, etc., devem ser banidos.
c. Lembrar que cada aluno é um “aluno”, com seus problemas, particularidades, capacidades
diferentes, personalidades diferentes, individualidades diferentes, etc.. Não generalizá-los. Procurar
entender as dificuldades de cada um. “Ensino e relacionamento humano completam-se; jamais
deverão estar separados” (Giraldi).
d. “Descer” até o nível do aluno ensinando o que ele precisa e tem condições de aprender naquele
instante, e não o que o professor sabe. O professor é um especialista em tiro, mexendo com tiro
constantemente; o aluno só de vez em quando; às vezes passa anos sem esse contato. O professor
entendendo isso ficará tudo mais fácil. Trabalhar em cima do erro do aluno; não desistir enquanto o aluno
não aprender.
e. Simplificar, ao máximo, a instrução. “A simplicidade é a rainha da perfeição” (Giraldi). Deixá-la
leve, livre, solta, mas com responsabilidade. Não ser chato. Jamais praticar imbecilidades ou desmerecer o
37

aluno como ser humano; respeitar sua dignidade. Lembrar-se que “as pessoas tendem a agir da mesma forma
como são tratadas; seja sempre um ótimo exemplo que seu aluno também o será”. (Giraldi)
f. Usar sempre palavras positivas e de apoio ao aluno. Ter sempre uma mão amiga. Dar sempre
“parabéns” pelos seus bons procedimentos. Quando o “aluno” tiver dificuldades, usar sempre palavras de
incentivo, como: - “Você vai conseguir; é questão de tempo e de esforço”. Jamais usar palavras negativas; elas
poderão influenciar, negativamente, o aluno, pelo resto de sua vida. O “toque” suave, firme e amigo nos
ombros do aluno, nos momentos de estresse, para acalmá-lo, é fundamental.
g. Falar pouco e com clareza (apenas o suficiente); e muita ação. Tiro é como futebol natação,
ciclismo, etc., não se aprende ouvindo, mas executando. Usar o mínimo de teoria e o máximo de prática.“O
que eu ouço, eu esqueço; o que eu vejo, eu lembro; o que eu faço, eu aprendo”. Não basta o aluno saber o que
tem que fazer; tem que estar condicionado a fazer e, para isso, tem que fazer.
h. Ser responsável. Ter dignidade. Sorrir para os alunos, nos momentos certos. Encaixar piadas,
nos momentos certos. Estimular e permitir brincadeiras sadias, nos momentos certos. Ensinar e estimular
o “cumprimento das crianças”, nos momentos de grande estresse, ou de acertos. Deixar e estimular o
aluno a exprimir suas opiniões e sugestões.
i. Os alunos com mais capacidade e experiência deverão ser chamados para auxiliar o professor.
j. Para ministrar a aula o professor deverá estar com o uniforme, equipamentos, armamento e
munição do serviço externo de sua Unidade; com colete balístico, protetor auricular, ocular e plaqueta de
identificação. O coldre deverá cobrir o gatilho de sua arma.
k. Durante as explicações, os alunos ficam de costas para o sol (ou em posição mais confortável);
o professor de frente para o sol (ou em posição menos confortável).
l. O professor deverá ser modelo e exemplo para seus alunos. Não esquecer que “as pessoas
tendem a agir da mesma forma com que são tratadas” (Giraldi). Não ser prepotente, carrancudo.
Fazer tudo para que o aluno tenha respeito para com o professor, e não medo. Etc.
m. Etc.
07. Observar, sempre, a segurança total. Os alvos deverão estar o mais próximo possível do
barranco de absorção dos projéteis, sem possibilidades de ricochetes. O normal é que os projéteis,
após passarem pelos alvos, atinjam, no máximo, a metade inferior desse barranco, jamais atingindo o solo
antes de ser por ele absorvidos. O ricochete no solo poderá jogar o projétil para fora do estande. Verificar
se não há objetos ou materiais no barranco de absorção dos projéteis que possam provocar ricochetes.
Disparos só em alvos oficiais. Alertar, delimitar e isolar a área de instrução com bandeirolas
vermelhas. Dedo fora do gatilho quando não for para atirar; cano da arma voltado sempre para
direção segura.
08. Os alunos apresentam-se, para a instrução prática, com as armas descarregadas, em segurança.
Se revólver, ou pistola, no coldre; pistola travada. Se metralhadora ou arma longa, devidamente presa ao
equipamento, bandoleira, travada, “posição sul”.
Obs.:- Antes de iniciar qualquer aula prática, e no transcorrer da mesma, professor
deverá dar, constantemente, as seguintes ordens aos alunos:-
a. “---- Até segunda ordem, permaneçam com suas armas sempre descarregadas, em
segurança. Se revólver ou pistola, no coldre; pistola travada. Se metralhadora ou arma longa, devidamente
presa aos equipamentos, bandoleira, travada, “posição sul”. Só peguem ou empunhem suas armas
mediante ordem. Só carreguem suas armas mediante ordem”;
b. “---- Quando com a arma na mão, mesmo descarregada, mantenham o dedo fora do
gatilho; o dedo só vai para o gatilho quando vocês tiverem certeza da necessidade do disparo. A posição
normal do dedo acionante é estendido, junto à armação da arma. Mantenham o cano da arma, mesmo que
descarregada, voltado sempre para direção segura. Estes princípios deverão ser aplicados, também,
quando vocês estiverem de serviço”;
c. “---- Nos intervalos da instrução (descanso, água, cafezinho, sanitário, almoço, etc.)
mantenham suas armas sempre descarregadas, em segurança. Se revólver ou pistola, no coldre; pistola
travada. Se metralhadora ou arma longa, devidamente presa aos equipamentos, bandoleira, travadas,
“posição sul”, ou no local determinado pelo professor”;
d. “----- Não deixem nem abandonem suas armas sobre banquetas, mesas, ou onde quer que
seja”;
e. “----- Fica estabelecido que o local para manuseio de arma é ... (estabelecer o local);
nesse local não se manuseia munição”;
38

f. O professor deverá estabelecer local seguro para manuseio de arma; nesse local não se
manuseará munição.
09. Possíveis aulas teóricas, que exijam uso de armas ou munição (mesmo de manejo), somente deverão
ser ministradas no “Centro de Treinamento para a Preservação da Vida”. Não se mexe em armas e munição
(mesmo de manejo) em salas de aula.
10. Jamais permitir gozações; elas desmoralizam o aluno e criam traumas. Brincadeiras sadias
deverão ser toleradas e até incentivadas, desde que nos momentos corretos.
11. Lembrar-se que:- O professor poderá enganar seus superiores, mas jamais conseguirá enganar seus
subordinados. Por isso, deverá caprichar na sua instrução; não “enrolar” ou “fazer” que ensina; se assim
proceder, ficará desmoralizado perante os alunos.
12. O professor deverá lembrar-se de que:- Na iminência ou durante um confronto armado (onde a
morte está sempre presente) as condições físicas e psíquicas do policial ficam totalmente alteradas,
advindo, daí, todas as espécies de conseqüências, chegando até o “pavor” e o “pânico”; é para esse
momento que toda a instrução de tiro tem que estar direcionada. Tudo o mais é supérfluo.
13. Como as bases do “Método Giraldi” são os “reflexos condicionados positivos, a serem
adquiridos pelo policial em treinamentos imitativos da realidade, com eliminação dos negativos”, isso
deverá ser buscado desde o início da instrução. O professor trabalhará, intensamente, em cima do erro do
aluno; enquanto ele não estiver condicionado a executar o exercício corretamente e sem dificuldades, não
avançará na instrução. Exigir do aluno que tenha vontade de aprender; se o aluno não tiver vontade de
aprender ,mandá-lo embora; não perder tempo com esse tipo de aluno.
Ob s ervação:- Normalmente, as pessoas não conseguem pensar mais de uma coisa ao
mesmo tempo, mas, estando condicionada, agirá por reflexos condicionados, como alguém que pisa no freio
do carro sem ficar pensando em fazê-lo; digita o teclado de um computador da mesma forma; etc. Esse é o
motivo pelo qual, quando dos ensinamentos do “Método”, o aluno tem que adquirir reflexos condicionados
positivos, com eliminação dos negativos, antes de se ver envolvido pelo fato verdadeiro; caso os negativos não
sejam eliminados, eles poderão fazer o policial cometer erros gravíssimos durante um possível confronto
armado. Esse é o motivo pelo qual o “Método” trabalha, incessantemente, em cima do erro do aluno; ele não
avançará na instrução enquanto não eliminar esse erro.
14. Usar linguagem simples, de fácil entendimento. Evitar os “estrangeirismos”.
15. Não confundir “cansaço” com “estresse”. Por isso, não mandar o aluno correr antes de iniciar os
disparos; só ficará cansado. O estresse deverá ser provocado pelo próprio estilo e responsabilidade da
instrução; o aluno deverá aprender a “administrá-lo”.
16. Na instrução o aluno deverá usar o mesmo uniforme, equipamentos, armamento, munição, etc.,
com os quais trabalha (ou irá trabalhar) em defesa da Sociedade. Obrigatório o uso de colete balístico,
protetor auricular, ocular e plaqueta de identificação. O coldre deverá cobrir o gatilho da arma.
17. Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também professores e auxiliares,
alunos que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico, protetor ocular e
auricular; sem isso, ela não será desenvolvida.
18. Insistir, sempre, para que o aluno atue nas pistas sempre protegido; que não seja precipitado; que
não pratique a “valentia perigosa” a qual poderá transformá-lo num herói...ou num defunto; que mantenha
o dedo fora do gatilho, estendido junto à armação da arma quando não for atirar (o dedo só vai para o
gatilho no momento do disparo); que mantenha o cano da arma na direção do perigo; que tem limitações e
não pode resolver tudo, precisando chamar apoio; que nos momentos de estresse, respire, profundamente,
umas três vezes, segurando o ar nos pulmões, por um instante, antes de expeli-lo, a fim de se reequilibrar;
etc.
19. Ao se ver envolvido num confronto armado o policial terá que colocar em prática, com a maior
rapidez possível, coisas simples, de fácil lembrança e execução, para as quais deverá ter sido condicionado
no “Curso Básico”, nas “Pistas Policiais de Instrução”, “Pistas Policiais Especiais” e “Pistas Policiais de
Aplicação”. Por isso, não perder tempo com teorias; concentrar-se na parte prática, objetivando, sempre,
esse instante.
20. Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual,
rigorosa, em todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida,
com o semblante alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração,
capacidade para aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará
comentários gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o
que precisa ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes,
aprendemos mais quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais
39

rápido do que outros e que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até
aprender; etc. Estimulará os alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas
perguntas. Antes de liberá-los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte;
em seguida um aperto de mão, um toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até
breve!” ou “---- Até a próxima oportunidade!”
21. Etc., etc., etc.
22. A SEGURANÇA PRECEDE TUDO.

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.

Obs.:- Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20”, do
Capítulo “02”, deste manual.

GIRALDI
40

CAPÍTULO 03
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

SÚMULA DE ANÁLISE PESSOAL ®


NOME ______________________________________ POSTO/GRAD_____________ RE __________
INSTITUIÇÃO POLICIAL ______________________________ UNIDADE _____________________
DATA OU PERÍODO _______________________________ LOCAL ___________________________
CURSO OU ESTÁGIO PARA ___________________________ ARMA E Nº _____________________
(Instrutor, multiplicador, usuário, etc.)
“Súmula de Análise Pessoal” para atuações do aluno que ficarem acima ou abaixo da normalidade.
O professor deverá usar as iniciais “sup” (superior) para atuações do aluno que ficarem “acima da
normalidade”; “inf” (inferior) para atuações do aluno que ficarem “abaixo da normalidade”; e “nor”
(normal) para atuações do aluno que ficarem dentro da normalidade.
Deverão ir sendo anotadas durante todo o tempo de instrução pelo professor que estiver ministrando aula ao
aluno no momento, assim, poderá conter anotações de mais de um deles. Vai sempre sendo passada ao professor que
“assumir” o aluno. Será aberta na primeira aula da matéria, acompanhando o aluno até o final do curso ou estágio.
Um mesmo item poderá ser anotado mais de uma vez, inclusive com iniciais mistas.
As anotações são de caráter sigiloso. O aluno poderá tomar conhecimento delas ao final do curso ou
estágio
Desde o início, o aluno deverá saber da existência desta súmula e do seu conteúdo previamente
impresso.
“ “ L I
ITENS DE “CURSO ”PPI” ”PPE” ”PPA” LIMPEZA E INVESTIMENTO E
ANÁLISE BÁSICO” MANUTENÇÃO VALORIZAÇÃO
DO POLICIAL

Cuidados com a
segurança

Disciplina

Assiduidade

Interesse na
Instrução

Colaboração
Geral

Execução dos
Exercícios

Nome, posto e assinatura do professor:-


“Curso Básico”______________________________________________________________
“PPI” _____________________________________________________________________
“PPE” _____________________________________________________________________
“PPA” ____________________________________________________________________
“Limpeza e Manutenção do Armamento” __________________________________________
“Investimento e Valorização do Policial”___________________________________________
Esta súmula será anexada à sumula de avaliação do “Curso Básico” (Cap. 08), e da “PPA” (Capítulo 19 e
Anexo 18) do manual. Caso seja necessário, servirá de base para formar conceitos sobre o aluno. Todas serão
anexadas ao “RIT” do aluno. Se for o caso, usar o verso para esclarecimentos.
GIRALDI
41

CAPÍTULO 04

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER” - “CURSO BÁSICO” - PRIMEIRA PARTE


“TIRO POLICIAL NÍVEL I” - DESENVOLVIMENTO 
(SEM USO DE MUNIÇÃO REAL)

1. O “Curso Básico” para usuários do revólver terá início diretamente no “Centro de


Treinamento para a Preservação da Vida”; aluno com o revólver vazio nas mãos já executando os
primeiros exercícios. Nada de sala de aula ou teorias anteriores. Nada de ficar decorando nomes de peças e
outros detalhes que só interessam aos armeiros. O que importa ao aluno é ficar condicionado a “fazer”,
e para isso terá que “fazer”. “O que eu ouço, eu esqueço; o que eu vejo, eu lembro; o que eu faço,
eu aprendo”. “Tiro é como futebol, ciclismo, natação, etc., só se aprende praticando” (Giraldi).
Como a base do “Método Giraldi” são os “reflexos condicionados positivos, a serem adquiridos, pelo
policial, em treinamentos imitativos da realidade, com eliminação dos negativos, antes de se ver
envolvido pelo fato verdadeiro”, isso terá que ser buscado desde os primeiros momentos da
instrução.
Obs.:- Normalmente, as pessoas não conseguem pensar mais de uma coisa ao mesmo
tempo, mas, estando condicionada, agirá por reflexos condicionados, como alguém que pisa no freio do carro
sem ficar pensando em fazê-lo; digita o teclado de um computador da mesma forma; etc. Esse é o motivo pelo
qual, quando dos ensinamentos do “Método”, o aluno tem que adquirir reflexos condicionados positivos, com
eliminação dos negativos, antes de se ver envolvido pelo fato verdadeiro; caso os negativos não sejam
eliminados, eles poderão fazer o policial cometer erros gravíssimos durante um possível confronto armado.
Esse também é o motivo pelo qual o “Método” trabalha, incessantemente, em cima do erro do aluno; ele não
avançará na instrução enquanto não eliminar esse erro.
02. Inicialmente, com base no “Capítulo 01”, retro, o professor fará, aos alunos, a
“Apresentação” do “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”; suas finalidades,
fundamentos e desenvolvimento. Sua “Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a
Finalidade de Servir e Proteger a Sociedade”.
03. Desenvolverá a instrução cumprindo, entre outras coisas, o estabelecido no “Capítulo 02”,
retro.
04. Abrirá, para cada aluno, uma “Súmula de Análise Pessoal”, prevista no “Capítulo 03”,
retro, à qual, ao final do curso, será anexada ao “RIT” do aluno.
05. Na instrução o aluno deverá usar o mesmo uniforme, armamento, munição e equipamentos
com os quais irá trabalhar (ou trabalha). Obrigatório uso de colete balístico, protetor auricular, ocular e
plaqueta de identificação. Também por parte do professor. O coldre deverá cobrir o gatilho da arma.
Obs.:- Durante a instrução, não só quem a está executando mas também professores e
auxiliares, alunos que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico,
protetor ocular e auricular; sem isso ela não será desenvolvida.
06. O professor deverá tratar o aluno com extrema educação, disciplina e respeito à sua
dignidade. Jamais desmerecê-lo. A paciência será uma de suas grandes virtudes. Seu principal e
grande objetivo será fazer o aluno aprender e gostar da matéria.
07. Não esquecer que “as pessoas tendem a agir da mesma forma como são tratadas”. O
professor deverá ser modelo e exemplo para o aluno. “Pessoas respeitosas geram pessoas
respeitosas; imbecis geram imbecis” (Giraldi).
08. A aula será ministrada sob forma de “oficinas”. O efetivo de alunos de cada “oficina” será
estabelecido de acordo com a complexidade dos exercícios a serem executados; capacidade e grau de
42

desenvolvimento dos alunos; finalidade da instrução; disponibilidade de meios; locais para a sua
execução; etc., mas, não superior a 8 (oito) alunos, cada.
09. O professor distribuirá e acomodará seus alunos de acordo com as “barricadas de treinamento”
e alvos existentes (ver anexos “09” e “13”, deste manual). Poderá solicitar aos alunos mais experientes
que auxiliem os menos experientes, colocando-os lado a lado. Dará períodos de descanso que julgar
necessário.
10. O professor estabelecerá local seguro para manuseio de armas; nesse local não se manuseará
munição. Balizará o local da instrução com bandeirolas vermelhas, significando perigo.
11. Obrigatório o uso do alvo “PM-L-74”, de papelão (ver “Anexo 13”, deste manual).
Inicialmente, alvo em torno 5 metros de distância do local de tiro do aluno, colocado o mais próximo
possível do barranco de contenção de projéteis.
12. O professor fará tudo para o aluno aprender e gostar da matéria. Com muita paciência,
trabalhará, incessantemente, em cima do erro do aluno, ensinando e usando apenas palavras positivas e
incentivadoras como:- “---- Você vai conseguir, você tem capacidade, é questão de esforço, boa
vontade e de tempo; eu também não sabia; ninguém nasce sabendo. Vamos lá, vamos repetir o
exercício”.
13. Os alunos apresentam-se, para a instrução prática, com o revólver descarregado, em
segurança, no coldre.
a. Antes de iniciar a aula prática, com uso do revólver, e no transcorrer da mesma, o
professor deverá dar, constantemente, as seguintes ordens aos alunos:-
1) “----- Até segunda ordem, permaneçam com o revólver, descarregado, em segurança, no
coldre. Só peguem ou empunhem o revólver mediante ordem. Só carreguem o revólver mediante ordem”;
2) “----- Quando com o revólver na mão, mesmo descarregado, mantenham o dedo fora do
gatilho; o dedo só vai para o gatilho quando vocês tiverem certeza da necessidade do disparo. A posição
normal do dedo acionante é estendido, junto à armação do revólver. Mantenham o cano do revólver,
mesmo que descarregado, voltado sempre para direção segura. Estes princípios deverão ser aplicados,
também, quando vocês estiverem de serviço”;
3) “----- Nos intervalos da instrução (descanso, água, cafezinho, sanitário, almoço, etc.)
mantenham o revólver sempre descarregado, em segurança, no coldre, ou no local que o professor
determinar; neste caso, com o tambor aberto”;
4) “----- Não deixem nem abandonem o revólver sobre banquetas, mesas, ou onde quer que
seja”;
5) “----- Fica estabelecido que o local para manuseio do revólver é ... (estabelecer o local);
nesse local não se manuseia munição”;
b. O professor deverá estabelecer local seguro para manuseio do revólver; nesse local não se
manuseará munição.
14. Com o aluno tendo nas mãos o revólver vazio e 1 (um) carregador rápido, também vazio, o
professor dará início à instrução, procurando seguir a seguinte seqüência básica (poderá efetuar
complementos); os alunos já irão executando seus ensinamentos:-
a. Segurança primária com o revólver:- Dedo sempre fora do gatilho; cano sempre
voltado para direção segura. Principais cuidados para evitar acidentes de tiro.
b. Dedo fora do gatilho; o dedo só vai para o gatilho no momento do disparo; após o
disparo volta para sua posição normal (estendido, encostado na armação do revólver). “Da mesma forma
que carro não guia mas é guiado, arma não dispara mas é disparada, e para ser disparada o dedo tem
que estar no gatilho; evite acidentes e tragédias mantendo o dedo fora do gatilho” (Giraldi). Cano da
arma voltado sempre para direção segura, de tal forma que um possível disparo acidental não
provoque danos pessoais, materiais, ou ricochetes.
c. Ajuste dos equipamentos; do revólver e carregadores rápidos (estes, do lado da “mão
fraca”) no corpo do aluno. O aluno usará na instrução o mesmo uniforme, equipamentos (incluindo colete
balístico), armamento, munição, etc., com os quais trabalha ou irá trabalhar. Obrigatório o uso de colete
balístico, protetor ocular, auricular e plaqueta de identificação.
d. Apresentação do revólver; funcionamento; porte, uso e aplicação. Munições usadas,
finalidades. Comparação entre essas e outras munições. Explicar que é “poder de parada” (para isso, ver
Anexos “04” e “06” deste manual). Mostrar a ficha “Quadro de Controle de Armas” que acompanha
cada revólver, para anotações. Quando e como fazer essas anotações.
43

Obs.:- Antes de dar início ao previsto neste item o profesor deverá ler e aplicar,
também, e no que couber, todo o conteúdo dos anexos “03”, “04”, “07” e “17”, deste manual.
e. Empunhadura “simples” (uma mão) e “dupla” (duas mãos), também chamada de
empunhadura “policial”. Na empunhadura “dupla” o polegar da “mão fraca” fica sobre o polegar da “mão
forte”; jamais por trás do cabo do revólver. Cano do revólver voltado sempre para direção segura.
Aluno pratica.
f. Principais peças externas do revólver; suas finalidades; como aciona-lás e os cuidados
necessários para fazê-lo. Os alunos não precisam decorar os nomes dessas peças de imediato; com o passar do
tempo o conseguirão, sem qualquer esforço ou “sofrimento”. Havendo necessidade, consultar o “Manual de
Operação e Manutenção do Revólver”, originário da fábrica. Aluno pratica.
g. Apresentação do carregador rápido. Porta carregador rápido no corpo do aluno, na
cintura, do lado da “mão fraca”.
g h. Como colocar e retirar o carregador rápido do porta carregador (43aze-lo
com a “mão fraca”). Aluno pratica.
i. Como abrir o tambor do revólver. Mantendo o revólver empunhado com a “mão forte”,
simular a extração dos cartuchos vazios (deixar cair ao solo; não tentar 43aze-los). Como fechar o tambor
(idem). Aluno pratica.
j. Como fazer inspeção física e visual rigorosa das câmaras do tambor a fim de verificar se
não ficaram cartuchos nelas (dedo fora do gatilho, cano sempre voltado para direção segura). Aluno
pratica.
k. Como entregar o revólver para um companheiro:- Mantendo a empunhadura; dedo fora
do gatilho; voltar o cano do revólver para direção segura; acionar o retém do tambor com o polegar da
“mão fraca”; com o indicador da “mão forte”, que está empunhando o revólver, forçar e abrir o tambor;
acionar a vareta de extração do tambor com a “mão fraca” (deixar cair ao solo os cartuchos extraídos,
cheios e vazios; não tentar pegá-los); fazer inspeção física e visual rigorosa das câmaras do tambor a fim
de verificar se não ficaram cartuchos nelas; mantendo o tambor aberto, segurar o revólver pelo cano, com
a “mão fraca”, cabo na direção de quem irá recebê-lo; efetuar a entrega. Aluno pratica.
l. Como receber o revólver de um companheiro:- Mesmo tendo observado, por parte do
companheiro que fez a entrega do revólver, todos os procedimentos previstos na letra “k” retro; pegar o
revólver pelo cabo; manter o dedo fora do gatilho, voltar seu cano para direção segura; fazer vistoria física
e visual rigorosa das câmaras do tambor; dando, em seguida, destino ao revólver. Aluno pratica.
m. Como fazer limpeza rápida do revólver durante a instrução. Aluno pratica.
n. Apresentação do alvo “PM-L-74” (ver “Anexo 13”, deste manual) e da “barricada de
treinamento” (ver “Anexo 09”, deste manual). Finalidades.
15. Exercícios com o Revólver vazio (descarregado). Á medida em que são ensinados os alunos
já os irão praticando.
a. O saque e o coldreamento (só com a “mão forte”, sem auxílio da “mão fraca”; sem olhar; o
olhar permanece fixo no alvo e imediações). O saque lento e o saque rápido; quando e porque são
usados. Cano da arma voltado sempre para direção segura. Dedo sempre fora do gatilho; só vai para o
gatilho no momento do disparo, terminado o disparo volta para sua posição normal (estendido junto à
armação da arma). Olhar na direção do perigo. Aluno pratica.
b. “Empunhadura dupla” ou “empunhadura policial” (com as duas mãos) e “empunhadura
simples” (com uma só mão). A “simples” só será usada quando não for possível adotar a “dupla”. Na
empunhadura “dupla” o polegar da “mão fraca” fica sobre o polegar da “mão forte”; jamais por trás do
cabo do revólver. Em confrontos armados, onde a morte está sempre presente; onde tudo é medo, tensão,
desespero, com o policial atuando dentro do limite entre a vida e a morte, a possibilidade de “gatilhada”,
com “empunhadura dupla”, é bem menor que com “empunhadura simples”. A “empunhadura dupla”
permite segurar a arma com maior firmeza. Aluno pratica.
c. “Visada”, “semivisada” e “tiro intuitivo”; quando são usados. Lembrar que “tiro instintivo”
não existe; instinto é aquilo que nasce com a pessoa. O “olho diretor”; como identificá-lo. “3º olho”.
1) Disparo com “visada”:- Há um perfeito enquadramento entre alça de mira, massa de
mira e alvo. Normalmente, nos confrontos armados, não há tempo nem condições para esse
enquadramento. Muito usado em competições de “tiro esportivo”. Aluno pratica.
44

2) Disparo com “semivisada”:- Embora a arma esteja em “posição de tiro”, por falta de
tempo, não há o enquadramento perfeito entre alça de mira, massa de mira e alvo; mas são vistos. Usado
nos confrontos armados. Aluno pratica.
3) “Tiro intuitivo”:- A arma não está em “posição de tiro” perfeita e, mesmo assim, pela
urgência e circunstâncias, há necessidade do disparo. O policial não vê a alça de mira nem a massa de
mira, mas vê o alvo e tem a intuição de que o cano de sua arma está na sua direção. Também usado em
confrontos armados. Aluno pratica.
4) Para a vista humana é praticamente impossível ver, com nitidez, a alça de mira, a
massa de mira e o alvo ao mesmo tempo (são três profundidades diferentes). O importante é ver a massa
de mira com nitidez. Ver “Anexo 02”, deste manual (“Visada” e “Focalização”). Aluno pratica.
Obs.:- O aluno deverá disparar, sempre, com os dois olhos abertos.
d. “Ação dupla” e “ação simples” do gatilho; diferenças; quando são usadas; vantagens e
desvantagens. Como desarmar o cão.
1) Na “ação dupla” o acionamento da tecla do gatilho é direto, sem armar o cão. Os
disparos são mais rápidos mas, normalmente, menos precisos. Aluno pratica.
2) Na “ação simples” há o prévio armamento do cão. Os disparos são menos rápidos mas,
normalmente, mais precisos. Embora com possibilidade de impactos mais precisos, a demora para o
policial executar a “ação simples” poderá custar a sua vida ou a vida de terceiros. Aluno pratica.
3) Para desarmar o cão é conveniente primeiro colocar o polegar da “mão fraca” entre o
cão que está armado e a armação do revólver; em seguida, com o polegar da “mão forte” segurar o cão;
com o dedo indicador da “mão forte” acionar o gatilho e ir soltando o cão, lentamente. Aluno pratica.
4) Se houver tempo e condições e o policial precisar armar o cão, estando com
empunhadura dupla, deverá fazê-lo com o polegar da “mão fraca” (sem perder a empunhadura dupla).
Aluno pratica.
e. A ação do dedo na tecla do gatilho. Como evitar as “gatilhadas”.
1) Na “ação dupla” o contato do dedo com a tecla do gatilho, para o seu acionamento,
deverá se dar no início da última falange do dedo (falangeta) logo após a divisa com a penúltima falange
(falanginha), pois exige uma força maior que na “ação simples”. Aluno pratica.
2) Na “ação simples” o contato do dedo com a tecla do gatilho, para o seu acionamento,
deverá se dar no meio da última falange do dedo (falangeta), pois exige um esforço menor que na “ação
dupla”. Aluno pratica.
3) A força para o acionamento da tecla do gatilho deverá se dar suavemente (devagar e
constante), “sem trancos”. O treinamento persistente, de preferência sem munição real, fará com que, com
o tempo, o aluno possa fazer esse acionamento com rapidez, suavemente e sem “trancos”. A força do
dedo, para acionamento do gatilho, deverá ser paralela ao cano como se o mesmo se prolongasse para trás,
e sem forçamento para as laterais da tecla do gatilho. O “tranco” ou o forçamento da tecla do gatilho para
as laterais, na hora do disparo, provocará a tão temível “gatilhada”, que mudará, totalmente, o local
previamente previsto para o impacto, e causas de muitas tragédias.
f. O aluno, ao disparar, deverá manter os dois olhos abertos.
g. Os disparos serão efetuados sempre de 2 em 2, num mesmo alvo.
h. Após cada saque serão efetuados 2 disparos (num mesmo alvo). Após cada 2 disparos,
coldrea (saca, efetua 2 disparos, coldrea; saca, efetua 2 disparos, coldrea; e assim, sucessivamente).
i. Posições da arma quando de posse do policial:-
1) “Posição normal”. Quando é usada. Variantes. Aluno pratica.
2) “Posição de saque”. Quando é usada. Variantes. Aluno pratica.
3) “Posição de tiro”. Quando é usada. Variantes. Aluno pratica.
4) “Posição de alerta”. Quando é usada. Variantes. Aluno pratica.
5) “Posição sul”. Quando é usada. Variantes. Aluno pratica.
6) Mudanças de uma posição para outra; como executá-las. Aluno pratica.
“Posição normal”:- Arma no coldre. Coldre abotoado. Braços soltos ou em outras
posições.
“Posição de saque”:- Arma no coldre. Coldre desabotoado. “Mão forte” sobre a coronha
da arma, pronta para sacá-la. “Mão fraca” solta ao lado do corpo, pronta para ir à frente, após o saque,
para tomar a dupla empunhadura (ela não auxilia no saque). Olhar fixo na área do perigo (não olhar para
sacar).
45

Obs:- As três posições de arma, após o saque, e sempre com o dedo fora do gatilho,
estendido, junto à armação da arma, e empunhadura dupla, são:-
“Posição sul”:- Palma da “mão fraca” aberta, colada na parte inferior do tórax, logo acima
do umbigo (ou do cinto); polegar voltado para cima, na direção do “ombro forte”. Arma empunhada com
a “mão forte”, apoiada nas costas da “mão fraca”, polegar voltado para cima, na direção do “ombro fraco”.
Cano da arma voltado para baixo, perpendicular ao solo. Dedo fora do gatilho, estendido, junto à armação
da arma. Cotovelos ligeiramente projetados para frente. Polegares, nas posições retro descritas, apoiados,
firmemente, um no outro. É uma posição inibidora, ostensiva, sem ofender, mas, mostrando que o policial
está atento, pronto para uma reação rápida. Também é ótima para se conversar com pessoas inocentes;
para deslocamentos no meio do povo; para deslocar-se à retaguarda de outros companheiros, sem
oferecer-lhes perigo; para tratar com o agressor quando já estiver dominado, etc. Se o policial for
conversar com pessoas inocentes, sensíveis (crianças, senhoras, etc.), empunha a arma com a “mão forte”
cobrindo-a com a “mão fraca”. É a “posição sul modificada”.
“Posição de alerta”:- Braços e antebraços dobrados, formando um ângulo de mais ou
menos 90 graus. Braços colados nas laterais do corpo (ou ligeiramente à frente do corpo); antebraços
paralelos ao solo. Antebraços e mãos, empunhando a arma, na direção do perigo (paralelos ao solo). Dedo
fora do gatilho, estendido, junto à armação da arma. Ótima para “olhadas rápidas”; deslocamentos rápidos,
mantendo a arma próxima ao corpo, protegida, mas, sem tirar o cano da direção do perigo; etc. Se o
policial, repentinamente, tiver que efetuar o disparo, sem tempo de adotar a “posição de tiro”, efetuará o
mesmo na posição em que se encontra (disparo intuitivo). Pode ser feita com empunhadura dupla ou
simples. Cuidado, não se aponta a arma para pessoas inocentes.
“Posição de tiro”:- O aparelho de pontaria da arma fica à altura dos olhos, não importa a
posição dos braços, do corpo ou o direcionamento do cano da arma. Cano da arma, e olhar, na direção do
perigo; dedo fora do gatilho. O perigo já existe ou é iminente; a morte está presente ou à espreita; pode
surgir a qualquer momento. Você está pronto para disparar. Essa posição é usada, também, para efetuar
“varreduras” verticais e/ou horizontais, sob a forma de “tomada de ângulo” (“fatiamento”). Normalmente,
a “posição de tiro” é feita com “empunhadura dupla”; excepcionalmente com “empunhadura simples”.
Cuidado, não se aponta a arma para pessoas inocentes.
16. A partir de agora, com uso de munição de manejo, o professor dará seqüência à
instrução, na seguinte conformidade (á medida em que os procedimentos são ensinados os alunos já
os irão praticando):-
a. Que é municiar o carregador rápido. Que é alimentar e carregar o revólver; finalidades,
diferenças. Como, quando e porque são feitas; conseqüências. Como municiar e desmuniciar o carregador
rápido. Como colocá-lo e sacá-lo do porta carregador que, obrigatoriamente, estará do lado da “mão fraca”
do aluno. Aluno pratica.
b. Como alimentar, carregar, e coldrear o revólver (como se fosse entrar em serviço),
abotoando a presilha do coldre. Aluno pratica
c. Como abrir o tambor e extrair os cartuchos vazios (deixar cair) sem perder a
empunhadura. Cano permanece na direção do perigo. Como fazer vistoria física e visual rigorosa das
câmaras do tambor. Aluno pratica.
d. Como entregar o revólver para um companheiro ou na reserva de armas (idêntico à letra
“k” do item “14”, retro). Aluno pratica.
e. Como receber o revólver de um companheiro ou da reserva de armas (idêntico à letra “l”
do item “14” retro). Aluno pratica.
f. Como preparar o revólver e carregadores para entrar de serviço. Aluno exercita.
g. A recarga de “emergência” ou “emergencial” e a recarga “tática”:- Quando são realizadas;
diferenças entre elas.
h. “Recarga de emergência” ou “emergencial” (a munição do tambor do revólver acabou;
é necessário fazer a recarga com a maior rapidez possível):- Dedo fora do gatilho. Se o aluno estiver em
pé, agacha para fazê-la, a fim de diminuir sua silhueta, ao mesmo tempo em que pede “cobertura” do
companheiro (fictício, se estiver sozinho) através dos “sinais policiais” (ver anexo “01, deste manual) ou
verbalizando baixo; se houver “barricada de treinamento”, protege-se nela com a mesma finalidade.
Mantendo a empunhadura, cano e olhar na direção do alvo e imediações, aciona o retém do tambor com o
polegar da “mão fraca” enquanto com o indicador da “mão forte” (que continua empunhando o revólver)
46

empurra o tambor para fora. Retira a “mão fraca”, continuando a empunhar o revólver com a “mão forte”,
agora, com empunhadura simples (não pode perder a empunhadura). Extrai os cartuchos do tambor (deixa
cair) acionando a vareta do extrator com a “mão fraca”. Ainda com a “mão fraca” pega o carregador
rápido de reposição e efetua a recarga (deixa cair o carregador rápido vazio usado). Retoma a
empunhadura dupla. A preocupação em pegar os cartuchos extraídos e o carregador rápido vazio, após o
uso, poderá custar a vida do policial. O aluno poderá experimentar pegar o carregador rápido de reposição
antes de extrair os cartuchos do tambor. O canhoto adaptará a recarga às suas necessidades (o que for mais
prático, rápido e seguro), mantendo os porta carregadores rápidos do lado da “mão fraca”. Aluno pratica.
i. Recarga “tática” (a munição do tambor do revólver ainda não acabou, mas, o momento se
mostra favorável para fazê-la, principalmente pela ausência de perigo iminente ou o fato do policial estar
bem abrigado):- Os procedimentos são idênticos aos previstos para a “recarga de emergência” ou
“emergencial” (letra “h”, retro). Todos os cartuchos, incluindo os intactos vão para o solo; ao término do
exercício o aluno pega-os de volta. Aluno pratica.
j. Como recarregar o revólver usando apenas uma das mãos (ver a “DÉCIMA TERCEIRA
FASE” da “QUARTA PARTE” do “CURSO BÁSICO” – Capítulo 07, deste manual)
k. Incidentes de tiro que poderão ser solucionados pelo policial na hora em que ocorrerem; e
os que são da responsabilidade dos técnicos. O professor, após ensinar, deverá provocar incidentes de tiro
para solução dos alunos. Aluno pratica.
l. Local de porte e uso da “arma reserva” no serviço e nas horas de folga (deverá estar no
“coldre de canela”, do lado interno da “perna fraca”).
m. Etc.
17. A parte prática, com disparos reais, do “Curso Básico” (que vem a seguir), será
desenvolvida em “PARTES”; cada “PARTE” em “FASES”; em cada “FASE” um tipo de exercício
específico que será repetido, pelo aluno, com e sem disparos reais, quantas vezes forem necessárias, até
que o aprenda a executar corretamente e sem dificuldades; não passará para o exercício seguinte sem ter
executado, corretamente, o anterior.
18. Ao final do “Curso Básico” o professor aplicará, ao aluno, o teste de avaliação previsto no
“Capítulo 08”, deste manual (“Súmula de Avaliação do Curso Básico”).
19. O professor irá verificar, no desenvolvimento das próximas “Partes” do “Curso
Básico”, que os procedimentos previstos em todos os exercícios são repetitivos, mudando apenas a
“posição de tiro” do aluno, assim, após se familiarizar com esses procedimentos, poderá reduzir,
para menos de meia folha de papel sulfite “A4”, para consulta momentânea, tudo o que ali está
escrito.
20. Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20” do
Capítulo “02”, retro.

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.
Obs.:- Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20”, do
Capítulo “02”, deste manual.
(GIRALDI)
47

CAPÍTULO 05

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER” - “CURSO BÁSICO” – SEGUNDA PARTE


“TIRO POLICIAL NÍVEL II” - DESENVOLVIMENTO ®
PREVISÃO:- 100 DISPAROS REAIS, POR ALUNO INICIANTE (MÍNIMO)

1. A “Segunda Parte” do “Curso Básico” somente será desenvolvida após o aluno


dominar e executar, sem dificuldades, todos os procedimentos e determinações previstas na “Primeira
Parte” do “Curso Básico” (“Capítulo 04”, retro).
2. A “Segunda Parte” do “Curso Básico” será desenvolvida em “FASES”; em cada
FASE um tipo de exercício específico (que poderá ser repetido, pelo aluno, várias vezes, com e sem o uso
de munição real), nas quais deverão ser cumpridos os seguintes procedimentos padrões:-
a. Alvo a ser utilizado:- Obrigatoriamente o alvo “PM-L-74”, de papelão (ver
“Anexo 13”, deste manual), inicialmente, em torno de 5 metros de distância do local de tiro do aluno,
colocado o mais próximo possível do barranco de contenção dos projéteis.
b. Uso obrigatório da “barricada de treinamento” (quando estiver previsto). Ver
“Anexo 09”, deste manual.
c. A recarga será sempre de “emergência” ou “emergencial” (ver letra “h”, do item
“16”, do “Capítulo 04”, retro), a não ser que exista ordem em contrário, por escrito, no desenvolvimento
da FASE.
d. Saque lento. Posicionamento lento. Sem tempo para iniciar os disparos.
Empunhadura dupla e ação dupla do gatilho (a não ser que exista ordem em contrário, por escrito, no
desenvolvimento da FASE). Com visada. Acionamento lento do gatilho. Tempo livre para os disparos
(sem pressa). 2 (dois) disparos seguidos, de cada vez, por alvo. Disparos, sempre, com os dois olhos
abertos.
e. Para dar início à instrução do dia, mediante ordem do professor, o aluno
municiará cada um dos 2 (dois) carregadores rápidos do revólver, com carga máxima.
f. Irá efetuando disparos até que toda a munição do tambor do revólver acabe; nesse
momento, sem necessidade de ordem, recarregará o revólver (recarga emergencial), não importa em que
altura esteja da instrução ou da execução do exercício.
g. O aluno remuniciará os carregadores rápidos nos intervalos das FASES.
h. Ao sacar, posicionar-se, ou coldrear o revólver, manter constante contato visual
com o alvo e suas imediações. Não olhar o revólver nem o coldre para sacar e coldrear; usar apenas a
“mão forte” para 47aze-lo. Manter o olhar e o cano do revólver sempre na direção do alvo e suas
imediações. Dedo sempre fora do gatilho. Cano da arma sempre voltado para direção segura.
i. Ao se “ajeitar” ou mudar de posição, manter o cano do revólver e o olhar na
direção do alvo e suas imediações; dedo sempre fora do gatilho; o dedo só vai para o gatilho no
momento do disparo; uma vez efetuado o disparo, o dedo volta à sua posição normal (estendido,
junto à armação do revólver).
j. Antes de dar início ao exercício da FASE o aluno deverá treiná-lo, com o
revólver vazio ou simulando o seu uso, sendo orientado e corrigido pelo professor. Somente dará
início à execução do exercício da FASE, com munição real, quando estiver condicionado a executá-
lo corretamente e sem dificuldades.
48

k. Revólver e corpo do aluno sempre aquém da “barricada de treinamento” (quando for


usada). Nem a arma nem qualquer parte do corpo do aluno deverá tocar ou ultrapassar a “barricada de
treinamento” (ver “Anexo 09”, deste manual)..
l. Posição de partida do aluno para execução de cada exercício:- Em pé; braços
soltos ao longo do corpo; revólver carregado no coldre; cão desarmado, presilha do coldre abotoada.
m. Sinal de partida para o início de cada exercício:- Disparo de festim ou real
(melhores), ou algo que produza som semelhante (exemplo:- bomba, etc.). Na falta, usar a expressão:-
“---- Defenda!” (quando é só para 1 aluno), ou “---- Defendam!” (quando é para mais de 1 aluno), ou
“---- Perigo!” (para 1 ou mais alunos). Jamais usar “sinal de apito”, ou a expressão “---- Vai!”, ou “----
Fogo à vontade!”, ou “---- Defenda-se!” (neste caso estaria defendendo só a si, deixando a sociedade de
lado), ou outras expressões ou meios não recomendáveis como dar um toque no corpo do aluno seguido da
expressão:- “---- Vai!”.
n. Início do exercício:- Ao ser dado o sinal de partida o aluno, mantendo o olhar no
alvo; sem olhar o coldre e sem auxílio da “mão fraca”, saca o revólver, passa para empunhadura dupla
(policial), toma a posição determinada e efetua os disparos previstos para a FASE (sempre 2 disparos
seguidos em cada alvo). A cada 2 disparos, coldrea.
o. Após o término de cada exercício (serão 2 disparos seguidos num mesmo alvo):-
Terminados os disparos o aluno ainda manterá o olhar e o cano do revólver na direção e imediações do
alvo (do perigo) por 2 ou 3 segundos, fazendo “varredura” horizontal e vertical, como se estivesse
pressentindo o surgimento de algum perigo. Mantendo o dedo fora do gatilho volta à posição de partida
com o cano da arma e olhar voltados para a direção do alvo e imediações; coldrea o revólver usando
apenas a “mão forte”, abotoando a presilha do coldre (tudo, sem olhar), ficando, assim, pronto para repetir
o mesmo exercício (se for o caso) ou executar o seguinte. Aguarda ordens.
p. Após o término de cada FASE (Não importa quantas vezes o exercício dela tenha
sido executado):- Mediante ordem do professor, o aluno, mantendo o cano da arma para direção segura,
dedo fora do gatilho, extrai os cartuchos do tambor; faz vistoria física e visual rigorosa das câmaras; faz a
entrega do revólver para um companheiro, recebendo-o, em seguida, de volta, (em ambos os casos,
executará todos os procedimentos já aprendidos – letras “k” e “l”, do item “14.”; e letras “d” e “e”,
do item”16.”; tudo do Capítulo 04, retro). Aguarda ordens. Possíveis cartuchos extraídos, e que não
tenham sido usados, serão pegos de volta para posterior aproveitamento.
q. Os impactos nos alvos poderão ir sendo obreados ou assinalados com uma caneta (não
é obrigatório).
r. Sempre que julgar necessário, o professor permitirá ao aluno conferir os impactos do
seu alvo. O professor analisará o grupamento e explicará ao aluno o que terá que fazer para melhorá-lo.
s. O aluno não passará para o exercício seguinte sem ter executado, corretamente e
sem dificuldades, o exercício anterior. Caso não o tenha conseguido, após novo ensinamento e
orientação do professor, deverá repeti-lo, com ou sem o uso de munição real, quantas vezes forem
necessárias, até consegui-lo.
3. As “FASES” da “Segunda Parte” do “Curso Básico” serão desenvolvidas da
seguinte forma:-

DESENVOLVIMENTO DA “SEGUNDA PARTE” DO “CURSO BÁSICO”

Os alunos apresentam-se, para a instrução prática, com o revólver descarregado, em


segurança, no coldre.
Antes de iniciar a aula prática, com uso do revólver, e no transcorrer da mesma, o
professor deverá dar, constantemente, as seguintes ordens aos alunos:-
“----- Até segunda ordem, permaneçam com o revólver, descarregado, em segurança, no
coldre. Só peguem ou empunhem o revólver mediante ordem. Só carreguem o revólver mediante ordem”;
“----- Quando com o revólver na mão, mesmo descarregado, mantenham o dedo fora do
gatilho; o dedo só vai para o gatilho quando vocês tiverem certeza da necessidade do disparo. A posição
normal do dedo acionante é estendido, junto à armação do revólver. Mantenham o cano do revólver,
mesmo que descarregado, voltado sempre para direção segura. Estes princípios deverão ser aplicados,
também, quando vocês estiverem de serviço”;
49

“----- Nos intervalos da instrução (descanso, água, cafezinho, sanitário, almoço, etc.)
mantenham o revólver sempre descarregado, em segurança, no coldre, ou no local que o professor
determinar; neste caso, com o tambor aberto”;
“----- Não deixem nem abandonem o revólver sobre banquetas, mesas, ou onde quer que
seja”;
“----- Fica estabelecido que o local para manuseio do revólver é ... (estabelecer o local);
nesse local não se manuseia munição”;
O professor deverá estabelecer local seguro para manuseio do revólver; nesse local não se
manuseará munição.
Antes da execução do exercício de cada “FASE” com munição real o aluno, orientado pelo
professor, deverá treiná-lo, intensamente, com o revólver vazio ou simulando o seu uso, até ficar
condicionado a executá-lo corretamente e sem dificuldades (revólver descarregado). Só após consegui-lo
efetuará disparos reais.
Havendo necessidade e munição, o aluno repetirá o exercício (com munição real) mais
vezes além do que já estiver previsto para cada “FASE”.
Deverão ser obedecidos os seguintes princípios:- Saque lento; posicionamento lento;
empunhadura dupla (policial); com visada; disparos com os dois olhos abertos; ação dupla do gatilho;
acionamento lento do gatilho; tempo livre para os disparos (sem pressa); 2 disparos após cada saque, num
mesmo alvo, seguidos do coldreamento do revólver. Dedo fora do gatilho quando não for para atirar;
cano da arma voltado sempre para direção segura
Alvo a ser utilizado:- Obrigatoriamente o “PM-L-74”, de papelão (ver “Anexo 13”),
colocado o mais próximo possível do barranco de contenção de projéteis.
Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também professores e auxiliares,
alunos que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico, protetor ocular e
auricular.
O professor irá verificar, no desenvolvimento desta “Segunda Parte” do “Curso Básico”,
que os procedimentos previstos em todas as “FASES” são repetitivos, mudando apenas a “posição de tiro”
do aluno, assim, após familiarizar-se com esses procedimentos, poderá reduzir, para menos de meia folha
de papel sulfite “A 4”, para consulta momentânea, tudo o que se segue.

PRIMEIRA FASE:- Disparos, em pé, livre. Saque lento; tomada de posição


lenta; empunhadura dupla (policial); com visada; zona central do alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o
cão); acionamento lento do gatilho; disparos lentos. EXECUÇÃO: - Ao sinal convencionado o aluno
saca o revólver: toma a posição determinada; efetua 2 disparos; faz a “varredura”; volta à posição de
partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais seis vezes. Total:- 14 tiros.
SEGUNDA FASE:- Disparos ajoelhado, livre (todas as posições serão
aceitas). Saque lento; tomada de posição lenta; empunhadura dupla (policial); com visada; zona central do
alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento lento do gatilho; disparos lentos.
EXECUÇÃO: Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; toma a posição determinada; efetua 2
disparos; faz a “varredura”; volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o
exercício mais duas vezes. Total:- 6 tiros.
TERCEIRA FASE:- Disparos agachado, livre (todas as posições serão
aceitas). Saque lento; tomada de posição lenta; empunhadura dupla (policial); com visada; zona central do
alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento lento do gatilho; disparos lentos.
EXECUÇÃO: Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; toma a posição determinada; efetua 2
disparos; faz a “varredura”; volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o
exercício mais duas vezes. Total:- 6 tiros.
QUARTA FASE:- Disparos deitado, livre. (todas as posições serão aceitas,
desde que a cabeça do aluno esteja voltada para o alvo). Saque lento; tomada de posição lenta;
empunhadura dupla (policial); com visada; zona central do alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão);
acionamento lento do gatilho; disparos lentos. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o
revólver; toma a posição determinada; efetua 2 disparos; faz a “varredura”; volta à posição de partida;
coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais duas vezes. Total:- 6 tiros.
50

QUINTA FASE:- Disparos em pé, barricado na vertical; disparos pela


esquerda da barricada; corpo protegido na direita. (Necessário o uso da “barricada de treinamento”). Saque
lento; tomada de posição lenta; empunhadura dupla (policial); com visada; zona central do alvo; ação dupla do
gatilho (sem armar o cão); acionamento lento do gatilho; disparos lentos. Revólver e corpo do aluno aquém da
barricada; nem o revólver nem qualquer parte do corpo do aluno poderá tocar a barricada. EXECUÇÃO:- Ao
sinal convencionado o aluno saca o revólver; entra em proteção (pelo lado direito da barricada); revólver “em
posição de tiro” (ainda não dispara)”; toma a posição de tiro determinada; tomba ligeiramente o tronco para a
esquerda; efetua 2 disparos (pode tombar o revólver para efetuá-los); faz a “varredura”; volta em proteção com o
revólver ainda em “posição de tiro”; volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o
exercício mais duas vezes. Total:- 6 tiros.
SEXTA FASE: - Exercício idêntico ao da FASE anterior mas disparando pelo
lado direito da barricada, protegendo-se na esquerda. Total:- 6 tiros.
SÉTIMA FASE:- Disparos em posição de tiro híbrida; barricado na
horizontal (barricada horizontal a mais ou menos 1,30 metros de altura); disparos por sobre a
barricada; corpo protegido pelo lado de baixo da barricada. (Necessário o uso da “barricada de
treinamento”). Saque lento; tomada de posição lenta; empunhadura dupla (policial); com visada; zona
central do alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento lento do gatilho; disparos lentos.
Revólver e corpo do aluno aquém da barricada; nem o revólver nem qualquer parte do corpo do aluno
poderá tocar a barricada. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; entra em
proteção (pelo lado de baixo da barricada); revólver “em posição de tiro” (ainda não dispara); toma a
posição determinada; levanta o corpo o mínimo necessário até enquadrar o alvo; efetua 2 disparos; faz a
“varredura”; volta em proteção com o revólver ainda em “posição de tiro”; volta à posição de partida;
coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais duas vezes. Total:- 6 tiros.
OITAVA FASE:- Disparos ajoelhado ou agachado, livre (o aluno escolhe);
barricado na vertical; disparos pela esquerda da barricada; corpo protegido na direita. (Necessário
o uso da “barricada de treinamento). Saque lento; tomada de posição lenta; empunhadura dupla (policial);
com visada; zona central do alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento lento do gatilho;
disparos lentos. Revólver e corpo do aluno aquém da barricada; nem o revólver nem qualquer parte do
corpo do aluno poderá tocar a barricada. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver,
entra em proteção (pelo lado direito da barricada); revólver em “posição de tiro” (ainda não dispara); toma
a posição determinada; tomba ligeiramente o tronco para a esquerda; efetua dois disparos (pode tombar o
revólver para 50aze5050-los); faz a “varredura”; volta em proteção com o revólver ainda em “posição de
tiro”; volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais duas
vezes. Total:- 6 tiros.
NONA FASE:- Exercício idêntico ao da FASE anterior mas disparando pelo
lado direito da barricada, protegendo-se na esquerda. Total:- 6 tiros.
DÉCIMA FASE:- Disparos deitado, livre, barricado na vertical; disparos
pela esquerda da barricada; corpo protegido na direita. (Necessário o uso da “barricada de
treinamento”). Saque lento; tomada de posição lenta; empunhadura dupla (policial); com visada; zona
central do alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento lento do gatilho; disparos lentos.
Revólver e corpo do aluno aquém da barricada; nem o revólver nem qualquer parte do corpo do aluno
poderá tocar a barricada. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; deita
protegido pelo lado direito da barricada; revólver “em posição de tiro” (ainda não dispara); tomba
ligeiramente o tronco para a esquerda; efetua 2 disparos (pode tombar o revólver para 50aze5050-los); faz
a “varredura”; volta em proteção com o revólver ainda em “posição de tiro”; volta à posição de partida;
coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais uma vez. Total:- 4 tiros.
DÉCIMA PRIMEIRA FASE:- Exercício idêntico ao da FASE anterior mas
disparando pelo lado direito da barricada, corpo protegido na esquerda. Total:- 4 tiros.
DÉCIMA SEGUNDA FASE:- Disparos em pé, livre; empunhadura
simples (uma só mão); “braço fraco” solto ao lado do corpo ou com o polegar da “mão fraca”
enfiado por dentro do cinto, na altura do umbigo, caracterizando não ter condição de uso). Saque
lento; tomada de posição lenta; empunhadura simples (uma só mão); com visada; zona central do alvo;
ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento lento do gatilho; disparos lentos. EXECUÇÃO:-
Ao sinal convencionado o aluno, usando apenas a “mão forte”, saca o revólver; toma a posição
51

determinada, efetua 2 disparos; faz a “varredura”; volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal
convencionado repetirá o exercício mais duas vezes. (Esclarecer o aluno que a “empunhadura simples”
somente será usada quando não for possível a “dupla”. Havendo munição, o aluno deverá treinar o
exercício usando apenas a “mão fraca”; não havendo apenas simulará o seu uso). Total:- 6 tiros.
DÉCIMA TERCEIRA FASE:- Disparos em pé, livre; com “recarga
tática” (ver letra “i”, do item “16.”, do “Capítulo 04”, retro). Excepcionalmente, nesta FASE, o aluno
recarregará o revólver antes do término da munição do tambor (“recarga tática”). Para dar início ao
exercício o tambor do revólver deverá estar com no mínimo 2 cartuchos intactos; carregador rápido de
reposição totalmente municiado. Saque lento; tomada de posição lenta; empunhadura dupla (policial);
com visada; zona central do alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento lento do gatilho;
disparos lentos. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; toma a posição de tiro
determinada (em pé, livre); efetua 2 disparos; faz a “varredura”, executando, em seguida, a “recarga
tática”. Se estiver em pé, agacha para fazê-la; se houver “barricada de treinamento” protege-se nela com a
mesma finalidade. Mantendo a empunhadura, cano e olhar na direção do alvo e imediações, aciona o
retém do tambor com o polegar da “mão fraca” enquanto com o indicador da “mão forte” (que continua
empunhando o revólver) empurra o tambor para fora. Passa para empunhadura simples, continuando a
empunhar o revólver com a “mão forte” (não pode perder a empunhadura). Extrai os cartuchos do tambor
(deixa cair ao solo; não pega os intactos) acionando a vareta do extrator com a “mão fraca”. Ainda com a
“mão fraca” pega o carregador rápido de reposição e efetua a recarga (deixa cair ao solo o carregador
rápido vazio usado). Retoma a empunhadura dupla. Volta à posição em pé e efetua mais dois disparos no
mesmo alvo. Volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais
uma vez. (Esclarecer o aluno que o carregador rápido de reposição poderá também ser pego antes da
extração dos cartuchos do tambor, e, até antes da abertura do tambor). Total:- 8 tiros.
DÉCIMA QUARTA FASE:- Disparos em posição de tiro livre na “zona
periférica alta à direita do alvo”. Saque lento; tomada de posição lenta; empunhadura dupla (policial);
com visada; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento lento do gatilho; disparos lentos.
EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; toma a posição de tiro que julgar mais
conveniente para o momento; efetua 2 disparos na “zona periférica alta à direita do alvo”; faz a
“varredura”; volta à posição de partida; coldrea. Total:- 2 tiros.
DÉCIMA QUINTA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno, adotar
outra posição de tiro); com visada na “zona periférica alta à esquerda do alvo”. Total: 2 tiros.
DÉCIMA SEXTA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno, adotar
outra posição de tiro); com visada na “zona periférica baixa à esquerda do alvo”. Total: 2 tiros.
DÉCIMA SÉTIMA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno, adotar
outra posição de tiro); com visada na “zona periférica baixa à direita do alvo”. Total:- 2 tiros.
DÉCIMA OITAVA FASE:- Disparos em posição de tiro livre; “ação
simples do gatilho” (armando o cão, com o polegar da “mão fraca”, sem perder a empunhadura
dupla, antes do disparo); “zona periférica alta à direita do alvo”. Saque lento; tomada de posição
lenta; empunhadura dupla (policial); com visada; ação simples do gatilho (armando o cão, com o polegar
da “mão fraca”, sem perder a empunhadura dupla, antes do disparo); acionamento lento do gatilho;
disparos lentos. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; toma a posição de tiro
que julgar mais conveniente para o momento; arma o cão (com o polegar da “mão fraca”, sem perder a
empunhadura dupla e sem perder o contato visual com o alvo e suas imediações); efetua o primeiro
disparo em “ação simples” na “zona periférica alta à direita do alvo”; torna a armar o cão (com o polegar
da “mão fraca”, sem perder a empunhadura dupla e sem perder o contato visual com o alvo e suas
imediações); efetua o segundo disparo em “ação simples”, na mesma “zona”; faz a “varredura”; volta à
posição de partida; coldrea. Total:- 2 tiros.
Obs.:- Na “ação simples” o contato do dedo com a tecla do gatilho, para o
seu acionamento, deverá se dar no meio da última falange do dedo (falangeta), pois exige um esforço
menor que na “ação dupla”.
DÉCIMA NONA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno, adotar outra
posição de tiro); com visada na “zona periférica alta à esquerda do alvo”. Total:- 2 tiros.
52

VIGÉSIMA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno, adotar outra


posição de tiro); com visada na “zona periférica baixa à esquerda do alvo”. Total:- 2 tiros.
VIGÉSIMA PRIMEIRA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno,
adotar outra posição de tiro); com visada na “zona periférica baixa à direita do alvo”. Total:- 2 tiros.

Aqui termina o que poderíamos chamar de “tiro ao alvo”, isto é, “saque lento”; sem
necessidade de rapidez para tomar as posições de tiro; “com visada”; com tempo livre para
executar os disparos; etc.; situações que dificilmente poderão ser cumpridas num confronto armado
verdadeiro, onde a morte está sempre presente e as condições físicas e psíquicas do policial estão
totalmente alteradas; tudo é muito rápido, mal dando tempo do policial reagir (quando consegue).
Esta PRIMEIRA PARTE teve como finalidade apenas habilitar, inicialmente, o aluno no manejo do
revólver.

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.

Obs.:- Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20”, do
“Capítulo 02”, retro.

GIRALDI
53

CAPÍTULO 06

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER” - “CURSO BÁSICO” – TERCEIRA PARTE


“TIRO POLICIAL NÍVEL III” - DESENVOLVIMENTO ®
PREVISÃO:- 100 DISPAROS REAIS, POR ALUNO INICIANTE (MÍNIMO)

Agora terá início o tiro policial propriamente dito, isto é, “saque rápido”; “tomadas
rápidas de posições”; empunhadura dupla (policial); ação dupla do gatilho; acionamento rápido do
gatilho; disparos rápidos, “semivisados” ou “intuitivos”, sempre de 2 em 2, com os dois olhos
abertos. Dois disparos em cada alvo. A cada dois disparos, coldrea. Recarga rápida (tanto
“emergencial” como “tática”). Os exercícios são idênticos e seguem a mesma seqüência dos
exercícios realizados na “Segunda Parte” do “Curso Básico” (“Capítulo 05”, retro).

DESENVOLVIMENTO DA “TERCEIRA PARTE” DO “CURSO BÁSICO”:-

Os alunos apresentam-se, para a instrução prática, com o revólver descarregado, em


segurança, no coldre.
Antes de iniciar a aula prática, com uso do revólver, e no transcorrer da mesma, o professor
deverá dar, constantemente, as seguintes ordens aos alunos:-
“----- Até segunda ordem, permaneçam com o revólver, descarregado, em segurança, no
coldre. Só peguem ou empunhem o revólver mediante ordem. Só carreguem o revólver mediante ordem”;
“----- Quando com o revólver na mão, mesmo descarregado, mantenham o dedo fora do
gatilho; o dedo só vai para o gatilho quando vocês tiverem certeza da necessidade do disparo. A posição
normal do dedo acionante é estendido, junto à armação do revólver. Mantenham o cano do revólver,
mesmo que descarregado, voltado sempre para direção segura. Estes princípios deverão ser aplicados,
também, quando vocês estiverem de serviço”;
“----- Nos intervalos da instrução (descanso, água, cafezinho, sanitário, almoço, etc.)
mantenham o revólver sempre descarregado, em segurança, no coldre, ou no local que o professor
determinar; neste caso, com o tambor aberto”;
“----- Não deixem nem abandonem o revólver sobre banquetas, mesas, ou onde quer que
seja”;
“----- Fica estabelecido que o local para manuseio do revólver é ... (estabelecer o local);
nesse local não se manuseia munição”;
O professor deverá estabelecer local seguro para manuseio do revólver; nesse local não se
manuseará munição.
Antes da execução do exercício de cada “FASE”, com munição real, o aluno, orientado pelo
professor, deverá treiná-lo, intensamente, com o revólver vazio ou simulando o seu uso, até ficar
condicionado a executá-lo corretamente e sem dificuldades (revólver descarregado). Só após consegui-lo
efetuará disparos reais.
Havendo necessidade e munição, o aluno repetirá o exercício (com munição real) mais vezes
além do que já estiver previsto para cada “FASE”.
Alvo a ser utilizado:- Obrigatoriamente o “PM-L-74”, de papelão (ver Anexo 13), colocado o
mais próximo possível do barranco de contenção de projéteis.
54

Dedo fora do gatilho quando não for para atirar; cano da arma voltado sempre para direção
segura.
Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também professores e auxiliares,
alunos que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico, protetor ocular e
auricular.
O professor irá verificar, no desenvolvimento desta “Terceira Parte” do “Curso Básico”, que
os procedimentos previstos em todas as “FASES” são repetitivos, mudando apenas a “posição de tiro” do
aluno, assim, após familiarizar-se com esses procedimentos, poderá reduzir, para menos de meia folha de
papel sulfite “A 4”, para consulta momentânea, tudo o que se segue.

PRIMEIRA FASE:- Disparos em pé, livre. Saque rápido; tomada de posição rápida;
empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo; zona central do alvo; ação dupla do gatilho
(sem armar o cão); acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos. EXECUÇÃO: - Ao sinal
convencionado o aluno saca o revólver: toma a posição determinada; efetua 2 disparos; faz a “varredura”;
volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais seis vezes.
Total:- 14 tiros.

SEGUNDA FASE:- Disparos ajoelhado, livre (todas as posições serão aceitas). Saque rápido;
tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo; zona central do alvo;
ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos. EXECUÇÃO:
Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; toma a posição determinada; efetua 2 disparos; faz a
“varredura”; volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais duas
vezes. Total:- 6 tiros.

TERCEIRA FASE:- Disparos agachado, livre (todas as posições serão aceitas). Saque rápido;
tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo; zona central do alvo;
ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos. EXECUÇÃO:-
Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; toma a posição determinada; efetua 2 disparos; faz a
“varredura”; volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais duas
vezes. TOTAL:- 6 tiros.

QUARTA FASE:- Disparos deitados, livre (todas as posições serão aceitas, desde que a
cabeça do aluno esteja voltada para o alvo). Saque rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla
(policial); com semivisada ou intuitivo; zona central do alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão);
acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o
revólver; toma a posição determinada; efetua 2 disparos; faz a “varredura”; volta à posição de partida;
coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais duas vezes. Total:- 6 tiros.

QUINTA FASE:- Disparos em pé, barricado na vertical; disparos pela esquerda da


barricada; corpo protegido na direita. (Necessário o uso da “barricada de treinamento”). Saque rápido;
tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo; zona central do
alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos. Revólver
e corpo do aluno aquém da barricada; nem o revólver nem qualquer parte do corpo do aluno poderá tocar
a barricada. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; entra em proteção (pelo lado
direito da barricada), revólver “em posição de tiro” (ainda não dispara); toma a posição de tiro
determinada; tomba ligeiramente o tronco para a esquerda; efetua 2 disparos (pode tombar o revólver para
54aze5454-los); faz a “varredura”; volta em proteção com o revólver ainda em “posição de tiro”; volta à
posição de partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais duas vezes. Total:- 6
tiros.

SEXTA FASE: - Exercício idêntico ao da FASE anterior mas disparando pelo lado direito da
barricada, protegendo-se na esquerda. Total:- 6 tiros.

SÉTIMA FASE:- Disparos em posição de tiro híbrida; barricado na horizontal


(barricada horizontal a mais ou menos 1,30 metros de altura); disparos por sobre a barricada;
corpo protegido pelo lado de baixo da barricada. (Necessário o uso da “barricada de treinamento”).
55

Saque rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo; zona
central do alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos.
Revólver e corpo do aluno aquém da barricada; nem o revólver nem qualquer parte do corpo do aluno
poderá tocar a barricada. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; entra em
proteção (pelo lado de baixo da barricada); revólver “em posição de tiro” (ainda não dispara); toma a
posição determinada; levanta o corpo o mínimo necessário até enquadrar o alvo; efetua 2 disparos; faz a
“varredura”; volta em proteção com o revólver ainda em “posição de tiro”; volta à posição de partida;
coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais duas vezes. Total:- 6 tiros.

OITAVA FASE:- Disparos ajoelhado ou agachado, livre (o aluno escolhe); barricado na


vertical; disparos pela esquerda da barricada; corpo protegido na direita. (Necessário o uso da
“barricada de treinamento”). Saque rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com
semivisada ou intuitivo; zona central do alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento
rápido do gatilho; disparos rápidos. Revólver e corpo do aluno aquém da barricada; nem o revólver nem
qualquer parte do corpo do aluno poderá tocar a barricada. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o
aluno saca o revólver, entra em proteção (pelo lado direito da barricada); revólver em “posição de tiro”
(ainda não dispara); toma a posição determinada; tomba ligeiramente o tronco para a esquerda; efetua dois
disparos (pode tombar o revólver para efetuá-los); faz a “varredura”; volta em proteção com o revólver
ainda em “posição de tiro”; volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o
exercício mais duas vezes. Total:- 6 tiros.

NONA FASE:- Exercício idêntico ao da FASE anterior mas disparando pelo lado direito da
barricada, protegendo-se na esquerda. Total 6 tiros.

DÉCIMA FASE:- Disparos deitado, livre, barricado na vertical; disparos pela esquerda da
barricada; corpo protegido na direita. (Necessário o uso da “barricada de treinamento”). Saque rápido;
tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo; zona central do
alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos. Revólver
e corpo do aluno aquém da barricada; nem o revólver nem qualquer parte do corpo do aluno poderá tocar
a barricada. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; deita protegido pelo lado
direito da barricada; revólver “em posição de tiro” (ainda não dispara); tomba ligeiramente o tronco para a
esquerda; efetua 2 disparos (pode tombar o revólver para 55aze5555-los); faz a “varredura”; volta em
proteção com o revólver ainda em “posição de tiro”; volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal
convencionado repetirá o exercício mais uma vez. Total:- 4 tiros.

DÉCIMA PRIMEIRA FASE:- Exercício idêntico ao da FASE anterior mas disparando pelo
lado direito da barricada; corpo protegido na esquerda. Total:- 4 tiros.

DÉCIMA SEGUNDA FASE:- Disparos em pé, livre; empunhadura simples (uma só mão),
“braço fraco” solto ao lado do corpo ou com o polegar da “mão fraca” enfiado por dentro do cinto, na
altura do umbigo, caracterizando não ter condição de uso. Saque rápido; tomada de posição rápida;
empunhadura simples (uma só mão); com semivisada ou intuitivo; zona central do alvo; ação dupla do gatilho
(sem armar o cão); acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos. EXECUÇÃO:- Ao sinal
convencionado o aluno, usando apenas a “mão forte”, saca o revólver; toma a posição determinada; efetua 2
disparos; faz a “varredura”; volta à posição de partida; coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o
exercício mais duas vezes. (Esclarecer o aluno que a “empunhadura simples” somente será usada quando
não for possível a “dupla”. Havendo munição, o aluno também deverá treinar o exercício usando apenas a
“mão fraca”; não havendo apenas simulará o seu uso). Total:- 6 tiros.

DÉCIMA TERCEIRA FASE:- Disparos em pé, livre; com “recarga tática” (ver letra “i”, do
item “16.”, do “Capítulo 04”, retro). Excepcionalmente, nesta FASE, o aluno recarregará o revólver antes
do término da munição do tambor (“recarga tática”). Para dar início ao exercício o tambor do revólver
deverá estar com no mínimo 2 cartuchos intactos; carregador de reposição totalmente municiado. Saque
rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo; zona
central do alvo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento rápido do gatilho; disparos
rápidos. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; toma a posição de tiro
determinada (em pé, livre); efetua 2 disparos; faz a “varredura”, executando, em seguida, a “recarga
56

tática”. Se estiver em pé, agacha para fazê-la, a fim de diminuir sua silhueta; se houver “barricada de
treinamento” protege-se nela com a mesma finalidade. Mantendo a empunhadura, cano e olhar na direção
do alvo e imediações, aciona o retém do tambor com o polegar da “mão fraca” enquanto com o indicador
da “mão forte” (que continua empunhando o revólver) empurra o tambor para fora. Passa para
empunhadura simples, continuando a empunhar o revólver com a “mão forte” (não pode perder a
empunhadura). Extrai os cartuchos do tambor (deixa cair ao solo; não pega os intactos) acionando a vareta
do extrator com a “mão fraca”. Ainda com a “mão fraca” pega o carregador rápido de reposição e efetua a
recarga (deixa cair ao solo o carregador rápido vazio usado). Retoma a empunhadura dupla. Volta à
posição em pé e efetua mais dois disparos no mesmo alvo. Volta à posição de partida; coldrea. Mediante
sinal convencionado, repetirá o exercício mais uma vez. (Esclarecer o aluno que o carregador rápido de
reposição poderá também ser pego antes da extração dos cartuchos do tambor, e, até antes da abertura do
tambor). Total:- 8 tiros.

DÉCIMA QUARTA FASE:- Disparos em posição de tiro livre, na “zona periférica alta à
direita do alvo”. Saque rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada
ou intuitivo; ação dupla do gatilho (sem armar o cão); acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos.
EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; toma a posição de tiro que julgar mais
conveniente para o momento; efetua 2 disparos na “zona periférica alta à direita do alvo”; faz a
“varredura”; volta à posição de partida; coldrea. Total:- 2 tiros.

DÉCIMA QUINTA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno, adotar outra posição de tiro);
com semivisada ou intuitivo na “zona periférica alta à esquerda do alvo”. Total: 2 tiros.

DÉCIMA SEXTA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno, adotar outra posição de tiro);
com semivisada ou intuitivo na “zona periférica baixa à esquerda do alvo”. Total: 2 tiros.
DÉCIMA SÉTIMA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno, adotar outra posição de tiro);
com semivisada ou intuitivo na “zona periférica baixa à direita do alvo”. Total:- 2 tiros.
DÉCIMA OITAVA FASE:- Disparos em posição de tiro livre; “ação simples do gatilho”
(armando o cão com o polegar da “mão fraca”, sem perder a empunhadura dupla, antes do
disparo); “zona periférica alta à direita do alvo”. Saque rápido; tomada de posição rápida;
empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo; ação simples do gatilho (armando o cão com
o polegar da “mão fraca”, sem perder a empunhadura dupla, antes do disparo); acionamento rápido do
gatilho; disparos rápidos. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver; toma a
posição de tiro que julgar mais conveniente para o momento; arma o cão (com o polegar da “mão fraca”,
sem perder a empunhadura dupla e sem perder o contato visual com o alvo e suas imediações); efetua o
primeiro disparo em “ação simples” na “zona periférica alta à direita do alvo”; torna a armar o cão (com o
polegar da “mão fraca”, sem perder a empunhadura dupla e sem perder o contato visual com o alvo e suas
imediações); efetua o segundo disparo em “ação simples”, na mesma “zona”; faz a “varredura”; volta à
posição de partida; coldrea. Total:- 2 tiros.
DÉCIMA NONA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno, adotar outra posição de tiro);
com semivisada ou intuitivo na “zona periférica alta à esquerda do alvo”. Total:- 2 tiros.
VIGÉSIMA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno, adotar outra posição de tiro); com
semivisada ou intuitivo na “zona periférica baixa à esquerda do alvo”. Total 2 tiros.
VIGÉSIMA PRIMEIRA FASE:- Idêntica à anterior (podendo, o aluno, adotar outra posição de
tiro); com semivisada ou intuitivo na “zona periférica baixa à direita do alvo”. Total:- 2 tiros.

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
57

que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.

Obs.:- Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20.”, do
“Capítulo 02”, retro.
(GIRALDI)
58

CAPÍTULO 07

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER”- “CURSO BÁSICO” - QUARTA PARTE


“TIRO POLICIAL NÍVEL IV” - DESENVOLVIMENTO ®
PREVISÃO:- 80 DISPAROS REAIS, POR ALUNO INICIANTE (MÍNIMO)

Idêntica à TERCEIRA PARTE DO “CURSO BÁSICO” (Capítulo 06, retro) no que diz
respeito a “saque rápido”; “tomadas rápidas de posições”; empunhadura dupla (policial); ação
dupla do gatilho; acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos, visados ou “intuitivos, sempre
de 2 em 2, com os dois olhos abertos. Dois disparos em cada alvo. A cada dois disparos, coldrea (se
não houver ordem em contrário no desenvolvimento da FASE). Recarga rápida (tanto
“emergencial” como “tática”). Quando houver “regressão” a empunhadura poderá ser “dupla” ou
“simples” (no caso da “simples”, se necessário, “braço e mão fraca” estendida para trás, servindo
de guia, punho cerrado). Restante idêntico à “Primeira”, “Segunda” e “Terceira Parte” do “Curso
Básico” (Capítulos 04, 05 e 06, retros).

DESENVOLVIMENTO DA “QUARTA PARTE” DO CURSO BÁSICO:-

Antes de dar início à aula com uso do revólver, e no transcorrer da mesma, o professor
deverá dar, constantemente, as seguintes ordens aos alunos (os alunos apresentam-se, para a instrução
prática, com o revólver descarregado, em segurança, no coldre):-
“----- Até segunda ordem, permaneçam com o revólver, descarregado, em segurança, no
coldre. Só peguem o revólver mediante ordem. Só carreguem o revólver mediante ordem”;
“----- Quando com o revólver na mão, mesmo descarregado, mantenham o dedo fora do
gatilho; o dedo só vai para o gatilho quando vocês tiverem certeza da necessidade do disparo. A posição
normal do dedo acionante é estendido, junto à armação do revólver. Mantenham o cano do revólver,
mesmo que descarregado, voltado sempre para direção segura. Estes princípios deverão ser aplicados,
também, quando vocês estiverem de serviço”;
“----- Nos intervalos da instrução (descanso, água, cafezinho, sanitário, almoço, etc.)
mantenham o revólver sempre descarregado, em segurança, no coldre, ou no local que o professor
determinar; neste caso; com o tambor aberto”;
“----- Não deixe nem abandone o revólver sobre banquetas, mesas, ou onde quer que
seja”;
“----- Fica estabelecido que o local para manuseio do revólver é ... (estabelecer o local);
nesse local não se manuseia munição”;
O professor deverá estabelecer local seguro para manuseio do revólver; nesse local não se
manuseará munição.
59

Antes da execução do exercício de cada “FASE”, com munição real, o aluno, orientado
pelo professor, deverá treiná-lo, intensamente, com o revólver vazio ou simulando o seu uso, até ficar
condicionado a executá-lo corretamente e sem dificuldades. Só após consegui-lo efetuará disparos reais.
Havendo necessidade e munição, o aluno repetirá o exercício (com munição real) mais
vezes além do que já estiver previsto para cada “FASE”.
Alvo a ser utilizado:- Obrigatoriamente o “PM-L-74”, de papelão (ver “Anexo 13”),
colocado o mais próximo possível do barranco de contenção de projéteis.
Dedo fora do gatilho quando não for para atirar; cano da arma voltado sempre para direção
segura.
Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também professores e auxiliares,
alunos que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico, protetores
auriculares e oculares.
O professor irá verificar, no desenvolvimento desta “Quarta Parte” do “Curso Básico”, que
a quase totalidade dos procedimentos previstos em todas as “FASES” são repetitivos, mudando apenas a
“posição de tiro” do aluno, assim, após familiarizar-se com esses procedimentos, poderá reduzir, para
menos de meia folha de papel sulfite “A 4”, para consulta momentânea, tudo o que se segue.

PRIMEIRA FASE:- Disparos em pé, livre; do saque para “posição de alerta”, daí para
“posição de tiro”. Saque rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com
semivisada ou intuitivo; zona central do alvo; ação dupla do gatilho; acionamento rápido do gatilho;
disparos rápidos. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver, conduzindo-o para
“arma em posição de alerta”. A um segundo sinal o conduz para “arma em posição de tiro”; efetua 2
disparos; faz a “varredura”; volta à “posição de alerta”; volta à posição de partida e coldrea. Mediante
sinal convencionado repetirá o exercício mais uma vez. Total:- 4 tiros.
SEGUNDA FASE:- Disparos em pé, livre; do saque para “posição sul”, daí para “posição de
tiro”. Alvo a 45 graus à esquerda do aluno. Saque rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla
(policial); com semivisada ou intuitivo na zona central do alvo; ação dupla do gatilho; acionamento rápido
do gatilho; disparos rápidos. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno, sem mexer na posição dos pés e
do corpo, saca o revólver, conduzindo-o para “arma em posição sul”, como se estivesse “verbalizando” com
um hipotético “alvo neutro” (pessoa neutra) à sua frente (sem olhar o alvo contra o qual irá disparar, que está a
45 graus à sua esquerda, como se ele não estivesse à vista). A um segundo sinal, como se estivesse sido
atacado, por tiros, por esse alvo (agressor) que está a 45 graus à sua esquerda, encara-o, ao mesmo tempo em
que conduz o revólver para “arma em posição de tiro”, na sua direção (sem mexer na posição dos pés; apenas
girando, ligeiramente, o tronco) e efetua 2 disparos contra ele; faz a “varredura”; volta à “posição sul”; volta à
posição de partida e coldrea. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais uma vez. Total:- 4
tiros.
TERCEIRA FASE:- Idêntica à anterior, com o alvo 45 graus à direita do aluno. Total:- 4 tiros.
QUARTA FASE:- Disparos em posição de tiro livre. Alvo a 90 graus, à esquerda do aluno.
Saque rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo na
zona central do alvo; ação dupla do gatilho; acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos.
EXECUÇÃO: Ao sinal convencionado o aluno, ao mesmo tempo em que vira a cabeça por sobre o
“ombro fraco” e encara o alvo, saca o revólver, gira sobre o calcanhar do “pé fraco”, avançando o “pé
forte”, num semicírculo de mais ou menos 90 graus, até ficar de frente para o alvo; toma a posição de tiro
que julgar mais conveniente para o momento (em pé, ajoelhado, deitado, etc): efetua 2 disparos contra ele;
faz a “varredura”; volta à posição em pé (frente para o alvo) e coldrea. Volta à posição de partida (“alvo
agressor” a 90 graus à esquerda do aluno). Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais duas
vezes, podendo mudar a posição de tiro. (Nada impede que o aluno use a “planta” do pé para girar, desde
que isso lhe facilite a execução do exercício). Total:- 6 tiros.
Obs.:- Este exercício deverá ser executado individualmente (aluno por aluno) ou, se o
local permitir e proporcionar segurança, mais de um aluno por vez, desde que bem separado um do outro,
sem oferecer perigo mútuo, e também para os outros alunos e assistentes. Redobrar os cuidados com a
segurança. Esclarecer o aluno que este exercício também poderá ser executado partindo com o revólver
da “posição de alerta”, “posição de tiro” e “posição Sul”.
60

QUINTA FASE:- Disparos em posição de tiro livre. Alvo a 90 graus, à direita do aluno.
Saque rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo na
zona central do alvo; ação dupla do gatilho; acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos.
EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno, ao mesmo tempo em que vira a cabeça por sobre o
ombro forte” “e encara o alvo, saca o revólver, gira sobre o calcanhar do “pé forte”, avançando o “pé
fraco”, num semicírculo de mais ou menos 90 graus, até ficar de frente para o alvo; toma a posição de tiro
que julgar mais conveniente para o momento (em pé, ajoelhado, deitado, etc.) e efetua dois disparos contra
ele; faz a “varredura”; volta à posição em pé (frente para o alvo) e coldrea. Volta à posição de partida
(“alvo agressor” a 90 graus à direita do aluno). Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais
duas vezes, podendo mudar a posição de tiro. (Nada impede que o aluno use a “planta” do pé para girar,
desde que isso lhe facilite a execução do exercício). Total:- 6 tiros.
Obs.:- Este exercício deverá ser executado individualmente (aluno por aluno) ou, se o local
permitir e proporcionar segurança, mais de um aluno por vez, desde que bem separado um do outro, sem
oferecer perigo mútuo, e também para os outros alunos e assistentes. Redobrar os cuidados com a
segurança. Esclarecer o aluno que este exercício também poderá ser executado partindo com o revólver
em “posição de alerta”, “posição de tiro” e “posição sul”.
SEXTA FASE:- Disparos em posição de tiro livre. Alvo à retaguarda do aluno. Saque rápido;
tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo na zona central do alvo.
ação dupla do gatilho; acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos. EXECUÇÃO:- Ao sinal
convencionado o aluno, ao mesmo tempo em que vira a cabeça por sobre o “ombro fraco” e encara o alvo, saca o
revólver, gira sobre o calcanhar do “pé fraco”, avançando o “pé forte”, num semicírculo de mais ou menos 180
graus, até ficar de frente para o alvo; toma a posição de tiro que julgar mais conveniente para o momento (em pé,
ajoelhado, deitado, etc.) e efetua 2 disparos contra ele; faz a “varredura”; volta à posição em pé (frente para o
alvo) e coldrea. Volta à posição de partida (“alvo agressor” à retaguarda do aluno). Mediante sinal
convencionado repetirá o exercício mais duas vezes, podendo mudar a posição de tiro. (Nada impede que o aluno
use a “planta” do pé para girar, desde que isso lhe facilite a execução do exercício). Total:- 6 tiros.
Obs.:- Este exercício deverá ser feito individualmente (aluno por aluno) ou, se o local
permitir e proporcionar segurança, mais de um aluno por vez, desde que bem separado um do outro, sem
oferecer perigo mútuo, e também para os outros alunos e assistentes. Redobrar os cuidados com a
segurança. Esclarecer o aluno que este exercício também poderá ser executado partindo com a pistola em
“posição de alerta”, “posição de tiro” e “posição Sul”.
SÉTIMA FASE:- Disparos em posição de tiro livre. “Progressão” e “regressão” expostas
(sem uso da “barricada de treinamento”), 2 disparos na “progressão”, e 2 na “regressão”. Saque
rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo na zona
central do alvo; ação dupla do gatilho; acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos. EXECUÇÃO:-
Aluno a mais ou menos 10 metros do alvo, de frente para ele. Ao sinal convencionado, sem sacar o
revólver (permanece no coldre), começa a caminhar, lentamente e despreocupadamente, em direção ao
seu alvo, como se tudo estivesse em paz. Quando estiver a mais ou menos 5 metros do alvo, mediante um
segundo sinal (seria ótimo que fosse um disparo), o aluno saca o revólver; toma a “posição de tiro” que
julgar mais conveniente para o momento (em pé, ajoelhado, deitado, etc.) e efetua 2 disparos contra ele;
faz a “varredura”; volta á posição em pé e, com a frente do corpo, o olhar e o revólver (“em posição de
tiro”) voltados para o alvo e imediações, inicia a “regressão” (de costa) em direção ao ponto de partida,
onde estará em segurança. Quando estiver regredindo, a um terceiro sinal convencionado, efetua mais dois
disparos contra esse mesmo alvo, ou outro, se assim lhe for determinado; continua a “regressão”,
mantendo a “varredura”, até o ponto de partida onde coldreará o revólver. A “regressão” poderá ser feita
com empunhadura “dupla” ou “simples” (no caso da “simples”, se necessário, com o “braço e a mão
fraca” estendida para trás, servindo de guia, punho cerrado). “Varredura” constante durante a “regressão”.
Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais uma vez. Total:- 8 tiros.
Obs.:- Este exercício deverá ser executado individualmente (aluno por aluno) ou, se o
local permitir e proporcionar segurança, mais de um aluno por vez, desde que bem separado um do outro,
sem oferecer perigo mútuo, e também para os outros alunos e assistentes. Redobrar os cuidados com a
segurança.

OITAVA FASE:- Disparos em posição de tiro livre. Dois alvos. “Progressão” e “regressão”
expostas (sem o uso da “barricada de treinamento”). Disparos, tanto na “progressão” como na
61

“regressão” em 2 alvos, com mais ou menos 2 metros de intervalo e distância entre ambos. Saque
rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo na zona
central dos alvos; ação dupla do gatilho; acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos.
EXECUÇÃO:- Aluno a mais ou menos 10 metros de distância do alvo mais próximo, de frente para ele.
Ao sinal convencionado, sem sacar o revólver (permanece no coldre), o aluno começa a caminhar,
lentamente e despreocupadamente, em direção ao alvo mais próximo, como se tudo estivesse em paz.
Quando estiver a mais ou menos 5 metros dele, mediante um segundo sinal convencionado (seria ótimo
que fosse um disparo), o aluno saca o revólver; toma a “posição de tiro” que julgar mais conveniente para o
momento (em pé, ajoelhado, deitado, etc.) e efetua 2 disparos contra cada um dos dois alvos, iniciando pelo
que estiver mais próximo (teoricamente, oferecendo maior perigo); faz a “varredura”; volta à posição em pé e,
com a frente do corpo, o olhar e o revólver (em “posição de tiro”) voltados para os alvos e imediações, inicia a
“regressão” (de costa) em direção ao ponto de partida, onde estará em segurança. Quando estiver regredindo, a
um terceiro sinal convencionado, efetua mais dois disparos em cada alvo. Continua a “regressão”, mantendo a
“varredura”, até o ponto de partida onde coldreará o revólver. A “regressão” poderá ser feita com
empunhadura “dupla” ou “simples” (no caso da “simples”, se necessário, com o “braço e a mão fraca”
estendida para trás, servindo de guia, punho cerrado). “Varredura” constante durante a regressão. Mediante
sinal convencionado repetirá o exercício mais uma vez. Total:- 16 tiros.
Obs.:- Este exercício deverá ser executado individualmente (aluno por aluno) ou, se o local
permitir e proporcionar segurança, mais de um aluno por vez, desde que bem separado um do outro, sem
oferecer perigo mútuo, e também para os outros alunos e assistentes. Redobrar os cuidados com a
segurança.

NONA FASE:- Disparos em pé, livre, barricado na vertical; disparos pela esquerda da barricada;
corpo protegido na direita. (Necessário o uso da “barricada de treinamento”). “Progressão” e “regressão”
protegidas pelo lado direito da “barricada de treinamento”. (Necessário o uso da “barricada de
treinamento”). Saque rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou
intuitivo na zona central do alvo; ação dupla do gatilho; acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos.
Revólver e corpo do aluno aquém a barricada; nem o revólver nem qualquer parte do corpo do aluno poderá
tocar a barricada. EXECUÇÃO:- Aluno a mais ou menos 10 metros do alvo, protegido pelo lado direito da
barricada, que está a mais ou menos 5 metros do alvo. Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver
conduzindo-o para arma em “posição de tiro’ e, sempre protegido pelo lado direito da barricada, progride até
ela e permanece nela abrigado (revólver em “posição de tiro”). Tomba o tronco ligeiramente para a esquerda e
efetua 2 disparos no alvo; faz a “varredura”; volta em proteção. Mantendo o revólver “em posição de tiro”;
olhar e cano na direção do alvo e imediações e, continuando a usar o lado direito da barricada como proteção,
regride (de costa) até o ponto de partida onde estará em segurança. Ali chegando, coldrea o revólver. A
“regressão” poderá ser feita com empunhadura “dupla” ou “simples” (no caso da “simples”, se necessário,
com o “braço e mão fraca” estendida para trás, servindo de guia, punho cerrado). “Varredura” constante
durante a regressão. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais duas vezes. Total:- 6 tiros
Obs.:- Este exercício deverá ser executado individualmente (aluno por aluno) ou, se o local
permitir e proporcionar segurança, mais de um aluno por vez, desde que bem separado um do outro, sem
oferecer perigo mútuo, e também para os outros alunos e assistentes. Redobrar os cuidados com a
segurança
DÉCIMA FASE:- Exercício idêntico ao anterior, mas, com o aluno protegido pelo lado esquerdo
da barricada (disparos pela direita da barricada). Total:- 6 tiros.
DÉCIMA PRIMEIRA FASE:- Disparos em posição de tiro híbrida; barricado na horizontal
(barricada horizontal a mais ou menos 1,30 metros de altura); disparos por sobre a barricada; corpo
protegido pelo lado de baixo da barricada. (Necessário o uso a “barricada de treinamento”).
“Progressão” e “regressão” com proteção horizontal (pelo lado de baixo da “barricada de
treinamento”). Disparos em posição híbrida, por sobre a barricada; corpo protegido por baixo. Saque
rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou intuitivo na zona
central do alvo; ação dupla do gatilho; acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos. Revólver e corpo
do aluno aquém a barricada; nem o revólver nem qualquer parte do corpo do aluno poderá tocar a barricada.
EXECUÇÃO:- Aluno a mais ou menos 10 (dez) metros do alvo. Barricada horizontal, entre o aluno e o
alvo, a mais ou menos 5 metros do alvo. Ao sinal convencionado o aluno saca o revólver, conduzindo-o para
arma em “posição de tiro” e, sempre protegido pela barricada horizontal, progride até ela e permanece nela
abrigado (com o revólver em “posição de tiro”). Levanta ligeiramente o tronco (apenas o suficiente para
62

visualizar o alvo) e efetua 2 disparos no alvo; faz a “varredura”; volta em proteção. Mantendo o revólver
“em posição de tiro”, olhar e cano na direção do alvo e imediações e, continuando a usar a barricada
horizontal como proteção, regride (de costa) até o ponto de partida, onde estará em segurança. Ali chegando,
coldrea o revólver. A “regressão” poderá ser feita com empunhadura “dupla” ou “simples” (no caso da
“simples”, se necessário, com o “braço e mão fraca” estendida para trás, servindo de guia, punho cerrado).
“Varredura” constante durante a regressão. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais duas
vezes. Total:- 6 tiros.
Obs.:- Este exercício deverá ser executado individualmente (aluno por aluno) ou, se o local
permitir e proporcionar segurança, mais de um aluno por vez, desde que bem separado um do outro, sem
oferecer perigo mútuo, e, também para os outros alunos e assistentes. Redobrar os cuidados com a
segurança
DÉCIMA SEGUNDA FASE:- Disparos em posição livre. Uso da “arma titular” e da “arma
reserva”. Saque rápido; tomada de posição rápida; empunhadura dupla (policial); com semivisada ou
intuitivo na zona central do alvo; ação dupla do gatilho; acionamento rápido do gatilho; disparos rápidos.
Aluno em frente ao seu alvo. “Arma titular” (revólver) no coldre de cintura; “arma reserva” no “coldre de
canela” (lado interno da “perna fraca”). EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno saca a “arma
titular”, efetua dois disparos na posição que julgar mais conveniente para o momento (em pé, joelho,
deitado, etc.); simula um incidente de tiro com a “arma titular” impossível de ser solucionado no momento.
Coldrea, com rapidez, a “arma titular”. Avança e flexiona a “perna fraca” em cuja parte interna da canela
está a “arma reserva”. Tomba o tronco para frente ao mesmo tempo em que a “mão fraca” puxa, na altura
do joelho, a perna da calça que cobre a “arma reserva”, no mesmo instante em que a “mão forte” executa o
saque, tudo, sem perder o contato visual com o alvo e suas imediações. Sacada a “arma reserva” o aluno,
com empunhadura “dupla”, tronco ainda tombado para frente, pés e pernas nas mesmas posições em que se
encontram (ou ajoelhado ou agachado), efetua dois disparos com ela, no mesmo alvo; faz a “varredura”;
volta à posição em pé; coldrea a arma reserva. Variantes que facilitem a atuação do aluno poderão ser
exercitadas. Total:- 4 tiros.
Obs.:- Na vida real, havendo tempo e condições, o policial tomará posição segura e
protegida para sacar e usar a “arma reserva”. O uso da “arma reserva”, nos dias atuais, é imprescindível. A
“arma reserva” deverá ser compacta; fácil de ser dissimulada e portada no “coldre de canela”. Uma das
ideais é a pistola “Glock nos modelos “22” (15 cartuchos no carregador); ou “23” (13 cartuchos no
carregador) ou “27” (também chamada de “baby”, com 9 cartuchos no carregador), todas no calibre .40
S&W . Essa forma de portar a “arma reserva” serve também para portar a “arma particular”, quando nas
horas de folga, e em trajes civis (quando for necessário fazê-lo).
Obs.:- No serviço, se houver dificuldades de portar a “arma reserva” no “coldre de canela”, a
mesma poderá ser portada em outro local, como num segundo coldre de cintura; coldre axilar; coldre
adaptado ao protetor balístico; etc.
DÉCIMA TERCEIRA FASE:- Disparos em posição de tiro livre; empunhadura simples.
Disparos e recarga com uma só mão. “Mão fraca” do aluno sem condições de uso (sofreu um
“acidente grave”; fica imobilizada, ao lado do corpo). Saque rápido; tomada de posição rápida;
empunhadura simples; semivisada ou intuitivo na zona central do alvo, ação dupla do gatilho, acionamento
rápido do gatilho, disparos rápidos. Partida:- Aluno com o revólver no coldre; todas as câmaras do
tambor com cartuchos vazios; Carregador rápido de reposição totalmente municiado, com munição real,
no porta carregador rápido. EXECUÇÃO:- Ao sinal convencionado o aluno, mantendo sempre a “mão
fraca” imobilizada, ao lado do corpo, saca o revólver, toma a posição de tiro que julgar mais conveniente
para o momento, efetua dois disparos em seco (os cartuchos do tambor estão todos vazios); simula o
término da munição do revólver, com necessidade de recarga, tendo apenas a “mão forte” para 62aze-lo.
Coloca o “joelho forte” no solo. Aciona o retém do tambor com o polegar da “mão forte” ao mesmo tempo
em que empurra o tambor para fora, com o dedo indicador dessa mesma mão (ou, enquanto aciona o retém
do tambor, bate a lateral direita do tambor sobre a “coxa fraca”, liberando-o). Força a vareta do extrator na
parte interna do joelho da “perna fraca” (que está dobrado), a fim de extrair os cartuchos vazios. Extraídos
os cartuchos vazios, e mantendo o tambor aberto, introduz o cano do revólver, na perpendicular, por dentro
do calçado do “pé fraco”, o qual ficará ali preso e em pé, na perpendicular, cano para baixo (tambor aberto
pronto para receber os cartuchos do carregador rápido de reposição), liberando, assim, a “mão forte” que
pegará o carregador rápido de reposição, alimentando, em seguida, o tambor. Para fechar o tambor é só
empunhar o revólver com a “mão forte” e forçar o lado esquerdo do tambor na parte interna do “joelho
63

fraco” (que continua dobrado). O revólver estará pronto para ser usado. Mantendo a empunhadura simples, o
aluno toma a posição de tiro que julgar mais conveniente para o momento e efetua 2 disparos. Volta à
posição em pé e coldrea o revólver. Mediante sinal convencionado repetirá o exercício mais uma vez,
podendo mudar a posição de tiro. Total:- 4 tiros.
Obs.:- Quando o “acidente” for na “mão forte”, todas essas operações serão executadas
com a “mão fraca” e “joelho fraco” no solo.
Esse método serve também para “recarga tática”.

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.

Observação:- Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20.”, do
“Capítulo 02”, retro.

(GIRALDI)
64

CAPÍTULO 08
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI “MÉTODO GIRALDI” ®
Direitos autorais reservados

REVÓLVER – “CURSO BÁSICO” – SÚMULA DE AVALIAÇÃO ®

Nome ___________________________ RE ______________ Posto/Grad ___________________


Unidade _______________ Local da Avaliação ____________________ Data _______________
Revólver nº _____________________________ Pontuação máxima possível:- 150 Pts.
Pontuação mínima para aprovação:- ____ Pts. Pontuação obtida:- ____ Pts. Nota/Conceito:- _____
“A” - TOTAL DOS PONTOS OBTIDOS NO ALVO PM-L-74 (10 tiros. Cada impacto na área cinza 10 pts; impacto na área
branca “zero” ponto. Impacto que tangenciar a área cinza será nela assinalado)............... (“A”) ___________ Pts.
“B” - PROCEDIMENTOS:- Para cada procedimento correto 10 pts. positivos; procedimento errado deixa de ganhar esses 10
pts. Procedimento certo ou errado será marcado com um “x”.
ABAIXO, PROCEDIMENTOS QUE SERÃO ANALISADOS CERTO ERRADO
1 Sacar a arma sem olhar; sem o auxílio da “mão fraca”; tomando a posição de tiro sempre
com o olhar fixo no alvo; cano da arma voltado para o alvo; dedo fora do gatilho
2. Empunhadura dupla; dois disparos rápidos, semivisados ou intuitivos, por posição
3. Varredura após os disparos. Voltar à posição de partida mantendo o cano da arma na
direção do alvo; dedo fora do gatilho; olhar na direção do alvo até o coldreamento
4. Coldrear a arma sempre na posição em pé, sem olhar, sem o auxílio da “mão fraca”
5. Recarga
TOTAL DOS PONTOS POSITIVOS DOS PROCEDIMENTOS CERTOS ............ (“B”) ___________ Pts.
“C” – PENALIDADES:- 10 pontos negativos para cada uma. Num mesmo item poderá haver mais de uma penalidade. Cada
penalidade será marcada com um “x”..
1. Equipamentos mal ajustados ao corpo atrapalhando o desempenho do aluno
2. Derrubar o carregador de reposição municiado
Disparar em posição diferente da determinada; cada disparo uma penalidade
4. Após os dois disparos de cada posição, deixar de voltar à posição em pé, coldrear o revólver, e soltar os braços ao longo
do corpo antes de sacar novamente o revólver para os dois disparos da posição seguinte.
5. Disparos após o tempo determinado; cada disparo uma penalidade
TOTAL DOS PONTOS NEGATIVOS DAS PENALIDADES ......................... (“C”) ___________ Pts

“D” – REPROVAÇÃO:- Será reprovado o aluno que cometer qualquer uma das seguintes “penalidades fatais” (64aze64-las com um
“x”):-
1. Atentar contra as normas de segurança
2. Provocar disparo acidental
3. Derrubar a arma
4. Apresentar descontrole emocional.

“E” – PONTUAÇÃO FINAL:- “A” + “B” – “C” ............ ___________ Pts.


Obs.:- Caso o aluno seja reprovado, após voltar à calma, e ser orientado pelo professor, repetirá toda a avaliação..

_______ ____________________________ ___________________________________________________________________


Assinatura do aluno Posto/grad/nome completo e legível, assinatura do instrutor/monitor

Obs.:- Anexar esta súmula ao “RIT” do aluno, tanto em caso de aprovação como de reprovação. Anotações no verso.

EXECUÇÃO DA AVALIAÇÃO:- Distância do alvo:- 5 (cinco) metros. Dez disparos na área cinza do alvo
“PM-L-74” (ver Anexo 13) no tempo de 2 (dois) minutos (incluindo a recarga). Empunhadura dupla. Ação dupla do
gatilho. Dois disparos rápidos, semivisados ou intuitivos, seguidos de “varredura”, em cada uma das seguintes posições e
na seguinte seqüência obrigatória:- Pé, Joelho, Agachado, Deitado e novamente em Pé. Partida em Pé; arma carregada
no coldre; braços soltos ao longo do corpo. Após os dois disparos de cada posição de tiro, e respectiva “varredura”, o
aluno volta à posição em Pé, coldrea a arma, solta os braços ao longo do corpo, saca novamente a arma, toma a nova
posição de tiro, efetua os dois disparos dela, volta à posição em Pé, coldrea a arma, solta os braços ao longo do corpo,
saca novamente a arma, toma a nova posição de tiro, efetua os dois disparos dela, e assim sucessivamente, até executar
os dez disparos nas posições previstas. Ao efetuar a recarga deverá 64aze-la ajoelhado ou agachado. Após a última
posição coldrea a arma e aguarda ordens. Acompanhará o levantamento dos impactos do seu alvo. Se ocorrer falha de
arma ou munição que não seja da responsabilidade do aluno o mesmo repetirá a avaliação.
GIRALDI
65

PREENCHIMENTO DA SÚMULA DE AVALIAÇÃO DO “CURSO BÁSICO”

. O aluno apresenta-se para ser submetido à avaliação do “Curso Básico” com a “Súmula de
Avaliação” nas mãos, já tendo preenchido o cabeçalho na parte sob sua responsabilidade (Nome; RE;
Posto/Grad; Unidade; Local da Avaliação; Data; Revólver nº). Revólver vazio no coldre. Deverá estar
com colete balístico, protetor ocular, auricular e plaqueta de identificação no peito. Um carregador rápido
nas mãos, municiado com 06 (seis) cartuchos (será o primeiro a ser utilizado) e outro no porta carregador
rápido, também municiado com 06 (seis) cartuchos (reposição).
. “Pontuação mínima para aprovação:- ____ pts”:- O professor anotará aqui a
pontuação estabelecida em currículo, ou em publicação oficial à parte.
Obs.:- No caso de reprovação, após ser ensinado pelo professor nos procedimentos
em que errou, e voltar à calma, o aluno repetirá a avaliação.
. “Pontuação obtida”:- _____ pts.:- O professor anotará aqui a pontuação final do aluno,
existente na letra “E” da súmula.
. “Nota/Conceito:- _____”:- O professor anotará aqui e nota ou o conceito final obtido
pelo aluno, conforme o determinado em currículo, ou em publicação oficial à parte.
Obs.:- . A transformação da pontuação final do aluno em nota será feita através de
uma regra de três simples e direta, onde o máximo de pontos possíveis 150 (que está previsto na súmula),
corresponde à nota 10,0 (dez) e os pontos obtidos, proporcionalmente à essa nota. Exemplo:- Se o aluno
obteve 120 (cento e vinte) pontos sua nota final será 8,0 (oito), que é o resultado da multiplicação de 120
por 10, dividido por 150.
150 pts corresponde à nota 10,0
120 pts. corresponde à nota x

Multiplica 120 por 10 e divide por 150 = 8,0

. A transformação da nota final em conceito será feita de acordo com o


previsto no currículo do curso ou em publicação oficial. Exemplo:-

NOTAS CONCEITO
0,0 a 4,9 INSUFICIENTE
5,0 a 6,9 REGULAR
7,0 a 8,4 BOM
8,5 a 9,5 MUITO BOM
9,6 a 10,0 EXCEPCIONAL

. Demais preenchimentos já estão esclarecidos na própria súmula.

GIRALDI
66

CAPÍTULO 09

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“PISTAS POLICIAIS DE INSTRUÇÃO” (PPI)


“PISTAS POLICIAIS ESPECIAIS” (PPE)
“PISTAS POLICIAIS DE APLICAÇÃO” (PPA)

1. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS PISTAS ®


2. PRINCIPAIS ENSINAMENTOS DAS PISTAS ®

1. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS PISTAS 


(REGISTRADO)

Por mais simples que sejam, fornecem grandes ensinamentos práticos aos alunos.
Poderão ser elaboradas apenas com meios de fortuna, sem perder suas finalidades,
proporcionando, assim, grande economia.
Qualquer móvel velho, armário, banco, escrivaninha ou outros materiais já inservíveis, que
se coloque no “Centro de Treinamento para a Preservação da Vida”, servindo como “proteção simulada”
e facilitando a “progressão”, a “atuação” e a “regressão” do aluno sobre alguns alvos devidamente
caracterizados, já se constituirá numa pista. Plásticos e lonas, também poderão ser usados.
Um simples banco tombado, colocado no “Centro de Treinamento para a Preservação da
Vida”, servirá, após pequena progressão, de “abrigo simulado” para o aluno atuar, disparando ou não, pela
sua direita, esquerda e por cima dele.
As próprias instalações físicas do “Centro de Treinamento para a Preservação da Vida”
poderão ser aproveitadas como pista.
Locais externos, com árvores, arbustos, obstáculos, veículos, elevações e depressões do
terreno, buracos, barrancos, muros, construções, poderão ser aproveitados como pistas da forma como se
encontram ou com pequenas adaptações, acrescentando-se alvos devidamente caracterizados. Para atuar
nesses locais, o aluno e o professor não usarão qualquer tipo de munição (nem no corpo). O aluno, com a
arma vazia, executará apenas procedimentos, simulando disparos, quando necessários.
Poderão ser elaboradas, da mesma forma, em qualquer local.
Gastam pouca munição. Há, inclusive, pistas sem disparos, da mesma forma que, na quase
totalidade das vezes, em situações reais, o policial saca sua arma mas não tem necessidade de dispará-la.
Nessas pistas, executará apenas procedimentos.
Tem alvos fixos e móveis. Tem alvos que se deslocam, sustentados por carretilhas, apoiadas
em fios de arame bem esticados. Alvos colocados o mais próximo possível do barranco de contenção
de projéteis.
Tem alvos “amigos”, “neutros” e “agressores” , devidamente caracterizados como seres humanos, a
partir do alvo de papelão “PM-L-4” (ver “Anexo 14”, deste manual).
Tem alvos “suspeitos” e em “atitude suspeita”. Não confundir alvo “suspeito” com alvos em
“atitude suspeita”.
a) Exemplo de alvo “suspeito”:- Um alvo representando um presidiário (identificável
através da roupa, etc.) tranqüilamente postado numa fila de ônibus, logo após uma fuga de presos.
67

b) Exemplos de alvo em “atitude suspeita”:- Um alvo representando uma pessoa semi-


escondida, onde as mãos não aparecem, espreitando o policial, em situação de confronto armado ou na
iminência de ocorrer.
Tem pista curta, média e longa. A pista básica é a “Pista Policial de Instrução-Padrão”
Para policiais de qualquer idade.
Tem sonorização. Tem “cobertas” e “abrigos”.
Para atuação individual e coletiva.
Para o dia e para a noite
Disparos, com revólver e pistola, quando necessários, sempre de 2 em 2 (2 disparos em
cada alvo atirável); rápidos; semivisados ou intuitivos; aluno com os dois olhos abertos.
Obs.:- Convenção- “Alvo agressor”, com a arma apontada para o policial, é porque está
atentando contra a vida dele ou de terceiros, portanto, é alvo atirável, desde que, na mesma linha de tiro,
não existam “alvos neutros” ou “alvos amigos”.
Tempo de execução igual a uma ação real.
Para locais internos e externos.
Para atuação embarcada, desembarcada e mista.
Fácil assimilação. Simples, práticas, objetivas, baratas.
O policial usa a mesma arma, munição, equipamento, uniforme e outros materiais com os
quais trabalha em defesa da Sociedade.
Destinadas a todos os policiais.
Dão confiança ao policial.
Quase não gastam alvos. Alvos “amigos” e “neutros”, por exemplo, são preparados uma só
vez pois, não recebendo impactos, têm duração ilimitada.
Permitem uma instrução de tiro realista, sem demagogia, sem possibilidades de quaisquer
tipos de acusações.
As valorizações das zonas de acerto nos alvos variam de acordo com os objetivos da
instrução.
A “pista padrão” é a constante dos capítulos “10” e “11”, deste manual.
As pistas têm os mais diferentes graus de dificuldades.
Podem ser executadas com qualquer tipo de arma.
Mostram a importância da prioridade dos procedimentos.
Provocam o gosto do aluno pela instrução de tiro.
Automaticamente, provocam comentários e análise dos alunos.
Muitas outras características a serem desenvolvidas pelo professor e também pelos alunos.

2. PRINCIPAIS ENSINAMENTOS DAS PISTAS 


(REGISTRADO)

Preservar a vida e a integridade física. A preservação da vida e da integridade física, do policial,


e de pessoas inocentes, precede tudo; também daquelas contra as quais não há necessidade de disparos
(agressoras), livrando, assim, o policial, de pesados processos e condenações.
Que a arma de fogo só pode ser disparada em situações em que se torna necessário e indispensável;
uma medida extrema; o último recurso. Que isso só poderá ser feito quando for estritamente inevitável
para proteger a vida. Para garantir a vida, a liberdade e a segurança das pessoas, incluindo do policial.
Respeitar as Leis. Respeitar os Direitos Humanos. Respeitar a dignidade das pessoas.
Aplicar, corretamente, os princípios da legítima defesa, dentro da legalidade, calcado na
necessidade, oportunidade, proporcionalidade, e qualidade, dos seus disparos (que jamais levarão seu
autor a ser condenado por eles nos tribunais)
Deixar o policial condicionado a agir, corretamente, quando de um confronto armado.
Ensinar o policial a raciocinar e decidir, rapidamente, e, corretamente, em situações de grandes
dificuldades.
Ensinar o policial a atuar, com técnica, com tática, com psicologia, com profissionalismo, com
segurança, dentro dos limites das Leis, e dos Direitos Humanos, no caso de ter que usar sua arma de fogo
em defesa própria, e para servir e proteger a Sociedade.
68

Que o policial não tem posição fixa de tiro. Que a melhor posição de tiro, para o policial, é aquela
que e o auxilia na solução dos problemas; preserva a sua vida e a sua integridade física; a vida e a
integridade física de pessoas inocentes, ou de pessoas contra as quais não há necessidade de disparos
(agressoras).
Administrar o estresse. Muitas vezes, o estresse é o maior inimigo do policial durante um
confronto armado. As pistas ensinam-no a administrá-lo.
Usar a “razão” e não a “emoção”.
Que tem limitações, sendo obrigado a solicitar apoio sempre que se julgar impotente para
solucionar um problema.
Solicitar apoio sempre que houver confronto armado ou possibilidades de acorrer.
Atuar sempre protegido; não se expor.
Atuar embarcado; desembarcado; logo após o desembarque; também em situação mista.
Cano da arma e olhar sempre na direção do perigo (na hora do perigo o cano funciona como um
“terceiro olho”. Se for à noite ou com pouca luminosidade, e o policial estiver com lanterna, esta, paralela
ao cano da arma, funcionará como um “quarto olho”. Olhos, cano da arma e lanterna, sempre na direção
do perigo).
Dedo fora do gatilho. A posição correta do dedo é fora do gatilho, estendido e encostado na
armação da arma. O dedo só vai para o gatilho no momento do disparo; terminado o disparo, volta
para a sua posição normal (fora do gatilho).
Cano da arma voltado sempre para direção segura.
Os disparos serão efetuados de 2 em 2; rápidos; semi visados ou intuitivos; excepcionalmente de
outra forma, como disparos de “barragem”, etc. Dois disparos por alvo atirável. No momento dos disparos
o aluno permanece com os dois olhos abertos. Com arma longa (fuzil, espingarda 12, etc.) 1 (um) disparo.
Na vida real, quando não forem suficientes para fazer cessar a ação de morte do agressor contra a sua
vítima, serão repetidos.
Aprender a “negociar”.
Aprender a “verbalizar”. A primeira frase da verbalização é:- “---Aqui é a polícia!” Em seguida
dizer com voz firme, clara, audível o que deseja.
Ao verbalizar com alvo “agressor”, e alvo “suspeito”, ou em “atitude suspeita”, manter o olhar e o
cano da arma voltado para a sua direção; dedo fora do gatilho; pronto para uma possível reação.
Ao verbalizar com alvos “neutros” e alvos “amigos”, colocar a arma em posição “sul” A
verbalização com esses alvos é facultativa (só se for necessária).
Quando da verbalização, o professor responderá pelos alvos.
Jamais apontar a arma para pessoas inocentes.
Valorizar os procedimentos. “Na quase totalidade das vezes procedimentos, e não tiros, é que
preservam vidas e solucionam problemas”.
Atuar dentro da Lei; da Ordem, da Realidade, e da Política Policial Brasileira. Respeitar os
direitos humanos e a dignidade das pessoas.
Adquirir experiência para poder participar de um possível confronto armado em defesa própria e
da Sociedade; para isso, terá que treinar em situações que imitem a realidade.
Aprender a progredir e regredir em segurança, em todas as situações. Estar atento a tudo.
Como usar “cobertas” e “abrigos”. Diferenças entre ambos.
Atuar sozinho e em equipe.
Aprender a usar a arma em “posição normal”, “posição de saque”, “posição de tiro”, “posição
sul”, e “posição de alerta”, com suas respectivas variações, nos momentos corretos.
Aprender empunhar a arma com a “mão forte e fraca”
Não se precipitar. A precipitação, na quase totalidade das vezes, é fatal para o policial. Somente
as pistas o condicionarão a evitá-la.
Evitar a “valentia perigosa”; é “loteria”, e, tudo aquilo que é loteria, quando está em jogo a
vida humana, não deve ser tentado. Poderá transformar o policial num herói ou ... num defunto
ou ... num presidiário.
Executar procedimentos corretos.
Não entrar desprotegido em edifícios e locais suspeitos; chamar apoio.
Que não basta saber atirar; é preciso saber quando atirar e saber executar procedimentos.
Que não basta saber o que tem que fazer, tem que estar condicionado a fazer, e, para ficar
condicionado a fazer, tem que fazer, fazer, fazer...
Atuar e atirar em todas as posições e situações, inclusive com pouca luminosidade..
69

Aperfeiçoar a intuição, em todos os sentidos.


Aperfeiçoar a visão periférica.
Usar sua arma, seus equipamentos e materiais, corretamente; saber se são de confiança.
Atuar com segurança.
Saber como reagir a um ataque de surpresa
Atuar com barulho de todas as espécies. A pista poderá ser sonorizada através de sirene, bombas,
gritos, e outros tipos de barulhos.
Atuar com sustos de todas as espécies (alvos que surgem de repente; materiais que caem; latas
que, puxadas por linhas de nylon, começam a se movimentar, a fim de distrair a atenção do policial, etc.).
Que, na vida real, irá reagir da mesma forma que reage nas pistas. Caso erre nas pistas, será,
imediatamente, corrigido, evitando que esse erro se repita na vida real.
Aprender como se deslocar, com rapidez, de um ponto de proteção para outro, mantendo o cano
da arma na direção do perigo e com pouca oscilação; dedo fora do gatilho; materiais bem firmes no corpo.
Efetuar todas as formas de “varreduras”:-
a. “Olhada rápida”,
b. “Tomada de ângulo” (fatiamento),
c. Uso de “espelho para varreduras”, em todas as situações.
“Olhada rápida”, tanto na vertical como na horizontal; em esquinas, assim como em portas e
janelas.
“Tomada de ângulo” (fatiamento), tanto na vertical como na horizontal; em esquinas, assim
como em portas e janelas.
Dobrar esquinas com segurança.
Atuar através de janelas, portas, frestas, etc. Não ultrapassar os limites de segurança (com a arma
e com o corpo) quando dessas atuações.
Efetuar o saque rápido; o enquadramento rápido; disparos rápidos; sempre de 2 em 2; com os dois
olhos abertos.
Não se preocupar com os cartuchos vazios e com os carregadores vazios; deixá-los cair no piso;
depois serão pegos.
No caso de algum suspeito estar no interior de um compartimento, não adentrar o local, mandar o
suspeito sair (desarmado e com as mãos para cima). “Negociar”, não importa o tempo necessário para
atingir seus objetivos (vítima ilesa; agressor preso; polícia aplaudida). Chamar apoio.
Aprender a usar lanterna em atuação com pouca luminosidade e no escuro.
Que, muitas vezes, num momento de grande estresse, bastam duas ou três inspirações profundas,
segurando o ar por um momento nos pulmões, e expirando, suavemente, em seguida, para se reequilibrar.
Recarregar a arma com rapidez, em segurança, sem perder o contato visual com a área de perigo.
Atuar corretamente diante de “quadros” complicados, como seqüestro; “agressor” armado,
fugindo; “agressor” ainda armado, se entregando; “agressor” confinado; companheiros feridos; alvos
duvidosos; em situação de inferioridade em relação aos “agressores”; “agressor” no meio de pessoas,
disparando contra o policial; “agressor” fugindo, de costas, mas que vira a arma para o policial e dispara;
“agressor” com arma branca, parado, ou que avança contra o policial; etc.
CONVENÇÃO:- Na pista, “alvo agressor” apontando a arma para o policial
caracterizará estar disparando contra o policial, ou contra terceiros; não havendo pessoas inocentes,
na mesma linha de tiro, o policial efetuará dois disparos, rápidos, contra ele.
Obs. Cuidado! Na vida real, o fato de uma pessoa, que o policial não conhece, estar com
uma arma de fogo nas mãos, não significa que seja “agressora”, ou que esteja atentando contra a vida
de alguém; pode ser um civil comum; um policial civil; um policial militar em trajes civis; e até um
agressor sem intenções de disparar contra alguém, caso em que não se justifica o disparo contra ele.
Na pista é a mesma coisa. O disparo, na pista, e na vida real, só será efetuado se o agressor estiver
atentando contra a vida de alguém, inclusive a do próprio policial.
O disparo, contra o agressor, só deve ocorrer se ele estiver atentando contra a vida de
alguém, inclusive contra a vida do policial, obedecendo os princípios da oportunidade, necessidade,
proporcionalidade e qualidade.
Pedir “cobertura” dos companheiros nos momentos de emergência.
Aprender os “sinais policiais” (ver anexo 01, deste manual).
Que o principal fundamento da pista é o “condicionamento anterior, a ser obtido pelo policial
em treinamentos imitativos da realidade, antes de se ver envolvido pelo o fato verdadeiro”. Na vida real,
sempre que o policial se vê diante de um fato novo, grave, não anteriormente vivenciado, mesmo que em
70

treinamentos, sua tendência é entrar em pânico e se perder e, se a morte se fizer presente, como sempre está,
tudo será pior.
Observações:- Normalmente, as pessoas não conseguem pensar mais de uma coisa ao mesmo
tempo, mas, estando condicionada, agirá por reflexos condicionados, como alguém que pisa no freio do carro
sem ficar pensando em fazê-lo; digita o teclado de um computador da mesma forma; etc. Esse é o motivo pelo
qual, quando dos ensinamentos do “Método”, o aluno tem que adquirir reflexos condicionados positivos, com
eliminação dos negativos, antes de se ver envolvido pelo fato verdadeiro; caso os negativos não sejam
eliminados, eles poderão fazer o policial cometer erros gravíssimos durante um possível confronto armado.
Esse é o motivo pelo qual o “Método” trabalha, incessantemente, em cima do erro do aluno, até
deixá-lo condicionado a executar o exercício corretamente, e sem dificuldades. O aluno não avançará na
instrução enquanto não eliminar esse erro.
Quando o policial é surpreendido por um confronto armado, onde a morte está sempre
presente, suas emoções e reações são tão intensas que, geralmente, precedem o raciocínio; por isso a
necessidade do condicionamento anterior.
Como a base do “Método Giraldi” são os reflexos condicionados positivos, a serem
adquiridos pelo policial em treinamento imitativos da realidade, com eliminação dos negativos, antes de se
ver envolvido pelo fato verdadeiro” toda a instrução deverá se desenvolver de forma prática. “O que eu
ouço, eu esqueço; o que eu vejo, eu lembro; o que eu faço, eu aprendo”. “Tiro é como futebol, natação,
ciclismo, etc., só se aprende praticando” (Giraldi).
Que a única forma de se saber se um policial está em condições de atuar armado, em defesa
própria, e para servir e proteger a Sociedade, é analisando sua atuação nas pistas; não há outra forma.
Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também professores, auxiliares, alunos
que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico, protetor ocular e
auricular; sem isso, ela não será desenvolvida.
Os alunos apresentam-se, para a instrução prática, com as armas descarregadas, em segurança. Se
revólver, ou pistola, no coldre; pistola travada. Se metralhadora portátil, ou arma longa, devidamente
presa aos equipamentos e bandoleira, travada, “posição sul”.
Obs.:- Antes de iniciar qualquer aula prática, e no transcorrer da mesma, o
professor deverá dar, constantemente, as seguintes ordens aos alunos:-
a. “---- Até segunda ordem, permaneçam com suas armas sempre descarregadas, em
segurança. Se revólver ou pistola, no coldre; pistola travada. Se metralhadora portátil, ou arma longa,
devidamente presa aos equipamentos e bandoleira; travada; “posição sul”. Só peguem ou empunhem suas
armas mediante ordem. Só carreguem suas armas mediante ordem”;
b. “---- Quando com a arma nas mãos, mesmo descarregada, mantenham o dedo fora do
gatilho; o dedo só vai para o gatilho quando vocês tiverem certeza da necessidade do disparo. A posição
normal do dedo acionante é estendido, junto à armação da arma. Mantenham o cano da arma, mesmo que
descarregada, voltado sempre para direção segura. Estes princípios deverão ser aplicados, também,
quando vocês estiverem de serviço”;
c. “---- Nos intervalos da instrução (descanso, água, cafezinho, sanitário, almoço, etc.)
mantenham suas armas sempre descarregadas, em segurança. Se revólver ou pistola, no coldre; pistola
travada. Se metralhadora portátil, ou arma longa, devidamente presa aos equipamentos e bandoleira;
travadas, “posição sul”; ou no local determinado pelo professor”;
d. “----- Não deixem nem abandonem suas armas sobre banquetas, mesas, ou onde quer que
seja”;
e. “----- Fica estabelecido que o local para manuseio de arma é ... (estabelecer o local);
nesse local não se manuseia munição”;
f. O professor deverá estabelecer local seguro para manuseio de arma; nesse local não se
manuseará munição.
Outros ensinamentos.

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
71

quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.

Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20”, do “Capítulo
02”, deste manual.

GIRALDI
72

CAPÍTULO 10
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados
“PISTA POLICIAL DE INSTRUÇÃO – PADRÃO” ®
PLANTA
BARRANCO

1.00
ALVOS ALVOS ALVOS

2.70 2.70

4.00
.40 1.30 1.30 .40
D D

1.50
.50 3.50 2.30

.80
C
4.00 .50
B 3.00

1.50
PLANTA
Escala 1:100

- “A” – “B” – “C” – “D”: – São “abrigos” com 2.00 m de altura.


- Os “abrigos” da pista poderão ser feitos com alvenaria, madeirite, plástico, lona, etc..
- As medidas laterais poderão adaptar-se à largura do estande.
ELEVAÇÃO – ABRIGO “D”

1.00 .40 1.30 1.30 .40 1.00


.50

.50

2.00
1.10

1.00 .40 1.30 1.30 .40 1.00


.40
.40

5.40
ELEVAÇÃO
Escala 1:50
- Abrigo “D” visto de frente.
- Uma janela alta, uma baixa e uma média de cada lado; ficarão abertas ou fechadas, no todo ou em
parte, de acordo com os objetivos da instrução. As três, travadas uma na outra, funcionarão como porta.

(GIRALDI)
73

CAPÍTULO 11

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER” - “PISTA POLICIAL DE INSTRUÇÃO” - PRIMEIRA PARTE - “PISTA


POLICIAL DE INSTRUÇÃO-PADRÃO” (PPI-PADRÃO) DESENVOLVIMENTO 
PREVISÃO:- 60 DISPAROS REAIS, POR ALUNO INICIANTE (MÍNIMO)

“Tiro é como futebol, natação, ciclismo, etc., só se aprende praticando; não há


livro,
apostila, teoria ou sala de aula que o ensine” (Giraldi)

A “Primeira Parte” das “Pistas Policiais de Instrução” será realizada na “Pista Policial de
Instrução-Padrão” (“PPI-Padrão”), cuja planta está inserida no “Capítulo 10”, retro.
O professor deverá ser extremamente educado para com seus alunos. A paciência e a sabedoria
serão duas das suas grandes virtudes. Fazer o aluno gostar do “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”,
“Método Giraldi” e aprender a executá-lo corretamente e sem dificuldades será sua grande vitória. A
reprovação do aluno não deverá constar do seu plano de aula, mas o seu aprendizado e aprovação.
Respeitar a dignidade do aluno. Lembrar-se que “pessoas respeitosas geram pessoas respeitosas;
imbecis geram imbecis” (Giraldi).
Não procurar mostrar seus conhecimentos mas o que o aluno precisa aprender. Pouca conversa e
muita ação, que o tempo é pouco. Entre outras coisas, o professor deverá estar a par de todo o conteúdo
do “Capítulo 09”, retro.
O aluno (e também o professor) fará a instrução usando a mesma arma, munição, uniforme e
equipamentos com os quais trabalha ou irá trabalhar. Obrigatório o uso de colete balístico, protetor
auricular, ocular e plaqueta de identificação; também por parte do professor.
O professor “trabalhará”, intensamente, em cima do “erro” do aluno. O aluno repetirá o exercício
(com ou sem munição real) até ficar condicionado a executá-lo corretamente e sem dificuldades; só após
consegui-lo passará para o exercício seguinte.
Como as bases do “Método Giraldi” são os “reflexos condicionados positivos, a serem adquiridos
pelo policial em treinamentos imitativos da realidade, com eliminação dos negativos, antes de se ver
envolvido pelo fato verdadeiro”, isso deverá ser buscado desde o início da instrução.
Normalmente, as pessoas não conseguem pensar mais de uma coisa ao mesmo tempo, mas, estando
condicionada, agirá por reflexos condicionados, como alguém que pisa no freio do carro sem ficar pensando
em fazê-lo; digita o teclado de um computador da mesma forma; etc. Esse é o motivo pelo qual, quando dos
ensinamentos do “Método”, o aluno tem que adquirir reflexos condicionados positivos, com eliminação dos
negativos, antes de se ver envolvido pelo fato verdadeiro; caso os negativos não sejam eliminados, eles
poderão fazer o policial cometer erros gravíssimos durante um possível confronto armado. Esse também é o
motivo pelo qual o “Método” trabalha, incessantemente, em cima do erro do aluno; ele não avançará na
instrução enquanto não eliminar esse erro.
A aula será ministrada sob forma de “oficinas”. O efetivo de alunos de cada “oficina” será
estabelecido de acordo com a complexidade dos exercícios a serem executados; capacidade e grau de
desenvolvimento dos alunos; finalidade da instrução; disponibilidade de meios; locais para a sua
execução; etc.
74

Alvo:- Será usado o “PM-L-4” de papelão, sempre caracterizado como seres humanos. Ver anexo
“14”, deste manual.
Havendo necessidade e munição, deverão ser efetuados mais disparos reais que os 60 previstos
para cada aluno.
O aluno (e também o professor) fará a instrução com a mesma arma; munição; uniforme;
equipamentos; etc., com os quais trabalha ou irá trabalhar. O coldre deverá cobrir o gatilho da arma.
O aluno somente alimentará e carregará o revólver mediante ordem.
Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também professores e auxiliares, alunos
que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico, protetor ocular e
auricular; sem isso, ela não será desenvolvida.

DESENVOLVIMENTO:-

1. Toda a instrução se desenvolve no “Centro de Treinamento para a Preservação da Vida”; nada


de sala de aula ou teorias anteriores (“O que eu ouço, eu esqueço; o que eu vejo, eu lembro; o que eu
faço, eu aprendo”; “Tiro é como futebol, natação, ciclismo, etc., só se aprende praticando” (Giraldi).
Professor e alunos já no “Centro de Treinamento para a Preservação da Vida”, devidamente
uniformizados; armados (revólver e carregadores rápidos vazios); equipados (equipamentos bem ajustados
ao corpo); com colete balístico, protetor auricular e ocular. Preleção sobre a segurança (geral).
Obs.:- Os alunos apresentam-se, para a instrução prática, com o revólver
descarregado, em segurança, no coldre.
a. Antes de dar início à aula prática, com uso do revólver, e no transcorrer da mesma,
o professor deverá dar, constantemente, as seguintes ordens aos alunos:-
1) “----- Até segunda ordem, permaneçam com o revólver, descarregado, em segurança,
no coldre. Só peguem ou empunhem o revólver mediante ordem. Só carreguem o revólver mediante
ordem”;
2) “----- Quando com o revólver na mão, mesmo descarregado, mantenham o dedo fora
do gatilho; o dedo só vai para o gatilho quando vocês tiverem certeza da necessidade do disparo. A
posição normal do dedo acionante é estendido, junto à armação do revólver. Mantenham o cano do
revólver, mesmo que descarregado, voltado sempre para direção segura. Estes princípios deverão ser
aplicados, também, quando vocês estiverem de serviço”;
3) “----- Nos intervalos da instrução (descanso, água, cafezinho, sanitário, almoço, etc.)
mantenham o revólver sempre descarregado, em segurança, no coldre, ou no local que o professor
determinar; neste caso, com o tambor aberto”;
4) “----- Não deixem nem abandonem o revólver sobre banquetas, mesas, ou onde quer
que seja”;
5) “----- Fica estabelecido que o local para manuseio do revólver é ... (estabelecer o
local); nesse local não se manuseia munição”;
b. O professor deverá estabelecer local seguro para manuseio do revólver; nesse local não
se manuseará munição.
2. O professor dará início à instrução fazendo uma revisão geral sobre segurança, em todos os
sentidos. Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também professores e auxiliares,
alunos que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico, protetor ocular e
auricular; sem isso, ela não será desenvolvida.
3. O professor deverá fazer revisão sobre:-
a. Como receber o revólver e munição, da reserva de armas, e prepará-los para entrar em serviço.
Aluno pratica.
b. Como devolver o revólver e munição, na reserva de armas, após o serviço. Aluno pratica.
c. Como entregar o revólver para um companheiro. Aluno pratica.
d. Como receber o revólver de um companheiro. Aluno pratica.
e) Que são “cobertas” e “abrigos”; diferenças. Para que servem; quando são usadas. “Cobertas”
só escondem o policial; não o protege dos tiros dos agressores. “Abrigos” escondem e protegem o policial
dos tiros dos agressores.
75

4. Em seguida, o professor deverá mostrar a “Pista Policial de Instrução-Padrão” (“PPI”-Padrão” –


ver sua planta no “Capítulo 10”, deste manual), seus alvos (todos caracterizados como seres humanos, a
partir do alvo de papelão “PM-L-4” (ver “Anexo 14”, deste manual) e “quadros” a todos os alunos, em
conjunto. Os alvos estarão representando pessoas “amigas”, “neutras” e “agressoras”. Que não se analisa
as pessoas pela cara mas pelas intenções; cara feia não significa ser “agressor”; é nas mãos que está o
perigo. Os alunos deverão andar pela pista e examiná-la. O professor deverá explicar que, além desta,
poderão ser idealizadas dezenas de outras pistas, cada uma simulando várias situações reais diferentes.
5. Entre outros, deverão estar, obrigatoriamente, na pista os seguintes “alvos” (devidamente
caracterizados como seres humanos) e “quadros” (não sendo possível montá-los de uma só vez na
pista, por falta de espaço, os anteriores irão sendo substituídos por outros à medida que a instrução
se desenvolve), com o aluno já aprendendo os principais procedimentos básicos relacionados a cada
um deles (posteriormente, aprenderá todos os seus possíveis desdobramentos):-
a. Refém “tomado” ou “seqüestrado”, servindo de escudo para o “agressor da sociedade”.
A paciência e a sabedoria serão duas das grandes virtudes do policial nesses casos. Chamar apoio
imediatamente. O policial não dispara; mantém a arma em “posição sul”; permanece abrigado; identifica-
se para o agressor e a vítima: pergunta para o agressor o seu nome (mesmo que ele não se identifique);
verbaliza com voz calma, clara e audível; procura transmitir calma às partes envolvidas; não faz ameaças;
procura ser um bom ouvinte (ouvir mais do que falar); trata o agressor pelo nome (se descobri-lo); deve
garantir a vida e a integridade física do agressor caso desista do seu intento; não se referir à vítima como
“refém” mas como “moça”, “moço”, cidadão”, etc.; não prometer nada que não possa ser cumprido ou que
não seja de sua competência; saber que o agressor se torna um verdadeiro ator nesses momentos, usando
de muita perspicácia para conseguir seus intentos, e que, normalmente, sua ameaça à vida e à integridade
física da vítima faz parte desse seu “teatro” (nem poderia ser diferente; só que ela é seu “salvo conduto” e
ele sabe disso, eliminá-la não lhe traria nenhuma vantagem, ao contrário ..., e ele também sabe disso); etc.
Ver complementos no item “19”, letra “h”, sub item “5)”, deste Capítulo.
b. Agressor armado com arma branca:- Policial protegido; olhar e cano da arma na direção do
perigo; dedo fora do gatilho; verbalização:- “---- Aqui é a polícia; para seu próprio bem, jogue a faca fora,
coloque as mão sobre a cabeça”; etc.
c. Agressor isolado disparando contra o policial ou contra alguém da Sociedade (nas mais
diversas situações):- Policial abrigado; dois disparos rápidos, semivisados ou intuitivos, na direção da
“massa” do agressor. Não dá tempo do policial fazer “visada” para escolher pontos de acerto no agressor;
caso tente, sua demora em fazê-lo poderá custar a vida de alguém da Sociedade (incluindo a própria).
d. Agressor no meio de pessoas disparando contra o policial (pessoas na mesma linha de
tiro do policial):- Policial abriga-se ou permanece abrigado (caso já esteja); não dispara contra o agressor
(não se dispara em agressor quando na mesma linha de tiro há pessoas inocentes); chama apoio; faz o
cerco.
e. Agressor de costas, fugindo, segurando arma de fogo, mas sem estar atentando contra a
vida de alguém:- Policial protegido; olhar e cano da arma na direção do perigo; dedo fora do gatilho;
verbalização:- “---- Aqui é a polícia; pare; jogue a arma fora, coloque as mãos sobre a cabeça onde eu
possa vê-las!”; etc.
f. Pessoa em atitude suspeita onde as suas mãos não aparecem:- Policial protegido; olhar e
cano da arma na direção do perigo; dedo fora do gatilho; verbalização:- “---- Aqui é a polícia; mostre suas
mãos!”. Etc. Comprovado ser pessoa inocente o policial complementará:- “---- Desculpe a minha atitude,
mas foi a sua atitude suspeita que me fez tomá-la; por favor, deixe o local, está perigoso, ou, coloque-se
em segurança.
g. Pessoa em atitude suspeita, espreitando o policial, aparecendo só a sua cara:- Policial
protegido; olhar e cano da arma na direção do perigo; dedo fora do gatilho; verbalização:- “---- Aqui é a
polícia; quem é você; saia daí de trás; identifique-se!”. Etc. (idem à letra “f”, acima).
h. Vários alvos “neutros”:- Verbalizar apenas se for necessário, exemplo:- Policial conduz a
arma para “posição sul” e verbaliza:- “---- Aqui é a polícia; a área está perigosa; por favor; coloquem-se
em local mais seguro!” O policial poderá indicar qual o local mais seguro. Etc.
i. Agressor se entregando (mãos para cima, segurando, ainda, a arma na mão):- Policial
protegido; olhar e cano da arma na direção do perigo; dedo fora do gatilho; verbalização:- “---- Aqui é a
polícia; jogue essa arma fora; coloque as mãos sobre a cabeça onde eu possa vê-las!”. Etc.
j. Agressor se entregando (com as mãos vazias):- Policial protegido (caso exista a
possibilidade de um segundo agressor surgir, atacando); olhar e cano na direção do perigo; dedo fora do
76

gatilho; verbalização:- “---- Aqui é a polícia; coloque as mãos na cabeça onde eu possa vê-las; caminhe
em minha direção!” Etc.
k. Pessoa em atitude suspeita, tentando cobrir, com uma das mãos, uma arma de fogo:-
Policial protegido; olhar e cano da arma na direção do perigo; dedo fora do gatilho; verbalização:- “----
Aqui é a polícia; jogue essa arma fora; coloque as mãos sobre a cabeça; caminhe em minha direção”. Etc.
l. “Alvo neutro” segurando um celular:- Não há necessidade de verbalização, no entanto,
poderá ser feita, como:- Policial coloca a arma em “posição sul” e verbaliza:- “---- Aqui é a polícia; por
favor, saia do local que está perigoso!”. O policial poderá indicar qual o local seguro. Etc.
Obs.:- O policial precisa estar atento; já existem armas de fogo sob a forma de celular ; a
“antena” é seu cano. O disparo e o calibre dele são fracos mas matam.
m. Representante da imprensa, devidamente caracterizado (por exemplo, com microfone
nas mãos):- Caso esteja correndo risco de vida, haverá verbalização. Policial coloca a arma em “posição
sul” e verbaliza:- “---- Aqui é a polícia; por favor, saia do local que está perigoso, ou procure desenvolver
seu trabalho de um local mais seguro!” (o policial poderá indicar qual esse local). Etc.
Obs.:- O tratamento com integrantes da imprensa também deverá ser o mais respeitoso e
cordial possível; eles também estão trabalhando; têm o direito de exercer sua profissão; o policial deverá,
dentro de suas possibilidades, colaborar com esse trabalho.
n. CONVENÇÃO:- Na pista, “alvo agressor” apontando a arma para o policial caracteriza estar
disparando contra o policial, ou contra terceiros; não havendo pessoas inocentes, na mesma linha de tiro, o
policial efetuará dois disparos, rápidos, contra ele.
Obs. Cuidado! Na vida real, o fato de uma pessoa, que o policial não conhece, estar com
uma arma de fogo nas mãos, não significa que seja “agressora”, ou que esteja atentando contra a vida de
alguém; pode ser um civil comum; um policial civil; um policial militar em trajes civis; e até um agressor
sem intenções de disparar contra alguém, caso em que não se justifica o disparo contra ele. Na pista é a
mesma coisa. O disparo, na pista, e na vida real, só será efetuado se o agressor estiver atentando contra a
vida de alguém, inclusive a do próprio policial.
O disparo, contra o agressor, só deve ocorrer se ele estiver atentando contra a vida de
alguém, inclusive da vida do policial, dentro da legalidade, obedecendo os princípios da oportunidade,
necessidade, proporcionalidade e qualidade. Um disparo desse jamais levará seu autor a ser por ele
condenado nos Tribunais.
o. Outros, desde que dentro da lógica da realidade do que se passa nas ruas.
Observação:-
1) Todos os alvos deverão estar o mais próximo possível do barranco de contenção
de projéteis.
2) Normalmente uma “PPI-Padrão” tem de 3 a 4 “alvos atiráveis” e de 5 a 6 “alvos não
atiráveis”. De acordo com os objetivos da instrução o professor poderá alterar para mais ou para menos
essas quantidades, chegando a apenas um “alvo atirável” ou até nenhum.
3) Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também professores,
auxiliares, alunos que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico,
plaqueta de identificação, protetor ocular e auricular; sem isso ela não será desenvolvida.
6. A pista simula um confronto armado onde a “morte” está sempre presente.
7. A execução da pista, por parte do policial, será no mesmo ritmo de uma ação real; às vezes mais
rápida, outras vezes mais lenta. O ritmo será dado pelas características do confronto armado (da pista).
8. Explicar que, nela, o policial aprende a executar os procedimentos básicos que deverão ser
observados em possíveis confrontos armados. Posteriormente, executará outros tipos de pistas, inclusive
noturnas (com pouca luminosidade).
9. Explicar ao aluno que as “Pistas Policiais de Instrução” (“PPI”), incluindo a “Padrão”, são
destinadas a todos os policiais; posteriormente, a instrução será direcionada, através das “Pistas Policiais
Especiais” (“PPE”), para atividades especiais como:- Polícia Ambiental; Polícia Rodoviária; policial que
atua em favelas, morros, centros, avenidas, conglomerados de pessoas como no metrô, estações, terminais
rodoviários e ferroviários, divertimentos públicos; atuação com pouca luminosidade, em ambientes
internos e externos; guarda de presídios; escoltas: palafitas; segurança de autoridades; grupos de ação
tática; ação tática especial; serviço velado; serviço reservado; etc.
77

10. Explicar que, nesta “PPI-Padrão”, ora o policial fará a “progressão” entrando pelo seu centro,
ora pelo seu lado direito, ora pelo seu lado esquerdo. A “regressão” ou “retirada estratégica” obedecerá os
mesmos princípios. Seus alvos e “quadros” são constantemente alterados. Os cuidados com a segurança.
11. Quando da execução da pista, por parte do aluno, o professor permanecerá à sua retaguarda
(sem ser visto por ele), orientando-o e pronto para intervir, se houver necessidade. Responderá pelos
alvos.
12. Explicar aos alunos que, inicialmente, receberão ensinamentos de como atuar nela,
individualmente; depois aprenderão a atuar em equipe. Estimulá-los para que, durante toda a instrução,
façam perguntas e tirem suas dúvidas.
13. Fundamento principal da pista:- “O condicionamento do policial, a ser obtido em treinamentos
que simulem a realidade, antes de se ver envolvido pelo fato verdadeiro”. Como a base do “Método
Giraldi” são os reflexos positivos, a serem adquiridos, pelo policial, em treinamentos imitativos da
realidade, com eliminação dos negativos, antes de se ver envolvido com o fato verdadeiro”, isso deverá
ser buscado desde o início da instrução.
14. Finalidade principal da pista:- “Preservar a vida, a começar pela do policial e das pessoas
inocentes; também daquelas contra as quais não há necessidade de disparos. Ensinar o policial a aplicar
com técnica, com tática, com psicologia e dentro dos limites das Leis, o armamento da sua instituição
policial em defesa própria e da Sociedade. Respeitar a dignidade das pessoas. Tudo aquilo que for possível
solucionar sem disparos assim o será.”
15. Dedo fora do gatilho. Durante a execução da pista a posição correta do dedo é fora do gatilho,
estendido e encostado na armação do revólver. O dedo só vai para o gatilho no momento dos disparos;
terminados os disparos volta para a sua posição normal (fora do gatilho).
16. Posições do revólver e do olhar antes, logo após o saque, início e enquanto executa a pista
(sempre com o dedo fora do gatilho; cano do revólver e olhar sempre na direção do perigo).
17. Revisão de como, quando e porque são usadas as seguintes posições de arma, nas pistas:-
a. “Arma em posição de alerta”; variantes:- Como, quando e porque são usadas.
b. “Arma em posição de tiro”; variantes:- Como, quando e porque são usadas.
c. “Arma em posição sul”; variantes:- Como, quando e porque são usadas.
d. Como passar de uma posição para outra.
Obs.:- Os alunos, com o revólver vazio, e com orientação do professor, treinarão essas
posições, embora já o tenham feito no “Curso Básico”.
18. Sob as vistas de todos os alunos, o professor executará, em etapas, a pista (sem efetuar disparos),
ensinando todos os procedimentos previstos na letra “B” da súmula (Capítulo 19, deste manual); e demais
orientações, inclusive a “verbalização”, dando todas as explicações necessárias. Será auxiliado pelo outro
professor da pista (caso exista). Explicará como será a atuação sobre cada alvo ou “quadro” da pista (ver item
“5”, retro; e item “19”, letra “h”, sub item “5)”, deste capítulo; mais o “Anexo 08”, deste manual).
Aleatoriamente, pegará alguns alunos para, com a arma vazia, ir repetindo seus ensinamentos; os outros
observam.
19. Os principais ensinamentos que o professor deverá ir passando aos alunos enquanto
executa a pista (com a arma vazia) são:-
a. Preservar a vida, a começar pela do policial e das pessoas inocentes; também daquelas
contra as quais não há necessidade de disparos (agressor). Ensinar o policial a aplicar com técnica, com
tática, com psicologia e dentro dos limites das Leis, o armamento da sua instituição policial em defesa
própria e da Sociedade. Respeitar a dignidade das pessoas. Tudo aquilo que for possível solucionar sem
disparos assim o será. Disparos de 2 em 2. Dois disparos rápidos, semivisados ou intuitivos, com os
dois olhos abertos, em cada alvo atirável. Dedo fora do gatilho, quando não for para atirar. Cano
da arma voltado sempre para direção segura. Alvos o mais próximos possível do barranco de
contenção de projéteis.
b. Como portar a “arma titular” (revólver), com as respectivas variações. A “arma reserva”. Em
princípio, a “arma reserva” será portada no coldre de canela, fixado na parte interna da perna fraca.
Como, quando e porque isso é necessário.
c. Como sacar e se posicionar, rapidamente, com o revólver e colocar-se, rapidamente, em
proteção. “Progressão” e “regressão”; como, quando e porque são realizadas.
78

d. “Varreduras” (verticais e horizontais); finalidades.


1) “Olhada rápida” na vertical e na horizontal. Também nas esquinas, portas e janelas.
Como efetuá-la empunhando a arma com a “mão forte” e a “mão fraca”. Aluno pratica.
2) “Tomada de ângulo” (ou “fatiamento”) na vertical e na horizontal. Também nas esquinas,
portas e janelas. Como efetuá-la empunhando a arma com a “mão forte” e com a “mão fraca”. Aluno pratica.
3) Uso do “espelho para varreduras”. Muito utilizado em forros, locais de difícil acesso,
de grande perigo, sob viaturas, esquinas, etc. Aluno pratica.
e. Atuar sempre protegido. Como sair de um abrigo e dirigir-se a outro. O policial tem
que ficar sempre fora da “linha de tiro do agressor”.
f. Não se precipitar (grande parte dos nossos policiais morre ou matam pessoas inocentes por
causa da precipitação).
g. Não praticar a “valentia perigosa” (poderá transformar o policial num herói ou ... num
defunto).
h. “Verbalização”:- A primeira palavra da “verbalização” é:-“___Aqui é a polícia!” Depois
completa o que deseja. Deverá ser audível, clara, curta, executável e lógica. O professor responderá pelos
alvos.
1) A “verbalização” com “alvos neutros” deverá ser feita com a máxima educação; “arma
em posição sul”; dedo fora do gatilho. A palavra “por favor” deverá preceder o que se deseja. Exemplo:-
“___Aqui é a polícia; por favor, o senhor viu alguém pular este muro?”.
2) A “verbalização” com “alvos amigos” será em voz baixa ou por gestos; “arma em
posição sul”; dedo fora do gatilho. Sendo “amigo” da mesma guarnição ou conhecido, não haverá
necessidade da introdução “--- Aqui é a polícia!”. O professor deverá ensinar os “sinais policiais” para uso
nas pistas. Ver “Sinais Policiais” no anexo “01”, deste manual.
3) A “verbalização” com “alvos agressores”, que não estiverem atentando contra a vida de
alguém, será feita com a “arma em posição de tiro”; cano na sua direção; dedo fora do gatilho; em tom de
ordem, determinação. Exemplo:- “___Aqui é a polícia; mãos na cabeça!” (nunca “mãos na nuca!”). Em
situações especiais, quando ele não estiver representando mais nenhum perigo, “arma em posição sul”.
Obs.:- Se o “agressor da sociedade” estiver atentando contra a vida de alguém, inclusive do
policial, não haverá “verbalização”; o policial tentará fazer cessar, com rapidez, essa agressão, efetuando 2
disparos rápidos contra ele (caso não exista pessoas inocentes na mesma “linha de tiro”; havendo,
continuará protegido ou se protegerá, aguardando melhor oportunidade; chamará apoio; efetuará o cerco).
Esclarecer que o policial não treina para matar, mas para fazer cessar uma agressão covarde contra a vida
de alguém; a morte poderá até ocorrer mas esse não é seu objetivo. No momento de um confronto armado
onde tudo é medo, desespero, tensão, na maioria das vezes pânico, movimentação geral, a morte sempre
presente e possibilidades de tragédias, não dá tempo do policial escolher pontos de acerto no agressor; ele
tem que defender a vítima do agressor com rapidez; para isso terá que disparar rápido na direção da
“massa” do agressor para tentar paralisar sua ação de morte, do contrário a vítima do agressor sucumbirá.
Numa ação real, caso 2 disparos não sejam suficientes para fazer cessar a ação do “agressor da sociedade”
contra a vida de alguém, serão efetuados mais 2. Esclarecer que o policial não dispara contra o
agressor porque quer mas porque é obrigado; é o próprio agressor que, com sua atitude covarde
contra a vida de alguém o obriga a isso, e, conforme já foi dito, não o faz com a finalidade de matá-
lo mas de paralisá-lo
Convenção:- Na pista, “alvo agressor” apontando a arma para o policial caracterizará estar
atentando contra a sua vida ou a vida de terceiros; dois disparos contra ele se não houver pessoas
inocentes na mesma “linha de tiro”.
Obs.:- Nas pistas, como na vida real, durante ou na iminência de um confronto
armado, a primeira parte do alvo (do corpo das pessoas) a ser observada pelo policial são as mãos.
4) A “verbalização” com “alvos suspeitos” ou “em atitude suspeita” também será feita
com a “arma em posição de tiro” (ou “Sul”, se for o caso); cano e olhar na direção do perigo; dedo fora do
gatilho; em tom de ordem, determinação. Exemplo:- “___Aqui é a polícia; saia daí de trás e se
identifique!”. “___Aqui é a polícia; mostre as mãos”!”. Etc. Verificando que se trata de pessoa inocente, o
policial conduzirá a arma para “posição sul” e complementará :- “___Desculpe a minha atitude, mas foi a
sua atitude suspeita que me obrigou a tomá-la; por favor, deixe o local; está perigoso”, ou, coloque-se em
segurança..
79

5) Ao deparar-se com “refém tomado”, ou “refém seqüestrado”, ou o chamado “seqüestro


relâmpago”, ou qualquer outra situação em que o “agressor da sociedade” está usando a vítima como
escudo, os procedimentos básicos do policial serão:-
a) Protegido, mantendo contato visual com a ocorrência, arma em “posição sul”,
identificar-se para as partes envolvidas, declarando, inclusive, seu “nome de guerra” e procurando saber o
que está ocorrendo. Exemplo:- “---- Aqui é o policial (fornecer o nome); que está acontecendo aí?”
Declinará seu nome. Perguntará ao agressor por qual nome quer ser chamado. Tentará conquistar a
confiança do agresor.
Obs.:- Dependendo da resposta, por palavras ou atitudes, o policial dará
prosseguimento aos seus procedimentos, como:-
b) Manter a calma. A paciência e a sabedoria são duas das suas grandes virtudes e
“armas infalíveis” para obter sucesso nesses tipos de ocorrências. Esse tipo de ocorrência não tem hora
para terminar; levará o tempo que for necessário; o policial terá que levar o agressor à exaustão e “vencê-
lo” pela inteligência, embora num primeiro momento o agressor esteja muito ativo e “decidido a dar
seqüência às suas ameaças”. O uso da força, nessas ocasiões, não é certeza de um final feliz; o uso da
inteligência sim;
c) Saber que o agressor se torna um verdadeiro “ator” nesses momentos, usando de
muita perspicácia para conseguir seus intentos, e, que, normalmente, sua ameaça à vida e à integridade
física da vítima faz parte desse seu “teatro” (nem poderia ser diferente; só que, a vítima é seu “salvo
conduto” e ele sabe disso, eliminá-la não lhe traria nenhuma vantagem, ao contrário, e ele também sabe
disso);
d) A vida e a integridade física da vítima precede tudo; todos os esforços deverão
ser feitos nesse sentido. A vítima não deve ser vista como uma pessoa qualquer mas como se fosse o
próprio filho, filha, irmã, etc. do policial que está atuando na ocorrência;
e) Tentar “conter” e “isolar” a ocorrência; tentar dar início a uma “negociação”;
f) Atuar sempre protegido; não ficar exposto ou se, pelas circunstâncias, tiver que ficar,
estar extraordinariamente atento;
g) Pedir apoio, imediatamente;
h) Jamais perder o contato visual com a ocorrência (caso seja possível);
i) Arma em “posição sul”; jamais apontada para o agressor (na realidade, estaria sendo
apontada para a vítima que está servindo de escudo);
j) Não tomar nenhuma atitude que possa aumentar o perigo a que a vítima já está sendo
submetida;
k) Verbalizar, e negociar, com voz calma, clara e audível; tendo tomado conhecimento
do nome do agressor, passar a chamá-lo pelo nome;
l) Procurar acalmar e transmitir calma às partes envolvidas com palavras
tranqüilizadoras, mesmo que o agressor continue com as ameaças.
m) Não se exaltar, não gritar, não fazer ameaças ao agressor; mostrar-lhe apenas a
gravidade das conseqüências caso insista nos seus intentos, e as atenuantes que terá se desistir dela;
n) Ser um bom ouvinte; não interromper o agressor enquanto ele estiver falando;
estimulá-lo a falar;
o) Não usar a palavra “refém”. Exemplo:- Ao invés de “---- Para o seu próprio bem,
solte a refém”, usar “---- Para o seu próprio bem, solte a moça”;
p) Continuar tentando, sempre, convencer o agressor, para o próprio bem dele, a desistir
do seu intento; insistir, constantemente, nessa colocação;
q) Garantir-lhe, constantemente, a vida e a integridade física caso desista do seu intento
e se entregue;
r) Não prometer nada que não possa ser cumprido ou que não seja de sua competência;
os pedidos do agressor deverão ser transmitidos para o escalão superior;
s) O agressor poderá entregar-se:- Procedimentos policiais normais, sem qualquer
agressão ou violência contra o mesmo;
t) O agressor solta a vítima e sai correndo pelo meio do povo:- O policial não dispara;
é tentado o cerco. O policial, ao passar pelo meio das pessoas, manterá sua arma em “posição sul”;
u) O agressor poderá arrastar a vítima para outro local:- O policial, sempre abrigado,
sem perder o contato visual com a ocorrência, acompanha e orienta o apoio para o cerco;
v) A vítima escapa e o agressor dispara contra o policial:- O policial tenta paralisar sua
ação efetuando dois disparos rápidos na direção de sua massa, desde que não existam pessoas inocentes na
80

mesma “linha de tiro”; se houver, não dispara; entra ou se mantém em proteção. Não se dispara em
agressor que esteja no meio do povo; aguarda-se melhor oportunidade; chama-se apoio; faz-se o
cerco;
w) Caso o agressor dispare contra o policial, mas continue mantendo a vítima como
escudo, o policial não deverá disparar contra o agressor; procurará manter-se abrigado, aguardando apoio
e melhor oportunidade;
x) Ao chegar o apoio ou o “grupo de gerenciamento de crises” fornecer ao comandante
todos os detalhes da ocorrência e colocar-se à sua disposição;
y) Outras atitudes, desde que não aumentem o perigo a que a vítima já está sendo
submetida..
6) Na “verbalização” o professor responderá pelos alvos. Quando responder pelos “alvos
agressores”, “alvos suspeitos” ou “alvos em atitude suspeita”, não significará que “os mesmos estejam
falando a verdade”; o policial insistirá até que a dúvida desapareça.
7) Na “verbalização”, ao executar a pista individualmente, o aluno se portará como se
estivesse com outro companheiro na pista. Exemplo:- “---- Steeve, revista e algema que dou cobertura”.
Ou:- “---- Steeve, chame apoio”. Ou :- “---- Cobertura!, cobertura!” (a ser solicitada pelo policial quando
de uma dificuldade, podendo ser através de “sinais policiais” - ver “Anexo 01”, deste manual).
8) A “verbalização” somente será obrigatória em relação aos “alvos suspeitos” ou “em
atitude suspeita”, ou “alvos agressores” que não estejam atentando contra a vida de alguém.
9) A gíria somente será admitida na “verbalização” entre policiais (gíria policial); com
civis, não. Sempre que possível, os policiais deverão usar, entre si, os “sinais policiais”. Ver “Anexo 01”,
deste manual.
i. Cano do revólver e olhar sempre na direção do perigo. O cano do revólver funciona como
um “terceiro olho”; à noite, a lanterna funciona como um “quarto olho”, pois deverá estar sempre na
direção do cano (paralela a ele) e do olhar. Aplicação constante da “visão periférica”.
j. Atuação e disparos à direita das esquinas (por cima e por baixo, inclusive, deitado). Não se
expor; não avançar o revólver e nenhuma parte do corpo para além do limite de segurança.
k. Atuação e disparos à esquerda das esquinas (por cima e por baixo, inclusive, deitado). Não
se expor; não avançar o revólver e nenhuma parte do corpo para além do limite de segurança.
Observação:- Não apoiar a arma nem as mãos para disparar.
l. Atuação e disparos através de portas e janelas; não se expor; não avançar o revólver e
nenhuma parte do corpo para além do limite de segurança.
m. Controlar a tensão (estresse) através da respiração (duas ou três inspirações profundas e
lentas, segurando, por um instante, o ar nos pulmões, antes das expirações, auxiliarão, em muito, o policial
a controlar e administrar seu estresse).
n. Os disparos serão efetuados sempre de 2 em 2, semivisados ou intuitivos (com os dois olhos
abertos), na direção da “massa” do agressor. Os disparos obedecerão os princípios da legalidade,
calcados na necessidade, oportunidade, proporcionalidade e qualidade. Explicar aos alunos seus
significados. Na vida real, quando 2 disparos contra um mesmo “agressor da sociedade” não forem
suficientes para fazer cessar sua ação de morte contra a vida de alguém, serão efetuados mais 2.
o. Recarga de “emergência” ou “emergencial” e recarga “tática”. Revisão. Na pista o aluno
fará o tipo de recarga que for mais conveniente para o momento, ou a determinada pelo professor.
p. “Progressão”:- Sempre “lance por lance”; de “abrigo em abrigo” (nunca sair do local onde
está abrigado sem saber o local do próximo abrigo). Quando a atuação é em equipe, enquanto um policial
“faz a progressão” o outro, abrigado, faz a “cobertura”. Velocidade do deslocamento de acordo com as
necessidades do momento; normalmente, bem rápido. Cuidados com “surpresas” pelo trajeto. Na
“progressão”, “arma em posição de alerta” ou “arma em posição de tiro”; dependerá do perigo do
momento (Alto perigo:- “Arma em posição de tiro”. Baixo perigo:- “Arma em posição de alerta”).
Excepcionalmente, “arma em posição sul” (utilizada quando for passar no meio de pessoas inocentes,
houver companheiros pela frente, etc.).
q. “Regressão” ou “retirada estratégica”:- Nunca virar as costas para a “área de perigo”;
regredir de costas. Cano e olhar na direção do perigo; arma “em posição de alerta” ou de “tiro”,
dependendo do perigo do momento (nas mesmas circunstâncias da “progressão”); fazendo “varredura” na
área de perigo. Os cuidados para não tropeçar; passadas rente ao solo (já que regredirá de costas).
Velocidade e surpresas que poderão surgir quando da “regressão”. Se necessário, empunhadura “simples”,
com o “braço e mão fraca” estendida para trás, servindo de guia, com as costas da “mão fraca” para trás
ou mão fechada, a fim de evitar acidentes com fios desencapados, etc.
81

r. Como reagir a um ataque de surpresa do “agressor da sociedade” que está atentando contra a
vida de alguém, inclusive a do policial:-
1) Se possível, abrigar-se, caso ainda não esteja, e responder ao ataque (2 disparos por
alvo), tudo, com a maior rapidez possível, a fim de tentar fazer cessar, com urgência, esse ataque. Não
deverá disparar se na mesma linha de tiro houver pessoas inocentes ou se o “agressor da sociedade”
estiver no meio da multidão; casos em que entrará em proteção ou continuará protegido; aguardará melhor
oportunidade, chamará apoio, fará o cerco.
2) Não sendo possível abrigar-se, jogar-se ao solo (se houver tempo) e responder ao ataque
(2 disparos por alvo), tudo com a maior rapidez possível, a fim de tentar fazer cessar, com urgência, esse
ataque. Não deverá disparar se na mesma linha de tiro houver pessoas inocentes ou se o “agressor da
sociedade” estiver no meio da multidão; casos em que tentará se colocar em proteção; aguardará melhor
oportunidade; chamará apoio; fará o cerco. É uma das situações mais difíceis de um policial durante
sua atuação armada em defesa da Sociedade.
s. O pedido de “apoio” à central. Quando, como e porque é feito.
t. O pedido de “cobertura” (verbal ou através de “sinais policiais”) a outros companheiros
presentes no mesmo confronto armado. Quando, como e porque é feito. Ver “Anexo 01”, deste manual
(“Sinais Policiais”).
u. Como deve ser a atuação do aluno diante dos mais diferentes tipos de alvos e “quadros” da
pista. O professor deverá idealizar e colocar na pista o maior número possível de alvos, devidamente
caracterizados como seres humanos, e “quadros”, sempre simulando a realidade. Ver item “5”; e item
“19”, letra “h”, sub item “5)”, deste capítulo; e “Anexo 08”, deste manual. Não se aponta arma para
pessoas inocentes.
OBS.:- CONVENÇÃO:- Na pista, “alvo agressor” apontando a arma para o policial
caracteriza estar disparando contra o policial, ou contra terceiros; não havendo pessoas inocentes, na
mesma linha de tiro, o policial efetuará dois disparos, rápidos, contra ele.
Obs. Cuidado! Na vida real, o fato de uma pessoa, que o policial não conhece, estar com
uma arma de fogo nas mãos, não significa que seja “agressora”, ou que esteja atentando contra a vida de
alguém; pode ser um civil comum; um policial civil; um policial militar em trajes civis; e até um agressor
sem intenções de disparar contra alguém, caso em que não se justifica o disparo contra ele. Na pista é a
mesma coisa. O disparo, na pista, e na vida real, só será efetuado se o agressor estiver atentando contra a
vida de alguém, inclusive a do próprio policial.
O disparo, contra o agressor, só deve ocorrer se ele estiver atentando contra a vida de
alguém, inclusive a vida do policial, dentro da legalidade, obedecendo os princípios da oportunidade,
necessidade, proporcionalidade e qualidade. Um disparo desse jamais levará seu autor a ser por ele
condenado nos Tribunais.
20. Em seguida, o professor, “comandado” pelo outro professor da pista (se houver; não havendo,
por ele próprio) e, sob as vistas de todos os alunos, repetirá todos os procedimentos anteriores e os
previstos na letra “B” da súmula (Capítulo 19, deste manual), sem efetuar disparos reais (apenas disparos
em seco). Dois disparos “em seco”, rápidos, semivisados ou intuitivos em cada alvo atirável (nada de
disparos visados; a demora para efetuá-los poderá custar a vida do policial ou de integrante da Sociedade).
Paralisará sua atuação todas às vezes que for necessária qualquer explicação.
Convenção:- Quando a “progressão” e a “regressão” for pelo centro da pista está
convencionado que os abrigos “B” e “C” se prolongam, indefinidamente, para as laterais; não há perigo
nessas direções; só no centro. Quando as “progressões” e “regressões” forem pelas laterais da pista (dos
abrigos “B” e “C”), significa que o “centro” está fechado (fechá-lo com um tapume, plástico, etc.); não há
perigo por ali. Ver planta da “PPI-Padrão” no Capítulo 10, retro.
21. Em seguida, sob orientação do professor, cada aluno, individualmente, executará a pista (sem efetuar
disparos) repetindo os procedimentos e as verbalizações ensinadas. Será corrigido a cada erro, até executar o
exercício com perfeição. Todos os outros alunos permanecerão assistindo, anotando os erros e os acertos do
companheiro que está na pista e prestando atenção nos ensinamentos do professor. Primeiramente os exercícios
serão executados com os alunos “progredindo” e “regredindo” pelo centro da pista (entre os abrigos “B” e “C”),
depois, pelas laterais da pista (esquerda do abrigo “B” e direita do abrigo “C”). Em seguida “progressão” pelo
centro com “regressão” pelas laterais e vice-versa. Ver planta da “PPI-Padrão” (Capítulo 10, retro). O aluno
não avançará nos exercícios se não tiver executado, corretamente, e sem dificuldades, o anterior.
22. Em seguida, sob orientação do professor, cada aluno executará a pista individualmente,
efetuando disparos reais, repetindo os procedimentos e as verbalizações ensinadas. Será corrigido a cada
82

erro, até executar o exercício com perfeição. Todos os outros alunos permanecerão assistindo, anotando os
erros e os acertos do companheiro que está na pista e prestando atenção nos ensinamentos do professor. A
primeira passagem do aluno pela pista será feita progredindo e regredindo pelo centro da pista, depois
pelas laterais da pista; depois, progredindo pelo centro da pista e regredindo pelas laterais e vice-versa.
Embora o sistema de recarga (tática ou emergencial) fique a critério do aluno, o professor poderá, a
qualquer momento, determinar ao aluno que a efetue. No caso da “recarga tática” o aluno só pegará os
cartuchos intactos que foram para o solo após terminar a execução da pista.
23. Se houver tempo e condições, o aluno conferirá seus impactos nos alvos. Os alvos poderão ser
obreados (se houver obréias) ou assinalados (com caneta, etc.).
24. Havendo munição, todos os alunos passarão uma segunda vez na pista, uma terceira, etc
progredindo e regredindo por locais diferentes (centro, laterais, etc., da ‘PPI-Padrão”), com alteração dos
“quadros” e “alvos” das pistas. Não havendo, passarão executando apenas procedimentos e disparos em
seco (com cartuchos de manejo ou vazios nas câmaras do tambor).
25. Em seguida o professor ensinará a passagem em duplas de alunos pela pista (sem disparos),
incluindo “varreduras”, “progressão”, regressão”, “coberturas”, “verbalização”, etc. Para isso, utilizará os
mesmos princípios e procedimentos previstos nos itens “20” e “21”, retros. Primeiramente, “progressão”
e “regressão” pelo centro da pista; depois pelas laterais da pista; depois, “progressão” pelo centro e
“regressão” pelas laterais da pista e vice-versa. Os cuidados para não cruzar a “linha de tiro” do
companheiro. Conduzir a arma para “posição sul”, no caso do companheiro, inadvertidamente, cruzar a
“linha de tiro”. Os “toques”, de um policial no outro, sinalizando sua presença e posição, quando
estiverem juntos. A importância do constante contato visual entre ambos e dos “sinais policiais”. A
“cobertura” para o companheiro que se desloca, ou está atuando em primeiro plano (quem a faz deverá
estar abrigado e, se possível, com visão total da área). A cobertura do flanco desguarnecido do
companheiro que atua em primeiro plano. O limite de atuação, além do qual o policial corre sério risco de
vida. O pedido de apoio à “central”.
26. Com os alunos já condicionados a passar em duplas, sem erros, pela pista (com o revólver
vazio), mediante orientação do professor, passarão a fazê-lo com disparos reais, ora “progredindo” e
“regredindo” pelo centro da pista, ora “progredindo” e “regredindo” pelas laterais da pista, ora
“progredindo” pelo centro e “regredindo” pelas laterais e vice versa. Redobrar os cuidados com a
segurança. Professores extraordinariamente atentos. Início com calma; sem pressa; lento.
Paralisação imediata dos alunos sempre que houver erro de procedimento, com a respectiva
correção. O professor deverá ensinar mantendo extrema paciência para com seus alunos.
27. Antes da voz de comando para que o aluno dê início à execução da pista o professor alertará a
todos os presentes sobre o perigo existente, com a seguinte expressão:- “---- Pista quente!” A partir daí,
apenas aluno e professor poderão adentrar a mesma; os demais redobram os cuidados com a segurança.
28. Após o término da execução da pista, por parte do aluno, e terminado todo e qualquer perigo, o
professor alertará a todos os presentes que o perigo terminou, com a seguinte expressão:- “Pista fria!” A
partir daí as pessoas autorizadas pelo professor poderão adentrar a pista.
29. Outros complementos previstos no “Método”, como um todo.
30 . Durante toda a instrução o professor fará, constantemente, perguntas aos alunos a fim de
verificar se não têm dúvidas; tendo, serão novamente ensinados. Conforme já foi dito, o aluno não
poderá passar para o exercício seguinte sem ter aprendido e executado, sem dificuldades, o anterior.
31. Terminados os ensinamentos da “Pista Policial de Instrução-Padrão” (“PPI-Padrão”),
correspondentes à “Primeira Parte” das “Pistas Policiais de Instrução”, os alunos passarão para a
“Segunda Parte” das “Pistas Policiais de Instrução” constante do próximo capítulo.
32. Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no Capítulo “02”, item
“20”, retro.
33. Ao final da instrução do dia o professor, com o semblante alegre, reunirá os alunos; elogiará a
todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para aprender, etc. Fará comentários gerais
sobre a mesma. Dirá que o “erro é professor do acerto”; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos e a expressão:- “---- Boa sorte a todos; até breve!”
83

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.

Obs.:- Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20”, do
Capítulo “02”, deste manual.

GIRALDI
84

CAPÍTULO 12

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER” - “PISTA POLICIAL DE INSTRUÇÃO” SEGUNDA PARTE


“OUTRAS PISTAS” - DESENVOLVIMENTO 
PREVISÃO:- EM TORNO DE 30 DISPAROS REAIS, POR ALUNO INICIANTE.

1. A “Segunda Parte” das “Pistas Policiais de Instrução” segue os mesmos princípios da “Primeira
Parte” (“Capítulo 11”, retro), mas, com a instrução sendo realizada em pistas diferentes da “PPI-Padrão”.
Tudo aquilo que foi aplicado na “PPI-Padrão” também o será nestas pistas, inclusive os mesmos tipos de
alvos (“amigos”, “neutros” e “agressores”, devidamente caracterizados como seres humanos – “Anexo
14”, deste manual). Estas pistas deverão, entre outras coisas, observar também tudo aquilo que está
previsto no “Capítulo 09”, deste manual; será observado ainda, toda a doutrina, princípios, fundamentos e
finalidades do “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”. Dedo fora do gatilho, quando
não for para atirar. Cano da arma voltado sempre para direção segura. Disparos sempre de 2 em 2, rápidos,
semivisados ou intuitivos, com os dois olhos abertos. Dois disparos por alvo atirável. Alvos o mais
próximo possível do barranco de contenção de projéteis.
2. Para a montagem destas pistas basta copiar a realidade. Poderão ir da mais absoluta simplicidade
até situações mais complexas. Poderão ser elaboradas apenas para treinamento de procedimentos, sem
necessidade de disparos. “Na quase totalidade das vezes procedimentos e não tiros é que preservam
vidas e solucionam problemas” (Giraldi)
3. A simples progressão, de duplas de patrulheiros, através de vários lances, até um (ou mais)
armário velho (ou outro obstáculo), colocado no interior do “Centro de Treinamento para a Preservação da
Vida”, representando um abrigo, de onde a dupla atuará em alguns alvos devidamente caracterizados como
seres humanos, à frente (com necessidade ou não de disparos), já caracterizará uma pista. Os alvos
deverão estar o mais próximo possível do barranco de contenção de projéteis.
4. Alvos móveis que se levantam; que giram; que aparecem de repente; que caem; que passam,
presos em carretilhas sustentadas por arames bem esticados; etc., são simples de serem montados e
acionados com fios de “nylon”. Já existem prontos. Ver a primeira parte do “Capítulo 09”, deste manual
(“Principais Características das Pistas”).
5. Montagem de ambientes com possibilidades de confrontos armados como bares suspeitos, locais
mal freqüentados, etc., poderão ser elaborados.
6. O professor poderá deixar a critério dos alunos a elaboração de muitas destas pistas, inclusive a
confecção dos alvos. Para isso, poderá dividir os alunos em quatro grupos (ou como julgar mais
conveniente). Os integrantes de cada grupo ficarão encarregados de confeccionar uma pista para os
integrantes dos outros grupos, sem que estes tomem conhecimento do conteúdo da mesma, antes de sua
execução. Os alunos que montarem a pista auxiliarão o professor quando da passagem dos seus
companheiros.
7. Os alunos apresentam-se, para a instrução prática, com o revólver descarregado, em segurança,
no coldre.
85

a. Antes de iniciar a aula prática, com uso do revólver, e no transcorrer da mesma, o professor
deverá dar, constantemente, as seguintes ordens aos alunos:-
1) “----- Até segunda ordem, permaneçam com o revólver, descarregado, em segurança, no
coldre. Só peguem ou empunhem o revólver mediante ordem. Só carreguem o revólver mediante ordem”;
2) “----- Quando com o revólver na mão, mesmo descarregado, mantenham o dedo fora do
gatilho; o dedo só vai para o gatilho quando vocês tiverem certeza da necessidade do disparo. A posição
normal do dedo acionante é estendido, junto à armação do revólver. Mantenham o cano do revólver,
mesmo que descarregado, voltado sempre para direção segura. Estes princípios deverão ser aplicados,
também, quando vocês estiverem de serviço”;
3) “----- Nos intervalos da instrução (descanso, água, cafezinho, sanitário, almoço, etc.)
mantenham o revólver sempre descarregado, em segurança, no coldre, ou no local que o professor
determinar; neste caso, com o tambor aberto”;
4) “----- Não deixem nem abandonem o revólver sobre banquetas, mesas, ou onde quer que
seja”;
5) “----- Fica estabelecido que o local para manuseio do revólver é ... (estabelecer o local);
nesse local não se manuseia munição”;
b. O professor deverá estabelecer local seguro para manuseio do revólver; nesse local não se
manuseará munição.

8. “Pistas Policiais de Instrução” não significa apenas pistas, com disparos, no interior de “Centros
de Treinamento para a Preservação da Vida”. Quando a finalidade for treinar apenas procedimentos, poderão
também ser elaboradas fora deles, casos em que, estará absolutamente proibido o uso de arma de fogo
carregada com munição real (disparos somente no “Centro de Treinamento para a Preservação da Vida”, com
o alvo o mais próximo possível do barranco de contenção dos projéteis; fora do “Centro de Treinamento
para a Preservação da Vida”, só representação). Para a elaboração dessas pistas, para treinamento apenas de
procedimentos, poderão ser aproveitadas as próprias características das imediações do “Centro de
Treinamento para a Preservação da Vida”, ou local próprio, sem necessidade de qualquer alteração, ou,
quando muito, pequenas alterações. Antes do seu início deverá haver confirmação, entre os participantes,
de que suas armas estão de fato descarregadas (inclusive sem carregador); todos examinarão as armas de
todos, confirmado pelo professor (que também as examinará).
9. A seguir, alguns procedimentos que poderão ser ensinados nessas pistas:-
a. “Progressão” e “regressão” em terreno aberto ou semi-aberto por equipe de alunos.
b. Atuação contra “agressor da sociedade” confinado (ou cercado), com e sem refém (tomado
ou seqüestrado). Negociação.
c. Socorro às vítimas feridas, em pleno confronto armado.
d. Varreduras e transposição de muros e outros obstáculos.
e. Varreduras e entradas em portas.
f. Uso de viatura como “coberta” e “abrigo”. Como abrigo, só em último caso.
g. “Acompanhamento” de viatura suspeita.
h. Chegada da viatura policial em ocorrência com tiros ou na iminência de ocorrerem; forma
de estacionamento, desembarque e atuação dos policiais.
i . Chegada da viatura de apoio em ocorrência com tiros ou na iminência de ocorrerem; forma
de estacionamento, desembarque e atuação dos policiais.
j. Reação de policiais que, estando dentro de viatura policial, são atacados, com tiros, por
“agressores da sociedade” (“arrancar”, rápido, com a viatura; pedir apoio; efetuar o cerco. Não sendo
possível “arrancar” com a viatura, desembarcar, com rapidez, pelo lado contrário de onde está vindo o
ataque; abrigar-se, se possível, em local que não seja a própria viatura; responder ao ataque (simulado),
pedir apoio, fazer o cerco. O policial no interior de viatura parada está mais exposto que em terreno
aberto; pelo menos, no terreno aberto, poderá se movimentar, correr, abrigar-se, etc.). Etc.
k. Utilizando viatura policial o professor deverá ensinar ao aluno como entrar, permanecer e
descer de viatura com o revólver no coldre. Os cuidados para sacá-lo, empunhá-lo e direcioná-lo ao descer
de viatura, diante da possibilidade de ter que usá-lo de imediato (em caso de dúvida, mantê-lo em
86

“posição sul”, com empunhadura simples, dedo fora do gatilho. Imprescindível, obrigatório, prioritário,
estar com o dedo fora do gatilho). Não é recomendável sacar o revólver, e permanecer com ele nas mãos,
dentro de viatura.
10. O professor tem liberdade de idealizar todos os tipos de pistas que simulem a realidade. Poderá
contar com a colaboração dos alunos para isso.
11. Se na instrução estiverem previstos disparos reais, não só quem estiver executando a pista, mas
também professores e auxiliares, alunos que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com
colete balístico, protetor ocular e auricular; sem isso, ela não será desenvolvida.
12. Ao final da instrução do dia o professor, com o semblante alegre, reunirá os alunos; elogiará a
todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para aprender, etc. Fará comentários gerais
sobre a mesma. Dirá que o “erro é professor do acerto”; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido que outros e que
isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos. Fará sua despedida com a expressão:- “---- Boa sorte a
todos; até breve!”

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.

Obs.:- Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20”, do
Capítulo “02”, deste manual.

(GIRALDI)
87

CAPÍTULO 13

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER” - “PISTA POLICIAL DE INSTRUÇÃO”


TERCEIRA PARTE - “TEATRO” - DESENVOLVIMENTO 
INSTRUÇÃO SOB FORMA DE “TEATRO” – NÃO HÁ CONSUMO DE MUNIÇÃO

O “Método Giraldi” prevê também a forma de “teatro” (ocorrências policiais simuladas),


com a finalidade de preparar o policial para usar sua arma de fogo em defesa própria e da Sociedade.
Embora não sejam efetuados disparos reais é o meio mais eficiente e barato para complementar e
solidificar a instrução realizada com disparos reais.
No “teatro” (ocorrências policiais simuladas) será observado toda a doutrina, princípios,
fundamentos e finalidades do “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”.

PRINCIPAIS FUNDAMENTOS QUE DEVERÃO SER OBSERVADOS NA


INSTRUÇÃO SOB FORMA DE “TEATRO” (OCORRÊNCIAS POLICIAIS SIMULADAS):-
Na apresentação do “teatro”, no interior das pistas ou fora delas, serão usados simulacros
(imitações) de armas de fogo coloridos (de plástico, madeira, isopor, etc.) ou então, armas de fogo
verdadeiras, coloridas, visivelmente sem condições de disparos (sem percussor; tambor e cano furados
(vasados); etc.). A melhor cor para essas “armas” é a “azul”. Não havendo, o revólver será usado
descarregado, com o tambor aberto; a pistola descarregada com a culatra aberta, travada, na retaguarda. O
professor e todos os participantes, antes do início do “teatro”, farão uma vistoria rigorosa em todas as
armas, mostrando-as uns aos outros, a fim de comprovar que não representam perigo.
Não há consumo de munição, alvos e obréias, mas, o aprendizado é muito eficiente.
No “teatro” haverá sempre necessidade do saque da arma de fogo e sua aplicação,
acompanhado ou não do “disparo” (simulado). Não esquecer que na vida real, saques são feitos dezenas
de vezes por dia, mas, só raramente, há disparos; na quase totalidade das vezes a arma volta para o coldre
sem disparar.
Como não há disparos reais fica liberado o uso de protetor auricular o ocular. Demais
equipamentos, incluindo colete balístico, continuam obrigatórios.
Além do “Centro de Treinamento para a Preservação da Vida”, também em qualquer outro
local dá para montar um “teatro” para instrução do “Método Giraldi”. Os “atores” serão os próprios
alunos; o “diretor” e “roteirista” será o professor.
O “problema” inicial do “teatro” será idealizado e apresentado a todos os alunos pelo
professor cabendo aos “alunos atores”, previamente designados pelo professor, a sua seqüência e solução.
Os outros alunos assistem, anotam os acertos e os erros da atuação dos “policiais”, para posterior
comentários e apresentação de soluções e aperfeiçoamentos.
As cenas do “teatro” têm que ser lógicas. Por exemplo, um “agressor” que, simuladamente,
recebe dois impactos de .40 S&W não pode continuar em atividade; estará fora de ação; quando muito,
fingirá que levou os tiros na perna e cairá ao solo. Etc.
O sistema de “teatro” é eficientíssimo após os alunos já terem passado pelas outras etapas
do aprendizado com necessidade do uso de arma de fogo, e disparos reais, em defesa da Sociedade.
88

A criatividade é fácil; é só verificar o que ocorre nas ruas e levar para o “teatro”. Poderão
ser aproveitados, inclusive, os próprios “quadros” já vivenciados, anteriormente, pelos alunos, nas pistas
(Capítulos 11 e 12, retros) e transformá-los em “teatro” (ocorrências policiais simuladas). No lugar dos
alvos de papelão, anteriormente utilizados e caracterizados como seres humanos (“amigos”, “neutros” e
“agressores”), entram os “alunos atores” com a mesma representatividade. A grande vantagem é o
vivenciamento, por parte dos alunos, de todas os possíveis desdobramentos da “ocorrência” que, na
maioria das vezes, não dá para ser praticado em outras situações. A desvantagem é a impossibilidade de
realizar disparos reais, só simulações, mas, aliviada pelo fato de que, conforme já foi dito, entre dezenas
de saques, na quase totalidade das vezes, a arma volta para o coldre sem efetuar disparos
Antes de dar início às cenas do “teatro” o professor mandará todos os “alunos atores”
examinarem, minuciosamente, suas “armas”, a fim de verificar se realmente são simulacros (imitações) de
armas de fogo coloridos (de plástico, madeira, isopor, etc.) ou armas de fogo verdadeiras, coloridas,
visivelmente sem condições de disparos (sem percussor; tambor e cano furados; etc.). A melhor cor para
essas armas é a “azul”. Em seguida, cada “aluno ator” mostrará a todos os outros “alunos atores” sua
“arma” para confirmação. Finalmente, o professor fará também essa inspeção, para confirmação. Sem isso
o “teatro” não deverá ser iniciado.
Em hipótese alguma haverá munição real com qualquer aluno, professor, auxiliar, ou no
local do “teatro”.
O professor, em hipótese alguma, permitirá brincadeiras, por parte de todos os alunos,
durante o “teatro”; o mesmo tem que ser encarado com extrema seriedade.
Os alunos, que representam “policiais em serviço”, no “teatro”, nunca saberão,
antecipadamente, qual será a atitude ou reação dos “agressores”. Sempre surpresa para eles, igual às
ocorrências verdadeiras. Essa atitude ou reação ficará a critério dos próprios “agressores” ou a
determinada pelo professor. Também a atitude de possíveis pessoas “neutras” (outros alunos) que possam
fazer parte do “teatro”.
Algumas vezes, o professor orientará os “agressores” sobre como será o início e o conteúdo
principal de suas atuações, podendo os mesmos, no desenrolar do “teatro”, introduzir, por iniciativa
própria, variantes, inclusive, adaptando-as à forma de atuação dos “policiais”.
Outras vezes, o professor deixará a critério dos “agressores” liberdade total de atuação.
Outras vezes determinará aos “agressores” como deverá ser sua atuação.
Tudo dependerá dos objetivos da instrução estabelecidos pelo professor.
Os “policiais” nunca saberão como será a seqüência da atuação dos “agressores”; sempre
surpresa para eles. Por iniciativa própria, terão que aplicar todos os conhecimentos até então adquiridos
para tentar dominar a situação e levar o “teatro” (ocorrência policial simulada) a bom termo. Só serão
orientados pelo professor quando cometerem erros no desenrolar da “ocorrência”.
Disparos, se necessários, serão simulados com a boca (“pum!...” “pum!...”, ou “pau!...”
pau!...”) ou por outro meio. As “armas” têm que ser coloridas; a cor mais indicada é a “azul”.
Alunos, que assistem, colocados em pontos estratégicos e com ampla visibilidade do
“teatro”, irão anotando, em uma prancheta, os erros e acertos dos “policiais”, para posterior comentários.
O “teatro” poderá ser filmado para posterior análise.
Professor, também em ponto estratégico, acompanhando o “teatro” de perto e interferindo,
sempre que for necessário, e explicando, a todos, o que está sendo feito certo e o que está sendo feito
errado pelos “policiais”.
No momento do erro dos “policiais” o professor deverá parar a cena, imediatamente,
corrigir o erro deles, e mandá-los repetir a cena do ponto anterior a esse erro.
O “teatro” (ocorrência policial simulada) terminará no momento em que os “policiais” não
tendo mais necessidade de empunhar suas “armas de fogo” as coloca no coldre.
Terminado o “teatro” (ocorrência policial simulada) o professor reunirá os alunos para
análise. Determinará a um ou mais alunos que comente a “ocorrência” e o que fazer para o
aperfeiçoamento da atuação dos “policiais”. O professor fará os comentários finais. Caso o “teatro” tenha
sido filmado, as cenas principais serão exibidas para os alunos, e analisadas pelo professor, assim que for
possível.
89

EXEMPLO DO INÍCIO DE UM “TEATRO” (OCORRÊNCIA POLICIAL


SIMULADA):-
Dois alunos, fazendo o papel de “agressores”, armados e em atitude suspeita, dentro de um
carro em situação suspeita, num local ermo (nada impede que seja em local com pessoas “neutras”; nesse
caso, outros alunos seriam designados para representá-las). Três outros alunos, representando a guarnição
de uma viatura (três policiais), localizam esse carro e terão que averiguar.
Um carro comum será usado pelos “agressores” e um outro, ou uma viatura da própria
Corporação, será usada pelos “patrulheiros”. Caso não exista rádio de comunicação para esse tipo de
“teatro” e houver necessidade, os “policiais” simularão seu uso para comunicar-se com a “central”.
“Alunos atores” a postos. A um sinal do professor, começa o desenrolar do “teatro”
(ocorrência policial simulada). Só terminará no momento em que os “policiais” não tendo mais
necessidade de empunhar suas “armas de fogo” as colocarão no coldre.
Posteriormente, o professor poderá aproveitar o início desse mesmo “teatro” (ocorrência
policial simulada), substituir os “alunos atores”, e determinar aos “novos agressores” que tomem uma
alternativa diferente da dos “agressores” anteriores. Se couber uma terceira alternativa, idem; uma quarta,
e, assim por diante. Os “alunos atores”, no papel de policiais, não saberão, antecipadamente, quais serão
essas alternativas.
Terminada a encenação de todas as variantes do “teatro” (ocorrência policial simulada) o
professor reunirá os alunos para análise final. Determinará a um ou mais alunos que as comente, e o que
deverá ser feito para o aperfeiçoamento da atuação dos “policiais”. O professor fará os comentários finais.
Caso o “teatro” tenha sido filmado, as cenas principais serão exibidas e analisadas
posteriormente.
Fim desse primeiro “teatro” (ocorrência policial simulada)

EXEMPLO DO INÍCIO DE UM SEGUNDO “TEATRO” (OCORRÊNCIA


POLICIAL SIMULADA):-
Dois “alunos atores”, no papel de agressores, estão efetuando um roubo no interior de um
estabelecimento comercial. A polícia chega (três “alunos atores” no papel de patrulheiros) e surpreende
esses agressores em plena “atividade”. Cercados, desesperam-se. Um deles, que está armado (“arma de
fogo”), pega uma pessoa neutra (também “aluno ator”), que estava dentro do estabelecimento, fazendo-a
de “refém tomado” e, mantendo-a como escudo, faz uma série de exigências para libertá-la
(permanecendo dentro do estabelecimento comercial); o outro agressor, também armado, permanece
próximo a ele, mantendo duas outras pessoas neutras (também “alunos atores”) sob ameaça de sua “arma
de fogo” (mas não como escudos). Ver Capítulo “11”, item “5”, letra “a”; e item “19”, letra “h”, sub
item “5”, também do “Capítulo 11”, deste manual.
“Alunos atores” a postos. A um sinal do professor, começa o desenrolar do “teatro”
(ocorrência policial simulada). Só terminará no momento em que os “policiais”, não tendo mais
necessidade de empunhar suas “armas de fogo”, colocam-nas nos coldres.
Posteriormente, o professor poderá aproveitar o início desse mesmo “teatro” (ocorrência
policial simulada), substituir os “alunos atores”, e determinar aos “novos agressores” que tomem uma
alternativa diferente da dos “agressores” anteriores. Se couber uma terceira alternativa, idem; uma quarta,
e, assim por diante. Os “alunos atores”, no papel de policiais, não saberão, antecipadamente, quais serão
essas alternativas.
Terminada a encenação de todas as variantes do “teatro” (ocorrência policial simulada) o
professor reunirá os alunos para análise final. Determinará a um ou mais alunos que as comente e o que
deverá ser feito para o aperfeiçoamento da atuação dos “policiais”. O professor fará os comentários finais.
Caso o “teatro” tenha sido filmado, as cenas principais serão exibidas e analisadas
posteriormente.
Fim desse segundo “teatro” (ocorrência policial simulada).
90

EXEMPLO DO INÍCIO DE UM TERCEIRO “TEATRO” (OCORRÊNCIA


POLICIAL SIMULADA):- (PROFESSOR IDEALIZA ...)
... Etc.

OUTROS “TEATROS” (OCORRÊNCIAS POLICIAIS SIMULADAS):-


Exercícios em pistas, executados com disparos reais, na Primeira Parte (Capítulo 11, retro)
e Segunda Parte (Capítulo 12, retro), poderão ser repetidos agora sob forma de “teatro” (ocorrência
policial simulada), inclusive os da “Pista Policial de Instrução – Padrão”, com substituição dos alvos de
papelão ali usados, devidamente caracterizados como seres humanos (“amigos”, “neutros” e
“agressores”), por “alunos atores” nas mesmas condições. O professor aproveitará para dar, agora, no
“teatro” (ocorrências policiais simuladas), todas as possíveis alternativas dos “quadros” (cenas), não só
por parte dos “agressores” como por parte dos “policiais”, e que não foram possíveis naquela
oportunidade; assim, estará preparando o policial para ficar sempre atento ao se deparar com ocorrências
policiais verdadeiras e seus desdobramentos.

LIBERDADE DE CRIATIVIDADE PARA O PROFESSOR:-


O professor, desde que mantenha a doutrina do “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”,
“Método Giraldi” e os principais fundamentos da instrução sob forma de “teatro” (ocorrência policial
simulada), previstos no início deste capítulo, terá ampla liberdade de criatividade; mas, jamais poderá
introduzir “armas de fogo” diferentes das previstas.
Poderá, por exemplo, dividir seu grupo de alunos em vários grupos (quatro, por exemplo) e
determinar que os integrantes de cada grupo preparem um “teatro” (ocorrência policial simulada) para
apresentação aos integrantes dos outros três grupos. Etc.

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.

Ao final da instrução do dia o professor deverá aplicar o que está previsto no item
“20”, do “Capítulo 02”, deste manual.

GIRALDI
91

CAPÍTULO 14

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER” - “PISTA POLICIAL DE INSTRUÇÃO”


QUARTA PARTE – “ANÁLISE DE CASOS REAIS”
DESENVOLVIMENTO 

ANÁLISE DE CASOS REAIS

Nesta “Quarta Parte” das “Pistas Policiais de Instrução” serão analisadas e comentadas, pelo
professor e alunos, ocorrências reais onde houve necessidade do policial sacar sua arma, disparando ou
não, para solucionar ocorrências policiais.
Fitas gravadas são importantíssimas para isso. As televisões sempre as têm, principalmente aquelas
que cobrem ocorrências policiais. A própria instituição policial também as tem, através dos setores
encarregados de fazer gravações relacionadas ao assunto.
O professor deverá ter seu próprio arquivo dessas fitas, a fim de não ficar dependendo de terceiros.
É fácil consegui-lo.
Também publicações de jornais e revistas poderão ser úteis para análise.
Tenham ou não os policiais atuado corretamente nessas ocorrências, sempre ensinarão.
O professor poderá convocar policiais que participaram de ocorrências desse tipo para fazerem
explanação geral sobre as mesmas, para os alunos.
Nesta “Quarta Parte” poderão ser exibidas e analisadas, pelo professor e alunos, possíveis fitas
gravadas durante a instrução prática.

Ao final de todas as aulas desta “Quarta Parte” o professor deverá exibir, no televisor, a
“ORAÇÃO DO POLICiAL”, de autoria do Cel PMESP Nilson Giraldi, existente na fita de “Vídeo
Instrução da DE”, com o título:- “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, de março
de 2002 (a “Oração” está nela inserida). Fornecerá copia dela aos alunos (Referida “Oração” está na
página 07, deste manual).

Ao final da instrução do dia o professor deverá aplicar o que está previsto no item “20”, do
“Capítulo 02”, deste manual.

GIRALDI
92

CAPÍTULO 15

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER” - “PISTA POLICIAL DE INSTRUÇÃO”


QUINTA PARTE – “APLICAÇÃO EM PLENO SERVIÇO” DESENVOLVIMENTO 

GUARNIÇÕES DE SERVIÇO PARTICIPANDO DE OCORRÊNCIAS POLICIAIS SIMULADAS

PREVISÃO:- DE ZERO A 08 DISPAROS REAIS, POR POLICIAL

A “Quinta Parte” das “Pistas Policiais de Instrução” é a última etapa prática da instrução do
“Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”.
Nela, também será observado toda a doutrina, princípios, fundamentos e finalidades do
“Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”.
Destinada aos policiais prontos para o serviço, já trabalhando na atividade fim, e que já
tenham aprendido o “Método”.
É a aplicação do “Método” em “pleno serviço”, isto é, policiais que estão executando
serviço na rua, são convocados para deslocar-se com sua viatura até o local de uma “ocorrência policial
simulada”, montada pelo professor no interior de um “Centro de Treinamento para a Preservação da Vida”,
com ou sem necessidade de disparos reais, mas sempre com necessidade de saque.
Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também professores e auxiliares,
alunos que estão observando, e possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico, protetor ocular e
auricular; sem isso, ela não será desenvolvida.
Excepcionalmente, nesta “Quinta Parte” das “Pistas Policiais de Instrução”, o professor não
interromperá o policial (aluno) quando ele cometer erros; apenas anotará o erro para comentário e
correção futura. O professor terá que analisar a solução da “ocorrência policial simulada” como um todo e
a atuação dos policiais individualmente, sem interferir.
Haverá uma súmula, a mais simples possível, elaborada pelo professor, e adaptada a cada
“ocorrência policial simulada”, onde conste local para anotação da nota ou conceito para a atuação
individual de cada aluno, e para a atuação da equipe (guarnição) como um todo.

O DESENVOLVIMENTO DESTA “QUINTA PARTE” DAS “PISTAS POLICIAIS


DE INSTRUÇÃO” OBEDECERÁ OS SEGUINTES PRINCÍPIOS:-

O professor idealiza e monta, no interior do “Centro de Treinamento para a Preservação da


Vida”, uma “Pista Policial de Instrução”, simulando uma “ocorrência policial” com necessidade ou não de
disparos reais. Para isso, utilizará alvos de papelão “PM-L-4” (ver “Anexo 14”, deste manual),
devidamente caracterizados como seres humanos (“amigos”, “neutros” e “agressores”).
A “ocorrência policial simulada” e idealizada poderá ir da mais simples a mais
complexa, de acordo com seus objetivos.
93

Também de acordo com seus objetivos, será idealizada e montada para ser executada por
“equipes de patrulheiros” ou “grupos táticos” que se encontram de serviço na atividade fim no momento.
Se houver “alvos atiráveis” estes deverão estar o mais próximo possível do barranco de
contenção de projéteis.
Para colocação dos alvos de maior importância, o professor utilizará armações móveis,
inclusive que passam, estas, sustentadas por carretilhas apoiadas em fios de arame bem esticados. Essas
armações já existem, prontas.
Possibilidade de chegada de viatura policial até as proximidades do local da pista
simulando ocorrência policial.
Uma vez montada, professor (es) e auxiliares colocam-se em pontos estratégicos, em
condições de observar e acompanhar os policiais executantes. Professor (es) com prancheta nas mãos para
anotação daquilo que julgar conveniente.
Os policiais executantes estarão na rua, trabalhando; sabem que esse sistema de instrução,
com “ocorrência policial simulada”, está sendo adotado mas não sabem quando serão acionados pela
“central”, para participar.
Todo o esquema tem que ser elaborado com perfeito entrosamento entre a Unidade dos
policiais executantes, professor (es), auxiliares, “central” e responsável pelo local da “ocorrência policial
simulada”. Fará parte de uma programação geral de instrução.
O dia da semana e o horário escolhido, para acionamento dos policiais que estão de
serviço na rua, com a finalidade de solucionar essa “ocorrência policial simulada”, será aquele em que,
tradicionalmente, o número de ocorrências reais é bastante baixo.
Tudo pronto, a “central” irradia a ordem:- “---- Guarnição da viatura tal, deslocar-se para
o “Centro de Treinamento para a Preservação da Vida”. da (declinar a Unidade) a fim de solucionar
“ocorrência policial simulada” com possibilidades de disparos. Chegando ao local, procurar orientações
com o (nome do professor encarregado da idealização, montagem, análise e ensinamentos da ocorrência)”.

EXECUÇÃO
Chegando ao local, o encarregado da guarnição procura o professor. Esse, imediatamente,
entrega um protetor auricular e um protetor ocular para cada integrante da guarnição, para ser usado
durante o atendimento da “ocorrência policial simulada”. Considera-se que todos os policiais da
guarnição estão com colete balístico e plaquetas de identificação.
Mostra o local onde está montada a “ocorrência policial simulada” e vias de acesso.
O professor dará informações rápidas, ao encarregado da guarnição, como se fosse um civil
comum, mais ou menos nos seguintes termos:- “---- Ouvimos disparos naquele local (indica o local da
ocorrência), assim como, pessoas suspeitas movimentando-se por lá; ouvimos também alguns gritos”. A
partir daí o problema é da guarnição.
O professor acompanhará toda a movimentação da guarnição na ocorrência e, mesmo que
seus integrantes errem, não interferirá; anotará o erro para posterior comentários. Não auxiliará nem dará
mais nenhuma informação à guarnição; só observará.
O professor anotará, em súmula própria, adaptada por ele a cada “ocorrência policial
simulada”, tudo o que for necessário, inclusive nota ou conceito referente à atuação individual de cada
aluno e da guarnição (equipe) como um todo; assim como seus erros e acertos.
A “ocorrência” será considerada encerrada quando os policiais, de iniciativa própria,
coldrearem suas armas.
Se houver necessidade de viatura de resgate para atender “feridos”; presença da “Polícia
Científica”; elaboração de ocorrência; “termo circunstanciado”; etc., isso deverá ser feito de forma
simulada.
Terminado o atendimento à ocorrência, o professor reunirá os integrantes da guarnição,
comentará os erros, os acertos, o que faltou fazer e o que melhorar para o futuro.
Após ensinamento do professor, os integrantes da guarnição repetirão os procedimentos que
erraram.
94

Não havendo mais dúvidas, serão liberados para retornar ao serviço, preparando, antes, suas
armas para isso..
Uma nova guarnição de patrulheiros, ou grupo tático, será convocada em seguida.
E assim, sucessivamente.
O professor poderá efetuar alterações na pista (ocorrência policial simulada) entre um
grupo executante e outro.
Posteriormente o professor elaborará “ocorrências policiais simuladas” com necessidade de
viatura de apoio. Obedecerão os mesmos princípios.

SISTEMA MISTO

O professor poderá elaborar “ocorrências policiais simuladas”, com necessidade do uso da arma de
fogo, utilizando sistema misto, isto é, unindo e adaptando esta “Quinta Parte” com a “Terceira Parte”
(“Teatro”), caso em que, em hipótese alguma, serão usadas armas de fogo verdadeiras; apenas simulacros,
ou armas verdadeiras sem condições de funcionamento (sem percutor, etc.), pintadas de azul.
Nesse caso, quando os integrantes das guarnições que estão de serviço, na rua, chegarem ao local
da “ocorrência simulada”, o professor recolherá todas as armas e munições que estejam de posse dos
mesmos, substituindo-as por simulacros, ou por armas verdadeiras, mas sem condições de funcionamento,
conforme retro explicado.

Ao final da solução da “ocorrência policial simulada” o professor deverá aplicar o que


está previsto no item “20”, do “Capítulo 02”, deste manual.

GIRALDI
95

CAPÍTULO 16

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER” - “PISTAS POLICIAIS ESPECIAIS” – “PPE” ®


“Pistas Policiais Especiais” – “PPE”, também simulações da realidade, com alvos
“amigos”, “neutros” e “agressores”, devidamente caracterizados como seres humanos (ver Anexo 14,
deste manual), destinadas a preparar policiais para executar serviços policiais especiais ou em locais
especiais, como:- Ações táticas; ações táticas especiais (GATE, etc.); “choque”; operações especiais
(“COE”, etc.); desocupações; edifícios suspeitos e locais internos, incluindo elevadores, sótãos, forros,
etc.; policiamento rodoviário; policiamento ambiental; policiamento montado; policiamento com motos e
bicicletas; atuação em favelas, morros, palafitas, escolas; atuação em estações (metrô, ferroviária,
rodoviária); locais de grande aglomeração humana; divertimentos públicos; campos de futebol, etc.;
escoltas; guarda de presídio; segurança de autoridade “VIP”; serviço velado; serviço reservado; etc.
Obedecem os mesmos princípios doutrinários do “Método Giraldi”:- Atuação armada da
polícia em defesa própria e da Sociedade tendo, como prioridade, a “preservação da vida” e da integridade
f´sicia, a começar pela do policial e das pessoas inocentes, e também daquelas contra as quais não há
necessidade de disparos (agressores) e, como última alternativa, o disparo, dentro da “legalidade”, calcado
na “necessidade”, “oportunidade”, proporcionalidade” e “qualidade”, e não com a finalidade de matar o
agressor mas de tentar paralisar sua ação de morte contra a vida de alguém.
O policial somente será preparado nas “Pistas Policiais Especiais” após ter sido considerado
“apto” em todas as etapas anteriores do “Método”, que são comuns a todos os policiais (“Curso Básico”;
“Pistas Policiais de Instrução”; “Pistas Policiais de Aplicação”; “Limpeza e Manutenção de Primeiro
Escalão” (arma, munição, equipamentos); “Investimento e Valorização do Policial”).
As “Pistas Policiais Especiais” – “PPE”, constam de publicação à parte. Serão elaboradas e
treinadas pelos integrantes das Unidades que têm sob sua responsabilidade os serviços especiais retro
mencionados.
Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também professores e auxiliares,
alunos que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico, protetor ocular e
auricular; sem isso, ela não será desenvolvida.

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.
Obs.:- Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20”, do
Capítulo “02”, deste manual.
GIRALDI
96

CAPÍTULO 17
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER”
“PISTA POLICIAL DE APLICAÇÃO-PADRÃO” - DESENVOLVIMENTO 
PREVISÃO:- EM TORNO DE 30 DISPAROS REAIS, POR ALUNO
“Somente passando o policial por Pistas Policiais de Aplicação
é que se saberá se ele tem condições de atuar armado em defesa da
Sociedade; não há outra forma”. (Giraldi)

O aluno será avaliado na “Pista Policial de Aplicação - Padrão” (“PPA-Padrão”),


com preenchimento da “Súmula para Habilitação de Usuários” (Capítulo 19, deste manual), com a
finalidade de ser habilitado como usuário do revólver. Caso não apresente desempenho satisfatório nessa
avaliação, sendo reprovado, será novamente ensinado, pelo professor, em tudo aquilo que errou, tiver
dúvidas ou dificuldades. Será submetido, em seguida, a uma nova avaliação (após a passagem de todos os
outros alunos pela “PPA-Padrão” e alterações nos alvos). O importante é o aluno aprender; saber executar;
insistir; até ficar em condições de usar, com perfeição, seu armamento, com técnica, com tática, com
psicologia e dentro dos limites das Leis, em defesa própria e da Sociedade. O professor não pode aceitar
uma reprovação pura e simples do aluno; o aprendizado e a aprovação do aluno serão suas grandes
vitórias.
Outros modelos, para outras finalidades, de “Pista Policial de Aplicação”, além da
“Padrão”, aqui tratada, poderão ser idealizadas pelos professores para outros tipos de estágios ou cursos.
“Somente passando o policial por Pistas Policiais de Aplicação é que se saberá
se ele está em condições de atuar armado em defesa própria e da Sociedade; não há outra forma”.
(Giraldi)
Na execução da “PPA-Padrão” (e de todas as outras) o aluno deverá cumprir todos
os princípios estabelecidos pelo “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e já
anteriormente aprendidos. .
Alvos o mais próximo possível do barranco de contenção de projéteis. Dedo fora
do gatilho quando não for para atirar. Cano da arma voltado sempre para direção segura. Disparos sempre
de 2 em 2, rápidos, semivisados ou intuitivos, com os dois olhos abertos. Dois disparos por alvo atirável.
Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também professores e
auxiliares, alunos que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete balístico,
protetor ocular e auricular; sem isso, ela não será desenvolvida.

DESENVOLVIMENTO:-
1. A estrutura física da “Pista Policial de Aplicação - Padrão” (“PPA-Padrão”) é idêntica à da
“Pista Policial de Instrução – Padrão” (“PPI-Padrão”). Ver planta no “Capítulo 10”, retro. Também tem
alvos “amigos”, “neutros” e “agressores”, devidamente caracterizados como seres humanos a partir do
alvo “PM-L-4” (ver “Anexo 14”, deste manual).
2. A forma de atuação do aluno na “PPA-Padrão” é idêntica à da “PPI-Padrão” e das outras pistas.
Obs.:- Os alunos apresentam-se, para executar a “Pista Policial de Aplicação”, com o
revólver descarregado, em segurança, no coldre; em local onde não possam ver a “PPA” (será surpresa
para eles; não deverão vê-la, antes de executá-la).
97

a. Antes de dar início à execução da “PPA”, com uso do revólver, e no transcorrer da


mesma, o professor deverá dar, constantemente, as seguintes ordens aos alunos:-
1) “----- Até segunda ordem, permaneçam com o revólver, descarregado, em segurança,
no coldre. Só peguem ou empunhem o revólver mediante ordem. Só carreguem o revólver mediante
ordem”;
2) “----- Quando com o revólver na mão, mesmo descarregado, mantenham o dedo fora
do gatilho; o dedo só vai para o gatilho quando você tiver certeza da necessidade do disparo. A posição
normal do dedo acionante é estendido, junto à armação do revólver. Mantenham o cano do revólver,
mesmo que descarregado, voltado sempre para direção segura. Estes princípios deverão ser aplicados,
também, quando vocês estiverem de serviço”;
3) “----- Nos intervalos da instrução (descanso, água, cafezinho, sanitário, almoço, etc.)
mantenham o revólver sempre descarregado, em segurança, no coldre, ou no local que o professor
determinar; neste caso, com o tambor aberto”;
4) “----- Não deixem nem abandonem o revólver sobre banquetas, mesas, ou onde quer
que seja”;
5) “----- Fica estabelecido que o local para manuseio do revólver é ... (estabelecer o
local); nesse local não se manuseia munição”;
6) “ ----- Vocês não poderão ver a “Pista Policial de Aplicação” antes de executá-la;
será surpresa para vocês, como num confronto armado verdadeiro”;
7) “----- Quem já tiver passado pela “PPA” não deverá comentá-la com quem ainda não
o fez; se o fizer, será considerado “cola”; ambos serão desclassificados e punidos. Na rua, quando de um
confronto armado verdadeiro, vocês também não sabem o que irão encontrar pela frente. Na “PPA” é a
mesma coisa”.
b. O professor deverá estabelecer local seguro para manuseio do revólver; nesse local não
se manuseará munição;
3. A seguir, algumas características da “PPA-Padrão” que deverão ser fielmente
obedecidas:-
a. Os alvos e “quadros” poderão ser iguais aos da “PPI-Padrão” (no todo ou em parte) mas
colocados em lugares diferentes, ou alvos e “quadros” diferentes (no todo ou em parte). Um mesmo alvo
ou “quadro” não deve ocupar o mesmo lugar numa “PPI-Padrão” e depois numa “PPA-Padrão”; tem que
mudar de lugar.
b. O aluno não saberá, antecipadamente, quais serão os alvos (ou “quadros”) sobre os
quais irá atuar e onde estarão colocados (sempre surpresas);
c. Não será auxiliado ou orientado pelo professor antes de executar o exercício a primeira
vez; só após errá-lo.
d. De iniciativa própria aplicará todos os conhecimentos anteriormente adquiridos;
e. Não saberá, antecipadamente, quantos disparos irá efetuar (semelhante a uma ação
real);
f. Na “PPA-Padrão”, para avaliação do policial como usuário do revólver, serão colocados
5 alvos atiráveis e, no mínimo, 5 não atiráveis. Dependendo dos objetivos o professor poderá alterar essas
quantidades.
g. Para ser submetido à “PPA-Padrão” o aluno apresentar-se-á com revólver descarregado
no coldre; 2 (dois) carregadores rápidos, totalmente municiados, nos porta carregadores, e 1 (um) nas mãos;
será o primeiro a ser usado para alimentar e carregar o revólver. O aluno, para executar a “PPA”, deverá
apresentar-se com a súmula nas mãos (Capítulo 19, deste manual), já tendo preenchido o seu cabeçalho.
h. Executará a pista com a mesma arma, munição, uniforme e equipamentos com os quais
irá trabalhar.
i. Obrigatório o uso de colete balístico, protetor auricular, ocular e plaqueta de
identificação. Também por parte do professor.
Observação:- Durante a instrução, não só quem a está executando, mas também
professores e auxiliares, alunos que estão observando, e, possíveis assistentes, deverão estar com colete
balístico, protetor ocular e auricular; sem isso, ela não será desenvolvida.
j. Em princípio, a passagem pela “PPA-Padrão” será individual, progredindo e regredindo
pelo centro, posteriormente, após alteração dos alvos, pelas laterais e em equipe.
98

k. A recarga será “emergencial” ou “tática”; é o aluno quem decide.


l. Empunhadura dupla (sempre que possível); disparos semivisados ou intuitivos; rápidos;
de 2 em 2; com os dois olhos abertos.
m. Antes de dar o sinal de partida o instrutor fará, ao aluno, individualmente, uma
explicação sucinta do que irá executar na pista, e determinará providências, mais ou menos nos seguintes
termos:- “  Pode preparar o revólver para entrar de serviço. Ao sinal convencionado, significando que
você foi surpreendido por um confronto armado, saque o revólver e posicione-se, rapidamente, em proteção
no abrigo “A”. Progrida até o abrigo “D”, passando entre os abrigos “B” e “C” (use-os para se proteger). Por
convenção, os abrigos “B” e “C” prolongam-se para as laterais, indefinidamente; não há perigo vindo dessas
direções. No abrigo “D” atue iniciando e terminando por onde julgar mais conveniente. Terminada a atuação
no abrigo “D” faça a regressão (retirada estratégica) até o abrigo “A”, passando, novamente, entre os abrigos
“B” e “C”. De volta ao abrigo “A”, coldree o revólver sem mexer no tambor. Aguarde ordens. Se ao
executar a pista houver incidentes de tiro tente solucioná-los, sem ajuda. O tipo de recarga (“tática” ou
“emergencial”) fica a seu critério; a que for mais conveniente para você. Coloque em prática tudo o que você
aprendeu até agora. Etc. Alguma dúvida? Boa sorte!
n. Não haverá tempo previamente estabelecido para o aluno executar a “PPA-Padrão”; o
tempo será idêntico ao de uma ação real; um tempo menor ou maior não dará mais ou menos pontos ao
aluno. As próprias características da pista darão o ritmo da atuação do aluno (semelhante à uma ação
verdadeira). O aluno deverá evitar a “precipitação”; ela provoca mortes, inclusive a própria. Deverá
evitar a “valentia perigosa”; é uma loteria; poderá transformá-lo num herói ou ... num defunto... ou
num presidiário (Giraldi)
o. Partida-Execução:- Aluno em pé, próximo ao abrigo “A”, com o revólver vazio no
coldre, três carregadores rápidos, totalmente municiados (mesmo que sejam para sete cartuchos), devendo
estar com um nas mãos e dois nos porta carregadores rápidos. Mediante ordem do professor o aluno
alimentará e carregará o revólver com o carregador rápido que está nas mãos; coldrea, como se fosse entrar
em serviço, ficando, assim, pronto para executar a “PPA-Padrão”. Braços soltos ao longo do corpo. O
professor dará a partida através de um disparo de festim ou real (ideais), ou através da frase:- “ Defenda!”;
ou “--- Perigo!”. Ao ouvir o sinal de partida o aluno saca o revólver, posiciona-se e protege-se, com rapidez,
no abrigo “A”. Faz a progressão usando os abrigos “B” e “C”. Passa entre eles e atua, conforme julgar mais
conveniente, no abrigo “D”. Faz a regressão passando, novamente, entre os abrigos “B” e “C”, até regressar
ao abrigo “A”, onde estará em segurança. No abrigo “A” coldrea o revólver, sem mexer no tambor. Aguarda
ordens.
p. O professor pedirá para o aluno entregar o revólver para ele (isso estará valendo pontos),
devolvendo-o, em seguida, para o aluno.
q. O aluno permanecerá com o revólver descarregado, no coldre.
r. Quando o aluno executar procedimento de forma errada o professor o interromperá,
imediatamente, anotando o erro na súmula (o aluno deixará de ganhar os pontos desse procedimento) e, ato
contínuo, ensiná-lo-á a fazê-lo corretamente. Feito isso, o aluno repetirá, imediatamente, o procedimento que
errou. Repeti-lo-á quantas vezes forem necessárias até executá-lo corretamente e sem dificuldades.
Acertando-o prosseguirá na execução da “PPA-Padrão” e o professor anotará à frente do erro “OK”,
significando que o aluno aprendeu e o executou corretamente, mas, os pontos que deixou de ganhar quando
do primeiro erro que está assinalado na súmula, permanecerão. O aluno não passará para o procedimento
seguinte sem ter executado, corretamente, o anterior.
s. O aluno acompanhará o levantamento dos impactos do seu alvo, que serão obreados (se
houver obréias) ou assinalados com uma caneta ou por outro meio. Impacto que tangenciar zona de maior
pontuação será nela assinalado.
t. Após executar a pista o aluno permanecerá no local (da pista) observando os próximos
companheiros e auxiliando o professor. Estará proibido de comentar, a respeito dela, com os companheiros
que ainda não a executaram. Caso isso ocorra, acarretará sua eliminação e punição, e também do seu
companheiro. É prejudicial a ambos. Num confronto armado real o policial nunca sabe o que irá encontrar
pela frente; assim também deverá ser na “PPA-Padrão”, a fim de deixá-lo condicionado a essa circunstância.
4. No mínimo, 30 (trinta) minutos antes de executar a “PPA-Padrão” o aluno receberá “orientações
gerais”, por escrito (Capítulo 18 deste manual), e a “Súmula para Habilitação de Usuários” (“Capítulo 19”,
deste manual) na qual será registrada toda a sua atuação. Preencherá seu cabeçalho e a entregará ao
professor no momento de sua participação.
99

5. Pontuação máxima possível prevista no cabeçalho da “Súmula para Habilitação de


Usuários” (Capítulo 19, deste manual):- Se estiverem previstos 10 disparos (letra “A” da súmula), e o
aluno obtiver pontuação máxima em todos, serão 100 pontos. Se estiverem previstos 25 procedimentos (letra
“B” da súmula), e o aluno executar todos corretamente, serão mais 250 pontos. Total 350 pontos (100 +
250), desde que não cometa penalidade.
6. Após a passagem do aluno pela pista o professor preencherá a “Súmula para Habilitação de
Usuários” (Capítulo 19”, deste manaual), assinando-a; o aluno, após conferi-la, também a assinará.
Qualquer observação será anotada no seu verso. A “Súmula para Habilitação de Usuários”, junto com a
“Súmula de Análise Pessoal” (Capítulo 03, retro), será anexada ao Registro Individual de Tiro (RIT) do
aluno.
7. A nota ou conceito para aprovação do aluno deverá constar do “Currículo” ou determinação
oficial, previamente estabelecido.
8. Caso o aluno seja reprovado o professor, após todos os outros alunos passarem pela
“PPA_Padrão”, demonstrando educação, boa vontade e incentivando esse aluno, o ensinará em tudo
aquilo que tiver dúvidas. Em seguida, mudará os alvos e “quadros” de lugar (ou colocará outros
diferentes) e fará ele passar novamente pela “PPA-Padrão”. O professor preencherá uma nova súmula à
qual será anexada à anterior, e ambas ao “RIT” do aluno. Uma terceira avaliação somente será concedida
ao aluno se a sua “Súmula de Análise Pessoal” (Capítulo 03, retro), pelas suas anotações, for favorável a
isso, e desde que não contenha nenhum conceito “inferior” (ïnf”).
9. Ao final da instrução do dia o professor, com o semblante alegre, reunirá os alunos; elogiará a
todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para aprender, etc. Fará comentários gerais
sobre a mesma. Dirá que o “erro é professor do acerto”; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos, “---- Boa sorte a todos; até a próxima!”

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.

Obs.:- Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20”, do
Capítulo “02”, deste manual.

GIRALDI
100

CAPÍTULO 18

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER”
“PISTA POLICIAL DE APLICAÇÃO – PADRÃO” 
ORIENTAÇÕES AO ALUNO ANTES DE SER AVALIADO NA “PPA-PADRÃO”
(Deverá ser distribuída uma cópia, a cada aluno, até 30 minutos antes de ser avaliado na “PPA-Padrão”)

Prezados (as) candidatos (as) ao uso do revólver


. De acordo com o “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, através do
qual vocês foram instruídos, apliquem, na “PPA-Padrão”, tudo aquilo que vocês aprenderam relacionado
às suas atuações armadas em defesa própria e da Sociedade.
. Utilizem as suas armas da forma mais perfeita possível; apliquem, com seriedade, todos os
ensinamentos que lhe foram transmitidos.
. Dentro de instantes vocês irão participar de um confronto armado com os “agressores da
sociedade”, com possibilidades de “mortes” de ambos os lados (sentido figurado). Estejam atentos a tudo.
Desconfiem de tudo.
. Suas atuações e deslocamentos na “PPA-Padrão” serão idênticos aos que vocês aprenderam na “PPI-
Padrão”; as únicas diferenças serão os alvos e os “quadros” que poderão estar alterados ou mudados de lugar.
. Inicialmente, mediante voz de comando, vocês descerão da sua viatura protegendo-se no abrigo “A”,
progredirão pelo centro (entre os abrigos “B” e “C”) até o “D”. Atuarão em toda a pista, e regredirão, pelo centro,
ao abrigo “A” novamente.
. Fica a critério de vocês a forma de recarga a ser utilizada (“emergencial” ou “tática”).
. Quando da execução da pista, fica convencionado que, alvos, representado “agressores da
sociedade”, que estiverem apontando a arma para vocês é porque estão “atirando” contra vocês ou contra
terceiros. Efetuem 2 (dois) disparos rápidos contra cada um deles, se for o caso; nem sempre o é
(exemplo:- pessoas inocentes na mesma linha de tiro; agressor no meio do povo; etc.).
. Caso o “agressor da sociedade”, representado no alvo de papelão, estiver com a arma em outra
posição, que não apontada para vocês, não disparem contra ele; mantenham o cano da arma e o olhar na
direção do perigo; dedo fora do gatilho; e verbalizem, firme:- “----- Aqui é a polícia! Largue a arma! Mãos
na cabeça! Olhando para mim, caminhe na minha direção!” Etc. Dependendo da reação da pessoa em
atitude suspeita, representada no alvo, vocês darão continuidade às suas atuações.
. Lembrem-se:- O disparo, dentro da “legalidade”, tem que obedecer aos princípios da
“necessidade”, “oportunidade”, “proporcionalidade”, e “qualidade”. Um disparo desse jamais levará
seu autor a ser por ele condenado nos Tribunais.
. Mantenham o dedo fora do gatilho quando não for para atirar; o dedo só vai para o
gatilho no momento do disparo; executado o disparo volta para a sua posição normal que é
estendido junto a armação da arma. Evite tragédias mantendo o dedo fora do gatilho. Cano da
arma voltado sempre para direção segura ou do perigo (dedo fora do gatilho); olhar na direção do
perigo.
. Os disparos serão semi visados ou intuitivos, rápidos, com os dois olhos abertos.
. “Verbalizem” quando for o caso. A primeira frase da verbalização é:- “ Aqui é a polícia!”
Depois, esclareçam o que vocês desejam.
. “Negociem” quando for o caso. Apliquem, aqui, o que aprenderam.
101

. Executem a pista como se estivessem com outro companheiro.


. Apliquem os “sinais policiais”.
. Não apontem a arma para pessoas (alvos) inocentes (usem a “posição sul”).
. Não analisem as pessoas (alvos) pela cara, mas pelas intenções; é nas mãos que está o
perigo; concentrem seus olhares nas mãos das pessoas (dos alvos).
. Vocês receberão pontos positivos tanto pelos seus impactos nos alvos atiráveis como pelos seus
procedimentos corretos (vejam letras “A” e “B” da súmula que já está com vocês). Deixarão de ganhar
pontos se errarem o procedimento.
. Caso errem o procedimento serão interrompidos, imediatamente; o erro será anotado na súmula. Em
seguida, após serem corrigidos, executarão, novamente, o procedimento que erraram. Acertando-o prosseguirão
na execução da “PPA-Padrão”. Vocês não passarão para o procedimento seguinte sem ter executado,
corretamente, o anterior.
. Cuidado com as “penalidades” (letra “C” da súmula). Para cada uma vocês perderão 10 (dez) pontos.
. Em caso de reprovação vocês, após voltarem à calma e serem ensinados pelo professor sobre os erros
cometidos, terão direito a uma segunda passagem, com os alvos e “quadros” da pista modificados..
. Cuidado com as “penalidades fatais” (letra “D” da súmula). Elas reprovam no momento do seu
cometimento.
. Pontuação final:- Ver letra “E” da súmula.
. O tempo para executar a “PPA-Padrão” será idêntico ao de uma atuação verdadeira; um menor
ou maior tempo não lhes dará mais ou menos pontos.
. Evitem a “precipitação”. Ela poderá provocar a sua morte; a morte de pessoas inocentes
ou de pessoas contra as quais não há necessidade de disparos e acabar levando-os para a prisão.
. Evitem a “valentia perigosa”; é uma “loteria”; poderá transformá-los num herói ou...
num defunto... ou num presidiário. E, tudo que é loteria, quando está em jogo a vida humana,
inclusive a sua, não deve ser tentado. Peçam apoio.
. Se houver incidentes de tiro tentem solucioná-los, com rapidez e sem ajuda.
. Apresentem-se para executar a pista, armados (arma descarregada no coldre), equipados, com colete
balístico, protetor auricular e ocular; plaqueta de identificação no peito. “Súmula” nas mãos (cabeçalho
preenchido). Dois carregadores rápidos municiados com carga máxima (ou de acordo com ordens do professor),
nos porta carregadores, e um nas mãos, municiado com 06 cartuchos (será o primeiro a ser utilizado). Só
alimentem e carreguem a arma com ordem do professor; após fazê-lo coloquem-na no coldre.. Vocês não
saberão, antecipadamente, quantos disparos irão efetuar (quando vocês entram num confronto armado verdadeiro
também não sabem). Também não saberão o que irão encontrar na pista; sempre surpresa (como na vida real).
. Ao terminarem a pista coloquem a arma no coldre, ainda carregada, cão desarmado. Aguardem
ordens. O professor irá pedir para vocês entregarem a arma para ele (isso valerá pontos); façam-no de
acordo com o que vocês aprenderam. Em seguida ele a devolverá para vocês. Após recebê-la de volta,
mantenham-na vazia, no coldre.
. Vocês poderão acompanhar o levantamento dos seus pontos nos alvos; sem tocar os alvos.
. Após o levantamento dos seus pontos nos alvos, e o preenchimento total da “súmula”, vocês
deverão conferi-la e assiná-la. Uma cópia será anexada aos seus “RIT”, juntamente com a “Súmula de
Análise Pessoal” (“Capítulo 03”, do manual do revólver).
. Após passarem pela pista assistam pelo menos as duas próximas equipes a fazê-lo. Só saiam do
local com autorização do professor.
. Após passarem pela pista não a comentem com ninguém que ainda não a tenha executado; caso
isso ocorra vocês, e essa pessoa, serão eliminados e punidos disciplinarmente (“cola”). Lembrem-se:-
trata-se de um “teste” de avaliação importantíssimo; vidas inocentes futuras, inclusive as suas, poderão
depender desse “teste”.

“Somente avaliando a atuação do policial em “Pistas Policiais de Aplicação” é que se saberá se


ele está condições de atuar armado em defesa própria e da Sociedade; não há outra forma”. (Giraldi)

Ao final da instrução do dia o professor deverá aplicar o que está previsto no item “20”, do
“Capítulo 02”, deste manual.
(GIRALDI)
102

CAPÍTULO 19
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI ®

“REVÓLVER” – “PISTA POLICIAL DE APLICAÇÃO”


“SÚMULA INDIVIDUAL PARA HABILITAÇÃO DE USUÁRIOS” ®

DATA ............. /......................................................... / 2.00___ LOCAL ......................................................................................

NOME ............................................................................................................ RE ...................................... POST/GRAD ............…………

UNIDADE ...................................................................................................... REVÓLVER Nº .......................................................................

PONTUAÇÃO MÁXIMA POSSÍVEL........................ PONTUAÇÃO OBTIDA....................... CONCEITO/NOTA ... ..............................

“A” – PONTOS NOS ALVOS

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 TOTAL
A
“A”, “B”, “C”, “D”, braço e mão que segura a arma; acerto na arma do agressor: 10
VALORES DAS ZONAS DE PONTUAÇÃO:
(dez) pontos
“E”, “F”, “G”, “H”: 05 (cinco) pontos
“B” – PONTOS DOS PROCEDIMENTOS
10 (dez) pontos positivos para cada procedimento “certo”.
Procedimento “errado”:- Deixa de ganhar esses 10 pontos.
Quando o aluno executar procedimento de forma errada o professor o interromperá, imediatamente, corrigindo-o e
anotando o erro na súmula (o aluno deixará de ganhar os pontos desse procedimento). Feito isso, o aluno será corrigido e
repetirá, imediatamente, o procedimento que errou. Acertando-o prosseguirá na execução da “PPA” e o professor anotará à
frente do erro “OK”, significando que o aluno aprendeu. O aluno não passará para o procedimento seguinte sem ter
executado corretamente o anterior.
ABAIXO, PROCEDIMENTOS QUE SERÃO ANALISADOS CERTO ERRADO
01. Mediante ordem, preparar o revólver para entrar de serviço, colocando-o no coldre, pronto
para ser usado (carregado, cão desarmado).
02. Sacar o revólver e colocar-se em proteção, com rapidez, em condições de atuar e disparar.
03. Varredura e saída do primeiro abrigo.
04. Primeira progressão.
05. Proteger-se e atuar, corretamente, no abrigo da esquerda.
06. Proteger-se e atuar, corretamente, no abrigo da direita.
07. Proteger-se e atuar, corretamente, na “janela baixa”.
08. Proteger-se e atuar, corretamente, no canto da direita.
09. Primeira verbalização obrigatória, com posição correta da arma.
10. Proteger-se e atuar, corretamente, na “janela alta”.
11. Proteger-se e atuar, corretamente, no canto da esquerda.
12. Segunda verbalização obrigatória, com posição correta da arma.
13. Terceira verbalização obrigatória, com posição correta da arma.
14. Recarregar o revólver, corretamente, com rapidez, e sem perder o contato visual com a área de perigo. Deixar
cair os cartuchos extraídos do tambor e o carregador rápido usado.
15. Atuar como revólver sempre carregado.
16. Efetuar os disparos com rapidez (dois de cada vez), semivisados ou intuitivos.
17. Conduzir o revólver, corretamente, com o cano e o olhar na direção do perigo.
18. Dedo fora do gatilho quando dos deslocamentos, e quando não for para atirar.
CONTINUA
103

CONTINUAÇÃO CERTO ERRADO


19. Regressão.
20. Manter constante contato visual com a área de perigo.
21. Proteger-se corretamente nos demais procedimentos.
22. Outras verbalizações, com posição correta da arma.
23. Terminada a regressão, recolocar o revólver no coldre (sem descarregá-lo), em segurança, cão desarmado.
24. Mediante ordem, retirar o revólver do coldre, descarrega-lo com segurança, entregando-o ao
professor, como se o estivesse entregando na reserva de armas, ou a outro companheiro.
25. Solução de incidentes de tiro.
TOTAL DOS PONTOS POSITIVOS DOS PROCEDIMENTOS B
“C” – PENALIDADES
10 (dez) pontos negativos para cada uma.
01. Equipamentos mal ajustados ao corpo atrapalhando a execução dos exercícios.
02. Disparo, sem acerto, em alvo não atirável. Cada disparo uma penalidade. Ver item seguinte
03. Acerto em alvo não atirável. Cada acerto duas penalidades. Ver item anterior.
04. Disparos, no mesmo alvo, além do determinado (cada disparo uma penalidade).
05. Deixar de disparar contra alvo agressor obrigatoriamente atirável (cada disparo uma penalidade).
06. Não manter a arma em “posição de tiro”, efetuando “varredura”, após os disparos
07. Levar tombo (cair) sem manter o cano da arma para direção segura e o dedo fora do gatilho.
08. Derrubar o “carregador rápido” municiado.
09. Ultrapassar a arma, ou qualquer parte do corpo, para além da zona de segurança.
10. Não completar a pista por falta de munição (para cada tiro que teria que efetuar, uma penalidade)
11. Precipitar-se. Não pedir apoio, quando necessário.
TOTAL DOS PONTOS NEGATIVOS DAS PENALIDADES C

“D” – REPROVAÇÃO
Será reprovado o “aluno” que cometer qualquer uma das seguintes “penalidades fatais”.

01. Apresentar descontrole emocional.


02. Atentar contra as normas de segurança.
03. Demonstrar dificuldades no manejo ou na atuação com o revólver.
04. Disparar para fora do barranco de contenção dos projéteis.
05. Disparo acidental com ou sem vítima.
06. Derrubar a arma.
Caso ocorra uma ou mais dessas penalidades fatais o aluno, após voltar à calma, e ser ensinado, repetirá toda a “PPA”, modificada

“E” – PONTUAÇÃO FINAL – “A” mais “B” menos “C” E


“ F ” – CONCEITOS/NOTA
De 00 % à 49 % da pontuação máxima possível (de ________ a ______ pts : - “Insuficiente”
De 50% à 69% da pontuação máxima possível (de________ a________ pts:- “Regular” (PASSAR O CONCEITO OU A
De 70% à 84% da pontuação máxima possível (de________ a________ pts:- “Bom” NOTA OBTIDA PELO ALUNO
De 85% à 95% da pontuação máxima possível (de________ a________ pts:- “Muito bom” PARA O CABEÇALHO)
De 96% à 100% da pontuação máxima possível (de________ a________ pts:- “Excepcional”
Conceito ou nota mínima para aprovação, previamente estabelecida:- _______________
Caso seja reprovado, o aluno, após voltar à calma, e ser ensinado, repetirá toda a “PPA”, modificada..
CONCEITO OU NOTA FINAL (Passar para o cabeçalho) F

___________________ _________________________________________
Assinatura do Aluno Nome completo e legível do instrutor/monitor; posto/grad; RE; assinatura

OBS.: - ANOTAÇÕES NO VERSO ANEXAR ESTA SÚMULA AO “RIT DO ALUNO.

GIRALDI
104

CAPÍTULO 20

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER”
“PISTA POLICIAL DE APLICAÇÃO” (PPA)
COMO PREENCHER A SÚMULA PARA HABILITAÇÃO DE USUÁRIOS 

1. CABEÇALHO:-
a. Local:- Unidade onde se localiza o “Centro de Treinamento para a Preservação da Vida”, da
“PPA-Padrão”.
b. Pontuação máxima possível:- É o resultado da soma da pontuação máxima possível dos
alvos (“A”), mais a dos procedimentos (“B”). Ex.:- Se for uma “PPA-Padrão” com 10 disparos
obrigatórios e 25 procedimentos, a pontuação máxima possível será de 350 pts. (100 pts. dos alvos mais
250 pts. dos procedimentos).
c. Pontuação obtida:- Passar o resultado da letra “E”, da súmula, para este campo.

2. “A”- PONTOS NOS ALVOS:-


a. Quadrículas superiores:- Servem para “PPA-Padrão” com até 22 disparos. Ex.:- Se a
quantidade de disparos prevista for 10, vai só até a décima casa, desprezando as demais. O policial não deverá
saber quantos disparos efetuará na “PPA-Padrão” (em confrontos reais também não sabe, e a “PPA-Padrão”
é uma simulação deles).
b. Quadrículas inferiores:- Para anotação do valor de cada impacto nos alvos atiráveis. O
disparo que não atingir alvo atirável deverá ser assinalado com “zero”. O impacto que tangenciar zona
superior de pontuação será nela considerado.
c. Valores das zonas de pontuação:-
1) Letras “A”; “B”; “C”; “D”; braço e mão que segura a arma; arma do agressor:- 10 pts.
2) Letras “E”; “F”; “G”; “H”:- 05 pts.

3. “B” – PONTOS DOS PROCEDIMENTOS:-


a. Procedimento “certo” será assinalado na coluna “CERTO” com um “x”.
b. Procedimento “errado” será assinalado na coluna “ERRADO” com um “x”..
1) Quando o aluno executar procedimento de forma errada o professor o interromperá,
imediatamente, anotando o erro na súmula (na coluna “ERRADO”). Em seguida o ensinará a executá-lo
corretamente. Feito isso, o aluno executará, novamente e imediatamente, o procedimento que errou.
Acertando-o prosseguirá na execução da “PPA-Padrão” e o professor anotará à frente do erro a expressão
“OK” significando que o aluno aprendeu e o executou corretamente; mesmo assim, o aluno deixará de
ganhar os pontos desse procedimento. O aluno não poderá passar para o procedimento seguinte sem
ter executado, corretamente, o anterior.
c. TOTAL DOS PONTOS POSITIVOS DOS PROCEDIMENTOS:- Para cada
procedimento “certo”, 10 pts. positivos; é só somar. Procedimento “errado” deixa de ganhar esses 10 pts.
O procedimento será considerado “certo” e terá 10 pts. positivos quando o aluno o executar,
corretamente, já na primeira vez.

4. “C” - PENALIDADES:-
a. 10 pts. negativos para cada uma
105

b. Poderá haver mais de uma penalidade em um mesmo item (10 pts. negativos para cada
uma).
5. “D” – REPROVAÇÃO :-
a. São “penalidades fatais”; qualquer uma delas reprovará o aluno no momento em que a
cometer.
b. O aluno enquadrado nesta reprovação, após voltar á calma, e ser orientado pelo professor de
como atuar, corretamente, onde errou, executará novamente toda a “PPA-Padrão” (só a “PPA-Padrão”);
para isso o professor fará alterações nos alvos e nos “quadros”.

6. “E” – PONTUAÇÃO FINAL:-


a. É o resultado da soma dos pontos obtidos nos alvos atiráveis (“A”), mais os pontos dos
procedimentos (“B”), menos os pontos das penalidades (“C”). Em caso de reprovação o aluno, após voltar
à calma e ser ensinado, pelo professor, nos procedimentos em que errou, repetirá a avaliação, com os
“alvos” e “quadros da “PPA” modificados.

7. “F” – CONCEITOS:-
a. Transformação da pontuação final em conceitos:- De acordo com o que está previsto na
súmula.
b. Para o aluno ser aprovado terá que obter a pontuação ou o conceito previamente
estabelecido em “currículo” ou em outro documento oficial; caso não o consiga repetirá toda a “PPA-
Padrão” (só a “PPA-Padrão”) em outra oportunidade (podendo ser no mesmo dia); para isso o professor
fará alterações nos alvos e nos “quadros”. Uma terceira avaliação somente lhe será concedida se a sua
“’Súmula de Análise Pessoal” (Capítulo 03, retro), pelas suas anotações, for favorável a isso e sem
nenhum conceito “inferior” (ïnf”).
c. Caso a pontuação final do aluno (letra “E” da súmula) tenha que ser transformada em nota
(de zero a dez; ou de zero a cem); basta fazer uma regra de três simples e direta. A pontuação máxima
possível (letra “b” do item “1.”, retro) corresponderia à nota dez (se for de zero a dez) ou à nota cem (se
for de zero a cem); basta fazer a multiplicação simples e direta em relação ao total de pontos obtidos (letra
“E”, retro).

8. SÚMULA:-
a. Deverá ser conferida e assinada pelo aluno. Deverá ter o posto/graduação, nome e assinatura
do professor.
b. Anotações serão feitas no verso.
c. Quaisquer que sejam os resultados do aluno suas súmulas deverão ser anexadas ao seu
“RIT”. .

9. Ver, no “Anexo 18”, “súmula de equipe formada por dois alunos”, e como preenchê-la.

(GIRALDI)
106

CAPÍTULO 21

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER”
LIMPEZA E MANUTENÇÃO DE PRIMEIRO ESCALÃO

(REVÓLVER, EQUIPAMENTOS, MUNIÇÃO)

1. Limpeza rápida durante o uso.


2. Limpeza e manutenção de primeiro escalão.
3. Conservação.
4. Armazenamento.
5. Cuidados especiais.

OBS.: - Aula a ser ministrada por técnicos do CSM/AM, armeiro da Unidade


ou, na falta deles, pelo próprio professor.
Observar as determinações constantes do manual, de fábrica, que
acompanha cada arma.

GIRALDI
107

CAPÍTULO 22
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“INVESTIMENTO E VALORIZAÇÃO DO POLICIAL” ®

“QUALIDADE DE VIDA” ®
(SEXTA ETAPA DO “MÉTODO GIRALDI”)
(REGISTRADO E PUBLICADO)

“Investimento e Valorização do Policial” ®, e na sua “Qualidade de Vida” ®, em tudo


aquilo que, fora da sua instrução prática de tiro, possa se relacionar ou influir na sua atuação
armada (ou não armada) em defesa própria e da Sociedade, como:-

Os Direitos Humanos. Os Direitos Humanos Aplicados à Função Policial, e à Função Policial


Armada. O “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e seu respeito aos Direitos
Humanos, às Leis e à dignidade das pessoas. Sua “Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do
Policial, com a Finalidade de Servir e Proteger a Sociedade”. Sua aplicação ao Policiamento Comunitário.
Os Direitos Humanos do Policial. Qualidade de vida voltada para o policial. A importância de estar de
bem e ter amor pela vida; que fazer para consegui-lo. A importância de amar e ser amado. Como se ama.
Como conseguir e manter um bom relacionamento com amigos, pais, filhos e esposa. A esposa como fator
preponderante na vida de um homem. A importância transcendental de possuir uma família, bem
constituída, unida e bem administrada; como consegui-lo. Como preparar um filho para ter dignidade, não
ser violento, nem cair nas garras da dependência química. A “construção” da personalidade e da
inteligência; como influir, positivamente, e participar dessa “construção”. Os bens essenciais da vida;
como consegui-los e mantê-los. Alimentação, exercícios físicos e de relaxamento direcionados ao policial;
como praticá-los. Como manter o peso dentro dos padrões normais. Como relaxar e se reequilibrar,
rapidamente, durante um confronto armado ou em situações difíceis. Como “administrar” e controlar o
estresse. Como não entrar em depressão. O “Treinamento Autógeno”; como aprendê-lo e exercitá-lo. O
inconsciente e sua influência positiva ou negativa quando da atuação armada do policial em defesa da
Sociedade; que fazer para que a “negativa” não atue. A influência dos reflexos condicionados positivos,
adquiridos em treinamentos imitativos da realidade, com eliminação dos negativos, para uma perfeita
atuação armada do policial em defesa da Sociedade. Instinto e intuição; diferenças. Reflexos
condicionados adquiridos e herdados; como eliminar os negativos. Como ficar condicionado para executar
ações simples e complexas de forma correta. A importância da consciência no ser humano e, portanto, no
policial; como melhorá-la e aperfeiçoá-la. O pensamento como fonte e início de todos os bens e de todos
os males; como “dominá-lo”, “policiá-lo” e direcioná-lo para o “bem”. A influência dos hormônios
produzidos pelo corpo no humor, agressividade, mudança de comportamento do ser humano (policial);
como administrar e evitar as conseqüências negativas. A dignidade do policial não tem preço; como
mantê-la. O respeito à dignidade das pessoas. Autodisciplina; imprescindível em todas as atividades.
Como se relacionar com os integrantes da Sociedade. O sorriso, a educação, a humildade, e o
profissionalismo, como armas infalíveis para o policial conquistar a simpatia, o respeito e a colaboração
da Sociedade; para o agressor, a Lei. A lógica. Ética e moral. A importância de sentir-se útil; que fazer
para consegui-lo. Ideais, imprescindíveis na vida de uma pessoa; como imaginá-los, selecioná-los,
programá-los e conquistá-los. A auto-estima; como obtê-la e conservá-la. A autoconfiança; como obtê-la e
conservá-la. Ações filantrópicas; tão importante para quem dá, como para quem recebe. A saúde física e
mental; que fazer e como colaborar para obtê-las e mantê-las. Exames médicos preventivos; quando
realizá-los. Como respirar corretamente. Como deve ser o ambiente para um repouso reparador,
principalmente após extenuantes trabalhos físicos e/ou mentais. O ato sexual; como praticá-lo; como fazer
108

para que “atenda” ambas as partes. Como evitar a gravidez indesejada e as doenças sexualmente
transmissíveis. A “Tensão Pré Menstrual” (TPM); que é, causas, conseqüências, tratamento. A influência
dos hormônios produzidos pelo corpo, no humor, mudanças de comportamento, agressividade, do ser
humano; como administrar e evitar as conseqüências negativas. Drogas, suas conseqüências; como evitar
as drogas ou deixar de usá-las; como se relacionar com dependentes químicos, principalmente da própria
família. Mensagem especial aos jovens. Relacionamento e esclarecimento, referente ao uso da arma de
fogo em defesa da Sociedade, com a imprensa, autoridades, políticos e demais segmentos da Sociedade.
Como dar entrevistas à imprensa em assuntos relacionados às ocorrências com uso de armas de fogo.
Como esclarecer o público interno e externo sobre assuntos relacionados às armas de fogo e munições da
Corporação; sua instrução de tiro e sua atuação armada em defesa da Sociedade. Reféns. “Atirador de
elite”. Porque o cidadão comum não deve portar arma de fogo. Como depor em Juízo por fatos oriundos
da utilização da arma de fogo em defesa da Sociedade. Os cuidados com a arma de fogo no lar. Porte e
uso da arma de fogo nas horas de folga. Porque parte da Sociedade não tem apreço pela Corporação; que
fazer para reverter essa situação. Comércio de armas de fogo. Posse e porte de armas de fogo por civis.
“Violência:- Causas, Estímulos, Soluções, Medidas Preventivas”. Que falta ao Estado e às Polícias
Brasileiras para melhor servir e proteger a Sociedade. Etc.
A Sexta Etapa do “Método Giraldi”, relativa ao “Investimento e Valorização do Policial” ®, e na
sua “Qualidade de Vida” ®, será ministrada, sob forma de palestra ou curso, pelo próprio autor do
“Método”, ou por professores por ele preparados e indicados, tendo em vista a abrangência e
complexidade dos assuntos, e a necessidade de especialização e padronização para isso.
Poderá ser ministrada em qualquer etapa ou momento do curso; preferencialmente ao seu
final. Poderá também ser ministrada fora do curso, isoladamente.

GIRALDI
109

ANEXO 01

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

SINAIS POLICIAIS

Obs.:- Outros poderão ser estabelecidos. GIRALDI


110

ANEXO 02
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“VISADA – FOCALIZAÇÃO”
VISADA

MASSA ALÇA MASSA X ALÇA

MASSA X ALÇA X ALVO TIRO ALTO TIRO BAIXO


CORRETO ERRADO ERRADO

TIRO Á ESQUERDA TIRO Á DIREITA


ERRADO ERRADO

FOCALIZAÇÃO

MASSA X ALÇA X ALVO, NÍTIDOS ALVO NÍTIDO MASSA X ALÇA NÍTIDOS


SITUAÇÃO IMPOSSÍVEL PARA MASSA E ALÇA BORRADAS DIFÍCIL DE CONSEGUIR
OS OLHOS HUMANOS ERRADO ALVO BORRADO
CORRETO

MASSA NÍTIDA
ALÇA QUASE NÍTIDA
ALVO BORRADO
“PERFEITO”
GIRALDI
111

ANEXO 03
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER”
PRINCIPAIS PERIGOS – CUIDADOS ESPECIAIS
1. Em princípio, qualquer arma de fogo é extremamente perigosa e esse perigo aumenta mais
ainda quando quem a empunha diz:- “---- Não se preocupe, não há perigo!” Tudo pode acontecer com
uma arma de fogo, inclusive com o revólver.
2. Permanência de cartucho na câmara do tambor, em condições de ser deflagrado, após o
acionamento da vareta do extrator.
3. Dedo no gatilho quando não for para atirar. O dedo só vai para o gatilho no momento do
disparo. “Da mesma forma que carro não guia mas é guiado arma não dispara mas é disparada, e
para ser disparada o dedo tem que estar no gatilho. Evite tragédias mantendo o dedo em sua
posição normal, que é fora do gatilho, estendido junto à armação da arma.” (Giraldi)
4. Ser apontado para “amigos ou “neutros, mesmo estando descarregado.
5. Ser entregue a alguém, ou recebido, sem observação das regras de segurança. Essas regras,
para quem irá entregá-lo, incluem:-
a. Cano do revólver voltado para direção segura; dedo fora do gatilho;
b. Abertura do tambor; acionamento da vareta do extrator para retirada dos cartuchos que
estão nas câmaras do tambor;
c. Inspeção física e visual rigorosa das câmaras do tambor com a finalidade de verificar se
realmente estão vazias;
d. Mantendo o tambor aberto e vazio, pegar o revólver pelo cano, com a “mão fraca”, cabo na
direção de quem irá recebê-lo; entregá-lo.
6. Por parte de quem irá recebê-lo:-
a. Mesmo tendo visto o companheiro efetuar todos os procedimentos acima descritos, quem
receber o revólver (que já estará com o tambor aberto) fará, novamente, vistoria física e visual das
câmaras do tambor do mesmo, antes de lhe dar destino.
7. Falta de cuidado e inobservância dos princípios de segurança, quando das soluções dos
incidentes de tiro.
8. Não observância dos outros princípios de segurança.
9. Exigência de constantes e intensivos treinamentos.
10. Em hipótese alguma deverá ser ministrada instrução, com o revólver, em salas de aula; apenas
nos estandes de tiro.
11. Não sofrer manutenção de primeiro e segundo escalão de acordo com o estabelecido pela
fábrica.
12. Saber atirar com o revólver não significa saber usá-lo: - “Não basta saber atirar; é preciso
saber quando atirar, e saber executar procedimentos”; “Não basta saber o que tem que fazer, tem que
estar condicionado a fazer.” (Giraldi)
13. “A única maneira de sabermos se o policial está em condições de usar seu revólver, em
defesa da Sociedade, é avaliando sua atuação em “Pistas Policiais de Aplicação” (que é uma imitação
da realidade); não há outra forma”. (Giraldi)
GIRALDI
112

ANEXO 04

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER”
“ESCLARECIMENTOS AO PÚBLICO INTERNO E EXTERNO” ®

O revólver é uma arma de porte. Normalmente, os das polícias, são de calibre “.38”, isto é, 38
centésimos de polegada (divide-se o valor da polegada, que corresponde a 25,4 mm, por 100 e multiplica-
se o resultado por 38). É interessante esclarecer que, na realidade, não existe calibre “.38”; o correto é
calibre “357”; isto é, 357 milésimos de polegada.
Normalmente, o tambor do revólver tem seis câmaras, mas existem tambores com cinco, sete e até
mais câmaras.
A munição do revólver calibre “.38” não tem “poder de parada”; o agressor poderá ser atingido,
várias vezes, com um projétil “.38”, inclusive no coração, e ainda continuar sua ação criminosa contra a
vida de alguém, inclusive do policial, antes de cair.

O que interessa não é matar o “agressor da sociedade” mas paralisar, de imediato, sua agressão
mortífera contra a vida de alguém. Essa paralisação imediata é o que se chama de “poder de parada”.
Conforme foi dito, o revólver “.38” não a possui.

Normalmente, o agressor nem sente os impactos do projétil “.38” no seu corpo e continua sua ação
de morte contra a sua vítima; o policial também não sabe que o atingiu e continua disparando contra ele;
tem que paralisá-lo; tem que proteger a vida da vítima dele. Ao final, poderá ser acusado de “excesso
culposo” (disparos além do necessário), sem ter essa culpa. Raras são as autoridades judiciais que
conhecem esses fatos; muitos policiais também não sabem.

O revólver calibre “.38”, em virtude da extraordinária violência existente no meio da Sociedade, o


desrespeito dos agressores para com os policiais que os porta, e sua falta de “poder de parada”, está
superado para a polícia. Já cumpriu sua missão.

Isso obriga o policial que ainda porta o revólver “.38” a estar muito atento se tiver que usá-lo em
confrontos armados. Deverá estar sempre abrigado, ou abrigar-se, nessas ocasiões. Tem que saber que,
mesmo atingindo o agressor com vários disparos, inclusive em parte vitais, ainda poderá ser morto por ele
antes que o mesmo cesse sua ação de morte contra a vida de alguém. Mesmo dentro de suas deficiências,
o melhor cartucho para o revólver “.38” é com projétil de 125 “grains”, mais “p”.

Face essas circunstâncias, a Corporação está adotando a “pistola semi-automática .40 S&W”.
O projétil calibre “.40 S&W”, principalmente o “EXPO” (expansivo ponta oca), paralisa a ação do
agressor quase que imediatamente e não necessariamente o mata; não tem esta finalidade, mas, poderá
matar.

O porte da “pistola semi-automática .40 S&W” dá auto-estima ao policial e impõe mais respeito
dos agressores para com ele.
113

A melhor arma de porte individual, para o serviço policial, é a “Pistola Glock, modelo 22”
(austríaca). É de calibre “.40 S&W”, com 15 cartuchos no carregador. Foi desenvolvida especialmente
para as polícias. Moderna, eficiente, de manejo extraordinariamente simples, sem peças externas para
acionamento anterior e posterior ao seu uso, etc., e que usa menos munição para preparar e manter seu
usuário em condições de usá-la. Seu preço, para as policiais, é idêntico e até menor que os da outras
pistolas existentes no mercado.

É bom lembrar que o policial não treina para matar, mas para fazer cessar uma ação violenta contra
a vida de alguém., e, para isso, o calibre “.38” não serve, o calibre “.40 S&W”, sim. Foi desenvolvido
especialmente para polícia.

“Poder de parada”:- É a capacidade que a energia existente em um projétil tem de, ao ser
transferida desse projétil para o corpo humano (no momento do impacto) provocar um “choque” suficiente
para paralisar ou neutralizar a ação da pessoa atingida. Quanto mais rápida for a transferência dessa
energia, para o corpo humano, maior será o “choque”, motivo pelo qual, por exemplo, o projétil
“expansivo ponta oca” (EXPO) “.40S&W” embora contenha a mesma energia do projétil “ponta plana”
(PP), do mesmo calibre, é mais eficiente pois transfere a energia para o corpo humano mais rapidamente.
A transferência da energia do projétil para o corpo de uma pessoa dá-se, com perfeição, quando
o impacto do projétil se dá na “zona do garrafão” dessa pessoa e não há transfixação do projétil (não
atravessa o corpo; fica dentro dele); toda a sua energia é transferida para o corpo da pessoa. O calibre “.40
S&W” tem essa vantagem.
A energia de um projétil pode ser medida em “fator” (existem outras medidas). Calcula-se o
“fator” (a energia) de um projétil multiplicando a sua velocidade, em pés, por segundo (logo após sua
saída do cano), através de um aparelho eletrônico chamado “cronógrafo”, pelo seu peso em “grains” (1
grama tem 15,43 “grains”), dividindo-se o resultado por 1.000, donde se conclui que quanto mais pesado
e mais velocidade tiver um projétil, maior será sua energia e, portanto, seu ”poder de parada”; no entanto,
não basta um projétil possuir muita energia, terá que possuir capacidade, pelo seu formato e
características, de transferir essa energia, com rapidez, para o corpo humano; assim, por exemplo, se
transfixar o corpo, ainda levará energia consigo e a energia transferida para o corpo não será suficiente
para provocar um “choque” que paralise a pessoa de imediato, embora possa matá-la.
Raramente cartuchos e projéteis iguais, com cargas de pólvora iguais, têm velocidades iguais
logo após sua saída do cano; sempre varia, variando, assim, mesmo que ligeiramente, a energia existente
em cada um deles. Após sua saída do cano, em virtude do atrito com a atmosfera e a força da gravidade, o
projétil vai perdendo velocidade.
O “fator” de energia de um projétil “.40 S&W” gira em torno de 180. Do projétil “.38 SPL”
em torno de 120. Do “.380” em torno de 90. Do “9 mm” em torno de 130. Etc.
Quando dizemos que um cartucho é “.38 mais p”; “380 mais p”; etc., significa que tem mais
pólvora (“p” de pólvora”), isso faz com que a velocidade do projétil aumente, aumentando também a sua
energia; mesmo assim, no caso dos calibres retro citados, não passarão a ter “poder de parada”; o aumento
da energia será muito pouco, insuficiente para isso.
O policial está sendo preparado para utilizar o revólver só em legítima defesa, própria ou de
outros, que é um instituto universal (dentro da legalidade, obedecendo aos princípios da necessidade, da
oportunidade, proporcionalidade e qualidade). E não treina para matar, mas para tentar fazer cessar
uma ação violenta contra a vida de alguém, inclusive a própria.
O policial está sendo preparado de acordo com o “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”,
“Método Giraldi”. A aplicação desse “Método” reduz em 100% a morte de pessoas inocentes provocada
por policiais em serviço; também daquelas contra as quais não há necessidade de disparos (agressores).
Reduz em mais de 95% a morte de policiais em serviço; os outros quase 5% são as fatalidades, quase
impossíveis de serem evitadas. Reduz em 100% a perda da liberdadedo policial em virtude do uso
incorreto da sua arma de fogo.
114

Esse “Método” está de acordo com os princípios da Carta da ONU para o assunto; do Comitê
Internacional da Cruz Vermelha”; dos Direitos Humanos; do Policiamento Comunitário; das Leis, da
Realidade, da Política Policial Brasileira; das necessidades do policial para servir e proteger a sociedade e
a si próprio; das dificuldadesfinanceiras da maioria das polícias; etc.
Especialistas nacionais e internacionais consideram esse “método” de instrução de tiro como
sendo o mais moderno, evoluído, eficiente, simples, prático, barato, de fácil assimilação e aprendizado,
próprio para as polícias defenderem a sociedade, que existe. Aprovado e adotado nacional e
internacionalmente por todos que são por eles preparados.

O treinamento com o revólver, dentro do “método”, tem como principal fundamento “o


condicionamento e a experiência anterior, a ser obtida pelo policial em treinamentos imitativos da
realidade, antes de se ver envolvido com o fato verdadeiro”. “O homem é conseqüência de suas
experiências; sem uma experiência anterior, mesmo obtida em treinamentos imitativos da realidade, o
policial se perderá diante de um fato novo grave, principalmente se a morte estiver presente, como quase
sempre está”. (Giraldi)

“Seus fundamentos científicos são os reflexos condicionados positivos, a serem adquiridos


pelo policial em treinamentos imitativos da realidade, com eliminação dos negativos, antes de se ver
envolvido pelo fato verdadeiro” (Giraldi)

O bom seria a polícia não precisar usar armas. Infelizmente, isso ainda não é possível.

“Somente avaliando a atuação do policial em “Pistas Policiais de Aplicação” (que imitam a


realidade) é que se saberá se ele está em condições de usar sua arma de fogo defesa própria e da
Sociedade; não há outra forma”. (Giraldi).

GIRALDI
115

ANEXO 05

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

ALGUNS CONCEITOS DO “TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”,


“MÉTODO GIRALDI”, EMITIDOS PELO AUTOR 
(Permitido usar citando o autor)

“Os principais fundamentos do Tiro Defensivo na Preservação da Vida, Método Giraldi, são os
reflexos condicionados positivos, adquiridos pelo policial em treinamentos imitativos da realidade, com
eliminação dos negativos, antes de se ver envolvido pelo fato verdadeiro”. (Giraldi)
“Quando o policial é surpreendido por um confronto armado, onde a morte está sempre
presente, suas emoções e reações são muito intensas; geralmente atuam mais rápido que o raciocínio;
por isso a necessidade do condicionamento positivo, anterior” (Giraldi).
“Investir na instrução do “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, é investir
na vida”. (Giraldi)
“No “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, a arma de fogo do policial é
sinônimo de vida e não de morte”. (Giraldi)
“Tiro Defensivo na Preservação da Vida, Método Giraldi, é como futebol, natação, ciclismo,
etc., só se aprende praticando”. (Giraldi)
“Na quase totalidade das vezes procedimentos, e não tiros, é que preservam vidas e solucionam
problemas”. (Giraldi)
“Da mesma forma que carro não guia mas é guiado, arma não dispara mas é disparada, e para
ser disparada o dedo tem que estar no gatilho; evite tragédias mantendo o dedo fora do gatilho,
estendido, junto à armação da arma”. (Giraldi)
“O policial fardado nas ruas é o Estado materializado prestando serviço junto à sociedade;
investir nele é investir na sociedade e no próprio Estado”. (Giraldi)
“As maiores crises de uma polícia ocorrem quando as suas armas destinadas a defender a
sociedade se voltam contra a própria sociedade; o Tiro Defensivo na Preservação da Vida, Método
Giraldi, evita que isso ocorra”. (Giraldi)
“Na vida, nada é mais importante que a própria vida, e, se a instrução de tiro lida com a vida e
com a morte ela acaba sendo a mais importante, de maior responsabilidade e conseqüências entre
todas as instruções; vale a pena investir nela”. (Giraldi)
“Não basta saber atirar; é preciso saber quando atirar e saber executar procedimentos, isto
porque, na quase totalidade das vezes, procedimentos, e não tiros, é que preservam vidas, a começar
pela do policial, e solucionam problemas”. (Giraldi)
“Num confronto armado não basta o policial saber o que tem que fazer, tem que estar
condicionado a fazer e esse condicionamento só é obtido através de intensivos treinamentos em pistas
que simulem a realidade (“PPI”, “PPE” e “PPA”). (Giraldi)
116

“O Método Giraldi tem como principal fundamento o condicionamento anterior, a ser obtido
pelo policial em treinamentos imitativos da realidade, antes de se ver envolvido pelo fato verdadeiro;
sem essa experiência anterior, e, diante da morte, o policial poderá provocar tragédias profundas e
irreparáveis”. (Giraldi)
“Tudo aquilo que for possível solucionar sem disparos, assim o será”. (Giraldi)
“O Método Giraldi tem como prioridade a preservação da vida e da integridade física, a
começar pela do policial e das pessoas inocentes; também daquelas contra as quais não há
necessidade de disparos e, como última alternativa o disparo, dentro da legalidade, calcado na
necessidade, oportunidade, proporcionalidade e qualidade, com o propósito de tentar paralisar uma
ação violenta e covarde, por parte do agressor, contra a vida de alguém, inclusive a do policial”.
(Giraldi)

“Não é a quantidade de tiros que prepara o policial mas, os procedimentos, a qualidade e as


condições com que são efetuados”. (Giraldi)
“O Método Giraldi baseia-se no princípio de que:- “o que eu ouço, eu esqueço; o que eu vejo,
eu lembro; o que eu faço, eu aprendo”; motivos pelos quais a instrução é toda prática”. (Giraldi)
“Quanto mais bem preparado o policial estiver para usar sua arma menos necessidade sentirá
em fazê-lo; mal preparado verá nela a solução para todos os problemas”. (Giraldi)
“De uma instrução de tiro bem ministrada, vidas futuras serão preservadas; mal ministrada,
vidas futuras serão sacrificadas”. (Giraldi)
“A arma está para o policial como o bisturi está para o cirurgião; ambas são ferramentas de
trabalho a serem utilizadas em casos extremos, para evitar mal maior; nada justifica o seu uso
incorreto”. (Giraldi)
“O policial nunca atira para matar mas para tentar paralisar uma ação violenta e covarde, por
parte do agressor, contra a vida de alguém, inclusive a própria; uma possível perda de vida é uma
fatalidade não desejável”. (Giraldi)
“Quase tudo dá para ser corrigido mas um projétil, fora de oportunidade, depois que sai do
cano...”. (Giraldi)
“Professor de Tiro Defensivo na Preservação da Vida, Método Giraldi, bom, é aquele que sabe
ensinar a matéria; ótimo é aquele que, além disso, faz o aluno gostar dela”. (Giraldi)
“Por mais técnica e difícil que possa ser uma instrução de tiro, o relacionamento humano entre
o professor e seus alunos terá prioridade”. (Giraldi)
“O homem é conseqüência de suas experiências; por isso, o policial tem que treinar dentro de
situações imitativas da realidade (Pistas Policiais de Instrução, Pistas Policiais Especiais e Pistas
Policiais de Aplicação) a fim de obter a experiência necessária para um possível confronto armado
verdadeiro. Sem essa experiência anterior, e diante da morte, certamente, entrará em pânico, caso seja
por ele envolvido”. (Giraldi)
“Durante um confronto armado os maiores amigos do policial são:- postes, rodas e motores de
carros, cantos de paredes e de muros, saliências do terreno, guias e sarjetas, troncos de árvores, e
outros abrigos naturais ou artificiais que possam proteger sua integridade física e facilitar sua atuação
em defesa da sociedade”. (Giraldi)
“Somente avaliando o policial em Pistas Policiais de Aplicação é que se saberá se ele tem
condições de atuar armado em defesa da sociedade; não há outra forma”. (Giraldi)
“Num confronto armado a precipitação, na quase totalidade das vezes, é fatal para o policial.
Somente as Pistas Policiais de Instrução, Pistas Policiais Especiais e Pistas Policiais de Aplicação o
deixará condicionado a evitá-la”. (Giraldi)
117

“Uma instituição policial fardada é julgada pelo que faz na ponta da linha e não pelo que tem
ou executa na retaguarda”. (Giraldi)

“O policial é respeitado pela sua inteligência, sabedoria, paciência, confiança que inspira,
profissionalismo; e não pelos seus músculos ou medo que inspira” (Giraldi)
“Por mais grandiosa que seja uma instituição policial, bastará um simples disparo, fora de
oportunidade, por parte de um de seus integrantes, para colocar por terra o eficiente trabalho dos seus
outros milhares de integrantes; o Tiro Defensivo na Preservação da Vida, Método Giraldi, evita que isso
ocorra”. (Giraldi)
“A valentia perigosa é uma loteria; poderá transformar o policial num herói ou... num defunto;
nada justifica a sua morte”. (Giraldi)
“A simplicidade é a rainha da perfeição”. (Giraldi)
“Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos”. (Giraldi)
“Professor de Tiro Defensivo na Preservação da Vida”:- função mais importante, de maior
responsabilidade e conseqüências dentro do ensino de uma instituição policial; dos seus ensinamentos
corretos, vidas futuras serão preservadas; dos seus ensinamentos incorretos, vidas futuras serão
sacrificadas”. (Giraldi)
“O professor de Tiro Defensivo na Preservação da Vida, Método Giraldi, tem que ser modelo e
exemplo para seus alunos”. (Giraldi)
“As pessoas tendem a agir da mesma forma com que são tratadas; imbecis geram imbecis,
pessoas respeitosas geram pessoas respeitosas, motivos pelos quais é dever do professor do Tiro
Defensivo na Preservação da Vida, Método Giraldi, tratar seus alunos com extrema educação e
respeito”. (Giraldi)
“Durante um confronto armado não há tempo nem condições do policial escolher pontos de
acerto no agressor”. (Giraldi)
“O policial não dispara contra o agressor porque quer mas porque é obrigado; é o agressor que,
com sua atitude covarde contra a vida de alguém, obriga o policial a disparar contra ele, e, esse disparo
não tem como finalidade matá-lo mas paralisá-lo; uma possível morte é uma conseqüência não
desejável”. (Giraldi)
“Durante, ou na iminência de um confronto armado, quando o agressor levanta os braços ou
se entrega, está dando uma “ordem” ao policial:- “----- Não dispare contra mim”. O policial cumpre a
“ordem”. Quando o agressor está atentando contra a vida de alguém está também dando uma
“ordem” ao policial:- “---- Dispare contra mim”. O policial “cumpre” a ordem”. (Giraldi)
“O policial que não sabe usar sua arma em defesa da Sociedade não tem condições de trabalhar
na rua; e, o policial que não tem condições de trabalhar na rua porque não sabe usar sua arma em
defesa da Sociedade não pode ser policial; e, somente avaliando o policial em “Pistas Policiais de
Aplicação” (“PPA”), que são imitações da realidade, é que se saberá se ele tem condições de usar seu
armamento em defesa da Sociedade; não há outra forma”. (Giraldi)
“O maior desrespeito que se comete contra os “Direitos Humanos” ocorre quando as armas do
policial destinadas a defender a Sociedade se voltam contra ela, matando ou ferindo pessoas inocentes
ou pessoas contra as quais não há necessidade de disparos; o Tiro Defensivo na Preservação da Vida,
Método Giraldi, evita que isso ocorra”. (Giraldi)

GIRALDI
118
119

ANEXO 06

RESERVADO

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

MENSAGEM DO IDEALIZADOR DO “MÉTODO” A TODOS OS POLICIAIS ®

Prezado (a) Companheiro (a) Policial ®


Com relação ao seu trabalho:-
Suas armas infalíveis para conquistar a “simpatia”, o “respeito” e a “colaboração” da Sociedade
são a “educação”, o “sorriso”, a “humildade” e o “profissionalismo”. Para o agressor, a Lei!
Seja extremamente educado e cortês para com os integrantes da Sociedade. Cumprimente-os.
Sorria para eles. Jamais use de prepotência ou arrogância. Você recebe para dar-lhes segurança e
tranqüilidade.
Cuidado com suas atitudes e seu trabalho na rua; é através deles que a Sociedade julga a
Instituição Policial à qual você pertence. Normalmente, você é mais observado (e até filmado) do que
imagina.
Não se omita para a imprensa; não minta; informe-a sob o ponto de vista técnico. Se não tiver
certeza sobre o que ocorreu, informe-a que “---- Ainda está sendo averiguado; assim que tivermos
certeza, informaremos”.
Informe a Sociedade e seus segmentos, principalmente à imprensa, que o policial não treina nem
atira para matar, mas para fazer cessar uma ação violenta do agressor contra a vida de alguém da
Sociedade, inclusive a sua. A morte poderá até ocorrer mas esse não é o objetivo. Na hora de um
confronto armado tudo se movimenta, tudo é muito rápido, não dá tempo de escolher pontos ou locais de
acerto no agressor. Que o policial não dispara porque quer, mas porque é obrigado; sempre em reação; é o
agressor que, com sua atitude covarde contra a vida de alguém o obriga a isso.
Se você tiver que depor em Juízo, em virtude do uso de sua arma de fogo, em defesa da Sociedade,
nunca esqueça de dizer:- “----- Eu não queria disparar; foi o agressor que, com sua ação de morte,
obrigou-me a fazê-lo”. “----- Não disparei contra o agressor com a finalidade de matá-lo, mas para
tentar fazer cessar agressão de morte dele contra a vida de alguém”. “----- Durante um confronto
armado tudo é muito rápido, movimento, medo, gritos, desespero, pânico; a morte está sempre presente;
não há tempo nem condições de escolher pontos de acerto no agressor; dispara-se na direção de sua
silhueta (massa). Etc.
Com relação às suas horas de folga:-
Nas horas de folga, estando em trajes civis, encontrando ocorrência policial grave, principalmente
relacionada a roubo, não se precipite ou pratique a “valentia perigosa”; porte-se com inteligência:- Chame
a polícia; observe, em segurança, a evolução da ocorrência e forneça detalhes à polícia quando ela chegar,
isso porque, você, num primeiro momento, estará sozinho; na quase totalidade das vezes em trajes civis;
os agressores em quadrilhas, com a iniciativa, dispostos a tudo, inclusive a matar.
Nas horas de folga, estando em trajes civis, porte sua “identidade funcional” em local onde não
possa ser encontrada por um possível agressor; ou, até não a porte.
Nas horas de folga, se tiver que portar sua arma particular, faça-o no “coldre de canela”, colocado
na parte interna da canela fraca.
120

Cuidado em suas horas de folga e em trajes civis:- Num “assalto” (inclusive à sua pessoa), o
agressor tem sempre a iniciativa; está com outros agressores, já apontando a arma para a sua vítima e com
o dedo no gatilho. A Lei e a vida da vítima para eles não valem nada. Todo cuidado ainda será pouco.
Nas horas de folga, e em trajes civis, o porte de arma de fogo não é fator de segurança; provoca
apenas falsa sensação de segurança, com a “emoção” sobrepujando a “razão”; cuidado! Muito mais
importantes que o porte de arma, nessas circunstâncias, são as medidas preventivas que você deve tomar.
Você que, ao arrepio das normas, tem “bico”, cuidado! ”Bico” não é para morrer; é para ganhar
dinheiro, na legalidade. Os agressores atuam em quadrilhas, têm a iniciativa, o fator surpresa, dedo no
gatilho; estão dispostos a tudo. Sua reação tempestiva, não inteligente, poderá provocar a sua morte, ou a
morte de pessoas inocentes. Nesse tipo de serviço você é um cidadão comum, não tem “poder de polícia”;
haja como tal. Sua vida e a vida de pessoas inocentes não tem preço!
Não há padronização de como manter arma de fogo no lar, para uso imediato. Dependerá de muitas
circunstâncias, entre elas, se é casa ou apartamento; se está ou não em condomínio fechado; idade e tipo
dos filhos; parentes existentes; acesso de pessoas conhecidas e desconhecidas; funcionários domésticos;
planta da casa ou apartamento; disposição dos móveis; vias de acesso e de fuga; luminosidade interna e
externa; sistema de segurança; animais existentes, principalmente cachorros (se estão dentro e/ou fora de
casa); etc. Como base, pode-se dizer que a arma deverá estar sempre ao alcance das mãos, pronta para ser
usada, mas em absoluta segurança e, para isso, talvez uma só não seja suficiente. Uma boa providência é
instalar trava móvel, de segurança, na arma; custa barato e é muito eficiente; o comércio tem para vender.
É bom lembrar que lares que possuem arma de fogo aumentam em 300% a possibilidade de um homicídio
em família, e em 500% a possibilidade de um suicídio.
Particularidades importantes:-
Cuidado:- Os calibres “38”; “32”; “22”; “380”; “9mm”; “7,65”; “6,35”; etc. não têm “poder de
parada”. O agressor poderá levar vários impactos, no peito, inclusive no coração, com projéteis desses
calibres, e não os sentirá, nem fará cessar sua ação de morte, contra a sua vítima, imediatamente; isso
ainda demorará algum tempo, o suficiente para concluir essa ação, para depois tombar mortalmente ferido
(muitas vezes, ainda disparando contra a sua vítima), e você ainda poderá ser processado por “excesso
culposo”, isto porque, como o agressor, mesmo atingido, não cessa sua ação de morte contra a sua vítima,
você julga não tê-lo atingido, e efetua mais disparos para fazê-lo cessar essa ação. Não confie nesses
calibres para fazer cessar, imediatamente, a ação de morte do agressor contra a sua vítima. Você também
poderá receber impactos de projéteis desses calibres que não os sentirá.
O calibre ideal para polícias, e desenvolvido especialmente para elas, é o “.40 S&W”, munição
“EXPO”. Tem “poder de parada”, e não, necessariamente, mata. Sua arma particular deve ter esse calibre
(.40 S&W) e usar o projétil “EXPO”.
A melhor arma de porte para o policial (civil e militar) servir e proteger a Sociedade é a pistola
“Glock, modelos 22” (é de calibre .40 S&W; com 15 cartuchos no carregador), ou “modelo 23” (também
de calibre .40 S&W; com 13 cartuchos no carregador). São de origem austríaca e foram desenvolvidas
especialmente para polícias; as mais modernas do mundo, para polícias. Requerem um mínimo de
manutenção. De manejo extraordinariamente simples. São à prova de policiais mal treinados. Para as
polícias, têm preço semelhante e até abaixo da média de outras pistolas. Precisam, no máximo, metade da
munição necessária às outras pistolas para preparar e manter o policial condicionado ao seu uso, para
servir e proteger a Sociedade.

Com relação à sua vida particular que influi, mais do que você pensa, no seu serviço:-
(O que vamos abordar, agora, entre outras coisas, é ensinado na “Sexta Etapa” do curso do “Tiro
Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, denominada “Investimento e Valorização do
Policial”. Se você ainda não o fez, faça-o, é gratuito; fale com seu superior para isso).

Sinta-se útil. Pratique ações filantrópicas. Colabore. Tenha, sempre, ideais sadios a alcançar;
conquistado um, idealize outro. Tenha auto-estima e autoconfiança. Respeite a individualidade e a
dignidade das pessoas.
No momento certo, deixe aflorar e atuar cada uma das suas personalidades (“criança”, “pai” e
“adulto”).
Policie seus pensamentos. O pensamento é a fonte de todos os bens e de todos os males. Não dê
guarida ao mau pensamento; no lugar dele, pense coisas boas; no caso de dúvida, relaxe e pense nos bons
momentos do seu tempo de criança;
121

Não conseguimos pensar mais de uma coisa ao mesmo tempo. Assim, se penso em coisas
positivas, e boas, as negativas e ruins, saem do pensamento; e vice versa;
Seu futuro será bom se você se programar com bons pensamentos. Será mau se fizer o
contrário. Portanto, você pode interferir, de modo positivo, ou negativo, no seu destino, através do seu
pensamento.
Pratique o otimismo.
Sorria sempre que possível. Evite ficar mal humorado. Não viva com a cara fechada. Seja alegre.
Faça com que as pessoas saiam de perto de você melhores do que chegaram.
Alimente-se de modo correto. Coma para viver; não viva para comer. Coma moderadamente. A
alimentação é base de sua saúde. Coma devagar, tranqüilo. Mastigue bem os alimentos. Frutas, verduras e
legumes devem fazer parte constante de sua alimentação. Alimentos naturais coloridos são os melhores.
Coma cereais integrais; alimentos com fibras; azeite virgem; carnes magras combinadas com legumes e
verduras; as de frango, sem pele. Coma frutas. Evite frituras e churrasco. Açúcar e sal moderados. Pouco
alimento industrializado. Substitua os refrigerantes por sucos naturais. Coma a maior variedade possível
de alimentos por dia; no mínimo 25 (um pouquinho de cada). O melhor período para a alimentar-se é na
parte da manhã, até o início da tarde; o pior, à noite. Evite comer à noite, ou, se o fizer, faça-o com
alimentos leves, bem suaves. Não coma antes de dormir. Beba água constantemente, mesmo que não
esteja com sede.
Procure manter seu peso ideal; para isso diminua a ingestão de calorias e faça exercícios físicos
regularmente. Se for o caso, procure um médico para orientá-lo.
Faça exames médicos preventivos, regularmente;
Entre outros:- Iniciada a vida sexual, as mulheres devem fazer exames periódicos de
“papanicolau”, a fim de detectar possíveis tumores no útero. Também de “mamografia”; só o exame de
“toque”, nas mamas, não é suficiente. Consultas anuais ao ginecologista;
Entre outros:- Após os 40 anos, ou até antes, os homens devem fazer consultas com o
urologista, para exame de “toque”, “PSA”, etc., a fim de detectar possíveis problemas na próstata.
Pratique exercícios físicos. Os melhores são os aeróbicos (exercícios suaves de longa duração,
como a caminhada, por exemplo, que é o melhor deles).
Aprenda a relaxar. Todos os métodos são bons, desde o relaxamento através da respiração
profunda e pausada, até o “Treinamento Autógeno” (o mais indicado).
Durma em local calmo, sem barulho, aconchegante, temperatura agradável. Colchão, travesseiros e
roupa de cama que lhe dêem conforto. Durma no mínimo oito horas por dia. Se você levantar “cansado” é
porque não relaxou o suficiente ao dormir. Se dormir a dois, numa mesma cama, causa-lhe desconforto,
durma em camas separadas. Se houver possibilidades, dê uma “cochilada” após o almoço. Se estiver tendo
problemas com o sono, procure um médico.
Nunca experimente drogas. Evite álcool. Não fume. Divirta-se. Leia bons livros. Converse.
Passeie.
Paquere com sabedoria. Paquerar é ótimo! Os (as) casados (as) com suas (seus) esposas (maridos).
Para sexo seguro, use “camisinha”. Use “gel lubrificante íntimo” nas relações sexuais; melhora o
“desempenho” das partes e não deixa causar dor ou desconforto na vagina.
Evite a gravidez indesejada. Mas, se “acontecer”, deixe a criança nascer. Trará muitas alegrias e
nenhum arrependimento.
Trate as mulheres com educação, amor, carinho e respeito. “Conhece-se o homem pelo modo
como trata as mulheres” (Giraldi). As mulheres são as jóias que enfeitam o mundo (Giraldi).
Faça tudo para satisfazer a (o) companheira (o) na cama. Elogie-a (o) pelo seu “desempenho”.
Primeiro a satisfação dela (e), depois a sua.
Não permita que os problemas do seu serviço interfiram no seu lar e na sua família. O lar é o
ambiente sagrado da família. Sua família nada tem a ver com os problemas do seu serviço.
Por mais amargurado, triste ou chateado que esteja, faça um esforço e chegue em sua casa
sorrindo; mãos e braços desocupados para abraçar e beijar a esposa e os filhos. Faça o mesmo ao sair de
sua casa.
Procure amar e ser amado. Amor é vida! Quem não ama e não é amado é um ser que caminha num
mundo “cinzento”, “sem cores”, “triste” e “enfadonho”. Não confunda amor com caridade; amor com
paixão, etc.
A prática do amor não exige dinheiro, matéria, sacrifícios ou situações especiais. Todos podem
amar em igualdade de condições, e da mesma forma, a qualquer tempo e em qualquer lugar; tanto aqueles
que moram em ricos palacetes, como aqueles que moram sob viadutos, favelas, etc.
122

A prática do amor é simples, fácil e gostosa. Nós amamos, e somos amados, de três formas:-
PRIMEIRO:- Através da “palavra” (ou da “fala”). Palavra calma, educada, paciente,
respeitosa, compreensiva, positiva, alentadora, orientadora, encorajadora, esperançosa, ponderada, de
reconhecimento, de elogio, de agradecimento, etc. Tom de voz comedido, suave, calmo, meigo, baixo,
amigo, bem pronunciado, etc. A maior demonstração de amor, através da palavra, é o reconhecimento e o
elogio, como:- “----- Parabéns!” “----- Muito bem!”. Tudo isso é amor.
Anti-amor (desamor) através da “palavra”:- Palavras agressivas, ofensivas, altas,
gritadas, estridentes, negativas, desmoralizantes, reclamativas, prepotentes, humilhativas, e, por incrível
que pareça, também a “quietude ofensiva”, o “silêncio perverso”, a “agressão psicológica”, a
“insensibilidade programada”. Tudo isso acaba com o amor.
SEGUNDO:- Através do “tato” (“toque”). Toque suave, carinhoso, gentil; o afago, o “cheiro”,
etc. Entre amigos é o aperto de mão, o abraço, o toque nos ombros. Entre pais e filhos vai até o beijo na
face. Entre esposo e esposa vai até as “últimas conseqüências” (ato sexual) em cima de uma cama, no
sofá, no chão, ou mesmo em pé. Tudo isso é amor.
Anti-amor (desamor) relacionado ao “tato” (toque):- Agressão física, em qualquer
nível. Agressões físicas deixam marcas profundas para o resto da vida; são imperdoáveis. Inclusive para
com as crianças. Castigos para com as crianças não podem ser físicos, mas educativos.
TERCEIRO:- Através do “olhar”. Olhar calmo, alegre, sorridente, de paz, confiante, harmônico,
amigo, etc. O ser humano é o único animal que sorri. O sorriso é uma extraordinária força para conquistar
as pessoas. Tudo isso é amor.
Anti-amor (desamor) relacionado ao “olhar”:- Cara feia, fechada, carrancuda, de ódio,
não amiga, etc. Tudo isso acaba com o amor.
Para “receber” amor primeiro é preciso “dar” amor. “As pessoas tendem a agir da mesma forma
com que são tratadas”.(Giraldi)
Amigos:- Faça amigos; tenha o maior número possível de amigos. É um erro dizer que “amigos se
contam nos dedos de uma mão”. Quem faz essa afirmação é porque não tem capacidade para fazer
amigos. Procure ter amigos de todas as idades, classes sociais e de ambos os sexos. Para conquistá-los use
da educação, do sorriso e da humildade. Não procure ver seus defeitos, mas suas qualidades. Quem quiser
ter amigos sem defeitos nunca os terá; lembre-se, você também tem defeitos. Ame seus amigos através da
palavra, do tato e do olhar.
Pais:- Mantenha constante contato com seus pais. Converse com eles. Ache tempo para eles. Ame-
os através da “palavra”, do “tato” e do “olhar”. Ouça com atenção suas “estórias”. Seja carinhoso com
eles. A maior manifestação de amor, de um filho, para com seus pais, ocorre quando lhes dá um sorriso,
acompanhado da frase:- “----- Muito obrigado, meus pais, por tudo que já fizeram por mim”, seguida de
um beijo na face, e um afetuoso e demorado abraço.
Filhos:- Ache tempo, converse, brinque, sorria, passeie com seu filho. Brinque com ele como se
tivesse a idade dele. “Role” com ele pelo chão; tenha contato físico com ele. Sinta seu cheiro; faça com
que ele sinta o seu. Só use palavras positivas com ele; nunca negativas. Não grite com ele. Não o agrida.
Não lhe imponha castigos físicos e desmoralizantes. Não o desmoralize. Cada atitude sua, positiva ou
negativa, para com seu filho, estará colaborando para a formação de sua personalidade, que ocorre até
mais ou menos os sete anos de idade. Seja seu melhor amigo, exemplo e ídolo. Ore com ele. Ame-o
através da “palavra”, do “tato” e do “olhar”. E você jamais o transformará num criminoso, num
violento ou num dependente químico.
Esposa:- A sua esposa é o maior bem de sua vida; respeite sua individualidade, dignidade e
opiniões. Ame-a intensamente através da “palavra”, do “tato” e do “olhar”. Quem está bem com sua
esposa facilita sua própria vida e também a dela. Quem não está bem com sua esposa não está bem com
mais nada. Passe por cima de seus possíveis defeitos; você também os tem. Procure qualidades. Procure
descobrir pelo menos três qualidades em sua esposa, por dia, e elogie-a por isso (um simples café bem
feito; um penteado bonito; uma boa atitude; etc., já serão motivos para elogios). Sua complexa
responsabilidade como “dona de casa” já merece um elogio todos os dias. Não é fácil ser esposa; ela é, ao
mesmo tempo esposa, amante, amiga, confidente, mãe, administra o lar, na maioria das vezes trabalha
123

fora, etc. Colabore com as “tarefas domésticas”. Ajude a cuidar das crianças. Em caso de atrito o mais
inteligente fica quieto e, após alguns minutos, faz as pazes com palavras amorosas, sorrisos, beijos e
abraços. Ao sair e chegar em casa abrace, beije e dê um sorriso para sua esposa. Ache tempo, paquere,
brinque, sorria, converse e passeie com sua esposa. Invista em sua esposa. Sempre que possível, olhe-a
com carinho e lhe dirija a seguinte frase:- “ Eu te amo; você é o maior bem da minha vida”, dê-lhe um
beijo, um abraço e deixe “rolar o clima”. Lembre-se:- Mulheres pensam como mulheres; homens pensam
como homens. Assim, sempre haverá divergências entre ambos. Saiba como administrá-las usando
inteligência, sabedoria e paciência. A mulher tem “seu mundo”, com suas particularidades, manias,
opiniões, etc.; o homem o dele. Esses mundos não são iguais; só uma parte deles é comum a ambos; é
importante que se respeite o que não é comum. Brigue com o mundo, mas não brigue com sua esposa.
Ame, constantemente, sua esposa, através da palavra, do tato e do olhar.
Também são fundamentais para você:- Ter ideais; sentir-se útil; ter auto-estima; autoconfiança;
praticar ações filantrópicas (é ótimo para quem recebe; magnífico para quem dá); colaborar para ter saúde
física e mental; sorrir; ter educação; praticar otimismo; satisfação pelo trabalho que executa; ter dignidade,
honestidade e honra; respeitar a dignidade das pessoas, ausência de vícios prejudiciais; família, bem
estruturada, harmônica e bem constituída.
O (a) policial que ama e é amado (a) pelos amigos, pelos pais, pelos filhos, pela (o) esposa (o); tem
ideais; sente-se útil; tem auto-estima; autoconfiança; pratica ações filantrópicas; tem saúde física e mental;
sorri; é educado(a); pratica o otimismo; tem satisfação pelo trabalho que executa; tem dignidade,
honestidade e honra; respeita a dignidade das pessoas; ausência de vícios prejudiciais; família, bem
estruturada, harmônica e bem constituída; automaticamente terá amor pela vida; estará de bem com a vida;
será feliz; e, portanto, terá melhores condições para atuar armado (a) em defesa da Sociedade.
Tudo isso, entre outras coisas, é ensinado na “Sexta Etapa”, do curso do “Tiro Defensivo na
Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, denominada “Investimento e Valorização do Policial”. Se você
ainda não o fez, faça-o; é gratuito; procure seu superior para isso.
Sua dignidade, honestidade e honra não têm preço.
A vida é simples, bela e gostosa; não a complique.
E Deus, onde entra nisso tudo?
“----- Você não percebeu? Estamos falando de Deus desde o início do nosso trabalho!”

GIRALDI

Obs.:- Todos os conceitos e princípios aqui enunciados são do idealizador e elaborador do


“Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e estão registrados; reprodução oral
ou por escrito autorizada desde que citada a fonte e o autor.
124

ANEXO 07

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER”
CARACTERÍSTICAS E DADOS TÉCNICOS

Como este manual serve para qualquer marca ou modelo de


revólver, bastando, para isso, se necessário, apenas pequenas adaptações, o professor,
e/ou aluno, deverá buscar, no manuai, de fábrica, que acompanha cada arma, essas
características e dados.
O professor não deverá encher a cabeça do aluno com nomes de
peças, funcionamento detalhado do revólver, e outros detalhes que só interessam aos
armeiros. O que interessa ao aluno é saber usá-lo, quando necessário.

GIRALDI
125

ANEXO 08

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“PISTAS”
EXEMPLOS DE “ALVOS” E “QUADROS” ®
ATUAÇÃO BÁSICA DO POLICIAL

Nas “Pistas” (“PPI” – “PPE” – “PPA”) será utilizado o alvo “PM-L-4” (contorno de silhueta humana,
na cor cinza, sem pontuação pré-definida), obrigatoriamente de papelão, o qual será caracterizado
como seres humanos (alvos “amigos”, “neutros” e “agressores”), nas mais diferentes montagens,
situações e posições. Ver “Anexo 14”, deste manual. Posteriormente, quando da instrução sob a
forma de “teatro”, serão substituídos por seres humanos verdadeiros.
Cara feia não significa ser “agressor”, motivo pelo qual os alvos deverão ser montados com os
mais diversos tipos de caras, principalmente os alvos “agressores”. Não se analisa as pessoas pela cara
mas pelas intenções; é nas mãos que está o perigo. A primeira parte do corpo de uma pessoa suspeita ou
em atitude suspeita, ou agressor, que o policial deve olhar, são as mãos.
Esses “alvos”, devidamente caracterizados, serão utilizados para montar os mais diferentes tipos de
“quadros”.
O conjunto de “quadros” constituirá uma pista.
Uma pista poderá ter apenas um “quadro” ou vários deles, seguidamente. Poderão representar
situações totalmente separadas umas das outras, ou interligadas.
Obs.:- Todos os alvos deverão estar o mais próximo possível do barranco de contenção
de projéteis.
O professor terá que ensinar, ao aluno, todas as possíveis variantes de um “alvo” ou quadro”. Por
exemplo:- “Um agressor, após cometer um crime, está de costas, fugindo, mantendo ainda a arma na mão,
mas sem ameaçar a vida de terceiros”. O início da atuação do policial, que, se possível, estará protegido
ou semi protegido, empunhando sua arma, com o olhar e o cano dela na direção do perigo, dedo fora do
gatilho será:- “---- Aqui é a polícia; pare; jogue a arma fora!” A partir daí, muitas serão as alternativas,
desde o cumprimento da ordem, continuidade da fuga, etc., até o disparo, por parte do agressor, contra o
policial ou terceiros. Assim, o professor terá que ensinar, ao aluno, como atuar em todas essas
alternativas.
Entre outros, deverão estar nas pistas os seguintes “alvos” (devidamente caracterizados como seres
humanos “amigos”, “neutros” e “agressores” – ver “Anexo 14”, deste manual) e “quadros”. Os
procedimentos iniciais do policial são os que se seguem:-
1. “Refém tomado”; ou “refém seqüestrado”; ou o chamado “seqüestro relâmpago”; ou
qualquer outra situação em que o “agressor da sociedade” está usando a vítima como escudo; ou a
vítima está sob ameaça direta do agressor, correndo risco de morte, servindo como seu “salvo
conduto”, inclusive, dentro de viatura (e até no porta malas):-
“Conter” e “isolar a ocorrência”. Trabalho de equipe.
A vida e a integridade física da vítima precede tudo; todos os esforços deverão ser feitos nesse
sentido. A vítima não deve ser vista como uma pessoa qualquer, mas, como se fosse o próprio filho, filha,
irmã, etc. do policial que está atuando na ocorrência;
Protegido, se possível à vista do agressor, sem perder o contato visual com a ocorrência; arma
em “posição sul”; identificar-se para as partes envolvidas, declarando, inclusive, seu “nome de guerra”, e
procurando saber o que está ocorrendo. Exemplo:- “---- Aqui é a polícia! Sou o policial fulano. Que está
acontecendo aí?
126

Obs.:- Dependendo da resposta, por palavras ou atitudes, o policial dará prosseguimento


aos seus procedimentos.
Pedir ou mandar pedir apoio, imediatamente.
Solicitar ao agressor que forneça o nome dele, ou por qual nome ou apelido quer ser chamado.
Se fornecer, passar a chamá-lo por esse nome.
Manter a calma. Respirar funda várias vezes.
Procurar acalmar e transmitir calma às partes envolvidas com palavras tranqüilizadoras, mesmo
que o agressor continue com as ameaças.
A inteligência, a sabedoria, a paciência, e o profissionalismo são quatro das grandes virtudes
do policial, e “armas infalíveis”, para ele obter sucesso nesses tipos de ocorrência.
Não perder o contato visual com a ocorrência e com o agressor, mas não se exponha.
Manter distância segura em relação ao agressor.
Evitar aproximar-se ou pressionar o agressor; ele poderá se desesperar com essa atitude do
policial e acionar o gatilho.
Não apontar a arma para o agressor (na realidade estaria apontando para a vítima que,
normalmente, já tem a arma do agressor apontada para a sua cabeça).
Atuar sempre protegido, se possível à vista do agressor (o mínimo possível; só a fração do
rosto usada para acompanhar a ocorrência). Arma na “posição sul”, ou até não empunhada; depende das
circunstâncias do momento.
Não se precipitar. A precipitação do policial poderá provocar uma tragédia.
Não praticar a “valentia perigosa”; é loteria, e, tudo que é loteria, quando está em jogo a vida
humana, não deve ser tentado.
Disparo, na cabeça do agressor, conforme alguns leigos preconizam, também é loteria. Não
deve ser tentado. Teria que atingir o bulbo raquiano para ser eficaz, e, isso é quase impossível. Poderia
provocar “espasmo”, no agressor, que é uma contração involuntária do nervo ou músculo, com o agressor
acionando o gatilho da arma, mesmo mortalmente ferido, provocando a morte da vítima, ou de outras
pessoas. As práticas do passado demonstraram que, normalmente, quando é tentada a imobilização
imediata, do agressor, através do disparo, quem sofre as conseqüências é a vítima. São dezenas de casos
de triste lembrança.
O uso da força, nessas ocasiões, não é certeza de um final feliz; o uso da inteligência, da
sabedoria, da paciência, e do profissionalismo, sim. Isso tem sido comprovado por centenas de ocorrências
desse tipo. Vítima ilesa; agressor preso; Polícia aplaudida; policial regressando íntegro ao seio da sua
Família.
Por mais difícil que pareça tente negociar enquanto o apoio não chega.
Durante a negociação, usar tom de voz calmo, firme, claro, audível, educado, esclarecendo
bem o que o policial deseja que o agressor faça. Tendo tomado conhecimento do nome do agressor, passar
a chamá-lo pelo nome.
Não usar palavras ofensivas para com o agressor.
Procurar ganhar a confiança do agressor. Uma vez obtida tudo se tornará mais fácil.
Enquanto o agressor estiver falando, o policial deve ficar quieto, ouvindo-o, sem interrompê-lo.
Quanto mais o agressor falar, melhor; vai se acalmando. O policial deve estimulá-lo a falar. O policial
deve ser um bom ouvinte.
Procurar manter as partes calmas. Não se exaltar. Não gritar. Não fazer ameaças.
Não tomar nenhuma atitude que possa aumentar o perigo a que a vítima já está sendo
submetida.
O agressor, nesses instantes, transforma-se num grande ator, dando a impressão que tem a
situação nas mãos, quando, na realidade, quem a tem é o policial.
A ameaça do agressor contra a vida e a integridade física da vítima faz parte do seu “teatro”;
nem poderia ser diferente, só que, a vítima é seu “salvo conduto”, e ele sabe disso; eliminá-la não lhe
traria nenhuma vantagem, ao contrário..., e ele também sabe disso.
Procurar passar calma às partes. Normalmente, nesses casos, o agressor está muito nervoso,
com o dedo no gatilho, apontando a arma para a cabeça de sua vítima; todo o cuidado será pouco. Às
Vezes, o nervosismo dele é tanto que, mesmo involuntariamente, acaba por acionar o gatilho. E, se houver
pressão, por parte do policial, tudo será ainda pior.
127

O tempo é o grande amigo do policial para solucionar esse tipo de ocorrência. O agressor tem
de comer, beber, fazer necessidades fisiológicas, dormir... Devagar vai percebendo que não adianta dar
prosseguimento à sua atitude criminosa.
Não ter pressa para solucionar ocorrência desse tipo. Às vezes leva horas; até dias, para um
final favorável à vítima e à polícia; também para o agressor que, apesar de preso, tem a vida e a
integridade física preservadas.
Procurar levar o agressor à exaustão, sem que ele perceba isso.
Não pressionar o agressor. Não o “encurralar” pois, num gesto de desespero, poderá acionar o
gatilho. Ele está nervoso; desequilibrado. Dar-lhe chance de voltar à calma; de reequilibrar-se.
Dizer-lhe, constantemente, que está ali para ajudar. Repetir essa frase, com calma, centenas de
vezes, se necessário.
Garantir-lhe, constantemente, que, se ele se entregar, a vida e a integridade física dele serão
preservadas. Insistir, constantemente, neste ponto. Repeti-lo à exaustão.
Garantir-lhe que, caso se entregue, não será maltratado.
Não se referir à vítima como “refém”, mas como “moça”, “moço”, “criança”, etc. (Exemplo:-
“----- Para seu próprio bem, solte a moça).
Tentar convencer o agressor, para o próprio bem dele, a liberar o “moço”, ou a “moça”, ou a
“criança”, ou quem estiver servindo de escudo, ou de “salvo conduto” (não use o termo refém).
Esclarecer o agressor, sem ameaçá-lo, e com educação, da gravidade das conseqüências que
poderão advir caso insista nos seus intentos, e as atenuantes que terá, se desistir delas.
Esclarecer o agressor, sem ameaçá-lo, e com educação, que está cercado; que não tem chances
de fugir; que, para seu próprio bem, é melhor entregar-se.
Não prometer nada que não possa ser cumprido, ou que não seja da competência do policial
que negocia. Os pedidos do agressor deverão ser comunicados ao escalão superior; comunicar ao agressor
esse fato.
Em princípio, as únicas coisas que o policial deve prometer ao agressor é a preservação da sua
vida e da sua integridade física; e que irá comunicar, ao seu superior, os pedidos dele.
Jamais trocar de lugar com a vítima, ou permitir que outro o faça.
Não se aproximar do agressor. Mesmo após ele ter se entregado, não vá na sua direção, mas,
determine que ele, com as mãos sobre a cabeça (e não na nuca), ou para cima, caminhe em sua direção.
Daí para frente procedimentos policiais normais.
Se o agressor, mantendo a vítima como escudo, ou próximo a si, como “salvo conduto”,
disparar contra o policial, o policial não deve revidar os disparos, pois atingiria a vítima, permanece
protegido. Na primeira oportunidade, após os disparos, reiniciar a negociação. Não desistir.
Outros procedimentos que se mostrarem necessários, desde que não aumentem os riscos a que
a vítima já está sendo submetida.
Ao chegar o apoio, o policial fornece, ao comandante, todos os detalhes da ocorrência e se
coloca à sua disposição. Etc. Se estiver obtendo êxito na sua negociação, sem dúvida, ele a continuará,
sendo assessorado pelo “apoio”.
Parentes da vítima, imprensa, etc., poderão chegar. O coordenador da operação deverá nomear
um policial para prestar-lhes, constantes, e possíveis, esclarecimentos. Mantê-los, educadamente, fora da
área de perigo e em segurança.
A polícia deverá estar preparada para, como última, das últimas alternativas, através das suas
equipes de ações táticas especiais, efetuar uma ação de força contra o (s) agressor (es).
Estas normas não esgotam o assunto.
A seguir, algumas situações especiais que poderão ocorrer nesse tipo de ocorrência:-
O agressor poderá entregar-se:- Procedimentos policiais normais, sem qualquer agressão ou
violência contra o mesmo;
O agressor solta a vítima e sai correndo pelo meio do povo:- O policial não dispara; é
tentado o cerco. O policial, ao passar pelo meio das pessoas, manterá sua arma na “posição sul”;
O agressor poderá arrastar a vítima para outro local:- O policial, sempre abrigado, sem
perder o contato visual com a ocorrência, acompanha e orienta o apoio para o cerco;
A vítima escapa e o agressor dispara contra o policial:- O policial tenta paralisar sua ação
efetuando dois disparos rápidos na direção de sua massa, desde que não existam pessoas inocentes na
mesma “linha de tiro”; se houver, não dispara; entra ou se mantém em proteção. Não se dispara em
128

agressor que esteja no meio do povo ou na mesma linha de tiro de pessoas inocentes; ou que o
projétil, como “bala perdida”, possa atingir outras pessoas; aguarda-se melhor oportunidade;
chama-se apoio; faz-se o cerco;
Caso o agressor dispare contra o policial, mas continue mantendo a vítima como escudo, ou
próximo a si, como “salvo conduto”, o policial não deverá disparar contra o agressor; procurará manter-se
abrigado, aguardando apoio e melhor oportunidade para negociações.
Para atuar nesses tipos de ocorrências, com perfeição, faça o curso do “Tiro Defensivo na
Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e sua “Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do
Policial, com a Finalidade de Servir e proteger a Sociedade, e a si Próprio”; é gratuito. Procure seu
superior, para isso.
2. Agressor armado com arma branca:- Policial protegido; olhar e cano da arma na direção do
perigo; dedo fora do gatilho; verbalização:- “---- Aqui é a polícia; para seu próprio bem, jogue a faca fora,
coloque as mãos sobre a cabeça”; etc.
3. Agressor isolado disparando contra o policial ou contra alguém da Sociedade (nas mais
diversas situações):- Policial abrigado; dois disparos rápidos, semi visados ou intuitivos, na direção da
“massa” do agressor. Não dá tempo do policial fazer “visada” para escolher pontos de acerto no agressor;
caso tente, sua demora em fazê-lo poderá custar a vida de alguém da Sociedade (incluindo a própria).
4. “Alvo agressor” disparando contra o policial e, na mesma linha de tiro, vários “alvos
neutros”:- Policial não dispara; permanece ou procura se abrigar; chama apoio; faz o cerco. Etc.
Obs.:- Não se dispara contra agressor no meio de pessoas ou que esteja na mesma linha
de tiro de pessoas inocentes.
5. “Alvo agressor” de costas, fugindo, segurando arma de fogo, mas sem estar atentando
contra a vida de alguém:- Policial protegido; olhar e cano da arma na direção do perigo; dedo fora do
gatilho; verbalização:- “---- Aqui é a polícia; pare; jogue a arma fora, coloque as mãos sobre a cabeça
onde eu possa vê-las!”; etc.
6. Pessoa em atitude suspeita onde as suas mãos não aparecem:- Policial protegido; olhar e
cano da arma na direção do perigo; dedo fora do gatilho; verbalização:- “---- Aqui é a polícia; quem é
você; mostre suas mãos!”. Caso seja provado ser pessoa inocente complementa:- “---- Desculpe minha
atitude mas foi a sua atitude suspeita que me obrigou a tomá-la; por favor, coloque-se em segurança”.
7. Pessoa em atitude suspeita, espreitando o policial, aparecendo só a sua cara:- Policial
protegido; olhar e cano da arma na direção do perigo; dedo fora do gatilho; verbalização:- “---- Aqui é a
polícia; quem é você; saia daí de trás; identifique-se!”. Etc. (Complemento:- idem ao item “6” acima).
8. Vários alvos “neutros”:- Verbalizar apenas se for necessário, exemplo:- Policial conduz a
arma para “posição sul” e verbaliza:- “---- Aqui é a polícia; a área está perigosa; por favor se coloquem
em local mais seguro!” O policial poderá indicar qual o local mais seguro. Etc.
9. Agressor se entregando (mãos para cima, segurando, ainda, a arma na mão):- Policial
protegido; olhar e cano da arma na direção do perigo; dedo fora do gatilho; verbalização:- “---- Aqui é a
polícia; jogue essa arma fora; coloque as mãos sobre a cabeça onde eu possa vê-las!”. Etc.
10. Agressor se entregando (com as mãos vazias):- Policial protegido (caso exista a
possibilidade de um segundo agressor surgir, atacando); olhar e cano na direção do perigo; dedo fora do
gatilho; verbalização:- “---- Aqui é a polícia; coloque as mãos na cabeça onde eu possa vê-las; caminhe
em minha direção!”. Etc.
11. Pessoa em atitude suspeita, tentando cobrir, com uma das mãos, uma arma de fogo:-
Policial protegido; olhar e cano da arma na direção do perigo; dedo fora do gatilho; verbalização:- “----
Aqui é a polícia; jogue essa arma fora; coloque as mãos sobre a cabeça; caminhe em minha direção”. Etc.
12. “Alvo neutro” segurando um celular:- Não há necessidade de verbalização, no entanto,
poderá ser feita, como:- Policial coloca a arma em “posição sul” e verbaliza:- “---- Aqui é a polícia; por
favor, saia do local que está perigoso!”. O policial poderá indicar qual o local seguro. Etc.
Obs.:- O policial precisa estar atento; já existem armas de fogo sob a forma de celular ; a
“antena” é seu cano. O disparo e o calibre dele são fracos mas matam.
129

13. Representante da imprensa, devidamente caracterizado (por exemplo, com microfone


nas mãos):- Caso esteja correndo risco de vida, haverá verbalização. Policial coloca a arma em “posição
sul” e verbaliza:- “---- Aqui é a polícia; por favor, saia do local que está perigoso, ou procure desenvolver
seu trabalho de um local mais seguro!” (o policial poderá indicar qual esse local). Etc.
Obs.:- O tratamento com integrantes da imprensa também deverá ser o mais respeitoso e
cordial possível; eles também estão trabalhando; têm o direito de exercer sua profissão; o policial deverá,
dentro de suas possibilidades, colaborar com esse trabalho.

14. Alvo de uma criança, na frente da qual surge um agressor disparando contra o policial:-
Policial não dispara (poderá matar a criança); permanece ou procura se abrigar; chama apoio; faz o cerco.
Etc.
15. Alvo de um policial fardado falso. Para caracterizar o alvo de um policial fardado falso
basta alterar-lhe coisas simples, do cotidiano de todos os policiais, como:- Nome de guerra colocado do
lado errado do uniforme; cobertura (boné) diferente do posto ou graduação; presença de um brinquinho na
orelha; condecorações e brevês colocados do lado errado; uniforme e equipamentos não regulamentares;
uniforme e equipamentos colocados de forma errada; atitude suspeita; etc.
Obs.:- Para um policial verdadeiro saber se um outro é falso ou não, terá que fazê-lo
através de perguntas e não através da “funcional”. Procedimentos básicos:-
a. Mantém-se afastado do possível policial falso, empunhando a arma; dedo fora do
gatilho; cano da arma e olhar na direção do perigo (possível policial falso).
b. As perguntas deverão ser as mais profissionais, e do conhecimento dos policiais,
possíveis, como:- “---- Qual sua Unidade?” “---- Qual sua subunidade? “Qual o nome do seu
comandante? “---- Qual seu R E?” “---- O que você faz aqui?” “---- Onde estão os outros integrantes de
sua guarnição?” “---- Esta área pertence a qual companhia?” “---- Cante a “Canção da Polícia Militar!”
Etc.
c. Enquanto a dúvida persistir as perguntas irão sendo feitas. Confirmado que é
policial falso, dar-lhe voz de prisão. Se o policial falso atentar contra a vida do policial verdadeiro ou de
terceiros, efetuar dois disparos rápidos conta o mesmo e proteger-se, caso já não esteja.
16. Outros, desde que dentro da lógica da realidade do que se passa nas ruas.

O professor poderá contar com a colaboração dos alunos para montar “pistas”, “alvos” e
“quadros”. Os alunos poderão, inclusive, idealizar novas caracterizações de alvos a partir do “PM-L-4”.
Ver “Anexo 14”, deste manual.
Lembrar que os alvos “amigos” e “neutros” não levam tiros e, portanto, duram vários anos.
Alvos “agressores”, passíveis de tiros, se bem cuidados, também poderão durar muito tempo,
principalmente se forem obreados. O uso de alvos, “agressores”, atiráveis, nas pistas, é muito reduzido;
normalmente, um deles, para cada três não atiráveis.
É importante que o professor, ao final da instrução, recolha todos os alvos (ou mande recolhê-los),
empacotando-os, cuidadosamente, para uso futuro.

GIRALDI
130

ANEXO 09

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“BARRICADA DE TREINAMENTO” ®

D
E

D
F

“A”. Lata (galão) velha (18 cm. de altura; 17 cm. de diâmetro) onde foi chumbado, com concreto, um
tubo de PVC (B) de 1 polegada e 28 cm. de altura, apoiado no fundo da lata.
“B”. Tubo de PVC de 1 polegada, com 28 cm de altura a partir do piso, chumbado com concreto na lata
velha.
“C”. Tubo do PVC de ¾, com altura total de 1,85 m. secionado em varas alturas para colagem dos “T”.
Na base, esse tubo entra, solto, por dentro do tubo de 1 polegada que está chumbado na lata, e gira. O centro
do primeiro “T” está a 28 cm do piso; o centro do segundo “T” está a 67 cm. do piso; o centro do terceiro “T”
está a 1,06 m. do piso; o centro do quarto e último “T” está a 1,45 m. do piso.
“D”. “T” de PVC de ¾, com saída de ½ (são 4 “T”, colados em alturas diferenciadas). Ver letra “C”,
retro.
“E”. Posição atual da barricada horizontal; que é um tubo de PVC de ½, com 65 cm de comprimento.
Não é colada no “T”, apenas encaixada. Ela entra e sai em todos os “T”.
“F”. Possíveis posições da barricada horizontal. São 4 alturas; invertendo o suporte da barricada (“C”), ganha-se
mais 4 alturas, pois os “T” passam a ficar em outras alturas. Total :- 8 alturas diferentes.
GIRALDI

B
131

ANEXO 10

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER”

COMO AVALIAR O CANDIDATO A “INSTRUTOR/MONITOR DE USUÁRIOS” ®

Orientações ao professor que irá avaliar o candidato a “Instrutor/Monitor de


Usuários do Revólver”

Preparar uma “PPI/PPA - Padrão” com 04 alvos atiráveis e 04 não atiráveis, fixos ou móveis. Nada
impede que sejam mais alvos (atiráveis e não atiráveis). Ver “Anexo 14, deste manual”.
Distribuir ao “candidato a instrutor/monitor”, antecipadamente, a “Súmula para Habilitação de
Instrutor/Monitor de Usuários do Revólver” (Anexo 11, deste manual). O “candidato a instrutor/monitor”
preencherá o cabeçalho dessa súmula e tomará conhecimento daquilo em que será avaliado (está na
súmula). Entregará a súmula, com o cabeçalho preenchido, ao professor, na hora em que for ser avaliado.
1. O professor escalará um integrante do grupo para atuar na pista como “aluno” do
“candidato a instrutor/monitor”, como se esse “aluno” estivesse aprendendo ou sendo avaliado, pelo
“candidato a instrutor/monitor”, numa “PPI/PPA - Padrão”.
2. Sob observação e análise do professor verdadeiro, o “candidato a instrutor/monitor” atuará
como se “professor” fosse. De posse da “Súmula de Usuários” do seu “aluno” (Cap 19, deste
manual), dará a ele todos os ensinamentos e comandos para passar na pista, fazendo, ao seu
“aluno”, todas as observações e ensinamentos necessários, parando-o, inclusive, quando dos seus
erros, corrigindo-o e fazendo-o repetir o exercício que errou.
3. O “aluno” do “candidato a instrutor/monitor” atuará individualmente; progredindo e
regredindo pelo centro da pista. Nada impede que seja pelas laterais; o “candidato a
instrutor/monitor” decide. Esse “aluno” deverá receber ordens, sigilosas, do professor verdadeiro,
que está analisando o “candidato a instrutor/monitor”, para executar alguns exercícios de forma
errada, a fim de verificar se o “candidato a instrutor/monitor” está atento e sabe como corrigi-lo.
4. O professor verdadeiro acompanhará o “candidato a instrutor/monitor” de perto,
observando e anotando seus erros, de acordo com o que está previsto na “Súmula para Habilitação
de Instrutor/Monitor” (Anexo 11, deste manual). Quando desses erros, parará, imediatamente, o
“candidato a instrutor/monitor”, corrigindo-o e fazendo-o repetir o exercício que errou, até que o
execute corretamente e sem dificuldades. O “candidato a instrutor/monitor” não poderá avançar na
instrução e avaliação do seu “aluno” sem que isso ocorra. Executando o exercício que errou,
corretamente, o professor verdadeiro colocará um “OK” à frente do erro assinalado na súmula do
“candidato a instrutor/monitor”, significando que ele aprendeu a lição.
5. O “candidato a inst/mon” preencherá a “Súmula de Usuário” do seu “aluno” (Cap 19,
retro), fazendo, inclusive, o levantamento dos seus impactos nos alvos, anotando-os nessa súmula.
Os impactos serão obreados. Transformará a pontuação final obtida pelo seu “aluno” em conceito
e nota, lançando-os no cabeçalho da “Súmula de Usuários” (Capítulo 19, deste manual). Lembrar-
se que não é o “aluno” do “candidato a ins/mon” que está sendo avaliado; é, única e
exclusivamente, o próprio “candidato a inst/mon” quem o está, através do professor verdadeiro.
6. O professor verdadeiro tomará, ainda, outras providências que julgar necessárias.
GIRALDI
132

ANEXO 11
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER”
SÚMULA PARA HABILITAÇÃO DE INSTRUTOR/MONITOR DE USUÁRIOS 
(Obrigado já ter sido habilitado como usuário do revólver)

Nome ______________________________________ Posto/Grad______________ RE_____________


Instituição Policial __________________________ Unidade_________________________________
Data_________________ Local da avaliação_______________________________________________
Pontuação máxima possível:- 200 pts. Pontuação obtida ________________________ pts
Conceito final ______________ Nota final ________ Nota mínima para aprovação ________

1. O “candidato a Instrutor/Monitor” será avaliado passando um (ou mais) aluno na “PPI/PPA-Padrão”.


2. O “candidato a Instrutor/Monitor” inicia a sua avaliação com 200 pts. positivos. Vai perdendo pontos de
acordo com os erros cometidos (10 pts. negativos para cada erro). Ao cometer erros será interrompido, imediatamente,
e corrigido. O erro será lançado na Súmula. Em seguida repetirá o exercício que errou. Acertando-o prosseguirá na
avaliação e o professor anotará na frente do erro “OK”, significando que o “candidato a Instrutor/Monitor” aprendeu.
O “candidato a Inst/Mon” não passará para o exercício seguinte sem ter executado, corretamente, o anterior.
3. Itens que serão avaliados (em um mesmo item poderá haver mais de 1 erro). Anotar só os erros.
ERRADO
01. Explicação geral e sucinta do “Método Giraldi”; fundamentos, objetivos.
02. Montagem e caracterização de alvos. Explicar o local das bandeirolas vermelhas sinalizando perigo.
03. Montagem de pista, com colocação de alvos. Alvos bem próximos do barranco de contenção de projéteis.
04. Apresentar-se para dar início à instrução devidamente uniformizado, armado, equipado, com colete balístico,
protetor auricular, ocular, plaqueta de identificação, etc.
05. Estabelecer local seguro para manuseio de arma; nesse local não se manuseia munição.
06. Verificar se o aluno está corretamente uniformizado, armado, equipado, com colete balístico, protetor
auricular, ocular, plaqueta de identificação, etc.
07. Orientação rápida, ao aluno, antes do mesmo dar início à execução da pista
08. Voz de comando
09. Posição na pista, em relação ao aluno
10. Verbalização pelos alvos
11. Capacidade para observar os erros do aluno
12. Interromper corretamente o aluno, quando dos seus erros
13. Corrigir corretamente o aluno quando dos seus erros
14. Praticidade, rapidez e clareza nos ensinamentos
15. Aplicação das “técnicas de ensino” direcionadas ao “Tiro Def. na Preserv. da Vida”, “Método Giraldi”
16. Educação no trato com o aluno. Capacidade para fazer o aluno aprender e gostar da matéria
17. Apoio e orientações finais ao aluno quando este terminar de executar a pista
18. Levantamento dos impactos nos alvos e comentários cabíveis
19. Preenchimento da súmula destinada ao aluno
20. Preocupação com a segurança geral, inclusive dos assistentes (estarão com colete, protetor auricular e ocular)

A. TOTAL DOS ERROS.................................................................. :- ____________


B. TOTAL DOS PONTOS NEGATIVOS (nº de erros vezes 10).... : - ____________
C. TOTAL FINAL DE PONTOS (200 menos B)............................. : - ____________

CONCEITOS:- De 000 a 099 pts – “INSUFICIENTE”


De 100 a 138 pts – “REGULAR” Conceito final _____________
De 139 a 168 pts – “BOM”
Anotações no verso De 169 a 190 pts – “MUITO BOM” Nota final ________________
De 191 a 200 pts – “EXCEPCIONAL”

______________________________ ____________________________________________________
As. do “Candidato a Instrutor/Monitor” Nome completo e legível do professor; posto/grad, RE, assinatura

Anexar esta súmula ao “RIT” do “candidato a Instrutor/Monitor”. (GIRALDI)


133
134

ANEXO 12

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

TREINAMENTO VIRTUAL DO TIRO POLICIAL


GIRALDI

É CONTRA INDICADO.
A seguir, alguns dos motivos:
Nesse tipo de treinamento o policial não usa arma nem munição verdadeiras, mas, artificiais; assim,
o disparo dele é totalmente irreal. A realidade já demonstrou que ao treinar com esse tipo de arma e
munição e atuar contra os “agressores da sociedade” com outras, é “desastre” na certa. O correto é o
policial treinar com a arma, a munição, os materiais e os equipamentos com os quais trabalha ou irá
trabalhar.
A tela onde aparecem as cenas é plana; não tem profundidade; é um mundo em duas dimensões.
Mesmo que o policial se desloque, procurando um melhor ângulo para a sua atuação, a imagem não muda;
de onde ele estiver, verá sempre a mesma coisa. Não terá condições de atuar pelas laterais; efetuar um
cerco; uma progressão; uma regressão; etc. Ele não se movimenta; quem se movimenta é a imagem. Isso
contraria, frontalmente, a vida real, onde o policial atua num mundo em três dimensões.
O ritmo do confronto é dado pela projeção; o policial não tem como interferir.
Praticamente, o policial atua parado; as imagens é que vão passando. Isso é um absurdo. Contraria
também, frontalmente, a vida real, onde o policial tem que se deslocar não só para frente, como para trás; para as
laterais; etc.; ultrapassar obstáculos, fazer “varreduras” verticais, horizontais, etc.; “olhadas rápidas”; “tomadas
de ângulo”; sempre com a arma nas mãos, pronto para disparar; rastejar, correr, entrar por portas, janelas, etc.. Na
tela, tudo está confinado num ambiente totalmente irreal para o policial.
Não há possibilidade de “verbalização”, “negociação” e “procedimentos”, por parte do policial; e, a
“verbalização”, a “negociação”, e os “procedimentos”, são os princípios básicos mais fantásticos que
existem, hoje, para o policial. Uma polícia moderna utiliza “verbalização”, “negociação”, e
“procedimentos”, na quase totalidade das suas ações. São eles, e não tiros, que preservam vidas, incluindo
a do policial, e solucionam problemas, na quase totalidade das vezes. Tiro é exceção; é a última
alternativa.
Estatísticas comprovam que, em média, de cada 250 saques, da arma de fogo, pelo policial, em
apenas uma há disparos; nas outras 249 a arma volta para o coldre, sem disparar, mas, em todas, são
executados procedimentos.
O policial é um mero espectador; ele não participa do “quadro”; fica sempre fora do “quadro”. O “quadro”
lá, e ele aqui, totalmente separados um do outro.
Como o policial fica concentrado unicamente na projeção à sua frente, acaba ficando condicionado a não se
preocupar, com os flancos, com a retaguarda, etc., e isso lhe será fatal quando de uma ação verdadeira.
Um treinamento que se preze exige um “quadro” só, dentro do qual estão os problemas e o policial.
Numa ação verdadeira o policial tem que estar atento a tudo o que ocorre à sua volta; há pessoas e
“agressores” à sua frente; ao seu lado; à sua retaguarda; em cima (forros, sótãos, etc.); em baixo (porões, túneis,
buracos, etc.).
Numa ação verdadeira o policial tem que olhar por baixo de móveis; por trás de portas; efetuar
“varreduras” em todas as circunstâncias; olhar por janelas; fazer a “tomada de ângulo”, a “olhada rápida”; saber
135

dobrar uma esquina; examinar interiores de veículos; adentrar em edifícios suspeitos; etc., mantendo, sempre, a
arma nas mãos, pronto para disparar, se necessário.
Ele tem que estar totalmente ativo.
No sistema de treinamento com simuladores ele é totalmente passivo, fixo, quase inerte; o policial fica só
olhando uma tela; e o resto à sua volta? Muitos policiais têm sido assassinados pelos agressores pela retaguarda e
pelas laterais.
O treinamento, com simuladores, não permite atuação com pouca luminosidade, com necessidade do uso
de lanternas. Não podemos esquecer que, mais de 60% dos confrontos armados são em ambientes com pouca
luminosidade (noturnos), com necessidade do uso de lanterna.
Não permite, em hipótese alguma, na simulação de um confronto armado, uma abordagem, com o policial
interagindo com os suspeitos, tendo, ao seu lado, um companheiro armado dando-lhe cobertura, pronto para
disparar, se necessário.
Não permite, em hipótese alguma, durante a simulação de um confronto armado, a determinação do
policial para que o agressor caminhe na sua direção (“----- Mãos na cabeça; caminhe na minha direção!”).
Não permite, numa troca de tiros, usar a viatura como coberta ou abrigo.
Não permite atuação embarcada.
Não permite “varredura”, seguida de transposição de muros, ou outros obstáculos, com necessidade de
disparos (durante ou após).
Pessoas que aparecem na projeção, inclusive agressores, em hipótese alguma enxergam o policial. Quando
se tem a impressão que estão vendo o policial, na realidade estão olhando a câmara que os filmou, há muito
tempo. O mesmo ocorre quando se tem a impressão que o policial está se movimentando, dobrando esquinas,
passando por pessoas, etc. Na realidade, é a câmera, que filmou as cenas, há muito tempo, quem o está fazendo.
O policial fica inerte; quando muito, parado, movimentando o corpo, como um dançarino desengonçado.
Não possui a mínima possibilidade para se aplicar a técnica e a tática, de progressão e atuação,
interagindo com o meio ambiente, junto às pessoas, com as dificuldades do terreno, imprescindíveis numa
ação real, assim como, a aplicação, por parte do policial, da psicologia e da intuição, também
imprescindíveis em confrontos armados.
O policial que não conhecer a técnica, a tática, a psicologia e a intuição, da proteção, progressão,
atuação e regressão, certamente, terá grandes chances de provocar uma tragédia, perdendo, inclusive, a
própria vida, ao se ver envolvido por um confronto armado verdadeiro.
Não há ultrapassagem de obstáculos; deslocamentos protegidos, com cobertura dos companheiros;
aplicação dos “sinais policiais”; etc.
Não tem como ser aplicado por equipes de policiais, atuando em conjunto, uns dando cobertura,
apoio e auxiliando outros. A quase totalidade das ações reais armadas da polícia é feita nessas
circunstâncias.
O policial jamais terá contato físico com os “agressores da sociedade”, com outras pessoas, ou com
qualquer parte material que apareça na tela. O policial estará sempre numa “dimensão”, e, a projeção (quadros),
em outra “dimensão”. São outros absurdos.
Nesse tipo de treinamento, o policial só atira ou não atira, usando uma arma não verdadeira, que ele não irá
usar, no serviço; e o resto? E os procedimentos que, conforme já foi dito, na quase totalidade das vezes
preservam vidas e solucionam problemas? Não serve nem como preparativo para o disparo verdadeiro.
Os alvos estão sempre à mesma distância, pois a tela, onde os “quadros” são projetados, é plana;
não tem profundidade; é um mundo em duas dimensões. Mesmo que existam pessoas, incluindo
agressores, “lá no fundo”, na realidade, eles estão “aqui na frente”, onde está a tela. Isso contraria
totalmente a realidade, pois nela, as pessoas, incluindo agressores, estão a profundidades diferenciadas,
num mundo em três dimensões, com o policial necessitando atirar em várias distâncias, posições,
situações e dificuldades.
Não tem como treinar o “tiro intuitivo rápido a curta distância”. Outro absurdo, pois, grande parte
dos disparos reais, dos policiais, são feitos nessas circunstâncias.
Não permite o uso de barricadas de proteção.
O alto preço dos apetrechos para esse tipo de “instrução”, que pode até dar “status” a quem os adquiri,
mas, não servem nem como preparativos para o disparo verdadeiro.
De acordo com princípios científicos, nenhuma atividade humana, que tenha necessidade de
deslocamentos individuais e em equipe, com necessidade de interagir com o meio físico onde se encontra,
136

com aplicação de ferramentas de trabalho (no caso do policial, a arma de fogo), e onde a morte está
sempre presente, deve ser treinada de modo virtual.
A parte prática, de certas atividades (como a do tiro), não tem como ser treinada com uso de
simuladores. Ex.: - A atuação do Bombeiro; do GATE; do “Choque”; do Resgate; do Tiro; etc.. Esportes
como o futebol; a natação; o ciclismo; as corridas; etc.. Profissões como a do dentista; do cirurgião; do
pedreiro; do pintor; etc.. Nessas atividades, e em muitas outras, a projeção em telas serviria apenas como
parte teórica; para mera observação e análise, mas, jamais como forma de instrução interativa, e aí, uma
simples fita de vídeo em VHF ou DVD, seria suficiente, como os “vídeos instrução das instituições
policiais”.
Tiro é como futebol, natação, ciclismo, etc.; só se aprende praticando, dentro da realidade.
Alguém tem condições de aprender a jogar futebol nadar, andar de bicicleta, etc., através de
treinamentos virtuais? Não servem nem para os primeiros ensinamentos! Tiro é a mesma coisa.
Mesmo não se prestando para uma instrução realista, quantas “máquinas” seriam necessárias para
uma instituição policial?
Certamente que dezenas delas, pois os policiais estão distribuídos por extensas áreas e necessitam
estar, constantemente, sendo instruídos.
Ninguém se mantém apto a usar sua ferramenta de trabalho sem manuseá-la, treinar com ela,
constantemente. No caso do policial a arma de fogo.
Portanto, não bastaria existir “máquinas” (várias) apenas em escolas de formação.
Não servem nem como preparativos para o disparo verdadeiro.
E há um outro fato interessante:- Instituições policiais, na ânsia de conquistar “status”, acabam
adquirindo máquina para esse tipo de treinamento, para se mostrar eficiente e moderna. Fazem tremenda
propaganda dela; mostram-na para a imprensa, visitas, autoridades, etc. Na realidade, é um falso “status”;
uma falsa eficiência, uma falsa modernidade. Pode até provocar admiração e exclamações em pessoas leigas
e desconhecedoras do assunto, pois, à primeira vista, impressionam, mas, fica só nisso. Os policiais
continuam sem uma instrução verdadeira, à altura das suas necessidades.
FINALIZANDO:- O verdadeiro treinamento de tiro, para qualquer policial, é aquele que se aproxima
o máximo possível da realidade, com arma, munição, ambiente e circunstâncias reais, condicionando-o a
agir, quando dessa realidade, da mesma forma que o fez quando dos treinamentos.
E isso nós temos aqui no Brasil, e, de graça. É o “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, e
sua “Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e
Proteger a Sociedade, e a si Próprio”, que especialistas internacionais, e a PMESP, batizaram de
“Método Giraldi”, em homenagem ao seu idealizador, e assim foi registrado. Único método de
instrução de tiro, para polícias, do mundo, divulgado, recomendado e ensinado, internacionalmente, por
integrantes do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, dos Direitos Humanos, do Policiamento
Comunitário, etc.
Realista, sem demagogia, simples; prático; barato; objetivo; moderno, de fácil assimilação; que
pode ser feito, da mesma forma, em qualquer lugar, bastando, para isso, um simples barranco para
contenção de projéteis.
Ao gosto e respeito dos policiais.
De bases científicas, tem o respeito, o gosto e a aprovação de todos os policiais que fazem o curso,
independente da polícia e do País de origem.
Comprovadamente, esse “Método” reduz em 100% a morte de pessoas inocentes, provocada por
policiais em serviço; também daquelas contra as quais não há necessidade de disparos (agressores).
Reduz em 100% a perda da liberdade do policial em virtude do uso incorreto de sua arma.
Reduz em mais de 95% a morte de policiais em serviço; os outros quase 5% são as fatalidades,
quase impossíveis de serem evitadas.
Nele, entre outras coisas, estão as “Pistas Policiais de Instrução” (PPI), onde o policial, orientado
pelo professor, aprende a atuar em confrontos armados, durante serviços policiais comuns.
Estão as “Pistas Policiais Especiais” (PPE), onde o policial, também orientado pelo professor,
aprende a atuar em confrontos armados que podem ocorrer durante execução de serviços especiais, tais
como “rodoviário”, “ambiental”, “desocupação de áreas invadidas”, “grupo de ações táticas”, “grupo de
ações táticas especiais”, “serviço velado”. “segurança de autoridades vip”, “segurança de presídios”,
“cavalaria”, “choque”, “grupamento aéreo”; etc.
137

Estão as “Pistas Policiais de Aplicação” (PPA), onde o policial, sem orientação do professor,
aplica todo o aprendizado anteriormente adquirido.
Em todas essas pistas, os “quadros” são materializados; as armas são reais; a munição é real; os
disparos são reais, o ambiente é real; a atuação do policial é real, provocando totais alterações físicas e
psíquicas nele, da mesma forma que um confronto armado verdadeiro.
Nessas pistas o policial aprende a usar seu armamento com técnica, com tática, com psicologia, e
dentro dos limites das Leis, em defesa própria e da Sociedade, em todas as circunstâncias com
possibilidades de serem vivenciadas, por ele, na realidade.
Aprende, inclusive, a dominar o estresse momentâneo, que ocorre durante um confronto armado; a
atuar com a razão; a verbalizar; negociar; executar procedimentos; a ter a vida como prioridade e o disparo
como última alternativa; pois, conforme já foi dito, na quase totalidade das vezes, verbalização,
negociação e procedimentos, e não tiros, é que preservam vidas, a começar pela do policial, e solucionam
problemas.
Faz “progressão”, “regressão”, “varreduras” e tudo aquilo que pode necessitar fazer num confronto
armado verdadeiro, inclusive socorro às vítimas.
O policial atua individualmente e em equipe, aplicando os sinais policiais.
Quando em equipe, uns dando cobertura aos outros, pois o perigo pode vir de qualquer direção,
inclusive da retaguarda (tudo isso é impossível de ser treinado com o uso de simuladores).
E há uma parte específica onde se faz profundo investimento e valorização do policial.
E outra, denominada de “teatro”, onde a instrução é feita com seres humanos verdadeiros,
representados pelos próprios policiais, nas figuras de pessoas neutras, amigas e agressoras, em todas as
possíveis situações de serem por ele encontradas na vida real.
Considerado, por todos que tomam conhecimento do “método”, e o aprende, como o verdadeiro
treinamento para o policial, que tem, como base “os reflexos condicionados positivos, a ser adquiridos
pelo policial em treinamentos imitativos da realidade, com eliminação dos negativos, antes de se ver
envolvido pelo fato verdadeiro”; tudo, dentro da Lei, da Ordem e da Política Policial Brasileira.

Obs.:- Treinamento de tiro policial com “paint ball” também não serve. Conforme já foi
dito, o policial tem que treinar com o mesmo uniforme, equipamentos, arma, munição, etc., com os
quais trabalha ou irá trabalhar.

(GIRALDI)
138

ANEXO 13
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

ALVO “PM-L-74” ®
O alvo utilizado em todo o “Curso Básico” é o “PM-L-74”, de papelão, retangular, nas cores cinza e
branco, sem pontuações pré-definidas (serão estabelecidas de acordo com os objetivos da instrução).
Está registrado. Está à disposição nas instituições policiais e, na falta, no comércio especializado.
Em situações especiais de não existência, poderá ser confeccionado pelo professor e alunos em
papelão comum, riscando-se suas áreas com pincel atômico; isso é muito simples de ser feito.
Está oficializado para toda a Corporação através do “M-19-PM” (“Capítulo IV”, “item 5.0”; e
“anexo C”).
ALVO “PM-L-74” PARA O “CURSO BÁSICO” ®

ALVO “PM-L-74”:- Obrigatoriamente de papelão. Possui 5 “zonas” de acerto (uma central na cor cinza e 4
periféricas na cor branca) cujos nomes técnicos são:- “zona central”; “zona alta à direita”; “zona alta à
esquerda”; “zona baixa à esquerda”; e “zona baixa à direita” (sempre de quem olha). Essas “zonas”
possuem “subzonas”. Cada “subzona” possui uma letra que será valorizada, pelo professor (de zero a
dez), de acordo com os objetivos da instrução.
ÁREA TOTAL ÚTIL DO ALVO (sem as sobras externas):- 80 cm. x 54 cm.
ZONA CENTRAL:- 50 cm. x 32 cm. ZONAS PERIFÉRICAS:- 40 cm. x 27 cm. (área cinza sobreposta)
SUBZONA “A”:- 14 cm. X 8 cm. “B”:- 30 cm. X 19 cm. “C”:- 42 cm. x 27 cm. “D”:- 50 cm. x 32 cm.
SUBZONA “E”:- Parte horizontal 6 cm. de largura; parte vertical 4 cm. de largura.
(GIRALDI)
139

ANEXO 14

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

ALVO “PM-L-4” ®
O alvo utilizado em todas as pistas é o “PM-L-4”, de papelão, contorno de silhueta humana na cor
cinza, sem pontuações pré-definidas (serão estabelecidas de acordo com os objetivos da instrução), a partir
do qual são montados alvos “amigos”, “neutros” e “agressores”, todos caracterizados como seres humanos.
Está registrado. Está à disposição nas instituições policiais e, na falta, no comércio especializado.
Cópias de caras, mãos, armas de fogo, armas brancas, objetos contundentes, celulares, microfones,
pastas, gravatas, coberturas, paredes, muros, coletes balísticos, etc., serão tiradas em copiadoras, recortadas
e coladas no alvo “PM-L-4”, de acordo com os objetivos da instrução..
Em situações especiais de não existência, poderá ser confeccionado pelo professor e alunos, em
papelão comum, riscando-se o contorno da silhueta com pincel atômico, e, em seguida, sua caracterização
como seres humanos (“amigos”. “neutros” e “agressores”), da mesma forma que o de fábrica; isso é muito
simples de ser feito.
Está oficializado para toda a Corporação através do “M-19-PM” (“Capítulo V”, “item 12.0”; e
“anexo F”).
Abaixo, alguns modelos de alvos para “PPI” - “PPE” – “PPA”,
caracterizados a partir do alvo “PM-L-4”

ALVO “PM-L-4” “NEUTRO” “NEUTRO” “AGRESSOR”


ORIGINAL

“AGRESSOR” “AMIGO” “AMIGO” “SUSPEITO”

“AGRESSOR” “AGRESSOR” “AGRESSOR” “AMIGO”

Altura total da silhueta humana do alvo “PM-L-4”:- 82 cm.


Largura total (de cotovelo a cotovelo):- 56 cm.
GIRALDI
140

ANEXO 15

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“AVALIAÇÃO DO PROFESSOR FEITA PELO ALUNO”

CURSO/ESTÁGIO PARA:- ____________________________________________


(Instrutor ou Usuário)
LOCAL: _________________________________________________________________
PERÍODO: _______________________________________________________________
ARMA (S) UTILIZADA (S) __________________________________________________
COORDENADOR/RESPONSÁVEL:- _________________________________________

Prezado aluno:- Acrescente “sim” ou “não” à frente de cada pergunta, de acordo com
sua avaliação pessoal, acerca dos professores abaixo relacionados.
Não há necessidade de se identificar ou assinar; se quiser, faça-o.

PROFESSORES

QUESITOS

O professor
demonstrou
satisfação em
ensiná-lo?
Teve
postura e foi
constantemente
educado?
Conseguiu
fazer você
gostar da
matéria?
Serve como
modelo e
exemplo de
professor?

Gostaria de
tê-lo novamente
como professor?

Complementos:________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
141

(GIRALDI)
142

ANEXO 16

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

BREVÊ ®

(dobro do tamanho original)

Heráldica:- “Pomba em vôo”:- Sociedade ordeira.


“Triângulo do tiro”:- Atuação armada da Polícia em defesa da Sociedade.
“Cor branca”:- Paz; a preservação da vida como prioridade.
“Cor azul”:- Harmonia, equilíbrio.
“Cor laranja”:- Sempre alerta.

Obs.:-
1. Em hipótese alguma poderá ser alterado. Está registrado. É oficial.
2. Está à venda no comércio. Ver a última folha do manual do “Revólver”, ou da
“Pistola Semi-Automática .40S&W”, ou da “Metralhadora Portátil .40S&W”, constantes deste
“CD”.
3. O Nome “Método Giraldi” foi dado, e acrescentado pela PMESP. Tem validade
internacional. Está registrado.
143

ANEXO 17

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

ABAIXO, ALGUMAS QUALIDADES EXIGIDAS DO PROFESSOR DO “TIRO


DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”, “MÉTODO GIRALDI, E SUA
DOUTRINA PARA A ATUAÇÃO ARMADA DA POLÍCIA, E DO POLICIAL, COM
A FINALIDADE DE SERVIR E PROTEGER A SOCIEDADE, E A SI PRÓPRIO” ®

. Conhecer, gostar e saber aplicar o “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi, e
sua Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e Proteger a
Sociedade, e a si Próprio”.
. Mostrar ao aluno a importância da preservação da vida e da instrução de tiro.
.“Na vida nada é mais importante que a própria vida, e, se a instrução de tiro lida com a
vida e com a morte ela é a mais importante, de maior responsabilidade e conseqüências entre todas as
instruções” (Giraldi).
. Saber que o uso da arma de fogo, para servir e proteger a Sociedade, e a si próprio, é sempre em
reação à atitude do agressor contra a sua vítima. Sempre reação, nunca ação. Nessas ocasiões o policial
não a usa porque quer, mas porque é obrigado.
. Saber que a arma de fogo do policial é sinônimo de vida e não de morte.
. Ser modelo e exemplo para seus alunos.
. As pessoas tendem a agir da mesma forma com que são tratadas.
. O termo “policial” deve ser entendido como “adjetivo”, e não como “substantivo”.
. Antes do “policial” está o “homem”; a ”mulher”;
. “Homem policial”; “ mulher policial”; “ser humano policial”...
. Que ri, chora, sofre, tem limitações, dificuldades; tem sentimentos;
. É filho, pai, irmão, amigo...
. Tem que ser respeitado na sua dignidade.

. Ser educado e respeitar seus alunos.


. Pessoas respeitosas geram pessoas respeitosas.
.Imbecis geram imbecis.
. Jamais desmerecer o aluno.
. Respeitar a dignidade do aluno.
. Jamais humilhar o aluno.
. Jamais castigar o aluno.
. Flexões de braços, etc., são castigos; devem ser banidos.
. Durante explicações, os alunos ficam de costas para o sol.
. O professor de frente para o sol.
. Falar com tom de voz moderado; calmo, baixo; amigo; não agressivo.
. Ser paciencioso; comedido.
144

. Ser alegre; humilde.


. Não ser chato.
. Sorrir para os alunos, nos momentos certos.
. Encaixar piadas, nos momentos certos.
. Ser responsável; ter dignidade.
. Ter sempre uma mão amiga.
. Usar sempre palavras positivas.
Jamais negativas.
. Elogiar sempre o aluno pelos seus bons procedimentos.
. Dar-lhe, sempre, parabéns pelos seus procedimentos corretos.
. Trabalhar em cima do erro do aluno.
.Não desistir enquanto do aluno não aprender.
. Ausência total de imbecilidades.
.Imbecis geram imbecis; pessoas respeitosas geram pessoas respeitosas.
. Fizeram o aluno rastejar sobre um “formigueiro” – Aluno foi parar no hospital...
. Fizeram o tenente permanecer na água gelada – Morreu de hipotemia ...
. Não ser prepotente; não ser carrancudo; não fazer cara feia.
. O aluno deve ter respeito pelo professor; jamais medo.
. Falar pouco e com clareza; muita ação.
. Evitar estrangeirismos.
. Usar o mínimo de teoria e o máximo de prática; lembrar-se:-
“O que eu ouço, eu esqueço;
O que eu vejo, eu lembro;
O que eu faço, eu aprendo”.
. Não basta o aluno saber o que tem que fazer; tem que saber fazer.
. Tem que estar condicionado a fazer.

. Descer até o nível do aluno.


. Estimular o aluno a manifestar suas opiniões.
. Não querer mostrar o que sabe, mas o que o aluno precisa aprender, naquele instante.
. Simplificar, ao máximo, a instrução. “A simplicidade é a rainha da perfeição” (Giraldi). Não
complicá-la.
. Ensino e relacionamento humano completam-se.
. Capacidade para fazer o aluno aprender e gostar da matéria.
. Saber convencer o aluno de que a instrução de tiro é a mais importante entre todas as instruções.
Única que lida com a vida e com a morte.
. Que na vida nada é mais importante que a própria vida, e, se a instrução de tiro lida com a vida e
com a morte ela é a mais importante, de maior responsabilidade e conseqüências entre todas as instruções.
. Que a vida do aluno e a vida de pessoas inocentes dependerão dessa instrução.
. Cada aluno é um aluno com suas deficiências, qualidades, problemas.
. “Toque” firme, suave, e amigo no ombro do aluno.
145

. Cumprimento de “criança” entre professor/aluno/professor, nos momentos de grande tensão do


aluno, ou quando dos seus acertos.
. Estimular e permitir brincadeiras sadias, nos momentos certos.

. Constante preocupação com a segurança.


. Etc. etc. etc.
. O “Método Giraldi” não admite professores irresponsáveis, vagabundos, ou que não
tenham afinidade com a matéria.
. Exigir do aluno:-
. Que tenha vontade de aprender a preservar a sua vida e a sua liberdade;
. Se o aluno não tiver vontade de aprender, mandá-lo embora;
. Não perder tempo com aluno que não quer aprender.
. Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual,
rigorosa, em todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança.
Em seguida, com o semblante alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos, pela boa vontade,
disciplina, colaboração, capacidade para aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são
extraordinariamente importantes).
Fará comentários gerais sobre a instrução.
Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa ser melhorado.
Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais quando erramos
do que quando acertamos” (Giraldi).
Que alguns aprendem mais rápido do que outros e que isso é normal em todos os setores da vida;
que o importante é insistir até aprender; etc.
Estimulará os alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas
perguntas.
Antes de liberá-los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte. Em
seguida, um aperto de mão, um toque firme, suave e amigo no ombro de cada um deles, e um “-----
Até breve!” ou “---- Até a próxima oportunidade!”

Sempre, ao final da instrução do dia, o professor deverá fazer vistoria física e visual, rigorosa, em
todas as armas, para que só saiam do local descarregadas e em segurança. Em seguida, com o semblante
alegre, reunirá os alunos, elogiará a todos pela boa vontade, disciplina, colaboração, capacidade para
aprender, etc. (elogios e palavras de incentivo são extraordinariamente importantes). Fará comentários
gerais sobre a instrução. Destacará os pontos positivos da instrução; também os negativos e o que precisa
ser melhorado. Dirá que “o erro é professor do acerto; que, na maioria das vezes, aprendemos mais
quando erramos do que quando acertamos” (Giraldi). Que alguns aprendem mais rápido do que outros e
que isso é normal em todos os setores da vida; que o importante é insistir até aprender; etc. Estimulará os
alunos a fazerem perguntas; esclarecerá pontos duvidosos e responderá essas perguntas. Antes de liberá-
los solicitará uma salva de palmas para todos desejando-lhes boa sorte; em seguida um aperto de mão, um
toque firme, suave e amigo em cada um deles e um “----- Até breve!” ou “---- Até a próxima
oportunidade!” (ver item “20”, do Capítulo 02, deste manual.

Obs.:- Só encerrar a instrução do dia após aplicar o que está previsto no item “20”, do
Capítulo “02”, deste manual. GIRALDI
146

ANEXO 18
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI” ®
“REVÓLVER”
SÚMULA PARA EQUIPE DE DOIS ALUNOS EXECUTANDO A “PPA-PADRÃO” ®

DATA ................ / ................ / 2.00___ LOCAL ................................................................. FINALIDADE ..................................................................................


NOME DO ALUNO N.º 01 .................................................................................................................................................. POST/GRAD .......….........……..……..
RE .....................................……..... UNIDADE ....................................................................... REVÓLVER N.º ...................................
NOME DO ALUNO N.º 02 .................................................................................................................................................. POST/GRAD .......….........……..……..
RE .....................................……..... UNIDADE ..................................................................... REVÓLVER N.º ...................................
PONTUAÇÃO MÁXIMA POSSÍVEL DA EQUIPE ............................ PONTUAÇÃO OBTIDA ................................ NOTA/CONCEITO ..............................

“A” – PONTOS NOS ALVOS (PARA ATÉ 22 DISPAROS) – OS ALUNOS NÃO SABERÃO QUANTOS DISPAROS IRÃO EFETUAR
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 TOTAL

A
“A”, “B”, “C”, “D”, braço e mão que segura a arma; acerto na arma do agressor: 10 (dez)
VALORES DAS ZONAS DE PONTUAÇÃO: pontos

“E”, “F”, “G”, “H”: 05 (cinco) pontos. Não importa o aluno que efetuou o acerto.
“B” – PONTOS DOS PROCEDIMENTOS
10 (dez) pontos, positivos, para cada procedimento “certo”, de cada aluno.
Procedimento “errado”:- O aluno que errou deixa de ganhar esses 10 pontos.
Quando qualquer um dos alunos executar procedimento de forma errada o professor o interromperá, imediatamente, corrigindo-o e
anotando o erro na súmula (o aluno que errou deixará de ganhar os pontos desse procedimento). Feito isso o aluno será corrigido, pelo professor, e
repetirá, imediatamente, o procedimento que errou. Acertando-o prosseguirá na execução da “PPA”, e o professor anotará à frente do erro “OK”,
significando que o aluno aprendeu. O aluno não passará para o procedimento seguinte sem ter executado, corretamente, o anterior.
ALUNO Nº 01 ALUNO Nº 02
ABAIXO, PROCEDIMENTOS QUE SERÃO ANALISADOS CERTO ERRADO CERTO ERRADO

01. Mediante ordem, preparar o revólver para entrar em serviço, colocando-o no coldre,
pronto para ser usado (carregado, cão desarmado); coldre abotoado.
02. Sacar o revólver e colocar-se em proteção, com rapidez, em condições de atuar e disparar.
03. Proteção, varredura e saída dos abrigos “A”, “B” e “C”.
04. Progressões (todas as etapas).
05. Atuação no canto da esquerda do abrigo “D”
06. Atuação no canto da direita do abrigo “D”
07. Atuação na janela alta do abrigo “D”
08. Atuação na janela baixa do abrigo “D”
09. Dedo fora do gatilho quando dos deslocamentos, e quando não for para atirar.
10. Cano da arma, e olhar, sempre na direção do perigo.
11. Verbalizações com posições corretas da arma.
12. Atuar com a arma sempre carregada
13. Efetuar os disparos com rapidez, “semi visados” ou “intuitivos”, sempre de dois em dois,
em “ação dupla”.
14. Dar cobertura e não perder contato visual com o companheiro que atua em primeiro plano
15. “Cobrir”, sempre, o flanco desprotegido do companheiro.
16. Após pedido de “cobertura”, para o companheiro, recarregar a arma com rapidez,
protegido e sem perder o contato visual com a área de perigo. Deixar cair, ao solo, os
cartuchos extraídos do tambor, e o carregador rápido usado.
17. Regressões (todas as etapas)
18. Proteger-se, corretamente, nos demais procedimentos.
19. Aplicação e execução, correta, dos “sinais policiais”.

CONTINUA
147

CONTINUAÇÃO

CERTO ERRADO CERTO ERRADO

20. Atuação com necessidade de contato físico entre os integrantes da equipe.


21. Arma em “posição sul”, se o companheiro for cruzar ou estiver na “linha de tiro”.
22. Solução de incidentes de tiro.
23. Terminada a regressão, colocar o revólver no coldre, sem descarregá-lo, em segurança.
24. Mediante ordem, retirar o revólver do coldre, descarregá-lo, em segurança, entregando-o
ao professor, como se o estivesse entregando na reserva de armas ou a outro companheiro.
25. Cumprimento, sem necessidade de ordem, entre os dois alunos que acabaram de executar a pista.

TOTAL DOS PONTOS POSITIVOS DOS PROCEDIMENTOS DOS 2 ALUNOS B


“C” – PENALIDADES
10 (dez) pontos negativos para cada penalidade. Será marcada apenas para o aluno que a cometer ALUNO Nº 01 ALUNO Nº 02
01. Equipamentos mal ajustados ao corpo atrapalhando a execução dos exercícios.
02. Disparo, sem acerto, em alvo não atirável. Cada disparo uma penalidade. Ver item seguinte.
03. Acerto em alvo não atirável. Cada acerto duas penalidades. Ver item anterior.
04. Disparos no mesmo alvo, além do determinado (cada disparo a mais uma penalidade)
05. Deixar de disparar contra alvo agressor obrigatoriamente atirável (cada disparo uma penalidade).
06. Apontar a arma para pessoas já sabidamente inocentes, inclusive na direção de “refém tomado”.
07. Passar ou direcionar o cano da arma para o corpo do companheiro (duas penalidades, por vez).
08. Levar tombo (cair) sem manter o cano da arma para direção segura e o dedo fora do gatilho.
09. Derrubar o “carregador rápido” municiado.
10. Ultrapassar a arma, ou qualquer parte do corpo, para além da zona de segurança.
11. Não completar a pista por falta de munição (uma penalidade para cada tiro faltante).
12. Precipitar-se. Não pedir apoio à “central”, quando necessário.
TOTAL DOS PONTOS NEGATIVOS DAS PENALIDADES DOS 2 ALUNOS C
“D” – REPROVAÇÃO DA EQUIPE
Será reprovada a equipe cujo integrante cometer qualquer uma das seguintes “penalidades fatais”. ALUNO Nº 01 ALUNO Nº 02
01. Apresentar descontrole emocional
02. Atentar contra as normas de segurança
03. Demonstrar dificuldades no manejo ou na atuação com o revólver.
04. Disparar para fora do barranco de contenção dos projéteis.
05. Disparo acidental com ou sem vítima.
06. Derrubar a arma.
Caso ocorra uma ou mais dessas penalidades fatais os policiais, após voltarem à calma, e serem orientados, repetirão toda a “PPA”, modificada..

“E” – PONTUAÇÃO FINAL DA EQUIPE:– “A” mais “B” menos “C” E


“F” – NOTA OU CONCEITO FINAL DA EQUIPE
De 00 % à 49 % da pontuação máxima possível (de ________ a _______ pts : - “Insuficiente” Nota: Regra de três simples e direta
De 50% à 69% da pontuação máxima possível (de_________ a________ pts:- “Regular” NOTA__________________
De 70% à 84% da pontuação máxima possível (de_________ a________ pts:- “Bom” CONCEITO_____________________
De 85% à 95% da pontuação máxima possível (de_________ a________ pts:- “Muito bom” (PASSAR PARA O CABEÇALHO)
De 96% à 100% da pontuação máxima possível (de________ a_______ _pts:- “Excepcional”
Conceito ou nota mínima para aprovação da equipe, previamente estabelecida:- ___________
Caso a equipe seja reprovada, os policiais, após voltarem à calma, e serem ensinados pelo professor, repetirão toda a “PPA”, modificada.

“F” - NOTA OU CONCEITO FINAL DA EQUIPE (Passar para o cabeçalho) F

As. do aluno nº 01 As. do professor


........................................................................................... (Posto e nome legíveis)
As. do aluno nº 02
...........................................................................................
OBS.: - Preencher esta súmula em 02 vias; a 2ª pode ser xerox
ANEXAR ESTA SÚMULA AO “RIT” DO ALUNO.
Anotações no verso

(GIRALDI)
148

ANEXO 19

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

“REVÓLVER”
COMO PREENCHER A SÚMULA DE EQUIPE FORMADA POR DOIS ALUNOS 
01. CABEÇALHO:-
a. “DATA”:- Colocar a data da instrução (ou do evento).
b. “LOCAL”:- Unidade onde se localiza o “Centro de Treinamento para a Preservação da
Vida”, da “PPA-Padrão”, utilizada para realização da instrução (ou do evento).
c. “FINALIDADE”:- Colocar a finalidade da instrução (Ex.:- “Estágio de Multiplicador”;
“Curso de Instrutor”; “TAT”; “EAP de Tiro”; “Competição”; etc.).
d. “NOME DO ALUNO Nº 1”:- Nome completo, legível, destacando o nome de guerra. É
indiferente começar por um ou por outro aluno. Preencher os demais dados ali existentes.
e. “NOME DO ALUNO Nº 2”:- Idem.
f. “PONTUAÇÃO MÁXIMA POSSÍVEL” (DA EQUIPE):- É o resultado da soma da pontuação
máxima possível dos alvos (“A”); mais a dos procedimentos dos dois alunos (“B”). Ex.:- Se for uma
“PPA-Padrão” com 10 disparos obrigatórios (por parte dos dois alunos, em conjunto), e 25 procedimentos,
a pontuação máxima possível será de 600 pts. (100 pts. dos alvos, mais 500 pts. dos procedimentos
corretos – 250 de cada aluno).
g. “PONTUAÇÃO OBTIDA”:- Passar o resultado da letra “E”, da súmula, para este campo.
h. “NOTA OU CONCEITO FINAL DA EQUIPE”:- Passar o resultado da letra “F”, da súmula,
para este campo.
02. “A”- PONTOS NOS ALVOS:-
a. Quadrículas superiores:- Servem para “PPA-Padrão” com até 22 disparos. Ex.:- Se a
quantidade de disparos prevista for 10, vai só até a décima casa, desprezando as demais. Os alunos integrantes
da equipe não deverão saber, antecipadamente, quantos disparos efetuarão na “PPA-Padrão” (em confrontos
armados reais também não sabem, e a “PPA-Padrão” é uma simulação deles).
b. Quadrículas inferiores:- Para anotação do valor de cada impacto nos alvos atiráveis,
independente do aluno que o provocou. O disparo que não atingir alvo atirável deverá ser assinalado com
“zero”. O impacto que tangenciar zona superior de pontuação será nela considerado.
c. Valores das zonas de pontuação:-
1) Letras “A”; “B”; “C”; “D”; braço e mão que segura a arma; arma do agressor:- 10 pts.
2) Letras “E”; “F”; “G”; “H”:- 05 pts.
03. “B” – PONTOS DOS PROCEDIMENTOS:-
a. Procedimento “certo”, de cada aluno, será assinalado na coluna “CERTO”, do aluno que o
executou, com um “x”.
b. Procedimento “errado”, de cada aluno, será assinalado na coluna “ERRADO”, do aluno
que o executou, com um “x”.
1) Quando o aluno executar procedimento de forma errada o professor o interromperá,
imediatamente, anotando o erro na súmula (na coluna “ERRADO”, do aluno que errou). Em seguida o
ensinará a executá-lo corretamente. Feito isso, o aluno, com o companheiro, executará, novamente e
imediatamente, o procedimento que errou. Acertando-o prosseguirá na execução da “PPA-Padrão” e o
professor anotará, à frente do erro, a expressão “OK”, significando que o aluno aprendeu e o executou
corretamente; mesmo assim, o aluno que o errou, deixará de ganhar os pontos desse procedimento. O
aluno não poderá passar para o procedimento seguinte sem ter executado, corretamente, o anterior.
149

c. TOTAL DOS PONTOS POSITIVOS DOS PROCEDIMENTOS DOS 2 ALUNOS:-


Para cada procedimento “certo”, de cada aluno, 10 pts. positivos; é só somar. Procedimento “errado”
deixa de ganhar esses 10 pts. O procedimento será considerado “certo”, e terá 10 pts. positivos, quando o
aluno o executar, corretamente, já na primeira vez, mesmo que seu companheiro, em ação conjunta,
instantânea, o tenha errado (esse companheiro não terá os 10 pts. positivos).
Obs.:- Se, pelas circunstâncias da pista, não couber a um dos integrantes da equipe
executar procedimentos previstos na “súmula de avaliação” o mesmo deverá ser marcado como
“certo” na coluna correspondente ao seu nome.
04. “C” - PENALIDADES:-
a. 10 pts. negativos para cada penalidade. Será marcada apenas para o aluno que a cometer. Se
os dois alunos a cometerem ao mesmo tempo, será marcada uma para cada um.
b. Poderá haver mais de uma penalidade em um mesmo item (10 pts. negativos para cada
uma).
05. “D” – REPROVAÇÃO DA EQUIPE:-
a. A equipe será reprovada no momento em que um dos alunos que a integra (ou os dois, ao
mesmo tempo) cometer qualquer uma das “penalidades fatais” ali previstas.
b. O aluno que provocou a reprovação da equipe, após voltar à calma, e ser orientado pelo
professor de como atuar, corretamente, onde errou, executará novamente, com o seu companheiro, toda a
“PPA-Padrão”; para isso o professor fará alterações nos alvos, e nos “quadros”.
06. “E” – PONTUAÇÃO FINAL DA EQUIPE:- É o resultado da soma dos pontos obtidos nos
alvos atiráveis (“A”), mais os pontos dos procedimentos (“B”), menos os pontos das penalidades (“C”),
conseguidos pelos dois alunos, em conjunto. Em caso de reprovação a equipe, após ser ensinada pelo
professor, nos procedimentos em que errou, e voltar à calma, repetirá a avaliação, com os “alvos” e
“quadros” da “PPA” modificados.
07. “F” – NOTA OU CONCEITO FINAL DA EQUIPE:-
a. Transformação da pontuação final em nota ou conceito:- De acordo com o que está previsto
na súmula.
b. Para a equipe ser aprovada terá que obter a nota ou o conceito previamente estabelecido em
“currículo”, ou em outro documento oficial; caso não o consiga repetirá toda a “PPA-Padrão” em outra
oportunidade (podendo ser no mesmo dia); para isso o professor fará alterações nos alvos e nos “quadros”.
c. Caso a pontuação final da equipe (letra “E” da súmula) tenha que ser transformada em nota
(de zero a dez; ou de zero a cem); basta fazer uma regra de três simples e direta. A pontuação máxima
possível (letra “f” do item “1.”, retro) corresponderia à nota dez (se for de zero a dez) ou à nota cem (se
for de zero a cem). Basta fazer uma regra de três simples e direta em relação ao total de pontos obtidos
(letra “E”, retro). Ex.:- Pontuação máxima possível:- 600 pts. Pontuação final da equipe (letra “E”, da
súmula):- 480 pts. Faz-se uma regra de três simples, e direta, da seguinte forma:-
600 pts. corresponderiam à nota 100 (ou 10,0)
480 pts. corresponderiam à nota “x”
Multiplica-se 480 por 100 e divide-se o resultado por 600, achando o valor de “x”, que é 80 (ou
8,0). Portanto, nota 80 (ou nota 8,0).
08. SÚMULA:-
a. Deverá ser conferida e assinada pelos alunos. Deverá ter o posto/graduação, nome legível, e
assinatura do professor.
b. Anotações serão feitas no verso.
c. Será feita em duas vias (uma para cada aluno); a segunda pode ser cópia (carbono, xerox ou
cópia autêntica).
d. Quaisquer que sejam os resultados dos alunos suas súmulas deverão ser anexadas aos seus
“RIT”.
(GIRALDI)
150

ANEXO 20

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”


“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

REVÓLVER
EQUIPE - “PISTA POLICIAL DE APLICAÇÃO – PADRÃO”
ORIENTAÇÕES À EQUIPE ANTES DE SER AVALIADA NA “PPA-PADRÃO”
Deverá ser distribuída uma cópia, a cada policial, até 30 minutos antes de ser avaliado na “PPA-Padrão”

Aos integrantes da Equipe:-


. De acordo com o “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, através do
qual vocês foram instruídos, apliquem, na “PPA-Padrão”, tudo aquilo que vocês aprenderam relacionado
às suas atuações armadas em defesa própria e da Sociedade.
. Utilizem as suas armas da forma mais perfeita possível; apliquem, com seriedade, todos os
ensinamentos que lhe foram transmitidos.
. Dentro de instantes vocês irão participar de um confronto armado com os “agressores da
sociedade”, com possibilidades de “mortes” de ambos os lados (sentido figurado). Estejam atentos a tudo.
Desconfiem de tudo.
. Suas atuações e deslocamentos na “PPA-Padrão” serão idênticos aos que vocês aprenderam na “PPI-
Padrão”; as únicas diferenças serão os alvos e os “quadros” que poderão estar alterados ou mudados de lugar.
. Inicialmente, mediante voz de comando, vocês descerão da sua viatura protegendo-se no abrigo “A”,
progredirão pelo centro (entre os abrigos “B” e “C”) até o “D”. Atuarão em toda a pista, e regredirão, pelo centro,
ao abrigo “A” novamente.
. Para efeito de análise, no abrigo “D” cada um de vocês atuará, com o companheiro dando
cobertura, num dos lados (uma janela e um canto). Fica a critério de vocês a escolha.
. Fica a critério de vocês a forma de recarga a ser utilizada (“emergencial” ou “tática”).
. Quando da execução da pista, fica convencionado que, alvos, representado “agressores da
sociedade”, que estiverem apontando a arma para vocês é porque estão “atirando” contra vocês ou contra
terceiros. Efetuem 2 (dois) disparos rápidos contra cada um deles, se for o caso; nem sempre o é
(exemplo:- pessoas inocentes na mesma linha de tiro; agressor no meio do povo; etc.).
. Caso o “agressor da sociedade”, representado no alvo de papelão, estiver com a arma em outra
posição, que não apontada para vocês, não disparem contra ele; mantenham o cano da arma e o olhar na
direção do perigo; dedo fora do gatilho; e verbalizem, firme:- “----- Aqui é a polícia! Largue a arma! Mãos
na cabeça! Olhando para mim, caminhe na minha direção!” Etc. Dependendo da reação da pessoa em
atitude suspeita, representada no alvo, vocês darão continuidade às suas atuações.
. Lembrem-se:- O disparo, dentro da “legalidade”, tem que obedecer aos princípios da
“necessidade”, “oportunidade”, “proporcionalidade”, e “qualidade”. Um disparo desse jamais levará
seu autor a ser por ele condenado nos Tribunais.
. Mantenham o dedo fora do gatilho quando não for para atirar; o dedo só vai para o
gatilho no momento do disparo; executado o disparo volta para a sua posição normal que é
estendido junto a armação da arma. Evite tragédias mantendo o dedo fora do gatilho. Cano da
arma voltado sempre para direção segura ou do perigo (dedo fora do gatilho); olhar na direção do
perigo.
. Os disparos serão semi visados ou intuitivos, rápidos, com os dois olhos abertos.
. “Verbalizem” quando for o caso. A primeira frase da verbalização é:- “ Aqui é a polícia!”
Depois, esclareçam o que vocês desejam.
. “Negociem” quando for o caso. Apliquem, aqui, o que aprenderam.
151

. Apliquem os “sinais policiais”.


. Não apontem a arma para pessoas (alvos) inocentes (usem a “posição sul”).
. Não analisem as pessoas (alvos) pela cara, mas pelas intenções; é nas mãos que está o
perigo; concentrem seus olhares nas mãos das pessoas (dos alvos).
. Vocês receberão pontos positivos tanto pelos seus impactos nos alvos atiráveis como pelos seus
procedimentos corretos (vejam letras “A” e “B” da súmula que já está com vocês). Deixarão de ganhar
pontos se errarem o procedimento.
. Caso errem o procedimento serão interrompidos, imediatamente; o erro será anotado na súmula. Em
seguida, após serem corrigidos, executarão, novamente, o procedimento que erraram. Acertando-o prosseguirão
na execução da “PPA-Padrão”. Vocês não passarão para o procedimento seguinte sem ter executado,
corretamente, o anterior.
. Cuidado com as “penalidades” (letra “C” da súmula). Para cada uma vocês perderão 10 (dez) pontos.
. Em caso de reprovação, a equipe, após voltar à calma e ser ensinada pelo professor sobre os erros
cometidos, terá direito a uma segunda passagem, com os alvos e “quadros” da pista modificados..
. Cuidado com as “penalidades fatais” (letra “D” da súmula). Uma só, de qualquer um de vocês
reprovará, imediatamente, a Equipe.
. Pontuação final:- Ver letra “E” da súmula.
. O tempo para executar a “PPA-Padrão” será idêntico ao de uma atuação verdadeira; um menor
ou maior tempo não lhes dará mais ou menos pontos.
. Evitem a “precipitação”.
. Evitem a “valentia perigosa”; é uma “loteria”; poderá transformá-los num herói ou...
num defunto... ou num presidiário. E, tudo que é loteria, quando está em jogo a vida humana,
inclusive a sua, não deve ser tentado. Peçam apoio.
. Se houver incidentes de tiro tentem solucioná-los, com rapidez e sem ajuda.
. Apresentem-se para executar a pista armados (arma descarregada no coldre), equipados, com colete
balístico, protetor auricular e ocular; plaqueta de identificação no peito. “Súmula” nas mãos (cabeçalho
preenchido). Dois carregadores rápidos municiados com carga máxima (ou de acordo com ordens do professor),
nos porta carregadores, e um nas mãos, municiado com 06 cartuchos (será o primeiro a ser utilizado). Só
alimentem e carreguem a arma com ordem do professor; após fazê-lo coloquem-na no coldre.. Vocês não
saberão, antecipadamente, quantos disparos irão efetuar (quando vocês entram num confronto armado verdadeiro
também não sabem). Também não saberão o que irão encontrar na pista; sempre surpresa (como na vida real).
. Ao terminarem a pista coloquem a arma no coldre, ainda carregada, cão desarmado. Aguardem
ordens. O professor irá pedir para vocês entregarem a arma para ele (isso valerá pontos); façam-no de
acordo com o que vocês aprenderam. Em seguida ele a devolverá para vocês. Após recebê-la de volta,
mantenham-na vazia, no coldre, e cumprimentem-se (os integrantes da equipe se cumprimentam).
. Vocês poderão acompanhar o levantamento dos seus pontos nos alvos; sem tocar os alvos.
. Após o levantamento dos seus pontos nos alvos, e o preenchimento total da “súmula”, vocês
deverão conferi-la e assiná-la. Uma cópia será anexada aos seus “RIT”, juntamente com a “Súmula de
Análise Pessoal” (“Capítulo 03”, do manual do revólver).
. Após passarem pela pista assistam pelo menos os três próximos alunos a fazê-lo. Só saiam do
local com autorização do professor.
. Após passarem pela pista não a comentem com ninguém que ainda não a tenha executado; caso
isso ocorra vocês, e essa pessoa, serão eliminados e punidos disciplinarmente (“cola”). Lembrem-se:-
trata-se de um “teste” de avaliação importantíssimo; vidas inocentes futuras, inclusive as suas, poderão
depender desse “teste”.

“Somente avaliando a atuação do policial em “Pistas Policiais de Aplicação” é que se saberá se


ele está condições de atuar armado em defesa própria e da Sociedade; não há outra forma”. (Giraldi)

Ao final da instrução do dia o professor deverá aplicar o que está previsto no item “20”, do
“Capítulo 02”, deste manual.
(GIRALDI)
152

ANEXO 21
“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”
“MÉTODO GIRALDI” 
(Registrado e publicado)
Direitos autorais reservados

NILSON GIRALDI – CURRÍCULO


NILSON GIRALDI. Professor e educador. Coronel da Reserva da Polícia Militar do Estado
de São Paulo. Mais de 50 anos de experiência policial, de tiro, e de Segurança Pública.

Professor, Assessor e Consultor de:-


. “Educação”;
. “Preservação da Vida”;
. “Investimento e Valorização do Policial”;
. “Qualidade de Vida Voltada para o Policial”;
. “Relacionamento Humano e Familiar”;
. “Drogas” – “Dependência Química” – “Como evitar” – “Como abandonar”;
. “Segurança Pública”;
. “Confecção de Currículos Policiais” (Formação, Aperfeiçoamento; Especialização);
. “Os Direitos Humanos Aplicados à Função Policial”.
. “Os Direitos Humanos Aplicados à Função Policial Armada”
. “Os Direitos Humanos do Policial”;
. “Policiamento Comunitário”;
. “Procedimentos não Letais”;
. “Uso da Força e da Arma de Fogo pelas Forças de Segurança”;
. “Doutrina da Atuação Armada da Polícia para Servir e Proteger a Sociedade”;
. “Doutrina da Atuação Armada do Policial para Servir e Proteger a Sociedade”;
. “Centros de Treinamento para a Preservação da Vida”;
. “Ocorrências Policiais Complexas”;
. “Seqüestros”; “Seqüestros Relâmpagos”;
. “Ocorrências com Refém”; “Refém Tomado”;
. “Gerenciamento de Crises” – “Negociação”;
. “Reintegração de Posse de Áreas ou Locais Invadidos”;
. “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”;
. “Violência:- Causas, Estímulos, Soluções, Medidas Preventivas”;
. “Armas, Munições e Equipamentos”;
. “Tiro Policial”; “Tiro Prático”; “Tiro Olímpico”;
. “Tiro de Precisão com Armas Longas (“sniper”) e Curtas”;
. “Atirador de Elite”;
. “Segurança com Arma de Fogo”

O Cel e Professor Giraldi ministra cursos, estágios e palestras, de todas as suas especialidades, retro
mencionadas, a nível nacional e internacional, assim como, tem sido convidado, constantemente, pelos mais
diversos tipos de instituições e organizações, para atuar como professor, assessor e consultor dessas especialidades.
Idealizador e elaborador do “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e sua
“Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e Proteger a Sociedade, e a
si Próprio”, considerados, por especialistas internacionais, como os melhores do mundo, para polícias.
153

O “Método Giraldi” foi desenvolvido de acordo com os princípios da Carta da ONU para o assunto;
do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, dos Direitos Humanos, e do Policiamento Comunitário, cujos
integrantes o estão divulgando, recomendando e ensinando, internacionalmente.
Seu “Método” está, também, de acordo com as Leis, a Realidade e a Política Policial Brasileira,
assim como das dificuldades financeiras de nossas polícias, e das necessidades do policial para a sua atuação
armada com a finalidade de servir e proteger a Sociedade, e a si próprio.
Sua carreira de policial vai de soldado a coronel. Fez todos os cursos da Polícia Militar do Estado
de São Paulo, obtendo, sempre, o primeiro lugar. Depois foi professor de todos esses cursos.
Atualmente, entre outros, está professor do “Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores” da
Polícia Militar do Estado de São Paulo, ministrando aulas para alunos do “Curso Superior de Polícia” (doutorado
em polícia) e “Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais” (mestrado em polícia), ambos integrados por oficiais PM e
Delegados de Polícia. Também para tenentes coronéis dos “Cursos de Gestão Estratégica de Polícia Ostensiva”, e
outros cursos para oficiais superiores, intermediários, subalternos e praças.
Seu currículo profissional é complementado por dezenas de cursos de formação e de especialização
realizados dentro e fora do País.
Professor, Assessor e Consultor, da Polícia Militar do Estado de São Paulo, no “Tiro Defensivo na
Preservação da Vida”, “Método Giraldi”, e sua “Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a
Finalidade de Servir e Proteger a Sociedade, e a si Próprio”; e em assuntos relacionados às suas especialidades retro
mencionadas.
Professor, Assessor e Consultor do Comitê Internacional da Cruz Vermelha para o qual executa
trabalhos internacionais, em assuntos relacionados às suas especialidades retro mencionadas.
Coordenador e Executor dos cursos de “Tiro Defensivo na Preservação da Vida”, “Método Giraldi”,
e sua “Doutrina para a Atuação Armada da Polícia, e do Policial, com a Finalidade de Servir e Proteger a
Sociedade, e a si Próprio”, patrocinados pelo Ministério da Justiça, através da Secretaria Nacional de Segurança
Pública, e destinados a preparar multiplicadores do seu “Método” para todas as polícias do Brasil (Polícia Federal,
Rodoviária Federal, Militares e Civis). Também do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (DDHH), cuja
finalidade é divulgar, recomendar e ensinar o “Método Giraldi”, internacionalmente.
Policiais europeus, canadenses, americanos, latinos, e de todo o Brasil, têm comparecido, a São
Paulo, para aprender seu “Método”, sempre com total aprovação e elogios.
O Cel e Professor Giraldi tem prestado assessoria, consultoria e ministrado, com freqüência, seu
“Método” e suas especialidades, dentro e fora do País, sempre, com total sucesso.
Seu “Método” tem sido agregado aos “Seminários Latinos de Direitos Humanos”, patrocinados pelo
“Comitê Internacional da Cruz Vermelha” e “DDHH”, e destinados a professores policiais de toda a América
Latina, no capítulo referente ao “uso da força e da arma de fogo pelas forças de segurança”, e especialidades retro
mencionadas.
Atualmente, cursos de “Direitos Humanos” agregam o seu “Método” por considerá-lo
imprescindível ao seu complemento. Único, no mundo, a receber tal deferência. É a aplicação prática da teoria
ensinada e discutida em salas de aula, pois parte do princípio de que, “o maior desrespeito que se comete contra os
Direitos Humanos ocorre quando as armas dos policiais, destinadas a servir e proteger a Sociedade voltam-se contra
ela provocando vítimas inocentes ou atingindo pessoas contra as quais não havia necessidade de disparos”.
O “Método Giraldi” reduz em mais de 95% a morte de policiais em serviço (os outros quase 5% são
as fatalidades, quase impossíveis de serem evitadas), e, em 100% a morte de pessoas inocentes, provocada por
policiais em serviço; também daquelas contra as quais não há necessidade de disparos (agressores). Reduz em 100%
a perda da liberdade do policial, em virtude do uso incorreto de sua arma de fogo.
O Cel e Professor Giraldi é considerado o atirador esportivo mais completo do País em todos os
tempos, pois foi o único a conquistar títulos importantes nos três segmentos do tiro:- “Tiro Olímpico”, “Tiro
Prático” e “Tiro Policial”. Tem 45 títulos nacionais, com vários recordes; 125 estaduais e 8 internacionais, em três
dos quais igualou os respectivos recordes mundiais, isto é, 600 pontos, o máximo possível.
Todo o seu trabalho é um legado; não visa lucro ou qualquer recompensa que não seja
colaborar com as polícias, com os policiais e com a Sociedade. Está à disposição de todas as polícias e policiais

ANTONIO BAPTISTA
154

SECRETÁRIO

PÁGINA AVULSA
MELHORES FIRMAS E ENDEREÇOS PARA AQUISIÇÃO DE MATERIAIS DESTINADOS
AO “TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”, “MÉTODO GIRALDI”
...............................................................................................................................................................
ALVOS, OBRÉIAS, ETC.:-
“LCL” – COMÉRCIO DE ALVOS
RUA FLORIANO PEIXOTO, N° 304
SÃO CAETANO DO SUL – SP
TEL. 11 – 4226.4843 11 – 4224.3732 11 – 9997.5971
lcl@alvos.com.br
Obs.:- Envia por transportadora
................................................................................................................................................................
ARMAÇÕES DE FERRO, FIXAS E MÓVEIS, TODOS OS MODELOS (“Cainte Simples”; “cainte
duplo”; “subinte”; “abrinte”; “vira vira”; etc.):-
SERRALHERIA “MÁRIO MENCIA CAMPOS”
RUA FLORESTA, nº 7-33
BAURU – SP
17020-030
TEL. 14 – 3239.8959
Obs.:- Envia por transportadora
................................................................................................................................................................
BREVÊS DO “TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”, “MÉTODO GIRALDI”,
METÁLICO:-
“METALÚRGICA PANELLI LTDA” - RUA ALFREDO MAIA, Nº 318 - BAIRRO DA LUZ - SÃO
PAULO – SP - 01106-110 - TEL. 11- 228.4697 11 – 3313.2779
Obs.:- Envia por “sedex” ou transportadora
................................................................................................................................................................
BREVÊS DO “TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”, “MÉTODO GIRALDI”,
BORDADO:-
“STEFAN FLIEG LTDA” - RUA DA CONSOLAÇÃO, Nº 960 - SÃO PAULO – SP - 01302-000 -
TEL. 11 – 3256.9869 0800-100417
Obs.:- Envia por “sedex” ou transportadora
..................................................................................................................................................................
BREVÊ DO “TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”, “MÉTODO GIRALDI”,
EMBORRACHADO, SEM CORES, PARA USO EM UNIFORMES CAMUFLADOS E SIMILARES:-

“MAGALHÃES SUCUPIRA”:– QD 10 – BL “A” – LOJAS 39/40 – CRUZEIRO VELHO –


BRASÍLIA – DF – Tel. 61 – 3233.2863
“UNIMIL”:- QD 10 – BL “A” – LOJA 48 – CRUZEIRO VELHO – BRASÍLIA – DF – TEL. 61 –
3233.3419
Obs. Envia por “sedex” ou transportadora.
..................................................................................................................................................................
CONSTRUÇÃO, REFORMA E ADAPTAÇÃO DE LOCAIS PARA
INSTRUÇÃO PRÁTICA DO “MÉTODO GIRALDI”

Sr. Caio Corradini & Filhos - pforone@yahoo.com.br petizinha@ig.com.br


.....................................................................................................................................................................................

OBS.:- O CEL GIRALDI NÃO PARTICIPA DE QUALQUER PORCENTAGEM,


LUCRO OU VANTAGENS DAS VENDAS E SERVIÇOS.
155