Você está na página 1de 5

ARTIGO DO LIVRO PROFESSOR INOVADOR 2021

A NEUROCIÊNCIA NAS TECNOLOGIAS DIGITAIS E ASSISTIVAS:


COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O PROCESSO DE ENSINO E
APRENDIZAGEM NAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COTIDIANAS.

Simone Helen Drumond Ischkanian


Sandro Garabed Ischkanian

Introdução - As tecnologias assistivas esquadrinham reduzir as limitações pessoais das pessoas


com deficiência (PCD), podendo romper barreiras e aproximar a comunicação entre os sujeitos
envolvidos no processo ensino e aprendizagem. A neurociência aplicada às tecnologias digitais e
assistivas é uma importante contribuição para os processos cognitivos globalizantes nas práticas
pedagógicas cotidianas. A educação a que se refere o presente artigo é aquela capaz de despertar
competências e habilidades de aprendizagem com foco em uma educação que deve ter o dom de
despertar no indivíduo aquilo que ele tem de melhor para o desenvolvimento de seu senso crítico.
Nesse aspecto, Freire (1997) enfatiza que a arte de educar consiste em despertar e estimular no
educando suas potencialidades dormentes. Em outras palavras, a educação deve ser um estímulo
ao desenvolvimento do ser humano em toda a sua essência, capacitando-o para a vida. Desse
modo, poder-se-ia dizer que os projetos tecnológicos digitais e assistivos delineados na UEA,
estão alicerçados nessa visão globalizante e transformadora da educação. O resultado do ensino
tecnológico digital e tecnológico assistivo é a construção do novo, é a criação de uma atitude
questionadora para uma educação que reconstrói inquietações positivas para aflorar novos
conhecimentos pessoais, sociais e culturais. A visão do potencial humano como força propulsora
das transformações é um convite para sonhar novas rotas para o desenvolvimento humano,
ampliando a atuação do educador em relação ao conhecimento daqueles que o acompanham não
só na sala de aula, mas em qualquer ação educativa. A importância deste trabalho desenvolvido na
Universidade do Estado do Amazonas em parceria com o Centro Tecnológico do Amazonas e o
Programa Qualifica da SEMED, nas turmas 1 e 2 do curso de Tecnologias Educacionais para a
Docência em Educação Profissional e Tecnológica - EPT, destaca que é importante debruçamos
sobre diferentes contextos culturais, tentando compreender como as visões de mundo vão
apresentando diferentes propostas éticas e de que forma esses modelos passam a reger nossas
motivações e nossos atos. Mas, a relevância do curso está no diálogo com a alma humana,
apresentando princípios tecnológicos inovadores, metodologias e técnicas baseadas em valores
universais, fundamentando uma mudança interior dos educandos, que promove o surgimento de
uma ordem social mais compatível com a condição humana. A neurociência nas tecnologias
digitais e assistivas são capazes de mostrar qual é a melhor forma de tornar o aprendizado real em
sala de aula presencial e virtual, para que assim, os alunos da Universidade do Estado do
Amazonas realmente transcendam em seu conhecimento, afinal novas atitudes e práticas
contribuem com as mudanças e transformações que tanto buscamos para deixar o mundo melhor.

Objetivo – Evidenciar que as Tecnologias Digitais e Assistivas proporcionam aos educandos e à


pessoa com deficiência maior independência, qualidade de vida e inclusão igualitária, através da
ampliação de sua comunicação, mobilidade, controle de seu ambiente, desenvolvimento de
habilidades para um aprendizado globalizante em seus afazeres cotidianos, além da integração
progressiva com a família, amigos, educadores e sociedade.

Materiais e Método – O século XXI vem sendo marcado pela intensificação da globalização e
pela emergência de uma nova sociedade que se convencionou chamar de sociedade do
conhecimento. Nos últimos anos, tanto no Brasil como nos demais países, observa-se um
movimento vertiginoso de mudanças nos mais diferentes aspectos da sociedade. O processo de
globalização e o desenvolvimento tecnológico priorizaram modificações significativas no mundo
do trabalho, em que o desenvolvimento tecnológico é evidente e constante, e a importância
atribuída à informação e ao conhecimento é incontestável. A importância da “neurociência nas
tecnologias digitais e assistivas para o processo de ensino e aprendizagem nas praticas
pedagógicas cotidianas”, é inegável, visto que as novas ferramentas técnicas auxiliam o coletivo
educacional na otimização dos processos que envolvem as formas de aprender. O ensino com foco
nas tecnologias digitais e assistivas aguça fatores pertinentes à neurociência do pensamento
transformador, em espiral crescente, oportunizando um aprendizado global, tendo em vista que
estimula a autonomia dos estudantes no processo de aprendizagem; incentiva a interação entre
alunos e professores através de diálogos, debates e fóruns; promove o acréscimo do interesse dos
alunos e potencializa a criatividade pessoal de cada um. A tecnologia assistiva (TA) é vista como
uma verdadeira área do conhecimento, um conjunto de práticas, recursos, materiais, metodologias,
serviços, produtos e estratégias que visam aumentar a participação, inclusão social, autonomia,
qualidade de vida e independência das pessoas com deficiência, incapacidades, transtornos e
mobilidade reduzida. A Universidade do Estado do Amazonas - UEA destaca uma educação
coesa, afinal, ensinar é criar possibilidades para o pensar e, consequentemente, para o saber. É
praticando o pensar, através da pesquisa, que se projeta um caminho certeiro, pois a prática de
pensar é a raiz para a construção de um desenvolvimento intelectual tecnológico harmônico e
criativo, em que as diferenças não geram distanciamento, mas sim a possibilidade do exercício da
complementaridade, propondo uma trajetória flexível e integrada em direção a um mundo menos
violento, mais cooperativo, mais competente, viável e de paz.

Resultados – A sociedade moderna caracteriza-se por uma abundância de informação, associada à


sua globalização, num quadro de mudança permanente, em que o conhecimento científico também
está sofrendo alteração profunda, com a progressiva substituição do determinismo clássico por um
paradigma emergente, em uma nova abordagem científica da complexidade do ensino e
aprendizagem. Nesse sentido, o presente artigo proporcionou abordar sobre um novo contexto
educacional, destacando a relação entre neurociência e educação tecnológica, mostrando cada vez
mais, como o processo de aprendizagem do cérebro transcendente, quando estimulado
coesamente. A profissão de docente, a importância da relação professor-aluno e a conceituação de
competência e sua construção no ensino educacional, possibilitou concluir que atualmente é
imprescindível que o docente trabalhe buscando construir competências em seu dia a dia para
mediar possibilidades e capacidade para ir além do que está prescrito. À medida que as
tecnologias e a globalização expandem e se tornam cada vez mais próximas aos educandos, a
UEA oportuniza formações ao setor educacional do Amazonas, uma vez que este setor também
precisa encurtar a distância existente entre aluno e professor, fazendo dessa aproximação uma
forma de adquirir e estimular competências. A palavra competência tecnológica vem do latim e
pode ser definida como um elemento com direito ou qualidade legal para avaliar uma questão,
com capacidade de resolver qualquer assunto ou concorrência de mais de um indivíduo à mesma
pretensão. O conceito de competência tecnológica digital e competência tecnológica assistiva, são
como um saber agir com responsabilidade e reconhecimento, o que implica mobilizar, integrar,
transferir conhecimentos, recursos, habilidades, que agreguem valor social ao indivíduo. A
expressão do tema deste artigo “agregar valor” significa que o desenvolvimento e a combinação
das competências individuais devem resultar no desenvolvimento de competências individuais e
competências essenciais. As competências que delineiam as tecnologias enfocam na capacidade de
reconhecer a complexidade das situações e dos desafios cotidianos e de tomada de atitude frente a
isso, utilizando o conhecimento aprendido. É a junção do repertório de saberes, chamado por ele
de “recurso cognitivo”, com a capacidade de tomar decisões frente a situações problemas e
desafios, dos mais específicos aos mais cotidianos. Os professores do curso de Pós-Graduação em
Tecnologias da Universidade do Estado do Amazonas acreditam na capacidade do aluno de
construir ativamente o seu conhecimento, passa a considerá-lo o centro do processo de ensino e
aprendizagem, reconhecendo suas capacidades globais. O ambiente de aprendizagem virtual
(AVA UEA) permite que os educandos possam ser líderes, para processar a capacidade de criar,
inovar e aplicar a aprendizagem na sala de aula virtual e presencial, e em todo o ambiente de
trabalho. Conclusão - Vive-se hoje um momento extremamente importante no campo educacional
brasileiro. A introdução de reformas que querem consolidar a reorganização institucional e legal,
com iniciativas que visam concretizar o que a nova LDB prescreve, comporta mudanças decisivas,
estando a formação do aluno e do educador entre as mais importantes. A neurociência nas
tecnologias digitais e assistivas, como contribuição para o processo de ensino e aprendizagem nas
práticas pedagógicas cotidianas, transforma o distante em próximo, o estranho em familiar, o
desconhecido em conhecimento, com um discurso orientado pelo desejo de diálogo, que seja
compreensível e que atue no sentido de contribuir e aprofundar a compreensão do indivíduo sobre
o seu papel em sociedade. Dentre as tecnologias assistivas existentes, este artigo prioriza as
tecnologias da informação e comunicação presente coesamente no curso da EPT da Universidade
do Estado do Amazonas. Os resultados descrevem que o acesso às Tecnologias da Informação e
Comunicação (TIC) pelas pessoas com deficiência é um recurso que desencadeia transformações
sociais, além de mudanças na forma como o conhecimento é construído. Não se pode negar a
complexidade que envolve o ser humano e, no que se refere ao processo ensino-aprendizagem, as
implicações sociais, culturais, orgânicas, cognitivas, emocionais e espirituais. Em se tratando
dessa multirreferencialidade, são necessários a compreensão e o tratamento do ser humano como
ser-pessoa-aluno-educador, mas o trabalho docente nesta modalidade de ensino é ser capaz de
interligar uma série de premissas e promover o progresso da educação, ciência e cultura pelo
compartilhamento de informações e pela criação de novos meios de aprendizagem e
conhecimento. Conclui-se que os recursos tecnológicos saciam parte das limitações oriundas da
deficiência, minimizando as barreiras na comunicação e aprendizagem.

Palavras-chave: Educação Transformadora, Formação, Aprendizagem, Tecnologias.


Figura 1: Tecnologias Educacionais transformam a educação do Amazonas (SEMED – CETAM – UEA)
Fonte: Própria Autora

Referencias:

MORAN, J. M. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: ed. Papirus, 2012.

ISCHKANIAN, Simone Helen Drumond. As tecnologias touch screem na educação.


Disponível em : Google Académico - http://scholar.google.com.br › citations. Acesso em:
20/02/2021.