Você está na página 1de 33

Austin Osman Spare

Austin Osman Spare foi um dos artistas gráficos mais completos de seu tempo. Foi também um ocultista
altamente capacitado que praticava uma forma de magia característica dos iniciados do Caminho da Mão Esquerda
(este termo tem sido mal-interpretado pela maioria dos escritores ocultistas; no livro "Aleister Crowley and the
Hidden God", Kenneth Grant aborda o tema em questão adequadamente, explicando com maestria inquestionável
que o termo significa especìficamente "o Caminho utilizado por aqueles que se valem das energias sexuais para
adquirir controle dos mundos invisíveis"). Spare foi reconhecido como um Mestre deste Caminho por aqueles em
condição de avaliar tais práticas e iniciou o núcleo de um movimento conhecido como Zos Kia Cultus.

Não se deve pensar que basta ser iniciado de alguma fraternidade esotérica para se conseguir acesso à corrente
mágica deste Cultus, nem que isto foi fácil mesmo à época de Spare. Para se beneficiar desta poderosa prática de
magia, será necessário colocar-se em sintonia com o Espírito do Culto.

A vida pessoal de Spare, por mais interessante que seja, não acrescenta muito à sua obra; apesar disto,
forneceremos aqui alguns detalhes biográficos apenas para situà-la no tempo. Austin Osman Spare manteve um
interesse perpétuo sobre a teoria e a prática da bruxaria, que começou em sua infância em virtude de seu
relacionamento pessoal com sua babá, uma velha mulher do interior da Inglaterra chamada Paterson e que dizia ser
descendente direta de uma linhagem das famosas feiticeiras de Salem. Se analisarmos a obra de Spare,
reconheceremos nìtidamente a influência direta de uma corrente mágica vital que, certamente, só é transmitida por
via oral e que indiscutìvelmente só poderia ter sido ensinada por um iniciado de alguma antiga tradição oculta.

Etimologicamente, feitiçaria ou bruxaria significa "aprisionar espíritos dentro de um círculo". Não é a mesma coisa
que praticar "magia", que é a "arte de fazer 'encantamentos' ou 'fascínios'". Os métodos de Spare parecem
pertencer mais à bruxaria que à magia, embora certamente envolvam ambas as técnicas.

Para Spare, do mesmo modo que para Aleister Crowley, a sexualidade é o centro da bruxaria e da magia, e é a
chave para ambos os sistemas. Entretanto, se para Spare a bruxaria é um meio de realização do prazer, de
transformação da velhice em juventude, de feiura em beleza, da natureza em arte, para Crowley ela é um meio de
adquirir e irradiar poder, transformando a fraqueza em força e a ignorância em conhecimento. Ambos tiveram seus
preceptores: Crowley foi fortemente influenciado por MacGregor Mathers, Grão-Mestre da antiga Ordem Hermética
da Aurora Dourada, uma pessoa de energia marcial, enquanto Spare foi grandemente influenciado por uma
feiticeira, Paterson, a bruxa arquetípica, velha e feia, que podia transmutar-se numa criatura de extraordinário poder
de sedução a seu bel-prazer.

Crowley e Spare foram atraídos cada qual por diferentes gurus que influenciaram tanto seu caráter quanto sua obra.
Isto explica porque Spare ficou tão pouco tempo na 'Fraternidade da Estrela de Prata' (Brotherhood of the Silver Star,
ou A\A\ - Argenteum Astrum, fundada por Aleister Crowley a partir dos ensinamentos da Golden Dawn, Aurora
Dourada, e para a qual Spare entrou em 10 de julho de 1910 com o motto de Yihoveaum, que significa "Eu Sou
AUM", 'eu sou a eternidade'): a disciplina que era exigida por Crowley para os membros de sua fraternidade não
combinava com a concepção de liberdade de Spare, que consistia na expressão artística irrestrita do "sonho
inerente" que é, de certa forma, idêntico à Verdadeira Vontade (Thelema) formulada por Crowley. Para Spare,
entretanto, a transformação deste "sonho inerente" em algo real exigia um tipo de liberdade diferente daquela
idealizada por Crowley. O resultado foi que Crowley, dois anos antes de sua morte em 1947, perguntado sobre o que
achava de Spare, respondeu que este se havia tornado um 'irmão negro' (mago negro, um termo usado em
ocultismo para representar alguém que deliberadamente se afasta da corrente evolutiva, passando a considerar
como objetivo primordial o culto à sua personalidade) pelo cultivo do 'auto-amor' através do prazer. Se Crowley
tinha ou não razão acaba não prejudicando o fato de que a contribuição de Spare para o moderno ocultismo foi tão
grande quanto sua arte. Em duas ocasiões anteriores, em 1921 e em 1923, Crowley escrevera que seu discípulo
"aprendeu muito do 'Livro da Lei' (que forma a base do Culto de Thelema de Crowley, psicografado pelo mesmo no
Cairo em 1904 a partir da comunicação astral com uma entidade chamada Aiwass); o resto é um mistura de The
Book of Lies (escrito por Crowley em 1913) com William Blake, Nietzsche e o Tao Teh King" e que "seu Livro parece-
me ainda melhor e mais profundo do que quando o li pela primeira vez." Estas declarações de Crowley sobre Spare
são muito interessantes porque mostram que o primeiro considerava o segundo como seu aluno de ocultismo, além
de o ter em alta consideração por ter o mesmo baseado suas teorias na mesma tradição oculta que Crowley
ensinava, embora de uma forma um tanto diversa.

Seis ou sete anos antes da publicação de The Focus of Life, Spare publicou em edição do autor seu livro The Book of
Pleasure (Self-Love), The Psychology of Ecstasy. Ambos eram e ainda são muito difíceis de se conseguir. Além disto,
eles são igualmente difíceis de se entender, a não ser que se tenha a chave do sistema oculto proposto por eles.

Enquanto identificado com sua bruxaria, Spare usava o nome iniciático (motto) de Zos vel Thanatos, ou
simplesmente Zos. Este indica a natureza de sua preocupação maior, sua obsessão primária: o corpo e a morte.
'Zos' era definido por ele como "o corpo considerado como um todo" e nisto ele incluía corpo, mente e alma; o corpo
era o alambique de sua bruxaria. Seu outro símbolo chave, 'Kia', representa o "Eu Atmosférico", o Eu Cósmico ou Eu
Superior, que utiliza 'Zos' como seu campo de manifestação.

O culto de Zos e Kia envolve a interação polarizada da energia sexual em suas correntes positiva e negativa,
simbolizada antropomòrficamente pela mão e pelo olho. Estes são os intrumentos mágicos utilizados pelo feiticeiro
para invocar as energias primais latentes em seu inconsciente. A mão e o olho, Zos e Kia, 'Toque-Total' e 'Visão-
Total', são os instrumentos mágicos do Id, o desejo primal ou obsessão inata que Zos está sempre buscando para
corporificá-la em carne. O sistema de Spare assemelha-se a algumas técnicas dos iógues hindus e a certas práticas
da escola Ch'an (Zen) do Budismo chinês (o budismo puro praticado durante a dinastia T'ang), embora existam
diferenças importantes. O objetivo da meditação é abolir as transformações do princípio pensante (v. a definição de
Yoga de Patanjali - Sutras de Yoga, 1, 2), de modo que a mente individual atinja o estado não-conceitual e se
dissolva na Consciência indiferenciada. No Culto de Zos Kia, o corpo (Zos) se torna sensível a todos os impulsos da
onda cósmica, de modo a "ser todo sensação" para realizar todas as coisas simultâneamente em carne 'agora'. Esta
pode ter sido a explicação mágica da doutrina do Cristo carnalizado ("...este é o meu Corpo; tomai e comei dele
todos...") que os últimos Gnósticos, por não a compreenderem adequadamente, denunciaram como uma perversão
da Gnose genuína.

Nem sempre Spare definiu claramente os termos por ele criados; entretanto, ele sabia exatamente o que quis dizer
com eles. Infelizmente, a gramática não era o seu forte e muito do que parece obscuro em seus escritos se deve a
esta dificuldade. O Culto de Zos Kia parece postular uma interpretação literal (isto é, física) da identidade entre
Samsara e Nirvana (samsara = existência fenomenal ou objetiva; sua contraparte é nirvana, que é a subjetivação da
existência e, portanto, sua negação fenomenal ou objetiva). Por outro lado, os termos 'corpo', ou 'carne', podem
denotar o 'corpo adamantino' (ou dharma-kaya, uma expressão budista que é sinônimo de "Nada"; o neti-neti dos
budistas, ou o 'nem isto, nem aquilo' no sistema de Spare) e sua realização como o universo inteiro, neste exato
momento e sensorialmente. O símbolo histórico supremo deste conceito é a imagem de Yab-Yum do Budismo
Tântrico. Ela representa o nada (Kia) ensaiando sua união abençoada com o corpo (Zos). No Culto de Zos Kia, isto é
realizável através da carne, enquanto no Budismo Ch'an (Zen) esta união é mental. Assim, tanto no Zen quanto no
Zos o objetivo é o mesmo, embora os meios variem.

O sistema de Spare também sugere uma nova obeah, uma ciência de atavismos ressurgentes, uma magia primal
baseada na obsessão e no êxtase. O subconsciente, impregnado por um símbolo do desejo, é energizado pelos
êxtases reverberantes na suposição de que a profundeza primal, o Vazio, responda a antigas nostalgias revivendo
suas 'crenças' obsessivas originais. O "Alfabeto do Desejo" (onde cada letra representa um princípio sexual, um
impulso dinâmico) foi desenvolvido por Spare para sonorizar gràficamente estes atavismos e, quando o
florescimento do símbolo acontece, a explosão de êxtase é a realização de Zos.

Em seu livro "Anotações sobre Letras Sagradas" Spare diz que: "as letras sagradas preservam a crença do Ego, de
modo que a crença retorne contìnuamente ao subconsciente até romper a resistência. Seu significado escapa à
razão, embora seja compreendido pela emoção. Cada letra, em seu aspecto pictórico, se relaciona a um princípio
Sexual... Vinte e duas letras que correspondem a uma causa primeira. Cada uma delas análoga a uma idéia de
desejo, formando uma cosmogonia simbólica."

Estas vinte e duas letras, embora não sejam dadas consecutivamente nem inteiramente em quaisquer dos escritos
de Spare, sem dúvida se equiparam de alguma forma com as vinte e duas cartas do Tarot, ou Livro de Thoth de
Aleister Crowley e aos vinte e dois caminhos da Árvore Cabalística da Vida; elas são, de fato, as chaves primitivas da
magia. Também existe uma possível afinidade com as onze posições lunares de poder refletidas, ou dobradas, nas
noites claras ou escuras do ciclo lunar. O conhecimento secreto destas vinte e duas zonas de poder celestial e sua
relação com o ciclo mensal da mulher formam uma parte vital da antiga Tradição Draconiana sobre a qual o Culto de
Zos Kia se baseia.

Austin Osman Spare


e o Atavismo
por Kenneth Grant

ATAVISMO significa "reversão a um tipo remoto". Aplicado aos seres humanos, atavismo é o ressurgimento das
características de um certo ancestral (ou ancestrais) após um lapso de tempo que pode ser de várias gerações. As
implicações são quase sempre de algo incompleto e assustador, e a idéia foi utilizada em muita histórias de terror.

Em um sentido mais amplo, o termo atavismo é usado por ocultistas para designar a reaparição de características
que vêm de tanto tempo que chegam a constituir reencarnações, ou incorporações frescas, de uma consciência pré-
humana. Coisas vindas do tempo de criaturas semi-humanas e semi-bestiais. Atavismos deste tipo são muito raros,
e nem sempre emergem espontaneamente.

Uma fórmula para atingir estas profundezas remotas da mente foi descoberta por Austin Osman Spare. Spare foi um
artista, membro de um grupo ocultista chamado Golden Dawn (Aurora Dourada), que floresceu nos primeiros anos
deste século e que ensinava 'assunção de formas-Divindade' nos moldes da antiga magia egípcia, na qual o mago
tenta fundir sua consciência com a de um deus, normalmente imaginado sob forma animal.

A "fórmula de resssurgência atávica" de Spare se baseava no uso de figuras simbólicas, que davam uma forma
visível a vários impulsos e desejos atávicos das profundezas da mente. Ele afirmava que precisava apenas visualizar
uma das figuras para que o impulso atávico surgisse. Um exemplo dado por ele fala sobre uma ocasião em que ele
necessitava mover um pesado monte de lenha, sem ninguém para ajudá-lo.

Spare fechou seus olhos por alguns momentos e visualizou uma figura que simbolizava um desejo pela força dos
tigres. Quase imediatamente, sentiu uma resposta interior. Então sentiu repentinamente um aumento de energia
fluindo através de seu corpo. Durante um momento, sentiu-se como um arbusto curvado pela força de um vendaval.
Com grande força de vontade, ele se acalmou e direcionou a força ao objeto apropriado. Sentiu uma grande calma e
se descobriu capaz de carregar facilmente a lenha.

Em outra ocasião, duas pessoas pressionaram Spare para que ele conjurasse um espírito atávico sob uma forma
visível. Ele os avisou dos perigos envolvidos, explicando que tais criaturas existem dentro da mente, em níveis não
normalmente em comunicação com o consciente, e que seria tolo evocá-las porque incorporavam os instintos e
desejos atávicos de quem quer que o contemplasse. Mas o casal insistiu. Spare utilizou novamente seu método da
figura simbólica. Ele fechou os olhos e esperou. Não demorou muito para que uma substância esverdeada, como
tênues algas, começasse a invadir o recinto, obscurecendo parcialmente os objetos que ele continha. A substância
parecia uma massa de vapor em forma de espiral, que lentamente se congelava sob uma forma definida. Foi
ganhando mais e mais substância a cada momento, até que os diletantes imploraram a Spare para que a banisse.
Antes porém que ela se desvanecesse, ainda puderam enxergar um enorme rosto espreitando para fora da névoa,
com olhos semelhantes a poços de óleo negro em chamas.

Spare morreu em 1956, em um quarto de porão em Brixton (Inglaterra), pobre e desconhecido.

Austin Osman Spare

e os Sigilos
"Os Sigilos são a arte de acreditar, minha invenção
para tornar orgânica a crença, logo, crença verdadeira"
('O Livro do Prazer', A. O. Spare)

Os Sigilos e o Alfabeto do Desejo são utilizados especìficamente para propiciar o acontecimento de duas coisas:

1. Comunhão efetiva com os elementares existentes nos níveis subconscientes;


2. A colocação do desejo em tais níveis sem que a mente consciente esteja alerta desta transação, pois "o
desejo consciente não é atrativo".

"Minha fórmula e Sigilos para a atividade subconsciente são os meios de inspiração, de capacitação e de
genialidade, além de serem os meios para acelerar a evolução. São uma economia de energia e um método de
aprendizado através do prazer. Pelos Sigilos e pela aquisição da vacuidade, qualquer encarnação ou experiência
passada pode ser trazida à consciência."

Utiliza-se o alfabeto comum para a construção de sigilos. Spare nos dá como exemplo o desejo de uma força super-
humana que ele formula da seguinte maneira: "eu desejo a força de meus tigres". De modo a sigilizar este desejo,
coloque num pedaço de papel todas as letras que compõem a sentença, omitindo as repetições de letras. A
seqüência resultante de letras é "EUDSJOA FRÇMTIG" que devem ser combinadas para formar um glifo único. O
desejo, assim sigilizado, deve então ser esquecido; isto equivale a dizer que a mente deve desistir de pensar sobre
ele em qualquer outro momento além do tempo do ritual mágico, pois "a crença se torna verdadeira e vital por sua
retenção na consciência através da forma do sigilo e não pela retenção da fé. A crença se exaure pela não-
resistência, isto é, pela consciência. Creia não acreditar e então você obterá a existência do seu desejo."

Através da virtude do Sigilo você será capaz de enviar o seu desejo ao subconsciente (que contém toda a força);
isto acontecendo, a realização do desejo ocorrerá pela manifestação do conhecimento ou do poder necessários."

"Todo desejo, quer de Prazer, Conhecimento ou Poder, que não consegue encontrar sua expressão natural, pode
realizar-se através de Sigilos e sua fórmula no subconsciente. Os Sigilos são meios de se dirigir e unir as crenças
parcialmente livres a um desejo orgânico, que é a sua carruagem até que sua finalidade seja atingida no Eu
subconsciente, bem como são também os meios de reencarnação no Ego. Todo pensamento pode ser expressado
através de uma forma numa equivalência verdadeira. Os Sigilos são monogramas do pensamento para dirigir a
energia relativa aos Karmas; um método matemático de simbolizar o desejo, dando-lhe uma forma que tem a
virtude de impedir qualquer pensamento ou associação sobre este desejo particular (no momento mágico),
escapando da percepção do Ego, de modo que este não retenha ou se apegue a este desejo para uso de suas
próprias imagens, lembranças e preocupações transitórias, permitindo seu livre acesso ao subconsciente."

A energização deste Sigilo deve acontecer num momento especial, conforme pode ser visto na fórmula de Spare.
Ele a descreve em seu "Grimório": "...deve-se usar uma urna de formato e dimensões adequadas para abrigar o
'lingam' utilizado, de modo que haja vácuo suficiente. No momento do orgasmo, o desejo deve ser formulado
imperativamente. Após a ejaculação, sele o vaso com o seu sigilo contendo a fórmula secreta do seu desejo.
Enterre-o à meia-noite com a lua no quarto-crescente ou quarto-mingüante. Quando chegar a Lua Nova, desenterre
o vaso, derrame seu conteúdo em libação sobre a terra com o encantamento apropriado e, então, reenterre-o (o
encantamento adequado consiste numa nova ejaculação sobre o conteúdo da urna). Esta é a fórmula mais
formidável já praticada, pois nunca falha, embora seja perigosa...Portanto, o que não está aqui descrito deve ser
imaginado. Desta fórmula é que se originou a lenda dos "gênios do vaso de latão" associada a Salomão!"

Não é necessário acrescentar que o poder não está verdadeiramente no sigilo em si, que é simplesmente o veículo
do desejo, mas na intenção com que ele é despachado para o vazio no momento da exaustão. Qualquer glifo,
pessoal ou tradicional, pode ser utilizado como sigilo. Se for pessoal, ele deve ser o veículo específico do desejo e
desenhado com esta ùnica intenção; se tradicional, ele deve ter recebido uma nova direção capaz de consagrá-lo
para seu objetivo secreto.

"Não há nada mais simples que falar com o seu Ser interior, embora seja ao mesmo tempo muito complexo. A
primeira condição é Segredo, Silêncio e Solidão. A seguir, um meio de comunicação. Eu criei meu próprio Alfabeto e
Linguagem baseados na onomatopéia primal da língua que é agora uma qualidade subconsciente e que se expressa
apenas através de grande emoção... De fato, os elos ativos entre todas as imagens de pensamento são
interiormente audíveis. A Alma responde apenas a esta linguagem básica. Finalmente, deve ser atingida uma calma
de corpo e de consciência: a mente deve estar limpa de todos os conceitos não incluídos no desejo em si."

O Alfabeto do Desejo consiste nos elementos de uma linguagem sutil que não pode ser ensinada nem aprendida,
pois se trata duma linguagem de outro plano: ela é uma glifagem fluente do desejo num nível de intensa emoção
sepultada profundamente nos planos subconscientes da psique.

Os gestos, atitudes ou mudras, a secreta linguagem de sinais do desejo, não são tradutíveis em termos intelectuais
ou do pensamento discursivo. Eles só podem ser apreendidos pela compreensão da arte de Spare que é, de fato, a
arte de Zos, "o corpo considerado como um todo".

Seria incorreto dizer que este alfabeto faz algum sentido na prática, pois ele não tem qualquer significado no plano
lógico. O importante é que seu usuário crie dentro de si um novo sentido estético, de modo a ser guiado num
labirinto onde ele penetrará nos mistérios dos 'alinhamentos sagrados'. Isto proporcionar-lhe-á uma assimilação-
relâmpago de sujeito e objeto num estado invisível e desconhecido de 'nem isto, nem aquilo', chamado
simplesmente de 'auto-amor' (Self-love) apenas pela ausência de um termo plenamente capaz de explicá-lo.

O Alfabeto do Desejo pode, portanto, ser descrito como uma guirlanda de letras místicas ao redor da garganta da
Deusa. "Asseguro que este Auto-amor é um dos rituais mais secretos escondido por ideogramas blasfemos; e, quem
o invocar, pronunciando a palavra corajosamente, verá toda a criação das mulheres correr em sua direção". Em
outras palavras, ele conhecerá os alinhamentos sagrados e, tendo absorvido seus corpos femininos, que estão
sempre se projetando, "ele conseguirá atingir a verdadeira extensão de seu corpo", iniciando-se na Nova
Sexualidade.

É por este motivo que o devoto da Deusa no Culto de Zos Kia utiliza o Alfabeto Sagrado e, com as palavras de poder
geradas por suas letras, ele evoca o Id primal.

Esta foi a Deusa celebrada por Spare em sua arte, e ele "caminhou com Ela pelo caminho correto".

A Postura da Morte
& a Nova Sexualidade

Desde tempos imemoriais, a partir do culto místico à múmia no Antigo Egito até o ritual da assunção de formas
divinas praticado na Aurora Dourada (Golden Dawn), quando o Adepto Chefe (Sumo Sacerdote) simulava o papel de
Christian Rosenkreutz e se deitava no túmulo (pastos), pronto para a ressurreição, o conceito de morte tem sido
inseparável do de sexo.
A ilustração intitulada "A Postura da Morte", que forma o fronstispício do "Livro do Prazer", de Austin Osman Spare,
contém, numa forma alegórica, a doutrina completa da Nova Sexualidade.

A figura de Zos (o nome Zos não apenas é o nome mágico de Austin Osman Spare, como ele também considera no
"Livro do Prazer" que "o corpo considerado como um todo eu o chamo de Zos") está sentada à uma mesa circular
repleta de imagens estranhas. Sua mão direita está pousada em seu rosto, selando a boca e impedindo o fluxo de
ar (força vital) através das narinas; seus olhos se concentram com intensidade fixa em VOCÊ - a testemunha. Com
sua mão esquerda ele escreve os caracteres místicos que materializam seus desejos sob a forma de "sigilos". A
identidade da mão com a serpente (isto é, phallus) é inequívoca. Ao redor desta figura, encontram-se as
inumeráveis imagens de desejos passados, disfarçados sob formas humanas ou bestiais, elementares ou incomuns,
algumas delas transfixadas pelo metal do ódio, outras elevadas pela sua mão direita ao local do amor, outras tantas
em atitudes de entrega feliz, contemplativa ou sedutora, uma outra brilha através duma máscara impenetrável de
êxtase interior, transcendendo a dualidade por um tipo de prazer além da compreensão. Diante de Zos, acima dele e
à sua esquerda, encontram-se os crânios dos mortos. O crânio, emblema da morte, está colocado em lugar de
destaque, envolto em seus cabelos desalinhados. A idéia é a de que a morte domina o pensamento ou, mais
exatamente, todo pensamento é morto, totalmente nulo, e um nada intensamente hipnótico emana de seus olhos
fixos no além; e, sob estes olhos, a mão sustenta a cabeça da mesma forma que um pedestal a um cálice.

Os dois instrumentos mágicos, o Olho e a Mão, estão submissos à morte; eles cumpriram seu objetivo único e
encontraram a apoteose na aniquilação. Nenhuma respiração (princípio vital, prana) faz com que as formas imóveis
à sua volta se mexam. Está implícito um estado de suspensão animada que simula a Morte (qhe, thané). A Morte ou
thané é o motto (nome mágico ou iniciático) de Zos (Austin Osman Spare), cujo nome mágico completo era Zos vel
Thanatos. Ele diz, em seu "Inferno Terrestre" escrito em 1905, que "a Morte é Tudo".

Todas as religiões e cultos mágicos da antiguidade enfatizavam a idéia de morte, que era interpretada como um
nascimento num outro plano da existência. Túmulo e útero eram termos intercambiáveis que denotavam as idas e
vindas do ego em vários níveis ou planos da realidade, com o objetivo de fazer cumprir as leis do karma decretado
pelo destino. A Morte é "a vinda daquilo que foi reprimido; o tornar-se pelo ir além, a grande chance: uma aventura
na Vontade que se traduz no corpo". Esta é a chave para a Postura da Morte, na verdade uma impostura, uma
simulação de morte com o objetivo de permitir que o sonho reprimido emerja e se corporifique, se transforme em
realidade.

Entretanto, a Postura da Morte é mais que uma simulação ritual da Morte, do mesmo modo que no ritual supremo
da Maçonaria há (ou deveria haver) uma verdadeira ressurreição nascida da ressurreição teatral ensaiada com o
objetivo de externar a verdade interior.

No "Alfabeto dos Símbolos Sensoriais" que Spare idealizou para formar a base de sua Linguagem do Desejo, um
símbolo representa o Ego, ou princípio da dualidade, enquanto outro representa a "Postura da Morte", a dissolução
da dualidade no estado sem forma da Consciência Absoluta.

A "sensação preliminar" da Postura da Morte (conforme "O Livro do Prazer") é um ótimo exemplo da habilidade de
Spare de "visualizar a sensação"). A figura está curvada sobre si mesma num "estado de graça" de concentração
interior e a "Estrela da Vontade" brilha em seu coração nas suas seis cores; a mão direita cinge uma arma invisível.
A mão simboliza a Vontade Criativa e os Olhos, que simbolizam tanto desejo quanto imaginação, estão fechados ou
cobertos. É fácil interpretar a gravura em questão como significativa de um intenso poder preso dentro do corpo que
será liberado através de uma explosão que tomará uma forma desejada. É através da união entre vida e morte,
entre a corrente ativa da Vontade e a corrente passiva da Imaginação, a união de Mão e Olho, que nasce o conceito
da Nova Sexualidade. A compreensão plena da Postura da Morte leva à plena compreensão da sexualidade primal,
irrestrita e "nova" (no sentido de "revigorante").

Spare descreve a Postura da Morte como "uma simulação da morte através da negação absoluta do pensamento,
isto é, a prevenção da transformação do desejo em crença manipulada por aquele, e a canalização de toda a
consciência através da sexualidade". "Pela Postura da Morte, permitimos que o corpo se manifeste
espontâneamente, impedindo a ação arbitrária, causada pelo pensamento. Só os que estão inconscientes de suas
ações têm coragem para ir além do bem e do mal, em sua sabedoria pura de sono profundo".

Para se assumir corretamente esta postura é necessário "re-lembrar-se" (em inglês, um jogo de palavras com re-
member, isto é, lembrar-se para transformar outra vez em membro ou parte integrante) daquela parte distante da
memória subconsciente onde o conhecimento se transforma em instinto e, daí, em curso forçado, ou lei. Neste
momento, que é o momento da geração do Grande Desejo, a inspiração flui da fonte do sexo, da Deusa primordial
que existe no coração da matéria. "A inspiração sempre acontece num instante de esvaziamento da mente e a
maioria das grandes descobertas é acidental, acontecendo geralmente após uma exaustão mental", isto é, quando o
"conhecimento" consciente foi descartado e a percepção puramente instintiva tomou o seu lugar.

A Postura da Morte é o somatório de quatro gestos (mudras) principais que constituem os sortilégios mágicos de
Zos. Vontade, Desejo e Crença constituem uma unidade tripartite capaz de estremecer o subconsciente, forçando-o
a ceder o seu potencial criativo. Este varia de acordo com a natureza do desejo e da quantidade de crença "livre"
que o sigilo contem. Os métodos de energização da crença variam, mas a imaginação sugere o melhor deles. Em
outras palavras, seja espontâneo, não dê espaço ao pensamento. Para reificar (transformar em algo real) o sonho
ou desejo, Spare utiliza a mão e o olho. A nostalgia intensa faz com que se retorne a remotos caminhos passados e
o desejo ardente se mistura com todos os outros, o Ser com o Não-Ser, de modo que um "espírito" familiar há
muito esquecido acabe se tornando uma obsessão para a mente consciente; então, e só então, a experiência
ancestral é revivida e se corporifica.

A corporificação de entidades mentais "ressuscitadas", evocadas pelo desejo ardente de se entrar novamente em
contato com elas, acaba se tornando "real" tanto para o olho quanto para a mão. Deste modo, o "corpo" é
ressuscitado, não como um sonho enevoado, mas palpável ao toque e visível ao olho. "Do Passado chega este novo
ser".

A "ressurreição do corpo" está sempre acontecendo, inclusive no quotidiano, mas é uma ressurreição involuntária,
freqüentemente anacrônica e, portanto, indesejada. Através do uso da teurgia auto-erótica de Zos é possível viver
todas as "mentiras" e encarnar todos os sonhos agora, neste mesmo instante. No "Grimório Zoético de Zos", Spare
afirma que "a identidade é uma obsessão, um composto de múltiplas personalidades, cada uma delas sabotando a
outra; um ego multifacetado, um cemitério ressurgente onde os demiurgos fantasmagóricos buscam em nós a
realidade deles".

Através da Postura da Morte, a nossa consciência sobre algo se identifica com a consciência dos que chamamos de
outros; uma qualidade que, em si mesma, é uma não-qualidade, uma vez que ela não é isto nem aquilo. E, pela
apreensão de Kia (Ser) como "nem isto, nem aquilo" (neither-neither, ou neti-neti dos budistas), nasce a nova
estética ou percepção da sexualidade, que é a nossa percepção individual das coisas vista sob uma nova ótica, que
também é a fonte de todas as percepções dos outros que nós freqüentemente "projetamos" como se fossem corpos
femininos.

Isto nos leva ao estranho conceito de sexualidade que Spare utilizou como a base de sua teurgia. Todas as mulheres
são vistas como formas de nossos desejos; elas são desejos sigilizados e, por causa da qualidade condicionada de
nossas crenças, elas estão condicionadas e sujeitas a mudanças, surgindo em nossas mentes como a realidade dos
outros que deseja unir-se à nossa realidade. "Feliz é o que absorve estes 'corpos femininos' - sempre projetados -
pois ele adquire a percepção da verdadeira extensão de seu próprio corpo".

Spare não restringe o significado da palavra "corpo" ao corpo físico; se este fosse o caso, não haveria qualquer
sentido na sua declaração de que "a Morte é Tudo", nem na glorificação da simulação de uma condição que decreta
o fim do organismo físico. A frase "a verdadeira extensão de seu próprio corpo" envolve a percepção de um estado
sensorial do qual o organismo físico é apenas uma reificação ou ressurreição (isto é, nosso próprio corpo é muito
mais do que apenas seu limite físico nos faz crer, embora este possa "encarnar" sua verdadeira dimensão através da
Postura da Morte). A doutrina de Spare, em última instância, prega a unificação de todos os estados sensoriais em
todos os planos simultâneamente, de modo que o ego possa estar plenamente consciente de suas múltiplas
entidades e identidades num "aqui" e "agora" que seja eterno. Este é o significado de "adquirir a percepção da
verdadeira extensão de seu próprio corpo".

No "Grimório" ele nos diz que: "nunca estamos completamente conscientes das coisas a não ser pelo influxo do
desejo sexual que nos desperta esta percepção", e a Postura da Morte concentra todas as sensações e as devolve a
seu sentido primal, isto é, sexual, que confere ao corpo a percepção total de todos os planos simultâneamente. Sem
o conhecimento de como assumir a Postura da Morte, "o ser existe simultâneamente em muitas unidades, sem a
consciência de que o Ego é uma só carne. Que miséria maior que esta pode haver?"

No mesmo livro, Spare pergunta: "por que razão ocorre esta perda de memória através destas surpreendentes
refrações da imagem original um dia percebida por mim?" A Postura da Morte contém a resposta a esta pergunta,
pois, pela união da crença vital (i.e., desejo orgânico) com a vontade dinâmica se chega à "verdadeira extensão de
seu próprio corpo".

Êxtase, auto-amor perfeito (deve-se notar que a expressão 'Self-love' em Inglês também é um jogo de palavras
com 'Self', auto e Ser Superior ou Eu Superior, e 'love' amor, significando também "amor pelo Eu Superior" além de
'auto-amor') contém sua apoteose na Postura da Morte, pois "quando o êxtase é transcendido pelo êxtase, o 'Eu' se
torna atmosférico e não há lugar para que objetos sensuais reajam ou criem diferentemente".

E assim se chega ao ponto focal do Culto de Zos Kia, que é implícito pela sigilização do desejo através de uma figura
que não conserva qualquer semelhança gráfica com a natureza do desejo. De modo a escapar do ciclo de
renascimentos ou reencarnações, devemos livrar-nos do ciclo transmigratório da crença, pois não devemos acreditar
numa determinada coisa por nenhum período de tempo. Assim, através do paciente esvaziamento da energia
contida em nossas crenças e pelo direcionamento da nova energia que desta forma é liberada para um auto-amor
(Self-love) não-reacionário e sem necessidades, chegamos à negação do karma (causa e efeito) e alcançamos o
universo de Kia (o 'Eu' Atmosférico). O verdadeiro autocontrole é conseguido "deixando os acontecimentos em
nossas vidas seguirem seu curso natural. Quanto mais interferimos neles, mais nos tornamos identificados com o
seu desejo e, portanto, sujeitos a eles." Esta doutrina se assemelha à filosofia de Advaita Vedanta, ou não-
dualidade, embora não sejam exatamente idênticas. Spare acrescenta as seguintes palavras: "enquanto persistir a
noção de que existe 'uma força compulsória' no mundo, ou mesmo nos sonhos, esta força se torna real. Devemos
eliminar as noções de Escravidão e de Liberdade em qualquer situação através da meditação da Liberdade sobre a
Liberdade pelo 'nem isto, nem aquilo' (neither-neither). E acrescenta: "não há necessidade de crucifixão."

Desta forma, para se poder apreciar adequadamente a idéia da Nova Sexualidade, é necessário que a mente se
dissolva no Kia e que não haja stress na consciência (i.e., pensamento), pois os pensamentos modificam a
consciência e criam a ilusão absurda de que o indivíduo 'possui' a consciência.

O conceito da Mulher Universal, Aquela com quem Zos "caminhou na senda perfeita", leva-nos à transcendência da
dualidade. Ela é o glifo da polaridade perfeita que, em última instância, nos remete ao Nada. No culto de Crowley
ela é Nuit, cuja fórmula mística é 0 = 2. A Consciência Absoluta (Kia, o Eu Superior), como o Espaço Infinito (Nuit),
não tem limites; ela é o vazio-pleno, ou vazio fértil, sem forma e sem localização definida, significando coisa
alguma, embora ela seja a única Realidade!

Nos recônditos mais ocultos do subconsciente, esta realidade se assemelha ao relâmpago, ou a uma luz faiscante de
brilho intenso. Ela é o hieroglifo do desejo potencial, sempre pronta para penetrar numa forma e se transformar na
"concretização de nosso último Deus", i.e., a corporificação de nossa crença mais recente.

Este desejo primal, esta sexualidade 'nova' ou imemorial, é o unico sentido verdadeiro. Ele é o fator constante em
nossa mutabilidade. Quanto mais este sentido puder ser ampliado de modo a abranger todas as coisas, tanto mais o
Eu Superior (Self) poderá realizar-Se, fazer-Se entender, fazer-Se conhecer e, finalmente, ser Ele mesmo,
integralmente, eternamente e sem necessidades. "A nova lei será o segredo do provérbio místico 'nada importa -
nada precisa ser'; não existe nenhuma necessidade, que sua crença seja simplesmente 'viver o prazer' (a Crença,
sempre buscando sua negação, é mantida livre pela sua retenção neste estado de espírito)". Isto é muito parecido
com o credo de Crowley "faze o que queres", embora haja uma diferença. O Caminho Negativo do Taoísmo e o
Caminho Positivo do hinduísmo tradicional se relacionam da mesma forma que o Auto-amor e o Culto de Zos Kia e a
Lei de Thelema e "amor sob vontade".

Para Spare, a mulher simboliza o desejo de se unir com "todas as outras coisas" como Eu Superior (Self); não as
manifestações individuais da mulher, mas a mulher primordial ou primitiva da qual todas as mulheres mortais são
fragmentos de imagens refletidas. Podemos chamar este conceito inconcebível de sexo, desejo ou emoção; ou
ainda, personificá-lo como a Deusa, a Bruxa, a Mulher Primitiva, que é a cifra de toda intertemporalidade, o êxtase
alusivo ao caminho do relâmpago que Zos chamava de "o precário caminho do prazer ambulante". Para adorar a
esta mulher primitiva não se pode aprisioná-la numa forma efêmera e limitá-la a isto ou aquilo, mas se deve
transcender o isto ou aquilo de todas as coisas e experienciá-la na unidade do auto-amor (Self-love).

Spare não a materializou arbitràriamente como Astarté, Ísis, Cibele ou Nuit (embora ele freqüentemente a
desenhasse nestas formas divinas), pois limitá-la é sair do caminho e idealizar o ídolo, o que é falso porque é
parcial, e irreal porque não é eterno. "Os possessivos personalizam, idolatram o amor, daí seu despertar mórbido..."
('O Grimório de Zos'). A utilização de tais ídolos não apenas é permitida como desejável, com o objetivo de
armazenar crenças livres durante um período inativo ou não-criativo, quando a energia não é necessária.
Entretanto, a principal objeção ao uso continuado de ídolos é que 'o que é familiar nos induz ao cansaço e este nos
leva à indiferença; que coisa alguma seja vista desta maneira. Que possamos ver de modo visionário: cada visão,
uma revelação. O cansaço desaparece quando esta é a atitude constante', i.e., quando a imagem é sempre nova e a
sexualidade, portanto, constantemente estimulada através de novas inspirações.

Por não permitir que a crença livre seja aprisionada numa forma divina específica, o impacto da visão como
revelação pode ser facilmente incutido, acabando-se com a esterilidade. Uma das máximas fundamentais de Spare
é a de que "o que é comum é sempre estéril" ('O Grimório de Zos'), pois não se pode criar a partir de imagens
comuns ou familiares. Esta familiaridade conduz à desvitalização, preguiça e atitudes convencionais, o caminho mais
fácil para se evitar os obstáculos. "Se eu superar este cansaço indesejado, transformar-me-ei num Deus". A mente
deve estar treinada para conseguir enxergar de modo sempre renovado e a fórmula de Spare para conseguir isto é
"provocar a consciência pelo toque e o êxtase pela visão... Permita que sua maior virtude seja a o Desejo
Insaciável, a corajosa auto-indulgência e a sexualidade primal".

A chave para a sexualidade primal, ou Nova Sexualidade, é dada no livro The Focus of Life ("O Objetivo da Vida")
onde Zos exclama: "livre-se de todos os meios para atingir um fim". É o caminho do imediatismo em contraste com
o do adiamento da realidade numa simulação desenergizada: "faça agora, não daqui a pouco...pois o desejo só é
realizável pela ação" (esta é, sem dúvida, uma crítica direta que Spare faz das pomposas técnicas ritualísticas
praticadas na Aurora Dourada, da qual ele foi membro em 1910).

Continua ele: "o objetivo final é alcançado não pela mera pronúncia das palavras 'eu sou o que eu sou', nem pela
simulação, mas pelo ato vivo. Não pretenda ser o 'eu' apenas, seja o 'Eu' absoluto, completo e real, agora."

Esta é a teurgia da transformação da Palavra em carne. No "Livro do Prazer", ele pergunta: "porque vestir robes e
máscaras cerimoniais e simular posturas divinas? Não é preciso repetir gestos ou fazer imitações teatrais. Você está
vivo!" Este é o motivo pelo qual Spare rejeitava as práticas de seus colegas magos e daqueles que simplesmente
"ensaiam" a realidade, em detrimento da sua verdadeira vitalidade e desejo, através de uma simulação que, em
última instância, acaba negando a própria realidade! Spare alega que a magia simplesmente destrói a realidade por
ser praticada num momento em que o Eu Superior não é real nem vital, em que Ele não é todas as coisas ou em
que o poder para se transformar em tudo não está presente. As pessoas "prezam magia cerimonial ou ritual e o
palco mágico acaba cheio de fãs. Será através de mera representação que nos transformaremos naquilo que
estamos representando? Se eu me coroar Rei, transformar-me-ei num? Mais certamente, transformar-me-ei num
objeto de piedade ou desgosto."

Estes ensinamentos, desenvolvidos por Spare antes da I Guerra Mundial, estão muito próximos das doutrinas da
Escola Ch'an de Budismo, cujos textos principais apenas recentemente foram colocados à disposição do público em
geral.

Livrar-se de todos os meios para atingir um fim é simples de se dizer, mas não tão simples de se fazer. Um
desenvolvimento pleno do senso estético é necessário, pois sem este não é possível aceitar nem entender a
doutrina da Nova Sexualidade, seja intelectual ou simbòlicamente. Isto pode ser conseguido pela saturação do
complexo corpo-mente nas emanações sutis do Culto de Zos Kia, através do acompanhamento do trabalho de Spare
em direção às células iluminadas do subconsciente; pela aquisição de uma percepção ultra-sensível para as
situações do quotidiano, como se elas não estivessem distanciadas do Eu Superior. Spare compreende a Natureza
inteira (o universo objetivo) como o somatório de nosso passado, simbolizado, aparentemente cristalizado fora de
nós mesmos. Apenas o potencial, naquele exato instante meteórico de sua manifestação, deve ser agarrado e
tornado vivo num segundo de êxtase, pois "quando o êxtase é transcendido pelo êxtase, o 'Eu' se torna Atmosférico
(Superior) e deixa de haver espaço para que os objetos sensuais criem de modo diverso..."

Contudo, não se consegue localizar a Crença Suprema na Natureza porque, tão logo a Palavra tenha sido
pronunciada, sua realidade se transforma em passado, já não é mais uma realidade agora, podendo apenas reviver
pela ressurreição quando recriada em carne; entretanto, o que confere realidade a esta Crença não é aquele que
pronuncia a Palavra, nem a pronúncia Dela em si, mas uma sutil e vaga intertemporalidade que ocorre numa fração
de segundo de êxtase. "Não existe verdade falada que não seja passada, sábiamente esquecida" ('O Anátema de
Zos'). No 'Grimório', Spare ainda nos diz que "esta fração de segundo é o caminho que deve ser aberto..." Este
caminho e o caminho do relâmpago são sinônimos e descrevem um estado indescritível que é não-conceitual:
Neither-Neither ('nem isto, nem aquilo'), Self-love ('Auto-amor' ou 'Amor pelo Eu Superior'), Kia, ou a Nova
Sexualidade.

A arte de Spare não é conhecida do grande público nem recebeu o merecido reconhecimento, e seu sistema
intensamente pessoal de bruxaria ainda não abriu seu caminho na estrutura do ocultismo moderno. Entretanto,
existem indícios de que não será preciso muito tempo mais para que sua magia verdadeira receba um poderoso
estímulo da corrente mágica deste final de século, pois se houve alguém no início deste que antecipou e interpretou
corretamente tal corrente, este alguém certamente foi Austin Osman Spare.

Crianças Selvagens
Capítulo de
"Caos, os Panfletos do Anarquismo Ontológico"
(parte um de "Z. A. T."),
de Hakim Bey

O INSONDÁVEL CAMINHO LUMINOSO da lua cheia — meia-noite em meio a Maio em algum Estado que começa
com "I", tão bidimensional que dificilmente pode-se dizer que possui alguma geografia — os raios tão prementes &
tangíveis que precisas traçar as nuances para pensar com palavras.

Está fora de questão escrever para as Crianças Selvagens. Elas pensam em imagens — para eles a prosa é um
código ainda não completamente digerido & ossificado, assim como nunca é completamente confiável para nós.

Podes escrever sobre eles, para que outros que perderam a cadeia prateada possam seguir adiante. Ou escrever por
eles, fazendo da ESTÓRIA & do EMBLEMA um processo de sedução dentro de tuas próprias memórias paleolíticas,
um bárbaro engodo para a liberdade (caos como o CAOS o entende).

Para esta espécie do outro mundo, ou "terceiro sexo", les enfants sauvages, a fantasia & a Imaginação ainda
permanecem indiferenciadas. Um BRINCAR desenfreado: ao único & mesmo tempo a fonte de nossa Arte & de todos
os mais raros eros da raça.

Abraçar a desordem como manancial de estilo & depósito voluptuoso, ponto fundamental de nossa civilização
alienígena & oculta, nossa estética conspiratória, nossa espionagem lunática — esta é a ação (vamos encarar os
fatos) tanto de um artista de qualquer tipo como de alguém de dez ou treze anos de idade.

Crianças cujos sentidos clarificados lhes revela uma brilhante feitiçaria de lindo prazer que reflete algo ferino &
obsceno na natureza da própria realidade: anarquistas ontológicos naturais, anjos do caos — seus gestos & odores
corporais espalham a seu redor uma floresta de presença, uma completa hiléia de presciência com cobras, armas
ninja, tartarugas, xamanismo futurista, incrível bagunça, mijo, fantasmas, luz do sol, punheta, ovos & ninhos de
aves — agressão exultante contra os adultos ranzinzas daqueles Planos Inferiores tão impotentes para englobar
tanto epifanias destrutivas quanto criações sob a forma de extravagâncias, frágeis mas suficientemente afiados
para fatiar o luar.

E ainda assim os habitantes destas dimensões inferiores de águas revoltas realmente acreditam que controlam os
destinos das Crianças Selvagens — & cá em baixo, tais crenças nocivas efetivamente esculpem a maior parte da
substância do cotidiano.

Os únicos que realmente desejam compartilhar o destino daninho daqueles fugitivos selvagens ou guerrilhas
menores ao invés de ditá-las, os únicos que podem entender que acalentar & desatrelar são o mesmo ato — estes
são em sua maioria artistas, anarquistas, pervertidos, hereges, um bando à parte (tanto um do outro quanto do
mundo), ou capazes de se encontrar apenas como devem crianças selvagens, cravando olhares atentos através de
uma mesa de jantar enquanto os adultos tagarelam por detrás de suas máscaras.

Muito jovens para estarem em uma gangue de motoqueiros —fracassados, dançarinos de rua, poetas escassamente
pubescentes de cidadezinhas planas e perdidas — um milhão de fagulhas caindo dos foguetes de Rimbaud & Mogli
— esguios terroristas cujas bombas espalhafatosas são condensadas de amor polimórfico & dos preciosos quinhões
de cultura popular — pistoleiros punks sonhando em furar suas orelhas, ciclistas animistas deslizando na penumbra
de estanho através de ruas ponteadas por flores acidentais — nudistas ciganos fora de temporada, sorridentes e
dissimulados ladrões de totems de poder, escassos trocados & facas com lâmina de pantera — nós os sentimos em
todos os lugares — nós publicamos esta oferta para negociar a corrupção de nossa própria lux et gaudium por sua
perfeita torpeza gentil.

Então entenda: nossa realização e nossa liberação dependem da deles — não porque nós arremedamos a Família,
aqueles "avarentos de amor" que mantêm reféns para um futuro banal, nem o Estado que nos educa para afundar
sob o horizonte de eventos de uma "utilidade" tediosa — Não — mas porque nós & eles, os selvagens, somos
imagens uns dos outros, unidos & confinados por aquela cadeia prateada que define o âmbito da sensualidade, da
transgressão & da visão.

Dividimos os mesmos inimigos & nossos meios de fuga triunfante são também os mesmos: um jogo delirante e
obssessivo, fortalecido pelo brilho espectral dos lobos & suas crianças.

Terrorismo Poético

Capítulo de

"Caos, os Panfletos do Anarquismo Ontológico"

(parte um de "Z. A. T."),

de Hakim Bey

ESTRANHAS DANÇAS NOS SAGUÕES de Bancos 24 Horas. Shows pirotécnicos não autorizados. Arte terrestre,
trabalhos- telúricos como bizarros artefatos alienígenas espalhados em Parques Nacionais. Arrombe casas mas, ao
invés de roubar, deixe objetos Poético-Terroristas. Rapte alguém e faça-o feliz. Escolha alguém aleatoriamente e
convença-o de que ele é herdeiro de uma enorme, fantástica e inútil fortuna: digamos 8000 quilômetros quadrados
da Antártida, ou um velho elefante de circo, ou um orfanato em Bombaí, ou uma coleção de manuscritos alquímicos.
Mais tarde, ele irá dar-se conta de que acreditou por alguns poucos momentos em algo extraordinário, & talvez,
como resultado, seja levado a buscar uma forma mais intensa de viver.

Pregue placas comemorativas de latão em locais (públicos ou privados) onde experimentaste uma revelação ou
tiveste uma experiência sexual particularmente especial, etc.

Ande nu por aí.

Organize uma greve em sua escola ou local de trabalho, com a justificativa de que não estão sendo satisfeitas suas
necessidades de indolência & beleza espiritual.

A Arte do grafitti emprestou alguma graça à metrôs horrendos & rígidos monumentos públicos. A arte Poético-
Terrorista também pode ser criada para locais públicos: poemas rabiscados em banheiros de tribunais, pequenos
fetiches abandonados em parques e restaurantes, arte xerocada distribuída sob limpadores de pára-brisa de carros
estacionados, Slogans em Letras Grandes grudados em muros de playgrounds, cartas anônimas enviadas a
destinatários aleatórios ou escolhidos (fraude postal), transmissões piratas de rádio, cimento fresco...

A reação da audiência ou o choque estético produzidopelo Terrorismo Poético deve ser pelo menos tão forte quanto
a emoção do terror: nojo poderoso, excitação sexual, admiração supersticiosa, inspiração intuitiva repentina,
angústia dadaísta — não importa se o Terrorismo Poético é direcionado a uma ou a várias pessoas, não importa se é
"assinado" ou anônimo; se ele não muda a vida de alguém (além da do artista), ele falhou.

O Terrorismo Poético é um ato em um Teatro de Crueldade que não tem palco, nem assentos, ingressos ou paredes.
Para funcionar, o TP deve ser categoricamente divorciado de todas as estruturas convencionais de consumo de arte
(galerias, publicações, mídia). Mesmo as táticas guerrilheiras Situacionistas de teatro de rua já estão muito bem
conhecidas e esperadas, atualmente.

Uma requintada sedução levada adiante não apenas pela satisfação mútua, mas também como um ato consciente
por uma vida deliberademente mais bela: este pode ser o Terrorismo Poético definitivo. O Terrorista Poético
comporta-se como um aproveitador barato cuja meta não é dinheiro, mas MUDANÇA.

Não faça TP para outros artistas, faça-o para pessoas que não perceberão (pelo menos por alguns momentos) que o
que acabaste de fazer é arte. Evite categorias artísticas reconhecidas, evite a política, não fique por perto para
discutir, não seja sentimental; seja impiedoso, corra riscos, vandalize apenas o que precisa ser desfigurado, faça
algo que as crianças lembrarão pelo resto da vida — mas só seja espontâneo quando a Musa do TP tenha te
possuído.

Fantasia-te. Deixa um nome falso. Seja lendário. O melhor TP é contra a lei, masnão seja pego. Arte como crime;
crime como arte.

Os Oito Circuitos da Consciência


do livro de Robert Anton Wilson

"Cosmic Trigger: Final Secret of the Illuminati"

["Gatilho Cósmico: O segredo final dos Illuminati"]

Vamos tentar entender a perspectiva do Dr. Leary a respeito desses mistérios. Para compreender o espaço
neurológico, o Dr. Leary supõe que o sistema nervoso consiste de oito circuitos potenciais, ou "engrenagens", ou
mini-cérebros. Quatro desses cérebros estão no lóbulo esquerdo, geralmente ativo, e estão preocupados com nossa
sobrevivência terrestre; quatro são extraterrestres, residem no lado direito, "mudo" ou inativo, e são para uso em
nossa evolução futura. Isso explica porque o lóbulo direito é geralmente inativo nesse estágio de nosso
desenvolvimento, e porque se torna ativo quando a pessoa ingere psicodélicos. (A visão do cérebro simplificada por
hemisférios direito-esquerdo é hoje contestada, mas a idéia permanece válida enquanto metáfora, já que a
localização dos "cérebros" não interessa na verdade. N. do T.)

Iremos explicar brevemente cada um desses oito "cérebros".

I. O CIRCUITO DA BIO-SOBREVIVÊNCIA

Este cérebro invertebrado foi o primeiro a evoluir (2 a 3 bilhões de anos atrás) e é o primeiro ativado quando a
criança humana nasce. Ele programa as percepções em uma tabela dividida em Coisas úteis-alimentíceas (das quais
se aproxima) e Coisas prejudiciais-perigosas (Das quais ele foge, ou as quais ataca). A impressão desse circuito
condiciona a atitude básica de confiança ou suspeita a qual sempre afetará os gatilhos de aproximação ou esquiva.

II. O CIRCUITO EMOCIONAL

Esse segundo bio-computador, um pouco mais avançado, formou-se quando os vertebrado apareceram e
começaram a competir por território (talvez 500.000.000 AC). No indivíduo essa realidade-túnel ampliada é ativada
quando a fita mestre de DNA aciona a metamorfose de rastejar para caminhar. Como qualquer pai sabe, o neném já
não é mais uma criança passiva (bio-sobrevivência) mas um mamífero político, cheio de exigências territoriais (e
psíquicas), em pouco tempo se meterá nos negócios da família e na tomada de decisões. Novamente a primeira
impressão desse circuito permanece constante pela vida inteira (exceto quando eliminado por lavagem cerebral) e
identifica os estímulos aos quais engatilhará comportamentos dominantes/agressivos ou submissivos/cooperativos.
Quando dizemos que uma pessoa está se comportando emocionalmente, egoisticamente ou 'como uma criança de
dois anos', estamos querendo dizer que ele/a está seguindo cegamente uma das realidades-túnel impressas nesses
circuito.

III. O CIRCUITO DA DESTREZA/SIMBOLISMO

Esse terceiro cérebro se formou quando os hominídeos começaram a se diferenciar dos outros primatas (cerca de 4
a 5 milhões de anos atrás) e é ativado pelas funções lineares do lóbulo esquerdo do cérebro, determina nossos
padrões convencionais de manufatura de artefatos e pensamento conceitual. Esta é a terceira "mente" circuito.

Não é por acidente portanto que nossa lógica (e nosso desenvolvimento de computadores) siga a estrutura binária
desses circuitos. Não é acidente que nossa geometria, até o século passado, tenha sido Euclidiana. A geometria de
Euclides, a lógica de Aristóteles e a física de Newton são meta-programas sintetizando e generalizando as
programações para frente/para trás do primeiro cérebro, para baixo/para cima do segundo cérebro e
esquerda/direita do terceiro cérebro.

IV. O CIRCUITO SEXUAL/SOCIAL

O quarto cérebro, lidando com as transmissões de cultura étnica ou tribal através das gerações, introduz a quarta
dimensão, tempo. Já que cada uma dessas realidade-túnel consiste de impressões bioquímicas ou matrizes no
sistema nervoso, cada uma delas e especificamente acionada por neurotransmissores e outras drogas.

Para ativar o primeiro cérebro tome um opiáceo. Mamãe Ópio e Irmã Morfina trarão você lá para baixo, até a
inteligência celular, até a passividade da bio-sobrevivência, até a consciência flutuante do recém nascido. (Esta é a
razão pela qual os Freudianos identificam adição aos opiáceos como um desejo de retorno a infância.)

Para ativar a segunda realidade-túnel, tome uma quantidade abundante de álcool. Padrões territoriais dos
vertebrados e política emocional mamífera aparecem imediatamente enquanto a bebida desce, como Thomas
Nashe intuitivamente percebeu quando categorizou os vários estados alcóolicos com rótulos: "bêbado como um
asno", "bêbado como um bode", "bêbado como um porco", "bêbado como um urso", etc.

Para ativar o terceiro circuito, tente café ou chá, uma dieta rica em proteínas, anfetaminas ou cocaína.

O neurotransmissor específico para o quarto circuito ainda não foi sintetizado, mas é gerado pelas glândulas após a
puberdade e flui vulcanicamente através dos condutos sangüíneos dos adolescentes.

NENHUMA DESSAS DROGAS TERRESTRES ALTERAM AS IMPRESSÕES BIOQUÍMICAS BÁSICAS. Os


comportamentos que elas acionam são aqueles que foram armazenados no sistema nervoso durante os primeiros
estágios de vulnerabilidade à impressão. O circuito II bêbado exibe os jogos emocionais aprendidos dos pais na
infância. O circuito III "mente" nunca vai além das permutações e combinações dessas realidades-túnel
originalmente impressas, ou com abstrações associadas com essas impressões através de condicionamento
posterior. E assim por diante.

Mas todo esse robotismo Pavloviano/Skinneriano muda drasticamente e dramaticamente quando nos viramos para o
lóbulo direito, os circuitos futuros e os químicos extraterrestres. Os quatro futuros "cérebros" são:

V. O CIRCUITO NEUROSSOMÁTICO

Quando esses quinto "corpo-cérebro" é ativado, configurações planas Euclidianas explodem multi-
dimensionalmente. Mudança gestalt, nos termos de McLuhan, do ESPAÇO VISUAL linear para um todo-penetrante
ESPAÇO SENSÓRIO. Uma excitação hedonística ocorre, uma surpresa extasiante, um desprendimento dos
mecanismos compulsivos dos primeiros quatro circuitos. Eu acionei esses circuitos com maconha e Tantra.

Esse quinto cérebro começou a aparecer cerca de 4.000 anos atrás nas primeiras civilizações que mantiveram uma
"classe de lazer" e tem aumentado estatisticamente nos séculos mais recentes (mesmo antes da Revolução das
Drogas), um fato demonstrado pelas artes hedonísticas da Índia, China, Roma e outras sociedades influentes. Mais
recentemente, Ornstein e sua escola demonstraram com eletroencefalogramas que este circuito representa o
primeiro salto do linear lóbulo esquerdo para o analógico lóbulo direito.

A abertura e impressão desses circuito tem sido a preocupação dos "técnicos do oculto" — xamãs tântricos e hatha
yogis. Enquanto a quinta realidade-túnel pode ser atingida por privação sensorial, isolamento social, estresse
psicológico ou choque brutal (táticas de terror cerimonial praticadas por gurus patifes tais como Don Juan Matus ou
Aleister Crowley), tem sido mais tradicionalmente atingida pela aristocracia educada das sociedades de lazer que
resolveram os quatro problemas de sobrevivência terrestres.

Cerca de 20.000 anos atrás, o quinto neurotransmissor específico foi descoberto por xamãs na área do Mar Cáspio
na Ásia e rapidamente se espalhou por outros magos através da Eurásia e África. É, claro, a cannabis. Erva. Mamãe
Maria Joana.

Não é acidental o fato de que o "cabeção-emaconhado" geralmente refere-se a seu estado neural como "alto", ou
"fora do espaço". A transcendência das orientações planetárias gravitacionais, digitais, lineares, ou Aristotélicas, ou
Euclidianas, ou Newtonianas (circuitos I-IV) é, numa perspectiva evolucionária, parte de nossa preparação
neurológica para a inevitável migração de nosso planeta natal, hoje em seus primórdios. Esta é a razão pela qual
tantos "cabeções-emaconhacos" são freaks de Jornada nas Estrelas e adeptos da ficção científica. (Berkeley,
California, certamente a Capital da Cannabis dos EUA, tem um Posto de Troca da Federação na Avenida dos
Telégrafos, onde o abonado pode facilmente gastar US$500 ou mais num único dia, comprando contos, revistas,
bugigangas em geral.)

O significado extraterrestre de estar "alto" é confirmado pelo astronautas; 85% daqueles que já entraram na queda
livre da gravidade zero descrevem "experiências místicas" de êxtase típicas do circuito neurossomático. "Nenhuma
foto pode mostrar quão bela a Terra parecia," delira o Capitão Ed Mitchell, descrevendo sua Iluminação em queda
livre. Ele soa como qualquer yogi ou "cabeção-emaconhado" bem sucedido. Nenhuma câmara pode mostrar essas
experiências, já que elas ocorrem dentro do sistema nervoso.

QUEDA LIVRE, NO MOMENTO EVOLUCIONÁRIO CORRETO, ACIONA A MUTAÇÃO NEUROSSOMÁTICA, crê


Leary. A princípio essa mutação foi alcançada "artificialmente" por treinamento yogico ou xamânico ou pelo
estimulante do quinto circuito, a cannabis. Surfar, esquiar, mergulhar e a nova cultura sexual (massagem sensual,
vibradores, arte Tântrica importada, etc.) evoluíram ao mesmo tempo como parte de uma conquista hedonista da
gravidade. O estado "Ligado" é sempre descrito como "flutuante", ou na metáfora Zen, "um pé acima do chão."

VI. O CIRCUITO NEUROELÉTRICO

No sexto cérebro o sistema nervoso se torna consciente de si mesmo como separado de mapas de realidade
gravitacionais (circuitos I-IV) e mesmo separado do êxtase-corporal (circuito V). O semantista Conde Korzybski,
chama este estado de "consciência da abstração." O Dr. John Lilly chama ele "metaprogramação", i.e., consciência
de programar a própria programação.

Essa conteligência (consciência-inteligência) Einsteiniana relativística reconhece, por exemplo, que os mapas da
realidade Euclideanos, Aristotélicos e Neutonianos são somente três entre bilhões de possíveis programas ou
modelos para a experiência. Eu liguei esse circuito com Peyote, LSD e os metaprogramas de "Magick" de Aleister
Crowley.

Esse nível de funcionamento cerebral parece ter sido primeiro relatado lá por 500 BC entre vários grupos "ocultos"
ligados pela rota da Seda (Roma - Norte da Índia) Está tão além das realidades-túnel terrestres que aqueles que o
alcançaram mal podem falar sobre ele para a humanidade comum (circuitos I-IV) e podem dificilmente ser
entendidos mesmo pelos Engenheiros do Êxtase do quinto circuito.

As características do circuito neuroelétrico são alta velocidade, escolha múltipla, relatividade, e a fissão-fusão de
todas as percepções em universos paralelos de possibilidades alternativas como os da Ficção Científica.

As políticas mamíferas que monitoram as lutas por poder entre a humanidade terrestre são aqui transcendidas, i.e.,
vistas como estáticas, artificiais, uma charada elaborada. A pessoa não é nem manipulada coercivamente até uma
realidade territorial alheia nem é forçada a lutar contra ela com um joguinho emocional recíproco (o costumeiro
dramalhão de novela). A pessoa simplesmente escolhe, conscientemente, se vai ou não, e até onde, compartilhar o
modelo-de-realidade do outro.

Táticas para a abertura e impressão do sexto circuito são descritas e raramente experimentadas em rajah yoga
avançada, e nos manuais herméticos (codificados) dos alquimistas e Illuminati medievais-Renascentistas.

Nenhum químico específico para o sexto circuito é disponível ainda, mas psicodélicos fortes como a mescalina (do
cactus sagrado, o peyotl) e a psilocibina (do "cogumelo mágico" Mexicano, teonactl) abrem o sistema nervoso para
uma serie misturada dos canais V e VI. Isso é apropriadamente chamado "viajar", como distinguido do "se ligar" ou
"ficar alto" exclusivos do V circuito.

A supressão de pesquisa científica nessa área tem trazido o resultado desafortunado de trazer a cultura marginal
das drogas de volta ao hedonismo do quinto circuito e as realidades-túnel pré-científicas (a revivescência do
ocultismo, solipsismo, Orientalismo Pop, etc.). Sem a disciplina e metodologia científicas, poucos conseguem
decodificar com sucesso sinais de metaprogramação que são muitas vezes assustadores (mas filosoficamente
cruciais). Cientistas que continuam a estudar esse assunto não ousam publicar seus resultados (que são ilegais) e
cada vez mais as largas realidades-túnel somente são percebidas em conversações privadas — como os eruditos da
era da Inquisição. (Voltaire anunciou a Era da Razão dois séculos atrás. Nós ainda estamos na Era Negra. A maioria
dos alquimistas underground desistiram de tal desafiante e arriscado trabalho individual e restringiram suas viagens
aos túneis eróticos do quinto circuito.)

A função evolucionária do sexto circuito é permitir a nós uma comunicação na relatividade Eisteiniana e na
velocidade neuro-elétrica, não usando os símbolos laringísticos do terceiro circuito mas diretamente via feedback,
telepatia e ligação computadorizada. Sinais neuroelétricos irão continuamente substituir a "fala" (grunhidos
hominídeos) depois da migração espacial.

Quando os humanos tiverem escalado para fora do meio de atmosfera-gravidade da vida planetária, a conteligência
acelerada do sexto circuito tornará possíveis a comunicação de alta-energia com "Inteligências mais Altas", i.e., nós-
mesmos-no-futuro e outras raças pós terrestres.

É charmosamente simples e óbvio, a partir do momento que percebemos que nossas experiências neurais fora-do-
espaço são realmente extraterrestres, ficar alto e sair do espaço passam a ser metáforas acuradas. O êxtase
neurossomático do quinto circuito é uma preparação para o próximo passo em nossa evolução, migração para fora
do planeta. O circuito VI é uma preparação para um passo após isto, comunicação entre as espécies com entidades
possuidoras de realidades-túnel eletrônicas (pós-verbais).

O Circuito VI é o "tradutor universal" muitas vezes imaginado pelos escritores de ficção científica, já embutido em
nossos cérebros pela fita de DNA. Da mesma forma eu os circuitos da borboleta futura já estão embutidos na
lagarta.

VII. O CIRCUITO NEUROGENÉTICO

O sétimo cérebro começa a agir quando o sistema nervoso começa a receber sinais de DENTRO DO NEURÔNIO
INDIVIDUAL, do diálogo DNA-RNA. Os primeiros a alcançar essa mutação falam de "memórias das vidas passadas",
"reencarnação", "imortalidade", etc. Que esses adeptos estão falando de algo real é indicado pelo fato de muitos
deles (especialmente Hindus e Sufis) deram visões poéticas maravilhosamente acuradas da evolução, 1000 ou 2000
anos antes de Darwin, e previram a Super-humanidade antes de Nietzsche.

Os "registros akáshicos" da Teosofia, o "inconsciente coletivo" de Jung, "o inconsciente filogenético" de Grof e Ring,
são três metáforas modernas para este circuito. As visões de passado e futuro descritas por aqueles que tem
experiências "fora do corpo" durante os episódios de proximidade da morte também descrevem o circuito
transtemporal da realidade-túnel VII.

Exercícios específicos para acionar o circuito VII não serão achados em ensinamentos yogis; após muitos anos do
rajah yoga avançada, normalmente acontece, se é que chega a acontecer, o desenvolvimento de circuitos do tipo
VI.

O neurotransmissor específico do circuito é, é claro, o LSD. (Peyote e psilocibina também produzem algumas
experiências do tipo)

O circuito VII é melhor entendido, em termos da ciência de 1977, como os arquivos genéticos, ativados por proteínas
anti-histônicas. (A ciência de 1996 ainda não contestou isso. N. do T.) A memória DNA se enrolando até a aurora da
vida. Um sentido de inevitabilidade da imortalidade e simbiose entre espécies é comum aos mutantes do circuito VII,
nós agora percebemos que isto, também, é uma coisa preparada pela evolução, já que ESTAMOS AGORA NO
LIMITE ENTRE LONGEVIDADE EXTENDIDA E IMORTALIDADE.

O papel exato do circuitos do hemisfério direito e a razão da seu acionamento pela revolução cultural dos anos 60 se
torna clara. Como o sociólogo F. M. Esfandiary escreveu em UPWINGERS, "Hoje quando falamos de imortalidade ou
de ir para outro mundo nós não mais estamos falando destes em seu sentido teológico e metafísico. As pessoas
estão viajando para outros mundos. As pessoas estão lutando pela imortalidade. Transcendência não é mais um
conceito metafísico. Ele se tornou realidade."

A função evolutiva do sétimo circuito e de sua realidade-túnel é nos preparar para imortalidade consciente e
simbiose entre espécies.

VIII. O CIRCUITO NEURO-ATOMICO.

Segurem seus chapéus e respirem fundo — esse é o ponto mais avançado onde a inteligência humana já se
aventurou:
Consciência provavelmente precede a unidade biológica, ou fita DNA. "Experiências fora do corpo," "projeção
astral," contato com "entidades" alienígenas (extraterrestres?) ou com uma Super-mente galáctica, etc., como as
que eu já experimentei, tem sido descritas por milhares de anos, não somente pelo ignorante, o supersticioso, o
simplório, mas freqüentemente pelas mentes mais conceituadas entre nós (Sócrates, Giordano Bruno, Edison,
Buckminster Fuller, etc.). Tais experiências são relatadas diariamente a parapsicólogos e foram experimentadas por
cientistas como o Dr. John Lilly e Carlos Castañeda. O Dr. Kenneth Ring atribuiu a esses fenômenos o que ele chama,
muito apropriadamente, de "inconsciente extraterrestre."

O Dr. Leary afirma que o circuito VIII é literalmente neuro-atômico — infra, supra e meta-fisiológico — um modelo
quântico da consciência e/ou um modelo consciente da mecânica quântica pelos físicos "ligadões" discutidos
anteriormente (Prof John Archibald Wheeler, Saul-Paul Sirag, Dr. Fritjof Capra, Dr. Jack Sarfatti, etc.) indicam
enfaticamente que a "consciência atômica" primeiro sugerida por Leary em As Sete Línguas de Deus (1962, The
Seven Tongues of God) é a conexão que unificará parapsicologia e parafísica nos primeiros experimentos científicos
empíricos teológicos da história.

Quando o sistema nervoso é ligado nesse circuito de nível quântico, o espaço-tempo se destrói. A barreira da
velocidade da luz einsteniana é transcendida; na metáfora do Dr. Sarfatti, escapamos ao "chauvinismo
eletromagnético." A conteligência dentro da barraca da projeção quântica É o "cérebro" cósmico inteiro, da mesma
forma que a espiral de DNA é um cérebro micro-miniaturizado guiando a evolução planetária. Como Lao-tsé disse de
sua própria perspectiva do oitavo circuito, "O maior está dentro do menor."

O Circuito VIII é acionado pela ketamina, um neuro-químico pesquisado pelo Dr. John Lilly, o qual é também (de
acordo com um boato generalizado, mas não confirmado) dado aos astronautas para prepará-los para o espaço.
Altas doses de LSD também produzem alguma consciência quântica do VIII circuito.

Essa conteligência neuro-atômica está quatro mutações além da domestificação terrestre. (A corrente rixa
ideológica está entre os moralistas tribais do IV circuito e os individualistas hedonistas do V.) Quando nossa
necessidade por maior inteligência, maior envolvimento na escritura cósmica, maior transcendência, não mais se
satisfizer em corpos físicos, nem mesmo por corpos imortais se movendo pelo espaço-tempo em "Warp 9", o circuito
VIII abrirá uma nova fronteira. Novos universos e realidades. "Além da teologia: a arte e a ciência de se tornar
Deus," como Alan Watts uma vez escreveu.

É portanto possível que as misteriosas "entidades" (anjos e extraterrestres) monotonamente registrados pelos
visionários do VIII circuito sejam membros de raças que já alcançaram esse nível. Mas também é possível, como
Leary e Sarfatti sugeriram recentemente, que Eles sejam apenas nós-mesmos-no-futuro.

Os circuitos do hemisfério esquerdo contém as lições aprendidas por nosso passado (e presente) evolutivo. Os
circuitos extraterrestres do lado direito são o roteiro evolucionário de nosso futuro.

Até agora existem duas explicações diferentes do acontecimento da Revolução das Drogas. A primeira é
apresentada de forma sofisticada pelo antropolólogo Weston LaBarre, e numa maneira ignorante e moralista pela
maioria das propagandas anti-drogas nas escolas e mídia de massa. Essa explicação diz, em essência, que milhões
saíram das drogas legais "para baixo" (downers) para as drogas "para cima" (uppers) ilegais porque estávamos
vivendo tempos conturbados e muitos procuraram escapar na fantasia.

Essa teoria, no que há de melhor nela, somente parcialmente explica o aspecto mais feio e mais divulgado dessa
revolução — o abuso irresponsável de drogas, característico dos imaturos. Não diz nada a respeito dos milhões de
doutores respeitáveis, advogados, engenheiros, etc., que haviam se desligados da intoxicação do segundo circuito
com álcool para o êxtase do quinto circuito com maconha.

Nem fala ela das investigações pensativas, filosóficas de pessoas de alta sensibilidade e inteligência tais como
Aldous Huxley, Dr. Stanley Grof, Masters-Houston, Alan W. Watts, Carlos Castañeda, Dr. John Lilly e milhares de
outros pesquisadores da consciência, científicos ou leigos.

Uma teoria mais plausível, desenvolvida pelo psiquiatra Norman Zinberg a partir do trabalho de Marshall McLuhan,
diz que a moderna mídia eletrônica mudou tanto os parâmetros do sistema nervoso que os jovens não apreciariam
mais drogas "lineares" tais como o álcool e achariam significado apenas nos psicodélicos e erva "não-lineares".

Certamente isso é parcialmente verdade, mas é muito estreito e supervaloriza computadores e TV sem contar com a
cena tecnológica como um todo — a revolução da Ficção Científica da qual os mais significativos aspectos são
Migração Espacial (Space Migration), Inteligência Aumentada (Increased Intelligence) e Prolongamento da Vida (Life
Extension), a qual Leary condensou em sua fórmula SMIILE.

Migração Espacial mais Inteligência Aumentada mais Prolongamento da Vida indicam a expansão da humanidade
em todo o espaço tempo. SM + I2 + LE = infinito.
Sem totalmente aceitar o misticismo tecnológico de Charles Fort, é óbvio que a metáfora do metaprograma do DNA
para evolução planetária é muito mais sábia que qualquer um de nossos sistemas nervosos individuais, que são, de
certa forma, robôs ou sensores gigantes ou sensores para o DNA. A ficção científica inicial de escritores brilhantes
tais como Stapleton, Clarke, Heinlen; 2001 de Kubrick, estavam todos aumentando os sinais claros do DNA
transmitido através do hemisfério direito dos artistas sensíveis, nos preparando para mutação extraterrena.

É pouco coincidente que intelectuais "literários" do mainstream — os herdeiros da tradição platônica-aristocrática de


que um gentleman jamais usa suas mãos, brinca com ferramentas ou aprende um trabalho manual — desprezem
tanto a ficção científica quanto a cultura da droga. Também não é coincidência o fato de que os WHOLE EARTH
CATALOGS — criados por Stewart Brand, um graduando dos Travessos Felizes de Ken Kesey — são o Novo
Testamento da cultura rural drop-out, cada exemplar com toneladas de informações sobre todos conhecimentos
manuais, habilidosos, engenhoquísticos, que Platão e seus herdeiros consideravam apropriados somente para
escravos. Não é de surpreender que a última publicação de Brand, CO-EVOLUTION QUATERLY, tenha sido destinada
a divulgar o habitat espacial do Prof. Gerard O'Neill, o L5.

Não é um acidente que os drogadões prefiram ficção científica a qualquer outra literatura, incluindo aí as escrituras
Hindus cheias de aspectos extraterrestres e os poetas viajandões ocultistas-xamânicos dos circuitos VI a VIII como
Crowley e Hesse.

As drogas do VI circuitos podem ter contribuído muito para a consciência de metaprogramação que tem levado a
consciência súbita de "chauvinismo masculino" (feminismo não-facista), "chauvinismo das espécies" (ecologia, os
estudos com golfinhos do Dr. Lilly), "chauvinismo de estrela de média grandeza" (Carl Sagan), mesmo "chauvinismo
do oxigênio" (a conferência CETI), etc. As realidades-túnel que se identificam alguém como "branco-macho-
americano-terrestre", etc. ou "preta-fêmea-cubana", etc, não são mais suficientes para conter nossa conteligência
explosiva.

Como a revista Time disse em 26 de novembro de 1973, "Dentro de dez anos, de acordo com farmacêuticos, eles
terão aperfeiçoado pílulas e eletrodos para o crânio que proverão êxtase contínuo durante toda a vida de qualquer
um sobre a terra." (De fato o conhecimento farmacológico na década de 90 pode ser percebido dessa forma, vide
Prozac e outras drogas em teste. N. do T.) A histeria dos anos 60 sobre erva e ácido era somente a rompimento
dessa passagem para o quinto circuito. Nathan S. Kline, M.D., prevê afrodisíacos verdadeiros (MDMA, Ecstasy,
sintetizado em 79 e moda dos anos 90, N. do T.), drogas ampliadoras da rapidez de aprendizado (provavelmente
E4Euh — "Intellex", N. do T.) ou, drogas para acionar ou acabar com qualquer comportamento. Alguns foram
queimados ou enjaulados no início da revolução da Tecnologia Externa. Alguns que foram enjaulados ou surrados por
policiais nos anos 60 eram pioneiros da revolução da Tecnologia Interna.

Jornada nas Estrelas é um melhor guia para realidade emergente do que qualquer coisa na New York Review of
Books (uma seção de crítica literária de um dos maiores periódicos norte-americanos, N. do T.) O engenheiro dos
sistemas de defesa e suporte a vida, Scotty (circuito I), o emocional-sentimental Dr. McCoy (circuito II), o oficial
lógico-científico Sr. Spock (circuito III) e o alternadamente paternalista ou romântico Capitão Kirk (circuito IV) estão
perpetuamente viajando através de nossa história neurológica futura e encontrando inteligências dos circuitos V, VI,
VII e VIII, por mais que sejam toscamente representadas. (O ser chamado "Q" em um dos episódios é claramente
uma visão moralista de IV circuito de um ser no VIII, toscamente representado comicamente e pejorativamente pela
visão IV circuito dos redatores. N. do T.)

Em resumo, os vários níveis de consciência e circuitos que nós estivemos discutindo, e exemplificando, são todos
impressões bioquímicas na evolução do sistema nervoso. Cada impressão nova cria uma realidade-túnel maior. Na
metáfora Sufi, o macaco em que nós cavalgamos vira um novo macaco a cada impressão. O metaprogramador
continuamente aprende mais e se torna cada vez mais hábil de se tornar consciente da operação de si mesmo. Nós
estamos portanto evoluindo para inteligência-estudando-inteligência (o sistema nervoso estudando o sistema
nervoso) e a cada passo nos tornamos mais capazes de acelerar nossa própria evolução.

Leary agora simboliza a inteligência-estudando-inteligência pelo logo: I2.

Nos níveis baixos, você vê com um "I" somente, generalizando. Nos níveis altos, você vê com muitos "I"s.
(Trocadilho impossível em português: "I" se pronuncia igual a "Eye" — "Olho", em inglês, além de ser o pronome
pessoal "Eu", N. do T.)

E o espaço-tempo rompe das três dimensões euclidianas para a multidimensionalidade não-euclidiana.


Como Viver Onze Dias
em Vinte e Quatro
Horas
por Robert Anton Wilson

Já faz quase um ano que tenho datado todas as minhas cartas com meu próprio calendário multicultural.
Obviamente, eu sei que uma cronologia multicultural parece algo muito Politicamente Correta, mas não deixe que
isto te apavore. O fato é que eu concordo com o culto PC sobre muitas coisas. Na verdade, eu só discordo deles pelo
fato de não gostar de sua intolerância, de suas táticas fascistas, de sua introdução da lavagem cerebral maoísta em
nossa Academia, de sua absoluta falta de senso de humor ou senso comum mediano. Fora isto, eu quase aprovo as
idéias PC.

Para ser sincero, eu comecei a usar um calendário único e não-Ocidental por volta de 1969-71, enquanto escrevia
"Illuminatus!" com Bob Shea. Eu me dei conta que o calendário Gregoriano, o sistema padrão do ocidente, data
tudo a partir do alegado nascimento de um super-herói de quadrinhos que eu considerava fictício. Ele supostamente
tinha uma mãe virgem, um pai que era um pombo, e curava os cegos jogando sujeira em seus olhos. Você pode
entender o porquê de minhas dúvidas.

Mas datar tudo a la Papa Gregório não apenas nos condiciona subliminarmente à mitologia do Vaticano, mas
também divide artificialmente a história escrita em sua metade, criando uma certa visão torta sobre como as coisas
atualmente andaram desde os tempos do neolítico.

Por exemplo: no calendário Gregoriano, a primeira dinastia Egípcia iniciou-se em cerca de 3400 "A.C.", a fundação
de Roma foi em 509 "A.C." e a indicação do grande javali Pigasus para a presidência dos EUA se deu em 1968
"D.C.". Tentar escapar da armadilha papista usando A.E.C ( antes da era comum/cristã) e E.C. (era comum/cristã)
não ajuda muito. Nós continuamos trancados na realidade-túnel romana.

Efeitos colateriais ainda piores do calendário Gregoriano surgem quando você tenta imaginar o período de tempo
abarcado nas datas que acabamos de mencionar. Isto requerer pensamento profundo, boa imaginação histórica e
ainda, para aqueles tão perto da senilidade quanto eu, possivelmente rascunhos em papel. No calendário Illuminati,
entretanto, estes eventos encontram seu lugar em uma única linha de tempo: a primeira dinastia egípcia inicia por
volta de 600 A.L., a fundação de Roma acontece em 3491 A.L. e a apoteose de Pigasus se dá em 5968 A.L. (A.L.,
como na Maçonaria, significa Anno Lumina -- ano de luz). Adicione mais algumas datas (Hassan-i-Sabbah se
iluminou em 5092 A.L., os índios americanos descobriram Colombo em 5492 A.L., a Declaração de Independência
dos EUA foi assinada em 5776 A.L., Noble Dew Ali nasceu em 1886 A.L.) e a História começa a fazer sentido como
uma única seqüência organizada, e não quebrada na metade.

A cronologia Illuminati (ano um A.L., ou 4000 A.C. Gregoriano) começa com o nascimento de Hung Mung, o antigo
Caoísta (pré-Taoísta), filósofo chinês que respondia à qualquer pergunta gritando "Eu não sei! Eu não sei!" o mais
alto que podia. Assim, o sistema começa com uma data por volta da aurora da civilização e da escrita, e nos
permite ver toda a história como uma sequência única, não interrompida por uma mudança brusca feita para
comemorar o deus de um único culto esdrúxulo.

Como eu disse, me dei conta de tudo isso, incluindo as cinco estações do ano Illuminati, por volta de 5969/5971
A.L. - exatamente quando "os anos sessenta" morriam sob os cassetetes e gases lacrimogêneos da contra-
revolução de Nixon. Foi apenas em 5992 A.L, após descobrir Noble Drew Ali e o Templo da Ciência Moura, que me
dei conta que qualquer calendário, mesmo minha adorada cronologia Illuminati, impõe uma ordem única sobre um
sistema complexo, tendo assim implicações reducionistas e quase totalitárias, ao menos subliminarmente. Assim,
mudei para um sistema multicultural que, ouso pensar, adequadamente representa o que o historiador Crane
Brinton chamou da crescente multanimidade (em oposição à unanimidade) atual da Espaçonave Terra.

Por exemplo, em meu calendário multicultural a data na qual comecei a escrever este artigo mostra-se da seguinte
forma:
Poundiano - 19 de Ártemis de 72 p.s.U.

Thelêmico - 19 de Setembro, Anno XC

'Patafísico - 12 de Absolu de 122 E.P.

Revolucionário Francês - Le Travail de 202

Islâmico - 12 Rabi-2 de 1373 D.H.

Gregoriano - 19 de Setembro de 1994 E.C.

Erisiano - 43 de Burocracia de 3178 y.C.

Chinês - 15o. dia do 8o. mês do Ano do Cachorro 4692

Maia - 6 de Bambu de 5106

Hebreu - 14 Tishiri de 5755 A. M.

Illuminati - 43 de Beamtenherrschaft de 5994 A.L.

Algumas lições rápidas e valiosas saltam imediatamente desta cronologia.

Primeira: o tão falado "Milênio" só parece próximo em alguns calendários, e está distante, por exemplo, 245 anos
no Hebreu, 798 anos no 'Patafísico, etc.

Segunda: quando eu chamo este sistema de meu, não tenho o objetivo de me vangloriar, mas para indicar
limitações e realidades pessoais: muitas alternativas podem existir, de acordo com as preferências do usuário. Você
pode deixar de lado o Chinês e o Maia, se quiser, e adicionar o Tibetano e o Asteca, etc. Pessoalmente, eu adoraria
incluir os sistemas Wiccan e Druídico, se alguém pudesse encontrá-los ou inventá-los.

Algumas explicações adicionais:

O calendário Poundiano, criado por Ezra Pound, tenta definir a era pós-cristã e data tudo a partir de 31 de outubro
de 1921 (gregoriano) - a data em que Joyce escreveu as últimas palavras do "Ulisses" (Pound também completou
36 anos nesta data. Você não pode esperar que um egomaníaco, mesmo um tão generoso quanto o velho Ez, deixe-
se inteiramente de fora da datação da Nova Era). O termo "p.s.U" significa "post scriptum Ulysses". O primeiro de
dia de novembro de 1921, por conseguinte, tornou-se 1 de Hefaístos do ano 1 p.s.U. O ano possui 6 meses
masculinos para os deuses solares fálicos (Hefaístos, Zeus, Saturno, Hermes, Marte, Fobos - em gregoriano:
Novembro, Dezembro, Janeiro, Fevereiro, março e Abril) e 6 meses femininos para as deusas lunares (Kupris, Juno,
Atena, Héstia, Ártemis, Deméter - em gregoriano: Maio, Junho, Julho, Agosto, Setembro e Outubro).

Neste sistema, nós já progredimos 72 anos na era pós-cristã e entraremos em breve no septuagésimo terceiro.

Para aqueles que têm outras idéias sobre quando iniciou a era pós-Cristã, o calendário Thelêmico data tudo a partir
do 1904 gregoriano, quando Aleister Crowley recebeu (ou concebeu) o "Livro da Lei". Isto faz este ano ser 90, que
os thelemitas escrevem em estilo latino - Anno XC. Por algum motivo, Crowley não renomeou os meses, então eu
mantenho os nomes gregorianos neste caso.

Como um multiculturalista, eu não tenho favoritos. De certo modo, nós já evoluímos 72 anos além do culto de
Cristo, e em outro sentido já evoluímos 90 anos. Como disse Sri Syadasti, "Todos os sistemas são verdadeiros em
algum sentido, falsos em algum sentido, verdadeiros e falsos em algum sentido, verdadeiros e sem sentido em
algum sentido, falsos e sem sentido em algum sentido, e verdadeiros e falsos e sem sentido em algum sentido". Um
ensinamento secreto Illuminati afirma que se você repetir isto 666 vezes, atingirá a Iluminação Total, em algum
sentido.

Para aqueles que concordam que entramos na Era 'Patafísica, incluí seu calendário, iniciando no nascimento de
Alfred Jarry em 8 de setembro de 1873 (ele divide o aniversário com a Virgem Maria nos mitos católicos e com
Molly Bloom nos mitos joyceanos; 'patafísicamente, esta "coincidência" deve significar algo). Assim, cada ano
'Patafísico começa no aniversário de Jarry, renomeado para 1 de Absolu, e segue adiante através de 13 meses com
29 dias cada (Absolu, Maha, As, Sable, Decervelage, Gueles, Pedale, Clinamen, Palotin, Merdre, Gidouille, Tatane e
Phalle). Já que cada semana tem sete dias e cada mês quatro semanas, e 7x4=28, temos um dia extra para cada
mês. Nós chamamos estes meses de "imaginários", por analogia com os números imaginários. Cada mês começa
em um domingo, o que simplifica o sistema e assegura que o dia 13 sempre cairá em uma sexta-feira.

À medida em que crescem visões e abduções por OVNIs, ocorrências de poltergeists e encontros com o
Chupacabras, muitos podem considerar o calendário 'Patafísico o mais plausível de todos. Como afirmou Jarry, todas
as outras ciências lidam com generalizações, mas a 'Patafísica lida apenas com o excepcional.
O calendário revolucionário francês data tudo a partir do 1792 gregoriano, e como eu escrevo isto em meio às cinco
Sansculotides, ou dias de festa (Les Vertus, Le Genie, Le Travail, L'Opinion e Les Recompenses), não se usa o nome
do mês. Daqui a três dias (22 de setembro) começa o mês de Vendemaire, seguido por Brumaire, Frimaire, Nivose,
Pluvose, Ventose, Germinal, Floreal, Prairial, Messidor, Thermidor e Fructidor.

O calendário Islâmico começa com a fuga do profeta (hégira), no ano de 4622 A.L. (622 gregoriano). D.H. significa
depois da hégira, a abreviatura usual utilizada por Muçulmanos; assim, este ano se torna 1373 D.H.. Você pode
procurar os meses em qualquer enciclopédia. Eu não pretendo fazer todo o trabalho por você, e, se eu fizesse, este
artigo sairia maior do que desejam os editores.

Você já conhece o calendário Gregoriano, batucado em nossas cabeças por nossas escolas alegadamente
"seculares", e utilizado por todos que detêm poder em nossa sociedade - bancos, corporações, até mesmo os
governos. Meu sistema tenta quebrar o condicionamento/hipnose criado por esta uniformidade artificial.

O calendário Erisiano, que devemos à sublime genialidade de Malaclipse O Mais Jovem, data os eventos a partir de
2816 A.L.(1184 AEC, gregoriano), o ano da Esnobada Original. Se você não sabe o que foi a Esnobada Original, vá
ler o "Principia Discordia", onde você encontrará a Esnobada, juntamente com a Maçã de Ouro, a Guerra de Tróia e
tudo o mais no universo, explicado de uma vez por todas. Cada ano tem cinco estações, representando os cinco
graus de SNAFU impostos sobre nós pela Esnobada Original - Caos, Discórdia, Confusão, Burocracia e Relações
Internacionais. Isto nos dá 73 dias para cada estações, o que equivale a um dia Chokmah na Cabala. Aqui o Sábio e
Sutil encontrará um profundo segredo oculto, se puder Saber, Ousar, Querer e Calar.

A cada quarto ano, obviamente, damos de cara com aquele maldito dia extra que também deixa os Gregorianos
perplexos. Nós, os Erisianos, o chamamos de Dia de São Tibb, já que todos concordam que São Tibb nunca existiu.

O calendário chinês faz mais sentido do que qualquer um dos outros, mas eu o acho complicado demais para
explicar. Você procura, tá bom? Enquanto isso, fique feliz em saber que vivemos agora no ano 4692, e você não tem
que se preocupar sobre qualquer maldito Milênio pelos próximos 308 anos.

Eu acho o calendário Maia ainda mais perturbador, mas o mantenho em minhas cartas porque gosto dos nomes dos
dias: Crocodilo, Noite, Serpente, Veado, Jade, Macaco, Bambu, Águia, Pensamento, Tempestade, Vento, Rede,
Morte, Coelho, Cachorro, Dente, Jaguar, Cera, Faca e Caçador. Me faz lembrar de minha última viagem de ácido.
Este ano conta como 5106 para este ciclo, mas numerosos ciclos rolam sem parar e não necessariamente terminam
no 2012 gregoriano, não importa o que você tenha escutado; isto deve apenas marcar a abertura de outro mega-
ciclo.

Pesquise por si mesmo sobre o sistema Hebreu. Você realmente acha que pode aprender alguma coisa importante
sem esforço pessoal?

Os anos Illuminati você já conhece. As cinco estações têm os nomes Verwirrung, Zweitracht, Unordnung,
Beamtennherrschaft e Realpolitik, cada uma com 73 dias. Como os Gregorianos e os Erisianos, também temos um
dia extra pendurado a cada quatro anos. Nós o chamamos de Heiligefliegendekindersheissetag, e nele acontecem
rituais que matam a pau os do dia de São Tibb.

A beleza deste sistema multicultural, para mim, reside em sua completa falta de fidelidade a qualquer realidade
pessoal, o que condiciona os usuários a pensar em termos de realidades comparativas. Assim, para a maioria de
nós, 25 de dezembro significa o dia do Cristo, e mesmo os ateus sentem-se engolfados pela Grade de Realidade do
culto romano. Em meu sistema de calendário múltiplo, por outro lado, a mesma data aparece de várias formas -
como 25 de Zeus de 72 p.s.U, ou 25 de Dezembro do Anno XC, ou como 25 de Sable de 122 E.P., ou como 5 de
Nivose de 203, ou como 22 de Rajab de 1373 D.H., ou como 67 de Relações Internacionais de 3178 y.C., ou como o
22o. dia do 11o. mês de 4592, ou como 11 de Cachorro de 5106, ou como 23 de Teves de 5755 A.M., ou como 67
de Realpolitik de 5994 A.L.. Você tem uma vasta gama de escolhas sobre o que celebrar. Por que não celebrar todos
de uma só vez? Só não vá dirigir depois.

Eu gostaria de agradecer a Hakim Bey, James Koehnline, Gregory Hill e John ver der Does pela ajuda com partes
deste multicalendário. Se alguém encontram algum erro, por favor, me avise imediatamente.

Obviamente, minha motivação básica para tentar popularizar este sistema reside na esperança de que algumas
pessoas o utilizem e fiquem curadas de perguntar "Mas qual é a data verdadeira?". Elas então podem começar a ver
a falácia de todas as perguntas deste tipo, e alcançarão grande parte dos objetivo da Semântica Geral, do
Erisianismo, do Desconstrucionismo e do Budismo. Alguns podem até vir a compreender o porquê de "é" não
aparecer em ponto algum deste artigo.
Principia Caotica por Peter J. Carroll

Na Magia do Caos, crenças não são vistas como fins em si, mas como ferramentas para criar os efeitos
desejados. Entender isto completamente é encarar uma terrível liberdade na qual nada é verdadeiro e tudo é
permitido, que é o mesmo que dizer que tudo é possível, que não há certezas, e que as conseqüências podem ser
desastrosas. A gargalhada parece ser a única defesa contra a compreensão de que não se possui sequer um Eu real.

O objetivo dos rituais do Caos é criar crenças agindo como se elas fossem verdadeiras. Nos Rituais do Caos
você finge até sentir, para obter o poder que uma crença pode prover. Em seguida, se fores sensato, você rirá delas
e buscará as crenças necessárias para qualquer coisa que queira fazer depois, à medida em que é movido pelo
Caos.

Assim, o Caoísmo proclama a morte e o renascimento dos deuses. Nossa criatividade subconsciente e nossos
poderes parapsicológicos são mais que adequados para criar ou destruir qualquer deus ou Eu ou demônio ou
qualquer outra entidade espiritual na qual possamos acreditar ou desacreditar, pelo menos, para nós mesmos e, às
vezes, também para os outros. Os resultados freqüentemente aterradores alcançados pela criação de deuses
através do ato de comportar-se ritualisticamente como se eles existissem não deverá conduzir o mago Caótico no
abismo de atribuir realidade definitiva a qualquer coisa. Este é o engano transcendentalista, que leva a um
estreitamento do espectro do Eu. O verdadeiro terror reside no leque de coisas que podemos descobrir que somos
capazes de fazer, mesmo se tivermos que temporariamente acreditar que os efeitos se devem a algo externo para
que possamos criá-los. Os deuses estão mortos. Longa vida aos deuses.

A Magia apela aos que têm muito orgulho e uma imaginação fértil, somadas a uma forte suspeita de que
ambas, a realidade e a condição humana, possuem as características de um tipo de jogo. O jogo possui final aberto,
e joga a si mesmo por diversão. Os jogadores podem criar suas próprias regras até certo ponto, e, se desejado,
trapacear usando parapsicologia. O tipo de magia apresentado aqui, consiste em uma série de técnicas que atuam
como extensões extremas das estratégias normais que são possíveis dentro do jogo.

Um mago é alguém que vendeu sua alma pela chance de participar mais inteiramente da realidade. Apenas
quando nada é verdadeiro e a idéia de um Eu verdadeiro é abandonada, tudo se torna permitido. Existe alguma
exatidão no mito de Fausto, mas ele falhou ao levá-lo à sua conclusão lógica.

Precisa-se apenas da aceitação de uma simples crença para que alguém se torne um mago. Esta é a
metacrença de que a crença é uma ferramenta para obter efeitos. Este efeito é geralmente muito mais fácil de
observar nos outros do que em nós mesmos. É comumente muito fácil ver como outras pessoas e, até mesmo
outras culturas, são mais ou menos capazes, de acordo com as crenças que possuem. Crenças tendem a levar a
atividades que tendem a reconfirmá-las, num círculo normalmente chamado de virtuoso, ao invés de vicioso,
mesmo quando os resultados não são agradáveis. O primeiro estágio de ver através do jogo pode ser uma
iluminação chocante, que leva a um cinismo tedioso, ou ao Budismo. O segundo estágio de real aplicação do insight
em si mesmo pode destruir a ilusão da alma e criar um mago. A compreensão de que crença é uma ferramenta, ao
invés de um fim em si, tem imensas conseqüências se aceita por completo. Dentro dos limites impostos pela
possibilidades físicas, e estes limites são muito mais vastos e maleáveis do que a maioria das pessoas imagina,
pode-se fazer reais quaisquer crenças escolhidas, incluindo crenças contraditórias. O mago não é aquele que busca
por uma identidade particular e limitada, mas aquele que deseja a meta-identidade que o torna capaz de ser
qualquer coisa.

Assim, seja bem-vindo ao Kali Yuga do pandaemonaeon, onde nada é verdadeiro e tudo é permissível. Nestes
dias de pós-absolutismo, é melhor construir sobre areia movediça que em pedra, que lhe confundirá no dia em que
vier a rachar. Os filósofos têm se tornado não mais do que proprietários de sarcasmos úteis, pois foi revelado o
segredo de que não há segredo no universo. Tudo é Caos, e a evolução não está indo a nenhum lugar em
particular. É o puro acaso que comanda o universo, e assim, e apenas assim, a vida é boa. Nascemos
acidentalmente em um mundo aleatório, onde apenas causas aparentes levam a efeitos aparentes, e muito pouco é
pré-determinado, graças ao Caos. Como tudo é arbitrário e acidental, talvez estas palavras sejam muito simplórias
e pejorativas; ao invés disso seria melhor dizer que a vida, o universo e todo o resto são espontaneamente criativos
e mágicos.

Deleitando-se com a realidade estocástica, podemos nos regalar exclusivamente com as definições mágicas da
existência. As estradas do excesso podem ainda levar ao palácio de sabedoria e muitas coisas indeterminadas
podem acontecer no caminho do equilíbrio termodinâmico. É inútil buscar chão sólido onde pisar. A solidez é uma
ilusão, como o pé que a pisa, e o Eu que pensa possuí-los é a mais transparente de todas as ilusões.

As pesadas embarcações da fé estão furadas e afundando juntamente com todos os botes salva-vidas e suas
jangadas engenhosas. Então você vai fazer compras no supermercado de crenças ou no supermercado de sensações
e permite que suas preferências de consumo definam seu eu verdadeiro? Ou você, em um estilo corajoso e alegre,
roubaria ambos apenas por diversão? Pois a crença é uma ferramenta para obter qualquer coisa que se considere
importante ou prazerosa, e a sensação não tem nenhum outro propósito além da sensação. Assim, ajude-se a obtê-
las sem pagar o preço. Sacrifique a verdade pela liberdade, em cada chance que tiver. O maior divertimento,
liberdade e realização estão em não ser você mesmo. Há pouco mérito em simplesmente ser quem quer que você
seja por um obra congênita acidental e circunstancial. Inferno é a condição de não ter alternativas.

Rejeite então as obscenidades da uniformidade planejada, da ordem e do propósito. Vire-se e encare as ondas
das marés do Caos, das quais os filósofos têm fugido apavorados por milênios. Pule para dentro e saia surfando em
sua crista, exibindo-se em meio à estranheza sem limites e o mistério em todas as coisas, rejeitando falsas
certezas. Graças ao Caos isso nunca terminará.

Crie, destrua, divirta-se, IO CAOS!

CAOS
O Segredo do
Universo
por Peter Carroll

Será que Consciência, Magia e Caos não são a mesma coisa? A consciência faz com que as coisas aconteçam
espontaneamente sem uma causa anterior. Geralmente, isto acontece no cérebro, onde aquela parte da consciência
que chamamos de "Vontade" agita o sistema nervoso para fazer com que certos pensamentos e ações aconteçam.
Ocasionalmente, a consciência é capaz de fazer com que coisas aconteçam espontâneamente fora do corpo quando
ela está fazendo magia. Qualquer ato de vontade é magia. De modo análogo, qualquer ato de percepção consciente
também é magia; uma ocorrência em matéria nervosa é espontâneamente percebida pela consciência. Algumas
vezes esta percepção pode acontecer diretamente sem o uso dos sentidos, como na clarividência.

A magia não pode ser confinada à consciência. Todos os eventos, inclusive a origem do universo, acontecem
bàsicamente por magia. Isto quer dizer que eles acontecem espontâneamente sem uma causa anterior. A matéria
nos dá a impressão de ser regida por leis físicas, mas estas são apenas aproximações estatísticas. Não é possível
dar uma explicação final de como coisa alguma acontece em termos de causa e efeito. Em algum ponto, sempre
chegaremos à conclusão de que tal evento "simplesmente aconteceu espontâneamente", seja ele a explosão inicial
do universo (a teoria do Big Bang) ou qualquer outra coisa. Isto parece levar-nos a um universo completamente
aleatório e desordenado, mas não é assim. Jogue um dado e você poderá obter qualquer resultado de um a seis;
jogue-o seis milhões de vezes e você obterá quase exatamente um milhão de seis. Não existe razão alguma para
representarmos as leis do universo pela estrutura do dado; elas também são fenômenos que simplesmente
aconteceram de modo espontâneo e poderão deixar de ser assim um dia se a espontaneidade produzir algo
diferente.

Entretanto, fica muito difícil imaginar os eventos acontecendo espontâneamente sem uma causa anterior mesmo
que isto ocorra toda vez que alguém exerce sua vontade. Por esta razão, pareceu preferível chamar a essência
deste fenômeno de Caos, posto que a parte de nosso ser que entende as coisas é constituída de matéria que,
predominantemente, obedece à forma estatística da causalidade. De fato, todo o nosso pensamento racional está
estruturado na hipótese de que uma coisa causa outra. Assim, nosso pensamento é incapaz de apreciar a natureza
da consciência ou do universo como um todo pois estes são espontâneos, mágicos e caóticos por natureza.
Entretanto, seria injustificado deduzir que o universo é consciente e pode pensar da mesma maneira que nós. O
universo É o aglomerado de pensamentos do Caos, se você quiser. Podemos compreender os seus pensamentos,
mas não o Caos do qual eles se originam. De modo análogo, podemos estar acostumados a usar nossa consciência
e exercer a nossa vontade, mas jamais compreenderemos o que estas são exatamente.
Todos os maiores ramos da filosofia tentam responder a pergunta específica sobre a existência. A ciência pergunta
"como" e descobre cadeias de causalidade. A religião pergunta "por que" e acaba inventando respostas teológicas. A
arte pergunta "qual" e chega aos princípios da estética. A pergunta que a magia tenta responder é "o quê" e, assim,
ela é um exame da natureza do ser. Se formos diretamente ao âmago da questão e perguntarmos à magia qual é a
natureza da consciência, do universo e de tudo o mais, obteremos a resposta de que são fenômenos espontâneos,
mágicos e caóticos. A força que inicia e move o universo é a mesma força que está no centro da consciência, e ela é
arbitrária e aleatória, criando e destruindo sem qualquer outro objetivo além de divertir-se. Não há nada moralista
ou espiritual sobre Caos e Kia. Vivemos num universo onde nada é verdadeiro, embora alguma informação possa
ser útil para finalidades específicas. Somos nós, individualmente, que devemos decidir aquilo que desejamos
considerar como bom, mau, significativo ou divertido. O universo se diverte constantemente e convida-nos a fazer o
mesmo. Eu pessoalmente aplaudo o universo por ser a estupenda piada que é. Se houvesse uma razão de ser para
a vida, o universo seria muito menos divertido. Tudo o que poderíamos fazer seria segui-lo placidamente ou lutar
uma batalha heróica e inútil contra ele. Da maneira que ele é, somos livres para alcançar toda a liberdade disponível
e fazer o que sonharmos com ela.

As Oito Magias
Peter Carroll

Magia Octarina

Seguindo as hipóteses de Pratchett em The Colour of Magic(e muitas coisas úteis são ditas em forma de gracejo), a
oitava cor do espectro pode ser chamada de octarina. Esta cor será, para o mago, a sua percepção pessoal da
magia. Para mim, ela é uma tonalidade particular do rosa-púrpura elétrico. Minhas visões mais significativas têm
ocorrido, todas nesta cor, e visualizo-a para colorir muitos de meus encantamentos e sigilos mais importantes no
Astral. Antes que eu navegasse num barco feito à mão pelo Mar da Arábia, fui induzido por um feiticeiro indiano a
aceitar uma imensa estrela de rubi, de valor incalculável. Ela era de um matiz, exatamente, octarino. Durante o
mais violento tufão que jamais experimentei, encontrei-me agarrado aos gurupés, gritando minhas conjurações
para Thor e Poseidon ao mesmo tempo que enormes ondas atiravam-se contra o barco e luminosos raios octarinos
quebravam no mar por toda a volta. Olhando para o passado, parece um milagre que eu e minha tripulação
tenhamos sobrevivido. Mantenho a pedra octarina comigo, incerto se ela me foi passada como uma maldição, uma
bênção, um teste ou todas estas coisas reunidas.

Outros magos percebem a octarina de diferentes modos. Minha percepção pessoal da octarina provavelmente
reflete minhas formas mais eficientes de gnoses: o sexo (púrpura) e a raiva (vermelho). Cada um deve buscar uma
cor da magia (octarina) para si. O poder octarino é o nosso impulso instintivo para a magia. Impulso este que, ao
permitirmos aflorar, cria o 'eu-mágico', ou personalidade na psique, e uma afinidade com várias formas de deus
mágicas. O 'eu-mágico' varia entre os magos, porém possui as características gerais de antinomianismo e desvio
(desencaminho) com uma predileção pela manipulação e pelo bizarro. O antinomianismo do "eu-mágico" surge, até
certo grau, pela alienação geral da cultura vigente provocada pela magia. Assim, o "eu-mágico" tende a se
interessar por tudo aquilo que não existe, ou que não deveria existir segundo o senso comum.. Para o "eu-mágico"
nada é antinatural, uma declaração com ilimitados significados. O desvio do "eu-mágico" é uma conseqüência
natural da "destreza da mente", técnica requerida para manipular aquilo que não pode ser visto. As formas de deus
do poder octarino são aquelas que correspondem mais estreitamente às características do "eu-mágico" e são,
normalmente, as formas de possessão mais importantes para o mago que busca inspiração de natureza puramente
mágica. Baphomet, Pan, Odin, Loki, Tiamat, Ptah, Eris, Hekate, Babalon, Lilith e Ishtar são exemplos de formas de
deus que podem ser usadas para este propósito

. Como alternativa, o mago pode desejar formular uma forma de deus em uma base unicamente idiossincrática
onde, para tal, o planeta Urano e o simbolismo da serpente provaram ser pontos de partida muito úteis.

O mago pode invocar tais formas de deus para a iluminação de vários aspectos do "eu-mágico" e para inúmeros
trabalhos de magia pura, preferivelmente à aplicada. A categoria de magia pura inclui atividades como: o
desenvolvimento de teorias e filosofias mágicas, o desenvolvimento de programas de treinamento mágico, o
planejamento de sistemas simbólicos para uso na adivinhação, o desenvolvimento de encantamentos e a criação de
linguagens mágicas com objetivos similares. É valido assinalar aqui que as linguagens da Magia Caótica são,
normalmente, escritas em V-primo, antes da transliteração para a forma bárbara mágica. V-primo, ou Vernacular
primo, é simplesmente a sua língua nativa na qual são omitidos todos os usos de quaisquer tempos do verbo ser, de
acordo com a metafísica quântica. Toda a falta de sentido do transcedentalismo desaparece muito naturalmente
uma vez adotada esta tática. Não há ser, tudo é fazer.

Invoca-se o poder octarino para inspirar o "eu-mágico" e para alargar o arcano fundamental do mago. O arcano
fundamental do mago consiste nos símbolos pessoais básicos com os quais você interpreta e influencia
magicamente a realidade (tudo o que pode acontecer na percepção). Estes símbolos podem ser teorias ou kabbalas,
obsessões, armas mágicas, astrais ou físicas, ou de fato, qualquer coisa que diga respeito à prática da magia de
forma geral - qualquer coisa que não seja destinada, especificamente, para algum dos outros poderes da magia
aplicada. Os símbolos desta última formam o arcano secundário de magia.

Da situação privilegiada que é a gnoses octarina, o "eu-mágico" é capaz de compreender os eus dos outros sete
poderes e a sua inter-relação dentro de um organismo global. Portanto, o poder octarino traz alguma habilidade em
psiquiatria, cuja função é o ajustamento da relação entre os eus em um organismo. A diferença básica entre um
mago e um indivíduo comum é que neste último o poder octarino já é vestígio ou ainda incipiente. O repouso
normal ou o modo indiferente de uma pessoa comum corresponde a uma leve expressão do poder amarelo. Este
poder é considerado como sendo a personalidade normal ou o ego. O "eu-mágico" entretanto, é totalmente
consciente de que este poder amarelo é somente uma das oito principais ferramentas que o organismo possui.
Assim, num certo sentido, a personalidade normal do mago é uma ferramenta do "eu-mágico" ( e vice-versa ). Este
entendimento dá a ele alguma vantagem sobre as pessoas comuns. Entretanto, o "eu-mágico" em desenvolvimento
logo perceberá que não é superior, em si mesmo, aos outros eus pois há muitas coisas que estes podem fazer que
ele não pode. O desenvolvimento do poder octarino através da filosofia e prática da magia, tende a prover o mago
de um segundo centro principal entre os eus. Este segundo centro irá complementar o ego do poder amarelo. O
despertar do poder octarino é, algumas vezes, conhecido como "ser mordido pela serpente". Aqueles que passam
por isto se reconhecem mutuamente tão instantaneamente quanto, por exemplo, dois sobreviventes de um bote
salva-vidas.

Talvez um dos maiores artifícios da "destreza da mente" seja permitir que o "eu-mágico" e o ego dancem juntos
dentro da psique sem conflitos excessivos. O mago que é incapaz de fingir ser uma pessoa comum ou que é incapaz
de agir de forma independente de seu próprio ego, não é mago totalmente.

Por outro lado, o crescimento do octarino ou oitavo poder do eu, a descoberta do tipo de mago que a pessoa quer
ser e a identificação ou síntese de uma forma-deus para representar este ideal, tendem a criar algo como um ser
mutante que avançou na direção de um paradigma do qual muito poucos estão cientes. Não é fácil voltar atrás uma
vez iniciada a viagem, embora alguns tenham tentado abortá-la com narcóticos, inclusive misticismo. É uma
peregrinação para um destino desconhecido onde a pessoa desperta com êxito de um pesadelo para entrar em
outro. Alguns deles parecem muito interessantes em determinados momentos. Há mundos dentre nós; os abismos
são somente as iniciações entre eles.

A evocação de um servidor octarino pode criar uma inestimável ferramenta para aqueles que estão engajados em
pesquisa mágica. As principais funções de tais entidades são, normalmente, ajudar na descoberta de informações
úteis e contatos. Não podemos ignorar aqui os resultados negativos. Por exemplo: o completo fracasso de um
servidor bem preparado em recuperar informações a respeito do hipotético Big-Bang cósmico foi um fator que
contribuiu no desenvolvimento da teoria Fiat Nox.

Magia Negra

Os programas de morte construídos dentro de nossa estrutura emocional e comportamental, ambas genéticas e
hereditárias, são o preço que pagamos pela capacidade de reprodução sexuada, a única que permite mudanças
evolutivas. Somente são imortais aqueles organismos que se reproduzem assexuadamente, reproduzindo inúmeras
cópias idênticas de suas próprias formas, extremamente simples. Duas conjurações com o poder negro são de
particular interesse para o mago: lançamento de encantos de destruição e o ato de se evitar uma morte prematura.

Os assim chamados ritos "Chod" são um ensaio ritual da morte, onde o "eu-morte" é invocado para manifestar seu
conhecimento e sabedoria. Tradicionalmente concebido como uma figura de um esqueleto vestido em uma túnica
negra e armado com uma foice, o "eu-morte" é responsável pelos mistérios do envelhecimento, senilidade,
morbidez, necrose, entropia e decadência. Ele também possui um senso de humor pervertido e que denota enfado
em relação ao mundo.

Cercado por todos os símbolos e parafernália da morte, o mago invoca o "eu-morte" em um rito "Chod" para um
dos dois propósitos mencionados anteriormente. Primeiramente a experiência do "eu-morte" e a gnoses negra
trazem o conhecimento do que se sente no momento que se começa a morrer. Isto prepara o mago para resistir às
manifestações de uma morte prematura real, por conhecimento do inimigo. Um demônio é somente um deus agindo
fora de sua vez ( fora do momento certo ). No curso de vários ritos "Chod" o mago pode, convenientemente,
experimentar praticar o banimento, em estilo xamânico, de entidades e símbolos visualizados e invocados que são
associados a várias doenças. Portanto, o "eu-morte" tem algumas utilidades em diagnose médica e adivinhação.

Em segundo lugar, o "eu-morte" pode ser invocado como uma condição privilegiada para lançar encantos de
destruição. Neste caso, a invocação toma a mesma forma geral, porém a conjuração é normalmente chamada de
Rito de Entropia. Deve-se sempre procurar alguma alternativa possível para o exercício da magia destrutiva, pois
ser forçado a uma posição de ter que usá-la é uma demonstração de fraqueza. Em cada caso, o mago deve
estabelecer um mecanismo no subconsciente pelo qual o alvo possa ir à ruína e, então, projetá-lo com a ajuda de
um sigilo ou, talvez, de um servidor invocado. Magia Entrópica funciona mandando ao alvo informações que
estimulam o comportamento auto-destrutivo. Magia Entrópica difere da magia de combate da gnoses vermelha em
muitos aspectos importantes. Magia Entrópica é sempre realizada com completa discrição, na fúria fria da gnoses
saturnina negra. O objetivo é um golpe cruel e cirúrgico sobre o qual o alvo não tem nenhum aviso. O mago não
está interessado em uma luta mas, sim, numa morte rápida e eficiente. A grande vantagem de tais ataques é que,
raramente, eles são percebidos como tais pelos alvos. Desta forma, o alvo, sem saber o que está acontecendo, terá
pouca chance de se queixar pelos desastres que lhe sucederão. Uma desvantagem, entretanto é que é muito difícil
apresentar orçamentos a clientes por efeitos que aparentam ser devidos a causas naturais.

Formas de deus do poder negro são Legião; se a forma de um simples esqueleto de manto com uma foice não
simboliza adequadamente o "eu-morte", então formas como Charon, Thanatos, Saturno, Chronos, a bruxa Hécate,
irmã negra Atropos, Anúbis, Yama e Kali podem servir.

Raramente são estabelecidos servidores do poder negro para uso geral a longo prazo. Isto ocorre, em parte, porque
seu uso é apropriado para ser esporádico e, por outro lado, porque eles podem ser perigosos para o seu possuidor.
Assim, a tendência é que eles sejam feitos e enviados para um trabalho específico.

Magia Azul

Não se deve medir riquezas em termos de propriedades mas, sim, em termos de controle sobre pessoas e
materiais. Portanto, em última instância, deve-se medi-la em termos de sua própria experiência. Dinheiro é um
conceito abstrato usado para quantificar atividade econômica. Portanto, riqueza é uma medida de quão bem você
controla suas experiências com o dinheiro. Assumindo que experiências variadas, excitantes, incomuns e
estimulantes são preferíveis àquelas que são estúpidas e monótonas e que elas tendem a ser caras, o principal
problema para muitas pessoas é encontrar uma forma altamente eficiente de entrada de dinheiro que possua as
qualidades agradáveis acima.

O objetivo da magia da riqueza é estabelecer um grande movimento de dinheiro que permita experiências
agradáveis em ambos os estágios: de entrada e de saída. Isto requer aquilo que é conhecido como "consciência do
dinheiro".

O dinheiro adquiriu todas as características de um ser espiritual; ele é invisível e intangível. Moedas, notas e
números eletrônicos não são dinheiro. Eles são somente representações ou talismãs de algo que os economistas
não podem definir de forma coerente. Além disso, embora seja ele próprio intangível e invisível, pode criar efeitos
poderosos na nossa realidade.

O dinheiro tem suas próprias preferências e personalidade. Ele evita aqueles que o blasfemam e flui em direção
àqueles que o tratam da maneira que ele gosta. Num ambiente apropriado, ele irá, até mesmo, reproduzir-se. a
natureza do espírito do dinheiro é movimento; o dinheiro gosta de se mover. Se ele for armazenado e não usado,
lentamente morrerá. Assim, o dinheiro prefere manifestar-se como uma propriedade mutável a se manifestar como
uma propriedade inexplorada, inutilizada. Excedentes de capital para prazer imediato devem ser reinvestidos como
uma evocação adicional, porém aqueles que possuem realmente a "consciência do dinheiro" descobrem que até
mesmo seus prazeres fazem dinheiro para si. A "consciência do dinheiro" paga para divertir-se. Aqueles que
possuem esta consciência são generosos naturalmente. Ofereça a eles um investimento interessante e eles lhe
oferecerão fortunas. Apenas não peça migalhas. A obtenção da "consciência do dinheiro" e a invocação do "eu-
riqueza" consiste na aquisição de um conhecimento completo sobre as preferências do espírito do dinheiro e na
exploração completa dos desejos pessoais. Quando ambos os fatores forem compreendidos, uma verdadeira riqueza
manifestar-se-á sem esforço.

Tais invocações devem ser realizadas com cuidado. A gnosis azul da riqueza e do desejo cria demônios tão
facilmente quanto cria deuses. Muitos seminários contemporâneos sobre sucesso e treinamento de verdade
concentram-se em criar um desejo histérico por dinheiro associado a um igualmente hipertrofiado desejo pelos
meros símbolos de riqueza ao invés do desejo pelas experiências que o jogadores realmente querem. Trabalhar
como um maníaco possuído o dia inteiro pelo questionável prazer de beber a si próprio, num estado quase que de
esquecimento , numa champanhe de vindima todas as noites, é ter perdido completamente o ponto e ter entrado na
condição de anti-riqueza.

Por outro lado, a maioria das pessoas que são pobres em sociedades relativamente livres onde outros são ricos deve
a sua pobreza ou à falta de entendimento de como o dinheiro se comporta ou a sentimentos negativos que tendem
a repeli-lo. Não são necessários grandes níveis de inteligência ou de capital para se tornar rico. A popularidade dos
contos sobre a miséria e o infortúnio do rico é o testemunho do mito ridículo vigente entre os pobres de que o rico é
infeliz. Antes de começar a trabalhar com a magia azul, é essencial examinar com seriedade todos os sentimentos e
pensamentos negativos sobre dinheiro e tratar de exorcisá-los. Muitas das pessoas pobres que ganham loterias ( e
somente o pobre entra regularmente nelas ) orientam suas vidas de tal forma a não terem mais nada poucos anos
depois. É como se alguma força subconsciente, de alguma forma, se livrasse de algo que eles sentem que, na
verdade, não merecem ou não querem.

As pessoas tendem a ter o grau de riqueza que profundamente acreditam que devem ter. Magia azul é a
modificação desta crença através da determinação de crenças alternativas. Rituais de magia azul devem envolver
necessariamente exorcismos de atitudes negativas em relação à riqueza, explorações divinatórias sobre quais são
os seus desejos mais profundos e invocações do "eu-riqueza" e do espírito do dinheiro durante os quais o nível
subconsciente de riqueza é ajustado pela expressão ritual de um novo valor. Durante esses rituais também são
feitas afirmações sobre novos projetos para o investimento dos recursos e dos esforços. Podem ser recitados hinos
e encantamentos ao dinheiro. Cheques de somas surpreendentes podem ser escritos para você mesmo e pode-se
proclamar e visualizar os desejos. Várias formas de deus tradicionais com um aspecto próspero tais como Júpiter,
Zeus, o mítico Midas e Croesus podem expressar o "eu-riqueza".

Raramente são usados encantamentos simples para dinheiro na magia azul moderna. Hoje em dia a tendência é
lançar encantamentos desenvolvidos para aumentar o valor dos esquemas projetados para fazer dinheiro. Se você
falhou em providenciar um mecanismo através do qual o dinheiro possa se manifestar, nada ocorrerá ou o
encantamento irá encarnar-se por meios estranhos como, por exemplo, a herança devida a morte prematura de um
parente muito amado. Nunca se tenta a magia azul séria em formas tradicionais de jogo. O jogo tradicional é uma
maneira cara de comprar experiências o qual não tem nada a ver com aumentar riqueza. Magia azul é uma matéria
de investimentos cuidadosamente calculados. Qualquer um que não seja um idiota deve ser capaz de imaginar um
investimento que ofereça maiores vantagens que as formas tradicionais de jogo.

Magia Vermelha

Tão logo a humanidade desenvolveu a sociedade e a tecnologia de armas para derrotar seus principais predadores e
competidores naturais, parece ter aplicado um feroz mecanismo de seleção para si mesma na forma de combates
sanguinários. Muitas das qualidades que consideramos como marcas de nosso sucesso evolutivo, tais como os
polegares em oposição e a conseqüente habilidade de manipulação de ferramentas, nossa capacidade de
comunicação por sons, nossa postura ereta e nossa capacidade de dar e receber comandos e disciplina foram quase
certamente selecionados para manter milênios de conflitos armados organizados entre grupos humanos. Nossa
moralidade reflete nossa história sangrenta pois enquanto é tabu atacar membros de nossa própria tribo, ainda é
dever atacar estrangeiros. O único debate é sobre quem constitui nossa própria tribo. Quando o entusiasmo pela
guerra é limitado, inventamos esportes e jogos nos quais expressamos nossa agressividade. Por todo o caráter e
terminologia do esporte fica claro que o esporte é somente uma guerra com regras extras.

Entretanto, não se deve supor que a guerra seja completamente desapercebida de regras. As guerras são realizadas
para aumentar a nossa posição de barganha; na guerra, o grupo inimigo é uma riqueza sobre a qual desejamos
ganhar alguma medida de controle. As guerras são realizadas para intimidar os adversários, não para exterminá-
los. Genocídio não é guerra.

A estrutura e conduta da guerra refletem o programa de "luta ou fuga" construído em nosso sistema nervoso
simpático. Na batalha, o objetivo é intimidar o inimigo para fora do modo de luta e para dentro do modo de fuga.
Assim, assumindo que há suficiente paridade de foças para fazer a luta parecer vantajosa para ambas as partes, o
estado de ânimo é o fator decisivo em virtualmente todos os encontros competitivos, esportivos ou militares entre
seres humanos.

A magia vermelha tem dois aspectos: o primeiro é a invocação de vitalidade, agressão e estado de ânimo para nos
manter em qualquer conflito da vida; o segundo é a realização de um combate mágico real. Existe uma variedade
de formas de deus onde o "eu-guerra" pode ser expressado, embora formas híbridas ou puramente idiossincráticas
funcionem tão bem quanto as anteriores. Ares, Ishtar, Ogoum, Thor, Marte, Mithras e Horus, em particular, são
usados freqüentemente. Não devemos negligenciar o simbolismo contemporâneo. Armas de fogo e explosivos são
tão bem vindas para a gnose vermelha quanto espadas e lanças. Tambores são indispensáveis. Sigilos desenhados
por líquidos inflamáveis ou, ainda, círculos flamejantes completos nos quais se fazem invocações devem ser
considerados.

O combate mágico é normalmente praticado abertamente com o adversário sendo publicamente ameaçado e
amaldiçoado ou quando ele acha o recipiente de um talismã, encantamento ou runa com um aspecto desagradável.
Os objetivos são a intimidação e o controle do adversário que deve se tornar tão paranóico quanto possível e
informado da origem do ataque. Por outro lado, a magia de combate toma as mesmas formas gerais das usadas em
magia entrópica, com os sigilos e os servidores controlando informações auto-destrutivas para o alvo, agora,
contudo, com intenções sub-letais.

Entretanto, a habilidade real da magia vermelha é ser capaz de apresentar tão irresistível glamour de vitalidade
pessoal, estado de ânimo e potencial de agressão que o exercício da magia de combate não seja nunca necessária.

Magia Amarela

Muitos dos textos existentes sobre o que se chama tradicionalmente de "magia solar" contradizem-se mutuamente
ou sofrem de confusões internas. Os comentários astrológicos a respeito dos supostos poderes do sol estão entre os
mais idiotas e sem sentido que a disciplina pode produzir. Isto ocorre porque o poder amarelo possui quatro formas
distintas, porém relacionadas, dentro da psique. Esta divisão quádrupla tem induzido a imensos problemas em
psicologia, onde várias escolas de pensamento escolhem enfatizar um aspecto em particular e ignorar aqueles aos
quais as outras escolas tem se dedicado. Os quatro aspectos podem ser caracterizados como se segue. Primeiro, o
ego - ou auto-imagem: que é, simplesmente, o modelo que a mente tem da personalidade em geral. Desta
definição excluem-se muitos dos padrões de comportamento extremados dos quais os eus são capazes. Segundo, o
carisma que é o grau de autoconfiança que a pessoa projeta para as outras. Terceiro, algo para o qual não há uma
palavra específica em inglês ou português: talvez possa ser chamado de criatividade da risada. Quarto, a ânsia de
afirmação e domínio. Todas essas coisas são manifestações do mesmo poder amarelo, embora suas ênfases
relativas variem enormemente entre os indivíduos.

O sucesso em muitas sociedades humanas normalmente resulta de uma hábil expressão do poder amarelo. A força
do poder amarelo em um indivíduo parece manter uma relação direta com os níveis do hormônio sexual
testosterona em ambos os sexos, embora sua expressão dependa da psicologia pessoal. Existe uma influência
mútua complexa entre os níveis de testosterona, auto-imagem, criatividade, status quo e necessidades sexuais,
mesmo que não estejam manifestos. Em termos esotéricos, a Lua é o poder secreto por trás do Sol, como muitas
magas percebem instintivamente e muitos magos descobrem mais cedo ou mais tarde. O ego se forma
gradualmente através dos acidentes da infância e da adolescência e, na ausência de poderosas experiências
posteriores, permanece razoavelmente constante, mesmo que contenha elementos totalmente inadaptáveis.
Qualquer tipo de invocação poderia fazer diferença para o ego, porém um trabalho direto com ele pode fazer muito
mais. Estão envolvidos muitos truques neste processo. O próprio reconhecimento do ego implica que a mudança é
possível. Somente aqueles que percebem que tem uma personalidade ao invés de consistirem de uma
personalidade podem mudá-la. Para muitas pessoas, a preparação de um inventário detalhado de suas próprias
personalidades é uma atividade muito difícil e transtornante. Porém, uma vez realizada, é normalmente muito fácil
decidir que mudanças são desejáveis. Mudanças no ego, na auto-imagem ou na personalidade através da magia são
classificadas como trabalhos de iluminação e são, principalmente, realizadas por encantamentos retroativos e
invocações. Encantamento retroativo, neste caso, consiste em rescrever a nossa história pessoal. Como nossa
história define amplamente o nosso futuro, podemos mudar o nosso futuro redefinindo nosso passado. Todas as
pessoas possuem certa capacidade para reinterpretar as coisas que deram errado no passado sob uma luz mais
favorável, porém muitas falham em perseguir o processo até o final. Nós não podemos eliminar as memórias
limitantes e incapacitantes, porém, por um esforço de visualização e imaginação, podemos escrever em paralelo
memórias edificantes e capacitantes do que também poderia ter acontecido. Isso irá neutralizar as originais. Nós
podemos também, quando possível, modificar alguma evidência física remanescente que favoreça a memória
limitante.

As invocações para modificar o ego são encantamentos e personificações rituais das novas qualidades desejadas.
Deve-se dar atenção às modificações planejadas no vestuário, tons de fala, gestos, maneirismos e na postura do
corpo que irão melhor corresponder ao novo ego. Um artifício muito usado em magia amarela é praticar a
manifestação de uma personalidade alternativa através de um gatilho mnemônico simples tal como a transferência
de um dedo para outro.

Várias formas de deus são utilizadas para criar manifestações novas e fortes do ego e para experimentos com as
outras três qualidades do poder amarelo. São exemplos: Rá, Helios, Mithras, Apolo e Baldur.

Carisma, a projeção de uma aura de autoconfiança, é baseado num truque simples. Após um curto espaço de tempo
não há diferença nenhuma entre simulada e a verdadeira autoconfiança. Qualquer um que deseje remediar a falta
de confiança e carisma e que esteja em dúvida sobre como começar a aparentar estas qualidades, poderá descobrir
que um ou dois dias gastos aparentando um zero absoluto de autoconfiança irão revelar rapidamente: a eficácia da
simulação e os pensamentos, palavras, gestos e posturas específicos requeridos para projetar qualquer simulação.

Parece que não se pode dizer nada a respeito da risada e da criatividade. Porém, o humor depende de uma súbita
formação de uma nova conexão entre conceitos desconexos. Nós rimos da nossa própria criatividade em formar
esta conexão. Exatamente a mesma forma de exaltação surge de outras formas de atividade criativa e, se o insight
vem repentinamente, a risada é o resultado. Se não somos capazes de rir quando vemos uma peça realmente
brilhante de matemática, então não somos capazes de entender isto. Também é necessário um certo grau de auto-
estima e autoconfiança positivas para rir de algo criativamente divertido. As pessoas de baixa auto-estima tendem
unicamente a rir do humor destrutivo e da desgraça dos outros; isso se rirem.

A risada é, freqüentemente, um fator importante nas invocações das formas de deus do poder amarelo. A
solenidade não é um pré-requisito para o ritual. A risada é também uma tática comum para atrair a atenção da
consciência para longe dos sigilos ou outras conjurações mágicas, uma vez terminados os trabalhos com eles. O
forçar deliberado de uma risada histérica pode parecer um caminho absurdo para encerrar um encantamento ou
uma invocação, porém isto tem se mostrado extraordinariamente eficiente na prática. Isto pode ser considerado
como uma "destreza da mente" artificial que evita a deliberação consciente.

A "ordem da bicada" dentro de vários grupos de animais sociais é, normalmente, imediatamente evidente para nós
e para os próprios animais. Dentro de nossa própria sociedade, tais hierarquias de domínio são igualmente comuns
em todos os grupos sociais, embora possamos ir a extremos para disfarçar isto de nós mesmos. A situação humana
ainda é mais complicada pela nossa tendência de pertencer a muitos grupos sociais, nos quais podemos ter
diferentes níveis de status social, e o status social é, freqüentemente, parcialmente dependente de outras
habilidades especializadas , diferentes da força bruta. Entretanto, assumindo que uma pessoa possa parecer
competente na habilidade especializada que o grupo social requer, a posição pessoal no grupo depende quase
inteiramente do grau de afirmação e domínio que a pessoa exibe. Estes são exibidos basicamente através do
comportamento não-verbal que todos entendem intuitivamente ou subconscientemente, mas que muitos não
entendem racionalmente. Como conseqüência, eles não podem manipulá-lo deliberadamente. O comportamento de
domínio típico envolve o falar alto e lentamente, usando muito o contato visual, interromper a fala dos outros
enquanto resiste à interrupção feita por estes, manter uma postura ereta de ameaça disfarçada, a invasão do
espaço pessoal dos outros enquanto resiste à invasão de seu próprio espaço e colocar-se estrategicamente em
algum lugar no foco de atenção. Em culturas onde o toque é freqüente, o dominador sempre o inicia ou,
intencionalmente, o recusa. Em ambos os casos, ele domina o contato.
O comportamento submisso é, logicamente, o reverso de tudo acima e aparece muito espontaneamente em
resposta ao domínio bem sucedido de outros. Há uma interação em mão dupla entre o comportamento de domínio e
os níveis de hormônios. Se o nível muda, por razões médicas, então o comportamento tende a mudar; porém, mais
importante do ponto de vista mágico, é que uma mudança deliberada do comportamento irá modificar os níveis de
hormônio. "Finja isto até que você o faça". Não há nada particularmente oculto com a maneira que algumas pessoas
são capazes de controlar outras. Nós simplesmente não notamos como isto é feito porque quase todos os sinais
comportamentais envolvidos são trocados subconscientemente. Os sinais de domínio tendem a não funcionar se os
seus recebedores os percebem conscientemente. Deste modo, em muitas situações, eles devem ser liberados
discretamente e com um aumento gradual na intensidade. Uma das poucas situações em que estes sinais são
enviados deliberadamente é nas hierarquias militares, porém isto só é possível por causa da imensa capacidade de
coerção física direta que tais sistemas exibem. Quebre as regras formais de comunicação não-verbal com um oficial
e terá um sargento para inculcar-lhe alguma submissão por meios diretos. Eventualmente as regras formais são
absorvidas e funcionam automaticamente, criando obediência suficiente para permitir o auto-sacrifício e a matança
em massa. O poder amarelo é a raiz de muito do melhor e do pior que nós somos capazes.

Magia Verde

Há uma considerável superposição no que há de escrito nos livros populares de magia no que diz respeito aos
assuntos do amor venusiano e a magia sexual lunar. Conseqüentemente, neste texto evitou-se ao máximo uma
nomenclatura planetária. Embora a magia do amor seja realizada freqüentemente com objetivos sexuais, este
capítulo irá se limitar às artes de fazer as pessoas amigáveis, fiéis e afetuosas para conosco.

Talvez sejam os amigos a nossa maior propriedade. Meu caderno de endereços é, facilmente, minha mais valiosa
posse. Como com a atração erótica, primeiro é necessário gostarmos de nós próprios antes que os outros possam
fazê-lo. Esta habilidade pode ser aumentada por invocações apropriadas do poder verde. Muitas pessoas acham fácil
fazer vir à tona uma amizade de pessoas de quem eles gostam; porém, fazer amigáveis, pessoas que não estavam
dispostas a isto, e pessoas a quem não estamos dispostos a dar nossa amizade, é uma habilidade valiosa. Uma
amizade não correspondida é uma inabilidade somente da pessoa que a oferece.

As invocações do poder verde devem começar com o amor próprio, uma tentativa de ver o lado maravilhoso de
todos os eus dos quais nós consistimos e, então, proceder a uma afirmação ritual da beleza e amabilidade de todas
as coisas e pessoas. Formas de deus disponíveis para o "eu-amor" incluem Vênus, Afrodite e o mítico Narciso cujo
mito reflete somente um certo preconceito machista contra este tipo de invocação.

De dentro da gnoses verde, os feitiços para fazer as pessoas amigáveis podem ser enviados por simples
encantamentos ou pelo uso de entidades criadas com este objetivo. Entretanto, é nos encontros face-a-face que as
habilidades de empatia estimuladas pela invocação trabalham de forma mais eficiente. Fora os artifícios óbvios de
mostrar interesse em tudo o que o alvo tem a dizer, afirmar e simpatizar com a maior parte, há um outro fator
crítico chamado "combinação de comportamento" que normalmente ocorre subconscientemente. Este fator consiste,
basicamente, em tentar imitar o comportamento não-verbal do alvo, com a exceção das posturas que sejam
claramente hostis. Sente-se ou fique de pé em idêntica posição corporal, faça os mesmos movimentos, use o
mesmo grau de contato visual e fale com intervalos similares. Quando com comportamento de domínio, tais sinais
só funcionam se não forem percebidos conscientemente por quem os está recebendo. Não se mexa imediatamente
para igualar os movimentos e posturas do alvo. É essencial sondar e equiparar o comportamento verbal e comunicar
com o mesmo nível de inteligência, status social e senso de humor que o alvo.

Antes de me tornar rico, eu praticava estas habilidades enquanto pegava carona. Logo, até mesmo pessoas que
encontrei desfiguradas e cadavéricas estavam me pagando o lanche e me transportando para longe de seus
próprios caminhos. A empatia irá levá-lo a qualquer lugar.

Magia Laranja

Charlatanismo, trapaça, viver de suas próprias habilidades e o pensar rápido são a essência do poder laranja. Estas
qualidades mercuriais eram tradicionalmente associadas às formas de deus que atuavam como protetores dos
médicos, magos, jogadores e ladrões. Entretanto, agora, desde o momento que os médicos descobriram que os
antibióticos e as cirurgias higiênicas realmente funcionam, a medicina está parcialmente dissociada do
charlatanismo. Todavia, por volta de oitenta por cento dos medicamentos ainda são basicamente placebos. Por isso
o caduceu de mercúrio ainda é o emblema desta profissão. Da mesma forma, a profissão da magia tornou-se menos
dependente do charlatanismo através da descoberta da natureza quântica-probabilística dos encantamentos e
adivinhações e o total abandono da alquimia e astrologia clássica. No momento, a magia pura é melhor descrita
como uma expressão do poder octarino, tendo um caráter uraniano. Porém, o charlatanismo ainda tem seu lugar na
magia, assim como na medicina. Não nos esqueçamos que todos os truques de conjuração foram parte, em algum
momento, do repertório xamânico de "aquecimento". Nesta prática, alguma coisa perdida ou destruída é
miraculosamente restaurada pelo mago com o intuito de colocar a audiência no estado de ânimo apropriado, antes
do verdadeiro negócio de cura placebo começar. Em sua forma clássica, o mago coloca um coelho numa cartola
antes de tirá-lo na frente da platéia.

Devemos acrescentar à lista das profissões fortemente influenciadas pelo poder laranja: o vendedor, o vigarista, o
corretor e, ainda, todas as profissões com uma alta taxa de ataques cardíacos. A força motriz da gnoses laranja é o
medo, basicamente. Porém, um tipo de medo que não inibe aquele que o tem, mas que gera uma velocidade
nervosa extraordinária que produz movimentos e respostas rápidas em situações em que se está encurralado.

A apoteose do "eu-inteligência" é a habilidade de entrar naquele estado de sobremarcha mental, onde a resposta
rápida está sempre pronta para chegar. Paradoxalmente, para desenvolver esta habilidade é suficiente não pensar
sobre o pensar, mas, sim, permitir que a ansiedade paralise parcialmente os processos inibitórios dos pensamentos,
de forma que o subconsciente possa liberar uma resposta rápida e inteligente sem a deliberação consciente.

As invocações do poder laranja são melhor realizadas em velocidade frenética, louca; sua gnoses pode ser
aprofundada pela performance de tarefas que exijam a mente, tais como: fazer, de cabeça, o somatório de várias
listas de números ou abrir envelopes que contenham difíceis questões e respondê-las instantaneamente. Deve-se
insistir nessas atividades até penetrar na experiência de pensar sem deliberação. Várias formas de deus podem ser
usadas para dar forma ao "eu-inteligência": Hermes, Loki, o Coiote trapaceiro e o Mercúrio romano.

A magia laranja é normalmente restrita a invocações designadas para aumentar o "pensamento rápido" em
atividades seculares, tais como: jogo, crime e objetivos intelectuais. A hipótese do Fiat Nox, por exemplo, veio para
junto de mim numa semana após eu ter realizado uma eficiente invocação mercurial utilizando as técnicas acima.
Na minha experiência, os encantamentos e as evocações realizadas depois de uma invocação da gnoses laranja
raramente dão tanto resultado quanto a própria invocação. Talvez devêssemos falar algo a respeito do crime e do
jogo em benefício daqueles que podem não estar entendendo o que pode ser feito com a magia laranja no suporte
de tais atividades. É ridiculamente fácil roubar se o fizermos metodicamente. Porém, a maioria dos ladrões são
pegos após um certo tempo. Isto ocorre porque eles se tornam afeitos à ansiedade que experimentam como
excitação. Desta forma, começam a correr riscos para aumentar essa excitação. É óbvio que o ladrão noviço, que
rouba algo em estado de extrema ansiedade e numa situação de risco zero, não será pego. O mesmo ocorre com o
profissional cuidadoso. Entretanto, há muito poucos profissionais cuidadosos pois há muitos caminhos mais fáceis de
ganhar dinheiro para pessoas com esta espécie de habilidade. A maioria dos ladrões sempre arranja uma forma de
se incriminar. Isto ocorre porque, uma vez decaída a ansiedade do roubo, resta a ansiedade da punição. Aqueles
que possuem a "inteligência rápida" e frieza exterior suficiente para fazer um roubo bem sucedido poderão ter mais
resultado no ramo das vendas.

Existem três tipos de jogadores permanentes, dois dos quais são perdedores. Existem aqueles afeitos à sua própria
arrogância que somente precisam provar que podem vencer a sorte ou as vantagens fixadas pelos organizadores do
jogo. Há também aqueles afeitos à ansiedade de perder. Mesmo que ganhem, irão, logo em seguida, perder tudo
novamente. Há, então, os vencedores. Não se pode dizer que estes últimos sejam, exatamente, jogadores porque
ou estão organizando as disputas e apostas, possuem informações internas ou estão trapaceando. Esta é a
verdadeira magia laranja. O pôquer não é um jogo de sorte se for jogado habilmente. Um jogo hábil inclui o não
jogar contra pessoas de competência igual ou superior ou, ainda, pessoas em posse de uma Smith & Wesson contra
seus quatro ases. Muitas formas convencionais de jogo são montadas de forma que qualquer coisa fará pouca
diferença, excetuando as mais extremas formas de poder psíquico. Eu jamais perderia tempo com disputas onde
minhas chances tenham sido reduzidas de cem para um para apenas seis para um. Entretanto, certos resultados
obtidos usando-se presciência oculta em corridas de cavalo têm mostrado um potencial encorajador.

Magia Púrpura

A maior parte dos cultos que atravessaram a história tem uma característica em comum: eles foram conduzidos por
homens carismáticos capazes de persuadir mulheres a dispensar livremente favores sexuais a outros homens.
Quando começamos a observar, este fato torna-se claro em muitos cultos antigos, seitas monoteístas cismáticas e
grupos esotéricos modernos. Muitos, se não a maioria, dos adeptos do passado e do presente foram, ou são,
cafetões. O mecanismo é muito simples: pague a mulher com a moeda da espiritualidade para servir aos homens;
estes, por sua vez, irão devolver-lhe o pagamento com adulação e a aceitação de seus ensinamentos será, para
eles, um efeito colateral. A adulação dos homens irá aumentar seu carisma com as mulheres, criando um laço de
realimentação muito positivo. Este processo pode ser um agradável "ganha-pão" até a velhice ou poderá sofrer um
ataque da polícia. Outro perigo óbvio é que a mulher e, eventualmente, o homem pode sentir que as constantes
mudanças de parceiros irão contra seus interesses emocionais e de reprodução a longo prazo. A circulação de
pessoas em tais cultos pode ser muito grande, de forma que jovens adultos constantemente estejam substituindo
aqueles que estão se aproximando da meia idade.

Poucas são as religiões ou cultos que não possuem um ensinamento religioso pois qualquer ensinamento provê um
poderoso nível de controle. A maioria das mais estabilizadas e duradouras religiões estimulam a supressão do
chamado sexo livre. Isso também traz muitos dividendos. A posição das mulheres se torna mais segura e os
homens sabem quem são seus filhos. É natural que o adultério e a prostituição floresçam em tais condições porque
algumas pessoas querem sempre um pouco mais que uma vida monogâmica pode oferecer. Assim, é muito correto
afirmar que os bordéis são construídos com os tijolos da religião: indiretamente com as religiões convencionais,
diretamente com muitos cultos.

Tudo o que foi dito nos faz perguntar porque é que as pessoas têm tal necessidade de querer que os outros lhes
digam o que fazer com a sua sexualidade. Porque as pessoas têm que procurar justificativas esotéricas e
metafísicas para aquilo que elas querem fazer? Porque é tão fácil "vender água para o rio"?
A resposta, ao que parece, é que a sexualidade humana possui uma constituição de insatisfação de origem
evolutiva. Nosso comportamento sexual é parcialmente controlado pela genética. Os genes mais aptos a sobreviver
e prosperar são aqueles que, nas fêmeas, encorajam a permanente captura do macho mais poderoso disponível e a
ligação ocasional (clandestina) com algum macho mais poderoso que possa estar temporariamente disponível. Ao
mesmo tempo, nos machos, os genes mais aptos a prosperar são aqueles que encorajam a impregnação do maior
número de fêmeas que eles possam sustentar, além, talvez, de impregnar sorrateiramente outras poucas que sejam
sustentadas por outros homens. É interessante notar que somente nas fêmeas humanas o cio está oculto. Em todos
os outros mamíferos, o período fértil é muito óbvio. Parece que houve esta evolução para permitir, paradoxalmente,
o adultério e o aumento das ligações sexuais nos momentos em que o ato não tem nenhuma utilidade reprodutiva.
A base econômica de uma determinada sociedade irá exercer certa pressão em favor de um tipo particular de
sexualidade, pressão esta que será codificada na forma de moralidade que irá, inevitavelmente, entrar em conflito
com as pressões biológicas. Esta confusão reina pois nada é satisfatório continuamente. O celibato é insatisfatório,
masturbação é insatisfatória, monogamia é insatisfatória, adultério é insatisfatório, poligamia e poliandria são
insatisfatórios e, provavelmente, a homossexualidade também é insatisfatória se a alegre troca frenética de
parceiros nesta disciplina for algo que continue.

Nada no espectro das possibilidades sexuais provê um solução a longo prazo, porém este é o preço que pagamos
por ocupar o pináculo da evolução dos mamíferos. Muito de nossa arte, cultura, política e tecnologia surgem,
precisamente, de nossas ânsias, medos, desejos e insatisfações sexuais. Uma sociedade sexualmente em paz iria,
com certeza, oferecer um espetáculo insípido. É, normalmente, se não sempre, o caso da criatividade e realização
pessoais serem diretamente proporcionais às suas inquietações sexuais. Esta é, realmente, uma das maiores
técnicas da magia sexual, apesar de não ser reconhecida como tal. Inspire-se com o máximo de inquietações e
confusões sexuais se você realmente quer descobrir o que você é capaz em outros campos. Uma vida sexual
tempestuosa não é um efeito colateral de ser um grande artista, por exemplo. Porém, é a arte que é um efeito
colateral de uma vida sexual tempestuosa. Uma religião fanática não cria as supressões do celibato. São as tensões
do celibato que criam uma religião fanática. A homossexualidade não é um efeito colateral das vidas nos quartéis
entre as tropas de choque de elite suicidas. A homossexualidade cria as tropas de choque de elite suicidas primeiro.

A Musa, a origem hipotética da inspiração, normalmente desenhada em termos sexuais, é a Musa somente quando
seu relacionamento com ela é instável. Quaisquer pronunciamentos morais a respeito do comportamento sexual
foram dados, sem dúvida, milhões de vezes antes e seria indecoroso para um caoísta reenfatizar algum deles.
Porém uma coisa parece relativamente certa. Qualquer forma de sexualidade invoca eventualmente toda a gama de
êxtase, auto-rejeição, medo, prazer, tédio, raiva, amor, ciúmes, despeito, auto-piedade, exaltação e confusão. São
essas coisas que nos fazem humanos e, ocasionalmente, super-humanos. Tentar transcendê-las é fazer-se menos
que humano, não mais. Intensidade de experiência é a chave para estar realmente vivo e, tendo escolha, eu
preferiria ter estas experiências através do amor do que através da guerra.

Uma vida sexual insípida cria uma pessoa insípida. Poucas pessoas conseguiram obter grandiosidade em qualquer
campo sem a propulsão que uma vida sexual-emocional turbulenta provê. Este é o maior segredo da magia sexual.
Os dois segredos menores envolvem a função do orgasmo como gnoses e a projeção de um glamour sexual.
Qualquer coisa que seja mantida na mente consciente durante o orgasmo tende a alcançar a subconsciência.
Anomalias sexuais podem prontamente ser implantadas ou retiradas por este método. No orgasmo pode-se dar
poder aos sigilos de encantamento ou de evocação. Isto pode ser feito, por exemplo, através da visualização pura
ou através da contemplação do sigilo fixado na testa do parceiro. Entretanto, este tipo de trabalho é
freqüentemente mais conveniente se realizado de forma auto-erótica. Embora a gnoses oferecida pelo orgasmo
possa, em teoria, ser usada em suporte de qualquer objetivo mágico, normalmente é desaconselhável usá-lo para
as magias entrópica e de combate. Nenhum encantamento é totalmente isolado no subconsciente e qualquer
"escape" que ocorra pode implantar associações muito prejudiciais com a sexualidade.

Durante o orgasmo pode ser lançada uma invocação, sendo que esta operação será mais eficiente se cada parceiro
assumir uma forma-deus. Os momentos seguintes ao orgasmo são muito úteis para visões de busca adivinatória.
Atividades sexuais prolongadas podem, também, conduzir a estágios de transe úteis em adivinhação visual e
oracular ou estados oraculares de possessão em invocação.

A projeção de um glamour sexual, com o objetivo de atrair os outros, depende de muito mais que a simples
aparência física. Algumas das pessoas mais bonitas, no sentido convencional, carecem totalmente disso, enquanto
que algumas das mais comuns desfrutam seus benefícios ao limite.

Para ser atraente para outra pessoa, você deve oferecer alguma coisa que seja a reflexão de alguma parte dela
mesma. Se a oferta se torna recíproca, isso poderá conduzir a um senso de complementação que é mais
prontamente celebrada pela intimidade física. Em muitas culturas, é convencionado para o macho exibir uma vigor
público exterior e para a fêmea exibir uma personalidade mais tenra, ainda que nos encontros sexuais cada um irá
procurar revelar seus fatores ocultos. O macho irá procurar mostrar que ele pode ser tão compassivo e vulnerável
quanto poderoso, enquanto que a fêmea procurará mostrar uma força interna por trás dos signos e sinais de
receptividade passiva. Personalidades incompletas, tais como aquelas que são profundamente machistas ou que
consistem do oposto polar disso, não são nunca atraentes sexualmente a ninguém, exceto no sentido mais
transitório.

Assim, os filósofos do amor têm identificado uma certa androginia em ambos os sexos como um importante
componente da atração. Alguns têm usado de licença poética para expressar o belo ideal de o homem ter uma alma
fêmea e a mulher uma alma masculina. Isso reflete o chavão que para ser atraente para os outros, você deve,
primeiro, ser atraente para você mesmo. Algumas horas gastas praticando o ser atraente em frente a um espelho é
um exercício valioso. Se você não consegue ficar nenhum pouco excitado com você mesmo, não espere que
ninguém fique.

A técnica do "olhar da Lua" é freqüentemente eficiente. Você fecha os olhos rapidamente. Visualiza
momentaneamente um crescente lunar de prata por trás de seus olhos, com os chifres da lua se projetando de cada
lado de sua cabeça, atrás de seus olhos. Então, olhe nos olhos de um amante potencial enquanto visualiza uma
radiação prata sendo emitida de seus olhos para os dele, ou dela. Esta manobra também tem o efeito de dilatar as
pupilas e, normalmente, causa um sorriso involuntário. Ambos são sinais sexuais universais, sendo que o primeiro
atua subconscientemente. Não se deve lançar encantamentos para parceiros específicos. É preferível conjurar para
parceiros adequados em geral, para você ou para outros. Seu subconsciente possui uma apreciação muito mais
penetrante de quem realmente é adequado.

A magia sexual é tradicionalmente associada com as cores púrpura (da paixão) e prata (da Lua). Entretanto, a
eficiência das roupas pretas tanto como sinal sexual quanto anti-sexual, dependendo do estilo e corte, mostra que o
preto é, num certo sentido, a cor secreta do sexo, refletindo o relacionamento biológico e psicológico entre o sexo e
a morte.

Ritos de Natureza Mista

O poder amarelo combina bem, na invocação, com qualquer uma das outras forças, exceto a negra. Tais trabalhos
têm o efeito de atrair a força aliada ao poder amarelo mais completamente para o reino da auto-imagem.
Invocações negro-amarelas são realizadas convencionalmente em duas metades como experiências de morte e
renascimento, em que o mago procura recriar vigorosamente sua auto-imagem após seu ritual de sacrifício.
Invocações e encantamentos de natureza mista verde-púrpura funcionam bem, apesar de estas forças serem
melhor utilizadas de forma isolada. Ainda assim, ritos púrpura-negros possuem efeitos incomuns e não são
necessariamente perigosos para aquele que os realiza se construídos de forma cuidadosa.

Augoeides
Peter Carrolll

A mais importante invocação do mago é a de seu Gênio, Demônio, Vontade Verdadeira ou Augoeides. Esta operação
é tradicionalmente conhecida como a obtenção do conhecimento e diálogo com o Sagrado Anjo Guardião. É as
vezes, conhecida como o Magnum Opus ou Grande Obra.

O Augoeides pode ser definidos como o mais perfeito veículo do Kia no plano da dualidade. Como um avatar de Kia
na Terra, os Augoides representam a verdadeira vontade, a razão de seu ser, do mago, seu propósito de existência.
A descoberta de uma verdadeira vontade ou natureza real pode ser difícil e repleta de perigo uma vez que uma
falsa identificação leva à obsessão e à loucura.

A operação de obtenção do conhecimento e diálogo são normalmente longos. O mago estará empreendendo uma
progressiva metamorfose, um completo exame de toda sua existência. A vida é menos que um acidente sem
sentido, ela aparece. Kia tem encarnado nestas particulares condições de dualidade para alguns propósitos. A
inércia de existências prévias leva Kia para dentro de novas formas de manifestação. Cada encarnação representa
uma tarefa ou um problema a ser resolvido no caminho para alguma grande forma de complementação.

A chave deste quebra-cabeças está nos fenômenos do plano da dualidade no qual nos encontramos. Nós estamos
conforme fomos apanhados em um labirinto. A única coisa à fazer é mover e manter uma atenção próxima do
caminho das paredes à volta. Em um , universo completamente caótico como este, não existem acidentes. Cada
coisa é individualmente importante, mesmo um grão de areia que é movido numa praia distante poderá estar
alterando a história. Uma pessoa fazendo sua verdadeira vontade é assistida por um momento no universo, e
parece possuída de espantosa sorte. Ao começar a grande obra de obter o conhecimento e o diálogo , o mago
consagra "interpretar cada manifestação da existência como uma direta mensagem do Caos infinito para sua própria
personalidade". Fazer isto é entrar, no ponto de vista mágico do mundo em sua totalidade. Ele toma completa
responsabilidade por sua presente encarnação e deve-se considerar cada experiência, coisa ou pedaço de
informação que assalta-o de qualquer fonte como um reflexo de caminho que ele está conduzindo sua existência. A
idéia de coisas acontecerem para alguém, pode ou não estarem relacionadas com o modo destas em agirem em
relação à ilusão criada por nossa consciência comum. Mantendo um olho próximo às paredes do labirinto, as
condições de sua existência, o mago, então pode, começar sua invocação. O gênio não é somado em si mesmo,
mas sim em um despojamento de sucesso para manifestar seu deus interior.

Diretamente no despertar, preferivelmente, no amanhecer, o iniciado vai para o lugar de invocação . Figurando para
ele mesmo seu nascimento a cada dia, trazendo com isto a mudança do grande renascimento, primeiro ele bane o
templo de sua mente pelo ritual ou por algum transe mágico. Então, ele descobre algum sinal ou símbolo ou sigilo
que representa par ele seu Sagrado Anjo Guardião. Este símbolo o mago terá que mudar durante o grande trabalho,
quando a inspiração começar a movê-lo. A seguir, ele invoca uma imagem do Anjo no seu olho mental. este pode
ser considerado como uma duplicata luminosa de sua própria forma em pé de frente ou atrás dele ou,
simplesmente, como uma bola de luz brilhante, acima de sua cabeça. Então, ele formula suas aspirações na
maneira que mais desejar, mortificando a si mesmo numa prece ou auto-exaltação em alta proclamação como
necessário. A melhor forma desta invocação é falar espontaneamente do coração, e se duvidando, primeiramente,
confirmará a si mesmo com o tempo. Ele é dirigido a estabelecer um grupo de idéias e imagens que correspondem
a natureza de seu gênio e, ao mesmo tempo, revela, inspiração desta fonte. Quando o mago começa a manifestar
mais de sua verdadeira vontade, o Augoeides revelará imagens, nomes e princípios espirituais pelo qual ele po ser
desenhado em grande manifestação.

Tendo se comunicado com a forma invocada , o mago deveria desenhar ela dentro de si e ir adiante para o nível
desejado. O ritual pode ser concluído com uma aspiração para a sabedoria do silêncio por uma breve concentração
no sigilo do Augoeides, mas nunca pelo banimento. Periodicamente, formas mais elaboradas de rituais , usando
mais poderosas formas de gnose podem ser empregadas. No final de cada dia, deveria existir uma contabilidade e
nova resolução feita. Embora cada dia seja um catálogo de falha, não deveria haver nenhum senso de pecado ou
culpa. Magia á a ascensão do lado espiritual em um balanço perfeito do poder do Infinito e tais sentimentos são
sintomáticos de não balanceamento.

Se qualquer fragmento não necessário ou não balanceado do ego torna-se com o gênio por engano, então, por
infortúnio a guarda. A força de vida que flui diretamente de dentro desses complexos e incham os monstros
grotescos, é conhecido como o demônio Choronzon. Alguns magos, tentando ir demasiadamente rápido com esta
invocação têm falhado em banir este demônio, tornando-se espetacularmente insanos como resultado.

PANDÆMONÆON
porTzimon Yliaster

O termo Pandæmonæon é muito utilizado por magos caóticos. Isso é compreensível, já que nosso objetivo supremo
é invocar a manifestação completa do Pandæmonæon em cada nível de nossas realidades. Mas nenhuma definição
clara foi oferecida até agora sobre os efeitos que sua invocação terá sobre os vários ingredientes das realidades -
não apenas aquelas observadas pelos magos caóticos, mas aquelas que de fato são experimentadas por aqueles
que não trabalham intencionalmente em prol da Grande Obra. É certo que existem tantas visões sobre a natureza
do Pandæmonæon quanto existem magos caóticos, e é assim que deve ser. O que virá a seguir é uma visão geral
sobre o efeito da chegada do Pandaemonaeon sobre as realidades sociais da humanidade.

Em seu Liber Kaos, Peter Carroll define o Pandæmonæon simplesmente como a evolução da ciência para a magia,
principalmente através das disciplinas científicas descendentes da atual física quântica. Carroll se abstém de fazer
quaisquer projeções firmes sobre os efeitos das ramificações de tal evolução sobre a humanidade. Mais importante
que a compreensão de que novas tecnologias surgirão para cobrir o vão entre o materialismo científico e a magia é
a compreensão do que acontecerá com a humanidade e a sociedade quando o paradigma caomágico ganhar
ascendência envolvendo tanto a ciência quanto a religião dentro de si.

O aspecto mais importante é a transferência de informação. Atualmente, a velocidade pela qual a informação pode
ser transmitida do emissor ao receptor é limitada pelo tempo, que se manifesta aqui na velocidade da luz. Isto é,
entretanto, uma restrição ilusória. A informação não é matéria manifesta, e assim não cai sob o domínio das "leis
universais" que parecem governar o comportamento dos meios pelo quais é transmitida. Para simplificar, precisa-se
apenas imaginar o telefone. Pode parecer que a informação é transferida imeditamente, mas isso não é o caso. Há
um atraso entre a partida da informação e sua recepção que é ditada pela velocidade de uma transmissão elétrica
através de um fio, ou de luz através de um cabo de fibra ótica. Em outras palavras, a informação deve primeiro ser
convertida em algo material e então ser movida através de outra matéria. Em última análise, não é a informação
que se move; são elétrons ou fótons, que são então convertidos novamente em informação quando chegam a seu
alvo. Mas a informação em si não é o elétron ou o fóton (embora estes contenham e sejam compostos de
informação). A informação, como é atualmente, não pode ser medida. Ela é intangível para nós, algo que nunca
pode ser experimentado diretamente.
Então, o que é a informação? É aquilo que os antigos xamãs teriam batizado de mana. Não é material, nem é
energia. Na falta de um cognato melhor para a idéia, ele pode ser descrito como étir; quanta dispersos que se unem
temporariamente para formar um fenômeno qualquer. Um étir não é limitado pela velocidade da luz, não ocupa
espaço algum e nem está sujeito ao tempo. É capaz de estar em mais de um lugar no mesmo momento, ou em
lugar nenhum, ou quaisquer combinações de ambos.

O Pandæmonæon, então, é a um nível a destruição de todas as coisas em étir, ou informação. Tudo se torna
aglomeração temporária mutável de acordo com a vontade, a vontade em si sendo compreendida como uma
aglomeração transitória. Isto espelha exatamente o processo através do qual qualquer ato de Magia do Caos é
realizado; alguém define previamente uma série de parâmetros através de várias técnicas, mas as técnicas em si
não são magia. A magia se manifesta apenas quando um estado de Gnosis é atingido. A Gnosis é o dissipar da
mente de volta ao manancial etírico através da cessação de todos os processos mentais. Qualquer número de
variáveis (quanta) são então permutadas entre o oficiante mágico e o campo de potencialidades infinitas (Étir). A
forma sob a qual se manifestarão é determinada pelos parâmetros estabelecidos pelas técnicas empregadas. Em
outras palavras, as técnicas agem de forma muito semelhante à linha telefônica do exemplo anterior. Quando o
Pandæmonæon tiver sido invocado, entretanto, tais passos intermediários não serão necessários. A vontade
manipulará diretamente o étir em configurações variadas, e nada existirá além do que foi assim configurado. A
informação é transmitida, processada e configurada fora dos limites de qualquer conceito de tempo, ou seja,
instantaneamente.

Que efeito, então, isto terá sobre as estruturas sociais da humanidade? Deve-se primeiro compreender que
qualquer estrutura social não passa de um produto de processos mentais. Estes podem, idealmente, ser
modificados ao sabor daqueles que participam em dada estrutura. Indo mais longe, as estruturas sociais de
qualquer tipo são tentativas de controlar a transmissão e manifestação da informação e do étir. É sempre através do
visor de suas estruturas sociais que o homem forma a realidade consensual. Implicitamente, então, o
Pandæmonæon é o colapso de todas as estruturas sociais, já que não existirá nenhum meio através do qual
transmitir a informação. Em outras palavras, todo o étir é acessível instanteaneamente de qualquer ponto, em
quantidade infinita. As fronteiras dos construtos sociais, e também a mente individual, incharão até explodir. Todo
sujeito e todo objeto serão unidos: individualidade e grupo, passad, presente e futuro, todos formarão uma
singularidade infinita, sem limites e em um constante estado de fluxo. Toda a separação de conceitos desaparecerá
juntamente com todos os conceitos de separação. Austin Osman Spare define isto como um estado de nem/nem;
E.E. Rhemus o define como uma implosão escatônica; o misticismo oriental o proclama como união com a
divindade. Eles são de fato, o mesmo e o único.

Assim, deve ser a meta do mago caótico remover toda e qualquer barreira à transmissão da informação. Hierarquias
são derrubadas não apenas pelo simples ato, mas para apressar a chegada do Pandæmonæon através da destruição
de tais barrerias. Qualquer organização, não importando seus objetivos, é uma força anti-Pandæmonæonica se
intenta controlar de alguam forma o fluxo de informação. Governos, redes de comunicação, instituições religosas e
sociedades secretas se incluem nesta categoria. O verdadeiro mago caótico não buscará reter informações sobre as
técnicas da magia, nem formar sociedades secretas que criem oligarquias e burocracias que são tão restritivas
quanto aquelas que afirmam querer destruir. Qualquer informação deste tipo deve ser disseminada tão rápida e
vastamente quanto possível; isto não apenas apressa diretamente o Pandæmonæon na medida em que aumenta
um pouco mais a velocidade da transmissão, mas também assegura que outros possam encontrar e utilizar as
técnicas necessárias para realizarem a Grande Obra. Qualquer outra coisa não pode ser Magia do Caos, pois fazer as
coisas de outra forma é atrasar a invocação do Pandæmonæon.

Tantra da Mão Esquerda


& o Culto da Serpente de Fogo
Os sistemas originais de Tantra se basearam nos Cultos Draconianos ou Tifonianos do antigo Egito, conforme se
pode deduzir dos resíduos de muitos termos egípcios em textos tântricos, particularmente nos da Índia. Por
exemplo, shakti, que significa 'poder', o conceito central do Tantra, já era conhecido no Egito eras antes sob o nome
de Sekht ou Sekhmet, a consorte dos deuses. Ela tipificava o calor ígneo do sol do hemisfério sul que tinha seu
correspondente biológico no calor sexual da leoa, um símbolo de origem africana. Pasht, em Sânscrito, significa
'animal', e no Tantra a palavra Pashu se relaciona especialmente aos modos bestiais de congresso sexual, isto é,
congresso sexual não sacralizado pela tradição ortodoxa. Da mesma forma, a palavra correspondente a Pashu
existia no Egito como Pasht ou Bâst, a deusa felina que agia como uma gata e que, em eras posteriores, cedeu seu
nome aos bast-ardos que, originalmente, eram aquelas crianças nascidas de mães que as criavam sozinhas, numa
época em que o papel do macho no processo da procriação era desconhecido ou em que a paternidade individual
não era reconhecida. No Tantra, as paixões animalescas eram tipificadas pelo pashu, isto é, alguém que desprezava
os rituais tântricos na utilização das energias sexuais. Igualmente, o deus On no Egito representava o Sol e este
nome foi perpetuado na religião Védica como Ong ou Om, a vibração primal do espírito criativo. Um outro exemplo
interessante é o nome da deusa Sesheta, que representava o período menstrual feminino; no Hinduísmo, Sesha é a
serpente de mil cabeças, bem como também é um nome tântrico para a vibração lunar ou 'serpente da escuridão'
que se manifesta periòdicamente nas mulheres. Estes exemplos da origem egípcia dos conceitos tântricos são quase
infinitos.

Os cultos Ofídicos (relativos à serpente) da África foram depurados de seu conteúdo tribal durante sua fusão com a
Tradição Draconiana do Egito. Entretanto, é na Divisão das Kaulas do Vama Marg [Vama significa 'mulher'. Ela era
tipificada pela lua, o néter, o fundo, ou inferno, em contraposição ao éter, o topo, o superior; a esquerda em
contraste com a direita. Marg significa 'caminho'; daí o termo Vama Marg denotar o Caminho que envolve a
utilização da mulher, a corrente lunar ou seus poderes infernais], ou Caminho da Mão Esquerda, que a forma mais
perfeita desta tradição foi continuada na Índia e no Extremo Oriente. Desta divisão, a Chandrakala ou "Raio da Lua"
manteve algumas das principais características dos cultos Ofídicos.

A aplicação dos processos Ofídicos ao corpo humano foi revelada em três níveis principais em que os segredos da
magia sexual foram demonstrados com o uso das suvasinis ou 'mulheres de cheiro adocicado' que representavam a
deusa primal e que formavam o Círculo da Kaula (o Círculo da Kala Suprema, Mahakala: a Chandrakala ou 'a Deusa
do Raio da Lua').

De modo a transformar a energia sexual em energia mágica (ojas), a Serpente de Fogo (kundalini) adormecida na
base da espinha é despertada. Ela então limpa a energia vital de tudo o que é negativo através da virtude
purificadora de seu calor intenso. Assim, a função do sêmen no Tantra é construir o 'corpo de luz' (corpo astral), o
corpo interior do ser humano. À medida em que o fluido vital se acumula nos testículos, ele é consumido pelo calor
da Serpente de Fogo e os vapores voláteis ou 'perfumes' deste sêmen fortalecem o corpo interior.

O culto à shakti significa, de fato, o exercício da Serpente de Fogo, que não apenas fortifica o corpo de luz mas
gradualmente queima todas as impurezas do corpo físico e o rejuvenesce. Quando o poder desperto da Serpente de
Fogo chega ao plano da Lua, o fluxo de líquidos cérebro-espinais acalma os estados febris e remove todas as
toxinas do corpo, refrigerando todo o sistema. Os adeptos do Tantra têm utilizado há muitos séculos vários métodos
de elevação da Serpente de Fogo, e eles sabem, por exemplo, do valor mágico da urina e das essências vaginais
que estão carregadas de vitalidade pois contêm as secreções das glândulas endócrinas. Estas práticas influenciam o
sistema endócrino e estimulam os centros nervosos sutis ou chakras que formam uma ramificação dos centros de
poder no corpo que agem como condutores das energias cósmicas.

Os Adeptos da Kaula, ao invés de dirigirem sua adoração à coroa da Deusa, preferem oferecê-la à vulva, onde está
contida sua energia máxima, carregada de poder mágico.

As três gunas (os princípios sutis que equivalem aos elementos da Alquimia: Mercúrio, Enxôfre e Sal), Sattva, Rajas
e Tamas se equivalem à suave e fresca ambrosia, ou vinho prateado da lua, ao vinho rubro dos fluidos ígneos de
Rajas e às borras espessas do vinho vermelho, ou lava negra, de Qliphoth. No plano da Serpente de Fogo, Tamas,
ou Noite, caracteriza Seu primeiro estágio: o caos negro da 'Noite do Tempo' e a 'Serpente do Lodo'. Quando a
Serpente de Fogo desperta, Ela então derrama o pó vermelho, ou perfumes, associados ao Rajas. Este é o pó dos
Pés da Mãe, que se manifesta no fluxo menstrual em seu segundo e terceiro dias. Finalmente, Ela atinge a pureza
calma de sua essência lunar à medida em que chega ao cérebro, acima da zona de poder do visuddha (chakra da
garganta). É nesta jornada de volta que Ela reúne estas essências num Supremo Elixir e o descarrega através do
Olho Secreto da Sacerdotisa. A Lua Cheia, portanto, representa a Deusa 15, uma lunação, pois Ela é o símbolo do
ponto de retorno, criando, assim, a 16a. kala ou Dígito do Supremo Elixir: a Parakala.

Rajas, Tamas e Sattva são representados na Tradição Oculta Ocidental pelos princípios alquímicos do Enxôfre, Sal e
Mercúrio, assim revelando que a arte da Alquimia não tinha outra provável intenção além daquela que tem sido
objeto da preocupação dos místicos e dos magos, isto é, a obtenção da consciência cósmica através dos Mistérios
psicossexuais da Serpente de Fogo. Esta trindade, Rajas, Tamas e Sattva ou Enxôfre, Sal e Mercúrio, aparece no
Tantra sob o nome de tribindu (três sementes; kamakala, literalmente, a flor ou essência do desejo). De acordo com
o Varivasya Rahasya, estas três essências são conhecidas como shanti, shakti e shambhu, ou paz, poder e
abundância, e elas fluem dos pés da Deusa. É por isto que o tribindu está situado, diagramàticamente, na trikona
ou triângulo invertido (yoni ou vagina) que simboliza Kali. Sattva, Rajas e Tamas são, assim, as três gunas ou
princípios representados um em cada vértice do triângulo pelas letras do alfabeto Sânscrito que contém as
vibrações de seus poderes relevantes. Conforme orientação específica do Culto, uma ou outra guna é exaltada; na
prática, a disposição das letras não faz muita diferença. É a coleta das essências dos pés da Deusa que deu seu
nome ao Vama Marg ou Caminho da Mão Esquerda, pois, neste contexto, Vama significa tanto 'gerar' como 'botar
para fora'. Os praticantes deste Caminho trabalham com as secreções que fluem da genitália feminina e não com a
mera pronúncia das letras do alfabeto que, apesar de sua utilização mântrica para carregar e direcionar os fluidos,
têm pouca ou nenhuma outra utilidade além desta.

De acordo com o Tantra, a Serpente de Fogo é em si o mantra criativo OM. A reverberação deste mantra, conforme
ensinado no Culto da Kaula, alcança o poder enrodilhado na base da coluna vertebral e faz com que este se erga,
inundando o corpo físico de luz. E, pela veneração tântrica da Serpente de Fogo através da vagina da mulher
escolhida para representar a Deusa, a kundalini relampeja para cima e, finalmente, se une em êxtase ao seu
Senhor Shiva no Local da Lótus de Mil Pétalas.