Você está na página 1de 3

Comunicado 267

Técnico ISSN 0103-9458


Fevereiro, 2003
Porto Velho, RO

Resposta de Panicum maximum cv. Centenário à Níveis


de Potássio
1
Newton de Lucena Costa
2
Valdinei Tadeu Paulino
3
João Avelar Magalhães
4
Claudio Ramalho Townsend
1
José Ribamar da Cruz Oliveira

Introdução Material e Métodos

Os solos de Rondônia apresentam, originalmente, O ensaio foi conduzido em casa-de-vegetação,


teores médios ou altos de potássio trocável, sendo utilizando-se um Latossolo Amarelo, textura
raras as respostas de leguminosas forrageiras à argilosa, o qual apresentava as seguintes
adubação potássica. No entanto, face ao uso de características químicas: pH = 4,8; Al = 1,3
3 3
práticas de manejo inadequadas (elevadas cargas cmol/dm ; Ca + Mg = 1,7 cmol/dm ; P = 2 mg/kg e
animais, sistema de pastejo contínuo e ausência de K = 33 mg/kg. O solo foi coletado na camada
fertilizações de estabelecimento e/ou manutenção), arável (0 a 20 cm), destorroado e passado em
as quais afetam consideravelmente a eficiência dos peneira com malha de 6 mm e posto para secar ao
processos de reciclagem de nutrientes, nos últimos ar.
anos, o aparecimento de deficiências de potássio nas
pastagens cultivadas tem sido bastante freqüente. O delineamento experimental foi em blocos
casualizados com três repetições. Os tratamentos
Ensaios exploratórios de fertilidade do solo realizados consistiram de cinco doses de potássio (0, 15, 30,
na região amazônica, demonstraram que o potássio, 45 e 60 mg/kg de solo), aplicadas sob a forma de
depois do fósforo, foi o nutriente mais limitante ao cloreto de potássio, quando do plantio e
crescimento de Paspalum atratum cv. Pojuca e uniformemente misturadas com o solo. A
Panicum maximum cvs. Mombaça e Centenário, adubação de estabelecimento constou da
3
reduzindo significativamente seus rendimentos de aplicação de 22 mg/dm de P, sob a forma de
forragem, perfilhamento, teores de proteína bruta e superfosfato triplo. Cada unidade experimental
3
potássio (Costa & Paulino, 2001; Costa et al., 1999, constou de um vaso com capacidade para 3,0 dm
2003; Teixeira Neto et al., 1991). Em pastagens de de solo seco. Dez dias após a emergência das
Brachiaria brizantha cv. Marandu, estabelecidas em plantas executou-se o desbaste, deixando-se três
um Latossolo Amarelo, textura argilosa, com baixa plantas/vaso. O controle hídrico foi realizado
disponibilidade de potássio (51 mg/kg), Costa (1996), diariamente através da pesagem dos vasos,
com a aplicação de 40 kg de K2O/ha, obtiveram mantendo-se o solo em 80% de sua capacidade
incrementos de 65; 38 e 81%, respectivamente para de campo.
os rendimentos de forragem e quantidades
acumuladas de potássio e nitrogênio. Já, Teixeira Durante o período experimental foram realizados
Neto et al. (1991) verificaram que o potássio foi o três cortes a intervalos de 45 dias e a 15 cm acima
nutriente mais limitante à persistência de leguminosas do solo. Os parâmetros avaliados foram
em pastagens de Brachiaria humidicola. rendimento de matéria seca (MS), teores de
nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio e magnésio.
Neste trabalho avaliaram-se os efeitos da Foram ajustadas as equações de regressão para
fertilização potássica sobre a produção de rendimento de MS (variável dependente) e teor de
forragem e composição química de Paspalum atratum potássio (variável independente) (equação 1) e
cv. Pojuca.

1
Eng. Agrôn., M.Sc., Embrapa Rondônia, Caixa Postal 406, CEP 78900-970, Porto Velho, Rondônia
2
Eng. Agrôn., Ph.D., Instituto de Zootecnia, Nova Odessa, São Paulo
3
Med. Vet., M.Sc., Embrapa Meio Norte, Caixa Postal 341, CEP 64200-000, Parnaíba, Piauí
4
Zootec., M.Sc., Embrapa Rondônia
2 Resposta de Panicum maximum cv. Centenário à níveis de potássio

para teor de potássio como variável dependente dos adubação potásisca, ocorrendo o inverso quanto
níveis de potássio aplicados (equação 2). Através da aos teores de PB e fósforo;
equação 1 calculou-se a dose de potássio aplicada
relativa a 80% do rendimento máximo de MS, sendo 2. A dose de máxima eficiência técnica foi
3
este valor substituído na equação 2 para estimada em 51,87 mg de K/dm e o nível crítico
determinação do nível crítico interno de potássio. interno de potássio relacionado com 80% do
rendimento máximo de MS em 1,88%;
Resultados e Discussão
3. A eficiência de utilização de potássio foi
Os rendimentos de MS da gramínea foram diretamente proporcional ás doses aplicadas.
significativamente (P < 0,05) incrementados pela
adubação potássica, sendo os maiores valores Referências Bibliográficas
obtidos com a aplicação de 60 (6,55 g/vaso) e 45
3
mg/dm de K (6,11 g/vaso). No entanto, a aplicação COSTA, N. de L. Programa de pesquisa com
3
de 15 mg/dm de K já proporcionou um incremento pastagens em Rondônia. Porto Velho: Embrapa
de 69% em relação à testemunha (Tabela 1). Os Rondônia, 1996. 24p. (Embrapa Rondônia.
rendimentos de forragem ajustaram-se ao modelo Documentos, 32).
quadrático de regressão (y = 2,17 + 0,2567 x -
2 2
0,0024695 x ; R = 0,92). A dose de máxima COSTA, N. de L.; TOWNSEND, C.R.; PEREIRA,
3
eficiência técnica foi estimada em 51,97 mg/dm de R.G. de A.; MAGALHÃES, J.A.; SILVA NETTO,
K, a qual foi inferior às relatadas por Gutteridge F.G. da; TAVARES, A.C. Tecnologias para a
3
(1978) para Brachiaria mutica (87 mg/dm ); Costa produção animal em Rondônia – 1975/2001.
3
(1996) para B. brizantha cv. Marandu (57,6 mg/dm ) Porto Velho, Embrapa Rondônia, 2003. 26p.
e Costa et al. (2003) para Paspalum atratum cv. (Embrapa Rondônia. Documentos, 70).
3
Pojuca (52,8 mg/dm ). A eficiência de utilização de
potássio foi diretamente proporcional às doses COSTA, N. de L.; PAULINO, V.T.; RODRIGUES,
aplicadas (Tabela 1). Resultados semelhantes foram A.N.A.; TOWNSEND, C.R. Nutrientes limitantes ao
obtidos por Costa et al. (2003) para P. maximum cv. crescimento de Paspalum atratum. Pasturas
Centenário e Costa et al. (2003) para P. atratum cv. Tropicales, Cali, v.20, n.2, p.46-48, 1998.
Pojuca..
COSTA, N. de L.; PAULINO, V.T.; TOWNSEND,
Os teores de PB e de potássio não apresentaram C.R. Limitações nutricionais ao crescimento de
uma tendência definida, em função dos níveis de Panicum maximum cv. Mombaça. Porto Velho:
potássio aplicados, a qual pudesse ser explicada Embrapa Rondônia, 2002. 3p. (Comunicado
pelo efeito de diluição ou concentração. Contudo, Técnico, 208).
considerando-se que não houve diluições com o
aumento dos rendimentos de MS, observa-se um COSTA, N. de L.; PAULINO, V.T.; MAGALHÃES,
efeito positivo da adubação potássica na J.A.; TOWNSEND, C.R.; OLIVEIRA, J.R. da C.
manutenção dos teores destes nutrientes. Os efeitos Resposta de Paspalum atratum cv. Pojuca à
da adubação potássica sobre os teores de potássio níveis de potássio. Porto Velho: Embrapa
foram descritos pelo modelo quadrático de regressão Rondônia, 2003. 3p. (Comunicado Técnico, 254).
2 2
(y = 1,39 + 0,01911 x - 0,00017459 x ; R = 0,95),
sendo os maiores valores obtidos com a aplicação COSTA, N. de L.; PAULINO, V.T. Nutrientes
3
de 54,73 mg/dm de K (Tabela 1). Em geral, as limitantes ao crescimento de Panicum
concentrações de macronutrientes registradas para a maximum cv. Centenário. Porto Velho: Embrapa
gramínea são semelhantes às reportadas por Silva Rondônia, 2001. 4p. (Comunicado Técnico, 196).
et al. (1995a,b) para Andropogon gayanus cv.
Planaltina e P. maximum cv. Tobiatã. GUTTERIDGE, R.C. Potassium fertilizer studies on
Brachiaria mutica/Centrosema pubescens pastures
O nível crítico interno de potássio, determinado grown on acid soils derived from coral limestone,
através da equação que relacionou a dose de K Malaita, Solomon Islands. Tropical Agriculture,
necessária para a obtenção de 80% do rendimento v.58, n.1, p.359-367, 1978.
máximo de MS, foi estimado em 1,88%, o qual foi
3
obtido com a aplicação de 54,73 mg/dm de K . Este SILVA, N.M.A.; SILVEIRA, R.I.; GOMIDE, C.A.;
valor é superior aos relatados por Toledo (1986) para LIMA, C.G. Produção e composição mineral de
Hyparrhenia rufa (1,15%), A. gayanus (0,95%), B. gramíneas forrageiras submetidas à níveis de
brizantha (0,82%) e B. humidicola (0,74%). potássio, cálcio e sódio. I. Capim-andropogon cv.
Planaltina. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE
Conclusões CIÊNCIA DO SOLO, 25., 1995, Viçosa. Anais...
Viçosa: SBCS, 1995a. p.1051-1053.

1 - Os rendimentos de MS e os teores de potássio


foram significativamente incrementados pela
Resposta de Panicum maximum cv. Centenário à níveis de potássio 3
SILVA, N.M.A.; SILVEIRA, R.I.; GOMIDE, C.A.; TOLEDO, J.M. Pasturas en trópico húmedo:
LIMA, C.G. Produção e composição mineral de perspectiva global. In: SIMPÓSIO DO TRÓPICO
gramíneas forrageiras submetidas à níveis de ÚMIDO, I., Belém, 1984. Anais... Belém:
potássio, cálcio e sódio. II. Capim-colonião cv. EMBRAPA-CPATU, 1986. v.5. Pastagem e
Tobiatã. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE Produção Animal, p.19-35.
CIÊNCIA DO SOLO, 25., 1995, Viçosa. Anais...
Viçosa: SBCS, 1995b. p.1054-1056

TEIXEIRA NETO, J.F.; SOUZA FILHO, A.P. da S.;


DUTRA,S.; MARQUES, J.R.F. Nutrientes limitantes
ao estabelecimento e produção de Brachiaria
humidicola consorciada com leguminosas em
tesos da Ilha do Marajó. Belém: EMBRAPA-
CPATU, 1991, 17p. (Boletim de Pesquisa, 118).

Tabela 1. Rendimento de matéria seca (MS), eficiência de utilização do potássio (EUK), teores de proteína
bruta (PB), fósforo e potássio de Panicum maximum cv. Centenário, em função da fertilização potássica.

Níveis de K MS EUK PB Fósforo Potássio


3
mg/dm (g/vaso) g MS/ mg K --------------------------------------- % --------------------------------------
0 2,35 d 1,65 c 12,45 a 0,156 c 1,42 c
15 3,98 c 2,27 b 11,02 b 0,169 a 1,75 b
30 5,87 b 3,14 a 10,33 b 0,170 a 1,87 a
45 6,11 ab 3,20 a 12,56 a 0,162 b 1,91 a
60 6,55 a 3,40 a 11,95 a 0,173 a 1,93 a
- Médias seguidas de mesma letra não diferem entre si (P > 0,05) pelo teste de Tukey

Comunicado Exemplares desta edição podem ser Comitê de Presidente: Newton de Lucena
adquiridos na: Costa
Técnico, 267 Publicações Secretária: Marly Medeiros
Normalização: Alexandre Marinho
Embrapa Rondônia Membros: Claudio R. Townsend,
Endereço: BR 364, km 5,5 Marilia Locatelli, Maria Geralda de
Caixa Postal 406, CEP 78900-970 Souza, José Nilton M. Costa, Júlio
Porto Velho, RO César F. Santos, Vanda Gorete
Fone: (69) 222-0014 Rodrigues,
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,
Fax: (69) 222-0409
PECUÁRIA E ABASTECIMENTO E-mail: sac@cpafro.embrapa.br Supervisor Editorial: Newton de
Lucena Costa
Expediente Revisão de texto: Ademilde
Andrade Costa
1ª Edição Editoração Eletrônica: Marly
1ª Impressão 2003 Medeiros
Tiragem 100 exemplares