Você está na página 1de 15

TERAPIA COGNITIVA

PSICOTERAPIA

É um método de tratamento mediante o qual um


profissional treinado, valendo-se de meios
psicológicos, especialmente a comunicação verbal e
a relação terapêutica, realiza uma variedade de
intervenções, auxiliando o indivíduo a modificar
problemas de natureza emocional, cognitiva e
comportamental.

Cordioli, A. V. et al. 2008


TERAPIA COGNITIVA

o Sistema de terapia cujo princípio básico é de que as


cognições (pensamentos, crenças, interpretações)
de um indivíduo frente a situações influenciam as
suas emoções e comportamentos.

o O terapeuta atua sobre as cognições, a fim de alterar


as emoções e comportamentos que as acompanham.

“Os homens não se perturbam pelas coisas que acontecem,


mas sim pelas opiniões sobre as coisas” (Epíteto)
TERAPIA COGNITIVA

o Foi proposta inicialmente por Aaron T. Beck, no


início da década de 60, para tratamento da
depressão.

o Beck reparou na visão negativa que os pacientes


deprimidos tinham de si mesmos, do mundo à sua
volta e dos seu futuro.

o Posteriormente esta teoria foi estendida para


tratamento de outros transtornos.
TERAPIA COGNITIVA
PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS

“Descrevem a forma como se experienciam


os pensamentos, ou seja, como se estes
fossem um reflexo, sem ponderação ou
raciocínio prévio. São plausíveis e válidos.”

Beck (1976)
TERAPIA COGNITIVA
TERAPIA COGNITIVA “Ele só queria um
beijo e ela
“Sempre "Agora humilhou-o"
humilhada em perdeu-a e
casa e agora nunca
não aguentou mais a vai
mais” ver”.

“Mulher
forte. Quem
dera que
outras
tímidas que
conheço
tivessem
visto isto"
TERAPIA COGNITIVA
PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS
(DISTORÇÕES COGNITIVAS)

“Sou um falhado” (Rotulação)

“Nada do que eu faço resulta” (Pensamento


Dicotómico)

“ A minha vida nunca vai melhorar” (Antecipação


do Futuro)

“A depressão é culpa minha” (Personalização)


TERAPIA COGNITIVA
DISTORÇÕES COGNITIVAS (OU ESTILOS) (BECK)

Sobregeneralização ou Hipergeneralização (conjunto de respostas):


Generalizar a partir de um acontecimento isolado (“depois do que fiz
nunca mais vão confiar...gostar...aceitar...acreditar em mim")
Desqualificar experiências positivas: “Só estão a dizer isso para serem
agradáveis” em vez de verificar a validade do feedback.
Leitura da mente: Assumir como verdade a presunção do que os outros
pensam sem provas. “Eu bem sei que ele pensou que eu sou um inapto”
Bola de cristal: Reagir como se as expectativas fossem dado
adquiridos. “Ele vai deixar-me tenho a certeza!” E atuar como se isso
fosse verdade.
Catastrofização: Encarar acontecimentos desagradáveis como
catastróficos. “Meu Deus e se ele diz que não, eu não suportarei!”. É
embaraçoso mas não um drama.
TERAPIA COGNITIVA

Diante a situação de falar em público, um indivíduo


pode ter pensamentos automáticos como "vou corar;
vou fazer um papel de tolo; ninguém vai gostar da
minha apresentação, vão perceber a minha ansiedade;
corar é uma vergonha; se gaguejar vai ser horrível;
estou tão preocupado com a minha ansiedade que nem
me consigo concentrar no que tenho para dizer ".
Em função destes pensamentos, o indivíduo vai sentir
emoções negativas, como medo, tristeza e culpa.
Depois poderá ter comportamentos que podem agravar
a situação como preparar-se excessivamente, procurar
adivinhar o que vai acontecer, imaginar uma
"catástrofe" ou procurar controlo daquilo que não é
possível controlar (ex: procurar a aprovação de toda a
gente ou exigir-se uma apresentação perfeita).
TERAPIA COGNITIVA
TERAPIA COGNITIVA

Com a terapia cognitiva os pacientes aprendem a:

1) Dar-se conta dos padrões de pensamento e identificar


pensamentos automáticos;
2) Reconhecer as relações entre pensamento, emoção e
comportamento;
3) Testar a validade de pensamentos automáticos e
crenças centrais, regras e pressupostos;
4) Corrigir interpretações e entendimentos irracionais
de si e do mundo, substituindo pensamentos
distorcidos por ideias mais realistas e que funcionem;
5) Identificar e alterar crenças, pressupostos ou
esquemas que estão na origem de padrões
disfuncionais de pensamento.
TERAPIA COGNITIVA

TERAPEUTA: Disse que se sente um fracasso desde que


Bill a deixou. Como definiria fracasso?
PACIENTE: Bem, o meu casamento não resultou.
TERAPEUTA: Então acredita que o casamento não
resultou porque você, como pessoa, é um fracasso?
PACIENTE: Se tivesse resultado, ele ainda estaria
comigo.
TERAPEUTA: Então podemos concluir que as pessoas
cujos casamentos não dão certo são todas
fracassadas?
PACIENTE: Não, eu não iria assim tão longe.
TERAPEUTA: Por que não? Devemos ter uma definição
de fracasso para si e outra para as outras pessoas?
TERAPIA COGNITIVA

PACIENTE: (…) As pessoas têm sucesso quando atingem


alguns dos seus objetivos.
TERAPEUTA: 0k. Então, poderíamos dizer que se alguém
atinge os seus objetivos, essa pessoa é bem sucedida?
PACIENTE: Certo.
TERAPEUTA: Também poderíamos dizer que as pessoas têm
diferentes graus de sucesso? Algumas pessoas atingem
mais objetivos do que outras?
PACIENTE: Acho que sim.
TERAPEUTA: Então, se aplicarmos essas ideias a si,
poderíamos dizer que atingiu alguns de seus objetivos na
vida?
TERAPEUTA: Sim, eu terminei a faculdade e trabalhei nos
últimos seis anos. Crio o meu filho e ele teve alguns
problemas médicos há alguns anos, mas eu consegui bons
médicos para ele.
TERAPIA COGNITIVA

“Se pudermos reorientar os


nossos pensamentos e
emoções e reorganizar o
nosso comportamento, então
poderemos não só aprender a
lidar com o sofrimento mais
facilmente, mas, sobretudo e
em primeiro lugar, a evitar
que muito dele surja”.

Dalai Lama