UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA CURSO CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

Sistemas Discretos I Prof. Aline Brum Loreto
****************************************************************************************

Estruturas Algébricas
As estruturas algébricas a serem estudadas são: Grupóides, Semigrupos, Monóides, Grupos e Homomorfismos. 1. Operações Binárias O termo operação (pequena) é sinônimo de função parcial. Tipos de operações: - operações binárias: cujo domínio é um conjunto resultante de um produto cartesiano; - operações internas a um conjunto A, ou seja, cujo domínio e contradomínio são definidos sobre A; - operações fechadas, sou seja, total. Definição – Operação Binária, Operação Interna, Operação Fechada Sejam A, B e C conjuntos. Então: a) Uma Operação Binária é uma função parcial do tipo: ⊕: A x B →C b) Uma Operação Interna ao conjunto A é uma operação cujo domínio e contradomínio são definidos em A (o próprio conjunto A ou o conjunto resultante do produto cartesiano sobre A). Em particular, uma operação binária interna ao conjunto A é uma operação do tipo: ⊕: A2→A c) Uma Operação Fechada é uma operação total (ou seja, é uma função). Exemplos: Operação a) Divisão nos reais. A operação div:R2→R, definida como abaixo (suponha <x,y> ∈ RxR), é uma operação binária interna a R: div<x,y>=x/y b) Quadrado nos naturais. A operação quadrado: N→N, definida como abaixo (suponha n ∈ N), é uma operação interna e fechada:
1

2. Neste caso. b. b) Propriedades da Adição. elemento neutro e elemento inverso. Elemento Neutro. e equivalentemente. internas e fechadas são: • Comutativa. ou seja. operado à direita (a ⊕ e) bem como à esquerda (e ⊕ a).1) A operação de adição nos naturais +:N2→N satisfaz as propriedades comutativa. Propriedades das Operações Binárias As principais propriedades das operações binárias. associativa. Seja A um conjunto qualquer. afirma-se que a operação é Comutativa. b) Associativa: (∀a∈A)(∀b∈A)(∀c∈A) (a⊕(b⊕c) = (a⊕b)⊕c) Se a precedência na aplicação do operador não é importante e. associativa e de elemento neutro (zero). afirma-se que a operação tem inverso.quadrado<n> = n2 c) União. A operação ⊕ satisfaz as propriedades: a) Comutativa: (∀a∈A)(∀b∈A)(a⊕b = b⊕a) Se a ordem de operação dos operandos não é importante. Neste caso. A operação ∪: P(A) x P(A)→P(A) é uma operação binária interna e fechada. Definição – Comutativa. afirma-se que a operação é Associativa. interna e fechada. c) Elemento Neutro: (∃ e ∈A)(∀a∈A) (a ⊕ e = e ⊕ a = a) Se existe um elemento neutro o qual. resulta sempre no outro operando. portanto. associativa e de elemento neutro (conjunto vazio). ser denotado sem parênteses: a⊕b⊕c. a⊕(b⊕c) ou (a⊕b)⊕c pode. • Elemento inverso. A operação de união ∪: P(A) x P(A)→P(A) satisfaz as propriedades comutativa. Associativa. Seja A um conjunto. d) Elemento Inverso: (∀a∈A)(∃ a∈A)(a⊕a = a⊕a = e) Se cada elemento tem elemento inverso. • Associativa. Pois. os parênteses podem ser omitidos. Neste caso. b. para qualquer inteiro n. Exemplos: a) Propriedades da União. • Elemento neutro. Elemento Inverso Seja ⊕:A2→A uma operação binária. basta tomar –n como elemento inverso: 2 . afirma-se que a operação possui elemento neutro.2) A operação de adição nos inteiros +:Z2→Z satisfaz as propriedades comutativa. Neste caso.

por exemplo: . conforme esquema abaixo: Universo de Todas as Álgebras Internas (uma operação) Grupóides (fechada) Semigrupos (fechada+associativa) Monóides (fechada+associativa+neutro) Grupos (fechada+associativa+neutro+inverso) Figura: Hierarquia das álgebras internas. a álgebra é denominada de álgebra interna.⊕> é um: a) Grupóide: se a operação for fechada.todo grupo é um monóide (respectivamente. A figura acima. representa inclusões próprias. Semigrupo. Grupóides.: Como a operação ⊕ é interna. Grupo Seja ⊕:A2→A uma operação (binária e interna). Grupos Uma operação binária e interna ⊕:A2→A é um exemplo de álgebra e é usualmente denotada como um par ordenado como segue: <A.⊕> Obs. 3 . mas nem todo monóide (respectivamente. Monóide. Em uma álgebra interna <A. . o conjunto A é denominado de conjunto suporte. Então <A.⊕>. mas nem toda álgebra interna é um grupóide. Semigrupos.n + -n = -n + n =0 3. Monóides. Definição – Grupóide. grupóide). Tipos mais importantes de álgebras internas e correspondentes propriedades: Tipo de Álgebra Interna Fechada Associativa Elemento Neutro Elemento Inverso Grupóide Semigrupo Monóide Grupo X X X X X X X X X X Existe uma hierarquia entre esses tipos de álgebras. semigrupo. grupóide) é um grupo.todo grupóide é uma álgebra interna. semigrupo.

+> e <Z. semigrupos abelianos e monóides abelianos: <P(A). e>. adicionalmente. associativas. Exemplo 2: Grupóide. monóide ou grupo é dito.b) Semigrupo. Logo. Neste caso. se <A. *>. respectivamente: ∪: P(A) x P(A)→P(A) e ∩: P(A) x P(A)→P(A) as quais são fechadas. Monóide: União e Intersecção Seja A um conjunto.⊕.⊕. Grupo: Adição e Multiplicação Considerando as operações de adição e multiplicação. o monóide é denotado por <A. Monóide: Concatenação Seja Σ um alfabeto não vazio. a operação ⊕:A2→A satisfaz a propriedade de elemento neutro. as seguintes álgebras internas são simultaneamente grupóides abelianos. *> <Z. Portanto. associativa e possui elemento neutro (a palavra vazia ε). respectivamente. Semigrupo. Monóide. com o objetivo de destacar o elemento neutro. se <A. semigrupo e monóide. Exemplo 1: Grupóide. possuem elemento neutro (são. +> e <N. • Semigrupo Comutativo ou Semigrupo Abeliano. +> <R. Se a operação for comutativa. semigrupo. adicionalmente.⊕> é um grupóide e. Considere as seguintes operações de união e de intersecção.⊕> é um semigrupo e. Semigrupo. • Grupo Comutativo ou Grupo Abeliano. Exemplo 3: Grupóide. c) Monóide. 4 . *> <R. as seguintes álgebras internas são simultaneamente grupóides abelianos. Semigrupo. a álgebra interna <Σ*. • Monóide Comutativo ou Monóide Abeliano. +> e <R.∪> e <P(A). *> Adicionalmente. a operação ⊕:A2→A satisfaz a propriedade de elemento inverso. os conjuntos ∅ e A) e comutativa. +> <R-{0}. respectivamente: • Grupóide Comutativo ou Grupóide Abeliano. adicionalmente. semigrupos abelianos e monóides abelianos: <N. ∩>. d) Grupo. são grupos abelianos as seguintes álgebras internas: <Z. se <A. conc> é simultaneamente grupóide. a operação ⊕:A2→A é associativa.e> é um monóide e. Considere a seguinte operação de concatenação: conc:Σ* x Σ*→Σ* a qual é fechada. então o grupóide.

Essa propriedade é denominada cancelamento. Então a propriedade de cancelamento é satisfeita. tem-se que: e =e+e=e+e (1) • Como e é elemento neutro.⊕. com a correspondente prova. o que é uma contradição. consequentemente.4.⊕> um grupo. a qual generaliza a intuição sobre operações como a adição nos reais (bem como nos inteiros ou racionais). para qualquer a ∈A. tem-se que e = e. é absurdo supor que o elemento neutro do monóide <A. e> um grupo. Em particular. x∈A e y∈A. Então: x= elemento neutro 5 . tem-se que a = e + a = a + e. Para quaisquer a ∈A. para a = e. Prova: (por absurdo) Seja <A. De fato. vale: a) Cancelamento à direita. o elemento neutro de qualquer monóide é único. o teorema. Teorema – Elemento Neutro de um Monóide é Único Seja <A.Importantes Propriedades dos Monóides e Grupos O seguinte teorema mostra que o elemento neutro em um monóide (e.⊕. tem-se que: (2) e =e+e=e+e • Portanto. para a = e. e> um monóide. para a seguinte equação nos reais: x+3=y+3 obtêm-se x = y. ou seja. existe um outro elemento neutro e ≠ e. simultaneamente: a) Cancelamento à direita: (∀a ∈A)(∀x∈A) (∀y∈A)(x⊕a = y⊕a →x =y). b) Cancelamento à esquerda: (∀a ∈A)(∀x∈A) (∀y∈A)(a⊕x = a⊕y →x =y). Por exemplo. Teorema – Propriedade de Cancelamento dos Grupos Seja <A. e> não é único. Suponha que e não é o único elemento neutro. para qualquer a ∈A. Logo. Então e ∈A é o único elemento neutro do monóide. pela transitividade da igualdade em (1) e (2). pois foi suposto que e ≠ e. Portanto. Prova: Suponha <A. Assim. Suponha que x⊕a = y⊕a. e> um monóide. Em particular. O seguinte Teorema apresenta uma importante propriedade para os grupos. tem-se que a = e + a = a + e. sabe-se que. é uma generalização do seguinte resultado apresentado quando do estudo das Técnicas de Demonstração (prova por absurdo): 0 é o único elemento neutro da adição em N. em um grupo) é único. Então: • Como e é elemento neutro.⊕.⊕.

y): mdc 1 3 5 15 1 1 1 1 1 3 1 3 1 3 5 1 1 5 5 15 1 3 5 15 6 . a2. aj) o elemento ai ⊕ aj = aij. a propriedade de cancelamento é satisfeita. elemento inverso associatividade hipótese associatividade elemento inverso elemento neutro Teorema – Elemento Inverso em um Grupo é Único Seja <A. considere a operação ⊕ sobre E. Monóide. para qualquer a∈A. Semigrupo. f(x. o elemento inverso de a é único. 1}: * -1 0 1 -1 1 0 -1 0 0 0 0 1 -1 0 1 2) Tábua da operação mdc sobre E = {1. 5.. isto é.. Exemplos: 1) Tábua da operação de multiplicação sobre A = {-1.x⊕e= x ⊕(a⊕a)= (x⊕a)⊕a = (y⊕a)⊕a = y⊕(a⊕a) = y⊕e = y Portanto. an} (n ≥1) um conjunto com n elementos.⊕> um grupo. . 15}. Exemplo: Em cada álgebra interna abaixo. verifique se é Grupóide.. 3. Cada operação sobre A é uma função (ou aplicação) f: A x A→ A que associa a cada par (ai. Então. Logo. b) Cancelamento à esquerda. 0. x=y. y) = mdc(x. Grupo: a) E=Z e x⊕y = xy+2x b) E=R e x⊕y= x+y Tábua de uma Operação Construção: Seja A = {a1. A prova é análoga.

se existe neutro e que elementos são simetrizáveis... com i. n}. d} ⊕ a b c d a c d a b b d c b a c a b c d d b a d c ⊕ a b c d a c a b d b a b c d c d c d a d b d a c 5. a) Associativa: é aquela cuja verificação exige maior trabalho. portanto uma operação ⊕ é comutativa desde que sua tábua seja simétrica em relação à diagonal principal.. d) Elementos simetrizáveis: um elemento ai é simetrizável quando o neutro figura ao menos uma vez na linha i e na coluna j da tábua. n. calculam-se todos os compostos do tipo (ai ⊕ aj)⊕ ak. an}. preservando as suas estruturas.. etc. a2. ann.. a33. Calculam-se todos os compostos do tipo ai ⊕ (aj ⊕ ak) com i. c) Elemento Neutro: uma operação ⊕ tem elemento neutro desde que exista um elemento cuja linha e coluna são respectivamente iguais à linha e coluna fundamentais.. . j.. Observação: Monomorfismo. b) Comutativa: chamamos de diagonal principal da tábua de uma operação o conjunto formado pelos compostos a11. Epimorfismo e Isomorfismo de Álgebras 7 . 2. 3.. . d} b) A={a. destaca que o morfismo em questão preserva a estrutura. se aij = aji para quaisquer i. isto é.. j.. k ∈ {1. Um homomorfismo de álgebras é constituído por funções (no caso de álgebras pequenas) que mapeiam álgebras de um mesmo tipo. 2. a22. Monóide.) entre duas estruturas similares. semigrupos. b. A seguir. isto é. . ocupando posições simétricas em relação à diagonal principal. Mas aij e aji ocupam posições simétricas relativamente à diagonal principal. 2. veremos como as estruturas de grupóides. quando prefixado por homo. Grupo. Semigrupo. a) A={a. o qual.. b. compostos colocados simetricamente em relação à diagonal são iguais.Propriedades: Vejamos como se pode estudar as propriedades de uma operação ⊕ sobre A = {a1. Identifique se são Grupóide.Homomorfismos O termo morfismo é usado genericamente para representar alguma forma de mapeamento (relação. função.. Sabemos que uma operação ⊕ é comutativa se: ai ⊕ aj = aj ⊕ ai. . c.. comutativa. verifique se ⊕ é associativa. Exemplos: A partir de cada tábua abaixo. k ∈ {1. n}. monóides e grupos (abelianos ou não) são preservadas por homomorfismos. quando * é dada por meio de uma tábua. c. ... j=1.

A notação h: <A. Duas estruturas algébricas são ditas isomorfas se existe um isomorfismo entre tais estruturas. obrigatoriamente. . Então: a) Identidade.⊕> b) Inclusão.+> grupóides. ⊗> é uma função entre os conjuntos suportes h:A→B tal que: (∀a1∈A)(∀a2∈A)(h<a1⊕a2>=h<a1> ⊗ h<a2>). A função inclusão incN. Definição – Homomorfismo de Grupóides Sejam <A. iguais a menos de isomorfismo e. baseado na existência de um morfismo inverso.⊕>→ <B. por exemplo: .⊕>:<A. ⊗> destaca o fato de que se trata de um morfismo entre álgebras. A função identidade idA:A→A induz o homomorfismo identidade de grupóides: id<A. Um homomorfismo de semigrupos é como um homomorfismo de grupóides. pode ser estendido para as estruturas algébricas em geral.O conceito de isomorfismo. Inclusão Sejam <A. <N.⊕>→<A. no sentido em que basta preservar a operação. Alguns homomorfismos de grupóides são óbvios.⊕>→ <B.⊗> dois grupóides.identidade. ou seja. +> e <Z. homomorfismo <A.⊕> a1 a2 a3=a1⊕a2 b1 <B. 5.⊕> .⊕> e <B. Nesse caso. Exemplo: Homomorfismo de Grupóides: Identidade. as estruturas são consideradas basicamente a mesma.inclusão.⊕> b2 b3=b1⊕b2 Figura: Homomorfismo de grupóides preserva a operação. Um homomorfismo de Grupóides: h: <A.Z:N→Z induz o homomorfismo inclusão de grupóides: 8 .1Homomorfismo de Grupóides e de Semigrupos Um homomorfismo de grupóides é constituído por uma função entre os conjuntos suportes tal que preserva a operação no seguinte sentido: a imagem do resultado da operação dos operandos no grupóide origem é igual ao resultado da operação da imagem dos operandos no grupóide destino. possuem as mesmas propriedades.

b}. O seguinte morfismo induzido pela função idP(A) não é. a função identidade induz um morfismo o qual não é um homomorfismo de grupóides. Logo.b}> = {a.b} o que é diferente de: idP(A)<{a}∪{b}> = idP(A)<{a}> ∩ idP(A)<{b}> = {a} ∩ {b} = ∅ e.{a}.<Z. ao ser considerado apenas o conjunto suporte. <P(A). {b}. e não apenas o conjunto suporte.∩> e a função identidade idP(A):P(A)→P(A). portanto. Considere os grupóides <Σ1*. Por exemplo: f*<abc> = 9 .b}}. Considere os grupóides <P(A). um homomorfismo de grupóides: idP(A): <P(A).+>. {a. os morfismos apresentados consideram sempre a mesma operação. por exemplo. ilustra um caso em que. Exemplo a seguir. conc2>. não é homomorfismo de grupóides.s} alfabetos. Os termos identidade e inclusão consideram toda a estrutura do grupóide.∪>→ <P(A).∪>→ <P(A). em geral. Considere. +>:<N.∩>.∪>. vale f*<x> = w se x ∈ Σ1 e w ∈ Σ1*.c} e Σ2={r. conc2> o qual é indutivamente definido como segue: f*<ε> = ε para qualquer símbolo x ∈ Σ1. Exemplo: Homomorfismo de Grupóides: Concatenação Sejam Σ1={a. Então: A função f:Σ1→Σ2 tal que (função entre alfabetos): f<a> = r f<b> = r f<c> = s induz o seguinte homomorfismo de grupóides (mapeia palavras): f*:<Σ1*.: Homomorfismo de Grupóides: Na Identidade e Inclusão.b. Em particular idP(A)<{a}∪{b}> = idP(A)<{a. Obs. A={a. sendo que P(A)={∅. +>. idP(A): <P(A). então f*<xw> = f<x> f*<w>.∩> não preserva a operação. conc1> e <Σ2*. Exemplo: Morfismo Não-Homomorfismo de Grupóides Seja A um conjunto.+>→<Z. conc1> → <Σ2*.inc<N.

⊕> e <B.⊕>→ <B. ou seja. Definição – Homomorfismo de Semigrupos Sejam <A. Seja: h: Σ → N uma função tal que h<a> = 1. ⊗> dois semigrupos. Considere os grupóides <Σ*. ⊗>. ⊗> é dito um isomorfismo de semigrupos se e somente se h possui um homomorfismo de semigrupos inverso.conc> e <N. ⊗>→<A. se existe um homomorfismo de grupóides g: <B.⊕>→ <B.conc> → <N.f<a> f*<bc> = f<a> f<b> f*<c> = f<a> f<b> f<c> f*<ε> = r r s ε = r r s.+>.⊕> e h ° g = id<B. então h*<aw> = h<a> + h*<w>. Por exemplo: h*<aaa> = h<a> + h*<aa> = h<a> + h<a> + h*<a> = h<a> + h<a> + h<a>+h*<ε> = 1 + 1 + 1 + 0 = 3. Definição – Isomorfismo de Grupóides Um homomorfismo de grupóides h: <A. Então h:Σ→N induz o homomorfismo de grupóides: h*:<Σ*. Um homomorfismo de semigrupos h: <A. 10 . Um homomorfismo de Semigrupos: h: <A. ⊗> é dito um Isomorfismo de Grupóides se e somente se h possui um homomorfismo de grupóides inverso.⊕>→ <B.⊕> tal que: g ° h = id<A.+> definido indutivamente como segue: h*<ε> = 0 h*<a> = h<a> se w ∈Σ*.⊕> Exemplo: Isomorfismo de Grupóides Seja Σ={a} um alfabeto. O homomorfismo apresentado mapeia cada palavra no seu correspondente tamanho (número de símbolos). ⊗> é um homomorfismo de grupóides h: <A.⊕>→ <B.

⊕. Analogamente aos grupóides (ou semigrupos).e>:<A. z} conjuntos. Z: N→Z induz o homomorfismo inclusão de monóides abelianos: inc<N. preservar a operação.z}. 11 . +.0> e <Z. ⊗. <N. ⊗.∅>.∅> tal que: h<∅> = ∅ h<{a}> = {x.⊕. Definição – Homomorfismo de Monóides Sejam <A.e> .⊕.y. +.+. ⊗> tal que preserva o elemento neutro. ou seja: h<eA> = eB.z} h<{a. eB> é um homomorfismo de semigrupos (ou de grupóides) h: <A. bem como o morfismo: h: <P(A). não necessariamente implica preservar o elemento neutro.⊕.preserva o elemento neutro.<Z. ∪. A função inclusão incN.b}> = {x. Exemplo: Homomorfismo: União Sejam A ={a.∅> e <P(B). eB> dois monóides.⊕>→ <B.∪. Exemplo: Homomorfismo: Identidade. A função identidade idA: A→A induz o homomorfismo identidade de monóides: id<A.0>.0>. Assim.e> é um isomorfismo de monóides. um homomorfismo de monóides é uma função entre os conjuntos suportes tal que.∪. Então: a) Identidade.+.b} e B ={x. b) Inclusão. ∪.+. um homomorfismo de monóides é um isomorfismo de monóides se e somente se possuir um homomorfismo de monóides inverso.0>:<N.0>→<Z.Homomorfismo de Monóides Em se tratando de mapeamento de monóides.y} h<{b}> = {y. eA> → <B.∅>→<P(B). Considere os monóides abelianos <P(A). Inclusão Sejam <A.⊕.⊕. O endomorfismo id<A. eA> e <B. simultaneamente . Um Homomorfismo de Monóides: h:<A.e>.e>→<A.preserva a operação (como um homomorfismo de grupóides/semigrupos) .0> monóides.⊕. y. +.

preserva a operação. h é um homomorfismo de monóides. preserva-se o elemento neutro e o elemento inverso.Então. no sentido em que basta preservar a operação. considere o seguinte: h<{a}∪{b}> = h<{a.b}> = {x. Um homomorfismo de grupos é um isomorfismo de grupos se e somente se possuir um homomorfismo de grupos inverso.z} = {x.y. automaticamente. ao preservar a operação. Em se tratando de grupos. Para exemplificar a preservação da operação. De fato. h<{a}∪{b}> = h<{a}> ∪ h<{b}>. 12 . Homomorfismo de Grupos Um homomorfismo de grupos é como um homomorfismo de grupóides.z} = h<{a}> ∪ h<{b}> e portanto. Como a composição de homomorfismos de grupóides é um homomorfismo de grupóides. a composição de homomorfismos de grupos é um homomorfismo de grupos. além de preservar o elemento neutro.y} ∪ {y.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful