P. 1
Relações de trabalho em Roma

Relações de trabalho em Roma

|Views: 2.665|Likes:

More info:

Published by: Edson Leite Duathlon on Jan 15, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/24/2013

pdf

text

original

Relações de trabalho em Roma

Na Roma antiga, a agricultura era a atividade econômica fundamental dos romanos. Inicialmente, a terra era utilizada de forma comunitária, com base em grupos de famílias chamados clãs ou gens. Mas essa situação começara a mudar com a expansão de territórios e o crescimento econômico e populacional. As famílias patrícias mais antigas e poderosas, que possuiam terras mais férteis, passaram a apropriar-se de terras que até então eram públicas. Os grandes proprietários possuíam escravos, pois as famílias patrícias abastadas desenvolviam sua economia com o uso da mão-de-obra escrava. Esses senhores, donos de propriedades e escravos eram chamados de dominus. Na Roma antiga predominava as Villae, ou seja, unidades de produção agrícola, que se utilizava do trabalho escravo e que proporcionava grandes lucros aos senhores. Na Sicília e no sul da península Itálica, predominava o sistema do latifundium, isto é, as grandes propriedades nas quais trabalhavam escravos na agrícultura. Os escravos eram essenciais na Roma Antiga, já que constituíam a maioria da mão -deobra. A maioria empregada no trabalho agrícola, na mineração e no serviço doméstico. Muitos também foram utilizados como gladiadores, lutadores escravos treinados na Roma Antiga. O nome ³Gladiador´ provém da espada curta usada por este lutador, o gladius (gládio). Faziam parte da política do ³pão e circo´ (panis et circencis). Com as conquistas dos séculos II e I a.C., centenas de milhares de pessoas foram reduzidas à escravidão, em toda a bacia mediterrânica. Milhares de púnicos, númidas, gregos, sírios, judeus, egípcios, gauleses e espanhóis eram vendidos diariamente nos grandes mercados de escravos de Marselha, Óstia, Roma, Alexandria, Delos, Rodes, Atenas, etc. Alguns eram prisioneiros de guerra, outros eram viajantes ou camponeses que tiveram o azar de ser raptados por piratas ou traficantes de escravos. Regra geral, os escravos do campo viviam em condições muito piores que os da cidade. Fechados como gado, em grandes barracões sem as mínimas condições (os ³ergulastum´), trabalhavam nas enormes plantações pertencentes a senadores ou cavaleiros romanos. Os escravos das minas e das galés eram, sem dúvida alguma, os que tinham pior sorte. Geralmente eram criminosos condenados por crimes de sangue, mas, por vezes, eram simples escravos comprados para o efeito. Nas profundezas das insalubres minas do Baixo Egito, ou nos porões dos trirremes imperiais, estes escravos levavam uma existência verdadeiramente subumana. Geralmente, não duravam mais de três ou quatro anos em tais condições. Os escravos eram considerados ³instrumentos vocais´, ou seja, que o que os distinguia dos animais era a faculdade de falarem. Mas era, sobretudo, ³res mobilis´, isto é, uma ³coisa´ ou um ³bem móvel´, do qual seu senhor poderia usufruir plenamente, e vendêlo, emprestá-lo, doá-lo, deixar como herança, etc. O escravo não era cidadão romano, não possuía direitos sociais e políticos. O escravo não usufruía de nenhuma liberdade: ele não possuía bens imóveis, não tinha proteção contra a detenção ilegal, não tinha liberdade de movimento e não tinha liberdade de

escolher seu trabalho. Sua vida e atividade dependia da vontade do seu senhor; sua situação só podia mudar se o senhor consentisse, se fosse vendido ou se morresse. A ampla utilização da mão-de-obra escrava, entretanto, gerou resistência por parte dos escravos através de rebeliões dos cativos. A rebelião mais significativa foi comandada pelo gladiador escravo trácio Spartacus, de 74 a 71 a.C., ameaçando a própria cidade de Roma. Escapando de Cápua, cidade ao sul de Roma, 74 gladiadores refugiaram-se próximo ao vulcão Vesúvio, onde reuniram mais de 120 mil pessoas. UMA FAMÍLIA DIFERENTE DA NOSSA Para os romanos o conceito de família era bem mais abrangente, englobava tudo o que estava sob a responsabilidade do pai: a esposa e filhos, escravos, animais e todos os bens móveis e imóveis (família extensa). Existiam as diferenças sociais, os escravos não eram cidadãos romanos, poderiam ser depois de sua libertação, e os pobres podiam ou não ser cidadãos. O casamento para os ricos, antes de tudo, era uma união de famílias. Era casamento arranjado, pouco importando o amor e sim, a posição social do noivo, sua capacidade de tornar-se um bom chefe de família e sua possível riqueza (noiva com 12 a 15 anos, e o noivo um homem já maduro). Os escravos não podiam casar-se, o que não impedia que namorassem entre eles, e depois se libertados a união era reconhecida. Mas diferente dos ricos, os casais tinham mais ou menos a mesma idade e envolviam-se basicamente por amor. Os pobres podiam casar-se, mas visavam ajudar-se na sobrevivência diária, claro que também havia amor e paquera, como os escravos, e as idades também não tinham muita diferença. O DIA-A-DIA DE UMA FAMÍLIA ROMANA O casamento dos ricos era uma grande festa, a partir dali a menina se tornava uma dona de casa. Já entre os pobres era diferente, uma vez que se uniam também para se ajudar. Homem e mulher trabalhavam juntos arduamente, em geral eram as mulheres que gerenciavam as de casa e dos negócios. A gravidez era sempre muito importante primeiro porque era a geração de herdeiros e segundo porque muitas vezes a mãe morria no parto. Quando acontecia a criança era criada pela família do pai ou por uma madrasta. As crianças das classes ricas brincavam e eram ensinadas por um preceptor (professor particular), as outras entre 7 e 10 anos iam para escola (pequena sala perto de uma loja), aprendiam basicamente a ler, escrever e contar. Apenas uma parte dessas crianças, com mais de 10 anos, passavam para escola secundária. Uma parte menor ainda, a partir dos 14 anos, seguia os estudos superiores. A FAMÍLIA NA CASA E NA CIDADE Na época do Império Romano havia diversos tipos de moradia. As mansões, na cidade, eram chamadas de domus (daí a palavra doméstico), e no campo de villa (daí vila). Na mansão vivia uma família extensa , podia ser imensa, com muitos aposentos. Havia escravos guardando a entrada, as paredes pintadas do chão ao teto, abertura no teto, diversas portas dando para diversos aposentos, ao fundo sala de estar com divãs ou sofás, ainda havia o jardim, nos fundos da casa, ao ar livre com fontes, estátuas, altar e pórtico coberto. Se fosse no campo ainda teriam os recintos relacionados ao trabalho agrícola, destinados a armazenar vinho ou azeite, além de chiqueiros e estábulos. Sempre haviam escravos e senhores convivendo, e clientes (pessoas que deviam favores) visitando e prestando homenagens. Faziam três refeições, sendo o jantar a principal, a mais farta, sempre acompanhadas de vinho, e comiam com as mãos. Os pouco abastados, na cidade, viviam em apartamentos e em edifícios,podiam ter até seis andares, o tamanho do apartamento ia diminuindo conforme ia subindo as escadas.

Havia pouca privacidade e conforto. Alguns comerciantes viviam na própria loja, num aposento acima do térreo, e nas aldeia os camponeses viviam em casebres (daí casa). Só algumas mansões tinham banheiro próprio. Havia sim eram latrinas e banhos públicos. Ricos e pobres freqüentavam esses banhos, tinha água quente e fria, conversavam, faziam amizades, entretinham-se. Podiam ser só masculinas, só femininas ou mistas. As cidades eram circundadas por muralhas, os mortos ficavam fora, antes da entrada da cidade, "a lápide seguinte nos advertiria: lembre-se de que sou você amanhã!". Haviam os bares e lojas. Já tinham propaganda política. Tinham as bicas que recebiam água dos aquedutos e serviam a toda população, já que água encanada não chegava "a maioria das casas. Tinha padaria e lavanderia, onde todos usavam para lavar e tingir sua roupas. Mais no centro tinha o fórum, uma praça onde era vendido de tudo, um templo com uma estátua do deus Apolo e uma inscrição com o nome de quem construí o templo. Havia ainda teatros, centro de esportes e anfiteatro onde havia os espetáculos de caçadores e jogos de gladiadores. A iluminação era com lamparinas. UM IMENSO IMPÉRIO E AS MUITAS MANEIRAS DE SER ROMANO O Império Romano é normalmente dividido em duas partes, segundo a língua usada para redigir documentos oficiais: o ocidente que usava o latim; e o oriente que usava o grego. O ocidente abrangia toda a Europa ocidental, incluindo a maior parte da atual Grã-Bretanha, parte dos territórios da Alemanha, Bélgica, França, Espanha, Portugal, Suíça e Itália, e toda a África do Norte até a Líbia. Algumas cidades atuais já existiam antes dos romanos, como Marselha, mas a grande maioria é de origem romana. O oriente romano, que havia sido conquistado antes dos romanos, era constituído de antigos grandes impérios, como o Egípcio, Atenas, Corinto, Éfeso, a atual Croácia, a antiga Dalmácia, a Judéia e a Arábia, com tradições próprias. Todo esse império era cortado por estradas, com técnicas tão aprimoradas,que até hoje algumas ainda são usadas e consideradas o melhor caminho. As comunicações eram por terra, correio público a cavalo, ou por barco, transporte mais rápido do mundo antigo. Esse imenso império era mantido em parte pelo exército, que não ficava estacionado nos limites do império, ele dividia-se em províncias administradas por civis ou militares. A principal célula do Império eram as cidades, já foi até definido como confederação das cidades. Mesmo sob domínio do Império Romano, as cidades tinham instituições próprias, constituições municipais e funcionamento político independente. As cidades tinham de tudo, uma estrutura urbana que incentivava o comércio, o intercâmbio cultural e levava a civilização letrada aos rincões mais distantes. Tudo que se tinha acesso na GrãBretanha tinha-se no norte da África ou na Arábia. Pela imensidão que era o Império, é claro que haviam as diferenças, climáticas, culturais e sociais. As construções nas regiões mais frias tinham como prioridades as calefações. Mesmo tendo como base da alimentação o pão, azeite e vinho, também eram usados produtos da região como manteiga, cevada, queijo e a cerveja. E claro que os camponeses que moravam nas proximidades de uma cidade, tinham muito menos contato com produtos importados e com a cultura romana. Os romanos exigiam o uso do latim e do grego apenas no que se referisse ao Estado, portanto muitos que não dominavam essas línguas, falavam e escreviam em outros idiomas. O mundo romano era, por definição, heterogêneo e variado, sempre em mudança.Roma foi constituída por pessoas e grupos de diferentes origens, e a expansão do Império continuou e aprofundou essa diversidade. BIBLIOGRAFIA- Livro: Império e família em Roma. Funari Autor: Pedro Paulo

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->