P. 1
CONTABILIDADE GERAL

CONTABILIDADE GERAL

5.0

|Views: 12.942|Likes:
Publicado poranon-132239

More info:

Published by: anon-132239 on Aug 12, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/26/2013

pdf

text

original

Por que se debita? Por que se credita? tipo que esta apostila tentará responder.

Por qual razão as contas ativas

têm saldos

devedores, e as passivas têm saldos credores? Como se chega ao balanço? São perguntas desse O fim destas lições é mostrar a lógica da Contabilidade. Não se desce, para isso, a aspectos formais ou legais da questão. Diálogos inseridos em cada capítulo tentam reforçar o transmitido. Usou-se neles a figura fictícia do bancário Silva, a ensinar a colegas seus de banco. Os principais tópicos e um diálogo são vistos aqui. Lógica dos registros Função Pode-se dizer que a expressão X = 3Y - 10 é uma função explícita de "X" e implícita de "Y", porque o valor de “X” está claro, e o de “Y” precisa ser deduzido. Por analogia, os registros contábeis são uma função clara de terceiros do tipo terceiros-entidade. Terceiros são as contas que guardam coisas da entidade ou com ela se relacionam. A função implícita é entidadeterceiros. Os terceiros são, pois, representados por contas. Dualista Saldos devedores são débitos claros de terceiros e créditos ocultos da entidade. Saldos credores são créditos claros de terceiros e débitos ocultos da entidade. A Contabilidade tem sempre essas duas faces. Uma está virada. A outra, encoberta. Ver isso é básico para bem entendê-la. Opção Poderia o registro explícito ser o inverso, ou seja, entidade-terceiros. Mas o plural é que se relaciona com o singular, de modo claro. É assim na vida prática. Por exemplo, os fregueses, em geral, vão ao açougueiro. Não é o contrário. Análoga é a base dos registros contábeis. Invertida a relação, tudo poderia funcionar, porém com dificuldades. Analogias Na vida há débitos e créditos. Quem recebe algo é devedor. Quem entrega algo é credor. "Fulano é devedor da amizade de sicrano" porque este ofereceu (entregou) amizade àquele. O segundo é credor do primeiro. Quando este retribui a estima (entrega), torna-se credor do primeiro. Se os fluxos mútuos são iguais, há equilíbrio. Débitos e créditos iguais se anulam. Isso reforça a amizade porque ninguém fica a dever nada ao outro. As discórdias começam a surgir se a diferença entre essas correntes se acentua ou quando elas somem. Aí pode começar a inimizade.

Marido e mulher recebem e dão amor um ao outro. Debitam-se e creditam-se. Caso comece a haver muito desnível nesses sentimentos recíprocos, a união fica em risco. Se eles somem, acaba-se o casamento. O equilíbrio nas contas do amor mantém os casais unidos. Teoria As contas são tidas como pessoas. Umas guardam coisas da empresa. Exemplos: Caixa (guarda dinheiro), Mercadorias, Imóveis, Móveis etc. Outras se relacionam com a empresa: Clientes, Duplicatas a Receber, Fornecedores etc. Outras representam o(s) dono (s) da empresa: Capital, Reservas, Despesas, Receitas etc. Débito e crédito Se uma conta recebe algo ou assume o compromisso de entregar algo, é debitada. Se uma conta entrega algo ou adquire o direito de receber algo, é creditada. Observe-se aí que esses conceitos são opostos. Esse algo pode ser dinheiro ou algo mais. Para anular ou reduzir um débito, credita-se. Para anular ou reduzir um crédito, debita-se. Em Contabilidade não se usa borracha. Para corrigir um erro, faz-se o registro contrário. Um débito anula um crédito e vice-versa. É o estorno. Usos e fontes O ativo (bens e direitos) pode ser visto como usos ou aplicações. O passivo (obrigações) pode ser visto como fontes ou origens dos usos. O passivo é uma fonte com duas torneiras, a jorrar água (recursos próprios e de terceiros). O ativo é o depósito para onde a água vai (seu uso). Se a coisa desanda no depósito, citadas torneiras podem querer sugar a água de volta. Igualdade Como todo uso (ativo) tem de ter uma fonte igual (passivo), própria ou de terceiros, o ativo será sempre igual ao passivo, em qualquer hipótese, embora a empresa possa está quebrada. Nesse caso, o ativo pode ter aplicação perdida, muito uso podre como prejuízos, direitos incobráveis etc. Aí o passivo real (recursos de terceiros) engole o ativo real (ativo bom). É a falência. Mas, nominalmente, o ativo será sempre igual ao passivo pelo que foi dito e em face deste princípio básico: não há débito sem crédito e vice-versa. Capital fica no passivo como fonte e obrigação da empresa para com seu (s) dono (s). É o "passivo não exigível", opondo-se ao passivo real (exigível). O conjunto ativo/passivo é o patrimônio. Essa noção pode ser aplicada também a qualquer entidade e até as pessoas físicas, razão por que cada um pode, nesse sentido, dar um balanço em sua vida e saber como andam seu ativo e passivo e como vai sua saúde financeira.

Saldos As contas de saldos devedores, como aplicações e débitos explícitos de terceiros (créditos implícitos da empresa), ficam no ATIVO. As contas de saldos credores, como origens e créditos explícitos de terceiros (débitos implícitos da empresa), ficam no PASSIVO. Os registros contábeis são sempre explícitos em relação a terceiros, como já foi dito. Simples Para identificar débitos e créditos em registros no Diário (livro obrigatório em ordem cronológica), no uso de partidas dobradas (emprego de débito e crédito), é básico antes fazer estas duas simples perguntas:
• •

Quem (qual conta) recebeu? Quem (qual conta) entregou?

Em geral, dada uma resposta, a outra fica evidente. Aí, é só fazer o registro no Diário. Depois, parte-se para o registro no Razão. Princípio das equações Ao somar ou subtrair o mesmo número a ambos os membros de uma equação, a igualdade se mantém; somando-se e subtraindo-se um mesmo número a um dos membros da equação, esta não se altera. É o princípio de equivalência das equações. É fácil verificar. Registros A partir do citado princípio, surgiram as partidas dobradas. Dobradas porque têm sempre os dois lados: a conta devedora, em primeiro lugar; abaixo, a credora, com a letra “a” antes. É a convenção, cumpridas as normas contábeis. Exemplos: Fato 1: Capital de R$100.000,00, realizado em dinheiro: CAIXA 100.000 a CAPITAL 100.000 Explicação: Caixa recebeu e foi debitada. Capital entregou e foi creditado. O primeiro membro da equação é o ativo. O segundo, o passivo. Somou-se o mesmo valor a ambos os membros. É o registro introdutório ou adicional, do tipo mais ativo, mais passivo. Fato 2: o capital foi depositado no Banco X. BANCO X 100.000 a CAIXA 100.000 Explicação: a conta Banco X foi debitada porque recebeu. Caixa foi creditada porque entregou. O registro é permutativo no ativo: soma e subtrai o mesmo valor; sai de uma conta do ativo para outra também do ativo. A igualdade se manteve. É o mais ativo, menos ativo, de transferência no ativo. Fato 3: uma duplicata a pagar de R$ 50.000,00 foi aceita no lugar de um crédito de fornecedores. O registro inicial, do tipo mais ativo, mais passivo, foi:

MERCADORIAS 50.000 a FORNECEDORES 50.000 Explicação: a conta Mercadorias recebeu e foi debitada . A conta Fornecedores entregou e foi creditada. Registro pelo aceite da referida duplicata: FORNECEDORES 50.000 a DUPLICATAS A PAGAR 50.000 Explicação: Fornecedores foi debitada pela transferência do crédito ou da origem. Um débito anula um crédito de igual valor, e vice-versa. Duplicatas a Pagar foi creditada pela origem transferida para ela. A igualdade se manteve. É o registro mais passivo, menos passivo, de transferência no passivo. Fato 4: a duplicata acima é paga com cheque contra o Banco X: DUPLICATAS A PAGAR 50.000 a BANCO X 50.000 Explicação: Duplicatas a Pagar foi debitada pelo recebido ou pela extinção do crédito. Banco X foi creditado pelo cheque emitido ou valor entregue. A igualdade conservou-se. É o registro menos ativo, menos passivo, eliminatório ou subtrativo. São apenas quatro tipos de registros contábeis: mais ativo, mais passivo mais ativo, menos ativo (+A,+P) (+A, -A)

mais passivo, menos (+P, -P) passivo menos ativo, menos passivo (-A, -P) Todos os registros contábeis (todos mesmo) das variações patrimoniais, quaisquer que elas sejam, caem num dos quatro tipos acima. Os exemplos dados mostram só o núcleo dos registros (parte principal), em partidas dobradas. São resumidos. Mas há também as outras partes: local, data, histórico etc. Em cada um, o total das contas devedoras é sempre igual ao total das contas credoras. O livro Razão mostra a posição de débitos e créditos de cada conta, com o respectivo saldo (devedor, credor ou nulo). Contas - representações gráficas para evidenciar os registros contábeis Diálogos sobre temas contábeis

Nota: parte dos diálogos de Lógica Contábil. O grafado em negrito refere-se à fala do instrutor Silva. Diálogo 1 -- No banco vi muitos créditos altos. O banco está folgado assim, Silva? -- Nem folgado nem quebrado. Em estado normal, diria. Saiba que os créditos que você viu são débitos do banco.

-- Débitos? Como assim? -- Débitos, sim, colega! -- E de quem são os créditos? -- De clientes e outros credores, ou seja, de terceiros. -- São dívidas, então? -- São mais encargos do banco, grana que o banco recebeu como depósitos, por exemplo. -- E os débitos do banco onde estão lançados? -- De forma clara, em lugar nenhum. Estão ocultos. É o outro lado da moeda. Estão claros sim, mas na escrita contábil dos credores. -- Quer dizer que todo crédito na escrita do banco é débito dele? -- Não é bem isso! Mas a gente pode dizer que toda conta com saldo credor é débito oculto do banco. -- Entendi, Silva. Do lado dos saldos devedores, a mesma coisa ocorre? -- Exato! Concluam, pois. -- Saldos devedores de terceiros são créditos ocultos do banco. Posso dizer assim? -- Sem dúvida! Mesmo ocultos, não devem ser --... créditos do banco. -- Exato! -- Entendi! Para todo débito há um crédito igual e vice-versa. Certo? -- Isso mesmo! Não há devedor sem credor e vice-versa, em registros ou saldos. -- Saldos? Que são saldos? -- Soma dos débitos menos soma dos créditos. Se o resultado é maior do que zero (positivo), o saldo é devedor. Se for menor do que zero (negativo), o saldo é credor. Se as duas somas são iguais, o saldo é nulo. -- Mas o total de saldos devedores não é igual ao total de saldos credores? -- Sim para todas as contas. A soma de todos os saldos devedores será sempre igual à soma de todos os saldos credores. É uma conseqüência lógica do princípio básico: não há débito sem crédito igual; não há devedor sem credor. -- Mas pode haver algum caso em que essa igualdade não se mantém? -- Pode apenas se a escrita estiver errada. -- E os valores que se igualam no passivo e no ativo? -- Caso a caso, nem sempre há essa igualdade. Ocorre sempre quanto às somas totais: o total do ativo será sempre igual ao total do passivo. -- Por quê? -- Pelo que já disse. Veja bem, colega: uma empresa pode tomar um empréstimo a um banco e usar a quantia em seu ativo. Assim, a fonte dá origem a vários usos. Às vezes, o uso perdidos de vista. Vejam estes registros: saldos devedores, débitos de clientes ao banco. São, pois...

no ativo é gerado por uma desaplicação no ativo. Exemplo: venda à vista de mercadorias. Saiu de Mercadorias e entrou no Caixa. Mas sempre haverá uma soma de usos igual à soma de fontes (ativo igual a passivo). É a equação do patrimônio. -- Perfeito! -- Aprendam mais: os depósitos, que têm saldos credores, geram débitos para o banco. Ficam no passivo, pois. -- Mas um depósito pode ficar no vermelho se o banco pagar cheque sem fundo. Aí, o saldo fica devedor. Não é? -- Perfeito! Se a conta fica devedora, passa a ser crédito do banco. A operação passiva vira ativa. Vai para o ativo. -- E as aplicações do banco com saldos devedores? -- São débitos claros de clientes, créditos ocultos do banco. São operações ativas. Ficam no ativo. -- Mas se o cliente pagar mais do que deve? -- Aí, nesse caso, o saldo devedor vira credor, ou seja, débito oculto do banco. Vai para o passivo. É crédito do cliente, em geral lançado na conta de depósito dele. ... Diálogo 2 ... -- Mas por que as receitas são creditadas, e as despesas são debitadas? -- As receitas são creditadas como fontes. As despesas são debitadas como usos. -- Tudo bem! Quais são os registros ocultos de cada uma? -- Nas receitas, que representam o dono, o débito (oculto) é da empresa. O dono como credor, pode exigi-las. Mas isso ocorre só na teoria. Na prática, não. Nas despesas, é o contrário: elas são débitos do dono e créditos da empresa. É claro que a empresa não vai exigir nada. Em teoria, sim. -- Como se faz isso, Silva? -- As despesas são creditadas pelo valor de seus saldos. As receitas são debitadas pelo valor de seus saldos. Como um débito anula um crédito de igual valor, tudo fica encerrado. -- Mas como todo débito tem um crédito igual e vice-versa, quais são as outras contas para cada caso? -- Não se apresse colega! Isso a gente vai ver quando for fazer o balanço. Mas que essas contas existem, não há dúvidas. Espere um pouco e você vai conhecê-las. -- Quer dizer que o lucro, que tem saldo credor, fica no passivo? O prejuízo, que tem saldo devedor, fica no ativo? Um exclui o outro? O balanço encerra essas contas, tirando-as do ativo e do passivo. É a apuração do lucro ou prejuízo final. são créditos claros de terceiros e débitos ocultos do banco. São fontes ou origens. São operações passivas porque

-- Sim! Resultado nulo não ocorre na prática. Mas se ocorrer, o zero não aparece no ativo nem no passivo. -- Silva, fiz o curso contábil bem-feito. Posso dizer que já sei fazer uma escrita e fechar um balanço, mas uma coisa me intriga. Não entendo bem. -- O que é? -- Veja bem. O ativo é a parte positiva do patrimônio. O passivo, a parte negativa. -- Tudo certo. E daí? -- Ora, saldos credores, sendo positivos, deviam ficar no ativo. Saldos devedores, sendo negativos, deviam ficar no passivo. Mas acontece o contrário. Saldos devedores, no ativo. Saldos credores, no passivo. Por quê? -- Pode parecer sem lógica isso, mas tem lógica, sim. cabeça porque não entendeu bem o exposto. -- Como assim, Silva? -- Ora, pelo que já expliquei, saldos devedores são claramente débitos de terceiros e, de forma implícita, créditos da empresa (parte positiva) Logo, ficam no ativo. Ao contrário, saldos credores são, de forma clara, créditos de terceiros e, implicitamente, débitos da empresa (parte negativa) Logo, ficam no passivo. Lembrem-se sempre: a relação clara dos registros contábeis é do tipo terceiros-empresa. A outra (empresa-terceiros) existe, mas está subentendida, oculta. Para ver mais diálogo, clique no botão abaixo: Você está com esse grilo na

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->