Você está na página 1de 24

Rio de Janeiro

2001
Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro
Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira
Presidente

Diretoria Corporativa Operacional


Augusto Cesar Franco de Alencar
Diretor

SENAI-Rio de Janeiro
SESI-Rio de Janeiro
Paulo Roberto Gaspar Domingues
Diretor Regional do SENAI-RJ
Diretor Superintendente do SESI-RJ

Diretoria de Educação
Regina Maria de Fátima Torres
Diretora

Diretoria de Saúde e Segurança do Trabalho


Sérgio Bastos Medeiros
Diretor

Gerência de Educação Profissional


Eliana Miranda Nunes
Gerente
Noções de Segurança do Trabalho
c 2001

SENAI-Rio de Janeiro
SESI-Rio de Janeiro
Diretoria de Educação
Diretoria de Saúde e Segurança do Trabalho

FICHA TÉCNICA
.................................................................................

Divisão de Projetos Educacionais - SENAI-RJ Marina Pires Cotias Villas


Divisão de Orientação Pedagógica - SENAI-RJ Luis Roberto Arruda
Divisão Regional de Saúde Ocupacional - SESI-RJ José Luiz Pedro de Barros
Coordenação - SENAI-RJ Regina Averbug

Pesquisa de Conteúdo e Redação Avelino Moreira Lourenço


Tratamento Pedagógico Alda Maria da Glória Lessa Bastos
Kátia Lucia Oliveira Barreto
Revisão Pedagógica Regina Averbug
Vera Regina Costa Abreu

Revisão Técnica Avelino Moreira Lourenço


José Luiz Pedro de Barros
Revisão Gramatical e Editorial Rita Godoy
Supervisão da Produção Gráfica Ana Paula de Barros Leite

Ilustração Spasso Quattro/Xande


Colaboração José Carlos R. Franqueira
Projeto Gráfico Spasso Quattro

.................................................................................
FICHA CA
CATTAL OGRÁFICA
ALOGRÁFICA
.................................................................................
Sistema FIRJAN
Preparada pela Divisão de Documentação e Informação Tecnológica do SENAI-RJ - Centro de Tecnologia Euvaldo Lodi

S456

NOÇÕES DE SEGURANÇA do trabalho: caderno do participante.


Rio de Janeiro: SENAI/RJ, SESI/RJ, 2001.
46p. 1 v.: il.

Bibliografia.

1. SEGURANÇA DO TRABALHO. 2. HIGIENE DO TRABALHO. 3. ACIDENTE DO TRABALHO.


4 . PREVENÇÃO DE ACIDENTES. I. SENAI/RJ. II. SESI/RJ.
CDD 331.2596
Material para fins didáticos
Propriedade do SENAI-RJ e SESI-RJ
Reprodução, total ou parcial, sob expressa autorização

SENAI-Rio de Janeiro SESI-Rio de Janeiro


GEP-Gerência de Educação Profissional Divisão Regional de Saúde
Ocupacional
Rua Mariz e Barros, 678 – Tijuca
20270-002 – Rio de Janeiro – RJ Av. Graça Aranha, 1 – Centro
Tel.:(0xx21)587-1122 20030-002 – Rio de Janeiro – RJ
Fax:(0xx21)254-2884 Tel.:(0xx21)563-4518
http://www.rj.senai.br Fax:(0xx21)563-4067
http://www.rae.firjan.org.br http://www.rj.sesi.org.br
S U M Á R I O

Conversando com você .............................................................................................. 7

Parte I Baú de Informações ...................................................................................... 9

Tema 1: Acidente do Trabalho - Desculpas nem sempre justificam ................................ 11

Tema 2: Normas de Segurança - Proteção ao alcance de todos .................................. 17

Tema 3: Normas Básicas de Higiene - Fonte de vida saudável .................................. 21

Parte II Fazendo e Aprendendo ................................................................................. 25

Parte III Conferindo suas Respostas............................................................................ 35

Parte IV Fontes de Pesquisa ....................................................................................... 43


CONVERSANDO COM VOCÊ

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .C. .a r o a l u n
..o
.................................

Entendendo que o êxito de qualquer atividade empresarial é diretamente proporcional ao fato de


se manter o elemento principal dessa jornada __ o trabalhador __ em ótimas condições de
saúde, o curso Noções de Segurança do Trabalho aborda temas variados relacionados a essa
questão.

Sendo assim, pretendemos com este curso oferecer aos profissionais alguns conhecimentos
que lhes possibilitem atuar com eficiência na prevenção de acidentes.

Com a intenção de favorecer a sua aprendizagem, elaboramos este caderno da seguinte forma:

· Parte I – Baú de informações


Onde há textos, resumindo os temas principais discutidos durante o curso, para você consul-
tar sempre que necessário.

· Parte II – Fazendo e aprendendo


Fazendo
É a hora de aplicar o que foi estudado. Para isso você terá que resolver as atividades aí pro-
postas.

· Parte III – Conferindo suas respostas


Apresenta algumas possibilidades de respostas para as questões apresentadas nas atividades.

· Parte IV – Fontes de pesquisa


Fontes
São as referências bibliográficas.

Esperamos que você enriqueça os conhecimentos conquistados neste curso com uma prática
consciente e participativa.

SENAI-RJ / SESI-RJ .....7


BAÚ DE INFORMAÇÕE S
PARTE I
TEMA 1 ACIDENTE DO TRABALHO - DESCULPAS
DESCULPAS
NEM SEMPRE JUSTIFICAM
Vale a pena
correr o
Acidente ou descuido? risco?

Diante de uma situação inesperada, vez por


outra ouvimos algumas pessoas falarem, até
mesmo com certa convicção, que acidentes
acontecem ... nada se pode fazer. Você também
já passou por este tipo de experiência?

É claro que riscos e perigos andam por aí afora,


acompanhando nossos passos, seja em casa,
seja no trabalho ou em outra parte qualquer.
Mas, se pararmos um pouco para refletir sobre
alguns acidentes que já aconteceram com os
colegas, ou conosco mesmo, vamos acabar
chegando à conclusão de que eles não foram
apenas fruto da fatalidade, como poderíamos a
princípio imaginar.

Isso porque, na maioria das vezes, o motivo real


de um acidente se encontra nas próprias
pessoas, na medida em que deixam de evitar certas situações arriscadas,
seja consciente, seja inconscientemente. Você concorda?

Muito bem, nosso estudo vai tratar exatamente dessa questão e, por isso
mesmo, é importante discutir um pouco mais acerca do significado de
acidente e de suas principais causas, segundo a visão dos especialistas na
área de Segurança do Trabalho.

Agora, que tal refletir sobre os conceitos apresentados a


seguir?

CONCEITO Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço


LEGAL DE da empresa ou, ainda, pelo exercício do trabalho dos segurados especiais,
ACIDENTE DO provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte,
TRABALHO a perda ou redução da capacidade para o trabalho, permanente ou temporária.
(Lei n° 8.213, de 24/07/91)

CONCEITO É todo fato inesperado, não planejado, que interrompe o processo normal
PREVENCIONISTA
PREVENCIONISTA de um trabalho, ou nele interfere, podendo resultar em lesão, danos
DE ACIDENTE DO materiais ou ambos. Pode acontecer em casa, na rua, ou no local de
TRABALHO trabalho.
SENAI-RJ / SESI-RJ .....11
Você sabia que a questão da Segurança e Higiene do
Trabalho é um princípio constitucional?
A Constituição Brasileira, em seu Capítulo II – Dos Direitos Sociais –
art. 7º, inciso XXII, determina que as empresas efetuem a redução dos
riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e
segurança, a fim de preservar a integridade física e emocional de seus
trabalhadores.

Em decorrência dessa determinação, a Consolidação das Leis do Trabalho


(CLT), que rege nossos direitos e deveres no exercício da profissão,
estabelece em seu Capítulo V uma série de medidas a serem adotadas pelas
empresas, para garantir a higiene e a segurança dos locais de trabalho.

O governo também tem a obrigação de fazer cumprir essas leis, através


do Ministério do Trabalho e Emprego, que para realizar essa tarefa conta
com dois órgãos:

1. Departamento de Saúde e Segurança do Trabalho (DSST), com


atuação em nível central e sede em Brasília, tendo como principais
atribuições:

a) estabelecer normas de Segurança e Medicina, de acordo com o disposto


na Lei n° 6.514/77 e Portaria nº 393/96;
b) coordenar, orientar, controlar e supervisionar os trabalhos de
fiscalização; e
c) examinar em último grau os recursos interpostos contra decisões
proferidas pelos Delegados Regionais do Trabalho.

2. Delegacia Regional do Trabalho e Emprego (DRTE), com sede nos


estados, cabendo-lhe:

a) promover a fiscalização acerca do cumprimento das normas de


Segurança e Medicina do Trabalho;
b) aplicar as penalidades cabíveis aos infratores das normas de Segurança
e Medicina do Trabalho; e
c) apreciar as defesas apresentadas pelos infratores contra os autos de
infração lavrados pelos fiscais da própria DRTE.

Obs.: Os órgãos acima citados pertencem a Secretaria de Inspeção do


Trabalho - SIT.

Caso deseje se informar mais a respeito não só do conteúdo dessas leis,


como também da atuação dos órgãos governamentais, procure, em seu
próprio local de trabalho, o setor responsável pela Segurança e Higiene
da empresa. Lá, você poderá obter outros esclarecimentos sobre o
assunto, verificando também outros materiais para consulta.

convicção – certeza, crença.


conceito – definição, caracterização, ponto de vista.
princípio – regra, lei, preceito.
rege – administra, regulamenta, determina.
SENAI-RJ / SESI-RJ .....12
Quem faz o quê?

Certamente, você já deve ter parado para pensar a respeito dos porquês
da ocorrência de acidentes. Mas, será que suas conclusões coincidem
com os dados obtidos em várias pesquisas, realizadas recentemente ?
Elas demonstram, por exemplo, que as falhas humanas, ou atos
inseguros, são as principais causas dos sinistros. Depois delas, vêm as
falhas materiais e, por último, as causas de força maior.

Diante dessa conclusão, podemos afirmar que nem todos os trabalhadores


andam adotando atitudes prevencionistas, da forma como deveriam.
Mas, também não podemos deixar toda a culpa apenas sobre seus
ombros. Condições inseguras em ambientes de trabalho, fiscalização
ineficiente das normas de segurança são, dentre outros, alguns aspectos
que também contribuem, diretamente, para a ocorrência de acidentes.
E para resolvê-los, não basta apenas a boa vontade, nem tampouco o
bom-senso do trabalhador, porque são, na verdade, funções de outros
representantes da sociedade, ou seja, patrões e governo. Portanto, todos
têm uma parcela de responsabilidade na prevenção de acidentes.

O trabalhador
trabalhador,, por eex
xemplo, é obrigado por lei a:
· obedecer as regras de segurança, aplicadas às suas tarefas;
· seguir, à risca, as determinações das convenções e acordos de trabalho,
ou ordens de serviço; e
· usar adequadamente os Equipamentos de Proteção Individual (EPI),
indicados para a realização de suas atividades.

.............................................................
ATENÇÃO
Caso o trabalhador deixe de cumprir qualquer das obrigações
relativas à segurança, estará colocando em risco a própria vida e
também a dos colegas. Por isso, poderá, até mesmo, ser despedido
do emprego, por indisciplina, conforme determina a legislação.
.............................................................

Já ao empregador cabe uma série de outras obrigações:


· fornecer, gratuitamente, aos trabalhadores os Equipamentos de
Proteção Individual (EPI);
· instalar Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC);
· promover a manutenção e os consertos necessários nos locais de
trabalho;
· manter máquinas e equipamentos em condições perfeitas para uso;
· prover os ambientes de trabalho de iluminação adequada para a
realização das tarefas;
· organizar a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) e
mantê-la em pleno funcionamento; e
· exigir que todos os empregados cumpram as normas de segurança
Faço a minha parte
estabelecidas.
SENAI-RJ / SESI-RJ .....13
Segurança do Trabalho – um pouco de sua história
Trabalho
As atividades laborativas nasceram com o homem. Pela sua capacidade
de raciocínio e pelo seu instinto gregário, o homem conseguiu, através
da História, criar uma tecnologia que possibilitou sua existência no
planeta.

Partindo da atividade predatória, evoluiu para a agricultura e o pastoreio,


alcançou a fase do artesanato e atingiu a era industrial.

Somente com a revolução industrial é que o aldeão (...) começou a se


agrupar nas cidades. Deixou o risco de ser apanhado pelas garras de uma
fera, para aceitar o risco de ser apanhado pelas garras de uma máquina.

(...) as modernas fábricas nada mais eram que galpões improvisados.


As máquinas primitivas ofereciam toda sorte de riscos, e as
conseqüências tornaram-se tão críticas que começou a haver clamores,
inclusive de órgãos governamentais, exigindo um mínimo de condições
humanas para o trabalho.

No Brasil, podemos fixar por volta de 1930 a nossa revolução industrial e,


embora tivéssemos já a experiência de outros países (...), atravessamos os
mesmos percalços, o que fez com que se falasse, em 1970, que o Brasil
era campeão de acidentes de trabalho.

Embora o assunto fosse pintado com cores muito sombrias, o quadro


estatístico a seguir nos dá idéia de que era, de fato, lamentável a situação
que enfrentávamos. Ao mesmo tempo, podemos vislumbrar um futuro
mais promissor, que só foi possível pelo esforço conjunto de toda a nação:
trabalhadores, empresários e governo.

SENAI-RJ / SESI-RJ .....14


Número de acidentes do trabalho (dados do INSS)

Número de Número de
Anos segurados acidentados Percentual
1971 7.553.472 1.330.523 17,61
1981 19.188.536 1.270.465 6,62
1991 22.792.858 629.918 2,76
1997 23.275.605 369.065 1,58

(Fonte: http: //www.geocities.com/Athens/Troy/8084/Introseg.htm)

P ara você refletir...


refletir...

Trabalhadores, empresários e governo,


juntos, estão reduzindo os índices de
acidente no país. Mas, precisamos
melhorar ainda mais esse quadro, em
benefício da sociedade.

Que tipo de colaboração cada um de


nós, cidadãos, pode prestar para
alcançar esse objetivo, mais rapida-
mente?

coincidem – combinam, são concordantes.


ineficiente – sem eficiência, sem produzir efeito.
prover – tomar providências.
gregário – viver em bando, em grupo.
predatória – que destrói, sem cuidar da preservação.
clamores – protestos em altas vozes.
percalços – dificuldades, transtornos.
vislumbrar – supor, antever.
promissor – próspero.

SENAI-RJ / SESI-RJ .....15


TEMA 2 NORMAS DE SEGURANÇA - PROTEÇÃO AO
ALCANCE DE TODOS

Seguro morreu de velho!

Será que o jovem da figura tinha consciência do perigo que representava


o ferimento maltratado? É muito provável que não! Pois, segundo sua
visão, quem trabalha com máquinas está sempre sujeito a isso. Você
concorda, ou acha que é possível evitar acidentes, não só do tipo que
ocorreu com o colega, como também de outros mais ou menos graves?
É claro, quem adota atitudes e hábitos de prevenção contra riscos costuma
realizar suas tarefas diárias com mais segurança. Mas, para se comportar
dessa maneira, é preciso que a pessoa faça sempre uso de seu bom-
senso e, sobretudo, conheça muito bem o significado de segurança. E
você, já parou para pensar sobre essa questão? Então, reflita conosco!

Segurança é a condição, o estado, ou a qualidade daquilo que nos parece


seguro e, portanto, podemos confiar, pois não representa, a princípio, qualquer
risco à nossa vida, à saúde, ou à integridade física e mental.

Você sabia que a Consolidação da Leis do T


Leis rabalho e da
Trabalho
Previdência Social foi promulgada em 1943?
De lá para cá, ela já sofreu muitas revisões. Atualmente a CLT, em seu
Capítulo V, determina que seja adotada uma série de normas para proteger
os empregados, especialmente aqueles que trabalham diretamente em:

· obras de construção, demolição ou reparos;


· depósitos de armazenagem e manuseio de combustíveis, inflamáveis e
explosivos;
· escavações, túneis, galerias, minas e pedreiras ;
· locais quentes, úmidos, frios, ou a céu aberto;
· ambientes com substâncias químicas nocivas, radiações ionizantes e não-
ionizantes, ruídos, vibrações, trepidações, ou pressões anormais; e
· outros locais insalubres e perigosos.

Cabe ao Ministério do Trabalho e Emprego estabelecer disposições


complementares às normas tratadas neste capítulo da CLT. Para ir ainda
mais longe no conhecimento dessas normas, converse com seu professor,
ou procure o setor de Segurança e Medicina do Trabalho de sua empresa.

SENAI-RJ / SESI-RJ .....17


integridade – qualidade de íntegro, perfeito.
promulgada _ publicada oficialmente.

Trabalhando sob proteção


Hoje em dia, é obrigação de todos colaborar na construção de um
ambiente mais seguro e saudável, onde as pessoas possam realizar suas
atividades profissionais, preservando a qualidade de vida. Isso é possível
principalmente porque já podemos contar com uma variedade enorme
de equipamentos de proteção, bastante eficientes para afastar os riscos
que costumamos enfrentar no dia-a-dia, sobretudo quando
desempenhamos algumas tarefas necessárias, porém perigosas, à saúde.
Quem lida com pintura, por exemplo, sabe que a tinta é um elemento
tóxico, que pode prejudicar nosso organismo, caso não sejam tomados
alguns cuidados.

É preciso saber usar adequadamente os equipamentos de proteção, pois,


ao contrário, nossa segurança não estará garantida. Além disso, qualquer
que seja o equipamento, todos necessitam de uma manutenção cuidadosa,
a fim de serem conservados em perfeitas condições de funcionamento.
Caso contrário, diante de um imprevisto, muito pouco ou quase nada
poderão nos beneficiar.

.............................................................

ATENÇÃO
ATENÇÃO
Conhecer, zelar e saber usar corretamente os equipamentos de
proteção disponíveis e, em especial, aqueles necessários para a
realização de nossas tarefas é uma atitude prevencionista. Quem não
adotá-la, poderá colocar em risco a própria vida, ou a dos colegas.
.............................................................

SENAI-RJ / SESI-RJ .....18


Existem dois tipos de equipamentos: de uso coletivo, comumente
chamados de EPC, e de uso individual, também conhecidos como EPI.
Que tal saber um pouco mais sobre cada um deles?

· Os EPC são instalados pelo empregador, nos locais de trabalho,


para dar proteção a todos que ali executam suas tarefas.

· O EPI é um equipamento de uso pessoal, cuja finalidade é proteger os


trabalhadores contra lesões, ou outros efeitos incomodativos e/ou
insalubres, dos agentes agressivos presentes em suas atividades
profissionais.

ortaria nº 3.214, de
Portaria
O Ministério do Trabalho e Emprego, através da P
08/06/78, estabelece a Norma Regulamentadora NR-6, que trata
exclusivamente dos EPI.

De acordo com a NR-6, a empresa é obrigada a fornecer aos empregados,


gratuitamente, EPI adequado ao risco e em perfeito estado de conservação
e funcionamento, nas seguintes circunstâncias:

a) sempre que as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente


inviáveis ou não oferecerem completa proteção contra os riscos de
acidentes do trabalho e/ou de doenças profissionais e do trabalho;(...)

b) enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo


implantadas;(...)

c) para atender a situações de emergência. (...)

SENAI-RJ / SESI-RJ .....19


Ainda no que diz respeito às atribuições do empregador, a NR-6 também
o obriga a treinar os trabalhadores para que usem corretamente o EPI
indicado para a realização de suas tarefas. Já, para o empregado, essa
norma prescreve uma série de compromissos, tais como:

a) usar o EPI para a finalidade a que se destina;

b) responsabilizar-se por sua guarda e conservação; e

c) comunicar ao empregador qualquer alteração no EPI que o torne


impróprio para uso.

Além dessas prescrições, existem muitas outras, bastante detalhadas,


acerca das competências de todos os setores envolvidos na questão dos
EPI. Caso seja de seu interesse conhecer um pouco mais a respeito da
NR-6, converse com seu professor.

lida – trabalha.
tóxico – que envenena.
disponíveis – ao nosso alcance, livres, desimpedidos.
lesões – danos à saúde ou à integridade física.
incomodativo – que causa incômodo, fadiga ou doença.
insalubre – que pode causar doença.
prescrições _ determinações.

SENAI-RJ / SESI-RJ .....20


TEMA 3 NORMAS BÁSICAS DE HIGIENE
- FONTE DE VIDA SAUDÁVEL
Você também tem esses cuidados?

I M P O R T A N T E
Hábitos de Higiene ajudam a prevenir doenças e a preservar a saúde.

Hoje em dia, Higiene é a parte da Medicina que estuda a saúde do


homem e os meios que se devem usar para conservá-la.
De fato, é inegável a relação entre Higiene e Saúde. E quem não adotar
os meios ou as normas higiênicas recomendadas pelos especialistas
não vai conseguir levar uma vida saudável, com certeza.

Em geral, essas normas são simples e, por mais elementares que


possam parecer, têm enorme importância em nossa vida, seja familiar,
seja profissional. E essa é uma boa razão para, a partir deste momento,
refletir um pouco mais sobre elas.

Uma comissão a ser viço da Saúde e Segurança do


serviço
Trabalho – CIPA
CIPA
Atualmente, a CIPA está presente em grande parte das empresas, para
cuidar, principalmente, das questões relativas à saúde e à segurança dos
trabalhadores. Vamos conhecer seus objetivos?

SENAI-RJ / SESI-RJ .....21


A CIPA tem como objetivo primordial prevenir acidentes e doenças
decorrentes das atividades profissionais, de modo a tornar o trabalho
permanentemente compatível com a preservação da vida e com a
promoção da saúde dos empregados.

A tarefa da CIPA é, de fato, muito importante. E, qualquer trabalhador,


independentemente da atividade que executa, pode vir a ser um dos seus
membros. No caso, o mais importante é ter interesse e muita disposição
para levar adiante as ações prevencionistas que devem ser desenvolvidas
na empresa. Mas, vamos conhecer, com mais detalhes, algumas regras
que devem ser obedecidas para formar essa Comissão.

· A CIPA é uma representação composta por pessoas indicadas pelo


empregador e outras, pelos trabalhadores. Seu presidente é sempre
escolhido pelo patrão, enquanto o vice-presidente é eleito pelos
trabalhadores que integram a Comissão.

· A CIPA também possui um secretário e seu respectivo substituto, ambos


escolhidos em comum acordo pelos representantes do empregador e
dos trabalhadores.

· O número de representantes dos empregados é variável, pois depende


tanto do total de funcionários quanto do grupo de risco apresentado
pela empresa.

· Os representantes dos empregados são escolhidos anualmente, por


eleição, para exercer um mandato de 12 meses, sendo permitida a
reeleição por mais um ano.

As eleições para a constituição da CIPA são realizadas durante o expediente


normal da empresa. Dela participam todos os empregados interessados
em escolher seus representantes, independentemente de setores ou locais
de trabalho.
Os mais votados assumirão a condição de membros titulares, enquanto
os demais se tornarão suplentes, obedecendo à ordem decrescente de
votos recebidos.

. O treinamento de todos os membros eleitos para a CIPA é obrigatório,


sendo promovido pela própria empresa.

Enfim, depois de treinada, a Comissão estará apta a assumir inteiramente


suas responsabilidades. E não são poucas! Vamos conferir apenas algumas
delas:

· apontar as condições inseguras, porventura existentes nas empresas,


para imediata correção;

· divulgar normas, cartazes e avisos, visando atenuar a prática de atos


inseguros; e

· promover reuniões, palestras e exibição de filmes sobre prevenção de


acidentes e doenças do trabalho.

SENAI-RJ / SESI-RJ .....22


Praticamente, a rotina da CIPA segue por esses caminhos. Mas, é
importante destacar ainda que suas atividades costumam ser muito bem
planejadas e também avaliadas. Para cumprir esta tarefa, seus membros
se reúnem uma vez por mês, sistematicamente, em local apropriado e
durante o expediente normal da empresa, conforme calendário anual
preestabelecido.

Além desses encontros mensais, reuniões extraordinárias também


costumam ocorrer. Em geral, este tipo de convocação acontece sempre
que forem levantadas situações de risco grave e iminente, que
determinem a aplicação de medidas corretivas emergenciais; ou, então,
quando ocorrer acidente do trabalho, com perda ou prejuízo de grande
monta (grave ou fatal) e, ainda, por solicitação expressa dos membros
da CIPA, sejam representantes do empregador, sejam dos trabalhadores.

De fato, as responsabilidades que cabem à Comissão são enormes, e sua


importância inegável, em qualquer que seja a empresa. Contudo, sem a
colaboração dos trabalhadores, em geral, as ações prevencionistas
implementadas pela CIPA acabam não atingindo plenamente seus
objetivos. Por isso, é essencial a participação de todos!

É fácil colaborar com a CIPA!


Você pode fazer isso de muitas maneiras:
. apontando falhas no local de trabalho;
. usando corretamente os EPI;
. zelando pelos EPC; e
. obedecendo aos regulamentos e ins-
truções de serviço.

Afinal de contas, quem não se interessa


pela preservação da própria vida e pela
promoção da saúde? E são exatamente
estes os motivos principais da existência
da CIPA.

preservar – conservar, manter.


primordial – básico, principal, primeiro.
compatível – conciliável, em harmonia.
atenuar – suavizar, abrandar, amenizar.
iminente – que pode ocorrer a qualquer momento.
monta – importância, gravidade.

SENAI-RJ / SESI-RJ .....23