Você está na página 1de 3

Ficha Informativa

________________________________________________________________________________
Classes de Palavras

• O Vocabulário / Léxico é o conjunto de todas as palavras (= vocábulos) pertencentes


a uma determinada língua falada ou escrita. Estas palavras pertencem a diferentes
classes gramaticais. Há dez classes gramaticais:

Classes Abertas:
São constituídas por um número potencialmente ilimitado de palavras e à qual a evolução da língua acrescenta
constantemente novos membros. É praticamente impossível enumerar todos os membros de uma classe aberta de
palavras num dado momento da evolução da língua.
Nomes de pessoas, animais, objectos, ideias, sentimentos, qualidades.
Nomes
Ex.: João, rapaz, baralho, ideia, amor.
Palavras que indicam acções, qualidades ou estados de um sujeito.
Verbos
Ex.: ele aplaude (acção); ele é simpático (qualidade); ele está doente (estado).
Palavras que caracterizam os nomes.
Adjectivos
Ex.: o rapaz capaz, uns alunos inteligentes, a ideia genial.
Têm uma função exclusivamente emotiva, por isso o valor de cada interjeição depende do
contexto de enunciação e corresponde a uma atitude do falante ou enunciador.
Interjeições
Ex.: De alegria: ah!, oh!, .../ De animação: eia!, vamos!, .../ De aplauso: bravo!, viva!, .../ De
desejo: oh!, oxalá!, .../ De dor: ai!, ui!, ...
Palavras que caracterizam os verbos, adjectivos ou outros advérbios.
Advérbios
Ex.: aplaudir fortemente; dar pouco; muito bem.
Classes Fechadas:
São constituídas por um número limitado (normalmente pequeno) de palavras e à qual a evolução da língua só muito
raramente acrescenta novos membros. É normalmente fácil enumerar todos os membros de uma classe fechada de
palavras.
Palavras que estabelecem ligação entre duas palavras (dois substantivos, um substantivo e
Preposições um verbo, dois verbos).
Ex.: poço de petróleo; salto em altura; ir à praia.
Palavras que estabelecem ligação entre duas orações (podem estar entre as duas orações,
mas também podem estar no início da frase).
Conjunções
Ex.: A mulher fala e os homens ouvem. / Joana despede-se do amigo porque o pai está à sua
espera.
Palavras que estão sempre à esquerda de um nome e têm o mesmo género e número desse
Determinantes nome.
Ex.: o João, outro rapaz, uns lápis.
Palavras que substituem os nomes, evitando a sua repetição contínua.
Pronomes
Ex.: este, ele, aquele.
Palavra ou locução cujo significado expressa informação relacionada com número,
quantidade ou parte. Os quantificadores podem ser ainda usados para expressar informação
de natureza quantitativa sobre expressões que não denotam entidades, mas sim situações.
Quantificadores
Ex.: Todos os livros foram vendidos./A maioria dos livros foi vendida.
Comprei um litro de leite. (a expressão “um litro de” quantifica sobre o nome “leite”,
fazendo uma medição) / Fumo poucas vezes.

• Nestas dez classes de palavras existem palavras variáveis, ou seja, cuja


forma varia. As palavras podem variar em género, número, grau, tempo, etc. As
palavras invariáveis têm sempre a mesma forma. A variação da forma das
palavras chama-se flexão.

Classes de Palavras Variáveis Classes de Palavras Invariáveis


■ Nome
■ Advérbio
D ■ Determinante
■ Preposição
■ ■ Pronome
■ Conjunção
A ■ Adjectivo
I ■ Interjeição
V ■ Verbo

■ ■

• Classificar morfologicamente as palavras é indicar a classe gramatical a que


pertencem.

q EXERCÍCIOS:
1- Presta atenção às palavras sublinhadas no texto em baixo e regista a classe
gramatical a que pertencem.
(...) Sou uma árvore grande, com tantos braços que nem os posso contar. Já não posso dizer
quantas vezes vi cair as minhas folhas amareladas e nascer outro manto verde e brilhante.
Sou uma árvore de um dos jardins de Lisboa e gosto de aqui estar.
Quando eu era pequena, crescia, juntamente com outras árvores, num local a que os homens
chamam viveiro. Um dia foram buscar-me. Desenterraram-me, embrulharam-me as raízes
ainda pequenas e meteram-me numa camioneta. Trouxeram-me para aqui, para este jardim.
Eu pouco mais alta era que um homem, e muito delgada. Colocaram junto a mim um apoio –
uma estaca, disseram os jardineiros – e amarraram-me a ela.
Eu, árvore nova, saída do viveiro, estava deslumbrada e temerosa.
Sentia-me importante, crescida, por me terem trazido para aqui, mas ao mesmo tempo tinha
medo... Era a primeira vez que me encontrava sozinha, e as minhas cinco ou seis folhas verdes
e frágeis, na ponta dos meus dois únicos braços de então, não me davam grande segurança.
(...)
Margarida Ofélia, História de uma história e outros