Você está na página 1de 33

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A QUESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO

Mateus Costantin

2

Lajeado, maio de 2009 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A QUESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO

Mateus Costantin Relatório de estágio apresentado na disciplina de Estágio ........., do curso de administração, como exigência parcial para a obtenção do título de bacharel em Administração. Orientador: Prof...........................

2

3

Lajeado, maio de 2009

A todas as pessoas que, de uma maneira ou de outra, acrescentaram conhecimentos à minha vida...

3

4 Em especial aos meus pais. razão de minha existência. 4 .

é indispensável para o exercício de gestão eficaz. identificando as variáveis envolvidas no quadro atual que podem ser sanadas a fim de redefinir a situação. Legislação. Palavras-chave: Segurança. previsto pela legislação atual. Sendo assim. Gestor. Trabalhador. tampouco oferecidos aos trabalhadores. Contudo. Entender melhor a questão da Segurança no Trabalho. nem sempre os critérios de Segurança no trabalho são seguidos pelos administradores.5 RESUMO A segurança no trabalho é uma necessidade e ao mesmo tempo um direito do trabalhador. 5 . o que pode gerar em riscos ao funcionário e em gastos desnecessários á entidade empregadora. passa a ser interessante analisar como são desenvolvidas as questões específicas de segurança no trabalho na Secretaria Municipal de Obras do município de Pouso Novo. principalmente aquela vivenciada pelos funcionários da Secretaria de Obras do Município de Pouso Novo. criando uma situação benéfica tanto para o trabalhador quanto para o gestor municipal.

..................................................7 1..............7 1....................................................................2........................................................7 1.......................................................................................................................................................19 5....................................8 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA...................................................30 ANEXOS............................................................2.........1 Tema e definição do Problema..................................................................25 7 RESULTADOS ESPERADOS....................................7 1.............................................................1........................................................................................................................................................................................2 Objetivos...............22 6 SOLUÇÕES PROPOSTAS.............................3 Justificativa..................................6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.......16 4 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA....28 9 BIBLIOGRAFIA.......................................20 5......................................................1 Planejamento em Recursos Humanos..........................................17 5 DIAGNÓSTICO SITUACIONAL.......31 6 ...................1 Gestão de Pessoas..2 Indicadores de Recursos Humanos....................................................................1....................20 5.................................................9 3 MÉTODO DE PESQUISA...................................................................................................................1 Objetivo Geral.............................................................6 1............2 Objetivos Específicos.....................................................................................................27 8 CONCLUSÕES..............................................................................................

quando exposto a situação de risco. No município de Pouso Novo. além de oportunizar uma situação de despesas dos recursos públicos desnecessárias caso não estivesse exposto ao risco. percebe-se que os trabalhadores da Secretaria Municipal de Obras não fazem uso dos equipamentos prescritos como obrigatórios pelas Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE. o empregador é responsabilizados pelos gastos decorrentes do mesmo. previsto pela Constituição Federal e pelo Código de Leis Trabalhistas. Tal fato torna-se preocupante. identificando as variáveis envolvidas no quadro atual que podem ser sanadas a fim de redefinir a situação. Rio Grande do Sul. Sendo assim. e envolve desde os critérios que definem os equipamentos que devem ser utilizados por determinado trabalhador até a garantia de insalubridade em caso de trabalho de risco. 7 . criando uma situação benéfica tanto para o trabalhador quanto para o gestor municipal. em virtude de que o trabalhador. visto que em caso de doenças e acidentes de trabalho. compromete sua integridade física e também o desenvolvimento do exercício profissional. passa a ser interessante analisar como são desenvolvidas as questões específicas de segurança no trabalho na Secretaria Municipal de Obras do município de Pouso Novo.7 1 INTRODUÇÃO A segurança no trabalho é uma necessidade e ao mesmo tempo um direito do trabalhador.

8 1. que não fazem uso dos equipamentos obrigatórios por opção pessoal? O que pode ser redefinido a fim de oportunizar benefícios tanto aos trabalhadores quanto ao gestor municipal? No que essas mudanças podem oferecer benefícios aos munícipes? 1. RS. em relação à segurança no trabalho. 1.2 Objetivos Específicos . que não oportuniza as condições necessárias aos trabalhadores. 8 . por parte dos funcionários da Secretaria Municipal de Obras do município de Pouso Novo.1 Tema e definição do Problema Segurança no trabalho: Os trabalhadores da Secretaria Municipal de Obras do município de Pouso Novo.Investigar a observância da legislação atual. -Verificar a responsabilidade de cada segmento do referido órgão público em relação à questão da segurança no trabalho. . RS. observam as determinações de segurança previstas na legislação atual? As condições inadequadas de segurança são falhas do gestor. Rio Grande do Sul.Analisar a disponibilidade de equipamentos de segurança na Secretaria Municipal de Obras do município de Pouso Novo.2.1 Objetivo Geral Investigar se os trabalhadores da Secretaria Municipal de Obras do município de Pouso Novo. observam as normas de segurança no trabalho previstas na legislação atual. a fim de verificar os motivos da não utilização dos mesmos.2 Objetivos 1.2. RS. ou dos próprios funcionários.

9 . percebe-se que os trabalhadores da Secretaria Municipal de Obras do município de Pouso Novo. RS. Apesar destas vantagens. a fim de conhecer de maneira mais aprofundada a situação. 1. quando da inobservância dos critérios de segurança no trabalho. visto que trabalhadores seguros produzem mais e oferecem menos gastos com indenizações e tratamentos curativos. torna-se importante verificar a responsabilidade de cada segmento do referido órgão público em relação à questão da segurança no trabalho. para posteriormente apontar sugestões no intuito de contribuir para a solução dos problemas observados.Apontar sugestões no intuito de contribuir para a solução dos problemas observados em relação à questão da segurança no trabalho na Secretaria Municipal de Obras do município de Pouso Novo. além de evitar que o empregador venha a enfrentar gastos desnecessários provenientes de sansões judiciais. previstas na legislação trabalhista.9 . Analisando essa realidade. investigando a disponibilidade de equipamentos de segurança e verificando os motivos da não utilização dos mesmos. não fazem uso dos equipamentos obrigatórios para segurança no trabalho. RS.3 Justificativa A segurança no trabalho é uma necessidade fundamental para o desenvolvimento funcional de qualquer entidade produtiva.

O referido artigo prevê. Equipamentos e Instalações. quando relacionada às atividades de uma secretaria municipal de obras. No que tange à legislação brasileira1. destaca-se o art. no Rio Grande do Sul. entre outras situações. será dada maior atenção às questões de Segurança. Leis Complementares. 7º da Constituição Federal de 1988. bem como o 1 Constituição da República Federativa do Brasil. Portarias Decretos Convenções Internacionais da Organização Internacional do Trabalho. Diário Oficial da União de 05/10/1988. Higiene e Medicina do Trabalho e Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas.10 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A segurança do trabalhador em qualquer instância profissional é um direito previsto pela legislação nacional atual e visa garantir que os cidadãos possam exercer suas atividades sem riscos à saúde. Sua análise envolve diversas disciplinas. o desenvolvimento e a aplicação de normas que asseguram a segurança do trabalhador. em virtude das atividades exercidas pelos funcionários da Secretaria Municipal Obras do município de Pouso Novo. definida pela Constituição Federal e pelo Código de Leis Trabalhistas. sendo definida por normas e leis. ratificadas pelo Brasil. à segurança e à produtividade. compõe-se de Normas Regulamentadoras como e Normas e Regulamentadoras e também as Rurais. No Brasil. sendo que neste estudo. a Legislação de Segurança do Trabalho. 10 .

RS. o qual apresenta uma definição mais aprofundada de todos os itens relacionados à questão da segurança do trabalhador.adicional de remuneração para as atividades penosas.redução dos riscos inerentes ao trabalho. insalubres ou perigosas. XXIII . 2009).. não raro os equipamentos de segurança pessoal são caracterizados como empecilhos à produção. como também incidem na redução do nível de satisfação e qualidade dos serviços de administração desenvolvidos pelo gestor. Diário Oficial da União de 05/10/1988. por meio de normas de saúde. higiene e segurança. No contexto profissional da Secretaria de Obras do município de Pouso Novo. na forma da lei (CF.. Neste estudo. optou-se por analisar especificamente as atribuições do empregador.] XXII . art.. na ocasião em que este emprega mão-de-obra em situações de risco. principalmente. B. É interessante destacar que o não cumprimento das determinações previstas em lei2 em relação à segurança no trabalho. 7º . 2 equipamentos no exercício Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. além de outros que visem à melhoria de sua condição social: [. o qual trata. não somente comprometem a integridade física do trabalhador. os quais devem ser exigidos pelo gestor. pois de acordo com os parâmetros da legislação atual. abafados e pesados” (L. é de responsabilidade deste zelar pelo cumprimento das normas de segurança no trabalho de toda sua equipe. das questões relacionadas à medidas de prevenções de acidentes e da obrigatoriedade do uso de equipamentos de prevenção individual. definidos por adjetivos do tipo “desconfortáveis.São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais. 7º) Apesar de constituírem-se direitos do trabalhador. visto ser este o principal responsável e o primeiro indiciado em caso de acidentes decorrentes da ausência dos referidos profissional de seus servidores. existe também o Código de Leis Trabalhistas – CLT. Além da Constituição Federal de 1988. dá-se especial atenção ao artigo 220. 11 . visto ser este profissional o responsável direto pela equipe na íntegra.11 adicional de insalubridade e periculosidade para quem vier a exercer funções de risco considerado: Art.

gases etc. V . calor.higiene nos locais de trabalho. bem como trânsito e permanência nas respectivas.emprego das cores nos locais de trabalho. atuam na prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho.html.medidas de prevenção de acidentes e os equipamentos de proteção individual em obras de construção. inclusive nas sinalizações de perigo (CLT. com provisão. II . limites máximos quando ao tempo de exposição à intensidade da ação ou de seus efeitos sobre o organismo do trabalhador. que.gov. lavatórios.Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. corredores de acesso e saídas amplas e protegidas. junto com a CIPA . Disponível em: https://www. e facilidades de rápidas saídas dos empregados. especialmente sobre: I . com suficiente sinalização. desmoronamentos e soterramentos. umidade e ventos.. com discriminação das exigências. tratamento de resíduos industriais. com exigências ao especial revestimento de portas e paredes.3 Cabe ao Ministério do Trabalho estabelecer disposições complementares às normas de que se trata este Capítulo. VI . eliminação de poeiras. art.proteção do trabalhador exposto a substâncias químicas nocivas. controle permanente dos locais de trabalho e das demais exigências que se façam necessárias. de água potável. vestiários e armários individuais. composta por um Técnico de Segurança do Trabalho. frio. 200. É interessante destacar que a legislação prevê não somente os direitos trabalhistas do servidor.proteção contra insolação. 200). inflamáveis e explosivos..Comissão Interna de Prevenção de Acidentes. tendo em vista as peculiaridades de cada atividade ou setor de trabalho. assim como garantia geral de fácil circulação. instalações sanitárias com separação de sexos. minas e pedreiras. sobretudo no trabalho a céu aberto.trabalho em escavações.depósitos. incêndios.proteção contra incêndio em geral e as medidas preventivas adequadas. IV . sobretudo quando à prevenção de explosões. quanto a este. condições de limpeza dos locais de trabalho e modo de sua execução. túneis. um Médico e um Enfermeiro. diques e outros anteparos. Estes profissionais formam o que chamamos de SESMT . construção de paredes contra fogo. chuveiros.12 Art. Acesso em 22/04/2009 12 . demolição ou reparos. Tais ações são desenvolvidas objetivando tornar o exercício profissional permanentemente compatível com a preservação da vida e a promoção da saúde do 3 Ministério do Trabalho e Emprego. III . exames médicos obrigatórios. alojamento e profilaxia de endemias. um Engenheiro de Segurança do Trabalho. mas também a instauração de uma equipe de Segurança do Trabalho. armazenagem e manuseio de combustíveis. com especificação das medidas cabíveis para eliminação ou atenuação desses efeitos. VII . limites de idade. refeitórios ou condições de conforto por ocasião das refeições fornecimento de água potável.br/ccivil. radiações ionizantes e não-ionizantes.planalto. galerias. ruídos. VIII . vibrações e trepidações ou pressões anormais ao ambiente de trabalho.

ligar tomadas de aparelhos elétricos com as mãos molhadas e dirigir a altas velocidades (SILVA. d) Doença profissional (as doenças provocadas pelo tipo de trabalho). Disponível em: http://www. que está contra as normas de segurança. definidas por Silva4 (2002. p. A equipe de Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho tem como principal função zelar para que não ocorram acidentes de trabalho. e) Doença do trabalho (as doenças causadas pelas condições do trabalho). O ato inseguro é o ato praticado pelo homem. De acordo com a legislação atual.areaseg.com/seg/.13 trabalhador. p. 4 SILVA. 12). A. Acesso em 19/04/2009. fora do local de trabalho.07) como “ações prejudiciais à saúde do trabalhador ocorridas no exercício do trabalho a serviço da empresa. Segurança no trabalho. São exemplos de atos inseguros: subir em telhado sem cinto de segurança contra quedas. 18h 13 . c) O acidente que ocorre no trajeto entre a casa e o trabalho ou do trabalho para casa. Grande parte dos acidentes de trabalho tem causa em atos e condições de trabalho inseguras. 2002. podendo causar morte. o que aumentando a produtividade e reduz os riscos e encargos econômicos e sociais do empregador. perda ou redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho”. são considerados acidentes de trabalho: a) Um acidente que acontece quando o indivíduo está prestando serviços por ordem da empresa. em geral consciente do que está fazendo. provocando lesão corporal ou perturbação funcional. b) O acidente que acontece quando o trabalhador estiver em viagem a serviço da empresa.

12). Uma condição que merece atenção especial é a utilização de equipamentos de segurança no exercício profissional. Disponível em: https://www. da Portaria 3. escavações e outras situações em que faz-se necessária especial atenção com a referida parte do corpo.214.html. Acesso em 22/04/2009. Neste contexto. A NR 6 estabelece as disposições legais relativas aos EPIs . considera-se Equipamento de Proteção Individual – EPI “Todo dispositivo ou produto. destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho” (NR6. 5 Ministério do Trabalho e Emprego. na Norma Regulamentadora 6 (NR 6). MTE).14 As condições inseguras são aquelas decorrentes de um ambiente de trabalho que oferece perigo e ou risco ao trabalhador.com redação dada pela Portaria N.gov. visto que nem todos os trabalhadores executam as normas de segurança do trabalho previstas pela legislação. ao mesmo tempo em que respeitam os critérios prescritos na legislação atual. o papel da Equipe de Segurança do Trabalho consiste em eliminar as condições inseguras e os atos inseguros. máquinas em estado precário de manutenção.br/ccivil. “São exemplos de condições inseguras: instalação elétrica com fios desencapados. optou-se por destacar os equipamentos de proteção para a cabeça. reduzindo os acidentes e as doenças ocupacionais. visto que os trabalhadores da Secretaria de Obras trabalham continuamente com construções. 2002. sejam flexíveis a fim de permitir sua adaptação a vários setores funcionais da referida secretaria e rígidas para garantir sua execução. de 15 de outubro de 2001. de uso individual utilizado pelo trabalhador. visto que a constante mudança observada nas máquinas e nos implementos utilizados pelos trabalhadores da Secretaria Municipal de Obras nos últimos anos evidencia uma necessidade do estabelecimento de regras que. p. Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Dentre estes. andaime de obras de construção civil feitos com materiais inadequados” 5(SILVA.º 25.planalto. publicada no Diário Oficial da União em 17 de outubro de 2001. 14 .

por desconhecimento ou mesmo por desatenção. a Máscara de Solda e o Protetor auditivo. relativas à segurança e medicina do trabalho. representando um descaso com a população em geral.15 De acordo com a NR 6. inúmeros trabalhadores não as utilizam corretamente. Este estudo caracteriza-se pela investigação das reais condições de segurança no trabalho vivenciadas pelos funcionários da Secretaria Municipal de Obras do Município de Pouso Novo. A correta utilização dos referidos equipamentos é a garantia para contra acidentes de trabalho. oriundas de convenções e acordos coletivos de trabalho (MTE. a não utilização dos equipamentos de segurança ou mesmo a utilização incorreta dos mesmos equivale à implementação de um risco que poderia ser evitado.NR não desobriga as empresas do cumprimento de outras disposições que. sejam incluídas em códigos de obras ou regulamentos sanitários dos Estados ou Municípios. todos usados de acordo com as necessidades de cada situação.] 1.2 A observância das Normas Regulamentadoras . Acesso em 22/04/2009. o que acarreta uma infração à Legislação de Segurança do trabalho. o Protetor facial.. pois além de ferir a segurança do trabalhador. no RS.1 As Normas Regulamentadoras .html. e outras. Os Equipamentos de Proteção Individual são imprescindíveis à segurança do trabalhador. os Óculos especiais. 15 . NR1).gov.br/ccivil. Há uma pressuposição de que as 6 Ministério do Trabalho e Emprego. são equipamentos de proteção individual para a cabeça o Capacete. Disponível em: https://www. contudo. conforme especifica a NR61: 1. devendo possuir Certificado de Aprovação de Equipamentos de Proteção Individual expedido pelo Ministério do Trabalho e Emprego – MTE. [.. com relação à matéria. No setor público. são de observância obrigatória pelas empresas privadas e públicas e pelos órgãos públicos da administração direta e indireta.planalto. o Capuz. que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho – CLT. as situações decorrentes de acidentes ou de doenças do trabalho acarretam gastos às contas publicas. bem como pelos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário.NR.

a questão da segurança no trabalho vivenciada pelos trabalhadores da Secretaria de Obras do município de Pouso Novo. Pretende-se analisar a questão da correta utilização dos equipamentos de segurança obrigatórios. com maiores detalhes. mas também o grau de eficiência do gestor responsável. RS. o que coloca em risco não somente a saúde e a integridade física do trabalhador. bem como das atividades consideradas insalubres.16 condições de trabalho dos referidos servidores não observa os critérios mínimos prescritos pela legislação atual. a fim de construir um referencial teórico que permita conhecer. 16 .

Verificação das funções exercidas pelos referidos trabalhadores. RS. . bem como pelo Secretário de Obras. 17 . Para tanto.Estudo bibliográfico relacionado ao tema. aliado ao acompanhamento dos trabalhadores da Secretaria de Obras do município de Pouso Novo. .Análise do setor de estocagem do município.17 3 MÉTODO DE PESQUISA O presente projeto de pesquisa será desenvolvido a partir de Pesquisa Bibliográfica e estudo de caso relacionado ao tema. serão utilizadas as seguintes estratégias: . . RS. buscando traçar um paralelo entre as atribuições dos mesmos e os equipamentos de segurança oferecidos aos mesmos. a fim de identificar as questões referentes à segurança no trabalho vivenciadas pela referida população. a fim de investigar a opinião dos mesmos acerca das questões de segurança no trabalho.Questionários a serem preenchidos pelos trabalhadores Secretaria de Obras do município de Pouso Novo. a fim de identificar que equipamentos referentes á segurança no trabalho estão realmente disponíveis aos trabalhadores.

construção de aterros. a manutenção de estradas. o Secretário Municipal de Obras. com acompanhamento contínuo do gestor. Por ser um órgão público relacionado diretamente à administração municipal. que coordena os trabalhos externos da administração municipal. seja ele público ou privado: “Por meio dos cenários criados a partir do diagnóstico.18 4 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA A Secretaria Municipal de Obras é o órgão da Prefeitura Municipal de Pouso Novo. Administração: Mudanças e perspectivas. os gestores podem especificar o futuro desejado e os recursos para realizá-lo”. RS. 18 . pontes e vias. cargo exercido por um elemento de confiança direta do Prefeito Municipal. planagens e obras de diferentes naturezas. 52). a qual é definida pelo mesmo como “prestar o melhor atendimento possível à população. São Paulo: Saraiva 2006. De acordo com Robbins7 (2006. dentre eles a pavimentação de ruas. p. S. 7 ROBBINS. a Secretaria de Obras do município de Pouso Novo não possui um plano de negócios. com a poda de árvores. o planejamento estratégico é imprescindível para o sucesso de qualquer empreendimento. A missão da Secretaria Municipal de Obras é divulgada aos funcionários. a manutenção do ambiente paisagístico urbano. porém apresenta um planejamento estratégico vinculado ao Plano Plurianual e ao Plano de Diretrizes Orçamentárias da gestão municipal. corte de grama e cuidados com canteiros.

dependendo da natureza da obra solicitada pelo cidadão ou planejada pela administração municipal. pavimentação de ruas e execução de projetos arquitetônicos que exijam qualificação especifica. Na entrevista realizada. sendo as metas segmentadas em quatro áreas específicas: Atendimento à população urbana. acessos e outras obras costumeiras. sendo algumas atividades desenvolvidas a curto prazo e outras a médio e longo prazo. com a adoção de planilhas impressas que são preenchidas manualmente. bem como a realização de um controle eficaz sobre o estoque.19 atendendo-a em suas solicitações quando estas fizerem-se necessárias e apresentarem-se relevantes”. as quais são divulgadas no Plano de Metas da administração. estradas e vias de acesso e prestação de serviços no meio rural. Ainda não se introduziu no referido órgão qualquer serviço de informatização. manutenção das ruas. o PPA. quando da necessidade de construção de prédios municipais. manutenção da infra-estrutura municipal. o que de certa forma compromete a qualidade e a rapidez com que os serviços são prestados à população. Constatou-se que na Secretaria de Obras do município de Pouso Novo. também constatouse a inexistência de serviços terceirizados. com a construção de aterros. Estas áreas inserem-se nas políticas da Gestão Municipal. As atividades desenvolvidas pela referida secretaria são definidas pelo Plano Pluri Anual. planagens. o controle das atividades e do almoxarifado é realizado de maneira tradicional. RS. 19 . os quais são substituídos por contratação de outras empresas. Não existe um parâmetro específico para as atividades desenvolvidas pela referida secretaria.

Apesar da ausência de um fluxograma de processos. operadores de máquinas. cargo de confiança direta do Prefeito Municipal. o Secretário de Obras. de maneira individual ou com apoio do restante da equipe. definidas pela Legislação Municipal. o capataz de obras. a Secretaria Municipal de Obras de Pouso Novo. . através do relatório mensal elaborado pelo gestor. Convém ressaltar que cada servidor possui atribuições específicas ao cargo que exerce (anexo 01). existe um controle geral das atividades desenvolvidas. no qual são 20 .A coordenação geral do setor cabe ao gestor. as instruções repassadas pelo mesmo. RS. executando. pode ser definida pelo organograma a seguir: SECRETÁRIO DE OBRAS Motoristas Operadores de Máquinas Capataz de Obras Tratorista Operários Braçais O organograma acima é assim explicado: . os tratoristas e os operários braçais são subordinados ao Secretário de Obras.20 5 DIAGNÓSTICO SITUACIONAL De acordo com os dados coletados.Os motoristas.

No concurso público.21 abordadas as atividades desenvolvidas pela Secretaria Municipal de Obras no período mencionado. Com exceção do Secretário de Obras. sendo os critérios de seleção definidos pelo empregador.1 Gestão de Pessoas 5. RS. Os funcionários concursados passam por um período de três anos de estágio probatório. dentro dos requisitos mínimos para a função. demonstrando parceria e cooperação para com a equipe.1. agindo de maneira a obter o máximo de produtividade de cada elemento. cargo em comissão (CC) ocupado por elemento de confiança direta do prefeito. sendo eles o concurso público e o contrato temporário. 5. sendo o indicador de desempenho mais expressivo do setor o grau de satisfação da população em relação aos serviços desenvolvidos. podendo ser renovado por igual período. os quais trabalham de maneira integrada. não possui uma equipe específica de planejamento formal em Recursos Humanos. Por tratar-se de órgão público. atribuídos pela legislação municipal e pela Constituição Federal. não existem lucros nas atividades exercidas. no qual é realizado acompanhamento por parte de uma equipe 21 . O contrato temporário é de seis meses. realiza-se primeiramente prova teórica e a seguir exame prático de acordo com as atribuições de cada função.1 Planejamento em Recursos Humanos A Secretaria Municipal de Obras de Pouso Novo. ficando subordinada à equipe de RH da Prefeitura Municipal. os demais servidores são admitidos mediante critérios pré-estabelecidos. O gestor municipal demonstra um grande conhecimento de toda sua equipe.

Após esta data. no qual registram-se as faltas. um prêmio de assiduidade equivalente a um piso básico do servidor que apresentar assiduidade e não sofrer advertências. mediante autorização. O nível médio de escolaridade dos funcionários municipais da Secretaria de Obras é o Ensino Fundamental. O salário é fixo. O estilo de liderança identificado no gestor da Secretaria Municipal de Obras de Pouso Novo. as horas-extras e o horário de início e de término da jornada de trabalho. O clima observado é bastante produtivo e percebe-se um alto grau de satisfação entre os funcionários da Secretaria de Obras. sendo este incompleto para alguns servidores ingressos antes do ano 2000. O plano de carreira contabiliza triênios. é extremamente visível a liderança exercida por elementos do grupo de servidores. não registrando-se uma política específica para avaliação de desempenho do quadro geral de servidores. a resistência de alguns elementos frente à necessidade de mudanças. opondo-se a ela. existem procedimentos que podem ser melhorados 22 . definidas por merecimento. embora não existam programas de incentivo à qualificação dos servidores municipais lotados na Secretaria de Obras. Contudo. Mesmo assim.22 designada previamente pelo gestor municipal. sendo que alguns elementos estão cursando o Ensino Superior. Os funcionários contam com plano de saúde opcional. e as classes. diretamente da folha de pagamento. somente são admitidos servidores com no mínimo Ensino Fundamental completo. o qual é descontado. os quais são solicitados pelos colegas sempre que se faz necessária a tomada de decisões e. O principal indicador de desempenho é o grau de satisfação da população para com os serviços prestados pelo município. a cada qüinqüênio. O controle dos funcionários ativos é realizado pelo livro-ponto. Esse prêmio é um estímulo ao bom comportamento. a qual avaliará diferentes critérios relativos ao exercício da função (anexo 02). qüinqüênios e classes. tampouco registraram-se ações relativas à pesquisa de clima organizacional. sendo os triênios e qüinqüênios definidos por tempo de serviço. é a liderança tradicional. baseada em atribuições específicas de cada cargo. Não detectou-se uma Tipologia Cultural definida. sendo estabelecido. RS.

inserem-se na faixa etária compreendida entre 25 e 58 anos de idade. o capataz de obras.1. Os servidores do setor de obras da Prefeitura Municipal de Pouso Novo. d) Número de horas de treinamento por funcionário: Não existe período de treinamento.23 com a adoção de práticas inovadoras e de baixos custos. por escrito. dentre elas a adoção de um sistema de controle de recursos materiais e o desenvolvimento de um clima que incentive à produtividade com qualidade.2 Indicadores de Recursos Humanos a) Absenteísmo: 02% (índice médio) b) Rotatividade: 01% (índice médio. As funções lotadas na Secretaria Municipal de Obras são: Motoristas. os tratoristas e os operários braçais. característica do quadro de serviços públicos. não raro induz ao conformismo e consequente redução na produtividade. operadores de máquinas. visto que a estabilidade. O funcionário que optar por desligar-se somente encaminha sua solicitação. o funcionário assume seu posto desde a data da sua contratação ou nomeação. 23 . com tempo de serviço variando de cinco meses a vinte e um anos de exercício profissional. registrado entre os contratados) c) Realiza Entrevista de Desligamento? Utiliza os dados para diminuir os índices? Não apresenta esta prática. g) Avaliação de desempenho dos funcionários? Não registrada h) Pesquisa de clima / satisfação dos funcionários: Não registrada. a trinta dias da data prevista para afastamento. e) Número de horas extras: Em média 25 horas mensais por funcionário. 5. f) Investimentos em educação e treinamento em relação ao faturamento: Não registrados. RS.

botinas. 80% (oitenta por cento) afirmou não os utilizar. além dos cuidados relacionados às condições de rodagem dos veículos e máquinas. 90% (noventa por cento) dos entrevistados afirma que o número de equipamentos disponíveis é inferior à demanda. luvas. Além do número insuficiente. o desconforto pessoal. Estes funcionários reconhecem que o principal responsável pelo uso dos equipamentos de segurança pessoal é o trabalhador. 24 . se o gestor impuser como obrigatório o uso dos referidos equipamentos. RS. citando como motivos para tal comportamento: O calor. “Segurança no trabalho” pode ser definida como o conjunto de critérios que devem ser cumpridos para que um trabalhador exerça suas funções sem nenhum risco à segurança. Do total de entrevistados que afirmou necessitar de equipamentos de proteção individual. o único equipamento necessário à segurança pessoal é o cinto de segurança. botas de borracha. na Secretaria de Obras do município de Pouso Novo. provavelmente sua utilização não seria questionada nem descumprida.24 Para os servidores entrevistados. Em relação à disponibilidade de equipamentos de proteção individual na Secretaria de Obras de Pouso Novo. macacão. os entrevistados questionam os tamanhos dos mesmos. afirmando que por ficarem desproporcionais. óculos de proteção e protetor solar. à integridade física e à vida. a não obrigatoriedade do uso e a falta de equipamentos adequados e no tamanho necessário ao usuário. 75% (setenta e cinco por cento) deles acreditam que. Os motoristas. Os servidores entrevistados afirmaram não ter conhecimento de registros relativos a acidentes no trabalho relacionados à não utilização de equipamentos de segurança pessoal. operadores de máquinas e tratoristas afirmaram que. contudo. muitas vezes são simplesmente ignorados pelos servidores. tampões para isolamento acústico. RS. enquanto que os operários braçais apresentaram como necessários à sua segurança os seguintes equipamentos: Capacete. O servidor definido como Capataz afirma não necessitar de equipamentos de proteção individual.

visto que os trabalhadores tendem a cumprir o que é obrigatório e não exatamente o que é ideal e seguro. acreditam que o gestor deveria zelar pela obrigatoriedade do mesmo. 25 .25 Para os entrevistados. Contudo. pois agindo assim estria zelando pela segurança de sua equipe e evitando problemas profissionais decorrentes de possíveis acidentes originados na não utilização dos referidos equipamentos. o principal responsável pela utilização dos equipamentos de segurança pessoal é o próprio trabalhador.

26 6 SOLUÇÕES PROPOSTAS Com base no diagnóstico situacional da Secretaria de Obras da Prefeitura Municipal de Pouso Novo. a fim de selecionar os equipamentos de segurança ideais a cada um deles. Para tanto. RS. os quais encontram-se especificados no quadro abaixo: Os motoristas. operadores de máquinas. o capataz de obras. os quais poderão vir a ser evitados. os tratoristas e os operários braçais Função Motorista Operador Capataz Tratorista Operário Braçal Fonte: Autor (2009) Principais Atribuições Equipamentos Necessários 26 . pode-se afirmar que existe a necessidade urgente de implementação de uma rede de estratégias desenvolvidas objetivando garantir o cumprimento da legislação em relação à segurança no trabalho. visto que os servidores do referido órgão público encontram-se vulneráveis à acidentes indesejáveis. optou-se por analisar as atribuições profissionais de cada servidor.

objetivando identificar o estado e a quantidade dos mesmos. uma garantia de integridade física ao trabalhador. assim. evitando transtornos pessoais e à equipe da qual faz parte.27 Contudo. comprometendo a integridade física do trabalhador e a qualidade da administração do gestor. do contrário. visto que as massas naturalmente tendem a recusar o que não lhes pareça importante. 27 . sugere-se ao gestor uma avaliação geral nos equipamentos de segurança disponíveis. Sendo assim. mas sim. A seguir. Somente quando os servidores assimilarem a idéia de que os referidos equipamentos são estratégias para garantir sua segurança. gestor deve reunir seus servidores e apresentar a estes as resoluções do Código de Leis Trabalhistas. o gestor deve instituir a obrigatoriedade do uso. para encaminhar ao setor de compras a solicitação exata do número e dos tamanhos dos equipamentos faltantes. os servidores passarão a utilizar os equipamentos de acordo com a obrigatoriedade imposta pela Legislação atual. os quais devem ser adquiridos com urgência. inicialmente. poderá o gestor ter a certeza de que os mesmos serão utilizados. Após o trabalho de capacitação dos servidores em relação à legislação e a aquisição de todos os equipamentos adequados. de possíveis transtornos provenientes de acidentes de trabalho com servidores desprotegidos em relação à segurança. estes equipamentos continuarão a ser relegados. Acredita-se que sabendo da importância da utilização dos equipamentos de segurança pessoal. podendo contar com equipamentos adequados e confortáveis e sob o risco de punições em caso de desuso. acredita-se que. explicitando que a utilização de equipamentos de segurança não é uma exigência particular do gestor. instituir a obrigatoriedade da utilização dos equipamentos de segurança no trabalho pode não surtir os efeitos esperados. eximindo-se.

28 7 RESULTADOS ESPERADOS Com a adoção das medidas propostas. . mediante comprovação da não utilização dos equipamentos de segurança obrigatórios. 28 .Eliminação do risco de possíveis processos a serem enfrentado pelo gestor municipal. Dentre estes resultados.Aumento na produtividade do setor. pode-se citar: . devido à utilização dos equipamentos de proteção individual. . pois trabalhadores seguros de sua integridade tendem a produzir mais. visto que é função do gestor zelar pela segurança de toda a equipe.A redução do número de acidentes de trabalho ou mesmo redução da gravidade dos mesmos. esperam-se alcançar resultados simples. porém eficazes. no caso de acidentes de trabalho envolvendo servidores.

rejeita o uso de equipamentos de segurança. os servidores não reclamam pelos mesmos. As análises e resultados desta investigação. Sabe-se que culturalmente. não são devidamente utilizados. embora os servidores reconheçam que os equipamentos de proteção individual são uma exigência da lei e uma garantia de segurança para o trabalhador. com base em sua fundamentação teórica e nas entrevistas realizadas com os servidores do setor estudado demonstraram que. definidos como obrigatórios pelo Código de Leis Trabalhistas. apesar de reconhecer a importância do uso de equipamentos de proteção individual. Contudo. em sua maioria. classificando-os como um empecilho à produção e ao conforto pessoal. os equipamentos de segurança individual. no RS. Tal fato repete-se também na Secretaria de Obras do município de Pouso Novo. voltados para a garantia de integridade física do servidor no que diz respeito aos riscos enfrentados em seu exercício profissional. justificando-se tal atitude de diferentes maneiras. sob o risco eminente de um acidente de diferentes grandezas. exercendo suas funções normalmente. observou-se que o 29 . considerando-se a relevância de seus objetivos. Constatou-se que na Secretaria de Obras da Prefeitura Municipal de Pouso Novo. o trabalhador público brasileiro.29 8 CONCLUSÕES Este estudo possibilitou demonstrar que a questão da segurança no trabalho é de suma importância na Administração Pública. RS.

a qual evidenciou a necessidade de uma revisão no comportamento de toda a equipe da referida secretaria em relação à questão da segurança no trabalho. mas sim apresentar uma análise e uma maior reflexão e discussão acerca da questão da segurança no trabalho. visto que não basta ao trabalhador reconhecer a obrigatoriedade e a disponibilidade de determinado equipamento: é imprescindível que este compreenda o motivo de tal situação. ainda que não fosse o objetivo principal deste trabalho. convém que o gestor ofereça qualificação à sua equipe. RS. Torna-se relevante evidenciar que esta pesquisa descritiva. identificarem os benefícios individuais decorrentes da utilização de equipamentos de segurança no trabalho. O trabalho foi realizado através de pesquisa bibliográfica e de entrevistas com os servidores da Secretaria de Obras do município de Pouso Novo –RS. não pretendeu esgotar o tema em questão e nem tampouco alcançar respostas para todos os questionamentos que a problemática suscitou. As sugestões e proposições levantadas em relação à questão do uso de equipamentos individuais de segurança no trabalho. em função de suas peculiaridades e limitações próprias.30 principal fator responsável pelo descuido em relação à utilização de equipamentos de segurança pessoal no trabalho é a não imposição do uso como obrigatoriedade. Acredito que quando os servidores da Secretaria Municipal de Obras do município de Pouso Novo. servem para orientar e demonstrar que não é suficiente que se institua o uso dos referidos equipamentos como realidade. objetivando criar uma ideologia de segurança e de respeito à legislação. passarão a fazê-lo de maneira natural. Para que tal comportamento seja efetivamente adotado. 30 . por parte do gestor da Secretaria Municipal de Obras.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1998.31 9 BIBLIOGRAFIA BRASIL. 18h.areaseg. ROBBINS. Acesso em 22/04/2009.planalto. A. 2001. Diário Oficial da União de 05/10/1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Administração: Mudanças e perspectivas. Disponível em: http://www. S. São Paulo: Saraiva 2006.gov.html. 27 ed. São Paulo: Saraiva. em: 31 . Antonio Luiz de Toledo et al. Acesso em 19/04/2009. Disponível https://www.com/seg/. PINTO. Ministério do Trabalho e Emprego. SILVA.br/ccivil. Segurança no trabalho.

32 ANEXOS 32 .

....... 4 – Como você define o termo “Segurança no trabalho”? 5 – Em sua função.............Existem equipamentos disponíveis a todos os trabalhadores? 9 – Existem registros de acidentes relacionados à não utilização dos equipamentos de segurança pessoal no trabalho? 10 – A seu ver.....33 Anexo 1 .... 3 – Tempo De Serviço No Setor Público:..........QUESTIONÁRIO PARA ENTREVISTAS 1 – Idade:.. Caso contrário... passe para a pergunta 10........... 2 – Função:. são utilizados equipamentos de segurança pessoal? Se sim.............. como um gestor deve agir a fim da garantir a segurança dos trabalhadores............ 6 – Por que esses equipamentos não são utilizados cotidianamente? Explique......... 7 – De quem é a responsabilidade em relação ao uso de equipamentos de segurança no trabalho? 8 ................ continue respondendo normalmente.......... em relação à questão da utilização de equipamentos de proteção individual? 33 ......