1.

INTRODUÇÃO
Este trabalho vem tratar da anatomia do sistema nervo periférico, enfatizando os nervos espinhais e cranianos, tendo como objetivo, mostrar a organização estrutural do Sistema Nervoso Periférico, em especial dos nervos, abordando seu trajeto e a sua função exercida no corpo humano.

4

Vestíbulococlear IX. Eles recebem denominações próprias. Trigêmeo VI. pois cada nervo terá que inervar um lado do organismo. Os nervos cranianos são mais complexos que os espinais. NERVOS CRANIANOS São doze pares de nervos que fazem conexão com o encéfalo. a língua e acessoriamente os músculos látero-posteriores do pescoço. Acessório XII. Olfatório: II. enquanto que as que trazem impulsos do SNC são as eferentes ou motoras. acessório e hipoglosso) que movimentam o olho. SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO O sistema nervoso periférico é composto por terminações nervosas. Os nervos espinhais se originam na medula e os cranianos no encéfalo. Facial VIII. Troclear V. Durante o seu trajeto os nervos podem se bifurcar ou se anastomosar. mas apenas um reagrupamento de fibras que passam a constituir dois nervos ou que se destacam de um nervo para seguir outro. Vago XI. Os dois primeiros têm conexão com o cérebro e os demais com o tronco encefálico. Também não são obrigatoriamente mistos como os nervos espinais. Óptico III. os nervos cranianos podem ser classificados em Motores (oculomotor. gânglios e nervos. 3. Abducente VII.2. A seqüência craniocaudal dos nervos cranianos é como se segue: I. bem como também são numerados. abducente. Hipoglosso De acordo com o componente funcional. Oculomotor IV. Sensitivos (olfatório. troclear. Estes são cordões esbranquiçados formados por fibras nervosas unidas por tecido conjuntivo e que têm por função levar (ou trazer) impulsos ao (do) SNC. Glossofaríngeo X. havendo acentuada variação quanto aos seus componentes funcionais. As fibras que levam impulsos ao SNC são chamadas de aferentes ou sensitivas.Neste caso não há bifurcação ou anastomose de fibras nervosas. 5 . Têm origem no crânio ou caixa craniana e se dispõem aos pares. Os nervos são divididos em dois grupos: nervos cranianos e nervos espinais.

5 .óptico e vestibulococlear) que se direcionam aos órgãos dos sentidos. Troclear: nervo motor que. nascendo no mesencéfalo. Oculomotor: nervo motor que se originando no mesencéfalo. vai às fossas nasais. facial. nascendo no encéfalo. Óptico: nervo sensitivo que se origina na retina. pálpebras e diâmetro da pupila. trazendo os estímulos do epitélio olfativo. e por fim os Mistos (trigêmeo. Olfatório: nervo sensitivo que. vai ao músculo grande oblíquo do olho e dá movimentação aos globos oculares. Ilustração 1 – Nervos Cranianos I. penetrando no crânio pelo canal óptico vai à retina e traz os estímulos da visão. II. glossofaríngeoe o vago) que são sensitivos e motores. IV.emergem próximo ao pólo posterior de cada bulbo ocular. vai aos músculos do olho e dá movimentação aos globos oculares. III.

XI. Acessório: nervo motor que nasce no bulbo e vai aos músculos do pescoço. Com isto. Abducente: nervo motor que. Trigêmeo: nervo misto que. X. Hipoglosso: nervo motor que. nascendo do sulco buIbo-protuberancial. como: digestiva. VIII. nascendo do bulbo. nascendo do bulbo. IX. vai aos músculos do pescoço e da face. vai às estruturas do ouvido interno. cárdio-circulatória. manda raízes motoras para os músculos da faringe. dá três raízes (daí seu nome trigêmeo). além das sensações gustativas. nascendo do bulbo. Também regula a secreção da saliva e de lágrimas. traz as sensações da gustação. 6 . Seu componente motor vai da ponte até os músculos da mastigação. faringe e laringe. Regula inúmeras funções da vida vegetativa (aquelas que não dependem da possa vontade). atuando na fala e na deglutição.V. lábios. Facial: nervo motor que. respiratória. Além disto. Vago: nervo misto que. nasce do bulbo e vai às vísceras do tórax e abdômen. Sob este ponto de vista. XII. dando movimentação a eles. nascendo no bulbo. seu componente sensorial parte da córnea. Glossofaríngeo: nervo misto que. VI. VII. o vago é um elemento anatômico que faz parte da constituição do Sistema Nervoso Autônomo. vai aos músculos da língua. vai à língua e às suas papilas sensitivas (raiz sensitiva). participando assim dos movimentos de deglutição. nascendo da protuberância. nas quais tem raízes motoras e sensitivas. Vestíbulococlear: nervo sensitivo que. Este nervo participa com um de seus ramos (ramo vestibular) nos processos nervosos do equilíbrio corporal. língua e dentes e vai para a ponte. vai ao músculo reto externo do olho e dá movimentação aos globos oculares. face. Participa da movimentação da cabeça e do pescoço.

auricular magno (pele em torno da orelha e sobre a parótida).  Nervos Supraclaviculares Mediais (C3 e C4): inervam a pele até a linha mediana. Os ramos anteriores podem se entrecruzar formando plexos ou seguirem diretamente para as regiões a que se destinam (metâmeros). isto C1.4. Dessas alças saem nervos sensitivos: transverso do pescoço (parte media do pescoço). 7 . C2+C3. O destino desses ramos posteriores e o dorso tanto para sensibilidade da pele e músculos como para motricidade dos músculos do dorso. o ramo posterior inerva a pele sobre o processo mastóideo e sobre o dorso do pavilhão da orelha.  Nervo Transverso do Pescoço (C2 e C3): seus ramos ascendentes sobem para a região submandibular formando um plexo com o ramo cervical do nervo facial abaixo do platisma. intermédio e medial (parte do pescoço próximo a clavícula). alguns autores descrevem os plexos lombar e sacral conjuntamente (plexo lombossacral) PLEXO CERVICAL: E formado pelos ramos anteriores dos 4 primeiros troncos nervosos cervicais. os ramos descendentes perfuram o platisma e são distribuídos ântero-lateralmente para a pele do pescoço. C2. até a parte inferior do esterno. Lombar e Sacral. C3+C4). supraclaviculares: lateral. parte inferior da segunda costela e a articulação esternoclavicular. occipital menor (parte superior da orelha e parte da nuca).  Nervo Auricular Magno (C2 e C3): seu ramo anterior inerva a pele da face sobre glândula parótida comunicando-se com o nervo facial. C3 e C4 sendo C1 o espaço entre occipital e a primeira vértebra cervical. Os plexos são: Cervical. Braquial. Esses ramos que são mistos (sensitivo e motor) se reúnem para formar 3 alças (C1+C2. Estes ramos posteriores são mistos isto e conduzem fibras sensitivas e motoras. NERVOS ESPINHAIS Os troncos nervosos (31) formados pela união das raízes anteriores e posteriores ao saírem de cada espaço intervertebral dividem-se em dois ramos: um anterior mais volumoso e um posterior menor.  Nervo Occipital Menor (C2): inerva a pele da região posterior ao pavilhão da orelha.

então. Cada um desses troncos divide-se em seguida em duas divisões chamadas divisões anteriores e divisões posteriores. o médio e o inferior. 8 . O tronco C8 liga-se ao tronco T1. Através desses cruzamentos formam se. as duas divisões anteriores dos troncos superior e médio se unem para formar o fascículo lateral e a divisão anterior do tronco inferior permanece isolada e forma o fascículo medial. toracodorsal.C5. C6. três troncos: o superior. C7. o tronco C7 prossegue isoladamente não se juntando a outros.  Nervos Supraclaviculares Laterais: inervam a pele das partes superiores e posteriores do ombro. O fascículo posterior forma os nervos: axilar. subescapular e supraescapular. Nervos Supraclaviculares Intermédios: inervam a pele sobre os músculos peitoral maior e deltóide ao longo do nível da segunda costela. C8 e pelo primeiro tronco torácico .T1. Ilustração 2 – Ramos Dorsais dos Nervos Espinhais Cervicais PLEXO BRAQUIAL: O plexo braquial e formado pelos ramos anteriores dos 4 últimos troncos cervicais . radial. O tronco C5 liga-se ao tronco C6. As três divisões posteriores se unem para formar o fascículo posterior.

Nervo torácico longo: motor para o músculo serratil anterior. Ilustração 3 – Resumo plexo braquial Fascículo posterior  Axilar – Motor para os músculos do ombro: deltóide e redondo menor. extensor do dedo mínimo. Originado dos ramos do quinto e sexto nervos cervicais (C5 e C6)  Radial . cutâneos mediais do braço e do antebraço e a outra raiz do nervo mediano. C8 e T1). extensor curto do polegar.Motor para os músculos do compartimento posterior do braçotriceps braquial. extensor radial longo do carpo. Nervo dorsal da escapula motor para os músculos: rombóides e levantador da escapula. Sensibilidade das regiões posteriores do braço. extensor dos dedos. C7. e sensibilidade da região deltóidea. antebraço e lateral do dorso da mão. Originado dos ramos do quinto ao oitavo nervos cervicais e primeiro nervo torácico (C5. peitoral medial e lateral e uma das raízes do nervo mediano. do compartimento posterior do antebraço: braquiorradial. extensor do indicador. abdutor longo do polegar. Os nervos torácico longo e dorsal da escapula originam-se diretamente dos troncos do plexo braquial e não das divisões ou dos fascículos. ancôneo. 9 . C6. extensor longo do polegar. O fascículo medial forma os nervos ulnar. supinador.O fascículo lateral forma os nervos músculocutaneo. extensor radial curto do carpo.

radial. coracobraquial.  Peitoral lateral . braquial. 10 . C6 e C7). subescapular e supra-escapular Fascículo lateral  Músculocutaneo – Motor para os músculos do compartimento anterior do braço: bíceps.   Toracodorsal: Motor para o músculo latíssimo do dorso. Originado dos ramos do sexto ao oitavo nervos cervicais (C6. Subescapular: Motor para os músculos: subescapular e redondo maior. toracodorsal. C6 e C7).Motores para os músculos peitorais maior e menor. proveniente dos ramos do quinto ao sétimo nervos cervicais (C5. originado dos ramos do quinto e sexto nervos cervicais (C5 e C6). braquial. Proveniente dos ramos do quinto ao sétimo nervos cervicais (C5. derivado dos ramos ventrais do quinto ao sétimo nervos cervicais (C5. C6 e C7). C7 e C8). Supra-escapular: Motor para os músculos: supra-espinal e infra-espinal Ilustração 4 – Nervos Axilar.

Motor para os músculos do compartimento anterior do antebraço: pronador redondo. para os dois músculos lumbricais laterais da mão.C7 e C8). palmar longo. parte lateral do flexor profundo dos dedos. Inerva os músculos peitorais maior e menor. para os músculos da região tênar da Mao: abdutor curto do polegar.originam-se dos ramos ventrais dos nervos cervicais inferiores (C5. pronador quadrado.C6.  Mediano.Derivado dos ramos ventrais do oitavo nervo cervical e primeiro nervo torácico (C8 e T1).  Peitoral medial . flexor superficial dos dedos. flexor curto do polegar. flexor longo do polegar. oponente do polegar. Ilustração 5 – Trajeto do nervo músculocutaneo 11 . Nervos para os Músculos Escalenos e Longo do Pescoço . próximo de sua saída dos forames intervertebrais. flexor radial do carpo.Origina-se dos ramos ventrais do oitavo nervo cervical e primeiro nervo torácico (C8 e T1).

T1). músculos interosseos palmares e dorsais e adutor do polegar. dois músculos lumbricais mediais. Originado dos ramos ventrais do oitavo nervo cervical e primeiro nervo torácico (C8 e T1).  Cutâneo medial do braço: que se origina dos ramos ventrais do oitavo nervo cervical e primeiro nervo torácico (C8. Inerva a parte medial do braço.Fascículo medial  Ulnar – Motor para os músculos do compartimento anterior do antebraço: flexor ulnar do carpo. oponente do dedo mínimo. Derivado dos ramos ventrais do oitavo nervo cervical e primeiro nervo torácico (C8 e T1). flexor profundo dos dedos: músculos da região hipotênar: abdutor do dedo mínimo. parte medial do m. 12 . Ramos:  Ilio-hipogástrico: sensibilidade da parte inferior do abdome e motricidade dos músculos da parede abdominal. flexor curto do dedo mínimo. Os troncos de L2 a L4 se dividem em ramos anteriores e posteriores que podem emitir ramos diretamente ou voltar a se reunirem para só então emitir ramos. origem: T12 e L1. Sensibilidade da Mao:      Palma da mão até metade lateral do 4o dedo = mediano Palma da mão a partir da metade medial do 4o dedo = ulnar Dorso da mão: ate metade medial do 3o dedo = ulnar Dorso da mão: a partir da metade lateral do 3o dedo = radial Extremidades dos dedos no lado dorsal = mediano NERVOS TORÁCICOS: Os ramos anteriores dos troncos nervosos da parte torácica da coluna vertebral não formam plexos. PLEXO LOMBAR: São formados pelos ramos anteriores do 1º ao 4º troncos lombares (acrescido de um ramo de T12).  Cutâneo medial do antebraço: Sensibilidade da região medial do antebraço. Os que provem de T7 em diante alem da parede torácica enviam ramos para a parede abdominal e por isso são chamados de toracoabdominais. dirigem-se diretamente para os espaços intercostais a que se destinam.

origem L1. L4. origem: L1. Origem: ramos posteriores de L2. L 4.  Genitofemoral: Sensibilidade de parte da região anterior da coxa e dos genitais externos. Ilustração 5 – Plexo Lombar PLEXO SACRAL E formado pelos ramos anteriores do 4º e 5º troncos lombares e dos quatro troncos sacrais que também apresentam divisões anteriores e posteriores. motricidade do músculo cremaster.   Cutâneo femoral lateral: sensibilidade da parte lateral da coxa. Ilioinguinal: sensibilidade parte superior da coxa. L3. 13 . genitais externos e motricidade dos músculos da parede abdominal. origem L2 e L3 Obturatório: sensibilidade da parte medial da coxa e motricidade dos músculos mediais da coxa. origem: ramos anteriores de L2. L3.  Femoral: sensibilidade das partes anterior da coxa e medial da perna e do pé e motricidade dos músculos da região anterior da coxa.L2.

Ramos:  Glúteo superior: motricidade de músculos da região glútea. extensor da coxa.  Fíbula comum. Origem: divisão posterior de L5-S2  Cutâneo femoral posterior: Sensibilidade da região posterior da coxa e inferior da região glútea.  Tibial: sensibilidade das regiões posterior da perna e plantar e motricidade dos músculos das regiões posterior da perna e plantar.  Pudendo: sensibilidade do períneo e parte dos genitais externos e motricidade dos músculos do períneo. abdutores da coxa. o Fíbula superficial: sensibilidade região ântero-lateral da perna e dorsal do pé e motricidade dos músculos da região lateral da perna.  Glúteo inferior: motricidade do músculo glúteo Maximo. Origem: divisão posterior de L4-S1.S3. Origem divisão anterior de S2 . Origem: ambas as divisões (anterior e posterior) de L4 . Origem: ambas as divisões de S1-S3. Origem: divisão posterior. Origem divisão anterior. Ramos: plantares medial e lateral. Ilustração6 – Plexo lombo-sacral 14 .S4  Ciático: motricidade dos músculos da região posterior da coxa. parte dos genitais externos e região anal. ramos: o Fíbular profundo: motor dos músculos das regiões anterior da perna e dorsal do pé.

CONCLUSÃO Podemos concluir que os nervos são estruturas anatômicas formadas por múltiplos axônios e dendritos neuronais. Todos eles tendo sua função sendo de vital importância para o corpo humano. Como exemplo. que transmitem um impulso do sistema nervoso central até um músculo ou víscera periférica. Os nervos sensoriais transmitem um impulso gerado por um receptor sensorial do sistema nervoso central. vísceras e músculos proximais do tronco.5. podemos citar os nervos motores. aos órgãos do sentido. responsável pela transmissão do impulso elétrico nervoso. São divididos em nervos cranianos que saem diretamente do encéfalo (cérebro) seguindo em direção a face (enervação motora e sensorial). 15 . Eles são formados por duas raízes: a anterior espinal (motora) e a posterior espinal (sensorial). E os nervos espinhais que são aqueles que partem da medula espinhal. Os demais nervos são os periféricos.

Porto Alegre: Artmed. 2000 Site http://www. J. Rio de Janeiro: Guanabara.auladeanatomia. JG. 2000 SOBOTTA.com 16 . Anatomia humana sistêmica e segmentar. São Paulo: Atheneu.Referencia Bibliográfica DANGELO. FH. Atas de anatomia humana. Atlas de anatomia humana. 2007 NETTER.