P. 1
A Sabinada

A Sabinada

|Views: 35|Likes:
Publicado porflavioliliane

More info:

Published by: flavioliliane on Mar 20, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/20/2012

pdf

text

original

A SABINADA

LOCAL A Sabinada foi uma revolta autonomista que ocorreu entre 6 de novembro de 1837 e 16 de março de 1838, na então Província da Bahia, na época do Brasil Império. A tradição de lutas por autonomia política na Bahia remonta à Conjuração Baiana (1798), às lutas pela Independência da Bahia (1822-1823), à Federação do Guanais (1832) e à Revolta dos Malês (1835). Durante o Período regencial (1831-1840), os conflitos se estabeleceram em torno da questão da centralização monárquica e do federalismo republicano, mobilizando principalmente setores das camadas médias urbanas comerciantes, profissionais liberais e oficiais militares. Entre os primeiros meses do ano de 1831 algumas dessas manifestações requeriam que fossem tomadas decisões contra os portugueses, considerando-os como "inimigos". Esta visão de descontentamento era proveniente do fato de que os portugueses controlarem a maior parte do comércio e ocuparem muitos dos cargos administrativos, político e militares. Através das revoltas e conflitos o povo queria exigir desde a deportação ou até mesmo a extinção de todo o tipo de pensões pagas aos Lusitanos, concedidas por João VI ou por D. Pedro I. Os ânimos na capital baiana se acirraram com a renúncia do Regente Diogo Antônio Feijó (1837), por se demonstrar incapaz de controlar as manifestações revoltosas, e com projeto da lei de interpretação do Ato Adicional, dava as camadas médias a autonomia provincial e cuja discussão se arrastou de 1837 a 1840. CAUSAS Neste período onde pregava-se o antilusitanismo, onde a indisciplina militar era apoiada pelos revoltosos e onde eram destituídos os oficiais do governo português, inciava-se a crise federalista. O movimento da ''Sabinada'' aproveitou a reação popular contra o recrutamento militar imposto pelo Governo Imperial, liderado pelo médico e jornalista Francisco Sabino Vieira. O estopim se deu em meio a fuga de Bento Gonçalves, do Forte do Mar, chamado hoje de Forte de São Marcelo OBJETIVO Na madrugada de 6 para 7 de novembro de 1837, Sabino e os que o apoiavam proclamaram a "República Baiana". Mesmo provisória, decretada até que o jovem Pedro de Alcântara atingisse a maioridade, ela rompia com o Governo Imperial e destituía o Governo Provincial.

org/wiki/Sabinada . ditou a primeira ata da recém-criada "República Bahiana". Conseguindo dominar a cidade de Salvador por cerca de quatro meses e após dominar alguns quartéis em Salvador. Três dos líderes foram executados.wikipedia. REPRESSÃO Sem a adesão das elites e das camadas populares a repressão por parte do governo imperial se tornou fácil. tomou um saveiro e dirigiu-se para o Recôncavo. os outros três deportados e os rebeldes que sobreviveram e foram capturados foram julgados por um tribunal compostos pelos donos de latifúndios da província. Outros. e o Comandante das Armas. em vez de atacar os revoltosos. levantarase. O edifício da Câmara Municipal foi ocupada pelos revoltosos. Isolado. tendo à frente Francisco Sabino Vieira. o Chefe de Polícia. a tropa legalista debandou e também aderiu ao movimento. como Daniel Gomes de Freitas. Entretanto. Francisco Gonçalves Martins. senhor do Engenho Cajaíba e 1° barão de Cajaíba. Francisco de Souza Paraíso. Durante a madrugada. bloqueada.O 3° Corpo da Artilharia de Posição. Cerca de mil pessoas pereceram nos combates. então exilado nos Estados Unidos da América. Na ocasião Francisco Sabino propôs que o nascente Estado republicano tivesse como presidente o advogado Inocêncio da Rocha Galvão. da Marinha Manoel Pedro de Freitas Guimarães. o político João Carneiro da Silva Rego e os militares José Duarte da Silva e Luiz Antônio Barbosa de Almeida. e como vice-presidente João Carneiro Rego. Diante destas notícias. em busca da proteção do coronel Alexandre Gomes de Argolo Ferrão. o Governo Provincial tentou sufocar o levante. Francisco José da Rocha. conseguiram evadir-se e depois juntaram-se à Revolução Farroupilha BIBLIOGRAFIA http://pt. que contou com cento e quatro assinaturas. na então remota província do Mato Grosso. abandonaram a cidade e se refugiaram num brigue ancorado na baía de Todos os Santos. Francisco Sabino Vieira acabou os seus dias na Fazenda Jacobina. dominando aquela fortificação. tenente-coronel Luís de França Pinto Garcez. despachando trezentos soldados armados para a Praça da Piedade. o então Presidente da Província. O próprio Sabino. como secretário de governo. permanecendo restritos aos limites urbanos da cidade. nem encontraram apoio significativo junto à população escrava. Este cercou a capital em uma operação de bloqueio terrestre e marítima (março de 1838). João Rios Ferreira e Manoel Gomes Pereira. Foram nomeados Ministro da Guerra Daniel Gomes de Freitas. na cidade de Salvador. lotado no Forte de São Pedro. os rebeldes não lograram obter a adesão dos senhores de terras do Recôncavo. Estes foram punidos com tamanha crueldade que este júri ficou conhecido como "Júri de Sangue".

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->