Você está na página 1de 66

O Ta r ô de Mag o

O Ta r ô de Mag o Dese nhos de De stino Projetado p o r

Dese nhos de De stino

Projetado p o r Nicky Rea e Jackie Cassa d a

A rte de John Cobb, Larry M acDougall, A lex Sheikman , Dan Smith, Larry Snelly e Joshua Gabri el Timbrook

Produção e Escritos: Nicky Rea e Jackie Cassada Material Adicional: Stewart MacWilliam Do Conceito Original

Produção e Escritos: Nicky Rea e Jackie Cassada

Material Adicional: Stewart MacWilliam

Do Conceito Original de Imagens por: Richard Thomas e Sam Chupp

Desenvolvimento: Phil Brucato

Edição: Cynthia Summers

Direção de Arte: Richard Thomas

Artistas: Joshua Gabriel Timbrook (Arcanos Maiores), Alex Sheikman (Naipe de Questionamento), John Cobb (Naipe de Primordialismo), Larry MacDougall (Naipe de Dinamismo), e Dan Smith (Naipe de Padrão)

Coloristas: Larry Snelly, Joshua Gabriel Timbrook

Layout do Livro & Produção da Embalagem: Aileen E. Miles

Livro & Produção da Embalagem: Aileen E. Miles Chamemos agora pelos criadores de imagens fortes, Que

Chamemos agora pelos criadores de imagens fortes, Que eles venham a nós portando suas penas e suas laminas afiadas Que para tinta, firam seus braços e que desenhem.

Neil Gaiman, “The Song of the Audience”

Para Joan Friedman por aquele verão em Berkeley quando todos nos revelamos em leituras intuitivas de Tarô e para Herman M. Cassada Jr. por me dar meu primeiro baralho de Tarô e abrir meus olhos para as possibilidades disso.

Agradecimentos Especiais aos artistas maravilhosos cujos talentos tornaram as imagens imediatas e arrebatadoras, indo além do que havíamos concebido.

Para Stewart MacWilliam por seus vislumbres e sugestões e para N. J. Bargle, por suas contribuições inspiradoras.

Para Sam Chupp e Phil Brucato pelo encorajamento e pela orientação.

Para as pessoas no Sétimo Céu cuja assistência e ajuda com o Tarô foram incalculáveis.

Para Carla Holalr, Matt Steele e Beth Bostic por compartilhar conosco nossas primeiras façanhas em Narrando com o Tarô.

Obrigado a todos vocês.

Conteúdo

Introdução

4

Capítulo Um: Usando as Cartas

7

Capítulo Dois: Os Arcanos Maiores

18

Capítulo Três: Questionamento

41

Capítulo Quatro: Primordialismo

56

Capítulo

Cinco: Dinâmico

71

Capítulo Seis: Padrão

86

Apêndice: Cartas e Embalagem Coloridos para impressão

101

Introdução

Página 4

A Dança que é tudo Você verá. Terra, ar, fogo, água – e os Arcanos Maiores. Lá está um caminho para todo conhecimento e profecia, quando as cartas e eles são colocados lado a lado.

Charles Williams, Os Arcanos Maiores.

Para aqueles que buscam uma consciência maior de seus lugares no universo, o Tarô é considerado por alguns como a ponte entre a percepção consciente e a sabedoria consciente. O Tarô Mago é um baralho de destino. Dentro do domínio das 78 cartas está uma Trilha do adormecimento ao Avigiar 1 i . Seus símbolos são a sinalização que marca a jornada da alma pelo Mundo das Trevas em direção a um reino de possibilidades maiores.

em direção a um reino de possibilidades maiores. Embora seu simbolismo coincida com muitas formas

Embora seu simbolismo coincida com muitas formas tradicionais de imagens e associações de Tarô, este baralho não é um baralho de iniciação para aspirantes a mágicos; é apenas um item acessório.

Cartas de Tarô, sejam tradicionais ou modernas, não são brinquedos. Embora esperemos que você encontre utilidade para elas como ferramenta para Narrativas excitantes e inspiradoras, o Tarô tradicionalmente funciona como uma ferramenta direcionada ao autoconhecimento. Muitos relatos creditam vislumbres além das percepções “normais” às leituras do Tarô; outros dizem que as cartas simplesmente permitem que você obtenha acesso àquelas partes do subconsciente que ignoramos em nossas vidas diárias. Qualquer que seja a verdade (assumindo que haja apenas uma verdade), não recomendamos o uso de um baralho de jogo para questões da vida real, nem aprovamos o uso de instrumentos por aqueles que não sabem o que estão fazendo.

Acreditando ou não, tenha um pouco de respeito e bom senso. Por favor.

ou não, tenha um pouco de respeito e bom senso. Por favor. Embora os baralhos de

Embora os baralhos de Tarô tenham aparecido pela primeira vez no século XIV, as idéias e símbolos que eles personificam se estendem bem mais ao passado na história, englobando o conhecimento e as filosofias do antigo Egito, da Grécia, da China, e dos primórdios da igreja Romana e dos ensinamentos dos estudiosos do Talmude. As imagens impressionantes do Tarô serviram como meio de comunicação independente das barreiras de linguagem e cultura, para que assim os investigadores das verdades ocultas pudessem compartilhar suas descobertas através de uma compreensão que transcendesse as barreiras culturais.

As cartas de Tarô passaram por muitas permutações através dos séculos. Usadas pelos Ciganos como instrumentos para fazer previsões por toda Europa no final da Idade Média, as cartas atraentes e tentadoras logo se tornaram itens populares nos lares dos nobres. Os franceses transformaram o Tarô em cartas de jogo, descartando os Arcanos Maiores e alterando os naipes de Varas, Copas, Espadas e Pentáculos para os naipes mais familiares de espadas, copas, ouros e paus do baralho moderno de 52 cartas.

Embora alguns estudantes de conhecimento esotérico ainda utilizassem o Tarô como um instrumento mnemônico para preservar as verdades antigas, foi apenas no século XIX que o ressurgimento do interesse nos estudos teosóficos levou a redescoberta das cartas e a uma tentativa de restaurar seu propósito original. Eliphas Levi, Israel Regardie, Helena P. Blavatsky, William Butler Yeats e Aleister Crowley fizeram, todos eles, importantes contribuições ao Tarô moderno. Mas eles eram apenas a primeira onda.

1 Acordar, Despertar. Em comum com o inglês awake, de uma raiz do PIE *weg'vigor', pelo latim vigil,ìlis 'que não dorme, que vigia, que vela, que está alerta, desperto, atento, vigilante'

Página 5

O baralho de Tarô RiderWaite, projetado por Arthur Edward Waite e William Rider e ilustrado por Pámela Coleman

Smith, é, de longe, o mais popular e inspirador dos baralhos de Tarô padrões em uso na modernidade. Nos últimos anos, o interesse no Tarô deu origem a uma ampla variedade de baralhos, reinterpretando os símbolos antigos para adaptá los em paradigmas feministas, holísticos e multiculturais. Em sua maioria, as imagens sobreviveram à translação, sendo um testemunho da flexibilidade subjacente das verdades que as cartas abrangem.

subjacente das verdades que as cartas abrangem. O Tarô Mago é intencionado principalmente para o

O Tarô Mago é intencionado principalmente para o uso com jogos ambientados no Mundo das Trevas. Nosso

propósito não é ensinarlhe como usar o Tarô (você pode aprender isso com qualquer baralho), mas, ao invés disso, fornecerlhe um baralho que reflita a imagética de nosso mundo de fantasia sombria. Vários usos possíveis em jogo

são discutidos posteriormente. Embora tenha inclinação ao Mago: A Ascensão, este baralho pode ser usado com qualquer dos jogos do Sistema Narrativo da White Wolf.

qualquer dos jogos do Sistema Narrativo da White Wolf. Muitos dos símbolos familiares aos aficionados em

Muitos dos símbolos familiares aos aficionados em Tarô podem ser encontrados neste baralho, mas vários foram modernizados ou substituídos por contrapartes mais Punk Góticas. Embora as cartas possam ser usadas em si para leituras, elas se tornam ainda mais significativas quando comparadas a um baralho tradicional como o RiderWaite.

a um baralho tradicional como o Rider ‐ Waite. Cada carta possui alguns significados relacionados a

Cada carta possui alguns significados relacionados a ela tanto para as posições normais quanto invertidas, e cada uma possui um ou mais parágrafos de texto com comentários sobre a carta. Ao contrário dos baralhos mais tradicionais, o parágrafo não descreve a carta e fornece uma interpretação possível; ao invés disso, ele cria um clima ou ilustra uma imagem reflexiva do Mundo das Trevas. Alguns apresentam personagens de vários livros de Mago: A Ascensão. Esses recursos podem fornecer mais referências para o usuário, mas não são essenciais para a compreensão das cartas.

não são essenciais para a compreensão das cartas. Embora sejam análogos aos naipes de Varas, Espadas,

Embora sejam análogos aos naipes de Varas, Espadas, Copas e Pentáculos do Tarô normal, os naipes do Tarô Mago correspondem aos vários tipos de Essências que tingem os Avatares místicos. Cada Essência por sua vez está associada com uma das quatro facções da sociedade dos magos. Desse modo, os naipes possuem as seguintes correspondências:

Naipe (Essência)

Facção

Elemento

Naipe do Tarô

Questionamento i i

Tradições

Fogo

Varas

Primordialismo

Nephand i

Água

Copas

Dinamismo

Maraus 2 ii i

Ar

Espadas

Padrão

Tecnocracia

Terra

Pentáculos

 

Leituras Sugeridas

Livros sobre Tarô são abundantes, às vezes ocupando prateleiras inteiras em livrarias especializadas e de ocultismo. Os títulos a seguir representam uma amostra das várias abordagens sobre o assunto Tarô. Considere isso como um ponto de partida.

indivíduo ladino, cheio de expedientes;

espertalhão 3 Diacronismo: antigo. sacerdote que auxiliava o confessor das freiras da Ordem de São Bernardo Do fr. maraud (c1480) 'pedinte; gatuno', (1580) 'pessoa que não merece consideração', de prov. orig.onom., em alusão

ao ronronar do gato; f.hist. sXVII marao

2 substantivo masculino 1 indivíduo ignóbil, desprezível; patife 2

The Tarot: a Key to the Wisdom of the Ages, por Paul Foster Case. Esse ensaio extensor sobre os Arcanos Maiores fornece detalhes ricos sobre a simbologia dos Trunfos Maiores.

Tarot Lays: Reflective Patterns of the Tarot (Salamander Series 2). Esse panfleto fininho apresenta várias tiragens incomuns na exploração das relações entre as cartas do Tarô.

Tarot for Your Self, por Mary K. Greer. Um guia de fácil utilização (embora um pouco superficial) para o simbolismo básico e o uso do Tarô. Inclui citação dos vários baralhos modernos diferentes assim como dos mais tradicionais.

do Tarô. Inclui citação dos vários baralhos modernos diferentes assim como dos mais tradicionais. Página 6

Capítulo Um: Usando as Cartas

Não cessaremos de explorar

E o final de toda exploração

Será chegar aonde começamos

E conhecermos o lugar pela primeira vez.

T. S. Eliot, “Little Gidding”

Através dos séculos, os baralhos de Tarô se tornaram instrumentos populares para prever o futuro, e em muitos pontos de vista as duas coisas estão intrinsecamente ligadas. Os estudantes de mentalidade séria do Tarô menosprezam o uso das cartas para objetivos tão baixos como a previsão de futuros ascendentes ou em decadência no amor, nos negócios

e em outros assuntos pessoais. Embaralhas aleatoriamente e distribuir os segredos cósmicos contidos nas cartas beira

à blasfêmia. Para esses aficionados, o Tarô é uma chave para desvendar as verdades universais ocultas profundamente no subconsciente. Da mesmíssima maneira, um mago procura dentro de si as definições da realidade que marcam seu progresso rumo à Ascensão.

Os baralhos de Tarô foram feitos para serem usados. Sua própria forma – cartas distintas dispostas numa hierarquia precisa no relacionamento de umas com as outras afirma seu uso em disposições visuais como o melhor método de estudo sobre seu conteúdo. As cartas, como os livros, podem ser lidas. Cada arranjo das cartas revela uma nova percepção dos significados das imagens. Ao se rearranjar as cartas, seja aleatoriamente ou intencionalmente, as próprias bases fundamentais da realidade são reordenadas. O mundo à nossa volta, refletido nas cartas, se torna um lugar muito diferente. Tentar entender o significado desses pedaços de possibilidade reagrupados é o verdadeiro trabalho dos videntes, filósofos, magos e Narradores.

trabalho dos videntes, filósofos, magos e Narradores. As leituras do Tarô normalmente envolvem a colocação

As leituras do Tarô normalmente envolvem a colocação das cartas em arranjos chamados de tiragens. Antes de fazer

uma leitura, uma carta do baralho deve ser escolhida para representar a pessoa ou a questão levada em consideração.

É comum o uso das “Cartas de Corte” dos Arcanos Menores para representar o sujeito da leitura, mas qualquer carta que parecer apropriada pode ser escolhida. Essa carta deve ser removida do baralho antes dele ser embaralhado.

ser removida do baralho antes dele ser embaralhado. A tiragem mais popular do Tarô, chamada de

A tiragem mais popular do Tarô, chamada de a Cruz Celta, consiste de 10 cartas, e se concentra nos passados e futuros

próximos e distantes do alvo da leitura. A maioria dos guias para o Tarô contém instruções para o uso desta tiragem. Embora seja recomendado que o baralho completo seja usado na tiragem de 10 cartas, também é possível usar apenas os Arcanos Maiores para esse propósito.

8Página
8Página

Exemplo:

Página 9

O personagem de Joel é um jovem Verbena chamado Ângelo. Num jogo anterior, Ângelo encontrou outros seres Vígeis

(vampiros, fáos iv 3 e virilobos 4 ) pela primeira vez. Na época, ele achou que precisava cooperar com eles para cumprir sua missão, mas desde então se questiona se agiu corretamente e o que deveria fazer no futuro. Sua pergunta é

“Como eu procedo ao lidar com outros seres Vígeis 5 v , especialmente quando às vezes possamos nos estranhar?” O Narrador, no papel do mentor de Ângelo, Crispin, chefe de sua Chantria, faz uma leitura para ele.

A carta inicial, que não é contada com o resto, é colocada no centro da tiragem. Essa, assim chamada, carta do

consulente representa o investigador que faz a pergunta. que ele é um mago Tradicional jovem, Ângelo escolhe o Pajem de Questionamento para representálo.

A primeira carta é colocada em cima da carta do consulente; essa cobre o investigador e representa as forças que

estão em andamento na vida no consulente. A carta é O Enforcado . Crispin diz a Ângelo, “Você está diante de uma situação que potencialmente poderia arruinar todas as suas concepções prévias. Você está dependurado num momento de escolha, para aceitar ou rejeitar as possibilidades apresentadas a você.”

A segunda carta é colocada transversalmente à do consulente e cobre as cartas, formando uma cruz. Esta carta, O

Mago, representa conflito. Crispin declara, “O Mágico é a vontade. Essa vontade, que o torna um mago, e que insiste em moldar a realidade à sua visão, pode representar um obstáculo tanto para você quanto para as criaturas cuja existência você descobriu.”

3 A palavra "faerie" vem de Fata, o nome da deusa romana do fado (destino). A palavra "fey" vem de uma palavra do Inglês Médio que significa "fadado a morrer". A humanidade vê, nas "fae", um fim desagradável e possivelmente inevitável. Fada vem da mesma origem que fae: lat. fáta,ae 'a deusa do destino, Parca'; ver fa ; E não há um termo coletivo formado como o inglês faerie, que seria fadária(o), embora exista o adjetivo feérico: fr. féerique (1828) 'de ou relativo ao mundo das fadas', der. do fr. fée (1140) 'fada', do lat. fáta,ae 'parca, fada', der. de fátum,í 'predição, destino'

Faerie vem do Inglês Médio faierie, fairie fairyland, fairy people, encanto, do Francês Antigo faerie, faierie, de fee, feie, fayee feérico (do Latim Fata deusa do fado, de fatum fado (destino)) + erie em inglês –ery. E o elemento de composição que é comum às três línguas (Português, Francês e Inglês) é o fa , raiz da palavra fado e do verbo falar:

antepositivo, do v.lat. for,fáris,fátus sum,fári (dep.) 'falar, ter a faculdade e o uso da fala, dizer, explicar, confessar, declarar', donde uns quantos der. em lat. como infans,ántis 'que não fala; que tem pouca idade, infantil', fátum,í 'predição, vaticínio, profecia, oráculo', fandus 'que pode ser dito' (e seus antônimos nefandus e infandus, donde nefandurìus 'que é relativo ao que não pode ser dito'), fábùla,ae 'conversação, objeto de conversação, relato'; fáma,ae 'o que se diz de alguém, renome, reputação boa ou má' (donde fámósus, o v. infámo,as, o adj. infámis,e, o subst. infámìa, bem como o v. diffámo,as); por fim, os cultismos lat. raros fámìger e o v. fámigèro,as e fámigerátor

O elemento de composição ery vem do Inglês Médio erie, do Francês Antigo ier (em inglês er) + ie (em inglês y) e

indica: qualidades coletivamente; arte, prática, comércio; lugar de atividade, armazenagem, criação, vendas (da coisa

especificada); coleção; estado, condição. O que corresponde ao elemento de composição –aria do português: remontá

lo a duas fontes, ia (ver) e eiro (ver), donde resultaram eria e este aria, sendo que eria tanto pode ter tido form.

port. interna (à analogia e, por vezes, influência do esp.ería e fr. erie), como pode ter sido desde o início concorrente de aria pelas influências referidas; o suf. assim formado preservava a quase total integridade da pal. derivante (razão por que sua identificação sincrônica é fácil e sua fecundidade óbvia ao usuário), criava substantivos de nomes (por sua vez, substantivos e/ou adjetivos) e, por vezes, de verbos, tendo tido, inicialmente, conexão entre agente e ação (cavaleiro:cavalaria, oleiro:olaria, chapeleiro:chapelaria); breve, essa relação se estendia para a noção de coleção ou conjunto (possibilitada pelo resultado do agente sobre a ação). Pegando se as raízes teríamos como relativos à palavra fae e fey as palavras e fáo; e para faerie a palavra fário, como substantivo para o grupo ou adjetivo de “relativo aos fáos”. Bibliografia: Houaiss, MerriamWebster, Ultralingua Latin EnglishLatin Dictionary, . Tudo em versão digital.

4 Embora “licantropo” siga melhor a origem da palavra inglesa werewolf , em inglês existe a palavra lycanthropy, que seria então traduzida como licantropia. Outra forma de reconstrução é pelo latim, com os elementos vir(i) “homem” e lob(o) , lup(i) ou lupin(i) “lobo”. Como ambos são antepositivos, tanto faz a escolha de quem será primeiro, assim sendo, fica mais interessante utilizar o termo vir(i) antes, que a reconstrução ficará mais parecida com o original werewolf. Escolhi então a forma virilobo(a).

5 Singular vígil, que está desperto, acordado

A carta seguinte é colocada abaixo das cruzadas. É Gaia, invertida. “Isto forma a base ou o passado próximo,” diz ele. “Indica que você teve uma compreensão básica do mundo ao seu redor.”

A quarta carta, o Seis de Primordialismo, é colocada acima das cruzadas. “Esta coroa você,” anuncia Crispin.

“Representa seu futuro imediato e significa um fim a um antigo modo de pensar. A natureza primordial do naipe indica que você deve buscar sua resposta nas profundezas de suas paixões, de seus instintos e de sua mente inconsciente.”

O Folião é colocado à direita das cartas cruzadas. “Esta é o passado recente. Se refere às coisas que recém aconteceram. É uma carta de possibilidade que já foi traduzida em ação. Você se arriscou recentemente. A posição dela em relação à carta do consulente indica que você, o Folião Cósmico que você é, recém deu esse passo que está indicado na posição da figura.”

A sexta carta, a Ginearca do Dinamismo, está posicionada à esquerda das cruzadas. “Este é o seu futuro distante. Com exceção da carta final da tiragem, esta é provavelmente o indicador mais importante da tiragem. Você manterá uma mente aberta em incursões contínuas com criaturas Despertas. A associação Dinâmica do naipe significa que o seu

futuro estará sujeito a uma mudança imprevisível. Pode ser que uma pessoa específica, um mentor ou um vidente, talvez uma mulher, ou até mesmo um Marau, abrirá seus olhos.”

“A carta seguinte é suas preocupações interiores, seus medos e preocupações. Ela forma a base de uma fileira de quatro cartas que se erguerão ao lado Do Fáo. É o Três de Questionamento. Isto indica que suas preocupações mais profundas são de que você de alguma maneira comprometa seu objetivo, que esses seres Vígeis possam afastá lo do seu caminho para a Ascensão.”

“A seguir temos as influências externas, amigos e sociedade. A carta é colocada acima da anterior. Este é o Cavaleiro de Primordialismo, invertido. Muitas pessoas enxergarão você como alguém dissimulado. Seus colegas magos podem pensar que você age contra eles ao fazer negócios com outras criaturas Despertas.”

A nona carta vai acima do Cavaleiro Primordial: O Eremita, invertido. “Isto revela as suas esperanças e seus ideais, o que você quer obter com tudo isso. Parece que o que você quer é não guiar, mas ser guiado. Você espera permanecer num estado imaturo, infantil, que não você não terá que assumir a responsabilidade por forjar uma nova trilha.”

“Finalmente, chegamos ao resultado total da leitura.” Ele coloca a carta final sobre o Eremita. “É Luna, e indica um encontro com seu subconsciente. Sua trilha está em seguir o chamado de sua natureza interior, de ouvir a voz do de seu Avatar. Faça o que achar que é o correto.”

de seu Avatar. Faça o que achar que é o correto.” Outra tiragem possível envolve a

Outra tiragem possível envolve a colocação de um número pré determinado de cartas em círculo ao redor de uma carta central. Um círculo de 12 cartas poderia ser usado para sugerir um curso de ação ou um estado mental que cobrirá o espaço de um ano, enquanto que um círculo de sete cartas poderia indicar uma semana.

Exemplo:

As cartas são arranjadas num círculo ao redor da carta do consulente. Crispin escolhe o Genearca de Questionamento para representarse, que ele lidera a Chantria. Ele coloca sete cartas (para representar uma semana) com a face para baixo e começa pela carta superior direita para o Domingo.

Página 11

Página 11 Em ordem, a s cartas são: Domingo A Tor re, invertida Segunda O Qu

Em ordem, a s cartas são:

Domingo

A

Tor re, invertida

Segunda

O

Qu tro de Quest ionamento

Terça

A

Gin earca de Que s tionamento

Quarta

O

Trê s de Padrão

Quinta

O

Seis de Dinamis m o, invertido

Sexta

O

Doi s de Padrão, i nvertido

Sábado

O

No v e de Padrão

Página 12

De carta em carta a interp retação seg u e desta man e ira: A Torre i n dica uma cri s e de desuniã o que potenc ialmente afeta a Cha n tria toda. O Q uatro signifi ca que a crise pode durar p ouco, ou que há um motiv o para come m orar, apesar da crise. A G inearca indic a que uma ati tude é toma d a; talvez em resposta à cri s e, e pode até envolver a e strutura física da própria C hantria. A bu s ca por uma s olução é feita no mundo m aterial. O S ei s invertido fa la de uma jor n ada além das fronteir a s do mundo f ísico, talvez p ela necessida de de desloca r algum aspe cto da Chant r ia, e dos obst áculos ou atrasos que o correm enq u anto se tenta resolver os p roblemas. O Dois invertido indica uma p possibilidade real de fracasso à m edida que a s ituação fica m enos clara. F inalmente, co ntudo, o Nov e indica a po s sibilidade de restabelecim ento da orde m, inclusive o btendo algu m material da dificuldade a n terior. Resu mindo, isso an uncia uma semana de c onflitos com a possibilidad e de fracasso , mas com u m a chance de s ucesso no fin al.

Isso poderia ser transform ado em uma história que c oloca de alg u ma maneira a Chantria e m perigo e faz com que os personagens precisem des cobrir uma m aneira criativ a para salvá la.

des cobrir uma m aneira criati v a para salvá ‐ la. Tiragens lin e ares

Tiragens lin e ares são útei s para determ inar os curso s de ação a lo ngo prazo ou as influência s progressiva s que afetam

o indivíduo n um período d e tempo. Nu ma tiragem li near, as carta s são arranja d as em linha reta. Cada ca r ta retirada é

usada para e sclarecer ou p ara comenta r a carta ant e rior. A leitur a pode contin u ar até que t a nto o requer ente quanto

o consulente sentirem qu e uma respost a satisfatória foi obtida, o u até que nen huma elabora ção posterio pareça esta r

saindo. Norm almente, as cartas coloca das à esquerd a ou acima d a carta do in d ivíduo signifi cam os event os futuros, enquanto qu e aquelas col o cadas à dire ita ou abaixo se referem a o s eventos no passado.

Numa varia ç ão deste mét odo, a tirage m de três cart as, divide o si gnificado da l eitura em co r po, mente e e spírito. Isto normalment e envolve o c o rte das carta s em três mo ntes e a escol h a de uma ca rta de cada u m deles para s e colocar numa linha s eguindo da e squerda para a direita. A p rimeira carta representa a l guma coisa t anto sobre o a specto físico do indivíduo ou sobre seu passado; a se gunda defin e a mente, ou o estado atu a l das coisas; a terceira sug ere seu espírito, ou a s ambições e planos futuro s.

Essas tirage n s são boas p a ra dar suges tões para no v os personag e ns. Ao aplica r o significad o da carta a al gum aspecto da vida, da A rte ou da pe r sonalidade d a personage m , um jogado r ou Narrador pode reunir a s pistas que a moldem.

jogado r ou Narrador pode reunir a s pistas que a moldem. Exemplo: A personage m

Exemplo:

A personage m de Carla, M ika, é uma jo vem Adepta d a Virtualida d e, que se tor n ou fascinad a por várias te cnologias

novas. Cont u do, ela teme que ela possa ser vítima d e propostas se dutoras da T e cnocracia vis to que ela no rmalmente confia dema is em outros a mantes da c o mputação. E la faz uma le i tura para ver se isso é pro v ável.

Página 13

Ela tira quatro cartas e acha que obteve a resposta que procurava. As cartas são colocadas da direita para a esquerda, indicando que ela quer uma visão sobre o futuro; se ela estivesse interessada nos eventos passados, ela colocaria as cartas da esquerda para a direita.

Em ordem, as cartas são: O Três de Padrão, o Cinco de Primordialismo, Força e O Diabo, invertido.

Esta leitura indica que o potencial para flerte com a Tecnocracia definitivamente existe, e seus contatos com eles tocarão em suas vulnerabilidades à medida que ela espera que possa ganhar alguma coisa com eles. Ela terá que confrontar seu algoz ou antítese, e precisará se apoiar em seus próprios recursos interiores para superar o desafio. O resultado final será algum tipo de experiência libertadora, ou talvez uma passagem para fora de um estado de pré concepções auto impostas.

um estado de pré ‐ concepções auto ‐ impostas. Estas cartas podem ser usadas de diversas

Estas cartas podem ser usadas de diversas maneiras para aprimorar seu jogo. Alguns desses são de maior uso para o Narrador, mas muitos são úteis para jogadores também.

mas muitos são úteis para jogadores também. Estas cartas podem ser usadas para auxiliar na

Estas cartas podem ser usadas para auxiliar na criação de personagem. Os Jogadores ou Narradores podem retirar uma carta aleatoriamente do baralho e usar o texto, os significados ou a imagem para sugerir uma idéia para o personagem. Qualquer coisa desde sua aparência ao seu conceito, Antecedentes, Esferas mágicas, Qualidades e Defeitos, sua Trilha para Ascensão, suas habilidades ou até mesmo seu destino provável podem ser construídos ao se basear em algo encontrado na carta. Quaisquer das tiragens divinatórias acima podem ser usadas para criação de personagem, embora uma tiragem linear de três cartas normalmente funcione melhor.

Exemplos:

Jim quer um personagem interessante, um com passado. Ele tira aleatoriamente o Cavaleiro do Dinamismo e obtém

as seguintes idéias a partir de seu significado e de sua imagem: O personagem é um jovem mago com uma essência

Dinâmica. Ele possui cabelo castanho escuro e olhos escuros (associados com seu naipe), e vem de uma família rica (as fábricas mostradas na carta). Ele foi um mago muito poderoso, mas é muito impulsivo (significado da carta). Uma

vez, ele realizou um efeito altamente vulgar na frente de Adormecidos. Quando um Espírito do Paradoxo o confrontou, ele entrou num longo Silêncio. Recentemente, ele recuperou sua sanidade e retornou para o mundo mundano; contudo, a maior parte de suas memórias prévias, incluindo seu conhecimento sobre magia, foi perdida. Ele voltou para a estaca zero e deve recomeçar novamente. Contudo, velhos amigos e inimigos podem muito bem se lembrar dele, tornando sua vida nova interessante. Embora ele seja corajoso, ele possui uma natureza tempestuosa. Seus Defeitos incluem Impulsividade e Amnésia. Ele pode ser bom com armas.

A Narradora Wendy quer criar um personagem do grupo para que ela controle; ela não quer que este “figurante” ofusque os magos de seus jogadores, então ela decide deixar o conceito do personagem ao acaso. Uma tiragem linear de trêscartas resulta no seguinte: A Estrela, o Sete de Questionamento , e o Pajem de Primordialismo, invertido. Dessas cartas, ela obtém as seguintes idéias:

A tiragem sugere uma personagem feminina duas cartas possuem mulheres como imagens dominantes; e a terceira

contém um ventre, embora corrompido. A carta do corpo, Estrela, significa vitalidade, carisma, criatividade e introspecção. A nova acólita de Wendy (ela não quer que a personagem seja uma maga ela deixará isso para os jogadores!) é jovem, magnética, entusiasmada e provavelmente muito atraente e em forma fisicamente. Contudo, ela possui um passado muito estranho esta carta possui outra essência sobrenatural em si. O Sete de Questionamento carrega a imagem de Brisa do Outono; essa carta sugere coragem e valor. Wendy decide tornar sua acólita uma artista marcial, avançada o bastante para se virar sozinha num combate violento. A coifa nefasta do embrião do Pajem lança uma sombra sobre a personagem; mesmo invertida, é uma carta assustadora. O significado indica

Página 14

traição, men tiras e um po s sível deslize e m algum po n to do camin h o. Um Nepha ndus pode o u não estar e nvolvido, mas alguma cois a no futuro d e sta acólita e n volverá tenta ção ou traiçã o.

Seguindo se u s instintos, W endy batiza s ua nova pers onagem de C assandra. Os jogadores de vem ser avisa dos para ficarem de o lho nela. Clar o, essa suspe i ta pode muit o levar Cassa dra a se ress entir com a c a bala pela de s confiança deles, e esse ressentimen t o pode levá l a a tra ílos m a is tarde

t o pode levá ‐ l a a tra í ‐ los m a is tarde
t o pode levá ‐ l a a tra í ‐ los m a is tarde

A ssim como uma carta po de ajudar a e s clarecer um conceito de p e rsonagem, e la também p ode fornecer i nspiração para uma p e rsonalidade i n stantânea d e personage m não j ogado r . Se você pre cisa de um co n tato da Tecn ocracia, por exemplo, sim plesmente p e gue o naipe do Padrão e e scolha uma c a rta. Natural mente, você t ambém pode optar por usar qualque r outra carta que consider e mais aprop riada, ou deix a r que o acas o dê uma o e pegar um a carta ao acaso. Você p ode até ign o rar totalmen t e a imagem e o naipe, esc o lhendo, ao i n vés disso, se concentrar n o significado da carta ou n o clima cria d o pelo texto.

Exemplo:

We ndy precisa d e outro PNJ p a ra temperar seu jogo. Ela pega uma ca rta ao acaso e obtém o S et e de Pri mordialismo. Isso sugere u m Nephandus , tanto mascu lino quanto f eminino, que é uma figura um tanto so m bria, mas qu e aparece de t empos em te mpos para te ntar os perso nagens com p romessas, riq uezas, fav o res, prazeres sexuais ou c o nhecimento, tudo na espe rança de corr ompê los e d e recrutá los p ara os Ne p hand i.

Mais tarde, e la precisa de um agente d a Tecnocraci a e procura p o r uma idéia n o naipe de Pa drão. Ela esc o lhe o Seis para ser a b a se de seu ag e nte; ele é u m jovem filant rópico e atenc ioso, que acr e dita seriam e nte que as M a ssas precisam da proteção e d a orientação da Tecnocraci a . Ele é um ca valheiro loiro , numa roup a escura feita s ob medida, que trabalha com uma in s tituição ben e ficente nas p e riferias leva n do ajuda aos pobres. Wen d y o chama d e Irmão Joshua. Os p e rsonagens p o dem confun dilo com um mago do Cor o Celestial – e le está certam ente distant e do Tecnomante estereotipad o !

certam ente distant e do Tecnomante estereotipad o ! Você pode u s ar as cartas

Você pode u s ar as cartas p ara sugerir r oteiros e subt ramas, seja a o t irar cartas únicas e con s iderar suas i magens e significados, ou colocand o num padrão e adivinhan d o um rumo p a ra o seu rote iro. Se as ima gens, símbolo s e significados n ão forem o q ue você dese j a, tente pens ar nas cartas em termos d e números e n aipes. Se voc ê tirar o Quatro de D inamismo, p o r exemplo, vo cê pode con s iderar tanto usar o person a gem ilustra d o, usar o nú m ero quatro,

relacionar com Maraus ou enfatizar um roteiro que lide com o ar. Qualquer um ou todos esses elementos podem estar minados de pepitas de idéias para histórias.

Exemplo:

Para exemplos de roteiros mais elaborados, veja as tiragens linear e circular fornecidas acima. Utilizando uma carta única tirada ao acaso para sugerir tramas e subtramas para si, o Narrador pega o Pajem de Padrão. Desenvolvimentos possíveis sugeridos por esta carta incluem:

Os personagens encontram e interagem com uma Tecnomante mulher. Ela pode ser uma Engenheira do Vácuo, possivelmente até Karen Brewster (veja Null B no The Book of Chantries).

Uma mulher que os personagens encontram os apresenta a um novo Reino ou os manipula a entrarem em Null B ou em algum tipo de Constructo da Tecnocracia, onde eles são capturados.

Os personagens são colocados numa posição que os permite ajudar a resgatar uma Engenheira do Vácuo infeliz e fugir com ela para o espaço.

Essas são as idéias mais óbvias. Outras podem líder com o globo em suas mãos. Poderia ser alguma estranha e nova arma Tecnocrática? Um dispositivo de vigilância? Um Reino Umbral aprisionado no cristal e trazido para a Terra? E quanto ao meteoro? É mesmo apenas uma estrela cadente, ou os Maraus vieram para cá? Permita que sua imaginação flua sem controle.

cá? Permita que sua imaginação flua sem controle. Da mesma forma, as cartas podem fornecer inspirações

Da mesma forma, as cartas podem fornecer inspirações instantâneas para lidar com desenvolvimentos instantâneos na história. Elas podem sugerir lugares aonde os personagens podem ir, ou uma pessoa que os personagens encontram ou informações sobre um item que eles obtiveram. Isto pode levar a crônica para um rumo totalmente novo ou permitir um breve interlúdio, e depois um retorno à trama principal.

Exemplo:

Você pensou que, com certeza, eles roubariam a limusine que estava estacionada no meio fio. Eles não fizeram isso, e agora estão presos num beco enfrentando seis NA Miras vi . No alto, uma equipe da Tecnocracia aguarda em seu helicóptero para ver se os NA Miras darão conta do recado. A cena toda está virando o maior fiasco. O que você faz? Você invoca o inesperado. Uma carta tirada revela o Cinco de Padrão.

O cenário óbvio sugerido pela carta é transformar isso numa cena de captura. Por alguma razão, os Tecnocratas querem os personagens vivos. Na custódia, eles podem aprender algo importante ou conhecer um personagem não jogador útil. Eles sempre podem tentar escapar.

Outra interpretação poderia ser a de que alguém muito poderoso está protegendo a retaguarda deles; esse alguém fará uma manobra para ajudá los quando tudo parecer perdido. Mas pode, contudo, exigir algum serviço em troca.

Mas pode, contudo, exigir algum serviço em troca. Deixe as cartas fornecerem ‐ lhe idéias para

Deixe